Você está na página 1de 376

.

Aulas em Fı́sica para pós-graduação

Eletrodinâmica
Eletricidade, Magnetı́smo e Radiaçao

Ph.W. Courteille
Universidade de São Paulo
Instituto de Fı́sica de São Carlos
18 de janeiro de 2019
2
Sumário
0 Preface 1
0.1 Organização do curso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
0.2 Bibliografia recomendada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2

1 Fundamentos e ferramentas matemáticas 3


1.1 Tabelas para a eletrodinâmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
1.1.1 Grandezas e formulas do electromagnetismo . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
1.1.2 Grandezas e formulas da teoria da relatividade especial . . . . . . . . . . 7
1.1.3 Unidades CGS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.1.4 Regras básicas da análise vetorial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.1.5 Regras deduzidas da análise vetorial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.1.6 Regras integrais da análise vetorial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.1.7 Regras para transformações de Laplace e de Fourier . . . . . . . . . . . . 10
1.2 A análise vetorial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.2.1 Álgebra vetorial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.2.2 Campos escalares e vetoriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.2.3 Transformação de vetores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.3 Cálculo diferencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
1.3.1 O gradiente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
1.3.2 O divergente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.3.3 O rotacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.3.4 Expansão de Taylor de campos escalares e vetoriais . . . . . . . . . . . . . 18
1.3.5 Regras de cálculo com derivadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
1.4 Cálculo integral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
1.4.1 Integral de linha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
1.4.2 Integral de superfı́cie . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
1.4.3 Integral de volume . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
1.4.4 O teorema fundamental para gradientes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
1.4.5 O teorema de Stokes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
1.4.6 O teorema de Gauß . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
1.5 Coordenadas curvilı́neas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
1.5.1 Elementos diferenciais em coordenadas curvilı́neas . . . . . . . . . . . . . 24
1.5.2 Gradiente em coordenadas curvilı́neas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
1.5.3 Divergente em coordenadas curvilı́neas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
1.5.4 Rotacional em coordenadas curvilı́neas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
1.5.5 Coordenadas cilı́ndricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
1.5.6 Coordenadas esféricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
1.5.7 Derivadas condicionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
1.6 A função δ de Dirac . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
1.6.1 A função de Dirac em 1 dimensão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
1.6.2 A função de Dirac em 2 e 3 dimensões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
1.6.3 Sinais analı́ticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
1.7 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

3
4 SUMÁRIO

1.7.1 A analise vetorial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33


1.7.2 Cálculo diferencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
1.7.3 Cálculo integral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
1.7.4 Coordenadas curvilı́neas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
1.7.5 A distribuição δ de Dirac . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

2 Eletrostática 47
2.1 A carga elétrica e a força de Coulomb . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
2.1.1 Quantização e conservação da carga . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
2.1.2 A lei de Coulomb . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
2.2 Propriedades do campo elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
2.2.1 Linhas de campo e o fluxo elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
2.2.2 Divergência do campo elétrico e a lei de Gauß . . . . . . . . . . . . . . . . 50
2.2.3 Rotação do campo elétrico e a lei de Stokes . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
2.3 O potencial escalar elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
2.3.1 As equações de Laplace e de Poisson . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
2.3.2 Potencial criado por distribuições de cargas localizadas . . . . . . . . . . . 53
2.3.3 Condições de contorno eletrostáticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
2.4 Energia eletrostática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
2.4.1 Energia de uma distribuição de cargas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
2.4.2 Densidade de energia de um campo eletrostático . . . . . . . . . . . . . . 56
2.4.3 Dielétricos e condutores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
2.4.4 Indução de cargas (influência) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
2.4.5 Pressão eletrostática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
2.5 Tratamento de condições de contorno e o teorema da unicidade . . . . . . . . . . 60
2.5.1 O método das cargas imagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
2.5.2 Solução formal do problema eletrostático . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
2.5.3 Função de Green . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
2.5.4 Equação de Poisson com condições de contorno de Dirichlet . . . . . . . . 63
2.5.5 Equação de Poisson com condições de contorno de von Neumann . . . . . 64
2.6 Solução da equação de Laplace em situações de alta simetria . . . . . . . . . . . 64
2.6.1 Separação de variáveis em coordenadas cartesianas . . . . . . . . . . . . . 64
2.6.2 Separação de variáveis em coordenadas cilı́ndricas . . . . . . . . . . . . . 65
2.6.3 Separação de variáveis em coordenadas esféricas . . . . . . . . . . . . . . 66
2.7 Expansão multipolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
2.7.1 O monopolo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
2.7.2 O dipolo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
2.7.3 O quadrupolo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
2.7.4 Expansão em coordenadas cartesianas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
2.8 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
2.8.1 A carga elétrica e a força de Coulomb . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
2.8.2 Propriedades do campo elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
2.8.3 O potencial escalar elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
2.8.4 Energia elétrostática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
2.8.5 Tratamento de condições de contorno e o teorema da unicidade . . . . . . 86
2.8.6 Solução da equação de Laplace em situações de alta simetria . . . . . . . 89
2.8.7 Expansão multipolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
SUMÁRIO 5

3 Propriedades elétricas da matéria 95


3.1 Polarização de dielétricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
3.1.1 Energia de dipolos permanentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
3.1.2 Indução de dipolos em dielétricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
3.1.3 Polarização macroscópica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
3.1.4 Campo eletrostático num meio polarizado ou dielétrico . . . . . . . . . . . 98
3.1.5 Deslocamento elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
3.1.6 Susceptibilidade elétrica e permitividade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
3.2 Influença de cargas e capacitância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
3.2.1 Capacitores e armazenamento de energia elétrica . . . . . . . . . . . . . . 102
3.3 Condução de corrente e resistência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
3.3.1 Movimento de cargas em dielétricos e condutores . . . . . . . . . . . . . . 104
3.3.2 A lei de Ohm, correntes estacionárias em meios contı́nuos . . . . . . . . . 104
3.4 O circuito elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
3.4.1 As regras de Kirchhoff . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
3.4.2 Instrumentos de medidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
3.5 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
3.5.1 Polarização de dielétricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
3.5.2 Influença de cargas e capacitância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
3.5.3 Condução de corrente e resistência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
3.5.4 O circuito elétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116

4 Magnetostatica 125
4.1 A corrente elétrica e a força de Lorentz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
4.1.1 O efeito Hall . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
4.1.2 A lei de Biot-Savart . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
4.2 Propriedades do campo magnético . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
4.2.1 Linhas de campo e fluxo magnético . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
4.2.2 Divergência do campo magnético e a lei de Gauß . . . . . . . . . . . . . . 129
4.2.3 Rotação do campo magnético e a lei de Ampère . . . . . . . . . . . . . . . 130
4.3 O potencial vetorial magnético . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
4.3.1 As equações de Laplace e de Poisson . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
4.3.2 Condições de contorno magnetostáticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
4.4 Expansão multipolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
4.4.1 Momentos magnéticos multipolares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
4.5 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
4.5.1 A corrente elétrica e a força de Lorentz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
4.5.2 Propriedades do campo magnético . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
4.5.3 O potencial vetorial magnético . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
4.5.4 Expansão multipolar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145

5 Propriedades magnéticas da matéria 151


5.1 Magnetização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
5.1.1 Energia de dipolos permanentes e o paramagnetismo . . . . . . . . . . . . 151
5.1.2 Impacto do campo magnético sobre órbitas eletrônicas em átomos e o
diamagnetismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
5.1.3 Magnetização macroscópica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154
5.1.4 Campo magnetostático de um material magnetizado . . . . . . . . . . . . 155
6 SUMÁRIO

5.1.5 O campo H . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155


5.1.6 Susceptibilidade magnética e permeabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . 156
5.2 Indução de correntes e indutância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
5.2.1 A força eletromotriz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
5.2.2 A lei de Faraday-Lenz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
5.3 A energia magnetostática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
5.3.1 Densidade de energia de um campo magnetostático . . . . . . . . . . . . . 163
5.3.2 Indutâncias e armazenamento de energia magnetostática . . . . . . . . . . 163
5.4 Corrente alternada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
5.4.1 Oscilações eletromagnéticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
5.4.2 Circuitos de corrente alternada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
5.5 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
5.5.1 Propriedades magnéticas da matéria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
5.5.2 Indução de correntes e indutância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168
5.5.3 A energia magnetostática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
5.5.4 Corrente alternada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178

6 Equações de Maxwell 185


6.1 As leis fundamentais da eletrodinâmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
6.1.1 O teorema de Helmholtz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187
6.1.2 Potenciais na eletrodinâmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
6.1.3 As equações de Maxwell macroscópicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
6.1.4 As leis fundamentais em materiais polarizáveis e magnetizáveis . . . . . . 195
6.2 As leis de conservação no electromagnetismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196
6.2.1 Conservação de carga e equação de continuidade . . . . . . . . . . . . . . 196
6.2.2 Conservação de energia e teorema de Poynting . . . . . . . . . . . . . . . 196
6.2.3 Conservação de momento linear e o tensor de estresse de Maxwell . . . . 197
6.2.4 Conservação do momento angular do campo eletromagnético . . . . . . . 202
6.3 Formulação potencial da eletrodinâmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
6.3.1 Os potenciais vetorial e escalar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
6.3.2 Transformação de calibre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
6.3.3 A função de Green . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206
6.3.4 Potenciais retardados de distribuições de carga contı́nuas . . . . . . . . . 208
6.3.5 Campos retardados na eletrodinâmica e as equações de Jefimenko . . . . 212
6.3.6 Os potenciais de Liénard-Wiechert . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 212
6.3.7 Os campos de uma carga puntiforme em movimento . . . . . . . . . . . . 214
6.4 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217
6.4.1 As leis fundamentais da eletrodinâmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217
6.4.2 As leis de conservação no electromagnetismo . . . . . . . . . . . . . . . . 221
6.4.3 Formulação potencial da eletrodinâmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223

7 Ondas eletromagnéticas 227


7.1 Propagação de ondas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 227
7.1.1 Equação de Helmholtz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 229
7.1.2 A polarização da luz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230
7.1.3 A densidade e o fluxo de energia em ondas planas . . . . . . . . . . . . . 233
7.1.4 Ondas planas em dielétricos lineares e o ı́ndice de refração . . . . . . . . . 234
7.1.5 Reflexão e transmissão por interfaces e as formulas de Fresnel . . . . . . . 235
SUMÁRIO 7

7.1.6 Formalismo das matrizes de transferência . . . . . . . . . . . . . . . . . . 240


7.2 Dispersão óptica em meios materiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 244
7.2.1 Ondas planas em meios condutores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 244
7.2.2 Dispersão linear e quadrática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 246
7.2.3 Dispersão microscópica e o modelo de Lorentz . . . . . . . . . . . . . . . . 249
7.2.4 Teoria clássica das forças radiativas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 252
7.2.5 Interação de luz com metais e o modelo de Drude . . . . . . . . . . . . . . 256
7.2.6 Causalidade na conexão entre D e E e as relações de Kramers-Kronig . . 258
7.3 Plasmons, guias de ondas e cavidades ressonantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . 261
7.3.1 Plasmons em interfaces metal-dielétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 261
7.3.2 Refracção negativa e metamateriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 264
7.3.3 Guias de ondas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 265
7.3.4 A linha coaxial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267
7.3.5 Cavidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 268
7.4 Óptica de feixes e de ondas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269
7.4.1 Propagação de feixes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269
7.4.2 Óptica gaussiana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 276
7.5 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281
7.5.1 Propagação de ondas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281
7.5.2 Dispersão óptica em meios materiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 286
7.5.3 Plasmons, guias de ondas e cavidades ressonantes . . . . . . . . . . . . . . 289
7.5.4 Óptica de feixes e de ondas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 292

8 Radiação 297
8.1 Expansão multipolar da radiação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 297
8.1.1 A radiação de uma distribuição de cargas arbitrária . . . . . . . . . . . . 297
8.1.2 Expansão multipolar dos potenciais retardados . . . . . . . . . . . . . . . 299
8.1.3 A radiação de um dipolo elétrico oscilante . . . . . . . . . . . . . . . . . . 302
8.1.4 Radiação do dipolo magnético e do quadripolo elétrico . . . . . . . . . . . 304
8.1.5 Expansão multipolar da equação de onda . . . . . . . . . . . . . . . . . . 306
8.2 Radiação de cargas puntiformes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 308
8.2.1 Potência radiada por uma carga puntiforme acelerada . . . . . . . . . . . 309
8.2.2 Reação radiativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 312
8.3 Difração e espalhamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 315
8.3.1 Modelo dos dipolos acoplados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 315
8.3.2 O limite do espalhamento de Mie e o papel do ı́ndice de refração . . . . . 319
8.4 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 321
8.4.1 Expansão multipolar da radiação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 321
8.4.2 Radiação de cargas puntiformes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 323
8.4.3 Difração e espalhamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 326

9 Teoria especial da relatividade 327


9.1 Métrica relativı́stica e transformação de Lorentz . . . . . . . . . . . . . . . . . . 328
9.1.1 Cálculo de Ricci, métrica de Minkowski e tensores de espaço-tempo . . . . 328
9.1.2 Transformação de Lorentz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 330
9.1.3 Contração do espaço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 332
9.1.4 Dilatação do tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 332
9.1.5 Comportamento transformatório da equação de onda . . . . . . . . . . . . 332
8 SUMÁRIO

9.1.6 O Lorentz-boost . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 336


9.2 Mecânica relativı́stica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 337
9.2.1 O tempo próprio de um sistema inercial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 337
9.2.2 Adição de velocidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 338
9.2.3 Momento relativı́stico e energia de repouso . . . . . . . . . . . . . . . . . 338
9.2.4 Efeito Doppler relativı́stico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 340
9.2.5 Lei de Newton relativı́stica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 341
9.3 Eletrodinâmica relativı́stica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 341
9.3.1 Corrente relativı́stica e o magnetismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 341
9.3.2 Potencial e tensor eletromagnéticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 343
9.3.3 Transformação de Lorentz de campos eletromagnéticos . . . . . . . . . . . 345
9.3.4 Tensor de energia e momento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 346
9.3.5 Solução da equação de onda covariante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 348
9.4 Formulação Lagrangiana da eletrodinâmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 349
9.4.1 Relação com a mecânica quântica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 349
9.4.2 Mecânica clássica de uma partı́cula pontual num campo . . . . . . . . . . 350
9.4.3 Generalização para mecânica relativı́stica . . . . . . . . . . . . . . . . . . 353
9.4.4 Simetrias e leis de conservação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 354
9.5 Exercı́cios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 355
9.5.1 Métrica relativı́stica e transformação de Lorentz . . . . . . . . . . . . . . 355
9.5.2 Mecânica relativı́stica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 356
9.5.3 Eletrodinâmica relativı́stica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 357
9.5.4 Formulação Lagrangiana da eletrodinâmica . . . . . . . . . . . . . . . . . 357
0 SUMÁRIO
Capı́tulo 0

Preface
O curso é divido em duas partes. A parte I da apostila dá uma introdução ao electromagnetismo
no nı́vel de um curso de graduação. À partir dos fenômenos elétricos e magnéticos observados em
experiências são derivadas as leis fundamentais de Gauss, Faraday, Ampère e Maxwell permitindo
uma descrição completa do electromagnetismo culminando no conjunto das equações de Maxwell.
O procedimento da parte II da apostila é contrário. À partir das equações de Maxwell
são deduzidos fenômenos electromagnéticos, como a radiação de cargas aceleradas e o papel da
força electromagnética em átomos. Também, derivamos leis fundamentais de conservação e a
relação do electromagnetismo com a teoria da relatividade especial. Esta parte é um curso de
pós-graduação em eletrodinâmica clássica.
1. Equações de Maxwell. 2. Potenciais escalar e vetorial. 3. Transformações de calibre. 4.
Função de Green para a equação de onda. 5. Equações do electromagnetismo. 6. Conservação
de energia, momento linear e momento angular para um sistema de partı́culas carregadas e
campos eletromagnéticos. 7. Ondas planas em meios não condutores. 8. Polarização de ondas
eletromagnéticas. 9. Reflexão e refração de ondas eletromagnéticas em interfaces planas entre
dielétricos. 10. Polarização por reflexão e reflexão interna total. 11. Dispersão em frequência de
dielétricos, condutores e plasmas. 12. Ondas eletromagnéticas em meios condutores ou dissipati-
vos. 13. Relações de Kramers-Kronig. 14. Guias de ondas cilı́ndricos. 15. Cavidades ressonantes
cilı́ndricas. 16. Radiação de fontes localizadas harmonicamente oscilantes. 17. Radiação dipolar
elétrica, dipolar magnética e quadrupolar elétrica. 18. Antenas simples. 19. Teoria escalar de
difração. 20. Teoria vetorial de difração. 21. Potenciais e campos de Liénard-Wiechert para
partı́culas puntiformes. 22. Propriedades de transformações dos campos eletromagnéticos e suas
fontes sob o grupo de Poincaré. 23. Taxas de emissão de energia, momentum linear e momentum
angular por uma partı́cula em movimento arbitrário. 24. Reação de radiação.

0.1 Organização do curso


A apostila foi desenvolvida para o curso Eletromagnetismo A (SFI5708) oferecido pelo Instituto
de Fı́sica de São Carlos (IFSC) da Universidade de São Paulo (USP). O curso é destinado à
estudantes em Fı́sica de pós-graduação. A apostila é uma versão preliminar continuamente
sujeita à correções e modificações. Notificações de erros e sugestões de melhoramento sempre
são bem-vindas. A apostila incorpora exercı́cios as soluções das quais podem ser obtidas do
autor.
Informações e anúncios a respeito do curso serão publicados na página web:
http://www.ifsc.usp.br/ strontium/ − > Teaching − > SFI5708
A avaliação do estudante será feita baseado em provas escritas e um seminário sobre um
tópico especı́fico. No seminário o estudante apresentará um tópico em 15 minutos. Ele também
entregará um trabalho cientı́fico de 4 paginas em forma digital. Tópicos possı́veis são:

1
2 CAPÍTULO 0. PREFACE

- Existência de monopolos magnéticos e a quantização da carga,


- Os deslocamentos de Goos-Hänchen e de Imbert-Fedorov,
- O dilema de Abraham-Minkowski,
- O efeito de Aharonov-Bohm,
- Supercondutividade e o efeito de Meissner,
- A radiação de Cerenkov,
- Bremsstrahlung,
- O modelo de Lorentz da radiação de um átomo,
- O modelo de Drude para interação com metais,
- As relações de Kramers-Kronig,
- O teorema óptico,
- Sinais analı́ticos,
- A quantização do campo eletromagnético,
- Fibras ópticas,
- Difração por aberturas,
- Modos luminosos Laguerre-Gaussianos,
- Bessel beams and laser swords,
- Free-electron laser,
- A ionosfera como uma cavidade ressonante: Ressonâncias de Schumann,
- Excitação de plasmon polaritons se superfı́cie,
- O efeito de Faraday,
- Cristais birefringentes e lâminas de onda,
- Bandas fotônicas proibidas e cristais fotônicos,
- O teorema de Ewald-Oseen,
- A precessão de Thomas,
- Localização de Anderson,
- Espalhamento e ressonâncias de Mie,
- Modelo de dipolos acoplados,
- Óptica gaussiana,
- Refração negativa e a lente perfeita,
- O efeito Kerr,
- O efeito Hall quântico,
- Revestimentos dielétricos antirreflexo e de reflexão,
- Metamateriais hiperbólicos,

0.2 Bibliografia recomendada


J.B. Marion , Classical Eletromagnetic Radiation,
W.K.H. Panofsky e M. Phillips, Classical Electricity and Magnetism
J.J. Jackson, Classical electrodynamics (John Wiley & Sons, 1999)
D.J. Griffiths, Introduction to Electrodynamics
J.R. Reitz, F.J. Milford, R.W. Christy, Foundation of electromagnetic theory
Capı́tulo 1

Fundamentos e ferramentas
matemáticas
A força eletrodinâmica é uma das 4 forças fundamentais, além da gravitação, da força nuclear
forte e da força nuclear fraca. Ela é uma força de longo alcance (F ∝ r−2 ), do mesmo jeito como
a gravitação mas diferentemente das forças nucleares, que são de curto alcance. Diferentemente
da gravitação, ela pode ser atrativa ou repulsiva. O fato experimentalmente observado, que

Figura 1.1: As quatro forças fundamentais conhecidas.

dois corpos espacialmente separados podem exerces forças mútuas (além da gravitação), não é
explicável dentro da mecânica clássica. É necessário a introdução de um novo grau de liberdade
chamado de carga elétrica que, para tomar em conta a possibilidade de forças atrativas ou
repulsivas, deve existir com dois sinais diferentes: positivo ou negativo. Cargas idênticas se
repelem, cargas diferentes se atraem. Outras observações sugeram que a carga é uma grandeza
conservada e quantizada.
A eletrodinâmica é uma teoria de campo, isto é, ela consegue descrever todos fenômenos
elétricos ou magnéticos observados da seguinte maneira: Cada carga dá origem a um campo de
força, chamado de campo elétrico E, que acelera a outras cargas. No entanto, outras observações
experimentais sugerem a existência de um outro campo a força, chamado de campo magnético B
cuja existência é necessário para entender forças somente atuando sobre cargas em movimento.
Isto é, os campos elétrico e magnético são introduzidos para explicar as forças chamadas de
Coulomb e de Lorentz,
F = qE + v × B . (1.1)
Assim, os campos são grandezas distribuı́das no espaço, que além disso podem variar no tempo,

F = F(r, t) . (1.2)

Os campos representam uma poderosa ferramenta matemática para descrever as forças, que
são as únicas grandezas observáveis do electromagnetismo. Ou seja, não temos senso para ver
a eletricidade. Só podemos inferir pela observação de forças. Do outro lado, a formulação

3
4 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

da eletrodinâmica por campos de forças, que são campos vetoriais, pode ser substituı́da por
uma descrição por potenciais, que são campos escalares. Em muitas circunstâncias, potenciais
facilitam a resolução de problemas eletrodinâmicos, mas é importante ter em mente, que os
potenciais não são diretamente observáveis.

A eletrodinâmica do Maxwell tem uma relação muito profunda com a teoria da relativi-
dade especial de Einstein, tal que as teorias são mutuamente necessárias para ser válidas. A
reformulação relativı́stica permite destilar as simetrias inerentes à eletrodinâmica de maneira
altamente estética.

Em visto do papel fundamental dos campos escalares e vetoriais, introduziremos neste curso
as noções matemáticas básicas em teoria de campos, isto é, o cálculo diferencial e integral com
campos em coordenadas cartesianas ou curvilı́neas. Também precisaremos noções básicas de
números complexos e da distribuição de Dirac.
5
6 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

1.1 Tabelas para a eletrodinâmica


1.1.1 Grandezas e formulas do electromagnetismo

carga Q unidade básica SI [C]


1 dQ(r−r0 )
campo elétrico (lei de Coulomb) E dE(r) = 4π0 |r−r0 |3
1
R ρ(r0 )(r−r0 ) 3 0
lei de Coulomb E(r) = 4π0 V |r−r0 |3 d r

princı́pio de superposição F = F1 + F2
força de Coulomb FC FC = qE
momento dipolar elétrico p p ≡ qr
torque elétrico ~τ τ =p×E
energia potencial do dipolo elétrico Ue Ue = −p · E
R
fluxo elétrico Ψe Ψe ≡ S E · dS
H Qdentro 1
R
lei de Gauß elétrica S E · dS = 0 = 0 V ρ(r0 )d3 r0
P
gradiente ∇ ∇ ≡ k êk ∂x∂ k
R
potencial V V ≡ − γ E · dr
voltagem U U12 ≡ V2 − V1
Q
capacitância C C≡ U
0 A
capacitor de placas C= d

resistência (lei de Ohm) R R ≡ UI


P
lei 1. de Kirchhoff k Uk = 0 em cada malha
P
lei 2. de Kirchhoff k Ik = 0 em cada nó
µ0 R Id~`×(r−r0 )
campo magnético (lei de Biot-Savart) B dB(r) = 4π C |r−r0 |3
µ0 R (r−r0 )×j(r0 ) 3 0
lei de Biot-Savart B(r) = 4π V |r−r0 |3
d r
força de Lorentz FL FL = qv × B
momento dipolar magnético µ
~ ~ ≡ IA
µ
torque magnético ~τ ~ ×B
~τ = µ
energia potencial do dipolo magnético Um Um = −~ µ·B
R
fluxo magnético Ψm Ψm ≡ S B · dS
H
lei de Gauß magnética S B · dS = 0
H R
~ 0 2 0
lei de Ampère C B · d` = µ0 Identro = µ0 S j(r )d r

lei de Faraday Uind = − dΦdtm


Uind
indutância L L ≡ − dI/dt
2 πr 2
auto-indutância de uma bobina L = µ0 N `

vetor de Poynting S S≡E×H


1.1. TABELAS PARA A ELETRODINÂMICA 7

deslocamento elétrico D D = εE
polarização P P = D − ε0 E
excitação magnética H H = µ−1 B

magnetização M M = µ−1
0 B−H

1.1.2 Grandezas e formulas da teoria da relatividade especial

métrica sı́mbolo de Kronecker (δµν )


sı́mbolo de Léci-Civita (µνωκ )
métrica de Minkowski (ηµν )
transformação de Lorentz (Λµν )
ct

posição (rµ ) ≡ r
c∆t

deslocamento (∆rµ ) ≡ ∆r

intervalo espaço-temporal ∆s2 ≡ ∆rµ ∆rµ = c2 ∆t2 − ∆r2


q
2
tempo próprio ∆τ ≡ ∆s c2
para intervalos ’time-like’ ∆s2 > 0

distância própria |∆s| ≡ −∆s2 para intervalos ’space-like’ ∆s2 < 0
−1 
gradiente (∂ µ ) ≡ c−∇∂t
1 ∂2
d’Alembertiano  ≡ ∂µ ∂ µ = c2 ∂t2
− ∇2
µ γu c

mecânica velocidade própria (uµ ) ≡ ( ∂r
∂τ ) = γu u
µ E/c

momento (pµ ) ≡ ( ∂u
∂τ ) = p
E2
massa de repouso mc2 = pµ pµ = c2
− p2

vetor de onda (k µ ) ≡ ω/c
k
µ γP/c
força (K ) ≡ γF

e-dinâmica densidade de corrente (j µ ) ≡ (%0 U µ ) = c%j com ∂µ j µ = 0
−1 
potencial el.-mag. (Aµ ) ≡ c A φ com F µν = ∂ µ Aν − ∂ ν Aµ

fluxo el.mg. (S µ ) ≡ cuS
 
0 − 1c E
tensor do campo el.-mag. (Fµν ) ≡  
1
c E (− mnk kB )
 
0 −B
tensor dual (Fµν ) ≡ 21 µναβ Fαβ =  
B ( 1c mnk Ek )
densidade de força Lorentz f µ = F µν jν
1 µν 1 2
Lagrangiano 2µ0 Fµν F = µ0 B − ε0 E 2
Fωκ F ωκ = 12 µνωκ F µν F ωκ = − 4c B · E
8 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

1.1.3 Unidades CGS

Na eletrodinâmica são usados frequentemente unidades CGS, também chamadas de unida-


des gaussianas. Nesta apostila usamos exclusivamente unidades SI do Système International
d’Unités. Para fazer a conversão é suficiente deixar,

√ √
e → eCGS 4πε0 , j → jCGS 4πε0 (1.3)
q q
1 µ0
E → ECGS 4πε 0
, B → BCGS 4π
q q
ε0 1
D → DCGS 4π , H → HCGS 4πµ 0
√ q

P → PCGS 4πε0 , M → MCGS µ0 .

As equações de Maxwell no sistema irracional gaussiano ficam,

rot H = 1c ∂t D + 4π
c j , div D = 4π% . (1.4)

Além disso,
2
u= 1
8π (E + B2 ) , S= c
4π (E × B) . (1.5)

As equações materiais para meios dielétricos são,

D = εE , P = χε E , ε = 1 + 4πχε , (1.6)

e para meios dia- e paramagnéticos,

B = µH , M = χµ H , µ = 1 + 4πχµ . (1.7)

1.1.4 Regras básicas da análise vetorial

Tem as seguintes regras básicas:

(i) E·B=B·E mas E · ∇ 6= ∇ · E , (1.8)


(ii) φB = Bφ mas 6 ∇φ ,
φ∇ =
(iii) E × B = −B × E mas E × ∇ 6= −∇ × E ,
(iv) E · (B × C) = B · (C × E) ,
(v) E × (B × C) = B · (E · C) − C · (E · B) ,
∂f
(vi) ∇f (φ(r)) = ∇φ(r) regra de cadeia ,
∂φ
(vii) ∇(E · B) = ∇(EB) + ∇(EB) regra de produto para escalares ou vetores .
1.1. TABELAS PARA A ELETRODINÂMICA 9

1.1.5 Regras deduzidas da análise vetorial


Tem as regras deduzidas:

(i) ∇(φ + ψ) = ∇φ + ∇ψ , (1.9)


(ii) ∇(φψ) = φ∇ψ + ψ∇φ ,
(iii) ∇ · (E + B) = ∇ · E + ∇ · B ,
(iv) ∇ × (E + B) = ∇ × E + ∇ × B ,
(v) ∇ · (φE) = φ(∇ · E) + (∇φ) · E ,
(vi) ∇ × (φE) = φ(∇ × E) + (∇φ) × E ,
(vii) ∇ · (E × B) = (∇ × E) · B − E · (∇ × B) ,
(viii) ∇×(E × B) = (B · ∇)E − (E · ∇)B + E(∇ · B) − B(∇ · E) ,
(ix) ∇(E · B) = E × (∇ × B) + B×(∇ × E) + (E · ∇)B + (B · ∇)E ,
(x) ∇ × (∇φ) = 0 = ∇ · (∇ × E) ,
(xi) ∇ × (∇ × E) = ∇(∇ · E) − ∆E ,
(xii) ∇ · (∇φ) = ∆φ ,
(xiii) E · (∇φ) = (E · ∇)φ ,
(xiv) E × (∇φ) = (E × ∇)φ ,

(xv) ∇φ = ∇r regra de cadeia ,
dr
dφ(ψ)
(xvi) ∇φ(ψ) = ∇ψ ,

dE(ψ)
(xvii) ∇ · E(ψ) = · ∇ψ ,

dE(ψ)
(xviii) ∇ × E(ψ) = − × ∇ψ .

1.1.6 Regras integrais da análise vetorial


Tem as regras integrais:
Z Z
(i) ∇φdV = φdS, (1.10)
Z V IS
(ii) ∇ · EdV = E · dS regra de Gauß ,
Z V I∂V
(iii) ∇ × E · dS = E · dl regra de Stokes ,
A
Z Z∂C Z
(iv) φ(∇ψ)dV = φψdS − (∇φ)ψdV regra de Green ,
Z V Z∂V V

(v) [φ(∆ψ) − (∆φ)ψ] dV = [φ(∇ψ) − (∇φ)ψ] · dS


V Z Z∂V

(vi) φ(∆ψ)dV = (∆φ)ψdV ∆ é hermitiano, quando lim rφ(r) = 0 = lim rψ(r) ,


V V r→∞ r→∞
Z b(t) Zb(t)
d ∂f db(t) da(t)
(vii) f (x, t)dx = (x, t)dx + f (b, t)dx − f (a, t)dx .
dt a(t) a(t) ∂τ dt dt
10 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

Notação
∂φ
∇φ · dS = ∇φ · n dS = dS . (1.11)
∂n

1.1.7 Regras para transformações de Laplace e de Fourier

1.1.7.1 Transformação de Laplace

Formulas para a transformação de Laplace:

Z ∞
(definição) (Lf )(p) = f (t)e−pt dt (1.12)
0
Z ε+iω
−1 −1 dp
(inversão) L Lf = f onde (L Lf )(t) = Lf (p)ept
ε−iω 2πi
(linearidade) L(af + bg) = aL(f ) + bL(g)
(similaridade) L[f (at)] = a−1 Lf (a−1 p)
(translação) LT f = Lf · e−pT onde T f (t) = f (t − T )

L f eqt = T Lf
(diferenciação) L∂t f = pLf − f (0)
L(−tf ) = ∂p Lf
(resposta de impulso) Lδ = 1 onde δ(t) = L−1 1
(resposta de passo) Lδ 0 = p−1
Z t
(integração) L dt f = p−1 Lf
0
Z ∞
−1
L(t f ) = dp Lf
p
(convolução) L(f ? g) = Lf · Lg
Z −T
e−pt f (t)
(funções periódicas) L(f = T f ) = dt
0 1 − epT
(autofunções) f ? ept = Lf · ept .

1.1.7.2 Correlação

Formulas para a correlação:

Z ∞
(definição) (f  g)(t) = f (τ )g(t + τ )dτ (1.13)
−∞
(non-comutatividade) (f  g)(t) = (g  f )s
(autocorrelação complexa) |f  g ∗ | ≤ f  g ∗ (0) .
1.1. TABELAS PARA A ELETRODINÂMICA 11

1.1.7.3 Transformação de Fourier


Formulas para a transformação de Fourier:
Z ∞
(definição) (Ff )(ω) = f (t)e−iωt dt (1.14)
−∞
Z ∞
−1 −1
(inversão) F Ff = f onde (F Ff )(t) = Ff (ω)eiωt dω
−∞
(linearidade) F(af + bg) = aF(f ) + bF(g)
(similaridade) ?
(translação) FT f = Ff · e−iωT onde T f (t) = f (t − T )

F f eiωt = T Ff
(diferenciação) F∂t f =?
(resposta de impulso) Fδ = 1 onde δ(t) = F −1 1
(resposta de passo) Fδ 0 =?
(dualidade) FF f = f s onde f s (t) = f (−t)
F f ∗ = (F f )∗s onde f s (t) = f (−t)
(simetria) f = fs = f∗ ⇔ F f = (F f )s
f = −f s = f ∗ ⇔ F f = −(F f )∗
f = f∗ ⇔ F f = (F f )∗s
(convolução) F (f ? g) = Ff · Fg
F (f · g) = Ff ? Fg
(autofunções) f ? eiωt = Ff · eiωt .

1.1.7.4 Transformação de Fourier rápida


A transformação discreta de Fourier é definida por,
N
X −1
Hn = e−2πink/N hk (1.15)
k=0
N −1 N/2−1
X X
−2πink/(N/2) −2πik/N
= e h2k + e e−2πink/(N/2) h2k+1
k=0 k=0
= even + odd .
A transformação inversa é,
N −1
1 X 2πink/N
hk = e Hn . (1.16)
N
k=0
A transformada senoidal de um vetor real sk é,
N −1
2 X
Sn = sk sin πnk/N . (1.17)
N
k=1
Em MATLAB a transformação de Fourier rápida é definida por:
N
X −1
F (k + 1) = f (n + 1)e−2πi/N ·kn . (1.18)
n=0
12 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

Inversão:
N −1
1 X
f (n + 1) = F (k + 1)e2πi/N ·kn . (1.19)
N
k=0

Simetria,

f (n + 1) = f ∗ (n + 1) (1.20)
N
X −1
=⇒ K(k + 1) = f ∗ (n + 1)e−2πi/N ·kn e−2πi/N ·N n = F ∗ (N − k + 1) .
n=0

e,

f (N − n) = f (n + 1) = f ∗ (n + 1) (1.21)
N
X −1 N
X −1
0
=⇒ F (k + 1) = f ∗ (N − n)e−2πi/N ·kn = f ∗ (n0 + 1)e2πi/N ·kn e−2πi/N ·(N −1) = F ∗ (k + 1)e2πi/N .
n=0 n=0

e,

− f (N − n) = f (n + 1) = f ∗ (n + 1) (1.22)
N
X −1 N
X −1
0
=⇒ F (k + 1) = −f ∗ (N − n)e−2πi/N ·kn = −f ∗ (n0 + 1)e2πi/N ·kn e−2πi/N ·(N −1) = −F ∗ (k + 1)e2πi/N .
n=0 n=0

Portanto, escolhemos, Ff (n + 1) = F (k + 1)e−pii/N .

1.1.7.5 Expansão de Fourier


A expansão de Fourier complexa é definida por

1.1.7.6 Convolução
Formulas para a convolução:
Z ∞
(definição) (f ? g)(t) = f (τ )g(t − τ )dτ (1.23)
−∞
(neutral element) f ? δ (n) = f (n)

(distributividade) (f + g) ? h = f ? h + g ? h
af ? g = f ? ag
(comutatividade) f ?g =g?f
(associatividade) (f ? g) ? h = f ? (g ? h)
(invariância translacional) T (f ? g) = T f ? g = f ? T
(diferenciação) ∂x (f ? g) = ∂x f ? g = f ? ∂x g
Z Z Z
(integração) (f ? g) = f g
x x x
(complexidade) f = fr + ifi
(função de Dirac) Tf =f ?Tδ
f (T ) = f · T δ .
1.2. A ANÁLISE VETORIAL 13

1.2 A análise vetorial


1.2.1 Álgebra vetorial
Começamos com uma pequena revisão da álgebra vetorial. Um vetor é uma grandeza fı́sica
composta por um valor, uma direção e uma unidade. Por exemplo, v sendo a velocidade de
um corpo medida em metros por segundo na direção para o norte. Matematicamente os vetores
formam um espaço vetorial, isto é, uma construção algebraica caracterizada pela existência de
várias operações definidas pelas seguintes leis.
A adição de vetores é uma operação comutativa e associativa, isto é,

A+B=B+A e (A + B) + B = A + (B + C) . (1.24)

A multiplicação com um escalar é comutativa e distributiva,

λA = Aλ e λ(A + B) = λA + λB . (1.25)

O produto escalar definido por,


A · B ≡ AB cos θ , (1.26)
onde θ é o ângulo entre os dois vetores, é comutativo e distributivo mas não associativo,

A·B=B·A e A · (B + C) = A · B + A · C e (A · B)B 6= A(B · C) . (1.27)

Finalmente, o produto vetorial definido por

A × B ≡ ABn̂ sin θ , (1.28)

onde θ é o ângulo entre os dois vetores e n̂ um vetor unitário mostrando na direção perpendicular
a A e B, é distributivo mas nem comutativo nem associativo,

A × B = −B × A 6= B × A e A × (B + C) = A × B + A × C (1.29)
e (A × B) × C 6= A × (B × C) .

Uma vez que escolhemos uma base, isto é, um conjunto de três vetores linearmente inde-
pendentes, podemos também dar os vetores em termos dos seus componentes nesta base. A
base mais comum é o sistema de coordenadas cartesianas caracterizado por três vetores fixos e
ortogonais, êx , êy e êz , tal que cada vetor pode ser decomposto como,

A = Ax êx + Ay êy + Az êz . (1.30)

Nesta representação as operações do espaço vetorial ficam,

A + B = (Ax + Bx )êx + (Ay + By )êy + (Az + Bz )êz (1.31)


λA = λAx êx + λAy êy + λAz êz
A · B = Ax Bx + Ay By + Az Bz
 
A B − Az B y
 y z 
 
A × B =  Az B x − Ax B z  .
 
Ax By − Ay Bz
14 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

Combinações de produtos escalares e vetoriais podem ser usadas para calcular outras gran-
dezas geométricas. Um exemplo é o triplo produto escalar definido por A · (B × C) satisfaz as
seguintes permutações,
A · (B × C) = C · (A × B) = −C · (B × A) = (A × B) · C . (1.32)
O seu valor absoluto |A · (B × C)| tem o significativo do volume do paralelepı́pedo aberto pelos
vetores. O triplo produto vetorial definido por A × (B × C) pode ser simplificado,
A × (B × C) = B · (A · C) − C · (A · B) . (1.33)
Verificamos a comutatividade e a distributividade do produto escalar e do vetorial no Exc. 1.7.1.1
e exercemos a aplicação destes nos Excs. 1.7.1.2 até 1.7.1.4.

1.2.2 Campos escalares e vetoriais


A aplicação mais básica de vetores é a designação de posições no espaço, r = xêx + yêy + zêz .
Outras grandezas fı́sicas podem depender da posição onde elas são medidas. No caso que uma
grandeza variando com a posição é escalar, φ = φ(r), falamos de campo escalar. A distribuição
da temperatura num espaço é um exemplo para um campo escalar. No caso que se trata de um
vetor, A = A(r), falamos de campo vetorial. A luz é um exemplo para um campo vetorial.
A posição é geralmente definida a respeito do centro do sistema de coordenadas, chamado
de origem, tal que a distância a partir de centro é dada por,
√ p
r ≡ r · r = x2 + y 2 + z 2 , (1.34)
com êr sendo o vetor unitário, chamado de versor, mostrando na direção r. Por exemplo, en-
contraremos frequentemente na eletrodinâmica grandezas (campos) que dependem da distância
entre uma fonte localizada na posição r0 e um detector colocado na posição r, φ(R) = φ(r − r0 ),
(x − x0 )êx + (y − y 0 )êy + (z − z 0 )êz
êR = p . (1.35)
(x − x0 )2 + (y − y 0 )2 + (z − z 0 )2

1.2.3 Transformação de vetores


A definição do vetor como grandeza tendo uma magnitude e uma direção é inequı́voca, por
exemplo, a velocidade v de um carro numa estrada. No entanto, a representação do vetor
depende da orientação do sistema de coordenadas cartesianas, que é totalmente arbitrária. Por
exemplo, um vetor dado por r = xêx + yêr + zêz em um sistema será descrito por r = x0 ê0x +
y 0 ê0y + z 0 ê0z num outro sistema. Se os dois sistemas são simplesmente rotados, temos,
    
x0 Rxx Rxy Rxz x
    
0  0   
r = y  = Ryx Ryy Ryz  y  = Rr , (1.36)
    
z0 Rzx Rzy Rzz z

ou 1 ,
X
rk0 = Rkl rl . (1.37)
l

1
Notamos aqui que um tensor de dimensão 2 se transforma como,
0
X
Tkl = Rkm Rln Tmn .
l,k
1.3. CÁLCULO DIFERENCIAL 15

Por exemplo, para uma rotação em torno do eixo z por um ângulo φ temos,
    
x0 cos φ sin φ 0 x
    
 0   
y  = − sin φ cos φ 0 y  . (1.38)
    
z0 0 0 1 z

Matrizes de rotação R devem satisfazer os seguintes requerimentos:

• A transformação preserve os comprimentos e orientações de vetores e os ângulos entre


vetores. Isto é, o produto escalar satisfaz Rr2 · Rr2 = r1 · r2 .

• A transformação é ortogonal, R−1 = R† , e unitária, det R = 1.

O comportamento de vetores sob transformações de sistemas de coordenadas é uma impor-


tantı́ssima caracterı́stica das grandezas fı́sicas e das teorias governando as suas dinâmicas. Por
exemplo, enquanto a mecânica clássica é definida pela transformação de Galilei, a mecânica
relativı́stica é definida pela transformação de Lorentz, e veremos mais para frente, que a ele-
trodinâmica é incompatı́vel com a transformação de Galilei. Nos Excs. 1.7.1.5 até 1.7.1.14
praticamos o cálculo com matrizes de rotações.

1.3 Cálculo diferencial


A derivada de uma função unidimensional Φ(x) mede quão rapidamente a função varia quando
mudamos a posição x. Isto é, quando mudamos x por um montante dx, f muda por um montante
dΦ dado por,
 

dΦ = dx . (1.39)
dx

Claro que fica mais complicado, quando φ é um campo dependendo de três coordenadas, porque
precisamos especificar em qual direção estamos mudando a posição. Temos,
     
∂Φ ∂Φ ∂Φ
dΦ = dx + dy + dz . (1.40)
∂x ∂y ∂z

Esta equação lembra o produto escalar, pois,


 
∂Φ ∂Φ ∂Φ
dΦ = êx + êy + êz · (dxêx + dyêy + dzêz ) ≡ ∇Φ · dr , (1.41)
∂x ∂y ∂z

definindo um novo operador chamado de nabla,


 
∂/∂x
 
 
∇ ≡ ∂/∂y  . (1.42)
 
∂/∂z
16 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

1.3.1 O gradiente
A derivada três-dimensional ∇Φ é chamada de gradiente do campo escalar Φ,
∂Φ ∂Φ ∂Φ
∇Φ(r) = êx + êy + êz , (1.43)
∂x ∂y ∂z
e mede a variação do valor do campo de Φ para Φ + dΦ, quando o vetor e infinitesimalmente
deslocado entre dois pontos r e r + dr.
Entendemos a interpretação geométrica do gradiente através da formulação como produto
escalar:
dΦ = ∇Φ · dr = |∇Φ| · |dr| cos θ , (1.44)
onde θ é o ângulo entre o gradiente e o deslocamento infinitesimal. Agora fixamos uma magnitude
de deslocamento |dr| e procuramos a direção θ na qual a variação dΦ é máxima. Obviamente,
achamos a direção θ = 0, isto é, quando o gradiente mostra na mesma direção como o desloca-
mento predefinido.

O gradiente de um campo escalar Φ(r) calculado num ponto r indica a direção da


maior variação do campo a partir deste ponto, e o seu valor absoluto é uma medida
para a variação.

O conceito do gradiente é fácil entender em um paisagem dois-dimensional: Imagine ficar num


vertente de uma montanha. Dependendo da direção onde você vai e da duração da caminhada dr,
você vai ganhar ou perder uma certa energia potencial dΦ, que você pode calcular pelo produto
escalar ∇Φ · dr. Se a direção escolhida é aquela do gradiente, você vai perder (ou ganhar) um
máximo de energia potencial. Se você escolhe uma direção perpendicular ao gradiente, isto é,
ao longo de uma linha equipotencial, a energia potencial fica inalterada. Isso é ilustrado na
Fig. 1.2.
Consideramos o exemplo de um campo parabólico, Φ(r) = −r2 :
 
−2x
 
2  
∇(−r ) = −2y  = −2r . (1.45)
 
−2z

Achamos, que em qualquer ponto a variação é mais rápida em direção radial.

Figura 1.2: O gradiente indica a direção da maior variação do campo Φ.

Apesar do operador ∇ ter a forma de um vetor, sozinho ele não faz sentido. Na verdade
se trata de um operador vetorial, isto é, uma prescrição matemática agindo sobre um campo
escalar. Mesmo assim, ele assimila todas as propriedades de um vetor. (Veremos na mecânica
quântica que isto é mais do que uma coincidência.) Portanto, de maneira similar que já usamos
1.3. CÁLCULO DIFERENCIAL 17

para exprimir o gradiente, podemos tentar aplicar ele em campos vetoriais usando os produtos
escalar ou vetorial já definidos sobre o espaço vetorial,

grad Φ(r) ≡ ∇Φ(r) e div A(r) ≡ ∇ · A(r) e rot A(r) ≡ ∇ × A(r) . (1.46)

Praticamos o cálculo com o operador de gradiente nos Excs. 1.7.2.1 até 1.7.2.3.

1.3.2 O divergente
Vamos agora analisar o significativo possı́vel da expressão ∇ · A chamada de divergente. É fácil
mostrar,
∂Ax ∂Ay ∂Az
∇ · A(r) = + + . (1.47)
∂x ∂y ∂z
Obviamente o divergente é um campo escalar calculado à partir de um campo vetorial.

O divergente mede quanto um campo vetorial A(r) espalha para fora a partir do
ponto r. Para um dado volume infinitesimal ele mede a diferencia entre o número
de linhas de campo que entram e que saem.

Podemos imaginar como uma distribuição de carga estendida, exposta à um campo com di-
vergência, começará se concentrar (espalhar) no caso de um dreno (fonte).

Exemplo 1 (Divergência de um campo radial ): Consideramos o exemplo de um campo


radial, A(r) = r:
∂x ∂y ∂z
∇·r= + + =3. (1.48)
∂x ∂y ∂z

1.3.3 O rotacional
Vamos agora analisar o significativo possı́vel da expressão ∇ × A chamada de rotacional. É fácil
mostrar,


êx êy êz      
∂Az ∂Ay ∂Ax ∂Az ∂Ay ∂Ax

∇ × A(r) = ∂x ∂y ∂z = êx − + êy − + êz − .
∂y ∂z ∂z ∂x ∂x ∂y

Ax Ay Az
(1.49)
Obviamente o rotacional é um campo vetorial calculado à partir de um outro campo vetorial.

O rotacional mede quantas das linhas de um campo vetorial A(r), que passam por
um volume infinitesimal, voltam.

Podemos imaginar como uma distribuição de carga estendida dentro de um campo com rotação
começara girar.
Consideramos os exemplos mostrados na figura 1.3. As propriedades de divergência e de
rotação são complementares. Existem campos só com uma das propriedades, com ambas ou
com nenhuma. Nos casos, em que tem rotação, fica problemático colocar linhas equipotenciais:
Ou porque, as linhas de campo não são ortogonais as linhas equipotenciais, ou porque elas
voltam.
18 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

(a) (b) (c) (d) (e)

Figura 1.3: (a) Campo sem divergência, (b) com divergência constante, (c) com divergência
radial, (d) com rotacional e (e) com rotacional.

Exemplo 2 (Rotação de um campo radial ): Consideramos o exemplo de um campo


radial, A(r) = −yêx + xêy :
 
0 − ∂z x
 
 
∇ × A =  ∂z (−y) − 0  = 2êz . (1.50)
 
∂x x − ∂y (−y)

Praticamos o cálculo com o divergente e o rotacional nos Excs. 1.7.2.4 até 1.7.2.7.

1.3.4 Expansão de Taylor de campos escalares e vetoriais


Conhecemos bem a expansão de Taylor de funções de uma variável:

X
d
f (x + h) = exp(h dx )f (x) = 1 d ν
ν! (h dx ) Φ(x) = Φ(x) + hΦ0 (x) + h2 Φ00 (x) + ... . (1.51)
ν=0

A generalização da expansão para um campo escalar, que é uma função de um vetor, é,

X 1
Φ(r + h) = exp(h · ∇r )Φ(r) = (h · ∇r )ν Φ(r) (1.52)
ν!
ν=0
= Φ(r) + (h · ∇r )Φ(r) + 21 (h · ∇r )(h · ∇r )Φ(r) + ... .

Isso corresponde à translação de um operador de momento ∇r . Estudamos a expansão de Taylor


no Exc. 1.7.2.8.

1.3.5 Regras de cálculo com derivadas


No total existem quatro tipos de produtos diferentes envolvendo campos escalares e vetoriais,
ΦΨ, ΦA, A · B e A × B, e seis regras de produto para calcular as seguintes expressões,

∇(ΦΨ) , ∇(A · B) , ∇ · (ΦA) , ∇ · (A × B) , ∇ × (ΦA) , ∇ × (A × B) . (1.53)

Segundas derivadas também podem ser definidas em seis combinações diferentes,

∇ · (∇φ) , ∇ × (∇φ) , ∇(∇ · A) , ∇ · (∇ × A) , ∇ × (∇ × A) . (1.54)

Como estas regras são frequentemente utilizadas elas são resumidas nas Secs. 1.1.4 e 1.1.5.
As regras podem ser derivadas por componentes. Ferramentas muito úteis para isso são
o sı́mbolo de Kronecker é o tensor de Levi-Civita. Consideramos um sistema de coordenadas
1.4. CÁLCULO INTEGRAL 19


cartesianas i = 1, 2, 3. As coordenadas neste sistema são xi e as derivadas ∂i ≡ ∂xi . O sı́mbolo
de Kronecker é definido por, (
1 para m = n
δmn = . (1.55)
0 senão
O tensor de Levi-Civita é definido por


1 quando (kmn) é uma permutação par de (123)
kmn = −1 quando (kmn) é uma permutação impar de (123) . (1.56)


0 quando pelo menos dois ı́ndices são idênticos

Seguinte a convenção de soma de Einstein, fazemos automaticamente a soma de uma expressão


sobre todos os ı́ndices aparecendo duas vezes. Por exemplo, o produto escalar pode ser escrito,
X
A·B= Ai Bi ≡ Ai Bi . (1.57)
i

Para o produto vetorial obtemos,

(A × B)k ≡ kmn Am Bn . (1.58)

Outros exemplos serão discutidos nos Excs. 1.7.2.9 até 1.7.2.11.

1.4 Cálculo integral


Três tipos de integrais são frequentemente usados na eletrodinâmica, a integral de linha ou de
caminho, a integral de superfı́cie ou fluxo e a integral de volume.

1.4.1 Integral de linha


A integral de linha é definida sobre um caminho C(a, b) ligando um ponto inicial a e um ponto
final b. Enquanto o vetor de deslocamento infinitesimal dl segue o caminho ponto por ponto
(vide Fig. 1.4), o valor do campo e a direção (no caso de um campo vetorial) são avaliados,
multiplicados com dl e somados,
Z Z
Φdl , A · dl . (1.59)
C(a,b) C(a,b)

Note, que no caso do campo vetorial, a integral é tomada sobre um produtoRescalar entre o campo
e o caminho local. O trabalho exercido por um campo de força, W ≡ F · l é um exemplo.
Para um caminho que atravessa um campo cruzando todas as linhas de força num ângulo reto,
a integral de caminho zera, o que significa que não tem trabalho acumulado.
Dependendo das propriedades do campo a integral pode depender só dos pontos a e b e
independer do caminho C entre eles. Neste caso, dizemos que o campo vetorial é um campo
conservativo, mas isto não é sempre o caso. Escolhendo a = b temos caminhos fechados, que
podem ser considerados como encerrando uma superfı́cie no espaço 3D. Usamos a notação,
I
A · dl , (1.60)
∂S

onde a notação ∂S sugere, que o caminho vai ao longo da borda da superfı́cie S.


20 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

Figura 1.4: Integrando ao longo de um caminho no espaço três-dimensional.

Na prática, é útil achar uma parametrização l(t) do caminho com um parâmetro (tempo)
t ∈ [0, 1]. Isso nós permite calcular explicitamente,
Z Z 1
dl(t)
∇Φ · dl = ∇Φ(r) · dt . (1.61)
C(a,b) 0 dt

Exemplo 3 (Integral do caminho): Como exemplo, vamos calcular a integral do caminho


parametrizado por l(t) = êx cos t + êy sin t, que é um circulo unitário em torno da origem,
dentro do campo A(r) = −yêx + xêy :
I Z 2π
dl
A · dl = (−yêx + xêy ) · dt (1.62)
0 dt
Z 2π   Z 2π
d cos t d sin t
= (−êx sin t + êy cos t) êx + êy dt = (sin2 t + cos2 t)dt = 2π .
0 dt dt 0

Calculamos exemplos de integrais de caminho nos Excs. 1.7.3.1 até 1.7.3.4.

1.4.2 Integral de superfı́cie


A integral de superfı́cie é definida sobre uma superfı́cie S, que pode ser torta no espaço três-
dimensional. A superfı́cie é subdividida em áreas infinitesimais dS e o valor do campo e a direção
(no caso de um campo vetorial) são avaliados, multiplicados com dS e somados,
Z Z
ΦdS , A · dS . (1.63)
S S

O vetor da área dS é a normal local. Isto é, no caso do campo vetorial, a integral é tomada
sobre um produto escalar
R entre o campo e a área local. O fluxo de linhas de campo atravessando
uma superfı́cie, Ψ ≡ E · dS é um exemplo. A normal da superfı́cie de um volume é geralmente
tomada como saindo do volume. Por exemplo, no plano x-y o elemento de superfı́cie pode ser
escrito dS = êz dxdy em coordenadas cartesianas. Para superfı́cies curvadas ou em coordenadas
curvilı́neas a expressão será mais complicada.
Frequentemente consideramos superfı́cies fechadas, que podem ser consideradas como encer-
rando um volume no espaço 3D. Usamos a notação,
I
A · dS , (1.64)
∂V

onde a notação ∂V sugere, que a superfı́cie encerra o volume V.


1.4. CÁLCULO INTEGRAL 21

Exemplo 4 (Fluxo de um campo): Como exemplo, calculamos o fluxo do campo A =


−yêx + x2 yêy através do cubo unitário:
I Z 1Z 1 Z 1Z 1 Z 1Z 1
A · dS = A|z=1 êz dxdy + A|z=−1 (−êz )dxdy + A|x=1 êx dydz
cubo −1 −1 −1 −1 −1 −1
Z 1 Z 1 Z 1 Z 1 Z 1 Z 1
+ A|x=−1 dydz + A|y=1 êy dzdx + A|y=−1 (−êy )dzdx
−1 −1 −1 −1 −1 −1
Z 1 Z 1 Z 1 Z 1 Z 1 Z 1 Z 1 Z 1
=0+0+ (−y)dydz + ydydz + x2 dzdx + x2 dzdx
−1 −1 −1 −1 −1 −1 −1 −1
8
= . (1.65)
3
Calculamos exemplos de integrais de superfı́cie nos Excs. 1.7.3.5 até 1.7.3.8.

1.4.3 Integral de volume


A integral de volume é Z Z
ΦdV , AdV . (1.66)
V V
R R R
No caso de um campo vetorial, escrevemos simplesmente: êx Ax dV + êy Ay dV + êz Az dV .

