Você está na página 1de 7

INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E AUDITORIA DE MOÇAMBIQUE

(ISCAM)
CURSO DE CONTABILIDADE E AUDITORIA
CADEIRA DE FISCALIDADE
II SEMESTRE (DIURNO)

“O que ama a correção ama o conhecimento; mas o que aborrece a


repreensão é insensato.”

Exame Normal - 21/11/2016

Das operações da Lilibow, Lda, com NUIT 400 400 400 e sede na Avenida dos
Inteligentes, porta 400, que se dedica a prestações de serviços diversos, efectuadas
ao longo de 2015, com um volume de vendas de 12.000.000,00Mt e cujo resultado
do exercício é de 1.000.000,00Mt. Teve no exercício anterior uma matéria colectável
de 100.000,00Mt e constataram-se as seguintes situações nas suas demonstrações
financeiras de 2015:

a) A título de participação nos lucros dos trabalhadores, foi pago ao sócio-


gerente que tem a participação de 5% do capital, o valor de 250.000,00Mt de
bónus sendo que a sua remuneração mensal é de 50.000,00Mt, no âmbito
do seu contrato de individual de trabalho; (1,5 valores)

Não é fiscalmente aceite como custo o excedente do dobro


do salario dos do sócio-gerente da empresa por este ter uma
participação acima de 1% do capital social. Deverá ser
corrigido o excesso, a título de variação patrimonial
negativa

250.000,00 - (50.000,00*2)=150.000,00MT. Adicionar


150.000,00 ao lucro tributável, nos termos do numero
3 e 4 do art. 24 do CIRPC.

b) Tem gastos com publicidade de 590.000,00Mt na televisão e 450.000,00Mt


de campanha que teve o seu início em 1/1/15 e o seu término em
31/8/2015 (1,5 valores)

1
Docentes: Anastácio Heitor Mubai; Simião Gome
 Os gastos com publicidade são fiscalmente aceite
como custo o correspondente a 1% do VV, devendo o
excedente ser adicionado ao lucro tributável.
12.000.000,00 * 1% = 120.000,00
590.000,00 - 120.000,00 = 470.000,00Mt. adicionar
ao lucro tributável 470.000,00Mt. com base na alínea
n) do número 1 do Art.36 do CIRPC, com nova redação
introduzida pela lei numero 20/2009, de 10 de
Setembro.
 Dos gastos com campanha publicitária, assumindo a
introdução de um novo produto ou lançamento de
uma marca, no valor de 450.000,00Mt, apura-se do
seguinte modo:

Encargos plurianuais - campanhas publicitarias


Descricao N N+1 N+2
Custo suportado 450,000 - -
Custo aceite 150,000 150,000 150,000
Custo aceite fiscalmente 300,000 A deduzir no campo 255 A deduzir no campo 255

Apenas a terça parte das campanhas publicitárias é aceite fiscalmente


como custo. O remanescente de 300.000,00Mt é acrescido ao lucro
tributável no campo 217, devendo ser deduzidos parceladamente
150.000,00Mt nos dois exercícios seguintes, nos termos do nº1 do
Art.36-A do CIRPC, com a nova redacção dada pela Lei 20/2009, de 10
de Setembro.

c) Contabilizou como custo uma multa de 75.000,00Mt pelo parqueamento em


lugar não autorizado, atribuída pelo Conselho Municipal. (1,5 valores)

As despesas com multas que não tenham origem contratual, tal como
esta, não são aceites como custo fiscal, nos termos da alínea c) do
número 1 do artigo 36 do CIRPC. Devemos adicionar 75.000Mt ao lucro
tributável.

2
Docentes: Anastácio Heitor Mubai; Simião Gome
d) A empresa tem na sua carteira, dois activos que foram registando
variações significativas dos seus justos valores. A empresa procedeu
ao registo de todas as variações na sua contabilidade, ao longo dos
vários trimestres, conforme abaixo se indica; (2,0 valores)

Descrição Justo valor dos activos


Custo I Trim. II Trim. III Trim. IV Trim.
Activo A 140.000 45.000 105.000 135.000 80.000
Activo B1 75.000 135.000 130.000 147.000 120.000

 O activo A registou uma variação negativa - perda.


