Você está na página 1de 44

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

Coor denadori a do Curso de Fil osofi a

SUGESTÃO PARA A NORMALIZAÇÃO DE


TRABALHOS ACADÊMICOS

Shirley Dau

São João del-R ei, agosto de 2009

1
SUGESTÃO PARA NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS é uma
iniciativa da COFIL – Coordenação do Curso de Filosofia da UFSJ – Universidade
Federal de São João Del-Rei. Colaboração: Profª. Shirley Dau e Prof. Pedro H. S.
Pereira.

Ficha técnica:
Digitação: Shirley Dau
Editoração Eletrônica: Pedro H. S. Pereira e Paulo César de Oliveira
Capa:Pedro H. S. Pereira
Revisão: Pedro H. S. Pereira

Ficha catalográfica:

Dau, Shirley.
Sugestão para normalização de trabal hos acadêmi cos /
Shirle y Dau. S ão João Del-R ei : SEGR A, 2009.
42 p.
ISBN 978-85-88414-56-3

1. Normaliz ação. I. D au, Shirley. I I. Tí tulo.

CDU

2
UFSJ – Universidade Federal de São João Del-Rei

Reitor:
Prof. Dr. Helvécio Luiz Reis

Vice-Reitora:
Profª Drª. Valéria Heloisa Kemp

Pró-Reitoria de Ensino:
Pr o f . Dr . Mu ril o Cr u z L e al

Pró-R eitoria de P esquisa:


Prof. D r. A ntonio Luis Assunção

Pró-R eitoria de E xtensão:


Prof. D r. Marcos Vieira

Chef e do Departamento de Fil os ofia e Mét odos


Prof. D r. J os é Maurício de Carvalho

Coordenador do Curso de Fil osof ia


Prof. D r. P aulo Cés ar de Olivei ra

Editora da U FSJ

Diret or:

Co n s e lh o Edi t o ri al :

3
SUGESTÃO PARA A NORMALIZAÇÃO DE
TRABALHOS ACADÊMICOS

4
Dedico este trabalho ao meu grande
amor, Agatha Karim Dau e Santos,
cuja ausência me faz entender
plenamente o conceito saudade!

5
Ag r a d e ç o a o Pr o f. Dr . Pa ul o
Cé s a r d e O li v eir a , Co o rd e n a d or
d o Cu r s o d e Fi lo s o fi a , p el a
i ni ci a ti v a e a p oi o a este
t r a b al h o .

6
Nã o é d e se d ar a s a s a o
i n t el e ct o , ma s c h u mb o e p e s o
p a r a q u e lh e s e ja m c o i b i d o s o
s a l t o e o v ôo .

Francis Bacon, (
1561- †1626).

7
PREFÁCIO

Este Manual vem atender a uma solicitação do Colegiado do Curso de

Filosofia que se preocupou em oferecer aos nossos discentes e professores um

referencial que pudesse orientar a elaboração dos trabalhos acadêmicos, de forma a

alcançarmos uma padronização na apresentação final, sobretudo das monografias.

Não existe a pretensão de abranger todas as questões envolvidas em

Metodologia Científica. Trata-se, tão somente, de uma orientação que possa servir

para consulta rápida e prática; qualquer aprofundamento deverá ser buscado na

bibliografia sugerida no final deste trabalho e/ou em outros textos disponíveis nas

bibliotecas e livrarias.

Agradecemos a colaboração abnegada da Professora Shirley Dau que

oferece ao nosso curso esse referencial, favorecendo a aquisição de uma postura

cientifica que se traduzirá na melhoria da apresentação dos trabalhos acadêmicos.

Prof. Dr. Paulo César de Oliveira


Coordenador do Curso de Filosofia

8
SUMÁRIO
APRES ENT AÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 1 0

CAPÍ T UL O I : Ro t ei r o d e p e sq ui s a s . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 1 2

1 . 1 – As s u n t o .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 12
1 . 2 – Deli mi t a ç ã o d o a s s u n t o . . . . . . . . .. .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 12
1 . 3 - J u s ti fi ca ti v a d o a s s u n t o .. . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 12
1 . 4 – Re vi s ã o d e li t e ra t u r a . . . . . . . .. . . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . 13
1 . 5 – Fo r mu l a ç ã o d o p r ob le ma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 13
1 . 6 – Pr o c ed i me n t o . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 13
1 . 7 – An áli s e d o s d a d o s . . . . . . . .. . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 13
1 . 8 – Di s c u s s ã o d o s re s ul t a d o s . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 13
1 . 9 – Co n cl u sã o . . . . . .. . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . 13
1 . 1 0 – Re fe r ê n ci a s bi bli o g rá fi c a s . . . . ... . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . 14
1 . 1 1 – An e xo s . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 14
1 . 1 2 – Co nt r a c a pa . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . 14

CAPÍ T UL O I I : Ci ta ç õ e s – NBR 1 05 2 0 . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 15
2 . 1 – Ci t a ç õ e s li vr e s . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 16
2 . 2 – Ci t a ç ã o t e xt u a l .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 16
2 . 3 – Ci t a ç ã o d e ci t a ç ão ( ci t a çã o i n dir e t a ) .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. 16
2 . 4 - Ci t a ç õe s c u r ta s ( a té t r ê s li nh a s ). . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 17
2 . 5 – Ci t a ç õ e s lo n g a s ( ma i s d e t r ê s lin h a s ) . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . 18

CAPÍ T UL O I I I : Sugestões para a apresentação do trabalho monográfico................


