Você está na página 1de 22

Engenharia Eléctrica

Trabalho de Produção de Energia Eléctrica II


3o Ano – 5o Semestre
4o Grupo

Centrais Nucleares

Discentes: Docente:
Alex Chaquibo M. O. Aboo Eng.o Maxcêncio Tamele
Armando J. Vilar Devete
Cristóvão Salomão Sumbane
Malique Edson Malique

Songo, Maio de 2018


Engenharia Eléctrica

Trabalho de Produção de Energia Eléctrica II

3o Ano – 5o Semestre

Centrais Nucleares

Discentes: Docente:

Alex Chaquibo M. O. Aboo Eng.o Maxcêncio Tamele

Armando J. Vilar Devete

Cristóvão Salomão Sumbane

Malique Edson Malique

Trabalho elaborado pelos estudantes do


curso de Engenharia Eléctrica do
Instituto Superior Politécnico de Songo
no âmbito da disciplina de Produção de
Energia Eléctrica II para fins de
avaliação.

Songo, Maio de 2018


Índice

1.Introdução ............................................................................................................................... 1
2.Objectivos ............................................................................................................................... 2
2.1.Objectivo Geral ................................................................................................................ 2
2.2.Objectivo Específico ........................................................................................................ 2
3.Historial................................................................................................................................... 3
4. Centrais Termoeléctricas ....................................................................................................... 4
4.1. Energia Nuclear ............................................................................................................... 4
4.2. Combustível nuclear ........................................................................................................ 5
4.3. Enriquecimento de Urânio .............................................................................................. 5
4.3.1. Fissão Nuclear .......................................................................................................... 5
4.3.2. Fusão nuclear ............................................................................................................ 6
5. Central nuclear ....................................................................................................................... 7
5.1. Operação de uma central de energia nuclear ................................................................... 7
5.2. Composição de uma Central Nuclear .............................................................................. 7
5.3. Tipos de reactores nucleares utilizados em centrais nucleares ....................................... 9
5.3.1. Reactor de água pressurizada (PWR) ....................................................................... 9
5.3.2. Reactor de água fervente (BWR)............................................................................ 10
5.4. Operação de turbinas em centrais nucleares ................................................................. 10
5.5. Princípio de funcionamento da central nuclear ............................................................. 11
5.6. Arranjo esquemático de uma central nuclear ................................................................ 12
5.7.Critérios a serem considerados na implantação de uma Central Nuclear ...................... 13
5.8. Maiores produtores de urânio do mundo....................................................................... 14
5.9. Centrais nucleares no mundo ........................................................................................ 15
5.9.1.As duas maiores centrais nucleares do mundo ............................................................ 15
5.10. Maiores acidentes da história em centrais nucleares ................................................... 16
5.11.Vantagens e desvantagens das centrais nucleares ........................................................ 17
6. Conclusão ......................................................................................................................... 18
7. Bibliografia .......................................................................................................................... 19
Centrais Nucleares - 2018

1.Introdução
A humanidade esteve sempre à procura de fontes de energia para obter maior conforto,
melhores condições de vida e formas mais eficientes de produção. No princípio, utilizava a
energia produzida pelo próprio corpo, depois dos animais, térmica, entre outros. Até a
transformação desses tipos de energia em energia eléctrica, que hoje movimenta as indústrias
e o nosso quotidiano.

No século XX, a energia nuclear passou a integrar as fontes de energias primárias, inicialmente
com propósitos militares e depois, na geração de electricidade, e outras aplicações.

O presente trabalho, tem como objectivo abordar sobre as Centrais Nucleares, que são
utilizadas para a produção de energia eléctrica, a partir da fissão do urânio libertando calor, que
por sua vez aquece água produzindo o vapor que irá accionar a turbina que está acoplada ao
alternador pelo mesmo eixo, este último vai converter a energia mecânica da turbina em energia
eléctrica.

1
Centrais Nucleares - 2018

2.Objectivos

2.1.Objectivo Geral
• Fazer uma abordagem sobre as Centrais Nucleares.