Exemplo 5 (Integral de volume): Por exemplo, calculamos a massa de um cubo com


densidade homogênea ρ0 :
Z a/2 Z a/2 Z a/2
m= ρ0 dxdydz = a3 ρ0 . (1.67)
−a/2 −a/2 −a/2

Calculamos um exemplo de um integral de volume no Exc. 1.7.3.9.

1.4.4 O teorema fundamental para gradientes


O teorema fundamental do calculo infinitesimal diz,
Z fb Z b
df = F (x)dx = f (b) − f (a) ou df = F (x)dx , (1.68)
fa a

df
para F (x) = dx . Isto é, a derivação e a integração são operações inversas.
Agora, conhecemos no cálculo vetorial três tipos diferentes de derivadas e um teorema fun-
damental para cada uma. Para gradientes,
Z
∇Φ · dl = Φ(b) − Φ(a) ou dΦ = ∇Φ · dl . (1.69)
C(a,b)

Como o lado direito não depende do caminho C, a integral do gradiente também não pode. Por
consequência,
I
∇Φ · dl = 0 . (1.70)
C

A interpretação geométrica do teorema fundamental para gradientes é simples: Escalando


uma montanha seguindo um caminho passo a passo e ganhando a cada passo a energia potencial
dΦ = ∇Φdx, obtemos ao final a diferencia de energia Φ(b) − Φ(a) entre o ponto final e inicial
da caminhada. A independência do caminho é uma propriedade inerente de gradientes.
22 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

Exemplo 6 (Teorema fundamental para gradientes): Consideramos o exemplo se-


guinte. Para caminhar dentro do potencial Φ(r) = xy 2 entre os pontos r1 = (0, 0, 0)
e r2 = (2, 1, 0) podemos escolher entre vários caminhos, p.ex., l1 (t) = êx 2t + êy t ou
l2 (t) = êx 2t + êy t2 com t ∈ [0, 1]. Para os dois casos obtemos o mesmo ganho de ener-
gia potencial Φ(r2 ) − Φ(r1 ) = 2:
Z Z 1 Z 1
∇Φ · dl1 = (êx y 2 + êy 2xy) · (êx 2 + êy )dt = (2t2 + 4t2 )dt = 2 (1.71)
C(r1 ,r2 ) 0 0
Z Z 1 Z 1
2
∇Φ · dl2 = (êx y + êy 2xy) · (êx 2 + êy 2t)dt = (2t4 + 8t4 )dt = 2 .
C(r1 ,r2 ) 0 0

Um exemplo da aplicação do teorema fundamental para gradientes é discutido no Exc. 1.7.3.10.

1.4.5 O teorema de Stokes


O teorema de Stokes permite converter uma integral de superfı́cie em uma integral de linha desde
que o campo a ser integrado pode ser exprimido por um rotacional,
Z I
(∇ × A) · dS = A · dl . (1.72)
S ∂S

Para encontrar uma interpretação geométrica lembramos que a rotação mede a torção do
campo A sobre uma distribuição de cargas. A integral sobre o rotacional dentro de uma dada
superfı́cie (ou, mais preciso, o fluxo do rotacional através desta superfı́cie) mede a quantidade
total de torção. Uma região com rotação é como um batedor de cozinha mexendo na superfı́cie
de um lı́quido incompressı́vel: Quanto mais batedores ficam dentro da superfı́cie, mais lı́quido
será movimentado ao longo das bordas da superfı́cie. Em vez de medir o número de batedores
(lado esquerda do teorema (1.72)), podemos também caminhar ao longo da borda da superfı́cie
e medir quanto o fluxo está seguindo a direção da borda (lado direito do teorema (1.72)).
Uma consequência interessante do teorema de Stokes é que a integral de caminho independe
da forma da superfı́cie. Isto é, se o campo a ser integrado pode ser exprimido por um rotacional,
podemos deformar a superfı́cie (sem tocar na borda) sem mudar a torção do campo,
I
(∇ × A) · dS = 0 . (1.73)
S

Isso é análogo ao corolário obtido para gradientes (1.70).


Exemplo 7 (Teorema de Stokes): Consideramos o exemplo seguinte. O campo seja dado
por, A = −yêx + xêy , tal que ∇ × A = 2êz . A superfı́cie
 seja
 um disco de raio R encerrado
R cos ωt
 
 
por um caminho circular parametrizado por, l =  R sin ωt . Então,
 
0
   
I Z 2π Z 2π/ω −y  −Rω sin ωt
˙ =    
A · dl = A · ldt  x  ·  Rω cos ωt  dt = 2πR2
circulo 0 0    
0 0
 
Z Z 0 Z
 
 
(∇ × A) · dS = 0 êz dA = 2 dA = 2πR2 .
disco disco   disco
2
1.4. CÁLCULO INTEGRAL 23

Nos Excs. 1.7.3.11 e 1.7.3.12 mostramos aplicações do teorema de Stokes.

1.4.6 O teorema de Gauß


O teorema de Gauß permite converter uma integral de volume em uma integral de superfı́cie
desde que o campo a ser integrado pode ser exprimido por um divergente,
Z I
(∇ · A) · dV = A · dS . (1.74)
V ∂V

Para encontrar uma interpretação geométrica lembramos que a divergência mede a força de
expansão do campo A sobre uma distribuição de cargas. A integral sobre o divergente dentro de
um dado volume mede a quantidade total de expansão. Uma região com divergência é como uma
torneira liberando um lı́quido incompressı́vel: Quanto mais torneiras ficam dentro do volume,
mais lı́quido será expelido pelas bordas do volume. Em vez de medir o número de torneiras (lado
esquerda do teorema (1.74)), podemos também contornar o volume medindo o fluxo através da
superfı́cie (lado direito do teorema (1.74)).

Figura 1.5: Ilustração dos teoremas de Gauß (acima) e de Stokes (embaixo).

Exemplo 8 (Teorema de Gauß): Consideramos o exemplo seguinte. O campo seja dado


por, A = r, tal que, ∇ · A = 3. O volume seja uma esfera de raio R encerrada por uma
superfı́cie. Então:
I Z Z 2π Z π
A · dS = r · êr dS = rr2 sin θdθdφ = 4πR3
superf icieesf erica superf icieesf erica 0 0
Z Z

(∇ · A)dV = 3dV = 3 R3 = 4πR3 .
esf era esf era 3

Nos Excs. 1.7.3.13 até 1.7.3.16 mostramos aplicações do teorema de Gauß.

Os teoremas de Stokes e Gauß exemplo frequentemente são usando no contexto de coordena-


das cilı́ndricas ou esféricas. Por isso, vamos adiar a apresentação de exemplos até ter discutido
coordenadas curvilı́neas.
24 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

1.5 Coordenadas curvilı́neas


Os sistemas de coordenadas mais utilizados são as coordenadas cartesianas, cilı́ndricas e esféricas.
As coordenadas cilı́ndricas são exprimidas em termo de coordenadas cartesianas como,
   
x ρ cos φ
   
   
y   ρ sin φ  .
= (1.75)
   
z z
As coordenadas esféricas são exprimidas em termo de coordenadas cartesianas como,
   
x r sin θ cos φ
   
   
y  =  r sin θ sin φ  . (1.76)
   
z r cos θ
A tarefa agora é de exprimir os elementos diferenciais, isto é, os elementos de linha, de
superfı́cie e de volume, assim como os operadores diferenciais, isto é, o gradiente, o divergente,
o rotacional e o laplaciano em termo de coordenadas curvilı́neas. Vamos primeiro considerar o
caso geral.
A transformação a partir de um sistema de coordenadas cartesianas (x, y, z) para um sistema
geral, curvilı́nea (u, v, w) seja dado por,
 
x(u, v, w)
 
 
r ≡ y(u, v, w) . (1.77)
 
z(u, v, w)
∂r
A mudança du r resultante de uma pequena variação du é então du r = ∂u du e fica na direção do
novo versor êu . Os versores do novo sistema, portanto, podem ser escritos como,
∂r ∂r ∂r
êu = U (u, v, w) , êv = V (u, v, w) , êw = W (u, v, w) , (1.78)
∂u ∂v ∂w
onde −1 −1
∂r ∂r ∂r −1
U = , V = , W = . (1.79)
∂u ∂v ∂w
Nos Excs. 1.7.4.1 consideramos transformações em coordenadas cilı́ndricas e esféricas.

1.5.1 Elementos diferenciais em coordenadas curvilı́neas


No seguinte nos restringimos para coordenadas ortogonais, onde os versores ficam perpendicu-
lares. Neste caso, o diferencial total dr tem a forma,
∂r ∂r ∂r du dv dw
dr = du + dv + dw = êu + êv + êw , (1.80)
∂u ∂v ∂w U V W
e tem o comprimento,
 2  2  2
2 du dv dw
|dr| = + + . (1.81)
U V W
O elemento de volume é,
dτ = dsu dsv dsw . (1.82)
1.5. COORDENADAS CURVILÍNEAS 25

1.5.2 Gradiente em coordenadas curvilı́neas


Podemos agora exprimir o gradiente de um campo escalar Φ em coordenadas curvilı́neas orto-
gonais,
grad Φ = ∇Φ = fu êu + fv êv + fw êw , (1.83)
onde os fi são funções que ainda devem ser determinadas. Neste fim comparamos os coeficientes
das expressões,
∂Φ ∂Φ ∂Φ
dΦ = du + dv + dw , (1.84)
∂u ∂v ∂w
e, inserindo (1.80) e (1.83),
fu fv fw
dΦ = dr · ∇Φ = du + dv + dw . (1.85)
U V W
Obtemos,      
∂Φ ∂Φ ∂Φ
∇Φ = U êu + V êv + W êw . (1.86)
∂u ∂v ∂w

1.5.3 Divergente em coordenadas curvilı́neas


Agora mostraremos como exprimir o divergente de um campo vetorial A em coordenadas cur-
vilı́neas ortogonais,
div A = ∇ · A . (1.87)
A derivação é um pouco complicada. Começamos exprimir os versores êu , êv e êw pelos gradi-
entes ∇u, ∇v e ∇w, usando a expressão para o gradiente (1.86),
∇u = Uêu , ∇v = V êv , ∇w = W êw . (1.88)
Agora exprimimos cada versor como produto vetorial de dois destes gradientes,
∇u × ∇v = U V êu × êv = U V êw (1.89)
∇v × ∇w = V W êv × êw = V W êu
∇w × ∇u = W U êw × êu = W Uêv .
Depois escrevemos A = au êu + av êv + aw êw e começamos considerando o primeiro termo do
divergente:
 a 
u
∇ · (au êu ) = ∇ · ∇v × ∇w (1.90)
V
W 
au au
= (∇v × ∇w) · ∇ + ∇ · (∇v × ∇w) usando ∇ · (αA) = A · (∇α) + α(∇ · A)
 VW VW 
∂  au  ∂  av  ∂  aw 
= V W êu · êu U + êv V + êw W
∂u V W ∂v V W ∂w V W
au
+ [∇w · (∇ × ∇v) − ∇v · (∇ × ∇w)] usando ∇ · (A × B) = B · (∇ × A) − A · (∇ × B)
VW
∂  au 
= UV W usando ∇ × (∇α) = 0 .
∂u V W
Similarmente podemos mostrar,
∂  av  ∂  aw 
∇ · (av êv ) = U V W e ∇ · (aw êw ) = U V W . (1.91)
∂v U W ∂w U V
Com isso obtemos finalmente,
 
∂  au  ∂  av  ∂  aw 
∇ · A = UV W + + . (1.92)
∂u V W ∂v U W ∂w U V
26 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

1.5.4 Rotacional em coordenadas curvilı́neas


Agora mostraremos como exprimir o rotacional de um campo vetorial A em coordenadas cur-
vilı́neas ortogonais,
rot A = ∇ × A . (1.93)
Depois escrevemos de novo A = au êu +av êv +aw êw e começamos considerando o primeiro termo
do rotacional:
a 
u
∇ × (au êu ) = ∇ × ∇u usando (1.88) (1.94)
 a  U
u au
= ∇ × ∇u + (∇ × ∇u) usando ∇ × (αA) = (∇α) × A + α(∇ × A)
U a  U
u
=U ∇ × êu e ∇ × (∇α) = 0 usando (1.88)
 U 
∂  au  ∂  au  ∂  au 
= U êu U + êv V + êw W × êu
∂u U ∂v U ∂w U
 
∂  au  ∂  au 
= U êv W − êw V
∂w U ∂v U
 
1 ∂  au  1 ∂  au 
= U V W êv − êw .
V ∂w U W ∂v U
Similarmente podemos mostrar,
 
1 ∂  av  1 ∂  av 
∇ × (av êv ) = U V W êw − êu (1.95)
W ∂u V U ∂w V
 
1 ∂  aw  1 ∂  aw 
∇ × (aw êw ) = U V W êu − êv .
U ∂v W V ∂u W
Com isso obtemos finalmente,
     
∂ aw ∂  av  ∂  au  ∂  aw 
∇ × A = êu V W − + êv U W − (1.96)
∂v W ∂w V ∂w U ∂u w
   
∂ av ∂  au 
+ êw U V − ,
∂u V ∂v U
ou, escrito como determinante,
 
êu êv êw
U V W 
∂ ∂ ∂ 
∇ × A = U V W det  ∂u  . (1.97)
 ∂v ∂w 
au av aw
U V W

1.5.5 Coordenadas cilı́ndricas


Agora identificamos as coordenadas gerais u, v e w com coordenadas as cilı́ndricas ρ, θ e φ
definidas na Eq. (1.75). No Exc. 1.7.4.2 calculamos para o elemento de linha,

dr = dρêρ + ρdφeφ + dzêz , (1.98)

o elemento de distância,
|dr|2 = (dρ)2 + (ρdφ)2 + (dz)2 , (1.99)
1.5. COORDENADAS CURVILÍNEAS 27

o elemento de uma superfı́cie dada por z = z(ρ, φ),


 
∂z 1 ∂z
ds = − êρ − êφ + êz ρdρdφ , (1.100)
∂ρ ρ ∂φ
e o elemento de volume,
dτ = rdzφdr . (1.101)
Nos Excs. 1.7.4.3 até 1.7.4.5 calculamos, respectivamente, o gradiente,
∂Φ 1 ∂Φ ∂Φ
∇Φ = êρ + êφ + êz , (1.102)
∂ρ ρ ∂φ ∂z
o divergente,
1 ∂ 1 ∂ ∂
∇·A= [ρ aρ ] + [aφ ] + [az ] , (1.103)
ρ ∂ρ ρ ∂φ ∂z
o rotacional,
     
1 ∂az ∂aφ ∂aρ ∂az 1 ∂ ∂aρ
∇ × A = êρ −ρ + êφ − + êz (ρaφ ) − (1.104)
ρ ∂φ ∂z ∂z ∂ρ ρ ∂ρ ∂φ
e o operador de Laplace,
 
1 ∂ ∂Φ 1 ∂2Φ ∂2Φ
∆Φ ≡ ∇ · (∇Φ) = ρ + 2 + . (1.105)
ρ ∂ρ ∂ρ ρ ∂φ2 ∂z 2
em coordenadas cilı́ndricas.

Figura 1.6: Ilustração das coordenadas cartesianas, polares, cilı́ndricas e esféricas.

1.5.6 Coordenadas esféricas


Agora identificamos as coordenadas gerais u, v e w com coordenadas as esféricas r, θ e φ definidas
na Eq. (1.76). No Exc. 1.7.4.2 calculamos para o elemento de linha,

dr = drêr + rdθeθ + r sin θdφêφ , (1.106)

o elemento de distância,
|dr|2 = (dr)2 + (rdθ)2 + (r sin θdφ)2 , (1.107)
28 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

o elemento de uma superfı́cie dada por r = r(θ, φ),


 
1 ∂r 1 1 ∂r
ds = êr − êθ − êφ r2 sin θdθdφ , (1.108)
r ∂θ r sin θ ∂φ
e o elemento de volume,
dτ = dsu dsv dsw = r2 sin θdθdφdr . (1.109)
Nos Excs. 1.7.4.3 até 1.7.4.5 calculamos, respectivamente, o gradiente,
∂Φ 1 ∂Φ 1 ∂Φ
∇Φ = êr + êθ + êφ , (1.110)
∂r r ∂θ r sin φ ∂φ
o divergente,
1 ∂ 2 1 ∂ 1 ∂
∇·A= 2
[r ar ] + [sin θ aθ ] + [aφ ] , (1.111)
r ∂r r sin θ ∂θ r sin θ ∂φ
o rotacional,
   
1 ∂ ∂ 1 ∂ ∂
∇ × A = êr (sin θaφ ) − (aθ ) + êθ (ar ) − sin θ (raφ ) (1.112)
r sin θ ∂θ ∂φ r sin θ ∂φ ∂r
 
1 ∂ ∂
+ êφ (raθ ) − (ar )
r ∂r ∂θ
e o operador de Laplace,
   
1 ∂ 2 ∂Φ 1 ∂ ∂Φ 1 ∂2Φ
∆Φ ≡ ∇ · (∇Φ) = 2 r + 2 sin θ + 2 2 , (1.113)
r ∂r ∂r r sin θ ∂θ ∂θ r sin θ ∂φ2
em coordenadas esféricas.

1.5.7 Derivadas condicionais


A derivados condicional é definida por,



∂(u, v) ∂u/∂x ∂u/∂y
= . (1.114)
∂(x, y) ∂v/∂x ∂v/∂y

Pode ser mostrado, que,


d ∂(u, v) ∂( d u, v) ∂(u, dt
d
v)
≡ dt + . (1.115)
dt ∂(x, y) ∂(x, y) ∂(x, y)

1.6 A função δ de Dirac


Calculamos o divergente do campo vetorial A = r/r3 em coordenadas esféricas 2 ,
 
1 ∂ 2 1
∇·A= 2 r 2 =0, (1.116)
r ∂r r
tal que esperamos, Z
∇ · AdV = 0 . (1.117)
esf era

2 ∂ x ∂ y ∂ z 3r 3 −3x2 r
Ou em coordenadas cartesianas: ∇ · A = ∂r 3 r 3
+ ∂r 3 r 3
+ ∂r 3 r 3
= r6
+ ... = 0.
1.6. A FUNÇÃO δ DE DIRAC 29

Isto é surpreendente, pois a intuição nós deixe esperar uma divergência enorme perto da origem.
O problema é, que o campo A diverge na origem, o que necessita uma modificação da expressão
para o gradiente. A lei de Gauß nós dá uma indicação, pois seguinte esta lei, o resultado (1.117)
deveria estar igual à integral de superfı́cie,
I Z 2π Z π
êr
A · dS = 2
· (R2 sin θdθdφêr ) = 4π . (1.118)
∂ esf era 0 0 R

Como a integral (1.117) contem uma divergência dentro do volume de integração, concluı́mos que
a integral (1.118), que não tem divergência dentro da superfı́cie de integração é mais confiável.
Portanto, procuramos uma função δ satisfazendo,
Z Z
∇ · A(r)dV = 4πδ(r)dV = 4π , (1.119)
esf era esf era

isto é, uma função tendo a propriedade de matar integrais.

1.6.1 A função de Dirac em 1 dimensão


Em 1 dimensão a função de Dirac é definida por,
(
0 para x 6= 0
δ(x) ≡ , (1.120)
∞ para x = 0

tal que Z ∞
δ(x)dx = 1 . (1.121)
−∞
A função de Dirac pode ser descrita como o limes de uma série de funções contı́nuas,
1 1
δ(x) = lim (1.122)
π 1 + n2 x2
n→∞
 
n sin nx 2
δ(x) = lim
n→∞ π nx
Z +n
1 sin nx 1
δ(x) = lim = lim eikx dk .
n→∞ π x n→∞ 2π −n

Também verificamos, que a função de Dirac é par, δ(−x) = δ(x), não linear, δ(ax) = δ(x)/|a|,
e pode ser interpretada como a derivada da função de Heavyside,
Z x

δ(x0 )dx0 = Θ(x) ou = δ(x) . (1.123)
−∞ dx
Treinamos o cálculo com a função de Dirac nos Excs. 1.7.5.1 até 1.7.5.3.

Quando o argumento de uma função de Dirac também é uma função f (x), o Dirac é avaliado
em cada passagem por zero de f ,
Z b Z b X δ(x − xi )
dx g(x)δ(f (x)) = dx g(x) , (1.124)
a a |f 0 (xi )|
i

onde f 0 (xi ) 6= 0. Aplicaremos este teorema no Exc. 1.7.5.4.


30 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

15 15

10 10

δn(x)

δn(x)
5 5

0 0

-1 0 1 -1 0 1
x x
1 sin nx 1 n
Figura 1.7: Ilustração da função π x (esquerda) e da função π 1+n2 x2 (direita) para vários
n → ∞.

1.6.2 A função de Dirac em 2 e 3 dimensões


Em mais dimensões a função δ é frequentemente usada para parametrizar pontos, caminhos ou
superfı́cies dentro de um volume. Por exemplo, uma carga puntiforme Q no lugar a pode ser
descrita pela distribuição de densidade três-dimensional,
ρ(r) = Qδ 3 (r − a) = Qδ(x − ax )δ(y − ay )δ(z − az ) , (1.125)
uma corrente I dentro de uma espira circular com raio R dentro do plano z = 0 gera uma
densidade de corrente,
j = Iδ(r − R)δ(z)êφ , (1.126)
chamada de fio de corrente. Similarmente, uma distribuição dois-dimensional de carga σ ho-
mogeneamente na espalhada na superfı́cie de uma esfera com raio R pode ser descrita pela
distribuição de densidade três-dimensional,
ρ(r) = σδ(r − R) . (1.127)
Tais parametrizações são úteis, pois podem ser aplicadas em leis fundamentais do electromag-
netismo (vide Exc. 1.7.5.5).
Exemplo 9 (Parametrização da distribuição de corrente): Como exemplo calculamos
a corrente I produzida pela distribuição (1.126) atravessando uma área retangular em torno
do ponto r = Rêx ,
Z Z R+∆x Z ∆z Z r+∆x
j · dA = I δ(r − R)δ(z)êy dA = I δ(x − R)dx = I .
area R−∆x −∆z r−∆x

Exemplo 10 (Parametrização da distribuição de carga): Num outro exemplo calcu-


lamos a carga total Q produzida pela distribuição (1.127),
Z Z 2π Z π Z ∞
ρ(r)dV = σ δ(r − R)r2 sin θdθdφdr = σ4πR2 = Q .
volume 0 0 0

Exemplo 11 (Função de Dirac na lei de Coulomb): Num terceiro exemplo mostramos,


que o campo de uma carga puntiforme, %(r) = Qδ(x)δ(y)δ(z), pode ser obtida a partir da
lei de Coulomb, Z
%(r0 ) r − r0 Q r
E= 0 3
dV 0 = .
4πε0 |r − r | 4πε0 r3
1.6. A FUNÇÃO δ DE DIRAC 31

1.6.3 Sinais analı́ticos


Em teoria de processamento de sinais, um sinal analı́tico é uma função de valores complexos
sem componentes de frequência negativas. As partes real e imaginaria de um sinal analı́tico
são mutuamente relacionadas por uma transformação de Hilbert. Inversamente, a representação
analı́tica de uma função de valores reais é um sinal analı́tico, que compreende a função original
e sua transformada de Hilbert. Essa representação facilita muitas manipulações matemáticas.
A ideia básica é que os componentes de frequência negativa da transformada de Fourier (ou
espectro) de uma função real são supérfluos, devido à simetria hermitiana de tal espectro. Esses
componentes de frequência negativa podem ser descartados sem perda de informações, desde
que estejamos dispostos a lidar com uma função complexa. Isso torna certos atributos da função
mais acessı́veis, particularmente para aplicação em técnicas de manipulação de radiofrequências.
Enquanto a função manipulada não possui componentes de frequência negativa (isto é, ainda
é analı́tica), a conversão inversa de complexa para real é apenas uma questão de descartar a
parte imaginária. A representação analı́tica é uma generalização do conceito do fasor: enquanto
o fasor é restrito à amplitude, fase e frequência invariantes no tempo, o sinal analı́tico permite
parâmetros temporalmente variáveis.

1.6.3.1 Função de transferência gerando um sinal analı́tico


Consideramos uma função real s(t) com a sua transformada de Fourier S(f ). Então a transfor-
mada exibe uma simetria hermitiana a respeito do ponto f = 0, pois,
S(−f ) = S(f )∗ , (1.128)
A função 

2S(f ) para f > 0
Sa (f ) ≡ S(f ) para f = 0 = S(f ) + sgn(f )S(f ) , (1.129)


0 para f < 0
onde sgn(f ) calcula o sinal de f , somente contem as componentes não-negativas de S(f ). Esta
operação é reversı́vel devido a simetria hermitiana de S(f ):

1

 2 Sa (f ) para f > 0
S(f ) = Sa (f ) para f = 0 = 12 [Sa (f ) + Sa (−f )∗ ] . (1.130)

1 ∗
2 Sa (−f ) para f < 0
O sinal analı́tico de s(t) é a transformada inversa de Fourier de Sa (f ),
sa (t) ≡ F −1 [Sa (f )] = F −1 [S(f ) + sgn(f ) · S(f )] (1.131)
−1 −1 −1
1 
=F [S(f )] + F [sgn(f )] ? F [S(f )] = s(t) + i πt ? s(t) = s(t) + iŝ(t) ,
onde ? denota a convolução e
Z ∞
1 s(τ )
ŝ(t) ≡ H[s(t)] ≡ πt ? s(t) = π1 P dτ , (1.132)
−∞ t−τ

com P denotando o valor principal de Cauchy é a definição da transformação de Hilbert de s(t) 3 .


3
Também vale,
Z ∞
s(t + τ ) − s(t − τ )
ŝ(t) = − π1 lim dτ
→0  τ
H(H(s))(t) = −s(t) .
32 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

Exemplo 12 (Sinal analı́tico do cosenus): Consideramos o sinal s(t) = cos ωt, onde
ω > 0. Agora

ŝ(t) = cos(ωt − π2 ) = sin ωt ,


sa (t) = s(t) + iŝ(t) = cos ωt + i sin ωt = eiωt .

Em geral, a representação analı́tica de uma simples função sinusoidal é obtida exprimindo ela
em termos de exponenciais complexos, descartando as componentes de frequência negativas
e dobrando as componentes de frequência positiva, como no exemplo s(t) = cos(ωt + θ) =
1 i(ωt+θ)
2 (e + e−i(ωt+θ) ). Aqui obtemos diretamente pela formula de Euler,
(
ei(ωt+θ) = ei|ω|t eiθ se ω > 0
sa (t) = .
e−i(ωt+θ) = ei|ω|t e−iθ se ω < 0

A representação analı́tica de uma soma de funções senoidais é a soma das representações


analı́ticas dos senuses individuais.

Notamos que não é proibido computar sa (t) para um s(t) complexo. Só que esta repre-
sentação pode ser não-reversı́vel, pois o espectro original geralmente não é simétrico. Por isso,
com a exceção do caso s(t) = e−iωt com ω > 0, onde,

ŝ(t) = ie−iωt (1.133)


−iωt 2 −iωt −iωt −iωt
sa (t) = e +i e =e −e =0,

assumimos s(t) reais.


Também notamos que, desde que s(t) = Re[sa (t)], podemos recuperar as componentes de
frequência negativa simplesmente descartando Im[sa (t)], o que pode parecer contra-intuitivo.
Do outro lado, a parte complexa conjugada s∗a (t) somente contem as componentes de frequência
negativa. Portanto, s(t) = Re[s∗a (t)] recupera as componentes suprimidas de frequência positiva.
No Exc. 1.7.5.6 calculamos a intensidade de uma onda eletromagnética.

1.6.3.2 Envelope e fase instantânea


Um sinal analı́tico também pode ser exprimido em coordenadas polares,

sa (t) = |sa (t)|eiφ(t) , (1.134)

em termos de uma amplitude instantânea ou envelope |sa (t)| variando com o tempo e um ângulo
de fase instantâneo φ(t) ≡ arg[sa (t)]. Na Fig. 1.8 a curva azul mostra s(t) e a curva vermelha
mostra |sa (t)|.
A derivada temporal da fase instantânea desembrulhada é a frequência angular instantânea,

dφ(t)
ω(t) ≡ . (1.135)
dt
A amplitude instantânea e a fase e frequência instantânea são usadas, em algumas aplicações,
para medir e detectar caracterı́sticas locais do sinal ou para descrever a demodulação de um
sinal modulado. As coordenadas polares convenientemente separem efeitos de modulação de
amplitude e de fase.
1.7. EXERCÍCIOS 33

Figura 1.8: Ilustração de uma função (azul) e a magnitude de sua representação analı́tica (ve-
melho).

Sinais analı́ticos frequentemente são deslocados em frequência (down-conversion) para 0 Hz,


o que pode criar componentes de frequência negativa (não-simétricas):

s0a (t) ≡ sa (t)e−iω0 t = sm (t)ei(φ(t)−ω0 t) , (1.136)

onde ω0 é uma frequência angular de referência arbitraria. A função s0a (t) se chama envelope
complexa ou ’baseband’. A envelope complexa não é única, mas determinada pela escolha de
ω0 . Este conceito é frequentemente usado lidando com sinais de passa-banda. Quando s(t) é
um sinal modulado, ω0 é convenientemente escolhido como a frequência portadora.

1.7 Exercı́cios
1.7.1 A analise vetorial
1.7.1.1 Ex: Álgebra vetorial

a. Mostre que os produtos escalares e vetoriais são distributivos.


b. Determine se o produto vetorial é associativo.

1.7.1.2 Ex: Álgebra vetorial

a. Considere o cubo unitário com um canto fixo na origem e gerado pelos vetores, a = (1, 0, 0),
b = (0, 1, 0) e c = (0, 0, 1). Determine o ângulo entre aquelas diagonais que passam pelo centro
do cubo.
b. Considere o plano contendo os pontos a, b e c dados em (a). Use o produto vetorial para
calcular o versor deste plano.

1.7.1.3 Ex: Álgebra vetorial

a. Prove a regra a×(b×c) = b(a·c)−c(a·b) escrevendo os dois lados em forma por componentes.
b. Prove a × (b × c) + b × (c × a) + c × (a × b). Em quais condições vale a × (b × c) = (a × b) × c?
34 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

1.7.1.4 Ex: Álgebra vetorial


a. Dois vetores mostram à partir da origem para os pontos r = (2, 8, 7) e r0 = (4, 6, 8). Determine
a distância entre os pontos.

1.7.1.5 Ex: Rotação do sistema de coordenadas


a. Prove que a matriz de rotação dois-dimensional
 
cos φ sin φ
 
− sin φ cos φ
preserve o produto escalar, isto é, A0x Bx0 + A0y By0 = Ax Bx + Ay By .
b. Quais são os constrangimentos para os elementos Rij da matriz de rotação três-dimensional
necessárias para preservar sob transformação o comprimento de um vetor arbitrário?

1.7.1.6 Ex: Rotação do sistema de coordenadas


Encontre a matriz descrevendo uma rotação de 120◦ em torno do eixo ω
~ = (1, 1, 1).

1.7.1.7 Ex: Rotação do sistema de coordenadas


Considere a transformação que corresponde a uma inversão dos componentes do vetor r −→ −r
e encontre como o produto vetorial e o triplo produto escalar se transformam sob inversão.

1.7.1.8 Ex: Matrizes de rotação


Mostre, que o produto escalar a · b e o ângulo α entre os dois vetores ficam preservados, quando
giramos os dois vetores por um ângulo θ em torno de um qualquer eixo.

1.7.1.9 Ex: Matrizes de rotação


Considere a matriz, √ √ 
2 2 0
1
 √ 
r = −1 1 2 .
2 √ 
1 −1 2
a. Mostre, que r é uma matriz de rotação.
b. Determine o eixo de rotação.
Ajuda: O eixo de rotação a fica invariável sob rotação: ra = a. Use esta condição.
c. Determine o ângulo de rotação.
Ajuda: Considere para isso um vetor que fica perpendicular à a.

1.7.1.10 Ex: Matrizes de rotação


Uma rotação pelo ângulo φ em torno do eixo z é descrito pela matriz de rotação Dz (φ) com,
 
cos φ sin φ 0
 
 
Dz (φ) = − sin φ cos φ 0 .
 
0 0 1
1.7. EXERCÍCIOS 35

a. Mostre por um cálculo explicito que matrizes inversas satisfazem, D−1 t


z (φ) = Dz (−φ) = Dz (φ).
b. Mostre, Dz (φ1 )Dz (φ2 ) = Dz (φ1 + φ2 ) = Dz (φ2 )Dz (φ1 ).
c. Mostre, [Dz (φ1 )Dz (φ2 )]t = Dtz (φ2 )Dtz (φ1 ).

1.7.1.11 Ex: Matrizes de rotação

a. Seja dada a base (êx , êy , êz ) em coordenadas cartesianas. Determine as matrizes de trans-
formação para as bases cilı́ndricas (êρ , êϕ , êz ) e esféricas (êr , êθ , êϕ ) e a sua inversa.
b. Transforme para os dois casos os campos de força,

     
x y − √ xz
     x +y 2 
2
     
F1 = −κ y  F2 = γ −x F3 = δ 
 − √ yz  .
    x2 +y 2 
p 
z 0 x2 + y 2

c. Mostre de maneira geral, que para matrizes de rotação, os vetores que correspondem às colunas
das matrizes são mutuamente ortogonais. O mesmo vale para as linhas das matrizes. Use para
isso a relação, At A = AAt = 1.

1.7.1.12 Ex: Sistema rotativo

Considere um sistema de coordenadas rotativo, que no tempo t = 0 coincide com o sistema de


laboratório, mas gira em relação ao sistema de laboratório com a velocidade angular ω = 2π/T ,
T = 10 s, em torno do eixo x. Neste sistema de coordenadas a rotação de um ponto de massa é
dada pelo vetor,
 
1
 
 
~r0 = 1 .
 
0

a. Determine o vetor da posição deste ponto a respeito do sistema de coordenadas de laboratório.


b. Considere o vetor de posição no tempo t = 5s e determine a sua velocidade medida no sistema
girante e no sistema de laboratório.

1.7.1.13 Ex: Sistema rotativo

Considere dois sistemas de coordenadas, ambos com a origem no centro da Terra e com o seu
eixo z em paralelo ao eixo de rotação da Terra. O sistema rotativo gira com a Terra, enquanto
o sistema de laboratório é fixo no sistema solar. Um avião se move com velocidade constante v
relativo à superfı́cie da Terra numa trajetória direta à partir do pólo norte até o equador, onde
ele chega após um tempo de τ = 12 h. Qual é a velocidade do avião (como função do tempo)
visto pelo sistema de laboratório?
36 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

1.7.1.14 Ex: Rotação do sistema de coordenadas

Aqui queremos girar uma haste em torno de vários eixos e determinar, se a sua orientação final
depende do caminho de rotação. Sabemos, que a matriz
 
cos α sin α 0
 
 
Rz (α) = − sin α cos α 0
 
0 0 1

descreve a transformação de um vetor sob rotação do sistema de coordenadas por um ângulo α


em torno do eixo z.
a. Mostre, que rotações correspondentes em torno do eixo x, resp., do eixo y são dadas por,
   
1 0 0 cos α 0 − sin α
   
   
Rx (α) = 0 cos α sin α  , Ry (α) =  0 1 0  .
   
0 − sin α cos α sin α 0 cos α

b. Mostre, que uma rotação do sistema de coordenadas em torno do eixo y por um ângulo
α = π/2 leve ao mesmo resultado como uma rotação em torno do eixo z pelo ângulo π/2 seguido
por uma rotação em torno de x pelo ângulo π/2 seguido por uma rotação em torno de z pelo
ângulo 3π/2.

1.7.2 Cálculo diferencial


1.7.2.1 Ex: Operadores diferenciais

Encontro os gradientes dos seguintes campos escalares:


a. Φ(r) = x2 + y 3 + z 4 ,
b. Φ(r) = x2 y 3 z 4 ,
c. Φ(r) = ex sin y ln z .

1.7.2.2 Ex: Paisagem 2D

Uma paisagem 2D é parametrizada por h(x, y) = 10(2xy − 3x2 − 4y 2 − 18x + 28y + 12).
a. Onde fica topo da montanha?
b. Qual é a sua altura?

1.7.2.3 Ex: Operadores diferenciais

Calcule ∇r0 |r − r0 |n .

1.7.2.4 Ex: Operadores diferenciais


2 z
Calcule o divergente e o rotacional do campo vetorial A = e−x y êx + ê
1+y 2 y
+ xêz no ponto
(0, 1, 1).
1.7. EXERCÍCIOS 37

1.7.2.5 Ex: Fontes e vórtices


a. Determine o divergente e o rotacional do campo vetorial A = Ax êx + Ay êy + Az êz .
b. Calcule para os seguintes campos as fontes e os vórtices:
A1 = −yêx + xêy , A2 = +yêx + xêy ,
A3 = +xêx + yêy , A4 = +xêx + xêy .
c. Faz uma ilustração gráfica dos campos e dá uma interpretação geométrica de div e rot.

1.7.2.6 Ex: Fontes e vórtices


r
Calcule o divergente ∇ · r3
.

1.7.2.7 Ex: Regra de cadeia para funções de campos vetoriais


Aplica a regra de cadeia para√o gradiente de uma função escalar de um campo vetorial: ∇φ(E(r)).
Use a regra para calcular ∇ ar2 .

1.7.2.8 Ex: Expansão de Taylor em 3D


Considere a função,
1
f (x) = .
|d − x|
Calcule a expansão de Taylor desta função em coordenadas cartesianas em x na posição x = 0
(em todas as três coordenadas espaciais) até segunda ordem inclusive.

1.7.2.9 Ex: Tensor de Levi-Civita


Prove as seguintes relações para o sı́mbolo de Kronecker e o tensor de Levi-Civita por distinção
dos casos nos ı́ndices,
a. ijk δij = 0 ,
b. ijk ijk = 6 ,
d. ijk imn = δjm δkn − δjn δkm ,
c. ijk ijn = 2δkn .

1.7.2.10 Ex: Tensor de Levi-Civita


Sejam dados os vetores A, B, C e D ∈ R3 . Usando o sı́mbolo de Kronecker e o tensor de
Levi-Civita
a. mostre {A × B}i = ijk Aj Bk ;
b. prove a relação, (A × B) · C = (B × C) · A = (C × A) · B; c. usando a formulas de (b) derive
as seguintes regras de cálculo:
i. (A × B)2 = A2 B2 − (A · B)2
ii. (A × B) · (C × D) = (A · C)(B · D) − (A · D)(B · C) ;

d. prove que:
i. (A × B) · [(B × C) × (C × A)] = [A · (B × C)]2
ii. A × (B × C) + B × (C × A) + C × (A × B) = 0 .
38 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

1.7.2.11 Ex: Tensor de Levi-Civita e tautologias vetoriais


Sejam Ψ e Φ campos escalares e A, B, C e D campos vetoriais. Mostre as seguintes identidades
com a ajuda do sı́mbolo de Kronecker:
a. A · (B × C) = B · (C × A),
b. (A × B) · (C × D) = (A · C)(B · D) − (B · C)(A · D),
c. (A × B) × (C × D) = ((A × B) · D)C − ((A × B) · C)D,
d. ∇(ΦΨ) = Φ∇Ψ + Ψ∇Φ,
e. ∇ × (ΦA) = (∇Φ) × A + Φ∇ × A,
f. ∇ × (A × B) = (B · ∇)A − (A · ∇)B + A(∇ · B) − B(∇ · A),
g. ∇(A · B) = A × (∇ × B) + B × (∇ × A) + (A · ∇)B + (B · ∇)A,
h. ∇ · (∇Φ) = ∆Φ,
i. A · (∇Φ) = (A · ∇)Φ,
j. A × (∇Φ) = (A × ∇)Φ.
k. ∇ · (A × B) = B · (∇ × A) − A · (∇ × B),
l. ∇ (ΨA) = A · ∇Ψ + Ψ∇ · A,
m. ∇ · (Ψ∇Ψ) = Ψ∆Ψ + (∇Ψ)2
n. ∇ · (A × B) = B · (∇ × A) − A · (∇ × B),
o. ∇ · (∇ × A) = 0,
p. ∇ × (∇Φ) = 0,
q. ∇ × (∇ × A) = ∇(∇ · A) − ∇2 A.

1.7.3 Cálculo integral


1.7.3.1 Ex: Integral de caminho e trabalho
Seja dado um campo elétrico A(r) = E0 zêz . Uma carga +q seja deslocada numa linha reta do
ponto (0, 0, 0) até o ponto (1, 1, 1).
a. Escreve uma parametrização da trajetória.
b.R Calcule o trabalho gastada nesta carga explicitamente ao longo da integral de caminho W =
q E(r) · dr.
c. Calcule o trabalho pelo potencial φ.

1.7.3.2 Ex: Integral de caminho e trabalho


Seja dado um campo E dependendo de z da maneira seguinte E = E0 zêz . A carga q seja
movimentada numa trajetória em forma de espiral r(t) com o raio R
 
R cos t
 
 
r(t) =  R sin t 
 
h
6π t

entre z = 0 até z = h. Faz umResquema de r(t). Calcule o trabalho gasto na carga explicitamente
pela integral de linha W = q E · dr. Como podemos calcular o trabalho mas facilmente?

1.7.3.3 Ex: Integral de caminho e trabalho


Calcule a integral de caminho do campo Φ = x2 êx + 2yzêy + y 2 êz à partir da origem até o ponto
(1, 1, 1) para três caminhos diferentes:
1.7. EXERCÍCIOS 39

a. Para o caminho (0, 0, 0) −→ (1, 0, 0) −→ (1, 1, 0) −→ (1, 1, 1);


b. para o caminho (0, 0, 0) −→ (0, 0, 1) −→ (0, 1, 1) −→ (1, 1, 1);
c. em linha reta.

1.7.3.4 Ex: Parametrização de curvas


O movimento de um ponto de massa é dado em coordenadas cartesianas pelo vetor r(t) =
(ρ cos φ(t), ρ sin φ(t), z0 ) com ρ = vt e φ = ωt + φ0 . Qual é a figura geométrica tracejada pelo
movimento? Exprime a velocidade ṙ(t) e a aceleração r̈(t) em coordenadas cartesianas. Calcule
|r(t)|2 , |ṙ(t)|2 ,r(t) · r̈(t) e r(t) × ṙ(t).

1.7.3.5 Ex: Integrais de superfı́cie


R
Dado seja o campo vetorial A = zyêx +y 3 sin2 xêy +xy 2 ez êz . Calcule as integrais A · dF sobre
o triângulo (0, 0, 0) → (0, 3, 0) → (0, 0, 3) → (0, 0, 0), e sobre o retângulo (2, 2, 0) → (2, 4, 0) →
(4, 4, 0) → (4, 2, 0) → (2, 2, 0).

1.7.3.6 Ex: Integrais de superfı́cie


Calcule a integral sobre uma superfı́cie fechada
a. do campo A = r sobre o cubo 0 ≤ x ≤ 1, 0 ≤ y ≤ 1, 0 ≤ z ≤ 1 e
b. do campo A = ρEρ sobre a superfı́cie radial do cilindro 0 ≤ z ≤ 1, 0 ≤ ρ ≤ 1.

1.7.3.7 Ex: Integrais de superfı́cie


Calcule para o campo vetorial A(r) = cr com c =constante a integral de superfı́cie
Z
I = A(r) × dS
F

a. sobre a superfı́cie de uma esfera (raio R, centro na origem das coordenadas)


b. sobre a superfı́cie de um cilindro (raio R, comprimento L).

1.7.3.8 Ex: Integrais de superfı́cie


Prove a relação: Z
4π 4
tij ≡ df xi xj = a δij ,
3
O(a)

onde i, j = 1, 2, 3, x1 = x, x2 = y, x3 = z, e a integral tem que ser calculada sobre a superfı́cie


de uma esfera com raio a.

1.7.3.9 Ex: Integral de volume


Calcule a integral de volume da função Φ = z 2 sobre o tetrahedron com os cantos em (0, 0, 0),
(1, 0, 0), (0, 1, 0) e (0, 0, 1).

1.7.3.10 Ex: Teorema fundamental para gradientes


Qual é o ganho de energia dentro do potencial Φ(r) = Φ0 sinkrkr ao longo de um caminho mantendo
uma distância constante da origem.
40 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

1.7.3.11 Ex: Teorema integral de Stokes


Calcule para o campo seguinte,
 
yz
 
 
A(r) = azx
 
xy
H
usando a lei de Stokes a integral de caminho A · r para uma integração ao longo de um cı́rculo
com raio R em torno do eixo z na posição z = h.

1.7.3.12 Ex: Teorema integral de Stokes


H
Calcule a integral C x(êx + êy ) dr, onde C seja o cı́rculo unitário no plano x-y.

1.7.3.13 Ex: Teorema integral de Gauß


Calcule o fluxo do campo vetorial A(r) = r através de uma esfera com raio R
a. pela integral de superfı́cie e
b. com a ajuda do teorema de Gauß pela integral de volume sobre o divergente.

1.7.3.14 Ex: Teorema integral de Gauß


Seja F a superfı́cie de um volume arbitrário V . Determine para A(x1 , x2 , x3 ) = (ax1 , bx2 , cx3 )
a validade da relação I
dF · A = (a + b + c)V .
F

1.7.3.15 Ex: Teorema integral de Gauß


Sejam a um campo escalar e B um campo vetorial. Mostre que vale,
Z Z Z
d3 r B · ∇a = aB · dF − d3 r a∇ · B .
V O(V ) V

1.7.3.16 Ex: Teoremas integral de Gauß


H
Calcule a integral
H C x(êx + êy ) · dr sobre um caminho circular unitário C ao longo do equador
e a integral F x(êx + êy ) · dF, onde F seja a superfı́cie de uma esfera unitária.

1.7.4 Coordenadas curvilı́neas


1.7.4.1 Ex: Coordenadas esféricas e cilı́ndricas
a. Exprime as coordenadas cilı́ndricas ρ, ϕ, z em termos das cartesianas x, y, z.
b. Exprime as coordenadas esféricas r, θ, ϕ em termos das cartesianas x, y, z.
1.7. EXERCÍCIOS 41

1.7.4.2 Ex: Elementos diferenciais em coordenadas curvilı́neas


Mostramos em aula, que a transformação a partir de um sistema de coordenadas cartesianas
(x, y, z) para um outro sistema curvilı́neo e ortogonal (u, v, w) é dada por r ≡ (x(u, v, w), y(u, v, w), z(u, v, w)).
Agora, considere coordenadas polares esféricas r ≡ (x(r, θ, φ), y(r, θ, φ), z(r, θ, φ) definidas em
aula.
a. Calcule as funções Ur , Vθ , Wφ definidas por
−1 −1 −1
∂r ∂r ∂r
Ur = , Vθ = , Wφ = .
∂r ∂θ ∂φ

b. Determine as coordenadas cartesianas dos novos versores êr , êθ , êφ , desenhe a posição destes
vectores num ponto r0 e verifique a ortogonalidade dos versores.
c. Determine o diferencial total dr, o elemento de linha (ds)2 = |dr|2 e o elemento de volume
dτ = dsu dsv dsw em termo das novas coordenadas.
e. Repete os passos (a)-(c) para coordenadas polares planares.

1.7.4.3 Ex: Coordenadas esféricas e cilı́ndricas


Calcule ∇Φ, ∇ · A, ∇ × A e ∆Φ = ∇ · (∇Φ)
a. em coordenadas esféricas (r, θ, φ).
b. em coordenadas cilı́ndricas (ρ, φ, z).

1.7.4.4 Ex: Divergência em coordenadas curvilı́neas


 
x2 y
 
 
Calcule a divergência do campo de força F(r) =  2yz  em coordenadas (a) cartesianas e (b)
 
x+z
cilı́ndricas e compare os resultados.

1.7.4.5 Ex: Operadores diferenciais em coordenadas curvilı́neas


ED coordenadas cartesianas o elemento diferencial de linha tem a forma dr = êx dx+êy dy +êz dz
e em coordenadas ortogonais arbitrárias

dr = ê1 h1 dq1 + ê2 h2 dq2 + ê3 h3 dq3


−1
∂r ∂r ∂r
com êi = ∂q i
· ∂qi e hi = ∂qi . Para coordenadas esféricas (r, φ, θ) achamos hr = 1, hφ =
r sin θ, hθ = r; para coordenadas cilı́ndricas (ρ, φ, z) achamos hρ = 1, hφ = ρ, hz = 1.
a. O gradiente tem a form geral
1 ∂
∇i Φ(r) = Φ(r) .
hi ∂qi
Determine o gradiente em coordenadas esféricas e cilı́ndricas.
b. O divergente de um campo vetorial A tem a forma geral
 
1 ∂ ∂ ∂
∇ · A(r) = (A1 h2 h3 ) + (A2 h1 h3 ) + (A3 h1 h2 ) .
h1 h2 h3 ∂q1 ∂q2 ∂q3
42 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

Determine ∇ · A em coordenadas esféricas e cilı́ndricas.


c. Use os resultados em (a) e (b) para determinar o operador de Laplace

∆=∇·∇

em coordenadas esféricas.

1.7.4.6 Ex: Aceleração em coordenadas esféricas


ED coordenadas esféricas o vetor de velocidade tem a seguinte forma,
dr
v= = ṙêr + rθ̇êθ + φ̇r sin θêφ .
dt
Calcule o vetor de aceleração em coordenadas esféricas. Respeite que os vetores da base também
devem ser derivadas pelo tempo.

1.7.4.7 Ex: Elemento de volume em coordenadas curvilı́neas


a. Calcule a superfı́cie de um retângulo com largura a e altura b em coordenadas cartesianas.
b. Calcule a superfı́cie de um disco do raio R em coordenadas polares.
c. Calcule o volume de um cubóide com as dimensões a, b, c em coordenadas cartesianas.
d. Calcule o volume um cilindro com o raio R e altura H em coordenadas cilı́ndricas.
e. Calcule o volume uma esfera com o raio R em coordenadas esféricas.

1.7.4.8 Ex: Volume esférico


O volume de um corpo é dado pela seguinte formula:
Z
V = 1 dV .
V

a. Calcule o volume de uma esfera em 3D em coordenadas esféricas.


Pela lei integral de Gauß podemos estabelecer uma relação entre o volume da esfera e a sua
superfı́cie. (Ajuda: Para qual campo vetorial A vale: ∇ · A = 1?)
b. Agora calcule o volume da esfera neste sentido. Pode assumir, que a superfı́cie da esfera é
conhecida.
1.7. EXERCÍCIOS 43

c. Derive analogamente à formula acima uma relação geral entre o volume de uma hiperesfera n-
dimensional e a sua hipersuperfı́cie (n−1)-dimensional. Ajuda: A lei de Gauß vale em dimensões
arbitrárias com o operador nabla n-dimensional definido por, ∇ = (∂/∂x1 , . . . , ∂/∂xn ).

1.7.4.9 Ex: Volume esférico


2 2 2
A distribuição de densidade de um gás seja dada por n(r) = C 2 − xr2 − yr2 − zr2 . Determine a
0 0 0
constante
R C de tal maneira, que densidade n(r) fica normalizada ao número de átomos no gás,
isto é, V n(r)d3 r = N , onde V é o volume dentro do qual a densidade é positiva, n(r) ≥ 0.

1.7.4.10 Ex: Volumes esférico e cilı́ndrico


a. Integre uma superfı́cie circular com raio R em coordenadas cartesianas e depois em coorde-
nadas polares.
2 2
b. A distribuição de densidade de um gás atômico aprisionado seja descrita por n(r) = n0 e−r /r̄ ,
onde n0 = 1013 cm−1 é a densidade máxima e Rr̄ = 100 µm uma medida para a extensão da
distribuição. Calcule o número de átomos N = R3 n(r)d3 r, integrando em coordenadas carte-
sianas e depois em coordenadas polares.
c. Calcule a densidade de um cilindro homogêneo de massa 10 kg e comprimento 20 cm inte-
grando sobre seu volume.
d. Andistribuição
 de densidade
o de um gás atômico aprisionado seja descrita por n(ρ, z) =
ρ2 z2
max 0, n0 · 1 − ρ2 − z 2 , onde n0 = 1013 cm−3 é a densidade máxima e zm = 2ρm = 100 µm
m m
uma medida para a extensão da distribuição. Calcule o número de átomos, integrando em co-
ordenadas cilı́ndricas.

1.7.4.11 Ex: Volume cilı́ndrico


Considere um material (gás ou lı́quido) cuja densidade de massa ρ(r) depende da coordenada z
da seguinte forma: ρ(r) = ρ0 (1 − αz). Este material seja colocadop dentro de um cilindro (raio
R e altura c) até a massa total no cilindro ser M . O cilindro fica em pé numa área circular sobre
do xy em z = 0.
a. Calcule o parâmetro de densidade ρ0 .
b. Calcule o vetor do centro de massa rs do material no cilindro.
c. Agora coloca o mesmo material dentro de uma esfera de raio R em vez do cilindro. Quais são
os resultados neste case, se α = 0.1 /m, R = 1 m e M = 10 kg.
d. Um bolo da massa M , altura h e raio R seja cortado em quarto pedaços iguais. Calcule o
centro de massa de um pedaço. Calcule o centro de massa do resto do bolo quando um pedaço
for tirado.

1.7.4.12 Ex: Potencial vetorial em coordenadas curvilı́neas


Seja dado um campo B constante orientado na direção z. Qual é o potencial vetorial A em
(a) coordenadas esféricas, (b) coordenadas cilı́ndricas, e (c) coordenadas cartesianas? Para o
caso (c) também considere a transformação de calibre A0 = A + ∇λ com λ = ±Bxy/2.

1.7.4.13 Ex: Tensores de n-ésima ordem


Seja dado F = E + iB e F∗ = E − iB. Identifique (nesta ordem) o escalar F∗ · F/(8π), o vetor
F∗ × F/(8πi) e a Dyade (tensor) (F∗ · F + F · F∗ )/(8π). O que acontece com estas grandezas,
44 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

se trocamos F por e−iφ F, onde φ é suposto constante?

1.7.4.14 Ex: Jacobiano


O jacobiano de um campo F é definido por,
 
∂(F1 , .., Fm ) ∂Fm
J≡ ≡ .
∂(x1 , .., xn ) ∂xn mn
a. Calcule o jacobiano da transformação de coordenadas cilı́ndricas (ρ, z, ϕ) para coordenadas
cartesianas (x, y, z).
b. Calcule o jacobiano da transformação de coordenadas esféricas (r, θ, ϕ) para coordenadas
cartesianas (x, y, z).

1.7.4.15 Ex: Jacobiano


Determine o jacobiano das transformações de Galilei,
ct0 = ct e x0 = x e y0 = y e z 0 = z − uc ct ,
e de Lorentz,
ct0 = γ(ct − uc x) e x0 = x e y0 = y e z 0 = γ(z − uc z) .

1.7.4.16 Ex: Teorema de Gauß em coordenadas curvilı́neas


a. Verifique o teorema de Gauß para a função A = r2 êr usando o volume de uma esfera de raio
R.
b. Faça o mesmo para a função B = r−2 êr e discute o resultado.

1.7.4.17 Ex: Teorema de Gauß em coordenadas curvilı́neas


Calcule a divergência da função,
A = rêr cos θ + rêθ sin θ + rêϕ sin θ cos ϕ .
Verifique o teorema de Gauß para esta função usando o volume de uma semiesfera invertida de
raio R deitada no plano xy.

1.7.4.18 Ex: Teorema de Gauß em coordenadas curvilı́neas


Calcule o gradiente e o laplaciano da função T = r(cos θ + sin θ cos ϕ). Verifique o laplaciano
convertendo T em coordenadas cartesianas. Verifique o teorema de Gauß usando o caminho
l1 (t) = 2êx cos πt + 2êy sin πt para t ∈ [0, 0.5] seguido por l2 (t) = 2êy sin πt − 2êz cos πt para
t ∈ [0.5, 1].

1.7.4.19 Ex: Teorema de Gauß em coordenadas curvilı́neas


a. Encontre a divergência da função,
A = ρêρ (2 + sin2 ϕ) + ρêϕ sin ϕ cos ϕ + 3zêz .
b. Verifique o teorema de Gauß para esta função usando um quadrante de um cilindro com raio
R = 2 e altura h = 5.
c. Encontre o rotacional de A.
1.7. EXERCÍCIOS 45

1.7.5 A distribuição δ de Dirac


1.7.5.1 Ex: A distribuição δ

a. Calcule 0 dθ sin3 θ δ(cos θ − cos π3 ).
b. Seja agora r0 um vetor três-dimensional fixo com coordenadas cartesianas x0 , y0 e z0 . Para
a função δ três-dimensional vale,
Z (
f (r0 ) se r0 é dentro do volume V
f (r)δ(r − r0 )d3 r = .
0 senão
V

Em coordenadas cartesianas, δ (3) (r − r0 ) ≡ δ(x − x0 )δ(y − y0 )δ(z − z0 ). Exprime δ (3) (r − r0 )


em coordenadas cilı́ndricas (ρ, ϕ, z) como produto de três funções uni-dimensionais δ em ρ − ρ0 ,
ϕ − ϕ0 e z − z0 .

