Você está na página 1de 65

Textos de Entomologia

Parte 3 - Entomologia Aplicada

Reginaldo Constantino (coordenador)


Raul A. Laumann

versão 2

21 de junho de 2004
ii

Textos de apoio para as disciplinas de Entomologia, Entomologia


Econômica e Entomologia Florestal. A reprodução destes textos é
permitida apenas para uso nas disciplinas mencionadas acima.

Versão 2 (21 de junho de 2004).

Formatado com LATEX 2ε .


Sumário

I Princípios e Métodos de Controle de Pragas 1


1 Introdução ao Controle de Pragas 2
1.1 Termos e conceitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.2 Tipos de pragas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.3 Fatores favoráveis à ocorrência de pragas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.3.1 Características dos agroecossistemas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.3.2 Manejo inadequado dos agrossistemas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.3.3 Problemas causados pelo uso inadequado de praguicidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3

2 Manejo Integrado de Pragas (MIP) 5


2.1 Níveis de integração do MIP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
2.2 Componentes do MIP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
2.2.1 Avaliação do agroecossistema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
2.2.2 Tomada de decisão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
2.3 Amostragem das populações de pragas e inimigos naturais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6

3 Métodos Legislativos, Culturais, Mecânicos e Físicos de Controle de Pragas 7


3.1 Métodos legislativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
3.1.1 Serviço quarentenário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
3.1.2 Medidas obrigatórias de controle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
3.2 Práticas Culturais Usadas no Controle de Pragas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
3.2.1 Modificação do meio físico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
3.2.2 Modificação do habitat . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
3.2.3 Dessincronização entre cultura e ciclo vital da praga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
3.2.4 Adoção de medidas de Sanidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
3.3 Métodos Mecânicos de Controle de Pragas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
3.4 Métodos Físicos de Controle de Pragas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

4 Controle Biológico de Insetos 11


4.1 Tipos de Controle Biológico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
4.2 Inimigos Naturais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
4.2.1 Predadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
4.2.2 Parasitóides . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
4.2.3 Patógenos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
4.3 Alguns Programas de Controle Biológico no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

5 Métodos de Controle por Comportamento 14


5.1 Semioquímicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
5.2 Utilização dos feromônios no manejo integrado de pragas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14

6 Métodos Genéticos de Controle 16


6.1 Controle Autocida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
6.2 Organismos Transgênicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16

7 Controle químico 17
iv SUMÁRIO

8 Ecologia dos Insetos 19


8.1 Autoecologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
8.2 Sinecologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

9 Resistência de Plantas às Pragas 22

10 Métodos Alternativos de Controle de Pragas 24

II Principais Pragas de Grandes Culturas 26


11 Pragas do Algodão 27

12 Pragas do Café 30

13 Pragas da Cana-de-açúcar 32

14 Pragas dos Cereais 34


14.1 Arroz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
14.2 Milho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
14.3 Trigo, Aveia, Cevada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

15 Pragas do Feijão 37

16 Pragas da Soja 40

17 Pragas da Batata 43

18 Pragas das Pastagens 44

19 Pragas da Mandioca 46

20 Pragas das Hortícolas 47


20.1 Pragas das Cucurbitáceas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
20.2 Pragas das Brássicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
20.3 Pragas do Tomate . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48

21 Pragas das Frutíferas 50


21.1 Pragas da Banana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
21.2 Pragas dos Citros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

22 Pragas de Grãos Amazenados 53

23 Formigas Cortadeiras 55

24 Biologia e Controle de Cupins 57


Parte I

Princípios e Métodos de Controle de Pragas


Capítulo 1

Introdução ao Controle de Pragas

1.1 Termos e conceitos

perda de produção
Pragas. São organismos que competem direta ou indireta-
mente com o homem por alimento, matéria prima ou
prejudicam a saúde e o bem-estar do homem e ani-
mais. Um organismo-praga é aquele que incomoda ao
homem, sendo portanto uma atribuição humana subje- C=P
tiva e não uma característica biológica.
Conceito tradicional de praga. Um inseto era consider-
ado praga se ele se alimenta da cultura e se sua pre-
sença é constatada no agrossistema.

Conceito moderno de praga. Os sistemas de manejo de NC NDE população da praga


pragas modernos (“Manejo Integrado de Pragas”) têm
desenvolvido outro tipo de conceito para definir as pra- Figura 1.1: Nível de dano econômico (NDE) e nível de con-
gas. Nele não só é importante a presença do inseto na trole (NC) em relação à população da praga e ao dano cau-
cultura como também seus níveis populacionais e os sado. Nota: a relação entre nível populacional e dano está
danos (perda econômica) que eles geram. simplificada e não é linear. C= custo do controle e P = perda
de lucro devido à praga. A diferença entre NDE e NC de-
Injúria. É definida como o efeito negativo na fisiologia
pende do tempo necessário para a medida de controle agir
da planta causada pelo inseto. Por exemplo um in-
sobre a população.
seto come parte das folhas de uma planta, reduzindo a
área foliar e sua capacidade fotossintética. Injúria não
necessariamente provoca dano, porque a planta apre-
senta um certo nível de tolerância. Em alguns casos
um baixo nível de injúria estimula a planta, causando C
aumento da produção. NDE =
P·I ·D
Dano. É a perda de utilidade da cultura (rendimento, qual- Onde:
idade do produto, etc.) em resposta a injúria. C: custo da medida de controle
P: preço do produto no mercado
Dano econômico. Quantidade de perda causada por uma I: injuria por inseto
população de insetos que justifica o custo de uma me- D: dano por unidade de injuria
dida artificial de controle, ou seja, o lucro perdido é
igual ou maior que o custo do controle. Nível de ação ou controle (NC). É a densidade popula-
cional da praga em que devemos adotar medidas de
Nível de dano econômico (NDE). Menor densidade pop- controle, para que ela não atinja o nível de dano
ulacional de uma espécie de inseto que causa dano econômico. É sempre menor que NDE, sendo essa
econômico. A partir desse nível a adoção de medi- diferença dependente da velocidade de ação dos méto-
das de controle são justificadas economicamente. Esse dos de controle. É um conceito desenvolvido para
nível é dinâmico e depende não só do dano causado fazer a ação preventiva de controle de uma praga.
pelo inseto, mas também do valor do produto no mer-
cado e do custo dos insumos e mão-de-obra de cont-
role. Além disso deve ser considerado o custo ambi-
ental (possibilidade de contaminação de água, efeito 1.2 Tipos de pragas
sobre a fauna silvestre, etc.).
1. De acordo com a parte da planta que é atacada.
Introdução ao Controle de Pragas 3

Praga direta. Ataca diretamente a parte comercial- 3. Redução da diversidade genética. Monoculturas
izada. Exemplo: broca pequena do tomateiro (Neoleu- baseadas em clones derivados de enxertia apresentam
cinodes elegantalis) que ataca os frutos do tomateiro. diversidade genética zero. Isso significa que todas as
Praga indireta. Ataca uma parte da planta que afeta plantas apresentam a mesma suscetibilidade às pragas.
indiretamente a parte comercializada. Exemplo: la- Mesmo em culturas não baseadas em clones, a diversi-
garta da soja (Anticarsia gemmatalis) que causa des- dade genética é muito mais baixa que em ecossistemas
folha nas plantas da soja. naturais.

2. De acordo a seu lugar de origem 4. Grande concentração de alimento para insetos fitófa-
gos, favorecendo o rápido crescimento populacional.
Pragas introduzidas. São organismos introduzidos na
região onde se estabeleceu a cultura. Geralmente seu 5. Curta distância entre plantas da mesma espécie, fa-
centro de origem coincide com o da planta cultivada e cilitando a dispersão e colonização das plantas. Em
sua introdução na região foi feita durante o estabeleci- ecossistemas naturais os fitófagos necessitam procurar
mento da cultura. a planta hospedeira por longas distâncias, dificultando
Pragas endêmicas. São organismos originários da o crescimento populacional.
região (em geral oligófagos ou polífagos) que podem
passar a se alimentar de uma planta introduzida para 1.3.2 Manejo inadequado dos agrossistemas
cultura.
1. Descaso pelas medidas de controle.
3. De acordo com sua importância
2. Plantio de variedades suscetíveis ao ataque das pragas.
Organismos não-praga. São aqueles cuja densidade
populacional nunca atinge o nível de controle. Corre- 3. Falta de rotação de culturas.
spondem à maioria das espécies fitófagas encontradas
nos agroecossistemas. 4. Plantio em regiões ou estações favoráveis ao ataque de
Pragas secundárias. São aqueles que raramente pragas.
atingem o nível de controle. Exemplo: ácaros na cul- 5. Adoção de plantio direto (geralmente há um aumento
tura do café. de insetos que atacam o sistema radicular das plantas).
Pragas-chave. São aqueles organismos que freqüen-
temente ou sempre atingem o nível de controle. Esta 6. Adubação desequilibrada (as plantas mal nutridas são
praga constitui o ponto chave no estabelecimento de mais suscetíveis ao ataque de pragas)
sistema de manejo das pragas, as quais são geralmente 7. Uso inadequado de praguicidas (uso de dosagem, pro-
controladas quando se combate a praga chave. São duto, época de aplicação e metodologia inadequados).
poucas as espécies nesta categoria nos agroecossis-
temas, em muitas culturas só ocorre uma praga chave.
Podem ser divididos em: 1.3.3 Problemas causados pelo uso
Pragas freqüentes: São organismos que freqüen-
inadequado de praguicidas
temente atingem o nível de controle. Exemplo: 1. Redução das populações de inimigos naturais, com as
cigarrinha-verde (Empoasca kraemeri) em feijoeiro. conseqüências abaixo. Inimigos naturais podem ser
Pragas severas: São organismos cuja posição de equi- mais suscetíveis ao veneno, ou apresentar crescimento
líbrio é maior que o nível de controle. Exemplo: formi- populacional mais lento, não acompanhado o cresci-
gas saúvas (Atta spp.) em pastagens. mento das populações de pragas.

(a) Ressurgência de pragas (a praga reaparece em


1.3 Fatores favoráveis à ocorrência safras subseqüentes, oriunda de lugares de refú-
gio e dos indivíduos sobreviventes na lavoura, em
de pragas níveis populacionais superiores aos da safra an-
terior).
1.3.1 Características dos agroecossistemas.
(b) Erupção de pragas (mudança de status, com
Existem vários fatores que favorecem a aparição de pra- praga secundária tornando-se praga-chave). Ex-
gas. Alguns deles são derivados das próprias características emplo disto pode ocorrer com o uso de insetici-
dos agroecossistemas. das do grupo dos piretróides no controle do bicho
mineiro (Perileucoptera coffeella) do cafeeiro.
1. Redução ou eliminação das populações de inimigos
Esse uso pode reduzir a população de ácaros
naturais das pragas, como predadores e parasitas.
predadores do ácaro vermelho (Oligonychus ili-
2. Redução da diversidade de espécies. Sistemas com cis), que passa para o status de praga-chave.
baixa diversidade tendem a apresentar maior instabili-
dade, com maiores flutuações populacionais.
4 Introdução ao Controle de Pragas

2. Resistência das pragas aos praguicidas. Consiste no


aumento da tolerância das populações de pragas a
doses de um praguicida anteriormente considerado efi-
ciente no seu controle. Isso ocorre devido a eliminação
de indivíduos suscetíveis, fato este que fará com que
haja seleção de indivíduos que possuam carga genética
para resistência à ação do praguicida. Os mecanismos
de resistência podem ser:

(a) Alterações no alvo de ação do praguicida.


(b) Aumento da taxa de desintoxicação (por
degradação ou excreção) do praguicida pela
praga.
(c) Redução da taxa de penetração do praguicida no
corpo da praga.
(d) Resistência por comportamento (modificações
no comportamento como repelência ao pragui-
cida que permitam esse tolerar o praguicida).
(e) Resistência cruzada (quando a resistência in-
duzida por um praguicida se estende também a
outro produto de mesmo modo de ação).
(f) Resistência múltipla (quando a resistência se es-
tende a praguicidas de modo de ação diferentes).

3. Danos ambientais. Contaminação da água. Mor-


talidade de animais não alvo, como polinizadores,
fauna de solo, peixes e outros animais. Os inseticidas
organoclorados (DDT, Aldrin, etc., todos proibidos no
Brasil) podem acumular-se no ambiente durante dé-
cadas e sofrerem concentração ao longo das cadeias
alimentares, resultando em prejuízos grandes para a
fauna silvestre e a população humana. Mesmo inseti-
cidas tidos como seguros, como os piretróides, podem
causar mortalidade indesejada à fauna. Os piretróides
são especiamente nocivos aos peixes.
Capítulo 2

Manejo Integrado de Pragas (MIP)

Manejo Integrado de Pragas é um sistema de controle 2.1 Níveis de integração do MIP


que utiliza todas as técnicas adequadas do modo mais com-
patível possível para manter a população da praga abaixo 1. Nível I
do nível de dano econômico. É considerada uma das práti-
(a) monitoramento de pragas e inimigos naturais no
cas agrícolas mais robustas surgidas na segunda metade do
campo
século XX. A história do MIP pode ser traçada ao final do
século 19, quando a ecologia foi identificada como o fun- (b) níveis de não ação
damento para a proteção científica das plantas. Entre o final (c) rotação de culturas
do século XIX e início do século XX, na ausência de in- (d) inseticidas seletivos
seticidas potentes, os especialistas em controle de pragas
utilizavam o conhecimento sobre a biologia dos insetos e 2. Nível II: mesmo que nível I mais:
práticas culturais que, de certa forma, foram precursores do (a) controle biológico (soltura em massa)
moderno MIP.
A situação mudou na década de 1940 com o advento dos (b) resistência de plantas
inseticidas organo-sintéticos, quando o controle de insetos (c) manejo do habitat
passou a ser predominantemente químico, em detrimento (d) sistemas especialistas
do estudo da biologia dos insetos e de outros métodos de (e) modelos dinâmicos praga x cultura
controle. O período da década de 1940 até a de 1960 é
(f) processos no nível da comunidade
chamado de idade negra do controle de pragas. Mas já no fi-
nal da década de 1950 começaram a aparecer críticas ao uso 3. Nível III: mesmo que II mais:
indiscriminado de inseticidas químicos e seus efeitos nega-
(a) interações entre culturas diferentes
tivos. No começo da década de 1970 começou a amadurecer
a idéia de que o controle biológico poderia ser empregado (b) processos no agroecossistema
em conjunto com o controle químico, de forma complemen- As táticas de controle podem ser divididas em preventi-
tar. No início, o termo “controle integrado” era usado. vas (métodos culturais, resistência de plantas, controle bi-
O campo de cultivo pode ser considerado como uma ológico natural) e curativas (soltura em massa de inimigos
pequena unidade ecológica, o agroecossistema. Mas é naturais, pesticidas microbianos, pesticidas seletivos etc.)
difícil modelar os processos ecológicos nesses sistemas e
incorporá-los aos processos de decisão sobre controle de
pragas. O agroecossistema difere dos ecossistemas natu- 2.2 Componentes do MIP
rais pelo alto nível de controle humano. Os sistemas agrí-
colas são o resultado dinâmico das interações entre os sis- 2.2.1 Avaliação do agroecossistema
temas ecológicos e sócio-econômicos. Embora o conheci-
mento dos processos ecológicos seja reconhecidamente im- 1. Avaliação da população da praga (amostragem para
portante para o MIP, esse conhecimento ainda é muito lim- verificação da densidade populacional da praga).
itado. Ou seja, o MIP tem sido empregado com sucesso em 2. Avaliação das populações dos inimigos naturais das
muitos casos, mas ainda está na sua infância, e existe muito pragas (amostragem para verificação de suas densi-
espaço ainda para pesquisa teórica nessa área. O MIP é dades populacionais).
também a base para a chamada agricultura sustentável, uma
agricultura que utiliza os recursos de modo mais eficiente e 3. Estágio fenológico das plantas (verificação do grau de
preserva o meio ambiente. suscetibilidade da cultura em cada estágio).
4. Avaliação das condições climáticas (as quais podem
determinar aumento ou decréscimo da população das
pragas, inimigos naturais e eficiência dos métodos de
controle).
6 Manejo Integrado de Pragas (MIP)

2.2.2 Tomada de decisão (c) Índices populacionais. São realizadas avaliações


de produtos metabólicos (fezes e exúvias, prin-
Nesta fase, tomaremos a decisão de controlar ou não as
cipalmente) e efeitos das pragas e inimigos nat-
pragas com base nos seguintes componentes.
urais. Como exemplo deste método, conta-se o
1. População da praga. Tomamos decisão de controlar a número de minas feitas pelo bicho mineiro (Per-
praga se a densidade populacional da praga for igual ileucoptera coffeella) em café.
ou maior que o nível de controle.
2. População dos inimigos naturais. Só tomaremos de-
cisão de controlar as pragas se as densidades popula-
cionais de inimigos naturais estiverem menores que o
nível de não-ação.
3. Estágio fenológico da cultura. Na tomada de decisão,
devemos considerar o grau de suscetibilidade da cul-
tura em cada estágio.
4. Condições climáticas. Na tomadas de decisão, deve-se
verificar as condições climáticas, visto que estas têm
efeito sobre as populações das pragas, inimigos natu-
rais e eficiência dos métodos de controle.

5. Escolha dos métodos de controle. Deve-se levar em


consideração os fatores técnicos, econômicos, ecológi-
cos e sociológicos.

2.3 Amostragem das populações de


pragas e inimigos naturais
Para avaliação correta das populações de pragas e inimi-
gos naturais é necessário realizar amostragens. Para tanto, é
necessário o desenvolvimento de metodologia de avaliação
populacional, plano de amostragem e tipo de caminhamento
a ser adotado na amostragem. Os métodos de avaliação
de populações de pragas e inimigos naturais estão listados
abaixo.

1. Métodos absolutos. Consistem na avaliação da pop-


ulação total existente em determinada área. Pratica-
mente não usado em Entomologia Agrícola devido ao
tempo, pessoal e dinheiro gasto na sua realização.
2. Métodos relativos. Estima-se a população existente em
determinada amostra. Esta contagem pode ser feita
através de:

(a) Contagem direta das pragas existentes numa


amostra por unidade de área, planta, fruto, etc.
Exemplos: 1) ácaro da leprose de citros (Bre-
vipalpus phoenicis), conta-se o número de ácaros
existentes nos frutos; 2) na cultura da soja conta-
se o número de percevejos presentes em pano
branco colocado entre as fileiras das plantas.
(b) Armadilhas. Fornece dados comparativos no es-
paço e no tempo, mas não tem unidade amostral
definida. Não é possível calcular densidade.
Capítulo 3

Métodos Legislativos, Culturais, Mecânicos e


Físicos de Controle de Pragas

3.1 Métodos legislativos 3.2 Práticas Culturais Usadas no


Não são propriamente métodos, mas um conjunto de leis Controle de Pragas
e portarias com o objetivo de reduzir a possibilidade de
O controle cultural de insetos praga consiste na manip-
que uma praga seja introduzida ou estabelecendo a obri-
ulação do meio com a finalidade de torna-lo desfavorável
gatoriedade de medidas de controle para pragas de grande
para os insetos. Isto se logra com a utilização de um con-
importância.
junto de técnicas, muitas delas antigas e tradicionais, que
servem para reduzir a probabilidade de colonização da cul-
3.1.1 Serviço quarentenário tura pelos insetos, promover sua dispersão desde a cultura
até outras áreas ou reduzir a sobrevivência e/ou reprodução
Tem como objetivo prevenir a entrada de pragas exóticas
se a cultura e colonizada.
e impedir sua disseminação. No Brasil, é executado pelo
Serviço de Defesa Sanitária Vegetal do Ministério da Agri-
cultura. Consiste na inspeção e fiscalização (mediante quar- 3.2.1 Modificação do meio físico
entena) de produtos que entram e saem do pais ou são trans-
1. Preparo do Solo: Práticas culturais de aração e
portados entre estados. Os técnicos inspecionam os portos,
gradagem são eficientes no controle de pragas que pos-
aeroportos e fronteiras, procurando identificar e impedir a
suem fase de seu ciclo de vida dentro do solo, sobre o
entrada de vegetais, produtos de origem vegetal, solo, con-
solo ou no interior dos restos culturais. A ação de cont-
tainers e outros materiais infestados. Esse serviço também
role dessas práticas ocorre devido: ao ressecamento da
atua em casos de exportação impedindo a saída de produtos
camada superficial do solo; ao enterro das pragas en-
agrícolas contendo pragas. Dentro do país, é feita inspeção
contradas na superfície do solo; por provocar ferimen-
em cargas ao atravessar divisas de estados.
tos e expor as pragas da camada superficial do solo a
A Portaria 181 (05-10-1998) estabelece três categorias
ação dos raios solares e de inimigos naturais (pássaros,
para as pragas quarentenárias. Pragas quarentenárias
principalmente).
A1 (pragas de grande importância, não presentes no
Brasil), Pragas quarentenárias A2 (pragas presentes no 2. Rolagem: Consiste na compactação do solo, pela pas-
pais, em áreas restritas e sob controle oficial) e Pragas sagem de um cilindro pesado. Isto faz com que pra-
quarentenárias regulamentáveis (pragas não quarentenárias gas, como lagarta rosca (Agrotis ipsilon), se desloquem
mais passíveis de regulamentação devido a sua importân- para a superfície do solo deixando-as expostas à ação
cia). dos raios solares e a predadores.
3. Manejo dos nutrientes do solo (Manejo de fertilizantes
3.1.2 Medidas obrigatórias de controle e matéria orgânica): O teor de nutrientes na planta
São medidas estabelecidas por meio de leis que obrigam e no solo além de influenciar o desenvolvimento das
os produtores a cumpri-las. Por exemplo para a cultura de plantas, pode também afetar a sobrevivência e pro-
algodão é obrigatório destruir os restos da cultura até o 15 liferação das populações das pragas. O excesso de
de julho de cada ano, para prevenção contra o ataque da nitrogênio geralmente aumenta as populações de in-
broca e lagarta rosada. Essa prática também visa a redução setos sugadores (pulgões, cochonilhas e tripes, prin-
de sua população. No Rio Grande do Sul é obrigatória a cipalmente) e ácaros. Tal fato é devido a elevação
coleta e queima dos galhos de acácia negra para diminuir a do teor de aminoácidos essenciais na seiva das plan-
infestação do serrador Oncideres impluviata. tas, aumentando assim a sobrevivência e prolificidade
dos artrópodes e reduzindo a duração do ciclo de vida
desses indivíduos.
8 Métodos Legislativos, Culturais, Mecânicos e Físicos de Controle de Pragas

4. Manejo da água. A elevação do teor de umidade do prática é feita para controle do bicudo do algodoeiro
ar no microclima da cultura geralmente provoca o au- (Anthonomus grandis).
mento da mortalidade das pragas pela ação de fungos
entomopatogênicos. O aumento da quantidade de água 5. Modificação da atmosfera: e uma técnica muito uti-
fornecida às plantas, pode reduzir a concentração de lizada para controle de pragas em armazenagens. Em
aminoácidos essenciais na seiva, fato este que pode silos e outros locais pode se modificar a composição
diminuir populações de certos insetos sugadores (pul- normal dos gases da atmosfera gerando assim atmos-
gões, cochonilhas e tripes) e ácaros. A chuva e a feras ricas em CO2 e N2 que podem afetar a sobre-
irrigação por aspersão pode causar mortalidade de vivência dos insetos.
pequenos insetos e ácaros pelo efeito mecânico de
derrubá-los e feri-los. O manejo da agua pode ser im- 3.2.3 Dessincronização entre cultura e ciclo
portante também para controle de insetos subterrâneos vital da praga
ou aquáticos, assim podem se controlar populações do
bicho bolo (Coleoptera: Scarabaeidae) em culturas de 1. Profundidade de Plantio: A profundidade de plantio
arroz de sequeiro mediante a inundação da cultura; por pode afetar a velocidade de germinação das sementes
sua vez a drenagem da agua na cultura do arroz ir- e o vigor das plantas, o que interfere no tempo em que
rigado pode servir para controle da bicheira do arroz a cultura permanece nos estágios iniciais. Nestes está-
(Coleoptera: Curculionidae) gios as culturas são mais suscetíveis ao ataque de pra-
gas causadoras de mortalidade de plantas.
5. Uso de cobertura morta. O uso de cobertura morta
como palha ou casca de arroz pode possibilitar a di- 2. Época de plantio: O plantio em épocas que permi-
ficuldade de localização do hospedeiro por certos in- tam a dessincronização entre a época de suscetibili-
setos, como ocorre com pulgões em brássicas. dade da cultura e a ocorrência de condições climáti-
cas favoráveis à praga. Também o plantio em época
única e antecipada, pode diminuir o ataque de pragas
3.2.2 Modificação do habitat devido a cultura "enfrentar" menor população inicial
1. Espaçamento e Densidade de Plantio: O aumento da de pragas; exemplo disso é o que ocorre com a mosca
densidade de plantio pode "compensar"a mortalidade do sorgo (Contarinia sorghicola).
de plantas causadas por pragas como as lagartas rosca
3. Plantio de variedades precoces: Possibilita menor
(Agrotis ipsilon) e elasmo (Elasmopalpus lignosellus).
tempo de permanência da cultura no campo; dimin-
O espaçamento mais adensado pode aumentar a umi-
uindo assim o tempo de exposição das plantas às pra-
dade do microclima da cultura elevando a mortalidade
gas, o que acarretará em ocorrência de menor número
das pragas causadas por fungos entomopatogênicos
de ciclos de praga, por cultivo; e em menor popu-
como ocorre com o bicho mineiro (Perileucoptera cof-
lação no campo. Tal prática é usada pra controle do
feella) do cafeeiro.
bicudo do algodoeiro (Anthonomus grandis) e mosca
2. Consorciação e manutenção de plantas invasoras: O do sorgo, (Contarinia sorghicola).
Plantio de culturas em consórcio e a manutenção de
4. Época de colheita: A colheita deve ser feita assim
plantas invasoras junto às culturas aumenta a diversi-
que ocorra a maturidade fisiológica dos frutos ou se-
dade hospedeira dos agroecosistemas. Fato esse, que
mentes; para diminuir o tempo de exposição destes à
pode reduzir as populações de pragas "especialistas"
pragas. Tal atitude é recomendada em fruteiras para
e aumentar as populações de certos inimigos naturais
controle de mosca das frutas (Diptera: Tephritidae);
e pragas "generalistas". O controle das pragas "es-
em feijoeiro e cereais para diminuir o ataque de pragas
pecialistas" se deve, por exemplo: à dificuldade de
de armazenamento cujo início da infestação ocorre no
localização da cultura hospedeira, (promovendo uma
campo. Esta técnica também e útil para controle de
diminuição das populações de homópteros e tripes em
pragas diapausantes já que a colheita pode se efetuar
um sistema hortícola diversificado) por sua vez, passa
antes que os insetos alcancem este estagio reduzindo
a facilitar a ação dos predadores.
assim as populações na próxima estação de produção.
3. Rotação de culturas: O plantio alternado de plantas de
espécies diferentes, pode servir de métodos de cont- 3.2.4 Adoção de medidas de Sanidade
role de pragas específicas (soja-trigo; milho-feijão). E
mais efetivo para espécies com distâncias de migração 1. Uso de Sementes ou Propágulos Livres de Pragas:
limitados. Permite o controle de pragas que se disseminam
através de semente, como ocorre com a lagarta rosada
4. Cultura armadilha ou cultura isca: Consiste no uso de (Pectinophora gossypiella, Saund., 1844) em algo-
culturas atrativas à praga, na qual é aplicado defen- doeiro.
sivo em dose geralmente elevada; sendo que, quando
essa cultura está atacada pela praga ela é destruída. Tal 2. Catação de frutos caídos: Pode servir como prática
para diminuição dos focos para futuras infestações de
Métodos Legislativos, Culturais, Mecânicos e Físicos de Controle de Pragas 9

pragas que vivem dentro dos frutos; como ocorre com econômico, ou como complemento de outros métodos.
moscas das frutas (Diptera: Tephritidae) em citros. Usa-se para controlar bandos de gafanhotos, cochonil-
Após a catação dos frutos, pode-se jogá-los em valas has em pastagens (Antonina graminis), cigarrinhas em
cobertas por telado fino que permita a passagem de cana-de-açúcar (Mahanarva sp.) e lagarta rosada em
parasitóides e impeça que o mesmo ocorra com os algodão (Pctinophora gossypiella), através da queima
adultos da praga. A broca do café e o bicudo do al- de restos de cultura e destruição de ramos de plantas
godoeiro podem ter suas populações diminuidas com atacadas por coleobrocas.
a catação de frutos de café e estruturas reprodutivas do
algodão coletadas do chão. 2. Temperatura: alta (50◦ C) ou baixa (−5◦ C), para matar
ou paralisar as atividades de algumas pragas. É um
3. Poda: Permite o controle de larvas broqueadoras de método empregado para o controle de pragas de grãos
caule, como ocorre em citros, onde os galhos ataca- armazenados.
dos por larvas de coleópteros broqueadores devem ser
cortados e queimados. 3. Processos de radiação eletromagnética. As faixas do
espectro que têm sido usadas para controle de inse-
4. Destruição dos restos culturais: Possibilita a destru- tos são as radiações ultravioleta (U.V.), luminosa e in-
ição de pragas que sobrevivem nos restos culturais fravermelha (I.V.). A manifestação da radiação solar
como ocorre com o bicudo do algodoeiro (Anthonomus durante o dia é através da cor do substrato. As reações
grandis), lagarta rosada (Pectinophora gossypiella) e dos insetos às diferentes cores são de atratividade ou
broca da raiz, Eutinobothrus brasiliensis) na cultura repelência, o que permite que sejam usados como meio
algodoeira. de controle.

