Você está na página 1de 43

TOMADA DE TESTEMUNHO

(transcrição)

Darci Toshiko Miyaki


17/6/2014 – Completo

DEPOENTE: DARCI TOSHIKO MIYAKI

Categoria do depoente: Vítima civil

Tipo de arquivo: Áudio

Duração: 02:02:17

Ocasião: Testemunho Colhido por Integrantes da CNV

Data: 17/6/2014

Local: São Paulo, SP

Responsáveis pela
Ariana Bazzano, Glenda Mezarobba e José Luiz Del Roio
tomada de depoimento:

NUP: 00092.001379/2014-05
Leonel Itaussu Almeida Mello; Fuad Mello; Marcy Quejelma (Célia); Alex
de Paula Xavier Pereira; Gelson Reicher; José Luís Del Roio; Iuri Xavier
Pereira; José da Silva Tavares (Severino); Joaquim Câmara Ferreira (Velho);
Renato Martinelli (Lobato, Tobias); Sumie Amano; Takao Amano; Eliane
Toscano Zamikhowski; Genésio Inácio de Souza; Ilma Maria Horst
Noronha; Arnaldo Cardoso Rocha (Jibóia); Bete Chrcanovic; Carlos
Nomes Citados: Eugênio Sarmento Coelho da Paz (Clemente); Dirceu Gravina (JC, Jesus
Cristo); Mari Kamada; Márcia Aparecida do Amaral; Aílton Guimarães
Jorge (Dr. Roberto); Caio Marcelo de Carvalho Giannini; Luís José da
Cunha (Crioulo); Rubim Santos Leão de Aquino; Maria Amélia Araújo
Silva (Rosa); Carlos Marighella; Rolando Fratti; Argonauta Pacheco da
Silva; Carlos Alberto Brilhante Ustra; Hans; Maria do Amparo Almeida
Araújo; Rosa Maria Cardoso da Cunha; Nelson Machado Guimarães
Oban, Presídio Tiradentes, Presídio do Hipódromo, DOI-CODI Guanabara,
Locais Citados:
Centro Acadêmico XI de Agosto; Faculdade do Largo São Francisco
Ação Libertadora Nacional (ALN); Movimento de Libertação Popular
Organizações Citadas:
(Molipo), Grupo dos 11, Ligas Camponesas
1 Ariana Bazzano (Comissão Nacional da Verdade) – Comissão Nacional da Verdade,
2 São Paulo, dia 17 de junho de 2014, às 10 horas e 25 minutos. Estão presentes na sala:
3 Glenda Mezarobba, José Luís Del Roio, Ariana Bazzano para o testemunho de Darci
4 Toshiko Miyaki.

5 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Gostaria de registrar que é o


6 segundo testemunho da senhora Darci. Ela pediu para completar o testemunho feito
7 anteriormente à Comissão Nacional da Verdade. Bom dia, Darci.

8 Darci Toshiko Miyaki – Bom dia. A bem da verdade, eu acho que é o pior testemunho
9 que eu dou. Pior depoimento.

10 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Eu gostaria de lembrar que


11 você pode interromper a qualquer momento, se você achar que não está em condições,
12 também a gente pode deixar para outra data.

13 Darci Toshiko Miyaki – Bom, eu gostaria de deixar algumas datas muito fixadas. Eu já
14 disse anteriormente que eu fui presa no dia 25 de janeiro de 72, na Guanabara.
15 Exatamente meio-dia e dois minutos. Fui presa num ponto na rua Guilhermina, né? Em
16 seguida foram aquelas torturas que eu já narrei. No dia 28 de janeiro, eu fui transportada
17 para o DOI-CODI de São Paulo. E no dia 27 e 28 eu tinha pontos com o Iuri Xavier
18 Pereira e outros companheiros. No dia 29, eu tinha um ponto alternativo. Eu consegui
19 não entregar ponto nenhum e não entregar nenhum aparelho. Para mim, era assim
20 fundamental. Eu acho que eu já narrei para vocês, o fundamental para a repressão, na
21 época, eram os pontos e aparelhos. Eu acredito que depois de uns quatro, cinco dias...
22 Por quatro, cinco dias, eu consegui segurar meu aparelho, mas entreguei esse aparelho.
23 E eu estava escrevendo... Eu já falei também, mas vou repetir. Eu estava escrevendo
24 uma carta para o exterior. Eu lembrava dessa carta sim. Tá. Nessa carta eu falava sobre
25 o Leonel Itaussu de Almeida Mello e o seu Fuad de Mello, o pai dele. No momento em
26 que eu entrego o meu aparelho, eu sabia que eles seriam chamados ou presos ou detidos,
27 sei lá. Então, eu deixo isso muito claro, que eu tinha plena consciência disso. Também
28 tinha um pequeno, um bilhetinho, bem enroladinho que, realmente, eu não lembro se era
29 para ir para o Chile ou se estava chegando pro Chile. Eu tinha consciência disso
30 também. E era um bilhete de uma irmã, ou do Takao, ou da irmã dele. Eu sabia que ela
31 também seria chamada. Durante... Antes disso, no dia 29 eu tinha um ponto alternativo
32 com o Iuri, portanto, eu tinha ponto dias 27, 28 e 29. Dia 2 de fevereiro, eu teria o ponto
33 de referência com o Iuri. Durante algum tempo, eu achei que... Eu tinha certeza que não
34 tinha entregue esse ponto. Nenhum ponto. Isso era certeza absoluta. Só que houve assim
35 uma confusão se tinha sido dia 2 ou dia 4. Finalmente, eu achei um documento que fica
36 bem registrado... Fica bem registrada a data em que era essa referência. Esse ponto era
37 no dia 2 de janeiro, em que eu cito a rua Mourato Coelho...

38 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Janeiro ou fevereiro?

39 Darci Toshiko Miyaki – Fevereiro.


40 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Tá, na rua Mourato Coelho?

41 Darci Toshiko Miyaki – Com o Cardeal Arco Verde. Um local que, realmente, não
42 tinha nada a ver, foi um local falso que eu dei. Agora...

43 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Você está nos dizendo que
44 sob tortura, você deu esse endereço falso?

45 Darci Toshiko Miyaki – Falso. Voltei e fui torturada muito mais violentamente. Eu
46 era, na verdade, encarregada do Setor de Inteligência da Ação Libertadora Nacional. E
47 lá no Rio de Janeiro... Na Guanabara. Rio de Janeiro, tanto faz, tinha uma companheira
48 estrangeira que estava grávida.

49 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Você lembra o nome dela?

50 Darci Toshiko Miyaki – Na época, eu a conhecia por Célia.

51 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Célia.

52 Darci Toshiko Miyaki – Era o nome que ela usava em Cuba.

53 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – De que país ela era?

54 Darci Toshiko Miyaki – Lá em Cuba eu achava que ela era da Nicarágua.


55 Recentemente, eu soube que ela é chilena. Então, a última vez, antes de ser presa, a
56 última vez que eu estive na Guanabara, eu tinha dado ordem, terminantemente, que ela
57 não mais cobrisse pontos e, de preferência, não saísse na rua.

58 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Janeiro de 72?

59 Darci Toshiko Miyaki – Isso foi em janeiro de 72, uma data anterior...

60 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – À sua prisão?

61 Darci Toshiko Miyaki – À minha prisão.

62 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Mas, ainda é janeiro de 72?

63 Darci Toshiko Miyaki – Ainda é janeiro de 72.

64 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Por que que você deu essa
65 ordem a ela?

66 Darci Toshiko Miyaki – Então, eu dei essa ordem porque, primeiro, ela estava grávida
67 e com a barriga enorme. Segundo, ela era estrangeira, com sotaque fortíssimo. Terceiro,
68 ela tinha uma aparência assim... Sabe os mapuches do Chile?

69 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Uhum.


70 Darci Toshiko Miyaki – Era aquela.... Uma aparência muito diferente da nossa. Da
71 nossa, que eu digo, brasileira, não da minha. E, com ela, eu teria uma referência no dia 4
72 de fevereiro, tá.

73 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Um ponto de referência no


74 dia 4 de fevereiro?

75 Darci Toshiko Miyaki – Com a Célia.

76 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Uhum.

77 Darci Toshiko Miyaki – Que, posteriormente, eu soube que se chama Marcy, com “y”,
78 Quejelma. Quejelma porque ela casou com um diplomata não sei de que país. E, então,
79 ela tem esse sobrenome.

80 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ela é viva?

81 Darci Toshiko Miyaki – Ela é viva. Então, na minha cabeça, eu já estava aliviada,
82 porque, desde o dia 25 ao dia 2 de janeiro, eu tinha preservado...

83 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – 2 de fevereiro.

84 Darci Toshiko Miyaki – 2 de fevereiro. Eu tinha preservado todos os pontos, todas as


85 referências. O que significa? Significam nove dias. Eu não sei vocês devem ter
86 conhecimento das medidas de segurança, algumas, que a gente tinha.

87 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Mas, se você quiser falar, é


88 importante.

89 Darci Toshiko Miyaki – Por exemplo, se eu deixasse de comparecer durante 48 horas a


90 qualquer ponto, isso significava que eu estava presa. Atrasos em pontos: no máximo, no
91 máximo, no máximo, dez minutos, sendo que, antes disso, você dava uma saída e
92 retornava. Ah, eu marquei várias coisas, mas agora eu não lembro. Enfim, a gente tinha
93 medidas de segurança. Eram precárias. Eram precárias diante dessa época que a gente
94 estava vivendo. Que era uma época de muita prisão, muitas mortes. Há pouco tempo
95 tinha morrido o Alex [de Paula] Xavier Pereira, o Gelson Reicher, se eu não me engano,
96 foi no dia 20 de janeiro. Então, as nossas medidas estavam mais rigorosas em termos de
97 segurança. Agora, voltando à Célia, ou Marcy, eu tinha uma referência com ela dia 4 de
98 janeiro...

99 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Fevereiro.

100 Darci Toshiko Miyaki – Fevereiro. Pode corrigir porque... Aí eu falei sobre esse ponto,
101 só que eu não falei que era com a Célia ou Marcy. Eu procurava usar sempre os nomes
102 de companheiros que eram conhecidos da repressão. Eu tenho um depoimento aqui,
103 que, provavelmente, o Del Roio vai rir, depois eu falo sobre isso. Então, eu abro essa
104 referência.
105 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Mas, você está aqui em São
106 Paulo?

107 Darci Toshiko Miyaki – Em São Paulo. Aqui em São Paulo.

108 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – E o ponto era lá no Rio?

109 Darci Toshiko Miyaki – Não. Era aqui em São Paulo.

110 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ah, ok.

111 Darci Toshiko Miyaki – Era um ponto de referência aqui em São Paulo, com a Marcy,
112 com a Célia. Teoricamente, para mim... Teoricamente não, eu tinha certeza absoluta
113 porque quando você determinava alguma coisa, aquilo tinha que ser cumprido. Então,
114 eu citei a rua Cantagalo, número 1.700. Sei lá. Na realidade, essa referência seria no
115 número 500. Já tinham se passado... Isso foi... Seria no dia 4, não sei se eu já falei.
116 Portanto, 11 dias em que eu não apareci em ponto nenhum da Guanabara, em ponto
117 nenhum, em referência nenhuma de São Paulo. Então, eu estou... Aliás, na referência do
118 dia 2, que eu trouxe aqui, eu não tinha visto esse documento, mas que pra mim é de
119 fundamental importância... Depois eu acho. Em que eu digo que seria... Era aquela
120 referência falsa com o Iuri Xavier. E eu digo que dificilmente alguém apareceria porque
121 eu já estava presa há nove dias. E, a bem da verdade, pelas funções que eu tinha na
122 organização, eu não era nem apoio, nem militante. Na realidade, eu era um quadro da
123 organização. Então... E estava em cartazes esparramados pela cidade toda. Bom, nesse
124 ponto do dia 2 eu já digo: “Provavelmente, ninguém aparecia nesse ponto.”

125 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Você avisa aos torturadores?

126 Darci Toshiko Miyaki – Eu falo para eles, claramente. É uma folha solta, viu.

127 José Luís Del Roio – Calma, Darci. Deixa eu ler.

128 Darci Toshiko Miyaki – É que eu gosto de observar tudo. Aí nesse dia 4, na rua
129 Cantagalo, na altura do... Sei lá, eu sei que são sete quadras abaixo do número 500. Eu
130 estou lá e vejo o Fusca do Iuri chegando. Então, os torturadores...

131 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – No dia 2 de fevereiro?

132 Darci Toshiko Miyaki – Dia 4 de fevereiro.

133 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ah. No dia 4 você vê o Fusca
134 dele.

135 Darci Toshiko Miyaki – Para mim já estava tudo, sabe? Não tinha mais perigo
136 nenhum. Eu vejo o Fusca do Iuri Xavier descendo. Quando eu vejo que ele vem se
137 aproximando... Os torturadores tinham dito o seguinte para mim: que a hora que eu
138 visse o Iuri, eu deveria tirar os óculos. Quer dizer, um ato, para quem está chegando, é
139 um ato imperceptível, para aquela equipe... Aliás, eram... Eles tanto não estavam
140 acreditando que só tinha duas pessoas.
141 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Deixa-me só esclarecer uma
142 dúvida. O seu ponto com o Iuri era dia 2?

