Você está na página 1de 17

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS

CAMPUS ARAPIRACA
CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

RESENHA CRÍTICA
Filme Metrópolis

ARAPIRACA-AL
2019
RESENHA CRÍTICA
Filme Metrópolis

Trabalho apresentado como instrumento de avaliação


parcial da disciplina História da Arte, da Arquitetura e
da Cidade 3, do curso de Arquitetura e Urbanismo da
Universidade Federal de Alagoas, UFAL, Campus
Arapiraca.

Orientador: Prof. Me. João Paulo Omena Silva

ARAPIRACA-AL
2019
RESUMO DO FILME

A cidade é dividida em dois seguimentos: um dominado pelo imenso Ziggurat um edifício


onde mora a elite conhecido como jardim dos prazeres, e, o segmento dos pobres que são
condenados ao subterrâneo para trabalhar e manter o luxo dos ricos. Essa poderosa cidade é
governada por Fredersen um capitalista cujo seu filho Freder tem uma vida de maravilhas,
mas conhece Maria que é líder religiosa dos operários e se apaixona pela mesma. Rotwang
um inventor maluco a serviço de Fredersen constrói um robô com tendências humanas e o
deixa feliz por não mais precisar de força humana, um dia o inventor e o governador passa
pela passagem secreta para espionar Maria que prega para os operários que o revolta e manda
o inventor deixar o robô com a aparência de Maria para semear a discórdia entre eles e
destruir a ideologia de Maria, só não imaginava a revolução que iria acontecer.

PALAVRAS-CHAVE: Metrópolis; Futurismo; Capitalismo; Escravidão; Diferença Social.


AVALIAÇÃO CRÍTICA

Metrópolis é uma cidade futurista onde os humanos e os robôs vivem juntos. O local é
dominado pelo imenso edifício Ziggurat, onde mora a elite da sociedade, já os pobres são
condenados à vida subterrânea. Enquanto detetive Shunsaku Ban e seu sobrinho Kenichi
investigam sobre o tráfico de órgãos, eles descobrem a existência do cientista rebelde
Laughton e de sua cria, Tima, uma garota-robô destinada a tomar Ziggurat.

Metropolis é a gênese da ficção científica. Se o curta-metragem Viagem À Lua de George


Méliès (1902) é considerado o primeiro filme do gênero, a despeito de sua atmosfera muito
mais lúdica e sua pouca preocupação com continuidade e proporção, foi Metropolis que
estabeleceu conceitos a serem utilizados posteriormente, por incontáveis filmes que também
se tornariam, a seu tempo, clássicos absolutos. A concepção visual deste longa alemão de
1927 constitui um valiosíssimo relicário de imagens, e uma das maiores fontes de inspiração
da história do cinema, da qual beberam não apenas o gênero ficção científica, mas também a
aventura, os filmes catástrofe e o terror, como veremos adiante. Contudo, não é apenas pelas
imagens que Metropolis ganhou toda essa importância. Legítimo expoente do expressionismo
alemão, e realizado em plena depressão pós I Guerra Mundial pela qual o país passava na
época, esta obra distópica dirigida por Fritz Lang e escrita por ele em parceria com sua
esposa, imagina um futuro pessimista e, veja só, recheado de itens familiares ao nosso
presente. Este ambicioso filme, uma superprodução para a época, é um manifesto – um dos
primeiros da Sétima Arte – às diferenças de classes e à opressão em prol da industrialização.
O roteiro encontra espaço ainda, por meio de simbolismos, para fazer alusões ao sagrado e ao
profano. Na história, vemos a iluminada e glamorosa Metropolis ocupada pela elite em sua
superfície, e pelos operários nos subterrâneos. São os habitantes ‘de baixo’ que sustentam a
cidade – operando as angustiantes máquinas que geram a energia – em exaustivos turnos de
10 horas. O que os motiva é a profecia da chegada de um mediador que apaziguará os ânimos
entre as classes, promovendo soluções pacíficas, visando o bem para ambas as partes. Freder,
o filho do dirigente da cidade Joh Fredersen, acaba conhecendo Maria. É ela quem diz
palavras de conforto e esperança ao povo oprimido das profundezas. Encantado por ela, o
jovem vai até as catacumbas subterrâneas e conhece o triste cotidiano daquele povo. Freder e
Maria se envolverão, e buscarão uma solução para aquela situação. Ocorre que Joh quer
impedir uma possível revolta dos operários, e para isso contará com a ajuda do 'cientista
maluco' Rotwang, que constrói um androide e o faz ficar com a aparência de Maria, que
deveria convencer os trabalhadores a não se rebelarem. Joh não contava, porém, que Rotwang
tivesse os seus próprios interesses. O inventor programa o androide para atiçar ainda mais a
plebe inconformada a invadir a superfície, abandonando as máquinas, o que provocará um
verdadeiro colapso em toda a estrutura urbana da gigantesca cidade, que amargará uma série
de desastres geológicos sem precedentes. Conseguirão Freder e Maria reverter essa trágica e
tensa situação? Devido à nossa bagagem cultural e noticiosa de espectadores do século XXI,
podemos constatar no decorrer da projeção curiosos exemplos de que a arte, além de inspirar
a própria arte, também imita a vida. O chefe dos trabalhadores visto no filme, devido à
coincidência de sua aparência e seu cargo, invariavelmente nos remete a um certo líder
sindical que o Brasil passou a conhecer muito bem desde os idos da década de 1980 pelo
nome de Luís Inácio Lula da Silva. E quando os trabalhadores e suas esposas largam seus
lares subterrâneos à beira do colapso causado pela pane das máquinas, e invadem a superfície,
deixando suas crianças para trás (!), isso não seria um embrião para a trama da comédia
Esqueceram de Mim (1990)? Quanto ao cenário urbano-futurista da cidade, com seus imensos
arranha-céus e viadutos entrecortando o ar, ele já foi reproduzido em inúmeras outras obras. E
a cena mais famosa do longa, em que o androide assume as feições de Maria, serviu como
base para praticamente todas as versões cinematográficas ou televisivas da história de
Frankenstein, bem como de várias outras derivações em que identificamos facilmente o
cientista louco, um corpo inerte, fios, cabos e tubos de ensaio em volta do cenário sombrio e
uma chave de força que liga a energia que, por sua vez, desencadeará uma série de 'efeitos
visuais' representando raios-laser circulares em volta do humanoide que, enfim, ganhará vida.
Sim, durante vários momentos de Metropolis, não é difícil pensarmos: “eu já vi essa cena em
algum lugar...” É claro que, aos nossos olhos, acostumados com os mais avançados efeitos
visuais que a computação gráfica proporciona hoje em dia, a experiência de ver Metropolis
pode causar involuntários momentos de riso. Entretanto, uma incontável quantidade de filmes
que estão em nossas memórias, dos quais tanto gostamos, em algum momento tiveram um ou
mais conceitos absorvidos dessa obra icônica de Fritz Lang. Não é exagero, portanto, afirmar
que Metropolis foi o alicerce para que os pilares da ficção científica fossem erguidos,
estabelecendo o gênero de vez como um dos mais rentáveis e lucrativos da história do cinema.
Finalmente, antevendo a futura frieza que obras similares adotariam nas décadas seguintes
(antes que o clima de aventura voltasse com tudo em 1977 com Star Wars), a frase escrita no
último intertítulo de Metropolis ganha um sentido metafórico voltado para si mesmo, nos
fazendo lembrar do item essencial e indispensável para qualquer obra cinematográfica. Entre
o cérebro e as mãos utilizados para a realização de um bom filme, sempre deverá existir um
coração.

