Você está na página 1de 9

1

OS VIGILANTES INVISÍVEIS

Primeira Parte: Apresentação dos Vigilantes Invisíveis

I) Quem são os Vigilantes Invisíveis? (origem e função, missão)


II) A prática (modalidades, elementos ritualísticos)

Segunda Parte: Ritual


I) Preparação
II) Consagração do oratório
III) Abertura e Fechamento místico dos trabalhos
IV) Ritual operativo
V) Os Vigilantes Invisíveis

PRIMEIRA PARTE:
APRESENTAÇÃO DOS VIGILANTES INVISÍVEIS

I. QUEM SÃO OS VIGILANTES INVISÍVEIS

Origem e função dos Vigilantes Invisíveis


Os Vigilantes Invisíveis são martinistas regularmente e tradicionalmente iniciados que
realizam um trabalho particular ao serviço de Deus e da humanidade. Os Vigilantes são
denominados Invisíveis porque trabalham em segredo, ignorados por todos, e sua obra é
cumprida no invisível e a partir dele. O Auxílio Silencioso trazido pelos Vigilantes Invisíveis
às almas-personalidades em aflição é uma prática iniciada por Raymond Bernard. Este
encorajou-nos a retomá-la e a utilizá-la no quadro da OM.

Missão dos Vigilantes Invisíveis

A missão dos Vigilantes Invisíveis é a seguinte:


1º) Assistir a alma-personalidade dos falecidos em sua passagem para o outro plano e ajudá-
la a tomar consciência de seu novo estado.

2º) Assistir as almas-personalidades vindo para sua encarnação no plano físico.

3º) Vir espiritualmente em auxílio das pessoas sofredoras e purificar a aura da terra.

II. A PRÁTICA
Modalidades
O trabalho dos Vigilantes Invisíveis não necessita de nenhum acessório. Esse trabalho
é mental em sua preparação, visto que implica em visualização, e espiritual em sua ação. Pode
portanto ser executado em qualquer lugar, desde que se consiga recolher-se em si mesmo e,
com um pouco de prática, isso é possível até mesmo no meio da multidão. Entretanto, para
maior eficácia e para uma consagração mais completa, é recomendado aos Vigilantes
Invisíveis que cumpram sua missão sagrada em uma peça de sua residência, acendendo uma
só vela, ou melhor, em seu oratório martinista individual praticando o ritual anexo.
Em uma primeira fase, é aconselhado praticar uma vez por semana (se possível no
mesmo dia da semana e à mesma hora); depois, praticar uma semana inteira por mês. Após,
praticar durante 21 dias seguidos. Enfim, uma vez que a prática está estabelecida, praticar
cada dia no momento que vos é mais propício. Cada um deve sentir o ritmo e a progressão que
lhe são mais adequadas.
2
Elementos ritualísticos
Diversos elementos ritualísticos vos são indicados:
 um ritual de consagração de vosso oratório pessoal
 um ritual de abertura e de fechamento místico dos trabalhos
 um ritual operativo
 o texto da prática dos Vigilantes Invisíveis

Somente o texto da prática dos Vigilantes Invisíveis deve ser seguido de maneira exata
para o objetivo acima descrito, os outros elementos são dados para ajudar o operador a
“instalar” a prática (eles podem ser utilizados integralmente ou em parte para outras ocasiões:
meditação cotidiana, etc.). Nesse caso, os rituais complementares emolduram a prática dos
Vigilantes Invisíveis e poderão proporcionar ao operador numerosos benefícios; mas o mais
importante, qualquer que seja o lugar ou o momento em que realiza seu trabalho, é a atitude e
a disposição interiores do Vigilante Invisível.

A prática do ritual completo desenrola-se da seguinte maneira:


 Consagração do oratório pessoal: prece para a sacralização de um oratório e de seus
elementos, prece para a benção da espada cerimonial.
 Invocação de abertura dos trabalhos místicos.
 Ritual operativo: círculo de incenso, cruz cabalística, círculo branco traçado com a espada,
traçado dos quatro pentagramas de exorcismo, invocação aos arcanjos.
 Prática dos Vigilantes Invisíveis.
 Encerramento dos trabalhos:
1. Ritual operativo: agradecimentos, sinal , cruz cabalística, fechamento do véu.
2. Ritual místico: invocação de fechamento.

