Você está na página 1de 20

FISIOLOGIA: é o estudo do funcionamento normal de um organismo e de suas partes,

incluindo todos os processos físicos e químicos. O termo fisiologia significa literalmente


“conhecimento da natureza”.
É a ciência que estuda o funcionamento dos organismos e tem por finalidade explicar
como os sistemas de órgãos, as células e mesmo as moléculas interagem para manter a
função normal.
MEIO INTERNO: é como pode ser chamado o líquido extracelular. As células podem
viver, crescer e executar suas funções especiais enquanto as concentrações adequadas de
oxigênio, glicose, íons, aminoácidos, lipídios e outros constituintes estiverem disponíveis
nesse ambiente.
DIFERENÇAS ENTRE OS LÍQUIDOS EXTRACELULAR E INTRACELULAR:
- Líquido Extracelular: rico em sódio, cloreto e íons bicarbonato, além dos nutrientes
para as células, como oxigênio, glicose, ácidos graxos e aminoácidos. Também contém
dióxido de carbono.
- Líquido Intracelular: rico em íons de potássio, magnésio e fosfato, o que difere do
extra.
HOMEOSTASIA
Homeostasia de Claude Bernard (médico francês, em meados de 1800): é um meio interno
relativamente estável, constante.
Homeostasia de Cannon: é um estado de manutenção de “uma condição similar”.
Utilizando as observações feitas por numerosos fisiologistas e médicos durante o século
XIX e o início do século XX, Cannon propôs uma lista de variáveis que estão sob o
controle homeostático: fatores ambientais (osmolaridade, temperatura e pH) e
“substâncias para as necessidades celulares” (nutrientes, água, sódio, cálcio, outros íons
inorgânicos, oxigênio, bem como os hormônios).
Cannon criou o termo homeostasia para descrever a regulação do meio interno do corpo.
Ele explicou que escolheu o prefixo homeo- (significando parecido ou similar), em vez
do prefixo homo- (significando o mesmo, idêntico), porque o meio interno é mantido
dentro de uma faixa ou intervalo de valores, e não em um valor exato ou fixo. Ele também
indicou que o sufixo –stase nessa situação indica uma condição, e não um estado estático
e que não sofre mudanças.
1. FISIOLOGIA CELULAR
1.1. TIPOS DE CÉLULAS E AS PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE CÉLULAS
EUCARIONTES E PROCARIONTES
CÉLULA: é a unidade biológica e funcional dos organismos vivos.
Procariótica: não possui núcleo e não possui organelas membranosas.
- 0,2 a 10 micrômetros
- DNA circular disperso
- DNA móvel (plasmídeo)
- Ribossomo (10 a 20 = polirribossomo)
- Parede celular de glicosaminoglicanos
- Pode ter mesossomo (invaginação da membrana plasmática/celular)

Eucariótica: possui um núcleo organizado e organelas.


- 10 a 100 micrômetros
- DNA linear em forma de cromatina no núcleo
- Possui citoesqueleto
A grande maioria das células possui forma constante (cúbica, esférica, prismática,
estrelada, ramificada, fusiforme e outras), porém algumas modificam continuamente sua
forma, sendo denominadas polimorfas, como os leucócitos.
Quanto ao ciclo vital, as células podem ser classificadas em lábeis (células de curta
duração, ex.: hemácias), estáveis (podem durar meses ou anos, ex.: células epiteliais) e
permanentes (duram toda a vida, ex.: neurônios).
COMPONENTES CELULARES: membrana celular, o núcleo, e o citoplasma. No
citoplasma, são encontradas as organelas, como ribossomos, lisossomos, mitocôndrias,
complexo de Golgi, vacúolos, retículo endoplasmático, centríolos e outros.
1.2. COMPONENTES DA CÉLULA EUCARIONTE
1.2.1. Citoplasma
CITOPLASMA: composto pelo citosol/hialoplasma/matriz e organelas.
O citosol, ou matriz, é um material constituído por água. Apresenta-se viscoso, amorfo e
transparente, sendo que contém proteínas dissolvidas, eletrólitos e glicose. Tem a função
de preencher o citoplasma e sediar as reações metabólicas.
Dispersos no citoplasma, encontram-se glóbulos de gordura neutra, grânulos de
glicogênio, ribossomos, vesículas secretórias e cinco organelas fundamentais: retículo
endoplasmático, complexo de Golgi, mitocôndrias, lisossomos e peroxissomos.
1.2.1.1. Organelas
RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO: é uma rede de estruturas vesiculares, tubulares e
achatadas que se interconectam. Suas paredes são constituídas por membranas com dupla
camada lipídica e grande quantidade de proteínas. O espaço interno dos túbulos e das
vesículas é cheio de matriz endoplasmática. Esse espaço interno é conectado com o
espaço entre as duas superfícies da carioteca (membrana nuclear). As paredes do RE, que
delimitam as cavidades, são chamadas de cisternas. As cisternas constituem um sistema
de túneis que percorre o citoplasma e cumpre a função de armazenamento e transporte
de substâncias na célula.
RE Granular/Rugoso: possui ribossomos aderidos à superfície externa. Os ribossomos
são partículas granuladas compostas por RNA e proteínas, que atuam na síntese de
proteínas.
