Você está na página 1de 45

2019

CONSTELAÇÕES FAMILIARES
NA PRÁTICA

UMA ABORDAGEM GERAL


MIRYAN CHAGAS
AVALIAÇÃO PENDULAR DOS CAMPOS MORFOGENÉTICOS
O que é Radiestesia?

Para introduzirmos a possibilidade de mensurar o campo


morfogenético precisamos entender o que é radiestesia
minimamente, não se pretende passar mais informações do
que o necessário para o uso do pêndulo.
A palavra Radiestesia é composta do latim Radius =
radiação e do grego Aisthesis = sensibilidade. Radiestesia é,
portanto, a ciência e a arte pela qual uma pessoa treinada se torna sensível a qualquer
tipo de radiação ou frequência vibratória. Como tudo o que existe é formado de átomos
e como os átomos são compostos de ondas vibratórias, podemos concluir que o
Radiestesista pode entrar em sintonia com qualquer coisa, através da radiação.
A Radiestesia parte do pressuposto que tudo no universo emite uma energia, idéia
esta que embora pudesse parecer tolice a alguns anos atrás encontra cada vez mais a
aceitação de físicos e químicos, este campo energético emitido pôr tudo possui graus
diferentes, a energia emitida pela água pôr exemplo é diferente da energia emitida pelo
chumbo, ainda seguindo este raciocínio podemos dizer que um órgão são possui uma
emissão energética diferente do mesmo órgão enfermo.
Querendo ou não o homem está constantemente cercado de energias
eletromagnéticas, planetárias, telúricas etc..., sejam estas derivadas de instalações
elétricas, satélites, microondas, redes de alta tensão entre outras fontes, o problema é que
não conseguimos perceber seus efeitos ou a sua presença, até que estas venham a nos
prejudicar.
A Radiestesia é a técnica que permite o contato com tais energias, através do
desenvolvimento da sensibilidade do Radiestesista.
Existem diversos instrumentos que são usados na prática radiestésica, sendo o mais
famoso de todos; o pêndulo, dado a facilidade de manuseio com que ele é dotado, o
baixo custo para obtê-lo e a precisão do diagnóstico fornecido pôr este aparelho.
A Radiestesia foi muito usada ainda para encontrar água, minerais de diversas
classes, pessoas, criminosos, enfim, foi usada para tudo quanto à imaginação humana
permitiu até o presente momento, e na mão de bons Radietesistas sempre ocorreu uma
margem de acertos muito superior ao que permite o acaso.
Algo que se deve deixar claro ao estudante desde o princípio é que a Radiestesia
não é algo místico, nada tem a ver com mediunidade ou com dons difíceis de conquistar,
a Radiestesia é algo natural no ser humano e que segundo nossos estudos 90% da
população pode desenvolver com um pouco de estudo e prática, é claro que existe uma
parcela de pessoas que desenvolve estas técnicas com muita rapidez enquanto que
outras demoram mais, mas mesmo os que dão mais trabalho podem vir a ser radiestesistas
muito competentes.
Outro ponto que deve ser frisado, não é o pêndulo ou qualquer outro instrumento
de Radiestesia que capta as energias, é algo muito mais fantástico e misterioso que faz
este trabalho; a mente humana. De fato a mente do operador capta
as energias e se comunica com a parte consciente do radiestesista
através de uma linguagem pré-estabelecida pelo próprio radiestesista,
para ficar um pouco mais claro, o inconsciente capta a energia, para que o
operador saiba o que foi captado o cérebro envia sinais através do sistema
nervoso, estes impulsos são os verdadeiros responsáveis pelo movimento do pêndulo, ou
seja, nada há de sobrenatural em tal coisa.
Os primeiros registros da Radiestesia podem ser encontrados em inscrições rupestres
datadas de 9.000 a.c. que são do Perú, ali podemos ver claramente um homem com
aparência de feiticeiro empunhando uma forquilha (um dos mais antigos aparelhos
radiestésicos), existem ainda algumas referências bíblicas aos achadores de água e ouro
que acompanhavam a rainha do Sabá quando esta foi visitar Salomão.

Pêndulo
Não é um gráfico, mas antes um instrumento; trata-se de um
peso ligado a um fio flexível, pouco importando o material com o
qual é confeccionado. O essencial é que seja simétrico e uniforme.
O pêndulo é um instrumento radiestésico que faz com que certas
vibrações do Universo sejam percebidas pelo inconsciente do
operador. Trata-se de um peso na ponta de um fio flexível e
resistente. O seu formato deve ser sempre regular e simétrico e a
forma do pêndulo e seu material não interferem na sua
sensibilidade. Isso quer dizer que o peso pode ser cônico ou redondo, de bronze, madeira
ou cristal, ou qualquer outro material. Existem pêndulos ocos, para que possam ser
colocados testemunhos em seu interior. Uma aliança presa através de uma linha resistente
de cerca de 20 cm pode ser empregada como pêndulo.
É o inconsciente que recebe todos os sinais. No entanto, eles serão interpretados
pelo consciente. O pêndulo é a expressão física das informações captadas pelo
inconsciente. Em outras palavras, funciona como uma espécie de “antena amplificadora”
das vibrações sobre as quais se realiza a prospecção. Porém, é preciso deixar claro que a
qualidade da informação obtida pelo pêndulo depende inteiramente da neutralidade e
receptividade do operador.
O pêndulo serve para “medir” campos de energia. Isso se faz através de
movimentos; conforme o movimento do pêndulo é possível estabelecer respostas do tipo
“sim-não”. Não existe um padrão definido de resposta. O pêndulo pode se movimentar
verticalmente, horizontalmente e circularmente (no sentido horário e anti-horário). Outro
movimento é em diagonal, seja da direita para a esquerda como da esquerda para a
direita. Como podem ser observados, os movimentos combina-se em pares contrários.
Através de exercícios e perguntas para as quais o operador já sabe a resposta, ele
determinará para cada par de movimentos qual é o “sim” e qual é o “não”. Geralmente,
o “sim“ corresponde ao movimento vertical, circular no sentido horário e diagonal da
esquerda para a direita. O “não” corresponde ao movimento horizontal, circular no
sentido anti-horário e diagonal da direita para a esquerda. Toda vez que o pêndulo se
mover no sentido do “não”, você se deparou com uma emissão de vibração negativa.
Ela pode ser decorrente de material em decomposição, um veio de
água ou mesmo, de uma corrente telúrica negativa no subsolo. Isso quer
dizer, que o pêndulo pode apontar onde se encontram os focos de
energia.
É necessário que estabeleçamos algumas convenções com nosso pêndulo, para
que possamos “conversar” com ele, isto é: o pêndulo só é capaz de manifestar-se através
de giros e oscilações, e precisamos então estabelecer uma convenção entre esses sinais
para que possamos interpretar as respostas pendulares. Devido a isto, através dos tempos
os radiestesistas criaram determinadas convenções que se tornaram bastante usadas.
Quanto aos Giros, temos que:
• Sentido Horário: SIM
• Sentido Anti-horário: NÃO
Assim, sempre que fizermos uma pergunta ao pêndulo e for respondido com um
movimento no sentido horário, interpretaremos a resposta como um SIM; se o sentido for o
oposto, a resposta, obviamente, será NÃO.
A forma de segurar o pêndulo é bem simples. Basta suspende-lo segurando a
corrente entre os dedos polegar e indicador de maneira firme, mas sem apertar, para
deixar fluir a energia através deles. Apertando demais os dedos, a energia é bloqueada,
dificultando as movimentações do pêndulo, e, por conseguinte, as respostas. Ao segurar
o pêndulo, é importante que todo o braço esteja sem tensões, sobretudo nas articulações
do ombro e do cotovelo.
O primeiro exercício é aprender a sintonizar-se com as energias, que no nosso caso,
está organizada pelos campos morfogenéticos com ajuda de uma pirâmide. Quando
falamos em pirâmide, não significa que seja uma pirâmide qualquer, de qualquer medida
ou em qualquer posição. Referimo-nos à réplica da grande pirâmide de Guisé, no Egito,
chamada também pirâmide de Queóps, e posicionada N-S (norte e sul). Para o que neste
momento nos interessa, a réplica da grande pirâmide (pirâmides pequenas que guardam
a mesma proporção em suas medidas) atraem pelo se ápice, quando colocadas na
posição N-S magnética. Energia cósmica é um ilimitado feixe de freqüência necessária
para a vida em nosso planeta em Radiestesia é chamada de Ponto Zero.
Uma vez na posição N-S, segure o pêndulo sobre ápice da pirâmide e vá deslizando
os dedos muito devagar pela corrente do pêndulo, até que este gire positivamente. Esse
ponto de comprimento de fio é o ponto de sintonia com a Energia Cósmica nesse
pêndulo. Será colocado um vídeo no Espaço aluno com esses exercícios e outros.
Movimentos do pêndulo:
O pêndulo tem quatro movimentos e cada um tem um significado:
1 - Girar em sentido horário é considerado como rotação positiva, de sintonia, de
ligação; significa SIM na resposta a uma pergunta;
2 - Girar em sentido anti-horário é considerado como rotação negativa, de corte, de
falta total de sintonia; significa NÃO em respostas a uma pergunta;
3 - Elipses significam mudanças de movimento ou perguntas mal feitas;
4 - Movimentos de vai e vem, pode ter dois significados: Ligando
dois objetos ou duas pessoas tem o mesmo significado das rotações
positivas
Cortando dois objetos ou duas pessoas tem o mesmo significado das
rotações negativas, denotando que não existe ligação de um com o outro.
Este movimento pode indicar até que ponto a falta de sintonia é completa ou não,
dependendo da angulação maior ou menor que o pêndulo faça entre os objetos
cortados.

Conselhos práticos:
Deve-se utilizar 15 minutos diariamente para a prática da Radiestesia, 5 minutos para
exercícios de relaxamento ou concentração e outros 10 minutos para trabalhar com o
pêndulo. Depois de um mês, aumente o tempo.
No início deve-se ter sempre o mesmo horário e, se possível, o mesmo lugar, basta
um canto da sala ou do quarto com uma pequena mesa de madeira é o suficiente. O
mesmo horário e o mesmo lugar ajudarão para um condicionamento melhor.
• É importante estar descansado, sem tensão muscular e sem pressa.
• Devem-se retirar todos os metais do corpo e da mesa.
• Apoiar os pés no chão, não cruzar os pés nem as mãos.
• Sempre que possível deve-se fazer os exercícios sozinho. Pessoas presentes
poderão influenciar com seus pensamentos e incredulidade.
• Não usar calmamente, pois amortecem a sensibilidade. Se você tem tensão
aprenderá tirá-la fazendo os exercícios de relaxamento que está aprendendo.
• Esfregar as mãos antes de iniciar os exercícios e nos intervalos deles para
melhor polarizá-las.
• Antes da prática com o pêndulo, devem-se fazer alguns exercícios de
concentração e relaxamento. Por exemplo, o exercício de abrir a mão bem
devagar, que serve também para o controle nervoso muscular. Neutralidade
mental. No início é comum influenciar os movimentos do pêndulo.
• Deve-se Ter muito paciência, a Radiestesia só tem um segredo: o trabalho.
Sempre muita prudência, especialmente no início.
• Adquirir autoconfiança. Estar convencido de que o pêndulo funciona na sua
mão, para isto é bom fazer exercícios que possam ser comprovados.
• Não se tornar fanático.
• Deve-se desenvolver a sensibilidade através de exercícios de
desenvolvimento sensorial.
• Deve-se ter um método, o qual lhe apresentamos.
• Os melhores horários são à noite ou de manhã cedo.
• Regular o pêndulo para sintonizá-lo com aquilo que queremos saber.
• Segurar o pêndulo suavemente, porém com firmeza.
Às vezes, observa-se que o pêndulo não se movimenta isto quer
dizer que pode existir um bloqueio (fading). Isto poderá ocorrer quando
houver mudança climática brusca ou aproximação de tempestade com
eletricidade. Esta inércia poderá ser, também, por cansaço ou tensão do praticante, o
melhor é deixar a pesquisa para outro momento. A mão esquerda é usada como antena,
cuidado com ela. Quando não a estiver usando o melhor tê-la fechada. Desimpregnar o
pêndulo e as mãos, antes e depois de cada experiência. Para isto basta tocar a ponta do
pêndulo em um pedaço de chumbo.