SEGUNDA PARTE: RITUAL


I. PREPARAÇÃO
Purificação:
1. lavai as mãos;
2. purificai com água as 7 portas
(dois olhos, duas orelhas, duas narinas, boca),
3. bebei um pouco de água fresca.
Colocai o balandrau e o cordão dizendo a prece:

“Clarifique-me, Senhor, e purifique meu coração para que, tendo sido lavado no Sangue do
Cordeiro, eu desfrute um dia das Alegrias eternas, minha alma enfim reconciliada. Digne-se
portanto, Ó Senhor Misericordioso, extinguir em mim o ardor das paixões inoportunas a fim de
que a Virtude, a Força e a Pureza habitem em mim. Por IESCHOUAH, Nosso Senhor, Amém!
(+).


Traçai o Tau no centro da testa

II. RITUAL DE CONSAGRAÇÃO DO ORATÓRIO PESSOAL


Encontrareis em anexo as instruções relativas à consagração de vosso oratório pessoal.
Outros elementos podem ser acrescentados ou substituídos.

II.1 Plano do oratório pessoal martinista


3

EST

II.2 Objetos
1. Três triângulos equiláteros de feltro, de cor negra, vermelha e branca.
2. Castiçal e vela consagrados.
3. Pentáculo martinista, desenho ou jóia.
4. Castiçal dos Mestres do passado.
5. Incensório.
6. Incenso.
7. Fósforos ou rolo de cera.
8. Retrato de Saint-Martin ou de Cristo.
9. Água e sal.
10. Bíblia aberta no Evangelho de João.
11. Máscara negra.
12. Espada cruciforme.
13. Certificado de iniciação (facultativo).
14. Toalha branca.

II.3. Prece para a sacralização de um oratório e de seus elementos


Nós suplicamos humildemente, Ó Deus Eterno e Todo-Poderoso, por Teu
Filho Único, Jesus Cristo, Nosso Mestre e Senhor, que Te dignes santificar por Tua benção
celeste este oratório, destinado a puros e santos usos. Como outrora Te dignaste receber as
preces e as homenagens de Israel errante no Deserto, no seio de um Tabernáculo cujo serviço e
guarda Tu mesmo havias dado a Teu servo Moisés, eu Te suplico que consideres este humilde
Oratório preparado para Tua Glória e para Teu Serviço. Digna-te, Ó Senhor do Céu e da Terra,
infundir-lhe a mesma virtude que concedeste em outro tempo a Teu Santo-dos-Santos, e que
Tua benção celeste desça neste instante e neste lugar sobre ele, a fim de que Teus Servos, que
se reunirão em torno de sua área consagrada, sejam então santificados pela virtude celeste dos
divinos mistérios que serão celebrados, e obtenham através destes a proteção de seus corpos e
de suas almas, com vista à vida eterna. Por Cristo, Nosso Mestre e Senhor e por São João Seu
servo. Amém!

II.4 Prece para a benção da espada cerimonial


Suplico, Senhor, que Te dignes abençoar esta espada que eu, X..., Teu servo, consagro
doravante à expulsão dos maus Invisíveis, quer se trate dos maus Anjos ou das Almas
condenadas suas cúmplices, a fim de que eu seja doravante colocado sob a guarda de Teu Amor.
4
Que a benção de Deus Todo-Poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo, desça pois e se infunda sobre
e nesta espada e sobre a mão que a empunhará firmemente, para que eu, X..., que a tomarei para
defender-me de todo inimigo visível ou invisível, seja defendido e protegido por Ti mesmo e
por Teus santos Anjos. Deus Todo-Poderoso, que soube dar à mão de Teu servo Davi a
força necessária para abater Golias, eu Te suplico em uma humilde prece que confiras a esta
espada uma força misteriosa que me permitirá expulsar e vencer os espíritos do Mal e suas
Almas Condenadas. Por Cristo, Nosso Mestre e Senhor, e por São João Seu servo. Amém!
(Para todos os outros trabalhos, vos aconselhamos o “Sacramentário do Rosa+Cruz” editado
por Robert Ambelain na Difusão científica e a Cabala Prática. Esta obra compreende
numerosas bençãos, preces, orações, de origem muito antiga e que pertencem à herança dos
Rosa+Cruzes do Oriente).