RE Agranular/Liso: não contém ribossomos. Cumpre o papel de síntese de substâncias
lipídicas e outros processos metabólicos, que ocorrem pelas enzimas intrarreticulares
(como na desintoxicação de álcool, antibióticos e outras drogas psicotrópicas). É muito
desenvolvido em determinados tipos de células, como nas que secretam hormônios
esteroides, nas células hepáticas e nas células da glândula adrenal.
COMPLEXO DE GOLGI: está intimamente relacionado com o RE e possui membranas
similares às do RE Liso. É composto por 4 ou mais vesículas fechadas, finas, achatadas e
empilhadas. Ocorre principalmente em células secretórias, localizado no polo secretor da
célula.
Funcionamento: pequenas vesículas de transporte/vesículas RE se destacam do RE e se
fundem ao CG. As substâncias transportadas são então processadas no CG para formar
lisossomos, vesículas secretórias, ou outros componentes citoplasmáticos.

LISOSSOMOS: são organelas vesiculares que se formam separando-se do CG e, depois,


dispersando-se pelo citoplasma. Têm diâmetro de 250 a 750 nanômetros. Cada um é
revestido por uma bicamada lipídica e contém, por fora, grânulos proteicos aderidos e,
por dentro, até 40 diferentes enzimas da classe das hidrolases (têm atividade máxima em
pH ácido, entre 4 e 5. Já o pH da célula é de 6,5 a 7).
Constituem um sistema digestivo intracelular que permite que a célula digira:
- Estruturas celulares danificadas
A destruição e renovação de organelas é um processo fisiológico que permite à célula
manter seus componentes em bom estado funcional e em quantidade adequada às suas
necessidades do momento. As organelas desgastadas pelo uso são eliminadas e
substituídas por organelas novas. As que não são mais necessárias são simplesmente
removidas.
- Partículas de alimentos que foram ingeridos pela célula (fagocitose ou pinocitose)
- Materiais indesejados, como bactérias
PEROXISSOMOS: fisicamente parecidos com os lisossomos, diferem-se destes pois
são formados por autorreplicação ou brotamento do RE Liso, e não pelo CG, além de
conter enzimas oxidases, ao invés de hidrolases.
As enzimas oxidativas transferem átomos de hidrogênio de diversos substratos para o
oxigênio, formando peróxido de hidrogênio, segundo a reação: RH2 + O2- = R + H2O2
Esse peróxido é convertido, ainda no peroxissomos, em água e oxigênio pela catalase:
2 H2O2 + 2 H2O + O2
Os peroxissomos têm também um papel na desintoxicação. Por exemplo, cerca da
metade do álcool etílico (etanol) consumido por uma pessoa é destruído por oxidação nos
peroxissomos, principalmente nos peroxissomos do fígado e dos rins.
Os peroxissomos catalisam a degradação dos ácidos graxos, produzindo acetil-CoA,
que pode penetrar nas mitocôndrias, na qual irá participar da síntese de ATP por meio do
ciclo do ácido cítrico.
MITOCÔNDRIAS: são organelas esféricas ou, mais frequentemente, alongadas. A
principal função das mitocôndrias é a síntese de ATP a partir das moléculas de ácidos
graxos e glicose, provenientes dos alimentos, produzindo calor. A energia armazenada no
ATP é usada pelas células para realizar suas diversas atividades, como movimentação,
secreção e divisão mitótica. A quantidade de mitocôndria por célula varia até milhares. O
DNA mitocondrial controla a replicação da própria organela.
1.2.1.2. Inclusões Citoplasmáticas
INCLUSÕES: são diversas substâncias intracelulares acumuladas no citoplasma que não
realizam nenhuma atividade metabólica e não estão unidas a membranas. As inclusões
são constituídas por nutrientes armazenados, produtos de secreção e grânulos de
pigmentos.
Exemplos de inclusões são: os grânulos de glicogênio no fígado e nas células musculares,
gotas de lipídios nos adipócitos, grânulos de pigmentos em determinadas células da pele
e cabelo, vacúolos que contêm água, e cristais de vários tipos.
Via Ubiquitina-Proteossoma (organela): realiza a degradação de proteínas de baixo
peso molecular (as de alto são digeridas pelos lisossomos), liberando aminoácidos para a
síntese de novas proteínas, úteis para a célula. Ela participa do processo de atrofia
muscular.
1.2.1.3. Citoesqueleto
CITOESQUELETO: estabelece, modifica e mantém a forma das células. É responsável
pelos movimentos celulares como contração, formação de pseudópodes e deslocamentos
intracelulares de organelas, cromossomos, vesículas e grânulos diversos.
FUNÇÃO: forma da célula, organização interna, transporte intracelular, união das
células nos tecidos e movimento.
Os principais elementos do citoesqueleto são os microtúbulos de tubulina,
microfilamentos de actina e filamentos intermediários de queratina.
- Microtúbulos de tubulina: fibras do fuso, cílios, flagelos, citocinese animal e rede de
transporte. Têm uma característica mais resistente e rígida.
- Microfilamentos de actina: resistência mecânica, microvilosidades e contração
muscular. Têm uma característica mais móvel e elástica, sendo mais periféricos.