2.2.Objectivo Específico
• Apresentar breves conceitos sobre as Centrais Termoeléctricas e Energia Nuclear;
• Abordar o modo de operação de uma central nuclear;
• Composição básica de uma Central Nuclear;
• Tipos de reactores nucleares utilizados em centrais nucleares;
• Princípio de funcionamento da central nuclear;
• Vantagens e desvantagens das centrais nucleares.

2
Centrais Nucleares - 2018

3.Historial
1896- Henri Becquerel descobre acidentalmente a radioatividade, ao deixar um composto de
urânio junto com chapas fotográficas dentro de sua gaveta.

Em 1911 Frederick Soddy descobriu que elementos radioativos ocorrentes na natureza tinham
um diverso número de isótopos, com a mesma química.

No final de 1938 Otto Hahn e Fritz demonstraram que os elementos mais leves eram
aproximadamente a metade da massa do urânio e que a fissão nuclear teria ocorrido.

O primeiro reactor nuclear foi construído na Universidade de Chicago, sob a supervisão do


físico italiano Enrico Fermi. O equipamento produziu uma reacção em cadeia em 2 de
dezembro de 1942.

1949- A União Soviética realiza a sua primeira explosão nuclear.

O primeiro reactor nuclear a produzir electricidade foi um pequeno experimento, um reactor


fermentador, design e operação por parte da “argonne national laboratory” situada em Idaho,
EUA. O reactor foi ligado em dezembro de 1951.

1955- Entrada em funcionamento das primeiras centrais nucleares de produção de energia


eléctrica para o público.

O emprego da energia nuclear para fins pacíficos (produção de electricidade, no caso) teve
início em 1956 (Usina de Calder Hall, na Inglaterra), onze anos após a explosão das bombas
atômicas sobre Hiroshima e Nagasaki, no Japão. Na sua primeira fase tinha 92 MW de potência
instalada.

3
Centrais Nucleares - 2018

4. Centrais Termoeléctricas
As centrais termoeléctricas são responsáveis pela produção da maior parte da electricidade
utilizada no mundo.

São centrais que produzem energia eléctrica a partir da energia calorifica. Nestas centrais
efectua-se a transformação da energia calorifica em energia mecânica e finalmente desta em
energia eléctrica.

A principal vantagem da central termoeléctrica é que ela pode ser construída próximo ou junto
aos locais de consumo, o que implica grande economia nos custos de implantação das redes de
transmissão.

Por outro lado, o alto preço do combustível é um facto desfavorável. Dependendo do


combustível, os impactos ambientais, como poluição do ar, aquecimento das águas, o impacto
da construção de estradas para levar o combustível até a central, entre outros fatores, pode
tornar o emprego desta central inviável.

O funcionamento das centrais termoeléctricas é semelhante. Independentemente do


combustível utilizado. A finalidade deste combustível é aquecer uma caldeira, vindo esta a
gerar vapor a partir da água que circula por uma extensa rede de tubos que revestem suas
paredes. A função do vapor é movimentar as pás de uma turbina, cujo rotor gira juntamente
com o eixo de um gerador que produz a energia eléctrica.

Essa energia é transportada por linhas de alta tensão aos centros de consumo. Daí,
através de transformadores abaixadores, a energia tem sua tensão levada a níveis adequados
para utilização pelos consumidores.

4.1. Energia Nuclear


O átomo é constituído por partículas de carga positiva, chamadas protões, e de partículas de
mesmo tamanho, mas sem carga, denominadas neutrões. Os protões têm tendência de se
repelirem porque têm a mesma carga (positiva). Como eles estão juntos no núcleo, comprova-
se a existência de energia nos núcleos dos átomos com mais de uma partícula. A energia que
mantém os protões e neutrões juntos no núcleo é a energia nuclear, isto é, a energia de ligação
dos núcleos.

4
Centrais Nucleares - 2018

4.2. Combustível nuclear

Combustível nuclear é qualquer material que possa ser consumido para obter energia
nuclear. O tipo mais comum de combustível nuclear são os elementos físseis (que sofrem fissão
nuclear) que podem ser submetidos a reacções de cadeia de fissão nuclear em um reactor
nuclear.

Os combustíveis nucleares mais comuns são Urânio (235U) e Plutónio (239Pu).

