Você está na página 1de 8

PORTUGUÊS 8º ANO – NOVEMBRO

ESCOLA_______________________________________________ DATA ____/ ____/ 20___

NOME_____________________________________________________ Nº_____ TURMA______

COMPREENSÃO DO ORAL

Para responderes aos itens que se seguem, vais visionar um programa da RTP sobre a
aviação.

http://ensina.rtp.pt/artigo/travessia-aerea-do-atlantico-sul/

Antes de iniciares, lê as questões. Em seguida, ouve, atentamente, duas vezes, e responde


ao que é pedido.

1. Para cada item, seleciona a opção que completa corretamente a frase, de acordo com o
sentido do texto.

1.1. Este programa refere que voar


(A) era uma aventura sem perigos, embora muito difícil.
(B) um feito arriscado, no qual se perdiam vidas e aparelhos.
(C) era uma forma de se obter fama, sem correr riscos.

1.2. Os dois pioneiros portugueses na área da aviação são


(A) Gago Coutinho (piloto) e Sacadura Cabral (navegador).
(B) Gago Coutinho (piloto) e Santa Cruz (navegador).
(C) Gago Coutinho (navegador) e Sacadura Cabral (piloto).

1.3. A primeira aeronave a conseguir fazer a travessia completa do Atlântico Sul foi
(A) Santa Cruz.
(B) Lusitânia.
(C) Pátria.

1.4. A travessia do Atlântico Sul foi considerada um marco


(A) na aviação portuguesa.
(B) na aviação portuguesa e mundial.
(C) na aviação portuguesa e brasileira.

©Edições ASA | 2019-2020 – Carla Marques | Ana Paula Neves Página 1


PORTUGUÊS 8º ANO – NOVEMBRO
LEITURA
Lê o texto.

Biografia do Almirante Gago Coutinho ‒ GAGO COUTINHO | 150 ANOS

Carlos Viegas Gago Coutinho nasceu em Lisboa, a 17 de


fevereiro de 1869, evocando-se este ano o 150.o aniversário do
seu nascimento. Ingressou1 na Escola Naval em 1886, tendo-se
distinguindo, desde logo, pelo seu aprumo2 e inteligência.
5 Iniciou as suas comissões de embarque em 1871, sobretudo
com a incumbência3 dos assuntos de navegação a bordo.
Desde muito novo, Gago Coutinho interessou-se pelo estudo dos navios de guerra,
nomeadamente a telegrafia sem fios, a artilharia, a construção naval, o magnetismo, os
problemas técnicos de navegação, de uma forma geral. Contudo, a partir de 1898, Gago
10 Coutinho iniciou a sua atividade como geógrafo. Os trabalhos levados a cabo por este oficial da
Marinha encontram-se entre os de maior valor científico produzidos pelos portugueses na Ásia
e em África. De facto, após as extraordinárias campanhas de delimitação de fronteiras em Timor,
Moçambique e Angola, entre finais do século XIX e o início da segunda década do século XX, onde
colocou em prática todos os seus conhecimentos de geodesia4, de astronomia e de geografia e
15 matemática, Gago Coutinho é nomeado chefe da Missão Geodésica de S. Tomé e Príncipe, a 28
de setembro de 1915. Tinha como missão produzir, de forma rigorosa, as cartas topográficas
daquele arquipélago. Entre julho de 1916 e março de 1917, e novembro de 1917 e maio de
1918, Carlos Viegas Gago Coutinho percorreu as ilhas de S. Tomé, efetuando rigorosas
observações geodésicas. Tradicionalmente, a cartografia assinalava que a linha do Equador
20 passava entre a Ilha de S. Tomé e a o Ilhéu das Rolas. O então Comandante Gago Coutinho
demonstrou, através dos seus trabalhos de campo, que essa linha cortava na realidade este
último ilhéu. Essa descoberta científica é publicada em portaria a 16 de junho de 1923.
No ano de 1922, ao empreender a primeira travessia aérea do Atlântico Sul, com o
Comandante Sacadura Cabral, que conhecera nos trabalhos de geografia de campo em
25 Moçambique, Gago Coutinho é consagrado como herói nacional, ao conceber de forma
magistral todo o plano de navegação aérea da viagem.
A última fase da vida de Gago Coutinho é dedicada aos estudos históricos da náutica, da
cartografia, dos instrumentos de navegação, da arqueologia naval e das técnicas de navegação
no período dos Descobrimentos. O seu contributo foi notável para esclarecimento de algumas
30 matérias, que se relacionavam com a navegação à vela nos séculos XV e XVI.
Por decisão da Assembleia Nacional, Gago Coutinho foi promovido a Almirante em 1958.
Faleceu a 18 de fevereiro de 1959, um dia após completar 90 anos.
In https://ccm.marinha.pt/pt/museumarinha_web/multimedia_web/Paginas/gago-coutinho-150-anos.aspx
[consultado em 25/10/2019].

