Você está na página 1de 7

CONFRONTANDO AS MOTIVAÇÕES

Introdução - Quero chamar sua atenção para um texto muito conhecido que está em

Habacuque 3.17-18 - ˜Porque ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide;

ainda que decepcione o produto da oliveira, e os campos não produzam mantimento;

ainda que as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja gado;

Todavia eu me alegrarei no Senhor; exultarei no Deus da minha salvação.˜ Permita-me

parafrasear este texto: Ainda que minhas orações nao sejam respondidas, que a minha

familia nao seja salva, que o ministério nao prospere, que o meu milagre nao aconteça,

que eu perca a causa na justica, que eu perca o emprego, que eu seja injustiçado, que eu

perca minha liderança, ainda que nada fique bem - ainda assim eu darei graças ao

Senhor e louvarei a Deus, o meu salvador.

Voce deve estar assustado, se perguntando: quem é que pode fazer uma oracao dessas?

Depois de tanto fracasso, de tantas perdas é possível ainda assim dar graças a Deus?

Sim. É possível. Desde que sejam correctas as motivações. E é por isso que vamos falar

esta noite sobre a necessidade de confrontar as motivações. E este confronto das

motivações começa com algumas questões bastante pertinentes - 1) Porque estou aqui

afinal? e 2) Porque estou fazendo isso?

Transição - é preciso confrontar mesmo as motivações? porque nao deixar do jeito que

está? permita-me antes de iniciar a abordagem propriamente dita dizer que um dia

seremos julgados a partir das nossas motivações. Paulo fala de um tribunal onde a obra

de cada um passará pelo fogo - o que for de palha já era, o que for de ouro vai

permanecer. “A obra de cada um se manifestará; na verdade o dia a declarará, porque

pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um. Se a obra que

alguém edificou nessa parte permanecer, esse receberá galardão.” I Cor 3.13-14
As vezes pensamos que a qualidade dessas obras está imediatamente associada ao

numero, a quantidade, ao sucesso. Pensamos então que a obra de ouro é aquele pastor

que conseguiu arrebanhar 3, 5, 10 mil pessoas. Já a obra de palha é aquele pastor que

durante toda sua caminhada pastoreou uma pequena de congregação. Nao é disso que o

texto está falando. É ate possível que aquele que arrebanhou multidões tenha feito pelas

motivações erradas e o simples pastor de uma pequena congregação exerceu seu

ministério pelas motivações correctas. Tiago em sua carta no cap. 4.3 - fala também do

perigo das motivações incorrectas - Pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para o

gastardes em vossos deleites.

Sao elas que impedem muitas vezes nossas orações. Por isso precisamos neste check-

up avaliar de forma introspectiva se nossas motivações são correctas ou nao.

Transição - Falar de motivação é falar daquilo que me impulsiona, que me anima a fazer

algo. Quero iniciar esta abordagem apresentando alguns exemplos de motivações

incorrectas mas que são na maioria das vezes aquilo que está por tras de todo nosso

ativismo -

I. MOTIVAÇÕES INCORRECTAS

1. Alguns são motivados pelo “FAZER” -

- Nossa definição de igreja hoje está de certa forma atrelada aquilo que ela faz - Uma boa

igreja é aquela que oferece no seu cardápio variadas programações na sua grande

maioria bastante criativas. Para ser relevante hoje a igreja precisa fazer e isto acabando

se tornando um ciclo vicioso e bastante danoso, visto que enquanto igreja temos que

fazer algo, hoje, amanha e depois de amanha. Encerro uma programação hoje e ja

estou pensando na próxima, afinal temos que fazer e fazer.....

- É claro que o fazer tem o seu lugar na comunidade da fé, afinal o fazer fala da nossa

marcha como igreja. Mas a pergunta que levanto neste momento é - quando Deus olha

para a sua igreja o que ele busca em primeiro lugar? Para responder esta questão
permita-me citar aqui o catecismo maior de Westminster - os catecismos e a confissão

de Westminster são o esboço da teologia reformada. A primeira pergunta deste

catecismo é - 1. Qual é o fim supremo e principal do homem? Resposta. O fim supremo

e principal do homem e glorificar a Deus e gozá-lo para sempre. Rom. 11:36; 1 Cor.

