Você está na página 1de 87

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

RÁDIO DSR-6000...38000/200M
205.1695.03-0

1
2011 - DIGITEL S.A. INDÚSTRIA ELETRÔNICA
Rua Dr. João Inácio, 1165
Bairro: Navegantes
CEP 90230-181 • Porto Alegre/RS • Brasil
Tel.: 55 51 3337.1999
Fax: 55 51 3337.1923
http://www.digitel.com.br

2
ORIENTAÇÕES
• O objetivo desse manual é fornecer as informações técnicas necessárias para instalar e operar
produto. Ele contém descrições técnicas sobre os produtos e seus módulos;
• É imprescindível a leitura atenta das informações gerais e das instruções de instalação constantes
no manual antes de operar o produto;
• Consulte o item “Protegendo Contra Descarga Eletrostática” deste manual para maiores detalhes
sobre ESD;
• Para limpar o produto, desligue-o da alimentação. Não use produtos de limpeza líquidos, em
pasta, aerossol ou abrasivos. Use um pano seco ou levemente umedecido e nunca deixe que
líquidos ou materiais caiam sobre ou dentro do produto;
• Não exponha o produto à chuva nem às variações de temperatura ou umidade além das
especificadas pelo manual;
• Sempre verifique se as conexões físicas estão perfeitamente encaixadas (conectores, plugues,
cabos e acessórios) e tenha certeza de que estão de acordo com os itens que descrevem
características técnicas, conexões e instalação do produto no manual. Somente efetue conexões
físicas de produtos, periféricos ou acessórios quando o sistema estiver desligado;
• Alguns produtos da Digitel podem ser inseridos em gabinetes e bastidores sem a necessidade de
desligar a fonte de alimentação. Neste caso, siga a orientação descrita no item Instalação do
produto;
• No caso de produtos que são ligados à rede elétrica, nunca sobrecarregue as tomadas. Caso
necessite usar extensão, utilize fios e tomadas compatíveis com a capacidade especificada;
• Não substitua peças do produto por outras não originais. Em caso de dúvida, procure sempre
orientação no Centro de Assistência Técnica Digitel mais próximo;
• Tome todas as medidas de proteção antiestática e contra descargas elétricas, inclusive a
instalação de aterramento, uso de filtros de energia ou estabilizadores de tensão e nobreaks;
• Quando o equipamento está transmitindo, a antena emite uma intensa energia de RF, que pode
causar danos a alguém que entre em contato com essa energia. Portanto é perigoso ficar em
frente ou ter qualquer parte do corpo em frente às antenas durante as transmissões;
• De acordo com a Norma 004/91 da Anatel, “Este produto só pode ser colocado em operação após
obtida a licença de funcionamento emitida pelo órgão técnico competente do Ministério das
Comunicações”;
• Não instale ou opere o equipamento em ambientes onde existam gases ou vapores inflamáveis;
• Os gabinetes devem ser instalados em uma superfície plana e firme. As frestas e aberturas não
devem ser bloqueadas ou cobertas, pois servem para ventilação e evitam o superaquecimento.
Garanta uma área livre de no mínimo 3,5 cm sobre o gabinete;
• No caso de produtos Digitel que permitam empilhamento, verifique a descrição desse
procedimento no item do manual que descreve a sua instalação;
• A Digitel se reserva o direito de alterar as especificações contidas neste documento sem
notificação prévia.
• Este produto está homologado pela ANATEL, de acordo com os procedimentos regulamentados
pela Resolução 242/2000, e atende aos requisitos técnicos aplicados. Para maiores informações,
consulte o site da ANATEL – www.anatel.gov.br.

Para informações sobre garantia e assistência técnica,


consulte a seção no final deste manual.

3
ÍNDICE
1. DESCRIÇÃO DO PRODUTO....................................................................................................9
1.1. Descrição .........................................................................................................................9
1.1.1. INTERFACES.........................................................................................................11
1.1.2. INTERFACES ODU ................................................................................................11
1.1.3. GERÊNCIA ............................................................................................................11
1.1.4. MEDIÇÕES E MONITORAÇÕES DISPONÍVEIS ......................................................12
1.2. Modelos .........................................................................................................................12
1.3. Painel Frontal .................................................................................................................14
1.4. Conexões Unidade Outdoor.............................................................................................15
2. INTERFACES E ACESSÓRIOS..............................................................................................16
2.1 Interface G703................................................................................................................16
2.2 Interface Switch Ethernet e gerenciamento.......................................................................17
2.3 Interfaces de voz.............................................................................................................18
2.3.1 Características da Interface de Voz para Comunicação entre as Estações: ................18
2.3.2 Características interface VF:....................................................................................18
2.4 Alarmes..........................................................................................................................19
2.5 Entrada de Alimentação ..................................................................................................20
2.5.1 Padrão de fio recomendado para alimentação DC.....................................................20
2.5.2 Informação de pinagem do conector DC...................................................................20
3. APLICAÇÕES DO PRODUTO................................................................................................21
3.1 Exemplo 1. Configuração através de comandos (CLI) .......................................................21
3.2 Exemplo 2. Configuração através de comandos (CLI) .......................................................22
4. FUNCIONAMENTO ...............................................................................................................23
4.1 Diagrama de Blocos DSR-6000...38000/200M...................................................................23
4.2 Proteção 1+1 DSR-6000...38000/200M ............................................................................23
4.3 Laço Digital Local (LDL) e Laço Digital Remoto (LDR).......................................................24
4.4 Laço de FI local ..............................................................................................................25
4.5 Forward Error Correction - FEC ......................................................................................25
4.6 Interleaver ......................................................................................................................26
4.7 Nível de Sinal Recebido - RSSI........................................................................................26
4.8 Qualidade do Sinal..........................................................................................................26
4.9 Switch Ethernet ..............................................................................................................27
4.10 Aplicações de switch.....................................................................................................28
4.10.1 Utilização da rede de gerência in-band separada da rede de dados. Modo transparente.
28
4.10.2 Utilização da rede de gerência in-band na mesma rede de dados. Modo transparente.30
4.10.3 Gerência out-band (DCN nas duas estações). Modo transparente. ............................32
4.11 QOS para limitação de banda das portas do switch ........................................................34
4.12 Configuração do ip de gerência e rota default .................................................................35
4.13 Configuração Remota ...................................................................................................35
4.14 Criptografia AES...........................................................................................................36
5. SISTEMA DE GERENCIAMENTO – DMS...............................................................................37
5.1 Características do Sistema de gerência DMS CS..............................................................37
5.2 Gerência de Configuração ...............................................................................................38
5.3 Gerência de Falhas.........................................................................................................38
5.4 Alta Disponibilidade.........................................................................................................38
5.5 Capacidade de Gerenciamento........................................................................................39
5.6 Requisitos do Sistema.....................................................................................................39
5.6.1 Solução Tecnológica...............................................................................................39
5.6.2 Equipamentos envolvidos........................................................................................39
6. INSTALAÇÃO .......................................................................................................................40
6.1 Pré-instalação.................................................................................................................40
6.2 Procedimento de Instalação.............................................................................................40
6.2.1 Instalação da Unidade Indoor (IDU) .........................................................................41
6.2.2 Instalação da Unidade Outdoor (ODU) .....................................................................42

4
6.2.3 Resumo dos Kits de acoplamento da ODU............................................................... 42
6.3 Equipamentos de Instalação e Teste ............................................................................... 42
6.4 Proteção contra Descargas............................................................................................. 43
6.5 Aterramento dos Equipamentos....................................................................................... 43
6.7 Aterramento do Cabo de FI ............................................................................................. 45
6.8 Alinhamento das Antenas ............................................................................................... 45
6.9 Tipos de Antenas ........................................................................................................... 46
6.10 Bayface ....................................................................................................................... 47
6.11 Protocolo de Teste e Cadastro de Rádio Enlace............................................................. 47
6.12 Diagnóstico de falhas ................................................................................................... 48
6.13 Eficiência espectral programável ................................................................................... 52
6.14 Vantagens – Flexibilidade ............................................................................................. 52
7. CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO.......................................................................................... 52
7.1 Configuração e Operação via Porta Console...................................................................... 52
7.2 Comandos de Leitura do Rádio......................................................................................... 53
7.6. Guia de Utilização do WEB Config................................................................................... 66
8. MANUTENÇÃO PREVENTIVA............................................................................................... 69
8.1 Precauções.................................................................................................................... 69
8.2 Equipamentos ................................................................................................................ 69
8.3 Procedimentos ............................................................................................................... 69
8.3.1 ANÁLISE MECÂNICA................................................................................................ 69
8.3.2 ANÁLISE FUNCIONAL.............................................................................................. 70
9. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ............................................................................................. 71
9.1. Características Técnicas para 7,5GHz.............................................................................. 71
9.2. Características Técnicas para DSR R 8GHz ..................................................................... 72
9.3. Características Técnicas para DSR R 18GHz ................................................................... 74
9.4 Canais de RF................................................................................................................... 75
9.4.1 Canais de RF para ODU 7,5 GHz.................................................................................. 75
9.4.2 Canais de RF para ODU-R 8 GHz................................................................................. 75
9.4.3 Canais de RF para ODU 8 GHz..................................................................................... 75
9.4.4 Canais de RF para ODU-R 18 GHz ............................................................................... 77
9.4.5 Canais de RF para ODU 18 GHz.................................................................................... 77
10. ASSISTÊNCIA TÉCNICA E GARANTIA............................................................................... 78
10.1. Esclarecimento - Serviços de Enlace de Rádios .............................................................. 78
11. ABREVIAÇÕES .................................................................................................................. 79
12. INDICE REMISSIVO ............................................................................................................ 82
13. APÊNDICE.......................................................................................................................... 83
13.1 Criação de Conexão via Terminal de Console .................................................................. 83

5
PREFÁCIO
CERTIFICAÇÃO ISO 9001

A Digitel, com certificação ISO 9001:2000, conta com uma moderna e automatizada unidade
fabril, equipada com as mais avançadas tecnologias de montagem em superfície e com os mais
atualizados processos de produção e testes automáticos das placas, produzindo até 10.000
produtos/mês.

SUPORTE TÉCNICO
A Digitel possui um helpdesk para atendimento de suporte técnico a seus clientes em sua
fábrica localizada em Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul (Sul do Brasil).
Este suporte é feito em 3 níveis de atendimento:
• 1º nível – É feito através das posições de atendimento (PAs). Esse atendimento é feito por
técnicos de telecomunicações capazes de solucionar os principais problemas relacionados
ao funcionamento dos equipamentos.
• 2º nível – É feito através de nossos técnicos/engenheiros especialistas quando as PAs não
conseguem solucionar o problema.
• 3º nível – É feito através de nossos engenheiros do P&D quando o problema não for
resolvido pelo suporte nível 1 ou 2.

O recebimento e cadastro das ocorrências são feitos através de nossa central de atendimento
ou via e-mail, conforme abaixo:
• Fone: +55 51 3358-3113 ou +55 51 3358-3132
• E-mail: suporte@digitel.com.br

Todos os registros de atendimento são feitos em um sistema CRM, baseado em Lotus Notes,
onde cada chamado é armazenado em um banco de dados e recebe um número de identificação.
A partir desse sistema de registro, podemos gerar relatórios tais como:
• quantidade de chamados em determinado período;
• quantidade de chamados por cliente;
• quantidade de chamados por tipo de equipamento;
• tempo de solução de cada chamado;
• status de cada chamado (aberto, fechado, ...);
• informação sobre os técnicos geradores dos chamados.

Podem ser gerados outros relatórios de acordo com a necessidade do cliente.


Adicionalmente, através do site http://www.digitel.com.br/pt/produtos/suporte.asp também é
possível solicitar suporte e fazer download de catálogos e manuais de produtos, sendo esse último
valorizado após cadastramento específico.
A Digitel recomenda que qualquer atualização de software deverá ter acompanhamento da
fábrica e deverá ser executado apenas por pessoa com capacitação técnica.

Certifique-se, antes de carregar o software no equipamento, qual o PRODUTO E MODELO que


está sendo utilizado e se o mesmo é compatível com o software a ser utilizado. Não tente carregar
software que não seja correspondente ao próprio PRODUTO E MODELO, pois isso causará danos ao
equipamento.

A Digitel não se responsabilizará por danos causados pelo não cumprimento das instruções
acima. Em caso de dúvidas, contate nossa equipe de suporte.
A seguir é apresentado o Formulário de Solicitação de Suporte.
Acesse http://www.digitel.com.br/pt/produtos/solicitacao-de-suporte.asp

6
CENTRO NACIONAL DE REPAROS (CNR)
A Digitel possui um Centro Nacional de Reparos (CNR) em Porto Alegre, que realiza
manutenção em todos os produtos. O Cliente pode remeter seus produtos para manutenção
diretamente ao CNR no seguinte endereço:
DIGITEL S/A INDÚSTRIA ELETRÔNICA
Rua Dr. João Inácio, 1165,
Bairro Navegantes – CEP 90230-181 - Porto Alegre – RS

7
INTRODUÇÃO

Sempre ampliando sua linha de produtos de transmissão de dados, a Digitel desenvolve e


produz rádios digitais com a mais avançada tecnologia para interligação de pontos a curtas, médias e
longas distâncias. A fim de melhor atender às necessidades dos clientes, foram desenvolvidas várias
soluções de Rádios.
Família ClearWave: rádios de freqüência licenciada de operação ponto a ponto, composta
pelos rádios:

• ClearWave 16X2M: capacidade total de 16 x 2.048 kbit/s com interfaces G.703 e Ethernet
Bridge na unidade básica. A porta Ethernet tem capacidade de transmissão máxima (throughput) de
32.768 kbit/s, possibilitando a distribuição da taxa total do rádio entre a ethernet e as interfaces
G.703. O rádio conta com um canal de serviço de voz e um canal auxiliar de 64 kbit/s V.35/V.36
compatível.
7,5 GHz: 7,426 GHz a 7,723 GHz;
8,5 GHz: 8,275 GHz a 8,5 GHz;
15 GHz: 14,5 GHz a 15,33 GHz;
18 GHz: 17,7 a 19,70 GHz;
23 GHz: 21,8 a 23,60 GHz.

Família DBR: rádios de freqüência licenciada de operação ponto a ponto, composta pelos
rádios:
Rádio 400 MHz:
• DBR-400E/16M: 413 a 423 MHz e 440 a 450 MHz com até 8 interfaces de 2.048 kbit/s em
G.703. A interface Ethernet é capaz de transmitir até 16.384 kbit/s, o que permite a distribuição total
da taxa do radio entre as interfaces Ethernet e G.703. Apresenta interface V.35 compatível que pode
ser configurada em 64kbit/s ou 2.048 kbit/s, uma interface de voz 2 fios e uma interface VF 4 fios. A
capacidade total é de 8 x 2.048 kbit/s em G.703 ou 16.384 kbit/s em Ethernet.

Rádio 1,5 GHz:


• DBR-1500E/16M: 1.427 MHz a 1.452 MHz e 1.492 MHz a 1.517 MHz com até 8 interfaces
de 2.048 kbit/s em G.703. A interface Ethernet é capaz de transmitir até 16.384 kbit/s, o que permite a
distribuição total da taxa do radio entre as interfaces Ethernet e G.703. Apresenta interface V.35
compatível que pode ser configurada em 64kbit/s ou 2.048 kbit/s, uma interface de voz 2 fios e uma
interface VF 4 fios. A capacidade total é de 8 x 2.048 kbit/s em G.703 ou 16.384 kbit/s em Ethernet.

• DBR-1500.4E/25M: 1.427 MHz a 1.452 MHz e 1.492 MHz a 1.517 MHz com até 8 interfaces
de 2.048 kbit/s em G.703. A interface Ethernet é capaz de transmitir até 24.576 kbit/s, o que permite
a distribuição total da taxa do radio entre as interfaces Ethernet e G.703. Apresenta interface V.35
compatível que pode ser configurada em 64kbit/s ou 2.048 kbit/s, uma interface de voz 2 fios e uma
interface VF 4 fios ou E&M 6 fios. . A capacidade total é de 8 x 2.048 kbit/s em G.703 + 8192 kbit/s
em Ethernet ou 24.576 kbit/s em Ethernet.

Rádio 1,5 GHz XPIC:


• DBR-1500.4E/50MX: 1.427 MHz a 1.452 MHz e 1.492 MHz a 1.517 MHz com até dezesseis
interfaces de 2.048 kbit/s em G.703. O rádio permite a distribuição total da taxa entre as interfaces
Ethernet e G.703. Apresenta 2 interfaces V.35, uma configurada em 64 kbit/s e outra que pode ser
configurada em 64 Kbit/s ou 2.048 kbit/s, uma interface de voz 2 fios e uma interface VF 4 fios ou
E&M 6 fios. A capacidade total é de 16 x 2.048 kbit/s em G.703 + 24.576 kbit/s em Ethernet ou até
49.152 kbit/s em Ethernet.

Os rádios são totalmente projetados em nossos laboratórios no Brasil com a comprovada


qualidade dos produtos Digitel, garantindo total domínio da tecnologia atendendo a Normas
Internacionais. A Digitel oferece adicionalmente serviços de instalação de enlaces e execução de
todos os serviços associados à implantação de sistemas de rádio. Com um forte foco na prestação de
serviços e assistência técnica, a Digitel dispõe de moderno laboratório de reparos e o helpdesk para
oferecer o melhor suporte ao cliente.

8
1. DESCRIÇÃO DO PRODUTO
1.1. DESCRIÇÃO

Bem-vindo ao Manual de Instalação e Operação dos rádios DSR-6000...38000/200M.


Ao abrir a embalagem dos Rádios, você vai encontrar os seguintes materiais:
• Rádio IDU DSR-6000...38000/200M;
• Rádio ODU DSR-6000...38000/200M;
• Cabo para console;
• Kit de fixação do rádio no rack;
• CD com o manual de instalação e operação.

IDU DSR-IP (1+0)

IDU DSR-16E1/IP (1+1)

ODU Rádio DSR-6000...38000/200M CD Kit de fixação Cabo console

O DSR-6000...38000/200M é um rádio digital de operação ponto a ponto com configuração


split, composto de uma unidade indoor comum a toda a família e unidades outdoor com modelos para
cada faixa de frequência (consulte as características específicas de cada modelo). Com capacidades
brutas máximas que vão de 100 Mbit/s até 200 Mbit/s (dependendo da faixa de freqüência e da
modulação selecionadas), esses equipamentos podem ser fornecidos com interfaces puramente IP
(10/100 e Gigabit elétrico/óptico) ou IP+16 x 2.048 kbit/s. Além disso, caso necessário, é possível
agregar-se diversas IDUs (com switch externo) de forma a se possibilitar a concentração e
agrupamento de tráfego vindos de diferentes direções.
O DSR-6000...38000/200M pode operar nas configurações básicas 1+0 e 1+1. Na opção de
configuração 1+1, o sistema poderá operar com ou sem diversidade de freqüência e espaço, com
hitless na comutação para o sistema 1+1 na RX. Sendo assim, dependendo da freqüência,
poderemos ter as seguintes configurações:
• 1 + 0; sem proteção;
• 1 + 1; sem diversidade e com hitless na comutação para o sistema 1+1 no RX.
• 1 + 1f; apenas com diversidade de freqüência e com hitless na comutação 1+1 no RX;

Adicionalmente o DSR-6000...38000/200M incorpora facilidade de criptografia padrão AES de


128 bits, de forma a dar maior proteção às informações a serem trafegadas.
A potência de transmissão é configurável em passos de 1dB, aplicável conforme legislação
Anatel.
Estes rádios foram desenvolvidos usando alta tecnologia em processamento digital de sinais
para atendimento de voz e dados em longas distâncias. Empregam técnicas avançadas de
9
equalização adaptativa e correção de erros (FEC), proporcionando enlaces sem erros mesmo nas
condições mais adversas. O FEC apresenta uma capacidade de correção de 4%, que é feita junto
com o fluxo de dados (não há re-transmissões).
É disponibilizada eficiência espectral programável, ou seja, mesmo sem nenhum hardware
adicional ou inserção de filtros, os rádios podem ser programados por software para diversas bandas
e canais. Os rádios possuem três níveis de filtragem: filtro de cavidade, filtro de FI e filtro em software
(DSP). É possível fazer a configuração local e remota do enlace de rádio, facilitando a instalação.
Apresentam gerenciamento SNMP, que permite a configuração e a verificação do status dos
rádios local e remoto, acionamento e verificação de resultados de testes, monitoramento do sinal
recebido e gerência SNMP.
Proteção

Para o mecanismo de proteção é indiferente se temos diversidade de espaço ou não. Desta


forma para descrever o funcionamento podemos dividir estes modos em: sem proteção, hot-standby
(Isofrequencial) e Twin-Path (Heterofrequencial). Ver descrição do funcionamento do capítulo 4.2.

Comutação

O chaveamento dos transmissores de Principal para Reserva é automático, e ocorre quando for
detectada uma queda de link.