1.7.5.2 Ex: A distribuição δ


Calcule
R +1 as seguintes expressões:
a. −1 δ(x)[f (x) − f (0)] dx,
R3 
b. −1 (x3 − x) sin π4 x δ(x − 2) dx,
R 2π
c. R0 sin x δ(cos x)dx,
d. R R3 δ(r − R)d3 r,
e. R3 δ(r − R)δ(z)d3 r,
R∞ d 
f. −∞ dx δ(x) f (x)dx por integração parcial,
R ∞ dn 
g. −∞ dxn δ(x) f (x)dx.

1.7.5.3 Ex: A distribuição δ


Mostre, Z Z
∞ ∞
1 · fˆ(k)dk = 1̂(x)f (x)dx = 2πf (0) ,
−∞ −∞
R∞ R∞
onde fˆ(k) ≡ −∞ e−ikx dx é a transformada de Fourier e f (x) ≡ −∞ eikx dk a transformada
inversa. Mostre também,
1̂ = 2πδ(x) .
Ajuda: 1 = eik0 .

1.7.5.4 Ex: A distribuição δ


As seguintes propriedades são, entre outras, caracterı́sticas para a função δ de Dirac,
Zb (
f (c) se c ∈ [a, b]
f (x)δ(x − c) dx = .
0 senão
a

Sendo g(x) uma função com passagens de zero simples xn , isto é, g(xn ) = 0 e g 0 (xn ) 6= 0, temos
X 1
δ(g(x)) = 0
δ(x − xn ) .
n
|g (xn )|
UseR estas relações para resolver as seguintes integrais,
5
a. −2 dx (x2 − 5x + 6) δ(x − 3).
R∞
b. −∞ dx x2 δ(x2 − 3x + 2) .
46 CAPÍTULO 1. FUNDAMENTOS E FERRAMENTAS MATEMÁTICAS

1.7.5.5 Ex: Parametrização de correntes


Parametrize a densidade de corrente j(r0 ) de uma espira de corrente
a. em coordenadas cartesianas e
b. em coordenadas esféricas.

1.7.5.6 Ex: Intensidade de uma onda eletromagnética


Calcule a intensidade da onda eletromagnética dada por (a) E(r, t) = E0 cos(kz−ωt) e (b) E(r, t) =
E0 eikz−iωt . Discute!
Capı́tulo 2

Eletrostática
Já vimos que todos os fenômenos eletromagnéticos são devidos a cargas, que estas cargas são
quantizadas e conservadas e que vale o princı́pio de superposição das forças. Em principio
seria possı́vel, calcular a força exercida por cada carga sobre cada outra carga. Na realidade
a situação é bem complicada, pois a força não só depende da posição da carga, mas também
da sua velocidade e aceleração. Além disso, a informação sobre a situação atual da carga só se
transmite com a velocidade finita da luz.
Para simplificar o problema vamos inicialmente somente considerar cargas imóveis. A ele-
trostática é a teoria tratando de cargas elétricas imóveis, o problema fundamental sendo o cálculo
da força exercida por distribuições espaciais de cargas.

2.1 A carga elétrica e a força de Coulomb


2.1.1 Quantização e conservação da carga
Sabemos que a matéria comum consiste de átomos geralmente eletricamente neutros. Um átomo,
consiste de um núcleo pesado e de uma camada de eletrônica muito leve. O núcleo, em torno, é
feito de um certo número de prótons e de nêutrons. Cada próton carrega uma carga elementar
positiva Q = +e, isto é, a carga é quantizada em unidades de e. Para um átomo ficar neutro, o
número de elétrons (com carga negativa −e) na camada deve ser igual ao número de átomos.
Corpos macroscópicos são geralmente neutros, mas isso não significa, que cargas positivas e
negativas podem se aniquilar. Mas o que eles podem fazer, é de se concentrar em uma região
restrita do espaço. Então, as forças exercidas por cargas positivas e negativas acumuladas
dentro desta região sobre outras cargas muito afastadas se compensam. Este efeito é chamado
de blindagem.
Não obstante, é possı́vel, exercendo trabalho, separar cargas positivas e negativas (gerando
polarizações em materiais dielétricos ou correntes em metais condutores), e fazer experimentos
com objetos macroscópicos eletricamente carregados.

2.1.2 A lei de Coulomb


Para começar consideramos só uma carga puntiforme Q no lugar r0 exercendo uma força sobre
outra carga localizada em r. A chamada força de Coulomb é,

Qq r − r0
FC = , (2.1)
4πε0 |r − r0 |3

onde ε0 é uma constante chamada de permitividade do espaço livre. A força de Coulomb diminuı́
quadraticamente com a distância é se dirige ao longo da reta passando pelas duas cargas. Note,

47
48 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

que a força pode ser atrativa (para Qq < 0) ou repulsiva (para Qq > 0). Vide os exercı́cios
2.8.1.1 até 2.8.1.23.
Seguinte o princı́pio de superposição a força agindo sobre a carga prova não é influenciada
pela existência possı́vel de outras forças, por exemplo, exercidas por outras cargas Qk localizadas
em outras posições rk ,
X Qk q r − rk
F = F1 + F2 + ... = . (2.2)
4πε0 |r − rk |3
k

Introduzindo uma abreviação,


X Qk r − rk
E= , (2.3)
4πε0 |r − rk |3
k

chamada de campo elétrico, podemos exprimir a força de Coulomb como,

FC = qE . (2.4)

Usando a função de Dirac podemos parametrizar a distribuição de cargas por,


X
%(r) = Qk δ 3 (r − rk ) . (2.5)
k

A carga de um só elétron é pequena, e frequentemente são muitas cargas envolvidas em fenômenos
elétricos. Assim, o carácter discreto da carga não aparece, e a repartição das cargas parece uma
distribuição suave de densidade de carga, tal que,
Z Z X X
0 0
%(r )dV = Qk δ 3 (r0 − rk )dV 0 = Qk . (2.6)
R R k k

Com esta aproximação (modelo fluido),


X Z
Qk ... −→ dV 0 %(r0 )... , (2.7)
k

a lei de Coulomb pode ser escrita,


Z
%(r0 ) r − r0
E= dV 0 , (2.8)
4πε0 |r − r0 |3

pois inserindo a distribuição discreta (2.5) restauramos a lei de Coulomb (2.3).


Também é possı́vel definir à partir de % uma densidade superficial de carga σ dois-dimensional
ou uma densidade linear de carga λ uni-dimensionais usando a função de Dirac. Por exemplo,
a densidade superficial numa camada esférica:

%(r) = σ(θ, φ)δ(r − R) , (2.9)

ou a densidade linear num anel,

%(r) = λ(φ)δ(r − R)δ(z) . (2.10)

Substituindo % da lei de Coulomb reduzimos a dimensionalidade da integral. Estudaremos


problemas relacionados à distribuições de cargas nos Excs. 2.8.2.1 até 2.8.2.12.
2.2. PROPRIEDADES DO CAMPO ELÉTRICO 49

2.2 Propriedades do campo elétrico


Em princı́pio o problema fundamental da eletrostática é resolvido com a lei de Coulomb. Na
prática, o cálculo do campo elétrico gerado por uma distribuição de carga pode ser complicado.
No entanto, frequentemente os problemas eletrostáticos têm simetrias permitindo a resolução
por outras técnicas evitando as integrais da lei de Coulomb.

2.2.1 Linhas de campo e o fluxo elétrico


Calculando para uma distribuição de cargas o campo vetorial sobre uma matriz de pontos obte-
mos diagramas como aquele mostrado na Fig. 2.1. As setas representam, através do comprimento
do vetor, o valor do campo e, através da orientação do vetor, a direção da força exercida pelo
campo. O diagrama sugere conectar as setas formando linhas chamadas de linhas de campo.
Estas linhas são nada mais do que as trajetórias adotadas por cargas provas colocadas dentro
do campo 1 . Linhas de campo nunca podem se cruzar (senão a direção da força agindo sobre
uma carga prova seria ambı́gua) e nunca podem começar ou terminar no espaço livre. Sempre
elas saem de uma carga positiva e terminam numa carga negativa.

Figura 2.1: Linhas de campo de duas cargas opostas (esquerda) e iguais (direita).

O fluxo elétrico é um medida da densidade das linhas de campo atravessando uma superfı́cie.
Como já dizemos, a densidade das linhas de campo corresponde ao valor do campo elétrico E.
O versor da superfı́cie S sendo localmente perpendicular ao plano, precisamos tomar a integral
do produto escalar,
Z
ΨE ≡ E · dS . (2.11)
S

Então, em vez de ilustrar a amplitude de um campo através do comprimento das setas mostrando
a força exercida sobre uma carga prova, E ∝ F, podemos ilustrar a amplitude através da
densidade local das linhas de campo, E ∝ ΨE .
O conceito do fluxo nós permite formular quantitativamente a afirmação, que linhas de campo
não podem começar ou terminar no espaço livre, mas sempre saem (ou penetram) em cargas.
Para isso, calculamos o fluxo através de uma esfera em torno de uma carga elétrica q localizada
na origem usando a lei de Coulomb:
I I
1 q q
E · dS = 2
êr · r2 sin θdθdφêr = . (2.12)
superf icie esf erica superf icie esf erica 4πε0 |r| ε0

Com o princı́pio de superposição podemos generalizar este resultado para distribuições de cargas
1
A representação por linhas (em vez de vetores) perde a informação sobre a força local do campo. No entanto,
esta informação ainda é encodada na densidade local das linhas de campo.
50 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

arbitrárias Q. A chamada lei de Gauß, ou terceira equação de Maxwell,


I
Q
E · dS = , (2.13)
∂V ε0
afirma que a quantidade de linhas de campo que entram num volume sem carga V através de uma
superfı́cie fechada ∂V deve ser igual à quantidade de linhas que saem. A lei também afirma que
existem cargas elétricas que agem como fontes ou absorvedores de linhas de campo. Resolvemos
problemas de fluxo nos Exc. 2.8.2.13 até 2.8.2.29.

2.2.2 Divergência do campo elétrico e a lei de Gauß


A teorema integral de Gauß (1.74) permite reescrever a lei de Gauß (2.13). De um lado, temos,
I Z
E · dS = ∇ · EdV , (2.14)
∂V V

do outro lado, podemos exprimir a carga total dentro do volume V como soma sobre a distri-
buição de carga, Z
Q= %(r)dV . (2.15)
V
comparando os integrantes, obtemos a forma diferencial da lei de Gauß ou terceira equação de
Maxwell:
%
∇·E= . (2.16)
ε0
A lei de Gauß pode também ser derivada diretamente da lei geral de Coulomb: Calculamos
o divergente e do campo da formula (2.8),
Z Z
%(r0 ) r − r0 0 1 0 r − r0
∇ · E = ∇r · dV = %(r )∇ r · dV 0 (2.17)
4πε0 |r − r0 |3 4πε0 |r − r0 |3
Z
1 %(r)
= %(r0 )4πδ 3 (r − r0 )dV 0 = .
4πε0 ε0
Na forma integral, a lei de Gauß é muito útil para calcular campos elétricos particularmente
em situações com um alto grau de simetria. Vamos discutir alguns exemplos no seguinte.
Exemplo 13 (Campo elétrico fora de uma esfera carregada): Consideramos uma
esfera com raio R carregando a carga total Q. A lei de Gauß diz,
I
Q
E · dS = ,
∂V ε0
onde escolhemos como volume uma esfera com raio r > R. De primeira vista, isso não
parece ajudar muito, pois o campo, que nós interesse fica na integral. Mas podemos explorar
a simetria do sistema para simplificar a integral, pois E = Eêr e dS = dSêr , tal que podemos
escrever a integral, Z π Z 2π
Q
Er2 sin θdθdφ = 4πr2 E = .
0 0 ε 0
Portanto,
Q
E= êr .
4πε0 r2
Isso é justamente a lei de Coulomb. É interessante observar, que o campo não depende
da distribuição % da carga dentro do volume. É claro que, para aproveitar da simetria do
sistema, é importante escolher o volume adequado.
2.3. O POTENCIAL ESCALAR ELÉTRICO 51

Exemplo 14 (Caixa contendo uma interface): Damos agora um outro exemplo da


utilidade da lei de Gauß considerando uma caixa contendo uma interface. Procuramos o
campo elétrico gerado por um plano infinitamente extenso carrando uma densidade de carga
superficial homogênea σ. Por simetria, o campo E deve atravessar perpendicularmente o
plano e ter direções opostas acima e embaixo do plano. Imaginamos agora uma caixinha de
pı́lulas retangular encerrando uma pequena área do plano de maneira que duas superfı́cies
(com área S) da caixinha são paralelas ao plano. Dentro da caixinha encontramos a carga,
I Z Z
Q = ε0 E · dS = ε0 EdS + ε0 EdS = 2SE .
Scaixa Ssuperior Sinf erior
R
Do outro lado, Q = Vcaixa
%dV = σS. Assim,
σ
E= n̂ .
2ε0
Pode parecer estranho o fato, que o campo elétrico não depende da distância do plano, mas
isso é devido ao fato, que o plano é suposto infinito, conceito irrealı́stico. Para uma superfı́cie
limitada esperamos componentes do campo não perpendiculares à interface vindo das bordas
da superfı́cie.

2.2.3 Rotação do campo elétrico e a lei de Stokes


A teorema integral de Stokes (1.72) permite reescrever a quarta equação de Maxwell (2.23).
Temos,
I Z
E · dr = 0 = (∇ × E) · dS , (2.18)
∂S S

obtemos a forma diferencial da segunda equação de Maxwell:


∇×E=0 . (2.19)
A segunda equação de Maxwell (aplicada à eletrostática) pode também ser derivada direta-
mente da lei geral de Coulomb: Calculamos o rotacional e do campo da formula (2.3),
Z Z
%(r0 ) r − r0 0 1 0 r − r0
∇ × E = ∇r × dV = %(r )∇r × dV 0 = 0 . (2.20)
4πε0 |r − r0 |3 4πε0 |r − r0 |3
O fato que o rotacional de qualquer campo eletrostático deve zerar representa uma restrição
severa. Por exemplo, não existe nenhuma distribuição de carga levando à um campo da forma
E = yêx .
A consequência direta desta lei é, que nós permite introduzir o conceito do potencial. Isto é,
é fundamental, pois a eletrodinâmica pode ser inteiramente formulada em termos de potenciais.
Por isso, vamos dedicar a seção seguinte inteira a potenciais elétricos.

2.3 O potencial escalar elétrico


Já notamos que o campo elétrico gera uma força que pode acelerar uma carga Q ao longo de
uma linha de campo. Portanto, o campo elétrico contem umaR energiaRpotencial que ele pode
converter em energia cinética exercendo um trabalho, W = F · r = Q E · r. A grandeza 2 ,
Z
Φa,b ≡ E · dr (2.21)
Ca,b

2
Notamos que o potencial é ligado à energia potencial, mas não igual.
52 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

é chamada de diferencia de potencial elétrico entre os pontos a e b delimitando um caminho


Ca,b .
A lei de Stokes (2.18) nós permite afirmar, que a diferencia de potencial (2.21) não depende
do caminho escolhido, pois para dois caminhos diferentes C e C 0 entre os pontos a e b temos,
Z Z
E · dr − E · dr = 0 . (2.22)
C(a,b) C 0 (a,b)

Por consequência, o potencial definido entre um ponto de referencia O e um ponto de observação


r é inequı́voco, Z r
Φ(r) = − E · dr , (2.23)
O
e a diferencia de potencial entre dois pontos a e b é bem definida,
Z b
Φ(b) − Φ(a) = − E · dr . (2.24)
a

O teorema fundamental para gradientes, do outro lado, fala que,


Z b
Φ(b) − Φ(a) = (∇Φ) · dr . (2.25)
a

Estes resultados sendo válidos para qualquer escolha de pontos a e b, concluı́mos por comparação
destas duas equações,
E = −∇Φ . (2.26)

Exemplo 15 (Potencial de uma carga puntiforme): Para um campo elétrico gerado


por uma carga elétrica e localizada na origem podemos facilmente calcular a integral ao longo
de uma trajetória C entre dois pontos a e b usando a lei de Coulomb:
Z Z b
1 e
E · dr = ê · (êr dr + êθ rdθ + êφ r sin θdφ)
2 r
C a 4πε0 |r|
Z b  
1 e 1 e e
= dr = − .
4πε0 a r2 4πε0 ra rb

Com o princı́pio de superposição podemos generalizar este resultado para distribuições de


cargas arbitrárias Q.

Alguns comentários são adequados:

• A formulação pelo potencial (um campo escalar) em vez do campo elétrico vetorial é mais
compacta. Ela resume a lei de Coulomb (2.8) junto com a restrição (2.19).

• O ponto de referência O é arbitrário. A troca deste ponto de referência por um outro O0


só adiciona uma constante global ao potencial, pois,
Z r Z O Z r
0
Φ (r) = − E · dr = − E · dr − E · dr = K + Φ(r) , (2.27)
O0 O0 O

mas não afeta nem a diferencia de potenciais,

Φ0 (b) − Φ0 (a) = Φ(b) − Φ(a) , (2.28)


2.3. O POTENCIAL ESCALAR ELÉTRICO 53

nem o campo elétrico,


∇Φ0 = ∇Φ . (2.29)
Concluı́mos que o potencial não é uma grandeza real, mas um truque matemático para
simplificar a nossa vida 3 . Geralmente, o ponto de referencia é colocado no infinito, O = ∞,
e a constante global, que pode ser escolhida livremente, é fixada por,

Φ(∞) ≡ 0 . (2.30)

• Do mesmo jeito como campo, o potencial obedece o princı́pio de superposição.

2.3.1 As equações de Laplace e de Poisson


Já aprendemos as duas equações definindo o campo eletrostático (2.19) e (2.16), isto é, ∇×E = 0
e ∇ · E = %/ε0 . Vamos agora reescrever estas equações para o potencial,

∇ × (∇Φ) = 0 , ∇ · ∇Φ = ∆Φ = −%/ε0 . (2.31)

Assim, a formulação pelo potencial (2.21) automaticamente satisfaz o requerimento (2.19),


que o rotacional deve desaparecer.
Do outro lado, temos uma equação diferencial de segunda ordem chamada de equação de
Poisson. Em regiões sem carga, esta equação vira a equação de Laplace,

∆Φ = 0 . (2.32)

2.3.2 Potencial criado por distribuições de cargas localizadas


A equação de Poisson permite reconstruir a distribuição de cargas uma vez que o potencial é
conhecido. No entanto, geralmente queremos fazer o contrario. Começamos com uma carga
puntiforme localizada na origem o potencial da qual é,
Z Z
0 −1 Q 0 1 Q r 1 Q
Φ(r) = − E · dr = dr = = . (2.33)
4πε0 r02 4πε0 r0 ∞ 4πε0 r

Seguinte o princı́pio de superposição, para uma distribuição discreta de cargas Qk localizadas


nos pontos rk ,
1 X Qk
Φ(r) = . (2.34)
4πε0 |r − rk |
k

Finalmente, para uma distribuição contı́nua %(r0 ),


obtemos a solução fundamental do problema
eletrostático,
Z Z
1 dQ0 1 %(r0 ) 3 0
Φ(r) = 0
= d r . (2.35)
4πε0 |r − r | 4πε0 |r − r0 |

À partir desta equação podemos verificar a lei de Coulomb (2.8).


Distribuições de baixa dimensionalidade podem ser tratadas por parametrizações adequadas,
como nos exemplos (2.9) e (2.10).
3
Veremos mais tarde, que esta conclusão deve ser revisada na mecânica quântica no contexto do efeito de
Aharonov-Bohm.
54 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

Figura 2.2: As leis fundamentais da eletrostática relacionam as três grandezas fundamentais, a


distribuição de carga %, o campo elétrico E e o potencial elétrico Φ.

2.3.3 Condições de contorno eletrostáticas


Já notamos, que o campo elétrico sempre sofre uma descontinuidade na passagem através de
uma distribuição de carga superficial. Para estudar isso, consideramos uma interface carregada
e atravessada por um campo elétrico exterior Eext . Agora, fazemos dois experimentos de pen-
samento: (1) Imaginamos uma caixinha retangular de pı́lulas encerrando uma pequena parte
da interface, como mostrado na Fig. 2.3. A altura  da caixinha seja tão baixa, que o fluxo
atravessando os lados da caixinha pode ser desprezado. Assim,
I
E · dS = ε10 Q = ε10 σS , (2.36)

onde E é o campo elétrico total (isto é, a soma do campo gerado pela carga de superfı́cie e do
campo Eext ). A é a superfı́cie da caixinha. Isso dá,
⊥ ⊥ 1
Ecima − Ebaixo = ε0 σ . (2.37)

(2) Imaginamos uma superfı́cie retangular perpendicular à interface e cortando a interface. Como
mostrado na Fig. 2.3, a altura  da superfı́cie seja tão baixa, que a diferença de potencial ao
longo dos ramos verticais pode ser desprezado. Assim,
I Z Z
E · dl = Ecima · dl + Ebaixo · dl = (Ecima − Ebaixo ) · l = 0 , (2.38)

onde l é o comprimento da superfı́cie. Isso dá,


k k
Ecima = Ebaixo . (2.39)

Ou seja, atravessando uma interface carregada, só a parte do campo elétrico perpendicular
à interface sofre uma descontinuidade. Isso simplesmente reflete o fato, que a carga gera o seu
próprio campo elétrico, que é perpendicular à interface (como mostrado no Exemplo 14) e se
sobrepõe ao externo.
O potencial, do outro lado, é contı́nuo, pois a integral entre um ponto a acima da interface
e um ponto b abaixo é, Z a
a→b
E · dl = Φ(b) − Φ(a) −→ 0 . (2.40)
b
Estudamos as condições de contorno eletrostáticas no Exc. 2.8.3.18.
2.4. ENERGIA ELETROSTÁTICA 55

Figura 2.3: Superfı́cie S em torno de um volume em forma de caixa de pı́lulas encerrando uma
pequena parte da interface, caminho l em torno de uma pequena área cortando a interface e
diferença de potencial entre os pontos a e b.

2.4 Energia eletrostática


Calculamos o trabalho necessário para mover uma carga teste q entre dois pontos a e b dentro
do potencial criado por uma distribuição de cargas,
Z b Z b
W =− F · dr = −q E · dr = q[Φ(b) − Φ(a)] . (2.41)
a a

Como o trabalho não depende do caminho, chamamos o potencial de conservativo. Levando a


carga teste à partir do ponto de referencia para o infinito,
W = q[Φ(b) − Φ(∞)] = qΦ(b) . (2.42)
Neste sentido, o potencial é nada mais do que a energia por unidade de carga q necessária para
levar uma partı́cula do infinito até um ponto r.

2.4.1 Energia de uma distribuição de cargas


A próxima pergunta é, qual energia é precisa para reunir uma distribuição de cargas levando
elas uma por uma do infinito até pontos predefinidos. Cada carga Qk gasta um trabalho Wk , só
a primeira carga não gasta, W1 = 0. Usando a abreviação,
1 Qk Qm
Wk,m ≡ , (2.43)
4πε0 |rk − rm |
o trabalho é facilmente calculado para a segunda carga, W2 = W1,2 . Para a terceira e a quarta
carga precisamos adicionalmente os trabalhos,
W3 = W1,3 + W2,3 e W4 = W1,4 + W2,4 + W3,4 . (2.44)
A regra geral é obvia: Para N cargas precisamos no total fornecer o trabalho,
N
X N X
X N N N
1XX
W = Wk = Wk,m = Wk,m . (2.45)
2
k=1 k=1 m=1 k=1 m=1
m<k m6=k

Explicitamente, chamando de Φ o potencial criado por todas as carga menos a carga Qk ,


N
X 1 Qm
Φ(rk ) ≡ , (2.46)
4πε0 |rk − rm |
m=1
m6=k
56 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

podemos escrever a energia como,


X
1
W = 2 Qk Φ(rk ) . (2.47)
k

Para distribuições contı́nuas, esta equação vira,


Z Z
1 1
W = 2 ΦdQ = 2 %ΦdV . (2.48)

2.4.2 Densidade de energia de um campo eletrostático


A energia de uma distribuição de carga contı́nua pode ser reescrita usando a lei de Gauß,
Z
W = ε20 (∇ · E)ΦdV . (2.49)

Integração por parte permite transferir a derivada de E para Φ,


I Z 
ε0
W = 2 ΦEdS − E · (∇Φ)dV . (2.50)
∂V V

A integral de superfı́cie pode ser desprezada, pois podemos escolher o volume de integração V
arbitrariamente grande. Exprimindo o gradiente pelo campo,
Z Z
ε0 2 ε0
W = 2 E dV = 2 udV , (2.51)
V V

introduzindo a densidade de energia,


ε0 2
u≡ 2E . (2.52)

Exemplo 16 (Energia eletrostática de uma camada esférica carregada): Como


exemplo calculamos a energia eletrostática de uma camada esférica de raio R uniformemente
carregada com a carga total Q. Usando a formula (2.48) obtemos,
Z Z
1 1 Q 2 Q Q 1 Q Q2 1
W = %ΦdV = δ(r − R)ΦR sin θdθdφdr = Φ(R) = = .
2 2 4πR2 2 2 4πε0 R 8πε0 R

Alternativamente, calculamos pela formula (2.51),


Z Z  2 Z ∞
ε0 ε0 1 Q Q2 1 Q2 1
W = E2 dV = R2 sin θdθdφdr = dr = .
2 R3 2 r≥R 4πε0 R2 8πε0 R R 2 8πε0 R

1. Comparando as expressões para a energia eletrostática (2.47) e (2.51) 4 percebemos uma


inconsistência, pois a segunda só permite energias positivas, enquanto a primeira permite
energias positivas e negativas, por exemplo, no caso de duas cargas com sinais opostos
querendo se atrair.
Na verdade, ambos as equações são corretas, mas pertencem a situações levemente dife-
rentes. A equação (2.47) não toma conta do trabalho necessário para criar estas cargas
4
Ou equivalentemente (2.48), que também não pode ser negativa.
2.4. ENERGIA ELETROSTÁTICA 57

elementares puntiformes. De fato, a equação (2.51) indica que e a energia de uma carga
puntiforme diverge,
Z  e 2 Z ∞
ε0 1 2 e2 1 2
W = r sin θdrdθdφ = r sin θdrdθdφ → ∞ .
2 (4πε0 )2 R3 r 2 8πε 0 0 r 2

A equação (2.51) é mais completa, no sentido, que ela dá a energia total armazenada na
configuração de carga, mas a (2.47) é mais apropriada, quando trabalhamos com cargas
puntiformes, porque preferimos ignorar a parte necessária à construção dos elétrons. De
qualquer jeito, não sabemos criar ou desmontar elétrons.
A inconsistência entra na derivação, quando fazemos a transição entre as Eqs. (2.47) e
(2.48). Na primeira, Φ(ri ) representa o potencial devido à todas as outras cargas exceto
qi , enquanto na segunda Φ(r) é o potencial total. Para uma distribuição contı́nua não tem
diferença, pois a quantidade de carga no ponto r é desprezável, e a sua contribuição para
o potencial é zero.
Na prática, a divergência não aparece, pois quando utilizamos a Eq. (2.51) geralmente
consideramos distribuições de cargas suaves e não cargas puntiformes.

2. A energia é armazenada no campo eletrostático inteiro, isto é, precisamos integrar sobre
o espaço inteiro R3 .

3. O princı́pio
R de superposiçãoRnão vale para a energia eletrostática, pois ela é quadrática nos
campos, (E1 + E2 )2 dV 6= (E21 + E22 )dV .

2.4.3 Dielétricos e condutores


Em um material isolador, tal que borracha ou vidro, os elétrons são ligados a um átomo parti-
cular. Eles podem ser deslocados dentro do átomo por um campo elétrico externo, o que cria
uma polarização do átomo. Mas eles não se afastam do átomo. Em contraste, em um material
condutor, tal que um metal, um ou vários elétrons podem vagar livremente.
Quais são as caracterı́sticas de um condutor suposto ideal?

1. E = 0 dentro de um condutor. O campo elétrico dentro de um condutor deve zerar,


pois senão teria forças sobre as cargas trabalhando para rearranjar elas até as forças (e o
movimento) parar. Em presença de uma campo elétrico exterior, as cargas se arranjam de
maneira a gerar um campo próprio destinado a compensar o campo externo.

2. % = 0 dentro de um condutor. Como não tem campo elétrico, a lei de Gauß impede
cargas sobrando no interior, pois % = ∇ · E/ε0 .

3. Toda carga residual fica na superfı́cie, pois não pode ficar por dentro.

4. Condutor como equipotencial. Como não R btem campo elétrico, a lei de Stokes impede
potenciais diferentes, pois Φ(b) − Φ(a) = − a E · dr = 0.

5. E é perpendicular à superfı́cie perto da superfı́cie. Senão, as componentes do campo


elétrico paralelas à superfı́cie criariam forças para rearranjar as cargas até as componentes
paralelas desaparecer. Por consequência, linhas do campo elétrico que encontram um
condutor ficam ortogonal à superfı́cie E⊥∂V .
58 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

2.4.4 Indução de cargas (influência)


Colocando uma carga em frente de um condutor neutro medimos uma força de atração. A razão
é, que as cargas livres do condutor com sinal oposto são atraı́das, enquanto as cargas com o
mesmo sinal são repelidas 5 . Agora, como as cargas de sinal oposto são mais perto da carga
exterior, do que aquelas do mesmo sinal, a força de atração dominará a força de repulsão (vide
Fig. 2.4 esquerda).

Figura 2.4: Influênça eletrostática.

O campo elétrico dentro de um condutor deve zerar, mas isso vale só para a maça do condutor
e não necessariamente para impurezas dielétricas ou cavidades encerradas pelo condutor. Por
exemplo, no caso em que tem uma carga +q dentro de uma cavidade encerrada (vide Fig. 2.4
direita), o campo elétrico dentro da cavidade claramente é diferente de zero. No entanto, como
ele deve zerar no interior do condutor, a lei de Gauß requer, que dentro de um volume encerrado
por uma superfı́cie gaussiana, a carga total deve zerar. Escolhendo esta superfı́cie gaussiana
muito perto da cavidade, achamos que deve se ter formada uma carga superficial nas bordas
da cavidade compensando a carga +q dentro da cavidade. Esta carga só pode vir da superfı́cie
exterior, que agora também fica carregada com a carga oposta. Desta maneira a carga +q fica
visı́vel no exterior do condutor.
O campo elétrico dentro de uma cavidade sem cargas encerrada por um condutor deve zerar,
pois sem cargas, as linhas de campo só poderiam atravessar a cavidade. No entanto, os pontos de
entrada e de saı́da entre a cavidade e o condutor estão no mesmo potencial, e não tem carga de
superfı́cie. Isto é o princı́pio da gaiola do Faraday, onde pessoas dentro de uma gaiola condutora
são blindados e assim protegidos de fenômenos elétricos como descargas de relâmpagos.
A migração das cargas livres em condutores para a superfı́cie também é chamada de efeito
skin: O potencial dentro do metal fica constante, e o campo elétrico desaparece E = 0.

Exemplo 17 (Condutores com cavidades): Duas cavidades com raios a e b são extraı́das
de uma esfera condutor neutra de raio R. No centro de cada cavidade tem uma carga, qa e
qb , respectivamente.

• As cargas nas superfı́cies das cavidades σa e σb devem ser organizadas de maneira a


blindar as cargas qa,b para evitar a formação de um campo elétrico dentro do condutor.
qa
Como as cargas ficam no centro das esferas obtemos simplesmente, σa = 4πa 2 e σb =
qb
4πb2 . As cargas utilizadas para blindagem faltam no condutor e devem ser compensadas
por cargas de sinal oposto. O único lugar onde estas cargas opostas podem se acumular
é a superfı́cie exterior do condutor. Assim, temos a carga superficial σR = −q a −qb
4πR2 .
qa +qb r
• O campo fora do condutor é consequentemente, E = 4πε0 r 3 , onde r é o ponto de
observação à partir do centro do condutor.
5
Ou seja, as cargas se reorganizam de maneira a compensar o campo elétrico criado pala carga até zerar o
campo total dentro do condutor.
2.4. ENERGIA ELETROSTÁTICA 59

q
a,b r
• Dentro de cada cavidade o campo elétrico é determinado pela lei de Gauß, E = 4πε0 r
3,

onde r é o ponto de observação à partir do centro da cavidade. Note, que a carga


superficial σa,b não influencia o campo.
• Como as cargas qa,b não sentem campos exteriores, elas não são sujeitas a forças.
• Colocando uma terceira carga qc perto do condutor a distribuição de carga σR mudaria
de maneira a zerar o campo elétrico dentro do condutor. Assim, as outras grande-
zas determinadas em (a)-(d) não mudariam. O condutor efetivamente desacopla
todos os processos acontecendo em superfı́cies desconectadas.

2.4.5 Pressão eletrostática


Qual é a força exercida por um campo elétrico aplicado Eext sobre uma superfı́cie condutora
carregada? Sabemos, que carga superficial causa uma descontinuidade do campo elétrico, tal
que precisamos calcular a força sobre um elemento de superfı́cie dS como a média das forças
agindo por cima e por baixo,
σ
dF = dS (Eacima + Eabaixo ) = PdS , (2.53)
2

onde P é a pressão eletrostática (vide Fig. 2.5).

Figura 2.5: Pressão eletrostática exercida por um campo Eext sobre um elemento de superfı́cie
carregado.

No caso de uma superfı́cie fina, temos,


σ σ
Eacima = Eext + n̂ , Eabaixo = Eext − n̂ , (2.54)
2ε0 2ε0

tal que a pressão é,


P = σEext . (2.55)

No caso de uma superfı́cie carregada de um condutor massivo sem campo externo,


σ
Ef ora = n̂ , Edentro = 0 , (2.56)
ε0

tal que a pressão é,


σ σ ε0
P= n̂ = Ef2ora n̂ . (2.57)
2 2ε0 2
Isto é, mesmo sem campo externo um condutor carregado sofre uma força tendo a empurrar-lo
dentro do campo criado por ele mesmo, independentemente do sinal da carga. É interessante
notar, que esta força vai com o quadrado de σ e de Ef ora .
60 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

2.5 Tratamento de condições de contorno e o teorema da unici-


dade
Na pratica, a solução do problema eletrostático, isto é, a resolução da equação de Poisson,
pode ser dificultada por condições de contorno. Por exemplo, cargas em frente de superfı́cies
condutores induzem uma redistribuição de cargas no condutor de maneira a alterar o campo
elétrico. O campo é inequivocamente determinado pela carga é as condições de contorno. Nesta
seção discutiremos o método das cargas imagens, que é um modelo heurı́stico, e o tratamento
matemático das condições de contorno.

2.5.1 O método das cargas imagens


Uma maneira de simular condições de contorno consiste em ”inventar”cargas imaginárias e dis-
tribuir elas de maneira, que o campo total automaticamente satisfaz estas condições de contorno.
Isso geralmente só é possı́vel, quando a disposição da carga e as condições de contorno têm um
alto grau de simetria. Este é o método chamado de método da carga imagem.
O caso mais simples é aquele da carga puntiforme Q em uma distância d em frente de um
plano condutor e aterrado. Por influença, a carga vai induzir uma redistribuição de cargas no
condutor da tal maneira que as linhas de campo cruzam a superfı́cie do condutor em ângulo reto.
No entanto, as mesmas condições de contorno podem ser satisfeitas por substituição do plano
condutor por uma segunda carga imaginária com sinal oposto na posição da imagem da primeira
carga pegando o plano como espelho. Do ponto de vista do campo as duas configurações são
equivalentes, mas o campo é bem mais fácil calcular no caso da carga e sua imagem baseado na
lei de Coulomb. Vide os Excs. 2.8.5.1, 2.8.5.2, 2.8.5.3, 2.8.5.4 e 2.8.5.5.
Exemplo 18 (Carga superficial induzida): No caso da carga puntiforme em frente de
um plano condutor, que é o mais simples imaginável, as condições de contorno são,
Φ(x, y, 0) = 0 , Φ(|r|  d) = 0 ,
o potencial é,
!
1 Q −Q
Φ(r) = p +p ,
4πε0 x2 + y 2 + (z − d)2 x2 + y 2 + (z + d)2
e o campo é,
!
−Q −1 1
E = −∇Φ = p 3 (êz − r) + p 3 (êz + r) .
4πε0 x2 + y 2 + (z − d)2 x2 + y 2 + (z + d)2

Podemos agora calcular a distribuição de carga na superfı́cie. A lei de Gauß diz,


Z Z Z Z
Q 1 1 1
E · dS = = %(r)dV = σ(x, y)δ(z)dV = σ(x, y)dA .
caixa ε0 ε0 ε0 ε0
Portanto, sobre a superfı́cie,
σ(x, y)
êz · E(x, y, z = 0) = .
ε0
Resolvendo pela densidade de carga,
−Q 2
σ(x, y) = ε0 êz · E(x, y, z = 0) = p 3 .
4π x + y 2 + d2
2

Também, podemos verificar que a carga total na superfı́cie é, Qs = −Q.


2.5. TRATAMENTO DE CONDIÇÕES DE CONTORNO E O TEOREMA DA UNICIDADE61

Figura 2.6: Carga puntiforme em frente de um plano condutor.

2.5.2 Solução formal do problema eletrostático


A solução da equação de Laplace não é única, mas pode depender de condições de contorno
impostas pela geometria do sistema. Por exemplo, uma carga no espaço livre criará um outro
campo do que uma carga acima de um plano condutor. As duas condições de contorno mais
comuns são as chamadas de condição de contorno de Dirichlet e a condição de contorno de von
Neumann. A condição de Dirichlet fixa o valor do potencial numa geometria de superfı́cies en-
cerrando um volume, Φ|∂V = Φ0 , aquela de von Neumann fixa o valor do gradiente do potencial,
∇Φ|∂V = E0 . Vamos discutir estas condições no seguinte.
Usando as seguintes quatro relações,

0
(i) ∇2 4π|r−r
1
0 | = −δ(r − r ) (2.58)
(ii) ∇ · (φF) = φ(∇ · F) + (∇φ) · F
Z Z
0
(iii) ∇ · FdV = F·dS0
V ∂V
(iv) ∇2 Φ = − ε%0 ,

resolvemos agora a equação de Poisson,


Z Z  
0 0 0
Φ(r) = Φ(r )δ(r − r )dV = 4π−1
Φ(r0 )∇ · ∇ |r−r
1
0 | dV
0
com (i) (2.59)
V V | {z } | {z }
φ
F
Z Z  
= 1
4π ∇Φ(r0 ) · ∇ |r−r
1 0
0 | dV −
1
4π ∇ · Φ(r0 )∇ |r−r
1
0| dV 0 com (ii)
V | {z } | {z } V
F φ
Z Z   Z  
0 0 0 0
= 1
− 4π 1
|r−r0 | ∇ · ∇Φ(r )dV + 1
4π ∇· 1
|r−r0 | ∇Φ(r ) dV − 1
4π ∇ · Φ(r0 )∇ |r−r
1
0| dV 0 .
V V V

Finalmente, usando as relações (iii e iv), obtemos o resultado final,


Z I  
%(r0 ) 0
Φ(r) = 1
4πε0 |r−r0 | dV + 1
4π Φ(r0 )∇0 |r−r
1
0| −
1 0 0
|r−r0 | ∇ Φ(r ) · dS0 , (2.60)
V ∂V

que é uma versão integral da equação de Poisson. Para volumes indo para infinito, onde o
potencial desaparece, as integrais de superfı́cie podem ser desprezados e obtemos a forma familiar
da lei de Coulomb. Para volumes limitados, as condições de contorno nas superfı́cies podem
influenciar o potencial dramaticamente.
62 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

Exemplo 19 (Consistência da relação de Green): Obviamente, ao impor condições


de contorno que coincidem com superfı́cies equipotenciais do campo criado pela distribuição
de cargas, os termos de superfı́cie zeram. Escolhendo como exemplo uma carga puntiforme
colocada na origem, %(r0 ) = Qδ 3 (r0 ), e inserindo o seu potencial,

Q 1 Q 1
Φ(r = Rêr ) = = . (2.61)
4πε0 R 4πε0 |r − r0 | r∈∂V

dentro da relação (2.60), percebemos que os integrais de superfı́cie se cancelam.

Figura 2.7: Ilustração das condições de contorno.

O termo de superfı́cie pode ser interpretado em termos de uma densidade de carga superficial
pois sabemos que a normal do campo elétrico sofre uma descontinuidade ao atravessar uma
superfı́cie carregada 6 :
σ(r0 ) 0 0
ε0 = −∇ Φ(r ) · n̂ . (2.62)

Consideramos o exemplo de uma distribuição de carga, %(r0 ), cercada por uma superfı́cie
onde o potencial zera, Φ(r0 )|∂V 0 = 0, tal que o primeiro termo de superfı́cie da relação (2.60)
desaparece. Inserindo a expressão (2.62) no segundo termo de superfı́cie, a relação fica,
Z I
1 %(r0 ) 1 σ(r0 )
Φ(r) = + dS 0 . (2.63)
4πε0 V |r − a| 4πε0 ∂V |r − r0 |

A interpretação desta lei de Coulomb modificada é, que a carga induz uma distribuição de
densidade superficial de cargas σ dentro do plano condutor que modifica o potencial elétrico, tal
que a condição de contorno é satisfeita.

2.5.3 Função de Green


1
A função 4π|r−r 0 | não é a única de satisfazer a condição (2.58)(i). Na verdade, existe uma classe
inteira de funções chamadas de funções de Green definidas por,

∇2 G(r, r0 ) ≡ −δ(r − r0 ) . (2.64)


6
Podemos derivar isto considerando um disco fino dentro do plano x-y homogeneamente carregado com a
densidade de carga σ0 ,
Z R
σ(r0 )
Z
1 0 σ0 1 σ0 p 2
Φ(zêz ) = 0
dA = √ r0 dr0 = [ R + z 2 − z] ,
4πε0 disco |zêz − r | 2ε0 0 r02 + z 2 2ε0
e portanto,  
dΦ(zêz ) σ0 z zR σ0
Ez = − =− √ −1 −→ .
dz 2ε0 R2 + z 2 2ε0
2.5. TRATAMENTO DE CONDIÇÕES DE CONTORNO E O TEOREMA DA UNICIDADE63

Obviamente, para estas funções a formula derivada em (2.59) será generalizada,


Z I
0 0 0

1
Φ(r) = ε0 %(r )G(r, r )dV + Φ(r0 )∇G(r, r0 ) − G(r, r0 )∇Φ(r0 ) · dS0 . (2.65)
V ∂V

A vantagem da função de Green é, que temos a liberdade de adicionar qualquer função F ,
1
G(r, r0 ) = + F (r, r0 ) (2.66)
4π|r − r0 |
satisfazendo a equação de Laplace,
∇2 F (r, r0 ) = 0 , (2.67)
tal que a função de Green (2.66) ainda satisfaz a definição (2.64). Temos a liberdade de escolher
a função F de maneira a eliminar um dos dois integrais de superfı́cie na Eq. (2.65) obtendo uma
expressão só envolvendo condições de contorno de Dirichlet ou de von Neumann.

2.5.4 Equação de Poisson com condições de contorno de Dirichlet


O primeiro teorema de unicidade proclama,
A solução da equação de Poisson (ou Laplace) em um volume V é determinado de
maneira única, se Φ é especificado na superfı́cie do volume ∂V.
Para provar este teorema, vamos especificar que o potencial adota o valor Φ0 na superfı́cie
(não necessariamente constante) e considerar duas soluções possı́veis da equação de Laplace, Φ1
e Φ2 . A diferencia Φ3 ≡ Φ1 − Φ2 desaparece na superfı́cie, Φ3 |∂V = 0, e também deve satisfazer
a equação de Laplace: ∇2 Φ3 = 0. Agora, como a equação de Laplace não permite máxima ou
mı́nima locais 7 , Φ3 deve zerar em todo o espaço (vide Fig. 2.8 esquerda).

Figura 2.8: Ilustração dos teoremas de unicidade.

Consideramos, por exemplo, um volume restrito V sem cargas, % = 0, cercado por uma
borda condutora ∂V mantida num potencial fixo, Φ(r ∈ ∂V) = Φ0 = const. Isto é, por exemplo,
o caso dentro de materiais condutores como metais. Portanto, ∆Φ = 0 dentro do volume. Uma
solução trivial possı́vel da equação de Laplace é, Φ(r) = Φ0 . O teorema de unicidade, agora, nós
informa que isso é a única solução.
Para implementar este teorema escolhemos as seguintes condições de contorno,

GD (r, r0∈∂V ) = 0 , (2.68)

tal que a relação (2.64) fica,


Z I
0 0 0
Φ(r) = ε0 1
%(r )GD (r, r )dV + Φ(r0 )∇0 GD (r, r0 ) · dS0 . (2.69)
V ∂V

Vide os Excs. 2.8.5.7, 2.8.5.8, 2.8.5.9 e 2.8.5.10.


7
Pois num máximo (mı́nimo) hipotético teremos ∇2 Φ3 < 0 (> 0).
64 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

2.5.5 Equação de Poisson com condições de contorno de von Neumann


O segundo teorema de unicidade proclama,
Num volume V cercado por condutores e contendo uma densidade de carga especi-
ficada %, o campo elétrico é determinado de maneira única pela carga total de cada
condutor.
Para provar este teorema, vamos considerar um conjunto de condutores i cada um trazendo
a carga Qi . Supondo que existem duas soluções para o campo elétrico entre os condutores, E1
e E2 , cada um destes campo deve satisfazer, ∇ · E1 = ∇ · E2 = Qi . A diferencia E3 ≡ E1 − E2
também deve satisfazer a lei de Gauss ∇ · E3 = 0. Portanto, E3 deve zerar em todo o espaço
(vide Fig. 2.8 direita) 8 .
No caso de von Neumann escolhemos,

∇0 GN (r, r0∈∂V ) = − Sn̂ , (2.70)

pois precisamos satisfazer a definição (2.60),


Z I I
02 0 0 0 0 −n̂
−1 = ∇ GN (r, r )dV = ∇ GN (r, r ) · dS = S · dS (2.71)
V ∂V ∂V

tal que,
Z I I
Φ(r) = 1
ε0 %(r0 )GN (r, r0 )dV 0 − 1
A Φ(r0 )dA0 − GN (r, r0 )∇0 Φ(r0 ) · dS0 . (2.72)
V ∂V ∂V

O primeiro termo de superfı́cie é simplesmente a média do potencial sobre a área da superfı́cie.

2.6 Solução da equação de Laplace em situações de alta simetria


A equação de Poisson (ou de Laplace) é uma equação diferencial parcial de segunda ordem,
que depende de três coordenadas espaciais. No entanto, várias situações se caracterizam por
simetrias, que permitem desprezar alguns dimensões espaciais e dramaticamente simplificar o
desfaio matemático. No seguinte, discutiremos situações de simetria cartesiana, cilı́ndrica e
esférica.

2.6.1 Separação de variáveis em coordenadas cartesianas


Em situações, onde a simetria do problema sugere uma separação das variáveis cartesianas,
podemos fazer o ansatz,
Φ(r) = X(x)Y (y)Z(z) . (2.73)
Em coordenadas cartesianas a equação de Laplace se escreve,
 2 
∂ ∂2 ∂2
+ + Φ=0. (2.74)
∂x2 ∂y 2 ∂z 2
Inserindo o ansatz na equação de Laplace e dividindo por Φ,
1 ∂2X 1 ∂2Y 1 ∂2Z
+ + =0. (2.75)
X ∂x2 Y ∂y 2 Z ∂z 2
8
A prova é um pouco simplificado. Consulte [19] para uma prova mais completa.
2.6. SOLUÇÃO DA EQUAÇÃO DE LAPLACE EM SITUAÇÕES DE ALTA SIMETRIA 65

Os três termos são funções de diferentes variáveis e devem, portanto, ser separadamente cons-
tantes,
1 ∂2X 1 ∂2Y 1 ∂2Z
= C 1 , = C 2 , = C3 = −C1 − C2 . (2.76)
X ∂x2 Y ∂y 2 Z ∂z 2
A vantagem deste procedimento é, que as equações diferenciais para as três coordenadas
espaciais sendo desacopladas, elas podem ser resolvidas separadamente. No melhor dos casos, o
campo é homogêneo em uma das coordenadas, o que reduz a dimensionalidade do problema.

Exemplo 20 (Campo de uma placa aterrada): Por exemplo, para calcular o campo de
uma placa mantida num potencial fixo Φ0 e infinitamente estendida no plano x-y, podemos
colocar X 0 (x) = Y 0 (y) = 0 e resolver a equação,

∂2Z
=0, (2.77)
∂z 2

o que dá, Φ(r) = Z(z) = Cz + Φ0 e E = Cêz . As constantes C e Φ0 devem ser especificadas


por condições de contorno adicionais. Vide o Exc. 2.8.6.1.

2.6.2 Separação de variáveis em coordenadas cilı́ndricas


Em situações, onde a simetria do problema sugere uma separação das variáveis cilı́ndricas,
podemos fazer o ansatz,
Φ(r) = R(r)F (φ)Z(z) . (2.78)

Em coordenadas cilı́ndricas a equação de Laplace se escreve,


   
1 ∂ ∂ 1 ∂2 ∂2
ρ + 2 2 + 2 Φ=0. (2.79)
ρ ∂ρ ∂ρ ρ ∂φ ∂z

Inserindo o ansatz na equação de Laplace e dividindo por Φ,


 
1 ∂ ∂R 1 ∂2F 1 ∂2Z
ρ + + =0. (2.80)
Rρ ∂ρ ∂ρ F ∂φ2 Z ∂z 2

Os três termos são funções de diferentes variáveis e devem, portanto, ser separadamente cons-
tantes,
 
1 ∂ ∂R 1 ∂2F 1 ∂2Z
ρ = C1 , = C2 , = C3 = −C1 − C2 . (2.81)
Rρ ∂ρ ∂ρ F ∂φ2 Z ∂z 2

Exemplo 21 (Campo de um fio retilı́neo): Muitas geometrias têm simetria cilı́ndrica,


tal que as equações em θ e em z desaparecem. Por exemplo, para calcular o campo de um
fio retilı́neo, infinito e mantida num potencial fixo, basta resolver uma equação diferencial
radial,
 
∂ ∂R
ρ =0,
∂ρ ∂ρ

o que dá, Φ(r) = R(ρ) = C ln ρ + Φ0 e E = Cêρ /ρ. As constantes C e Φ0 devem ser


especificadas por condições de contorno adicionais.
66 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

2.6.3 Separação de variáveis em coordenadas esféricas


Em situações, onde a simetria do problema sugere uma separação das variáveis esféricas, pode-
mos fazer o ansatz,
Φ(r) = R(r)T (θ)F (φ) . (2.82)
Em coordenadas esféricas a equação de Laplace se escreve,
     
1 ∂ 2 ∂ 1 ∂ ∂ 1 ∂2
r + 2 sin θ + 2 2 Φ=0. (2.83)
r2 ∂r ∂r r sin θ ∂θ ∂θ r sin θ ∂φ2
Inserindo o ansatz na equação de Laplace e dividindo por Φ,
   
1 ∂ 2 ∂R 1 ∂ ∂T 1 ∂2F
r + sin θ + =0. (2.84)
R ∂r ∂r T sin θ ∂θ ∂θ F r2 sin2 θ ∂φ2
Os três termos são funções de diferentes variáveis e devem, portanto, ser separadamente cons-
tantes,
   
1 ∂ 2 ∂R 1 ∂ ∂T
r = C1 , sin θ = `(` + 1) (2.85)
R ∂r ∂r T sin θ ∂θ ∂θ
1 ∂2F
= m = −C1 − `(` + 1) .
F r2 sin2 θ ∂φ2
Exemplo 22 (Esfera com potencial fixo): Muitas geometrias têm simetria esférica, tal
que as equações em θ e em φ desaparecem. Por exemplo, para calcular o campo de uma
esfera mantida num potencial fixo, basta resolver uma equação diferencial radial,
 
1 ∂ 2 ∂R
r =0,
R ∂r ∂r

o que dá, Φ(r) = R(r) = −C/r + Φ0 e E = Cêr /r2 . As constantes C e Φ0 devem ser
especificadas por condições de contorno adicionais.

Em caso de simetria unicamente azimutal, temos m = 0 e C1 = −`(` + 1). As soluções da


equação radial são simples,
B`
R(r) = A` r` + `+1 . (2.86)
r
As soluções da equação angular são chamados de polinômios de Legendre,

T (θ) = P` (cos θ) . (2.87)

Eles podem ser derivados à partir da formula de Rodrigues,


 `
1 d
P` (z) = ` (z 2 − 1)` . (2.88)
2 `! dz
Os primeiros polinômios são,

P0 (z) = 1 , P1 (z) = z , P2 (z) = 12 (3z 2 − 1) , P3 (z) = 12 (5z 3 − 3z) . (2.89)

Contudo obtemos,
∞ 
X 
` B`
Φ(r) = A` r + `+1 P` (cos θ) . (2.90)
r
`=0
2.7. EXPANSÃO MULTIPOLAR 67

Exemplo 23 (Camada esférica carregada): Neste exemplo consideramos uma camada


esférica carregando uma carga superficial descrita por σ(θ). As regiões r ≤ R e r ≥ R são
tratadas separadamente. O ansatz (2.90) não pode divergir, tanto no interior da esfera, onde
devemos deixar B` = 0, como no exterior, onde devemos deixar A` = 0. Na superfı́cie mesmo
o potencial tem que ser contı́nuo, tal que

X ∞
X
Bl
0 = [Φ≥ − Φ≤ ]r=R = P ` (cos θ) − A` R` P` (cos θ) ,
R`+1
`=0 `=0

resultando em B` = A` R2`+1 . Do outro lado, o campo elétrico é descontı́nuo,


  X∞
σ(θ) ∂Φ≥ ∂Φ≤
− = − = (2` + 1)A` R`−1 P` (cos θ) .
ε0 ∂r ∂r r=R
`=0

Os coeficientes são, Z π
1
A` = σ(θ)P` (cos θ) sin θdθ ,
2ε0 R`−1 0
o que pode ser verificado pela relação de ortogonalidade,
Z 1
2δ`,`0
P` (z)P`0 (z)dz = .
−1 2` + 1

Particularmente para o caso σ(θ) = σ0 cos θ = σ0 P1 (cos θ) obtemos,


Z π
σ0 σ0 2 σ0
A` = P1 (z)Pl (z)dz = δ`,1 = δ`,1 .
2ε0 R`−1 0 2ε0 R`−1 2` + 1 3ε0
Finalmente, (
σ0 σ0
3ε0 r cos θ = 3ε0 r · êz para r ≤ R
Φ(r) = 3
σ0 R 1 σ0 R3 r·êz
.
3ε0 r 2 cos θ = 3ε0 r 3 para r ≥ R

Figura 2.9: Distorção do campo por uma esfera metálica.

2.7 Expansão multipolar


A ideia básica da expansão multipolar é a descrição aproximativa do potencial gerado por uma
distribuição arbitrária de cargas localizadas dentro de um volume V. Quanto maior a distância
entre o ponto de observação e a distribuição de cargas em comparação com a extensão do
volume V, tanto mais o potencial parece aquele de uma carga puntiforme. Quanto menor a
distância,
P tanto mais outros termos (os momentos multipolares) devem ser tomados em conta,
Φ(r) = k Φk (r). Ordens multipolares elevados decaem cada vez mais rápido, como r−1 , com
a distância entre o ponto de observação e o volume concentrando a carga.
68 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

Já vimos como fazer a expansão de Taylor de campos escalares na formula (1.51) 9 . Aqui
queremos expandir em termos de r−1 . Começamos expandindo a função,
∞  
1 1 X r0 `
= P` (cos θ0 ) , (2.91)
|r − r0 | r r
`=0

onde θ0 é o ângulo entre r e r0 . Inserindo a expansão dentro da lei de Coulomb (2.35),


Z ∞ Z
1 %(r0 ) 3 0 1 X 1
Φ(r) = d r = %(r0 )r0` P` (cos θ0 )d3 r0 . (2.92)
4πε0 |r − r0 | 4πε0 r`+1
`=0

Exemplo 24 (Expansão multipolar por polinômios de Legendre): Para discutir a ex-


1
pansão multipolar da função |r−r 0 | escolhemos o eixo r̂ como eixo de simetria, como ilustrado

na Fig. 2.10, pois neste sistema de coordenadas a função tem simetria azimutal na variável
r0 . Por isso, podemos aplicar a solução da equação de Laplace em coordenadas esféricas
derivada acima,
X∞  
0 B`
Φ(r ) = A` r + 0`+1 P` (cos θ0 ) .
0`
r
`=0

Para esta solução convergir, precisamos num primeiro caso em que r0 < r garantir B` = 0
tal que,

X
1
= A` (r)r0` P` (cos θ0 ) .
|r − r0 |
`=0
0
No segundo case em que caso r > r precisamos garantir A` = 0, tal que,

X B` (r)
1
= P` (cos θ0 ) ,
|r − r0 | r0`+1
`=0

Os coeficientes A` (r) e B` (r) não podem depender de r0 . Vamos agora olhar para este
segundo caso e renomear as variáveis r ↔ r0 :

X B` (r0 )
1
= P` (cos θ) .
|r0 − r| r`+1
`=0

Comparando isto com o primeiro caso e usando θ = −θ0 achamos,


B` (r0 )
A` (r)r`+1 = = const = C .
r0`
Portanto,

X r0`
1
= C `+1 P` (cos θ0 ) .
|r − r0 | r
`=0

A constante C pode ser calibrada considerando um caso particular, por exemplo r k r0 e


r  r0 . Neste caso, como P` (1) = 1, a expansão multipolar,

X r0`
1 1
0
= 0
= C `+1 ,
|r − r | |r − r | r
`=0

é nada mais do que a expansão de Taylor em torno do ponto r − r0 ' r.


