Você está na página 1de 552

~-

:i
I; s 1e 1LI A No

\
1
[
1' 1.
1 ~!

1
O LIVRO NEGRO DO
CAPITALISMO
Organização
Gilles Perrault

O LIVRO NEGRO DO
CAPITALISMO

Tradução de
ANA MARIA DUARTE
EGITO GONÇALVES
JOANA CASPURRO
LEONOR FIGUEIREDO

EDITORA RECORD
RIO DE JANEIRO • SÃO PAULO

1999
CIP-Brasil. Catalogação-na-fonte
Sindicato NBCionai dos Editores de Uvros. RJ.
O livro negro do capitalismo I organização. Gillcs Pmuult;
tnlduç.!lo de Ana Maria Duanc. .. [d ai.). - Rio de Janeiro:
R<cord. 1999.
Tradução de: Lc livre ooir du capitalisme
ISBN 85-0 Hl5656-I

1. Capiralismo-História. 2. lfuróriaccooômica. L Pcraul~


Oillcs. 1931- . 1. Titulo.

COO- 330.122
99-1397 CDU - 330.342.14

Titulo original em francês:


LE LIVRE NOIR OU CAPITALISME

Copyright© 1995 by Le Tcmps eles Ccriscs

Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução, armazenamento


ou transmissão de partes deste livro auavés de quaisquer meios, sem
prévia autorização por escrito.
Proibida a venda desta edição cm Portugal e resto da Europa.

Direitos exclusivos de publicação cm língua portuguesa para o Brasil


adquiridos pela
DISTRIBUIDORA RECORO DE SERVIÇOS DE IMPRENSAS.A.
Rua Argentina 171 - Rio de Janeiro. RJ -20921-380-Tel.: 585-2000
que se reserva a propriedade literária desta tradução
Impresso no Brasil

ISBN 85-01-05656-1

PEDIDOS PELO REEMBOLSO POSTAL


Caixa Postal 23.052
Rio de Janeiro, RJ - 20922-970
SUMÁRIO

Prólogo
Gilles Perrault 9

Introdução
Maurice Cury 15

As origens do capitalismo (séculos XV a XIX)


Jean Suret-Canale 23

Economia servil e capitalismo: um balanço quantificável


Philippe Paraire 47
1871: traição de classe e semana sangrenta
Claude Willard 59

A Grande Guerra: 11.500 mortos e 13.000 feridos por dia ao longo


de três anos e meio
Jean-Pierre Fléchard 67

Contra-revolução e intervenções estrangeiras na Rússia (1917-1921)


Pierre Durand 91

A Segunda Guerra Mundial


François Delpla 97

Sobre a origem das guerras e uma forma radical do capitalismo


Pierre Durand 125

Imperialismos, sionismo e Palestina


Maurice Buttin 131
6 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Guerra e repressão: a hecatombe vietnamita


François Derivery 141

Massacres e repressão no Irã


François Derivery 15 7

Genocídi o anticomum ta na lndoné ia


Jacques J11rquer 173

Anexaçao fascista de Timor-1..õte


Jac~pm Jurquer 189

O Iraque, vítima do petróleo


S11bh1 Toma 207

A África negra sob a colonização francesa


Jean Suret-Canale 221

Argélia 1830-1998: dos primórdios do capitalismo colonial à empresa


monopolista de recolonização wglobalizada"
André Prl!T'.aTU 239

A África das independências e o wcomunismo" (1960-1998)


Francis Arzalier 275
As intervenções norte-americanas na América Latina
Paco Pena 291

Estados Unidos: o 5onho inacabado - A longa marcha dos afro-


americanos
Robert Pac 333

Centenário de um genocídio em Cuba - A "Reconcentração" de


Weyler
Jean Larlle 361

O genocídio dos índios


Robert Pac 383
SUMÁRIO

O capitalismo assalta a Ásia


Yves Grenet 391

As migrações nos séculos XIX e XX: contribuição para a história do


capitalismo
Carolíne Andreani 415

Capitalismo, corrida armamentista e comércio de armas


Yves Grenet 429

Os mortos-vivos da globalização
Philippe Paraire 463

A globalização do capital e as causas das ameaças da barbárie


François Chesnais 483

Os banqueiros suíços matam sem metralhadoras


Jean Ziegler 499

Um anúncio vale mil bombas ... Os crimes publicitários na guerra


moderna
Yves Frémion 515

E mesmo assim a abolição do capitalismo não seria suficiente ...


Monique e Roland Weyl 531

Capitalismo e barbárie:
quadro negro dos massacres e das guerras no século XX (1900-1997) 539
PRÓLOGO
GILLES PERRAULT
Bem-aventurado capitalismo! Não anuncia nada e jamais promete algu-
ma coisa. Nada de manifestos nem de declarações em vinte pontos progra-
mando a felicidade de "pronta entrega". Ele o esmaga, o estripa, o escraviza,
o martiriza - enfim, o decepciona? Você tem o direito de se sentir infeliz
mas não decepcionado, pois a decepção supõe um compromisso traído. Aque-
les que anunciam o amanhã cantando por mais justiça expõem-se à acusa-
ção de fraude quando a tentativa soçobra numa terrível cacofonia. O capi·
talismo conjuga-se prudentemente no presente. Ele é. O futuro? Entrega-o
de livre vontade aos sonhadores, aos ideólogos e aos ecologistas. Também os
seus crimes são quase perfeitos. Nenhum vestígio escrito comprovando a
premeditação. O Terror de 1793 - é fácil para aqueles que não gostam de
revoluções imaginar os responsáveis: as Luzes e essa irrazoável vontade de
ordenar a sociedade segundo a razão razoável. No caso do comunismo, as
bibliotecas estão abarrotadas de obras que o incriminam. Nada disso para o
capitalismo. Não é a ele que podemos censurar por fabricar infelicidade
pretendendo trazer felicidade. Não aceita ser julgado a não ser sobre o que
desde sempre o motivou: a procura do máximo lucro no mínimo de tempo.
Os outros interessam-se pelo homem, ele ocupa-se da mercadoria. Já se ou-
viu falar de mercadorias felizes ou infelizes? Os únicos balanços que valem
alguma coisa são os balanços contábeis. Falar de crimes é não ser pertinen-
te. Evoquemos antes as catástrofes naturais. Não se cansam de os inocular
com isto: o capitalismo é o estado natural da Humanidade. A Humanidade
está no capitalismo como um peixe no ar. Só mesmo a arrogância fútil dos
ideólogos para querer mudar a ordem das coisas, com as lamentáveis conse-
qüências cíclicas que já sabemos: revolução, repressão, decepção, contrição.
Eis precisamente o verdadeiro pecado original do homem: esse perpétuo
bicho-carpinteiro que o leva a sacudir o jugo, a ilusão lírica de um futuro
livre de exploração, a pretensão de mudar a ordem natural das coisas. Não
se mexa: o capitalismo mexe-se por você. Mas, é claro, a natureza tem as
suas catástrofes; o capitalismo também. Quem se lembraria de procurar res-
ponsáveis por um tremor de terra ou para um maremoto? O crime implica,
antes de mais nada, a existência de criminosos. Para o comunismo, as fichas
antropométricas são fáceis de fazer: dois barbudos, um de barbicha, um de
12 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

óculos, um bigodudo, um que atravessa o Yang-Tse-Kiang a nado, um apai-


xonado por charutos etc. Podemos odiar estes rostos. São de carne e osso.
Tratando-se do capitalismo, só existem índices: Dow Jones, CAC 40, Nikkei
etc. Experimente, só para ver, detestar um índice. O Império do Mal tem
sempre uma área geográfica, capitais, é localizável. O capitalismo está por
toda a pane e não está em lugar nenhum. A quem endereçar as intimações
para a um eventual tribunal de Nuremberg?
Capitalismo? Que arcaísmo mais obsoleto! Atualize-se e use a palavra
adequada: liberalismo. O dicionário define "liberal" como "o que é digno de
um homem livre". Não soa bem? E oferece-nos uma lista convincente de
antônimos: "avaro, autocrata, ditatorial, dirigis ta, fascista, totalitário." Você
encontraria possivelmente várias desculpas para se definir como
anticapitalista, mas confesse que iria precisar de muita astúcia para se pro-
clamar antiliberal.
O que é, afinal, esta lústória de um livro negro do capitalismo? Não vêem
que um empreendimento tão desmedido é puro delírio? O pior assassino de
massas da História, estamos de acordo, mas um assassino sem rosto nem códi-
go genético e que opera impunemente há vários séculos em cinco conti-
nentes ... Desejamos a vocês muita sone. E para quê? Não ouviram o som do
gongo anunciando ao mesmo tempo o fim do jogo e o fim da História? Ele
ganhou. Incorpora à sua robusta versão mafiosa os despojos dos seus inimigos.
Que adversário imaginável no horizonte?
Que adversário? Esse imenso correjo das partes civis do processo. Os
mortos e os vivos. A multidão sem número daqueles que foram deporta·
dos da África para as Américas, esmagados nas trincheiras de uma guerra
imbecil, assados vivos pelo napalm, torturados até à morte nos calabouços
dos cães de guarda do capitalismo, fuzilados no Muro dos Federados, fuzi-
lados em Fourmies, fuzilados em Sétif, massacrados às centenas de milha-
res na Indonésia, praticamente erradicados tal corno os índios da Améri-
ca, assassinados em massa na China para assegurar a livre circulação do
ópio ... De todos estes, as mãos dos vivos receberam a chama da revolta do
homem negado na sua dignidade. Mãos em breve inertes dessas crianças
do Terceiro Mundo que a má nutrição, diariamente, mata às dezenas de
milhares; mãos descamadas dos povos condenados a reembolsar os juros
de uma dívida que os seus dirigentes-marionetes roubaram, mãos trêmulas
dos excluídos cada vez mais numerosos acampando nas margens da opu-
lência ...
PRÓLOGO 13

Mãos de uma trágica fragilidade e no momento desunidas. Mas elas não


podem deixar de voltar se a unir um dia. E, nesse dia, a chama que elas trans-
portam incendiará o mundo.

Gilles Perrault
O mundo dominado pelo capitalismo é o mundo livre; o capitalismo, atu-
almente chamado apenas de liberalismo, é o mundo moderno. É o único mo-
delo de sociedade. Senão o ideal, pelo menos o mais satisfatório. Não existe e
jamais existirá outro.
É este o canto unânime que entoam não só os responsáveis econômicos e
a maior parte dos responsáveis políticos, mas também os intelectuais e os jor-
nalistas que têm acesso às principais mídias: audiovisuais, a imprensa, a gran-
de edição, geralmente nas mãos de grupos industriais ou financeiros. Não que
o pensamento dissidente seja de modo algum proibido (liberalismo oblige!),
mas acaba por ser canalizado para uma quase clandestinidade. Eis a liberdade
de expressão com que se deliciam os que apóiam nosso sistema liberal.
A virtude do capitalismo reside na sua eficácia econômica. Mas em bene-
fício de quem e a que preço? Nos países ocidentais, que são a vitrine do capi-
talismo (enquanto o resto do mundo será mais ou menos os fundos do arma-
zém), examinemos os fatos.
Após o seu grande período de expansão no século XIX, devido à indus-
trialização e à feroz exploração dos trabalhadores, o movimento que se acele-
rou ao longo das últimas décadas levou à quase extinção o pequeno produtor
rural, devorado pelas grandes explorações agrícolas, trazendo consigo a polui-
ção, a destruição das paisagens e a degradação dos produtos (e tudo isto à
custa do contribuinte, uma vez que a agricultura foi sempre subsidiada); o
quase desaparecimento do pequeno comércio, particularmente de alimenta-
ção, em benefício da grande distribuição e dos hipermercados, a concentração
das indústrias em grandes empresas nacionais e depois transnacionais que
tomam tais proporções que chegam a ter tesourarias mais importantes que as
dos Estados e até fazem a lei (ou pretendem fazê-la), tomando medidas para
reforçar o seu poder sem controle, como por exemplo através do Acordo
Multinacional sobre o Investimento (AMI), acima dos Estados (a United Fruit
é patrão de vários Estados da América Latina).
Os dirigentes capitalistas podiam temer que o desaparecimento do pe-
queno produtor rural, do artesanato e da pequena burguesia industrial e co-
mercial reforçasse as fileiras do proletariado. Mas o "modernismo" veio trazer-
18 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

lhes o êxito total com a automação, a miniaturização e a informática. Após o


despovoamento dos campos, assistimos agora ao das fábricas e dos escritórios.
Como o capitalismo não sabe nem quer partilhar o lucro e o trabalho (vemos
isso nas reações indecentes e hi téricas do patronato à jornada de 35 horas -
medida de resto bem ómida), chegamos inelutavelmente ao desemprego e à
sua corte de desastres sociais.
Quanto mais desempregados, menos se indeniza e por menos tempo. Quan-
to menos trabalhadores houver, maiores são as previsões de diminuição de
reformas. Isro parece lógico e irrefutável. Sim, se repartirmos a solidariedade
pelos salários. Mas, se consideram1os que o produto nacional bruto aumentou
mais de 40% cm vinte anos, enquanto a massa salarial não parou de diminuir,
o história é bem diferente! Mas isto não entra na lógica capitalista.
Cerca de vinte milh~ de desempregados na Eurooa, eis o balanço posi-
tivo do capitalismo!
E o pior está por vir. As grandes empresas européias e amencanas, CUJOS
lucros nunca foram tão grandes, anunciam a demissão de centenas de milha-
t
res de trabalhadores. preciso "racionalizar" a produção, concorrência obligel
Felicitamo-nos pelo aumento dos investimentos estrangeiros na França.
Mas, além dos perigos para a independência nacional, podemos nos pergun-
tar se n:'lo é a queda dos salários que encoraja os investidores.
Os paladinos franceses do liberalismo - do "modernismo"! (ver Alain
Madclin) - não se cansam de citar os exemplos da Inglaterra e dos Estados
Unidos - os campe~ do sucesso econômico e da luta contra o desemprego.
Se a destruição das proteções sociais, a precariedade do emprego, os baixos
salários e a não indenização dos dc ·cmpregados, fazendo-os desaparecer das
estatísticas, são o ideal do Sr. Madelin, não creio que este seja o ideal dos
trabalhadores deste país.
Nos EUA, paraíso do capitalismo, 30 milhões de habitantes (mais de
10% da populaçilo) vivem no limiar da pobreza, e, entre estes, os negros são
maioria.
A supremacia dos Estados Unidos no mundo, a propagação imperialista
e uniformizadora do seu modo de vida e da sua cultura só podem satisfazer
os espíritos servis. A Europa faria bem em estar alerta e reagir, já que ainda
possui os meios econômicos para isso. Mas precisaria também de vontade
política.
Para ajudar os investimentos produtivos, na indústria ou nos serviços, o
capitalismo pretende torn:i-los competitivos cm face dos investimentos finan·
INTRODUÇÃO 19

ceiros e especulativos a curto prazo. Como? Impondo taxas a estes últimos?


De forma alguma: baixando os salários e os custos sociais!
É também uma forma de tornar o Ocidente competitivo em relação ao
Terceiro Mundo. Na Inglaterra até já se começou a fazer as crianças voltarem
ao trabalho. De resto, o vassalo dos Estados Unidos, assim como o seu suserano,
não ratificou o acordo proibindo o trabalho infantil.
Preso no círculo infernal da concorrência, o Terceiro Mundo deverá bai-
xar ainda mais os custos e mergulhar um pouco mais os seus habitantes na
miséria, depois será de novo a vez do Ocidente ...
Até que o mundo inteiro esteja nas mãos de umas poucas multinacionais,
majoritariamente americanas, e que praticamente não haja necessidade de
trabalhadores, senão de uma elite de técnicos ... o problema para o capitalismo
será então o de encontrar consumidores fora desta elite e dos seus acionistas ...
e de suportar a delinqüência nascida da miséria.
A acumulação de dinheiro - que não passa de uma abstração - impede
a produção de bens úteis a todos.

O livro negro do capitalismo está já escrito diante de nós no seu "para(so".


E quanto ao seu inferno, o Terceiro Mundo?

As devastações, no espaço de um século e meio, pelo colonialismo e o


neocolonialismo, são imaculáveis, como impossível é calcular os milhões de
mortos que lhes são imputáveis. Todos os grandes pa(ses europeus e os Estados
Unidos são culpados. Escravatura, repressões impiedosas, torturas, expropria-
ção, roubo das terras e dos recursos naturais pelas grandes companhias oci-
dentais, americanas ou transnacionais ou por potentados locais a seu soldo,
criação ou desmembramento artificial de países, imposição de ditaduras,
monoculturas substituindo as culturas tradicionais, destruição dos modos de
vida e das culturas ancestrais, desmatamento e desertificação, desastres eco-
lógicos, fome, êxodo das populações rumo às megalópoles, onde as esperam o
desemprego e a miséria.
As estruturas utilizadas pela comunidade internacional para regular o de-
senvolvimento das indústrias ou do comércio estão inteiramente nas mãos e
ao serviço do capitalismo: o Banco Mundial, o Fundo Monetário Internacio-
nal, a Organização de Cooperação e Desenvolvimento, a Organização Mun-
dial do Comércio e agora o Acordo Multilateral sobre o Investimento. Estes
organismos serviram apenas para endividar os pa(ses do Terceiro Mundo e
20 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

para lhes impor o credo liberal. Se por um lado permitiram o desenvolvimen-


to de acintosas fortunas locais, por outro mais não fizeram do que aumentar a
miséria das populações. 1
Dentro de algumas décadas, o capitalismo internacional nem sequer terá
necessidade da mão-de-obra do Terceiro Mundo, automatização oblige! Os
laboratórios americanos estudam as culturas in vitro, o que arruinará definiti·
vamente o terceiro mundo agrícola (e talvez a agricultura da França, segundo
exportador mundial). Em vez de partilharem os bens, será o desemprego que
os trabalhadores do mundo inteiro partilharão.2
Ao mesmo tempo, os serviços essenciais relativos à educação, à saúde, ao
ambiente, à cultura, à solidariedade, deixarão de ser assegurados porque não
são rentáveis e não interessam ao setor privado, porque só podem ser presta-
dos pelos Estados ou pela comunidade dos cidadãos, dos quais o liberalismo
quer retirar todo o poder e todos os meios.

Quais são os meios de expansão e de acumulação do capitalismo? A guer-


ra (ou a proteção, seguindo o exemplo da máfia), a repressão, a espoliação, a
exploração, a usura, a corrupção, a propaganda.

A guerra contra os países rebeldes que não respeitam os interesses ociden-


tais. Aquilo que foi outrora apanágio da Inglaterra e da França, na África e na
Ásia (os últimos sobressaltos do colonialismo nas Índias, em Madagascar, na
Indochina, na Argélia, fizeram milhões de mortos), é hoje em dia dos Estados
Unidos, nação que pretende reger o mundo. Os Estados Unidos não pararam,
para tal, de praticar uma política de acumulação de armas (que proíbem aos
outros) . Assistimos ao exercício deste imperialismo em todas as intervenções
diretas ou indiretas dos Estados Unidos na América Latina e particularmente
na América Central (Nicarágua, Guatemala, El Salvador, Honduras), na Ásia,
no Vietnã, na Indonésia, em Timor (genocídio proporcionalmente mais im-
portante do que o dos Khmers Vermelhos no Camboja - cerca de dois terços
da população-, e perpetrado com a indiferença - quando não com a cum-
plicidade - do Ocidente), na guerra do Golfo etc. 3
A guerra não se faz só pelas armas, pode assumir formas inéditas: por
exemplo, os Estados Unidos não hesitaram em ajudar a seita Moon na Coréia
para lutar contra o comunismo, não hesitaram em armar ou subsidiar os
fundamentalistas islâmicos contra os irmãos muçulmanos ou os Talibãs no
Afeganistão. A guerra pode tomar também a forma de embargos contra os
INTRODUÇÃO 21

Estados indóceis (Cuba, Líbia, Iraque), que são mortíferos para as populações
(várias centenas de milhares de mortos no Iraque).
A espoliação é a causa evidente da utilização da força. Se queremos assal-
tar uma casa habitada, é melhor levarmos uma arma.
As práticas do capitalismo são próximas das da máfia; é com certeza por
isso que esta prolifera tão bem no seu terreno.
Tal como \l máfia, o capitalismo protege os dirigentes dóceis, que desaver-
gonhadamente permitem que seus países sejam explorados pelas grandes soci-
edades americanas e transnacionais. Deste modo, ele consolida - quando
não é ele próprio que as instala - as ditaduras, mais eficazes na proteção das
empresas do que as democracias.
As suas armas são indistintamente a democracia ou a ditadura, o negócio
ou o gangsterismo, a intimidação ou o assassinato. Assim, a CIA é, sem dúvi-
da, a maior organização criminal em escala mundial.
A usura, outro procedimento mafioso. Assim como a máfia faz empréstimos
ao comerciante, que nunca consegue livrar-se da sua dívida e acaba por per-
der a sua loja (ou a vida), os países são estimulados a investir, muitas vezes
artificialmente; armas são vendidas para que possam lutar contra os países
rebeldes, e estes são obrigados a pagar eternamente os juros acumulados da
sua dívida; passa-se assim a ser dono da sua economia.
Repressão e exploração caminham juntas: repressão anti-sindical (que ou-
trora foi legal), hoje não confessada mas sempre praticada nas empresas, vigi-
lância repressiva, milícias patronais criminosas,i sindicatos criados pelos pa-
trões (CFIJ e repressão contra qualquer contestação operária radical. 5 A
possibilidade de explorar tem este preço. E nós sabemos, desde Marx, que a
exploração do trabalho é o motor do capitalismo. As economias ocidentais
tiram dividendos, no Terceiro Mundo, da pior forma de exploração: a escra-
vatura, e, nos seus países, da servidão dos imigrados clandestinos.
A corrupção. As multinacionais dispõem de uma rede de influências tal
ou de tais pressões financeiras ou políticas sobre o conjunto dos responsáveis
públicos ou privados que abafam qualquer resistência com os seus tentáculos
de polvo.
A propaganda. Para impor o seu credo e justificar a corrida armamentista,
os seus delitos e os seus crimes sangrentos, o capitalismo sempre invoca ideais
generosos: defesa da democracia, da liberdade, luta contra a ditadura "comu·
nista" e defesa dos valores do Ocidente, quando, na verdade, ele apenas de-
fende, na maioria das vezes, os interesses de uma classe poderosa, ou quer
22 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

apoderar-se das matérias-primas, comandar a produção do petróleo ou con-


trolar as regiões estratégicas. Esta propaganda é difundida por autoridades
econômicas e políticas, por uma imprensa e por meios de comunicação servis.
São os "cães de guarda" já denunciados por Nizan, a Traição dos clérigos vili-
pendiada por Julien Benda.6
Partidários do liberalismo, arautos dos Estados Unidos, não ouvi a vossa
voz elevar-se contra a destruição do Viemã, o genocídio indonésio, as atroci-
dades perpetradas em nome do liberalismo na América Latina, contra a ajuda
americana ao golpe de Estado de Pinochet, um dos mais sangrentos da Histó-
ria, 7 a execução dos sindicalistas turcos; a vossa indignação era um pouco
seletiva: Soliaamosc mas não o Disk, Budapeste mas não a Argélia, Praga mas
não Santiago, o Afeganistão mas não Timor; não vos vi indignarem-se quan-
do se matavam comunisras ou simplesmente aqueles que queriam dar o poder
ao povo ou defender os pobres. Pela vossa cumplicidade ou pelo vosso silên-
cio, não vos ouço pedir perdão.

Maurice Cury é poeta, romanci5ta, roteiruta de cinema e de televisão, autor teatral. Publica·
ções mais recentes: w ~de Flandre (romance), l..a]ungle el le désert (poemas e textos).
E. C. Édirions, l...t Ubéralismt ICl41iwire.

Notas:

1. Philippe Paraire, Lt V.llagt Moruú et San Cháuau, Le Temps des Cerises, 1995.
2. Jeremy Rifjin, Ui Fin du Traoail, La Déc.ouverte, 1996
3. Noam Chorrulcy, w Dmau! de la Poliriqut de I' Onde Sam, Ecosociété, EPO, Le Temps
des Cerises, 1996.
4. Marcel Caille, Lts Truands du Pmronar, Éditions Sociales, 1977.
5. Maurice Ra~íus, La Polia Hors la Loi, Le Cherchc-Midi, 1996.
6. Scrge Hahmi, Li1 Nouv<aux Chieru de Garde, Liber-Raison d'Agir, 1977.
7. Chill, Li Dossier Noir , GaUimard, 1974.
AS ORIGENS DO CAPITALISMO
(SÉCULOS XV A XIX)
JEAN SURET-CANALE
Foi ao longo do século XIX que o capitalismo apoiado no trabalho assa-
lariado se tomou o modo de produção dominante, primeiro na Europa Oci·
dental e nos Estados Unidos, depois no resto do mundo, através de formas de
dominação diretas (a colonização) ou indiretas.
A sua gênese ocupa essencialmente os três séculos precedentes (séculos
XVI, XVII e XVIII). É, para empregar a terminologia de Adam Smith, reto·
mada por Marx, a época da "acumulação primitiva" (ou melhor, para utilizar
mais exatamente o termo empregado por Adam Smith, "previous accumulatian",
acumulação prévia).
Como se encontrarão face a face os capitalistas detentores das riquezas
suscetíveis de se converterem em meios de produção (máquinas, matérias·
primas etc.) e os "proletários", desprovidos de quaisquer meios de existência
autônoma e reduzidos, para sobreviver, à condição de assalariados• dos pri·
meiros?
A ideologia burguesa, expressa pelos "pensadores" políticos e pelos eco·
nomistas mais respeitados do século XIX, explica que, originalmente, a socie·
dade dividiu-se em duas categorias: uns, laboriosos, inteligentes, poupadores;
os outros, preguiçosos, dilapidadores. "Evidentemente que uns amontoaram
tesouros sobre tesouros, enquanto os outros se encontraram rapidamente des·
providos de tudo." Karl Marx cita, entre os autores defensores desta tese, A.
Thiers. 2 No século XX, o bom doutor Alexis Carrel, prêmio Nobel de Mediei·
na e partidário de Pétain, explicará em t Homme, cet inconnu (O Homem,
esse desconhecido)l que os primeiros eram geneticamente superiores, e os
segundos, inferiores.
E cabe a Karl Marx observar: "Nos anais da história real, foi a conquista,
a servidão, o domínio da força bruta que levaram sempre a melhor." 4 Para
estudar este período, que se abre com as grandes descobertas marítimas no
fim do século XV. recorreremos a duas fontes essenciais: uma antiga, a que é
fornecida por O capital de Karl Marx no seu desenvolvimento sobre a "acu·
mulação primitiva" (Livro I, VIII seção), 5 a outra, mais recente, certamente
mais rica de informação e mais "em dia", é fornecida pela grande obra de
Femand Braudel: Civilisation Matérielle, Économie et Capitalisme, XVe-XVIlie
si~cle (Civilização Material, Economia e Capitalismo, séculos XV-XVIIl).6
26 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Braudel, como Marx, confere uma atenção particular à infra-estrutura


socioeconômica da História, mas difere deste na medida em que nãc. dá um
lugar central à divisão da sociedade em classes opostas. A confrontação dos
dois pontos de vista haveria de ter sido fascinante: ela está infelizmente au-
sente da obra de Braudel, que, visivelmente, não tinha lido Marx (pelo menos
esta parte do Capical que tratava do mesmo assunto). 7

O mercado e as formas "antediluvianas" de O capital

As sociedades de classes que precederam o capitalismo caracterizavam-se


por uma ligação pessoal do dominador com o dominado (escravo, tributário,
servo etc.). '
O dominado era, é certo, explorado, e muitas vezes das formas mais bru-
tais, mas a exploração era "justificada", pelo menos ideologicamente, por uma
certa reciprocidade: dever de proteção por parte do dominador, até mesmo de
assistência, freqüentemente sob uma máscara patriarcal. Com o capitalismo,
as relações sociais tomam um caráter cada vez mais abstrato, anônimo. E, por
isso mesmo, desumanizado.
O capitalismo desenvolve-se com base na produção mercantil, que supõe
a generalização. Diferentemente dos modos de produção anteriores, mais ou
menos fundados sobre uma economia de subsistência, a produção capitalista
volta-se, logo de infcio, para o mercado: o capitalismo produz para vender. E
a própria relação entre o capitalista e o assalariado apresenta-se sob a forma
da troca mercantil: o capitalista apresenta-se como comprador de força de
trabalho, o assalariado como vendedor.
O mercado, a mercadoria, a produção mercantil, surgem muito cedo nas
sociedades mais diversas, sem que, por isso, sejam as formas exclusivas, menos
ainda as iniciais, de troca: as sociedades arcaicas apresentam formas "não-
mercantis" de troca, trazidas à luz desde Durkheirn e de que Karl Polanyi teve
o mérito de destacar a especificidade em comparação com a troca mercantil. 8
Na produção mercantil "simples", o produtor agrícola ou artesão, propri-
etário dos meios de produção, produz parcial ou totalmente os bens, já não
para cobrir diretamente as suas próprias necessidades, mas para vender, num·
mercado onde os produtos são trocados através do equivalente intermediário
monetário, especializando-se os produtores em função de uma divisão social
do trabalho.
AS ORIGENS 00 CAPITALISMO Z7

Com o capitalismo produtivo, o capitalista, proprietário dos meios de


produção (terra, máquinas, matérias-primas etc.), "compra" do trabalhador
o uso da sua força de trabalho por um salário que corresponde grosseira-
mente à soma necessária à reconstituição e à reprodução dessa força de
trabalho; soma que é inferior à produzida pela realização da obra dessa força
de trabalho. O suplemento assim auferido (a "mais-valia" de Marx) retoma
ao capitalista. O capital antecipado e aplicado na produção pelo capitalista
encontra-se assim, no final do ciclo, reproduzido e acrescido de um suple-
mento que o capitalista pode utilizar para fins de consumo pessoal, ou que
pode igualmente "acumular", a fim de aumentar a massa do seu capital. É a
produção "alargada".
Nas sociedades anteriores, o produto da exploração (do escravo, do tribu-
tário, do dependente feudal - servo ou vilão) era principalmente consumido
pelas classes privilegiadas e relativamente pouco "reinvestido". O ciclo pro-
dutivo repetia-se mais ou menos à mesma escala. O "crescimento", na medida
em que existia, era muito lento e quase imperceptível.
No capitalismo contemporâneo (produtivo), instaurado graças à revolu-
ção industrial, com o emprego generalizado da energia mecânica os progres-
sos da produtividade do trabalho permitirão uma "reprodução alargada" em
uma escala cada vez mais vasta, numa palavra, o "crescimento".
Este capitalismo produtivo surge a partir da Idade Média, sob uma forma
embrionária, nas cidades italianas através da "manufatura" ("fábrica" que pra·
tica num mesmo lugar a divisão manual do trabalho, ou trabalho no domicí-
lio, para o qual o capitalista fornece a matéria-prima, por exemplo o fio ao
tecelão, e compra o produto fabricado).
Mas, até ao fim do século XVIII, o capital apresenta-se essencialmente
sob formas que Marx chama "antediluvianas", capital mercantil ou capital
financeiro (usurário), formas existentes desde a Antiguidade.
Nestas formas, também há acumulação, mas não pela criação de riquezas:
o capital contenta-se neste caso em retirar seu dízimo sobre a produção exis·
tente.
A instauração do capitalismo produtivo, essencialmente industrial, para
além das condições técnicas já evocadas, supõe condições econômicas e
sociais.
28 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

A "libertação" da mão-de-obra: pauperização e


exploração do camponês

A primeira condição é a existência de uma mão-de-obra "livre", isto é,


liberta das obrigações e servidões feudais ou senhoriais; mas também despro-
vida de quaisquer meios de existência autônoma (e da terra). Esta "liberta·
ção" se dá na Inglaterra a partir do fi.nal do século XN e conclui-se durante a
primeira Revolução, a de Cromwell, no século XVII. Na França, ela se dará
com a Revolução de 1789, e, mais tarde, no resto da Europa, sob a influência
direta ou indireta das conquistas revolucionárias e napoleônicas.
Esta "libertação" é indissociável de uma pauperização maciça e da expro-
priação dos camponeses; na Inglaterra, este fenômeno começa com o reinado
dos Tudor e ganha força no século XVIII; é mais lento e limitado no continen-
te. Os camponeses assim "libertos" e expropriados constituem uma massacres-
cente de vagabundos e de miseráveis, submetidos na Inglaterra à feroz legisla-
ção sobre os pobres ("Poor laws"), uma mão-de-obra pronta, quando chegar o
momento, para o empreendimento industrial capitalista. O êxodo rural ali-
mentará, no século XIX, o crescimento urbano e industrial e a emigração para
a América ou para as economias "temperadas".
Retomemos o exemplo inglês, estudado por Karl Marx. A servidão tinha
desaparecido aqui no fim do século XIY. A maior parte da população cam-
ponesa é constituída por pequenos proprietários independentes, relativamen-
te desafogados. O fim da "Guerra das Duas Rosas" e a instauração da dinastia
dos Tudor foram acompanhados de dois fenômenos: o fim dos "séquitos" feu-
dais, que eram mantidos pelos nobres (enfraquecidos ou arruinados), jogou
nas ruas uma primeira massa de gente sem rumo; por outro lado, os novos-
ricos que tomaram o lugar da antiga nobreza arruinada ou apagada decidiram
"fazer valer" o seu poder expulsando maciçamente os camponeses proprietá·
rios das suas terras para convertê-las em pastagens para ovelhas: a expansão
da manufatura lanífera de Flandres, para a qual a Inglaterra desde longa data
fornecia a matéria-prima, e o aumento do preço da lã dela resultante incita•
vam a esta especulação.
Em vão as leis de Henrique VII (1489) e de Henrique VIII proibiram a
demolição das casas dos camponeses e tentaram limitar a extensão das pas-
tagens.
A Reforma e o confisco dos bens do clero - das ordens religiosas, supri·
AS ORIGENS DO CAPITALISMO 29

roídas - , equivalente a algo entre um quarto e um terço das terras do reino,


distribuídos por Henrique VIII a seus favorecidos, provocaram urna acelera-
ção do fenômeno: todos estes novos-ricos tornados gentlemen procederam,
cada qual melhor do que o outro, à expulsão dos camponeses. Os pequenos e
médios camponeses, os yeomen, forneceram ainda o grosso das tropas da revo-
lução inglesa de Cromwell. Mas, por volta de 1750, a evolução estava conclu-
ída: o pequeno produtor rural inglês estava praticamente eliminado em pro-
veito dos landlords, os grandes proprietários rurais, agora substituídos pelas
propriedades capitalistas, ou, na Irlanda, por proprietários precários, facilmente
expulsáveis.
"A criação do proletariado sem rumo - despedido pelos grandes senhores
feudais e plantadores vítimas de expropriações violentas e repetidas - foi
necessariamente mais rápida do que a sua absorção pelas manufaturas nas-
centes ... Daqui saiu, portanto, uma massa de mendigos, de ladrões, de vaga-
bundos.'19
Daí, a partir do fim do século XV, uma legislação feroz contra os pobres.
Urna lei de Henrique VIII prevê que os vagabundos robustos sejam con-
denados ao chicote; amarrados à traseira de uma charrete, serão chicoteados
até que o sangue jorre do seu corpo. Após o que serão encarcerados. Uma lei
posterior do mesmo rei agrava as penas com cláusulas adicionais: em caso de
reincidência, o vagabundo deve ser chicoteado de novo e metade de urna
orelha deverá ser cortada; à segunda reincidência será enforcado.
Em 1572, a rainha Isabel renova esta legislação: "Sob o reinado quase
maternal de 'Queen Bess' enforcavam-se vagabundos às fornadas, dispostos
em longas fileiras. Não passava um ano em que não houvesse trezentos ou
quatrocentos condenados à forca aqui ou ali", diz Strype em seus Annales:
segundo ele, o Sonersetshire sozinho contou num ano quarenta executados,
trinta e cinco marcados com ferro em brasa, trinta e sete chicoteados e cento
e oitenta e três - "patifes incotrigíveis" - libertados... "Graças à negligência
dos juízes de paz e à tola compaixão do povo", acrescenta o cronista. 10
A "lei sobre os pobres" da mesma rainha (1597) coloca a cargo das paró-
quias os indigentes.
A "assistência" das paróquias consistiu em enclausurar os indigentes em
hospícios ou workhouses (casas de trabalho), verdadeiras prisões ... onde eram
submetidos a um trabalho extenuante e precariarnente alimentados. A lei
sobre os pobres só em 1834 será abolida ... Mas foi porque a burguesia inglesa
achava intolerável ter de pagar um imposto para manter uma "cambada de
30 O LIVRO EGRO CAPITAL! M

mandriões". Os indigentes continuam a para h pícios, onde


trabalham pelo men 18 horas dtári t: onde t ma cuidado para que não
lhe sejam fornecidos roupas e alimento a nã um nível inferior ao do
operário mais m l pa !

A colonitaçOO escratJ(lgista e nurcantil

Uma outra c içjo révia ra a in.s auração do capitalismo era a exten-


são e a generalizaçjo d re mercantis.
Esta realizam-se a partir o sé< lo XVl com a extensão ao mundo inteiro
do comércio maríomo e e o aparecimento, pela primeira vez na Histó-
ria, de um verdadel m rc.ado dia!.
A deKobcna da América r e . tóvão Colombo (1492), em benefício
da coroa da Espanha, c • à quista do continente. Os dois principais
Estado ar exi rem , o lmpmo Asreca, no México, e o Império Inca, no
Peru, são de truíd~. respec •amente, em 1519 eem 1532.
Os conqu· tadores, e i.n kto julgavam haver descoberto a Índia, pro·
curavam as pe iarias (que não encontraram) e o ouro. Encontraram-no,
mas em pequena quan ·~fade; p~sada a pilhagem das povoações locais, a la-
vagem dai pepí as de ouro renderã pouco e os seus recursos estarão esgotados
antes de \ 550.
Mas depres a os espanhoo ~obrem e começam a explorar riquíssimas
jazidas de prata, no México (Nova Espanha) e no Peru (Peru e Bolívia atuais).
O comércio com a América é um monopólio real. É concedido a uma
companhia de mercadores privilegiada. instalada em Sevilha. É fdto por uma
frota de galeões, agrupados por ra?OO de r;egurança (são freqüentemente assal-
tados e pilhados por cor5ános, especialmente ingleses nomeadamente), frota
que todos os anos parte de Sevilha, mais tarde de Cádiz, para Havana, praça·
fone que serve de primeira escala, depois para Vera Cruz (para passar pela
Nova Espanha) ou pelo istmo do Panamá, onde homens e produtos são de-
sembarcados, e tomam outros barcos para o Callao, as parageru no Peru e nas
terras dos Andes. Algumas embarcações vão ao porto de Cartagena, para
servir a Nova Granada (Colômbia e Venezuela atuais). Esta frota traz da
Espanha bens manufaturados e mantimento . Qualquer importação intcrme·
diária é considerada contrabando (comércio "fraudulento") . É através da Amé·
rica que a Espanha se comunica com a sua única possessão asiática, as llhas
AS ORIGENS DO CAPITALISMO 31

Filipinas: todos os anos, um galeão parte de Acapulco, na costa do Pacífico,


para Manila; para lá leva prata e traz na volta produtos da China.
A América exporta pouco mais além da prata.
Os colonos espanhóis, preocupados em fazer fortuna rapidamente, viven-
do "nobremente" (sem trabalhar com as suas próprias mãos), submetem a
população ameríndia a uma exploração forçada, recheada de tratamentos bár-
baros (suplícios, mutilações) para fazer reinar o terror. A população das Anti·
lhas, primeiras terras atingidas pelos conquistadores, que não consegue supor-
tar a escravidão e os trabalhos forçados, é dizimada pelos maus-tratos, que por
vezes conduzem a suicídios coletivos e a doenças introduzidas pelos europeus
e para as quais não está imunizada. A população de Hispaniola (Haiti), esti·
mada em meio milhão de habitantes em 1492, é reduzida a 30.000 em 1514 e
praticamente aniquilada ao longo do século XVI. De uma maneira geral, a
população das Antilhas será objeto de um genocídio quase completo: no sé-
culo XIX, os últimos habitantes das Caraiôas (algumas dezenas) serão depor-
tados para a ilha de Dominica, onde perderão suas tradições e sua língua.
No continente, a população ameríndia não será aniquilada, mas será, pe-
las mesmas razões, terrivelmente afetada: na Nova Espanha (México), a po-
pulação, estimada em 25 milhões em 1520, é reduzida a 7 milhões em 1548 e
a menos de um milhão e meio em 1595-1605, uma redução de 95% em três
quartos de século. No Peru, o trabalho nas minas de prata de Potosi é alimen-
tado pela "mita", o trabalho forçado, instituição tomada emprestada do anti-
go Império Inca, mas que leva, a partir de então, a uma deportação longínqua,
a mais de 3.000 metros de altitude, onde se trabalha debaixo da terra. As
condições de trabalho são tais que poucos regressam: os recrutados, antes da
partida, são convidados a presenciar a missa pelos mortos ... O desastre
demográfico foi menor no Peru do que na Nova Espanha, mas atingiu 20% a
30% entre 1530 e 1660.
No total, a população da América espanhola, que era da ordem de 50
milhões no fim do século XV, passa a 9-10 milhões em 1570 e a 4 ou 5 milhões
em meados do século XVII. Será preciso esperar até o final do século XVII e
pelo século XVlll para se chegar a um lento aumento demográfico.
Na América do Norte, terra de colonização temperada, a repressão ou o
aniquilam1:nto dos índios foi desde o início uma condição para a implantação
européia: os puritanos da Nova Inglaterra aprovaram em 1703, por decreto,
um prêmio de 40 libras esterlinas por cada escalpo de índio ou por cada pele-
vermelha feito prisioneiro; em 1720, o prêmio foi elevado para 100 libras.
32 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

O tráfico dos negros 11


O bispo Bartolomeu de las Casas, indignado pelo tratamento a que eram
submetidos os ameríndios, e que ele denunciou na sua Brevissima Relaci6n de
la Destrución de las lndias, obteve em 1542 a proibição da escravização dos
índios (o que não alterou grande coisa sua sorte) e propôs substituí-los, para o
trabalho, por escravos africanos. Do que viria a se arrepender mais tarde. Na
verdade, o emprego de escravos negros importados da África já tinha come-
çado.
Ao longo do século XV, os portugueses tinham reconhecido pro-
gressivamente as costas da África a oeste do continente. Encontraram um
pouco de ouro (ouro que era anteriormente exportado, pela via saariana, em
direção ao mundo árabe). De lá trarão também escravos. Mas esta exportação
não assumirá toda a sua dimensão senão quando for dirigida para a América.
De fato, os negros só substituirão os índios nas regiões onde estes foram
praticamente exterminados, as planícies litorais do Golfo do México, as Anti·
lhas e, sobretudo, o Nordeste brasileiro, colonizado pelos portugueses. E o
desenvolvimento da escravatura africana estará estreitamente associado ao
da plantação de cana-de-açúcar.
A cultura e o tratamento da cana-de-açúcar, vindos da Índia, foram in·
troduzidos no final da Idade Média nas ilhas do Mediterrâneo colonizadas por
Veneza e Gênova (Clúo, Chipre, Creta), mais tarde na Sicília e na Andaluzia.
No final do século XV, são introduzidos nas ilhas do Atlântico: Madeira,
Canárias, São Tomé.
A produção do açúcar de cana é, desde o início, uma verdadeira agro-
indústria: plantação e corre da cana, moagem nos engenhos de açúcar, con-
centração do açúcar em caldeiras, cristalização, depois refino, deixando como
subproduto melaços, consumidos assim mesmo ou destilados para a produção
de álcool (runs e cachaças) . Ela não admite uma produção artesanal: exige
pessoal abundante e urna extrema disciplina de trabalho que só a escravidão
podia fornecer nesta época.
Eram escravos que se empregavam nas plantações mediterrâneas. No iní-
cio do século XVI, a cana é introduzida nas Antilhas espanholas, mas o seu
desenvolvimento é limitado pela falta de mão-de-obra.
É o Brasil português o primeiro a importar escravos africanos em grande
escala: tomou-se, por volta de 1580, o primeiro produtor de açúcar de cana.
Nas Pequenas Antilhas, em parte abandonadas pelos espanhóis e colo-
AS ORIGENS DO CAPITALISMO 33

nizadas pelos ingleses, franceses e holandeses, a colonização é em primeiro


lugar um feito de europeus que empregam uma mão-de-obra de "contrata·
dos"; estes pagam a sua travessia com um "contrato" de trabalho de 3 a 7 anos
em benefício daqueles que os recrutaram. Este sistema funciona mal; a servi·
dão, mesmo temporária, tinha desaparecido dos hábitos europeus; recrutados
entre os marginais, os contratados tinham pouca aptidão para a agricultura, e
menos ainda para a agricultura tropical. Ao longo do século XVII, vão sendo
abandonadas por escravos negros, e as culturas praticadas (tabaco, índigo)
vão sendo marginalizadas em benefício da plantação açucareira. Durante a
ocupação temporária do Brasil pelos holandeses, estes iniciaram-se na agro·
indústria do açúcar: expulsos após a reconquista portuguesa, vão introduzir a
cana-de-açúcar nas Pequenas Antilhas. Durante a segunda metade do século
XVII, a população escrava toma-se majoritária: assim, em Barbados (britâni·
co), os brancos são ainda maioria em 1645 (três quartos da população) ; em
1667, a proporção é invertida: os brancos não constituem mais do que um
décimo da população.
A plantação do açúcar é, desde o princípio, um empreendimento capita·
lista: exige grandes investimentos no tratamento do terreno, no equipamento
industrial (engenhos, caldeiras etc.) e na compra de escravos. Devido às lon·
gas travessias, as entradas de recursos são a longo prazo. O capitalista é aqui o
comerciante (muitas vezes também o armador), quer invista diretamente nas
plantações, quer financie os plantadores através de adiantamentos.
A economia rural está na total dependência do comércio exterior: quase
tudo o que ela produz (essencialmente açúcar, mas também tabaco, índigo,
café) destina-se à exportação para a Europa; quase tudo o que consome, uten·
sílios, roupas, e até víveres, é importado. As parcelas atribuídas aos escravos
destinadas ao plantio de víveres, para o qual lhes concedem no máximo um
dia por semana, não bastam para os sustentar. Farinha e vinhos da Europa,
bacalhau seco ou salgado da América do Norte são importados.
A procura americana por escravos, ligada ao desenvolvimento da econo·
mia agrícola, dá grande impulso ao tráfico de escravos; o tráfico especializa-se
na forma de comércio "triangular"; o navio negreiro, num primeiro tempo,
leva para a costa da África "mercadorias de tráfico" (têxteis, quinquilharia,
ferragens, bebidas alcoólicas, depois pólvora e armas de fogo), produtos desti·
nados às camadas privilegiadas da sociedade africana, organizadoras e
beneficiárias do tráfico. Da costa da África, o navio negreiro parte com a sua
carga de escravos para a América e aí troca os seus escravos pelos produtos
O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

coloniais (açl'.ícar, tabaco, café etc.). Todavia, como o preço da carga de um


navio negreiro equivale ao carregamento de quatro navios de gêneros coloni·
ais, uma grande parte do comércio faz-se em "eqüidade", utensílios e merca·
dorias da Europa por gêneros coloniais. Urna exceção: o Brasil português tro·
ca diretamente os seus escravos importados por tabaco e rum.
Em rápido crescimento durante a segunda metade do século XVIII, oco-
mércio negreiro tomar-se-á, até mesmo no primeiro quarto do século XIX, a
forma dominante do comércio entre a Europa e a África.
Os europeus desistirão rapidamente de penetrar no interior da África: os
Estados litorâneos especializam-se no papel de intermediários, fornecendo·
lhes a mercadoria humana e defendendo o seu próspero monopólio simulta-
neamente contra os europeus e contra as populações africanas do interior. S6
no final do século XVIII começarão as explorações no interior do continente,
com a idéia de um acesso direto ao mercado africano.

A punção humana do tráfico e o tratamento dos escravos

Quantos africanos foram transportados pelo Atlântico, do início do sécu-


lo XVI a meados do século XIX, já que o tráfico continuou durante várias
décadas após a sua interdição, em 1815 ao norte do Equador, em 1842 no
Atlântico Sul?
As avaliações mais recentes calculam o nl'.ímero de transportados entre 10
e 15 milhões. Mas a esta sangria demográfica é preciso acrescentar todas as
v(timas humanas resultantes da caça aos escravos e do seu transporte.
A caça aos escravos tinha-se tornado, para as camadas dirigentes dos Esta·
dos africanos, a atividade mais lucrativa: por um capturado feito prisioneiro,
quantos mortos foram feitos durante os ataques às aldeias? Quantos se lhes
seguiram pelo caminho, nos cortejos que conduziam os prisioneiros para a cos-
ta, por vezes de centenas de quilômetros? Quantos mortos nos "depósitos" da
costa? Quantos mortos no mar durante o transporte (eram freqüentes e nume·
rasos, sobretudo quando uma epidemia irrompia a bordo, devido ao amontoa-
mento, às condições de higiene e de alimentação, ao longo de uma travessia de
várias semanas)? Seria ainda preciso acrescentar, ainda na África, as conse-
qüências da insegurança permanente resultante da caça aos escravos: popula-
ções reduzidas à fome pela destruição das suas aldeias e das suas colheitas, obri-
gadas a refugiarem-se em zonas de difícil acesso mas privadas de recursos.
AS ORIGENS DO CAPITALISMO 35

Seria preciso, para avaliação, multiplicar o número de transportados por


um coeficiente de várias unidades, impossível de precisar: 50 milhões? 100
milhões?
Na própria América, até o final do século XVIII, a evolução demográfica
da população escrava foi negativa: na parte francesa de S. Domingos (hoje
República do Haiti), em 1789, 2,2 milhões de escravos tinham sido importa-
dos em 50 anos - deles não restavam mais do que 500 mil.
Fénelon, governador da Martinica, numa carta ao ministro datada de 11
de abril de 1764, espanta-se com esta evolução negativa e põe em evidência
as causas deste despovoamento que obriga a importar continuamente novos
escravos: má alimentação, excesso de trabalho, imposto mesmo às mulheres
grávidas, doenças muito freqüentes das crianças.
O negreiro Degrandpré, citado pelo R. P. Dieudonné Rinchon, reconhe-
ce: "É preciso confessá-lo, nós especulávamos sobre o excesso de trabalho
deles e não temíamos matá-los de cansaço se o preço que obtivéssemos pelo
seu suor igualasse o preço da sua compra." 12
Hilliard d'Auberteuil (citado por Gaston Martin), 13 que residiu 12 anos
em S. Domingos, escreve (em 1776): "Um terço dos negros da Guiné morre
geralmente durante os três primeiros anos da transplantação, e a vida labori-
osa de um negro, criado na terra, não pode avaliar-se em mais de 15 anos."
A expressão "trabalhar como um negro" ficou na nossa linguagem. Será
preciso esperar pelo fim do século XVIII para que a população servil se estabi-
lize e comece a crescer naturalmente. Diversos fatores conduziram a isso: o
aumento do custo dos escravos, a interrupção do tráfego durante as guerras
napoleônicas, o grande medo suscitado entre os escravagistas pela revolta de
S. Domingos (Haiti). Os proprietários de escravos estarão por essa época in-
teressados na manutenção e na reprodução da sua mão-de-obra.
Para manter a disciplina dos seus escravos, os proprietários necessitavam
de um regime de discriminação e terror.
O "Código Negro", promulgado em 1685, sob o reinado de Luís Xrv, um
conjunto de regulamentos referentes ao governo, à administração da justiça,
à polícia, à disciplina e ao comércio dos negros nas colônias francesas, 1" em
vigor até 1848 (à exceção das colônias onde foi aplicada, de 1794 a 1802, a
abolição da escravatura decretada pela Convenção), fixa as suas regras ofici-
ais. Pune com a morte qualquer agressão de um escravo contra o seu dono ou
contra pessoas livres, assim como os roubos de cavalos ou de bois; o escravo
fugitivo durante mais de um mês terá as orelhas cortadas e ser-lhe-á marcada
36 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

com ferro em brasa uma flor-de-lis; se reincidir, tera cortada parte de uma
perna e sera marcado com uma flor-de-lis no outro ombro; na terceira vez
será punido com a morte . O s suplícios (marcas e mutilações) só serão abolidos
em 1833.
O s donos têm o direito de mandar acorrentar e chicotear os seus escravos
"quando julgarem que os seus escravos o mereceram". Fora dos casos previs·
tos, é em princípio proibido aos donos torturar, mutilar ou matar os seus escra-
vos. Mas , na verdade, os donos, seja o que for que façam, nunca são punidos:
os tribunais, nas mãos dos col nos, têm por princípio que jamais um dono seja
condenado por queixa de um escravo, pois temem que isto ponha em perigo a
autoridade do regime escravagista.
Em seu relatório sobre Os Distúrbios de S. Domingos, o convencional Garran
nota que não há nenhum exemplo de um dono que tenha sido levado à justiça
por ter morto ou mu tilado um escravo. Um decreto de 1784, que limitava a
50 o número de chicotadas que um dono podia infligir a um escravo, "foi
estabelecido com muita dificuldade" e não foi cumprido. 15
O casamento e as relações sexuais entre colonos e escravos são em princí·
pio proibidos; mas, de fato, os colonos tomam escravas como concubinas e,
muito rapídamente, forma -se uma camada de mestiços, hierarquizados em
funç ão da sua proporção de sangue "branco''. Em 1789, contam-se na parte
francesa de S. Domingos (atualmente República do Haiti) 35.440 brancos,
509.642 escravos e 26 .666 libertos e "pessoas de cor". Libertos e homens li-
vres de cor podem ser proprietários de plantações e de escravos, mas são sub-
metidos a uma estrita disc riminação: em 1789, os colonos recusam-lhes os
direitos políticos.
Num panfleto surgido em 1814, Vastey, secretário do rei Christophe
(Henrique l, imortalizado pela peça de teatro de Aimé Cesaire), enumera os
suplícios infligidos pelos colonos aos ~cravos , particularmente quando da sua
insurreição: escravos queimados vivos ou empalados, membros serrados, lín-
gua, orelhas, dentes, lábios cortados ou arrancados, pendurados de cabeça
para baixo, afogados, crucificados em pranchas, enterrados vivos, presos em
fomügueiros, atirados vivos em caldeiras de açúcar, precipitados encosta abaixo
dentro de tonéis forrados de pregos, enfim, oferecidos vivos à fúri a de cães
criados para este fim. 16 Rochambeau filho, comandante, após a morte do ge-
neral Leclerc, do corpo expedicionário enviado por Bonaparte para recon-
quistar S. Domingos e aí restabelecer a escravatura, tinha mandado comprar
em Cuba cães especialmente criados para isso.
A5 ORIGENS DO CAPITALISMO 37

Não é preciso dizer que o exemplo dado aqui das colônias francesas sobre
o tratamento dos escravos pode ser estendido ao conjunto das outras colônias.

O tráfico e a escravatura no século XIX

A proibição do tráfico, apesar da repressão de esquadras britânicas, não


foi aplicada e só por volta de 1860 é que o tráfico terá fim.
Após um "grande medo" dos escravagistas devido à insurreição dos escra-
vos na parte francesa de S. Domingos, que levou, em 1804, à independência
da república negra do Haiti, a primeira metade do século XIX conheceu o
novo surto da agricultura escravagista americana, desta vez não no quadro do
mercantilismo, mas do mercado dominado pelo capitalismo moderno, indus-
trial: expansão, no Sul dos Estados Unidos, da plantação de algodão, para
fornecer matéria-prima às fábricas inglesas de Manchester e regiões
circundantes; expansão da escravidão em Cuba (para a produção açucareira)
e no Brasil (açúcar e cacau) para consumo europeu. A escravidão só será
abolida em 1833 nas colônias inglesas, em 1848 nas colônias francesas, em
1866 nos Estados Unidos (após a derrota dos sulistas na Guerra da Secessão),
em 1886 em Cuba (colônia espanhola) e em 1888 no Brasil.
Proibido no Atlântico, o tráfico vai conhecer um novo desenvolvimento
no século XIX na África Oriental, especialmente no Sudão (dependência do
Egito) e no sultanato de Zanzibar, criado pelos árabes de Omã, e que, a partir
das ilhas de Zanzibar e de Peroba, controlava toda a costa do oceano Índico,
da Somália a Moçambique.11
Este tráfico "árabe" foi por vezes avançado como tentativa de "descul-
pabilizar" o tráfico europeu, sob o argumento "não éramos nós os únicos". O
problema é que este tráfico "árabe" teve por motor a procura do mercado
capitalista europeu.
Com efeito, este tinha como objetivo principal a procura de marfim: atra-
vés do massacre dos elefantes, mas sobretudo pela pilhagem dos "tesouros"
em chifres de elefantes acumulados pelas chefias da África Central. Partindo
do Nilo ou de Zanzibar, as expedições de pilhagem destruíam aldeias, massa-
cravam ou reduziam à escravidão as populações, sendo os capturados destina-
dos a desempenhar o papel de carregadores, para transportar o marfim. A
escravidão constituía uma espécie de "subproduto" da pilhagem de marfim: os
escravos que sobreviviam eram vendidos no Oriente Médio, onde a escravi-

L _
38 O LIVRO NEGRO DO CAPITAL! MO

dão doméstica subsistia, ou utilizado como mão-de -obra n as plan ta ções de


cravo-da-índia de Zanzibar, principal fo rnecedor do mercado mundial desta
especiaria controlado pelos britâ nicos.
O merc ado europeu era efetivamente cliente de marfim, solicitado para o
consumo das classe ab;:madas: bolas de bilhar, teclas de piano, cabos de facas
para a cutelaria de Sheffield. Pode-se avaliar o número de escravos exporta-
dos para a Ásia, pe lo oc.eano Índico, n o século XIX, em 400.000; 16 e o dos
escravos "produzidos" pdo tráfico sudanês em 750.000 (ficando entre 10% e
30 % as "perdas" durante o transport.e , e uma proporção não calculada de
perdas no mome nto da captura) . 19

A rota das Índias e a colonização asiática

Enquanto os espanhóis, após julgarem ter atingido as Índias pelo oeste,


colonizavam a América, os portugueses exploravam e abriam, aproximada-
mente ao mesmo tempo, a rota do Oriente, contornando pelo sul o continen·
te africano. Vasco da Gama atin gi u a Índia (a verdadeira} em 1498.
A colonização oriental será inicialmente um feito dos portugueses, se ·
guindo o princípio do monopólio real, e depois dos holandeses, dos ingleses,
dos fran ceses, vindos no seu rastro.
Salvo exceções, e pelo menos até a segunda metade do século XVIII, as
possessões terri toriais dos colonizadores limitam-se a feitorias costeiras. Os
europeus vão buscar na !ndia, e também na Indonésia, na China e no Japão,
produtos de luxo: especi.arias (pime nta, canela, noz-moscada etc.) e os produ-
tos do artesanato ori ental (têxteis de luxo: musselinas, caxemíras, "indianas"
- tecidos de algodão pintados - , sedas, lacas e porcelanas da China).
Impossível propor em troca artigos man ufaturados europeus: os asiáticos
fazem melhor e mau bara to. Há que se resignar a pagar as compras em prata.
É a prata americana que paga as compras do comércio asiático. Do século XVI
ao século xvm, um terço, ou talvez mesmo metade, da prata fornecida pela
América foi absorvido pela China.w Esta controla C!i tri ta mente as suas entra·
das e só os portugueses puderam estabelecer uma feitoria, em Macau. Quanto
ao Japão, fechou-se em 1638 ao comércio europeu, com a exceção de um
acesso limitado e controlado no porto de Nagasaki, reservado unicamente aos
holandeses.
Todavia, a partir do século XVll, os holandeses, para assegurar o monopó·
AS ORIGENS DO CAPITALISMO 39

lio das especiarias, tomam o controle, diretamente ou através de soberanos


locais interpostos, das Malucas, mais tarde de Java, onde estabelecem a capi·
tal do seu império comercial, Batavia {atualmente Jacarta).
Ao longo do século XVIII, franceses e ingleses empreendem a consolida-
ção dos seus entrepostos através de uma investida territorial; a tentativa fran-
cesa de Dupleix, considerada uma iniciativa pessoal e não reconhecida pela
Companhia Francesa das Índias Orientais, é abandonada em seguida à derro·
ta francesa na Guerra dos Sete Anos (1763). A Companhia Inglesa das Índias
Orientais toma seu lugar. A vitória de Plassey (1757) resulta no controle da
Companhia sobre Bengala. O estilo de colonização e de relações comerciais
mudará radicalmente a partir de então. No comércio, a Companhia acrescen-
ta como fonte de lucros a exploração fiscal dos territórios conquistados. Co-
meça então o "repatriamento" da prata e de outras riquezas acumuladas na
Índia. Na virada do século XVII1 para o século XIX, tem início o movimento
que transformará a Índia de fornecedor de produtos manufaturados e de luxo
em fornecedor de matérias-primas para a indústria britânica (algodão, juta) e
em comprador de produtos manufaturados da indústria inglesa, com canse·
qüente declínio da ruína do artesanato tradicional.
No caso da China, é ainda mais tarde, no início do século XIX, que se dá
a reviravolta: para pagar as compras de produtos chineses (sedas, chá), a prata
é progressivamente substituída pelo ópio importado para a China pela Com-
panhia das Índias. É aproximadamente por volta de 1820 que a balança se
desequilibra em desvantagem para a China. A "guerra do ópio" (1839-1842)
imporá à China a abertura de cinco portos, a entrega de Hong Kong e, sobre·
tudo, a importação de ópio que o governo chinês tentara proibir. Retomando
as palavras de Braudel: "Eis que a China paga em fumaça, e que fumaça!". 21

Que conseqüências para os povos?

No caso das Índias holandesas (a Indonésia), a história da administra·


ção colonial dos holandeses "descreve um quadro de assassinatos, de trai·
ções, de corrupção e de baixarias que jamais será igualado". 22 O autor desta
análise é o governador que os ingleses nomearam para lá quando da sua
ocupação, durante as guerras napoleônicas. Pilhagem, escravização, extor·
são, todos os meios servem para assegurar à Companhia Holandesa das Ín·
dias Orientais, que explora a Indonésia até finais do século XVIII, um lucro
O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

recorde. O Estado, no século XIX, fará ainda melhor: a partir de 1830, o


governador Van den Bosch instaura o "sistema" que será designado pelo seu
nome - culturas forçadas, trabalhos forçados. Os camponeses devem for-
necer um quinto das suas melhores terras, um quinto do seu tempo de tra·
balho, para fornecer gratuitamente produtos de exportação. Culturas força·
das e trabalho forçado irão muitas vezes além dos limites oficiais: chegou-se
a exigir um terço, ou mesmo metade das terras, e, em tempo de trabalho, de
66 a 240 dias por ano.13 Paralelamente, o imposto fundiário dobra. Mais
tarde, o estabelecimento de plantações (tabaco, palmeiras etc.) conduzirá
ao recrutamento de mão-de-obra "contratual", na verdade trabalhadores
forçados tratados pior do que escravos.
Na Índia, os ingleses vão encontrar o apoio de certas camadas sociais -
particularmente comerciantes e banqueiros - que vão constituir-se em in·
termediários do comércio britânico. Em 1793, através de um simples regula·
mento, a administração da Companhia das Índias fez dos "zamindars", que no
Império Moghol eram os rendeiros do imposto, grandes proprietários rurais,
"landlords" à moda britânica, em territórios onde eram encarregados de rece·
ber o imposto, enquanto os camponeses ficavam reduzidos à condição de fa.
zendeiros precários.
Alguns monopólios do sal, do ópio, do bétele e de outros produtos foram
concedidos a altos empregados da companhia, que fizeram fortuna rápido.
Mas o pior estava por vir, com a destruição do artesanato: o equilíbrio
econômico da Índia baseava-se na associação da agricultura com o artesanato
(têxtil principalmente).
De 1814 a 1835, as importações de "indianas" para a Grã-Bretanha dimi·
nuem três quartos; em sentido inverso, as importações de artigos em algodão
da indústria britânica para a fndia são multiplicadas por 501
Os artesãos arruinados tiveram de se dedicar ao trabalho na terra, já so·
brecarregado, e um governador-geral das Índias foi capaz de dizer que as ossadas
dos tecelões tomavam mais brancas as planícies da Índia.
As. fomes periódicas tomaram-se uma característica da Índia: 18 surtos
de fome, de 1875 a 1900, fizeram 26 milhões de mortos. 21 Haveria outros no
século XX (o de Bengala, em 1943, fará 3 a 4 milhões de mortos).
No caso da China, a primeira guerra do ópio será seguida de outras inter·
venções militares européias destinadas a impor a lei das grandes potências
capitalistas, que atribuirão a si mesmas "concessões" portuárias. Desde 1842,
impõem à China o limite de 5% das taxas alfandegárias sobre as mercadorias
AS ORIGENS DO CAPITALISMO 41

estrangeiras importadas. Veremos um deslocamento dos circuitos econômicos


tradicionais, a um agravamento da miséria que conduzirá a insurreições dos
camponeses, das quais a mais célebre foi a dos Tai-Pings (1851-1864).
Podemos resumir com Marx: "A descoberta das regiões do ouro e da prata
da América, a redução dos indígenas à escravidão, o seu aprisionamento nas
minas ou o seu extermínio, os começos de conquista e de pilhagem nas Índias
Orientais, a transformação da África numa espécie de reserva comercial para
a caça aos peles-negras, eis os processos idílicos de acumulação primitiva que
assinalam a era capitalista na sua aurora."25

A Europa do Leste e a "segunda servidão"

A criação de um estado de dependência e de exploração através do mer-


cado mundial da América, da Ásia e da África afetou igualmente o Oriente
Médio e a Europa Oriental. O Império Otomano é progressivamente penetra·
do pelo comércio ocidental e, a partir do século XVI, os franceses, seguidos
pelos ingleses, beneficiam-se para os seus entrepostos, as "escalas do Levan-
te", da extraterritorialidade.
Na Europa do Leste (gmsso modo, a leste do Elba), a aristocracia local,
para adquirir para si os produtos de luxo da Europa Ocidental (roupas, mobi-
liário, vinhos etc.), intensificou a exploração da classe camponesa, apoderan-
do-se da terra e generalizando a servidão.
É aquilo que os historiadores chamam a "segunda servidão", que se de-
senvolve na Europa do Leste (Rússia, Polônia, Prússia) no mesmo momento
em que a servidão desaparece da Europa Ocidental. Conhecerá o seu apo-
geu na Rússia, nos finais do século XVIII, sob o reinado de Catarina II, e
assumirá formas semelhantes à escravatura pura e simples. Tornará possível
este pequeno anúncio num jornal de São Petersburgo: "Vende-se um cabe-
leireiro e uma vaca de boa raça." Esta exploração reforçada do camponês
permite aos grandes proprietários fazer dinheiro exportando maciçamente
alimentos e matérias-primas para a Europa Ocidental: cereais, linho, ma-
deira etc. As cidades marítimas da Hansa (alemãs e bálticas), mais tarde os
holandeses, por fim os ingleses, serão os intermediários e os beneficiários
deste comércio.
42 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

Capital mercantil e capital financeiro (usurário). Do


mercantilismo ao liberalismo
O sistema colonial dos séculos XVI-XVIII baseia-se no monopólio: mo-
nopólio real no início, nos casos de Espanha e Portugal, depois monopólio de
companhias privilegiadas, como as diversas companhias das Índias (holandesa,
inglesa, francesa).
A doutrina em matéria de comércio externo é o mercantilismo, pregado
por Colbert: considera-se o enriquecimento do rei (e do reino) ligado à aqui-
sição do máximo de recursos monetários; daí ser necessário importar o míni·
mo e exportar o máximo. Daí urna política alfandegária protecionista.
A concorrência entre nações comerciantes assumirá freqüentemente um
caráter violento: pirataria (guerra de "trajeto") e exações de todo o gênero.
Acabará por desembocar muitas vezes em guerras: nas guerras dos séculos
XVII e XVIII, além das rivalidades dinásticas, as motivações econômicas as-
sumem grande importância; assim é na guerra conduzida pela Holanda (as
"Províncias Unidas"), contra a Espanha, nas guerras anglo-holandesa e fran·
co-holandesa do século XVII, na guerra de sucessão de Espanha, na Guerra
dos Sete Anos, no conflito anglo-francês sob a Revolução e o Império.
O advento do capitalismo industrial faz-se acompanhar da promoção da
ideologia "liberal". O capitalismo industrial entra em conflito com as institui·
ções anteriores: crítica aos monopólios, aos regulamentos corporativos, ao
"exclusivismo" colonial (regra que vetava às colônias o comércio com nações
estrangeiras e a produção de artigos manufaturados cujo abastecimento devia
ser reservado à metrópole), crítica ao protecionismo, ao tráfico e à escravatura.
Todavia, essa ideologia liberal tem uma geometria variável: triunfa na ln·
glaterra do século XIX, com a abolição, em 1846, das leis protecionistas sobre
o trigo, que atendiam aos interesses dos "landlords" mas incomodavam os
industriais, aumentando o preço do pão e o nível dos salários. Mas, em con-
tradição com os princípios da "livre troca", a mesma Inglaterra impõe à Índia
uma política alfandegária discriminatória, penalizando as exportações india·
nas de artigos manufaturados e encorajando as importações de produtos in·
dustriais britânicos. Combate o tráfico com a sua esquadra de vigilância atlân·
tica, mas apóia os sulistas escravagistas, seus fornecedores de algodão, durante
a Guerra da Secessão ... Os Estados Unidos e a Alemanha realizarão a sua
industrialização ao abrigo de urna política protecionista, e o fim do século XIX
verá o triunfo, inclusive na Inglaterra, do protecionismo imperial.
AS ORIGENS DO CAPITALISMO 43

Do século XVI ao século XVIII, o comércio colonial alimentou o capital


financeiro (usurário): com efeito, a banca nesta época não pratica os investi-
mentos produtivos, mas empresta aos Estados, aos soberanos, e quem paga
são os indivíduos, submetidos às obrigações fiscais, ou seja, em última análise,
sobretudo os camponeses.
Os centros financeiros são sucessivamente Gênova, que troca a prata do
rei de Espanha pelas moedas de ouro necessárias ao pagamento dos seus mer-
cenários, mas que acabará por ser vítima da bancarrota do Estado espanhol;
em seguida, o comércio dos produtos coloniais e centralizado em Antuérpia,
que é, até 1575, a primeira praça financeira da Europa; a insurreição dos ho-
landeses contra o rei de Espanha irá arruiná-la, fazendo passar para Amsterdã
o centro do grande comércio e das finanças; no século XVIII, esta função
passa para Londres.
No comércio colonial, os Estados monárquicos e, é claro, os Estados bur-
gueses, como os Países Baixos, estão ligados pelos seus interesses à burguesia
mercantil e financeira. A política colonial é conduzida com os instrumentos
do Estado.
Esta associação, por vezes conflituosa, manifesta-se também pelo desen-
volvimento da dívida pública e da fiscalização, que contribuem poderosamente
para a exploração e pauperização do camponês e constituem uma das alavan-
cas da acumulação primitiva.
Os soberanos, para obterem imediatamente o dinheiro de que necessitam
e evitarem encargos e demoras na cobrança dos impostos, transferem para
agentes financeiros a cobrança de certos impostos, segundo uma prática que
remonta à Antigüidade. O que farão na França os "fermíers généraux",* que
fornecem imediatamente ao rei o dinheiro de que este necessita e são remu-
nerados cobrando para si certas taxas, com uma margem de lucro que chega
por vezes a atingir os 100% e nunca é inferior a 30% (margem notoriamente
usurária). Por outro lado, os Estados fazem empréstimos, primeiro aos ban-
queiros, depois diretamente ao público.
Francisco 1 lança em 1522 o primeiro empréstimo público de Estado, pe-
dindo aos burgueses de Paris que lhe emprestem 200.000 libras, mediante
juros. São as primeiras "rendas da Câmara", garantidas pelos rendimentos
provenientes de alguns impostos municipais. ''A dívida pública opera como
um dos agentes mais enérgicos da acumulação primitiva." 26 Este método de

• Arrccadndores dos impostos régios, sob o Antigo Regime. (N. do T.)


44 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

pilhagem dos recursos do Estado em benefício dos ricos floresce atualmente


mais do que nunca (os empréstimos Pinay e Giscard servem como ilustração
contemporânea).
Sistema colonial, exações fiscais, dívida pública, pauperização e expropri·
ação dos camponeses preparam, de diversos modos, a instauração do capita·
!ismo industrial.
Todos esses meios não são, no entanto, suficientes de início para fornecer
a mão-de-obra de que o capitalismo industrial nascente precisa. Recorrer-se·
á, na Inglaterra, às crianças das "workhouses".
O Lancashire, para as suas fiações e tecelagens, tinha necessidade de "de·
dos pequenos e ágeis".
"Em breve nasceria o costume de procurar os chamados 'aprendizes' das
'workhouses', pertencentes às diversas paróquias de Londres, de Birmingham
e de outras localidades. Milhares destes pequenos condenados ao abandono,
de sete a quatorze anos, foram assim enviados para o Norte. O patrão (o
ladrão de crianças) encarregava-se de vestir, alimentar e alojar estes aprendi·
zes numa casa ad hoc situada na proximidade da fábrica. Durante o trabalho,
ficavam sob os olhos dos vigilantes. Era do interesse destes capatazes fazer
estas crianças esfalfarem-se além das suas forças, pois, de acordo a quantidade
de produtos que conseguissem extrair-lhes, o seu próprio pagamento aumen·
tava ou diminuía. Os maus-traros foram, claro, a conseqüência natural... Em
muitos distritos manufatureiros, principalmente Lancashire, estes seres ino·
centes, sem amigos nem apoio, entregues aos donos das fábricas, foram sub·
metidos às mais atrozes torturas. Esgotados pelo excesso de trabalho ... foram
chicoteados, acorrentados, atormentados com os mais elaborados refinamen-
tos. Muitas vezes, quando a fome apertava demais, o chicote mantinha-os no
trabalho. "27
Práticas que o "liberalismo" contemporâneo estendeu a dezenas de mi·
lhões de crianças, no Brasil, no Paquistão, na Tailândia e em outros lugares.
Assim veio ao mundo o capital triunfante, "suando sangue e lama por
todos os poros" .26

Jean Suret-Canale, ex-combatente voluntário da Resistência, resistente, militante clandestino


das juventudes comunistas de 1939 a 1944, ex-membro do comitê central do Partido Comu-
nista francês, é conferencista honorário na Universidade de Paris VII. Geógrafo e historiadm
é autor de uma dezena de obras sobre a África Negra e o Terceiro Mundo. '
AS ORIGENS DO CAPITALISMO 45

Notas:

!. Le Capiral : livro 1, volume III, Paris, Éditions Sociales, 1950, p. 153.


2. Ibidem, p. 153. Adolphe Thlers: De la propriété, Paris, 1848.
3. Dr. Alexis Carrel: t Homme, cet inconnu, Paris, Plon, 1935.
4. Karl Marx, L. C., p. 164.
5. Karl Mane, L. C., pp. 153-225.
6. Paris, Armand Colin, 3 volumes , 544, 600 e 608 p.
7. Cf. J.-Suret Canale: Braudel vu par Pierre Daix, La Pensée, n2 307, 32 trimestre 1996, pp.
160-161.
8. Karl Polanyi: Primitive, Arcluüc and Modem Economies (Ed. George Dalton), Boston, Beacon
Press, 1968.
9. Karl Marx, L. C., p. 175.
10. Ibidem, p. 177.
1!. Para uma visão de conjunto: Serge Daget: La traire eles Noirs, Éditions Ouest-France
Université, 1990, 300 p. Para pormenores: De la Traire à l'esclavage (Acies du colloque
intemational de Nantes, 1985), Paris, 1988, 2 volumes, XXXII-551e733 p.
12. R. P. Dieudonné Rinchon: La traite et l'esclavage des Congolais par les Européens, Paris,
Vanelsche, 1929, pp. 97-98.
13. Gaston Martin: Hisroire de l'esclavage dans les colonies françaises, Paris, P.U.F., 1949, pp.
124-125.
14. Le Code Noir... Paris , Prault, lmprimeur-libraire, 1767. Reprodução em fac-s(mile: Basse-
Terre, Société d'histoire de la Guadeloupe; Fort-de-France, Société d'hiscoire de la
Martiniq ue, 1980.
15. Rapport Garran-Coulon, Paris, lmprimerie nationale, ano V, volume!, p. 25.
16. Notes à M. le Baron Malouet, Minisrre de la Marine et eles Colonies ... Au Cap Henry, P. Roux,
imprimeur du Roi, octobre 1814, pp. 11-12.
17. V Abdul Sheriff: Slaves, Spices and lvory in Zanzibar. lntegration of an East African commercial
Empire into the World Economy (1170-1873), Ohio University Press, 1987, 320 p. et G.
Clarence-Smith (org.): The Economies of the lndian Ocean. Slave Trade in the Nineteenth
Century, London, F. Cass, 1989.
18. François Renault: "Problemes de recherche sur la traite transsaharienne et orientale en
Afrique" in De la Traite à l'esclavage, recuei! cicé, volume 1, pp. 37-53.
19. Gérard Prunier: La traite soudanaise (1820-1885); ibidem, volume 2, pp. 521-535.
20. F. Braudel, op. cit., tome 2, p. 169.
21. F. Braudel, ibidem, p. 191.
22. Thomas Stanford Raffles: The History ofJava and ics dependencies, Londres, 1818, citado
por Marx, L. C., p. 194.
23. Charles Robequain: Le monde malais, Paris, Payot, 1946, p. 351.
24. J. Chesneaux: tAsie orienta/e au X/Xe et XXe si~cles, Paris, P.U.F., 1966, p. 189. O consu-
mo médio de arroz por habitante e por dia teria diminuído para cerca de metade entre
1866 e 1936-1942, passando de 800 gramas a 400-480 gramas. Greenough: Prosperity and
Misery in Modem Bengal, Nova York, Oxford University Press, 1982, pp. 19-80.
25. Karl Marx, L. C., p. 193.
26. Karl Marx, L. C., p. 196.
27. John Fielden, Tlie Curse of the Fatory System, Londres, 1836. Citado por Karl Marx, L. C.,
p. 200.
28. Karl Marx, L. C., p. 202.

ECONOMIA SERVIL E CAPITALISMO:
UM BALANÇO QUANTIFICÁVEL
PHILIPPE PARAIRE
Na sua 118ª Carta Persa, Montesquieu observa, em 1721, que as costas da
África "devem estar furiosamente desguarnecidas; há duzentos anos que os
pequenos reis ou os chefes das aldeias vendem os seus súditos aos príncipes da
Europa para os levarem para suas colônias na América". Numa obra posterior,
O espírito das leis (1748), ele ironiza a preguiça dos povos da Europa, que,
"tendo exterminado os da América, tiveram que escravizar os da África, ser·
vindo-se deles para desbravar tantas terras". Na mesma obra (XV, 5), chama
a atenção para a dimensão econômica do problema: "O açúcar seria muito
caro se não fizéssemos trabalhar a planta que o produz através de escravos."
Onze anos mais tarde, Voltaire explica em Cândido (cap. XIX), pela boca de
um escravo mutilado: "É a este preço que vocês comem açúcar na Europa" ...
Está tudo dito, em poucas palavras: a riqueza da Europa conquistadora,
berço do capitalismo, foi construída sobre a exploração e o extermínio dos
ameríndios, cuja população caiu, em três séculos, de 40 para 20 milhões de
pessoas (em certos casos com uma extinção total, como nas Bahamas e nas
Grandes Antilhas, assim como na costa Leste da América do Norte), e sobre
a dos povos costeiros da África Ocidental, que perderam 20 milhões de pesso-
as (dez milhões de mortos e dez milhões de deportados) em três séculos de
tráfico, ou seja, de 1510 a 1850, aproximadamente. As receitas da economia
servil, que representavam para as grandes potências européias mais de meta-
de dos lucros de exportação em 1800, custaram a vida de mais de trinta mi-
lhões de seres humanos.
As Américas tinham quarenta milhões de homens no momento da inva-
são européia: mais de cinco milhões na América do Norte (Canadá e Estados
Unidos), o resto, em partes iguais, na América Central (principalmente no
México) e na América do Sul, nas regiões andinas, nas florestas equatoriais e
nos pampas austrais.
Ficamos estupefatos com os recenseamentos mais recentes: os Estados
Unidos têm menos de 2 milhões de índios! Se a demografia natural tivesse
podido atuar (por exemplo, como na Europa durante os três últimos séculos),
os ameríndios dos Estados Unidos deveriam ser pelo menos uns trinta mi-
lhões. O que se passou no Peru e na Colômbia, no Chile ou na Argentina,
onde os índios, como no México, são apenas a maioria, quando na verdade
50 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

deveriam constituir, se não tivesse havido um genocídio, 90% da população


geral? E isto independentemente das mestiçagens e outras "assimilações" que
alguns crêem poder utilizar para confundir os números.
O caso dos ameríndios resume-se, pois, a uma sinistra contabilidade: pelo
menos vinte milhões de pessoas foram sacrificadas ao deus lucro de forma
direta, pelo massacre, pela miséria, pelas deportações e espoliações. Faltam os
detalhes. O quadro geral é, todavia, terrivelmente edificante: insubmissos,
obstinados, diabolicamente alérgicos ao trabalho forçado que os colonos lhes
impunham, os ameríndios, declarados estrangeiros na sua própria terra, foram
atirados para o nada pelos imigrantes europeus. Para sua infelicidade, a África
foi, por sua vez, sacrificada no altar da "missão civilizadora" do capitalismo
europeu para "desbravar tanras terras".

O desmoronamento da África

Nem Montesquieu nem Voltaire tinham capacidade para tentar, mas esta
contagem macabra nós agora podemos fazer e transportá-Ia para o passivo de
um sistema econômico fundado na transformação em capital da mais-valia
extorquida a trabalhadores forçados, os escravos. Duzentos e cinqüenta anos
depois dos humanistas do Século das Luzes, temos tudo o que é preciso para
avaliar a barbárie do capitalismo nascente: os livros de bordo dos armadores,
as prestações de comas dos capitães, os diários dos viajantes, os relatórios de
serviço das polícias de segurança marítima, os planos e o número dos navios,
os extratos da contabilidade dos negreiros enriquecidos, os livros dos libertos,
as liquidações de heranças, o valor das moedas, os balanços contabilizados do
comércio triangular, os relatórios dos médicos de bordo, os prêmios pagos aos
caçadores de escravos fugitivos, os relatórios de linchamentos, as minutas dos
processos e as descrições das execuções.
Nenhum historiador sério contesta esta contagem. Nenhum investigador,
nos nossos dias, procura minimizar a extensão da catástrofe que foi para Áfri·
ca o seu encontro com o capitalismo balbuciante das metrópoles da Europa
que só conseguiu atingir a maturidade graças aos extraordinários lucros gera•
dos pela invasão de um continente - a América - e proporcionados por
populações arrancadas a um ourro, a África.
Em números redondos, dez milhões de deportados africanos atingiram o
Novo Mundo entre 1510 e 1860. Mais de dois milhões pereceram durante a
ECONOMIA SERVIL ECAPITALJSMO: UM BALANÇO QUANTIFICÁVEL 51

travessia. Oito milhões desapareceram entre o local da sua captura na África


e os entrepostos costeiros, onde os sobreviventes destes ataques foram embar-
cados. Chegamos, pois, a um mínimo de vinte milhões de pessoas retiradas da
população africana.
Na época forte do tráfico, de 1650 a 1850, a deportação atinge 100.000
africanos por ano. Antes, de 150() a 1650, o ritmo era menos acelerado: de
15.000 a 40.000 pessoas embarcadas por ano; mas o período mais terrível para
a África coincide com a expansão da cultura algodoeira nos Estados Unidos,
entre 1800 e 1850; o número eleva-se a 120.000 pessoas deslocadas anual-
mente.
É evidente que não se pode ferir assim um continente sem conseqüências
dramáticas: antes de mais nada, no plano estatístico do estrito capítulo de
"perdas e ganhos" demográfico, é preciso assinalar o declínio regular do peso
da África na população mundial: em 1600, ela representava 30% do conjunto
dos seres humanos. O número cai para 20% em 1800. A queda prossegue até
1900, data na qual só 10% da humanidade vive na África. A costa Oeste, do
Senegal a Angola, é evidentemente a mais afetada. As florestas costeiras e as
savanas são literalmente raspadas pelos reizinhos africanos que, com os seus
exércitos, capturam e conduzem os prisioneiros para as zonas de troca. Nestes
setores, a população masculina declina: entre a Mauritânia e o Senegal, 20%
da população total foi deportada em três séculos e o déficit demográfico nas
costas da Guiné, do golfo de Benim, de Camarões e de Angola é tal que, na
maioria das regiões do Sahel e até às florestas do Congo, atingem-se
desequilíbrios terríveis: cerca de 50 homens para 100 mulheres em Benim, 70
homens para 100 mulheres em Biafra, menos de 50 homens para 100 mulhe-
res no Congo, no Shaba, em Angola. Mais ao norte, entre a África Central e
o Mali, na Costa do Marfim e até na Gâmbia, existem cerca de 6 homens para
10 mulheres. O declínio contínuo da população da África Ocidental ao longo
deste período explica-se por uma retirada anual (em três séculos) de três ha-
bitantes em mil, em média. Isto pode parecer inconseqüente, mas é preciso
que se saiba que isso perfaz 3% em dez anos e 30% em cem anos! Tendo em
conta as variações regionais e as flutuações no tempo, os especialistas estão de
acordo com um mínimo de 15% da população deportada entre 1700 e 1850.
De fato, durante o mesmo período, não é possível determinar nenhuma
progressão da população geral da África (enquanto, na mesma época, a Euro-
pa exporta o seu excedente para o Novo Mundo e dispõe-se a povoar o mun-
do inteiro).
52 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

O impacto econômico é de uma violência inaudita: reinos que cunhavam


moeda são atirados para o estado tribal, federações de tribos deslocam-se em
comunidades errantes, impérios constituídos são pulverizados, as cidades são
abandonadas, os campos deixados ao abandono por falta de agricultores. A
insegurança geral bloqueia o comércio, as trocas intracontinentais retomam
ao plano regional. Urna longa estagnação econômica acompanha a queda
demográfica.
Uma economia de banditismo e de razia faz regredir o gosto pelo trabalho.
Toma-se mais fácil enriquecer, ou simplesmente sobreviver, raptando o filho
do vizinho do que cultivando o seu campo. Paralelamente, as conseqüências
ideológicas e políticas agravam a estagnação do continente: os reis negreiros
impõem pela violência ditaduras pessoais contrárias à democracia aldeã tradi-
cional. A discussão dá lugar à submissão, o pagamento de um tributo em cati-
vos substitui a diplomacia. No centro desta decadência coletiva, a situação
das mulheres (transformadas em excedente pela deportação dos homens) de-
teriora-se notavelmente: assiste-se à constituição de gigantescos haréns, for-
mados por mulheres compradas, por viúvas e jovens vendidas, que já não
podem casar e inúteis. Com cativos demasiado para serem comprados pelos
europeus e velhos em excesso, alimenta-se uma abundante reserva destinada
aos sacrifícios humanos, cuja prática conhece um sinistro crescimento acele-
rado na África a partir do século XVII.
Lentamente, o continente mergulha numa barbárie que nunca tinha co-
nhecido: o tráfico dos escravos durante a Idade Média africana nunca tinha
passado de um fato excepcional ou mesmo marginal. O islã, no Sahel, não
tinha conseguido impor a poligamia. Os sacrifícios humanos eram raros e li-
mitados a ocasiões estritamente definidas.
Na mesma época, o "mercado africano" conhece uma verdadeira inver-
são estrutural: antes da chegada dos europeus, a África Negra vivia em torno
do que era chamado o "mar saariano": o deserto central, percorrido por cara-
vanas como navios de porto em porto, servia de pólo econômico - troca
entre a costa Oeste e o Sudão oriental, comércio com as civilizações islâmicas
do Magreb. Em contrapartida, o oceano, bordejado por florestas espessas, ser-
via de limite, não oferecendo qualquer interesse econômico real.
Ora, subitamente, a construção dos entrepostos pelas potências européias
revirou a economia africana como uma meia, para o exterior. Em menos de
um século, os povos prósperos das savanas arborizadas tomaram-se um arma-
zém de escravos e os reinos belicosos das florestas costeiras tomaram o con-
ECONOMIA SERVIL ECAPITALISMO: UM BALANÇO QUANTIFICÁVEL 53

trole, criando verdadeiros impérios "de economia negreira", cuja única ativi-
dade era a penetração nas zonas pacíficas, as razias, as capturas, o enca-
minhamento e a venda dos prisioneiros.
A relativa prosperidade, devida ao crescimento econômico da África Oci-
dental (sensível desde o século XII), não conseguiu sobreviver a tais choques.
Em 1800, o continente inteiro tinha regredido um milênio.

A contribuição da economia seroil para a "acumulação primitiva"

Parece inconcebível que vinte milhões de homens, mulheres e crianças


tenham sido arrancados de seu lar e sua terra para responder a um problema
de produtividade: tendo em conta os riscos do comércio transatlântico, era
preciso reduzir a massa salarial a zero para se obter um lucro satisfatório. Des-
te modo, o cálculo do custo da produção do café, do cacau, do açúcar e do
algodão só podia ser favorável anulando os salários, a fim de extorquir uma
mais-valia máxima; o trabalhador escravo, cujo custo total se limitava ao seu
preço de venda e à alimentação estritamente necessária, constituía assim uma
espécie de mina viva: produzindo entre cinco e dez vezes mais a mais-valia de
um assalariado da Europa, o escravo conrribuía para o enriquecimento dos
colonos brancos, dos negreiros e dos comerciantes da metrópole.
Em finais do século XVII, a população servil nos Estados Unidos numeri-
camente igual à dos imigrantes brancos, produzia 80% do produto nacional
bruto da colônia americana. Vemos, assim, que ela conrribuiu para a riqueza
coletiva (pois não retirava dela qualquer benefício) de uma maneira tão es-
magadora que quando atingiu, por volta de 1800, dois terços da população
geral, os brancos americanos tinham praticamente abandonado as funções
produtivas para se limitarem às tarefas bem remuneradas do comércio com a
Europa. Só no final do século é que os imigrantes brancos europeus, em ondas
sucessivas, suplantavam a população originária da África e asseguraram pela
primeira vez uma parte significativa e mais tarde majoritária da produção in-
terna bruta (sem, todavia, participar majoritariamente na partilha do rendi-
mento interno bruto, devido à exploração salarial de que eram vítimas os
recém-chegados alemães, poloneses, russos, italianos e irlandeses).
Os negreiros, simples fidalgos e aventureiros sem escrúpulos no início do
século XVI, não foram capazes de transportar mais do que uma dezena de
milhares de cativos por ano, destinada à colônia britânica do Norte, às Anti-
54 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

lhas francesas e espanholas e ao Brasil, ocupado pelos portugueses. Permane-


cendo marginal até 1650, este comércio de rapina, sem dúvida lucrativo, não
constituía ainda uma fonte de rendimentos significativa. Fáceis de comprar, a
um preço de venda bastante baixo (entre 5 e 10 libras de 1650 por um homem
com boa saúde entre 15 e 30 anos de idade), os escravos morriam depressa e
eram também rapidamente substituídos; um ano de expectativa de vida no
Brasil e nas Antilhas, cerca de dois anos na Luisiana francesa. Cinco libras
representavam, em 1650, um quarto do rendimento mensal de um artesão
americano da costa Leste. Por exemplo, um século mais tarde, o mesmo escra·
vo trocava-se por uma espingarda usada e quatro barris de pólvora. Não era
coisa com que se fizesse fortuna ...
Para que a escravatura se tomasse o pilar principal do capitalismo euro·
peu nascente, e não simplesmente oportunidade para rendimentos subsidiári·
os para as economias feudais saídas da Idade Média, era necessária a conjun·
ção de vários elementos:

1. A construção ex nihi1o de um mercado fundado sobre uma procura de


produtos considerados raros e vendidos caro apesar de um baixo custo
de produção.
2. O estabelecimento de uma verdadeira circulação monetária em tomo
do comércio negreiro transatlântico e, para isso, a racionalização do
transporte.
3. A regulação conjunta do preço dos escravos e do custo da sua manu·
tenção.
4. O estabelecimento de preços convencionados para os produtos do tra·
balho servil, a organização do envio para a Europa da maior parte dos
lucros do investimento. Sem entravar o investimento, no plano local
das economias coloniais, do mírúmo necessário, a fim de evitar acu·
mulação improdutiva.

Estes elementos necessários a uma extorsão máxima da mais-valia produ·


zida pelos trabalhadores escravos do Novo Mundo só foram reunidos por vol·
ta de 1800. O boom econômico que se seguiu foi tal que podemos dizer, sem
hesitar, que o capitalismo europeu não teria conhecido o seu crescimento no
século XIX sem a contribuição decisiva da mão-de-obra escrava do Novo
Mundo.
Surgida no reinado de Luís XlY, a moda do "café da manhã à francesa"
ECONOMIA SERVIL ECAPITALISMO: UM BALANÇO QUANTIFICÁVEL 55

(café com leite ou cacau com açúcar de cana) tomou-se um fenômeno uni-
versal em toda a Europa a partir de 1750. Abandonaram-se subitamente as
tisanas adoçadas com mel, trocando-as pelo novo café da manhã, e isto inclu-
sive nas camadas mais baixas da população, até mesmo no campo.
A procura era tal que o Novo Mundo decuplicou a sua importação de
escravos e converteu-se às novas culturas destinadas a abastecer a Europa de
bebidas exóticas da moda: as Antilhas francesas abandonaram, por exemplo,
a cultura das especiarias e lançaram-se, por volta de 1700, à produção
açucareira, enquanto o Brasil se convertia ao café e por todo o lado se tentava
aclimatar o cacau, e mesmo o tabaco, este também transformado em moda na
corte da França. Criado este primeiro mercado, um outro o sucedeu quando,
pouco depois de 1800, um engenheiro americano descobriu um meio de cardar,
fiar e tecer o algodão. De repente, todo o Sul dos Estados Unidos se voltou
para esta cultura. A procura de escravos conheceu um aumento vertiginoso
em todas as zonas de produção: Cuba importou, entre 1800 e 1850, mais de
700.000 escravos suplementares, ligados à cultura da cana. O Sul dos Estados
Unidos mandou vir mais de 150.000 escravos por ano entre 1810 e 1830 para
o cotton belt. Longe do amadorismo inicial, nascia agora uma verdadeira "eco-
nomia capitalista servil".
A revenda da produção de café e de açúcar vinda da América repre-
sentava 50% das receitas de exportação da França em 1750.
No que se refere à circulação monetária e à transformação em capital das
mais-valias produzidas pela racionalização do transporte dos escravos, nume-
rosos indícios marcam o caráter absolutamente extraordinário dos lucros ge-
rados pelo trabalho escravo: o boom das cidades portuárias que se dedicavam
a este tráfico, o florescimento paralelo das companhias bancárias que viviam
deste comércio, a especialização de certos armadores, são um sinal claro da
capitalização na Europa dos lucros da exploração dos africanos deportados
para o Novo Mundo. Tomou-se comum dizer que Bordeaux, Nantes ou até
Lisboa devem os seus mais belos bairros, os seus mais belos monumentos, aos
capitais repatriados. Mas que dizer de Liverpool ou de Amsterdã, ou ainda de
Copenhague e Estocolmo?
Pois, se é verdade que só a Inglaterra transportou metade dos deportados
(ela interrompeu o tráfego em 1812) e os portugueses um quarto, pequenos
países como a Holanda e a Suécia devem seu crescimento econômico ao maná
negreiro (o rendimento per capita dos lucros do tráfico foi dez vezes mais ele-
vado nos países nórdicos do que na França, por exemplo). Os holandeses
56 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

tinham feito do transporte dos cativos, tal como os dinamarqueses e os sue-


cos, uma especialidade rentável: a adaptação de guarda-ventos, a lavagem
dos porões, o banho sistemático dos prisioneiros, melhores rações alimentares
e navios mais rápidos fizeram baixar a mortalidade para menos de 10% dos
cativos transportados, enquanto na mesma época, nos navios sórdidos dos
aventureiros franceses, portugueses e ingleses, ela podia atingir 50%, estabe-
lecendo-se geralmente em tomo de 30% de mortes.
A questão de saber se é de fato ao capitalismo nascente que se deve atri·
buir os dez milhões de mortes do tráfico transatlântico coloca-se tanto menos
que este comércio teve desde a origem a dimensão de um mercado bastante
organizado, estruturado por entidades regionais e mesmo internacionais, que
tentavam responder o melhor possível à demanda dos plantadores e dos im·
portadores europeus de bens exóticos.
Nunca houve uma "Bolsa dos Escravos", mas houve um conjunto de prá-
ticas comerciais absolutamente padronizadas, que podemos conhecer hoje em
dia através de numerosos documentos contabilizáveis. Comprados na África
por um sistema de troca pré-capitalista (um escravo por vinte litros de aguar·
dente em 1770, ou duas peças de tecido, ou dois chapéus e um colar de con·
chas), portanto pouco racional e aleatório, os cativos tinham um preço fixo ao
chegar à América, segundo a sua idade, o seu sexo, a sua saúde e de acordo
com as necessidades locais. A transformação dos lucros em investimentos, a
transferência das mais-valias para a Europa ou para as grandes cidades coloniais,
as subvenções do Estado aos armadores negreiros (Richelieu em 1635), as
taxas inglesas (desde 1661), a regulamentação das punições infligidas aos es·
cravos a fim de evitar taxas de mortalidade incompatíveis com a rentabilida·
de (Colbert em 1685), tudo isto indica que, desde o século XVII, a economia
escravagista do Novo Mundo constituía um pilar tão importante para a acu-
mulação primitiva capitalista quanto o movimento dos enclosures ou a funda·
ção dos bancos lombardos alguns séculos antes.
O rei da Espanha deu sinal verde aos barcos negreiros através de um de-
creto de 12 de janeiro de 1510. Os primeiros cativos africanos foram desem•
barcados em Hispaniola um ano mais tarde, em 1511. Ao fim de um século de
bricolage, ao longo do qual os elementos do capitalismo servil foram organiza·
dos, algumas cotas oficiais relativas aos produtos exóticos importados pela
Europa começaram a refletir o estado dos "mercados"; tendo mais de cem
entrepostos comerciais nas costas africanas chegado a um acordo sobre o pre·
ço núnimo da "madeira de ébano", como era designado o negro, o fator "aqui·
ECONOMIA SERVIL ECAPITALISMO: UM BALANÇO QUANTIFICÁVEL 57

sição" limitava-se à questão das despesas de transporte. Os cerca de quinze


portos entre o rio da Prata e a bafa de Nova York asseguravam o essencial da
recepção dos cativos; tendo eles também chegado a acordo, o preço médio de
venda de um escravo adulto em bom estado flutuava (em libra constante) de
cinco a vinte unidades de conta de 1800, ou seja, entre uma e duas vezes o
preço de um animal de tração, boi ou cavalo. Faltava regular o preço dos bens.
Tendo em conta os serviços prestados pelo escravo, foi, durante três sécu-
los, um excelente negócio para a rentabilidade dos investimentos nas Améri·
cas. Por um lado, a importância dos lucros do trabalho servil pôde medir-se na
relação particular de produtividade que a caracteriza: a massa salarial tenden·
do a zero, a relação entre a produção (seja ela qual for) e esta massa dá um
valor infinito, imagem matemática do máximo possível de extorsão da mais·
valia produzida. Por outro lado, a situação de monopólio associado a um mer·
cado cativo assegurou os lucros que permitiram à Europa fundar um sólido
capitalismo pré-industrial, que lhe permitiu passar para um estágio superior
ao longo do século XIX, o da conquista do Mundo. Após ter imposto "o café
da manhã à parisiense", a economia servil (constituída pelo sistema bancos/
armadores da Europa/reis negreiros de África/transportadores/agricultores e
exportadores da América/importadores da Europa) fez do algodão outra moda.
Constituída a necessidade (após ter conseguido tirar da moda o mel, as tisanas,
o linho e a seda), ela respondeu inicialmente de maneira simplesmente mer·
cantil, com taxas e barreiras protecionistas, depois de forma mais capitalista
no sentido moderno, por franquias, alianças, sociedades por ações e pela con-
corrência. Ao fim de um século, o equih'brio dos preços, atingido pela regu·
lação oferta/procura, levou ao desenvolvimento do capitalismo europeu.
Relembramos o custo humano extravagante desta expansão: 7 a 8 mi·
!hões de africanos mortos durante as razias ou durante o percurso para os
entrepostos negreiros da África. Dois milhões de mortos durante a travessia.
Outros dois milhões mortos de esgotamento ao longo do primeiro ano nas
plantações. Um número impossível de precisar de mortes devidas a maus·
tratos, a suicídios, a revoltas, repressões, linchamentos e massacres puros e
simples.
Para a África, tudo isto provocou uma regressão histórica e cultural sem
paralelo, bastando um colapso demográfico para fazer estagnar a população
africana, criando ódios definitivos, a desestruturação econômica, a anulação
do crescimento e um atraso que a invasão colonial só virá agravar mais.
Apesar dos historiadores tendenciosos que atribuem ao feudalismo africa·
58 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

no a iniciativa do tráfico ou acusam os reis árabes de o terem perpetuado,


apesar dos bajuladores do liberalismo que se recusam a contabilizar os lucros
da econonúa servil e a associá-los ao salvamento e depois ao crescimento das
economias européias, é preciso dizê-lo e não ter medo de repetir: um conjun·
to de fatos incontestáveis mostra que o capitalismo nascente não sangrou
somente os povos da Europa (este cálculo pode ser feito por outra via). Ele
baseou sua expansão sobre um ossário humano corno a História, apesar de já
sangrenta, jamais tinha visto: vime núlhões de ameríndios exterminados em
três séculos e doze milhões de africanos mortos de empreitada no mesmo pe·
nodo. Dois continentes inteiros sacrificados para estabelecer um sistema cri·
minoso sem moral e sem outra lei além da lei do lucro. Mais de trinta milhões
de seres humanos assassinados pelo capitalismo, de maneira direta e indíscu·
tível.