20
3 . 1 – Es t r u tu r a da mo n o g r a f ia . . . . . .. . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 21
3 . 2 – I n tr o d u ç ão . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 21
3 . 3 – Co rp o d o t r a b alh o o u d e s e n v ol vi me n t o . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . 21
3 . 3 . 1 – Exp li c a ç ã o . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 22
3 . 3 . 2 – Di s c u s s ão . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 22
3 . 3 . 3 - De mo n s t r a ç ã o .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 22
3 . 4 – Co n cl u sã o . . . . . .. . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . 22
3 . 5 – Bibl io g r af ia . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 22
3 . 5 . 1 – O b ra s c o mp l e t a s . . . . .. . . . . . . ... . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 22
3 . 5. 1 . 1 – Li v r o s . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . 22
3 . 5. 1 . 2 – Re v i st a s o u p e ri ó di co s. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 22
3 . 6 – Mu l ti me i o s . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 23
3 . 6 . 1 – Di s co s . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 23
3 . 6 . 2 – Fi t a ca s s e t e . .. . . . . . . . .. . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 23
3 . 6 . 3 – Dia p o si ti v o s . .. . . . . . . . .. . . . . . . . ... . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 23
3 . 6 . 4 – Fil me s . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 23
3 . 6 . 5 – At l a s e ma p a s . . . . . . . . . . . . . . .. . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 24
9
3 . 7 – No t a s d e p é- d e -p á gi n a . . . . . . . . .. . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 2 4

CAPÍ T UL O I V . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 26
4 . 1 - Exe mp l o d e c a pa . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 28
4 . 2 - Exe mp l o d e fo lh a d e r o s t o . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 29
4 . 3 - Exe mp l o d e pá gi n a de a v ali a ç ã o. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 30
4 . 4 - Exe mp l o d e pá gi n a de d e di c at ó ri a . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . 31
4 . 5 - Exe mp l o d e pá gi n a de a g ra d e cime n t o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . . 32
4 . 6 - Exe mp l o d e pá gi n a de e p í gr a f e . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 33
4 . 7 - Ma r g en s d o te xt o . . . . . . . . . . . . .. . . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . 29
4 . 8 – L e tr a a se r u s ad a c o mo p a d r ã o .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 36
4 . 9 – Ta ma n h o d o p a p el . . . .. . . . . . . . .. . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 36
4 . 1 0 - Ci t a ç õe s c o m ma i s d e 3 li n h a s . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 36
4 . 1 1 - Es p a ç a me n t o e n t re l in h a s . . . .. . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . 36
4 . 1 2 – Re c uo d e pa r á gr a f o . . .. . . . . . . . .. . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . 36
4 . 1 3 - Re s u mo . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 36
4 . 1 4 -T í t ul o s . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 37
4 . 1 5 - Su b t ít ul o s . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 38
4 . 1 6 - No t a s d e ro d a p é. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 39
4 . 1 7 - Il u s tr a ç õ e s/ g r áf i co s / t a be la s . . . .. . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . . . .. . . . . . 39

10
APRESENTAÇÃO

O real objetivo deste manual é detectar e dirimir as dificuldades que

percebemos nos alunos quando a estes é dada a tarefa da elaboração e confecção

dos trabalhos acadêmicos. Ao constatar tais dificuldades a Coordenação do Curso

de Filosofia se sensibilizou e me encomendou este trabalho, que eu denomino

manual. E, como qualquer vade-mecum, este também trará as informações de

maneira sucinta, prática, o que facilitará uma consulta rápida e direta.

Portanto, não será objetivo deste manual uma caracterização minuciosa do

que seja a Metodologia científica ou filosófica. Aqui estarei buscando apenas

direcionar a estética do trabalho segundo as normas e diretrizes impostas pela

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. Apoiei-me na ABNT porque as

suas normatizações dão respaldo técnico a todos os tipos de trabalhos

eventualmente exigidos na graduação e/ou pós-graduação em todo o território

nacional. Assim, acredito que nossos alunos estarão seguramente orientados para

cumprir suas tarefas acadêmicas, não somente em nossa instituição, como também

em qualquer outra em território nacional.

É n e s s e e s p íri t o de c o o pe r a ç ão e bo a - v o n t ad e , qu e a te n di ao

11
p e d id o d a Co o r de n a ç ã o d o Cu r so d e F il o s of ia e me d e b r u c ei s o b r e

e s t e t r a ba lh o . Só p o s s o e s p e r ar q u e o r e s ul t a d o se ja o me l h o r , pa r a

o b e m d a q u e l e s q ue s e d e pa r a re m c o m a s d i f i c ul d ad e s t é c ni c a s ,

c o mu n s a o s t r a b a l h o s a c ad ê mi c o s . A t o d o s o s a lu n o s e p r of e s s o re s ,

d e s e jo u m b o m t r a b a l ho!

Profª Shirley Dau.

12
CAPÍTULO I
Roteiro de pesquisas
As pesquisas, descritivas e experimentais devem em muito à pesquisa bibliográfica.
Contudo, elas têm características próprias.

Segue abaixo um esquema das pesquisas descritiva e experimental. Ele foi


elaborado de forma, que possa mostrar como essas pesquisas seguem de perto a
pesquisa bibliográfica.

1.1 - Assunto: o assunto deve ser relevante para o meio em que o pesquisador está
inserido. Além de ser atrativo para ele, é preciso que a sua formação seja
compatível com o que ele se propõe a investigar, uma vez que suas experiências de
vida devem ter uma relação direta com as idéias a serem produzidas a partir das
pesquisas.

1.2 - Delimitação do Assunto: é sempre recomendável que se proponha apenas


um tópico para ser analisado. Deve-se reduzir a extensão do assunto para que
assim se possa aumentar a sua compreensão. Portanto:

EXTENSÃO COMPREENSÃO

1.3 - Justificativa do Assunto: deve-se justificar porque se escolheu trabalhar


sobre um determinado problema, qual é a sua importância dentro do universo

13
científico a ser estudado.

1.4 - Revisão da Literatura: por meio da pesquisa bibliográfica procura-se coligir os


estudos sobre o assunto delimitado. Tal estudo preliminar e sintético trará
informações sobre a situação atual do problema, sobre os trabalhos já realizados a
respeito e sobre opiniões existentes.

1.5 - Formulação do Problema: o problema é uma pergunta que se deseja


responder. Ela é feita sempre como uma interrogação. Deve ser clara e distinta. O
problema somente será bem formulado se a revisão literária sobre o tema for boa,
como também se a análise crítica do autor refletir uma posicionamento pessoal.

