Você está na página 1de 11

Sábado Lunissolar

Sábado gregoriano? Ou Sábado Lunissolar/Lunar?


Pessoas apaixonadas fazem tudo ao seu alcance para agradar a pessoa
que amam. Esta é a reação natural do coração que ama. Não é visto como
um dever, mas uma alegria e um privilégio! Isto é o que significa o
verdadeiro Sábado a todos que amam o seu Criador e desejam honrá-Lo.
No início do mundo, o Sétimo dia foi separado como um dia para descanso
e adoração ao Criador. Aqueles que valorizam o cuidado despejado sobre
eles por um Pai celestial amoroso, querem obedecê-Lo e adorá-Lo no
verdadeiro dia de Sábado.
Surge então a questão: “Que dia é o Sábado Bíblico? Que dia é o
verdadeiro Sábado do sétimo dia da Escritura?” Existem amplamente
diferentes crenças a respeito de quando a adorar. Três desses pontos de
vista são os seguintes:
1. Muitas pessoas acreditam que não há necessidade de um dia específico de
descanso, desde que Yahuwah seja adorado todos os dias.
2. Sabatistas gregorianos acreditam que, porque o sábado gregoriano é o
último dia da semana de sete dias de hoje, ele deve ser o verdadeiro
Sábado do sétimo dia. Porque no ciclo semanal moderno de forma
contínua, eles acreditam que o Sábado chegou ininterrupto desde a
Criação como o verdadeiro Sábado do sétimo dia.
3. Ainda, outros acreditam que um acúmulo de evidências Bíblica e histórica
revelam que o verdadeiro Sábado só pode ser encontrado usando o
calendário Lunissolar usado nos tempos Bíblicos.
Embora seja verdade que um deve adorar em todos os dias, o próprio
soberano do Universo expressamente ordenou que o Sétimo dia, após os
dias de trabalho, deve ser separado para que o ser humano passe um
tempo especial com o Criador. O Sábado [Shabat] não é apenas um dia
de adoração. Também é especificamente um dia sem trabalho. Yahuwah
chegou a declarar que o Sábado [Shabat] é um sinal entre Ele e Seus
filhos para sempre (ver Êxodo 31:13). Este artigo irá analisar os dados para
saber se o verdadeiro Sábado é um “sábado gregoriano” ou se é o
chamado “sábado lunissolar/lunar”.
“Não há desculpa para
alguém na posição de
que não existe mais
verdade por revelar, e
de que todas as nossas
Para todos que querem conhecer a verdade, exposições da Escritura
chega um momento em que o caminho se são sem erro. O fato de
divide. Prejuízo pessoal, tradição e ideias pré- que certas doutrinas
concebidas não devem parar na mente daquele foram tidas como
que quer saber “a verdade, toda a verdade e verdadeiras durante
nada mais que a Verdade”. Se o buscador da anos pela nossa gente,
verdade vai estudar com uma mente aberta, se não é prova de que as
vai estar disposto a obedecer ao que é nossas ideias são
revelado, e se ele condenar que é verdade, infalíveis. O tempo não
então a verdade será revelada a sua mente e converterá erro em
ele não precisará permanecer no erro. Isto é o verdade, e a verdade
que é exigido de todos os que estudam o permite-se ser honesta.
assunto da verdadeiro Sábado Bíblico. Nenhuma doutrina
A Escritura Sagrada revela que todo o conflito verdadeira perderá pela
entre o Criador e satanás está contido em ‘A investigação
Batalha pela Adoração’. É uma guerra para a rigorosa.”Conselhos a
mente de cada homem, mulher e criança, vivos Escritores e Editores, p.
hoje. Portanto, seria prudente para todos na 35
Terra examinar esse assunto para si. Todos
devem estudar e saber com certeza se o verdadeiro dia de adoração é
um sábado gregorianoou um sábado lunissolar.
Solar? Lunar? ou Lunissolar?
Se for importante para adorar em um dia específico (o Sábado), é de
importância vital que o método de contagem a ser usado para encontrar
aquele dia, esteja correto. Em outras palavras, deve ser usado o
calendário correto. O tempo só pode ser medido pelo movimento dos
corpos celestes. Existem três tipos principais de calendários:
 Calendário Solar (O calendário civil moderno, o calendário Gregoriano, é
um calendário Solar).

 Calendário Lunar (O calendário religioso usado por muçulmanos é um


calendário Lunar).