9
Usando a seguinte propriedade dos polinômios de Legendre,
1 X `
p = η P` (z) ,
1 + η(η − 2z) `

onde o lado esquerda se chama a função geradora dos polinômios.


2.7. EXPANSÃO MULTIPOLAR 69

Figura 2.10: No sistema de coordenadas r̂ = êz a função |r − r0 |−1 tem simetria azimutal.

2.7.1 O monopolo
Para n = 0 a contribuição do momento monopolar Q para o potencial é,
Z
Q 1
Φ0 (r) = onde Q= d3 r0 %(r0 ) (2.93)
4πε0 r V

é Q justamente a carga elétrica.

2.7.2 O dipolo
Para n = 1 a contribuição do momento dipolar d para o potencial segue imediatamente da
formula (2.91),
Z Z Z
Φ1 (r) = 4πε0 r2 %(r )r P1 (cos θ )d r = 4πε0 r3 %(r )rr cos θ d r = 4πε0 r3 · %(r0 )r0 d3 r0 .
1 1 0 0 0 3 0 1 1 0 0 0 3 0 1 r

Obtemos,
Z
1 X xk
Φ1 (r) = dk 3 onde d= d3 r0 r0 %(r0 ) . (2.94)
4πε0 r V
k

2.7.3 O quadrupolo
Para n = 2 a contribuição do momento quadrupolar qi,j para o potencial segue imediatamente
da formula (2.91),
Z Z
2 0
Φ2 (r) = 4πε0 r3 %(r )r P2 (cos θ )d r = 4πε0 r3 %(r0 )r02 3 cos 2θ −1 d3 r0
1 1 0 02 0 3 0 1 1

Z XZ
0 0 2 2 02 3 0
1
= 4πε 1
0 2r
5 %(r )(3(r · r ) − r r )d r = 1 1
4πε0 2r5 %(r0 )(3xk x0k xm x0m − xk xm r02 δk,m )d3 r0 .
k,m

Obtemos,
Z
1 1X xk xm
Φ2 (r) = qk,m 5 onde qk,m = d3 r0 (3x0k x0m − r02 δk,m )%(r0 ) . (2.95)
4πε0 2 r V
k,m

Exemplo 25 (Momentos multipolares de um dipolo): Como exemplo, consideramos o


dipolo mais simples, que consiste de duas cargas e e −e separadas por uma distância fixa a,
que nós escolhemos paralela ao eixo z. O momento monopolar é,
Z
Q = d3 r0 [eδ( a2 êz − r0 ) − eδ( a2 êz + r0 )] = 0 ,
70 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

como esperado. O momento dipolar é,


 
Z 0
 
3 0 0 a 0 a 0  
d = d r r [eδ( 2 êz − r ) − eδ( 2 êz + r )] = ea 0 ,
 
1

e o momento quadrupolar é,


Z
qk,m = d3 r0 (3x0k x0m − r02 δkm )[eδ( a2 êz − r0 ) − eδ( a2 êz + r0 )]
   
−1 0 0 −1 0 0
ea2 
 ea2 
 


=  0 −1 0 −  0 −1 0 = 0 .
4   4  
0 0 2 0 0 2

Vide os Excs. 2.8.7.1 até 2.8.7.10.

Exemplo 26 (O dipolo elétrico): O gradiente do potencial de um dipolo é,


r·p −1 ∂ xpx + ypy + zpz
E1 = −∇ 3
= êx + ...
4πε0 r 4πε0 ∂x (x2 + y 2 + z 2 )3/2
−1 px (x2 + y 2 + z 2 )3/2 − (xpx + ypy + zpz )3x(x2 + y 2 + z 2 )1/2
= êx + ...
4πε0 (x2 + y 2 + z 2 )3
−1 px r2 − r · p3x 1 3(êr · p)êr − p
= êx + ... = .
4πε0 r5 4πε0 r3

2.7.4 Expansão em coordenadas cartesianas


A expansão multipolar também pode ser feita em coordenadas cartesianas por uma série de
Taylor da função de Green 10 . Para isso avaliamos a função G(r, r0 ) = G(r − r0 ) em torno da
distância r − r0 ' r,
3
!2
X 1 X ∂ 1 X ∂
G(r − r0 ) = (r0 · ∇)k G(r) = G(r) + x0k G(r) + x0k G(r) + ... (2.96)
k! ∂xk 2! ∂xk
k k=1 k=1
X X3
∂ 1 ∂2
= G(r) + x0k G(r) + x0k x0m G(r) + ...
∂xk 2! ∂xk ∂xm
k=1 k,m=1

X 3
∂ 1 X ∂2
= G(r) + x0k G(r) + (3x0k x0m − r02 δk,m ) G(r) + ...
∂xk 6 ∂xk ∂xm
k=1 k,m=1

A última transformação vale se a função G satisfaz a equação de Laplace, ∇2 G = 0.


Exemplo 27 (Expansão multipolar cartesiana): Como exemplo, expandimos o poten-
1
cial de Coulomb, G(r − r0 ) = |r−r 0 | . As primeiras derivadas,

∂ 1 xk − x0k
0
= ,
∂xk |r − r | |r − r0 |3
10
Podemos imaginar a função
R de Green como o potencial criado por uma distribuição de carga puntiforme,
%(r0 ) = Qδ(r − a), pois Φ(r) = G(r − r0 )%(r0 )dV 0 = QG(r0 − a). Isso é, os termos multipolares entram devido à
um pequeno esticamento da distribuição de carga em torno do ponto r0 = a
2.8. EXERCÍCIOS 71

Figura 2.11: Expansão de Taylor da função de Green em torno do ponto r − r0 ' r.

e as segundas derivadas,

∂2 1 3(xk − x0k )2 − (r − r0 )2 δk,m


0
= ,
∂xk ∂xm |r − r | |r − r0 |5

permitem calcular,
3
1 1 r · r0 1 X 3xk xm − r2 δk,m
= + + (3x0k x0m − r02 δk,m ) .
|r − r0 | r r3 6 r5
k,m=1

A expansão octupolar do potencial de Coulomb é,


3
X
1 0 1 1 −15xk xm xn + 3r00 (xk δmn + xm δkn + xn δmk )
(r · ∇)3 0 = x0k x0m x0n .
3! r 6 r7
k,m,n=1

Inserindo na lei de Coulomb,


 
Z 0 3
X 2
1 %(r ) 1 1 r 1 3xk xm − r δk,m
Φ(r) = dV 0 = Q+ 3 ·d+ qk,m + ... ,
4πε0 |r − r0 | 4πε0 r r 6 r5
k,m=1

com as definições dos momentos multipolares.

2.8 Exercı́cios
2.8.1 A carga elétrica e a força de Coulomb
2.8.1.1 Ex: • Força de Coulomb
Uma carga puntiforme de −2.0 µC e uma carga puntiforme de 4.0 µC estão separadas por uma
distância L. Onde deveria ser colocada uma terceira carga puntiforme para que a força elétrica
nesta terceira carga fosso igual a zero?

2.8.1.2 Ex: • Força de Coulomb


Uma partı́cula puntiforme que tem uma carga de −1.0 µC está localizada na origem; uma
segunda partı́cula puntiforme que tem carga de 2.0 µC está localizada em x = 0, y = 0.1 m;
e uma terceira partı́cula puntiforme tem uma carga de 4.0 µC está localizada em x = 0.2 m,
y = 0. Determine a força elétrica em cada uma das três cargas puntiformes.

2.8.1.3 Ex: • Força de Coulomb


Uma carga puntiforme de −5.0 µC está localizada em x = 4.0 m, y = −2.0 m, e uma segunda
carga puntiforme de 12.0 µC está localizada em x = 1.0 m, y = 2.0 m.
a. Determine o módulo, a direção e o sentido do campo elétrico em x = −1.0 m, y = 0.
b. Calcule o módulo, a direção e o sentido da força elétrica em um elétron colocado em campo
elétrico em x = −1.0 m, y = 0.
72 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

2.8.1.4 Ex: Força de Coulomb


Imagine um elétron perto da superfı́cie da Terra. Em qual ponto deverı́amos colocar um segundo
elétron para que a força eletrostática entre os elétrons compensasse a força de gravitação da Terra
sobre o primeiro elétron?

2.8.1.5 Ex: Força de Coulomb


Três cargas positivas e puntiformes Q1 , Q2 e Q3 ficam nos cantos de um triângulo equilátero
com o comprimento da aresta L = 10 cm. Calcule o valor e a direção da força agindo sobre um
elétron localizado no centro do triângulo.

2.8.1.6 Ex: • Força de Coulomb


Duas partı́culas carregando cargas iguais q estão colocadas numa distância reciproca de r =
3 mm e depois soltadas. A aceleração da primeira partı́cula logo depois de estar soltada é
a1 = 7 m/s2 , e a aceleração de segunda partı́cula é a2 = 2 m/s2 . A massa da primeira partı́cula
é m1 = 6 · 10−7 kg.
a. Qual é a massa da segunda partı́cula?
b. Qual é a carga das partı́culas?

2.8.1.7 Ex: • Força de Coulomb


Uma pequena bolinha de grafite suspensa num fio (massa m = 1 kg) seja tocada por uma vareta
de plástico eletricamente carregada e pega 1% da sua carga. O resultado disso é que a bolinha
fica deslocada por um ângulo de 30◦ , enquanto a vareta é mantida na altura da bolinha. A
distância entre o centro da bolinha e a extremidade da vareta é 10 cm.
a. Calcule a força exercida pelo fio sobre a bolinha?
b. Supõe que a carga da vareta seja totalmente concentrada em sua extremidade. Qual é a carga
na bolinha e na vareta?

2.8.1.8 Ex: • Aceleração de cargas


Um elétron tem uma velocidade inicial de v0 = 2 · 106 m/s no sentido de +x. Ele entra em uma
região que tem campo elétrico uniforme E = (300 N/C) êx .
a. Determine a aceleração do elétron.
b. Quanto tempo leva par que o elétron percorra s = 10.0 cm ao longo do eixo x no sentido +x
na região que tem campo.
c. Em que ângulo e em que direção o movimento do elétron é defletido enquanto ele percorre os
10.0 cm na direção x?

2.8.1.9 Ex: • Aceleração de cargas


Uma partı́cula carregada de 2.0 g é liberada a partir do repouso em uma região que tem um
campo elétrico uniforme E = (300 kN/C)êx . Depois de percorrer uma distância de 0.5 m nesta
região, a partı́cula tem uma energia cinética de 0.12 J. Determine a carga da partı́cula.

2.8.1.10 Ex: Moedas de cobre carregadas


A carga positiva do próton e a carga negativa do elétron têm o mesmo valor absoluto. Supõe que
os valores absolutos teriam uma diferença relativa de só 0.0001%. Considere moedas de cobre
2.8. EXERCÍCIOS 73

com 3 · 1022 átomos. Qual seria a força de repulsão de duas moedas afastadas de 1 m?
Ajuda: Um átomo de cobre neutro contem 29 prótons e a mesma quantidade de elétrons

2.8.1.11 Ex: • Peso do elétron

Uma esfera metálica é carregada com Q = +1µC. Determine se a massa da esfera aumenta ou
diminuı́ e calcule o valor?

2.8.1.12 Ex: O átomo de hidrogênio

No átomo de hidrogênio a distância tı́pica entre o próton de carga positiva e o elétron de carga
negativa é d ∼ 5 · 10−11 m.
a. Calcule a força de Coulomb.
b. Compare esta força com a força gravitacional entre os dois corpos.
c. O que deveria ser a velocidade do elétron em torno de núcleo para compensar a atração
gravitacional pela força centrifuga?

2.8.1.13 Ex: O átomo de hidrogênio

O átomo de hidrogênio pode ser visto como um próton puntiforme e um elétron distribuı́do
com a densidade de carga ρ = Ae−2r/aB em torno do próton que fica no centro. Aqui A é uma
constante, aB ' 0.53 · 10−10 m o raio de Bohr e r a distancia do centro.
a. Calcule A considerando o fato que o átomo é eletricamente neutro.
b. Calcule a amplitude do campo elétrico no raio r = aB .

2.8.1.14 Ex: Exercı́cio de compreensão

Duas esferas metálicas são colocadas numa distância d uma da outra e respetivamente carregadas
com as cargas +Q e −2Q.
a. As esferas se atraem ou se repelem?
b. O que acontece se deixamos as esferas entrar em contato e depois colocar na mesma distância
d. Qual é o valor da mudança da força?

2.8.1.15 Ex: • Esfera carregada numa mola

Uma bola com a massa m seja suspensa numa mola com a constante f .
a. O que será o deslocamento da bola devido a seu peso? O que será a frequência de oscilação?
b. Agora a bola seja carregada com a carga Q e uma segunda bola com a mesma carga seja
aproximada por baixo à primeira bola. Derive a conexão entre a posição da primeira bola z1 e
da posição da segunda z2 . A posição z1 = 0 seja a posição de repouso da mola, isto é a posição
que a mola teria sem massa suspensa. CUIDADO: obtém-se uma equação de terceira ordem em
z1 , não tenta resolver!
c. Para qual posição da segunda bola z2 a primeira bola fica na posição de repouso da mola, isto
é, para qual z2 achamos que z1 = 0 é uma solução? Existem outras soluções? Quais são as suas
interpretações?
d. Qual é a frequência de oscilação nestas condições, quando a bola 1 fica somente um pouco
1 1 2
deslocado em torno de z1 = 0? Use a aproximação (a−x) 2 ≈ a2 + a3 x (vale para para x  a).
74 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

2.8.1.16 Ex: Estabilidade de uma distribuição de cargas


Sejam dadas as distribuições de carga mostradas na figura. Todas as cargas positivas e negativas
têm o mesmo valor absoluto.
a. Determine se uma destas distribuições é estável? O que acontece nos diferentes casos?
b. É possı́vel escolher os valores absolutos das cargas de tal maneira a fazer com que as confi-
gurações ficam estáveis?

2.8.1.17 Ex: Estabilidade de uma distribuição de cargas


Três bolinhas com massa m e cada uma carregada com a carga Q são colocadas numa tigela
parabólica. Esta pode ser descrita como superfı́cie no espaço, onde a coordenada z da superfı́cie
é dada por z = z(x, y) = A(x2 + y 2 ). A gravitação mostra para −êz . Qual é a distância
as bolinhas adotam, quando colocamos como condição adicional, que todas as cargas ficam na
mesma altura?

2.8.1.18 Ex: Iões no potencial harmônico


Dois ı́ons com a carga positiva +e são confinadas num potencial harmônico isotrópico. Cada
ı́on tem a energia potencial U = 21 mω 2 r2 , onde r é a distância do centro do potencial. Os ı́ons
sejam em repouso, só considere duas dimensões.
a. Qual é a distância dos dois ı́ons do centro?
b. Calcule a distância para três ı́ons idênticos.

2.8.1.19 Ex: Esferas no fio


Duas bolas idênticas com massa m = 0.1 kg são suspensas no mesmo ponto de teto por um fio
de 1 m de comprimento e tendo a mesma carga. Qual é o valor da carga se os dois centros das
bolas se afastam de uma distância de 4 cm. Use a aproximação sin α ≈ tan α ≈ α para ângulos
α pequenos.

2.8.1.20 Ex: Osciloscópio


Consideramos um modelo simples de um osciloscópio. Dentro do dispositivo fica um tubo de
Braun, dentro do qual elétrons são acelerados por uma tensão U até uma velocidade v. Depois,
os elétrons voam através das placas de um capacitor e são desviados pelo campo elétrico E do
capacitor. (No osciloscópio real tem dois capacitores: um para desviamento horizontal outra
para vertical.) Depois de capacitor os elétrons voam para uma tela, onde eles produzem um
ponto brilhante.
a. Calcule a velocidade v dos elétrons para uma tensão aceleradora de U = 1 kV. (Não considere
efeitos relativı́sticos!)
b. O capacitor tem um comprimento de l = 5 cm e uma distância das placas de d = 2 cm.
2.8. EXERCÍCIOS 75

Qual é a tensão máxima permitida Umax no capacitor para evitar que os elétrons batem uma
das placas do capacitor? (Os elétrons entram no capacitor pelo meio entre as placas.)
c. O que deve ser a distância entre as placas e a tela (que tem o comprimento 10 cm), para que
com tensão Umax máxima a área inteira da tela seja utilizada?
Comentário: Despreze efeitos de borda do capacitor!

2.8.1.21 Ex: • Elétron entre placas carregadas

Entre duas placas horizontais paralelas tem um campo elétrico homogêneo |E| = 2 · 103 N/C.
A placa inferior é carregada com carga positiva, a placa superior negativa, tal que o campo é
orientado para cima. O comprimento das placas é L = 10 cm, a sua distância d = 2 cm. A
partir da borda esquerda da placa inferior um elétron é baleado com uma velocidade inicial
|v0 | = 6 · 106 m/s sobre o ângulo 45◦ para o espaço entre as placas.
a. Quando o elétron vai encontrar uma das placas?
b. Qual é a placa sendo eventualmente encontrada e em qual distância horizontal do ponto de
tiro?

2.8.1.22 Ex: • Problema de Coulomb-Kepler

Consideramos duas partı́culas carregadas com cargas Q1 e Q2 e massas m = m1 = m2 localizadas


sobre o eixo êz que, por simplicidade, só podem se movimentar ao longo de êz e são sujeitos à
força mútua de Coulomb.
a. Deriva as equações diferenciais para as posições z1 e z2 das duas partı́culas. Reduz o número
de variáveis do problema, introduzindo a variável de diferença z = z2 − z1 e estabelece a equação
diferencial para z.
b. E equação diferencial obtida tem a mesma forma como à do problema de Kepler na mecânica
que, no entanto, não é definido ao longo de um eixo mas num plano. O que são as soluções
do problema de Kepler? Qual grandeza fı́sica importante não aparece reduzindo a liberdade de
movimento para um eixo? O que seria o impacto desta restrição sobre as soluções do problema
de Kepler? Qual é a liberdade adicional no problema de Coulomb-Kepler em comparação com
o problema de Kepler?
c. A equação diferencial de Kepler não é fácil para resolver. Mesmo assim, podemos aprender
algo olhando para o diagrama de do espaço de fase. Para isso, consideramos duas partı́culas
idênticas Q = Q1 = Q2 e m = m1 = m2 , colocadas em uma distância z0 . O que acontecerá?
Como se comportam as velocidades das duas partı́culas v1 e v2 uma a respeito da outra? Derive
uma relação entre a distância z e a velocidade v de uma das partı́culas (conservação de energia).
Qual é o valor da velocidade para z → ∞? Faz um gráfico do diagrama de espaço de fase (z, v)
para três distâncias z0 diferentes.

2.8.1.23 Ex: Partı́cula girando em torno de um fio carregado

Uma linha infinitamente longa uniformemente carregada com carga negativa, tem densidade de
carga igual a λ e está localizada no eixo z. Uma pequena partı́cula carregada positivamente tem
massa m e uma carga q, e está em órbita circular de raio R no plano xy centrada na linha de
cargas.
a. Deduza uma expressão para a rapidez da partı́cula.
b. Obtenha uma expressão para o perı́odo da órbita da partı́cula.
76 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

2.8.2 Propriedades do campo elétrico


2.8.2.1 Ex: Uso da função de Dirac na lei de Coulomb

Mostre como as seguinte formulas da lei de Coulomb para distribuições de densidade um-, dois
e tri-dimensional,
Z
1 r − r0
E(r) = ρ(r0 )dV 0
4πε0 V |r − r0 |3
Z
1 r − r0
E(r) = σ(r0 )dA0
4πε0 A |r − r0 |3
Z
1 r − r0
E(r) = λ(r0 )dC 0
4πε0 C |r − r0 |3

são relacionadas usando a noção da função δ de Dirac, definida por,


 
 ∞ para x = 0  Z
1
δ(x) = tal f (x)δ(x − a)dx = f (a)∞ = f (a) .
 0 para x 6= 0  ∞

Utilize os exemplos de a. uma distribuição linear de carga ao longo do eixo x, dada por ρ(r0 ) =
λ(x0 )δ(y 0 )δ(z 0 ), e b. uma distribuição superficial de carga no plano z = 0, dada por ρ(r0 ) =
σ(x0 , y 0 )δ(z 0 ).

2.8.2.2 Ex: Campo elétrico gerado por uma distribuição linear de carga

Calcule o campo elétrico gerado por uma distribuição linear de carga. Analise o campo numa
região afastada.

2.8.2.3 Ex: Campo elétrico produzido por um disco carregado

a. Calcule o campo elétrico ao longo do eixo de simetria gerado por um disco fino de raio R
uniformemente carregado com a carga Q.
b. Discuta o limite R → ∞ assumindo que a densidade de carga superficial seja mantida cons-
tante.

2.8.2.4 Ex: Campo elétrico produzido por uma camada esférica

Uma carga q está deposita numa esfera sólida condutora de raio R.


a. Parametrize a distribuição de carga ρ(r).
b. Determine a densidadeHde carga superficial σ na superfı́cie da esfera.
c. Usando a lei de Gauß, ∂V E(r) · da = εQ0 , calcule o campo elétrico dentro e fora da esfera.
1
R r−r0 0 0
d. Usando a lei de Coulomb, E(r) = 4πε 0 3 σ(r )dA em coordenadas esféricas,
0 A |r−r |

 
R sin θ0 cos φ0
 
 
r0 =  R sin θ0 sin φ0  e dA0 = R2 sin θ0 dθdφ0 ,
 
R sin θ0
2.8. EXERCÍCIOS 77

calcule o campo elétrico Ez (z) ao longo do eixo z dentro e fora da esfera. Ajuda:


 −2R z < −R
Z R 0

 z2
z−z 0
√ 3 dz =  0 para −R < z < R .
−R z 2 − 2zz 0 + R2 

 2R R<z
z2

2.8.2.5 Ex: Campo de uma esfera homogeneamente carregada


Calcule com a lei de Gauß o campo elétrico de uma esfera homogeneamente carregada (carga
Q, raio R)
a. para r < R e
b. para r ≥ R.

2.8.2.6 Ex: Campo de uma distribuição de carga com simetria esférica


O campo elétrico gerado por uma distribuição de carga esfericamente simétrica ρ(r) pode ser
dado na forma, Z r
r
E(r) = 3 4π dr0 r0 2 ρ(r0 ) ,
r 0

onde a origem fica no centro da esfera e r = |r|.


a. Mostre que divE = 4π ρ e rotE = 0.
b. Calcule o campo para uma esfera de raio R, que fica homogeneamente carregada no volume
inteiro com a carga total Q.
c. Resolve (b) para uma esfera concêntrica oca homogeneamente carregada com raio interno Ri ,
raio externo Ra e carga total Q.
d. Resolve (c) para o caso, que o centro da parta esférica oca seja deslocado de um vetor d a
respeito do centro da superfı́cie esférica.
Ajuda: O campo elétrico é uma grandeza aditiva.

2.8.2.7 Ex: Campo de uma distribuição de carga com simetria esférica


Uma esfera de raio R fica no vácuo. Ela é feita de um material com a permitividade  constante
e carrega no seu centro a carga q.
a. Calcule o campo o campo eletrostático E no interior e no exterior da esfera.
b. Calcule o potencial eletrostático Φ no espaço inteiro.

2.8.2.8 Ex: Distribuição de carga


RR
Seja dada a densidade de carga ρ(r) = cr 0 dr0 δ(r0 − r), onde r = |r|, R > 0 e c = const. A
carga total seja Q.
a. Faz um esquema da função ρ(r). Como é a relação entre a constante c e a carga total Q?
b. Comece mostrando, que o campo elétrico criadoR r por uma distribuição de carga esfericamente
simétrica ρ pode ser escrita na forma E(r) = rr3 0 dr0 r02 ε10 ρ(r0 ) . Aqui r é o vetor partindo da
origem no centro de simetria e alcançando a superfı́cie. Determine o valor absoluto e a direção
do campo elétrico E(r) para |r| < R e |r| > R para a dada distribuição de carga. Faz um
esquema do perfil |E(r)|.
78 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

2.8.2.9 Ex: Distribuição de carga


Uma fina lâmina quadrada e condutora tem bordas com d = 5.0 m de comprimento e uma carga
resultante de Q = 80 µC. Considere que a carga esteja uniformemente distribuı́da nas faces da
lâmina.
a. Determine a densidade de carga em cada face da lâmina e o campo elétrico nas proximidades
de uma das faces.
b. A lâmina está colocada à direita de um plano infinito, não condutor e carregado, com densidade
de carga igual a σinf = 2.0 µC/m2 , com as faces da lâmina paralelas ao plano. Determine o
campo elétrico em cada face da lâmina e determine a densidade de carga em cada face.

2.8.2.10 Ex: Distribuição de carga


Uma superfı́cie grande, plana, não-condutora e não uniformemente carregada está ao longo do
plano x = 0. Na origem, a densidade de carga é de σ = 3.1 µC/m2 . A uma pequena distância da
superfı́cie no sentido positivo do eixo x, a componente x do campo elétrico é Edir = 4.65·105 N/C.
Qual é o valor de Ex a uma pequena distância da superfı́cie no sentido negativo do eixo x.

2.8.2.11 Ex: Distribuição de carga


Uma lâmina plana infinita não-condutora tem uma densidade superficial de carga de σ1 =
+3.0 µC/m2 e está no plano y0 = −0.6 m. Uma segunda lâmina plana infinita tem densidade
superficial de carga de σ2 = −2.0 µC/m2 e está no plano x0 = 1.0 m. Finalmente, uma fina casca
esférica não-condutora com raio de R = 1.0 m e como centro no plano z0 = 0 na interseção dos
dois planos carregados, tem uma densidade densidade superficial de carga de σ3 = −3.0 µC/m2 .
Determine a magnitude, a direção e o sentido do campo elétrico no eixo x em
a. x1 = 0.4 m e
b. x2 = 2.5 m.

2.8.2.12 Ex: Esfera carregada


Uma esfera sólida não condutora de raio R = 1.0 cm tem uma densidade volumétrica uniforme
de carga. A magnitude do campo elétrico a r = 2.0 cm do centro da esfera é Er = 1.88·103 N/C.
a. Qual é a densidade volumétrica de carga da esfera?
b. Determine a magnitude do campo elétrico a uma distância de d = 5.0 cm do centro da esfera.

2.8.2.13 Ex: Fluxo elétrico


Um carga puntiforme Q é colocada no centro de uma bola hipotética com o raio R, que num
lado é cortada numa altura h. O que é o fluxo do campo elétrico E através do plano do corte
A?

2.8.2.14 Ex: Fluxo elétrico


O cubo mostrado na figura tem um comprimento de borda de d = 1.4 m e fica dentro de um
campo elétrico.
a. Calcule o fluxo elétrico através da área direita do cubo para um campo elétrico dado por
E = −3 V/m · êx + 4 V/m · êz . Qual é o fluxo total através da superfı́cie inteira do cubo?
b. Calcule o fluxo total através da superfı́cie inteira do cubo para o campo elétrico E = −4 V/m2 ·
êx + (6 V/m + 3 V/m2 · y)êy . Qual é a carga contida no cubo?
Aufgabe 8 (Fluss)
Eine Punktladung Q sitze im Zentrum einer Kugel mit Radius R, die an einer Seite in
2.8. EXERC
derÍCIOS ~
Höhe h flach abgeschnitten wurde. Wie groß ist der Fluss des elektrischen Feldes E 79
durch die Schnittebene A ?

A
A

Q
R

z
Aufgabe 9 (Dipol im Feld)
y miteinander verbundenen Massen m1 = m2 =
Gegeben sei ein Molekül, das aus zwei starr
10−25 kg bestehe, die sich im Abstand von d = 10− 12 m befinden und Elementarladun-
x
gen +e bzw.−e besitzen. Berechnen Sie das elektrische Dipolmoment d~ = d · êx dieser
Ladungsverteilung. Nun wird das Molekül durch Anlegen eines homogenen elektrischen
~ = 100 V/m êz in Rotation versetzt. Berechnen Sie die Rotationsgeschwindigkeit
Feldes E
2.8.2.15 Ex:
des Fluxoalselétrico
Moleküls Funktion des Winkels zwischen Dipolmoment und elektrischem Feld.

Calcule o fluxo do campo elétrico E(r) = E0 êz através da semi-esfera com o raio R mostrada
na figura. z

2.8.2.16 Ex: Fluxo elétrico

R
Calcule o fluxo do campo vetorial com simetria cilı́ndrica E(r) = E0 êρ através da meia superfı́cie
cilı́ndrica mostrada na figura com raio R e comprimento L. E z

2.8.2.17 Ex: Campo elétrico de uma folia carregada


Uma folia não-condutora infinitamente extensa carrega num dos dois lados uma carga com a
L
densidade de superfı́cie de 0.1 µC/m2 . Qual é distância das superfı́cies equipotenciais com uma
diferencia de potencial de 50 V?
E
R
2.8.2.18 Ex: Campo elétrico entre planos carregados
Considere dois planos finos não-condutores com extensão infinita perpendiculares ao eixo x e
cruzando este eixo nas posições x1 e x2 com x1 < x2 . Os planos são uniformemente carregados
com densidades de cargas σ1 e σ2 . Calcule os campos elétricos nas três regiões x < x1 e
x1 < x < x2 e x2 < x. Discuta os casos particulares σ2 = σ1 e σ2 = −σ1 .

2.8.2.19 Ex: Campo elétrico de um uma fotocopiadora


O campo elétrico logo acima da superfı́cie do tambor carregado de uma fotocopiadora tem o
valor absoluto 2.3 · 105 N/C. O tambor tem um comprimento de 42 cm e um diâmetro de 12 cm.
a. Qual é a densidade de cargas na superfı́cie suposta condutora?
b. Qual é a carga total no tambor?
c. Diminuindo o tambor para 8 cm no âmbito de construir uma fotocopiadora mais compacta,
o campo na superfı́cie deve ficar o mesmo. O que deve ser a carga neste caso?
!I ÕÔ
Y^jtFXb|%OjXb|*|eLNM|ece80k[Ñ£X[cek9x×Z(LNceMXb}W“ceLD^XbV_|'X S TUgbLNZ²X S cvX S |™LD]_^YLDx³XbV_|%¶ S ^hz{ceTekbQ Mx­CAP ]ugbLD^ ÍTULO 2. ELETROSTÁTICA
­xLD^YLD^\ÏM*kbcek9^a|ek·
]uLLD]_^hLDxÈEx: É V_LNz“ceM*k9^tYXb|%x­]_Geiger cHLD]_^YLNMHþk9V xLD^YV_Xbt ^hg9|*tY]_}"WdceLthLNM
ÆÙ×ÚÛLBÜ{¶ ° œH¦Ý9¼Ë2.8.2.20
Þ{߷ߕ S x.tYXb|IÏM*kbcek9Contador ^‡XbV_|wàLD^“ceM S xáibLNMceLD]_VucIS ]”|ecN€ K%X[S Z(LD]H]_|*c¿ÚÈLD]_^hL
eLb£Þ ß ÙÛq¬n¸ÒI¹âlNUm thLD^ „ k9Geiger-Müller
q{ã xäcontador WhM|*}"WhLD^Ÿå
XbtY] S consiste
| S ^FtÝ¿consistethLD^ Í ZF|ec*essencialmente
Xb^YtPibk9xæàLD^“ceM deS x um tubo de metal cheia com gás
­|N€
M¦thLNM „ LNM9S Q serve,
*LD}WF^hLD^†h]uL¾Ú S O^dceLNcontador }z{|*]”}W“por
c*]ug S ^hexemplo,
g!thLNM¦µŽX[c*para ËtYX Š tYXb| Ídecek9partı́culas
|Xb}WhLbdetecção xçLDVuLNz{ceM]_|}carregadas,
WhL
(raio interior r ) e de um fio fino no interior (raio r ). Entre os dois é colocada uma alta tensão.
a i

ceM"XbV]_|ecN€ pares de elétrons


que produzem do gás
e ı́ons, que depois são extraı́dos por uma tensão aplicada e detectados como

­]uceceLDV_^…†¬]_LvtYXb^Ysinal
^>tYCalcule
a. ]uL'elétrico.
†{cÅX[Q MzboL'potencial
thLD|’LDVuLNz{ceMφ(r),
]_|}WhLD^onde
a
~YLDV_thφ(r
LD|!Z(LD)]£=Þ ß 0€ e φ(r ) = U = 1000 V.
i
b. Sejam ri = 15 µm, ra = 1 cm. Calcule a força do campo na superfı́cie da carga.
c. O caminho livre médio no gás é L = 3 µm. Em qual distância do fio RI acontece a formação
!I / de uma avalanche, isto é, um elétron parado depois de uma colisão é acelerado numa distância
L até a energia de ionização EI = 5 eV e, assim, pode gerar um outro par de elétron-ı́on na

NgbLNM*ÄdXbQ WYV_LNMŸ]_|*cPX TŒgbLNZFX cŸX |…LD]”^hLDxèt¾Q ^Y^hLD^£


colisão subsequente?

Ž¶(k9|*]uc*]_i\gbLDV_XbthLDS ^hLD^ˆKS MXbW“cS X S THthLNM Í }SWY|*L>LD]Ш


9VuLD]_}"WhLDx „ X[ceMX[gw^hLNg9X[c*]uiwgbLDV_XbthLD^YLD^£€²VuLD]_ceLD^YthLD^
_^FthLNM|N€%KLNMêX[ZYgbLD|}WYVuk9||eLD^hL‡à(é{V_]”^YthLNMaLD^dc*WŽXbQ Vuc
eLD|§%Xb| S ^“ceLNMH^Y]uLDtYM]ugbLDxyKM S }z²€KHM"]_^hgbc!LD]_^…]uk[¨
hLD|¿µŽLD]_V_}"WhLD^‡t S M}"W‡tY]uLjàé{V”]_^YthLNM*6Xb^Yt‹LD]_^£6|ek
D|LD|ILD]_^Y]ugbLŸ§™Xb|*X[cek9xLb€’K%]uLPtYX[Z(LD]’LD^“c*|eceLDWhLD^h¨
D^êÉ V_LNz“ceM*k9^YLD^ELNMthLD^êÄ S xJ¶(k9|*]uc*]uiagbLDV_XbthLD^YLD^
”^PZ(LD|*}"WYVuL ^F]ugbc ^YtŸz(k9Q ^Y^YLD^\tYXb^Y^\|eLDVuZ²|ec Í cek[¨
*]uLNM*LD^€(KLNMS ±3Xbt S S ^hg9|*|ecek Š ¦thLNM'LD^“c*|eceLDW“cN¦|ekbZ²XbV_t
uLNz{ceM*k9^hLD^YV_XŐ
]_^hLIìDthLD^\KMXbW“c™LNM*M*LD]_}"Wdc™
]_MtaXbV_|
_|*}"WhLD|‘†¬]ug9^FXbVhibLNM|ec X[Q M*z{c S ^FtÄNLD]ugbc‘thLD^­LNM*TUk9V_gbceLD^
b^Yg­LD]_^hLD|!]_k9^Y]_|*]uLNMLD^YthLD^µ3LD]_V”}WhLD^Y|
Xb^£€
\†h]uL®thLD^Ÿå
XbtF] S |thLD|
ÄNLD^“ceMXbVuLD^\KMXbW“ceLD|%Ä S bÒ{n—qsÊx>thLD^Ÿå
XbtY] S |HthLD|™àé¬V_]_^YtYLD|!Ä S
^Ytj|eLD]”^hLI±EXbQ ^hgbLIÄ S lD–s}NxíXb^£€sK]_LI~hLDV_tF|eceM·X[Q M*zbLwXb^âtYLNM®î©^Y^hLD^“EXb^FtthLD|àé¬V_]_^YthLNM"|
{n¸ï¹jlNq[ð3»™¼b½€
uLvgbM*k Š ]”|ec!tY]uL'§LD|*Xbx®c*V_Xbt S ^hg¿thLD|’ÄNLD^“ceMXbVuLD^PKMXbWdceLD|ñª
uL™gbM*k Š ]_|ec6tYXb|6LD2.8.2.21
VuLNz{ceM]_|}WhL™~hLDV_Ex:
t>Xb^…FluxothLNM
´Z(elétrico
LNM*ŽXbQ }WYL%tYLD|’KHM"XbWdceLD|’ELD^Y^>tY]_LϦkbceLD^“c*]Ш
Y]uÑLNM*LD^YęÄN
]_|*}"WhLDUma^>KMXbfina Wdc S casca
^Yt…àé¬esférica
V_]_^YtYLNM’ÁbÒ[não-condutora,
qsÃÓZLNceMËX[Q gbc"ª uniformemente carregada, com raio R, tem uma carga
total positiva igual a Q. Um pequeno pedaço é removido da superfı́cie.
a. Quais são o módulo, a direção e o sentido do campo elétrico no centro do buraco?
b. O pedaço é colocado de volta no buraco. Determine a força elétrica exercida no pedaço.
c. Usando a magnitude da força, calcule a pressão eletrostática que tende a expandir a esfera.

2.8.2.22 Ex: Fluxo atravessando um cone

Um cone circular reto imaginário com ângulo de base θ e raio de base R está em uma região
livre de cargas que tem um campo elétrico uniforme E (linhas de campo são verticais ao eixo
do cone). Qual é a razão entre o numero de linhas de campo por unidade de área entrando na
base e o número de linhas por unidade de área entrando na superfı́cie cônica do cone. Use a lei
de Gauß em sua resposta.
2.8. EXERCÍCIOS 81

2.8.2.23 Ex: Fluxo de um campo


Considere o retângulo com os cantos,
         
x b 0 0 b
 i        
   a   a     
 yi  =  √  ,  √  ,  0  ,  0 
   2  2    
zi 0 0 √a √a
2 2

e calcule a integral do fluxo do campo A(r) através da área F do retângulo,


 
y2
 
 
A(r) =  2xy  .
 
3z 2 − x2

2.8.2.24 Ex: Fluxo de um campo vetorial


Calcule o fluxo do campo vetorial A(r) através da superfı́cie de uma esfera de raio R em torno
da origem das coordenadas para
a.
r
A(r) = 3 2 .
r
b.  
3z − 2y
 
 
A(r) =  x + 5z  .
 
y+x

2.8.2.25 Ex: Gerador de Van de Graaf


A camada esférica (raio R) de um gerador de Van de Graaf deve ser carregada até uma diferencia
de potencial de 106 V. O que deve ser o diâmetro mı́nimo da esfera para evitar descarregamento
por relâmpago?
Ajuda: O campo de descarga disruptiva do ar seja 3 · 106 V/m.

2.8.2.26 Ex: Acelerador de Van de Graaff


Prótons são liberados a partir do repouso em um sistema acelerador de Van de Graaff. Os
prótons estão inicialmente localizados onde o potencial elétrico tem um valor de 5.0 MV, e
então, eles viajem através do vácuo até uma região onde o potencial é zero.
a. Determine a rapidez final destes elétrons.
b. Determine a magnitude do campo elétrico acelerador se o potencial mudar uniformemente
sobre uma distância de 2.0 m.

2.8.2.27 Ex: Gaiola de Faraday


Mostre que num espaço confinado por uma superfı́cie aterrada o campo elétrico deve desaparecer.
82 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

2.8.2.28 Ex: Guia de onda


A figura mostra uma porção da seção transversal de um cabo concêntrico infinitamente longo.
O condutor interno tem uma densidade linear de carga de 6.0 nC/m e o condutor externo não
tem carga resultante.
a. Determine o campo elétrico para todos os valores de R, onde R é a distância perpendicular
ao eixo comum no sistema cilı́ndrico.
b. Quais são as densidades superficiais de carga nas superfı́cies do lado de dentro e do lado de
fora do condutor externo?

2.8.2.29 Ex: Equações fundamentais da eletrostática


a. Dá as equações fundamentais da eletrostática em forma integral e diferencial.
b. Dá a equação fundamental em termo do potencial eletrostático.

2.8.3 O potencial escalar elétrico


2.8.3.1 Ex: Teorema de Earnshaw
Mostre que o potencial eletrostático no espaço livre não exibe máximo. Comentário: Isso é a
razão porque não é possı́vel confinar partı́culas carregadas em campos eletrostáticos.

2.8.3.2 Ex: Potencial elétrico entre cargas puntiformes


Uma partı́cula puntiforme tem uma carga igual a +2.0 µC e está fixa na origem.
a. Qual é o potencial elétrico V em um ponto a 4.0 m da origem, considerando que V = 0 no
infinito?
b. Quanto trabalho deve ser realizado para trazer uma segunda carga puntiforme que tem uma
carga de +3.0 µC do infinito até uma distância de 4.0 m da carga de +2.0µC?

2.8.3.3 Ex: Potencial elétrico entre cargas puntiformes


Três partı́culas puntiformes idênticas de carga q estão nos vértices de um triângulo equilátero
que está circunscrito em um cı́rculo de raio a contido no plano z = 0 e centrado na origem. Os
valores de q e a são +3.0 µC e 60 cm, respectivamente. (Considere que o potencial seja zero
bem distante de todas as cargas.)
a. Qual é o potencial elétrico na origem?
b. Qual é o potencial elétrico no ponto do eixo z que está em z = a?
c. Como mudariam suas respostas para as Partes a. e b. se as cargas ainda estivessem mais em
um dos vértices do triângulo? Explique sua resposta.
2.8. EXERCÍCIOS 83

2.8.3.4 Ex: Potencial elétrico entre cargas puntiformes


Duas partı́culas puntiformes idênticas, carregadas positivamente, estão fixas no eixo x em x = +a
e x = −a.
a. Escreva uma expressão para o potencial elétrico V (x) como uma função de x para todos os
pontos no eixo x.
b. Represente V (x) versus x para todos os pontos no eixo x.

2.8.3.5 Ex: Potencial elétrico entre cargas puntiformes


O campo elétrico no eixo x devido a uma carga puntiforme fixa na origem é dado por E =
(b/x2 )êx , onde b = 6.0 kV · m e x 6= 0.
a. Determine a amplitude e o sinal da carga puntiforme.
b. Determine a diferencia de potencial entre os pontos no eixo x em x = 1.0 m e x = 2.0 m.
Qual destes pontos esta num potencial maior?

2.8.3.6 Ex: Ruptura dielétrica do ar


Determine a densidade superficial máxima de carga σmax que pode existir na superfı́cie de
qualquer condutor antes que ocorra a ruptura dielétrica do ar.

2.8.3.7 Ex: Energia potencial de uma esfera carregada


a. Quanta carga está na superfı́cie de um condutor esférico isolado que tem um raio de R =
10.0 cm e está carregado com 2.0 kV?
b. Qual é a energia potencial eletrostática deste condutor? (Considere que o potencial é zero
distante da esfera.)

2.8.3.8 Ex: Energia de uma partı́cula num potencial


Quatro cargas puntiformes estão fixas nos vértices de um quadrado centrado na origem. O com-
primento de cada lado do quadrado é 2a. As cargas estão localizadas em: +q está em (−a, +a),
+2q está em (+a, +a), −3q está em (+a, −a) e +6q está em (−a, −a). Uma quinta partı́cula
com massa m e carga +q é colocada na origem e liberada a partir do repouso. Determine sua
rapidez quando ela estiver bem distante da origem.

2.8.3.9 Ex: Energia de uma partı́cula num potencial


Duas esferas metálicas têm raio de 10 cm cada uma. Os centros das duas esferas estão separados
por 50 cm. As esferas estão inicialmente neutras, mas uma carga Q é transferida de uma esfera
para outra, criando uma diferença de potencial entre elas de 100 V. Um próton é liberado
do repouso na superfı́cie da esfera carregada positivamente e viaja para a esfera carregada
negativamente.
a. Qual é a energia cinética assim que ele chega na esfera carregada negativamente?
b. Com que rapidez ele colide na esfera?

2.8.3.10 Ex: Potencial de esferas conectadas


Um condutor esférico de raio R1 esta carregado com Vi = 20 kV. Quando ele é conectado
através de um fio condutor muito fino e longo, à um segundo condutor esférico bem distante,
seu potencial cai para Vf = 12 kV. Qual é o raio da segunda esfera?
84 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

2.8.3.11 Ex: Potencial de um disco carregado


Ao longo do eixo central de um disco carregado uniformemente, em um ponto à 0.6 m do centro
do disco, o potencial é 80 V e a intensidade do campo e 80 V/m. A uma distância de 1.5 m, o
potencial é 40 V e a intensidade do campo elétrico é 23.5 V/m. (Considere que o potencial seja
muito distante do disco). Determine a carga total do disco.

2.8.3.12 Ex: Potencial de cascas esféricas


Duas cascas esféricas condutoras concêntricas têm cargas iguais com sinais opostos. A casca
interna tem raio externo a e a carga +q; a casca externa tem raio interno b e a carga −q.
Determine a diferença de potencial Va − Vb entre as cascas.

2.8.3.13 Ex: Potencial elétrico de um disco


Um disco de raio R tem uma distribuição superficial de carga dada por σ = σ0 r2 /R2 , onde σ0
é uma constante e R é a distância ao centro do disco.
a. Determine a carga total no disco.
b. Determine a expressão para o potencial elétrico a uma distância z do centro do disco no eixo
que passo pelo centro do disco e é perpendicular ao seu plano.

2.8.3.14 Ex: Potencial elétrico de um bastão


Um bastão de comprimento L tem uma carga total Q uniformemente distribuı́da ao longo de
seu comprimento. O bastão está ao longo do eixo x com seu centro na origem.
a. Qual é o potencial elétrico como função da posição ao longo do eixo x para x > L/2?
b. Mostre, que para x  L/2, seu resultado se reduz ao devido a uma carga puntiforme Q.

2.8.3.15 Ex: Potencial de um disco fino


Calcule o potencial elétrico de um disco fino homogeneamente carregado com a carga Q ao longo
do eixo de simetria.

2.8.3.16 Ex: Potencial elétrico de quatro fios


Considere quatro fios orientados paralelamente à direção z, como mostra a figura. Os fios sejam
carregados com a carga por unidade de comprimento q/L.
a. Calcule o potencial elétrico como função de x e y.
b. Expande o potencial em torno de x = 0 e y = 0 (|x|, |y|  a) até segunda ordem. Qual é a
forma do potencial neste ponto?

y
a +q/L

-q/L -q/L
x
-a a

-a +q/L
2.8. EXERCÍCIOS 85

2.8.3.17 Ex: Lei de Stokes


Considere um fio fino retilı́neo de comprimento infinito uniformemente carregado com a densi-
dade de carga linear λ.
a. Parametrize a densidade de carga linear usando a função δ.
b. Usando a lei de Gauss, calculeRo campo elétrico.
c. Calcule a integral de caminho E · ds para o caminho parametrizado por s(t) = ρ(êx cos t +
êy sin t) com t ∈ [0, 2π].
d. A partir do campo elétrico obtido em (b) calcule ∇ × E em coordenadas cartesianas ou
cilı́ndricas. h i h i h i
∂Sφ ∂Sρ ∂Sρ
Ajuda: ∇ × S = êρ ρ1 ∂S ∂φ
z
− ρ ∂z + êφ ∂z − ∂Sz
∂ρ + ê 1 ∂
z ρ ∂ρ (ρS φ ) − ∂φ .

2.8.3.18 Ex: Superfı́cie de um condutor


Considere um condutor arbitrário e macroscópico cuja superfı́cie e fechada e suave. Partindo da
lei de Gauss e do rotacional eletrostático do campo elétrico:
a. Calcule o campo elétrico no interior do condutor;
b. Obtenha a componente normal do campo elétrico na superfı́cie externa do condutor em termos
da densidade superficial de carga;
c. Obtenha a componente tangencial do campo elétrico na superfı́cie externa do condutor.

2.8.4 Energia elétrostática


2.8.4.1 Ex: Movimento de duas cargas
Duas partı́culas com massas m1 e m2 e cargas Q1 > 0 e Q2 > 0 são colocadas numa distancia
reciproca d0 e podem se mover livremente no espaço.
a. O que vai acontecer com as partı́culas qualitativamente? Qual relação vale para todos os
tempos para as velocidades das duas partı́culas v1 e v2 ?
b. Calcule as velocidades das duas partı́culas como função da sua distância e faz um esquema
das funções v1 (d), resp. v2 (d) (diagrama de espaço de fase). Quais são as velocidades alcançadas
no limite d → ∞?

2.8.4.2 Ex: Armadilha de Paul


Sejam dados quatro fis paralelos ao longo da direção z e formando no plano xy uma configuração
quadrupolar, como mostra a figura. Die carga agora é ±q por unidade de comprimento l. Calcule
o potencial elétrico como função de x e y no centro entre os fis e expande em torno de x = 0 e
y = 0 (|x|, |y|  a) até segunda ordem. Qual forma o potencial tem nesta posição? Você acha
possı́vel aprisionar uma partı́cula carregada neste potencial?

2.8.4.3 Ex: Energia do elétron


Supondo que a carga seja homogeneamente distribuı́da sobre um esfera calcule o raio ”clássico
do elétron”.

2.8.4.4 Ex: Raio do elétron


a. Tente calcular a energia eletrostática do campo de um elétron por,
Z
ε0 2
EF = E (r) d3 r
R3 2
86 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

R
Qual problema aparece no cálculo da parte radial da integral dr, se o limite inferior de inte-
gração vai para r0 → 0?
b. Este problema é conhecido com divergência da auto-energia. É possı́vel contornar este pro-
blema, deixando o limes para fora e colocando como limite de integração o raio clássico do
elétron r0 . A energia do campo elétrico EF é então identificado com a metade da energia da
massa E = 21 me c2 , onde me é a massa de um elétron e c a velocidade da luz. Calcule o raio
clássico do elétron!

2.8.4.5 Ex: Energia eletrostática


a. Escreve a energia potencial de uma carga q no campo exterior E = −∇Φ? ~
b. Qual é o valor da energia eletrostática de N cargas puntiformes?
c. Qual é o valor da energia de uma distribuição de cargas no campo elétrico E(r)?
d. Quais são as condições de contorno para o campo E na superfı́cie de um condutor?
e. Desenhe o campo elétrico de uma carga puntiforme q localizada em frente de um plano
metálico. Qual é a carga induzida? Qual é o valor da força sobre a carga q?

2.8.4.6 Ex: Energia eletrostática


Qual é a energia eletrostática de
a. quatro cargas Q iguais localizadas nas esquinas de um tetraedro com o comprimento de cantos
d?
b. uma esfera dielétrica com raio R homogeneamente carregada com a carga Q? Para isso,
calcule o campo elétrico no interior e exterior da esfera usando a lei de Gauß.

2.8.4.7 Ex: Energia eletrostática


a. Oito cargas puntiformes q são colocadas nos cantos de um cubo com o comprimento da aresta
l. Calcule a energia eletrostática desta configuração.
b. Um balão com raio R seja carregado homogeneamente co a carga Q. Qual é o valor da
energia eletrostática? Qual é a força necessária para inflar o balão ainda mais, desprezando a
força elástica do balão?

2.8.4.8 Ex: Separação de cargas


Duas esferas neutras condutoras estão em contato e estão presas em bastões isolantes sobre uma
grande mesa de madeira. Um bastão carregado positivamente é aproximado da superfı́cie de
uma das esferas no lado oposto ao ponto de contato com a outra esfera.
a. Descreva as cargas induzidas nas duas esferas condutoras e represente a distribuição de de
cargas em ambas.
b. As duas esferas são separadas e, então, o bastão carregado é afastado. A seguir, as esferas
são afastadas por uma grande distância. Represente as distribuições da carga nas esferas depois
de separadas.

2.8.5 Tratamento de condições de contorno e o teorema da unicidade


2.8.5.1 Ex: Carga imagem
Um fio fino e longo fica suspenso ao longo da direção y numa distância z = d paralelo à uma
placa metálica aterrada. A placa seja infinitamente estendida no plano (x, y). A superfı́cie da
2.8. EXERCÍCIOS 87

placa orientada ao lado do fio seja em z = 0. Na superfı́cie do fio tem a carga Q/l por unidade
de comprimento.
a. Faz um esquema do campo elétrico no semi-espaço z > 0. Ajuda: Use o principio da carga
imagem!
b. Calcule o perfil do campo elétrico em proximidade da superfı́cie da placa.
c. Qual é a densidade superficial de cargas σ(x, y) na superfı́cie da placa.
d. Qual é a carga induzida na placa por unidade de comprimento na direção y?
Comentário: Um problema similar acontece para condutores em circuitos imprimidos. A placa
metálica corresponde ao revestimento de cobre parte traseira do circuito.

2.8.5.2 Ex: Carga imagem


Considere o esquema, ilustrado na figura, de uma carga puntiforme (+q) em frente de um canto
de uma parede aterrada.
a. Determine a posição e o valor das cargas imagens.
b. Calcule o potencial eletrostático Φ(r) no quadrante superior direito.

2.8.5.3 Ex: Carga imagem


Dentro de uma esfera oca metálica aterrada com o raio interior a seja uma carga +Q na posição
r1 = (0, 0, z1 ). Determine a carga Q0 e a posição r2 de uma carga imagem com a qual é possı́vel
descrever o potencial Φ(r) da distribuição de carga original somente usando o sistema consistindo
da carga e da carga imagem. Determine Φ(r).
Ajuda: A posição r2 e a carga Q0 não são inequivocamente determinados. Escolhe r1 = (0, 0, z1 )
e z2 /a = a/z1 .
z
q'

q
z2
z1
x

2.8.5.4 Ex: Carga imagem


Uma superfı́cie condutora no plano (x, y) tem uma protuberância em forma de uma semi-esfera
com raio R. O centro da esfera fica no plano e na origem das coordenadas. Sobre o eixo de
88 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

simetria êz numa distância d > R à partir do plano tem uma carga puntiforme Q. Determine
com o método da carga imagem o potencial Φ(r) e a força F sobre a carga Q.
a. Para fazer com que a superfı́cie da semiesfera fica uma superfı́cie equipotencial (Φ ≡ 0)
precisamos de uma carga espelho Q1 sobre o eixo z numa distância z1 à partir da origem.
Determine Q1 e z1 .
b. Para o plano (x, y) virar uma superfı́cie equipotencial também, precisamos de mais duas
cargas imagem Q2 e Q3 . Determine o valor e a posição destas cargas.
c. Com os valores e as posições das cargas determine: O potencial eletrostático Φ(r) para um
ponto arbitrário r acima da superfı́cie condutora, a força F sobre a carga Q e a sua direção
(repulsiva ou atrativa).

d +q

2.8.5.5 Ex: Carga imagem


Considere uma esfera condutora oca com raio R cujo centro fica na origem. Na posição com o
vetor a (|a| > R) seja uma carga puntiforme q.
a. A esfera seja aterrada (isto é, Φ = 0 na borda da esfera oca). Calcule o potencial fora da
esfera usando o método da carga imagem.
b. Calcule a carga induzida na superfı́cie da esfera.
c. O que muda quando a esfera não é aterrada, mas neutra?

2.8.5.6 Ex: Carga puntiforme em frente de um condutor


Considere uma carga puntiforme Q localizada numa distância d em frente de um plano condutor
infinitamente estendido.
a. Encontre a parametrização %(r) da distribuição de carga de volume para a carga e sua imagem.
b. Calcule o potencial a partir da distribuição %(r).
c. Calcule o campo elétrico a partir da distribuição %(r).
d. Calcule a distribuição de carga superficial σ(ρ) induzida no condutor usando a lei de Gauss.
e. Calcule o potencial Φ(z) ao longo do eixo z a partir da lei de Coulomb usando a distribuição
de carga superficial σ(ρ).
f. Compare o resultado obtido em (e) com o potencial produzido pela carga imagem calculado
em (b). q
R u2 +b2
Ajuda: √ 21 2 3 √u21+b2 udu = a2 −b 1
2 u2 +a2
u +a

2.8.5.7 Ex: Condições de contorno de Dirichlet pelo método de Green


Aqui queremos analisar o problema do potencial no semi-espaço definido por z ≥ 0 com condições
de contorno de Dirichlet no plano z = 0 e no infinito.
a. Determine a função de Green correspondente.
b. O potencial teja no plano z = 0 dentro de um cı́rculo do raio a o valor fixo Φ0 . Fora deste
2.8. EXERCÍCIOS 89

cı́rculo e no mesmo plano o potencial seja Φ = 0. Derive a expressão integral para o potencial
num ponto no semi-espaço superior com as coordenadas cilı́ndricas (ρ, φ, z).
c. Mostre agora que o potencial ao longo de um eixo
√ atravessando perpendicularmente o centro
do plano do cı́rculo é dado por Φ(z) = Φ0 (1 − z/ a2 + z 2 ).