Já na recepção a comutação é hitless e ocorre quando for detectado qualquer taxa de erro ou
por ocorrência de queda de link.

Twin-Path ou Heterofrequencial: nesta configuração as ODUs operaram simultaneamente,


devendo estar configuradas para diferentes canais de RF. Os dois enlaces ficarão ativos
transportando os mesmos dados de interface sendo que na recepção é feito um alinhamento dos
pacotes recebidos dos dois enlaces de rádio e dinamicamente estes são selecionados para as
interfaces de recepção. Após os pacotes terem sido alinhados, o seletor deixa passar o pacote que
estiver com o CRC correto, dando preferência ao pacote do enlace principal, caso ambos estejam
corretos ou errados. Este sistema hitless é conhecido como “comutação antecipada”, pois ele não
espera detectar uma taxa de erro para iniciar a comutação, apresentando pacotes livres de erro na
recepção, permitindo integridade e segurança total do enlace.0

Hot-standby ou Isofrequencial: nesta configuração as ODUs operaram com seus


transmissores de forma alternada, devendo estar configuradas para os mesmos canais de RF. Assim
temos um transmissor operando enquanto o outro é bloqueado. Ambos devem estar com a potência
configurada, pois o bloqueio de um deles é feito internamente no equipamento. Quanto aos
receptores, ambos ficam em operação, recebendo o mesmo sinal de um dos transmissores remotos.
O mesmo sistema de seleção de pacotes hitless permanece ativo, da mesma forma que os modos
Twin-Path. A diferença está no caso de haver uma falha no transmissor, onde ocorrerá uma
comutação do mesmo para o backup ou vice-versa. A comutação do transmissor é realizada através
de alguns critérios que são habilitados via software.

De acordo com a Anatel, os sistemas operando nas freqüências 7,5 GHz e 15 GHz apresentam
as seguintes restrições:
• 7,5 GHz: Os sistemas com capacidade de transmissão para 2, 4, 2x2, 8, 4x2, 17, 2x8 Mbit/s,
só serão autorizados com distâncias superiores a 30 Km;
• 15 GHz: Não é permitida diversidade de freqüência em toda sua faixa.

Dependendo da aplicação do cliente, o rádio pode ser adquirido em uma das opções de interface
abaixo para cada uma das opções de faixa de freqüência:
• 16 Interfaces G.703 (opcional);
• 03 Interfaces Ethernet Switch;
• 01 Interface SNMP;
• 01 Interface GbEthernet Elétrica/Óptica;
• 01 Interface de voz auxiliar hotline 2 Fios;

10
• 01 Interface de voz auxiliar VF 4 fios;
• 01 Interface RS232 para configuração;
• Entrada e saída de alarmes.

O rádio DSR-6000...38000/200M foi desenvolvido usando tecnologia em processamento digital


de sinais. Emprega técnicas avançadas de modulação, equalização adaptativa e correção de erros
(FEC Reed Solomon), proporcionando enlace com excelente desempenho mesmo em condições
adversas.

É disponibilizada eficiência espectral programável, ou seja, mesmo sem nenhum hardware


adicional ou inserção de filtros, os rádios podem ser programados por software para diversas bandas
e canais. Eles possuem três níveis de filtragem: filtro de cavidade, filtro de FI e filtro em software
(DSP).

Apresenta gerenciamento SNMP inband, que permite funções de operação, aprovisionamento,


gerência de falhas/alarmes, gerência de desempenho, dados de performance, gerência de
configuração, estatísticas, inventário, medições e monitoramento.

• Configuração e a verificação do status dos rádios local e remoto;


• Acionamento e verificação de resultados de testes;
• Monitoramento do sinal recebido;
• Monitoramento e controle de potência de transmissão;
• Ajustes de freqüência de portadora de transmissão e recepção;
• Controle de alarmes sem gerar interferência no tráfego e gerência SNMP.

Features diferenciadas:

Monitoração de RSSI, Log de eventos, Senha rádios, Alarme de temperatura, Atendimento Norma
G.826 (qualidade dados), Comutação hitless, Comutação antecipada, Alimentação redundante.

Medições/Monitorações Disponíveis

Os itens que podem ser medidos, monitorados ou visualizados são os seguintes:

• Medições em dBm: RSSI e potência transmitida;


• Medição de TXPOWER, SQ, ERROR;
• Indicação de LOS, AIS, queda de portadora, alta taxa de erro, queda no transmissor;
• Tipo de modulação;
• Freqüência transmissão e recepção;
• Log de eventos;

1.1.1. INTERFACES
• 16 Interfaces G.703;
• 03 Interfaces Ethernet Switch;
• 01 Interface SNMP;
• 01 Interface GbEthernet Elétrica/Óptica;
• 01 Interface de voz auxiliar hotline 2 Fios;
• 01 Interface de voz auxiliar VF 4 fios;
• 01 Interface RS232 para configuração;
• Entrada e saída de alarmes.

1.1.2. INTERFACES ODU


• conector TNC p/ FI e alimentação;
• conector BNC c/ o nível de sinal recebido em tensão;

1.1.3. GERÊNCIA

11
Apresenta gerenciamento SNMP, que permite funções de operação, gerência de falhas/alarmes,
gerência de desempenho, dados de performance, gerência de configuração, estatísticas, inventário,
medições e monitoramento.

Essas funções permitem:

• Configuração e a verificação do status dos rádios local e remoto;


• Acionamento e verificação de resultados de testes;
• Monitoramento do sinal recebido;
• Monitoramento e controle de potência de transmissão;
• Configuração de canais de RF de transmissão e recepção;
• Controle de alarmes sem gerar interferência no tráfego e gerência SNMP.

1.1.4. MEDIÇÕES E MONITORAÇÕES DISPONÍVEIS

Os itens que podem ser medidos, monitorados ou visualizados são os seguintes:

• Medições em dBm: Nível de sinal recebido (RSSI) e potência transmitida (TXPOWER);


• Medição de SQ, ERROR;
• Indicação de LOS, AIS, queda de portadora, alta taxa de erro, queda de relógio, queda no
transmissor;
• Freqüências de transmissão e recepção.

1.2. MODELOS

Os rádios possuem os seguintes modelos e capacidades possíveis:

Código Modelos de IDU


840.9932.00-6 Rádio_IDU_DSR_16x2M_ETH/1+1/DC/G703
840.9933.00-2 Rádio_IDU_DSR_ETH/1+0/DC
840.9934.00-9 Rádio_IDU_DSR_ETH/1+1/DC
840.9937.00-8 Rádio_IDU_DSR_16x2M_ETH/1+0/DC/G703
840.9939.00-0 Rádio_IDU_DSR_ETH/1+0/DCR
Código Modelos de ODU 6 GHz
842.4201.00-9 Radio_ODU-R_DSR-6,0/HP_AL
842.4202.00-5 Radio_ODU-R_DSR-6,0/HP_AH
842.4203.00-1 Radio_ODU-R_DSR-6,0/HP_BL
842.4204.00-8 Radio_ODU-R_DSR-6,0/HP_BH
842.4205.00-4 Radio_ODU-R_DSR-6,0/HP_CL
842.4206.00-0 Radio_ODU-R_DSR-6,0/HP_CH
842.4207.00-7 Radio_ODU-R_DSR-6,0/HP_DL
842.4208.00-3 Radio_ODU-R_DSR-6,0/HP_DH
Código Modelos de ODU 7,5 GHz
840.4115.00-0 Radio_ODU_DSR-7,5/HP_AL
840.4116.00-6 Radio_ODU_DSR-7,5/HP_AH
840.4117.00-2 Radio_ODU_DSR-7,5/HP_BL
840.4118.00-9 Radio_ODU_DSR-7,5/HP_BH
840.4119.00-5 Radio_ODU_DSR-7,5/HP_CL
840.4120.00-3 Radio_ODU_DSR-7,5/HP_CH
840.4121.00-0 Radio_ODU_DSR-7,5/HP_DL
840.4122.00-6 Radio_ODU_DSR-7,5/HP_DH

12
Código Modelos de ODU 8 GHz
840.4401.00-2 Radio_ODU_DSR-8,0/HP_AL
840.4402.00-9 Radio_ODU_DSR-8,0/HP_AH
840.4403.00-5 Radio_ODU_DSR-8,0/HP_BL
840.4404.00-1 Radio_ODU_DSR-8,0/HP_BH
840.4501.00-7 Radio_ODU-R_DSR-8,0_B1-L
840.4502.00-3 Radio_ODU-R_DSR-8,0_B1-H
840.4503.00-0 Radio_ODU-R_DSR-8,0_B2-L
840.4504.00-6 Radio_ODU-R_DSR-8,0_B2-H
Código Modelos de ODU 8,5 GHz
840.4313.00.6 Radio_ODU_DSR-8,5/HP_AL
840.4314.00.2 Radio_ODU_DSR-8,5/HP_AH
840.4315.00.9 Radio_ODU_DSR-8,5/HP_BL
840.4316.00.5 Radio_ODU_DSR-8,5/HP_BH
840.4317.00.1 Radio_ODU_DSR-8,5/HP_CL
840.4318.00.8 Radio_ODU_DSR-8,5/HP_CH
Código Modelos de ODU 11 GHz
852.5201.00-4 Radio_ODU-R_DSR-11/HP_AL
852.5202.00-0 Radio_ODU-R_DSR-11/HP_AH
852.5203.00-7 Radio_ODU-R_DSR-11/HP_BL
852.5204.00-3 Radio_ODU-R_DSR-11/HP_BH
852.5205.00-0 Radio_ODU-R_DSR-11/HP_CL
852.5206.00-6 Radio_ODU-R_DSR-11/HP_CH
Código Modelos de ODU 15 GHz
840.5020.00-2 Radio_ODU_DSR-15/HP_AL
840.5021.00-9 Radio_ODU_DSR-15/HP_AH
840.5022.00-5 Radio_ODU_DSR-15/HP_BL
840.5023.00-1 Radio_ODU_DSR-15/HP_BH
840.5024.00-8 Radio_ODU_DSR-15/HP_CL
840.5025.00-4 Radio_ODU_DSR-15/HP_CH
Código Modelos de ODU 18 GHz
840.5121.00.3 Radio_ODU_DSR-18/HP_AL
840.5122.00.0 Radio_ODU_DSR-18/HP_AH
840.5123.00.6 Radio_ODU_DSR-18/HP_BL
840.5124.00.2 Radio_ODU_DSR-18/HP_BH
840.5125.00.9 Radio_ODU_DSR-18/HP_CL
840.5126.00.5 Radio_ODU_DSR-18/HP_CH
840.5301.00-1 Radio_ODU-R_DSR-18_B1-L
840.5302.00-8 Radio_ODU-R_DSR-18_B1-H
840.5303.00-4 Radio_ODU-R_DSR-18_B2-L
840.5304.00-0 Radio_ODU-R_DSR-18_B2-H
840.5305.00-7 Radio_ODU-R_DSR-18_B3-L
840.5306.00-3 Radio_ODU-R_DSR-18_B3-H
Código Modelos de ODU 23 GHz
840.6009.00-2 Radio_ODU_DSR-23/HP_AL
840.6010.00-0 Radio_ODU_DSR-23/HP_AH
840.6011.00-7 Radio_ODU_DSR-23/HP_BL
840.6012.00-3 Radio_ODU_DSR-23/HP_BH
840.6013.00-0 Radio_ODU_DSR-23/HP_CL
840.6014.00-6 Radio_ODU_DSR-23/HP_CH
840.6015.00-2 Radio_ODU_DSR-23/HP_DL
840.6016.00-9 Radio_ODU_DSR-23/HP_DH
Código Modelos de ODU 38 GHz
840.7001.00-5 Radio_ODU_DSR-38/HP_AL
840.7002.00-1 Radio_ODU_DSR-38/HP_AH
840.7003.00-8 Radio_ODU_DSR-38/HP_BL
840.7004.00-4 Radio_ODU_DSR-38/HP_BH
840.7007.00-3 Radio_ODU-R_DSR-38_B1-L
840.7008.00-0 Radio_ODU-R_DSR-38_B1-H
840.7009.00-6 Radio_ODU-R_DSR-38_B2-L
840.7010.00-4 Radio_ODU-R_DSR-38_B2-H

13
1.3. PAINEL FRONTAL

A figura a seguir mostram o painel do DSR-6000...38000/200M. Todas as conexões e


sinalizações estão dispostas no painel frontal do rádio. Uma descrição de cada um dos itens do painel
é mostrada na tabela abaixo.

1.3.1 Unidade Indoor DSR_16x2M_ETH 1+1 DC G703:


1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14

15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26

DSR-6000...38000/200M 1+1
Nº Serigrafia Descrição
1 -48V Entrada fonte 1
2 -48V Entrada fonte 2
3 E1 TRIBUTARY 1-4 Conector HD26 para conexão dos tributários de 1 a 4
4 E1 TRIBUTARY 9-12 Conector HD26 para conexão dos tributários de 9 a 12
5 ALM-OUT Conector RJ45 de saída de alarmes
6 VF Conector RJ45 do canal auxiliar de serviço VF (4 fios) ou E&M (6 fios)
7 LAN 2 Conector RJ45 LAN 2 da interface Ethernet Switch
8 LAN 3 Conector RJ45 LAN 3 da interface Ethernet Switch
9 GBE Conector RJ45 Giga Bit Ethernet
10 GBE Conector SFP Giga Bit Ethernet
11 CONSOLE Conector RJ45 da console de configuração
12 ALM Led de Alarme
13 ERR-M Led de taxa de Erro Master
14 ERR-B Led de taxa de Erro Backup
15 Conexão para aterramento de carcaça
16 E1 TRIBUTARY 5-8 Conector HD26 para conexão dos tributários de 5 a 8
17 E1 TRIBUTARY 13-16 Conector HD26 para conexão dos tributários de 13 a 16
18 ALM-IN Conector RJ45 de entrada de alarmes
19 Conector RJ45 do canal de serviço de voz (2 fios FXS)
20 LAN 0 Conector RJ45 LAN 0 da interface Ethernet para gerência SNMP
21 LAN 1 Conector RJ45 LAN 1 da interface Ethernet Switch
22 POW ER Led de indicação de alimentação
23 DCD-M Led de indicação de sincronismo Master
24 DCD-B Led de indicação de sincronismo Backup
25 IF-MAIN Conector TNC-fêmea de FI para conexão com a unidade outdoor Main
26 IF-BK Conector TNC-fêmea de FI para conexão com a unidade outdoor Backup

Dependendo do modelo alguma interfaces não estão disponíveis.

14
O conector CONSOLE, localizado no painel frontal, é utilizado para conectar o rádio a um
terminal padrão tipo VT100, que permite a configuração e o controle do rádio. A tabela a seguir
mostra a função dos pinos do conector.

Pinagem do cabo para Console

RJ45 Sinal DB9F


1 CTS 8
2 DSR 6
3 RD 2 Pino 1 Pino 8
Interface de Console do Rádio
4 GND 5
5 GND 5
6 TD 3
7 DTR 4
8 RTS 7

Cabo de Console
690.4642.00-2

IMPORTANTE!
A velocidade do terminal de supervisão deve ser 57,600 kbit/s, conforme Apêndice.

1.4. CONEXÕES UNIDADE OUTDOOR

A conexão da unidade indoor com a unidade outdoor é feita em FI, usando cabos coaxiais de
mercado (ver tipo de cabo na tabela abaixo, em função da distância entre a IDU e a ODU) através do
conector frontal da IDU (TNC fêmea).

A unidade outdoor apresenta quatro conexões:

1. RSSI: Conector TNC fêmea: Sinal utilizado para alinhamento da antena. Deverá ser conectado um
voltímetro em escala de 2V. O melhor alinhamento corresponde ao maior valor de tensão;

2. FI: Conector TNC fêmea. Utilizado para conexão com a unidade indoor através do cabo FI;

3. RF: Conector (vários tipos dependendo da freqüência) utilizado para conexão da unidade outdoor a
antena diretamente ou através de um cabo flex twist;

4. Aterramento ( _I_ ): Parafuso sextavado M6 utilizado para fazer o de aterramento da ODU.

O cabo de FI RGC58 é indicado para comprimentos de até 50 metros. Para comprimentos de até
250 metros, é possível usar o cabo RGC8, RGC213 ou LMR400. Comprimentos maiores são permitidos
com outros tipos de cabos.

15
2. INTERFACES E ACESSÓRIOS
2.1 INTERFACE G703

A figura abaixo mostra as conexões para as interfaces G.703 através do painel frontal. O rádio
DSR-6000...38000/200M modelo 16x2M apresenta dois conectores HD26 apresenta quatro
conectores HD26, cada um com quatro interfaces G.703 de 2.048 kbit/s.

Conectores HD26 – Tributários do rádio Cabo de conexão com o Patch Panel


690.4055.00-0
Opcionalmente o rádio pode utilizar um patch panel que apresenta dois conectores HD26, com
oito interfaces G.703 de 2.048 kbit/s. Poderão ser utilizados os modelos de patch panel com
conectores IEC ou BNC para 75 ohms. O Patch panel é conectado ao rádio através de um cabo
conforme figura acima.

Unidade Patch Panel G.703/75 Ohms IEC 169-13 - 8 canais

Unidade Patch Panel G.703/75 Ohms BNC 169-8 - 8 canais

Cabo multicoaxial: Opcionalmente esse cabo pode ser utilizado para interligação direta dos tributários
ao DID e pode ser adquirido com tamanhos de 10, 20 e 30 metros. Cada cabo apresenta um conector HD26 em
suas extremidades, que comportam 4E1. Em aplicações 16E1 são utilizados quatro cabos.

10m, 20m ou 30m

A tabela a seguir mostra a pinagem do conector HD26 das Interfaces G.703.


HD26 Sinal Descrição
18 RA1 Dados Recebidos 1
9 RB1 Dados Recebidos 1 - Retorno
17 TA1 Dados Transmitidos 1
8 TB1 Dados Transmitidos 1 - Retorno
16 RA2 Dados Recebidos 2
7 RB2 Dados Recebidos 2 - Retorno
15 TA2 Dados Transmitidos 2
6 TB2 Dados Transmitidos 2 - Retorno
13 RA3 Dados Recebidos 3
4 RB3 Dados Recebidos 3 - Retorno
12 TA3 Dados Transmitidos 3
3 TB3 Dados Transmitidos 3 - Retorno
11 RA4 Dados Recebidos 4
2 RB4 Dados Recebidos 4 - Retorno
10 TA4 Dados Transmitidos 4
1 TB4 Dados Transmitidos 4 - Retorno
18 a 26 GND Aterramento

16
2.2 INTERFACE SWITCH ETHERNET E GERENCIAMENTO

O módulo Switch do DSR possui 4 interfaces Ethernet 10/100Base-T (IEEE 802.3 e 802.3u)
com conectores RJ45 com função auto-cross (MDI/MDIX) e 1 interface gigabit ethernet combo:
interface elétrica nos padrões 10/100/1000Base-T (IEEE 802.3, 802.3u e 802.3ab) e interface ótica
padrão 1000Base-X (IEEE 802.3z) através de módulos mini-GBIC (SFP). Todas as portas admitem
auto-negociação. Tem como função interligar segmentos de uma rede Ethernet (LAN) através de
interfaces de rádio e gerência local e remota..
Possui transparência a transporte de pacotes ETH 802.1ad (QinQ), com tamanho de pacote
máximo de 1600 bytes. Aceita marcação de sVLAN (QinQ) a partir de uma determinada interface
ethernet de entrada.
A interface de gerenciamento do rádio disponibiliza a função de recuperação de informações
através de leituras (Pooling) manual e automática, executadas pelo SGE com o objetivo de recuperar
o status atual das interfaces do equipamento após uma falha de comunicação entre o SGE e o NE.
O DSR-6000...38000/200M permite que o módulo Switch seja configurado para utilizar até
200Mbps de conexão de dados remota.
A figura abaixo mostra os conectores da interface Switch Ethernet (LAN0, LAN1, LAN2, LAN3 e
GBE0).
LED LAN 3

LED LAN 1

LED LAN 0
LED LAN 2

Gigabit Combo
Elétrica / óptica

Essas interfaces podem ser conectadas a hubs, switches ou microcomputadores utilizando


cabo direto ou crossover (auto MDI/MDIX). Elas apresentam quatro leds junto aos conectores RJ45,
que indicam as seguintes situações:
Led apagado: Sem cabo;
Led verde aceso: Com cabo conectado e negociado em half duplex e sem atividade;
Led verde piscando: Com cabo conectado e negociado em half duplex com atividade;
Led amarelo aceso: Com cabo conectado e negociado em full duplex e sem atividade;
Led amarelo piscando: Com cabo conectado e negociado em full duplex com atividade.