(a) Cor como repelente para controle de pulgão: o


3.3 Métodos Mecânicos de Controle pulgão Myzus persicae é repelido por radiação
de Pragas ultra violeta ao pousar numa superfície, logo é
recomendado o uso de cobertura morta refletora
1. Apanha manual: coleta manual de ovos, de larvas ou de ultravioleta, como palha de arroz sobre cober-
de ninfas e de adultos, facilmente visíveis. Muito us- tura de hortas.
ado em agricultura de subsistência (Ex.: ovos de curu- (b) Cor como atraente para controle de mosca branca
querê da couve - Ascia monuste orseis). e mosca minadora: a cor amarela ouro atrai adul-
2. Técnica da batida: pode ser usado, principalmente tos desses insetos, assim ela é usada em superfí-
em fruteiras, fazendo-se sucessivas batidas no tronco, cies para atrair e capturar adultos no campo. Ex.:
colocando-se panos ou plásticos sob as árvores para pode-se utilizar uma tábua pintada de amarelo
coleta dos insetos caídos após as batidas. impregnada com óleo queimado e ao se camin-
har com este anteparo entre as linhas de cultivo,
3. Barreiras: Uso de qualquer prática que impeça ou difi- captura-se grande quantidade de insetos.
culte o acesso do inseto à planta (Ex.: uso de sulcos ou
valetas contra o ataque de gafanhotos e curuquerê dos (c) Armadilhas luminosas: são aparelhos destina-
capinzais - Mocis latipes; cone invertido feito de poli- dos a atrair e capturar insetos fototrópicos posi-
etileno ou plástico de saco de adubo preso ao coleto de tivos, de vôo noturno. Existem vários tipos de ar-
frutíferas, café, etc. para evitar que formigas cortem as madilhas luminosas derivadas de modelos amer-
folhas. icanos, sendo que as lâmpadas utilizadas emitem
maior parte de sua energia na faixa do ultravio-
4. Fragmentação dos despojos das culturas: controlar leta (U.V.), o que as torna mais eficientes para
pragas que permanecem no interior de hastes ou col- atração de insetos. É utilizado para estudos de
mos de planta hospedeira ao final de seu ciclo vege- levantamentos populacionais de insetos, coletas
tativo, em estado larval ou pupal. Usa-se a passagem e controle de pragas. Ex.: Intral modelo Al-
de uma grade de discos que destrói as larvas ou as pu- 12/UFV provida de luz negra e modelo Luiz
pas. Em algodão, fragmenta-se os despojos culturais, Queiroz (Esalq).
amontoa-os e põe-se fogo com objetivo de controlar
o bicudo do algodoeiro (Anthonomus grandis), lagarta 4. Som: As ondas sonoras só caminham com a vi-
rosada (Pectinophora gossypiella) e broca da raiz (Eu- bração de partículas. O som apresenta diferentes faixas
tinobothrus brasiliensis). de freqüência, sendo que muitas espécies de insetos
utilizam-se da capacidade de percepção na freqüência
do ultra-som (acima de 20.000 hertz ou 20.000 cps),
3.4 Métodos Físicos de Controle de não sendo percebido pelo ouvido humano, para a sua
Pragas sobrevivência. O som pode ser empregado no controle
do inseto sob duas formas:
1. Fogo: tem uso restrito no controle de pragas. Us-
ado em situações onde o controle químico seria anti-
10 Métodos Legislativos, Culturais, Mecânicos e Físicos de Controle de Pragas

(a) Através do aquecimento, empregando energia in-


tensa. A primeira forma torna-se restrita a am-
bientes confinados, tendo em vista a alto custo
da produção deste tipo de energia. Boas per-
spectivas são oferecidas na preservação de al-
imentos em armazéns, tratamento de madeiras
e outros materiais de fácil transporte e sujeitos
ao ataque de insetos. Pode-se ainda, empregá-
lo como atraente ou repelente. Como atraente o
som tem sido empregado no controle de perni-
longos. O processo consiste em simular o som
emitido pelas fêmeas em vôo para atração e cap-
tura dos machos.
(b) através de freqüências diversas, afetando o com-
portamento dos insetos, mas não sendo direta-
mente fatal. Como repelente, tem sido usado,
com maior sucesso, ultra-som de 60.000 a 25.000
cps, os quais têm a mesma freqüência dos sons
produzidos pelos morcegos insetívoros, que são
predadores vorazes de mariposas e portanto, tais
sons afugentam-nos. Entretanto, o raio de pro-
teção é pequeno para o método ter aplicação
prática. No Brasil, existem aparelhos repelentes
sonoros a insetos que prejudicam o homem e an-
imais, sendo, no entanto, todos de baixa eficiên-
cia.
Capítulo 4

Controle Biológico de Insetos

Controle biológico consiste na utilização de inimigos nat- com a finalidade de Ter um efeito imediato sob a pop-
urais (predadores, parasitas e patógenos) no controle das ulação da praga, ex.: bioinseticidas)
populações de organismos praga.

4.2 Inimigos Naturais


4.1 Tipos de Controle Biológico
4.2.1 Predadores
1. Natural. Controle de populações de pragas por inimi-
gos naturais que ocorrem normalmente no agrossis- Características. Organismos de vida livre durante todo o
tema. Este tipo de controle pode se utilizar sem fa- ciclo vital, geralmente atacam presas tanto na fase imatura
vorecimento (não fazendo nenhuma intervenção no como na fase adulta, precisam de mais de uma presa
agroecossistema) o com favorecimento, utilizando téc- para completar seu desenvolvimento, matam e devoram sua
nicas de manejo que protejam os inimigos naturais presa em forma rápida, não precisam sincronização en-
ou bem aumentem seu efeito na população do inseto tre o ciclo vital da praga e do predador, geralmente são
praga, Para isto pode se: 1) empregas inseticida se- pouco específicos (oligófagos ou polífagos). Os principais
letivo; 2) aplicação em reboleiras, ruas alternadas; 3) predadores de insetos são:
utilizar sub-dosagem; 4) aplicar inseticida somente
1. Diptera: Syrphidae, Asilidae, Calliphoridae, Ce-
quando realmente necessário; 5) forma e ou povoar
cidomyidae, Pompyllidae, Phoridae.
bosques nas proximidades, que mantém populações de
inimigos naturais; 6) diversificar as espécies vegetais 2. Hymenoptera: Vespidae, Sphecidae, Pteromalidae,
cultivadas, o que também contribui para a manutenção Formicidae.
de populações de inimigos naturais.
3. Coleoptera: Coccinellidae, Carabidae, Staphylinidae,
2. Clássico. Consiste na introdução de um inimigo natu- Lampyridae, Dytiscidae.
ral originário de outra região, geralmente outro país ou
continente, o mesmo de onde se originou a praga. Ex- 4. Neuroptera: Chrysopidae, Hemerobiidae.
emplo: introdução da vespinha-de-Uganda no Brasil
5. Hemiptera: Pentatomidae, Reduviidae, Lygaeidae,
para o controle da broca da cana.
Nabidae.
3. Neo-clássico. Introdução de inimigos naturais de out-
6. Odonata: Libellulidae, Aeshnidae.
ras regiões para o controle de pragas nativas. É con-
siderado muito perigoso e não recomendado, porque 7. Dermaptera: Forficulidae, Labiduridae.
esses inimigos são pouco especializados e podem ter
efeitos nocivos sobre populações de outros insetos 8. Ácaros predadores: Phytoseiidae, Cunaxidae, Stig-
além da praga, incluindo espécies úteis como polin- maeidae, Bdellidae.
izadores e outros inimigos.
9. Aranhas predadoras: Lycosidae, Thomisidae, Saltici-
4. Artificial. Criação em massa de inimigos naturais com dae
posterior liberação ou aplicação no campo. Os mais
10. Outros animais: Lagartos, rãs, sapos, tatus, morce-
usados são vespinhas parasitóides (Hymenoptera) e
gos, pássaros, peixes. Os vertebrados insetívoros são
patógenos (fungos, bactérias e vírus). Essas liberações
pouco específicos e por isto não muito efetivos como
podem se fazer em forma inoculativa (liberação em
agentes de controle biológico, se bem algumas aves
vários pontos da cultura de um pequeno número de in-
tem demonstrado ser um importante fator de mortali-
divíduos para permitir seu estabelecimento e posterior
dade de lagartas em algumas culturas.
incremento da população) ou em forma inundativa
(liberação de grande número de indivíduos no campo
12 Controle Biológico de Insetos

4.2.2 Parasitóides generalizada (em Lepidoptera colonizam células de


vários tecidos em outros insetos só alguns tipos celu-
Características: só são parasitas durante a fase imatura
lares); morte. Em geral o inseto infestado par de se
de seu ciclo vital (as larvas se desenvolvem parasitando
alimentar um o dois dias após de ser infestado e morre
outros insetos e os adultos são de vida livre), geralmente
logo de 4 a 7 dias.
matam o hospedeiro no final do processo, precisam só de
um hospedeiro para seu desenvolvimento, só as fêmeas at- Sintomas externos: perda de apetite, redução da mo-
acam o hospedeiro (as vezes elas podem se alimentar desse bilidade, descoloração do corpo, corpo oleoso, flá-
hospedeiro incrementando assim o efeito), em muitos ca- cido, amarelado ou esbranquiçado, lagartas desfol-
sos possuem especificidade atacando só uma espécie de in- hadoras morrem dependuradas pelas pernas abdomi-
setos o espécies próximas dentro de uma Família, podem nais no ápice da planta hospedeira.
parasitar ovos, larvas, ninfas ou adultos, em muitos casos Vantagens de seu uso no controle de pragas: es-
precisam de sincronização com o ciclo vital do hospedeiro. pecificidade, segurança aos vertebrados, persistência
Os parasitóides podem ser classificados segundo várias e multiplicação no meio, uso das mesmas técnicas de
características biológicas, tendo assim: ectoparasitóides aplicação de inseticidas convencionais, não contami-
(se desenvolvem fora do corpo do hospedeiro) ou endopar- nação do meio.
asitóides (se desenvolvem no interior do hospedeiro). Par- Desvantagens de seu uso no controle de pragas:
asitóides solitários (cada hospedeiro é parasitado por um restrita ação (apenas determinadas pragas); técnica
individuo), parasitóides gregários (um hospedeiro é para- mais apurada (amostragens, época de aplicação); baixa
sitado por vários indivíduos). Parasitóides idobiontes (o disponibilidade de produtos no mercado.
hospedeiro parasitado interrompe seu desenvolvimento) ou
parasitóides coinobiontes (o hospedeiro parasitado pode 2. Bactérias
continuar seu desenvolvimento). Hiperparasitóides, são
parasitóides de outros insetos parasitóides. (a) Bactérias não formadoras de esporo
Existem insetos parasitóides das Ordens: Neuroptera, i. Pseudomonas
Coleoptera, Strepsiptera, Lepidoptera, Diptera e Hy- ii. Serratia marcescens
menoptera. Os mais importantes para o controle biológico
são: (b) Bactérias formadora de esporo
i. Bacillus popilliae (mata Coleoptera:
1. Diptera: Tachinidae, Sarcophagidae,
Scarabeidae)
2. Hymenoptera: Braconidae, Trichogrammatidae, Ich- ii. Bacillus lentimorbus (mata Coleoptera:
neumonidae, Scelionidae, Pteromalidae, Chalcididae, Scarabeidae)
Bethylidae. iii. Bacillus thuringiensis (mata Lepidoptera,
Diptera e Coeleoptera)
4.2.3 Patógenos iv. Bacillus sphaericus (mata Diptera: Culici-
dae e Simulidae)
1. Vírus: são parasitas obrigatórios intracelulares. Os
principais grupos de vírus patógenos de insetos são: Mecanismo ação e penetração: ingestão de esporos
com toxinas; ação da δ-endotoxina ao nível do epitélio
(a) Vírus em corpos de inclusão (os vírions se en-
intestinal (parada alimentar) colonização do corpo do
contram numa matriz de proteínas)
inseto pelos bacilos produção de α e β exotoxinas e
i. Vírus da poliedrose molecular (VPN) morte do inseto. Perda de apetite do inseto.
(Família Baculoviridae)
Sintomas externos: parada alimentar; regurgitação e
ii. Vírus da granulose (VG) ) (Família Bac-
diarréia; tegumento de cor fosca - marrom escura -
uloviridae)
preto seco.
iii. Vírus da poliedrose citoplasmática (VPC)
(Família Reovíridae). Vantagens de seu uso no controle de pragas: especi-
ficidade ao grupo de lagartas; alta patogenicidade; não
(b) Vírus de partícula livre (vírions livres) contaminação do meio; difícil resistência.
i. Alguns da Família Baculoviridae. Desvantagens de seu uso no controle de pragas:
ii. Família Iridoviridae produto que pode perder atividade; cuidados com ar-
iii. Gênero Reovírus mazenagem e transporte; aplicação ao entardecer (evi-
iv. Virus de RNA (Picornaviridae, Nodaviridae, tar alta radiação solar); restritos produtos comerciais
Rhabdoviridae). no mercado.

Mecanismo de penetração e ação: ingestão (corpos 3. Fungos


poliédricos de inclusão); ação alcalina do tubo diges-
tivo e degradação enzimática liberando os vírions; in- (a) Classe dos Ficomicetos - Entomophthora
festação viral das células do trato digestivo; infestação (b) Classe dos Ascomicetos - Myriangium, Nectria
Controle Biológico de Insetos 13

(c) Classe dos Basidiomicetos - Septobasidium de Minas Gerais) com resultados que variam desde o
(d) Classe dos Deuteromicetos - Acrostalagnus, As- sucesso absoluto (60% de controle) até em fracassos (<
chersonia, Aspergillus, Beauveria, Hirsutella, 10% de controle). O processo consiste em se utilizar
Metarrhizium, Penicillium, Nomuraea. (Princi- esporos do fungo produzidos em laboratórios através
pal grupo para o controle biológico). de aplicações em campos via pulverização. Os resulta-
dos contraditórios em relação a eficácia do método se
Mecanismo de penetração e ação: Penetração via devem a alguns aspectos importantes tais como: qual-
cutícula (áreas intersegmentais); colonização do corpo idade do fungo, dosagem aplicada, método de apli-
do inseto, produção de micotoxinas (morte do in- cação, chuvas e umidade por ocasião de aplicação.
seto); mudanças patológicas na hemocele, bloqueio
4. Controle biológico de lagartas desfolhadoras de Eu-
mecânico do aparelho digestivo; crescimento do
calipto com percevejos predadores. O reflorestamento,
micélio e envolvimento externo do inseto.
especialmente com gênero Eucalyptus causou o surgi-
Sintomas externos: mudança de cor do tegumento, mento de dezenas de espécies de lagartas desfolhado-
manchas escuras nas pernas e regiões; perda do apetite; ras que tem causado danos a milhares de hectares ex-
tegumento torna-se rósea (B. bassiana e M. anisopliae) plorados comercialmente. Entre os vários grupos de
e depois esbranquiçado ou amarelado pelo micélio. inimigos naturais, dessas lagartas, destaca-se a pre-
Vantagens de seu uso no controle de pragas: sele- sença de algumas espécies de percevejos predadores,
tividade; persistência no meio; baixa toxicidade a ver- especialmente aqueles do gênero Podisus. No entanto
tebrados; baixo impacto no meio ambiente. as populações desses importantes insetos só atingem o
controle das lagartas quando, normalmente, a desfolha
Desvantagens de seu uso no controle de pragas: de-
já ocorreu. Caso fosse possível a produção, em labo-
pendência do meio ambiente (alta umidade, temper-
ratório, desses insetos provavelmente fosse melhorado
atura, luz); dificuldade na produção e armazenamento;
a sua atuação. Assim, desde 1983 tem sido desen-
efeito não imediato.
volvido, na UFV, um programa de pesquisa, visando o
incremento de tecnologia de produção desses perceve-
4.3 Alguns Programas de Controle jos. Nesta Instituição, tais insetos têm sido produzidos,
em larga escala, com a utilização de presas alternati-
Biológico no Brasil vas como larvas de Musca domestica, de Bombyx mori
e de Tenebrio molitor. Atualmente, após transferência
1. Controle de Anticarsia gemmatalis em soja. A lagarta dessa tecnologia, além do laboratório da UFV, exis-
da soja A. gemmatalis foi alvo de um programa de tem outros na Reflorestadora do Alto Jequitinhonha,
CB desenvolvido pela EMBRAPA/CNPSo que utiliza em Montes Claros; na CAF Florestal, em Bom Despa-
o vírus Baculovirus anticarsia (VPN) para o seu con- cho e na Duraflora, em Lençóis Paulista.
trole. O programa visou estabelecer técnicas de pro-
dução e aplicação do vírus para implementar o controle
de praga e diminuir o uso de inseticidas. Atualmente,
em termos de área atingida, este é o maior programa de
uso de vírus de insetos, em nível mundial. Em termos
econômicos, a safra de 88/89 gerou uma economia de
6,4 milhões de dólares aos agricultores da região sul
do país em função da economia gerada pelo programa
em relação ao tratamento convencional.
2. Controle de Erinnyis ello em mandioca. O vírus de
granulose (VG) do mandrová-da-mandioca pode ser
considerado como o segundo vírus utilizado na prática,
no Brasil. O programa de controle foi desenvolvido
pela EMPASC - Itajaí SC e baseia-se na multipli-
cação do VG em lagartas alimentadas com folhas de
mandioca, para posterior coleta de lagartas mortas,
armazenamento e distribuição ao agricultor. Atual-
mente, este VG vem sendo também produzido pela
IAPAR-PR, sendo que na safra de 1985 foi utilizado
em aproximadamente 2.000 ha cultivados com a cul-
tura.
3. Controle de cigarrinhas-das-pastagens pelo fungo M.
anisopliae. O uso do fungo vem sendo utilizado em
várias regiões do país (Pernambuco, Brasília, Norte
Capítulo 5

Métodos de Controle por Comportamento

Nos organismos vivos, comportamentos de atração, re- (e) Feromônio de território. Substância relacionada
pelência, estimulação ou inibição são normalmente me- com a área de ocupação do inseto. Estes são dos
diados por substâncias químicas conhecidas como semio- poucos feromônios que atuam como repelentes.
químicos (sinais químicos). Os insetos utilizam os semio-
químicos para localização de presas, defesa e agressividade, Do ponto de vista do Manejo de Pragas os feromônios
seleção de plantas, escolha de locais de oviposição, corte e são as substâncias que têm recebido mais atenção, particu-
acasalamento, organização das atividades sociais e diversos larmente os feromônios sexuais.
outros tipos de comportamento.
5.2 Utilização dos feromônios no
5.1 Semioquímicos manejo integrado de pragas
1. Aleloquímicos: Substâncias químicas envolvidas na 1. Detecção de pragas: verificação da presença de pragas.
comunicação entre organismos de espécies diferentes. Utilizado na detecção dos primeiros vôos da traça-das-
(a) Cairomônios. O organismo receptor é favorecido frutas.
(ex. compostos nas fezes de lagartas de mari- 2. Monitoramento de pragas: Verificar se a população
posas que atraem parasitóides). de uma praga atingiu o nível de controle. Utilizado
(b) Alomônios: Organismo que produz a substância para culturas de pessegueiros, para Grapholita mo-
é favorecido (ex. plantas que produzem substan- lesta, com armadilhas de feromônio. Em galpões para
cias repelentes de insetos). secagem de folhas de fumo, utiliza-se a armadilha de
(c) Sinomônios: tanto o organismo receptor como o Serriconin para monitorar besouro escolitídeo praga.
organismo produtor são favorecidos (ex. plan-
3. Controle de pragas
tas injuriadas por insetos fitófagos liberam com-
postos que são atraentes para inimigos naturais (a) Cultura armadilha: uso de feromônio em faixas
desses insetos). de cultura previamente instaladas para atração da
(d) Apneumônios: substância liberada por um objeto praga.
inanimado que beneficia a um organismo. (b) Coleta massal: coleta de indivíduos através de
2. Feromônios. Substâncias químicas ou misturas destas, armadilhas. Esta técnica têm dado melhores re-
envolvidas na comunicação entre indivíduos da mesma sultados quando se usa com feromônios de agre-
espécie. gação, como no caso da utilização para coleta
de bicudo do algodoeiro com feromônio de agre-
(a) Feromônio Sexual. Substância liberada, geral- gação “blockaide” ou nomate PBW.
mente pelas fêmeas, para atração do parceiro sex- (c) Confundimento: saturação da área com o fer-
ual. Ex.: Lepidoptera. omônio sexual, dificultando o acasalamento. Uti-
(b) Feromônio de Agregação: Substância para lizando feromônios sintéticos, reduz-se a proba-
manutenção da sociedade (abelha), colonização bilidade de encontros e/ou agregação dos sexos e
de habitats (Coleoptera: Scolytidae) e agregação. acasalamentos. Em algodão, utiliza-se o “gossy-
(c) Feromônio de Trilha. Substância deixada no solo plure” para confusão de P. gossipiella, com re-
para reconhecimento da “trilha” (formigas e cu- dução de até 64% na aplicação de inseticidas.
pins). Para o bicudo também são utilizadas várias is-
cas embebidas com feromônio “grandllure” para
(d) Feromônio de Alarme. Substância usada pelos
a confusão de machos.
insetos para fuga (pulgões) e agressão (formigas
e abelhas), muito voláteis.
Métodos de Controle por Comportamento 15

(d) Feromônio + inseticida (luta atraticida): consiste


na atração de insetos a uma fonte de feromônio
que é tratada com inseticida. Ex.: controle de Cy-
dia pomonella em pomares da Europa com mis-
tura de feromônio sexual + piretróides.

Os principais feromônios disponíveis, ou que se tornarão


disponíveis muito em breve, para uso em armadilhas no
Brasil são para as seguintes pragas (alguns nomes comer-
ciais se apresentam entre parênteses).

1. Besouro da cana de açúcar - Migdolus fyranus.


2. Besouro do fumo - Lasioderma serricorne: Serrico
(Fersol) e Lasiotrap.
3. Bicudo das palmáceas - Rhynchophorus palmarum.
4. Bicudo do algodoeiro - Anthonomus grandis.
5. Lagarta rosada do algodoeiro - Pectinophora gossyp-
iella: Nomate PBW (Albany) e Dispenser (Mitsubin);
6. Lagarta enroladeira da maçã - Bonagota cranodes.
7. Mariposa Cydia pomonella.
8. Moleque da bananeira - Cosmopolites sordidus.

9. Gorgulho - Sitophilus oryzae.


10. Lagarta do cartucho do milho - Spodoptera frugiperda.
11. Mariposa oriental das frutas - Grapholita molesta:
Sectar 3M (Sandoz).

