Você está na página 1de 16

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS Engenharia Civil - Sistemas Construtivos Especiais 2º Semestre 2018

Civil - Sistemas Construtivos Especiais 2º Semestre 2018 Patologias em estruturas de alvenaria estrutural Agnes

Patologias em estruturas de alvenaria estrutural

Agnes Santos(1); Aline Sasaki (2); Anderson L. da Silva (3), Bruno F. Santana (4), Letícia O. Marques (5); Luciana M. R. Valle (6); Rosilda C. Adriano (7); Sulamita (8).

Pontifícia Universidade Católica de Campinas Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologia Faculdade de Engenharia Civil

RESUMO

Patologia na construção civil é quando uma construção apresenta defeitos. A

palavra patologia vem da medicina. O estado patológico, na medicina, significa estado

doentio, de anormalidade, de falta de saúde. E já na construção civil o sentido é o mesmo,

porem só muda o material.

A patologia na construção civil, é o estudo de situações de ocorrências com

problemas, falhas e defeitos no qual compromete suas funções em parte ou em conjunto,

e que deverá ser diagnosticada para que possa ser tratada a tempo.

Existem vários tipos de patologia, sendo ela causada por problemas estruturais e

que pode comprometer a vida útil da estrutura, existe ainda patologias das alvenarias,

acabamentos, pinturas, umidades, impermeabilizações ainda de infiltrações.

A solução para evitar patologia é executar conforme as exigências das NBRs em

vigência, utilizar ainda materiais de qualidade, respeitar o tempo de cura, e sempre utilizar

mão de obra qualificada e especializada.

Palavra-Chave: Patologias; Alvenaria Estrutural; Patologias da Construção.

ABSTRACT

Pathology in construction is when a building has defects. The word pathology

comes from medicine. The pathological state, in medicine, means the state of abnormality,

of abnormality, of ill health. And already in construction the sense is the same, but only the

material changes.

The pathology in civil construction is the study of situations of occurrences with problems,

faults and defects in which it compromises its functions in part or in conjunction, and that

must be diagnosed so that it can be treated in time.

Patologias em estruturas de Alvenaria Estrutural

There are several types of pathology, being caused by structural problems and that can compromise the useful life of the structure, there are still pathologies of the masonry,

finishes, paintings, humidity, waterproofing still of infiltrations

The solution to avoid pathology is to perform according to the requirements of NBRs in force, still use quality materials, respect the cure time, and always use skilled and

specialized manpower.

Key-Word: Pathologies; Structural Masonry; Pathologies of Construction.

1. INTRODUÇÃO

A alvenaria estrutural é um sistema construtivo utilizado desde a antiguidade de

maneira empírica. Pode ser definido como um sistema construtivo que utiliza peças

industrializadas unidas por argamassa, em que se utiliza suas características físicas e geométricas para composição do sistema estrutural, isto é, as peças de alvenaria

desempenham função estrutural

Diversas obras importantes foram executadas em alvenaria estrutural durante a

história, tais como a Muralha da China, construída entre 1368 e 1644. Na antiguidade, inicialmente a alvenaria era utilizada predominantemente como material estrutural, no

entanto, a falta de informações ocasionou na escassez de conhecimento sobre técnicas de racionalização. Ao decorrer dos séculos a alvenaria estrutural passou por evoluções;

desenvolveu-se técnicas, novas tecnologias construtivas, e, aperfeiçoou-se os métodos empíricos já utilizados.

O desenvolvimento e evolução de técnicas normatizadas para alvenaria estrutural,

tornou possível a utilização deste sistema construtivo em regiões sujeitas a abalos

sísmicos, que comumente requerem a utilização de concreto armado. (SAMPAIO, 2010)

Por sua semelhança com a alvenaria convencional, as patologias observadas na

alvenaria estrutural são em geral iguais a esta, sendo a fissuração a anomalia de maior frequência. (SAMPAIO, 2010)

Patologias em estruturas de Alvenaria Estrutural

2.