1.6 - Procedimento: exige-se uma conduta básica para se elaborar uma pesquisa,
segundo a qual deve-se descrever detalhadamente todo o processo da coleta e
registro dos dados. Ou seja, demarcar o objeto estudado e detalhar os recursos
metodológicos a serem utilizados, para se fazer a observação do problema.

1.7- Análise dos Dados: a análise se dá após a classificação dos dados, a


confrontação dos resultados das tabelas e das provas estatísticas, se utilizadas.
Esta análise tem por objetivo a comprovação de verdades e falsidades das
hipóteses propostas no estudo.

1.8 - Discussão dos resultados: os resultados obtidos na pesquisa serão


submetidos a inferências e generalizações e o pesquisador deverá compará-los com
afirmações e posições de outros autores. Por fim, todos os aspectos revelados pela
pesquisa e julgados inesperados deverão ser abordados e comentados pelo seu
autor.

1.9 - Conclusão: traça um perfil resumido dos resultados mais significativos


alcançados na pesquisa. Sintetiza os resultados que levaram à comprovação ou
rejeição da hipótese de estudo. Indica aspectos que mereçam ser mais
aprofundados e estudados. Não pode trazer novas idéias.

14
1.10 - Referências bibliográficas: é composta por todos os livros, artigos, teses,
multimeios, multimídias etc. que foram consultados.
1.11 - Anexos: exposição de elementos complementares que ajudam o leitor a
entender os argumentos e conclusões do autor. Compõem os anexos: quadros,
mapas, figuras, questionários, fichas de observação e registros utilizados no
trabalho, que sejam relevantes para a compreensão daquele que lê a pesquisa.

1.12 - Contracapa: Folha em branco que encerra o trabalho.

15
CAPÍTULO II
Citações – NBR 10520

Segundo a ABNT – NBR 10520, citação é a “menção no texto de uma


informação colhida em outra fonte. Pode ser uma transcrição ou paráfrase, direta ou
indireta, da fonte escrita ou oral.1
As citações são textos de outros autores, que se introduzem no texto para o
auxílio na elaboração do trabalho. Servem para fundamentar e dar uma maior
credibilidade ao trabalho monográfico.
As citações são usadas, para demonstrar um idéia de um determinado autor.
Elas não devem ser usadas em excesso.
Dividem-se em três tipos:
2.1 - Citação livre (paráfrase): nesse tipo de citação não há uma transcrição
literal do texto, mas o texto citado serve de base para quem o cita. Após escrever o
texto e utilizar as idéias de um outro autor, deve-se fazer a observação entre
parênteses para a confrontação com o texto original, como se segue.
Exemplo: Supondo que o meu texto esteja desenvolvendo uma idéia qualquer
sobre Mito e que eu esteja fazendo um comentário a partir de uma leitura. Então,
prossigo como se o texto fosse de todo meu: Para Homero e para Hesíodo, que
constituem o ponto de referência das crenças próprias da religião pública,
pode-se dizer que tudo é divino, porque tudo o que ocorre é explicado em
função da intervenção dos deuses: os fenômenos naturais são promovidos
por Nume; os raios e relâmpagos são arremessados por Zeus do alto do
Olimpo, as ondas do mar são provocadas pelo tridente de Poseidon, o sol

1
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 10520. 1990. P. 01.

16
é levado pelo áureo carro de Apolo e assim por diante, (cf. Giovane Reale,
2000, p. 35).
Neste trecho do texto não são utilizadas as aspas porque não fiz
uma citação rígida. O que fiz aí foi um comentário, uma paráfrase, sobre o
texto original de Giovane Reale. Por isso utilizo a terminologia “confrontar”
que é reduzida da seguinte maneira: cf.
O nome do autor pode vir em maiúsculas ou minúsculas, como fiz no
exemplo.
2.2 - Citação textual (transcrição ou citação rígida): segundo a ABNT,
transcrição é uma “reprodução das próprias palavras do texto citado”.2 O que se faz
é repetir as palavras do autor, por isso o texto deve ser copiado ipsis literis, isto é, ao
pé da letra.

Exemplo: Es c r e v e L. Li a rd :

Em toda a investigação experimental propõe-se o sábio, (...)


descobrir o fato ou o grupo de fatos ao qual um fato ou um
grupo de fatos se acha unido de modo inseparável. Oferece-
nos a natureza mil variadas sucessões e mil diferentes
combinações dos fenômenos; mas nem todas essas ligações
são leis, pois não são, todas elas, invariáveis e constantes. 3

Percebe-se nesta passagem que Liard faz uma alusão à cadeia natural

em que os fatos encontram-se ligados.

Como se pode observar após a citação textual deve-se fazer um

comentário sobre o que está transcrito. Este é um bom instrumento para se

evitar que o texto fique quebrado ou ininteligível, já que assim garante-se a

continuidade da idéia que se quer desenvolver.

2.3 - Citação de citação (citação indireta): ocorre quando se traz o


pensamento de um autor, que por sua vez está fazendo referência a outro autor. No
rodapé ou pé-de-página utiliza-se a expressão latina, em itálico, apud (citado por),
como no exemplo abaixo.

2
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR 10520. 1990. P. 01
3
LIARD, L. Lógica. P. 111.

17
Exemplo: So b re a n o ç ã o d o mé t o d o d e c o n c o r d ân c ia , L . Li ar d c o me n t a ,
e m s u a L ó g ic a , q u e :

Suponhamos seja o orvalho o fenômeno cuja causa desejamos


conhecer. Cumpre, em primeiro lugar, determinar o que se
compreende por orvalho, distinguindo-se o mesmo da chuva,
da umidade, dos nevoeiros e limitar a aplicação do termo ao
que se entende realmente por ele, isto é, o aparecimento
espontâneo de umidade nas substâncias expostas ao ar livre,
na ausência de chuva ou de umidade visível. Achando-se
4
determinado este ponto procedamos à solução do caso.

Também na citação indireta utiliza-se o mesmo dispositivo para a continuidade

do texto, deve-se sempre comentar o que foi citado. Como podemos ver a citação

acima traz duas características simultâneas, pois além de ser uma citação de citação

ela é, também, uma citação rígida.