VOCABULÁRIO:
1 ingressar: entrar

2 aprumo: correção, dedicação

3 incumbência: encargo, missão

4 geodesia: ciência que ensina a medir a Terra ou uma parte da sua extensão, bem como o processo de levantamento

dos mapas geográficos

©Edições ASA | 2019-2020 – Carla Marques | Ana Paula Neves Página 2


PORTUGUÊS 8º ANO – NOVEMBRO

1. Cada um dos tópicos seguintes corresponde a uma informação sobre a vida do Almirante
Gago Coutinho. Ordena os tópicos, de 1 a 5, de acordo com a ordem cronológica dos
acontecimentos. O primeiro tópico já se encontra numerado.

(A) Entrada na Escola Naval, onde se destacou pela sua correção e inteligência.
(B) Realização da primeira travessia aérea do Atlântico com Sacadura Cabral.
(C) Início da sua atividade como geógrafo.
(D) Nascimento de Carlos Viegas Gago Coutinho em Lisboa. 1
(E) Nomeação como chefe da Missão Geodésica de S. Tomé.

2. Para cada item, escolhe a opção que completa corretamente as afirmações que se seguem,
de acordo com o texto.

2.1. O comandante Gago Coutinho interessou-se

(A) apenas pelo estudo da telegrafia e assuntos ligados à navegação.


(B) apenas pelo estudo da cartografia e da navegação marítima.
(C) pelo estudo da biologia e geologia, mas também pela astronomia.
(D) pelos estudos de várias áreas, desde navegação à cartografia, entre outras.

2.2. Como chefe da Missão Geodésica de S. Tomé e Príncipe, o Comandante Gago Coutinho

(A) tinha como missão delimitar as fronteiras de Timor.


(B) definiu a nova localização da linha do Equador.
(C) dedicou-se ao estudo da geodesia, astronomia, geografia e matemática.
(D) publicou uma nova portaria a 16 de junho de 1923.

3. Considera a última parte da biografia do Comandante Gago Coutinho e as seguintes


expressões:
(A) da navegação à vela da época dos Descobrimentos
(B) da geografia na época dos Descobrimentos
(C) herói nacional
(D) Almirante
(E) o maior cartógrafo

3.1. Completa a seguinte afirmação, usando três das expressões acima apresentadas.
Escreve, em cada espaço, a letra correspondente à expressão selecionada.

Na última fase da sua vida, já depois de ter sido considerado ______, Gago
Coutinho dedicou-se ao estudo de várias áreas. Salienta-se, sobretudo, o seu
contributo para o conhecimento _____. A Assembleia da República reconheceu a
importância de todo o seu trabalho e nomeou-o _____.

©Edições ASA | 2019-2020 – Carla Marques | Ana Paula Neves Página 3


PORTUGUÊS 8º ANO – NOVEMBRO

EDUCAÇÃO LITERÁRIA

Lê o excerto de A Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho, de Mário de Carvalho. Em


caso de necessidade, consulta as notas.

A Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho

Os automobilistas que nessa manhã de setembro entravam em Lisboa pela Avenida


Gago Coutinho, direitos ao Areeiro, começaram por apanhar um grande susto, e, por
instantes, foi, em toda aquela área, em estridente1 rumor de motores desmultiplicados,
travões aplicados a fundo, e uma sarabanda2 de buzinas ensurdecedora. Tudo isto de
5 mistura com retinir3 de metais, relinchos de cavalos e imprecações4 guturais5 em alta
grita6.
É que, nessa ocasião mesma, a tropa do almóada7 Ibn-el-Muftar, composta de
berberes8, azenegues8 e árabes em número para cima de dez mil, vinha sorrateira9 pelo
valado10, quase à beira do esteiro11 de rio que ali então desembocava, com o propósito de
10 pôr cerco às muralhas de Lixbuna12, um ano atrás assediada e tomada por hordas13 de
nazarenos14 odiosos.
Viu-se de repente o exército envolvido por milhares de carros de metal, de cores
faiscantes, no meio de um fragor15 estrondoso – que veio substituir o suave pipilar dos
pássaros e o doce zunido dos moscardos – e flanqueado16 por paredes descomunais que
15 por toda a parte se erguiam, cobertas de janelas brilhantes. Assustaram-se os beduínos17,
volteando assarapantados18 os cavalos, no estreito espaço de manobra que lhes era
deixado, e Ali-ben-Yussuf, lugar-tenente de Muftar, homem piedoso e temente a Deus,
quis ali mesmo apear-se para orar, depois de ter alçado as mãos ao céu e bradado que Alá
era grande.
20 De que Alá era grande estava o chefe da tropa convencido, mas não lhe pareceu o
momento oportuno para louvaminhas19, que a situação requeria antes soluções práticas e
muito tato. Travou os desígnios do adjunto com um gesto brutal, levantou bem alto o
pendão verde e bradou uma ordem que foi repetida, de esquadrão em esquadrão, até
chegar à derradeira retaguarda, já muito próxima da Rotunda da Encarnação: – Que
25 ninguém se mexesse!
E el-Muftar, cofiando20 a barbicha afilada21, e dando um jeito ao turbante, considerava,
com ar perspicaz, o pandemónio em volta: – Teriam tombado todos no inferno corânico22?
Teriam feito algum agravo23 a Alá? Seriam antes vítimas de um passe da feitiçaria cristã?
Ou tratar-se-ia de uma partida de jinns24 encabriolados?
Mário de Carvalho, A inaudita guerra da Avenida Gago Coutinho e outras histórias. LeYa, 2009, pp. 25-27.

1 estridente: agudo. 2 sarabanda: música. 3 retinir: ecoar. 4 imprecações: súplicas ou pragas. 5 gutural: que sai da
garganta. 6 grita: gritaria. 7 almóada: muçulmanos. 8 berberes e azenegues: povos nómadas do Norte de África.
9 sorrateiro: às escondidas, discretamente. 10 valado: vala pouco profunda. 11 esteiro: braço de rio.
12 Lixbuna: Lisboa. 13 hordas: bandos indisciplinados. 14 nazarenos: cristãos. 15 fragor: estrondo. 16 flanqueado:

acompanhado de lado. 17 beduínos: árabes do deserto. 18 assarapantado: assustado. 19 louvaminhas: louvores


excessivos. 20 cofiando: afagando com a mão. 21 adelgaçada: tornada mais fina. 22 corânico: relativo ao Alcorão.
23 agravo: ofensa. 24 jiins: demónios.

©Edições ASA | 2019-2020 – Carla Marques | Ana Paula Neves Página 4


PORTUGUÊS 8º ANO – NOVEMBRO

1. Descreve os sons referidos no início do texto e justifica-os.


_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

2. Refere, por palavras tuas, o que fazia a tropa de Ibn-el-Muftar e quais as suas intenções
antes de se encontrar no meio dos carros em plena Avenida Gago Coutinho.
_________________________________________________________________________
_________________________________________________________________________

3. Associa cada frase da coluna A a um elemento da coluna B, de acordo com o texto.


Escreve, em cada quadrado da coluna A, a letra correspondente da coluna B.

