Você está na página 1de 2

See

discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.net/publication/289828498

Um estudo inicial do modelo QUAL2E

CONFERENCE PAPER · AUGUST 2014

READS

5 AUTHORS, INCLUDING:

Rosanne R G Santos Jaqueline Maria da Silva


Universidade Federal dos Vales do Jequitin… Universidade Federal dos Vales do Jequitin…
1 PUBLICATION 0 CITATIONS 32 PUBLICATIONS 5 CITATIONS

SEE PROFILE SEE PROFILE

Available from: Jaqueline Maria da Silva


Retrieved on: 26 January 2016
UFVJM - Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
VIII EMED - Encontro Mineiro de Equações Diferenciais
Diamantina, 28 a 30 de agosto de 2014

Um estudo inicial do modelo QUAL2E

A. A. S. Lopesa , L. C. Souza b , R. R. G. Santos c , J. L. Gomes d , J. M. da Silvae


a Instituto de Ciência Engenharia e Tecnologia - UFVJM. e-mail: arinos alves@hotmail.com
b Instituto de Ciência Engenharia e Tecnologia - UFVJM. e-mail: lays.c.souza@hotmail.com
c Instituto de Ciência Engenharia e Tecnologia - UFVJM. e-mail: santosrosanne@hotmail.com
d Instituto de Ciência Engenharia e Tecnologia - UFVJM. e-mail: jelemos12@hotmail.com
e Instituto de Ciência Engenharia e Tecnologia - UFVJM. e-mail: jaqueline.silva@ufvjm.edu.br

O crescimento exponencial e desenfreado de populações exige exploração dos recursos naturais de forma superior
à capacidade de recuperação natural do ecossistema. Quanto maior a aglomeração de pessoas nas cidades, maior é
o consumo de água, mais esgoto é lançado e mais indústrias aparecem. Estudos da ONU apontam que entre os 500
maiores rios do mundo, mais da metade enfrentam graves problemas de poluição [2]. Muitas tecnologias e modelos
matemáticos e computacionais foram criados como tentativas de análise e resolução contı́nua de tais problemas
ambientais.

Com o objetivo de representar diferentes bioprocessos envolvidos na biodegradação de águas residuais, os modelos
matemáticos de qualidade da água são utilizados e reconhecidos como ferramentas eficientes para a simulação de
mudanças fı́sicas, quı́micas e biológicas que ocorrem em ambientes aquáticos. Este trabalho apresenta um estudo
do modelo QUAL2E de equações diferenciais para biodegradação, assim como discute a eficiência de seus resultados.

Modelo QUAL2E

O Modelo QUAL2E foi desenvolvido pela USEPA (United States Environmental Agency) em 1985 [3]. Pode ser
utilizado em estado Estacionário ou Dinâmico. Em estado estacionário, o modelo avalia o impacto do lançamento de
cargas poluentes na água. No estado dinâmico o modelo determina os efeitos da variação de dados meteorológicos
e mudanças de concentração de oxigênio dissolvido no rio avaliado.

O modelo permite simular até 15 constituintes distintos da qualidade da água, sendo eles: oxigênios dissolvido,
demanda relacionados à bioquı́mica de oxigênio, temperatura, algas, amônia, nitrito, nitrato, nitrogênio orgânico,
fósforo orgânico, fósforo dissolvido, coliformes, três substâncias conservativas e uma arbitrária não conservativa [1].

O QUAL2E é baseado em equações diferenciais representativas do processo de escoamento e equações represen-


tativas do transporte de massa, que retratam a variação da concentração da variável de qualidade da água em
evidência. O modelo utiliza dois mecanismos para transporte de poluentes: advecção e dispersão.

Resultados e Discussões

O modelo assume que os principais mecanismos de transporte, advecção e dispersão são significativos apenas
ao longo da direção principal do escoamento (eixo longitudinal do rio ou canal). Em uma simulação, podem ser
considerados vários pontos de lançamento (cargas industriais e domésticas), captações, entradas de tributários e de
vazões incrementais, que podem ser positivas, como a contribuição do aquı́fero para o rio ou escoamento superficial
que chega a calha do rio em um determinado trecho, ou negativas, como a contribuição do rio para o aquı́fero e
retiradas de água.

Referências
[1] FLECK, L.; TAVARES, M. H. F.; EYNG, E. Especificidades e importância de modelos matemáticos de qualidade
da água, Revista EIXO, Brası́lia, DF, (jan./jun. 2013), v. 2, n. 1, 106-119 .

[2] Revista Abril. Mundo estranho, Disponı́vel em: http://mundoestranho.abril.com.br/materia/como-e-possivel-


recuperar-um-rio-poluido acessado em: 21 de junho de 2014.

[3] Modelagem de qualidade da água, Disponı́vel em: http://www.hidro.ufrj.br/pqarj/geral/qualagua/modelag/modelo/modelo.htm


acessado em: 09 de julho de 2014.

Agradecimento: Agradeçemos o apoio financeiro da FAPEMIG.