Os feromônios que estão sendo trabalhados para se


tornarem comerciais nacionalmente, são para as espécies:

1. Lagarta elasmo - Elasmopalpus lignosellus

2. Lagarta dos capinzais - Mocis latipes


3. Lagarta rosca - Agrotis ipsilon
4. Bicho mineiro do café - Perileucoptera coffeella
5. Traça do tomate - Tuta absoluta
6. Traça das crucíferas - Plutella xylostella.
Capítulo 6

Métodos Genéticos de Controle

Estas técnicas de controle baseiam-se na modificação podem-se obter efeitos opostos isto é: podem-se uti-
genética dos organismos de um agroecossistema visando lizar para “melhorar” organismos de utilidade no con-
o controle das populações de insetos praga. Pode se ma- trole de pragas, por exemplo inimigos naturais.
nipular a população da própria espécie praga ou de outros
componentes do sistema (plantas ou inimigos naturais).
6.2 Organismos Transgênicos
6.1 Controle Autocida Essa é a mais nova técnica para o controle de pragas e
baseia-se nas técnicas do DNA recombinante e na engen-
Com este nome se designa um conjunto de técnicas que haria genética. Mediante seu uso busca-se introduzir nos
utilizam os indivíduos de uma espécie praga modificados organismos genes de outros e que vão conferir alguma van-
geneticamente para reduzir a população de sua própria es- tagem para ser utilizada no beneficio do homem.
pécie. Do ponto de vista do controle de pragas o principal uso
dessas técnicas, até agora, tem visado a transformação de
1. Técnica do inseto estéril: É a mais difundida no con-
plantas para conferir resistência frente ao ataque de inse-
trole autocida. Consiste na criação massal de inse-
tos. Os genes mais utilizados nas plantas já comercializadas
tos de uma espécie praga sua esterilização (por meio
são o da toxina de Bacillus thuringiensis. Também tem se
de radiações γ ou X, ou substâncias químicas) e lib-
experimentado com genes inibidores de enzimas digestivas
eração no campo para competir com os insetos nor-
extraídos de sementes do feijão Vigna unguiculata e genes
mais no acasalamento. Em geral são utilizados ma-
produtores de compostos anti-nutrientes.
chos da espécie praga. As fêmeas acasaladas com os
Outro uso potencial dos organismos geneticamente mod-
machos estéreis não deixam descendência, causando
ificados é a modificação de entomopatógenos. A engen-
redução dos níveis populacionais. O grau de controle
haria genética pode ser uma ferramenta útil para manipular
que se obtém depende muito da relação macho estéril
o genoma de vírus, baterias e fungos patógenos de insetos
: macho normal na população e da eficiência de am-
tentando incrementar sua virulência e o potência de suas
bos os tipos de machos na busca das fêmeas e acasala-
toxinas. Isso pode contribuir para o desenvolvimento de in-
mento. Um dos programas com maior sucesso uti-
seticidas microbianos mais potentes e com maior eficiência
lizando essa técnica têm sido empregado nos Estados
o que poderia torná-los mais atrativos para os produtores e
Unidos para controle da mosca Cochliomia hominivo-
empresas.
rax (Diptera: Calliphoridae), uma praga de grande im-
Por último, as técnicas de engenharia genética pode-
portância veterinária, que foi praticamente erradicada.
riam ser utilizadas para modificar insetos predadores e par-
Também foram bons resultados no controle de moscas-
asitóides com genes que conferem resistência a inseticidas.
das-frutas (Diptera: Tephritidae) em várias regiões do
mundo.
2. As outras técnicas de luta autocida consistem em ma-
nipular a composição do “pool” gênico de uma es-
pécie para reduzir os níveis populacionais. O obje-
tivo fundamental é alterar os processos genéticos nor-
mais para tornar os insetos menos fecundos, menos
lôngevos ou estéreis. Até agora essas técnicas não têm
sido utilizadas na prática, mas vários processos genéti-
cos são conhecidos e o potencial de seu uso demon-
strado. Entre eles podemos mencionar mutações letais
condicionantes, esterilidade herdada, esterilidade de
híbridos, incompatibilidade citoplasmática e incom-
patibilidade cromossômica. Mediante essas técnicas
Capítulo 7

Controle químico

O uso de substancias químicas para combater pragas data • Óleos minerais (derivados do petróleo)
de aproximadamente 3500 anos atrás quando os antigos
egípcios utilizavam enxofre para desinfetar as habitações 2. Sintéticos
dos reis e príncipes. No século XIX os principais produ-
• Organoclorados
tos utilizados para combater as pragas foram sais minerais
(de metil-mercúrio, de arsênico, etc.), produtos derivados • Organofosforados
de plantas (rotenona, nicotina, etc.) e óleos (minerais e • Carbamatos
derivados de plantas). Na inicio do século XX iniciou-se o • Piretróides
desenvolvimento dos produtos sintéticos que mudaram rad-
icalmente a história da luta contra as pragas, sendo esses • Fumigantes (brometo de metila, fosfina , etc.)
produtos os mais utilizados nos agroecossistemas ate hoje. • Reguladores do Crescimento
Os produtos utilizados para combater pragas da agricul- • Inibidores do crescimento
tura e outras são chamados genericamente de agrotóxicos.
• Neonicotinóides
Segundo a lei 7802 do 11 de julho de 1989 os agrotóxicos e
afins são: “produtos e agentes de processos físicos, quími-
cos ou biológicos destinados ao uso no setores de produção, Organoclorados
armazenamento e beneficiamento de produtos agrícolas, nas São compostos caracterizados pela presença de C, H, Cl,
pastagens, na proteção de florestas nativas ou implantadas,
e às vezes O. Possuem várias uniões C-Cl. Muitos possuem
e de outros ecossistemas e também de ambientes urbanos, cadeias carbonadas cíclicas. Fazem parte destes compos-
hídricos e industriais, cuja finalidade seja alterar a com-
tos o DDT, BHC, Lindano (formados por anéis de benzeno
posição da flora e da fauna, a fim de preservá-las da ação
clorados) e os compostos chamados de cyclodienos (aldrin,
danosa de seres vivos considerados nocivos, incluindo-se dieldrin, endosulfan, myrex).
as substâncias e produtos empregados como desfolhantes, Os organoclorados são compostos altamente lipofílicos,
dessecantes, estimulantes e inibidores de crescimento”. pouco solúveis em água, que possuem uma alta estabili-
Estes produtos podem ser chamados segundo os organ- dade química. São pouco degradáveis tanto por processos
ismos que controlam sendo assim inseticidas, acaricidas, físico-químicos (fotólise, hidrólise, etc.) como por proces-
fungicidas, nematicidas, herbicidas, etc. sos biológicos (biodegradação) e por isso são facilmente
bio-acumuláveis. Eles acumulam-se no ambiente e de-
Classificação dos inseticidas (segundo a fonte moram décadas para se degradar. Também têm se demon-
de obtenção) strado suas propriedades carcinogênicas. No Brasil seu
uso está totalmente proibido na agricultura há vários anos.
1. Naturais De acordo com a Convenção de Estocolmo, esses produtos
serão banidos no Mundo todo dentro de alguns anos.
(a) Inorgânicos
Modo de ação: os organoclorados possuem vários
• Sais de metil-mercúrio (iodo, nitrato, fos- mecanismos de ação: podem alterar a permeabilidade ao
fato) Na+ na membrana do axônio impedindo a repolarização
• Sais de arsênico (arseniato de Pb, Ca, Na) normal após a descarga de um impulso nervoso (ex. DDT),
• Sais fluorados (criolita Na3 AlF6 ) podem aumentar a liberação de acetilcolina no terminal
pre-sináptico produzindo una hiperexitação do sistema ner-
(b) Orgânicos voso (DDT), podem aumentar a concentração de Ca++ in-
• Botânicos (rotenona, piretro, nicotina) tracelular dos terminais pre-sinápticos que leva a um incre-
• Biopraguicidas produzidos por microrganis- mento na liberação de neurotransmissores e hiperexitação
mos (avermectinas, naturalytes, etc) do sistema nervoso (ciclodienos) e podem inibir a função
do GABA (ácido gamma aminobutírico) que é um inibidor
• Óleos vegetais (derivados de plantas)
da transmissão do impulso nervoso (BHC).
18 Controle químico

Organofosforados são o Diflubenzuron (muito utilizado na Europa e nos Esta-


dos Unidos) e Teflubenzuron.
São ésteres derivados do ácido fosfórico (H3 PO4 ). São
compostos com moderada lipofilicidade e moderada solu-
bilidade em água. São pouco persistentes no ambiente (1 Reguladores do Crescimento
a 12 semanas) e são facilmente hidrolizáveis em meio al- São substâncias químicas análogas ou miméticas do hor-
calino e biodegradáveis. Estes compostos são altamente mônio juvenil (juvenóides). Esses compostos são mas
tóxicos para mamíferos. efetivos nos momentos nos em que o hormônio juvenil
Modo de ação: são inibidores irreversíveis da acetilco- está em concentração baixa no corpo do inseto. Os prin-
linesterase. Os produtos mais conhecidos são parathion cipais efeitos nos insetos são: desenvolvimento anormal
(hoje proibido na maioria dos países), malation, pirimifos- com aparecimento de indivíduos com características inter-
metilo, metilazinfos, DDVP (vapona), etc. mediárias entre larvas e adultos ou pupas com característi-
cas de larvas, aparecimento de estágios imaturos a mais ou
Carbamatos malformações letais, diminuição da fertilidade e/ou fecun-
didade dos adultos e também têm um bom poder ovicida.
São compostos derivados do ácido carbâmico
Os produtos mais utilizados (Europa e USA) são Fenoxy-
(NH2 COOH) ou do ácido n-metilcarbâmico
carb e Methoprene. Nos últimos anos tem-se desenvolvido
(CH3 NHCOOH). Possuem lipofilicidade e solubili-
um composto mimético da ecdisona (hormônio da muda), e
dade em água variáveis (dependendo do composto). São
caracterizado quimicamente como uma benzidrazida. Ele
pouco estáveis e biodegradáveis = pouco persistentes.
atua causando mudas prematuras (o inseto muda quando
Possuem propriedades inseticidas, acaricidas, nematicidas
ainda não está fisiológicamente preparado) e também tem
e fungicidas.
se observado efeitos na fertilidade e fecundidade de adultos
Modo de ação: são inibidores reversíveis da acetilco-
tratados com esse composto.
linesterase; por isto não são tão tóxicos para mamíferos
quanto os organofosforados. Os compostos mais conheci-
dos são o carbaril e o aldicarb (muito utilizados tanto como Avermectinas
inseticidas quanto com acaricidas). São produtos produzidos pelo fungo Streptomyces aver-
mectilis. Para esses compostos tem-se demonstrado ativi-
Piretróides dade helmíntica, inseticida e acaricida. Atuariam como
análogos do GABA nas uniões sinápticas onde esse atua
São compostos derivados do piretro natural. Sua sínte-
como neurotransmisor. São produtos que estão sendo in-
ses se faz misturando os diferentes componentes do piretro.
tensamente estudados e com grande potencialidade como
São compostos muito solúveis em lipídios e pouco solúveis
biopraguicidas.
em água. São hidrolizáveis por ácidos ou bases e tam-
bém são biodegradáveis. Possuem pouca toxicidade para
mamíferos mais elevada toxicidade para organismos aquáti- Inseticidas comerciais
cos. Os preparados comerciais obtêm-se a partir da formu-
Modo de ação: interagem com a membrana do axônio lação de um ou vários ingredientes ativos (os produtos men-
alterando a permeabilidade ao Na+ impedindo a repolariza- cionados anteriormente). A formulação consiste na mistura
ção normal após a descarga de um impulso nervoso. Exis- do ingrediente ativo com substâncias coadjuvantes (servem
tem vários produtos, entre os mais utilizados estão a perme- para aumentar a solubilidade em água ou lipídios, estabi-
trina, cipermetrina, deltametrina, esbiotrina, etc. lizar as moléculas, facilitar sua dispersão, etc.) sinergistas
(compostos que atuam aumentando o poder tóxico do in-
Inibidores do crescimento (inibidores da grediente ativo, os mais conhecidos são butóxido de piper-
síntese de quitina) onila (normalmente utilizado com piretróides) e sesamex
(sinergista utilizado com organofosforados, carbamatos e
São compostos classificados quimicamente como ben- piretróides).
zofenilureas ou acilureas.
Modo de ação: Atuam inibindo enzimas proteases en-
carregadas de metabolizar proteínas inibidoras da enzima
quitina sintetase; causando dessa forma uma inibição do
processo de síntese de quitina necessária para a formação
do exoesqueleto do inseto. As conseqüências são insetos
com exoesqueleto fraco e muito permeável que leva a imo-
bilização, desidratação e morte, insetos que no processo de
muda não podem liberar-se da velha cutícula e também tem
se demonstrado propriedades ovicidas para estes compos-
tos. Uma vantagem importante é que estes compostos são
de baixa toxicidade para mamíferos. Os mais conhecidos
Capítulo 8

Ecologia dos Insetos

A ecologia é geralmente definida como o estudo das re- 3. Umidade. A maioria dos insetos possui de 70-90% de
lações dos seres vivos entre si e com o ambiente. Pode seu peso em água. Essa proporção precisa ser man-
ser dividida em autoecologia (estudo dos fatores que in- tida constante para que as funções fisiológicas operem
fluenciam os indivíduos de uma espécie em particular) e normalmente. Alguns insetos apresentam adaptações
sinecologia (estuda as populações, comunidades e ecossis- especiais que permitem que sobrevivam em ambientes
temas). muito secos sem a disponibilidade de água. É o caso
dos que atacam produtos armazenados como grãos e
farinha, e dos cupins de madeira seca. A umidade rel-
8.1 Autoecologia ativa do ar corresponde à quantidade de vapor de água
presente no ar em relação ao ponto de saturação, e é
Estuda a influência dos fatores ecológicos nos indivíduos expressa em percentagem. O ponto de saturação varia
de uma espécie sendo estes fatores qualquer elemento do em função da temperatura. Os insetos podem ser di-
meio (físico ou biótico). vididos em vários grupos em função da sua tolerân-
cia à umidade: aquáticos (vivem na água), higrófilos
Fatores Físicos (vivem em ambientes muito úmidos), mesófilos (maio-
ria), xerófilos (vivem em ambientes secos). Da mesma
1. Radiação solar. A parte da radiação solar importante maneira que a temperatura, os insetos apresentam uma
aos insetos corresponde ao visível, ultravioleta e in- faixa ótima e os limites superior e inferior de tolerância
fravermelho. A luz pode ser favorável ou desfavorável à umidade.
aos insetos. Alguns são atraídos pela luz (fototropismo
positivo), como abelhas e mariposas, enquanto outros 4. Vento. O vento é o movimento do ar em relação à su-
são repelidos pela luz (fototropismo negativo), como perfície da Terra. É importante na dispersão dos inse-
as baratas. Os insetos também são afetados pela du- tos, que podem ser transportados a grandes distâncias,
ração do dia, chamado de fotoperíodo, que pode regu- tanto adultos alados como formas imaturas. Assim eles
lar os ritmos biológicos como período reprodutivo e di- podem colonizar novos hábitats, e no caso de pragas,
apausa. O espectro visível ao olho dos insetos é difer- atingir novas áreas onde a espécie não ocorria ou onde
ente do visível ao olho humano, se estendendo mais ao havia sido exterminada.
ultravioleta e menos ao vermelho.
2. Temperatura. Os insetos são pecilotérmicos, isto é, Substrato
mantém a temperatura do corpo próxima da temper- O lugar onde o organismo vive pode ter uma grande in-
atura ambiente. Por isso eles são fortemente influen- fluência em diferentes aspectos de sua biologia. A disponi-
ciados pela temperatura. Os insetos tem uma faixa bilidade de um lugar adequado para viver condiciona o
de temperatura ótima para sua atividade (geralmente acesso a refugio, alimento, probabilidade de ataque por
em torno de 25◦ C), e uma faixa subótima ao redor predadores e parasitas, etc. o que finalmente influencia
dessa (15 a 38◦ C). Acima ou abaixo disso suas ativi- aspectos biológicos tais como reprodução ou sobrevivên-
dades ficam limitadas, tendendo a entrar em estivação. cia. Os insetos podem se desenvolver em qualquer um dos
A maioria morre em temperaturas acima de 48◦ C ou três substratos da biosfera atmosfera, hidrosfera ou litos-
abaixo de 0◦ C. Mas existem muitas exceções, como fera, porem 95% dos insetos vivem na litosfera e um grande
algumas moscas que se desenvolvem bem em temper- número deles sobre as plantas.
atura de 55◦ C e alguns besouros que vivem bem em
temperatura abaixo de 0◦ C. A extensão dessa faixa de
tolerância também varia de inseto para inseto; alguns
Alimento
são mais tolerantes (euritérmicos) e outros menos (es- O alimento e um componente ambiental que influencia
tenotérmicos). diretamente diferentes processos biológicos tais como fe-
cundidade, longevidade, velocidade de desenvolvimento,
20 Ecologia dos Insetos

comportamento, etc. Os insetos podem ser atróficos (não

número de insetos
E
se alimentam ex. adultos de Ephemeroptera), monófagos
(sua dieta baseia-se em uma única espécie (específicos),
ex. Broca do café), oligófagos (consumem um número re-
K
duzido de espécies), polífagos (com uma dieta amplia em
relação ao número de espécies que a formam, ex. gafan- L
hotos) e onívoros (consumem diversos tipos de alimentos e
de diferentes origens (vegetal, animal, materiais em decom-
posição,etc.). Com relação tipo de alimento que consomem
os insetos podem ser:
1. Fitófagos. Insetos que se alimentam de plantas vivas.
tempo
Cerda de metade das espécies de insetos incluem-se
nesse grupo. Podem ser divididos em mastigadores de
Figura 8.1: Curvas de crescimento exponencial (E) e logís-
folhas, sugadores de seiva, minadores, broqueadores,
tico (L) de uma população de insetos. K representa a ca-
galhadores, e polinizadores.
pacidade de suporte do ambiente
2. Micetófagos. Insetos que se alimentam de fungos. São
muitas vezes incluídos entre os fitófagos, mas fungos
não são plantas. Vários insetos apresentam simbiose Crescimento exponencial
com fungos, cultivando-os, como as saúvas, alguns
cupins (Macrotermitinae) e alguns besouros (Scolyti- Pode ser formulado de duas maneiras: discreto (em
dae). Larvas de Drosophila alimentam-se de leveduras unidades de tempo definidas, geralmente equivalentes a
em frutos em decomposição. uma geração) e contínuo. A forma discreta seria:

3. Zoófagos. Os insetos que se alimentam a partir de Nt = λ · Nt−1 = λ(λ · Nt−2 ) = λt · No


animais vivos. Podem ser predadores (capturam e
onde:
matam várias presas), parasitas (alimentam-se de um
Nt= população no tempo t
hospedeiro), hematófagos (ingerem sangue).
p= probabilidade de sobrevivência no intervalo
4. Saprófagos ou detrítivoros. Se alimentam de mate- b= número de nascimentos por fêmea por intervalo
rial animal ou vegetal morto. Podem ser necrófagos λ = taxa de crescimento = p + pb
(carniça), coprófagos (fezes), xilófagos (madeira), ou
geófagos (ingerem solo com detritos e húmus). A forma contínua seria:

dN
8.2 Sinecologia dt
= r·N

Dinâmica de Populações
Nt = No · ert
Uma população é um grupo de indivíduos da mesma es-
pécie que vivem no mesmo ambiente e onde todos possuem onde:
a mesma probabilidade de intercruzar-se. Cada população r = taxa de crescimento instantâneo = taxa de natalidade
possui uma série de características próprias e não presentes menos taxa de mortalidade.
nos indivíduos que as compõem. Entre elas estão taxas de
reprodução, taxas de mortalidade, distribuição etária, dis- Pode-se demonstrar que ln(λ) = r
persão, forma de crescimento. O estudo de como estás car-
acterísticas podem influenciar o desenvolvimento das popu- Crescimento dependente da densidade
lações no tempo e conhecido como dinâmica de populações. Aproxima-se mais da realidade, já que nenhuma pop-
O número de indivíduos em uma população e a forma ulação pode crescer indefinidamente. Esse modelo uti-
em que este varia no tempo depende de processos naturais, liza um parametro K, que representa o limite máximo
conhecidos como primários ou condicionantes e processos para o tamanho da população. Conforme a população vai
reguladores. En tanto que os processos primários servem crescendo, a taxa de crescimento vai desacelerando em
para entender o número de indivíduos de uma população função da proporção entre K e o tamanho da população N.
os processos reguladores são fundamentais para explicar os A curva resultante tem o formato sigmoide.
mudanças no número de indivíduos no tempo.
Os processos primários são: nascimento, mortalidade e dN (K − N)
= N ·r·
movimentação (migração e dispersão). Estes se relacionam dt K
para dar o tipo de crescimento populacional. A forma em
que se da o crescimento de uma população pode ser expli- K
Nt =
cada por dois modelos básicos. 1 + e(a−rt)
Ecologia dos Insetos 21

Processos Reguladores 3. Diversidade: pode ser definida de duas maneiras:


o número de espécies presente na comunidade (=
Atuam sobre os processos primários modificando o
riqueza) ou pode incorporar também a probabilidade
número de indivíduos em uma população. Estes processos
de encontrar cada espécie (equitabilidade). Na maio-
podem ser classificados em três grupos.
ria das comunidade existem algumas poucas espécies
1. Independentes da densidade. Atuam independente- dominantes, mais freqüentemente encontradas, e um
mente do número de indivíduos em uma população. grande número de espécies mais ou menos raras. A di-
Ex.: clima; versidade é geralmente expressa em índices, e existem
vários deles.
2. Dependentes da densidade. Atuam de tal forma que
seu efeito aumenta ou diminui com o respectivo au- Ecossistemas
mento o diminuição do número de indivíduos na pop-
ulação. Ex.: competição intra-específica; A ecologia de ecossistemas preocupa-se com processos
de grande escala envolvendo a produção primária, o fluxo
3. Imperfeitamente dependentes da densidade. Atuam de energia através do sistema, e a movimentação dos nu-
dependendo da densidade mas seu efeito não tem uma trientes minerais e sua reciclagem. Geralmente nesse tipo
relação tão direta com o número de indivíduos da pop- de abordagem a tendência é ignorar as espécies e tratar os
ulação. Ex.: competição inter-específica, predação, vários componentes como caixas pretas dentro do sistema,
parasitismo. através das quais passam a energia e os nutrientes: produ-
tores primários, herbívoros, predadores, decompositores. O
Ecologia de Comunidades conceito de cadeia alimentar é importante aqui: a matéria
orgânica é produzida pelos produtores primários (plantas)
Envolve o estudo de interações entre populações de espé- utilizando energia solar, é consumida por herbívoros, que
cies diferentes. Essas interações podem ser de vários tipos: por sua vez são consumidos por carnívoros, que por sua vez
podem ser consumidos por outros carnívoros maiores e as-
1. Mutualismo ou simbiose: interação entre duas espé-
sim por diante, e ainda uma grande parte vai para os decom-
cies benéfica para ambas. Pode ser obrigatória (por
positores, que reduzem a matéria orgânica aos seus compo-
exemplo líquens) ou facultativa. A terminologia varia
nentes minerais, que são novamente reaproveitados pelas
de autor para autor.
plantas. A energia que passa de um nível a outro da cadeia
2. Competição: interação negativa entre duas espécies é sempre decrescente de modo que o número de níveis pos-
em disputa pelo mesmo recurso, seja alimento, espaço sível é sempre limitado.
físico, etc. Pode resultar na eliminação local de uma
delas. Agroecossistemas

3. Predação: interação benéfica para uma espécie e nega- Um agroecossitema é um ecossistema criado e mantido
tiva para a outra. Na predação uma das espécies serve para satisfazer necessidades humanas. Tipicamente é for-
de alimento a outra, e vários indivíduos são capturados mado por uma população de uma espécie de vegetal (cul-
e mortos. tura) (em alguns casos pode ser mais de uma população),
uma comunidade de ervas daninhas, uma comunidade ani-
4. Parasitismo: interação também negativa para um e mal, uma comunidade microbiana e o ambiente físico.
benéfica para outro, em que um indivíduo de uma espé- Os agroecossistemas cumprem as leis gerais que regem
cie (parasita) alimenta-se de um de outra espécie (hos- os ecossistemas naturais. Porém possuem uma série de car-
pedeiro) de forma lenta e ao longo de seu desenvolvi- acterísticas próprias que os diferenciam. Entre elas pode-
mento. Pode ou não resultar na morte do hospedeiro. mos mencionar: falta de continuidade no tempo, os pro-
Pode ser dividido em vários tipos: endo e ecto, etc. dutores primários são plantas selecionadas pelo homem e
muitas vezes introduzidas de outras regiões, possuem uma
5. Comensalismo: interação benéfica para uma espé-
baixa diversidade, os eventos fenológicos (floração, fruti-
cie e indiferente para outra. A espécie beneficiada é
ficação, etc.) ocorrem praticamente ao mesmo tempo em
chamada comensal.
todos os indivíduos, existe uma entrada de matéria e en-
ergia adicionada pelo homem (fertilização, energia fóssil,
Características das comunidades etc.). Essas caraterísticas favorecem o desenvolvimento de
1. Periodicidade: variação nas atividades ao longo do ano populações de alguns organismos (entre eles muitos inse-
(fenologia). tos) e fazem com que normalmente em estes sistemas ocor-
ram explosões populacionais das espécies fitófagas que as
2. Estratificação: distribuição dos vários organismos da convertem em pragas.
comunidade em estratos verticais em relação ao nível
do solo. Alguns vivem sob o solo, outros na superfície,
outros a distâncias variáveis acima do solo, principal-
mente sobre as planta.
Capítulo 9

Resistência de Plantas às Pragas

Resistência é a capacidade de certas espécies ou var- 3. Tolerância. Mecanismo pelo qual as plantas resistentes
iedades de produzir uma maior quantidade de produtos de são capazes de suportar o ataque de pragas, sem danos
boa qualidade sob as mesmas condições de ataque de pra- à produção. A planta é atacada mas tem vigor sufi-
gas. A resistência é relativa: uma variedade ou espécie é ciente para repor a perda e manter a produção. Esse
mais resistente que outra a uma determinada praga. É influ- mecanismo é importante já que não exerce pressão de
enciada por determinadas condições como solo e clima. A seleção sob a população do inseto praga.
resistência surge através da seleção natural e os indivíduos
resistentes ocorrem em populações naturais. 4. Resistência aparente. Não é uma verdadeira resistên-
Planta resistente é aquela que devido ao seu genótipo é cia, já que não tem base genética. Se dá quando certas
capaz de evitar, tolerar ou se recuperar de danos causados características ambientais favorecem a tolerância das
por pragas. Para ser utilizada como estratégia de controle, a plantas ao ataque do inseto. Esse tipo de resistên-
resistência deve ter base genética. cia é então temporal e a planta permanece potencial-
mente suscetível ao ataque dos insetos. Pode se dar por
evasão (dessincronização entre o ciclo vital da planta e
Graus de resistência da praga), disponibilidade de nutrientes para a planta,
1. Imunidade. A planta não sofre nenhum dano sob escape ao ataque.
quaisquer condições (não se conhece, até hoje, nen-
hum caso de imunidade de plantas à pragas). Tipos de Resistência
2. Alta resistência. Sofre “pouco” dano em relação ao 1. Vertical. Uma espécie de planta, variedade ou cultivar
dano médio sofrido pelas variedades em geral. (ou seja um genótipo) é resistente a uma espécie de
inseto.
3. Resistência moderada. Sofre um dano “pouco” menor
que o dano médio sofrido pelas variedades em geral. 2. Horizontal. Uma espécie de planta, variedade ou cul-
tivar é resistente a várias espécies de insetos.
4. Suscetibilidade. Sofre dano semelhante ao dano médio
sofrido pelas variedades em geral.
Causas da Resistência
5. Alta suscetibilidade. Sofre um dano bem maior que o
dano médio sofrido pelas variedades em confronto. 1. Causas físicas. Radiação refletida pelas plantas. A
coloração da folhagem das plantas pode influenciar
na atratividade, desenvolvimento e reprodução dos
Mecanismos Resistência artrópodes pragas.
1. Não preferência ou Antixenose. Mecanismo pelo qual 2. Causas químicas
as variedades resistentes são menos “preferidas” para
alimentação, oviposição ou abrigo pelas pragas. Ex. (a) Repelentes. Fazem com que a praga se movi-
presença de repelentes ou ausência de substâncias mente em sentido oposto à planta.
atraentes.
(b) Estimulantes de locomoção. Fazem com que a
2. Antibiose. É um mecanismo pelo qual a planta inter- praga, após estar sobre a planta, inicie ou acelere
fere na fisiologia ou metabolismo do inseto mediante sua movimentação (portanto, a praga não se ali-
algum metabólito com efeito deletério. Esse efeito mentará da planta).
pode alterar o ciclo de vida da praga, afetando assim (c) Supressantes. Inibem a picada, mordida ou pen-
de forma “negativa” a fertilidade, fecundidade, sobre- etração inicial da praga.
vivência, duração do ciclo de vida, etc. Ex.: presença
(d) Deterrentes. Impedem a manutenção da alimen-
de substâncias tóxicas.
tação ou oviposição da praga.
Resistência de Plantas às Pragas 23

(e) Substâncias de ação antibiótica. Atuam de forma


“negativa” sobre o metabolismo da praga.
(f) “Ausência” de cairomônios: atraentes, ar-
restantes, excitantes, estimulantes.
(g) Ausência de nutrientes ou substâncias essenciais
ao metabolismo da praga.