143 Darci Toshiko Miyaki – Era dia 2.

144 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – E você está narrando algo
145 que aconteceu no dia 4?

146 Darci Toshiko Miyaki – No dia 4.

147 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Então, ele vai a um ponto
148 que vocês não tinham combinado?

149 Darci Toshiko Miyaki – Que não era dele ...

150 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Talvez. ele nem estivesse
151 indo ao ponto, estivesse passando na rua?

152 Darci Toshiko Miyaki – Aliás, teve um companheiro que me disse isso. Mas, eu não
153 vou usar isso, não quero nem citar isso, por que... Sei lá. Muitos anos, muitas décadas
154 depois... Depois eu chego lá. Então, nesse dia 4. ocorre isso. Eu vejo o Iuri no Fusca
155 dele. Não podia tirar os óculos. Se eu tirasse os óculos, ele seria abatido na hora. É
156 interessante como a gente raciocina rápido nesses momentos. Eu pego e me jogo no
157 chão. Quando ele vê que eu me jogo no chão, ele não para o carro, ele segue. E não
158 aconteceu absolutamente nada. Graças a Deus. Não houve tiro nem de um lado, nem do
159 outro.

160 Ariana Bazzano (Comissão Nacional da Verdade) – Mas, você acha que ele te
161 reconheceu no carro?

162 Darci Toshiko Miyaki – Ele me conheceu e viu que eu me joguei no chão.

163 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Mas, os policiais não viram
164 que era ele?

165 Darci Toshiko Miyaki – Não, não viram.

166 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Os torturadores?

167 Darci Toshiko Miyaki – Não viram. Começaram a prestar mais atenção pelo fato de eu
168 ter me jogado. Só que nisso, ele já conseguiu sair do local. Eu estou narrando isso e
169 deixando as datas muito claras, porque eu quero fazer determinadas colocações. A
170 tortura é terrível. E eu acredito que eu consegui passar muito bem por essa fase. Agora,
171 atitudes, muitas vezes, de companheiros são muito mais destrutivas do que a própria
172 tortura. Então, eu fiquei vários dias, sei lá, dez dias, uma semana na solitária do DOI-
173 CODI de São Paulo e depois eu sou levada para a cela feminina. Na cela tinham
174 algumas companheiras, que eu não conhecia absolutamente nenhuma delas.

175 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Eu lembro que você falou.
176 Darci Toshiko Miyaki – Eu quero frisar isso muito bem. Eu tinha toda uma formação e
177 eu era muito chata em termos de medidas de segurança. E, mesmo que eu conhecesse
178 qualquer delas, eu estava em uma cela do DOI-CODI. Aí uma dessas companheiras
179 começa a me perguntar coisas. Eu digo a ela o seguinte: “Olha. Meu nome é Darci, eu
180 sou da ALN. E, provavelmente, eles vão me matar.” Foram as únicas coisas que eu
181 disse para ela. E ela ficou especulando, queria saber de coisas, eu só olhava para ela e
182 não respondia. Não podia responder. Primeiro, porque eu não a conhecia; segundo, a
183 cela, para mim, eu tinha certeza absoluta, que deveria ter...

184 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Escuta?

185 Darci Toshiko Miyaki – Gravador, escuta, qualquer coisa. Passados, sei lá, vários dias
186 essa companheira, essa menina, ela chega... Não. Aí quando ela me fazia as perguntas...
187 Aliás, ela tinha levado um tiro.

188 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Então, ela estava ferida?

189 Darci Toshiko Miyaki – Não, não estava ferida, já tinha...

190 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Tratado?

191 Darci Toshiko Miyaki – Tratado, e tal, né?

192 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – E ela tinha sinais de tortura?

193 Darci Toshiko Miyaki – Não, não tinha. Com toda franqueza, não tinha. Também não
194 vou entrar em detalhes sobre isso. Ou vou? Ela não foi torturada, ela não foi torturada
195 porque, em razão do tiro, ela foi levada para o Hospital das Clínicas. E lá ela
196 permaneceu um bom tempo.

197 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Você pode falar o nome
198 dela? Ou não?

199 Darci Toshiko Miyaki – Eu preferia não.

200 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Tá.

201 Darci Toshiko Miyaki – E lá ela fica sabendo que está grávida. Tudo bem. Então, ela
202 não foi torturada. Mas eu fiquei sabendo que ela não foi torturada mais tarde, não foi
203 nesse momento.

204 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Mas, nesse momento, você
205 percebia que ela não tinha marcas?

206 Darci Toshiko Miyaki – Que ela não tinha marcas. Então, com as perguntas dela, eu
207 pensei comigo assim: ou ela está ruim da cabeça em função do tiro ou ela...

208 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – O tiro foi na cabeça?


209 Darci Toshiko Miyaki – Foi na cabeça. Ou ela, sei lá, não conhece medidas de
210 segurança. Ou então ela é infantil? Sinceramente, foi o que eu pensei. Sabe por quê?
211 Qualquer militante nosso tinha que ter o mínimo de conhecimento das coisas.

212 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – E ela, supostamente, era da


213 ALN?

214 Darci Toshiko Miyaki – Ela não era supostamente. Ela era da ALN.

215 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ah, então você a conhecia?

216 Darci Toshiko Miyaki – Não. Não conhecia. Não conhecia... Ah sim, entre as medidas
217 de segurança, nós tínhamos...

218 José Luís Del Roio – Um cafezinho quente para você?

219 Darci Toshiko Miyaki – Não, não quero. Eu não tomo café quente, obrigada. Nós
220 tínhamos as compartimentações, ou seja, nós tínhamos setores subdivididos. Se você
221 não era do meu setor, eu não ia ter contato com você. A menos... Que se eu fosse da
222 direção nacional, ou quando muito, da direção regional, não é? E... Inclusive, eu tinha
223 muitas medidas de segurança. Inclusive, a própria organização tinha tomado várias
224 medidas em função das atividades que eu tinha. Del Roio sabe uma parte. Então, eu não
225 conhecia essa menina, não. Aliás, não conhecia absolutamente ninguém...

226 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Uhum. Na cela.

227 Darci Toshiko Miyaki – Que estava lá preso. Nem na cela, nem nas outras celas. Aí
228 essa menina ela continuava me fazendo perguntas, eu só olhava para ela. E acabou
229 criando um certo clima de animosidade. E ela era a única pessoa que me fazia
230 perguntas.

231 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – De que tipo, por exemplo?

232 Darci Toshiko Miyaki – Sobre a organização. Eram perguntas assim, que não tinham
233 nem sentido ela fazer.

234 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – E ela não se disse da ALN
235 para você?

236 Darci Toshiko Miyaki – Não, ela se disse da ALN. Depois de uns dias, ela chega para
237 mim e diz assim: “É, você não fez a senha que os torturadores...” Ela não usou o termo
238 torturadores. “A equipe mandou.” Eu fiquei quieta.

239 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Que era tirar os óculos, você
240 acha?

241 Darci Toshiko Miyaki – É. Também não respondi. E também não disse que esse ponto,
242 isso dia 4 de janeiro, ela está se referindo ao dia 4 de janeiro.
243 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Fevereiro.

244 Darci Toshiko Miyaki – De fevereiro. Eu também não podia dizer que esse ponto não
245 era com o Iuri, que esse ponto já estava desmarcado, que esse ponto era com a
246 companheira chilena. Por que eu não podia dizer? Porque ela não era conhecida. Pelo
247 menos eu achava que ela não era conhecida. E não era mesmo.

248 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – A chilena ou a que está


249 conversando com você?

250 Darci Toshiko Miyaki – A chilena. Então, em hipótese alguma, eu não poderia falar
251 que essa referência era com essa companheira. Também não podia dizer nem o nome de
252 guerra dela. E eu não sabia o nome legal, nem carteira de identidade que ela usava.
253 Nada. Simplesmente, ela trabalhava no meu setor. Eu era responsável por esse setor. Por
254 isso que, para mim, ela estaria cumprindo o que eu havia determinado.

255 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Isso previa, então, que ela
256 não fosse nesse ponto no dia 4?

257 Darci Toshiko Miyaki – Pra mim, era certeza absoluta. Fora que eu falo um local que
258 são sete quadras fora do local real. Eu tenho o documento aí, depois eu vou deixar.
259 Depois de algum tempo, já sei lá, um mês. Essa mesma companheira chega pra mim e
260 diz o seguinte: “É, você entregou o Hélcio Pereira Fortes.” Eu cometi um erro terrível.
261 A revolta foi muito grande. O Hélcio já tinha morrido e a revolta foi muito grande. Aí
262 eu virei e falei: “Não, eu caí no ponto do Hélcio.” Jamais deveria ter dito isso. Mas...
263 Falei.

264 José Luís Del Roio – Posso fazer uma pergunta, só para ficar claro? Você caiu que dia?

265 Darci Toshiko Miyaki – 25 de janeiro de mil...

266 José Luís Del Roio – Dia da festa de São Paulo.

267 Darci Toshiko Miyaki – Isso. Por isso que eu fui para...

268 José Luís Del Roio – Que dia caiu o Hélcio?

269 Darci Toshiko Miyaki – Dia 22 de janeiro. Só que eu não sabia o dia que ele tinha
270 caído.

271 José Luís Del Roio – Quer dizer, ele caiu três dias antes de você?

272 Darci Toshiko Miyaki – Três dias antes de mim. Isso eu vim saber décadas depois.

273 José Luís Del Roio – Basta, só para ficar claro.

274 Darci Toshiko Miyaki – E quem... Aliás, deixa isso claro para mim, e por isso que eu
275 sempre digo que eu sou extremamente grata à Suzana Lisboa, justamente porque foi ela
276 quem fez esses levantamentos. Eu não tinha conhecimento. Mas, nesse dia, eu digo, eu
277 caí no ponto do Hélcio.

278 José Luís Del Roio – Quando você diz: “Caí no ponto do Hélcio.” Você quer dizer: “Eu
279 fui presa no momento que eu ia, hipoteticamente, encontrar o Hélcio?”

280 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Que hoje você sabe, já estava
281 preso há três dias?

282 Darci Toshiko Miyaki – Exatamente. Exatamente. Inclusive, eu era tão chata, rigorosa,
283 era meio-dia e dois... Meu ponto seria meio-dia. Meio-dia e dois minutos eu já estava
284 me deslocando e eles me pegam, essa equipe do DOI-CODI, eles me pegam no meio do
285 quarteirão, porque eu tinha cronometrado. Inclusive, eu acho que quase todos nós, a
286 gente sabia quanto tempo levava em cada quadra, eu tinha isso tudo cronometrado na
287 minha cabeça.

288 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Isso é na Guanabara?

289 Darci Toshiko Miyaki – Isso tudo é na Guanabara. A conversa é no DOI-CODI de São
290 Paulo.

291 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Claro, claro.

292 Darci Toshiko Miyaki – Só que quando ocorre isso daí, o Hélcio já tinha morrido.

293 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – E você sabia ou não?

294 Darci Toshiko Miyaki – Sabia. Sabia que o Hélcio tinha morrido. Porque eles me
295 levam para a solitária, antes disso eu fiquei em um local completamente isolada, só
296 andava com um capuz na cabeça. Eu estava completamente arrebentada fisicamente,
297 mas era um local que eu tinha que subir umas escadas e descer, claro. E sempre de
298 capuz. Atravessava o pátio, com capuz.

299 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Aqui em São Paulo?

300 Darci Toshiko Miyaki – Em São Paulo. Então, quando eu sou levada para a solitária, o
301 carcereiro, ele diz o seguinte: “Daqui saiu um presunto fresquinho.” E eu tive certeza
302 absoluta que era o Hélcio. Então, quando eu retruco a essa companheira, eu sabia que o
303 Hélcio tinha morrido. Aliás, já narrei isso. No dia 28 de janeiro, quando nós somos
304 transportados da Guanabara para São Paulo, já está sendo noticiada a morte do Hélcio, e
305 ele estava vivo. Eu acredito que ele deve ter morrido dia 30, 31 de janeiro de 72. Não
306 posso afirmar assim com absoluta certeza.

307 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Nesse lugar que você, depois,
308 foi para a solitária? Que é... São nas dependências do DOI-CODI?

309 Darci Toshiko Miyaki – É, provavelmente ele morreu nesse local. Porque esse
310 carcereiro, [Altair] Casadei, ele diz o seguinte: “Daqui saiu um presunto fresquinho.” E
311 nessa época, só tinha ele e eu sendo torturados. Só nós dois.
312 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – É o Casadei, né?