Urânio-235 e Urânio-238

O urânio-235 é um elemento químico que possui 92 protões e 143 neutrões no núcleo. Sua
massa é, portanto, 92 + 143 = 235. Além do urânio-235, existem na natureza, em maior
quantidade, átomos com 92 protões e 146 neutrões (massa igual a 238). São também átomos
do elemento urânio, porque têm 92 protões, ou seja, número atómico 92. Trata-se do urânio-
238, que só tem possibilidade de sofrer fissão por neutrões de elevada energia cinética (os
neutrões ‘’rápidos’’). Já o urânio-235 pode ser fissionado por neutrões de qualquer energia
cinética, preferencialmente os de baixa energia, denominados neutrões térmicos (‘’lentos’’).

4.3. Enriquecimento de Urânio


A energia nuclear tem como principal fonte o mineral radiativo urânio, que é encontrado
na natureza sob a forma de uma mistura de urânio-238 e urânio-235, numa proporção de 99,3%
e 0,7%, respectivamente.

Como somente o U-235 é fissionável (e capaz de originar uma reacção em cadeia), e


considerando sua pequena ocorrência na natureza (07% contra 99,3% de U-238), a solução
encontrada foi enriquecê-lo, isto é, aumentar a percentagem de U-235 sobre U-238. É através
desse processo, conhecido como enriquecimento do urânio, que se consegue obter misturas
com até 98% de U-235. O enriquecimento do urânio requer tecnologia muito avançada e
elevados investimentos. Por isso, são poucos os países que possuem o domínio dessa tecnologia
e da comercialização do urânio enriquecido.

4.3.1. Fissão Nuclear

A palavra fissão significa partição, quebra, divisão. A fissão nuclear é o processo no qual um
núcleo pesado se divide em dois (ou mais) fragmentos, durante esse processo há uma liberação
considerável de energia e, também, ocorre a emissão de nêutrons e raios gama.

5
Centrais Nucleares - 2018

A soma das massas dos fragmentos é mais pequena do que a massa original. Este "fictício" de
massa (cerca de 0,1 por cento da massa original) foi convertida em energia de acordo com a
equação de Albert Einstein (E = m.c2). Nesta equação E é a energia adquirida, m a massa de
que se fala e c é uma constante, a velocidade da luz.

A figura 1 ilustra a fissão do Urânio.

Figura 1: Fissão do Urânio.


Fonte: https://pt.energia-nucleares.net>fissao-nuclear

4.3.2. Fusão nuclear

A fusão nuclear é uma reacção nuclear através da qual dois núcleos leves de átomos, geralmente
hidrogénio e seus isótopos (deutério e trítio), são combinados formando um núcleo mais
pesado.

As reacções de fusão nuclear podem emitir ou absorver energia. Se os núcleos de fusão têm
uma massa menor do que o ferro, a energia é liberada. Inversamente, se os núcleos atómicos
que fundem são mais pesados do que o ferro, a reacção nuclear absorve a energia.

Figura 2: Fusão nuclear.


Fonte: http://www.plasma.inpe.br/LAP_Portal/LAP_Sitio/Texto/Reacoes_de_Fusao.htm

6
Centrais Nucleares - 2018

5. Central nuclear
Uma central nuclear é uma instalação industrial empregada para produzir electricidade a partir
de energia nuclear. Caracteriza-se pelo uso de materiais radioativos que produzem calor como
resultado de uma reacção nuclear. As centrais nucleares usam esse calor para gerar vapor, que
é usado para girar turbinas e produzir energia eléctrica.

As centrais nucleares, diferentes das demais centrais termoeléctricas já vistas, o calor é gerado
no reactor, pela fissão de núcleos atómicos, sendo utilizado para a produção de vapor.

A água de alimentação introduzida no lado secundário do gerador de vapor absorve o calor


transferido do lado primário e se evapora. O vapor saturado assim gerado é conduzido até a
turbina, acionando-a; após condensação nos condensadores, retorna aos geradores de vapor sob
a forma de água de alimentação.

5.1. Operação de uma central de energia nuclear


O princípio básico da execução de uma central de energia nuclear com um reactor de água
pressurizada pode ser simplificado nestes 4 passos:

1. Obter energia térmica por fissão nuclear do núcleo de átomos de combustível nuclear.
2. Gerar vapor no gerador de vapor por meio da energia térmica obtida anteriormente.
3. Operar um conjunto de turbinas usando o vapor obtido.
4. Aproveitar a energia mecânica das turbinas para accionar um gerador eléctrico. Este
gerador eléctrico gerará electricidade.