Para a GBE0:
Led esquerda: link up
Led direita: com atividade

17
O módulo SFP para interface gigabit ethernet óptica deve ser adquirido separadamente:

Código Modelo Descrição


890.1616.00-7 SFP-100FX-2 100BASE-FX, MULTIMODO, 1310nm, LC, 2KM
890.1617.00-3 SFP-100LX-20 100BASE-LX10, MONO/MULTIMODO, 1310nm, LC, 20km/550m
890.1618.00-0 SFP-100BX1310-20 100BASE-BX10-U, MONOMODO, TX1310/RX1550nm, LC, 20km
890.1619.00-6 SFP-100BX1550-20 100BASE-BX10-U, MONOMODO, TX1550/RX1310nm, LC, 20km
890.1620.00-4 SFP-1000SX 1000BASE-SX, MULTIMODO, 850nm, LC, 550m
890.1621.00-0 SFP-1000LX-10 1000BASE-LX, MONO/MULTIMODO, 1310nm, LC, 10km/550m
890.1622.00-7 SFP-1000LHX-40 1000BASE-LHX, MONOMODO, 1310nm, LC, 40km
890.1623.00-3 SFP-1000ZX-80 1000BASE-ZX, MONOMODO, 1550nm, LC, 80km
890.1627.00-9 SFP-1000BX1550-10 1000BASE-BX, MONOMODO, TX1550/RX1310nm, LC, 10km
890.1628.00-5 SFP-1000BX1310-10 1000BASE-BX, MONOMODO, TX1310/RX1550nm, LC, 10km

Para segurança do operador, esta interface óptica tem a potência do laser desligada quando
as fibras são desconectadas.

2.3 INTERFACES DE VOZ

Os rádios apresentam uma interface de voz a 2 fios e uma interface auxiliar de voz VF a 4 fios.
Essas interfaces apresentam-se com conectores RJ45 fêmea no painel frontal. A freqüência do canal
de voz é de 300 Hz a 3400 Hz, sem compressão.

2.3.1 Características da Interface de Voz para Comunicação entre as Estações:


• Interface de voz 2 fios com gerador de tensão de bateria e corrente de toque;
• Suporta impedâncias de linha de 600 ohms;
• Sinalização telefônica hotline;
• Suporte a enlace telefônico ponto a ponto dedicado.

2.3.2 Características interface VF:


• Disponível apenas na versão 16E1;
• Operação a quatro fios;
• Suporta impedância de linha de 600 ohms a quatro fios;

Interface VF

INTERFACE VF – VOICE FREQUENCY

TX AD

MUX

RX AMP DA

18
2.4 ALARMES

Os rádios disponibilizam informes de alarmes internos (gerados pelo próprio rádio) e externos
(transportados pelo rádios). Esses informes acionarão 4 contatos secos de relé:
• 2 contatos configurados 1 NF (normalmente fechada) e 1 NA (normalmente aberta) para alarmes
não urgentes;
• 2 contatos configurados 1 NF e 1 NA para alarmes urgentes;

Esses informes serão exteriorizados através um conector RJ45 fêmea (saída de alarmes). Os
alarmes, quando existirem, também serão informados através do led ALARM no painel frontal. Ao sair da
condição de alarme, o led apagará e o relé retornará à posição normal.

Pinos Condição Tipo


1e2 NA (Normalmente Aberto) Alarme Urgente
3e4 NF (Normalmente Fechado) Alarme Urgente
5e6 NA (Normalmente Aberto) Alarme Não Urgente
7e8 NF (Normalmente Fechado) Alarme Não Urgente
Pino 1

Adicionalmente, é disponibilizado um conector RJ45 fêmea com 2 entradas opto-isoladas para


entrada de alarmes externos:
• 1 contato de entrada para alarmes urgentes;
• 1 contato de entrada para alarmes não urgentes.

Esses informes de alarmes podem ser interpretados pelo operador utilizando a tabela de
alarmes abaixo através de comandos (Tera Terminal). A pinagem dos alarmes é disponibilizada a
seguir.

Pino 1
Pinos Condição Tipo
1e2 Alarme Externo 1 Alarme Urgente
3e4 Alarme Externo 2 Alarme Urgente
5e6 Alarme Externo 3 Alarme Não Urgente
7e8 Alarme Externo 4 Alarme Não Urgente

19
2.5 ENTRADA DE ALIMENTAÇÃO

As IDU’s possuem fonte redundante que operam em paralelismo, fazendo o balanceamento


de carga. No caso de falha em uma das fontes de alimentação, a outra assume a carga total.
As ODU’s são alimentadas diretamente pelo barramento de –48VDC via cabo de FI. A
alimentação da ODU “MAIN” é derivada do conector de alimentação da esquerda e da ODU
“BACKUP” é derivada do conector da direita. É necessário que o terminal positivo esteja no mesmo
potencial do terra, pois está ligado à malha do cabo de FI. No condutor central do cabo de FI é
conectada a tensão de –48VDC.
A alimentação dos rádios é feita através de dois conectores localizados no painel dianteiro.
Esses conectores possuem 3 pinos com parafusos para alimentação DC48 (36 a 60VDC). O terminal
da esquerda é o aterramento, o terminal central é o positivo ( ) e o da direita é o negativo (-48V).

Entrada de Alimentação DC 1 e DC 2

2.5.1 Padrão de fio recomendado para alimentação DC


O padrão de fio recomendado para conectar a alimentação DC ao DSR-6000...38000/200M
depende da distância entre a fonte de alimentação e o rádio. Uma tabela para o comprimento de cada
tipo de cabo, usando cabo de cobre, é mostrada na tabela abaixo. As distâncias apresentadas levam
em consideração uma queda de tensão de até 10%.

Alimentação 48VDC
Bitola do Fio
2
1.5 mm (16 AWG) 34 m
2
2.5 mm (14 AWG) 64 m
2
4 mm (12 AWG) 96 m
2
6 mm (10 AWG) 151 m

2.5.2 Informação de pinagem do conector DC


A tabela a seguir mostra as informações de pinagem do conector de alimentação DC.

Conector DC Entrada de Alimentação Cor de Cabo


Terra do chasi Verde
+ Entrada DC positiva 0V Vermelho
- Entrada DC negativa –48V Azul

IMPORTANTE:
É necessário que o terminal positivo esteja no mesmo potencial do terra, pois está
ligado à malha do cabo de FI.

IMPORTANTE:
A ODU não possui redundância de alimentação. Para estes casos o backup é da
própria ODU no modelo 1+1.

20
3. APLICAÇÕES DO PRODUTO
Levando em consideração o setup apresentado a seguir, execute as instruções para
estabelecer um enlace de rádio DSR6000...38000/200M.

Conecte as unidades indoor às unidades outdoor usando cabos RGC58, LMR400, RGC8 ou
RGC213 (verificar tipo do cabo a ser usado em função de seu comprimento). Conecte um testset no
rádio A. As ligações dos tributários devem ser feitas conforme mostram as figura dos exemplos.

3.1 EXEMPLO 1. CONFIGURAÇÃO ATRAVÉS DE COMANDOS (CLI)


DSR 7,5 GHz - ETH - Modo 1+0.
Unidade Unid ade
Outdoor Outdoor

Unidade Indoor
Unid ade Indoor

Rádi o A Rádi o B

Consol e

Testset Testset
Ethernet Ethernet

1. Conecte um laptop na console do rádio A;


2. Inicialize o Tera Terminal;
3. Ligue o rádio e aguarde até que seja solicitado login e senha. O valor default para login é dsr e
para senha é digitel;
4. Execute a seguinte sequência de comandos para configuração do rádio A, levando em
consideração que as unidades de RF sejam, por exemplo, 7,5 GHz tipo A:

DSR> enable
DSR# configure terminal
DSR(config)# radio idu main modul 256qam
DSR(config)# radio idu main bandwidth 28000khz
DSR(config)# radio odu main txfreq 7477000 rxfreq 7631000
DSR(config)# radio idu ne1 0
DSR(config)# radio idu mode 1+0
DSR(config)# radio idu main txpower 18
DSR(config)# radio idu main interleaver full
DSR(config)# radio execute
DSR(config)# quit
DSR# write

5. Retire o laptop da console do rádio A e coloque na console do rádio B;


6. Execute os passos 3 e 4;
7. A partir desse momento o enlace deverá estar estabelecido;
8. Coloque um testset Ethernet no rádio A e um no rádio B;
8. Inicialize o testset Ethernet. O testset deverá sincronizar e não contar erros.

21
3.2 EXEMPLO 2. CONFIGURAÇÃO ATRAVÉS DE COMANDOS (CLI)
DSR 7,5 GHz - 16E1 + ETH - Modo 1+1.

Unidades Unidades
Outdoor Outdoor

Unidade Indoor Unidade Indoor

Rádio A Rádio B
Loop

Console
Testset

Testset Testset
Ethernet Ethernet

1. Conecte um laptop na console do rádio A;


2. Inicialize o Tera Terminal;
3. Ligue o rádio e aguarde até que seja solicitadas login e senha. O valor default para login é dsr e
para senha é digitel;
4. Execute a seguinte seqüência de comandos para configuração do rádio A, levando em
consideração que as unidades de RF seja, por exemplo, 7,5 GHz tipo A:

DSR> enable
DSR# configure terminal
DSR(config)# radio idu main modul 256qam
DSR(config)# radio idu backup modul 256qam
DSR(config)# radio idu main bandwidth 28000khz
DSR(config)# radio idu backup bandwidth 28000khz
DSR(config)# radio odu main txfreq 7477000 rxfreq 7631000
DSR(config)# radio odu backup txfreq 7477000 rxfreq 7631000
DSR(config)# radio idu ne1 16
DSR(config)# radio idu mode 1+1
DSR(config)# radio idu main txpower 18
DSR(config)# radio idu backup txpower 18
DSR(config)# radio idu main interleaver full
DSR(config)# radio idu backup interleaver full
DSR(config)# radio execute
DSR(config)# quit
DSR# write

5. Retire o laptop da console do rádio A e coloque na console do rádio B;


6. Execute os passos 3 e 4;
7. A partir desse momento o enlace deverá estar estabelecido;
8. Coloque um Testset Ethernet no rádio A e um no rádio B;
8. Inicialize o testset Ethernet. O testset deverá sincronizar e não contar erros.

22
4. FUNCIONAMENTO
Na operação dos rádios, a configuração é feita através da porta Console (ADMIN) do painel
frontal ou do módulo de gerenciamento.
Os dados provindos da interface de dados são recebidos e enviados à etapa de FEC e
modulação. O algoritmo de FEC é do tipo Reed-Solomon. A partir de então, é feita a modulação e
transmissão do sinal em FI (freqüência intermediária) para a etapa seguinte, que fará o up converter.
Neste ponto, haverá a conversão do sinal de FI para a freqüência de RF configurada pelo instalador,
conforme o canal que o usuário estiver utilizando. Este sinal, então, é enviado a um amplificador de
potência e, logo após, a um filtro de cavidade, o qual, por fim, disponibiliza o sinal no conector de RF.
Na recepção, o sinal recebido passa pelo filtro de cavidade e é enviado a um amplificador de
baixo ruído e, logo após, ao down converter que converte o sinal recebido para a freqüência de FI.
Depois, o sinal de FI é demodulado, e os pacotes de dados são transmitidos à etapa de controle, que
os distribui para os devidos canais de interface de dados.

4.1 DIAGRAMA DE BLOCOS DSR-6000...38000/200M

Canais de Entrada e
Voz Saída de DC -48V DC -48V
Alarmes Main Backup
Config/
GER

Fonte Main Fonte Backup


Interfaces
Controle
E1

Interfaces
Modulação Modulação
Ethernet
Demodulação, Demodulação,
Filtro Digital, Filtro Digital,
Equalizador Equalizador
e FEC e FEC
IF Main
IF Backup

ODU Main

ODU Backup

4.2 PROTEÇÃO 1+1 DSR-6000...38000/200M

Para o mecanismo de proteção é indiferente se temos diversidade de espaço ou não. Desta


forma para descrever o funcionamento podemos dividir estes modos em: sem proteção, hot-standby
(Isofrequencial) e Twin-Path (Heterofrequencial).
Twin-Path ou Heterofrequencial: nesta configuração as ODUs operaram simultaneamente,
devendo estar configuradas para diferentes canais de RF. Os dois enlaces ficarão ativos
transportando os mesmos dados de interface sendo que na recepção é feito um alinhamento dos
pacotes recebidos dos dois enlaces de rádio e dinamicamente estes são selecionados para as
interfaces de recepção. Após os pacotes terem sido alinhados, o seletor deixa passar o pacote que
estiver com o CRC correto, dando preferência ao pacote do enlace principal, caso ambos estejam
corretos ou errados. Este sistema hitless é conhecido como “comutação antecipada”, pois ele não
espera detectar uma taxa de erro para iniciar a comutação, apresentando pacotes livres de erro na
recepção, permitindo integridade e segurança total do enlace.

Hot-standby ou Isofrequencial: nesta configuração as ODUs operaram com seus


transmissores de forma alternada, devendo estar configuradas para os mesmos canais de RF. Assim
23
temos um transmissor operando enquanto o outro é bloqueado. Ambos devem estar com a potência
configurada, pois o bloqueio de um deles é feito internamente no equipamento. Quanto aos
receptores, ambos ficam em operação, recebendo o mesmo sinal de um dos transmissores remotos.
O mesmo sistema de seleção de pacotes hitless permanece ativo, da mesma forma que os modos
Twin-Path. A diferença está no caso de haver uma falha no transmissor, onde ocorrerá uma
comutação do mesmo para o backup ou vice-versa. A comutação do transmissor é realizada através
de alguns critérios que são habilitados via software.

4.3 LAÇO DIGITAL LOCAL (LDL) E LAÇO DIGITAL REMOTO (LDR)

Para facilitar a análise e o isolamento de possíveis falhas, os rádios permitem a realização de


alguns testes de laço. Tanto o laço digital local (LDL) quanto o laço digital remoto (LDR) podem ser
feitos de forma independente para cada um dos tributários E1 instalados no equipamento. O laço
digital remoto é equivalente ao laço digital local, porém executado no equipamento remoto.
O laço digital faz com que os dados do canal E1, provenientes da interface de agregado,
retornem ao sistema PDH, e que os dados do tributário E1 retornem para sua interface elétrica. Pode-
se acionar laços independentemente para cada tributário via gerência, console ou WEB Config.

Rádio Local Rádio Remoto

ETD Interface Interface ETD

Laço Digital Local

Rádio Local Rádio Remoto

ETD Interface Interface ETD

Laço Digital Remoto

24
4.4 LAÇO DE FI LOCAL
O laço de FI local permite o teste de todos os circuitos de interface, multiplexação e DSP. Na
figura abaixo ou no diagrama em blocos é possível localizar as chaves que executam este teste.
Quando executado o laço, o sinal modulado é chaveado p/ o DSP de recepção que demodula e
retorna ao multiplexador de interfaces.

LOO P FI

G.703 DSP D/A


TX
4xETH
TRANSMISSÃO
TRA NS M ISS ÃO
V35/V36/V28 M
U
FXS X

E&M
DSP A/D
CONSOLE RX

RECEP ÇÃ O
INTE RFACES
RFA CE S

Circuito de LDL DSR 1+0

4.5 FORWARD ERROR CORRECTION - FEC

Os meios utilizados para as transmissões digitais em espaço livre introduzem ruídos. Quando
presente em um meio de transmissão, o ruído e também alguns outros elementos, relativos a deste
próprio meio, causam alterações ou até a perda do sinal digital que está sendo transmitido. A técnica
denominada FEC (Forward Error Correction), permite melhorias na performance sistêmica, através de
alterações no sinal digital que está sendo transmitido.

A seguir é descrita a etapa de transmissão do FEC:

Bytes de Dados sem erros

FEC

TX
Bytes de Dados + FEC

• A correção é feita junto ao fluxo de dados (não há retransmissões).


• O corretor tem uma alta capacidade de correção. Se essa capacidade for esgotada (em um
bloco), os dados são repassados tal qual eles foram recebidos.
• Os dados são divididos em blocos de N bytes.
• Sobre o bloco de dados é aplicada uma função matemática, gerando M bytes de
redundância (FEC).
• O bloco de dados + FEC é transmitido ao meio externo.

A seguir é descrita a etapa de recepção do FEC:

25
• O bloco de bytes dados + FEC é recebido com erros.
• Sobre o bloco de dados + FEC, é aplicada uma função matemática que recupera os bytes de
dados, mesmo que existam erros também nos bytes de redundância (FEC).

4.6 INTERLEAVER

O interleaver é uma técnica que aumenta a eficiência do FEC em casos de ruído impulsivo,
caracterizado por ser de muito curta duração. Esta técnica consiste em armazenar vários blocos
gerados pelo FEC e fazer um embaralhamento destes. Na recepção os blocos são reordenados e
entregues ao FEC. Se ao longo do enlace houver um ruído bastante concentrado, este será
espalhado no tempo em distúrbios menores quando os blocos forem reordenados. Com isto o FEC
terá capacidade de corrigir todos o blocos.
O interleaver é uma configuração opcional do rádio, pois devido ao armazenamento de blocos,
acaba inserindo um atraso de propagação de dados muitas vezes indesejado. Por isso o interleaver
pode ser desabilitado ou ter sua profundidade alterada. A profundidade pode ser “full” (maior
espalhamento, porém maior atraso), “half” ou “quarter”. Nas especificações constam os tempos de
propagação de dados para cada configuração.

4.7 NÍVEL DE SINAL RECEBIDO - RSSI

Em condições normais de temperatura e pressão (CNTP), o nível de sinal de recepção (RSSI)


pode depender das variáveis abaixo.
• Potência de transmissão do equipamento remoto;
• Ganhos das antenas local e remota;
• Atenuação no espaço livre.
Comparando o nível de sinal recebido esperado com o nível medido pelo rádio, podemos ter as
seguintes tolerâncias:
• +/- 1 dB na potência de transmissão;
• +/- 0,5 dB no ganho das antenas (por antena);
• +/- 3dB na medição do nível de sinal recebido (RSSI).
Levando em consideração esses fatores, o pior caso para o nível de sinal recebido seria: +/-1, +/-
0,5, +/-0,5 e +/-3. Sendo assim, quando ajustarmos a potência para 33 dBm, a tolerância típica,
incluindo todas as tolerâncias, será em torno de 5 dB.
Seguindo esse mesmo raciocínio, a variação poderá também ser diferente para os dois lados
do enlace, visto que a variação da potência de TX e o valor de RSSI podem variar para mais ou para
menos. A tolerância de +/- 3dB na medição do nível de sinal recebido (RSSI) se deve ao fato de o
rádio não ter sido projetado para ter a precisão de um Wattímetro ao realizar a medição do nível de
sinal recebido (RSSI).

4.8 QUALIDADE DO SINAL

A medição do parâmetro de qualidade é feita em DSP pelo próprio demodulador. É feito um


cálculo de erro médio quadrático dos símbolos decodificados.

26
4.9 SWITCH ETHERNET

O modulo Switch do rádio possui 4 interfaces fast-ethernet e 1 gigabit-ethernet disponíveis ao


usuário, sendo que fast-ethernet LAN0 é exclusiva para gerência. Internamente ao rádio o switch
ainda possui uma interface de controle ligada à CPU e 1 interface gigabit ligada ao multiplexador do
rádio, por onde é feito o transporte de dados ao outro lado.

CPU
CONFIG

SW ITCH
LAN0

LAN1 CONFIG

LAN2
GBE1
LAN3 MUX RÁDIO

GBE0

São utilizadas vlans para separar o tráfego de gerência do de dados, pois a gerência também
é transportada pelo rádio através da GBE1. A configuração de fábrica é feita utilizando a vlan 2 para o
tráfego de gerência onde somente as portas LAN0 e GBE1 são membros. As demais portas são
mapeadas em uma vlan 3. Desta forma as portas LAN 1, 2, 3 e GBE0 são transparentes a qualquer
tráfego, com tag, sem tag ou ainda com QinQ. A vlan 3 neste caso simplesmente é adicionada
internamente para ser transportada pelo rádio separadamente da gerência. Abaixo segue o comando
que mostra a configuração das vlans. Note que que para fins de configuração as interface LAN são
nomeadas como FE e as GBE como GE.

DSR#show vlan brief


Bridge Group : 1
Bridge VLAN ID Name State Member ports
(u)-Untagged, (t)-Tagged
=========== =========== =========== =========== =============================
1 1 default ACTIVE ge0(u) fe1(u) fe2(u) fe3(u) ge1(t)
1 2 VLAN0002 ACTIVE fe0(u) ge1(t)

Para separar o tráfego das portas de dados, pode-se criar mais vlan’s internas como no
exemplo abaixo:
DSR# configure terminal
DSR(config)#vlan database
DSR(config-vlan)# vlan 100 bridge 1 name VLAN0100
DSR(config-vlan)# vlan 100 bridge 1 state enable
DSR(config-vlan)# quit
DSR(config)# quit
DSR# show vlan brief

Logo após segue exemplo para adicionar portas à VLAN criada. No caso, a LAN3 e a GBE0.