PATOLOGIAS EM ESTRUTURAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL

2.1

Tipos de Patologias

2.1.1 Eflorescência e fissura por recalque

As

patologias

eflorescências.

que

mais

afetam

a

alvenaria

estrutural

são

as

fissuras

e

Eflorescências são depósitos cristalinos de cor branca que surgem na superfície do revestimento, resultantes da migração e posterior evaporação de soluções aquosas

salinizadas. Os depósitos acontecem quando substâncias químicas dos componentes das alvenarias, nas argamassas de emboço, de fixação, de rejuntamento ou nas placas

cerâmicas são transportadas por capilaridade juntamente com a água utilizada na construção, na limpeza ou vinda de infiltrações, através dos poros dos componentes de

revestimento. Esses sais em contato com o ar se solidificam, causando depósitos. Em situações com ambientes constantemente molhados e com algum tipo de sais de difícil

secagem, estes depósitos apresentam-se com uma “exsudação” na superfície, aparentando então a cor branca nas áreas revestida, comprometendo os aspectos

relacionados à estética. (PINHAL, 2009) Como exemplos de substâncias pode-se citar o carbonato de cálcio e o carbonato de magnésio provenientes da carbonatação da cal

lixiviada da argamassa de concreto, o carbonato de potássio e o carbonato de sódio provenientes da carbonatação dos hidróxidos alcalinos de cimentos com elevado teor de

álcalis, o sulfato de magnésio, o sulfato de cálcio e o cloreto de magnésio provenientes da água de amassamento, entre outros. (DALBONE, 2010).

Figura 1 Eflorescência em alvenaria estrutural

2010). Figura 1 – Eflorescência em alvenaria estrutural Imagem por: ACHIM HERING Sistemas Construtivos Especiais

Imagem por: ACHIM HERING

Patologias em estruturas de Alvenaria Estrutural

A melhor maneira de se evitar a formação de eflorescências é evitar que a água penetre nos materiais cimentícios, visto que é através dela que ocorre a migração dos sais. Caso a eflorescência já esteja acontecendo, pode-se utilizar produtos que as removam, como o ácido acético. Dependendo do nível de degradação, é necessário fazer uma nova camada de revestimento, e descobrir por onde a água está infiltrando para que isso não ocorra novamente.

Já a fissuração é a causa mais frequente de falha de desempenho da alvenaria estrutural. Com o aparecimento de fissuras, a estrutura deixa de atender as suas condições de serviço, sendo prejudicada sua estética, estanqueidade e o conforto do usuário. Elas podem ser verticais, horizontais ou diagonais, como mostra a figura a seguir.

Figura 2 Configurações típicas das fissuras

seguir. Figura 2 – Configurações típicas das fissuras Fonte: SAMPAIO (2010, apud SILVA, 2013) Segundo THOMAZ

Fonte: SAMPAIO (2010, apud SILVA, 2013)

Segundo THOMAZ (1990, apud SILVA, 2013), as fissuras se manifestam de forma reta quando a resistência à tração da unidade é igual ou inferior a resistência à tração da argamassa e se apresenta de forma escalonada quando o bloco tem resistência à tração superior a da argamassa.

As fissuras podem ocorrer devido a vários fatores. Os principais são o recalque da fundação, sobrecarga de carregamento, variação térmica, reações químicas e retração do concreto.

Patologias em estruturas de Alvenaria Estrutural

O recalque de fundação é o tipo de patologia mais grave que pode ocorrer, pois um problema na fundação pode acarretar na instabilidade da construção, colocando em risco a segurança de seus usuários. Ele pode ser causado pelo rebaixamento do lençol freático, presença de solos colapsáveis e expansivos, escavações em áreas adjacentes à fundação, vibrações devido a equipamentos e até mesmo devido ao crescimento de árvores em solos argilosos.

As fissuras devido ao recalque de fundação tendem a se localizar próximas ao pavimento térreo da construção, se inclinando para o ponto onde ocorreu o recalque. Geralmente se desenvolvem em direção vertical ou diagonal e apresentam variação da abertura ao longo do comprimento.

Figura 3 Fissuras devido a recalque de fundação

Figura 3 – Fissuras devido a recalque de fundação Fonte: OSVALDO E RAMALHO (2008, apud SILVA,

Fonte: OSVALDO E RAMALHO (2008, apud SILVA, 2013).

