Você está na página 1de 4

Handfasting

Do livro Oito Sabás para Bruxas, de Janet e Stewart Farrar.

O Handfasting é o casamento entre feiticeiras e feiticeiros.


Literalmente "atar as mãos...”.

A Preparação:

O Círculo é delineado e o Altar é decorado com flores. Deixa-se, contudo, um portal no


noroeste do círculo, com flores disponíveis para fechá-lo. A vassoura é mantida à
disposição ao lado do Altar. O caldeirão, cheio de flores, é disposto junto à vela do
oeste - o oeste representa a água, o elemento do amor.

O Ritual:

O Ritual de abertura é realizado normalmente, exceto pelo fato de a noiva e o noivo


permanecerem fora do portal, que não é fechado ainda.
Depois da invocação ao Deus, a Sacerdotisa introduz o noivo, e o Sacerdote a noiva,
cada um com um beijo.
O Sacerdote fecha o portal com as flores, e a Sacerdotisa o fecha com o Athame.
A Sacerdotisa e o Sacerdote permanecem com as suas costas voltadas para o Altar. O
noivo olha para a Sacerdotisa e a noiva olha para o Sacerdote no centro do círculo.

A Sacerdotisa pergunta:
"Quem vem se reunir na presença da Deusa? Qual é o seu nome, Homem?".

O noivo responde:
"Meu nome é--------------------”.

O Sacerdote pergunta:
"Quem vem se reunir na presença do Deus? Qual é o seu nome, Mulher?".

A noiva responde:
"Meu nome é -------------------”.

A Sacerdotisa diz:
"------------------ e -----------------, nós vos saudamos com alegria”.

Os membros do Coven circulam ao redor dos noivos, entoando a Runa das Feiticeiras.
Em seguida, todos retomam os seus lugares.

A Sacerdotisa diz:
"Unidade é equilíbrio, e equilíbrio é unidade. Escutai, então, e compreendei”.
Ela pega o bastão e prossegue:
"O bastão que eu seguro é o símbolo do Ar. Sabei e lembrai que este é o
elemento da Vida, da inteligência, da inspiração que nos impulsiona. Por este
bastão do Ar, nós trazemos a vosso Handfasting o poder da Mente”.

Ela depõe o bastão. O Sacerdote apanha a espada e diz:


“A espada que eu seguro é o símbolo do Fogo. Sabei e lembrai que este é o
elemento da Luz, da energia, do vigor que flui através de nossas veias. Por
esta espada do Fogo, nós trazemos a vosso Handfasting o poder da
Vontade”.

Ele depõe a espada. A Sacerdotisa apanha o cálice e diz:


“O Cálice que eu seguro é o símbolo da Água. Sabei e lembrai que este
símbolo é o elemento do Amor, do crescimento, da fertilidade da Grande
Mãe. Por este Cálice de Água, nós trazemos a vosso Handfasting o poder do
Desejo”.

Ela depõe o Cálice. O Sacerdote pega o Pentáculo e diz:


"O pentáculo que eu seguro é o símbolo da Terra. Sabei e lembrai que este é
o elemento da Lei, da resistência, do entendimento que não pode ser
abalado. Por este pentáculo da Terra, nós trazemos a vosso Handfasting o
poder Firmeza”.

Ele depõe o pentáculo e continua:


"Ouvi as palavras da Grande Mãe... (introduzindo a exortação, ou carga da
Deusa...)”.

A Sacerdotisa e o Sacerdote proferem a exortação de maneira habitual, e quando


terminar, o Sacerdote diz:
"A Afrodite dourada não vem como a virgem, a vítima, mas como a
Despertadora, a Desejosa. Como espaço exterior ela chama e o Todo-Pai
principia a cortejá-la. Ela o desperta para o desejo e os mundos são criados.
Quão poderosa ela é, a dourada Afrodite, a despertadora da virilidade!”.