Programação do Pêndulo
Siga as instruções das dez etapas a seguir, sistematicamente, fazendo uma de cada
vez. Cada etapa é muito fácil e não leva muito tempo.
Como sugestão, agora e no futuro, tente achar um lugar tranquilo, onde você possa
estar sozinho e sentir-se confortável e, que normalmente esteja à sua disposição todo dia
para uns poucos minutos de prática. Isto é como marcar um encontro com seu
subconsciente. O lugar pode ser a mesa da cozinha pela manhã, ou sentado na cama
tarde da noite, ou qualquer outro lugar e hora.
Leia as seis etapas seguintes de uma só vez, apenas para familiarizar-se.
Então retorne e vá através delas seriamente uma etapa por vez.
Etapa 1. Relaxe fique quieto e entre em estado de meditação (estado alfa).
Etapa 2. Pegue seu pêndulo (qualquer pêndulo serve) e segure o cordão ou corrente entre
o polegar e o indicador. Segure-o cerca de 2 cm a 8 cm de comprimento. O comprimento
do cordão irá determinar quão rápido ele girará.

SIM P NÃO

Etapa 3. Agora, movendo sua mão faça o pêndulo começar a girar sobre o "SIM" e peça-
lhe e espere que ele continue sem a sua ajuda. Pergunte em voz alta, com a mesma voz
e tom com que fala com uma pessoa. Se ele parar, reinicie-o de novo, peça-lhe que
continue. Repita até que o pêndulo gire por si próprio. Você estará deliberadamente
iniciando o pêndulo e então pedindo que continue a girar sem uma ajuda adicional sua.
Etapa 4. Faça a mesma coisa para o "NÃO".
Etapa 5. Uma vez que ele esteja girando por conta própria no "NÃO", vá
para o "Ponto de partida" - ponto "P" e peça-lhe, enquanto ele ainda
estiver girando, para trabalhar no sentido horário para "SIM".
Etapa 6. Em seguida peça-lhe para trabalhar no sentido anti-horário a partir do
ponto "P" para o "NÃO", e então voltar para o sentido horário para o "SIM".
Pratique as etapas 3, 4, 5 e 6 várias vezes.
Se você não foi capaz de acompanhar o exposto em aproximadamente 15 minutos,
tente novamente depois de meia hora ou no próximo dia. Neste momento é possível que
você possa estar experimentando alguma interferência temporária. Não desista, tente
novamente.
Muito se tem escrito sobre entrar em um estado de harmonia antes de começar
uma seção de radiestesia. Tempo e prática provarão que somos diferentes no que ser
refere a uma preparação pessoal. É importante que todos estabeleçam seu próprio ritual
que ajude a atingir o prévio estado alfa para pendular e tão importante quanto um estado
de abertura e aceitação. Somente a prática contínua gradualmente nos conduzirá ao
método que melhor se ajusta. Mas esteja avisado, que é vital fazer uma preparação para
um ritual pessoal que seja compatível com nossas prioridades para entrarmos em uma
sessão de radiestesia. Se formos direto sem preparação, nós poderemos eventualmente
falhar e a informação adquirida não será confiável. Além disso, sem um ritual adequado
de preparação, não desenvolveremos um sistema de proteção pessoal das influências
negativas que podem se manifestar durante a contelação.
O treino também para os outros movimentos como: horizontal/ vertical e diagonal
deve ser feitos da mesma forma.
Para o uso do pêndulo na constelação, portanto, vamos precisar: sim, não,
horizontal/vertical e diagonal.

INSTALANDO O PROGRAMA BÁSICO


A instalação do programa é muito fácil, há somente três simples passos.

PASSO (A) - Obter permissão: com seu pêndulo girando no ponto "P", faça as seguintes
perguntas: (é melhor ler em voz alta) "Devo eu, Posso eu, Deveria eu, estabelecer, mudar
ou adicionar condições e acordos ou programas de pendulação que continuarão, com
efeito, até que eu mude?". Se o pêndulo girar "SIM", vá para o passo (B). Se o pêndulo girar
"NÃO", então tente novamente mais tarde.
PASSO (B) - Para colocar ou estabelecer um programa: com o pêndulo ainda girando
"SIM" “esse giro horário sempre será para perguntas cuja resposta for precisamente o SIM.
Termine dizendo: "Fim das condições e acordos pré-arranjados, obrigado". Faça
exatamente o mesmo procedimento para determinar uma resposta NÃO. Faça também
à programação para o movimento Horizontal e Vertical da seguinte forma: “sempre que
com o pêndulo estiver oscilando vertical o significado é da não existência de Força,
ligação energética e não existe ligação com o outro, pessoa ou objeto” –” com o pêndulo
oscilando horizontalmente ““ sempre que com o pêndulo estiver
oscilando horizontal sempre terá o significado de existência de Força,
ligação energética e ligação com o outro, pessoa ou objeto”. Para
oscilação diagonal:” com o pêndulo oscilando na diagonal sempre será para
a ligação de emaranhamento com o outro seja pessoa ou objeto fora do
campo morfogenético”

PASSO (C) - Verificação final: Pergunte ao pêndulo: "São as condições ou mudanças


aceitáveis como apresentadas, sendo claras e não contraditórias, e abertas para mudar
pela minha solicitação?" Se "SIM", você terminou. Se "NÃO", use seu pêndulo para fazer
perguntas e tentar determinar o porquê.
Nota: Uma vez que você programou seu sistema, você não tem que repetir a
programação cada vez que você pendula. Eles estão automaticamente e
continuamente funcionando até que você mude.

Etapa 7. Se o passo (A) acima é "SIM", então com seu pêndulo girando no "SIM", leia em
voz alta a seguinte sugestão de programa básico. No futuro você pode fazer mudanças
neste e em outros programas.
• "O programa básico é para continuar em funcionamento até que eu escolha fazer
mudanças.
• Cobrindo por completo os controles primários, limites, acordos e respostas
radiestésicas.
• O propósito é para determinar quantias, efeitos, condições, circunstâncias,
influências, tempos, medidas, distâncias, números, porcentagens e outras áreas
requeridas.
• Comunicações radiestésicas devem ser com cooperação mútua e restrita a: toda
consciência universal, minha superconsciência, minha mais alta personalidade, meu
sistema de mente, meu subconsciente e seus sistemas relacionados. Isto é para não me
causar nenhum mal, desconforto ou perda de energia, tanto física quanto
espiritualmente.
• Influências como pensamentos enganosos, imaginação, vontades, ou qualquer
outra condição de qualquer fonte, física e não física, incluindo minha própria ou de
outras pessoas, entidades ou sistemas de mente de qualquer tipo, não são para afetar-
me adversamente ou causar respostas radiestésicas incorretas.
• O tempo de pendulação deve ficar a meu critério a menos que de outra forma
pedido.
• Respostas são para serem selecionadas de todo conhecimento disponível e fontes
de informações.
• O método de resposta do pêndulo é para ser:
1. balançando no sentido do ponto de partida (P), indica pronto
para a pergunta.
2. geralmente, girando no sentido horário para "SIM" ou outra informação,
indicando a resposta mais apropriada para a pergunta feita, ou outros
métodos ou sistemas acordados.
3. giro no sentido anti-horário para "NÃO" ou outra informação, indicando a
resposta mais apropriada para a pergunta feita, ou outros métodos ou sistemas
acordados.
4. oscilação vertical indicando não ligação.
5. oscilação horizontal indicando ligação
6. oscilação diagonal indicando trilha do emaranhamento
• Mudanças temporárias podem ser feitas por mim enquanto pendulando,
revertendo após uso.
• Alterações de programa como adição, eliminação ou mudança podem ser feitas
por mim, mas somente usando o sistema de três etapas - instalando o programa básico.
• Fim do programa, obrigado".
Volte aos três passos de instalação do programa e adicione o programa seguinte. "Devo
eu, Posso eu, Deveria eu programar, é para tornar-se uma parte útil dos meus programas
de radiestesia, e continuamente funcionar até que eu escolha fazer mudanças". Quando
usado em referência as questões radiestésicas o Devo eu, Posso eu, Deveria eu, é para ter
o seguinte significado:
Devo eu é para significar: Eu tenho a permissão apropriada?
Posso eu significa: Eu tenho a habilidade para pendular com sucesso nesta área e eu
estou pronto?
Deveria eu significa: considerando todos os aspectos relacionados a esta situação seria
apropriado e certo enredar uma pesquisa nesta área? Fim de programa, obrigado".

Etapa 8. Volte às três etapas do programa de instalação e faça a etapa (C). Se a resposta
é "SIM", você instalou os programas adequadamente. Se "NÃO", faça perguntas
investigadoras.

Sobre sua pré-programação


Uma vez que você programou seu sistema, você terá instruções e acordos perfeitos,
detalhados, e cuidadosamente pensados. A parte mais agradável é que você não ter de
lembrar todos os detalhes nos programas. O subconsciente faz por você. Tudo o que você
tem a fazer é saber que a informação programada está no subconsciente e será
automaticamente realizada quando você pendula. É similar a usar sua mente para mover
o dedo. O subconsciente tem um programa para mover o dedo. Tudo o que você tem
que fazer é desejar, com sua mente, para que seu dedo se mova e ele faz.
Com seu dispositivo de radiestesia, você perguntou se ele
instalaria programas relativos à sua pendulação, e ele o fez. Você não
tem que saber como o dedo ou seus programas trabalham, apenas use-
os.
Etapa 9. Preferivelmente em seu lugar e hora favorita e, utilizando seu pêndulo, você
precisa perguntar algumas questões práticas com as quais você não tenha envolvimento
emocional. Há várias áreas que você pode treinar.
Selecione áreas em que você não está emocionalmente envolvido ou para as quais
você tenha presciência da resposta. O sistema responderá automaticamente sua
pergunta usando seus programas previamente instalados.
Etapa 10. Quando você se sentir mais seguro e confiante, pergunte ao pêndulo se você
deve retornar ao programa básico. Se a resposta for "SIM" faça. Se "NÃO", você está
adequadamente programado e pode colocar outros programas
Nota: Cada vez que você mudar o objetivo básico a ser pendulado, você deve perguntar
"Devo eu, Posso eu, Deveria eu?", ou, proceder conforme a programação feita no final da
etapa 7. Se a resposta for "SIM", prossiga se "NÃO", confie no julgamento do pêndulo.
Direção é o que você está sabiamente procurando.
Para o movimento Horizontal e Vertical faremos as mesmas sequencias orientadas
acima, basta substituir o movimento do pêndulo como o seu significado para cada um,
como a programação movimento diagonal para mensurar o campo relacional com a
família de origem, idem.
O ensinamento básico acima será o suficiente para a utilização do pêndulo para
nossa finalidade. No Espaço aluno tem disponibilizando alguns livros de Radiestesia para
quem desejar aprofundar no tema.

RESPOSTAS PENDULARES POSSÍVEIS DENTRO DOS CAMPOS MORFOLÓGICOS E OS SEUS


SIGNIFICADOS.
1º MOVIMENTO PENDULAR – SIM/NÃO- MOVIMENTO INVESTIGATÓRIO DO CAMPO
MORFOGENÉTICO.

Antes de solicitar ao constelado que escolha o boneco


para representá-lo e os de mais que estão diretamente
ligados ao seu tema-conflito, devemos aplicar exercícios de
relaxamento, normalmente sendo o suficiente uma
sequência de respiração diafragmática, o Constelador
preferencialmente deve acompanhar o constelado no
mesmo ritmo respiratório. Isso irá facilitar a construção de
um campo energético satisfatório (empatia).