3. Causas morfológicas

(a) Tipos de epiderme: Cutícula espessa, deposição


de sílica ou pilosidade. Exemplo: Genótipos de
milho com folhas com pouca pubescência inibem
a oviposição pela “lagarta da espiga” (Heliothis
zea).
(b) Dimensão e formato dos órgãos da planta. Ex-
emplos: Espigas de milho com palha de tamanho
maior são menos danificadas pela “lagarta da es-
piga” (Heliothis zea). Plantas de algodoeiro com
formato semelhante à folhas de quiabeiro (folha
“okra”), são resistentes ao bicudo do algodoeiro
(Anthonomus grandis).
(c) Disposição dos órgãos na planta. Exemplos:
Variedades de cebola que possuem folhas mais
“compactadas” são menos danificadas por Thrips
tabaci. Variedades de algodoeiro com brácteas
“torcidas” (bráctea “frego”) são resistentes ao
bicudo do algodoeiro (Anthonomus grandis).

Vantagens e Limitações da Resistência de


Plantas
Vantagens: Facilidade de adoção; harmonia com o ambi-
ente; baixo custo para o agricultor; persistência; es-
pecificidade.

Limitações: Longo tempo para obtenção das variedades


resistentes; limitação genética da planta; conflito en-
tre resistência e características desejáveis da planta.
Capítulo 10

Métodos Alternativos de Controle de Pragas

São estratégias de manejo de pragas empregadas no 3. Mecânico: eliminação direta das pragas como a
sistema de agricultura alternativa (natural, biodinâmica, catação manual, etc.
orgânica, permacultura, etc.).
Uso de compostos orgânicos
Princípios
Compostos orgânicos a base de esterco bovino são re-
1. Não à monocultura: as monoculturas favorecem as latados como tendo efeito nutricional às plantas, efeito
populações das espécies fitófagas “especialistas” e fungistático, bacteriostático, inseticida, nematicida e repe-
diminui as populações dos inimigos naturais das pra- lente.
gas, devido a falta de diversidade do agroecossistema. Receita: Super Magro. Em um tonel de 200 l, colocar
50 kg de esterco de gado e água até 100 l. Uma vez por
2. Diversificação do agroecossistema: semana, adicionar os nutrientes:
(a) Consórcio: o plantio em consórcio aumenta a di- • 1a semana: Sulfato de Zinco (3 kg) + mistura proteica
versidade biológica e de alimento à entomofauna (MP).
benéfica.
(b) Cultivo em faixas: plantio de faixas de outra cul- • 2a semana: Sulfato de Manganês (300 g) + MP.
tura que sirva como atrativo de inimigos naturais. • 3a semana: Sulfato de Magnésio (2 kg) + MP.

Métodos culturais • 4a semana: Bórax (3 kg) + MP.

1. Manejo da matéria orgânica: melhora das condições • 5a semana: Sulfato de Cobre (200 g) + MP.
físicas do solo e fornecimento complementar de nutri- • 6a semana: Molibidato de Sódio (100 g) + MP.
entes para espécies que se alimentam diretamente da
matéria orgânica; • 7a semana: Sulfato de Cobalto (50 g) + MP.
2. Consórcio e manutenção de plantas invasoras: au- Mistura proteica: 1 l de soro de leite; 100 ml de melado;
menta a diversidade hospedeira dos agroecossistemas; 200 g de calcário; 200 g de farinha de osso; 100 g de fígado
moído; 100 g de peixe moído; 100 ml de sangue.
3. Uso de cobertura morta: controla algumas pragas, re-
Como recomendação, o Super Magro deve: a) ter cheiro
pele outras, torna a planta mais resistente ao ataque de
de fermentado e não cheiro de podre; b) a mistura deve ser
pragas.
homogeinizada toda vez em que se fizer as adições; c) para
4. Rotação de cultura: promeove a quebra do ciclo das frutíferas e café, pulverizar de 15 em 15 dias; d) para hortí-
pragas, melhora das condições físicas e químicas do colas e ornamentais, pulverizar a cada 8 dias.
solo e aumento da microflora e fauna do solo. Completar até 200 l, esperar de 20 a 30 dias, coar, diluir
e pulverizar. Diluição de 1% a 5%: frutíferas, café, orna-
mentais e hortícolas. Diluição de 0,5%: hortícolas de folha
Métodos Comportamental, Físico e Mecânico
sensível.
1. Comportamental: uso de feromônios, atraentes, repe-
lentes e macho estéril com objetivo de modificar o Caldas
comportamento da praga de tal forma a reduzir sua
população e danos; 1. Calda Viçosa: a calda é uma suspensão coloidal, de
cor azul celeste, composta de fertilizantes complexa-
2. Físico: consiste no uso de métodos como drenagem, dos com a cal hidratada. Foi desenvolvida pelo De-
inundação, temperatura e radiação eletromagnética no partamento de Fitopatologia da Universidade Federal
controle de pragas;
Métodos Alternativos de Controle de Pragas 25

de Viçosa para controlar a ferrugem do café, no en- (a) Triona, Citroleo, etc. para cochonilhas
tanto tem se observado além do seu efeito fungicida, (b) Querosene (5-7 l) + sabão de cinza (1 kg) + água
também efeito inseticida e acaricida. A Calda Viçosa (100 l) para cochonilhas
é composta das seguintes substâncias em gramas por
100 l de água: Sufato de Cobre (25% de cobre) 500 g; 4. A base de produtos inorgânicos
Sulfato de Zinco (21,5% de Zinco) 600 g; Sulfato de
Magnésio (16 a 17 % de MgO) 800 g; Ácido Bórico (a) Ácido bórico. Receita 1: ácido bórico em pó (10
(17,5% de boro) 200 g; Uréia (45% de nitrogênio) 400 g) + açúcar moído (90 g) para baratas. Receita 2:
g; Cal hidratada (40 - 50% de CaO) 750 g. ácido bórico em pó (2 partes) + farinha de trigo
(1 parte) + farinha mandioca (1 parte) + açúcar e
2. Sulfocálcica: é uma mistura de uma série de sais, dos cebola amassada (2 partes) para baratas, grilos e
quais uns são solúveis em água e outros não. Esta mis- centopéias.
tura é conhecida quimicamente como polissulfureto de
cálcio e é obtida fervendo-se demoradamente o enx- (b) Bórax (tetraborato de Na) (308 g) + água (20 l)
ofre com a cal em vasilha de ferro, nunca de cobre. É para formigas, ovos e larvas de moscas.
recomendada para tratamento de inverno em plantas de (c) Carbonato de bário (1 parte) + queijo ralado (1
folhas caducas, como pessegueiro, pereiras, macieiras parte) + gordura bovina (graxa) (1 parte) + far-
etc.. Sua recomendação é especificamente para deter- inha de trigo (1 parte) para ratos.
minadas espécies de cochonilhas e outros diaspídeos (d) Metaldeído em pó (60 g) + corante ocre (30 g) +
(Diaspididae) que invadem os troncos ou ramos das farelo fino (1 kg) + açúcar (100 g) para caracóis
fruteiras. e lesmas.
3. Bordaleza: é um excelente fungicida e apresenta pro-
priedades repelentes contra vários insetos, como al-
guns coleópteros: burrinhos da batata (Epicauta spp.),
pulga do fumo (Epitrix spp.), cigarrinhas e psilídeos.
A fórmula mais utilizada é a 1-1-100 : 1kg de sulfato
de cobre + 1kg de cal virgem + 100l de água.

Extratos de plantas
1. Fumo (pulgões, ácaros e cochonilhas): a nicotina é um
alcalóide que se obtém do fumo. É um poderoso in-
seticida. É preparado através da utilização de talos da
planta e nervuras grossas das folhas;

2. Piretro (mosquitos e moscas): é uma planta cultivada


em muitas regiões do sul do país, não é tóxica ao
homem e não deixa resíduos tóxicos sobre alimentos.
Emprega-se o pó de pireto ou seu extrato.
3. Timbó-rotenona (pulgões, lagartas, tripes, ácaros): os
timbós mais usados são os do gênero Serjania, são
cipós que apresentam substâncias tóxicas aos inse-
tos, similares à rotenona e saponina, que lhes permite
serem recomendados como inseticidas;
4. Tomate: o extrato de folhas de tomate tem demon-
strado eficiência para controle de pulgões.

Fórmulas Caseiras
1. A base de óleos animais: óleo de peixe ou baleia (2,8
kg) + KOH (500 g) + água (1,25 l) para percevejos e
vaquinhas.
2. A base de óleo vegetal: óleo vegetal comestível (amen-
doim) (2 l) + sabão de óleo de peixe (1 kg) + água (100
l) para cochonilhas.
3. A base de óleo mineral
Parte II

Principais Pragas de Grandes Culturas


Capítulo 11

Pragas do Algodão

Pragas-chave vergadura alar, de coloração geral acinzantada e aver-


melhada com manchs e pontuações nas asas. Colocam
1. Bicudo-do-Algodoeiro: Anthonomus grandis
os ovos na face inferior das folhas. As lagartas pos-
(Coleoptera: Curculionidae). Adulto até 7 mm,
suem coloração que varia de verde a preta, ao longo
marron-amarelado, rostro longo, são ativos durante o
do corpo apresentam faixas esbranquiçadas e pinácu-
dia. As F6emeas colocam os ovos em uma cavidade
las de cor preto (principalmente na cabeça). O ciclo vi-
aberta por elas, com o rostro, no botão floral e
tal dura 35 dias e em geral a incidencia na cultura e de
maçã. As larvas são ápodas, brancas e se alimentam
novembro junho com acme em abril. Este inseto tam-
de botões florais, flores e maçãs. Em condições
bém pode atacar a erva-mate. Causa desfolhamento.
favoráveis o ciclo dura 2-3 semanas e podem se
desenvolver até 7 gerações por ano.
Danos. Queda anormal de botões florais, flores e Pragas secundárias
maçãs. Os botões ficam com perfurações externas e 1. Pulgões: Aphis gossypii e Myzus persicae (Ho-
brácteas abertas, as flores não se abrem normalmente. moptera:Aphididae). Aphis gossypii: são insetos pe-
Nas maçãs fibras e sementes são destruídas, e elas não quenos 2-3 mm de corpo mole, de coloração amarela-
se abrem normalmente (carimã). Pode causar redução esverdeada a verde escuro, vivem em colônias.
na produção de até 70%. Myzus persicae: Muito similar a A. gossypii, tam-
2. Lagarta-das-Maçãs: Heliothis virescens (Lepidoptera: bém são de coloração amarela-esverdeada, possuem o
Noctuidae) Adultos: mariposas de 25-35 mm com corpo mais alongado e com sifúnculo escuro. Podem
asas anteriores amareladas com três faixas marrons viver associados com A. gossypi. Sugam seiva, provo-
oblíquas. Asas posteriores claras com bordos lateral cando murchamento e secamento das plantas; encar-
escuro (mais evidente na fêmea); os ovos são coloca- quilhamento de folhas e deformação de brotações;
dos isoladamente em ponteiros, folhas e sépalas do al- aparecimento de fumagina; vetores de viroses.
godão. As lagartas medem 35 mm, sua coloração e
2. Tripes: Thrips tabaci e Frankliniella sp.
muito variabel podendo ser verde, amarela, parda ou
(Thysanoptera: Thripidae). Muito similares a
rosada, apresentam faixas escuras pelo corpo e fre-
Calliothrips brasiliensis ( vide feijão). Causam
qüentemente com manchas pretas na base dos pêlos.
encarquilhamento dos ponteiros. Folhas coriáceas e
Ciclo vital de 60 dias podendo completar três gerações
com estrias prateadas. Queda de folhas.
na cultura do algodão. Atacam as maçãs e botões, fa-
vorecendo entrada de patógenos. Causa prejuizos mé- 3. Broca-da-Raiz: Eutinobothrus brasiliensis
dios de 20%. (Coleoptera: Curculionidae). O adulto e um be-
souro de 5 mm pardo-escuro e com rostro pequeno;
3. Lagarta-Rosada: Pectinophora gossypiella (Lepi-
alimenta-se de folhas e da raíz, as fêmeas fazem
doptera: Gelechiidae). Os adultos são mariposas
orificios no coleto da planta, com o rostro, para
pequenas (15 mm de envergadura) com asas anteri-
colocar os ovos. As larvas são ápodas e vivem no
ores marron-clara, apresentando manchas escuras, as
interior de galerias na região do colo das plantas.
asas posteriores são franjadas. Colocam os ovos nas
O ciclo vital completa-se em 70-80 dias sendo que
brácteas da maçã. As lagartas alcançam 12 mm nos
os maiores niveis populacionais na cultura se dam
primeiros dois ínstares são esbranquiçadas e posterior-
entre novembro-dezembro. Este inseto se alimenta
mente tomam a coloração rosada típica. Danos. Flor
de malváceas e principalmente de algodão e quiabo.
em “roseta” (não forma maçã). Destruição de maçãs
Causa secamento da planta por broqueamento de caule
(fibras e sementes). Maçãs defeituosas (“carimã”) que
e raízes.
não se abrem normalmente.
4. Percevejo-Castanho: Scaptocoris castanea (Het-
4. Curuquerê-do-algodão: Alabama argillacea (Lepi-
eroptera: Cydnidae). vide soja. Adultos e ninfas
doptera: Noctuidae). Mariposas de 35-40 mm de en-
28 Pragas do Algodão

sugam seiva, injetando toxinas nas raízes, provocando 4. Bicudo: 10% plantas atacadas (botões florais) ou 1
amarelecimento da planta e posterior secamento. adulto/armadilha (iscas com grandlure)
5. Ácaros. Rajado Tetranychus urticae e vermelho 5. curuquerê: 25% de desfolha
Tetranychus ludeni: Necrose e queda foliar (fol-
has ficam vermelhas). Redução no crescimento. 6. Lagarta da Maçã: ovos: 20% ponteiros; lagartas: 15%
Branco: Polyphagotarsonemus latus: Folhas verde- pont. atacados; ou 10 adultos/armadilha c/ virelure
escuras com bordos enrolados para baixo, tornam-se 7. Lagarta rosada: 5% maçãs atacadas ou 10 adul-
coriáceas e rasgam. tos/armadilha c/ gossyplure.
6. Percevejo-Rajado: Horcias nobilellus (Hemiptera: 8. Percevejos: 20% infestação (rajado e manchador);
Miridae) Os adultos São insetos pequenos (5 mm) de 50% infestação (mosquito)
cor vermelho-brilhante e com listras amarelas e bran-
cas no escutelo e hemiélitro formando um desenho em
forma de V, são insetos de movimentos rápidos. As Controle Cultural
fêmeas colocam os ovos no interior dos tecidos das 1. Variedades Comerciais. IAC-20: mais precoce, ciclo
plantas (ovos endofíticos). As ninfas são vermelhas mais determinado, favorecendo nas pulverizações con-
com manchas pretas e amarelas no corpo. Ciclo vi- tra bicudo e lagarta rosada.
tal aproximadamente 30 dias. Queda de botões florais,
flores e maçãs novas. Sugando maçãs provocam uma 2. Espaçamento, stand e época de plantio. A época de
deformação (bico-de-papagaio), a maçã não se abre, plantio recomendada fará com que as plantas pro-
reduzindo a produção. duzam os botões florais do baixeiro mais cedo, es-
capando da época de maior infestação do bicudo.
7. Manchadores: Dysdercus spp. (Heteroptera: Pyrrho-
coridae). São percevejos pequenos (15 mm) com 3. Cultura armadilha, “cultura soca” ou “soqueira”, e
cabeça e apêndices vermelhos a marrón escuro, os vara-isca. A cultura armadilha atrai e agrega os bicu-
hemiélitros são castanho claro (amarelados) e com dos, remanescentes da safra anterior. Plantar cerca
manchas pretas o abdome e verde claro com manchas de 20 a 30 dias antes do plantio definitivo em faixas
vermelhas e na parte superior escuro. Colocam os ovos perto de riachos, matos ou culturas perenes. Pulver-
no solo e as ninfas são gregárias, n oinicio do desen- izações semanais, evitam o ataque intenso do bicudo
volvimento são rosadas ou vermelhas e durante o de- até 100 dias de idade das plantas. Cultura soca ou so-
senvolvimento adquirem as manchas escuras e bran- queira: deixar faixas de restos de cultura para que o
cas. O ciclo vital dura ao redor de 45 dias e sua ocor- bicudo remanescente da safra anterior fique nessa área,
rência na cultura e no final do ciclo ou seja março- que será pulverizada periodicamente. Vara-isca: haste
abril. Atacam capulhos, manchando-os com dejetos. de madeira impregnada de feromônio sexual, e tratada
Sugam sementes (menor teor de óleo). Sugam maçãs com inseticida.
(deformação e apodrecimento) com queda das mes-
mas. 4. Catação de botões florais e maçãs novas no solo. Para
pequenas áreas, recomenda-se até 100-110 dias da
emergência das plantas, o que vai retardar altas infes-
Amostragem tações na segunda geração da praga. Deve ser feita
Para o monitoramento das pragas do algodão deve-se semanalmente.
fazer amostragens numa área mínima de 10 ha e tomando 5. Reguladores de crescimento. Em solos férteis ou
50 a 100 amostras por ha, caminhando em “zig-zag” ou de- adubações pesadas, utiliza-se produtos anti-giberélicos
marcando cinco pontos de amostragem onde são retirados (Cycocel, Tuval ou Pix) que agem por 25 a 30 dias.
10 ou 20 amostras. O número de levantamentos dependo Após 10 a 12 dias da aplicação, as folhas ficam verde
do estágio fenológico da cultura (até florescimento 1 levan- escuras e coriáceas, com maior lignificação da epi-
tamento por semana, entre florescimento e até a formação derme, observando-se menor ataque de sugadores em
do primeiro capulho 2 levantamentos/semana, após a for- geral (pulgões, tripes e até acaro rajado) e infestações
mação do primeiro capulho e até a coleita 3 levantamen- de lagartas rosada e da maçã de primeiro estádio. Há
tos/semana). ação indireta sobre as pragas que atacam flores e fru-
tos. Há antecipação de 10 a 12 dias do início do flo-
Níveis de controle rescimento e uniformidade de produção de botões do
baixeiro, escapando do ataque de pragas tardias (la-
1. Pulgão: 70% plantas atacadas. garta rosada) e altas infestações do bicudo nas próxi-
2. Tripes: 6 indivíduos/folha. mas gerações.

3. Ácaros: rajado: 10% plantas atacadas. Branco: 40%


plantas atacadas.
Pragas do Algodão 29

Controle por Comportamento


No Brasil, feromônios são utilizados dentro do MIP, com
objetivo de amostrar a população do bicudo, lagarta da
maçã e lagarta rosada.

Controle Biológico
Liberação do parasitóide de ovos, Trichogramma sp.,
para controle do curuquerê e da lagarta da maçã (60 a 90
mil indivíduos/ha).

Controle Químico
1. Tratamento de Sementes. Semente Preta: tratamento
com produtos sistêmicos (dissulfoton 50P e forate 50P,
na base de 2% de i.a. em relação ao peso da semente
e carbofuran 350F e acefato 75 PM a 1 litro por 100
kg de sementes). Poder residual de 40-50 dias após a
germinação do algodão.
2. Granulados sistêmicos no sulco. Para pulgões, tripes,
broca da raiz e percevejo castanho em substituição
às sementes pretas. Granulados como aldicarb 10G
(10 kg/ha), carbofuran 5G, dissulfoton 5G (20 kg/ha).
Poder residual de 50-60 dias após a germinação.

3. Iscas para Mariposas. 1 kg de melaço + 10 l de agua +


25 g de metomil 21,5 PS e usadas na base de 0,5 l em
15 m lineares de cultura, a cada 50 m. Para controle de
curuquerê, lagarta da maçã e lagarta rosada.

4. Lembrar da importância de utilização de produtos se-


letivos, na medida do possível, para a manutenção de
inimigos naturais na lavoura.
Capítulo 12

Pragas do Café

Pragas-chave 2. Cochonilhas: Homoptera. Sugam a seiva, definhando


a planta; eliminam secreção adocicada induzindo o
1. Bicho-mineiro: Perileucoptera coffeella (Lepitoptera:
crescimento de fumagina e atraindo formigas. Ocor-
Lyonetiidae). O adulto e uma mariposa muito pequena
rência em reboleiras.
(6 mm de envergadura) de coloração branca-prateada
com uma mancha no bordo lateral da asa. A fêmea (a) Cocus viridis (cochonilha verde): cochonilha
coloca os ovos isoladamente na face superior da folha, sem carapaça de cor verde e forma oval achatada
as larvas são pequenas (7 mm) brancas ou amareladas (2 a 3 mm de comprimento). Se encontra em
com o corpo distintamente segmentado, vivem no in- ramos novos, folhas (principalmente ao longo da
terior de galerias (minas) nas folhas. As pupas se de- nervura principal).
senvolvem presas na face inferior das folhas em um
casulo de fios de seda branco e com forma de X. É (b) Saissetia coffea (cochonilha parda): 3,5 mm
a principal praga do cafeeiro. Lesões nas folhas (mi- de comprimento, formato circular apresentando
nas), diminuição da área fotossintética, quedas das fol- corpo em relevo sem carapaça. Se encontra em
has. Problemas maiores em espaçamentos mais largos. ramos e folhas.
Pode causar prejuízos médios de 30 %. (c) Planococus citri (coch. branca) (vide citrus)

2. Broca do Café: Hypothenemus hampei (Coleoptera: (d) Dysmicoccus cryptus (coch. das raízes): co-
Scolytidae). O adulto e um pequeno besouro (2 mm) chonilha com o corpo recoberto por secreção
de coloração preta brilhante. As fêmeas constroe uma branca pulverulenta, com apêndices laterais.
galeria no fruto até atingir a semente, onde abre uma (e) Pinnaspis aspidistrae (escama farinha): Pos-
câmara para colocar os ovos. A larva é pequena, suem uma crapaça que recobre dorsalmente o
branca e ápoda, todo seu desenvolvimento se da no in- corpo o macho e pequeno 1mm de cor amarelo
terior da semente. O ciclo se completa em 30 dias e palido e a fêmea é maior (3 mm) com forma oval
uma espécie que ocorre em todas as regiões produtoras e de cor marrom claro. Vivem em grandes colo-
de café do mundo. A fêmea fecundada perfura a região nia, ocorrem em troncos confirendo um aspeto
da coroa, oviposita em câmaras feitas nas sementes e branco ao local devido a concentração dos dimin-
as larvas passam a broqueá-las. Queda do fruto, perda utos insetos.
de peso, apodrecimento devido a entrada de fungos,
perda na classificação por tipo e bebida. Problemas 3. Ácaros. Oligonychus ilicis (Acari: Tetranychidae)
maiores em plantio adensado. (vermelho-alaranjado com manchas negras). Danos:
Bronzeamento e queda das folhas. Polyphagotar-
sonemus latus (Acari: Tarsonemidae) (ácaro branco).
Pragas secundárias Danos: causam danos em folhas dos ponteiros, im-
1. Cigarras do cafeeiro (Homoptera: Cicadidae): Que- pedindo a sua formação perfeita chegando a ocorrer
sada gigas; Fidicina pronoe; Carineta sp. As cigar- rasgaduras.
ras são insetos de tamanho peuqeno a medio (10 a 50
mm) de corpo robusto e de coloração parda, marrom Amostragem
ou verde. Os machos possuem aparelho produtor de
som bem desenvolvido. As fêmeas fazen posturas end- Para o manejo das pragas do café deve-se dividir a cultura
ofíticas e as ninfas após da eclosão penetram no solo em talhões (2000 covas por talhão). A amostragem para bi-
onde se desenvolvem, se alimentam sugando seiva das cho mineiro se faz tomando 20 plantas por talhão e 5 folhas
raízes. A duração do ciclo e muito longa podendo de cada planta. As folhas devem extrair-se do terço médio
ser de um a vários anos. Depauperamento da planta, da planta. Deve-se avaliar o número de folhas infestadas.
clorose e queda apical das folhas dos ramos, queda da Para broca amostragem de 50 plantas/talhão tomando 100
produção, perda da lavoura. frutos por planta. Contar os frutos infestados e sadios.
Pragas do Café 31

Níveis de controle
1. Bicho mineiro: 30% folhas atacadas. Considerar tam-
bém presencia de inimigos naturais (nível de não ação
60 % de ataque de inimigos naturais).