III. ABERTURA E FECHAMENTO DOS TRABALHOS MÍSTICOS

III.1 Invocação de abertura dos trabalhos no oratório


Que a Santa e Tríplice Luz que é o Alfa e o Ômega, consagre nossos trabalhos (acender
a vela central).
Que as Santas Hierarquias Invisíveis nos assistam para a realização da Grande Obra
prevista desde a origem dos tempos por Deus (acender o incenso, acrescentar o sal à água).
Que os Mestres do Passado, sobre os passos dos quais nós caminhamos, nos
acompanhem e nos guiem sobre a Via (acender a Vela dos Mestres do Passado).
Em nome de IESCHOUAH, Grande Arquiteto dos Mundos e por I. N. R. I., Amém!

III.2 Invocação de fechamento


Agradecemos a vós, Mestres do Passado, e a vós, Santas Hierarquias, por vossa
assistência. Que a Luz de IESCHOUAH que presidiu nossos trabalhos se estenda agora como
uma benção nas oito direções do espaço. Amém!

IV RITUAL OPERATIVO

IV.1 Círculo de proteção


Estabelecei um círculo de proteção com o incenso que queima em um pequeno
incensório. Vós delimitais o espaço em que ides operar descrevendo um círculo completo no
sentido horário, partindo do Leste geográfico (em cuja direção está orientado vosso oratório).

IV.2 Efetuai o sinal da cruz cabalístico


sinal de despedaçamento do véu
expansão do ser
sinal da cruz cabalístico :
 Tibi sum KETHER (tocando a testa)
 MALKUTH (tocando o plexo solar)
 VE GEBURAH (tocando o ombro direito)
VE GEDULAH (tocando o ombro esquerdo)

 Visualizai uma cruz de luz atravessando vosso corpo


 LE OLAM (unindo as duas mãos sobre o coração e
visualizando no interior uma rosa ou uma chama vermelha)

AMÉM
5

IV.3 Traçado dos 4 pentagramas de exorcismo

 Em frente ao Leste, traçai diante de vós um pentagrama de exorcismo

 Traçai com a espada um quarto de círculo branco em direção ao sul, traçai um pentagrama
de exorcismo vermelho vibrando ADONAI

 Traçai com a espada um quarto de círculo branco em direção ao oeste, traçai um


pentagrama de exorcismo azul vibrando EHEIEH

 Traçai com a espada um quarto de círculo branco em direção ao norte, traçai um


pentagrama de exorcismo verde vibrando AGLA

 Acabai o círculo ao Leste.

IV.4 Invocação da proteção dos arcanjos

 Em frente ao Leste, os braços em cruz, dizei:


“Ó Muito Poderoso Arcanjo Rafael, Tu que governas as portas do Leste, fecha-as sobre as
moradas do mal que vem do Leste sobre minha pessoa e sobre toda a humanidade”. Fechai os
braços, unindo as mãos diante de si.

 Em frente ao Sul, os braços em cruz, dizei:


“Ó Muito Poderoso Arcanjo Michael, Tu que governas as portas do Sul, fecha-as sobre as
moradas do mal que vem do Sul sobre minha pessoa e sobre toda a humanidade”. Fechai os
braços, unindo as mãos diante de si.

 Em frente ao Oeste, os braços em cruz, dizei:


“Ó Muito Poderoso Arcanjo Gabriel, Tu que governas as portas do Oeste, fecha-as sobre as
moradas do mal que vem do Oeste sobre minha pessoa e sobre toda a humanidade”. Fechai os
braços, unindo as mãos diante de si.