Patologias em estruturas de Alvenaria Estrutural

Figura 4 - Fissuras devido ao recalque de fundação

Figura 4 - Fissuras devido ao recalque de fundação Fonte: ALEXANDRE (2008, apud SILVA, 2013) Tabela

Fonte: ALEXANDRE (2008, apud SILVA, 2013)

Tabela 1- classificação das principais causas de fissuração em paredes

das principais causas de fissuração em paredes Sistemas Construtivos Especiais – PUC-Campinas Página

Patologias em estruturas de Alvenaria Estrutural

Patologias em estruturas de Alvenaria Estrutural 2.1.2 Fissuras causadas por variação térmica As condições

2.1.2 Fissuras causadas por variação térmica

As condições climáticas e a exposição da estrutura durante a fase de construção estão entre os principais fatores que influenciam sua retração térmica. Por ser um país muito grande, o Brasil possui elevadas amplitudes térmicas, fazendo com que as fissuras

originadas devido à retração térmica tenham grande impacto no desempenho das edificações aqui construídas.

Todos os materiais empregados na construção possuem um determinado coeficiente de dilatação e estão suscetíveis a sofrerem variações térmicas diariamente, causando movimentos de contração e dilatação nos mesmos. Quando as variações térmicas provocam alteração nas dimensões dos materiais e esta é impedida pelos

Patologias em estruturas de Alvenaria Estrutural

vínculos da estrutura, são originadas tensões que, com o tempo, provocam a fissuração (THOMAS, 1989).

A variação na abertura de fissuras de origem térmica ao longo do dia, associada à

diferença entre os coeficientes de dilatação térmicos da estrutura e do revestimento, leva ao surgimento de fissuras também no revestimento, e não apenas nos elementos estruturais.

Quando o endurecimento do concreto ocorre a certa temperatura e, posteriormente há a diminuição da mesma, ocorre a contração da peça que, se estiver restrita às deformações, gerará tensões que podem fissurá-la.

As fissuras causadas por retração térmica são essencialmente de tração incidentes na seção transversal da peça, ou seja, são perpendiculares ao eixo principal, seccionando-a, e possuem largura constante.

A NBR 6118:2007 estabelece critérios para controlar a abertura de fissuras, devido

à proteção das armaduras quanto à corrosão e ao conforto dos usuários da edificação. A norma estabelece ainda que devem ser previstas juntas de movimentação, pelo menos a cada 15 metros, para evitar que as retrações sejam restringidas pela estrutura e ocasionem a fissuração comprometendo negativamente o desempenho da estrutura. O principal objetivo desta junta é aliviar a tensão interna da estrutura causada pelo acúmulo de deformações restringidas pelos vínculos internos e externos, permitindo que estas ocorram e um local onde não há restrição, atuando como um “escape” para a estrutura.

2.1.3 Fissuras causadas pela atuação de sobrecargas

Os

componentes

estruturais,

como

pilares,

vigas

e

paredes,

podem

sofrer

fissuração a partir da atuação de sobrecargas sobre eles. Sobrecarga é toda solicitação

externa capaz de provocar a fissuração de componentes estruturais ou não estruturais, podendo esta ter sido prevista ou não em projeto.

Nas alvenarias estruturais solicitadas por sobrecargas uniformemente distribuídas podem ocorres dois tipos de fissuração:

Patologias em estruturas de Alvenaria Estrutural

- Fissuras horizontais a partir da ruptura por compressão da alvenaria,

devido à argamassa de assentamento ou devido a solicitações de flexo-compressão.

- Fissuras verticais a partir da deformação transversal da argamassa sob

ação de tensões de compressão ou de tensões de flexão local da alvenaria.

A sobrecargas concentradas também podem provocar a fissuração inclinada ou até mesmo levar a ruína os componentes de alvenaria no ponto em que a sobrecarga foi aplicada. Já nas alvenarias onde há abertura para esquadrias as fissuras são originadas a partir do vértice da abertura e sob o peitoril em função do caminho da força de compressão.

Figuras 5 e 6 Fissuras causadas pela atuação de sobrecarga sobre a estrutura

causadas pela atuação de sobrecarga sobre a estrutura Fonte: THOMAZ, 1989 2.1.4 Fissuras causadas por

Fonte: THOMAZ, 1989

de sobrecarga sobre a estrutura Fonte: THOMAZ, 1989 2.1.4 Fissuras causadas por movimentações higroscópicas

2.1.4 Fissuras causadas por movimentações higroscópicas

As mudanças higroscópicas são variações nas dimensões dos materiais porosos que integram os elementos e componentes da construção, o aumento do teor de umidade produz uma expansão do material enquanto a diminuição desse teor provoca uma contração. Geralmente as fissuras são verticais e está no canto dos edifícios ou próximo de regiões de diferentes espessuras, tipo canto das paredes. No caso da

Patologias em estruturas de Alvenaria Estrutural

existência de vínculos que impeçam ou restringem essas movimentações poderão ocorrer fissuras nos elementos e componentes construtivos.