2.8.5.8 Ex: Placas condutoras com cargas espelhos pelo método de Green
Sejam dadas das placas planas condutoras (infinitamente estendidas) com a distância mútua L.
Exatamente no meio entre as placas fica uma carga puntiforme +q. Use o método de uma série
infinita de imagens espelhos para calcular o potencial entre as placas e a força sobre uma placa.

2.8.5.9 Ex: Esfera oca pelo método de Green


Consideramos uma esfera oca condutora (com a camada infinitamente fina) com o raio a. Em
coordenadas esféricas o potencial na superfı́cie da esfera seja dado por Φ(a, θ, φ) = Φ0 cos θ.
a. Calcule utilizando a função de Green para a esfera, o potencial e o campo no interior da esfera
sobre o eixo z.
b. Mostre que Φ(r, θ, φ) = Φ0 (r/a) cos θ é a solução para o interior da esfera e vale E(r) =
−(Φ0 /a)êz .

2.8.5.10 Ex: Inambiguidade da solução do problema de contorno


Mostre que com a condição
de contorno de Dirichlet Φ(r) = Φ0 (r)|∈∂V ou a condição de contorno
∂Φ
de von Neumann ∂n ∂V = − εσ0 dentro da região do volume V o potencial Φ é inambiguamente
determinado pela equação de Poisson ∆Φ = − ε10 ρ(r) e uma constante.

2.8.6 Solução da equação de Laplace em situações de alta simetria


2.8.6.1 Ex: Separação de variáveis
Calcule o potencial dentro de um guia de onda retangular infinito na direção z resolvendo a
equação de Laplace usando o método de separação das variáveis.
90 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

2.8.6.2 Ex: Campo de uma esfera com buraco

Na superfı́cie de uma esfera oca de raio R, da qual foi cortado no polo norte uma tampa
definida pelo ângulo de abertura θ = α, fica uma densidade de carga superficial homogeneamente
distribuı́da Q/4πR2 .
a. Mostre que o potencial no interior do volume da esfera pode ser escrito na forma,


QX 1 r`
Φ(r, θ, φ) = [P`+1 (cos α) − P`−1 (cos α)] `+1 P` (cos θ)
2 2` + 1 R
`=0

onde devemos para ` = 0 colocar P`−1 (cos α) = −1. Qual é a forma do potencial no exterior da
esfera oca?
b. Determine o valor absoluto e a direção do campo elétrico na origem.
c. Qual potencial obtemos para α → 0?
Ajuda: Use a seguinte relação para a densidade de carga de superfı́cie:
 
σ ∂Φ> ∂Φ<
− = − ,
ε0 ∂r ∂r r=R

onde os ı́ndices < resp. > mostram para as regiões no interior resp. no exterior da esfera. Para
a integração a seguinte relação de recursão é útil,
 
1 dP`+1 (x) dP`−1 (x)
Pl (x) = −
2` + 1 dx dx

que vale para ` > 0.

2.8.7 Expansão multipolar


2.8.7.1 Ex: Multipolos

Uma carga puntiforme de tamanho +2Q fica no lugar (0, 0, a), uma outra de tamanho +1Q no
lugar (0, 0, −a). Calcule a. a contribuição monopolar, b. dipolar e c. quadrupolar da expansão
multipolar.

2.8.7.2 Ex: Momento di- e quadrupolar de distribuições de cargas esféricas

Distribuições de cargas esfericamente simétricas têm momento dipolar ou quadrupolar? Justifi-


que!

2.8.7.3 Ex: Dipolo elétrico

Um dipolo elétrico consiste de duas cargas do valor q = 1.5 nC distante de d = 6 µm.


a. Qual é o momento dipolar?
b. Calcule o potencial do dipolo ao longo do eixo de simetria êz e no plano x-y.
c. O dipolo fica num campo elétrico de força 1100 N/C. Qual é a diferença das energias potenciais
comparando as orientações paralela e antiparalela do dipolo?
2.8. EXERCÍCIOS 91

2.8.7.4 Ex: Dipolo elétrico


Um dipolo elétrico com o momento d fica no lugar r. Na origem das coordenadas tem uma
carga puntiforme e.
a. Calcule a energia potencial do dipolo.
b. Calcule a força agindo sobre o dipolo.
c. Calcule a força agindo sobre a carga. Vale o axioma de Newton da mecânica: ”actio =
reactio”?

2.8.7.5 Ex: Dipolo elétrico num campo


Qual é a força agindo sobre um dipolo elétrico p = ed·êr no ponto r alinhado ao longo das linhas
de campo de um campo externo produzido por esfera com raio R homogeneamente carregada
com uma carga Q?
e
-e
Q
r d

2.8.7.6 Ex: Dipolo elétrico num campo


Considere uma molécula que consiste de duas massas rigidamente interligadas m1 = m2 =
10−25 kg com uma distância de a = 10−12 m e com as cargas +e resp. −e.
a. Calcule o momento dipolar elétrico d = d · êx desta distribuição de cargas.
b. Agora a molécula seja colocada em rotação por um campo elétrico homogêneo E = êz ·
100 V/m. Calcule a velocidade de rotação da molécula como função do ângulo entre o momento
dipolar e o campo elétrico.
Ajuda: A soma das energias cinéticas e eletrostáticas é conservada durante a rotação.

2.8.7.7 Ex: Campo dipolar em duas dimensões


Considere dois condutores paralelos infinitamente longos com distância d tendo a densidade
linear de cargas +λ resp. −λ (carga ±Q por comprimento de condutor l). Usando o teorema de
Gauß calcule primeiro o campo elétrico e o potencial elétrico de um condutor. Então calcule o
potencial de ambos os condutores por superposição dos potenciais individuais como função da
distância r e do ângulo α (vide figura). Nota: Escolhe como volume de integração um cilindro
com o comprimento l e o raio r ao longo do eixo de simetria em torno do fio. Determine o
comportamento assintótico para r  d/2 e para r  d/2. Para fazer isso, faz uma expansão
1+
de Taylor da expressão usando: ln 1− ≈ −2 + O(3 ). Escreve o resultado como função do
momento dipolar p, onde p = |p| = λd é positivo e indica a direção do vetor do momento
dipolar mostrando do condutor positivo até o negativo.
92 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

2.8.7.8 Ex: Campos dipolares e quadrupolares

Seja dado um sistema de três cargas puntiformes alinhadas ao eixo z: nas posições z = ±a temos
cargas do valor +Q, na posição z = 0 a carga −2Q.
a. Determine a distribuição de carga em termos da função δ em coordenadas cartesianas.
b. Calcule o potencial eletrostático Φ(r) desta distribuição de cargas e aproxime para grandes
1
distâncias |r|  a. (Ajuda: Escreve os denominadores que aparecem como |r±a| 1
= 1r √1+x com
2
x ≡ a ±2a·r
r2
e expande até segunda ordem em a.)
c. Calcule o momento monopolar e as componentes cartesianas do momento dipolar e do tensor
quadrupolar.
d. Calcule os potenciais monopolar, dipolar e quadrupolar e mostre, que o resultado coincide
com a expansão (b).
e. Agora gira o sistema de coordenadas em torno do eixo x com um ângulo de 45◦ . Quais são
os novos valores para os momentos multipolares? (Ajuda: O tensor quadrupolar se transforma
com a matriz de rotação λ como qil0 = λil qlm λ†mj ).

2.8.7.9 Ex: Multipolos

Sejam dadas as duas distribuições de cargas mostradas no gráfico.


a. Calcule para os dois casos primeiro o potencial elétrico Φ na distância r = 2a, r = 10a e
r = 100a para respetivamente os ângulos α = 0◦ , α = 45◦ e α = 90◦ .
b. Os resultados devem agora ser comparados com aqueles da expansão quadrupolar. Quais são
os momentos monopolar, dipolar e quadrupolar nestas duas geometrias? Calcule a contribuições
monopolar, dipolar e quadrupolar do potencial elétrico nas mesmas posições como acima. Com-
pare estes valores com aqueles calculados exatamente e identifique as contribuições dominantes.

y
Dipol
r
r

+q a -q
-a +a r x

y
Quadrupol
r
r
+a +q
-q a -q
-a +a r x
-a
+q

2.8.7.10 Ex: Multipolos

Quatro cargas puntiformes +e ficam nas coordenadas cartesianas (x, y, z) = (0, d, 0), (0, −d, 0), (0, 0, d), (0, 0, −d)
e quatro outras cargas −e nos pontos (−d, 0, 0), (− d2 , 0, 0), (d, 0, 0). Calcule o momento mono-
polar e as componentes cartesianas do momento dipolar e quadrupolar desta distribuição de
cargas.
2.8. EXERCÍCIOS 93

2.8.7.11 Ex: Momentos multipolares de uma distribuição de carga


Uma esfera oca ideal com R0 tem a densidade superficial de carga σ(r, θ, φ) = σ0 cos θ com
σ0 =constante. Calcule:
a. Os momentos multipolares desta distribuição de carga.
b. O potencial eletrostático fora da esfera.

2.8.7.12 Ex: Momento multipolar de um núcleo atômico


Um modelo simples de um núcleo atômico deformado é um corpo homogeneamente carregado
com a carga total Ze e a superfı́cie R(θ) = R0 (a(β) + βY20 (θ)) (quadrupolôido). Supomos agora,
que o valor absoluto do parâmetro de deformação β seja muti pequeno à respeito de 1. Para o
raio médio vale R0 = 1.2 A1/3 [fm], onde A é o número dos núcleons presentes.
a. Visualize a forma do núcleo.
b. Determine a(β) até termos quadráticos em β à partir do requerimento, que o volume do
núcleo seja sempre V = 4πR03 /3.
c. Calcule os momentos multipolares Qlm até o momento octupolar e até os termos lineares em
β. Existem momentos multipolares que zeram exatamente?
d. Calcule o potencial eletrostático tambm até termos lineares em β.
Hausaufgabe 4 (Dipol-Dipol Wechselwirkung)
2.8.7.13 Ex: Interação dipolo-dipolo
a. Considere1.um dipoloSei
Gegeben elétrico com momento
ein elektrischer Dipol mit dipolar d. Mostre que
dem Dipolmoment ~ Zeigen
d. o campo
Sie, elétrico
dass das do dipolo
é dado por: elektrische Feld des Dipols gegeben ist durch :
1 d −~ 3êr (êr~ · d)
E(r =~rêr ) = − 1 d − 3ê3r (dêr )) .
E(~r = rêr ) = −0
4πε rr3 . (10)
4πǫ 0
Pode utilizar a expressão para o potencial de um dipolo.
Hierzu dürfen Sie den Ausdruck für das Potenzial eines Dipols verwenden.
b. Use este resultado para calcular a energia de interação U12 de dois dipolos iguais localizados
2. Nützen
numa distância Sie dieses
reciproca d paraErgebnis, um die Wechselwirkungsenergie
as configurações U12 zweier gleicher
dos dipolos esquematizadas.
Dipole, die sich im Abstand d voneinander befinden, für folgende
Ajuda: Para calcular a energia de interação U12 (a) entre os dois dipolos Anordnung der
consideramos a
Dipole zu berechnen: Hinweis: Um die Wechselwirkungsenergie U12 (~a) zwischen

d1 d2 d1 d2
d1 a d2 d1 a d2
a a
(i) (ii) (iii) (iv)

den beiden
energia do dipolo Dipolen elétrico
1 no campo zu berechnen, betrachten
do dipolo wir die vale:
2. Então EnergieUdes(a)Dipols
= −d1 imEelek-
12 1 2 . Em quais
trischen Feld des Dipols 2. Dann gilt: U12 (~a) = −d~1 E ~ 2 . In welchen Anordnungen
configurações os dipolos se atraem, em quais se repelem?
ziehen sich die Dipole an, in welchen stossen sie sich ab?
c. Uma área de pesquisa atual trata de moléculas dipolares frias, por exemplo, moléculas de
RbLi tendo 3.um Einmomento
aktuelles Forschungsgebiet
elétrico dipolarbeschäftigt
permanentesich mit
de kalten
dRbLi dipolaren Molekülen.
= 4.3 Debye. In deve ser
Qual
Tübingen wird z.B. an kalten RbLi-Molekülen
−3 geforscht, welche ein
a densidade dos átomos n, onde n = a , para obter uma interação dipolar U0 pelo menos permanentes
elektrisches Dipolmoment von dRbLi = 4.3 Debye besitzen. Wie groß muss die Dichte
tão grande como a energia térmica das moléculas? Moléculas ultrafrias tipicamente têm uma
der Atome n sein,−6wobei n = a−3 gilt, damit die Dipolwechselwirkung U0 mindestens
temperatura em so groß istdewie
torno 10die thermische
K. Energie der Moleküle. Ultrakalte Moleküle besitzen
typischerweise eine Temperatur von 10−6 K.
2.8.7.14 Lösung
Ex: Efeito fotoelétrico
Das Potenzial eines Dipols lautet
Durante o processo descrito pelo efeito fotoelétrico, luz ultravioleta pode ser usada para carregar
eletricamente um pedaço de metal. 1 d~~r
Φ(~r) = .
a. Se esta luz incide em uma barra de material 4πǫcondutor
0 r
3 e elétrons são ejetados(11)
com energia
suficiente para escapar da superfı́cie do metal, quanto tempo depois o metal terá uma carga
~ = −∇Φ
Das elektrische Feld ist gegeben durch E ~ Mit Ableiten ergibt sich:
" #
~ −1 (dx , dy , dz ) 3 d~ · ~r
−∇Φ = − (2x, 2y, 2z) = (12)
4πǫ0 r3 2 r5
" # " #
−1 d~ ~r
d~ −1 d~ ~êr
= − 3 5 ~r = − 3 3 êr = (13)
4πǫ0 r 3 r 4πǫ0 r 3 r
−1 d~ − 3(d~ · êr ) · êr
= (14)
4πǫ0 r3
94 CAPÍTULO 2. ELETROSTÁTICA

resultante de de +1.5 nC se 1.0 · 106 elétrons são ejetados por segundo?


b. Se 1.3 eV é necessário para ejetar um elétron da superfı́cie, qual é a potência do feixe de luz?
(Considere que o processo seja 100% eficiente.)

2.8.7.15 Ex: Polônio e uso da função de Green


O metal radioativo Polônio (Po), descoberto por Marie e Pierre Curie em 1898, cristaliza em
uma rede cúbica simples (cada átomo tem seis vizinhos de maneira regular). O núcleo contem
84 prótons e o diâmetro do átomo é aproximadamente 3 · 10−8 cm. Calcule a distribuição do
potencial no interior de uma célula primitiva de um cristal de Po atravessada por uma corrente
constante. Supõe o seguinte modelo para o cristal: Os núcleos atômicos (raio ∼ 9 · 10−13 cm)
ficam nas posições x0λµν = (λa + a/2, µa + a/2, νa + a/2) para λ, µν = 0, ±1, ±2, ..., e serão
tratados como cargas puntiformes. A camada eletrônica de um átomo de Po seja representada
por cargas induzidas num cubo condutor aterrado com o comprimento dosa cantos a, no meio
do qual fica o núcleo positivamente carregado e induzindo estas cargas. Prossegue da maneira
seguinte:
a. Comece para mostrar, que

X 0 mπy 0
mπy 0
G(r, r0 ) = 32
πa
1
l2 +m2 +n2
sin lπx lπx nπz nπz
a sin a sin a sin a sin a sin a ,
l,m,n=1

é a função de Green para o problema de contorno de Dirichlet de um cubo com o comprimento


das bordas a.
b. Calcule o potencial no átomo na posição (a/2, a/2, a/2), onde supomos para o interior do cubo
uma densidade de carga da forma ρ(x0 , y 0 , z 0 ) = qδ(x0 −a/2)δ(y 0 −a/2)δ(z 0 −a/2) e que o potencial
nas seis superfı́cies do cubo adota os seguintes valores: Φ(r0 ) = 0 na superfı́cie x0 = 0, Φ(r0 ) = V0
na superfı́cie x0 = a e Φ(r0 ) = V0 x0 /a nas outras 4 superfı́cies y 0 = 0, y 0 = a, z 0 = 0, z 0 = a.
c. Reformule o termo descrevendo a contribuição da superfı́cie para o potencial usando, que para
0 < x < π vale: 1 = (4/π)(sin x + (1/3) sin 3x + (1/5) sin 5x + ...) e x = 2(sin x − (1/2) sin 2x +
(1/3) sin 3x − (1/4) sin 4x + ...).

2.8.7.16 Ex: Potencial eletrostático de uma esfera oca com função de Green
Na superfı́cie de uma esfera oca com raio b sem cargas tem o determinado potencial V (θ, φ) =
V0 [P2 (cos θ) + αP3 (cos θ)]. Calcule o potencial eletrostático Φ(r) no interior da esfera.
Ajuda: A função de Green para o espaço interior entre duas esferas concêntricas com raios a e
b (a < b) é,
 " #" # +l
X∞
4π  a 2l+1  a2l+1 1 l
r> X
0 ∗
G(r, r ) = 1− l
r< − l+1 l+1
− 2l+1 Ylm (Ω)Ylm (Ω0 ) .
2l + 1 b r< r> b
l=0 m=−l
p
onde r< ≡ min(|r|, |r0 |) e r> ≡ max(|r|, |r0 |). Além disso sabemos, Yl0 (θ, φ) = (2l + 1)/4πPl (cos θ).
Capı́tulo 3

Propriedades elétricas da matéria


Existem vários tipos de materiais, como sólidos, lı́quidos, gases, metais, madeiras ou vidros,
quer todos respondem diferentemente à campos elétricos aplicados. No entanto, a maioria
dos materiais podem, pelo menos aproximadamente ser classificados em duas categorias: Num
material chamado de dielétrico (ou isolador) os elétrons são fortemente ligados aos átomos. Num
metal os elétrons são livres. Fora disso tem os semicondutores com propriedades particulares.
Sob a influência de forças elétricas (ou magnéticas) os elétrons podem ser deslocados dentro
de um corpo macroscópico, assim produzindo uma polarização, quando os elétrons são ligados,
ou uma corrente, quando os elétrons são livres.

3.1 Polarização de dielétricos


Consideramos primeiramente dielétricos. Os blocos elementares (moléculas) de materiais dielétricos
podem reagir de várias maneiras à campos elétricos aplicados: Eles podem ser insensı́veis a
campos elétricos ou se comportar como dipolos permanentes. Os dipolos permanentes existem
independentemente da aplicação de um campo exterior, mas geralmente (sem campo exterior)
ficam com orientações aleatórias e desordenadas. Sob a influencia de um campo exterior os
dipolos tentam se reorientar, o que é chamado polarização de orientação.
Também é possı́vel que não possassem momento dipolar intrı́nseco, mas desenvolvem um
momento dipolar sob a ação de um campo exterior. Neste caso falamos de dipolos induzidos.
O dipolo induzido se forma pela presença de uma campo deslocando os centros de massa das
cargas positivas e negativas um a respeito do outro produzindo uma polarização de translação.

3.1.1 Energia de dipolos permanentes


Moléculas polares exibem momentos elétricos permanentes. Água é um exemplo ou o sal de mesa
Na+ Cl− . A razão é, que os halogêneos têm uma eletroafinidade bem maior que os alcalinos e
tentar roubar e monopolizar a nuvem eletrônica.
A energia potencial de um dipolo depende da sua orientação a respeito do campo elétrico.
Usando a parametrização %(r0 ) = Q[δ 3 (r0 − d2 ) − δ 3 (r0 + d2 )] achamos para a energia de interação
com um campo homogêneo dado por Φ(r0 ) = −E0 z 0 é,
Z
Hint = %(r0 )Φ(r0 )dV = −QE0 dz = −p · E . (3.1)

Assim 1 ,
Hint = −p · E . (3.2)
1
Podemos também calcular a energia de Rum dipoloRnum campo elétrico
Rθ pelo trabalho necessário para girar ele
a partir da sua posição de repouso, Hint = ~τ · dθ = p × Edθ = 0 pE sin θdθ = −pE cos θ.

95
96 CAPÍTULO 3. PROPRIEDADES ELÉTRICAS DA MATÉRIA

A energia é mı́nima quando p k E.


Para calcular a energia de interação entre dois dipolos p1 e p2 calculamos a energia do p1
dentro do campo criado pelo p2 e derivado no Exemplo 26,

1 3(êr · p2 )êr − p2 1 p1 · p2 − 3(p1 · êr )(p2 · êr )


Hint = −p1 · E2 = −p1 · 3
= . (3.3)
4πε0 r 4πε0 r3

3.1.1.1 Alinhamento de dipolos permanentes


Dentro de um campo homogêneo a força sobre um dipolo elétrico (neutro) p = Qd zera, pois
F = QE + (−Q)E = 0. No entanto, vai ter um torque, pois,

d −d
~τ = × QE + × (−Q)E = p × E . (3.4)
2 2
Isso significa, que uma molécula livre de se mover vai girar em torno do seu centro de massa,
como ilustrado na Fig. 3.1, até (em presencia de dissipação) encontrar a orientação com a menor
energia. Nesta orientação a molécula fica alinhada ao campo aplicado. Vide o Exc. 3.5.1.1.

Figura 3.1: Torque sobre um dipolo exercido por um campo elétrico.

Dentro de um campo não homogêneo as forças sobre as cargas ±Q não se compensam 2 ,


F = QE+ − QE− = Q(d · ∇)E. Assim,

F = (p · ∇)E . (3.5)

Colocado em frente de uma superfı́cie condutora um dipolo sente as forças exercidas pelas
cargas imagens. No Exc. 3.5.1.2 calculamos o torque exercido por uma superfı́cie condutora
sobre um dipolo.

3.1.2 Indução de dipolos em dielétricos


A priori, átomos e moléculas neutras não-polares não deveriam reagir a campos elétricos apli-
cados. No entanto, o fato que átomos são compostos por distribuições de cargas positivas (con-
centradas num núcleo pesado) e negativas (concentradas numa camada eletrônica leve), permite
um deslocamento mais ou menos importante destas distribuições de cargas a respeito do centro
de massa. Consequentemente, o campo elétrico polariza o átomo e induz um momento dipolar
elétrico aproximadamente proporcional ao campo,

p = αpol E , (3.6)

onde a constante αpol é chamada de polarizabilidade.


2
Notamos, que a força que uma campo exerce sobre um dipolo pode ser calculada como gradiente da energia
de interação: F = −∇Hint = ∇(p · E) = (p · ∇)E + (E · ∇)p + (p × ∇) × E + (E × ∇) × p = (p · ∇)E.
3.1. POLARIZAÇÃO DE DIELÉTRICOS 97

Exemplo 28 (Polarizabilidade de um átomo primitivo): Num modelo primitivo ima-


ginamos um átomo como um núcleo puntiforme com a carga +Q e uma esfera eletrônica
uniformemente carregada do raio a trazendo a carga inversa −Q. Na presença de um campo
externo E o núcleo será deslocado levemente por uma distância d/2 para um lado e a camada
eletrônica por uma distância −d/2 para o lado oposto. O átomo polarizado está em equilı́brio,
quando o campo criado pelo dipolo induzido Edp (calculado no Exc. 2.8.2.5) igualiza o campo
externo, isto é,
1 Qd
Edp = =E .
4π0 a3
Portanto,
αpol p
= = a3 ≈ 0.15 · 10−30 m3 ,
4π0 4π0 E
utilizando a = aB o raio de Bohr. Isto representa, apesar da simplicidade do modelo, uma
boa aproximação. Um modelo um pouco melhor é discutido no Exc. 3.5.1.3.

Os valores da polarizabilidade atômica variam de αpol /4π0 = 0.205 · 10−30 m3 para hélio e
59.6 · 10−30 m3 para césio. Isso mostra, que é bem mais difı́cil polarizar átomos com camadas
eletrônicas fechadas (como os gases nobres) do que átomos com elétrons de valência isolados
(como os alcalinos). Moléculas podem reagir de maneira mais complicada à campos aplicados
necessitando uma interpretação da polarizabilidade αpol como tensor representado por uma
matriz.

3.1.2.1 Energia de dipolos induzidos


Calculamos agora a energia de uma molécula polarizável dentro de um campo elétrico externo.
Esperamos duas contribuições: A primeira é a energia Wind armazenada no campo criado pela
separação das cargas sob ação do campo externo. A segunda é a energia Hint de interação do
dipolo induzido com o campo externo.
Wind se calcula pelo trabalho gastado separar as cargas. Seja e a carga de valência ligada à
molécula. A força entre está carga e a molécula é descrita, em primeira aproximação, por um
oscilador harmônico com a constante de mola k. Dentro do campo elétrico, a carga sente a força
eE, mas no mesmo tempo a força da ”mola molecular” indo no sentido oposto. Em equilı́brio,

−kd + eE = 0 . (3.7)

Para induzir este dipolo, o campo elétrico precisa fazer o trabalho,

Wind = 21 kd2 = 21 eEd . (3.8)

Definindo o dipolo induzido como pind ≡ Zed, obtemos:

Wind = 12 pi · E . (3.9)

Como a energia de um dipolo num campo elétrico externo é, Hint = −pi · E, para o dipolo
induzido obtemos a energia total,

Htot = Hint + Wind = − 12 pi · E . (3.10)

O valor da energia é menor do que no caso de um dipolo permanente (3.5), pois uma parte
energia é gastada em trabalho necessário para criar o dipolo no primeiro lugar. Exprimindo o
momento dipolar pela polarizabilidade (3.6),
αpol 2
Htot = − E . (3.11)
2
98 CAPÍTULO 3. PROPRIEDADES ELÉTRICAS DA MATÉRIA

3.1.3 Polarização macroscópica


Com isso podemos agora descrever, o que acontece com um material dielétrico colocado num
campo elétrico: Se a substância consiste de átomos neutros (ou moléculas não-polares), o campo
induzirá em cada partı́cula um pequeno momento dipolar mostrando em direção do campo. Se
a substância consiste de moléculas polares, cada dipolo permanente tentará de orientar ao longo
do campo 3 .
Note, que estes dois mecanismos produzem o mesmo resultado: uma multitude de pequenos
dipolos alinhados ao longo do campo aplicado. A soma dos momentos microscópicas dá origem
à uma polarização macroscópica definida pela soma sobre todos os momentos dipolares,

Np
P= . (3.12)
V
Na realidade, os dois tipos de polarização não sempre são bem separados, e existem casos
onde ambos contribuem. Não obstante, em geral é bem mais fácil girar uma molécula (energia
rotacional) do que estender ela (energia vibracional). Em alguns materiais (ferroelétricos) é
possı́vel gelar a polarização.

3.1.4 Campo eletrostático num meio polarizado ou dielétrico


Nesta seção vamos descrever o campo elétrico dentro de um meio polarizado esquecendo a causa
fı́sica da polarização P. O campo produzido pela polarização (não o campo externo) pode ser
calculado pela soma dos campos produzidos pelos dipolos individuais,
Z
1 X pk · (r − rk ) 1 0 0
0 P(r ) · (r − r )
Φ(r) = −→ dV , (3.13)
4π0 |r − rk |3 4π0 V |r − r0 |3
k

introduzindo a distribuição de momento dipolar P(r0 ) por pk → PdV 0 . Podemos reescrever a


integral na forma,
Z Z Z 
1 0 0 1 0 1 0 P(r0 ) 0 1 0 0 0
Φ(r) = P(r ) · ∇ dV = ∇ · dV − ∇ P(r )dV
4π0 V |r − r0 | 4π0 V |r − r0 | 0
V |r − r |
I Z
1 P(r0 ) 0 1 1
= dS − ∇0 · P(r0 )dV 0 . (3.14)
4π0 ∂V |r − r0 | 4π0 V |r − r0 |

Definindo,
σ b ≡ P · nS e %b ≡ −∇ · P , (3.15)
obtemos I Z
1 σb 1 %b
Φ(r) = 0
dS 0 − dV 0 . (3.16)
4π0 ∂V |r − r | 4π0 V |r − r0 |
O significativo deste resultado é, que o potencial (e portanto a campo também) de um objeto
polarizado é o mesmo como aquele produzido por uma distribuição de volume %b mais uma
distribuição superficial de carga σb . O ı́ndice b indica o fato que consideramos aqui ”bound
charges”(isto é, cargas localizadas). Em vez de integrar as contribuições de todos os dipolos
infinitesimais individuais, como na Eq. (3.13), podemos tentar encontrar estas cargas ligadas, e
depois calcular os campos que elas produzem como já fizemos no capitulo anterior.
3
Note, que movimento térmico, particularmente em temperaturas altas, compete com este processo, tal que o
alinhamento nunca é perfeito.
3.1. POLARIZAÇÃO DE DIELÉTRICOS 99

Figura 3.2: Polarization distorsion.

Exemplo 29 (Teoria microscópica de dipolos induzidos): Como exemplo calculamos o


campo elétrico produzido por uma polarização homogênea dentro de uma esfera. Enquanto
a carga de volume é zero (senão P não poderia ser uniforme), a carga superficial é σb =
P · nS = P cos θ. Esta distribuição de carga gera um potencial que, aplicando o resultado
derivado no Exemplo 23, podemos escrever,
(
P 1 p·r
r cos θ = 4π 3 para r ≤ R
Φ(r, θ) = 3ε 0
P R 3
0 R
1 p·r
,
3ε0 r 2 cos θ = 4π0 r 3 para r ≥ R

4π 3
com p = 3 R P.O potencial produz um campo, que fica uniforme dentro da esfera,
(
− P êz ∂Φ = − 3ε P
para r ≤ R
E = −∇Φ = P3εR0 3 ∂z 0
1 3(êr ·p)êr −p
.
3ε0 r 2 cos θ = 4π0 r3 para r ≥ R

A interpretação fı́sica da carga de superfı́cie produzida por uma polarização uniforme é sim-
plesmente um deslocamento de todos os elétrons do corpo a respeito dos núcleos positivamente
carregados. Como os elétrons permanecem ligados aos núcleos, a carga de volume dentro per-
manece neutra. No entanto, nas bordas do corpo acumula-se carga negativa de um lado e carga
positiva do outro.

3.1.5 Deslocamento elétrico


Na seção anterior achamos, que o efeito da polarização pode ser entendido como sendo produzido
por uma carga de volume %b = −∇ · P dentro do dielétrico e uma carga na superfı́cie do corpo
σb = P · nS . No entanto, muitos materiais têm caracterı́sticas dielétricas e no mesmo tempo
caraterı́sticas condutores, que não resultam de uma polarização e que tomamos em conta por
uma distribuição de cargas livres, %f , o ı́ndice f indicando ”free charges”.

3.1.5.1 A lei de Gauß em meios dielétricos


A lei de Gauß em meios arbitrários agora se generaliza,

0 ∇ · E = % = %b + %f = −∇ · P + %f , (3.17)

onde E agora é o campo elétrico total. Definindo o deslocamento elétrico,

D ≡ 0 E + P , (3.18)

podemos agora escrever,


∇ · D = %f . (3.19)
100 CAPÍTULO 3. PROPRIEDADES ELÉTRICAS DA MATÉRIA

O deslocamento elétrico é aquela parte que só vem de cargas livres (isto é, úteis para trans-
porte de corrente). Também podemos definir a susceptibilidade elétrica χε via

P = ε0 χ ε E , (3.20)

ou a permitividade ε via
D = εE = ε0 (1 + χε )E . (3.21)
Note, que a rotação da polarização não necessariamente zera, pois a susceptibilidade pode
depender da posição, χε = χε (r),

∇ × D = ε0 (∇ × E) + ∇ × P = ∇ × (ε0 χ E) 6= 0 . (3.22)

Por isso, D geralmente não pode ser derivado de um potencial, e a lei de Coulomb não vale para
D. Em materiais anisotrópicos a susceptibilidade e a permitividade devem ser entendidas como
tensores.

3.1.5.2 Condições de contorno envolvendo dielétricos


H
A lei de Gauß D · dS = Qf permite determinar o comportamento do deslocamento elétrico
perto de interfaces,
⊥ ⊥
Dcima − Dbaixo = σf . (3.23)
Do outro lado, a lei de Stokes ∇ × D = ε0 ∇ × E + ∇ × P = ∇ × P dá,
k k k k
Dcima − Dbaixo = Pcima − Pbaixo . (3.24)

Isto é em contraste com o comportamento do campo elétrico em interfaces (2.37) e (2.39).

3.1.6 Susceptibilidade elétrica e permitividade


3.1.6.1 Dielétricos lineares
Para muitos materiais, quando o campo elétrico aplicado não é forte demais, a polarização é
proporcional ao campo, P ∝ E, isto é, a susceptibilidade elétrica depende das propriedades
microscópicas do material e de fatores externos como a temperatura, mas não do campo, χε 6=
χε (E). Assim, meios lineares podem ser caracterizados por uma constante,
ε
εr ≡ , (3.25)
ε0
chamada de permitividade relativa.

Exemplo 30 (Teoria microscópica de dipolos induzidos): Sabemos que um campo


elétrico externo Eext aplicado a um meio puramente dielétrico linear gera uma polarização
macroscópica proporcional ao campo,

P = χε ε0 Eext .

Do outro lado, se o material consiste de átomos (ou moléculas não-polares), o momento


dipolar microscópico induzido em cada átomo é proporcional ao campo local,

pind = αpol Eloc .

Aqui Eloc é o campo total devido ao campo aplicado Eext e também o campo Eself gerado pela
polarização dos outros átomos que estão em volta. A pergunta agora é, qual é a relação entre
3.2. INFLUENÇA DE CARGAS E CAPACITÂNCIA 101

a polarizabilidade atômica αpol (caracterizando a amostra do ponto de vista microscópico)


e a susceptibilidade χe (caracterizando a amostra do ponto de vista macroscópico)?
Para começar consideramos densidades suficientemente baixas, que é uma boa aproximação
supor que o átomo não sente a polarização dos vizinhos, Eloc ' Eext . Já notamos na
Eq. (3.12), que a polarização é nada mais que a soma sobre todos os momentos dipolares in-
duzidos pelo campo elétrico local, tal que, comparando as duas últimas relações, um primeiro
chute seria de afirmar,
N αpol
χε = .
V ε0
Mas para gases densos, vai ter uma correção, e o campo local será uma superposição do campo
exterior e o campo gerado pelos dipolos circundantes, Eloc = Eext + Eself . Para estimar este
campo, imaginamos um único dipolo localizado dentro de uma esfera. A polarização do meio
circundante é modelizado por uma densidade de carga de superfı́cie do valor σb ≡ −P cos θ.
O campo elétrico produzido por esta distribuição de carga foi calculado no Exemplo 29:
Eself = P/3ε0 . Com isso calculamos,
P P P N αpol /ε0 V
χ = = = pind P
= .
ε0 Eext ε0 (Eloc − Eself ) ε0 ( αpol − 3ε0 )
1 − N αpol /3ε0 V

Esta equação é conhecida com formula de Clausius-Mossotti. A diferencia entre o denomina-


dor e 1, chamada de deslocamento de Lorentz-Lorenz, vem de deslocamentos de energia dos
átomos devido a interações dipolo-dipolo. Para baixas densidades reencontramos a relação
linear. Em termos da permitividade relativa também podemos escrever,
αpol 3V εr − 1
= .
ε0 N εr + 2

Figura 3.3: O campo local Eloc é a soma do campo externo Eext e do campo gerado pela
polarização Eself .

3.2 Influença de cargas e capacitância


Supomos agora que temos dois condutores separados, um carregando a carga +Q e o outro −Q.
Como o potencial de cada condutor é o mesmo em cada ponto do seu corpo, podemos especificar
uma diferencia de potencial, chamada de tensão, entre eles,
Z (+)
U ≡ Φ+ − Φ− = − E · dl , (3.26)
(−)

que não depende da distribuição das cargas através dos condutores. No entanto, sabemos da lei
de Coulomb, que o campo elétrico é proporcional a carga Q e pela equação de cima, também a
tensão. O fator de proporcionalidade é chamado de capacitância,
Q
C≡ . (3.27)
U
102 CAPÍTULO 3. PROPRIEDADES ELÉTRICAS DA MATÉRIA

3.2.1 Capacitores e armazenamento de energia elétrica


Um dispositivo capaz de armazenar cargas se chama capacitor.

Exemplo 31 (Capacitor de placas): A geometria mais simples para um capacitor são


duas placas condutoras (área S) paralelas com uma distancia d. A distribuição de carga
superficial σ = Q/S produz um campo E = σ/0 e uma diferencia de potencial U = Ed, tal
que,
S
C = ε0 . (3.28)
d

Para carregar um capacitor devemos levar elétrons do lado positivo para o lado negativo do
capacitor. Para um elétron, isso necessita um trabalho,
Z d
∆We = F · dr = ed|E| = eU .
0

Para uma pequena quantidade de carga dq,


Z Z Q
Q Q2 1
∆We = U dQ = dQ = = CU 2 .
0 C 2C 2
Faz os Exc. 3.5.2.1-3.5.2.10.

3.2.1.1 Capacitores com dielétricos


Na presença de um dielétrico a capacitância aumenta, C = εr Cvac . Assim, a energia também
aumenta por uma fator de εr .
Consideramos um capacitor com dielétrico linear carregado com a carga livre %f que gera
uma tensão U nos eletrodos. Queremos saber o trabalho para adicionar mais uma pequena carga
δ%f para o volume infinitesimal dV ,
Z
δW = U δ%f dV . (3.29)

Agora, com a Eq. (3.19) escrevemos %f = ∇ · D e δ%f = ∇ · δD, tal que,


Z Z Z Z
δW = U ∇ · δDdV = U δD · dS − δD · ∇U dV = δD · EdV . (3.30)
V ∂V V V

Para um dielétrico linear, D = εE, tal que, E · δD = Eε · δE = 21 δ(εE 2 ) = 21 δ(D · E), dando,
Z
δW = 21 δ(D · E)dV . (3.31)

Finalmente, para carregar o capacitor completamente,


Z Z Z
1
W = δW = 2 D · E = udV , (3.32)

com a densidade de energia,


1
u= E·D . (3.33)
2
Faz os Exc. 3.5.2.11-3.5.2.18.
3.3. CONDUÇÃO DE CORRENTE E RESISTÊNCIA 103

Exemplo 32 (Forças sobre dielétricos): Dielétricos em campos elétricos são sujeitos a


forças devido à polarização induzida ao meio. Consideramos o exemplo de um capacitor de
placas dentro do qual inserimos um dielétrico. No esquema mostrado na Fig. 3.4 o campo
elétrico atravesse homogeneamente o capacitor e também o corpo dielétrico, tal que as forças
deveriam desaparecer. Do outro lado, nas bordas o dielétrico distorce o campo, tal que forças
são possı́veis.
Contudo é mais fácil calcular a força pelo gradiente da energia potencial, F = −∇W . Se o
corpo dielétrico pode se mover em direção x, temos,
dW d Q2 d CU 2
F=− =− =− .
dx dx 2C dx 2
Usamos a primeira expressão, quando a carga no capacitor é mantida constante, e a segunda,
quando a tensão no capacitor é mantida constante. Inserindo gradualmente o dielétrico,
temos uma parte sem e outra com dielétrico:
x a−x
C = Cvac + Cvac εr .
a a
Mantendo a carga constante,
Q2 dC d Q2 Q2 −aχε
F= 2
= − x a−x = .
2C dx dx 2(Cvac a + Cvac εr a ) 2Cvac (a − xχε )2
Como a força é negativa, o dielétrico é puxado dentro do capacitor.
A situação é diferente, quando mantemos a tensão constante, por exemplo, conectando o
capacitor à uma bateria. Neste caso precisamos usar a segunda expressão. No entanto,
é necessário tomar em conta o trabalho U dQ que a bateria deve fazer para aumentar a
carga no capacitor afim de manter a tensão constante quando aumentamos a capacidade via
Cvac → C,
dW = −F dx + U dQ .
Assim,
dW dQ U 2 dC dC Q2 dC
F =− +U =− + U2 = ,
dx dx 2 dx dx 2C 2 dx
e obtemos o mesmo resultado como no caso em que mantemos a carga constante.

Figura 3.4: Força sobre o dielétrico entre as placas de um capacitor.

3.2.1.2 Circuitos de capacitores


−1
Para circuitos em paralelo Ctot = C1 + C2 , para circuitos em série Ctot = C1−1 + C2−1 . Faz os
Exc. 3.5.2.19-3.5.2.27.

3.3 Condução de corrente e resistência


Para carregar um capacitor precisamos transportar cargas até os seus eletrodos. Permitindo um
deslocamento de cargas fugimos, nesta seção, pela primeira vez dos premisses da eletrostática
e introduzimos o conceito da corrente como sendo devido à um movimento de cargas dentro de
um condutor. Por enquanto, não vamos levantar a pergunta como está corrente possa agir sobre
outras cargas ou correntes, este assunto sendo tratado no capı́tulo seguinte.
104 CAPÍTULO 3. PROPRIEDADES ELÉTRICAS DA MATÉRIA

3.3.1 Movimento de cargas em dielétricos e condutores


Na eletrostática a força eletromotriz acelerando uma carga Q é a força de Coulomb,
P Nk F = QE.
Interpretando a corrente como a soma dos movimentos vk de todas as cargas k V Qk dentro de
um volume V , introduzimos a densidade de corrente de maneira análoga à densidade de cargas,
XN Q
j(r) = V vk −→ %(r)vmed (r) , (3.34)
k k

onde a média é calculada sobre um pequeno volume. O fluxo de cargas dentro e fora do volume
satisfaz a equação de continuidade,

∇ · j + ∂t % = 0 . (3.35)

Para interpretar este equação consideramos um volume V e calculamos o fluxo de cargas através
da superfı́cie do volume,
I Z Z
I≡ jdS = ∇ · jdV = %̇dV = Q̇ . (3.36)
∂V V V

Isto é, as cargas passando através da superfı́cie devem se acumular dentro do volume. O fluxo
de cargas I se chama corrente.

3.3.2 A lei de Ohm, correntes estacionárias em meios contı́nuos


No caso de cargas livres dentro de um condutor, observamos empiricamente, que a força eletro-
motriz leve à uma corrente estacionária. Obviamente, esta corrente depende do campo elétrico,

j = j(E) , (3.37)

desprezando a força magnética, que geralmente é fraca. Além disso encontramos empiricamente,
que a corrente frequentemente é proporcional ao campo,

j = ςE . (3.38)

com a condutividade ς. Esta observação é chamada de lei de Ohm.


Dizemos anteriormente, que a E = 0 no interior de um condutor, mas isso erá válido para
situações eletrostáticas, j = 0. O que mais é, para condutores perfeitos, E = j/ς = 0 mesmo
quando tem corrente.

3.3.2.1 Visão microscópica da condução


A lei de Ohm pode parecer surpreendente, pois a corrente sendo o resultado de uma carga
acelerada por uma diferencia de potencial, o fluxo de carga (isto é, a corrente) deveria crescer
temporalmente a medida que a velocidade da carga aumenta. De fato, os elétrons acelerados
entram frequentemente em colisão com os átomos do condutor e são desacelerados pela força
eletromotriz F = me a ou redirecionados. Além disso, em temperatura finita, a velocidade
térmica dos elétrons é muito alta,
r
2kB T
vterm = ≈ 6700 m/s , (3.39)
3me
3.3. CONDUÇÃO DE CORRENTE E RESISTÊNCIA 105

de maneira que a velocidade média fica constante. O tempo entre duas colisões pode ser relaci-
onado ao caminho livre do elétron λ por,

λ
t= . (3.40)
vterm

Agora a velocidade média é,


Z t
1 at
vmed = v(t0 )dt0 = . (3.41)
t 0 2
Finalmente, com na moleculas por unidade de volume cada uma fornecendo N elétrons livres, a
densidade de corrente é,

t λ na N Q2 λ
j = na N Qvmed = na N q F = na N Q F= E. (3.42)
2me 2me vterm 2me vterm

Isto é, a condutividade pode ser estimada como,

na N Q2 λ
ς= . (3.43)
2me vterm

A resistividade é
1
ρ≡ . (3.44)
ς
Notamos, que a resistividade depende da temperatura, ρ ∝ T 1/2 .

Figura 3.5: Visão microscópica da corrente.

Exemplo 33 (Estimação da velocidade média dos elétrons): Baseado na Eq. (3.34)


queremos estimar a velocidade média de propagação dos elétrons num fio de cobre (raio
R = 1 mm) percorrido por uma corrente de I = 1 A. Com a densidade do cobre de ρm =
3
8920 kg/m , a sua massa atômica ma = 63.5u e N = 1 elétron de valência por átomo
estimamos,
I Iu
vmed = 2
= ' 8.5 cm/h .
na N eπR ma eπR2

3.3.2.2 Resistores e consumo de energia


Consideramos o condutor com a geometria mais comum: o fio metálico é um cilindro com área
transversal S e comprimento L. Aplicando um campo elétrico,

ςS
I = j · S = ςE · S = U , (3.45)
L
106 CAPÍTULO 3. PROPRIEDADES ELÉTRICAS DA MATÉRIA

Figura 3.6: Conceito da resistência.

onde R = l/ςA é chamado de resistência. Nesta forma a lei de Ohm adota a foram seguinte,

U = RI . (3.46)

Uma consequência das colisões frequentes dos elétrons com os átomo é o aquecimento do
condutor. A potência gastada numa resistência R é,

P = V I = RI 2 . (3.47)

3.3.2.3 Circuitos de resistores


−1
Para circuitos em paralelo Rtot = R1−1 + R2−1 , para circuitos em série Rtot = R1 + R2 .

3.4 O circuito elétrico


Dentro de um condutor (ideal) a diferencia de potencial zera em todo lugar ∆Φ = 0, indepen-
dentemente do seu comprimento ou da sua forma. Em situação estacionária, isto é, na presença
de campos elétricos estáticos, os elétrons livres se auto-organizem criando um desequilı́brio local
de carga de maneira a satisfazer esta condição. Quando a condição está satisfeita, o movimento
de carga ligado à sua reorganização espacial termina.
Para sustentar uma corrente estacionária precisamos reciclar os elétrons, isto é, desperdiçar
os elétrons acumulados no lado, onde o condutor fica num potencial mais positivo e criar no-
vos elétrons no lado, onde o condutor fica num potencial mais negativo. Em outras palavras,
precisamos fechar o circuito por um dispositivo de dreno-fonte de elétrons chamado de fonte de
tensão ou fonte de corrente dependendo das propriedades do dispositivo.
Além da fonte existe uma grande variedade de componentes eletrônicos capazes de manipular
o potencial ou a corrente em maneiras diferentes, como resistores, capacitores, indutâncias ou
transistores. Em um circuito, estes componentes são interligados por fios condutores supostos
ideais que carregam um dado potencial sem perdas de um componente até um outro.

3.4.1 As regras de Kirchhoff


Circuitos elétricos podem ser mais complicados e consistir de vários ramos. A regra das malhas,
X
Uk = 0 (3.48)
k

e a regra dos nós, X


Ik = 0 , (3.49)
k
regulam o comportamento do potencial e da corrente em qualquer circuito e servem para analise
das suas propriedades.
3.5. EXERCÍCIOS 107

Figura 3.7: Ilustração da lei das malhas e da lei dos nós de Kirchhoff.

Exemplo 34 (Circuito R-C em série): Além da fonte de tensão chegamos a conhecer


dois tipos de elementos podendo influenciar localmente a tensão ou a corrente: o capacitor
e o resistor. O circuito elétrico mais simples imaginável contendo estes dois componentes é
o circuito R-C ilustrado na figura. Este circuito pode ser tratado pelas leis de Kirchhoff,

U R

Figura 3.8: Ilustração de um circuito R-C.

0 = UF + UC + UR e IF = IC = IR . (3.50)

Como a corrente é a mesma em cada ponto do circuito, temos a equação diferencial,


Z t
Q
0 = UF + + RI = UF + 1
C Idt0 + RI , (3.51)
C 0

que pode ser resolvido rapidamente impondo a condição que a carga do capacitor seja inici-
almente zero,
I(t) = I0 (1 − e−t/RC ) . (3.52)

3.4.2 Instrumentos de medidas


Instrumentos de medida de tensão e de corrente são discutidos no curso de Fı́sica III, e não
vamos repetir isso aqui.

3.5 Exercı́cios
3.5.1 Polarização de dielétricos
3.5.1.1 Ex: Torque sobre dipolos

Calcule o torque sobre um dipolo em frente de uma superfı́cie condutora.

3.5.1.2 Ex: Torque sobre dipolos

Considere a configuração de dois dipolos mostrada na figura e calcule os torques recı́procos.


108 CAPÍTULO 3. PROPRIEDADES ELÉTRICAS DA MATÉRIA

3.5.1.3 Ex: Polarizabilidade do hidrogênio

Na mecânica quântica achamos para a distribuição de carga na eletrônica do átomo de hi-


drogênio,
Q −2r/aB
%(r) = e .
πa3B

Calcule a polarizabilidade.

3.5.1.4 Ex: Susceptibilidade

Um litro de água é evaporado em 10 m3 de ar seco na temperatura T = 300 K.


a. Calcule a densidade dipolar n do ar. Supõe que só os momentos dipolares das moléculas
evaporadas contribuem.
b. Determine a susceptibilidade χε do ar. Use a relação P = 0 χε E, bem como a lei de Curie
para a polarização P introduzida em aula.

3.5.2 Influença de cargas e capacitância


3.5.2.1 Ex: Capacitores

Sejam dados dois condutores isoladores carregando cargas iguais mas com sinais opostos ±Q.
A capacidade desta configuração é a razão entre o valor absoluto de carga de um condutor e o
valor absoluto da diferencia de potencial entre os dois condutores. Usando a lei de Gauß calcule
a capacidade de
a. 2 planos grandes paralelos com área A e pequena distancia d;
b. 2 condutores cilı́ndricos concêntricos (sem as superfı́cies nas extremidades) com raios ρ1 e ρ2 .
c. 2 superfı́cies esféricas concêntricas com raios r1 e r2 .
Ajuda: Escolhe o volume de integração adaptado à simetria respetiva do sistema.

3.5.2.2 Ex: Capacitância de uma gota de mercúrio

A capacidade de uma gota esférica de mercúrio com raio R é dada por C = 4πε0 R. Duas destas
gota confluem. Qual é a capacidade desta gota maior?

3.5.2.3 Ex: Placas carregadas

Considere uma placa metálica fina e muito estendida, d2  A, com a área A e a espessura d
carregada com a carga Q. Calcule a distribuição de carga (densidade de carga de superfı́cie) e
o campo elétrico nos dois lados da placa negligenciando efeitos de borda. Como se mudam a
distribuição de carga e o campo elétrico, quando colocamos em vez de uma placa duas placas
com espessura d em uma distância l uma placa sendo carregada com a carga Q e a outra com
−Q.
3.5. EXERCÍCIOS 109

3.5.2.4 Ex: Capacitor de placas


Um capacitor seja feito de duas placas planas metálicas com a superfı́cie 1 m2 . Qual deve ser a
distância das placas para dar ao capacitor uma capacidade de 1 F? É possı́vel construir um tal
capacitor?

3.5.2.5 Ex: Capacitor cilı́ndrico


Um capacitor cilı́ndrico é feito de duas superfı́cies cilı́ndricas coaxiais e infinitesimalmente finas
com raios R1 e R2 . Por simplicidade, supõe que os cilindros sejam infinitamente estendidas na
direção z. A carga por unidade de comprimento no cilindro interior é +Q/l, no cilindro exterior
−Q/l. Calcule o campo elétrico E(r) como função da distância à partir do eixo de simetria r
para r ≤ R1 , R1 < r < R2 e r ≥ R2 .
Ajuda: Use a simetria do problema e a lei de Gauß.

3.5.2.6 Ex: Capacitor cilı́ndrico (T7)


Dois cilindros condutores ocos concêntricos com paredes infinitamente finas, com os raios a e b
(a < b) e com o comprimento l são carregados com as cargas +q resp. −q. l seja muito maior
que b, tal que efeitos de borda são negligenciáveis. Por razões de simetria, o campo elétrico só
pode ter uma componente radial.
a. Escreve a distribuição de carga ρ(r) em coordenadas cilı́ndricas (r, φ, z) com a ajuda da função
δ.
b. Calcule o campo elétrico E(r, φ, z) no espaço inteiro (r < a, a < r < b, b < r). Utilize para
isso as equações fundamentais da eletrostática e ∇ · E = 1r dr
d
(eEr ). Alternativamente, esta parte
pode ser resolvida usando a lei de Gauß.
c. Calcule a diferencia de potencial |Φ(r
R = b) − Φ(r = a)| entre as duas superfı́cie dos cilindros.
Para isso, calcule a integral de linha E · dr ao longo de um caminho adequado.
d. A capacidade C do dispositivo é definida pelo valor absoluto da razão entre a carga num dos
cilindros e a diferencia de potencial entre os cilindros. Calcule a capacidade deste ”capacitor
cilı́ndrico”.

3.5.2.7 Ex: Capacitor esférico


Considere uma bola homogeneamente carregas com raio R1 e uma camada esférica infinitamente
fina homogeneamente carregada com raio R2 . A bola tem a carga total +Q, a camada −Q.
Calcule o campo elétrico E(r) para r ≤ R1 , R1 < r < R2 e r ≥ R2 .
Ajuda: Use o fato que E deve ser, por razões de simetria, radialmente simétrico e depende da
densidade de cargas através de ∇ · E(r) = ρ(r)/0 . Além disso use a lei de Gauß.

3.5.2.8 Ex: Nuvem de tempestade


Uma nuvem de trovoado com 17 km2 de área total flutua numa altura de 900 m acima da
superfı́cie da Terra e forma junto com ela um capacitor de placas.
a. Calcule a capacidade deste capacitor de placas (a área a ser considerada na Terra seja igual
aquela da nuvem).
b. Qual pode ser o tamanho da carga da nuvem de trovoado antes do capacitor descarregar? (A
força de campo de descarregamento no ar é 104 V/cm).
c. O capacitor é totalmente descarregado por um relâmpago uma vez que a força crı́tica do
campo é alcançada. Qual é a corrente fluindo para Terra se a duração do relâmpago é 1 ms?
110 CAPÍTULO 3. PROPRIEDADES ELÉTRICAS DA MATÉRIA

d. A qual potência isto corresponde? Por quanto tempo uma central elétrica com uma potência
2000 MW deve trabalhar para produzir a energia liberada pelo relâmpago?

3.5.2.9 Ex: Capacitor esférico

Um capacitor esférico é composto por duas esferas condutoras concêntricas de raios R1 e R2 ,


com R1 < R2 . A esfera interna possui carga +Q e a esfera externa possui carga −Q. a. Calcule
o módulo do campo elétrico e a densidade de energia em função de r, onde r é a distância radial
a partir do centro das esferas, para qualquer r. b. Determine a capacitância C do capacitor.
c. Calcule a energia associada ao campo elétrico acumulada em uma casca esférica de raio r,
espessura dr e volume 4πr2 dr localizada entre os condutores. Integre a expressão obtida para
encontrar a energia total acumulada entre os condutores. Dé sua resposta em termos da carga
Q e da capacitância C.