- Filamentos intermediários de queratina: ciclose (movimentação citoplasmática),
desmossomos.
1.3. NÚCLEO
NÚCLEO: é o centro de controle da célula. Contém o DNA, que é transcrito e traduzido
em proteínas, a partir dos códons, trincas de nucleotídeos do RNA mensageiro. O DNA
também controla a reprodução celular (mitose e meiose).
Material Genético: na interfase, o DNA se apresenta na forma de cromatina
(descondensado) e, na mitose ou meiose, apresenta-se na forma de cromossomo
(condensado).
Membrana Nuclear: duas membranas, cada uma constituída por uma bicamada lipídica,
sendo que a membrana externa é contínua com o RE e o espaço entre as duas é contínuo
com o espaço interno do RE. É vazada por milhares de poros nucleares que, associados a
proteínas em suas bordas (forma octogonal), formam complexos que permitem a
passagem livre de moléculas com peso de até 44.000, o que inclui RNA e proteínas.
Nucléolos: são regiões, em geral esféricas, examinadas ao microscópio sem qualquer
coloração e que não possuem membrana delimitadora. Os nucléolos têm a função de
sintetizar RNA ribossômico e proteínas, que formam as subunidades ribossômicas.
1.4. MEMBRANA PLASMÁTICA
1.4.1. Estrutura/Composição
A membrana plasmática é fina, flexível e elástica. Ela é composta quase totalmente por
proteínas e lipídios, nas seguintes proporções aproximadas: 55% de proteínas, 25% de
fosfolipídios, 13% de colesterol, 4% de outros lipídeos e 3% de carboidratos. Os 3
principais tipos de lipídios presentes são: os fosfolipídios, esfingolipídios e o colesterol.
Sua configuração é de uma bicamada fosfolipídica, a qual confere à membrana plasmática
a anfipatia, ou seja, a presença de uma extremidade solúvel em água (hidrofílica), e outra
insolúvel (hidrofóbica). Disso decorre a impermeabilidade da água e seus solutos no
interior da estrutura lipídica da membrana e a grande permeabilidade de substancias
lipídicas.
O colesterol atua como um regulador de fluidez (grau de permeabilidade) da membrana
plasmática nas células animais em uma ampla faixa de temperatura, pois localiza-se entre
as partes hidrofóbicas dos fosfolipídios, impedindo a passagem de solutos hidrofílicos.
Os carboidratos aparecem na composição da membrana plasmática associados à lipídeos
(glicolipídios) ou proteínas (glicoproteínas), sendo os mais encontrados os
glicoesfingolipídeos. Eles aparecem na face externa da membrana, constituindo o
glicocálice, estrutura de importante reconhecimento e recepção celular.
1.4.2. Funções da membrana plasmática
É a principal responsável pelo controle da entrada e saída de substâncias da célula,
sendo que garante a constância do meio intracelular. Em diversos tecidos, as membranas
de células contíguas podem estabelecer canais de comunicação entre si, por onde têm
lugar trocas de moléculas e íons que participam da coordenação das atividades desses
agrupamentos celulares.
Comunicação da célula com seu meio externo: a membrana possui receptores
específicos com capacidade de reconhecer outras células e moléculas, pela ligação do
sinal ou ligante com o receptor. Isso desencadeia uma resposta, que varia conforme a
célula e o estímulo recebido, podendo ser de contração ou movimentação celular, inibição
ou estimulação da secreção, síntese de anticorpos, proliferação mitótica e etc.
Em muitos tecidos, as membranas celulares apresentam moléculas que se ligam a
componentes da matriz extracelular, participando tanto da fixação da célula em
determinados locais (ligações estáveis), como servindo de apoio para a migração
celular (ligações instáveis) no interior do tecido.
1.4.3. Proteínas de membrana
1.4.3.1. Proteínas integrais
São as que atravessam toda a membrana. São chamadas de proteínas canais quando
permitem a passagem (difusão facilitada) de substâncias hidrofílicas pela MP,
apresentando característica seletiva, ou seja, permitindo a passagem de algumas
substâncias e não de outras. Também, podem transportar substâncias contra o gradiente
de concentração (transporte ativo), sendo chamadas de carreadoras (proteínas periféricas
também podem ter função carreadora).
Ainda há a possibilidade de atuarem como enzimas ou como receptores para substâncias
químicas hidrossolúveis (ex.: hormônios peptídeos). No caso de receptores, a interação
entre a proteína receptora e o ligante causam uma alteração estrutural na proteína
receptora, que pode induzir uma atividade enzimática ou outras proteínas citoplasmáticas
no meio intracelular, que, por sua vez, desencadeiam processos metabólicos.
1.4.3.2. Proteínas periféricas
Estão normalmente ligadas às proteínas integrais e funcionam como enzimas ou como
controladores do transporte de substâncias através dos poros da membrana celular.
1.4.3.3. Proteínas ancoradas a lipídios
Como as proteínas possuem partes hidrofílicas e hidrofóbicas, uma vez no meio da
bicamada fosfolipídica, as partes hidrofílicas da proteína interagirão com as partes
hidrofílicas dos fosfolipídios, mantendo-as nas extremidades da membrana, enquanto as
partes hidrofóbicas também interagirão com as partes hidrofóbicas dos fosfolipídios,
ancorando essas proteínas na estrutura fosfolipídica.