5.2. Composição de uma Central Nuclear


Uma central nuclear, como os restantes tipos de Centrais, é constituída por vários componentes
que funcionam em conjunto para a obtenção da energia eléctrica. Uma central nuclear possui
basicamente:

Reactor nuclear

um reactor nuclear é um equipamento onde se processa uma reacção de fissão nuclear em


cadeia controladas, é constituído por: varetas de combustível, barras de controle, vaso de
pressão e reflector.

7
Centrais Nucleares - 2018

Elemento combustível

É uma estrutura que contém varetas carregadas de urânio, estas varetas são fechadas, com o
intuito de não deixar escapar o material radioativo, o elemento combustível é o núcleo do
reactor.

Varetas de combustível

As varetas, contendo uranio, conhecidas como varetas de combustível, são montadas em feixes,
numa estrutura denominado elemento combustível. As varetas são fechadas, com o objectivo
de não deixar escapar o material nele contido (o uranio e os elementos resultantes da fissão) e
podem suportar altas temperaturas.

Barras de controle

O objetivo destas barras é de controlar a reacção de fissão nuclear. Quando as barras estão
totalmente dentro da estrutura do elemento combustível o reactor está parado.

Vaso de pressão

É um esqueleto de aço que abriga os elementos combustíveis e contém a água de refrigeração


dos elementos combustíveis, serve para impedir a saída de material radioactivo para o meio
ambiente.

Pressurizador

É o equipamento onde se controla a pressão da água aquecida que fica no vaso de pressão.

Gerador de vapor

É um instrumento onde se faz a troca de calor da água do circuito primário e a água do circuito
secundário, nesta troca o vapor aciona a turbina.

Gerador eléctrico

Acionado pela turbina transforma energia mecânica (movimento do eixo da turbina) em energia
eléctrica.

Condensador

É o equipamento que faz com que a água volte ao estado líquido.

8
Centrais Nucleares - 2018

Vaso de contenção

É uma carcaça de aço onde estão o reactor e o gerador de vapor.

Bombas

São sistemas de tubos que liga o condensador a um resfriador (sistema de refrigeração).

Turbinas – As turbinas podem ser consideradas como uma das partes mais importantes de uma
central eléctrica, visto que são elas que accionam o gerador para produzir a energia eléctrica.

5.3. Tipos de reactores nucleares utilizados em centrais nucleares


No mundo existem diferentes tipos de reactores nucleares, todos de fissão, instalados nas
diferentes centrais nucleares. Dentre os diferentes tipos, os mais usados são:

5.3.1. Reactor de água pressurizada (PWR)

Eles usam água a alta pressão para produzir vapor para geradores de vapor. Eles têm três
circuitos. É o mais utilizado nas centrais de energia nuclear.

A água é utilizada como refrigerante, moderador e refletor circuito primário e como fluido de
trabalho circuito secundário;

Figura 3: Reactor PWR


Fonte: https://www.brasilescola.uol.com.br/quimica/reactor-nuclear.htm

9
Centrais Nucleares - 2018

5.3.2. Reactor de água fervente (BWR)

O segundo tipo mais comum no mundo. A água ferve, gerando vapor diretamente no núcleo
do reactor. O vapor gerado conduz diretamente as turbinas. Eles têm apenas dois circuitos.

A água é usada como refrigerante, moderador e fluido de trabalho, num único circuito;

• Vantagens: eliminação do circuito secundário (mais barato), grande eficiência térmica,


pressão de operação mais baixa que a do PWR (40 a 70 atm);
• Desvantagens: As turbinas no processo ficam contaminadas, exigindo maior atenção
quanto a proteção radiológica.

Figura 4: Reactor BWR


Fonte: http://www.energinuklir.tk/2011/09/pltn-tipe-reaktor-air-ringan-light.html

5.4. Operação de turbinas em centrais nucleares


Com o calor obtido das reacções nucleares, a água é aquecida até ferver; A água é convertida
em vapor a uma pressão muito alta. Com vapor sob pressão, as lâminas da turbina são feitas
para se mover. Desta forma, há conversão de energia térmica em energia mecânica. A turbina
estará conectada a um gerador eléctrico (ou alternador) que nos permita transformar energia
mecânica em energia eléctrica.