 Calendário Lunissolar (Esse também é chamado às vezes de calendário


Lunar-solar, calendário Bíblico (ver Gênesis 1:14)).
A história e a arqueologia revelam que todas as civilizações antigas
usavam calendários Lunissolares. Enquanto os egípcios foram os primeiros
a adotar um calendário estritamente solar, o calendário original também
foi um calendário lunar-solar. Este método antigo e de alta precisão do
cálculo do tempo laçando o mês lunar ao ano solar por alguns pontos
observáveis na natureza.
Um ano solar possui, aproximadamente, 365 O movimento do sol, da
dias de duração. O ano lunar é 11 dias mais lua e das estrelas é a
curto que o ano solar. Assim, as datas de um única medida precisa de
calendário lunar, estritamente ‘flutuam’ se tempo. Mesmo com os
comparadas com as estações do ano solar. modernos relógios
Várias culturas usavam um calendário lunar- atômicos, o tempo é
solar, ancorando os meses lunares em medido pelos ciclos dos
diferentes pontos do ano solar. Alguns, como corpos celestes. Dias e
os antigos egípcios, usaram o aumento da anos são medidos pela
estrela Sirius, na época do solstício de verão. rotação da luz como
Outros, como os astecas e os maias, usaram o vista da Terra.
solstício de inverno para o seu ano novo. Mais
recentemente, quando a França adotou um calendário diferente, durante
a Revolução Francesa, seu ano brevemente começou no equinócio de
outono. (Para mais informações sobre a reforma do calendário francês e
soviético, ver: Mudando as Semanas: Escondendo o Sábado).
A evidência histórica mostra que, de longe, a maioria dos antigos
calendários começou o ano na primavera, ou perto do tempo da
primavera (equinócio vernal). Os israelitas também usaram um calendário
Lunissolar e começaram o ano na primavera. Tanto as suas festas
anuais como o Sábado do sétimo dia foram calculados pelo calendário
lunar-solar que havia sido estabelecido pelo Criador no começo do
mundo.
O Sábado Lunissolar na Escritura
O Calendário do Criador é uma ferramenta de vital importância para
encontrar o verdadeiro Sábado do sétimo dia, que contém o “selo de
Yahuwah”. Às vezes chamado “a marca de Yahuwah”, é, mais
precisamente, o selo de Yahuwah: uma promessa de lealdade para com o
Criador. A Escritura revela que, na Criação, o sol e a lua foram criados para
fornecer luz, bem como os meios para marcar a passagem do tempo. O
moderno calendário solar não usa a lua para manter o tempo. Nem o
calendário lunar hindu ou muçulmano usa o sol. Apenas o antigo
calendário lunar-solar do Criador atende aos critérios de utilização de
ambos, sol e lua, em seu sistema de cronometragem.
Muitas pessoas que guardam os dias de festa, listados em Levítico 23,
ainda observam o sábado gregoriano. Elas acreditam que o calendário
lunar-solar foi usado apenas para as festas anuais, mas que o sábado do
calendário solar moderno tem descido por umciclo semanal
contínuo desde a Criação. Mas isso está usando dois métodos diferentes
para manter o tempo! Em nenhum lugar nas Escrituras são fornecidos dois
sistemas separados e distintos para marcar o tempo. Na Criação, um
calendário foi criado e foi necessário o uso de ambos os luzeiros: o sol e a
lua.
E disse [Yahuwah]: haja luminares no firmamento do céu, para fazerem
separação entre o dia e a noite; sejam eles para sinais e para estações, e
para dias e anos; e sirvam de luminares no firmamento do céu, para
alumiar a terra. E assim foi. [Yahuwah], pois, fez os dois grandes
luminares: o luminar maior para governar o dia, e o luminar menor para
governar a noite; fez também as estrelas. E [Yahuwah] os pôs no
firmamento do céu para alumiar a terra, para governar o dia e a noite, e
para fazer separação entre a luz e as trevas. E viu [Yahuwah] que isso era
bom. (Gênesis 1:14-18, ACF).

