Você está na página 1de 248

Manual de referência

00809-0122-4007, Rev AB
Fevereiro de 2014

Transmissor de pressão Rosemount 3051


com protocolo selecionável do HART de 4 a 20 mA (Revisão 5 e 7)

www.rosemount.com
Transmissor de pressão Rosemount 3051

ADVERTÊNCIA
Leia este manual antes de trabalhar com o produto. Para garantir sua segurança, a segurança do
sistema e o desempenho ideal deste equipamento, entenda o conteúdo deste manual antes de
instalar, usar ou efetuar a manutenção deste produto.
Os contatos para assistência técnica estão relacionados abaixo:
Central do cliente
Dúvidas relativas a suporte técnico, orçamentos e pedidos.
Estados Unidos — 1-800-999-9307 (das 7h às 19h - horário da região central dos EUA)
Ásia-Pacífico — 65 777 8211
Europa/Oriente Médio/África — 49 (8153) 9390
Centro de respostas norte-americano
Necessidades de manutenção do equipamento.
1-800-654-7768 (24 horas — abrange o Canadá)
Fora dessas áreas, entre em contato com o representante local da Emerson Process Management.

CUIDADO
Os produtos descritos neste manual NÃO foram projetados para aplicações qualificadas como
nucleares. O uso de produtos não qualificados como nucleares em aplicações que exigem hardware
ou produtos qualificados como nucleares pode causar leituras imprecisas.
Para obter informações sobre produtos qualificados como nucleares, entre em contato com o
representante local da Emerson Process Management.
Manual de referência Índice
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Índice
1Seção 1: Introdução
1.1 Como utilizar este manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
1.2 Modelos abrangidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.2.1 Transmissor de pressão Coplanar™ Rosemount 3051C. . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.2.2 Transmissor de pressão em linha Rosemount 3051T. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.2.3 Transmissor de nível Rosemount 3051L. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.2.4 Medidor de vazão Rosemount série 3051CF . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2
1.3 Fluxograma de instalação HART . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.4 Visão geral do transmissor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.5 Suporte de manutenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.6 Reciclagem/descarte do produto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6

2Seção 2: Configuração
2.1 Visão geral de configuração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2.2 Mensagens de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
2.3 Disponibilidade do sistema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.3.1 Confirme o driver do dispositivo correto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.4 Configuração básica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
2.4.1 Configuração na bancada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
2.4.2 Ferramentas de configuração. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .10
2.4.3 Configuração do circuito como manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .12
2.5 Verifique a configuração. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .12
2.5.1 Verificação da configuração com o Comunicador de campo . . . . . . . . . . .12
2.5.2 Verificação da configuração com o AMS Device Manager . . . . . . . . . . . . .13
2.5.3 Verificação da configuração com a interface do operador local . . . . . . . .13
2.5.4 Verificação da configuração de variáveis do processo . . . . . . . . . . . . . . . . .13
2.6 Configuração básica do transmissor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .13
2.6.1 Configuração de unidades de pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .13
2.6.2 Configuração da saída do transmissor (Função de transferência) . . . . . . .14
2.6.3 Reajustar o transmissor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .16
2.6.4 Amortecimento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .19
2.7 Configuração do mostrador LCD. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .20
2.8 Configuração detalhada do transmissor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .21
2.8.1 Configuração dos níveis de alarme e saturação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .21
2.8.2 Configuração de alertas do processo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .22

Índice I
Índice Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

2.8.3 Configurar a variável com escala . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .23


2.8.4 Remapeamento das variáveis do dispositivo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .26
2.9 Configurar os diagnósticos do transmissor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .28
2.9.1 Configurar o diagnóstico de consultoria de alimentação . . . . . . . . . . . . . .28
2.10Realizar os testes do transmissor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .31
2.10.1Verificar o nível do alarme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .31
2.10.2Realizar um teste de circuito analógico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .31
2.10.3Simulação das variáveis do dispositivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .32
2.11Configurar o modo burst . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .33
2.12Estabelecer comunicação multiponto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .35
2.12.1Alteração do endereço do transmissor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .36
2.12.2Comunicação com um transmissor multiponto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .36

3Seção 3: Instalação de hardware


3.1 Visão geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .37
3.2 Mensagens de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .37
3.3 Considerações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .38
3.3.1 Considerações de instalação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .38
3.3.2 Considerações ambientais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .39
3.3.3 Considerações mecânicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .39
3.3.4 Considerações da faixa de medição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .39
3.4 Procedimentos de Instalação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .40
3.4.1 Monte o transmissor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .40
3.4.2 Tubulação de impulso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .46
3.4.3 Conexões do processo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .48
3.4.4 Conexão de processo em linha. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .49
3.5 Manifolds Rosemount 305, 306 e 304 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .51
3.5.1 Procedimento de instalação do manifold integral Rosemount 305 . . . . .52
3.5.2 Procedimento de instalação do manifold integral Rosemount 306 . . . . .52
3.5.3 Procedimento de instalação do manifold convencional Rosemount 304 53
3.5.4 Operação do manifold . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .53

4Seção 4: Instalação elétrica


4.1 Visão geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .57
4.2 Mensagens de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .57
4.3 Display LCD . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .58
4.3.1 Mostrador LCD/LOI giratório . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .58

II Índice
Manual de referência Índice
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

4.4 Configurar a segurança do transmissor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .59


4.4.1 Configuração do interruptor de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .59
4.4.2 Travamento do HART. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .60
4.4.3 Travamento do botão de configuração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .60
4.4.4 Senha da interface local do operador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .61
4.5 Configuração do alarme do transmissor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .61
4.6 Considerações elétricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .62
4.6.1 Instalação de conduítes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .62
4.6.2 Fonte de alimentação para HART de 4-20 mA. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .63
4.6.3 Fiação do transmissor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .63
4.6.4 Aterramento do transmissor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .64

5Seção 5: Operação e manutenção


5.1 Visão geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .69
5.2 Mensagens de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .69
5.2.1 Advertências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .69
5.3 Tarefas de calibração recomendadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .70
5.4 Visão geral da calibração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .70
5.4.1 Determinar os ajustes necessários do sensor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .71
5.4.2 Determinação da frequência de calibração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .72
5.4.3 Compensação para Efeitos de pressão de linha de amplitude
(faixa 4 e faixa 5) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .73
5.5 Ajuste o sinal de pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .74
5.5.1 Visão geral do ajuste do sensor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .74
5.5.2 Executar um ajuste de sensor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .75
5.5.3 Restaurar ajuste de fábrica — Ajuste do sensor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .77
5.6 Ajuste da saída analógica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .78
5.6.1 Realizar ajuste de digital para analógico
(ajuste de saída de 4 a 20 mA) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .79
5.6.2 Realizar ajuste de digital para analógico (ajuste de saída de 4 a 20 mA)
usando outra escala . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .80
5.6.3 Restaurar ajuste de fábrica — saída analógica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .80
5.7 Comutar a revisão do HART . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .81
5.7.1 Alterar a revisão do HART com o Menu genérico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .81
5.7.2 Alterar a revisão do HART com o Comunicador de campo . . . . . . . . . . . . .82
5.7.3 Alternar a revisão do HART com o AMS Device Manager . . . . . . . . . . . . . .82
5.7.4 Alterar a revisão do HART com a Interface local do operador. . . . . . . . . . .82

Índice III
Índice Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

6Seção 6: Solução de problemas


6.1 Visão geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .83
6.2 Mensagens de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .83
6.2.1 Advertências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .84
6.3 Mensagens de diagnóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .86
6.3.1 Mensagem de diagnóstico: falhou — resolver agora. . . . . . . . . . . . . . . . . . .86
6.3.2 Mensagem de diagnóstico: Manutenção — Resolver em breve . . . . . . . . .87
6.3.3 Mensagem de diagnóstico: Informativo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .88
6.4 Procedimentos de desmontagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .90
6.4.1 Remoção do serviço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .90
6.4.2 Remoção do bloco terminal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .90
6.4.3 Remoção da placa de circuitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .91
6.4.4 Remoção do módulo do sensor do invólucro dos componentes
eletrônicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .91
6.5 Procedimentos para montar novamente. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .92
6.5.1 Conexão da placa de componentes eletrônicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .92
6.5.2 Instalação do bloco de terminais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .93
6.5.3 Remontagem do flange de processo do 3051C . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .93
6.5.4 Instalação da válvula de dreno/respiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .94

7Seção 7: Requisitos dos sistemas de instrumentação de


segurança
7.1 Certificação dos sistemas instrumentados de segurança (SIS) . . . . . . . . . . . . . . .95
7.1.1 Identificação certificada quanto à segurança do 3051 . . . . . . . . . . . . . . . .95
7.1.2 Instalação em aplicações do SIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .95
7.1.3 Configuração em aplicações do SIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .96
7.1.4 Operação e manutenção do SIS 3051 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .97
7.1.5 Inspeção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .99

AAnexo A: Especificações e dados de referência


A.1 Especificações de desempenho. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
A.1.1 Conformidade com a especificação (±3s [sigma]) . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
A.1.2 Precisão de referência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
A.1.3 Desempenho de fluxo - Precisão da referência de fluxo . . . . . . . . . . . . . 103
A.1.4 Desempenho total . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
A.1.5 Estabilidade a longo prazo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
A.1.6 Desempenho dinâmico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104

IV Índice
Manual de referência Índice
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

A.1.7 Efeito de pressão da linha por 6,9 MPa (1000 psi) . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
A.1.8 Efeito da temperatura ambiente por 28 °C (50 °F) . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
A.1.9 Efeito da posição de montagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
A.1.10Efeito de vibração. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
A.1.11Efeitos da fonte de alimentação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
A.1.12Compatibilidade eletromagnética (EMC) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
A.1.13Proteção contra transientes (código de opção T1) . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
A.2 Especificações funcionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
A.2.1 Operação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
A.2.2 Limites de faixa e sensores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
A.3 4—20 mA (código de saída A) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
A.3.1 Limites de sobrepressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
A.3.2 Limite de pressão estática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
A.3.3 Limites de pressão de ruptura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
A.3.4 Alarme de modo de falha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
A.3.5 Limites de temperatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
A.3.6 Limites de umidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
A.3.7 Tempo para ativação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
A.3.8 Deslocamento volumétrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
A.3.9 Amortecimento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
A.4 Especificações físicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
A.4.1 Conexões do processo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
A.4.2 Peças que entram em contato com o processo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
A.4.3 Partes úmidas do processo do Rosemount 3051L . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
A.4.4 Partes não molhadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
A.4.5 Pesos para transporte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
A.5 Desenhos dimensionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
A.6 Informações para pedidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
A.6.1 Transmissor de pressão Coplanar Rosemount 3051C . . . . . . . . . . . . . . . 128
A.6.2 Transmissor de pressão em linha Rosemount 3051T. . . . . . . . . . . . . . . . 136
A.6.3 Medidor de vazão Rosemount série 3051CF . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
A.6.4 Transmissor de nível Rosemount 3051L. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
A.7 Opções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168
A.8 Peças de reposição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173

Índice V
Índice Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

BAnexo B: Certificações do produto


B.1 Visão geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185
B.2 Mensagens de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185
B.2.1 Advertências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
B.3 Instalação de sistemas instrumentados de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
B.4 Certificações do produto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
B.4.1 Locais de fabricação aprovados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
B.4.2 Informações sobre as diretrizes europeias. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187
B.4.3 Certificação de localização ordinária das aprovações da Factory
Mutual (FM) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187
B.5 Certificações para áreas classificadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187
B.5.1 Certificações norte-americanas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187
B.5.2 Certificações europeias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188
B.5.3 Certificações japonesas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
B.5.4 Certificações IECEx . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
B.5.5 Certificações Inmetro. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
B.5.6 Certificações da China . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
B.5.7 Combinações de certificações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
B.6 Desenhos de aprovação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
B.6.1 Factory mutual 03031-1019. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
B.6.2 Canadian standards association (CSA) 03031-1024 . . . . . . . . . . . . . . . . 207

CAnexo C: Árvores do menu do comunicador de campo


e teclas de atalho
C.1 Árvores do menu do comunicador de campo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217
C.2 Teclas de atalho do comunicador de campo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 227

DAnexo D: Interface local do operador


D.1 Árvore do menu da LOI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 229
D.2 Árvore do menu da LOI — Menu estendido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231
D.3 Entrada de número . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 233
D.4 Entrada de texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 234

VI Índice
Manual de referência Seção 1: Introdução
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Seção 1 Introdução

Como utilizar este manual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 1


Modelos abrangidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 2
Fluxograma de instalação HART . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 3
Visão geral do transmissor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 4
Suporte de manutenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 5
Reciclagem/descarte do produto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 6

1.1 Como utilizar este manual


As seções deste manual fornecem informações sobre a instalação, operação e manutenção do
Rosemount 3051. As seções estão organizadas da seguinte forma:

Seção 2: Configuração oferece instruções sobre a preparação e a operação dos transmissores


Rosemount 3051. Também constam informações sobre funções do software, parâmetros de
configuração e variáveis on-line.

Seção 3: Instalação de hardware contém instruções sobre instalação mecânica e opções de


atualização em campo.

Seção 4: Instalação elétrica contém instruções sobre instalação elétrica e opções de atualização
em campo.

Seção 5: Operação e manutenção oferece informações detalhadas sobre como calibrar e alterar
as revisões do HART.

Seção 6: Solução de problemas fornece técnicas de solução dos problemas operacionais mais
comuns.

Seção 7: Requisitos dos sistemas de instrumentação de segurança fornece informações de


identificação, instalação, configuração, operação e manutenção, e inspeção para sistemas
instrumentados de segurança.

Anexo A: Especificações e dados de referência fornece especificações e dados de referência,


além de informações sobre pedidos.

Anexo B: Certificações do produto contém informações de aprovação de segurança intrínseca,


informações sobre diretrizes europeias ATEX e desenhos para aprovação.

Anexo C: Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho fornece árvores de


menu completas e sequencias abreviadas de teclas de atalho para tarefas de preparação.

Anexo D: Interface local do operador fornece árvores de menu detalhadas da LOI.

Introdução 1
Seção 1: Introdução Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

1.2 Modelos abrangidos


Os seguintes transmissores de pressão Rosemount 3051 são abrangidos neste manual:

1.2.1 Transmissor de pressão Coplanar™ Rosemount 3051C


 Mede a pressão manométrica e diferencial até 137,9 bar (2000 psi).
 Mede a pressão absoluta até 275,8 bar (4000 psia)

1.2.2 Transmissor de pressão em linha Rosemount 3051T


 Mede a pressão manométrica/absoluta até 689,5 bar (10000 psi).

1.2.3 Transmissor de nível Rosemount 3051L


 Mede a gravidade específica e nível até 20,7 bar (300 psi).

1.2.4 Medidor de vazão Rosemount série 3051CF


 Mede os tamanhos em linha dos fluxos de 15 mm (1/2-pol.) até 2400 mm (96-pol.).

Observação
Para o Rosemount 3051 com FOUNDATION™ Fieldbus, consulte o Manual do Produto do
Rosemount 00809-0122-4774. Para o Rosemount 3051 com Profibus PA, consulte o Manual do
Produto do Rosemount 00809-0122-4797.

2 Introdução
Manual de referência Seção 1: Introdução
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

1.3 Fluxograma de instalação HART

Figura 1-1. Fluxograma de instalação HART

COMECE AQUI

Calibração
em bancada? Não
Instalação em campo

Sim

Configurar segurança
Configurar para Configurar para Configurar para e alarme
Pressão Nível Fluxo Verifique (página 59)

Monte o transmissor
Defina as Configurar a Configurar a (página 40)
variável com variável com Revise a configuração
unidades do transmissor
(página 13) escala escala
(página 23) (página 23) (página 12)

Verifique a conexão
do processo
(página 48)
Defina os pontos Definir a variável Definir a variável
da faixa escalada para VP escalada para VP Aplique pressão
(página 16) (página 23) (página 26)
Transmissor com fio
(página 63)

Selecionar saída
linear
(página 14) Dentro das Transmissor de
especificações? Sim alimentação
(página 63)

Defina o Não
Confirme a
amortecimento configuração do
(página 19) transmissor
(página 12)
Consulte a Seção 5:
Operação e
manutenção.

Ajuste o transmissor
(página 74)

Concluído

Introdução 3
Seção 1: Introdução Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

1.4 Visão geral do transmissor


O design Coplanar Rosemount 3051C é oferecido para as medidas de Pressão Diferencial (DP),
Pressão Manométrica (GP) e Pressão absoluta (AP). O Rosemount 3051C utiliza a tecnologia de
sensor de capacitância para medições de DP e GP. O Rosemount 3051T e 3051CA utilizam a
tecnologia de sensor piezorresistivo para medições de AP e GP.
Os principais componentes do Rosemount 3051 são o módulo do sensor e o invólucro dos
componentes eletrônicos. O módulo do sensor contém o sistema de sensor enchido com óleo
(diafragmas de isolamento, sistema de enchimento de óleo e sensor) e os componentes
eletrônicos do sensor. Os componentes eletrônicos do sensor são instalados no módulo do sensor
e incluem um sensor de temperatura, um módulo de memória e o conversor de sinal analógico
para digital (conversor A/D). Os sinais elétricos do módulo do sensor são transmitidos para os
componentes eletrônicos de saída no invólucro eletrônico. O invólucro eletrônico contém a placa
de circuitos de saída, os botões opcionais de configuração externa e o bloco de terminais.
O diagrama de blocos básico do Rosemount 3051CD é ilustrado na Figura 1-3 na página 5.
Para o Rosemount 3051, a pressão é aplicada ao(s) diafragma(s) de isolamento. O óleo deflete o
sensor que, em seguida, altera sua capacitância ou sinal de voltagem. Esse sinal é então alterado
para um sinal digital pelo Processamento de sinal. Em seguida, o microprocessador leva o sinal
do Processamento de sinal e calcula a saída correta do transmissor. Esse sinal é enviado para o
conversor D/A, que converte o sinal novamente no sinal analógico e, em seguida, superpõe o
sinal HART à saída de 4-20 mA.
Um LCD opcional pode ser solicitado, para se conectar diretamente à placa da interface que
mantém o acesso direto aos terminais de sinal. O mostrador indica mensagens de saída e de
diagnóstico abreviado. Uma tampa de mostrador de vidro é fornecida. Para a saída HART de
4-20 mA, o mostrador LCD possui duas linhas. A primeira linha exibe o valor medido real e a
segunda linha, de seis caracteres, exibe as unidades de engenharia. O LCD também pode exibir
mensagens de diagnóstico.

Observação
O mostrador LCD utiliza um mostrador de caracteres de 5x6 e pode exibir mensagens de
diagnóstico e saída. O monitor LOI usa um mostrador de caracteres de 8x6 e pode exibir
mensagens de diagnóstico, saída e telas de menu da LOI. O mostrador da LOI vem com 2 botões
equipados na parte frontal da placa do mostrador. Consulte Figura 1-2.

Figura 1-2. Mostrador LCD/LOI

Mostrador LCD Mostrador LOI

4 Introdução
Manual de referência Seção 1: Introdução
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Figura 1-3. Diagrama de blocos da operação

A B C

Processamento de
sinal
Microprocessador
Conversão de
Linearização do sensor sinais digitais
Memória do módulo Reajustes de faixa para
Sensor de do sensor
temp. Amortecimento analógicos
Diagnóstico
Unidades de engenharia
Comunicação
Comunicação digital

Memória
Configuração

D
A. Módulo do sensor
B. Placa de componentes eletrônicos
C. Sistema de controle de sinal de 4—20 mA
D. Comunicador de campo

1.5 Suporte de manutenção


Nos Estados Unidos, ligue para o Centro de respostas para instrumentos e válvula da Emerson
Process Management usando o número de ligação gratuita 1-800-654-RSMT (7768). Este
centro, disponível 24 horas por dia, ajudará com qualquer informação ou material necessário.

O centro solicitará os números de série e de modelo do produto e fornecerá um número de RMA


(Return Material Authorization, autorização de devolução de material). O centro também
perguntará a qual material do processo o produto foi exposto recentemente.

Para consultas fora dos Estados Unidos, entre em contato com o representante mais próximo da
Emerson Process Management para obter instruções.

Para acelerar o processo de devolução fora dos Estados Unidos, entre em contato com o
representante mais próximo da Emerson Process Management.

Introdução 5
Seção 1: Introdução Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

CUIDADO
As pessoas que trabalham com os produtos expostos a substâncias classificadas podem
evitar danos se conhecerem e entenderem o perigo. O produto que está sendo devolvido
exigirá uma cópia da Folha de dados de segurança do material (MSDS), já que cada
substância deve ser incluída com os produtos devolvidos.

Os representantes do Centro de respostas para instrumentos e válvula da Emerson Process


Management fornecerão outras informações e explicarão os procedimentos necessários para a
devolução de produtos expostos a substâncias classificadas.

1.6 Reciclagem/descarte do produto


A reciclagem do equipamento e da embalagem deve ser levada em conta e realizada em
conformidade com as normas/leis locais e nacionais.

6 Introdução
Manual de referência Seção 2: Configurar
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Seção 2 Configuração

Visão geral de configuração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 7


Mensagens de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 7
Disponibilidade do sistema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 8
Configuração básica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 9
Verifique a configuração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 12
Configuração básica do transmissor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 13
Configuração do mostrador LCD . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 20
Configuração detalhada do transmissor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 21
Configurar os diagnósticos do transmissor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 28
Configurar o modo burst . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 33
Estabelecer comunicação multiponto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 35

2.1 Visão geral de configuração


Esta seção contém informações sobre a preparação e tarefas que devem ser realizadas na
bancada antes da instalação, bem como as tarefas realizadas após a instalação, conforme
descrito em “Configurar os diagnósticos do transmissor” na página 28.

As instruções do Comunicador de campo, AMS Device Manager, e da Interface local do operador


(LOI) são fornecidas para realizar as funções de configuração. Para maior conveniência, os
atalhos do teclado do Comunicador de campo são marcados como “Teclas e atalho” e os menus
abreviados da LOI são fornecidos para cada função abaixo.