Após o constelado colocar os bonecos o Constelador colocará o pêndulo bem


acima do boneco representante do constelado mais ou menos uns 3 dedos acima da
cabeça do boneco e mentalmente fará a seguinte pergunta: “Existe
nesse momento presente um campo de informação (FORÇA)?”
Caso SIM, o pêndulo fará a rotação horária começando devagar,
acelerando e muitas vezes com o diâmetro (abertura) quase do tamanho do
“tabuleiro”. Caso o pêndulo faça o movimento anti-horário, NÃO, pare a constelação
volte há questionar um pouco mais o constelado sobre o tema-conflito e se não estará
faltando algum outro representante (boneco). Investigue caso tenha alguma alteração,
volte ao momento inicial de uma nova sequência de respiração e faça novamente a
pergunta.
2º MOVIMENTO PENDULAR – HORIZONTAL/ VERTICAL- MOVIMENTO RELACIONAL.

Oscilação vertical - Cortando duas pessoas o significado será


negativo, denotando que não existe ligação de um com o outro.
Este movimento pode indicar até que ponto a falta de sintonia
(FORÇA) é completa ou não, dependendo da angulação e
velocidade maior ou menor que o pêndulo fará entre as duas
pessoas.
Como podemos interpretar esse movimento:
Dentro do fundamento da Constelação acerca de um
emaranhamento a medição vertical relacional está a serviço do
Sistema significando que ali existe um grau de perda da FORÇA. Em
outras palavras, que a Consciência Universal está utilizando aquele
membro possivelmente para se auto-regulador dentro da família
atual. Isso significa exatamente que aquele boneco que representa
uma relação com o nosso constelado e seu núcleo precisa de uma
nova posição. Anote isso para continuar a investigação da linha
associativa entre o tema-conflito e a família de origem.
Oscilação Horizontal- unindo duas pessoas o significado será positivo, denotando que
existe ligação, FORÇA fluindo.
Como podemos interpretar esse movimento
Este movimento pode indicar até que ponto existe uma
sintonia completa ou não, dependendo do diâmetro maior ou
menor que o pêndulo faça entre os objetos. Essa oscilação não
significa necessariamente que ali não tenha algo a ser observado,
porém, não tem o mesmo peso investigatório como a oscilação
anterior (vertical) Por quê? Porque temos a Consciência pessoal
e a do Clã (grupo), que pode ter sido apontado pelo nosso
constelado em suas queixas iniciais como sendo um
relacionamento ruim, distante ou sem respeito. Nesse caso
devemos lançar mão de outras abordagens e técnicas para
harmonizar a relação afetiva, porém no Campo informativo
(FORÇA), aquele membro não está diretamente ligado a queixa
do constelado efetivamente. Resumindo, ele não é o responsável
pelo menos naquela formação pelo emaranhamento do nosso
cliente, ele pode sim, ser reflexo ou um “sintoma” por conviver
com a pessoa emaranhada. Ou ele mesmo ter o seu
emaranhamento com a sua família de origem refletindo na sua
família atual.

3º movimento pendular- Giro anti-horário (como rotação negativa, de corte, de falta total
de sintonia)
Esse terceiro movimento irá confirmar se a falta de sintonia (FORÇA) é um
emaranhamento. Isso é feito com uma pergunta direta. “Confirmando o
emaranhamento” O constelador fará a essa constatação mentalmente. Essa
confirmação é importante para o Constelador. Se tudo estiver dentro do padrão, sem
nenhuma interferência os resultados nessa etapa serão:
1. 1º movimento vertical + pergunta direta de confirmação
giro anti horário, existe emaranhamento

2. 2º movimento horizontal + pergunta direta de confirmação


girohorário, não existe emaranhamento.
NOTA: Importante lembrar que essa avaliação está relacionada exclusivamente ao tema-
conflito, por isso ele deve ser elaborado pelo constelado com a ajuda do Constelador de
uma forma direta, clara e sintetizada.

Exemplos de tema-conflito;
• Não me relaciono bem com meu filho mais velho
• Nunca consigo ganhar dinheiro com minha profissão
• Brigo sempre com o meu marido de uma forma violenta
• Minha família tem vários casos de depressão
• Não paro em nenhum trabalho
FAMILIA ATUAL

FAMILIA DE
ORIGEM

4º movimento pendular- diagonal relacional com a família de origem

Esse movimento montará a trilha relacional que o Sistema está utilizando para se
auto-regular indo ao encontro do representante ancestral que o nosso cliente está
emaranhado. Por observação o comum é que tenhamos que ir no máximo até os bisavós.
Isso tem uma explicação. A cada geração o impacto será menor para as gerações
seguintes. Então é comum até 4 gerações o impacto ter se dissipado de tal forma que o
Sistema já regulor desse impacto, mas isso não significa que não houve outros e com isso
novo emaranhamenos surgiram.

Portanto:

Vamos supor que a perda de força foi na família de um bisavô. O impacto será maior,
mais traumático, quando esse impacto alcançar a outra geração, ela será menor
chegando á família do nosso cliente e será menor ainda. A interrupção do fluxo da FORÇA
existirá, mas perdeu a intensidade impactante em relação ao ocorrido com um membro
da família do Bisavô, portanto, são raros os casos que ultrapassem até no máximo 4
gerações.
A MONTAGEM DE UMA CONSTELAÇÃO COM BONECOS

As constelações familiares desenvolvem-se em três fases e


criam duas imagens diferentes do sistema familiar: uma imagem
da dinâmica destrutiva e outra da solução.
A primeira fase da constelação apresenta as lembranças e
imagens interiores do cliente, sendo um quadro altamente
subjetivo e pessoal das dinâmicas ocultas que operam na família.
Ela fornece uma representação visual dos modos pelos quais o
sistema familiar continua a influir nos sentimentos e atividades do
cliente. A primeira fase gera uma hipótese de trabalho a respeito
da dinâmica sistêmica em ação no seio da família. A combinação de suas reações com
as imagens visuais da constelação e as informações do cliente constitui uma base melhor
para a busca de soluções do que apenas as suas lembranças e imagens interiores. Uma
vez esclarecida à dinâmica oculta, é possível procurar uma solução.
Na segunda fase da constelação, iniciamos a busca lenta, em forma de tentativa
e erro, de uma imagem de equilíbrio sistêmico e solução com amor. Essa nova
constelação permite ao cliente ver e sentir uma possível opção de cura.
A fase final do trabalho é uma constelação que gera a imagem da realidade
possível, a Simetria Oculta do Amor em que todos os membros da família ampliada têm
um lugar e uma função. Ela é benéfica quando os clientes conseguem permitir que essa
nova imagem trabalhe neles, modificando gradualmente sua antiga realidade pessoal.
Às vezes, as constelações de solução chegam a afetar outros membros da família.
Os observadores ficam impressionados pelo modo rápido com que os grupos, mesmo
grandes, desenvolvem uma atmosfera de respeito, leveza e alegria.
As constelações de solução são frequentemente tão fortes que continuam a
promover mudanças por anos a fio.
O primeiro passo na montagem de uma constelação é a visão geral da família. A
tarefa consiste em identificar todas as pessoas que pertencem ao sistema, ou seja, todas
as pessoas que afetam sistemicamente o cliente.
O terapeuta começa por perguntar a respeito de acontecimentos incomuns na
família ampliada, como mortes, suicídios, separações, divórcios, acidentes,
incapacitações, doenças graves e desaparecimentos.
Descrições de caráter e avaliações de pessoas são interrompidas porque isso
enfraquece a força necessária para que seja feito uma boa constelação.
AS CONDIÇÕES PARA A MONTAGEM DE UMA CONSTELAÇÃO

1. Quando os clientes montam uma constelação, sua intenção deve ser


séria e seu propósito, legítimo. Interesses frívolos e curiosidade leviana não
geram a sensibilidade e a atenção necessárias para distinguir projeções pessoais de
efeito sistêmico. O efeito de uma constelação pode ser muito profundo. Por isso, é
importante uma atmosfera grupai de cooperação atenta. O cliente e o terapeuta
não devem dizer nada enquanto são posicionados os bonecos.
2. Toda pessoa desnecessária na constelação de solução diminui a força da
imagem. Com isso, o terapeuta deve zelar para que só se incluam as pessoas
(bonecos) realmente úteis à solução.
3. A mera proximidade física não é, em si, indício de participação no sistema,
nem importante para a solução.

Eis o princípio fundamental: trabalhar sempre com o mínimo necessário para se


obter uma solução. Se necessários outros membros (bonecos) serão acrescentados mais
tarde ao sistema.

A Constelação de Solução Padrão por Hellinger:

Uma vez pronto para uma constelação de solução, o que você


procura é uma constelação na qual todos, especialmente o
cliente, se sintam bem. Você observou as reações do cliente. Só
pelo método de tentativa e erro é possível perceber isso, mas há
uma sequência padrão que deve ser seguida.
Sempre haverá exceções, porém o princípio norteador interno de um sistema de
relacionamento familiar é, basicamente, este:
1. Quem chegou primeiro tem prioridade.
2. Numa constelação, o sentido da prioridade é o dos ponteiros do relógio.
3. Se um homem e uma mulher entraram no sistema ao mesmo tempo, o homem
geralmente vem em primeiro lugar e a mulher em segundo.
4- Nas constelações de solução, os filhos em geral vêm em seguida, o mais velho mais
perto da mãe, à esquerda. Não raro, a constelação se sente mais à vontade quando
os filhos se postam diante dos pais.
5- Os natimortos ficam em geral com seus irmãos, segundo a ordem de nascimento.
6- Crianças abortadas, quando importantes para o sistema,
costumam sentir-se melhor sentadas à frente dos pais e encostadas a
eles. Estando elas nessa posição, os outros membros da constelação
também se sentem mais descontraídos.
7- Os filhos abortados não são contados com os outros: afetam os pais, mas não
afetam os irmãos.

A Constelação de Solução Emerge do Processo


Hellinger: A solução emerge durante o processo da constelação. É absolutamente
essencial que escutemos atentamente os relatos dos representantes, permitindo que eles
nos conduzam à solução. Com a utilização de bonecos a solução também será através
de um processo mensurado pela radiestesia, novas posições e reações do cliente a cada
mudança. Existem situações em que o terapeuta deve confiar mais nas suas próprias
percepções na mensuração do que nas palavras do cliente, sobretudo quando seu
comportamento não-verbal destoa do que diz.
Às vezes falta uma informação, o que torna difícil ou mesmo impossível o movimento
rumo à solução. Nesse caso, é preciso parar e aguardar até que a informação se tome
disponível. Tenham sempre em mente que vocês estão procurando uma solução,
sobretudo, para o cliente e só de modo secundário para os outros membros do sistema.
Creio que as soluções finais são praticamente as mesmas para todos os membros. Ainda
assim, os passos dados e as pessoas trazidas para o sistema podem diferir bastante,
dependendo de quem seja o protagonista e do fato de ele ter vivenciado a infância
como menino ou menina. Buscar uma solução para os outros é serviço que só pode ser
executado com humildade. Não nos cabe inventar uma solução quando ela não
aparece por si mesma. Se tentarmos, criaremos a maior confusão. A humildade de que
falo consiste em aceitar o fracasso quando a constelação não oferece soluções e em
acreditar que o processo tem movimento próprio.
Nota: Esse tipo de terapia não é algo que o terapeuta faz por seu cliente: a confiança
dele no processo é que constitui um modelo para o cliente.

COMO A CONSTELAÇÃO DE SOLUÇÃO PROMOVE MUDANÇAS

Pergunta: De que forma as constelações finais operam realmente?