1.4.3.4. Classificação das proteínas de membrana (de acordo com a função): estruturais,
enzimas, receptores e transportadoras.
Estruturais: conectar a membrana e o citoesqueleto, e criar junções celulares.
Enzimas: catalisam reações químicas que ocorrem na superfície externa da célula ou no
lado interno, próximo ao citoplasma.
Receptores: recebe um ligante ou um sinal, que desencadeia outro evento para a célula,
como a ativação enzimática ou de outras proteínas no citoplasma.
Transportadoras: transportam moléculas que entram e saem da célula.
- Canal: transporte mais rápido, onde cria-se uma passagem do meio extracelular para o
intracelular e vice-versa. São segmentos proteicos que cruzam a membrana, criando um
conjunto de poros cilíndricos preenchidos por água. Restritos a passagem de água e íons.
Tem a sua abertura e seu fechamento regulados por sinalizadores químicos, elétricos ou
mecânicos.
- Carreadora: ocorre uma ligação com o substrato, onde a proteína sofre uma mudança
conformacional, carregando o substrato para o lado oposto.
1.5. COMPARTIMENTO EXTRACELULAR
1.5.1. Matriz
A MEC é formada por moléculas de diferentes naturezas que são produzidas, exportadas
e complexadas pelas células, modulando a estrutura, fisiologia e biomecânica dos tecidos.
Ela é especialmente abundante nos tecidos conjuntivos, mas apresenta papel fundamental
também nos demais tecidos. É composta por: componentes fibrilares (colágenos fibrilares
e fibras elásticas), componentes não fibrilares (proteoglicanas e glicoproteínas) e
microfibrilas (colágeno tipo VI, microfibrilas associadas à elastina).
1.5.2. Junções celulares
As junções celulares consistem em, do polo apical (lúmen) ao basal (TC), Zônula de
Oclusão, Zônula de Adesão/Junções de Ancoragem, Desmossomos, GAP/Junções
Comunicantes e Hemidesmossomos.
1.5.2.1. Junções de oclusão
São caracterizadas pela íntima justaposição, com a presença de saliências e reentrâncias
nas membranas adjacentes da membrana celular de duas células vizinhas, havendo a fusão
dos folhetos externos dessas.
A zônula de oclusão é importante para constituição de uma barreira protetora que impede
a passagem de moléculas no meio intercelular, tendo um efeito selador. Também,
representam um indicador da polaridade da célula, já que dividem o domínio apical do
domínio basolateral, não permitindo o trânsito de lipídeos e proteínas entre eles.
1.5.2.2. Junções de ancoragem
Ou Zônula de Adesão, essas junções se caracterizam pela discreta separação das
membranas plasmáticas e por um acúmulo de material elétron-denso na superfície interna
da célula (parte citoplasmática da membrana), nas quais se inserem diversos filamentos
de actina que fazem parte de uma trama de vários tipos de filamentos, localizados no
ápice celular e chamado trama terminal. A interação entre as duas células se dá por meio
da interação entre caderinas de ambas as células, as quais são estimuladas pelos íons
Ca2+, e elas servem como ancoragem entre os citoesqueletos das células.
1.5.2.3. Desmossomos
Ou mácula de adesão, são encontrados entre as membranas de células musculares
cardíacas. O desmossomo é uma estrutura complexa, em forma de disco, contida na
superfície de uma célula, e que é sobreposta a uma estrutura idêntica observada na
superfície da célula adjacente. No lado interno (citoplasmático) da membrana do
desmossomo de cada tuna das células há uma placa circular chamada placa de ancoragem,
composta de pelo menos 12 proteínas.
Em células epiteliais, filamentos intermediários de queratina presentes no citoplasma se
inserem nas placas de ancoragem ou então formam alças que retornam ao citoplasma.
Uma vez que os filamentos intermediários de queratina do citoesqueleto são muito fortes,
os desmossomos promovem uma adesão bastante firme entre as células. Em células não
epiteliais os filamentos intermediários ancorados em desmossomos não são constituídos
de queratina, mas de outras proteínas, como desmina ou vimentina.
1.5.2.4. Junções comunicantes
Ou GAP, consistem em membranas laterais que permitem a comunicação/intercâmbio
de moléculas entre as células, como íons, hormônios, etc. – o que interage a função das
células no tecido. São compostas por proteínas de membrana chamadas conexinas. A
união de 6 hexâmeros proteicos forma uma junção comunicante, com um poro central de
aproximadamente 1,5nm. Cada hexâmero se alinha com o hexâmero da célula adjacente,
formando um canal entre as duas.

2. MECANISMOS DE TRANSPORTE
2.1. TRANSPORTE PASSIVO
Corresponde ao transporte a favor do gradiente de concentração, podendo ser através da
própria membrana plasmática ou de proteínas carreadoras. Compreende, então, o
processo de difusão, cuja energia envolvida é exclusivamente cinética, de movimentação
das moléculas. A difusão pode ser definida como movimento contínuo de moléculas umas
contra as outras nos fluidos (líquidos e gases).