É fundamental tomar extremo cuidado com as citações, pois citações mal

elaboradas podem comprometer todo o trabalho e até invalidar a argumentação.

Não se deve iniciar nem finalizar um texto com citações, é aconselhável que o

autor da monografia desenvolva o seu próprio pensamento e, só então, faça a

inclusão de pensadores mais densos. É importante lembrar que as citações devem

ser bem contextualizadas, o que significa dizer que elas devem dar continuidade ao

raciocínio que se quer desenvolver ou comprovar.

As citações podem apresentar-se de duas formas:


2.4 - Citações curtas (até três linhas): Elas devem ficar dentro do texto
principal em fonte doze, ou conforme o texto corrido, e entre aspas. Veja a ilustração
disso.
Exemplo: Para que se possa entender a genialidade do sábio, precisamos
saber que o maior instrumento do gênio é a ciência. As experiências científicas
caminham na direção da verdade, entretanto não a detêm. Como adverte Liard “(...)
necessita duvidar de sua verdade, não as admitindo definitivamente (...). Esta
4
MILL, Stuart. Sistema de lógica. Apud L. Liard. Lógica. P. 113.

18
imparcialidade para com as próprias idéias é o verdadeiro cunho da probidade
científica”.5
Não esquecer que se deve continuar o texto comentando a citação. Este

instrumento técnico amarra as idéias e evita que o autor perca o foco daquilo que

deve ser explícito como idéia central.

2.5 - Citações longas (mais de três linhas): Devem ser colocadas fora do
texto e sem aspas, em espaço simples e com a fonte menor em dois pontos, que a
fonte do texto.
Exemplo: O b se r v a nd o - s e a hi s t ó ri a da h u ma n i d a de p er c e b e- s e
q u e , d e sd e a a n ti g üi d ad e , a r eli gi ã o é d e fi ni d a c o mo s e n d o a r ela ç ã o
entre o h o me m e o di vi n o . Col oc a m- s e d i fi c ul d a d es e s s e nc ia i s
q u a n d o s e p r e te n d e di ze r o qu e é r el ig iã o . I s s o o c o rr e p or q u e a
r e lig iã o é o o b je t o d e i n v e s ti ga ç ã o me t ó di c a d e di v e r s a s ci ên ci a s :

A religião é estudada pela história, pela psicologia, pela


fenomenologia, pela psicanálise e pela sociologia. Todas essas
ciências estudam metodicamente a consciência religiosa concreta e
suas múltiplas objeções na história. A filosofia da religião tenta
esclarecer a possibilidade e a essência formal da religião na
existência humana. Em outras palavras, estuda a consciência do
homem e de sua auto-compreensão a partir do absoluto enquanto
atingível pela inteligência.6

Aqui o texto sempre prossegue com o comentário acerca da citação.

Outro recurso técnico necessário para se fazer as referências e notas, são as

expressões latinas, que devem aparecer sempre em itálico, como se pode observar

a seguir:

 Apud – citado por, conforme, segundo;

 Opus citatum ou op. cit. – obra citada;

 Idem ou id. – igual à anterior;

 Ibidem ou ibid. – na mesma obra.

5
LIARD, L. Op. Cit. P. 120.
6
ZILES, Urbano. Filosofia da religião. P. 05.

19
Quando as citações se repetem, ou seja, mesmo autor e mesma obra sem

referências intercaladas de outros autores ou obras, utiliza-se o seguinte

procedimento:

1. MILL, Stuart. Sistema de lógica. Livro III. P. 05.

2. __________. Op. cit., p. 06.

3. __________. Idem, p. 07.

4. Idem, ibidem, p. 08.

E assim sucessivamente. Entretanto se o autor for intercalado, utiliza-se o

seguinte recurso:

1. MILL, Stuart. Sistema de lógica. Livro III. P. 05.

2. __________. Op. cit., p. 06.

3. __________. Idem, p. 07.

4. Idem, ibidem, p. 08.

5. LIARD, L. Lógica. P. 111.

6. MILL, Stuart. Op. cit., p. 09.

E p r o s s e g u e- s e c o n fo r me a n e c e s si da d e .

20
CAPÍTULO III
Sugestões para a apresentação teórica do
trabalho monográfico
Os trabalhos de conclusão de curso, geralmente recebem o nome de

monografia. Etimologicamente o termo monografia significa: mono = um e grafia =

escrita. Daí, a monografia ser uma abordagem sobre um único problema, baseado

em uma determinada metodologia. É um trabalho delimitado a apenas um aspecto

do assunto tratado. Não quer dizer que seja uma pesquisa superficial, pelo contrário

é uma pesquisa profunda. Não se deve confundir profundidade com extensão,

número de páginas. De acordo com a professora Antonia Terezinha Marcantonio,

monografia é uma:

(...) abordagem de um único assunto, ou problema, sob tratamento


metodológico de investigação. Exige, portanto, que ele seja dado a
uma especificação, um tratamento aprofundado e exaustivo, que não
deve ser confundido com extensão.

A característica essencial da monografia é a forma de estudo de um


tema (unicidade) delimitado, uma atualidade e originalidade
acompanhada de uma contribuição importante para ampliação do
conhecimento específico.7

Portanto, a monografia tratará de uma única questão. Por isso deve-se ter

sempre em mente que este é um trabalho limitado a um determinado assunto e

7
MARCANTONIO, A. Terezinha et al... .Elaboração e divulgação do trabalho científico. 1993.. P. 67.

21
especificamente a um problema, que deve ser baseado em uma metodologia.

Entretanto isto não quer dizer que a monografia seja uma pesquisa superficial; pelo

contrário, sua validade para a comunidade científica esta diretamente ligada à

profundidade de suas argumentações e conclusões. Obviamente profundidade aqui

não tem nenhuma relação com quantidades de páginas, isto muitas vezes promove

uma perda de continuidade da idéia central e afastamento do foco a ser olhado.