Hellinger: Uma constelação de solução tem seu máximo poder de mudança
quando os clientes a vêem tocam-na e renunciam a quaisquer tentativas de agir. E como
se a constelação de solução fosse uma imagem inconsciente que trabalha se lhe for
permitido. Melhor deixar o tempo correr: a convalescença de uma moléstia grave
demora, mas depois estamos saudáveis de novo.
Podem passar-se anos antes que se complete o processo de cura acionado pela
constelação de solução. Não há nada que possamos medir objetivamente, mas, em
definitivo, os resultados são notórios. Há outra questão importante.
Nenhum outro membro do sistema precisa mudar para que o
cliente mude. Ninguém terá de assumir função diferente. A mudança,
no sistema familiar, ocorre toda por causa de uma transformação da
imagem interior.
Ocasionalmente, convém falar a outros membros da família sobre a constelação,
mas só no momento oportuno será possível fazer isso sem interpretações. A pessoa apenas
conta o que aconteceu e como se sentiu. Quando os pais organizam sua imagem da
família, isso beneficia os filhos. Não é necessário colocá-los a par do que aconteceu. A
própria ordem do sistema produz o efeito, como também o fato de os pais a respeitarem
do fundo da alma. Há boa solução quando todos os membros do sistema encontram seu
lugar.
Se a constelação de solução revelar que o cliente ainda deve alguma coisa a
alguém, é preciso tomar cuidado com isso. Certas pessoas acham útil desenhar ou pintar
sua constelação e, mesmo, analisá-la depois em videoteipe. Frequentemente, os detalhes
da solução são esquecidos por completo, permanecendo apenas o efeito. Lembro-me
de uma conversa que ilustra como as imagens operam sem que nada se faça ativamente.
Nem sempre é possível encontrar uma boa solução. Depois que observamos por algum
tempo sem nada encontrar, o grupo começa a perder o interesse. Quando isso acontece,
é hora de desistir. Quase sempre está faltando uma informação necessária para a
descoberta da solução. O processo de acompanhar a montagem da constelação já
forneceu inúmeras pistas úteis ao cliente e meu princípio é: melhor desistir quando se está
na frente. Mais vale fazer pouco do que arriscarse a fazer demais.
Algumas constelações são bastante claras e produzem efeito imediato. Depois que
se ganha alguma experiência, pode-se perceber até que ponto a pessoa está
concentrada e integrada ao papel.

RESUMO DOS DADOS A CONSIDERAR

Segue-se o resumo dos pontos básicos a considerar na montagem de constelações e na


busca de soluções.

ORIENTAÇÕES PARA O CONSTELADO.


1. Monte uma constelação apenas quando houver uma questão candente e uma
necessidade real. Só a curiosidade não basta.
2. Ao escolher os participantes, convém dispô-los na ordem natural: primeiro os pais,
em seguida a sequência de irmãos. Antes do início da constelação em si, é bom que
cada qual repita seu papel, para evitar confusões.
3. Evite caracterizações e informações sobre atos e pensamentos das pessoas. Neste
trabalho, somente são úteis as informações sobre fatos: doenças, incapacitações,
separações e ações que trazem consequências para a vida da pessoa. As
caracterizações de membros da própria família interferem com a
capacidade de sentir o efeito da dinâmica familiar.
4. Concentre-se e oriente-se rumo à sensibilidade da família. Suas ideias e
planos sobre como montar a família impedem que você apreenda a
informação útil. A constelação só emerge no processo de montagem. Deixe-se
surpreender pelo que acontece.

ORIENTAÇÕES PARA O TERAPEUTA


1. Oriente-se para o encontro da solução. Você deve buscá-la, não inventá-la. Não
lhe cabe inventar nada, mas achar a solução que por si mesma se apresente a partir
do que realmente esteja vendo na constelação.
2. Procure aqueles que foram excluídos ou esquecidos, mas continuam a influenciar o
sistema.
3. Observe atentamente todas as pessoas que, no sistema, foram vilipendiadas,
odiadas, desprezadas, caladas. Em casos de abuso, são geralmente os agressores. A
solução exige que o sistema seja representado por inteiro.
4. Procure aqueles que querem partir, que precisam partir ou que devem receber
permissão para partir.
5. Confie em suas próprias percepções, mesmo quando destoem das dos
Clientes.

SUGESTÕES PARA BUSCAR UMA SOLUÇÃO

1. Quem entrou no sistema antes prevalece sobre os que vieram depois. Observe a
ordem de precedência. Ela se desenvolve no sentido horário, com as últimas pessoas à
esquerda da primeira. Os pais têm a mesma posição hierárquica, mas a ocupação do
primeiro posto varia de família para família, de acordo com sua função no sistema.
2. Entre dois sistemas, o último precede o primeiro. Desse modo, a família atual tem
precedência sobre a família de origem, o segundo casamento tem precedência sobre o
primeiro, e assim por diante. Quando um parceiro tem filho com outra pessoa na vigência
do casamento, esse segundo relacionamento sobrepõe-se ao primeiro.
3. Quando um homem e uma mulher são colocados frente a frente, isso é sinal de que
sua intimidade sexual foi rompida.
4. Quando a mãe escolhe uma mulher para representar seu filho, suspeite de uma
pressão sistêmica em favor da homossexualidade.
5. Quando um dos participantes tem ímpetos de abandonar a sala ou a constelação,
suspeite de tendências suicidas.
6. Se qualquer dos pais manteve um sólido relacionamento anterior,
o novo parceiro sente muitas vezes a necessidade de posicionar-se entre
ele e o parceiro antigo. De outra forma, não há nenhum rompimento com
o relacionamento anterior. Isso poderá complicar-se quando se
estabeleceram vínculos com diversas pessoas, pois todas formam um sistema
maior. Há inúmeras exceções, especialmente se existem filhos em um ou mais
relacionamentos.
7. Se todos os representantes olharem na mesma direção, tente descobrir ali a pessoa
que está faltando.

ATENDIMENTO INDIVIDUAL
No atendimento individual utilizam-se bonecos para representar os participantes do
processo que inicialmente sãos dispostos pelo cliente como numa constelação normal
feita em grupo e que representam uma imagem interna. Essa opção de trabalho sistêmico
vem de encontro a facilitar quando da dificuldade de se vivenciar as constelações
familiares em um grupo.
Da mesma forma o cliente e terapeuta tem um contato direto com o campo
morfogenético que se apresenta, onde o terapeuta descreve o fenômeno como ele se
apresenta ao seu cliente.

As 5 etapas:
1- Definir o tema
2- O cliente entra em contato ou presentifica suas imagens internas, ou seja,
estabelece a conexão vibratória com o tema
3- Escolhe os representantes sejam eles bonecos, âncoras, figuras ou pessoas
4- Posicionamentos dos bonecos
5- As frases de solução
Assim como nas constelações familiares em grupo, nas com bonecos é importante
acompanhar o cliente no contato com o seu tema. Nesse momento, o momento que o
cliente busca ajuda, ele já iniciou seu contato morfogenético (campo relacional) com seu
tema. Na especificação do tema, o terapeuta pode acompanhar o cliente a encontrar
o ponto especial da sua busca. O cliente vem em busca de algo mágico, cheio de idéias
autorreferencias que não resolveram suas questões, idéias confusas sobre o seu tem ou
idéias preconceituosas contra si e sua família. Ideias contaminadas sobre as causas e as
soluções, porém, se as idéias determinassem as soluções já se tinha resolvido o problema.
O que é essencial saber sobre o tema?
O terapeuta vai ajudar o cliente a entrar em contato mais
organizadamente com sua busca. Geralmente os clientes se apresentam
com uma visão muito generalizada de tudo, sentem-se infelizes e querem a
felicidade, não observam como tudo está interligado e que apesar dessa interligação
cada conexão é somente uma pequena conexão.
Cada conexão está ligada a uma dinâmica a uma questão, um colapso de ondas
no aqui/agora, naquele segundo, daquela questão, naquele momento, naquela
conexão, naquela dinâmica. Tudo está interligado e em constante movimento, em
constante processo em cada segundo. A definição e escolha do tema e o contato do
cliente com suas imagens internas, neste especifico tema, irão geral a força da
Constelação. A força da conexão e do contato do cliente com sua busca é o que vai dar
a força a Constelação.

Para o cliente são tantos e possíveis temas, como saber se é este o tema?

A resposta a essa questão; confiando no fenômeno. Naquele dia, naquele


momento, aquilo era importante, aquelas perguntas, aquele contato, aquela conexão.
Isso é fenomenologia e nunca, nunca mais irá se repetir.
A importância do tema refere-se á observação e procura do emaranhamento
sistêmico envolvido na questão. No trabalho de constelações familiares com bonecos a
nossa postura é de observar no cliente o amor ao vínculo.

O que está conectando á sua família? Onde ele está amando com o que ele está
fazendo? O que de bem ele quer alcançar?
Os vínculos de pertencimento sempre estão ligados ao amor. Amor por alguém que
não foi honrado adequadamente em gerações anteriores e que se mostra na geração
atual através de sintomas físicos, mentais e emocionais, sensações e impedimentos. Os
emaranhamentos familiares disfuncionais de hierarquias de inclusão e pertencimento ou
de equilíbrio se mostram, muitas vezes através de metáforas. São histórias que foram
vivenciadas há duas, três ou mais gerações atrás e que se recontam na atualidade. Com
muita frequência o sintoma serve para mostrar uma exclusão familiar em seu sistema de
pertencimento e isso se mostra nas dinâmicas relacionais familiares.
O trabalho de constelação requer do cliente a condição de aceitação para com
seu sistema familiar e qualquer alusão á imagem de vitimação ou de vilão deve ser
alterada. O terapeuta não olha somente para o cliente e sim para o sistema buscando
nas ordens do amor o que é necessário para o cliente sair de um vínculo amoroso cego
para uma nova possibilidade vinculativa. Buscando uma reorganização mais consciente
e saudável da conexão amorosa que se estabeleceu fundamentada no amor infantil e
nas idéias mágicas.
Nossa ótica segue o movimento do amor e não mais da díade
culpado/inocente. Procuramos localizar em quais vínculos o cliente
ama, ama tão cegamente que se coloca a serviço do seu pertencimento
na sua comunidade de destino.
Após a escolha do tema, o cliente procurará estabelecer contato com suas
imagens internas, presentificando suas sensações e nesse contato na conexão
estabelecida entre a consciência do cliente e suas sensações/emoções encontra-se a
força da constelação. Somente quando o cliente estiver neste estado de sintonia com
suas questões ele irá escolher os bonequinhos que lhe forem solicitados, projetando neles
suas representações internas.

Através das posições dos bonecos podemos obter as informações contidas nas suas
relações

Posição dos bonecos:


1- A intensidade dos sentimentos diminui à medida que a distância dos bonecos
aumenta.
2- Os bonecos que estão juntos e próximos pertencem ao mesmo grupo, quanto mais
centralizado o boneco estiver representado, mais importante ele é. 3- Um boneco
colocado oposto à pessoa, mais fora o círculo íntimo, geralmente indica há um conflito,
dentro do círculo íntimo denotaria afeição
4- Os bonecos que olham em direções distintas perderam o contato, os bonecos que
olham para mesma direção estão em harmonia
5- Os bonecos que estão olhando para as costas de alguém frequentemente estão
do mesmo lado
6- O tamanho do boneco é equivalente a status
7- Os bonecos que querem algo do cliente olharão para o cliente
8- Os bonecos que apóiam ficam atrás
9- Os bonecos que têm o mesmo objetivo parecido ficam ao lado.
10- Quando todos os bonecos da constelação olham numa só direção, e que isso
geralmente significa que estão olhando para pessoas que faltam, frequentemente
também falecidas ou atingidas por destinos difíceis.
Nas constelações com bonecos, o cliente e terapeuta observam a imagem
relacional que prendem observação baseada no posicionamento espacial dos bonecos
que nos indicam onde e com quem o cliente está conectado no amor.
As alterações de posições dos bonecos podem mudar a imagem interna relacional
da conexão e pouco a pouco nos movimentos dos bonecos o cliente vai lembrando
suas histórias e relatando seus envolvimentos. Após localizar junto com o cliente as
conexões de amor que o vincularam em seus emaranhamentos pode-
se partir para o próximo passo, a busca das imagens de solução.
No caso dessa modalidade com bonecos a situação traumática e a
solução são descritas em voz alta pelo terapeuta e podem ou não ser
repetidas verbalmente pelo cliente em sua experiência. A repetição verbal das frases de
solução fica a critério do momento, da empatia e da disposição do cliente, já que neste
caso não se tem a ajuda dos representantes como na constelação de grupo.
As constelações com bonecos também podem mostrar certo limite para sua
utilização nos casos em que o cliente tem pouca ou nenhuma informação ou quando o
cliente se coloca em alto grau de resistência ao trabalho.
Frequentemente, quando se iniciam as constelações com os bonecos esse processo
lúdico elicia em pequenos passos o campo de memória inconsciente da família
presentificada no cliente.
Quando o cliente coloca os bonecos e o terapeuta aguarda, de repente acontece
o acesso a imagens ou surgem questões que nos orientam e o fenômeno se mostra.
No desenrolar da constelação cliente e terapeuta vão entrando em contato direto
e profundo com os processos anímicos relacionados ao tema. Em contato com o campo
e durante o processo as frases de solução advindas dos insights por parte do terapeuta
bem como o movimento das figuras vão ocorrendo de forma natural onde o cliente a
todo o momento é chamado para as novas pontes perceptivas que se apresentam na
busca muitas vezes silenciosas da solução, alivio e leveza que o cliente procura.
Ao final temos uma nova figura que não precisa ser explicada, ou explicitada, mas
que atua diretamente sobre o campo através do qual o cliente certamente direcionara
um novo olhar, algo novo que atua.