313 Darci Toshiko Miyaki – O carcereiro é o Casadei.

314 José Luís Del Roio – Você lembra o nome inteiro, não, né? Por acaso, é que às vezes...

315 Darci Toshiko Miyaki – Eu tenho, mas...

316 José Luís Del Roio – Tá bem. Tá bem. Não importa.

317 Darci Toshiko Miyaki – Tá. Então essa menina, né? Ela chega pra mim e diz: “Você
318 entregou o Hélcio. Você matou o Hélcio.” Aí, realmente, eu não me contive e disse isso,
319 né. E simplesmente, gente, durante o período que eu estive lá, que foram quase sete
320 meses, nunca falou nada sobre a organização, né? E... É como eu disse, a gente estava
321 na cela e, mesmo quando não saíamos... Tirava-nos da cela para andar um pouco, a
322 gente passava na frente de outras celas e simplesmente eu não conhecia ninguém. E não
323 conversava com ninguém. Dava: “Bom dia. Boa tarde.” E não passava disso. Agora, eu
324 via que essa menina aí, essa companheira. Ela parava de cela em cela e ficava
325 conversando. Eu ficava muito receosa com isso. Mais tarde eu vim a saber que ela ia a
326 todas as celas. Ela... Sabe gente, como... Às vezes, uma única pessoa, como pode
327 destroçar todo o passado da gente? Como pode destroçar assim? Gente, eu não fui
328 nenhuma heroína. Não fui mesmo, sabe? Mas eu acredito que eu fui, dentro da prisão,
329 durante as torturas, eu acredito que eu realmente... E posso, hoje, provar que eu tive um
330 comportamento bom. Não é heroico, porque eu achava que não ia dizer o meu nome, eu
331 achava que jamais daria o meu aparelho, que ia ressaltar que ninguém conhecia esse
332 aparelho, ninguém morava nesse aparelho. Era uma casa alugada...

333 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Esse aparelho ficava aonde?

334 Darci Toshiko Miyaki – Ficava no Jaguaré. Aqui em São Paulo.

335 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Uhum. Essa pessoa, essa
336 moça que você se refere, ela é viva, você tem contato, às vezes, com ela?

337 Darci Toshiko Miyaki – Se eu a ver, eu vou atravessar a rua.

338 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Mas ela é viva?

339 Darci Toshiko Miyaki – Ela é viva. E eu tenho a impressão que eu nunca vou perdoar
340 o que ela fez comigo. Porque ela passa, e isso eu soube depois, né? Que ela falava:
341 “Não, ela entregou o Hélcio. Ela entregou o Iuri.” E depois de tudo que eu tinha passado
342 e tinha aguentado e, simplesmente, eu não tinha como provar as coisas. Bom, depois
343 disso...

344 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Um golinho de água?

345 Darci Toshiko Miyaki – É. Na tortura ou fora da tortura, não sei? Eu tinha dito que,
346 aqui em São Paulo, eu tinha ficado em um aparelho, que não era meu. Que eu não sabia
347 onde era. E, realmente, eu não sabia onde era. Mas eu citei esse aparelho, porque eu
348 tinha que preencher o tempo de permanência que eu estava aqui no Brasil. Eles sabiam
349 que eu tinha treinado em Cuba. E eu trouxe alguns documentos aqui, eu vou retroagir
350 um pouco. Quando eu vou presa, eu tenho a ciência do que eu posso falar e do que eu
351 não posso falar. Por exemplo, no nosso grupo de treinamento... No nosso não, porque
352 você saiu. No meu grupo de treinamento, infelizmente, teve um...

353 José Luís Del Roio – Um traidor?

354 Darci Toshiko Miyaki – Um traidor. Ele é preso, ele faz um acordo com a repressão e
355 ele volta para a organização sem dizer que foi preso.

356 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – E muito menos que fez o
357 acordo?

358 Darci Toshiko Miyaki – Exatamente.

359 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – E é conhecida a identidade


360 dele ou não?

361 Darci Toshiko Miyaki – É José... Lá em Cuba, ele era do meu grupo, treinava no meu
362 grupo.

363 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ele era da ALN e do seu
364 grupo na ALN?

365 Darci Toshiko Miyaki – É do 2º Exército.

366 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – José o nome dele?

367 Darci Toshiko Miyaki – Severino...

368 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – José Severino?

369 Darci Toshiko Miyaki – É José Tavares... Não, Severino era o nome que ele usava em
370 Cuba.

371 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ah tá. Severino era o nome
372 dele em Cuba.

373 Darci Toshiko Miyaki – José da Silva Tavares. Inclusive, eu trouxe aqui o depoimento
374 dele. Aliás, eu trouxe para dar para o Del Roio, depois você tira cópia. E aqui, isso é
375 uma das provas do que eu digo. Só que, antigamente, eu não tinha nada disso, gente.
376 Então, a gente sabia que o nosso roteiro de saída do Brasil já era mais do que conhecido.
377 Roteiro na Europa era conhecido. Os companheiros do meu grupo eram todos
378 conhecidos. Roteiro de retorno também. Aqui é o documento que eu trago, né? E...

379 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Agora só uma dúvida. Vocês
380 sabiam que o roteiro em Cuba e na Europa, de ida e de volta, era conhecido. Mas, como
381 vocês sabiam que eram conhecidos? E quem teria tornado...
382 Darci Toshiko Miyaki – Por causa do Severino.

383 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ah tá. Mas, nesse momento...
384 Naquela época, não?

385 Darci Toshiko Miyaki – Já sabíamos.

386 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ah, então, no momento...

387 Darci Toshiko Miyaki – Já sabíamos, porque ele entregou o Joaquim Câmara Ferreira,
388 o Toledo. Ele marca um ponto...

389 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Então, quando você é presa,
390 por exemplo, você já sabe disso?

391 Darci Toshiko Miyaki – Sim, todos nós já sabíamos disso.

392 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Durou algum tempo, essa
393 identidade dele, dupla, digamos assim? Mas, antes de você ser presa...?

394 Darci Toshiko Miyaki – Ah sim. Sim.

395 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Porque você disse que ele foi
396 preso, fez um acordo com a repressão e voltou à militância, né?

397 Darci Toshiko Miyaki – Isso.

398 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Isso foi em que ano, mais ou
399 menos, você lembra?

400 José Luís Del Roio – Até a morte do Câmara Ferreira.

401 Darci Toshiko Miyaki – É. Ele é preso...

402 José Luís Del Roio – Em outubro de 70.

403 Darci Toshiko Miyaki – No dia 29 de setembro.

404 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – De que ano?

405 Darci Toshiko Miyaki – De 1970.

406 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Aham.

407 Darci Toshiko Miyaki – E o velho... O Joaquim Câmara... Velho, que a gente falava.
408 Ele morreu no dia...

409 José Luís Del Roio – Deve ter sido no dia 20 de outubro, né?

410 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – A gente pode procurar a data.

411 José Luís Del Roio – 20 de outubro.


412 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ah, então dura só... Nem um
413 mês, essa...? Esse agente duplo, a vida dele dura cerca de um mês, no sentido de que
414 vocês não sabiam que ele era agente duplo?

415 Darci Toshiko Miyaki – Eu não lembro. Também nem... Nem pesquisei.

416 José Luís Del Roio – Se eu falar um pouco... Atrapalha...

417 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Não, claro que não.

418 José Luís Del Roio – ...O depoimento da Darci ou não?

419 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Não, imagina.

420 Darci Toshiko Miyaki – Aliás, eu peço a você que fale.

421 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Por isso, eu acho que você
422 pode...

423 José Luís Del Roio – Não, não é... O depoimento é seu, pelo amor de Deus. Esse
424 indivíduo, conhecido em Cuba como Severino, e seu nome real é José da Silva Tavares.
425 Ele é enviado pela organização, Ação de Libertação, né?

426 Darci Toshiko Miyaki – Posso fumar?

427 José Luís Del Roio – É, né? Ela é... Ela é... enviada para o norte, para o Pará, para um
428 trabalho estratégico. Lá ele será preso.

429 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – O Severino?

430 José Luís Del Roio – O Severino. Lá ele será preso. Evidentemente, não temos
431 detalhes. Evidentemente, deve ter sido torturado. Mas ele não foi uma pessoa que falou
432 alguma coisa na tortura. Ele passou a trabalhar com a repressão. A repressão inventou
433 uma história muito bem construída. Ele tenta suicídio. Fica até com marcas no
434 pescoço...

435 Darci Toshiko Miyaki – Mas é mentira.

436 José Luís Del Roio – É claro que é mentira. Ele estava trabalhando... Eu falei que a
437 repressão inventa uma história bem trabalhada. E foge... E, depois, quando ele está no
438 hospital, ele foge. Ele se apresenta em pontos que ele tinha em São Paulo, sobretudo
439 com o companheiro Tobias. O Lobato.

440 Darci Toshiko Miyaki – Ah tá.

441 José Luís Del Roio – E, embora o Lobato tenha resistido e desconfiado da história, ele
442 chega até Câmara Ferreira e ele faz o acordo que ele tem com a repressão... É clara.
443 Especificamente com o delegado Fleury: “Me entregue o Câmara Ferreira e você está
444 livre de tudo.” Ele entregou o Câmara Ferreira e, assim, cai o Câmara Ferreira. E morre
445 o Câmara Ferreira. E depois, realmente, ele abandona tudo e a própria repressão o deixa.
446 O problema que tem a ver com esse depoimento aqui, isso ocorre, então, no final de
447 outubro.

448 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Do mesmo ano, 1970?

449 José Luís Del Roio – É. Vamos dizer, ele trabalhou...

450 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Cerca de um mês?

451 José Luís Del Roio – 40 dias. Mas, no caso de Darci, da depoente, o que conta é que ele
452 conhecia bastante bem o chamado grupo 2º Exército, que é um nome de brincadeira,
453 mas era, eu creio, que 27 companheiros que estavam em Cuba, porque ele fazia parte
454 desse grupo. E ele atuou muito com a repressão tentando identificar cada nome, cada
455 nome falso, descrição física... Por exemplo, a companheira Lia que é Darci, é muito
456 fácil de descrever relativamente. Difícil e fácil. Quer dizer, ela tendo origem nipônica,
457 pode-se dizer: “É uma que fez isso tal e tal.” Então, ele conseguiu dar um quadro muito
458 bom do grupo. E um quadro bastante bom, porque como ele pertencia ao grupo, das
459 saídas e das entradas no Brasil, inclusive dos contatos que se fazia. É isto que põe os
460 que caíram depois e eram do grupo em situação absurdamente difícil porque você não
461 pode ne...

462 Darci Toshiko Miyaki – Difícil, mas fácil, por outro lado.

463 José Luís Del Roio – Bom isso é uma opinião que você... Aí já entra na opinião tua,
464 que você vai poder falar o que quiser. Eu só quis dar esta explicação, que talvez te ajude
465 na tua história. Ponto.

466 Darci Toshiko Miyaki – Tá. Então, esse daqui é um documento, depois você tira... É
467 até o original. Vocês podem ficar, né? Veja, o meu objetivo hoje, infelizmente...

468 José Luís Del Roio – Ainda não ficou claro uma coisa, que eu quero que deixe claro.
469 Você como prisioneira torturada, você se depara com uma situação muito difícil. Você
470 diz fácil. Eu acho difícil. Que você tem uma descrição do que você fazia e dos contatos
471 que você já tinha em Cuba.

472 Darci Toshiko Miyaki – Sim.

473 José Luís Del Roio – Você se encontra com a tua fotografia, com a fotografia de
474 outros. Com a descrição de cada um. Você se encontra com um álbum... Que, aliás, nós
475 temos em parte em qualquer lado. Um álbum que é mostrado...

476 Darci Toshiko Miyaki – Três.

477 José Luís Del Roio – É, três álbuns. Essa é uma situação...

478 Darci Toshiko Miyaki – Então...

479 José Luís Del Roio – Terrível para um prisioneiro. Olha, eu não vou falar mais porque
480 senão vira coisa minha, não é nada meu, é tudo teu.
481 Darci Toshiko Miyaki – Não, é conjunta essa parte.

482 José Luís Del Roio – Não, não é conjunta não.

483 Darci Toshiko Miyaki – Claro que é.

484 José Luís Del Roio – É você que teve que aguentar.

485 Darci Toshiko Miyaki – Tem muitas coisas também que eu não lembro ou apaguei.
486 Bom, então veja só.... Eu trouxe outro documento que depois eu passo para vocês e falo
487 sobre isso depois também. Acho que eu trouxe... Está com ele? Do Quedograma?

488 José Luís Del Roio – O Quedograma não está aqui, querida.

489 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Nem ali?

490 José Luís Del Roio – Eu não sei. Eu posso pedir uma rápida suspensão? Posso?

491 Darci Toshiko Miyaki – Pode e deve.

492 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Vamos desligar?

493 Darci Toshiko Miyaki – O que eu quero deixar muito claro, o que aconteceu lá no
494 DOI-CODI foram esses fatos. Tem essa menina que, realmente, ela levanta questões
495 que não tinham nem fundamento, né? E... Mais tarde... Tem um... Nós temos um
496 documento interno, tínhamos em que eu tenho quase que...

497 José Luís Del Roio – Documento interno da organização ALN?

498 Darci Toshiko Miyaki – É, da ALN.

499 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Que você vai deixar pra
500 gente? Uma cópia?