Coluna A Coluna B

A. Os homens que se encontravam no final


1. Estuário do rio
do batalhão estavam perto desse local.
2. Avenida Gago
B. Os automobilistas envolvidos no incidente
Coutinho
dirigiam-se para lá.
3. Rotunda da
C. Neste espaço teve lugar toda a confusão.
Encarnação
D. As tropas aproximavam-se da cidade,
4. Areeiro
passando perto daquele local.

4. Assinala com X a opção que completa a afirmação.


4.1. Nas linhas 12 a 14, o narrador usa uma antítese entre um ruído assustador e o som do
canto das aves para

(A) mostrar que o espaço onde estava a tropa de Muftar tinha contrastes.
(B) indicar a semelhança entre os vários espaços onde esteve a tropa de Muftar.
(C) realçar a diferença entre os espaços onde esteve a tropa de Ibn-el-Muftar.
(D) destacar o contraste entre o rio e as muralhas para onde ia a tropa de Muftar.

5. Ali-ben-Yussuf tinha intenção de fazer o quê? O que o levou a não o fazer?


___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________

6. No texto são usadas expressões como “carros de metal” (l. 12) e “paredes descomunais […]
cobertas de janelas brilhantes” (ll. 14-15).
6.1. Indica a que se referem e justifica estes termos atendendo a que a tropa de Muftar vem
de outro século.
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________

©Edições ASA | 2019-2020 – Carla Marques | Ana Paula Neves Página 5


PORTUGUÊS 8º ANO – NOVEMBRO
GRAMÁTICA

1. Lê a frase e presta atenção às palavras sublinhadas.

A B C D E F
Os automobilistas que entravam em Lisboa por ali apanharam um grande susto e não
compreenderam o que tinha sucedido.

1.1. Completa a tabela com as letras associadas às palavras sublinhadas que integram as
classes de palavras solicitadas. Escreve apenas uma letra em cada coluna da tabela.

Classes de palavras
Nome Adjetivo Pronome Conjunção Preposição Advérbio

2. Seleciona a opção que identifica a função sintática desempenhada pelo constituinte


sublinhado em cada frase.

2.1. Um barulho ensurdecedor invadiu a Avenida.

(A) Sujeito.
(B) Modificador de grupo verbal.
(C) Modificador de nome.
(D) Predicativo do sujeito.

2.2. Ibn-el-Muftar parecia preocupado.

(A) Complemento direto.


(B) Predicativo do sujeito.
(C) Modificador de nome.
(D) Modificador de grupo verbal.

3. Completa cada uma das frases seguintes com a forma adequada do verbo poder.
a) Se eu __________________ amanhã vou à Avenida Gago Coutinho.
b) O exército sairia dali imediatamente se _____________________ .
c) Naquele dia, cada um fez o que _____________________ .

4. Completa cada uma das frases seguintes com uma palavra ou expressão da lista abaixo
apresentada. Usa cada palavra ou expressão uma única vez.

de que │ que │ a que │ em que │ com que │ para que

a) A situação ___________ o narrador falou envolveu a tropa de Muftar.


b) Aquela era uma rua ___________ a polícia não dava muita importância.

©Edições ASA | 2019-2020 – Carla Marques | Ana Paula Neves Página 6


PORTUGUÊS 8º ANO – NOVEMBRO

ESCRITA

Imagina que viajavas num dos carros que se encontravam naquele dia na Avenida Gago
Coutinho.
Escreve uma página de diário, com um mínimo de 150 e um máximo de 220 palavras, na
qual relates o que sucedeu.
O teu texto deve integrar informações sobre:
‒ o local para onde te dirigias;
‒ o que aconteceu;
‒ reação ao sucedido;
‒ resolução da situação;
‒ reflexão sobre o acontecimento.