O Significado dos sintomas físico, emocional e mental e as posições típicas durante a


constelação familiar e suas possíveis soluções.
Neste panorama nós reunimos todos os fenômenos sistêmicos de emaranhamentos
nas Constelações os quais temos observado durante anos.
Primeiro, nós descrevemos o fenômeno, então nós damos uma interpretação (Int.)
em seguida nós damos sugestões que tem ajudado a solucionar (Sol.) o emaranhamento.
Nossas sugestões não são as soluções finais; mas são passos importantes em direção a ela.
A lista não está completa e está generalizada. Cada constelação tem sua própria energia
e solução.
Apesar disto, muitos elementos no trabalho são similares. Nós queremos que os
estudantes o usem como um suporte, mas o terapeuta tem que confiar basicamente em
sua própria percepção da verdade de um sistema.
POSIÇÕES:
1) A mulher está em pé ao lado direito do homem.
Int.: Freqüentemente isto é sentido como a ordem errada entre os casais,
principalmente das crianças.
Sol.: Mude a posição e perceba o resultado.

2) O homem em pé bem perto atrás da mulher.


Int.: a) A filha tenta impedir que o pai veja uma coisa terrível, ou ela vai impedilo de deixar
o sistema;
b) A esposa bloqueia seu marido com medo de que ele possa deixar o sistema.
Sol.: A pessoa em frente dá um passo ao lado e ambos podem olhar para a mesma
direção ou a esposa/ filha podem se virar e olhar para o rosto um do outro.
3) A mulher está em pé bem atrás do homem.
Int.: Como a anterior. Mas agora é um filho que impede sua mãe ou o marido que bloqueia
sua mulher.
b) Sol.: Como a solução anterior.

4) O casal está em pé olhando um para o outro.


Int.: a) A relação do casal está terminando ou já terminou.
b) ambos regridem a uma relação pai-criança.
Sol.: Começar a trabalhar o processo de separação maduro e curativo, ou trabalhar a
questão infantil na família de origem e então trabalhar a questão do casal.

5) A criança está em pé na 1ª posição ao lado direito do pai.


Int.: A criança está representando uma outra pessoa do sistema que está secretamente
excluída ou desrespeitada. Se essa criança for um menino, ele pode estar representando
um parceiro anterior ou um grande amor da mãe; Se for uma menina ela pode estar
representando uma parceira anterior ou um grande amor do pai.
Sol.: Traga para o sistema esta pessoa esquecida para que todos possam vê-lo/ la.

6) A pessoa dá as costas para todo o sistema.


Int.: a) Esta pessoa vai deixar o sistema, por exemplo: seguindo um antepassado morto do
sistema. Se essa pessoa é uma criança, vai seguir um antepassado que pode ter sido mal
tratado pelo sistema.
b) esta pessoa vai punir o sistema por ter violado a ordem do amor
de alguém que pertence ao sistema.
Sol.: Trazer a pessoa esquecida e deixá-la ser vista e encontrada pelo
seguidor e depois para todos os membros do sistema.
7) A hierarquia natural da idade das crianças está em desordem.
Int.: Na maioria das vezes uma ou mais crianças ocupam um lugar especial porque
assumiram os fardos (culpa, uma doença ou uma responsabilidade) de seus pais. Os
irmãos não gostam disso e dão as costas ou rejeitam essas crianças.
Sol.: Deixe essas crianças devolverem esses fardos (responsabilidade) para os seus pais,
deixe-os ocuparem a posição hierárquica natural de sua idade e deixe-os ver seus pais.
Pode ser necessário que cada criança confirme seu reconhecimento das posições dos
irmãos mais velhos ou irmãs por meio de palavras.
8) Irmãos competem entre si por uma posição.
Int.: Os pais usaram ou favoreceram uma ou outra criança para satisfazer as suas próprias
necessidades.
Sol.: Os pais têm que tirar esta projeção/ carga da criança reconhecendo a dor da
criança e arrependendo-se do que eles fizeram.

9) Todos os membros do sistema olham para a mesma direção.


Int.: Um ou mais membros importantes do sistema está faltando ou ausente. Algumas
vezes, é aquela pessoa que tem sido colocada na posição mais distante.
Sol.: Trazer o membro esquecido para o sistema em frente a todos os outros onde está o
espaço vazio e ver o que acontece.
10) O filho está em pé no lugar do pai ao lado da mãe.
Int.: O filho representa seu pai com uma atitude de superioridade / arrogância. Às vezes,
a mãe o colocou neste lugar inconscientemente. O filho poderia desenvolver muita
feminilidade em sua personalidade.
Sol.: Trazer o filho em frente ao seu pai e veja o que acontece com o falso orgulho do filho.
Iniciar o processo de tomar o pai. Mais tarde, deixe o pai tomar o seu lugar original ao
lado de sua esposa. O trabalho pode mudar para um problema entre os pais. Às vezes,
trazer a linhagem paterna pode ajudar.

11) A filha está em pé no lugar da mãe ao lado do pai.


Int.: A filha representa a posição da mãe e na maior parte das vezes expressa uma
grandiosidade indevida.
Int.: A filha não toma a sua mãe. Ela pode pagar o preço de viver solteira e sem ter filhos.
Sol.: Trazer a filha em frente à mãe e iniciar o processo de tomar a mãe. Às vezes, trazer a
linhagem materna pode ajudar.
12) Uma criança posicionada quer se sentar logo após o início da
constelação.
Int.: Essa pode ter sido uma criança abortada ou uma criança doada.
Sol: Deixar os pais virem bem perto dessa criança, ao nível do olho no olho.

13) Todos os membros da família em pé muito pertos.


Int.: Falta uma distância respeitosa e espaço para o autodesenvolvimento pessoal sem
medo da autonomia ou de ver uma verdade desagradável. Sol.: Primeiro passo: deixe que
todos se movam para o lugar onde queiram ir.
14) A sucessão temporal dos relacionamentos/ casamentos do homem ou da
mulher é confusa.
Int.: Um parceiro ainda não está em paz com um parceiro anterior. Ele ou ela ainda deve
alguma coisa a um parceiro.
Sol.: Traga os parceiros na ordem temporal correta, isto é, o parceiro mais antigo em pé
na primeira posição, o segundo parceiro em pé na segunda posição, seguindo o sentido
horário, etc. e deixe a pessoa chave encontrar cada um e iniciar o processo curativo de
separação de casais (ver Bert Hellinger).

15) Uma criança confronta um pai.


Int.: A criança censura (culpa) este pai, e se recusa a tomar o pai/ mãe.
Sol.: Inicie o processo de tomar os pais.
16) Um membro da família original está posicionado dentro do sistema familiar
atual ou vice versa.
Int.: Ambos os sistemas estão confusos.
Sol.: Comece com o sistema que tem forte impacto.

17) A pessoa (geralmente é uma criança) está posicionada no meio de um


círculo.
Int.: a) Esta constelação parece ter sido pré-fabricada pelo cliente (pessoa – chave);
b) A pessoa no centro foi abusada emocionalmente ou adota uma atitude de auto
presunção enquanto ele/ ela tem assumido uma responsabilidade, uma carga, de
membros adultos.
Sol.: a) Interrompa o trabalho de constelação com o cliente, e retome-o mais tarde.
b) Traga ele/ ela perto da outra criança, ou peça para ele/ ela para mover-se para outro
lugar.
18) Uma filha em pé em frente a um tio ou avô.
Int.: A filha pode ter sido abusada ou molestada pela pessoa que está
do lado oposto.
Sol.: Cheque se há vergonha no adulto ou raiva na criança (ou também amor)
e deixe a criança falar o que ela sente.

19) Alguém está posicionado a uma distância extrema do sistema.


Int.: Esta pessoa carrega uma carga de outro membro do sistema ou é desrespeitado.
Sol.: Traga a pessoa para um lugar onde todos possam vê-lo/ la.
Sintomas Físicos
A) Olhos:
1) Alguém do sistema olha constantemente para o chão.
Int.: Esta pessoa tem uma imagem interior de um membro morto do sistema.
Sol.: Escolha um representante para esta pessoa e faça ele/ ela deitar no chão com a
cabeça exatamente dentro do campo de visão de um membro que está em pé.
2) Alguém constantemente olha para o céu.
Int.: a) Esta pessoa evita olhar para uma pessoa morta do sistema;
b) Esta pessoa evita olhar para outros membros da família porque esconde algo terrível
dos outros.
Sol.: a)Traga a pessoa morta e faça a outra pessoa olhar para ele/ ela;
b) Encontre um membro da família que proteja/ ajude a essa pessoa carregar o segredo
e deixe-o/ ela em pé ao seu lado. Isto deve ajudar a revelar o segredo.
3) Alguém mantém os olhos permanentemente fechados.
Int.: Expressão de algo vergonhosos no sistema.
Sol.: Traga a pessoa ou questão evitada e peça para abrir os olhos.

4) Expressão de vazio no olhar.


Int.: a) Falta de contato com o sistema. Pode ter tomado o lugar de outra pessoa do
sistema primário.
b) Falta de contato com o país de origem da pessoa.
Sol.: Encontre aquela pessoa a qual deveria estar de pé exatamente na direção do olhar
vazio. A pátria mãe pode também ser representada por uma pessoa.
5) Um rápido olhar perdido em algo distante ou no espaço.
Int.: Esta pessoa pode estar procurando por um ser superior ou entidade
que traga a reconciliação para muitos emaranhamentos do sistema.
Sol.: Traga a pessoa para representar o Eu Superior ou Principio Espiritual de Paz.

6) Se os ancestrais mortos têm seus olhos fechados.


Int.: Ele está em paz. Esta é a solução.

7) Se os ancestrais mortos matem os olhos abertos e observando o que os outros


membros vivos da linhagem estão fazendo.
Int.: a) Esta pessoa morta não foi honrada.
b) A pessoa morta quer o reconhecimento da pessoa viva de que a morte dela/ dele
cause benefício para os membros vivos.
c) A pessoa morta busca incessantemente a energia vital de um outro membro da
família. Isto pode ter sido causado por uma morte muito repentina.
Sol.: a) O membro vivo ser curva em frente ao membro morto.
b) Alguém que sente uma forte conexão com o morto deve falar sobre essa afirmação
respeitosamente;
c) Pede-se para a pessoa morta para virar a cabeça para os seus ancestrais mortos,
para encontrar a paz da alma. A pessoa conectada com o morto se afasta, volta-se para
os membros vivos e olha para o futuro, voltando às costas para o morto.
B) Coração:
1) Taquicardia.
Int.: Medo ou excitação assumida de uma outra pessoa do sistema antes que esta pessoa
encontre uma pessoa amada, porém evitada.
Sol.: Traga para o centro esse encontro dos antepassados para que a palpitação vá para
a pessoa certa.
C) Pele:
1) Sensação de frio na pele.
Int.: Medo de morrer ou morte de alguém da família, mesmo que isso tenha sido há
muito tempo; ou medo de um acontecimento terrível, o qual é acobertado pelos outros.
Esta sensação pode ter sido assumida de um ancestral do sistema que negou a morte ou
este evento trágico.
Sol.: Procurar pelo acontecimento original temido e confrontá-lo com a pessoa que o
negou. O portador do medo pode devolvê-lo ao predecessor.
2) Enrubescimento repentino.
Int.: Sentimento de vergonha ou sensação erótica, os quais são
reprimidos.
Sol.: Encorajar a pessoa a estar em contato com a pessoa com a qual este
sentimento está ligado e contatar livremente a sensação natural e humana. Enrubescer
ou sentir vergonha também pode representar a sensação de um outro membro do
sistema.