Todas as árvores do menu do Comunicador de campo e atalhos do teclado estão disponíveis em


Anexo C: Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho. As árvores de menu da
Interface local do operador estão disponíveis em Anexo D: Interface local do operador.

2.2 Mensagens de segurança


Os procedimentos e instruções desta seção podem exigir precauções especiais para garantir a
segurança da equipe que executa as operações. As informações que destacam possíveis
problemas de segurança são indicadas por um símbolo de advertência ( ). Consulte as
mensagens de segurança a seguir antes de executar uma operação precedida por este símbolo.

Configuração 7
Seção 2: Configurar Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

ADVERTÊNCIA
Explosões podem causar mortes ou ferimentos graves:
A instalação do transmissor em um ambiente explosivo deve ser feita de acordo com as
normas, códigos e práticas municipais, nacionais e internacionais. Leia com atenção a seção
de aprovações do manual de referência do modelo 3051 para obter informações sobre as
restrições associadas à instalação segura do equipamento.
 Antes de conectar um Comunicador de campo em uma atmosfera explosiva,
certifique-se de que os instrumentos do circuito estão instalados de acordo com
práticas de ligação elétrica em campo intrinsecamente seguras ou antideflagrantes.
 Em uma instalação à prova de explosão/chamas, não remova a tampa do transmissor
quando a unidade estiver energizada.
Os vazamentos do processo podem causar ferimentos ou morte.
 Instale e aperte os conectores do processo antes de aplicar pressão.
Choques elétricos podem causar morte ou ferimentos graves.
 Evite o contato com os condutores e os terminais. A alta tensão que pode estar
presente nos condutores pode provocar choque elétrico.

2.3 Disponibilidade do sistema


 Se estiver usando sistemas de gerenciamento de ativos ou controle baseados em HART,
confirme a capacidade HART desses sistemas antes da preparação e instalação. Nem
todos os sistemas podem comunicar-se com os dispositivos HART de revisão 7.
 Para obter instruções sobre a alteração da revisão HART do transmissor, consulte
“Comutar a revisão do HART” na página 81.

2.3.1 Confirme o driver do dispositivo correto


 Verifique se o último driver do dispositivo (DD/DTM) foi carregado em seus sistemas
para garantir as comunicações adequadas.

1. Faça o download do DD mais recente em www.emersonprocess.com ou


www.hartcomm.org.

2. No menu suspenso Pesquisar por membro, selecione a unidade de negócios Rosemount da


Emerson Process Management.

3. Selecione o produto desejado


a. Na Tabela 2-1, use os números de revisão do dispositivo e revisão universal de HART
para encontrar o driver do dispositivo correto

8 Configuração
Manual de referência Seção 2: Configurar
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Tabela 2-1. Revisões e arquivos do dispositivo Rosemount 3051


Identifique o Localize o driver do Revise as Revise o
dispositivo dispositivo instruções recurso
Data da Revisão de Revisão de Revisão Número do Alterações
versão do software software HART Revisão do documento do no
software NAMUR(1) HART(2) Universal dispositivo(3) manual software
7 10 Consulte a
nota de
rodapé
Abril de (4)
1.0.0 01 00809-0122-4007 para
2012 5 9 obter a
lista de
alterações.
Janeiro de
N/D 178 5 3 00809-0122-4001 N/D
1998
(1)

(1) A revisão de software NAMUR está localizada na etiqueta do hardware do dispositivo.


(2) A revisão de software NAMUR pode ser lida com uma ferramenta de configuração com capacidade de HART.
(3) Os nomes de arquivo do driver do dispositivo usam revisão de dispositivo e DD, por exemplo, o protocolo HART 10_01. foi projetado
para possibilitar que as revisões do driver do dispositivo preexistente continuem em comunicação com novos dispositivos HART. Para
acessar novos recursos, deve-se fazer download do novo driver do dispositivo. É recomendado fazer download dos arquivos do novo
driver do dispositivo para garantir todos os recursos.
(4) Revisão HART 5 e 7 selecionável, diagnóstico de alimentação, certificado quanto à segurança, interface do operador local, alertas do
processo, variável com escala, alarmes configuráveis, unidades de engenharia ampliadas.

2.4 Configuração básica


CUIDADO
Defina todos os ajustes de hardware do transmissor durante o comissionamento para evitar
expor os componentes eletrônicos do transmissor ao ambiente da fábrica após a instalação.

O Rosemount 3051 pode ser configurado antes ou depois da instalação. A configuração do


transmissor na bancada usando um comunicador de campo, AMS Device Manager ou interface
de local do operador (LOI) garante que todos os componentes do transmissor estejam em
condições de funcionamento antes da instalação. Verifique se o botão de segurança está
configurado na posição destravada ( ) para dar continuidade à configuração. Consulte
Figura 4-2 na página 59 para alterar o local.

2.4.1 Configuração na bancada


Para configurar na bancada, o equipamento necessário inclui uma fonte de alimentação e um
Comunicador de campo, AMS Device Manager ou uma LOI (opção M4). Faça a instalação
elétrica do equipamento como mostrado na Figura 2-1 abaixo. Para garantir a comunicação do
HART com sucesso, uma resistência de ao menos 250 s deve estar presente entre o
transmissor e a fonte de alimentação, consulte “Fonte de alimentação para HART de 4-20 mA”
na página 63 para mais detalhes. Conecte os fios do Comunicador de campo aos terminais
etiquetados como “COMM” no bloco de terminais.

Configuração 9
Seção 2: Configurar Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Figura 2-1. Fiação do transmissor

A.

B.
A. Fonte de VCC
B. RL 250 (necessário apenas para comunicação HART)

2.4.2 Ferramentas de configuração


Configuração com um Comunicador de campo
Há duas interfaces disponíveis com o Comunicador de campo: as interfaces Tradicional e Painel.
Todas as etapas que utilizam um Comunicador de campo serão descritas usando as interfaces
de Painel. Figura 2-2 na página 10 mostra a interface de Painel de dispositivos. Conforme
indicado em Seção 2.3-Disponibilidade do sistema, é essencial que os DDs mais recentes sejam
carregados no Comunicador de campo. Visite www.emersonprocess.com ou
www.hartcomm.org para fazer o download a biblioteca mais recente do DD.

Todas as árvores do menu do Comunicador de campo e atalhos do teclado estão disponíveis em


Anexo C: Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho.

Figura 2-2. Painel de dispositivos

3051 FT 45B
Online
1. Overview
2. Configure
3. Service Tools

SAVE

10 Configuração
Manual de referência Seção 2: Configurar
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Configuração com o AMS Device Manager


O recurso de configuração total com o AMS Device Manager requer o carregamento do
Descritor de Dispositivo (DD) atual desse dispositivo. Faça o download do DD mais recente em
www.emersonprocess.com ou www.hartcomm.org.

Observação
Todas as etapas que utilizam o AMS Device Manager serão descritas usando a versão 11.5.

Configuração com a interface local do operador


A LOI requer que o código de opção M4 seja solicitado. Para ativar a LOI pressione qualquer
botão de configuração. Os botões de configuração estão localizados no Mostrador LCD
(é preciso remover a tampa do invólucro para ter acesso) ou abaixo da etiqueta superior do
transmissor. Consulte Tabela 2-2 para obter a funcionalidade do botão de configuração e
Figura 2-3 para saber o local do botão de configuração. Ao usar a LOI para a configuração,
diversos recursos exigem várias telas para que a configuração tenha sucesso. Os dados inseridos
serão salvos tela a tela; a LOI indicará o salvamento quando a palavra “SALVO” piscar no
Mostrador LCD sempre que o salvamento ocorrer.

As árvores de menu da Interface local do operador estão disponíveis em Anexo D: Interface local
do operador.

Figura 2-3. Botões de configuração da LOI

A. Botões internos de configuração


B. Botões externos de configuração

Configuração 11
Seção 2: Configurar Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Tabela 2-2. Operação dos botões da LOI

Botão
Esquerdo Não ROLAR
Direito Sim ENTER

2.4.3 Configuração do circuito como manual


Sempre que enviar ou solicitar dados que possam afetar o circuito ou alterar a saída do
transmissor, configure o circuito da aplicação do processo para o controle manual.
O Comunicador de campo, AMS Device Manager ou a LOI solicitarão que você configure o
circuito no modo manual quando necessário. A instrução é apenas um lembrete; a confirmação
da instrução não configura o circuito no modo manual. É preciso configurar o circuito para o
modo de controle manual como uma operação distinta.

2.5 Verifique a configuração


Recomenda-se a verificação de vários parâmetros de configuração antes da instalação para o
processo. Os diversos parâmetros são detalhados para cada ferramenta de configuração.
Dependendo de quais forem as ferramentas de configuração disponíveis, siga as etapas
relevantes listadas para cada ferramenta.

2.5.1 Verificação da configuração com o Comunicador de campo


Os parâmetros de configuração listados em Tabela 2-3 devem ser revisados antes da instalação
do transmissor. Uma lista completa de parâmetros de configuração pode ser revisada e
configurada utilizando um Comunicador de campo localizado em Anexo C: Árvores do menu do
comunicador de campo e teclas de atalho.

Os atalhos do teclado do DD mais recente são mostrados na Tabela 2-3. Para obter os atalhos do
teclado para DDs preexistentes, entre em contato com o representante local da Emerson Process.

Tabela 2-3. Atalhos do teclado do painel de dispositivos 3051


Na tela INÍCIO, insira a sequência de teclas rápidas listada
Atalhos do teclado
Função HART 7 HART 5
Níveis de alarme e saturação 2, 2, 2, 5 2, 2, 2, 5
Amortecimento 2, 2, 1, 1, 5 2, 2, 1, 1, 5
Variável primária 2, 1, 1, 4, 1 2, 1, 1, 4, 1
Valores da faixa 2, 1, 1, 4 2, 1, 1, 4
Etiqueta 2, 2, 7, 1, 1 2, 2, 7, 1, 1
Função de transferência 2, 2, 1, 1, 6 2, 2, 1, 1, 6
Unidades 2, 2, 1, 1, 4 2, 2, 1, 1, 4

12 Configuração
Manual de referência Seção 2: Configurar
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

2.5.2 Verificação da configuração com o AMS Device Manager


Clique com o botão direito no dispositivo e selecione Propriedades de configuração no menu.
Navegue pelas guias para revisão dos dados de configuração do transmissor.

2.5.3 Verificação da configuração com a interface do operador


local
Pressione qualquer botão de configuração para ativar a LOI. Selecione EXIBIR CONFIG. para
revisar os parâmetros abaixo. Use os botões de configuração para navegar pelo menu. Os
parâmetros a serem revisados antes da instalação incluem:

 Etiqueta  Variável primária


 Unidades  Valores da faixa
 Função de transferência  Amortecimento
 Níveis de alarme e saturação

2.5.4 Verificação da configuração de variáveis do processo


Esta seção descreve como verificar se as variáveis de processo corretas estão selecionadas.

Verificação das variáveis de processo com um Comunicador de campo


Na tela INÍCIO, insira a sequência de teclas de atalho.

Teclas de atalho do painel de dispositivos 3, 2, 1

Verificação das variáveis do processo com o AMS Device Manager


Clique com o botão direito do mouse no dispositivo e selecione Visão Geral no menu.

1. Clique no botão Todas as variáveis para exibir as variáveis primária, secundária, terciária e
quaternária.

2.6 Configuração básica do transmissor


Esta seção apresenta as etapas necessárias para a configuração básica de um transmissor de
pressão. Ao instalar nas aplicações de fluxo de PD ou nível de PD, consulte “Configurar a variável
com escala” na página 23 para obter instruções de configuração.

2.6.1 Configuração de unidades de pressão


O comando de unidade de pressão define a unidade de medida da pressão informada.

Configuração 13
Seção 2: Configurar Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Configuração de unidades de pressão com um Comunicador


de campo
Na tela INÍCIO, insira a sequência de teclas de atalho.

Teclas de atalho do painel de dispositivos 2, 2, 1, 1, 4

Configuração de unidades de pressão com o AMS Device Manager


Clique com o botão direito no dispositivo e selecione Configurar.
1. Clique em Configuração manual e selecione as unidades desejadas no menu suspenso
Unidades de pressão.
2. Clique em Enviar quando concluir.

Configuração de unidades de pressão com uma Interface local


do operador
Siga Figura 2-4 na página 14 para selecionar as unidades de temperatura e pressão desejadas.
Use os botões de ROLAGEM e ENTER para selecionar a unidade desejada. Salve selecionando
SALVAR conforme indicado na tela LCD.

Figura 2-4. Selecionando unidades com a LOI

VIEW CONFIG UNITS PRESS UNITS


ZERO TRIM PRESS UNITS INH2O
UNITS TEMP UNITS MMHG
RERANGE BACK TO MENU CMHG0C
LOOP TEST EXIT MENU MHG0C
DISPLAY PSI
EXTENDED MENU PSF
EXIT MENU ATM
TORR
PA
KPA
...

2.6.2 Configuração da saída do transmissor (Função de transferência)


O 3051 tem duas configurações de saída: linear e raiz quadrada. Como mostrado em Figura 2-6
na página 15, a ativação das opções de raiz quadrada torna a saída analógica proporcional ao
fluxo e inclui um Corte de baixa vazão fixo de 5%.
No entanto, para aplicações de nível de PD e fluxo de PD, recomenda-se usar variáveis com
escala. Consulte “Configurar a variável com escala” na página 23 para obter instruções de
configuração.

Configuração de saída do transmissor com um Comunicador


de campo
Na tela INÍCIO, insira a sequência de teclas de atalho.

Teclas de atalho do painel de dispositivos 2, 2, 1, 1, 6

14 Configuração
Manual de referência Seção 2: Configurar
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Configuração de saída com o AMS Device Manager


Clique com o botão direito no dispositivo e selecione Configurar.

1. Clique em Configuração manual e escolha o tipo de saída de Função de transferência de


saída analógica e clique em Enviar.

2. Leia com atenção o alerta e clique em Sim, se for seguro aplicar as alterações.

Configuração de saída do transmissor com uma Interface local


do operador
Consulte Figura 2-5 na página 15 para selecionar uma função de transferência de raiz quadrada
ou linear usando a LOI.

Figura 2-5. Configurar a saída com a LOI


VIEW CONFIG EXTENDED MENU
ZERO TRIM CALIBRAT
UNITS DAMPING
RERANGE TRANSFER FUNCT TRANSFER FUNCT
LOOP TEST SCALED VARIAB LINEAR TRANSFER
DISPLAY ASSIGN PV FUNCTION
EXTENDED MENU TAG SQR ROOT TRANSFER
EXIT MENU ALARM SAT FUNCTION
VALUES BACK TO MENU
PASSWORD EXIT MENU
SIMLATE
HART REV
BACK TO MENU
EXIT MENU

Figura 2-6. Ponto de transição de saída de raiz quadrada do HART de 4-20 mA


20mA

A
B
4mA
0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100
B
C
% da %
entrada daInput
Pressure pressão

4mA
0 0,5
0.5 1
% Pressure Input
% da entrada da pressão

A. Curva de raiz quadrada


B. Ponto de transição de 5%
C. Ponto de transição de 4%

Configuração 15
Seção 2: Configurar Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

2.6.3 Reajustar o transmissor


O comando Valores da faixa define cada um dos valores analógicos de faixa superior e inferior
(pontos de 4 e 20 mA) para uma pressão. O ponto inferior representa 0% da faixa e o ponto
superior representa 100% da faixa. Na prática, os valores de faixa do transmissor podem ser
alterados sempre que necessário para refletir os requisitos de processo variáveis. Para obter uma
lista completa dos limites de faixa e sensor, consulte “Limites de faixa e sensores” na página 106.

Selecione um dos métodos abaixo para reajuste de faixa do transmissor. Cada método é
exclusivo; examine todas as opções em detalhe antes de decidir qual método funciona melhor
para seu processo.
 Reajuste configurando manualmente os pontos na faixa com um Comunicador de
campo, AMS Device Manager ou interface local do operador.
 Reajuste com uma fonte de entrada de pressão e um Comunicador de campo, AMS
Device Manager, Interface local do operador ou botões de amplitude e zero local.

Reajustar manualmente o transmissor inserindo os pontos na faixa


Inserir pontos na faixa com um Comunicador de campo
Na tela INÍCIO, insira a sequência de teclas de atalho.

Teclas de atalho do painel de dispositivos 2, 2, 2, 1

Inserir pontos na faixa com o AMS Device Manager


Clique com o botão direito no dispositivo e selecione Configurar:
1. Clique em Configuração manual e selecione Saída analógica.
2. Insira os valores superior e inferior da faixa na caixa Limites da faixa e clique em Enviar.
3. Leia com atenção o alerta e clique em Sim, se for seguro aplicar as alterações.

Inserir pontos na faixa com uma Interface local do operador


Consulte Figura 2-7 na página 16 para reajustar o transmissor usando a Interface local do
operador. Insira os valores usando os botões de ROLAGEM e ENTER.

Figura 2-7. Reajustar com a LOI


VIEW CONFIG RERANGE
ZERO TRIM ENTER VALUES ENTER VALUES
UNITS APPLY VALUES LRV
RERANGE BACK TO MENU URV
LOOP TEST EXIT MENU BACK TO MENU
DISPLAY EXIT MENU
EXTENDED MENU
EXIT MENU

Reajustar o transmissor com a fonte de pressão aplicada


O reajuste usando uma fonte de pressão aplicada é uma forma de reajustar o transmissor sem
inserir os pontos 4 e 20 mA específicos.

16 Configuração
Manual de referência Seção 2: Configurar
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Reajustar com uma fonte de pressão aplicada usando um Comunicador de campo


Na tela INÍCIO, insira a sequência de teclas de atalho.

Teclas de atalho do painel de dispositivos 2, 2, 2, 2

Reajustar com uma fonte de pressão aplicada usando o AMS Device Manager
Clique com o botão direito no dispositivo e selecione Configurar.

1. Selecione a guia Saída analógica

2. Clique no botão Faixa por aplicação de pressão e siga as instruções de faixa do transmissor
na tela.

Reajustar com uma fonte de pressão aplicada usando um Comunicador de campo


Use Figura 2-8 para reajustar manualmente o dispositivo usando uma fonte de pressão aplicada
com uma LOI.

Figura 2-8. Reajustar com a pressão aplicada usando a LOI


VIEW CONFIG RERANGE
ZERO TRIM ENTER VALUES
APPLY VALUES APPLY VALUES
UNITS
LRV
RERANGE BACK TO MENU
EXIT MENU URV
LOOP TEST
BACK TO MENU
DISPLAY
EXIT MENU
EXTENDED MENU
EXIT MENU

Reajustar com uma fonte de pressão aplicada usando os botões de amplitude e


zero local
Se solicitado, os botões de amplitude e zero local (código de opção D4) podem ser usados para
reajustar o transmissor com uma pressão aplicada. Consulte Figura 2-9 na página 18 para saber
a localização do botão de amplitude e zero analógico.

Para redefinir transmissor usando os botões de amplitude e zero, siga este procedimento:

1. Afrouxe o parafuso que prende a etiqueta superior do invólucro do transmissor. Gire a


etiqueta para expor os botões de zero e amplitude.

2. Confirme se o dispositivo tem botões de amplitude e zero local verificando o retentor azul
abaixo da etiqueta.

3. Aplique a pressão do transmissor.

4. Reajuste o transmissor.
a. Para alterar o zero (ponto de 4 mA) durante a manutenção da amplitude: pressione e
segure o botão de zero por, pelo menos, dois segundos e, em seguida, solte-o.
b. Para alterar a amplitude (ponto de 20 mA) durante a manutenção do ponto zero:
pressione e segure o botão de amplitude por, pelo menos, dois segundos e, em
seguida, solte-o.

Configuração 17
Seção 2: Configurar Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Observação
Os pontos de 4 mA e 20 mA devem ser mantidos com uma amplitude mínima definia no
Anexo A.2: Especificações funcionais.

Figura 2-9. Botões de zero analógico e amplitude

A. Botões de zero e amplitude


 Se a segurança do transmissor estiver ativada, não será possível fazer ajustes de zero e
amplitude. Consulte “Configurar a segurança do transmissor” na página 59 para obter
informações sobre segurança.
 A SPAN é mantida quando o ponto de 4 mA é definido. A SPAN é alterada quando o
ponto de 20 mA é definido. Se o ponto inferior da faixa for definido em um valor que
fizer o ponto superior da faixa ultrapassar o limite do sensor, o ponto superior da faixa
automaticamente será definido no limite do sensor, e a SPAN será ajustada conforme
necessário.
 A despeito dos pontos da faixa, o 3051 medirá e registrará todas as leituras dentro dos
limites digitais do sensor. Por exemplo, se os pontos de 4 e 20 mA forem definidos
como 0 e 10 pol.H2O e o transmissor detectar uma pressão de 25 pol.H2O, ele gera
digitalmente a leitura de 25 pol.H2O e uma leitura de faixa de 250%.

18 Configuração
Manual de referência Seção 2: Configurar
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

2.6.4 Amortecimento
O comando de amortecimento altera o tempo de resposta do transmissor; valores mais
elevados podem suavizar as variações de leituras de saída causadas pelas alterações de entradas
rápidas. Determine a configuração de amortecimento apropriada com base no tempo de
resposta necessário, na estabilidade do sinal e em outros requisitos da dinâmica de circuito do
sistema. O comando de amortecimento utiliza a configuração do ponto flutuante que permite
ao usuário inserir qualquer valor de amortecimento no intervalo de 0,0 a 60,0 segundos.

Ajuste com um Comunicador de campo


Na tela INÍCIO, insira a sequência de teclas de atalho.

Teclas de atalho do painel de dispositivos 2, 2, 1, 1, 5

Insira o Valor de amortecimento desejado e selecione APLICAR.

Amortecimento com o AMS Device Manager


Clique com o botão direito no dispositivo e selecione Configurar.

1. Selecione Configuração manual.

2. Na caixa Configuração de pressão, insira o valor de amortecimento desejado e clique em


Enviar.

3. Leia com atenção o alerta e clique em Sim, se for seguro aplicar as alterações.

Amortecimento com a interface local do operador


Consulte Figura 2-10 para inserir os valores de amortecimento usando uma LOI.