10
Centrais Nucleares - 2018

Figura 5: Esquema de funcionamento de uma Central Nuclear


Fonte: Gabriela Juns 2007

5.5. Princípio de funcionamento da central nuclear


Toda central nuclear tem um reactor, o equipamento onde se processa a reacção de fissão
nuclear, liberando calor que será usado para gerar energia eléctrica.

O núcleo do reactor, onde fica o combustível nuclear (urânio), fica dentro do vaso de
pressão, que contém a água de refrigeração do núcleo, num circuito conhecido como Circuito
Primário. Essa água, que é radioativa, impede que o elemento combustível esquente demais e
se funda.

A água do Circuito Primário é usada para aquecer uma outra corrente de água, que vai
passar por um gerador de vapor. Este segundo sistema é conhecido como Circuito Secundário.
O vapor gerado é comprimido e passa por uma turbina geradora de electricidade, acionando-a
e produzindo energia eléctrica. Em seguida, a água do circuito secundário é condensada
novamente e bombeada de volta para o gerador de vapor, constituindo um outro sistema de
refrigeração, independente do primeiro.

No núcleo do reactor, os elementos resultantes da fissão nuclear são radioativos, assim


como a água do circuito primário, o ar e os materiais utilizados. Por isso toda a estrutura do
reactor é protegida por uma estrutura de aço, que tem a função de impedir que materiais
radioativos escapem para o meio ambiente.

11
Centrais Nucleares - 2018

5.6. Arranjo esquemático de uma central nuclear

Figura 6: Arranjo esquemático de uma central nuclear

Fonte:Adaptado de www.mechanicaltutorial.com/working-principle-of-nuclear-power-plant

12
Centrais Nucleares - 2018

5.7.Critérios a serem considerados na implantação de uma Central Nuclear


Os critérios tidos em conta na instalação de uma Central Nuclear obedecem, em regra, aos
mesmos critérios tidos em conta na implantação em qualquer outro tipo de Central
Termoeléctrica, acrescidas de pontos extremos relacionados com o nível de segurança, dado
o perigo que estas instalações apresentam, tanto ao meio ambiente, assim como para os seres
vivos.

➢ Disponibilidade de água – de forma a alimentar o condensador, é importante e


economicamente viável que a central esteja localizada próximo de uma fonte que
garanta um fornecimento contínuo de água, preferencialmente um rio ou lago;
➢ Vias de acesso – a condicionalização das vias de acesso é fundamental para a execução
do projecto, dada a necessidade de transporte de matéria-prima e maquinarias para s;
➢ Aspectos naturais – o tipo de solo, o relevo, a vegetação, a geologia, são pontos a
considerar antes da instalação de uma central nuclear, pois é importante que a terra seja
extensa e resistente o suficiente para albergar o conjunto dos equipamentos a serem
instalados;
➢ Aglomerados populacionais – devido ao risco de contaminação, as residências devem
estar afastadas das centrais, de forma a evitar sua exposição aos materiais radioactivos.
A filosofia dos projectos nucleares tem obedecido as seguintes ideias:
▪ Zona de exclusão num raio de 1 km;
▪ Zona desabitada num raio de até 10 km da central;
▪ A partir de 10 km podem existir moradias (baixa densidade);
▪ A partir de 22 km pode existir um centro populacional.

13
Centrais Nucleares - 2018

5.8. Maiores produtores de urânio do mundo

Minas - As 15 maiores produtoras de urânio de 2014

Produção [%]
Mina País Proprietário Principal
(Toneladas) Mundial
McArthur River Canadá Cameco (69.8%) 7356 13
Tortkuduk &
Cazaquistão Katco JV/ Areva 4322 8
Myunkum
Olympic Dam Austrália BHP Billiton 3351 6