Philippt Parairt ~ autor de l...t.S Noin Amiricains, généalogie d'une exclusion, col. "Pluriel
intervention", Hachette, 1993.

BibliogTafia:

Franz Tardo-Dine, Lt cnllier dt ienrilude, É<litions Caribéennes, 1985.


lbrahim Baba Kak~. La traiu nigríbt, Pr~i.cnce Africaine, Larousse Nathan intemational,
1988.
Jean Meye~ Esda11ts ti nigrien, coL "Découvertes", Gallimard, 1986.
Hubert Dcschamps, Histolrt dt la Traiu des Noirs, Fayard, 1972.
l<cnncth M. Stamp, Tu proJjar iruti1ution, Nova York, Random House, 1956.
Benjamin Quarles, Tu Negro in w mal<ingof America, Nova York, Collier Books, 1987.
Patrick Manning, Sla11try and African Uft, Nova York, Cambridge University Press, 1990.
1871: TRAIÇÃO DE CLASSE E SEMANA
SANGRENTA
CLAUDE WILLARD
\
Ponto de partida: a falha das turmas dirigentes políticas e militares. Em 19
de julho de 1870, o Segundo Império, "de ânimo leve", declara guerra à Prússia,
ânimo de tal maneira leve que, segundo o ministro da Guerra, não falta ao
exército "nem um botão de polaina". Seis semanas mais tarde, Napoleão III
capitula lamentavamente em Sedan e, a 4 de setembro, a República é procla-
mada. O novo governo, dito de "Defesa Nacional", na verdade de "defecção
nacional", é composto por republicanos moderados "extremamente austeros
na questão da ordem e da propriedade". 1 Presidindo este governo e também
governador militar de Paris, o general Trochu, "particípio passado do verbo
trop choir",* como ironiza Victor Hugo.
Cercada pelos prussianos desde 19 de dezembro, Paris, apesar dos extre·
mos rigores do cerco, "tinha decidido lutar a todo o custo" (Lissagaray) . A
Paris popular armada (inclusive de canhões, comprados por subscrição popu-
lar) organiza-se.
Desde então, ressurge, com mais força do que nunca, o medo das "classes
perigosas". Em 19 de setembro de 1870, Francisque Sarcey-jornalista bas-
tante reacionário - observa com cinismo e lucidez: "A burguesia via-se, não
sem uma certa melancolia, entre os prussianos, que a deixavam com o pé na
garganta, e aqueles a quem ela chamava os vermelhos e que só conseguia ver
armados de punhais. Não sei qual destes lhe metia mais medo: odiava mais o
estrangeiro, mas temia mais os habitantes de Belleville"...
Neste mesmo 19 de setembro, Jules Favre reencontra Bismarck em Ferrieres
para saber das condições para um armísticio... Ora, confidencia Trochu ao seu
amigo, o escritor conservador Ma.xime du Camp: "A Guarda Nacior.al não
consentirá na paz a não ser que perca 10.000 homens."2 Que não seja por isso:
o ataque de Buzenval, em 19 de janeiro de 1871, salda-se pela morte de 4.000
soldados e oficiais.
Este medo e esta fobia conjugados resultam na traição. A escolha entre
prussianos e habitantes de Belleville é rápida. Gustave Flaubert escreve a
Georges Sand a 30 de abril de 1871: "'Ah! Graças a Deus, os prussianos

•JoNo Jc palavna fonético emro o nom• do gencnl e• forma verbo! chu, que significa "caCdo, tombado".
A lnvcnçãu vcrbol do V. Hugo, "trop chuir", significam assim "cair demoi>" (N. Jo T.)
62 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

estão aí!', é o grito universal dos burgueses." Palavras confirmadas por


Francisque Sarcey: "Não poderás imaginar a forma como foi pronunciado
este iá ... Parecia dizer, este iá mais profundo que uma caneca de cerveja
alemã: 'Sim, pobre francês, estamos cá, não tenhas mais medo... Nasceste
num país livre, iá, em terra amiga, iá, sob a proteção das baionetas da Bavária,
iá, iá'. Não pude deixar de repetir para mim este iá tentando captar a
entonação."3 O armistício, assinado em 28 de janeiro, entrega à Prússia a
Alsácia e uma parte da Lorena.
Em 3 de janeiro de 1871, l..e Figaro dá o toque de rendição: "Exército do
bem contra exército do mal... ordem contra anarquia, o combate não será
nem longo nem difícil! Parecerá mais com uma batida do que com uma bata·
lha ... Uma cruzada da civilização contra a barbárie." Em 18 de março, Thiers
decide mandar o exército, ao romper do dia, apoderar-se dos canhões da Guar-
da Nacional. Esta mecha provocadora faz explodir o barril de pólvora. O co-
mitê central da Guarda Nacional proclama, em 21 de março: "Os proletários
da capital, no meio das falhas e das traições das classes governantes, compre·
enderam que tinha chegado a sua hora de salvarem a situação, tornando nas
suas mãos a direção dos negócios públicos. A burguesia, sua irmã mais velha,
que concluiu a sua emancipação há mais de três quartos de século, que os
precedeu na via da revolução, não compreenderá hoje que a vez da emanei·
pação do proletariado chegou?"4
Pela forma como nasceu, pela sua breve existência (72 dias), e sobretudo
pela sua obra fecunda, a Comuna, primeira revolução operária mundial, co·
mete um crime de lesa-majestade, de lesa-capitalismo e de lesa-ordem moral:
um governo do povo, pelo povo e para o povo, com membros eleitos por
mandato imperativo e revogáveis, uma verdadeira mobilização cidadã, as pre·
missas da autogestão (posta em marcha pelos operários associados das oficinas
abandonadas pelos seus patrões), os primeiros passos para a emancipação fe·
minina, o papel dos estrangeiros (um imigrado judeu húngaro, Léo Frankel,
ministro do Trabalho) ...
Durante a Semana Sangrenta (21 a 28 de maio 1871), o exército dos
"Versalheses" diverte-se. Este exército e, sobretudo, os seus oficiais superiores
tinham se exercitado bem durante a conquista da Argélia (os massacres da
gruta de Dahra em 1845), no México ("os bianca" de Gallifet) e contra os
grevistas (27 mortos em Aubin e em La Ricamarie) . Durante muito tempo à
frente deste exército, o general Vinoy define-se como "um homem que sem·
previu a ordem como o primeiro dever de qualquer sociedade" .4 Este exército
1871: TRAIÇÃO DE CLASSE E SEMANA SANGRENTA 63

é engrossado por Bismark, que liberta os prisioneiros de guerra. Interna-


cionalismo de classe.
À medida do ódio e do medo, Paris transformou-se em matadouro. Entre
os múltiplos testemunhos, o de Henri Dunant, fundador da Cruz Vermelha:
"Esta repressão implacável... terminou em terríveis cenas de estrangulamento
que fizeram de Paris um depósito de caça humana. Matava-se por matar...
Uma verdadeira guerra de extermínio com todos os seus horrores, é preciso
que se diga, pois esta é a verdade; e os que a ordenaram gabam-se dela e se
elogiam: pensavam estar cumprindo um dever sagrado; todos aqueles que
pertencessem à Comuna ou que com ela simpatizassem deviam ser fuzilados."
As execuções sumárias são incalculáveis: as casernas, as prisões (1.900
fuzilamentos em La Roquette, em 28 de maio), os jardins e parques públicos
Oardim do Luxemburgo, Pare Monceau, Jardin des Plantes), os cemitérios
(Pêre-Lachaise, Montpamasse) são outros tantos depósitos monuários; os
calabouços das fortalezas, atulhados de cadáveres, servem de fornos de cre-
mação. Cúmulo da crueldade: os communards são enterrados vivos, especial-
mente no Parque Saint-Jacques. Segundo o jornal britânico Evening Standard,
"é incerto que algum dia se possa saber os números exatos da carnificina que
se prolonga. Mesmo para os autores destas execuções, deve ser completamen-
te impossível dizer quantos cadáveres fizeram." Entre 20.000 e 30.000.
Estas atrocidades suscitam aplausos entusiasmados. Le Gaulois de 31 de
maio: "Alienados desta espécie em tão elevado número e entendendo-se uns
com os outros constituem para a sociedade a que pertencem um perigo tão
terrível que não há outra pena possível senão uma supressão radical." Alguns
dias mais tarde, Le Figaro se excede: "Resta ao Sr. Thiers uma tarefa importan-
te: a de purgar Paris... Jamais outra ocasião se apresentará para curar Paris de
uma gangrena moral que a corrói há vinte anos ... Hoje, a clemência seria
demência ... O que é um republicano? Uma besta feroz ... Vamos, minha gente!
Uma ajudinha para acabar com a podridão democrática e social." Alexandre
Dumas filho, autor da Dama das camélias, desce de nível ao escrever: "Não
diremos nada sobre as suas fêmeas por respeito a todas as mulheres com as
quais elas se assemelham quando mortas."
O medo de epidemias interrompe o massacre. Um autor de peças de suces-
so, Émile de Girardin, pede que os enterros sejam feitos nos arredores: "Aí, nada
a temer das emanações cadavéricas, um sangue impuro ensopará, fecundando-
ª• a cova do trabalhador." O Terror Branco-"a carniça fria", diz Louise Michel
- se segue ao banho de sangue. São conduzidos 43.522 prisioneiros para as

lê7Ji TRAI E CU.SSE E SEMANA SANGRENTA 65

Clmuk Wdlard hislorl~clor. prnks.or cmh!to d~ Un vmídade de l':lrú VllJ e prcaíder.~ da


Associação clm Ami~ d Comuna.

Notas:

1. J. P. Azéma er M. Winock, La Communord.I, Seul!, 1970, p. 22.


2. Maxime du Camp, La ccnwl.11cns ~ Pan.1, Had1tue, 1987, t. 1, p. 11. ÚQ<Ío de up{ríro
corroborado pelo inqu~ríro parlamentar sobre in.turrciçk de 18 de março, t. I, p. 339 e
t. Ili, p. IJ.
3. No jornal intitulado - ironia da história - Lt Draptau rncolcre, 2 de maio de 1871.
4. Comunicação de Jean-Claude Freiermuth, em Mamnen éJt r0<du a pobces, C r6iphls, 1987,
pp. 41 -51.
5. Uonce Duponr, Souvenin de Vmailki pendan1 La CorTl1lUDl<!, 188 l.
6. N ada r, 1871. Enquêtesur la Commun<, Põiri.s, 1897.
7. Jean Allcmane, Mbnoire.s d'un Communard. O.,, barricada au , l':lri.s.. 1910.
. l

·i'
A GRANDE GUERRA: 11.500 MORTOS E
13.000 FERIDOS POR DIA AO LONGO DE
TRÊS ANOS E MEIO
JEAN-PIERRE FLÉCHARD
"É o tango dos militares prazenteiros
Dos alegres triunfadores de aqui e d'além
É o tango dos célebres para a guerra
É o tango de todos os coveiros"
Boris Vian

''Aquela que eu desejaria fazer, meu coronel,


É a guerra de 14-18"
Georges Brassens

''Armemo-nos e parri"
Anônimo

Há duas comunas francesas que se distinguem: uma é a única que não


erigiu na sua praça principal qualquer monumento aos mortos da Guerra de
1914-1918, pois todos os seus 15 mobilizados regressaram vivos da frente; a
outra, Gentioux, na região de Creuse, possui um monumento aos mortos que
nunca foi inaugurado oficialmente; na verdade, ele representa um aluno que
aponta com o dedo a inscrição "Maldita seja a guerra!". Todas as outras possu-
em um monumento aos mortos, o que revela melhor do que a aridez dos
números a amplitude do massacre. A placa dedicada aos mortos da guerra de
1914-1918 no átrio da Câmara de Bezons tem a inscrição "guerra à guerra,
ódio ao ódio". Nenhuma comuna francesa, com uma única exceção, escapou
à gigantesca carnificina, que, de 7,8 milhões de mobilizados durante mais de
quatro anos, ou seja, 30% da população francesa ativa, deixou nos campos de
batalha 1,4 milhões de mortos e mandou para casa mais de um milhão de
inválidos.
70 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

A influência do lobby militar e industrial,


o cartel internacional da pólvora

A partir de 1904, os antagonismos revelam-se, as paixões nacionais exacer-


bam-se, as crises multiplicam-se e agravam-se, seja a propósito do Marrocos,
seja a propósito dos Bálcãs, até 1914, quando o atentado de Sarajevo desen-
cadeia a catástrofe temida, a guerra européia.
A situação geral e o equihôrio de forças alteraram-se na Europa, não ape·
nas pela aliança franco-inglesa, mas também pelas derrotas que a Rússia, nes·
sa mesma altura, sofria no Extremo Oriente. Guilherme II e o seu chanceler
Bülow procuraram tirar proveito do enfraquecimento da Rússia para quebrar
a Entente cordial.

A questão do Marrocos provoca um violento conflito


franco-alemão (1905-1906)

Apesar do crescimento contínuo da força alemã, Guilherme II, tal como


Bismarck, estava obcecado pelo medo do cerco. O acordo da França com a
Inglaterra, reforçado por uma aliança com a Rússia, por acordos com a Itália e
a Espanha, pareceu ameaçar os projetos de expansão alemã. Pressionado pe·
los seus conselheiros, Bülow e Holstein, empreende uma grande ofensiva di·
plomática, visando simultaneamente a França e a Rússia.
Sobre a França, a Alemanha exerceu uma ação brutal, de face belicista,
opondo como um veto à sua política marroquina o discurso do kaiser em Tânger
e mais tarde a demissão de Delcassé, que tiveram sobre a opinião pública
francesa o efeito de um novo Fachada,• de uma humilhação nacional. Por
outro lado, Guilherme ll prodigalizava palavras de amizade ao czar, enfraque•
cido pela derrota e pela revolução; conduziu-se assim no encontro de Bjõrkoe,
onde foi assinado um pacto secreto de aliança germano-russa, prelúdio de
uma grande coligação continental encabeçada pela Alemanha.

•fachoda- Localidade sudanesa, nas margens do Nilo, onde houve um Incidente enrre a Inglaterra e
a França. Em setembro de 1898, urna coluna francesa, comandada pelo capitão Marchand, encontrou•
1e com uma força anglo-egípcia, comandada por Kitchener. Após urna primeira recusa em evacuar
Fachada, os franceses tiveram de render-oe por ordem do ministro dos Negócios Estrangeiros, Théophile
Delcassé. Em 21 de março de 1899, um acordo colonial viria a conceder a totalidade da bacia do Nilo•
Orl-Bretanha. (N. cio T.)
A GRANDE GUERRA: 11.500 MORTOS E 13.000 FERIDOS POR DIA 71

Esta política não produziu os resultados esperados. O pacto de Bjõrkoe,


incompatível com a aliança francesa, permaneceu letra morta. A Conferência
de Algeciras (1906), convocada a pedido da Alemanha para regularizar a ques-
tão marroquina, rejeitou a maior parte das propostas alemãs, confiou à França e
à Espanha o policiamento dos portos marroquinos. A Entence cordial, longe de
ser rompida, toma-se mais efetiva; mais ainda, alarga-se para uma uma Tripla
entente, * depois de a Inglaterra e a Rússia terem, pelo acordo de 1907, resolvido
todos os seus litígios asiáticos. Na Alemanha, aumenta a obsessão do cerco. A
atmosfera européia toma-se tempestuosa. Uma segunda conferência de paz em
Haia (1907) não consegue impedir a corrida aos armamentos, navais e terrestres.

O antagonismo austro-russo agrava-se nos Bálcãs (1908-1909)

As questões políticas ou nacionais que se colocavam nos Bálcãs ou na


Europa Central eram ainda mais graves do que os litígios coloniais, porque
punham em jogo a existência do Império Turco, a existência da própria Áus-
tria-Hungria e, por conseqüência, as bases do equilíbrio europeu.
Destas questões, as mais graves eram a da Macedônia, província que per-
maneceu turca mas com uma população mista e que era cobiçada pela Bulgária,
pela Grécia e pela Sérvia; a questão da Sérvia, província turca governada
pelos austríacos mas povoada por sérvios, e onde começava a propagar-se o
nacionalismo sérvio; a questão dos estreitos - Bósforo e Dardanelos -que a
Rússia, fechada no mar Negro, pretendia abrir à sua frota de guerra. Após
suas falhas no Extremo Oriente, a política russa, sob o comando do ministro
lsvolsky, regressava aos seus objetivos tradicionais nos Bálcãs.
Ora, em 1908, irrompeu uma crise balcânica, provocada pela revolução
turca: o Partido Nacional Jovem turco tomou o poder e obrigou Abd-ul-Hamid
a aceitar uma Constituição (o sultão, tendo procurado retomar o poder, foi
deposto no ano seguinte). Para acabar com a agitação iugoslava, a Áustria,
dirigida por um ministro audacioso, d'Aerenthal, decretou a anexação da
Bósnia-Herzegovina. A Bulgária também aproveitou a crise para proclamar a
sua independência. Quanto a Isvolsky, apesar de todos os seus esforços, não
conseguiu obter das potências a abertura dos estreitos.

•Tripie Ent"11W - Allanço concluído em 1907 entre a Rú'5io, a Fronça e a Grã-Bretanha, contra a
Alemanha e a Áustria-Hungria. (N. do T.)
72 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

A anexação da Bósnia-violação do estatuco estabelecido em Berlim em


1878 - teve como conseqüência uma crise européia. A guerra acabaria por
eclodir entre a Áustria e a Sérvia, cujas aspirações nacionais tinham em mira
as províncias anexadas. A Rússia, descontente com o seus fracassos, apóia os
sérvios, até o dia em que a intervenção ameaçadora da Alemanha a obriga a
ceder, tal como a Sérvia, e a reconhecer o fato consumado (1909). Nada
parecia poder resistir à força alemã.

Para se fixar no Marrocos, a França tem de ceder uma parte


do Congo (1911)
Em Marrocos, depois de novos incidentes (com alemães desertores da Legião
Estrangeira), a Alemanha tinha concluído com a França um acordo econômico
(1909). Mas este acordo funcionou mal. Quando, para levantar o bloqueio ao
sultão e aos europeus sitiados por rebeldes, as tropas francesas deram entrada em
Fez (1911), a Alemanha declarou que o estatuto de Algeciras fora violado e, para
obter compensações, enviou um navio de guerra a Agadir (costa sul de Marrocos).
Desta vez, deparou com fone resistência. A Inglaterra vetou toda e qual·
quer fixação da Alemanha no Marrocos. Mas o governo francês (Caillaux)
era partidário de uma solução pacífica: as negociações franco-alemãs, embora
cercada por rumores de uma guerra, conduziram a um acordo - em troca da
liberdade de ação no Marrocos, a França cedia à Alemanha uma parte do
Congo francês (1911).
Em vez de provocar o apaziguamento, este acordo não fez senão exacer·
bar as paixões e o antagonismo franco-alemão. A Alemanha, para intimidar
os seus adversários, aumentou o seu armamento. Na França, depois de tantos
alertas, já não se queria tolerar intimações: o ministro Poincaré, partidário de
uma política de firmeza, voltou a estreitar, através de novos acordos, os laços
da França com a Rússia e a Inglaterra (1912).

Do Marrocos a crise estende-se à Trtpolitânia e em seguida


aos Bálcãs (1911-1913)

De 1911a1914, as crises sucedem-se e a Europa, como que apanhada


numa engrenagem fatal, encaminha-se cegamente para a catástrofe.
A GRANDE GUERRA: 11.500 MORTOS E 13.000 FERIDOS POR DIA 73

O estabelecimento da França e da Espanha no Marrocos teve como reper-


cussão imediata o estabelecimento da Itália na Tripolitânia (1911). Mas a
expedição de Trípoli provocou uma guerra ítalo-turca (1911-1912), durante a
qual os italianos ocuparam as ilhas de Rodes e do Dodecaneso.
Por sua vez, a guerra ítalo-turca deu origem a uma guerra nos Bálcãs.
Uma coligação balcânica - a Sérvia, a Bulgária, a Grécia e Montenegro -
tinha sido formada sob a égide da Rússia. A Turquia, enfraquecida, foi ata-
cada pela coligação e vencida por todos os lados; os búlgaros só foram deti·
dos a 30 quilômetros de Constantinopla, à vista das linhas de Tchataldja
(1912).
A derrocada da Turquia reacendeu, por fim, todas as rivalidades euro-
péias e balcânicas. A Áustria, senhora da Bósnia, não queria de forma algu-
ma uma Grande Sérvia, pela qual os seus súditos sérvios seriam forçosamen-
te atraídos. Para afastar a Sérvia do Adriático, criou um principado da
Albânia. Por outro lado, a partilha da Macedônia deu lugar a uma segunda
guerra balcânica (1913): os búlgaros, com um ataque inesperado, tentaram
esmagar os sérvios; fracassaram e foram eles próprios vencidos por uma co-
ligação servo-greco-romena. O Tratado de Bucareste deu Silistria aos ro-
menos, Salônica aos gregos, Monastir, juntamente com uma grande parte
da Macedônia, aos sérvios. Na Europa os turcos só conservavam Cons-
tantinopla e Andrinopla.
Esta pacificação não era duradoura. Entre a política austríaca e as reivin-
dicações nacionais sérvias não era possível qualquer acordo. As relações da
Rússia com a Áustria e a Alemanha continuavam a se agravar. Todas as po-
tências, inquietas, reforçavam os seus armamentos (leis militares de 1913 na
Alemanha e na França). Tinha-se chegado àquele ponto em que cada um dos
grupos rivais, confiando nas suas forças, estava resolvido a não recuar mais
frente ao outro.

Depois do atentado de Sarajevo, a guerra austro-sérvia conduz


à intervenção nissa e à gtterra generalizada

Em 28 de junho de 1914, em Sarajevo, na Bósnia, o arquiduque herdei-


ro da Áustria e sua mulher foram assassinados. O assassino era um bósnio,
mas o atentado tinha sido preparado em Belgrado. (Soube-se mais tarde
O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

que à frente da conspiração se encontrava um oficial do Estado-Maior sérvio,


o coronel Dimitrievitch, chefe de uma poderosa associação secreta, a Mão
Negra.)
Há muito impaciente por atacar a Sérvia, a Áustria tinha sido até então
contida pela Alemanha. Desta vez, consegue o seu apoio. Em conversações
secretas, em Postdam (S-6 de julho), num conselho em Viena (7 de julho), o
risco de uma guerra européia foi pesado e aceito. Guilherme II, é verdade,
julgava a guerra pouco provável (o czar não apoiará os regicidas) e contava
com a neutralidade da Inglaterra, com a qual estava em vias de concluir um
acordo colonial.
Subitamente, em 23 de julho, a Áustria apresentou à Sérvia um ultimato,
cujas exigências eram propositadamente inaceitáveis. Apesar de uma respos-
ta muito conciliadora (e de um apelo à arbitragem), aconteceu a ruptura austro·
sérvia em 25 de julho e a declaração de guerra à Sérvia no dia 28.
Mas a limitação do conflito, exigida pela Alemanha, já se mostrava im·
possível. A Rússia, decidida a não deixar esmagar a Sérvia, iniciava os seus
preparativos militares. Em vão o governo inglês, muito pacífico, multiplicava
as ofertas de mediação. A Alemanha rejeitou-as inicialmente, e não aderiu
senão quando a neutralidade inglesa começou a parecer duvidosa (29-30 de
julho) . Demasiado tarde. A intransigência austríaca fazia o jogo dos estados--
maiores, impacientes por agir. A Rússia decidiu, em 29 de julho, a mobilização
parcial e, em 30 de julho, a mobilização geral. A Alemanha retrucava em 31
de julho com um duplo ultimato, à Rússia e à França, seguido, em 1ºde agos·
to, por uma declaração de guerra à França.
Mal se instalou o conflito, a Tríplice Aliança• desuniu-se, ao mesmo tem·
po em que a Tripie Emente se afirmava. A Itália invocou o caráter puramente
defensivo da Tríplice para permanecer neutra. O governo inglês, muito divi·
dido e hesitante, inicialmente só se comprometeu a defender as costas france-
sas da Mancha (2 de agosto). A violação da neutralidade belga pelas tropas
alemãs o levou a romper com a Alemanha (4 de agosto) e a comprometer-se
profundamente: "Só por causa de um pedaço de papel!", exclamou o chanceler
alemão Bethmann-Hollweg (alusão aos tratados que garantiam a neutralida·
de belga).
Paralelamente às grandes manobras político-militares, a grande indústria

•Pacto defensivo entre a Alcm:mho, a Áustria e a Itália contra uma agressão da França ou do R6s.1io
(1882). (N. do T.)
A GRANDE GUERRA: 11.500 MORTOS E 13.000 FERIDOS POR DIA 75

européia não deixou de se organizar para fazer jogar sobre os governos e os


povos o peso da sua expansão. Aí, o nacionalismo e o patriotismo já não inte-
ressam, o que conta é apenas a caixa registadora. Uma verdadeira interna-
cional é assim organizada, estendendo as suas ramificações a todos os futuros
países beligerantes.
Dois exemplos serão suficientes:

A organização internacional de fabricantes de pólvora, de explosivos e de


munições:

- Trust Nobel (Grã-Bretanha)


filiais Inglaterra 7
Alemanha 5
Japão 1

- Rhein-Siegener (Alemanha)
3 fábricas
- Fábrica de pólvora Kõln Hottweiler (Alemanha)
- Diversas fábricas alemãs de armas e de munições
- Société Française de la Dynamite (França)
- Société Générale pour la Fabrication de la Dynamite (França)
- Société Franco-Russe de Dynamite (França).

A indústria siderúrgica:

United Harvey Steel Company (sociedade siderúrgica multinacional)

Vickers & Armstrong (Grã-Bretanha)


Krupp & Stumm (Alemanha)
Schneider-Le Creusot (França)
Societa degli Alti Forni Fondieri Acciane di Temi (Itália) .

Participação por intermédio da Krupp e Schneider em cooperação:


Skoda & Pilsen (Áustria)
Poutiloff (Rússia) (part. complementar da Voss) .
76 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

Acordos comerciais de limitação da concorrência:


Le Creusot - Krupp
Armstrong - Krupp

É evidente que elas mantêm relações com os fabricantes de armas, em


particular:

Deutsche Waffen-und-Muniti ns Fabriken em Berlim (fábricas alemãs de


armas e munições)
Waffenfabrik (fábrica de armamento)
Oficinas de Doellingen
Filiais
l) Alemanha
Mauser: l.985.0CX) M
Dürcn (metalurgia): l.OCX).OCX) M
2) Bélb'Íca
Fabrique Nationale d'Armes de Guerre d'Herstal (Fábrica Nacional de
Armas de Guerra de Her .al): 3.000 000 ações
3) França
Société Française pour la Fabrication de Roulements à Billes (Socie·
dade Francesa para o Fabrico de Rolamentos de Esferas): totalidade do
capital.

Situação financeira dos dois principais países beligerantes em 1914

ALEMANHA FRANÇA

População 67 rnJlhõc~ 39,6 milhões

Fortuna nacional 400 bilhões 325 bilhões

Rendimcncos nacionais 52, 5 bilhões 36,5 bilhões

Fortuna nacional média 5.970 F 8.207 F

Rendimento nacional médio per capi1a 783F 946 F


A GRANDE GUERRA: 11.500 MORTOS E 13.000 FERIDOS POR DIA 77

Produção (em núlhões de toneladas) em 1914

Hulha Aço Ferro fundido

Alemanha 191 18 12

Áustria· Hungria 15 5 4

França 41 4 9

Rússia 35 4 5

Grã-Bretanha 292 9 11

Graças a estas duas organizações internacionais, que não são mais do que
o exemplo mais evidente, imitadas como foram pelos fornecedores das inten-
dências, pelos construtores de veículos, pelos fabricantes de vestuário etc., a
guerra viria a revelar-se um negócio excelente para a grande indústria inter-
nacional, que irá servir-se da sua influência para que ela dure o máximo de
tempo possível, atiçando as paixões nacionalistas graças a uma imprensa fi-
nanciada por elas, abertamente ou de forma disfarçada.

A grande carnificina

A guerra européia assumiu as proporções de uma imensa catástrofe. Es-


tendeu-se ao mundo inteiro, mas foi na França que ela atingiu o seu máximo
de intensidade e provocou mais devastação, e foi também na França que a
força alemã foi finalmente obrigada a capitular.
A coligação dos impérios centrais (reforçada em outubro de 1914 com a
Turquia) parecia muito inferior à coligação que englobava a França, os impé-
rios russo e britânico, a Bélgica, a Sérvia (e até o Japão) . Mas a Inglaterra
tinha somente um pequeno exército; o exército russo, muito numeroso, esta-
va mediocremente organizado; tudo dependia da resistência que a França iria
oferecer à Alemanha, fortemente armada.
78 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

A Alemanha tenta abater a França e parece prestes a triunfar

O plano da Alemanha era lançar-se sobre a França com quase todas as


suas forças, colocá-la rapidamente fora de combate, e, em seguida, virar-se
contra a Rússia. Sem dúvida que não dispunha, como em 1870, de grande
superioridade numérica, mas contava com a superioridade da sua preparação
técnica, das suas unidades de reserva, da sua artilharia pesada de campanha,
da sua artilharia de cerco (canhões de 420), enfim com o efeito surpresa que
deveria provocar a sua manobra arravés da Bélgica. O exército francês pos-
suía material superior de artilharia ligeira, o 75; mas tinha uma falta quase
total de artilharia pesada; os seus soldados de infantaria de calças vermelhas
constituíam um bom alvo; tinham sido preparados para uma tática temerária
de ataque violento à baioneta.
A primeira grande batalha, dita "batalha das fronteiras", teve lugar de 20
a 23 de agosto. Os dois adversários tinham passado à ofensiva. O estado-
maior alemão, comandado por De Moltke, pretendia contornar as fortifica-
ções de Leste e invadir a ala esquerda do exército francês; para isso, forçou a
praça-forte de Liêge e usou cinco dos sete exércitos na Bélgica. O estado-
maior francês, comandado por Joffre, queria neutralizar a manobra inimiga
com um ataque fulminante na Lorena e nas Ardenas. Mas a ofensiva france·
sa, que se aventurara por terrenos difíceis, foi destruída em Morhange, Lorena
(20 de agosto), e Ardenas (22 de agosto). A ala esquerda franco-inglesa, ata·
cada em Charleroi e em Mons e ameaçada de cerco, conseguiu escapar e
bater em retirada (23 de agosto).
A vitória alemã teve como conseqtiência a perda da Bélgica e a invasão
da França. Os alemães, dominados pelo medo dos franco-atiradores, toma·
ram medidas de repressão terríveis (saque de Lovaina e de Dinant).

O plano alemão falha no Mame, depois no Yser

Contudo, o objetivo visado, o aniquilamento das forças francesas, não


tinha sido atingido. Através de um avanço rápido, os alemães esforçaram-se
por cercar as alas do adversário ou por o encurralar na fronteira suíça. Mas na
Lorena, a partir de 29 de agosto, foram malsucedidos; os outros exércitos fran·
ceses recuaram organizadamente até ao dia em que o avanço temerário da
A GRANDE GUERRA: 11.500 MORTOS E 13.000 FERIDOS POR DIA 79

direita alemã (von Kluck) proporcionou ao governador de Paris, Gallieni,


ocasião para um ataque de flanco (5 de setembro).
Ao apelo de Joffre, todos os exércitos franceses e ingleses retomaram en-
tão a ofensiva (6 de setembro). Depois de vários dias de luta, os alemães,
ameaçados de verem a sua ala direita partida e cortada em duas, bateram em
retirada até Aisne, onde se entrincheiraram. A vitória do Mame teve como
efeito não apenas o recuo forçado dos alemães, mas também o ruir do seu
plano inicial; teve ainda um grande alcance moral e devolveu à França a
confiança em si mesma.
Procurando ganhar vantagem a oeste, os dois adversários acabaram por
estender as suas linhas até ao mar. Depois da tomada de Anvers (9 de outu-
bro), os alemães tentaram de novo desferir um golpe decisivo, apoderando-se
de Calais; mas todos os seus ataques foram repelidos diante de Ypres e de Yser
pelas forças aliadas, colocadas sob o comando de Foch (outubro-novembro) .
Assim, ao contrário das previsões, a campanha de 1914 terminou a oeste sem
resultados decisivos.
Acontecia o mesmo em todas as frentes. A leste, os russos, que tinham
invadido a Prússia Oriental para aliviar a França, sofreram um desastre em
Tannenberg (29 de agosto), mas derrotaram os austríacos em Lemberg, na
Galícia (setembro). Combates sangrentos, mas sem resultados, tiveram lugar
na Polônia, em redor de Varsóvia (novembro-dezembro). No mar, os alemães
não se atreveram a arriscar grandes batalhas navais; limitaram-se a atacar
navios mercantes, depois à guerra submarina. Finalmente, se não consegui-
ram impedir os aliados de conquistar as suas colônias, a aliança turca permi-
tiu-lhes instalarem-se nos estreitos e ameaçar o Egito.

Aguerra de movimento se segue a guerra de trincheiras


Igualmente esgotados, os exércitos imobilizaram-se frente a frente, em
trincheiras improvisadas que formaram uma linha contínua - 780 quilôme-
tros do mar do Norte à fronteira suíça. Assim, a guerra transformou-se numa
guerra de trincheiras.
De um lado e do outro, trabalhou-se para reforçar sem cessar a orga-
nização defensiva - linhas de arame farpado, abrigos subterrâneos ou de
concreto, sucessão de linhas em profundidade, linhas de tiro de barragem,
flanqueamento de metralhadoras. Voltaram a usar armas para combate de
80 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

proximidade, granadas e lança-bombas, as armas defensivas abandonadas


desde a Idade Média, os capacetes de aço. Mas, de um lado e de outro,
trabalhou-se também no aperfeiçoamento dos meios ofensivos para atraves-
sar as linhas adversárias: a artilharia pesada, especialmente, e a aviação se
desenvolveram numa proporção colossal. Houve um esforço para descobrir
de novo armas capazes de produzir um efeito de surpresa fulminante: os
alemães utilizaram em 1915 líquidos incendiários e gases asfixiantes, os fran-
ceses e os ingleses construíram, a partir de 1916, carros de assalto ou tan·
ques, montados sobre lagartas de aço. Para fabricar este imenso material
bélico, foi preciso multiplicar as indústrias de guerra: a guerra assumiu cada
vez mais um caráter cientifico e industrial.
Por conseguinte, toma-se também uma guerra econômica. A Inglaterra,
senhora dos mares, bloqueou os panos alemães e dificultou o abastecimento
(sobretudo de alimentos). A Alemanha respondeu, iniciando o bloqueio com
submarinos (torpedeamento do grande paquete inglês Lusitania, em 17 de
maio de 1915, mais de 1.100 vítimas).

A guerra continua em 1915 e 1916 sem resultados decisivos

De ano para ano, a guerra prolongou-se, espalhou-se, intensificou-se,


sem chegar a resultados mais decisivos do que em 1914. Os aliados tinham a
superioridade populacional, mas, por falta de preparação, de método e so·
bretudo por falta de uma direção única, não souberam tirar proveito disso
logo de início (a Inglaterra só estabeleceu o serviço militar obrigatório em
1916).
O ano de 1915 foi marcado pela entrada na guerra da Itália contra a
Áustria, da Bulgária contra a Sérvia e os aliados. Foi principalmente o ano das
derrotas orientais: enquanto os anglo-franceses fracassavam nas suas tentati·
vas para forçar os Dardanelos por mar e por terra, os austro-alemães consegui·
ram romper a frente russa da Galfcia, fazer recuar os exércitos russos, ocupar
toda a Polônia, a Lituânia e Courlande; em seguida, reforçados pelos búlgaros,
esmagaram o exército sérvio e conquistaram a Sérvia (outubro-dezembro);
uma expedição aliada de socorro desembarcou tarde demais em Salonica, mas
permaneceu af, apesar da oposição do rei Constantino, e reuniu o que restava
do exército sérvio. Na frente ocidental, as múltiplas ofensivas francesas
(Vauquois, les Eparges, batalhas de Champagne e d'Anois) tiveram como
A GRANDE GUERRA: li.SOO MORTOS E 13.000 FERIDOS POR DIA 81

único resultado dizimar os efetivos (400.000 homens mortos ou feitos prisio-


neiros) . O exército italiano imobilizou-se nas linhas de Trisonzo, a caminho
de Trieste.
O ano de 1916 foi marcado pela entrada na guerra de Portugal e da
Romênia, ao lado dos aliados. Foi sobretudo o ano de Verdun, a maior
batalha da guerra por sua duração e violência. Retomando o seu plano de
1914, os alemães (Falkenhayn) quiseram dar um golpe decisivo no seu
principal adversário, o exército francês. Atacaram em frente a Verdun (21
de fevereiro), mas os seus esforços impetuosos, que se prolongaram duran-
te cinco meses, foram anulados pela resistência obstinada dos franceses,
comandados pelo general Pétain. A supremacia militar pareceu prestes a
passar para os aliados, que, por sua vez, tomaram a ofensiva no Somme e
na Galícia. A Alemanha, em desespero, volta a entregar o comando su-
premo aos vencedores dos russos, Hindenburg e o seu adjunto Ludendorff.
Estes conseguiram bloquar a ofensiva aliada e conquistar quase toda a
Romênia.
No mar, as frotas inglesa e alemã defrontaram-se na grande batalha da
Jutelândia, sem resultados decisivos (31 de maio de 1916).

Em 1917, a guerra submarina e a revolução russa põem em


perigo a causa dos Aliados

Apesar das suas conquistas, a Alemanha encontrava-se esgotada pelo blo-


queio. Para impor a paz aos aliados, recorreu a meios desesperados, como a
guerra submarina, sem piedade uaneiro de 1917). Esta nova guerra submari-
na, privando os países neutros do direito de livre navegação, teve um efeito
quase imediato: a entrada em guerra dos Estados Unidos contra a Alemanha,
em resposta ao apelo do presidente Wilson (6 de abril de 1917). Mas os Esta-
dos Unidos tinham apenas um pequeno exército e a sua intervenção na Euro-
pa parecia difícil, senão impossível.
Por outro lado, a Alemanha acreditou que estava salva pela Revolução
russa. A má condução da guerra tinha acabado por desacreditar o czarismo.
Subitamente, eclodiu a Revolução, em 11 de março de 1917, e Nicolau II foi
obrigado a abdicar (15 de março). Em breve, a Revolução russa assumia o
caráter de uma revolução social: apoiados nos Sovietes, comissões de delega-
dos de operários e soldados, os bolcheviques, Lenin e Trotski, tomaram o po-
82 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

der e lá se mantiveram (7 de novembro) . Toda a Europa Oriental mergulhou


na anarquia. Depois de terem proposto, em vão, um armistício geral, os
bolcheviques concluíram com a Alemanha o armistício de Brest-Litovsk (de-
zembro) e entabularam negociações de paz. A Alemanha parecia ter ganho a
partida a Leste.
A Oeste, o exército alemão, que no início se mantivera prudentemen·
te na defensiva, tinha sido conduzido de novo por Hindenburg para posi·
ções fortes, contra as quais veio despedaçar-se uma nova ofensiva france·
sa, mais temerária ainda do que as precedentes (batalha de Aisne, 16 de
abril). Com as tropas que volcaram de Leste, os austro-alemães puderam
romper a frente italiana em Caporetto (outubro) e invadir a Venécia até o
Piave.
Manifestavam-se sinais de cansaço em todos os beligerantes (manobras
secretas, motins, derrotismo). Mas, na França, a chegada ao poder de
Clemenceau reanimou as energias e pôs fim a qualquer política de compro·
misso. O novo chefe do exército, Pétain, soube inspirar confiança e evitar
massacres inúteis.

Em 1918, a grande batalha da França termina com a


derrota da Alemanha

Em março de 1918, a Alemanha impôs os tratados de Brest-Litovsk à


Rússia e de Bucareste à Romênia. Em seguida, pela terceira vez, resolveu con·
centrar todas as suas forças vivas a Oeste e desferir sobre os aliados um golpe
decisivo antes da entrada em cena dos americanos.
A ofensiva alemã, que teve in(cío em 21 de março, durou até 18 de julho.
Dirigida por Ludendorff, consegue grandes sucessos táticos, mas não uma vi·
tória decisiva. Graças a um novo método-segredo absoluto dos preparativos,
1 preparação de artilharia intensiva e breve, emprego maciço de obuses tóxicos
-, Ludendorff tinha resolvido o problema de como abrir passagem. Por três
vezes, em Picardia (2lde março), Randres (9 de abril), Aisne (27 de maio),
romperam as frentes inglesa e francesa. Os alemães aproximavam-se de Amiens,
de Calais, de Paris, que bombardearam, sem tréguas, com aviões e canhões de
grande alcance (120 km).
A situação era crltica para os aliados. Por fim, decidiram a confiar o co·
A GRANDE GUERRA: 11.500 MORTOS E 13.000 FERIDOS POR DIA 83

mando único ao general francês Foch (26 de março). Os Estados Unidos ace-
leraram o envio de tropas (cerca de 10.000 homens por dia em junho). Pétain
pôs a funcionar novos métodos ofensivos e defensivos (ataque sem prepara-
ção de artilharia, utilização maciça de carros de assalto ligeiros e de aviões).
Depois de junho, uma quarta ofensiva alemã sobre Compiegne foi pronta-
mente barrada.
A reviravolta na batalha operou-se entre 15 e 18 de julho: é a segunda
vitória do Mame, incidente decisivo da guerra. Completamente travados
na sua ofensiva em Champagne, depois subitamente atacados de flanco, os
alemães, tal como em 1914, foram forçados se retirar de La Mame sur l'Aisne.
A vitória do Mame marcou o início de uma grande ofensiva aliada. Foch
não deixou ao inimigo, desnorteado, tempo de se refazer e reconstituir as
suas forças. Através de um alargamento sistemático da batalha, multiplicou
os seus ataques sobre todos os pontos da frente. Os alemães foram incessan-
temente forçados a recuar, sob a ameaça de cerco. Sucessivamente, todas as
suas posições defensivas, incluindo a formidável linha Hindenburg, foram
forçadas (setembro-outubro). Os aliados regressaram a Saint-Quentin, a
Laon, a Lille.
Na mesma época, na Macedônia (15 de setembro) e na Palestina (18
de setembro), vitórias decisivas obrigavam a Bulgária (29 de setembro) e a
Turquia' (30 de outubro) a depor as armas. A Áustria-Hungria desunia-se
e, vencida pelos italianos em Vittorio-Veneto (27-30 de outubro), aban-
donava a luta (3 de novembro). Para evitar um desastre total, a Alema-
nha, em plena revolução, aceitou todas as condições impostas pelo
armistício de 11 de novembro; desde o dia 9, Guilherme II fugira para a
Holanda.
Isto não é senão a parte visível das operações; o desejo de conquista, a
sede de lucro, os objetivos de guerra secretos e as manobras de bastidores
foram a tônica. Mas, sob os grandes impulsos patrióticos, esconde-se uma
realidade mais sórdida, a da defesa encarniçada de interesses particulares.
Um exemplo apenas, entre outros, permite ilustrar a sórdida realidade: o
destino da bacia de Briey-Thionville.
84 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Um santuário do capital internacional: a bacia de Briey-Thionville


Os negociantes de canhões, os mais importantes dos quais eram Schnei·
der, na França, e Krupp, na Alemanha, estavam estreitamente unidos numa
espécie de consórcio internacional, cujo objetivo secreto era fazer crescer a
imensa fortuna dos seus membros, aumentando a produção de guerra, de
um lado e do outro da fronteira. Para esse efeito, dispunham de meios podera·
sos para espalhar o pânico entre a população dos dois países, a fim de per·
suadir cada um de que o outro só tinha um propósito: atacá-lo. Muitos
jornalistas e parlamentares eram generosamente pagos por eles para de-
sempenharem esse papel. Aliás, um importante negociante de armas fran·
cês, de Wendel, além de deputado, era primo de um outro negociante ale·
mão, von Wendel, membro do Reichstag. Um e outro estavam muito bem
colocados, em cada país, para comprarem as consciências e fazerem ouvir os
seus gritos de alarme patrióticos.
Toda esta linda gente - comerciantes de canhões, jornalistas, parla·
mentares - consegue facilmente lançar os dois povos numa corrida louca às
armas que nada mais iria deter, até a guerra.
Os respectivos chefes de Estado, longe de os impedir, encorajavam-nos. E
especialmente o nosso presidente da República, Raymond Poincaré, natural
da Lorena, criado na idéia de vingança e disposto a qualquer mentira, a qual·
quer perversidade, para reconquistar a Alsácia e a Lorena.
Era por estes vários motivos que os soldados alemães e franceses iam se
matar.
Tinham-lhes ensinado a odiarem-se, enquanto os negociantes e os esta·
dos-maiores, fraternalmente unidos, acompanhavam satisfeitos, na retaguar•
da, o desenrolar do drama que tinham desencadeado em conjunto.
Para conhecer mais a fundo esta velhacaria e mostrar que o patriotismo e
a defesa do território não passam de palavras ocas que servem para ocultar as
tramas mais abomináveis, convém contar a história da bacia de Briey, pois ela
é característica, sintomática e, por si só, devia dissuadir os povos de pegarem
em armas.
As minas de ferro de Briey-Thionville estavam encravadas nas fronteiras
de Luxemburgo, França e Alemanha. A farru1ia franco-alemã de Wendel era a
proprietária.
Esta bacia era de uma importância capital para o desenrolar da guerra. M.
Engerand, num discurso pronunciado na Câmara dos Deputados, depois do
A GRANDE GUERRA: 1J.500 MORTOS E 13.000 FERIDOS POR DIA 85

conflito, em 31 de janeiro de 1919, dirá: "Em 1914, só a região de Brieyrep:e-


sentava 90% de toda a nossa produção de minério de ferro."
O próprio Poincaré tinha escrito antes: ''.A ocupação da bacia de Briey
pelos alemães seria no mínimo um desastre, pois iria colocar nas mãos deles
incomparáveis riquezas metalúrgicas e mineiras, cuja utilidade pode ser imen-
sa para o oponente que as detiver."
Ora, aconteceu um fato extraordinário: depois de 6 de agosto de 1914, a
bacia foi ocupada pelos alemães, sem qualquer resistência.
Mais extraordinário ainda: o general da divisão encarregada da defesa
desta região, o general Verraux, revelou depois que as instruções que tinha
(dentro de um envelope para abrir em caso de mobilização) determinavam
formalmente que abandonasse Briey sem combate.
A verdade, conhecida muito tempo depois, era a seguinte: tinha havido
um entendimento entre alguns membros do Estado-Maior e os negociantes
de armas franceses para deixarem a bacia nas mãos dos alemães para que a
guerra se prolongasse (os alemães não teriam podido prosseguir sem o minério
de ferro) e os lucros dos negociantes de canhões aumentassem.
E viva a legítima defesa em nome da qual nos matamos ferozmente um
pouco por todo o lado nos campos de batalha!
Mas esta história - como é edificante! - não terminou.
Durante todo o conflito, não houve uma única ofensiva francesa contra
Briey! No entanto, não por falta de advertências.
Com efeito, em plena guerra, o diretor das minas enviava a seguinte nota
ao senador Bérenger: "Se a região de Thionville (Briey) fosse ocupada pelas
nossas tropas, a Alemanha ficaria reduzida aos poucos milhões de toneladas
de minérios pobres que retira da Prússia e de diversos outros Estados. Todas as
suas fábricas seriam obrigadas a parar. Parece, pois, poder afirmar-se que a
ocupação da região de Thionville poria imediatamente fim à guerra, porque
privaria a Alemanha da quase totalidade do metal necessário para os seus
armamentos."
O Estado-Maior francês e o presidente da República foram abundante-
mente advertidos disso. Dossiês completos sobre este assunto foram forneci-
dos a Poincaré pelo deputado Engerand.
Poincaré recusou-se a intervir. O Estado-Maior recusou qualquer ofensi-
va do lado de Briey.
Em lugar de ofensiva, de reconquista do terreno, a opção poderia ser bom-
bardear Briey para tomar as instalações inutilizáveis. Pelo contrário, foram
86 O LIVRO NEGRO DO CAPITALl MO

feitos acordos secretos entre o Estado-Maior francê e alemão, a fim de que os


comboios cheios de minério que se dírigiam para a Alemanha n ão fossem, em
caso algum, bombardeados.
Diga-se, de passage m, que é evident que e ·es mesmos estados-maiores
tinham também decidido não de.sauir respectivos quartéis-generais ... Es·
tes dois bandos de gãngsteres "tinham n nnas".
Apesar disso, aviadores franceses desobedeceram às ordens recebidas e
lançaram algumas bombas re as instalações de Briey. Foram severamente
punidos.
Por intermédio d quem nnham 'do rransmitidas as proibições de bom-
bardear? Através de um tal lugar-tenente Lejeune - todo-poderoso, apesar
de ser um simples lugar-tenen e - , que, na vida civil, antes da guerra, era um
engenheiro li gado às miruu de Joeuf e empregado de M. de Wendel.
Galtier-Boi.uieTe:
"Para não lesar interesses privado muito poderosos, e para evitar violar os
acordos secret05 firmad05 entre indústrias franceses e alemães, sacríficaram-
se, em empreendimen os mili tares ineficazes, centenas de milhares de vidas
humanas, exceto num lugar: Briey-Thonville, de onde, durante quatro anos,
a Alemanha, com toda a tranqüilidade, retirou os meios para continuar a
luta."
Mas a família franco-alemã de Wendel tinha lucros!
Este não passa de um exemplo, entre muitos, do conluio entre os negoci-
antes de armas e 05 govern os~ países em guerra.
Todavia, o saldo humano foi muito pe~ad o:

Saldo humano da guerr.i de 14/18

Mob1\uad0ti 62.110.000

Mortoi B.345 000

Feridos 20000.000

Mortos civis 10 000.000


A GRANDE GUERRA: 11.500 MORTOS E 13.000 FERIDOS POR DIA 87

Mobilizados Mortos

Rússia 12.000.000 1.700.000

França 8.400.000 1.350.000

Império Britânico 8.900.000 900.000

Itália 5.600.000 650.000

EUA 4.350.000 115.000

Romênia - 335.000

Alemanha 11.000.000 1.770.000

Áustria-Hungria 7.800.000 1.200.000

Turquia 2.850.000 325.000

Bulgária 1.200.000 -
TOTAL 62.100.000 8.345.000

Estes números dispensam comentários. Isto representa mais de 5.000


mortos por dia, em todas as frentes, durante todo o tempo que a guerra
durou.

O p6s-guerra

A Alemanha vencida assina o Tratado de \{:rsalhes

O armistício de 11 de novembro equivalia a uma capitulação da Alema-


nha: obrigava-a a entregar a sua frota, uma parte do seu material de guerra e
a evacuar a margem esquerda do Reno, que os aliados ocuparam. Os franceses
tiveram uma recepção entusiasmada na Alsácia-Lorena.
88 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

A paz foi regulamentada pela Conferência lnteralíada de Paris, iniciada


em 18 de janeiro, sob a presidência de Clemenceau. Estavam lá representa·
dos 27 Estados. Na realidade, todas as decisões importantes foram tomadas
em pequena comissão pelo presidente dos Estados Unidos, Wilson, o pri·
meiro-rninistro inglês, Lloyd George, e Clemenceau. Depois de 8 de janeiro
de 1918, o presidente Wilson tinha formulado o seu programa de paz em 14
pontos. Esse programa, que serviu de base aos trabalhos da Conferência,
visava a estabelecer uma nova ordem internacional, baseada no direito dos
povos a dispor deles próprios, e a organização de uma Sociedade das Na·
ções. Mas, se as massas se entusiasmaram com tal programa, os dirigentes e
os diplomatas estavam céticos. Para Clemenceau, o problema capital era
destruir a força alemã.
Após negociações difíceis, o tratado de Versalhes, imposto à Alema-
nha, foi assinado em 28 de junho de 1919. O Tratado instituía uma Sacie·
dade das Nações, abena, primeiro, aos aliados e aos países neutros, e en·
carregada de regular os conflitos, por arbitragem. A Alemanha tinha de
restituir a Alsácia-Lorena à França, a Posnânia à Polônia (com um corre·
dor de acesso ao Báltico) e aceitar que o destino do Schleswig, da Prússia
polonesa, da Alta Silésia, fosse regulado por plebiscito. Além disso, re·
nunciava a todas as suas colônias; comprometia-se a reparar todos os da·
nos sofridos pela França e seus aliados. A França, cujo território fora de·
vastado, recebia, em compensação pelas suas minas do Norte destruídas, a
propriedade das minas do Sarre (o próprio território foi colocado sob con·
trole internacional durante quinze anos). Como garantias contra a Ale·
manha, ela obtinha: 1. a redução do exército alemão para 100.000 ho·
mens; 2. a ocupação provisória da margem esquerda do Reno pelas forças
aliadas durante um prazo de cinco a quinze anos; 3. uma promessa de
auxílio anglo-americano em caso de agressão (promessa anulada em con·
seqüência da oposição do Senado americano).
De volta aos Estados Unidos, o presidente Wilson não conseguiu obter
efetivamente a ratificação do tratado. Os Estados Unidos recusaram-se a ade·
rir à Sociedade das Nações e concluíram com a Alemanha um tratado separa•
do (1921) .
A GRANDE GUERRA: 11.500 MORTOS E 13.000 FERIDOS POR DIA 89

A Áustria-Hungria e o Império Turco são desmembrados

O Tratado de Versalhes foi completado pelos tratados de Saint-Germain,


com a Áustria; de Neuilly, com a Bulgária; de Trianon, com a Hungria; de
Sévres, com a Turquia. Estes tratados consagravam o desmembramento da
Áustria-Hungria e do Império Turco e alteravam consideravelmente o estatu-
to territorial da Europa Central e do Levante.
A Áustria e a Hungria, separadas uma da outra, transformavam-se em
pequenos Estados, um reduzido às suas províncias alemãs, o outro a territórios
de população húngara. As suas províncias eslavas encontravam-se divididas
entre a Polônia ressuscitada, o novo Estado da Tchecoslováquia e a Sérvia,
transformada em reino unido dos sérvios, croatas e eslovenos - ou Iugoslá-
via. A Transilvânia era dada à Romênia, que se tomava um grande Estado de
500.000 km2• A Itália recebia a Ístria, com Trieste e Trentino; disputava com
os iugoslavos a posse de Fiume e da costa dálmata.
A Bulgária perdia o acesso ao mar. A Grécia recebia a Trácia com
Andrinopla, e, na Ásia, o porto de Esmirna. A Turquia encontrava-se reduzi-
da ao território de Constantinopla na Europa e à Ásia Menor ou Anatólia. Os
estreitos ficavam sob controle internacional, o Egito sob protetorado inglês;
as outras províncias turcas da Ásia deviam organizar-se em Estados livres e
ficar provisoriamente sob a tutela de uma potência mandatária da Sociedade
das Nações.
Todos estes tratados eram de difícil aplicação, sobretudo o traçado das
novas fronteiras. Era previsível que a pacificação fosse longa, penosa, pontu-
ada por novas crises. Mas o mundo punha toda a sua esperança na Sociedade
das Nações. Sabe-se o que veio a acontecer.

Bibliografia:

Allard Paul, Les dessous de la guerre révélés parles comités secrets, Paris, 1932.
Delaisi Francis, Le Patriotisme des plaques blindées, tirado pardalmente da revista La PaU: pour
le droit, Nimes, 1913.
Ferro Marc, La Grande Guerre, Paris, 1968.
Gambiez, Suire, Histoire de la Premiere Guem Mondiale , Paris, 1968.
Girardet Raoul, La Société militaire dans la France contemporaine, Paris, 1953.
Jolly Bertrand, Les Archives de la familie De Wendel.
Mayer A., Politics and Diplomacy of Peace Making. Containment and Conterrevolution at Versailles,
Nova York, 1967.
90 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Meyer, Ducasse, Perreux, Vie et mort des Français, Paris, 1919.


Olphe-Oaillard O., Histoire économique etfinanciere de laguerre 1914-1918, Paris, 1925.
Renouvin Pierre, La Crise europérnne et la Premiere Ouerre mondiale, Paris, 1962.
Renouvin Pierre, La Premic!re Guerre mondiale, Paris, 1965.
Tannery, Finances et Défense nationale, Revue des qurnions de Défense nationale, maio 1939.
Toutain J., La Question du bassin de Briey, tirado parcialmente da revista I' Aide morale, sem
data (1916?) .
Valluy, Dufourcq, La Premic!re Guerre mondiale, Paris, 1968.
CONTRA-REVOLUÇÃO E INTERVENÇÕES
ESTRANGEIRAS NA RÚSSIA (1917-1921)
PIERRE DURAND
.·.
A 31 de maio de 1920, Marcel Cachin partiu para a Rússia. Por lá perma-
necerá setenta e um dias, percorrendo milhares de quilômetros através de
cidades e campos. Obcecado pelas recordações do Ano II, escreverá: "Já há
três anos que os operários e os camponeses eram os senhores do país. No dia
seguinte à tomada do poder, haviam tido o objetivo de se entregar à obra de
reconstrução; mas foram impedidos pela contra-revolução, pelas guerras civis
e a intervenção estrangeira que as potências aliadas mantinham no solo russo
desde o final de 1917.
"A ruína de três anos de guerra civil impostos à nação revolucionária ti·
nha-se juntado à própria guerra imperialista. Era fácil imaginar em que estado
se encontrava a economia da nação, após seis anos de combate."
Marcel Cachin fala de soldados voluntários que viu e com os quais con-
versou: "Eram verdadeiramente os filhos e os irmãos dos do Ano II, de Valmy
e da Marselhesa." 1 Sem dúvida que é sempre arbitrário comparar situações
tão distantes uma da outra pela geografia e pela história, mas não há a mínima
dúvida de que os revolucionários russos conheceram também as suas Coblenças
e as suas Vendeias, * e que tiveram de defrontar, senão reis coligados, pelo
menos vános Estados organizados contra a nova ordem que eles pretendiam
estabelecer. Ao terror branco desencadeado contra eles, responderam com o
terror vermelho. E fizeram-no num país de que se dizia não existir em parte
alguma na Europa outro que se lhe comparasse em matéria de déficit cultural.
Este atraso deve, naturalmente, ser levado em conta.
A Primeira Guerra Mundial havia custado à Rússia dois milhões e meio
de mortos. A guerra civil e a intervenção estrangeira causaram mais um mi-
lhão e meio de vítimas. Nove milhões de pessoas foram mortas, feridas ou
desapareceram devido à fome e a epidemias. A produção industrial equivalia,
em 1921, a 15% da de 1913. Produzia-se menos de metade do trigo do que na
véspera da guerra.
Mas de quem era a culpa senão do capitalismo?
Lenin acreditava num evoluir pacífico da Revolução. Enganava-se. A pou-

•Alusão à guerra da Vcndeia (1793-1796), insurreição real e conrra-rcvolucionária que atingiu os de·
pattamentos de Vendeia, Loire-Inferior e Maine•et-Loire. Coblença, cidade alemã onde, em 1792, se
reuniram os emigrados franceses. (N. do T.)
94 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

cos dias da tomada do Palácio de Inverno, em 9 de outubro de 1917, declara:


"Tendo o poder nas mãos, os Sovietes poderão ainda - e é provavelmente a
sua última oportunidade - assegurar o desenrolar pacífico da revolução, a
eleição pacífica dos deputados do povo, a luta pacífica dos partidos no seio
dos Sovietes, pôr à prova, na prática, um programa dos diversos partidos, a
passagem pacífica do poder de um partido para outro. "2
A tomada do Palácio de Inverno fará apenas seis mortos e as salvas do
couraçado Aurora não farão vítimas. Depois de 26 de outubro (8 de nevem·
bro) o II Congresso dos Sovietes aboliu a pena de morte. Os kadets compro·
metidos na tomada da central telefônica de Petrogrado, que queriam recupe·
rar das mãos dos revolucionários, foram libertados com a promessa de se
manterem quietos. Estes não cumpriram, tendo ido juntar-se aos revoltosos
Brancos no sul do país. O general Krasnov jurou que não voltaria a bater-se
contra os bolcheviques. Mais tarde assumirá o comando de um exército cossaco
contra-revolucionário. No final do mês de novembro, o novo poder estava
instalado em quase toda a parte e, em geral, era aceito. Em meados de feverei·
rode 1918, a Revolução poderia passar ao que Marcel Cachin chamaria de
"tarefa da reconstrução". Mas isso era não contar com o ataque das classes
expropriadas e o apoio que estaS iam receber do exterior.
John Reed, em Os dez dias que abalaram o mundo, relata o que lhe havia
dito Rodzianko, o "Rockefeller" russo: ''A revolução é uma doença. Mais cedo
ou mais tarde, as potências estrangeiras deverão intervir, como se fosse para
salvar uma criança doente e ensiná-la a andar." Um outro milionário russo,
Riabouchinski, afirmava que a única solução era "apanhar os falsos amigos do
povo, os Sovietes e Comitês Democráticos e enforcá-los". O chefe dos Servi·
ços Secretos britânicos, Sir Samuel Hoare, que tinha regressado a Londres
ainda antes da tomada do Palácio de Inverno, preconizava a instauração de
uma ditadura militar na Rússia, chefiada pelo almirante Koltchak ou pelo
general Komilov. A escolha de Londres recaiu sobre este último e Paris fez o
mesmo. Em 8 de setembro, Komilov marchou sobre Petrogrado, mas foi der·
rotado e os bolcheviques venceram porque o povo os apoiava.
A simples cronologia dos acontecimentos mostra bem que a origem da·
quilo que os próprios bolcheviques apelidaram de terror vermelho (da mesma
forma que os revolucionários franceses do final do século XVIII falaram de
Terror) se tratou de uma seqüência de fatos cuja origem foi a contra·revolu·
ção apoiada pelo exterior.
CONTRA-REVOLUÇÃO E INTERVENÇÕES ESTRANGEIRAS NA RÚSSIA 95

1918

Em 11 de março, o governo soviético instalou-se em Moscou. A essa altu-


ra, tropas anglo-franco-americanas desembarcaram no Norte. Em 4 de abril,
tropas japonesas desembarcam em Vladivostok, ao mesmo tempo em que o
ataman Semionov dirige uma sublevação na Transbaicália. Em 29 de abril, os
alemães instalam na Ucrânia a ditadura de Skoropanski. Em maio, é o corpo
do exército tchecoslovaco que se subleva ao longo do transiberiano. No Volga,
nos Urais, na Sibéria e na região do Don, Denikine, Komilov, Alexéiev desen-
cadeiam insurreições terroristas, ao mesmo tempo em que os ingleses se pre-
param no Irã para atacar Baku com tropas de cossacos brancos. A Turquia
ameaça na mesma região. No final de maio, três quartos do território soviéti-
co estão nas mãos da contra-revolução e dos intervencionistas.
Em 3 de agosto, novas tropas britânicas, com reforços japoneses, desembar-
cam em Vladivostok. Em 30 de agosto, Lenin é gravemente ferido no atentado
perpetrado por E Kaplan. Em 2 de setembro, o Comitê executivo central dos
Sovietes proclama o Terror vermelho em oposição à contra-revolução. Em agosto
e setembro começa a contra-ofensiva soviética em todas as frentes. Em 20 de
setembro, os Brancos, sob o comando dos britânicos, executam os 26 comissári-
os de Baku. Em outubro, os revolucionários dispõem de um verdadeiro exército.

1919

2 de março: a revolucionária francesa Jeanne Labourbe é assassinada, em


Odessa, por intervencionistas franceses e guardas Brancos. Em 28 de abril,
começa a ofensiva contra o almirante Koltchak, no Ural. No mesmo dia, os
franceses terminam a sua evacuação de Odessa, mas voltam a 23 de agosto
para apoiar Denikin. No mesmo mês, Koltchak é definitivamente derrotado.
Em 24 de outubro, Denikin é vencido em Voronej e em Tsaritsyne
(Stalingrado).

1920

Entre janeiro e março, as tropas soviéticas avançam em toda parte.


Koltchak é vencido na Sibéria, foge, é preso em Irkoustk e fuzilado. Denikin é
o

dar ccrtns fatos históri cos e incon-


dc crimes nesta parte do mundo e
A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
FRANÇOIS DELPLA
)1
A ch<1cina da Primeira Guerra Mundial representou, aos olhos de muita
gente, uma acusação ao capitalismo. Tanto pelo papel dos interesses financeiros
na gênese do conflito, como pela solicitude da indústria em fornecer ao morócínio
meios cada vez mais poderosos. A contestação radical do capitalismo conheci-
da pelo nome de comunismo é, aliás, um dos frutos principais desse confronto;
de início, alimentou-se largamente do horror que ele provocou.
Quanto à Segunda Grande Guerra, o quadro é, aparentemente, mais com·
plicado. Em vez de um regime econômico-político que coloca frente a frente
dois blocos de potências, encontramos, na origem do conflito, um país agressor,
a Alemanha. O regime nazista é certamente capitalista, mas de um tipo muito
particular. É parente de outros regimes, aos quais se aliou na guerra, pelo
menos durante algum tempo, como os da Itália, do Japão, da Hungria, da
Espanha: pode agrupar-se a este conjunto pela designação de fascismo. Ora,
estes países partilham uma hostilidade visceral em relação ao comunismo,
cujas sementes, por vezes importantes, conseguiram erradicar nos seus países,
e cujas forças armadas virão a enfrentar na guerra, seja na URSS ou na China.
Sem falar das resistências nacionais nos países ocupados, quase sempre ani·
madas por partidos comunistas. Mas, em teoria, o fascismo não se opõe mini·
mamente à democracia liberal, ou seja, ao capitalismo não-fascista. Este surge
como o seu principal vencedor, pela extensão e riqueza dos territórios anteri·
ormente fascistas, ocupados em 1944-45. O capitalismo parece, pois, num
sobressalto democrático, ter expiado os pecados da Primeira Guerra, e esta
parece um acidente de percurso. A Segunda Guerra Mundial seria apenas um
ato de extremistas excitados, a quem se teria dado liberdade de movimentos
durante demasiado tempo. O comunismo teria nisso uma parte de responsa-
bilidade, tendo precedido o fascismo e provocado a sua erupção, como uma
autodefesa dos países que se julgavam ameaçados pela URSS ou pelas suas
idéias. Tecem-se, assim, conjecturas sobre o "parentesco" dos dois sistemas e
sobre o conluio que os associou parócularmente no quadro do pacto germano-
soviético, que vigorou entre 23 de agosto de 1939 e 22 de junho de 1941. Não
sonhavam ambos, no fundo, conquistar o planeta pela guerra e não tinham
eles decidido, há muito tempo e de uma forma séria, unir os seus destinos
nesse esforço?
100 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

O estudo que vamos ler sintetiza considerações clássicas sobre a imperfeição


dos tratados de 1919 e investigações recentes a respeito do nazismo e as
primórdios da Segunda Guerra Mundial. Mostra que Hitler, de 1933 a 1940,
traçou inteligentemente o seu caminho, fazendo crer a todas as potências que
a Alemanha se tornaria mais forte sem ameaçar seus interesses. Estamos, pois,
longe da verdade se acusam1os as democracias liberais de candura ou de CO·
vardia e seremos bastante injustos se atribuirmos unicamente à Rússia a ten·
dência de utilizar a agressividade germânica contra os seus adversários. Ese
admitirmos que, em 1914, o capitalismo mostrou os limites da sua capacidade
civilizadora ao lançar os povos uns contra os outros, toma-se difícil acreditar
que, no período entre as duas guerras, esta forma de organização econômica
tenha contribuído única e simplesmente para a paz entre as nações.

1919-1929: a recusa de uma segurança coletiva

Segundo os usos e costumes do século XIX, duas potências deveriam ter


se beneficiado da vitória de 1918: a França e a Inglaterra. Elas tinham jogado
a sua sorte na eliminação do concorrente alemão da cena mundial e, muito
logicamente, partilhavam entre si os despojos coloniais. Mas o século XX era·
zia uma novidade: o divórcio entre poder político e poder econômico. As
boas maneiras àe ingleses e franceses não teriam bastado para vencer a Ale·
manha, e a jovem América, até então à margem da cena mundial, tinha colo·
cada toda a sua força no financiamento do esforço de guerra, tornando-se
credora das duas potências euro-ocidentais. Ela ficou, pois, muito contraria·
da com o comportamento voraz daquelas na Conferência de Paz, sabendo
bem que a ampliação dos respectivos impérios coloniais, já vastos, à custa da
Alemanha e do seu aliado turco, colocaria novos entraves ao comércio dos
Estados Unidos. De resto, a Alemanha tinha compreendido bem quem, em
11 de novembro de 1918, tinha assinado o Armistício com base nos "quatorze
pontos" do presidente Wilson: estes, invocando a liberdade de comércio e o
direito dos povos, assemelhavam-se a um manifesto dos fracos perante as exi·
gências dos ogres franco-britânicos. A Alemanha não podia senão juntar-se a
isso em desespero de causa, e, assim, desenhava-se já um acordo secreto entre
ela e os Estados Unidos. Estes limitaram as amputações territoriais do país
vencido e pennitiram-lhe particularmente conservar a Renânia, que a França
reclamava por razões de segurança.
A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL 101

O conluio germano-americano tomou-se ainda mais visível quando Wil-


son, orgulhoso por ter conseguido limitar o triunfo franco-inglês, foi mal rece-
bido pelos seus compatriotas e os Estados Unidos rejeitaram os tratados. Ao
desautorizarem o seu presidente e o Partido Democrata, eles negavam a pró-
pria legitimidade da participação na guerra de 1917, cuja responsabilidade
atribuíam, como exceção ao culto do capitalismo, "aos vendedores de ca-
nhões". Tendo sido a intervenção americana que fez pender a balança, que
melhor encorajamento poderia esperar o espírito de vingança alemão?
No que diz respeito à França, porém, se o receio da ameaça alemã era bem
justificado, investigações vieram confirmar a gula do empresariado, que pro-
curou aproveitar bem a ocasião para dominar os rivais alemães no mercado
europeu, especialmente na área da siderurgia. 1
A Sociedade das Nações, de que Wilson fora o principal apóstolo e que
teria tido mais eficácia na defesa da paz se tivesse podido reunir todas as na-
ções, encontrou-se reduzida a um clube franco-inglês, com a rejeição ameri-
cana do tratado de Versalhes e também com a revolução que tinha lançado a
Rússia ao ostracismo. Paris e Londres, que se encontravam longe de estar de
acordo em tudo, confrontaram-se aí vivamemente, o que levou à paralisia
total. As questões principais continuaram a ser reguladas, como nos séculos
anteriores, por encontros ad hoc, que em poucos dias tomavam decisões cuja
aplicação nenhum organismo permanente vigiava.

1929-1933: "cada um por si" face à crise

Não é certo que a crise atual ajude a compreender aquela que foi chama·
da de "crise de 1929" e que grassou no início dos anos 30. O principal ponto
comum é o desemprego. Mas hoje, as trocas internacionais não param de
crescer, ao passo que, em 1933, elas tinham caído dois terços em relação a
1929.
Os países que possuíam impérios coloniais eram escandalosamente favo-
recidos, pois podiam mais facilmente do que os outros manter os seus merca-
dos. A Alemanha e os Estados Unidos tiveram, entre as grandes potências, as
taxas de desemprego mais elevadas. Decerto, isso não se devia unicamente ao
fato de não possuírem colônias, mas de qualquer modo essa era a opinião
geral. Daí um ressentimento crescente, além-Atlântico, contra a França e a
Inglaterra. Franklin Roosevelt, eleito para tentar pôr fim à crise, não ficou
102 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

preso a essa idéia. Antigo subsecretário da Marinha durante a presidência de


Wilson, nunca fez nada para combater a idéia, martelada pelos seus antecessores
republicanos, de que a participação do país na Grande Guerra tinha sido um
erro. Os Estados Unidos, a quem Londres e P:iris pretendiam comprometer
numa política econômica e financeira comum face à crise, apresentavam uma
recusa seca na Conferência de Londres, em julho de 1933.

1933-1939: a ilusão da fraq~a de Hitler

Hitler toma nas suas mãos, em 30 de janeiro de 1933, um país com uma
economia enfraquecida e sem apoio externo. O seu programa, expresso em
Mein Kampf, oito anos antes, não poderia ajudá-lo a encontrar aliados, de cal
modo ele aponta inimigos poderosos e diversos: o marxismo, mas também a
caridade cristã, o comunismo, tal como o capitalismo, os franceses e os russos,
as liberdades de qualquer espécie e, acima de tudo, os judeus, culpados de
todos os males ao mesmo tempo. Mas ele vai utilizar uma receita estranhamente
eficaz, que se apóia em dois princípios: disfarçar suas próprias fraquezas e lan-
çar os inimigos uns contra os outros. Para começar, ele não coma o poder
sozinho, mas no seio de um governo numericamente dominado pela direita
conservadora. O seu chefe mais destacado, Franz von Papen, parece, durante
ano e meio, estar em corufições de eliminá-lo em qualquer momento, até
aquela "noite das facas longas• (30 de junho de 1934) , em que o Führer impu-
nemente manda matar os colaboradores mais próximos de Papen. Mas então,
com o pretexto de que também tinham sido eliminados alguns chefes das
Scunnabceilungl'Tl (SA), que se dizia ameaçarem o Exército, este passa como o
verdadeiro vencedor do episódio. Assim, até ao início da guerra, Hitler culti·
vará a aparência de um ditador em potencial, enfraquecido por oposições
internas poderosas e também pela divisão dos que o rodeavam - o que terá
provocado a felicidade dos seus colaboradores mais próximos, a quem ele dis·
tribufa os papéis a desempenhar.
Este jogo esreve longe de ser inteiramente compreendido. Ainda hoje, o
historiador Hans Mommsen, quando fala em um "ditador fraco", não con•
segue certamente unanimidade, mas consegue se fazer levar a sério. Não
obstante, a verdade ganha terreno e coloca uma questão: por que razão,
naquela época, quase ninguém levantou a hipótese de Hitler ser um estrate·
gista muito sagaz?
A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL 103

A resposta leva-nos novamente ao assunto deste texto: porque ninguém


via interesse nisso, pelo menos à luz do que Hitler apresentava como seus
objetivos. Muitos pensavam manipulá-lo (enquanto eles próprios o estavam
sendo por ele): esses tinham, pois, necessidade de acreditar que o homem era
frágil e que, uma vez que ele os tivesse ajudado a alcançar um objetivo, pode-
riam eliminá-lo, caso se tomasse incômodo.
Se aos olhos da opinião mundial, e até os nossos dias, algum país se tem
em alta conta pelo seu papel durante os anos 30, é cenamente a Inglaterra.
No entanto, o seu papel foi dos mais nefastos para a paz e para a democracia.
Aquele que foi desde 1933 um dos principais inspiradores, e que se toma a
partir de 1937 o principal responsável pela sua política de apaziguamento face
a Hitler, Neville Chamberlain, passa por um bom homem, ultrapassado pela
crueldade do universo político, quando na verdade sabia o que queria e isso
não era nada inocente. Acima de tudo, pretendia impedir a França de tomar
iniciativas inspiradas pelo seu antigermanismo atávico, e nisso foi admiravel-
mente bem-sucedido. Tinha com Hitler apenas relações formais, mas, em
contrapartida, cultivava indiretamente, através do Foreign Office, uma certa
intimidade com os conservadores alemães. Contudo, o que ele visava não era
a partilha traçada em Meín Kampf - para a Inglaterra os mares, para a Ale-
manha a Europa Oriental, incluindo a Ucrânia-, mas um fair deal (acordo
de cavalheiros) com o capital alemão, que satisfizesse as suas mais razoáveis
aspirações em relação ao Leste. Daí o seu sentimento de triunfo no momento
de Munique - sacrificando os Sudetas, ele pensa ter canalizado as ambições
orientais da Alemanha, com a ajuda dos seus generais, que não tinham escon-
dido o seu receio de uma guerra contra a Inglaterra. Daí ainda o seu desabafo
no dia seguinte ao da invasão da Tchecoslováquia pela Alemanha, em 15 de
março de 1939, que violava os acordos de Munique-o senhor Hitler não é
um gentleman - não significar que ele o tenha tomado por tal, mas antes que
ele acreditava tê-lo manietado pelo tratado da Baviera. 2
Chamberlain provavelmente nunca terá feito mal a uma mosca. O seu
crime é sobretudo intelectual: ele acreditou ter impedido os planos de Hitler
e ter limitado as ambições da Alemanha, e agiu como se isso fosse uma certe-
za, quando esse objetivo se tomava cada vez mais inverossímil. Durante esse
tempo, perderam-se oportunidades de conter o nazismo, e potenciais aliados
são anexados pelo Reích ou afastam-se.
\04 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Quem é responsável pelo pacto gennano-soviético?

É estranho ler algumas vezes que, antes de 1939, Stalin esperava enten·
der-se com Hitler. É certo que, como sugerem os acontecimentos que se se·
guiram, os escrúpulos ideológicos não o dominavam mais neste caso do que
noutros. Mas para haver casamento são precisos dois, e a atitude de Hitler
não autorizava qualquer esperança. Não que se mostrasse agressivo: até final
de 1938 ele cultiva a sua imagem de homem de paz, buscando apenas a gran·
deza da Alemanha dentro das suas fronteiras, permitindo-se incorporar, de
vez em quando, algumas regiões contíguas de população germânica. Mas,
embora deixasse a Rússia tranqüila, por um lado ele não perdia uma ocasião
de vituperar contra o comunismo e, por outro lado, ia abrindo aos poucos um
caminho em direção ao Leste que teria inquietado qualquer herdeiro dos czares.
Tudo começa, pois, em janeiro de 1939 quando, ao receber os cum-
primentos do Corpo Diplomático, Hitler aperta a mão do embaixador dos
Sovietes, de uma forma ostensivamente calorosa. Seguem-se discretas nego-
ciações comerciais. Entretanto, Stalin, que na falta de alternativa cultivou
conscienciosamente a amizade dos ocidentais, não perde a oportunidade. Fi-
cou certamente ressentido com os acordos de Munique, mas, logo que estes
ficaram ultrapassados pela invasão da Tchecoslováquia, retoma a postura an-
terior e propõe aos países que rodeiam a Alemanha "uma grande aliança"
defensiva. Uma vez mais, a Inglaterra vai reagir com frieza, impedindo que a
França lhe tome a dianteira.
Um fator geográfico complica as negociações. A Alemanha não tem fron·
teira comum com a URSS e esta, para participar numa guerra contra ela, teria
de atravessar a Lituânia, a Polônia ou a Romênia e, de preferência, as três em
conjunto. Lítvinov, comissário do povo para os Negócios Estrangeiros, e de·
pois Molotov, que o sucede a 3 de maio, compreendem que o tratado deve ter
disposições precisas sobre esta questão. É um jogo para a diplomacia britânica
eternizar as discussões, como o foi para a propaganda franco-inglesa dizer
mais tarde que os soviéticos apresentavam "exigências novas" depois de cada
ponto acordado - o que significa que eles tinham decidido há muito se en·
tenderem com Hitler. Chega-se assim ao mês de agosto. Molotov, para obrigar
cada um a mostrar o seu jogo, exige e finalmente consegue que se discuta uma
convenção militar, dizendo quem fará o quê, onde e com que tropas. Militares
ocidentais deslocam-se, pois, a Moscou... e, sem instruções dos respectivos
governos neste campo, são confrontados com a exigência preliminar do chefe
A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL 105

militar soviético, Vorochilov: dado que a Polônia se encontra sob ameaça de


um ataque alemão, os russos pedem para tomar posição preventivamente numa
parte da sua fronteira com a Alemanha.
Stalin dá ainda tempo às delegações militares francesas e britânicas para
contactarem os respectivos governos e a estes para se entenderem com o de
Varsóvia. Mas só a França parece aproveitar esta moratória. Nem o presiden-
te do Conselho, Daladier, nem o seu embaixador em Varsóvia, Léon Noel,
fazem o que quer que seja para levar os poloneses, que não queriam chamar o
Exército Vermelho senão depois de serem invadidos, a levarem em conta as
necessidades estratégicas. Apenas o negociador francês em Moscou, o gene-
ral Doumenc, toma iniciativas para superar o impasse: ele chega ao ponto de
enviar um membro da sua missão a Varsóvia. Daladier, por seu lado, chegará
mesmo a corrigir os seus próprios arquivos, em 1946, para fazer crer que, ao
receber em 21 de agosto o embaixador polonês, ele o ameaçara com uma
"revisão da aliança" se o seu país não aceitasse a exigência soviética: na ver-
dade a data correta era 23 e, até então, não havia sido formulada qualquer
ameaça. 3
É que na noite de 21 surgiu um telegrama dizendo que acabava de ser
assinado um tratado comercial entre a Alemanha e a URSS e, sobretudo, que
o ministro alemão Ribbentrop iria a Moscou para assinar um pacto de não-
agressão.
Os documentos hoje conhecidos parecem indicar que a Alemanha ficou
bastante preocupada com estas negociações militares de Moscou e pressionou
a parte soviética a assinar um acordo, multiplicando as concessões. A opção
de Stalin não se verificou, ou pelo menos não se tomou manifesta, senão
alguns dias antes da assinatura. Sem um acordo com a Alemanha, a URSS
teria sofrido o choque das suas divisões blindadas na seqüência da conquista
da Polônia, e a imobilidade da Drôle de Guerre* permite supor o pouco que
teriam feito os ocidentais para fixar forças alemãs do seu lado. Quem defen-
derá de boa-fé que Stalin não tinha nada a temer dos governos anti-soviéticos
de Paris e de Londres, imutáveis desde Munique, e que era pura paranóia da
sua parte desconfiar de uma paz negociada nas suas costas após um simulacro
de guerra?
Neste ponto de partida para uma guerra que irá matar cinqüenta milhões

ºDesignação pela qual ficou conhecido o período que antecedeu a invasão alemã, entre setembro de
1939 e maio de 1940. (N. do T.)
106 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

de pessoas, e na vantagem inicial de que irá beneficiar a Alemanha, essencial.


mente graças a este pacto germano-soviético, a responsabilidade de
Chamberlain é total, a de Daladier é pouco menor. Por isso, a de Stalin não é
nenhuma.
Pode colocar-se o problema à maneira de Trotski: tornando a Rússia uma
potência estimável, ao travar em todo o lado as lutas, particularmente na
França da Frente Popular, Stalin teria enfraquecido o ímpeto revolucionário
que por si teria podido fazer recuar o fascismo. Realmente! De qualquer modo
era possível conseguir isso através de um acordo clássico entre Estados, cer·
cando e desencorajando o eventual agressor. Era o que pretendia Churchill, e
não poderemos negar que estava certo nesta matéria. É patente que os comu·
nistas franceses encolheram incansavelmente as garras, até final de agosto de
1939, e reagiram o mais docemente possível, desafiando os seus próprios elei·
tores quando Daladier atacava as conquistas sociais da Frente Popular, para
não perturbar a mobilização nacional, nem os esforços diplomáticos do gran·
de irmão soviético.
A responsabilidade de Stalin situá-la-ia antes ... no stalinismo. Os gran·
des expurgos, especialmente o de 1937 contra os quadros do exército, fize·
ram duvidar no Ocidente que a URSS continuasse um parceiro militar im·
portante. No exército francês, o debate sobre a aliança soviética era vivo
desde 1933, e um grande número de quadros, reagindo de uma maneira
mais profissional do que política, inclinava-se a procurá-la. Entretanto, quan·
do em 1935 Gamelin sucedeu a Weygand, as considerações políticas tinham
atingido o auge, estando Gamelin, neste tema, muito próximo do anti-sovié·
tico Daladier (em relação ao qual é necessário lembrar que, antes de ser
presidente do Conselho em 1938, havia sido ministro da Guerra e ocupara
continuamente o cargo de junho de 1936 a maio de 1940). O assassinato de
Tukhatchevski e de várias centenas de generais em 193 7 favoreceu os oficiais
franceses partidários de Daladier, ou fascizantes, que recusavam por prind·
pio uma ação comum com a URSS e que sem dúvida ainda eram minoritários.
A opinião pública, na França como na Inglaterra, foi igualmente menos
propensa, depois do expurgo de 1937, a desejar, perante o desafio nazista, o
reforço soviético. Apesar de tudo, o relato do general Doumenc mostra que
Daladier, ao explicar-lhe a sua missão, justificava-a pela expectativa da opi·
nião pública, que não compreenderia que não se explorasse até ao fundo as
possibilidades de um entendimento com a URSS. Ele relata igualmente
manifestações que, no momento do embarque da missão, confirmavam essa
A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL 107

tentativa. Que impulso não teriam elas tolll3do se a imagem da URSS não
tivesse sido ofuscada pelos expurgos!
Em suma, para saber se os primeiros mortos da Segunda Guerra Mundial,
no dia 12 de setembro de 1939, e tudo aquilo que a sua morte vai provocarem
virtude do poder que se deixou que a Alemanha adquirisse, são ou não "mor-
tos do capitalismo", é preciso ter em conta, antes de mais nada, o antico·
munismo e a forma como a Alemanha soube jogar com isso. Deixando enten-
der que todas as suas ambições tinham se voltado para a Europa oriental e que
a sua satisfação libertaria o planeta de um regime indesejável, atraiu bastante
as simpatias nos meios dirigentes das grandes potências ocidentais. Não
obstante, não teriam aberto assim tão facilmente uma via livre para a expan·
são do concorrente alemão se este não tivesse conseguido persuadi-los de que
era fraco, dividido e incapaz de tirar grande proveito de uma vitória contra o
império do mal. O caminho que estes países deixaram aberto à Alemanha e o
crescimento inaudito do seu poder entre 1939 e 1941 não são, pois, mero
resultado do ódio do empresariado ao movimento operário. São também o
resultado da ingenuidade perante uma encenação particularmente bem-su-
cedida. Os dirigentes das grandes potências capitalistas, excetuando a Ale-
manha, foram levados a acreditar naquilo que lhes segredavam os seus inte·
resses de classe, mesmo contra toda a evidência: que Hitler não era um poütico
de altos vôos, mas um aventureiro inconseqüente que podia ser jogado fora
depois de ser usado.

A Drôle de Guerre, uma boa designação

Se a literatura sobre Munique é relativamente abundante e de qualidade,


a Drôle de Guerre permanece o parente pobre da História do século XX, e no
entanto não há período mais decisivo. Sobretudo quem se interessa por Mu-
nique deveria apaixonar-se pela Drôle de Guerre, quanto as grandes democra-
cias liberais abandonavam ainda mais os seus princípios do que quando ven-
deram os Sudetas à Alemanha por um prato de lentilhas. Veja-se apenas isto:
foi declarada a guerra e prefere dizer-se que foi malfeita (alimentando as ilu-
sões sobre a eficácia do bloqueio à Alemanha e a possibilidade de vencê-la
pelo desgaste) em vez de confessar que o que se fez foi o contrário da guerra,
ou seja, a paz, ou pelo menos que a procuraram com afã.
É aqui que os Estados Unidos entram em cena. Pois são eles os principais
108 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

agentes desta paz, apesar de o terem escondido posteriormente. É certo que


Roosevelt, quando no início de setembro proclama a neutralidade do seu país,
lembrava, com ares de entendido, que "as idéias não são neutras", o que equi-
vale a uma ínfima condenação do agressor alemão. Esta torna-se mais clara
em novembro, com a emenda à lei de neutralidade votada alguns anos antes
pelo Congresso com o beneplácito do presidente. Com a revogação desta lei,
que proibia a venda de material bélico aos beligerantes, será possível vendê-lo
a quem quiser pagar bem e transportá-lo, o que favorece os adversários da
Alemanha, senhores dos mares. Antinazismo? Talvez. Capitalismo, sem dúvi-
da. A indústria americana, novamente atingida pelo desemprego, não pode
na verdade privar-se de vender a quem quer comprar. Nem o imperialismo
americano pode deixar passar uma nova oportunidade de enfraquecer finan·
ceiramente os seus rivais.
Mas, ao mesmo tempo, estranhos emissários cruzam a Europa. Joseph
Kennedy, o pai de John Fiugerald que, aliás, o acompanha, é embaixador em
Londres e visita de bom grado o continente; é um admirador declarado da
eficácia nazista. Sumner Welles, subsecretário de Estado e próximo do presi-
dente, passa várias semanas num vaivém entre Paris, Roma, Londres e Berlim.
São também relatados contatos levados a cabo por empresários, particular-
mente pela General Motors.4
A missão de Welles começa quando a guerra é desencadeada, a partir de
30 de novembro de 1939, entre o agressor soviético e a sua vítima finlandesa.
A brutalidade stalinista, que de momento se exerce apenas no quadro dos
antigos limites do império czarista, e que de início visa somente a garantir as
fronteiras, passa facilmente por um apetite ilimitado de conquista, semelhan•
te ao que se atribui a Hitler. Por todo o mundo, em inúmeros jornais, é ali-
mentada a idéia de que ajudar militarmente a Finlândia equivale a fazer guer·
ra à Alemanha. Se Welles conseguisse de novo a paz e a concórdia, ou se os
resultados da sua missão permitissem uma iniciativa espetacular do presiden•
te, isso seria um mau sinal para a URSS, única potência não visitada pelo
subsecretário. É verdade que, perante a guerra soviético-finlandesa, o presi-
dente não é neutro, mesmo em palavras.
Eis quem nos conduz ao massacre, perpetrado pelos soviéticos, das elites
polonesas caídas em seu poder, a maioria das vezes designado por Kacyn, nome
do ossário onde foi encontrada, em 1943, uma parte das vítimas. A ordem de
Stalin para matar 20.000 poloneses, principalmente oficiais, revelada por Boris
leltsin em 1992, tem a data de 5 de março de 1940-quando essas pessoas
A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL 109

tinham sido aprisionadas em setembro do ano anterior. Não tendo ninguém


chamado a atenção para a data e tentado explicá-la, eu considerei dever fazê-
lo de passagem num livro de 1993 e, que eu saiba, nunca ninguém contrapôs
outra opinão.5 Em 5 de março, a Finlândia acaba de pedir a paz, e Stalin
apressa-se a receber os seus negociadores. Convém por isso perguntar se ele
não atribuiu a esta paz efeitos tais que os seus prisioneiros poloneses, e espe-
cialmente os oficiais, se tornassem perigosos. Podia ser esse o caso se a paz
soviético-finlandesa trouxesse consigo uma reconciliação das potências capi·
talistas, quer dizer, uma paz entre a Alemanha e os seus vizinhos. Para lhes
salvar a face, Hitler tinha de aceitar a ressurreição de uma parte do Estado
polonês, partilhado em setembro de 1939 entre ele próprio e Stalin. Um dos
primeiros gestos deste Estado seria provavelmente reclamar os seus prisionei-
ros de guerra. Seria então difícil matá-los, e perigoso libertá-los, pois a nova
Polônia, tendo recuperado terras libertadas pela Alemanha, seria tentada a
fazer o mesmo do lado soviético, e pela guerra, se fosse necessário. Acrescen-
temos que Welles está em Berlim entre 12 e 6 de março, portanto na época em
que Stalin assina a ordem fatal, e demora-se aí de uma maneira provavelmen-
te muito angustiante para o governo soviético.
Hoje, após novas investigações sobre as premissas do conflito germano·
soviético em 1941 (cf. infra), coloco uma nova questão: este massacre, supon-
do que o revelaram a Hitler ou que tencionavam fazê-lo, não estaria destina-
do a convencê-lo de que os soviéticos estavam definitivamente do seu lado e
que tinham cortado todas as pontes com os ocidentais, de modo a dissuadi-lo
de se reconciliar com eles? Nesse caso, o ato assassino visava menos a reforçar
a defesa do país face a uma eventual guerra soviético-polonesa, induzida por
uma paz polonesa alemã, do que a escapar a todo o preço desta perigosa situa-
ção, ligando definitivamente a sua sorte à do nazismo.6 Resta, mesmo que se
comprove que estas considerações são inexatas, uma dupla constatação: por
um lado, Stalin perdeu a cabeça (ele podia ter deslocado os prisioneiros para
leste, aguardando a evolução dos acontecimentos; erradamente, ele julgou
que não tinha tempo); por outro lado, trata-se sem dúvida de um crime con·
tra a humanidade. Certamente, foram poupadas as mulheres e as crianças, e
até os pobres. Mas este massacre de uma nação por meio das suas elites tem
todas as características de genoddio.
Oficialmente, os contatos realizados na Europa por emissários americanos
durante a Drôle de Guerre são exploratórios. Os Estados Unidos não exercem
qualquer mediação, apenas se informam das intenções de uns e de outros.
110 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Mas não é isso que se diz quando a mediação falha? Nas circunstâncias, é em
Berlim que Welles é mal recebido. A razão é que Hitler fizera uma escolha:
quanto à paz ele não a quer mais, precisa desencadear a sua ofensiva a Oci-
dente, para desferir um golpe decisivo no moral dos seus adversários, assim
como no exército francês e no seu prestígio.
Assim, nesta pseudoguerra, bizarra (drô!e), sobretudo porque nela abun·
dam os gestos pacifistas de todo o tipo, toma-se particularmente criminoso
subestimar as capacidades de Hitler. Ela não deixa ver a trágica bomba que
ele prepara lentamente, calculando ao máximo os seus efeitos, e que faz ex·
plodir bruscamente em 1Ode maio.7

A queda da França e a capitulação geral

No momento em que os exércitos alemães se põem em movimento para


Oeste, nessa alvorada primaveril, o primeiro-ministro inglês chama-se
Chamberlain. Quatro dias antes, Goering fizera saber a Dahlerus, diplomata
sueco oficioso que tinha contatos em Londres, que a Alemanha em breve
faria uma oferta de paz "generosa", mal as suas tropas tivessem "alcançado
Calais". Dahlerus agia então em ligação estreita com Raoul Nordling, cônsul•
geral da Suécia em Paris e bem-relacionado nos meios governamentais fran-
ceses quando foram informados da proposta de Goering Halifax e Reynaud,
ministros inglês e francês das Relações Exteriores - sendo Reynaud também
chefe do governo -, encararam-na primeiro como uma fanfarronice, ou até
como um dos inúmeros sinais de fraqueza que a Alemanha nazi parecia mos·
trar desde o início. Os alemães frente a Calais constituíam uma eventualidade
aborrecida mas não catastrófica. Isso significaria apenas que os exércitos alia·
dos, que tinham entrado na Bélgica para irem ao seu encontro, não teriam
conseguido detê-los e que recuariam em boa ordem até a fronteira francesa:
não havia por que precipitar-se assinar a paz sob as condições alemãs.
Ora, três dias depois, o eixo principal da ofensiva se revelou não nas pia·
nícies belgas, mas na França, no setor de Sedan, onde a defesa foi pulverizada
pelo grosso das divisões blindadas. Rapidamente perceberam de que o territó-
rio francês estava aberto à invasão, mais tarde consideraram que Paris seria
provisoriamente poupada e que o ataque ficaria confinado ao norte da Somme.
Chegaram finalmente à conclusão de que Calais estava bem na mira, mas
pelo sul, e não pelo norte, cercando todo o exército regular francês e britânico.
A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL 111

Muito rapidamente, Lord Gort, que comandava o corpo expedicionário


de Sua Majestade, optou por um recuo até aos portos, seguido de um embar-
que, e em Londres encontrou ouvidos indulgentes, especialmente os de Halifax.
Mas o primeiro-ministro tinha mudado depois do dia 10 e chamava-se
Churchill. Este teve desde logo um único pensamento: manter o estado de
guerra, por qualquer pretexto, fosse ele qual fosse. Para começar, ele fez Gort
recusar a retirada, que teria parecido demais com o prelúdio de um armistício
e que os franceses não aprovavam. Eles queriam lutar... ou assinar o armistício,
mas em caso algum embarcar. Viveu-se, pois, sob a ilusão e as ambigüidades
de um "Plano Weygand" - este tinha recuperado o comando do exército das
mãos de Gamelin, demitido-, que consistia em tentar furar a coluna blinda-
da alemã pelo Norte e pelo Sul... mas que sobretudo consistia em não decidir
coisa nenhuma.
E depois Hitler deteve-se, entre 24 e 27 de maio, às portas de Dunquerque,
o último porto disponível para um embarque. Um falso enigma. Para resolvê·
lo, basta levar a sério a previsão feita por Goering: Hitler detém-se porque
quer a sua paz "generosa", deixando à França e à Inglaterra os seus territórios
e as suas colônias, retirando-lhes somente as armas modernas confiscadas na
Bélgica, a sua combatividade e a sua reputação. É compreensível que a deci-
são demore algum tempo, por isso detém-se, para permitir que Paris e Londres
reúnam os responsáveis. Em Paris, a comissão de guerra de 25 de maio não vê
outra saída a não ser um armistício seguido de um tratado de paz. Mas Reynaud
não expôs, perante esta assembléia bastante numerosa e diversa, a oferta trans-
mitida por Nordling. A decisão mais importante desta comissão, inspirada p01
Weigand, é enviar Reynaud a Londres, a partir do dia seguinte, para, dizem
pudicamente as atas, "expor as nossas dificuldades". O que Churchill traduz,
na abertura da sessão do Gabinete de Guerra de 26 de maio de manhã, por:
"vem anunciar que a França vai capitular."
Mas não nos antecipemos. Na Inglaterra o derrotismo atinge também o
auge, desde o dia 25. De manhã, Halifax revela ao Gabinete conversas entre
diplomatas ingleses e italianos de segunda categoria, sobre concessões que
poderiam dissuadir a Itália de entrar na guerra. Obtém autorização para pros-
seguir esses contatos. À tarde, ultrapassando largamente este mandato, rece-
be ele mesmo o embaixador Bastianini, próximo de Mussolini, e pede-lhe que
o Duce interceda no sentido de favorecer uma "regulação geral européia que
conduza a uma paz durável". Tudo isso em nome do governo, quer dizer, de
Churchill, sem nunca o mencionar. Trata-se menos de uma mentira do que de
ll2 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

uma antecipação: persuadido de que Winston não passa de um bobo cujo


aventureirismo falhara, Halifax considera-o pouco importante e age já como
primeiro-ministro.
O mais espantoso é que no dia seguinte ele relata as conversações ao
Gabinete, sinceramente ou quase (atribui a Bastianini a proposta concorren·
te a uma "regulação geral"), e Churchill não contesta. Este, logo que conversa
com Reynaud a sós, fala em primeiro lugar da Itália, depois pergunta-lhe subi·
tamente se ele recebera propostas de paz. Reynaud responde que não, mas
que os franceses "sabem que podem receber uma oferta se quiserem". Mas é
então que Churchill consegue desviar a conversa, e a visita de Reynaud, ori·
entando o diálogo para a preparação de um embarque em Dunquerque. Efe-
tivamente ele tinha escolhido esta solução na véspera e, ainda que os france•
ses não estivessem sempre de acordo, isso proporcionou uma excelente ocasião
de falar de ação e de batalha, em vez de cessar-fogo e de negociações.
Não tendo a paz chegado com Dunquerque, Hitler retoma o combate,
sem muita tristeza. Ele teria gostado bastante dessa paz imediata e pouco san•
grenta, que lhe teria permitido reclamar dentro de pouco tempo a Ucrânia a
Stalin, mas tinha previsto um tropeço e inverte sem pena a ordem do progra-
ma: dado que a França, abraçando tolamente a obstinação de Churchill, se
oferece indefesa aos seus ataques, ele aproveita para esmagá-la. Não tenciona
certamente obrigá-la a assinar um simples armistício e ocupá-la durante qua-
tro anos. Faz sem dúvida o cálculo de que tal aniquilamento acabará por fazer
amadurecer o desânimo além-Mancha e precipitará a queda de Churchill. No
final de junho, princípio de julho, em todo o caso, voltará a lançar ofertas de
paz através de todo o tipo de canais, e Halifax ficará novamente muito perto
de tomar o poder.8

Os naristas se voltam contra a URSS

A loucura criminosa que consiste em subestimar Hitler não termina, infe·


lizmente, com as fulgurantes vitórias da Primavera de 1940. Deste ponto de
vista, os funcionários do capitalismo francês e o seu novo herói, Pétain, não
são apenas responsáveis por ter facilitado, com grande antecipação, o agrupa·
mento dos judeus, com o Estatuto promulgado em 18 de outubro.9 Aplican·
do-se desde a sua entrada em vigor, com uma habilidade digna de melhor
causa, a imputar a derrota aos grevistas de 1936 que pensavam mais em "go·
A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL 113

zar" do que em fazer filhos e que tinham levado a traição ao ponto de se


concederem duas semanas de descanso anual, esta gente perde uma vez mais
a oportunidade de analisar o nazismo como um veneno administrado em pe·
quenas doses por um louco genial. Pelo contrário, eles obedecem cegamente,
muito antes de escrever em letras gordas, no outono, a palavra "colaboração"
na fachada da sua política. A derrota é aceita como sendo a derrota da demo-
cracia e dos direitos do homem, assemelhando-se a um "deixa-andar" trapa·
lhão. 10 Pretensos defensores da ordem negam não só aquela que a República
tinha feito reinar após os sobressaltos do século XIX e que permitira que um
Pétain, filho de pequenos camponeses, chegasse a marechal, como também
ficam cegos à desordem que uma presença estrangeira e ainda por cima nazis-
ta não podia deixar de gerar. Vêem em Hitler apenas um ditador, que se aman-
sará caso se copie o seu regime. Não se interrogam de modo algum sobre os
seus objetivos. A sua política assenta não sobre uma análise, mas sobre uma
aposta perdida. Depois da agressão inglesa de Mers el-Kébir (3 de julho), eles
propõem uma colaboração militar e, se esta não se concretiza, a razão está em
Berlim, não em Vichy.
Mas infelizmente poucas pessoas disputam o terreno, a não ser De Gaulle
e um punhado de seguidores. Voltando a cair nos erros dos seus camaradas
alemães de 1933, que viam no nazismo essencialmente a destruição oportuna
de antigos poderes, os comunistas franceses tomam uma atitude de espera
que pode ir, sobretudo no início, até a busca de uma coexistência pacífica com
o ocupante - poderia falar-se mesmo de veleidades de colaboração, se a pa-
lavra não tivesse uma conotação tão forte, se não evocasse irresistivelmente a
perseguição aos judeus e a resistentes praticada mais tarde por Vichy. O PCF
não vai além de uma exigência de reaparecimento legal do!'. Humanité e do
retomo legal bastante imprudente dos eleitos nos municípios da zona ocupa-
da que levará, no outono, a detenções estúpidas.
Os comunistas opõem-se decerto, desde o início, a Pétain, o que lhes
permitirá, ao percorrerem os arquivos, exumar precoces citações combativas.
Mas, ao criticarem o escravo francês em vez do amo alemão, dão claramente
a impressão de oferecerem a este os seus serviços. Além de se baixarem assim
ao mesmo nível moral, não dão prova de qualquer superioridade intelectual.
Fazem o jogo de Hitler, que não quer nenhuma das colaborações propostas ou
sugeridas. Ele não procura senão dividir os franceses em fações rivais e manter
cada uma delas paralisada com promessas.
Convém explicar que, à luz das últimas investigações, 11 se a postura de
114 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

espera da parte dos comunistas franceses durou vários meses, as veleidades de


acordo não duraram senão algumas semanas e elas resultaram, pelo que se
pode apurar, de iniciativas de Jacques Duelos. O seu chefe, Maurice Thorez,
logo que pôde, deu a conhecer, a partir de Moscou, a sua desaprovação e a do
Komimem (Internacional Comunista). Por outro lado, os comunistas da Fran-
ça estavam longe da unanimidade e nada contesta os atos imediatos de resis-
tência praticados, em nome do partido, por um tal Charles Tillon. Mas era
mesmo Duelos quem comandava e, se ele interrompeu, a partir do mês de
agosto, qualquer negociação com o ocupante, toma-se forçoso encarar os con-
tatos precedentes como o resultado de um oportunismo stalinista, estranho a
qualquer rigor antifascista ou nacional, engendrado por um alto dirigente,
cuja biografia transborda de feitos patrióticos, por diretivas vindas de Mos-
cou, em setembro de 1939: considerar a guerra, à semelhança da anterior,
como uma "guerra imperialista" na qual os comunistas não têm de tomar par-
tido.
O grande ano de Hitler é, se refletirmos, aquele que vai de 22 de junho de
1940 - armistício com a França - a 22 de junho de 1941 - invasão da
URSS. Estragando os seus planos, a obstinação de Churchill - que faz a
aposta de manter o seu país sozinho em guerra, no meio das grandes potên·
cias, contra uma Alemanha que neutralizou todas as outras - dá ao campeão
alemão a oportunidade de manifestar todo o seu talento. Ele tinha enganado
mesquinhamente a França, fazendo crer que pretendia invadir apenas a Bél-
gica. Depois, engana magistralmente o mundo, fingindo atacar a Inglaterra,
depois de lutar com ela no Mediterrâneo e nos Bálcãs, quando isso não passa
de um movimento de cerco, que lhe permite apresentar-se armado dos pés à
cabeça nos três mil quilômetros da fronteira soviética.
Aqui, é necessário analisar a responsabilidade de Stalin, pois a defesa do
seu país vai ser completamente tomada de surpresa, provocando vários mor-
tos em combate, o que um pouco de vigilância teria evitado, e sobretudo
milhões de prisioneiros condenados à morte por subalimentação: como Hitler
era um racista, especialmente antieslavo, a mortalidade infinitamente superi-
or dos seus prisioneiros russos, sérvios ou poloneses, em relação aos franceses
ou aos ingleses, não tinha nada de imprevisível. Surgiu recentemente uma
tese curiosa: Stalin teria desguarnecido a sua defesa como um jogador, para
melhor atacar. Os seus planos eram unicamente ofensivos, e Hitler teria to-
mado a dianteira.12 Abandonemos este resgate de teses nazistas da época e
vejamos os fatos.
A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL 115

Em outubro de 1940, Hitler conduz a sua maior ofensiva diplomática,


provavelmente destinada, prioritariamente, aos eleitores americanos chama-
dos às umas em 5 de novembro: trata-se de lhes mostrar que o Führer tem a
situação perfeitamente sob controle e que vale mais votar em Wilkie do que
em Roosevelt, que, ao apoiar Churchill, procura uma briga perdida com o
vencedor inconteste da guerra européia. Encontra-se com Pétaín, Franco e
Mussolini. Acontece que Molotov foi convidado para ir a Berlim no mesmo
período, e, arrastando os pés, só chega em 12 de novembro, estragando em
parte o efeito do chefe alemão: quem sabe o que teria acontecido, não apenas
na disputa americana, mas no confronto pennanente entre Churchill e os
pacifistas britânicos, se Hitler tivesse podido, depois dos seus encontros de
Montoire, Hendaia e Florença, exibir também Stalin atrás do seu cortejo
triunfal?
Propõe à URSS uma aliança contra a Inglaterra e uma zona de expansão
na Índia. Molotov recusa. As conversações são cruéis para os ditadores capi-
talistas. O comissário do povo mostra-se infinitamente mais digno do que
Pétain e Franco. No entanto, a dignidade não é um seguro contra os homicí-
dios engendrados pela estupidez. Terá Molotov entendido melhor do que os
outros? Não! Provam-no as confidências feitas na vellúce a Félix Tchouev.
Ele acreditou que Hitler pretendia realmente invadir a Inglaterra e portanto,
ao recusar a sua aliança, a URSS ganhava tempo, mesmo que desse trunfos ao
seu próprio conquistador. Para justificar a agressão, poderia sempre dizer que
tinha proposto um acordo e que tinham recusado. Mas, de qualquer fonna, a
armadilha era perfeita: se tivesse aceito um tratado, Stalin teria reativado o
descrédito lançado sobre o seu país pelo pacto germano-soviético e contraria-
do alguém que quisesse ir em seu auxílio, no momento do inevitável ataque. n
No primeiro semestre de 1941, o gato continua a brincar com o rato. 1
Stalin compreendera bem que pretendiam atacá-lo. Quando ele ignora as .
advertências de Churchill a esse respeito, tal como as de Richard Sorge, não é
por estupidez. É que ele tem um objetivo muito modesto: que o ataque não
ocorra nesse ano. Vai portanto fingir que quem perde ganha e rivalizar na
falta de preparação nas fronteiras, para mostrar bem a Hitler que este não
arrisca nada em mandar os seus peões contra a Inglaterra. Vai acentuar esta
atitude de dia para dia, 14 e até depois do início do ataque. Simultaneamente,
Goebbels soltara, no início de junho, o boato de um desembarque alemão na
Inglaterra e em breve de uma viagem de Stalin a Berlim, que a Tass desmen·
tira. E eis que, no dia 21 à tardinha, Stalin informa subitamente a Berlim que
116 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

aceita ir! Ainda no dia seguinte, quando começa a invasão, dá a ordem de


não resistir, esperando sem dúvida tratar-se de iniciativas de uma parte dos
generais alemães, para forçar o seu governo: neste caso, é ele que, em deses-
pero de causa, se associa à teoria de "Hitler, ditador fraco" . 15
Em tudo isto, os comunistas podem encontrar apenas um consolo: o fato
de a URSS ter agüentado o embate e ficado de pé se deve à reação rápida das
massas e não aos seus dirigentes.