D) Pernas:
1) Fraqueza ou fragilidade das pernas.
Int.: Sentir-se puxado em direção à morte de outro membro da família, que morreu
anteriormente, por exemplo: uma criança abortada.
Sol.: Deixe a pessoa seguir este impulso (deitando-se também no chão, ao lado desse
membro da família), a menos que isto mostre o quão inapropriado (inadequada) é a
expressão desse falso amor/ lealdade e que tomar (receber) a vida é um presente para o
membro morto.

2) Passando de uma perna a outra nervosamente.


Int.: Alguém que quer fugir de algum fato /evento inconveniente, mas que não tem
permissão da voz interna para falar.
Sol.: Encontre qual pessoa na linhagem deveria ter mudado, ou afastado e que se recusou
a fazê-lo, assim a representante sofre deste estranho movimento hoje.

2) Dor nos joelhos.


Int.: Medo de cair e em vez disso permanece arrogante. Medo de se entregar ao amor,
a vida ou ao destino.
Sol.: Achar a pessoa a quem esta resistência está relacionada e abrir a possibilidade
de se entregar frente a essa pessoa. Dê tempo para esse processo. Esta é uma das mais
dolorosas transformações.

E) Ombros:
1) Peso nos braços e ombros.
Int.: O peso da culpa ou responsabilidade é sentida e não gostada ao mesmo tempo;
talvez um outro membro do sistema que é realmente culpado, mas nega isso.
Sol.: Encontre o portador da culpa original e dê o peso de volta com respeito e
modéstia.
F) Mãos:
1) Mãos Frias.
Int.: Inibição em tocar alguém por medo. (pensamentos projetivos).
Sol.: Encoraje a aproximação e gentilmente toque a pessoa desejada.

2) Mãos empunhadas.
Int.: Raiva/ cólera em relação a alguém; pode também ter sido assumido de uma outra
pessoa.
Sol.: Primeiro deixe-o expressar sua censura (ou acusação), depois o conduza para os
sentimentos mais profundos em relação à pessoa em questão.

G) Cabeça:
1) Dor de cabeça no lobo frontal.
Int.: Sentimentos de amor e de desejos reprimidos em relação a alguém.
Sol.: Descobrir para quem esta dirigido, deixe a pessoa aproximar-se e deixe que
ela deite a cabeça no colo daquela pessoa ou incline a fronte no peito dele/ dela.

H) Músculos/ Corpo Inteiro:


1) Enrijecimento do corpo inteiro.
Int: Estado de choque, pós-traumático. Causado por uma repentina perda de um
membro familiar querido. Pode também ter sido assumido de outra pessoa do sistema
como uma reação representativa a fim de proteger/ socorrer a pessoa original.
Sol.: Confrontar com o sofredor original e entregar o trauma para ela/ ele com
amor e respeito por seu sofrimento.

2) Tremores Involuntários e puxões ou convulsões no corpo.


Int.: São sensações de uma pessoa do sistema que foi torturada ou assassinada e que
ainda não está em paz (honrado); talvez assumida de uma vítima esquecida no sistema,
inclusive se isto ocorreu há muitos anos atrás.
Sol.: Encontre a tragédia original com ambos, o perpetrador e a vítima original;eles devem
deitar-se no chão. Deixe todos os membros da linhagem honrar a ambos.
I) Costas:
1) Dor nas costas.
Int.: a) Resistência a reverenciar alguém (principalmente pais) ou para alguma coisa que
seja maior que o ego, para tornar-se humilde.
b) Carregar peso /culpa / responsabilidade que não pertence a
você que você tomou de alguém sem permissão.

Sol.: a) Processo de curvar-se lenta e profundamente em frente ao familiar


rejeitado; no final fronte encostada no chão.
b) Devolver a carga e responsabilidade para o dono com respeito e amor, honrando-
o.
J) Pélvis/ Parte inferior do corpo:
1) Sentimentos de calor, ardor no abdômen
Int.: a) Tendo observado intimidade sexual na família secretamente ou por acidente e
assumindo estes sentimentos de outros, na sua maior parte reprimidos por vergonha/
atração.
b) Desejo sexual ardente em relação a alguém no sistema.
Sol.: a) Devolva essas sensações para a pessoa observada, com decência e respeito.
b) Admita estes sentimentos em relação à pessoa. Eles se referem a um presente
de amor e desejo unidade/ união.

K) Sem Sensações Físicas:


1) Estado de catatonia.
Int.: A dor de um incidente é tão grande para a alma, por isto a pessoa congela
parcialmente para sobreviver. Muito freqüentemente, um fenômeno que tomou conta.
Sol.: Muito delicadamente investigue a real pessoa traumatizada para pô-la em contato
com estes eventos muito tristes e deixe-o representante (aquele que foi surpreendido)
aproximar-se da pessoa que esta sofrendo com amor, respeito e humildade. Devolva a
responsabilidade (carga) para a pessoa como um sinal de honrar o seu destino e declarar
que você vai fazer algo de bom em memória dele/ dela. Talvez, você traga um
representante para a Grande Alma ou um ente Divino (anjos).

Sintomas Emocionais
1) Náusea
Int.: Expressão de ter engolido de maus sentimentos e palavras, p.exemplo: raiva.
Sol. Encontre a pessoa para quem estas palavras negativas se referem e fale tudo sobre
isso.
2) Vertigem
Int.: A confrontação com uma verdade encontra um antigo sistema de crenças, ilusões
ou mentiras.
Sol.: Mantenha os olhos abertos e espere até que essa mudança termine.
3) Sentimentos Paralisados.
Int.: Pode ser a expressão de uma mensagem familiar secreta para não
se mover e deixar seu lugar apesar da vontade de crescer e mudar.
Sol.: Iniciar o movimento progressivo em nome da lealdade. Ou voltarse para o
passado do sistema onde este comando começou e, dissolver isto lá. Porque esta
proibição muito freqüentemente tem uma longa história familiar.
4) Falta de Emoções.
Int.: Muitos membros evitando olhar para uma triste experiência familiar.
Freqüentemente, uma criança está identificada com uma pessoa anterior (mais
velha) que deveria ter tido emoções muitos fortes (como pesar), mas as bloqueou porque
eram muito fortes.
Sol.: Gentilmente traga as pessoas para perto da situação evitada e dê espaço para a
expressão de seus sentimentos. A pessoa identificada pode devolver a estagnação ou
bloqueio dos sentimentos para a pessoa primária (ancestral).

5) Silencio estranho e pesado durante a constelação.


Int.: a) Sinaliza que algo muito trágico aconteceu na família através de gerações
anteriores; (muito comum em famílias judias).);
b) Mostra que há um segredo terrível na linhagem, o qual é absolutamente
protegido.
Sol.: a) Só constele a situação terrível, deixe as pessoas mortas deitadas lado a lado e
deixe que os descendentes vivos os honrem. Permita todos os sentimentos.
Ajude o cliente a ver um humano, uma tarefa de vida esperando por ele.
b) Deixe a pessoa representar o segredo e escolher um lugar dentro do
sistema.
6) Risos irracionais, descontrolados.
Int.: Primeiro sinal de um severo emaranhamento ou um destino pesado na família, que foi
suprimido e compensado com risos.
Sol.: Traga uma pessoa morta e deixe-a deitada no meio da família.

7) Choro duradouro sem razão real e evidente.


Int.: Assim como os outros sentimentos já demonstrados este sentimento pertence à outra
pessoa do sistema, que tenha tido uma razão real para chorar, mas não pode ou não quis.
Sol.: Traga a situação original com a pessoa primária e confronte a falsa pessoa que chora,
assim ele/ ela pode deixar sair esta emoção e tornarse humilde.
8) Continuo ataque de cólera/ raiva.
Int.: Como choro constante ou forte tristeza mencionada acima.
Freqüentemente, como a pessoa tem esta consciência da divisão onde uma
parte sente raiva e outra parte que sabe: isto não é meu.
Sol.: Como acima. Tal tipo crônico de cólera/ raiva é o outro lado da medalha que mostra:
rendição a uma força maior (destino) com amor e perdão.
Reconhecimento do próprio limite é parte do insight.
9) Ataque de pânico e medo crônico.
Int.: Tomado de uma pessoa que realmente experimentou o pânico e um medo muito
forte e que sobreviveu. A maioria das pessoas, em criança presenciou os pais em grande
perigo.
Sol.: Confronte a pessoa sobrevivente e sinta que ele ou ela ainda está vivo e (toque sua
pele, mãos, rosto, lábios) e então seja agradecido sobre este fato, assim você fica livre
para viver sem esse tipo de medo.

10) Desprezo, Orgulho errado.


Int.: Muito freqüentemente parte da dinâmica vitima/ algoz. Expressão de medo, esta
submissão terminaria em humilhação e punição ou desprezo por alguém.
a) Um outro membro do sistema foi desprezado quando estava fraco e inferior.
b) Outro membro resistiu à pessoa destrutiva ou criminosa de uma maneira corajosa
abnegada sem ter sido honrada pela família.
Sol.: Constelar a situação original e deixar a pessoa curvar-se em frente à vítima
menosprezada.
Você pode constelar a relação intima entre o perpetrador e a vítima assim o seu desejo
de vingança se dissolve.
c) Todo sistema reverencia este membro desprezado. (Para este processo
recomendamos o livro “Der Abschied” do Bert Hellinger).

11) Melancolia
Int.: É o resultado de uma despedida não completada para alguém, talvez porque a dor
fosse muito grande. Muito freqüentemente, um sentimento tomado de alguém que não
pode expressar a dor de dizer adeus a uma pessoa amada.
Sol.: Encontre a situação da separação original e deixe o processo de despedida
acontecer com toda a clareza e verdadeiros sentimentos (choro, querer abraçar a pessoa
morta, etc.).
A pessoa melancólica assiste esta cena e honra a pessoa que verdadeiramente chora.
Este é o processo curador.
12) Malevolência, rancor
Int.: É a voz da criança interna dirigida aos pais.
Sol.: Dê espaço e tempo para estes sentimentos e o reconhecimento
amigável pelos pais; então se aproximam e abraçam a criança com amor.

SINTOMAS MENTAIS

1) O representante não houve quando a constelação começa.


Int.: Esta pessoa pode não estar pronta para o trabalho ou não tem relação com
o sistema.
Sol.: Troque o membro do grupo/ ou pare o trabalho e retome mais tarde.

2) O representante fica confuso durante o processo de trabalho.


Int.: O representante ainda não está pronto para este tipo de terapia, porque ele/ ela está
muito ocupado com seus próprios problemas pessoais.
Sol. Veja acima.
3) A pessoa constelada está permanentemente nervosa e irrequieta.
Int.: Pode indicar um grande medo, como na esquizofrenia. É uma estratégia de escape
do foco da constelação; porque será revelado algo terrível (um crime).
Sol.: Vá para a verdadeira situação original terrível. Quanto antes à verdade estiver clara,
a pessoa se tornará calma e com clareza.

4) A pessoa constelada olha constantemente para o terapeuta.


Int. Esta pessoa ainda não está pronta para ser representante.
Sol.: Escolha uma pessoa mais experiente.

5) O representante sente a presença deu ma entidade ou pessoa invisível no sistema.


Int.: Leve esta mensagem a sério.
a) Esta pode ser uma pessoa pertencente ao sistema, mas é rejeitado pelos outros,
porque ele/ ela está ligado a um acontecimento escuro e destrutivo na linhagem.
b) Pode ser também uma entidade espiritual que traga verdade, paz e compaixão
para o sistema.
Sol. a) Traga a pessoa para o lugar onde é assumida para ser e ver o que acontece.
b) Cheque se você traz um alguém como esta entidade
espiritual ou se você deixa a situação com silencio e respeito.