2. Broca: 5% frutos
3. Cigarras: 35 ninfas/cova

Controle Cultural
- Bicho-mineiro: uso racional de fungicidas cúpricos, não
usar espaçamento maior ao recomendado para cultivar. -
Broca: plantio espaçado que permita a penetração da luz
solar; colheita e repasse, se necessário, de todos os frutos
da safra; a colheita deve se iniciar do talhão mais afastado.

Controle Biológico
Vespinha-de-Uganda - Prorops nasuta: (Hymenoptera:
Bethylidae) parasita larvas e pupas da broca. Introduzida
no Brasil para controlar a broca.

Controle Químico
Evitar o uso de piretróides, que causam desequilíbrio às
populações de ácaros. Para ácaros e cigarras deve ser feito
em reboleiras.
Capítulo 13

Pragas da Cana-de-açúcar

Pragas-chave 2. Lagarta elasmo: Elasmopalpus lignosellus (Lepi-


doptera: Pyralidae). Descrição e Biologia: vide feijão.
1. Broca da cana-de-açúcar, Diatraea saccharalis (Lep-
Causam “coração morto”, principalmente em “canas
idoptera: Pyralidae). O adulto e de cor amarelo-
plantas”.
palha (25 mm de envergadura alar) com asas anteri-
ores com desenhos pardacentos e asas posteriores es- 3. Broca gigante: Castnia licus (Lepidoptera: Castni-
branquiçadas. A fêmea coloca os ovos na face superior idae). O adulto e uma borboleta grande (até 90 mm
das folhas em grupos de 5 a 50 a postura e imbricada de envergadura alar) de coloração escura quase preta,
e tem aspecto de “couro de cobra”. As lagartas são com asas anteriores com uma faixa oblíqua branca e
pequenas (22-25 mm) de cor amarelo pálida e cabeça manchas brancas no ápice, nas asas posteriores pos-
marrom. No primeiro ínstar se alimentam de folhas suem uma mancha branca grande e nos bordos sete
e após a primeira muda penetram na parte mais mole manchas de cor vermelho.. As fêmeas colocam os ovos
do colmo (gema) onde cavam galerias, as pupas se de- em touceiros velhos ou caules cortados, em grupos de
senvolvem no interior destas galerias. O Ciclo vital se 50 a 100 ovos. As lagartas são grandes (80 mm) de
completa em 50 a 60 dias e no Brasil o inseto completa coloração geral branca com algumas pintas pardas no
4 ou 5 gerações anuais. Ataca gramíneas como cana, pronoto, se desenvolvem em galerias no colmo. Colmo
arroz, trigo, milho, sorgo aveia e capins. Danos dire- com galerias grandes. Importante no nordeste (20-60
tos: abertura de galerias no colmo, provocando morte % de danos).
das gemas, “coração morto”, tombamento e redução
do peso da cana; danos indiretos (mais grave): pene- 4. Besouros e Gorgulhos Ligyrus sp., Eutheola humilis,
tração de fungos através das galerias, resultando em: Stenocrates sp. (Coleoptera: Scarabeidae). As larvas
inversão da sacarose para glicose e levulose e, conse- destes besouros são conhecidas como pão-de-galinha,
qüentemente redução na produção de açúcar; contam- se desenvolvem no solo (período de desenvolvimento
inação do caldo que afeta a eficiência de leveduras e, 12-20 meses) alimentando-se de toletes recém planta-
portanto, menor produção de álcool. dos. Migdolus fryanus (Coleoptera: Cerambicidae) Os
adultos vivem no solo em terrenos secos e arenosos, os
machos são ativos e voam as fêmeas possuem as asas
Pragas secundárias membranosas atrofiadas e não voam, são de coloração
1. Cigarrinhas (Homoptera: Cercopidae). Sucção de ferruginea e medem 20 a 25 mm. As larvas são bran-
seiva; “queima” das folhas (semelhante a déficit hí- cas (leitosas e de 40 mm) e podem viver em profun-
drico); diminuição do rendimento de açúcar. São de didade de até 4 metros. Sphenophorus levis, Metama-
maior importância no Nordeste. sius hemipterus (Coleoptera: Curculionidae) Os adul-
tos destes besouros são de coloração marrom, colocam
(a) Mahanarva posticata (Cigarrinha da folha) O os ovos nos colmos e as larvas abrem galerias na base
adulto e de coloração escura marrom avermel- dos mesmos. As larvas perfuram os toletes e os adultos
hada (os machos possuem quatro manchas ver- as vezes também podem fazer orifícios nos toletes
melhas) (10- 12 mm). Para caraterísticas das nin-
fas e biologia vide cigarrinhas das pastagens. 5. Cupins (Isoptera: Termitidae): Syntermes spp.; Cor-
nitermes spp.; Nasutitermes spp. Danos: Falhas na
(b) Mahanarva fimbriolata (Cigarrinha das raízes).
germinação após o plantio, devido aos danos aos to-
Adulto de 13 mm de coloração vermelha com
letes. Penetram em colmos maduros através de danos
asas anteriores orladas de preto e uma faixa lon-
de outros insetos (Migdolus spp., Naupactus spp.).
gitudinal mediana também preta. Para caraterís-
Após o corte, atacam as touceiras nas superfícies cor-
ticas das ninfas e biologia vide cigarrinhas das
tadas.
pastagens.
Pragas da Cana-de-açúcar 33

Amostragem o campo (ao nascer do sol ou ao anoitecer); liberação em


4 pontos/ha, distantes de 50 metros um do outro. Abre-se
Coletar 30 canas/ha (antes ou após a queima do canavial
um copo plástico com 1.500 vespinhas e caminha-se de um
para corte), em 5 pontos ao acaso; abrir a cana no sentido
ponto ao outro; no final, colocar o copo com as “massas”
longitudinal e determinar a “intensidade de infestação” (%
preso entre a bainha e o colmo da cana. Total de 6.000
I.I.), pela seguinte fórmula:
vespinhas/ha.
No. de entrenos broqueados · 100
I.I. =
No. total de entrenos Para cigarrinhas
Em lugar de %I.I pode-se avaliar o número de lagartas Pulverização com o fungo Metarhizium anisopliae, na
encontradas por pessoa x hora. dosagem de 200g de esporos viáveis/ha.

Níveis de controle Controle Químico


Níveis de controle (NC) para broca: Carbaril e triclorfon recomendados para controle das
cigarrinhas.
• NC igual a %I.I. = 5%
• NC igual 10 lagartas por pessoa x hora.

Controle Cultural
Para broca-da-cana: queima de canavial para colheita;
queima do palhiço remanescente ou colheita sem desponte
quando atingir %I.I.; eliminação de plantas infestantes e
culturas hospedeiras remanescentes.
Para lagartas elasmo: não existe controle eficiente para
esta praga. Por se tratar de um inseto que se desenvolve em
ambiente seco, a manutenção do solo umedecido, através de
vinhaça por exemplo, contribui para diminuir os seus pre-
juízos.
Para cupins: bom preparo do solo para desestabilizar as
colônias; plantio de cana inteira com 7 a 10 meses de idade,
sem desponte; concentração do plantio na época chuvosa
para uma rápida germinação.

Controle por Comportamento


Fêmeas virgens, apenas em viveiros, para monitoramento
da broca da cana-de-açúcar.

Variedades resistentes
Há variedades resistentes para broca da cana-de-açúcar,
contudo, na escolha das variedades considera-se outros as-
pectos além da resistência da variedade à praga.

Controle Biológico
Para broca-da-cana
É o principal método de controle para a broca. Os organ-
ismos empregados são parasitóides de lagartas: “vespinha”
Cotesia flavipes (mais eficiente) e as moscas Metagonisty-
lum minense e Paratheresia claripalpis. Existem também
pesquisas para o uso de parasitóides de ovos da broca - Tri-
chogramma spp.
A liberação de parasitóides de lagartas é feita com NC
igual a 10 lagartas por pessoa x hora. Procedimento: 10%
de emergência das “vespinhas” em laboratório; levar para
Capítulo 14

Pragas dos Cereais

14.1 Arroz sando amarelecimento e definhamento das plantas, que


podem morrer, ocasionando falhas na lavouras.
Pragas-chave
2. Larva arame: Conoderus spp. (Coleoptera: Elateri-
Arroz de sequeiro dae). Danos: Destroem as raízes causando amareleci-
mento e morte da planta. As touceiras são facilmente
1. Cupins subterrâneos (principalmente em solo de cer-
destacadas
rado): Syntermes, Cornitermes e Procornitermes
(Isoptera: Termitidae). Danos: Atacam sistema radic- 3. Lagartas desfolhadoras: Mocis Latipes; Spodoptera
ular, destruindo-o total ou parcialmente; plantas ficam frugiperda (Lepidoptera: Noctuidae). Danos:
com aspecto seco e desprendem-se do solo facilmente Alimentam-se de folhas chegando, às vezes, a destruir
quando puxadas. grande parte da cultura.
2. Lagarta elasmo: Elasmopalpus lignosellus (Lepi- 4. Percevejo do colmo: Tibraca limbativentres (Het-
doptera: Pyralidae). Danos: Ataque das lagartas eroptera: Pentatomidae). Danos: Sintomas conhecidos
na altura do coleto onde constroem galerias e provo- como “coração morto” e “panícula branca”. Introduz
cam o seccionamento das folhas centrais, secando-as estilete nos colmos tornando chochas as panículas e in-
e dando origem ao sintoma conhecido como “coração troduzem na planta sua seiva tóxica. Definhamento da
morto”. Podem ocasionar grande mortalidade de plân- planta e chochamento das panículas pela ação tóxica
tulas, sendo necessário o replantio. da saliva.

Arroz irrigado 5. Cigarrinhas: Deois flavopicta (Homoptera: Cercopi-


dae); Tagosodes orizicolus (Homoptera: Delphacidae).
1. Bicheira da raiz (gorgulhos aquáticos Coleoptera: Cur- Danos: Sucção de seiva e, principalmente, introdução
culionidae): Helodytes foveolatus; Lissorhoptrus tib- de toxinas, deixando plantas amarelas e necrosadas
ialis; Neobagous sp.; Hydrotimetes sp.; Oryzophagus posteriormente. T. oziricolus é vetora da virose “hoja
oryzae. Danos: Adultos alimentam-se de folhas novas, blanca” ainda não constatada no Brasil.
no entanto as larvas são mais prejudiciais, e podem
provocar a destruição total das raízes. As plantas at- 6. Broca-da-cana: Diatraea saccharalis (Lepidoptera:
acadas ficam menores, amareladas e as folhas, com as Pyralidae). Danos: Ataques na fase vegetativa orig-
extremidades murchas. O ataque normalmente ocorre inam o sintoma “coração morto”. Na fase re-
em reboleiras. produtiva, ataca a base da panícula originando o
sintoma “panícula branca” que se caracteriza pelo
2. Percevejo do grão: Oebalus poecilus; O. ypsilon- “chochamento” total ou parcial da panícula.
griseus; O. grisescens (Hemiptera: Pentatomidae).
Danos: São sugadores de grãos. Em grãos leitosos,
Níveis de controle
estes podem ser totalmente esvaziados ou ficarem
atrofiados; em grãos mais desenvolvidos formam-se 1. Lagarta elasmo: 10% das plantas atacadas
pontos escuros na casca e brancos no endosperma.
Grãos ficam fracos e com menor peso. 2. Bicheira da raiz: 18 larvas/soqueira
3. Percevejo do grão: 3 percevejos/m2 ou 1
Pragas secundárias percevejo/100 panículas
1. Bicho Bolo ou Pão de Galinha (Coleoptera: Scarabaei- 4. Percevejo do colmo: 3 percevejos/m2
dae): Stenocrates sp.; Dyscinetus sp.; Euetheola hu-
milis. Danos: As larvas alimentam-se de raízes, cau- 5. Lagarta desfolhadora: 50% de desfolha.
Pragas dos Cereais 35

Controle Cultural 3. Pragas subterrâneas: Larva arame, Conoderus spp.


(Coleoptera: Elateridae); Bicho bolo - várias espécies
1. Plantio logo no início do período chuvoso (faz com
(Coleoptera: Scarabaeidae); cupins, Procornitermes
que, em geral, o ataque de pragas seja menor devido
spp. (Isoptera: Termitidae). Danos: Danificam as se-
a existência de menor população no início de infes-
mentes e raízes; plantas atacadas ficam amareladas e
tação).
se desprendem facilmente do solo.
2. Rotação de culturas (áreas plantadas anteriormente
com gramíneas, geralmente possuem alta população de Níveis de controle
pragas subterrâneas do arroz).
1. Lagarta-do-cartucho: 20% de planta atacadas
3. Evitar plantio próximo a outras gramíneas (as quais
podem servir de foco para criação de pragas para o 2. Lagarta elasmo: 3% de planta atacadas
arroz). 3. Lagarta rosca: 3% de planta atacadas
4. Incorporação dos restos culturais após a colheita. 4. Larva arame: Média 2 larvas/ponto
5. Plantio em solo úmido (o desenvolvimento inicial das 5. Bicho bolo: Média 1 larva/ponto
plantas ficam suscetíveis à pragas como cupins subter-
râneos, bicheira-da-raiz e lagarta elasmo).
Controle Cultural
6. Plantio de variedades de ciclo curto diminui o período
em que a planta fica exposta ao ataque de pragas, prin- Plantio mais denso, profundidade e umidade adequadas
cipalmente ao percevejo-do-grão. visando o controle de lagartas elasmo, lagarta rosca e pragas
subterrâneas de solo, que reduzem o “stand” da cultura.
7. Adubação equilibrada (o excesso de nitrogênio fa-
vorece o ataque de lagartas desfolhadoras). Controle Biológico
8. Preparo do solo (exposição de pragas subterrâneas à Baculovirus spodoptera, para controle da lagarta-do-
ação de pássaros radiação solar). cartucho. Produto produzido pela EMBRAPA/CNPMS -
9. Inundação da cultura (controle de bicho bolo, larva Sete Lagoas - MG. Dosagem: 10 lagartas em 600 ml de
arame, lagarta elasmo e lagartas desfolhadoras). água ou 50 g de pó/ha. Época de aplicação: 40 a 45 dias do
plantio (época de maior infestação). Aplicar quando as la-
10. Retirada da água do arrozal (controle da bicheira da gartas tiverem no máximo 1,5 cm. Pulverização: Bico tipo
raiz). leque 8004 ou 6004. Hora de aplicação: à tarde ou início
da noite (vírus sensíveis aos raios ultravioleta). Também
recomendado uso de Bacillus thuringiensis.
Controle Biológico
Uso de Bacillus thuringiensis no controle de lagartas.
14.3 Trigo, Aveia, Cevada
14.2 Milho Pragas-chave
1. Pragas chave: Pulgões (Homoptera: Aphididae):
Praga-chave
Schizaphis graminum; Rhopalosiphum padi;
Lagarta-do-cartucho-do-milho, Spodoptera frugiperda Metopolophium dirhodum; Sitobion avenae;
(Lepidoptera: Noctuidae). Danos: Raspagem das folhas, Rhopalosiphum rufiabdominale (pulgão da raiz).
posteriormente danificam o cartucho; presença de furos ir- Dano: Os prejuízos são maiores nos anos de seca.
regulares nas folhas e de “serragem” no cartucho. Perdas de Os pulgões das folhas provocam o amarelecimento
até 35% na produção de grãos. da superfície foliar podendo dar origem à plantas
raquíticas e mesmo levá-las à morte; podem transmitir
Pragas secundárias viroses. O pulgão da espiga pode acarretar danos
quantitativos e qualitativos (enrugamento dos grãos e
1. Lagarta elasmo: Elasmopalpus lignosellus (Lepi- perda do poder germinativo). O pulgão da raiz, pela
doptera: Pyralidae). Danos: Provocam o “coração sucção contínua de seiva, causa amarelecimento das
morto” (morte da gema apical); problemas até 30 dias; plantas.
danos maiores em anos secos e solos arenosos; prob-
lema em região de cerrado.
2. Lagarta rosca: Agrotis ipsilon (Lepidoptera: Noctu-
idae). Danos: Seccionamento de plântulas. Em milho,
“coração morto” e perfilhamento.
36 Pragas dos Cereais

Pragas secundárias Controle Cultural


1. Lagartas: Pseudaletia sequax; Spodoptera frugiperda; Favorecer a ação de inimigos naturais de pulgões através
Mocis latipes (Lepidoptera: Noctuidae). Danos: As das seguintes medidas: a) evitar a queima de restos cultur-
lagartas alimentam-se de folhas, podendo destruí-las ais; b) manter as bordas das culturas e áreas inaptas com
completamente. Seu ataque é importante até os 80 dias plantas hospedeiras de insetos sobre as quais os predadores
da cultura, sendo os prejuízos sensíveis quando o nível e parasitóides possam se desenvolver; c) manter o solo com
de desfolha for superior a 30%. cobertura verde o máximo possível, principalmente com
plantas da família Umbelliferae.
2. Broca do colo: Elasmopalpus lignosellus (Lepi-
doptera: Pyralidae). Danos: Abertura de galerias, se-
camento da folha central (“coração morto”) e falhas na Controle Biológico
cultura. Para pulgões: introdução, multiplicação, colonização e
3. Pragas subterrâneas: Phytalus sanctipauli liberação de parasitóides, pelo Centro Nacional de Peq-
(Coleoptera: Scarabaeidae); Diloboderus ab- uisa do Trigo (CNPT) das seguintes espécies: Aphelinus
derus (Coleoptera: Scarabaeidae); Pantomorus asychis, Aphidius ervi, A. rhopalosiphi, A. uzbekistanicus,
sp. (Coleoptera: Curculionidae); Conoderus spp. Ephedrus plagiator, Praon gallium, P. volucre e Aphidius
(Coleoptera: Elateridae). Danos: As larvas destroem testaceipes.
as raízes e a base do caule após a germinação e no
período de perfilhamento, ocasionando, algumas
vezes, danos consideráveis.

Níveis de controle
Trigo e cevada
1. da fase de emergência ao perfilhamento: 10% de plan-
tas com pulgões.
2. da fase de alongamento ao emborrachamento: 10 pul-
gões/perfilho.
3. da fase reprodutiva (do espigamento a grão em massa):
10 pulgões/espiga.

Aveia
1. Quando destinado para pastagem: 10 pulgões/perfilho,
desde a fase de emergência até o ponto de pastejo.
2. Quando destinado para produção de grãos:

(a) fase de emergência até o perfilhamento: 10% das


plantas com pulgões.
(b) fase de perfilhamento até o emborrachamento:
20 pulgões/perfilho.
(c) fase de emborrachamento até grãos em massa: 20
pulgões/espiga.

Lagartas
Observar a ocorrência, inicialmente nas áreas acamadas,
e preferencialmente aplicar o inseticida quando as lagartas
estiverem com menos de 2 cm de comprimento.
Capítulo 15

Pragas do Feijão

Pragas-chave colo. Ocorre de setembro a junho, principalmente em


períodos de estiagem. Causam secamento e morte de
1. Cigarrinha verde: Emposca kraemeri (Homoptera: Ci-
plantas novas. Maiores prejuízos nas épocas secas e
cadellidae). O adulto e de coloração esverdeada (2-3
em solos de cerrado.
mm, são insetos muito ativos que podem ter movimen-
tos laterais As fêmeas colocam os ovos em posturas
endofíticas (no interior das folhas, pecíolos ou caules). Pragas secundárias
As ninfas são de coloração amarelo-esverdeada.Os 1. Mosca minadora: Liriomyza spp. (Diptera: Agromyzi-
adultos ocorrem de novembro a abril. Sucção de seiva dae). Mosca pequena (2 mm de comprimento) e de cor
e injeção de toxinas provocando enfezamento das plan- preto algumas espécies possuem manchas amarelas no
tas (semelhante sintomas de viroses). É mais prejudi- tórax. Larvas ápodas e de cor branco, amarelo ou mar-
cial até o florescimento e em plantio da seca. rom vivem no parênquima foliar alimentando-se dos
2. Mosca branca: Bemisia tabaci e B. argentifolii (Ho- tecidos, inicialmente surge uma marca transparente na
moptera: Aleyrodidae). Os adultos são pequenos (1 folha que corresponde ao caminhamento das larvas e
mm) sendo as fêmeas um pouco maiores que os ma- essa mancha logo escurece. O ciclo vital é de aproxi-
chos. A coloração geral e amarela mais possuem as madamente 30 dias. Aberturas de minas e, em conse-
assas recobertas por uma pulverulência branca. As qüência, secamento das folhas.
fêmeas colocam os ovos na face inferior das folhas,
2. Pulgões (Homoptera: Aphididae): Smynthurodes be-
estes são pequenos com forma elipsóide no inicio de
tae (pulgão-da-raiz); Aphis craccivora (pulgão-das-
seu desenvolvimento de cor amarelada e logo tornam-
folhas). Os pulgões são insetos de corpo pouco es-
se mais escuros. As ninfas se desenvolvem na face
clerotizado, ovalado ou piriforme e coloração variá-
inferior da folha e só se locomovem inicialmente,
bel(amarela, esverdeada, marrom, preta, etc.). As an-
fixando-se logo de maneira similar as cochonilhas. O
tenas possuem 5 ou 6 segmentos, e o rostro e formado
ciclo completo é de cerca de 15 dias. Sugam seiva e
por 5 segmentos. Os adultos podem ser ápteros ou al-
transmitem viroses (mosaico dourado e mosaico anão).
adados. A maioria das espécies apresenta sifúnculos
Maiores prejuízos na época seca, principalmente até o
(estruturas localizadas dorsolateralmente na margem
florescimento da planta.
posterior do 5o. Segmento abdominal). Podem se
3. Vaquinhas (Coleoptera: Chrysomelidae): Cerotoma reproduzir em forma sexual ou assexual (partenogê-
arcuata e C. unicornis; Diabrotica speciosa. São nese), na região tropical e subtropical a maioria das
besouros de 5 a 6 mm de comprimento sendo os espécies se reproduz por partenogênese telítoca (só
adultos de D. speciosa verdes com manchas amarelas nascem fêmeas). Tanto adultos como ninfas se ali-
(conhecido vulgarmente como patriota) e os de Cero- mentam sugando seiva das plantas. Smynthurodes be-
toma spp. pretos e amarelos. Adultos são polifagos tae: tanto as formas ápteras como as aladas vivem
alimentam-se de folhas e, em altas populações, provo- nas raiz. Os alados possuem coloração preta enquanto
cam diminuição da produção. Larvas alimentam-se de que o áptero possui coloração esbranquiçada e não tem
raízes e nódulos e podem, também, atacar as sementes sifúnculo (2 mm de comprimento). Aphis craccivora:
em germinação. Tanto as formas ápteras como as aladas são pretas (3-4
mm de comprimento). Vivem nos ramos novos e fol-
4. Lagarta elasmo ou broca do colo: Elasmopalpus lig- has sugando seiva. Pulgão-da-raiz causa murchamento
nosellus (Lepidoptera: Pyralidae). Os adultos são de em plantas com até 30 dias de idade; pulgão-das-folhas
coloração cinza e medem 15 a 25 mm de envergadura. causa deformação nos brotos e folhas.
As lagartas completamente desenvolvidas medem 15
mm, são de coloração verde azulada com a cabeça pe- 3. Tripes: Caliothrips brasiliensis (Thysanoptera: Thrip-
quena e de coloração marrom escura. São muito ati- idae). São insetos de aproximadamente 1 mm de com-
vas penetram na planta fazendo galerias na região do primento com asas franjadas de coloração escura e
38 Pragas do Feijão

com duas faixas brancas. As ninfas são de coloração faixa marrom na parte media da asa. Os ovos
branco amareladas. Vivem na face inferior das folhas são colocados nas vagens ou cálices das flores.
novas. Sucção de seiva. Quando o ataque é intenso, as As lagartas inicialmente alimentam-se de flores
folhas tornam-se amareladas e caem. ou vagens novas, depois penetram nas vagens
e se alimentam das sementes. Inicialmente são
4. Ácaros: Tetranychus urticae (ácaro-rajado) (Acari: de coloração amarelada e logo tomam coloração
Tetranychidae); Polyphagotarsonemus latus (ácaro- verde acinzentada com faixas longitudinais mar-
branco) (Acari: Tarsonemidae).Danificam as folhas. rons (15 mm). Ciclo vital 40-45 dias
O ácaro branco pode atacar as vagens tornando-as
prateadas. (b) Thecla jebus (Lepidoptera: Lycaenidae). Adul-
tos de 32 mm de envergadura, com dimorfismo
5. Lagartas das folhas. Alimentam-se do limbo foliar, sexual bem marcado o macho e azul iridescente
sendo a cultura sensível à desfolha da germinação ao com bordos das asas enegrecidos e uma pequena
florescimento. mancha renifrome preta, as fêmeas são azuis
claras. As lagartas alcançam 30 mm e são de cor
(a) Hedylepta indicata (lagarta-enroladeira) (Lepi- verde, vivem dentro das vagens. O ciclo vital se
doptera: Pyralidae) Adulto de 20 mm de enver- completa em 35-50 dias.
gadura com asas amarelo douradas e três faixas
marrons nas asas anteriores, asas posteriores com 7. Lagarta rosca: Agrotis ipsilon (Lepidoptera: Noctu-
duas faixas. Os ovos são colocados nas folhas idae). Os adultos são mariposas de 40 mm de enver-
isoladamente, as lagartas são pequenas (13 mm) gadura, as asas anteriores são marrons e as posteriores
e de coloração verde-amarelada, se alimentam de brancas hialinas com o bordo lateral acinzentado. Nas
folhas e durante o dias permanecem num abrigo, asas anteriores apresentam uma serie de manchas es-
que constroem com folhas unidas com fios de curas. As fêmeas colocam os ovos isolados em solo
seda. O ciclo vital se completa em 20 a 30 dias e úmido ou sob a folhagem. As lagartas, quando com-
sua ocorrência na cultura se da entre novembro a pletamente desenvolvidas, tem 45 mm e são de col-
agosto com picos populacionais em abril. oração marrom acinzentada, robusta e com tubérculos
(b) Urbanus proteus (lagarta cabeça-de-fósforo) pretos em cada segmento. A cápsula cefálica e de cor
(Lepidoptera: Hesperiidae). São mariposas marrom. As pupas se desenvolvem no solo e todo o
grandes (45 mm) de cor marrom com reflexos ciclo vital se completa em 30-60 dias. Ocorre prática-
azulados na base da asa posterior. Asas an- mente o ano todo com picos populacionais nos meses
teriores com manchas brancas de forma quad- mais cálidos (dezembro-Janeiro) Cortam as plântulas
rangular e asas posteriores com prolongamento em início de desenvolvimento, acarretando falhas na
caudal na região anal. Colocam os ovos em cultura. Além do feijoeiro pode atacar um grande
forma isolada nas folhas, as lagartas medem 35 número de plantas, entre elas algodoeiro, amendoim,
quando completam seu desenvolvimento são de arroz, fumo, girassol, milho, soja, tomateiro, sendo
coloração verde com estrias amarelas laterais e também praga de florestais no viveiro.
uma estria marrom dorsal, a cabeça e bem desen-
volvida e de cor marrom-avermelhada, vivem no Controle Cultural
interior de folhas enroladas. Completam o ciclo
em 25 a 30 dias e sua maior incidência na cultura 1. Uso de iscas para vaquinhas: cucurbitáceas “amargas”,
se da entre setembro e maio. conhecidas vulgarmente como “taiuiá” atraem adultos.
A adição de um produto fosforado à isca poderá con-
(c) Pseudoplusia includens (lagarta-falsa- trolar a praga.
medideira) (Lepidoptera: Noctuidae). Adultos
com cerca de 35 mm, asas anteriores de col- 2. Uso de macerado de vaquinhas para controle de adul-
oração escura , com pequeno desenho prateado tos de vaquinhas, atua como repelente (1000 vaquin-
semelhante á letra Y. As lagartas são de col- has/ha)
oração verde e possuem só três pares de pernas
abdominais, caminha “medindo palmos”. O 3. Aumento da densidade de plantio, em regiões e/ou
ciclo vital se completa em 20-30 dias e ocorre épocas de alta incidência de lagartas elasmo.
principalmente desde outubro ate abril. 4. Irrigação: controle de lagartas elasmo em culturas de
feijão irrigado.
6. Lagartas das vagens: atacam as vagens, destruindo os
grãos em formação. 5. Evitar o cultivo de feijoeiro próximo de culturas de
soja, visando prevenir danos de mosca branca.
(a) Etiella zinckenella (Lepidoptera: Pyralidae) Os
adultos são mariposas pequenas (20-35 mm) de 6. Consórcio com milho: redução do ataque de cigarrin-
coloração acinzentada, as asas anteriores pos- has.
suem uma faixa branca na margem costal e uma
Pragas do Feijão 39

Controle Químico
1. Tratamento de sementes (controle de tripes, pulgão da
raiz, cigarrinha e mosca branca).