Figura 2-10. Amortecimento com a LOI


VIEW CONFIG EXTENDED MENU
ZERO TRIM CALIBRAT
UNITS DAMPING
RERANGE TRANSFER FUNCT
LOOP TEST SCALED VARIAB
DISPLAY ASSIGN PV
EXTENDED MENU TAG
EXIT MENU ALARM SAT VALUES
PASSWORD
SIMLATE
HART REV
BACK TO MENU
EXIT MENU

Configuração 19
Seção 2: Configurar Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

2.7 Configuração do mostrador LCD


O comando Configuração do mostrador LCD permite personalizar o LCD de acordo com os
requisitos da aplicação. O LCD irá alternar entre os itens selecionados.

 Unidades de pressão  Temperatura do sensor


 % da faixa  Saída de mA
 Variável com escala

Nas instruções a seguir, o LCD também pode ser configurado para exibir informações de
configuração durante a inicialização do dispositivo. Selecione Revisar os parâmetros na
inicialização para ativar ou desativar essa função.

Consulte Figura 1-2 na página 4 LCD com a Interface local do operador para obter uma imagem
da tela LCD.

Configurar tela LCD com um Comunicador de campo


Na tela INÍCIO, insira a sequência de teclas de atalho.

Teclas de atalho do painel de dispositivos 2, 2, 4

Configurar tela LCD com o AMS Device Manager


Clique com o botão direito no dispositivo e selecione Configurar.

1. Clique em Configuração manual, selecione a guia Mostrador.

2. Selecione as opções de exibição desejadas e clique em Enviar.

Configurar Mostrador LCD com uma Interface local do operador


Consulte Figura 2-11 para saber como configurar o Mostrador LCD usando uma LOI.

Figura 2-11. Exibir com uma LOI


VIEW CONFIG
ZERO TRIM DISPLAY
UNITS PRESS (on/off)
RERANGE SCALED (on/off)
LOOP TEST TEMP (on/off)
DISPLAY %RANGE (on/off)
EXTENDED MENU ANALOG (on/off)
EXIT MENU STRTUP (on/off)
BACK TO MENU
EXIT MENU

20 Configuração
Manual de referência Seção 2: Configurar
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

2.8 Configuração detalhada do transmissor


2.8.1 Configuração dos níveis de alarme e saturação
Em uma operação normal, o transmissor acionará a saída em resposta à pressão dos pontos de
saturação inferior e superior. Se a pressão sair dos limites do sensor, ou se a saída estiver além
dos pontos de saturação, a saída será limitada ao ponto de saturação associado.

O transmissor 3051 executa rotinas de autodiagnóstico de forma automática e contínua. Se as


rotinas de autodiagnóstico detectarem uma falha, o transmissor acionará a saída de alarme e o
valor configurados com base na posição do interruptor de alarme. Consulte “Configuração do
alarme do transmissor” na página 61.

Tabela 2-4. Valores de saturação e alarme do Rosemount

Nível Saturação 4 a 20 mA Alarme 4 a 20 mA


Baixo 3,9 mA ≤3,75 mA
Alto 20,8 mA 21,75 mA

Tabela 2-5. Valores de saturação e alarme compatíveis com NAMUR

Nível Saturação 4 a 20 mA Alarme 4 a 20 mA


Baixo 3,8 mA ≤3,6 mA
Alto 20,5 mA 22,5 mA

Tabela 2-6. Valores de saturação e alarme personalizados

Nível Saturação 4 a 20 mA Alarme 4 a 20 mA


Baixo 3,7 mA — 3,9 mA 3,6 mA — 3,8 mA
Alto 20,1 mA — 22,9 mA 20,2 mA — 23,0 mA

Os níveis de saturação e alarme de modo de falha podem ser configurados com o comunicador
de campo, o AMS Device Manager e a LOI. Existem as seguintes limitações para os níveis
personalizados:
 O nível baixo de alarme deve ser menor que o nível baixo de saturação.
 O nível alto de alarme deve ser maior que o nível alto de saturação
 Os níveis de saturação e alarme devem estar separados por 0,1 mA, no mínimo

A ferramenta de configuração enviará uma mensagem de erro se a regra de configuração for


violada.

Configuração 21
Seção 2: Configurar Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Observação
O conjunto de transmissores do modo multipontos do HART envia todas as informações de
alarme e saturação digitalmente; as condições de saturação e alarme não afetarão a saída
analógica. Consulte também “Estabelecer comunicação multiponto” na página 35.

Configuração dos níveis de alarme e saturação usando um


Comunicador de campo
Na tela INÍCIO, insira a sequência de teclas de atalho.

Teclas de atalho do painel de dispositivos 2, 2, 2, 5, 6

Configuração dos níveis de alarme e saturação com o AMS


Device Manager
Clique com o botão direito no dispositivo e selecione Configurar.

1. Clique no botão Configurar os níveis de alarme e saturação.

2. Siga as instruções na tela para configurar os níveis de alarme e saturação.

Configuração dos níveis de alarme e saturação usando a


interface local do operador
Consulte Figura 2-12 para obter instruções para configurar os níveis de alarme e saturação.

Figura 2-12. Configuração do alarme e saturação com a interface local do operador

VIEW CONFIG EXTENDED MENU


ZERO TRIM CALIBRAT
UNITS DAMPING
RERANGE TRANSFER FUNCT
LOOP TEST SCALED VARIAB
DISPLAY ASSIGN PV
EXTENDED MENU TAG ALARM SAT VALUES
EXIT MENU ALARM SAT VALUES ROSEMOUNT VALUES
PASSWORD NAMUR VALUES
SIMULATE OTHER VALUES
HART REV BACK TO MENU
BACK TO MENU EXIT MENU
EXIT MENU

2.8.2 Configuração de alertas do processo


Os alertas de processo permitem que o transmissor indique quando o ponto de dados
configurado é excedido. Os alertas do processo podem ser definidos para a pressão, a
temperatura ou ambas. Um alerta será exibido em uma tela de status no AMS Device Manager,
no comunicador de campo ou na área de erros do mostrador LCD/LOI. O alerta será redefinido
quando o valor ficar novamente dentro da faixa.

22 Configuração
Manual de referência Seção 2: Configurar
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Observação
O valor de alerta alto deve ser maior que o valor de alerta baixo. Ambos os valores de alerta
devem estar dentro dos limites do sensor de pressão ou temperatura.

Configuração de alertas usando um Comunicador de campo


Na tela INÍCIO, insira a sequência de teclas de atalho.

Teclas de atalho do painel de dispositivos 2, 3

1. Selecione “Alerta de pressão” ou “Alerta de temperatura” e pressione ENTER.

2. Selecione Configurar alerta.

3. Siga as instruções na tela para configurar os alertas do processo.

Configuração de alertas do processo usando o AMS Device


Manager
Clique com o botão direito no dispositivo e selecione Configurar.

1. Selecione Configuração guiada.

2. Clique no botão Alertas do processo.

3. Siga as instruções na tela para configurar os alertas do processo.

2.8.3 Configurar a variável com escala


A configuração de variáveis com escala permite ao usuário criar uma relação/conversão entre as
unidades de pressão e as unidades definidas pelo usuário/personalizadas. Existem dois casos de
uso para a variável com escala. O primeiro caso de uso é permitir que as unidades personalizadas
sejam exibidas no mostrador LCD/LOI do transmissor. O segundo caso de uso é permitir que as
unidades personalizadas gerem a saída de 4 a 20 mA do transmissor.

Se o usuário desejar que as unidades personalizadas gerem a saída de 4 a 20 mA, a variável com
escala deverá ser mapeada novamente como variável primária. Consulte a “Remapeamento das
variáveis do dispositivo” na página 26.

Configuração 23
Seção 2: Configurar Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

A configuração da variável com escala define os seguintes itens:


 Unidades da variável com escala — Unidades personalizadas a serem exibidas.
 Opções de dados com escala — Define a função de transferência para a aplicação
— Linear
— Raiz quadrada
 Posição 1 do valor de pressão — Ponto inferior do valor conhecido com consideração de
deslocamento linear.
 Posição 1 do valor da variável com escala — Unidade personalizada equivalente ao ponto
inferior do valor conhecido.
 Posição 2 do valor de pressão — Ponto superior do valor conhecido
 Posição 2 do valor da variável com escala — Unidade personalizada equivalente ao ponto
superior do valor conhecido.
 Deslocamento linear — O valor necessário para zerar as pressões que afetam a leitura de
pressão desejada.
 Corte da baixa vazão — Ponto no qual a saída é conduzida a zero para evitar os
problemas causados pelo ruído do processo. É altamente recomendado usar a função
de corte da baixa vazão para ter uma saída estável e evitar problemas devidos ao ruído
do processo em condições de baixa vazão ou sem vazão. Deve ser inserido um valor de
corte de baixa vazão que seja prático para o elemento de vazão na aplicação.

Configuração da variável com escala usando um comunicador


de campo
Na tela INÍCIO, insira a sequência de teclas de atalho.

Teclas de atalho do painel de dispositivos 2, 1, 5, 7

1. Siga as instruções na tela para configurar a variável com escala.


a. Ao configurar o nível, selecione Linear em Selecionar opções de dados com escala.
b. Ao configurar o fluxo, selecione Raiz quadrada em Selecionar opções de dados com escala.

Configuração de variável com escala usando o AMS Device Manager


Clique com o botão direito no dispositivo e selecione Configurar.

1. Selecione a guia Variável com escala e clique no botão Variável com escala.

2. Siga as instruções na tela para configurar a variável com escala.


a. Ao configurar as aplicações de nível, selecione Linear em Selecionar opções de dados
com escala.
b. Ao configurar as aplicações de fluxo, selecione Raiz quadrada em Selecionar opções de
dados com escala.

Configuração de variável com escala utilizando uma Interface


local do operador
Consulte Figura 2-13 na página 25 para obter instruções sobre como configurar uma Variável
com escala utilizando uma Interface local do operador.

24 Configuração
Manual de referência Seção 2: Configurar
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Figura 2-13. Configuração de variável com escala utilizando uma Interface local do operador

VIEW CONFIG EXTENDED MENU


ZERO TRIM CALIBRAT
UNITS DAMPING
RERANGE TRANSFER FUNCT SCALED VARIAB
LOOP TEST SCALED VARIAB VIEW SCALED
DISPLAY ASSIGN PV CONFIG SCALED
EXTENDED MENU TAG BACK TO MENU
EXIT MENU ALARM SAT VALUES EXIT MENU
PASSWORD
SIMLATE
HART REV
BACK TO MENU
EXIT MENU

Exemplo de Nível de pressão diferencial

Figura 2-14. Exemplo de tanque

A
D
B
H L

A. 230 pol.
B. 200 pol.
C. 12 pol.
D. 0,94 sg

Um transmissor diferencial é usado em uma aplicação de nível. Uma vez instalado em um


tanque vazio e as tomadas ventiladas, a leitura da variável de processo é —209,4 pol.H2O.
A leitura da variável de processo é a pressão principal criada pelo fluido de enchimento no
capilar. Com base na Tabela 2-7 na página 26, a configuração da variável com escala deve ser
a seguinte:

Configuração 25
Seção 2: Configurar Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Tabela 2-7. Configuração da variável com escala para a aplicação de tanque

Unidades de variável com escala: polegada


Opções de dados com escala: Linear
Posição 1 do valor de pressão: 0 pol.H2O
Posição 1 da variável com escala: 12 pol.
Posição 2 do valor de pressão: 188 pol.H2O
Posição 2 da variável com escala: 212 pol.
Deslocamento linear: -209,4 pol.H2O

Exemplo do fluxo da PD
Um transmissor de pressão diferencial é usado em conjunto com uma placa de orifício em uma
aplicação de fluxo em que a pressão diferencial do fluxo integral é de 125 pol.H2O. Nessa
aplicação em particular, a taxa de fluxo do fluxo integral é de 20.000 galões de água por hora.
É altamente recomend0ado usar a função de corte da baixa vazão para ter uma saída estável e
evitar problemas devidos ao ruído do processo em condições de baixa vazão ou sem vazão.
Deve ser inserido um valor de corte de baixa vazão que seja prático para o elemento de vazão na
aplicação. Neste exemplo, especialmente, o valor do corte de baixa vazão é de 1.000 galões de
água por hora. Com base nestas informações, a configuração da variável com escala deve ser
a seguinte:

Tabela 2-8. Configuração da variável com escala para a aplicação de fluxo

Unidades de variável com escala: gal/h


Opções de dados com escala: raiz quadrada
Posição 2 do valor de pressão: 125 pol.H2O
Posição 2 da variável com escala: 20.000 gal/h
Corte de baixa vazão: 1.000 gal/h

Observação
A posição 1 do valor de pressão e a posição 1 da variável com escala sempre são definidas como
zero para uma aplicação de vazão. Não é necessária a configuração destes valores.

2.8.4 Remapeamento das variáveis do dispositivo


A função de remapeamento permite que as variáveis primária, secundária, terciária e
quaternária (PV, 2V, 3V e 4V) do transmissor sejam configuradas conforme desejado. A VP pode
ser remapeada com um Comunicador de campo, um AMS Device Manager ou uma LOI. As
variáveis (2V, 3V e 4V) só podem ser remapeadas por meio do Comunicador de campo ou do
AMS Device Manager.

Observação
A variável atribuída à variável primária aciona a saída 4—20 mA. Este valor pode ser selecionado
como Pressão ou Variável com escala. As variáveis 2, 3 e 4 só se aplicam se o modo burst HART
estiver sendo usado.

26 Configuração
Manual de referência Seção 2: Configurar
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Remapear usando um Comunicador de campo


Na tela INÍCIO, insira a sequência de teclas de atalho.

Atalhos do teclado 2, 1, 1, 3

Remapear usando o AMS


Clique com o botão direito no dispositivo e selecione Configurar.

1. Selecione Configuração manual e clique na guia HART.

2. Atribua as variáveis primária, secundária, terciária e quaternária em Mapeamento de


variáveis.

3. Clique em Enviar.

4. Leia com atenção o alerta e clique em Sim, se for seguro aplicar as alterações.

Remapear usando a Interface local do operador


Consulte Figura 2-15 para obter instruções sobre como remapear a variável primária utilizando
uma Interface local do operador.

Figura 2-15. Remapear com a Interface local do operador

VIEW CONFIG EXTENDED MENU


ZERO TRIM CALIBRAT
UNITS DAMPING
RERANGE TRANSFER FUNCT
LOOP TEST SCALED VARIAB
DISPLAY ASSIGN PV
EXTENDED MENU TAG
EXIT MENU ALARM SAT VALUES
PASSWORD
SIMULATE
HART REV
BACK TO MENU
EXIT MENU

Configuração 27
Seção 2: Configurar Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

2.9 Configurar os diagnósticos do transmissor


As funções de diagnóstico e serviço relacionadas abaixo devem ser usadas principalmente após
a instalação em campo.

2.9.1 Configurar o diagnóstico de consultoria de alimentação


Introdução
O diagnóstico opcional de consultoria de alimentação (código de opção DA0) fornece um meio
para detectar problemas que podem comprometer a integridade do circuito elétrico. Alguns
exemplos são: água que entra no compartimento da fiação e faz contato com os terminais, uma
fonte de alimentação instável no fim da vida útil ou corrosão pesada nos terminais.

Esta tecnologia é baseada na premissa de que uma vez que um transmissor é instalado e
energizado, o circuito elétrico tem uma característica na linha de base que reflete a instalação
apropriada. Se a tensão do terminal do transmissor sair da linha de base e estiver fora do limite
configurado pelo usuário, o 3051 pode gerar um alerta HART ou alarme analógico.

Para utilizar esse diagnóstico, o usuário primeiro deve criar uma característica da linha de base
para o circuito elétrico após concluir a instalação do transmissor. O circuito é automaticamente
caracterizado com o pressionamento de um botão. Isso cria um relacionamento linear para os
valores esperados de tensão do terminal ao longo da região de operação de 4 a 20 mA, consulte
a Figura 2-16.

Figura 2-16. Região de operação da linha de base


A

B D
C

A. Tensão do terminal
B. 4 mA
C. Corrente de saída
D. 20 mA

28 Configuração
Manual de referência Seção 2: Configurar
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Visão geral
Os transmissores solicitados com o Diagnóstico de consultoria de alimentação (código de
opção DA0) são enviados com a Consultoria de alimentação desligada, por padrão, e sem
nenhuma caracterização de circuito realizada. Com o transmissor instalado e inicializado, deve
ser executada a caracterização do circuito para que o diagnóstico da consultoria de alimentação
funcione.

Quando o usuário iniciar a caracterização do circuito, o transmissor verificará se o circuito tem


alimentação suficiente para funcionar corretamente. Em seguida o transmissor dirigirá a saída
analógica para 4 mA e 20 mA para estabelecer uma linha de base e determinar o desvio máximo
de tensão permitido no terminal. Quando isso for concluído, o usuário inserirá um limite de
sensibilidade denominado “Limite de desvio de tensão do terminal” e será executada uma
verificação para conferir se esse valor do limite é válido.

Uma vez caracterizado o circuito e definido o Limite de desvio de tensão do terminal, a


consultoria de alimentação monitorará ativamente o circuito elétrico para detectar desvios da
linha de base. Se a tensão do terminal tiver sido alterada em relação ao valor esperado da linha
de base, excedendo o limite configurado para o desvio de tensão do terminal, o transmissor
pode gerar um alerta ou alarme.

Observação
O diagnóstico de alimentação no transmissor de pressão Rosemount 3051 HART monitora e
detecta alterações na tensão do terminal em relação aos valores esperados para detectar falhas
comuns. Não é possível predizer e detectar todos os tipos de falhas elétricas na saída de 4 a 20 mA.
Portanto, a Rosemount não pode garantir de maneira alguma que a consultoria de alimentação
detectará as falhas com exatidão em todas as circunstâncias.

Tensão do terminal
Este campo mostra o valor atual da tensão do terminal em volts. A tensão do terminal é um valor
dinâmico e está diretamente relacionado ao valor da saída de mA.

Limite de desvio de tensão do terminal +/—


O Limite de desvio de tensão do terminal deve ser definido com um tamanho suficiente para
que as alterações “esperadas” de tensão não causem falhas falsas.

Figura 2-17. Limite de desvio de tensão

Limite de desvio de tensão


Tensão do terminal Alerta

Limite de desvio de tensão

Configuração 29
Seção 2: Configurar Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

ADVERTÊNCIA
Alterações graves no circuito elétrico podem inibir a comunicação HART ou a possibilidade
de se obter os valores de alarme. Portanto, a Rosemount não pode garantir de maneira
alguma que o nível correto de alarme de falha (ALTO ou BAIXO) possa ser lido pelo sistema
host no momento do aviso.

Resistência
Este valor é a resistência calculada do circuito elétrico (em s) medida durante o procedimento
de caracterização do circuito. Podem ocorrer alterações na resistência devido a alterações na
condição física de instalação do circuito. A linha de base e as linhas de base anteriores podem ser
comparadas para verificar a quantidade de resistência que foi alterada com o tempo.

Fonte de alimentação
Este valor é a tensão da fonte de alimentação calculada do circuito elétrico (em Volts) medida
durante o procedimento de caracterização do circuito. Podem ocorrer alterações neste valor
devido ao desempenho degradado da fonte de alimentação. O valor atual e os anteriores
podem ser comparados para verificar quanto a fonte de alimentação alterou com o tempo.

Caracterização do circuito
A caracterização do circuito deve ser iniciada quando o transmissor for instalado pela primeira
vez ou quando as características do circuito elétrico tenham sido alteradas intencionalmente. Os
exemplos abrangem a alteração do nível da fonte de alimentação ou da resistência do circuito
do sistema, alteração do bloco de terminais no transmissor ou adição do Smart Wireless THUM
ao transmissor.

Observação
O diagnóstico de consultoria de alimentação não é recomendado para transmissores que
operam no modo multipontos.

Ação de consultoria de alimentação


Quando o desvio de tensão exceder o limite estabelecido, quatro ações possíveis podem ser
configuradas e podem ser definidas como “Ativadas” ou “Desativadas”.

Quando o alerta ou o alarme estiver “desativado”, o alerta ou alarme desaparecerá se o desvio


de tensão voltar a um nível normal. Um alarme ou alerta “ativado” não desaparecerá quando o
desvio de tensão retornar aos níveis normais. Isso requer que o usuário confirme e limpe o alerta
ou alarme.

As quatro Ações de diagnóstico de consultoria de alimentação são:


 Nenhum
 Alerta ativado
 Alarme desativado
 Alerta desativado

30 Configuração
Manual de referência Seção 2: Configurar
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Configuração do diagnóstico de consultoria de alimentação com


um comunicador de campo
Na tela INÍCIO, insira a sequência de teclas de atalho.
Teclas de atalho do painel de dispositivos 2, 1, 7, 2, 3

Configurar um diagnóstico de consultoria de alimentação


usando um AMS Device Manager
Clique com o botão direito no dispositivo e selecione Configurar.

1. Clique em Configuração guiada

2. Clique no botão Consultoria de alimentação

3. Siga as instruções na tela para configurar o Diagnóstico de consultoria de alimentação.

2.10 Realizar os testes do transmissor


2.10.1 Verificar o nível do alarme
Se a placa de circuitos do transmissor, o módulo do sensor ou o mostrador LCD/LOI forem
reparados ou substituídos, verifique o nível de alarme do transmissor antes de recolocar o
transmissor em serviço. Isso é útil para testar a reação do sistema de controle a um transmissor
em um estado de alarme. Garantindo, assim, que o sistema de controle reconhecerá o alarme
quando ele estiver ativado. Para verificar os valores de alarme do transmissor, realize um teste
de circuito e defina a saída do transmissor como o valor do alarme (consulte as tabelas 2-4, 2-6 e
na página 21 e “Verificar o nível do alarme” na página 31).

Observação
Antes de colocar o transmissor novamente em serviço, verifique se o interruptor de segurança
está na posição correta. Consulte a “Verifique a configuração” na página 12.

2.10.2 Realizar um teste de circuito analógico


O comando Teste de circuito analógico verifica a saída do transmissor, a integridade do circuito
e as operações dos gravadores ou dispositivos semelhantes instalados no circuito.
Recomenda-se que os pontos 4 a 20 mA, além dos níveis de alarme, sejam verificados ao
instalar, reparar ou substituir um transmissor.