SINOPSE E DETALHES

Metrópolis, ano 2026. Os poderosos ficam na superfície, onde há o Jardim dos Prazeres,
destinado aos filhos dos mestres. Os operários, em regime de escravidão, trabalham bem
abaixo da superfície, na Cidade dos Trabalhadores. Esta poderosa cidade é governada por Joh
Fredersen (Alfred Abel), um insensível capitalista cujo único filho, Freder (Gustav Fröhlich),
leva uma vida idílica, desfrutando dos maravilhosos jardins. Mas um dia Freder conhece
Maria (Brigitte Helm), a líder espiritual dos operários, que cuida dos filhos dos escravos. Ele
conversa com seu pai sobre o contraste social existente, mas recebe como resposta que é
assim que as coisas devem ser. Quando Josafá (Theodor Loos) é demitido por Joh, por não ter
mostrado plantas que estavam em poder dos operários, Freder pede sua ajuda. Paralelamente
Rotwang (Rudolf Klein-Rogge), um inventor louco que está a serviço de Joh, diz ao seu
patrão que seu trabalho está concluído, pois criou um robô à imagem do homem. Ele diz que
agora não haverá necessidade de trabalhadores humanos, sendo que em breve terá um robô
que ninguém conseguirá diferenciar de um ser vivo. Além disto decifra as plantas, que são de
antigas catacumbas que ficam na parte mais profunda da cidade. Curioso em saber o que
interessa tanto aos operários, Joh e Rotwang decidem espioná-los usando uma passagem
secreta. Ao assistir a uma reunião, onde Maria prega aos operários lhes implorando que
rejeitem o uso de violência para melhorar o destino e pensar em termos de amor, dizendo
ainda que o Salvador algum dia virá na forma de um mediador. Mas mesmo este menor ato de
desafio é muito para Joh, que ouviu a fala na companhia de Rotwang. Assim, Joh ordena que
o robô tenha a aparência de Maria e diz para Rotwang escondê-la na sua casa, para que o robô
se infiltre entre os operários para semear a discórdia entre eles e destruir a confiança que
sentem por Maria. Mas Joh não podia imaginar uma coisa: Freder está apaixonado por Maria.

Metrópolis (filme)
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegaçãoSaltar para a pesquisa
Metropolis
Metropolis (PRT/BRA)

Pôster promocional do filme para lançamento nos Estados Unidos, onde foi distribuído pela
Paramount Pictures
Alemanha
1927 • pb • 148 min
Direção Fritz Lang
Roteiro Thea von Harbou
Baseado em Metropolis de Thea von Harbou
Elenco Alfred Abel
Gustav Fröhlich
Brigitte Helm
Rudolf Klein-Rogge
GêneroFicção científica
Idioma Alemão (mudo)
Orçamento 5 100 000 RM
Página no IMDb (em inglês)
Metrópolis (em língua alemã: Metropolis) é um filme alemão de ficção científica lançado em
1927, dirigido pelo cineasta austríaco Fritz Lang. Foi, na época, a mais cara produção até
então filmada na Europa, e é considerado, por especialistas, um dos grandes expoentes do
expressionismo alemão. Também foi uma obra-prima à frente do seu tempo, já que pode se
dizer que continua atual. Na época, foi considerado um tanto controverso, fazendo com que
sua bilheteria fosse um desastre[1]. O roteiro, baseado em romance de Thea von Harbou, foi
escrito por ela em parceria com Lang. Em 2008, foram reencontrados, na Argentina, 30
minutos de metragem deste clássico. Tal parte foi restaurada e acrescentada à versão
conhecida.[2] Na Berlinale 2010, o filme teve, 83 anos depois, a sua segunda estreia mundial.

Índice
1 Enredo
2 Elenco
3 Influências artísticas
4 Referências
5 Ligações externas
Enredo
Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.
Em 2026 (100 anos após a produção do filme), ricos industriais governam a grande cidade de
Metrópolis a partir de arranha-céus, enquanto trabalhadores subterrâneos trabalham
constantemente para operar as máquinas que fornecem energia à cidade. O dono de
Metrópolis é Joh Fredersen, cujo filho Freder passa o tempo praticando esportes e
frequentando um parque de diversão. Freder é interrompido pela chegada de uma jovem
mulher chamada Maria, que trouxe um grupo de crianças dos trabalhadores para ver o estilo
de vida privilegiado dos ricos. Maria e as crianças são rapidamente levadas para longe, mas
Freder fica fascinado por Maria e desce para a cidade dos trabalhadores, na tentativa de
encontrá-la. Nas salas de máquinas, Freder assiste, com horror, a explosão de uma enorme
máquina, causando várias lesões e mortes, depois que um dos seus operadores cai de
exaustão. Freder corre para contar a seu pai. Grot, um dos capatazes, chega logo depois para
fornecer mapas que foram encontrados com os corpos dos trabalhadores mortos. Fredersen
está irritado pois seu assistente Josaphat não foi o primeiro a trazer-lhe notícias de qualquer
explosão ou os mapas, e o demite. Sabendo que ele só pode ir para as profundezas e se tornar
um trabalhador, Josaphat tenta o suicídio, mas é interrompido por Freder, que o envia para
casa para esperar por ele. Preocupados com o comportamento incomum de Freder, Fredersen
despacha o Homem Magro para manter o controle de seus movimentos.