6) Diagnóstico de esquizofrenia
Int.: A maior parte das crianças sabe que algo terrível (geralmente, um assassinato) tenha
acontecido no sistema, mesmo que tenha acontecido a duas ou três gerações passadas.
Mas à criança mentalmente perturbada não é permitido ter consciência deste
conhecimento. Este conflito inconsciente encontra uma saída ou alívio pelos sintomas
esquizofrênicos.
Sol.: Encontre a situação original do crime, isto é, a pessoa assassinada e o assassino e os
constele. Trazer luz para o segredo não é necessário surtar, e o cliente o sentirá
imediatamente. Ele/ ela precisa suportar o insight. Pode ser necessária mais de uma
sessão.

Como Perceber Uma Solução


•Todos os participantes de sistema sentem bem posicionados mesmo que com o peso de
uma culpa
•Todos se sentem em equilíbrio.
•Você vê e reconhece todos no sistema com clareza
•Você se sente aterrado e leve ao mesmo tempo
•Você não tem mais pressão no coração, cabeça e na barriga.
•Você quer abraçar os membros de sua família espontaneamente com seus braços ou
pensamentos amorosos
•Você olha para o futuro com esperança
•Você se sente apoiado atrás pelos seus pais/ sua linhagem /o destino
•Você quer curvar-se em frente às vítimas e perpetradores com respeito então eles
podem ter seus próprios destinos. Todos os pensamentos de vingança se desfazem.
•Você quer doar aos outros um trabalho útil e criativo a vida porque você tomou a vida
através de seus pais.
•Você acredita na vida sem dúvidas
•Você sente alegria transcendental
•Você chora de alegria e satisfação
•Você se torna audacioso e sereno de uma forma que não prejudica aos outros
•Você é grato com os seus pais que lhes deu a vida
•Você tem um coração gentil
•Você respeita todos os professores e quer passar para outros o que
você aprendeu com eles
•Você é generoso com você e com os outros perdoando os erros
•Você tem consciência de uma força invisível divina eterna que é a fonte de
tudo
•Você sente com compaixão o verdadeiro Eu e também no sentido da pequenez da má
pessoa.
•Você está uno com tranqüilidade inteligente do espaço ilimitado
•Você se torna humilde para com a força do destino enquanto você vê as limitações do
seu Ego.
•Você reconhece a morte como parte da sua vida
•Você sente o perpetrador e a vítima unido em seu coração e a profunda paz que vem
com isso
•Você experimenta uma paz interior que conduz a ações pacíficas
•Você desenvolve o senso de humor

Imagem de solução
A imagem da solução acontece quando, depois de tudo o que ainda precisou ser
dito e executado (por exemplo, uma reverência), a pessoa interessada se sente bem com
os novos lugares dos bonecos. Muitas vezes, uma respiração profunda e um visível alívio
são observados. A fisionomia está clara e aberta e, às vezes, realmente irradiantes.
A imagem da solução, quando é vivenciada como verdadeira e liberadora, tem
para a pessoa envolvida uma grande força, que estrutura sua vida. Se, numa situação de
estresse, o efeito de uma constelação corre o risco de perder-se, a lembrança ativa ou
inconsciente da imagem da constelação conduz a alma, como um guia, através das
dificuldades. O terapeuta pode chamar a atenção para esse ponto quando ansioso o
cliente pergunta se a solução vai se manter.
Pergunta: o que faço agora com essa imagem da solução? Isto revela que a
constelação (ainda) não moveu coisa alguma na alma, seja porque essa imagem não
pode ser assumida, seja porque não tocou em profundidade a alma do grupo familiar.
Quando uma constelação toca a alma ela também faz efeito, justamente porque
a pessoa se entrega ao que vivencia, sem uma preocupação dispersiva sobre seu efeito
no futuro. O terapeuta percebe com clareza se a constelação tem um efeito visível na
pessoa envolvida, e em certas circunstâncias a interroga a respeito.
Existem também imagens de solução que, apesar de serem certas, ainda ficam
como que pairando no espaço. Por benéfica que seja para toda uma boa imagem de
solução, nem sempre é aconselhável uma constelação seja bem resolvida. Justamente
nos casos onde existe dificuldade de assumir a dinâmica que se manifesta, a força da
constelação aumenta se o terapeuta a interrompe no auge dos
acontecimentos e a deixa ficar sem solução.
Muitas vezes, isto estimula mais as forças saudáveis na alma do que
uma imagem da solução. Porém este recurso só é aconselhável quando o
terapeuta tem clareza e está em sintonia com o que acontece na constelação. Uma
imagem de solução, assim como a própria constelação, não precisa ser completa.
Portanto, não precisam estar presentes todas as pessoas que pertencem ao sistema.
Entretanto, quando a pessoa que coloca já foi incluída na imagem da solução, é
possível que ela diga: Estou sentindo falta de meu irmão. Nesse caso, podese colocar
ainda o irmão. O terapeuta também pode completar a imagem introduzindo pessoas
que, embora não sejam imediatamente importantes para a dinâmica, pertencem à
imagem da solução e a torna mais redonda e poderosa.
Acontece, repetidas vezes, que a imagem da solução colocada pelo terapeuta
não é aceita pela pessoa interessada. Neste caso, frequentemente falta ainda alguma
informação, alguma pessoa ou algum acontecimento importante, que até então não foi
considerado no processo da solução. Se aparecem indícios nesse sentido, é preciso
completar o trabalho. Se, porém, a energia da constelação já se dissipou, geralmente é
preciso interromper. São situações que muitas vezes pesam em todos os envolvidos.
O terapeuta precisa suportar isso e permanecer interiormente conectado com a
solução, mesmo que ela não tenha se manifestado. Pode acontecer, ainda, que o cliente
sugira uma imagem que é bem recebida, mas que, de uma forma ou de outra, contraria
as ordens do amor.
Nesse caso, a terapeuta não deve deixar-se seduzir pela pessoa envolvida.
Por exemplo, numa constelação o cliente se sentiu bem quando a primeira mulher do pai
e a filha comum de ambos foram voltadas para fora e se afastaram alguns passos. Porém
o terapeuta não confiou nisso. Levou o pai outra vez à presença de sua primeira mulher e
fez com que ele lhe dissesse algo que a tocou muito. Então o terapeuta pôde trazer a
mulher para perto da segunda família do pai e sua presença e proximidade foi aceita
pelo cliente
Com isso eu gostaria de apontar para algo importante. Uma imagem de solução,
como também todo o processo da constelação, recebe geralmente sua adequação,
antes de tudo, daquilo que precisa ser dito, portanto das palavras reveladoras e das frases
liberadoras.
A imagem proporciona clareza, as frases proporcionam direção e força. Sem as palavras
que precisam ser ditas, uma imagem pode bem aliviar e ser bonita, mas talvez permaneça
superficial.
O que atua na alma realmente atua através de imagens, mas não consiste em
imagens. O essencial é antes invisível. A ressonância com a alma pode de fato instalar-se
por meio da imagem, mas frequentemente só vibra com as palavras que atingem e
liberam.
É sempre surpreendente verificar como imagens de constelação
muito semelhantes abrem na alma processos totalmente distintos, e
como processos de solução totalmente distintos conduzem a imagens de
solução semelhantes.

Frases Sistêmicas de solução.


O terapeuta pode indicar as frases da solução ou deixar que sejam encontradas
pelo cliente. O essencial é que elas resultem do processo da constelação e sejam
adequadas. Elas surgem da compreensão dos processos profundos da alma numa família.
Com frequência elas ocorrem simplesmente ao terapeuta e quando a alma do grupo está
preparada para uma solução. Elas dão expressão ao vínculo e à solução, tocam e
comovem a alma.

Nas constelações utilizamos duas espécies de frases de solução:


1. As que descobrem um vínculo de destino;
2. As que desatam um vínculo de destino.

As frases descobridoras têm um efeito liberador, porque nelas vem à luz numa
vivência de espanto, muitas vezes muito tocante, o vínculo de destino que até agora
determinou a vida, e porque elas exprimem a concordância com o amor que causou a
vinculação ao destino.
Tais frases são, por exemplo: “Mamãe, por você vou encontrar sua irmã na morte, e
então você pode ficar com papai”, ou: “Querido vovô, você perdeu tudo; eu também
não conservo nada, então fico perto de você”. As frases que liberam proporcionam ao
amor a conversão para o domínio aberto da vida.
Elas honram o destino das pessoas conectadas, contemplam seu amor e deixam o
destino com aqueles que o devem carregar e geralmente já o carregaram. Assim, uma
filha poderia dizer à noiva abandonada por seu pai: ―Vejo sua dor, mas não posso tirá-la
de você; tenho que deixar sua dor e sua raiva com você e com papai. “Seja bondosa
comigo se eu deixo você, fico com minha mãe e conservo meu namorado”.
As frases liberadoras só funcionam em confronto com a pessoa a quem alguém está
vinculado. Esse olhar de pessoa a pessoa precisa de um certo tempo, até que a relação
e a ligação sejam percebidas. A solução acontece cara a cara.
Portanto, as frases da solução não devem ser ditas cedo demais. E é preciso ficar
atento para que as pessoas envolvidas realmente entrem em ligação recíproca. Só então
as frases se comunicam, como que espontaneamente, e podem desenvolver todo o seu
efeito.
Nesse processo, o terapeuta fica atento a que a pessoa envolvida, enquanto diz as
frases liberadoras, mantenha o contato do olhar com a pessoa com a qual está envolvida
pelo destino, pois com freqüência ela procura desviar o olhar e com isso conservar os
sentimentos que mantêm o enredamento. O terapeuta faz então,
cuidadosamente, com que ela recupere o contato do olhar, de forma
que os sentimentos que liberam encontrem sua expressão.
Da mesma forma, o terapeuta fica atento, na repetição das frases da
solução, à adequação da voz e à sua força liberadora, de modo que também a pessoa
a quem se dirige e todo o grupo se convençam do passo liberador. Nem sempre as frases
de solução ocorrem ao terapeuta e mesmo à pessoa envolvida.
O terapeuta talvez se sinta então um pouco desorientado. Nesse caso, é bom que
ele mantenha a situação num curto silêncio. Ele também pode recorrer às frases
padronizadas que lhe são conhecidas, de Bert Hellinger ou de outros terapeutas. Elas
conservam uma grande função orientadora, mesmo que sejam frequentemente
repetidas.
É essencial que a pessoa envolvida possa pegar as frases e vivenciá-las de maneira
adequada e liberadora. Às vezes o terapeuta precisará igualmente experimentar frases,
até encontrar aquelas que trazem solução. Isto também não traz problema, na medida
em que a busca das frases permanecerem no contexto da alma e em contato com ela.
O terapeuta deve verificar com cuidado se a pessoa simplesmente repete as frases
ou se estas são também acertadas para ela e a tocam. Se não alcançam o que é
adequado, é preciso procurar outras frases. Se o terapeuta sente que as frases são
acertadas, mas não toca, ele precisará talvez lançar mão de mais alguma coisa na
dinâmica do sistema.
Por exemplo, ele induz a um diálogo entre a mãe e do pai e, depois, coloca a pessoa
envolvida outra vez em relação e faz com que ela repita, na nova base, as frases da
solução. Quando uma confrontação não liberta do emaranhamento, frequentemente há
outras pessoas no sistema que precisam primeiro liberar algo entre si. Portanto, durante as
frases de solução não se deve olhar apenas a pessoa envolvida, mas manter presente
todo o sistema.

As frases liberadoras tocam o cerne do trabalho com constelações


Elas fazem vibrar as imagens da alma. Tais frases não se vinculam necessariamente
às imagens da constelação, se bem que uma linguagem tocante tem sempre a
capacidade de ver.
Experimentamos isto quando, independentemente de constelações, e até mesmo
numa conversa no telefone, a alma toca através das palavras. E fica claro, no mais tardar
até que as soluções da alma advenham pela mediação das palavras, que a psicoterapia
está longe de ser uma técnica de transmissão de informações, e que o elemento
fundamental da psicologia consiste no dizer, como forma de mostrar e fazer comparecer
o presente e o ausente, a realidade em seu sentido mais amplo”. Na psicoterapia, através
de uma linguagem que preserva e guarda o que pertence à alma, o mundo é dito de
novo em sua qualidade anímica e o ainda-não-visto é trazido à luz
A Reverência
Pelo dicionário, Reverência significa:

1) o respeito as coisas sagradas;


2) consideração;
3) saudação em que se inclina o busto e dobram os joelhos, mesura.