O sistema host pode fornecer uma medição atual para a saída do HART de 4 a 20 mA. Se não,
conecte um medidor de referência ao transmissor conectando o medidor aos terminais de teste
no bloco de terminais ou desviando a energia do transmissor por meio do medidor em algum
ponto do circuito.

Configuração 31
Seção 2: Configurar Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Realizar um teste de circuito analógico usando um comunicador


de campo
Na tela INÍCIO, insira a sequência de teclas de atalho.
Teclas de atalho do painel de dispositivos 3, 5, 1

Realizar um teste de circuito analógico usando o AMS Device


Manager
Clique com o botão direito do mouse no dispositivo e, no menu suspenso Métodos, mova o
cursor sobre Diagnósticos e teste. No menu suspenso Diagnósticos e teste selecione Teste de
circuito.

1. Clique em Próximo depois de colocar a malha de controle em modo manual.

2. Siga as instruções na tela para realizar um teste de circuito.

3. Selecione Concluir para confirmar que o método está concluído.

Realizar um teste de circuito analógico utilizando uma Interface


local do operador
Para realizar uma teste de circuito analógico utilizando a LOI, o 4 mA, 20 mA e ponto de mA
personalizado pode ser configurado manualmente. Consulte Figura 2-18 para obter instruções
sobre como realizar um teste de circuito do transmissor utilizando uma LOI.

Figura 2-18. Realizar um teste de circuito analógico utilizando uma LOI


VIEW CONFIG
ZERO TRIM LOOP TEST
UNITS SET 4MA
RERANGE SET 20MA
LOOP TEST SET CUSTOM
DISPLAY END LOOP TEST
EXTENDED MENU BACK TO MENU
EXIT MENU EXIT MENU

2.10.3 Simulação das variáveis do dispositivo


É possível ajustar temporariamente a Pressão, Sensor de temperatura ou Variável com escala
para um valor definido pelo usuário para fins de teste. Uma vez que o método de variável
simulado for deixado, a variável do processo retornará automaticamente a uma medição em
tempo real. A simulação das variáveis do dispositivo só está disponível no modo do HART
Revisão 7.

32 Configuração
Manual de referência Seção 2: Configurar
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Simular o sinal digital com um Comunicador de campo


Na tela INÍCIO, insira a sequência de teclas de atalho.
Teclas de atalho do painel de dispositivos 3, 5

Simular um sinal digital com o AMS Device Manager


Clique com o botão direito no dispositivo e selecione Ferramentas de serviço.

1. Clique em Simular.

2. Em Variáveis do dispositivo selecione um valor digital para simular.


a. Pressão
b. Temperatura do sensor
c. Variável com escala

3. Siga as instruções na tela para simular o valor digital selecionado.

2.11 Configurar o modo burst


O modo burst é compatível com o sinal analógico. Como o protocolo HART conta com
transmissão simultânea de dados digitais e analógicos, o valor analógico pode acionar outro
equipamento no circuito enquanto o sistema de controle estiver recebendo informações
digitais. O modo burst se aplica somente à transmissão de dados dinâmicos (pressão e
temperatura em unidades de engenharia, pressão em porcentagem da faixa, Variável com
escala, e/ou saída analógica) e não afeta o modo como outros dados do transmissor são
acessados. No entanto, quando ativado, o modo burst pode reduzir a velocidades da
comunicação de dados não dinâmicos para o host em 50%.

O acesso a informações diferentes dos dados dinâmicos do transmissor é obtido por meio do
método normal de sondagem/resposta da comunicação HART. Um comunicador de campo,
AMS Device Manager ou o sistema de controle podem solicitar qualquer informação que
normalmente estiver disponível quando o transmissor estiver no modo burst. Entre cada
mensagem enviada pelo transmissor, uma breve pausa permite que o comunicador de campo, o
AMS Device Manager ou um sistema de controle inicie uma solicitação.

Escolher as opções do modo burst no HART 5


Opções de conteúdo de mensagem:
 VP apenas
 Percentual da faixa
 PV, 2V, 3V, 4V
 Variáveis do processo
 Status do dispositivo

Configuração 33
Seção 2: Configurar Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Escolher as opções do modo burst no HART 7


Opções de conteúdo de mensagem:
 VP apenas
 Percentual da faixa
 PV, 2V, 3V, 4V
 Status e variáveis do processo
 Variáveis do processo
 Status do dispositivo

Escolher um modo de acionamento do HART 7


No modo do HART 7, os seguintes modos de acionamento podem ser selecionados.
 Contínuo (igual ao modo burst do HART5)
 Subindo
 Caindo
 Com janela
 Em mudança

Observação
Consulte o fabricante de seu sistema host para saber as exigências do modo burst.

Configurar o modo burst usando um Comunicador de campo


Na tela INÍCIO, insira a sequência de teclas de atalho.
Teclas de atalho do painel de dispositivos 2, 2, 5, 3

Configurar o modo burst usando o AMS Device Manager


Clique com o botão direito no dispositivo e selecione Configurar.

1. Selecione a guia HART.

2. Insira a configuração nos campos Configuração do modo burst.

34 Configuração
Manual de referência Seção 2: Configurar
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

2.12 Estabelecer comunicação multiponto


Os transmissores multiponto se referem à conexão de vários transmissores a uma única linha de
transmissão de comunicações. A comunicação entre o host e os transmissores ocorre
digitalmente, com a saída analógica dos transmissores desativada.

A instalação multiponto requer a consideração sobre a taxa de atualização necessária de cada


transmissor, a combinação de modelos de transmissores e o comprimento da linha de
transmissão. A comunicação com transmissores pode ser realizada com modems HART e um
host implementando o protocolo HART. Cada transmissor é identificado por um endereço
exclusivo e responde aos comandos definidos no protocolo HART. Os comunicadores de campo
e o AMS Device Manager podem testar, configurar e formatar um transmissor multiponto do
mesmo modo que um transmissor em uma instalação ponto a ponto padrão.

A Figura 2-19 mostra uma rede multiponto típica. Esta figura não serve como diagrama de
instalação.

Observação
Um transmissor multipontos no modo do HART Revisão 7 tem uma saída analógica fixa de 4 mA
para todos os dispositivos, exceto um. Apenas um dispositivo pode ter um sinal analógico
ativado.

Figura 2-19. Rede multiponto típica

A.

B.

A. Modem do HART
B. Fonte de alimentação

O 3051 é configurado com endereço zero (0) na fábrica, o que permite a operação no modo
ponto a ponto padrão com um sinal de saída de 4 a 20 mA. Para ativar a comunicação
multiponto, o endereço do transmissor deve ser alterado para um número entre 1 e 15 para a
Revisão 5 do HART ou 1 e 63 para a Revisão 7 do HART. Esta alteração desativa a saída analógica
de 4 a 20 mA, enviando-a para 4 mA. Ela também desativa o sinal de alarme do modo de falha,
que é controlado pela posição ascendente/descendente na escala do interruptor. Os sinais de
falha nos transmissores multiponto são comunicados por meio de mensagens HART.

Configuração 35
Seção 2: Configurar Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

2.12.1 Alteração do endereço do transmissor


Para ativar a comunicação multiponto, deve-se atribuir um número de 1 a 15, para o HART
Revisão 5, e de 1 a 63, para o HART Revisão 7, ao endereço do transmissor. Cada transmissor do
circuito multiponto deve ter um único endereço de sondagem.

Alterar o endereço do transmissor usando um Comunicador


de campo
Na tela INÍCIO, insira a sequência de teclas de atalho. HART Revisão 5 HART Revisão 7
Teclas de atalho do painel de dispositivos 2, 2, 5, 2, 1 2, 2, 5, 2, 2

Alterar o endereço do transmissor usando o AMS Device Manager


Clique com o botão direito no dispositivo e selecione Configurar.

1. No modo do HART Revisão 5:


a. Clique em Configuração manual e selecione a guia HART.
b. Na caixa Configurações de comunicação insira o endereço de sondagem na caixa
Endereço de sondagem e clique em Enviar.

2. No modo do HART Revisão 7:


a. Clique em Configuração manual, selecione a guia HART e clique no botão Alterar o
endereço de sondagem.

3. Leia com atenção o alerta e clique em Sim, se for seguro aplicar as alterações.

2.12.2 Comunicação com um transmissor multiponto


Para se comunicar com um transmissor de multipontos, o Comunicador de campo ou o AMS
Device Manager deve ser configurado para Sondagem.

Comunicação com um transmissor de multipontos usando um


Comunicador de campo
1. Selecione Utilidade e Configurar aplicação do HART.

2. Selecione Endereço de sondagem.

3. Insira um valor de 0 a 63.

Comunicação com um transmissor de multipontos utilizando o


AMS Device Manager
Clique no ícone do modem HART e selecione Examinar todos os dispositivos.

36 Configuração
Manual de referência Seção 3: Instalação de hardware
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Seção 3 Instalação de hardware

Visão geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 37


Mensagens de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 37
Considerações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 38
Procedimentos de Instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 40
Procedimentos de Instalação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 40
Manifolds Rosemount 305, 306 e 304 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 51

3.1 Visão geral


As informações contidas nesta seção abrangem considerações de instalação do Rosemount
3051 com protocolos HART. Um Guia de instalação rápida (número do documento
00825-0100-4001) é fornecido junto com o transmissor para descrever os procedimentos
recomendados de conexão da tubulação e ligação elétrica para a instalação inicial. Os desenhos
dimensionais de cada variação e configuração de montagem do 3051 estão incluídos na
página 44.

Observação
Para a desmontagem e remontagem do transmissor, consulte “Procedimentos de
desmontagem” na página 90 e “Procedimentos para montar novamente” na página 92.

3.2 Mensagens de segurança


Os procedimentos e instruções desta seção podem exigir precauções especiais para garantir a
segurança da equipe que realiza as operações. As informações que destacam possíveis
problemas de segurança são indicadas por um símbolo de advertência ( ). Consulte as
mensagens de segurança a seguir antes de executar uma operação precedida por este símbolo.

Instalação de hardware 37
Seção 3: Instalação de hardware Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

ADVERTÊNCIA
Explosões podem causar mortes ou ferimentos graves:
A instalação do transmissor em um ambiente explosivo deve ser feita de acordo com as
normas, códigos e práticas municipais, nacionais e internacionais. Leia com atenção a seção
de aprovações do manual de referência do modelo 3051 para obter informações sobre as
restrições associadas à instalação segura do equipamento.
 Antes de conectar um Comunicador de campo em uma atmosfera explosiva,
certifique-se de que os instrumentos do circuito estão instalados de acordo com
práticas de ligação elétrica em campo intrinsecamente seguras ou antideflagrantes.
 Em uma instalação à prova de explosão/chamas, não remova as tampas dos
transmissores quando a unidade estiver energizada.
Os vazamentos do processo podem causar ferimentos ou morte.
 Instale e aperte os conectores do processo antes de aplicar pressão.
Choques elétricos podem causar morte ou ferimentos graves.
 Evite o contato com os condutores e os terminais. A alta tensão que pode estar
presente nos condutores pode provocar choque elétrico.

ADVERTÊNCIA
Choques elétricos podem causar morte ou ferimentos graves.
 Evite o contato com os condutores e os terminais.
Vazamentos no processo podem provocar ferimentos graves ou morte.
 Instale e aperte todos os quatro parafusos do flange antes de aplicar pressão.
 Não tente afrouxar nem remover os parafusos do flange enquanto o transmissor
estiver em funcionamento.
Equipamentos sobressalentes ou peças de reposição não aprovados pela Emerson Process
Management para uso como peças de reposição podem diminuir as capacidades de
retenção de pressão do transmissor e tornar o instrumento perigoso.
 Use somente parafusos aprovados ou vendidos pela Emerson Process Management
como peças de reposição.
A montagem incorreta dos manifolds no flange tradicional pode danificar o módulo do sensor.
 Para montar o manifold no flange tradicional com segurança, os parafusos devem
atravessar o plano traseiro da alma do flange (i.e., furo do parafuso), mas não devem
entrar em contato com o invólucro do módulo do sensor.

3.3 Considerações
3.3.1 Considerações de instalação
A precisão da medição depende da instalação correta do transmissor e da tubulação de impulso.
Monte o transmissor próximo ao processo e use o mínimo de tubulação para conseguir a melhor
precisão. Lembre-se da necessidade de fácil acesso, da segurança da equipe, da calibração
prática em campo e um ambiente adequado para o transmissor. Instale o transmissor para
minimizar a vibração, os choques e a flutuação de temperatura.

38 Instalação de hardware
Manual de referência Seção 3: Instalação de hardware
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Importante
Instale o tampão de tubo incluído (localizado na caixa) na abertura de conduíte de invólucro não
utilizada, com um mínimo de cinco roscas encaixadas para atender aos requisitos de instalação à
prova de explosões.

Para obter as considerações de compatibilidade de materiais, consulte o número do documento


00816-0100-3045 em www.emersonprocess.com/rosemount.

3.3.2 Considerações ambientais


A melhor prática é montar o transmissor em um ambiente que apresente alterações mínimas de
temperatura ambiente. Os limites operacionais de temperatura dos componentes eletrônicos
do transmissor são —40 a 85 °C (—40 a 185 °F). Consulte o Anexo A: Especificações e dados de
referência para verificar os limites operacionais dos elementos sensores. Monte o transmissor de
forma que não fique suscetível a vibrações e choques mecânicos e não tenha contato externo
com materiais corrosivos.

3.3.3 Considerações mecânicas


Serviço com vapor
Para serviços com vapor ou aplicações com temperaturas de processo superiores aos limites do
transmissor, não purgue a tubulação de impulso pelo transmissor. Purgue as linhas com as
válvulas de bloqueio fechadas e torne a enchê-las com água antes de retomar a medição.
Consulte Figura 3-9 na página 47 para obter orientações corretas sobre a montagem.

Fixado na lateral
Quando o transmissor estiver fixado na lateral, posicione o flange coplanar para garantir dreno
ou respiro adequados. Fixe o flange como mostra a Figura 3-9 na página 47, mantendo as
conexões de dreno/respiro na parte inferior para serviços com gás e na parte superior para
serviços com líquido.

3.3.4 Considerações da faixa de medição


Instalação
Para o transmissor de pressão de faixa de medição Rosemount 3051CD0, é melhor montar o
transmissor com os isoladores paralelos ao terra. Consulte Figura 3-1 na página 40 para obter
um exemplo de instalação de faixa de medição em um manifold 304. A instalação do
transmissor dessa forma reduz o efeito de óleo na cabeça.

A inclinação do transmissor pode causar um deslocamento do zero na saída do transmissor, mas


pode ser eliminada por meio de um procedimento de ajuste.

Instalação de hardware 39
Seção 3: Instalação de hardware Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Figura 3-1. Exemplo de instalação de faixa de medição

A. Isoladores

Redução de ruído do processo


Os transmissores de medição Rosemount 3051CD0 são sensíveis a pequenas variações de
pressão. O aumento do amortecimento diminuirá o ruído de saída, mas também reduzirá o
tempo de resposta. Em aplicações manométricas, é importante minimizar as flutuações de
pressão para o isolador do lado de baixa pressão.

Amortecimento de saída
O amortecimento de saída do Rosemount 3051CD0 é configurado na fábrica como 3,2. Se a
saída do transmissor ainda emitir muitos ruídos, aumente o tempo de amortecimento. Se for
necessária uma resposta mais rápida, diminua o tempo do amortecimento. Consulte
“Amortecimento” na página 96 para obter informações sobre o ajuste do amortecimento.

Filtragem lateral de referência


Em aplicações manométricas, é importante minimizar as flutuações na pressão atmosférica à
qual o lado de baixa pressão é exposto.

Um método para reduzir flutuações na pressão atmosférica é usar um trecho reto no lado de
referência do transmissor para funcionar como um tanque de pressão.

3.4 Procedimentos de Instalação


3.4.1 Monte o transmissor
Para obter informações sobre desenhos dimensionais consulte o Anexo A: Especificações e
dados de referência na página 101.

Orientação do flange do processo


Monte os flanges do processo com suficiente folga para as conexões ao processo. Por razões de
segurança, coloque as válvulas de dreno/respiro de maneira que o fluido do processo seja
direcionado para longe de um possível contato humano quando os respiros forem utilizados.
Além disso, considere a necessidade de uma saída de teste ou calibração.
40 Instalação de hardware
Manual de referência Seção 3: Instalação de hardware
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Observação
A maior parte dos transmissores são calibrados na posição horizontal. A montagem do
transmissor em qualquer outra posição deslocará o ponto zero na quantidade equivalente da
pressão da carga de líquido causada pela variação da posição de montagem. Para redefinir o
ponto zero, consulte “Visão geral do ajuste do sensor” na página 74.

Considerar a rotação do alojamento


O invólucro dos componentes eletrônicos pode ser girado em até 180 graus em qualquer
direção para melhorar o acesso em campo ou melhorar a visualização do mostrador LCD/LOI
opcional. Para girar o alojamento, execute as etapas a seguir:

1. Desaperte o parafuso de ajuste de rotação do invólucro usando uma chave sextavada


5
de -----
- pol.
64

2. Gire o invólucro para a esquerda ou para a direita até 180° a partir da posição original.
Girar excessivamente causará danos no transmissor.

3. Aperte o parafuso de ajuste da rotação do alojamento novamente.

Figura 3-2. Rotação do invólucro

A. Parafuso de ajuste de rotação do invólucro (5/64 pol.)

Limpeza do invólucro dos componentes eletrônicos


Monte o transmissor de maneira que a lateral do terminal esteja acessível. É necessária uma
folga de 19 mm (0,75 pol.) para remover a tampa. Use um bujão de conduíte na abertura de
conexão elétrica não utilizada. São necessárias três polegadas de folga para remoção da tampa,
se for instalado um medidor.

Selo ambiental para invólucro


Para os requisitos da NEMA 4X, IP66, e IP68, use fita veda-roscas (PTFE) ou cole as roscas macho
do conduíte para fornecer vedação impermeável.

Certifique-se de que haja sempre uma boa vedação instalando a(s) tampa(s) dos alojamentos
dos componentes eletrônicos de modo a obter um contato de metal com metal. Use anéis de
vedação Rosemount.

Instalação de hardware 41
Seção 3: Instalação de hardware Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Parafusos do flange
O 3051 pode ser entregue com um flange coplanar ou um flange tradicional instalado com
quatro parafusos de flange de 1,75 pol. As configurações de montagem com parafusos para os
flanges coplanar e tradicional podem ser encontradas na página 42. Os parafusos de aço
inoxidável fornecidos pela Emerson Process Management são revestidos com lubrificante para
facilitar a instalação. Os parafusos de aço carbono não precisam de lubrificação. Não deve ser
adicionado lubrificante na instalação desses dois tipos de parafusos. Os parafusos fornecidos
pela Emerson Process Management são identificados pelas marcações na cabeça.

Instalação dos parafusos


Só use os parafusos fornecidos com o Rosemount 3051 ou vendidos pela Emerson Process
Management como peças do transmissor Rosemount 3051. O uso de parafusos não autorizados
pode reduzir a pressão. Use o seguinte procedimento de instalação dos parafusos:

Tabela 3-1. Valores de torque para instalação dos parafusos


Material do parafuso Valor inicial do torque Valor final do torque
Padrão (ASTM-A445) de aço carbono 34 N-m (300 pol.-lb.) 73 N-m (650 pol.-lb)
Aço inoxidável austenítico 316 — Opção L4 17 N-m (150 pol.-lb) 34 N-m (300 pol.-lb.)
ASTM A193 grau B7M — Opção L5 34 N-m (300 pol.-lb.) 73 N-m (650 pol.-lb)
Liga K-500 — Opção L6 34 N-m (300 pol.-lb.) 73 N-m (650 pol.-lb)

Figura 3-3. Configurações do parafuso do flange tradicional


A B Observação
As dimensões estão em
milímetros (polegadas).

C D
C C

E
E F F
A. Transmissor diferencial
B. Transmissor manométrico/absoluto
C. Dreno/respiro
D. Conexões ventiladas
E. 44 (1,75) × 4
F. 38 (1,50) × 4(1)

(1) Para transmissores manométricos e absolutos: 38 (150) x 2

42 Instalação de hardware
Manual de referência Seção 3: Instalação de hardware
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Figura 3-4. Parafusos de montagem e configurações de parafusos para flange Coplanar


A B
Tamanho
Descrição Qtd. mm (pol.)
Pressão diferencial

Parafusos do flange 4 44 (1,75)


Parafusos de flange/adaptador 4 73 (2,88)
Pressão manométrica/
absoluta (1)
Parafusos do flange 4 44 (1,75)
Parafusos de flange/adaptador 2 73 (2,88)
(1) Os transmissores Rosemount 3051T são de montagem direta e
não precisam de parafusos para conexão ao processo.

C D

A. Transmissor com flange coplanar


B.Transmissor com adaptadores de flange e parafusos de flange/adaptador
C. 44 (1,75) × 4
D. 73 (2,88) × 4
Observação: As dimensões estão em milímetros (polegadas).

Figura 3-5. Suporte de montagem com códigos de opção B1, B7 e BA

A B C

A. 95 (3,75)
B. 41 (1,63)
C. 104 (4,09)
D. 69 (2,73)
E. 126 (4,97)

Instalação de hardware 43
Seção 3: Instalação de hardware Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Figura 3-6. Suporte de montagem em painel com códigos de opção B2 e B8

B
A B C

A
D
E
D

A. 95 (3,75) A. 36 (1,40)
B. 41 (1,63) Furos de montagem com 0,375 de diâmetro (10)
C. 104 (4,09) C. 35,7 (1,405)
D. 71 (2,81) D. 35,7 (1,405)
E. 114 (4,5)

Figura 3-7. Suporte de montagem plano com códigos de opção B3 e BC

A D

A. 41 (1,625)
B. 54 (2,125)
C. 71 (2,81)
D. 203 (8,00)
Observação: As dimensões estão em milímetros (polegadas).

44 Instalação de hardware
Manual de referência Seção 3: Instalação de hardware
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

1. Aperte os parafusos manualmente.

2. Aplique o valor inicial de torque aos parafusos, usando um padrão cruzado (consulte
Tabela 3.4.2 para obter os valores de torque).