 Em frente ao Norte, os braços em cruz, dizei:


“Ó Muito Poderoso Arcanjo Uriel, Tu que governas as portas do Norte, fecha-as sobre as
moradas do mal que vem do Norte sobre minha pessoa e sobre toda a humanidade”. Fechai os
braços, unindo as mãos diante de si.
6
 Ficai em frente ao Leste e dizei: “Que se eliminem as fontes de negatividade por estas
obras”.

IV.5 Trabalhos
Meditai alguns instantes, depois continuai os trabalhos (Vigilantes Invisíveis...).

IV.6 Encerramento
Uma vez realizados os trabalhos, agradecei às entidades que neles vos auxiliaram, despedindo-
as com o seguinte sinal:

efetuado ao Norte, ao Oeste, ao Sul, ao Leste com a espada; fazei novamente a cruz cabalística
e fazei o sinal de fechamento do véu.

V OS VIGILANTES INVISÍVEIS

V.1 Preparação

 Dizei a seguinte prece realizando a visualização indicada:

“Que um raio brotado do seio da unidade se dirija para o Sol e de lá, em linha reta, para
nossa Mãe, a Terra, neste exato ponto onde me encontro neste momento. Que ele me penetre de
parte a parte e que me purifique. Após, que ele escoe no seio de nossa Mãe Terra, carregado
com minhas impurezas, negro ao partir, depois menos negro, menos negro ainda, depois cinza,
depois menos cinza, menos cinza ainda, depois quase branco, depois branco, depois que ele
volte a subir em linha reta até o Sol e de lá retorne ao seio da unidade, tendo cumprido seu
circuito e seu círculo perfeito. Que a paz e a concórdia estejam em meu coração e reinem no
mundo inteiro. Que Deus me ajude em cada instante de minha vida. Louvado seja Ele! Amém.”

 Logo após a prece, fazei uma respiração profunda visualizando a energia


entrar no corpo sob a forma de luz quando da inspiração e expelir tudo o que pode
ser negativo para fora de si com a expiração.

 Visualizai alguns instantes a egrégora dos Vigilantes Invisíveis presentes e


passados sob a forma de uma multidão calorosa e benfazeja de que fazeis parte
integrante.

 O Vigilante Invisível está então pronto para cumprir sua missão efetuando as 3
etapas de sua missão na ordem indicada.

V.2 Auxílio Silencioso aos moribundos e aos mortos


 Vede em pensamento diante de vós a Terra como se fôsseis um espectador exterior a
ela. Depois, aqui e acolá sobre a Terra, vede, simbolizando todos os outros, alguns
moribundos. Se uma catástrofe geológica ou um acidente grave ocorreu em uma ou mais
partes do mundo, visualizai diante de vós a parte do planeta onde se produziu a catástrofe.
Esquecei o horror das circunstâncias, permanecei vós mesmos em paz, calma e segurança
e enviai vossos pensamentos e vibrações de amor, de força e de luz a todos aqueles que
acabam de deixar este mundo.
7
 Depois dizei mentalmente, com a maior força interior, mas com calma e amor,
dirigindo-vos a todos aqueles que acabam de falecer e àqueles que morrem precisamente
nesse instante:
“Irmãos e Irmãs bem-amados, deixais nesse momento este vale de lágrimas. Em alguns
instantes, existireis em um mundo diferente, mais elevado, mais belo e mais radioso. Vós
continuareis a viver. Vivereis a verdadeira vida. Nada temais. Ficai em paz, Ficai em paz, Ficai
em paz. Nada daquilo que pudestes crer ou temer é verdadeiro. Esse mundo para onde ides
agora é radioso de luz e de alegria. Sois nele esperados e sois amados. Irmãos e Irmãs bem-
amados, Paz! Deus preparou vossa morada e Suas bençãos vos circundam. Nós somos vossos
irmãos, vossas irmãs e vossos amigos. Nossos pensamentos estão unidos poderosamente a vós
e vos protegem. Estamos convosco. Nós vos acompanhamos. Não estais sós.”