O jogo americano

Os Estados Unidos, surpreendidos pela queda da França, se prepararam


para fazer face às novas responsabilidades, simultaneamente mundiais e capi·
talistas, em tempo recorde. Está na hora de encerrar a discussão ridícula em
que uns dizem que os soviéticos fizeram o essencial do trabalho contra Hitler
e outros que eles só resistiram graças ao apois americano. Com efeito, os dois
grandes mereceram bem as respectivas denominações, por razões que se com·
pletam. Mobilização humana e econômica de um povo que luta pela sua
sobrevivência sob uma autoridade férrea, de um lado, dinamismo conquista·
dor de uma nação em formação, do outro, esmagaram Hitler que, sem ter
ficado totalmente surpreendido com isso, tinha subestimado ambos os fenô-
menos e esperava, sobretudo, poder liquidar um antes de enfrentar plena·
mente o outro.
Após ter sublinhado o peso do anticomunismo nas decisões que deixaram
durante tanto tempo o campo livre para Hitler, gostaria agora de demonstrar
que os vencedores ocidentais inverteram o rumo, pondo de lado, não sem
mérito, a sua repulsa à URSS.
É evidente e bem conhecido o caso de Churchill. Aquele a quem Lenin
tinha atribuído o título de "maior adversário da revolução russa" pôs água na
fervura a partir de 1935, começando a dizer que o perigo nazista era mais
ameaçador do que o perigo comunista e, a partir de 1938, impeliu o seu país a
procurar a aliança com Moscou - uma esperança à qual nenhum conluio
germano-soviético o fez alguma vez renunciar. É, pois, sem forçar a sua con·
vieção, que no dia 22 de junho ele redige e pronuncia à noite um discurso
extraordinário no qual, sem renegar as suas opiniões passadas, acolhe na luta
de braços abertos o aliado que Hitler lhe traz numa bandeja.
O fenômeno com Roosevelt é mais discreto. Pelo contrário, ele se cala no
A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL 117

dia 22 e nos dias seguíntes. Pragmátíco, pensa sem dúvída que encorajamentos
não mudarão de ímedíato a sorte das armas e que, se a URSS desmoronasse
como um castelo de cartas, seria lamentável ter se comprometído com ela.
Não obstante, age, e como poucos americanos e poucos soviéticos se felí-
cítaram por esta ação talvez devido aos preconceitos ideológicos recíprocos, é
hora de tomá-la pública.
Resta, além dos Estados Unidos, uma única grande potência fora da guer-
ra: o Japão. Bem astuto seria quem pudesse dizer se entraria nela... pois o
próprio não sabe. E, sobretudo, não sabe contra quem. Mais do que um fascis-
mo, o regime japonês é um ímperialismo em que o exército tem grande impor-
tâncía. Tendo iniciado a sua expansão em 1890, pouco depois dos Estados
Unidos, chegou a todos os lugares com algum atraso em relação àquele país,
seja às Filipinas ou às ílhas do Havaí. Contrariado, teve de ceder várias vezes.
No entanto, os seus dirigentes estão demasiado bem informados para supo-
rem que era chegado o momento de um confronto direto. Eles preferem ad-
versários mais fracos, particularmente as potências européias já vencidas pela
Alemanha, como a França, vulnerável na Indochina, ou a Holanda, com difi-
culdade em defender as Índías Holandesas. Encara também a possibilídade de
enfrentar a Grã-Bretanha, que desguarnece as suas defesas de Hong Kong ou
de Cíngapura a fim de concentrar as suas forças contra o Reich. Uma outra
opção é possível: estender-se pela Sibéria, à custa da URSS. Opção bem enca-
rada nos anos 30, que permitía dar suporte às íniciativas japonesas contra as
províncias orientais da China, oficialmente para barrar a progressão do comu-
nismo. O banho de água fria chegou com o pacto germano-soviético, concluí-
do no exato momento em que os exércitos japonês e soviético mediam forças
em combates fronteiriços. Desiludida com Berlim, Tóquio acaba por assinar
um pacto de não-agressão com Moscou, em abril de 1941. Hitler, que desta
vez preparava a sua agressão contra a URSS, tinha feito tudo para dissuadir os
japoneses de tomarem essa atitude: com ela, o Japão, além de se vingar do
desprezo dos nazístas pelos seus ínteresses em 1939, espera virá-los para oeste
e incitar Berlim a liquidar a sua guerra contra a Inglaterra antes de iniciar
uma nova. É provável que Matsuoka, o ministro japonês das Relações Exte-
riores, que, em março-abril de 1941 visita Moscou, Berlim e Roma, tenha
pensado que era suficientemente astuto para levar Hítler a invadír a Grã-
Bretanha, o que teria permitido ao Japão ocupar sem grandes perdas as res-
pectivas colônías asiáticas.
Restava convencer os Estados Unidos a fecharem os olhos, apostando na
118 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

sua falta de simpatia pelos impérios coloniais europeus. O êxito era incerto, e
Matsuoka sabia disso. Desde que constata, em 22 de junho de 1941, a ruína
dos seus esforços e a opção irreversível de Hitler por uma expansão à custa da
URSS, 16 muda de opinião e defende, no seu Gabinete, um ataque à Sibéria.
É aqui que Roosevelt intervém. Ele faz saber ao governo japonês, em 4 de
julho, que os Estados Unidos ficariam extremamente contrariados se o Japão
atacasse a URSS. Eles dispunham de muitos meios de pressão. Tinham,se
lançado há dois anos contra as ocupações asiáticas do Japão, numa política de
sanções econômicas graduais, que não atingiam ainda o petróleo. Teria o pri,
meiro,ministro Konoye receio de um embargo a este recurso estratégico? A
verdade é que ele sacrificou Matsuoka e qualquer idéia de agressão anti,sovié,
tica em 16 de julho. A tranqüilidade na fronteira siberiana, que as mensagens
de Sorge faziam crer durável, permitiu a Stalin convocar Jukov, o general dos
combates fronteiriços de 1939, cornos seus melhores regimentos. Estes foram
deslocados para a região de Moscou ao mesmo tempo que os alemães, para
disputar vitoriosamente o terreno, em dezembro seguinte. Roosevelt tinha
contribuído para salvar Stalin e, ao fazer isso, atraiu a ira para si. Pois, para
agradar aos linha.-dura do seu gabinete, Konoye teve de tomar uma iniciativa,
e esta foi a invasão, em final de julho, do sul da Indochina, que implicou o
embargo petrolífero e em conseqüência a obrigação, para o Japão, de agir
depressa, se queria agir. E aconteceu Pearl Harbor.

Pearl Harbor: como e por quê?

Uma chuva de bombas e torpedos abateu,se em 7 de dezembro de 1941


sobre uma base adormecida. Causou mais de duas mil vítimas, depois ateou
no Pacífico um incêndio que causou milhões de mortes e terminou com uma
dupla explosão nuclear.
Se quisermos nos ater a uma visão tradicional, estes mortos se devem
menos ao capitalismo do que ao feudalismo, para não dizer a uma selvageria
primitiva. Teria sido o Japão dos samurais, utilizando a indústria moderna
apenas como um instrumento a serviço de um apetite secular de domínio, que
traiçoeiramente atacaria Pearl Harbor. 17
Uma análise mais detalhada do fenômeno obriga, como destacamos ªº'
tes, a regressar à origem do imperialismo japonês, no século XIX, e à sua inser,
ção tardia no jogo das potências. O bom aluno não assimilou somente as li,
A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL 119

ções técnicas do capitalismo, mas também, e com igual rapidez, as suas lições
geopolíticas. Tentou construir para si um domínio colonial, primeiro à custa
da China, aproveitando a distância das potências européias e jogando com as
suas rivalidades.
A sua cúpula dirigente estava, desde o início, dividida quanto à dosagem
de modernidade e tradição. Mas a ruptura também acontece dentro das pes-
soas. Como todos os dirigentes não-europeus que não são puras criações do
Ocidente, as elites japonesas se perguntam constante e ansiosamente quando
devem ultrapassar o limite entre a importação de valores ocidentais, necessá-
ria ao desenvolvimento, assim como à simples existência, e a preservação das
características nacionais. Daí uma ruptura, de contornos pouco nítidos, entre
burgueses modernistas, preocupados em manter a paz com as grandes potên-
cias, e sobretudo com os Estados Unidos, e outros burgueses que desenvolvi-
am um nacionalismo xenófobo.
Em 1941, o primeiro-ministro Konoye, bastante agressivo em 1937, tor-
na-se mais moderado e procura manter o país fora da Guerra Mundial. Como
o Japão já se encontra envolvido numa guerra local, na China, tem que aca-
bar com ela o mais rapidamente possível, através de um compromisso com o
aval de Washington. Konoye esbarra, dentro de seu próprio gabinete, com
uma tendência belicista que defende uma solução militar que privaria a Chi-
na do seu apoio externo, dado pela Sibéria soviética e Birmânia inglesa. Daí,
pensam os belicistas, a necessidade de uma guerra contra pelo menos uma das
duas potências. Enquanto aguardam, o desejo geral é que os Estados Unidos
não se envolvam. A controvérsia política volta a dividir os chefes militares: o
Exército encara mal a evacuação de territórios chineses, enquanto a Mari-
nha, conhecendo melhor o estado de espírito e os recursos da América do
Norte, permanece cética quanto à possibilidade de uma guerra contra a Ingla-
terra ou a Rússia, sem intervenção dos Estados Unidos.
Mas tinha começado uma partida de pôquer incomum no início desse ano
de 1941. O mais prestigiado dos almirantes, Yamamoto, impôs a idéia de que
era impossível manter os Estados Unidos fora de uma guerra e que, se os
interesses do Japão exigiam uma, tal conflito tinha de começar com um ata-
que-surpresa contra a frota de Pearl Harbor, cuja destruição podia deixar o
campo livre para uma ofensiva japonesa. Provavelmente para seu espanto,
recebeu a ordem de estudar os planos desse ataque. Isso é sabido há muito
tempo. Mas Yamamoto é apresentado como um homem dividido entre suas
convicções pacifistas e sua paixão pela luta. Documentos japoneses recente·
120 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

mente publicados sugerem que ele aceitou dirigir a operação apenas para
sabotá-la. Como evidência, as últimas ordens transmitidas à frota de ataque:
esta frota, a mais poderosa de toda a história naval, devia dar meia-volta, sem
mesmo consultar o Estado-Maior, se fosse identificada durante a sua viagem
de onze dias entre as Kurilas e o Havaí, mais de 24 horas antes de atacar; e
travar batalha em caso contrário. Ora, era difícil imaginar que nenhum meio
de reconhecimento aéreo assinalasse durante dez dias uma esquadra daque-
las, para não falar dos encontros fortuitos com navios ou aviões. Os belicistas
aceitaram um mau negócio, e os pacifistas fizeram um jogo aparentemente
sem riscos. Será que os Estados Unidos têm uma parcela de responsabilidade
na surpreendente carência de meios de reconhecimento aéreo a partir do
Havaf, ou foi apenas má sorte? A resposta é menos simples do que supõem
alguns adversários de Roosevelt, que acham que o presidente vigiava os bar-
cos agressores e os deixou agir para forçar a uma mudança de posição a opi·
nião pública do seu país, ainda pacifista. A ve'rdade é mais ou menos o contrá·
rio. Ele teria dado tudo para saber o que estava sendo planejado. A detecção
de uma força de ataque, que viajava clandestinamente enquanto prosseguia
em Washington a missão de Nomura e de Kurusu, embaixadores extraordiná·
rios, teria permitido que seu país confrontasse o Japão e arrancasse a forma•
ção, em Tóquio, de um governo decididamente pacifista: o seu objetivo era,
no fundo, o mesmo de Yamamoto.
A base de Pearl Harbor, como todas as dos Estados Unidos no Pacífico, foi
efetivamente colocada em estado de alerta pelo comandante supremo das
Forças Armadas, o general Marshall, mas em duas ocasiões: em outubro, no
dia seguinte ao da demissão de Konoye e da sua substituição pelo general
Tojo, presumível belicista; depois, em 27 de novembro, depois da ruptura das
negociações com Nomura, que parecia definitiva. Ora, nessas duas ocasiões,
nada aconteceu. No primeiro caso, os japoneses voltaram à mesa de negocia·
ções com novas propostas. Portanto, Roosevelt, após ter receado um ataque
no final de novembro, volta a ter esperança no princípio de dezembro, e reata
certos contatos. O que ele ignorava era que precisamente no segundo caso, o
Japão, decidido a atacar na rota marítima do Havaf, ou melhor, a correr os
riscos que mencionamos, precisava de um prazo de onze dias para preparar as
suas forças. Por outro lado, num período de tensão internacional tão forte,
ninguém imaginava um ataque-surpresa contra um objetivo tão distante do
Japão como o Havaí, pelo menos com meios importantes. Era antes esperado
nas Filipinas. E o exército americano estava exatamente transferindo equipa·
.
' _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ __ _ _. __ ·-
._....L.i

A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL 121

mento de um arquipélago para o outro... o que explica a concentração, entre


os dois, de instrumentos de reconhecimento aéreo com base no Havaí.
A responsabilidade americana no caso de Pearl Harbor pode, portanto,
ser resumida em uma palavra: racismo. Na verdade, os dirigentes americanos
não o sentem em relação aos seus equivalentes japoneses como Hitler em
relação aos judeus. Trata-se de um mero sentimento de superioridade, quer
moral, quer intelectual ou técnico. A Casa Branca não imaginava que esse
país que se desenvolvera tardiamente fosse capaz de tanta audácia e sabedo-
ria. Roosevelt e Marshall supunham que o controlavam e o dominavam, tan-
to militar como diplomaticamente. A decodificação, pela máquina "Purple",
das comunicações mais secretas entre Tojo e Nomura aumentava o sentimen-
to de superioridade ... e de segurança. 18

Conclusão

A gênese da Segunda Guerra Mundial e o alinhamento de forças ao longo


dos dois primeiros anos mostram simultaneamente que o capitalismo não ti-
nha perdido miraculosamente em 1919 seu potencial belicista e que conser-
vava recursos suficientes para se corrigir e eliminar a sua hedionda variante
nazista, com a ajuda do seu adversário soviético. Rivalidades de grandes po-
tências, com intenções econômicas ocultas, arruinaram primeiro o ideal de
segurança coletiva, antes de Hitler ter manejado o comunismo, no exato
momento em que a URSS, diplomaticamente comedida e entregue a uma
terrível repressão interna, já não parecia assim tão ameaçadora. A agressividade
alemã não permite qualquer dúvida e não podia admitir o pretexto, nos anos
30, do mínimo expansionismo da União Soviética na Europa.
Portanto, Hitler soube, jogando com o ódio dos burgueses à União Sovié-
tica, depois aproximando-se temporariamente dela, impedir a união dos seus
inimigos potenciais, para atacá-los separadamente. No momento crítico de
maio-junho de 1940, tudo estava nas mãos de uma personalidade, Churchill.
Tendo chegado há pouco tempo ao poder, tirando partido das rivalidades na
direção do Partido Conservador, ele conseguiu, com um misto de força de
vontade e astúcia, contrariar a lógica do capitalismo britânico, que levava a
resignar-se com o triunfo de Hitler e a converter as atividades da City em
função deste. Churchill também soube, pouco a pouco, transmitir confiança a
Roosevelt e levá-lo a colocar a serviço do combate ao nazismo as reservas de
122 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

um continente convalescente da crise de 1929 e embriagado pelos lucros cria·


dos pelo conflito.
Percebe-se então como é arriscado atribuir as vítimas de um conflito a um
sistema, e como algumas mortes são preferíveis a vidas submissas. Sem
Churchill, teria havido muito menos mortos entre 1940 e 1945 porque Hitler
teria consolidado durante mais tempo o seu poder e, sem dúvida, destruído o
comunismo, na sua versão stalinista, muito antes de 1991 (e talvez até sem
guerra, pois Stalin poderia ter se resignado a ceder a Ucrânia em virtude da
relação de forças, como Lenin tinha feito em Brest·Litovsk). E Hitler não
teria matado tantos judeus, já que, como demonstram estudos recentes, ele
não opta por sua "solução final" senão em função da lentidão do seu avanço
na URSS em 1941, que o faz considerar a possibilidade de derrota. Uma Ale·
manha triunfante, conseguindo a submissão das outras potências perante uma
confortável extensão das suas fronteiras para Leste, teria permitido que os
eslavos vivessem, reduzidos à servidão, e acabado de expulsar os judeus do seu
"espaço" - com uma brutalidade sem dúvida fatal para muitos, mas sem
genocídio sistemático.
Os dirigentes das grandes potências capitalistas, cegados pelo anti·
comunismo, colocaram em marcha uma violência racista das mais criminosas.
Quanto ao comunismo stalinisca, ele tentou, de uma forma desastrada, pre·
servar os interesses do movimento operário identificados com os do Estado
soviético, ele mesmo por vezes bastante ingênuo no que diz respeito às inten·
ções de Hitler a seu respeito. A permanência endêmica da guerra, a partir de
1945, na periferia do mundo desenvolvido, antes ou depois da destruição da
URSS, mostra que a lição só foi aprendida em parte. Se foi possível evitar a
eclosão de conflitos entre grandes potências, só os derrotados na Segunda
Guerra Mundial se abstiveram de usar a força no seu relacionamento com os
países subdesenvolvidos. Da Indochina à Chechênia, passando por Suez,
Afeganistão, Malvinas e Iraque, os "quatro grandes" vencedores recorreram
alegremente à guerra ... ao mesmo tempo em que acusavam os dirigentes ad·
versários de fascismo, mesmo quando eles pertenciam a emias que o autor de
Mein Kampf apreciava muito pouco. Ontem Nasser, hoje Saddam, são novos
Hitler com os quais qualquer acordo seria como o de Munique ... O presidente
Clinton toca facilmente essa música, e, se os seus parceiros do Conselho de
Segurança recentemente o criticaram, foi pelo motivo invocado para a guerra
que pretendia fazer, e não pelo princípio segundo o qual todos os Estados, por
mais poderosos que sejam, têm de submeter-se a uma norma comum. Neste
A SEGUNDA GUERRA MUNDIAL 123

final de século, o capitalismo continua a ter dificuldades em instaurar, no


plano das relações entre as nações, a ordem pacífica que faz reinar nos seus
Estados de direito.

François Delpla é historiador, especialista em Segunda Guerra Mundial, autm; entre outros, de
Aubrac. Les fairs e! la calomnie, Le Temps des Cerises Éditeurs, 1997.

Notas:

1. Cf. Jacques Bariéty, Les rela1ions franco-allemandes apres la Premiere Guerre mondiale, Pa-
ris, Pedone, 1977.
2. Cf. F. Delpla, Churchill e1 les Français (1934-40), Paris, Plon, 1993, eh. 1.
3. lbid., pp. 141-153 (com as referências aos arquivos corrigidos de Daladier), e, do mesmo,
Les papiers secrers du général Doumenc, Paris, Orban, 1992.
4. A missão Welles é ainda mal conhecida e as memórias do viajante, publicadas em Nova
York a partir de 1944 com o t(tulo The Time far Decision, servem-se do estado de guerra
para relatar as conversações de forma seletiva. Entretanto, a partir de 1959, o Departamen-
to de Estado norte-americano publicou, de uma forma que pretende ser totalmente abran-
gente, as informações dadas por Welles ao governo: Diplomaric Papers, 1940, t. 1. Uti-
lização muito parcial destes documentos em Churchill el les Français, op. cit., pp. 337 segs.
e 339 segs. sobre as outras conversações de emissários americanos, cf. John Costello, Les
dixjours qui om sauvé l'Occident, Paris, Oliver Orban, 1991, eh. 3, Les éclaireurs de la paix.
S. Churchill el les Français, op. cit., pp. 371-373. Em Le Livre noir du communisme (Paris,
Laffont, 1997, p. 234), Nicolas Werth cita, com a mesma data de 5 de março, um outro
texto, mais detalhado, assinado por Béria, no meio de uma página muito genérica sobre
as cobranças cometidas nos territórios ocupados pela URSS em 1939-40. Continua a não
existir nenhuma reflexão sobre a data e nenhuma discussão sobre minha tentativa de
explicação de 1993. O que tende a confirmar a crítica feita freqüentemente a esta obra,
de ser mais rica em balanços do que em reflexões.
6. Na parte da Polônia que ocupava, a Alemanha tinha proibido qualquer instrução além da
primária e perseguiu as elites, especialmente religiosas, de todas as maneiras poss(veis: cf.
por exemplo o n11 40 (outubro de 1960) da Revue d' Histoire de la Deuxibne Guerre mondiale.
7. Sobre os preparativos militares alemães durante a Drôle de Guerre, cf. F. Delpla, La ruse
nazie /Dunquerque, 24 maio 1940, Paris, France-empire, 1997.
8. Período estudado por John Costello, op. cit., cap. 12. Um surpreendente black-out persis·
te oito anos após a revelação, pelo Figaro de 13 de julho de 1990, dos trabalhos de uma
pequena equipe de eruditos de Sarthe, reforçada por Philippe Cusin e Jean-Christophe
Averty, sobre as variantes do texto do apelo pronunciado pelo general de Gaulle a 18 de
junho. Elas remetem muito provavelmente à luta entre Churchill e Halifax sobre a conti·
nuação da guerra: cf. Churchill el les Français, op. cit., pp. 717-727. Do mesmo, sobre o
papel de Jean Monnet, entrevista coletiva em 16 de junho 1994, na casa do autor.
9. E não em 3, como se imprime quase sempre: cf. F. Delpla, Montoire, Paris, Albin Michel,
1996, pp. 220-225.
124 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

1O. Cf. Marc-Olivier Baruch, Sen.rir l'État {rançais, Paris, Fayard, 1997, eh. 1. - bem resumi·
dos no livro Eugen Fried de Annie Kriegel e Stéphane Courtois (Paris; Seuil, 1997), pp.
356 a 362.
11. Victor Suvorov, Le brise-glace, Paris, Orban, 1989. Esta prosa, um dos últimos rebentos
da Guerra Fria (o autor, que fugiu para o Ocidente no princípio dos anos 1980, tinha sido
apanhado pela lntelligence Service), não é no entanto desprovida de interesse. Valendo-
se de um estudo rigoroso, até então inexistente, da ordem de batalha soviética, permite
pressentir em Stalin não um desejo suicida de atacar Hitler pelo seu poder, mas determi-
nados projetos de futuro: cf. Paul Gaujac, Barbarossa: l'Armée Rouge agresseur ou agressée!,
conferência no lnstitut d'Histoire des Conflits Contemporains, 26/2/1998.
12. Sobre todos estes encontros do outono de 1940, cf. Delpla, Montoire, op. cit.
13. Com uma exceção: a 5 de maio, sem dúvida para mostrar a Hitler que pode também
reagir se o agredirem, e possivelmente para não deixar a combatividade das suas tropas ir
por água abaixo, ele diz publicamente que "convém passar da defesa ao ataque": cf. Gael
Moullec, "1941: cornment Hitler a manipulé Staline", r. Histoire, março de 1998.
14. Cf. La ruse nazie, op. cit., eh. 12.
15. Cf. Paix et guerre /La politique étrangere des États· Unis 1931-1941, Washington, Department
of State, 1943, pp. 135-136.
16. Cf. E Delpla, Les nouveau.x mysteres de Pearl Harbor, inédito. Extratos na Internet: http: /
www.amgot.org/fr.hist.htm.
17. Acrescentemos para uso exclusivo dos espíritos menos sectários que a passividade ameri-
cana nos dias que precederam o ataque, e mesmo depois do seu início, tanto nas Filipinas
como no Havaí, se assemelha à de Stalin em junho anterior e poderia ter o mesmo obje-
tivo: encorajar as tendências pacifistas no país agressor, mostrar-se passivo.
18. Cf. Philippe Burrin, Hitler etles ]uifs, Paris, Seu~l, 1989.
SOBRE A ORIGEM DAS GUERRAS E UMA
FORMA RADICAL DO CAPITALISMO
PIERRE DURAND
Citar Jean Jaures é algo que se esquece facilmente nos nossos dias. No
entanto era ele que afirmava que o capitalismo traz em si a guerra como a
nuvem traz a tempestade. E poderíamos acrescentar que esta verdade é ainda
mais flagrante quando o capitalismo toma a forma política do fascismo. Para
nos mantermos na Segunda Guerra Mundial e nos seus preâmbulos, é incon-
testável que o capitalismo fascista esteve na sua origem. Mussolini atacou a
Etiópia e a Albânia, Hitler apoderou-se da Áustria e da Tchecoslováquia, o
Japão militarista atacou a China e a União Soviética, Franco, auxiliado pela
Alemanha, instaurou o seu poder contra a República. Numa última etapa,
Hitler provocou a guerra mundial atacando a Polônia.
Nunca se saberá com precisão matemática quantos mortos teve a matan-
ça mundial. Sem dúvida, cerca de cinqüenta milhões da Ásia à Europa e à
África, entre eles, cerca de vinte milhões, civis ou militares, da União Sovié-
tica, que dificilmente poderá ser considerada, nas circunstâncias, responsável.

Foi no quadro geral desta guerra mundial que apareceu a expressão mais
crua e mais violenta da exploração capitalista: aquela de que foi vítima a mão-
de-obra concentrada nos campos nazistas. Os "KZ" de Hitler tinham como
objetivo, na origem, separar adversários políticos do resto da população ale-
mã. Aqueles eram tratados tão duramente que um grande número deles mor-
reu entre 1933 e 1940. Em seguida, as SS, que eram as guardiãs dos campos,
serviram-se dos seus prisioneiros para ganhar algum dinheiro, fazendo-os tra-
balhar nas empresas de sua propriedade, sobretudo pedreiras.
A partir de 1942, os grandes trusts alemães da indústria de guerra exigiram
que fosse compensada a mobilização forçada das forças de trabalho tradicio-
nais por meio da utilização intensiva da mão-de-obra concentrada. Assim
apareceram, dentro dos próprios campos, fábricas de armamento diversas e,
no exterior, em kommandos onde o modo de vida e de morte rivalizava - por
vezes era ainda pior - com o dos "KZ" de que dependiam empresas de todos
os ramos da grande indústria: aviação, produtos químicos, metalurgia, extra-
ção de minério etc. Os prisioneiros trabalhavam noite e dia. Eram escravos
sujeitos a tarefas, e a vida deles pertencia às SS sem restrições nem limites.
No entanto, como escreveu um historiador, "é necessário não cair na ar-
128 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

madilha". Os "KZ" nazistas e os seus kommandos não ressuscitaram a antiga


economia. Os fabricantes de VZ, de espingardas e de aviões que empregavam
os detidos às centenas de milhares, não pertenciam a um mundo estranho aos
movimentos de capitais, à bolsa de valores e aos balanços consolidados. 1

O grande mestre da exploração industrial dos detidos dos "KZ" é um au·


xiliar direto de Himmler, chefe das SS e de todas as polícias, o general Oswald
Pohl, chefe supremo da administração econômica SS, a WVHA, que ele criou
em l 2 de janeiro de 1942. É a partir das diretivas de Pohl que vai ser organiza·
da aquilo que o ministro da Justiça de Hitler, Otto Thierak, chamará de "a
exterminação pelo trabalho".
O princípio é relativamente simples. A mão-de-obra concentrada deve
fornecer uma mais-valia tal que cubra as despesas da sua manutenção pelas
SS e garanta os maiores lucros possíveis às firmas exploradoras, que vão das
maiores (Krupp, Siernens, IG-Farben Industrie, Messerschmidt etc.) às me·
nores - mesmo algumas de tipo artesanal. Para atender às necessidades da
indústria, as SS alugam-lhes detidos a um custo salarial inferior ao da mão·
de-obra livre. Para que ela própria seja beneficiária, tem necessidade de redu·
zir ao máximo as despesas de manutenção dos detidos (alimentação, vestuá·
rio, alojamento). Pohl coloca seus periros para trabalhar. Eles descobrem que
o ponto de rentabilidade corresponde à duração média da vida dos detidos de
cerca de oito meses. Bastará substituí-los, sob os mais diversos pretextos, nos
países conquistados. 2
É interessante comparar esses cálculos teóricos com a realidade. Verifica·
se então que entre 1942 e 1945 - período relativamente curto - a duração
média da vida dos detidos dos campos de concentração foi de oito a nove
meses. 3

Não nos demoraremos na questão do ouro nazista roubado dos judeus da


Europa e transferido principalmente para a Suíça, para ser lavado e utilizado
na compra de material de guerra para a Wehrmacht. Também aí se trata de
um tráfico efetuado segundo as regras capitalistas mais estritas.
Menos conhecida é a participação de firmas consideradas respeitáveis na
economia alemã durante a guerra. O jornal britânico The Guardian publicou
em dezembro de 1997 um estudo de David Cesarani, um investigador especi·
alizado no estudo do genocídio dos judeus. Pesquisando o que se passou na
Hungria durante a guerra, chegou ao nome de Wallenberg. Sabe-se que Raoul
SOBRE A ORIGEM DAS GUERRAS 129

Wallenberg conseguiu salvar numerosos judeus húngaros da morte e que


desapareceu misteriosamente na URSS, segundo parece, após a guerra.
Cesarani refere-se aos trabalhos de um grupo de pesquisadores holande-
ses que se debruçaram sobre o caso Wallenberg e fizeram descobertas interes-
santes. Os irmãos Wallenberg eram banqueiros e industriais suecos que, no
período entre as duas guerras, tinham montado "com industriais alemães" um
cartel que controlava 80% do mercado europeu de rolamentos fornecidos
pela firma SKE O banco dos irmãos Jacob e Marcos Wallenberg, o Enskilda
Bank, de Estocolmo, trabalhava em ligação estreita com a SKF. que conti-
nuou a comerciar com a Alemanha nazista durante toda a guerra. Em 1943, a
SKF tinha mesmo aumentado em 300% as suas exportações para a Alema-
nha. Em 1944 fornecia 70% de todos os rolamentos necessários à indústria de
guerra do III Reich. O general Spaatz, responsável americano pelos bombar-
deios, lamentava, afirmando que "toda a nossa ação aérea (contra as fábricas
alemãs) tomava-se inútil".
Os bancos suecos teriam, ao mesmo tempo, lavado cerca de 26 milhões de
dólares de ouro pilhado pelos nazistas. O banco Enskilda teria comprado à
Alemanha entre 5 a 10% de um total de 350 a 500 milhões de títulos rouba-
dos de judeus holandeses. Esta colaboração com a Alemanha de Hitler foi
revelada logo depois da guerra, e os Wallenberg viram os seus bens nos Esta-
dos Unidos serem congelados. A SKF, sempre ligada aos Wallenberg, voltou-
se então para a URSS, que tinha grande necessidade de rolamentos, conce-
dendo-lhe importantes créditos. Mais tarde, com a Guerra Fria, os Estados
Unidos suspenderam toda a ajuda aos soviéticos e ameaçaram tomar pública
a colaboração dos bancos e das indústrias suecas com os nazistas. Cesaraní
conclui que, sem dúvida, Raoul Wallenberg foi vítima dessas intrigas sombrias
que, ao fornecerem a Hitler material estratégico, fizeram correr sangue entre
1939 e 1945.

Pierre Durand, antigo deportado resistente em Buchenwald, é especialista em deportação,


autor, entre outros, de Resistência dos franceses em Bi1chenwald e em Dora, 21 edição, 1991.

Notas:
1. Dominique Deceze, C esclavage concentrationnaire, FNDIRP, 1979.
2. A atividade de Pohl e dos seus serviços veio à luz durante o processo de Nuremberg.
130 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

l. O extcnnínlo dOJ judcua e d<» dgan<» nas clm.aras de PJ d«o= de uma outra lógica.
Todavía, há que~ t~ em coma que um certo número de indivld~ pertencen tes a estas
categorias (oi igualmentc uti!Uado como mão-de-obra em Au.i.chwia e outros campos
de&tc tipo, a panir do Anal de 19~2.

r
j '
IMPERIALISMOS, SIONISMO E PALESTINA
MAURICE BUTTIN
Na história contemporânea, o destino do povo palestino representa um
verdadeiro anacronismo numa época em que quase todos os povos con-
quistaram a independência.
Para compreender esta situação, impõe-se o conhecimento de um certo
número de dados geo-histórico-políticos referentes ao Oriente Médio.
O papel dos imperialismos ocidentais e russo-soviéticos e o do sionismo
antes da criação do Estado de Israel serão analisados no essencial, no âmbito
limitado deste texto.

O fim do Império Otomano

Agosto de 1914. Começa a Primeira Guerra Mundial. O Império


Otomano já está bastante enfraquecido. A maior parte das suas possessões
européias já tinha sido libertada. O norte da África é colonizado pelas po-
tências ocidentais. A sua integridade só se mantém, há quatro séculos, no
Oriente Médio, por conveniência dos interesses estratégicos da Inglaterra.
Senhora do Canal do Suez e do próprio Egito desde 1882, esta nação recu-
sa-se a aceitar qualquer outra potência imperialista como concorrente nas
rotas terrestres da Índia.
Outubro de 1914. A Turquia do sultão entra em guerra ao lado dos Impé-
rios Centrais. Este será o seu último ato!
A Inglaterra receia um ataque de alemães e turcos contra o Canal de
Suez ... Por isso, muda de idéia e admite, num primeiro momento, uma solu-
ção "árabe" sob controle britânico que substituiria o domínio otomano.

As promessas feitas aos árabes

De julho de 1915 até ao início de 1916, a Inglaterra mantém, com o xerife


Hussein, governador dos Lugares Santos muçulmanos, negociações secretas
mais tarde conhecidas pelo nome de "Correspondência Hussein-Mac Mahon"
1}4 O LIVRO NEGRO DO CAPITAL! M

- o novo residente' britânico no Cairo. Em troe.a d a pr messa de um "reino


ãrabe" libertado, o xerife propõe que a tri ára es se levantem contra o
ocupante turco.
Esta esperança de independência do "Crescente Fértil",• • que então cons-
tituía apenas uma única província turca - a Síria -, não é nova.
O nacionalismo árabe urgiu na rimeira meta de do século XlX, primei·
ro com o rena imemo da língua e da cultura ãrabes, a Nahda - obra de
personalidades muçulmanas e crutãs do Egi to, da Síria, do Líbano e da Pa·
lestina, em lura contra o 1mpenal· mo cultural, depois político, do Império
Otomano.

A partilha imperialista angfo-franasa

Mas a Inglaterra não está zmha na guerra contra a Turquia, aliada das
Potência Cem · . A França e a Rússia dos czares também estão. Estes dois
e oo o, com a França cm primeiro lugar. Não é
L'n.cia na Terra Santa? Não obteve do sultão o
reconheciment o de todos os cristãos do Império Otomano
em 1673?Não ín t:erveio em 182 para salvar de massacres os cristãos maronitas
líbaneses7
A panir de 1916, &ão duzidas em Londres conversações secretas entre
os diplomatas M. Syke e M. Piccx que conduz.em a um "protocolo de acordo"
que estabelece a panilha da região em zon.a.s de influência das duas potências
imperialista - com desprezo 10t31 pelas a..spi.raçõcs árabes e pelas promessas
feitas pelos inglese 1
Para a França, fica o território do Uhano e da Síria enfraquecida. Para a
lnglarerra, a Mesopotâmia (o Iraque) , o 6Udeste da Síria, uma parte da Pales·
tina (Saint Jean d'Acrc) . Para e ta, trata· e de c.orucrvar cm benefício próprio
a "rota das Índias", do Canal de Suez ao Golfo Pérsico.
Uma grande parte da Palestina fica reservada para uma "administração
internacional cuja fo rma deverá ser decidida apó consulta à Rússia" ...
Notemos que esta decisão, destinada a conciliar as reivindicações anglo·
franco-russas, tirando partido dos lugares santos cristãos, não tem qualquer

•Representante Jo ~owmo em um protetor.ido. (N. cln T.)


.. PlarúdCli nlu\i 31' Ull MéJio Oriente on.!e •urgiram Ili grundes dviliz.açõcs pré-chi.Miou. (N. do T.)
IMPERIALISMOS, SIONISMO E PALESTINA 135

ligação com as aspirações dos sionistas, que avançam os seus peões por outro
lado ...

A aliança do imperialismo britânico e do sionismo

O ano de 1917, dramático na frente ocidental, vai alterar um pouco os


planos anglo-franceses no Oriente. É preciso destacar três acontecimentos
principais nessa virada de século:
- A entrada dos Estados Unidos na guerra, em abril, com uma influên-
cia determinante deste país daí em diante, tanto no resultado do conflito
como no desenvolvimento das doutrinas do liberalismo capitalista no mundo.
- A Revolução Russa, seguida da tomada do poder pelos bolcheviques,
em outubro, com o triunfo da ideologia marxista-leninista.
- A "Declaração Balfour", * em novembro, com o reconhecimento ofi-
cial das ambições sionistas pelo governo inglês.
Estas não nasceram na véspera. Se o sionismo religioso - o "Apelo do
Sion", nome de uma colina de Jerusalém -passou a dominar os judeus devo-
tos após a destruição do Templo por Titus em 70, o sionismo político começa-
ra a manifestar-se apenas vinte anos antes.
Efetivamente, data de agosto de 1897 a carta fundadora do movimento
sionista, proclamada no primeiro Congresso Mundial Sionista, reunido em
Basiléia. Um jornalista austríaco, judeu assimilado, Th. Herzl, é a alma deste
movimento nacionalista, nascido das idéias em voga na época em toda a Eu-
ropa, mas sobretudo da constatação da existência de pogroms contra os judeus
na Rússia e na Polônia, e do desencadear de um anti-semitismo virulento na
França, em 1894, com o caso Dreyfus.
O seu programa é formulado desta maneira: "o sionismo tem por objetivo
a criação na Palestina de uma pátria para o povo judeu, garantida pelo direito
internacional."
É preciso lembrar que do Congresso de Basiléia ao de Biltmore em Nova
York, em 1942, os sionistas e os seus amigos nunca utilizaram o termo "Esta-
do", Simples eufemismo para evitar uma oposição demasiado forte em certos
meios ocidentais, incluindo os judeus assimilados, os mais hostis então.

0
Dcclaraç4o que promcre um Estado judaico na Pale•tina (1917), da auroria de Arthur James Balfour,
°'
pol!tico hritAnico que ocupou carga. de primeiro-ministro da• Relações Exteriores. (N. do T .)
136 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Mas Herzl não tinha escrito, em 1896, uma obra que iria marcar a Histó·
ria, Der ]udenstaat (0 Estado judaico)? Aliás , ele mesmo tinha feito esta ob-
servação no seu jornal, no fim do Congresso de Basiléia: "Fundei aí o Estado
judaico. Se eu tivesse a audácia de o proclamar hoje, todos ririam de mim.
Daqui a cinco anos talvez, seguramente daqui a quarenta anos, isso não esca-
pará a ninguém."
Que premonição!
Herzl morre em 1905. Um judeu russo naturalizado inglês assume a causa.
Para Chaüm Weizmann, ao contrário de Herzl, não se concebe a "pátria ju-
daica" fora da Palestina. Brilhante investigador científico, dá uma ajuda pre-
ciosa ao esforço de guerra inglês ao conseguir realizar a síntese da acetona.
Isso abre para ele inúmeras portas, especialmente a de Lloyd George, futuro
primeiro-ministro. Ele é já amigo de Arthur Belfour, futuro ministro das Rela-
ções Exteriores. Propõe a eles a criação de um Estado-tampão judaico na
Palestina sob proteção britânica, a melhor maneira de assegurar a defesa do
Canal de Suez ...
Os ingleses vão comprar esta idéia, principalmente porque receiam ser
ultrapassados pelos judeus alemães favoráveis à causa da Alemanha por ódio
aos russos e porque ela também permite evitar a inremacionalização da Pales-
tina.
A entrada na guerra dos Estados Unidos, a Revolução Russa e as garantias
que é preciso dar aos judeus americanos para que participem do esforço de
guerra e aos inúmeros judeus revolucionários russos, não os deixam hesitar
mais. Balfour pede a Weizmann e a Lord Rotschild - dois raros aristocratas
judeus a seguir a via sionista - que apresentem um projeto de declaração
referente à Palestina. Este projeto alterado seria a base da carta endereçada
pelo ministro das Relações Exteriores britânico a Lord W Rotschild, em 2 de
novembro de 1917, nos termos da qual "o Governo de Sua Majestade encara
favoravelmente a fundação na Palestina de uma Pátria nacional para o povo
judeu e empregará todos os seus esforços para facilitar a realização deste obje·
tiva ..."

A violação das promessas feitas aos árabes

A partir do final de 1917, os dirigentes árabes tiveram conhecimento dos


·~cardos Sykes-Pirot" através do governo bolchevique. Alguns meses após a
IMPERIALISMOS, SIONISMO E PALESTINA 137

"Declaração Balfour", isto é, da ocupação do solo, eles, além das colônias


fundadas já há trinta anos, conhecem um novo imperialismo aliado ao impe-
rialismo britânico!
Para acalmá-los, os governos inglês e francês - que como o governo ame-
ricano aprovaram a "Declaração" - renovam as suas promessas. Na própria
véspera do armistício de 11 de novembro de 1918, eles reconhecem aos povos
libertados do poder otomano "o direito à autodeterminação", cara ao presi-
dente americano Wilson...
A "revolta do deserto" foi, com efeito, muito útil para os aliados. Após
terem libertado Hedjaz, * as tribos beduínas sob o comando do emir Faissal,
filho do xerife Hussein, tomaram Aqaba, chegaram a leste de Amã e todas as
tribos até o Eufrates se uniram. Se o exército britânico de Allenby** ocupou
Jerusalém em 9 de dezembro de 1917, Faisel - o amigo do famoso coronel
Lawrence - e Allenby entraram juntas em Damas em 1 de outubro de 1918.º
Em julho de 1919, acontece em Damasco um congresso geral dos nacio-
nalistas árabes. São votadas várias resoluções condenando os projetos ociden-
tais e especialmente a instalação de uma nação judaica na Palestina...
Isso não causa nenhuma inquietação na Reunião do Conselho Superior
dos Aliados realizada em 25 de abril de 1920 em San Remo: o território árabe
compreendido entre o Golfo Pérsico e o Mediterrâneo é dividido em proteto-
rados da Inglaterra e da França, que serão confirmados, sob a forma de man-
datos, pela nova "Sociedade das Nações" (SDN), em 1922.
A Grande Síria é dividida em quatro partes: para a Inglaterra vão a
Palestina e territórios a leste do Jordão - que veio a ser designada Trans-
jordânia em 1921; à França são atribuídos o Líbano e a Síria. Para os árabes,
o cúmulo foi a "Declaração Balfour" ter sido incluída nos termos do manda-
to britânico!
As promessas feitas aos árabes são totalmente "esquecidas" e os próprios
princípios da carta da SDN violados. A partir de então, o ano de 1920 ficará
para sempre registado, nos textos árabes, como "o ano da catástrofe" (Am AI
Naqba).

0 Provlnciaocidental do Anlbia Saudita sobre o mar Vermelho. Sob dominação otomana fui, de 1916 1
1926, um reino independente que se uniu ao Nadjd pora constituir a Arábia Saudita. (N. do T.)
••Marechal britdnico que, durante a guerra de 1914·18, combateu na Fronço e depois na Pulcstina.
Venceu os turcos cm Meggido (1918). (N. do T.)
138 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Reações árabes. N°"a política britdnica

A partir da primavera de 1921 , irrompem na Palestina manifestações ára·


bes sangrentru. Repetem-se cm 1929 e culminam em 1935 com a primeira
insurreição geral contra todas as forças hritinicas e os seus ali ados sionistas -
que organizam um exército secreto, Haganah. A repressão inglesa é impiedosa:
mais de 5 mil morros.
Mas a guerra aproxima- ~ e desta \ -C: os ingleses temem um acordo secre·
to entre a Alemanha e 05 paú.cs ârahõ. Publicam então, na primavera de
1939, um documento no qual negam qual. er intenção de criar um Estado
judaico. A Palc.~tina devera obrcr a ua independência no prazo de dez anos e
tomar-se um Estado binJK·onat A imigração judaica é limitada.
Os dirigenre5 sionisw il\!ta ~i.c então nos Estados Unidos e, na Con·
fer~nda de Biltmorc (194Z), já não itam em exigir a criação de um Estado
judaico na Palestina, em todo o ttmtório do mandato!
Com a oposição bn rjnica. ai organiza.çõcs sionistas mais radicais iniciam
uma grande campanha de terrorumo CDntra o que chamam de "ocupação
,.
.: 1
inglesa" .
'il
•i '
Nos Estados Unidos, o preruientt Roosevelt se inclina mais para os diri·
gentes árabes. Ma.s o seu desaparecimento bru.ral coloca em e.ena o vice Truman,
que precisa do eleitorado judeu ·para a sua eleição em 1948. Este pede ao
governo inglês que pennita a entrada í.med.1ata de 10 mil refugiados judeus
salvos da Shoah• na Palc ti na. O que foi recll5ado.
Os atos de terrorismo aumentam. e cm 22 de julho de 1946 é dinamitado
1

1'
o Q.G. britânico no King David Hotel. lvlai.s de 90 mort.Oll, dezenas de feridos!
'!:
l l ' Em fevereiro de 194 7, face a uma situação ín,sustentável, o governo inglês
·' decide submeter o caso palestino à ONU.

Dois 1\0\IOS imperialismos entram em jogo

Em março de 1947, o presidente Truman anuncia que os E.m1dos Unidos


assumem as obrigações da Inglaterra no Mediterrâneo Oriental e no Oriente
Médio. Náo as deixarão escapar...
l Por seu lado, em maio de 1947, o representante da URSS na ONU,
:!
"Palavra hcbnica usada pon ~o exrermlnio doa ju.kus peloa nazinu. (N. do T .)
IMPERIALISMOS, SIONISMO E PALESTINA 139

Gromyko, admite a necessidade da "divisão da Palestina em dois Estados in-


dependentes"! Decepção da parte dos nacionalistas árabes. Fala-se de uma
"Declaração Balfour soviética".
Uma comissão de inquérico especial é designada pela ONU. O seu relató-
rio, publicado em agosto de 194 7, recomenda a divisão do país em três unida-
des independentes: um Estado judaico, um Estado árabe e um estatuto inter-
nacional para os lugares santos cristãos, de Jerusalém a Belém - o Corpus
Separaium.
A Assembléia Geral da ONU adota esta proposta em 29 de novembro de
1947, tendo 33 países votado sim, entre os quais os países socialistas, que ajuda-
rão muito as forças judaicas na primeira guerra árabe-israelense de 1948-49.
A população judaica, que representa apenas um terço dos habitantes do
país (600 mil em 1,8 milhão), recebe 55% do território do Mandato britãnico...
O que aconteceu depois ... todos sabem!

Maurice Burtin é advogado e presideme da Associação França-Palestina.



GUERRA E REPRESSÃO: A HECATOMBE
VIETNAMITA
FRANÇOIS DERIVERY
1
Se são suficientemente conhecidos os acontecimentos marcantes e mais
espetaculares da guerra colonial do Vietnã no período entre 1965 e 1975, o
grande público ignora ainda, em grande parte, as condições de vida das popu-
lações do Sul durante esse período. Primeiro sob o poder discricionário direto
do ocupante, depois durante o chamado período de "vietnamização" iniciado
por Nixon em 1969, por intermédio do seu fantoche Thieu, que, apoiado pela
logística americana, irá revelar-se um dos mais sanguinários carcereiros desta
região do mundo que, nisso, não foi avara. Thieu que, após a demissão de
Nixon em 1974, com o avanço decisivo e vitorioso da FNL, fugiu em abril de
1975.

As operações no terreno

Em 1963, Thieu, apoiado por Eisenhower, toma o lugar de Diem à frente


do Vietnã do Sul, na seqüência de um golpe de Estado militar. A Frente Naci-
onal de Libertação (FNL), apoiada pelo Norte de Ho Chi Minh, nasce no
mesmo momento. Os Estados Unidos, com Kennedy e depois com Johnson,
envolvem fortemente o seu país na guerra. Thieu é finalmente apoiado por
Nixon, eleito para a Presidência dos Estados Unidos, em 1968. Substituirá
Johnson no início de 1969.

A progressão do envolvimento americano no conflito, tanto no plano hu-


mano como material, é significativa. Julho de 1965: 125 mil homens no terre-
no. dezembro do mesmo ano: 185 mil. Dezembro de 1966: 390 mil (mais 64
mil aliados australianos, coreanos e tailandeses). Dezembro de 1968: 580 mil.
A estas forças juntam-se os 700 mil profissionais e os 200 mil milicianos
do exército do Sul.
Os helicópteros americanos são, então, 3,5 mil. Os bombardeios além do
paralelo 17 têm início em 1965, de forma intensiva, a partir de aeroportos na
Tailândia e em Guam. Em três anos de bombardeios, de fevereiro de 1965 a
abril de 1968, os americanos despejaram 500 mil toneladas de bombas no
Norte e 200 mil toneladas no Sul. Em seis meses (1972) terá sido atingido o
144 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

total impressionante de 400 mil toneladas de bombas lançadas. No solo, as


operações de "limpeza" não são menos mortíferas, pontuadas de aconteci·
mentos particularmente sangrentos, como o massacre de 500 camponeses em
My Lai, em 1971, em que o grupo do tenente Calley, investido dos interesses
do Tio Sam, ficou tão célebre, e no mesmo gênero, que a divisão Das Reich,
em Oradour·sur-Glane, em 20 de junho de 1944.
Após o episódio da substituição de Westmoreland por Abrams, a Confe·
rência de Paris tem início em janeiro de 1969. Fortemente criticado interna·
mente, Nixon inicia sua política de "viemamização", que consiste em retirar
as forças americanas terrestres, intensificando ao mesmo tempo as operações
aéreas e reforçando as unidades sul-viemamitas com equipamento, auxílio
logístico e policial, a fim de transferir para elas as operações mais perigosas. O
exército do Sul passa assim, em 1972, para 120 mil militares, mais 600 mil
milicianos recrutados muitas vezes sob coação, como veremos. Quanto à For·
ça Aérea, passou a contar com mais de 2 mil aviões.
Com o pretexto de controlar as pistas de abastecimento da FNL, america·
nos e sul-vietnamitas intervieram no Camboja, em 1970. Os bombardeios no
Norte são retomados com intensidade a partir de 1972, especialmente sobre
Haiphong (porto de chegada dos barcos procedentes da China e da URSS).
Os acordos de Paris são finalmente assinados em janeiro de 1973. A partir da
renúncia de Nixon (1974), e em função dos protestos crescentes da opinião
pública americana contra a guerra, os Estados Unidos abandonam Thieu, car·
niceiro do seu próprio povo, que já não pode contar senão consigo. Este acaba
por fugir, em 21 de abril de 197 5, para gozar uma reforma dourada no país dos
seus protetores. Em 30 de abril, a FNL entra em Saigon.

A repressão interna

Um balanço oficial americano, subavaliado, calcula cerca de 500 mil civis


e 200 mil militares sul-vietnamitas mortos entre 1964 e 1973, e 55 mil ameri·
canos mortos. Estes números, que se referem às operações de guerra terrestre,
provavelmente diminuídos, não levam em conta um nú.mero considerável de
feridos e de mutilados nos dois campos e, evidentemente, no Vietnã do Nor·
te. O número de mortes nas fileiras do Vietcong e no Vietnã do Norte é, pelo
menos, de 725 mil, entre 1964 e 1973. Além disso, as estimativas americanas
nada dizem das vítimas da repressão interna e das execuções sumárias no Sul.
GUERRA E REPRESSÃO: A HECATOMBE VIE'INAMITA 145

Sob Thieu, apoiado pela logística americana, esta repressão foi particular-
mente feroz e sanguinária. Às bombas, ao napalm, ao fósforo, é necessário
somar todo o instrumental mortífero das prisões, as torturas, as sevícias e as
medidas de coação psicológica.
É deste aparelho de repressão e seus métodos que tratamos aqui, com
mais rigor.
Em 1969, Nixon renuncia à reconquista das zonas rurais e montanhosas
libertadas. Ordena o bombardeio sistemático e ininterrupto destas regiões,
obrigando milhões de camponeses a refugiarem-se nas cidades. Sobre esta
população concentrada à força, e com o intuito especial de acelerar o recruta-
mento de mercenários, Nixon e Thieu fazem reinar um regime de terror.
Trata-se de paralisar todas as atividades patrióticas, liquidando os mili-
tantes e os suspeitos, encarcerando qualquer opositor real ou presumido; de
aterrorizar a população e de obrigá-la a aceitar a administração que Washing-
ton impõe. A coação física e psicológica pretende mesmo, como é habitual em
regime ditatorial, obrigar os nacionalistas e os resistentes a renegar as suas
convicções, para os fazer passar para o serviço do ocupante.
Com este objetivo, é montado todo um aparelho de repressão. Toda uma
rede de prisões, de trabalhos forçados, de campos de detenção, todo um siste-
ma de torturas físicas e morais é "modernizado" por especialistas e contando
com maciça ajuda financeira e técnica de Washington. A experiência coloni-
al francesa e inglesa - particularmente com Robert Thompson, promovido a
conselheiro supremo de Nixon - foi aproveitada e "melhorada" pelos servi-
ços americanos especializados.

Os instrumentos

Uma força policial repressiva e invasora opera em todos os escalões da


sociedade sul-vietnamita. Mais de uma dúzia de serviços militares e civis são
autorizados a fazer detenções. Em 1971, a polícia foi separada dos serviços
civis para constituir um comando militar separado. O seu chefe, um oficial do
exército, responde diretamente ao presidente Thieu. Esta combinação da po-
Ircia civil e das funções militares reflete a visão de Robert Thompson, alto
conselheiro do presidente Nixon sobre a repressão antiinsurrecional.
Os efetivos da Polícia Nacional passam de 16 mil homens, em 1963, para
120 mil no final de 1972. As suas atribuições vão desde a organização de
146 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

arquivos sobre os habitantes com mais de quinze anos ao interrogatório das


pessoas detidas. Dispõe de um ramo paramilitar antivietcongue (tanques e
artilharia) de 25 mil homens.
A Polícia Especial, uma extensão da Polícia Nacional, está encarregada
da eliminação dos quadros da FNL e da repressão aos movimentos pacifistas e
pela neutralidade. Utiliza habitualmente a tortura nas pessoas presas e tem
em conta uma onda maciça de prisões em 1972.
A polícia recebe ordens diretas da Presidência, da CIA, dos chefes do
Estado-Maior do exército de Saigon e das forças especiais americanas. Tem
sob seu comando 20 serviços provinciais, que empregam entre 80 e 120 pes-
soas, dispõem de 300 repartições e de um exército de informantes.
Uma seção da segurança militar está implantada em cada unidade do exér-
cito e a sua área de atuação estende-se às imediações das instalações militares.
Os serviços secretos subordinam-se diretamente do presidente Thieu. Fa-
zem detenções e, sobretudo, execuções sumárias de opositores manifestos,
utilizando freqtientemente assassinos contratados.
A polícia não é a única a ter uma função de vigilância e de repressão;
todas as autoridades descentralizadas são chamadas a cooperar, quer queiram,
quer não. O mesmo acontece com as autoridades de aldeia, pois toda a admi-
nistração, até o nível da comuna, é designada por Saigon. Uma milícia popu-
lar é recrutada nas cidades, principalmente entre as crianças desocupadas de
12 a 16 anos, às quais são distribuídas armas automáticas. São encarregadas
de reprimir as manifestações de estudantes e as concentrações.
Quanto ao exército, tem todos os direitos, sobretudo fora das cidades.
Qualquer soldado pode prender e interrogar quem quiser. Todas as pressões
são permitidas para arrancar confissões de camponeses que pertencem à FNL
ou que recolhem fundos para ela. Muitos cidadãos comuns são encarcerados
em "centros de alojamento" durante as operações "Busca e Destruição" exe-
cutadas em conjunto pelo exército americano e pelo exército governamental.
Outros foram espoliados durante campanhas de pacificação denominadas
"Fênix" ou "Cigne", como suspeitos de serem simpatizantes da FNL.
Os guardas civis (Van De) são voluntários ainda mais temidos do que os
soldados. Mal pagos (metade do salário de um soldado). eles vivem da expio·
ração e da pilhagem das populações dos campos. Trabalham sob as ordens de
um chefe provincial (um militar) e dispõem das suas próprias prisões e salas de
tortura.
GUERRA E REPRESSÃO: A HECATOMBE VIETNAMITA 147

O quadro legal

As leis que se considera regulamentarem os processos de repressão não


visam senão a dar uma aparência de cobertura legal à arbitrariedade. É o
terror cotidiano para a população.
Assim, segundo o artigo 12 do novo Código Penal, "São considerados fora-
da-lei todos os indivíduos, partidos, ligas ou associações culpados de qualquer
ato, seja sob que forma for, que, direta ou indiretamente, tenda a promover o
neutralismo comunista ou pró-comunista."
Ou ainda (artigo 172 da lei sobre o internamento administrativo): "É con·
denado a trabalhos forçados qualquer indivíduo que cometa qualquer ato,
seja ele qual for, que vise a sabotar o espírito anticomunista da nação ou a
prejudicar a luta do povo e das Forças Armadas."
Para suprir a falta de provas, um decreto-lei conhecido como lei "an tri"
(internamento administrativo) permite encarceramento sem julgamento e
sem recurso. O artigo 192 deste decreto-lei (004/66) estipula que qualquer
pessoa "considerada perigosa para a defesa nacional e para a segurança pú·
blica" pode ser encarcerada por um período que chega a dois anos. Esta
sentença é renovável.
Hoang Due Nha, conselheiro pessoal do presidente Thieu, podia se gabar,
com orgulho, em 9 de novembro de 1974, da eficácia de uma polícia munida
destas leis de exceção, capaz de prender em duas semanas mais de 40 mil
pessoas.
Em junho de 1972, vários milhares de pessoas são presas e conduzidas
para a ilha de Con Son - nova designação de Paulo Condor, a prisão de
trabalhos forçados de passado sinistro. Na maior parte dos casos tratava-se
somente de pais, esposas e filhos de suspeitos políticos, como noticiaram di-
versos jornais americanos (Boston Globe, 24 de junho de 1972; New York Post,
28 de junho de 1972).
Ao mesmo tempo, exerce-se coação sobre os intelectuais. Em 1972, a
maioria dos dirigentes das universidades de Hué e de Saigon foi presa (Time,
10 julho de 1972).
Paralelamente aos violentos combates da primavera de 1972, ao longo
da pista Ho Chi Minh, acontecia uma onda de prisões de civis sem prece-
dentes: rusgas nos meios estudantis, prisão de reféns nas famílias de conhe-
cidos militantes políticos, prisão de membros de grupos nacionalistas oure·
ligiosos hostis à guerra e à ocupação americana. O motivo destas prisões,
148 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

sempre o mesmo, "simpatia em relação aos comunistas", é interpretado da


forma mais ampla.

A detenção antes do julgamento

A detenção é apenas o início de um percurso que conduz freqüentemente à


morte. Ainda que o seu processo não tenha sofrido grandes atrasos, um pri·
sioneiro pode passar anos na prisão aguardando julgamento. Antes disso, o
prisioneiro tem grande chance de ser conduzido a um centro de interrogatório,
que lhe arrancará - pelos processos mais terríveis, se for necessário - as con·
fissões assinadas necessárias à sua condenação. O método é comprovado.
Uma mulher testemunha desta maneira o seu encarceramento num cen·
tro de detenção da polícia de Saigon:
"Durante seu interrogatório você podia ouvir os gritos lancinantes dos
que estavam sendo torturados. Algumas vezes eramas obrigados a assistir às
torturas para intimidar e nos fazer confessar o que se queria.
"Duas mulheres da minha cela estavam grávidas. Uma foi violentamente
espancada, a outra recebeu golpes nos joelhos que infeccionaram.
"Uma estudante tentou se matar cortando os pulsos com as torneiras me·
táticas na lavanderia, mas não conseguiu. Então a torturaram enrolando for·
temente uma tira de borracha em sua cabeça. Os olhos saltaram das órbitas e
"1 ela sofria dores de cabeça atrozes ... " (New York Times, 13.08.72).
"Se eles dizem não, batam até eles dizerem sim." Era esta a regra que a
polrcia de Saigon conhecia.

Ajustiça

Os íulgamentos não são mais imparciais do que os processos que os prece·


dem. O acusado de delito político está indefeso (e sem advogado) perante a
onipotência governamental, e a sua condenação é quase certa. De acordo
com os resultados dos interrogatórios e o conteúdo dos relatórios do serviço
de informações, o detido pode ter que comparecer perante um tribunal mili·
tarou ser enviado a um Comitê Provincial de Segurança.
As condenações a trabalhos forçados, à prisão perpétua e à pena capital
são as mais freqüentes. As decisões são rápidas e sem recurso.
OUERRA E REPRESSÃO: A HECATOMBE VIETNAMITA 149

Os CPS (Comitês Provinciais de Segurança) tomam-se célebres pela ar·


bitrariedade. Se lhes parece "claro" que "o suspeito constituí uma ameaça
para a segurança nacional", em função da idéia que têm da situação e das
relações de força, podem impor a sua detenção administrativa sem ter que
justificá-la legalmente.
Como escreveram dois especialistas americanos: ''.i\s formalidades judici-
ais da lei, raramente observadas durante o período recente no Vietnã do Sul,
foram completamente abandonadas a partir do início da ofensiva inimiga.
Embora o governo não tenha proclamado nada, as leis normais que regem os
direitos do acusado estão virtualmente suspensas" (Holmes Brown e Don Luce,
Hostages ofWar, 1972).

Os centros de interrogat6rio

Os prisioneiros Fênix são enviados para os centros de interrogatório pro·


vinciais (PIC). Nestes centros a tortura é tão "administrativamente" aplicada
como era antigamente nas prisões reais francesas.
Relatos lacônicos como este conseguiram chegar à imprensa americana:
"Nguyen Thi Yen foi espancada com um porrete até perder os sentidos.
Logo que recuperou a consciência foi obrigada a ficar de pé, nua, em frente a
dez torturadores que queimaram seus seios com cigarros."
"Vo Thi Bach Tuyet foi espancada e pendurada pelos pés sob uma luz
ofuscante. Em seguida foi encerrada numa cela exígua meio inundada, com os
ratos e os insetos subindo pelo seu corpo" (New York Times, 13 de agosto de
1973).
São testemunhos comprovados por outros. Segundo o Dispatch News Seroice
Intemarional de 6 de julho de 1972, "Mais de 90% das pessoas presas sofreram
interrogatórios violentos que incluíam bastonadas, descargas elétricas, unhas
arrancadas e ingestão de água com sabão".
Um médico americano, o Dr. Nelson, comprovou perante a subcomissão
da Câmara dos Representantes, em 17 de julho de 1970, ter examinado prisi·
oneiros torturados. O presidente da Associação Nacional de Estudantes do
Vietnã do Sul, Huynh Tan Mâm, ficou aleijado, surdo e cego, em conseqüên·
eia de sevícias que sofreu. Também o presidente da Associação dos Alunos do
Ensino Secundário, Le Van Nuôi, deixou de poder andar, depois de várias
bastonadas graves.
150 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Americanos participam nas atividades "anti-subversivas" dos PIC. Segundo


o jornalista Thfodore Jacqueney, "os PIC mantêm relações com os seus equi-
valentes da CIA e muitas vezes com os conselheiros de polícia da AIO" (Aid
wThieu, 1972).

& prisões

A política de terror sistemático, conduzida pelo governo sul-vietnamita


e pelo seu aliado americano se toma tão violenta que não logra obter o
apoio ou sequer a neutralidade da população. A grande arma utilizada é a
deportação maciça. Prisões em massa e a separação policiada da população
são conduzidas pelo regime de Thieu. Barcos excessivamente carregados
transportam mulheres, crianças e velhos para Con Son, sem julgamento.
São 1.500 apenas durante o mês de abril de 1972 (de acordo com o Le
Monde de 10 de janeiro de 1973). Intelectuais, budistas e estudantes de
Hué foram juntar-se a eles.
Em geral, não se sabe nada das pessoas desaparecidas. Nenhum "serviço"
se mostra competente para fornecer informações. Na realidade, o segredo é a
norma e cobre um sistema tentacular de isolamento e eliminação dos opositores
e de repressão generalizada.
Assim, longe das fantasmagorias romântico-nülistas de Apocalypse Now,
uma máquina esmagadora, que não deixa de lembrar muitos aspectos da in·
dústria de morte nazista, funciona na sombra.
Em 1970 haveriam, segundo fonte oficial americana, cerca de 100 mil
prisioneiros nas prisões sul-viemamitas (sessão do Congresso, julho-agosto de
1970). Segundo o Le Monde (10 de novembro de 1971), durante o mesmo
ano, teriam sido efetuadas 153.000 detenções.
A duplicação do orçamento americano destinado às prisões, em 1972,
permite supor que o número de prisioneiros terá também duplicado. Em
1973, milhares de novos prisioneiros amontoam-se nas prisões de Thieu. Os
números americanos aparecem claramente subavaliados. O GRP anuncia,
em 1973, que há cerca de 400 mil detidos em todo o sistema carcerário sul-
viemamita. Para a Anistia Internacional são "200 mil, pelo menos" (no·
vembro de 1972).
Existem mais de mil locais de detenção oficiais e secretos no Vietnã do
Sul. Encontram-se em todas as cidades, em todas as províncias, em todos os
GUERRA E REPRESSÃO: A HECATOMBE VIETNAMITA 151

distritos. Os maiores e os mais conhecidos são as prisões de Con Son ou Con


Dao (ex-Poulo Condor), de Chi Hoa, nos arredores de Saigon, de Thu Duc,
de Tan Hiep e de Cay Dua (na ilha de Phu Quoc, perto da fronteira
carnboj ana).
A forma como os prisioneiros são tratados, conhecida dos americanos -
tanto mais que oficiais do exército trabalham nas prisões em estreita cola-
boração com os sul-vietnamitas-, faz lembrar os métodos nazistas. Os prisio-
neiros conhecem a má nutrição, a promiscuidade e a degradação física e mo-
ral sistemática.

As jaulas de tigres

O "Centro Nacional de Correção de Con Son", como o apresentam as


autoridades sul-vietnamitas, fica situado numa ilha paradisíaca do mar do Sul
da China, a cerca de 220 quilômetros de Saigon. Foi construído pelos france-
ses em 1862 para servir de colônia penal. Há muito que é conhecida pelo
nome de "Ilha do Diabo". As "jaulas de tigre" do campo n2 4 são um dos seus
ornamentos. A sua existência foi, durante muito tempo, negada pelas autori-
dades, tanto americanas como vietnamitas, mas devemos urna descrição
edificante ao jornalista americano Don Luce, já citado, que publicou a sua
reportagem em vários jornais americanos.
Num setor isolado do campo, escondido dos visitantes oficiais, encon-
tram-se pequenas celas sem teto que os guardas vigiam do alto, através de
urna abertura protegida por uma grade. Em cada um desses pequenos compar-
timentos de pedra com cerca de 2,5 metros por somente 1,5 metro, amonto-
am-se três ou quatro prisioneiros. Um balde de madeira para as necessidades
é esvaziado uma vez por dia. Os detidos mostram marcas de pancadas,
ferimentos, perderam alguns dedos, encontram-se num estado de esgotamen-
to tal que não conseguem ficar de pé.
Um balde de cal, por cima de cada cela, permite ao guarda "acalmar" os
prisioneiros que pedem comida: são borrifados com cal viva, que também
cobre o solo. Com tal tratamento, os prisioneiros cospem sangue e sofrem de
tuberculose, de doenças oculares e da pele.
Um edifício adjacente abriga "jaulas de tigre" idênticas, para as mulheres.
Elas são cinco por compartimento. A mais jovem detida tem quinze anos, a
mais velha, cega, setenta.
152 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Os kapos* fazem reinar o terror, surram os mais fracos à mínima queixa.


Fora das visitas oficiais, os prisioneiros permanecem acorrentados a barras
que atravessam as paredes, vinte e quatro horas por dia, mesmo durante as
refeições, o sono e o banho, impedidos de sentar. O telhado de telhas velhas
deixa passar a água quando chove, o chão irregular está coberto de lixo.
Os ferros utilizados em Con San são fabricados pela sociedade Smith and
Wesson de Springfie\d, Massachussetts. Não são moldados e lisos (como os do
colonialismo francês), são feitos em ferro E8, material de construção. Apre-
sentam nervuras cortantes que retalham a carne dos pés e causam um verda-
deiro suplício.
Cerca de SOO detidos, homens e mulheres, são ultrajados durante longos
meses, longos anos, nas "jaulas de tigre". São mais de 10 mil em todo o campo.
Quando não estão nas "jaulas de tigre", os detidos podem se beneficiar da
hospitalidade das "jaulas de boi", preparadas em velhos estábulos da adminis-
tração francesa. Elas não diferem das primeiras senão pelo tamanho e pelo
número de prisioneiros que aí se amontoam, uns vinte, submetidos ao mesmo
regime já descrito.
Ao regime geral, já insuportável, acrescentam outras práticas para impe-
dir os detidos de se alimentarem: dão-lhes três minutos para comer, misturam
pedras ao arroz, o peixe está estragado. Há uma carência total de legumes. A
fome é tal que os prisioneiros alimentam-se de insetos, de cupins, de baratas,
de resto a única fonte de proteínas.
Aos carcereiros - mais de 100 em Paulo Condor-, uma direção com-
placente permite que desenvolvam a opiomania, a orgia (a administração
manda vir regularmente prostitutas do litoral), os jogos a dinheiro, a violação
e o livre assassinato. Desnecessário dizer que os prisioneiros são igualmente
despojados do seu dinheiro e de suas roupas à chegada. Alguns kapos entre-
gam-se a ajustes de contas no recinto do campo para se apropriarem das eco•
nomias acumuladas. Alguns juntam pecúlios de 400 mil a 500 mil piastras.
Como nos campos nazistas, os detidos por crimes comuns são, de bom grado,
utilizados como torturadores auxiliares.
A situação em Chi Hoa, próximo a Saigon, não é melhor. Em 16 de julho
de 1968, o então diretor, Nguyen Van Ve, o chefe dos "especialistas" da admi·
nistração carcerária Lo Van Khuong (ou Chin Khuong), ordena a transferên·

*Nome d3do aos prisioneiros que tinham a função de dirigir os outros pre.sos nos campos de concentra-
ção nazistas. (N. do T.)
GUERRA E REPRESSÃO: A HECATOMBE VIETNAMITA 153

eia de 120 prisioneiros doentes, tuberculosos, paralíticos ou amputados para


as "jaulas de búfalo". A zona das jaulas terá, mais tarde, o nome de "campo de
convalescença". Longe de serem tratados, como esperavam, os 120 prisionei·
ros são amontoados em celas de 12 metros por 8. Cada um dispõe de menos
de um metro quadrado. Depois de terem recusado os trabalhos forçados, os
prisioneiros não têm mais nada para comer além de arroz e de nuoc mam
(molho amargo). Em dois meses, 50% dos prisioneiros contraem beribéri de-
vido à falta de legumes frescos (Debris e Menras, Rescapés des bagnes de Saigon).
Em Thu Duc, uma prisão feminina, as mulheres são torturadas, eletro·
curadas, supliciadas com água, espancadas até à morte por bestas embriagadas.
A vítima é pendurada pelos pulsos a uma trave e em seguida espancada com
bastões por seis ou sete policiais até ao desfalecimento (chama-se a isto a
"viagem de avião"). Atormentam particularmente as estudantes e as jovens,
que sofrem violações coletivas (Escola Superior de Pedagogia de Saigon, 4 de
julho de 1970).
Em Tan Hiep são reagrupados 1.500 condenados a prisão perpétua sobre
os quais não existe qualquer acusação, a não ser o fato de terem sido apanha·
dos por tropas americanas durante uma operação. Tratam-se essencialmente
de camponeses, que apodrecem, por vezes durante anos, sem julgamento, pas·
sando de uma prisão para outra e ignorando completamente as razões do seu
encarceramento. Os guardas cortam muitas vezes os dedos e as orelhas dos
detidos a golpes de facão.
Em Cay Dua, o doutor Tran Trong Chau é torturado com choques até
perder a consciência. "Eu escava encerrado numa cela escura com apenas três
metros quadrados, onde comia e fazia as minhas necessidades. Quando cho·
via muito a água entrava em torrente e os meus excrementos flutuavam por
todo o lado. Tinha de permanecer de pé, com as costas encostadas à parede,
sem poder deitar-me para dormir" (1971).
O número, considerável, de vítimas mortais do regime de Thieu e dos
americanos no Vietnã do Sul é difícil de calcular. Foi possível apurar alguns
números. Em 1971, morreram 147 prisioneiros no campo de Phu Quoc, em
conseqüência de maus-tratos; o mesmo aconteceu com 125, entre janeiro e
maio de 1972, por falta de cuidados. A partir de 15 de setembro de 1971,
ordens especiais autorizam a polícia militar a atirar contra os prisioneiros, sem
aviso prévio. O resultado imediato são 200 mortos e feridos. Vários prisionei-
ros se suicidam rasgando o ventre (News from Vietnam, 1 de março de 1973,
Canadá).
Pn'ixlmo Jo 011111 Jc 1972, o rcHhn- J Thlcu, 1- nJo ·111 omn º"
pro.
11r mit Ju 011ícrõ11d11 J Pnrls, l ·vn n uh1i u1111 i:11 111r11nh 1 d ·x tcnufnlo
n1l&1:11111pn3. om d·ilo, pnrii Hthrcvlv ·r 1i11llli ·W1111l·11t ·d Ili 11 do 'c NH llr•ÍPIJO,
•u1·l11 tWCcH~i\rlu (1ucr dc ~ rip1 11· ·cl'I' tllJq Ol\ll ·lcs que vlwn11111111 ~ R1111Mpr1 3i1 •
é que pudNlnm rt'lntur l'i q11c vlrn111, A 11., ~ ln111ur 1 dos 1tú1rd11 J · 1'1riM, cm
j11nclrli J11 1971, dlfic11h n pnr lilmcm e te pro) ·11 . Al11d11 11 ~~ 1111, 11 mlml·
nl~ trn~ no dll S11l11un fui d c~11pr1r • •r m lh11rc J · ptl~l1111 •h\ 1 111 C. 1111 1) 110,
qu1.1 ,no írcqlh:11tc111c111c 11p1c3.:111 1.tn nmo 1-·n.hi 1IJu "lili ·r111d11 ", l11ro
que i!ll ll Jc ~ tilHi ·oniplcrnmc111 l1Jnu du. "A ls•lrl ·I d · · · r ·n d· 200 mil
prl•k1nclr118ll11Hnl11houçn J 111lcu ' lni,-ri.la n • 1· 1110111c11tu" (Nµ.11y i: 11 Dlnh
Thl, P11rl1, 21 de 11\llrÇ(l d· 197 ) .
11p(llo do~ E8t u.h1~ UnlJ11!i ~ polf lri 11po1111111 l11jl11r prlmordl11I no dl8·
positivo nmcrh:u no no VI · tn~ Jll ui. n•l3tlu cm fln11ncl11r li1n.t1 1111 ·11t c o
l\pnrclhn <lc n:prc s~!lo J o rc1Ji mc de ali.:nn, ·m 1t111nt ·r o p 'N N• 1111 cxpc ·i11li211do
e ctn dirlHlr 115 opcm~/\ 3por lntcrm dlo d um orpo Jc " ·011scllu.:lrnH" onlpre·
aenlc&.
Como e! co~1·un11: 1 o cnlnn li11i mo d h: i.'ll. 1tm: f11~ menor ·s 110H ·lc111 ·mos
mui$ i;,orrupto8 do po(s o upodo, pr ·f ·rindo O ur nn omhrn pum pu xnr oK
cordéis e nno 80 expor oo '-" 1q11 • Jlrcro do ddcnsorcs dos direi! oH h111111mos,
No c11111nto, os prov11s do cnvolvlrnc11to om ·ri uno 1111H mnlHHlnlst rnH <.:11 111•
p1111hn~ de 1nr111m 1 li· cn ar crnm ·rnu e de ·x1crm!nlo slki 111ul111H. Ni'lo Kntls·
fcltoi:m ter lillrnl111rdcadodurun1 c 11nos o Y lc rn n Jo Norr c, t: ·r IT11t11do n mnl·
or pnrrc do Vlc1·11t1 dll Sul u forro e foi,:o, t ·r q11ci11111Jo com n11p:il 111 dczc1111H de
1111lh11n:s llc lnncc111·cs , h:r dcstrufJo ua culrurns Jo p11fs e ter reduzido 11 fome
rnlll1l\cNde ni;rk ult.mcs Juranrc 11 i.1ucrra tcrrcsrr ·,o ncocolonl111is1110 nmcrl·
cunn comh1zl1111nu.1nutra11ucrrn, dissimulada e sun11uln6rla 1 conrrn n rcslstCn·
cio nilclonnl e polft:k:l de todo um pnvo pcrsc1111ido.
Como reconhece um portn -voz dll All~ncl11 pnrn o Dcsc11volvimcn1·0 ln·
tcm11clon11l (AID) 1''A Ali) npolou o pn>~~mma de scg11rr1111;;a plthllca no Ylctnn
n portlr Jc 1955, A funçno Jn AIO conHl ~ tla cm a)11J;1r a polida naclonnl no
recrutamento, trclnnmcnto e organizaçtln de uma força pnrn n mnnutcnçl'lo
du pnz e da mdl!m. Ao todo, mais Jc 7 mil nmcrlcnnos trnbalhnrnm por contn
do progrnma de 'Scgurnnça Pt1hlicn' no Victn1l do Sul" (Hcarlng 011 US
A.slblarice) .
De 1968 11 1971, mais de 100 bilhões de dólares foram gasto~ pela CIA,
pelo Dcportamtnto de Defesa (DOO) e AJO. O slsrcmu policial victnumltn
foi complctumentc rcmoddado cm poucos anos. Dos 300 mil victnomltas en·
t!Ul!IUlA IJ l\l!l'l!IJ. A01 A llHC/\1' MIJIJ VlliTNAMITA IH

11rrc1i11dnHd "111 ri 111 cr 11 ord •111" cm 1972, 11p ·111111122 mil Jcp ·ndcm do orço,
mc111'0 d · S11IH11n . Os 0111rott Hfo p1111,0Hpelo ·no S11rn. í!xlM • l17.11:1lr11c11r um
11rnnd • 11i1111t•n1 de 11µ,l' lll l·tt e r'" l<JH d11 polí·l11 p1tlí1i ·11, q111: Jcpc11dc dlrctn•
nu:nl c d11 IA (Ll/wr111/1111 N1•M Sm1/ i:, 6 de J czc rnhro J · 1972).
Ao pedir 11111 · r~dlto d . 33 mlll11'1' 8 d ' J<>lun:n p11rn o llf\I) n~cnl de 1972, (1
ser 11pllc11dn n11 polr ·111 n11 ·(1111111 (l n ·l11lndo os 22 n1ilh() ·n d· d<1l:irc• Jos (1111,
do~ d11 Pe111rtgi1111>),11A11 de ·l11ru v11 ·m 1971 1"/\ polr la 1111 lunnl vi ·rnurnlto,
11111d118 11Hpl· ton d11 vk 111111 11lwç!'lo 1 é cl 11111111d11 o 11 8~11111lr prour ·nnl varn ·ntc
u11111 111r ·f11 c11d11 v ·z 11111ltt peH111l11 : p11rtllh11r com 111 Í11rç118 orrn11J11s #111,
VICIlllllllll llHO (11rdo J11 111111 'lJlllrll •fCVOlllci1111(trlo C t •lar fl •111 J111 Z ' fl ·la Of•
dcm co1idl111111, 111111 cld11d ·tt e n11H 11n1rH>8. a ·u c~ · rlvo 11n1:1I (100 rnll) Bt rd
cl ·v11ll11 pura 124 lllil l 11 11nc·11Hn11 d · llrbo do 11110 íl Ncnl, parn Ili pcrrnlrlr oMu•
mlr í111un1111c111 · 1111111 re11po11tt11lillld11dc 111111 ~ p ·~11d11 . fü r(t pr vl~ tn uma 0)11do
U~ propor ·lrn111I" (M I ·l111d 'C Kl11rc, Wt.1r Witliout fü1d, 1972).
/\pcH11r dl11110, rrnd11 zldo em lfrns cl ·v11d11K, o gov ·rno om ri nno nno dei·
xc111de11flnr11cr q11 · o rrn111111 •11to JoHprlHlonclros cro 11111 llM1mto lnrcrnn do
VI ·1nl'I do S11l. E, 1n1c1l111n10, crn11n ·scrcverum ns )orn11lis1as I lnlmcs Brown
e Don Lu ·e, "N<1Ncrli 11110No gov ' 1'111> OI ·m i: J · rll uínro·lo; bomhardcnmo&
Hc1n 1111111rlznçl'l11 ·'d 'H Í111l11111108' o p11!s Jdcs; con111do, pnr re speito ~ uu lndc·
pcndC11cl11, pcrr11l1ln1os qu · rnalrrnr · 111 os KCll8 prlslon · Iro~. "
OcpolHq11e dois ol1Herv11dores 111m:rlcr111os rcvcl11rnm u cxlstCncln Jus "jnu·
l11s de tll{re", o µ,ovcrno de S11 lgo11 lnlcl11 11 consl rw,:no de novas celas J · l~ul11·
mcnro, 111 lll znndo os prlsl1111elrm como mllo·Jc -obrn forç11d11. Q11nndo eles se
rccuH11m 1 11 AI O é ohrlg11d111111HHin11r um conlruto de 400 mil dól nrcs com umo
comp11nhh111111erlcnn11, 11 RMK-1\RJ (/-lctfflitgs rm US Assilw11cc).
É prcclHo reconhecer t:nmh~m que os nmcrlcnnos silo rncstred nn arte do
lntcrrogutórlo e Jn torrurn. "Os ce ntrus de lnterroi.:nr6rio dlrll(ldos pcloH orne·
rlcnnos sl'lo conhccldoH pcln MUa formn 'rdlnndn' de torturar" (N110 Cong Duc,
Ú! Mmrclc, 3 de jnnclro de 1973).
Depois dos ucordos de Purls, os nmcrlcnnos contlnunmm u ílnnndnr u
polrclu de Thlcu. A AIO pediu 110 Coni.ircsso 18 milhões de dólnrcs e uo mi•
nlHt~rlo dn Defcsu 11proxlmnd11mentc o dobro (Wa.1/il11gtcm Posr, 2 di: fevereiro
de 1973). "Somente n njudn omerlcnnn cm homens e cm d61nrcs permite n
Thlcu cont'lmmr com ns prisões, 11 dcrcnçno, as torturas e o mnssncrc de prlslo·
nclros pol!tlcos" (Saigon's /irLmnners, USA, 1973). A Imprensa nmcricnna re•
conhecia n pcrmnnl!ncía de "20 mil 'conselheiros clvls' opós o rctlmda das
tropas fardadas" e o pleno funcionamento da "opcrnçõo Fl!nlx - cm breve
156 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

substituída pelo programa F6 com os mesmos objetivos-, um programa apa-


drinhado pela CIA para eliminar os adversários de Thieu e os suspeitos"
(Llberation News Service, 6 de dezembro de 1972).
Dei.xemos a conclusão a um jornalista americano, Michael Klare (En
suroeillant l'Empire tricontinental, n2 21, 1972) : "A ajuda e a direção da Divisão
de Segurança Pública (Public Safery Division) estão tão bem desenvolvidas
que, na realidade, a polícia nacional podia muito bem ser considerada uma
força mercenária dos Estados Unidos, em vez de uma instituição local."

François Derivery é pintor (grupo DDP), autor de inúmeros arcigos de estética e de crítica e
sccrctãrio da revista Es!hétique Cahiers (1988-199i) . Atualmente é chefe de redação adjunto
da revista lntervention.
MASSACRES E REPRESSÃO NO IRÃ
FRANÇOIS DERIVERY
Aos meus amigos -onde estão lwje? -do Partido Tudeh, do Irã

O Irã - a Pérsia -, um país ancestral, berço da humanidade, um país


cuja história milenar e cultura sofisticada envolvem o viajante, como o calor,
logo que ele põe os pés no tarmak do aeroporto de Mehrabad, em Teerã.
Na primavera de 1975, eram necessárias longas horas para superar os vá·
rios serviços, cheios de espiões da Savak e de soldados armados, até chegar à
saída. Os estrangeiros eram francamente mais bem tratados que os iranianos,
que eram especial e meticulosamente controlados.
Antes desse controle, cada passageiro tinha todo o tempo de contemplar,
isolados em um setor reservado do aeroporto, os grandes aviões pintados de
cáqui que transportavam militares americanos e não faziam nada para se es·
conderem. Não deixava também de notar, um pouco mais tarde, a fábrica de
Coca-Cola instalada em pleno centro da cidade.
Apesar da desconfiança e da vigilância exercida sobre as conversas (em
particular os iranianos dizem que um em cada cinco indivíduos encontrados
nos lugares públicos está de perto ou de longe ligado à Savak; um em cada três
nas universidades), e embora certos nomes sejam tabus, ninguém esqueceu o
golpe de Estado de 1953 conduzido pela CIA que pôs fim ao governo de inde·
pendência nacional do doutor Mossadegh e recolocou o país sob o tacão das
companhias petrolíferas anglo-americanas.
Além da sua posição estratégica fundamental, na fronteira da URSS ("pri·
meira linha de defesa do mundo ocidental"), o Irã apresenta também um in·
teresse substancial: o seu petróleo.
A guerra pelo petróleo remonta a 1870. O país está há muito tempo sob
influência estrangeira, sobretudo inglesa e russa. A Anglo-Persian Company
concede ao Irã 16% dos lucros do petróleo. A Rússia (Companhia dos Petró-
leos Georgianos), mais tarde União Soviética, ocupará militarmente, durante
muito tempo, o noroeste do país.
Embora a cultura persa seja milenar e requintada, a sua história não deixa
de estar repleta de acontecimentos sangrentos. É uma longa seqüência de
guerras, assassinatos, repressão e violência. Nesse país, quase sempre dirigido
160 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

por potentados pouco preocupados com os direitos humanos, a eliminação


física aparece freqüentemente como o meio mais simples e mais rápido de
resolver as diferenças, especialmente políticas.
A conjunção desses dois fatores - um fundo de violência ancestral na
base do despotismo e a guerra do petróleo atiçada pelas conspirações e pelas
intervenções do capitalismo anglo-saxão - fará nascer o regime do xá, uma
sinistra máquina de oprimir, assassinar e explorar todo um povo. Nada menos
do que seis presidentes dos Estados Unidos terão velado pelo destino do sobe·
rano, tanto quanto pela boa rentabilidade dos seus investimentos, que repou·
savam nos ombros de um indivíduo de mau gênio que se tomou um ditador
megalômano. Isso antes do dia de 1979 em que a revolução islâmica mostrou
a ele e aos seus amigos a porta da saída.
Mohamad Reza Pahlavi tinha a quem puxar. O pai, Reza Khan, modesta·
mente intitulado "o Grande", tinha deposto o último quadjar por meio de um
golpe de Estado militar à frente de um regimento de cossacos. Proclamado rei
em dezembro de 1925, foi coroado pelas suas tropas em 24 de abril de 1926 e
fundou a dinastia dos Pahlavi. Nascido num bairro pobre dos arredores de
Teerã, era um militar capaz de lançar pela janela, com as próprias mãos, um
ministro recalcitrante durante uma reunião. Para consolidar seu poder, não
hesitou em lançar expedições punitivas contra minorias ativas, massacrando·
as sem piedade: bakhtuanis, curdos, kashga1s.
Em 1933 obteve a renegociação dos acordos petrolrferos com a Anglo·
Persian, que se tornou Anglo-Iranian. A parte do Irã sobre as receitas do
petróleo passou então para 25 por cento.
No inkio da Segunda Guerra Mundial, não escondeu a sua simpatia pelos
alemães, tal como Ataturk, o seu modelo. Um centro de propaganda nazista
foi aberto em Teerã em 1940. Os aliados ocuparam então o país, para reduzir
a influência alemã e estabelecer uma via de fornecimento de petróleo a partir
do Golfo, via URSS. Obrigaram Reza a abdicar a favor de seu filho Mohamad
Reza.

Os americanos não sairão mais. Roosevelt toma a decisão no final de 1942.


Quando da conferência de Teerã, em 1943, armas e conselheiros militares são
enviados, a pretexto de ajudar na reconstrução do país.
As primeiras dificuldades do novo regime aparecem no final de 1944, com
o levante comunista do Azerbaijão, apoiado pela URSS. A repressão é feroz e
faz 200 mortos por dia. As gigantescas manifestações que se realizam diante
MASSACRES E REPRESSÃO NO IRÃ 161

do Parlamento em apoio do Azerbaijão, em lspahan e em Teerã, por iniciativa


do partido Tudeh, são igualmente reprimidas de maneira selvagem.
Em 1946, há tentativas de secessão em várias regiões da "zona russa" das
margens do Cáspio - Guilan, Khorassan, Mazanderan - e a tentativa de
criar a "República Independente do Curdistão". O banho de sangue prosse-
gue e os americanos começam a chegar em 194 7. Esses conflitos permitem aos
Estados Unidos obter aquilo que há longo tempo buscavam: a retirada do Irã
da URSS.
Em junho de 1947, concedem um crédito de 26 milhões de dólares em
auxílio militar. Georges Allen é o novo embaixador dos Estados Unidos. O
general Vernon Evans é nomeado chefe da missão militar. O general
Schwartzkopf é designado para reorganizar as forças policiais.
Nesse mesmo ano, em 194 7, Truman cria a CIA.
No dia 2 de fevereiro de 1949, o xá é alvo de uma tentativa de assassina-
to em Teerã. Este acontecimento irá marcar o espírito do soberano, especial-
mente frente àquele que ele considera seu inimigo principal e contra o qual
manterá uma guerra impiedosa: o partido Tudeh do Irã, marxista-leninista.
Embora a responsabilidade do Tudeh não tenha sido claramente estabelecida
- principalmente em função do imediato linchamento do agressor, o fotó-
grafo Fakhr Arai' - , o xá nunca abandonará essa convicção. E também
porque a ideologia comunista constitui uma censura permanente à vida de
sátrapa que ele leva, frente à miséria ostensiva da população. A burguesia
mal existe no Irã e não terá importância antes dos anos 70, com a chegada
dos lucros do petróleo. Mas o xá é um adepto dos julgamentos e dos méto-
dos sumários, o que provou em fevereiro de 1948, mandando assassinar a
tireis o jornalista Massoud, diretor do periódico Marde Emrouz (0 homem
do dia), diante da porta do seu jornal. Este ameaçava fazer revelações sobre
o modo de vida da família real. Já corria na cidade o boato de que o xá
mantinha uma tropa de fanáticos para liquidar sem formalidades os adver-
sários mais ativos.
No início de 1951, as intervenções estrangeiras e a dominação pelas com-
panhias anglo-americanas suscitam uma renovação nacionalista e garantem o
sucesso popular do Partido da Frente Nacional, do doutor Mossadegh.
Mohamad Hedayat, dito Mossadegh (O valoroso}, nasceu em 1881. Hábil
político, estudou em Paris e foi inspetor de finanças aos quinze anos. Com o
assassinato do primeiro-ministro do xá Razmara (que era acusado de ter
mandado cozinhar prisioneiros vivos) no Bazar de Teerã por Khalid
162 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

Taharassebi (7 de março de 1951), o aiatolá El Kachani apóia publicamente


a candidatura de Mossadegh. Porém, o xá nomeia Hossein Ala, seu embai·
xador em Washington. A população protesta. O Bazar levanta-se contra o
xá. No dia 13 de maio ele é forçado a ceder e nomeia Mossadegh primeiro-
ministro.
Este conduz imediatamente uma política claramente antibritânica e em
30 de abril de 1951 obtém do parlamento a lei da nacionalização do petróleo
iraniano, o que cassa a concessão dos imensos campos petrolíferos da Anglo-
lranian.
Houve espanto e incredulidade nas Bolsas de Londres e Nova York, com
todos se dizendo "escandalizados". Mossadegh é chamado de "louco". É neces·
sário dizer que a Anglo-lranian, como é normal, financiava boa parte dos
deputados ...
Em 10 de junho de 1951, a bandeira iraniana flutua na sede da Anglo·
Iranian, em Khoramshahr. Uma vitória do povo, daquelas que são raras. O
embaixador dos EUA, Harriman, tendo apoiado abertamente os ingleses, vê
seu carro ser cercado por manifestantes em Teerã.
Os compromissos do xá com os anglo-saxônicos e sua hostilidade a
Mossadegh são especialmente mal aceitos pela população. Mossadegh é reeleito
em 1952. Em 26 de fevereiro de 1953, aparentemente vencido, o xá parte
para o exílio em Roma, escondido em um pequeno avião particular. A sua
escala no aeroporto de Bagdá dará a Soraya a ocasião de demonstrar a sua
inconsciência e a sua frivolidade: interessava-se apenas pelas suas malas e
pelas suas jóias. Uma constante no seu comportamento.
Éa intervenção da CIA que vai salvar o xá - e evitará ao Irã a vergonha
internacional de um governo de esquerda. A operação vai ser conduzida por
dois compadres: o americano Kim Roosevelt, enviado da CIA que forneceu o
apoio logístico, e o renegado Zahedi, um antigo partidário de Mossadegh,
"retomado" pelos ingleses depois de um rapto rocambolesco. Em agosto de
1953 ele consegue o apoio de tropas ainda favoráveis ao xá para depor
Mossadegh.
Zahedi, durante a Segunda Guerra Mundial, não escondia sua simpatia
pelo nazismo. Personagem de caráter duvidoso, corrompido pelo jogo e obce•
cada por sexo (gabava-se de possuir o endereço de todas as prostitutas de
lspahan), é ele que, como recompensa por sua traição, irá suceder Mossadegh
no cargo de primeiro-ministro.
Em 13 de agosto de 1953, o xá, de volta do exílio, demite Mossadegh
MASSACRES E REPRESSÃO NO IRÃ 163

por meio de uma ordem que lhe é entregue por Nassiri, o futuro chefe da
Savak.
Em 19 de agosto, Mossadegh foge. Será capturado, cercado na sua peque·
na casa de tijolos de Teerã, preso, julgado em 8 de novembro de 1953, conde-
nado à morte (pela comutada pelo xá, que não quer fazer dele um mártir) e
finalmente condenado a três anos de prisão.
Os recursos necessários para o golpe foram fornecidos pelos Estados Uni-
dos (400 mil dólares), e pelo Banco Melli do Irã. Além dos dois principais
protagonistas, alguns outros personagens participaram da conspiração, como
aconteceu com o general Nassiri. Mas foi Allen Dulles que supervisionou o
processo e moveu as cordas, com o seu adjunto Richard Helms, que se toma·
rá, em 1974, embaixador dos Estados Unidos em Teerã.
O golpe de Estado de 19 de agosto de 1953 não teve mais de 200 morros,
fato excepcional na história do Irã!
O retomo das companhias petrolíferas é imediato.
No dia 5 de agosto de 1954 é assinado um acordo com um consórcio
internacional do petróleo do qual fazem pane ingleses, franceses, holandeses
e americanos. Está criada a Sociedade Nacional do Petróleo iraniana. O con·
sórcio deverá restituir uma parte dos 260 mil quilômetros quadrados de cam·
pos petrolíferos que tinha sob controle.
Durante esse tempo, um indivíduo intrigante prossegue a sua rota a cami·
nho do poder: o general Teymour Bakhtiar, governador de Teerã. Inicialmen-
te partidário de Mossadegh, traiu-o para conduzir o seu próprio jogo. Orde-
nou o massacre dos partidários do Tudeh - 800 prisioneiros - no pátio da
prisão de Gharz. Com a ajuda do procurador-geral Azmoudeh, encarregado
de dar a essas operações uma cobertura legal, faz também "desaparecer" mais
de 3 mil partidários de Mossadegh por meio de execuções sumárias (Le Monde
de 13-14 de novembro de 1955).
É esse carrasco que em 1956 cria a Savak, a polícia política do xá, de
reputação sinistra, verdadeiro estado policial dentro do Estado, com apoio
técnico e financeiro dos Estados Unidos e do Mossad (o serviço secreto de
Israel) . A ambição desmedida de Bakhtiar está na origem da sua derrota. Depois
de ter tentado rivalizar com o xá, será assassinado no Iraque (1959).