501 Darci Toshiko Miyaki – Esse eu vou deixar.

502 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ok.

503 Darci Toshiko Miyaki – Eu tenho quase certeza absoluta que tudo começa com essa
504 companheira, você entendeu? Porque nós tínhamos...

505 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Tudo que começa é esse
506 processo difamatório...?

507 Darci Toshiko Miyaki – Difamatório, exatamente.

508 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Contra você?

509 Darci Toshiko Miyaki – Tá. Começa aí... Quer dizer, diz ela que eu entrego dois
510 dirigentes da organização. E o pior de tudo é que, depois, eu vejo num documento
511 interno da Ação Libertadora Nacional, alguns... Algumas coisas, né? Referentes a mim.
512 Nesse documento, eles dizem o seguinte, que é algo assim... Perdi de novo.

513 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Não é esse? Tem aquele ali
514 ó.

515 Interlocutora Desconhecida – De quem é o café?

516 José Luís Del Roio – Para mim, por favor. Não, não é.

517 Darci Toshiko Miyaki – É este.

518 Interlocutora Desconhecida – Ó, cuidado aqui para não se queimar, tá.

519 Darci Toshiko Miyaki – Então, vamos dividir em duas fases, tá. Primeira fase...
520 Dividindo em duas fases, eu volto ainda na primeira fase. Eu quero deixar muito claro,
521 embora já tenha ressaltado, que quando eu abro o meu aparelho, eu tinha conhecimento
522 sim. Eu sabia, sim, que essas pessoas seriam chamadas. E quero deixar muito claro que
523 foram as únicas pessoas presas através de mim.

524 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Quem são?

525 Darci Toshiko Miyaki – O Leonel Itaussu de Almeida Mello...

526 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – E o pai dele?

527 Darci Toshiko Miyaki – O Fuad Mello. E a irmã [Sumie Amano] do Takao.

528 José Luís Del Roio – Irmã do Takao.

529 Darci Toshiko Miyaki – A irmã do Takao...

530 José Luís Del Roio – Takao Amano.

531 Darci Toshiko Miyaki – Um dia lá e foi solta... Eu sei que eu fiquei o tempo todo
532 afirmando que eles não tinham absolutamente nada com organização, que eu,
533 simplesmente, tinha ido à casa do Leonel para avisá-lo que ele... Que o passaporte dele
534 estava sendo usado e não encontrei o Leonel. Encontrei o pai dele. E eu repito palavras
535 que o seu Fuad tinha dito, que ele era absolutamente contra nossa linha de atuação, né?
536 E isso eu repito no DOI-CODI porque é uma forma... Apesar do mal que eu tinha
537 causado a ele, dele estar lá, era uma forma de... Quase que provar que ele não tinha nada
538 conosco. Nem ele, nem o Leonel. Bom, agora já na segunda fase e bem depois, eu fico
539 sabendo de um documento em que eu sou citada.

540 José Luís Del Roio – Chamado?

541 Darci Toshiko Miyaki – Quedograma.

542 José Luís Del Roio – Quedograma da ALN?


543 Darci Toshiko Miyaki – Quedograma da ALN. Então, tem uma parte referente à mim.

544 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – De que ano esse documento?

545 Darci Toshiko Miyaki – Ah, não sei. Sinceramente...

546 José Luís Del Roio – Deve ser de 74.

547 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ok, depois a gente tenta
548 descobrir.

549 Darci Toshiko Miyaki – Aqui diz o seguinte: “Darci Miyaki havia mencionado, meses
550 antes, que conhecia onde era a casa do Hélcio. Havia um controle com Darci que era o
551 seguinte: toda vez que ela viajava para a Guanabara, deveria ter, em primeiro lugar,
552 contato com uma determinada pessoa”, uma terceira, “só depois disso, ela deveria
553 encontrar-se com Hélcio. No entanto, outras vezes, esse controle havia sido burlado e
554 Darci encontrava primeiro o Hélcio. Como Darci se despediu, em São Paulo, de Iuri,
555 no sábado, dizendo que viajava para a Guanabara e o ponto de controle dela na
556 Guanabara era somente no final da tarde de segunda-feira, achamos, portanto, que
557 pode ter sido ela quem abriu tanto o ponto com o Hélcio como a sua casa”, ou seja, a
558 casa do Hélcio. Eu pulo umas partes, não é? Eu pus uns pontinhos. “Hélcio tinha uma
559 absoluta e total confiança em Darci. A tal ponto que Hélcio cobria pontos levando
560 Darci, e esta ficava de perto, mas sem estar junto, olhando o desenrolar do contato.
561 Isso não era motivado por esquema de segurança nem nada. Em função disso, Darci
562 conhecia muitas pessoas, sem que essas pessoas soubessem que eram conhecidas por
563 Darci. Absolutamente tudo Hélcio discutia com ela. Uma das consequências disso,
564 pode ter sido o caso de Eliana [Eliane Toscano Zamikhowski] e Genésio [Genésio
565 Inácio de Souza] e a montagem da gráfica. Darci pode ter visto os dois num desses
566 pontos, depois reconhecido em fotos. Ao contrário do que pensam Eliana e Genésio,
567 que acusam Hélcio de traidor, não é só Hélcio que sabia da montagem da gráfica, toda
568 a direção nacional sabia e isso inclui Darci.” Sobre a queda de Hélcio: “b) Darci, entre
569 várias hipóteses, que a pessoa coloca no quedograma”... Ah, aí sou eu que falo, eu pus
570 entre parênteses: ... “Darci, entre várias hipóteses”, a pessoa que falou isso no
571 quedograma, disse que eu “posso ter entregue o Hélcio”. Quando eu tomo
572 conhecimento desse documento...

573 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Quedograma?

574 Darci Toshiko Miyaki – Desse quedograma e dessa parte referente à mim.

575 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Você lembra quando foi que
576 você tomou conhecimento?

577 Darci Toshiko Miyaki – Não.

578 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Mais ou menos?


579 Darci Toshiko Miyaki – Eu sei que esse documento eu escrevo no dia 17 de setembro
580 de 2010.

581 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Foi aí que você tomou
582 conhecimento do quedograma?

583 Darci Toshiko Miyaki – Não, eu já tinha tomado e escrevo esse documento.

584 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ah, ok.

585 Darci Toshiko Miyaki – E eu escrevi em um momento de muita raiva, muita revolta e
586 sei lá. E... Sei lá.

587 José Luís Del Roio – Darci, vamos ao concreto. Você leu aqui um pedaço de um
588 documento da ALN chamado quedograma.

589 Darci Toshiko Miyaki – Tá.

590 José Luís Del Roio – Aí tem graves acusações à militante do quadro da ALN, Darci
591 Miyaki.

592 Darci Toshiko Miyaki – É.

593 José Luís Del Roio – Como é que você responde a isso?

594 Darci Toshiko Miyaki – Bom, faço um pequeno histórico para quem, talvez, não me
595 conhecesse na época. Aliás, na verdade, eu perdi esse documento. Eu peguei um e-mail
596 que eu mandei para o Takao antes de passar para alguns companheiros. Então, eu
597 analisei ponto por ponto. “Um: ainda quando estava na Oban, fui acusada de ter
598 entregue o Hélcio Pereira Fortes, não é verdade, ele foi preso no dia 22 de janeiro e eu
599 no dia 25 de janeiro, meio-dia e dois minutos”. Eu trouxe o documento que... Aliás, eu
600 já entreguei anteriormente.

601 José Luís Del Roio – Põe o documento para a gente ver depois com detalhes, por favor.

602 Darci Toshiko Miyaki – “Do dia 25 ao dia 28 de janeiro, fui extrema e barbaramente
603 torturada, e vocês sabem disso, vocês sabem como é isso. Queriam os pontos do Rio e o
604 meu aparelho. Por várias horas, resisti sem dizer meu nome, dava pontos falsos,
605 voltava, ia de novo para a tortura. Resumindo, não entreguei nenhum ponto, quer de
606 militantes ou simpatizantes. No dia 28 de janeiro de 72, Hélcio e eu fomos trazidos para
607 São Paulo”. Já falei sobre isso. Ah. “E, no meio do caminho...”.

608 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Vocês foram trazidos juntos?

609 Darci Toshiko Miyaki – Juntos, juntos. Na mesma viatura.

610 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – É importante.

611 Darci Toshiko Miyaki – “No meio do caminho, eles param...” Eu não sei, eu estava
612 com um óculos fechado por dentro, eu tenho impressão que foi em um posto, em um
613 restaurante, em algum lugar eles param. “Desce uma parte da equipe, outra equipe
614 permanece nos vigiando. Nesse momento, o motorista, ele liga o rádio, então eu fico
615 sabendo que é o dia 28 de janeiro, o que, tanto para mim quanto para o Hélcio, era
616 muito importante, data era fundamental nessa época, nesse momento.” Continuando,
617 item dois eu digo o seguinte, digo não: “em São Paulo eles queriam pontos e o meu
618 aparelho. Eu dava pontos falsos, não aparecia ninguém, chegando à Oban, claro,
619 choques, tal”, não vou ler tudo. “Acredito que foi no dia 28 ou 29 de janeiro...”, eu não
620 tenho certeza absoluta, gente, dessa data, tá. Mas, eu sei que: “eu levei uns quatro ou
621 cinco dias para dar o endereço de onde eu morava, do meu aparelho”.

622 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – No Jaguaré?

623 Darci Toshiko Miyaki – No Jaguaré. Um aparelho que ninguém conhecia. Um


624 aparelho em que ninguém morava lá. Mas eu tinha documentos, sim. E, como eu disse
625 anteriormente, eu estava escrevendo carta para o exterior. Então aqui, nesse documento,
626 eu digo o seguinte: “... que após quatro ou cinco dias, sei lá, eu dei o endereço do meu
627 aparelho e que eu assumo total responsabilidade sobre isso e, da mesma forma, eu
628 assumo total e completa responsabilidade sobre o fato do Leonel, o pai dele e a irmã do
629 Takao terem sido levados para o DOI-CODI.” Como disse, a irmã do Takao fica um dia
630 e o Leonel e o seu Fuad ficam mais tempo lá no DOI-CODI. Não sei se foi uma semana,
631 o quanto foi, e depois eles são soltos. E durante esse período que eles estiveram lá, eu
632 achei um documento em que diz que eu fui acareada com o seu Fuad. E eu fui acareada
633 com o seu Fuad por quê? Aliás, foram dois documentos que eu encontrei, eu acabei
634 perdendo um. Num dos documentos diz o seguinte: “... que respondendo a afirmação
635 do Hélcio...”. Quer dizer, o Hélcio afirmou para os torturadores que eu conhecia a
636 pessoa de Santos que fazia os documentos falsos para a organização.

637 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Hélcio teria dito isso?

638 Darci Toshiko Miyaki – Teria dito.

639 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Por que isso é uma versão
640 dos torturadores?

641 Darci Toshiko Miyaki – Exatamente. Não quer dizer que seja verdadeiro.

642 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – E como ele morreu, foi
643 assassinado pelos torturadores.

644 Darci Toshiko Miyaki – Exatamente. E, aliás, eu faço questão que a memória dele seja
645 preservada. E nesse documento, apesar de eu estar arrasada, revoltada, eu deixo isso
646 muito claro e peço por favor, para esse rapaz, o Genésio e a mulher dele,
647 reconsiderarem...

648 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Eliana e Genésio?


649 Darci Toshiko Miyaki – Isso. Reconsiderarem o que eles dizem a respeito do Hélcio,
650 porque o Hélcio não foi traidor, não. Eu vi o estado do Hélcio. O estado físico que ele
651 estava. Eu vou ser muito franca. Durante todos esses anos, eu nunca questionei ou
652 recriminei o fato de eu ter caído nesse ponto. Com toda franqueza, não é questão de
653 desculpa, nem de perdão, nem... Mas, eu não questiono a minha queda. Uma coisa que
654 nós desconhecíamos, era que nós tínhamos um limite humano. E nós nunca quisemos
655 reconhecer isso. Então, as medidas de segurança tomadas eram importantes sim. Só que
656 muitas vezes a gente... Sei lá. Acabava furando, como aconteceu aí no dia 4 de fevereiro
657 aqui em São Paulo. E, com toda a franqueza, eu estou pulando um... Com toda a
658 franqueza... Bom, depois eu falo.

659 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Não, fala. Por favor, Darci.

660 Darci Toshiko Miyaki – Em relação a essa referência do dia 4, tenho até prova, aqui e
661 agora, eu, sinceramente, eu não me recrimino. Eu não suportaria e não sei o que eu teria
662 feito, se o Iuri tivesse morrido. Realmente, eu não sei o que eu poderia ter feito.

663 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Foi quando você salvou a
664 vida dele ao se jogar no chão?

665 Darci Toshiko Miyaki – Salvei não. Quer dizer...

666 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Impediu que ele fosse
667 capturado?