DSR# configure terminal


DSR(config)#interface fe3
DSR(config-if)#switchport access vlan 100

27
DSR(config-if)# quit

DSR(config)#interface ge0
DSR(config-if)#switchport access vlan 100
DSR(config-if)# quit
DSR(config)# quit
DSR# show vlan brief

Após aplicar as mesmas configurações no outro rádio do enlace. Neste cenário somente as
portas LAN3 e GBE0 trafegam dados entre si e para as mesmas portas no outro lado do enlace. O
tráfego das demais portas não pode ser recebido nestas portas da VLAN100 e vice-versa.

DSR#show vlan brief


Bridge Group : 1
Bridge VLAN ID Name State Member ports
(u)-Untagged, (t)-Tagged
=========== =========== =========== =========== ===========================
1 1 default ACTIVE fe1(u) fe2(u) ge1(t)
1 2 VLAN0002 ACTIVE fe0(u) ge1(t)
1 100 VLAN0100 ACTIVE fe3(u) ge0(u) ge1(t)

Verificar a lista completa de comandos no capítulo 7 para os detalhes de sintaxe de todos os


comandos.

4.10 APLICAÇÕES DE SWITCH


4.10.1 Utilização da rede de gerência in-band separada da rede de dados. Modo
transparente.

Abaixo segue exemplo de configuração para o rádio proxy master e os rádios proxy slave.

Rádio Master

proxysnmp enable master


snmp-server host 192.168.20.93:162 public
snmp-server community public rw restrict-to 0.0.0.0
!
vlan database
vlan 2 bridge 1 name VLAN0002
vlan 2 bridge 1 state enable
vlan 3 bridge 1 name VLAN0003
vlan 3 bridge 1 state enable
!
28
interface fe0
mtu 2022
switchport
bridge-group 1
switchport mode access
switchport access vlan 2
switchport vlan-stacking customer-edge-port
storm-control dlf level 5.00
no shutdown
ip-access-group proxyrule out
!
interface fe1
mtu 2022
switchport
bridge-group 1
switchport mode access
switchport access vlan 3
switchport vlan-stacking customer-edge-port
storm-control dlf level 5.00
no shutdown
!
interface fe2
mtu 2022
switchport
bridge-group 1
switchport mode access
switchport access vlan 3
switchport vlan-stacking customer-edge-port
storm-control dlf level 5.00
no shutdown
!
interface fe3
mtu 2022
switchport
bridge-group 1
switchport mode access
switchport access vlan 3
switchport vlan-stacking customer-edge-port
storm-control dlf level 5.00
no shutdown
!
interface ge0
mtu 2022
switchport
bridge-group 1
switchport mode access
switchport access vlan 3
switchport vlan-stacking customer-edge-port
storm-control broadcast dlf level 10.00
sfp laser off
no lfp enable
no shutdown
!
interface ge1
mtu 2022
switchport
bridge-group 1
switchport mode trunk
switchport trunk allowed vlan all
switchport vlan-stacking provider-port
storm-control broadcast dlf level 10.00
29
no shutdown
!
interface lo
ip address 127.0.0.1/8
no shutdown
!
interface vlan1.1
no shutdown
!
interface vlan1.2
ip address 192.168.30.50/24
ip address 33.33.47.206/16 secondary
no shutdown
!
interface vlan1.3
no shutdown
!
ip route 0.0.0.0/0 192.168.30.1
!
access-list zebos proxyrule deny icmp any 33.33.0.0/16 interface out fe0
!
end

Rádio Slave

proxysnmp enable slave


end

4.10.2 Utilização da rede de gerência in-band na mesma rede de dados. Modo


transparente.

Neste cenário o tráfego de gerência está na mesma rede lógica da rede de dados. Assim a
porta de gerência não deve ser utilizada e a porta de dados é colocada na mesma vlan de gerência.

Rádio Master

proxysnmp enable master


snmp-server host 192.168.20.93:162 public
snmp-server community public rw restrict-to 0.0.0.0
!
vlan database
vlan 2 bridge 1 name VLAN0002
vlan 2 bridge 1 state enable
vlan 3 bridge 1 name VLAN0003
vlan 3 bridge 1 state enable
!
interface fe0
mtu 2022
switchport

30
bridge-group 1
switchport mode access
switchport access vlan 2
switchport vlan-stacking customer-edge-port
storm-control dlf level 5.00
shutdown
ip-access-group proxyrule out
!
interface fe1
mtu 2022
switchport
bridge-group 1
switchport mode access
switchport access vlan 3
switchport vlan-stacking customer-edge-port
storm-control dlf level 5.00
no shutdown
!
interface fe2
mtu 2022
switchport
bridge-group 1
switchport mode access
switchport access vlan 3
switchport vlan-stacking customer-edge-port
storm-control dlf level 5.00
no shutdown
!
interface fe3
mtu 2022
switchport
bridge-group 1
switchport mode access
switchport access vlan 3
switchport vlan-stacking customer-edge-port
storm-control dlf level 5.00
no shutdown
!
interface ge0
mtu 2022
switchport
bridge-group 1
switchport mode access
switchport trunk allowed vlan all
switchport vlan-stacking provider-port
storm-control broadcast dlf level 10.00
sfp laser off
no lfp enable
no shutdown
!
interface ge1
mtu 2022
switchport
bridge-group 1
switchport mode trunk
switchport trunk allowed vlan all
switchport vlan-stacking provider-port
storm-control broadcast dlf level 10.00
no shutdown
!
interface lo
31
ip address 127.0.0.1/8
no shutdown
!
interface vlan1.1
no shutdown
!
interface vlan1.2
ip address 192.168.30.50/24
ip address 33.33.47.206/16 secondary
no shutdown
!
interface vlan1.3
no shutdown
!
ip route 0.0.0.0/0 192.168.30.1
!
access-list zebos proxyrule deny icmp any 33.33.0.0/16 interface out fe0
!
end

Rádio Slave

proxysnmp enable slave


end

4.10.3 Gerência out-band (DCN nas duas estações). Modo transparente.

Neste cenário existe DNC em todas a estações, sendo estabelecida uma rede out-band de
gerência. Neste caso as portas de gerência LAN0 são retiradas logicamente do switch do rádio, e tem
endereço ip configurado diretamente nela.

Rádio Master

no proxysnmp enable
snmp-server host 192.168.20.93:162 public
snmp-server community public rw restrict-to 0.0.0.0
!
vlan database
vlan 2 bridge 1 name VLAN0002
vlan 2 bridge 1 state enable
vlan 3 bridge 1 name VLAN0003
vlan 3 bridge 1 state enable
!
interface fe0
mtu 2022
32
no switchport
no shutdown
ip address 192.168.30.50/24
!
interface fe1
mtu 2022
switchport
bridge-group 1
switchport mode access
switchport access vlan 3
switchport vlan-stacking customer-edge-port
storm-control dlf level 5.00
no shutdown
!
interface fe2
mtu 2022
switchport
bridge-group 1
switchport mode access
switchport access vlan 3
switchport vlan-stacking customer-edge-port
storm-control dlf level 5.00
no shutdown
!
interface fe3
mtu 2022
switchport
bridge-group 1
switchport mode access
switchport access vlan 3
switchport vlan-stacking customer-edge-port
storm-control dlf level 5.00
no shutdown
!
interface ge0
mtu 2022
switchport
bridge-group 1
switchport mode access
switchport access vlan 2
switchport trunk allowed vlan all
switchport vlan-stacking provider-port
storm-control broadcast dlf level 10.00
sfp laser off
no lfp enable
no shutdown
!
interface ge1
mtu 2022
switchport
bridge-group 1
switchport mode trunk
switchport trunk allowed vlan all
switchport vlan-stacking provider-port
storm-control broadcast dlf level 10.00
no shutdown
!
interface lo
ip address 127.0.0.1/8
no shutdown
!
33
interface vlan1.1
no shutdown
!
interface vlan1.2
no shutdown
!
interface vlan1.3
no shutdown
!
ip route 0.0.0.0/0 192.168.30.1
!
end

4.11 QOS PARA LIMITAÇÃO DE BANDA DAS PORTAS DO SWITCH


Abaixo segue exemplo de como configurar regras de QOS para limitar a banda nas portas. Esta
configuração deve ser feita de acordo com taxa máxima do link de rádio definida pela combinação de
largura de banda e modulação.
Comando para saber a banda máxima do link de rádio:
DSR#show radio idu eth rate
Eth rate = 194176 Kbps

Comandos para criar uma regra de QOS de 150Mbps. No comando “police” sempre utilizar o
parâmetro 2000 após a velocidade em kbps.
configure terminal
mls qos enable
ip-access-list 1 permit any
class-map cmap1
match access-group 1
exit
policy-map pmap1
class cmap1
police 150000 2000 exceed-action drop
exit
exit

Comandos para adicionar a regra de QOS à uma porta do switch:


configure terminal
interface ge0
switchport
bridge-group 1
service-policy input pmap1
exit

34
4.12 CONFIGURAÇÃO DO IP DE GERÊNCIA E ROTA DEFAULT

No caso de utilização da gerência in-band, o ip de acesso deve ser configurado na vlan1.2 do


rádio proxy master. A máscara de sub-rede deve ser colocada em número de bits após o ip. No
exemplo abaixo é 24 bits.

configure terminal
interface vlan1.2
ip address 192.168.20.2/24
exit
exit

Caso a gerência seja out-band e a porta lan0 for configurada como fora do switch, o ip deverá
ser configurado na própria porta:

interface fe0
ip address 192.168.20.2/24

Se houver um gateway para troca de rede, entre com o comando abaixo para configurar uma
rota default para o ip do gateway da rede.

configure terminal
ip route 0.0.0.0/0 192.168.30.1

4.13 CONFIGURAÇÃO REMOTA

Os rádios têm seu acesso remoto através de uma rede ethernet in-band formada
automaticamente através de auto descoberta. Um dos rádios (apenas um) deverá ser habilitado como
proxy master e será o responsável pela descoberta da rede. Este rádio deverá ter um endereço IP de
gerência configurado para a LAN0 e acessado via porta LAN1 do switch. O rádio remoto do enlace,
bem como os enlaces estendidos que houverem, receberão endereços IP da rede in-band
33.33.xxx.xxx e deverão ser configurados como proxy SLAVE. Ainda é possível uma terceira
configuração: proxy backup. Dessa forma o rádio se comportará como um slave e assumirá o controle
da rede in-band caso o rádio master seja desligado.

LAN0 SWITCH
OU
CONSOLE RÁDIO PROXY RÁDI O REMOTO RÁDIO REMOTO RÁDIO REMOTO
IP 192.168.1.254 IP 33.33.50.60 LAN0 LAN0 IP 33.33.50.61 IP 33.33.50.62

RÁDIO REMOTO RÁDIO REMOTO


LAN0 IP 33.33.50.63 IP 33.33.50.64

As formas de acesso remoto são as seguintes:


- via Console local: através do comando “telnet ip” exemplificado abaixo é possível abrir a interface
de linha de comando de qualquer rádio da rede in-band através do respectivo IP da rede
33.33.xxx.xxx.
- via Telnet/ssh: abrir a sessão telnet do rádio local através do IP proxy, ou de qualquer rádio da
rede in-band através do respectivo IP da rede 33.33.xxx.xxx.
- via SNMP: acesso ao rádio local através do IP proxy, ou qualquer rádio da rede in-band através
do respectivo IP da rede 33.33.xxx.xxx.
35
- via Web-config: abrir através de um browser utilizando o IP proxy. O usuário encontrará uma lista
com hostname e IP de todos os rádios da rede in-band com link direto para o Web-config
respectivo.
No capítulo 7 estão listados todos comandos do rádio com sua sintaxe detalhada. Abaixo seguem
instruções de como configurar o acesso remoto.
Habilitar o proxy master no local:
DSR> enable
DSR# configure terminal
DSR(config)# proxysnmp enable master
DSR(config)# quit
DSR# write

Habilitar o proxy slave no remoto:


DSR> enable
DSR# configure terminal
DSR(config)# proxysnmp enable slave
DSR(config)# quit
DSR# write

Acessando o rádio via linha de comando (console ou telnet), a lista de rádios remotos poderá ser
mostrada através do comando abaixo:
DSR# show proxysnmp devices

Para se conectar a console de qualquer rádio remoto:


DSR# telnet 33.33.xxx.xxx
OBS: Em um enlace na qual o link está ativo, qualquer modificação que altere as condições de enlace
deverá ser executada primeiramente no rádio remoto. Após modificar e executar, o enlace irá cair e a
conexão com o terminal de console remota irá travar. Para desbloquear execute o seguinte
procedimento:
Use a seqüência de teclas:
“CTRL + ç” e depois selecione a opção “e”.
Após isso, o terminal será desbloqueado e será possível configurar o rádio local.

4.14 CRIPTOGRAFIA AES

O Rádio possui um bloco de criptografia implementada em seu multiplexador. Todo o fluxo de


dados a ser transmitido proveniente tanto das interfaces ethernet quanto das interfaces E1 é
criptografado antes de passa para o modulador digital. Na recepção, a criptografia é aberta após a
etapa de demodulação, durante a demultiplexação.
O tipo de criptografia implementada é a AES (Advanced Encryption Standard) com chave de 128
bits configurável via CLI. Os rádios local e remoto do enlace precisam estar ambos com a mesma
chave configurada para que se tenha acesso aos dados transmitidos. Abaixo segue exemplo de
configuração:

DSR# configure terminal


DSR(config)# radio idu aes enable on
DSR(config)# radio idu aes key 0123456789abcdef0123456789abcdef
DSR(config)# radio execute
DSR(config)# quit

36
5. SISTEMA DE GERENCIAMENTO – DMS
O DMS CS é um sistema de gerenciamento desenvolvido pela DIGITEL que permite a gerência
de produtos DIGITEL a partir de uma arquitetura Cliente-Servidor, através do protocolo padrão SNMP
– Simple Network Management Protocol (RFC 1157) em redes Ethernet e conexões remotas via
protocolo TCP/IP.

O sistema de Gerenciamento proporciona:

• Automatização do processo de gerenciamento;


• Visualização completa da rede de equipamentos gerenciados;
• Identificação rápida de circuitos inoperantes na rede;
• Redução dos custos de atendimento em campo;
• Melhoria no índice de atendimento a clientes.

IMPORTANTE:
O sistema de gerenciamento DMS CS não é fornecido com os rádios.

5.1 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE GERÊNCIA DMS CS

• Facilidade de instalação e operação (Interface intuitiva);


• Portabilidade do sistema em diversas plataformas;
• Sistema internacionalizado em português (padrão) e inglês;
• Facilidade na distribuição e compartilhamento das informações;
• Alta capacidade de expansão da rede de gerência;
• Alta disponibilidade;
• Possibilidade de integração com outras aplicações (Web services);
• Facilidade de organização dos equipamentos da rede através de mapas (grupos);
• Utilização de mapas geográficos;
• Rápida identificação das falhas do sistema;
• Configuração de severidade dos eventos recebidos;
• Relatórios on-line através da Web;
• Segurança do sistema através do cadastro de usuários.

O Sistema DMS CS é arquitetado num ambiente de máquina virtual JAVA e, portanto, pode
ser utilizado em diversas plataformas, tais como Windows Vista, Windows XP, Windows 2000,
Windows Millenium, Windows 98, Linux Fedora, Solaris, HP-UX ou qualquer outra plataforma que
implemente este ambiente. Além disso, por trabalhar com conexões JDBC, pode conectar-se a
qualquer banco que permita esta facilidade. Para maiores informações sobre as plataformas que
implementam a JVM (Java Virtual Machine) visitar http://www.java.sun.com.

O sistema interage com uma base de dados para realizar o armazenamento da topologia e
das informações do estado de cada equipamento. O banco de dados utilizado é independente do
sistema, podendo este ser um banco de dados PostgreSQL, MySQL.ou ORACLE. O banco de dados
distribuído junto com o DMS CS é o PostgreSQL, que até o momento da elaboração deste
documento, é de código aberto e gratuito.

A arquitetura da aplicação de gerência de redes do Sistema DMS CS tem como base a


arquitetura padrão da plataforma J2EE com algumas variações. J2EE é uma plataforma aberta,
orientada a componentes, para desenvolver, instalar e gerenciar aplicações corporativas no lado de
servidor. Os componentes da aplicação são divididos de acordo com sua função e podem ser
instalados em diferentes máquinas dependendo da camada a qual pertencem no ambiente
multicamadas do J2EE. Uma arquitetura multicamadas provê uma melhor separação das
responsabilidades de cada componente, e, por conseqüência, uma melhor manutenibilidade da
aplicação.

37
A solução desenvolvida pelo Sistema DMS CS é constituída de três processos que podem ou
não ser executados na mesma máquina. São eles: Servidor de Aplicações (contém o Servidor de
gerência SNMP e o servidor JMS), Trap Listener e Aplicação Cliente.

• Servidor de Gerenciamento SNMP: responsável por prover serviços para o gerenciamento de


elementos em uma rede via protocolo SNMP;
• Trap Listener: responsável por receber Traps SNMP dos elementos da rede e notificar sua
chegada ao servidor de Gerenciamento ou apenas repassá-las a outro sistema;
• Aplicação Cliente: responsável em disponibilizar uma interface gráfica para o usuário do sistema,
da qual este acessará os serviços disponibilizados pelo Servidor de Gerenciamento SNMP.

O software DMS CS é composto de um módulo CORE que é único para todas as linhas de
produtos Digitel e módulos específicos para cada produto, isto é, podem ser distribuídos
separadamente conforme a necessidade de cada usuário. Isto facilita a incorporação de
gerenciamento de novos produtos.

Cada linha de produtos possui sua MIB (Management Information Base) específica, que são
informações proprietárias. Tais informações, chamadas de “Objetos da MIB”, é que tornam possível o
gerenciamento de cada equipamento. A MIB e seus Objetos estão disponíveis para o sistema,
através dos Módulos DMS CS, que são arquivos nos formatos *.ear e *.jar que devem ser
adicionados ao sistema de gerenciamento (servidor e clientes), de acordo com os equipamentos que
se deseja gerenciar.

5.2 GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO


Como o DMS CS possui todo o seu gerenciamento de configuração baseado em módulos,
cada equipamento (agente SNMP), possui um módulo específico, o qual é responsável pela sua
configuração e reconhecimento de eventos.

Todas as informações de configuração contidas nos equipamentos são armazenadas pelo


servidor de gerência na base de dados. Isso torna possível que, mesmo que o equipamento se torne
incomunicável, o operador consiga consultar o seu último status de configuração.
Para que um equipamento seja reconhecido pelo DMS CS, é necessário que o módulo
responsável pela configuração do mesmo esteja instalado no servidor e nos clientes.

Atenção:
. Cada módulo possui arquivos de instalação específicos para servidor e cliente.

5.3 GERÊNCIA DE FALHAS


A plataforma de gerenciamento DMS CS oferece uma ferramenta de detecção, notificação e
repasse de falhas em agentes SNMP. Através da recepção de traps SNMP, o sistema pode, além de
informar o usuário sobre o tipo e grau de severidade da falha, tomar ações sobre elas como o envio
de email, emissão de alarme sonoro, execução de comandos e etc.
O sistema de falhas é totalmente personalizável se ajustando às necessidades dos clientes.

5.4 ALTA DISPONIBILIDADE


A arquitetura J2EE sobre a qual foi projetado e desenvolvido o DMS CS segue uma
estruturação n-tiers que permite a execução em vários servidores paralelos, criando um cluster dos
serviços que trabalham juntos. Essa redundância tem como objetivo executar o serviço com
características de alta disponibilidade e/ou balanceamento de carga. O servidor de aplicação JBoss
suporta dois tipos de arquitetura de cluster: client-side interceptors ou load balancers.

38
5.5 CAPACIDADE DE GERENCIAMENTO
O DMS CS é um sistema de gerência robusto, altamente escalável e disponível. Sua
capacidade de gerenciamento é definida de acordo com a dimensão do hardware que o suporta.
Além da alta capacidade de gerenciamento de grandes redes, o DMS CS suporta um grande
número de acessos simultâneos. As características da plataforma J2EE implementadas pelo JBOSS
garantem ao DMS CS server uma alta capacidade de gerenciamento de transações e requisições
feitas a partir das estações clientes.

Para maiores detalhes, consulte o manual do Sistema de Gerência DMS.

5.6 REQUISITOS DO SISTEMA


5.6.1 Solução Tecnológica

A seguir é apresentado um cenário para satisfazer uma necessidade de alta disponibilidade para uma planta
de até 5000 elementos.

5.6.2 Equipamentos envolvidos


O cenário apresentado acima utiliza em cada site dois Switchs, um Servidor de Aplicação
(SAP), um Servidore de Banco de Dados (SBD) e um Storage. Dado a velocidade da evolução
tecnológica dos computadores disponíveis no mercado, preferimos não citar as características
individuais destes.