2. Uso de inseticidas granulados sistêmicos de solo (con-


trole de tripes, cigarrinha, pulgões, mosca branca,
mosca minadora e ácaros).

3. Pulverizações (controle da maioria das pragas aéreas,


utilizar produtos recomendados para cada praga).
Capítulo 16

Pragas da Soja

Pragas-chave por uma faixa escura que atinge o ápice das asas. Colo-
cam os ovos na face inferior das folhas, isolados ou
1. Percevejo-verde (Hemiptera: Pentatomidae): Nezara
em pequenos grupos (5 a 7 ovos). As lagartas, quando
viridula. Os adultos medem 15 mm e são de coloração
completamente desenvolvidas medem 40 mm, a col-
verde uniforme, com antenas marrons. Colocam os
oração e variável podendo ser verde ou preta, apresenta
ovos em grupos (até 100) nas folhas, no inicio estes
faixas esbranquiçadas longitudinais pelo corpo. Com-
são de cor amarelado e próximos a eclosão são rosa-
pletam o ciclo em 30 dias, e sua ocorrência no campo é
dos. Escuras com manchas vermelhas, a coloração e
desde outubro ate junho, em geral completam três ger-
varia em cada instar as ninfas I e II são gregarias. São
ações durante este período. Além da soja pode atacar
insetos polífagos se alimentam de soja, feijão, alfafa,
alfalfa, amendoim, ervilha e feijão. Alimentam-se de
cucurbitáceas, solanáceas, algodão, alface, laranjeira,
folhas e hastes. Quando ocorrem surtos podem causar
mamona, etc. O ciclo se completa em 30 dias, esta
desfolha completa.
espécie possui níveis populacionais mais elevados en-
tre dezembro e março Sugam a seiva das hastes, ramos
e vagens (“chochas”). Causam retenção foliar (prob- Pragas secundárias
lema na colheita mecânica) e “soja louca” (vegetação 1. Lagartas desfolhadoras (“plusias” ou falsas me-
anormal da planta, sem produzir vagens) devido a in- dideiras): Pseudoplusia includens; Rachiplusia nu;
jeção de toxinas. Causam mancha de levedura nos Trichoplusia ni (Lepidoptera: Noctuidae). Pseudoplu-
grãos. sia includens (vide feijão). As outras duas espécies
2. Percevejo verde pequeno: Piezodorus guildinii. possuem características similares a P. includens as la-
Adulto de 10 mm, verde uniforme com uma faixa gartas são em geral verdes e se movimentam medindo
transversal avermelhada no pronoto. Ovos pretos colo- palmo, os adultos são mariposas de cor predominante-
cados em duas fileiras (30 a 40 ovos) nas folhas ou mente marrom com asas anteriores manchadas de pon-
vagens. As ninfas são de coloração variável, verde tos claros. Destroem o limbo foliar, deixando apenas
(ninfa I e II), verde clara com manchas vermelhas as nervuras principais.
(ninfa III), e verde clara com manchas vermelhas, pre- 2. Broca das axilas ou broca dos ponteiros: Epinotia
tas e brancas no dorso do abdome (ninfa IV e V). As aporema (Lepidoptera: Olethreutidae). Descrição
ninfas I são gregárias. O ciclo se desenvolve em 40 e Biologia: Mariposas pequenas (10 mm de enver-
dias e o período de maior ocorrência e de dezembro a gadura), asa anterior cinza com manchas claras nos
abril. Dano: idem Nezara viridula. bordos, asas posteriores mais claras do que a anterior.
3. Percevejo marrom: Euschistus heros. Os adultos pos- Colocam os ovos nas brotações novas, as lagartas são
suem cor marrom uniforme, dois espinhos laterais no pequenas (8 mm) de coloração esverdeada. Vivem no
protórax e uma mancha amarela em forma de meia interior de galerias nas hastes das plantas. O ciclo vital
lua no ápice do escutelo, medem 13 mm. Os ovos se completa em 35-40 dias; este inseto também pode
são amarelos colocados em posturas em coluna dupla atacar feijão, alfalfa e trevo. Ataca as folhas dos pon-
(15-20 ovos/postura) nas vagens ou folhas. As ninfas teiros e broqueia as hastes das plantas, abrindo galeria
são esverdeadas no inicio de seu desenvolvimento, po- e provocando o secamento dos ramos.
dendo apresentar formas de cor verde, castanho ou ac- 3. Lagarta elasmo ou broca do colo: Elasmopalpus
inzentado. Ocorre principalmente de dezembro a abril. lignosellus (Lepidoptera: Pyralidae) (vide Feijão).
Ciclo vital 40 dias. Atacam vagens e grãos e provoca Causam o secamento das plantas novas (até 30 dias de
a retenção foliar. idade). Importante em regiões de Cerrado.
4. Lagarta da Soja: Anticarsia gemmatalis (Lepidoptera: 4. Lagartas das vagens: Spodoptera latifascia (Lepi-
Noctuidae). Adultos de 40 mm de envergadura alar, de doptera: Noctuidae) e Spodoptera eridania (Lepi-
cor marrom, com asas anteriores e posteriores cortadas doptera: Noctuidae). Os adultos de estas espécies São
Pragas da Soja 41

mariposas pequenas (40 mm) de coloração parda com Níveis de controle


desenhos brancos nas asas anteriores das fêmeas e asas
1. Lagartas desfolhadoras:
acinzentadas com manchas escuras nos machos. As la-
gartas são de coloração escuras (paradas ou marrons) (a) Antes do florescimento: 40 lag. > 1,5 cm ou 30%
com manchas pretas no dorso. Alimentam-se preferen- de desfolha
cialmente de grãos e vagens da soja, podendo também
consumir suas folhas. (b) Após o florescimento: 40 lag. > 1,5 cm ou 15%
de desfolha
5. Lagarta enroladeira: Hedylepta indicata (Lepidoptera:
Pyralidae). Descrição e Biologia: vida feijão. Danos: 2. Broca das axilas (até a formação de vagens): 30% de
vide feijão. ponteiros atacados

6. Lagarta cabeça de fósforo: Urbanus proteus (Lepi- 3. Broca das vagens (formação e enchimento de vagens):
doptera: Hesperiidae). Descricão e biologia: vide fei- 10% de vagens atacadas ou 20 lag. por amostragem
jão. Unem folíolos através de teias, onde a lagarta vive
4. Percevejos (formação de vagens até a maturação fisi-
no interior deste abrigo, raspando o parênquima das
ológica): 4 perc. > que 5 mm por amostragem (grãos)
folhas.
ou 2 perc. > que 5 mm em prod. de sementes
7. Lagarta das vagens: Etiella zinckenella (Lepidoptera:
Pyralidae). (vide feijão). Destroem as sementes no Controle Cultural
interior das vagens, próximas à maturação.
1. Uso de variedades de ciclo curto (escapam da época de
8. Percevejos de grãos (Heteroptera: Pentatomi- maior população de percevejos)
dae): Acrosternum asseadum, Edessa meditabunda;
Percevejo barriga verde: Dichelops furcatus e D. mela- 2. Plantio em épocas diferentes (influencia na dinâmica
canthus.Sugam os grãos da soja, porém raramente dos percevejos)
atingem o nível de dano econômico.
3. Uso de cultivares armadilhas (pequena área - 10% do
9. Percevejo castanho: Scaptocoris castanea (Het- total) nas margens, com variedade mais precoce do que
eroptera: Cydnidae). Os adultos são insetos pequenos a ser plantada para atrair os percevejos, que serão elim-
(8 mm) de cor marrom, pernas anteriores fossoriais inados com o uso de inseticidas. O caupi (Vigna un-
(adaptadas para cavar). Em épocas secas se aprofun- guiculata) pode melhorar a atração.
dam no solo e saem a superfície no inicio das chuvas,
4. Espaçamento: a época de semeadura e o uso de difer-
podem ocorrer revoadas destes insetos ao entardecer
entes espaçamentos entre linhas pode influenciar nas
formando nuvens. As ninfas são esbranquiçadas, e
populações de insetos desfolhadores. Menores densi-
vivem fixas nas raízes da planta, passam por cinco in-
dades de A. gemmatalis e plusias foram observadas em
stares durante seu desenvolvimento. Adultos e ninfas
soja com espaçamento maior e plantadas mais tardia-
sugam seiva das raízes, provocando amarelecimento
mente.
da planta e posterior secamento. Maiores problemas
em solos de textura arenosa. 5. Preparo do solo para exposição das larvas de besouros
e percevejos à radiação solar e ação de pássaros in-
10. Vaquinhas (Coleoptera: Chrysomelidae): Megascelis
setívoros.
sp.; Diabrotica speciosa; Cerotoma spp.; Myochorus
sp. Atacam folhas mais tenras abrindo pequenos bu-
racos. As larvas se alimentam das raízes, causando Resistência de plantas
o murchamento das plantas. As espécies mais impor-
Variedade IAC-100: resistência e/ou tolerância ao ataque
tantes são Megascelis sp. (no MT) e Myocorus sp. (no
de percevejos. Genótipo em estudo: IAC 78-2318: resistên-
MS).
cia múltipla à várias pragas da soja, incluindo lagartas des-
folhadoras.
Amostragem
Método do pano de batida: utilizar um pano de 1 m de Controle por Comportamento
comprimento e de largura igual ao espaçamento entre as
O uso do sal de cozinha, permite o controle de percevejos
fileiras). Usar 6 pontos de amostragem para áreas menores
via inseticidas, com redução na quantidade empregada. A
de 10 ha, 8 pontos para áreas de até 30 ha e 10 pontos para
ação do sal de cozinha não é de um atraente, mas sim de um
áreas de mais de 30 ha Para lagartas desfolhadoras pode-se
estimulante alimentar, que faz com que haja maior contato
utilizar um método de amostragem indireto como avaliar a
entre o inseticida e o percevejo. Fazer salmoura separada,
porcentagem de desfolha.
diluindo o sal com um pouco de água, depois misturar à
água do pulverizador, colocando por último, o inseticida.
Dose recomendada: a) para equipamentos terrestres (0,5%)
42 Pragas da Soja

= 500 g para cada 100 l de calda preparada; b) para apli-


cação aérea: (0,75%). Lavar os equipamentos com deter-
gente neutro ou óleo mineral, após o uso para evitar cor-
rosão. Encontra-se em fase de pesquisa o uso de armadil-
has de feromônios para o monitoramento de populações de
percevejos.

Controle Biológico
1. Baculovirus anticarsia: Pelo menos 80% das lagar-
tas tem que ter tamanho menor que 1,5 cm. Se es-
tiverem maiores aplica-se controle químico. O vírus
demora até 10 dias para matar as lagartas, mas param
de comer após quatro dias da aplicação; quando fi-
cam doentes, vão para os ponteiros.. Receita caseira:
50 lagartas doentes (± 16 g) maceradas, coadas e
diluídas em 100-200 l de água/ha. Existe também
disponível para os produtores o vírus na formulação
pó molhável comercializado por algumas unidades da
EMBRAPA/CNPSo (Londrina/PR; UEPAE (Doura-
dos/MS), cooperativas credenciadas e empresas como
NOVA ERA: Biotecnologia Agrícola (Apucarana/PR),
TECNIVITA (Mal. Cândido Rondon/ PR) e GER-
ATEC (Porto Alegre/RS).
2. Trissolcus basalis (Hymenoptera: Scelionidae): Cada
fêmea parasita, em média 250 ovos de Nezara viridula.
Na EMBRAPA/CNPSo, há criação massal deste mi-
crohimenóptero para liberação no campo. Liberação
nos períodos de menor insolação, em número de duas,
no final da floração, em diferentes locais, num total de
15 mil adultos/ ha. Evitar aplicações de defensivos na
época de liberação. Outras espécies de Scelionidae (T.
brachiminae, T. teretis, T. urichi e Telenomus podisi
também são inimigos naturais eficientes dos perceve-
jos. Para lagartas desfolhadoras, broca das axilas e
lagartas das vagens recomenda-se o uso de Bacillus
thuringiensis.

Controle Químico
Utilizar inseticidas seletivos aos inimigos naturais. Para
A. gemmatalis são indicados o uso de Baculovirus, B.
thuringiensis, carbaril (carbamato), diflubenzuron (inibidor
da síntese de quitina), endossulfan (organoclorado), en-
tre outros. Para percevejos se indicam endossulfan, fen-
itrotion (organofosforado), fosfamidom (organofosforado,
metamidofós (organofosforado) e para vaquinhas carbaril.
Capítulo 17

Pragas da Batata

Pragas-chave plantio seja feito em regiões de clima frio e/ou em altitudes


elevadas.
1. Pulgões (Homoptera: Aphididae). Macrosiphum eu-
phorbiae (vide tomateiro) Myzus persicae (vide algo-
dão). Sucção contínua de seiva (dano direto); vetores Controle Químico
de viroses, tais como: vírus Y (PVY) e o vírus do en- 1. Preventivo. Uso de inseticidas granulados sistêmicos
rolamento (PLRV) (dano indireto é mais significativo). de solo (phorate, aldicarb, dissulfoton e carbofuran),
2. Mosca minadora: Liriomyza spp. (Diptera: Agromyzi- respectivamente no controle de pulgões, mosca mi-
dae) (vide feijão) As larvas se alimentam do parên- nadora e besouros. Proteção da cultura durante 40 a
quima, formandos minas e, em conseqüência, seca- 50 dias. O produto Phorate é mais indicado para pra-
mento das folhas. Maiores danos em períodos de seca gas de solo, enquanto que o produto aldicarb é mais
prolongada. indicado para o controle de mosca minadora.
3. Besouros (pragas de solo). Os adultos, exceto os da 2. Através de pulverizações
“larva-arame”, danificam as folhas das plantas. Entre-
tanto, os maiores prejuízos são decorrentes do ataque (a) Pulgões: acefato, metamidofós, pirimicarb.
dos tubérculos pelas larvas, que ocasionam: redução (b) Mosca minadora: cartap, deltametrina.
de peso dos tubérculos, favorece penetração de fungos
e bactérias e, principalmente, redução significativa no
valor comercial do produto.
(a) Larva-arame: Conoderus scalaris (Coleoptera:
Elateridae) Adultos de 10 15 mm de compri-
mento, protórax de coloração preta e élitros
marrom-avermelhados com pontuações pretas.
Colocam os ovos em solos úmidos sob grama ou
sementes. As larvas medem 15 a 20 mm de com-
primento são de coloração amarela ou marrom,
alongadas com pernas torácicas e corpo bastante
esclerotizado, vivem no solo alimentando-se de
raízes, tubérculos e sementes.
(b) Larva-alfinete: Diabrotica speciosa
(Coleoptera:Chrysomelidae) (vide feijão).
(c) Gorgulho: Phyrdenus muriceus (Coleoptera: Cu-
culionidae). Besouros pequenos (5 a 6 mm
de comprimento) de coloração marrom-escuro,
cabeça com um rostro (focinho) voltado para
baixo. Colocam os ovos nas hastes das plan-
tas. As larvas são ápodas brancas e com cabeça
marrom. Abrem galerias no colo da planta e nas
raízes das plantas mais velhas.

Controle Cultural
Para evitar alta percentagem de viroses, no campo des-
tinado à produção de batata-semente, recomenda-se que o
Capítulo 18

Pragas das Pastagens

Pragas-chave Pragas secundárias


Cigarrinhas-das-pastagens (Homoptera: Cercopidae): 1. Percevejo castanho: Scaptocoris castanea (Het-
Zulia entreriana; Deois flavopicta; D. schach. Os adul- eroptera: Cydnidae) (vide soja). Causam morte das
tos são insetos pequenos, de 7-10mm e de coloração var- plantas (devido a introdução de toxinas que matam
iável. D. flavopicta possui coloração geral preta com duas as raízes). O ataque se inicia por pequenos focos os
faixas transversais amarelas na asa anterior, clavus também quais vão aumentando em tamanho e número. Fatores
amarelo, o abdome e patas são vermelhas; D. schach possui favoráveis ao ataque da praga: a) solos arenosos; b)
corpo preto-esverdeado com uma faixa transversal no terço pastagem mal nutrida (principalmente em Ca e P, que
apical da asa de cor alaranjada, abdome e pernas vermelhos; possibilitam a forrageira suportar maior ataque do in-
Z. entreriana tem coloração preto-brilhante com uma faixa seto).
transversal amarelada no terço apical da asa. As fêmeas
colocam os ovos no chão ou em restos de vegetação e as 2. Lagartas desfolhadoras (Lepidoptera: Noctuidae).
ninfas, de cor amarelada, vivem nos perfilhos de capim pro- Causam desfolha geralmente em “reboleiras”. O prin-
tegidas por uma secreção branca, produzida por uma glân- cipal fator favorável ao ataque destas pragas é a ocor-
dula situada no abdome, e na qual a ninfa injeta ar tomando rência de “veranico” (redução do ataque de fungos en-
assim aspecto de espuma. O ciclo vital se completa em tomopatogênicos).
aproximadamente 45 dias, e em caso de baixa umidade ou
(a) curuquerê-dos-capinzais, Mocis latipes O adulto
baixa temperatura o ovo entre em quiescência por até 200
e uma mariposa de 35 a 40 mm de envergadura de
dias. Normalmente se desenvolvem três gerações por ano.
coloração geral pardo-acinzentada, asa anterior
Causam amarelecimento e “queima” das pastagens devido
com manchas circulares e uma faixa transversal
à sucção de seiva e introdução de toxinas.
escura. Colocam os ovos em grupos (40 a 60) nas
Existe uma série de fatores que favorecem o desenvolvi-
folhas e próximos à nervura central. As lagar-
mento das populações de cigarrinhas:
tas são pardas com duas faixas escuras longitudi-
1. Época de alta umidade (indispensável para eclosão dos nais limitadas por duas estrias amarelas, a cabeça
ovos); e globosa com estrias longitudinais amareladas;
possuem os dois primeiros pares de falsas per-
2. Alta temperatura do ar (redução da duração do ciclo de nas atrofiados por tanto caminham medindo pal-
vida do inseto); mos. Ciclo vital de 50 dias, ataca gramíneas
como milho, sorgo, arroz e pastagens.
3. Plantio de gramíneas suscetíveis;
(b) lagarta do cartucho do milho, Spodoptera
4. Ocorrência de “veranico” (redução do ataque de fun- frugiperda (ver milho).
gos entomopatogênicos à praga e elevação do teor de (c) lagarta do trigo, Pseudaletia sequax (ver trigo).
aminoácidos essenciais na seiva);
3. Cochonilha dos capins: Antonina graminis (Ho-
5. Baixa exposição das ninfas aos raios solares (favorece moptera: Pseudococcidae). São insetos sugadores de
a manutenção da espuma ao redor das ninfas); seiva, de corpo ovalado (3 mm x 1,5 mm) e de cor
6. Pastagem mal nutrida (principalmente em Ca e P, pois arroxeada envolto por uma substância cerosa branca.
esses nutrientes em níveis normais possibilitam as Se alojam nos perfilhos do capim junto aos nós sob
plantas suportarem maiores densidades de praga e re- as bainhas das folhas, próximos das gemas em gru-
duzem a taxa de aminoácidos livres na seiva). pos de até 10 cochonilhas. Este inseto se reproduz
por partenogênese telítoca (só originam fêmeas) com
um ciclo evolutivo entre 60 a 70 dias. As cochonil-
has só se dispersam no primeiro ínstar ninfal, já que
os outros ínstares são sedentários. Essa espécie vive
Pragas das Pastagens 45

quase exclusivamente em gramíneas (capins, cana-de- 2. gramíneas com média resistência: Brachiaria brizan-
açúcar, sorgo e arroz silvestre). Causa morte de plan- tha (Brizantha); Cenchrus ciliaris 465 (Buffel);
tas, ocasionando falhas na pastagem denominadas de Brachiaria humidicola (Humidícola).
“geadas”. Principais fatores favoráveis ao ataque da
praga: a) adoção de práticas que desfavoreçam a ação 3. gramíneas suscetíveis: Panicum maximum (Colonião);
do seu principal inimigo natural, o parasitóide Neodus- Panicum maximum (Guinezinho); Brachiaria sp.
metia sangwani (Hymenoptera: Encyrtidae); b) baixa (Braquiária); Cenchrus ciliaris 505 (Buffel); Panicum
umidade; c) plantio de gramíneas suscetíveis (princi- maximum (Green Panic); Cenchrus ciliaris 2953 (Buf-
palmente capim gordura, angola e pangola). fel); Cenchrus ciliaris cv. Biloela (Buffel); Brachiaria
dyctioneura (Braquiária).
4. Percevejos das gramíneas: Blissus leucopterus (Het-
eroptera: Lygaeidae). Adultos pequenos (5 mm), 4. gramíneas muito suscetíveis: Digitaria umfolosi;
apêndices marrons ou avermelhados, podem existir Brachiaria decumbens cv. Australiana (Braquiária);
formas com asas bem desenvolvidas (neste caso as Brachiaria decumbens cv. IPEAN (Braquiária);
asas são hialinas e brancas com uma mancha trian- Cenchrus ciliaris cv. Texas (Buffel); Brachiaria ruz-
gular preta na margem anterior do primeiro para de iziensis (Braquiária).
asas) e formas braquípteras (com asas curtas). Os ovos
são colocados no chão e as ninfas inicialmente ver- Controle Biológico
melhas vão escurecendo em cada muda até tornar-se
marrom-escura ou quase preta, mantendo a faixa clara 1. Neodusmetia sangwani (Hymenoptera: Encyrtidae).
das asas em formação. Ataca principalmente o capim Controle biológico clássico de cochonilha dos capins
Brachiaria radicans (“tanner grass”). Suga a seiva da (parasitóide introduzido no Brasil em 1967).
planta, causando secamento e morte. Introduzido no 2. Metarhizium anisopliae (fungo entomopatogênico).
Brasil em 1976 e de ocorrência esporádica, atacando Controle biológico natural de ninfas de cigarrin-
principalmente Brachiaria radicans. has. Recomendado até há pouco tempo como con-
trole biológico aplicado, na dosagem de 2,0 x 1012
Controle Cultural conídeos/ha a uma vazão de 200 l de calda/ha.
1. Adubação de formação das pastagens (possibilitando a
gramínea suportar maior ataque das pragas). Controle Químico
2. Divisão das pastagens (para possibilitar o manejo da Aplicação em pequenas reboleiras. Observar custo,
altura de pastejo). período de carência do produto e compatibilidade a M.
anisopliae.
3. Plantio diversificado de gramíneas (uso de diversas es-
pécies).