A causa da fissura se dá pelo aumento do teor de umidade, encontrada nos componentes construtivos à base de ligantes hidráulicos, umidade proveniente da execução da obra, umidade do ar ou proveniente de fenômenos meteorológicos, umidade do solo. A quantidade de água absorvida por um material de construção depende de dois fatores: A porosidade e capilaridade. O fator mais importante que rege a variação do teor de umidade dos materiais é a capilaridade. Na secagem de materiais porosos, a capilaridade provoca o aparecimento de forças de sucção, responsáveis pela condução da água até a superfície do componente, onde ela será posteriormente evaporada.

A solução é quando um material poroso é exposto por tempo suficiente a condições constantes de umidade e temperatura, seu teor de umidade acabará estabilizando-se, atinge-se, então a umidade higroscópica de equilíbrio do material.

2.1.5 Fissuras causadas pela retração de produtos à base de cimento

Existem três formas de retração que ocorrem no produto preparado com cimento:

Retração química, retração de secagem e retração por carbonatação.

Como causa existem inúmeros fatores intervêm na retração de um produto à base de cimento: quantidade de cimento adicionada à mistura, natureza do agregado, granulometria dos agregados, quantidade de água na mistura, condições de cura e os concretos e argamassas normalmente são preparados com água em excesso e a relação água/ cimento é a que mais influencia a retração de um produto à base de cimento.

Solução é tentar minimizar tudo o que causa retração, como:

A retração aumenta com a finura do cimento e com o seu conteúdo de cloretos (CaCl2) e álcalis (NaOH, KOH);

Quanto maior o consumo de cimento, maior a retração;

Patologias em estruturas de Alvenaria Estrutural

Quanto menor o módulo de deformação do agregado, maior sua suscetibilidade à compressão isotrópica e, portanto, maior retração do cimento e também maior retração dos agregados com maior poder de absorção de água;

Quanto maior finura dos agregados, maior será a quantidade necessária de pasta de cimento para recobri-los, portanto, maior será a retração;

Quanto maior a relação água/cimento, maior retração de secagem; se a evaporação da água se iniciar antes do término da pega do aglomerante, isto é, antes de começarem as primeiras reações entre os cristais desenvolvidos com a hidratação, a retração poderá ser acentuadamente aumentada.

Essas causas formam patologias como:

a) Patologias devido a retração da laje Está diretamente relacionada com a relação água/cimento que gera a rotação dos tijolos das fiadas próximas a laje devido o encurtamento dos materiais nas reações de perda de água.

Patologias em estruturas de Alvenaria Estrutural

Tabela 2 - Patologias e suas causas

de Alvenaria Estrutural Tabela 2 - Patologias e suas causas Fonte: OLIVEIRA, 2016. Sistemas Construtivos Especiais

Fonte: OLIVEIRA, 2016.

Patologias em estruturas de Alvenaria Estrutural

3.

CONCLUSÃO

Pode-se concluir que a resistência, e, possíveis patologias da alvenaria estrutural estão diretamente ligadas com a qualidade dos materiais que foram empregados em sua execução, assim como a qualidade da mão de obra utilizada.

É importante que o engenheiro responsável pela obra fiscalize o serviço executado, e oriente os empregados quanto ao manuseio correto dos materiais e equipamentos, e que tudo seja feito da melhor maneira possível, desde a fase de projeto, execução das fundações, até o levantamento da obra, a fim de se evitar problemas como retração da argamassa, vibrações excessivas, infiltrações, recalques, entre outros, que podem gerar fissuras ou eflorescências. Caso elas já existam, deve-se observar o seu comportamento para que não tome maiores proporções, e investigar a sua origem.