3 . 1 - Es t rut ura d a mo no g ra f i a: a mo n o g r a fi a se di vi d e ba si c a me n t e

e m 0 5 ( c i n c o ) pa r t e s :

1. Introdução;

2. Corpo do trabalho ou desenvolvimento;

3. Conclusão;

4. Bibliografia;

5. Notas de pé-de-páginas.

3 . 2 - Int ro d uç ã o : t e m p o r f u n çã o a pr es e n t a r ao l ei t o r o a s s u n to ,

q u e v ai s e r t r a ta d o . Exp õ e o s o b je t i vo s d o t r ab al h o e ju s t i fi c a a su a

e l a bo r a ç ão , al é m d i s s o , f a z a r e vi sã o d a l it e r a tu r a on d e en f o c a o

a u t o r , o t e ma e a r el e v â n ci a d e a mb o s n o c o n t e xt o d a pe s q ui s a .

Nã o a p r o fu n d a o e s t u do d o s c on c ei t os , n e m d o s mé t o d o s u t ili z a do s

o u d o s re s ul t a d o s o b ti d o s . Rel a ci o n a o t r a b al ho c o m o u t r o s já

p r o d u zi d o s. Nã o é re s umo .

3 . 3 - Co rp o d o t ra b a l ho o u d e se nvo l vi me nt o : o d e s e n v ol vi me n t o d o
t r a b al h o mo n o g r á fi c o p o d e se r f ei to de f o r ma c o n t í n u a o u di v idi d o e m
t í t u lo s e s u bt í t ul o s . O s s u b t í t ulo s d e ve m t e r u m s e n t i d o c o mp l e t o .
No r ma l me n t e o d e s e n v ol vi me n t o s e di vi d e e m:

22
3.3.1 - Explicação: deve-se apresentar o problema com clareza.
3.3.2- Discussão: nesta parte da pesquisa procura-se expor o problema, de

forma argumentativa. É a fase mais importante da pesquisa.

3.3.3- Demonstração: por meio de argumentos, encadeados de acordo com

a lógica, expõe-se a pesquisa.

3.4 - Conclusão: mostra as relações entre as diversas partes do trabalho,

enumerando as conclusões parciais apresentadas no corpo do mesmo. Deverá

conter um resumo de todo o raciocínio que sustentou o trabalho. Não pode conter

idéias novas ou conceitos, que não foram discutidos durante o

desenvolvimento.

3.5 - Bi b l io g raf i a : a A. B. N. T . não faz me n ç ã o ao te r mo

BI BL I O G RAF I A. O q u e po d e mo s c o n s t a t a r na NBR - 60 2 3 é o t er mo

REF ERÊNCI A S BI BL I O G RÁF I CAS. E n t r e t a n to , u s u al me n t e s e v ê o

t e r mo Bi b li og r a fi a p a ra a l i st a do s li vr o s , mu l ti me i o s , mu l t i mí d i a s e t c .

q u e f o ra m c i t a d o s n o tr a b al ho .

3 . 5 . 1 – Ob ra s co mp l e t as

3.5.1.1 - L i vro s : os el e me n t o s que devem ser d e s c ri t o s na

b i bli o gr a fi a s ã o : SO BRENO ME, No me . T í t u lo d a o b r a : s u b t í t ul o .

T r a d ut o r . Edi ç ã o . Lo c al : Ed i to r a , d a t a . Nú me r o d e p á gi n a s o u

v o l u me s ( s é ri e ). Q u a nd o s e tr a t ar d e v ol u me d e u ma o b r a , n ã o

i n di c ar o nú me r o d e p á gi n a s , ma s a p e n a s o v ol u me .

3 . 5 . 1 . 2 – Re vi s t a s o u p e ri ó d ic o s: a a p r e s e n ta ç ã o d o s ele me n t o s a

s e r e m i n d i c ad o s d e v e m s e r i n s c ri t o s n a s e g ui n t e o rd e m: T Í T UL O DO

PERI Ó DI CO . T í t ul o d o f a s cí c ul o . L o c a l d a p u bli c a ç ão : e di t o ra ,

v o l u me , n ú me r o , a n o .

23
Obs: q u an d o s e tr a t a r d e r e fe r ê nc i a d e to d o o pe ri ó di c o , a

p o n t u a ç ão u s a d a e n tr e o lo c al e a e di t or a é a me s ma d o s l i v ro s ( : ) .

Q u a n d o f o r r e tir a d o a p en a s u m a r t i go d o p e r i ódi c o d e v e - s e s e g uir a

s e g u in t e re g r a : u s a r a v ír g ul a no l ug a r d o s do i s p o n t o s . Q u a n do s e

t r a t a r d e p a r te d e li v r o s o u d e li v ro s o r ga ni z a d o s e m c o n g r e s s o s

i n s er e - s e o te r mo in : . Po r t a n t o , e s te t e r mo é p r i v a ti v o d e li v ro s e

c o n g r e s s o s . I ndi c a r a s p á gi n a s c o ns u l t ad a s a o f in al d a c i ta ç ã o : p .

51-72.

3.6 – Multimeios: entendemos por multimeios todo o acervo bibliotecário não

bibliográfico. Podemos citar, por exemplo, mapas, diapositivos, etc. Eles podem ser

apresentados de diversas formas:

3.6.1 – Discos: (Vinil, CDs, DVDs). Elementos: AUTOR, EXECUTOR


(compositor, intérprete, conjunto ou orquestra). Título (em itálico). Local. Gravadora,
data. Número de unidades físicas (tempo de gravação) : velocidade de execução,
número de registro do disco. (Gravação de som).
3.6.2 – Fita cassete: elementos: AUTOR, Executor. Título (em itálico).
Local. Gravadora, data. Número de unidades físicas (tempo de gravação) :
velocidade de execução, número de pistas, número de canais sonoros, dimensões.
(Gravação de som). Exemplo:
MADONNA. Confecions on a dance floor. New york : Emi, 2007. I cassette
(50 min.) : 33/4 pps, dolby stereo (fita cassette).
3.6.3 – Diapositivos: elementos: TÍTULO. Local, ano. nº de fot. Cor,

Dimensões em cm. (Diapositivo). Exemplo:

PROJETO APOLO; a conquista da lua. New York. Olympia Color Slides, 1970.33fot.

col. 5x5 cm.