668 Darci Toshiko Miyaki – É. Mas digamos que ele tivesse sido morto, digamos que eu
669 tivesse tirado os óculos e ele tivesse sido morto, embora não fosse o ponto dele, não
670 fosse referência dele, não fosse o local exato onde deveria ser. Eu... Sinceramente, eu
671 não sei o que eu teria feito, sabe.

672 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – A grávida nunca apareceu?

673 Darci Toshiko Miyaki – Não, eu encontrei...

674 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Não, nesse dia, no ponto?

675 Darci Toshiko Miyaki – Não. Não, não, não.

676 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Porque você tinha certeza
677 que ela não iria.

678 Darci Toshiko Miyaki – Era absoluta certeza.

679 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – E como é que você tenta
680 entender a presença do Iuri lá com o carro?

681 Darci Toshiko Miyaki – Veja, eu me perguntei muito isso, né? Poxa vida. Eu fui presa
682 dia 25 de janeiro. Dia 23 de janeiro... Isso eu venho saber bem depois através da Ilma
683 [Maria Horst] Noronha, né? No dia 23 de janeiro, a repressão vai ao aparelho e dois
684 companheiros conseguem fugir.

685 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Que eram o Hélcio e o Iuri?

686 Darci Toshiko Miyaki – Não. Não. É o Arnaldo [Cardoso Rocha], ele usava o nome
687 falso de Jibóia, e a Bete Chrcanovic. Os dois conseguem fugir. A Ilma vai, sai no portão
688 com a criança para dar tempo dos dois fugirem. Isso foi do dia...

689 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – 23? Que você tinha dito.

690 Darci Toshiko Miyaki – No dia 23. Foi do dia 22 para o dia 23. Isso consta no
691 depoimento da Ilma. A Bete Chrcanovic e o Arnaldo, no mesmo dia, eles encontram
692 com o Carlos Eugênio Sarmento Coelho da Paz, que é o Clemente, é um companheiro
693 que é dirigente nacional...

694 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Da ALN?

695 Darci Toshiko Miyaki – Da ALN. Então, no mesmo dia ele... O Clemente já está
696 sabendo que o Hélcio foi preso e o aparelho dele caiu. E os companheiros de São Paulo
697 sabiam que eu tinha essa rede de São Paulo para me encontrar, meu primeiro ponto
698 sempre era com o Hélcio, porque eu viajava sem arma. Eu tinha uma arma aqui, que eu
699 deixava em casa, viajava num trem, cabine fechada, e viajava sem arma. Então, o meu
700 primeiro ponto sempre era com o Hélcio, porque era ele quem entregava a minha arma
701 lá da Guanabara. Então, nesse mesmo dia 23, os companheiros, pelo menos o Carlos
702 Eugênio, Clemente já está sabendo que o aparelho do Hélcio caiu. E os companheiros
703 daqui de São Paulo também já sabem que eu estou me deslocando para me encontrar
704 com o Hélcio.

705 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Mas, ninguém desmente... Eu


706 acho que está aqui dentro. Ninguém desmente a... Não é a caneta?

707 José Luís Del Roio – Não. Não importa.

708 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ninguém desmente a versão


709 do quedograma?

710 Darci Toshiko Miyaki – Não, eu desminto.

711 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Sim. Mas, até então, só você
712 que vai desmontar essa farsa.

713 Darci Toshiko Miyaki – Ah. Não, não, não. Veja só...

714 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – O quedograma é um


715 documento elaborado pela ALN?

716 José Luís Del Roio – Posso falar?


717 Darci Toshiko Miyaki – Pode e deve.

718 José Luís Del Roio – Precisa-se entender um quadro, eu quero falar um pouquinho
719 dessa questão. O quedograma é feito, principalmente, por companheiros que estão nas
720 cadeias. É feito numa situação desesperada, porque todo mundo que fez... Que trabalhou
721 nesse documento tinha sido torturado e existia também uma situação que era a seguinte:
722 a organização estava sendo, totalmente, desmantelada, precisava explicar o motivo
723 dessa... Que se desmantelava essa organização. Então foi feita com pedaços, com
724 retalhos. Isto não é um documento, vou chamar assim, oficial da organização. É um
725 documento de prisioneiros políticos.

726 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Mas, é um esforço de tentar


727 mapear o que tinha acontecido?

728 Darci Toshiko Miyaki – Exato.

729 José Luís Del Roio – Outras organizações faziam a mesma coisa. Então, esse
730 documento, ele não tem um aval, ele não tem uma legalidade, mesmo na
731 clandestinidade, vamos assim dizer, ele não tem... Mesmo porque a organização não
732 tinha mais condições de fazer isto.

733 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Mas é uma tentativa de


734 mapear e deixar registrado...

735 José Luís Del Roio – E deixar registrado.

736 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – O que eles imaginavam?

737 Darci Toshiko Miyaki – Como que ocorreram as quedas? As prisões.

738 José Luís Del Roio – De qualquer forma, é um documento de circulação absolutamente
739 restrita. Absolutamente restrita. Tanto para a própria organização quanto para o exterior.
740 O exterior da organização que eu quero dizer.

741 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Em tese, nunca caiu na


742 mão...

743 José Luís Del Roio – Nunca caiu na mão da repressão, que a gente saiba. Ou sim, não
744 sei, eu acho que não. Nunca foi usado pelo menos.

745 Darci Toshiko Miyaki – Verdade.

746 José Luís Del Roio – É, nunca foi usado.

747 Darci Toshiko Miyaki – Não.

748 José Luís Del Roio – Isso é só para localizar historicamente o documento. Inclusive...
749 Eu insisto nisso porque é um documento que não permite o contraditório e nem
750 averiguação dos fatos, porque sendo feito por gente que está nos cárceres, ele não tem
751 condição.

752 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – E daí também ver sua
753 precariedade, né?

754 José Luís Del Roio – A precariedade...

755 Darci Toshiko Miyaki – E assim aquele... Boca a boca, você entendeu? Em que... Por
756 exemplo, essa menina aí que fala que eu entreguei o Hélcio. Que fala que eu entreguei...
757 Ela vai de cela em cela, então é o boca a boca, que vai se transmitindo, vai se...

758 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – E alguém te questionava


759 sobre isso, na época? Ou te questionou se o que ela dizia era verdade? Alguém...

760 Darci Toshiko Miyaki – Não, não.

761 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – E você sequer sabia que essa
762 versão estava sendo construída?

763 Darci Toshiko Miyaki – Não tinha nem ideia. Não tinha nem ideia. Eu só tive essa
764 altercação com essa menina, sabe? Que eu me arrependo profundamente. Já existia uma
765 animosidade grande entre nós duas, pelo fato de eu não responder, simplesmente não
766 respondia. Eu olhava para a cara dela e acabou. E criou-se, realmente, uma animosidade
767 muito grande. Putz, gente.

768 José Luís Del Roio – Eu acho o seguinte. Eu não sei se você já contou as
769 consequências que lhe causou isto.

770 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – É o impacto que isso teve na
771 sua vida, seria importante registrar.

772 Darci Toshiko Miyaki – Quando eu saio da cadeia, do presídio...

773 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Em que ano, por favor? Só
774 para registrar.

775 Darci Toshiko Miyaki – Foi no dia... Nem lembro que dia que foi.

776 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Mas, pode ser o ano, já tá
777 bom.

778 Darci Toshiko Miyaki – Eu tenho aqui em algum lugar...

779 Ariana Bazzano (Comissão Nacional da Verdade) – Agosto de 72?

780 Darci Toshiko Miyaki – Não. Agosto de 72 eu sou levada para o Tiradentes. Eu saio
781 do Tiradentes em junho de 73 e não tinha sido nem julgada. Inclusive eu me perguntei:
782 “Por que estão me soltando?”
783 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Pois é, era uma liberdade
784 condicional? Alguma coisa assim?

785 Darci Toshiko Miyaki – Não. Escuta só, eu não entendia porque que estavam me
786 soltando. O que que aconteceu? O Virgílio tinha entrado com um recurso na Auditoria
787 Militar de São Paulo, tinha sido negado.

788 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – O advogado do Virgílio?

789 Darci Toshiko Miyaki – O Virgílio era meu advogado.

790 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ah, O seu advogado


791 chamava Virgílio.

792 Darci Toshiko Miyaki – É marido... Ex da Rosa [Maria] Cardoso [da Cunha]. Eu
793 trouxe até...

794 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Tudo bem, depois a gente
795 olha. Mas, aí você não entendia, o seu advogado entrou com um recurso no STM?

796 Darci Toshiko Miyaki – Entrou com um recurso, foi negado. Tem um documento em
797 que eu fui... Eu vi o Fleury [Sérgio Paranhos] duas vezes: uma no DOI-CODI e outra...
798 Essa vez, eu nem sei como tive tanta coragem, ele pergunta se eu estou arrependida eu
799 digo que não. Trouxe também esse documento. Mas, continuando...

800 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Sobre o impacto que teve na
801 sua vida. Então, quando você sai do presídio do Tiradentes, em junho de 73, sem ser
802 julgada...

803 Darci Toshiko Miyaki – Sem ser julgada. Aí eu me pergunto: “Por que eu estou sendo
804 solta?” Aí eu fico sabendo que o Virgílio entrou com esse recurso. E, na realidade, eu
805 estava incursa em cinco, seis artigos, mas tinha aquela aparência de legalidade, de que a
806 gente estava sendo julgado. Antes de eu ir para Cuba, eu tinha feito algumas ações, que,
807 em momento algum, eu abri essas ações. Eu tenho impressão que os companheiros que
808 caíram em 69 também não abriram essas ações. Então, eu era uma pessoa que não tinha
809 ações, fui presa desarmada... Ah, desde o começo eu digo que eu fui para Cuba, porque
810 eu sabia que eles sabiam que eu fui para Cuba, porque eu estava tuberculosa e eu fui
811 para me tratar. Ou seja, eu me faço da própria idiota. Pessoa que foi embora para se
812 tratar. A única coisa que eles...

813 José Luís Del Roio – Mas você ficou realmente doente, né?

814 Darci Toshiko Miyaki – Fiquei, mas eu não podia dizer que eu fiquei tuberculosa lá.
815 Seria desmoralizar...

816 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ah, de fato você ficou
817 tuberculosa lá?
818 Darci Toshiko Miyaki – Fiquei. Fiquei. E eu usei isso, mas usei antecipando, porque...
819 Na minha cabeça era o seguinte: eu tinha que mentir, mas mentir com alguns
820 fundamentos, para eu não esquecer a mentira que eu tinha dito. Então, realmente eu tive
821 tuberculose. Mas, eu tive tuberculose em Cuba. Só que eu digo que eu saí do Brasil para
822 me tratar em Cuba. A única coisa que eles puderam comprovar foi a militância, que foi
823 negada também. E as únicas pessoas que poderiam comprovar eram o Leonel e o pai
824 dele, percebe? Então, eu fico incursa só no artigo 14, que é militância. E pelo artigo 14,
825 eu já tinha cumprido além do que eu deveria cumprir. Tá bom. Então, o Virgílio entra
826 aqui em São Paulo e vai para o STM. O STM determina que eu seja solta. E eu sou
827 solta. E eu não queria ser solta não, eu me sentia, eu já falei isso, eu me sentia assim...
828 Muito mais segura presa. Eu não tinha o apoio da minha família. Eu não tinha onde
829 morar, não tinha dinheiro, não tinha o que comer e... É até interessante que nesse
830 período do DOI-CODI foram presas duas meninas, caíram duas meninas da
831 organização... Do Molipo. E elas abrem pontos em que morrem alguns companheiros,
832 inclusive no depoimento do JC, que ele fala de uma japonesinha, realmente, era uma
833 japonesinha sim, de 17 anos.

834 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – JC [Jesus Cristo] é o


835 torturador Dirceu Gravina?

836 Darci Toshiko Miyaki – É o Gravina.

837 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – É no depoimento que ele,


838 recentemente, concedeu aqui à Comissão da Verdade?

839 Darci Toshiko Miyaki – Isso. E ele fala sobre a japonesinha. E de fato foi. E era uma
840 menina, uma japonesinha de 17 anos.

841 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ou seja, não era você.

842 Darci Toshiko Miyaki – É. O Zé Carlos pergunta: “É a Darci?” Mas, não é a Darci.
843 Pelo amor de Deus. Já chega a gente toda que eu passei... Eu vou tentar resumir porque
844 já está passando do horário, cheguei tarde.

845 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Essa japonesinha de 17 anos,


846 você sabe a identidade dela, não?

847 Darci Toshiko Miyaki – Sei, sei sim.

848 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Você quer falar?

849 Darci Toshiko Miyaki – Bom, é a Mari Kamada.

850 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Mari?

851 Darci Toshiko Miyaki – Mari Kamada.

852 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Marika Amada?


853 Darci Toshiko Miyaki – Mari: M-A-R-I. Kamada.

854 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Com K ou com C?

855 Darci Toshiko Miyaki – Com K. Era do Molipo.

856 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Que foi torturada,


857 naturalmente.