4. Uso de gramínea resistente à cigarrinhas em regiões


onde a praga é endêmica.
5. Evitar o plantio de Brachiaria radicans (“Tanner-
grass”), que é muito suscetível ao percevejo das
gramíneas.
6. Quando ocorrer alto ataque de cigarrinhas, reduzir a
altura da forrageira até a gema apical (cerca de 25 cm).
7. Quando ocorrer ataque de percevejo castanho: realizar
aração do solo na região do “foco”.

Resistência à Cigarrinha Deois flavopicta


1. gramíneas resistentes: Andropogon guayanus cv.
Planaltina (Capim andropogon); Hyparrhenia rufa
(Jaraguá); Cynodon plectostachyys 171 (Estrela); B.
radicans x B. mutica (Tangola); Setaria anceps cv.
Kazungula (Setária); Setaria angustifolia (Setária);
Panicum maximum cv. Makueni (Makueni); Meli-
nis minutiflora (Gordura); Cenchrus ciliaris CL 1004
(Buffel).
Capítulo 19

Pragas da Mandioca

Praga-chave Controle Mecânico


Mandrová-da-mandioca ou gervão, Erinnyis ello (Lepi- Controle mecânico do mandrová: em pequenas culturas,
doptera: Sphingidae). Os adultos são mariposas grandes (6 realizar a catação manual ou corte das lagartas com tesoura.
a 9 cm de envergadura). As asas são estreitas, as anteriores
de coloração cinza e as posteriores vermelhas com o bordo Controle Biológico
lateral preto. Abdome cinza com faixas pretas. Colocam os
ovos isoladamente na superfície das folhas. As lagartas pos- 1. Pulverização com Bacillus thuringiensis quando o
suem coloração variável são geralmente verde-claro. Apre- ataque estiver no início, isto é, lagartas pequenas.
sentam estrias laterais amareladas, se alimentam de folhas
de mandioca, seringueira, mamoeiro, mamona, etc. O ciclo 2. Uso de vírus de granulose de Erinnyis ello; a multi-
vital se completa em 30 a 50 dias. As lagartas atacam as plicação do vírus é feita em lagartas alimentadas com
folhas devorando primeiramente as novas e depois as mais folhas de mandioca, para posterior coleta de lagar-
velhas. Em infestações pesadas, desfolham totalmente as tas mortas, armazenamento e distribuição ao agricul-
plantas e podem destruir também os ramos mais finos. A tor. O vírus é produzido pela Empresa de Pesquisa
época de ocorrência se estende de outubro a abril, havendo Agropecuária de Santa Catarina - EMPASC em Itajaí
maior concentração nos meses de dezembro a março. (SC) e Instituto Agronômico do Paraná - IAPAR.

Pragas secundárias Controle Químico


1. Ácaro: Mononychellus tanajoa (Acari: Tetranychi- 1. Para o controle de ácaros, aplicação de acaricidas es-
dae). As folhas atacadas perdem a cor verde, apre- pecíficos nas reboleiras.
sentando manchas amarelas; o talo torna-se áspero e 2. Para o controle do mandrová, deve dar preferência ao
de cor marrom. As folhas e talos infestados morrem inseticida microbiano.
progressivamente de cima para baixo. Aparecem com
maior intensidade na época das secas.
2. Percevejo-de-renda: Vatiga spp. (Heteroptera: Tingi-
dae). Os adultos são insetos pequenos (3 mm) cinzen-
tos, com hemiélitros e tórax reticulados. Vivem em
colônias na face inferior das folhas. Colocam os ovos
endofiticamente. As ninfas também são gregárias.
Sucção de seiva provocando pequenas manchas amare-
las, estas manchas, posteriormente, torna-se marrom-
avermelhadas.

Amostragem
O uso de armadilhas luminosas para o monitoramento do
mandrová fornece uma noção preciosa de quando ocorrerá
o ataque das lagartas. Os adultos têm hábitos noturnos e são
atraídos eficientemente pela luz.
Capítulo 20

Pragas das Hortícolas

20.1 Pragas das Cucurbitáceas outras espécies vivem no solo e não têm importância
econômica no cultivo de cucurbitáceas.
Praga-chave
(a) Diabrotica speciosa (Chrysomelidae): (vide fei-
Broca das cucurbitáceas. Diaphania nitidalis e D. hyali- jão);
nata (Lepidoptera: Pyralidae). Os adultos das duas espécies (b) Cerotoma spp. (Chrysomelidae): vide feijão;
são insetos muito semelhantes. Em D. nitidalis a mariposa
(c) Alcalina bivitula (Chrysomelidae): os adultos
possui 30 mm de envergadura, de coloração marrom vio-
são pequenos besourinhos (5 a 6 mm de com-
lácea, com assas apresentando uma área central amarelada
primento), de coloração geral preta com listras
(semi-transparente) e bordas marrons violáceos; D. hyali-
amarelas no élitros.
nata possui as mesmas características porém apresenta asas
com áreas semi-transparentes de cor branco. As lagartas das (d) Epilachna cacica (Coccinellidae): Besouros de
duas espécies são de coloração esverdeada e alcançam 20 10 mm de comprimento de forma esférica e
mm quando completam seu desenvolvimento. O ciclo vital coloração marrom com uma faixa preta estreita
e de 25 dias. As lagartas atacam as folhas, brotos novos, na base dos élitros. Suas larvas têm o corpo
ramos e principalmente os frutos. Nos frutos, abrem gale- revestido de espinhos pretos e longos, alcançam
rias e destroem a polpa (apodrecimento do fruto). As lagar- 10 mm.
tas de D. nitidalis concentram o seu ataque às flores e frutos 4. Lagarta rosca: Agrotis ipsilon (Lepidoptera: Noctu-
onde penetram rapidamente, enquanto que as lagartas de D. idae): vide feijão. Corta as plantas novas.
hyalinata atacam também as folhas.
5. Percevejo-do-melão: Leptoglosus gonagra
(Hemiptera: Coreidae). O adulto e um percevejo
Pragas secundárias
de 20 mm de comprimento de cor marrom-escuro com
1. Mosca-das-frutas: Anastrepha grandis (Diptera: listras alaranjadas na cabeça e uma linha transversal
Tephritidae) O adulto desta mosca alcança 10 a 11 mm amarela no pronoto. As antenas são marrons com
de comprimento e de cor amarelado e nas asas apre- manchas amareladas. Tíbias das pernas posteriores
senta faixas de cor escuro. As fêmeas possuem um com expansão lateral estreita e com uma mancha
ovipositor bem desenvolvido com o qual colocam os branca do lado interno. Durante seu desenvolvimento
ovos no interior dos frutos (geralmente em frutos na passam por cinco ínstares ninfais, sendo que os
fase de amadurecimento). As larvas são pequenas (8 primeiros ínstares são gregários, o ciclo se completa
mm), cabeça pequena e abdome truncado posterior- em 20 a 30 dias. Ataca ramos prejudicando a planta
mente, quando completa seu desenvolvimento aban- que fica depauperada. Atacando frutos deixam o local
dona o fruto para empupar no solo. As larvas destroem da picada “empedrado”. É de maior importância na
a polpa culminando com apodrecimento dos frutos. cultura do melão.
Maiores problemas nas regiões onde se cultiva melão
para exportação. Controle Cultural
2. Pulgão: Aphis gossypii (Homoptera: Aphididae): vide Para brocas e vaquinhas: Rotação de culturas; aração e
algodão. Atacam os brotos e ramos novos, tornando-os gradagem do solo; planta isca - cultivo intercalar com abo-
engruvinhados e prejudicando o desenvolvimento das brinha italiana (C.V. Caserta), que funciona como planta
plantas. Podem transmitir virose. isca, e sobre a qual aplica-se o inseticida (brocas).
3. Vaquinhas (Coleoptera): Os adultos alimentam-se de
folhas, deixando orifícios bem típicos de seu ataque. Controle Biológico
A. bivitula pode transmitir viroses. As larvas de E.
Bacillus thuringiensis em pulverização dirigida às flores
cacica atacam as folhas enquanto que as larvas das
e frutos novos para controle de brocas
48 Pragas das Hortícolas

Controle Químico Controle Cultural


Vários fosforados e piretróides específicos recomenda- 1. Uso de casca de arroz como cobertura morta (“difi-
dos. Deve-se considerar a época de aplicação para não afe- culta” a localização da cultura por pulgões)
tar os polinizadores (especialmente em culturas de abób-
ora e pepino) e também o momento do dia (lembrar que 2. Policultivo (dificulta a localização da cultura por pra-
os polinizadores são mais ativos durante a manhã). Proble- gas específicas favorece a ação dos inimigos naturais)
mas de fitotoxicidade: as cucurbitáceas são muito sensíveis 3. Plantio próximo à matas (favorece a ação de inimi-
a vários produtos tais como malation, carbamatos, enxofre, gos naturais, principalmente de vespas predadoras que
etc. possuem ninhos nas árvores).

20.2 Pragas das Brássicas Controle Mecânico


Catação e esmagamento de ovos e lagartas
Pragas-chave
1. Pulgões (Homoptera: Aphididae) Brevicoryne brassi- Controle Biológico
cae: São insetos ápteros caracterizados por serem re-
cobertos de uma pulverulência esbranquiçada vivem Bacillus thuringiensis para controle de lagartas.
em grandes colônias. Sua maior incidência se da na
região Centro-Sul do Brasil. Myzus persicae: Vide Resistência
algodão. De maior importância na região Norte e
Nordeste do Brasil. Causam “engruvinhamento” das Clone de couve comum “joenes” é resistente a pulgões
folhas provocado pela sucção de seiva, o que leva a e lagartas. As variedades de repolho de folhas “roxas” são
redução no crescimento e produção das plantas. mais resistentes às lagartas desfolhadoras e pulgões que as
variedades de folhagem “verde”.
2. Lagartas desfolhadoras. Causam desfolha das plantas.

(a) Traça das brássicas: Plutella xylostella (Lepi- 20.3 Pragas do Tomate
doptera: Plutellidae). São pequenas mariposas
de coloração parda. As fêmeas colocam os ovos Pragas-chave
nas folhas em grupos de até 100 ovos. As larvas
do primeiro ínstar se alimentam no interior de ga- 1. Traça-do-tomateiro: Tuta absoluta (Lepidoptera:
lerias nas folhas, os outros ínstares vivem na face Gelechiidae). O adulto é uma mariposa pequena (7
inferior das folhas. Quando completamente de- mm de envergadura) com asas de cor acinzentada e
senvolvidas a lagartas alcançam 10 mm são de franjadas. As fêmeas colocam os ovos em folhas
cor verde claro com a cabeça parda. As pupas e ramos, as lagartas são pardacentas com a cabeça
se desenvolvem no interior de casulos de seda na marrom-clara (7 mm) vivem em galerias nas folhas,
face inferior das folhas. ramos e gemas e frutos. Atacam toda a planta em qual-
quer estágio de desenvolvimento, abrem galerias nas
(b) Curuquerê da couve: Ascia monuste orseis (Lep-
folhas, ramos, gemas e frutos causando diminuição e
idoptera: Pieridae). Os adultos são borboletas de
perda de produção.
ate 50 mm de envergadura com as asas amare-
ladas e com bordes marrons escuros. As lagartas 2. Broca-pequena-do-tomateiro: Neoleucinodes elegan-
medem 30 a 35 mm e são de coloração cinza es- talis (Lepidoptera: Pyralidae). O adulto é uma mari-
verdeada. posa de 25 mm de envergadura, de coloração geral
(c) Falsa medideira: Trichoplusia ni (Lepidoptera: branca, com asas transparentes, as anteriores man-
Noctuidae): vide soja. chadas de marrom-avermelhado na base e na lateral e
as posteriores com pequenas manchas esparsas de cor
marrom. As lagartas são rosadas com o primeiro seg-
Amostragem mento torácico amarelado (13 mm). O ciclo se com-
Até o momento só estabelecido para repolho. pleta em 50 dias, esta espécie ataca principalmente fru-
Amostragem de 15% das plantas do talhão. tos de solanáceas (tomate, berinjela, pimentão-doce,
jiló, etc.). Praga muito importante, podendo causar
grande destruição dos frutos, que ficam imprestáveis.
Níveis de controle
1. Pulgões: 15% das plantas colonizadas
2. Lagartas: pré-formação da cabeça: 20% das plantas
com lagartas > 1,3 cm formação da cabeça: 10% das
plantas com lagartas > 1,3 cm
Pragas das Hortícolas 49

Pragas secundárias 3. Broqueadores de frutos: 1% dos frutos broqueados


1. Tripes: Frankliniella schulzei (Thysanoptera: Thripi-
dae). São insetos pequenos (3 mm) de coloração es- Controle Cultural
cura, quase preta. Possuem asas franjadas, as nin- 1. Plantio em única época por região (para evitar que o
fas são de cores mais claras. Transmissões de vi- cultivo anterior sirva como fonte de traça do tomateiro
roses, principalmente no início do ciclo da cultura: para o subseqüente).
“vira-cabeça” do tomateiro; vírus “y”, “topo amarelo”,
“amarelo baixeiro” e “mosaico comum” . 2. Uso de telado em viveiros e sementes.
2. Pulgões: (Homoptera: Aphididae): Myzus persicae: 3. Plantio de barreiras (crotalária, sorgo ou milho) ao re-
vide algodão; Macrosiphum euphorbiae: insetos pe- dor da área de plantio.
quenos, as formas ápteras até 4 mm de coloração geral
verde, com cabeça e tórax amarelados e com antenas 4. Destruição dos restos culturais.
escuras. As formas aladas são menores que as ápteras
5. Uso de cobertura morta (casca ou palha de arroz).
e possuem coloração semelhante. Danos: ver tripes.
6. Policultivo: plantio de sorgo ou milho a cada 5 fileiras
3. Mosca branca: Bemisia tabaci (Homoptera: Aleyrodi-
de tomate. Tomate x brássicas (repolhos, couve, etc.).
dae): ver feijão. Danos: ver tripes.
7. Poda apical: deixar 4 pencas de frutos/planta (facilita
4. Traça da batatinha: Phthorimaea operculella (Lepi-
a penetração de inseticidas nas folhagens).
doptera: Gelechiidae). Os adultos são mariposas de
coloração escura com manchas pretas nas asas anteri- 8. Manejo de plantas invasoras (as plantas invasoras,
ores, as asas são franjadas (15 mm de envergadura). servem como “abrigo” de inimigos naturais e dificul-
Colocam os ovos nas folhas e ramos. As lagartas tam a localização da cultura pelas pragas).
são de coloração branco-esverdeada (início) e branco-
amarelada (final do desenvolvimento) com a cabeça
marrom. Completam o ciclo vital em 30 dias. At- Controle Biológico
aca solanáceas. Abrem galerias nos frutos próximos 1. Microbiológico: uso de Bacillus thuringensis, sempre
à maturação. num óleo vegetal como adesivo.
5. Mosca-minadora: Liriomyza spp. (Diptera: 2. Uso de Trichogramma pretiosum (Hymenoptera). Tem
Agromyzidae): vide feijão. Larvas minam as sido usado com eficiência pela “FRUTINOR”, para
folhas. controle da traça do tomateiro.
6. Broca grande dos frutos: Heliothis zea (Lepidoptera:
Noctuidae). Os adultos são mariposas de 30 a 40 Controle Químico
mm de envergadura com asas anteriores de coloração
1. Evitar uso indiscriminado de fungicidas (efeito
cinza-esverdeado e posteriores esbranquiçadas. As lar-
“deletério” sobre fungos entomopatogênicos).
vas são brancas ao inicio do desenvolvimentos e após
tomam coloração verde, marrom o branca com listras 2. Evitar uso de granulados no sulco de plantio (efeito
longitudinais de dois ou três cores. Causam destruição sobre predadores “sugadores”).
de frutos.
3. Verificar os níveis de controle.
7. Micro-ácaro ou ácaro do bronzeamento do tomateiro:
Aculops lycopersici Provocam “bronzeamento” e se-
camento das folhas principalmente na extremidade das
plantas; frutos mal formados com pele áspera.

Amostragem
Devem-se amostrar 20 pontos por talhão avaliando 5
plantas/ponto. Para vetores de virose a amostragem se faz
em ponteiros das plantas, para minadores de folhas na ter-
ceira folha a partir do ápice e para broqueadores de frutos
em 1 penca de frutos/planta

Níveis de controle
1. Sugadores: 1 adulto por ponteiro
2. Minadores de folhas: 20% de folhas minadas
Capítulo 21

Pragas das Frutíferas

21.1 Pragas da Banana b) isca tipo telha: 50 cm de comprimento (colocada entre as


mudas). Se utilizam 20 iscas/ha.
Praga-chave
Moleque da bananeira, Cosmopolites sordidus Níveis de controle
(Coleoptera: Curculionidae). O adulto é um besouro Nível de controle para o moleque da bananeira: 5 adul-
de 10-12 mm de coloração preta com élitros estriados tos/iscas/mês.
longitudinalmente, são noturnos. Os ovos são introduzidos
em orifícios feitos pelas mandíbulas das fêmeas no ponto
de inserção da bainha da folha ao rizoma. As larvas são Controle Cultural
ápodas, brancas e vivem nos rizomas. Abre galerias no 1. Seleção de mudas isentas do ataque do moleque da ba-
rizoma e partes inferiores do caule, principalmente a larva. naneira.
Essas aberturas servem de porta de entrada para o agente
da doença fúngica “mal do Panamá”. Em conseqüência 2. Desbaste, deixando 3 plantas/cova (controle de
dessas injúrias ocorre: amarelecimento das folhas, queda moleque e falso moleque da bananeira).
na produção (cerca de 30% no Brasil); e tombamento das
plantas devido a ação dos ventos e peso dos cachos. 3. Eliminação do “coração” após formação do cacho
(controle do tripes).

Pragas secundárias
Controle por Comportamento
1. Broca do pseudocaule ou falso moleque da bananeira:
Metamasius spp. (Coleoptera: Curculionidae). São 1. Pedaços do pseudocaule da bananeira ± 50 cm partido
muito semelhantes ao moleque, sendo que possuem ao meio, pulverizado na parte cortada com uma calda
coloração preta com manchas avermelhadas nos él- inseticida, parte cortada virada para baixo.
itros. As larvas broqueiam o pseudocaule, e seu ataque 2. Uso de isca tipo queijo ou telha (150/ha) contendo in-
ocorre mais no final de ciclo. seticida (para controle do moleque e falso moleque da
2. Tripes: Caliothrips bicinctus (Thysanoptera: Thripi- bananeira).
dae). Biologia similar a C. brasiliensis (ver feijão).
Suga seiva, provocando depreciação dos frutos, que fi- Controle Biológico
cam manchados (”ferrugem dos frutos”).
Uso de fungos entomopatogênicos Beauveria bassiana e
3. Traça-da-bananeira: Opogona sacchari (Lepidoptera: Metharizium anisopliae nas iscas usadas para controle do
Oinophilidae). Os adultos são pequenas mariposas moleque da bananeira.
(máxima envergadura 25 mm) de coloração castanho
claro. Colocam os ovos nos frutos ou outras partes Resistência ao Moleque
da planta. As larvas são de coloração branco sujo ou
amareladas com um matriz verde devido ao alimento Variedades mais suscetíveis: maçã, terra, São Domingos,
ingerido. Atacam bananas verdes, principalmente as e ouro. Variedades mais resistentes: nanica e nanicão.
extremidades, causando seu apodrecimento.
Controle Químico
Amostragem 1. Moleque da bananeira. Tratamento das mudas
Amostragem do moleque da bananeira: uso de iscas de com calda inseticida (água mais inseticida granulado
pedaços de pseudocaule. Tipos de iscas: a) isca tipo queijo: sistêmico durante 5 minutos. Aplicação de inseticida
5 cm de espessura (colocada sobre a base do pseudocaule); granulado sistêmico na cova aos 30 dias e 6 meses após
Pragas das Frutíferas 51

o plantio. Aplicação mensal de inseticida granulado Níveis de controle


sistêmico no orifício aberto pelo implemento de des-
1. Ácaro da ferrugem: examinar 20 plantas, 3 fru-
baste, no período de outubro a abril.
tos/planta, 1 cm2 de fruto (lente 10 aumentos). NC=
2. Tripes. Pulverização dos frutos atacados. 10% de frutos com 20 ácaros/cm2 (mercado) ou 30
ácaros/cm2 (indústria)

21.2 Pragas dos Citros 2. Ácaro da leprose: examinar 20 plantas, 3 frutos/planta


(lente 10 aumentos). NC= 5% de frutos com 1 ou mais
Pragas-chave ácaros

1. Ácaro da leprose: Brevipalpus phoencis (Acari: 3. Mosca da frutas: usar frasco caça mosca, 1 frasco a
Tenuipalpidae). Danos: atacam folhas, ramos e fru- cada 50 m na periferia. NC= presença de 1 adulto, em
tos, acarretando um sintoma conhecido como leprose média, por frasco.
dos citros, devido à inoculação de vírus. As folhas e
os frutos atacados caem da planta. Os ramos passam a Controle Cultural
apresentar rachaduras.
1. Uso de quebra-vento (controle de ácaros).
2. Ácaro da ferrugem: Phyllocoptruta oleivora (Acari:
Eriophyidae). Danos: atacam folhas, hastes e frutos 2. Catação e destruição de frutos ou colheita profilática
novos. Nas folhas provocam a “mancha de graxa” (controle de ácaro de leprose e moscas das frutas).
(manchas escuras visíveis através da epiderme, semel-
3. Catação e destruição de ramos com sintomas de ataque
hante à mancha de graxa sobre papel). Nos frutos,
de coleobrocas.
quando da alimentação, ocorre o rompimento de glân-
dulas de óleo e este óleo extravasado em contato com 4. Isca: plantio de “maria-preta” (Cordia verbenacea)
os raios solares oxida-se, escurecendo os frutos (estes para atração de Cratosomus.
sintomas são conhecidos como: falsa ferrugem, fer-
rugem ou mulata). Os frutos de lima, tangerina, limão, 5. Deixar plantas de mentrasto (Ageratum conizoides) no
etc., ficam com coloração prateada. Os prejuízos são pomar; o pólen destas plantas servem de alimento para
consideráveis apenas quando a produção se destina ao ácaros predadores.
mercado de frutas frescas. Pode ocorrer perda de de
6. Uso de cobertura verde na rua; herbicida na linha;
peso em até 4 g/fruto atacado
manejo das plantas invasoras com roçadeira; adubação
3. Moscas das frutas (Diptera: Tephritidae): Ceratitis química equilibrada e adubação orgânica.
capitata e Anastrepha spp.. Danos: as larvas danificam
a polpa dos frutos, os quais apresentam externamente Controle Biológico
um pequeno orifício no centro de uma mancha de col-
oração marrom. Neste orifício (feito pelo oviposi- Uso do fungo Metarhizium anisopliae injetado nos orifí-
tor), ocorre o apodrecimento, resultando em queda do cios, através de “Bomba para formicida em pó”, modifi-
fruto. C. capitata apresenta o ovipositor mais curto e cada, para controle de coleobrocas.
ataca apenas as laranjas que se encontram num estágio
de maturação mais avançado. As moscas do gênero Controle Químico
Anastrepha (ovipositor mais longo) podem atacar fru-
tos verdes ou maduros. 1. Para ácaros: uso de acaricidas específicos; rotação
de ingredientes ativos (repetir somente após 1 ano);
aplicação seletiva, isto é, apenas nos talhões onde foi
Pragas secundárias atingido o NC ou em reboleiras, quando possível (para
1. Cochonilhas (Homoptera: Coccoidea). Orthezia prae- ácaro da leprose fazer repasse).
longa (Ortheziidae): sem carapaça, com lâminas de 2. Para moscas das frutas: a aplicação seletiva de inseti-
cera. Selenaspidus articulatus (Diaspididae): com cida é feita misturando o produto com melaço a 10 %
carapaça (“pardinha”). Parlatoria cinerea (Diaspidi- ou proteína hidrolizada de milho a 2% ou, ainda, açú-
dae): com carapaça Danos: sucção de seiva; mal as- car a 5 %. Aplicar 150 a 200 ml da mistura por planta,
pecto dos frutos; presença de fumagina, definhamento em “benzedura”, na periferia do pomar (primeiras 15
das plantas. ruas), na face da planta voltada para o sol.
2. Coleobrocas (Coleoptera). Diploschema rotundi- 3. Para parlatória aplicação seletiva de aldicarb ou dissul-
colle, Macropophora accentifer, Trachyderes thoraci- foton (granulados) no solo, ou methidation, vamidoth-
cus (Cerambycidae), Cratosomus reidii (Curculion- ion, dimetoato, ethion ou calda sulfocálcica no tronco.
idae). As larvas constroem galerias nos ramos e tron-
cos, podendo destruir parcial ou totalmente as plantas.
52 Pragas das Frutíferas

4. Para pardinha: aplicação de óleo mineral ou vegetal


mais metade da dosagem de um inseticida fosforado;
aplicação seletiva de aldicarb no solo, no verão.
5. Para Orthézia: aplicação de vamidothion; aplicação
seletiva de aldicarb no solo ou diazinon, piretródes ou
dimetoato em subdosagens.

6. Para coleobrocas: aplicação nos orifícios causados


pelos insetos, de fosfina em pasta na base de 1,0
cm/orifício; pincelamento de tronco com carbofuran
(pesquisas têm revelado sua eficiência, porém ainda
não foi registrado).
Capítulo 22

Pragas de Grãos Amazenados

Conceitos 5. Café
Pragas primárias: Aquelas capazes de romper os grãos (a) Caruncho das tulhas: Araecerus fasciculatus
intactos. Ex.: Sitophilus zeamais; Lasioderma serri- (Coleoptera: Anthribidae)
corne.
(b) Traça: Corcyra cephalonica (Lepidoptera:
Pragas secundárias: São incapazes de romper os grãos in- Pyralidae)
tactos; ação comumente associada às primárias. Ex.:
Tribolium castaneum, T. confusum. Amostragem
Principais Pragas 1. Peneiramento do produto.