Voltando às salas de máquinas, Freder encontra o trabalhador Georgy e toma seu lugar quando
ele cai em seu posto. Os dois homens trocam roupas, com Freder instruindo Georgy para ir ao
apartamento de Josaphat e esperar por ele. No entanto, ao ser expulso pelo motorista de
Freder, Georgy torna a distrair-se com as imagens e sons na discoteca Yoshiwara e passa a
noite lá em vez disso. Enquanto isso, Freder encontra um mapa no bolso e descobre uma
reunião secreta de outro trabalhador que sofre alucinações provocadas pelo desgaste.
Fredersen leva os mapas trazidos por Grot ao inventor Rotwang a fim de saber o seu
significado. Rotwang tinha se apaixonado por uma mulher chamada Hel, que o deixou para se
casar com Fredersen; ela morreu ao dar, à luz, Freder. Desde então, ele construiu um robô (a
Maschinenmensch, ou Máquina-Homem) para "ressuscitá-la". Os mapas mostram o layout de
uma rede de antigas catacumbas sob Metrópolis, e os dois homens saem para investigar. Eles
espionam um encontro de trabalhadores, incluindo Freder, e encontram Maria esperando para
enfrentá-los.

Maria profetiza a chegada de um mediador que pode fazer as classes trabalhadoras e os


governantes governarem juntos, e exorta os trabalhadores a terem paciência. Freder passa a
acreditar que ele poderia preencher o papel, e depois que a reunião se rompe, ele declara seu
amor por Maria. Eles concordam em reunir-se na catedral da cidade no dia seguinte, então
partem. Fredersen ordena Rotwang para dar semelhança de Maria ao robô para que ele possa
arruinar a reputação de Maria entre os trabalhadores, mas não sabe do plano secreto de
Rotwang para destruir Freder como vingança por ter perdido Hel. Rotwang persegue Maria
através das catacumbas e sequestra-a. Na manhã seguinte, o Homem Magro pega Georgy
deixando Yoshiwara, ordena-lhe para voltar ao seu posto e leva o endereço de Josaphat dele.
Freder vai ao apartamento de Josaphat em busca de Georgy, mas descobre que Georgy nunca
chegou. Depois de contar para Josaphat sobre seu tempo na cidade dos trabalhadores, Freder
vai para a catedral, faltando apenas a chegada do Homem Magro. Josaphat repele as tentativas
de suborno do Homem Magro e intimida-o a deixar Metrópolis; os dois lutam, e Josaphat
escapa e se esconde na cidade dos trabalhadores.

Freder não encontra Maria na catedral, mas ele ouve um monge pregando sobre a Prostituta
da Babilônia e um apocalipse que se aproxima. Vendo as das estátuas da Morte e dos Sete
Pecados Mortais, ele pede-lhes para não prejudicar Maria. Em seguida, sai para procurá-la.
Ele ouve seus gritos durante a passagem da casa de Rotwang e acaba preso até que o robô seja
totalmente transformado em Maria. Rotwang a envia para cumprimentar Fredersen; Freder
encontra os dois se abraçando em seu escritório e desmaia, caindo em um delírio prolongado.
A falsa Maria começa a desencadear o caos em toda Metrópolis. Freder recupera-se dez dias
mais tarde e procura Josaphat, que lhe diz sobre a propagação do problema. Ao mesmo tempo,
a verdadeira Maria foge da casa de Rotwang após Fredersen lutar com ele, tendo tomado
conhecimento da traição de Rotwang. Descendo para as catacumbas, Freder e Josaphat
encontram a falsa Maria exortando os trabalhadores a se levantar e destruir as máquinas.
Quando Freder a acusa de não ser a verdadeira Maria, os trabalhadores reconhecem-no como
filho de Fredersen e tentam capturá-lo, mas Georgy protege-o e é esfaqueado causando a sua
morte. Fredersen diz que os trabalhadores devem usar a violência, para que ele possa
justificadamente usar a força contra eles em um momento posterior.
Os trabalhadores acompanham a falsa Maria da cidade para as salas de máquinas, sem saber,
deixando os filhos para trás. Eles abandonam seus postos e quebram a máquina do Coração, a
estação de energia central para Metrópolis, após o capataz Grot relutantemente conceder-lhes
o acesso sob as ordens de Fredersen. Quando todos os sistemas acima e abaixo do solo
falham, Maria desce à cidade dos trabalhadores, que começa a inundar devido às bombas de
água estarem paradas. Ela reúne as crianças na praça principal, e com a ajuda de Freder e
Josaphat, eles escapam da cidade dos trabalhadores, que se desintegra no dilúvio. Nas salas de
máquinas, Grot recebe a atenção dos trabalhadores que, descontroladamente, comemoram, e
repreende-os por suas ações fora de controle. Percebendo que eles deixaram seus filhos para
trás na cidade agora inundada, os trabalhadores sofrem e vão vingar-se sobre a "bruxa" (a
falsa Maria), que lhes estimulou ao erro e, desde então, fugiu para se juntar à folia em
Yoshiwara. Enquanto isso, Rotwang caiu sob a ilusão de que Maria é Hel, e sai para encontrá-
la. A multidão captura a falsa Maria e ela é queimada na fogueira. Freder assiste horrorizado,
não entendendo o engano até que o revestimento externo se desintegra e revela o robô
embaixo.

Rotwang persegue Maria para o telhado da catedral, perseguido por Freder. Os dois homens
lutam enquanto Fredersen e os trabalhadores assistem a partir da rua. Josaphat diz que os
trabalhos de segurança de seus filhos são para impedi-los de prejudicar Fredersen. Rotwang
perde o equilíbrio e cai para a sua morte. Nos degraus da catedral, Freder cumpre o seu papel
de mediador ("coração"), ligando as mãos de Fredersen ("cabeça" da cidade) e Grot (suas
"mãos") para trazê-los juntos.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.