858 Darci Toshiko Miyaki – Foi torturada.

859 José Luís Del Roio – Muito.

860 Darci Toshiko Miyaki – A outra menina também. E eu vou ser franca. Durante um
861 bom tempo lá no DOI-CODI, na Oban, eu não conseguia falar com elas. E nesse mesmo
862 período, eu tinha visto companheiros que... Companheiros, não. Um, que tinha sido
863 preso, resistiu bravamente e que, depois, alguma coisa se quebra dentro dele e ele
864 passa... Ele é levado em diligência e ele passa a apontar gente na rua.

865 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Gente de...?

866 Darci Toshiko Miyaki – Companheiros nossos. Então... Quer dizer, eu analisei isso. E
867 aí eu pensei: “Não, são meninas novas. Se nós... Nesse momento, as abandonar, eles vão
868 se passar para a repressão.” Vão não, até poderiam. Aí eu começo, converso com elas
869 e... Isso é que é interessante. Quando eu saio do Hipódromo... Do presídio Hipódromo,
870 sem ter para onde ir, uma delas, a Márcia, fala com os pais e eu fico uma semana na
871 casa delas. A Mari vai morar em uma vaga de pensão e depois eu vou morar nessa vaga
872 de pensão também.

873 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Junto com a Mari?

874 Darci Toshiko Miyaki – Junto com a Mari. Aí do quedograma...

875 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Mas, você estava... Você ia
876 mencionar o impacto... Porque eu acho que escapou um pouco, então...

877 José Luís Del Roio – O impacto sobre sua vida.

878 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – O quedograma e esse


879 processo...

880 Darci Toshiko Miyaki – Veja, o quedograma eu não sabia. Eu sabia...

881 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Mas, esse processo


882 difamatório...

883 Darci Toshiko Miyaki – Eu sabia que essa menina, essa companheira da ALN...

884 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Cujo o nome você não quer
885 mencionar.
886 Darci Toshiko Miyaki – Começou... Não vou mencionar, não. Começou a ir de cela
887 em cela divulgando isso. E eram coisas que eu não podia contradizer naquele momento,
888 naquela situação, sabe? Então, eu me calo. E isso acaba indo para o presídio. E eu estou
889 sabendo que... Pô, eu tinha uma militância longa já, eu estou sabendo que isso está
890 acontecendo. Agora, quando eu saio do presídio, eu saio...

891 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Do Hipódromo? Você está


892 falando do Hipódromo?

893 Darci Toshiko Miyaki – Do Hipódromo. Eu saio bem desestruturada, fisicamente


894 sem... Saio com 11 hérnias de disco, né? Com o joelho arrebentado, o joelho direito, e
895 nessa situação que eu te escrevi. Então, na minha cabeça é o seguinte: eles estão me
896 soltando para me atropelar, que era o que eles faziam. Aliás, quem me explica isso,
897 depois, é o Leonel. O Leonel diz pra mim: “Darci...” Mentira, não foi o Leonel, não.
898 Enquanto eu estou no DOI-CODI, no meio desses sete meses, eu fui levada de novo
899 para a Guanabara. Eu fui levada para a Guanabara, chego lá eu sou torturada, eu já
900 narrei isso, não me fazem uma pergunta. E pela primeira vez, lá, eu vou para uma cela,
901 porque durante o período que eu estive lá, eu não fiquei em cela, do dia 25 ao dia 28 de
902 janeiro de 72.

903 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Você ficou só em sala de


904 tortura?

905 Darci Toshiko Miyaki – Só na sala de tortura e em geladeira. De um para o outro.


906 Quando eu estou sendo torturada... Nessa vez, eu acho que é abril ou maio de 72...

907 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Lá na Guanabara?

908 Darci Toshiko Miyaki – Lá Guanabara... Que eu retorno. Sou levada para a Guanabara.
909 Eu sou, de novo, interrogada pelo tal do Dr. Roberto [Ailton Guimarães Jorge], que é
910 um que está preso. Não lembro o nome dele. Eu tenho...

911 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Hoje em dia está preso?

912 Darci Toshiko Miyaki – Está preso ainda. Por tráfico, entorpecentes, alguma coisa
913 assim. Aí ele vira para mim e diz assim: “Você sabe por que você tá viva? Você estava
914 desarmada. Você não tinha ações e você não tem crime de sangue.” Quer dizer, se é
915 verdade ou se é mentira eu não sei, o fato é que eu sobrevivi. Tiveram vários
916 companheiros do meu grupo que sobreviveram. E que eu saiba, o único que traiu foi o
917 ‘Severino’ [José da Silva Tavares], não é isso? Mas, você fica assim... Pô, já existe esse
918 comentário de que eu entreguei o Hélcio, de que eu entreguei o ponto do Iuri. E eu sou
919 solta depois de um ano e meio, não é? Então, eu preciso saber o porquê disso. Para mim
920 não basta a palavra de um torturador. Bom... Isso me desestruturou muito. Inclusive, eu
921 tive alguma atuação depois que eu volto para a faculdade, mas de uma forma assim
922 muito discreta. Eu volto para a faculdade em 74 e eu volto como uma medida de
923 segurança, porque, simplesmente, eu não tinha ninguém que olhasse por mim, se eu
924 estava viva, se não estava viva, não tinha.
925 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – A ALN nesse momento...?

926 Darci Toshiko Miyaki – Não, você não pode ter contato. Ter contato com alguém
927 clandestino é matar a pessoa. É ajudar a assassinar a pessoa.

928 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Mas você já sentia essa
929 hostilidade por parte de algum grupo de militantes ou de companheiros?

930 Darci Toshiko Miyaki – Eu senti de algumas pessoas no Tiradentes. Porque essa
931 menina, ela vai antes para o Tiradentes.

932 José Luís Del Roio – Darci, porque você não pensou em sair do país? Você sabia que
933 tinha amigos lá.

934 Darci Toshiko Miyaki – Só que... Eu achava que eu estava sendo muito fiscalizada.
935 Inclusive, o meu pai, ele me fez uma proposta. Que eu fosse para o Japão e que todo
936 mês ele me mandaria dinheiro. Eu não queria sair do Brasil.

937 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Você acha que você teria
938 conseguido ir para o Japão? Eu pergunto em termos burocráticos, legais?

939 Darci Toshiko Miyaki – Sinceramente, eu não sei. Pelo menos houve essa proposta do
940 meu pai, que eu não aceitei. E mesmo para você sair Luís [José Luís Del Roio], eu já
941 estava com o meu documento legal agora. Eu achava que na fronteira poderiam me
942 pegar. Eu não tinha mais esquema de segurança para sair do país.

943 José Luís Del Roio – Bom, aí passaram-se os anos...

944 Darci Toshiko Miyaki – Passaram-se os anos.

945 José Luís Del Roio – Passaram-se 30 anos.

946 Darci Toshiko Miyaki – Eu deixei de exercer muitas atividades. Mas eu tenho orgulho
947 de dizer que ajudei, não sei se vocês já ouviram o pessoal do Brasil Mulher, da
948 Comissão de... Do Movimento Feminino pela Anistia. Eu, dentro do possível, ajudei,
949 dei algumas orientações e era até interessante porque... Eu tinha tanta desconfiança de
950 tudo, que as conversas que eu tinha eram ou no Makro ou no supermercado.

951 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Agora como é que foi... Isso
952 que, talvez, está escapando um pouco e que eu acho que é muito importante, imagina
953 que era o que motivou a sua segunda vinda aqui à Comissão. Como é que foi conviver
954 com essa mentira durante 30 anos?

955 Darci Toshiko Miyaki – Tá.

956 José Luís Del Roio – Como é que começa a superar isso?
957 Darci Toshiko Miyaki – Mas, outro fato que eu considero de muita importância, ainda
958 nessa fase inicial. Que vocês vão achar gozado eu falar isso, mas eu consigo eleger o
959 presidente do [Centro Acadêmico] XI de Agosto para 77.

960 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Quem foi?

961 Darci Toshiko Miyaki – Que é o Caio Marcelo [de Carvalho] Giannini. E eu nem
962 lembrava mais disso. Mas na época era importante porque era a época em que estava se
963 lutando pela anistia.

964 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Era o Centro Acadêmico da


965 Faculdade de Direito?

966 Darci Toshiko Miyaki – Da Faculdade do Largo São Francisco.

967 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Tá.

968 Darci Toshiko Miyaki – Eu sei que eu acabo entrando em várias fases de depressão e a
969 última foi uma fase em que, realmente, eu cheguei ao fundo do poço. Então, eu chego
970 em um ponto assim que, ou eu vou provar as coisas, ou eu me afundo de vez.

971 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – As coisas é a verdade?

972 Darci Toshiko Miyaki – A verdade. A verdade. Aí eu resolvo entrar com o


973 requerimento da Anistia. Por quê? Porque eu teria acesso aos documentos.

974 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Que ano foi?

975 Darci Toshiko Miyaki – Foi em 2009. 2009.

976 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – E de lá para cá é que você


977 consegue começar a desconstruir?

978 Darci Toshiko Miyaki – Exatamente. Exatamente. Inclusive, através de documentos. E


979 eu vou procurar o Carlos Eugênio [Sarmento da Paz] no Rio de Janeiro. Lá na
980 Guanabara. É quando eu fico sabendo que, no dia 23, eles já sabiam da queda do Hélcio.
981 Portanto, da minha queda.

982 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ele confirma isso?

983 Darci Toshiko Miyaki – Ele confirma isso. Depois ele escreve... Depois... Bom, depois
984 é depois. Bom, procuro o Carlos Eugênio e ele diz isso, ele diz: “Inclusive, Darci, tem
985 mais. Pode até ser que o Iuri tenha passado na Cantagalo para ir para outro local.” Mas,
986 para mim, isso não é suficiente, sabe? Não é suficiente que seja sete quadras depois
987 também.

988 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Você acha que foi uma
989 armadilha para ele?

990 Darci Toshiko Miyaki – Não. Nada de armadilha. Pode ter sido realmente...
991 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Uma coincidência?

992 Darci Toshiko Miyaki – Uma coincidência. Mas, depois... Bom, aí eu começo a
993 procurar as pessoas. O Carlos Eugênio [Sarmento da Paz] me fala sobre isso e ele me dá
994 o e-mail da Célia, que é a Marcy...

995 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – A moça grávida na época?

996 Darci Toshiko Miyaki – É. Quejelma? Quejelma. Acho que é isso. Eu escrevo para ela
997 e não obtenho resposta. Depois de muito tempo. Ela, em 17 de setembro de 2012...
998 Mentira, 21 de janeiro de 2012, nós já estamos nos comunicando e eu mando para ela o
999 meu requerimento de anistia. Em que eu tenho dúvida em relação a essas datas, mas eu
1000 queria o preto no branco, sabe? Para mim não bastava o que eu dissesse. Eu queria tudo
1001 provadinho, foram coisas muito graves.

1002 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – E ela responde?

1003 Darci Toshiko Miyaki – E daí ela me responde; “... que no dia...” Ela diz: “Sim,
1004 querida.”. É um portunhol. “Você foi, você é uma heroína.”. Sei lá. Bobagem. “O dia 4
1005 de fevereiro eu tinha que ir ao ponto. Foi uma bronca com o Iuri porque ele me proibiu
1006 de ir ao ponto. E estava com oito meses, e me disse que me levariam para a Oban na
1007 hora e pegariam a criança e dariam para um militar, mas que ele queria certificar-se se
1008 você estava presa ou não”, total loucura, “porque, até esse momento, ninguém tinha
1009 caído, de todos que você tinha contato”.

1010 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Mas você não tinha contado.

1011 Darci Toshiko Miyaki – Hã?

1012 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ah, que você tinha contado.

1013 Darci Toshiko Miyaki – Con-ta-to.

1014 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Não contado.

1015 Darci Toshiko Miyaki – Ninguém tinha caído. “Ou seja, você não tinha entregue
1016 ninguém. Nem tínhamos qualquer informação que você estivesse presa e até
1017 pensávamos que estava sendo seguida... que você estava sendo seguida e acabou saindo
1018 de viagem para longe. Acabei abrindo o ponto”, quer dizer, ela acabou falando para o
1019 Iuri, “da nossa referência e ele foi e viu você. Voltou muito triste e não quis falar com
1020 ninguém. Finalmente, disse que viu você e que eu tinha que desaparecer da cidade.” Iuri
1021 disse: “Ela sabia que você estava no último mês e que você não iria ao ponto, por isso
1022 que ela foi lá. A surpresa foi que”, são palavras dela, “que o liberal do Iuri foi ao ponto
1023 e podiam ter matado a ele, mas você arriscou a sua vida para não entregar a ele. Desse
1024 último, o Iuri estava seguro”, quer dizer, ele sabia, “também o Crioulo”. O Crioulo era
1025 meu companheiro. “O Quelé [Clemente = Carlos Eugênio Sarmento da Paz]”, o Quelé
1026 é o Clemente, Carlos Eugênio, “duvidou no começo, porque você sabe que ele sempre
1027 foi muito extremista nos razonamientos”. Sei lá. Então, ela me manda esse e-mail
1028 depois de décadas. Gente, como isso daqui foi importante para mim. Pouco depois...
1029 Bom, aí eu escrevo aqui, a crítica eu vou deixar com você, mas eu não vou ler porque...