80.000,00 – 140.000,00 = - 60.000,00Mt, a acrescer ao
lucro tributável por não ser perda comprovável a uma
Bolsa de Valores, nos termos da alínea k) do nº 1 do
Art. 36 do CIRPC.
 O activo B registou uma variação positiva.
120.000,00 – 75.000,00 = 45.000,00Mt e é ganho
fiscalmente aceite por ser comprovável a uma Bolsa
de Valores, nos termos da alínea c) do 3º1 do Art.20
do CIRPC. Não se procede a nenhuma correcção fiscal.

e) A empresa está a prestar serviços no âmbito de um contrato


construção Civil que se pensa que vai estender-se por um período de
dois anos. Nesse contrato, estimam-se gastos no valor de
1.425.000,00Mt e o rédito associado é de 2.125.000,00Mt. Ainda não
houve facturação mas já foram suportados 640.000,00Mt de gastos e
a empresa não registou nenhum rédito associado até à data do fecho
das contas; (2,0 valores)

A empresa devia ter reconhecido o proveito correspondente para


balançar os custos suportados com os trabalhadores contratados, no
âmbito desse programa para o qual recebeu benefícios.

𝐜𝐮𝐬𝐭𝐨𝐬 𝐢𝐧𝐜𝐨𝐫𝐫𝐢𝐝𝐨𝐬
𝐆𝐀 = 𝐜𝐮𝐬𝐭𝐨𝐬 𝐭𝐨𝐭𝐚𝐢𝐬 𝐞𝐬𝐩𝐞𝐫𝐚𝐝𝐨𝐬

1
Activo cotado na Bolsa de Valores de Mapandzene

3
Docentes: Anastácio Heitor Mubai; Simião Gome
𝟔𝟒𝟎.𝟎𝟎𝟎,𝟎𝟎
𝐆𝐀 =
𝟏.𝟒𝟐𝟓.𝟎𝟎𝟎

𝐆𝐀 = 𝟒𝟒, 𝟗𝟏%

44,91% * 2.125.000,00 = 954.385,96Mt a reconhecer


como proveitos e adicionar ao lucro tributável nos termos o nº1 do
Art.18 conjugado com nº 4 do art.19, ambos do CIRPC

f) Da reverificação do saldo da conta 68 detectou-se o seguinte:

 35.000,00 correspondem a despesas sem justificativos;


 90.000,00 foi destinado a apoio à campanha eleitoral do Partido
“Trump” (1,5 valores)

As despesas sem justificativos, tal como esta, não são aceites como
custo fiscal, nos termos da alínea g) do número 1 do artigo 36 do
CIRPC. Devemos adicionar 35.000Mt ao lucro tributável.

Donativos feitos às entidades não previstas na alínea a) do artigo 34 do


CIRPC, não são fiscalmente aceites. Neste caso como o donativo foi a
entidade com fins partidários, nem se submete ao controlo do limite de
5%. Todo o valor não é aceite como custo, devendo os 90.000,00Mt ser
corrigidos ao lucro tributável.

g) A rubrica Outros Gastos e Perdas Operacionais de 70.000, refere-se a


despesas do Espetáculo oferecido aos colaboradores externos da empresa,
nas festividades do dia da Cidade de Pemba; consta também 15.000 de
despesas cujos documentos foram emitidos por uma empresa que cessou as
actividades em Dezembro de 2013. (2,0 valores)

Estes 70.000,00Mt são despesas de representação e deve ser feita a


correcção, adicionando ao lucro tributável 80%x70.000 = 56.000,00Mt,
nos termos da alínea f) do número 1 do artigo 36 do CIRPC. Adicionar
56.000,00Mt ao lucro tributável.

4
Docentes: Anastácio Heitor Mubai; Simião Gome
As despesas não aceites, tal como esta, não são aceites como custo
fiscal, nos termos da alínea q) do número 1 do artigo 36 do CIRPC,
alterado pela Lei 4/2012, de 23 de Janeiro. Devemos adicionar
15.000Mt ao lucro tributável.

h) Consta na rubrica Activos tangíveis (equipamento de transporte) uma


viatura pesada adquirida por 2.500.000,00, duas viaturas ligeiras de
passageiros das quais, uma a gasolina e outra a gasóleo adquiridas por
1.200.000,00 e 700.000,00 respectivamente (IVA incluído e considerado
custo do exercício) e as respectivas reintegrações a taxas de 25% para
viatura pesada e 20% para as viaturas ligeiras. (2,0 valores)

A taxa de reintegração oficial máxima para viaturas pesadas é de 20%


mas a empresa aplicou de 25%. Neste caso, temos de corrigir o efeito de
aplicação de taxas, nos termos da alínea c) do artigo 27 do CIRPC.