Patologias em estruturas de Alvenaria Estrutural

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ASSIS, Fernando Fernandes de; RABELO, Guilherme Quintino. Fissuras por

movimentação térmica em estruturas de concreto armado. 2013. 66 f. TCC

(Graduação) - Curso de Engenharia Civil, Escola de Engenharia Civil, Universidade

Federal de Goiás, Goiânia, 2013. Disponível

<https://www.eec.ufg.br/up/140/o/FISSURAS_POR_MOVIMENTA%C3%87%C3%83O_T

%C3%89RMICA_EM_ESTRUTURAS_DE_CONCRETO_ARMADO.pdf>. Acesso em: 24

set. 2018.

em:

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6118: Projeto de

estruturas de concreto -- Procedimento. Rio de Janeiro: ABNT, 2007. 225 p.

DALBONE, Adilson Rabello. Patologias em Prédio de Alvenaria Estrutural Inspeção

de Curta Duração. Engenharia Estudo e Pesquisa, Santa Maria, v. 10, n. 2, p.27-36,

dez. 2010. Disponível em: <http://www.revistaeep.com/imagens/volume10_02/cap04.pdf>.

Acesso em: 24 set. 2018.

FREITAS JUNIOR, Professor José de Almendra. Alvenaria Estrutural. Paraná:

Notas de Aula, 2013. 107 slides, color. Disponível em:

<https://docente.ifrn.edu.br/valtencirgomes/disciplinas/construcao-civil-ii-1/alvenaria-

estrutural-apresentacao>. Acesso em: 27 set. 2018.

MILITITSKUY, Jarbas. CONSOLI, Nilo Cesar. SCHINAID, Fernando. Patologia das Fundações, Editora PINI, São Paulo, Maio, 2007

OBRA, Mapa da. Diga adeus à eflorescência, manchas brancas nas fachadas.

Capacitação. 2017. Disponível em: <http://www.mapadaobra.com.br/capacitacao/diga-

adeus-eflorescencia-as-manchas-brancas-nas-fachadas/>. Acesso em: 24 set. 2018.

OLIVEIRA;, Francielly Djanira de et al. Principais patologias em edifícios de

Alvenaria Estrutural. Revista Mirante, Anápolis, v. 9, n. 2, p.294-310, dez. 2016.

Disponível em: <file:///C:/Users/guy_s/Desktop/Pastas/Faculdade/Sistemas/5698-19751-1-

SM.pdf>. Acesso em: 24 set. 2018.

OLIVEIRA, Alexandre Magno de. Fissuras, trincas e rachaduras por recalque

diferencial de fundações. 2012. 96 f. Tese (Doutorado) - Curso de Especialização em

Patologias em estruturas de Alvenaria Estrutural

Gestão em Avaliações e Perícias, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012. Disponível em: <http://pos.demc.ufmg.br/novocecc/trabalhos/pg2/96.pdf>. Acesso em: 24 set. 2018.

PINHAL,

Professor. O

que

é

eflorescência. 2009.

Disponível

em:

<http://www.colegiodearquitetos.com.br/dicionario/2009/07/o-que-e-eflorescencia-2/>.

Acesso em: 24 set. 2018.

SAMPAIO,M.B. Fissuras em edifícios residências em alvenaria estrutural, 2010. Dissertação (Mestrado) Escola Politécnica, Universidade de São Paulo.

SANTOS, S. B.; BITTENCOURT, R. M.; GRAÇA, N. G. Efeitos da Temperatura sobre o Concreto. In: IBRACON. Concreto: Ciência e Tecnologia. Volume I e II. 1.ed. São Paulo: G.C. Isaías, 2011. 1956 p.

SILVA, Leandro Bernardo. Patologias em Alvenaria Estrutural: causas e diagnóstico. 2013. 76 f. TCC (Graduação) - Curso de Engenharia Civil, Faculdade de Engenharia, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2013. Disponível em:

<http://www.ufjf.br/engenhariacivil/files/2012/10/PATOLOGIAS-EM-ALVENARIA-

ESTRUTURAL.pdf>. Acesso em: 27 set. 2018.

THOMAZ, E. Trincas em edifícios: causas, prevenção e recuperação. 1.ed. São Paulo: Pini/EPUSP/IPT, 1989. 194 p.

VALLE, Juliana Borges de Senna. Patologia das Alvenarias. 2008. 81 f. TCC (Graduação) - Curso de Especialização em Construção Civil, Engenharia de Materiais de Construção, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008. Disponível em:

<http://pos.demc.ufmg.br/novocecc/trabalhos/pg1/Patologia%20das%20alvenarias.pdf>.

Acesso em: 24 set. 2018.

Patologias em estruturas de Alvenaria Estrutural