A Sacerdotisa diz:
"Mas todas estas coisas são uma só coisa. Todas as Deusas são uma Deusa e
nós a chamamos de Ísis, a Toda-mulher, em cuja natureza todas as coisas
naturais são encontradas; Virgem e desejosa por sua vez; doadora da vida e
introdutora da morte. Ela é a causa de toda a criação, pois desperta o desejo
do Todo-Pai e por causa dela Ele cria. Do mesmo modo, os sábios chama a
todas as mulheres, Ísis."

O Sacerdote diz:
"No rosto de toda mulher que o homem procure as feições da Grande Deusa,
observando as fases dela através do fluxo e retorno das marés às quais a
alma dele responde, atento ao chamado dela”.

A Sacerdotisa diz:
"Ó filha de Ísis, adora a Deusa, e em seu nome dá a chamada que desperta e
regozija. Assim serás abençoada da Deusa e viverás com a plenitude da vida.
Que a Noiva anuncie a Deusa aquele que a ama. Que ela assuma a coroa do
mundo subterrâneo. Que ela surja toda gloriosa e dourada do mar do
primordial e o convoque a manifestar-se, a vir até ela. Que ele faça estas
coisas em nome da Deusa, e ela se equiparará à Deusa em relação a ele, pois
a Deusa falará através dela. Toda poderosa será ela no seu Interior, como
Perséfone coroada; e toda-poderosa no seu Exterior, como a dourada
Afrodite. Assim será ela uma Sacerdotisa aos olhos do venerador da Deusa, o
qual por sua fé e dedicação encontrará a Deusa nela, pois o rito de Ísis é vida
e aquilo que é feito como um rito se anunciará na sua vida. Pelo rito é a
Deusa arrojada nos seus veneradores; seus poderes neles entram e eles se
tornam a substância do sacramento".

O Sacerdote diz à noiva:


"Diz depois de mim: Pela semente e raiz, pelo botão e o talo, pela folha, a
flor e o fruto, pela vida e o amor em nome da Deusa. Eu----------, tomo a ti,
-------------, para minha mão, meu coração e meu espírito, ao por do sol e ao
nascer das estrelas”.
(A seu critério o casal pode parar aqui... omitindo a última sentença "Nem a morte
nos separará...” se ainda não vislumbram seu caminho como o compromisso de
almas-gêmeas, que não deve ser assumido sem meticulosa reflexão...).

Nem a morte nos separará, pois, na plenitude do tempo, renascemos no


mesmo tempo e no mesmo lugar um para o outro; e nos encontraremos, nos
conheceremos e nos lembraremos, e amaremos novamente.

A noiva repete cada frase depois do Sacerdote, tomando a mão do noivo em sua
própria mão direita, à medida que ele fala.

A Sacerdotisa diz ao noivo:

"Diz depois de mim: Pela semente e raiz, pelo botão e o talo... etc, como é dito
acima...".

O noivo repete cada frase depois da Sacerdotisa, segurando a mão direita da noiva na
sua.
Se o casal quiser trocar alianças isso é feito agora.

O Sacerdote diz:
"Que o Sol e a Lua e as estrelas, e estes nossos irmãos e irmãs dêem
testemunho; que -----------e ------------, tenham sido unidos à visão do Deus
e da Deusa. E que possam o Deus e a Deusa abençoa-los, como nós o
fazemos agora”.

Todos dizem:
"Que assim seja!".

A Sacerdotisa pega a vassoura e a deposita no chão diante do casal, que salta sobre ela
de mãos dadas. A Sacerdotisa então, apanha a vassoura e ritualmente, varre o círculo,
eliminando todas as más influências.
O casal representa agora o Grande Rito e cabe a eles decidir se este será simbólico ou
real.
Depois do Grande Rito o casal consagra os alimentos e o que se sucede, agora passa a
ser informal...
Se a festa incluir um bolo de Handfasting, segundo a tradição, tratar-se-á da única
ocasião em que a espada ritual do Coven poderá ser usada para efetivamente cortar o
bolo.