1. Cereais (arroz, milho, sorgo e trigo) 2. Inspeção visual (para detecção).

(a) Gorgulhos (Coleoptera: Curculionidae): 3. Método de flotação (separação do produto contami-


Sitophilus oryzae e S. zeamais. nado do sadio por diferença de densidade).
(b) Traças (Lepidoptera): Sitotroga cerealella 4. Método de raio-X (verificação de presença da praga
(Gelechiidae) e Plodia interpunctella (Pyrali- dentro do grão).
dae).
(c) Besouros (Coleoptera): Oryzeaphilus surina- Prevenção
mensis (Cucujidae); Tribolium castaneum (Tene-
brionidae); Rhyzopertha dominica (Bostrichi- 1. Limpeza: a área ao redor, instalações e os equipamen-
dae). tos devem ser mantidos limpos; constitui o meio mais
eficiente de controle preventivo.
2. Feijão
2. Controle da temperatura e umidade do produto ar-
(a) Carunchos (Coleoptera: Bruchidae): Zabrotes mazenado.
subfasciatus; Callosobruchus maculatus; Acan-
thoscelides obtectus. 3. Uso de impacto, barreiras (envoltórios resistentes) e ar-
madilhas.
(b) Traça: Plodia interpunctella (Lepidoptera:
Pyralidae).
Controle por Comportamento
3. Soja
1. Uso de técnicas de insetos estéreis (que competem com
(a) Traça: Plodia interpunctella os insetos não estéreis na reprodução).
(b) Besourinho do fumo: Lasioderma serricorne 2. Uso de feromônios (substâncias responsáveis pela co-
(Coleop: Anobiidae) municação química intraespecífica). Ex.: uso do fer-
4. Farinhas omônio “Serricornin” no controle de Lasioderma ser-
ricorne em galpões de secagem de folhas de fumo.
(a) Traças: Pyralis farinalis e Anagasta kuehniella
(Lepidoptera: Pyralidae) Variedades Resistentes
(b) Besouros (Coleoptera): Tenebrio molitor, Stego-
Plantio de variedades cujos grãos sejam resistentes ao
bium paniceum, Tribolium confusum e T. cas-
ataque de pragas no armazenamento. Ex.: as variedades de
taneum (Tenebrionidae); Tenebroides mauritan-
milho com grãos amarelados são mais resistentes às pragas
icus (Ostomidae); Oryzaephilus surinamensis
de armazenamento que as variedades de grãos opacos.
(Cucujidae).
54 Pragas de Grãos Amazenados

Controle Químico
1. Inseticidas de contato: devem ser usados como meio
preventivo. São empregados piretróides e fosforados
em pulverização de superfícies ou nebulização.

2. Inseticidas fumigantes: produtos químicos que pro-


duzem vapores ou gases tóxicos.

(a) Brometo de metila: Não pode ser usado em se-


mentes, pois mata o embrião destas.
(b) Fosfina: Pode ser usado em sementes, grãos e
farinhas. Observar a relação dose x tempo.

Atmosferas modificadas
Em armazéns herméticos, é mantida uma “atmosfera”
modificada com baixa concentração de oxigênio, que im-
pede o desenvolvimento dos insetos. A atmosfera pode ser
rica em nitrogênio ou dióxido de carbono, por exemplo.
Capítulo 23

Formigas Cortadeiras

Taxonomia sauveiros maduros (mais de 3 anos) são produzidos repro-


dutores alados machos (“bitus”) e fêmeas (“içás” ou “tana-
As formigas cortadeiras pertencem aos gêneros Atta (saú-
juras”), que saem em revoadas no período das chuvas e se
vas) e Acromyrmex (quenquéns), ambos da tribo Attini,
acasalam. O acasalamento ocorre a cerca de 100m acima
subfamília Myrmicinae. Essas formigas só ocorrem nas
do solo. Após a cópula a fêmea perde as asas, cava um bu-
Américas. As formigas do gênero Atta são maiores e pos-
raco no solo e inicia nova colônia. O macho morre. Após
suem 3 pares de espinhos no tórax, enquanto as do gênero
cerca de 3 meses surgem as primeiras operárias. A fêmea
Acromyrmex possuem 4 a 5 pares. Os ninhos de Atta tam-
carrega esporos do fungo, que ela regurgita dois dias após o
bém podem ser reconhecidos pelo monte de terra solta, que
vôo nupcial. O fungo é específico e essencial para a sobre-
não ocorre em Acromyrmex. No Brasil ocorrem 10 espécies
vivência da colônia. O ninho é composto de um conjunto de
de Atta e 20 de Acromyrmex.
câmaras subterrâneas (“panelas”) de vários tipos (com fun-
gos, com imaturos, lixeira, etc.), túneis, olheiros, um monte
Principais Espécies de Saúvas de terra solta e trilhas superficiais. O tamanho e forma do
1. Atta sexdens (saúva-limão). Operárias de coloração ninho varia de acordo com a espécie. Os ninhos de quen-
pardo-avermelhada fosca, com cheiro de limão. Cor- quéns são pequenos e superficiais, com poucas panelas.
tam dicotiledôneas. É a espécie mais comum no DF.
Danos
2. Atta laevigata (saúva cabeça-de-vidro). Operárias
maiores (“soldados”) com cabeça muito grande e bril- Embora tenham preferência por determinadas plantas,
hante. Preferem dicotiledôneas. Produzem um monte entre elas o eucalipto, as formigas cortadeiras podem at-
de terra solta muito alto. acar quase todas as culturas, provocando desfolhamento e
grandes perdas.
3. Atta bisphaerica (saúva-mata-pasto). Operárias São necessárias 86 árvores de eucalipto para produzir
maiores (“soldados”) com dois lóbulos característicos substrato para um sauveiro adulto por um ano. Dez
na cabeça. Cortam gramíneas. Monte de terra solta sauveiros adultos cortam o equivalente ao consumo de um
espalhada. boi em regime de pasto. Com uma densidade de 200 ninhos
4. Atta capiguara (saúva-parda). Operárias semel- por hectare, as quenquéns causam um perda de 3% em eu-
hantes às da saúva-limão, mas não têm o cheiro de calipto. Em cana-de-açúcar, 3 sauveiros por hectare causam
limão. Quanto esmagadas produzem cheiro de gordura uma perda de até 4 ton/ha.
rançosa. Preferem gramíneas. Fazem montes de terra
solta fora da projeção das panelas ativas. Controle Cultural
A aração do solo ajuda a controlar várias espécies de
Biologia Acromyrmex, que fazem o ninho próximo à superfície.
As formigas cortadeiras são insetos sociais, vivendo em
ninhos subterrâneos com uma fêmea reprodutora (rainha) e Controle Biológico Natural
um grande número de fêmeas estéreis (operárias), de vários
Durante a revoada, muitos animais predam as formas
tamanhos e formas. As operárias maiores têm função de-
aladas, especialmente as fêmeas, incluindo répteis, aves,
fensiva e são chamadas de soldados. As outras operárias
mamíferos e artrópodes. Mais de 20 espécies de moscas
podem ser divididas em vários grupos, incluindo as cor-
(Diptera: Phoridae) parasitam as operárias. Entre os
tadeiras (que cortam e carregam as folhas) e as jardineiras
predadores estão vários besouros (Scarabaeidae e Cara-
(que cuidam do jardim de fungos). As folhas cortadas são
bidae), Hemiptera (Reduvidae), outras formigas e aranhas.
carregadas para dentro do ninho e servem de substrato para
o cultivo do fungo do qual as formigas se alimentam. Em
56 Formigas Cortadeiras

Controle Químico
1. Gases liquefeitos: brometo de metila, usado como fu-
migante, não é inflamável nem explosivo, mas é al-
tamente tóxico ao homem. O custo do produto e da
aplicação é elevado.
2. Termonebulização: consiste na produção de uma fu-
maça tóxica a partir de inseticidas veiculados em óleo
diesel ou mineral, que é injetada no formigueiro. São
empregados inseticidas fosforados ou piretróides. Esse
método também é caro e requer equipamentos especi-
ais (termonebulizador) e inseticidas especialmente for-
mulados.
3. Iscas granuladas: É o método mais eficiente e prático,
e o mais usado atualmente. A primeira isca a apare-
cer no mercado brasileiro foi o Mirex, contendo do-
decacloro (organoclorado) como princípio ativo. Foi
empregada com sucesso até 1993, quando seu uso foi
proibido devido aos problemas ambientais causados
pelos clorados. Atualmente existem outros produtos
no mercado, com outros princípios ativos como o di-
flubenzuron, a sulfluramida e o clorpirifós. Algumas
dessas iscas contém inibidores de síntese de quitina
e/ou substâncias que agem sobre o fungo. A maneira
de aplicação mais eficiente é em porta-iscas de plás-
tico. Devem ser aplicadas no período seco. São pouco
eficientes para Atta bisphaerica.

Bibliografia
Della Lucia, T.M.C. (ed.) 1993. As formigas cortadeiras.
Viçosa: Sociedade de Investigações Florestais.
Capítulo 24

Biologia e Controle de Cupins

Os cupins constituem a ordem Isoptera, que contém cerca e fundar uma nova colônia. Os pares se formam no chão,
de 2800 espécies conhecidas no mundo e cerca de 280 no quebram as asas na linha basal e procuram um local apro-
Brasil. Mais conhecidos como pragas de madeira, os cupins priado para iniciar o ninho, seja uma fresta em madeira ou
também atraem a atenção dos cientistas pelo seu sistema so- um buraco no solo.
cial e pela sua importância como membros da fauna de solo De modo geral os cupins são considerados saprófagos
de florestas e savanas tropicais. Em regiões tropicais al- ou detritívoros e se alimentam principalmente de material
gumas espécies de cupins também são consideradas pragas vegetal morto, como madeira e folhas. Eles estão entre os
agrícolas. poucos organismos capazes de digerir celulose. Algumas
espécies dependem de protozoários simbiontes intestinais
Biologia para digestão da celulose, mas os cupins da família Ter-
mitidae são capazes de produzir as próprias enzimas e não
Todos os cupins são sociais, vivendo em colônias com dependem de simbiontes. O cupins da subfamília Macroter-
castas estéreis (soldados e operários). Não existem cupins mitinae apresentam simbiose com fungos, que eles cultivam
solitários. Uma colônia típica contém um casal reprodu- dentro dos ninhos, mas esse grupo só ocorre na África e na
tor, rei e rainha, que se ocupa apenas de produzir ovos; Ásia. Cupins também podem se alimentar de várias partes
de inúmeros operários, que executam todo o trabalho e al- de plantas vivas, como o caule, raízes e folhas. Muitos
imentam as outras castas; e de soldados, que são respon- cupins, por outro lado, se alimentam de material vegetal
sáveis pela defesa da colônia (Figura 24.1). Os reprodu- em avançado estado de decomposição, ingerindo grandes
tores que fundam a colônia são chamados de primáros. quantidades de solo. Esses são chamados de humívoros ou
A maioria das espécies de cupins pode formar reprodu- geófagos e são importantes elementos da fauna de solo.
tores secundários dentro da colônia, que podem substi- Os cupins são importante componente da fauna de solo,
tuir rei ou rainha quando eles morrem. Em colônias atuando na decomposição de celulose e na reciclagem de
grandes podem surgir também reprodutores secundários su- nutrientes minerais. Os termiteiros são elementos estru-
plementares, que convivem com os reprodutores primários. turais importantes em muitos ecossistemas, servindo de
Os membros da família Kalotermitidae não possuem op- abrigo a uma fauna muito diversificada. A construção dos
erários verdadeiros, mas esse papel é desempenhado por termiteiros (montículos) também envolve grande movimen-
ninfas (falsos operários) que retêm a capacidade de se trans- tação do solo, com conseqüente aeração, movimentação
formar em alados ou soldados. Por outro lado, os membros vertical de partículas e modificação de sua estrutura.
da subfamília Apicotermitinae não possuem soldados, e a
defesa também é desempenhada pelos operários.
Classificação dos Cupins
A morfologia de reprodutores e operários varia muito
pouco entre espécies diferentes de cupins, e até a diferen- Os cupins estão agrupados em sete famílias, das quais
ciação de famílias pode se difícil. Os soldados, por outro apenas quatro ocorrem no Brasil. A fauna da América do
lado, variam muito em função dos vários mecanismos de Sul é dominada pelos cupins nasutos, subfamília Nasutiter-
defesa adotados e muitos apresentam formas bizarras, com mitinae, que compõem mais da metade das espécies.
cabeças e mandíbulas grandes ou armas químicas. Por essa
razão os soldados são a casta mais importante para identifi- Kalotermitidae são cupins de madeira seca, como por ex-
cação. Amostras para identificação devem ser preservadas emplo Cryptotermes brevis, uma praga comum em
em álcool 80% e devem incluir todas as castas presentes, áreas urbanas em boa parte do mundo. Vivem somente
especialmente os soldados. dentro da madeira, que serve de alimento e abrigo ao
A dispersão e fundação de novas colônias geralmente mesmo tempo. Suas fezes são secas e granuladas. As
ocorre num determinado período do ano, coincidindo com colônias são pequenas e de crescimento lento, mas sua
o início da estação chuvosa. Nessa época ocorrem as presença é difícil de detectar. O primeiro sinal é o
revoadas de alados (chamados popularmente de siriris ou aparecimento de fezes.
aleluias), dos quais alguns poucos conseguem se acasalar
58 Biologia e Controle de Cupins

Figura 24.1: Esquema simplificado e generalizado do ciclo de vida dos cupins. Os reprodutores primários são aqueles
que fundam a colônia depois da revoada. Reprodutores secundários são formados dentro da colônia e podem substituir
os primários. Operários são estéreis e se ocupam de coleta de alimento, construção de ninho, limpeza, e alimentação das
outras castas. Os soldados são também estéreis e se ocupam da defesa da colônia. A morfologia dos soldados varia muito
entre espécies.

Rhinotermitidae são cupins xilófagos subterrâneos. Al- ocorrem no Brasil.


guns são pragas importantes, como Coptotermes ge-
stroi e Heterotermes tenuis. As colônias são grandes e Apicotermitinae: cupins sem soldados, a maioria dos
de crescimento rápido, podendo causar danos consid- quais vive no solo. Alguns poucos tem sido reg-
eráveis. istrados como praga agrícola, mas nenhum ataca
madeira.
Serritermitidae contém apenas duas espécies, Serritermes
Nasutitermitinae: cupins com soldados nasutos ou
serrifer, que ocorre apenas no Cerrado do Brasil , e
nasutos mandibulados, abundantes em todo o
Glossotermes oculatus, da Amazônia, ambas sem nen-
Brasil e com várias espécies de importância
huma importância econômica.
econômica, como os Nasutitermes e Syntermes.
Termitidae é a maior de todas com cerda de 70% das es- Os hábitos variam desde humívoros até xilófa-
pécies conhecidas no mundo, e mais de 80% das es- gos.
pécies brasileiras. Têm hábitos variáveis, incluindo Termitinae: a maioria vive no solo, mas existem al-
xilófagos, comedores de folhas e humívoros; alguns gumas espécies xilófagas que constroem ninhos
constroem ninhos grandes e complexos. Os Termiti- arborícolas.
dae são divididos em quatro subfamílias, das quais três
Biologia e Controle de Cupins 59

São Paulo e no Rio. Pode causar grandes estra-


gos rapidamente. O nome Coptotermes havilandi
foi usado por muito tempo para essa espécie no
Brasil e é atualmente considerado sinônimo de C.
gestroi.
(b) Cryptotermes brevis: espécie também intro-
duzida, mas de origem incerta. Cupim de
madeira seca que ataca móveis e madeira em
geral. As colônias são relativamente pequenas e
crescem lentamente, causando danos mais limi-
tados.
(c) Heterotermes tenuis e H. longiceps: espécies na-
tivas que podem causar danos a madeira em áreas
urbanas, mas que são também consideradas pra-
gas agrícolas. São da família Rhinotermitidae.
Figura 24.2: Cryptotermes brevis – cabeça do soldado.

Cupins Pragas
Apenas cerca de 10% das espécies de cupins podem ser
consideradas pragas, sendo que apenas algumas poucas são
pragas realmente importantes. Várias dessas espécies foram
introduzidas pelo homem em várias localidades do globo.
As pragas podem ser divididas em dois tipos: pragas de
madeira e pragas agrícolas.

1. Principais pragas de madeira. São espécies que


causam problemas urbanos, atacando madeira estru-
tural (madeiramento de telhados, casas de madeira),
móveis, livros, e outros materiais celulósicos. As prin-
cipais espécies no Brasil são:

Figura 24.4: Heterotermes tenuis – cabeça do soldado.

(d) Nasutitermes corniger: várias espécies desse


gênero têm sido registradas como pragas ur-
banas, sendo mais importantes na região Norte
do país. Constroem ninhos cartonados, geral-
mente arborícolas, e túneis externos visíveis,
também de cartão. As colônias são grandes e
de crescimento rápido, mas sua presença é facil-
mente detectada.

2. Principais pragas agrícolas. As pragas agrícolas são


muito menos conhecidas do que as urbanas e variam
mais entre regiões. Os principais problemas ocorrem
com eucalipto e cana-de-açúcar. Os danos são maiores
em plantas exóticas do que nativas, em culturas não ir-
Figura 24.3: Coptotermes – cabeça do soldado. rigadas do que nas irrigadas, e em plantio direto. Os
cupins geralmente atacam as raízes, causando um sin-
toma parecido com o de falta de água. Em alguns casos
(a) Coptotermes gestroi: espécie originária da Ásia podem também comer outras partes da planta e alguns
e introduzida no Brasil pelo menos desde a dé- chegam a cortar folhas de forma semelhante às saúvas.
cada de 20, quando foi registrada pela primeira
vez no Rio de Janeiro. Atualmente ocorre em (a) Syntermes spp.: São cupins muito grandes e
boa parte da região costeira do Brasil, sendo o geralmente subterrâneos. Os soldados da maioria
cupim mais importante como praga urbana em das espécies apresentam espinhos no tórax. Têm
60 Biologia e Controle de Cupins

sido registrados como pragas principalmente em


eucalipto, arroz-de-sequeiro e cana-de-açúcar,
sendo que o ataque é mais comum quando a cul-
tura é estabelecida em área de cerrado. A espécie
mais importante desse gênero é S. nanus, que é
bastante comum nos gramados do DF.
(b) Heterotermes spp.: registrados como pragas de
várias culturas, incluindo cana e arroz. São rela-
tivamente pequenos e seus ninhos são difusos no
solo. Em São Paulo, H. tenuis é considerado uma
praga importante da cana.
(c) Coptotermes testaceus: espécie nativa que ocorre
em toda a Amazônia e também, com menos
freqüência, no Brasil Central. Foi registrada
causando dano em mandioca na Amazônia, e
também em florestas, tanto naturais como arti-
ficiais. Danifica o cerne da árvore, reduzindo
seu aproveitamento para madeira. Por isso é
chamado de cupim-do-cerne. Figura 24.6: Syntermes nanus – cabeça do soldado.
(d) Cornitermes spp.: são os conhecidos cupins de
montículo comuns em pastagens e gramados. Al-
guns podem causar dano diretamente às plantas, 1. Ataque causado por cupim de madeira seca (Kaloter-
e os ninhos são um problema para mecanização. mitidae, espécie mais comum Cryptotermes brevis).
Embora sejam considerado um problema grave Nesse caso o objetivo sempre é o exterminar a colô-
nas pastagens, estudos recentes indicam que o nia. A peça atacada pode ser fumigada, por exemplo
dano real à produção de capim é insignificante. com fosfina. Outro método seria o de injetar inseticida
líquido com seringa e agulha. Vários produtos são efi-
cientes, devendo ser considerados o seu poder residual,
possíveis efeitos sobre a peça e a segurança para pes-
soas e animais domésticos. A fosfina, por exemplo,
pode danificar metais. Métodos alternativos incluem o
uso de atmosferas modificadas sem oxigênio (CO2 ou
N2 , calor, frio, eletricidade e controle biológico. Em
peças pequenas, o calor do sol pode ser suficiente para
exterminar os cupins.

2. Ataque causado por cupim subterrâneo (Rhinotermi-


tidae, Coptotermes ou Heterotermes). Nesse caso o
Figura 24.5: Nasutitermes – soldado. ninho geralmente está fora da construção e existem
duas estratégias possíveis: instalar uma barreira que
(e) Procornitermes spp.: são muito semelhantes aos impeça os cupins de entrar, ou tentar exterminar a(s)
Cornitermes, mas os ninhos são geralmente sub- colônia(s). O mais comum atualmente é o uso de bar-
terrâneos. P. triacifer é considerado praga de reiras, sendo a barreira química mais usada. Consiste
cana-de-açúcar. em fazer uma vala ao redor da construção e despejar
nela uma grande quantidade de inseticida. Nesse caso
(f) Neocapritermes spp.: são cupins subterrâneos.
é importante considerar o poder residual do produto,
N. opacus e N. parvus são são considerados pra-
além do seu preço. Existem também barreiras físi-
gas de várias culturas, incluindo cana-de-açúcar
cas, mas essas devem ser implantadas durante a con-
e eucalipto.
strução, como medida preventiva. Mas é preciso con-
siderar também a possibilidade de a colônia estar den-
Métodos de controle tro da construção, e nesse caso é preciso localizá-la, o
que pode ser complicado. Um método para controle
Controle Urbano
desses cupins desenvolvido nos EUA (Sentricon) em-
Os métodos de controle a serem usados dependem da(s) prega iscas com hexaflumuron, um inibidor de síntese
espécie(s) de cupim presente(s), do tipo de material atacado de quitina. Os operários comem a isca com o produto e
e do tipo de construção. Por isso o primeiro passo é fazer levam para a colônia, onde a repassam para aos outros
uma inspeção cuidadosa do local e coletar amostras para indivíduos. A colônia morre aos poucos porque os cu-
identificação. pins não conseguem completar a muda. Teoricamente
Biologia e Controle de Cupins 61

é possível empregar controle biológico (patógenos) da e não tratadas e contato direto de madeiras com o solo.
mesma maneira, mas ainda não existe nada concreto O uso planejado de madeiras resistentes ou tratadas é
disponível. uma medida preventiva importante. Além disso, pode-
se usar barreiras físicas ou químicas durante a con-
3. Ataque causado por Nasutitermes (Termitidae, Nasu- strução, prevenindo o ataque por muitos anos.
titermitinae). São cupins que normalmente constroem
ninhos de cartão sobre árvores. Os túneis são externos
Controle Agrícola
e visíveis. Embora eles possam causar dano consid-
erável, são fáceis de detectar e pode ser possível elim- É bem mais complicado devido a particularidades de
inar a colônia. É preciso cuidado com ninhos múlti- cada cultura, maior número de espécies de cupins envolvi-
plos da mesma colônia (destruir um não acaba com dos e falta de investimento em pesquisas nessa área. Pouco
a colônia), e com ninhos sob o madeiramento do tel- se sabe sobre quais espécies causam problemas em cada
hado. Fora isso, os métodos de controle são os mesmos cultura e em cada região. Níveis de dano econômico
que os usados para os Rhinotermitidae. foram estudados apenas para a cana-de-açúcar em algumas
regiões. Em muitos casos o dano causado pelos cupins é
pouco significativo e não justifica a adoção de medidas de
controle. Danos significativos foram registrados em cana-
de-açúcar, eucalipto (plantas jovens) e arroz-de-sequeiro.
No caso do amendoim pode ocorrer ataque à vagem, cau-
sando dano direto.
Os cupins subterrâneos são particularmente difíceis de
controlar. O uso de inseticidas na superfície não resolve
muito, porque as colônias podem estar a vários metros de
profundidade. Inseticidas de ação rápida e repelentes como
os piretróides apenas afastam os cupins por algum tempo.
Eles se recolhem aos ninhos e retornam assim que o efeito
passar. O inseticida ideal tem ação lenta, algum poder resid-
ual e não é repelente, de modo que pode ser levado pelos
operários para dentro do ninho. Existe também potencial de
uso de controle biológico com fungos (Beauveria bassiana
Figura 24.7: Cornitermes cumulans – cabeça do soldado. e Metarhizium anisopliae).
O revolvimento do solo destrói ninhos superficiais, e ex-
põe os cupins à ação do sol e dos predadores, reduzindo sua
4. Barreira de partículas de tamanho uniforme. É um densidade. Por essa razão, o problema com cupins pode
tipo de barreira física que pode ser empregado con- se agravar em plantio direto. Culturas irrigadas também
tra cupins subterrâneos. Os operários de cupins cavam sofrem menos com os cupins. Existe também a crença de
com as mandíbulas, e se as partículas forem maiores que a calagem pode ajudar a controlar os cupins, mas exper-
que a abertura das mesmas, eles não conseguem pas- imentos controlados não mostraram nenhum efeito mensu-
sar. Se as partículas forem muito grandes, os cu- rável.
pins conseguem passar pelos espaços vazios. A faixa No caso dos cupins de montículo, o controle é bem mais
de tamanho apropriada das partículas depende do fácil. Faz-se um pequeno corte no topo do montículo.
tamanho dos cupins, mas está entre 1 e 3 mm. Essa Perfura-se o montículo com um alavanca até atingir a câ-
barreira pode ser produzida com areia peneirada dis- mara central. O controle pode ser feito por termonebuliza-
tribuída numa vala ao redor da da área a ser prote- ção, por fumigação com fosfina (3-4 pastilhas) ou intro-
gida. A areia deve permanecer descoberta e ser mon- duzindo inseticida líquido ou granulado pelo furo. Fecha-se
itorada constantemente. Esse método não foi testado o furo e verifica-se depois de alguns dias. Entretanto, é pre-
no Brasil. ciso estar atento ao fato de que o ninho varia muito entre
espécies, e em algumas não existe uma câmara central bem
5. Barreira física com Termimesh. Produto desenvolvido definida. Em outras a maior parte do ninho pode ser subter-
na Austrália, consiste de uma tela fina de aço inox rânea. A destruição mecânica dos ninhos pode não resolver
que deve ser colocada sob a construção toda, formando o problema, mesmo matando a rainha, já que pode induzir
uma barreira contínua. É uma barreira eficiente, per- a formação de reprodutores secundários.
manente e sem problemas ambientais, mas o custo é
alto e só pode ser empregada durante a construção.
6. Medidas preventivas. Vários erros comuns durante a
construção favorecem o surgimento de ataque de cu-
pins, como o uso de restos de madeira, papelão e papel
em aterros, uso indiscriminado de madeiras suscetíveis