Elenco
Alfred Abel…Joh Fredersen (magnata)
Brigitte Helm…Maria (líder dos trabalhadores) e Andróide/Maschinenmensch (criação de
C.A.Rotwang)
Gustav Fröhlich - Freder (filho de Fredersen)
Rudolf Klein-Rogge - C.A.Rotwang (inventor)
Theodor Loos - Josaphat (assessor de Fredersen)
Fritz Rasp - Homem Magro (empregado de Fredersen)
Erwin Biswanger - Georgy (trabalhador nº 11811)
Heinrich George
Hanns Leo Reich
Heinrich Gotho - Mestre de Cerimônias
Influências artísticas
A obra recebeu diversas influências artísticas e, a seu turno, influenciou outras obras, como
por exemplo:

A composição da torre de Metropolis foi inspirada na obra "Torre de Babel" do pintor


flamengo Pieter Brueghel, do século XVI.
Diversos filmes de ficção-científica utilizaram como inspiração a torre de Metropolis, como
por exemplo "Buck Rogers in the 25th Century" (1979)
A máscara da ginoide foi inspirada nos trabalhos dos escultores Oskar Schlemmer e Rudolf
Belling.
Kraftwerk, uma banda de música electrónica alemã, prestou homenagem ao filme com uma
música com o mesmo título, no álbum "Die Mensch-Maschine" (1978).
Madonna inspirou-se no filme para fazer o videoclipe de "Express Yourself" (1989).
A banda britânica Queen baseou-se no filme para criar o videoclipe de "Radio Ga Ga" (1984).
A banda desenhada do Superman teve uma edição especial onde o universo do filme foi
adaptado ao do personagem.
O androide C-3PO da saga de filmes de George Lucas, "Star Wars" teve o seu visual inspirado
pela ginoide.
A banda Ghost lançou seu álbum Meliora de Agosto de 2015 com a arte inspirada na capa da
obra clássica, além do clipe "From Pinnacle To The Pitt" ser inspirado totalmente no filme.
A banda brasileira Sepultura (trash metal), lançou em outubro de 2013 seu décimo terceiro
álbum de estúdio, denominado "The Mediator Between Head and Hands Must Be the Heart",
conforme disse Andreas Kisser (guitarrista da banda): "o título do álbum foi inspirado por
uma frase que é a principal mensagem da história: 'O mediador entre a cabeça e as mãos deve
ser o coração' para expressar o que estamos dizendo nas letras". Embora o álbum tenha sido
inspirado pelo filme Metropolis, ele não foi criado como um álbum conceitual.
Referências
Schneider, Steven Jay (2008). 1001 filmes para ver antes de morrer. Rio de Janeiro: Sextante
«Deustche Welle»

90 anos de Metropolis, o clássico filme de ficção científica de Fritz Lang

RODRIGO GHEDIN
10/1/17 às 9h49

Entre as suas várias funções, a ficção tenta, com o uso de metáforas, analogias e exercícios de
futurologia, nos fazer entender e vislumbrar aonde estamos indo. Nesse último sentido, a
ficção científica se mostra especialmente importante em tempos de tecnicalidade extrema e
uma confiança talvez sem precedentes de que a resolução dos nossos muitos conflitos passa
por meio externos ao próprio ser humano.

Hoje, 10 de janeiro de 2017, a ficção científica no cinema celebra mais um aniversário. Há 90


anos, era lançado, em Berlim, o longa-metragem Metropolis, a obra-prima do cineasta Fritz
Lang.

Influente, despedaçado e cultuado nas décadas que se seguiram à sua estreia, Metropolis
definiu um gênero e deixou outras marcas dignas de nota. Foi o filme de maior orçamento
feito até então (US$ 16,5 milhões em valores atuais1), palco de novas técnicas de filmagem
como o processo Schüfftan e um dos pontos altos do expressionismo alemão. É um filme
mudo, característica que, àquela altura, estava há poucos anos de ser suplantada pela
introdução do áudio na cinematografia.

Robôs e divisão de classes


Robô de Metropolis.

O enredo de Metropolis, como na maioria das boas ficções científicas, se passa num futuro
indeterminado e tem espaço em uma grande e agitada cidade, a que dá nome ao filme, onde
duas classes a dividem verticalmente: acima da superfície, os aristocratas; abaixo, a classe
operária que faz (literalmente) as engrenagens girarem a fim de manter a cidade funcionando
e as extravagâncias dos mais ricos.

O conflito se instala quando Freder (interpretado por Gustav Fröhlich), filho do magnata
industrial Joh Fredersen (Alfred Abel), meio que o dono da cidade, apaixona-se pela operária
e espécie de profeta Maria (Brigitte Helm) e, na busca por revê-la após um breve encontro em
seu clube de lazer, descobre os operários, docilizados em jornadas diárias extenuantes de dez
horas, mantendo as máquinas e Metropolis funcionando. A fim de aproximar-se de Maria, ele
troca de identidade com um operário e, nessa, descobre que ela guia os colegas na espera pelo
mediador, alguém que fará as pazes entre a classe de cima (cérebro) e a de baixo (mãos).

Em paralelo, Joh Fredersen descobre mapas estranhos nos bolsos de alguns operários e
recorre a Rotwang (Rudolf Klein-Rogge), um cientista maluco que perdeu a mulher amada,
Hel, para o próprio Fredersen, para ajudar a decifrá-los. Rotwang explica que os mapas levam
a túneis secretos onde os operários conspiram. Revela, também, ter criado um robô para trazer
de volta à vida Hel, que faleceu dando à luz Freder. Fredersen ordena que ele dê à robô a
aparência de Maria para, com isso, gerar confusão entre os operários e ter uma justificativa
para acabar, com truculência, com o movimento rebelde.

Não irei além para não estragar as surpresas — há algumas reviravoltas elaboradas nos
segundo e terceiro atos. Metropolis, reflexo do seu tempo, fala da luta de classes e, no fim,
acaba tocando pouco na cientificidade da sua ficção. Ela permeia todo o filme, mas o que hoje
se consideraria a parte futurista, a robô, é, para os padrões contemporâneos, bem tímida.

Antes da transformação, a robô se parece com o que, no imaginário popular moldado pelo
próprio cinema, muitos temos como o que seria um robô humanoide. Méritos por isso todos
ao filme, pioneiro nesse aspecto. Mas não há nada excepcional nela fora o fato de ser
controlável e ter, num momento posterior, a imagem de Maria. É essa semelhança que
determina seu papel na trama — poderia ser uma gêmea ou sósia mancomunada com
Rotwang, por exemplo, em vez da robô. As possibilidades da artificialidade são poucos
exploradas, o que parece natural dado o pioneirismo, no cinema, dessa ideia. Em Metropolis,
o maior feito da robô é ser indistinguível de um ser humano.