10:31; Sal. 73:24-26; João 17:22-24. O que vemos aqui? Que Deus criou o homem para

um relacionamento. Neste relacionamento o homem glorifica a Deus e se sente

plenamente satisfeito em Deus. E permita-me destacar isso - Satisfação. Onde está a

sua satisfação? Se voce só se sente plenamente satisfeito fazendo alguma coisa, então

voce é uma pessoa motivada pelo fazer. Recentemente li algo que me chamou bastante

atenção - Nao permita que sua alegria dependa das pregações porque chegará o dia em

que nao poderá mais pregar. Encontre sua alegria em Deus, pois ele estará com voce

até o fim.

- Para tornar tudo o que estou falando mais pratico deixe-me fazer uma pergunta - Qual o

tempo que voce dedica no dia para estar a sós com Deus num período de devocional?

Voce tem um devocional diário? Se voce diz que nao tem tempo, então com certeza

voce esta sendo motivado pelo fazer, a ponto de nao ter tempo para um relacionamento

mais intimo com Deus.

2. Outros são motivados pelo sucesso

- Permita-me fazer uma confissão - Regularmente eu pergunto a mim mesmo, porque

quero uma grande igreja, uma multidão de discipulos? E porque faço esta pergunta?

Porque entendo que posso cair numa terrível armadilha, a armadilha do sucesso.

- Ser um pastor de sucesso hoje é - estar na midia, ser convidado para grandes eventos,

ter uma igreja com mais 3000 pessoas, ter todos os recursos necessários para um

ministério de excelência.

- Preste bastante atenção - nao estou dizendo de forma alguma que isso nao significa

coisa nenhuma, que crescimento nao é coisa de Deus. Nao estou falando isso de forma
alguma. O que estou dizendo é - se o sucesso é a mola propulsora do meu ministério

alguma coisa está errada.

- A motivação correcta por sinal nos leva a reavaliarmos o que é sucesso. Penso por

exemplo no profeta Isaias. A biblia diz que ele recebeu um chamado bastante inusitado -

Pregar para endurecimento de corações. Isso mesmo. Isaias foi chamado sabendo que

ninguém responderia a sua pregação. Ou seja, Isaias foi chamado para o fracasso do

ponto de vista humano. Do ponto de vista de Deus sucesso é estar no centro da sua

vontade.

- Se o sucesso é a nossa motivação então nao somos em nada diferente de Simão, o

magico - Atos 8.20 - “Mas disse-lhe Pedro: O teu dinheiro seja contigo para perdição,

pois cuidaste que o dom de Deus se alcança por dinheiro.” Lembra dele? Ele chegou a

oferecer dinheiro pela unção. Nao é assim que muitos agem hoje - a nova unção, a nova

técnica, a nova estratégia. O que está por trás de tudo isso - sucesso, sucesso e mais

sucesso.

3. Medo

- Voce sabia que muitas pessoas frequentam as igrejas simplesmente porque tem medo

do inferno?

- Uma espiritualidade edificada sobre o medo - medo de ir pro inferno, medo de parar num

hospital, medo da mão de Deus, é sim uma espiritualidade enferma.

- Lembram da resposta do catecismo? Deus nos fez para um relacionamento com ele e

eu acredito que o medo nao faz parte deste esquema. Preste atenção - estou falando de

medo e nao de temor.

- E quando penso nisso, logo me vem a mente o relato da transfiguração. Os discipulos

caem no chão com medo e Jesus chega perto e diz - Levantem-se, nao tenham medo.

- Fico as vezes pensando - e se Deus decidisse abolir o inferno. Se Deus assinasse

respaldasse da corrente do universalismo que diz no final todos serão salvos, será que
as igrejas permaneceriam cheias? Realmente estamos diante de uma motivação

extremamente equivocada.

- Quando as pessoas entregam a vida a Deus em troca de um salvo conduto para se livrar

do inferno, geralmente nao há mudança de direcao, um sinal claro de arrependimento.