SOMAIR Níger Areva (63.6%) 2331 5


Budenovskoye 2 Cazaquistão Karatau JV/
Kazatomprom- 2084 4
Uranium One
South Inkai Cazaquistão Betpak Dala JV/
2002 3
Uranium One
Priargunsky Rússia ARMZ 1970 4
Langer Heinrich Namíbia Paladin 1947 4
Inkai Cazaquistão Inkai JV/Cameco 1922 3
Central Mynkuduk Cazaquistão Ken Dala JSC/
1790 3
Kazatomprom
Rabbit Lake Canada Cameco 1602 3
Budenovskoye 1, 3 Cazaquistão Akbastau JV/
& Kazatomprom- 1594 3
4 Uranium One
COMINAK Níger Areva (34%) 1501 3
Rossing Namíbia Rio Tinto (69%) 1308 2
Southern Moinkum Mining Co Taukent/
& Cazaquistão Kazatomprom 1174 2
Khanzhugan
Top 15 - total 36.255 64.5 %

14
Centrais Nucleares - 2018

5.9. Centrais nucleares no mundo


Atualmente existem cerca de 440 reactores nucleares em funcionamento no mundo e em torno
de 30 reactores estão em processo de construção. Os reactores nucleares são responsáveis por
17% da produção de energia eléctrica no mundo. Os Estados Unidos são responsáveis pela
maior parte dessa produção, com um total de 104 usinas nucleares. Outros países que
contribuem fortemente para este panorama são a França, Rússia, Japão e Alemanha, somando
38% da produção de energia eléctrica mundial a partir de energia nuclear.

5.9.1.As duas maiores centrais nucleares do mundo


1 – Kashiwazaki - Kariwa – Japão

Capacidade: 7.965 megawatts

Localização: Niigata-Ken - Japão

Número de Reactores: 7

Saída (2010): 24,626.913 gigawatts-hora.

Esta energia atende quase 3 por cento da electricidade total do Japão.

2 – Yonggwang - Coréia do Sul

Capacidade: 5.875 megawatts

Localização: Jeollanam-do - Coreia do


Sul

Número de Reactores: 6

Saída (2010): 48,386.218 gigawatts-hora.

Esta energia poderia atender o consumo


anual de electricidade de Hong Kong e
Alaska combinados.

15
Centrais Nucleares - 2018

5.10. Maiores acidentes da história em centrais nucleares


Acidente na central nuclear de Chernobyl, Ucrânia

Em 26 de abril de 1986, houve o maior acidente nuclear na história da energia nuclear em


Chernobyl por vários erros humanos no curso de um teste previamente planejado, que culminou
na explosão de um reactor, libertando uma nuvem radioactiva que contaminou pessoas, animais
e o meio ambiente numa ampla extensão da Europa. Foi classificado como nível 7 ("acidente
nuclear grave") na escala INES.

O Acidente de Three Mile Island

O primeiro dos grandes acidentes nucleares foi um derretimento parcial da unidade 2 de Three
Mile Island, no Estado da Pensilvânia, nos Estados Unidos, ocorrido em 1979 na madrugada
de 28 de março de 1979. Apesar de ter derretido parcialmente o reactor, a radioactividade foi
contida e não houve mortos e nem feridos. O acidente teve início a partir de uma falha de
equipamento, associado a erros humanos, que mais tarde foram atribuídos a falta de
treinamento. As bombas de água do circuito secundário pararam de funcionar, e
automaticamente se interrompe o processo de fissão nuclear, mas a mera presença de elementos
físseis mantém a produção de calor, elevando a temperatura e pressão. O acidente foi
classificado como Nível 5 na Escala Internacional de Eventos Nucleares (INES).

Acidente nuclear na central nuclear de Fukushima, Japão

Em Fukushima, em 11 de março de 2011 testemunhou um dos piores acidentes nucleares da


história após o acidente nuclear de Chernobyl. Um terremoto de 8,9 pontos na escala Richter
seguido de um tsunami atinge a central nuclear de Fukushima. De vido a inundação causada
pelo tsunami o sistema de resfriamento e os geradores de emergência foram desativados e os
reactores começaram a superaquecer devido à deterioração natural do combustível nuclear
contido neles e consequentemente houve explosões em prédios dos reactores da central
libertando assim material radioactivo. O nível de radiação atingiu oito níveis a mais em
comparação as condições normais ao redor do reactor. Em 11 de abril, as autoridades japonesas
designaram a magnitude do perigo em reactores 1, 2 e 3 no nível 7 da Escala Internacional de
Acidentes Nucleares (INES).