2.1.1. Difusão simples
É a difusão direta através da bicamada fosfolipídica de uma membrana. A taxa de difusão
depende basicamente de 4 fatores: capacidade da molécula de se dissolver na camada
lipídica da membrana, área de superfície da membrana, espessura da membrana
(inversamente) e gradiente de concentração, segundo a Lei de Fick.
Também pode ocorrer através de proteínas canais, como os canais de água. Esses canais
não interagem diretamente com as moléculas, apenas servem como aberturas para
permitir a sua livre passagem.
Ainda, esses canais permitem uma permeabilidade seletiva, já que, conforme o seu
diâmetro, eles selecionam as partículas que passarão por eles. Possuem, também, a
capacidade de serem abertos ou fechados por comportas que são reguladas por
mediadores químicos (canais dependentes de ligantes) ou elétricos (dependentes da
voltagem).
2.1.2. Difusão facilitada
Ela se caracteriza pela utilização de transportadores que se ligam diretamente às
moléculas e íons carreados, em um movimento de vaivém ou ponte aérea. A velocidade
de transporte depende da capacidade de um carreador mover, da competição com outros
possíveis ligantes ao seu receptor e, de certa forma, da quantidade de substrato
disponível. Ela se diferencia altamente da difusão simples uma vez que ela possui uma
velocidade limite que depende da proteína carreadora e dos receptores no seu interior,
que demandam um tempo de resposta para a alteração conformacional da proteína e elas
limitam a quantidade de substrato que é transportado em cada processo.
2.2. TRANSPORTE ATIVO
2.2.1. Primário
Consiste em uma forma de transporte contra o gradiente de concentração que necessita,
portanto, do consumo de energia para poder ocorrer. No transporte ativo primário, a
energia utilizada para a realização desse transporte é diretamente o ATP ou outro
composto fosfatado. Necessita de proteínas carreadoras.
2.2.2. Secundário
A energia é derivada da polarização da membrana plasmática, ou seja, da diferença de
concentrações entre espécies carregadas decorrentes do transporte ativo primário.
Necessita de proteínas carreadoras.
Ocorre de duas maneiras: cotransporte/simporte (a substância a ser transportada junto ao
sódio visa chegar ao mesmo lado que o sódio) e contratransporte (a substância tenta fazer
o caminho inverso do sódio).
2.3. OSMOSE
O movimento da água para dentro e fora da célula é dinâmico e ocorre, dentro dos limites
do solvente, de maneira incessante. Contudo, quando a célula está inserida em um meio
isotônico, o seu volume permanece constante, uma vez que o volume de entrada e de saída
de água da célula se equilibram. Quando o meio não é isotônico, por outro lado, ocorre o
transporte chamado de osmose.
Pressão osmótica: representa a pressão que precisa ser aplicada em um meio hipotônico
ao outro a fim de cessar o processo de osmose. A velocidade da osmose é altamente
influenciada pela diferença de concentração entre os meios hipotônico e hipertônico.
2.4. TRANSPORTE VESICULAR
2.4.1. Endocitose
É a incorporação de partículas grandes por meio de especializações da membrana
plasmática que englobam parte do meio extracelular formando vesículas. Pode ser por
pinocitose ou por fagocitose.
2.4.1.1. Fagocitose
É a incorporação de estruturas maiores que macromoléculas, como bactérias, células
totais ou partes de tecido em regeneração. É uma propriedade específica de alguns tipos
celulares.
Essas grandes partículas se ligam aos receptores ou aos anticorpos que se ligam aos
receptores (opsonização) e desencadeiam um movimento ao redor dos pontos de ligação,
que invaginam para envolver totalmente as partículas até se encontrarem, se fecharem e
formarem a vesícula fagocítica.
2.4.1.2. Pinocitose
As gotículas se ligam a receptores na superfície da membrana, localizados normalmente
em pequenas concavidades, chamadas cavidades revestidas. Logo abaixo dessa cavidade,
a proteína caritina, associadamente com actina e miosina, vai “cedendo” para dentro do
citoplasma até que essa vesícula pinocítica se feche. 3 proteínas que permitem a entrada:
clatrina, caveolina e cop.
2.4.2. Exocitose
É a libertação de substâncias celulares (como produtos de secreção) contidas nas vesículas
de células por meio da fusão da membrana vesicular com a membrana plasmática e
libertação subsequente do conteúdo para o exterior da célula. As proteínas de membrana
e os lipídeos nessas vesículas fornecem novos componentes para a membrana plasmática,
enquanto que as proteínas solúveis dentro das vesículas são secretadas para o espaço
extracelular.
3. POTENCIAL DE MEMBRANA, DESPOLARIZAÇÃO, REPOLARIZAÇÃO E
HIPERPOLARIZAÇÃO
Potencial de Membrana: é a diferença de potencial da membrana em repouso devido ao
gradiente elétrico entre os líquidos extracelular e intracelular. A parte “em repouso”, do
nome, vem do fato de que este gradiente elétrico está presente em todas as células vivas,
inclusive naquelas que parecem não ter atividade elétrica.