Nessa
passagem,
no
primeiro
capítulo do
primeiro
Livro da
Bíblia, o
princípio é
estabelecid
o de que
os dois
grandes
luminares
estavam a
ser
Sistema de tempo designado pelo Criador mantendo o utilizados
uso do sol e da lua. para
marcar o
tempo para a adoração e como um sinal ou marca de lealdade para com o
Criador. A palavra traduzida como “sinais” vem da palavra hebraica ‘owth,
que significa: sinal, uma marca distintiva. “Esta palavra representa algo
pelo qual uma pessoa ou grupo é caracteristicamente marcado.... A
palavra significa: sinal “como um lembrete do dever.”” (Veja #226, Novo
Dicionário Ampliado das Palavras da Bíblia de Strong.)
O Sábado é o sinal pelo qual as pessoas do Criador são marcadas e
separadas como diferentes de todas as outras na terra. A palavra hebraica
que é traduzida como “estações” é ainda mais reveladora. Trata-se da
palavra mow‘ed. É o uso dessa palavra que revela o verdadeiro Sábado da
Criação ser contado pela lua. Mow‘ed também é a palavra usada
especificamente para se referir às festas anuais.
Desde que as festas judaicas ocorreram em intervalos regulares, esta
palavra torna-se intimamente identificada com elas. . . Mow‘ed é usada
em um sentido amplo para todas as assembleias religiosas. Foi
intimamente associada com o tabernáculo em si. . . [Yahuwah] encontrou
Israel lá em horários específicos para a finalidade de revelar a Sua
vontade. É um termo comum para a assembleia de adoração do povo de
[Yahuwah]. (Veja #4150, “Lexical Aids” to the Old Testament, Key-Word
Study Bible).
Longe de apresentar dois sistemas diferentes para manter o tempo, a
Escritura apresenta apenas um: o calendário lunar-solar pelo qual as
festas anuais, bem como o Sábado do sétimo dia, devem ser calculados.
Levítico 23 é uma listagem das festas santas de Yahuwah. Desde os
Aniversários de Primavera até as Festas de Outono, Levítico 23 delineia
todos eles. Mas a primeira “festa” listada é a festa semanal: o Sábado do
sétimo dia.
DEPOIS falou o [YAHUWAH] a Moisés, dizendo: Fala aos filhos de Israel, e
dize-lhes: As solenidades de [YAHUWAH], que convocareis, serão santas
convocações; estas são as minhas solenidades: Seis dias trabalho se fará,
mas o sétimo dia será o sábado do descanso, santa convocação; nenhum
trabalho fareis; sábado de [YAHUWAH] é em todas as vossas habitações.
(Levítico 23:1-3, ACF)
De lá, Yahuwah passou a listar as Festas/solenidades (ou mo'edim) anuais,
mas a primeira festa listada foi o Sábado do
sétimo dia.
Sábado Lunissolar: Um
dia sagrado de
descanso, é o sétimo e
último dia de cada
semana em uma
lunação. O ciclo
semanal reinicia a cada
Lua Nova. Quatro
O Salmo 104:19 é mais um testemunho da semanas completas
Escritura de que o Sábado do sétimo dia deve seguem o Dia de Lua
ser calculado pela lua: Nova.
“Designou [criou] a lua para as estações.”
(Salmos 104:19, ACF)
A palavra aqui traduzida por “estações” é, novamente, mo'edim. O
registro Bíblico é coerente: há apenas um método para manter o tempo
apresentado pelas Escrituras. Esse é o calendário Lunissolar estabelecido
pelo próprio Yahuwah na Criação. Este calendário estabelece todos os
tempos determinados para o culto, os mo'edim (plural de mow‘ed).
O Calendário Lunissolar das Escrituras
O primeiro dia do mês no calendário Lunissolar é o Dia de Lua Nova. (Para
uso da “Lua Nova” nas Escrituras, ver: I Samuel 20:5, 18 e 24; 2 Reis 4:23,
Salmo 81:3, Isaías 66:23, Ezequiel 46:1, e Amos 8:5.)