Em síntese, esses equipamentos possuem a seguinte função:


Switch: Interligação dos equipamentos na rede;
Servidor de Aplicação (SAP): Equipamento onde é instalado o Sistema de Gerenciamento
DMS CS;
Servidor de Banco de Dados (SBD): Equipamento onde é instalado o Software de Gerência
do Banco de Dados (SGBD), podendo ser Oracle, MySQL ou Postgres.
Storage: Equipamento onde são armazenadas todas as informações do sistema de gerência.

39
6. INSTALAÇÃO
Esta seção apresenta alguns detalhes importantes sobre a instalação do produto. Não
pretende-se apresentar todos os aspectos de uma instalação de rádio, mas sim algumas observações
importantes e específicas. Qualquer instalação de rádio deve ser feita por pessoas qualificadas e
treinadas para este fim. Todas as interfaces do rádio, materiais de instalação fornecidos pela Digitel
bem como os procedimentos aqui indicados seguem as normas vigentes da ABNT.

6.1 PRÉ-INSTALAÇÃO

Certifique-se de que o local de instalação está pronto e de que tudo está preparado para
prosseguir com a instalação.
Utilize as listas a seguir para verificar os componentes necessários para a instalação e
conexão.
Lista de equipamento para conexão:
• Unidades de rádio (Indoor e Outdoor);
• Kit de Fixação ODU;

Lista de materiais (não incluídos - adquiríveis):


• Proteção contra as intempéries (fita de autofusão);
• Kit de aterramento;
• Conjunto de cabo de FI para conexão da unidade indoor à outdoor, com conectores tipo
TNC (não incluídos);
• Fixadores de cabo FI;
• Duas antenas (não incluídas);
• Suportes para fixação das antenas/ODU.

6.2 PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO

A seguir é descrito o procedimento para a instalação dos rádios. Recomenda-se a utilização


das ferramentas e equipamentos de instalação e teste que são listados a seguir.
A lista de ferramentas abaixo é recomendada para a instalação do produto.
• Uma chave de fenda larga, com uma lâmina de aproximadamente 10 mm;
• Uma chave de fenda pequena, com uma lâmina de aproximadamente 2,5 mm;
• Desencapador de fio (wire stripper);
• Ferro de solda e solda;
• Alicate de corte e alicate de bico (comprido);
• Duas chaves de torcer ajustáveis, crescente, de 200 mm ou ferramentas de conector tipo N.

40
6.2.1 Instalação da Unidade Indoor (IDU)

• Instale o kit de fixação que é constituído de 4 parafusos gaiola no bastidor;


• Fixe a unidade indoor em um sub-bastidor padrão para equipamento (19”) ou sobre uma mesa em
que o ar circule livremente;

• Certifique-se de que as condições ambientais do local sejam adequadas. A temperatura não


deverá exceder aos valores garantidos discriminados nas características técnicas. Com o
equipamento desligado, conecte os cabos de alimentação e aterramento;
• Em sistemas 1+0, ligue o conector de FI da unidade Indoor ao conector de FI da unidade Outdoor
através de um cabo de FI (LMR400, RGC58, RGC8 ou RGC213). Isto deverá ser feito após a
instalação da IDU e ODU.
Antena

Unidade Outdoor
Unidade Indoor

Cabo de FI

Sistema 1+0

• Em sistemas 1+1, ligue os conectores de FI da unidade indoor aos conectores de FI da unidade


outdoor através de um cabo de FI (LMR400, RGC58, RGC8 ou RGC213) depois que as unidades
estejam instaladas.

Antena
Unidades Outdoor

Unidade Indoor

Cabos de FI

Cabos de FI
Sistema 1+1

NOTA:
O cabo RGC58 é indicado para comprimentos de até 50 metros. Para comprimentos de
até 250 metros, é possível usar o cabo RGC08, RGC213 ou LMR400. Comprimentos
maiores são permitidos com outros tipos de cabos.
41
6.2.2 Instalação da Unidade Outdoor (ODU)

A unidade outdoor é acompanhada de um Kit de Fixação Outdoor, que poderá variar de


modelo dependendo dos seguintes fatores:

a) Tipo de ODU (6/7,5/8/8,5/11/15/18/23/38GHz);


b) Tipo de antena a ser usado (0,3m, 0,6m, 1,2m, 1,8m ou 2,4m, etc.);
c) Configuração 1+0 ou 1+1.

Certifique-se de posicionar a ODU suficientemente distante de qualquer lugar onde possam


se formar poças d’água pela ação da chuva, principalmente quando a instalação for em topos de
prédios.

Faça o aterramento da ODU utilizando o parafuso de aterramento localizado próximo ao


conector de FI, conforme demonstrado na figura abaixo. Normalmente, o fio utilizado para
aterramento é um fio com bitola de 6 mm.

Em caso de instalação no telhado, utilize o fio terra para ligar o terminal de aterramento da ODU
à proteção contra raios e ao sistema de aterramento da estrutura de suporte.

Para instalação em uma torre, utilize o sistema de aterramento da torre ou faça o aterramento
através da própria torre. Se um fio terra for instalado, este deve ser firmemente fixado ao sistema de
aterramento na base da torre.

Conector FI
Conector RSSI

Aterramento

Unidade Outdoor

6.2.3 Resumo dos Kits de acoplamento da ODU.


Para permitir os diversos tipos de conexão das unidades outdoor com as antenas, são
disponibilizados os seguintes kits de acoplamento:

6.3 EQUIPAMENTOS DE INSTALAÇÃO E TESTE


A lista de equipamentos abaixo é recomendada para a instalação e teste do produto.
• Analisador de espectro;
• Medidor de potência (escala de -70 dBm a +40 dBm);
• Frequencímetro;
• Multímetro digital;
• Acoplador direcional;
• Atenuadores;
• Gerador de RF;
• Wattímetro;
• Site master;
• Testset;
• Terrômetro.

42
6.4 PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS

A menos que componentes de proteção externos adequados estejam instalados, todos os


equipamentos modernos de telecomunicações são vulneráveis a danos em caso de transientes
induzidos por descargas. Para eliminar este risco, a Digitel recomenda que se instalem componentes
de proteção contra descargas para proteger o produto.
Devem-se instalar esses componentes de acordo com as instruções a seguir:
As duas áreas chaves que precisam ser protegidas são:
• Alimentador da antena;
• Conexões externas com outros equipamentos.

A Digitel oferece os equipamentos de proteção adequados para o produto. Para maiores


detalhes, entre em contato com a unidade de Suporte Técnico Digitel.
O gabinete da ODU é protegido e estanque com classificação IP65.

6.5 ATERRAMENTO DOS EQUIPAMENTOS

O chassi do rádio deve ser aterrado. Se ocorrer um curto-circuito, o aterramento evitará danos
no produto e reduzirá o risco de choque. Não remova a proteção externa a menos que você seja
autorizado a trabalhar com o equipamento.
O sistema de aterramento deverá prover uma impedância máxima de 5 ohms.
Há diversas situações de aterramento para equipamentos de telecomunicações em função das
características de fabricação dos mesmos. Portanto, na execução dos aterramentos, devem ser
observadas essas características para a execução correta das ligações.

Dentre as diversas situações encontradas, observamos os exemplos a seguir.


a) Malha de terra digital do equipamento ligada no positivo da alimentação e na carcaça
do equipamento.

Nessa situação, o bastidor não deve ser aterrado através de outro cabo terra.

b) Malha de terra digital do equipamento ligado ao positivo da alimentação e isolado da


carcaça.

Nessa situação, o bastidor do equipamento deverá estar isolado do terra digital do


equipamento.

43
c) Malha de terra digital do equipamento isolado do positivo da alimentação e da carcaça
do equipamento.

Nessa situação, o bastidor, o terra digital e o positivo de alimentação deverão estar isolados
entre si.
d) Malha de terra digital do equipamento isolado do positivo da alimentação e ligado à
carcaça.

NOTA:
• Os cabos deverão ser isolados;
• Os cabos de terra deverão preferencialmente estar sem emendas;
• As bitolas dos cabos dimensionadas de acordo com as características elétricas do
equipamento;
• Os cabos de terra deverão estar afastados de cabos de energia CA.;
• As seguintes cores dos cabos poderão ser adotadas;
+ Positivo bateria – Vermelho;
TD - Terra digital - Azul;
TC - Terra carcaça - Verde.

6.6. Protegendo Contra Descarga Eletrostática (DE)

Os danos provocados por uma descarga eletrostática (DE) acontecem quando as


placas ou os componentes eletrônicos são mal manuseados e podem provocar falhas totais ou
intermitentes.

Observe as seguintes recomendações antes de proceder à instalação ou manutenção do produto


ou sistema:
• Utilize uma pulseira ou tornozeleira antiestática para evitar DE quando tiver de trabalhar com
componentes eletrônicos. Ligue uma extremidade da pulseira ou tornozeleira a um local aterrado
ou a um componente metálico não pintado do sistema que esteja devidamente aterrado;
• Pegue nas placas apenas pela sua parte frontal e pelas margens; evite tocar no quadro do
circuito impresso e nos pinos conectores;
• Coloque qualquer componente retirado sobre uma superfície não estática ou em uma
embalagem antiestática;
• Evite o contato entre as placas e as roupas. A pulseira ou tornozeleira apenas protegem a
placa de voltagens DE no corpo; as voltagens DE nas roupas também podem provocar danos.

44
O aviso a seguir pode aparecer em todo o documento para lembrá-lo dessas precauções:

AVISO: Consulte o item “Protegendo Contra Descarga Eletrostática” deste manual


para precauções com o produto e maiores detalhes.

6.7 ATERRAMENTO DO CABO DE FI

Quando uma estrutura metálica for utilizada, recomendamos a instalação de três kits de
aterramento, um em cada uma das seguintes posições:
• Um pouco antes da descida dos cabos de RF na torre/poste;
• Ao pé da torre/poste, antes dos cabos saírem em direção ao abrigo;
• Antes da entrada dos cabos no abrigo.

As duas primeiras posições de aterramento devem ser fixadas na barra de aterramento da


estrutura metálica da torre.

Os kits de aterramento são apresentados em diversos modelos e fabricantes e têm por


finalidade drenar a energia de uma descarga, induzida nos cabos coaxiais, para o sistema de
aterramento do site. O kit fica em contato direto com o condutor externo do cabo coaxial e faz com
que parte da descarga elétrica seja desviada para o sistema de aterramento, facilitando o trabalho
dos protetores coaxiais que protegem o equipamento de RF.

6.8 ALINHAMENTO DAS ANTENAS

Quando todos os componentes do sistema estiverem instalados e os cabos estiverem


corretamente conectados e aterrados, deve-se executar o alinhamento das antenas. O produto
fornece dois pontos de monitoração do sinal recebido:
• Por meio de um multiteste conectado aos pontos de teste na unidade outdoor (conector
RSSI);
• Por meio do software de configuração e/ou Tera Terminal.

A maneira mais adequada para fazer o alinhamento da antena é por meio de um multímetro. O
alinhamento deve ser feito em ambos os lados do enlace, fazendo varredura horizontal e vertical da
antena, lembrando sempre que o melhor alinhamento corresponde ao maior valor de tensão de RSSI.

45
6.9 TIPOS DE ANTENAS

Como visto anteriormente, o DSR-6000...38000/200M pode ser acoplado diretamente ou via


guia de onda Flex Twist a vários tipos e tamanhos de antenas. Abaixo é apresentada uma relação de
algumas dessas antenas e seus ganhos.
Código Modelos de Antenas Código Modelos de Antenas
841.4201.00-6 Radio_ANT_5.9-6.4GHz HPD 34,8dBi 1,2m HPX4-59 841.4112.00-3 Radio_ANT_7,1-8,5GHz HPS 46,4dBi 3,7m HP12-71W
841.4202.00-2 Radio_ANT_5.9-6.4GHz HPD 38,8dBi 1,8m HPX6-59 841.5401.00-9 Radio_ANT_10,7-11,7GHz HPS 34,4dBi 0,6m VHLP2-11
841.4203.00-9 Radio_ANT_5.9-6.4GHz HPD 41,3dBi 2,4m HPX8-59 841.5402.00-5 Radio_ANT_10,7-11,7GHz HPS 37,5dBi 0,8m VHLP2,5-11
841.4204.00-5 Radio_ANT_5.9-6.4GHz HPD 43,1dBi 3,0m HPX10-59 841.5403.00-1 Radio_ANT_10,7-11,7GHz HPS 40,4dBi 1,2m VHLP4-11
841.4205.00-1 Radio_ANT_5.9-6.4GHz HPD 44,8dBi 3,7m HPX12-59 841.5404.00-8 Radio_ANT_10,7-11,7GHz HPS 43,8dBi 1,8m VHLP6-11
841.4206.00-8 Radio_ANT_5.9-6.4GHz HPD 46,4dBi 4,6m HPX15-59 841.5405.00-4 Radio_ANT_10,7-11,7GHz HPS 46,4dBi 2,4m HP8-107
841.4207.00-4 Radio_ANT_5.9-6.4GHz HPS 38,9dBi 1,8m HP6-59 841.5406.00-0 Radio_ANT_10,7-11,7GHz HPS 48,3dBi 3,0m HP10-107
841.4208.00-0 Radio_ANT_5.9-6.4GHz HPS 41,5dBi 2,4m HP8-59 841.5407.00-7 Radio_ANT_10,7-11,7GHz HPS 49,8dBi 3,7m HP12-107
841.4209.00-7 Radio_ANT_5.9-6.4GHz HPS 43,3dBi 3,0m HP10-59 841.5408.00-3 Radio_ANT_10,7-11,7GHz HPD 34,4dBi 0,6m VHLPX2-11
841.4210.00-5 Radio_ANT_5.9-6.4GHz HPS 45,0dBi 3,6m HP12-59 841.5409.00-0 Radio_ANT_10,7-11,7GHz HPD 37,3dBi 0,8m VHLPX2.5-11
841.4211.00-1 Radio_ANT_5.9-6.4GHz HPS 46,4dBi 4,6m HP15-59 841.5410.00-8 Radio_ANT_10,7-11,7GHz HPD 40,4dBi 1,2m VHLPX4-11
841.4323.00-5 Radio_ANT_7,12-7,75GHz HPS 36,2dBi 1,2m HP4-71 841.5411.00-4 Radio_ANT_10,7-11,7GHz HPD 43,8dBi 1,8m VHLPX6-11
841.4324.00-0 Radio_ANT_7,12-7,75GHz HPS 40,0dBi 1,8m HP6-71 841.5412.00-0 Radio_ANT_10,7-11,7GHz HPD 46,4dBi 2,4m HPX8-107
841.4325.00-7 Radio_ANT_7,12-7,75GHz HPS 42,5dBi 2,4m HP8-71 841.5413.00-7 Radio_ANT_10,7-11,7GHz HPD 48,3dBi 3,0m HPX10-107
841.4326.00-3 Radio_ANT_7,12-7,75GHz HPS 44,5dBi 3,0m HP10-71 841.5414.00-3 Radio_ANT_10,7-11,7GHz HPD 49,8dBi 3,7m HPX12-107
841.4327.00-0 Radio_ANT_7,12-7,75GHz HPS 46,0dBi 3,7m HP12-71 841.5002.00-7 Radio_ANT_14,2-15,3GHz HPS 32,1dBi 0,3m VHLP1
841.4328.00-6 Radio_ANT_7,12-7,75GHz HPD 39,9dBi 1,8m HPX6-71 841.5003.00-3 Radio_ANT_14,2-15,3GHz HPS 36,8dBi 0,6m VHLP2
841.4329.00-2 Radio_ANT_7,12-7,75GHz HPD 42,5dBi 2,4m HPX8-71 841.5004.00-0 Radio_ANT_14,2-15,3GHz HPS 39,7dBi 0,8mVHLP2,5
841.4330.00-0 Radio_ANT_7,12-7,75GHz HPD 44,8dBi 3,0m HPX10-71 841.5005.00-6 Radio_ANT_14,2-15,3GHz HPS 42,9dBi 1,2m VHLP4
841.4331.00-7 Radio_ANT_7,12-7,75GHz HPD 46,1dBi 3,7m HPX12-71 841.5006.00-2 Radio_ANT_14,2-15,3GHz HPS 46,2dBi 1,8m VHLP6
841.4332.00-3 Radio_ANT_7,42-7,90GHz HPS 42,8dBi 2,4m HP8-74 841.5012.00-2 Radio_ANT_14,2-15,3GHz HPD 30,0dBi 0,3m VHLPX1-15
841.4333.00-0 Radio_ANT_7,42-7,90GHz HPS 44,0dBi 3,0m HP10-74 841.5007.00-9 Radio_ANT_14,2-15,3GHz HPD 36,8dBi 0,6m VHLPX2-15
841.4334.00-6 Radio_ANT_7,42-7,90GHz HPD 37,4dBi 1,2m HPX4-74 841.5008.00-5 Radio_ANT_14,2-15,3GHz HPD 39,7dBi 0,8mVHLPX2,5-15
841.4335.00-2 Radio_ANT_7,42-7,90GHz HPD 40,8dBi 1,8m HPX6-74 841.5009.00-1 Radio_ANT_14,2-15,3GHz HPD 42,9dBi 1,2m VHLPX4-15
841.4336.00-9 Radio_ANT_7,42-7,90GHz HPD 44,8dBi 2,4m HPX8-74 841.5010.00-0 Radio_ANT_14,2-15,3GHz HPD 46,2dBi 1,8m VHLPX6-15
841.4337.00-5 Radio_ANT_7,42-7,90GHz HPD 46,1dBi 3,0m HPX10-74 841.5113.00-3 Radio_ANT_17,7-19,7GHz HPD 34,2dBi 0,3m VHLPX1-18
841.4424.00-5 Radio_ANT_8.2-8.5GHz HPD 43,6dBi 2,4m HPX8-82 841.5109.00-6 Radio_ANT_17,7-19,7GHz HPD 38,7dBi 0,6m VHLPX2-18
841.4425.00-1 Radio_ANT_8.2-8.5GHz HPD 45,6dBi 3,0m HPX10-82 841.5110.00-4 Radio_ANT_17,7-19,7GHz HPD 41dBi 0,8m VHLPX2,5-18
841.4426.00-8 Radio_ANT_8.2-8.5GHz HPD 47,2dBi 3,7m HPX12-82 841.5114.00-5 Radio_ANT_17,7-19,7GHz HPD 43,5dBi 1,0m VHLPX3-18
841.4427.00-4 Radio_ANT_8.2-8.5GHz HPD 48,8dBi 4,6m HPX15-82 841.5111.00-0 Radio_ANT_17,7-19,7GHz HPD 44,7dBi 1,2m VHLPX4-18
841.4429.00-7 Radio_ANT_8.2-8.5GHz HPS 40,8dBi 1,8m HP6-82 841.5112.00-7 Radio_ANT_17,7-19,7GHz HPD 47,6dBi 1,8m VHLPX6-18
841.4430.00-5 Radio_ANT_8.2-8.5GHz HPS 43,5dBi 2,4m HP8-82 841.5103.00-8 Radio_ANT_17,7-19,7GHz HPS 34,2dBi 0,3m VHLP1
841.4431.00-1 Radio_ANT_8.2-8.5GHz HPS 45,5dBi 3,0m HP10-82 841.5104.00-4 Radio_ANT_17,7-19,7GHz HPS 38,7dBi 0,6m VHLP2
841.4432.00-8 Radio_ANT_8.2-8.5GHz HPS 47,0dBi 3,7m HP12-82 841.5105.00-0 Radio_ANT_17,7-19,7GHz HPS 41dBi 0,8m VHLP2,5
841.4433.00-4 Radio_ANT_8.2-8.5GHz HPS 48,8dBi 4,6m HP15-82 841.5106.00-7 Radio_ANT_17,7-19,7GHz HPS 44,7dBi 1,2m VHLP4
841.4117.00-5 Radio_ANT_7,1-8,5GHz HPD 30,6dBi 0,6m VHLPX2-7W 841.5107.00-3 Radio_ANT_17,7-19,7GHz HPS 47,8dBi 1,8m VHLP6
841.4118.00-1 Radio_ANT_7,1-8,5GHz HPD 33,9dBi 0,8m VHLPX2.5-7W 841.6110.00-8 Radio_ANT_21,2-23,6GHz HPD 35,3dBi 0,3m VHLPX1-23
841.4119.00-8 Radio_ANT_7,1-8,5GHz HPD 37,3dBi 1,2m VHLPX4-7W 841.6106.00-0 Radio_ANT_21,2-23,6GHz HPD 40,2dBi 0,6m VHLPX2-23
841.4120.00-6 Radio_ANT_7,1-8,5GHz HPD 40,6dBi 1,8m VHLPX6-7W 841.6107.00-7 Radio_ANT_21,2-23,6GHz HPD 43dBi 0,8m VHLPX2,5-23
841.4121.00-2 Radio_ANT_7,1-8,5GHz HPD 42,9dBi 2,4m HPX8-71W 841.6111.00-4 Radio_ANT_21,2-23,6GHz HPD 44,8dBi 1,0m VHLPX3-23
841.4122.00-9 Radio_ANT_7,1-8,5GHz HPD 44,9dBi 3,0m HPX10-71W 841.6108.00-3 Radio_ANT_21,2-23,6GHz HPD 46,7dBi 1,2m VHLPX4-23
841.4123.00-5 Radio_ANT_7,1-8,5GHz HPD 46,7dBi 3,7m HPX12-71W 841.6109.00-0 Radio_ANT_21,2-23,6GHz HPD 49,2dBi 1,8m VHLPX6-23
841.4124.00-1 Radio_ANT_7,1-8,5GHz HPD 48,6dBi 4,6m HPX15-71W 841.6101.00-9 Radio_ANT_21,2-23,6GHz HPS 35,3dBi 0,3m VHLP1
841.4106.00-3 Radio_ANT_7,1-8,5GHz HPS 30,7dBi 0,6m VHLP2-7W 841.6102.00-5 Radio_ANT_21,2-23,6GHz HPS 40,4dBi 0,6m VHLP2
841.4107.00-0 Radio_ANT_7,1-8,5GHz HPS 34dBi 0,8m VHLP2,5-7W 841.6103.00-1 Radio_ANT_21,2-23,6GHz HPS 43dBi 0,8m VHLP2,5
841.4108.00-6 Radio_ANT_7,1-8,5GHz HPS 37,3dBi 1,2m VHLP4-7W 841.6104.00-8 Radio_ANT_21,2-23,6GHz HPS 46,7dBi 1,2m VHLP4
841.4109.00-2 Radio_ANT_7,1-8,5GHz HPS 40,5dBi 1,8m VHLP6-7W 841.6105.00-4 Radio_ANT_21,2-23,6GHz HPS 49,4dBi 1,8m VHLP6
841.4110.00-0 Radio_ANT_7,1-8,5GHz HPS 43,6dBi 2,4m HP8-71W 841.7101.00-2 Radio_ANT_37-40GHz HPS 40,1dBi 0,3m VHLP1
841.4111.00-7 Radio_ANT_7,1-8,5GHz HPS 45,2dBi 3,0m HP10-71W 841.7102.00-9 Radio_ANT_37-40GHz HPS 45,2dBi 0,6m VHLP2

46
6.10 BAYFACE

Abaixo são apresentadas as medidas do rádio.