Se voce só quer uma pequena porção de Jesus para espiritualizar sua vida ou um pouco

mais de Deus para nao correr risco de ir para o inferno, então esta perdendo a plenitude

da vida para a qual fomos criados.

Transição- Quero agora chamar sua atenção para quais seriam as motivações correctas

II. MOTIVAÇÕES CORRECTAS

1. “Ser”

- A primeira motivação que deve permear nossa caminhada enquanto igreja deve ser o

“Ser”. Como igreja fomos enviados ao mundo com o fim de sermos sal e luz. A igreja

precisa ser a diferença e só depois fazer a diferença.

- O que acontece quando substituímos o ser pelo fazer: desprezamos o carater em nome

de um nome de relativismo, exaltamos o discurso e esquecemos a pratica, contribuímos

para que a igreja continue a ser essa terrível contradição - pregando uma coisa e

vivendo outra.

- Um exemplo clássico disso nas escrituras é a igreja de Corinto - falavam muito, viviam

pouco, tão pouco a ponto de Paulo chama-los de carnais.

- Se voce esta mais preocupado com os dons do que com o fruto do Espirito, então com

certeza a sua motivação é o fazer. Dons tem a ver com o que faço, Fruto tem a ver com

o que sou.

2. Amar

- A segunda motivação que deve permear tudo aquilo que fazemos é o amor.
- Estou nessa igreja porque? A resposta pragmática diz - porque aqui tem uma ótima

pregação, porque aqui tenho amigos, porque a igreja tem uma central de ar, porque a

musica é agradável. Pois bem, o que acontece então quando aparece um pregador que

prega melhor? o que acontece então quando aparece uma igreja que alem de central de

ar tem poltronas? o que acontece então quando aparece uma igreja que tem um

ministério de louvor na midia? Com certeza alguém vai sair, porque a motivação nao é o

amor.

- O amor me leve a continuar mesmo quando nao tenho mais razoes para permanecer. O

amor me leve a sacrificar preferencias pessoais.

- Algo que chama atenção em I Corintios. No cap. 12 Paulo fala dos dons e com certeza

muitos ficam entusiasmados, é ai que Paulo dá uma pausa no seu discurso e passa falar

então do amor como algo muito mais excelente. Ele chega a dizer - mesmo falando a

língua dos homens e dos anjos, sem a motivação certa que é o amor, então nada feito

- A motivação do amor nos remete imediatamente para a terceira motivação correra -

3. Servir

- Jesus confrontou duramente os discipulos quando eles discutiam quem seria o primeiro

no reino dos céus. Veja a motivação errada do discipulos - quem vai sentar na

cabeceira? Quem vai ser chamado para sentar na frente? Jesus joga uma bomba no

meio dos discipulos ao afirmar - quem quiser ser o maior, que seja o menor, que seja o

servo.

- Afinal, voce faz na igreja para ser visto pelo seu pastor? Para ser promovido a uma

posição?

- Pense nisso. Se voce soubesse que nunca seria promovido a coisa nenhuma na igreja,

voce ainda assim continuaria fazendo o que faz hoje? O servo, simplesmente servo só

quer servir, nada mais


Conclusão - aqui encerro esta palavra chamando mais uma vez sua atenção para Hc

3.18 - Todavia eu me alegrarei no Senhor; exultarei no Deus da minha salvação.

Motivações correctas corrigem o conceito que temos de Deus. Habacuque faz aqui uma

belíssima declaração de fé - Para Habacuque Deus é primeiramente o seu Senhor e

depois o seu Salvador. O evangelho pregado hoje apresenta apenas um lado da moeda -

ate mesmo nossos apelos denunciam isso - quem quer receber Jesus como salvador da

sua vida. E o senhorio? Como falamos acima, queremos apenas nos livrar do inferno?

Veja como as motivações tem um peso enorme na nossa caminhada. Por isso hoje é dia

de avaliar e se for difícil demais - peça ao Espirito Santo que sonde o seu coração. Afinal,

Ele pesa as motivações do coração!

Interesses relacionados