Em contrapartida, esse roteiro permite que Brigitte Helm, a atriz que interpreta Maria e a robô
feita à sua imagem, se destaque. À época uma atriz novata, sua performance é memorável.
Sem falas, ela consegue convencer, interpretando duas pessoas (ok, uma pessoa e um robô),
que se tratam de duas diferentes. E, para quem nunca assistiu a nada do expressionismo
alemão, o filme é um deleite: as reações exageradas, as caras e bocas dos personagens, as
intenções tão claramente demarcadas pelo corpo resultam em uma maneira muito diferente,
única, de se contar uma história no cinema. É uma pena que essa e outras tenham se perdido
desde então em troca do cinema pasteurizado norte-americano.

A cidade de Metropolis.

A ambientação é um show à parte. Ela se inspira em movimentos artísticos como Art Deco e
Bauhaus, e dita um tom que ainda hoje se vê em personagens, filmes e jogos, na cultura pop
em geral. A cidade, feita à imagem da Nova York dos anos 1920 que teria impressionado
sobremaneira Fritz Lang, é competentemente futurista. Até os engarrafamentos intermináveis
estão ali, em meio a monotrilhos e arranha-céus a perder de vista. Só os aviõezinhos em meio
aos prédios, à imagem do 14 Bis de Santos Dummont, que destoam da imagem que se tem das
cidades dos anos 2000. Não dá para acertar tudo, afinal.

Inovações e arrependimentos
Brigitte Helm é amparada durante a filmagem da cena em que encarna a robô.
As filmagens de Metropolis compreenderam um ano e foram marcadas por anedotas a
respeito do estilo rigoroso e perfeccionista de Frtiz Lang. Entre as muitas histórias daquele
período, a grandiosidade de algumas cenas — as do dilúvio da cidade baixa levou 14 dias para
serem rodadas e contaram com a participação de 500 crianças de bairros pobres de Berlim —
e os sacrifícios exigidos — conta-se que Brigitte se machucou em muitos momentos como no
uso da armadura da robô e nas cenas de linchamento em que é arrastada pelos cabelos —
chamam a atenção.

Filmagem da cena em primeira pessoa de Metropolis.Não é à toa que Fritz Lang é cultuado
até hoje. Algumas tomadas são simplesmente geniais e é quase inacreditável que tenham sido
feitas há quase um século. Quem imaginaria, nos anos 1920, filmar em primeira pessoa? Lang
o fez, na cena em que Freder encontra um pedaço da roupa de Maria próximo a uma porta.

Outra sacada genial: incluir atores em tamanho natural ao redor da miniatura da Torre de
Babel, na parte em que Maria conta essa história aos operários, com um efeito de fade. Temos
a ilusão de estar vendo a Torre de Babel em toda a sua grandiosidade e, de repente, ela
aparece ladeada por seus idealizadores em tamanho desproporcionalmente igual.

As representações de delírio, euforia, medo e outros sentimentos, e a boa dimensão de grandes


passagens, com planos abertos impressionantes usando vários efeitos especiais, em especial o
processo Schüfftan, resistiram muito bem ao tempo e aos avanços técnicos do cinema.

Fritz e Thea leem no sofá.


Fritz Lang e Thea von Harbou, 1923. Foto: Waldemar Titzenthaler.
Metropolis, embora seja conhecido na história como uma das grandes obras (talvez a maior)
de Fritz Lang, foi resultado de um trabalho conjunto dele e da sua então esposa, a escritora e
atriz Thea von Harbou. O argumento do filme nasceu de um romance escrito por ela alguns
anos antes. A adaptação para o roteiro de cinema foi, também, trabalho seu.

O filme traz referências religiosas, do pensamento comunista e do momento histórico em que


foi rodado, no período entreguerras. Fala de industrialização e da produção em massa, e de
um certo ludismo motivado pela exploração capitalista. Curiosamente, a máquina feita à nossa
semelhança passa incólume aos protestos dos operários. São as grandes e inanimadas,
manuseadas por eles, alvo de sua ira, tanto que nos delírios de Freder uma especialmente
grande ganha contornos monstruosos e engole, literalmente, dezenas de operários.

Metropolis poderia ser uma forte mensagem contra tudo isso, mas a premissa, de que o
coração, na figura do mediador Freder, seria capaz de unir patrão (Joh Fredersen) e
proletariado (representado por Grot, o guardião da central das máquinas), é no mínimo
ingênua. Numa análise um pouco mais cínica, ela flerta com uma condescendência pelo status
quo. O final, tido como ambíguo, não sinaliza em momento algum se a união por intermédio
de Freder resultará em melhores condições de trabalho à classe operária ou apenas se tudo
voltará a ser como era antes.

O fato de ter recebido elogios efusivos de Joseph Goebbels não deixou Lang, filho de mãe
judia e refugiado da II Guerra Mundial, exatamente feliz. Para desgosto ainda maior do
diretor, em 1933, sua parceira e esposa tornou-se membro ativo do Partido Nazista. Eles se
separaram no ano seguinte.
Em um livro publicado em 1998, Fritz Lang falou sobre seu desgosto posterior por Metropolis
(tradução livre):

O argumento principal foi da Sra. von Harbou, mas eu sou pelo menos 50% responsável
porque o filmei. Eu não era tão politizado naqueles dias como sou hoje. Você não pode fazer
um filme com consciência social no qual você diz que o mediador entre a mão e o cérebro é o
coração. Digo, isso é um conto de fadas, sem dúvida. Mas eu estava muito interessado nas
máquinas. De qualquer forma, não gostei do filme — achei ele bobo e estúpido — e então,
quando vi os astronautas: o que eles são se não parte de uma máquina? É muito difícil falar
sobre filmes — eu deveria dizer agora que gosto de Metropolis porque algo que vi em minha
imaginação virou realidade, quando [na verdade] eu o detestei depois de tê-lo finalizado?

É uma boa pergunta, Fritz.

A demorada restauração
Pôster colorido de Metropolis.

Originalmente, Metropolis tinha 153 minutos. Parcialmente financiado pela Paramount e


MGM, havia uma cláusula no contrato com a UFA, a produtora alemã do longa, que permitia
quaisquer alterações julgadas apropriadas a fim de aumentar a lucratividade do filme. Quando
exportado, a Parufamet, uma multinacional que incorporava os três estúdios, recorreu ao
dramaturgo Channing Pollock para chegar a uma versão menor do filme. Para ser lucrativo,
pensaram os executivos, era preciso enxugar Metropolis.