 Enquanto dizeis mentalmente essas palavras que vos aconselhamos decorar, vede em
pensamento os rostos anônimos dos moribundos tranqüilizar-se e, ao mesmo tempo, vede
sua personalidade elevar-se calmamente e em alegria em direção aos céus.

 Depois, estendei as mãos mentalmente ou fisicamente para aqueles que ficam e que
choram e dizei em pensamento como se todos pudessem vos ouvir:
“Irmãos e Irmãs bem-amados, Paz e Consolação ! Senti que vosso desaparecido
continua a viver. Ele deixou seu invólucro transitório, mas está vivo, e sua consciência eterna
ficará tão próxima de vós e convosco como jamais esteve antes. Que as vibrações de força, de
coragem e de paz vos circundem agora e por tanto tempo quanto seja necessário.”

 Mantendo sempre as mãos estendidas diante de vós, entoai agora mentalmente ou


fisicamente o som sagrado “OM” três vezes consecutivas. Após, deixai baixar vossas mãos.

 Dirigi depois vossos pensamentos além da Terra para um mundo que podeis imaginar
recamado de estrelas brilhantes e luminosas. Vede esse mundo invisível povoado de um
número incalculável de formas que creríamos humanas, mas que são diáfanas e que vão em
todas as direções como ocupadas em tarefas que não podeis compreender e que não tentareis
compreender. Senti que esse mundo é aquele da alegria e da paz e que nada de negativo
perturba sua extraordinária harmonia. Nesse mundo superior, vede em pensamento milhares
e milhares dessas formas, dessas personalidades, que nele chegam parecendo elevar-se de
um plano mais baixo, aquele do mundo físico. Vede numerosas personalidades
permanecerem próximas desse plano inferior. Senti-as sós, isoladas. Elas não têm
consciência de estarem nesse mundo invisível de alegria e paz. Estão curvadas sobre si
mesmas, parecem adormecidas e poder-se-ia julgar que vivem um sonho solitário, talvez um
pesadelo. Bastaria que despertassem para conhecer paz, alegria e amor. Certas formas ou
personalidades luminosas cercam-nas com uma atenção terna, mas essas almas não as
percebem. Pensando em todas essas formas ou personalidades “adormecidas”, enviai a todas
vibrações de amor e de luz. Fazei-o com força e com a maior calma e dizei mentalmente
com amor dirigindo-vos a elas:
“Bem-amadas, despertai, despertai, despertai! Vós deixastes o vale de lágrimas. Estais
no mundo superior da beleza, da alegria e do amor. Vamos! Bem-amadas, despertai. Vede!
Estais rodeadas de almas amoráveis que vão vos fazer conhecer vosso novo domínio, guiar-vos
e ensinar-vos o serviço esperado de vós nesse mundo de felicidade. Despertai, bem-amadas!!!”

 Vede em pensamento essas personalidades cercadas de luz e vede-as despertar, tomar


consciência daqueles que estão perto delas. Senti-as em uma alegria inefável e vede-as
partir, elevar-se com outras que elas agora percebem em direção a uma claridade que vós
distinguis ao longe, bem alto.
8

V.3 Auxílio Silencioso às almas que encarnam


 Permanecendo em pensamento nesse mundo maravilhoso onde habitam as almas-
personalidades entre cada encarnação, vede agora algumas dessas começando a “descer”
em direção a Terra para uma nova encarnação. Vede essas personalidades se aproximarem
de nosso planeta conservando a alegria e a paz do mundo superior que era sua morada há
algum tempo.

 Dirigi a elas vossos pensamentos de amor e dizei:


“Almas que vindes sobre a Terra para conhecer a encarnação e prosseguir vossa
evolução, sede benvindas. Ides conhecer novamente a experiência da encarnação em um corpo
de carne. Essa forma de vida vos é necessária para realizar os desígnios de Deus e aproximar-
vos do objetivo derradeiro. Essa vida vos parecerá limitada e às vezes difícil de suportar, mas
lembrai-vos sempre, no mais íntimo de vosso ser, de vossa origem divina e da ajuda constante
dos planos superiores. Nós vos acolhemos com amor. Que a força, a coragem e a paz estejam
convosco agora e durante toda vossa estada sobre a Terra!”