Contudo, acontecem situações em que as células excitáveis recebem um estímulo e, como
resposta a isso, alteram seu equilíbrio a fim de cumprirem suas funções. Exemplos disso
são os neurônios e as células cardíacas. Tal processo é descrito abaixo:
- Despolarização: é a positivação da área interna membrana em relação a área externa.
Ocorre pela abertura de canais de Na+, levando-os para o interior da célula, isso faz o que
o interior fique positivo até atingir +35mV.
Assim que a despolarização acontece, as cargas positivas que entram são sugadas pela
barreira de cargas negativas na face interna da membrana, sendo espalhadas pela face
interna, e o mesmo acontece com as cargas negativas do lado de fora gerando assim uma
corrente elétrica gerada pela movimentação de íons (corrente iônica).
- Repolarização: é o retorno ao potencial de membrana. Ocorre com a abertura dos canais
de K+ (processo mais lento que a despolarização), também dependentes de voltagem, e
com a saída de potássio. Os canais para Sódio e Cálcio são fechados ou inativados (no
caso do Na+). Esses eventos, fazem com que o interior da célula fique mais negativo em
relação ao meio externo.
- Repouso: é o retorno às condições normais da membrana celular sem impulso elétrico,
isto é, antes da mesma ser excitada e despolarizada. O potencial de membrana celular
retorna ao seu valor de repouso (cerca de -90mV).
OBS.: Chama-se Potencial de Ação esse conjunto de eventos (repouso, despolarização e
repolarização) que promove a propagação do impulso elétrico. O limiar para a
estimulação do PA é de -65 mV, isso significa que, se o estimulo não atingir esta medida,
o PA não ocorre (Princípio do Tudo ou Nada). SN: efeito somatório (potencial graduado
que chega ao limiar), no músculo, não há esse sistema, o PA deve obedecer diretamente
ao Princípio do Tudo ou Nada.
Todo o processo descrito dura 2 a 3 milésimos de segundo na grande maioria das células
excitáveis do corpo, mas algumas apresentam um potencial bem mais longo do que o
descrito acima. As células musculares cardíacas, por exemplo, apresentam potenciais de
ação que chegam a durar 0,15 a 0,3 segundos. Tais potenciais, mais longos, apresentam
um período durante o qual a membrana celular permanece despolarizada por um grande
período. Esses potenciais são denominados Potenciais em Platô.
As causas do Platô são variadas. No músculo cardíaco, a abertura dos canais rápidos (de
sódio) provocam o spike do PA, enquanto que a prolongada abertura dos canais lentos
(de cálcio-sódio) permite o influxo de íons de cálcio para a fibra. Outro fator é que a
abertura dos canais de potássio na repolarização é mais lenta do que a usual, em geral só
se abrindo de modo completo até o final do Platô.
A Hiperpolarização acontece quando há muita saída de potássio ou com a abertura dos
canais de cloro, o que torna o meio intracelular mais negativo que o normal.
4. COMUNICAÇÃO CELULAR
4.1. SINAIS FISIOLÓGICOS
O sistema de comunicação celular atua por meio de moléculas sinalizadoras/ligantes, ou
também conhecidas por mensageiros, que se prendem a locais específicos das moléculas
receptoras/receptores nas células-alvo. Para ser considerado receptor, uma molécula
deve ser capaz de reconhecer o ligante e de desencadear uma resposta celular (transdução
de sinal), quando unida a ele.
A transdução de sinal é a maneira pela qual a célula recebe um determinado tipo de
sinalização e o transmite para diversas vias, que poderão ser novamente transformadas,
até chegar a função efetora.
O destino final das vias são proteínas efetoras (reguladoras de genes, canais iônicos,
componentes de uma via metabólica ou componentes do citoesqueleto), que são alteradas
quando a via está ativa e induzem uma mudança comportamental.
4.1.1. Elétricos
O potencial de ação atua como mecanismo de sinalização célula a célula.
4.1.2. Químicos
Os mensageiros são sinais químicos na comunicação. Consistem em moléculas secretadas
pelas células no líquido extracelular e configuram-se como a maior parte da comunicação
interna corporal. Essas moléculas podem ser proteínas, peptídeos, aminoácidos,
nucleotídeos, ácidos graxos, esteroides e gases.
4.2. MÉTODOS DE COMUNICAÇÃO CÉLULA-CÉLULA
4.2.1. Junções comunicantes
Permitem a transferência direta de sinais químicos e elétricos do citoplasma entre as
células adjacentes.
4.2.2. Sinais dependentes de contato
As sinalizações dependentes de contato necessitam da interação entre moléculas da
membrana de duas células, estas que estão unidas por meio de moléculas de adesão
celular (CAMs), que permitem a transferência de sinais em ambas as direções. Esse tipo
de comunicação ocorre no sistema imune, durante o crescimento e desenvolvimento dos
membros.
Exemplos de CAMs para as junções celulares: caderinas, integrinas, superfamília de
imunoglobulinas CAMs e selectinas.
4.2.3. Comunicação local
Essa forma de comunicação utiliza-se de sinais parácrinos e autócrinos para ser efetivada.
Os ligantes se difundem através do líquido intersticial e chegam às células-alvo, próximas
às células secretoras. Assim, a distância é fator limitante para que a difusão ocorra
efetivamente. Exemplo: histamina, ecosanoides e citocinas.