Pollock removeu cenas, alterou letreiros e limou a personagem Hel do filme devido à
similaridade sonora com a palavra inglesa “hell” (“inferno”). Metropolis estreou no mesmo
ano nos Estados Unidos, no Reino Unido e no Brasil, só que nessa versão menor, de 115
minutos.

O filme ainda passaria por outro corte, desta vez motivado pelo novo presidente do estúdio
UFA, o nacionalista Alfred Hugenberg, ainda em 1927. Ele cancelou o acordo com os
estúdios americanos e suspendeu a exibição do Metropolis original dos cinemas alemães. Sua
edição, a partir do original, eliminou do filme o contexto comunista e as imagens que faziam
referências religiosas. Ela entrou em cartaz, na Alemanha, ainda em 1927. Em 1936, uma
edição ainda menor, com apenas 91 minutos, voltou a ser distribuída internacionalmente.

Toda essa confusão comprometeu a versão original de Metropolis. Por décadas, pensou-se que
ela estaria perdida e o mais próximo que se tinha disponível do filme carecia de quase um
quarto de cenas. A partir dos anos 1980, novas edições, com trilhas sonoras diferentes,
incluindo uma musicada por artistas contemporâneos, e pequenos trechos recuperados, foram
lançadas.

A salvação veio em 2008, do Museo del Cine, em Buenos Aires, onde foi descoberto um
negativo em 16 mm da versão original de Metropolis. Ela permitiu, junto a outros fragmentos
encontrados na Nova Zelândia, a restauração de boa parte do filme no que a distribuidora
norte-americana Kino Video, atual detentora dos direitos do longa, denominou The Complete
Metropolis.

Essa edição conta com a trilha sonora original, composta por Gottfried Huppertz, e 25
minutos extras de material recuperado em relação à edição anterior. Faltam, em relação à
original, apenas cinco minutos que, aqui, foram convertidos em letreiros que revelam o
conteúdo dessas cenas perdidas; elas estavam deterioradas além do recuperável no negativo
encontrado na Argentina.

Não consegui encontrar essa versão à venda ou disponível em serviços de streaming


brasileiros… Porém, no canal Classic Film Channel, no YouTube, a última versão, com
legendas em inglês, pode ser assistida. Noventa anos depois e para além da sua importância
histórica e enorme influência cultural, mais do que um marco da ficção científica e um
representante do ápice do cinema mudo, Metropolis continua sendo um filme muito legal.

SPOILERS!

Quando filmou Metrópolis (1927), Fritz Lang já tinha grande importância para a então jovem
história do cinema, com longas como As Aranhas (1919 – 1920), A Morte Cansada (1921),
Dr. Mabuse, o Jogador (1922) e Os Nibelungos (saga dividia em A Morte de Siegfried e A
Vingança de Kriemhilde, ambos de 1924).

Após o lançamento da segunda parte de Os Nibelungos, Lang foi enviado para os Estados
Unidos pela UFA (estúdio para o qual trabalhava), ao lado do produtor Erich Pommer e de
uma pequena equipe técnica, para aprender técnicas de produção e comprar equipamentos
modernos – estamos falando de 1924 –. Enquanto Lang viajava, sua esposa, Thea von
Harbou, desenvolvia o roteiro para uma ideia sobre a qual os dois haviam pensado em filmar,
uma história baseada em um cenário ditatorial futurístico onde as máquinas dominavam as
pessoas e também o seu modo de vida. Emprestando motivos de Frankenstein (Mary Shelley,
1818) e When The Sleeper Wakes (H. G. Wells, 1899), Harbou e Lang terminaram o roteiro
ainda em 1924, e o remeteram à UFA, que confiante na reputação de Lang e na eficiência do
período que ele passou nos Estados Unidos (visitando também Hollywood), aprovou o alto
orçamento para a produção do filme.

As filmagens de Metrópolis começaram em 22 de maio de 1925 e terminaram em 30 de


outubro de 1926. Em termos estéticos e temáticos, o filme era absolutamente monumental.

Para a imagem geral da cidade, Lang inspirou-se na visão que teve dos arranha-céus de Nova
York e pediu para que o desenhista de produção, Erich Kettelhut, esboçasse cenários baseados
nas descrições do roteiro e da novelização que Harbou escrevia em paralelo, material que foi
primeiramente lançando em partes na revista Illustrierte Blatt, de Frankfurt (1925), e
posteriormente publicado em livro.

Metrópolis é uma gigante cidade com um sistema de organização social e trabalhista bastante
comum ao que conhecemos no capitalismo pós-Primeira Revolução Industrial (1750), porém,
com funcionamento estilizado e dramatizado em favor da arte. Por ser um lugar marcado pelo
mais alto nível tecnológico (a ambientação do longa é em 2026), Metrópolis tem uma
superfície que é um verdadeiro sonho. Prédios gigantes, aviões circulando edifícios, pontes
quilométricas, luzes, carros, urbanização. É uma espécie de “centro do mundo” onde o
engenho humano parece ter alcançado o seu ponto máximo. Seu esquema de organização é
dual. Nas mais altas torres e no Jardim dos Prazeres, os Mestres e seus filhos, as cabeças da
cidade. Nas profundezas, os operários e seus filhos, as mãos que fazem tudo funcionar.

Quando Freder avista Maria pela primeira vez temos o momento-chave do filme. Antes
mesmo de ter a alucinação com a máquina/Moloch (a verdadeira face das engrenagens de
Metrópolis), Freder se dá conta de que faz parte de um “plano” maior. Ele vê os ‘irmãos’ dele,
com atenção, pela primeira vez. É como este fosse o momento em que ele se definisse como o
Messias.

Perceba a constituição dos quadros. Luz quase uniforme, localizada na fonte, para o quaro de
Freder; bordas difusas e filtro para o quadro de Maria. A indicação a diferença também pode
ser vista a partir do figurino do rapaz, o único a vestir seda inteiramente branca em seu
quadro. Perceba como a colocação dele no quadro da esquerda se liga com a colocação de
Maria no quadro da direita. O mesmo vale para a equivalência dos que rodeiam cada um.