44,3 mm

270 mm
485 mm (19”)

6.11 PROTOCOLO DE TESTE E CADASTRO DE RÁDIO ENLACE

Após a instalação, sugerimos o preenchimento de uma planilha para registro dos dados do link,
para que esses sejam inseridos no documento de Projeto de Instalação Definitiva (PDI).

PROTOCOLO DE TESTE E CADASTRO DE RÁDIO ENLACE


Estação A ENLACE Estação B
Número da estação ANATEL
Nome da Estação
Sigla da localidade
Endereço
Municipio
Orgão Manutenção
Latitude Longitude
Altitude
Principal Diversidade SISTEMA IRRADIANTE Principal Diversidade
Fabricante
Tipo
Modelo
Ganho (dBi)
Altura (m)
Azimute (N.V)
Tipo de torre e altura
Principal Diversidade GUIA / CABO Principal Diversidade
Fabricante
Modelo
Com primento (m)
EQUIPAMENTO RÁDIO
DIGITEL Fabricante DIGITEL
Modelo
Taxa de Transmissão (Mbit/s)
Canais de Transmissão
Modulação
Potência de Transmissão (W)
Nível Rx Medido (dBm)
ESPECTRO DE RF
Frequencia TX / Polarização

INFORMAÇÕES GERAIS
Situação de Operação ATIVADO X DESATIVADO Data de Ativação / Desativação
INFORMAÇÕES PARA CADASTRAMENTO
Incluir Alterar Desativar Ampliar RF Desativar RF
OBSERVAÇÃO

Responsável Técnico Registro Orgão Telefone Ramal / Celular Data Ativação enlace

47
6.12 DIAGNÓSTICO DE FALHAS

O led ALM localizado no painel frontal, quando acionado, indica que existe uma falha no
sistema. Através da consulta ao log de eventos, que pode ser acessado via comandos ou SNMP, é
possível identificar as causas dessas falhas.

Os eventos disponíveis estão listados na seção Geração de Alarmes neste manual e abaixo é
apresentado uma guia para identificação e solução de problemas no link de rádio, com o Código do
Alarme, Identificação da Falha, Severidade, Causa da Falha e Ações Recomendadas para corrigir a
falha.

Código de Alarme: Extern 0


Falha: Alarme externo remoto 0.
Severidade: Urgente.
Causa: O rádio disponibiliza um conector RJ45 fêmea com quatro entradas opto-isoladas para a
entrada de alarmes externos, sendo dois alarmes urgentes (par 1 e 2 e par 3 e 4). Esse alarme indica
que um comando externo, sinalizado através dos pinos 1 e 2 (entrada opto isolada) foi ativado.
Ações recomendadas:
• Verifique a fonte de alarme do equipamento local (par 1 e 2), conforme utilização desse alarme.

Código de Alarme: Extern 1


Falha: Alarme externo remoto 1.
Severidade: Urgente.
Causa: O rádio disponibiliza um conector RJ45 fêmea com quatro entradas opto-isoladas para a
entrada de alarmes externos, sendo dois alarmes urgentes (par 1 e 2 e par 3 e 4). Esse alarme indica
que um comando externo, sinalizado através dos pinos 2 e 3 (entrada opto isolada) foi ativado.
Ações recomendadas:
• Verifique a fonte de alarme do equipamento local (par 2 e 3), conforme utilização desse alarme.

Código de Alarme: Extern 2


Falha: Alarme externo remoto 2.
Severidade: Não urgente.
Causa: O rádio disponibiliza um conector RJ45 fêmea com quatro entradas opto-isoladas para a
entrada de alarmes externos, sendo dois alarmes não urgentes (par 5 e 6 e par 7 e 8). Esse alarme
indica que um comando externo, sinalizado através dos pinos 5 e 6 (entrada opto isolada) foi ativado.
Ações recomendadas:
• Verifique a fonte de alarme do equipamento local (par 5 e 6), conforme utilização desse alarme.

Código de Alarme: Extern 3


Falha: Alarme externo remoto 1.
Severidade: Não urgente.
Causa: O rádio disponibiliza um conector RJ45 fêmea com quatro entradas opto-isoladas para a
entrada de alarmes externos, sendo dois alarmes não urgentes (par 5 e 6 e par 7 e 8). Esse alarme
indica que um comando externo, sinalizado através dos pinos 7 e 8 (entrada opto isolada) foi ativado.
Ações recomendadas:
• Verifique a fonte de alarme do equipamento local (par 7 e 8), conforme utilização desse alarme.

Código de Alarme: no dcd main


Falha: DCD principal.
Severidade: Urgente.
Causa: Esse alarme indica que houve perda de sincronismo no enlace principal.
Ações recomendadas:
• Verificar se o led DCD-M está aceso nos dois lados do enlace;
• Verificar a programação dos rádios local e remoto;
• Verificar o estado dos cabos e conectores de FI (ODU Principal) nos dois lados do enlace;
• Verificar o alinhamento das antenas;
• Verificar o nível de sinal recebido (RSSI) nos dois lados do enlace. Observar se o valor apresentado
está de acordo com o esperado;

48
• Utilize um Analisador de Espectro para verificar se não há sinal interferente na freqüência de
recepção dos rádios local e remoto.

Código de Alarme: no dcd backup


Falha: DCD backup.
Severidade: Urgente.
Causa: Esse alarme indica que houve perda de sincronismo no enlace backup.
Ações recomendadas:
• Verificar se o led DCD-BK está aceso nos dois lados do enlace;
• Verificar a programação dos rádios local e remoto;
• Verificar o estado dos cabos e conectores de FI (ODU backup) nos dois lados do enlace;
• Verificar o alinhamento das antenas;
• Verificar o nível de sinal recebido (RSSI) nos dois lados do enlace. Observar se o valor apresentado
está de acordo com o esperado;
• Utilize um Analisador de Espectro para verificar se não há sinal interferente na frequência de
recepção dos rádios local e remoto.

Código de Alarme: low rssi main


Falha: RSSI baixo no principal.
Severidade: Não urgente.
Causa: Esse alarme indica que o nível de sinal de recepção do link principal está baixo.
Ações recomendadas:
• Verificar a potência medida pelo transmissor remoto;
• Verificar o alinhamento das antenas;

Código de Alarme: low rssi backup


Falha: RSSI baixo no backup.
Severidade: Não urgente.
Causa: Esse alarme indica que o nível de sinal de recepção do link backup está baixo.
Ações recomendadas:
• Verificar a potência medida pelo transmissor remoto;
• Verificar o alinhamento das antenas;

Código de Alarme: Backup


Falha: Em backup.
Severidade: Urgente.
Causa: Em uma operação 1+1, esse alarme indica que a IDU está operando com a ODU backup.
Ações recomendadas:
• Identificar a causa da comutação avaliando-se os demais alarmes presentes e os níveis de
transmissão e recepção alames.

Código de Alarme: Source Failure 1


Falha: Falha na fonte 1.
Severidade: Urgente.
Causa: A primeira fonte de alimentação falhou o não está conectada.
Ações recomendadas:
• Verificar a entrada de alimentação 1 deste rádio.
• Programe a substituição deste rádio.

Código de Alarme: Source Failure 2


Falha: Falha na fonte 2.
Severidade: Urgente.
Causa: A segunda fonte de alimentação falhou o não está conectada.
Ações recomendadas:
• Verificar a entrada de alimentação 2 deste rádio.
• Programe a substituição deste rádio.

Código de Alarme: LOS


Falha: LOS na interface (1 a 16).
Severidade: Não urgente.

49
Causa: Esse alarme indica que não existe um sinal presente na interface G.703 (1 a 16) do rádio.
Ações recomendadas:
• Verificar a programação do rádio;
• Certificar se existe um cabo de dados conectado na interface;
• Verificar se o cabo está conectado adequadamente na fonte de dados;
• Retirar o cabo que está conectado na interface, inserir um testset e realizar um LDL (laço digital
local) no rádio. Verificar se há fluxo de dados e se o alarme o alarme cessou.

Código de Alarme: AIS


Falha: AIS na interface (1 a 16).
Severidade: Não urgente.
Causa: Esse alarme indica que não existe um sinal de dados presente na interface G.703 (1 a 16) do
rádio.
Ações recomendadas:
• Verificar se o cabo está conectado adequadamente na fonte de dados do rádio;
• Retirar o cabo que está conectado na interface do rádio, inserir um testset. Verificar o alarme
cessou.

Código de Alarme: low power main


Falha: baixa potência na ODU principal.
Severidade: Não urgente.
Causa: Esse alarme indica que a potência de transmissão do rádio V pode estar 4dB abaixo do
programado.
Ações recomendadas:
• Utilize o comando show radio odu main txpower para verificar se a potência de transmissão está
com seu valor conforme configurado;
• Verificar se o sistema irradiante (cabo de FI, conectores, Flex Twist e antena);
• Substituir a ODU.

Código de Alarme: low power backup


Falha: baixa potência na ODU backup.
Severidade: Não urgente.
Causa: Esse alarme indica que a potência de transmissão do rádio H pode estar 4dB abaixo do
programado.
Ações recomendadas:
• Utilize o comando show radio odu backup txpower para verificar se a potência de transmissão está
com seu valor conforme configurado;
• Verificar se o sistema irradiante (cabo de FI, conectores, Flex Twist e antena);
• Substituir a ODU.

Código de Alarme: potency failure main


Falha: baixa potência na ODU main.
Severidade: Urgente.
Causa: Esse alarme indica que o rádio main não está transmitindo, isto é, potência 0.
Ações recomendadas:
• Utilize o comando show radio odu main txpower para verificar se a potência de transmissão está
com seu valor conforme configurado;
• Verificar se o sistema irradiante (cabo de RF, conectores, Flex Twist e antena);
• Substituir a ODU.

Código de Alarme: Potency Failure backup


Falha: baixa potência na ODU backup.
Severidade: Urgente.
Causa: Esse alarme indica que o rádio backup não está transmitindo, isto é, potência 0.
Ações recomendadas:
• Utilize o comando show radio odu backup txpower para verificar se a potência de transmissão está
com seu valor conforme configurado;
• Verificar se o sistema irradiante (cabo de RF, conectores, Flex Twist e antena);
• Substituir a ODU.

50
Código de Alarme: BER E6
Falha: Degradação de BER além de um limiar de 10-6.
Severidade: Urgente.
Causa: Esse alarme indica que o a taxa de erro no link está com um limiar acima de 10-6.
Ações recomendadas:
• Verificar o estado dos cabos de FI e a conexão da ODU com a antena;
• Verificar o alinhamento das antenas;
• Verificar se a potência de saída está de acordo com a potência configurada;
• Verificar o nível de sinal recebido (RSSI) nos dois lados do link. Observar se o valor apresentado
está de acordo com o esperado;
• Utilize um Analisador de Espectro para verificar se não há sinal interferente na freqüência de
recepção dos rádios local e remoto;

Código de Alarme: BER E3


Falha: Degradação de BER além de um limiar de 10-3.
Severidade: Urgente.
Causa: Esse alarme indica que o a taxa de erro no link está com um limiar acima de 10-3.
Ações recomendadas:
• Verificar o estado dos cabos de FI e a conexão da ODU com a antena;
• Verificar o alinhamento das antenas;
• Verificar se a potência de saída está de acordo com a potência configurada;
• Verificar o nível de sinal recebido (RSSI) nos dois lados do link. Observar se o valor apresentado
está de acordo com o esperado;
• Utilize um Analisador de Espectro para verificar se não há sinal interferente na freqüência de
recepção dos rádios local e remoto;

Código de Alarme: SQ main


Falha: SQ baixa link main.
Severidade: Não urgente.
Causa: Esse alarme indica que o a qualidade de sinal de recepção do link principal está abaixo do
esperado.
Ações recomendadas:
• Verificar o estado dos cabos de FI, Flex Twist e conectores;
• Verificar o alinhamento das antenas;
• Verificar se a potência de saída esta de acordo com a potência configurada;
• Verificar o nível de sinal recebido (RSSI) nos dois lados do link. Observar se o valor apresentado
está de acordo com o esperado;
• Utilize um Analisador de Espectro para verificar se não há sinal interferente na freqüência de
recepção dos rádios local e remoto;
• Substituir o rádio.

Código de Alarme: SQ backup


Falha: SQ baixa link backup.
Severidade: Não urgente.
Causa: Esse alarme indica que o a qualidade de sinal de recepção do link backup está abaixo do
esperado.
Ações recomendadas:
• Verificar o estado dos cabos de FI, Flex Twist e conectores;
• Verificar o alinhamento das antenas;
• Verificar se a potência de saída esta de acordo com a potência configurada;
• Verificar o nível de sinal recebido (RSSI) nos dois lados do link. Observar se o valor apresentado
está de acordo com o esperado;
• Utilize um Analisador de Espectro para verificar se não há sinal interferente na freqüência de
recepção dos rádios local e remoto;
• Substituir o rádio.

51
6.13 EFICIÊNCIA ESPECTRAL PROGRAMÁVEL

Os rádios disponibilizam de eficiência espectral programável, ou seja, mesmo sem nenhum


hardware adicional ou inserção de filtros, os rádios podem ser programados por software para
diversas bandas e canais. Eles possuem três níveis de filtragem: filtro de cavidade, filtro de FI e filtro
em software (DSP).

6.14 VANTAGENS – FLEXIBILIDADE

Os rádios oferecem várias opções de taxa de transmissão. O rádio permite que uma
determinada largura de banda possa ser particionada com várias configurações distribuindo dados
entre as interfaces E1 e Ethernet.

Usando a modulação QAM256, o DSR é capaz de transportar 192 Mbit/s em Ethernet em um


canal de RF de 28 MHz, ou 16E1 + 160 Mbit/s.

FLEXIBILIDADE
Combinação E1 e Ethernet sem XPIC

16E1 160 Mbit/s Ethernet

12E1 168
168 Mbit/s
Mbit/sEthernet
Ethernet

8E1 176
176 Mbit/s
Mbit/sEthernet
Ethernet

4E1 184
184 Mbit/s
Mbit/s Ethernet
Ethernet

2E1 188
188 Mbit/s
Mbit/s Ethernet
Ethernet

1E1 190
190 Mbit/s
Mbit/s Ethernet
Ethernet

192
192 Mbit/s
Mbit/s Ethernet
Ethernet

Ex: Banda de 28 MHz

7. CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

7.1 CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO VIA PORTA CONSOLE

Os rádios podem ser configurados e operados através de linha de comandos (CLI) usando um
emulador de terminal assíncrono, através do WEB Config ou gerência SNMP. No caso de uso de uma
plataforma Windows, é recomendável o uso do Tera Term que deve ser configurado da seguinte
maneira:
• Velocidade: 57,600 kbit/s;
• Tamanho do caractere: 8;
• Paridade: nenhuma (N);
• Stop bits: 1;
• Emulação de terminal: VT100;
• Controle de fluxo: nenhum.
Os comandos de configuração atuam sobre parâmetros, podendo alterar, mostrar ou
armazenar seus valores. Os parâmetros podem ser de dois tipos: simples ou múltiplos.

52
Parâmetros simples possuem uma única ocorrência no equipamento e não necessitam de
nenhuma informação adicional. Parâmetros múltiplos ocorrem de forma repetida, necessitando de
uma lista de identificação para sua completa descrição.
A lista de identificadores é sempre envolvida por colchetes, [ ], podendo ser constituída de um
único índice ou de um intervalo com início e fim separados por hífen, -.
A CLI está estruturada em 2 modos: escrita (set) e leitura (show). Ao logar, o usuário está em
modo show e assim tem acesso a visualização de todas as configurações do equipamento. Para
acessar o modo de escrita é necessário executar os comandos enable e configure terminal; e para
retornar ao modo de leitura o comando a ser utilizado é quit.
Após um conjunto de configurações setadas no rádio, deve-se executar, em modo set, o
comando radio execute, este aplica as informações no rádio. E para realizar o salvamento da
configuração corrente na flash é necessário, em modo show, executar o comando write.
Os comandos utilizados na configuração e operação dos rádios via CLI são apresentados a
seguir.

7.2 COMANDOS DE LEITURA DO RÁDIO

Leitura de Informações:
show radio alarms (Somente leitura)

Função Exibe lista de alarmes presentes no rádio.


Default No Alarm
Exemplo <prompt> show radio alarms ↵
<prompt> Alarms:
NOCARRIER0
NOCARRIER1
LOWPOWER0
POTFAILURE0

53
show radio idu main <parâmetro de configuração>

Função Exibe configuração da idu principal.


Opções <parâmetro> - Lista de comandos
Exemplo <prompt> show radio idu main modul ↵
<prompt> QAM = 128QAM

show radio idu backup <parâmetro de configuração>

Função Exibe configuração da idu backup.


Opções <parâmetro> - Lista de comandos
Exemplo <prompt> show radio idu backup bandwidth ↵
<prompt> Band = 28mhz

show radio odu main <parâmetro de configuração>

Função Exibe configuração da ODU principal.


Opções <parâmetro> - Lista de comandos
Exemplo <prompt> show radio odu main rssi ↵
<prompt> rssi = 1500 dBm

show radio odu backup <parâmetro de configuração>

Função Exibe configuração da ODU backup.


Opções <parâmetro> - Lista de comandos
Exemplo <prompt> show radio odu backup txfreq ↵
<prompt> TxFreq = 75000 kHz

Escrita de Informações:
radio idu <parâmetro de configuração>

Função Executa configurações genéricas no rádio.


Opções < parâmetro > - Lista de comandos
Exemplo <prompt> radio idu mode 1+1 ↵

<prompt> radio idu ne1 12 ↵

<prompt> radio execute ↵

radio idu main <parâmetro de configuração>

Função Executa configurações na link principal.


Opções < parâmetro > - Lista de comandos
Exemplo <prompt> radio idu main interleaver quarter ↵

<prompt> radio idu main loopfi on ↵

54
radio idu backup <parâmetro de configuração>

Função Executa configurações no link backup.


Opções < parâmetro > - Lista de comandos
Exemplo <prompt> radio idu backup bandwidth 7000khz ↵

<prompt> radio idu backup modul 128qam ↵

radio odu main <parâmetro de configuração>

Função Executa configurações no link principal.


Opções < parâmetro > - Lista de comandos
Exemplo <prompt> radio odu main enable on ↵

radio odu backup <parâmetro de configuração>

Função Executa configurações no link principal.


Opções < parâmetro > - Lista de comandos
Exemplo <prompt> radio odu backup enable on ↵

PARÂMETROS DE CONFIGURAÇÃO:

IDU
aes enable

Função Chave de criptografia.