Estes diversos acontecimentos acabaram reforçando o poder do xá, que se


tomou um déspota absoluto, concentrando todos os poderes, enquanto os
164 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

americanos, solidamente implantados, utilizavam o Irã na sua política de cer-


co à URSS, através do rearmamento do Cento, o pacto pró-americano que
reunia o Irã, a Turquia e o Paquistão. Investido no papel de polícia da região,
no norte como no sul do Golfo, o Irã militarizado trabalha em ligação estreita
com a logística e as forças americanas.
O dinheiro do petróleo começa a chegar em grande volume. A fortuna do
xá e da sua corte aumenta. Os jornais ocidentais relatam o fausto dos palácios
de Golestan ou de Niavran situados nas partes mais altas da cidade, as extra·
vagâncias de Achraf, a irmã do xá, capaz de perder milhões de dólares numa
noite em Monte Cario. Toda a corte viaja, pelo prazer mas também para fazer
negócios e concluir contratos rentosos com grandes sociedades internado·
nais às quais o país vai sendo entregue. A corrupção está à vista, mas os jor-
nais estão censurados, qualquer contestação é reprimida. Nos jornais euro·
peus só se fala das múltiplas aventuras sexuais do xá - um "colecionador"
sexual - e das angústias de Farah Diba. O xá passa o inverno em Saint·
Moritz, viaja ao México, é recebido por Giscard d'Estaing, pela rainha da
Inglaterra e todo o Gotha. Conversa regularmente com Kissinger. Antes dis·
so, ápice simbólico deste período de esplendor e de sucesso de mídia, o xá vai
coroar a si mesmo, numa demonstração de luxo esfuziante, por ocasião da
celebração dos 2.500 anos de Persépolis, perante uma platéia de homens de
Estado e de cabeças coroadas, honradas com o seu convite (26 de outubro de
1967). 1
No entanto, ao mesmo tempo em que Achraf manda construir em pleno
deserto um palácio com o telhado folheado a ouro, de look modernista, cerca·
do de mirantes e arame farpado, a miséria da população nunca foi tão insupor·
tável, apesar de, com a alta dos preços do petróleo, a renda anual per capita,
ames uma das menores do mundo, chegar em 1972 a 870 dólares (oito vezes
mais a do Paquistão). Mas a grande massa dos iranianos não vê esse dinheiro,
e sim uma inflação constante e um custo de vida insuportável. Empurrado
pela fome e pela necessidade, o povo manifesta-se regularmente, como con·
segue, e também é regularmente massacrado na rua - porque a polícia, tal
como o exército, não se detém em detalhes. Entre 1960 e 1979, milhares de
mortos acompanham, desse modo, os múltiplos movimentos das multidões e
dos protestos.
Em 1961, por exemplo, é a greve dos fabricantes de tijolos de Teerã. São
30 mil pessoas, vítimas de uma exploração feroz. Recebem 35 riais (4 dólares)
para fabricar mil tijolos, que rendem ao empreiteiro 3.500 riais. A polícia pro·
MASSACRES E REPRESSÃO NO IRÃ 165 '·

move um massacre. Que repete pouco depois, reprimindo uma manifestação


de estudantes, em 21 de janeiro de 1961 (100 mortos). Em 4 de abril de 1963,
o aiatolá Khomeini, depois de ter criticado publicamente o xá, é preso em
Qom. Durante a enorme manifestação de protesto que se segue, são mortas
mais de mil pessoas (Le Monde, 20 de fevereiro de 1964).

A Savak2

Como se vê, os tiros contra a multidão e as hecatombes quase cotidianas


que marcaram o fim do regime do xá em 1979 tinham antecedentes. Apesar
de gestos publicitários (a "Revolução Branca" de 1963) e de declarações bom-
básticas ("a sua união profunda com o seu povo"), o xá nunca teve, em rela-
ção a esse povo, mais do que uma política de repressão sistemática, sanguiná-
ria, fora de toda e qualquer crítica ou contestação. Tratava-se, para ele, não
só de reinar sozinho como déspota absoluto, mas também de controlar o país
segundo os acordos estratégicos e políticos fumados com o aliado e mentor
americano, o qual, sem mais escrúpulos no Irã do que em qualquer outra
nação, manejava sua marionete ensangüentada. A título de reciprocidade, no
entanto, segundo o jornalista americano Jack Anderson (que lançou as pri-
meiras luzes sobre o caso Watergate), o xá, com a ajuda de Richard Helms,
seu conselheiro da CIA, teria auxiliado Nixon a ser reeleito, graças a um
presente de vários milhões de dólares que teriam transitado pelo México para
ali serem devidamente "lavados''.
Seria difícil falar da Savak, a polícia política, sem um retrospecto que
situe seu surgimento e seu campo atuação. A Savak é apenas o elemento mais
aterrorizante de um aparelho complexo. Mas é também a base, o fundamento,
tanto do poder pessoal do xá quanto da organização e da eficácia desse poder.
A Savak é, em todos os seus aspectos, o reflexo do xá, que fez dela o seu
instrumento pessoal desde que se conseguiu desembaraçar de Bakhtiar, o fim-
dador. Primeiro, a partir de 1961, o general Pakravan, depois, em 1966, o
general Nassiri ("um intelectual substituído por um homem de pulso firme"),
assumirão a sua direção.
Em 1975, o exército iraniano contava oficialmente com 400 mil homens,
a polícia com 80 mil, a Savak pelo menos mil.
A organização é controlada por uma "Super-Savak", a Imperial lnspectorat
Organisation (110), que se encontra sob a direção do general Yasdanpanah, e
166 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

depois, de Hosscin Fardous. Este organismo tem cerca de 200 oficiais supe·
riores. Finalmente, um gabinete especial é composto por quinze oficiais esco·
lhidos a dedo. Éa cúpula da organização e controla rigidamente as atividades
do conjunto do sistema. Só presta contas ao xá.
Esta polícia secreta, organismo de infiltração, e de vigilância e controle da
população, está em todos os lugares. Qualquer iraniano pode sentir-se espio·
nado a todo o momento, portanto deve controlar suas opiniões. Esta psicose
permanente não é fruto da imaginação. No Irã, a liberdade de expressão não
existe. Qualquer crítica ao regime, e especialmente ao xá ou à sua família, é
um crime passível de prisão imediata. O nome da organização secreta é taro·
bém um tabu. Em cada lar devem figurar, obrigatoriamente, o retrato do xá ou
do seu filho. Logo que um desconhecido aparece numa rua, o tom baixa, a
conversa é interrompida. Quantos transeuntes inocentes, ou até mesmo au·
tênticos patriotas, não foram suspeitos, sem razão, de pertencer à temida po·
!feia e quantos outros também foram mas com justiça? Estão sob constante
vigilância os lugares públicos, as mesquitas, o Bazar (que, com as universida·
des, será o principal foco da resistência popular), e também as fábricas, os
estabelecimentos comerciais e, claro, os hotéis internacionais (o Interconti-
nental, o Royal Teheran Hilron), onde os empregados são freqüentemente
agentes da informação. Microfones e filmadoras estão escondidos nos quartos
de hotel. Vigia-se tudo. A correspondência comum é aberta, sobretudo aque-
la que é endereçada ao exterior. Políticos, militantes, estudantes instalados na
Europa, nos Estados Unidos ou na URSS estão sob vigilância constante - e
há, evidentemente, agentes da Savak que tentam se infiltrar nos meios oposi-
cionistas no exterior -, e as suas famílias e amigos são fichados e por vezes
presos.
Os funcionários públicos e políticos também são suspeitos, todas as per-
sonalidades do regime são vigiadas por agentes da segurança. Os escritórios
da Savak são numerosos em Teerã; o quartel-general situa-se perto de
Chemirand, na encruzilhada de Saadabad. O "Comitê", temido com razão,
é um edifício enorme, de paredes grossas, cheio de antenas. Os indivíduos
_: suspeitos de um crime - que pode ir de um simples delito de opinião até a
acusação de pertencer a uma organização política proibida, como o Tudeh
- são presos e conduzidos a prisões ou centros de interrogatório. É o início
de uma viagem incerta, freqüentemente de horror, porque a tortura é prati-
cada regularmente. Os presos vivem em péssimas condições e, sob a orien-
tação dos conselheiros israelenses e americanos, também são praticadas chan-
MASSACRES E REPRESSÃO NO IRA 167

tagem, prisão e tortura dos familiares. Além dos julgamentos a portas fecha-
das que transcorrem sob a ~gide de um tribunal militar cujas decisões nunca
são justificadas, das execuções sumárias e das mortes durante tortura, há
outras práticas abjetas, como a transmissão pela TY, quase diariamente, dt.
confissões e de autocríticas de prisioneiros, que todos sabem serem obtidas
por meio de tortura e chantagem; os "arrependidos" são maquiados para
disfarçar os ferimentos.
Numerosos intelectuais e artistas iranianos passaram pelas masmorras do
xá; muitos morreram. À margem do fausto de Persépolis, o regime pareceu
querer expurgar completamente do povo suas elites democráticas. A impren-
sa ocidental e alguns organismos internacionais acabaram por transmitir ecos
tímidos desses atentados aos direitos humanos. Mas quando um jornalista
ousa perguntar ao xá - que sempre negou a tortura - o que ele pensa disso,
ele responde: '~istia Internacional? O que é isso? Não fazemos a mínima
idéia!" (Actue! 2, 24 de junho de 1974).
Em 1971 teve lugar o processo do "Grupo dos Dezoito" em Teerã. Sob
tortura, todos confessaram ser comunistas, depois negaram. Um observador
francês, Mignon, que pôde assistir a duas audiências do tribunal (acusação e
"defesa" asseguradas por militares) relata que vários dos detidos mostravam
cicatrizes e seqüelas de torturas. Um acusado, Chokrollah Paknejad, afir-
mou: "Fui conduzido, após a minha prisão, aos porões da Savak em
Khorarnshahr onde fui despido em meio a socos. Fui surrado durante vinte
horas de interrogatório. A seguir, passei uma semana nos rnictórios da prisão
de Abadan, sem roupa. Fui depois transferido para Evine (prisão no norte
de Teerã), onde fui novamente torturado, surrado e chicoteado. Depois co-
locaram-me algemas nos pés e, suspenso, com as mãos atrás da nuca, me
prenderam pesos cada vez maiores e fui novamente espancado." Outro acu-
sado, Nasser Kakhsar, dirá corno viu morrer o engenheiro Nikadvoudi sob
tortura na prisão de Ghezel-Galeh, em conseqüência de uma lesão na me-
dula. O seu delito era o de "ler livros". O aiatolá Sa1di morreu também nessa
prisão.
Nouri Albala e Libertaris, da Federação Internacional de Juristas Demo-
cratas, assistiram também a processos de opositores iranianos detidos em Evine.
Entre 28 de janeiro e 6 de fevereiro de 1972, seis presos foram condenados à
morte. Outros eram acusados de assaltos a bancos e a postos policiais ... Ape-
sar da lei, as audiências transcorriam a portas fechadas. Os prisioneiros são
torturados durante sessões de longa duração. Alguns contam como era. Sadegh
168 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

foi golpeado na cabeça com a coronha do revólver, sofrendo uma hemorragia


interna e entrando em coma. Outros foram ligados a uma mesa metálica
aquecida. Era em geral no momento da prisão que as sevícias eram mais vio-
lentas. "O detido passa pelas mãos de especialistas em caratê e judô, e acaba
entrando em coma. Geralmente as mãos, os pés ou o nariz são partidos. Quando
desperta, o prisioneiro deve assinar confissões, garantindo que não sofreu tor-
tura."
"Os agemes da Savak obrigaram Asghar Badizadegan a sentar-se numa
cadeira elétrica durante quatro horas. Desmaiou. A queimadura tinha atingi·
do a coluna vertebral e ele soltava um cheiro tal que ninguém se aproximava
da nossa cela. Não morreu, mas foram necessárias três intervenções cirúrgi·
cas. Hoje, para caminhar, tem de se ajudar com as mãos."
Quanto a Mehdo Savalani, "já não pode caminhar, teve as duas pernas
quebradas. A tortura por choques elétricos é a mais comum, pois não deixa
marcas mas provoca uma paralisia geral. Também injetavam medicamentos,
como o cardiazol, que enlouquece o ritmo cardíaco; arrancavam as unhas,
submetiam os prisioneiros a ultra-sons, a choques na cabeça"; "vi também um
prisioneiro incapaz de urinar, porque tinham pendurado pesos no sexo."
Descrições da prisão de Evine: "os calabouços são escuros e tão úrnidos
que o açúcar derrete sozinho; medem 1,20 por 2 metros, com 2 metros de
1 '
altura e uma pequena abertura gradeada de 40 centímetros. Nenhuma outra
luz. Somos três pessoas vivendo ali."
Durante os últimos anos do regime do xá, os mais sangrentos, aconte·
cem debates e assembléias na América e na Europa, especialmente nas uni·
versidades, para denunciar as torturas e exigir a liberdade de expressão no
Irã. O xá é vaiado pela multidão na Suíça, mas a Savak está fortemente
implantada nas universidades (o número estimado em 1975 era de 4 mil
agentes no exterior) a ponto de intervir fisicamente para se opor ao Tudeh e
saquear seus estandes durante as manifestações de apoio (Cidade Universi·
cária, Paris, 1977). É a guerra: a da oposição para conseguir a queda do
ditador, a do regime por sua sobrevivência. E no Irã é o massacre cotidiano
de um povo que se revolta.
Quanto à imprensa, jornais como Le Monde, Suru1ay Times e até o Financial
Times publicam reportagens sobre os casos de tortura no Irã. Em 1975, o ad·
vogado parisiense Yves Baudelot investiga no Irã o desaparecimento de três
presos políticos, Sirnin Salehi, Loftollah Meysarnie e Hosseyn Djaveri. O ge·
neral Azizi, diretor do sistema penitenciário, declara não saber nada desses
MASSACRES E REPRESSÃO NO IRÁ 169

detidos, que, segundo testemunhas, teriam sido torturados. A Anistia Inter-


nacional revelaria mais tarde que Salehi morrera sob tortura, grávida de oito
meses. As condições de detenção, segundo Baudelot, são consideradas pelos
torturadores "propícias a confissões", confissões a que os prisioneiros resistem
enquanto podem. Segundo o advogado, a tortura dos familiares próximos é
comum. Mulheres são estupradas em frente aos maridos, filhos, mesmo os de
muito pouca idade, são torturados para obrigar o detido a confessar.
O Sunday Times de 19 de janeiro de 1975 publica um testemunho do
jornalista Philip Jacobson, que afirma que a investigação realizada pelo jornal
estabelece, sem contestação possível, a realidade da tortura no Irã. Segundo
ele, os prisioneiros torturados pertencem a três categorias: os que são suspei-
tos de pertencer a organizações políticas de esquerda ou de terem participado
de ações de guerrilha; os religiosos hostis ao xá; os intelectuais da classe média
e as pessoas do povo que de alguma forma criticaram o regime em público.
Vários testemunhos atestam a presença do chefe da Savak, Nemet-Ollah
Nassiri, nas câmaras de tortura. "Alguns prisioneiros", acrescenta Jacobson,
"são preparados para a sua própria execução por meio de refinadas torturas
psicológicas."
A Savak usa com freqüência uma inovação em matéria de tortura, vari-
ante da cadeira elétrica tão cara ao Tio Sam: a "mesa quente" ou ainda "a
grelha" ou "a chapa de assar". Jacobson descreve este instrumento como "uma
rede de ferro semelhante a uma rede de colchão, no qual circula uma corrente
elétrica como numa grelha. Os supliciados são ligados a essa base até começa-
rem a grelhar. As mulheres são preferencialmente espancadas selvagemente,
depois de terem sido violadas".
Nos Estados Unidos, especialmente a partir da Universidade de Berkeley,
em 1975, foram feitos pedidos de informações acerca de desaparecidos, como
o doutor Ali Shariati, teólogo, a senhora Hadjebi Tabrizi, o doutor
Gholamhossein Sa'edi e S. Soltanpur, ambos escritores. Os requerentes (mais
de dois mil) são recebidos no átrio da Embaixada por um empregado que se
recusa dizer seu nome. São convidados a enviar cartas a Teerã. Escritores e
artistas americanos, como Noam Chomsky, Lawrence Ferlinghetti, Kay Boyle,
Joan Baez, participam dessas ações.
Em 1975, estimava-se que cerca de 137 mil prisioneiros passaram pelo
Comitê da Savak - o quartel-general, especialmente odiado. É necessário
acrescentar ainda um número igual de pessoas enviadas a Gashr ou Evine e
que foram torturadas nesses centros. De cada sete homens presos, em média,
170 O UVRO ECRO DO CAPITAl.lS iO

s6 um teria escapado à tomlra. Em 1977, a a da Juventude e dos


Estudantes Democm.as Iranianos c.akulava em 300 rrul o número de tortura-
dos, homens e mulheres, n:u prisões da ,-ak duninte vime anos da sua
existência.
N:u salas de interrogatório, °' í tnuncnt d tortura ficava m pendura·
dos nas paredes, como 001 anr::ros sa"""""""Ai"'·.... w que tão na moda hoje,
antros onde se expnme o fancwna uma ' 1olênc1a civilizada. Mas
no Irã as conseqüências eram ma ía podia levar à morte. Os
chicotes metálicos pendundos cm cassetetes elétricos alinhados
em tamboretes, a pínça de arranc.ax ~ exp'.)St.a em lugar de destaque. Sem
falar do cavalete e da grelha d • Mas Oll.O"aS torturas eram praticadas: a
introdução de ~gua fervcn e l'IOl por m o e disteres , a eletrocução
dos órgãos gemtalS, que "faz :u í ~ hom e mulheres, uivarem como
lobos". Ou ainda, a mu f rasa na boca dos supliciados
(Cai~ New~kuer, Nova Y, 75) .

Não se cOTUCguma pormenonzar a lista das vítimas. A soma,


Não w menre para o xá, um maní·
n1 c:.....i'Loln1r.•
d.a a.A rúo teria sido mais do que um
'3degh continua sendo o herói na·
úvel de Khomeini, o qual, à sua
maneira, continuou ua IUl.3 . Stj o que~ diga no O cidente (onde a
propaganda amcncana faz a let), o lrã n!io é apt-ruu um grande país - sempre
foi-. mas é tambtm um ah moei e evoluído onde, depois da queda do
xá, foram realiwdos enormes pr ogro~ no ampo i;ociaL
Pelo contrãrio, o ~t0l pc: <l E.sr da OA. de 1953, e a política hegemónica
americana que i.e i.eguiu, :wim como o 3 in«>n<li ional ao sátrapa de uma
outra era, Reza Pahlavi, condenaram o Ir ã 25 an06 de enagnaçã.o , provo·
amdo além disso um pass1v de alguns m1lhôct de mo e um enorme sofri·
mento.
Poderíamos n.finnnr ainda que a ma<lntlMivel
interferência nos assuntos mremos d outro • fs, ~ am ~ pnmclro re:Spon·
sáveis pelo fracas~ da tentariva de um gov mo laico e democránc no Ir .
Assim como sào diretamente rcspons:1vcis pelo vento Je uma rl-púbhca
islâmica, junto da qual o m[nimo que poJc dizer é que eles nilo u~m nc·
nhum crédito. De reHo, os Esrados Unidos nunca perdoaram o Ir por rí!-los
expulsado, visto que, assim como fazem com Cuba, a Líbia e o Iraque, ubme•
MASSACRES E REPRESSÃO NO IRÁ 171

tem o país a um bloqueío severo, indo ao cúmulo de ameaçar com retaliação


qualquer país que negocie com ele (leí Helms-Burton de 1996). A liberdade
capitalista mantém a sua lógica.

Notas:

1. De Gaulle fez-se representar por Pompidou.


2. Sazemane Etelaat Va Aamiace Kechvar - Organização de Informação e Segurança do
País.
-- .... - . ... ._. - ---------- - - - - - --- -- 11
/.
~. !
GENOCÍDIO ANTICOMUNISTA
NA INDONÉSIA
JACQUES JURQUET
-. ------ ....
Com cerca de três mil ilhas, a Indonésia tem, em 1988, uma população da
ordem de duzentos milhões de habitantes, o que lhe confere a qualidade de
país mais populoso do Sudeste Asiático. A sua capital, Jacarta, tem cerca de
10 milhões de habitantes.
As ilhas mais importantes são Java, Sumatra, Kalimantan (ou Bornéu), os
arquipélagos das Celebes e das Malucas e, por último, a parte ocidental da
Nova Guiné, de nome Irian.
No prolongamento de Java, a possessão do leste da ilha de Tlffior, antiga
colônia portuguesa, permanece há décadas o cerne de uma guerra de anexa-
ção conduzida pelo exército indonésio contra a Fretiün, organização local
que fundou um Estado independente, reconhecido e apoiado por toda a po-
pulação. (Veja o texto sobre esta questão publicado em seguida.)
O nome Indonésia é de criação relativamente recente, datando da véspe-
ra da Primeira Guerra Mundial. Na realidade, o conjunto deste território,
onde 90% da população é constituída por camponeses, foi ocupado e pilhado
pelo colonialismo holandês desde o início do século XVII.
A partir de 1602, os Países Baixos fundaram uma companhia de comércio
de nome "Vereenigde Oostindissche Compagnie" (Companhia das Índias
Orientais) que viria a tomar-se, ao longo da segunda metade do século XVII,
a "Companhia Holandesa", exercendo o seu monopólio sobre todos os produ-
tos agrícolas locais: arroz, milho, chá, café, mandioca, copra etc.
Depois, em 1799, o próprio Estado holandês desmontou a companlúa,
instituindo as "Índias Holandesas", e apoderou-se diretamente da sua gestão
colonial, defendendo os interesses holandeses contra outros colonialistas.
As manufaturas do tabaco antecederam os investimentos nas jazidas de
petróleo.
As populações que habitavam estas ilhas, pertencendo a várias etnias,
foram majoritariamente convertidas ao islaminismo e minoritariamente ao
cristianismo. Durante três séculos, foram submetidas a uma exploração colo-
nial clássica que incluiu períodos de conquista e de repressão criminosa. Em
1740, por exemplo, uma revolta generalizada dos chineses que habitavam es-
tas ilhas foi esmagada de forma sangrenta, causando milhares de vítimas das
quais ninguém se lembra hoje.
176 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

De 1830 a 1877, o excedente colonial foi estimado em 800 milhões de


florins. A partir de 1900 e até 1910, nos países capitalistas falava-se oficial-
mente do império colonial holandês. O mundo estava então dividido entre os
grandes impérios coloniais dominados pelos Estados ocidentais que rivaliza-
vam entre si, tais corno a França e a Grã-Bretanha, mas que sabiam unir-se,
quando era preciso, para tirar proveito das populações escravizadas e explora-
das da África, da Ásia e da América Latina.
O nacionalismo indonésio surgiu em 1908 e desenvolveu-se ao longo das
décadas seguintes.
Simultaneamente, as idéias do comunismo manifestaram-se a partir da
criação, em 1920, do primeiro partido comunista da Ásia, o Partido Comunis-
ta da Indonésia (PKI), antes mesmo do nascimento do Partido Comunista
Chinês ou do Partido dos Trabalhadores do Viemã. Porém, no ano seguinte
aconteceu a ruptura entre militantes muçulmanos e laicos. Depois, e na se-
qüência de uma insurreição em Java e em Sumatra, o partido foi proibido
pelas autoridades coloniais em 1927. Milhares de pessoas foram deportadas
para as montanhas inóspitas de lrian, e os dirigentes comunistas foram encar-
cerados em campos especiais.
A corrente anticolonialista desenvolveu-se mais lentamente. A organiza-
ção "Perhimpunan lndonesia", à qual aderiram muitos intelectuais, multipli-
cou as associações de reflexão. Em Bandung surgiu um jovem engenheiro
dotado de excepcional eloqüência, cujo sonho era unificar nacionalismo,
islamismo e marxismo. Nascido em 1901 , filho de um professor primário e
depois estudante em Bandung, este militante nacionalista era ninguém me-
nos que o futuro "pai da independência indonésia", Achmed Sukarno. Em
1927 ele fundou o Partido Nacional Indonésio e formulou, em outubro de
1928, a palavra de ordem fundamental de um "juramento da juventude":
"uma pátria, uma nação, uma língua." Mas os colonialistas holandeses o pren-
deram em 1929. No tribunal ao qual compareceu, lançou o slogan "A Indonésia
acusa". O PNI foi simultaneamente dissolvido.
A crise económica de 1929 teve conseqüências severas para a Indonésia.
A queda dos preços mundiais dos produtos de exportação levou ao au-
mento considerável do desemprego e provocou terrível miséria entre as ca-
madas menos favorecidas da população.
O crescimento simultãneo dos movimentos nacionalista e comunista, umas
vezes convergentes, outras vezes discordantes, conheceu então múltiplas der-
rotas, em função de uma repressão colonial muito dura, detenções e execu-
GENOCfDIO ANTICOMUNISTA NA INDON~IA 177

ções capitais. O desacordo essencial entre as idéias de Sukamo e as dos comu-


nistas era o princípio da "luta de classes".
O PNI proibido foi substituído pelo Partido. O seu dirigente Sukamo foi
preso pelos colonialistas uma segunda vez em 1933.
Foi então que, em 193 7, nasceu uma organização mais antifascista do que
anticolonialista, a "Gerindo" e, em 1939, foi criado o GAPI, Grupo Nacional
Antifascista. Este último adotou as reivindicações unitárias, tais como a lín-
gua indonésia, a bandeira vermelha e branca e o hino nacional. Em 1941
criou um Conselho Nacional do Povo Indonésio. Porém, o governo holandês,
apesar de refugiado em Londres depois da ocupação do seu país pelos ale-
mães, recusou todas estas iniciativas. A rainha Guilhermina desejava prosse-
guir com a guerra contra a Alemanha nazista apoiando-se no que chamava de
"Índias Holandesas". Posição de um capitalismo em luta com os nazistas e
desejoso de se apoiar em seu próprio colonialismo.
A situação na Indonésia era caótica depois do desembarque das forças
militares japonesas em 1942 e da ocupação que substituiu o colonialismo dos
Países Baixos. O poder holandês, velho de três séculos, desmoronava-se, não
sem criar entre a população indonésia algumas ilusões em relação aos japone-
ses, sobretudo nas classes sociais mais favorecidas, numa burguesia jã consti-
tuída e operacional. Os novos ocupantes procuraram ganhar o apoio de
Sukamo e dos seus amigos nacionalistas, que aceitaram "jogar o jogo", pelo
menos temporariamente. Mas um deles, chamado Sjahrir, militante do Parti-
do Socialista, organizou novas redes de resistência. Um dirigente ainda mais
ativo, Amir Sjarifuddin, foi preso e torturado pelos serviços japoneses, assim
como vários dos seus companheiros.
Assim, sucedendo ao colonialismo holandês, o imperialismo japonês, tam-
bém baseado no sistema capitalista, utilizou contra o povo indonésio os mes·
mos métodos de violência e crime de seu antecessor.
Quando as ilusões populares foram destruídas pela brutalidade dos novos
ocupantes, foi criada uma nova força política em Java, o Putera, ou "Centro
das forças do povo", cujos fundadores foram Sukamo e os seus amigos Hatta,
Ki Hdjar e Dewandro. Os japoneses toleraram este movimento na tentativa
de se apoderarem do seu controle. Isso era fruto da inquietação que já alimen-
tavam quanto ao seu próprio destino.
Assim, as autoridades ocupantes chegaram mesmo a aceitar que fosse cri-
ada, em outubro de 1943, a Peta ("Voluntários defensores da pátria"), que
viria a tomar-se o futuro exército indonésio. Vários futuros oficiais superiores
178 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

e generais iniciaram ali sua carreira militar, ao lado dos militares japoneses.
Foi o caso de Suharto, futuro ditador fascista.
Em setembro de 1944, num momento em que os dirigentes de Tóquio
sentiam aproximar-se a sua derrota com o fim da Segunda Guerra Mundial, o
governo acaba prometendo a independência aos indonésios.
Suharto pôde intervir de modo mais eficaz, e em 111 de junho de 1945,
baseado no gotong royong, ou entendimento mútuo, formulou os Pantja Sila, os
cinco princípios: nacionalismo, internacionalismo, democracia, justiça social
e crença em Deus. Em 17 de agosto de 1945, dois dias após a queda do Japão,
pressionados pelos jovens ativistas nacionalistas indonésios, Sukamo e Hatta
'l proclamaram a independência da República da Indonésia. A soberania das
ilhas, ainda submetida a pressões ocidentais, exprimia-se sob o nome de "Es-
tados Unidos da Indonésia".
Mas isso não eliminou as dificuldades sociais do povo, e o descontenta·
mento tomava-se cada vez mais forte, quer nas cidades, quer nas aldeias.
Os comunistas tentaram uma insurreição em Madiun, e foram injusta-
mente acusados de terem tentado tomar o poder em setembro de 1948, um
ponto da história que permanece confuso. O fato é que foram perseguidos e
rapidamente esmagados pela divisão Siliwangi do coronel Nasution, chefe do
Estado-Maior do exército indonésio. Trinta mil dos seus homens foram mor-
tos, entre eles os seus principais dirigentes: Amir Sjarifuddin e Musso, que
regressara da URSS um mês antes. Este acontecimento teve um aspecto pre·
monitório em relação aos massacres muito maiores que aconteceriam dezessete
anos mais tarde.
Os colonialistas holandeses quiseram aproveitar a situação e capturaram
Sukamo e os membros de seu governo. Porém, os Estados Unidos, animados
com a vitória da ação militar anticomunista e, por outro lado, muito inquietos
pela chegada ao poder de Mao Tsé-tung na China, impuseram aos Países Bai·
xos os acordos assinados em Haia, em novembro de 1949. Para os imperialis-
tas americanos, convinha sobretudo não fazer o que quer que fosse que pu•
desse colocar os Indonésios no campo dos comunistas. Na época, falava-se
freqüentemente da teoria do dominó, ameaça concreta que pesava sobre toda
a Ásia.
Os "Estados Unidos da Indonésia" deram então lugar à "República Unida
da Indonésia", cujo presidente era Ahmed Sukamo. Foi instaurado um regi-
me parlamentar, apesar de o presidente ser o defensor do partido único. Este
regime tumultuado teve seis governos em sete anos.
GENOCfDIO ANTICOMUNISTA NA INDON~IA 179

Durante este período, o Estado indonésio entregou a monopólios anglo-


americanos a exploração dos poços de petróleo indonésios. As companhias
Shell, Standard Oil e Caltex geriram, para as economias imperialistas ociden·
tais, essencialmente americanas e inglesas, as ricas jazidas da antiga colônia
holandesa. A burguesia e os elementos capitalistas burocráticos indonésios
conheceram então um desenvolvimento acelerado, baseado na corrupção in·
temacional.
Os oficiais superiores do exército representavam as camadas sociais privi·
legiadas, enquanto os comunistas se apoiavam nas classes mais pobres, nas
cidades e, em menor escala, nas aldeias. Sukamo mantinha-se o símbolo vivo
da independência e tentava administrar as rivalidades entre uns e outros.
Em 17 de outubro de 1950, o coronel Nasution, chefe do Estado-Maior
do exército indonésio, desencadeou um golpe de Estado, mas o presidente,
apoiado por uma parte dos oficiais e do exército ainda influenciados pelo seu
passado nacionalista, conseguiu repelir esta tentativa. Demitiu Nasution, mas
não aplicou a ele qualquer punição mais severa. Sukamo foi ativamente apoi·
ado pelo partido que tinha criado, o PNI, que representava sobretudo a bur·
guesia nacional antiimperialista. Os comunistas também o apoiaram.
Ocorreram novas tentativas de militares, especialmente uma em 17 de
outubro de 1952, com o objetivo de obrigar o presidente a dissolver o Parla·
mento, mas os golpistas, em desacordo entre si, não tiveram sucesso.
A partir desse ponto Sukarno mudou sua política externa, reforçando as
relações com a URSS e com a China Popular. Tinha compreendido que os
Estados Unidos apoiavam o exército indonésio contra a maioria do povo. De
julho de 1953 a julho de 1955, o primeiro-ministro Sastroamidjojo concreti·
zou as aproximações com estes países socialistas.
Em abril de 1955 foi adotado um estatuto que dizia respeito aos chineses
que habitavam a Indonésia. Esta medida teve o mérito de atacar frontalmente
um antigo racismo, mas não conseguiu eliminá-lo. A burguesia emergente
sofria a concorrência comercial de chineses muito ricos com negócios em pa·
fses ocidentais, surgindo daí uma rivalidade que facilmente se transformava
em racismo.
Depois, durante o mesmo período, teve lugar a famosa Conferência Afro·
Asiática de Bandung, cujo impacto mundial foi considerável: participaram
nela 29 Estados afro-asiáticos, confirmando o despertar do Terceiro Mundo.
Personalidades internacionais como Nehru e o primeiro-ministro Chu En-lai
tiveram participação importante. O presidente Sukarno ganhou prestígio en·
18\l O LNRO NEGRO DO CAPITALISMO

tre os países da África e da Ásia, mas o sucesso deste encontro incomodou


simultaneamente os Estados Unidos, os países da Europa Ocidental e a União
Soviética, que não tinha tido nenhuma participação.
Em novembro de 1956 o presidente indonésio fez uma longa vi.agem, pri-
meiro à URSS e depois à China Popular.
Alguns generais recomeçaram a planejar a insurreição. Sukamo aceitou
devolver ao general Nasution as funções de chefe de Estado-Maior do exérci·
to. A guerra civil que ameaçava irromper foi dominada por este oficial, ainda
fiel a Sukamo, enquanto os militares rebeldes eram apoiados, quase aber·
tamente, pelos Estados Unidos.
Em fevereiro de 1957, o chefe de Estado decidiu abandonar a opção pela
democracia ocidental e adotar uma concepção que ele sempre acalentara, a
"democracia dirigida", manifestação concreta de uma vasta corrente populista.
Podia ver-se aí, de fato, o resultado de uma aproximação momentânea entre
ele e o chefe de Estado-Maior, general Nasution. Mas foi apenas em 1959 que
ele decretou a dissolução da Assembléia Constituinte, que vi.gorava desde
1956. A questão de se a Indonésia seria um Estado fundado sobre o islã ou
sobre os princípios do Pantja Sila ainda não estava definida.
Agindo desta forma, Sukamo tinha retomado a iniciativa política. Man·
dou interditar os partidos políticos que tinham apoiado a rebelião militar.
Preconizou então o Nasakom, união das três grandes correntes ideológicas
presentes entre as camadas populares: o nacionalismo, a religião e o corou•
nismo.
Em 1961, com três milhões de adeptos, o Partido Comunista Indonésio
era uma uma força considerável, com mais influência política que o exército,
mas sem qualquer armamento, frente a um exército reacionário que se encon•
trava sensivelmente reforçado pelo fornecimento de armas soviéticas. Nesta
época, aliás, Sukamo substituiu o general Nasution por um outro oficial, o
general Yani.
Quando a Indonésia decidiu recuperar o território do Irian Ocidental,
ainda ocupado pelos colonialistas holandeses, a URSS apoiou-a. Então, te·
roendo ver a Indonésia cair em terreno socialista, os Estados Unidos impuse•
ram aos Países Baixos a aceitação de uma solução negociada. Os acordos fo.
ram assinados no mês de agosto de 1962. Simultaneamente, os imperialistas
americanos ofereceram apoio econômico à Indonésia.
Mas em dezembro de 1962, a situação da Malásia desestabilizou a região
do Kalimantan. A Inglaterra e os Estados Unidos, de um lado, e a Indonésia,
GENOCÍDIO ANTICOMUNISTA NA INDONés!A 181

do outro, apoiaram lados opostos. Sulcamo e o exército indonésio, apesar de


já infiltrado por agentes americanos, apoiaram as lutas nacionais dos povos de
Bornéu Setentrional. Finalmente os americanos, envolvidos nas operações do
Viemã, julgaram mais prudente abandonar a operação na Malásia.
Desde 1964 que Sukamo interpelava rudemente Washington, proclamando
sem rodeios: ''.Ao diabo sua ajuda!"
A sua política de "socialismo à moda da Indonésia" foi acentuada. Apro-
ximou-se da China Popular. Chegou mesmo a retirar a Indonésia das Nações
Unidas e a propor a substituição da ONU por uma organização de novas for-
ças emergentes. É claro que Pequim, que não tinha assento na organização
internacional, apoiou sem reservas a proposta de Sukamo.
Por seu lado, o PKI tomou posição a favor do Partido Comunista Chinês
na controvérsia ideológica e política o opunha ao Partido Comunista da
União Soviética. Simultaneamente, lançava uma campanha de propaganda
contra os capitalistas burocratas indonésios.
Mas a situação interna do país ficou tensa. Lutas violentas opuseram os
camponeses sem terra e os proprietários, sobretudo na ilha de Java. A associ-
ação unitária do Nasakom fundada por Sukamo esteve a ponto de se
desmembrar, com os comunistas se opondo aos proprietários de terras e a
parcelas do Partido Nacionalista Indonésio apoiadas pelo exército.
Sentindo-se em posição desfavorável, o PKI decidiu acabar com as ações
dos camponeses pobres, obtendo assim do chefe de Estado a proibição de
importantes movimentos anticomunistas, como o Manikebu e o Murba.
A cooperação entre Sukamo e os comunistas prosseguiu sem grandes di-
ficuldades . O presidente adotou a postura de reconciliar todas as forças soci-
ais com o exército. Na realidade estava ali um sonho que só se explicava pelo
seu desejo feroz de negar o princípio da luta de classes. É o mesmo que dizer
que ele acreditava na quadratura do círculo.
Por tudo isto, o ano de 1965 começou com muita tensão. A situação na
Malásia não se atenuou, apesar da retirada, pelo menos aparente, dos ameri-
canos. O exército, novamente comandado pelo general Nasution, enviou co-
mandos de pára-quedistas para a região. Os oficiais do Estado-Maior rejeita-
ram categoricamente a proposta do PKI de armar os operários e os camponeses
para constituir uma força complementar.
As ações dos camponeses sem terra tinham contribuído para a união de
todas as forças anticomunistas, que temiam o crescimento do PKI e a política
externa de Sukamo.
O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Os Estados Unidos achavam preocupantes as relações de Sukamo com a


China Popular, e seu prestígio.
Nos meios internacionais, os diplomatas defendiam agora o eixo Jacar·
ta-Pequim, baseado em Pyongyang, Hanói e Phnom Penh.
O que os generais reacionários tramavam há anos acabou acontecendo
no final do ano.
Na noite de 30 de setembro de 1965, um coronel chamado Untung man·
dou prender e executar seis generais do alto-comando do exército. Entre es·
tes figurava o ex-chefe do Estado-Maior, o general Ahrnad Yani. O general A.
H. Nasution escapou por pouco.
A versão mais aceita nos dias seguintes atribuía estes atentados a uma
organização chamada "Movimento do 30 de setembro", formada por "oficiais
progressistas" que pertenceriam à Força Aérea. Eles teriam conseguido tomar
alguns pontos-chave da capital para salvar o presidente Sukamo, abortando
um golpe de Estado preparado pelos generais apoiados pelos americanos e
ligados à CIA
A situação era confusa. Os oficiais favoráveis a Sukamo formaram um
"Conselho Revolucionário".
O PKl, surpreendido, teria publicado um comunicado de apoio, mas ten·
do o cuidado de sublinhar que se tratava apenas de uma "ação interna do
exército". Negou qualquer participação ou responsabilidade na operação.
Quanto a Sulcamo, teve o cuidado de não exprimir a sua aprovação aos gene·
rais que tinham querido apoiá-lo contra um conluio militar prestes a eclodir.
Nestas circunstâncias, foi com extrema rapidez que um general, chefe de
reserva estratégica, o general Suhano, nascido em 1921 de uma família de
comerciantes, com um pai chefe religioso muçulmano, assumiu o controle da
situação contra a vontade do presidente; proclamou-se chefe do Exército e
em vinte e quatro horas tomou o controle da capital e depois da base aérea
onde estavam refugiados oficiais do "Movimento do 30 de setembro".
No poder, o exército acusou os comunistas de serem os responsáveis pela
tentativa de golpe de Estado que custou a vida de seis generais.
Uma repressão cega e criminosa contra os comunistas estendeu-se a toda
a Indonésia. O racismo antichinês também levou a inúmeros massacres de
famílias inteiras que, a maioria das vezes, nada tinham a ver com os comunis·
tas, tampouco com os progressistas.
Segundo fontes, o número de vítimas dos massacres ordenados pelo gene·
ral Suharto varia de quinhentos mil a um milhão de pessoas (Cf. Encyclo·
GENOC!DIO ANTICOMUNISTA NA INOONSIA 183

paedia Universalis, edição de 1988, corpus 9, página 1.049). Todos os dirigen·


tes do PKI que estavam no país foram executados sem julgamento, centenas
de milhares de famílias suspeitas de serem simpatizantes do comunismo foram
exterminadas seja de forma clássica ou em incêndios ateados em suas casas
pelos militares.
Outros cidadãos indonésios foram jogados, às centenas de milhares, em
prisões e campos de concentração. No seu relatório de 1971, a organização
Anistia Internacional estimava em duzentos mil o número de prisioneiros
detidos.
Os dias e os anos que se seguiram aos acontecimentos de 30 de setembro
de 1965 permitem, aos olhos da história, apontar as forças sociais, políticas e
econômicas que tiraram partido da tomada de poder pelo general Suharto e
pelo exército fascista indonésio. É aqui que O livro negro do capitalismo contri·
bui para revelar de forma incontestável o peso trágico dos crimes cometidos
sob aquele regime.
No momento deste golpe de Estado, deveria ter início em Jacarta uma
conferência internacional organizada por Sukamo. Delegados estrangeiros con·
vidados tomaram-se testemunhas involuntárias do terror desencadeado pelo
exército.
Dois franceses chegaram a Jacarta no próprio dia do golpe fascista para
participar da conferência convocada pelo presidente Sukamo. Régis Bergeron
era um jornalista conhecido que fora secretário de redação do semanário Les
Lettres Françaises e produzira a página cultural do diário r Hmnanicé, antes de
partir para a China Popular como professor de francês e revisor da revista
Llttérature Chinoise. Christian Maillet, pintor politicamente ativo, tinha sido
militante do Partido Comunista marroquino na juventude; após ter combati-
do na Resistência na França, pertencera ao Partido Comunista francês até
1964, na época defendendo as teses chinesas contra as teses soviéticas. Eis o
testemunho de Christian Maillet sobre o golpe de Estado fascista de Suharto:
"O camarada Régis Bergeron e eu chegamos ao aeroporto de Jacarta em
12 de outubro de 1965, por volta das dez horas da manhã. Estávamos repre-
sentando o MCF (ml) na 'Conferência Internacional para a Destruição das
Bases Imperialistas no Mundo' (KIAPMA) que aconteceria em Jacarta.
"Quando chegamos, constatamos que o exército rebelde tinha a situação
sob controle. O caminho estava inteiramente bloqueado por tanques, metra·
lhadoras automáticas e outros veículos militares bem armados e com muitos
homens.
r

184 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

"O exército ocupou-se de nós de imediato e levou-nos para um hotel si-


tuado no Nordeste de Jacana. Durante o dia, tínhamos o direito de circular
na cidade: as ruas estavam quase vazias, as lojas abertas mas praticamente
sem compradores. O exército ocupava todos os pontos estratégicos e os edifí.
cios administrativos. À noite, o toque do recolher obrigatório impedia a saída
dos edifícios. Subíamos então ao terraço, de onde tínhamos uma visão pano·
râmica de toda a cidade. Podíamos ver os veículos militares que circulavam
lentamente em fila indiana, a intervalos de cerca de vinte metros, com os
faróis acesos, apesar de as ruas estarem iluminadas como se fosse dia. Regular·
mente, e de todos os pontos da cidade, ecoavam rajadas de armas automáticas
e o vennelho das chamas erguia-se de diferentes bairros de Jacarta.
"Pudemos ouvir as metralhadoras e ver os incêndios durante três noites ...
após o que fomos levados pelo exército para o Hotel Indonésia, imensa cons·
trução de luxo situada no centro de Jacana e onde todos os delegados da
Conferência estavam concentrados. Os militares informaram-nos, 'para nos·
sa segurança', que não devíamos sair do hotel!
"Não tivemos mais como saber o que se passava na cidade.
"Várias vezes por dia caminhões do exército, cheios de indonésios em
trajes civis e levando na testa faixas brancas nas quais estavam escritas pala·
vras de ordem ilegíveis para nós, estacionavam durante muito tempo em fren·
te ao hotel... Os indonésios nos caminhões gritavam incansavelmente
'Comunistes gantoung!', o que significa, segundo o pessoal do hotel: 'É preci·
so apanhar os comunistas!' O objetivo era impressionar os delegados.
"O hotel tinha um pátio interno onde nos encontrávamos para escapar
um pouco à atmosfera confinada e sufocante dos edifícios ... e discutir mais
livremente entre nós, pois era claro que estávamos cercados por ouvidos indis·
eretos. Pessoas hostis lançavam garrafas de cerveja vazias do alto das janelas
dos andares superiores. Conseguimos identificar uma das janelas. Depois de
termos protestado energicamente junto aos responsáveis do hotel, as agressões
cessaram. Confessaram que elas vinham de quartos ocupados por americanos!
"Naquele momento, o alvo dos militares estava limitado apenas aos co·
munistas. A conferência internacional podia ter lugar mais tarde, assim que
os comunistas e pró-comunistas indonésios tivessem sido eliminados.
"Para acalmar os delegados, fomos levados num avião de carga da aero·
náutica para a ilha de Bali, onde fomos recebidos calorosamente pelo gover·
nadar, rodeado pelas autoridades da ilha. Tinha sido organizada uma recep·
ção oficial no palácio do governador. Alguns dias depois, em Pequim, soubemos
GENOCÍOIO ANTICOMUNISTA NA INDONÉSIA 185

que os militares tinham trancado todos os administradores e políticos, com


suas famt'lias, no palácio, que foi incendiado! Todos tinham sido acusados de
serem comunistas e todos foram eliminados."
Já Régis Bergeron preparou, em 1975, uma brochura intitulada "Para uma
Indonésia livre e democrática", publicando em língua francesa um discurso
de Jusuf Adjitorop, membro do Comitê Central do Partido Comunista da
Indonésia, que, estando no exterior no momento do golpe de Estado, foi um
dos raros membros da direção do partido a sobreviver. Ao ler este prefácio
percebemos que dez anos depois a repressão assassina fascista ainda não havia
terminado:
"... Pela terceira vez na sua história, depois de 1926 e 1948, a direção [do
PKI] foi quase totalmente exterminada. A repressão atinge-a de novo: em 28
de agosto de 1975, por exemplo, Asep Suyaman, preso em 1971 emBandung,
foi condenado à morte. Os militantes pereceram também em combate, como
Ahmed Sofyan, primeiro secretário do Partido para Kalimantan Ocidental
(ex-Bornéu), assassinado durante uma 'operação de limpeza', em 12 de janei-
ro de 1974.
"Já não se contam nem os mortos nem os prisioneiros. A Indonésia tor-
nou-se um vasto campo de concentração onde, segundo as mais recentes es-
timativas, cerca de cem mil presos políticos sofrem e, ao que parece, em con-
dições ainda piores, quer na prisão de Salemba Oacarta), onde três deles
morreram de fome em 1974, quer na ilha sinistra de Buru e em muitos outros
locais de tortura e de morte: Mabarawa, Kalisotok, Koblen, etc...
"... Que o Partido Comunista Indonésio não tenha estado implicado no
'golpe' que serviu de pretexto aos generais fascistas para tomar o poder, já
ninguém duvida ...
"É certo que a tomada do poder pelos militares foi facilitada pela CIA,
organização do imperialismo americano que não tardaria a operar uma reen-
trada em força na Indonésia.
"... A viúva de Sukamo, em outubro de 1974, denunciou o papel que o
Japão desempenhou mais tarde para consolidar o poder dos generais. Quan-
do o prêmio Nobel da Paz foi atribuído ao ex-primeiro-ministro japonês Eisako
Sato, ela revelou que este tinha 'desempenhado um papel importante para
ajudar os militares e os estudantes profissionais que, após o golpe de Estado
de 1966 (isto é, após a derrota de Sukamo), massacraram um milhão de
pessoas acusadas de serem comunistas mas que eram apenas partidárias de
Sukarno'."
186 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Hoje, o imperialismo domina inteiramente a economia indonésia e, con·


seqüentemente, a sua política.
A glória do regime da "Nova Ordem" deve-se ao fato de este ter aberto
inteiramente o país aos investimentos estrangeiros ... O dinheiro corre fácil
nas caixas de Suharto sob a forma de empréstimos, de ajudas etc. que nu·
merosos organismos internacionais (americanos e japoneses) lhe concedem...
(Cf. Pour une Indonésie libre e démocracique , Jusuf Adjitorop, Editions du
Centenaire, coleção "Le Tiers Monde en Lurte", 1975. O texto do líder indoné·
sio data de 23 de maio de 1975, dia do 55 2 aniversário da fundação do PKI).
Às indicações precisas de Bergeron acrescentemos aquelas que foram igual·
mente publicadas em 1975 pelo Comitê Indonésia-França sob o título ''A
Indonésia dos generais... dez anos de fascismo" :
"... Os prisioneiros estão divididos em quatro categorias: A, B, C e X. Para
a categoria A, o governo afirma possuir provas formais da participação no
golpe de Estado de ourubro de 1965 (são ao todo cinco mil); os da categoria
B, segundo as declarações oficiais, nunca serão julgados por falta de provas,
mas, enquanto 'comunistas puros', representam um perigo para o país. Na
categoria e, o governo inclui aqueles que foram presos 'legitimamente', mas
que serão depois libertados, quando a situação o permitir. Não existe qualquer
prova contra eles.
''A Organização Internacional do Trabalho (Genebra) pediu ao governo
indonésio um relatório sobre os trabalhos forçados impostos aos prisioneiros
políticos (designados sob o nome de "tapo!", segundo uma abreviatura do
indonésio "tahanan politik"). Sobre este assunto, declarava-se em Jacarta, em
outubro de 1974, que desde 1973 nenhum "tapo!" realizava trabalhos força·
dos ... (o que constituía, pelo menos, o reconhecimento de que esses trabalhos
forçados tinham sido realizados até 1973, portanto, oito anos após o golpe de
Estado) ... "

Em 11 de março de 1966, o fascista Suharto tomou para si todos os pode·


res, os quais já exercia de fato desde o primeiro dia do golpe de Estado. Decre·
tou imediatamente a proibição do Partido Comunista Indonésio, cujas forças
vivas ele já tinha eliminado na quase totalidade. Mandou prender 15 minis·
tros acusados de serem comunistas; ignoramos se eles o eram de fato e pensa·
mos que eles poderiam ser apenas amigos do presidente Sukamo. Depois,
reagrupou autoritariamente os partidos políticos em duas forças distintas, ambas
sujeitas às suas decisões. Organizou novas eleições para salvar as aparências e
GENOCIDIO ANTICOMUNISTA NA INOONÉSIA 187

fez-se nomear presidente em 1968. Sukarno não pôde ou não quis fazer nada
de decisivo para se opor às manobras cínicas e violentas deste general que o
afastara progressivamente de toda a atividade política. Fechado em sua casa,
o "pai da independência indonésia" morreu em junho de 1970. A "Nova Or-
dem" fascista estava instalada. O novo chefe de Estado dispunha, sem reser-
vas, de um reagrupamento político fundado por sua iniciativa - o Golkar.
Em janeiro de 1974 foram reprimidas selvagemente algumas manifestações
de estudantes e novamente feitas centenas de detenções e prisões. Foram
interditados dez jornais. O mesmo aconteceu em 1978.
As ligações entre os governantes americanos e Suharto continuaram a se
intensificar. Os presidentes americanos Nixon e Ford visitaram a Indonésia em
1969eem1975. Note-se que, doze horas depois desta visita, o exército indonésio
lançava uma violenta agressão ao Estado independente de Timor-Leste.
Por sua vez, Suharto visitou os Estados Unidos em 1970, 1975 e 1982.
A partir daquele momento, o imperialismo americano estava seguro do
seu cúmplice ou agente indonésio. Basta investigar as despesas sucessivas da
ajuda militar dos Estados Unidos à Indonésia para perceber isso. Por exemplo,
o montante de 34 milhões de dólares concedido em 1979 tinha subido, em
1983, para 53 milhões de dólares (um aumento de 64%) . Destaquemos, por
outro lado, a informação fornecida em 1975 pela publicação já citada editada
pelo Comitê Indonésia-França: " ... Presidente do IGGI (Consórcio Internaci-
onal de Ajuda à Indonésia, do qual a França fazia parte desde a sua criação
em 1967), o ministro holandês M. Pronk deslocou-se para a Indonésia em
novembro de 1973. Às autoridades indonésias com quem discutiu o montan-
te e as modalidades da ajuda do IGGI à Indonésia para o ano de 1974, ele
manifesta a inquietação do seu governo quanto à situação dos prisioneiros
políticos indonésios. Na Conferência do IGGI em Amsterdã, em maio de 1974,
a questão foi colocada na ordem do dia, para grande embaraço da delegação
de Jacarta, o que não impediu que a Indonésia obtivesse os seus 850 milhões
de dólares anuais ... "
Naturalmente, seria fácil acrescentar a todos estes dados específicos uma
verdadeira enciclopédia de crimes e outros atos bárbaros do fascismo indonésio,
cuja instauração foi apoiada pelo capitalismo ocidental. Mas é desde logo evi-
dente que o general Suharto tomou a seu cargo o genocídio dos comunistas
do seu próprio país, sem poupar aliás, todas aqueles que, progressistas ou pura
e simplesmente nacionalistas antiimperialistas, foram igualmente vítimas da
sua ferocidade.
188 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Foi com o apoio ativo do imperialismo americano, dos países capitalistas


do Ocidente e do Japão que ele pôde impor a sua "Nova Ordem", ordem
fascista que se mantém até hoje.
O Golkar, partido do poder na Indonésia, reafirmou no início de janeiro
de 1998 que mantinha a sua decisão de apresentar este carrasco do seu povo
como candidato à sua própria sucessão, para um sétimo mandato de presiden,
te da República Indonésia. Apesar da crise econômica que conduziu o país à
falência e gerou 6 milhões de desempregados, o Fundo Monetário Intemacio,
nal assinou, em 15 de janeiro de 1988, um acordo com o general,presidente,
que não disfarçou sua satisfação nem a da sua família multimilionária.
Está, assim, bem estabelecida a prova de que o capitalismo, quando se
trata dos seus interesses, não hesita nem um instante em apoiar um criminoso
de guerra contra a humanidade.

Jacques ]urquet é escritor, anticolonialista e militante comunista desde a Resistência. Após o


golpe de Estado fascista de Suharto, encontrou-se diversas vezes, em Pequim e na Europa,
com dirigentes sobreviventes do Partido Comunista indonésio.

'
ANEXAÇÃO FASCISTA DE TIMOR-LESTE
JACQUES JURQUET
A ilha de Timor faz parte do arquipélago das ilhas Sonda.
Sua parte oriental situa-se a 350 quilômetros da Indonésia e a 500 quilô-
metros a norte da Austrália.
A população nativa, com cerca de 600 mil habitantes em 1975 e com-
posta por 90% de camponeses, foi fortemente marcada pela colonização
portuguesa, que durou pouco mais de quatro séculos e meio. Assim, e ao
contrário das populações que habitavam a parte ocidental da ilha e prati-
cavam o islamismo, os habitantes de Timor-Leste passaram de práticas
animistas ao cristianismo. O clero católico mantém uma longa influência
sobre o povo.
Em 1975, o analfabetismo na ilha era grande e as condições sanitárias
muito ruins: uma taxa de mortalidade infantil muito elevada, perto de 40%,
tuberculose e malária endêmicas e apenas 20 médicos para todo o país, todos
residindo na capital. Os escassos 30 quilômetros de estrada asfaltada tomavam
praticamente impossível fazer chegar quaisquer cuidados ao interior.
Durante a Segunda Guerra Mundial, os japoneses desembarcaram em
Timor-Leste e se impuseram pelas armas contra os portugueses. A ocupação
violenta custou a vida de cerca de 50 mil timorenses, mas estas vítimas foram
ignoradas pelo Ocidente. Em relação ao conjunto da população de Timor-
Leste, foi o mais alto percentual de mortes de todos os massacres perpetrados
contra os povos da Ásia.
Assim, em 1945 e depois da derrota dos japoneses, Timor-Leste passou a
ser um ponto estratégico cobiçado pela longínqua Grã-Bretanha e pela vizi-
nha Austrália.
Por outro lado, os governantes indonésios, livres do colonialismo holan-
dês, consideravam este pafs parte do seu e, na mesma época em que Sukamo
ainda governava sem uma oposição forte, alguns militares de extrema-direita
desenvolveram atitudes hostis aos portugueses. Em junho de 1959, na região
de Viqueque, houve uma revolta, provavelmente encabeçada por esses mili-
tares, contra os colonos portugueses que viviam e trabalhavam nas fazendas.
A repressão colonial, imediata e extremamente violenta, fez cerca de mil mortos
entre os timorenses, e outras centenas foram encarceradas em condições de-
sumanas.
192 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

O patriotismo anticolonialista das populações locais ganhou nova força.


O mundo vivia a era da descolonização, e a Assembléia Geral das Nações
Unidas viria rapidamente a votar, em 14 de dezembro de 1960, a "Declara-
ção sobre a concessão da independência aos países e povos coloniais". A
reivindicação nacional ganhou força depois da Revolução dos Cravos em
Portugal. No dia 16 de maio de 1974, o general Spínola, novo chefe de
Estado de Portugal, anunciou que as colônias portuguesas deveriam ser li-
bertadas.
Aos olhos da história, a escalada do nacionalismo foi rápida e, como em
todos os lugares, gerou entre o povo contradições sobre a estratégia e a tática
a serem adotadas.
A Associação Social Democrática Timorense (ASD1), dirigida por um
grupo de intelectuais "católicos progressistas", tomou-se muito mais influen·
te do que as outras formações políticas. Em 1974, os seus fundadores, Francis-
co Xavier do Amaral e Nicolau Lobato, sofreram fortes pressões dos elemen·
tos mais jovens, como Roque Rodrigues e Abílio Araújo, adeptos das idéias e
dos princípios de Mao Tsé-tung. Logo que a Austrália anunciou o seu apoio à
intenção da Indonésia de anexar Tunor-Leste, estes jovens dirigentes decidi-
ram radicalizar as suas posições e, em 12 de setembro de 1974, transformaram
a ASDT na Frente Revolucionária para um Timor-Leste Independente, a
Fretilin.
No início do ano de 1975, este partido tomou-se o mais popular, superan·
do todos os outros grupos. A Fretilin declarou que o único caminho possível
para libertar o povo da exploração e da opressão sob todas as formas "era a
independência".
Há muito tempo que a Indonésia, dirigida pelo general fascista Suharto,
planejava, não sem hesitações, concretizar seu projeto de dominar Timor·
Leste. A Indonésia agiu de forma hábil e discreta, usando uma organização
ligada ao exército, o Bakin (Agência para a Coordenação dos Serviços de
Informações Nacionais), organização que pode ser comparada aos serviços
secretos de todos os países capitalistas e, mais concretamente, com a Gestapo
nazista. Notícias falsas difundidas pela rádio nacional indonésia davam conta
de que armamento e conselheiros militares soviéticos, chineses e vietnamitas
tinham sido enviados para Timor-Leste para apoiar um "grupo minoritário de
intelectuais comunistas".
Os agentes deste serviço bem especial conseguiram provocar uma cisão
entre os dirigentes da UDT e a Fretilin. Com firmeza, proclamaram que a
ANEXAÇÃO FASCISTA DE TIMOR-LESTE 193

Indonésia jamais aceitaria que um governo composto por comunistas se insta·


lasse em Timor-Leste, a seu lado. No dia 14 de abril de 1975, o dirigente da
UDT, Domingos de Oliveira, assustado, cancelou uma viagem, em campa·
nhia de Nicolau Lobato, à África então ocupada pelo colonialismo português,
e à Europa, muito provavelmente Portugal, onde militavam numerosos portu·
gueses anticolonialistas, inclusive nos meios governamentais.
Única representante do nacionalismo anticolonialista, profundamente ar·
raigado entre as classes populares, a Fretilin eliminou em 17 dias de guerra
civil a Apodeti, Associação Popular e Democrática Timorense, apoiada pelo
Bakin e pela CIA, bem como a UDT, que implorava aos colonialistas portu·
gueses que ficassem.
Os patriotas revolucionários começaram a organizar o governo do Timor·
Leste independente em agosto de 197 5 e entregaram-se com ardor à tarefa de
superar as inúmeras dificuldades históricas do país. No dia 28 de novembro de
1975, apoiada pela imensa maioria do povo, a Fretilin proclamou a indepen·
dência da "República Democrática de Timor-Leste". O seu presidente, Fran·
cisco do Amaral, exaltou os combates armados do povo pela independência e
declarou: "Fazemos à Indonésia um apelo à paz, mas mantemo-nos fiéis à
máxima: a independência ou a morte."
Num relatório apresentado mais tarde ao Conselho de Segurança das Na·
ções Unidas, o deputado australiano Ken Fry, que esteve em Timor-Leste de
setembro a dezembro de 1975, deu o seguinte testemunho: "Encontramos ali
uma administração responsável e moderada que gozava de um sólido apoio
popular... Como todos os australianos que visitaram o Timor português du·
rante este período, regressei cheio de admiração pelo Comitê Central da
Fretilin. Fiquei imensamente impressionado com sua moderação, com sua in·
tegridade e com sua inteligência perante a difícil situação com que se via
confrontada" (Cf. Timor· Est génocide oublié - Droits d'un peuple et raisons d' états,
de Gabriel Defert, página 83, tHarmattan, 1992).
Precedida de ações de comandos e de incursões militares que violavam a
fronteira entre Indonésia e Timor-Leste, na noite de 6 para 7 de dezembro de
1975 foi desencadeada uma agressão do exército indonésio (Abri). Cerca de
20 navios de guerra bombarderam o centro da capital, Díli, e os seus arredo·
res. Depois, por volta de cinco horas da manhã, foi coordenado um desembar·
que geral com o lançamento de numerosos pára-quedistas sobre a avenida
costeira. A operação envolveu 10 mil homens, sob o comando do general
Murdani, braço direito do ditador fascista Suharto. Mas a resistência dos sol·
194 O LIVRO NEGRO DO CAPITALI MO

dados da Fretilin, reorganizado nas Falintil (Força de Libertoç!io Nacional


de 1lmor-Leste), impediu a ocupaç!io da capital e m 24 h rns como previa 0
plano. Os agressores só conseguiram ocupar toda a cidade ao fim de trl!s se-
manas.
Poderíamos destacar os graves erros militares que levara m à morte por
afogamento de numerosos pára-quedi tas ou combate das próprias unidades
de lnvas:lo entre si, mas o mais importante, d pont de vi ta histórico, são as
manifestaçl'lcs de selvageria das tropas indon ia comand adas por oficiais
dignos das SS nazistas, que foram cul p. d de m acres deliberados. Logo
após os dois primeiros dias, ma ndaram exo:: uro.r no porto, a san gue-frio, cin-
qüenta prisioneiros, na maiori a civi , ho men e mulheres que nào pertenciam
nem à Frctilin nem às Falintil. Os co rpo foram jogados no mar. A população
dos subúrbios a sudeste da cidade foi reunida à força num estádio e fuzilada
com rajadas de armas automática . Houve apenas alguns sobreviventes, feri·
dos, que conseguiram se esconder entre os cadãvercs.
A população e os combatentes timorenses se retiraram e abandonaram
algumas cidades para prosseguir com a luta nos campos e nas montanhas. A
própria rádio indonésia provocou um endurecimento patriótico com as ame-
aças de matar todos os soldados comunistas da Fretilin.
Os últimos militares portugue6C:S ainda pre entes na ilha de Ataúro fugi-
ram com destino a Darwin, a 8 de dezembro, encerrando 460 anos de presen-
ça colonial portuguesa.
A ofensiva indonésia não permitiu ao general Murdani levar a cabo o
plano de conquista de todo o país. As Falintil, auxiliadas pelo seu conheci-
mento do terreno, conseguiram manter sob co ntrole dois terços do território.
O Abri foi então obrigado a enviar nov05 reforços para conquistar as prin·
cipais cidades. Dez mil fuzileiros desembarcaram para reforçar os dez mil sol-
dados já presentes mas cujas operações estavam paralisadas. Ocuparam as
maiores cídades, mas n:io conseguiram eliminar as forças da resistência. O
Comitê Central da Frctilin recuou para o sudoeste da ilha, em Ainaro. Final-
mente, a Indonésia, incapaz de esmagar a guerrilha timorense, aumentou para
32 mil o número de homens em Timor-Leste, enquanto urna reserva de outros
10 mil soldados estacionava em Timor Ocidental.
Por seu lado, as Falintil contavam com 2.500 soldados oriundos do cxfrci·
to português de ocupação: 7 mil soldados de infantaria que, no passado, ti·
nham cumprido o seu serviço militar naquele exército e 10 mil voluntários
sem formação militar efetiva.
ANEXAÇÃO FASCISTA DE TIMOR·LESTE 195

Em todos os comunicados emitidos entre 1975 e 1977, a Fretilin assegu·


rou que controlava 90 1.Yci do território e, embora possa mos considerar esta afir-
mação exagerada, convém sublinhar que os poucos jornalistas que puderam
deslocar-se graçus às autoridades indo nésias relataram que o Abri só contro•
lava 30% do país. Esta situação ele relativo fraca sso náo impediu o governo de
Jacarta de proclamar, cm 17 de julho de 1976, que a partir daquele momento
Timor-Leste constituía a 27u província da Indonésia.
O comportamento dos soldados e dos oficiais indonésios era feroz. Mas·
sacravam mulheres, crianças e velhos em todas as aldeias onde não canse·
guiam penetrar. Em 1976, todos os chineses da cidade de Maubara foram
reunidos numa praia e abatidos, enquanto as suas mulheres e filhas eram
violadas . No mesmo ano, o Abri utilizou armas químicas, assim como bom·
bas de napalm. Os Estados capitalistas ocidentais e os Estados Unidos for·
ncceram a quase totalidade do armamento utilizado. Além do apoio
multiforme dos Estados Unidos, vários contratos ligaram a Indonésia com
a Holanda, a Austrália, a Espanha e a República Federal da Alemanha. A
contribuição da França traduziu-se no envio de helicópteros Alouettc e
Puma 330.
A enorme superioridade cm armas do Abri não lhe permitiu, porém, do
final de 1975 ao final de 1977, atingir os objetivos estratégicos esrabclecidos
no início da invasão. Os ataques contínuos das Falintil e as emboscadas segui-
das de retirada para as zonas livres infligiram pesadas baixas aos conquistadores.
Se acrescentarmos os balanços dos combates levados a cabo pela Fretilin en·
tre 1975 e 1979, atingiremos o número de 17 mil invasores mortos e milhares
de feridos.
As baixas sofridas tanto pela Frctilin como pela população civil timorense
são difíceis de avaliar se as limitarmos apenas a este período, mas é evidente
que foram muito superiores às dos agn:ssores. De fato, estes dispunham de
armamento sofisticado, incluindo, além da artilharia ligeira e pesada, um do-
mínio absoluto do ar que lhes permitia bombardeios que aterrorizavam a po·
pulaçfo.
Em 7 de setembro de 1977 houve um acontecimento de conseqüências
nefastas. Durante o ano anterior, vários acordos estratégicos tinham oposto o
presidente da Frctilin aos membros do seu comitê político. Xavier do Amaral
propusera abrir negociações com o ocupante. Além disso, achava que o Co-
mitê Central di.:via tomar a iniciativa de pedir às Nações Unidas a organiza-
ção de um referendo de autodeterminação. Xavier do Amaral foi então dcsti-
l96 O UVRO NEGRO DO CAPITALISMO

tu(do e preso por outros dirigentes da Fretilin, que acentuaram o caráter radi·
cal de seu discurso e suas ações. Acusado de traição, logo caiu nas mãos do
Abri, não tendo sido executado mas enviado para um campo. O seu substitu·
to foi Nicolau Lobato.
Nestas circunstâncias, o Abri decidiu fazer tudo para destruir a resistência.
De setembro de 1977 a março de 1979, desencadeou três ofensivas, parte de
uma campanha estratégica de "cerco e aniquilação". O objetivo inicial con·
sistia em isolar os combatentes da guerrilha do seu apoio logístico, a popula·
ção. Vieram depois duas campanhas sucessivas que reduziram as populações
civis à fome, em 1979 e em 1981. Estas operações militares recorreram a ar·
mamento novo e moderno, a bombardeios e à destruição sistemática das cul·
turas sob a palavra de ordem: "busca e destruição". A resistência foi tenaz,
mas sofreu derrotas inevitáveis.
O clero católico não abandonou os patriotas. Eis o que escreveu um padre
de Díli a duas irmãs dominicanas: "Desde o final de setembro, a guerra inten·
sificou-se ainda mais. Os bombardeios duram da manhã à noite. Centenas de
seres humanos morrem diariamente, e os seus corpos são deixados de repasto
para os abutres (se não são as balas que matam, são as epidemias) . Algumas
aldeias foram completamente destruídas e algumas tribos dizimadas. A barbárie,
a crueldade, as destruições inqualificáveis, as execuções sem motivo, numa
palavra, 'o inferno organizado', ganharam raízes profundas em Timor... Nas
ruas de Díli só se vêem soldados indonésios. Os poucos timorenses que restam
estão refugiados nas florestaS, mortos ou na prisão" (Ibid., obra de O. Defert,
página 110).
Ao fim de algum tempo, e após furiosos confrontos, os combatentes da
Fretilin e 60 mil civis não armados retiraram-se para as montanhas nas
profundezas da selva. Os principais dirigentes que sobreviveram foram captu·
rados após combates de uma intensidade assustadora e, em seguida, mortos.
O presidente da Fretilin, Nicolau Lobato, foi ferido, morrendo depois no avião
que o transportava para Díli, sem dúvida assassinado. Com exceção daqueles

1 que pertenciam à delegação externa do governo da República Democrática
de Timor-Leste e de três membros do Comitê Central, todos os dirigentes da
Fretilin foram exterminados.
A barbárie fascista, aprovada e apoiada de maneira discreta pelos ameri·
canos e deliberadamente ignorada pelos governos ocidentais e australiano,
apresentava as mesmas características que a dos nazistas. A Anistia Interna·
cional falou abertamente da execução sistemática de civis e soldados que ti·
ANEXAÇÃO FASCISTA DE TIMOR-LESTE 197

nham se rendido ou que haviam sido capturados pelo Abri. Soube-se também
que alguns entre eles tinham sido queimados vivos depois de torturados, e de
outros lançados de helicópteros. Em várias regiões montanhosas, milhares de
timorenses foram abatidos em operações de limpeza sistemáticas.
Aldeias com habitantes que não tinham tido tempo de fugir foram trans·
formadas em campos especiais. Estes campos, cerca de 150, mantinham deti-
das entre 250 mil e 350 mil pessoas que, cobertas apenas com andrajos, não
dispunham de nenhum alimento e eram vítimas de epidemias sem receber
qualquer tratamento.
Um jornalista ocidental que conseguiu visitar um destes campos, pro·
vavelmente em nome da Cruz Vermelha indonésia, fez este relato chocan-
te: "Homens, mulheres e crianças, todos apresentavam marcas de priva-
ções: corpos debilitados, vestidos com farrapos, rostos descamados e vazios,
já tocados pela morte. Os ventres inchados das crianças eram de tal forma
protuberantes que os menores tinham que tirar os calções" (lbid., página
118).
A tuberculose, a malária, as disenterias e outras infecções provocaram
a morte de dezenas de milhares destas pessoas que viviam mais ou menos
a mesma existência dos campos de extermínio nazistas (se descontarmos o
caráter industrial das câmaras de gás e fomos crematórios de Auschwitz).
Aqueles que se afastavam da aldeia em busca de comida eram abatidos
sem aviso.
No entanto, apesar de 80% dos seus efetivos terem sido eliminados, as
Falintil não se renderam. Um dos três membros restantes do Comitê Central,
Alexandre Gusmão, o Xanana, dotado de uma energia e de uma coragem
lendárias, conseguiu reconstituir algumas unidades e lançou operações arro·
jadas até o coração de Díli. Durante o verão de 1980, conseguiram sabotar
uma emissora da televisão indonésia que tinha acabado de ser construída na
capital timorense.
A nova direção da Fretilin decidiu mudar de estratégia. Era preciso levar
em consideração a situação criada no pafs, onde todas as cidades, bem como
muitas regiões agrícolas, estavam ocupadas. As Falintil já não eram suficien·
temente numerosas para efetuar grandes operações, semelhantes às de antes
das derrotas sofridas no final de 1978. Foi suspensa a tática de reorganizar as
forças sobreviventes em pequenas unidades capazes de realizar operações rá-
pidas, seguidas de retiradas imediatas.
O sucessor de Nicolau Lobato foi Xanana Gusmão, que tinha se empe-
\98 O LlVRO NEGRO DO CAPITALISMO

nhado na luta desde a época do ASDT. Tomou-se o novo líder da Fretilin e da


resistência.
A mudança de estratégia não se limitou apenas às questões militares,
mas também ao plano ideológico. Em vez de uma formação única tendo
sozinha todas as verdades e dirigindo o combate justo do povo timorense, a
Fretilin abriu-se às outras, apesar das antigas contradições. O único ponto
exigido a um voluntário para integrar a resistência era a realidade do seu
patriotismo, não mais o seu juramento de fidelidade incondicional às idéias
dos dirigentes. Foi assim que antigos partidários da Apodeti e da UDT se
juntaram às Falintil.
O representante apostólico de Dt1i anunciou em 1983 que a Fretilin era
indissociável do conjunto da população de Timor-Leste e que esta se encon-
trava inteiramente solidária com as suas atividades.
Por seu lado, os generais do Abri acreditavam que tinham se desembara-
çado definitivamente da Fretilin após a execução sem julgamento de 80 dos
seus dirigentes.
O golpe efetuado em Díli em 1980 provocou surpresa e cólera nos
fascistas indonésios. Puseram então em prática uma repressão que a Anis-
tia Internacional considerou a mais violenta e a mais mortífera desde o
início da guerra. Torturas e execuções capitais sucederam-se em condi-
ções ferozes. Seiscentos habitantes de Díli foram presos e deportados para
a ilha de Ataúro, enquanto centenas de outros eram sumariamente mor·
tos nas ruas da capital. O exército indonésio agia exatamente da mesma
forma que em outubro de 1965, em Jacarta, contra os comunistas ou supos·
tos comunistas.
O exército indonésio adaptou-se à nova estratégia da resistência. Pôs em
prática a tática de "barreiras humanas". Os soldados indonésios obrigaram os
timorenses a formar cadeias humanas de várias dezenas de quilômetros de
comprimento destinadas a passar um pente fino na ilha de leste a oeste. Os
generais fascistas acreditavam que assim poderiam apanhar as Falintil, supos·
tamente incapazes de escapar a esta busca.
Antes de mais nada, esta medida teve como resultado a morte de nume·
rosos civis timorenses por causa do frio, da fome, do cansaço e da malária,
enquanto todos aqueles que tentavam escapar eram abatidos sem piedade.
Simultaneamente, os ocupantes fascistas incendiavam todas as áreas deve-
getação onde os resistentes pudessem esconder-se, queimando vivos muitos
deles. No entanto, um certo número de combatentes das Falintil conseguiu
ANEXAÇÃO FASCISTA DE TIMOR-LESTE 199

atravessar a barreira humana com a cumplicidade dos seus compatriotas


Percebendo isso, os oficiais tornaram-se cada vez mais criminosos, se é que
isso era poss(vel. Durante o outono de 1981, começaram a massacrar de
modo mais sistemático. Em 7 de setembro de 1981, depois de um motim de
uma unidade de suplentes por eles organizada, aniquilaram a tiros de metra-
lhadora toda a população de Craras, próximo de Viqueque. Primeiro 200
pessoas e depois outras 800 que tinham conseguido atravessar um riacho.
Houve um único sobrevivente. Mais tarde, os soldados fascistas que partici-
param da operação se vangloriaram e contaram como obrigavam os
timorenses a cavar as próprias sepulturas e depois os fuzilavam à queima-
roupa, fazendo-os cair na vala.
A operação teve outra conseqüência grave. As pessoas necessárias para
esta tarefa eram quase todas camponeses que não puderam cuidar das suas
plantações. Assim, a produção agrícola para a alimentação das populações
locais caiu a um nível muito baixo. Má nutrição e doenças foram as conseqüên-
cias diretas daquela operação. A segunda grande fome atingiu então o povo
de Timor-Leste, provocando milhares de vítimas.
Ao contrário do que esperavam os generais fascistas, as Falintil escaparam
com relativa facilidade dessa nova forma de cerco e aniquilação. Em
contrapartida, todos os civis forçados a participar da cadeia humana, pelo
menos aqueles que sobreviveram, pediram espontaneamente para se junta-
rem às Falintil. Xanana recusou-se a integrá-los às unidades já existentes, que
ele pretendia conservar com características de guerrilha. Mas organizou-os
em grupos de três a seis pessoas que permaneciam na cidade ou nas aldeias
com a missão de controlar as atividades dos soldados indonésios e enviar ime-
diatamente à Fretilin um relatório dos acontecimentos. Em todo o país foram
organizados estes grupos, chamados "Nurep", e o fracasso da iniciativa
indonésia ficou claro.
Também no final de 1982 foi designado um novo comandante militar
para Timor-Leste, o coronel Purwanto. A sua missão consistia em tentar con-
quistar a simpatia dos timorenses não pela força das armas mas pela negocia-
ção. Depois de várias tentativas, o general indonésio Purwanto e Xanana
Gusmão, presidente da Fretilin, tiveram um encontro em terreno neutro, em
Lari Guto, de 11 a 13 de março de 1983. O partido da resistência exigia "um
contingente das Nações Unidas que se interpusesse entre as partes beligeran-
tes e garantisse a realização de um plebiscito livre e democrático sobre a ins-
tauração de um sistema parlamentar em Timor-Leste''. O representante dos
100 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

fascistas indonésios recusou, invocando o fato de que a discussão só dizia


respeito às condições e formas de rendição das Falintil.
No entanto, quatro meses de trégua permitiram que os resistentes
timorenses se reorganizassem e reforçassem. Ao mesmo tempo, isso legitimou
a destituição do coronel Purwamo, 5Ubstirufdo por oficiais próximos ao gene·
ral Murdani, conhecido como criminoso de guerra.
Os gravíssimos incidentes ocorridos em Díli, em novembro de 1991, pro·
varo que a população timorense, apesar de desarmada, recusa sempre a ocu·
pação indonésia.
Atendendo ao pedido dos patriotas de Timor-Leste, tinha ficado deci·
dida, em 1982, uma visita de delegados da ONU, organizada pelo secretário·
geral, Perez de Cuellar. Havia também a decisão de convocar uma votação de
referendo da autodeterminaç.ão sob os auspíáos da antiga potência colonial,
Ponuga\, considerada pel.u Nações Unidas como detendo, pelo menos, o po·
der administrativo de Timor-Leste. Os fascistas indonésios opuseram-se a es·
tas decisões.
Porém, em 13 de outubro de 1991, a primeira destas iniciativas foi adiada
sine die . Uma comissão composta por parlamentares ponugueses e indonésios
devia reunir-se, mas estes afumaram que a delegação ponuguesa incluía um
membro da Fretilin, justificando amm a sua oposição à investigação. Tratava·
se apenas, evidentemente, de um mero pretexto.
Dez dias mais tarde, a 23 de ourubro de 1991, sem dúvida durante uma
manifestação de protesto, um jovem timorense, Sebastião Gomes, foi morto
pela polícia. No dia 12 de novembro, às 8 horas da manhã, mais de cem
jovens dirigiram-se ao cemitério de Santa Cruz para honrar a memória do
seu camarada em uma cerimônia reli giosa. Reuniram-se na igreja de Moatel
para assistir a uma missa, mas ao final foram para o Hotel Resende, onde
estava hospedado um representante das Nações Unidas que fora investigar
casos de tortura. Teriam jogado pedras na fachada do edifício e gritado slo·
gans a favor da independência de Timor·wte. Não levavam nenhuma arma.
A polícia indonésia interveio imediatamente e disparou, sem aviso, contra
o grupo.
O governo de )acarta reconheceu que cerca de 50 pessoas foram monas.
O diário Le Monde de 19 de novembro de 1991 , reproduzindo os telegramas
da AFP e da Reuter, relatou entre "19 a 200 mortos, conforme as fontes". A
Associação Indonésia dos Direitos do Homem assegurou que 80 jovens presos
foram executados após os incidentes, em 15 de novembro de 199 I .
ANEXAÇÃO FASCISTA DE TIMOR-LESTE 201

Pouco depois de um ano, em 20 de novembro de 1992, Xanana Gusmão


foi capturado pelas forças de segurança do Abri. No día 2 de dezembro, a
televisão indonésia apresentou uma suposta entrevista na qual ele teria díto
"que aceitava a anexação de Timor-Leste" e "que apelava aos seus antigos
camaradas guerrilheiros que se rendessem". Ele teria sido vítima de torturas
ou de pressões psicológicas em relação à segurança de sua farru1ía, ou tratava-
se simplesmente de uma montagem audiovísual? Nenhum dos seus compa-
nheiros e compatriotas acreditou nessa mudança, contrária ao caráter conhe-
cido do presidente da Fretilin. Em todo o caso, a agêncía noticíosa portuguesa
Lusa publicou em 2 de janeiro de 1995, segunda-feira, pouco mais de dois
anos depois, "um apelo do líder da resistêncía timorense, Xanana Gusmão,
atualmente preso, pedindo que o estatuto da ilha fosse determínado por refe-
rendo".
A prisão de Xanana foi um duro golpe para a resistêncía dos patriotas
timorenses.
Por outro lado, em 1993 foi assinado um acordo entre Austrália e Indonésia
para explorar uma jazída de petróleo descoberta no mar de Timor. Com isso, a
motivação econômica da anexação fascista começava a ficar clara.
Segundo um artigo de Cecília Gabizon, no jornal Llbéracion de 12 de no-
vembro de 1994, os portugueses puderam ver na televisão os soldados indo-
nésios atirando à queima-roupa sobre uma multidão de jovens timorenses ...
"Entre os 100 mortos oficiais e os 500 anunciados pelos comitês de apoio à
causa dos Mauberes (e mia majoritária em Timor), os portugueses ficam com
a segunda versão, e acrescentam que os soldados teriam acabado com os feri-
dos usando veneno."
As manifestações dos jovens timorenses, que já não podiam recorrer à
luta armada, não cessaram. No dia 20 de dezembro de 1994, o Llbéracion rela-
tava: "A antiga colônia portuguesa conheceu uma nova revolta com a ocupa-
ção da embaixada dos Estados Unidos por manifestantes independentistas
quando da visita do presidente Bill Clinton."
Em 25 de novembro de 1996, os jornalistas lsabelle Bouc e Pierre Haski
anunciaram que José Ramos Horta e monsenhor Ximenes Belo acabavam de
ganhar o prêmio Nobel da Paz "pela sua ação de resistência à ocupação
indonésia de Timor-Leste".
Por fim, muito recentemente, podia ler-se no jornal Llbération, edição
de 15 de novembro de 1997, página 7: "O bispo timorense Ximenes Belo,
prêmio Nobel da Paz 1996, denunciou a 'brutalidade inaudita' dos militares
202 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

indonésios que abriram fogo sexta-feira na Universidade de Drli ... Por seu
lado, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) protestou oficial-
mente contra as ações dos policiais, que levaram à força um jovem grave-
mente ferido que a Cruz Vermelha socorria: "[este] homem, atingido no
pescoço e coberto de sangue, foi tirado do veículo da CICV e arrastado
pelos policiais que o levaram para dentro de um ônibus. Quatro a seis estu·
dantes ficaram feridos, e algumas informações não confirmadas davam con-
ta de um morto" (AFP).
Esta guerra de conquista colonialista por um Estado fascista apoiado pelo
capitalismo internacional ganhou stacus de genocídio ou emocídio quase com·
pleto. Os próprios serviços indonésios reconheciam entre 170 mil e 212 mil
mortos na população de Timor-Leste. Os representantes da Igreja Católica
fornecem avaliações mais confiáveis, avaliando o número de vítimas de 308
mil a 345 mil, numa população que no início do confronto era estimada em
600 mil habitantes.
Mas estes dados estatísticos só se referem ao período de 1975 a dezembro
de 1981. Depois disso novas matanças foram perpetradas contra a população
de Timor-Leste. Em 1998 há todos os motivos para se estimar que dois terços
do povo do país foram dizimados. Consideremos estes números com objetivi·
dade, comparando o que representa esta percentagem aplicada, por exemplo,
à França, Se os crimes tivessem sido cometidos nesse país teriam resultado em
40 milhões de mortos, o que, excetuando uma guerra atômica, é evidente·
mente inimaginável.
E é aqui que se pode medir o caráter criminoso e cúmplice do mundo
capitalista, quando se sabe que nunca foi ramada nenhuma medida con•
ereta para salvar o povo de Timor-Leste deste massacre. Logo a seguir à
proclamação da independência de Timor-Leste pela Fretilin, um determi·
nado número de países reconheceu a sua soberania, entre eles, a China
Popular, vários países da Ásia, o Vietnã e os países de África colonizados
por Portugal.
O ministro das Relações Exteriores do governo de Díli, José Ramos
Horta, tinha partido cm 4 de dezembro de 1975 numa viagem pelo mun•
do, com o objetivo de garantir apoio diplomático para o caso de os fascistas
indonésios lançarem contra o seu país uma agressão militar visando a ane·
xação.
Os acontecimentos apanharam-no de surpresa e, logo depois da invasão
do Abri e do ataque contra Díli, restou a ele aceitar um convite do Conselho

! _i
ANEXAÇÃO FASCISTA DE TIMOR-LESTE 203

de Segurança da ONU, datado de 15 de dezembro, para vir expor o ponto de


vista do seu governo. Aquele organismo internacional, depois de ter escutado
igualmente os representantes da Indonésia e de Portugal, votou por unanimi-
dade, em 22 de dezembro de 1975, a resolução número 384 "pedindo a reti-
rada imediata das forças armadas indonésias de Timor-Leste" e "pedindo ao
governo português, enquanto potência administrativa, que cooperasse plena-
mente com a Organização das Nações Unidas a fim de permitir ao povo de
Timor-Leste exercer livremente o seu direito à autodeterminação". O texto
do Conselho de Segurança continha outras determinações e decisões, indo
todas ao encontro das exigências formuladas pelo governo de Timor-Leste.
Um representante especial devia ser enviado ao local e o secretário-geral da
ONU estava incumbido de zelar pela aplicação da resolução aceita por unani-
midade.
O governo de Jacarta opôs-se às decisões do Conselho de Segurança, com
argumentos cada vez mais mais falaciosos. A agressão fascista continuou e
apenas a resistência tenaz das Falintil conseguiu refrear sua progressão.
Foi necessário esperar pelo 24 de abril de 1976 para que o Conselho de
Segurança, de novo interpelado por vários países do Terceiro Mundo, reite-
rasse a exigência de que a Indonésia se retirasse de Timor-Leste e reconheces-
se o direito do povo à autodeterminação. As deliberações em causa eram de-
terminadas a milhares de quilômetros de distância e não tinham outro valor
além daquele que o papel e a tinta lhes conferiam. Aliás, os Estados Unidos e
o Japão começaram a tirar a máscara neste caso, recusando votar a nova de-
claração.
Em 1988 e 1991, novas decisões reuniram maiorias de organismos oficiais
ocidentais. O Parlamento Europeu, sob proposta de Portugal, votou uma reso-
lução condenando a ocupação de Timor-Leste pela Indonésia. Mas isto foi
apenas uma decisão sem seqüência.
O fracasso evidente de todas estas resoluções gerou passividade nos orga-
nismos internacionais - ONU, Conselho de Segurança, Comitê de
Descolonização da ONU, Parlamento Europeu - que evitaram decidir qual-
quer intervenção militar ou outro embargo contra o agressor, para restabele-
cer a legalidade de Timor-Leste. Os Estados Unidos, superpotência que se
atribui o papel de polícia do mundo, sustentaram constantemente, de forma
disfarçada ou direta, o governo de um país onde dispunham de um cúmplice
no poder - a Indonésia dirigida pelo general Suharto.
Quando de uma passagem por Paris depois dos graves acontecimentos em
204 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Díli, em novembro de 1991, José Ramos Horta, representante do Comitê Na-


cional da Resistência Timorense, foi duro com a comunidade internacional:
"A nossa tragédia é a de sermos um pequeno país, perdido num canto do
Sudoeste Asiático." Ramos Horta concedeu uma entrevista coletiva na Fun-
dação France-Liberté, na presença de Danielle Mitterrand, mulher do presi-
dente da República, para lembrar as últimas propostas da Fretilin (que já não
se inspiravam no marxismo): "Negociações incondicionais com a Indonésia
sob a égide da ONU."
Pedia "que todos os membros da CEE se reunissem em Portugal para exigir
uma nova reunião do Conselho de Segurança" e que os países que vendiam
armas à Indonésia (a Grã-Bretanha em particular) impusessem um embargo
imediato.
As suas duas últimas palavras foram: '~judem-nos!"
Nas últimas linhas da sua obra Timor-Leste, le génocide oublié - Droit d'un
peuple et raisons d'État, repleta de documentação inquestionável, Gabriel Defert
escrevia em 1992: "Enquanto o respeito a um texto depender exclusivamente
dos interesses em jogo, poderemos certamente continuar a achar que o Iraque
não deve considerar o Kuwait como uma parte do seu território, mas a Indonésia
pode sem dificuldades apropriar-se de Timor-Leste; no entanto, teremos difi..
culdade em conceder às arbitragens internacionais outra legitimidade que
não a da força" (cf. pág. 289) . E Bill Clinton poderá ameaçar o Iraque com
"armamento estratégico", até mesmo nuclear, como fez diariamente nestes
meses de janeiro e fevereiro de 1998.
Sem que qualquer um possa permitir-se classificar de anti-semitismo a
condenação política de Netanyahu, chefe de Estado de Israel, não podemos
considerá-la também caracterizada pela recusa sistemática ao cumprimento
das decisões da ONU, sem que os países ocidentais determinem a mais leve
sanção, o menor embargo?
Portanto, há dois pesos e duas medidas. Para os países que não se sub ..
metem à vontade hegemônica da superpotência americana e dos seus cúmpli..
ces, para os pequenos povos, para os pobres, o capitalismo, assim como o
colonialismo, há muito tempo se tomou o Inferno sobre a Terra.
Concluindo, as 350 mil a 400 mil vítimas exterminadas em Timor-Leste
desde 197 5 provam sem qualquer equívoco que O Llvro negro do capitalismo é
mesmo um "l'ivro negro".
ANEXAÇÃO FASCISTA DE TIMOR-LESTE 205

Bibliografia:

Gabriel Defert, Timor-Est: Le génocide oublié. Doit d'un peuple ec raisons d'États, C Harmattan,
novembro de 1992.
Ubéracion, diversas edições entre 1991 e 1998.
I.! Humanité-rouge, anos de 1975 e 1976, especialmente o número 509, de 15 de junho de
1976, e a nota de solidariedade do Partido Comunista da Indonésia.
Le Monde, especialmente as edições dos dias 13, 14 e 19 de novembro de 1991.
Amnesty Intemational, Londres, 1977.
Prolécariat, número 12, primeiro trimestre de 1976, página 56 e seguintes.
Mary Mac Killop, publicação do lnstitute of East Timorese Studies, Austrália.
-

O IRAQUE, VÍTIMA DO PETRÓLEO


SUBHITOMA
A guerra pelo pet róleo começou no Iraque quando, em 1908, o imperador
Guilherme li obteve do sultão Abdul Hamid a concessão sobre uma faixa de
terra de mil e quinhentos quilômetros de comprimento, atravessando a Tur-
quia e a Mesopotâmia. Por esta concessão, a Alemanha tinha adquirido não
só o direito de construir uma estrada de ferro de Constantinopla até Bagdá,
mas também de explorar as riquezas minerais do subsolo numa faixa de trinta
quilômetros de cada lado da via férrea.
A derrota do Império Otomano em 1920 permite à Inglaterra ocupar a
maior parte do Oriente Médio. O Reino Unido, para evitar os problemas ine-
rentes à administração desse vasto território povoado por múltiplas comuni-
dades (árabes, curdos, sunitas, xiitas, cristãos, beduínos), forma vários Esta-
dos no território rico em petróleo. Assim, foram criados diversos principados,
entre os quais o do Kuwait, ao sul do Iraque. O mandato britânico sobre o
emirado foi fixado em 99 anos, mas, em 1938, o rei do Iraque, Ghazi, exigiu a
anexação do Kuwait ao seu país, considerando-se espoliado pelos britânicos.
Iniciou uma série de manobras nesse sentido junto ao colonizador, bem como
uma ampla campanha de informação dirigida às populações dos dois territó·
rios. Foi instalada uma estação de rádio no palácio real de Bagdá para incitar
os habitantes do Kuwait a revoltarem-se. Em 1938, durante uma viagem à
Suíça, o rei Ghazi morre em conseqüência de um acidente obscuro que pode
ter sido criminoso. Depois disso, nenhum governo iraquiano abandonou essa
reivindicação. Nem sequer Nuri ai Said, apesar de ter sido o homem dos bri·
tânicos; este, no entanto, tentou convencer os americanos a pressionarem a
Inglaterra para a restituição do Kuwait. Também ele morreu assassinado.
Em 1961, três anos depois de subir ao poder, o general Kassem, líder da
revolução, decide recuperar o Kuwait pela força. As tropas britânicas, enviadas
às pressas, detêm o avanço do exército iraquiano. Em fevereiro de 1963, Kassem
é assassinado por uma junta de oficiais apoiada pelo governo do Kuwait. No
mês de março, o novo regime iraquiano, pressionado pelas companhias petro·
l!feras, reconhece imediatamente o Kuwait. O emirado entregará trinta e dois
milhões de dinares ao novo chefe de Bagdá. A Inglaterra, enfraquecida pela
Segunda Guerra Mundial, já não podia garantir as posições das grandes com·
panhias petrolfferas no Oriente Médio, então propôs aos Estados Unidos um
r
210 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

pacto entre os principais países da região. Aparentemente, este acordo visava


a defender o "mundo livre" contra as ameaças soviéticas, mas, na realidade,
tratava-se de uma nova aliança entre os países da região no sentido de assegu-
rar a proteção das companhias petrolíferas ocidentais e a exploração do petró·
leo pelos Estados Unidos e a Inglaterra.
O acordo entre a Alemanha e o Império Otomano para construir uma
ferrovia ligando Berlim a Bagdá e para eferuar pesquisas petrolíferas não agra·
dou a Grã· Bretanha, que em 1914 invadiu o Iraque, então província turca,
com o auxfüo das tropas indianas. 1 Essa foi uma das causas da Primeira Guerra
Mundial. Depois desta, a revolta dos iraquianos, especialmente no Sul, abri·
gou as tropas britânicas a abandonar o país, mas em 1920 a Grã-Bretanha
conseguiu que a Sociedade das Nações lhe atribuísse um mandato sobre o
Iraque.
Depois dessa Primeira Guerra, a Inglaterra e a França impuseram a sua
concepção do direito ao Oriente Médio, desenhando a partir de Paris as fron·
teiras de acordo com os seus interesses petrolíferos. A questão do direito in·
ternacional nunca foi colocada, porque esse direito era sempre adaptado de
modo a preservar os interesses petrolíferos. De resto, foi possível constatar
posteriormente como os Estados Unidos e os outros membros do Conselho de
Segurança interpretaram o direito internacional.
Em 1932, o poder volta às mãos dos iraquianos, cujo governo real conclui
um pacto com os britânicos. De 1920 a 1958, uma série de revoltas custa ao
povo enormes sacrifícios: repressões, execuções, enforcamentos praticados pelo
poder real apoiado pelos ingleses.
Em 1958, as forças progressistas, o centro-esquerda, a esquerda e os naci·
analistas formam a Frente Parriótica Unida. A revolução de 14 de julho de
1958 põe fim à realeza e aos pactos com a Grã-Bretanha. Diversas reformas
são iniciadas, entre as quais a reforma agrária, o código de garantias indivi·
duais, a igualdade da mulher no caso de herança. O sistema feudal instiruído
pelos britânicos, que tinha dado 95% das terras a 5% da população, é revoga·
do. A terra é distribuída aos camponeses.
Em 1963, cinco anos após a fundação da República, o novo regime
iraquiano que chegara ao poder com enorme apoio popular tinha iniciado
uma queda de braço com a poderosa IPC, companhia de petróleo iraquiana
de propriedade do Reino Unido, da França e dos Países Baixos, que controla-
vam as riquezas do país desde o fim da Primeira Guerra Mundial e não utiliza·
vam a totalidade do potencial petrolífero a fim de manter os preços, deixando
O IRAQUE, VÍTIMA DO PETRÓLEO 211

para os iraquianos uma parte irrisória dos lucros. O Estado iraquiano esperava
ter o direito de interferir na exploração do seu petróleo e exigia um aumento
da produção para financiar a reconstrução do país pilhado pelo Império
Otomano e pelos britânicos, mas a IPC não queria ceder. O governo pediu
que fosse anulado o mandato inglês sobre o Kuwait, que considerava provín·
eia iraquiana (a fronteira tinha sido delimitada em 1922 pelo protetorado
britânico que confiou o poder ao xeque antes que a Kuwait Oi! Company,
anglo-americana, reservasse para si mesma e por 99 anos a concessão das
pesquisas e da exploração petrolífera). Com a recusa inglesa, o governo deci-
diu então pela nacionalização de 90% das terras, incluindo jazidas ainda não
exploradas pela IPC.
A nacionalização provocou a ira dos homens do petróleo, que em 1963
fomentaram um golpe de Estado organizado pelo partido Bath, com a aju·
da dos diversos grupos de interesses anglo-saxônicos e financiado pelos
kuwaitiano. Depois de vários dias de bombardeios à sede do governo repu·
blicano e de confrontos com a população nas ruas de Bagdá, a junta mili·
tar conseguiu executar Kassem, chefe do governo e líder da revolução, e
vários dos seus companheiros, e implantar um regime de terror que durou
nove meses, durante os quais todas as formas de repressão, de tortura e
violência foram infligidas aos patriotas antiimperialistas e aos legalistas
republicanos. Mais de 400 mil pessoas foram presas e torturadas, sendo
que 20 mil delas nunca regressaram dos campos de concentração, mortas
sob tortura ou sumariamente executadas. Um grande número de sindica-
listas, chefes do Partido Comunista, intelectuais e simples militantes
antiimperialistas foram eliminados em alguns meses. O movimento patrió·
tico foi decapitado.
Esse golpe permitiu que as empresas petrolíferas conseguissem a anulação
da lei n2 80 sobre a nacionalização do petróleo, a supressão do novo código
civil (que estabelecia a igualdade entre homens e mulheres), a abolição da
reforma agrária, restituindo as terras aos grandes proprietários, a supressão do
direito ao trabalho e o fim das negociações sobre os direitos do povo curdo.
Alguns anos mais tarde, vários líderes do golpe revelaram que estavam ligados
aos ingleses e americanos. Ali Salh al Saadi, número dois do partido e minis·
tro do Interior, declarou em 1968 à revista libanesa Estudos árabes: "O nosso
partido foi conduzido ao poder por um comboio americano."
Em julho de 1963, o ministro da Defesa iraquiano informou oficialmente
o seu governo de que o adido militar dos Estados Unidos, lotado em Bagdá,
212 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

tinha pedido para acolher os peritos americanos encarregados de estudar os


carros de assalto T 54 e os aviões MIO 21 do exército iraquiano. Em
contrapartida, o governo dos Estados Unidos estaria disposto a armar o Iraque
na sua guerra contra os curdos. Desse modo, esta guerra revelava a ausência
de soberania do governo iraquiano frente aos Estados Unidos.2
Em 1964, o partido Bath deixa o poder e os novos dirigentes de Bagdá
mostram a sua simpatia por Nasser e tentam instaurar no Iraque um socialis-
mo calcado no modelo egípcio. Após a nacionalização do setor bancário e das
grandes indústrias, o governo decide criar uma companhia nacional do petró·
leo iraquiano (INOC) e inicia negociações com a IPC, com vista a um acordo
que permitisse associar o Iraque à exploração do seu petróleo. Acordos sepa·
rados foram assinados com a URSS e com a França, mas o conflito com a IPC
determinou a queda do governo.
Em julho de 1968, o partido Bath volta ao poder. Inicia uma repressão
impiedosa à oposição e firma alianças táticas com as superpotências.
Em 1975, os novos governantes nacionalizam o petróleo. Inicia-se um
vasto programa de reconstrução do país, industrialização, obras de infra·
estrutura, investimento em educação (o Iraque ganha três medalhas da
Unesco), e uma campanha de alfabetização. A receita do petróleo deve ser·
vir para reconstruir o país. A industrialização em 1991 é comparável à da
Europa. A Guerra do Golfo irá atrasar o país cinqüenta anos. Entre 1970 e
1975, o governo iraquiano investiu 1,5 bilhão de dólares no desenvolvi·
mento do Curdistão.
O ensino era obrigatório e gratuito. O número de alunos do ensino primá·
rio era de 2,2 milhões em 1968. No ensino secundário, 640 mil e 90 mil no
ensino técnico. Nas cinco urúversidades, 130 mil estudantes. No total, em
1986, um terço da população estudava - cerca de três milhões de alunos e
estudantes e dois milhões de adultos em cursos de alfabetização.
Se há um problema de liberdade política, a liberdade da mulher é certa.
As mulheres passaram a ocupar um lugar importante na sociedade moderna
iraquiana, embora um grande número delas ainda trabalhe a terra. Antes da
primeira Guerra do Golfo, as mulheres representavam 38% do professorado,
31 % dos médicos, 30% do funcionalismo, 11 % dos empregados nas fábricas.
Ao todo, 30% da população ativa.
O IRAQUE, VITIMA DO PETRÓLEO 213

Aguerra com o Irã

A Grã-Bretanha tinha conscientemente traçado fronteiras imprecisas entre


o Irã e o Iraque, e disputas fronteiriças foram a causa da guerra conduzida por
Saddam Hussein. A França, assim como outros países, emprestou aviões e
vendeu armamento ao Iraque. Três dezenas de governos e mais de mil empre-
sas rivalizaram em zelo e em engenho para dotar o Iraque de uma poderosa
máquina de guerra. 3 Uma perda global em produto bruto de 500 bilhões de
dólares. Por seu lado, os comerciantes de armas forneceram 50 bilhões de
dólares de armamento a crédito.
O Iraque dispunha de 15 bilhões de dólares de reservas cambiais em 1980,
antes da guerra, e em 1988 tinha 70 bilhões de dólares de dívida externa,
sendo 40 bilhões devidos ao Ocidente e ao terceiro mundo e 30 milhões aos
países do Golfo (Arábia Saudita e Kuwait). A dívida com a França chegava a
28 bilhões de francos.
O Iraque tinha sido apoiado e encorajado ao mesmo tempo pelo Ocidente
e pelas monarquias do petróleo para confrontar a república iraniana. Todos os
países da Europa e os Estados Unidos eram amigos do Iraque. Durante esse
tempo, o Kuwait dispunha de um campo petrolífero iraquiano (Roumaliyah)
para aumentar a sua produção e provocar a queda dos preços.
Uma guerra de oito anos fará três milhões de mortos e deixará dois países
esgotados.