E o ato de Reverenciar, significa:


1) tratar ou considerar com sentimento de reverência, devotar reverência a;
2) cumprimentar respeitosamente;
3) obeceder a, acatar (algo ou alguém considerado superior).
Logo, concluímos que, fazer uma reverência quer dizer que temos respeito e
consideração por alguém que seja maior que nós, ou quando queremos honrar alguém
em posição superior a nossa. Existem formas diferentes de se fazer uma reverência.
Podemos fazer uma reverência com um leve cumprimento com a cabeça, podemos
abaixar o tronco, podemos nos ajoelhar ou até encostar a cabeça no chão perante
alguém a qual devotamos o nosso respeito.
Os súditos faziam longas reverências aos seus reis e rainhas, príncipes e princesas,
por estar em posição inferior à monarquia. Ou para demonstrar humildade e lealdade aos
seus soberanos. Os fiéis faziam profundas reverências aos sacerdotes pelo respeito a tudo
o que é sagrado e/ou por serem tementes a Deus.
Nos países orientais, como por exemplo, no Japão, ainda se reverencia alguém para
demonstrar respeito e igualdade. Alguns índios (ou povos ditos primitivos) cantam e
dançam em consideração a seus ancestrais. O ato de reverenciar alguém é uma forma
de dizermos: "Você é maior do que eu" ou "Você chegou primeiro do que eu" ou mesmo
"eu te respeito, te considero e honro o teu nome ou tua memória". Por isso, reverenciar os
nossos ancestrais é um ato onde nos tornamos pequenos diante deles.
E realmente somos bem pequenos diante dos nossos pais, avós e bisavós! Afinal, eles
nos geraram e cuidaram de nós. Além do mais eles fizeram o que foi possível fazer, estando
ou não estando disponíveis para nós. Pela nossa 'pequenês', devemos exercitar a
reverência para redescobrir a Ordem do Amor. É bom retomar o nosso lugar dentro desta
ordem de amor, temos que assumir que somos crianças pequenas perante os nossos pais,
avós e bisavós, temos que entender que chegamos bem depois deles. Isso já é o bastante
para uma profunda reverência. Alguns filhos reverenciam os pais com uma facilidade
honrosa. Outros filhos apresentam certa resistência, mas por fim, conseguem reverenciar
os seus pais.
Eu não estou mais a disposição

• Quebra-se um vínculo de co-dependência, onde ambos sofrem recupera sua força,


sua autoestima, e se coloca como alguém autônomo, independente.
• "seu amor me honra, mas agora basta, eu aceito o meu destino, e está certo assim"
• "eu sinto muito, filha, eu não me dei conta disso".
• "agora eu vejo filha, e eu sinto muito"

Um processo de perdão
Aqui é pertinente mais uma técnica integrativa. Uma técnica que se encaixa
perfeitamente no momento da solução final de um emaranhamento.
O Ho’oponopono é um processo de perdão, arrependimento e transmutação.
Cada vez que utilizamos qualquer de suas ferramentas, estamos assumindo 100% da
responsabilidade sob nós mesmos e pedindo perdão (a nós mesmos).
Aprendemos que tudo o que acontece em nossas vidas é projeção de nossa
programação mental. Podemos escolher nos posicionar como um observador, observar
nossos pensamentos, nossa programação e então liberá-la para que se vá. Ou então
podemos reagir e nos prender a elas. Todos nós temos um rascunho incorporado e a tecla
de deletar, mas nos esquecemos como usá-la.
O Ho’oponopono nos ajuda a recordar o poder que temos de escolher entre
apagar (soltar) ou reagir, ser feliz ou sofrer. Independente da frase de solução que o
Constelador for utilizar a frase de encerramento para cada emaranhamento desfeito
sugiro que seja: “Sinto muito. Me perdoe. Te amo. Sou grato.”

Observação:
No decorrer do tempo e prática um Costelador conseguirá observar o campo,
associando e unindo todos os dados; queixa do cliente, o tema conflito escolhido, o
significado da relação espacial dos bonecos e a mensuração pela radistesia. Tudo isso
interpretado a cada constelação terá uma lógica incrível onde de antemão a percepção
e interpretação de um Costelador não só facilitará para a solução como reduzirá o tempo
de tentativa de acerto e erro normalmente esperado na Constelação Familiar comum.
Outros exercícios para serem aplicados aos clientes;
Relacionamentos
Sente-se confortavelmente, feche seus olhos e relaxe seu corpo respirando algumas
vezes bem profundamente.
A cada respiração, sinta que você fica mais relaxado e conecte-se com o seu
coração.
Sinta as batidas do seu coração e imagine na sua frente os seus
relacionamentos anteriores.
Sinta quem são as pessoas importantes que devem estar ali.
Veja que eles se posicionam à sua frente em uma linha, um ao lado do
outro.
Olhando de frente para eles, os coloque em ordem cronológica, da esquerda para
a direita, no sentido horário.
E veja na sua frente, logo à esquerda, seu primeiro amor; ao lado dele, vá
posicionando um a um, todos aqueles que de alguma forma foram importantes pra você.
Agora vá até o primeiro e olhe nos olhos dele ou dela, e veja, sinta, perceba se tem
algo que ele ou ela quer lhe dizer.
Veja se algo ficou faltando e tenha um breve diálogo com esta pessoa.
Você pode dizer a ele ou ela:
Você foi o meu Primeiro Amor.
Com você vivi muitas coisas boas.
Eu agradeço por tudo que recebi de você.
Eu assumo minha parte da responsabilidade por aquilo que não funcionou
entre nós e deixo sua parte com você.
Você sempre será o Primeiro e terá um lugar certo no meu coração.
E assim agora eu te deixo em PAZ.
Quando terminar faça uma reverência muito leve e dirija-se para a próxima
pessoa.
Faça isso com cada um deles e dê a eles seu lugar certo na sua vida.
O primeiro, o segundo, o terceiro, etc.
Com cada um poderá ocorrer um encontro diferente.
Sinta o que acontece internamente com você e o que muda nas pessoas.

Mãe – Perdeu a mãe muito cedo


Sente-se confortavelmente, feche seus olhos e relaxe seu corpo respirando algumas
vezes bem profundamente.
A cada respiração sinta que você fica mais relaxada.
Imagine, veja, sinta que sua mãe está ai na sua frente.
Traga a imagem que você tem dela, pode ser de uma foto, ou um momento em
que vocês tiveram juntas.
Olhe para ela bem ai na sua frente. Olhe nos olhos dela.
Respire profundamente com a boca aberta. Diga a sua mãe:
Mãe, você me fez muita falta.
Foi muito difícil pra mim.
Chegue bem perto de sua mãe e receba um forte abraço dela.
Continue respirando profundamente com a boca aberta.
Tome seu tempo, olhe nos olhos da sua mãe e diga:
Eu te amo, mãe.
Eu cresci e agora vou ficar bem.
Você me deu a vida e agora vou fazer algo bom dela.
Farei isso em honra a você, querida mamãe, para que seu destino não tenha sido
em vão.
Olhe amorosamente para sua mãe e novamente receba um abraço dela.
E diga a ela: Mãe, você sempre terá um lugar especial no meu coração.
E agora eu te deixo em Paz.
Observe o que ocorre no seu interior, no seu corpo, no seu coração…
E sinta o que muda na sua relação com ela…
Perceba o que acontece com o amor…

Dificuldade com a Mãe


Sente-se confortavelmente, feche seus olhos e relaxe seu corpo respirando algumas
vezes bem profundamente.
A cada respiração sinta que você fica mais relaxada.
Veja, imagine, visualize sua mãe na sua frente. Tome uma distância que seja
confortável para você.
Olhe para ela por alguns segundos e veja atrás da sua mãe os pais dela. Seus avós.
Veja também ao lado deles os irmãos e irmãs da sua mãe, os vivos e os que já se
foram.
Coloque todos ali, não se esqueça de ninguém.
Se você achar necessário incluir os avós da sua mãe, faça isso.
Coloque seus bisavôs atrás dos pais de sua mãe. Se você não os conheceu, imagine
como eles seriam em seu coração.
Olhe para cada um deles e para seus destinos.
Tome um tempo para perceber quem são as pessoas que devem estar ali atrás de
sua mãe.
E assim que todos estiverem posicionados, respire profundamente
e olhe de novo para sua mãe.
E diga a ela:
Mãe, eu recebi de você a vida e isso é muito.
E além disso, você me deu muito mais.
Foi o suficiente. E o que faltou, eu faço por mim mesmo.
Eu recebo esta vida de você pelo preço que te custou e que custa a mim.
Você é a grande e eu a pequena, a criança.
Você é a mãe certa pra mim e fico feliz de você ter escolhido o papai.
Vocês dois são os certos pra mim.
Agora faça uma profunda reverência de agradecimento aos seus pais e diga a eles:
Eu honro vocês.
Quando estiver pronto para se levantar, olhe novamente e diga: Muito Obrigada.
Observe o que acontece com sua mãe…
Observe o que ocorre no seu interior, no seu íntimo…
E sinta o que muda na sua relação com ela…
Perceba o que acontece com o amor…

Pai – dificuldade
Sente-se confortavelmente, feche seus olhos e relaxe seu corpo respirando algumas
vezes bem profundamente.
A cada respiração sinta que você fica mais relaxada.
Veja, imagine, visualize seu pai na sua frente.
Tome uma distância que seja confortável para você.
Olhe para ele por alguns segundos e veja atrás do seu pai os pais dele. Seus avós.
Veja também ao lado deles os irmãos e irmãs de seu pai, os vivos e os que já se
foram.
Coloque todos ali, não se esqueça de ninguém. Se você achar necessário incluir os
avós de seu pai, faça isso.
Coloque seus bisavôs atrás dos pais de seu pai. Se você não os conheceu, imagine
como eles seriam em seu coração.
Olhe para cada um deles e para seus destinos.
Tome um tempo para perceber quem são as pessoas que devem estar ali atrás de
seu pai.
E assim que todos estiverem posicionados, respire profundamente
e olhe de novo para seu pai.

E diga a ele:
Pai, eu recebi de você a vida e isso é muito.
E além disso, você me deu muito mais.
Foi o suficiente. E o que faltou, eu faço por mim mesmo.
Eu recebo esta vida de você pelo preço que te custou e que custa a mim.
Você é o grande e eu a pequena, a criança.
Você é o Pai certo pra mim e fico feliz de você ter escolhido a Mamãe.
Vocês dois são os certos pra mim.
Agora faça uma profunda reverência de agradecimento aos seus pais e diga a eles:
Eu honro vocês.
Quando estiver pronto para se levantar, olhe novamente e diga: Muito Obrigada.
Observe o que acontece com seu pai…
Observe o que ocorre no seu interior, no seu íntimo…
E sinta o que muda na sua relação com ele…
Perceba o que acontece com o amor…
Melhorar relacionamento de casal
Sente-se confortavelmente, feche seus olhos e relaxe seu corpo respirando algumas
vezes bem profundamente.
A cada respiração sinta que você fica mais relaxada Imagine, veja seu parceiro à
sua frente.
Olhe para ele amorosamente.
Sinta a presença dele.
E agora veja atrás dele o pai dele…
… e atrás o avô, depois o bisavô e continue a imaginar e visualizar uma grande fila de
homens da família de seu parceiro.
Veja agora que todos esses homens formam um circulo em volta de seu parceiro.
Enquanto eles permanecem assim todos juntos, comece a perceber que atrás de
você também se forma uma longa fila de mulheres.
Primeiro sua mãe, depois suas avós, bisavós, e toda linhagem das mulheres da sua
família.
Veja que elas também fazem um circulo envolvendo você.
Sinta a força que vem de suas ancestrais.
Receba esta energia respirando profundamente.
E agora olhe novamente para seu parceiro…
E veja que ele também passou pelo mesmo processo recebendo a força de seus
antepassados masculinos.
Veja, sinta nele a força dos homens.
Então quando sentir-se inteira e pronta aproxime-se um pouco mais dele.
E perceba agora como vocês se olham.
E o que acontece com seus corpos.