3.5.2.10 Ex: Pára-raio

A absorção de um relâmpago por um pára-raio pode ser descrito pelo seguinte modelo (es-
quematizado na figura): O plano (x, y) de um sistema de coordenadas cartesianas divide um
Hausaufgaben
semi-espaço (Abgabe: 19.06.2007)
com a condutividade κ (solo da Terra, z < 0) de um espaço com a condutividade
0 (ar, z > 0). No centro das coordenadas fica um electrodo semiesférico extremamente condu-
tante conectado com o para-raio com o diâmetro d. Corrente I pode atravessar a semiesfera e
14) Gewitterwolke entrar no semiespaço condutor. Por razões de simetria, a densidade de corrente pode depender
2
Eine Gewitterwolkesomente
mit 17 kmda distância schwebt
Gesamtfläche r à partir
in 900dam origem das
Höhe über dercoordenadas e deve ser orientada de maneira
Erdoberfläche und
radial: j = jr (r)êr . Todas as questões seguintes se referem a pontos no semiespaço condutor no
bildet mit ihr einen “Plattenkondensator”.
exterior do electrodo.
a) Berechnen Sie die Kapazität dieses Plattenkondensators (die begrenzende Fläche auf der Erde sei
a. Calcule a densidade de corrente j como função da amplitude de corrente I e da distância r
gleich der Wolkenfläche).
da origem. Ajuda: A corrente fluindo do electrodo para o semiespaço condutor, também deve
b) Wie groß kann die Ladung der Gewitterwolke werden, bis sich der “Kondensator” entlädt? (Die
sair da semiesfera K.
Durchschlagsfeldstärke von Luft beträgt 104 V/cm).
b. Determine o campo elétrico E(r).
c) Der Kondensator c. wird, wenn er adie
Determine kritische
tensão Feldstärke
elétrica U (x,erreicht,
s) entredurch
doiseinen Blitzno
pontos vollständig
eixo x positivo, tendo as coordenadas
entladen. Welcherx eStrom
x + fließt zur Erde, wenn der Blitz 1 ms dauert?
s, respectivamente.
d) Welcher Leistung d.entspricht
Determine dies?aWie lange U
tensão müsste ein Kraftwerk
tot para x = d/2 mit → ∞.
e s2000 MWQual
Leistung arbei-
resistência ôhmica pode ser atribuı́da
ten, um die von ao
Blitzsemiespaço
freigesetzte Energie
condutor?zu produzieren?

15) Blitzableiter z
Ein Blitzeinschlag in einen Blitzableiter kann durch
olgendes Modell beschrieben werden: Die (x, y)- I
Ebene eines kartesischen Koordinatensystems trennt
einen Halbraum mit der elektrischen Leitfähigkeit κ
Erdreich, z < 0) von einem mit der Leitfähigkeit 0 d
x
Luft, z > 0). Im Koordinatenursprung befindet sich O
N PO O
N PO O
N PO O
N PO O
N PO O
N PO O
N PO O
N PO O
N PO 0O
N PO O
N PO O
N PO O
N PO NO
PO NO
PO NO
PO NO
PO NO
PO NO
PO NO
PO NO
PO NPN
NO
PO
NO NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N P N
PO
NO PO
NO PO
NO PO
NO PO
NO PO
NO PO
NO PO
NO PO
NO PO
NO PO
NO PO
NO PO
NO PO
NO PO
NO PO
NO PO
NO PO
NO PO
NO PO
NO PO
NO PPN
eine mit dem Blitzableiter verbundene hochleitfähige PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO κPO
PO
NO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO
PO
NO PNPN
PO
NO
O
P PO
O
N O
P PO
O
N O
P PO
O
N O
P PO
O
N O
P PO
O
N O
P PO
O
N O
P PO
O
N O
P PO
O
N O
P PO
O
N O
P PO
O
N O
P PO
O
N O
P PO
O
N O
P PO
O
N O
P PO
O
N O
P PO
O
N O
P PO
O
N O
P PO
O
N O
P PO
O
N O
P PO
O
N O
P PO
O
N O
P PNPN
halbkugelförmige Elektrode mit Durchmesser d, über NO
PO
NO
PO
NO
O
P O
N PO
NO
O
P O
N PO
NO
O
P O
N PO
NO
O
P O
N PO
NO
O
P O
N PO
NO
O
P O
N PO
NO
O
P O
N PO
NO
O
P O
N PO
NO
O
P O
N PO
NO
O
P O
N PO
NO
O
P O
N PO
NO
O
P O
N PO
NO
O
P O
N PO
NO
O
P O
N PO
NO
O
P O
N PO
NO
O
P O
N PO
NO
O
P O
N PO
NO
O
P O
N PO
NO
O
P O
N PO
NO
O
P O
N PO NPN
NO
PO
NO NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N K NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N NO
O
P O
N PNP
die ein Strom I in den leitfähigen Halbraum hin- PO
NO
PO O
P O
N PO O
P O
N PO O
P O
N PO O
P O
N PO O
P O
N PO O
P O
N PO O
P O
N PO O
P O
N PO O
P O
N PO O
P O
N PO O
P O
N PO O
P O
N PO O
P O
N PO O
P O
N PO O
P O
N PO O
P O
N PO O
P O
N PO O
P O
N PO O
P O
N PO O
P O
N PO NP
NO
PO
NOPO NO
NOPO NO
NOPO NO
NOPO NO
NOPO NO
NOPO NO
NOPO NO
NOPO NO
NOPO NO
NOPO NO
NOPO NO
NOPO NO
NOPO NO
NOPO NO
NOPO NO
NOPO NO
NOPO NO
NOPO NO
NOPO NO
NOPO NO
NOPNN
einfließt. Aus Symmetriegründen kann die Strom-
dichte nur vom Abstand r vom Koordinatenursprung
abhängen und muss radial gerichtet sein: ~ = jr (r) r̂ .
Figura 3.9
Alle folgenden Fragen beziehen sich auf Punkte im leitfähigen Halbraum außerhalb der Elektrode.
a) Berechnen Sie die Stromdichte ~ als Funktion der Stromstärke I und des jeweiligen Abstands r
vom Ursprung.
Hinweis: Der aus der Elektrode in den leitfähigen Halbraum hineinfließende Strom I fließt durch
die Halbkugelschale K auch wieder hinaus.
~ r ).
b) Ermitteln Sie das elektrische Feld E(~
c) Bestimmen Sie die elektrische Spannung U(x, s) zwischen zwei Punkten auf der positiven x-
Achse, welche die x-Koordinaten x bzw x + s haben.
3.5. EXERCÍCIOS 111

3.5.2.11 Ex: Capacitor de placas (H13)


Um capacitor de placas ideal consiste de duas placas paralelas numa distância d. Uma das placas,
definidas pelos cantinhos (0, 0, 0), (a, 0, 0), (a, b, 0) e (0, b, 0)), seja carregada com a carga −Q, a
outra definida pelos cantinhos (0, 0, d), (a, 0, d), (a, b, d) e (0, b, d), tem a carga +Q. Uma parte
do espaço intermediário (até a superfı́cie entre os pontos (x, 0, 0), (x, b, 0), (x, b, d) e (x, 0, d))
seja enchida por um dielétrico homogêneo com a constante de dieletricidade ; o resto do espaço
entre as placas seja vazio. Supomos, que a e b sejam muito grandes, tal que efeitos de borda
podem ser desprezados.
a. Calcule o campo elétrico E e o deslocamento dielétrico D entre as placas. Ajuda: Utilize
∇ × E = 0 e ∇ · D = %. Use as densidades superficiais de cargas.
b. Calcule a energia do campo eletrostático W deste dispositivo.
c. Qual força F = −dW/dx age sobre o dielétrico para um deslocamento infinitesimal dx?

3.5.2.12 Ex: Capacitor esférico com dielétrico (H14)


Duas esfera condutores concêntricas com os raios a e b (a < b) têm as cargas ±Q. A metade do
espaço entre as esferas seja enchido por um dielétrico  =constante.
a. Determine o campo elétrico em todos os pontos entre as esferas.
b. Calcule a distribuição da carga superficial sobre a esfera interior.
c. Calcule a densidade de carga de polarização induzida na superfı́cie do dielétrico em r = a.

3.5.2.13 Ex: Potencial de uma esfera carregada (T10)


Uma esfera de raio R seja no vácuo. Ela consiste de um material com a constante de dieletrici-
dade  = constante e carrega no seu meio a carga q. Calcule o potencial no espaço inteiro.

3.5.2.14 Hausaufgabe
Ex: Capacitor de placas commit
4 (Plattenkondensator dielétrico
Medium)
Gegeben seien zwei parallele Elektroden mit Fläche A und Abstand d (Abbildung).
Sejam dadas duas eletrodos paralelos com área A e distância d (veja a figura). Calcule a força
Berechnen Sie die Kraft auf die obere Elektrode in x-Richtung, einmal für konstante
sobre o eletrodo
Spannung superior na direção
V0 und einmal x, umaLadung
für konstante vez paraQ intensão
beidenconstante V0 e uma vez para carga
folgenden Fällen:
constante Q nos dois seguintes casos:
a. Os eletrodos
(a) Die ficam dentro
Elektroden de umsich
befinden liquido
in einerdielétrico comFlüssigkeit
dielektrischen permitividade .
mit Permittivität ǫ.
b. Um dielétrico fixo com permitividade  seja introduzido entre as placas do capacitor. Na
(b) Einenão
lacuna residual festes
temDielektrikum mit Permittivität ǫ wird zwischen die Kondensatorplatten
meio dielétrico.
eingeführt. Im Restspalt befindet sich kein Medium.
x x
(a) (b)
-Q -Q
e0
e -+ V -+ V
0 e 0

+Q +Q

⋆ Hausaufgabe 5 (Kondensatorschaltungen)
3.5.2.15 Berechnen
Ex: Capacitor de placasfolgender
Sie die Gesamtkapazität com dielétrico
drei Schaltungen: Lösung
O capacitor de placas
(a) mostrado
C C
na figura
1 2 1 (c) das placas de A = 115 cm2 e
(b) temC umaC superfı́cie 2
C C 1
3

uma distância de d = 1.24 cm. Entre as placas temos a diferencia deC potencial de U0 = 85.5 V
5

produzida por uma bateria. Agora a bateria é removida e uma placa dielétrica de espessura
b = 0.78 cm e a constante dielétrica  = 2.61 é inserida como mostrado
C na figura.
C Primeiramente
2 4
C C C C
calcule
3 4 3 4

a) Bei Reihenschaltung werden Kapazitäten reziprok addiert, bei Parallelschaltungen


normal addiert.
Cges = CC11+C
C2
2
+ CC33+C
C4
4

b) Durch Umzeichnung des Schaltbildes sieht man, dass es sich um zwei in Reihe geschal-
tete Parallelschaltungen der Kondensatoren C1 und C3 bzw. C2 und C4 handelt.
Cges = (C(C1 +C
1 +c3 )(C2 +C4 )
3 )+(C2 +C4 )

c) Durch Umzeichnung erkennt man, dass die in Reihe geschalteten Kondensatoren C2


112 CAPÍTULO 3. PROPRIEDADES ELÉTRICAS DA MATÉRIA

a. a capacidade do capacitor sem dielétrico e


b. a carga livre nas placas do capacitor.
c. Agora, o dielétrico é inserido. Calcule o campo elétrico nos espaços vazios e dentro do
dielétrico, bem como
d. a diferencia de potencial entre as placas.
e. Qual é o valor da capacidade do capacitor com dielétrico?
f. Agora supõe, que a bateria permanece conectada com o capacitor enquanto o dielétrico é
inserido dentro do espaço entre as placas. Calcule agora a capacidade do capacitor,
g. a carga nas placas do capacitor e
h. o campo elétrico no espaço vazio e dentro do dielétrico.
Universität Tübingen SoSe 2008
Klausur I zum Integrierten Kurs Physik II 5.6.2008
Q
b
Aufgabe 1 (Kondensatorschaltungen)
Berechnen Sie die Gesamtkapazität folgender Schaltung,
e
d
-Q
C

P1 P2

C C C C
3.5.2.16 Ex: Capacitor de placas com dielétrico
P3

Considere um capacitor de placas quadrático com comprimento das bordas l e distância das
placas d.
a. Qual é a (a)
capacidade do Punkten
zwischen den capacitorP1vazio?
und P3,Qual é a energia eletrostática, quando as placas são
carregadas com as cargas
(b) zwischen denmantidas
Punkten P1 fixas P2. e −Q?
und +Q
b. Um dielétrico com espessura d, largura L > l e constante dielétrica  é agora inserido pelo
lado. Qual é a energia eletrostática em função da profundidade de penetração x para 0 < x < l?
Aufgabe 2 (Kondensator mit Dielektrikum)
c. Qual é a força agindo sobre o dielétrico com função de x para 0 < x < l?
Gegeben sei ein quadr. Plattenkondensator mit Seitenlängen l und Plattenabstand d.
l

d l l
e +Q

L -Q d

(a) Wie groß ist die Kapazität des leeren Kondensators? Wie groß ist die elektrostatische
Energie, wenn sich auf den beiden Platten die Ladungen +Q und −Q befinden?
(b) Von der Seite wird ein Dielektrikum mit Dicke d, Breite l, Länge L > l und Dielek-
3.5.2.17 trizitätskonstante
Ex: Capacitor ǫ indeden
placas com dielétrico
Kondensator eingeführt. Wie groß ist die elektrostatische
Energie in Abhängigkeit der Einführtiefe x für 0 < x < l? 2
Num capacitor de placas
(c) Welche Kraftconsistente deDielektrikum
wirkt auf das duas placasals metálicas
Funktion paralelas
von x für 0de
< área
x < l?0.5 m e distante
de d = 10 cm tem uma tensão de U0 = 1000 V.
a. Quais são os valores para a capacidade C do capacitor, para o campo eléctrico E entre as
placas e para a densidade superficial de carga σ nas placas?
b. Um quarto do volume do capacitor agora é enchido por um dielétrico ( = 5), como mostrado
no esquema. Qual é agora o valor da capacidade Cg ?
Ajuda: Nota que no diagrama de circuito equivalente, só podem inseridas placas de capacitores
imaginários ao longo de linhas equipotenciais!
annung Uind (t) wird an einer um die Spule gelegten Induktionsschleife gemessen?
dass der Maximalwert dieser Spannung nur von U0 und N abhängt.
| davon ab, wie die Ebene der Induktionsschleife relativ zur Spulenachse orientiert ist?
men Sie an, dass ~B innerhalb der Spule parallel zu deren Längsachse und homogen ist
3.5. EXERCÍCIOS
der Spule verschwindet. 113
sator
d
enkondensator aus zwei parallelen Metallplatten der Fläche 0.5 m2 , die
d d = 10 cm gegenüberstehen, liegt eine Spannung U0 = 1000 V an.
ind die Kapazität C des Kondensators, die elektrische Feldstärke E
QRSR QRSQ
en Platten und die Flächenladungsdichte σ auf den Platten? QRSR
QRSR
QRSQ
QR TRSQQ UT
  
           !   #  QR  $
QR UR TR &%'SQ  UT (  )+*, &!- / &0%'213 546    98  @?#A%'46A'
des Kondensatorvolumens wird
,B! $(>nun >-9♦C einem
2?# mit DEA F%  ♦ 
A>2Dielektrikum GH(DIε ♦=" 5) ! QR
QR
  KSR R
S QR
QR J
UR
UR
TR εT
5SSQ  U  F% ♦   F%> ♦ .   /-CA  'B ♦4K7 ,B  -9 ♦ :<<
 ;> = !54! <LM C
♦0  = ♦ " ♦ : R
S ♦ " . ; ♦ . . ; ; ♦
he Skizze. Wie groß ist nun die Kapazität C ?
Experimentalphysik
eachten Sie beim Ersatzschaltbild, dass Kondensatorplatten nur entlang 2, Sommersemester 2007
d/2
ialflächen eingefügt werden dürfen! Universität Erlangen–Nürnberg
gkeitsfilter 3.5.2.18 Übungsblatt
Ex: Capacitor de água
Elektronen− 6 (12.06.2007)
Quelle
den durch eine Beschleunigungsspannung U aus der
Considere Übungen: Di 12:00 in 00.732,
um capacitor TL-307;
de placas 12:30 in TL-2.140;
(distância das placas Vorlesungen:
d = 20 cm, Mo & Mi 10:15,
área HG= 400 cm2 ),
Hörsaal A
das placas
nigt und gelangen dann in einen Kondensator,
Di 13:00 in dem
in HH, 14:00 in 00.103, 00.732, 01.332, e −www.pi1.physik.uni–erlangen.de/ ˜katz/ss07/p2
queE pode
elektrisches Feld von ser sowie
= 2 kV/m enchido até a 02.779,
ein 01.779,
homo- metade com água
TL-2.140, (constante
TL-307, HE dielétrica w = 80.3). Colocamos uma
tensão de~E,U~B =
eld von B = 1 mT herrschen; und240
die V.
Elektron- E
ehen paarweise senkrecht aufeinander.
a. Calcula U wird so ein-
a capacidade do capacitor para os seguintes casos:
B
er Strahl im Kondensator nicht
i. Sem água.abgelenkt wird. − +
U
afte wirken im Kondensator auf die Elektronen?
ii. A água fica perpendicular às placas.Präsenzaufgaben
Richtung zeigt das iii.
Magnetfeld
A águaausfica
derparalelo
Blickrichtung des Elektronenstrahls,
às placas . wenn ~E
gerichtet ist? Begründung!
b. Calcule11) Wasserkondensatoren
as cargas nas placas para estes três casos.
schwindigkeit v habenc. die Elektronen
Compare im Kondensator?
a energia do campo elétrico nos casosd (i) e cm,
(iii). De qual fonte vem a der
diferencia de
ng: v = 106 m/s. Gegeben ist ein Plattenkondensator (Plattenabstand = 20 Plattenfläche A = 400 cm 2 ), zur
energia,Hälfte
quando o capacitor
mir Wasser é enchido com água?
(Dielektrizitätskonstante w = 80.3) gefüllt werden kann. Es liegt eine Spannung
schleunigungsspannung wurde eingestellt?
von U = 240 V an.
ronen haben Masse me = 9.11 × 10−31 kg und Ladung (i) Q = −e = −1.619 × 10−19 (ii)
C. (iii)

H2O
U
H2O

U U

(a) Berechnen Sie die Kapazität des Kondensators für folgende Fälle:
(i) Ohne Wasser.
3.5.2.19 Ex:
(ii) DasCircuito
Wasser stehtde capacitores
senkrecht zu den Platten.
(iii) Das Wasser steht parallel
A capacitância dos capacitores no circuito zu den Platten.
esquematizado são C1 = 10 µF, C2 = 5 µF e C3 =
(b) Berechnen Sie die Ladungen
4 µF. A tensão é U = 100 V. Calcule: auf den Kondensatorplatten für die drei Fälle.
a. A capacitância total.
(c) Vergleichen Sie die elektrische Feldenergie für die Fälle (i) und (iii). Aus welcher Quelle kommt
b. Determine para cada capacitor
die entsprechende o valor
Energiedifferenz daFüllen
beim carga, desaKondensator
tensão e amitenergia
Wasser?armazenada.

12) Spiegelladungen Q

Skizzieren Sie die Spiegelladungen und Feldlinienbilder


C1 für die rechts gezeigten
Anordnungen von Ladung Q und geerdeten Metallplatten.
U C3
13) Poisson-Gleichung C2
In einer Kugel des Durchmessers 2a sei eine Gesamtladung Q homogen verteilt. Bestimmen Sie das
~ r ) im gesamten Raum durch Lösung der Poisson-
Potential φ(~r) und die elektrischen Feldstärke E(~
Gleichung ∆φ = −ρ(~r)/0 .
1 ∂ 2∂
!
Hinweis: Der Radialanteil des Laplace-Operators in Kugelkoordinaten ist 2 r .
3.5.2.20 Ex: Circuitos de capacitores r ∂r ∂r

Calcule a capacidade total dos circuitos mostrados na figura


a. entre os pontos P1 e P3,
Universität Tübingen SoSe 2008
Klausur I zum Integrierten Kurs Physik II 5.6.2008

114 CAPÍTULO 3. mit


Hausaufgabe 4 (Plattenkondensator PROPRIEDADES
Medium) ELÉTRICAS DA MATÉRIA
Aufgabe 1 (Kondensatorschaltungen)
Gegeben seien zwei parallele Elektroden mit Fläche A und Abstand d (Abbildung).
BerechnenSie
Berechnen Siedie
dieKraft
Gesamtkapazität folgender
auf die obere Schaltung,
Elektrode in x-Richtung, einmal für konstante
b. entre os pontos P1 e P2.
Spannung V0 und einmal für konstante Ladung Q in beiden folgenden Fällen:

(a) Die Elektroden befinden sich in einer dielektrischen


C Flüssigkeit mit Permittivität ǫ.
P1 P2
(b) Eine festes Dielektrikum mit Permittivität ǫ wird zwischen die Kondensatorplatten
eingeführt. Im Restspalt befindet sich kein Medium.
C C C C
x x
(a) P3(b)
-Q -Q
e0
e -+ V -+ V
0 e 0

+Q +Q

(a) zwischen den Punkten P1 und P3,


(b) zwischen den Punkten P1 und P2.
3.5.2.21 Ex: Circuitos de capacitores
Calcule a ⋆capacidade
Hausaufgabe 5 (Kondensatorschaltungen)
total dos circuitos mostrados na figura:
AufgabeSie
Berechnen 2 (Kondensator mit Dielektrikum)
die Gesamtkapazität folgender drei Schaltungen: Lösung
Gegeben sei ein quadr. Plattenkondensator mit Seitenlängen l und Plattenabstand d.
(a) C1 C2 (b) C1 C2 (c)
C1 C3
l C5

d l l
e +Q
C2 C4
C3 C4 C3 C4 d
L -Q

x
a) Bei Reihenschaltung werden Kapazitäten reziprok addiert, bei Parallelschaltungen
3.5.2.22 (a)Ex: Energia
normal
Wie ist dieem
großaddiert. combinações
Kapazität de capacitores
des leeren Kondensators? Wie groß ist die elektrostatische
C1 C2 C3 C4
Cges =
Energie, wenn sich + auf den beiden Platten die Ladungen +Q und −Q befinden?
a. Dois capacitores idênticos
C1 +C2 Cestão
3 +C4 conectados em paralelo. Esta combinação é, então, conectada
(b) Von der Seite wird ein Dielektrikum mit Dicke d, Breite l, Länge L > l und Dielek-
b) Durch
aos terminais de umaUmzeichnung
bateria. des
ComoSchaltbildes sieht total
a energia man, dass es sich um zwei
armazenada in Reihe geschal-
na die
combinação em paralelo
trizitätskonstante ǫ in den Kondensator eingeführt. Wie groß ist elektrostatische
tete
destes dois Energie Parallelschaltungen
capacitores se compara der Kondensatoren
à energia total C und C bzw. C und C handelt.
in Abhängigkeit der Einführtiefe x für 0armazenada
1
< x < l? 3 se apenas um dos capacitores
2 4
Cges = (C(C1 +C
1 +c3 )(C2 +C4 )

estivesse conectado
(c) Welche aos
Kraft terminais
wirkt
3 )+(C 2 +C 4 ) da
auf dasmesma bateria?
Dielektrikum als Funktion von x für 0 < x < l?
b. Dois capacitores idênticos, erkennt
c) Durch Umzeichnung descarregados,
man, dassestão
die in conectados em série.
Reihe geschalteten Esta combinação
Kondensatoren C2 é,
und
então, conectada aos C parallel
4 terminais de zu C 5 und den in Reihe geschalteten Kondensatoren
uma bateria. Como a energia total armazenada C 1 und C 3 na com-
geschaltet
binação em série destes sind.
dois capacitores se compara à energia total armazenada se apenas um
Cges = CC22+CC4
+ C5 + CC11+C C3
dos capacitores estivesse conectado aos terminais da mesma bateria?
4 3

3.5.2.23 Abgabe:
Ex: Capacitor de placas
Montag, 2.6.2008 um 12h, Kasten im Eingangsbereich D-Bau.
Bitte Namen und Übungsgruppe deutlich auf dem Blatt vermerken!!
Um capacitor de placas contendo ar tem placas com área de 2.0 m2 separadas por 1 mm e está
http://www.pit.physik.uni-tuebingen.de/Courteille/Uebungen.htm
carregada com 100 V.
a. Qual é o campo elétrico entre as placas?
b. Qual é a densidade de energia elétrica entre as placas?
c. Determine a energia total multiplicando sua resposta para a parte (b) pelo volume entre as
placas.
d. Determine a capacitância deste arranjo.
e. Calcule a energia total usando U = 21 CV 2 e compare sua resposta com com o resultado da
parte (c).

3.5.2.24 Ex: Combinação de capacitores


Um capacitor de 10.0 µF e um capacitor de 20.0 µF estão conectados em paralelo aos terminais
de uma bateria de 6.0 V.
a. Qual é a capacitância equivalente desta combinação?
3.5. EXERCÍCIOS 115

b. Qual é a diferença de potencial em cada capacitor?


c. Determine a carga em cada capacitor.
d. Determine a energia armazenada em cada capacitor.

3.5.2.25 Ex: Série infinita de capacitores


Qual é a capacitância equivalente (em termos de C, que é a capacitância de um dos capacitores)
da escada infinita mostrada na figura.

C C C C

C C C C ...

3.5.2.26 Ex: Reconexão de capacitores


Um capacitor de 100 pF e um capacitor de 400 pF são, ambos, carregados a 2.0 kV. Eles são,
então, desconectados da fonte de tensão e conectados juntos, placa positiva à placa positiva e
placa negativa à placa negativa.
a. Determine a diferença de potencial resultante em cada capacitor.
b. Determine a energia dissipada quando as conexões são feitas.

3.5.2.27 Ex: Reconexão de capacitores


Um capacitor de 1.2 µF é carregado a 30 V. Depois da carga o capacitor é desconectado da fonte
de tensão e é conectado aos terminais de um segunda capacitor que havia sido previamente
descarregado. A tensão final no capacitor de 1.2 µF é 10 V.
a. Qual é a capacitância do segundo capacitor?
b. Quanta energia foi dissipada quando a conexão foi feita?

3.5.3 Condução de corrente e resistência


3.5.3.1 Ex: A partı́cula alpha
Um feixe de partı́culas α (q = +2e), que se movem com a energia cinética constante E = 20 MeV,
corresponde a uma corrente de I = 0.25 µA. O feixe está dirigido perpendicularmente à uma
superfı́cie plana.
a. Quantas partı́culas α encontram a superfı́cie em t = 3 s?
b. Quantas partı́culas α ficam em cada instante de tempo num segmento do feixe de s = 20 cm
de comprimento?
c. Qual diferencia de potencial uma partı́cula α deve percorrer, para ser acelerado do repouso
até uma energia de 20 MeV?

3.5.3.2 Ex: Potência elétrica


Um diferencia de potencial de 120 V alimenta um aquecedor, cuja resistência é 14 Ω quando
quente.
a. Com qual taxa este dispositivo transforma energia elétrica em calor?
b. Qual é a fatura do consumo de eletricidade para t = 5 h de operação com um preço da
eletricidade de S = 5 ct/kWh?
116 CAPÍTULO 3. PROPRIEDADES ELÉTRICAS DA MATÉRIA

3.5.3.3 Ex: Lei de Ohm e potência elétrica

De quantos graus se aquece um condutor de cobre de 100 m de comprimento e 1.2 mm2 de


diâmetro, sendo percorrida por 1 hora por uma corrente de 6 A? Supõe que o calor não é
dissipado e utilize os seguintes dados: resistividade especı́fica: ρ = 0.02 Ωmm2 /m; densidade:
ρCu = 8.93 kg/dm3 ; capacidade calorı́fica especifica: cCu = 389.4 J/kg K.

3.5.3.4 Ex: Equação de continuidade e grandezas conservadas

A equação de continuidade,
ρ̇ + ∇ · (~v ρ) = 0 ,

aparece em várias áreas da fı́sica e descreve, por exemplo, a conservação da matéria, carga ou
probabilidade.
a. Explique, baseado na lei de Gauß, a relação entre a equação de continuidade e a conservação
da carga.
b. Considere um exemplo mecânico simples: Uma garrafa de gás de 10 l é aberta deixando
escapar gás. Determine com a ajuda da equação de continuidade depois de quantos minutos a
metade do gás foi embora, se o gás sai com a velocidade constante de v = 1 m/s e a válvula tem
uma área transversal de saı́da de A = 10 mm2 ?

3.5.3.5 Ex: Deriva dos elétrons num fio condutor

Um fio de ouro tem seção transversal com diâmetro de 0.1 mm. As extremidades deste fio são
conectadas aos terminais de uma bateria de 1.5 V. Se o comprimento do fio é 7.5 cm, quanto
tempo, em média, é necessário para que ois elétrons que saem do terminal negativo da bateria
cheguem ao terminal positivo? Considere que a resistividade do ouro seja2.44 · 10−8 Ωm.

3.5.4 O circuito elétrico


3.5.4.1 Ex: Problemas de arranque

O motor de arranque de um carro roda lento demais. O mecânico tem que decidir qual parte
está defeituosa: o motor, o cabo de alimentação ou a bateria. De acordo com as instruções
técnicas do fabricante, a resistência interna de uma bateria de U0 = 12 R
Vbat R kab
não deve ultrapassar
Rbat < 0.02 Ω, a resistência do motor não deve ultrapassar Rmot < 0.2 Ω e a resistênciaR dosmot
cabos não deve ser superior a Rcab < 0.04 Ω. O mecânico examina o motor U0 de arranque, e
encontra uma diferença de potencial de 11.4 V na bateria, de 3 V no cabo, e uma corrente de
50 A no circuito de arranque. Qual elemento do motor de arranque está defeituoso?

3.5.4.2 Ex: Célula solar

Uma célula solar gera uma tensão de 0.1 V com uma carga resistiva de 500 Ω, más só uma tensão
de 0.15 V com uma carga resistiva de 1000 Ω. Considere a célula como uma fonte de tensão real
com resistência interna.
a. Quais são a resistência interna e a tensão sem carga da célula?
b. Calcule as eficiências obtidas com as duas cargas mencionadas.
3.5. EXERCÍCIOS 117

3.5.4.3 Ex: Medição de corrente e tensão


G OHIcircuitoM!N tK (a) mostra um amperı́metro com resistência interna R e um voltı́metro com a re- A
iIQSsistência
RliCTW_`\SZ‰X*­‚iI\S\di interna
i‚X*­‚iI™l†:V{iIRQSRli7¸jpara _:VYiIRV*QSZ:medir _`RˆW’SÀ‚ˆ{‹y:Ž…iIRJR.R'iIQSR O¡ valor
\SzJQ¹£i‚XiIRla­ ^:resistência Q~zli‚X|YV*Z:R]daz„^:resistência
_`R”‰ˆ:ˆÅ segue de R = U /I ,
­‚Ž
onde QS|*k"[liIR¢UQS[lXiIéR©oaM™]valor|*†`Z:Rl†`|Yindicado
€W\diIÂiIR¢Z:pelo R]†:iI|*k[]voltı́metro
\S_`|*|YiIRrQ~|YV‚y]z]Z‰†:ei‚†:IiIR‡aiIQSRlcorrente
i„TƒcJZ:RJR™]R]através†^:_`R‡ˆW’SÀI”–da‹ resistência. Uma parte da
U V R

ŒiIcorrente
QƒiIQSR]iIÔaMŒJmedida
V
|*k"[]\S™lÕ:ŽMQSzlpelo i‚X|YV*Z:RJamperı́metro
z<^:_`R¢À‚ˆ:ˆ:ˆÅ%—˜QSIiCÖ{\ corre,
R
Z: k"[li!zli‚X Tƒ_`\Sentanto,
Z‰X­‚iI\S\di7Œi‚VYX"através
Z‰†:i
”ƒ’¥ˆ¦k‚Ndo×7™]R]voltı́metro,
z
z]QdUi<Ì3Q~/Ik[V*Z‰ŒJdos|Y_:X*c]V*valores
QS_`R@c]X*_ÂP medidos uƒ’¥ˆ¦ ¡ Éfk‚indica
Q~R][liIQdV*|Yœ–Z: k[li<somente
A
 × — no uma resistência aparente, que nós chamaremos de
tal que a relação
V
0 žYŸ( ¢. ¡ Qdi<†:X*_:Õ}Q~|YV!zli‚X!Í°R]RliIRŽ
QdiIzli‚X"|YV*Z:R]z@™]R]z@z]Qdi„TWcJZ:R]Rƒ™]Rl†zli‚XMTƒ_`\SZ‰X­‚iI\S\dix§
R
A

žYa.¨   Como  ¡ QdX€ƒ™]R]†`|Y†:XdeZ:zr|*verdade


Š‡QdVMŽ7iI\Sak"[liIresistência i‚VY­‚V%zJQdiTƒ_`R\SZ‰X­‚eiI\Sresistência QSR ¡ Z‰ X"iR™J©yJsão
\di„ÌjQSk[VYiIRli‚X*†`QSiaparente
0
Ž7iIR]R interligados através da re-
sistência TWQdi<}QdV<interna
À‚ˆ:ˆ:ˆÅÏZ‰Œ]R†:iI|kdo
V []\d_`|voltı́metro?
|YiIRrQS|*V"§ Como deve ser escolhida a resistência interna do voltı́metro,
para que R0 → R?

G HIM!N /
b. Também com o circuito (b) é possı́vel medir uma resistência com um amperı́metro e um
voltı́metro, e também neste caso a razão entre os valores medidos dá somente uma resistência
R0 aparente. Como podemos determinar a resistência R agora, e como deve ser escolhida a
ÍÎËTƒVYX*_`€ƒX*iIQS|mpZw!|*Q~R]z@iIQSRrae
resistência interna RA do amperı́metro?
ci‚XiIi‚VYi‚XMÂQSV
zliI‘Í°R]RliIRŽ
QSz]i‚XYe
|YV*Z:R]zØ%Ù¢™]R]ziIQSR‹¦_`\SV*i‚VYi‚X ÂQdV
zliI ÍÎRJRliIRŽMQSzli‚X|YV*Z:RJzØDÚ Ž
Qdi
z]Z‰X*†:iI|YVYiI\S\SV­I™lX7ŠriI|*|*™JRl†'zliI| ¡ Q¹e
zli‚X|YV*Z:R]zJ|ØÁ†:iI|*k[JZ:\dVYi‚V‚—ƒ˜i‚X ¡ Q¹e
zli‚X|YV*Z:R]zJ|YŽ…i‚XVNi‚X*†`QSŒ]V|QSk[Áz]Z:R]R
Z:™]|ÆØ q Û7ÉxÜ*y©Ž7_:Œ(iIQÛ zliIR
Š¢iI|*|*Ž…i‚X*V´zliI|‘‹¦_`\SV*i‚VYi‚X|ŒiFe
­‚iIQSk[]R]i‚V
™]R]z@Ü z]iIR‡TƒVYX*_`‘zJ™lXk[
zliIR ¡ QSzli‚X|YV*Z:RJz»—P QSRÝgjiIQS\©zliI|
^:_`ac(i‚X*iIi‚VYi‚X|{†:iIiI||YiIRliIRNTƒVYX_`Â|¦Ü>ރœJQdi‚Õ:Vz]Z‰Œ(iIQß®YiIzl_ƒk"[Âz]™lX"k[z]Z:|{‹¦_`\dV*Âi‚VYi‚XIy|Y_Wz]Z‰Õ
z]Z:3.5.4.4
| ^:i‚X"[3Z: \dV*R]QS|CۅÉxÜ Þ zli‚X7Integrador
ŠriI|*|YŽ7i‚X*VYiDRƒ™lX iIcom [liIQSRŒJZ‰X*iIR ¡ QSzli‚X"|YV*operacional
QSR]iIR}|*k"amplificador Z:R]zÂi‚X†`QdŒ]V‚yz]iIR}Ž
QSX ÂQdV
Ø%Þ¬Œ(i‚­‚iIQSk"[]RliIR©Ž7Ex: _`\S\diIR»—
žYŸ(  ²iIQd†:iIR³nas TWQSiNz]duasZ‰Õ¿zli‚XregrasŽ7Z:[]X*i ¡ deQSzli‚X"ouro
|YV*Z:R]zbpara zli‚X|*k"[liIQSRŒJZ‰X*i ¡ QSoperacionais,
ؐ™]RJzamplificadores zli‚X"|YV*Z:R]zbØ%Þ ÂQdV (1) I = I = 0 A e (2)
U zlR= iIÝUÍ°R]Rl,iIRqua R]z@Ø Ú zldeiI|µ‹¦saı́da
Ž
QSz]i‚Xa|YV*Z:tensão _`\SV*i‚VYi‚UX|QSR@nošº_`\S†:circuito
iIR]zliIRr²(™]|deZ:Âintegração
iIR][]Z:R]†|*VYiI[liImostrado
RȈ
Baseado + −
na figura vale: U =
À À À
+ − a a
1
U dt. q
RC e
Ø Ø Þ{á Øâ
È7iIZ:k[VYiIRãTWQdi:y]z]Z‰ÕÂØDÚUä.å š"™] X!Ø%Þ]ä±Ø— IC C

aM™]k"[æQ~Rnzli‚X©TWk[]Z:\SV*™]Rl†æmӌw€fZ:RJRnÂZ:RçÂQdVÂiIQ~RliI.ac(i‚X*iIi‚VYi‚X@™]R]zèiIQ~RliI鋦_`\dV*Âi‚VYi‚X
R IR

¡ QSz]i‚X|YVßZ: R]zliiI||YiIR»—»aM™Jk[ÃQSRÃz]QSiI|YiIËÖ]Z:\S\{i‚X*†`QdŒJV%zJZ:|%‹¦i‚X[3Z: \dV*R]Q~|z]i‚XD†:iIiI|*|YiIRliIR ¡ i‚X*VYi


UR UR

R™lX
iIQSRliIR©|*k"[liIQSRŒJZ‰X*iIR ¡ QSzli‚X|*V*Z:R]z©Ø Þ —
žY¨   ²iIQd†:iIR¯TWQdi:y]z]Z‰Õ}ØL™JR]z©Ø%ÞRƒ™]R ™l Œ(i‚X!z]QSi%È7i‚­IQdiI[ƒ™]Rl†
3.5.4.5 Ø q Ex: Ø Þ Fonte
á Ø%Ù de corrente real
a. Como ­I™]|*Z:}aiIR]resistência
[3Z: Rl†:iIR—]ȅiIZ:k"interna
[VYiIRãTWQSi:y]dez]Z‰Õ}uma
Ø%Ù¯äêfonte ˆÂš"™l X!Ø deÞ äêcorrente
i Ø— R deve ser especificada para obter uma
corrente tão independente como possı́vel da carga do consumidor?
b. Você quer conduzir 40 A através de uma bobina elétrica. A bobina tem a resistência ôhmica
R = 1 Ω. Qual deve ser a resistência interna da fonte de corrente para que um aumento da
resistência de 10% não muda a corrente de mais de 0.1%?

3.5.4.6 Ex: Fonte de tensão real


Uma bateria pode ser entendida como fonte de tensão real, composta por uma fonte de tensão
ideal U0 e uma resistência interna Ri . A tensão fornecida pela bateria depende da carga do
consumidor R. Qual corrente corre através do resistor R e qual tensão Uout fornece a bateria?
Como a carga resistiva deve ser escolhida para maximizar a potência ôhmica no resistor R?
C
118 CAPÍTULO 3. PROPRIEDADES ELÉTRICAS DA MATÉRIA

Ri
U
U0 R

3.5.4.7 Ex: Circuito com bateria


Ri
Duas bateriasim
Probeklausur 1 Integrierten
e 2 (tensõesKurs
U1 Physik
= 2 V II,
eU = 0.530.06.2008
SS2 2008, V) e três resistores R1 = R2 = R3 = 1 Ω são
conectadosbesprochen na figura.I 11 und 12
in den Präsenzstunden
como mostrado I0 R
a. Quais correntes atravessam os resistores R1 , R2 e R3 ?
Aufgabe 1:b.Schaltung
Qual pemit
a zwei
queda de tensão entre os pontos(8APunkte)
Batterien e B?

Zwei Batterien 1 und 2 (Spannungen U1


U1=2 V und U2 = 0.5 V, sowie drei R1
Widerstände R1 = R2 = R3 = 1 Ω sind wie
in der Abbildung geschaltet.
a) Welche Ströme fließen durch die A U2 B
R2
Widerstände R1, R2 bzw. R3?
b) Wie groß ist der Spannungsabfall
zwischen den Punkten A und B?
R3

Aufgabe 2: Induktiver Schaltkreis (8 Punkte)


3.5.4.8 Ex: Circuito com bateria
Wir betrachten eine Reihenschaltung aus einer langen
Três
Spule, einer baterias (U1 (Spannung
Spannungsquelle = 20 V, UU) 2 = 5 V,
und U3 = 20 V) cada uma com resistência interna finita de 0.1 Ω
einem
ohmschen Widerstand R = 100 Ω. Die Spule hat sério
sejam conectadas em paralelo. Em 50 com este circuito
L sejam conectadas duas resistências
Windungen(Rpro U
1 = 100 Ω, R2 = 200 Ω) (vide esquema). Qual é a tensão elétrica em R1 e R2 ?
cm und eine Induktivität von 200 mH.
Für Zeiten t < 0 fließe kein Strom durch die Spule. Zur
Zeit t = 0 werde die Spannung schlagartig von 0 auf 10 V
erhöht.
Nach welcher Zeit erreicht das Magnetfeld in der Spule U1 R
π⋅10 T?
-4
U2
U3
Aufgabe 3: Fallender Stab
R1 R2
(6 Punkte)

Ein metallischer Stab (Länge L = 1 m) fällt im B


Gravitationsfeld der Erde (Bei t = 0 sei die
Anfangsgeschwindigkeit 0). Der Stab sei parallel zum
Erdboden orientiert, senkrecht zum Stab und parallel zum v
3.5.4.9 Ex: Regras r de Kirchhoff
Erdboden herrsche das Magnetfeld B (Betrag: 2⋅10-5 T).
O circuito de corrente mostrado na figura consiste de fontes de tensão U1 = 20 V e U2 = 10 V
Welche Spannung wird zwischen den Enden des Drahtes in Abhängigkeit von der Fallstrecke
e de resistências R1 = 150Ω, R2 = R3 = R5 = 100Ω e R4 = 50Ω. Qual é a corrente medida no
h induziert?
amperı́metroerhalten
Welchen Spannungswert A? Sie nach einem Fall von 5 m?

3.5.4.10 Ex: Regras de Kirchhoff


Aufgabe 4: Leitende Kreisringe (8 Punkte)
Sejam dados R1 = 1 Ω, R2 = 2 Ω, tal como ε1 = 2 V e ε2 = ε3 = 4 V.
Gegeben seien zwei "unendlich
a. Mostre dünne",
que a regra dosleitende,
nós dekonzentrische
Kirchhoff Ringe
para mit Radien aestacionárias
correntes und b (a é uma consequência da
< b). Die Ringe sollen in der xy-Ebene liegen und ihren gemeinsamen Schwerpunkt im
Ursprung haben. Auf dem inneren Ring möge sich homogen verteilt (d. h. mit konstanter
Streckenladungsdichte) die Ladung +q, auf dem äußeren homogen verteilt die Ladung -q
befinden.
1
tor gezählt, dessen Abstand y zur Lochblende vari-
iert werden kann.
(a) Welche Spannung muss an die Kondensatorplatten angelegt werden, damit nur Ionen einer Ge-
schwindigkeit von v = 105 m/s den Kondensator durch die zweite Blende verlassen können?
3.5. EXERC
(b) In welchen Abständen y werden ÍCIOS
die beiden Kohlenstoffisotope jeweils detektiert? 119

18) Kirchhoffsche Regel R4


Der im Bild gezeigte Stromkreis besteht aus den
Spannungsquellen U1 = 20 V und U2 = 10 V so- U1 +
A
- R5
-
U2
wie den Widerständen R1 = 150 Ω, R2 = R3 = +
R3
R5 = 100 Ω und R4 = 50 Ω. Welcher Strom R1
R2
wird am Ampèremeter A gemessen?

H
equação de continuidade ~jdA ~ = dq .
dt
b. Calcule as correntes atravessando as três baterias ideais no circuito mostrado na figura.
c. Calcule a diferença de potenciais entre os pontos a e b.

R1 a R1

R2
U1 U3
U2

R1 b R1

3.5.4.11 Ex: Regras de Kirchhoff


Considere o seguinte circuito alimento por uma bateria de tensão V . Calcule usando as leis de
Kirchhoff as tensões e correntes nos pontos P 1 e P 2. Qual é a resistência total deste circuito?
P1
R1 R1

R3

R2 R2
P2

0 v

3.5.4.12 Ex: Combinação de resistores


Você tem no máximo 5 resistências de 100 Ω cada uma. Constrói circuitos tendo a resistência
total de a. R = 25 Ω, b. R = 66.6̄ Ω, c. R = 120 Ω.

3.5.4.13 Ex: Circuito com capacidades e resistores


No circuito mostrado na figura seja R1 = 600 Ω, R2 = 200 Ω, R3 = 300 Ω, C = 20 µF e
U = 12 V.
a. Calcule as tensões medidas nas resistências individuais e no capacitor assim como a corrente
total Iges , quando o capacitor é totalmente carregado (caso estacionário).
120 CAPÍTULO 3. PROPRIEDADES ELÉTRICAS DA MATÉRIA

b. No tempo t = 0 o interruptor S está aberto. Depois de qual tempo a tensão no capacitor cai
para 10 mV?

S
R2
R1 R3
U
C

3.5.4.14 Ex: Circuito com capacidades e resistores


Considere o circuito mostrado na figura com os seguintes valores R1 = R3 = 100 Ω, R2 = R4 =
200 Ω, C1 = C2 = 10 µF e U0 = 20 V.
a. Calcule a resistência e a capacidade equivalente do circuito.
b. No tempo t = 0 o interruptor S é fechado. Determine a equação diferencial para a tensão
U (t) no capacitor C1 e resolve-a. Quando a tensão cai para 1/e do seu valor máximo?
c. Determine a evolução da amplitude da corrente no resistor R3 .

R1

C1
R2 S

R3 R4 C2
U0

3.5.4.15 Ex: Circuitos de resistores e capacitores


Calcule a resistência e a capacitância total dos seguintes circuitos.
Ajuda para (e): Considere o capacitor como um conjunto de capacitores com/sem dielétrico
em série e em paralelo.

3.5.4.16 Ex: Carregamento de um capacitor


O circuito mostrado na figura consiste de uma fonte de tensão U , uma resistência R e uma
capacidade C. No inicio seja U = 0. A partir do tempo t = 0 a fonte de tensão fornece o valor
constante U = U0 . Calcule a evolução temporal da corrente I no circuito, assim como a evolução
temporal das tensões no capacitor e na resistência.
Ajuda: Começa estabelecendo a equação diferencial para a corrente I.

3.5.4.17 Ex: Circuito R-C


Considere o circuito elétrico mostrado na figura com as fontes ideais de tensão Uk , as resistências
Rk e o capacitor C. Inicialmente o interruptor C1 é aberto.
3.5. EXERCÍCIOS 121

U R

a. Calcule a carga Q0 no capacitor depois de um longo tempo.


b. Agora o interruptor está fechado. Usando as leis de Kirchhoff, exprime a carga no capacitor
como função da corrente IC atravessando o capacitor e dos parâmetros indicados na figura.
c. Baseado no resultado obtido em (b), calcule a evolução temporal da carga no capacitor.
d. Indique os valores para t = 0 e t → ∞.
e. Discuta os casos (i) U2 = U1 e (ii) U2 = −U1 .

RC
U1 U2
C

R R

3.5.4.18 Ex: Resistência interna de uma bateria

Uma fonte de potência de 5 V tem uma resistência interna de 50 Ω. Qual é o menor resistor que
pode ser colocado em sério com a fonte de potência para que a queda de potencial no resistor
seja maior que 4.5 V?

3.5.4.19 Ex: Circuito com duas baterias

No circuito mostrado na figura, as baterias têm resistências internas desprezı́veis. Determine


a. a corrente em cada ramo do circuito
b. a diferença de potencial entre os pontos a e b, e
c. a potência fornecida por cada bateria.
122 CAPÍTULO 3. PROPRIEDADES ELÉTRICAS DA MATÉRIA

4W a 3W

12 V 6W 12 V

3.5.4.20 Ex: Circuito com três baterias

Para o circuito mostrado na figura, determine a diferença de potencial entre os pontos a e b.

1W a 1W

4W
2V 2V
4V

1W b 1W

3.5.4.21 Ex: Voltı́metro real

O voltı́metro mostrado na figura pode ser modelado como um voltı́metro ideal (um voltı́metro
que tem uma resistência interna infinita) em paralelo com um resistor de 10 MΩ. Calcule a
leitura no voltı́metro quando
a. R = 1.0kΩ,
b. R = 10.0kΩ,
c. R = 1.0MΩ,
d. R = 10.0MΩ,
e. R = 100.0MΩ.
f. Qual é o maior valor possı́vel de R se a tensão medida deve estar dentro de 10 por cento da
tensão verdadeira (isto é, a queda de tensão em R sem colocar o voltı́metro)?

10 V R V
voltímetro

2R

3.5.4.22 Ex: Circuito com bateria e capacitor

A chave mostrada na figura é fechada depois de ter permanecida aberta por um longo tempo.
a. Qual é o valor inicial da corrente na bateria logo após a chave S ter sido fechada?
b. Qual é a corrente na bateria depois de um longo tempo após a chave ter sido fechada?
c. Quais são as cargas nas placas dos capacitores depois de um longo tempo após a chave ter
sido fechada?
d. A chave S é reaberta. Quais são as cargas nas placas dos capacitores depois de um longo
tempo após a chave ter sido reaberta?
3.5. EXERCÍCIOS 123

10mF 15W
12W
15W 5mF
S
10W 50V

3.5.4.23 Ex: Circuito com bateria e capacitor


No circuito mostrado na figura, o capacitor tem capacitância de 2.5 µF e o resistor tem resistência
de 0.5 MΩ. Antes de a chave ser fechada, a queda de potencial no capacitor é 12 V, como
mostrado. A chave S é fechada em t = 0.
a. Qual é a corrente imediatamente depois de a chave ter sido fechada?
b. Em que instante t a tensão no capacitor é 24 V?

S 12 V
+ -

36 V C
R

3.5.4.24 Ex: Corrente trifase


Calcula a potência transmitida por uma corrente trifase.
124 CAPÍTULO 3. PROPRIEDADES ELÉTRICAS DA MATÉRIA
Capı́tulo 4

Magnetostatica
A magnetostática é a teoria tratando de correntes estacionários, o problema fundamental sendo o
cálculo da força exercida por distribuições espaciais de correntes. A causa de uma corrente sendo
o deslocamento de elétrons, obviamente correntes não são estacionárias no sentido stricto. No
entanto, se o transporte das cargas acontece de maneira que cada carga saindo de um elemento
de volume é imediatamente substituı́da por uma outra carga equivalente, temos na integral sobre
os elementos de volume uma distribuição de carga estacionária.

4.1 A corrente elétrica e a força de Lorentz


No capı́tulo anterior mostramos que cargas podem viajar através de condutores elétricos, assim
produzindo correntes. Observamos experimentalmente que condutores eletricamente neutros po-
dem exercer forças reciprocas. Passando corrente pro dois fios finos paralelos quase infinitamente
longos observamos, que eles se atraem (repelem) quando a direção da corrente é (anti-)paralela.
Também observamos que agulhas de bussolas são desviadas perto de um condutor carregando
corrente em uma direção descrevendo um cı́rculo concêntrico em torno do condutor. Obviamente
a força NÃO se dirija ao longo das linhas do campo. Estas observações mostram a presença de
um outro fenômeno e uma outra força não explicada pela lei de Coulomb (vide Fig. 4.1).

Figura 4.1: Força mútua de dois condutores carregando correntes antiparalelo e paralelo. Torque
exercida por uma corrente sobre uma bussola.

Aparentemente, a nova força não se orienta à direção da corrente I, nem à direção das linhas
descritas pela bussola, mas perpendicularmente aos dois. Para descrever o fato, postulamos a
existência de um campo B chamado de campo magnético, tal que a força é descrita pelo produto
vetorial,
FL = Il × B , (4.1)
onde l um elemento do caminho da corrente. Esta força se chama de força de Lorentz. Note,
que está força se comporta como um pseudovetor (vide o Exc. 1.7.1.7).

125
126 CAPÍTULO 4. MAGNETOSTATICA

Para analisar este fenômeno do ponto de vista microscópico estabelecemos a hipótese que a
força observada tem a ver com o movimento das cargas constituindo a corrente dentro do postu-
lado campo magnético. Já introduzimos no capı́tulo anterior a noção da corrente e conectamos
a densidade de corrente com a velocidade de propagação nas Eqs. (3.34) e (3.42),
j(r0 ) = %(r0 )v0 . (4.2)
Com isso,
Z Z
FL = I dl × B = I ê0j × Bdl0
0
(4.3)
Z C C Z Z
2 0 0 0 0 0
= Iδ (r⊥ − l⊥ )êj × BdV = j(r ) × BdV = %(r0 )v0 × B(r0 )dV 0 ,
V V V

onde simplificamos a notação j(r0 ) = Iδ 2 (r0⊥ − l⊥ )ê0j = Iδ(ê1 · r0 − ê1 · l)δ(ê2 · r0 − ê2 · l)ê0j , onde
ê1,2 e ê0j são todos mutuamente ortogonais. Concluı́mos,

FL = Qv × B . (4.4)

Figura 4.2: Parametrização de um fio de corrente usando a seguinte receita: Para cada ponto
do espaço r0 ∈ R verifique se este ponto também fica em r0 ∈ C, isto é, se existe um t tal que
r0 = l(t). Para este ponto determine a direção do caminho, ê0j = dl/|dl|, encontre dois versores
ortogonais ê1,2 e aplica a distribuição de Dirac nestas dimensões.

Exemplo 35 (Movimento ciclotron e sı́ncrotron): Uma consequência do fato que,


seguinte (4.4), a força sobre cargas em movimento é sempre perpendicular à velocidade da
carga, é que sua trajetória num campo magnético homogêneo é circular. A força centrifuga
compensa a força de Lorentz, quando,
v2
FL = QvB = m = Fcf ,
R
o que permite determinar o raio R do cı́rculo 1 .
Este fato é utilizado em aceleradores de partı́culas chamados de ciclotrons, onde feixes de
partı́culas carregadas são acelerados em regiões de campos elétricos e desviados por meio de
campos magnéticos homogêneos espacialmente localizados entre as regiões de aceleração.

Uma consequência importante da forma particular da força de Lorentz é o fato, que forças
magnéticas não trabalham, pois Z
Wmg = F · dl = 0 .
C
1
Este comportamento pode ser observado injetando um partı́culas carregadas num campo magnético ho-
mogêneo. Feixes colimados de elétrons podem ser criados por um dispositivo de eletrodos chamado de cilindro de
Wehnelt usado em tubos de raios de cátodo chamados de tubo de Braun.
4.1. A CORRENTE ELÉTRICA E A FORÇA DE LORENTZ 127

A direção do movimento de uma carga pode ser alterada por campos magnéticos, mas não o
valor absoluto da velocidade. Isso pode parecer surpreendente, pois sabemos que com ı́mãs
podemos exercer forças corpos de ferro.

Exemplo 36 (Trabalho magnético): Consideramos um laço condutor carregando cor-


rente parcialmente imerso num campo magnético homogêneo, como mostra a Fig. 4.3. O
dispositivo está em equilı́brio, quando,

F = IaB = mg .

Se a corrente ultrapassa o valor mg/aB, observa-se uma força vertical levantando o disposi-
tivo, tal que ele ganha energia potencial,

W = Fh ,

onde h é a altura adquirida. No entanto, o movimento vertical corresponde a uma corrente


Iêz que cria uma força contrária à corrente I, tal que a bateria precisa trabalhar para manter
a corrente. O campo magnético só reorienta a força em uma direção tendo uma componente
paralela ao pedaço de fio horizontal, assim permitindo à bateria trabalhar ao encontro deste
força. Discutiremos isto de um outro ponto de vista no contexto da lei de Lenz-Faraday.

Figura 4.3: Dispositivo hipotético para fazer o campo magnético trabalhar.

4.1.1 O efeito Hall


Como exemplo consideramos o efeito Hall: Como ilustrado na Fig. 4.4, uma corrente flui para o
lado direito através de uma haste retangular de um material condutor na presencia de um campo
magnético B uniforme orientado perpendicularmente. Se as cargas moveis são positivas, elas
serão defletidas pelo magnético na direção para baixo. Está deflexão resulta numa acumulação
de cargas nos lados superior e inferior da haste que, em torno, produz uma força elétrica de
Coulomb force contrariando a força magnética. O equilı́brio é atingido, quando as duas se
cancelam:
UH
FC = QE = Q = Qvmed B = FL . (4.5)
w
A diferencia de potencial entre os lados superior e inferior se chama tensão de Hall. A velocidade
média das cargas pode ser estimada à partir da Eq. (3.42),

j
vmed = , (4.6)
na N Q
128 CAPÍTULO 4. MAGNETOSTATICA

onde na é a densidade volumétrica de moléculas do material da haste uma fornecendo N elétrons


livres cada uma. Agora, usando as dimensões da haste esquematizada na Fig. 4.4, calculamos a
tensão de Hall,
j IB IB
UH = vmed Bw = Bw = = AH , (4.7)
na N Q d na N Q d
onde AH = 1/na N Q é uma constante que depende do material da haste.
Se as cargas moveis fossem negativas, a tensão de Hall mudaria o sinal. Este fato pode
ser usado para identificar o sinal das cargas com condutores de corrente desconhecidos. Faz os

Figura 4.4: Ilustração do efeito Hall.

Excs. 4.5.1.1-4.5.1.13.