A armadilha

Os ocidentais querem conservar o domínio do petróleo no Oriente Médio


e, por conseqüência, os Estados não devem poder conseguir independência.
No Irã, quando o primeiro-ministro Mossadegh nacionalizou o petróleo, a
ClA enviou o seu agente, o general Schwartzkopf {pai do general da Guerra
do Golfo!) para fomentar uma revolta contra o governo eleito em sufrágio
universal. Schwartzkopf mantinha excelentes relações com os oficiais do exér·
cito imperial, do qual tinha sido instrutor de 1942 a 1948. Conduziu a re-
pressão com o seu amigo, o general Zahedi. Depois de ter condenado o pri·
meiro-ministro Mossadegh à morte por alta traição, o governo do xá infligiu
ao povo uma repressão sangrenta, em especial nos campos petrolíferos, onde
milhares de operários foram assassinados, e em Abadan, onde milhares de
214 O UVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

pessoas foram presas ou fuziladas. O imperialismo americano sempre se esfor-


çou para manter conflitos para se apoderar das riquezas. Apoiou-se no enfra-
quecimento da região para assegurar o seu poder econômico. A sua política
não permite que haja algum Estado capaz de assegurar a sua independência.
Depois da guerra contra o Irã, os americanos pedem imediatamente ao
Iraque que reduza a sua capacidade militar e decretam o embargo para obrigá-
\o a se curvar. Quando Saddam Hussein revela seu desejo de reconquistar o
Kuwait, os Estados Unidos tranqüilizam os iraquianos: "É um assunto que não
nos diz respeito." No fim de julho de 1990, o Iraque concentra as suas tropas
na fronteira do Kuwait, movimento que os Estados Unidos seguem hora a
hora desde o 14 de julho.4 Saddam acredita ter sinal verde, os Ocidentais
deviam-lhe isso.
Mas, uma vez invadido o Kuwait, o processo de guerra começa.
Em 6 de agosto de 1990, o Conselho de Segurança determina sanções
militares e econômicas contra o Iraque. Em 25 de setembro, impõe o embargo
aéreo. Em 29 de novembro, autoriza a utilização de todos os meios para que o
Iraque seja castigado, decisão a vigorar a partir de 15 de janeiro de 1991.
Várias vezes o mesmo Conselho tentou impor sanções contra Israel sem qual-
quer sucesso, em função dos vetos americanos. Eis alguns exemplos: veto
americano à resolução do Conselho de Segurança que determinava embargo
militar e econômico a Israel em 1982 em função da ocupação dos territórios
sírios. Em junho de 1982, os Estados Unidos vetam a resolução do Conselho
que visava a impor sanções a Israel por sua recusa em abandonar o Líbano.
Em agosto de 1982, os Estados Unidos reiteram seu veto a uma nova resolu-
ção que exigia a rerirada de Israel do Líbano. Em agosto de 1983, os Estados
Unidos opõem-se à resolução do Conselho de Segurança que ameaçava im·
por sanções a Israel devido à sua políáca expansionista. Em janeiro de 1988,
novo veto americano a uma resolução condenando Israel pela sua política de
desrespeito aos direitos dos palestinos. Em 1989, o Conselho de Segurança
elabora cinco resoluções que condenam Israel. Os Estados Unidos abortam
três delas graças ao direito de veto. Em maio de 1989, veto americano à reso-
lução do Conselho de Segurança que condena a ocupação por Israel do sul do
Líbano. Em novembro de 1989, o veto dos Estados Unidos impede a vitória
da resolução que protesta contra a destruição das habitações palestinas. Em
novembro de 1989, a resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas que
apelava à resolução do problema palesáno-israelense com a criação de dois
Estados recebia 151 votos favoráveis contra três votos (Estados Unidos, Israel
O IRAQUE, VITIMA DO PETRÓLEO 215

e República Dominicana), mas no dia seguinte o New York Times publicava


um artigo denunciando a influência dos Estados árabes sobre a ONU. No
entanto, esse mesmo jornal nunca mencionou as pressões dos Estados Unidos
sobre o Conselho de Segurança. 5 Até 1990, nenhum Estado tinha realmente
respeitado as múltiplas resoluções das Nações Unidas.
Uma aliança de 33 países entre os mais poderosos do mundo. Uma propa-
ganda sem precedentes para mobilizar a opinião pública. Os iraquianos são
retratados como 18 milhões de fascistas que ameaçam a humanidade. A opi-
nião assim manipulada aceita a idéia de uma guerra: o Iraque tinha se tornado
uma ameaça para a paz mundial, apesar sua economia representar apenas 1/
1.000 das potências rivais. Na Arábia Saudita e em Israel a imprensa estava
submetida ao controle militar. Durante a guerra, os jornalistas ocidentais pu-
deram trabalhar em melhores condições no Iraque do que naqueles dois paí·
ses. Na mídia o Iraque já saía vencido. No grande jogo da propaganda, da
desinformação, da mentira, Saddam e os seus não tinham peso.6
O arsenal químico de Saddam Hussein era rudimentar. Seus dois gases
prediletos, o tabun e o sarin, já usados pelos alemães contra os judeus, são
gases que, espalhando-se no ar, matam aqueles que o respiram. A bomba FAE
(Fuel air explosive) ou a bomba de vácuo, último pequeno engenho da
tecnologia americana, mata tudo o que respira, aspirando, por um efeito de
combustão, todo o oxigênio disponível num círculo de um quilômetro qua-
drado. Os americanos, que de fato proibiram Saddam Hussein de usar o tabun
e o sarin, se permitiram a bomba de vácuo, sem falar das bombas de napalm e
de fósforo, armas eminentemente limpas que eliminam tudo o que tocam.
Quanto ao uso do urânio, este teria contaminado 60 mil soldados americanos
e 10 mil britânicos. Não se conhece o seu impacto sobre as populações do sul
do Iraque.
Uma guerra limpa, rápida, eficaz, barata. Era o slogan. Esquece-se a mais
poderosa força aérea já reunida, levantando vôo diariamente da Arábia Saudita,
da Turquia, da França, da Inglaterra, do mar Vermelho e do Oceano Índico
para largar bombas assassinas sobre um país de 18 milhões de habitantes. Es-
quecem-se os mísseis, o napalm, as bombas de depressão e de fragmentação.
Resultado: o conflito teve efeitos que podem ser considerados quase apo-
calípticos na infra-estrutura econômica do país que era, até janeiro de 1991,
uma sociedade altamente urbanizada e mecanizada. A maior parte dos meios
de apoio da vida moderna foram destruídos ou tomados precários. O Iraque
foi devolvido, por longo tempo, para uma era pré-industrial, mas com todos os
216 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

inconvenientes de uma dependência pós-industrial comparada com a utiliza-


ção intensiva da energia e da tecnologia. 7 Bush tinha prometido: não se pode
aceitar que um governo independente administre a sua riqueza.
Os EUA travaram contra o Iraque três tipos de guerras: militar, de embar-
go, de destruição do tecido social. Em primeiro lugar a destruição das forças
militares e da infra-estrutura. Em seguida, a tentativa de destruição da unida-
de nacional pela manipulação do povo curdo e dos xiitas. Promete-se ajuda e
proteção para a revolta, depois abandona-se os revoltados à repressão. Os
curdos foram peças de chantagem e de manipulação. Na verdade, nem os
Estados Unidos nem a Inglaterra quiseram alguma vez resolver o problema
curdo, nunca aceitaram a independência do Curdistão. Em 1920, os acordos
de S~vres, de Lausanne e de Versalhes não concederam a independência aos
curdos. Em 1922, quando um rei curdo foi proclamado após a Primeira Guer-
ra Mundial, as populações foram bombardeadas e atacadas com gás pelos in-
gleses. Desde 1991, os curdos foram submetidos a embargo. A Turquia faz
dezenas de milhares de mortos no Curdistão, mas a Turquia está no "campo
certo", sendo, portanto, inatacável. Dividir para reinar é o lema, são encora·
jadas as rebeliões étnicas, confessionais: xiitas, sunitas, árabes, cristãos. O Lí-
bano é o exemplo mais trágico disso.
O objetivo do conflito era ter petróleo barato. Para isso era necessário
colocar sob tutela uma nação, massacrar uma população e destruir o aparelho
produtivo de um país.

Para os Estados Unidos, o primeiro resultado industrial da guerra contra o


Iraque foi o domínio da maioria dos mercados compradores de armamento da
região. Os lucros dos fabricantes de armas vêm mais dos mercados externos
que do mercado interno. Esses mercados externos encolheram consideravel·
mente antes de 1990 porque os grandes compradores, como os do Oriente
Médio, viram diminuir as fontes de receita. O mercado mundial de armas
caiu 60% em 1990. Isso aumentou a concorrência de preços e resultou por•
tanto em uma busca de economia nos custos que levou logicamente a uma
redução drástica do número de operadores no mercado. Foi desse modo que a
indústria americana da defesa conheceu em doze anos urna onda de
reestruturações e concentrações sem precedente, e os negócios entre ernpre•
sas do setor superaram 100 bilhões de dólares.5 Essas operações levaram ao
surgimento de três gigantes. As vendas de armas somadas das sociedades que
fazem agora parte da Lokheed-Martin, Boeing-MacDonnel Douglas e Rayrheon
O IRAQUE, V{TIMA DO PETRÓLEO 217

chegaram, em 1996, a perto de 50 bilhões de dólares e representavam mais ou


menos tanto quanto o orçamento de compras (excluída a pesquisa) do
Pentágono. A indústria americana, animada pelo fim da União Soviética e
sobretudo pelo seu papel dirigente na coligação contra o Iraque, aumenta a
distância entre ela e os seus concorrentes, segundo os dados fornecidos pelo
instituto Internacional de Pesquisa sobre a Paz, de Estocolmo (SIPRI) . Em
1996, os Estados Unidos garantem para si 44% do mercado (alguns especialis-
tas chegam mesmo ao índice de 50%) . Nesse setor, gozam de uma supremacia
que não dispõem em nenhuma área civil.9 Após a Guerra do Golfo, os Estados
Unidos, em quatro ou cinco anos, asseguraram o controle da metade dos mer-
cados (inclusive de todos os materiais). A França tinha em 1985 perto de 10%
do mercado mundial, em 1998 não possuía mais do que 4 a 5%, depois de ter
sido destronada pelos ingleses, que detinham o dobro. 10
Devastado o Iraque, a guerra contra o país prossegue economicamente
através do embargo. As receitas do petróleo eram de 20 bilhões de dólares,
dos quais S bilhões eram destinados à importação de medicamentos e alimen-
tos. Oito anos depois, apenas 2 bilhões da venda de petróleo são autorizados,
e o essencial serve para pagar a dívida de guerra com o Kuwait.
O embargo não é mais do que um processo destinado a fazer regredir o
Iraque para a era pré-industrial e eliminar a possibilidade de independência
econômica no que diz respeito ao petróleo. As potências ocidentais não pre-
tendem deixar um Estado independente, com poderio militar, desenvolver-se
e ter um papel importante na região. Elas pretendem controlar toda a riqueza
do petróleo. O solo do Iraque tem petróleo ainda para um ou dois séculos. Era
inevitável que ele fosse atacado.
O controle do armamento é uma farsa que já não engana ninguém. Nin-
guém poderá acreditar que em oito anos os peritos de ONU, especialmente os
americanos, com os ultra-sofisticados meios de detecção de que dispõem, as
telecomunicações, os radares, os satélites etc., não puderam confirmar sua
existência.
Antes do embargo, em 1990, o Iraque correspondia aos critérios da Orga-
nização Mundial quanto à saúde. Para cada iraquiano, o país investia trinta
dólares por mês, enquanto hoje não gasta mais do que dois dólares, ou seja,
uma queda de 93%.
AB conseqüências mais trágicas do embargo são especialmente sentidas
nas camadas mais frágeis da população, sobretudo as crianças.
Em 1977, os pesquisadores franceses enviados ao Iraque estimavam uma
218 O LNRO NEGRO DO CAPITALISMO

população de 25 milhões no fim do século. 11 Agora, a previsão será apenas de


22 milhões. O Unicef, a FAO e a Comissão dos Direitos Sociais e Econômicos
das Nações Unidas avaliam em um milhão e trezentos mil o número de crian-
ças mortas antes dos cinco anos em conseqüência do embargo. Um milhão de
crianças não vai à escola. Em cinco milhões de crianças de menos de cinco
anos, um milhão terá sua capacidade mental reduzida por falta de proteínas e
de leite para desenvolver o cérebro. Deste modo, um quarto da população
futura é agora considerada perdida.
Por razões puramente econômicas, sacrifica-se um povo em oferenda ao
deus petróleo.
Enquanto, outrora, havia no Iraque vários milhões de emigrados dos paí-
ses vizinhos, hoje assistimos à migração para o exterior dos intelectuais, das
mentes mais brilhantes. Há nisto uma perda de substância para a sociedade
iraquiana. Muitas famílias são dilaceradas pela migração. Muitas mulheres se
vêem sozinhas. Famílias se esfacelam, a delinqüência aumenta. As mulheres
controlam a miséria familiar, dividindo a alimentação entre os seus filhos: um
deles comerá um dia, no dia seguinte será a vez do outro. Um pai caminha
vinte quilômetros para levar seu filho doente a um hospital, onde não poderá
ser devidamente tratado por falta de medicamentos.
Os iraquianos não podem imponar medicamentos nem produtos alimen-
tares, nem peças de substituição para os aparelhos médicos, para a maquina-
ria, para os vekulos, nem cadernos, lápis, livros para as crianças das escolas.
Há oito anos o Iraque não pode importar publicações científicas. Os pesquisa-
dores não podem se deslocar ao exterior nem para assistir a conferências in-
ternacionais. O país não pode se equipar em infonnática nem ter acesso à
Internet, aos conhecimentos que os outros países desenvolvem. Avalia-se que
o atraso será de trinta a quarenta anos, reduzindo a possibilidade de o país
entrar em contato com a nova cultura do mundo. Isto em todos os setores. Há
um desejo deliberado de reduzir o Iraque ao nível de um país do Terceiro
Mundo. O acordo "petróleo contra alimentação" não resolveu nada. Serve
essencialmente para pagar a dívida de guerra. O país recebe apenas 20%. No
que diz respeito às despesas de saúde acontece o mesmo. E os acordos de
importação sequer são respeitados. Quanto ao dinheiro do Iraque congelado
no estrangeiro, trata-se manifestamente de um roubo.
Éo desejo dos poderosos que domina o Conselho de Segurança e o leva a
detenninar um bloqueio sem precedentes para impedir um país de se desen-
volver, para destruir seu futuro, um país que tinha os meios econômicos ne-
O IRAQUE, VITIMA DO PETRÓLEO 219

cessãrios para auxiliar o Terceiro Mundo. Após a guerra imunda, o embargo é


ainda, e sobretudo, uma guerra colonial de carãter econômico, qualquer que
seja o pretexto, ainda que se invoque o direito internacional.
No entanto, este povo demonstrou vontade de resistir e sobreviver, de
preservar sua dignidade. Mas não se pode pedir ao povo que sacrifique sua
honra. Ele vê atacada sua garantia de sobrevivência. Ao contrãrio do que se
esperara ao decretar o embargo, as divergências com o regime perderam força
ou foram esquecidas. Uma população esfomeada só pensa em se alimentar,
não faz a revolução. Os iraquianos estão conscientes de que aquilo que supor-
tam é feito para impedir o seu país de se desenvolver. Resistem, mas não pode-
rão resistir mais dez anos. Este povo estã em perigo. Se uma guerra civil come-
çasse no Iraque, não poderia ser contida; toda a região seria contaminada. Os
americanos jogam como aprendizes de feiticeiro mas não sabem manter o
controle quando a caixa de Pandora estã aberta. Não conseguiram dominar o
integrismo e os conflitos suscitados no Afeganistão hã vime e cinco anos.
Qualquer que seja o regime, é ao povo que compete escolher. O embargo é a
guerra feita contra todos os regimes progressistas ou indóceis aos Estados
Unidos. A solidariedade com o povo iraquiano deveria envolver todas as for-
ças progressistas do mundo.

Antes do embargo:

30 mil leitos em hospitais construfdos após a nacionalização do petróleo.


Orçamento: 500 milhões de dólares. Os suprimentos médicos eram de
250 milhões.
Mortalidade infantil: 24 em mil. Menos de cinco anos: 540 por mês. Mais
de cinco anos: 650.

Depois do embargo:

Orçamento: 3 7 milhões de dólares. Sem suprimentos.


Mortalidade infantil: 92 em mil. Menos de cinco anos: 7, 5 mil por mês.
Mais de cinco anos: 9 mil por mês.
Desnutrição: 1.100 calorias por pessoa, em vez de 2.500. Peso das crian-
ças reduzido em 22%.

Unicef. ObseTVatório da saúde


220 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Subhi Toma é sociólogo de origem lraquiana, exilado na França desde 1971. Foi secretário·
11cral dos estudantes de oposição ao regime de Bagdá. Co-fundador da coordenação interna·
danai contra os embargos, chefiou várias missões de observação no Iraque depois da guerra
de 1991.

Notas:

I. Uonard Moslcy, La g11erre d11 pérrole, Prcsse de la Cité, 1974.


2. Charles Saint·Prot, Saddam Hussein, Albin Michel, 1987.
3. Alain Gresh e Dominique Vida!, Golfe, clefs poLIT une gi=re, l..e Monde édition, 1991
4. Bob Woodward, Chefs de ~e, Calmann.Levy, 1991.
5. Norman Finklstcn, Al Quds, 16 de dezembro de 1997.
6. Dominiquc Jamct e Régine Déforge.s, La partie de Golfe, 1991.
7. ~lat6rio da missão da ONU no Iraque, 20 de março de 1991.
8. Pierre Dussauge, l.e Monde, 20 de janeiro de 1998.
9. Claude Sefarti, l.e Monde, 20 de janeiro 1998.
10. Christian Schmid, l.e Monde, 20 de janeiro de 1998.
11. Alain Guerreau, C lrak, dáielcppcnent et contradiaion, l.e Sycomore, 1978.

' ~
A ÁFfilCA NEGRA SOB A COLONIZAÇÃO
FRANCESA
JEAN SURET-CANALE
Ao longo do século XIX, o antigo sistema colonial cscravagista e mer-
cantil foi desaparecendo, pouco a pouco, para dar lugar à colonização "mo-
derna", aquela que predominou do último quarto do século XIX a meados
do século XX. Esta colonização "moderna" é marcada por um retomo ao
protecionismo no quadro "imperial": cada grande potência reserva para si
os mercados das suas colônias e zonas de influência que cobrem o mundo
inteiro.
A França, que a partir de 1830 se empenhou na conquista da Argélia,
completa as suas "velhas colônias" herdadas do Antigo Regime e restituídas
em 1815 com novas aquisições, sob a Monarquia de julho e sob o Segundo
Império.
Mas seria a Terceira República que viria a constituir, entre 1876 e 1903,
um vasto império, cujas peças principais do ponto de vista econômico foram a
África do Norte e a Indochina, mas cuja maior parcela se situa na África
tropical, com a África Ocidental Francesa, a África Equatorial Francesa, às
quais se juntaram em 1918 a maior parte das antigas colônias alemãs de Ca-
marões e Togo. Um território contínuo através do Saara, com os domínios
franceses da África do Norte, completados no oceano Índico por Madagascar
e o território de Djibuti.
Na colonização "à nova maneira", os grupos financeiros resultantes da
fusão por concentração das grandes empresas industriais e bancárias parti-
lham entre si os mercados, substituindo o monopólio pela livre concorrência,
e, nas colônias, dão primazia à exportação de capitais sobre a exportação de
mercadorias e a importação de matérias-primas. A África negra francesa, nes-
ta perspectiva, é a exceção. Ar, a exploração permanece essencialmente co-
mercial, monopolizada por um número restrito de empresas de Marselha e
Bordeaux integradas tardiamente no capital financeiro, que, tendo limitado
ao mínimo os seus investimentos, praticam a troca dos produtos agrícolas
fornecidos pela agricultura tradicional por mercadorias importadas (tecidos,
materiais de construção, pequenas ferramentas).
224 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

A conquista colonial

A partilha do continente africano a partir de feitorias costeiras herdadas


da época do tráfico de escravos acontecerá essencialmente entre 18 76 e 1900.
Ela irá opor a França sobretudo à Grã-Bretanha, numa rivalidade que
culminará, em 1898, com o "incidente" de Fachoda, quando a missão de Jean
Baptiste Marchand, ao tentar estabelecer uma ligação entre a África Central
e Djibuti, enfrenta as tropas inglesas de Kitchener no Alto Nilo. A França
será forçada a abandonar as suas pretensões nessa área. Mas, estando o es-
sencial da partilha consumado, a Emente Cordiale, concluída em 1904, irá
acabar com o conflito franco-britânico.
A conquista colonial esconde-se atrás de pretextos humanitários: trata-se
de pôr fim ao tráfico e à escravarura, de eliminar os "régulos cruéis" que pu-
nham a África a ferro e fogo, de abrir a África ao comércio e, portanto, à
civilização. O missionário (principalmente católico no domínio francês) é,
para conquistar as almas, associado ao soldado e ao administrador. Em 1884-
1885, a conferência africana de Berlim, que reuniu as principais potências
européias e os Estados Unidos, afirmará, em nome destes princípios, o direito
das potências européias de partilharem a África.
A prática colonial, como veremos, se desviará dos princípios proclamados.
Para os militares franceses, a conquista da África, no dia que se seguiu à
derrota de 1871 e à perda da Alsácia-Lorena, é uma forma de recuperar a
glória militar perdida e, numa avenrura muitas vezes perigosa, de ganhar no-
toriedade e galões.
Militares e comerciantes estão às vezes divididos, por exemplo nos mo-
mentos em que as autoridades políticas pretendem proibir, com grande prejuí-
zo para os comerciantes, a importação de armas de fogo e munição. Mas, no
conjunto, o donúnio territorial serve aos interesses do comércio europeu que
elimina a concorrência de comerciantes africanos e estabelece, da costa para
o interior, uma rede de feitorias onde se trocam os produtos da região por
mercadorias importadas.
A resistência dos chefes de Estado africanos, Lat Dior no Senegal,
Ahmadou no Sudão (hoje Mali), Samory na Alta Guiné, Béhanzin no Daomé
(hoje Benim) etc., será quebrada em função da superioridade dos conquista·
dores em armamento (espingardas de repetição, artilharia): a resistência das
populações "sem Estado", que viviam em comunidades tribais ou aldeias au•
tônomas, irá durar mais tempo, até o século XX ("pacificação" da Costa do
A ÁFRICA NEGRA SOB A COLONIZAÇÃO FRANCESA 225

Marfim interior, de 1908 a 1916; insurreição dos Gbayas na África Equatorial,


de 1928 a 1931) . Os confins saarianos da Mauritânia e de Marrocos só serão
submetidos em 1936.
Os "tratados" feitos com os soberanos africanos, que fundamentavam os
"direitos" da França face aos seus concorrentes coloniais, serão acintosamente
reduzidos a pedaços de papel como as autoridades coloniais queriam: assim,
na África Ocidental francesa, um decreto de 23 de outubro de 1904 pura e
simplesmente anexa os territórios "sob protetorado".

Os métodos de guerra

Os métodos de guerra são rápidos e impiedosos. Sendo os efetivos euro-


peus em número reduzido, haverá o recrutamento local, e serão essencial·
mente soldados africanos que conquistarão a África para a França. Faidherbe,
governador do Senegal no Segundo Império, tinha criado as primeiras unida·
desde "atiradores senegaleses", que manterão esta designação apesar de se·
rem mais tarde recrutados principalmente fora do Senegal.
Prêmios e soldos podem atrair os futuros soldados: mas, na conquista do
Sudão, procedia-se freqüentemente de outra forma. Quando havia necessi·
dade de efetivos, abriam-se nos "postos" (guarnições) registros de "alistamen·
to voluntário". Avisados, os mercadores de escravos levavam as suas "merca·
darias": o "cativo" em boas condições para o serviço era, em geral, comprado
(nos anos 1895-1900) por menos de 300 francos. Vendido com direito a reci-
bo e assinatura de um "ato de libertação", esperava-se que, depois de ter sido
"libertado", se alistasse "voluntariamente".
Nas grandes campanhas, recorreu-se amplamente, além das tropas regu-
lares, aos "auxiliares" recrutados sem soldo, com a promessa de participação
na pilhagem e principalmente à partilha dos vencidos reduzidos à escravidão.
Um oficial francês que participou da tomada de Sikasso (Mali) em 1898, des·
creveu assim o saque da cidade:
"Depois do cerco, o ataque ... É dada a ordem de pilhagem. Todos são
aprisionados ou mortos. Todos os cativos, cerca de 4 mil, amontoados como
um rebanho. O coronel inicia a distribuição. Escrevia ele mesmo num livro de
notas, depois desistiu, dizendo: 'Partilhem vocês isto.' A partilha decorreu
entre disputas e golpes. Em seguida, a caminho! Cada europeu recebeu uma
mulher à escolha ... No regresso fizemos etapas de 40 quilômetros com estes
226 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

cativos. As crianças e todos os que ficam cansados são mortos a coronhadas e


golpes de baioneta ... Os cadáveres eram abandonados à beira das estradas...
Nestas mesmas etapas, os homens requisitados para transportar grãos ficam
sem ração durante cinco dias: recebem 50 chicotadas se ficam com um pu-
nhado do que transportam." 1
Outro autor explica: ''.As cenas que acompanharam, ano passado, a con·
quista de Sikasso não foram senão a reprodução daquelas que se tinham se-
guido ao saque de Ségu, de Nioro, e de todas as aldeias que tomamos pelas
armas ... É às centenas, aos milhares, que as nossas infindáveis colônias au-
mentam assim o número de escravos ... "2
Quando, na Câmara de Depurados, na sessão de 30 de novembro de 1900,
Vigné d'Octon denuncia os horrores da conquista do Sudão, Le Myre de Vilers,
colonialista convicto, responde: "O nosso distinco colega atribui as culpas aos
agentes de execução: eu acuso os governos; eles não podem ignorar que, ao
enviar tropas a muitos milhares de quilômetros da sua base de operações, sem
meios de transporte, sem víveres, sem mercadoria para troca, as tropas são
obrigadas a viver à custa dos índigenas, a requisitar inúmeros carregadores,
que semeiam os caminhos com os seus cadáveres ..."3
As guerras africanas do século XIX eram línútadas nos seus efeitos pela
mediocridade do armamento, devastando apenas algumas regiões. As guerras
de conquista colonial causaram estragos em coda a parte, não poupando os
aldeamentos "amigos", salvos da destruição mas arruinados quase outro tanto
pelas requisições de sementes, de gado, de carregadores.
Um extremo do horror foi atingido em 1899 pela "Missão Voulet-Chanoine"
(do nome de dois comandantes que a chefiavam) . Estes dois oficiais já tinham
ficado "célebres" no território Mossi (hoje Burkina-Faso) pelos seus métodos
"prussianos". Tendo partido do Sudão, têm de se juntar, no lago Tchad, às
missões Foureau-Lamy, que partira da Argélia, e Gentil, que partira do Congo,
para assegurar o domínio francês da margem norte do Chad, e tomar efetiva
a continuidade das possessões francesas no continente africano. Muito pesa·
da e, tendo que atravessar uma região com falta de alimentos e água, a missão
multiplicará as suas atrocidades, que um membro da missão demitido após
divergências revelará na França. Citaremos apenas um exemplo. Na noite de
8 para 9 de janeiro de 1899, são ordenados reconhecimentos:
"Patrulhas devem aproximar-se das aldeias, tomá-las com arma branca,
matar todos os que resistirem, trazer os habitantes presos, apoderar-se dos
rebanhos. Na manhã do dia 9, o grupo de reconhecimento regressa ao acam·
A ÁFRICA NEGRA SOB A COLONIZAÇÃO FRANCESA 227

pamento com 250 bois, 500 carneiros, 28 cavalos, 80 prisioneiros. Alguns


atiradores tinham ficado feridos . Para 'dar o exemplo', o capitão Voulet man-
da prender vinte mães com crianças pequenas em idade de amamentação, e
manda matá-las a golpes de lança, a algumas centenas de metros do acampa-
mento. Os corpos foram depois encontrados pelo comandante do posto de
Say." 4
Numa outra aldeia, tendo sido pedidos carregadores, os homens saudá-
veis refugiam-se no mato. "Ficaram só os velhos, as mulheres e as crianças.
Obrigaram-nos a sair e depois, colocados em fila são abatidos a tiros até o
último."5 Foram contados 111 cadáveres depois deste "incidente".
Inquietos, menos com os procedimentos usados e revelados pela imprensa
do que com o atraso da missão em relação ao calendário previsto, as autorida-
des do Sudão enviam o tenente-coronel Klobb e o tenente Meynier em busca
da missão, para assumir o comando. Cinqüenta anos depois, Meynier, já gene-
ral, recorda assim a missão:
"Muitas pegadas nas ervas e nos caminhos, objetos diversos abandona-
dos etc. e, sobretudo, aldeias incendiadas e ossadas humanas dispersas ...
[Em Birni Nkoni] pudemos ler no solo e entre as ruínas da pequena cidade,
as diversas fases do ataque, do incêndio e do massacre ... Os fossos tinham
sido transformados em valas comuns e viam-se, aqui e ali, despojos huma-
nos com os quais grandes cães esquálidos saciavam a fome. Quanto mais
avançava a coluna, mais freqüentes e terríveis se tomavam estes espetácu-
los macabros. Eram os cadáveres de dezenas de mulheres enforcadas nos
bosques que circundavam o grande aldeamento de Tibéry. Ou então, no
cruzamento de duas trilhas, descobria-se o cadáver de um guia suspeito de
tentar enganar a missão. A impressão mais penosa foi provocada pela des-
coberta de dois cadáveres de crianças (nove e dez anos) dependuradas de
um grande ramo de árvore, na orla do pequeno aldeamento de Koran-Kalgo.
Nas aldeias que encontramos, os poços estão quase todos cheios ou poluídos
com pedaços de cadáveres, e se toma difícil distinguir se são de animais ou
de seres humanos." 6
Quando os dois oficiais se juntam a Voulet e Chanoine, estes, furiosos por
terem sido afastados da sua "missão", mandam atirar contra eles: Klobb foi
morto, Meynier ficou ferido. Mas quando Voulet e Chanoine revelam aos
atiradores que vão fundar com eles um império independente nos lugares que
conquistaram e que não regressarão a casa com o saque, estes amotinam-se.
Youlet e Chanoine são mortos. O "incidente" será atribuído a uma crise de
228 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

loucura, e uma censura cuidadosa impedirá, durante cerca de meio século,


que se fale deste assunto incômodo.

O sistema colonial

Como se apresenta o sistema colonial africano quando se estabiliza, no


início do século XX, e como irá manter-se até aos anos cinqüenta desse século?
Até a entrada em vigor da Constituição de 1946, as novas colônias (as
que não foram legadas pelo Velho Regime) foram administradas de acordo
com a decisão do Senado de 3 de maio de 1854 (durante o Segundo Império),
que deixava a administração destas colônias a cargo do chefe de Estado, o
imperador. A Terceira República mantém esta situação, deixando-a a critério
do presidente da República, que delega poder ao ministro das Colônias. Salvo
disposição em contrário, as leis votadas pelo Parlamento não se aplicam às
colônias (tal como as leis sobre a liberdade de imprensa ou sobre a liberdade
de associação). O ministro legisla por decreto, estendendo a certas colônias,
se o julgar útil, a legislação metropolitana, ou estabelecendo disposições espe-
ciais para elas.
Os colonizados são "súditos" franceses, mas não cidadãos: eles não vo·
tam; estão sujeitos à autoridade dos governadores gerais, governadores e ad·
ministradores europeus. Posturas locais regulamentam o estatuto destes "sú·
ditos" conhecidos pela designação de "indigenato". A administração local
européia pode aplicar penas de prisão e multas aos sóditos por simples decisão
administrativa, sem julgamento, por motivos tão variados como "a negligên·
eia no pagamento do imposto", a "desobediência aos chefes da aldeia ou do
cantão", queixas "não fundamentadas", ou ainda o "atentado ao respeito de·
vido à autoridade francesa". Os governadores e governadores gerais poderão
aplicar penas de deportação. O governador da Costa do Marfim, Angoulvant,
em 1916, lamenta que não esteja prevista a pena capital, mas observa que,
segundo as estatísticas, a deportação dá o mesmo resultado. 7 Com efeito, o
envio de deportados das regiões de floresta para Port Étienne, na Mauritânia,
em pleno Saara, não deixa senão uma escassa esperança de vida aos condena•
dos, e aconselha-se, aliás, aos "notáveis" atingidos por esta medida que façam
o testamento antes da partida.
O "atentado ao respeito devido à autoridade francesa" por parte de um
indígena é, por exemplo, esquecer-se de descobrir a cabeça ou de fazer a sau•
A ÁFRICA NEGRA SOB A COLONIZAÇÃO FRANCESA 229

dação militar à passagem de um chefe branco (e todos os brancos são, mais ou


menos, chefes) . Quando o chefe é magnânimo, contenta-se em mandar um
guarda confiscar o que o delinqüente trazia na cabeça, juntamente com a
ordem de ir buscá-lo "na secretaria", onde o objeto lhe será restituído em
troca de alguns golpes de "rnanigolo", o chicote de pele de hipopótamo, requi·
sito obrigatório, embora não previsto pela legislação, dos guardas. É punida
qualquer crítica, qualquer reclamação contra a autoridade.
Os súditos estão sujeitos ao chamado imposto individual, a ser pago por
todos, homens e mulheres, dos 16 aos 60 anos. A quantia é igual para ricos
(há muito poucos!) e pobres, com urna tarifa que varia segundo as regiões. Em
compensação, os colonos (que é necessário atrair, oferecendo "vantagens"),
estão isentos da maior parte dos impostos que são exigidos na metrópole.
Os súditos estão sujeitos a trabalho obrigatório: em princípio, alguns dias
de "prestação" por ano. Mas, em caso de necessidade, ultrapassa-se sem es·
crúpulo o número de dias previstos, e em certos casos, os "requisitados" são
mandados, durante meses, para lugares a centenas de quilômetros. O traba·
lho obrigatório destina-se à construção e à conservação dos edifícios adminis·
trativos, das ruas, estradas, ferrovias.
Entre 1921 e 1934, a construção da ferrovia Congo-Oceano, de Pointe
Noire a Brazzaville, termina em massacre, denunciada na época pelo jomalis·
ta Albert Londres.8 Corno não eram suficientes os requisitados locais, manda·
ram vir trabalhadores de uma distância de 3 mil quilômetros ou mais, de
Oubangui-Chari (atual República Centro-Africana) e do Chad, uma parte a
pé, outra parte pela via fluvial de Oubangui e do Congo. O esgotamento pro·
vocado pela viagem, as sucessivas epidemias causadas pelo amontoamento
nas barcaças, quase sem comida e em condições de higiene inimagináveis, a
transição para o clima úmido das populações vindas das savanas e com um
regime alimentar diferente, matam os requisitados como moscas. Os sobrevi·
ventes são obrigados a trabalhar sob ameaça do chicote dos contramestres,
trabalhando a rocha com pás e picaretas. Em 1929, Albert Londres calcula o
número de mortos (quando falta ainda construir 300 quilômetros) em 17 mil.
Ele nota, no entanto, urna "melhoria", dado que a mortalidade, de acordo
com as estatísticas oficiais, fora reduzida de 45,20%, em 1927, para 17,34%
em 19291 9
Outro grande canteiro de hecatombes: a Administração do Níger. Nesta
zona central, no atual Mali, o Níger divide-se em muitos braços e lagos: é o
delta central do Níger. Concebeu-se a idéia de organizar esta zona em períme·
230 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

tros irrigados, a fim de fazer um novo Egito, proporcionando à França um


fornecimento nacional de algodão. A operação foi entregue a administrado-
res e engenheiros que desconheciam completamente o solo, ignoravam como
reagiria à irrigação e quais os métodos de cultura. Foi com a prática que perce-
beram que a irrigação, depois de ter levado a uma produção abaixo da média,
acabava por esgotar os solos. Trocou-se o algodão pelo arroz. Para "valorizar"
as obras do Níger, habitantes do território Mossi (atual Burkina Faso) foram
deportados em massa, instalados em aldeias submetidas a uma disciplina mili-
tar, com trabalho forçado do nascer ao pôr-do-sol, proibição de circulação e
imposto a pagar por utilização dos equipamentos e da água.
Existem outras formas de trabalho forçado. As culturas de exportação são
encorajadas por diversos meios, o mais simples dos quais é a obrigatoriedade
de pagar o imposto. Nas regiões onde o uso do dinheiro não está generalizado,
o único meio de conseguir o dinheiro do imposto é plantar e vender produtos
procurados pelas sociedades comerciais, como o amendoim, o algodão, o café,
ou produtos nativos como a borracha fornecida por uma planta das savanas e
muito procurada no princípio do século, o óleo de palma, a sumaúma. Os
agricultores suprem os mercados, colocados sob controle da administração e
onde os comerciantes europeus ou os seus agentes compram ao preço do "mer-
cado administrativo", preço quase sempre fixado abaixo do valor real da mer-
cadoria. Finalmente, os agricultores são freqüentemente logrados, com balan-
ças desequilibradas, mercadorias que não são pagas a pretexto de "má
qualidade" mas comercializadas logo a seguir...
A exploração é ainda mais flagrante nas regiões (sobretudo as da África
Equatorial) onde o regime é o de "culturas obrigatórias". É o caso de Ubangui-
Chari (hoje República Centro-Africana) e do Tchad para a cultura do algo-
dão, a partir de 1929. Nas zonas algodoeiras, cada contribuinte está obrigado
a cultivar uma parcela de determinada dimensão com algodão e a entregar os
produtos a "companhias concessionárias" que têm o monopólio da compra e
do tratamento do algodão. Sob a fiscalização da administração e de agentes
das companhias, e sob pena de sanções, o camponês é obrigado a entregar aos
"compradores" da companhia o algodão exigido. O preço fixado é irrisório.
Ele permite, quando muito, pagar o imposto. 10
Mas este regime não é nada comparado com aquele a que estiveram sujei. .
tas estas populações no princípio do século. O "Congo francês", que viria a
ser, em 1910, a África Equatorial Francesa, esteve, em 1899, quase inteira-
mente dividido entre quarenta "companhias concessionárias" que detinham
A ÁFRICA NEGRA SOB A COLONIZAÇÃO FRANCESA 231

o monopólio da exploração de recursos locais no seu território, e, de fato, do


comércio.11
Não farão quase nenhum investimento e um grande número irá falir rapi-
damente, depois de ter depenado alguns tolos na Bolsa. As que estão em
atividade exploram a borracha nativa, sendo o trabalho forçado remunerado
apenas como "trabalho de colheita", pois as companhias alegam que o que é
colhido é produto do solo, que lhes pertence na qualidade de concessionários.
Sobre este sistema, temos o testemunho de um missionário, R. P. Daigre,
um legítimo colonialista:
"Às ordens de coleta da borracha, a maior parte das aldeias respondeu
com uma recusa e, para apoiar a administração, colunas móveis de vigilância
foram enviadas para a região ... " É usada a coação. "Cada aldeia ou grupo de
aldeias foi então ocupada por um ou vários guardas, assistidos por um certo
número de auxiliares, e a exploração da borracha começou ... No fim do mês,
o que tinha sido recolhido era levado à sede, onde tinha lugar a venda, à razão
de quinze sous o quilo. A administração procedia à pesagem, e o comprador,
ao arrematar a mercadoria, pagava à vista, não aos que faziam a colheita, mas
ao funcionário que depositava o montante no imposto da aldeia. O povo tra-
balhava assim nove meses consecutivos sem ter direito à núnima remuneração."
O missionário explica que, nos dois primeiros anos, as populações pude-
ram subsistir graças às suas antigas plantações de mandioca. Mas, pouco a
pouco, os recursos acabaram. Os "coletores" têm de trabalhar cada vez mais
longe das suas aldeias, as plantas rareiam na proximidade das aldeias. "Perto
do fim do mês, concedia-se-lhes dois ou três dias para irem abastecer-se na
aldeia, mas na maioria das vezes regressavam de mãos vazias, não sendo já
renovadas as plantações ... Os doentes e as crianças pequenas (que permane-
ciam na aldeia) morriam de fome. Visitei várias vezes uma região onde os
menos doentes matavam os mais para comê-los; vi covas abertas de onde
tinham retirado os cadáveres para comê-los. Crianças esqueléticas remexiam
montes de detritos procurando formigas e outros insetos, que comiam crus.
Crânios e tíbias estavam espalhados nos caminhos de acesso às aldeias." 12

O exercício da "autoridade francesa"

Como dissemos, a autoridade está inteiramente nas mãos de uma hierar·


quia de funcionários europeus: governador geral (comandando os "grupos de
232 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

territórios" da África Ocidental Francesa, da África Equatorial Francesa e de


grandes colônias como Madagascar; Camarões, território sob mandato da So·
ciedade das Nações, é governado por um governador geral que detém o título
de "Alto Comissário"), governador, administrador (comandante de círculo ou
de subdivisão - o círculo comporta, por vezes, algumas subdivisões, coloca·
das sob a autoridade de um administrador subalterno dependente do coman·
dante de círculo).
As funções do comandante de círculo são: a cobrança do imposto, o for·
necimento e a comercialização dos produtos exigidos pelas sociedades comer·
dais, o recrutamento para o trabalho forçado e, a partir da Primeira Guerra
Mundial, o recrutamento militar para um serviço militar de três anos. Para
cumprir essas tarefas, o administrador necessita de auxiliares indígenas. A
princípio, são funcionários (escrirurários, intérpretes) que ocupam estes escri·
tórios; mas sobretudo os "chefes tradicionais". Por vezes, esses chefes são oriun·
dos das antigas dinastias pré-coloniais; outras, é um antigo soldado; ou mes·
mo um antigo criado ou cozinheiro de um governador, por ele recompensado.
O chefe de cantão e os chefes de aldeia a ele subordinados não têm ne·
nhuma legitimidade, nenhuma estabilidade: "O chefe de cantão, escreve o
governador-geral Van Vollenhoven numa circular, mesmo que seja o descen·
dente do rei com quem negociamos, não tem poder nenhum: nomeado por
nós após uma escolha, em princípio, discricionária, não passa de um instru·
mento nosso."ll Se não desempenhar satisfatoriamente as suas obrigações, o
chefe pode ser demitido ou preso a qualquer momento.
Ele tem inúmeros encargos. Com a ajuda dos chefes de aldeia nomeados
sob indicação sua, ele cobra o imposto, sobre o qual embolsa uma modesta
comissão. A isto ele acrescenta, por conta própria, "foros consuetudinários" e
impostos braçais, a que a administração fecha os olhos. O imposto é cobrado
de cada chefe de família, em função do número dos que estão sob a sua res·
ponsabilidade. Mas o montante, calculado para cada cantão e aldeia em fun·
ção de um "recenseamento" aproximado, é variável. Se o número real de
tributáveis é inferior ao do recenseamento, o imposto real será aumentado na
mesma proporção. Os presentes pagam pelos recenseados fictícios, fugitivos
ou mortos. Para cobrar o imposto - e fazer face às suas outras obrigações -
, o chefe mantém à sua custa um pequeno exército.
Ao administrador e etnólogo Gi\bert Vieillard, que censurava a estes "no•
táveis" o fato de se rodearem de "refinados canalhas", estes respondiam:
"Quereis ou não que cobremos o imposto, que forneçamos indivíduos sujeitos
A ÁFRICA NEGRA SOB A COLONIZAÇÃO FRANCESA 233

a trabalho braçal e conscritos? Não o conseguiremos fazer pela brandura e


pela persuasão. Se as pessoas não têm medo de prisão e espancamento, riem
de nós." 14
Vemos que são citadas as outras duas obrigações que competem ao chefe:
fornecer os recrutas para o trabalho forçado e, depois da guerra de 1914-18,
para a conscrição (contingente fixado para cada cantão, serviço militar de
três anos). A escolha é arbitrária: naturalmente, os pais, amigos e protegidos
dos chefes ficam tanto quanto possível isentos; o peso das requisições e da
conscrição cai prioritariamente sobre os humildes, em primeiro lugar sobre os
antigos escravos.
Se os homens do chefe não conseguem cumprir estes objetivos, recorre-se
à força armada dos guardas, e tanto a cobrança do imposto quanto o recruta-
mento dos sujeitos a trabalho braçal e dos conscritos parece uma razia: aldeias
cercadas de surpresa, bens confiscados e vendidos em leilão público, conscri-
tos atados com cordas para serem levados até o local de incorporação.
O chefe tem ainda obrigação de receber e de sustentar o administrador
em visita de inspeção, sua comitiva, os guardas, os diversos funcionários de
passagem. A vida cotidiana é dominada pelo medo, aquele que resulta da
arbitrariedade: arbitrariedade dos chefes e dos seus asseclas, arbitrariedade
dos chefes brancos.
Não há outro relacionamento entre brancos e negros que não seja o de
"patrão" para "subordinado". Qualquer familiaridade, inclusive (e talvez so-
bretudo) com aqueles a quem condescendentemente chamam de "evoluí-
dos", aqueles que freqüentaram a escola e se tornaram funcionários, professo-
res primários, médicos, é mal vista, eventualmente punida, como comprova
esta anotação na ficha de um funcionário europeu: "Freqüenta a casa dos
indígenas e até os recebe à sua mesa. Não é feito para a vida colonial." Quan-
do a esposa de um branco não está satisfeita com o seu criado ou com o seu
cozinheiro que quebrou um bule ou estragou o molho, ela o envia ao "escritó-
rio" do comandante de círculo com um bilhete indicando o número de chico-
tadas que deve receber dos guardas.
Em 1944, o socialista Albert Gazier, membro da Assembléia Consultiva
Provisória da Argélia, tendo feito uma viagem pelas colônias francesas na
África, faz a seguinte pergunta a quarenta europeus: "Senhor (ou Senhora),
seu criado é surrado?" E constata: "Não recebi uma única resposta negativa." 15
234 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Da lenda colonial d realidade


Os jovens franceses aprendiam, através dos livros escolares e da propa-
ganda {particulannente a da "Liga Marítima e Colonial"), que a França tinha
levado às populações coloniais as estradas, as escolas, os hospitais, em suma, o
progresso e a civilização, melhorando assim suas condições de vida.
O que acontecia na realidade?
No início do século a colonização tinha começado a implantar uma rede
de ferrovias que ficou inacabada: nunca foi concluídaa ligação de algumas
vias que iam da costa para o interior. Essas linhas, de bitola estreita {lmetro,
contra 1,44m das vias nonnais) tinham uma capacidade reduzida. Original-
mente tinham sido concebidas para o transporte de tropas - avanço rápido
das forças armadas para onde fosse necessário. Depois, serviram para trans·
portar os produtos da região até aos portos e, em sentido inverso, as mercado-
rias importadas. Essas vias férreas, assim como as estradas, foram essencial-
mente constru(das e depois conservadas por trabalho forçado.
E as escolas? Foram concebidas com o intuito de garantir à colonização o
pessoal auxiliar necessário - intérpretes, funcionários administrativos - e,
em um n(vel mais alto, professores primários e médicos. Estas últimas funções
eram as mais elevadas a que um "indígena" podia aspirar mas ocupando sem·
pre uma posição subalterna em relação aos professores primários e médicos
franceses. Os seus diplomas eram locais e davam acesso apenas às funções
administrativas locais. Não eram válidos na França, e a falta de acesso aos
diplomas franceses (diploma superior e bacharelato) eliminava a possibilidade
de os nativos chegarem ao ensino superior. Havia, em cada colônia {e em
Brazzaville para a África Equatorial Francesa) uma escola primária superior.
Os alunos mais brilhantes chegavam à "École Normale William Ponty", que
formava os professores primários e os médicos "indígenas". Só em 1946 é que
alguns diplomados de Ponty foram admitidos no Liceu de Dacar, onde se pre·
paravam para fazer estudos superiores na França. Podiam ser contados nos
dedos os africanos que graças a circunstâncias especiais tinham podido fazer
estudos superiores na França, como Me Lamine Gueye, advogado, ou Leopold
Sédar Senghor, professor de gramática.
Em 1945, a taxa de escolarização primária na África Ocidental Francesa
não ultrapassava os 5%; havia apenas dois liceus, em S. Luís do Senegal e em
Dacar, inicialmente reservados aos europeus. A Universidade de Dacar só foi
criada pouco antes da independência, em 1957. Na África Equatorial France·
A ÁFRICA NEGRA SOB A COLONIZAÇÃO FRANCESA 235

sa, a situação era ainda pior: foi preciso esperar até 1937 para que fosse criado
um serviço de ensino em Brazzaville; anteriormente as raras escolas estavam
ligadas ao serviço dos "Assuntos Políticos e Administrativos". Existia uma única
escola superior primária, em Brazzaville.
Passemos à Saúde Pública: o "Serviço de Saúde Colonial", militarizado
(iria permanecer assim até as independências) era primeiro reservado aos eu·
ropeus e aos soldados, depois aos funcionários indígenas. As missões, por seu
lado, tinham criado enfermarias e dispensários. Só em 1905 é que foi criada
na África Ocidental a "assistência médica indígena", orientada para a mediei·
nade massa, com uma rede de hospitais "indígenas" (3em1910) e dispensários.
Em 1908, as estatísticas indicam 150 mil doentes tratados, em 12 milhões de
habitantes.
Às doenças endêmicas (malária, febre amarela etc.) a colonização veio
acrescentar as doenças importadas, mais terríveis na medida em que os africa-
nos não estavam imunizados e elas se manifestavam de forma brutal (sífilis,
tuberculose). Os deslocamentos constantes da população devido às maciças
requisições de mão-de-obra e o desenvolvimento das relações comerciais con·
tribuíram para as epidemias. O diretor do Serviço de Saúde de Camarões
escreveu, em 1945:
"As doenças, se desempenham um papel muito importante na degradação
das populações indígenas, não são as únicas responsáveis, e devem ser apon·
tadas outras causas que propiciam os males e que têm uma grande importãn·
eia mas que escapam à ação do Serviço de Saúde: a subalimentação e a falta
mais ou menos generalizada de alimentos nitrogenados, uma política econô·
mica leviana que, em determinadas regiões, forçou o desenvolvimento de
culturas ricas (de exportação) em prejuízo de culturas alimentares, o
desequilíbrio que existe entre os salários dos indígenas e os preços dos artigos
essenciais." 16
Por esse motivo, as taxas de mortalidade, essencialmente infantil, são
muito elevadas. É só a partir dos anos 20 que as campanhas de vacinação
vão contribuir para reduzir a mortalidade. Entre as doenças mais temíveis,
objeto de uma profilaxia maciça, se destaca a tripanossomíase africana (do·
ença do sono).
Para enfrentar tudo isso, a Administração colonial cria serviços
especializados móveis. Mas, para reunir as populações, recenseá-las e rastrear
as doenças, as equipes móveis usavam métodos muito idênticos aos utilizados
para o recrutamento civil ou militar ou para a cobrança do imposto, que pare·
236 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

cíam uma caça ao homem. A falta de entusiasmo das populações pelos cuida-
dos prestados explica-se facilmente: as equipes móveis de enfermeiros e o seu
séquito, na boa tradição colonial, viviam à custa da região, desavergonhada.
mente exigindo víveres, mulheres etc. As punções lombares indispensáveis
aos exames bacteriológicos, efetuados por enfermeiros nem sempre aptos, e
em condições de higiene sumárias, por vezes causavam acidentes graves. Por
outro lado, a terapia usada não era isenta de riscos, podendo provocar, em
caso de erro nas dosagens, lesões graves (nefrites, cegueira).
Será necessário esperar os anos 50 para que os sistemas de tratamento e
de profilaxia se tomem verdadeiramente eficazes e que se assista a uma revi·
ravolta nas tendências demográficas, passando da redução ou estabilidade
para o crescimento, e, a partir de 1955 aproximadamente, para uma explosão.
Uma última palavra sobre os "objetivos" invocados para a colonização: a
luta contra a escravatura. Já vimos que numa primeira fase, a da conquista, a
escravatura, longe de recuar, conheceu um nítido crescimento. Mais tarde, e
apenas gradualmente, foi concretizada a proibição do comércio de escravos
(promulgada na África Ocidental Francesa apenas em 1905) e depois a aboli·
ção da escravatura.
A libertação de escravos foi geralmente adotada como recompensa na
administração de populações rebeldes ou insubmissas. Mas onde o apoio das
classes dirigentes era considerado politicamente necessário, como no Fouta·
Djalon (Guiné) ou nas regiões a sul do Saara, a escravatura manteve-se inal·
terável, e a administração ratificava (ou encobria) a prática do "direito de
sucessão" (busca, captura e restituição dos escravos fugitivos aos seus senha·
res). Na Guiné, o primeiro recenseamento por sondagem realizado em 1954·
1955 recenseou à parte, em Fouta-Djalon, os "cativos". Na Mauritânia, a con·
tinuação da escravatura, com o apoio da administração, foi denunciada em
1929 por um professor primário do Daomé, Louis Hunkanrin, condenado a
urna pena de dez anos de degredo na Mauritânia. Ele denunciou a prática em
um folheto cujo texto conseguiu fazer chegar a França e que foi publicado por
uma seção local da Liga dos Direitos do Homem. 17 Esta situação continuou
após as independências e sabe-se que, muito recentemente, militantes dos
direitos humanos foram presos e condenados na Mauritânia por terem de·
nunciado a escravidão.
A AFRICA NEGRA SOB A COLONIZAÇÃO FRANCESA 237

Os dados demográficos

O tráfico de escravos, do século XVI ao XIX, tinha já enfraquecido


demograficamente a África. O choque da conquista foi um novo golpe, talvez
mais brutal, embora mais limitado no tempo. Os combates, depois o excesso
de deslocamentos e de requisições de homens, víveres e gado aumentam a
mortalidade. Deixam as populações enfraquecidas, mais suscetíveis a epide-
mias e vulneráveis a acontecimentos como secas. "O menor acidente -seca
excepcional, praga de gafanhotos - era agravado pelo saque colonial de ví-
veres e de mão-de-obra simultaneamente, sem que a administração utilizasse
os meios de ii:itervenção necessários." 1e
O período de 1880-1920 foi o de maior queda demográfica, difícil de ava-
liar devido à insuficiência de informações estatísticas. No Daomé (hoje Benim)
uma das colônias mais densamente povoadas e relativamente pacificada, foi
registrada uma queda de 9% entre 1900 e 1920. 19 O retrocesso foi certamente
mais sensível em regiões de recursos mais limitados e atingidas por requisições
de homens, gado e víveres desproporcionais em relação aos seus recursos,
como o Nfger 20 ou a Mauritânia.
A queda foi ainda mais acentuada (entre 30 e 50%) nas regiões da África
Equatorial Francesa, já despovoadas e devastadas pelos abusos do sistema de con-
cessões (República Centro-Africana) ou pela exploração de madeira (Gabão:
homens adultos "requisitados" por contratos de dois anos para trabalhar nas
florestas; aldeias onde restavam apenas mulheres, crianças e velhos "taxadas" em
mandioca para alimentar os trabalhadores}.21 Nas regiões sudano-saarianas, as
grandes secas de 1913-1914, de 1930-1933, cujas conseqüências foram agravadas
pelo contexto político-econômico (guerra de 1914-18, crise e depressão dos anos
30) e, por fim, a seca de 1972 e anos seguintes, causaram miséria e fome.
Os primeiros efeitos da medicina de massa não foram sentidos antes dos
anos 30. A África das independências passou da regressão demográfica à ex-
plosão, mas as conseqüências de um regime econômico herdado da coloniza-
ção são a miséria e a subalimentação, agravadas pelos conflitos internos. Mas
isso é uma outra história.

Oi dados aqui utilliados foram em grande parte retirados das obras: Afrique noire occidemale:
glographie, clvilLsatlon, histoire, Paris, Éditlons sociales, 1958 (reed. 1968) e Afrique noirt -
~recolonlale (1900-1945), Paris, Éditions sociales, 1964 (reed. 1982).
l38 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Notas:

1. Citado por Vigné d'Octon: La gloire du sabre, Paris, Flammarion, 1900, pp.131 e seguintes
(Notas de uma testemunha da tomada de Sikasso) .
2. Jean Rodes: Un regard sur le Soudan, La revue blanche, novembro de 1899.
3. Câmara dos Deputados, sessão de 30 de novembro de 1900 (Annales de la Chambre des
Députés, 1900, p. 580).
4. P. Vigné d'Octon, op. cit., pp. 40-41.
5. Testemunho do sargento Tourcau, cm P. Vigné d'Onon, op. cit., pp. 142-143.
6. General Mcynicr: La MissionJoalland-MeynieT, Paris, Éditions de l'Empire français, 1947,
PP· 39-40.
7. G. Angoulvant: La pacificaiion de la Cõtt d'Iuoin, Paris, Larose, 1916.
8. Albert Londres: Tem d'ébene, Paris, Albin Michel, 1929.
9. R. Sussct: La llérité sur le Cameroun et l'AE.F., Paris, Éd. de la Nouvelle revue critique,
1934.
10. Ver Jean Cabot: La culture du cotor\ au Tchad, Annales de géographie, 1957, pp. 499-508.
11. O. Coquery-Vidrovitch: u Congo au temps des g.aricles compagnies concessionnaires (1898·
1930), Paris-La Hayc, Mouton, 1972.
12. R.P. Daigre: Oubangui-Chari, témoignagt SUT son ~ution (1900-1940). lssoudun, Dillen
etCie, 1947, pp.113-116.
13. Citado por R. Comevin: l.!évolution dcs c.hefferics dans l'Afrique noir d'expression
française, Recuei( Penant, n~ 687, junho-agosto 1961 , p. 380.
14. Oilbert Vieillard: Notes S1'T le.s Ptu/5 du Fouia-Djalon, Bullctin de l'lnstitut français d'Afrique
noire, Dakar, nQ 1, p. 171.
15. Testemunho do Colóquio do lnstitut d'Histoirc du temps présent, publicado em 1986
pelas Éditions du C.N.R.S. com o título - l...es chemins de la décolonisation de l'Empire
{rançais (1936-1956).
16. Coronel-médico Farinaud: Relatório ~ico 1945. Orado in "Afrique noire: l'ere coloni·
111'', op. cit., p. 493.
17. J. Surct-Canale: Un pionnitr miconnu du mouverneru démocratique en Afrique: Louis
Hunkanrin, Études dahomécnncs, nouvelle série, nQ 3, Porto Novo, dezembro de 1964,
pp. 5-30.
18. C. Coqucry·Vidrovltch: Afrique noire, pennanences et ruptures, Paris, Payot, 1985, p. 52.
19. Ibidem, p. 57.
20. Ver ldrissa Kimba: La forma1ion de la colonie du Niger 1880· 1920. Thesc d'État, Universi~
de Paris VII, 1983.
21. e. Coquecry.Yidrovitch, op. clt., p. 56
ARGÉLIA 1830-1998:
DOS PRIMÓRDIOS DO CAPITALISMO
COLONIAL À EMPRESA MONOPOLISTA DE
RECOLONIZAÇÃO "GLOBALIZADA''
ANDRÉ PRENANT
. ____________ - '
)•
Na Argélia, o capitalismo, mesmo tendo tido pequena responsabilidade na
decisão da conquista, intervém desde o seu início (com exceção das duas décadas
posteriores à independência), e até hoje. Antes de 1962, como mcx:lelo que foi do
capitalismo colonial, dos seus primórdios mercantilistas até suas fixações petrolí-
feras; hoje, no quadro da globalização, como um tipo de recolonização monopolista.
Écerto que, em 1830, o capital não dispunha ainda de grande autoridade
na França. Mas foi durante sua evolução que ele comandou, na Argélia, a
estruturação da legislação e da economia colonial e sua manutenção frente à
resistência, até a violência final por meio da qual tentou não ser despejado.
Depois da independência o capital tem tentado provocar crises jogando com
a fragilidade e a dependência externa da economia "não capitalista" e com o
antagonismo entre classes sociais acirrado pelas contradições dessa econo-
mia. A crise ofereceu a oportunidade de reintroduzir obrigações que agrava-
ram e agravam a crise econômica, determinando a violência imposta ao país,
utilizadas para colocá-lo em seu lugar perante "a nova ordem mundial".
Desligado da decisão da expedição de 1830 (nascida da recusa pela mo-
narquia francesa de assumir uma dívida), o sistema capitalista deternúnou os
quarenta anos de guerra e de violência necessários para controlar o país (1830-
1871), os setenta e cinco anos que se seguiram em que pôde explorá-lo sem
violência "ilegal" maciça (1871-1945) e os dezessete anos (1945-1962) que
vão dos massacres de Setif-Guelma à independência. Falta avaliar o papel que
desempenhou e ainda desempenha - já não em escala francesa, mas sim em
escala "européia", digamos "globalizada" - na desestruturação/destruição da
economia e da sociedade da Argélia independente e no recomeço da violên-
cia (islâmico), dos anos 80 até hoje.

Capitalismo nascente e conquista colonial

O papel do capital na decisão da expedição de Argel

Paradoxalmente, a expedição de Argel, que aconteceu após a transição


da França do mercantilismo para a Revolução Industrial, foi feita contra a
242 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

recomendação dos defensores do liberalismo econômico e dos representantes


da manufatura, que se opuseram a despesas públicas onde não viam perspec·
tivas de lucros. Ao contrário das explorações coloniais seguintes, como a da
Inglaterra sobre o Egito, eles não invocam dívidas pendentes do país que se
quer dominar, o conflito tem origem no não pagamento pela França, durante
o Império e depois durante a Restauração, de fornecimentos de cereais feitos
ao Diretório; 7.942.992 francos-ouro, dos quais 300 mil devidos ao hei, o
governador muçulmano, representando em 182 7, com juros acumulados, algo
como 24 milhões-ouro, dos quais 1,25 devidos ao hei.
Os círculos mercantilistas do porto de Marselha não deixaram de acirrar o
conflito, em particular através do jogo sujo do cônsul Deval. Este, nã.o tendo
transmitido ao hei 478.891 francos-ouro (cerca de 6 milhões de francos atu·
ais) liberados por Luís XVIII a partir de 1816, determinou em 1825 a ocupa·
ção militar da feitoria de La Calle, penhorada por Argel, e fez com que Carlos
X exigisse, além da sua cessão sem pagamento, a soberania da planície
circundante, de Bône até à fronteira tunisiana. A rivalidade colonial tem aqui
o seu papel: o ministro da Guerra, Clemont·Tonnerre (numa intervenção no
Conselho de Ministros), propõe, a partir de 14 de outubro de 1827, "aprovei·
taro embaraço em que se encontra (... ) a Inglaterra para conquistar o Estado
de Argel". E o economista Sismondi, hostil ao mercado livre, escreve em maio
de 1830, três meses antes do desembarque:1 "Esse reino de Argel (...) será
uma colônia, (...) um país novo no qual o excedente da população e das ativi·
dades francesas poderão se expandir." Portanto, há uma visão de exploração
capitalista ainda incipiente, embora os líderes de interesses opostos comba·
tam a expedição, fonte de gastos humanos e financeiros, escudando-se no
direito internacional. Alexandre de Laborde2 recusa a conquista de Argel
"sem poder mantê· lo (e sem que) as despesas possam gerar lucros": é em nome
desta "massa de homens laboriosos (... ) que irão ver a saída (... ) de somas
enormes das quais não compreendem o objetivo nem a causa" que ele denun·
eia "os últimos desenvolvimentos sem crédito aberto" para uma guerra que
ele "não teme classificar de injusta'', pelo menos enquanto a ocupação de
Argel não é realizada. O mesmo diz Bignon, deputado do Eure (e dos têxteis
de Evreux), declarando em 10 de junho de 18293 que "as causas da ruptura
não mereciam a décima parte dos sacrifícios que esta(...) já tinha custado".
As duas tendências persistem depois de 1830: o liberalismo preconizando
a utilização na França dos capitais gastos na Argélia; e "um pequeno número
de monopolistas" especulando sobre a terra "comprada de modo fictício e a
ARGÉLIA 1830-1998 243

bom preço" para a (re-)vender muito mais cara. Esses monopolistas são de-
nunciados em 20 de maio de 1835 por Desjobert, deputado de Seine-Maritime,
igualmente uma região têxtil. 4 Aos olhos dele, os monopolistas são movidos
por interesses pessoais: 5 "o único resultado" da conquista, em 1835, foi "o de
ter transportado para Marselha os negócios que antes se espalhavam por toda
aFrança". Em 1839, ele não poderá, no entanto "conceder (à guerra) nem um
homem nem um centavo". O conde de Sade, lembrando em 1835 que "as
terras não são disponíveis", 6 recusa-se a "exterminar os nativos antes de os
espoliar". Hippolyte Passy, futuro ministro de Napoleão III, defende, ainda
em 1837,7 "proibir, ou pelo menos limitar( ... ) as aquisições de terras", e pro-
põe, no mesmo sentido, "negociar com as potências interessadas nesse país" e
de "o colocar... em tal estado que possamos ter com ele relações amigáveis e
traficar sem receio ... e retirar lucros para provisão das nossas províncias meri-
dionais".
Os segundos viam, como o marechal Gérard em 12 de novembro de 1830,
na mesma linha de pensamento de Sismondi, "uma vasta saída para o exce-
dente da nossa população e (...) o escoamento dos produtos das nossas manu-
faturas".8 Em 21 de março de 1832,9 depois de em 20 o marechal Clauzel (ele
mesmo com participação, em Mitidja, em várias sociedades - duas de Paris
com capital de 2 e 3 milhões [ouro], duas de Marselha com valor de 5 e 6
milhões e várias inglesas) ter declarado que "Argel recebe agora mais barcos
do que recebia em três anos", o deputado marselhês Reynard anuncia a cria-
ção de uma companhia "para a construção de navios a vapor para a navegação".
A guerra de conquista é sem dúvida, com eles, a da "nuvem de
especuladores (...) que se abate sobre Argel para comprar a baixo preço e
revender (...) os imóveis da cidade e dos campos", 10 arrastando para o gover-
no "compromissos tácitos a respeito dos agricultores, dos industriais, dos capi-
talistas que ele permitiu que se instalassem" .11 A tendência do capitalismo em
desenvolvimento foi o de, desde a origem, assumir o risco de guerra, de mas-
sacres, risco admitido em 7 de julho de 1833 pela Comissão da África, que
propôs, após ter constatado "a contradição da marcha da ocupação", "ampliar
a colonização sob a proteção militar" para não reduzir "o fruto de tantos esfor-
ços".12 A tomada de Constantina, em 1837, congregará, descontados os últi-
mos ataques de Desjobert, os liberais num "pensamento único" do capitalis-
mo francês.
2+! O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

A guerra feita ao povo, uma política deliberada. 1830-1871

Instrumento de conquista, a guerra tinha, desde o início, produzido atro·


cidades. A Comissão da África tinha conhecimento disso e, antes de decidir
pela continuação, relatava: "Enviamos para o suplício, com uma simples sus·
peita e sem processo, pessoas cuja culpabilidade depois se manteve mais do
que duvidosa ; massacramos pessoas portadoras de salvo-condutos; matamos,
por suspeita, populaçõt!s inteiras que em seguida se verificou serem inocentes;
levamos a julgamento homens considerados santos (bastante corajosos) por
intercederem a favor dos seus infelizes comparriotas (... ),que se tenham en·
centrado juízes para condenar e homens civilizados para os executarem."13
O "desprezo de uma capitulação solene, (... ) dos direitos ... mais naturais
dos povos", assim reconhecidos pela própria decisão que os violava, marcava
em 1833 a vontade de prosseguir com a guerra para ampliar a ocupação do
país. Seguindo o exemplo, Voirol, a partir de 1834 no Algérois, depois Trézel,
em 1835 em Oranie, violavam o Tratado Desmichels, concluído em 6 de ja·
neiro de 1834 com Abd-el-Kader, para terem as mãos livres contra o hei de
Constantina. Do mesmo modo, uma vez tomada a cidade, o emir reagia ofen·
sivamente, provocado pelo desafio deliberado, em 1839, do Tratado de Tafna,
concluído para o mesmo fim com o mesmo parceiro, e em 30 de maio de 1837,
com o deslocamento deliberado de tropas numa zona em liágio em função da
ambiguidade entre o texto árabe e a tradução francesa. Bugeaud tinha dito na
Câmara, em 8 de junho de 1838: "Os tratados nunca uniram as nações a não
ser quando são adequados aos seus interesscs." 14

Os lTULlsacres

Em 1833 já tinha havido massacres; por exemplo, em 1832, o massacre da


tribo d'el-Oufia, cm Mitidja, relatado por um oficial nas suas memórias:15 "um
corpo militar surpreendeu ... a tribo adormecida ... e degolou os infelizes ... sem
que algum deles tivesse tentado defender-se (... ); não houve qualquer distin·
ção de idade ou de sexo. No regresso dessa vergonhosa expedição, os nossos
cavaleiros traziam cabeças espetadas nas suas lanças. Todo o gado foi vendido
(...); o resto do saque, despojos sangrentos ... foi exposto no mercado Bab·
Azoun (...) braceletes femininos ainda em punhos cortados, brincos penden·
rcs de pedaços de carne (... ), tudo foi partilhado entre os matadores e uma
ordem-do-dia, em 8 de abril... proclamou a grande satisfação do general". No
ARG~LIA 1830-1998 245

seu livro imediatamente posterior, 16 o geógrafo do corpo expedicionário Rozet


encarava a necessidade, para colonizar Mitidja, "de exterminar todos os
berberes das montanhas de Beni-Menad, de Chenoua etc.". Pouco depois, o
general Cavaignac, lamentando não ter encontrado um turco "que vá apre-
sentar a sua bandeira nas tribos com 300 ou 400 turcos que cortam mil a duas
mil cabeças, faça tremer uma província e regresse carregado de despojos",
estimava, ao mesmo tempo, que os argelinos não "devem ter visto no regime
francês mais do que a violência turca entre as mãos dos cristãos". 17 Bugeaud
julgará ainda, após a ruptura do tratado com Abd-el-Kader, que os seus pre-
decessores pecaram por fraqueza: "É necessário", declara ele à Câmara, em 14
de maio de 1840, "uma grande invasão que se assemelhe ao que faziam os
francos, ao que faziam os godos".
Esses princípios serão metodicamente aplicados na guerra conduzida con-
tra Abd-el-Kader a partir de 1840. O coronel de Montagnac relata em 17 de
janeiro de 1842 que confiscou do "inimigo", na região de Mascara, "mulheres,
crianças, animais, trigo, cevada" e, em 11 de fevereiro, que o general Bedeau
roubou "mulheres, crianças e animais" de uma tribo das margens do Chelíf. 18
Em 19 de novembro do ano anterior, elogiara seu chefe Lamoricíere pordes-
cobrir os árabes e lhes tomar "mulheres, crianças, rebanhos". Em 1845, a "téc-
nica" recomendada por Bugeaud é a das fumigações iniciadas por Cavaignac
contra os Sbeha no Ouarsenis. Em 12 de agosto, Saint-Amaud utiliza essa
técnica contra os Beni-Ma-doun de Tenes, fazendo 500 mortos. Como "com-
pensação" pela derrota de Sidi-Brahim, Pélissier fumiga, em 19 de junho, os
Ouled-Ríah no Oeste, provocando 700 mortos e não deixando mais do que
quarenta de sobreviventes. Esses massacres são qualificados de "medidas de
rigor" pelo Tableau des Etablíssements Français. 19
A rendição de Abd-el-Kader não encerra os massacres, repetidos a cada
reconquista e a cada repressão, tanto durante a Segunda República quanto
durante o Segundo Império. Uma simples coleta de impostos faz 40 mortos e
29 mulheres prisioneiras entre os Beni-Snous, perto de Tlemcen, em 27 de
setembro de 1848. 20 Após utilizar tais métodos nos Biban, nas aldeias "devas-
tadas" dos Beni-Abbes e dos Zouaoua em 1847, há as operações de extermí-
nio de Saint-Amaud nos Guergour, nos Babor e no Oued el-Kebir em 1851.21
Em 1849, no Aures e nos Ziban, as populações de Nara e de Zacatcha são
massacradas após o assalto: em Nara, "tudo o que tinha sido trancado foi
passado pelas armas ou esmagado pela queda dos terraços das casas" .22 Em
1857, na altura da ocupação da grande Cabida, segundo o conde d'Hérisson, 23
246 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

"as orelhas indígenas valeram durante muito tempo 10 francos o par; as mu·
lheres foram, como os homens, urna caça perfeita", tal corno no sul, de onde,
sem ter disparado um único tiro, ele confessava ter trazido um "barril cheio".

Pilhagens e destruições

As pilhagens tinham começado com a tornada de Argel, com o saque do


"Tesouro da Qaçba", avaliado em "30 milhões de piastras fortes" (mais de 1,5
milhão hoje) e "diminuído de dois terços e da totalidade das pedras precio·
sas",24 violando assim o acordo de capitulação e desprezando as reclamações
dobei. Após o embargo dos 51,7 milhões de francos-ouro inventariados no
tesouro argelino (mais de 600 milhões atuais), as pilhagens não pararam de
aumentar, "oficializando-se", confundindo-se com a cobrança de impostos,
de penalidades, de multas, de contribuições de guerra ou a colocação sob
seqüestro. Contribuíram assim para o recuo econômico do país.
A partir de 8 de setembro de 1830, desprezando a convenção da capi·
tulação de 5 de julho que garantia aos "habitantes de todas as espécies a sua
religião, as suas propriedades, os seus comércios e as suas indústrias''. o signa·
tário Bourmont seqüestrava os bens dos argelinos-turcos expulsos, os das ins·
tituíçôes islâmicas e habbou.s destinados ao culto e ao ensino do Corão, assimi·
lados aos domínios de um Estado suprimido, mas não substituído pela
convenção. A pilhagem acompanhou o massacre de El-Oufia e todos os que
se seguiram. Em 1836, segundo o próprio Cavaignac, o árabe que vinha ven·
der ao mercado de 11emcen era "obrigado a ceder o quarto, a metade, o todo".
Em 1837, a tomada de Constantina foi seguida pelo saque da cidade, como ia
ser toda a tomada de cidades a partir da guerra contra o Estado de Abd-el·
Kader: Miliana em 1839, Medea em 1840 etc. Ar.é 1872, o orçamento da
Argélia ia ter um capítulo intitulado "Tomadas ao inimigo" que cobria o pro·
duto das vendas públicas de bens mobiliários, colheitas e gado confiscado.
Em março de 1839, "2,5 mil carneiros e 600 bois", e, um ano mais tarde,
"uma grande quantidade de gado" foram tomados de um grupo dos Harakta
(de Constantina) na seqüência do assassinato de um xeque já punido com a
execução de seis condenados.is É poss!vel especificar, na longa lista destes
casos, a captura, com 3 mil prisioneiros, de "1,5 mil camelos, 300 cavalos e
mulas e 15 mil ou 16 mil cabeças de gado... trazidas" dos Beni Menacer, a
oeste de Argel, em 1842;26 a de 3 mil cabeças de gado aos Ouled Defelten
(Ouarserus) em maio de 1845; e, em junho, por "insubordinação", a de 20 mil
1 ARG.éLIA ISJ0-1998 247

carneiros, 800 bois e 500 camelos aos Nememcha; de 500 carneiros, 350 bois,
250 camelos aos Moui'adat (S. de Medea); de 700 e depois mil bois; de 2 mil
depois 15 mil carneiros, 300 animais de carga e 30 camelos de refugiados da
região de 11emcen, no Marrocos; em 1846, a captura "diária [de} rebanhos
importantes (... ) de alguma fração dos Ouled Na.II"; de 33 mil carneiros, 500
camelos, cavalos e tendas aos Hamyan, em 13 de janeiro de 1847.27
As contribuições de guerra podem simplesmente formalizar esses roubos,
como, em Djebel Amour, em apenas três dias de maio de 1846, de 3 mil bois
e 7 mil.28 As contribuições podem ser substituídas ou aumentadas pelo paga·
mento em dinheiro: os 58 mil francos-ouro em 10 dias de 1844 sobre Bellezma;
em 1845, perto de Tenes, uma contribuição "bastante forte" foi exigida aos
Beni Hidja e aos Beni Macdoun, estes antes de serem "fumigados", e 120 mil
francos são pedidos aos Beni Chougran; em 1846, 20 mil francos são tomados
dos Ouled 'Abdi após o incêndio da sua aldeia, e 200 a 300 francos por cabeça
aos Harrar de Chergui (ou seja, a receita média de dois anos); são ainda co·
brados nesse ano 20 mil francos aos Amoucha (Babar), 30 mil em três dias
sobre os Ouled Sidi-Yahia, perto de Tebessa, 55 mil sobre os limítrofes de
Philippeville e, em 10 de fevereiro de 1847, 50 mil francos sobre os Ouled
Jellal. No mesmo mês de 1848, os Hamyan, já privados dos seus rebanhos,
ficavam sem 100 mil francos e 10 acampamentos por não terem pago. Multas
puniam a recusa (ou a incapacidade) de pagar as contribuições de guerra ou
os impostos: exemplos destas multas são as que, em 1848, no Ovarsenis, os
Ouled Defelten, privados dos seus rebanhos dois anos antes, tiveram de pagar
por se recusarem a pagar impostos, tal como os Beni Zouqzouq, os Righa, os
Beni-Menad próximos de Miliana, e os Beni Hassan do Titteri; em 1849, a
multa devida por Bou Sacada pelas barricadas erguidas na cidade e os 10 mil
francos exigidos aos Ouled Faradj vizinhos, bem como as multas aplicadas aos
Ouled Soltan e Ouled Sylem, do Ouarsenis, e os Ouled Younes, do Dhahra;
em 1850, as que castigam os Harakta, onze anos depois do confisco dos seus
rebanhos, e os Segnia do Hodna.29
À destruição das fontes de renda que restam às populações ocupadas,
sobretudo suas plantações e gado, é somada a transferência para o ocupante
das colheitas e receitas monetárias, com a finalidade de empobrecer o mais
pobre em proveito do mais rico e de impor a ele a dependência. Essas destrui-
ções são, com efeito, a destruição do próprio ser humano, arma maior da re-
pressão. Logo no primeiro ano, Rozer30 define as tribos das cercanias de Biida
tomo "aquelas que nós saqueamos com o general Berthezene (em) maio de
248 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

1831" e avalia em 400 mil o consumo de frutas tomadas no inverno anterior


pelo exército aos habitantes nos 400 hectares de laranjeiras de Biida, ainda
que "isso não se notasse", e assinala que "os nossos acampamentos abriram
algumas clareiras" nos olivais da Mitidja e que esta planície não estava culti-
vada no sentido de Birtouta e Boufarik senão "quando ali passamos pela pri·
meira vez".
De novo, tratava-se apenas da vida da tropa no país. A destruição foi
depois sistemática. Lembremos que para Montagnac31 "todas as populações
que não aceitem as nossas condições devem ser arrasadas, tudo deve ser to·
mado, saqueado, sem distinção de idade ou de sexo''. O jornai oficial, Monite11r
Algerien, de 14 de abril de 1844, publicaria a ameaça de Bugeaud aos Cabilas
do lsser: "queimar as aldeias e cortar as árvores frutíferas se eles não expulsa·
rem Ben-Salem". Durante a guerra contra o Estado de Abd el-Kader, a litania
começa, acelerando-se à medida que a resistência argelina enfraquecia: são
os acampamentos Hadjour destruídos no oeste de Mitidja em 12 e 13 de mar·
ço de 1840; o segundo "castigo severo" dos Cabilas de Mouzafa e dos Beni·
Salah, do Atlas de Blida em 27 e 28 de agosto, depois a "ruína" dos Righa do
Sul de Setifligados ao emir.n Em 1842, entre os próximos de Beni Menacer,
Saint-Arnaud33 diz disparar "poucos tiros de espingarda", mas queimar "todos
os acampamentos, todas as cidades, todas as choupanas" e, dois meses mais
tarde, confirma: "destroça-se, queima-se, pilha-se, destroem-se as casas e as
árvores''. Em 2 de outubro de 1844, escreve: "queimar (na Cabila) as proprie·
dades de Ben-Salem e Bel-Cassem" e "abater as laranjeiras", executando as
ameaças de Bugeaud já mencionadas, depois de ter "quase arruinado inteira·
mente" os habitantes e queimado as colheitas de 19 frações dos Flissa.34 Esses
métodos continuarão a ser executados após a rendição de Abd el-Kader, du·
rante a ocupação das Cabilas e até a repressão da insurreição de 1871. Em
1845, os Ouled 'Abdi, em lugar da multa, têm "as suas principais aldeias
incendiadas";35 em janeiro de 1847, o mesmo tratamento para os Ouled Younes,
e sete acampamentos Ouled-Nall, a fim de "prevenir qualquer tentativa".36
Em 1848, entre as destruições, citaremos a de Tameksalet, perto de Tlemcen,
as que foram praticadas entre os Zouagha, os Ouled Sidi-Cheikh, os Zouaoua,
a das aldeias Mzala perto de Bejaia, "a devastação" das aldeias e das colheitas
dos Beni-Abbes; em 1850, a destruição das aldeias Tifra do Sebaou, e o incên·
dio das de Beni-Immel do Guergour. Em 1851, Saint-Arnaud reincide: incen·
deia a 10 de abril, no rio Sahel, Selloum e os seus habitantes; em 12 de maio
as aldeias dos Ouled Mimoun e Ouled Asker; em 19 "mais de cinqüenta ai·
ARGÉLIA 1830-1998 249

deias cercadas de pomares e jardins"; em 26 e 27 as dos Beni Foughal; em 9 de


junho, três aldeias Beni'Aissa; em julho, no Collo, mais três dos Djebala, e
outras ainda antes de, em julho, serem incendiadas aldeias e colheitas mais a
oeste, no Guergour e na Soummam, entre os Ouzellaguen, os Beni AYdel e os
Beni lmmel.37 Ele próprio escreve, da Pequena Cabila: "todas as aldeias, cerca
de duzentas, foram incendiadas, todos os jardins saqueados, as oliveiras corta·
das". 38 De 1854 a 1857, a resistência da Grande Cabila acabou, derrotada
pelo incêndio sistemático das aldeias e das colheitas, isso após a recusa de
aceitar a submissão das tribos.39
As destruições urbanas atingiram a maior parte das cidades da Argélia
não-saariana, mesmo aquelas que não tinham visto combates. Entre estas,
especialmente as primeiras tomadas ao Estado turco antes da guerra popular.
Argel viu, desde 1831, segundo Rozet, o seu "pequeno arrabalde" de Babel·
Oued "destrufdo em parte" e as canalizações rompidas para "dar de beber aos
nossos cavalos". Blida foi saqueada e, quanto às "belas casas" de Oran, "os
nossos soldados destruíram-nas quase todas, a fim de tirar a madeira dos
assoalhos para cozinhar".40 Nas cidades que, após 1840, se renderam sem com·
bate (Tlemcen, Nedroma), a derrubada das proteções e a abertura de vias
destrufram inúmeras casas (em Argel, centenas). As cidades que resistiam
suportaram não só os assaltos e a destruição das proteções (um terço de
Constantina em 1837), mas também o saque após a ocupação. Clauzel sa·
queou e incendiou Mascara, capital do emir, de 6 a 9 de dezembro de 1835, de
modo que em 1838 o subúrbio de Arqoub Ismail estava "em rumas e quase
despido de habitantes" e os de Baba Ali viviam "em cabanas ... em cima das
ruínas das suas casas" .41 A guerra generalizada a partir de 1840 multiplicou a
destruição de cidades. Nesse ano, Mascara e Medea foram mais uma vez
incendiadas. Em Miliana, "às destruições dos incêndios juntaram-se inevitá·
veis degradações, conseqüências do abandono da cidade (...) e das primeiras
necessidades da ocupação militar" .42 Em 1841, a tomada das cidades criadas
pelo emir deixou arrasada a sua capital, Tagdemt (perto de Tiaret), mas tam·
bém Scai'da, Sebdou, Boghar, T'aza, ao mesmo tempo em que as tentativas
para retomar as que já tinham sido perdidas eram castigadas com novas des-
truições em Miliana, Medea, Mascara, em 1842 em Tiemcen, em 1843 em
Tenes, Laghouat, Biskra.
Todas estas destruições foram acompanhadas pela fuga dos habitantes: de
todos os judeus e muçulmanos de Miliana; de todos de Medea, Mascara,
Chercel, Tenes; de 7 mil dos 10 mil habitantes de Oran, de mais de um terço
250 O UVRO

o~

t. dade a origem, o objetivo final


~ e tcrraS fértei.s ", tinha dito
c.olonOi, sem perguntar a quem

1.c:wno com a prc!>Cnça colo·


'J."111''· ~..-o de 1830, Caruran1in .1 em

de um pov m;;nto rural ou


obnpJo ao ltgt'( ou b
bimtt Vt-lUUO OU 11U(\'10lll.
O ªe ulho doa fdialu in' do
amigo E.atado (~UI.) e i;e d1 ~ - · 1r:. •
- depois n pla.nfciC$ de Bône e de Orão. e ap6. 18) 7
inicialmente mtreguõ cm aluguel pccul e1 que u \'amo
:mtil,'OS rendeiro&, de~iu c.on idas em Qll.:lnod a c3dA ei rruu ca: OI
94. 796 hectare~ ~ hoow:lu em 1 38. A expropn .ão d tcmu 'ardi du
coletividades ~guiu logo a !Cg\lir, p ~ descru!ç e c.xronõcs
para ocupar su~ rruelhom tcrraJ, ckpols da c.oloaiçã aob seq1lcstro 00 de
AROÊLIA 18J0- 1998

confl e<» de árco m tftul°', c m centr05 de coloni zação povoados especial-


mente com os dcportoJo Je junho de 1848. Esse "acantonamento" ocupa
freqUcntcmcntc mais de metade do 'arch. Uma extensão de 224.993 hectares
de 'azel foram perdidos pa ra os se us 5.232 exploradores , expulsos antes do fim
do Segundo lmpfrio. Se o obj e tivo da decisão de 1863 é estabelecer aproprie-
dade das tribos, isso vai sobretudo pe rmitir destacar eventualmente seções
não reconhecidas das melhores terras. O seqüestro, prejudicando as tribos
refugiadas no Marrocos ou castigando os insurrectos de 1863-1864, coloca as
terras mais férteis à disposição da colonização: uma reserva de 568.817 hecta-
res em 1871, 47 tirando dos Cabilas as pastagens de inverno das planícies e as
alras planícies produtoras de cereais de Medjana; esse seqüestro é acompa-
nhado da deportação dos Hachem dessa planície para a estepe árida do Hodna
e aextorsão, como contribuição de guerra, de 27.4 52 mil francos-ouro, colo-
cando populações inteiras à mercê de empréstimos usurários. Esta extorsão
beneficia, a parrir desta fase, a concentração do capital imobiliário, pela inter-
1·cnção do crédito bancário em proveito dos mais ricos e, depois disso, pelas
grandes conces õcs entregues à subexploração latifundiária: vinte mil hecta·
~para a Société Gencvoise , perto de Setif a partir de 1853; 100 mil para a
Société Généralc Algé rienne em 1856, cm pleno "Reino Árabe•, contra um
empréstimo de 100 milhões de francos-ouro. Ela desestruturou e empobreceu
asociedade rural , colocando-a à mercê de "compras" imposta.s, enquanto, já
ames do seqüestro de 1871, mais de 500 mil hectan:s tinham sido retirados
pela colonização, 96% dos quais pdo Estado colonial. Este tem , de resto, in·
corporado ao · u domínio ou to m ado comunais ãr.:us de igual exten.s.ão.

Al corueqürncias: o "desa.me dcmogr fico '' ~lir

para o país, como bem


68, um wJ esastre dcmo-
n · combates, os massa-
lcv:mrnmentos de fundos, a

)
254 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

tiu a epidemia de cólera de 1867, que provocou devastação entre os "ind(.


genas mal vestidos e mal nutridos" e gerou a fome que em 1868 levou popu-
lações para a planície, "onde esperavam encontrar aveia e trigo ... , massas
compactas de árabes (que) abandonaram os seus acampamentos para virem
implorar a compaixão dos colonos. As nossas cidades e os nossos campos
encheram-se com essas multidões esfomeadas" .54 Esse relatório, que "avalia
em mais de 300 mil o número de vítimas", está, como se viu, muito abaixo
da realidade.
Não é possível avaliar os efeitos humanos do primeiro desastre, dada a
falta de dados sobre os movimentos demográficos; pode-se apenas avaliar os
do segundo nas cidades. Sari fomece 55 toda uma série de curvas de evolução
da mortalidade em Medea, Miliana, Mostaganem, Oran, Tlemcen, Mascara,
Constantina, durante os anos de 1860 que mostram freqüentemente (em Oran,
em Constantina) um movimento natural negativo ao longo de todo o perío·
do, apenas exacerbado de 1866 a 1868, surgido por vezes (em Tlemcen) em
1865, novamente acentuado em 1867 e sobretudo em 1868, e mantendo-se,
de forma menos marcante, até 1870. Os efeitos dos invernos são ali muito
acentuados. Em Miliana, o resultado é um pouco negativo para os europeus
(mas não para os judeus) em 1867 e 1868, e para os muçulmanos da comuna,
salvo em 1865 e 1870, com 485 mortos em 1867 e 1868, depois 354 mortos
por cada 3 mil habitantes (16,2 depois 11,8%!) e um déficit de crescimento de
379, depois de 281 indivíduos. O sinal de uma sobremortalidade rural pelo
menos tão grave está na inscrição (normalmente insignificante) de 107 des·
conhecidos, e depois de 486 exteriores à comuna que chegaram para se refu·
giarem e morrerem nesses dois anos.

As conseqilências: o povo francês empobrecido e martirizado

Embora a conquista colonial signifique para a Argélia a integração a es·


truturas de exploração colonial comandadas por uma minoria de recém·che·
gados considerados representantes da França, esta mudança nem por isso se
faz com vantagem para o povo francês .
Durante esses quarenta e um anos as despesas públicas, a cargo do tesouro
francês, tiveram de fazer frente às despesas de guerra e ao mesmo tempo às
despesas civis dos ministérios da metrópole (Cultura, Justiça, Instrução Públi·
ca, Finanças), bem como às que se destinavam a cobrir o déficit argelino. Em
todo este período, a participação real do Estado francês nas despesas civis
ARGÉLIA 1830-1998 255

chegou a 192 milhões de francos-ouro 56 (cerca de 2,7 bilhões atuais), dos


quais 37% (71 milhões) usados para cobrir o déficit do orçamento argelino.
Ora esse déficit não diminuía, tanto em função das facilidades fiscais concedi-
das às empresas coloniais quanto pela diminuição crescente de bens tributáveis
argelinos, devido às pilhagens, destruições, transferências de propriedade,
abusos dos "impostos árabes" e das sanções impostas a um povo empobrecido
incapaz de pagar. A contribuição da metrópole, que em 1836 correspondia a
45% dos recursos locais (2,5 milhões-ouro), elevava-se a 59% desses recursos
(3,15 milhões) em 1839, 54% (8,5 milhões) em 1841e101 % (12,86 milhões)
em 1844. Em 1836, 11% (2 .316 mil francos-ouro) correspondiam a simples
despesas civis - um quarto das despesas totais - , despesas improdutivas
consagradas simplesmente à administração. De 1831 a 1849, essas despesas
representavam muito pouco em comparação com as despesas militares, intei-
ramente cobertas pelo orçamento de guerra francês: em 1839, só os créditos
do serviço de saúde e da engenharia militares (6.893.038 francos-ouro)
correspondiam a 80% do orçamento civil total e, em 1863, ano de trégua nos
combates, a previsão de despesas do exército atingia 62.067 .553 francos-ouro
(perto de um bilhão hoje) .
Os lucros iam para as empresas coloniais, em primeiro lugar as financeiras
e comerciais, sem enriquecer nem equipar a Argélia, salvo no necessário para
instalar a colonização e drenar a produção. A instalação de um sistema de
trocas de produtos brutos da colonização, então agrícolas, em mais de 40% do
seu valor- cereais exportados e importação de farinha, mesmo em 1867! 57
-contra importação de produtos elaborados, criava aqueles lucros e ao mes-
mo tempo um déficit permanente da ordem dos 40 a 50 milhões de francos-
ouro (entre 20 e 50% das exportações), levando as exportações a menos de 10
milhões em 1850, a 108 milhões em 1864, e 165 milhões em 1872; e as impor-
tações de 50 a 130 milhões, depois a 206 milhões. 58 Era também esse déficit
que compensava o gasto de fundos públicos.
As perdas humanas, afetando sobretudo agrupamentos populares incapa-
zes de pagar os substitutos para o serviço militar de sete anos, ultrapassaram os
200 mil mortos durante esses quarenta anos. Com efeito, a guerra reteve anu-
almente, pelo menos até 1871, mais de 70 mil soldados da metrópole (73.188
em um efetivo total de 83.870 em 1844, 70.611 do total de 83.870 em 1859,
anos relativamente calmos) e muitos mais quando das ofensivas e sublevações
(em 1835-1836, 1840-1842, 1845-1846) quando eles foram bem mais de 100
mil: um para trinta argelinos, mulheres e crianças incluídas. Aconteceu o
256 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

mesmo em 1857, 1863-1865 e mesmo em 1871, antes da insurreição, enquan·


to o exército alemão invadia a França.
Desses efetivos, os 125 mil mortos nas ambulâncias e nos hospitais, ou
seja, mais de 3 mil por ano (4%) , correspondem, numa população de jovens
fisicamente "aptos", a duas vezes a taxa média dos falecimentos civis de en-
tão. Para uma taxa de 1% do efetivo nos anos calmos (em 1861-1863), ou 2%
(em 1852-1853), chega-se a 4% em 1847, 5% em 1838 e 10% em 1832-1833;
ou, a 14% (9.587) em 1836-1837, 12% (7.802) em 1840 e 1841, no início da
guerra contra Abd el-Kader, e outro tanto em 1851 e 1857, quando da cam·
panha das Cabilas, em 1859 e em 1871. O que significa que mais de 100 mil
desses mortos foram vítimas direcas da guerra. O número de mortos em com·
bate, quando é mencionado (254 em Macra em 1835, "centenas" em Tafna
em 1836, mais de mil em 183 7 nos dois assaltos a Constantina, 108 em Mitidja
a 21 de novembro de 1839, 332 no desfiladeiro de MouzaYa em 12 de maio e
15 de junho de 1840, 400 em Sidi Brahim em 1845, toda a coluna Beauprêtre
em 1864), é freqüentemente superior e raramente inferior a metade dos feri·
dos, e ainda bem mais do que os mortos por ferimentos nos hospitais. O que
permite um número aproximado das perdas totais.
Falta dizer que entre os generais do exército da Argélia figuram Cavaignac,
que, de volta à França, dirigiu a repressão assassina das jornadas de junho de
1848, e Saint·Amaud, organizador do 2 de dezembro de 1851 e da repressão
que se seguiu.

A exploração da ·~rgélia Francesa" (1871-1954)

A repressão da insurreição de 1871 permitiu durante 75 anos, e depois,


após uma repressão ainda mais sangrenta em 1945 e por mais dez anos, peno·
dos de "calma" favorável aos "negócios".