3. Aplique o valor final de torque aos parafusos usando o mesmo padrão cruzado.

Suportes de montagem
Os transmissores Rosemount 3051 podem ser montados em painel ou em tubo por meio de um
suporte de montagem opcional. Consulte a Tabela 3-2 para ver a oferta completa e da
Figura 3-8 até a Figura 3-7 nas páginas 46 e 44 para verificar informações de dimensões e
configurações de montagem.

Tabela 3-2. Suportes de montagem

Suportes 3051

Conexões do processo Montagem Materiais

Mon- Parafu-
Mon- Mon- tagem Suporte Parafu- sos de
Código tagem tagem em Suporte de aço sos de aço
da Em em em painel de aço inoxidá- aço inoxi-
opção Coplanar linha Tradicional tubo painel plano carbono vel carbono dável
B4 X X X X X X X
B1 X X X X
B2 X X X X
B3 X X X X
B7 X X X X
B8 X X X X
B9 X X X X
BA X X X X
BC X X X X

Instalação de hardware 45
Seção 3: Instalação de hardware Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Figura 3-8. Suporte de montagem com código de opção B4

D. A.

C.

B.

A. 5/16 x 11/2 Parafusos para montagem em painel (não fornecidos)


B. 85 (3,4)
C. Parafusos de 3/8-16 x 11/4 para montagem no transmissor
D. 71 (2,8)
Observação: As dimensões estão em milímetros (polegadas).

B7M Marcações na cabeça de aço carbono (CS)

Marcações na cabeça de aço inoxidável (SST)


B8M 660
316 CL A F593_* *O último dígito na marcação da cabeça F593_ pode ser
qualquer letra entre A e M.

KM Marcação da cabeça de liga K-500

3.4.2 Tubulação de impulso


Requisitos de montagem
As configurações da tubulação de impulso dependem das condições específicas de medição.
Consulte a Figura 3-9 na página 47 para obter exemplos das seguintes configurações de montagem:

Medição de líquido
 Coloque as tomadas na lateral da linha para evitar depósitos de sedimentos nos
isoladores do processo do transmissor.
 Monte o transmissor ao lado ou abaixo das tomadas de forma que os gases possam
passar para dentro da linha de processo.
 Monte a válvula de dreno/respiro para cima para permitir que os gases sejam purgados.
46 Instalação de hardware
Manual de referência Seção 3: Instalação de hardware
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Medição de gases
 Coloque as derivações na parte superior ou lateral da linha.
 Monte o transmissor ao lado ou acima das tomadas para drenar o líquido dentro da
linha do processo.

Medição de vapor
 Coloque as derivações na parte lateral da linha.
 Monte o transmissor abaixo das tomadas para garantir que a tubulação de impulso
permaneça cheia de condensado.
 No serviço com vapor acima de 121 °C (250 °F), encha as linhas de impulso com água
para impedir o contato direto do vapor com o transmissor e assegurar a partida precisa
da medição.

Observação
Para serviços com vapor ou com temperaturas elevadas, é importante que as temperaturas na
conexão do processo não ultrapassem os limites de temperatura do processo do transmissor.

Figura 3-9. Exemplos de instalação

Serviço com
Liquid líquidos
Service Serviço com gás
Gas Service Serviço
Steamcom vapor
Service

A
FLUXO

A
FLUXO

FLUXO

A. Válvulas de dreno/respiro

Instalação de hardware 47
Seção 3: Instalação de hardware Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Práticas recomendadas
A tubulação entre o processo e o transmissor deve transferir a pressão com precisão para se
obter medições precisas. Há cinco fontes de erro possíveis: transferência de pressão,
vazamentos, perda por atrito (especialmente se for usada purga), gás preso em uma linha de
líquido, líquido em uma linha de gás e variações de densidade entre duas pernas.

O melhor local para o transmissor com relação ao tubo de processo depende do fluido de
processo. Use as seguintes orientações para determinar o local do transmissor e o
posicionamento da tubulação de impulso:
 Mantenha a tubulação de impulso o mais curta possível.
 Para serviços com líquido, incline a tubulação de impulso pelo menos 8 cm/m
(1 pol./pé) para cima do transmissor em direção à conexão do processo.
 Para serviços com gás, incline a tubulação de impulso pelo menos 8 cm/m (1 pol./pé)
para baixo do transmissor em direção à conexão do processo.
 Evite pontos altos nas linhas de líquidos e pontos baixos nas linhas de gás.
 Certifique-se de que ambas as pernas de impulso tenham a mesma temperatura.

 Use tubulação de impulso larga o suficiente para evitar efeitos de atrito e bloqueio.
 Purgue todo o gás das pernas da tubulação de líquido.
 Ao usar um fluido de vedação, preencha ambas as pernas da tubulação até o mesmo
nível.
 Durante a purga, faça a conexão de purga perto das tomadas do processo e purgue em
quantidades iguais de tubulação do mesmo tamanho. Evite purgar pelo transmissor.
 Não permita que os materiais corrosivos ou quentes (acima de 121 °C [250 °F]) do
processo entrem em contato direto com o módulo do sensor e os flanges.
 Evite depósitos de sedimentos na tubulação de impulso.
 Mantenha a mesma pressão de carga nas duas pernas da tubulação de impulso.
 Evite condições que possam permitir o congelamento do fluido do processo dentro do
flange do processo.

3.4.3 Conexões do processo


Conexão de processo Coplanar ou tradicional
Instale e aperte todos os quatro parafusos de flange antes de aplicar a pressão para que não
ocorra vazamento do processo. Quando instalados corretamente, os parafusos do flange se
projetam através da parte superior do invólucro do módulo do sensor. Não tente afrouxar nem
remover os parafusos do flange enquanto o transmissor estiver em funcionamento.

48 Instalação de hardware
Manual de referência Seção 3: Instalação de hardware
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Adaptadores do flange:
As conexões de processo do Rosemount 3051DP e GP nos flanges do transmissor são NPT 18 1/4.
Os adaptadores de flange estão disponíveis com conexões NPT 14 1/2 Classe 2 padrão. Os
adaptadores de flange permitem que os usuários os desconectem do processo removendo os
parafusos dos adaptadores de flange. Use lubrificante ou selante aprovado pela fábrica para
instalar as conexões de processo. Consulte os desenhos dimensionais na página 115 para obter
a distância entre as conexões de processo. Essa distância pode ser variada em ±6,4 mm (1/4 pol.)
através da rotação de um ou de ambos os adaptadores de flange.

Para instalar adaptadores em um flange coplanar, execute o seguinte procedimento:

1. Remova os parafusos do flange.

2. Deixando o flange no lugar, mova os adaptadores até a posição desejada com o o-ring
instalado.

3. Prenda os adaptadores e o flange Coplanar no módulo do sensor do transmissor usando


o maior parafuso fornecido.

4. Aperte os parafusos. Consulte a “Parafusos do flange” na página 42 para obter


especificações de torque.

Sempre que remover flanges ou adaptadores, inspecione visualmente os o-rings de PTFE.


Substitua-os com os o-rings designados para o transmissor Rosemount se houver quaisquer
sinais de danos, tais como entalhes ou cortes. Os o-rings não danificados podem ser
reutilizados. Quando substituir os o-rings, aplique novamente torque aos parafusos do flange
depois da instalação para compensar o escoamento a frio. Consulte o procedimento de
remontagem do corpo do sensor do processo na Seção 6: Solução de problemas.

Observação
Os o-rings de PTFE deverão ser substituídos se o adaptador do flange for removido.

3.4.4 Conexão de processo em linha


Orientação do transmissor manométrico em linha
CUIDADO
A interferência ou bloqueio da porta de referência atmosférica fará com que o transmissor
informe valores de pressão incorretos.

A porta lateral de pressão baixa no transmissor manométrico em linha está localizada no


pescoço do transmissor, atrás do alojamento. O circuito de ventilação encontra-se 360 graus à
volta do transmissor, entre o alojamento e o sensor (Consulte Figura 3-10).

Mantenha o caminho do respiro livre de qualquer obstrução, como pintura, poeira e


lubrificação, montando o transmissor de modo que o processo possa ser drenado.

Instalação de hardware 49
Seção 3: Instalação de hardware Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Figura 3-10. Porta de pressão baixa lateral do manômetro em linha

A.

A. Porta lateral de pressão baixa (referência atmosférica)

ADVERTÊNCIA
Não aplique torque diretamente no módulo do sensor. A rotação entre o módulo do sensor
e a conexão de processo pode danificar os componentes eletrônicos. Para evitar danos,
aplique torque somente na conexão de processo sextavada.

Sensor Module

Process Connection

50 Instalação de hardware
Manual de referência Seção 3: Instalação de hardware
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

3.5 Manifolds Rosemount 305, 306 e 304


O Manifold integral 305 é montado diretamente no transmissor e é disponibilizado em dois
estilos: Tradicional e Coplanar. O manifold integral 305 tradicional pode ser montado na maioria
dos elementos primários com adaptadores de montagem hoje disponíveis no mercado.
O Manifold integrado 306 é usado com os transmissores em linha 3051T para fornecer recursos
de válvula de bloqueio e sangria até 690 bar (10000 psi).

Figura 3-11. Manifolds

A B

C D

A. 3051C e 304 convencional


B. 3051C e 305 Coplanar integral
C. 3051C e 305 Tradicional integral
D. 3051T e 306 em linha

O manifold convencional 304 combina um flange tradicional e um manifold que podem ser
montados para os elementos mais primários.

Instalação de hardware 51
Seção 3: Instalação de hardware Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

3.5.1 Procedimento de instalação do manifold integral


Rosemount 305
Para instalar um manifold integrado 305 em um transmissor 3051:

1. Inspecione os o-rings de PTFE do módulo do sensor. Os o-rings não danificados podem


ser reutilizados. Se os o-rings estiverem danificados (por exemplo, se tiverem entalhes
ou cortes), substitua pelos o-rings designados para transmissores Rosemount.

Importante
Durante a substituição dos o-rings, tome cuidado para não arranhar ou deteriorar as ranhuras
do o-ring ou a superfície do diafragma de isolamento ao remover os o-rings danificados.

2. Instale o manifold integrado no módulo do sensor. Use os quatro parafusos de 2,25 pol
do manifold para alinhamento. Aperte os parafusos manualmente e, em seguida,
aperte-os incrementalmente em um padrão cruzado, como visto em Figura 3-12, até o
valor de torque final. Consulte “Parafusos do flange” na página 42 para obter
informações sobre instalação de parafusos e valores de torque. Quando estiverem
totalmente apertados, os parafusos deverão se estender através da parte superior do
invólucro do módulo do sensor.

Figura 3-12. Padrão de aperto de parafuso

3. Se os o-rings de PTFE do módulo do sensor tiverem sido substituídos, os parafusos do


flange deverão ser reapertados depois da instalação para compensar o escoamento a
frio dos o-rings.

3.5.2 Procedimento de instalação do manifold integral


Rosemount 306
O manifold 306 é somente para uso com um transmissor 3051T em linha.

Monte o manifold 306 no transmissor 3051T em linha com um vedante de roscas.

Consulte a “Mensagens de segurança” na página 37 para obter informações completas sobre advertências.
52 Instalação de hardware
Manual de referência Seção 3: Instalação de hardware
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

3.5.3 Procedimento de instalação do manifold convencional


Rosemount 304
Para instalar um manifold convencional 304 em um transmissor 3051:

1. Alinhe o manifold convencional com o flange do transmissor. Use os 4 parafusos do


manifold para alinhamento.

2. Aperte os parafusos manualmente e, em seguida, aperte-os incrementalmente em um


padrão cruzado até o valor de torque final. Consulte “Parafusos do flange” na página 42
para obter informações sobre instalação de parafusos e valores de torque. Quando
estiverem totalmente apertados, os parafusos deverão se estender através da parte
superior do invólucro do módulo do sensor.

3. Verifique se há vazamentos no conjunto na faixa de pressão máxima do transmissor.

3.5.4 Operação do manifold


A instalação ou operação incorreta dos manifolds pode causar vazamentos do processo, que por
sua vez podem causar ferimentos graves e até a morte.

Sempre execute um ajuste do zero no conjunto do transmissor/manifold após a instalação para


eliminar qualquer deslocamento devido aos efeitos da montagem. Consulte “Visão geral do
ajuste do sensor” na página 74.

Configurações exibidas de 3 e 5 válvulas:

Durante a operação normal, as duas H L


válvulas entre o processo e as portas do Drain/ Drain/
instrumento estarão abertas e a válvula Válvula de Válvula de
Vent Valve
dreno/respiro Vent Valve
dreno/respiro
de equalização estará fechada. Equalização
Equalize
(fechada)
Isolate
Isolação (closed) Isolate
Isolação
(aberta)
(open) (aberta)
(open)

Processo
Process

1. Para zerar o 3051, feche a H L


válvula para o lado de baixa Drain/ Drain/
Válvula de Válvula de
pressão (a jusante) do Vent Valve
dreno/respiro Vent Valve
dreno/respiro
transmissor primeiro. Equalização
Equalize
(fechada)
Isolate
Isolação (closed) Isolate
Isolação
(aberta)
(open) (fechada)
(closed)

Process
Processo

Instalação de hardware 53
Seção 3: Instalação de hardware Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

2. Abra a válvula do centro H L


(equalizar) para equalizar a Drain/ Drain/de
Válvula de Válvula
pressão em ambos os lados do Vent Valve
dreno/respiro Vent Valve
dreno/respiro
transmissor. As válvulas do Equalização
Equalize
(aberta)
manifold estão agora na Isolação
Isolate (open) Isolação
Isolate
configuração certa para zerar o (aberta)
(open) (fechada)
(closed)
transmissor.
Processo
Process

3. Após zerar o transmissor, feche a H L


válvula de equalização. Drain/ Drain/
Válvula de Válvula de
Vent Valve
dreno/respiro Vent Valve
dreno/respiro
Equalização
Equalize
(fechada)
Isolate
Isolação (closed) Isolate
Isolação
(aberta)
(open) (fechada)
(closed)

Process
Processo

4. Abra a válvula do bloco no lado


H L
de baixa pressão do transmissor
Drain/
Válvula de Drain/de
Válvula
para retornar o transmissor ao
Vent Valve
dreno/respiro Vent Valve
dreno/respiro
serviço. Equalização
Equalize
(fechada)
Isolate
Isolação (closed) Isolate
Isolação
(aberta)
(open) (aberta)
(open)

Processo
Process

54 Instalação de hardware
Manual de referência Seção 3: Instalação de hardware
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Configurações exibidas de gás natural de 5 válvulas:


Durante a operação normal, as duas
válvulas entre o processo e as portas H L
do instrumento estarão abertas e as
válvulas de equalização estarão Test
Teste Test
Teste
fechadas. (Plugged)
(conectado) (Plugged)
(conectado)
Equalize Equalize
Equalização Equalização
(fechada) (closed)
(closed) (fechada)

Isolate
Isolação Isolate
Isolação
(aberta)
(open) (aberta)
(open)

Processo
ProcessDreno/respiro Processo
Drain Vent Process
(fechada)
(closed)

1. Para zerar o 3051, primeiro


feche a válvula do bloco no H L
lado de baixa pressão
(a jusante) do transmissor. Test
Teste Test
Teste
(Plugged)
(conectado) (conectado)
(Plugged)
Equalize Equalize
Equalização Equalização
(fechada) (fechada)
(closed) (closed)
Isolate
Isolação Isolate
Isolação
(aberta)
(open) (aberta)
(closed)

Processo Drain Vent Processo


ProcessDreno/respiro Process
(fechada)
(closed)

Observação
Não abra a válvula de equalização do lado de baixa antes de abrir a válvula de equalização do
lado de alta pressão. Isso aumentaria excessivamente a pressão do transmissor.

2. Abra a válvula de equalização


no lado de alta pressão H L
(a montante) do transmissor.
Test
Teste Test
Teste
(Plugged)
(conectado) (Plugged)
(conectado)
Equalize
Equalização Equalize
Equalização
(aberta) (closed)
(open) (fechada)

Isolate
Isolação Isolate
Isolação
(open)
(aberta) (closed)
(fechada)

Processo Drain Vent Process


ProcessDreno/respiro Processo
(fechada)
(closed)

Instalação de hardware 55
Seção 3: Instalação de hardware Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

3. Abra a válvula de
equalização no lado de H L
baixa pressão (a jusante) do
Test Test
transmissor. O manifold Teste Teste
(Plugged) (Plugged)
agora está na configuração (conectado) (conectado)
certa para zerar o Equalize
Equalização Equalize
Equalização
(aberta)
(open) (aberta)
(open)
transmissor.
Isolate
Isolação Isolate
Isolação
(open)
(aberta) (closed)
(fechada)

Processo Drain Vent Process


Process Dreno/respiro Processo
(fechada)
(closed)

4. Após zerar o transmissor,


H L
feche a válvula de equalização
no lado de baixa pressão (a Test
Teste Test
Teste
jusante) do transmissor. (Plugged)
(conectado) (Plugged)
(conectado)
Equalize Equalize
Equalização Equalização
(aberta) (closed)
(open) (fechada)

Isolate
Isolação Isolate
Isolação
(open)
(aberta) (closed)
(fechada)

Processo Drain Vent Process


ProcessDreno/respiro Processo
(fechada)
(closed)
5. Feche a válvula de
equalização no lado de alta H L
pressão (a montante).
Test
Teste Test
Teste
(conectado)
(Plugged) (conectado)
(Plugged)
Equalização
Equalize Equalização
Equalize
(fechada) (fechada)
(closed) (closed)
Isolate
Isolação Isolate
Isolação
(aberta)
(open) (fechada)
(closed)

Processo Drain Vent Processo


ProcessDreno/respiro Process
(fechada)
(closed)
6. Finalmente, para retornar o
transmissor ao serviço, abra a H L
válvula isolante do lado de
baixa pressão. Test
Teste Test
Teste
(conectado)
(Plugged) (conectado)
(Plugged)
Equalização Equalização
Equalize Equalize
(fechada) (fechada)
(closed) (closed)
Isolate
Isolação Isolate
Isolação
(aberta)
(open) (aberta)
(open)

Processo Drain Vent Processo


ProcessDreno/respiro Process
(fechada)
(closed)

56 Instalação de hardware
Manual de referência Seção 4: Instalação elétrica
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Seção 4 Instalação elétrica

Visão geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 57


Mensagens de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 57
Display LCD . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 58
Configurar a segurança do transmissor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 59
Configuração do alarme do transmissor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 61
Considerações elétricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 62
Aterramento do bloco de terminais de proteção contra transientes . . . . . . . . . . . página 66

4.1 Visão geral


As informações nesta seção abordam considerações sobre a instalação para o Rosemount 3051.
Um Guia de instalação rápida é enviado com cada transmissor para descrever os procedimentos
de conexão da tubulação, ligação elétrica e configuração básica para a instalação inicial.

Observação
Para a desmontagem e remontagem do transmissor, consulte as seções “Procedimentos de
desmontagem” na página 90 e “Procedimentos para montar novamente” na página 92.

4.2 Mensagens de segurança


Os procedimentos e instruções desta seção podem exigir precauções especiais para garantir a
segurança da equipe que executa as operações. As informações que destacam possíveis
problemas de segurança são indicadas por um símbolo de advertência ( ). Consulte as
mensagens de segurança a seguir antes de executar uma operação precedida por este símbolo.

ADVERTÊNCIA
Explosões podem causar mortes ou ferimentos graves:
A instalação do transmissor em um ambiente explosivo deve ser feita de acordo com as
normas, códigos e práticas municipais, nacionais e internacionais. Leia com atenção a seção
de aprovações do manual de referência do modelo 3051 para obter informações sobre as
restrições associadas à instalação segura do equipamento.
 Em uma instalação à prova de explosão/chamas, não remova as tampas dos
transmissores quando a unidade estiver energizada.
Os vazamentos do processo podem causar ferimentos ou morte.
 Instale e aperte os conectores do processo antes de aplicar pressão.
Choques elétricos podem causar morte ou ferimentos graves.
 Evite o contato com os condutores e os terminais. A alta tensão que pode estar
presente nos condutores pode provocar choque elétrico.

Instalação elétrica 57
Seção 4: Instalação elétrica Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

4.3 Display LCD


Os transmissores solicitados com a opção LCD (M5) ou a opção LOI (M4) são enviados com o
mostrador instalado. A instalação do display em um transmissor 3051 existente requer uma
chave de fenda pequena para instrumentos. Alinhe, cuidadosamente, o conector do mostrador
desejado ao conector da placa de componentes eletrônicos. Se os conectores não se alinharem,
o mostrador e a placa de componentes eletrônicos não são compatíveis.

Figura 4-1. Conjunto do mostrador LCD

A. Mostrador LCD/LOI
B. Cobertura prolongada

4.3.1 Mostrador LCD/LOI giratório


1. Proteja o circuito para controle manual e remova a energia do transmissor.

2. Remova a tampa do invólucro do transmissor.

3. Remova os parafusos do mostrador LCD/LOI e gire-o no sentido desejado.


a. Insira o conector de 10 pinos na placa do mostrador no sentido correto. Alinhe os pinos
com cuidado para inseri-los na placa de saída.

4. Coloque os parafusos de volta.

5. Encaixe novamente a tampa do invólucro do transmissor; a tampa deve estar


completamente engatada para atender aos requisitos de proteção contra explosões.

6. Reestabeleça a alimentação e retorne o circuito para o controle automático.

58 Instalação elétrica
Manual de referência Seção 4: Instalação elétrica
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

4.4 Configurar a segurança do transmissor


Existem quatro métodos de segurança no transmissor Rosemount 3051.
 Interruptor de segurança
 Travamento do HART
 Travamento dos botões de configuração
 Senha de LOI

Figura 4-2. Placa de componentes eletrônicos

Sem mostrador LCD/LOI Com mostrador LCD/LOI

A. Alarme
B. Segurança

4.4.1 Configuração do interruptor de segurança


O interruptor de segurança é usado para evitar alterações de dados da configuração do
transmissor. Se o interruptor de segurança for configurado para o local bloqueado ( ),
qualquer solicitação de configuração de transmissor enviada por meio do HART, LOI ou botões
de configuração locais será rejeitada pelo transmissor e os dados de configuração do
transmissor não serão modificados. Consulte Figura 4-2 para obter informações sobre a
localização do interruptor de segurança. Siga as etapas abaixo para ativar o interruptor de
segurança.