No calendário Lunissolar Bíblico, cada lunação (ou mês lunar) sempre


começa com um dia de Lua Nova, que está em uma classe de dia de
adoração por si só. Seis dias de trabalho seguem, após o Dia de Lua Nova,
através de sete dias do mês. O Sábado do sétimo dia sempre cai nos dias
8, 15, 22 e 29 de cada mês lunar.
A própria Escritura suporta esta configuração de calendário. Toda vez que
ao Sábado do sétimo dia é atribuída uma data na Bíblia, essa data sempre
corresponde aos dias 8, 15, 22, ou 29 do mês. Ou a data exata do Sábado
é dada, ou a data do Sábado pode ser descoberta através do estudo dos
detalhes circunstanciais. Por exemplo, a história do Êxodo do Egito
contém datas e detalhes detrês meses consecutivos, os quais têm o
Sábado do sétimo dia correspondendo aos dias 8, 15, 22 e 29 de cada
mês! Esses detalhes do calendário foram confirmados 40 anos mais tarde,
na época de Josué e de novo na crucificação do Salvador, na Páscoa.
Como mencionado anteriormente, o ano lunar é mais curto que o ano
solar, e sem alguns meios de ancorar o mês lunar ao ano solar, as estações
flutuariam através do calendário. O método de Yahuwah, em amarrar o
ano lunar ao ano solar, foi mais um lembrete bonito de que todas as
necessidades de um Criador amoroso foram previstas. Em vez de usar a
primavera (ou equinócio vernal), os israelitas usaram a colheita da cevada
madura. Yahuwah enviou a “chuva temporã”, no outono para que a
semente germinasse, e, então, a “chuva serôdia” foi enviada no último
mês para trazer o grão a plena maturidade. Sem chuva, não haveria
colheita. Assim, as mentes das pessoas foram direcionadas para o cuidado
amoroso de seu Criador, e seus corações cheios de gratidão para Ele,
reconhecendo o Seu terno cuidado para elas.
O verdadeiro Ano Novo não poderia começar até que o ano velho solar
tivesse terminado. Assim, a cada dois ou três anos, umdécimo terceiro
mês foi intercalado (acrescentado) ao ano. Esse foi chamado de ano
embolismico, porque um mês inteiro foi adicionado para trazer as
lunações ao alinhamento com as estações. Ezequiel fornece a prova
Bíblica para o décimo terceiro mês utilizado nos anos embolismicos.
(Ver: Ezequiel 13º Mês.)
O calendário Lunissolar da Criação é o método mais preciso para manter o
tempo; divinamente concebido, também elegante. Jeremias 31:35 refere-
se a Yahuwah dando as “ordenanças” (ou leis) da lua. As ordenanças do
divino registro de tempo são tão simples, que o pastor na encosta pode
ter uma observação tão precisa quanto o astrônomo no seu observatório.
Mesmo o cálculo do Pentecostes, que há muito tem confundido as
pessoas, porque as duas especificidades da contagem parece
contraditória, pode ser precisamente figurado apenas usando o calendário
Lunissolar Bíblico.
Judeus e o Sábado (Shabat)
Embora seja verdade que os judeus de hoje
realizam o culto no sábado gregoriano, isso não
prova que ele é o verdadeiro Sábado. Eles nem
sempre adoram no sábado gregoriano. Os
estudiosos judeus são muito claros de que o
método original de calendário era diferente do
calendário moderno e que, sob intensa
perseguição durante o século IV d.C., os judeus
desistiram do calendário Lunissolar original. Estudiosos judeus
admitem que o
Declarando um novo mês pela observação da lua calendário que eles
nova, e o ano novo pela chegada da Primavera, só usam agora, não é o
pode ser feito pelo Sinédrio. Nos tempos de Hillelcalendário das
II [4 século d.C.], o último presidente do Sinédrio,
Escrituras.
os romanos proibiram esta prática. Hillel II era,
portanto, obrigado a instituir o seu calendário fixo, na prática, que
autorizou o avanço do Sinédrio para os calendários de todos os anos
futuros. (“The Jewish Calendar; Changing the Calendar”, www.torah.org,
grifo nosso).
A Lua Nova é ainda, e o Sábado originalmente foi, dependente do ciclo
lunar. (Universal Jewish Encyclopedia, p. 410)
Uma vez que o antigo calendário Lunissolar tinha sido posto de lado, o
conhecimento do verdadeiro Sábado foi perdido com a aceitação do
calendário Juliano pagão.
Sábado Lunissolar Perdido
O calendário da
República
Romana, assim
como o
calendário
Hebraico, era
também um
calendário
Lunissolar. Em
45-46 a.C., Júlio
César reformou o
calendário
romano original
e, com a ajuda de
um astrônomo de Estes fragmentos de pedra de um calendário
Alexandria, Juliano mostram claramente uma semana de oito
Sosígenes, criou dias. Os israelitas não usaram o calendário Juliano
um novo para encontrar o Sábado do sétimo dia. Eles
calendário solar usaram o calendário Lunissolar original da Criação.
com um ciclo
semanal contínuo: o calendário Juliano. Enquanto o calendário Juliano
estava em uso na época do Messias, os israelitas não o usaram já que a
semana Juliana inicial tinha oito dias de duração! Os israelitas ainda
estavam usando o calendário Lunissolar original e adorando o Criador no
sétimo dia de sua semana.
A partir desse momento, até o século IV, israelitas e cristãos apostólicos
continuaram a usar o calendário Bíblico para suas práticas religiosas. Com
o crescente poder dos cristãos paganizados em Roma, isso levou a uma
batalha de longos séculos sobre quando se lembrar da morte e
ressurreição do Salvador. Os cristãos em Roma quiseram celebrar a
ressurreição do Messias na Páscoa pagã. Os cristãos apostólicos, por outro
lado, quiseram comemorar a morte de Yahushua sobre a Páscoa original.
O ponto de contenda parecia falsamente simples: Páscoa
[pagã] vs Pessach [Páscoa judaica]. As questões em jogo, entretanto, eram
imensas. A única maneira de determinar quando o Pessach ocorre, é
usando o calendário Lunissolar Bíblico... (eLaine Vornholt & L. L. Vornholt-
Jones, Calendar Fraud, p. 49).
Calendários calculam o tempo e no Concílio de Nicéia, foi decidido anular
os cálculos judeus e aprovar o calendário Juliano pagão. Isso efetivamente
destruiu o conhecimento do verdadeiro Sábado e o substituiu pelo sábado
pagão. Estudiosos judeus também admitem esse fato.
Em uma colorida descrição do Concílio de Nicéia, o estudioso judeu
Heinrich Graetz escreveu:
No Concílio de Niceia o último segmento foi abordado o qual relacionava a
cristandade às suas matrizes. A festa da Páscoa [pagã] tem sido celebrada
muitas vezes ao mesmo tempo que o Pessach [Páscoa judaica], e de fato
nos dias calculados e fixados pelo Sinédrio na Judeia para a sua
celebração; mas no futuro a sua observância será feita independente do
calendário Judaico. . . . (História dos Judeus, publicado pela Sociedade de
Publicações Judaicas da América, 1893, vol. II, p. 563-564.)
O Concílio de Niceia teve o efeito mais profundo, de longo alcance sobre o
verdadeiro Sábado. Até hoje, estudiosos católicos baseiam a autoridade
da Igreja Católica sobre esse ato de mudança do Sábado Bíblico do
calendário Lunissolar para o domingo das semanas continuas do
calendário Juliano. O calendário Juliano pagão, legislou no lugar, todo um
falso sistema religioso. Assim, o verdadeiro Sábado foi enterrado sob
séculos de tradição e sob a suposição de que a semana moderna tem um
ciclo contínuo desde a Criação.
Reparar a violação: Restaurar o Sábado Lunissolar
O capítulo 58 do Livro de Isaías contém uma bela profecia do trabalho a
ser executado pela última geração. “E os que de tiprocederem edificarão
as antigas ruínas; e levantarás os fundamentos de geração em geração; e
chamar-te-ão reparador das roturas, e restaurador de veredas para
morar.” (Isaías 58:12, ACF)