Viatura pesada:
(2.500.000x25%) – (2.500.000x20%) = 625.000-500.000 = 125.000Mt de
excesso de reintegração de viaturas pesadas que deve ser adicionado ao
lucro tributável;

Viatura ligeira que excede a 800.000,00Mt:


1.200.000,00 x 20% = 240.000,00
800.000,00 x 20% = 160.000,00
80.000,00 a adicionar à matéria colectável, nos
termos da alínea c) do artigo 27 do CIRPC

O valore de IVA das viaturas ligeiras não tem relevância em sede do


IRPC, para efeitos de correcção. Ao registar o valor de aquisição de
viaturas ligeiras e de turismo, faz-se com o valor bruto, atendendo que
o IVA que deles consta não é dedutível, nos termos da alínea a) do
número 1 do artigo 20 do CIVA.

i) Do valor de custo com o pessoal de 12.000.000,00Mt consta uma


despesa mensal de cerca de 250.000,00Mt mensais pagos para um

5
Docentes: Anastácio Heitor Mubai; Simião Gome
sistema complementar de reforma. A empresa tem um estatuto
especial mas está sujeito a desconto normal para o INSS; (2,0
valores)

Custo com pessoal …………………………………12.000.000,00Mt


250.000 * 12meses = 3.000.000Mt
Limite fiscalmente aceite 10%* 12.000.000,00=
1.200.000,00Mt

Custo do sistema complementar de reforma


3.000.000,00 - 1.200.000 = 1.800.000,00Mt. Isto é,
1.800.000,00Mt deve-se acrescer ao lucro tributável, nos
termos do nº 2 do art.31 do CIRPC.

Pretende-se

1. Analise as diversas operações da entidade, verifique se são ou não


custos/proveitos fiscalmente aceites ou tributáveis no exercício;
2. Indicar a base legal das suas conclusões, indicando a alínea, número,
artigo, código da legislação usada para essa análise e conclusão;
3. Proceda ao preenchimento da Declaração de rendimentos - M/22 de
2015 (2,0 valores), para a empresa, apurando os impostos a serem
pagos ao longo de 2016 (2,0 valores): Pagamento do IRPC à final,
Pagamento por Conta e Especial por Conta.

6
Docentes: Anastácio Heitor Mubai; Simião Gome
Apuramento do Imposto

Exercicio
Num. Descricao
2015
1 Resultado Declarado 1,000,000.00
2 Correccoes
2.1 Gratificacao ao socio a titulo de participacao nos resultados 150,000.00
2.2 Encargos com publicidade que excederam o limite legal 470,000.00
2.3 Encargos plurianuais - com campanhas publicitarias 300,000.00
2.4 Multas nao contratuais 75,000.00
2.5 Perda de activos financeiros nao aceites fiscalmente 70,000.00
2.6 Proveitos apurados por grau de acabamento 954,385.96
2.7 Despesas cujo fornecedor cessou actividade 15,000.00
2.8 Despesas sem justificativos 35,000.00
2.9 Donativos nao aceites fiscalmente 90,000.00
2.10 Despesas de representacao 56,000.00
2.11 Amortizacaoes e reintegracoes nao aceites fiscalmente 205,000.00
2.12 Realizacaoes de utilidade social nao enquadradas 1,800,000.00
3 Total das correccoes 4,220,385.96
4 Lucro Tributavel 5,220,385.96
5.1 Prejuizo fiscal dedutivel 0.00
5.2 Beneficios fiscais 0.00
6 Materia Colectavel (4 - 5.1 - 5.2) 5,220,385.96
7 IRPC Liquidado (6x32%) 1,670,523.51
8 Pagamento Especial por Conta 0.00
9 Retencoes na fonte 0.00
10 Pagamento por Conta 0.00
11 IRPC devido a final (7-8-9-10) 1,670,523.51

Cálculo do Pagamento por conta (PPC)

80%∗(𝐼𝑅𝑃𝐶 𝑙𝑖𝑞𝑢𝑖𝑑𝑎𝑑𝑜−𝑟𝑒𝑡𝑒𝑛𝑐𝑜𝑒𝑠 𝑛𝑎 𝑓𝑜𝑛𝑡𝑒)


PPC = 3

80%∗(1.670.523,51−0,00)
PPC = 3

PPC = 445.472,94Mt

Cálculo do pagamento especial por conta (PEC)

0.5% ∗ 𝑉𝑁 (𝑛−1)−𝑃𝑃𝐶(𝑛−1)
PEC= 3

60.000,00−0,00
PEC= 3

PEC = 20.000,00Mt @ prestação.

7
Docentes: Anastácio Heitor Mubai; Simião Gome