O roteiro de Lang e Harbou é claramente marcado pelo épico literário, com grandes
sequências desenvolvidas até certo ponto e em seguida a retomada de outra ação dramática,
até completar um ciclo narrativo que se reinicia, já com a história avançada. Como o filme foi
criminosamente picotado após a sua estreia devido ao fracasso de bilheteria, não podemos
apostar todas as fichas no encadeamento rigoroso do enredo porque sabemos que faltam
muitas cenas. Mesmo com a restauração lançada em 2010 (duração de 2h 33min.), já
adicionado o material encontrado na Argentina dois anos antes e a trilha sonora original de
Gottfried Huppertz, temos uns buracos que, embora não nos impeça de entender a fita,
impedem que a apreciemos em sua totalidade e com todos os detalhes pensados e filmados
pelo diretor.

A primeira coisa que vemos em Metrópolis é o seu título feito pela junção de luzes, como se
fosse um filme abstrato. Em seguida temos o desenho da cidade, também cheia de luzes e já
em toda sua majestosa arquitetura, mista de Bauhaus e art déco. passamos então para
máquinas em pleno funcionamento, quase em estilo documental (os fotógrafos tiraram a ideia
de dois filmes de Eisenstein, ambos lançados em 1925: A Greve e O Encouraçado Potemkin),
os relógios marcando tempos diferentes — o turno de 10 horas e a hora real — e então os
trabalhadores cabisbaixos e andando como máquinas, saindo e entrando das profundezas, uma
sequência que inspiraria Chaplin ao realizar Tempos Modernos (1936).

Na alucinação de Freder, a máquina se transforma em um deus-monstro, que engole os


trabalhadores. É o sacrifício constante e necessário que provavelmente seria “mais um”, caso
Freder não o tivesse visto. O cenário aqui foi inspirado no épico Cabíria (Giovanni Pastrone,
1914).

Mas a história não é centrada unicamente na dominação da tecnologia e alienação máxima


dos trabalhadores e dos mestres. Há um fortíssimo conteúdo político e ideológico no longa e
um leque de visões podem e foram aplicadas a ele ao longo dos anos, visões que dão a
Metrópolis o status temático de crítica ao Fascismo; referências ao Comunismo (ou pelo
menos às ideias de organização de classes sociais pregadas por Marx e Engels); Cristianismo
e Messianismo, focados de forma irônica na pessoa do bom burguês, representado por Freder;
e a dualidade entre Feminismo e Machismo, ao menos nas visões diferentes que temos de
Maria ao longo do filme — muito embora eu particularmente rejeite a ideia de que uma das
Marias seja arquétipo do feminismo. Nenhuma das duas possuem os requisitos básicos para
esse tipo de abordagem, sendo, ambas as versões, a exploração de um caráter bíblico para a
mulher (ou seja, machista), posta como santa ou prostituta.

O maior exemplar de “fé + obras” que o escopo cristão do filme nos dá vem quando Freder
troca de vida. O Messias Freder, após ver seus irmãos, Maria e Moloch, troca de vida com o
trabalhador #11811. É uma espécie de batismo de fogo ou ritual de passagem. Antes de chegar
às catacumbas e ouvir o discurso pacifista de Maria, é necessário sofrer, ser esgotado ao
máximo. O martírio de Freder é como o de Cristo (coisa de Messias…). Percebam que Lang
dá essa impressão de crucificação através passagem dos ponteiros do relógio.

Por se tratar de um filme idealmente expressionista — consta que Metrópolis foi o último
filme do Expressionismo Alemão, mas há controvérsias, inclusive de minha parte, que vejo o
movimento de fato esgotado e terminado apenas em 1933, com O Testamento do Dr. Mabuse,
por sinal, também de Fritz Lang –, existe um grande exagero por parte da interpretação dos
atores, além de toda a gloriosa estilização dos cenários, a temática da loucura e do medo, e
uma direção de fotografia que dialoga com os sentimentos dos personagens através da forte
presença ou total ausência de luz, dinâmica que, em um filme preto e branco, tem impacto
realmente grande.

Isolado e meio (?) louco, Rotwang leva Joh Fredersen para o local onde está o robô que, mais
adiante, terá um papel central na narrativa. Repare na compensação de equilíbrio dos quadros
e no pentagrama invertido atrás do robô (Homem-Máquina/Hel/Maria II), símbolo que abre
espaço para um sem-número de teorias da conspiração místicas a respeito de Rotwang e do
filme como um todo.

Na sequência com Rotwang perseguindo Maria (com quadros absurdamente belos e bem
pensados em termos fotográficos e dramáticos), há destaque para a escuridão e pontos de luz
em favor da surpresa da personagem e do público.

Ao longo da projeção, somos brindados com temáticas duais e simbolismos a perder de vista.
Cada um desses elementos são usados pelo diretor para impulsionar uma parte da trama, como
a dualidade entre o Jardim dos Prazeres e o fim do expediente dos operários; a Cidade das
Máquinas (que possui um desenho de produção simplesmente genial, funcionando como um
corpo humano – percebam a ironia –, com órgãos de diferentes tamanhos, funções diferentes e
espalhados de maneira “caoticamente organizada” pelo espaço) e o cabaré Yoshiwara.
Também vale colocarmos aqui o padrão arquitetônico baixo e simples das casas dos operários
e a grandeza da cidade à superfície, representada principalmente pela Torre de Babel com suas
cinco pontas.

A inesquecível transformação do robô em Maria é uma das cenas antológicas do cinema. Uma
sequência com muitos planos médios e gerais mostrando pontos diferentes do laboratório de
Rotwang e o andamento do “experimento”. Esse tipo de organização cênica será um padrão
para os filmes que possuem cenas em laboratórios.

A primorosa montagem foi responsável por esta beleza: a passagem cativante do rosto do robô
para o rosto de Maria. Mesmo séria, perceba que o rosto desta Maria é completamente
diferente da Maria I. A maquiagem e a iluminação dão uma impressão completamente
diferente. Potencialmente sexy e dominadora, embora aparentemente pacífica.

Outras construções simbólicas e representações podem ser percebidas através dos figurinos,
mesmo os da classe social dos mestres; e das alucinações de Freder, a primeira, com a
máquina se transformando em Moloch – o deus amonita para o qual as crianças eram
sacrificadas sendo jogadas no fogo. A alucinação mostra a Freder a verdadeira cara de
Metrópolis, cobrando o preço de vidas nas profundezas para manter as luzes e os prazeres na
superfície –; e a segunda e mais sensacional, a visão da morte acompanhada dos sete pecados
capitais que ganham vida quando a Maria/Hel/Homem-máquina aparece pela primeira vez no
Yoshiwara e semeia a morte entre os filhos dos mestres, até então, amigos.