1030 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Isso tudo você pode deixar
1031 com a gente?

1032 Darci Toshiko Miyaki – O quê?

1033 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Esse também?

1034 Darci Toshiko Miyaki – Posso, posso.

1035 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – É muito importante.

1036 Darci Toshiko Miyaki – Eu trouxe inclusive por isso... Gente, já são meio-dia. Coitado
1037 de vocês.

1038 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Não, imagina.

1039 Darci Toshiko Miyaki – Vou deixar vários documentos, tá?

1040 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Sim. Agora esse relato que
1041 essa senhora chilena, ou nicaraguense, não sei. Faz...

1042 Darci Toshiko Miyaki – É sobre o ponto...

1043 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Não, não, não. Isso está
1044 claro. Mas, é... Isso que ela conta do Iuri, por exemplo, até esse momento, não era
1045 conhecido. Era conhecido de um grupo muito restrito. Que o Iuri decide ir ao ponto...

1046 Darci Toshiko Miyaki – Não, nem eu sabia. Eu sabia porque eu vi.

1047 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Sim, sim, sim. Mas ninguém
1048 sabia. É algo novo.

1049 Darci Toshiko Miyaki – É novo. É novo...

1050 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ela faz uma revelação?

1051 Darci Toshiko Miyaki – Sim, sim.

1052 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Para além de ter...

1053 Darci Toshiko Miyaki – E eu até entendo o porquê, pelo o seguinte, veja. Eu tinha
1054 determinadas atividades dentro da organização. Eu era companheira do Luís José da
1055 Cunha [Crioulo]...

1056 José Luís Del Roio – Já desaparecido como morto?

1057 Darci Toshiko Miyaki – Que era... Não, ele não era morto não.

1058 José Luís Del Roio – Não, na época não, mas aí...
1059 Darci Toshiko Miyaki – Ele tinha ido para o Chile.

1060 José Luís Del Roio – Mas, ele morre depois, eu só quero dizer...

1061 Darci Toshiko Miyaki – Eles são muito... É, depois ele morre. Mas, o Iuri, o Alex, o
1062 Crioulo, eles eram muito unidos. Eram laços de amizade. E eu tenho a impressão que o
1063 Iuri se sentiu responsável por mim. Quer dizer, são...

1064 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Suposições?

1065 Darci Toshiko Miyaki – Suposições, eu não posso afirmar nada.

1066 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Mas ele também arriscou a
1067 vida passando de carro lá, né?

1068 Darci Toshiko Miyaki – Exatamente. Quer dizer...

1069 José Luís Del Roio – Posso perguntar uma coisa?

1070 Darci Toshiko Miyaki – Sim.

1071 José Luís Del Roio – Você vai deixar esse documento: “Palavras aos militantes da
1072 ALN”?

1073 Darci Toshiko Miyaki – Sim, vou deixar. Quer que eu tire alguma coisa?

1074 José Luís Del Roio – Não, eu não quero que você tira nada.

1075 Darci Toshiko Miyaki – Eu sou muito, muito... Eu estava com muita raiva, Luís.

1076 José Luís Del Roio – Eu quero dizer o seguinte. Esse documento, “Palavras aos
1077 militantes da ALN”, tem uma série de pequenas informações inéditas, no sentido de, se
1078 você deixar, não precisa nem falar porque você vai deixar...

1079 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – É importante.

1080 José Luís Del Roio – É o maior documento escrito por você.

1081 Darci Toshiko Miyaki – É, mas eu trouxe só um pedacinho do Quedograma. Deixo


1082 também a comprovação da data do... Não, isso eu já deixei. A comprovação da data da
1083 prisão do Hélcio.

1084 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Você acha que, em relação à
1085 perseguição que você sofreu durante a ditadura e pós-ditadura, a verdade agora está
1086 estabelecida? Ou falta algo ainda?

1087 Darci Toshiko Miyaki – Eu acredito que sim porque... Esse e-mail dessa companheira,
1088 o próprio Carlos Eugênio escreve... Ah, sim. Aí tem um tal de... Um escritor aí, não sei
1089 o quê [Rubim Santos Leão de] Aquino, que ele diz que eu tinha entregue pessoas em
1090 diligências. Nunca aconteceu isso. E aqui eu contesto categoricamente, porque não
1091 aconteceu, gente. E eu entrei com um processo contra ele.

1092 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Uma queixa-crime?

1093 Darci Toshiko Miyaki – Não. Um processo... Uma ação ordinária mesmo. Entrei. E ele
1094 pediu desculpas e ele reconhece que errou. E...

1095 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Se retratou... Pelo que você
1096 fala aqui, em algum momento você falou, a impressão que se tem é que, tão ou mais
1097 dolorido para você do que a ditadura e a tortura em si...

1098 Darci Toshiko Miyaki – Exatamente.

1099 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Foi essa inverdade que se
1100 construiu.

1101 Darci Toshiko Miyaki – Foi o que mais me destruiu. Porque é o seguinte: da repressão,
1102 eu sempre digo, a gente sabia o que ia passar e estava preparado, quer dizer, achava que
1103 estava preparado, mas estava mais ou menos preparada, vai. Agora, dos companheiros,
1104 nunca. E tudo parte de uma única pessoa, é uma fonte que vai disseminando. Então, eu
1105 não perdoo essa pessoa, não consigo perdoar. Jamais vou perdoar.

1106 José Luís Del Roio – Alguma companheira tua, sabendo desse fato, disse que... Vou
1107 fazer uma pergunta difícil, não para você, mas para a resistência, para a luta. Que você
1108 foi acusada, primeiro, porque não era conhecida a tua atuação...

1109 Darci Toshiko Miyaki – Sim.

1110 José Luís Del Roio – Que, aliás, você não a contou toda, que fique registrado isso. Era
1111 muito mais pesada e ativa do que você contou, digo isso porque eu sei qual era.
1112 Segundo, você sendo um militante pouco importante, não é verdade?

1113 Darci Toshiko Miyaki – Aham, aham.

1114 José Luís Del Roio – E era mulher.

1115 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Supostamente.

1116 José Luís Del Roio – É supostamente. E mulher.

1117 Darci Toshiko Miyaki – Principalmente.

1118 José Luís Del Roio – Então, se tem que alguém pagar, que pague quem é menos
1119 importante e mulher. O que você acha dessa afirmação feita por uma companheira da
1120 ALN?

1121 Darci Toshiko Miyaki – Aliás, essa afirmação também foi feita para mim.
1122 José Luís Del Roio – Pois é, para você. Foi uma companheira da ALN que fez essa
1123 afirmação.

1124 Darci Toshiko Miyaki – Eu acho que tem...

1125 José Luís Del Roio – É uma pergunta difícil, eu quero saber o que você acha?

1126 Darci Toshiko Miyaki – Eu acho que tem muito fundamento. Como eu disse antes, eu
1127 era muito disciplinada.

1128 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Só um parêntese. Ela era a


1129 única mulher na cúpula da ALN?

1130 José Luís Del Roio – Não, a companheira não era da cúpula da ALN.

1131 Darci Toshiko Miyaki – Eu não era da direção nacional.

1132 José Luís Del Roio – Ela não era da direção.

1133 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Eu sei, mas é como a gente
1134 não sabe exatamente qual...

1135 José Luís Del Roio – Eu quero dizer o seguinte, só para ficar claro, não sei se...

1136 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ela era a mulher que tinha o
1137 cargo mais alto na ALN?

1138 José Luís Del Roio – Não era isso. Tinha certo tipo de responsabilidades pesadas.
1139 Vamos dizer, complicadas, que ela não falou na polícia e que ela não falou para a CNV.

1140 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Certo, mas ela era a única
1141 mulher...

1142 Darci Toshiko Miyaki – Falei.

1143 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – ... que tinha essas
1144 responsabilidades?

1145 José Luís Del Roio – Não tudo. Hã?

1146 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ela era a única mulher que
1147 tinha essas responsabilidades?

1148 Darci Toshiko Miyaki – Era.

1149 José Luís Del Roio – Desse tipo, sim.

1150 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ok. Era isso que eu queria
1151 saber.
1152 Darci Toshiko Miyaki – Nessas... Sim. Eu era a única. E outra coisa. Eu nunca fui uma
1153 pessoa vaidosa. Assim de querer aparecer, porque eu sou isso, sou aquilo. Não. Ao
1154 contrário, eu era uma pessoa extremamente disciplinada. Até houve também uma outra
1155 companheira que me disse o seguinte: “Darci, além de você ser mulher, de ser você a
1156 pessoa mais próxima a ter uma série de informações, você chegaria no presídio”, olha
1157 que coisa terrível, “e teriam medo da sua liderança”. Eu falei: “Gente, eu estava um
1158 farrapo humano, eu estava um trapo. E eu nunca tive esses problemas de... Sabe cargo,
1159 liderança... essas...?” Nunca tive. “Eu faço o que tem que fazer, ótimo.” Mas, de fato
1160 isso foi dito mesmo por uma companheira.

1161 José Luís Del Roio – Posso te fazer outra pergunta? Porque, infelizmente, o tempo,
1162 pelo dia especial que é hoje, dia de Copa do Mundo...

1163 Darci Toshiko Miyaki – Já vão fechar?

1164 José Luís Del Roio – Vamos... Eu queria te fazer uma pergunta: se você quiser, diga
1165 algumas palavras de uma militante. Eu queria que você falasse algumas palavras, se
1166 você quiser, da companheira Rosa.

1167 Darci Toshiko Miyaki – Que Rosa?

1168 José Luís Del Roio – Amélia.

1169 Darci Toshiko Miyaki – Puxa vida, o que eu posso dizer?

1170 José Luís Del Roio – Diga o nome primeiro, se você quiser.

1171 Darci Toshiko Miyaki – O nome dela é Maria Amélia Araújo Silva [Rosa]. É uma
1172 companheira de uma militância que começou lá no Nordeste. Ela é médica. Já era
1173 médica naquele tempo e...

1174 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Da ALN também?

1175 Darci Toshiko Miyaki – Da ALN. De uma família burguesa de políticos, coronéis, lá
1176 do Nordeste. Mas ela assume completamente a nossa causa. É uma das pessoas que eu
1177 mais admiro.

1178 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Você quer deixar registrado,
1179 é isso?

1180 Darci Toshiko Miyaki – Então, ela participa desde aquele grupo dos 11, 13, sei lá?
1181 Não sei o nome.

1182 José Luís Del Roio – Onze.

1183 Darci Toshiko Miyaki – Vai trabalhar com os camponeses. Participa das Ligas
1184 Camponesas. É uma companheira de primeira hora da ALN. Treinou com a gente no
1185 mesmo grupo.
1186 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ela era do Maranhão, não é?

1187 Darci Toshiko Miyaki – Não.

1188 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Não?

1189 Darci Toshiko Miyaki – Ela era da Paraíba.

1190 José Luís Del Roio – Totalmente desconhecida.

1191 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Ela é viva?

1192 Darci Toshiko Miyaki – É viva. Maria Amélia, é uma história pouco conhecida, agora
1193 já pode ser dita. Ela foi escolhida para ir para a Guiné Bissau.

1194 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Escolhida pela ALN?

1195 Darci Toshiko Miyaki – É.

1196 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Fazer?

1197 Darci Toshiko Miyaki – Pelo Mariga? Por quem que ela foi escolhida? Bom, eu não
1198 sei eu sei que ela foi...

1199 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Mas para fazer o quê?

1200 José Luís Del Roio – Não, ela foi depois da morte do Mariga.

1201 Darci Toshiko Miyaki – É. É.

1202 José Luís Del Roio – Você, talvez, se recorde que em Cuba existiam algumas
1203 divergências...

1204 Darci Toshiko Miyaki – Grandes.

1205 José Luís Del Roio – Sobre os destinos dos diversos companheiros.

1206 Darci Toshiko Miyaki – Inclusive, nós fomos discriminadas, éramos só duas mulheres
1207 em um grupo de, sei lá, 25, 26 rapazes, né?

1208 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Você e ela?

1209 Darci Toshiko Miyaki – Nós duas. E... Aí os cubanos... Não sei se partiu dos cubanos,
1210 de quem partiu. Mas acharam que nós, mulheres, não deveríamos fazer o treinamento de
1211 guerrilha rural. E eu não sei se é em função disso ou o que é. Mas eu vou... Também já é
1212 conhecido agora, né? Eu vou para a Coreia do Norte, sou a primeira mulher brasileira a
1213 ir para a Coreia do Norte com algumas atividades. E a Maria Amélia vai para a Guiné
1214 Bissau. E lá ela faz um trabalho belíssimo. Porque ao lado de lutar com os
1215 companheiros de lá...
1216 José Luís Del Roio – Precisa só você recordar que Guiné Bissau é uma colônia
1217 portuguesa que está combatendo com armas na mão.

1218 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Naquele momento.

1219 Darci Toshiko Miyaki – Está em plena guerra. Uma carnificina total.

1220 José Luís Del Roio – Uma combatente nossa na Guiné Bissau.

1221 Darci Toshiko Miyaki – E, ao lado de ser combatente...

1222 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – E ela pega em armas?