4.2.4. Comunicação de longa distância
Ocorre pela combinação de sinais elétricos carregados por células nervosas e sinais
químicos transportados no sangue. Um tipo de sinal químico presente nessa comunicação
diz respeito às substâncias neurócrinas: no sistema nervoso, há a utilização de sinais
elétricos, que percorrem toda a extensão da célula, e químicos (neurotransmissores:
substâncias neurócrinas que possuem efeito rápido e difundem-se em um pequeno espaço
extracelular), atuantes na porção final da célula. No entanto, em casos de atuação lenta,
há a ação de um neuromodulador, e, caso a substância seja distribuída pelo sangue, tem-
se um neurohormônio.
5. VIAS DE SINALIZAÇÃO
Todas as vias de sinalização compartilham as características:
1. A molécula sinalizadora é um ligante (1º mensageiro) que se liga a um receptor
da célula-alvo.
2. A ligação ligante-receptor ativa o receptor.
3. O receptor ativa uma proteína associada. Essa proteína pode:
- ativar proteínas cinase (enzimas que transferem um grupo fosfato do ATP para uma
proteína), que fosforilam outras proteínas.
- ativar enzimas amplificadoras, que geram segundos mensageiros.
4. A última molécula sinalizadora da via inicia a síntese proteica ou modifica as
proteínas já existentes para gerar uma resposta.
5.1. PARÁCRINA – AUTÓCRINA
Parácrina: ocorre por meio da secreção de moléculas na matriz extracelular, que exercem
seu efeito em células próximas. Esse tipo de sinalização é muito comum nos processos
alérgicos e inflamatórios. Exemplos de ligantes: histamina e citocinas.
Autócrina: ocorre por meio de uma secreção, sendo que as próprias células secretoras
sofrem o efeito. Exemplo de ligante: histamina.
5.2. HORMONAL (ENDÓCRINA)
Acontece através da secreção de hormônios, que são lançados para o meio extracelular,
onde penetram os capilares sanguíneos e se distribuem por todo o organismo. Esses
hormônios atuam à distância em suas células-alvo, por isso, essa via de sinalização entre
as células, pode ser considerada a que leva maior tempo para ocorrer.
Hormônios: podem ser definidos como substâncias secretadas por glândulas endócrinas
que atuam em locais específicos. Esses produtos são secretados pela glândula na própria
corrente sanguínea e seguem até o seu alvo, onde se ligam a receptores específicos,
desencadeando o funcionamento daquele tecido ou órgão. Vale destacar que alguns
hormônios, no entanto, podem chegar até o destino por difusão passiva.
As atividades do sistema endócrino são controladas por mecanismos denominados de
feedback (retroalimentação). O feedback pode ser negativo ou positivo.
O feedback negativo é o mais comum no organismo e tem como objetivo limitar os
excessos no corpo. Isso quer dizer que, se um hormônio estiver em excesso, sua produção
será interrompida; caso contrário, sua síntese será estimulada. Isso faz com que os
hormônios permaneçam em níveis adequados.
O feedback positivo, por sua vez, é bem menos frequente e se caracteriza por possuir um
estímulo inicial que causa cada vez mais estimulação do mesmo tipo. Isso quer dizer que
o estímulo provocará cada vez mais produção de dado hormônio. Enquanto o feedback
negativo restaura a homeostase, o positivo estimula as alterações.
5.3. SINÁPTICA
Existem 2 tipos de sinapses: a química e a elétrica. Quase todas as sinapses presentes no
SNC humano são do tipo química. Nessas estruturas, o primeiro neurônio realiza a
secreção, por seu terminal, do neurotransmissor, substância que atua em proteínas
receptoras, presentes no neurônio subsequente, para promover a excitação, inibição ou
ainda modificar de outro modo a sensibilidade dessa célula.
Alguns neurotransmissores: acetilcolina, norepinefrina, epinefrina, histamina, ácido
gama-aminobutírico (GABA), glicina, serotonina e glutamato.
Já as sinapses elétricas são caracterizadas por canais que conduzem eletricidade de uma
célula para a próxima através da livre passagem de íons pelas junções comunicantes
(GAP). Existem poucas GAP no SNC, mas sua importância encontra-se na transmissão
do PA na fibra muscular lisa e na célula muscular cardíaca.
6. RECEPTORES E RESPECTIVO MECANISMO DE AÇÃO
6.1. INTRACELULARES: conectam-se a ligantes lipofílicos
São receptores encontrados dentro da célula, normalmente no citoplasma ou no núcleo.
Exemplos de ligantes que “exigem” receptores intracelulares: óxido nítrico, hormônios
esteroides e hormônios tireoidianos.
6.2. DE MEMBRANA: conectam-se a ligantes lipofóbicos
São proteínas ancoradas à membrana, que se ligam a ligantes na superfície externa da
célula para que haja a transdução do sinal e alteração do comportamento celular.
6.2.1. Acoplados a canais iônicos
O acesso de íons e de outras substâncias hidrofílicas através da membrana celular ocorre
por meio de canais transmembrana especializados.