4.1.2 A lei de Biot-Savart


Do mesmo jeito como parametrizamos distribuições de cargas (linear, superficial e volumétrica)
na eletrostática, Z Z Z
X
(..)Qk −→ (..)λdl ∼ (..)σdS ∼ (..)%dV , (4.8)
k C S V

podemos parametrizar distribuições de correntes (linear, superficial e volumétrica) na magne-


tostática, Z Z Z
X
(..)Qk vk −→ (..)Idl ∼ (..)~κdS ∼ (..)jdV . (4.9)
k C S V

Na eletrostática tivemos a condição %̇ = 0. Com o mesmo ponto de partida obtemos para a


magnetostática pela equação de continuidade (3.35),

∇·j=0 . (4.10)

O equivalente da lei de Coulomb é, na magnetostática, a lei de Bio-Savart,


Z Z Z
µ0 I(r0 ) × (r − r0 ) 0 µ0 I dl0 × (r − r0 ) µ0 r − r0
B(r) = dl = = j(r0 ) × dV 0 . (4.11)
4π C |r − r0 |3 4π C
0
|r − r |3 4π V |r − r0 |3

Similarmente do jeito como a lei de Coulomb pode ser aplicada na eletrostática para calcular
o campo elétrico produzido por distribuições de carga podemos aplicar a lei de Biot-Savart na
magnetostática para calcular o campo magnético produzido por correntes.

Exemplo 37 (Campo magnético de um fio de corrente retilı́neo): Consideramos um


fio infinitamente longo e fino orientado ao longo do eixo z percorrido por uma corrente I
4.2. PROPRIEDADES DO CAMPO MAGNÉTICO 129

parametrizada por j(r0 ) = êz Iδ(x0 )δ(y 0 ). Usando r = ρêρ + zêz e r0 = z 0 êz calculamos,
Z Z ∞
µ0 I ∞ 0 êz × (r − r0 ) µ0 I dz 0
B(r) = dz = êz × ρêρ p 3
4π −∞ |r − r0 |3 4π −∞ ρ2 + (z − z 0 )2
 0 ∞
µ0 I z 1 µ0 I 2 µ0 I
= êz × ρêρ 2 (ρ2 + z 02 )− 2 = êz × ρêρ 2 = êφ .
4π ρ −∞ 4π ρ 2πρ

Com isso podemos agora calcular a força que está corrente pode exercer sobre outra corrente
I2 paralela mas distante de ρ:
µ0 II2 l
F = I2 lêz × B = (−êρ ) .
2πρ
Então a força é atrativa.

Exemplo 38 (Campo magnético de uma espira de corrente circular ): Consideramos


uma corrente circular parametrizada por j(r0 ) = êφ Iδ(z)δ(ρ − R). Seguinte a lei de Biot-
Savart o campo magnético gerado é,
Z I
µ0 j(r0 ) × (r − r0 ) 0 µ0 I êφ0 × (r − Rêr0 )
B(r) = 0 3
dV = Rdφ0 .
4π V |r − r | 4π C |r − Rêr0 |3

Sobre o eixo de simetria r = zêz ,


I I
µ0 IR êφ0 × (zêz − Rêr0 ) 0 µ0 IR zêr + Rêz 0 µ0 IR2
B(zêz ) = p dφ = √ dφ = √ 3 êz ,
4π C R2 cos2 φ0 + R2 sin2 φ0 + z 2 3 4π C R2 + z 2 3 2 R2 + z 2

onde a integral contendo o termo zêr zera por simetria.

Faz os Excs. 4.5.1.14-4.5.1.15.

4.2 Propriedades do campo magnético


4.2.1 Linhas de campo e fluxo magnético
O fluxo magnético é introduzido da mesma maneira como o fluxo elétrico,
Z
ΨM ≡ B · dS . (4.12)
S

Faz o Exc. 4.5.2.1.

4.2.2 Divergência do campo magnético e a lei de Gauß


Vamos calcular o divergente do campo magnético dado pela lei de Biot-Savart 2 ,
Z Z  
µ0 0 r − r0 0 µ0 0 r − r0
∇r · B = [∇r × j(r )] · dV − j(r ) · ∇r × dV 0 = 0 , (4.13)
4π V |r − r0 |3 4π V |r − r0 |3

pois, como já mostramos anteriormente, o rotacional de um campo de forma coulombiana zera.
Portanto,
∇·B=0 . (4.14)
2
Usando a regra ∇ · (E × B) = (∇ × E) · B − E · (∇ × B).
130 CAPÍTULO 4. MAGNETOSTATICA

Com a lei de Gauß podemos derivar a versão integral desta afirmação,


I
B · dS = 0 . (4.15)
∂V

Comparando está equação com a equação correspondente da eletrostática (2.13), deduzimos a


seguinte interpretação: O fluxo magnético ΨM total atravessando uma superfı́cie fechada deve
zerar e não pode ser alterada por hipotéticas cargas magnéticas, ou seja, cargas magnéticas não
existem!
A consequência direta desta lei é, que nós permite introduzir o conceito do potencial vetorial.
Isto é, é fundamental, pois a eletrodinâmica pode ser inteiramente formulada em termos de
potenciais. Por isso, vamos dedicar a seção seguinte inteira a potenciais magnéticos.

4.2.3 Rotação do campo magnético e a lei de Ampère


Vamos agora calcular o rotacional do campo magnético dado pela lei de Biot-Savart 3 ,
Z Z  
µ0 0 r − r0 0 µ0 0 r − r0
∇r × B = −[j(r ) · ∇r ] dV + j(r ) ∇r · dV 0 (4.16)
4π V |r − r0 |3 4π V |r − r0 |3
Z Z
µ0 r − r0 µ0
= [j(r0 ) · ∇r0 ] dV 0
+ j(r0 )4πδ(r − r0 )dV 0
4π V |r − r0 |3 4π V
Z
µ0 r − r0
= [j(r0 ) · ∇r0 ] dV 0 + µ0 j(r) . (4.17)
4π V |r − r0 |3
Considerando a componente x,
Z
µ0 x − x0
(∇r × B)x = j(r0 ) · ∇r0 + µ0 jx (r)
4π V |r − r0 |3
I 0 Z
µ0 0 x−x 0 µ0 x − x0
=− j(r ) dS + ∇r0 · j(r0 )dV 0 + µ0 jx (r) .
4π ∂V |r − r0 |3 4π V |r − r0 |3
A integral de superfı́cie zera, quando o volume vai para infinito. Do outro lado, ∇ · j = −%̇ = 0.
Com isso, obtemos,
∇ × B = µ0 j . (4.18)
Os resultados (4.14) e (4.18), representam partes da primeira e quarta equação de Maxwell.
A equação (4.18) também é chamada lei de Ampère. A versão integral pode ser obtida pela lei
de Stokes,
I
B · dl = µ0 I . (4.19)
C

A interpretação da lei de Ampère é, que cada corrente produz um campo magnético rotacional,
isto é, com linhas de campo fechadas. Medindo o campo magnético ao longo de um caminho
fechado podemos avaliar a corrente que passa através da superfı́cie encerrada pelo caminho.
A lei de Ampère tem muitas aplicações. Vamos discutir alguns no seguinte.
Exemplo 39 (Campo magnético de um fio de corrente retilı́neo): Vamos reavaliar
o exemplo 37 usando a lei de Ampère,
I Z 2π
B · dl = B ρdφ = B2πρ = µ0 I .
0
3
Usando a regra ∇ × (E × B) = (B · ∇)E − (E · ∇)B + E(∇ · B) − B(∇ · E).
4.2. PROPRIEDADES DO CAMPO MAGNÉTICO 131

Portanto,
µ0 I
B= .
2πρ

Exemplo 40 (Lei de Ampère): Podemos usar a lei de Ampère para mostrar que um campo
magnético localmente uniforme, tal como o mostrado na Fig. 4.5, não é possı́vel. Conside-
ramos a curva retangular mostrada pelas linhas tracejadas. Com a geometria escolhida, a
curva não engloba corrente,
µ0 I = 0 .
Do outro lado, o campo magnético acumulado ao longo da curva é
I
B · dl 6= 0 .
C

Isso é contraditor. Assim, este exemplo mostra que na ausência de correntes qualquer campo

Figura 4.5: Impossibilidade de um campo magnético homogêneo localizado.

magnético é conservativo. Poderı́amos então definir um potencial cujo gradiente seria o


campo magnético, só que este potencial deveria ser simplesmente conectado, isto é, não
atravessado por correntes, o que limita o uso prático deste potencial.

Exemplo 41 (Campo de um solenoide): Um solenoide é uma bobina muita longa (a


distância entre duas espiras consecutivas é bem menor do que o raio e o comprimento total da
bobina) percorrido por uma corrente I (vide o esquema na Fig. 4.6). A lei de Ampère pode ser
usada para calcular facilmente o campo magnético dentro de um solenoide de comprimento
total l com N espiras, I
Bdl = B · dr = µ0 I dN .
C
Portanto,
dN
B = µ0 I .
dl

Figura 4.6: Esquema de um solenoide com a densidade de espiras dN/dl.

Faz os Excs. 4.5.2.2-4.5.2.7.


132 CAPÍTULO 4. MAGNETOSTATICA

4.3 O potencial vetorial magnético


O fato que o divergente do campo magnético zera, ∇ · B = 0, nós permite introduzir um campo
vetorial A chamado de potencial vetorial do qual o campo magnético é o rotacional,

B=∇×A . (4.20)

4.3.1 As equações de Laplace e de Poisson


A lei de Ampère fala,

µ0 j = ∇ × B = ∇ × (∇ × A) = ∇(∇ · A) − ∇2 A . (4.21)

Note que, do mesmo jeito como podemos adicionar uma constante ao potencial eletrostático
sem mudar o campo elétrico, temos a liberdade de adicionar ao potencial vetor um gradiente de
um campo escalar,
∇ × A = ∇ × (A + ∇Ψ) , (4.22)
desde que o rotacional de um gradiente sempre zera. Essa liberdade nós permite impor outras
condições ao potencial escalar. Uma dela é o calibre de Coulomb,

∇·A≡0 . (4.23)

Para mostrar, que sempre é possı́vel escolher uma função Ψ tal, que o potencial vetor A + ∇Ψ
satisfaz a condição (4.23) e no mesmo tempo produz o mesmo campo magnético (4.22), basta
inserir este potencial na Eq. (4.23) e achar uma solução formal da seguinte equação de Poisson,

∇2 Ψ = −∇ · A . (4.24)

é simplesmente o potencial de Coulomb [vide (2.33)],


Z
1 ∇r0 · A(r0 ) 0
Ψ(r) = dV , (4.25)
4π V |r − r0 |
r→∞
supondo que ∇ · A −→ 0.
Dentro do calibre de Coulomb a Eq. (4.21) também adota a forma simples de uma equação
de Poisson,
∇2 A = −µ0 j , (4.26)
que podemos resolver,
Z
µ0 j(r0 ) 3 0
A(r) = d r . (4.27)
4π |r − r0 |
Esta relação é o equivalente do potencial eletrostático (2.35). Verificamos, que recuperamos a
lei de Biot-Savart (4.8) por,
Z
µ0 |r − r0 |
∇r × A(r) = j(r0 ) × dV 0 . (4.28)
4π V |r − r0 |3
Exemplo 42 (Potencial vetor de uma corrente uni-dimensional ): Como exemplo
considere uma corrente uni-dimensional, j(r0 ) = Iδ 2 (r0 − s⊥ )ê0j ,
Z Z
µ0 I ds0 µ0 I ds0 × |r − r0 |
A(r) = e B(r) = .
4π C |r − r0 | 4π C |r − r0 |3
4.3. O POTENCIAL VETORIAL MAGNÉTICO 133

Para um elemento de corrente orientada ao longo do eixo z,


Z p
µ0 I a êz dz 0 µ0 I −(z − a) + r2 + (z − a)2
A(r) = p = êz ln √ .
4π 0 ρ2 + (z − z 0 )2 4π −z + r2 + z 2

O esquema 4.7 resume as leis fundamentais da magnetostática.

Figura 4.7: Organigrama das leis fundamentais da magnetostática. Note, que não tem expressão
simples para calcular A à partir de B.

4.3.2 Condições de contorno magnetostáticas


Para encontrar as condições de contorno magnetostáticas impostas por interfaces percorridas por
correntes prosseguimos do mesmo jeito como no caso eletrostático. Primeiramente, consideramos
a ”caixa de pilula”esquematizada na Fig. 4.8. A partir de
I
B · dS = 0 , (4.29)

achamos para a componente do campo magnético perpendicular à interface,


⊥ ⊥
Bcima = Bbaixo . (4.30)

Figura 4.8: Superfı́cie A em torno de um volume em forma de caixa de pı́lulas encerrando uma
pequena parte da interface, caminhos em torno de uma pequena área cortando a interface e
ficando perpendicular (l1 ) ou paralelo (l2 ) à corrente superficial.

Agora consideramos um caminho fechado no plano definido pelo campo magnético e perpen-
dicular à corrente. A partir de
I
(2) (2)
B · dl2 = (Bcima − Bbaixo )l2 = µ0 I = µ0 κl2 , (4.31)
134 CAPÍTULO 4. MAGNETOSTATICA

onde definimos κ ≡ I/l2 como a densidade de corrente superficial, isto é, a corrente dI fluindo
através de uma fita de largura dl2 colada à interface. Achamos,

(2) (2)
Bcima − Bbaixo = µ0 κ . (4.32)

Assim, a componente de B paralela à superfı́cie mas perpendicular à corrente é descontı́nua de


um valor µ0 κ.
Similarmente, uma volta em direção paralela à corrente mostra que a componente paralela
é contı́nua, I
(1) (1)
B · dl1 = (Bcima − Bbaixo )l1 = 0 . (4.33)

Em resumo,
k k
Bcima − Bbaixo = Bcima − Bbaixo = µ0~κ × n̂ . (4.34)

Do mesmo jeito como o potencial escalar na eletrostática, o potencial vetor é continuo através
a interface,
Acima = Abaixo , (4.35)

pois ∇ · A = 0 garante que a componente normal é continua e,


I Z Z
A · dl = ∇ × AdS = B · dS = ΨM , (4.36)

significa, que as componentes tangenciais são contı́nuas (o fluxo através uma volta amperiana
de espessura desprezável zera). Do outro lado, a derivada de A herda da descontinuidade de B:

∂Acima ∂Abaixo
− = −µ0~κ , (4.37)
∂n ∂n
onde n é a coordenada perpendicular à superfı́cie.

Exemplo 43 (Prova da descontinuidade da derivada do potencial vetor ): Para


provar a afirmação (4.37) consideramos uma corrente de superfı́cie em direção ~κ = κêx
dentro de uma interface no plano xy. Então
     
(z) (y) (z) (y)
0 ∂y Acima − ∂z Acima ∂y Abaixo − ∂z Abaixo
     
   (z)   (z) 
Bcima − Bbaixo = µ0 κ = ∂z A(x) cima
(x)
− ∂x Acima  − ∂z Abaixo − ∂x Abaixo  .
     
(y) (x) (y) (x)
0 ∂x Acima − ∂y Acima ∂x Abaixo − ∂y Abaixo

Agora,
(z) (z) (y) (y) (y) (y) (x) (x)
0 = ∂y Acima − ∂y Abaixo = ∂z Acima − ∂z Abaixo = ∂x Acima − ∂x Abaixo = ∂y Acima − ∂y Abaixo
(x) (x) (z) (z)
µ0 κx = ∂z Acima − ∂z Abaixo − ∂x Acima + ∂x Abaixo .

Assumindo um campo uniforme, só a derivada em z pode contribuir, tal que,


(x) (x)
µ0 κx = ∂z Acima − ∂z Abaixo .
4.4. EXPANSÃO MULTIPOLAR 135

4.4 Expansão multipolar


Usando a expansão (2.91) podemos expandir o potencial vetor do mesmo jeito como fizemos
com o potencial eletrostático na formula (2.92),
I ∞ I
µ0 I 1 0 µ0 I X 1
A(r) = dl = r0` P` (cos θ0 )dl0 . (4.38)
4π |r − r0 | 4π r`+1
`=0

Explicitamente,
 I I I 
µ0 I 1 0 1 0 0 0 1 02 3 2 0 1 0
A(r) = dl + 2 r cos θ dl + 3 r ( 2 cos θ − 2 )dl + ... . (4.39)
4π r r r

4.4.1 Momentos magnéticos multipolares


H
Como não existem monopolos magnéticos, o primeiro termo da expansão multipolar será dl0 =
0. O próximo termo é o termo dipolar,
I
µ0 I
Adip = r̂ · r0 dl0 . (4.40)
4πr2

Fazendo o cálculo,
I I Z
0 0
c· r̂ · r dl = 0 0
c(r̂ · r ) · dl = ∇r0 × [c(r̂ · r0 )] · dS0 (4.41)
Z Z  Z 
 
=− c × ∇r0 (r̂ · r0 ) · dS0 = − (c × r̂) · dS0 = −c · r̂ × dS0 ,

para constantes c arbitrárias, achamos,


Z Z
µ0 I µ0 m × r̂
Adip = − r̂ × dS0 = onde m≡I dS (4.42)
4πr2 4π r2

é o momento dipolar magnético.

Exemplo 44 (Momento magnético de uma espira de corrente): O momento magnético


de uma espira condutor de raio R deitada no plano xy e percorrida por uma corrente é cal-
culado por,
Z
m = I dS = IπR2 êz .

Mostraremos no Exc. 4.5.4.1 como o momento dipolar magnético de uma espira de corrente
pode ser calculado também à partir de uma parametrização adequada pela definição,
Z
m= 1
2 r0 × j(r0 , t)d3 r0 . (4.43)
136 CAPÍTULO 4. MAGNETOSTATICA

4.5 Exercı́cios
4.5.1 A corrente elétrica e a força de Lorentz
4.5.1.1 Ex: Força sobre condutor de corrente
Um pedaço de fio em forma de semicı́rculo (raio R, semicı́rculo em z = 0 no plano xy) fica
dentro de um campo magnético B homogêneo e orientado em direção z, como mostra o esquema.
Através do fio corre uma corrente I. Calcule a força sobre o laço e compare-a com a força sobre
um pedaço de fio reto orientado ao longo do eixo y com comprimento 2R. A corrente neste fio
corre em direção êy .
C L L
y
Ue R Ua U R(
B
x
I
R

Ue L Ua
4.5.1.2 Ex: Força de Lorentz C
Num cilindro de madeira de massa m = 0.25 kg e comprimento L = 10 cm é enrolada uma
bobina de fio condutor com 10 espiras de tal maneira, que o eixo do cilindro fica dentro do plano
da bobina. O cilindro fica sem deslizar sobre um plano inclinado por α = 30◦ à respeito da
horizontal, de maneira que o plano da bobina é paralelo ao plano inclinado. A configuração toda
seja dentro de um campo magnético vertical e homogêneo com o valor absoluto de B = 0.5 T. z
Qual deve ser a corrente mı́nima através da bobina para impedir a bobina de girar em torno do
seu centro de massa?
ω R
L m
B
I

4.5.1.3 Ex: Espectrômetro de massa de campo magnético


Um espectrômetro é utilizado para separar ı́ons de urânio duplamente ionizados da massa 3.92 ×
10−25 kg de outros isotopos similares. Os ı́ons são primeiramente acelerados por uma diferencia
de potencial de 100+kV e depois entram num campo magnético homogêneo, onde eles são
desviados numa órbita circular do raio 1 m. Depois de ter percorrido um ângulo de 180◦ , eles
entram por uma fenda de 1 mm de largura e 1 cm de altura e são acumulados num coletor.
a. Determine o campo magnético do espectrômetro de massa à partir do balanço energético dos
ı́ons (individuais).
b. O dispositivo deve separar 100 mg dos ı́ons desejados por hora. Qual deve ser a intensidade
4.5. EXERCÍCIOS 137

da corrente iônica no feixe?


c. Qual é o calor produzido no coletor em uma hora?

4.5.1.4 Ex: Espectrômetro de massa


ED um espectrômetro de massa, um ı́on de 24 M g monovalente tem massa igual a 3.983·10−26 kg
e é acelerado através de uma diferença de potencial de 2.5 kV. Ele entra, então, em uma região
onde é defletido por uma campo magnético de 557 G.
a. Determine o raio de curvatura das órbitas do ı́on.
b. Qual é a diferença entre os raios das órbitas dos ı́ons 26 M g e 24 M g? Considere que a razão
entre as massas seja 26 : 24.

4.5.1.5 Ex: Magnétron


Um magnétron consiste de um tubo de diodo, um ânodo a forma de um cilindro circular com
raio RA = cm no centro do qual fica coaxialmente localizado o filamento do cátodo. Sobre o
tubo de vidro deste diodos é enrolada uma bobina cilı́ndrica, cujo eixo coincide com o ânodo.
A bobina seja suficientemente longa, de modo que o campo magnético ao longo do cátodo
pode ser considerado como homogêneo. Os elétrons emitidos a partir do fio de cátodo são sob a
influência simultânea do campo elétrico entre cátodo e ânodo, U = 1000 V e do campo magnético
B = 0.533 · 10−2 T. O último foi ajustado, de modo que os elétrons não atingem o ânodo por
pouco. Todo o aparelho é basicamente um filtro de velocidade para elétrons e, assim, uma versão
compacta do experimento e/m de J.J. Thomson (1987). Determinem a partir da equação de
movimento de um elétron no tubo, o rácio e/m.

4.5.1.6 Ex: Tiras de cobre condutoras


Uma fita de cobre de comprimento l = 2 cm, largura b = 1 cm e espessura d = 150 µm fica
dentro de um campo magnético homogêneo B do valor 0.65 T, orientado perpendicularmente ao
lado plano da fita. A concentração das cargas livres em cobre vale 8.47 × 1028 elétrons/m3 . Qual
é a diferencia de potencial V através da largura da fita, se ela é percorrida por uma corrente de
I = 23 A?

4.5.1.7 Ex: Força de Lorentz


Um fio linear, firme e horizontal de 25 cm de comprimento, tem massa igual a 5 g e está conectado
a uma fonte de fem através de fios leves e flexı́veis. Um campo magnético de 1.33 T é horizontal
e perpendicular ao fio. Determine a corrente necessária para fazer o fio flutuar, isto é, quando
o fio é liberado a partir do repouso, ele permanece em repouso.

4.5.1.8 Ex: Força de Lorentz


Um fio conduzindo corrente é curvado em um semicı́rculo fechado de raio R que está no plano
xy. O fio está em um campo magnético uniforme que está na direção +z, como mostra a figura.
Verifique que a força exercida no anel é zero.
138 CAPÍTULO 4. MAGNETOSTATICA

4.5.1.9 Ex: Força de Coulomb e de Lorentz


Duas cargas puntiformes iguais estão, em algum instante, localizadas em (0, 0, 0) e em (0, b, 0).
Ambas estão se movendo com rapidez v na direção +x (considere v  c). Determine a razão
entre a magnitude da força magnética e a amplitude da força elétrica em cada carga.

4.5.1.10 Ex: Armadilha de Penning


Na armadilha de Penning, partı́culas carregadas se movem sob a influência de um campo
magnético homogêneo B = Bh êz e um campo elétrico quadrupolar, E = Eq (ρêρ − 2zêz ). Em
quais órbitas a partı́cula se move.
Ajuda: Considere os movimentos axiais e radiais separadamente. No movimento radial consi-
dere dois casos:
1. A influência do campo elétrico é desprezável,
2. a força centrı́peta é desprezável.

4.5.1.11 Ex: Armadilha magnética perto de um fio de corrente


Um fio condutor infinitamente longo (raio R, eixo em direção z na posição x = y = 0) carrega
uma corrente I.
a. Calcule o campo magnético dentro e fora do fio.
b. Agora é adicionado um campo magnético homogêneo Bapl = B0 êx . Calcule o valor absoluto
do campo magnético total |Btot | dentro e fora do fio.
c. Onde aparecem dentro e fora do fio pontos onde |Btot | zera? Quais condições para os
parâmetros I, R e B0 devem ser satisfeitas para ter tais pontos?

4.5.1.12 Ex: Carga em campos homogêneos


Uma carga e se move no vácuo sob a influencia de campos homogêneos E e B. Supõe, que
E · B = 0 e v · B = 0. Para qual velocidade a carga se move sem aceleração? Qual é o valor
absoluto da sua velocidade, se |E| = |B|?

4.5.1.13 Ex: Trem acelerado pelo campo magnético da Terra


Analise o seguinte conceito de propulsão para trens. O trem deve ser propulsado pela força
magnética da componente vertical do campo magnético da Terra agindo sobre os eixos do trem
percorridos de corrente. O valor da componente vertical do campo magnético da Terra seja
10 µT, os eixos têm o comprimento de 3 m. A corrente é alimentada pelos trilhos e flui de um
trilho pelas rodas condutantes e os eixos para o outro trilho.
a. O que deveria ser a amplitude da corrente para gerar a força modesta de 10 kN sobre um
eixo?
b. Qual é a taxa de perda de energia elétrica por produção de calor?

4.5.1.14 Ex: Lei de Biot-Savart


Consideramos um fio infinitamente longo e fino orientado ao longo do eixo z e concentricamente
abraçado por um condutor oco com raio R e espessura de parede negligenciável. Através do
condutor flui a corrente I0 e através do fio a corrente I1 .
a. Calcule baseado na lei de Biot-Savart o campo magnético produzido pelo fio interno numa
distância d do eixo z.
4.5. EXERCÍCIOS 139

b. Calcule a força exercida pelo campo magnético do fio interno sobre um elemento de superfı́cie
do condutor percorrido de corrente.
c. Qual é a pressão resultante com I1 = −I0 = 10 A, R = 1 mm?
Ajuda:
Z b hx i
3 1 b
(c2 + x2 )− 2 dx = 2 (c2 + x2 )− 2
a c a

4.5.1.15 Ex: Lei de Biot-Savart


Consideramos um condutor oco infinitamente longo correndo ao longo do eixo z com espessura
de parede finita com raio interior R −  e raio exterior R + . A densidade de corrente j0 dentro
do condutor oco seja constante e a corrente total seja I0 .
a. Calcule j0 à partir de I0 ,  e R.
b. Calcule baseado na lei de Ampère o campo magnético produzido pelo condutor oco numa
distância ρ do eixo z para R −  < ρ < R + .
c. Calcule a força resultante sobre um elemento de volume do condutor percorrido de corrente.
d. Integre a força radial e calcule o limite  → 0.
e. Qual é a pressão resultante em I0 = 10 A, R = 1 mm? A força age para dentro ou para fora?

4.5.1.16 Ex: Campo magnético da Terra


O campo magnético da Terra é aproximadamente 0.6 G nos polos magnéticos e aponta vertical-
mente para baixo no polo magnético no hemisfério morte. Se o campo magnético fosse devido a
uma corrente elétrica circulando em um anel com raio igual ao núcleo de ferro interno da Terra
(aproximadamente 1300 km),
a. qual seria a magnitude da corrente necessária?
b. Que sentido teria a corrente − o mesmo do movimento de rotação da Terra ou o oposto?
Explique sua resposta.

4.5.1.17 Ex: Lei de Biot-Savart


Considere o seguinte dispositivo: Uma corrente I corre através de dois anéis idênticos infinita-
mente finos com raio R. O centro comum dos dois anéis fica na origem das coordenadas. Um
dos anéis fica do plano x-y o outro no plano x-z.
a. Parametrize a densidade de corrente j em coordenadas esféricas.
b. Mostre, que o campo B resultante deste dispositivo na origem é dado por:
µ0 I 1 µ0 I 1
B(0) = − êz − êy .
2 R 2 R
Ajuda: Uma função δ em coordenadas esféricas para a variável r deve ser multiplicada por 1r ;
uma função δ em coordenadas esféricas para a variável φ deve ser multiplicada por π2 .

4.5.2 Propriedades do campo magnético


4.5.2.1 Ex: Fluxo magnético
Um longo solenoide tem n voltas por unidade de comprimento, raio R1 e conduz uma corrente
I. Uma bobina circular de raio R2 e com N voltas é coaxial ao solenoide e está equidistante de
suas extremidades.
140 CAPÍTULO 4. MAGNETOSTATICA

a. Determine o fluxo magnético através da bobina se R2 < R1 .


b. Determine o fluxo magnético através da bobina se R2 > R1 .

4.5.2.2 Ex: Campo magnético de um anel condutor e a lei de Ampère


Um laço condutor em forma de anel fica no plano y-z; o eixo do laço seja o eixo x. Ele é
percorrido por uma corrente IR e gera no eixo o campo Bx = 21 µ0 IR2 (x2 + R2 )−3/2 .
a. Calcule a integral de linha Bd~s ao longo do eixo x entre x = −L e x = +L.
b. Mostre, que para L → ∞ a integral de linha converge para µ0 I.
Ajuda: Este resultado também pode ser obtido com a lei de Ampère, quando fechamos o
caminho de integração através do semicı́rculo com o raio L, para o qual vale B ≈ 0, quando L
é muito grande.

4.5.2.3 Ex: Leis de Biot-Savart e de Ampère


a. Calcule o campo magnético gerado por uma corrente constante I num pedaço condutor
retilı́neo de comprimento L.
b. Mostre que para um condutor infinitamente longo a lei de Biot-Savart se torna a lei de Ampère.

4.5.2.4 Ex: Solenoide


a. Para determinar o número de espiras de um solenoide com o diâmetro D = 4 cm e o com-
primento L = 10 cm, um experimentador passa uma corrente I = 1 A através da bobina. Ele
mede o campo magnético B = 10 mT. Quantos espiras são?
b. Para confirmar ele mede o diâmetro do fio de cobre (d = 1 mm) e a resistência ôhmica achando
R = 2 Ω. No internet ele acha a resistividade de cobre ρ = 1.7 · 10−8 Ωm.

4.5.2.5 Ex: Bobina toroidal


Uma bobina com N espiras seja colocada em forma de toroide de simetria rotacional em torno
de eixo z e cujo centro fica na origem das coordenadas. A bobina seja densamente enrolada e
percorrida por uma corrente I (veja esquema).
a. Calcule a componente êφ do campo B para z = 0 (plano x-y) em função da distância ρ da
origem.
b. Determine a componente êφ do campo B no espaço inteiro fora do toroide. Esquematize a
componente êφ em função de ρ.
c. Qual deve ser o valor de b, para que Bφ seja constante dentro do toroide com uma precisão
de α = 1%, quando a = 1 cm? [Isto é, vale: Bφ (b − a) − Bφ (b + a) < α · Bφ (b)]

a b

I N

4.5.2.6 Ex: Bobina toroidal


Um toroide firmemente enrolado com 1000 voltas tem raio interno de 1.0 cm, raio externo de
2.0 cm e conduz uma corrente de 1.5 A. O toróide está centrado na origem com os centros das
4.5. EXERCÍCIOS 141

voltas individuais no plano z = 0. No plano z = 0:


a. Qual é a intensidade do campo magnético a uma distância de 1.1 cm da origem?
b. Qual é a intensidade do campo magnético a uma distância de 1.5 cm da origem?

4.5.2.7 Ex: Densidade de corrente inomogênea

A densidade de corrente num fio reto de comprimento infinito com o raio R cresce linearmente
à partir do centro para fora, j(r) = j0 rêz , onde êz mostra na direção do fio e a corrente total
passando pelo fio é I.
a. Calcule j0 como função de I.
b. Calcule usando a lei de Ampère o campo magnético no fio dentro e fora do fio.
c. Faz um gráfico do campo magnético normalizado, B(r)/BR , versus r/R, onde BR ≡ µ0 I/2πR.

4.5.2.8 Ex: Campo magnético no cabo coaxial

Um cabo coaxial consiste em um condutor interior com raio R1 e um condutor exterior cilı́ndrico
com raio interior R2 e raio exterior R3 . Em ambos os condutores flui a mesma corrente I em
direções opostas. As densidades de corrente em cada condutor sejam homogêneas.
a. Calcule as densidades de corrente em cada condutor.
b. Calcule o campo magnético B(r) para r ≤ R1 ,
c. para R1 ≤ r ≤ R2 ,
d. para R2 ≤ r ≤ R3 ,
e. para R3 ≤ r.

4.5.2.9 Ex: Campo magnético de um condutor percorrido de corrente

ED um condutor reto, infinitamente longo com área transversal circular com raio R corre um
corrente I com uma distribuição de densidade de corrente uniforme. Como vão as linhas de
campo da indução magnética B?
a. Calcule B dentro e fora do condutor.
b. Esquematize o perfil de B(r) ≡ |B(r)|, onde r seja a distância à parir do eixo de simetria do
condutor em uma direção perpendicular à esta.
142 CAPÍTULO 4. MAGNETOSTATICA

4.5.3 O potencial vetorial magnético


4.5.3.1 Ex: Bobina de Helmholtz e anti-Helmholtz
a. Mostre, que o campo magnético de um laço condutor redondo percorrido de corrente com raio
R no eixo de simetria é dado por,

µ0 I R2
B(z) = − √ 3 êz .
2 R2 + z 2
b. Agora, considere dois laços idênticos paralelos com distância d = R colocados no eixo de
simetria. Os laços são percorridos por correntes I de amplitudes iguais. Qual é o comportamento
do campo magnético no eixo de simetria para o caso de (i) sentidos iguais das correntes (ii)
sentidos opostos? Escolhendo como origem o centro entre as duas bobinas, expande o campo
magnético até segunda ordem numa série de Taylor em torno da origem.

4.5.3.2 Ex: Bobinas de Helmholtz


Duas bobinas circulares idênticas, de raio R e espessura desprezı́vel, são montadas com seus eixos
coincidentes com o eixo z, conforme mostrado na figura abaixo. Seus centros estão separados
por uma distância d, com o ponto médio P coincidindo com a origem do eixo z. As bobinas
transportam correntes elétricas de mesma intensidade I, e ambas no mesmo sentido anti-horário.
a. Utilize a lei de Biot-Savart para mostrar que o campo magnético B(z) ao longo do eixo z é
!
µ I R 2 R 2
~ t+ (z) = − 0
B
2
êz p 3 ± p 2 3 .
R2 + (z − R/2)2 R + (z + R/2)2
b. Admitindo que o espaçamento d seja igual ao raio R das bobinas, mostre que no ponto P
as seguintes igualdades são válidas: dB/dz = 0 e d2 B/dz 2 = 0. c. Considerando os gráficos
abaixo, qual curva descreve o campo magnético ao longo do eixo z na configuração do item (b)?
Justifique. d. Supondo que a corrente na bobina superior tenha seu sentido invertido, calcule o
novo valor do campo magnético no ponto P.

4.5.3.3 Ex: Bobinas de Helmholtz


Um par de bobinas idênticas, cada com raio de 30 cm, está separado por uma distância igual aos
seus raios. Denominadas bobinas de Helmholtz, elas são coaxiais e conduzem corrente iguais em
sentidos tais que seus campos axiais estão na mesma direção e sentido. Uma caracterı́stica das
bobinas de Helmholtz é que o campo magnético resultante na região entra as bobinas é bastante
uniforme. Considere que a corrente em cada uma seja 15 A e que há 250 voltas para cada bobina.
Usando uma planilha eletrônica, calcule e faça um gráfico do campo magnético como função de
z, a distância ao centro das bobinas ao longo do eixo comum, para −30 cm < z < +30 cm. Em
que intervalo de z o campo varia menos que 20%?
4.5. EXERCÍCIOS 143

4.5.3.4 Ex: Bobinas de Helmholtz


Duas bobinas circulares idênticas, de raio R e espessura desprezı́vel, são montadas com seus eixos
coincidentes com o eixo z, conforme mostrado na figura abaixo. Seus centros estão separados
por uma distância d, com o ponto médio P coincidindo com a origem do eixo z. As bobinas
transportam correntes elétricas de mesma intensidade I, e ambas no mesmo sentido anti-horário.
a. Utilize a lei de Biot-Savart para mostrar que o campo magnético B(z) ao longo do eixo z é
!
µ0 I R2 R2
Bt+ (z) = − êz p 3 ± p 2 3 .
2 R2 + (z − R/2)2 R + (z + R/2)2

b. Admitindo que o espaçamento d seja igual ao raio R das bobinas, mostre que no ponto P
as seguintes igualdades são válidas: dB/dz = 0 e d2 B/dz 2 = 0. c. Considerando os gráficos
abaixo, qual curva descreve o campo magnético ao longo do eixo z na configuração do item (b)?
Justifique. d. Supondo que a corrente na bobina superior tenha seu sentido invertido, calcule o
novo valor do campo magnético no ponto P.

4.5.3.5 Ex: Potencial vetor e campo elétrico de uma esfera carregada girante
Na superfı́cie de uma esfera oca com raio R seja distribuı́da de maneira homogênea a carga Q.
A esfera gira com velocidade angular constante ω~ em torno de um diâmetro.
a. Determine a densidade de corrente produzida pelo movimento j(r).
b. Derive as componentes do potencial vetor A(r) e da indução magnética B(r).

4.5.3.6 Ex: Campo magnético de uma camada esférica girante com funções
esféricas harmônicas
Calcule o potencial vetorial, o campo magnético e a magnetização de uma camada esférica
carregada girante usando funções esféricas harmônicas.

4.5.3.7 Ex: Espiras finas condutoras


Considere um laço condutor circular com raio R. O fio do laço seja infinitamente fino (função
δ). Através do laço flui uma corrente continua I.
a. Qual é a expressão para a densidade de corrente j(r)? Exprime o resultado em coordenadas
esféricas considerando, que a integral da corrente sobre uma superfı́cie perpendicular ao fio deve
dar I.
b. Calcule o momento dipolar magnético deste laço percorrido de corrente,
Z
1
m= [r × j(r)]d3 r .
2
144 CAPÍTULO 4. MAGNETOSTATICA

c. Para grandes distância de uma distribuição de corrente localizada, o potencial vetor A é


dominado pela contribuição dipolar,
m×r
A(r) = .
r3
Qual é, nesta aproximação, o valor do potencial vetor A e do campo magnético B para o laço
condutor?

4.5.3.8 Ex: Espiras finas condutoras


Considere um sistema de N laços condutores diferentes (usar funções δ), através dos quais corre
uma corrente Ij (j = 1, . . . , N ). O fluxo magnético para o laço j então é dado por,

N Z
X
Φj = Bm · dS ,
m=1 Fj

onde a integral deve ser tomada sobre a área encerrada pelo circuito de corrente j e Bm é a
parte do campo magnético devido ao circuito j.
a. Mostre,
XN
Φj = c Ljm Im
m=1

com o coeficiente de indução, R R


1
  
 
/B C+*D@' 0;♦
 
  
DEF &("G & ♦ 
 !"#   
H EI ♦ $
 D
% &'  ! )(*  +
%   KJ
"#  )( ♦ 
,.-/ %0 Ljm = !" &2(*35463 "#78% &
 )(*3♦ 1 " &  j m drj
  *";:
"C0 2"G B ♦7K9 
B  0; ♦ <>>
c
· drm
 "A@'3(783
 =? %"#78 ILM 
♦  ? ♦ $ ♦ < ♦ $ 1 = ♦ 1 1 = = ♦

Experimentalphysik 2, Sommersemester |rj −


2007 rm | ,
Universität Erlangen–Nürnberg
onde as integrais sãoÜbungsblatt tomadas 8sobre os circuitos j e m.
(26.06.2007)
b. Mostre também, que a energia do campo
Übungen: Di 12:00 in 00.732, TL-307; 12:30 in TL-2.140; Vorlesungen: magnético
Mo & Mi 10:15, Hörsaal HG do sistema de laços é dada por,
Di 13:00 in HH, 14:00 in 00.732, 00.103, 01.332, www.pi1.physik.uni–erlangen.de/˜katz/ss07/p2
01.779, 02.779, TL-2.140, TL-307, HE
1X
W = Ljm Ij Im .
2
Präsenzaufgaben j,m

16) Hall-Effekt
Ein d = 1 cm dicke und b = 1.5 cm breite Silberplatte wird
b
längs von einem Strom I = 2.5 A durchflossen. Senkrecht
4.5.3.9 Ex:einEspiras
zur Platte herrscht finasder condutoras
homogenes Magnetfeld Stärke
1.25 T. Senkrecht zu ~B und der Stromrichtung wird eine d
B
Um laço condutor
Hallspannung von −0.334feito de dois semicı́rculos (veja esquema) com raios ri = 0.3 m e ra = 0.5 m
µV gemessen.
(a) Berechnen Sie die Driftgeschwindigkeit der Ladungs-
seja percorrido
träger. de uma corrente I = 1.5 A.
a. Calcule o momento
(b) Bestimmen magnético
Sie die Anzahldichte der Ladungsträger µ
~der do laçoI condutor.
Silberplatte.
b. O laço condutor
(c) Vergleichen agora
Sie das Ergebnis é perfurado
von Teilaufgabe por um
(a) mit der Anzahldichte campo
der Elektronen B da força B = 0.3 T. Calcule o torque
der Platte
(Dichte ρ = 10.5 g/cm3 , molare Masse mMol = 107.9 g/mol).
resultante m sobre o laço condutor, quando o campo B fica (i) em direção z, (ii) em direção x
(d) Auf welcher Seite der Platte befindet sich das höhere Potential?
e (iii) ortogonal ao plano do esquema.
17) Leiterschleife
Ein Leiterschleife, bestehend aus zwei Halbkreisen (siehe
Bild) mit Radien ri = 0.3 m und ra = 0.5 m, wird von einem
Strom I = 1.5 A durchflossen.
I
(a) Berechnen Sie das magnetische Moment ~µ der Leiter-
schleife.
(b) Diese wird nun von einem B-Feld der Stärke B = 0.3 T
durchsetzt. Berechnen Sie das resultierende Drehmoment ri
M auf die Leiterschleife, wenn das B-Feld (i) in z- z
Richtung, (ii) in x-Richtung und (iii) senkrecht zur Zei- ra x
chenebene orientiert ist.
4.5. EXERCÍCIOS 145

4.5.3.10 Ex: Transformação de calibre


Seja dado o potencial vetor,  
0
1  
 
A(r) = 2 z  .
y + z 2 + a2  
−y
Discute o campo magnético correspondente B = ∇ × A.
a. Mostre que o potencial  
0
1  
 
A0 (r) = y + z 
y + z 2 + a2
2  
z−y

dá o mesmo campo magnético como o potencial A(x).


b. Mostre:
A0 (r) = A(r) − ∇α(r)
e determine α(r).

4.5.3.11 Ex: Calibre de Coulomb


Seja dado o potencial vetorial,

(x + y)Ex + (−x + y)Ey


A(x, y, z) = p .
x2 + y 2

Encontre uma transformação de calibre α(x, y, z), onde A → A0 = A − ∇α, tal que potencial
vetorial transformado satisfaz o calibre de Coulomb.
Ajuda: O operador de Laplace em coordenadas cilı́ndricas tem a forma,
 
1 ∂ ∂ ∂2 1 ∂2
∆= ρ + 2+ 2 2 .
ρ ∂ρ ∂ρ ∂z ρ ∂φ

onde ρ2 = x2 + y 2 .

4.5.3.12 Ex: Potencial vetorial de um campo homogêneo


Consideramos um campo magnético homogêneo em direção z,

B = Bêz .

Invente um potencial vetor A, tal que B = rot A. Como fica o potencial vetor no calibre de
Coulomb (isto é, com a condição de calibre: div A = 0).

4.5.4 Expansão multipolar


4.5.4.1 Ex: Momento magnético
Calcule o torque sobre uma bobina retangular de N espiras colocada num campo magnético
homogêneo como mostra a figura.
146 CAPÍTULO 4. MAGNETOSTATICA

4.5.4.2 Ex: Momento magnético


a. Determine o momento magnético de um laço condutor circular com raio R dentro do qual
corre uma corrente I1 . O laço condutor fica no plano x-y.
b. Agora dois segmentos exteriores do circulo sejam deformados numa distância a em ângulo
reto na direção −êz . Qual é o momento magnético da nova configuração.
c. Agora considere uma corrente I2 filiforme infinitamente longo numa distância d da origem e
orientada em direção êz . Qual é o torque agindo sobre as configurações em (a) e (b).

4.5.4.3 Ex: Momento magnético de um cubo


Um condutor carrega a corrente I = 6 A ao longo do caminho esquematizado na figura, que
corre por 8 dos doze cantinhos do cubo cujo comprimento é L = 10 cm.
a. Calcule o momento magnético dipolar ao longo do caminho.
b. Calcule a indução magnética B nos pontos (x, y, z) = (0, 5 m, 0) e (x, y, z) = (5 m, 0, 0).

I
y
z
A d x

4.5.4.4 Ex: Momento magnético de um disco circular fino


Considere um disco muito fino, com raio R, homogeneamente carregado com a carga Q e girando
em torno do eixo êz com a velocidade angular ω.
a. Parametrize a distribuição de carga e de corrente.
b. Calcule o momento magnético.

4.5.4.5 Ex: Bússola magnética


Um topógrafo use uma bússola magnética, enquanto ele fica 6.1 m sob uma linha de alta tensão
na qual corre uma corrente de 100 A. O componente horizontal do campo magnético da Terra
4.5. EXERCÍCIOS 147

neste lugar seja 20 µT. Quão grande é o campo magnético devido à corrente no local da bússola?
O campo magnético vai perturbar bússola perceptivelmente?

4.5.4.6 Ex: Torque de uma agulha magnética


Uma agulha magnética tem um momento magnético dipolar µ = 10−2 Am2 . Calcule o torque
sobre a agulha devido à componente horizontal do campo magnético da Terra no equador (BH =
4 · 10−5 T), se o polo norte magnético da agulha mostra para direção nordeste.

4.5.4.7 Ex: Circuito condutor curvo


Um laço condutor retangular seja deformado no meio dos cantos (comprimento a) para formar
um ângulo reto. O laço condutor seja percorrido por uma corrente I. Calcule o momento
magnético dipolar m desta configuração. Dá o valor absoluto e a orientação de m.
Ajuda: Use o princı́pio de superposição e substitua a geometria acima por uma sobreposição
de dois laços condutores.

I b
a/2
a/2
I b

4.5.4.8 Ex: Dipolo magnético


Um dipolo magnético µ ~ = µêz fica na origem do sistema de coordenadas e tem o valor µ =
1esu · cm. Este dipolo gera uma indução magnética da forma,

µ · r) − r2 µ
3r(~ ~
B(r) = 5
.
r
a. Em qual distância da origem o valor absoluto de B adota o valor 1 esu/cm2 , indo (i) na
direção z, (ii) na direção x e (iii) na direção da diagonal dentro do plano x − z?
b. Em qual direção mostra B nestes três casos?

4.5.4.9 Ex: Campos de dipolos estáticos


Campos e potenciais de dipolos estáticos

4.5.4.10 Ex: Momento magnético dipolar de uma espira condutora retangular


Um laço condutor (ideal) retangular com comprimento das bordas a e b seja percorrido por uma
corrente I.
a. Dê a distribuição de densidade de corrente j.
b. Calcule o momento magnético dipolar correspondente M.

4.5.4.11 Ex: Momento magnético dipolar de uma espira retangular


O laço condutor retangular do Exc. 4.5.4.10 seja deformado no meio dos cantos (comprimento
a) para formar um ângulo reto (vide figura). Ele seja percorrido por uma corrente I. Calcule o
momento magnético dipolar desta geometria.
148 CAPÍTULO 4. MAGNETOSTATICA

4.5.4.12 Ex: Força sobre as paredes de um cilindro oco


Considere uma camada cilı́ndrica infinitamente longa de raio a dentro da qual corre uma corrente.
A força magnética sobre este cilindro oco é tal, que tenta comprimir o cilindro. Para contrariar
esta força, podemos encher o interior do cilindro com um gás de pressão P . Qual é a pressão
necessária para equilibrar a força magnética?

4.5.4.13 Ex: Bobina infinitamente densa


Uma bobina com N espiras enroladas de maneira ”infinitamente densa”é percorrida por uma
corrente I. Ela forma a respeito do eixo z um toroide com simetria rotacional com um raio
interior b − a e um raio exterior b + a. A figura mostra a área transversal de um corte no plano
perpendicular ao plano xy. a. Calcule explorando a geometria deste dispositivo em coordenadas
cilı́ndricas (ρ, φ, z) a componente φ da indução magnética B no plano xy (isto é, para z = 0)
em função da distância ρ à partir da origem do sistema de coordenadas. Ajuda: Use a lei de
Stokes.
b. Qual é o valor da componente φ de B no espaço inteiro fora do toroide (isto é, também para
z 6= 0).
c. Desenhe o perfil de Bφ (ρ) no plano z = 0 em função de ρ.
d. Seja a = 1 cm. Qual deve ser o valor de b em 1. aproximação, para que Bφ no toroide seja
constante dentro de 1%? Ajuda: (1 ± )−1 ≈ 1 ∓ .

4.5.4.14 Ex: Campo magnético num espaço oco cilı́ndrico


ED um cilindro massivo condutor e infinitamente longo de raio a tem, paralelo ao eixo do cilindro
e em uma distância d dela, um espaço oco também cilı́ndrico de raio b (d + b < a). A densidade
de corrente dentro deste cilindro metálico perfurado seja homogênea e orientada paralelamente
ao eixo de simetria do cilindro massivo (eixo z). Usando a lei de Ampère e o princı́pio da
superposição linear determine o valor absoluto e a orientação do campo magnético dentro do
furo.

4.5.4.15 Ex: Torque de um cilindro condutor


Determine o torque (por unidade de comprimento) sentido por um cilindro condutor massivo
com raio R, que gira lentamente com velocidade angular ω constante em torno em um campo
B homogêneo em torno do seu eixo. B seja ortogonal ao eixo do cilindro.

4.5.4.16 Ex: Anéis girantes


Considere dois anéis concêntricos ’infinitamente finos’ com os raios a e b (a < b). Os anéis sejam
no plano xy e o seu centro comum seja na origem. Sobre o anel interior tem, homogeneamente
distribuı́da (isto é, com densidade de carga linear constante), a carga +q, e sobre o anel exterior
a carga −q.
a. Escreve a densidade de carga ρ(r) = ρ(r, φ, z) em coordenadas cilı́ndrica.
b. Agora, o dispositivo inteiro gira com velocidade angular constante ω em torno de eixo de
simetria z. Determine a densidade de corrente resultante j(r) = j(r, φ, z) também em coordena-
das cilı́ndricas.
c. Quais são as componentes cartesianas da densidade de corrente j?
d. Calcule o momento magnético dipolar m do dispositivo girante.
4.5. EXERCÍCIOS 149

4.5.4.17 Ex: Campo magnético dentro de um tubo de corrente


Um tubo condutor oco com camada fina seja percorrido por uma corrente ao longo do eixo de
simetria. A corrente seja uniformemente distribuı́da. Calcule a o campo magnético dentro e
fora de um de corrente
a. a partir da lei de Ampère e
b. a partir da lei de Biot-Savart.

4.5.4.18 Ex: Indução magnética no condutor oco


Um condutor (ideal e infinitamente fino) seja em cima do eixo z e percorrido por uma corrente I
em direção +z. Este condutor seja encerrado por um cilindro oco condutor com raio R, dentro
do qual corre, homogeneamente distribuı́do, uma corrente total I em direção oposta −z (cabo
coaxial). Calcule a indução magnética dentro e fora deste dispositivo.

4.5.4.19 Ex: Anel de corrente


Um anel de corrente (ideal) no plano x − y com raio a e centro na origem seja percorrido por
uma corrente I. Em coordenadas esféricas a densidade de corrente é dada por,

I
j(r) = j(r, θ, φ) = δ(cos θ)δ(r − a)êφ .
a
Para |r|  a o potencial correspondente então tem a forma,

Iπa2
A(r) = A(r, θ, φ) = sin θêφ .
cr2
e para a indução magnética vale,

Iπa2
B(r) = B(r, θ, φ) = (2 cos θêr + sin θêθ ) .
cr3
onde êr , êθ e êφ são os versores em direção r, θ e φ.
a. Calcule as componentes cartesianas de j(r).
b. Calcule as componentes cartesianas do momento magnético dipolar M usando a formula,
Z
1
M= d3 r0 (r0 × j(r0 )) .
2c

c. Quais são as componentes de M em direção r, θ e φ.


d. Mostre com a ajuda de (c), que a indução magnética num ponto r da superfı́cie arbitrário
pode ser escrito,
3êr (M · êr ) − M
B(r) = .
r3
e. Calcule as componentes cartesianas da indução magnética e verifique com a ajuda de (b), que
também em coordenadas cartesianas,

3r(M · r) − r2 M
B(r) = .
r5
150 CAPÍTULO 4. MAGNETOSTATICA

4.5.4.20 Ex: Campo magnético de uma bobina longe


Determine o campo magnético H no interior de uma bobina muito longa percorrida de corrente.
O número de espiras seja n, o comprimento da bobina l, o seu raio a e a amplitude da corrente
I. Como muda o campo magnético, se a bobina tem um núcleo de ferro com a permeabilidade
µ?

4.5.4.21 Ex: Campo dipolar blindado


O campo magnético de um dipolo seja blindado por uma esfera oca (raio interior a, raio exterior
b) feita de um material com a permeabilidade µ. O dipolo PM seja no centro da esfera e mostre
em direção z.
a. Mostre, que o campo magnético H no espaço inteiro pode ser escrito como gradiente negativo
de um potencial ΦM (r).
b. Mostre, que este potencial magnético satisfaz no espaço inteiro a equação de Laplace, 4ΦM (r) =
0.
c. Para resolver esta equação de Laplace, faz o seguinte ansatz de separação das variáveis,
∞ X
X +l  
(i) 4π (i) l (i) 1
ΦM (r, θφ) = β r + γlm l+1 Ylm (θ, φ) .
2l + 1 lm r
l=0 m=−l

(i) (i)
onde os βlm e γlm sejam constantes e i = I, II, II denotam as diferentes regiões (I : 0 ≤ r <
(i) (i)
a , II : a ≤ r ≤ b , III : b < r). Quais são as consequências para os βlm e γlm devido ao fato,
que ΦM
1. é, na origem, o potencial de um campo dipolar puro PM ?
2. é cilindricamente simétrico a respeito do eixo z?
3. desaparece no infinito?
d. Nas interfaces entre as diferentes regiões a componente normal da indução magnética B
e a componente tangencial do campo magnético H são contı́nuas. Utilize estas condições
(i) (i)
para estabelecer um sistema de equações
q para os coeficientes βlm e γlm , usando gradr ΦM =
∂ΦM 1 ∂ΦM ∂Y10 2l+1 1
∂r , gradθ ΦM = r ∂θ , ∂θ = 4π Pl (cos θ), bem como as relações de ortogonalidade
R R +1 2 (l+1)!
dΩYl0∗ (Ω)Yl0 0 (Ω) = δll0 e −1 dxPl1 (x)Pl10 (x) = δll0 2l+1 (l−1)! .
e. Resolve os sistema de equações primeiramente para o caso l 6= 1.
f. Resolve os sistema de equações para l = 1.
g. Qual é a aparência do campo magnético fora da esfera para µ  1?
Capı́tulo 5

Propriedades magnéticas da matéria


5.1 Magnetização
As manifestações mais conhecidas do magnetismo são certamente imãs, agulhas de bússolas e
o campo magnético da Terra, e não é obvia a relação com os campos magnéticos produzidos
por correntes discutidos no capı́tulo anterior. Não obstante, todos os fenômenos elétricos são
ultimamente devidas à correntes, mesmo que elas sejam microscópicas, por exemplo, órbitas de
elétrons em torno de núcleos atômicos ou girando em torno do seu próprio eixo. Do ponto de vista
macroscópico podemos tratar estes correntes circulares como dipolos magnéticos. Geralmente,
os dipolos de um meio têm orientações aleatórias, tal que os campos magnéticos produzidos se
cancelam. No entanto, quando aplicamos um campo magnético exterior, os dipolos podem se
realinhar e magnetizar o meio.
Existem várias manifestações macroscópicas dos momentos dipolares microscópicos conheci-
das como para-, dia- e ferromagnetismo. Discutiremos estas nos capı́tulos seguintes.

5.1.1 Energia de dipolos permanentes e o paramagnetismo

Figura 5.1: (a) Ilustração do torque exercido por um campo magnético sobre um dipolo
magnético. (b) Um elétron girando em torno de um núcleo pode ter momento angular orbi-
tal e intrı́nseco. (c) Momentos dipolares se adicionam de maneira vetorial.

Consideramos espiras de corrente de forma retangular 1 . No caso da geometria exibida na


Fig. 5.1(a) as forças agindo sobre as bordas a se cancelam, pois os pontos de ação ficam numa
linha. Do outro lado, as forças agindo sobre as bordas b,
F± = ±Ib × B = ±IbBêy , (5.1)
contribuem a criar um torque,
a −a
~τ = 2 × F+ + 2 − ×F− = IBba × êy = IabBêx sin θ , (5.2)
Com a definição do momento magnético (4.42) achamos,
~τ = m × B . (5.3)
1
Formas arbitrárias podem ser construı́das por matrizes de espiras retangulares.