A "calma" do esgotamento

Trata-se, na realidade, do fim da resistência militar, apenas perturbada


por movimentos esporádicos. Foi obtida pela destruição física de uma parcela
importante da população, sobretudo masculina, da ruína econômica da gran•
de maioria, da desestruturação social e ruptura cultural em conseqüência dos
ARG~LIA 1830·1998 257

quarenta anos de guerra anteriores. É característico que os levantamentos


mais importantes ocorridos neste período, em 1881 entre os Ouled Sidi-Cheikh,
sob Bou Amama e em 1916 no Aures e no Saara, de caráter apenas local,
tenham sido feitos no sul, fora das regiões de colonização agrária, em zonas
socialmente menos desestruturadas, apesar da repressão anterior, mas vítimas
do código do indigenato. A primeira destas zonas, onde já se dera uma revolta
em 1881, estava submetida ao regime militar; a segunda recusou o alistamen-
to para a guerra estrangeira de 1914-1918 na Europa. É também notável que
o caso de Margueritte, acontecido perto de Miliana em terra colonizada, le-
vante problemas (não já diretamente de recusa de domínio e de insubmissão,
como os precedentes, mas de relações sociais) e questões políticas de resistên-
cia a um domínio econômico.
Éque, embora a potência colonial retome, a partir de 1880, nas orlas do
sul do país, operações militares para anexar o Saara (com o objetivo-nunca
verdadeiramente alcançado - de abrir ao capital francês uma via comercial
terrestre em direção ao seu império africano), a "pacificação" obtida pelo es-
gotamento deve permitir organizar, estabilizando as relações de domínio, a
exploração dos recursos e da força de trabalho do país. É contra essa explora·
ção, e ao mesmo tempo contra a dependência política e cultural que a possi·
bilira, que, a partir da Primeira Guerra Mundial, o movimento político se
organiza cada vez mais em tomo de uma reivindicação nacional. É contra
essa politização que a exploração colonial, desde o fim do século XIX, impõe
a legislação discriminatória, corolário da discriminação socioeconômica.

O que representa a "obra da França"?

Até a independência da Argélia, os estudantes franceses ouviram


exaltações à "obra da França"; depois de 1962, são reavivadas as memórias da
"infra-estrutura excepcional" legada pelo colonizador ao seu colonizado agora
independente: estradas, vias férreas, vinhedos, saúde, escolas etc., - sendo
entendido que a Argélia nada disso teria em 1830 e que tudo lhe foi "dado"
depois.
No quadro de um "revisionismo" colonial mais sutil, Jacques Marseille, na
edição da sua tese,~9 estima que a importância dos fundos públicos franceses
nesse pafsõ() atestaria a amplidão do "esforço metropolitano". Este teria assim
colocado no lugar "as estruturas geradoras do desequilíbrio", permitindo sa·
158 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

úsfazer a demanda "à custa do déficit comercial", esforço consentido "para


salvar a Argélia da miséria e da rebelião" .6 1 Apresenta como provas o fato de
que a posse do país "não teria sido de grande comodidade para a metrópole",
e a manutenção através desse financiamento - e das transferências dos emi-
grados - de um consumo local e, a posceriori, a constatação de que, com a
independência, "o desaparecimento da zona protegida não acarretou qual-
quer prejuízo grave"•2 para a França, ao passo que, segundo Les échos, do dia
12 de março de 1956, ela deveria ter conduzido sem dúvida ao desemprego. A
evolução favorável à "Argélia" dos termos de troca durante a crise e a Segun-
da Guerra Mundial provaria que a "França" não aproveitou para "impor pre-
ços inflacionados aos seus clientes argelinos (e) abastecer-se de forma bara·
ta".63 No limite, seria a generosidade do capital francês o responsável pela
degradação do "estado de equilíbrio (... ) da economia argelina" que Jacques
Marseille pensa constatar de 1914 a 1945, na "situação satisfatória das finan-
ças públicas e das trocas comerciais exteriores", suscitando, por meio da pari-
dade de salários com a França, a segurança social, os abonos de família, uma
"nova série de handicaps" para "atrair os capitais". O autor retoma, por outro
lado e por sua conta, a tese do Figaro, que afirmava, em 11 de outubro de
1953, que, "se a metade das ma55as rurais muçulmanas (... ) morre lentamente
de fome", isso é "conseqüência da higiene trazida pela França": o aumento do
déficit comercial exprimiria apenas "um desequilíbrio entre a evolução
demográfica e a evolução da produção".64 Marseille vê ainda o desenvolvi-
mento da infra-estrutura como o responsável pelo rápido agravamento da
dependência financeira após 1945.&1
Basta. O que é verdade nesta tese é a realidade dos déficits orçamentário
e comercial argelinos, de fato permanentes - exceto em 1931, quando os
termos de troca estão equilibrados ou até positivos. Esses déficits precedem
subsídios familiares e segurança social, na verdade atribuídos com parcimônia
a assalariados muçulmanos e nunca antes de 194 7, e uma paridade de salários
que nunca foi aplicada. Sustentar estas teses só é possível amalgamando as
realidades no seio de grandes categorias: "França" ou "Argélia", sem a{ distin·
guir muitas partes do público e do privado, do capital e do trabalho; classifi-
cando na Argélia "colonos", "sociedades mineiras" e "muçulmanos", sem se-
parar, por exemplo, o seu conjunto da pequena percentagem que contribui
para as exportações etc. É negligenciar a constatação, em 1955, pela muito
oficial "Comissão Maspétiol", da impossibilidade de acentuar a pressão fiscal
sobre as massas indígenas.
ARG~LIA 1830-1998 259

Na realidade, a demografia não deve à França mais do que as vacinas


(desconhecidas tanto na França quando na Argélia em 1830), aplicadas tar-
diamente face a contágios insensíveis à diferença entre colonos e indígenas.
Onúmero de médicos, incluindo funcionários, de 1.033 em 1939 e de 1.074
em 1943, só se elevou para 1.356 em 1945, 1.449 em 1949, 1.629 em 1952
(242 em hospitais), sendo 916 em Argel e Oran (um para cada 900 habitan-
tes, 64% europeus), e 713 para o resto do país (um para cada 11 mil habitan-
tes, 95% muçulmanos) . Enquanto J. Marseílle afirma que "um mínimo vital
(é) garantido minimamente para urna grande maioria da população", os anos
de 1941-1942 e de 1945-1946 reencontram, em pleno período de "equilíbrio
econômico" (por causa dele?), urna demografia próxima dos anos de fome,
1867-1868. Embora as estatísticas gerais mascarem este fato (em especial mortes
de crianças), isso é denunciado pelos registros civis urbanos, como três quar-
tos de século antes: em Setif,66 em 1942, a taxa de mortalidade (4,88%, quase
o dobro da taxa mínima, já elevada, de 1932, 1936 e 1948), ultrapassava a
taxa de natalidade, que foi igualada em 1945 (a 3,9%) apesar do falecimento
de crianças ainda não declarado, com os picos do inverno e do fim do verão e,
em 1945, num período de transição, de março a maio. Em Sidi Bel-~bbes,67
segundo as certidões, a taxa de mortalidade (4,77% em 1941, 5,32% em 1942,
4,8% em 1945) excedia a da natalidade (3,77%, depois 4%, depois 4,27%),
deixando um déficit de crescimento natural de 238, de 326 e depois de 135
indivíduos; este déficit era compensado em mais ou menos 115em1948, com
4,57% contra 5,08%, entre taxas habituais de ainda 2,52% em 1951e3,72%
em 1943, o dobro, apesar da juventude da população, das dos colonos de
então; nos bairros marginais, bem como no "loteamento" Sénéclauze, onde a
taxa de mortalidade se mantinha em 2,8% em 1951, provocada sobretudo
pelos 191 falecimentos por mil crianças com menos de um ano e onde a espe-
rança de vida no momento do nascimento não ultrapassava 17 anos. O mes-
mo acontecia nas zonas suburbanas de Tlemcen, Miliana e Nedroma, por
exemplo.68 As precárias condições sanitárias e a miséria dos campos agravava
ainda mais esse desequilíbrio, mesmo se a não notificação parecia dar um
aspecto de bem-estar. Em 1947, 1948 e 1949 tinham falecido em menos de
um ano 245, depois 195, depois 201 crianças por cada mil nascidos nas prefei-
turas e subprefeituras do pafs. 60 Pode-se perguntar quanto da diferença entre
as 276 mil crianças muçulmanas declaradas em 1948 e as 195 mil recenseadas
se deve a essa mortalidade infantil.
Do mesmo modo, a escolarização chegava a muito poucas crianças mu-
260 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

çulmanas de idade escolar, na esmagadora maioria meninos urbanos: em 1951-


1952, contavam-se 168.940 rapazes e 56. 796 moças nas classes primárias -
16% das crianças em idade escolar, ou 25% e 8,8% de cada sexo, contra 10%
em 1940. No entanto, segundo Rozet, 70 em 1830, "quase todos os homens
sabiam ler, escrever e contar" e "havia (em Argel) 100 escolas ... onde se ensi·
navam as crianças a ler e a escrever o Corão, e algumas vezes um pouco de
cálculo". A verdade é que no fim do período colonial a segregação não permi·
tia que as crianças "muçulmanas" tivessem acesso, a não ser muito excepcional·
mente, à escola primária, ao ensino secundário (um para cada cinco euro·
peus) e mesmo aos cursos complementares, onde eram 5.567, das quais 1.625
moças, 0,6% do seu grupo etário, comparado com 10.111 colonos; na Univer·
sidade, quando da independência, os muçulmanos não eram mais do que 5%.
Quanto à infra-estrutura técnica, existia apenas em função das exigências
da colonização e do capital. Em 1830 evidentemente não havia na Argélia
um só quilômetro de ferrovia - mas na França também não. Mas os 4.372
quilômetros em mão única, freqüentemente de bitola estreita, plantados a
partir de 1860, não representavam, em um território que tinha quatro vezes a
superfície e um quinto da população da França, mais do que um quinze avos
das vias férreas da metrópole, servindo apenas à minoria colonial e a um déci·
mo dos colonizados, equivalentes em número. No traçado e no tráfego, as
linhas férreas serviam apenas à necessidade de escoar para os portos os produ·

i tos de exportação, ligando Marrocos e Tunísia por Oran, Argel, Bône (~aba)
através das planícies colonizadas, levando a esses portos e a Nemours
(Ghazaouet), Bougie (Bejaia) e Philippeville (Skikda), zinco de Zellidja, alfa

i de Crampel (Ras·el·Mâ), de Bechar/Kenadza (com a hulha) e de Djelfa, tâ·


maras de Touggourt e Biskra, fosfatos e ferro do Kouif e de Ouenza. Todos os
postos não rentáveis de Tlemcen a Beni·Saf, no sentido de Arzew e
Mostaganem, mesmo os trigais de Tiaret, sobretudo nas Altas Planícies do
Leste entre Meskiana, Khenchela e Tebessa, já tinham sido abandonados.
Através de uma rede de escradas (traçada, como a linha de Bechar, por razões
estratégicas), os transportes rodoviários privados completavam, com 43.078
caminhões em 1951, 40% de uma frota automotiva em que as 56.391 viaturas
particulares correspondiam à taxa francesa de serviço de transportes (1 para
40 almas) incluindo o milhão de europeus e um argelino em cada dez.
ARG~LIA 1830-1998 261

Ofertas? Sim, não à Argélia, mas ao Capital


O que resta de verdade na tese de J. Marseille é a constância dos déficits,
salvo em certos anos entre as guerras mundiais. Mas trata-se de déficits públi·
cos que não têm origem em despesas de interesse geral, muito menos sociais,
realizadas "para a Argélia". Como se viu, "o estado de equilíbrio" ligado à
"situação satisfatória das finanças públicas" de 1914 a 1945 não é acompa·
nhado de modo algum por "um mínimo vital relativamente mantido para
uma grande maioria da população" 71 que, antes de 1941-1942 e 1945, conhe-
cia taxas de mortalidade urbana que ultrapassavam 4% de 1911a1929, 4,5%
de 1917 a 1922 e de 1927 a 1929 e mesmo 5% em 1920-1922. Estas taxas
estão ligadas à desnutrição, à ausência de cuidados e ao déficit demográfico. É
que, como nota A. Nouschi, apenas "5 a 10% dos indígenas (estão) inseridos
no movimento comercial" e, como reconhece Marseille, n a diferença em re·
lação ao preço pago ao produtor conta muito.
De fato, as despesas do Estado resultam da fraqueza do investimento pri·
vado e da ajuda fornecida a este para realizar lucros. O próprio J. Marseille o
diz, quando mostra, 73 em 1927, "os viticultores franceses exasperados pelas
importações da Argélia, submetidas a cargas fiscais infinitamente menores",
subvencionadas, pagando a gasolina dos tratores por cinco vezes menos, e
quando lembra a ausência de segurança social. A citação que ele faz de Giscard
d'Estaing retomando as palavras de H . de Molinari em 1898, segundo o qual
a "Argélia tinha já custado mais de 4 bilhões (e) reclama todos os anos de 20
a 30 milhões à metrópole para cobrir o seu orçamento", sublinha a perrnanên·
eia do desequilíbrio entre a entrega desses fundos públicos e a fragilidade do
esforço privado para retirar os seus lucros: se, de 1865 a 1937, as despesas
públicas como capital de primeiro investimento chegaram a 1,531 bilhão de
francos, 74 em comparação, o capital social das companhias não ultrapassou 94
milhões. A Argélia, para esse autor, é, com a Indochina, um dos dois donúnios
de "bons negócios" ... "nos quais estão implantadas 20 das 32 sociedades" 75
que tiveram mais lucros.
Na verdade, esses "bons lucros" foram obtidos à custa do povo argelino e
em benefício de uma minoria de proprietários coloniais e das grandes socieda-
des capitalistas francesas, sobretudo mineradoras ou comerciais. O mais claro
é a transferência de terras, a partir da lei Warnier (1873), realizada mais por
meio de transações forçadas (dívidas, hipotecas etc.) do que por atribuições
oficiais, muito freqüentemente a favor de homens de negócios das cidades.
262 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Nos anos 1950 essas transferências deixam nas mãos de 20 mil proprietários
cerca de 2,7 milhões de hectares, um terço (o melhor) das terras cultiváveis
do pafs, metade pertencente a apenas 10% deles. Quase 99% dos proprietári·
os argelinos dividem os dois terços restantes, reduzidos a uma produção insu-
ficiente ou ao trabalho assalariado, eventualmente complementar. Eis o prin·
cipal fator do êxodo rural.
Nos anos que precederam a Segunda Guerra Mundial e nos seguintes, a
diminuição da produção e as dificuldades devidas à crise e depois à guerra
provocaram a queda das exportações francesas e, conseqüentemente, a redu-
ção ou mesmo eliminação do déficit da balança argelina. Esse déficit, acresci·
do, como se viu, de 28 a 90 milhões de francos-ouro de 1863 a 1873, cresceu,
de 1950 a 1954, em 34 a 78 bilhões de francos, com a França, mas também
cada vez mais com outros países.
De 1950 a 1953, o orçamento da metrópole atribuiu à Argélia 286 bilhões
de francos (cerca de 40 bilhões de francos atuais), dos quais, segundo a Co-
nússão Maspétiol,76 em 1953, "50%... parecem poder ser considerados como
uma ajuda à Argélia" . Assim, em 1953, de 93 bilhões de francos, 62 eram
relacionados com despesas de funcionamento, dois terços das quais militares,
servindo os créditos de investimentos (35,7 bilhões) para reembolsar emprés·
timos anteriores (6 bilhões) e 27 bilhões para subvencionar as empresas colo·
niais em 6% das despesas, ou conceder-lhes empréstimos por 27%. Estas se
beneficiavam de "vantagens já acordadas em matéria fiscal", das quais o Rela·
tório Maspétiol sublinhava a importância. A carga fiscal, de 33% na França,
baixava para 19% (16,4% na metalurgia, contra 28,4; 16,2% nos têxteis, con·
tra 26,2%); em face de impostos sobre o rendimento imobiliário e benefícios
agrícolas reduzidos de 6% do orçamento em 1949 para 1,8% em 1953, as
taxas sobre os salários duplicaram, o imposto sobre o rendimento foi mantido
a uma taxa constante e os impostos indiretos aumentaram. Isso era prolongar
a tendência permanente de "fazer os pobres pagar" aplicada um século antes,
quando os muçulmanos, de 1863 a 1872, tinham fornecido em "imposto ára·
be" e em contribuições de guerra 28% do orçamento argelino, contra 2,8%
fornecido pelos beneficiários da colonização; ou em 1890, quando os "impos·
tos árabes" forneciam três quartos das contribuições diretas (15% dos recur·
sos orçamentais), quando os colonos ainda eram isentos de imposto imobiliá·
rio. No PlB argelino de 1953, a parte dos lucros era de 47% (239 bilhões de
francos), a dos salários somente de 34% (160 bilhões), e a proporção dos capi·
tais acumulados reinvestidos localmente de 52%: o repatriamento do resto
ARG~LIA 1830-1998 263

(46 bilhões nesse ano) e o montante do déficit comercial representavam o


êxodo dos capitais que os fundos públicos vinham compensar.

Omassacre e as reivindicações políticas crescentes

Uma legislação de exceção mantendo a segregação foi a arma utilizada


para impor aos argelinos uma situação de desigualdade, legalizando sua explo-
ração. O código do indigenato, legalizado em 1874, estendido às "comunas
mistas" dos territórios civis em 1881, revisto em 1881, depois em 1914, sus·
tentou esse apartheid até à Segunda Guerra Mundial. Definia uma série de
delitos específicos dos argelinos muçulmanos, que iam das "palavras contra a
França e o Governo" até o "atraso no pagamento dos impostos" e colocava-os
sob o arbítrio, não da justiça, mas da administração exercida por funcionários
nomeados pelas autoridades. Este processo de exceção, que comporta, além
das penas de privação de liberdade, penas de trabalho gratuito e de seqüestro,
persistirá após a Segunda Guerra Mundial, sem os "Territórios do Sul" sob
administração militar. Soma-se a isso um código florestal que exclui os argeli·
nos de uma fonte essencial e, ignorando direitos elementares, admite respon·
sabilidade e sanções coletivas. Este processo é reforçado, em todo o território,
a partir de 1935, pelo Decreto Régnier, que ameaçava com prisão e multas
"quem quer que tenha ... instado ... indígenas argelinos ... a desordens ou a
manifestações contra a soberania francesa".
Essas são as únicas respostas dadas, entre as duas guerras mundiais, a um
movimento político que inicialmente reivindica justiça e acesso à igualdade,
para os notáveis, pelo direito à gestão, mesmo que limitada, dos seus próprios
negócios, seja a uma cidadania francesa sem imposição da renúncia ao esta tu·
to pessoal. Essas respostas, a partir da migração para a França de trabalhado-
res argelinos, são as dadas à reivindicação nacional, conduzida, nos anos de
1920, pela Étoile Nord-Africaine. Criada por Messali Hadj com o apoio dos
comunistas franceses, desiludida nas suas aspirações, como todo o movimen-
to nacional, pelos desvios do "Front Populaire", ela toma-se o PPA (Partido
Popular Argelino). Proibido e com os seus líderes na prisão, reivindica a inde-
pendência, tal como a UDMA (União Democrática do Manifesto Argelino),
que, representando principalmente a pequena e média burguesia, não rejeita
a manutenção de laços com a França.
Estas reivindicações, associadas à celebração do armistício (entendido
264 O LIVRO NEORO DO CAPITALISMO

como o anúncio da liberdade dos povos) e intoleráveis para o capitalismo e os


dominadores coloniais, têm como resposta, em 8 de maio de 1945, a proibição
das manifestações e, em Setif e em Guclma, bandeiras arrancadas e os primei·
ros tiros. As 88 vítimas da reação dos manifestantes levam à repressão pela
qual o capital colonial acreditava afirmar seu poder, cm especial sobre toda a
região ao norte de Setif, os Babar, onde há resistência. Bombardeios aéreos,
bombardeios navais do litoral, pilhagem da região, destruição de fazendas e
aldeias, deslocamento de populações inteiras, execuções sem julgamento, tra·
balhos forçados nas florestas, afogamentos etc., em Kherrata somam-se aos
1,5 mil mortos oficiais em "operações", um número de mortos avaliado
freqüentemente em 45 mil e, segundo os próprios militares franceses, em de 6
mil a 8 mil.
A ruptura do 8 de maio permite, no entanto, que continue a exploração
pelo capital colonial: o estatuto da Argélia faz dos argelinos cidadãos de se·
gunda classe no seu país, não tendo mais do que um número reduzido de
eleitos na Assembléia Argelina, no Parlamento francês, nas Assembléias lo·
cais, número dez vezes menor que o dos colonizadores. Nessas eleições "à
argelina", reina a fraude, sistematizada pelo socialista Naegelen, continuando
as "comunas mistas" a administrar a maior pane dos espaços, sobretudo ru·
rais, de povoamento argelino dominante. É o meio escolhido para que, com a
repressão e as manobras de divisão do movimento nacional, em especial entre
partidos, mas também no seio do MTID (Movimento para o Triunfo das Li·
herdades Democráticas), a exploração possa prosseguir. É essa constatação
que leva à insurreição um núcleo saído da OS (Organização Especial), divisão
do PPA, que em 111 de novembro de 1954 inicia a ação armada que oito anos
depois levará à independência.

1954-1962. Uma guerra para continuar a exploração

Volta dos massacres, das destruições, das desestruturações

O número de mortos argelinos na guerra da independência é incerto,


embora se situe, sem dúvida, entre o milhão e meio afirmado pela FLN e os
330 mil das contas oficiais francesas, que têm o cuidado de não somar os
cadáveres das valas comuns descobertas de tempos a tempos. A não coinci•
dência dos resultados dos recenseamentos de 1954, 1960 e 1966 e dos balan·
AROÍ'.LIA 1830-1998 265

ços do crescimento natural feitos a partir dos registros deve ser analisada ten•
do cm conta o aumento da subdcclaração, quer dos nascimentos quer dos
falecimentos. Esta é evidente no caso dos nascimentos, cuja taxa, de 1950 a
1955, se mantinha constante entre 4,2 e 4,4% e que a partir de 1962 se eleva·
rá a perto de 5%. E afeta os falecimentos, cujo nómero declarado, durante
esses oito anos, supera os 115 mil de 1954 (mesmo número de 1963), chegan·
do a um número entre 140 mil e 154 mil depois de 1956, ou seja, uma
sobremortalidade anual de 0,4 a 0,5% (já então acima dos números oficiais
franceses) . O recenseamento de 1960 encontra, além disso, 168 mil habitan·
tesa menos do que previa o crescimento natural declarado, no momento em
que a emigração para França começou a diminuir; e o recenseamento de 1966
apresenta um outro déficit de 160 mil, atribuível, no essencial, aos anos de
1960-1962, que seria apenas devido ao regresso dos refugiados em 1963-1964.
Podemos desse modo considerar verosímil a perda de 600 mil vidas humanas
argelinas, sem contar os mortos franceses, devido à obstinação do capital co-
lonial francês, sobretudo depois das descobertas dos hidrocarbonetos saarianos,
em conservar a Argélia. É muito mais do que as simples vítimas dos combates.
Aos mortos na Argélia devem ser somadas as destruições de aldeias, de
culturas e de florestas, bem mais eficazes do que as da guerra de conquista que
ignorava bombas e napalm, ou muito mais ainda do que os delitos florestais,
verdadeiros ou suspeitos, que o código específico castigava; e o deslocamento
das populações (de pelo menos 1,8 milhões de almas), 77 expulsas das zonas
proibidas, afastadas das suas culturas e "reagrupadas" (concentradas) na pla·
nkie, em zonas de apropriação colonial mecanizada sem oferta de trabalho,
ou em tomo das cidades. O êxodo rural, iniciado no final do século passado
pela proibição de posse pelos camponeses, fellahs, reforçada depois de 1918
pela supressão de empregos ligada à mecanização da agricultura, é exacerba-
do, acentuando o desequilíbrio e a distorção entre povoamento e economia
das cidades desprovidas de habitat (até o êxodo colonial de 1962), de infra-
estrutura social e industrial.

& repercussões nefastas sobre a França

O desequilíbrio financeiro e déficit orçamental acentuam-se na França de


1954 até à independência, em função do aumento de despesas militares que
tinham provocado seu surgimento 124 anos antes. Desde 1955, a contribui·
266 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

ção do orçamento da metrópole para o da Argélia tinha crescido um terço -


de 107 para 140 bilhões de francos 78 (cerca de 17 bilhões atuais)-, fora as
despesas militares devidas ao envio, em 1954-1955, dos "reservistas" e mais
tarde das tropas convocadas e ao prolongamento por um ano do serviço mili·
tar, permitido pela concessão de "poderes especiais" a Guy Mollet, em março
de 1956.
Esta política de conservação da "Argélia Francesa" consagra somas cres·
centes à manutenção no território, até 1962, de meio milhão de homens, ou
seja, um oitavo do efetivo dos exércitos franceses de 1916, ou perto de duas
vezes o dos exércitos franceses da Libertação (1944-1945) . Há uma série de
atos de violência, em primeiro lugar o 13 de maio de 1958, que "autoriza" a
presença da Quinta República com o apoio do capitalismo francês. J. Marseille79
reconhece "que os grupos patronais participaram na campanha pela Argélia
Francesa", mais tarde prolongada pelo "complô dos generais", pelas "barrica·
das de Argel" e pela OAS, culpada tanto de atentados em França como de
massacres na Argélia, mesmo que ele não queira ver nisso "uma prova formal
do apego daqueles à forma colonial do imperialismo". Tais violências, na França,
se refletem também na atitude racista da polícia, que pratica a "caça por apa·
rêm:ia" e encontrarão seu paroxismo em 17 de ourubro de 1961, após a chega·
da à chefia da polfcia de Maurice Papon, ex-prefeito de Constantina, quando
200 argelinos em manifestação pacífica são mortos, principalmente por afoga·
menta no Sena, por comandos da polícia.80 Essas violências são exercidas tam•
bém contra os franceses que protestam dois meses depois em Charonne, onde
nove manifestantes morreram.

O interesse petrolífero. Déficit agravado, lucros aumentados

Desde antes do 13 de maio, as descobertas de gás e petróleo na Argélia


(Edjeleh, Hassi Mass'aoud), interessando inicialmente a CFP, Esso-Rep e a
SN Repa! tinham trazido novas motivações para o prosseguimento da guerra.
Um plano de partilha à israelita, sugerido por Guy Mollet, tinha sido prepara•
do para De Gaulle por Allain Peyrefitte,81 reagrupando população colonial e
instalações petrolíferas fixadas em Arzew, entre Mitidja e as planícies de Oran
e Sidi be\.'Abbes, com os corredores saarianos dos oleodutos e gasodutos, dei•
xando aos argelinos a Argélia não petrolífera, não vitffera e não produtora de
cftricos.
ARG~LIA 1830· 1998 267

A partir do lançamento, em 1959, do "Plano de Constantina", às des·


pesas ligadas à manutenção no território de meio milhão de homens se
somaram às destinadas a "amarrar a Argélia à França", promovendo, as-
sim, "uma forma de descentralização metropolitana". 82 Esta nova orienta·
ção é fruto da constatação do ministério da Argélia, em 1958, de que "os
limites naturais da agricultura levam a admitir que a indústria deve ser a
base principal da expansão" .83 Esta idéia provoca a aceleração da pesquisa
e da produção de hidrocarbonetos. O regime gaulista cria a empresa públi-
ca ELF/Argélia e, apenas em 1958-1959, são investidos 188 bilhões anti·
gos que permitem, em dois anos, a exploração de jazidas que podiam pro·
duzir anualmente 20 milhões de toneladas. A idéia também determina
essencialmente, com poucas exceções (Berliet, Michelin), investimentos
públicos de empresas nacionais (Renault) e sobretudo os primeiros gastos
estatais maciços em estrutura, que entre 1950 e 1955 não tinham passado
de 14 a 25 bilhões84 (de 27 a 18% dos fundos públicos civis transferidos).
Essas despesas reforçam a densificação estratégica da rede de estradas pe·
los militares, multiplicam as "cidades" de urgência ou as que "acolhem" as
famílias argelinas de sete ou oito pessoas em "alojamentos" de um ou dois
cômodos, e servem sobretudo como um substancial suporte para inves-
tidores privados. Em função da anunciada meta de aumentar o nível de
vida em 5% através da criação de 875 mil empregos não-agrícolas, e com
o estímulo oficial aos "industriais", que receberiam da Argélia (além de
uma certa expansão prevista do mercado) uma ajuda na instalação das
empresas85 (ajuda fornecida pelo orçamento francês), "todos os relatórios
apontavam evasões de poupança" .86 Assim, nesse período, o investimento
público fez o possível para compensar a ausência de financiamentos priva-
dos e permitir, apesar disso, a obtenção de lucros, que em sua maioria
foram repatriados. Mendes-France, ao declarar, em 11 de abril de 1961,
que "a Argélia custa-nos (... ) mais caro do que aquilo que nos fornece", 87
omitia o retorno do capital privado. Resta dizer que, pela primeira vez na
história da colonização, decerto na ilusão de poder garantir sua utilização,
o Estado capitalista colonial francês criou na Argélia (e deu a ela em 1962
com a independência), uma estrutura produtiva, embora concebida ex-
clusivamente para as necessidades do capitalismo francês.
268 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

1980-1998. Para o "ajustamento estrutural" através do


terrorismo islamico

É um aparelho produtivo criado para as necessidades nacionais argelinas,


oferecendo quatro vezes mais empregos que antes da independência e na di·
reção de uma estruturação amplamente integrada, o que a abertura para o
"mercado" neutraliza a partir de 1978-1980, antes de o imobilizar e destruir,
desestruturando novamente a sociedade argelina. Durante os dezoito anos
anteriores, ao longo dos quais a Argélia esteve ligada ao capitalismo interna·
cional apenas pela troca de 95 a 98% dos seus hidrocarbonetos por importa·
ções sobretudo de equipamentos (mais de um terço) e de matérias-primas e
produtos semi-acabados (outro terço), a produção de energia (sobretudo ele-
tricidade) tinha sido multiplicada por sete. A produção industrial diversificada,
sobretudo pública, tivera seu valor mais do que triplicado, atendendo a mais
de metade das necessidades. A agricultura, apesar da diminuição dos vinhe·
dos com o fim das subvenções, tinha-se mantido constante, mas para uma
população que tinha quase dobrado de tamanho e era mais exigente. As ex·
portações petrolíferas (8 bilhões de dólares) representavam apenas 15% do
PIB, quadruplicado desde a independência, e que representava por habitante
2,3 vezes o da Tunísia, 4 vezes o de Marrocos. A divisão das criações, planifi·
cada para reequilibrar, entre regiões e entre campos e cidades, o emprego e o
povoamento, implicava a aceitação de custos maiores, acrescidos do pedido
de habitação e de necessidades sociais: escolarização primária elevada a 75%
(60% para as moças), escolarização média a 40%, e secundária a 25%.
Foi abrindo espaço para o instrumento clássico da penhora colonial, a
dívida, contraída para responder com importações às dificuldades nascidas do
aumento de demanda e retomar a uma produção não-competitiva para diver·
·~ sificar as exportações, que a Argélia se rendeu ao grande capital. Mas a
recolonização, que já não é o feito de um Estado, passa pela sua integração
subordinada à "nova ordem mundial". A busca de um aumento do valor das
exportações através da muito custosa valorização dos hidrocarbonetos (o pia·
no "Valhyd") provocou o aumento da dívida externa de 11 bilhões de dólares
em 1978 para 19 bilhões de dólares em 1980. A tolerância com um mercado
paralelo nascido das dificuldades vividas em especial pelas classes mais abas·
tados, e com o câmbio que corroía o valor do dinar, o que dava lucros às
classes dirigentes, explica a perda de poder do "Front" em classes sociais opos·
tas, o que o levou a ligar-se à burguesia. Sob a presidência de Chadli, a dimi-
ARG~LIA 1830-1998 269

nuição e posterior fim dos investimentos públicos produtivos, as sucessivas


alterações do teto das capitalizações privadas, a abertura ao capital intemaci·
onal (freqüentemente graças ao pagamento de comissões), o reconhecimento
do tráfico de divisas, a "reestruturação" de empresas públicas visando a maior
rentabilidade mas muitas vezes à custa da produção, como as das unidades da
Revolução agrária, agravaram a dependência do capitalismo argelino nascen-
te, ele próprio ligado ao seu equivalente estrangeiro. Tomado "capitalista" e
parando de investir, o Estado viu a sua dívida chegar a 25 bilhões de dólares
em 1986, devido à queda do preço do petróleo bruto, enquanto o serviço
anual da dfvida ultrapassava o superávit comercial. O reescalonamento auto·
rizado em 1994 (até 1998 e 2002) foi feito sob as condições do FMI, e os
ajustes estruturais, depois de quatro anos, levaram à abertura, à desvaloriza·
ção, às privatizações e à liberalização. Os esforços do "bom aluno" não impe-
diram, no entanto, no inverno de 1998, que os "bons resultados"
macroeconômicos fossem anulados pela queda do preço do petróleo bruto, na
ausência de novas fontes de receita.
Efetivamente, as conseqüências são, em primeiro lugar, a queda radical da
produção, quase sempre à metade, que se devia ao envelhecimento do
maquinário, que não era renovado - assim como não havia importação de
matérias-primas e produtos semi-acabados - , e à diminuição do mercado
interno e à falta de competitividade frente aos concorrentes do "Norte".
Foi, na lógica neoliberal, o ajuste do nível de emprego a essa queda88 que
provocou, só em 1997, o fechamento de 300 empresas públicas e a demissão
de 132 mil pessoas, que se juntaram aos 2,5 milhões de desempregados - um
terço dos argelinos na ativa. É o prolongamento da desestruturação da socie-
dade argelina iniciada nos anos 1980, pelas medidas que visavam a impedir
qualquer oposição operária e buscar o apoio islâmico: artigo 120, de 1982,
impondo aos sindicatos as direções da FLN, o código de farnflia em 1984, a
segregação social expulsando dos bairros de "standing" os elementos popula-
res marginalizados oferecidos ao populismo islâmico. 69
São também os atentados e os massacres do terrorismo islâmico, ma·
nipulado, muito antes de 1990, por lfderes ligados ao poder do Estado e ao
neoliberalismo - tanto o da burguesia argelina quanto o das multinacionais
- com eixo nas capitais ocidentais, sobretudo em Londres. Eles instrumen·
talizam uma identidade que querem confundir com o islã na esperança de
recrutar os marginalizados do sistema, em especial nos subúrbios. A violência,
utilizada desde os anos 1980 (pelos guerrilheiros de Boufali, entre outros),
270 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

tem origem numa estratégia fascista do terror. Visou, antes de 1995, sindica-
listas e intelectuais, artistas e jornalistas, e cri tores e universitários que a com-
batiam; depois, além dos estrangeiros não-muçulmanos, a massa, homens,
mulheres, crianças, aqueles que desobedeciam trabalhando, votando, estu·
dando, em especial nas aldeias isoladas, em 1995-1996 e no inverno de 1997-
1998; depois os marginais que tinham escapado e reencontrado aqueles que
tinham fugido nos novos bairros periféricos de Argel. Esse terrorismo, de que
pouco se sabe, destruiu também unidades de prcxiução públicas, nunca priva·
das nem pertencentes ao grande capital estrangeiro, estabelecimentos púbU-
cos escolares, sanitários e sociali, em paralelo com sua desestabilização pela
especulação e o ajuste estrutural. A morte de 36 mil civis em seis anos, segun·
do as estaústicas oficiais, sem contar membros da polícia e do exército, é o
resultado mais dramático. O recomeço, por razões de segurança, do êxodo
rural maciço em direção às grandes cidades que tinha sido interrompido nos
anos 1970 e que freqGentememe implica o abandono das plantações, indica
um futura crise, assim como o aumento da mortalidade, inclusive infantil,
com a degradação dos serviços de saúde. A queda nas taxas de natalidade,
que fora interrompida entre 1990 e 1994, já não se deve ao planejamento
familiar, como depois de 1972, mas a uma ausência de ordem.90
As multinacionais, americanas, canadenses, japonesas, coreanas ou itaU·
anas, investem atualmente sobretudo em petróleo, de onde podem facilmen·
te tirar sua parte desse rendimento. Juntamente com os capitais franceses,
que estão preocupados cm vc.-stir a máscara de "europeus", as multinacionais
querem recuperar por um preço baixo as bases industriais mais importantes,
atualizá-las e reconvertê-las, deslocando unidades: a força do trabalho dos
desempregados argelinos formados no trabalho industrial sendo usada para
produzir, não para o mercado argelino, exausto, !11aJ! para o vizinho mercado
europeu, pode exercer na Europa de Schengen uma pressão mais eficaz sobre
os salários do que mantendo ali o imigrados. Com esta finalidade, o capital
pode esperar um entorpecimento da violência ao preço de um compromisso
que suponha a partilha do poder com os islâmicos: sete ministros do Hamas já
estão no governo de Argel.
A empreitada de recolonização imperialista pelo capital mundializado uti·
liza desta vez a pressão clássica das empresas coloniais do século XlX: o endl·
vidamento do país que se quer dominar, por um modelo ideológico e econô·
mico, mais do que pela coação militar. Nem por isso usa menos a violência e
as ameaças de violência fascista para enfraquecer o potencial do país, a Argé·
ARG~LIA 1830-1998 271

lia, e para, urna vez apaziguado, explorá-lo sem grandes investimentos, como
satélite "desregulador" da Europa.

André Prenant é geógrafo.

Notas:

l. ln Re1111e Encyclopédique, maio 1830.


2. Au roi et aux chambres sur les véTitables causes de la rupture avec Alger. Paris 1830.
3. Archives parlementaires, t.61, in R.Valec, CAfrique devant le parlement au X1Xe si~cle,
Paris, 1824.
4. Ibid.,t. 96, in R.Valet, obra citada.
5. lbid.
6. lbid.,t. 96, in R.Valet, obra citada.
7. lbid.,t. 110, in R.Valet, obra citada.
8. Citação de Dubois e Terrier, Un siecle d'expansion coloniale.
9. Arquivos parlamenrares, t. 66, in R. Valet, obra citada.
10. Larcher, Traité élémentaire de législation algérienne, t. II. Paris, 1911.
11. R. Valet, obra citada.
12. Proces-verbaux et rapports de la commission nommée parle roi la 7 juillet 1833.
13. lbid. (Paris 1834).
14. Citado por Azan (coronel P), l..'. Emir Abd-E-Kader, Paris,1925.
15. Christia, !..'. Afrique française, Paris, 1863.
16. Vcryage dans la Régence d'Alger, t. III, Paris, 1833.
17. Cavaignac, Lettre au Général Létang, 19 de abril de 1834, in M. Emerit, CAlgérie au temps
d'Abdelkader.
18. Monragnac (Coronel de), l..ettres d'un soldat, Paris, 1885.
19. TEF (Tableau des Etablissements Français dans l'Algérie) 1844-45.
20. lbid. (1846-49) p. 7.
21. lbid. (1846-49), p. 11, (1850-52) pp. 2, 3, 5, 7 e 8.
22. lbid. (1846-49), p. 11.
23. Hcrisson (Conde d'), La chasse à l'liomme, Paris, 1866.
24. Banillat (marquês de), Relation de la campagne d'Afrique en 1830, Paris, 1833.
25. TEF 1839 e 1840.
26. lbid ., 1842.
27. lbid., 1844-45, pp. Z a 5 , e 1846-49, p. 2.
28. lbid., 1845-46, p. 8.
29. lbid., 1846-1849, p. 7 n 11.
30. Rozct, obra citadn, e. Ili, pp. 202 a 214.
31. Montagnllc, obra cltadn, p. 334.
32. TEF, 1840.
33. Salnt· Arnaud (utrm du Maréclial de) , t. 1, Paris, 1858.
34. TEF (1884) .
35. lbid. (1844 -45), pp. 2 a 5.
m O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

36. lbul. (1846-49) .


37. lbid. (1850-52) pp. 2 a 8.
38. Saint-Arnaud, obra citada, t. li.
39. Caso do general Youssouf relatado por d' Héri.sson. Segundo Hazan (obra citada, p. 59),
em 1854, no Haut-Sebaou, "as casas... foram, por ioda a pane, d.>molidas em grande pane ...
as árvores de fruw, oliveiras, figueiras, eram conadas para os trabalhadores".
40. Rozet, obra citada, t. 1, p. 120, t. IIl, pp. 264 e 204.
41. TEF (1838), pp. 263-264.
42. lbid. (1840).
43. TEF (1840), pp. 364-65.
44. Discurso na Cdmara dos Deputados, 14 de maio d.> 1840.
45. Dados retirados pelo essencial dos números comparados da população.
46. Para relOTllllr o cículo de um li~.,.o de Djilali Sari, Argel, 1975.
47. Número retirado a A. Nouschi, assim como oucros dados deste parágrafo, in Lacosce,
Nouschi, Prenam, !.'. Algéne, passi et pr&ru, Paris, 1960,
48. Sari (Djilall), Le disascre démograhique, Argel,1982.
49. Cf. Yacono (X), Pode-se avaliar a população da Argélia na véspera da conquista, in Re1114e
Africaine, 1954, e Prenant, A. in Lacoste, Nouschi, Prenam, obra citada.
50. Cf. Prenant, in Lacostc, Nouschi, Prenant in p. 21 da obra citada.
51. lbid, p. 320.
52. TEF (1846-1849), p. 13.
53. Carta ao duque de Magenta (Mac Mahon), 20 de junho, 1865.
54. TEF (1866-1872), pp. 62-64.
55. Sari(Dj.), obra citada.
56. Estatística geral da Argélia (1865-66) pp. 110-111, e (1866-72), pp. 212-213. A evolução é
fornecida pdos TEF (1830-37, 1838, 1839, 1840-41, 1842-43, 1844-45, 1846-49, 1850-
52, 1853-58, 1859-61, 1862, 1863-64) .
57. Cf. Sari (Dj) , obra citada, pp.188-191epp. 208-209
58. Prenant (A.), la dépmdance de l'Algérie et les finances françaises , in Économie et Poli tique,
novembro de 1956, pp. 42-51.
59. Empire colonial el capitalisme [rançais , hisioire d'un divarce, Paris, Albin Michel, 1984.
60. "de 1865 a 1937, '211 titre du capital de premler investissement ... 1531,3 millions de francs",
Jbid. p.116.
61. lbid. pp. 141-142.
62. lbid., p. 32.
63. lbid., p. 68.
64. lbid., pp. 145 e 139.
65. lbid., pp. 135-137.
66. Prenam (A), Facceurs de peuplomient d'une viUe d'Algérie intérieure: Setif, in Annales de
Oéographie, Paris, 1953, pp. 434-451.
67. Questions de structure urbaine clans trois faubourgs de Sisí-Bel-Abb~s, in Bulletin de
l'Association de Géographes Français, 1956, pp. 62-75.
68. Releués d'Érat-ciuil, et Diplômes d'Etudes Supérieurs de H. Delannoy (Annexe) et M.-A.
Thumelin-Prenant (1956).
69. Annuoire Sratistique de l'Algérie, Argel, 1948-49, 1950, 1951.
70. Rozet, obra citada, t. li, p. 75.
71. Marseille Ol, obra citada, p. 140.
ARG~LIA 1830-1998 273

72, !d. Ibid., p. 72.


73. Ickm, p. 237.
74, Idem, p. 116.
75. Idem, p. 132.
76. Os dados do Relatório do Grupo de Estudos das Relações Financeiras entre a França e a
Argélia são aqui amplamente aproveitados em parágrafos que tentam resumir A. Prenant,
artigo citado in Économie et Politique, nov. 1956
77. Cf. I.:Évbiement du]eudi, 25 a 31 de outubro de 1990.
78. Prenant (A.), artigo citado, 1956, p. 43.
79. Marseille (}.), obra citada, p. 256.
80. Ver Einaudi (J.L.), La Bataille de Paris, 17 octobre 1961, Paris, Seuil, 1991.
81. Peyrefite, (Alain), C'érait de Gaulle, t. l, Paris, Fayard, 1994, pp. 76· 77.
82. Citado por J. Marseille, p. 349 da obra citada.
83. Citado, id., Ibid.
84. Prenant (A), artigo citado, 1956, p. 44.
85. Citado in Marseille (}.), p. 146.
86. Ibid., p.147.
87. Numa conferência de imprensa citada por J. Touchard, Le Gaullisme, 1940-1969, Paris,
Seuil, 1978, retomada por Marseille (}.), Ibíd., p. 73
88. Cf. Prenant (A.) e Semmoud (Bouziane): Algérie: la déconstrucrion d'un tisso industriei, in
Méditerranée, Aix, n2 3-4, 1997.
89. Cf. Les Cahiers du Gremamo, n2 12: Semoud (B) Croissance urbaine, mobiliei et changement
social dans l'agglamération oranaise (1995) e n2 14: Recherches urbaines sur l'Algérie (1997),
in Aujoud'hui l'Afrique, n2 67, fevereiro de 1988.
90. Algirie: une rigression risistible, in Aujourd'hui l'Afrique, n2 67, fevereiro de 1998.
A ÁFRICA DAS INDEPENDÊNCIAS E
O "COMUNISMO" (1960~1998)
FRANCIS ARZALIER
Vivemos neste fim de século um tempo de estranhos arrependimentos.
Os desastres, os dramas, os crimes das três gerações anteriores saltam sobre
nós como gatos furiosos, com as garras de fora. Devemos por isso perder
todo o senso comum, toda a capacidade de análise, transformar os sonhos
de felicidade dos nossos pais e os nossos em estatística de mortes? Devemos
por isso abandonar toda a lucidez, todo o ideal de progresso, e integrar a
multidão dos penitentes, fazendo mea culpa ao som de trombetas pelos pe·
cados dos outros?
Evidentemente, é tempo de saber como movimentos nascidos dos ideais
de libertação social e política puderam transformar-se no seu contrário, em
grupos terroristas, massacrando o povo que pretendiam libertar. Esse trabalho
foi iniciado pelos historiadores e prossegue no silêncio da mídia. E está certo,
porque do olhar lúcido sobre o vigésimo século depende o nosso futuro.
Não era esse o propósito do Uvro negro do comunismo, ao qual os seus
mentores destinaram um objetivo ideológico, até mesmo político: criminalizar
ocomunismo, "sacralizar" assim a sociedade capitalista nessa ótica de "fim da
história" que inventou o senhor Fukuyama.
Seria um trabalho muito longo levantar nas 900 páginas daquele livro as
incongruências históricas. Limitemo-nos ao exemplo preciso da passagem (25
páginas) consagrada a três dos regimes da África que se disseram marxistas
(Etiópia, Angola, Moçambique), sob o título ·~o-comunismo".
Por que, de resto, esses três e apenas esses? Quem não se recorda das
proclamações inflamadas de "marxismo-leninismo" na Guiné de Sekou Touré,
no Congo de Sassou·Nguesso primeira fórmula, no Benim de Mathieu Kérékou
antes da sua queda seguida de um retorno por meio das umas? Em que é que
essas experiências de socialismo assumido nos anos 70 teriam menos a ver
com o "comunismo real" do que as outras selecionadas? Seria porque os episó-
dios revolucionários acima citados, ainda que não tenham podido cumprir
suas proclamadas metas de democracia e de igualdade social, não apresentam
massacres? Assim funciona a "análise" do Sr. Santamaria: o único "comunis·
mo de modelo africanos" é aquele ao qual seja possfvel imputar carnificinas.
De início, cinco páginas confusas pretendem demonstrar que Moçambique,
Angola e a Etiópia, embora africanos, eram claramente comunistas, portanto
278 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

criminosos, ou criminosos porque eram comunistas: isso tudo em virtude da


"dimensão criminosa do comunismo", africano ou não.
No final desta "demonstração", semeada de erros émicos - "a Frente
Patriótica de Ruanda (Tutsi)", (sic) ; "Ruanda, com o genocídio dos Hutus''.
(sic) -, começa a história do "Império vermelho: a Etiópia": embora a crono-
logia seja mais ou menos exata, os acontecimentos são citados fora do contex·
to político e social. Em 1974, o Império de Ha!lé Sélassié "desfaz-se sem gran-
des sobressaltos", e o chefe do governo militar Mengistu "coloca abertamente
o país na via do socialismo". Nasceu bastardo, portanto revolucionário e cri·
minoso: o autor não hesita em retomar a velha cantiga da historiografia con-
tra-revolucionária do século XIX francês ... A partir daí, 10 páginas desfiam
em avalanche uma ladainha de vocábulos imprecatórios: "liquidação", "sorte
decidida a metralhadora", "despojos imperiais endossados", "sobreviventes",
"destruição física", "extennírúo", "terror vermelho", "rios de sangue", "execu·
ção", "estranguladores", "esquadrões da morte", "vítimas do terror", "assassi·
natos polfticos", "ossários", "Saturno bolchevique", "carretas de condenados",
"ritual do pronto a liquidar", "valas comuns", "desaparecidos", "condenados
à morte", "exposição das vítimas torturadas", "crianças assassinadas", "extor·
sões", "envenenamentos por gás", "desfraldar da barbárie", "Oradour-sur·
Glane",* "massacres de populações civis amontoadas nas igrejas", "camifici·
nas", "campos de concentração", "guerra total", "represálias maciças e raides
de terror aéreo", "violações sistemáticas", "fome", "arma alimentar", "desvio
das ajudas", "transferências forçadas", "deportações maciças" ... As palavras
não são inocentes, os lingüistas e os psicanalistas bem o sabem. Elas têm aqui
o papel de prova e compensam a superficialidade das afirmativas, os números
de mortos que se limitam a probabilidades ("para o período de fevereiro de
1977 -junho de 1978, foi levantado o número de 10 mil assassinatos políticos",
página 751 da edição francesa). A invectiva é elevada à categoria de análise
histórica, estruturada apenas sobre os aspectos negativos do período de 1974
a 1991. Dezessete anos de história dos povos da Etiópia são assim diabolizados,
amputados de tudo o que foi progresso ou luta popular durante uma geração.
Voltemos à realidade histórica: a revolução de 1974, sob a direção de militares
e de intelectuais progressistas do DERG, fez cair o Império Etíope, um dos
regimes feudais mais anacrônicos do globo. A revolução tentou, nos anos se·

•Massacre da população de Oraadour-sur-Glane, na região de Haute.Yienne pelas SS em 10 d · ho


de 1944. (N. do T.) ' ' e iun
A ÁFRICA DAS INDEPENDtNCIAS E O "COMUNISMO" 279

guintes, levar à força a sociedade etíope para uma modernidade tingida de


socialismo: reforma agrária e desenvolvimento cooperativo, laicização de um
Estado até então clerical, alfabetização, reformas salariais, unidade nacional
etc. De 1974 a 1980, o número de alunos nas escolas primárias passa de 850
mil para 1,4 milhão, e a campanha de alfabetização de adultos é citada como
exemplo pela Unicef. Todas as análises dos especialistas em assuntos africanos
confirmam: a Etiópia dos anos de 1975 a 1980 afirmou-se "um caso quase
único de uma revolução agrária africana ... um notável amálgama entre uma
vontade de coletívização socialista e a referência aos costumes comunitários
africanos" (C. Coquery-Vidrovitch in Afrique noire, permanence et ruptures, I.'.
Harmattan, 1992). Todo o mundo registrou o apoio camponês inicial, sobre-
tudo no Sul, comparada com a hostilidade provocada pela coletívização buro-
crática a partir de 1984. É certo que o "terror vermelho" de 1975 a 1980 foi
bem real, certamente para além das obrigações forçadas e necessárias a um
poder de Estado desejoso de reformas. Os erros foram numerosos, e o desastre
final teve sua origem quando o poder se encontrou isolado frente ao apareci-
mento de revoltas regionais armadas, amplamente apoiadas pelos Estados
Unidos. No entanto, constatar esse desastre não significa que se possa esque-
cer os progressos iniciais.
Depois da Etiópia, Angola e Moçambique têm direito a dez páginas do
mesmo tipo: verborragia acusatória disfarçada de provas; modo condicional
permitindo veicular todo o tipo de boato, segundo o processo tão caro aos
nossos comentaristas televisivos; mortificante contagem do conjunto das víti-
mas da guerra e do seu corolário, a fome, tudo isso evidentemente atribuído
ao "modelo soviético" e à "natureza profundamente leninista dos Estados afri-
canos"! Não valeria a pena demorarmo-nos neste exame, se essa descrição
das antigas colônias portuguesas há vinte e cinco anos não levasse a
instrumentalização da história ao ponto de ignorar o papel da África do Sul
do apartheid. No entanto, ela esteve bem presente, e de que maneira, em
subsídios, em homens e em armas, até a vitória do Congresso Nacional Afri.
cano em 1994. O autor não hesita em inverter os fatos mais reconhecidos e
provados: a União Sul-Africana teria intervindo em Angola ao lado da Unita
de Jonas Savimbi em resposta à presença em Luanda de forças cubanas e
soviéticas. Será então necessário lembrar aquilo que nem a imprensa ociden-
tal negava: os racistas, no poder em Pretória, reivindicaram orgulhosamente
ao longo dos anos a sua intervenção "para travar o comunismo".
Em Angola, a repressão colonial conduzida de 1961 a 1974 pelo regime
280 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

fascista português contra os movimentos armados de libertação (MPLA, de


inspiração marxista, Unita e FNLA de caráter étnico e anticomunista) de.
semboca na independência graças à revolução democrática portuguesa, acha·
mada "Revolução dos Cravos". Mas o povo de Angola não goza por muito
tempo da sua nova liberdade: em 197 5, a FNLA e sobretudo a Uni ta instalam
o seu poder separatista, especialmente nas regiões produtoras de diamantes,
com o apoio financeiro, material e humano da CIA e dos dois governos pró·
ocidentais do Zaire e da África do Sul. A verdade é que, derrotados no terre·
no pelas forças do governo do MPLA auxiliadas por um contingente cubano,
os mercenários da Unita, treinados pelos serviços especiais sul-africanos e
oficialmente apoiados pelos Estados Unidos dos presidentes Reagan e Bush,
continuam a controlar diversas partes do país, a multiplicar os ataques contra
as aldeias que não aceitam sua lei. Segundo as publicações da ONU, após uma
década de guerra, de 1978 a 1988, o balanço é de mais de 300 mil mortos,
centenas de milhares de mutilados e outros tantos refugiados. A progressiva
derrocada do apartheid na África do Sul obrigou finalmente a Unita e os seus
protetores americanos a aceitar o fim dos combates: os acordos de paz de
1992 previam explicitamente a saída dos contingentes estrangeiros e as elei·
ções. Estas tiveram lugar em 1992, sob o controle de observadores vindos do
mundo inteiro, e deram uma ampla maioria ao MPLA. A Unita de Savimbi,
recusando o veredicto popular, recomeça a guerra civil: em 1994, a ONU
estima que o novo conflito mata mil angolanos por dia! Será necessário espe·
rar a derrota do Zaire de Mobutu, em 1997, e dos seus protegidos da Unita
para ver renascer a esperança na Angola destruída por 30 anos de guerras.
Onde diabo estão nisto os crimes do comunismo?
Moçambique tem uma história paralela. Também esse país, logo que foi
libertado do domínio português, teve de suportar a destruição da guerra
conduzida pelas forças separatistas da Renamo, financiadas e armadas duran·
te dezesseis anos pela racista África do Sul e, hipocritamente, por certas gran·
des potências ocidentais, entre as quais, infelizmente, a França. Também aqui,
o processo de paz, trabalhosamente instalado após 1994 (na África do Sul está
no poder o Congresso Nacional Africano de Mandela), deu uma ampla maio·
ria à Frelimo (muito pouco marxista, ainda que isso desagrade ao Sr. Courtois).
Resta-lhe agora reconstruir um país devastado, que perdeu, além de centenas
de milhares de cidadãos, o essencial dos seus equipamentos industriais, e cujas
terras cultiváveis estão semeadas de minas que ainda arrancarão vidas e mem·
bros por algumas décadas. Crimes do comunismo? Os autores do Sr. Courtois
A ÁFRICA DAS INDEPEND~CIAS E O "COMUNISMO" 281

deviam estudar um pouco a história da África negra em livros diferentes dos


utilizados em Pretória há 1Oanos!
Angola e Moçambique foram exauridas por conflitos nascidos essencial-
mente dos apetites das grandes potências e das sociedades multinacionais que
visavam às riquezas do subsolo, aos diamantes e ao petróleo. Nesse balanço
dramático, qual o peso de algumas exações, atentados aos direitos do homem,
execuções imputadas à Frelimo e ao MPLA "comunistas" pelos autores que
citamos?
Angola, Moçambique: crimes do comunismo ou conseqilências crimino-
sas do capitalismo africano e internacional?

O capitalismo e a África a partir dos anos 60

Porque, afinal, é justamente disso que se trata: o "continente negro" não


é um caso isolado; é habitado pelas mesmas controvérsias ideológicas, as mes-
mas estruturas econômicas e sociais do resto do universo.
Não retomemos pelo avesso as manipulações do livro negro do comunismo:
as ideologias não são responsáveis pelas tendências criminosas daqueles que
delas se queixam.
Em Ruanda, em 1994, perto de um milhão de seres humanos, porque
eram tutsis ou democratas, foram exterminados em algumas semanas pelas
milícias lnterhahwe dos fascistas e racistas do "Hutu Power". Esses assassinos
foram durante anos, e até a sua derrota, armados, financiados e protegidos
pelo braço secular do presidente Mitterrand. Isso não permite que se impute a
responsabilidade do crime à ideologia social-democrata.
É também deploravelmente verdadeiro que certos padres de Ruanda, o
país mais católico da África, aprovaram e até participaram dos massacres ra·
cistas: isso não autoriza ninguém a falar de crime do catolicismo nesse caso.
Épúblico e notório que a ditadura integrista e militarista que impõe a sua
lei ao Sudão há dez anos sempre teve relações muito cordiais com as redes
francesas de Charles Pasqua e Marchiani: isso não autoriza que se atribua ao
gaullismo a responsabilidade da guerra feroz conduzida pelo poder integrista
contra os povos do Sudão do Sul que fez, em doze anos, milhões de mortos e
de refugiados.
Pelo contrário, uma realidade inegável é que a África contemporânea, do
Norte e do Sul, do Leste e do Oeste, está inserida nos mecanismos mundiais
282 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

do capitalismo. Os chefes das grandes potências ocidentais, especialmente


através das organizações internacionais que eles controlam (FMI, Banco
Mundial, Conselho de Segurança da ONU etc.) exercem uma vigilância coti-
diana sobre os Estados da África. O preço dos produtos básicos que constitu·
em o essencial das exportações africanas é da competência única dos merca-
dos financeiros do Ocidente e não deixou de baixar a longo prazo; os produtos
industriais ou alimentares que a África não-desenvolvida deve comprar são,
pelo contrário, cada vez mais caros.
Os recentes diagnósticos do Banco Mundial são indiscutíveis no que diz
respeito à África: ainda mais do que antes, as economias africanas e os Esta·
dos africanos estão esmagados pela dívida, a pomo de poderem apenas sonhar
com uma vida independente. Apesar de uma tímida progressão das exporta·
ções de matérias-primas e dos acordos de redução da dívida, a situação dos
países da África subsaariana continuou a deteriorar. A sua dívida representa,
em média, 170% das exportações (1 mil% em Moçambique, 600% na Costa
do Marfim).
Segundo os "quadros da dívida" publicados pelo Banco Mundial, de 40
países fortemente endividados, 33 pertencem à África subsaariana. O Magreb
não está melhor: na Argélia o desequih'brio dívida/receita de exportação é de
308%, no Marrocos de 247%, no Egito de 214%. São muitos os peritos do
Banco Mundial e do FMI que se dão ao luxo de reconhecer que muitas dessas
dívidas nunca poderão ser pagas: o continente africano e os seus povos devem
continuar estrangulados pela dívida. Para as grandes potências financeiras e
políticas esta é mais uma arma política do que uma fonte de lucros: o total das
dívidas da África subsaariana (223 bilhões de dólares) mal ultrapassa 10% do
total mundial. Mas permite impor aos governos africanos os "planos de ajuste
estrutural", quer dizer, controlar suas decisões políticas, econômicas e sociais
(austeridade para os serviços públicos e privatização das riquezas). Melhor
ainda: esta dominação do capitalismo mundial é, na África de 1998, mais
forte do que foi na era colonial. A maior parte das aldeias da África Ocidental
Francesa vivia, em 1930, numa quase autarquia comunitária e só sentia o
peso da autoridade colonial no trabalho forçado e nos impostos. No final do
século XX, o aldeão da Costa do Marfim ou do Senegal sabe que o preço das
suas colheitas de cacau ou de amendoim depende das Bolsas ocidentais!
Nesse universo regulado pelas leis do mercado mundial, onde não se in-
veste senão em função do lucro previsto (na "África útil" segundo a termi·
nologia dos financeiros), a rede dos interesses capitalistas tem os seus postos
A ÁFRICA DAS INDEPEND~CIAS E O "COMUNISMO" 283

de controle locais impregnados do credo "liberal", aptos a propagandeá-lo e a


fazer com que seja respeitado pelas populações que com ele sofrem, receben-
do os lucros que decorrem do sistema: foram, durante muito tempo (de 1960
a 1990), militares de uma ferocidade brutal, como Bokassa na Républica Cen-
tro-Africana ou ldi Arnin Dada em Uganda, tiranos corruptos como Mobutu
no Zaire, e muitos outros: todos esses devem as riquezas que acumularam e a
sua longevidade política apenas ao apoio multiforme dos poderosos do Oci-
dente, em nome do anticomunismo. Alguns deles ainda sobrevivem, como
Eyadema em Togo, mantido pelo apoio francês após uma repressão impiedosa.
Mas uma nova geração de dirigentes africanos devotados ao capitalismo
mundial, que não vale mais que a anterior, está ocupando o poder: são os
tecnocratas, belos tagarelas formados pelo FMI e pelo Banco Mundial, que
não cessam de louvar as virtudes do pluripartidarismo, confundido por eles
com democracia, e as leis do sacrossanto mercado mundial. Soglo era um
desses, a quem o povo do Benim acaba de dispensar, depois de ter constatado
que ele não fez mais do que agravar a sua pobreza.
Os novos donos do capitalismo mundial, sentindo o solo africano estre-
mecer debaixo deles, estão prontos, de resto, a recorrer a todos os meios, a
defender o controle por dirigentes de ideologias muito variadas, desde que
estes assegurem o essencial, a estabilidade política, a obediência às "leis do
mercado" ... e os "planos de ajuste estrutural". Aqui um antigo marxista con-
vertido, acolá um ex-resistente dos maquis dos anos 60, além um integrista
confesso: o FMI é muito "plural" - espera deles apenas a capacidade de fazer
com que os seus povos aceitem a necessidade do lucro capitalista.
Desde a aurora das independências africanas, o capitalismo foi o contexto
de alguns dos piores massacres coletivos do século XX.
1. Em 1966, começa na Nigéria a guerra de Biafra. Esta antiga colônia
btitânica, a mais populosa da África subsaariana, tinha conseguido federar
vários povos num país unificado: a sua unidade, tanto quanto o seu petróleo,
podiam permitir que ela saísse do seu subdesenvolvimento. Mas isso era não
contar com o apetite das grandes sociedades capitalistas dos Estados ociden-
tais e a sua capacidade de jogar com o separatismo. Os problemas étnicos
opondo os lbos de Leste aos Haoussas majoritários de Lagos desembocam na
proclamação pelos primeiros de uma República de Biafra, querendo guardar
apenas para si os benefícios dos campos petrolíferos. As companhias britâni-
cas (Shell, BP) sustentam o Estado federal, mas o Biafra de Ojukwu é auxi-
liado, e mesmo encorajado na sua teimosia militar, pelos seus concorrentes,
O LIVRO NEGRO DO CAPITAU M

que vêem na ocasião um meio de alargar a ua rona de influência. A França


de De Gaulle e Foccart, os seus fiéis african ' Houphouet·Boigny da Costado
Marfim e Bongo de Gabão assumem a causa d separnri tns e fornecem ar.
mas e mercenórios: o SDECE e Bob Dennrd entram na aventura.
A oplnifo francesa é em!\o ultrnj antemente manipulada nos seus bons
sentimentos por uma campanha onde todo o tipo de argumento serve para os
tenores do "humanitário"; as imagen de crianças esfome:idas, mutiladas pelo
fato de se estar cm guerra, "demonstram a jusra cau a de Biafra". Até o flm, a
secessão de Blafra se alimenta de sórdidos de fgnios de financeiros e pol!ticos
prontos a combater aré o últi mo homem de Biafra ainda vivo. Após tr~s anos
de combates e de fome, o saldo reconhecido por todos os analistas é eloqUen·
te: perto de dois milhões de mortos ~
2. Neste quadro de honra do crime contra os povos africanos, lembremos
o que acima foi dito de Sudão e Ruanda.
O Sudão, vasto país entre a África muçulmana arabizada e a África negra
animista ou cristã, sofre hã trinta anos com ódios étnicos, autoritarismo mili·
tar e integrismo: e não esqueçamos que todos esses males são suscitados e
alimentados pelo anticomunismo.
Em 1971, um desa.moso levante de militares da extrema-esquerda levou
à crradicaç~o do movimento sindical e do Partido Comunista Sudanês, o mais
poderoso do continente. O integrismo começa então a se desenvolver, sobre·
tudo no seio da burguesia muçulmana e do exército, com dois componentes
ideológicos essenciais: o ódio ao comunismo e à democracia, o fanatismo reli·
gloso e o desprezo racista pelos cristãos negros do Sudão do Sul. Isso até 1989,
quando o exército instaura uma ditadura militar cujo ideólogo é o integrista
Tournbi. Não nos deixemos enganar: os chefes integristas de Canum não são
mais "antiocidentais" do que os nazistas eram "anticapitalistas". A sua oposi·
ção aos Estados Unidos e à Arãbia Saudita é de ordem gcogrãfka, não ideoló·
gica, nascida sobretudo da sua vontade de representar o papel principal no
nordeste do continente. A sua gestão econômica inspira-se nos critérios mais
puros do "liberalismo".
O regime Integrista que a França oficial ajudou durante tanto tempo (em
virtude do qual nos entregou Carlos, esse terrorista reformado) chafurda no
sangue ao sul do pais desde o seu nascimento: os números adiantados pelas
Nações Unidas e as ONGs, assim como os da Anistia Internacional, são assom·
brosos: 1,3 milhão de mortos em 10 anos, 3 milhões de pessoas deslocadas,
vários milhões de subalimentados etc.
A ÁFRICA DAS INDEPEND~CIAS E O "COMUNISMO" 285

Enquanto ele impõe ao povo de Cartum, cada vez mais reticente, a sua lei
cm nome do isl11, o poder militar fornece armas e munições à guerrilha de
integristas crist5os (Exfacito de Resistl:ncia do Senhor) que devasta o norte
de Uganda, aterrorizando o povo das aldeia : demonstração implacável, caso
ainda fosse necessá ria, de que os integrismos não são movimentos religiosos, e
sim manipulações políticas do religioso. Mas será preciso aguardar a derroca-
da do regime atual do Sudão para que desapareça o apoio hipócrita de certas
organizações francesas que ainda se pensam na era de Fachada/ O dossier
realizado a esse respeito por Pax-Christi France cm junho de 1995 era assusta-
dor e mantém-se parcialmente atual.
Não há necessidade de insistir no assombroso massacre de Ruanda, cujos
autores são bem conhecidos (os "fascistas tropicais" do defunto Habyarimana)
juntamente com os seus cúmplices que os armaram. Em 4 de fevereiro de
1998, e. Josselin, ministro delegado para a cooperação, lamenta a fraca pre-
sença da França em Ruanda, "país com o qual a nossa relação diplomática
não é a melhor". Será preciso fingir admiração, quando se conhece o passa-
do da França oficial nesse país a reconstruir, quando está bem fresca a recor-
dação da "Operação Turquesa" do exfacito francês : uma operação que, ar-
mada de grandes pr e textos humanitários, evitou sobrecudo que os
lnterhamwes chacinadores do fascismo ruandês, já então vencidos em tor-
no de Kigali, fossem definitivamente impossibilitados de causar prejuízos.
Em conseqüência disso, puderam continuar a combater no Congo, ao servi·
ço de Mobutu e de Lissouba, e a encorajar ainda hojt.: uma sangrenta guer·
rilha em Ruanda. Resta desejar aos povos da região que novas ingerências
não reacendam as brasas étnicas sempre presentes, quer sejam de Estado
(EUA ou França), de organismos internacionais (Banco Mundial) ou priva·
dos (sociedades multinacionais capitalistas): as pressões externas só podem
adiar a cicatrização das feridas deixadas pela história recente; isso o passado
demonstra claramente.
3. E finalmente, como esquecer o longo martírio do povo da África do Sul
sob o regime racista do a/1archeid a partir dos anos 1960? O apariheid é em si
mesmo um crime, porque repousa sobre o racismo legalizado, a desigualdade
"genética" erigida em lei e a recusa da democracia teorizada em prindpios
políticos. Será ainda preciso lembrar que a República Sul-Africana do apariheid
era na África o exemplo perfeito do capitalismo, dirigido por uma burguesia
cujo nível de vida ultrapassava o dos seus equivalentes franceses, graças à
supcrexploração da mão-de-obra negra das minas e dos campos? Capitalismo
286 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

local, regulando a economia da única potência industrial ao sul do Saara, mas


sustentada durante toda. a Guerra Fria pelos Estados Unidos e outras potênci·
as ocidentais em nome da luta contra a influência soviética. Mesmo depois de
1977 e das diversas decisões de embargo tomadas pela Assembléia Geral das
Nações Unidas contra o apartheid, as sociedades multinacionais (Shell) e os
Estados ocidentais, entre os quais a França, forneceram ao poder racista de
Pretória as armas, a tecnologia nuclear, o petróleo que lhe faltava. Melhor
ainda, se assim se pode dizer: em 29 de março de 1988, Dulcie September,
representante na França dos combatentes do Congresso Nacional Africano,
era assassinada em Paris. A justiça francesa arquivou o processo em 1992 por
não ter obtido resultados. Seis anos mais tarde, na África do Sul libertada, a
"Comissão Verdade e Reconciliação" questiona a ajuda que membros dos ser·
viços secretos franceses teriam podido dar aos assassinos, no momento em
que Dukie se preparava para denunciar o projeto francês de fornecer mísseis
terra-ar Mistral ao governo de Pretória.
A gestão cotidiana do apartheid desde 1960 foi uma longa opressão paliei·
ale judiciária, ornada de assassinatos coletivos nos casos de resistência popu·
lar organizada:
- em março de 1960, em Sharpeville, a polícia metralhava a multidão,
fazendo 69 mortos e centenas de feridos;
- em junho e julho de 1976, as manifestações de estudantes universitá·
rios e secundaristas são reprimidas com ferocidade: 300 mortos em Soweto,
mil em todo o país ...
Isso até a rendição, em 1990, do "poder branco", asfixiado pela revolta
popular, o fim do apoio americano, à vitória eleitoral do Congresso Nacional
em 1994. Nada está definitivamente encerrado na África do Sul, com a pesa·
da herança do apartheid ainda gravado nas desigualdades sociais; e a burgue·
sia "liberal" branca ou negra sonha mais em servir de ponto de apoio ao capi·
rallsmo americano na África do que com progressos sociais. Mas o futuro do
continente está sendo jogado ali.
Por fim, além desses massacres coletivos periódicos, o capitalismo é res·
pensável ainda mais diretamente na África por conseqüências dramáticas:
pobreza maciça, falência dos serviços públicos mais elementares, analfabetis·
mo crescente há dez anos, desemprego maciço nos centros urbanos empobre·
ciclos são o lote comum da maioria dos Estados submetidos à impiedosa lei do
endividamento e dos planos de ajuste estrutural que impedem qualquer de·
senvolvimento industrial endógeno.
A ÁFRICA DAS INDEPEND~CIAS E O "COMUNISMO" 287

Algumas das chagas da África que freqüentemente são mostradas como


características exclusivas nas imagens simplistas exibidas pelas televisões oci·
dentais são fruto direto das relações Norte-Sul no quadro do capitalismo
mundial e africano.
Em primeiro lugar a corrupção, que corrói a administração da maioria dos
Estados africanos e os hábitos de numerosos dirigentes políticos e administra·
tivas. Os Estados ocidentais e as sociedades privadas que disputam entre si os
mercados africanos são os corruptores: a distribuição mal disfarçada de pre·
sentes, para eles núnimos em função do que está em jogo, permite a eles ga·
rantir clientela política e negócios pródigos. Em função da disparidade das
moedas, a percentagem discreta de O, l % do valor de um contrato de compra
de armas representa para o interessado africano, ministro ou simples fundo·
nário, o equivalente a anos de salário. Nestas condições, que industrial oci·
dental se privaria de corromper?
Nesta "lógica de mercado", a época dos mercadores de escravos foi subs·
tituída pela dos mercadores de veneno. As indústrias dos países ocidentais
vão sendo cada vez mais esmagadas por seus resíduos à medida que a consci·
ência ecológica vai se tomando majoritária na opinião pública. Desde então,
despejar os resíduos mais tóxicos ao longo das costas africanas ao menor custo
possível e entregar a algum presidente ou ministro uma soma vultosa para que
feche os olhos - que há de mais fácil para os dirigentes das grandes empresas
transnacionais? Em 1988, um contrato assinado pela sociedade britânica Sesco-
Gibraltar com quatro ministros de Benim previa a entrega de 1 a 5 milhões de
toneladas de resíduos tóxicos, durante dez anos, contra o rfdiculo pagamento
de 2,5 dólares por tonelada. Pierre Péan (r Argent noir, Fayard, 1988) revelou
alguns outros elementos visíveis desse problema: como um iceberg, o essenci-
al está escondido, mas é bem real.
Outro aspecto da realidade africana, a fome, que no nosso universo domi·
nado pela mídia foi transformado como que em um símbolo do continente
negro. Quem não tem na memória essas imagens de crianças de abdômen
dilatado, de multidões disputando o saco de arroz salvador enviado por almas
generosas? Ora, esta imagem da África, ainda que tivesse nascido de bons
sentimentos, é falsa; basta visitar cidades e aldeias.
Evidentemente, a fome é um flagelo bem real, que aniquilou dezenas de
milhares de africanos nos últimos dez anos e deve continuar. Evidentemente,
essa fome endêmica tem por vezes origem nas condições climáticas (no Sahel,
onde o deserto se alonga) e mais ainda demográficas (população e rebanhos
288 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

demasiado numerosos para zonas de pastagem frágeis) . Mas a fome é apenas


uma contingência na África; produz-se, num contexto de dificuldades, quan·
do a sociedade é perturbada por um confli to armado que impossibilita plantio
e colheita, transporte e conservação d alimem . A produção agrícola glo·
bal tem aumentado, de maneira certamente i uficiente, mas animadora: se·
gundo a FAO, a produção de cereais na África tem crescido 1.95% ao ano, de
1961a1990, e a produtividade32% entre 1986 e 1990. Todas as fomes impor·
tantes dos anos recentes esúveram ligadas a conflitos militares, externos ou
internos, à destruição do potencial agrí a e industrial e aos deslocamentos
populacionais decorrentes: foi o caso da Etiópia, da Somália, do Sudão, de
Chade, de Moçambique etc.
Ora, a verdade é que esses conflitos estão intrinsecamente ligados às ar·
mas vendidas na África aos d1·~ beligerantes, governos ou grupos arma·
dos, por traficantes de todo tipo. na primeira fila dos quais se encontram paí·
ses como a França e os Estados nidos, grandes produtores de engenhos de
morte de todos os gêneros. ~ que a produção e a venda de armas de fogo,
desde o mfasil terra-ar à metralhadora cujo preço é acessível aos mais pobres,
são exclusividade da emprei4.! industriais do Ocidente, que nessas vendas
obtêm lucros de bilh~ de dó~ anua~. Na África, só a África do Sul e o
Egito produzem armas; além disso, este último serve freqüentemente apenas
de intermcdi5rio, e, por outro lado, o governo de Mandela mantém esse negó-
cio assassino com algum pud , di vidido entre a necessidade de divisas e os
seus objetivos de moral internacional.
A constatação, em todo o CahO, é bem clara: guerras e, portanto, fome
generalizada só ataca m a África em corueqOência do comércio de armas, ne·
gócio polpudo para os fab ricantes ocidentais, mecanismo capitalista inerente
às relações Norte-Sul contemporâneas. Acaso 6C notou que, curiosamente, os
planos de ajuste estrutural impostos aos países africanos pelo FMI exigiam
sempre uma redução drástica das de pellas de saúde e de educação, mas não
de equipamentos militares? A companhia perrolífera Elf soube muito bem
financiar, em 1997, as milícias que tomaram o poder em Brazzaville, ao preço
de uns 10 mil mortos.
Não se pode valorizar tudo em razão desta "lógica do mercado mundial
capitalista" no mal africano atual. Concluamos esta panorámica com um exem·
pio elucidativo, recentemente sublinhado pelo relatório da OMS e da ONU
sobre a Aids, publicado em 26 de novembro de 1997. Na África subsaariana,
7,4% dos homens e das mulheres entre 15 e 49 anos estão infectados pelo
A ÁFRICA DAS INDEPEND~CIAS E O "COMUNISMO" 289

v[rus. São 2,4 milhões na África do Sul, 25 a 30% dos adultos em Botswana.
Em todos os países, a esperança de vida, que tinha crescido perto de 15 anos
de 1960 a 1990, recua novamente.
A constatação mais dramática é o fosso crescente em matéria de trata·
mento entre os países industrializados e os africanos. Na Europa ocidental, o
número de casos declarados de Aids é, em 1997, 30% inferior aos de 1995:
isso é devido, no essencial, à eficácia dos tratamentos atuais, especialmente o
coquetel de drogas, que custa mais de 100 mil francos por ano na Europa.
Nessas condições, os doze países africanos que sozinhos respondem por 50%
dos soropositivos do planeta não têm qualquer possibilidade de dar aos seus
povos esse tratamento existente e eficaz. No encontro internacional de
Abidjan, em dezembro de 1997, o presidente e o ministro da Saúde da França
manifestaram o seu orgulho pela criação, pelos países induStrializados, de um
"fundo internacional de solidariedade terapêutica" para os doentes de Aids
dos países do Sul. Mas os representantes do Banco Mundial nessa conferência
recusaram imediatamente essa possibilidade, contrária à saudável lógica "li-
beral".
O professor Gentilini, por seu lado, denunciou aos congressistas esse "cri·
me contra a humanidade pelo qual as gerações futuras nos censurarão tragi-
camente".
Vamos dizer claramente: este crime contra o homem, na África, chama-
se lucro capitalista. O século que vai começar seguramente responderá àquilo
que por agora são apenas interrogações e incertezas. Não se sabe em que sen·
tido. Mas uma coisa é clara, ainda que desagrade às ideologias dos "crimes do
comunismo": nesta África que se batiza de francófona porque foi colônia fran-
cesa há meio século, os sonhos e as esperanças de melhoria, de igualdade e de
liberdade não se incarnam nos tecnocratas nem nos ditadores fabricados pe·
las academias francesas ou pelo FMI: esse sonho chama-se Thomas Sankara,
imagem mítica do reformador incorruptível, lutador desordenado e generoso
pelos direitos dos mais pobres e das mulheres, assassinado em 1987, que reco-
nhecia ser inspirado pelo ideal comunista.

Francis Arwller ~ historiador, professor na IUFM de Beauvais, responsável pela revista


Aujourd'hui l'A/Tique.
290 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Bibliografia:

e. Coquery-Vidrm·itch, Afrique Mire, permanence er ruprures, H arma tta n, 1992 .


Fin du Tim-Monde, dossier collectif. La Découverte, 1996.
P. Péan, Affaires africaines, Fayard, 1983.
P. Péan, l.'.Argenr noir, Fayard, 1988.
Faligot, Krop, La piscine, Services secrets français 1944-84.
M. C ahen, Mozambique, révofurion implosée , ~ H armattan, 1987.
M. Cukerrnan, Cap sur la liberti. Afrique du Sud, Messidor, 1987.
u
J. P. Chrétien, défi de l'echni.:isme. Ruand a, Burund i, Karthala, 1997.
A. Gascon, La grande Éthiopie, Ediç ão CNRS, 1995.
~!re bordelai.s d'écudes de l 'A~ noire: D. Badi, La poli tique africaine du général de Gaulle,
Ediç ão Pedone, 1980.
Changm1enis du climat er producrion agricolc, esrudo FAO de F. Bazzaz e W. Sombroek, Ed.
FAO- polytechnica, 1997.
Colecção da revisca Aujourd'hi.ú l 'A~. do n2 53 (11 /94 ) a 65, artigos de Y. Grenet, R.
Borrelly, C. Grandien, S. Cerqueira, F. \'Vurtz, M. dos Santos, M . Macheve, H. lbrahim
Ali, B. Bouché, J. Kagabo, P. Kaldor, F. Analier ecc.
Joumal de la paix, Pa.x Chri.sri Frana, d06Sier especial France-Sud, junho de 1995.
us poudric!res de la plan~le , editado por Monde Diplomatique, janeiro-fevereiro de 1998, artigos
de A. Conchiglia, P. Lema ire. C. Braebnan, J. L. Pénina.
AS INTERVENÇÕES NORTE-AMERICANAS
NA AMÉRICA LATINA
PACOPENA
O processo de emancipação das colônias espanholas, iniciado em princí-
pios do século XIX, terminou na segunda década do século passado, encer-
rando o domínio da fapanha no Novo Mundo. Em 1898, os últimos bastiões
no continente - Cuba e Porto Rico - foram arrancados ao poder espanhol
pelos Estados Unidos, caindo então sob o seu domínio.
Uma vez rompida a ligação colonial com a Espanha e anulado o seu mo-
nopólio comercial, serão sobretudo companhias inglesas, depois norte-ameri-
canas, que irão predominar na América Latina. A preponderância inglesa,
que suplantou o rígido monopólio comercial espanhol, manifestou-se ao lon-
go de todo o século XIX através do desenvolvimento do comércio britânico
com as colônias recém-independentes: eram sobretudo navios ingleses que
chegavam aos principais portos americanos: Vera Cruz, Buenos Aires,
Valparaíso, Havana e Callao.
Tratava-se essencialmente de uma supremacia comercial que não procu-
rava o domínio político direto, se bem que a Inglaterra também tivesse tenta-
do arranjar um lugar ao sol no Novo Mundo, empregando a força: à conquista
de Buenos Aires em 1806 seguiu-se o desembarque em outros territórios e nas
Antilhas e até mesmo a criação de um virtual "Reino de Mosquitia" na costa
atlântica da Nicarágua, e a ocupação, em 1833, das Ilhas Malvinas, que eram
povoadas por colonos argentinos desde 1829.
A Inglaterra pôde impor-se na América Latina durante a primeira metade
do século XIX, apesar das pretensões dos outros candidatos por zonas de in-
fluência na região: a França e os Estados Unidos.
A França não pôde fazer frente à polftica britânica e teve de se contentar
com o domínio da Royal Navy, ao mesmo tempo que procurava ganhar ou
conservar territórios em certas parcelas do continente: o Haiti, as Antilhas, a
Guiana e o México. Este último sempre atra(ra o interesse dos franceses e o
primeiro choque deu-se durante a Monarquia de julho, no penado da rocam-
bolesca "guerre des gâteaux" (guerra dos bolos) (1838). Mais séria será a in-
tervenção da França e das potências européias depois de 1861, que terminou
com a derrota e execução de Maximiliano da Áustria em Queretaro, em 1867.
Os Estados Unidos, por seu lado, procuraram em vão, durante a primeira
metade do século XIX, disputar a hegemonia inglesa. Não tendo os meios
294 O LIVRO NEGRO 00 CAPITAL!SMO

para uma política mais ambiciosa nesse momento, se contentarão com a ab.
sorção dos territórios adjacentes à Costa Leste. Ainda não era chegada a hora
do aruchluss* e das intervenções militares. Essa chegará em 1835, quando a
onda expansionista norte·americana absorver metade dos territórios perten·
cenres ao México (o Texas, a Califórnia, o Novo México). Os Estados Unidos
levarão a Grã-Bretanha a ceder-lhes o Oregon em 1846, e comprarão o Alasca
da Rússia em 1867.
No final do século XIX, esta política de expansão permite a formação de
um vasto território e, após a Guerra da Secessão-que desviou a atenção eos
esforços dos norte-americanos para os problemas internos-, os Estados Uni·
dos se dedicarão a estabelecer o seu domínio político e econômico na Améri·
ca Latina, substiruindo a Inglaterra e comprometendo-se num processo de
desenvolvimento e de industrialização que irá colocá-los à frente dos países
capitalistas no século XX.
Estas breves linhas têm o propósito de relatar a história das intervenções
imperialistas na América Latina, que ajudaram de forma marcante o cresci·
mento do país que viria a ser a primeira potência do planeta e ponta·de-lança
do capitalismo mundial. A política intervencionista dos Estados Unidos ma·
nifestou-se muito cedo na América Latina. Embora tivesse um adversário de
peso- a Grã-Bretanha-, os norte-americanos olharam sempre com cobiça
os territórios que durante três séculos tinham estado submetidos ao poder
colonial espanhol e que, no início do século XIX - após sua independência
-, conheceram longos períodos de anarquia, como resultado das lutas inter·
nas que se desenrolaram em quase todas as jovens repúblicas.
O processo de expansão territorial dos Estados Unidos começou no final
do século XVIII. Sendo a fronteira ocidental "elástica", adquiriram vários ter·
ritórios entre 1792 e 1821. 1O processo desenvolveu-se também para Ociden•
te e Sul, onde a voracidade da União engoliu grandes extensões do Meio·
Oeste obtidas através da cessão ou da compra dos territórios às potências
européias. Compra e cessão feitas nas costas das populações autóctones- ºos
peles-vermelhas"-, que foram reprimidas ou exterminadas. Foi assim que os
Estados Unidos conseguiram aumentar significativamente o seu território
inicial.
Apesar da posição oficial de não-intervencionismo anunciada por George
Washington ao recusar um terceiro mandaro presidencial em 1796, os Esta•

•[nlc11f1çlo econômica e pollrlc1 d1 Áw1rl1 no Ili Rcich alcmlo, cm março de 1938. (N. do T.)
AS INTERVENÇÕES NORTE-AMERICANAS NA AM~RICA LATINA 295

dos Unidos pensaram desde o início em apoderar-se dos territórios contíguos


aos da União. Foi o caso da Flórida. Um súdito do rei de Espanha, Pedro
Menendez de Avilés, fundou a cidade de San Augustin em setembro de 1565.
Esta península foi ocupada pelos ingleses de 1763 a 1783. Os Estados Unidos,
por seu lado, afirmavam que a fronteira sul ia até o paralelo 31, mas a ocupa-
ção espanhola ia até o paralelo 33; e existia uma disputa séria sobre o Mississippi,
cuja navegação era condicionada pelo monopólio que esta exercia sobre o
tráfego do rio.
Em 1811, aproveitando a presença das tropas de Napoleão na Espanha, o
Congresso Norte-americano vota uma resolução em que declara ter a intenção
de ocupar a Flórida e lá permanecer. O texto diz muito sobre a nascente voca-
ção intervencionista norte-americana: "O s Estados Unidos, nas circunstâncias
especiais da crise atual, vêem com grande inquietação que uma parte destes
te1Titórios possa passar para as mãos de uma potência estrangeira ... A sua pró-
pria segurança obriga-os a proceder à ocupação temporária destes territórios ...
(que) permanecerão nas nossas mãos com vistas a futuras negociações." 2 Em
1818, o general André Jackson ocupou definitivamente a Flórida e, no ano
seguinte, a Espanha aceitou vender ao novo e ávido Estado um território quase
tão vasto como a Inglaterra, pela bagatela de 5 milhões de dólares ...
Mas a cobiça dos Estados Unidos não se limitou apenas à Flórida. Luis de
Onis, à época embaixador espanhol, alertava seu governo para as ambições
norte-americanas. Em 1812 - durante a segunda guerra entre a União e a
Grã-Bretanha - alertava para as verdadeiras pretensões da diplomacia nor-
te-americana: "Este Governo propôs-se nem mais nem menos do que fixar as
suas fronteiras a partir da embocadura do Rio Bravo ... em linha reta até ao
Padfico, incluindo, pois, as províncias do Texas, Nuevo Santander, Coahuila
e uma parte de Nueva Viscaya e Sonora ... Isso pode parecer delirante, mas é
fato que o proj eto existe e que eles fizeram um mapa que inclui Cuba como
parte integrante desta República." 1
Cuba, já então na mira dos Estados Unidos ...
A Espanha de Fernando Vll - reinvestido no trono depois do episódio
napoleõnico - , apoiado por França, Rússia, Prússia e Áustria, tinha sonhado
e tentado conquistar os seus antigos territórios americanos. Mas os interesses
das potências imperialistas divergiam. A Inglaterra, que fora a primeira a se
beneficiar com a perda das colônias americanas da Espanha, não estava dis-
posta a permitir que o poder espanhol regressasse à força às suas antigas pos-
sessões.
296 O UVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

Éassim que, por volta da segunda década do século XIX, quando a monar·
quia espanhola pretendeu recomeçar a guerra para reconquistar os antigos
territórios, deparou com a oposição de Sua Majestade Sereníssima, que ten-
tou uma espécie de acordo com os Estados Unidos. O ministro britânico,
George Canning, convidou os norte-americanos a abraçarem a mesma causa
e a oporem-se à pretensão espanhola.
É então que o ex-presidente Jefferson responde ao presidente Monroe,
que o consultava sobre a atitude a adotar com as potências européias: ''A
nossa atitude fundamental deve ser não nos imiscuim1os nos imbróglios euro·
peus ... (e) não aceitar que a Europa intervenha nos assuntos americanos ... A
Grã-Bretanha é a nação que mais nos pode prejudicar; tendo-a do nosso lado,
não receamos o mundo inteiro... "
Mais tarde, o ex-presidente explicava melhor o seu pensamento: "Deve·
mos colocar-nos a seguinte questão: desejamos adquirir para a nossa Confe·
deração algumas províncias hispano-americanas? ... Confesso sinceramente que
sempre fui de opinião que Cuba seria a aquisição mais interessante que pode·
ríamos fazer para juntar ao conjunto dos nossos Estados ... O domínio desta
ilha e da Flórida nos daria o controle do Golfo do México e dos países do
istmo ..."1
A Flórida caiu nas mãos dos americanos em 1819. Cuba, a obsessão da
diplomacia norte-americana, foi reduzida à situação de protetorado em 1898.

Algumas semanas mais tarde, o presidente Monroe, na sua mensagem


anual à Nação, iria fixar as diretivas que a diplomacia dos Estados Unidos
devia adotar frente à cobiça manifestada pelas potências européias em rela·
ção às nações hispano·americanas. Tratava-se daquilo que se apelidou poste·
riormente de "doutrina Monroe". Retomando um certo número de idéias já
enunciadas por Washington e Hamilton, Monroe anunciou que os Estados
Unidos não se imiscuiriam nunca nos assuntos europeus e que adotariam uma
atitude de estrita neutralidade. Por outro lado, a União garantiria a indepen·
dência dos países hispano-americanos, opondo-se a que a Espanha recon•
quistasse suas antigas colônias no continente e a qualquer tentativa nesse
sentido por parte de qualquer outra potência européia.
Na sua mensagem anual de 2 de dezembro de 1823, o presidente Monroe
informou os norte-americanos sobre as conversações que tivera com os repre·
sentantes da Rússia e da Grã-Bretanha. Estes foram advertidos de que os Es·
tados Unidos consideravam que as nações latino-americanas eram livres e
AS INTERVENÇÕES NORTE-AMERICANAS NA AM~RICA LATINA 297

independentes, e que por conseguinte, elas "não podiam ser sujeitas a uma
futura colonização por nenhuma potência européia ... Nós consideraríamos
perigosa para a nossa paz e segurança qualquer tentativa de ocupar uma par-
cela deste hemisfério". 5
Por outro lado, Monroe, reafirmando a neutralidade norte-americana nos
assuntos europeus, entrincheirou-se na política isolacionista que iria caracte-
rizar o relacionamento dos Estados Unidos com a Europa: "Nas guerras entre
as potências européias e nos assuntos da sua alçada, nós nunca tomamos par-
tido ... A nossa política face à Europa - adotada no início das guerras que a
agitaram recentemente - permanece inalterável: não interferir nos seus as-
suntos internos e considerar os governos de fato como legítimos."6
Embora a "doutrina Monroe" tenha dissuadido as potências européias dos
seus sonhos de reconquista, não pôde impedir ingerência e intervenção diver-
sas vezes: a Inglaterra desempenhou um papel importante em La Plata e em
1828 conseguiu criar um Estado-tampão entre o Brasil e a Argentina, sepa-
rando as Províncias Unidas, a Margem Oriental e o Uruguai.
As ameaças contidas na "doutrina" permaneceram também letra-morta
quando da invasão inglesa das Malvinas em 1833 e da intervenção francesa
emSan Juan de Ulna, no México, em 1838. O mesmo aconteceu quando se
deu a agressão anglo-francesa à Argentina de Rosas e ao Uruguai de Oribe e
quando, em 1837, o porto de Buenos Aires ficou sujeito ao bloqueio da Mari-
nha francesa; da mesma forma quando franceses e britânicos organizaram, em
1845, uma expedição militar no rio Paraná, fechado à navegação estrangeira
por sucessivos governos argentinos; o mesmo silêncio quando a frota espa-
nhola bombardeou Valparaíso e os portos peruanos em 1866, e quando da
cessão da ilha de São Bartolomeu à França pela Suécia, em 1876. A "doutri-
na" também não impediu a invasão do México em 1861 pelas tropas franco-
anglo-espanholas e a tentativa de criação de um "império latino", com
Maximiliano da Áustria.
Por outro lado, nos textos surgidos durante a década de 1840, começa a
manifestar-se a idéia justificadora do expansionismo americano, que os publi-
citários da época - escritores e parlamentares - deram o nome de Destino
Manifesco . O destino teria concedido - idéia próxima da noção de
predestinação, tão cara ao protestantismo presbiteriano - à nação america-
na uma missão civilizadora, fazendo desta, além disso, o anjo da guarda da
liberdade e da democracia, ao outorgar-lhe vastos territórios para conquistar
e uma vocação de domínio sobre todo o Novo Mundo. É claro que os paladi-
298 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

nos do Destino Manifesto nada diziam sobre a sorte reservada aos milhares de
negros que viviam no território da União, para quem o destino evidente se
manifestava precisamente sob a forma de uma escravidão descarada.
Desde o infcio da independência das nações hispano-americanas, os Esta·
dos Unidos e a Grã-Bretanha não viram com bons olhos as tentativas de uni·
ficação de Bolívar. As duas nações anglo-saxônicas preferiam um continente
dividido, separado por conflitos e fronteiras, em vez de um país único e pode.
rosa que podia tomar-se num concorrente temível.
Bolfvar, em 1826, convocou o Primeiro Congresso Pan-Americano no Pa-
namá e colocou na ordem do dia a questão da libertação de Cuba e de Porto
Rico, ainda nas mãos de Espanha. Mas os esforços conjugados dos britânicos
e dos norte-americanos conseguiram boicotá-lo, e o Congresso foi um fiasco.
A Inglaterra conseguiu que os delegados argentinos e brasileiros não estives·
sem presentes. E, dos delegados dos Estados Unidos, um morreu durante a
viagem, o outro, munido das instruções redigidas pelo secretário de Estado
Henry Clay e do presidente John Quincy Adams, tinha de opor-se à guerra,
pregada por Bolívar, pela libertação das últimas colônias espanholas na Amé·
rica.
As instruções de Adams e de Clay tendiam no sentido da manutenção do
status quo. Em relação a Cuba, as diretivas para os delegados norte·america·
nos diziam: ''Nenhuma potência, nem mesmo a Espanha ... tem um interesse
tão grande no futuro desta ilha quanto os Estados Unidos ... Não desejamos
qualquer mudança em relação à sua posse ou à sua situação política ... Não
veremos com indiferença a transferência para outra potência européia que
não seja a Espanha. Também não queremos que ela seja cedida ou anexada a
um novo Estado americano." 7
Os Estados Unidos aplicavam muito escrupulosamente a idéia contida na
mensagem de Monroe: "a América para os americanos". Simplesmente eles
interpretaram-na de fato como se tivessem ouvido: "a América para os norte•
americanos". A história da espoliação do México é, nesta matéria, dramatica·
mente instrutiva.

O desmembramento do México

. O Texas - um território maior do que a França - sempre havia perten•


c1do, desde a chegada dos conquistadores, à coroa espanhola, e depois ao
AS INTERVENÇÕES NORTE-AMERICANAS NA AMtRICA LATINA 299

México. As autoridades coloniais mantinham um controle relativo, graças à


ação combinada das guarnições militares e das missões católicas: eram os
Presidias.
A partir do século XVIII, farru1ias espanholas tinham se instalado no Texas.
Mas, por volta de 1817, um processo de infiltração - "imigração clandesti-
na", diríamos hoje - começou a aparecer: norte-americanos, alemães, polo-
neses, até mesmo oficiais e soldados do exército de Napoleão foram expulsos
pelas autoridades depois de confrontos com a população espanhola católica.
O verdadeiro problema começou quando 300 famílias anglo-saxônicas
foram autorizadas pelo Congresso mexicano a fixar-se em 30 mil hectares de
terra cedidos gratuitamente. Essas famílias reintroduziram a escravatura -
que fora abolida no México - e o governo mexicano aceitou abrir uma exce-
ção e autorizou a prática por parte dos recém-chegados.
Em dezembro de 1826, um aventureiro - Hayden Edwards - procla-
mou a "República Livre de Fredonia", rapidamente aniquilada pelo exército
mexicano. Uma outra tentativa separatista aconteceu no ano seguinte. Signi-
ficativamente, começaram a aparecer, em diversos estados da União, publica-
ções denunciando o México como sendo culpado de se ter "apoderado" do
Texas.
Em 1835, no momento em que no México foi aprovada uma nova Cons-
tituição - que vai estar na origem de um conflito interno entre federalistas e
centralistas - o colono americano Stephan Austin proclamou a independên-
cia do Texas. Os Estados Unidos aproveitaram então a ocasião, que favorecia
suas pretensões expansionistas. Enviaram de Nova Orleans navios com armas
e munições.
O México entendeu, por seu lado, que devia fazer respeitar a sua sobera-
nia e enviou o célebre general Santa Anna. Depois de alguns êxitos do exér-
cito mexicano em San Patrício, Encinal dei Perdido e EI Alamo - que os
jornais apresentaram à opinião pública norte-americana como a derrota de
uma causa sublime -, Santa Anna foi vencido em 21 de abril de 1836, em
San Jacinto. Feito prisioneiro, viu-se forçado a assinar um acordo leonino
("Convenio Publico") em Puerto Velasco, em 14 de maio de 1836, em que
ficou acordado que os mexicanos se retirariam do Texas para a margem sul de
Rio Bravo. O acordo previa que todas "as propriedades particulares, incluin-
do cavalos e escravos negros, nas mãos do exército mexicano ou que tenham
estado do lado deste exército ~erão entregues ao comando das forças texanas".8
As tropas texanas, mais bem equipedas, tinham imposto um acordo que,
300 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

doze anos mais tarde, iria ter um papel imponante no desmembramento de


mais de metade dos territórios mexicanos. O apoio norte-americano aos aven·
tureiros texanos será confirmado nos anos 1840 pelo presidente John Tyler,
que declarou, a propósito da separação do Texas do México: "A simples possi·
bitidade de que a escravatura possa ser abolida nos territórios vizinhos deve
ser motivo suficiente para os anexar. "9
Em 1845, o Texas entra na União como estado escravagista. A campanha
eleitoral conduzida pelo sucessor de Tyler, James Polk - presidente dos Esta·
dos Unidos de 1846 a 1850 - tinha sido: ·~exação do Texas. 542/40 11 ou a
morte." (Ele fazia alusão à fronteira americana e aos territórios retirados ao
México.)