3.6.4 – F i l me s : el e me n t o s : T Í T UL O . Pr o d u t o ra . Local :

Di s t ri bu id o r a, a n o Dur a ç ã o e m mi n u t o s , s o m, c o r , la r g ur a e m

mi l í me t r o s . ( F il me ) .

24
3.6.5 – At l a s e ma p a s: e l e me n t o s : T ÍT UL O de

r e s p o n s ab ili da d e . Edi ç ã o . Da do s ma t e má t i c o s . Pu b li c a ç ão ,

d i s tr ib ui ç ã o . De s c ri ç ã o fí s i ca . Sé ri e . No t a . Exe mp l o :

AT L AS g e o p o lí ti c o i n t e rn a ci o n al . Sã o Pa u l o : En c . Bri t a n ni c a d o

Br a s il , 20 0 1 . 42 1 p . Ma t er ial c a r to g r áf i c o .

3 . 6 . 6 - Mul t i mí d i a : Pa r a o c a so d e c o n s u l ta s e m in t e r n e t , é

i mp o r t a n t e q u e o s s it e s c o n s u lt a d o s s e ja m d i s c ri mi n a d o s n u ma l i s t a,

em página s ep a r a da d en t r o d a b ib li o gr a fi a . I n di c ar o e n d er e ç o

c o mp l e t o , ( www. s h i r l e y da u . c o m. b r ) da t a e h or á ri o d a c on s ul t a , ( 1 3 de

ma i o , à s 1 4 h o ra s 3 0 mi n . ) .

Es t e p r o c e di me n t o é i mp o r t a n t e p or q u e a in t e r n e t te m u ma

r o t a ti vi d a de in f o r ma t i v a mu i t o g ra n d e e , a s s i m s e n d o , a p á gin a o u o

t e xt o n e l a i ndi c a d o po d e nã o e s t ar ma i s di sp o n í v el qu a n d o o t ra b al h o

f o r li d o ou a v ali a do . Ne s t e a gi r o p r op o n e n t e p r o te g e a s in f o r ma ç õ e s

c o n t id a s n a li s ta d e s it e s .

No a t o d a p e s q ui s a a co n s el h a- s e à e l a bo r a ç ã o de fi c h a s d e

l ei t ur a , c o m t o d o s o s d a d o s d o v olu me c o n s u l t a d o , ne c e s s á ri o s à

e l a bo r a ç ão d a bi bli o gr a fi a , d a s r e fe r ê n ci a s bi bli o gr á fi c a s , t a mb é m

d e n o mi n a d a s c o mo n o t a s de p é- d e -pá g i na . Es t e p r o c ed i me n t o e vi t ar á

t e r q u e se r e co r r er à ob r a no v a me n t e .

3 . 7 - No t a s d e p é -d e -p á gi na : i n di c am d e q u a i s o br a s s e r e ti r ar a m

a s c i t a ç õe s . Sã o i mp o r t a n t e n a s es t r u t u ra d o t r ab al h o , vi s t o qu e

o r ie n t a m o l e i to r n o c a mi n h o p er c o rr id o p el o a u t or d a o b ra . Ao terminar

o trabalho de pesquisa e escrita o aluno pode se sentir confuso com relação à sua

apresentação estética. Conforme o que se viu no Capítulo II, há algumas exigências

25
para a apresentação monográfica. A seguir algumas sugestões da paginação do

trabalho, desde a capa até a página em branco que encerra o trabalho.

26
CAPÍTULO IV
A apresentação gráfica e regras do
trabalho monográfico

G r a fi c a me n t e a a p r e se n t a ç ã o d o t ra ba l h o mo n o g r á f i co a s s u me a

f o r ma q u e s e s e g u e :

1. Capa: não é numerada nem contabilizada.


2. Folha de rosto: é n u me r a d a e c o me ç a - s e a c o n t a g e m d a s f o l ha s a
p a r ti r da q ui . Nã o i mp r i mi r o nú me r o n o f in al d a pá gi n a .
3. Página de avaliação: Nã o i mp r i mi r o n ú me r o n o fin al d a pá gi n a .
4. Dedicatória (opcional): Nã o i mp r i mi r o n úme r o n o f i n al da p á gi na .
5. Agradecimento (opcional): Nã o i mp r i mi r o n ú me r o n o f i na l d a p ági n a .
6. Epígrafe (opcional): Nã o i mp r i mi r o n ú me r o n o fi na l d a p ági n a .
7. Prefácio (opcional): Nã o i mp r i mi r o n ú me r o n o fi na l d a p ági n a .
8. Sumário: Nã o i mp r i mi r o nú me r o n o f ina l da p á gi na .
9. Resumo: Nã o i mp r i mi r o n ú me r o n o f ina l da p á gi na .
10. Abstract: quando for monografia de pós-graduação: Nã o i mp r i mi r o
n ú me r o n o f i na l d a p ági n a .
O número no final da página começa a aparecer a partir da INTRODUÇÃO,
entretanto, nas páginas onde está escrito INTRODUÇÃO e onde se iniciam os
capítulos NÃO IMPRIMIR O NÚMERO NA PÁGINA.
11. Texto: introdução, desenvolvimento e conclusão
12. Referências bibliográficas
13. Anexos ou apêndices (opcional)
14. Glossário (opcional)

27
15. Contracapa – página em branco que encerra o trabalho.

contracapa
G l o ssá r i o
Anexos ou apêndices
R e f e r ê n ci a s b i b l i o g r áf i c a s

T ex t o

Ab s t r a c t
R e su m o
S u m á ri o
P r ef á c i o
E p í g r af e
Agradecimento
Dedicatória
P á g i n a d e av a l i a ç ã o
F o l h a d e r o st o
Capa

28
UFSJ - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

Metodologia Científica e Técnicas de Pesquisas

NO ME DO AUT O R:

São João del-Rei, maio de 2009

29
UFSJ - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

Metodologia Científica e Técnicas de Pesquisas

Trabalho apresentado como pré-requisito para a


obtenção de créditos na disciplina Metodologia
Científica, sob a orientação da profª Shirley Dau.