Mecanismos de regulação dos receptores acoplados aos canais iônicos: ligação do ligante
ao canal (regulado por ligante), condutância regulada por mudanças de voltagem através
da membrana plasmática (regulado por voltagem) e condutância controlada pela ligação
do ligante a receptores de membrana plasmática que estão fixados ao canal (regulado
por segundo mensageiro).
Quando os receptores se encontram em estado livre, ou seja, sem ligante, o canal fica
obstruído por cadeias laterais de aminoácidos, impedindo a passagem de íons e outras
substâncias.
- Funcionam de maneira simples e direta
- Responsáveis pela transmissão rápida de sinais (sinapses do sistema nervoso)
- Contração muscular, secreção hormonal, processos sensoriais, memória, etc.
- Gradiente de concentração de íons e potencial elétrico são mantidos a custas de
ATP
- Fluxo de íons continua até consumir a força propulsora provida pelo gradiente de íons
e potencial de membrana.
- É especifico para cada íon.
- É influenciado pelo tempo de abertura e fechamento de um dado canal iônico.
Ação conjunta de 3 canais iônicos controlados por voltagem:
1) Onda de despolarização abre canais de sódio = entrada de sódio
2) Despolarização atrasada de canais de potássio = saída de potássio
- Participa da repolarização
3) Despolarização final abre canais de cálcio = entrada de cálcio
- Age como 2º mensageiro
4) Exocitose de vesículas de acetilcolina na fenda sináptica
- Ativação de receptores na membrana pós-sináptica
- Abertura de canais iônicos
6.2.2. Enzimáticos
Receptores transmembrana que transduzem uma interação com ligantes extracelulares,
atuando de modo intracelular por meio da ativação de um domínio enzimático ligado.
Estes receptores desempenham diversas funções metabólicas, de crescimento, processos
celulares e fisiológicos.
Diversos receptores com domínios citosólicos enzimáticos sofrem alterações, essas
proteínas são modificadas por meio da adição ou remoção de grupos fosfato de resíduos
de aminoácidos específicos. A grande carga negativa dos grupos fosfato pode alterar a
estrutura e a ação desta proteína.
A maior classe de receptores com domínios citosólicos enzimáticos é a categoria dos
receptores tirosinocinase, eles transduzem sinais de diversos hormônios e fatores do
crescimento por meio da fosforilação da tirosina, compreendendo no recrutamento de
várias moléculas sinalizadoras citosólicas.
Por outro lado, os receptores com tirosinofosfatases removem grupos fosfato de resíduos
de tirosina específicos. Muitos desses receptores podem ser encontradas em células do
sistema imunológico, regulando a ativação celular.
6.2.3. Acoplados à proteína G
É a classe mais abundante de receptores no organismo. Expostos à superfície extracelular,
atravessam a membrana e possuem regiões intracelulares que ativam uma classe singular
de moléculas de sinalização, denominadas proteínas G, chamadas assim por sua ligação
aos nucleotídeos de guanina.
Todos os receptores acoplados à proteína G dispõem de sete locais transmembrana dentro
de uma única cadeia polipeptídica (atravessam 7 vezes a MP). Em estado de repouso, o
domínio citoplasmático do receptor está ligado de forma não-covalente a uma proteína G,
constituída por subunidades alfa, beta e gama.
Quando a proteína G é ativada, ela pode abrir um canal iônico na membrana ou alterar a
atividade enzimática no citoplasma (por meio da via adenilato ciclase, uma enzima
amplificadora, ou sistema fosfolipase C).
Via adenilato ciclase: após a ativação dessa enzima, a adenilato ciclase converte ATP
em AMP cíclico, que ativa a proteína cinase A que fosforila outras proteínas.
Sistema fosfolipase C: a PL-C converte fosfolipídios da MP em diacilglicerol (DAG),
que permanece na membrana, e IP3, que se difunde no citoplasma. O DAG ativa a
proteína cinase C (PK-C), que fosforila proteínas. E o IP3 estimula a liberação de cálcio
das organelas.
6.2.4. Integrinas
São intermediadoras na interação entre o citoesqueleto celular e as proteínas plasmáticas
da matriz extracelular através da anuência célula-a-célula, por meio de comunicação com
outras proteínas de membrana. Integrinas são reconhecidas moléculas de sinalização que
realizam a transdução de mensagens por vias de sinalização clássica, devido sua estrutura
molecular.
Não apresentam atividade enzimática, seu mecanismo de ação depende da indução de
uma mudança na sua conformação. Na ativação da integrina, são os ectodomínios que
sofrem uma alteração conformacional, que aumenta a sua afinidade para a interação com
a matriz extracelular.
- Interações macromoleculares seletivas.
- Desenvolvimento embrionário, coagulação, angiogênese, sistema imune, diferenciação
celular, crescimento e metástase tumoral.
- Sinalização “de fora para dentro” e “de dentro para fora”: liga citoesqueleto à matriz
extracelular, integra intra e extracelular.
- Influencia diretamente a adesão celular
- Ligantes extracelulares: colágeno, fibrinogênio, fibronectina, outros.
- Ligantes intracelulares: proteínas do citoesqueleto, talina, α-actinina, vinculina,
paxilina, outros.