 Vede agora a Terra diante de vós e em diferentes pontos dela mulheres grávidas prestes
a dar à luz. Senti as personalidades planar de certa forma acima dessas mulheres.

 Após, mentalmente e com força, dizei:


“Irmãos e Irmãs bem-amados, sois esperados neste mundo fisico, homens e mulheres
alegram-se com vossa vinda. Ficai felizes e confiantes em vossa vinda. Ficai felizes e confiantes
em vosso futuro. Paz e alegria àqueles que vos acolhem.”

 Visualizai depois essas almas-personalidades recentemente encarnadas e dirigi para


elas pensamentos de amor e de paz, pronunciando mentalmente as seguintes palavras:
“Possam Deus e os Mestres vos guiar ao longo de vossa nova vida sobre o plano
físico.”

 Deveis realmente viver esses instantes para dar-lhes todo seu poder. Este trabalho deve
durar cinco minutos. Depois, os braços estendidos em direção a todas essas almas-
personalidades, entoai três vezes o som “OM”.

V.4 Auxílio Silencioso às pessoas que sofrem e purificação da aura da Terra


 Visualizai a Terra diante de vós, pensai em todos aqueles que sofrem interiormente ou
fisicamente: doentes, velhos, órfãos, casais desunidos, prisioneiros, aqueles que poderiam
ser levados a atos irremediáveis (roubo, crime...), etc.

 Visualizai a Terra a humanidade que a povoa, pensando naqueles que sofrem. Inspirai
profundamente, com a idéia de que recolheis assim em vós a todo-poderosa energia divina.
Segurai o ar alguns instantes e exalai dirigindo para todos os que sofrem raios luminosos
de força, de coragem e de paz. Fazei assim três respirações profundas.
 Depois, com calma e relaxamento, visualizando sempre aqueles que se encontram em
sofrimento, dizei:
“Irmãos e Irmãs bem-amados, retomai confiança, os poderes divinos em vós a
regeneram, a força dos planos superiores desce neste mesmo momento sobre vós e restabelece
a harmonia em vosso interior e à vossa volta. A fraternidade universal manifesta-se para vós
através dos homens e mulheres de vossas relações. Não estais sós. Nossos pensamentos e nossa
9
afeição vos cercam. E cada um de vós é a harmonia. Essa harmonia vos envolve, tranqüiliza,
cura, vos dá força, coragem e esperança. Paz a vós todos, Paz em vós.”

 Ficai alguns minutos em silêncio.

 Depois vede novamente a Terra em um canto do cosmos diante de vós, vede-a girar
lentamente sobre si mesma com seus continentes, suas montanhas, seus oceanos. Em torno
do planeta, percebeis nuvens cinzentas enegrecidas que obscurecem sua aura. Essas nuvens
são as cargas magnéticas negativas formadas pelo carma da humanidade. Mantendo essa
imagem em vosso espírito, fazei uma inspiração profunda, depois exalai, vendo a luz divina,
emanando de um sol brilhante de mil fogos ou de vós mesmo, irradiar sobre as nuvens que
se tornam cinzas, depois menos cinzas, depois brancas e finalmente se afastam da Terra e
se dissolvem no cosmos. Vede agora a aura da Terra mais luminosa e sua atmosfera tornar-
se mais positiva e benfazeja.

 Os braços estendidos, dizei com força três vezes:


“Paz sobre a Terra.”
Após, entoai três vezes o som “OM”.

V.5 Meditação final


 Dizei:
“Que as condições estabelecidas por meu trabalho em benefício dessas almas sejam
mantidas em toda sua força e todo seu vigor até meu próximo período de Auxílio Silencioso.
Sem hesitação e com amor, permaneço para sempre, quando e como eles o desejarem, ao serviço
de Deus e dos Mestres.”

 Visualizai após uma luz branca e brilhante à vossa volta, depois cessai toda
visualização e permanecei nesse estado de relaxamento e de calma durante 10 minutos.

 Retornai lentamente à consciência exterior e findai vosso trabalho.


FIM

Interesses relacionados