NO ME DO AUT O R:

São João del-Rei, maio de 2009

30
PÁGINA DE AVALIAÇÃO
No me d o a lu n o

T r a b alh o a pr e s e n ta d o c o mo p r é -r e qu i si t o p a r a a ob t e n ç ã o d e

c r é di t o s n a di s ci pli n a Me t o d ol og ia Ci e n t íf i ca , s o b a o ri e nt a ç ã o d a

p r o f ª . Shi rl e y Da u ; lo t a d a n o De p a rt ame n t o d a s Fil o s o fi a s e Mé t o do s

d a Un iv e r si d ad e Fe d e r al d e Sã o J oã o d e l- Rei .

Co n s i de r a ç õe s d a Pr o fª :

_ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ __ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _

_ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ __ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _

_ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ __ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _

_ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ __ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _

_ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ __ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _

_ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ __ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _

_ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ __ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _

_ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ __ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _

_ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ __ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _

_ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ __ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _

_ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ __ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _

_ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ __ _ _ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _ __ _ _ _

Nota:_______ ________________________
Assinatura: Profª. Shirley Dau.

São João Del-Rei, 13 de maio de 2009.

31
Dedico este trabalho ao meu grande
amor, Agatha Karim Dau e Santos,
cuja ausência me faz entender
plenamente o conceito saudade!

32
Ag r a d e ç o a o Pr o f. Dr . Pa ul o
Cé s a r d e O li v eir a , Co o rd e n a d or
d o Cu r s o d e Fi lo s o fi a , p el a
i ni ci a ti v a e a p oi o a este
t r a b al h o .

33
Nã o é d e se d ar a s a s a o
i n t el e ct o , ma s c h u mb o e p e s o
p a r a q u e lh e s e ja m c o i b i d o s o
s a l t o e o v ôo .

Francis Bacon, (
1561- †1626).

34
4.7 MARGENS DO TEXTO

Margem superior: 3,0 cm

Margem do Parágrafo: 2,0 cm

Margem da citação longa: pode ser utilizado um


espaçamento de no mínimo 4cm e no máximo de
7cm

Margem Margem
esquerda: 3,0 direita: 2,0
cm cm

Margem inferior: 2,0 cm

O b s : t od o s o s tí t ul o s e nt ra m a 8 , 0 c m d a bo rd a .

35
4 . 8 L ET RA A SER US AD A CO MO P ADR ÃO : De v e s e r u s a d a a
l e tr a Ari al t a ma n h o 1 2 , e d e f or ma ju s t i fi c a da .

4 . 9 T AM ANHO DO P AP EL : A4 .

4 . 1 0 CIT AÇÕ ES CO M M AIS DE 3 L I NHAS ( NBR 1 0 5 2 0 ): De v e m


s e r ju s t i f i ca d a s , e m f o n t e 1 0 , r e c uo d e 5 c m a p ó s a ma r g e m e
e s p a ç a me n t o s i mp l e s . O e sp a ç o en t re o t e xt o p ri n ci pa l e a ci ta ç ã o , é
o me s mo e s p a ç o q u e v e m a n t e s d e i ni ci a r n o v o t e xt o :

A v i d a d e Só c r a te s f oi d a s
ma i s me mo r á v e i s . De a c o r do
c o m G e t ú l i o ( 2 0 05 , p . 3 3) :

Só c r a t e s nu n c a
d e i xo u de se
esforçar em prol
5 cm da d e mo c r a c i a
g r e g a , e s e mp r e
l u t a va c o n tr a o s
s o f i s ta s . . .

Logo, c o n cl ui- s e q ue
Só c r a t e s f oi um grande
f il ó s o fo , p oi s e m mo me n t o
a l g u m a b n e g o u- s e . . .

4 . 1 1 ESPAC AME NT O ENT RE L INHAS: De v e s e r d e 1 , 5 c m. ,


s a l v o e m c i t a ç õ e s c o m ma i s d e 3 li n ha s , e m q u e d e v e s e r si mp l e s .

4 . 1 2 RECUO DE PAR ÁG R AF O : De v e s e r d e 1 ,2 5 c m.

4 . 1 3 RESUMO : Se g u n d o a ABNT , N BR 6 0 2 8 , t r a t a - s e d e u ma
“ a p r e ci a çã o c o n ci s a d o s p on t o s re le va n t e s d o te xt o ” .
T i po s d e re s umo :

36
1 . Ind i c a t i vo o u d e s c ri t i vo : d e s t a c a o s p o n t o s c e n t r ai s d o
t e xt o .
2 . Inf o r ma t i vo o u a na l í t i co : d e s t a c a o c o n t e ú do , o s o b je t i v o s,
o s mé t o d o s , a s t é cni c a s e a s c o nc l u s õ es d o t e xt o . Não
a d mi t e c o me nt á ri o s p es s o ai s ne m c rí t i c a s d aq ue l e q ue o
e l a b o ra .
3 . Crí t i c o o u re c e ns ã o : ela b o r ad o s o me nt e p o r e s pe c i a l is t a s ,
p o i s é n e c es s á ri o fa z e r u ma v a l o ra ç ã o d a o b r a . T a mb é m
c h a ma d o d e re s e nha .
De v e conter no má xi mo 300 p a l av r a s e em e s p a ç a me n t o
s i mp l e s . Vi rá s e g ui d o d e at é 5 ( ci n co ) p al a v r a s- c h a v e , e m ne g ri t o e
s e p a r a da s p o r p o n t o:

RESU MO


Es t e t r a b al ho t r at a d a r el a ç ão
e n t r e a fil o s of ia de Ar e nd t c o m
a q u ilo e n s in a d o p o r Só c r a te s
a o s di s c í p ul o s . ..

Pa l a vra s - c ha ve : Ca s a . Ar e n d t .

Só c r a t e s .