1223 Darci Toshiko Miyaki – Sim.

1224 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – E você também?

1225 Darci Toshiko Miyaki – Eu não. Eu fui para a Coreia.

1226 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Sim, sim, sim. Eu entendi.
1227 Mas você também estava apta a pegar em armas?

1228 Darci Toshiko Miyaki – Sim.

1229 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Com esse treinamento que
1230 você tinha?

1231 Darci Toshiko Miyaki – Sim, sim. E, ao lado disso, ela faz todo um trabalho de
1232 assistência médica na Guiné, sabe? E esse trabalho feito por nós mulheres, vamos dizer
1233 assim, por companheiros também, mas eu digo por nós mulheres porque éramos as
1234 únicas duas mulheres no grupo e cada uma foi exercer uma tarefa, tá. É até uma
1235 demonstração da visão mais internacionalista que esses daqui tinham, mas parte
1236 também do [Carlos] Marighella.

1237 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Internacionalista e que as


1238 mulheres...

1239 Darci Toshiko Miyaki – Ou seja. Eu digo sempre, os companheiros mais novos não
1240 aceitam, eu digo sempre que os companheiros mais velhos, o Marighella, o [Joaquim]
1241 Câmara Ferreira, o [Rolando] Fratti, o [Argonauta] Pacheco [da Silva]...

1242 José Luís Del Roio – Argonauta.

1243 Darci Toshiko Miyaki – Argonauta Pacheco, o seu Luís Del Roio...

1244 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Não, não. O seu Luís Del
1245 Roio é jovem. Não tem nada a ver com isso, não.

1246 Darci Toshiko Miyaki – É. É jovem. Nessas alturas ainda é jovem. Não, mas eles eram
1247 menos machistas do que os companheiros mais novos.
1248 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – E do que algumas
1249 companheiras, como se mostrou depois?

1250 José Luís Del Roio – Certo.

1251 Darci Toshiko Miyaki – Também. Também, também. Porque, na realidade, não vou
1252 nem ler. Mas, eu acho que eu gostaria de ler isso daqui sim.

1253 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Então leia.

1254 Darci Toshiko Miyaki – Os companheiros... O Carlos Eugênio jamais aceitou essa
1255 crítica que eu faço aos companheiros mais novos porque eles eram machistas mesmo.
1256 Não, mas o que eu vou ler é outra coisa. Ah sim. Uma coisa que eu acho muito
1257 importante. O coronel [Carlos Alberto Brilhante] Ustra, ele tem um livro, nesse livro
1258 ele diz o seguinte: “Que nós tomávamos banho de sol.” É verdade.

1259 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Nós... presos?

1260 Darci Toshiko Miyaki – Nós presas, lá no DOI-CODI. E que... Só que eu escrevo
1261 aqui... Ah sim. Tinham duas companheiras que estavam com... Tinham levado tiro na
1262 cabeça. E eu tinha sido levada para o Hospital das Clínicas com hemorragia, oral e
1263 vaginal. Então, algumas vezes nós fomos levadas até o pátio, tá? Só que ele se esqueceu
1264 de dizer, que tinham fuzis apontados para nós. Que tinha um homem deles ao nosso
1265 lado. Éramos três mulheres, duas mancando e outra com a barriga desse tamanho. Outra
1266 coisa que esse major Ustra disse é que a filha dele foi levada à nossa cela. É verdade, ele
1267 colocou a filha dele, era uma menininha, não sei três, quatro anos. E ele fala também
1268 que a mulher dele... Eu estou falando isso porque isso está no livro dele, a mulher dele
1269 ia lá ao DOI-CODI para nos ensinar a fazer tricô. Eu não tenho nem o que comentar a
1270 respeito disso. A menina realmente foi levada, agora, nós criamos uma organização de
1271 luta armada, que qualquer ação em que fosse visualizado um inocente. A ação era
1272 desmontada.

1273 José Luís Del Roio – Óbvio.

1274 Darci Toshiko Miyaki – Essa era a nossa visão.

1275 José Luís Del Roio – Óbvio.

1276 Darci Toshiko Miyaki – Agora, vocês acham que nós... Cara, ele botou a filha dele,
1277 três, quatro, cinco... Não sei. Era uma criança.

1278 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Uma única vez?

1279 José Luís Del Roio – Várias vezes.

1280 Darci Toshiko Miyaki – Várias vezes. Sim, várias vezes. Ou um ano, não sei. Mas, a
1281 menina foi lá, tá. Jamais faríamos alguma coisa. Nunca. Também não usaríamos essa
1282 menina para tentarmos sair de lá. Porque o DOI-CODI estava lotado. Estava cheio.
1283 Todas as celas, masculinas estavam lotadas... Nós seríamos liquidados na hora. Mas,
1284 independente de sermos liquidados ou não, nunca faríamos nada, tá. Nunca relamos um
1285 dedo nessa menina.

1286 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – E por que que você acha...
1287 Como é que você tenta entender isso, esse fato dele colocar a criança lá?

1288 Darci Toshiko Miyaki – Como é complicado. Não, mas tem mais. Aí ele fala que a
1289 mulher dele ia lá ensinar a fazer crochê, tricô, não sei o que, e que nós a víamos. Eu a vi
1290 sim, uma vez, uma única vez. Eu disse para ela: “Eu já estudei em colégio de freira, eu
1291 sei fazer, eu não gosto, eu prefiro...” O pai ou a mãe de alguém levou... Tinha levado
1292 um baralho e eles deixaram entrar. Aí, não fui agressiva, não. Nunca fui agressiva. Não
1293 vou dizer: “Não, porque eu fiz isso...” Mentira, não. Também nunca baixei a cabeça.
1294 Aliás, até isso o Ustra escreve no livro dele. Que nós nunca discutimos política com a
1295 mulher dele. Nós entendemos bem, eu encontrei a mulher dele uma vez. E que nós
1296 éramos altivas. E éramos mesmo. Mas, é verdade, sim, isso que ele fala. Agora, você me
1297 pergunta o porquê disso. Eu não sei o que te responder. Não tem um... Dizer que ele
1298 achava que a ditadura ia acabar é mentira porque era 72. Não existia nada que apontasse
1299 para um término dessa ditadura. Para dizer que ele era bonzinho? Bom, depois de tudo
1300 que nós passamos. Para nos cooptar através da filha e da mulher? Na verdade, para
1301 mim, era mais uma forma de tortura sim. Era uma forma assim... Eu não sei explicar,
1302 sabe? Lembrando-se daquela época era um... Eu tinha até revolta de estar sendo criada
1303 essa situação.

1304 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Nesse dia que a filha dele vai
1305 na cela, você está com mais alguém na cela?

1306 Darci Toshiko Miyaki – Sim. Estávamos em cinco ou seis.

1307 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Alguém tinha filhos?

1308 Darci Toshiko Miyaki – É, tinha uma companheira que estava esperando... Estava
1309 grávida, né? Em relação a isso, eu disse que eu não... Não era a pessoa competente a
1310 responder, tá. Eu não tenho que responder a nada disso. Somente que... Eu falei
1311 claramente que eu não gostava de trabalho manual. Eu ia até te dar um poncho que eu
1312 fiz no Tiradentes. Não, mas eu já tinha dado. Foi a única coisa que eu fiz e fiz no
1313 Tiradentes. Mas, nessa época, eu disse que eu não gostava e que eu preferia ficar na cela
1314 jogando baralho. E era o que eu fazia mesmo. Resumindo, eu quero deixar esse
1315 documento com vocês. Não vou ficar falando porque já passou mais do que da hora.

1316 José Luís Del Roio – Depois a gente seleciona os documentos com calma. Depois da
1317 gravação.

1318 Darci Toshiko Miyaki – Ah, trouxe também aqui depoimentos prestados pelo Hans.
1319 Lembra o alemão que era do 1º Exército?

1320 José Luís Del Roio – Lembro. Lembro-me do... (inaudível 1:56:18)
1321 Darci Toshiko Miyaki – Mas, o que eu queria ressaltar é que... Às vezes, uma única
1322 pessoa consegue destruir tua vida por décadas, décadas. Gente, vocês não sabem a que
1323 ponto eu tinha chegado. Até que eu falei: “Bom, quase dois anos sem sair de casa, ou eu
1324 vou procurar as coisas...” Olha... Fui para o Rio. Fui para Recife procurar a [Maria do]
1325 Amparo [Almeida Araújo] que teria, talvez tivesse contato com a Marcy. A Amparo me
1326 mostra a Marcy, não sei se ela estava casada com o diplomata ainda, lá em Aspen, olha
1327 que chique. Ah sim. Aqui tem um artigo escrito pelo Carlos Eugênio, quando sai o livro
1328 do Aquino, que você avisa a gente. Nós pedimos... O Clóvis, primeiro, pede para a
1329 Rosa, nos defender porque esse aqui não morava no Rio e o livro foi publicado no Rio.

1330 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Rosa é?

1331 Darci Toshiko Miyaki – A Rosa Cardoso. E daí não há condições e o Carlos Eugênio
1332 apresenta outro advogado. Mas ele escreve esse documento em que ele faz uma defesa
1333 muito linda da gente. Deixa aí com vocês também. E esse daqui é um documento... Sim.
1334 Porque no quedograma eu digo que havia três álbuns lá no DOI-CODI. Que eu
1335 confirmei sim, todos os companheiros do 2º Exército. Mas eu confirmei com o álbum na
1336 minha frente. Porque eu não sabia o nome legal da maioria deles, sequer do meu
1337 companheiro, eu sabia o nome dele. Eu fico sabendo do nome verdadeiro dele lá na
1338 Oban, no DOI-CODI.

1339 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Sob tortura?

1340 Darci Toshiko Miyaki – Não, no álbum. Quando eles mostram o álbum.

1341 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Por que o álbum tinha
1342 identificação com os nomes corretos?

1343 Darci Toshiko Miyaki – Tinha foto...

1344 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – E o nome...?

1345 Darci Toshiko Miyaki – De cada um de nós.

1346 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – A identidade?

1347 Darci Toshiko Miyaki – O nome real, o nome falso que estávamos usando e os nomes
1348 falsos, quer dizer: Gomes, Cristina, Théo... Você usou Théo. Quando eu não sei. Então,
1349 eu deixo aqui também um depoimento que eu fiz. E outra coisa que eu quero... Não sei,
1350 vocês poderiam...

1351 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – A gente faz cópia.

1352 Darci Toshiko Miyaki – Não, pode... Eu não quero mais ver essas coisas na minha
1353 vida. Gostaria que vocês analisassem, sim, esses documentos, porque eu vejo uma boa...
1354 Tem dados que são novos, que, somente conforme o nível da organização, teria
1355 conhecimento e possibilidade de analisar. E outra coisa que eu quero fazer menção.
1356 Talvez vocês lembrem, é sobre a sentença aqui do... Eu já falei sobre isso no outro
1357 depoimento?

1358 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Falou um pouquinho. Fala


1359 um pouquinho pra gente.

1360 Darci Toshiko Miyaki – É o seguinte... Ele... Ah. Esse daqui. Foi apreendido no
1361 Tiradentes, gente. Olha, é uma piada. Foram apreendidos dois documentos.

1362 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Esse é o placar do jogo?

1363 Darci Toshiko Miyaki – É, de baralho. Mas esse daqui foi no Tiradentes. E foram dois
1364 documentos: esse daqui do jogo e um poema, o “Poema 20”, do Pablo Neruda. Aquele
1365 poema que diz assim: “Posso escrever os versos mais tristes essa noite, escrever, por
1366 exemplo...” Lembram? Eu gostava muito. E alguém que sabia que eu gostava muito, me
1367 mandou esse poema, e estava junto, aí pegaram. Mas, na sentença, o Nelson [Machado]
1368 Guimarães, ele diz o seguinte, ele... Isso foi perguntado tanto na Oban, no DOPS, no
1369 depoimento judicial. Se, depois que eu saí do Brasil, eu tive contato com a minha
1370 família? Eu digo que não. Evidente que eu não tive contato com a minha família. Aí na
1371 sentença ele diz assim: “...que a Darci declarou...” Eu falei? Eu não falei sobre isso?
1372 Não vou repetir.

1373 Glenda Mezarobba (Comissão Nacional da Verdade) – Eu não lembro. Você


1374 lembra?

1375 Ariana Bazzano (Comissão Nacional da Verdade) – Eu acho que você não era uma
1376 pessoa que não tinha...

1377 José Luís Del Roio – Exato.

1378 Darci Toshiko Miyaki – É, que eu não tinha contato com a minha família...

1379 José Luís Del Roio – Exato. Você falou...

1380 Darci Toshiko Miyaki – Não tinha a proteção da família. Coitadinha.

1381 Ariana Bazzano (Comissão Nacional da Verdade) – Eu vou lembrar.

1382 Darci Toshiko Miyaki – E outra coisa que ele diz também... Nem lembro mais, mas
1383 deve estar lá. Então, se vocês quiserem algum...