O anschluss do Novo México e da Califórnia

Uma vez engolido o Texas, o anschluss seguinte foi realizado em duas OU·
tras grandes províncias mexicanas: o Novo México e a Califórnia.
O Texas - ex-província mexicana - começou a reclamar ao Novo Mé·
xico certos territórios que sempre tinham penencido ao México, sendo apoi·
ado pelo governo dos Estados Unidos na sua pretensão. Depois, uma vez o
Texas anexado pela União (1845), foi o próprio governo norte-americano que
avançou para a guerra de conquista.
A Califórnia - cujo subsolo rico em ouro seria descoberto dentro de
pouco tempo - tinha uma população reduzida (apenas cerca de mil norte·
americanos) e sofreu várias afrontas: urna "expedição científica" armada, en·
viada pelo presidente Polk, e o desembarque, em janeiro de 1843, de tropas
sob o comando de um oficial da Marinha que ocupou "por engano" o porto
mexicano de Monterrey, na Califórnia. Perante a firmeza das autoridades me·
xicanas, foi obrigado a embarcar novamente.
O pretexto procurado pelos Estados Unidos foi fornecido por uma escara·
muça entre duas patrulhas fronteiriças dos dois exércícos em 24 de abril de
1846, em Carricitos, território mexicano. Alguns dias mais tarde, no Con·
gresso, Polk anunciou que o México tinha invadido o território dos Estados
Unidos e derramado sangue norte-americano.
A guerra foi declarada de imediato e somente algumas vozes eminentes se
elevaram para condenar o planejado anschluss. Entre elas, a de Abraham
Lincoln, representante de Illinois: "Creio que o Presidente está profunda·
AS INTERVENÇÕES NORTE-AMERICANAS NA AMtRICA LATINA 301

mente convencido de que se encontra numa posição errada, que ele sabe que
o sangue desta guerra - tal como o de Abel - o acusa." 1º
Em 4 de julho, quando as hostilidades já tinham começado, um bando de
aventureiros norte-americanos proclamava oportunamente na Califórnia a
República do Urso, que teve, contudo, vida curta. Os invasores desembarca-
ram em Vera Cruz e, após duros combates, ocuparam a cidade do México em
setembro de 1847. Urna longa lista de batalhas marcou esta guerra de con-
quista: Palo Alto, Monterrey, Angostura, Vera Cruz, Cerro Gordo, Padierna,
Chapultepec.
O povo da cidade de México manifestou-se então contra o ocupante.
Ocorreram motins, e as tropas norte-americanas tiveram de abandonar a ci-
dade. Tanto mais que houve as deserções entre os invasores: dezenas de irlan-
deses do batalhão Saint Patrick recusaram-se a continuar a guerra contra um
povo católico. Tratava-se de pobres e miseráveis que fugiam da fome no seu
país de origem e que tinham sido alistados para combater os "bárbaros mexi-
canos". Trinta e dois foram enforcados por deserção na capital asteca.
As hostilidades duraram até 1848, data em que o México teve de assinar
o Tratado de Guadalupe Hidalgo. Em dez anos o México fora amputado de
metade do seu território. Nos anos que se seguiram, teve início a exploração
de ouro na Califórnia e posteriom1ente de petróleo e gás no Texas, que foi
fundamental para o desenvolvimento dos Estados Unidos.
Mas uma das conseqüências mais importantes será talvez o secular res-
sentimento e rancor dos mexicanos face a esta exploração, que irá marcar, de
forma indelével, as relações entre os dois países. Por outro lado, o sentimento
antiamericano, latente nos latino-americanos, nasceu destas terras mexica-
nas usurpadas. Um presidente mexicano gostava de usar um velho ditado
impregnado de fatalismo quando queria explicar a situação geográfica parti-
cular do seu país, que era fonte de desgraça para o seu povo: "Tão longe de
Deus e tão perto dos Estados Unidos."
As preocupações dos Estados Unidos durante grande parte do século XIX
foram orientadas para a resolução dos problemas internos - ocupação eco-
lonização do Oeste, controvérsia sobre a escravatura, destruição dos enclaves
pré-capitalistas pela Guerra da Secessão, desenvolvimento da agricultura. O
país absteve-se de participar em conflitos diretos com as grandes potências.
Isso é verdadeiro nas suas relações com a Europa. Mas no que diz respeito
aos países da América Latina, os Estados Unidos praticaram, desde o início,
uma política intervencionista. Essas intervenções e ingerências não se limita-
302 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

ram aos pafsee vizinhos, chegando também, através de intervenções militares


ou o envio de expedições armadas, à longínqua América do Sul. A expedição
naval ao Paraguai em 1858-59 é disso exemplo.

A expedição ao Paraguai

Em 1851, o governo dos Estados Unidos tinha designado como cônsul em


Assunção Edward A. Hopkins - da United States and Paraguay Navigation
Company-, um dos proprietários de uma empresa de navegação domiciliada
em Rhode Island. Hopkins, velho marinheiro e aventureiro, conhecia o
Paraguai, onde tinha vivido depois de 1845. Munido das cartas que o identi·
ficavam como representante oficial do governo dos Estados Unidos, tinha-se
infiltrado nos corredores do poder e conhecia o presidente do Paraguai, Carlos
Antonio Lopez.11
Uma série de intrigas, em que se misturavam ofertas de mediação norte·
americana para enganar seus vizinhos num litígio fronteiriço e os assuntos
privados e os interesses dos Estados Unidos, que prentendiam aproveitar a via
fluvial do Paraná, tiveram como resultado a não ratificação pelo Paraguai, em
1854, do Tratado de Comércio e de Navegação. A Paraguay Navigation
Company foi punida em 1854 por ter infringido a legislação paraguaia e noti·
ficada da proibição de operar no país. Hopkins, por sua vez, foi expulso por
desrespeito, após um confuso enfrentamento com soldados paraguaios.
De amigo do Paraguai e do presidente Lopez, ele se transforma em seu
inimigo feroz, movendo nos círculos oficiais e na roda do presidente Pierce, e
depois do presidente Buchanan, uma campanha que encorajava a interven·
ção militar norte-americana "neste país de berberes asiáticos", esta
"excrescência da comunidade internacional. .. menos civilizado do que o
Sultanato de Mascate". Ele afirmava nas suas diatribes que os sul-americanos
eram bárbaros que deviam "receber um tratamento adequado. Falar com eles
é pura perda de tempo; é preciso falar-lhes com os nossos canhões".u
Foi então que entrou oportunamente em cena o Water Witch, navio da
Marinha norte-americana que, ultrapassando a autorização que lhe tinha sido
concedida, atravessou a fronteira paraguaia e chegou ao porto brasileiro de
Corumbá. As autorizações de passagem pacífica foram suspensas, e um decre•
to presidencial proibiu a navegação dos barcos de guerra estrangeiros. Em 1v
de fevereiro de 1855, o Water Wicch, desrespeitando o decreto paraguaio, ten·
AS INTERVENÇÕES NORTE-AMERICANAS NA AM~RICA LATINA 303

tou forçar uma barreira no Paraná. O oficial da guarnição paraguaia do Forte


ltapiru que controlava a passagem dos navios ordenou-lhe que retrocedesse;
depois disparou dois tiros de advertência. Perante a recusa em obedecer, um
tiro de canhão destruiu o leme, matando o timoneiro do barco americano. O
Water Witch foi então conduzido ao longo das águas do rio e obrigado a reti·
rar-se.
Começou então uma grande campanha de imprensa e de intirrúdação para
obrigar o Paraguai a apresentar desculpas. Finalmente, em maio de 1857, o
Congresso dos Estados Unidos aprovou o envio de uma "pequena armada",
composta de vinte navios, que partiu em outubro de 1857. Segundo Pablo
Max Ynfrans, o brinde ao sucesso do empreendimento foi saudado por um
dos oficiais com um arrebatamento transbordante de exuberância geopolítica:
"Ergo a minha taça ... para que as nossas dificuldades com o Paraguai terrrú·
nem e nós acabemos por anexar toda a bacia do rio de la Plata ... "13
Este desejo, felizmente, não será satisfeito. Mas a "pequena armada" che·
gou ao Paraguai no início de 1859 e o presidente Carlos Lopez teve de render-
se. O Paraguai apresentou desculpas - culpado de ter feito respeitar a sua
soberania no seu próprio território-, indenizou a família do marinheiro mor·
to durante o confronto de Itapiru e foi obrigado a aceitar, sob a ameaça da
força, o tratado proposto pelos Estados Unidos. A United States and Paraguay
Navigation Company sustentava, por seu lado, um longo processo contra o
governo paraguaio que mais tarde foi declarado improcedente.

Os piratas

Em meados do século XIX, o conflito de interesses que opunha a Grã·


Bretanha aos Estados Unidos pelo controle das Antilhas agravou-se. Os dois
países foram levados a assinar o tratado de Clayton-Bulwer, pelo qual as par·
tes declaravam trabalhar para a construção de um canal interoceânico em
território nicaragüense, sem que tenham disso informado a Nicarágua. Reco·
nheciam prerrogativas em relação à sua futura utilização e afirmavam que não
tinham qualquer intenção de construir fortificações nem "de ocupar a Nica-
rágua ... ou exercer domínio sobre qualquer território da América Central... "1•
Como muitos países da região, nos anos 50 do século XIX a Nicarágua
vivia mergulhada em guerras civis permanentes. Em 1854, um conflito entre
liberais e conservadores degenerou em conflito internacional: os liberais cha·
304 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

maram em seu auxfüo mercenários americanos. Tinha chegado a hora dos


piratas. Entre eles, William Walker, feroz partidário da escravatura e de sua
implantação na América Central, que tentou apoderar-se da Nicarágua, procla-
mando-se presidente em 1856. Apesar da neutralidade oficial anunciada pe-
los Estados Unidos, um emissário de Walker foi recebido pelo presidente
Franklin Pierce, mas os países da América Central acabaram com a aventura. 15
Por seu lado, a Grã-Bretanha procurava resistir ao poderio americano na
região empenhando-se num "Estado" inventado por ela, o "Reino de
Mosquitia". Com fronteiras indefinidas, povoado pelos índios misquitos, num
lugar vago, o "reino" devia situar-se em território nicaragüense. Tratava-se de
uma ficção, e todos sabiam que era uma farsa. A Grã-Bretanha, com este
reino-fantasma, pretendia não perder para os Estados Unidos os seus direitos
sobre o futuro canal interoceânico.
O fim do século marcou, no entanto, o crescimento de poderio dos Esta·
dos Unidos no mundo. Envolvidos na sua Guerra de Secessão nos anos 1860,
eles exigiram depois, com muita firmeza, a partida das tropas francesas do
México. Tinham o propósito de permanecer os únicos senhores da América
Central e de conseguir fazer das Antilhas um novo Mare Nostrum.
É costume datar do final do século XIX o desejo de expansão norte-ame-
ricana, que se traduziria numa política externa ativa. Ora, este desejo de ex·
pansão, como vimos, já existia há muito, à custa das nações latino-america·
nas. O que é verdade é que no final do século XIX os Estados Unidos
intervieram no cenário internacional, substituindo na América Latina o pa·
pel hegemônico desempenhado até então pelos ingleses. Os Estados Unidos
tinham se tomado uma grande potência industrial e chegado a uma fase im·
perialista, quando iria disputar com as outras potências a sua parte nos inte-
resses mundiais.
Alguns autores assinalam o papel desempenhado na nova política externa
de sucessivos governos da época por Alfred Mahan, autor de l.'. influence da la
puissance maritime dans l'histoire (A influência do domínio marítimo na Histó·
ria) . Nessa obra Mahan recorda a superioridade dos impérios marítimos sobre
as potências terrestres ao longo da História. Nesta perspectiva, a criação de
uma poderosa Marinha de Guerra, associada à posse de bases e de vias maríti·
mas e fluviais, revelava-se indispensável.
Antecipando esta teoria, que iria estar em moda na virada do século, o
presidente Ulysses Grant apresentava, em maio de 1870, um projeto ao Sena·
do para a compra de São Domingos, considerado um ponto estratégico no
AS INTERVENÇÕES NORTE-AMERICANAS NA AM~RICA LATINA 305

Mare Nostrum americano. O projeto deixa transparecer um interesse antigo e


que será uma obsessão permanente dos governos norte-americanos: pôr as
mãos em Cuba.
No seu projeto, Grant afirmava que São Domingos era uma nação débil,
mas que o seu território era rico, "os mais ricos que existem na face da Terra,
capazes de acolher com fartura 10 milhões de seres humanos ... A aquisição de
São Domingos nos convém pela sua posição ... nos daria o controle de todas as
ilhas de que falei ... A aquisição de São Domingos ... é uma medida de seguran-
ça nacional ... trata-se de assegurar o controle do tráfego comercial de Darien
(Panamá) e de resolver a infeliz situação em que se encontra Cuba ... "16
Contra os projetos de anexação de São Domingos e de Cuba, erguia-se
em Nova York, em 21 de março de 1889, das "entranhas do monstro", a pena
do apóstolo da independência cubana, José Martí. Martí dirigia um comentá·
rio a The Manufacturer em que censurava os cubanos sem dignidade que ape·
lavam à anexação pura e simples da ilha pelos Estados Unidos: ''Nenhum
cubano digno pode querer ver o seu país anexado por outro... Aqueles que
fizeram a guerra e que estiveram exilados ... Aqueles que constroem com o seu
suor... uma pátria, os engenheiros, professores, jornalistas, advogados e poe·
tas ... não desejam a anexação pelos Estados Unidos e desconfiam dos elemen·
tos funestos que, tal como vermes no sangue, iniciaram a sua obra de des·
truição ...".17
Os Estados Unidos, imbuídos de um sentimento nacionalista muito forte
-era a época do jingoísmo18 - , foram ao ponto de encarar uma intervenção
contra o longínquo Chile. Com efeito, em 1891 ocorreu o incidente do
Baltimore em Valparaíso. 19
O Baltimore era um navio de guerra americano de 4,6 toneladas que aca·
bara de ser construído na Inglaterra. Tinha a reputação de ser "o barco mais
rápido do mundo". Encontrava-se em frente às costas chilenas desde abril de
1891 - durante a guerra civil que tinha eclodido contra o presidente
Balmaceda -, tendo por missão proteger os cidadãos norte-americanos. Em
16 de outubro de 1891, ocorreu uma rixa de bêbados no bairro portuário de
Valparafso, entre marinheiros americanos e trabalhadores do porto. Em con·
seqüência da briga generalizada, vários marinheiros foram feridos com faca·
das. Houve dois norte-americanos mortos.
Ora, os Estados Unidos transformaram uma rixa, no final de contas ba·
nal, num conflito internacional, culpando o novo governo chileno - que,
apoiado por Londres, acabava de vencer a guerra civil contra o presidente
O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

Balmaceda - , e adotaram uma atitude arrogante que o governo chileno


considerou inaceitável. Os preparativos bélicos do governo norte-amcrica·
no de Benjamin Harrison estavam muito avançados. Gonzalo Via! conta
que o pai do "poder naval" em pessoa, Alfrcd Mahan, foi chamado a Wa-
shington para consultas. 20
O governo chileno se curvou perante a ameaça de utilização da força e
aceitou apresentar desculpas aos Estados Unidos, indenizar as famílias dos
marinheiros e se retratar pelas palavras pronunciadas pelo ministro das Rela-
ções Exteriores, Manuel António Matta, consideradas injuriosas pelos norte·
americanos. Na realidade, o conflito de interesses entre os Estados Unidos e a
Grã-Bretanha usava outros países como intermediários.
Assim, três anos depois, em 1895, desencadeou-se um conflito fronteiriço
entre a Venezuela e o governo colonial de Georgetown, na Guiana britânica.
Face aos preparativos bélicos britânicos, os Estados Unidos advertiram a Grã-
Bretanha de que não tolerariam uma intervenção. E o secretário de Estado do
presidente Cleveland instruiu seu embaixador em Londres, afirmando que os
direitos dos Estados Unidos advinham dos "seus recursos infinitos".
No final do século, as intervenções americanas se multiplicaram: Havaf,
Pono Rico, Filipinas, Cuba, Guam, Samoa, os ponos da China e Panamá.
Consternado, Mark Twain escreveu então: "Pintem-se de negro as listras bran-
cas e acrescentem-se as tíbias e a caveira onde estão colocadas as estrelas."

Cuba sob a bota norte-americana

Depois de 1868, os patriotas cubanos pegaram em armas contra o po-


der colonial espanhol. Vencidos após dez anos de luta, recomeçaram a
guerra em 1895. Tinham conseguido êxitos. A vitória e a independência
estavam ao seu alcance. É então que os Estados Unidos se apressam a
intervir. Os investimentos americanos nas plantações de açúcar e nas mi-
nas da ilha eram importantes, e os dirigentes dos Estados Unidos não faziam
cerimônia em dizer publicamente que, para eles, o açúcar cubano era de
importância vital, como o trigo e o algodão da Índia e do Egito eram para
a Grã-Bretanha.
Desta vez, o pretexto encontrado foi a explosão do couraçado Maine, em
Havana, que provocou a morte de mais de 250 tripulantes. Nada provava a
participação da Espanha - soube-se mais tarde que se tratara de uma expio-
AS INTERVENÇÕES NORTE-AMERICANAS NA AMflllCA LATINA 307

silo acidental - , mas o presidente MacKinley, impelido pela histeria jingofsta,


declarou guerra à Espanha cm 21 de abril de 1898.
O conflito teve curta duração. A frota espanhola foi aniquilada em Santi-
ago de Cuba e as tropas americanas desembarcaram em Cuba. Entre os Rough
Ridcrs, voluntários da cavalaria que ocuparam a ilha, encontrava-se Theodore
Roosevelt, futuro presidente dos Estados Unidos, que iria se tomar o cam-
peão da política intervencionista com o Big Scick.
Pelo Tratado de Paris (10 de dezembro), a Espanha cedia aos Estados
Unidos Porto Rico e as Filipinas.
A guerra entre a Espanha e os Estados Unidos marcou a entrada em cena
deste país como um dos principais atores no cenário internacional. Em
contrapartida, para a Espanha este foi o último ato de um progressivo declínio
internacional, que a levaria a fechar-se em si mesma. Cuba, que se tomara
teoricamente independente, ficou sujeita à autoridade do governador militar
americano Leonard Wood, comandante das tropas de ocupação, que perma-
necerão lá durante três anos.
Foi o próptio Wood que convocou uma Assembléia Constituinte. Uma
emenda, redigida pelo senador do Connecticut Orville Platt, foi aprovada,
apesar da oposição de vários constituintes, que consideraram que se tratava
de uma ingerência inaceitável que violava a soberania e a independência de
Cuba. Em Havana, eclodiram manifestações contra este diktat e o governador
Wood lançou um ultimato: "Os Estados Unidos continuarão a ocupar a ilha
até ser formado um governo cubano, cuja Constituição inclua, como parte
integrante, todas as disposições da Emenda Platt." 21
A Emenda Platt era uma demonstração flagrante do estado de vassalagem
a que Cuba fora reduzida. Em 23 de maio de 1903, foi incluída na Constitui-
ção. Somente em 1934 serão modificadas certas cláusulas. Eis algumas preci-
osidades: artigo 1: "O Governo de Cuba não assinará qualquer acordo que
permita a uma potência estrangeira obter, para fins navais ou militares, uma
parte da ilha ... "
O artigo III era particularmente humilhante: "O Governo de Cuba aceita
que os Estados Unidos possam exercer o direito de intervir para preservar a
independência cubana (sic !) e a manutenção de um governo adequado à pro-
teção da vida, da propriedade ..."
O artigo VII dava o direito de instalar bases militares no território cuba-
no. Ouantanamo é, hoje, uma prova viva de um tempo pretensamente termi·
nado.
l08 O UVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Não se enganava o governador Wood quando, numa cana dirigida a


Roosevelt em 1903, escrevia: "Pouca, na verdade, ou n enhuma independên·
eia deixou a Emenda Platt a Cuba. Os cubanos mais sensíveis compreendem
isso e pensam que a única coisa positiva que lhes resta faze r é pedir a anexa·
ção."22 lnvocando a emenda, as tropas americanas desembarcarão várias ve·
zes na ilha: em 1906, 1912, 1917. Só em 1934 é que Franklin D. Roosevelt
aceitará retirar certas cláusulas, particularmente constrangedoras.

A doutrina Drago e os "corolários Rooswelt" da doutrina Monroe

Em dezembro de 1902, havia, ao largo da costa venezuelana, navios de


guerra britânicos, alemães e italianos que afundaram alguns navios e bloque·
aram os portos . Exigiam o pagamento das indenizações devidas aos cidadãos
europeus. "Teddy" Roosevelt, en ão presidente dos Estados Unidos, aprovou
a ação naval das potências européias. Mas os países latino-americanos fica·
ram indignados com a agressão.
O ministro das Relações Exteriores argentino, Luís Maria Drago, enviou
uma nota ao Depanamemo de Estado - que mais tarde fez jurisprudência e
foi adotada pela Conferência de Haia de 1907 -em que pedia a proibição do
recurso à força corno meio de cobrar as dívidas contraídas por qualquer Esta·
do. Tinha nascido a "doutrina Drago".
Mas Roosevelt não queria deixar as potências européias policiar a sua
zona de influência. Esse direito de polícia ele reservava exclusivamente para
os Estados Unidos. Em 6 de dezembro de 1904, na sua mensagem anual, o
presidente nane-americano determinava: "Se uma nação demonstra que sabe
agir com razoável eficácia e de forma decente ... se mantém a ordem interna e
paga as suas dividas, não será necessária a intervenção dos Estados Unidos ...
Os erros ... ou a impotência ... podem obrigar os Estados Unidos ... a exercer
um papel de polícia internacional..." 2l
Um ano depois, Roosevelt - que tinha sido chefe da polícia de Nova
York - advertia, na sua mensagem anual às nações latino-americanas, que
tinha a intenção de não aplicar a udoutrina Monroe", ou seja, de não impedir
as ações punitivas das potências estrangeiras no continente: "Se uma repúbli·
ca do Sul ... comete uma falta contra qualquer nação ... A doutrina Monroe
não nos obrigará a intervir para impedir a correção da falta, salvo para impe•
dir que a correção se transforme em ocupação do território ... "24
AS INTERVENÇÕES NORTE-AMERICANAS NA AMéRICA LATINA 309

Os dois discursos de Roosevelt irão justificar a política imperialista ameri-


cana, que se traduzirá por intervenções no Panamá, Cuba, Nicarágua, Haiti e
São Domingos. A política do Big Stíck - "falar suavemente e carregar um
porrete" - iria ser a política oficial do governo americano durante as primei-
ras décadas deste século.

Asecessão do Panamá

Desde o tempo da conquista espanhola, inúmeras pessoas tinham se em-


penhado em conceber uma passagem interoceânica na América Central. Ti-
nham sido feitos diversos projetos e prospecções para encontrar o local mais
adequado. Foram feitas "sondagens" nos territórios da Nicarágua e do Pana-
má. Será este último país que, em conseqüência de uma secessão organizada e
fomentada pela potência imperial, se abrigará o cobiçado canal.
O Panamá tinha se declarado independente em 1821 e proclamou volun-
tariamente sua ligação com a Colômbia. Dez anos depois, um movimento
separatista proclamava a sua autonomia, declarando, ao mesmo tempo, fazer
parte da Confederação Colombiana. Em agosto de 1831, o exército obrigou o
istmo a regressar à Confederação.
Em 1840 e 1855 verificaram-se outras tentativas separatistas. Na primei-
ra, organizada pelo general Tomas Herrera, foi proclamado um "Estado Libre
dei Istmo". Reconduzido ao bom caminho pelo exército da confederação, o
Panamá conhecerá uma nova tentativa separatista em 1855, mas declarando
igualmente fazer parte da "Nueva Granada" (Colômbia"). Em 1858, foi pro-
mulgada a nova Constituição da "Confederacion Granadina", da qual o istmo
continuava a fazer parte.
Após a anexação da Califórnia, a província colombiana do Panamá tor-
nou-se para os Estados Unidos um vital ponto de comunicação Leste-Oeste.
Apartir de 1851, uma sociedade americana, a Panama Rail Road Company,
tinha conseguido pôr em funcionamento a primeira linha, e em 1854 uma
locomotiva atravessou o istmo. A ferrovia tinha sido construída numa zona
particularmente insalubre e propícia 1'is doenças tropicais. Mais de 6 mil pes-
soas perderam a vida em conseqüência da malária e de outras doenças: coolies
chineses, antilhanos e um número considerável de irlandeses, alemães e aus-
tríacos.
A corrida ao ouro californiano forçou milhares de homens a atravessar o
310 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

istmo - passagem obrigatória quando se vinha do Leste - , e os Estados


Unidos adquiriram o hábito deplorável de deslocar as suas tropas através do
Panamá sem pedir autorização à Colômbia. Diversos projetos de tratados fo.
ram apresentados pelas companhias americanos aos colombianos, mas estes
nunca foram aprovados pelo Congresso de Bogotá. O embaixador americano
Sullivan escrevia ao seu governo em 1869: "Se quereis obter os direitos sobre
o canal por uma via diversa de um tratado, as coisas podem ser mais fáceis no
Congresso colombiano com alguns fundos dos serviços secretos."25
Mas, apesar dos esforços norte-americanos, será Lucien Bonaparte Wyse
- neto de Lucien Bonaparte - que, entre 1878 e 1880, obterá, para os
franceses da Société Civile Internacional, "o privilégio exclusivo para a exe·
cução e exploração de um canal marítimo entre o Atlântico e o Pacífico,
através do seu território"26 • O presidente dos Estados Unidos, Rutherford Hayes,
fez ameaças e declarou que queria abrir um outro canal na Nicarágua. Ele
punha de sobreaviso a comunidade internacional ao reclamar "o direito de
exercer um protetorado exclusivo sobre o canal que os franceses projetavam
abrir no território colombiano". 27
Wyse convenceu Ferdinand de Lesseps - o construtor do canal do Suez
em 1869 - a encarregar-se dos trabalhos, financiados por um empréstimo
lançado pela Compagrúe Universelle du Canal lnter-Océanique. Mas, nos
anos seguintes, explodiu um grande escândalo financeiro que, somado a ai·
guns erros técnicos cometidos na abertura do canal, provocou a falência da
companhia em fevereiro de 1889.
Éentão que intervém um aventureiro francês, liquidante da companhia,
Philippe Bunau-Yarilla, que tenta vender aos Estados Unidos a concessão do
canal. Ao mesmo tempo, a Grã-Bretanha libertava estes últimos dos compro·
missas assumidos quando do tratado Clayton-Bulwer, o que lhes permitia re·
digir um projeto de tratado com a Colômbia (Tratado Herran-Clay), que ti·
nha de ser ratificado pelo Congresso de Bogotá. A maioria dos senadores
colombianos considerou o projeto um atentado à soberania da Colômbia e, a
12 de agosto de 1903, se recusou a ratificá-lo. Perante esta recusa, os Estados
Unidos provocaram então a secessão e a sublevação da província colombiana
do Panamá.
Um dia antes da declaração da independência, em 3 de novembro de
1903, o Departamento de Estado enviou um cabograma ao cônsul americano
no Panamá: ".lnfo~em o Departamento de Estado logo que a sublevação
aconteça ... Ainda nao, a sublevação deve acontecer durante a noite ... "l& A
AS INTERVENÇÕES NORTE-AMERICANAS NA AMéRICA LATINA 311

revolta foi proclamada, e foi constituída uma junta em Puerto Colon. Tropas
americanas desembarcaram de navios que estavam oportunamente no local e
que impediram as forças colombianas de abafar a rebelião. Em 6 de novem-
bro, os Estados Unidos reconheciam a "independência" do Panamá.
Philippe Bunau.Yarilla, cidadão francês que tinha tomado parte na rebe-
lião sem sair da suíte 1162 do Waldorf Astoria de Nova York, reconhecerá
mais tarde que a idéia de secessão fora discutida com o presidente Roosevelt. 29
Ele veio a ser nomeado pela junta, rapidamente, ministro plenipotenciário do
Panamá e assinou com o secretário de Estado Hay, em Washington, em 18 de
novembro- um dia antes dos emissários panamenhos-, um tratado leonino
que hipotecava para sempre a soberania do istmo.
Três anos mais tarde, Theodore Roosevelt recebia o prêmio Nobel da
Paz. Em 1936, Roosevelt (Franklin) deu alguns retoques no tratado. O co-
mandante da Guarda Nacional, coronel José Antonio Remon, conseguiu
obter de Eisenhower algumas alterações, em 1955. Mais tarde, Kennedy
aceitou que fosse içada a bandeira panamenha ao lado da bandeira america-
na, o que não impediu que em 1954 houvesse confrontos entre tropas ame·
ricanas e estudantes panamenhos, que causaram mais de 20 mortos e uma
centena de feridos.
O coronel Omar Torrijos negociará com Carter, em 1977, o fim da ocupa-
ção americana do canal e a recuperação da soberania deste pelo Panamá,
prevista, no Tratado Torrijos-Carter, para o ano 2000. Remon e Torrijos aca-
bam morrendo em dois misteriosos acidentes aéreos.

Intervencionismo nas Antilhas

A zona das Antilhas foi um lugar privilegiado das intervenções armadas


norte-americanas. Em 1901, a primeira intervenção do século aconteceu na
Nicarágua, e em 1903, como vimos, no Panamá. O canal abriu uma nova via
ao Destino Manifesto.
É em 1905 que, respondendo ao apelo de vários dirigentes da oligarquia
dominicana, o futuro prêmio Nobel "Teddy" Roosevelt, instalou, com o apoio
dos marines, coletores de impostos americanos nas alfândegas da República
Dominicana .. . A presença dos diligentes especialistas durou quatro anos. O
secretário de Estado, Elihu Root, deixou claro ao longo desses anos que as
intervenções teriam lugar "sempre que estivessem em risco os capitais norte·
O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

americanos".30 Um novo desembarque dos marines, em 1916, irá colocar São


Domingos sob a bota americana até 1924.
Na Nicarágua, o presidente José Santos Zelaya, do partido liberal, ocupava o
poder desde 1893. Tinha conseguido livrar-se dos ingleses na costa atlântica e
tentou atrair os japoneses para a construção de um canal interoceânico. Os Esta·
dos Unidos consideraram esta atitude uma afronta e armaram os conservadores,
que tinham se rebelado contra Zelaya e desembarcado em Bluefields. Zelaya re·
nunciou, assim como seu sucessor, José Madriz. A presidência vai assim para Adolfo
Diaz, um ex-empregado da companhia mineradora americana Fletcher.
Em 1912 eclodiu uma nova revolta encabeçada pelos liberais, e o presi·
dente Taft enviou 1,7 mil marines para proteger o presidente conservador
Adolfo Diaz. Eles permanecerão no país até 1925. Ao mesmo tempo, os Esta·
dos Unidos impunham à Nicarágua o Tratado Bryan-Chamorro (5 de agosto
de 1914), pelo qual obtinham o direito de estabelecer uma base naval no
Golfo Fonseca, bem como a cessão, por 99 anos, de várias ilhas e ilhotas.
El Salvador foi ocupado em 1921, e Honduras em 1924. A ingerência
americana chegou a tal ponto que a designação de um presidente hondurenho
se realizou a bordo do couraçado nane-americano Tacoma. Terá sido um pre·
cedente do futuro juramento prestado em 1989 no Panamá, numa base ame·
ricana, pelo "presidente" Endara?
Na Guatemala, a companhia United Fruit, de capital none-americano-
pertencente a Foster Dulles, secretário de Estado e irmão do chefe da ClA-
dominava a região desde o princípio do século. Verdadeiro Estado dentro do
Estado, tinha assinado um primeiro contrato em 1901 com o ditador
guatemalteco Estrada Cabrera, imortalizado por Miguel Angel Asturias em
"EI Sefior Presidente". No final da Primeira Grande Guerra, os Estados Uni·
dos tinham começado a afastar da América Latina a influência européia -
principalmente britânica, mas também alemã e francesa. Sobre esse período,
Fernando Henrique Cardoso e E. Faletto mostram que" ... a presença amerí·
cana ampliou-se rapidamente ... Os países da costa do Pacífico foram total·
mente incorporados à economia dos Estados Unidos, e os do Atlântico, como
o Brasil, o Uruguai e a Argentina, caíram sob a sua influência". 31
A partir do final dos anos 20, os capitais norte-americanos irão exercer
uma preponderância incontestável na região. A presença de capitais norte·
americanos tinha o seu corolário numa política imperialista que, como vimos,
se manifestou repetidas vezes ao longo desses anos. As recentes intervenções
no México foram um exemplo disso.
AS INTERVENÇÕES NORTE-AMERICANAS NA AM~RICA LATINA 313

As intervenções em Vera Cruz e Tampico

Após a derrubada e o assassinato do presidente Francisco Madero em


1913 - com a participação do embaixador americano Henry Lane Wilson-,
ogeneral Huerta tomou o poder. Venustíano Carranza, ex-governador no tempo
de Porfirio Diaz, insurgiu-se então contra Huerta, que considerava um
usurpador. O presidente Taft recusou-se a reconhecer Huerta como chefe do
governo mexicano e concentrava tropas na fronteira desde 1912.
No meio do turbilhão da revolução mexicana, o general Victoriano Huena
procurou o apoio de investidores ingleses e conseguiu. Ao mesmo tempo, ten·
tou uma aproximação com a Alemanha e o Japão.
Entretanto, Wilson tinha sucedido a Taft e enviado navios de guerra para
acosta mexicana. Foi assim que, em 6 de abril de 1914, ocorreu um incidente
entre soldados mexicanos e marinheiros americanos que tinham desembarca-
do ilegalmente.
Foram feitas aos mexicanos exigências de reparação inaceitáveis, e, quando
expirou um ultimato, 50 navios de guerra com 23 mil homens surgiram em Tarnpico.
No dia 20 do mesmo mês deu-se o desembarque em Vera Cruz. Apesar de uma
resistência renhida, as tropas americanos conseguiram tomar a cidade e apoderar-
se de 8 milhões de dólares que se encontravam nos cofres das alfândegas. No
mesmo dia, o presidente Wilson dirigiu-se ao Congresso para pedir a sua aprova·
ção "para que as Forças Armadas dos Estados Unidos possam ser usadas (contra)
o general Huerta ... e obter dele o reconhecimento dos nossos direitos... "32
Cinco anos mais tarde, em 1919, Woodrow Wilson recebia, também ele, o
prêmio Nobel da Paz.
Quando, em 1924, o general Obregon designou o seu sucessor - Elias
Calles -, uma parte do exército não aceitou esta decisão e sublevou-se. Calles
exerceu uma repressão severa e para neutralizar esta rebelião contou com o
apoio das tropas americanas, bem como a dos cristeros, camponeses que se
tinham revoltado contra as medidas tomadas por Calles contra a Igreja e en·
frentado o exército durante três anos (1926-1929).

A intervenção no Haiti

Os investimentos norte-americanos no Haiti estavam calculados em 15


milhões de dólares. Além de interesses em açúcar, transportes e portos, os
314 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

investidores americanos dispunham de 50% das ações no Banco Nacional


haitiano.
Um dos homens de negócios mais imponantes era Roger Farham1. Vice·
presidente do Banco Nacional e da Railroad de Haiti, era também funcioná·
rio do National City Bank. A.ssunúu um papel principal no conflito que opôs
o governo de Davilmar Théodore - depoi.s o de V1lbrun Guil\aume Sam, em
1915 - aos banqueiros americanos e dirigiu a campanha que provocou a
intervenção militar norte-americana. Em 17 de dezembro de 1914, a seu pe·
dido, m.ariflt'.5 do cruzador MadUa.s desembarcaram e levaram dos cofres do
Banco Nacional haitiano 500 mil dólares que penenciam ao Haiti.
Respondendo aos protestos do governo haitiano, o secretário de Estado
Bryan assinalou que os Estados Unidos tinham de "proteger os interesses nor·
te-americanos, que se encontravam ameaçados", acrescentando que se trata·
va "de uma mera transfe.rência de fundos" .33 As pressões dos homens de negó·
dos americanos sobre o Departamento de Estado pretendiam forçá-lo a assumir
o controle das alfândegas haitianas. O pretexto foi a situação de caos e guerra
civil que se desenvolveu a partir de abril de 1915 e que provocou excessos de
um lado e de outro, levando à horrível morre do presidente Sam.
Em 28 de julho os marines desembarcaram no Haiti. Desta vez irão ficar
durante 19 anos. O presidente do Senado haitiano, deputados, ex·ministrose
notáveis - protegidos pelas armas dos marines - apressaram-se a assegurar
ao almirante Cappenon, comandante das tropas de ocupação, que concorda·
vam em colocar as alfândegas e as finanças haitianas sob controle americano.
Foi Capperton em peswa quem deu luz verde para a designação de Sudre
Dartiguenave. Em 11 de agosto, este tornava-se presidente por um período de
sete anos. Três dias depois, o projeto de acordo com os Estados Unidos era
submetido aos deputados e senadores. As condições eram tão humilhantes
para o Haiti que até no seio daquela assembléia tão submissa surgiram vozes
de protesto: "Segundo as declarações dos seus agentes, os Estados Unidos -
em nome da humanidade - realizaram uma intervenção humanitária no nosso
pa{s e, com as suas baionetas ... , os seus canhões e os seus navios de guerra,
apresentaram-nos um plano. O que é então esse plano? Um protetorado im·
posto ao Haiti por miscer Wilson ... "Ji
O plano foi aprovado em 16 de novembro. Em 1918 era promulgada uma
nova Constituição, cujo inspirador e um dos redatores era o subsecretário da
Marinha americano, Franklin D. Roosevelt, teórico da doutrina da "boa vizi·
nhança".
AS INTERVENÇÕES NORTE-AMERICANAS NA AM~RICA LATINA 315

Com o tempo, o próprio Dartiguenave acabará por manifestar uma certa


resistência aos seus protetores. Ele será substituído em 1922 pelo dócil Luís
Bomo. Deste maneira, o Haiti foi entregue à voracidade imperialista. Foi abo-
lido o artigo V da Constituição que, há um século, vetava aos brancos a pro-
priedade do solo.
Os camponeses haitianos foram as primeiras vítimas da chegada de pro-
prietários, que compraram e desenvolveram novas plantações. Isso, somado à
repressão sistemática levada a cabo pelas tropas de ocupação, provocou um
verdadeiro êxodo de camponeses para Cuba: o número passou de 23.490, em
1915, para mais de 30 mil, em 1920. Houve ainda outro fluxo migratório para
São Domingos.
A colaboração despudorada das elites burguesas foi contrabalançada pela
epopéia dos "Cacos" de Charlemagne Peralte que, ao longo de quatro anos
(1915-1919), levou a cabo uma guerrilha e enfrentou as tropas de ocupação
antes de ser traiçoeiramente assassinado.
Os marines só deixaram o Haiti em julho de 1934.

Aterceira intervenção na Nicarágua

Em agosto de 1925, os marines abandonaram o país, após treze anos de


ocupação. Dois meses mais tarde, Emiliano Chamorro destituiu o presidente
Carlos Solorzano, mas foi forçado a entregar o poder ao antigo presidente
Adolfo Diaz - ex-empregado de uma companhia mineira americana e ho-
mem de confiança do Departamento de Estado-, que assim voltou à Presi-
dência.
Em dezembro de 1926, o vice -presidente Juan Bautista Sacasa encabeçou
uma força para restabelecer a legalidade, mas o almirante americano Latimer
desembarcou com 2 mil soldados e obrigou as partes em conflito a assinar a
paz e a entregar as armas aos marines. Um dos chefes liberais, Augusto Cesar
Sandino, opôs-se a isso e dirigiu-se para as montanhas do Norte.
Em 10 de janeiro de 1927, o presidente dos Estados Unidos, Calvin
Coolidge, na sua mensagem anual, explicava que a intervenção americana
tinha se revelado necessária porque "atualmente temos grandes investimen-
tos nas serrarias, nas minas, nas plantações de café e nos bananais ... Se a
revolução continuasse, os investimentos norte-americanos seriam seriamente
afetados ..."35
316 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

Sandino e o seu "exercitozinho ridículo" irão resistir vitoriosamente nas


montanhas, ao longo de seis anos, às tropas americanas, que se entregavam à
pilhagem e bombardeavam os campos e as aldeias . S andino fez da luta pelo
restabelecimento da legalidade ultrajada uma guerra de libertação nacional
contra o ocupante estrangeiro: "Luto para e>..1Julsar d a minha Pátria o invasor
estrangeiro ... A única maneira de pôr fim a esta luta é através da retirada
imediata das forças que invadiram o solo nacional..." 36
Confrontado com a impossibilidade de uma vitória militar, os Estados Uni·
dos forçaram um acordo poütico: Sacasa, o vice-presidente, tomou-se presi·
dente, como queria Sandino, e os marines abandonaram a Nicarágua em janeiro
de 1933. Mas o verdadeiro homem-forte, o comandante da Guarda Nacional,
Anastasio Somoza, velho jogador de pôquer e falsário, era fiel aos americanos.
É ele quem organiza, em 21 de fevereiro de 1934, a detenção e o assassi·
nato de Sandino. Este crime abriu para ele as portas do poder, em 1936. Fiel
aos interesses imperialistas, o seu governo foi uma seqüência de abjeções, cri·
roes e corrupções. Permaneceu no poder até 1956, quando foi crivado de ba·
las pelo poeta Rigoberto Perez. Franklin D. Roosevelt havia dito de Somoza, o
homem dos Estados Unidos: "Somoza may be a son of a bitch, but he's our son
of a bitch." (Somoza pode ser um filho da puta, mas é o nosso filho da puta.)

A Guerra do Chaco: expressão das rivalidades imperialistas

Entre 1932 e 1935 aconteceu a sangrenta Guerra do Chaco. Um antigo


conflito acerca do traçado das fronteiras entre o Paraguai e a Bolívia agravou·
se quando a companhia americana Standard Oi! pensou ter descoberto no
território boliviano o que parecia ser uma importante jazida de petróleo. Por
seu lado, a companhia anglo-holandesa Royal Dutch fazia uma descoberta
semelhante no Chaco paraguaio.
Os dois países entregaram-se então a uma campanha nacionalista encara·
jada de ambos os lados pelas companhias petrolíferas. A guerra eclodiu em
junho de 1932 e foi particularmente feroz. O armistício concluído em junho
de 1935 obrigou a Bolívia a recuar sua fronteira 300 quilômetros, e a existên·
eia de petróleo no Chaco paraguaio revelou-se ilusória. Mais de 130 mil
paraguaios e bolivianos se mataram, impelidos pela histeria nacionalista e pelo
apetite voraz das companhias petrolíferas.
A Vl Conferência dos Estados Americanos em Havana, em 1928, conde·
AS INTERVENÇÕES NORTE-AMERICANAS NA AM~RICA LATINA 317

nou o intervencionismo americano, a ocupação do Haiti, de urna parte do


Panamá e a manutenção da Emenda Platt em Cuba. Na VII Conferência de
1933 em Montevideu, Franklin D. Roosevelt teve de enunciar a po!ftica da
boa vizinhança, e a Conferência, na parte consagrada aos "Direitos e deve·
res", declarava: "Nenhum Estado tem o direito de intervir nos assuntos inter·
nos de outro Estado. "37 O secretário de Estado americano Cordell Hull votou
oartigo "com reservas", mas evitou uma condenação do protecionismo adua-
neiro praticado pelos Estados Unidos.
Em seguida, a VIII Conferência, realizada em Lima, autorizou as reuniões
de consulta dos ministros das Relações Exteriores. Foi durante a Segunda
Guerra Mundial que aconteceram as reuniões, e os Estados Unidos impuse·
ram aos países latino-americanos a ruptura das relações diplomáticas com o
Eixo. Apenas o Chile e a Argentina decidiram não se submeter. Foi preciso
aguardar 1944 para que o governo argentino rompesse com a Alemanha e o
Japão, o que provocou um golpe de estado organizado por militares que dis·
cordaram desta decisão.
Em 1945, o Ato de Chapultepec, aprovado na Conferência lnteramericana
sobre os Problemas da Guerra e da Paz realizada no México - onde foi
marcante a ausência da Argentina -, definia o compromisso dos países do
Novo Mundo a enfrentar conjuntamente o agressor em caso de um ataque. O
seu artigo 3 especificava que: "Qualquer agressão... contra um Estado ameri·
cano será considerada como uma agressão contra os Estados signatários."38
Esta disposição, que deveria ter funcionado plenamente em 1982, na guerra
das Malvinas, não foi aplicada. Em 2 de setembro de 1947, foi assinado, no
Rio de Janeiro, o Tratado de Ajuda Mútua, definindo os efeitos da Conferên·
eia do México. A Argentina esperou até 1950 para assinar o tratado.

Os Estados Unidos e Per6n

A desavença entre a Argentina e os Estados Unidos datava da Segunda


Guerra Mundial. Perón, que chegara ao poder legalmente em 1946, esteve
lotado na Itália de Mussolini de 1939 a 1941. Acusado de simpatias pró-fas·
cistas, tomou parte no movimento militar de 1943 e tomou-se ministro do
Trabalho em 1944. Defendia uma política nacionalista que contrariava os in-
teresses norte-americanos, e os Estados Unidos se esforçaram por dificultar
sua vida.
318 LIVRO NEGRO DO CAPITALI M

O embaixador americano em Bue n A iro:: , prullt: Bra Jen, um homem


da companhia petrolífera E o , o n d uz1u um. a m pn nha abertamente
anciperonista . Apoiado pd o o rnuni ta , intcrfi nu n a ca mpanha presidcnci·
ai publica ndo um "Lívr azul " em u u ava l\:r n de -cr nazista. Pcrón
respondeu com um "Livro a: ul e ran o" , n qual afirm ava que os Estados
Unido pretendiam "instalar... um o ·mo dde_, um gove rno -fa ntoche, e para
tal eles começavam por e a gur r de t · uisli n g' disponfvcis". 19
Por eu laJ o, por in t erm~1 0 d mb:u . ad r Bradc n, a C asa Branca não
teve roJeio : "A mai ri a <lo po\·o arg ntino mp re foi d emocrata e contrária
às idéia tot a lit~ri a ... oGov m o o modelo alemão de 1933 ... ""°0resul·
tado da cleiçõe J cu uma larg.a mai ria a Paón , e o jornal Saumlay Evening
Posr, comentando a polín a e intervenção no ass unto internos argentinos
conduzida pel o DepJrtamenco d Srado, e cre vc u : "É urna prova de
e quizofrcnia política, qu nuna o pr fgio e a in fl uência norte-americanos.
O povo argentin o r pondeu co ria re pondido qualquer povo quando
e trangciros e sentem autonzados a 1car-lhe a polírica que devem seguir..."• 1

O "guatemalato"

A Guerra Fri a fe: aumentar a paranóia dos Stados Unidos que, por detrás
de cada greve o u mam~ ta o , viam a mão dos comunistas. A política de
contenção linha ido enunciada por Truman , e a C asa Branca esforçava-se
por contrariar a expansão comunina no mundo.
Em 1944, na Gu atemala, uma revolta de escudantes, camponeses e ofi·
ciais afastava do poder o homens de Wa5hi ngton ligados à poderosa campa·
nhia Uníted Fruit (Mamila Yunai, como cha ma vam os guatemaltecos).
Os governos sucessivos de Arévalo e Arbcnz realizaram reformas: parti·
cularmcnte o primeiro, que iniciou uma tímida redistribuição da terra, que o
coronel Arbenz-eleito em 1951 - procurou alargar, decretando uma refor-
ma agrária que respondia às aspirações dos camponeses, setor majoritário da
população. Foram expropriados 85 mil hectares da Unitcd Fruir. Era não con·
tar com a reação da poderosa Mamita Y1'nai, de Foster Dulle , ecretário de
Estado, e do seu im1ão Allen, chefe da CIA.
Em plena Guerra Fria, eles agitaram o espantalho do comunismo e, na
conferência pan-americana de Caracas (março de 1954), Foster Dulles ten·
tou associar a presença dos comunistas em qualquer governo do hemisfério a
AS INTERVENÇÕES NORTE-AMERICANAS NA AM~RICA LATINA 319

umn "ngrcssão extracontinental". Enquanto isso, com a cumplicidade do go-


verno hondurenho, o seu irmão Allen armava um exército "de libertação"
que foi colocado sob as ordens do coronel Castillo Armas, ligado à lntematíonal
Railways of Centre America, filial da United Fruit.
Na Conferência de Caracas, Foster Dulles tinha declarado que "o dom(·
nio e o controle de instituições políticas de qualquer Estado americano pelo
movimento comunista internacional constituiria uma intervenção de uma
potência estrangeira, e seria uma ameaça à paz na América".42
O governo de Arbenz tinha expropriado terras, estabelecido a segurança
social, construído estradas - a United Fruir detinha o monopólio dos trans·
portes-e lançado as bases para a construção de um novo porto, pois o único
disponível pertencia à Mamita Yunai. Simultaneamente, iniciou uma reforma
da educação, ao mesmo tempo em que garantia direitos e liberdades políticas
antes desconhecidos. Mas os Estados Unidos apenas viam a mão do comunis-
mo por detrás do Governo Arbenz, e a conferência aprovou uma declaração
que ia no sentido desejado por Dulles.
No mês de maio começaram os vôos de aviões americanos sobre a
Guatemala. Seguiram-se os bombardeios de Puerto Barrios e Puerto San José.
Assistiu-se ao desembarque dos mercenários de Castillo Armas e, pouco de-
pois, a Ciudad de Guatemala caía nas mãos dos "libertadores", enquanto um
jovem médico argentino de vinte e seis anos - Ernesto Guevara - procura·
va desesperadamente organizar a defesa do governo legal de Arbenz.
A primavera guatemalteca tinha acabado.
Depois de chegar ao poder, Castillo Armas revogou a reforma agrária e as
outras medidas tomadas por Jacobo Arbenz.

Baía dos Porcos

Triunfante em 1959, a Revolução cubana provocou um tremor de terra


em todo o continente. A alguns quilômetros das costas americanas instalava-
se um poder revolucionário que ia se transformar no pesadelo de nove presi·
dentes norte-americanos.
Depois de o governo cubano ter decretado a reforma agrária e os norte·
americanos, como medida de represália, terem se recusado a refinar o petró-
leo soviético e suspendido a compra de açúcar cubano, ocorreram provoca·
çõcs e agressões. O conflito atingiu um ponto sem volta em 17 de abril de
320 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

1961, quando a CIA, devidamente autorizada pelo presidente Kennedy, orga·


nizou um desembarque na Bafa dos Porcos.
A CIA, que utilizara anticastristas cubanos e da América Central, supu·
nha que a notícia do desembarque iria provocar uma insurreição na ilha. Mas,
desta vez, o irmãozinho Dulles enganava-se. Em poucos dias, a tentativa foi
frustrada por milicianos cubanos e mais de 1 mil "gusanos" (literalmente, mj..
nhocas) foram feitos prisioneiros.
Kennedy ficou arrasado e desmentiu a participação americana na ques·
tão. Mas, quando as provas da participação norte-americana se tomaram
irrefutáveis - pilotos abatidos pela defesa aérea cubana - e, apesar de a
invasão planejada ter sido legada a ele pelo seu antecessor, Dwight Eisenhower,
Kennedy assumiu nestes termos a responsabilidade do fracasso: "Se alguma
vez a doutrina interamericana de não-intervenção ocultar ou permitir uma
política de passividade, se as nações deste hemisfério falharem na sua luta
contra a penetração comunista, então, quero que fique claro que o meu go·
vemo não hesitará em assumir as suas responsabilidades ... Se alguma vez che·
gar esse momento, não tencionamos receber lições de não-intervenção... "13
Desde então, a história de Cuba é a história de uma resistência perma·
nente para frustrar os planos de intervenção e para fazer frente à ingerência
tramada pelos Estados Unidos. AJJ encorajamento de grupos de opositores,
seguiram· se tentativas de assassinato de dirigentes cubanos. Forçada a resistir
à maior potência da História, Cuba não teve outra alternativa senão a fuga
para a frente. Assim, além do açúcar e do rum, a exportação de um produto
"não tradicional" tomou-se, ao longo de mais de duas décadas, a arma com a
qual Cuba contra-atacava: a exportação da revolução.
As últimas intervenções projetadas para tomar ainda mais difícil a situa·
ção econômica em Cuba (Lei Torricelli, 1992) prevêem sanções econômicas
contra os pa(ses que prestassem assistência: proibição às filiais das empresas
norte-americanas em outros países de comerciar com Cuba e proibição de
atracar em portos americanos para os navios que tivessem atracado em portos
cubanos nos últimos seis meses.
Esta lei foi largamente condenada pela comunidade internacional. O seu
caráter de extraterritorialidade viola o Direito Internacional e procura desen·
corajar as relações comerciais de outros países com Cuba, que sofre, há mais
de trinta anos, um embargo impiedoso.
Os Estados Unidos assumiram, desde o advento da Guerra Fria, a missão
de formar os oficiais dos exércitos da América Latina. Formaram-nos para 0
AS INTERVENÇÕES NORTE-AMERICANAS NA AMÉRICA LATINA 321

combate contra o comunismo, que eles acreditavam ver em cada contestação


social ou nas inúmeras lutas por melhores condições de vida que deflagraram
no continente nos anos 60.
Kennedy, perturbado com o prestígio crescente da Revolução cubana, lan-
çou, em 1961, a idéia de um vasto programa de ajuda econômica e social: a
Aliança para o Progresso. Este pequeno "Plano Marshall" será abandonado
por Johnson alguns anos mais tarde, quando o esforço na luta contra o comu·
nismo se traduziu no conluio entre Washington e os militares latino-ameri-
canos.

Golpe de Estado no Brasil

O golpe de Estado no Brasil contra o presidente João Goulart deu início a


uma série de golpes de Estado em que os Estados Unidos apareceram direta-
mente implicados. O governo de Goulart tinha manifestado a sua vontade de
lutar contra as condições miseráveis em que se encontravam milhares de com·
patriotas seus. Anunciou o direito de voto para os analfabetos e a sua inten·
ção de aprovar uma lei de reforma agrária.
Em 31 de março de 1964, as Forças Armadas depuseram Goulart, tendo
assumido o controle do país, e o presidente Lyndon Johnson apressou-se, em
2de abril, a enviar aos militares "os seus mais calorosos votos", acrescentando
que o povo norte-americano tinha "observado com ansiedade as dificuldades
políticas e econômicas atravessadas pela vossa grande Nação... Nós admira·
mos a firme vontade da comunidade brasileira de resolver estas dificuldades
no quadro da democracia constitucional... (sic!) ".
As convicções democráticas dos militares ficaram claras nos anos seguin·
tes. Desencadearam uma repressão selvagem contra os movimentos e parti·
dos de esquerda que tentavam resistir à ditadura.
Somente a partir de 1979 começou o retomo ao regime civil.

AIntervenção na Rep1(blica Dominicana

Os Estados Unidos intervieram e ocuparam a República Dominicana no


período compreendido entre 1916 e 1924. Rafael Leonidas Trujillo, homem
de confiança dos norte-americanos, tinha tomado o poder em 1930. Assim
m O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

começou a "era Trujillo" com a sua história de mortes, torturas e violência. O


"Benfeitor" - ditador megalômano que, neste século, só pode ser compara·
do, nos seus excessos, a um outro protegido de Washington, Anastasio Somoza
- permaneceu no poder durante mais de trinta anos, com a aquiescência dos
Estados Unidos.
O ditador foi morto num atentado em 1961, e um dos seus fiéis - Joaquin
Balaguer - apressadamente reconvertido em democrata, foi, então, promo·
vido a presidente. Uma sucessão de golpes e de contragolpes terminou com as
primeiras eleições verdadeiramente democráticas, em dezembro de 1962. Juan
Bosch, um democrata exilado durante vinte e cinco anos, venceu sem esforço.
A vitória de Bosch não estava nos planos de Washington. Apesar de
anticomunista, ele não tinha a confiança dos Estados Unidos. Em setembro
de 1963, foi derrubado pelo coronel Elias Wessin y Wessin. Mas um grupo de
oficiais constitucionalistas, à frente do qual se encontrava o coronel Francis·
co Caamafio, pegou em armas contra os golpistas e proclamou - apoiado
pela grande maioria da população - a sua intenção de devolver às suas fun·
ções o presidente derrubado, Juan Bosch. Os confrontos irromperam, e os
constitucionalistas de Caamafio estavam em posição de vencer. Foi então que
Johnson decidiu enviar os marines, uma vez que o embaixador Tapley Bennet
havia anunciado a sua intenção de proteger os residentes norte-americanos.
O mundo assistiu então, assombrado, a uma opereta em que Johnson se
empenhava em negar as violações mais flagrantes à Carta da OEA, e teve,
após várias tergiversações e falsidades - e perante a onda de indignação parti·
cularmente forte na América Latina, onde as embaixadas e as empresas ame•
ricanas foram tomadas de assalto pelos manifestantes - de disfarçar a inter·
venção americana com a participação de tropas de quatro ditadores militares,
os únicos que aceitaram acompanhar Washington na sua invasão: o Brasil dos
militares golpistas, a Nicarágua de Somoza, o Paraguai de Stroessner e
Honduras.
Tratava-se, para os norte-americanos, de impedir o aparecimento de uma
nova Cuba, o que a seus olhos justificava todas as violações às normas esta•
belecidas pela própria OEA: "Compreendi que não havia tempo a perder,
para falar e conferenciar... As nações americanas não podem, não devem e
não permitirão a fundação de outro governo comunista no hemisfério ociden•
tal..."-H
Em setembro do mesmo ano, uma resolução da Câmara de Representantes
dos Estados Unidos (Resolução Selden) declarava que, face à mera ameaça
AS INTERVENÇÕES NORTE-AMERICANAS NA AMÉRICA LATINA 323

do perigo comunista, as nações americanas podiam e deviam prestar auxílio


mútuo.
Balaguer, o velho amigo dedicado do ditador Trujillo, foi aceito pelos nor-
te-americanos e eleito presidente em 1966. O coronel Caamafto, cercado de
imenso prestígio, morreu alguns anos mais tarde, numa derradeira tentativa
de levar a luta armada à República Dominicana.

Os mil dias da Unidade Popular

Oespectro do comunismo - obsessão de Washington - pareceu tomar·


se realidade quando o médico socialista chileno Salvador Allende, apoiado
por uma coligação de partidos de esquerda, a Unidade Popular, venceu as
eleições em 4 de setembro de 1970.
OChile estava em festa, e da varanda da histórica Federação de Estudan·
tes do Chile, no centro de Santiago, Salvador Allende, comovido, compro·
meteu-se, perante os seus eleitores, a concretizar o programa que prometera.
Em seguida, pediu-lhes que se retirassem serenamente e que não respondes-
sem às provocações. Não se verificou uma única desordem, nem um só inci·
dente, não houve nenhum vidro partido nessa noite, e o povo chileno feste·
jou, com sobriedade, sua vitória.
Mas, nos bairros elegantes, nas casas opulentas e à sombra das grossas
paredes da Embaixada dos Estados Unidos, aqueles que haviam acusado a
esquerda de trazer consigo a barbárie já afiavam as facas.
A intervenção americana no Chile tomou-se largamente conhecida, de-
pois de terem sido publicados os documentos secretos da IIT e o relatório
"Covert Action" apresentado ao Senado pela Comissão Church.
A ação dos Estados Unidos, em comum acordo com a direita chilena,
começou durante a campanha presidencial. A CIA subornava os jornais e os
partidos de centro e de direita. O inefável secretário de Estado Henry Kissinger
sentiu-se na obrigação de declarar, em junho de 1970: "Não vejo por que
razão havíamos de cruzar os braços, sem agir, ao vermos um pa{s tomar-se
comunista devido à irresponsabilidade do seu povo ... "45
O dono do principal órgão da imprensa chilena, EI Mercurio, e o vice·
presidente da Pepsi reuniram-se dia 15 de setembro de 1970 em Washington
com o diretor da CIA, Richard Helms. Nessa mesma noite, Henry Kissinger,
Richard Helms e o presidente Nixon coordenavam um plano de ação- Track
l

O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

1-destinado a impedir que o Congresso proclamasse Salvador Allende pre.


sidente da República.
Segundo a comissão Church, as instruções de Nixon foram rigorosas, es.
cri tas de próprio punho: "Salvem o Chile ... não importa calcular os riscos, não
comprometer a embaixada, 10 milhões se for necessário ... trabalho em tempo
integral. .. plano de ação em 48 horas ... "46 O plano Track 2 tinha diversas fases,
que iam do suborno de deputados, generais e almirantes, até o assassinato do
comandante-em-chefe do exército, que se recusou a seguir os golpistas e caiu
numa emboscada em outubro de 1970.
As instruções de Nixon eram, como se disse, rigorosas: era preciso fazer
tudo para impedir Allende de chegar ao poder, exceto uma ação como aquela
que tinha sido empreendida na República Dominicana. Nathaniel Davis, em·
baixador dos Estados Unidos no Chile, deixou uma dúvida sobre o projeto de
assassinato de Allende pela CIA.
Apesar disso, Allende foi empossado pelo Congresso e governou durante
três anos. Pôs em prática os programas prometidos: nacionalizações do cobre,
da banca, do nitrato, dos telefones, dos seguros, reforma agrária etc. Mas o
Chile enfrentava uma trama invisível, "Um Viemã silencioso", como afumou
o poeta Pablo Neruda, que, pegando na sua arma, a caneta, escreveu: "Incita·
mento ao Nixoniddio ... "
Um plano, apoiado do exterior, desestabilizou o país e desembocou no
golpe de Estado de 11 de setembro de 1973. Navios da marinha americana, o
Richard Turner, o Tatrersall, o Vesol e o submarino Clamagore, estavam nesse
dia, oportunamente, junto à costa chilena, para participar nas manobras na·
vais "Unitas". Em poucas horas, os militares atravessaram a fronteira estreita
que separa a civilização da barbárie. Allende imolava-se no seu palácio em
chamas.
A contra-revolução vitoriosa pôde então restaurar o capitalismo sobre
novas bases, mergulhando o país, durante dezessete anos, numa ditadura san·
grenta, que se propunha "extirpar para sempre o cancro marxista". Milhares
de opositores foram presos, torturados, mortos e/ou dados como desaparecidos.
Iniciou-se uma transição democrática a partir de 1989, quando o ditador
Pinochet foi obrigado a convocar um plebiscito. Vencido, teve de ceder o
lugar em 1990 a um civil eleito democraticamente, permanecendo como co·
mandante-em-chefe do exército até 1998, quando aceitou aposentar-se ... do
Senado ... esse mesmo Senado que ele fechara em 1973.
AS INTERVENÇÕES NORTE-AMERICANAS NA AM~RICA LATINA 325

Aintervenção na Nicarágua
Em 19 de julho de 1979, as tropas da Frente Sandinista entraram em uma
Manágua libertada. Dois dias antes, Anastasio Somoza Debayle, herdeiro de
uma dinastia fundada pelo seu pai em 1936, colocara-se em fuga. O governo
sandinista se viu então diante da tarefa de reconstruir um país devastado.
Implantou uma reforma agrária, redistribuiu terras, desenvolveu uma ampla
campanha de alfabetização, lutando, ao mesmo tempo, desde os primeiros
meses, contra os ex-guardas de Somoza, que se concentravam na fronteira
hondurenha.
O governo Reagan, que durante a campanha presidencial denunciara
os sandinistas como agentes de Moscou, iniciou uma gigantesca campanha
internacional acusando o governo de Manágua de querer apoderar-se de
toda a América Central. No início dos 11nos 80, iniciava-se a invasão silen-
ciosa da Nicarágua. Reagan proíbe o crédito, encoraja os partidos da oposi-
ção, ao mesmo tempo em que financia e arma os contras, baseados em
Honduras.
Na campanha internacional, a administração Reagan dava ênfase ao
"armamentismo" sandinista, que representava um perigo evidente - dizia
Reagan - para os governos "livres" da região. O Irangate comprovou a inter-
venção americana na Nicarágua através do fornecimento de fundos e armas
aos contras, que utilizavam o território de Honduras como principal base de
operações.
A Nicarágua foi destroçada pela guerra decidida por Reagan e conduzida
por intermédio dos contras. O governo dos Estados Unidos foi condenado
pelo Tribunal Internacional de Justiça pela sua participação em atos terroris-
tas, tais como o do porto de Corinto.
Nesta "cinturinha da América Latina", como a chamou Pablo Neruda,
jogou-se, nos anos 80, um pouco da dignidade da América Latina. Carlos
Fuentes, o célebre escritor mexicano, disse-o à sua maneira no México, em
uma manifestação de apoio à Nicarágua: "A guerra desta época ... a guerra que
nos diz respeito a todos, é conduzida pelos nicaragüenses em nome de todos ...
A guerra que está sendo feita na Nicarágua é disfarçada com pretextos ideo-
lógicos ... Mas querem ser eles a restaurar ou a criar a democracia, aqueles
que, ao longo de um século e meio, nunca se preocuparam senão com os seus
próprios privilégios ... Exige-se da Nicarágua que se transforme naquilo que
nenhuma nação da América Latina pode ser: uma democracia como os Esta-
326 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

dos Unidos, coisa que jamais se exigiu de Somoza ou se pediria aos contras no
poder."
A "guerra de baixa intensidade", os atentados, a violência generalizada, a
morte de jovens soldados, abatidos pelos concras em e mboscadas, acabaram
por cansar uma parte da população. Em 1990, o governo sandinista - apesar
de desacreditado como um regime totalitário - organizou eleições. A
candidata da oposição unida, Violeta Barrios de Chamorro, conseguiu a vitó-
ria, num país devastado por anos de conflito.

A lnt1asão de Granada

A invasão da minúscula ilha de Granada inscreve-se no quadro da nova


guerra fria que teve lugar durante a primeira metade dos anos 80.
Os Estados Unidos, que tinham a sensasão de ter sido destroçados no
plano internacional nos filá mos anos - Viemã, Irã, Nicarágua, África,
Afeganistão e Líbano - . quiseram mostrar ao mundo, e particularmente à
União Soviética e aos seus aliados, que "a América estava de volta". Reagan
tentou contrariar os movimentos revolucionários na América Central e, na
sua cruzada contra "o império do mal", apoiou a escalada militar dos contras
na Nicarágua e encorajou os sucessivos governos salvadorenhos na sua luta
contra a guerrilha.
É neste contexto que os Estados Unidos invadiram, em 25 de outubro de
1983, a pequena ilha de Granada - 110 núl habitantes - nas Antilhas. Um
conflito entre duas fações que disputavam o poder, que "punha em perigo a
vida de cidadãos norte-americanos", foi o pretexto encontrado por Reagan.
Depois, acrescentou, para efeito de propaganda, que cubanos preparavam a
pista do aeroporto de Pointe Salines com o intuito evidente de permitir o
pouso de grandes aviões soviéticos ... E a h isteria intervencionista apoderou·
se de milhões de norte-americanos. Sem temer o ridículo, o presidente Reagan
chegou ao ponto de afirmar, muito seriamente, que a intervenção tinha sido
decidida "após um pedido urgente" procedente de cinco países das Antilhas,
cujo peso na cena internacional se pode avaliar: Ant!gua, Barbados, Domínica,
Santa Luzia, São Vicente ...
A "vitória de Granada" - mais de 6 mil marines fortemente armados
contra operários da construção civil cubanos - ia ser útil a Reagan du·
rante a sua campanha para a reeleição no ano seguinte . Para a administra·
AS INTERVENÇÕES NORTE-AMERICANAS NA AM~RICA LATINA 327

ção norte-americana, tratava-se igualmente de apagar o fiasco no Líbano,


onde, algumas semanas antes, mais de meia centena de soldados tinham
sido abatidos. A operação que "libertara Granada de uma ditadura mar-
xista" tinha um objetivo eleitoral, mas, ao mesmo tempo, serviu para mos-
trar ao mundo a determinação da administração Reagan na sua luta con-
tra o comunismo.

Aoperação "Justa causa"

Em 2 de outubro de 1977, um referendo ratificou, no Panamá, o novo


Tratado Carter-Torrijos. O povo panamenho revogava, assim, o leonino Tra-
tado Hay-Bunau Varilla, "jamais assinado por um panamenho", como gostava
de repetir o general Omar Torrijos. O Panamá, nos tennos do tratado, obterá
a plena soberania sobre o canal e suas instalações no ano 2000. O general
Torrijos, comandante da Guarda Nacional, teve de ultrapassar os obstáculos e
dificuldades que os senadores americanos - inimigos do tratado - opuse-
ram à assinatura.
A emenda do senador De Concini acrescentava uma cláusula que preten-
dia garantir aos Estados Unidos o direito de intervir militarmente no canal:
"Se o canal estiver fechado ou as suas operações impedidas ... os Estados Uni-
dos terão o direito de tomar medidas ... incluindo a utilização da força mili-
tar..."47Torrijos escreveu então a Carter, e este comprometeu-se a "não utili-
zar esta emenda como justificativa legal para uma eventual nova intervenção
no Panamá".
Torrijos morreu em 1981, num misterioso e jamais esclarecido acidente
aéreo. Os panamenhos reconhecem o mérito de ter conseguido negociar no-
vos acordos sobre o canal em condições extremamente difíceis.
O general Noriega toma-se, depois da morte de Torrijos, comandante da
Guarda Nacional. Ele era considerado um homem dos americanos, tendo tra·
balhando durante anos para a CIA. Como se sabe, o governo de Bush não se
prendeu, em 1989, a sutilezas jurídicas nem a um suposto direito ao cargo por
antigüidade.
Nesse ano tiveram lugar as eleições presidenciais. A oposição reagrupou-
sc cm tomo de Guillermo Endara, que em seguida se declara vencedor. Mas,
por pressão da Guarda Nacional, Francisco Rodriguez foi designado presi·
dente da República. Um braço-de-ferro estabeleceu-se então entre a oposi-
O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

ção - apoiada pelos Estados Unidos - e a Guarda Nacional do general


Noriega.
O general Noriega, que provavelmente trabalhara alguns anos antes para
a ClA - e, nessa qualidade, era um ex-empregado de Bush -, foi por este
acusado de participação no tráfico de drogas. Um mandado de captura foi
emitido contra ele. Ao mesmo tempo, as tropas americanas estacionadas na
zona do canal iniciaram as provocações e as ações de intimidação contra a
população que, em parte, apoiava Noriega.
Em 20 de dezembro de 1989, Bush - alguns dias depois de Malta, onde
ele brindara com Gorbatchev, celebrando o fim da Guerra Fria - lançava a
operação "Justa causa". E as tropas americanas, sem se preocuparem com jus-
tificativas legais, invadiram uma vez mais o Panamá, utilizando milhares de
soldados, a aviação e helicópteros. Mas a Guarda resistiu, assim como os bair·
ros populares, onde tinham sido distribuídas armas. Foram bombardeados pe·
los soldados da "Justa causa", única fom1a de pôr fim à resistência encontrada
pela invasão. Foram contados mais de dois mil mortos nos escombros dos
bairros bombardeados.
O líder da oposição, Guillerrno Endara, preferiu o conforto e o ar-con·
dicionado numa base militar americana - prova da tranqüilidade que reina·
va no país e da adesão popular ao golpe norte-americano -para prestar jura·
mento como presidente da Repeíblica ... Bush impôs um presidente que, nos
anos 70, criara uma empresa baseada no Panamá e na qual era associado ao
general Manuel Contreras, chefe da polícia secreta de Pinochet.
Noriega foi preso pelos seus ex-patrões em 3 de janeiro de 1990. Leva·
do para os Estados Unidos, foi condenado a quarenta anos de prisão. Em
maio de 1994, Ernesto Perez Valladares, do partido de Noriega, triunfava
nas eleições.
Os panamenhos seguram o fôlego enquanto aguardam o ano 2000, que,
segundo o último tratado, lhes trará a soberania plena sobre o canal. A não
ser que ...

A intervenção humanitária no Haiti

Ao contrário do que muitas pessoas pensam saber, a intervenção norte·


americana dos anos 90 no Haiti não data de 15 de outubro de 1994, mas ... de
30 de setembro de 1991, quando o presidente Aristide foi derrubado por um
AS INTERVENÇÕES NORTE-AMERICANAS NA AM~RICA LATINA 319

golpe de Estado organizado por militares haitianos com o "apoio da CIA e da


embaixada americana". 48
Em 1971, Jean-Claude Duvalier, "Baby Doe", tinha sucedido a seu pai-
François Duvalier, "Papa Doe"-, no poder desde 1957. "Baby Doe" foi der-
rubado em 1986, e instalou-se na França, uma vez que o governo doprimeiro-
mínistro Laurent Fabius lhe tinha concedido uma autorização de permanên-
cia. Encontrou um refúgio muito confortável na Côte d'Azur, onde, desde
então, passa os seus dias de reforma forçada.
O general Raoul Cendras, chefe da Junta que derrubara o padre Aristide
em setembro de 1991, tinha levado a cabo o 172º golpe de Estado desde que
o Haiti conseguira a independência, em 1804, há quase dois séculos.
Christophe Wargny escreveu, em 1996, com Pierre Mouterde, um livro
que tem o sugestivo título de Apre bal cambou lou: cinco anos de duplicidade
americana no Haiti, 1991-1996,49 onde mostra a ação combinada contra Aristide
- não isenta de contradições - dos Estados Unidos, dos militares, da oligar-
quia haitiana e do Vaticano. Este último era contrário ao padre Aristide, devi-
do ao seu apoio à Teologia da Libertação.
A última intervenção militar norte-americana na América Latina - se-
tembro de 1994- fez regressar então o presidente Aristide a Port-au-Prince.
Tratava-se de uma "operação humanitária" autorizada pela ONU. Assim, três
anos após ter sido derrubado, o padre Aristide regressava ao poder pelas mãos
da potência que tinha contribuído para a sua queda.

Paco Peiia, professor e jornalista chileno, é colaborador de Punto Final.

Notas:

1. Vermont em 1791, Kentucky, em 1792, Tennessee, em 1796. Estes dois últimos territóri·
os, bem como Mississippi, Alabama, Illinois, Indiana e Ohio foram adquiridos pela União
na época do Tratado de Paris, em 1783. Outros, mais a oeste, serão comprados de Bonaparte
em 1803.
2, Carlos Machado, Doc11mentos, Estados Unidos y América Latina, Editorial Patria Grande,
Montevideo, 1968, p. 11.
J. Carlos Machado, Documencos , op. cit., p. 13.
4. Idem, p. 15.
5. Carlos Machado, Dorumencos, p. 18.
6. Idem, p. 19.
7. Ibidem, p. 23.
330 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

8. Leo)Xlldo Maninez Caroza, La inten1enci6n norteamericana em Mexico, 1846-1848, Pano-


rama Editorial, México, 1985, p. 19.
9. Idem, p. 27.
10. Carlos Machado, op. ci1., p. 32.
11. Carlos Antonio Lopez, 1790-1862, presidente do Paraguai entre 1840 e 1862.
12 . Ynsfran Pablo Max, La expedición norteamericana conira el Paraguay, 1858-1859, Editorial
Guarania, México, Buenos Aires, 1954, 2 vol., p. 208.
13. Idem, vol. 11, p. 42 .
14. Lemaitre Edouardo, Panamá' su separación de Colombia, Ediciones Corralito de Piedra,
Bogotá, 1972, p. 66.
15. Existe um relato deste episódio: La guerre de N icaragua, traduzida do inglês por Ricardo
Femández Guardia, Ediciones Universidad Centroamerica, San José, Costa Rica, 1970.
16. Carlos Machado, op. ci1., p. 41.
17. Idem, p. 43.
18. )ingoism: "expressão inglesa sinônimo de chauvinismo patriótico".
19. Via\ Gonzalo, Historia de Chile, vol.. li (1891-1920), edições Santillana, Santiago do Chi·
\e, 1983.
20. Gonzalo Via\, op. ci1., p. 165.
21. Carlos Machado, op. ci1., p. 53.
22. Idem, p. 55.
23. Idem, p. 64.
24. Ibidem, p. 66.
25. Lcmaitre Edouardo, op. cit., p. 75.
26. Idem, p. 95.
27. Ibidem, p. 128.
28 Carlos Machado, op. cit., p. 57.
29. Buneau Varilla Philippe, De Panama d Verdun, p. 162 e seguintes.
30. Castor Sucy, l..a ocupación norieamerican de Haiti., su.s consecuencias, Casa de las Americas,
Havana, 1974, p. 22.
31. Cardoso F. H. e E. Faletto, Dépendance et dé11eloppemen1 en Amérique Latine, PUF, 1983, p.
83.
32. Carlos Machado, op. cit., p. 75.
33. Castor Sucy, op. ci~, p. 28.
34. Idem, p. 35.
35. Carlos Machado, op. cit., p. 85.
36. "Ou rêve à la ~volu1ion", Solidariti Nicaragua n11 3, Paris, 1982, p. 5.
37. Carlos Machado, op. cit., p. 87.
38. Idem, p. 89.
39. Ibidem, p. 90.
40. Carlos Machado, op. cit., p. 91.
41. Idem.
42. Carlos Machado, op. cit., p. 96.
43. Idem, p. 101.
44. Ibidem, p. 109.
45. Davis Nathaniel, Los dos últimos anos de Sal11ador Allende, Plaza y Janes editores, Barcelo·
na, 1986, p. 18.
46. Idem, p. 19.
AS INTERVENÇÕES NORTE-AMERICANAS NA AM~RICA LATINA 331

47, Conte Porras Jorge, Dei Tratado Hay-Buneau Varilla, ai Tratado Torrijos·Carter, lmpresora
Panamá, 1982, p. 144.
48. Wargny Christophe, "Maniere de voir" nº 33, fevereiro 1997, Le Monde Diplomatique, p.
68-C.
49. Éditions Austral, 1996.
ESTADOS UNIDOS: O SONHO INACABADO
-A LONGA MARCHA DOS
AFRO-AMERICANOS
ROBERT PAC

)
./'
O que aconteceu ao sonho de Martin Luther King, o sonho sobre o qual
ele falava em agosto de 1963, em Washington, perante uma multidão de 250
mil pessoas negras e brancas que se acotovelavam? O sonho de uma América
multicolor, finalmente libertada do racismo, da pobreza e da exploração? Hoje,
35 anos mais tarde, o sonho dele continua irrealizado e os afro-americanos
encontram-se numa situação ainda pior do que em 1963, pior do que antes da
lei sobre os direitos civis arrancada em 1964.
As lutas dos afro-americanos por seus direitos civis duraram mais de 40
anos terminando com uma vitória, pelo menos nos textos, por volta de 1970,
graças àação, infelizmente muitas vezes desordenada, de Malcom X, de Martin
Luther King, dos Panteras Negras, dos juristas da NMCP, dos liberais bran-
cos e negros e dos radicais do Partido Democrático.
Após os assassinatos de Malcom X em 1965 e de Luther King em 1968,
sobre os quais paira a sombra do FBI, uma repressão impiedosa quase esmagou
completamente a revolta dos afro-americanos e das outras minorias nos anos
70. Foi uma verdadeira guerra secreta contra a dissidência interna conduzida
pelo FBI e pela CIA no quadro do Cointelpro (Counter Intelligence Program),
uma ofensiva dissimulada mas maciça contra as organizações e os grupos de
esquerda, o Partido Comunista, os movimentos pacifistas, os negros, os estu·
dantes e outras forças democráticas. Esse programa tinha por finalidade "des-
mascarar, desmembrar, desacreditar ou neutralizar", matando, se necessário,
os dirigentes, os membros ou simpatizantes desses grupos. A execução desse
plano, dirigido pelo diretor do FBI, Hoover, que declarou que os Panteras
Negras eram "a maior ameaça que pesava sobre a segurança nacional", foi
completado de setembro de 1968 a dezembro de 1969 com o assassinato pra-
ticado pela polícia de 14 dirigentes dos Panteras e a prisão de centenas de
militantes, dos quais alguns continuam na prisão e ameaçados de ali termina-
rem os seus dias.
Embora oficialmente abandonado há já 20 anos, esse programa continua
a ser executado, como o provam as perseguições que ainda continuam contra
Leonard Peltier, o dirigente índio do American Indian Movement, condena-
do a prisão perpétua em 1976, e contra Mumia Abu Jamal, jornalista negro,
antigo porta-voz dos Panteras Negras de Filadélfia, condenado à morte em
l36 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

1982, vítimas, um e outro, de um gol pe mon tado pelo FBI e de um processo


manchado por numerosas irregularidades. H oje já n fo existe m grandes orga·
nizações negras nacionais e estruturadas, n e m d irige ntes carismáticos, nem
grandes movimentos de massas.

Uma vitória revlsta

Desde os anos 70, o benefíà o de uma legislaçao duramente adquirida,


destinada oficialmente a pôr fim à exclusão racial , fo i anulado por uma estra·
tégia governamental de cerco fís co e isolamento econômico, que produziu
uma verdadeira decadência da vida social nos guetos.
Esta estratégia, ina ugurada por nald Rea gan em 1980, e continuada
pelos seus sue , Bush e Oin on, levou a cortes violentos nos orçamen·
tos de ajuda social, de educ.lÇão, de saúde, de construção, de alojamentos e
de renovação urbana. Os a&o-americ.anos pa ga ram maciçamente as despesas
desse desmantelamento. ·e, 35% das fa tnn ias negras situam-se abaixo da
linha da pobreza (contra 6% das famílias brancas). Em média, a receita de
uma família negra repre$Cnta S8% daquela de uma farru1ia branca, número
Inferior ao de 19671
A taxa oficial de desemprego dos afro -americanos é duas vezes a taxa
média nacional, cujo modo de cálculo e.st.á sujeira a caução (5,5%!) . Na rea·
\idade, a dos negros deve iruar-sc em cerca de 25%. Para os jovens negros de
16 a 19 anos, e a taxa eleva-se a S7%. Em 1967 era de 26,5%! Hoje, no
Harlem, 75% dos joveru estão sem emprego. Acentuando ainda mais a guerra
contra os pobres, Reagan reduzi u à metade a duração do seguro-desemprego:
13 semanas, em lugar de 26.
A esperança de vida para um homem negro é de 69 anos, contra 76 para
um branco. A taxa de mortalidade infantil entre os negros é de 16,5 para mil,
contra 8, l para os brancos. Os mais desprovidos, cc ntc n~ de milhares de
famflias, vêem-se pouco a pouco privados do auxílio social, sem o qual não
podem sobreviver (como os abonos do welfare ou os food sramps criados por
Kennedy em 1961 e que continuam a existir). Calcula- se que 12 milhões de
crianças nos Estados Unidos não recebem a quantidade mínima de calorias
necessária. Privando o governo federal dos fundos n ecessários, a administra·
ção Reagan· Bush tirou da autoridade central a gestão do welfare. Desse modo,
é extraordinário constatar que hoje, nos Estados Unidos, a saúde, a reforma
ESTADOS UNIDOS: O SONHO INACABADO 337

urbana, a guarda das crianças, a educação, a renovação do centro das cidades


e o alojamento social são um negócio privado nas mãos de trustes (Corporaie
welfare).
Por fim, assistiu-se no decurso dos últimos anos a uma ofensiva puramente
racista. Os negros, sempre explorados e que, através dos tempos, têm consti·
ruido um subproletariado sobre o qual foi construída a riqueza das finanças
brancas, são hoje apontados como a causa das dificuldades da América. Os
magros subsídios que alguns recebem para sobreviver são apresentados como
prêmio à preguiça que se insiste em considerar congênita nos negros. O go·
vemo apóia-se nesta propaganda racista para justificar os programas que ten·
dem a eliminar pouco a pouco as conquistas dos direitos cívicos. Foi desse
modo que praticamente terminaram o busing e a integração escolar ou a ação
afirmativa que se destinava a garantir às vítimas da discriminação de ontem e
de hoje a igualdade de oportunidades na educação e no emprego.

Uma política de genoddio

"Todos os anos, a nossa economia produz cada vez mais produtos com
cada vez menos homens. Os trabalhos penosos e não-especializados - aque·
les que ninguém queria, aqueles graças aos quais eram tolerados os negros na
América, a espécie de trabalhos que nós, os niggers, sempre fizemos - estão a
desaparecer rapidamente. Mesmo no Sul - no Mississippi, por exemplo-,
mais de 95% do algodão é colhido por uma máquina. Hoje, o trabalho negro
já não é rentável, nem mesmo procurado; a economia americana já não pre·
cisa." Assim se exprimia o ator e ativista Ossie Davis no prefácio de We charge
genocide, em 1970 (lnternational Publishers Co. lnc.) .
Os novos empregos convenientemente remunerados são pouco acessfveis
aos afro-americanos porque, no conjunto, estes dispõem de pouco estudo e
poucos diplomas. Um bom número de sociólogos e militantes negros vê na
política governamental a respeito dos afro-americanos uma vontade genocida
de manter cm um certo nível financeiramente aceitável uma pequena parte
da população negra, eliminando aquilo a que os dirigentes americanos cha-
mam "excedente populacional".
O exemplo destas últimas décadas mostra que esta solução foi aceita e
iniciada: o genocídio limitado. As armas desse genocídio, além da miséria, da
fome, da dispersão das famílias e do desemprego, são o isolamento social (os
338 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

guetos) e a introdução nas comunidades negras da droga e da Aids. E ainda a


eliminação de uma grande parte da população negra pelo sistema judiciário e
penitenciário americano.

Os guetos: um apartheid na América

A questão negra nos Estados Unidos é o resultado de uma política secular


de exclusão sob os seus aspectos econômicos, culturais, ideológicos, sociais e
políticos. A estratégia atual de pôr de lado os afro-americanos só podia tradu-
zir-se num apartheid à americana. Não se trata, evidentemente, de colocar os
negros em wwruhips cercadas de arame farpado como na África do Sul nos
tempos do apanheid. Mas essas cidades existem realmente no próprio centro
das grandes cidades dos Estados Unidos: são as doumtowns, os guetos que
podem ser cercados e enquadrados pela polícia e o exército em poucas horas.
Os guetos são assim abandonados aos afro-americanos pelos ricos e pelos pe·
queno-burgueses brancos que podem, desse modo, dormir descansados nos
seus belos cottages dos arrabaldes policiados e autoprotegidos.
O isolamento vigente desde 19í2 conseguiu aquilo que a escravatura e a
segregação não tinham conseguido completamente, quer dizer, a colocação
1 sob vigilância, sem torres de observação nem cercas de arame farpado, de
97% dos negros americanos.
1.
O gueto está isolado da economia oficial e do resto da sociedade. À de·
gradação do habitat soma-se uma forte criminalidade, uma elevada taxa de
mortalidade, estruturas sociais e educacionais deficientes e um desemprego
crônico. É uma microssociedade à parte, um mundo fechado provido de es·
truturas e de uma linguagem espedficas. A violência, o desmembramento das
famílias (56,2 % das famílias são dirigidas por uma mulher sozinha), o alcoolis·
mo, a droga, conduzem à inércia ou ao desespero que leva a revoltas suicidas.
O isolamento dos afro-americanos nos guetos está na alçada do Artigo II,
§C da Convenção Internacional para a prevenção e repressão do crime de
genocídio, ratificada pelos Estados Unidos, que estipula: "Na presente Con-
venção, por genocídio entende-se qualquer um dos atos abaixo-assinalados,
cometidos na intenção de destruir, no todo ou em parte, um grupo nacional,
étnico, racial ou religioso, como tal: (... ) Artigo II C : Submissão intencional
do grupo a condições de existência que conduzam à sua destruição física total
ou parcial."
ESTADOS UNIDOS: O SONHO INACABAOO 339

Quase todas as famílias negras do gueto sobrevivem apenas graças à ajuda


pública que é um fator essencial do desmembramento das farru1ias negras e, ao
mesmo tempo, um instrumento de opressão. Com o welfare o negro toma-se
escravo da pior espécie, o escravo que reclama grilhões.
E a fome reina freqüentemente nesses lares desmunidos. Como viver com
três dólares por dia quando um hambúrguer custa dois? Não existe segurança
social nos Estados Unidos. Os orçamentos sociais, jã reduzidos pela adminis·
tração Reagan, foram ainda mais diminuídos pelos seus sucessores, Bush e
Clinton. O Harlem, por exemplo, é o lugar do mundo onde a criminalidade é
mais elevada. A delinqüência amplia-se, porque a sobrevivência no gueto é
uma luta cotidiana. Mata-se seis vezes mais do que no resto de Nova York ou
em Chicago. Da maior parte dos crimes nunca se saberã quais os motivos nem
os autores. Os homens negros arriscam-se sete vezes mais a serem vítimas de
um assassinato do que um branco. Um negro que viva no Harlem tem menos
possibilidades de atingir os 65 anos do que um habitante do Bangladesh. "Se-
gundo estudos feitos, você tem menos sono, arrisca-se a ser mais obeso e a ter
hipertensão. Isso não se deve apenas à pobreza. A sua vida mais curta e peno·
sa é fruto, em grande parte, das ansiedades provocadas pelo fato de ser um
negro na América. 1"
A propósito dos motins de Los Angeles de abril de 1992, o editorial do
New York Times de 7 de maio de 1992 afirmava que "os incêndios de Los
Angeles iluminam com uma luz crua e nova o modo como a América passa
uma borracha sobre certas questões (... ). Pior ainda, a América apaga as pes-
soas: uma geração de jovens negros".
Sobre o projeto de uma, por assim dizer, "reforma" da ajuda social no
início dos anos 80: "Não é uma reforma do apoio social, é um plano para
transformar os guetos em vastos cemitérios - porque ali não hã trabalho.
O objetivo desta legislação é garantir que morram camadas inteiras das
minorias, porque esse sistema capitalista degradado ja não tem necesidade
delas." 2

Adroga

Nas mãos do homem branco a droga sempre foi um instrumento impor·


tante da sua vontade de oprimir os homens de outras raças. O exemplo mais
conhecido é a importação para a China do ópio da Índia, que viria a provocar
340 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

a famosa "guerra do ópio" (1839-1842} entre a Inglaterra e a China, cujo


governo queria proibir o tráfico. Vencida a China, o donúnio da Inglaterra foi
facilitado por um regime corrupto e, sobretudo, pelo envenenamento organi·
zado de todo um povo por meio da droga.
O envenenamento é o termo que empregava Ho Chi Minh em 1925, no
seu livro clandestino O processo da colonização francesa, no qual ele denunci-
ava a política francesa na Indochina que impunha a cada indochinês um con·
sumo importante de álcool e de ópio.
Este método de aniquilamento da vontade de revolta entre os coloruza·
dos era de uso geral entre os colonizadores. Foi especialmente muito utilizada
pelos conquistadores da América do Norte contra os ameríndios. Foi a famosa
"água de fogo" bem conhecida dos amantes de westems que, acrescentada aos
massacres e às doenças importadas pela "civilização", precipitou a degradação
dos índios.
A arma da droga continua a ser utilizada nos nossos dias contra esses
colonizados no interior da sua metrópole que são os negros dos Estados Uru·
dos. No passado, a marijuana e, mais tarde, o ópio, a morfina, a heroína e a
cocaína foram toleradas entre os negros, ou pelo menos a repressão era feita
de maneira a não destruir o nível geral do tráfico.
Nos nossos dias, o Harlem, por exemplo, possui oito vezes mais drogados
que o resto do aglomerado nova-iorquino. Neste momento, 40% dos crimes
têm relação com a droga. Os afro-americanos do Harlem substituíram a coca·
fna e a heroína pelo crack, esse derivado mais barato da cocaína de efeitos
violentos e imediatos.
Essa droga, que age sobre o cérebro, produz uma euforia seguida de um
estado depressivo, de irritabilidade, de ansiedade e de psicose paranóica. Se·
guem-se enfisemas pulmonares e uma overdose, que pode provocar um infarto
ou um aumento do ritmo cardíaco e da pressão sangüínea; o toxicômano tem
alucinações e a impressão de que o seu corpo é percorrido por um exército de
insetos. Há também anorexia e perda de peso considerável. Finalmente, a
morte.
A droga encontra-se em todo o mundo nos guetos. O aumento rápido do
fornecimento de crack provocou a queda do preço da dose, que caiu de 40
dólares em 1988 para um valor que oscila hoje entre 3 e 10 dólares. Esta
queda provocou um fluxo de consumidores com baixo poder de compra. Além
do mais, esta cocaína traficada, consumível sem seringa, afasta o medo da
Aids. No estado de Nova York, mais de um terço dos consumidores de crack
ESTADOS UNIDOS: O SONHO INACABADO 341

são afro-americanos, embora eles não constituam mais do que 14,6% da po-
pulação total do estado.
Os afro-americanos representam 50% dos usuários de drogas injetáveis,
estimados em 1,2 milhões, dos quais cerca de 300 mil estão infectados com o
vírus da Aids. No estado da Geórgia, os afro-americanos do sexo masculino
constituem 8 dos 10 (79%) casos atribuíveis unicamente ao uso das drogas
intravenosas. Eles representam 43% de todos os casos de Aids em Detroit e
76% de todos os casos de Aids devidos ao uso de drogas intravenosas em abril
de 1987.
Os afro-americanos constituem uma percentagem desproporcional (2 7%)
de todos os casos de Aids registados pelo CDC (Center for Disease Control)
de Atlanta. As crianças afro-americanas e hispânicas representam aproxima-
damente 80% de todas as crianças infectadas pelo vírus da Aids nos Estados
Unidos. Dois terços de todos os casos de negros infectados com vírus da Aids
estão concentrados em Nova York, Nova Jersey e Flórida. Os negros correm
três vezes mais riscos de contrair Aids que os brancos. As miseráveis condi-
ções de vida dos negros e também a falta de defesas dos atingidos pela Aids
explicam a rápida propagação da tuberculose nos guetos.

Os bebês-cocaína

Uma em cada cinco crianças negras que nascem hoje no gueto é depen-
dente de drogas. Dependente mesmo antes de nascer, adquirindo o vício ain·
da no ventre da mãe que se droga, freqüentemente consumindo crack. ''A
toxicomania tem efeitos diretos e múltiplos sobre a gravidez. A cada dez cri·
anças que nascem no Harlem, uma tem um peso inferior à média. Na mater·
nidade do Grande Hospital do Harlem, em cada 3 milhões de nascimentos, a
taxa de nascituros drogados é de 15%. Chamam-nos 'bebês-coca{na'. Prema·
turos de dois meses pesam 600 gramas menos que as outras crianças nesse
estágio e correm três vezes mais riscos de morrer nos primeiros anos. Nesse
mesmo hospital, a taxa de mães que abortam naturalmente é duas vezes mais
elevada que a média."3
"O crack afeta o feto durante seu desenvolvimento, muito mais do que a
hero{na ou outras drogas."4
O "bebê-cocaína" que escapa à mortalidade infantil sofrerá durante toda
a sua curta vida os efeitos diretos e múltiplos da toxicomania sobre a gravidez:
342 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

epilepsia, paralisias, deformações, atrasos motores e mentais, agitação febril,


incomunicabilidade ...
"Os 'bebês-cocaína' correm 15 vezes mais risco de serem vítimas da 'mor·
te súbita' do que as outras crianças. Mas, para elas, a morte é talvez a melhor
coisa. Para muitos dos 'bebês-cocaína' que sobrevivem, a primeira experiên-
cia de vida é a agonia causada pela 'falta' de cocaína. Sofrem horrivelmente.
São tão sensíveis que não é possível segurá-los ou alimentá-los nonnalmente.
Movem os membros incessantemente em busca de alívio. Mesmo os mais
endurecidos dos médicos especialistas não podem suportar os gritos intolerá·
veis desses bebês. 'Nunca, no decurso da minha carreira médica, vi um sofri·
menta como aquele que é causado pela cocaína', declarou o diretor da mater·
nidade do Hospital Geral do Distrito de Columbia ao Wall Screet]oumal." 5

O genocídio

A droga espalhou-se como uma epidemia nos guetos negros americanos.


Esta banalização é fruto do acaso? Esta pergunta, apresentada a três membros
do Conselho da Cidade de Detroit, tristemente célebre pelos seus guetos,
obteve as respostas seguintes: "É uma indústria capitalista e um meio de ação
psicológica." "A droga é, em primeiro lugar, fonte de lucros. Mas foi intro·
duzida na comunidade negra para lutar contra os movimentos dos direitos
dvicos. É uma nova forma de escravatura, como, no século passado, a que o
álcool provocou nos índios. É necessário constatar que, embora ela faça estra·
gos entre os brancos, é entre eles muito melhor controlada." Depois de ter
evocado as causas sociais da toxicomania, uma terceira eleita acrescenta:" ...
Mas não se pode esquecer que a droga mantém o povo tranqüilo. 116
Afirmações de Leonard McNeil, do American Friends Service Comnúttee
recolhidas durante uma conferência sobre crack no District Tenderloin de
San Francisco, em 27 de abril de 1990, e citadas por Recoveríng Issue, em 18 de
junho de 1990: "Mas o crack, acrescentado à curta esperança de vida entre os
negros, às taxas de mortalidade infantil elevadas, à percentagem desproporci·
onada de negros encarcerados ou mortos pela polícia, aos sem-teto, aos de·
sempregados, à vida no meio de lixo tóxico, à Aids e à falta de estruturas de
saúde provam, de forma evidente, urna ofensiva deliberada contra as minorias."
Durante a mesma conferência, Daniel Sheehan, do Christic Institute, de·
senvolveu a teoria de que um mercado para o crack foi deliberadamente cria·
ESTADOS UNIDOS: O SONHO INACABAOO 343

do pelo governo dos Estados Unidos para assegurar lucros controlando a fa,
bricação e a importação de drogas. Esses lucros são usados para financiar ope·
rações ilegais como o fornecimento de armas aos "contras" da Nicarágua.
"O fato de os afro-americanos terem se tornado o alvo da 'guerra contra a
droga' e de serem essencialmente condenados devido a este problema", diz
Sheehan, "faz parte de uma estratégia para culpabilizar as vítimas", a fim de
afastar suspeitas dos verdadeiros culpados: "os fornecedores e os membros do
governo que tentam desagregar as comunidades minoritárias e talvez mesmo
destruí-las."
"Eu estou assustado. Vamos comprometer o futuro de toda uma geração
de pessoas que não poderão encontrar o seu lugar na sociedade e dela se
tomarem membros produtivos", diz o doutor Sterling Williams, diretor do
Departamento de Obstetrícia no Harlem Hospital.7 O governo federal calcula
que no ano 2000 poderá haver de 1 a 4 milhões de crianças expostas ao crack
nos Estados Unidos. E que pelo menos 100 mil viverão em cinco quarteirões
da cidade de Nova York. 8
Um artigo publicado em 21 de abril de 1990 no Oakland Tribune mostra
sem ambigüidades que a guerra contra a droga se tornou uma guerra contra a
comunidade afro-americana. 9 Em agosto de 1996, o diário californiano San
]ose Mercury News publicou uma reportagem retumbante de um repórter do
jornal, Gary Webb, acusando a CIA de estar na origem, durante os anos 80,
da introdução do crack; "a cocaína dos pobres", nos guetos negros das cidades
americanas. Intitulada "Aliança sombria" e rapidamente difundida na edição
virtual do jornal, a reportagem acusava os traficantes de droga nicaragüenses
de terem colocado no mercado, em Los Angeles, grandes quantidades de crack
para financiar, de acordo com a CIA, a resistência dos "contras" ao regime
sandinista. A reportagem provocou comoção na comunidade negra e levou à
abertura de um inquérito interno da CIA.
A reação da CIA teve um efeito imediato inteiramente previsível. A dire-
ção do jornal iniciou uma investigação interna no final do qual admitiu ter
acusado a CIA sem provas. Jerry Ceppos, o responsável da redação, escrevia:
"Embora traficantes de droga tenham efetivamente tido ligações com os líde-
res dos 'contras' pagos pela CIA, e embora Webb pense que as relações com a
CIA eram estreitas, não creio que tenhamos a prova de que os altos responsá·
veis da CIA tenham estado a par dessas relações." (!)
Apesar deste uolce-face (espontâneo?) do San ]ase Mercury News, é pos·
sível ver, como pensam numerosos sociólogos e militantes afro-americanos,
O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

que o comércio do crack da cocaína e da heroína, tal como a Aids, são outros
tantos elementos de uma conspiração secreta e inconfessável da parte do go·
vemo e da CIA para exterminar uma grande parte da população negra.

Brutalidade policial

O assassinato pelos policiais de Miami de Arthur McDuffy, um agente de


segurança negro culpado de ter ultrapassado um sinal fechado na sua moto
em 1979; as cenas do espancamento de Rodney King, outro negro, gravadas
por um amador em Los Angeles, em março de 1991; o ignóbil martírio infligi·
do a um residente haitiano, espancado e sodomizado com um bastão de ma·
<leira nas instalações da 701 delegacia no Brooklin, que provocaram um es·
cândalo e tumultos nos dois primeiros casos, são apenas uma parte visível do
iceberg.
Num país onde a opinião púbüca considera que o fato de se ser de origem
africana já é um crime, toda a comunidade negra é considerada "predisposta
ao crime" e o sistema de justiça criminal se esforça não em reduzir a
criminalidade, mas sim em prender e condenar um número cada vez maior de
"criminosos".
O jornal lnquirer, da Filadélfia, investigou as brutalidades policiais duran·
te os interrogatórios: "uma técnica consistia em cobrir a cabeça do suspeito
com uma lista telefônica, martelando-a em seguida com um objeto pesado.
Mas, em outras ocasiões, os agentes batiam nos suspeitos com canos de chum·
bo, com bastões, socos-ingleses, algemas, cadeiras e pés de mesa. Por vezes,
obrigavam os outros suspeitos a verem as brutalidades através de vidros
espelhados e os agentes da polícia diziam-lhes que eles teriam o mesmo trata·
mento se não colaborassem com a polícia".
O assassinato é geralmente usado sem provocação e com muita frcqüên·
eia. E normalmente a justificativa é que os policiais foram atacados e, portan•
to, dispararam cm legítima defesa. A um jornalista do diário francês Le Marin,
um agente de polícia da 28ª delegacia do Harlcm declarou: "Quando se mata
alguém, o processo é arquivado imediatamente. 11 10
De 1968 até hoje, o sistema judiciário foi utilizado sistematicamente para
justificar os assassinatos cometidos pelas forças da ordem e da lei contra os
membros das minorias. Lembremos somente alguns exemplos:
Mais de 30 militantes do Partido dos Panteras Negras foram assassinados
ESTAOOS UNIOOS: O SONHO INACABADO 345

pela polícia ou por indivíduos que agiram por instigação da polícia, como depois
se provou. Todos esses assassinatos que necessitavam de uma justificativa legal
foram classificados como "homicídios justificados" (inclusive o assassinato de
Fred Hampton, morto com uma bala na cabeça disparada à queima-roupa en-
quanto dormia). Numerosos estudantes negros foram mortos durante manifes-
tações, como em Orangebourg, Carolina do Sul, em 1968 (três estudantes mor-
tos), em Jackson State, Mississippi, em 1970 (dois estudantes mortos) e na
Southem University da Luisiana em 1972 (dois estudantes mortos).
Não é possível enganarmo-nos acerca dos objetivos do programa gover-
namental quando se examinam as armas usadas nos guetos e fornecidas aos
departamentos de polícia através do país. O revólver calibre 38 foi substituído
em numerosos setores pela Magnum 357, mais potente. As balas dessas pisto-
las são capazes de atravessar o bloco do motor de um automóvel, o que signi-
fica que a utilização desta arma numa zona urbana pode facilmente provocar
numerosas vítimas, podendo um só projétil atravessar o corpo de várias pes-
soas em fila.
"Os agentes da polícia da cidade de Nova York começarão a trocar seus
revólveres calibre 38 por pistolas semi-automáticas 9 mm. Esta decisão traduz
uma alteração da posição do Departamento, que até agora tinha se recusado
a empregar armas mais potentes e mais rápidas." 11
O equipamento padrão de muitas viaturas de patrulha inclui a espingarda
antimotim calibre 12 que pode disparar balas dundum e cartuchos que con-
têm uma carga de 9 chumbos da espessura de um projétil de calibre 32. 12 Essas
espingardas são chamadas "antimotim" porque o seu cano de 45 centímetros
permite cobrir um amplo ângulo de tiro, matando ou ferindo indiferente-
mente.
Com essas armas, e no contexto repressivo do sistema político americano,
não é de surpreender que, a cada ano, mais de 600 homens, mulheres e crian-
ças dos 10 aos 81 anos, sejam mortos pela polícia. De 45% a 55% das pessoas
mortas pela polfcia são afro-americanos. Em Chicago e na Filadélfia, mais de
70% das pessoas mortas pela polícia são negras.