4 . 1 4 T ÍT UL O S: Em n e g r i to e c ai xa a l ta (l e tr a ma i ú s c ul a ) e
c e n t r ali z a d o s. Sa lt a - s e u m e s p a ç a me n t o e n tr e o s tí t ul o s e a li n h a
i ni ci al ( o¶ é a p e na s p r a de mo n s t r a r o n d e de v e s e p ro c e d e r a o
e s p a ç a me n t o ) . A i n t ro d u ç ã o e a co n c l u sã o n ã o sã o n u me r a d a s .
I n i ci a- s e o tí t ul o a 8 c m d a b o r d a :

37
8 cm

INT RO DUÇÃO

Es t e t r a b al h o t r a ta d a
v i d a e o b r a d o fil ó s o fo g r e go
Só c r a t e s , q u e vi ve u e m At e n a s
e n t r e o s a n o s de …

4 . 1 5 SUBT ÍT UL O S: De v e m s e r n u me r a d o s s e q ü e n c i al me n t e ,
ju s t i f i c ad o s e e m n e g r i t o. Nã o h á e sp a ç a me n t o e n t r e o s s u b t í tul o s e
a li n h a i ni ci al . Se h o u v e r di vi s ã o d ent r o d o s s u b t í t ul o s, d e v e - s e f a ze r
r e c u o d e 1, 2 5 c m, s e m d e s t a c a r e m n e g r i to . Ao f in al d e c a da
s u b t í t ul o de v e - s e f a z e r e s p a ç a me n t o d e 1 , 5 c m.

1. A VIDA DE SÓCRATES

Só c r a t e s er a fil h o d e u ma
p a r t ei ra ju n t o a u m e s c u l t o r …

1.1. O Oráculo de Delfos
Sócrates ficou sabendo por ....

1.1.1. O que disse o oráculo
O oráculo disse a Sócrates...


1.2. O “sei que nada sei”
Em Sócrates, o “sei que nada...
38
4.16 NOTAS DE RODAPÉ: Deve-se utilizar fonte Arial tamanho 10 justificado.

4.17 ILUSTRAÇÕES/GRÁFICOS/TABELAS: devem ser precedidos da


palavra e numeração designativa “FIGURA 01”, seguida de seu título e/ou legenda.
Devem aparecer perto do lugar em que são mencionadas no texto, e deve haver
espaçamento entre a figura e o texto que vem após. Os direitos autorais das figuras,
etc. devem vir abaixo de sua descrição. Recomenda-se deixar espaços simples
entre o texto que antecede as ilustrações e o texto, imediatamente subseqüente a
cada uma:

Co n f o r me e xp r e s s o na
f i g ur a d e mo n s t r a d a p o r J o sé d a
Si l va , a educação n e c e s si ta
ma i o r a t e n ç ã o :


Pode-se também perceber,
através do gráfico, que ....

39
BIBLIOGRAFIA
1 - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Normas ABNT
sobre documentação. Rio de Janeiro : ABNT, 1989.

2 - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Elaboração de


referências (NBR 6023/2000). Rio de Janeiro : Editora Interciência e editora e
consultoria Intertexto, 2000.

3 - BEAUD, Michel. Arte da tese: como redigir uma tese de mestrado ou de


doutorado, uma monografia ou qualquer outro trabalho universitário. Trad.
Glória de Carvalho Lins. Rio de Janeiro : Bertrand Brasil, 1996.

4 - CURTY, Marlene Gonçalves ; CRUZ, Anamaria da Costa. Apresentação de


trabalhos científicos: guia para alunos de cursos de especialização. Maringá :
Dental Press Editora, 2000.

5 - DAU, Sa n d r o ; DAU, Sh irl e y . Me t o do lo g ia c ie n t í f ic a e t é c n ic a s


d e p e s qu is a : n o r ma s t é c n i c a s p a r a e l a bo r a ç ão d e mo n o g r a fi a s
n a g r a du a ç ã o e pó s - gr a d u a çã o . J uiz d e F o ra : Ed i ta r Edi t o ra
As s o c i a d a , 2 0 0 1 .

6 - DEMO, Pedro. Metodologia científica em ciências sociais. 2.ed. São Paulo:


Atlas, 1989.

7 - ECO, Umberto. Como se faz uma tese. São Paulo : Perspectiva, 1988.

8 - LALANDE, André. Vocabulário técnico e crítico da filosofia. Trad. Fátima Sá


Correia . et al. São Paulo : Martins Fontes, 1993.

9 - MARINHO, Pedro. A pesquisa em ciências humanas. Petrópolis : Vozes,


1980.

40
1 0 – PEREIRA, Pedro H. S. F o r ma t a n d o de a c o r do c o m a s n o r ma s d a
ABNT : ma n u a l p r á ti c o . Di sp o n í v el e m: www. ju r is wa u y . o r g . b r .
Ac r e s c i do e m 2 3 d e ma i o d e 2 0 0 8 .

11 - SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 13.ed. São


Paulo: Cortez, 1986.

12 - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Biblioteca Central. Normas para


apresentação de trabalhos. Curitiba: Ed. UFPR, 1995.

41
MULTIMIDIA

1 - INTERNATIONAL STANDARTIZATION ORGANIZATION. Exercetps from


International Standard ISO 690-2 : information and documentation - bibliographic
references. Canada: NLC; ISSO, 1997. pt.2 -Electronic documents or parts thereof.
Disponível na Internet em: <http://www.nl-cbnc.ca/isso/tc46sc9/standard/690-
2e.htm>. Acessado em 13 de maio às 14:30 h.

42
Este Manual vem atender a uma solicitação do Colegiado do Curso de
Filosofia que se preocupou em oferecer aos nossos discentes e professores um
referencial que pudesse orientar a elaboração dos trabalhos acadêmicos, de forma a
alcançarmos uma padronização na apresentação final, sobretudo das monografias.
Não existe a pretensão de abranger todas as questões envolvidas em
Metodologia Científica. Trata-se, tão somente, de uma orientação que possa servir
para consulta rápida e prática; qualquer aprofundamento deverá ser buscado na
bibliografia sugerida no final deste trabalho e/ou em outros textos disponíveis nas
bibliotecas e livrarias.
Agradecemos a colaboração abnegada da Professora Shirley Dau que
oferece ao nosso curso esse referencial, favorecendo a aquisição de uma postura
cientifica que se traduzirá na melhoria da apresentação dos trabalhos acadêmicos.
Prof. Dr. Paulo César de Oliveira
Coordenador do Curso de Filosofia

43