151
152 CAPÍTULO 5. PROPRIEDADES MAGNÉTICAS DA MATÉRIA

Podemos também calcular a energia de um dipolo num campo magnético pelo trabalho
necessário para girar ele a partir da sua posição de repouso,
Z θ Z θ Z θ
Hint = ~τ · dθ = m × Bdθ = mB sin θdθ = −mB cos θ , (5.4)
0 0 0

tal que,
Hint = −m · B . (5.5)

A formula (5.3) vale para campos magnéticos homogêneos ou, então, para dipolos quase puntifor-
mes em campos inomogêneos. Ela representa o equivalente magnético do torque sobre dipolos
elétricos (3.4). O torque e dirigido de maneira a alinhar o momento dipolar em direção do
campo magnético. Este mecanismo é utilizado para explicar o fenômeno do paramagnetismo
[vide Fig. 5.3(a)].
Em fı́sica atômica aprendemos, que os elétrons ligados à átomos podem ter, além do momento
angular orbital devido ao movimento tipo planetário em torno do núcleo atômico, um momento
angular intrı́nseco chamado de spin como se o elétron fosse uma pequena esfera de carga girando
em torno do seu próprio eixo [vide ilustração da Fig. 5.1(b)]. Os spins dos vários elétrons da
camada eletrônica de um átomo geralmente se acoplam para formar um momento dipolar total,
que interage com o campo magnético externo. Este é o chamado efeito Zeeman. Os spins podem
se emparelhar e se compensar em pares de maneira a zerar o momento magnético dipolar do
átomo [vide ilustração da Fig. 5.1(c)]. Note que um campo magnético externo forte pode quebrar
o acoplamento de maneira a interagir separadamente com os spins dos elétrons isso é chamado
de efeito de Paschen-Back.
O paramagnetismo é observado em materiais com componentes tendo momentos magnéticos
dipolares permanentes, isto é, em elementos quı́micos com elétrons de valência desemparelhados.
Não é observado em gases nobres, cristais covalentes, etc., mas em sólidos com elétrons isolados
em subcamadas internas.
Diferentemente do torque, a força exercida por um campo homogêneo sobre um dipolo zera,
I I 
F = I dl × B = I dl × B = 0 . (5.6)

Para campos inomogêneos precisamos calcular a força à partir do gradiente da energia como,

F = −∇Hint = ∇(m · B) = m × (∇ × B) + (m · ∇)B = (m · ∇)B . (5.7)

Está formula pode ser obtida por expansão de Taylor do campo magnético (vide Exc. 5.5.1.1).

Figura 5.2: Ilustração da força exercida por um campo magnético inomogêneo sobre um dipolo
magnético: Se o dipolo é orientado na mesma direção, ele é atraı́do para o máximo do campo,
se ele é anti-paralelo, ele é repelido.
5.1. MAGNETIZAÇÃO 153

5.1.2 Impacto do campo magnético sobre órbitas eletrônicas em átomos e o


diamagnetismo
Um campo magnético pode ter um outro efeito sobre o movimento de um elétron. Consideramos
um elétron girando numa órbita circular de raio R. Se o movimento do elétron é rápido, aparece
uma corrente,
−e −ev
I= = , (5.8)
T 2πR
criando um momento dipolar,
−e 2 −e
m = IA = πR êz = vRêz . (5.9)
T 2
Agora, a órbita do elétron pode ser, por exemplo, um orbital atômico ou uma trajetória de um
elétron livre num condutor. O magnetismo de um gás de elétrons livres num metal é tratado pela
teoria do diamagnetismo de Landau. Nesta teoria consideramos, que as trajetórias dos elétrons
são curvadas pela força de Lorentz o que, devido à regra de Lenz, cria um campo contrário
ao campo magnético aplicado. Isto é, o fluxo magnético é expelido do material. Em campos
magnéticos inomogêneos, os materiais são repelidos por altas amplitudes de campo 2 .

Figura 5.3: Interpretação clássica do paramagnetismo (a) e do diamagnetismo (b): No para-


magnetismo, os dipolos permanentes se reorientam na direção do campo exterior. Em campos
inomogêneos, os dipolos são atraı́dos para o máximo. No diamagnetismo, correntes são forçadas
em órbitas circulares e os dipolos assim induzidos são orientados em direção oposta ao campo
exterior. Em campos inomogêneos, os dipolos são repelidos do máximo.

O caso do orbital atômico é tratado pela teoria do diamagnetismo de Langevin. Nesta teoria
consideramos orbitais de Bohr de elétrons ligados a um núcleo pela força de Coulomb. Em
presencia de um campo magnético externo o dipolo sente um torque, mas além disso, o campo
tem o efeito de acelerar ou desacelerar o elétron dependendo da sua orientação. Para estimar
este efeito consideramos a condição de equilı́brio da órbita do elétron,
1 e2 v2
FC = = me = Fcentrif uga . (5.10)
4π0 R2 R
Adicionando um campo magnético orientado ao longo do eixo de rotação 3 ,
1 e2 0 v 02
FC + FL = + ev ∆B = me = Fcentrif uga . (5.11)
4π0 R2 R
Subtraindo estas equações,
me 02 me 0 2me 0
ev 0 ∆B = (v − v 2 ) = (v − v)(v 0 + v) ' v ∆v , (5.12)
R R R
2
Note, que alguns metais podem ser fracamente paramagnéticos devido a um efeito chamado de paramagnetismo
de Pauli.
3
No exercı́cio 5.5.1.2 mostramos, que o raio da órbita eletrônica não muda.
154 CAPÍTULO 5. PROPRIEDADES MAGNÉTICAS DA MATÉRIA

tal que
eR∆B
∆v = . (5.13)
2me
A aceleração do elétron, quando ligamos o campo magnético, aumenta o valor do momento
dipolar, pois com a formula (5.9),

−e e2 R2
∆m = ∆vRêz = − ∆B . (5.14)
2 4me
Mas a mudança é sempre contrária à direção do campo magnético, mesmo se o momento
dipolar fosse inicialmente alinhado ao campo [vide Fig. 5.3(b)] 4 . Portanto, o dipolo é repelido
por um campo magnético inomogêneo. Note, que trocando o sinal da carga não afeta ∆m.
O diamagnetismo é uma propriedade de todos os materiais, mas frequentemente é escondido
pela presença de momentos magnéticos permanentes. Portanto, para observar diamagnetismo,
é preciso escolher materiais sem momento magnético permanente, como átomos com camadas
eletrônicas fechadas. Muitos materiais amorfos (como madeira, vidro, borracha, etc..) e muitos
metais se comportam se maneira diamagnética.
Vale ressaltar, que o comportamento magnético de um corpo macroscópico não é neces-
sariamente o mesmo como aquele da partı́cula elementar. Por exemplo, o sódio metálico é
diamagnético enquanto o sódio gasoso é paramagnético.
paramagnetismo diamagnetismo

átomos com e− desemparelhados átomos com e− emparelhados


m robusto e independe de B m fraco e m ∝ B
M k B y força atrativa M k −B y força repulsiva
µ>1 y χ>0 µ<1 y χ<0

Também é importante notar, que aspectos essenciais do para- e o diamagnetismo atômico


são quânticos. Isto é, teorias quantitativas devem ser formuladas dentro da mecânica quântica.
Uma teoria clássica só pode dar uma estimativa do qualitativa do efeito.

5.1.3 Magnetização macroscópica


Na presencia de um campo magnético, a matéria fica magnetizada, isto é, os dipolos atômicos ou
moleculares são alinhados em uma direção particular. Já discutimos dois mecanismos possı́veis
causando esta reorientação, o para- e o diamagnetismo. Independentemente do mecanismo
medimos o grau de orientação pela grandeza vetorial,

Nm
M= . (5.15)
V
chamada de magnetização. Ela tem a mesma função como a polarização da eletrostática. Na
seguinte seção calcularemos à partir de uma dada magnetização M o campo que ela produz.
Na maioria dos materiais o diamagnetismo e o paramagnetismo são efeitos muito fracos e
só podem ser detectados por medidas sensı́veis e campos magnéticos fortes. A fraqueza da
4
Se a distribuição de carga esfericamente simétrica, podemos supor hx2 i = hy 2 i = hz 2 i = 31 hr2 i, onde hr2 i é a
distancia média entre o elétron e o núcleo. Portanto, hR2 i = hx2 i + hy 2 i = 23 hr2 i. Se N é o número de átomos
2
µ0 N m
por unidade de volume, temos χ = B
= − µ0 N
6m
Ze
hr2 i.
5.1. MAGNETIZAÇÃO 155

magnetização permite desprezar o campo produzido por magnetização em materiais não ferro-
magnéticos. Em contraste, nos materiais ferro, nı́quel ou cobalto as forças são entre 104 e 105
maiores.

5.1.4 Campo magnetostático de um material magnetizado


Consideramos uma amostra de dipolos magnéticos. De acordo com a formula (4.42), o potencial
vetor é dado por,
Z
µ0 X m × (r − r0 ) µ0 0 M × (r − r )
0
A(r) = −→ dV , (5.16)
4π |r − r0 |3 4π V |r − r0 |3
k

introduzindo a distribuição de momento dipolar M(r0 ) por mk → MdV 0 . Como no caso ele-
trostático podemos, reescrever a integral na forma,
Z  Z Z 
µ0 0 0 1 0 µ0 0 M(r0 ) 0 1 0 0 0
A(r) = M(r ) × ∇ dV = − ∇ × dV + ∇ × M(r )dV
4π V |r − r0 | 4π V |r − r0 | 0
V |r − r |
I Z
µ0 M(r0 ) × dS0 µ0 1
= 0
+ ∇0 × M(r0 )dV 0 . (5.17)
4π ∂V |r − r | 4π V |r − r0 |

Comparando estes termos com a formula (4.27), achamos que o primeiro termo parece um
potencial de uma corrente de superfı́cie, enquanto o segundo parece um potencial de uma corrente
de volume. Definindo,
~κb ≡ M × nS e jb ≡ ∇ × M , (5.18)
obtemos I Z
µ0 ~κb µ0 jb
A(r) = dS 0 + dV 0 . (5.19)
4π ∂V |r − r0 | 4π V |r − r0 |
O significado deste resultado é, que o potencial (e portanto o campo também) de um objeto
magnetizado é o mesmo como aquele produzido por uma distribuição de corrente de volume jb
mais uma distribuição de superfı́cie ~κb . Em vez de integrar as contribuições de todos os dipolos
infinitesimais individuais, como na Eq. (5.17), podemos tentar encontrar estas correntes ligadas,
e depois calcular os campos que elas produzem como já fizemos no capı́tulo anterior.

5.1.5 O campo H
Na seção anterior achamos, que o efeito da magnetização pode ser entendido como sendo pro-
duzido por correntes localizados dentro do material jb = ∇ × M e na superfı́cie do corpo
~κb = M × n̂S . O campo devido a magnetização é aquele produzido por estas correntes. Além
disso, existem obviamente correntes livres jf como, por exemplo, aqueles gerados pelo movimento
de elétrons livres num metal.

5.1.5.1 A lei de Ampère em materiais magnetizados


A lei de Ampère em meios arbitrários agora se generaliza,
1
µ0 ∇ × B = j = jb + jf = ∇ × M + jf , (5.20)

onde B agora é o campo magnético total. Definindo um novo campo H, as vezes chamado de
excitação magnética,
H ≡ µ−1
0 B−M , (5.21)
156 CAPÍTULO 5. PROPRIEDADES MAGNÉTICAS DA MATÉRIA

podemos agora escrever,


∇ × H = jf . (5.22)

O campo H é aquela parte que só vem de correntes livres. Também podemos definir a
susceptibilidade magnética χµ via 5 ,
M = χµ H , (5.23)

ou a permeabilidade µ via
B = µH = µ0 (1 + χµ )H . (5.24)

Note, que a divergência da magnetização não necessariamente zera, pois a susceptibilidade


pode depender da posição, χµ − χµ (r),

∇ · H = µ−1
0 ∇ · B − ∇ · M = −∇ · (χµ H) 6= 0 . (5.25)

Por isso, H geralmente não pode ser derivado de um potencial vetor, e lei de Biot-Savart
não vale para H. Em materiais anisotrópicos a susceptibilidade e a permeabilidade devem ser
entendidas como tensores.

5.1.5.2 Condições de contorno envolvendo materiais magnéticos


H H
A Eq. (5.25), H · dS = − M · dS, permite determinar o comportamento do deslocamento
elétrico perto de interfaces,

⊥ ⊥ ⊥ ⊥
Hcima − Hbaixo = −Mcima + Mbaixo . (5.26)

Do outro lado, a lei de Ampère ∇ × H = jf dá,

k k
Hcima − Hbaixo = ~κf × n̂ . (5.27)

Isto é em contraste com o comportamento do campo magnético em interfaces (4.30), (4.32) e


(4.34). Faz os Excs. 5.5.1.7 até 5.5.1.9.

5.1.6 Susceptibilidade magnética e permeabilidade

Materiais respondem à campos magnéticos aplicados H gerando uma magnetização M, tal que
a indução magnética total é B = µ0 H + µ0 M. As várias maneiras como o material se comporta
depende do valor da susceptibilidade. No vácuo χ = 0, para diamagnetos tı́picos χ . 0, para
supercondutores χ = −1, para paramagnetos χ & 0 e para ferromagnetos χ  1.
Valores tı́picos são listados na seguinte tabela:

5
note, que esta definição não é simétrica com aquela da susceptibilidade elétrica (3.20).
5.1. MAGNETIZAÇÃO 157

material χµ [10−5 ] tipo do magnetı́smo

supercondutor −105 dia-


carbônio −2.1 Langevin dia-
cobre −1 Landau dia-
água −0.9 Langevin dia-
hidrogênio −0.00022 Langevin dia-
oxigênio (gás) 0.2 para-
sódio (metal) 0.7 Pauli para-
magnésio 1.2 Pauli para-
lı́tio 1.4 Pauli para-
césio 5.1 Pauli para-
platino 28
oxigênio (lı́quid) 390
gadolı́nio 48000 ferro-
ferro ferro-

5.1.6.1 Meios lineares


Para muitos materiais, quando o campo magnético aplicado não é forte demais, a magnetização
é proporcional ao campo, M ∝ B, isto é, a susceptibilidade magnética depende das propriedades
microscópicas do material e de fatores externos como a temperatura, mas ão do campo, χµ 6=
χµ (B). Assim, meios lineares podem ser caraterizados por uma constante,
µ
µr ≡ , (5.28)
µ0

chamada de permeabilidade relativa.

5.1.6.2 O papel da temperatura no paramagnetismo


Observa-se que, em campos magnéticos inomogêneos, materiais paramagnéticos são atraı́dos em
direção de altos campos, mas com uma força que diminuı́ com a temperatura. Isto é entendido
pelo efeito Zeeman: O momento dipolar só pode existir em poucos valores possı́veis (quanti-
zados). Estes nı́veis correspondem a energias bem-definidas (chamadas de subnı́veis Zeeman).
Em alta temperatura todos os subnı́veis Zeeman são igualmente populados, tal que a força to-
tal cancela. Em temperatura baixa as populações são distribuı́das seguinte a lei de Boltzmann
nk /nl = e−(Ek −El )/kB T , isto é, os nı́veis mais baixos (que são justamente os buscadores de campo
alto) dominam.

Exemplo 45 (Paramagnetismo de amostras quentes): Como exemplo, consideramos


átomos com duas orientações possı́veis para o momento magnético permanente, m · B =
±mB. A magnetização produzida por n = n+ + n− átomos agora é M = n+ m+ + n− m− .
158 CAPÍTULO 5. PROPRIEDADES MAGNÉTICAS DA MATÉRIA

As duas orientações são populadas de acordo com a lei de Boltzmann n+ /n− = e−2mB/kB T ,
tal que,
M emB/kB T − e−mB/kB T mB
= mB/k T m' m.
n e B + e−mB/kB T kB T
Para campos fracos, obtemos de lei de Curie,

M nm2 B µ0 nm2
χµ = ' ' ∼ T −1 .
H kB T H kB T
Para campos fortes, a magnetização satura. Assumindo m ' µB (vide Exc. 5.5.1.4), estima-
mos para um metal com n ≈ 1022 cm−3 em temperatura ambiente, χµ ≈ 2.6 × 10−4 6 .

5.1.6.3 Ferromagnetismo
Em um meio linear o alinhamento dos dipolos magnéticos é garantido pela aplicação de um
campo exterior. Existem, no entanto, materiais magnéticos que não dependem de campos
aplicados. Este fenômeno de magnetização ’congelada’ é chamado de ferromagnetismo. Como
no caso do para magnetismo, ferromagnetos desenvolvem dipolos associados à spins de elétrons
desemparelhados, só que além disso os dipolos interagem fortemente e, por uma razão que
somente pode ser dentro de uma teoria quântica, gostam de se orientar paralelamente 7 .
A correlação é tão forte, que dentro de regiões chamadas de domı́nios de Weiss quase 100%
dos dipolos são alinhados. Do outro lado, um bloco de material ferromagnético consiste de
muitos domı́nios, cada um tendo uma magnetização apontando numa direção aleatória, tal que
o bloco visto como um todo não exibe magnetização macroscópica. No interior de um domı́nio
de Weiss a magnetização é tão forte, que mesmo um campo magnético exterior forte não pode
influenciar o alinhamento. Do outro lado, no limite entre domı́nios de Weiss o alinhamento não
é bem definido, tal que o campo exterior pode exercer um torque τ = m × B deslocando as
limites de maneira a favorecer aqueles domı́nios já alinhados. Para um campo suficientemente
forte um domı́nio prevalecerá e o material ferromagnético satura.
Observa-se, que o alinhamento não é inteiramente reversı́vel, isto é, não todos os domı́nios
de Weiss voltam para orientação inicial (sem campo aplicado). Por consequência, o material fica
permanentemente magnetizado. Este efeito é chamado de remanência.
Para compensar a remanência é necessário aplicar um campo em direção oposta (vide
Fig. 5.4) 8 . Ultrapassando este ponto observamos saturação na direção contrária. Finalmente,
voltando para situação inicial, tracejamos uma curva chamada de curva de histerese, que indica
que a magnetização não só depende do campo magnético aplicado, mas também da ’historia’
de campos aplicados. A Fig. 5.4 mostra como um campo aplicado pode ser dramaticamente
amplificado por ferromagnetismo.
6
ED metais os elétrons livres contribuem ao paramagnetismo. Em metais a lei de Curie não se aplica, mas χ
se encontra sendo quase constante. A razão é, que a distribuição de Boltzmann é inapropriada, mas precisamos
usar a distribuição de Fermi. A distribuição de energia ρ()nF D () dos elétrons depende da orientação a respeito
do campo magnético aplicado: Aqueles elétrons orientados anti-/paralelo têm a sua energia reduzida/aumentada.
Para manter um EF uniforme, elétrons com spin paralelo se mudam para spin antiparalelo, tal que o sistema
inteiro fica levemente high-field seeking. Isto é chamado de paramagnetismo de Pauli. Este efeito sempre compete
com a resposta diamagnética, que envolve todos os elétrons e tem sinal oposto.
7
A sobrevivência de domı́nios em reservatórios térmicos não pode ser entendida por interações clássicas entre
dipolos. Devemos contemplar um modelo de estrutura de bandas, em particular, as bandas do orbital 3d fornecem
elétrons para os elementos ferromagnéticos Fe, Co, Ni. Estas bandas são tão próximas, que a interação de troca
(exchange interaction) influencia as orientações dos spins em bandas vizinhas. Isto induz correlações entre spins
de átomos vizinhos.
8
ED pratica, para desmagnetizar um bloco de ferro aplicamos uma tensão alternada gradualmente reduzindo
a sua amplitude.
5.2. INDUÇÃO DE CORRENTES E INDUTÂNCIA 159

Figura 5.4: Curva de histerese da magnetização. Para comparar as escalas plotamos em unidades
reais (Tesla) o campo aplicado (H ∝ I no caso de um solenoide) versus o campo obtido (B ' M).

Como já discutido, a temperatura tem a tendencia de randomizar o alinhamento dos dipolos
atômicos. Para temperatura baixa o calor não será suficiente para desalinhar os dipolos dentro
dos domı́nios de Weiss. É interessante que, ultrapassado uma temperatura bem definida (a
temperatura de Curie do ferro é 770 C), o ferro faz uma transição de fase abrupta para um
estado paramagnético.
Note, que também existem materiais antiferromagnéticos (MnO2 ), onde os átomos vizinhos
têm spins antiparalelos.

5.2 Indução de correntes e indutância


Já vimos que a causa fundamental de uma corrente j é o movimento de cargas Q [vide Eq. (3.34)].
Para incitar cargas a mover precisamos de uma força,

F
j=ς , (5.29)
Q

onde ς é um fator de proporcionalidade chamado de condutividade e F é a força de Coulomb-


Lorentz, tal que,
j = ς(E + v × B) . (5.30)
A primeira parte, j = ςE, é a lei de Ohm já discutida na Sec. 3.3. Agora, embora de tomar em
conta da força de Coulomb agindo sobre elétrons viajando em condutores vamos considerar a
força de Lorentz.

5.2.1 A força eletromotriz


Considerando um circuito elétrico fechado com fonte de corrente e consumidor, conhecendo
a lentidão da velocidade média dos elétrons carregando a corrente (vide Exc. 3.5.3.3), não é
imediatamente obvio, porque a corrente pode começar a correr simultaneamente em todos as
partes do circuito. A explicação é que, se isso não fosse o caso, cargas deveriam se acumular
em partes do circuito criando um desequilı́brio local. A consequência disso é a criação de um
campo elétrico trabalhando para eliminar o desequilı́brio. Este campo E se adiciona à força
eletromotriz f0 exercida pela fonte de corrente. Se a fonte tem uma resistência interna, como
esquematizado na Fig. 5.5(a), parte da força eletromotriz fi é gastada nela,

fi = f0 + E . (5.31)
160 CAPÍTULO 5. PROPRIEDADES MAGNÉTICAS DA MATÉRIA

Figura 5.5: (a) Força eletromotriz f0 de uma qualquer fonte de tensão, força fi gastada na
resistência interna da fonte e força eletrostática E no circuito. (b) Força eletromotriz f0 gerada
pelo movimento de uma parte do circuito dentro de um campo magnético.

No caso de uma fonte ideal, fi = 0, a integral de linha ao longo do circuito,


Z − Z −
E≡ f0 · dl = − E · dl = U , (5.32)
+ +

é igual à tensão.
A força eletromotriz pode ser causada por baterias, fotocélulas, geradores, etc.. No caso do
gerador, a força eletromotriz é a força de Lorentz agindo sobre cargas livres de um condutor
movimentado dentro de um campo magnético aplicado. Imaginamos, e esquema ilustrado na
Fig. 5.5(b). Quando a parte do condutor entre os pontos A e B (comprimento h) é movida para
direita com a velocidade v dentro do campo magnético B, as cargas positivas são aceleradas
para cima, como no caso do efeito Hall. Obtemos uma força eletromotriz,
I
E ≡ fL · dl = hvB , (5.33)

que age como uma fonte de tensão. Claro que não é o campo magnético através da força
de Lorentz que exerce o trabalho, mas a pessoa empurrando o condutor: Chamando de u a
velocidade ao longo do condutor adquirida pelas cargas aceleradas, esta velocidade cria dentro
do campo magnético uma força eletromotriz u × B ao encontro do movimento do condutor
exercendo o trabalho por unidade de carga,
Z Z Z Z h
v dh
fpull · dlw = − (u × B) · dlw = uBêx · dlw = B cos(90◦ − θ) = hvB = E .
0 tan θ cos θ
(5.34)
Achamos, que o trabalho exercido por unidade de carga exatamente compensa a força eletromo-
triz.
Aplicando a definição do fluxo magnético (4.12) a situação ilustrada na Fig. 5.5(b),
Z
ΨM = B · dS = Bhx , (5.35)

podemos reformular a Eq. (5.33),

dΨM
hBv = −hB ẋ = − =E . (5.36)
dt

Então a variação temporal do fluxo magnético induz uma força eletromotriz contrária. Isso é
conhecido como regra de Lenz.
5.2. INDUÇÃO DE CORRENTES E INDUTÂNCIA 161

5.2.2 A lei de Faraday-Lenz


Em uma serie de experimentos Michael Faraday demonstrou que a relação (5.36) pode ser
generalizada para qualquer geometria do circuito imerso no campo magnético, velocidade do
movimento e até para geometrias variando temporalmente. As aplicações deste efeito são inu-
meráveis, vide Excs. 5.5.2.1 até 5.5.2.24.
H Relacionando a força eletromotriz de uma lado com
a criação de uma tensão (5.32), E = E · dl, e do outro lado com a variação do fluxo (5.36),
E = − dΨdtM , podemos escrever,
I Z

E · dl = − B · dS . (5.37)
∂t

Na versão diferencial temos,


∂B
∇×E=− . (5.38)
∂t
Note, que na ausência de variações temporais do campo magnético reencontramos a eletrostática,
∇ × E = 0.

5.2.2.1 Indutância mútua

Figura 5.6: Indução.

Aqui consideramos duas espiras de formas arbitrárias. A primeira carrega a corrente I1 e


produz um campo magnético, que podemos calcular, por exemplo, pela lei de Biot-Savart,
I
µ0 I 1 dl1 × (r − r0 )
B1 = . (5.39)
4π |r − r0 |3
A parte do fluxo magnético passando pela segunda espira é,
Z
ΨM 2 = B1 · dS2 ≡ M21 I1 , (5.40)

onde M21 é uma constante que só depende da geometria das duas espiras. Ela se chama in-
dutância mútua e pode ser exprimida como
Z I
1 1
M21 = ∇ × A1 · dS2 = A1 · dl2 (5.41)
I1 I1
I  I  I I
1 µ0 I1 dl1 µ0 dl1 · dl2
= 0
· dl2 = .
I1 4π |r − r | 4π |r − r0 |
162 CAPÍTULO 5. PROPRIEDADES MAGNÉTICAS DA MATÉRIA

A simetria desta formula sugere,

M21 = M12 = M . (5.42)

Podemos largar os ı́ndices e chamar as duas constantes de M . A conclusão disso é, que inde-
pendentemente das formas e posições das espiras, o fluxo através da espira 2 quando jogamos
uma corrente I na espira 1 é idêntico ao fluxo através de 1 quando jogamos a mesma corrente
I em 2, Z Z
I1 = I2 = I =⇒ B1 · dS2 = B2 · dS1 . (5.43)

Exemplo 46 (Dı́namo): Consideramos um bobina rotatória colocada em movimento por


uma manivela dentro de um campo magnético como mostra a figura. A tensão gastada no
resistor é,
I Z
d d d
U = E · dl = − ΨM = − B · dA = − BA cos ωt = ωBA sin ωt .
dt dt dt

Figura 5.7: Esquema de um gerador de tensão alternada (ou dı́namo).

5.2.2.2 Auto-indutância
O fluxo magnético produzido pela corrente na espira 1 não somente atravessa a segunda espira,
mas também a primeira espira mesmo. Portanto, cada variação do fluxo também vai induzir
uma força eletromotriz nesta espira 1,

ΨM 1 = M11 I1 ≡ LI1 , (5.44)

onde a constante L é chamada de autoindutância. Com a lei de Lenz-Faraday,


dΨM
E =− = −LI˙ . (5.45)
dt
Exemplo 47 (Auto-indutância de um solenoide): Consideramos o solenoide mostrado
na figura. Com a formula do exemplo 41 calculamos o fluxo magnético,
Z
N
ΨM = B · dA = µI N πR2 .
l
Comparando com a formula (5.44), achamos a autoindutância,

N2
L=µ πR2
l
5.3. A ENERGIA MAGNETOSTÁTICA 163

Figura 5.8: Esquema de um solenoide caracterizado por uma autoindutância L.

5.3 A energia magnetostática


Para calcular a energia magnetostática vamos proceder da maneira seguinte: VamosR procurar
uma expressão geral adivinhada por analogia com a energia eletrostática, W = 12 %ΦdV , e
mostrar que, aplicada a uma espira esta expressão dá o resultado certo. A formula análoga de
partida é, Z
1
W = 2 j · AdV . (5.46)

5.3.1 Densidade de energia de um campo magnetostático


A energia de uma distribuição de corrente pode ser reescrita usando a a lei de Ampère,
Z
1
W = 2µ0 (∇ × B) · AdV . (5.47)

Integração por partes permite transferir a derivada de B para A,


 I Z 
1
W = 2µ0 − (A × B) · dS + B · (∇ × A)dV . (5.48)

A integral de superfı́cie pode ser desprezada, pois podemos escolher o volume de integração V
arbitrariamente grande. Exprimindo o gradiente pelo campo,
Z Z
1 2 1
W = 2µ0 B dV = 2µ0 udV , (5.49)

introduzindo a densidade de energia,

1 2
u≡ 2µ0 B . (5.50)

Pode parecer estranho, que precisamos de energia para construir um campo magnético que,
em torno não pode exercer trabalho. No entanto, para construir este campo magnético é ne-
cessário variar ele, o que, seguinte a lei de Faraday induz um campo elétrico. Este campo, em
torno pode trabalhar. Inicialmente não tem E e no fim também não tem; mas entrementes,
enquanto B está se construindo, tem. O trabalho é feito ao encontro do campo E.

5.3.2 Indutâncias e armazenamento de energia magnetostática


Usando a formula da energia magnetostática,
Z I I Z Z
W = 12 j · AdV = 12 I · Adl = I2 A · dl = I
2 (∇ × A) · dS = I
2 B · dS = I2 ΨM . (5.51)
164 CAPÍTULO 5. PROPRIEDADES MAGNÉTICAS DA MATÉRIA

Finalmente, considerando uma bobina e usando a formula (5.44),

W = 21 LI 2 , (5.52)

o que corresponde à potência,


dW dI
= −EI = LI . (5.53)
dt dt

5.4 Corrente alternada


5.4.1 Oscilações eletromagnéticas
Já vimos que o capacitor de placa é o dispositivo mais básico para armazenar energia ele-
trostática num campo elétrico (homogêneo), enquanto o solenoide é o dispositivo mais básico
para armazenar energia magnetostática num campo magnético (homogêneo). Colocando um
solenoide com indutância L e um capacitor com capacitância C em um circuito elétrico obser-
vamos achamos, que a energia elétrica pode ser convertida em energia magnética e vice versa
de maneira análoga como energia potencial pode ser inter-convertida em energia cinética num
sistema de massa-mola. Isso pode gerar oscilações (eletromagnéticas).

Exemplo 48 (Circuito oscilatório): Consideramos primeiramente um circuito com uma


bobina e um capacitor em série. A lei das malhas de Kirchhoff requer, Uind = UC , o que dá,

dI Q
−L =
dt C
ou
LI¨ + C −1 I = 0 .

Agora, consideramos um circuito com uma bateria, um interruptor, uma bobina e um resistor
em série. A lei das malhas de Kirchhoff requer, U0 = −Uind + UR = LI˙ + RI, o que dá,

dI R
= − dt
I − U0 /R L

com a solução  
U0 U0
I(t) = + I0 − e−Rt/L ,
R R
onde escolhemos a corrente inicial I0 = 0.

5.4.2 Circuitos de corrente alternada


Para discutir tensões alternadas, consideramos o circuito mostrado na Fig. ?? alimentado por
uma fonte de tensão, U (t) = U0 eiωt . Para facilitar as expressões matemáticas adotamos a
notação complexa. O objetivo é de calcular a corrente para os vários tipos de consumidores Z
que já conhecemos. No caso de uma resistência ôhmica temos,

U0 iωt U
I= e = . (5.54)
R R
Portanto,
U
Z= =R. (5.55)
I
5.5. EXERCÍCIOS 165

No caso de uma capacitância temos,


d iωt
I = Q̇ = CU0 e = iωCU . (5.56)
dt
Portanto,
U 1
Z= = . (5.57)
I iωC
No caso de uma indutância temos,
Z t
U
I= LU0 eiωt dt = . (5.58)
0 iωL
Portanto,
U
Z= = iωL . (5.59)
I

L R C

U0
Figura 5.9: Circuito L-R-C alimentado por uma tensão alternada.

Estes resultados podem ser interpretados graficamente (plotando Im U versus Re U) ou


analiticamente substituindo i = eiπ/2 . Para os três casos obtemos,
U0 eiωt U0 eiωt 1 U0 eiωt
R= , Lω = , = . (5.60)
I0 eiωt+π/2 I0 eiωt+iπ/2 Cω I0 eiωt−iπ/2
Isso significa que, no caso da indutância ou da capacitância, a tensão não está em fase com a
corrente, mas tem respectivamente um avanço ou um atraso de 90◦ .
Em casos de combinações de resistências e reatâncias este deslocamento de fase fica mais
complicado, mas pode ser calculado da maneira seguinte. Voltando para o circuito em série
L-R-C escrevemos da mesma maneira como antes,
U 1
Z= = iLω + R + = |Z|eiφ . (5.61)
I iCω
Portanto,
s  
1 2 sin φ 1
Lω − Cω
|Z| = ZZ ∗ = R2 + Lω − e tan φ = = . (5.62)
iCω cos φ R

Ressonância ocorre para ω = 1/ LC. Outras combinações possı́veis de componentes são trata-
das da mesma maneira.

5.5 Exercı́cios
5.5.1 Propriedades magnéticas da matéria
5.5.1.1 Ex: Dipolo no campo inomogêneo
Derive a formula para força sobre um dipolo no campo inomogêneo.
166 CAPÍTULO 5. PROPRIEDADES MAGNÉTICAS DA MATÉRIA

5.5.1.2 Ex: Diamagnetismo de Langevin


Um elétron circula em torno do seu núcleo atômico numa órbita de raio R.
a. Calcule o momento dipolar magnético gerado por este movimento em função da velocidade.
b. Agora, um campo magnético fraco B é lentamente ligado perpendicularmente ao plano da
órbita. Calcule o aumento de velocidade do elétron devido ao campo elétrico induzido pela
ligação do campo magnético usando a lei de Faraday.
c. Mostre que o aumento da energia cinética, ∆Ekin , corresponde à energia de interação entre o
momento dipolar do elétron e o campo magnético.
d. A ligação do campo magnético muda o raio da órbita eletrônica? Justifique!

5.5.1.3 Ex: Susceptibilidade magnética


Por magnetismo molecular é possı́vel levantar quaisquer objetos em um campo magnético su-
ficientemente forte. Estime o campo magnético |B| e o gradiente do campo ∇|B|2 (aproxi-
mativamente vale ∇|B|2 = 2|B|∇|B| ' |B|2 /l com l ' 10 cm como comprimento tı́pico para
F GHM!N ­ÿ
tais campos magnéticos fortes), necessário para levantar um sapo. Água é predominantemente
Pa:ŠêÎÏ]bc‹ŒžQH]b`QHŠI÷MY{º–{[\Á4QHd(QSRaeWZY:RZ[ Ä ªdRa:c_QH]_WZQSR"ŠS‰ŒQSRªÇ ˜QSRIQH]b`ŽQH
diamagnética com χµ ' −0.9 · 10−5 é a susceptibilidade magnética de água.
´na € `ŽQSWZQH`n]b ¾«cZªJÇ Š*Š*] € [ Ä W*]‹º*V{ŠZWZYe^ë[\¶MQS˜(QHc늺–X©çQS˜WÏVea:``@–ŽQHªŽWZ¬HªŽW*a·[
€c_QHQ]_WZ`QSR²]bQH²]bŒŽa:QH`a:cbŒŽQƒQH`ƒP²]‹a:²QH–Ža R ªŽ`ŽÇ ˜(QSWZQSQHR*`áR"a:ŠŠ*]bº`–ŽŒ QH`ª›`ï Œ ŠŒ]bŠZa:W
–Ža:QScbRžc € ¼:QHY‘`äQH]b²`na ŒJae`ŽÀ QSW*Ä ]bŠªŽºdJ–ŽRQHa·` [
¾ŽQHcbŒŽQSR`®ae˜ € QHŠZWZY:À:QH`”€ ©çQSRŒQH`•›ëP%a:Š<ÎÏ]bcbŒnQH]b`ŽQHŠ¾ŽR*Y‘Š*º"–ŽQH€Š<Œa:–]b` € QE[
€¼:QHQSR*`•˜J‰µcZŒŽª{Ç QS^(R'W²]‹ŠZ`ÞY QHae]‹`ŽRQH`ŽYº"´Þ– a  € `Ž–XQS°{WZŠ*QH]_V:`”QSRH˜(›QH] ÁÈae“(W*]bŠvža:Ç º–JQScbR*]bºWZ– QH]bŠZd(WQSRQHaeŠNW*ªŽnR<Y Ç Š*º"cb–|]bº"©I–®QS˜éîQEWS[ ‰
ŒŽQHŠ'´ÞaeWZQSR]ba:€ cUª`Œ»a:ªJº–éZQHŒŽQHŠQS˜(QS©IQHŠZQH`”]b`®QH]b`QH ´na € € `ŽQSWZ™šQHcbŒ
Š*º–X©çQS˜(QH`¬Hªcba:Š*Š*QH`•‰:ŒªŽRº"–…ŒŽQH`Y‘cbQSVªc‹aeR*QH`´Þa € `ŽQSW*]bŠ…ªŠH›eP%]_QE[
ŠZQSRç]bŠ*W ŠZQH–ŽR Šº–X©Ia:º"– y ž]bcbcb]_Y‘`QH`ža:cJŠ*º"–|© a:Ç º"–ŽQSRÏa:cbŠ ¾ŽQSRR*Y‘²a `ŽQE[
W*]bŠ*ªŠ } ª`Œ»ŒJa:–ŽQSR'`ŽY:Rža:c_QSR*©IQH]bŠZQ²`]bº"–|W<©Ïa:–ŽR`QH–'˜ëaeR']b € a:cbcbWvaÇ € cb]bº–QH`QS˜(QH`•›P%]_Q²™"ªÇ –ŽR*W
¬HªŒQSR癥a:cbŠ*º"–ŽQH`Nœ``a:–JQ:‰XŒa:ŠŠIŒJ]_QMQH]‹ŠZWZQH`´ÞaeWZQSR]ba:c‹]_QH`N¯v`]bº–XWî[\²a € `ŽQSW*]‹Š*º–•³<ŠZQH]bQH`•›P%ªŽR"º–
QH]b`q–]b`ŽR*QH]‹º–ŽQH`ŒÞ5.5.1.4 ŠZW*aeR*V:QHŠ'´Þa `ŽQSWZ™šQHcbŒqV•Precessão Y‘Ç ``ŽQH`žéîQHŒYº"–»a:de cbc_QŒLarmor ]_QHŠZQ¯v`J]bº–XWî[\do ²a € `Žátomo
QSW*]bŠº–ŽQH`•³²de´Þa·[ Bohr num campo magnético
WZQSR]ba:cb]_QH`@¬HªJúŠ*º–X©IQS˜QH` € QS˜€ Ra:º–XEx: W
©IQSRŒŽQH`› ò y ï Š € ]bc_W do átomo de Bohr: Um elétron voa em
ÎçQHŠ*W*]b²QH`Š*]_Q y ªComo ` € QSò ™ a:Ç  –ŽR modelo
} ò ŒJ a:
Š4²a € da `QSW*]bprecessão
Š*º–QI¾ŽQHc‹Œ…
Ú ªJ de`Œ'Larmor ŒŽQH`¾ŽQHcbŒŽ[¹àconsidere Ra:Œ]_QH`XWZQH`goÚ modelo
`µa:Ç –ŽQSRª` € ŠZ©çQH]‹ŠZQ%trajetórias g²Ú Ú yšÝ aeRª  } ‰Ž²em]_W tornoæUºS dea:cbum
ŠIW\°dJ]bŠº–ŽQ ça:Ç ` € SóQ3ŠZY‘certas cbº–tŠ*W*aeR*V:QSR discretas com os raios r = n a ,
´na € `ŽQSWZ™šQHcbŒŽQSR } ‰(ŒQSR%`Y:W\©IQH`Œ] € circulares ]bŠZW%ª6ŒŽQH`q¾ŽR*Y‘Š*º"–»Š*º–X©çQS˜(QH`®¬Hªqpróton. cba:Š*ŠZQH`›P%]_Q<Rae™šWa:ª™órbitas QH]b` 2

ŠZY‘cbº–QHŠ¸ ˜{éZQSVW']bonde  ²a € a`QSW*]bŠ*=º–QH4πε ` ¾ŽQHc‹Œ]bŠZW 6, são i Opermitidos.


 g²ÚN‰4²]_W3ŒŽQHO²Oa € movimento `ŽQSW*]bŠ*º"–ŽQH` ´n Y‘doQH`XW elétron nestas órbitas não é acompa-
n B
~2
Åi y ÐÑ }  ÚNnhando B
‰  hŽTUY‘cbªJdeQH`ƒemissão
0 me e2
ª`Œ@QH]‹`ŽQSR!radiativa. ²a € `ŽQSW*]bŠº–ŽQH` Ä ªŠZ¬SQSdW*]b˜J]bcb]_WvaeÇ Wç¼:Y‘`  i æe›
a. Calcule a velocidade do elétron no seu estado fundamental n = 1 e compare o resultado com
F GHM!N  a velocidade da luz no vácuo c.
b. Qual é o momento orbital L do elétron no átomo de hidrogênio neste estado?
œMcbŠ´ƒY{ŒŽQHcbc!™"ªŽÇ RNc.Œ]_Q Relacione 4aeRY:RZ![  R~aeÇ ¬SoQHŠ*momento Š*]_Y‘`‰˜(QSWZRa:º–Xmagnético WZQH` Ä ]_QƒŒa:ŠNÎçY‘–RŠ*º–QޜÏWZY‘²aY{corrente ŒŽQHcbc>hQH]b`
ï c_QSVWZR*Y‘`®VXRQH]bŠZWMa:mento ª™VXRQH]bŠZ™ orbital Y:Ç R²] € QH`®LÎÏa:–do`ŽQH`qelétron. L
ª QH]b"` R*Y:WZY‘`•›(P%aem˜(QH]Ȋ]bdevido `Œn`ªŽR € a:`Ž$¬ #e&Ÿ %('·¢Z¡H¤\¡ circular gerado pelo elétron e o mo-
ÎIa:–J`ŽQH`ƒ²]_W!ŒQH$` d.)
a:Colocado Œ]bQH`
ñ ò - 
, ò dentro de um campo magnético de B = 1 T o átomo sofre um torque, que cria
 * i +/Ó Ñ uma . Ñ k ò precessão do vetor do momento angular L em torno da direção do campo B. Determine a

QSRcba:ªŽ˜WS›{P%]_Q<ÎIQS©çeQ € B.ª` € (~ŒQHŠê=ï c_1.034 QSVWZR*Y‘`ŠÏ· a:10ªŽ™µŒJ]_QHŠZQHJs, `Œ]beŠZV=R*QSWZQH1.602 `@ÎÏa:–`Ž· QH10`QSR*™šY‘c € C,0W %¨¤¥¢Zε„·Ì|2‡ =1£ 348.854 %&5¨¢*¡EŸš› · 10 )
frequência desta precessão de Larmor a partir de ω = L̇/(L sin θ), onde θ é o ângulo entre m
L L
−34 −19 −8

×ZØ(Ù ÎIQSR*QHº–J`ŽQH` Ä ]bQ!Œ]_Q!ÎÏa:–` € QHŠ*º"–|©M]b`Œ] € V:QH]bWŒŽQHŠï cbQSVXWZR*Y‘`JŠU]b àRªJ`ŒŽ¬HªŠZW*a:`JŒ , i  ª`Œ


0

¼:QSR € c_QH]‹º–ŽQH` 5.5.1.5 Ä ]_Q<Œa:Š!ï R € QS˜JEx: `]bŠêž]_Campo W!ŒŽQS6R 4]bº–XW €HQHŠ*ºde –X©
]b`Jum Œ] € V:QHfio ]_W!]bdeTaeV{corrente
ªª  7 Ñ › cilı́ndrico
×ZÜ ÙƒÝ ]_Q € RY:À@]‹Um ŠZWMŒa:Š²a € `ŽQSW*]‹Š*º–ŽQ y ÎÏcom a:–`{[ ´nY‘QHa`XW eÐpermeabilidade Ô ŒQHŠïçc_QSVWZR*Y‘`Š]b ݵ a:seja Š*Š*QSRŠZWZpercorrido
Ye^•a·[
WZY‘t‰Œa:Š!Š*]bº"–t]b fioàR"cilı́ndrico ª`ŒŽ¬HªŠ*W*a:`Œ˜QSåë`ŒŽ} raio QS8W por uma densidade de corrente
×*ì{Ù Ä WZQHcbcbQH` Ä ]_Qja.ŒŽconstante. QH`t“(ªŠ*a:²²osQH`–valores a:` ¬S©M]bŠ*º–QH`žŒŽQHL²a €e`ŽasQSW*]bŠdireções º–ŽQHÃ´nY‘dos QH`|W Ðcampos
Ô ª`ŒNŒŽQH H e B dentro e fora do fio usando a lei
ÎÏa:–`ŒŽRQH–]bde dJCalcule cbŠçö ŒŽQHŠ!ïçc_QSVXWZRY‘€ `Š!–ŽQSRHabsolutos
ªJStokes. ›
:× 9 Ù ÎIQSåJ`ŒŽQSWϊ*]bº"–NŒJa:ŠçœÏWZY‘]b`žQH]b`ŽQH´na € `ŽQSWZ™šQHcbŒ@Ú i  Á—ŠZYnªÇ ˜W Œa:ŠI¾ŽQHcbŒQH]b`NPMRQH–Ye[
f QH`XW ; f i Ð f Ô Â ÚBf a:ªŽ™JŒa:ŠUœÏWZY‘f Ûa:ªJŠS‰~©IQHcbº"–ŽQHŠUQH]b`Ž<Q R aeÇ ¬SQHŠ*Š*]_Y‘`ŒŽQHŠ«PR*QH–]b²dJªcbŠZ¼:QSVWZY:RŠ
ö ªÛŒ]bQ
¾ŽQHcbŒŽR"]bº–XW*ª` € ¼:Y‘` Ú˜(QS©
]_R*VWS›‘ÎIQHŠZW*]b²QH` Ä ]_Q!Œ]bQ µaeRY‘ªRZ![ R~aeÇ ¬SQHŠŠ*]_Y‘`ŠZ™šR*QE[
= ªŽQH`Ž¬ >ê›J÷]b`X©çQH]bŠHhJ´na:º"–ŽQH` Ä ]bQQH]‹`ŽQ Ä V{]_¬S¬SQ:›
5.5. EXERCÍCIOS 167

b. O campo elétrico E dentro do fio e a corrente j são conectados pela lei de Ohm j = σE, onde
σ é a condutividade elétrica. Quais são o valor e a direção do vetor de Poynting S na superfı́cie
do fio?
c. Calcule o fluxo total de energia atravessando a superfı́cie de um pedaço de fio de comprimento
L. Mostre que o fluxo de energia corresponde exatamente à potência convertida, neste pedaço
de fio, em calor ôhmico.
Ajuda: A lei de conservação de energia da eletrodinâmica é dada por: − ∂u ∂t = ∇ · S + j · E, onde
1 c
u = 8π (E · D + B · H) é a densidade total de energia, S = 4π (E × H) o fluxo de energia e j · E
o trabalho exercido pelo campo sobre a densidade de corrente elétrica.

5.5.1.6 Ex: Ferromagnetismo


a. Faz um esquema da dependência da magnetização M de um material ferromagnético da
”excitação”magnética H com a condição inicial M = H = 0 e deixando H percorrer o ciclo
0 → Hmax → −Hmax → Hmax . Insere a magnetização remanente no esquema.
b. Como muda a magnetização de um ferromagneto, quando esquentamos acima da temperatura
de Curie TC ? Como se comporta neste caso a susceptibilidade magnética susceptibilidade χm ?
c. Explica a ordem dos momentos magnéticos atômicos em ferro-, antiferro- e ferrimagnetos e
sua influência sobre a magnetização.

5.5.1.7 Ex: Bobina toroidal retangular


Uma bobina circular é feita de um núcleo com área transversal retangular A = h(r2 − r1 ), no
qual são enroladas densamente duas bobinas uma em cima da outra, uma com o número de
espiras N1 e a outra com N2 . Estabelece uma relação para a indutância mútua L das duas
bobinas.
Ajuda: Para o cálculo da indutância mútuaH supõe a equação de fluxo para o caso, que a bobina
N1 é percorrida pela corrente I1 , isto é, Hds = N1 I1 e calcule o fluxo induzido Φ.

r1
r2

5.5.1.8 Ex: Bobina toroidal


Considere uma bobina toroidal com o raio médio R, que consiste de N espiras percorridas pela
corrente I. A bobina é enchida por um núcleo de ferro com permeabilidade µ.
a. Calcule as amplitudes dos campos H e B no interior da bobina.
b. Agora considere um núcleo com uma fenda de ar com a espessura d, com d  R, que
interrompe o toroide. Calcule mais uma vez os campos H e B dentro da fenda.

5.5.1.9 Ex: Bobina toroidal


Um anel de aço com fenda tem as dimensões: b = 20 mm, r = 80 mm, a = 15 mm e d = 1 mm
(vide figura).
a. Calcule, primeiramente sem fenda de ar, para uma densidade de fluxo magnético B o fluxo
168 CAPÍTULO 5. PROPRIEDADES MAGNÉTICAS DA MATÉRIA

magnético total ΨM e o campo H correspondente. Qual é o valor da corrente I necessário para


isso em uma bobina de N espiras?
b. Como H e I devem ser mudados, se o anel fica interrompido por uma fenda de ar de largura
1 mm e o mesmo fluxo deve ser alcançado? Use B = 1.2 T, N = 300, µr = 650.

b R

5.5.2 Indução de correntes e indutância


5.5.2.1 Ex: Aplicação da lei de Faraday-Lenz
A corrente numa bobina caracterizada pela indutância L = 1 mH está linearmente reduzida em
um segundo de 1 A até 0. Calcule a tensão induzida.

5.5.2.2 Ex: Distribuição de carga respirando


Uma distribuição de carga radialmente simétrica varia no tempo como λ(t) tendo a forma ”res-
piratória”,
1
%(r, t) = %0 λ(t) 2 e−aλ(t)r ,
r
onde %0 = const. e a = const.
a. Qual é o valor da carga total?
b. Calcule a densidade de corrente j(r, t), que corresponde a %(r, t) a partir da equação de
continuidade.
c. Determine E(r, t) a partir do ansatz E(r, t) = E(r, t) rr (simetria radial).
d. Calcule a indução magnética B correspondente.
e. Mostre que as soluções para E e B satisfazem as equações de Maxwell.

5.5.2.3 Ex: Lei da indução


a. Explique o conceito do fluxo magnético através de uma área F . Como o fluxo magnético
depende da escolha da superfı́cie?
b. Qual é a forma da lei de indução de Faraday? Quais são as observações experimentais
subjacentes a esta lei?
c. Qual é o conteúdo da lei de Lenz?
d. O que é a corrente de deslocamento de Maxwell? Dá uma justificação fı́sica para esta corrente.
e. Escreve as equações de Maxwell.
f. Qual é a motivação de introduzir os potenciais eletromagnéticos φ e A?
g. Qual é a transformação de calibre permitida para os potenciais eletromagnéticos?
h. O que é o significado do calibre de Lorentz? Quais vantagens ele oferece?
5.5. EXERCÍCIOS 169

i. Formule a lei de conservação de energia da eletrodinâmica.


j. Qual é o significado fı́sico do vetor Poynting?

5.5.2.4 Ex: Indução e força de Lorentz


Duas hastes metálicas paralelas são inclinadas em um ângulo ϕ à respeito do solo (veja esquema).
Entre as hastes uma terceira haste móvel de massa m e comprimento L colocada em ângulo reto
desliza sem fricção. Um campo magnético homogêneo B atravessa perpendicularmente o plano
definido pelas três hastes. As hastes paralelas são conectadas na extremidade superior por um
capacitor C, tal que se forma, junto com a haste transversal, um circuito de corrente fechado.
a. Estabelece a equação de movimento da haste transversal.
b. Determine a solução x(t) da equação de movimento para a condição inicial x(0) = v(0) = 0.

C B

m
L x
j

5.5.2.5 Ex: Fluxo magnético é indução


Considere o anel condutor de raio l e resistência elétrica desprezı́vel mostrado na figura. Num
ângulo reto a respeito do plano do anel tem um campo magnético homogêneo B. A haste 2 gira
com a frequência angular ω. Calcule a corrente I através da resistência R da haste 1 que está
em repouso.

5.5.2.6 Ex: Indução


Considere o laço condutor em ângulo reto mostrado na figura. Tem um campo magnético
homogêneo dado por,
B(r) = B0 êy .
O laço condutor gira em torno do eixo de flexão (eixo z) com frequência angular constante ω.
a. Qual é a tensão induzida no laço como função do tempo?
b. Calcule a média temporal da tensão induzida.

5.5.2.7 Ex: Indução


Um anel circular com raio R gira com velocidade angular constante ω em torno de um diâmetro.
Perpendicular ao eixo de rotação existe um campo magnético B.
170 CAPÍTULO 5. PROPRIEDADES MAGNÉTICAS DA MATÉRIA

z
w

r
ben Sie zuerst die Ladungsdichte ρ ( r ) = ρ ( r , ϕ , z ) in Zylinderkoordinaten an.
n Sie nun die gesamte Anordnung mit konstanter Winkelgeschwindigkeit ω um ihre h
metrieachse (d. h. die z-Achse) rotieren. Geben Sie die resultierende Stromdichte
alls in Zylinderkoordinaten an. yr
r r r r r r r x
weis: j (r ) = ρ (r ) ⋅ v (r ) , wobei v (r ) die Geschwindigkeit am Ort r ist.) a a

stimmen Sie durch explizite Rechnung das magnetische Dipolmoment


3 r
r r
∫ d r r × j (r ) der rotierenden Anordnung.
a. Calcule a tensão induzida no anel como função do tempo.
abe 5: Potenziale b. O anel consiste num fio metálico com a condutividade σ. Qual corrente I(t) corre através do
(5 Punkte)
anel, supondo que a corrente é homogeneamente distribuı́da pela seção transversal do fio?
en je ein Skalar- und ein Vektorpotenzial gegeben:
r
5.5.2.8 Ex: rIndução
r r eˆ r e ikr iωt
Φ(r , t ) = b 3z e iωt und A(r , t ) = ikb e eˆ z ,
Umr laço condutor em forma r de triângulo equidistante (comprimento das bordas S) no plano
r xy seja ’imerso’ com velocidade v = vêx constante começando pela ponta dentro de um campo
ω = ck und r = r gelten soll.
magnético homogêneo r r B = Bêz (B é constante) (veja r r esquema), até ficar completamente dentro
hnen Sie das zugehörige elektrische Feld
do campo magnético. E ( r , t ) und die magnetische Induktion B (r , t ) .
a. Calcule a tensão máxima induzida no laço.
abe 6: Induktion b. Faz um esquema da evolução temporal
(5 Punkte)da tensão induzida.

Leiterschleife in Form eines gleichseitigen Dreiecks


nlänge S) in der xy – Ebene wird mit konstanter
r r
windigkeit v = ve x (v ist konstant) und Spitze voran in ein
r r
genes Magnetfeld B = Bez (B ist konstant) „getaucht“ (siehe
dung), bis sie sich vollständig im Magnetfeld befindet.

erechnen Sie die maximale Spannung, die in der Leiterschleife induziert wird (4 Punkte).
kizzieren Sie den zeitlichen Verlauf der induzierten Spannung (1 Punkt).
5.5.2.9 Ex: Indução
Um laço condutor retangular com altura 2a e largura 2b gira com a velocidade angular ω em
abe 7: zirkulare Polarisation (6 Punkte)
torno do eixo z. No tempo t = 0 o laço condutor fica dentro do plano x-z. Além disso, o laço é
ektrische Feld einerexposto ao campo el.magn.
zirkular polarisierten magnético Welleinomogêneo
im Vakuum isttemporamente
durch vaiando, B(r, t) = B0 tz 2 êx .
r r
a. , t ) = E 0 [eˆdivB(r,
E (rMostre, x sin( kz − ωt ) + e y cos( kz − ωt ) ]
t) = ˆ0. R
en. b. Calcule o fluxo magnético Φ(r, t) = B · dF através do laço girando em função do tempo.
r
c. QualWellenzahlvektor
Geben Sie den zugehörigen é o valor da tensão k an (1induzida
Punkt). no laço Uind (t) como função do tempo?
r r
Berechnen Sie die zugehörige magnetische Induktion B ( r , t ) (2 Punkte).
r r
5.5.2.10
Berechnen Sie den Poyntingvektor Ex:
S (r , t )Indução
(2 Punkte). numa bobina
Der Energiefluss der el.magn. Welle betrage 10 W/m². Berechnen Sie die Amplituden
Calcule
des elektrischen Feldes o magnetischen