“A falsa Maria dança” é ma das melhores sequências do filme, definitivamente. Inteligente


alternância entre quadros “limpos” e quadros “poluídos” (choque de composição
extremamente eficiente neste contexto), oportuna mudança de ângulo, proximidade e alcance
dos planos. Perceba como a iluminação da falsa Maria é trabalhada pontualmente enquanto a
dos homens no cabaré Yoshiwara é uniforme. O quadro com os muitos olhos (sensacional!)
foi feito com os fotógrafos rebobinando o filme até certo ponto e então filmando take sobre
take de olhos em primeiríssimo plano. Não se trata, portanto, de um trabalho de montagem
externa, mas interna.

O complemento dramático para a dança da falsa Maria vem com a volta do sermão
apocalíptico, dando-lhe a nomenclatura de Besta e causando um colapso nervoso no já frágil
Freder.

E então, como contraponto, a falsa Maria prega para os trabalhadores. A manipulação das
massas aqui é patente. Os trabalhadores sequer questionam a mudança brusca de
comportamento da sua mentora. De pacifista, ela passa para revolucionária belicista. E tem
apoio imediato dos trabalhadores, todos inebriados, mental e sexualmente, pela mulher que os
guia à salvação, ou assim lhes parece.

O ponto mais interessante a ser discutido em termos de representação, no entanto, é a persona


de Rotwang, o inventor. Ideologicamente falando, ele é a colocação tipificada de Lang para o
povo judeu (é importante colocarmos os julgamentos de lado e lembrarmos que Lang deixou a
Alemanha no mesmo dia em que recebeu o convite pessoal de Joseph Goebbels para
representar as ideias do Partido Nazista). Com nariz proeminente, cabelos assanhados, casa
gótica no meio de uma giga-cidade tecnológica, autor de criações obscuras, ameaçador e
detentor de sabedoria impossível de se medir, o personagem traz o tipo físico, ideológico,
simbólico e satírico dos judeus, e é inclusive posto como o único “diferente” de toda a
organização social em duas classes de Metrópolis. Em termos culturais, ele é o “outro”, a
“minoria”.

E com a cidade afundando, temos o clímax do filme. Sequência poderosa, com ritmo interno e
externo invejáveis. A destruição da máquina principal, a inundação da cidade, a fuga das
crianças, o desespero dos adultos, tudo é interessante e bem dirigido, com uma finalização de
montagem de atrações que torna o eventos ainda mais intensos. O espectador se angustia pela
perspectiva de uma maior tragédia acontecer. Note também que o centro da praça onde o
gongo fica vai se preenchendo aos poucos. Maria se torna um ímã de salvação, a única
esperança das crianças.

E o desespero continua, com os trabalhadores correndo atrás de Maria, a bruxa. A questão


aqui é que eles não sabem que existem duas Marias e que estão correndo atrás da Maria
errada. Lang brinca com conceitos medievais (como já fizera com Rotwang) e modernos,
especialmente no quesito das revoluções/revoltas populares de caráter estúpido.

Mesmo que tenha um final um tantinho decepcionante — mas é possível ver um pouco de
ambiguidade ali! — Metrópolis é um filme para se apaixonar. Grandioso em cenários,
tecnicamente ousado e vanguardista — destaque para a direção de arte, fotografia e
montagem –, com uma trilha sonora sinfônica cujos temas são o corpo do filme, e uma
direção absolutamente precisa, o longa se tornou um marco da ficção científica e influência
direta ou indireta para inúmeros filmes do gênero, robôs das mais diversas categorias e
distopias urbanas. Uma espantosa e inesquecível obra-prima atemporal e imortal do cinema.

Resenha do filme Metropolis, feita por Diogo Tavares

Este filme é 4,5 estrelas****

Há muito tempo não assistia a um filme tão bom, este filme de 1927 dirigido por Fritz Lang,
preto e branco e mudo é magnífico comparado a superproduções mais recentes, mesmo hoje
se você assiste você fica emocionado. Os efeitos são impressionantes, únicos na época, à
trilha sonora a atuação dos artistas, existe um foco muito grande no olhar, característica
praticamente inexistente nos filmes atuais. Eu recomendo a todos é mais do que um filme uma
Obra-Prima da sétima arte.

Vou resumir um pouco a história. Em 2026 existe uma gigantesca cidade que de certa forma
representa o mundo todo onde a elite vive no paraíso e os pobres são escravos na cidade
baixa, mas a situação se inverte quando Freder, filho do chefe da Elite se apaixona pela líder
da revolução dos escravos, então um cientista que trabalha para o pai de Freder decide
transferir a alma de Maria, líder da revolução para o corpo de um robô, para que pudesse
controla-la e evitar a revolução, botando os escravos contra eles mesmos.

Metropolis, apesar de ser um filme antigo continua muito atual, isso só vem mostrar que o
mundo não mudou muito, pois o sistema regente ainda é o capitalismo, que apesar de não ser
uma ditadura, ainda é um sistema muito opressor e o filme mostra isso claramente, possui um
foco muito grande na desigualdade social e todos os seus aspectos destacando o fato da Elite
sempre viver por cima da maioria tento todos os benefícios possíveis e inimagináveis e a
classe pobre sendo oprimida no subterrâneo para manter o luxo da cidade alta. Isto ainda
acontece ainda hoje de forma indireta e muitas vezes imperceptível, um exemplo simples é o
um bilhão de pessoas que passam fome no mundo, sendo que a produção inteira de grãos do
Brasil tem potencial para alimentar todas as pessoas do mundo.

Ou seja, existe o suficiente para todos, mas como alguns querem ter mais do que outros,
muitos não podem ter nada esta é a triste realidade do mundo. E sempre foi assim, no filme às
pessoas eram escravizadas, hoje ainda somos escravizados, mas de forma imperceptível, aqui
no Brasil, por exemplo, a maior parte da população é obrigada a viver com apenas um salário
mínimo e para que a população ache que tem muito, no filme a bolsa “esmola” é a própria
Maria, pois os ricos tem tudo, mas não tem a Maria.