16
Centrais Nucleares - 2018

5.11.Vantagens e desvantagens das centrais nucleares


Vantagens:

❖ Não depende das condições ambientais/climáticas;


❖ A poluição gerada (directamente) é quase inexistente;
❖ Não ocupa grandes áreas;
❖ Não causa nenhum efeito de estufa ou chuvas ácidas;
❖ Alto grau de confiabilidade;
❖ As potencias instaladas são bastantes elevadas.
❖ Não necessita de armazenamento da energia produzida em baterias;
❖ É uma fonte mais concentrada na geração de energia, um pequeno pedaço de urânio
pode abastecer uma cidade inteira, fazendo assim com que não sejam necessários
grandes investimentos no recurso.

Tabela 1: Conteúdo energético dos principais combustíveis

Desvantagens:
❖ Alto custo de construção, devido a tecnologia e segurança usadas;
❖ Não existem soluções eficientes para tratamento do lixo radioactivo, que actualmente é
depositado em desertos, fundos de oceanos ou dentro de montanhas;
❖ Necessidade de armazenar o resíduo nuclear em locais isolados e protegidos;
❖ Os resíduos produzidos emitem radiatividade durante muitos anos;
❖ As elevadas temperaturas da água utilizada no aquecimento causam a poluição térmica
pois esta é lançada nos rios e nas ribeiras, destruindo assim ecossistemas e interferindo
com o equilíbrio destas mesmas.
❖ Em caso de acidentes causa graves impactos ambientais e económicos, sua poluição
prejudica muito a saúde da população local e as suas consequências deste iram fazer-se
sentir durante vários anos, visto que a radioactividade continuará a ser libertada durante
vários anos.

17
Centrais Nucleares - 2018

6. Conclusão
Em suma, a energia nuclear é uma fonte de energia altamente rentável, com um muito
pequeno impacto ambiental em comparação com as outras energias não renováveis. É uma
central térmica de produção de energia eléctrica que difere de uma central convencional pelo
facto do calor, necessário para produção do vapor de agua que aciona as turbinas gerando
corrente eléctrica, resultar da fissão dos núcleos e não da combustão de combustíveis fósseis.
Todavia, também tem alguns pontos fracos, como o impacto aquando de um acidente numa
central nuclear e os resíduos radioactivos resultantes da produção da mesma, podendo causar
problemas ambientais e sociais.

Assim, com o avançar da tecnologia e da ciência esta energia tornar-se-á cada vez mais rentável
e segura.

Moçambique não dispõe de nenhuma central nuclear, mas oferece condições necessárias para
sua instalação. Contudo, como estas centrais produzem altas potências, e em termos de
demanda energética, o país não tem recursos suficientes para consumir energia que pode ser
produzida por estas centrais, torna-se inviável, actualmente, instalar-se uma central nuclear.
Outro factor que torna insustentável é o alto valor requerido para a mão-de-obra, sua instalação
e operação.

18
Centrais Nucleares - 2018

7. Bibliografia
• GLASSTONE, Samuel; SESONSKE, Alexander. Ingenieria de Reactores Nucleares.
Barcelona: Editorial Reverté, 1975.
• MURRAY, Raymond. Energia Nuclear. São Paulo: Hemus, 2004.
• Acidente nuclear – Wikipedia, a enciclopedia livre - pt.wikipedia.org acessado em
09/05/2018 as 01:40
• SOARES,Cláudio.Dossiê Nuclear.Guia do estudante,São Paulo,SP:Abril,p. 34 –
55,2011.
• Panorama da Energia Nuclear no Mundo. ELETRONUCLEAR, Eletrobrás
Termonuclear S. A. Edição Junho de 2009.
• http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/meio-ambiente-energia-nuclear/usinas-
nucleares-do-mundo.php. Acessado em 02 de maio de 2011.
• http://www.leb.esalq.usp.br/aulas/lce1302/energia.pd acessado em 13/05/2018 as
20:53
• http://www.ufsm.br/gef/Nuclear/nuclear14.pdf acessado em 13/05/2018 as 21:12
• http://www.projectpioneer.com/mars/how/energiapt.htm acessado em 13/05/2018 as
21:17

19