Opções OFF, ON
Default OFF
Exemplo Leitura <prompt> show radio idu aes enable ↵
<prompt> Enable = off
Exemplo Escrita <prompt> radio idu aes enable on ↵

available link (Somente leitura)

Função Disponibilidade do link em segundos.


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio idu available link ↵
<prompt> 12s

bandwidth

Função Largura de banda.


Opções 7000khz, 14000khz, 28000khz
Default 14000khz
Exemplo Leitura <prompt> show radio idu backup bandwidth ↵
<prompt> Band = 28mhz

<prompt> show radio idu main bandwidth ↵


<prompt> Band = 14mhz

55
Exemplo Escrita <prompt> radio idu backup bandwidth 14000khz ↵

<prompt> radio idu main bandwidth 7000khz ↵

errorf (Somente leitura)

Função Exibe os blocos de erros corrigidos registrados pelo rádio.


Opções 0 .. 65560
Default 0
Exemplo <prompt> show radio idu backup errorf ↵
<prompt> Errorf = 65535

<prompt> show radio idu main errorf ↵


<prompt> Errorf = 0

interleaver

Função Nível de profundidade do interleaver.


Opções OFF, QUARTER, HALF, FULL
Default FULL
Exemplo Leitura <prompt> show radio idu backup interleaver ↵
<prompt> Interleaver = FULL

<prompt> show radio idu main interleaver ↵


<prompt> Interleaver = QUARTER
Exemplo Escrita <prompt> radio idu backup interleaver quarter ↵

<prompt> radio idu main interleaver half ↵

loopfi

Função Enlace digital.


Opções OFF, ON
Default OFF
Exemplo Leitura <prompt> show radio idu backup loopfi ↵
<prompt> Loopfi = off

<prompt> show radio idu main loopfi ↵


<prompt> Loopfi = on
Exemplo Escrita <prompt> radio idu backup loopfi on ↵

<prompt> radio idu main loopfi off ↵

modul

Função Modulação.
Opções QAM8, QAM12, QAM16, QAM24, QAM32, QAM48, QAM64, QAM92,
QAM128, QAM184, QAM256, QPSK
Default QAM256
Exemplo Leitura <prompt> show radio idu backup modul ↵
<prompt> QAM = QPSK

<prompt> show radio idu main modul ↵

56
<prompt> QAM = QAM128
Exemplo Escrita <prompt> radio idu backup modul qpsk ↵

<prompt> radio idu main modul 128qam ↵

pot

Função Potência de transmissão.


Opções 10 .. 30
Default 20
Exemplo Leitura <prompt> show radio odu backup pot ↵
<prompt> TxPower = 20 dBm

<prompt> show radio odu main pot ↵


<prompt> TxPower = 28 dBm
Exemplo Escrita <prompt> radio idu backup pot 15 ↵

<prompt> radio idu main pot 10 ↵

bbe (Somente leitura)

Função Blocos com erro que ocorrem durante um período de não disponibilidade do
link.
Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio idu g826 bbe ↵
<prompt> 1233

block error rate (Somente leitura)

Função Taxa de bbe por um determinado tempo (timer).


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio idu g826 block error rate ↵
<prompt> 0.45E-05

dcd (Somente leitura)

Função Exibe status da portadora do rádio.


Opções OFF, ON
Default ON
Exemplo <prompt> show radio idu main dcd ↵
<prompt> DCD = ON

<prompt> show radio idu backup dcd ↵


<prompt> DCD = OFF

error sec (Somente leitura)

Função Período de um segundo que apresenta no mínimo um bloco com erro.


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio idu g826 error sec ↵

57
<prompt> 9588s

eth rate (Somente leitura)

Função Taxa disponível na bridge do rádio (Mbps).


Opções 0 .. 32768 (modelo DSR-IDU16E1), 0 .. 163840 (modelo DSR-IDU80E1)
Default 32768 (modelo DSR-IDU16E1), 163840 (modelo DSR-IDU80E1)
Exemplo <prompt> show radio idu eth rate backup ↵
<prompt> Eth rate = 46384 Kbps

<prompt> show radio idu eth rate main ↵


<prompt> Eth rate = 46384 Kbps

interface aux

Função Configura interface auxiliar do rádio.


Opções 2W,4W (modelo DSR-IDU e DSR-IDU16E1), 2W,4W
Default 2W
Exemplo Leitura <prompt> show radio idu interface aux ↵
<prompt> Interface = 2w
Exemplo Escrita <prompt> radio idu interface aux 2w ↵

ldl interface

Função LDL das interfaces de dados do rádio alterando o fluxo de dados, permitindo
uma melhor detecção de falhas do sistema (esta configuração NÃO é salva
em memória não-volátil).
Opções ON, OFF
Default OFF
Exemplo Leitura Exibe status de LDL do tributário 6:
<prompt> show radio idu ldl interface 6 ↵
<prompt> off
Exemplo Escrita Ativa teste de LDL no tributário 8:
<prompt> radio idu ldl interface 8 ON ↵
Desativa teste de LDL no tributário 8:
<prompt> set radio ldl interface 8 OFF ↵

low rssi

Função Limiar de nível de recepção para geração de alarme (os valores são setados
sem sinal, mas assumem valores negativos).
Opções -20 .. –80
Default -55
Exemplo Leitura <prompt> show radio idu low rssi ↵
<prompt> -59dBm
Exemplo Escrita <prompt> radio idu low rssi 50 ↵

mode

Função Modo de operação do rádio.


Opções 1+0, 1+1, 1+1F (diversidade de freqüência)
Default 1+0
Exemplo Leitura <prompt> show radio idu mode ↵
<prompt> mode = 1+0
Exemplo Escrita <prompt> radio idu mode 1+1 ↵

58
ne1

Função Número de E1s configurados em G.703. Restante é utilizado para Bridge.


Opções 0 (modelo DSR-IDU), 1 .. 16 (modelo DSR-IDU16E1), 1 .. 80 (modelo DSR-
IDU80E1)
Default 0 (modelo DSR-IDU), 16 (modelo DSR-IDU16E1), 80 (modelo DSR-
IDU80E1)
Exemplo Leitura <prompt> show radio idu ne1 ↵
<prompt> ne1 = 16
Exemplo Escrita <prompt> radio idu ne1 4 ↵

rate (Somente leitura)

Função Taxa total disponível no rádio (Mbps).


Opções 2048 .. 32768 (modelo DSR-IDU16E1), 2048 .. 163840 (modelo DSR-
IDU80E1)
Default 32768 (modelo DSR-IDU16E1), 163840 (modelo DSR-IDU80E1)
Exemplo <prompt> show radio idu rate backup ↵
<prompt> Rate = 48192 Kbps

<prompt> show radio idu rate main ↵


<prompt> Rate = 36817 Kbps

sec rate (Somente leitura)

Função Taxa de error sec por um determinado tempo (timer).


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio idu sec rate ↵
<prompt> 1.00E+00

several error sec (Somente leitura)

Função Período de um segundo que apresenta ≥30% de blocos com erro.


Opções 0 .. 65560
Default 0
Exemplo <prompt> show radio idu several error sec ↵
<prompt> 3391

several sec rate (Somente leitura)

Função Taxa de several error sec por um determinado tempo (timer).


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio idu several sec rate ↵
<prompt> 1.89E+01

sq (Somente leitura)

Função Exibe a qualidade de sinal recebida do rádio.


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio idu sq backup ↵

59
<prompt> Signal quality = 255

<prompt> show radio idu sq main ↵


<prompt> Signal quality = 255

testmode (Somente escrita)

Função Configura saída apenas como portadora.


Opções CW, OFF
Default OFF
Exemplo <prompt> radio idu main testmode cw ↵

<prompt> radio idu backup testmode off ↵

timer (Somente leitura)

Função Exibe o tempo de teste em segundos.


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio idu timer ↵
<prompt> 1525s

unavailable link (Somente leitura)

Função Link não disponível em segundos.


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio idu unavailable link ↵
<prompt> 4716s

version firmware (Somente leitura)

Função Exibe versão de firmware.


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio idu version firmware ↵
<prompt> Version: 100

version fpga (Somente leitura)

Função Exibe versão de FPGA.


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio idu version fpga ↵
<prompt> Version: 30

ODU
main all (Somente leitura)

Função Informações da ODU.


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio odu main all ↵

60
<prompt> Pacotes Tx =2052
Pacotes Rx =5886
Pacotes c/ Erro =418
TxPower = 52 dBm
OpMode = Normal
ATPC = off
TxMute = off
Band = 28mhz
QAM = 128qam
RfBand = 7Ghz
TxFreq = 49000kHz
RxFreq = 49000kHz
TxFreqMin = 35000kHz
TxFreqMax = 50000kHz
RxFreqMin = 35000kHz
RxFreqMax = 50000kHz
TxPowerMin = 10dBm
TxPowerMax = 30dBm
rssi = 0 dBm
RfBandType = high
Ampl TX = 38
Ampl RX = -11267
Microcontroller Temp = 35
FITX = 186
FIRX = 0
Power Supply Temp = 42
PreTX = 77
Temp RSL = -50

backup all (Somente leitura)

Função Informações da ODU.


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio odu backup all ↵
<prompt> Pacotes Tx =2052
Pacotes Rx =5886
Pacotes c/ Erro =418
TxPower = 52 dBm
OpMode = Normal
ATPC = off
TxMute = off
Band = 28mhz
QAM = 128qam
RfBand = 7Ghz
TxFreq = 49000kHz
RxFreq = 49000kHz
TxFreqMin = 35000kHz
TxFreqMax = 50000kHz
RxFreqMin = 35000kHz
RxFreqMax = 50000kHz
TxPowerMin = 10dBm
TxPowerMax = 30dBm
rssi = 0 dBm
RfBandType = high
Ampl TX = 38
Ampl RX = -11267
Microcontroller Temp = 35
FITX = 186
FIRX = 0

61
Power Supply Temp = 42
PreTX = 77
Temp RSL = -50

enable

Função Ligar/Desligar ODU.


Opções OFF, ON
Default ON
Exemplo Leitura <prompt> show radio odu main enable ↵
<prompt> PowerODU = on

<prompt> show radio odu backup enable↵


<prompt> PowerODU = off
Exemplo Escrita <prompt> radio odu main enable on ↵

<prompt> radio odu main enable off ↵

rfband (Somente leitura)

Função Largura de banda da ODU.


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio odu main rfband ↵
<prompt> RfBand = 7Ghz

<prompt> show radio odu backup rfband ↵


<prompt> RfBand = 14Ghz

rfbandtype (Somente leitura)

Função Freqüência de transmissão: baixa ou alta.


Opções HIGH, LOW
Default -
Exemplo <prompt> show radio odu main rfbandtype ↵
<prompt> RfBandType = high

<prompt> show radio odu backup rfbandtype ↵


<prompt> RfBandType = low

rssi (Somente leitura)

Função Sinal de potência recebido.


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio odu main rssi ↵
<prompt> rssi = 60.00 dBm

<prompt> show radio odu backup rssi ↵


<prompt> rssi = 60.00 dBm

txfreq e rxfreq

Função Configuração freqüência tx e rx.


Opções -

62
Default -
Exemplo Leitura <prompt> show radio odu main rxfreq ↵
<prompt> RxFreq = 49000kHz

<prompt> show radio odu backup rxfreq ↵


<prompt> RxFreq = 7505000kHz

<prompt> show radio odu main txfreq ↵


<prompt> RxFreq = 49000kHz

<prompt> show radio odu backup txfreq ↵


<prompt> RxFreq = 7505000kHz
Exemplo Escrita <prompt> radio odu main txfreq 7435000 rxfreq 7491000 ↵

<prompt> radio odu backup txfreq 7491000 rxfreq 7435000 ↵


txfreqmax (Somente leitura)

Função Freqüência tx máxima suportada pela ODU.


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio odu main txfreqmax ↵
<prompt> TxFreqMax = 7505000kHz

<prompt> show radio odu backup txfreqmax ↵


<prompt> TxFreqMax = 7591000kHz

txfreqmin (Somente leitura)

Função Freqüência tx mínima suportada pela ODU.


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio odu main txfreqmin ↵
<prompt> TxFreqMin = 7603000kHz

<prompt> show radio odu backup txfreqmin ↵


<prompt> TxFreqMin = 7659000kHz

rxfreqmax (Somente leitura)

Função Freqüência rx máxima suportada pela ODU.


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio odu main rxfreqmax ↵
<prompt> RxFreqMax = 7491000kHz

<prompt> show radio odu backup rxfreqmax ↵


<prompt> RxFreqMax = 7561000kHz

rxfreqmin (Somente leitura)

Função Freqüência rx mínima suportada pela ODU.


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio odu main rxfreqmin ↵
<prompt> RxFreqMin = 7673000kHz

63
<prompt> show radio odu backup rxfreqmin ↵
<prompt> RxFreqMin = 7715000kHz

txmute

Função Liga/Desliga amplificador de potência.


Opções OFF, ON
Default OFF
Exemplo Leitura <prompt> show radio odu main txmute ↵
<prompt> TxMute = off

<prompt> show radio odu backup txmute ↵


<prompt> TxMute = on
Exemplo Escrita <prompt> radio odu main txmute on ↵

<prompt> radio odu backup txmute off ↵

txpower (Somente leitura)

Função Indicador de potência de RF.


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio odu main txpower ↵
<prompt> TXPOWER = 120.00 dBm

<prompt> show radio odu backup txpower ↵


<prompt> TXPOWER = 90.00 dBm

txpowermax (Somente leitura)

Função Indicador de potência máxima de RF.


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio odu main txpowermax ↵
<prompt> TxPowerMax = 30dBm

<prompt> show radio odu backup txpowermax ↵


<prompt> TxPowerMax = 80dBm

txpowermin (Somente leitura)

Função Indicador de potência mínima de RF.


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show radio odu main txpowermin ↵
<prompt> TxPowerMin = 10dBm

<prompt> show radio odu backup txpowermin ↵


<prompt> TxPowerMin = 20dBm

PROXY

proxysnmp configuration (Somente leitura)

64
Função Lista configurações de rede do equipamento.
Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show proxysnmp configuragion ↵
<prompt> Proxy : master
=====================================
Disccovery method : icmp
Schedule Period : 3
Network : 33.33.33.0/24
Range Low : 33.33.33.2/32
Range high : 33.33.33.254/32

proxysnmp devices (Somente leitura)

Função Lista remotos do rádio.


Opções -
Default -
Exemplo <prompt> show proxysnmp devices ↵
<prompt> Device Hostname Ip Address (HTTP/SNMP) Port Nat
===== ======== ======== =================
001 ECS 33.33.47.37 1026

Alarmes:
• Power Supply Failure 1
• Power Supply Failure 2
• AIS 1..16 (modelo DSR_IDU)
• LOS 1..16 (modelo DSR_IDU)
• No DCD (Main / Backup)
• Low rssi (Main / Backup)
• Low Power (Main / Backup)
• Potency Failure (Main / Backup)
• Extern 1/2/3/4
• Poor SQ (Main / Backup)
• BER E3
• BER E6
• High Temperature
• ODU High Temperature (Main / Backup)

65
7.6. GUIA DE UTILIZAÇÃO DO WEB CONFIG
Para realizar a configuração, é possível a utilização do WEB Config como forma de acesso.

O Web Config é um sistema de gerenciamento remoto que acompanha o equipamento. Para


acessá-lo, é necessário dispor de uma estação com browser de internet e acesso IP ao produto
(laptop nesse exemplo).

1) Inicialmente, é necessário fazer as primeiras configurações da placa de gerência. Conecte um


laptop ao conector de console (RJ45 no painel frontal do rádio local), inicie uma sessão de Tera
Terminal configurado em 57600, n, 8, 1, sem controle de fluxo. Nesse momento, serão solicitados
login e senha. Os valores default são dsr e digitel respectivamente.

2) Em um enlace ponto a ponto ou estendido, sempre deverá haver um dos rádios configurado
para proxy, que será o equipamento central da rede in-band de configuração e gerência. Na console
do rádio denominado local digite:

DSR> enable
DSR# configure terminal
DSR(config)# proxysnmp enable master
DSR(config)# quit
DSR# write

Na console do outro rádio, o remoto, o comando de proxy deverá estar em “SLAVE”.

DSR> enable
DSR# configure terminal
DSR(config)# proxysnmp enable slave
DSR(config)# quit
DSR# write

O rádio proxy tem o endereço IP válido na rede que é configurado através do seguinte
comando:

DSR# configure terminal


DSR(config)# interface vlan1.2
DSR(config-if)# ip address xxx.xxx.xxx.xxx/24
DSR(config-if)# quit
DSR(config)# quit
DSR# write

O parâmetro /24 após o IP representa a máscara de rede em número de bits

O Rádio remoto terá um IP de rede in-band não configurável, iniciando por 33.33.xxx.xxx. Este
endereço IP pode ser visto através do seguinte comando:

DSR# show proxysnmp devices

3) Para configurar o equipamento remoto via WEB config, o laptop precisa estar configurado
adequadamente. Sendo assim, usando um cabo cross, conecte um laptop a interface LAN1 do rádio,
acesse o WEB Browser, clique em ferramentas, Opções da Internet, Conexões, Configurações da
Lan e desabilite a caixa Servidor Proxy.

4) Em seguida, execute os seguintes passos:

a) No laptop, abra as configurações de rede;


b) Acesse Propriedades\Protocolo TCP-IP\Propriedades\Avançado e adicione o endereço de IP
33.33.1.1 e MASK 255.255.0.0. Logo após, clique em Ok.

66
Nota: O laptop deverá ter seu endereço de IP dentro da mesma rede.

5) Acesse o rádio via Browser usando o endereço de IP 192.168.1.254 (endereço de IP default de


fábrica) e utilize usuário e senha (DSR e digitel respectivamente).

6) A partir desse momento o rádio está pronto para ser configurado via WEB Config.
Caso a rede use proxy para acesso à Internet, é necessário configurar o browser para não enviar
solicitações da rede 33.33.0.0 para o proxy. A seguir, um exemplo para configurar o Internet Explorer:

No menu principal, clique em Ferramentas, em seguida em Opções da Internet;


Selecione a aba Conexões, depois clique em Configurações da LAN;
Clique no botão Avançado;
Na caixa de Exceções, adicione a rede 33.33.*.* .
Clique em OK nas janelas que foram abertas para configuração.

67
68
8. MANUTENÇÃO PREVENTIVA

A Manutenção Preventiva deve ser realizada anualmente e consiste em dois processos de


análise: o primeiro mecânico onde é observado o estado geral do funcionamento do equipamento. O
segundo é o funcional, na qual é realizada uma leitura dos indicadores do rádio via console.
Os problemas físicos no equipamento estão relacionados à poeira excessiva que poderá
provocar obstrução nos orifícios de passagem de ar e na ventoinha, podendo causar aquecimento
excessivo propiciando falhas intermitentes e diminuição da vida útil do equipamento.
Os problemas eletrônicos estão relacionados às condições de operação, na qual o
equipamento pode apresentar potência de transmissão muito baixa ou alguma outra situação
operacional que venha a trazer algum tipo de problema durante seu funcionamento, que podem
provocar erros no enlace e afetar sensivelmente a confiabilidade do tráfego de dados.
A manutenção preventiva tem o objetivo de evitar sérios danos e gastos maiores.

8.1 PRECAUÇÕES

Antes de realizar o procedimento de manutenção, notifique o cliente ou o operador da estação


remota. Embora os testes a serem realizados dispensam a desconexão mecânica do equipamento,
após o encerramento dos trabalhos certifique-se de que todos os cabos e conexões estejam fixados
conforme estavam originalmente.

8.2 EQUIPAMENTOS
A lista abaixo identifica os equipamentos e materiais que devem ser utilizados para realizar a
manutenção preventiva.
Item Material
1 Laptop
2 Multímetro
3 Telefone
4 Cabo Console
5 Flanela
6 Pincel pequeno

8.3 PROCEDIMENTOS

8.3.1 ANÁLISE MECÂNICA

Um inimigo muito comum dos equipamentos eletrônicos é a poeira, que em muitos casos pode
causar a parada do “cooler”, provocando o aquecimento do processador e do amplificador de
potência e por fim os travamentos do equipamento. Um outro problema comum é o mau contato,
causado por má fixação dos conectores.
A análise mecânica visa identificar se as condições físicas de operação estão satisfatórias.
a) Verifique se o equipamento não possui sujeira acumulada. Caso contrário, utilize uma
flanela levemente úmida para limpar o gabinete e um pincel para a limpeza dos conectores. Não
utilizar detergentes.
b) Verifique se as conexões estão firmemente fixadas no equipamento. Caso contrário,
execute o reaperto necessário.

69
8.3.2 ANÁLISE FUNCIONAL

A análise funcional constitui-se de leitura nos indicadores do rádio. Nesse caso devem ser
realizadas leituras no nível de sinal recebido (RSSI), da potência de transmissão (POT e TXPOWER)
e da qualidade do sinal (SQ). Também deve ser observado se o equipamento está indicando algum
alarme e também verificado a taxa de erros.
Os resultados das leituras devem ser comparadas com os valores do projeto definitivo de
instalação (PDI), que é fornecido ao cliente após a aceitação da instalação.