1. Ajuste o circuito para manual e desligue a alimentação.

2. Remova a tampa do invólucro do transmissor.

3. Use uma chave de fenda pequena para deslizar o interruptor para a posição de
travamento ( ).

4. Substitua a tampa do invólucro do transmissor; a tampa deve estar completamente


engatada para atender aos requisitos de proteção contra explosões.

Instalação elétrica 59
Seção 4: Instalação elétrica Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

4.4.2 Travamento do HART


O Travamento do HART evita alterações da configuração do transmissor de todas as fontes;
todas as alterações solicitadas por meio do HART, LOI e botões de configuração local serão
rejeitadas. O Travamento do HART só pode ser configurado por meio da comunicação com o
HART e só está disponível no modo de Revisão 7 do HART. O Travamento do HART pode ser
ativado ou desativado com um Comunicador de campo ou AMS Device Manager.

Configuração do Travamento do HART com o Comunicador de


campo
Na tela INÍCIO, insira a sequência de teclas de atalho.

Teclas de atalho do painel de dispositivos 2, 2, 6, 4

Configuração do Travamento do HART com o AMS Device Manager


1. Clique com o botão direito no dispositivo e selecione Configurar.

2. Em Configuração manual selecione a guia Segurança.

3. Clique no botão Travar/Destravar em Travamento do HART (Software) e siga as


instruções na tela.

4.4.3 Travamento do botão de configuração


O travamento do botão de configuração desativa todas as funções do botão local. As alterações
da configuração do transmissor da LOI e dos botões locais serão rejeitadas. As chaves externas
locais só podem ser travadas por meio da comunicação com o HART.

Configurar o travamento do botão de configuração usando um


Comunicador de campo
Na tela INÍCIO, insira a sequência de teclas de atalho.

Teclas de atalho do painel de dispositivos 2, 2, 6, 3

Configurar o travamento do botão de configuração usando o AMS Device


Manager
1. Clique com o botão direito no dispositivo e selecione Configurar.

2. Em Configuração manual selecione a guia Segurança.

3. No menu suspenso Botões de configuração, selecione Desativado para travar chaves


externas locais.

4. Clique em Enviar.

5. Confirme o motivo do serviço e clique em Sim.

60 Instalação elétrica
Manual de referência Seção 4: Instalação elétrica
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

4.4.4 Senha da interface local do operador


Uma Interface local de operador pode ser inserida e ativada para evitar a revisão e modificação
da configuração do dispositivo por meio da LOI. Isso não evita a configuração do HART ou
chaves externas (zero analógico e amplitude; ajuste de zero digital). A senha da LOI é um código
com 4 dígitos que deve ser configurado pelo usuário. Caso você esqueça ou perca a senha, a
senha mestre é “9307”.

A senha da LOI pode ser configurada e ativada/desativada pela comunicação do HART por meio
do Comunicador de campo, AMS Device Manager ou LOI.

Configuração da senha da LOI com o Comunicador de campo


Na tela INÍCIO, insira a sequência de teclas de atalho.

Teclas de atalho do painel de dispositivos 2, 2, 6, 5, 2

Configuração da senha da LOI com o AMS Device Manager


1. Clique com o botão direito no dispositivo e selecione Configurar.
2. Em Configuração manual selecione a guia Segurança.
3. Na Interface local do operador clique no botão Configurar senha e siga as instruções na
tela.

Configuração da senha da LOI usando a Interface local do operador


Figura 4-3. Senha da interface local do operador

VIEW CONFIG EXTENDED MENU


ZERO TRIM CALIBRAT
UNITS DAMPING
RERANGE TRANSFER FUNCT
LOOP TEST SCALED VARIAB
DISPLAY ASSIGN P
EXTENDED MENU TAG
EXIT MENU ALARM SAT VALUES
PASSWORD PASSWORD
SIMULATE PASSWORD ENABLE
HART REV CHANGE PASSWORD
BACK TO MENU BACK TO MENU
EXIT MENU EXIT MENU

4.5 Configuração do alarme do transmissor


Na placa de componentes eletrônicos há um interruptor de alarme, consulte Figura 4-2 na
página 59 para saber a localização do interruptor. Siga as etapas abaixo para alterar o local do
interruptor de alarme.

1. Ajuste o circuito para manual e desligue a alimentação.

2. Remova a tampa do invólucro do transmissor.

3. Use uma chave de fenda pequena para deslizar o botão para a posição desejada.

4. Substitua a tampa do transmissor; a tampa deve estar completamente engatada para


atender aos requisitos de proteção contra explosões.

Instalação elétrica 61
Seção 4: Instalação elétrica Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

4.6 Considerações elétricas


Observação
Verifique se toda a instalação elétrica está de acordo com os requisitos de códigos nacionais e
locais.

CUIDADO
Não encaminhe a fiação de sinais em conduítes ou em bandejas abertas junto com a fiação
de alimentação ou próximo a equipamentos elétricos pesados.

4.6.1 Instalação de conduítes


CUIDADO
Se nenhuma conexão estiver selada, o acúmulo de umidade em excesso poderá danificar o
transmissor. Certifique-se de montar o transmissor com o invólucro elétrico posicionado
para baixo para facilitar a drenagem. Para evitar o acúmulo de umidade no invólucro,
instale a fiação com uma alça de gotejamento e certifique-se de que a parte inferior da alça
esteja abaixo das conexões de conduíte do invólucro do transmissor.

As conexões de conduíte recomendadas são mostradas em Figura 4-4.

Figura 4-4. Diagramas de instalação do conduíte.

B
B
A

A. Possíveis posições de linha de conduíte


B. Composto de vedação

62 Instalação elétrica
Manual de referência Seção 4: Instalação elétrica
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

4.6.2 Fonte de alimentação para HART de 4-20 mA


O transmissor opera a 10,5 — 42,4 Vcc no terminal do transmissor. A fonte de alimentação de CC
deve fornecer energia com menos de dois por cento de ondulação. Um mínimo de 16,6V é
necessário para circuitos com uma resistência de 250 .

Observação
É necessária uma resistência mínima no circuito de 250 s para estabelecer a comunicação com
um comunicador de campo. Se for utilizada uma só fonte de alimentação para alimentar mais
de um transmissor 3051, a fonte de alimentação utilizada e os circuitos comuns aos
transmissores não devem ter mais de 20 s de impedância a 1200 Hz.

Figura 4-5. Limite de carga

Resistência máxima do circuito = 43,5 * (Tensão da fonte de alimentação - 10,5)

1387
Carga (s)

1000

500 Região de
operação
0
10,5 20 30
Tensão (VCC) 42,4

O comunicador de campo requer uma resistência mínima de circuito de 250 para comunicação.

A carga de resistência total é a soma da resistência dos condutores de sinal e da resistência de


carga do controlador, do indicador, de Barreiras I.S. e de peças relacionadas. Se barreiras
intrínsecas de segurança forem usadas, a queda de tensão e resistência devem ser incluídas.

4.6.3 Fiação do transmissor


CUIDADO
 Não conecte a fiação de alimentação dos sinais aos terminais de teste. Uma fiação
incorreta pode danificar o circuito de teste.

Observação
Use pares de cabos trançados blindados para obter os melhores resultados. Para garantir a
comunicação adequada, use um fio 24 AWG ou mais grosso que não ultrapasse 1.500 metros
(5.000 pés).

Instalação elétrica 63
Seção 4: Instalação elétrica Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Figura 4-6. Fiação do transmissor

A.

B.
A. Fonte de alimentação CC
B. RL 250 (necessário apenas para comunicação HART)

Execute o procedimento a seguir para fazer as conexões de ligação elétrica:

1. Remova a tampa do invólucro na lateral do compartimento de terminais. Não remova a


tampa em atmosferas explosivas quando o circuito estiver energizado. A fiação do sinal
fornece a alimentação para o transmissor.

2. Para a saída do HART de 4 a 20 mA, conecte o fio positivo ao terminal positivo (+) e o fio
negativo ao terminal negativo (—). Não conecte os fios de sinal energizados aos
terminais de teste. A energia pode danificar o diodo de teste.

3. Tampe e vede a conexão de conduíte não usada no invólucro do transmissor para evitar
o acúmulo de umidade na lateral do terminal.

4.6.4 Aterramento do transmissor


Aterramento da blindagem do cabo de sinal
O aterramento da blindagem do cabo de sinal é resumido em Figura 4-7 na página 65. A
blindagem do cabo de sinal e o fio de drenagem blindado não utilizado devem ser ajustados e
isolados, garantindo que a blindagem do cabo de sinal e o fio de drenagem não entrem em
contato com o alojamento do transmissor. Consulte “Aterramento do alojamento do
transmissor” na página 65 para obter instruções sobre aterramento do alojamento do
transmissor. Siga as etapas abaixo para aterrar corretamente a blindagem do cabo de sinal.

1. Retire a tampa do invólucro dos terminais de campo.

2. Conecte o par de fios de sinal aos terminais de campo, conforme indicado em


Figura 4-6.

3. Nos terminais de campo, a blindagem do cabo e o fio de drenagem blindado devem ser
ajustados próximos e isolados do alojamento do transmissor.

4. Encaixe novamente a tampa do invólucro dos terminais de campo; a tampa deve estar
completamente engatada para atender aos requisitos de proteção contra explosões.

64 Instalação elétrica
Manual de referência Seção 4: Instalação elétrica
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

5. Em terminações fora do invólucro do transmissor, o fio de drenagem blindado do cabo


deve ser conectado de forma contínua.
a. Antes do ponto terminal, qualquer fio de drenagem blindado exposto deve ser isolado
conforme mostrado em Figura 4-7 (B).

6. Conecte adequadamente o fio de drenagem blindado do cabo para um terra em ou


próximo a uma fonte de alimentação.

Figura 4-7. Par de fiação e aterramento


A.

DP

C. B.
A. Isole a blindagem e o fio de drenagem blindado
B. Isole o fio de drenagem blindado exposto
C. Faça a terminação do fio de drenagem blindado para o terra

Aterramento do alojamento do transmissor


Sempre aterre o alojamento do transmissor de acordo com os códigos elétricos nacional e local.
O método mais efetivo de aterramento do invólucro do transmissor é uma conexão direta ao
terra com impedância mínima. Os métodos de aterramento do alojamento do transmissor
abrangem:
 Conexão de aterramento interna: O parafuso de conexão de aterramento interna fica
localizado no interior da lateral TERMINAIS DE CAMPO do invólucro dos componentes
eletrônicos. Este parafuso é identificado por um símbolo de aterramento ( ).
O parafuso de conexão de aterramento é padrão em todos os transmissores
Rosemount 3051. Consulte a Figura 4-8 na página 66.
 Conexão de aterramento externa: A conexão de aterramento externa está localizada no
exterior do invólucro do transmissor. Consulte a Figura 4-9 na página 66. Esta conexão
só está disponível com a opção V5 e T1.

Instalação elétrica 65
Seção 4: Instalação elétrica Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Figura 4-8. Conexão de aterramento interna

A. Local de aterramento interno

Figura 4-9. Conexão de aterramento externa (opção V5 ou T1)

A. Local de aterramento externo

Observação
O aterramento da caixa do transmissor através da conexão de conduíte roscada pode não
fornecer continuidade de aterramento suficiente.

Aterramento do bloco de terminais de proteção contra transientes


O transmissor pode suportar transientes elétricos do nível de energia normalmente encontrado
em descargas estáticas ou transientes induzidos por comutação. Mas os transientes de alto nível
de energia, como os induzidos na fiação por descargas atmosféricas próximas, podem danificar
o transmissor.

O bloco de terminais de proteção contra transientes pode ser solicitado como opcional
instalado (código da opção T1) ou como peça de reposição para atualizar os transmissores 3051
existentes no campo. Consulte “Peças de reposição” na página 173 para saber os números de
peça de reposição. O símbolo de relâmpago em negrito mostrado na Figura 4-10 na página 67
identifica o bloco de terminais de proteção contra transientes.

66 Instalação elétrica
Manual de referência Seção 4: Instalação elétrica
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Figura 4-10. Bloco de terminais de proteção contra transientes

A.

B.
A. Local da conexão de aterramento externa
B. Local do relâmpago em negrito

Observação
O bloco de terminais de proteção contra transientes não fornece proteção a menos que a caixa
do transmissor esteja devidamente aterrada. Siga as diretrizes para aterrar a caixa do
transmissor. Consulte a Figura 4-10.

Instalação elétrica 67
Seção 4: Instalação elétrica Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

68 Instalação elétrica
Manual de referência Seção 5: Operação e manutenção
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Seção 5 Operação e manutenção

Visão geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 69


Mensagens de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 69
Visão geral da calibração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 70
Ajuste o sinal de pressão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 74
Executar um ajuste de sensor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 75
Comutar a revisão do HART . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 81

5.1 Visão geral


Esta seção contém informações sobre como calibrar os Transmissores de pressão do
Rosemount 3051.

As instruções do Comunicador de campo, AMS e da Interface local do operador (LOI) são


fornecidas para realizar as funções de configuração.

5.2 Mensagens de segurança


Os procedimentos e instruções desta seção podem exigir precauções especiais para garantir a
segurança da equipe que executa as operações. As informações que destacam possíveis
problemas de segurança são indicadas por um símbolo de advertência ( ). Consulte as
mensagens de segurança a seguir antes de executar uma operação precedida por este símbolo.

5.2.1 Advertências

ADVERTÊNCIA
Explosões podem causar mortes ou ferimentos graves:
A instalação do transmissor em um ambiente explosivo deve ser feita de acordo com as
normas, códigos e práticas municipais, nacionais e internacionais. Leia com atenção a seção
de aprovações do manual de referência do modelo 3051 para obter informações sobre as
restrições associadas à instalação segura do equipamento.
 Antes de conectar um Comunicador de campo em uma atmosfera explosiva,
certifique-se de que os instrumentos do circuito estão instalados de acordo com
práticas de ligação elétrica em campo intrinsecamente seguras ou antideflagrantes.
 Em uma instalação à prova de explosão/chamas, não remova as tampas dos
transmissores quando a unidade estiver energizada.
Os vazamentos do processo podem causar ferimentos ou morte.
 Instale e aperte os conectores do processo antes de aplicar pressão.
Choques elétricos podem causar morte ou ferimentos graves.
 Evite o contato com os condutores e os terminais. A alta tensão que pode estar
presente nos condutores pode provocar choque elétrico.

Operação e manutenção 69
Seção 5: Operação e manutenção Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

5.3 Tarefas de calibração recomendadas


CUIDADO
Os transmissores de pressão absoluta (3051CA e 3051TA) são calibrados na fábrica.
O procedimento de ajuste retifica a posição da curva de caracterização de fábrica. Se algum
ajuste for realizado de modo incorreto, ou com equipamentos imprecisos, o desempenho
do transmissor poderá ser reduzido.

Tabela 5-1. Tarefas de calibração básica e completa

Tarefas de instalação no campo Tarefas de calibração na bancada


1. Realizar ajuste inferior/zero do sensor: 1. Executar ajuste opcional de saída
compensar pelos efeitos de pressão de de 4 a 20 mA
montagem
2. Executar um ajuste de sensor
a. Consulte a seção 3.5 para obter
a. Ajuste inferior/zero usando a
instruções de operação do manifold
correção do efeito de pressão de
para válvulas de dreno/respiro
linha. Consulte a seção 3.5 para
apropriadas
obter instruções sobre a
2. Configurar/verificar os parâmetros operação da válvula do
básicos de configuração dreno/respiro.
a. Unidades de saída b. Ajuste opcional completo. Define
a amplitude do dispositivo e
b. Pontos de calibração requer um equipamento de
c. Tipo de saída calibração preciso
d. Valor de amortecimento c. Configurar/verificar os
parâmetros básicos de
configuração.

Observação
Para dispositivos de faixa 0 e faixa 5 3051CA, 3051TA, uma fonte de pressão absoluta precisa é
necessária.

5.4 Visão geral da calibração


O transmissor de pressão Rosemount 3051 é um instrumento preciso totalmente calibrado na
fábrica. A calibração em cabo é fornecida aos usuários para anteder às exigências da fábrica ou
aos padrões da indústria. A calibração completa do Rosemount 3051 pode ser dividida em duas
metades, Calibração de sensor e Calibração de saída analógica.

A Calibração do sensor permite que o usuário ajuste a pressão (valor digital) informada pelo
transmissor para que se iguale a um padrão de pressão. A calibração do sensor pode ajustar a
compensação de pressão para corrigir as condições de montagem ou os efeitos de pressão da
linha. Essa correção é recomendada. A calibração da faixa de pressão (amplitude de pressão ou
correção de ganho) requer padrões precisos de pressão (fontes) para fornecer uma calibração
completa.

Como a Calibração do sensor, a saída analógica pode ser calibrada para corresponder ao sistema
de medição do usuário. O ajuste da saída analógica (Ajuste de saída de 4 a 20 mA) calibrará o
circuito nos pontos 4 mA e 20 mA.
70 Operação e manutenção
Manual de referência Seção 5: Operação e manutenção
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

A Calibração do sensor e a Calibração da saída analógica se combinam para adequar o sistema


de medição do transmissor ao padrão da fábrica.

Calibre o sensor
 Ajuste do sensor (página 75)
 Ajuste a zero (página 75)

Calibre a saída de 4 a 20 mA
 Ajuste de saída de 4 a 20 mA (página 79)
 Ajuste da saída de 4 a 20 mA usando outra escala (página 80)

5.4.1 Determinar os ajustes necessários do sensor


As calibrações na bancada permitem a calibração do instrumento para a faixa de operação
desejada. As conexões diretas à fonte de pressão permitem uma calibração completa nos
pontos de operação planejada. Operar o Transmissor acima da faixa de pressão desejada
permite a verificação da saída analógica. Ajuste o sinal de pressão na página 74 discute como as
operações de ajuste alteram a calibração. Se um ajuste for realizado de modo incorreto, ou com
equipamentos imprecisos, o desempenho do transmissor poderá ser reduzido. O transmissor
pode ser ajustado novamente para as configurações de fábrica usando o comando Restaurar
ajuste de fábrica em Restaurar ajuste de fábrica — Ajuste do sensor na página 77.

Para transmissores que estão instalados no campo, os manifolds discutidos em Manifolds


Rosemount 305, 306 e 304 na página 51 permitem que o transmissor diferencial seja zerado
usando a função de ajuste. Os manifolds de 3 válvulas e 5 válvulas são discutidos. Esta calibração
no campo determinará qualquer compensação de pressão causada pelos efeitos de montagem
(efeito na cabeça do enchimento de óleo) e efeitos de pressão estática do processo.

Determine os ajustes necessários com as seguintes etapas.

1. Aplique pressão

2. Verifique a pressão digital, se a pressão digital não corresponder à pressão aplicada,


realize um ajuste digital. Consulte Executar um ajuste de sensor na página 75.

3. Verifique a saída analógica informada com relação à saída analógica em tempo real.
Caso elas não sejam compatíveis, realize um ajuste de saída analógica. Consulte
Realizar ajuste de digital para analógico (ajuste de saída de 4 a 20 mA) na página 79.

Ajuste com os botões de configuração


Os botões de configuração locais são botões externos localizados abaixo da etiqueta superior do
transmissor. Há dois conjuntos possíveis de botões de configuração locais que podem ser
solicitados e utilizados para a realização de operações de ajuste: Ajuste de zero digital e
Interface local do operador. Para acessar os botões, afrouxe o parafuso e gire a etiqueta superior
até que os botões fiquem visíveis.
 Interface local do operador (M4): Pode realizar o Ajuste de sensor digital e o Ajuste de
saída de 4 a 20 mA (ajuste de saída analógica). Siga os mesmos procedimentos listados
no ajuste com o Comunicador de campo ou AMS listado abaixo.
 Ajuste de zero digital (DZ): usado para realizar um ajuste de zero do sensor. Consulte
Determinação da frequência de calibração na página 72 para obter instruções sobre o
ajuste.

Operação e manutenção 71
Seção 5: Operação e manutenção Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Todas as alterações de configuração devem ser monitoradas por um mostrador ou pela medição
da saída do circuito. Figura 5-1 mostra as diferenças físicas entre os dois conjuntos de botões.

Figura 5-1. Opções de botões de configuração local

A B

A. Interface local do operador — retentor verde


B. Ajuste de zero digital — retentor cinza

5.4.2 Determinação da frequência de calibração


A frequência de calibração pode variar muito dependendo da aplicação, dos requisitos de
desempenho e das condições do processo. Use o procedimento a seguir para determinar a
frequência de calibração de acordo com as necessidades da aplicação.

1. Determine o desempenho necessário para sua aplicação.

2. Determine as condições operacionais.

3. Calcule o erro provável total (TPE).

4. Calcule a estabilidade por mês.

5. Calcule a frequência de calibração.

Exemplo de cálculo para o 3051


(precisão de 0,04% e estabilidade de 5 anos)
Primeira etapa: Determine o desempenho necessário para sua aplicação.

Desempenho necessário: 0,20% de amplitude

Segunda etapa: Determine as condições operacionais.

Transmissor: 3051CD, faixa 2 [URL=623 mbar(250 pol.H2O)]


Span calibrada: 374 mbar (150 pol.H2O)
Variação de temperatura ambiente: ±28 °C (50 °F)
Pressão da linha: 34,5 bar (500 psig)

72 Operação e manutenção
Manual de referência Seção 5: Operação e manutenção
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Terceira etapa: Calcule o erro provável total (TPE).