As mensagens dos três Este é o trabalho daqueles que


anjos de Apocalipse 14 comprometeram a sua fidelidade ao Criador
contêm um convite à para adorá-Lo em Seu verdadeiro dia santo,
adoração no verdadeiro o verdadeiro Sábado Bíblico. Para reparar o
Sábado das Escrituras. buraco feito na Lei de Yahuwah, para limpar
o lixo do erro e da tradição acumulados por
séculos de suposição, existe o grande trabalho a ser feito pelo povo
comprometido da última geração. O Livro de Apocalipse contém o
seguinte aviso: “Temei a [YAHUWAH], e dai-lhe glória; ... E adorai aquele
que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas.” (Ver Apocalipse
14:6-10, ACF).
Este assunto é de extrema importância a todos os que vivem no presente
momento. O verdadeiro Sábado é a marca de lealdade que distingue
aqueles que estão dispostos a obedecer, daqueles que se apegam à
tradição e a suposição. Todos devem estudar o assunto do Sábado
lunissolar, relacionado com os fatos da história do calendário, e com
passagens pertinentes à Bíblia. A Batalha do Armagedon, como tudo numa
guerra de longa duração entre Yahuwah e Lúcifer, é travada no campo de
batalha da adoração.
Todos os que desejam honrar seu Criador vão escolher adorá-Lo no dia
que Ele abençoou e reservou: o Sétimo dia da semana do calendário
Lunissolar, o verdadeiro Sábado lunissolar.