COTAÇÃO DO TESTE

Item
Grupo
Cotação (em pontos) Total
Compreensão do
1.1. 1.2. 1.3. 1.4
Oral
3 3 3 3 12

Leitura 1. 2.1 2.2 3.1


3 3 3 3 12

1. 2. 3. 4.1 5. 6.1
Educação
Literária
5 5 2 4 5 5 26

1. 2.1. 2.2. 3. 4.
Gramática
6 3 3 6 2 20
(6 x 1) (3 x 2) (2 x 1)
Item único
Escrita 30
Total 100

©Edições ASA | 2019-2020 – Carla Marques | Ana Paula Neves Página 7


PORTUGUÊS 8º ANO – NOVEMBRO
PROPOSTAS DE CORREÇÃO

COMPREENSÃO DO ORAL
1.1. (B)
1.2. (C)
1.3. (A)
1.4. (B)

LEITURA
1. (D) – (A) – (C) – (E) – (B)
2.1. (D)
2.2. (B)
3. (C), (A), (D)

EDUCAÇÃO LITERÁRIA
1. Naquele momento, ouviram-se sons de motores, de travagens e de buzinas (próprios de um engarrafamento de
trânsito) e ainda sons de metais das armas da tropa, relinchos de cavalos e gritos dos berberes. Todos estes
barulhos se deveram ao susto que tanto os automobilistas como os cavaleiros ou a tropa a pé apanharam ao
encontrarem-se frente a frente.
2. A tropa aproximava-se de Lixbuna, de forma sorrateira e discreta, vinda pelo lado do rio, pois pretendia fazer um
cerco às muralhas da cidade que fora tomada pelos nazarenos (cristãos) um ano antes.
3. A – 3; B – 4; C – 2; D – 1
4.1. (C)
5. Yussuf pretendia rezar a Alá, mas não chegou a fazê-lo porque Ibn-el-Muftar o impediu, fazendo um gesto
violento.
6.1. As expressões referem-se aos automóveis e aos prédios, respetivamente. Estas expressões são usadas porque
representam a forma como os homens de Muftar, vindos de outro século, perceberam a nova realidade em que,
de repente, se encontraram.

GRAMÁTICA
1. Nome – A; Adjetivo – E; Pronome – B; Conjunção – F; Preposição – C; Advérbio - D
2.1. (C)
2.2. (B)
3. a) puder; b) pudesse; c) pôde
4. a) de que; b) a que

ESCRITA
Lisboa, 24 de abril de 2002

Querido Diário,

Hoje aconteceu a situação mais extraordinária de que tenho memória.


Ia para a escola com a minha mãe, quando, ao chegar à Avenida Gago Coutinho, vimos, como por magia, um
grupo enorme de soldados árabes. Vinham armados, a cavalo e com roupas estranhas. Eles pareciam assustados e
perdidos. A confusão foi enorme. Gerou-se um engarrafamento gigantesco. As pessoas travavam a fundo,
buzinavam e gritavam. Ninguém conseguia andar e os soldados andavam à roda, perdidos. Era um exército que não
tinha fim. Eu e a minha mãe, inicialmente, achámos que era um golpe publicitário e rimos, mas depois começámos a
ficar nervosos porque ela ia chegar atrasada ao trabalho e eu à escola. Acho que esse era o problema da maioria das
pessoas que ali estava.
De repente, tal como tinham aparecido os soldados, desapareceram. Ninguém percebeu o que tinha
acontecido. Parecia que tínhamos vivido uma viagem no tempo.
Todos os dias podem trazer uma surpresa completamente inesperada. Temos de estar sempre disponíveis
para a novidade. Talvez viver seja isso mesmo!
(179 palavras)

©Edições ASA | 2019-2020 – Carla Marques | Ana Paula Neves Página 8