TPE = (Precisão de A
Transmitter ccuracy  22 +
referência) + (Efeito 2
da temperatura)
SensorAccuracy 2
+ (Efeito da pressão estática)2 = 0,105% de SPAN

Onde:

Precisão de referência = ±0,04% de amplitude

Efeito da temperatura ambiente = (0,0125URL) + 0,0625 % por 50 °F = ±0,0833% de amplitude


Amplitude

Efeito de pressão estática de amplitude(1) =


Leitura de 0,1% por 69 bar (1000 psi) = ±0,05% de amplitude na amplitude máxima
(1) Efeito da pressão estática no zero removido por meio do ajuste de zero na pressão da linha.

Passo 4: Calcule a estabilidade por mês.


Estabilidade = ± 0,125URL
% de amplitude para 5 anos = ±0,0021% de URL para 1 mês
Amplitude

Passo 5: Calcule a frequência de calibração.


(Desempenho necessário — TPE) (0,2% — 0,105%)
Frequência de cálculo = = = 45 meses
(Estabilidade por mês) (0,0021%)

5.4.3 Compensação para Efeitos de pressão de linha de amplitude


(faixa 4 e faixa 5)
Os transmissores de pressão Rosemount 3051 faixas 4 e 5 requerem um procedimento de
calibração especial quando utilizados em aplicações de pressão diferencial. A finalidade desse
procedimento é otimizar o desempenho do transmissor reduzindo o efeito da pressão estática
da linha nessas aplicações. Os transmissores de pressão diferencial 3051 (faixas de 0 a 3) não
requerem esse procedimento porque a otimização ocorre no sensor.

O deslocamento sistemático do SPAN causado pela aplicação da pressão estática da linha é de


-0,95% da leitura a cada 69 bar (1000 psi) para transmissores de faixa 4, e -1% da leitura a cada
69 bar (1000 psi) para transmissores de faixa 5. Usando o seguinte procedimento, o efeito de
amplitude pode ser corrigido para ±0,2% de leitura por 69 bar (1000 psi) para pressões de linha
de 0 a 250 bar (0 a 3626 psi).

Use o exemplo a seguir para calcular os valores corretos de entrada.

Exemplo
Um transmissor do HART de pressão diferencial de faixa 4 (3051CD4...) será utilizado em uma
aplicação com uma pressão de linha estática de 83 bar (1200 psi). A saída do transmissor está na
faixa de 4 mA a 1, 2 bar (500 pol.H2O) e 20 mA a 3, 7 bar (1500 pol.H2O). Para corrigir o erro
sistemático causado pela pressão estática alta da linha, use em primeiro lugar as seguintes
fórmulas para determinar o valor corrigido para o ajuste alto.

Operação e manutenção 73
Seção 5: Operação e manutenção Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Valor de ajuste alto:


HT = (VSF — (S/100 x P/1000 x VIF))

Onde: HT = Valor de ajuste alto corrigido


URV = Valor superior da faixa
S= Deslocamento da amplitude de acordo com a especificação (como
uma porcentagem da leitura)
P= Pressão estática da linha em psi

Neste exemplo:

URV = 3,74 bar (1500 pol.H2O)


S= —0,95%
P= 1200 psi
LT = 1500 — (-0,95%/100 x 1200 psi/1000 x 1500 pol.H2O)
LT = 1517,1 pol.H2O

Conclua o procedimento de ajuste do sensor superior conforme descrito em Executar um ajuste


de sensor na página 75. No exemplo acima, na etapa 4, aplique o valor da pressão nominal de
1500 pol.H2O. No entanto, insira o valor de ajuste superior correto calculado de 1517,1 pol.H2O
com o Comunicador de campo.

Observação
Os valores da faixa para os pontos de 4 e 20 mA devem estar nos valores nominais do VSF e VIF.
No exemplo acima, os valores são 1500 pol.H2O e 500 pol.H2O, respectivamente. Confirme os
valores na tela INÍCIO do Comunicador de campo. Modifique, se necessário, seguindo as etapas
em Reajustar o transmissor na página 16.

5.5 Ajuste o sinal de pressão


5.5.1 Visão geral do ajuste do sensor
Um Ajuste de sensor corrige a compensação de pressão e a faixa de pressão para que
correspondam a um padrão de pressão. O Ajuste do sensor superior corrige a faixa de pressão e
o Ajuste do sensor inferior (Ajuste de zero) corrige a compensação de pressão. Um padrão de
pressão preciso é necessário para a calibração completa. Um ajuste de zero pode ser realizado se
o processo for ventilado ou se as pressões dos lados superior e inferior forem iguais (para
transmissores de pressão diferencial).

O ajuste de zero é um ajuste de deslocamento de ponto único. Ele é útil para compensar os
efeitos da posição de montagem e mais eficaz quando realizado com o transmissor instalado na
posição de montagem final. Como esta correção mantém a inclinação da curva de caracterização,
ela não deve ser usada em lugar de um ajuste de sensor na faixa completa do sensor.

Quando efetuar um ajuste de zero, assegure-se de que a válvula de equalização esteja aberta e
que todas as pernas molhadas estejam cheias até os níveis corretos. A pressão de linha deve ser
aplicada ao transmissor durante um ajuste de zero para eliminar os erros de pressão de linha.
Consulte a Operação do manifold na página 53.

74 Operação e manutenção
Manual de referência Seção 5: Operação e manutenção
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Observação
Não realize um ajuste de zero nos transmissores de pressão absoluta Rosemount 3051T. Esse
ajuste é baseado em zero e os transmissores de pressão absoluta fazem referência ao zero
absoluto. Para corrigir os efeitos de posição de montagem em um transmissor de pressão
absoluta 3051T, faça um ajuste baixo na função de ajuste do sensor. A função de ajuste baixo
fornece uma correção de deslocamento semelhante à função de ajuste de zero, mas não precisa
da entrada com base em zero.

O Ajuste dos sensores superior e inferior é uma calibração de sensor de dois pontos em que as
pressões de dois pontos finais são aplicadas, todas as saídas são linearizadas entre eles e exigem
uma fonte de pressão precisa. Ajuste sempre o valor de ajuste baixo em primeiro lugar para
estabelecer o deslocamento correto. O ajuste do valor alto fornece uma correção de inclinação
para a curva de caracterização com base no valor de ajuste baixo. Os valores de ajuste ajudam a
otimizar o desempenho em uma faixa de medição específica.

Figura 5-2. Exemplo de ajuste do sensor


Ajuste inferior do sensor/zero Ajuste superior do sensor
100,1

A. A.
Leitura de pressão

Leitura de pressão
B.
B.

0,1

Entrada da pressão Entrada da pressão

A. Antes do ajuste
B. Depois do ajuste

5.5.2 Executar um ajuste de sensor


Ao realizar o Ajuste do sensor, apenas os limites superior e inferior podem ser ajustados. Se os
ajustes superior e inferior forem realizados, o ajuste inferior deve ser feito antes do superior.

Observação
Use uma fonte de entrada de pressão que seja pelo menos três vezes mais precisa que o
transmissor e deixe a pressão de entrada se estabilizar por dez segundos antes de inserir
algum valor.

Realizar um ajuste de sensor com um comunicador de campo


Na tela INÍCIO, digite a sequência de tecla de atalho e siga as etapas no Comunicador de campo
para concluir o Ajuste do sensor

Teclas de atalho do painel de dispositivos 3, 4, 1

Operação e manutenção 75
Seção 5: Operação e manutenção Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Para calibrar o sensor com um comunicador de campo usando a função de Ajuste do sensor,
execute o seguinte procedimento:

1. Selecione Ajuste do sensor inferior.

Observação
Selecione os pontos de pressão para que os valores superior e inferior sejam iguais ou fora da
faixa de operação esperada do processo. Para fazer isso, consulte “Reajustar o transmissor” na
página 16 da Seção 2: Configuração.

2. Siga os comandos fornecidos pelo comunicador de campo para concluir o ajuste do


valor inferior.

3. Repita o procedimento para o valor superior, substituindo 2: Ajuste do sensor inferior


com 3: Ajuste do sensor superior na Etapa 1.

Realizar um ajuste de sensor com o AMS Device Manager


Clique com o botão direito do mouse no dispositivo e, no menu suspenso Método, mova o cursor
sobre Calibrar e, em Ajuste do sensor, selecione Ajuste do sensor inferior.

1. Siga as instruções na tela para realizar um Ajuste de sensor usando o AMS Device
Manager.

2. Caso queira, clique com o botão direito do mouse no dispositivo e, no menu suspenso
Método, mova o cursor sobre Calibrar e, em Ajuste do sensor, selecione Ajuste do sensor
superior.

Realizar um Ajuste de sensor usando a Interface local do operador


Realize um Ajuste de sensor superior e inferior consultando Figura 5-3.

Figura 5-3. Ajuste de sensor com a Interface local do operador

VIEW CONFIG EXTENDED MENU


ZERO TRIM CALIBRAT CALIBRAT
UNITS DAMPING ZERO TRIM
RERANGE TRANSFER FUNCT LOWER TRIM
LOOP TEST SCALED VARIAB UPPER TRIM
DISPLAY ASSIGN PV ANALOG TRIM
EXTENDED MENU TAG FACTORY RECALL
EXIT MENU ALARM SAT VALUES BACK TO MENU
PASSWORD EXIT MENU
SIMULATE
HART REV
BACK TO MENU
EXIT MENU

76 Operação e manutenção
Manual de referência Seção 5: Operação e manutenção
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Realizar um ajuste de zero digital (opção DZ)


Um Ajuste de zero digital (opção DZ) oferece a mesma função de um Ajuste de sensor
inferior/zero, mas pode ser feito em áreas classificadas em qualquer horário determinado,
simplesmente apertando o botão de Ajuste de zero quando o transmissor estiver com a pressão
em zero. Se o transmissor não estiver próximo o bastante do zero quando o botão for
pressionado, o comando poderá falhar devido à correção excessiva. Se solicitado, um Ajuste de
zero digital pode ser realizado com a utilização de botões de configuração externos localizados
abaixo da etiqueta superior do transmissor, consulte Figura 5-1 na página 72 para saber a
localização do botão DZ.

1. Afrouxe a etiqueta superior do transmissor para expor o botão

2. Pressione e segure o botão de zero digital por pelo menos dois segundos e, em seguida,
solte-o para realizar um Ajuste de zero digital

5.5.3 Restaurar ajuste de fábrica — Ajuste do sensor


O comando Restaurar ajuste de fábrica – Ajuste do sensor permite restaurar as configurações
de fábrica do Ajuste do sensor. Esse comando pode ser útil para a recuperação em caso de um
ajuste de zero acidental de uma unidade de pressão absoluta ou fonte de pressão imprecisa.

Restaurar ajuste de fábrica com um Comunicador de campo


Na tela INÍCIO, digite a sequência de tecla de atalho e siga as etapas no Comunicador de campo
para concluir o Ajuste do sensor.

Teclas de atalho do painel de dispositivos 3, 4, 3

Restaurar ajuste de fábrica com o AMS


Clique com o botão direito do mouse no dispositivo e, no menu suspenso Método, mova o cursor
sobre Calibrar e selecione Restaurar ajuste de fábrica.

1. Clique em Próximo depois de colocar a malha de controle em modo manual.

2. Selecione Ajuste do sensor em Ajuste a restaurar e clique em Próximo.

3. Siga as instruções na tela para restaurar o Ajuste de sensor.

Operação e manutenção 77
Seção 5: Operação e manutenção Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Restaurar ajuste de fábrica — Ajuste de sensor utilizando a


Interface local do operador
Consulte Figura 5-4 para restaurar o Ajuste de sensor de fábrica.

Figura 5-4. Restaurar ajuste de fábrica — Ajuste de sensor com a Interface local do operador

VIEW CONFIG EXTENDED MENU


ZERO TRIM CALIBRAT CALIBRAT
UNITS DAMPING ZERO TRIM
RERANGE TRANSFER FUNCT LOWER TRIM
LOOP TEST SCALED VARIAB UPPER TRIM
DISPLAY ASSIGN PV ANALOG TRIM
EXTENDED MENU TAG FACTORY RECALL FACTORY RECALL
EXIT MENU ALARM SAT VALUES BACK TO MENU SENSOR RECALL
PASSWORD EXIT MENU ANALOG RECALL
SIMULATE BACK TO MENU
HART REV EXIT MENU
BACK TO MENU
EXIT MENU

5.6 Ajuste da saída analógica


O comando Ajuste da saída analógica permite ajustar a saída de corrente do transmissor nos
pontos de 4 e 20 mA para coincidir com os padrões da fábrica. Esse ajuste é realizado depois da
conversão de digital para analógico de modo que apenas o sinal analógico de 4 a 20 mA será
afetado. Figura 5-5 mostra graficamente as duas formas que a curva de caracterização é afetada
quando uma saída analógica é realizada.

Figura 5-5. Exemplo de ajuste da saída analógica


Ajuste de saída de 4 a 20 mA — Ajuste de saída de 4 a 20 mA —
Ajuste inferior/zero 20,1mA Ajuste superior
Leitura do medidor

A.
Leitura do medidor

A. B.

B.
4,1mA

Saída de mA Saída de mA

A. Antes do ajuste
B. Depois do ajuste

78 Operação e manutenção
Manual de referência Seção 5: Operação e manutenção
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

5.6.1 Realizar ajuste de digital para analógico (ajuste de saída de


4 a 20 mA)
Observação
Se for adicionado um resistor ao circuito, verifique se a fonte de alimentação é suficiente para
alimentar o transmissor a uma saída de 20 mA com resistência de circuito adicional. Consulte a
Fonte de alimentação para HART de 4-20 mA na página 63.

Realizar um ajuste de saída de 4 a 20 mA com um Comunicador


de campo
Na tela INÍCIO, digite a sequência de tecla de atalho e siga as etapas no Comunicador de campo
para concluir o ajuste de saída de 4 a 20 mA.

Teclas de atalho do painel de dispositivos 3, 4, 2, 1

Realizar um ajuste de saída de 4 a 20 mA com o AMS


Clique com o botão direito do mouse no dispositivo e, no menu suspenso Método, mova o cursor
sobre Calibrar e selecione Calibração analógica.

1. Selecione Ajuste de digital para analógico.

2. Siga as instruções na tela para realizar um ajuste de saída de 4 a 20 mA.

Realizar um ajuste de saída de 4 a 20 mA usando a Interface local


do operador

Figura 5-6. Ajuste de saída de 4 a 20 mA usando a Interface local do operador

VIEW CONFIG EXTENDED MENU


ZERO TRIM CALIBRAT CALIBRAT
UNITS DAMPING ZERO TRIM
RERANGE TRANSFER FUNCT LOWER TRIM
LOOP TEST SCALED VARIAB UPPER TRIM
DISPLAY ASSIGN PV ANALOG TRIM
EXTENDED MENU TAG FACTORY RECALL
EXIT MENU ALARM SAT VALUES BACK TO MENU
PASSWORD EXIT MENU
SIMULATE
HART REV
BACK TO MENU
EXIT MENU

Operação e manutenção 79
Seção 5: Operação e manutenção Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

5.6.2 Realizar ajuste de digital para analógico (ajuste de saída de


4 a 20 mA) usando outra escala
O comando Ajuste de saída de 4 — 20 com escala associa os pontos 4 e 20 mA a uma escala de
referência diferente de 4 e 20 mA selecionada pelo usuário (por exemplo, 2 a 10 volts se estiver
medindo uma carga de 500 , ou de 0 a 100 por cento se estiver medindo a partir de um
sistema de controle distribuído [SCD]). Para fazer um ajuste de saída de 4 a 20 mA com escala,
conecte um medidor de referência preciso ao transmissor e ajuste o sinal de saída de acordo
com a escala, conforme descrito no procedimento Ajuste de saída.

Realizar um ajuste de saída de 4 a 20 mA usando outra escala


com um Comunicador de campo
Na tela INÍCIO, digite a sequência de tecla de atalho e siga as etapas no Comunicador de campo
para concluir o ajuste de saída de 4 a 20 mA com outra escala.

Teclas de atalho do painel de dispositivos 3, 4, 2, 2

Realizar um ajuste de saída de 4 a 20 mA usando outra escala


com o AMS
Clique com o botão direito do mouse no dispositivo e, no menu suspenso Método, mova o cursor
sobre Calibrar e selecione Calibração analógica.

1. Selecione Ajuste de digital para analógico com escala

2. Siga as instruções na tela para realizar um ajuste de saída de 4 a 20 mA.

5.6.3 Restaurar ajuste de fábrica — saída analógica


O comando Restaurar ajuste de fábrica – Saída analógica permite restaurar as configurações de
fábrica do ajuste de saída analógica. Este comando pode ser útil para a recuperação no caso de
um ajuste acidental, padrão da fábrica incorreto ou medidor com defeito.

Restaurar ajuste de fábrica — saída analógica com um


Comunicador de campo
Na tela INÍCIO, digite a sequência de tecla de atalho e siga as etapas no Comunicador de campo
para concluir o ajuste de digital para analógico usando outra escala.

Teclas de atalho do painel de dispositivos 3, 4, 3

80 Operação e manutenção
Manual de referência Seção 5: Operação e manutenção
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Restaurar ajuste de fábrica — saída analógica com o AMS


Clique com o botão direito do mouse no dispositivo e, no menu suspenso Método, mova o cursor
sobre Calibrar e selecione Restaurar ajuste de fábrica.

1. Clique em Próximo para ajustar o circuito de controle em modo manual.

2. Selecione Ajuste de saída analógica em Selecionar ajuste a restaurar e clique em


Próximo.

3. Siga as instruções na tela para restaurar o ajuste de saída analógica.

Restaurar ajuste de fábrica — saída analógica com a Interface


local do operador
Consulte Figura 5-7 para obter instruções da LOI.

Figura 5-7. Restaurar ajuste de fábrica — saída analógica com a Interface local do operador

VIEW CONFIG EXTENDED MENU


ZERO TRIM CALIBRAT CALIBRAT
UNITS DAMPING ZERO TRIM
RERANGE TRANSFER FUNCT LOWER TRIM
LOOP TEST SCALED VARIAB UPPER TRIM
DISPLAY ASSIGN PV ANALOG TRIM
EXTENDED MENU TAG FACTORY RECALL FACTORY RECALL
EXIT MENU ALARM SAT VALUES BACK TO MENU SENSOR RECALL
PASSWORD EXIT MENU ANALOG RECALL
SIMULATE BACK TO MENU
HART REV EXIT MENU
BACK TO MENU
EXIT MENU

5.7 Comutar a revisão do HART


Alguns sistemas não podem se comunicar com os dispositivos do HART Revisão 7. Os seguintes
procedimentos listam como alterar as revisões do HART entre o HART Revisão 7 e o HART
Revisão 5.

5.7.1 Alterar a revisão do HART com o Menu genérico


Se a ferramenta de configuração HART não for capaz de comunicar-se com um dispositivo do
HART Revisão 7, ela deverá carregar um menu genérico com capacidade limitada. Os seguintes
procedimentos permitem alternar entre o HART Revisão 7 e o HART Revisão 5 a partir de um
Menu genérico.

1. Localizar o campo “Mensagem”


a. Para alterar para a revisão HART 5, insira: HART5 no campo de mensagens
b. Para alterar para a revisão HART 7, insira: HART7 no campo de mensagens

Operação e manutenção 81
Seção 5: Operação e manutenção Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

5.7.2 Alterar a revisão do HART com o Comunicador de campo


Na tela INÍCIO, digite a sequência de tecla de atalho e siga as etapas no Comunicador de campo
para concluir a alteração da revisão do HART.

Na tela INÍCIO, insira a sequência de teclas de atalho. HART5 HART7

Teclas de atalho do painel de dispositivos 2, 2, 5, 2, 4 2, 2, 5, 2, 3

5.7.3 Alternar a revisão do HART com o AMS Device Manager


1. Clique em Configuração manual e selecione HART.

2. Selecione Alterar revisão do HART e, em seguida, siga as instruções na tela.

Observação
As versões do 10,5 ou superiores do AMS Device Manager são compatíveis com o HART Revisão 7.

5.7.4 Alterar a revisão do HART com a Interface local do operador


Navegue até HART REV no menu estendido e selecione HART REV 5 ou HART REV 7. Use Figura 5-8
abaixo para alterar a Revisão do HART.

Figura 5-8. Alterar a revisão do HART com a Interface local do operador

VIEW CONFIG EXTENDED MENU


ZERO TRIM CALIBRAT
UNITS DAMPING
RERANGE TRANSFER FUNCT
LOOP TEST SCALED VARIAB
DISPLAY ASSIGN PV
EXTENDED MENU TAG
EXIT MENU ALARM SAT VALUES
PASSWORD
SIMULATE
HART REV
BACK TO MENU
EXIT MENU

82 Operação e manutenção
Manual de referência Seção 6: Solução de problemas
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Seção 6 Solução de problemas

Visão geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 83


Mensagens de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 83
Mensagens de diagnóstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 86
Procedimentos de desmontagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 90
Procedimentos para montar novamente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 92

6.1 Visão geral


A Tabela 6-1 fornece sugestões resumidas para manutenção e solução dos problemas mais
comuns de operação.

Caso se suspeite de avarias, mesmo sem a presença de mensagens de diagnóstico no mostrador


do Comunicador de campo, deve-se considerar a possibilidade de usar a Seção 6.3 na página 86
para identificar qualquer problema potencial.

6.2 Mensagens de segurança


Os procedimentos e instruções desta seção podem exigir precauções especiais para garantir a
segurança da equipe que executa as operações. As informações que destacam possíveis
problemas de segurança são indicadas por um símbolo de advertência ( ). Consulte as
mensagens de segurança a seguir antes de executar uma operação precedida por este símbolo.

Solução de problemas 83
Seção 6: Solução de problemas Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

6.2.1 Advertências

ADVERTÊNCIA

Explosões podem causar mortes ou ferimentos graves:


A instalação do transmissor em um ambiente explosivo deve ser feita de acordo com as
normas, códigos e práticas municipais, nacionais e internacionais. Leia com atenção a seção
de aprovações do manual de referência do modelo 3051 para obter informações sobre as
restrições associadas à instalação segura do equipamento.
 Antes de conectar um Comunicador de campo em uma atmosfera explosiva,
certifique-se de que os instrumentos do circuito estão instalados de acordo com
práticas de ligação elétrica em campo intrinsecamente seguras ou antideflagrantes.
 Em uma instalação à prova de explosão/chamas, não remova as tampas dos
transmissores quando a unidade estiver energizada.
Os vazamentos do processo podem causar ferimentos ou morte.
 Instale e aperte os conectores do processo antes de aplicar pressão.
Choques elétricos podem causar morte ou ferimentos graves.
 Evite o contato com os condutores e os terminais. A alta tensão que pode estar
presente nos condutores pode provocar choque elétrico.