8.3.2.1 Procedimentos da análise funcional

Os testes a serem realizados não deverão interromper o fluxo de dados do enlace.

1. Verifique os leds do painel frontal. No DSR-6000...38000/200M os leds de ALM e ERR (V e H)


deverão estar apagados. Os leds de PWR e DCD (V e H) deverão estar acesos. No DSR-
6000...38000/200M os leds de ALM e ERR deverão estar apagados. Os leds de PWR e DCD
deverão estar acesos.

2. Conecte um laptop na interface de console do rádio local utilizando o cabo fornecido com o
equipamento.

3. Faça o login com usuário dsr e senha digitel:

4. O prompt indicará o seguinte status:

DSR#

5. Execute as leituras utilizando os comandos abaixo e anote os valores lidos.

DSR#show radio odu main rssi

DSR# show radio odu main txpower

DSR# show radio idu main sq

DSR# show radio alarms

DSR# show radio idu error

DSR# show radio idu main errorf

6. Compare os valores lidos com os valores de projeto. Não deverá haver discrepâncias.

7. Acesse o rádio remoto usando o comando indicado a seguir: O endereço de IP deverá se


previamente conhecido.

DSR# telnet 33.33.XXX.XXX

8. Faça o login com usuário dsr e senha digitel:

8. Execute os passos 5 e 6 no rádio remoto.

70
9. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
9.1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS PARA 7,5GHZ

71
9.2. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS PARA DSR R 8GHZ

72
9.3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS PARA DSR 15GHZ

73
9.4. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS PARA DSR R 18GHZ

74
9.5 CANAIS DE RF

9.5.1 CANAIS DE RF PARA ODU 7,5 GHZ

Canais de RF - DSR 7,5 GHz


NORMA Nº 001/95
Banda de 7MHz Banda de 14MHz Banda de 28MHz
Modelo Canal High Low Modelo Canal High Low Modelo Canal High Low
A 1 7585,5 7431,5 A 1 7589,0 7435,0 A 1 7596,0 7442,0
A 2 7592,5 7438,5 A 2 7603,0 7449,0 A/B 2 7624,0 7470,0
A 3 7599,5 7445,5 A/B 3 7617,0 7463,0 B/C 3 7652,0 7498,0
A 4 7606,5 7452,5 A/B 4 7631,0 7477,0 C/D 4 7680,0 7526,0
A/B 5 7613,5 7459,5 B/C 5 7645 7491 D 5 7708,0 7554,0
A/B 6 7620,5 7466,5 B/C 6 7659,0 7505,0
A/B 7 7627,5 7473,5 C/D 7 7673,0 7519,0
A/B 8 7634,5 7480,5 C/D 8 7687,0 7533,0
B/C 9 7641,5 7487,5 D 9 7701,0 7547,0
B/C 10 7648,5 7494,5 D 10 7715,0 7561,0
B/C 11 7655,5 7501,5
B/C 12 7662,5 7508,5
C/D 13 7669,5 7515,5
C/D 14 7676,5 7522,5
C/D 15 7683,5 7529,5
C/D 16 7690,5 7536,5
D 17 7697,5 7543,5
D 18 7704,5 7550,5
D 19 7711,5 7557,5
D 20 7718,5 7564,5

9.5.2 CANAIS DE RF PARA ODU-R 8 GHZ

Canais de RF - DSR-R 8GHz


ANEXO À RESOLUÇÃO NO 310, DE 19 DE SETEMBRO DE 2002
Banda de 29,65 MHz
Modelo Canal High Low
B1 1 8059,02 7747,70
B1 2 8088,67 7777,35
B1 3 8118,32 7807,00
B1 4 8147,97 7836,65
B2 5 8177,62 7866,30
B2 6 8207,27 7895,95
B2 7 8236,92 7925,60
B2 8 8266,57 7955,25

9.5.3 CANAIS DE RF PARA ODU 8 GHZ

Canais de RF - DSR e DSR-R 8GHz


ANEXO À RESOLUÇÃO NO 310, DE 19 DE SETEMBRO DE 2002
Banda de 29,65 MHz
Modelo Canal High Low
A 1 8059,02 7747,70
A 2 8088,67 7777,35
A 3 8118,32 7807,00
A 4 8147,97 7836,65
B 5 8177,62 7866,30
B 6 8207,27 7895,95
B 7 8236,92 7925,60
B 8 8266,57 7955,25

75
9.5.4 CANAIS DE RF PARA ODU 15 GHZ

76
9.5.5 CANAIS DE RF PARA ODU-R 18 GHZ

Canais de RF - DSR R 18GHz


Norma 15/1996
Banda de 27,5 MHz
Modelo Canal High Low
B1/B3 1 19287,50 17727,50
B1/B3 2 19315,00 17755,00
B1/B3 3 19342,50 17782,50
B1/B3 4 19370,00 17810,00
B1/B3 5 19397,50 17837,50
B1/B2/B3 6 19425,00 17865,00
B1/B2/B3 7 19452,50 17892,50
B1/B2/B3 8 19480,00 17920,00
B1/B2/B3 9 19507,50 17947,50
B1/B2/B3 10 19535,00 17975,00
B2/B3 11 19562,50 18002,50
B2/B3 12 19590,00 18030,00
B2/B3 13 19617,50 18057,50
B2/B3 14 19645,00 18085,00
B2/B3 15 19672,50 18112,50

9.4.5 CANAIS DE RF PARA ODU 18 GHZ

Canais de RF - DSR 18GHz


Banda de 27,5 MHz - Norma 15/1996
Modelo Canal High Low
A 1 19287,50 17727,50
A 2 19315,00 17755,00
A 3 19342,50 17782,50
A 4 19370,00 17810,00
A 5 19397,50 17837,50
B 6 19425,00 17865,00
B 7 19452,50 17892,50
B 8 19480,00 17920,00
B 9 19507,50 17947,50
B 10 19535,00 17975,00
C 11 19562,50 18002,50
C 12 19590,00 18030,00
C 13 19617,50 18057,50
C 14 19645,00 18085,00
C 15 19672,50 18112,50

77
10. ASSISTÊNCIA TÉCNICA E GARANTIA
Durante o período de garantia do produto (especificado na nota fiscal), a Digitel assegura
seu perfeito funcionamento, de acordo com as características e especificações existentes
no seu manual de instalação e operação. Caso seja constatado algum problema no produto,
entre em contato com o Centro de Assistência Técnica Digitel, em Porto Alegre, relatando o
tipo de defeito.

Esta garantia inclui conserto e substituição dos componentes ou partes defeituosas sem
ônus para o cliente, sendo executada no Centro de Assistência Técnica Digitel. Não estão
cobertos defeitos ocasionados por má utilização de equipamento conectado a este produto
ou utilização em desacordo com as instruções contidas no manual. Também não estão
cobertos consertos efetuados por estabelecimentos não credenciados pela Digitel.

A garantia dos produtos é de "balcão" (Porto Alegre), ou seja, não cobre atendimento em
campo. O frete de remessa e devolução para conserto é por conta do cliente.

10.1. ESCLARECIMENTO - SERVIÇOS DE ENLACE DE RÁDIOS

Os rádios serão fornecidos na freqüência e configuração solicitada pelo cliente e/ou


definidos pela Digitel, caso esta tenha sido contratada para realizar os estudos de RF.

Recomenda-se a contratação completa do projeto de sistema (cálculo de enlace e


planejamento de frequência). Neste caso, o cálculo de dimensionamento dos enlaces será
feito através de estudo teórico baseado nas coordenadas e perfis topográficos. A definição
das freqüências de operação e posterior licenciamento junto a Anatel, será feita mediante
consulta à base de dados do SITAR/ANATEL.

DIGITEL S.A. INDÚSTRIA ELETRÔNICA


Rua Dr. João Inácio, 1165 - Bairro: Navegantes
CEP 90230-181 - Porto Alegre/RS - Brasil
Tel.: 55 51 3337.1999 - Fax: 55 51 3337.1923
CNPJ: 89.547.269/0001-04 - Inscrição Estadual: 0960602577
http://www.digitel.com.br

78
11. ABREVIAÇÕES

ANATEL: (Agência Nacional de Telecomunicações) Órgão ligado ao Ministério das Comunicações,


encarregado da regulamentação do mercado e dos serviços do setor no Brasil.
ANSI: Abreviação para American National Standards Institute, um organismo estadunidense de
padronização, membro do International Organization for Standardization (ISO).
ATPC: Controle automático de potência (Automatic Transmit Power Control). Essa técnica possibilita
uma melhor otimização de transmissão, minimizando as perdas na transmissão, tornando o link mais
robusto.
AXPIC: (Adaptative Cross-Polarization Interference Canceller). Cancelador Adaptativo de
Interferência de Polarização Cruzada.
BER: Taxa de Erro de Bit (Bit Error Rate).
BIT: (Binary Digit) A menor unidade de informação em um sistema binário, um estado zero ou um. O
bit é a menor unidade de informação que um computador pode processar (usualmente indicado por 1
ou 0). 8 bits equivalem a um byte.
BNC: A denominação deste tipo de conector vem do nome dos seus criadores: "bayonet Neil-
Concelman", e não de "british naval connector", como supõe a lenda. Sua grande característica é o
sistema de trava, tipo twist-lock (gira e trava), que possibilita grande segurança na conecção.
BPS ou bit/s: Bits por segundo (Bits-per-second).
BW: Largura de Banda (Bandwidth).
BYTE: Unidade de informação, normalmente menor que uma palavra em computação. Bytes de oito
bits são os mais comuns. Também conhecido como caracter.
CLI: Interface por Linha de comando (Command Line Interface).
CPU: Unidade de Processamento Central (Central Processing Unit).
CSMA/CD: Acrônimo de Carrier Sense Multiple Access with Collision Detection, protocolo de controle
de acesso em rede ethernet em que a estação primeiro verifica se existe alguém transmitindo e em
caso negativo transmite. Em caso de detectar uma colisão a estação pára de transmitir.
CTS: Pronto para Transmitir (Clear to Send). Indicação da DCE ao terminal informando que o mesmo
está pronto para transmitir dados. É um sinal de resposta ao sinal RTS.
dB: O dB é um número relativo, permitindo representar relações entre duas grandezas de mesmo
tipo, como potências, tensões, correntes ou qualquer outra relação adimensional. Uma variação de
3dB representa duplicar/dividir um valor determinado.
dBm: O dBm utiliza como referência o valor de 1 mW. Por exemplo: a potência na saída de um
oscilador de microondas é de 10 mW, ou seja, é de 10 dBm. [PdBm = 10log (PmW)]
dBi: o dBi caracteriza o ganho de uma antena em dB utilizando como referência o radiador isotrópico,
uma espécie de antena ideal, com 100% de eficiência, impossível de ser conseguida no mundo real.
Neste radiador teórico, a potência aplicada é irradiada com densidade constante em todas as
direções. Utilizando o dBi para classificar as antenas, sabe-se o quanto ela se aproxima desta
"antena perfeita".
DB9: Conector de 9 pinos usado para V.24.
DB25: O estilo de conector para transmissão de dados empregado na maioria dos modems e portas
seriais do PC. Esse conector se parece com uma letra D fina e comprida, com 25 pinos.
DB37: Conector de 37 pinos usado para V.36.
DCD: Indicação de Portadora Recebida (Data Carrier Detect).
DCE: Equipamento de Comunicação de Dados (Data Equipment Communication).
DMM: Módulo de Gerenciamento (Digitel Management Module).
DMS: Sistema de Gerenciamento SNMP da Digitel (Digitel Management Suit).

79
DSP: Processamento Digital de Sinais. (Digital Signal Processing).
DSR: Terminal de Dados Pronto. Indicação do modem ao terminal indicando que o mesmo está
pronto para operar. (Data Set Ready).
DTR: Terninal de dados Pronto. (Data Terminal Ready).
ETH: Ethernet.
FEC: Código Corretor de Erros. (Forward Error Correction).
FI: Freqüência Intermediária.
FXO: Interface que fornece o endereçamento, ou seja, disca números telefônicos, comportando-se
como um telefone. (Foreign Exchange Office)
FXS: Interface que fornece alimentação de -48V e ring, comportando-se como a placa de um PABX.
(Foreign Exchange Station)
G.703: É uma recomendação ITU-T que trata das especificações da interface física a 4 fios e para
transmissão digital a 2,048 Mbit/s (E1). Atualmente, também inclui as especificações para o T1 a
1,544 Mbit/s (US), porém, geralmente, é utilizado para se referir à interface de transmissão européia a
2,048 Mbit/s. (Isto é G.703 é usualmente um sinônimo para o E1.
G.704: Recomendação do ITU para estruturas de quadros síncronos usados nos seguintes níveis
hierárquicos: 1544, 6312, 2.048, 8488 e 44736 kbit/s.
GND: Terra de sinal (Signal Ground). Estabelece uma referência de aterramento para as linhas.
HDB3: O código HDB3 é uma técnica de sinalização bipolar, ou seja, depende tanto dos pulsos
positivos quanto dos negativos. As regras de codificação seguem as da AMI(Alternate Mark Invertion),
com exceção de quando surge uma seqüência de quatro zeros consecutivos onde é utilizado um bit
especial de violação. Isto previne longas seqüências de zeros no fluxo de dados. Sem ele o circuito
receptor teria dificuldade para manter a sincronização. É muito utilizado em sistemas de transmissão
E1.
IEC: Comissão Eletrônica Internacional para os campos de engenharia eletrônica e elétrica
(International eletrotechnical Comission).
IEEE: O IEEE é bem conhecida por desenvolver padrões para a indústria eletrônica e de
computadores. (Institute of Electrical and Electronics Engineers).
interleaver: Sistema que, associado ao FEC, permite alta imunidade a interferências. O Interleaver
embaralha os bits de tal modo que, se no percurso houver alguma interferência concentrada, no
receptor ao se fazer o desembaralhamento, os erros ficam distribuídos.
ISO: (Internacional Organization for Standardization) - Note que ISO não é acrônimo, deriva da
palavra grega ISO que significa igual. Fundada em 1946, ISO é uma organização internacional
composta de corpos de padrões nacionais de mais de 75 países.
ITU-T: (International Telecommunications Union) Agência de telecomunicações das Nações Unidas
para o estabelecimento de padrões e procedimentos de comunicação em todo o mundo.
JAVA: Linguagem de programação orientada à objetos, que permite o uso de interatividade nas
páginas de Web.
LAN: Rede Local (Local Area Network ).
LED: Diodo Emissor de Luz ( Light Emitting Diode).
LINUX: Sistema operacional com as mesmas características do Unix, mas com uma diferença
primordial: seu código fonte é aberto, o que caracteriza a possibilidade de personalizá-lo conforme as
necessidades e criar programas aplicativos e definições de ambiente próprios.
LNA: Amplificador de Baixo Ruído (Low Noise Amplifier).
MBIT/S: Megabits por segundo.
MTBF: Tempo Médio entre Falhas (Mean Time Between Failures).
MTTR: Tempo Médio para Reparos (Mean Time to Repair).

80
PA: Amplificador de Potência (Power Amplifier).
PDH: Hierarquia Digital Plesiócrona (Plesyochronous Digital Hierarchy).
QAM: A modulação QAM (Quadrature Amplitude Modulation) é caracterizada pela superposição de
duas portadoras em quadratura moduladas em amplitude. As características de fase e amplitude
variam em função dos trens de bits de informação.
QPSK: (Quadrature Phase Shifting Keying) - Variante da modulação PSK no qual quatro diferentes
ângulos de fase ortogonais são utilizados.
RD: Dados Recebidos (Data Received). Os dados recebidos pelo ECD e são encaminhados ao ETD
na forma digital.
Reed-Solomon: Código de detecção e correção de erros.
RF: Rádio Freqüência (Radio Frequency).
RFC: RFCs são documentos produzidos pelo IETF com o objetivo de documentar protocolos,
procedimentos operacionais e tecnologias na internet. (Request For Comments).
RFCH: Freqüência do Canal (RF Channel).
RJ11: Conector de telefone ou modem com 6 pinos.
RJ45: Conector de rede Ethernet com 8 pinos.
Roll-off: Relaciona-se à atenuação das freqüências, acima ou abaixo de um ponto dado, em uma
taxa específica.
RSSI: Nível de Sinal Recebido (Received Signal Strength Indicator).
RTS: Requisição para Transmitir (Request to Send). Indicação do terminal para o DCE alertando que
a transmissão pode ser iniciada.
RX: Receptor (Receiver).
SNMP: Protocolo de Gerência de Rede Simples (Simple Network Management Protocol).
SWR: Coeficiente de Onda Estacionária (Standing Wave Radio).
TCP/IP: Protocolo de comunicação na Internet. (Transmission Control Protocol/Internet Protocol).
Também conhecido como Protocolo IP.
TD: Dados Transmitidos (Transmitted Data). Os dados (na forma digital) vindos do dispositivo ETD
são encaminhados para o ECD para a transmissão. Esses dados são enviados ao meio de
transmissão.
TELEBRAS: Recomendação do ITU para estruturas de quadros síncronos usados nos seguintes
níveis hierárquicos: 1544, 6312, 2.048, 8488 e 44736 kbit/s.
TX: Transmissor (Transmitter).
V.24/V.28: Interface de comunicação serial de dados (Serial data communications interface) -
Também chamada de RS-232.

81
12. INDICE REMISSIVO
Interface, 17, 18, 77, 78, 79
ISO, 77, 78
A
ADMIN, 15, 23 L
alarmes, 19
alimentação, 43, 44, 78 LAN, 78
Alinhamento, 45 Leds, 17
Analisador, 42 Leitura, 53
antena, 43, 45, 77 linha, 18
Aterramento, 43, 45, 78

M
B
Medidor, 42
Banda, 77 modelos, 12, 18
BNC, 77 Modo, 78
Modulação, 23, 79
Módulo, 23
C Monitoração, 45
MTBF, 78
Cabo, 15, 43 MTTR, 78
Comandos, 52, 53
Conector, 15, 17, 19, 23, 40, 45, 77
Configuração, 10, 15, 23, 52, 53, 65, 76 O
Console, 18, 23, 52
Operação, 9, 23, 52, 53, 76

D
P
Dados, 77, 78, 79
Digital, 9, 42, 43, 44, 78, 79 Painel, 14, 15, 19, 23
DMM, 77 Pinagem, 15
DMS, 37, 77 Potência, 23, 42, 77
Proteção, 43

E
Q
Eficiência, 52
Eficiência espectral, 52 QPSK, 79
Equipamento, 43, 44, 53, 76
Ethernet, 17, 78, 79
R
F Rádio, 9, 10, 15, 19, 43
Recepção, 23
Ferramentas, 40 RF, 23, 42, 45, 79
Freqüência, 18, 23, 76 Ring, 78
FXO, 78 RSSI, 26, 45, 79
FXS, 78

T
G
Transmissão, 23, 77, 78, 79
G.704, 78
Gerência, 10
Gerenciamento, 10, 23, 37 V
V.36, 77
I Voz, 9, 18
VT100, 15, 52
IEC, 78
Impedância, 43
Instalação, 9, 10, 40, 42, 45, 76

82
13. APÊNDICE

13.1 Criação de Conexão via Terminal de Console

O DSR-6000...38000/200M pode ser configurado através de um terminal tipo VT-100 (ou um


emulador de terminal no PC) conectado à porta console no painel frontal. Quando for utilizado
Windows, a Digitel recomenda o uso do Tera Term Pro, que é um software freeware e pode ser
encontrado no endereço eletrônico:

hp.vector.co.jp/authors/VA002416/teraterm.html

Após acessar home page, localize o link Download (ttermp23.zip; 943,376 bytes) e baixe-o em
um diretório do seu computador . O Terá Term é um emulador de terminal (open source) para
windows. Ele emula diferentes tipos de terminais, desde VT100 até VT382. Suporta Telnet, SSH 1 e 2
e conexões seriais. Após instalá-lo, siga os seguintes passos para configurar o Terá Term
adequadamente.

a) Clique no menu Iniciar/Todos os Programas/Tera Term Pro/Tera Term Pro.

b) A seguinte tela será exibida. Selecione (Serial + Porta de comunicação) e após clique em Ok.

83
c) Logo após será exibida a seguinte tela. Selecione Setup/Window e coloque um nome para o
terminal no campo Title.

d) Após selecionar novamente o menu Setup\Serial Port. Selecione a COM adequada e 57600, 8
bits, none, 1 bit e none e clique no botão “OK”.

e) No menu Setup, selecione Save Setup e Seleciona "Salvar em" no Desktop para que seja criado
ícone na área de trabalho, conforme demonstrado abaixo.

f) Pronto. A conexão está criada e pode ser utilizada.

84
85
86
87