A justiça e as prisões

"São as suas criações, meu tio: os grilhões e os bastões. O senhor as criou


há quatrocentos anos e as utiliza até hoje. O senhor as criou. Mas isso não
O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

representa mais do que uma fração da sua barbárie, meu tio. O senhor utilizou
a árvore e a corda para enforcá-lo. Utilizou a faca para castrá-lo enquanto ele
lutava com a corda para recuperar o alento. Utilizou o fogo para que ele se
contorces>e ainda mais, porque o enforcamento e a castração não eram diver·
timento suficiente. Depois o senhor utilizou outra coisa - urna das suas cria·
ções-essa coisa a que o senhor chama de lei. Era escrita pelo senhor, para o
senhor e os de sua espécie, e todo o homem que não era da sua espécie devia
infringi-la mais cedo ou mais tarde ... u
Fruto de uma longa história, o racismo americano não reside somente no
espírito dos brancos, está instirucionalizado em todas as engrenagens da soei·
edade americana. E especialmente no sistema da justiça criminal. O sinal
mais evidente desse racismo é a composição racial do sistema. Num país onde
20% dos cidadãos são de origem não-européia, o sistema de justiça criminal é
composto por 95% de pessoas de origem européia.
"No caso mais comum, o negro suspeito de ter cometido um crime é deti·
do por um policial branco, apresentado a um juiz branco, a um procurador
branco e a um júri branco, num tribunal cujos debates são registados por
escrivães brancos. O lugar habirual do negro nesse sistema judiciário nas mãos
dos brancos é o do acusado. Semelhante situação convence-o de que a justiça
é um instrumento de opressão nas mãos dos brancos e que esta situação influ·
encia a aplicação da justiça. Daí só podem resultar discriminações na acusa·
ção e na condenação. E mesmo quando os brancos, agindo dentro do sistema
judiciário, não têm preconceitos irutalados, as barreiras culturais e de classe
que se erguem entre eles e o acusado invariavelmente colocam este numa
situação desvantajosa."'!
O resultado desta justiça racista é que perto de metade (48%) das l.630.940
pessoas que povoam as penitenciárias, as prisões do Estado e as municipais
são afro-americanas, embora estas não rcpreiK"Tltcm mais do que 12% da po•
pulação. Há a mesma percentagem de negros entre os 3.350 condenados à
morte nos "corredores da morte". Nos Estados Unidos prendem-se os negros
muito mais do que na África do Sul nos tempos do apanheíd : 3.109 em cada
10 mil, contra 729 na África do Sul.LS
Um estudo desta situação mostra que não existe relação entre a taxa de
delinqüência dos negros (embora seja elevada) e a taxa do seu encarceramento,
como também não há com a proporção de negros que vivem em um estado da
federação. Num plano geral, descobre-se que o aumento para o dobro da taxa
de encarceramento constatado há cinco anos nos Estados Unidos não tem
ESTADOS UNIDOS: O SONHO INACABADO 347

qualquer relação com a criminalidade, que não aumentou na mesma propor·


ção (teria mesmo diminuído nos dois últimos anos, segundo relatórios triun·
fantes do Departamento da Justiça).
Em 1996, a taxa de encarceramento dos negros era de 800 por 100 mil
habitantes, contra 114 para os brancos, o que significa que um negro é sete
vezes mais suscetível de ir para a prisão do que um branco; em Illinois, por
exemplo, é dez vezes.
Éigualmente edificante comparar as taxas de encarceramento através do
mundo. Segundo os últimos números disponíveis, constata-se que nos Esta·
dos Unidos a taxa de encarceramento dos brancos é similar à que se regista na
maior parte dos países europeus ocidentais. Mas, fato inacreditável, os negros
nos Estados Unidos vão para a prisão mais freqüentemente do que os da Áfri.
ca do Sul no tempo do apartheid. De fato, a taxa de encarceramento dos ne•
gros nos Estados Unidos é a mais elevada do mundo.
A polícia prende sete vezes mais freqüentemente os homens negros e onze
vezes mais freqüentemente as mulheres negras. Formula acusações sete e doze
vezes mais, respectivamente. Obtém condenações de privação de liberdade
oito e dezoito vezes mais. E consegue condenar à prisão dez a quatorze vezes
mais freqüentemente os negros que os homens e as mulheres brancas.
Um afro-americano é intimado, ao passo que um branco não o seria nas
mesmas circunstâncias; pede-se ao negro uma fiança que se sabe muito bem
que ele não poderá pagar. Vai, pois, para a prisão, afastado dos seus, sem ter
como pagar um advogado; não pode preparar a sua defesa e é forçado a acei-
tar um defensor público que nem tem tempo de estudar o seu processo, par-
tindo do princípio que teria essa intenção. No caso mais habitual, é apresen-
tado a um juiz branco e a um júri branco e volta para a prisão. Ajustiça racista
irá condená-lo a uma pena longa por um delito real ou inventado, pelo qual
muitos brancos seriam absolvidos ou seriam condenados a urna pena de prisão
muito mais curta.
Em 1979 um estudo governamental revelava que um em cada cinco ne-
gros iria para a prisão no decurso da sua vida. Desde então isto agravou-se e
hoje esta proporção está próxima de um em cada quatro. O número total dos
afro-americanos que foram para a prisão é de mais ou menos 3 milhões, quase
a população de Chicago.
Em fevereiro de 1990, um estudo conduzido pelo Sentencing Project, urna
associação de advogados de Washington D.C., mostrou que a delinqüência
negra, aliada ao racismo do sistema judiciário americano, tinha como canse-
O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

qüência que um jovem negro em cada quatro, entre os 20 e os 29 anos, estava


atrás das grades, em liberdade condicional ou em liberdade vigiada. Este estu·
do concluía que toda uma geração de negros corria o risco de ser excluída
para sempre da vida ativa. Uma geração sacrificada.
Como não ver nesta política que coloca os afro-americanos à margem
da sociedade um aspecto da execução do genocídio limitado? Mais de meta·
de dos falecimentos de prisioneiros nos estados do nordeste dos Estados
Unidos, em 1991, teve como causa a Aids, segundo o Centro de Estatísticas
Judiciais. Em nível nacional, 28% dos 1.863 prisioneiros que morreram du·
rante o cumprimento da pena foram vítimas de Aids. Em Nova Jersey, 69%
dos falecimentos de detidos estavam ligados à Aids, 66% em Nova York,
44% na Flórida, 33% em Maryland e 30% na Carolina do Sul e em
Massachusetts. 16
O Centro de Controle de Doenças de Atlanta, Geórgia, indica que os
casos de Aids estão aumentando nas prisões americanas. Estavam infectados
com Aids 5.279 presos em 1994, ou seja, 5,2 casos a cada mil detidos, quase
seis vezes a taxa da população geral adulta, que é de 0,9 por mil.'7

O "crime Bill"

No dia 19 de novembro de 1993, o Senado adotou um importante "proje·


to de lei relativo à criminalidade" que propõe, entre outras coisas, estender a
aplicação da pena de morte a mais de 60 novos crimes. Citemos especialmen·
te o assassinato de funcionários federais, o genocídio, a sabotagem que leva ao
descarrilamento de trens, o assassinato de cidadãos americanos no estrangei·
roe os assassinatos cometidos com arma de fogo transportada de um estado
para outro.
"Essa legislação, com centenas de milhares de dólares para as prisões e a
administração penitenciária, é de tal modo draconiana que nem Reagan nem
Bush teriam podido adotá-la. Na sua essência, o projeto é um programa de
emprego público que mobiliza mais de 30 bilhões de dólares para os trabalha·
dores brancos. Eis um programa social, se assim se pode chamar, que reflete
bem a evolução sociopolítica e econôrrúca dos Estados Unidos." 1 ª
Durante os debates sobre o projeto, os senadores pronunciaram-se por 52
votos contra 41 pelo adiamento do exame de uma emenda que proibia a exe·
cução de delinqüentes menores de idade.
ESTADOS UNIDOS: O SONHO INACABADO 349

Por 314 votos contra 111, a Câmara dos Representantes derrotou a posi-
ção do Senado sobre a pena capital.

Baseball e justiça

Em março de 1995, Jerry D. Williams, 25 anos, dois filhos, californiano e


negro, roubou um pedaço de pizza pepperoni de uns rapazes num fast food de
Redondo Beach e, por isso, foi condenado a 25 anos de prisão pela aplicação
da lei three strikes assinada pelo presidente Clinton em 1994.
Inspirada por uma regra do jogo de baseball, "Three strikes and you're
out", esta lei estipula que os reincidentes condenados por duas vezes são pas·
síveis, quando do terceiro comparecimento perante um juiz, de uma pena de
25 anos de prisão sem a possibilidade de liberdade condicional. Foi o caso de
Williams.
Um pedaço de pizza vale 25 anos de prisão, corno um assalto à mão arma-
da, como urna violação, como um assassinato. Um jornalista de t Humanité
fazia notar que "se o baseball determina a jurisprudência americana, pode-se
recear que nos próximos anos os condenados sejam pura e simplesmente en-
tregues aos leões do circo".

Condição carcerária

Apesar dos discursos dos responsáveis pelo sistema carcerário dos Estados
Unidos, elogiando a humanidade das prisões americanas, os presos e as pesso-
as que os visitam afirmam que as brutalidades nas prisões nunca desaparece-
ram e até que tornaram uma forma nova, freqüentemente dissimulada.
Foi esta divergência de opiniões que levou o Prisoners Rights Union (PRU)
de Sacramento (Califórnia) a realizar em 1989 o Prison Discipline Srudy (PDS),
uma sondagem feita com os próprios presos. O resultado desse estudo foi ob-
jeto de um Relatório intitulado Mych of Humane Imprisomnent. Mais de 70%
dos presos que responderam à sondagem declararam que as brutalidades físi-
cas e psicológicas eram a norma nas prisões de segurança máxima nos Estados
Unidos. Isolamento em solitária, supressão de "privilégios" e brutalidades físi-
cas são práticas habituais na maior parte das prisões de alta segurança.
"Os abusos físicos têm um começo e um fim, ao passo que os abusos psico-
350 O LIVRO NEGRO 00 CAPITAU MO

lógicos estão sempre presentes. Até os mai5 endureci d ão afetado por cada
pequeno pormenor desses abusos: um olhar, um novo emprego do tempo,
uma mudança da alimentação, uma carta entregue com atraso, uma visita
recusada, uma observação acerca do e nteúdo do correio. Pormenores Que
podem ter múltiplas razões e provocar sérias medidas disciplinares."
Ainda que a prática do isolamento seja c ruiderada conveniente e legal
pelos tribunais e pelas autoridades carcerárias, e e é ralvez o método mais
devastador do abuso psicológico. Embora os responsáveis pelas prisões ameri·
canas afirmem que a maior pane dos presos não passa mais do que alguns dias
em isolamento, a sondagem rev a q e esta punição é freqüentemente supor·
tada durante anos. Os pre505 afumam também que o isolamento é muitas
vezes arbitrario, em ~<pedal para os detidos que sofrem de distúrbios psiquiá·
tricos.
Muitos preso5 revelaram manobru de intimidação sobre as pessoas que os
visitam, incluindo ameaças proferidas pelos guardas a respeito de membros
das farru1ias dos detid e o assédio sexual às visitantes.
Quase 40% dos pr~ interrogados viram detidos receber tratamento psi·
quiátrico ou médico contra a ua vontade. E 32 % relataram incidentes causa·
dos por agre~õe! verba.li e iru • r.os racistas, a deterioração da alimentação,
cxtonão de dinheiro, revisw corporais e ameaças de morte - incluindo as
que foram perpetradas pd05 guardas da pri5ão do condado de Los Angeles
que eram membros da Ku Klux Klan.
Noventa por cento d05 presos entrevistados confirmaram as brutalidades
físicas, e 70% deles afumaram sofrer agressões pelo menos uma vez por mês.
Os funcionãrlos usam 05 punhos, os p6, cassetetes elétricos, gás lacrimogê·
neo, mangueiras de incêndio, lanternas elétricas, cabos de vassoura, tubos de
borracha e de espingardas que disparam balas de madeira.
Cerca de cem presos afirmaram ter vi.5ro presos al gemados sendo espanca·
dos. Quarenta tinham visto guardas entrcga.rem- se ao bod'Y slam vogar um
preso contra o chão ou contra uma parede, com a cabeça para a frente), com
presos com as mãos algemadas às costas. Trinta tinham vin o goon squads em
atuação (um grupo de guardas espancando um preso, a maior parte das vem
algemado).
Trinta e cinco mulheres interrogadas testemunharam que tinham sido
espancadas, violentadas ou amarradas nuas em cima de uma cama e sujeitai
ao deboche dos guardas. Urna delas afirmou ter perdido o seu íiltimo bebê
depois de os guardas terem atirado sobre ela com as suas scun guns.
ESTAOOS UNIOOS: O SONHO INACABADO 351

Cinqüenta e cinco presos interrogados testemunharam abusos físicos "dis-


simulados". Consiste em os guardas provocarem combates entre os presos,
alojando detidos inimigos na mesma cela ou introduzindo inimigos ao mesmo
tempo num local comum - os guardas chamam a isso dog fights (combates de
cães) ou cock fighcs (combates de galos). Os detidos são igualmente espanca-
dos nas suas celas ou transferidos para locais de segurança para lhes baterem
longe dos olhares dos outros presos. Outros detidos lamentaram-se de serem
forçados a tarefas penosas quando estão doentes.
Apenas 10% dos detidos declararam não terem sido testemunhas de tais
brutalidades.
As principais motivações do pessoal das prisões que o levam a cometer
essas brutalidades são os seus preconceitos raciais ou políticos. Os preconcei-
tos políticos são os mais freqüentes, contra os presos que lutam contra injusti-
ças e que encorajam e ajudam os outros detidos a fazer o mesmo. Os "advoga-
dos das prisões" são o alvo mais freqüente do pessoal penitenciário. Eles ajudam
os outros presos, muitos dos quais analfabetos, a redigirem suas queixas, seus
recursos contra as prisões e os tribunais. Como o sistema interno em todas as
prisões é arbitrário, discriminatório e incoerente, a maior pane dos presos tem
constantes conflitos com a administração e a justiça. Por causa disso, os guar-
das e os administradores têm como política habitual "isolar" os "advogados".
Por fim, 30% dos presos designaram como alvo da administração penitenciá-
ria os "presos políticos".
O grupo mais freqüentemente visado depois dos "advogados das prisões"
é constituído pelos afro-americanos. Havia freqüentes queixas de "disciplina
seletiva baseada em preconceitos raciais". Denunciava-se a natureza racista
do sistema de justiça criminal que coloca na prisão um número desproporcio-
nal de pessoas não-brancas com penas mais longas e mais severas (por exem-
plo: a pena de morte).
Em seguida vinham os presos com deficiência mental. Colocados num
recinto inapropriado e sem tratamento adequado, os deficientes mentais cri-
am problemas para os guardas, que freqüentemente não encontram outra so-
lução que não seja a violência. Detestados pelo pessoal, são com frequência
alojados com os Instáveis e os agicados, corno forma de punição.
No dia 3 de maio de 1995, a imprensa foi convocada pelo governador
republicano do Alabama para assistir a um acontecimento: o regresso à prisão
dos que, com grilhões nos pés, acorrentados em grupos de cinco, foram leva-
dos para o trabalho forçado na conservação das emadas. Um espetáculo que
352 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

não se via há trinta anos. O chefe da administração penitenciária do estado,


Ron Jones, explica que esta medida foi tomada para fazer economia de pessoal
de guarda e a fim de tomar a prisão tão "desagradável" que os delinqüentes
não tenham nenhuma vontade de voltar. "Sem os ferros e as correntes, tenho
necessidade de um guarda para vigiar vinte e oito detidos. Com as correntes,
basta um para quarenta." Os presos têm um mínimo de trinta dias desse regi-
me especial: doze horas de trabalho por dia, acorrentados, sem rádio, sem
televisão, sem visitas, sem "cantina". A Flórida e o Arizona pretendiam seguir
o exemplo do Alabama .
Este método de tomar as prisões mais desumanas se dissemina: o xerife de
Phoenix, no Arizona, instalou os detidos num acampamento rudimentar, em
pleno deserto, sem o menor conforto. Em outros lugares, os presos perdem as
salas de exercício físico e a televisão, os programas de reinserção ou de trata-
mento para os delinqüentes sexuais são abandonados. Os grupos de defesa
dos direitos humanos contestam esta tendência nacional de "castigos cruéis e
inusitados", proibidos pela Constituição.

A pena de morte

O racismo tem igualmente o seu papel na aplicação da pena de morte. É


uma loteria horrível, declara a Anistia Internacional no seu Relatório de 1987
sobre a pena de morte nos Estados Unidos. Uma loteria em que alguns têm
mais chance de "ganhar" que outros. São os pobres, os afro-americanos e os
membros de outras minorias émicas.
Há hoje nos Estados Unidos 3.350 condenados à morte que esperam o
castigo no "corredor da morte", por vezes durante mais de dez anos, e a cada
ano esse número aumenta em 250 pessoas. E 48% desses condenados são
negros que, lembremos, não constituem mais do que 12% da população.
De 1967 a 1977, não houve execuções nos Estados Unidos, embora não
tenham sido suspensas as condenaçãos à morte. Em 1972, o Supremo Tribu·
nal declarou anticonstitucional e nula a lei em vigor sobre a pena de morte,
baseando-se no fato de que a maior parte das leis aplicadas até essa época
constituía um castigo "cruel e não-habitual", em violação das 8ª e 14~ emen·
das da Constituição dos Estados Unidos. Em 1976, uma moratória que sus·
pendia as execuções durante dez anos foi anulada por uma decisão do Supre•
mo Tribunal, segundo a qual a pena de morte era constitucional se fosse
ESTAOOS UNIOOS: O SONHO INACABADO 353

pronunciada em determinadas condições. Depois disso, 38 estados reviram as


suas leis e a pena de morte foi restabelecida. De 1976 a 1997, foram executa·
dos433presos, dos quais 38 em 1993, 31em1994, 56em1995, 45em1996e
74 em 1997. O que significa que o ritmo das execuções se acelera. E isso vai ao
encontro das teorias de segurança pelas quais a opinião pública mostra sim-
patia.
A pena de morte nos Estados Unidos é racista, como todo o sistema judi-
cia\ americano. No seu relatório sobre a pena de morte, publicado em 1987, a
Anistia Internacional constatava que: "Parece que os negros culpados do as-
sassinato de brancos são condenados à morte com mais freqüência do que
qualquer outra categoria de pessoas; pelo contrário, os brancos são raramente
condenados à pena capital por terem assassinado negros." (Um antigo mem-
bro da Ku Klux Klan, Henry Francis Hays, que foi executado em 6 de junho
de 1997, foi o primeiro branco executado pelo assassinato de um negro desde
1944.) Verifica-se que, como para as outras penas, a justiça americana estabe-
lece uma ordem de gravidade dos delitos na qual são considerados mais gra-
ves os processos em que os agressores são negros e as vítimas são brancas,
seguidos dos casos em que os agressores e as vítimas são brancos, e finalmente
aqueles em que os agressores são brancos e as vítimas são negras. Éa constatação
da Anistia Internacional no seu relatório: "Nota-se que, na Flórida e no Texas,
os negros culpados de assassinato de brancos corriam respectivamente cinco
a seis vezes mais o risco de serem condenados à morte do que brancos que
tinham matado outros brancos. Na Flórida, os negros responsáveis pelo assas-
sinato de brancos arriscavam-se quarenta vezes mais a serem condenados à
morte do que aqueles que tinham matado negros." A maior parte dos negros
no corredor da morte foi acusada da morte de um branco. "Nunca um branco
foi executado pelo estupro de uma mulher negra, enquanto 54% dos negros
que estupraram mulheres brancas foram executados entre 1930 e 1967; 89%
dos homens executados por estupro eram negros." 19
Acrescentemos que, nos Estados Unidos, em geral a pena de morte é apli-
cada principalmente aos pobres. Cerca 60% dos condenados estavam sem
emprego na época da sua prisão; 65% não têm especialidade; 50% não termi·
naram o estudo fundamental; 90% são pobres demais para pagar a um advo-
gado. Na Califórnia, durante um período de oito anos, 42% dos trabalhadores
acusados de crimes de primeiro grau foram condenados à morte, enquanto
para os colarinhos-brancos a proporção era de 5%.
E, no entanto, é sabido que a pena de morte não tem qualquer poder de
354 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

dissuasão: o Canadá aboliu a pena de morte e a taxa de assassinatos baixou; a


Flórida e o Texas restabeleceram a pena de morte e a taxa de assassinato não
parou de crescer. Um certo número de psicólogos tem mesmo apresentado a
teoria de que a pena de morte encoraja um comportamento psicopático no
qual uma pessoa procura a sua própria morte numa espécie de suiddio progra.
mado.
Certas decisões recentes do Supremo Tribunal sobre os recursos apresen·
tados em vários casos de pena de morte limitaram as possibilidades de utiliza·
ção desse recurso, permitindo acelerar as execuções nos Estados Unidos, tan·
to mais que o presidente do Supremo Tribunal, o ultra-reacionário William
Rehnquist, nomeado por Ronald Reagan, propôs ao Congresso um texto gene·
ralizando essas decisões. Sustentou até uma proposta do Comitê Especial dos
Jufzes recomendando que não fosse admitido mais do que um recurso (habeas
corpus) perante os tribunais federais após a rejeição do recurso do Tribunal do
Estado.
O cúmulo do horror é que em caso de erro (erro entre aspas), este é irre·
vers{vel. Em novembro de 1985, a Associação Americana dos Direitos Cfvi.
cos revelou que 25 pessoas tinham sido executadas por erro judicial nos Esta·
dos Unidos, desde o início do século, por crimes que não tinham cometido ou
que nem sequer tinham existido. Conhecemos bem o caso Sacco e Vanzetti, o
dos Rosenberg ou William McGee. Mas quantos outros ignoramos que estive·
ram na mesma situação? Não é possível manter silêncio sobre tais atentados
aos direitos do homem.

Execuções de menores

Em outubro de 1991, a Anistia Internacional declarou que os Estados


Unidos executam mais menores de idade do que qualquer outro país no mun·
do, excluindo o Iraque e o Irã. Entre 1989 e 1994, só outros cinco países
executaram menores de 18 anos: o Iraque, o Irã, a Nigéria, o Paquistão e a
Arábia Saudita. Durante o mesmo período, oito menores delinqüentes foram
executados nos Estados Unidos, dos quais cinco no Texas.
Esta prática escandalosa dos Estados Unidos é uma violação das normas e
tratados internacionais relativos aos direitos humanos. Com efeito, segundo o
Artigo 6, alínea S do pacto internacional relativo aos direitos civis e polfticos,
"Uma sentença de morte não pode ser imposta por crimes cometidos por pes·
ESTADOS UNIDOS: O SONHO INACABAOO 355

soas com menos de dezoito anos e não pode ser executada contra mulheres
grávidas." Do mesmo modo, segundo o Artigo 4, alínea 5 da Convenção
Americana, relativo aos direitos do homem, ''A pena de morte não pode ser
infligida às pessoas que, no momento em que o crime tenha sido cometido,
tenham menos de dezoito ou mais de setenta anos ... ". O governo americano
assinou estes dois tratados em 1977, mas ainda não os ratificou.
"Apesar deste texto, apenas nove estados americanos que mantinham a
pena de morte interditavam a sua aplicação a pessoas com menos de dezoito
anos. (...) Em dezessete estados, a legislação autoriza a condenação à morte
de menores de dezoito anos. Este limite é fixado, quer pelos textos legislativos
relativos à pena capital, quer por leis que especificam a idade em que os me•
nores podem ser julgados pela jurisdição penal. Este limite de idade é de dez
anos em Indiana e Vermont, de doze anos em Montana, de 13 anos em
Mississippi, de 14 anos em Alabama, Idaho, Kentucky, Missouri, Carolina do
Norte e Utah, de 15 anos em Arkansas, Louisiana e Virgínia, de 16 anos em
Nevada e de 17 anos no Texas, na Geórgia e em New Hampshire. Onze ou·
tros estados não especificam qualquer limite de idade."2º
Tal como para os adultos, a raça tem uma influência na condenação à
morte em numerosos estados. No Texas, oito dos nove menores condenados à
pena de morte citados pela Anistia Internacional num relatório de janeiro de
1994 eram negros ou hispânicos, como Curtis Harris e Ruben Cantu, os dois
menores executados naquele estado no decorrer do ano de 1993. Tal corno
para os negros adultos, esses acusados são mal representados e defendidos,
com freqüência por advogados inexperientes e desmotivados. Não fazem va·
ler a influência do meio e não mencionam circunstâncias atenuantes, entre as
quais deveria, em primeiro lugar, figurar precisamente a sua juventude, que os
toma influenciáveis tanto para o bem como para o mal.
Num estudo publicado em 1991 sobre os jovens condenados à pena capi·
tal nos Estados Unidos, a Anistia Internacional constatava que estes eram
oriundos, na sua maioria, de famílias especialmente desfavorecidas. A maioria
deles tinha suportado graves violências físicas ou sexuais e possuíam uma ln·
tcligência inferior à média, ou sofriam ainda de doenças mentais ou de lesões
cerebrais. Finalmente, muitos deles não tinham se beneficiado, durante o seu
processo, de uma defesa conveniente. 21
"Foi constatado que cm certos estados os menores passíveis da pena de
morte eram automaticamente julgados pela jurisdição do direito comum na
ausência de qualquer avaliação individual da capacidade do acusado de ser
356 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

julgado como um adulto. Em outros casos, é o fato de o sistema de justiça dos


menores não dispor de estabelecimentos que possam acolher condenados a
longas penas que parece, mais do que a maturidade do acusado, ser a razão
principal para o envio perante uma juridisção de direito comum.22
"Num parecer de 1989 que considerava ser aceitável a execução de me-
nores de 16 a 17 anos, o Supremo Tribunal observava que as normas interna·
cionais não eram pertinentes face 'às normas morais americanas'. Não deverí-
amos aspirar a elevar as normas morais americanas ao nível das normas
internacionais reconhecidas em matéria dos direitos do homem?" 23

Execuções de pessoas com problemas mentais e deficiências

Um grande número de presos com problemas mentais foi condenado à


morte, e numerosos outros foram já executados nos Estado Unidos. As garan·
tias internacionais, assim como um relatório da comissão presidencial em 1991,
visam a eliminação da pena de morte a acusados deficientes mentais. A resa·
lução nll 1989/64 adotada pela Ecosoc em maio de 1988, relativa à aplicação
das garantias de proteção dos direitos das pessoas passíveis de serem condena·
das à pena de morte, recomenda "suprinúr a pena de morte, tanto no estágio
da condenação quanto no da execução, para os deficientes mentais ou para as
pessoas cujas capacidades mentais sejam extremamente limitadas". O comitê
presidencial sobre deficiência mental sublinha especialmente a necessidade
de identificar os acusados desse tipo. "As pessoas acusadas que sofrem de de-
ficiência mental e que não são identificadas como tais terão grave desvanta·
gem na organização da sua defesa ... Os seus direitos correm o risco de ser
menos bem protegidos e pode acontecer que as disposições úteis à sua causa
não sejam tomadas. É pouco provável que essas pessoas sejam conscientes do
seu direito de manter silêncio ou de recusar responder a perguntas sobre sua
culpa." A Anistia Internacional reuniu informações acerca de mais de cin·
qüenta presos executados nos Estados Unidos, desde 1982, que sofriam de
deficiência mental.
Embora, em princípio, a legislação americana proíba a execução de doen·
tes mentais, a avaliação da aptidão mental de um condenado é muito super·
ficial em muitos estados. Apenas nove estados proíbem a aplicação da pena
de morte a deficientes mentais e vários deles prevêem um quociente intelec·
tual muito inferior àquele que, em 1992, foi apontado pela Associação Ame·
ESTADOS UNIDOS: O SONHO INACABADO 357

ricana sobre Deficiência Mental. Esta associação define a deficiência mental


como o fato de uma pessoa ter um quociente intelectual que não ultrapassa
70 a 75 antes dos 18 anos. No entanto, a Carolina do Norte só proíbe a exe-
cução se os acusados tiverem um Q.I. inferior a 60. O Arkansas só admite
deficiência mental para um Q.I. inferior a 65. Em junho de 1986, Jerome
Bowden, um negro de 35 anos, deficiente mental, foi executado na Geórgia
por ter matado uma mulher branca dez anos antes, durante um assalto. Evi-
dentemente, tinha sido julgado e condenado por um juiz branco e por um júri
cujo procurador tinha recusado todos os negros. Um psicólogo fez um teste de
inteligência de três horas na prisão. Segundo os resultados desse teste, o seu
Q.l. era de 65, número demasiado elevado para o poupar da execução segun-
do as regras da Geórgia. No dia seguinte foi executado na cadeira elétrica.
Um membro do Conselho dos Indultos teria em seguida indicado que Jerome
Bowden teria sido colocado num estabelecimento especializado se o seu Q.I.
fosse inferior a 45. Desse modo, Jerome Bowden, que tinha doze anos de ida-
de mental e que sequer compreendia o que significava uma condenação, um
ser a quem a morte a título punitivo nada representava, foi julgado inteligente
demais para viver!

As Unidades de Controle

Situada no sul do estado de Illinois, a penitenciária de Marion abriu as


portas em 1963 para substituir Alcatraz, que fechou no mesmo ano. Foi em
Marion que a Unidade de Controle começou a funcionar, em julho de 1972.
Sessenta detidos foram colocados em isolamento sensorial, e toda a prisão se
tomou uma unidade de controle em 1983.
Depois disso, os presos são fechados nas suas celas vinte e três horas por
dia, completamente isolados dos outros presos, numa cela de 2,40 m por 1,80
m, equipada apenas com uma "cama" de concreto, um lavatório e um buraco
servindo como latrina. Comem, dormem e fazem as suas necessidades nessa
cela. Sofrem violência física e psicológica: surras, pesquisas retais e outras
medidas degradantes. Os presos permanecem freqüentemente deitados, acor-
rentados à cama, por vezes durante vários dias. As visitas são limitadas, assim
como o direito de receber cartas ou material para escrever. A alimentação é
insuficiente, o acesso a cuidados médicos é mínimo. A penitenciária é vigiada
por guardas conhecidos pela sua brutalidade. As tendências suicidas provocadas
358 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

pelo isolamento sensorial e pelos programas de "modificação do compona.


rnenco" praticados ali são alarmantes. A Unidad e d e Controle de Marion tem
urna taxa de suicídios cinco vezes superior à taxa n acional.
Em 1993, uma nova unidade de controle foi abe rta em Florence 1 Colorado1
onde os poucos contatos humanos existentes e m M arion foram ainda reduzi·
dos. Marion e Florence não são casos isolados. As unidades de controle mui·
tiplicam-se em todo o país.
A prisão estadual de Pdícan Ba , n a Califórnia, abriu em dezembro de
1989 sua Securiry Housin g Uni t (SHU), concebida para o isolamento penna·
nente dos presos. Estes são en cerrados vin te e duas horas e meia por dia na
cela de 7,4 metros quadrados e não têm direi to a mais do que um período de
90 minutos de "exercício", sozinhos n um "pátio" cimentado, do tamanho de
três celas, entre muros de seis metros d e al tura e sob urna grade metálica. As
portas das celas são manobradas à distância pelos guardas e estes utilizam
alto-falantes para co mandar os reses. Estes estão sempre acorrentados e quan·
do deixam a cela são acompanhados por dois guardas armados com cassetetes.
À exceção do som de urna porta batendo ou da voz pelo alto-falante, o SHU
é perfeitamente silencioso.
A Califórnia possui urna segunda unidade de controle na Prisão de Folsom
onde as camas são substituídas por estrados de c.oncreto. Na Prisão de Stateville,
Illinois, os presos "inc.onrroláveis" são isolados em pequenas celas sem janela,
com apenas uma pequena fenda na porta para os pratos de comida. Outras
unidades do mesmo tipo existem em Coxsachie, no estado de Nova York, ou
em Labanon, Ohio, e a lista aumenta todos os anos. Segundo um estudo rea·
lizado cm 1990 pela direção de Marion, 36 estados adotaram unidades de
isolamento inspiradas na de Marion.
Os responsáveis pelas prisões afirmam que as unidades de controle sedes-
tinam aos presos considerados demasiado violentos para ficarem nas outras
prisões. Mas já em 1983 um relatório do Congresso afirmava que 80% dos
presos de Marion não justificavam esse nível de segurança. Na realidade, os
presos são enviados para Marion por outras razões: por organizar interrupções
do trabalho, praticar sua religião ou impetar muitas ações na justiça. Além
disso, muitos presos políticos são enviados para Marion. O líder do American
lndian Movement, Leonard Peltier, e o membro do Exército de Libertação
Negra, Sekou Odinga, foram enviados diretamente do tribunal que os conde-
nara para Marion, o que desmente o mito de que os presos de Marion eram
violentos em outras prisões. De resto, em 1975, Ralph Arons, 0 diretor de
ESTADOS UNIDOS: O SONHO INACABADO 359

Marion, declarava: "O objetivo da Unidade de Controle é dominar os com-


portamentos revolucionários no sistema penitenciário e na sociedade exterior."
Em 1987, a Anistia Internacional publicou um relatório que condenava a
penitenciária de Marion em termos extremamente severos. Esse relatório con-
cluía que as práticas de Marion violavam "as regras mínimas das Nações Uni-
das para o tratamento dos presos" e acrescentava que as condições carcerárias
de Marion constituíam "um tratamento cruel, desumano e degradante, con-
denado pela Constituição dos Estados Unidos e pela Declaração Universal
dos Direitos do Homem''.

Os presos políticos

Em 1978, numa entrevista concedida ao jornal francês Le Matin, Andrew


Young, membro da comunidade negra, então embaixador dos Estados Unidos
junto à ONU, tinha declarado: "Há centenas, talvez mesmo milhares de pre-
sos políticos nas prisões americanas." Esta frase fez com que fosse imediatamente
afastado pelo presidente Carter.
Evidentemente, não poderia haver presos políticos nos Estados Unidos,
país da liberdade de expressão. No entanto, essas centenas, esses milhares de
homens e mulheres a que Andrew Young se referia foram presos e lançados
nas prisões, alguns mesmo condenados à morte, por causa das suas idéias po-
líticas ou da sua luta pelos direitos cívicos. Foram vítimas do programa
Cointelpro (Counter Intelligence Program) aplicado pelo FBl de 1956 a 1971.
OFBI inventava contra eles acusações criminais baseado em falsos testemu-
nhos, provas forjadas, recusa de recurso ou de apelo ... Embora esse programa
já não esteja em vigor, os métodos do FBI continuam iguais. Os militantes
estão isolados, acusados de assassinos, drogados e estupradores pela imprensa
e pela justiça... o que toma difíceis os movimentos de solidariedade. A quase
totalidade desses presos pertence a minorias étnicas e o racismo toma a defe-
sa das causas ainda mais difícil. Entre esses presos políticos conta-se também
um certo número de brancos, detidos por causa da ajuda prática que deram à
causa dessas minorias. Os presos políticos sofrem condições de encarceramento
muito duras. Na sua maior parte são encarcerados em unidades de controle
destinadas a "domesticar os rebeldes e os líderes". Um capitulo é consagrado a
essas masmorras sinistras.
Os presos políticos mais conhecidos foram o pastor negro Ben Chavis e os
360 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

"Dez de Wümington", Johnny "Imani" Harris (libertado sob condicional em


1991, após uma primeira condenação à morte e doze anos de prisão), Terrence
Johnson (encarcerado em 1978 com quinze anos e libertado em 1994, após
dezesseis anos de prisão), Dhoruba Bin Wahad (condenado em 1973 à prisão
perpétua, obteve uma absolvição em 1990, depois de preso durante dezessete
anos) e Elmer "Geronimo" Pratt, antigo dirigente dos Panteras Negras da
Califórnia, preso desde 1968 e libertado sob fiança em 10 de junho de 1997,
após a pressão de um forte movimento de solidariedade internacional. Conti-
nuam atrás das grades o líder do American Indian Movement, Leonard Peltier,
na prisão desde 1976; David Rice e Ed Poindexter, ambos membros dos Pan-
teras Negras, na prisão desde 1971; e Mumia Abu Jamal, antigo dirigente dos
Panteras Negras e presidente do Sindicato dos Jornalistas Negros da Filadél-
fia, condenado à morte em 1982 e ainda hoje no corredor da morte. Todos
foram vítimas de armadilhas montadas pelo FBI.

Elmer "Geronimo" Pratt

Depois de vinte e seis anos passados na prisão, catorze pedidos de liberda-


de condicional recusados e quatro apelos infrutíferos, Elmer "Geronimo" Pratt
foi übertado sob fiança em 10 de junho de 1997, na expectativa de um novo
processo que se espera que seja imparcial. Ele cumpriu uma pena de prisão
perpétua por um assassinato que todos sabem que não cometeu.
Oeronimo é um preso político, o mais antigo preso político atual. É o
símbolo da resistência à repressão e da luta pela libertação do povo negro nos
Estados Unidos. É um veterano da guerra do Vietnã, várias vezes elogiado
oficialmente. Desmobilizado em 1968, estabeleceu-se em Los Angeles, onde
começou a participar nas atividades do Partido dos Panteras Negras. A sua
ação no partido, do qual se tomou um dos dirigentes na Califórnia, fez dele
um alvo preferencial do FBI no quadro da operação Cointelpro. Em 8 de
dezembro de 1969, a sede do partido em Los Angeles sofreu um verdadeiro
ataque militar conduzido pela polícia. Capturado com a sua mulher e sete
outros membros do partido, Geronimo foi condenado a uma pena de prisão
por "posse ilegal de arma"!
Enquanto estava na prisão foi acusado de roubo e do assassinato de uma
mulher branca cometido em 8 de dezembro de 1968 em Santa Mônica,
Caüfómia. Declarado culpado em 28 de julho de 1972, foi condenado à pri·
ESTADOS UNIDOS: O SONHO INACABADO 361

são perpétua. Geronimo sempre alegou ser inocente e afirmou que o caso
tinha sido montado pelo FBI no quadro da operação Cointelpro, e que no dia
do assassinato estava a 600 quilômetros do lugar do crime, numa concentra·
çáo dos Panteras Negras em Oakland. De resto, o FBI, que o vigiava constan·
temente, tinha essa pista nos seus arquivos. No entanto, quando Geronimo
pediu, em obediência à Lei de Liberdade de Informação,24 que o FBI forneces·
se esse documento, o órgão se recusou a fazê-lo.
Geronimo foi declarado culpado com base no testemunho do marido da
vítima. Este admitiu só ter visto o agressor uma única vez quatro anos antes, e
durante poucos instantes. No entanto, identificou Geronimo como sendo o
assassino, embora algumas semanas depois do crime o tenha descrito como
um homem muito grande e muito negro de pele, ao passo que Geronimo é
bastante pequeno e tinha o tom de pele mais próximo da de um índio (daí o
seu apelido).
Mas a principal testemunha de acusação foi Julius Butler, antigo membro
do partido, que declarou que Geronimo tinha dado a ele uma carta em que
admitia ser culpado do crime. Ora, foi revelado que Butler era um informante
do FBI, o que ele tinha negado durante o processo. Após a condenação de
Oeronimo, foram reveladas outras provas de irregularidades cometidas pelo
FBI durante a instrução: três informantes tinham sido colocados na equipe
encarregada da defesa de Geronimo e fornecido documentos sobre a estraté·
~a e a tática previstas, assim como sobre os depoimentos de pelo menos duas
testemunhas de defesa. Uma testemunha ocular do crime identificou outra
pessoa como podendo ser o assassino; no entanto, essa informação não foi
fornecida ao advogado de Geronimo. O FBI e a polícia de Los Angeles ti·
nham trabalhado em conjunto e trocado informações a respeito da instrução,
da detenção e do processo no caso Pratt.
A libertação de Geronimo é uma vitória. A sua vitória. A dos seus advo·
gados e de todos aqueles que, nos Estados Unidos e em todo o mundo, fizeram
campanha pela sua libertação. É também um imenso encorajamento para as
lutas pela libertação dos outros presos políticos no Estados Unidos.

Leonard Peltier

Leonard Peltier, índio Anishinabe-Lakota (sioux), é um dos líderes do


American lndian Movement (AIM) desde 1970. Cumpre atualmente o seu
362 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

vigésímo segundo ano de encarceramento por um crime que não cometeu,


vítima de um conluio entre o FBI e a justiça americana para neutralizar o
AIM, após a ocupação de Wounded Knee, na reserva sioux de Pine Ridge, em
1973.
Leonard foi condenado a duas penas de prisão perpétua consecutivas pelo
assassinato de dois agentes do FBI nessa mesma reserva, em Dakota do Sul.
As acusações pelas quais foi preso, assim como as "provas" que levaram à sua
condenação, foram inteiramente fabricadas pelo FBI, que apresentou provas
falsas, relatórios balísticos falsificados, ameaçou e intimidou testemunhas para
levá-las a assinar depoimentos falsos. No entanto, até hoje nenhum tribunal
conseguiu provar sua culpa. Muito pelo contrário, quando dos seus processos
e recursos, juntaram-se numerosos elementos provando o procedimento do
FBI. Num telex de 31 de outubro de 1975, os peritos em balística do FBI
relatam que nenhuma das balas encontradas no lugar do tiroteio podia
corresponder à espingarda que pertencia a Leonard Peltier. Esta prova foi re·
tirada do processo e só reapareceu, com outros documentos, graças à Lei de
Liberdade de Informação. Além disso, o FBI utilizou declarações falsas para
obter a extradição de Leonard Peltier do Canadá para os Estados Unidos, o
1
1
que constitui uma grave violação do Direito Internacional e do tratado de
extradição existente entre os dois países. À luz dos novos elementos que pro·
vam a atitude condenável e práticas impróprias quando da acusação, o procu·
rador-geral Lynn Crooks admitiu em 9 de novembro de 1992, perante o Oita·
vo Juízo do Tribunal de Relação de Saint Paul (Minnesota): "Nós não podemos
provar que ele matou esses agentes." No entanto, esse mesmo tribunal recu·
sou, em 1993, a revisão do processo que teria pemútido demonstrar a inocên·
eia de Peltier e provar as ações do FBI e do governo americano nesse processo.
Em março de 1996, apesar do parecer favorável do procurador, o Departa·
mento Federal de Libertação Condicional se recusou, mais uma vez, a conce·
der a Leonard a liberdade condicional e informou que poderiam estudar no·
vamente sobre o seu caso... em 2008. Doze anos de esperai
Privado dos cuidados necessários, Leonard Peltier ficou cego de um olho e
o seu estado geral é preocupante. A única esperança que lhe resta é o presi·
dente Clinton, que não respondeu ainda ao pedido de indulto presidencial
enviado por Leonard em 1993.
ESTADOS UNIDOS: O SONHO INACABADO 363

Mumla Abu Jamal

Mumia Abu Jamal foi educado na Filadélfia. Foi um dos membros fun-
dadores (aos 15 anos) do Comitê dos Panteras Negras da Filadélfia, onde
iniciou a sua carreira de jornalista. Escrevia no jornal do partido como minis·
tro da Informação do comitê local.
Prosseguiu a sua carreira de jornalista como comentarista em diversas es-
tações de rádio da cidade. Durante os anos 70, Mumia publicou vigorosas
críticas à polícia da Filadélfia e ao seu chefe, Frank Rizzo. Rejeitou a versão
apresentada por Rizzo do cerco policial de 1985 contra a organização negra
Move, em Powelton Village, no qual participaram mais de 600 agentes anna-
dos e que tenninou com a morte de onze membros do movimento (seis adul-
tos e cinco crianças). O seu engajamento na luta a favor dos pobres e dos
discriminados valeu a ele o título de a voz dos sem-voz. O seu empenho nessa
forma de jornalismo fez com que fosse despedido da sua estação de rádio. Foi
obrigado a trabalhar como motorista de táxi à noite para alimentar a sua família.
No dia 9 de dezembro de 1981, um pouco antes das quatro horas da ma·
nhã, circulando no táxi e vendo um policial espancando seu irmão, correu
para ajudá-lo. Os policiais chamados pelo agente Faulkner encontraram-no
deitado no chão, atingido por balas nas costas e no rosto. A alguns passos,
sangrando, estava Mumia Abu Jamal. O revólver calibre 38 que ele comprara
depois de ter sido assaltado duas vezes foi encontrado no local. O policial
Faulkner morreu uma hora depois do tiroteio, no mesmo hospital universitá·
rio onde Mumia foi submetido a uma intervenção cirúrgica: uma bala dispara-
da pela anna de Faulkner tinha atingido-o no peito e se alojado perto da
coluna vertebral.
Alegando inocência, Mumia Abu Jamal foi acusado do assassinato dopo·
licial, apesar do testemunho de quatro pessoas que afim1avam ter visto um
terceiro homem disparar e fugir. Foi entregue à justiça no início de 1982. O
processo foi confiado ao juiz Sabo, conhecido como "o rei do corredor da
morte", que tinha o recorde das condenações à morte nos Estados Unidos:
31, das quais 29 de negros. Era, além disso, membro do mesmo sindicato da
polícia que Faulkner: a "Fraternidade da Polícia", o que põe em dúvida a sua
imparcialidade.
O processo foi clássico, tratando-se de um negro. Mumia Abu Jamal foi
impedido de escolher advogado e privado dos meios financeiros necessários à
sua defesa. Foi proibido de exercer ele mesmo essa defesa. Foi-lhe imposto um
364 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

advogado conhecido pela sua incompetência. Todos os jurados negros, exceto


um, foram excluídos do júri. A lista das irregularidades que "adornaram" o
processo é longa: suborno e intimidação de testemunhas; dissimulação de pro·
vas favoráveis à defesa; politização excessiva na fase final do processo, com a
utilização dos dossiês do FBI relativos às suas atividades no Pa.rtido dos Pante·
ras Negras como provas definitivas "justificativas da pena de morte"; recusa
de, no recurso, levar em conta as revelações de testemunhas arrependidas
denunciando o estado de intimidação policial quando do processo de 1982 e
afirmando terem visto outro homem armado fugindo do lugar do tiroteio. Por
fim, a manutenção no processo do juiz Sabo, apesar de este já estar aposentado.
Em 2 de julho de 1982, Mumia Abu Jamal, acusado de homicídio VO·
\untãrio, foi condenado à morte pelo juiz Sabo. Deveria ter sido executado
em agosto de 1995. Graças à pressão de um poderoso movimento internacio·
nal, Mumia conseguiu o adiMnento da execução, mas o juiz Sabo descartou a
abertura de um novo processo até a sua aposentadoria em 26 de novembro de
1997.
No momento em que esr.as linhas são escritas (fevereiro de 1998), o Su·
premo Tribunal da Pensilvânia examina as conclusões do 6ltimo apelo apre·
sentado pelos defensores de Mumia Abu Jamal. Em caso de rejeição, que será
seguido de um mandado de execução, um 6\timo recurso poderá ser feito em
nível federal.
Do fundo da sua cela. há dezesseís anos, Mumia nunca cessou de escrever
artigos e de militar pela justiça e contra o racismo. Escreveu duas obras impor·
cantes: Llve from Death Row e Deaih Blossoms (The Plough Publishing House
Editors, Farmíngton PA, USA) .

Robnt Pac ~jornalista, empenhado há maU de 25 ano. ru luta ao lado dos negros, dos índios
e dos membros de ou1ns minorias ~miau das cru ~r!c.as. É au!Dr de As gwma.s índias hoít·

Now:

1. Handrew Hacker in Two Nadons, C/imkJ Scribner'J Son, Macmillan Publi.!híng Company,
Nova York, 1992.
2. Gcnocide USA, WorlcLn Vanguard nP 463, 21 de outobro de 1988.
3. !.'. Humani!é, 22 de fevereiro de 1990.
4. N.:w York Pasi, 9 de maio de 1990.
5. N.:w York Posi, 9 de maio de 1990.
ESTAOOS UNIOOS: O SONHO INACABADO 365

6. Citado cm l'Humanlré, 8 de novembro de 1988.


7. New York Post, 9 de maio de 1990.
8. Citado em I.:Humaníté, 8 de maio de 1990.
9. People5 Daily World, 3 de maio de 1990.
10. u Marin suplemento, 29/30 de dezembro de 1979.
li. /nremacional Hera/d Tribune, 23 de agosto de 1993.
12. Center for Research on Criminal Justice, Berkeley, Califórnia, The Iron Fist and Velvet
Glove.
13. ln Par la pecice porte, de Emest J. Gaines, Liana Levi Editor, 1996.
14. Lennox Inds, in Illusion ofJustice, Universicy of Iowa, 1978.
15. Sentencing Project 1991.
16. /ncemacional Herald Tribune, 14 de setembro de 1933.
17. lnremational Herald Tribune, 617 de abril de 1996.
18. Mumia Abu Jamal in En direct du couloir de la mort, édições La Découvcrtc, 1996.
19. Anistia Internacional, Relatório sobre a pena de morte, 1987.
20. Anistia Internacional, Relatório sobre a pena de morte, 1987.
21. Anistia Internacional: Estados Unidos, Menores no "corredor da morte" (lndcx A 1: AMR
51f23.i91, publicado em 1991).
22. Greenwald Helene B., Capital Punishement for Minors: An Height Amendment Analisys,
inJ011mal of Criminal l.Aw and Criminology, volume 74, n2 74, 1983.
23. Anistia Internacional, documento interno, Londres, janeiro de 1994.
24. Fmdom of lnformacion Acc (Lei de liberdade de informação), vacada pelo Congresso em
1966 e revista em 1974 num sentido liberal, garantindo a cada cidadão americano o
direito de acesso às "fichas" e outras "informações" na posse das autoridades que os pre·
judicariam ou teriam prejudicado.
·---......-.--.- ------
CENTENÁRIO DE UM GENOCÍDIO EM CUBA
-A "RECONCENTRAÇÃO" DE WEYLER
JEANLAILLE
• 1
Um livro negro do capitalismo na América Latina, se se quisesse exausti·
vo, deveria ser um trabalho documental, reunindo as obras lústóricas em
matéria de penetração a ferro e fogo do capitalismo plenamente triunfante,
desde o Rio Grande até a Terra do Fogo. Outro método consistiria em lançar
luzes sobre um ou outro episódio mais conhecido dos lústoriadores que do
grande público, mas significativo dos desgastes irreparáveis que podem ser
imputados aos ferozes apetites imperialistas britânicos, franceses e depois
americanos impondo a lei do capital colonial, submetendo os povos que mal
acabavam de se livrar do jugo do imenso império feudal hispano-português.
Pensa-se então nas inumeráveis vítimas em torno das ilhas Malvinas desde
que a Inglaterra viu ali um interesse baleeiro em detrimento da República
Argentina, em torno do opulento Paraguai com a Tríplice Aliança (Argenti-
na, Brasil, Uruguai) que em 1870, após cinco anos sangrentos, exterminou
toda a população masculina dessa encruzilhada de grandes rios navegáveis.
Pensa-se nos dissabores do Peru, da Bolívia e do Chile ainda mal independen·
tes porque o guano, destronado mais tarde pelo nitrato chileno, provocou
cinco anos da guerra dita do "Pacífico", de 1879 a 1884, em nome dos interes-
ses capitalistas, dilacerando um ou outro desses três países, arbitrados pelos
Estados Unidos, e privando a Bolívia do seu acesso ao mar. Morrer por fertili-
zantes tão lucrativos não impediu os bolivianos e os paraguaios de se matarem
nos combates fratricidas da guerra do Chaco (60 mil vítimas, segundo parece)
por duas companhias de um petróleo que em seguida nem foi explorado. Como
fazer uma escolha entre o cone sul e os confins do istmo central onde as
companhias fruteiras penetraram pelo ferro da moderna pirataria ferroviária
em proveito da United Fruit, da Colômbia até a Guatemala?
Como falar do "Papa verde" melhor do que Miguel Angel Asturias, ou das
greves bananeiras corno Gabriel Garda Márquez? Como tratar a exploração
da terra brasileira tão intensamente quanto Jorge Amado nos seus romances?
Ou como apreciar melhor o slogan "Terra e Liberdade" do que nos afrescos
mexicanos de Siqueirosl
Uma vez escrito, este livro negro terá os seus detratores saídos da eterna
coligação de liberais e conservadores para tomarem a defesa das virtudes
civilizadoras, corno antes deles o fizeram os espanhóis rejeitando, sob o nome
370 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

de "lenda negra", a menor crítica do seu império americano evangelizado pela


espada e pelo fogo. Esse debate ressurgiu em 1992, quando a celebração do
quinto centenário da descoberta da América suscitou polêmicas no momento
da Exposição Universal de Sevilha: a tese do encontro entre dois mundos, a
do choque e a da destruição pura e simples. Foi por essa palavra "destruição"
que o escândalo chegou em 1552, pela pena desse bispo de Chiapas Gá en·
tão!) chamado Bartolomé de las Casas que está na origem da tão controversa
"lenda negra". Intitulado Muito breve relação da destruição das Índias, o seu
tratado teve uma difusão imediata na Espanha e na América e tomou-se uma
fonte de longas discussões com a autoridade colonial. Ele desembarcou inici·
almente em Cuba, ao fim de seus estudos em Salamanca, e constatou a funes·
ta sorte dos pacíficos índios da ilha, e o seu próximo texto ecoaria, séculos
depois, no discurso de boas-vindas do presidente Fidel Castro ao papa João
Paulo I1 no dia 21 de janeiro de 1998: "não encontrareis aqui os pacíficos e
doces habitantes que j>Ovoavam esta ilha quando os primeiros europeus aqui
aportaram? Os homens foram quase todos exterminados pela exploração e
pela escravatura que não conseguiram suportar, as mulheres foram converti·
das em objetos de prazer ou em escravas domésticas. Houve também os que
morreram sob o fio das espadas homicidas ou vítimas de doenças desconheci·
das que os conquistadores trouxeram consigo. Alguns missionários deixaram
testemunhos dilacerantes de protesto contra tais crimes. (...) Em condições
extremamente difíceis, Cuba acabou por constituir uma nação. Lutou sozinha
com insuperável heroísmo pela sua independência. Sofreu para isso, há cem
anos, um verdadeiro holocausto nos campos de concentração onde pereceu
uma parte considerável da sua população, principalmente mulheres, velhos e
crianças; crime dos colonialistas que, embora possa estar esquecido pela cons·
ciência da humanidade, não é por isso menos monstruoso."
Temos, pois, com Cuba as duas pontas de um livro negro que se abre a
partir de 1492 e que ainda não se fechou, urna vez que este povo recusa há
quarenta anos "submeter-se à imposição e ao império da maior potência eco·
nômica, política e militar da história". Por que não folhear urna dessas páginas
negra~ do capitalismo na América Latina, escrita pelo próprio capitalismo há
exatamente um século, quando ele adquiria a sua expansão açucareira em
Cuba, último farrapo desse império que durante cinco séculos foi explorado
pela coroa espanhola? No momento em que o poderoso vizinho do Norte se
dispõe a colher esse fruto maduro, a Espanha humilhada agarra-se vergonha·
sarnente a ele, e é sob as ordens do capitão-general Don Yaleriano Weyler que
CENTENÁRIO DE UM OENOCfDIO EM CUBA 371

se inicia a "reconcentração", afinal a deportação de um povo na sua própria


terra, de 1896 a 1898. 1

Uma colônia em suspensão (espera?, sursis?)

Cuba era, no século XVII, o primeiro produtor mundial de açúcar de cana,


tendo a rentabilidade dos escravos negros nos imensos domínios da colônia
espanhola possibilitado abrir, desde a primeira metade do século XIX, a era do
capitalismo açucareiro no setor agrário já existente desde Havana até Matanzas.
Os quatro engenhos de açúcar de 1784 eram 22 antes de 1830, situados nas
proximidades dos portos nas zonas cada vez mais vastas conquistadas à flores-
ta subtropical, que tinham uma espantosa fertilidade. A existência de ancora·
douros marítimos ou fluviais permitiam, em 1830, exportar 90.492 toneladas
métricas para a Europa. Os proprietários de bens primários, no seu otimismo
de classe em expansão, viam-se confrontados com o encarecimento dos cus-
tos de produção. Em 1820, a Espanha viu-se obrigada, por pressão inglesa, a
abolir o tráfico de negros, cuja compra clandestina ficava mais cara a cada
dia, ao mesmo tempo em que apareciam na França as primeiras fábricas de
açúcar de beterraba. Mas pagar escravos de contrabando não dispensava o
transporte das mercadorias à medida que as zonas de produção se afastavam
das costas.
Eis como o capitalismo açucareiro teve necessidade da via férrea para se
desenvolver. Já não era possível, com as colheitas cada vez mais abundantes,
transportar cargas pesadas em direção aos portos por caminhos pedregosos e
poeirentos na seca e impraticáveis durante as chuvas, quando animais de car·
ga e carros atolavam. Os proprietários dos engenhos de açúcar perdiam di-
nheiro consertando caminhos e estradas. A alimentação de um negro, à razão
de duas refeições diárias, ficava por real e meio, ao passo que eram necessários
três reais para alimentar um boi. Eis o porquê de terem se voltado para a
ferrovia, para cuja construção os primeiros capitais foram reunidos em 1830
mas que só prosperou a partir de 1837, quando em 19 de novembro, dia do
aniversário da rainha Isabel II, onze anos antes de na metrópole espanhola, os
quarenta mil quilômetros de Havana a Bejucal foram colocadas em funciona-
mento. Esta linha desempregava 1.200 carroceiros e outros tantos escravos
negros ao seu serviço, sem contar 300 ou 400 condutores de mulas. Eis como,
sem que faltassem acionistas cubanos, se criavam sociedades anônimas entre·
372 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

gues a todo tipo de "cavalheiros de indústria" que tinham facilidade em apre·


goar as suas pretensões num domínio em que os próprios europeus davam os
primeiros passos. Era preciso sobretudo ter boas relações em Londres e, para
isso, ter intermediários norte-americanos que, possuindo plantações em Cuba,
ofereciam as suas relações e os seus capitais, porque uma locomotiva só podia
ser inglesa. Os capitalistas da ilha desconfiavam do governo colonial, arbitrá·
rio e corrupto. Por seu lado, os banqueiros de Londres não tinham qualquer
confiança nas finanças de Madri. Era portanto necessário que o banqueiro
inglês Robertson emprestasse dois milhões de pesos, garantidos pelas receitas
fiscais dos portos cubanos, a começar pelo porto de Havana. Foi assim que a
primeira ferovia hispano-americana foi cubana. Um testa-de-ferro, Don Clau·
dio Martinez de Pinillos, bem cotado na corte de Madri, administrador do
fisco colonial, garantia a Havana o empréstimo inglês. Tendo cada um deles
metido o bolso a sua respectiva comissão, as locomotivas e os vagões chega·
ram finalmente de Londres e o.s trabalhos puderam começar, não sem que o
cônsul da Espanha em Nova York tivesse recrutado engenheiros americanos
munidos de contratos excelentes.
Os engenhos tinham· se tomado "centrais açucareiras". Essas verdadeiras
fábricas recebiam a cana a partir de campos cada vez mais afastados e os seu
raio de ação não parava de aumentar, até englobarem o leste de Cuba, ainda
ignorado pelos plantadores de cana. Só restava aos grandes investidores liga·
dos aos Estados Unidos comprar as linhas para que a ferrovia ligada aos lati·
fúndios açucareiros fosse o vetor da sacarocracia americana, cobrindo toda a
ilha sob a égide do poder colonial espanhol. Esperaremos pacientemente o
fim do século para vê-lo ser confiscado em proveito do imperialismo norte·
americano. Comélius van Home, construtor do "Canadien Pacifique", cujo
pai tinha levado a cabo a conquista do açúcar pela ferrovia, foi um daqueles
que triunfaram tanto que no momento da sua morte podia dizer: "Quando
penso em tudo o que eu poderia fazer, gostaria de viver 500 anos ... " Em 1902,
o governo Estrada Palma, da pseudo-república cubana, levava o seu servilis·
mo ao ponto de propor ao Congresso liberar fundos públicos durante três
anos para pagar a van Home os juros do capital que ele tinha arriscado numa
linha que ainda não tinha dado nada ... Mas não antecipemos esse século XIX
que viu Cuba revoltar-se duas vezes contra os dois domínios coloniais que ela
não aceitava suportar, mesmo se estes dispunham de poderosas ligações
internas.
CENTENÁRIO DE UM GENOCfDIO EM CUBA

Oúltimo quarto de hora


Enquanto a administração espanhola se caracteriza por uma corrupção e
um absolutismo em contraste com as proezas dos libertadores da parte conti·
nental do Império, é como reação dos setores abastados (combinada com um
profundo descontentamento popular) que irrompe em 1868 a primeira Guer·
ra de Independência, vista com suspeita pelos Estados Unidos, que recusam o
seu apoio, e com indiferença pelos europeus. A coroa espanhola tem com que
se preocupar: a proclamada solidariedade dos antigos vice-reinos em plena
emancipação. Dez anos de guerra, de 1868 a 1878, levaram à falsa paz de
Zanjon, que não acertou nada senão as tímidas leis emancipadoras dos negros
cubanos. Este período cobre o ensinamento da dignidade nacional que ema·
na de José Martí, "o apóstolo da independência" (1853-1898), ele próprio
influenciado por letrados formados na "escola das Luzes" desde o início do
século XIX no próprio seio das mais respeitáveis instituições humanistas da
colônia. As tendências reformistas e revolucionárias dividiam os cubanos en·
tre os partidários da pura e simples anexação aos Estados Unidos ou de um
prudente grau de autonomia face à coroa espanhola, e aqueles que, partidári-
os da revolução, não viam qualquer vantagem a não ser na independência
real.
Desde o malogro da "Guerra Chica", em 1878, quando os Estados Unidos
tinham (já então) fechado o seu mercado ao açúcar de Cuba, os cubanos
compreenderam que a independência não era uma simples questão de senti·
mentas. Tinham necessidade dela para negociar tratados de reciprocidade ou
para figurar bem no sistema norte-americano.
Quinze anos mais tarde, os mais eminentes lutadores inspirados por José
Martí iniciaram novas campanhas militares para libertar Cuba do jugo espa-
nhol. Em 1895, a guerra alargou-se de leste a oeste, tomando proporções bem
maiores que as do conflito anterior. José Martf foi morto em 19 de maio de
1895, no momento em que tentava interceptar uma coluna espanhola de 600
cavaleiros. Esse revés duplicou as forças dos patriotas sob as ordens de Maximo
Gomez e Antonio Maceo que, no final de 1895, invadiam o oeste de Cuba,
penetrando na rica região de Matanzas, onde queimaram as plantações, im-
pedindo a colheita e paralisando quase inteiramente a indústria açucareira
por falta de matéria-prima. De 1.034.794 toneladas em 1895, a safra cai para
232.068 toneladas no ano seguinte, e para ainda menos em 1897, em conse·
qüência da ação militar dos guerilheiros mambises,2 que obrigou as tropas
37'4 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

coloniais a se recolherem às guarnições fortificadas. Ao mesmo tempo, o pre·


ço do açúcar caía para a metade, enquanto a máquina a vapor, mecanizando
a elaboração e a produção do açúcar, tinha mobilizado capitais enormes para
a substituição dos negros libertados em 1886. Daí os enorn1es investimentos
americanos substituindo os dos banqueiros ingleses e acionistas espanhóis que
vêem ameaçada sua soberania colonial. As ferrovias aumentam as tarifas, o
transporte de tropas representa metade do movimento: como esse serviço
não era cobrado da autoridade militar, era preciso recuperar com o açúcar. E
a introdução do trabalho assalariado significava que uma nova despesa abria
na coluna dos preços de revenda .. . No entanto, a multiplicação dos desastres
militares na ilha, as enormes somas de dinheiro que a obstinação do governo
de Madri gastava para vencer aquela última guerra colonial, a incompetência
do estado-maior, a impopularidade do serviço ultramarino entre os recrutas,
que não hesitavam em apelar para a automutilação para fugir do uniforme, o
pesado passivo da corrupção colonial, tudo recomendava que Don Antonio
Canovas dei Castillo, o chefe do governo espanhol, acabasse com a guerra o
mais depressa possível e por quaisquer meios. Impaciente e autoritário, hesi·
cava em conceder a Cuba uma autonomia que recusava à Catalunha. Não
resistiu à maior oferta da oligarquia ligada aos interesses coloniais nem aos
oficiais que reclamavam uma guerra sem tréguas contra os rebeldes cubanos.
Para capitão-general para Cuba ele nomeara Arsenio Martinez Campos, o
mesmo que, em 1874, à frente de um punhado de homens, tinha posto fim à
primeira República Espanhola e restaurado Afonso XII sem disparar um único
tiro. Ele sequer conhecia Cuba: em julho de 1895, derrotado no combate de
Peralejo por Antonio Maceo, propôs ao seu chefe do governo escolher uma
estratégia própria para liquidar de uma vez por todas aquela rebelião. Todas as
medidas militares adotadas revelavam-se ineficazes contra as tochas incendi-
árias dos guerrilheiros que destruíam as plantações. Os comboios que trans-
portavam cana eram precedidos por locomotivas destinadas a reconhecer o
terreno, fortins eram construídos ao longo da via férrea em cada entronca-
mento, ponte ou estação. Os jornais ilustrados de Madri publicavam reporta-
gens com gravuras de comboios destruídos na sabotagem das pontes da ferro-
via da época. Nada foi feito, salvo a vontade ainda maior dos comerciantes e
fornecedores do açúcar de se protegerem atrás das baionetas espanholas. Re-
cordaram-se então de um oficial conhecido como "o homem de ferro", que já
se tinha distinguido na "Guerra dos dez anos" (1868-1878) pela sua crueldade
contra a população civil, e nomearam-no capitão-general de Cuba em substi-
CENTENÁRIO DE UM GENOC(DIO EM CUBA 375

tuição a Martinez Campos. Foi Don Valeriano Weyler,3 conhecido pela sua
imaginação repressiva. Reconhecendo que esta guerra era diferente da que a
precedera, o próprio Martinez Campos tinha proposto tirar a água do aquário
para assim capturar os peixes: um chefe tão experiente como Weyler era ca-
paz, disse, de aplicar essa medida de "reconcentração" que pessoalmente o
repugnava. O processo já tinha sido utilizado, embora em menor escala, du-
rante a "Grande guerra", mas sem ter alguma vez ultrapassado o número de 40
mil civis reagrupados depois de terem sido forçados a abandonar suas aldeias.
Este processo político-militar foi portanto aplicado com a finalidade de privar
de provisões, homens e cavalos as forças "mambises", que recebiam suprimen·
tos de todas as aldeias e dos campos, onde eles estavam como peixes na água.
Após as primeiras experiências, foi em 21 de outubro de 1896 que Weyler
publicou uma ordem de campanha em que decretou a "reconcentração" de
todos os habitantes em certos aglomerados, e tudo isso num prazo de oito
dias, proibindo a retirada de alimentos das aldeias ou o seu trânsito por mar
sem uma permissão das autoridades militares espanholas. À população, acres·
centou o gado.
"Centenas de milhares de pessoas foram reunidas. Em poucos dias, as lo-
calidades que tinham guarnições sediadas transformaram-se em imensas pri·
sões para velhos, mulheres e crianças sem meios de subsistência. Depois de
terem reunido as pessoas, as tropas espanholas tinham carta branca para arra·
sar tudo, queimar as habitações, destruir os campos e sacrificar os animais que
não podiam subtrair às necessidades de aprovisionamento do exército de li·
bertação", explica o coronel Raul lzquierdo Canoso, que acaba de publicar
um estudo intitulado A reconcentração 4•

Um verdadeiro genocídio

Esta medida foi aplicada durante os dois anos que durou a missão de Weyler
em Cuba, 1896 e 1897. Foram encontrados indícios dos acontecimentos nos
arquivos da ferrovia cubana: "É verdade que a terceira classe é aquela que
transporta o maior número de viajantes da Companhia. E, como a maioria
deles são jornaleiros que foram reconcentrados nas vilas e aldeias sem sequer
oindispensável para se alimentarem, estavam ainda mais desprovidos de mei·
os para se deslocarem. Tendo as autoridades da cidade [de Matanzas] deseja·
do que eles regressassem às antigas aldeias de onde tinham vindo aos milha-
376 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALJSMO

res, a Companhia forneceu a todos bilhetes gra tuitos durante os mesesde


abril e maio de 1897, para que pudC$Cm voltar para as zonas de cultur.i, ou
para fazer com que deixassemesta cidade, onde s6 podemviver da mendicãn·
eia. Desse modo, 2.325 peswas puderam r transportadas, mas foi preciso
repetir a operação em dezembro para que tod os reconcentrados que aqui
viviam pudessem ir procurar trabalho nas fá ricas de açúcar e preparar asafra
da cana." Assim, transportaram-se mais 2. -s 1. Este documento data bem a
duração desse reagrupamento desumano iniciado em meados de 1896 eim·
posto militarmente cm outub , mas mrnado insuportável desde o final de
1897, porque apesar de rudo era preciso aumentar a produção do açúcar, que
estava cm queda livre, sem contar e o Estado não remunerava suficiente·
mente o transporte da! unidad militares de reforço que desembarcavam
maciçamente durante todo o ano e 1897. Em 1896, a ferrovia de Matanzas
tinha faturado aos tran:spom:s militares 117.398 pesos e não tinha recebido
mais do que 77.81 6: a difercnça era considerada como serviços gratuitos em
benefício do Estado. No em.anca, a companhia conseguiu distribuir aos seus
acionistas 2%de divtdendos. tendo, em 1896, recebido, alojado e transporta·
do 4.322 soldados d~mbarcados da Espanha em Regia, entrada do porto de
Havana.
A Espanha acabou encerrando esta operação de esvaziamento, mas sim·
piesmente porque ela foi makuc.ed:ida em todos os seus aspectos. A política do
último quarto de hora correspondia em.ão ao slogan ~ até o último homem, até
a última peseta" que foi necõSário abandonar nesse triste fim de 1897 quando
o general Ramón Blanco chegou a Havana em substituição a Weyler com as
instruções bruscamente al terad.aJ para "nem mais um homem, nemmais uma
peseta!" Genocídio agravado pela premeditação: era apenas uma experiência,
não deu cm nada. A ponto de novamente se peruar em instalar um governo
autônomo, idéia rapidamente colocada de lado, uma vez que, não podendo
conceder a Cuba o que se rec usava ~ Catalunha, dilacerada pelas convulsões
do anarquismo nascente, dá-se a esta, embreve, o pre ente de um novo capi·
cão-general que se chama ... Don Valeriano \Veyler. Barcelona vivia então uma
epidemia de bombas e de arentados que acrescentava uma referência cubana
aos seus alvos. Em 1892, o general Martinez Campos escapava a uma bomba,
mas Canovas dei Castillo estava em tratamento nas termas de Santa Aguda,
em 8 de maio de 1897, quando foi assassinado pelo anarquista italiano
Angiolillo. Era a resposta às prisões maciças com que Weyler superlotara os
calabouços de Monrjuich com supostos anarquistas ou com inofensivos
CENTENÁ.RIO DE UM GENOCIDIO EM CUBA 377

anticlericais, horrivelmente torturados ou executados: não deixava de ter boas


referências aquele que fora capitão-general de Cuba.
Como em Barcelona, a "reconcentração" de Weyler fazia inocentes paga-
rem o preço da política de extermínio decidida pelo governo colonial e, num
caso como no outro, a engrenagem clássica da escalada funcionou como um
bumerangue. A maioria dos homens ameaçados por este "reagrupamento"
escolheu juntar-se ao exército de libertação, assim como em Barcelona se
juntava ao anarquismo em função dos horrores de uma repressão que provo-
cava gigantescas manifestações de indignação até Trafalgar Square.
Que preço tinha então sido pago pelo povo cubano? É ao mesmo tempo
difícil e fácil estabelecer os números, uma vez que a sua fonte é americana;
mas eles os teriam inflacionado cinicamente para poderem justificar a sua
intervenção militar de 1898 que, entre outras boas razões, pretendia ter uma
preocupação humanitária contra o horrível colonizador espanhol. Temos os
números do recenseamento de 1887: 1.631.676 (sendo 1.102.887 os brancos,
orestante negros, mestiços e asiáticos). E o recenseamento de 1899, realizado
pelo governo intervencionista dos Estados Unidos, que somou 1,570 milhão.
Adiminuição constatada não é significativa, uma vez que Cuba já lhes per-
tencia e eles se instalaram em número elevado. O registro dos falecimentos
em 1898 somou 109.272, em grande parte imputáveis à fome e às doenças,
devidas ao bloqueio naval estabelecido desde a declaração de guerra dos Esta-
dos Unidos à Espanha, tornando ainda mais crítica a sobre .ivência das víti-
1

mas da "reconcentração". Um relatório da Cruz Vermelha dos Estados Uni-


dos, enviado de Havana, descrevia em outubro de 1898 que dezenas de
milhares de pessoas perambulavam pelas ruas, inclusive gente abastada que
nada tivera a ver com a "reconcentração", e tiravam do lLxo uma subsistência
miserável. Clara Barton, presidente da Cruz Vem1elha americana, tinha envi-
ado alimentos, medicamentos e roupas recolhidas por sua iniciativa ainda
antes do início das hostilidades contra a Espanha. No entanto, o bloqueio das
costas cubanas impediu (já então!) a chegada desse auxílio, parcialmente uti-
lizado cm proveito das tropas americanas, o que motivou uma queixa de Clara
Barton ao presidente dos Estados Unidos, William McKinley. Cem anos de-
pois, Raul lzquierdo Canosa considera uma ordem de grandeza de 300 mil
vítimas, sabendo que não é possível ser exato, mas outros historiadores che-
gam a 400 mil ou 500 mil, também sem poderem provar. Para uma população
de pouco mais de milhão e meio de habitantes, o número de 300 mil, mesmo
calculado por baixo, é horrível o bastante.
378 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Porque, mesmo passado um século, não faltam testemunhos da amplidão


do extermínio. Lola Maria, pseudônimo li rerário de Dolores Maria de Ximeno
y Cruz, rica herdeira de uma fanu1ia crioula da cidade de Maranzas, escreveu
as suas memórias. Nelas narrava o mundo de opulência no qual vivia, não
afastando os resremunhos dos episódios mais dramáticos da "reconcentração"
vividos pessoalmente."(... ) Toda a ilha tinha se transformado em uma imensa
ratoeira; éramos perseguidos por rodos os lados ... Parecia mais uma cidade de
dementes que um ;menso hospital de alienados. Crianças em proporção alar·
mante, homens e mulheres na força da idade, velhos decrépitos com apenas
vinre e cinco anos. Um dia a nossa casa encheu-se com uma numerosa familia
de 'reconcenrrados' - não queriam pão, mas um teto - e, ela, minha mãe,
sabia de uma casinha isolada perco da linha férrea, fora da cidade ... a emigra·
ção era pavorosa, só ficavam aqueles que não tinham qualquer possibilidade
de fugir... nós, a casa mais opulenta e a despensa mais bem guarnecida de
Maranzas, recorríamos agora à sopa daquelas beldroegas que crescem até nos
passeios da rua e que a minha mãe trabalhava excelentemente, como se se
tratasse de requintados raviólis ... Todos os dias os jornais noticiavam as proe·
zas guerreiras dos espanhóis que, a cada confronto com os rebeldes, os pulve·
rizavam. Concluindo: nada de novo pelo nosso lado. Vivi aqueles dias como
se fossem um século... Emagreci uma arroba. "5
Estas recordações foram publicadas em Cuba, em 1983, quando o ma·
nuscrito de Lola Maria foi reencontrado, e foi então possível fazer uma sele·
ção da qual o que vamos transcrever é mais um exemplo: "(...) O cheiro,
aquele cheiro que não se parecia com nada e que era o da 'reconcentração'.
era o que o clima difundia como a doença própria dos cadáveres que, incha·
dos como sapos, espalhavam-se pelas ruas. Toda aquela legião de infelizes
morreu sem protestar, nos hospitais, na via pública, debaixo das arcadas. Por
vezes, uma vela enfiada numa garrafa de cerveja vazia, colocada ali por ai·
guém, indicava ao transeunte que ali se encontrava um cadáver. O total das
mortes parece ter subido a quatrocentas mil."
Qualquer que seja a exatidão do número desses verdadeiros reféns do
exército espanhol, é necessário acrescentar um número inesperado de estran·
geiros, que pesquisas recentes feitas nos Arquivos Nacionais de Cuba têm
revelado. As certidões de óbito - sempre em Matanzas - revelam um
percentual elevado de vítimas de origem espanhola ou das ilhas Canárias.
Encontram-se, sem surpresa, mais de três mil chineses, emigrados para o tra·
balho na agricultura desde a segunda metade do século; mas nenhum ou muito
CENTENÁRIO DE UM GENOCf DlO EM CUBA 379

poucos franceses, talvez por gratidão das autoridades espanholas satisfeitas


com as verdadeiras fortalezas em que se tinham tomado as suas plantações de
café na região de Santiago de Cuba, prova da sua hostilidade aos sublevados.
Mais espantoso é o número de 1. 758 norte-americanos, assinalado em dezem-
bro de 1897 entre as atas de falecimento que identificavam alemães, mexica-
nos e várias outras nacionalidades européias ou americanas minoritárias, sem
contar a menção "africanos" sem qualquer outra especificação.

Eos Estados Unidos limpam a mesa

Sabe-se o que aconteceu depois. No momento em que a Espanha lutava


para garantir sua existência de potência decadente no derradeiro farrapo do
seu império colonial, ao imperialismo conquistador bastava atravessar o es-
treito da Flórida para colher, como um fruto maduro, a maior e mais rica das
ilhas do Caribe. Sem nenhuma concorrência da Inglaterra, a maior exporta-
dora de capitais do mundo durante todo o século XIX, inclusive em Cuba,
onde bastava conservar seus interesses nas ferrovias ocidentais para garantir
investimentos anteriores. Afastado o leão castelhano, era preciso afastar tam-
bém qualquer veleidade de vir a ser criado um Estado independente cubano.
Muito antes de 1898, a Standard Oil Company, a American Sugar Refining e
a Bethlehem Iron Works tinham investido em níquel e manganês, e havia a
American Tobacco Company.
Faltava apenas preparar a opinião pública com o pretexto, aparentemente
generoso Uá então!), do direito dos cubanos à liberdade. Para tal era necessá-
rio apagar a contradição entre as palavras de condenação da desumanidade
da "reconcentração" e a realidade das circunstâncias agravantes do bloqueio
naval da ilha, primeira medida militar da intervenção armada, datada oficial-
mente do dia 12 de janeiro de 1899. O famoso memorando do secretário de
Estado da Guerra não disfarçava as suas palavras: "Cuba, com um território
maior, tem também uma população maior do que Porto Rico, brancos, negros,
asiáticos e suas misturas. Os habitantes são geralmente indolentes e apáticos.
Éevidente que a sua imediata anexação à nossa federação seria uma loucura
e, antes de agir assim devemos limpar o pafs, ainda que para o fazer tenhamos
de utilizar os mesmos métodos que a Divina Providência aplicou às cidades de
Sodoma e Oomorra."
Presente no porto de Havana desde 25 de janeiro de 1898, o couraçado
380 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

Maine, da marinha dos Estados Unidos, explodiu muito oportunamente no


dia 15 de fevereiro, matando 266 pessoas a bordo, enquanto todo o Estado.
Maior se encontrava em terra "milagrosamente". ·~qui está tudo calmo!",
telegrafava de Havana o repórter das empresas Hearst ao seu patrão; ao que
este respondeu "Envie fotografias e eu farei a guerra!" O instrumento legal
que o presidente MacKinley obteve do Congresso, a famosa "Resolução con-
junta", detem'linava que "o direito dos cubanos a serem livres" passava pela
"faculdade outorgada ao presidente dos Estados Unidos de dispor dos recur-
sos necessários para intervir na guerra da independência cubana e pacificar o
país".
Na obra Caminhos para o açúcar, Oscar Zanetti e Alejandro Garcia6 acres·
centam: "A tática pérfida do comandante militar norte-americano da ilha foi
a de negar a guerra às forças cubanas, apoiando-se separadamente nos seus
diferentes chefes locais e, uma vez consumada a derrota espanhola, proibir a
entrada dos combatentes cubanos ·nas principais cidades com o objetivo de
evitar que o exército espanhol capitulasse perante os patriotas ... [que] foram
excluídos da assinatura do protocolo que ratificava a rendição espanhola. A
soberania das ilhas passou assim das mãos do colonialismo espanhol às do
imperialismo norte-americano. O Tratado de Paris, formalmente inspirado
em 'princípios humanitários e altos deveres sociais e morais', dissimulava na
realidade a ocupação militar de Cuba pelos norte-americanos por tempo
indeterminado e a aquisição das colônias espanholas do Caribe e do Pacífico
na qualidade de despojos de guerra."
Não foi preciso esperar muito tempo para que a aposta que estava na mesa
de jogo fosse embolsada: os quatro anos de ocupação militar de Cuba só aca·
baram em 2 de maio de 1901, e a Assembléia "Constituinte" cubana adota a
célebre emenda imposta pelo senador americano Orvill Platt que limita, nas
proporções que se sabe, a independência do país. Votada por essa pseudo·
Constituinte em 21 de fevereiro, esse corretivo foi brutalmente imposto até
precisamente antes da promulgação oficial em 20 de maio, sob o pretexto
cínico "de organizar a entrega do governo da ilha ao seu próprio povo". A esse
cinismo, e recordando-se talvez das devastações de 1896-1897, a emenda
Platt acrescenta que o governo dos Estados Unidos recebe do governo de
Cuba "o direito de intervenção para conservar a sua independência nacional,
para manter um governo adequado à proteção das vidas, interesses e liberda·
des e para garantir a aplicação e o desenvolvimento de todos os planos sanitá·
rios que tendam a beneficiar as relações entre a ilha e os Estados Unidos" ...
CENTENÁRIO DE UM GENOCÍDIO EM CUBA 381

José Mart[, morto em combate antes de ter vivido quer as atribulações do


seu povo com a "reconcentração", quer a humilhação da vitória confiscada e
da independência traída, escrevia isto, em 29 de outubro de 1889, em Nova
York: "para que a ilha seja norte-americana nós não teremos de fazer nenhum
esforço, porque se não aproveitarmos o pouco tempo que nos resta para impe-
dir que isso venha a acontecer, isso acontecerá pela sua própria decomposi·
ção. É o que este país espera, e aquilo a que nos devemos opor (...) porque,
uma vez os Estados Unidos em Cuba, quem os obrigará a sair?" Se a vontade
do povo cubano há quarenta anos o leva a enfrentar com eficácia esse desafio
revolucionário de José Martí, não é de admirar que o atual chefe de Estado
cubano tivesse querido assistir à apresentação do livro sobre a "reconcentração"
do qual citamos aqui algumas passagens. Foi para ele a ocasião de lembrar que
os Estados Unidos recorreram ao mesmo método no Viemã, naquilo que eles
chamavam "cidades estratégicas", cópia daquilo que ele não hesitou em com-
parar com esses "campos de concentração de Cuba". Daí a considerar que
dois dos maiores genocídios da nossa época têm um precedente cubano... Foi
pelo menos uma escola para o nazismo e para o imperialismo.
Por seu lado, o coronel Raul lzquierdo Canosa, autor do livro citado, de-
clarava à revista Granma, em 3 de fevereiro de 1889: "Manter um número tão
elevado de pessoas em locais fortificados ou em zonas militarmente controladas
implicava um reforço das medidas de segurança em meios e em homens, ape-
sar de ser claro que as autoridades coloniais não se preocuparam com o aco-
lhimento de 'reconcentrados'. Na minha opinião, o erro inicial de Weyler, ao
aplicar uma medida tão ampla e complexa, foi não ter criado antes condições
indispensáveis para a sua realização. Quando tomaram consciência do pro·
blema que haviam criado, os espanhóis adotaram medidas como a criação, no
dia 12 de janeiro de 1897, de zonas de cultivo nos terrenos fora das áreas
fortificadas. Era demasiado tarde para Weyler, que não conseguiu evitar a
sequência de derrotas nesse ano.
"Ao regressar à Espanha, conheceu a triste glória de ter sido comparado
ao duque de Alba, que Felipe II tinha encarregado de eliminar o protestantis·
mo nos Países Baixos, sem sucesso apesar da execução de 8 mil pessoas. Mor-
reu no seu leito em 1930, aos 92 anos, não sem conhecer um último acréscimo
ao seu retrato: condenado por participação num complô contra o ditador
Primo de Riviera, o que vinha desmentir um zeloso biógrafo que lhe concede-
ra 'a elegância de jamais se ter sublevado com armas contra o governo'. Está·
vamos então em plena guerra do Rif, a Espanha tinha desembarcado em Mar-
382 O LNRO NEGRO DO CAPITALISMO

rocos cantos soldados como em Cuba, 30 anos antes. Weyler era demasiado
velho para lhe propor os seus serviços ... "

Notas:

l. A palavra espanhola "reconcentração" foi aqui conservada voluntariamente em vezdc


"reagrupamento", que não transmitiria exatamente a ' 'ontade concentracionária dopo·
der colonial espanhol.
2. "Mambi", no plural "mambi.ses": guerrilheil'Oli da luta patriótica contra os espanhóis, a
partir da Guerra dos Dez Anos (1868-1878). A exprc5São talvez venha do nome de um
oficial negro, Juan Ethninius Mamby, desertor do exército espanhol. A não ser que se
trate de uma palavra cubana p~·colombíana que designa "o rebelde ao cacique".
3. Patronímico que nada tem de espanhol e que remonta aos mercenários da Guarda
Valonianados Bourbonde Espanha. À falta de voluntários, a ela se acrescentaram suíços,
lrlande&e& e a~ alemães, como foi o caso do b~vô Weyler, de origem renana. O general,
seu bisneto, nascido em Palma de Maiorca, filho de um médico militar, a 17 de setembro
de 1837, reivindicava esta origem catalã insular.
4. Vlll1 Feira Internacional do livro cm Havana, fevereiro de 1998.
5. 1KSOO, antiga medida castelhana..
6. Camino.s Para El Atucar, Editorial ck Qé:ncias Sociales, Havana.
O GENOCÍDIO DOS ÍNDIOS
ROBERT PAC
------ - - - -·------ - -- -
Os índios das Américas foram vítimas do maior genocídio da história da
humanidade. Para satisfazer a fome de riqueza dos europeus, os povos indíge-
nas das Américas foram exterminados no Caribe, no México, na América do
Sul, no Brasil e na América do Norte pelos espanhóis, porrugueses e anglo-
saxões. Este genocídio prossegue ainda hoje sob formas freqüentemente mui-
to diferentes.
As Grandes Antilhas (Cuba, Hispaniola, Jamaica) tinham cerca de 1,5
milhões de nativos em 1492, quando Cristóvão Colombo chegou. Em 1550,
nessas ilhas não restava um só índio. Os relatos de Bartholomé de Las Casas
confirmam: "Os índios estavam em paz com os cristãos, mas estes invadiram
os países como lobos enraivecidos que se lançam sobre carneiros pacíficos e
mansos. E, como todos esses homens que vieram de Castela eram pessoas
pouco preocupadas com a alma, sedentos de riquezas e possuídos pelas pai-
xões mais vis, empenharam-se de tal modo em destruir esses países que ne-
nhuma pena, nem mesmo nenhuma língua bastariam para relatar isso; tanto e
tão bem que a população, calculada quando da partida em um milhão e cem
mil almas, está inteiramente dissipada e destruída." 1
"Outras populações indígenas mais agressivas organizaram-se para o com-
bate, mas teriam a mesma sorte: os Caniba (Martinica, Guadalupe), os
Puelches, Picunches, Tehuelches do Pampa e da Patagônia; tal como os
Araucans (Chile) cuja resistência e coragem espantaram os conquistadores
comandados por Valdivia, que pagou com a vida por sua obstinação; tal como
os Chibchas (Colômbia), que se opuseram à penetração das colunas militares
dejimenez de Quesada em busca do Eldorado."2

OBrasil

Quando os portugueses "descobriram" o Brasil em 1500, este era povoado


por cerca de três milhões de índios. Em 1940, calculava-se que seriam 500
mil. Em 1950 eram não mais que 150 mil. Hoje não devem passar de 100 mil.
Épossível medir a extensão do genocídio. Podemos também constatar que
esse genocídio prossegue nos nossos dias, pois 800 mil índios foram "liquida-
386 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

dos fisicamente" desde 1900. Depois dessa data, 90 tribos desapareceram to·
talmente.
Cada avanço da "civilização industrial" empurrou os índios para zonas
cada vez mais inóspitas. Na segunda metade do século XIX houve o surto da
borracha industrial. Em 1910, foi criado o Serviço de Proteção dos Índios
(SPI), cuja função era, a princípio, assistir os índios no exercício dos seus
"direitos" e promover melhores condições de vida. Em 1968, explode o escân·
dalo. As autoridades reconhecem que os funcionários do SPI eram facilmente
subornados pelos colonos; aventureiros e funcionários corruptos, torturavam
e vendiam os indígenas, vendiam as terras indígenas, e fechavam os olhos aos
métodos atrozes usados pelos compradores, isso quando não chegavam a ajudâ·
los: massacres usando metralhadoras, destruição de aldeias e dos seus habi·
tantes com dinamite, envenenamento por meio de arsênico e pesticidas. As·
sim desapareceram tribos inteiras, corno os Cintas Largas ou os Tapalunas,
nos quais o exército experimentou novos métodos de metralhar; e pereceram
muitos Parintintins, acusados de terem morto um mílítar, os Bocas Negras,
declarados rebeldes, e os Pacas Novos, que foram pacificados com comida
envenenada.
A Funai substituiu o SPI, mas logo se revelou impotente para realizar a
sua missão. Mais ainda, foi acusada de subordinar as necessidades do povo
índio aos objetivos da expansão nacional e do desenvolvimento capitalista.
Acordos da Funai com companhias privadas foram freqüentemente denun·
ciados por vozes respeitadas. Além do mais, o orçamento da Funai é ínsufi·
ciente.
A Funai e a legislação sobre os índios do Brasil visam sobretudo a promo·
ver "a integração dos índios na comunidade nacional". É o objetivo do Esta·
tu to do Índio que reúne as medidas legais que lhe dizem respeito. O Capítulo
II do Estatuto indica que, enquanto um índio não estiver assimilado, está sob
a tutela do Estado e não pode ser protegido pela Constituição Brasileira. Mas
um índio assimilado já não é um índio, uma vez que renunciou à sua cultura.
Para o índio, esta "assimilação" é descer ao mais baixo nível da escala social. É
a miséria, a mendicância, o álcool, a prostituição para as mulheres ... O índio
não tem existência legal na sua alteridade e na sua especificidade e não pode
levar a cabo atos jurídicos válidos sem a assistência do organismo tutelar com·
petente. Certos peritos estimam que o sistema de tutela priva os índios dos
direitos humanos fundamentais e coloca-os numa situação semelhante à de
uma escravatura legalizada.
O GENOC(DIO DOS iNDIOS 387

O Estatuto do Índio nega aos indígenas a possibilidade de escolha em


relação ao seu futuro. O artigo 60 do Estatuto fala de "desenvolvimento psí·
quico" mais do que de desenvolvimento cultural e considera o índio um ho·
mem ainda não desenvolvido, ou seja, uma criança! E de fato, acaso o consi·
dera um homem?
O Estatuto do Índio não reconhece a propriedade da terra pelo índio (que
se mantém um bem do Estado Federal). Os arrigos 34, 35 e 36 do título 3
permitem a deportação de populações indígenas inteiras por simples decreto
do presidente da República por diversos motivos, entre os quais a "segurança
nacional" e o "desenvolvimento da região no mais elevado interesse nacional".

México e Guatemala

Segundo os trabalhos da Escola de Berkeley, havia doze milhões de índios


no México quando da chegada de Cortez em 1519. Cento e vinte anos mais
tarde, em meados do século XVII, não eram mais do que 1.270 mil, segundo
Eric Wolf. Tal como em toda a América dita "latina", o contato entre os dois
povos, o espanhol e o índio, traduziu-se em uma queda vertiginosa da popula-
ção indígena. Carências, repressão, massacres, trabalhos forçados e as doen·
ças trazidas pelos europeus (sobretudo a varíola}, contra as quais os habitan·
tes do Novo Mundo não possuíam imunidade, pois tinham vivido em circuito
fechado<lesde o paleolítico, mataram 90% da população indígena do México
no decorrer do século XVI.
Depois, foi a conquista do Império Maia por Alvarado em 1523, e do
Império Inca pelo sanguinário Francisco Pizarro, de 1532 a 1537. "Assim, no
espaço de uns vinte anos, impérios construídos ao longo de vários séculos
foram aniquilados, comunidades autóctones desmanteladas e escravizadas,
minadas as bases de civilizações espantosas."3 A população da América Cen-
tral e do Sul, calculada pelo doutor Rivet e pela Escola de Berkeley em 70
milhões antes da chegada dos espanhóis, cai para uns 20 milhões. O Império
Asteca, com uma população de 25 milhões de índios em 1519, não tem, trinta
anos mais tarde, mais de seis milhões, sendo reduzido a cerca de um milhão
no final do século XVI. Nessa data, na América Central e do Sul, a população
índia não passa de sete milhões de pessoas, ou seja, dez vezes menos do que
oitenta anos antes!
Os massacres de índios prosseguem hoje nessas regiões, como demonstra·
388 O LIVRO NEGRO DO CAPITALISMO

ramos recentes acontecimentos de Chiapas. A Anistia Internacional, em um


relatório de 1985, falava de massacres nesse mesmo território de Chiapas, em
Tzacacum, em 24 de março de 1983, e na região de Comitan em 1985. Na
Guatemala, foi o massacre de 108 índios em Panzos, em maio de 1978. Em31
de janeiro de 1980, 21 índios quiché foram queimados vivos com lança-cha-
mas na Embaixada da Espanha na Cidade da Guatemala por membros do
exército guatemalteco. Os massacres de índios por esse exército e pelas milíci·
as "antimotins" multiplicaram-se nos últimos anos, porque eles são sistema·
ticamente suspeitos de serem cúmplices dos grupos guerrilheiros.
Em toda a América do Sul são relatados massacres de índios. Na Colôm·
bia, no Peru, no Chile ... Os índios são vítimas das sociedades multinacionais e
da política do big stick segundo a qual os Estados Unidos têm direito de vigi·
lância e de intervenção na evolução política desses países.

Estados Unidos

No território atual dos Estados Unidos, a avaliação da população à che·


gada dos ingleses, no início do século XVII, foi durante muito tempo impreci·
sa. Mas há hoje acordo quanto ao número de dez a doze milhões de indivídu·
os. Oficialmente, os americanos insistiram durante muito tempo no número
de um milhão, o que era um meio de reduzir a importância dos índios e de
minimizar a extensão do genocídio, que reduziu a população para 250 mil em
1900.
O genocídio foi uma série longa, trágica e sangrenta de massacres, de
tratados violados pelos europeus, de epidemias, de doenças importadas con·
tra as quais os índios não possuíam imunidade. Tudo isso acompanhado do
roubo de territórios e de uma política de destruição das culturas ancestrais
dos ameríndios.
As "reservas", que quando da sua criação eram verdadeiros campos de
concentração e nas quais os índios continuam confinados, constituem viola·
ções graves dos artigos II B e II C da Convenção Internacional das Nações
Unidas para a prevenção e repressão do crime de genocídio, que condena o
"grave atentado à integridade física ou mental dos membros do grupo e a
submissão intencional deste a condições de existência que poderiam levar à
sua destruição total ou parcial".
Por exemplo: as más condições de vida nas reservas provocam a morte de
O OENOCfDIO DOS ÍNDIOS 389

uma criança em cada três nos seis meses posteriores ao nascimento. Em certas
reservas lamenta-se a média de 100 falecimentos para mil nascimentos, con·
tra 8, 1 para os brancos. A esperança média de vida de um índio é de 63 anos,
contra 76 anos para os brancos, mas há reservas onde essa esperança de vida
cai para 46 anos.
Os suicídios entre os índios são o dobro do que entre os brancos: 21,8 em
100 mil contra 11 ,3 em 100 mil pessoas. Atingem principalmente os jovens.
Um índio entre os 14 e os 24 anos é quatro vezes mais suscetível ao suicídio
que uma pessoa branca. Cerca de 75% dos índios sofrem de subnutrição.
O alcoolismo atinge um homem em cada quatro e urna mulher em cada
oito. Os índios das cidades sofrem mais desse flagelo do que os das reservas,
mas 80% dos índios são vítimas, em diferentes graus, dessa forma de alienação
provocada pela inação e pela consciência da perda de identidade. A droga,
especialmente o crack, faz hoje muitas vítimas entre os índios.

Notas:

!. "Rapport des dominicains de l'Isle Espagnole à M. de Chievres" (1519) in las Casas et la


cléfense eles lndiens, Tulliard, Éd. Páris, 1971.
2. Felix Reichlen, in Les Amérindiens et leur extennination clélibérée, Éd. Pierre Marcel Fabre,
Lausanne, 1987.
3. Felix Reichlen, in op. cit.
O CAPITALISMO ASSALTA A ÁSIA
YVESGRENET
A marcha da humanidade segue um caminho ascendente, mas com avan-
ços e recuos, progressos rápidos em certos povos ou em certos continentes,
enquanto outros marcam passo. A partir do século XVI, a Europa ganha força
com o desenvolvimento das ciências e das técnicas, mas também com o cres-
cimento de um capitalismo comercial que em breve iniciaria a conquista do
mundo. Durante esse tempo, depois de ter estado à frente da Europa durante
milênios, a Ásia mantinha-se na Idade Média com os seus impérios e seus
reinos tradicionais, um feudalismo cristalizado e um modo de pensamento
que não se renovava.
No início do segundo milênio da nossa era, juncos chineses - embarca-
ções de tamanho desconhecido na Europa - iam freqüentemente à Índia e à
Indonésia. Na segunda metade desse milênio, são barcos europeus de autono-
mia cada vez maior que abordam as costas da Ásia, navios mercantes mas
também navios de guerra. Vasco da Gama chega a Calicute em 1498, e o
monopólio português é definitivamente estabelecido em 1507 à custa do co-
mércio árabe-veneziano. Dois anos depois, os portugueses atingem Málaca,
em 1511 chegam a Amboine, em 1514 à China. Os interesses europeus rivais
enfrentam-se na Ásia - portugueses e espanhóis nas Molucas, por exemplo,
em 1526. Os primeiros abordam o Japão em 1542, ano em que os segundos se
instalam nas Filipinas.
Ávidos por produtos asiáticos, outros chegam a essas águas. A primeira
expedição inglesa às Índias Orientais data de 1591. Os holandeses desembar-
cam no Japão em 1599, depois novamente em 1609; é o ano da criação do
Banco de Amsterdã, que, em 1619, assina um tratado com a Companhia das
Índias. Os ingleses começam a penetrar na península indiana, instalando-se
em Madras em 1639 e em Bombaim em 1662. Os franceses fundam, por sua
vez, a sua Companhia das Índias em 1664, estabelecem-se em Surate em 1668
e em Pondichéry em 1674. A criação do Banco de Inglaterra (1694) segue de
perto a fundação de Calcutá (1690); trata-se já de saber o que rende mais:
fabricar na Europa ou importar; o Parlamento inglês proíbe o fabrico de indi-
anas em 1719. Desde que foi reconstituída a Companhia das Índias francesas
(1723) e fundada a Bolsa de Paris (1724), os franceses interessam-se cada vez
mais pelas Índias. O conflito entre a França e a Inglaterra nesse território não
394 O LIVRO NEGRO 00 CAPITALISMO

é apenas um prolongamento das guerras que travam na Europa; é a rivalidade


entre dois capitalismos comerciais no momento e m que aumenta o capitalis·
mo industrial. O Tratado de Paris d e 1763 d eixa a Inglaterra com as mãos
livres para colonizar as Índias, como mostram n esse mesmo ano a deposição
do soubab de Bengala e no ano seguinte a derrota do grão-mogol em Buxad.
As idéias do liberalismo que acompanham o progresso opõem-se, em nome do
laissez-faire, aos conceitos mercantilistas envelhecidos. O conflito entre o an·
tigo e o novo con