84 Solução de problemas
Manual de referência Seção 6: Solução de problemas
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Tabela 6-1. Tabela de solução de problemas do Rosemount 3051 para saída de 4 a 20 mA

Sintoma Ações corretivas


A leitura do transmissor em miliamps é zero Verifique se a tensão do terminal é de 10,5 a 42,4 Vcc nos terminais de sinal
Verifique se os fios de alimentação têm polaridade invertida
Verifique se os fios de alimentação estão conectados aos terminais de sinal
Verifique se há um diodo aberto no terminal de teste
O transmissor não está em comunicação Verifique se a tensão do terminal é de 10,5 a 42,4 Vcc
com o comunicador de campo
Verifique a resistência do circuito, mínimo de 250  (tensão da fonte de
alimentação - tensão do transmissor/corrente do circuito)
Verifique se os cabos de alimentação estão conectados aos terminais de sinal e
não aos terminais de teste
Verifique se há alimentação CC no transmissor (ruído máx de 0,2 volts de CA
pico a pico)
Verifique se a saída está entre 4 e 20 mA ou os níveis de saturação
Execute uma consulta do Comunicador de campo para todos os endereços
A leitura do transmissor em miliamps é baixa Verifique a pressão aplicada
ou alta
Verifique os pontos de 4 e 20 mA da faixa
Verifique se a saída não está em condição de alarme
Realize o ajuste digital
Verifique se os fios de alimentação estão conectados aos terminais de sinal
corretos (positivo ao positivo e negativo ao negativo) e não ao terminal de
teste
O transmissor não responde a alterações na Verifique se a tubulação de impulso ou o coletor não estão bloqueados
pressão aplicada
Verifique se a pressão aplicada está entre os pontos 4 e 20 mA
Verifique se a saída não está na condição de alarme
Verifique se o transmissor não está no modo de teste do circuito
Verifique se o transmissor não está no modo multipontos
Verifique o equipamento de teste
A leitura da variável da pressão digital é baixa Verifique se a tubulação de impulso não está bloqueada ou com um nível baixo
ou alta de enchimento na perna molhada
Verifique se o transmissor está calibrado corretamente
Verifique o equipamento de teste (verifique a precisão)
Verifique os cálculos de pressão para a aplicação
A leitura da variável da pressão digital Verifique se a aplicação tem equipamentos com falhas na linha de pressão
apresenta erro
Verifique se o transmissor não está reagindo diretamente ao
ligamento/desligamento do equipamento
Verifique se o amortecimento está definido corretamente para a aplicação
A leitura em miliamps apresenta erro Verifique se a fonte de alimentação do transmissor tem tensão e corrente
adequadas
Verifique se há interferência elétrica externa
Verifique se o transmissor está aterrado corretamente
Verifique se a blindagem do par trançado está aterrada somente em uma
extremidade

Solução de problemas 85
Seção 6: Solução de problemas Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

6.3 Mensagens de diagnóstico


Nas seções abaixo, estão listadas tabelas detalhadas de possíveis mensagens que surgirão no
mostrador LCD/LOI, em um Comunicador de campo ou em um sistema AMS. Use as tabelas
abaixo para diagnosticar mensagens de status específicas.
 Bom
 Falhou — resolver agora
 Manutenção — resolver em breve
 Informativo

Nas seções abaixo, estão listadas tabelas detalhadas de possíveis mensagens que serão exibidas
em: um mostrador LCD/LOI, um Comunicador de campo ou um sistema AMS.

6.3.1 Mensagem de diagnóstico: falhou — resolver agora

Tabela 6-2. Status: Falhou — Resolver agora

Nome do alerta Tela LCD Tela LOI Problema Ação recomendada


Sem NO P NO PRESS 1. Verifique se a conexão do cabo do
atualizações de Não há atualizações de
UPDATE UPDATE sensor dos componentes
pressão pressão do sensor para
os componentes
eletrônicos está bem encaixada.
eletrônicos
2. Substitua o sensor de pressão.
Falha da placa de FAIL FAIL Foi detectada uma falha 1. Substitua a placa de circuitos
componentes BOARD BOARD na placa de circuitos eletrônicos.
eletrônicos eletrônicos
Erro crítico de 1. Confirme e corrija todos os
dados do sensor parâmetros listados nas
Um parâmetro gravado Informações do dispositivo.
pelo usuário não
corresponde ao valor 2. Realize uma redefinição do
esperado dispositivo.

MEMRY MEMORY 3. Substitua o módulo do sensor.


Erro crítico de ERROR ERROR 1. Confirme e corrija todos os
dados parâmetros listados nas
eletrônicos
Informações do dispositivo.
Um parâmetro gravado
pelo usuário não
2. Realize uma redefinição do
corresponde ao valor
esperado
dispositivo.

3. Substitua a placa de componentes


eletrônicos.
Falha de sensor FAIL FAIL Uma falha foi detectada 1. Substitua o sensor de pressão.
SENSOR SENSOR no sensor de pressão
Sensor e XMTR XMTR O sensor de pressão 1. Substitua a placa de componentes
componentes MSMTCH MSMTCH não é compatível com eletrônicos ou sensor por um
eletrônicos os componentes
incompatíveis hardware compatível.
eletrônicos conectados

86 Solução de problemas
Manual de referência Seção 6: Solução de problemas
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

6.3.2 Mensagem de diagnóstico: Manutenção — Resolver em breve

Tabela 6-3. Status: Manutenção — resolver em breve

Nome do alerta Tela LCD Tela LOI Problema Ação recomendada


Sem atualizações NO T NO TEMP Não há atualizações 1. Verifique se a conexão do cabo do
de temperatura UPDATE UPDATE de temperatura do sensor dos componentes
sensor para os eletrônicos está bem encaixada.
componentes
eletrônicos 2. Substitua o sensor de pressão.
Pressão fora dos PRES PRES OUT 1. Verifique a conexão de pressão do
limites LIMITS LIMITS transmissor para garantir que ela
A pressão está acima
não está conectada ou que os
ou abaixo dos limites
do sensor diafragmas não estão danificados.

2. Substitua o sensor de pressão.


Temperatura do 1. Verifique se o processo e as
sensor além dos A temperatura do
condições ambientes estão dentro
limites sensor excedeu seu
limite seguro de
de —65 a 90 °C (—85 a 194 °F).
operação
2. Substitua o sensor de pressão.
TEMP TEMP OUT
Temperatura dos LIMITS LIMITS
1. Verifique se a temperatura dos
componentes A temperatura dos componentes eletrônicos está
eletrônicos além
dos limites componentes dentro dos limites de —65 a 90 °C
eletrônicos excedeu o (—85 a 194 °F).
limite seguro de
operação. 2. Substitua a placa de componentes
eletrônicos.
Diagnóstico de 1. Verifique a fonte de alimentação de
consultoria de CC para assegurar que a
alimentação
alimentação está correta, estável e
tem ondulação mínima.
O transmissor
detectou um desvio 2. Verifique a fiação do circuito para
dos limites ver se há desgaste ou aterramento
configurados da saída inadequado.
de tensão do
ENERGIA ENERGIA
terminal. Isso pode 3. Remova a tampa do
ADVISE ADVISE
indicar o desgaste dos compartimento de fiação
componentes (considerando os requisitos de área
elétricos ou da classificada) para verificar a
integridade do presença de água ou corrosão.
circuito

Observação
Se as condições tiverem voltado ao normal,
clicar em Redefinir alerta limpará o alerta

Solução de problemas 87
Seção 6: Solução de problemas Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Nome do alerta Tela LCD Tela LOI Problema Ação recomendada


Erro de MEMRY MEMORY Um parâmetro do 1. Substitua a placa de circuitos
parâmetro da WARN WARN dispositivo não eletrônicos.
placa de (também no (também no corresponde ao valor
componentes
eletrônicos informativo) informativo) esperado. O erro não
afeta a operação do
transmissor ou a saída
analógica.
Erro do operador STUCK STUCK 1. Verifique se os botões de
dos botões de O dispositivo não está
BUTTON BUTTON configuração estão emperrados.
configuração respondendo quando
os botões são
2. Substitua a placa de circuitos
pressionados.
eletrônicos.

6.3.3 Mensagem de diagnóstico: Informativo

Tabela 6-4. Status: Informativo

Nome do
Tela LCD Tela LOI Problema Ação recomendada
alerta
Advertência 1. Confirme e corrija todos os parâmetros
de dados de listados nas Informações do dispositivo.
usuário não Um parâmetro
críticos gravado pelo usuário
2. Realize uma redefinição do dispositivo.
não corresponde ao
valor esperado
3. Substitua a placa de componentes
MEMRY MEMORY eletrônicos.
WARN WARN
Alerta de 1. Confirme e corrija todos os parâmetros
parâmetro do Um parâmetro listados nas Informações do dispositivo.
sensor
gravado pelo usuário
não corresponde ao 2. Realize uma redefinição do dispositivo.
valor esperado
3. Substitua o sensor de pressão.
Alerta de 1. Verifique se a pressão do processo está
pressão dentro de um valor esperado.
O diagnóstico do
PRESS PRESSURE alerta de pressão foi
2. Verifique se a pressão está além dos
ALERT ALERT além dos pontos de
pontos de ativação.
ativação
configurados.
3. Modifique os pontos de ativação ou
desligue o alerta.
Alerta de TEMP TEMP 1. Verifique se a temperatura do ambiente
temperatura ALERT ALERT O diagnóstico de e do processo está dentro de um valor
alerta de
esperado.
temperatura
detectou que a
2. Verifique se a temperatura está além
temperatura
excedeu os pontos
dos pontos de ativação.
de ativação
configurados.
3. Modifique os pontos de ativação ou
desligue o alerta.

88 Solução de problemas
Manual de referência Seção 6: Solução de problemas
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Nome do
Tela LCD Tela LOI Problema Ação recomendada
alerta
Falha de 1. Verifique a conexão entre o LCD e a
atualização O mostrador LCD placa de circuito.
do mostrador [Se o [Se o
LCD não estiver
mostrador mostrador
recebendo 2. Substitua o mostrador LCD.
não estiver não estiver
atualizações do
atualizando] atualizando]
sensor de pressão. 3. Substitua a placa de circuitos
eletrônicos.
Configuração [nenhum] [nenhum] 1. Verifique se a alteração de configuração
alterada do dispositivo foi desejada e esperada.
Uma alteração
recente foi feita no 2. Limpe este alerta selecionando Limpar
dispositivo por um
status alterado de configuração.
segundo HART
principal como um
3. Conecte um HART principal como um
dispositivo portátil.
AMS ou similar que irá limpá-lo
automaticamente.
Saída ANLOG ANALOG A saída analógica 1. Faça algo em qualquer outra notificação
analógica fixa FIXED FIXED do dispositivo.
está fixa e não
representa a
medição do 2. Se o dispositivo estiver no teste de
processo. Isso pode circuito, quando não deveria mais estar,
ter sido causado por desligue ou remova
outras condições no momentaneamente a alimentação.
dispositivo ou
porque o dispositivo 3. Se o dispositivo estiver no modo
foi configurado para multipontos, quando não deveria estar,
o modo de reative a corrente do circuito
multipontos ou teste configurando o endereço de sondagem
de circuito como 0.
Simulação [nenhum] [nenhum] 1. Verifique se a simulação não é mais
ativada O dispositivo está no necessária.
modo de simulação e
pode não estar 2. Desative o modo de simulação nas
relatando ferramentas de serviço.
informações reais.
3. Realize uma redefinição do dispositivo.
Saída ANLOG ANALOG 1. Verifique a pressão aplicada para
analógica SAT SAT garantir que ela esteja entre os pontos 4
saturada
A saída analógica e 20 mA.
está com saturação
alta ou baixa devido 2. Verifique a conexão de pressão do
à pressão que está transmissor para garantir que ela não
acima ou abaixo dos está conectada ou que os diafragmas
valores da faixa não estão danificados.

3. Substitua o sensor de pressão.

Solução de problemas 89
Seção 6: Solução de problemas Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

6.4 Procedimentos de desmontagem


Não remova a tampa de instrumentos em ambientes explosivos quando o circuito estiver
energizado.

6.4.1 Remoção do serviço


Siga estas etapas:

1. Siga todos os procedimentos e regras de segurança da fábrica.

2. Desligue o dispositivo.

3. Isole e purgue o processo do transmissor antes de remover o transmissor do serviço.

4. Remova todos os cabos e fios elétricos e desconecte o conduíte.

5. Remova o transmissor da conexão de processo.


a. O transmissor Rosemount 3051C é preso à conexão de processo por quatro fixadores e
quatro parafusos com cabeça. Remova os parafusos e separe o transmissor da conexão
do processo. Deixe a conexão do processo no local e pronta para a reinstalação.
Consulte Figura 3-4 na página 43 para saber mais sobre o flange coplanar.
b. O transmissor Rosemount 3051T é conectado ao processo por uma conexão de
processo com uma única porca sextavada. Gire através da conexão sextavada para
retirar. Não use chave no pescoço do transmissor. Veja o alerta em “Conexão de
processo em linha” na página 49.

6. Não arranhe, não fure nem amasse os diafragmas isolante.

7. Limpe os diafragmas de isolamento com um pano macio e uma solução de limpeza


suave e lave com água limpa.

8. Para o modelo 3051C, sempre que remover o flange de processo ou os adaptadores do


flange, inspecione visualmente os o-rings de PTFE. Substitua os o-rings se eles
apresentarem quaisquer sinais de danos, tais como arranhões ou cortes. Os o-rings não
danificados podem ser reutilizados.

6.4.2 Remoção do bloco terminal


As conexões elétricas ficam localizadas no bloco de terminais no compartimento etiquetado
como “TERMINAIS DE CAMPO".

1. Remova a tampa da caixa da lateral dos terminais de campo.

2. Afrouxe os dois parafusos pequenos localizados no conjunto nas posições de 9 horas e


5 horas com relação ao topo do transmissor.

3. Puxe todo o bloco de terminais para fora para removê-lo.

Consulte a “Mensagens de segurança” na página 83 para obter informações completas sobre advertências.
90 Solução de problemas
Manual de referência Seção 6: Solução de problemas
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

6.4.3 Remoção da placa de circuitos


A placa de circuitos do transmissor fica localizada no compartimento oposto ao lado do
terminal. Para remover a placa de componentes eletrônicos, consulte Figura 4-1 na página 58 e
execute o procedimento a seguir:

1. Remova a tampa do alojamento oposta ao lado do terminal de campo.

2. Se você estiver desmontando um transmissor com um mostrador LCD/LOI, afrouxe os


dois parafusos cativos que estão visíveis (Consulte Figura 4-3 Display LCD para saber a
localização dos parafusos) no mostrador do medidor. Os dois parafusos prendem o
mostrador LCD/LOI à placa de componentes eletrônicos, e a placa de componentes
eletrônicos ao invólucro.

Observação:
A placa de componentes eletrônicos é eletrostaticamente sensível; siga as precauções de
manuseio para os componentes com sensibilidade à eletricidade estática

3. Usando os dois parafusos cativos, puxe lentamente a placa para fora do invólucro.
O cabo fita do módulo do sensor prende a placa de componentes eletrônicos ao
invólucro. Desconecte o cabo fita empurrando o desengate do conector.

Observação:
Se um LCD/LOI estiver instalado, tenha cuidado, já que há um conector de pino eletrônico que
faz interface entre o LCD/LOI e a placa de componentes eletrônicos.

6.4.4 Remoção do módulo do sensor do invólucro dos


componentes eletrônicos
1. Remova a placa de componentes eletrônicos. Consulte a “Remoção da placa de
circuitos” na página 91.

Importante
Para evitar danos ao cabo fita do módulo do sensor, desconecte-o da placa de componentes
eletrônicos antes de remover o módulo do sensor do invólucro dos componentes eletrônicos.

2. Aloje cuidadosamente o conector do cabo totalmente dentro da tampa preta interna.

Observação
Não remova o invólucro enquanto não alojar o conector do cabo totalmente dentro da tampa
preta interna. A tampa preta protege o cabo fita contra danos que podem ocorrer quando o
invólucro é girado.

3. Usando uma a chave sextavada de 5/64 polegadas, afrouxe o parafuso de ajuste de


rotação do invólucro uma volta completa.

4. Desparafuse o módulo do invólucro, verificando se a tampa preta do módulo do sensor


e o cabo do sensor não estão prendendo no invólucro.

Solução de problemas 91
Seção 6: Solução de problemas Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

6.5 Procedimentos para montar novamente


1. Inspecione todos os o-rings da tampa e do invólucro (partes molhadas não relacionadas
ao processo) e substitua-os se necessário. Lubrifique levemente com lubrificante de
silicone para garantir uma boa vedação.

2. Aloje cuidadosamente o conector do cabo totalmente dentro da tampa preta interna.


Para fazer isso, gire a tampa preta e o cabo no sentido anti-horário em uma volta para
apertar o cabo.

3. Abaixe o invólucro dos componentes eletrônicos até o módulo. Passe a tampa preta
interna e o cabo no módulo do sensor pelo invólucro até a tampa preta externa.

4. Gire o módulo no sentido horário no invólucro.

Importante
Verifique se o cabo fita do sensor e a tampa preta interna permanecem totalmente afastados do
invólucro enquanto este é girado. Podem ocorrer danos ao cabo se a tampa preta interna e o
cabo fita ficarem presos e girarem com o invólucro.

5. Rosqueie o invólucro completamente no módulo do sensor. O invólucro deve estar a


não mais do que uma volta completa de entrar em contato com o módulo do sensor
para satisfazer os requisitos de instalação à prova de explosão.

6. Aperte o parafuso de ajuste da rotação do invólucro com uma chave sextavada de


5
/64 pol.

6.5.1 Conexão da placa de componentes eletrônicos


1. Remova o conector do cabo se sua posição no interior da tampa preta interna e
conecte-o à placa de circuitos.

2. Usando os dois parafusos cativos como guias, insira a placa de circuitos no invólucro.
Verifique se as colunas de alimentação do invólucro de componentes eletrônicos se
encaixam corretamente nos receptáculos da placa. Não force. A placa de circuitos deve
deslizar suavemente nas conexões.

3. Aperte os parafusos de montagem.

4. Recoloque a tampa do invólucro de componentes eletrônicos. As tampas do


transmissor devem estar encaixadas com contato metal-metal para garantir uma boa
vedação e satisfazer os requisitos de instalações à prova de explosão.

Consulte a “Mensagens de segurança” na página 83 para obter informações completas sobre advertências.
92 Solução de problemas
Manual de referência Seção 6: Solução de problemas
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

6.5.2 Instalação do bloco de terminais


1. Deslize delicadamente o bloco de terminais em posição, certificando-se de que as duas
colunas de alimentação do invólucro de componentes eletrônicos encaixam
corretamente nos receptáculos do bloco de terminais.

2. Aperte os parafusos cativos.

3. Recoloque a tampa do invólucro de componentes eletrônicos. As tampas do


transmissor devem estar completamente encaixadas para satisfazer aos requisitos de
instalação à prova de explosão.

6.5.3 Remontagem do flange de processo do 3051C


1. Inspecione os o-rings de PTFE do módulo do sensor. Os o-rings não danificados podem
ser reutilizados. Substitua os o-rings que apresentarem quaisquer sinais de danos, tais
como entalhes, cortes ou desgaste generalizado.

Observação
Durante a substituição dos o-rings, tome cuidado para não arranhar as ranhuras do o-ring ou a
superfície do diafragma de isolamento ao remover os o-rings danificados.

2. Instale a conexão de processo. As possíveis opções incluem:


a. Flange de processo Coplanar:
— Fixe o flange de processo em posição apertando os dois parafusos de
alinhamento manualmente (os parafusos não retêm pressão). Não aperte em
excesso para não afetar o alinhamento entre módulo e o flange.
— Instale os quatro parafusos de flange de 1,75 pol. apertando-os manualmente
no flange.
b. Flange de processo Coplanar com adaptadores de flange:
— Fixe o flange de processo em posição apertando os dois parafusos de
alinhamento manualmente (os parafusos não retêm pressão). Não aperte em
excesso para não afetar o alinhamento entre módulo e o flange.
— Mantenha os adaptadores do flange e os o-rings do adaptador no lugar
durante a instalação (em uma das quatro configurações de espaçamento de
conexão de processo possíveis) usando quatro parafusos de 2,88 polegadas
para montar, com segurança, o flange coplanar. Para configurações de pressão
manométrica, use dois parafusos de 2,88 polegadas e dois parafusos de
1,75 polegadas
c. Manifold:
— entre em contato com o fabricante do manifold para obter os parafusos e
procedimentos apropriados.

3. Aplique o valor inicial de torque aos parafusos, usando um padrão cruzado. Consulte a
Tabela 6-5 na página 94 para obter os valores de torque adequados.

4. Usando o mesmo padrão cruzado, aperte os parafusos até os valores de torque final
observados em Tabela 6-5 na página 94.

Consulte a “Mensagens de segurança” na página 83 para obter informações completas sobre advertências.
Solução de problemas 93
Seção 6: Solução de problemas Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Tabela 6-5. Valores de torque para instalação dos parafusos

Material do parafuso Valor inicial do torque Valor final do torque


CS-ASTM-A445 Padrão 34 N-m (300 pol.-lb.) 73 N-m (650 pol.-lb)
316 SST — Opção L4 17 N-m (150 pol.-lb) 34 N-m (300 pol.-lb.)
ASTM-A-19 B7M — Opção L5 34 N-m (300 pol.-lb.) 73 N-m (650 pol.-lb)
ASTM-A-193, Classe 2, Grau B8M — Opção L8 17 N-m (150 pol.-lb) 34 N-m (300 pol.-lb.)

Observação
Quando substituir os o-rings de PTFE do módulo do sensor, aplique novamente torque aos
parafusos do flange depois da instalação para compensar o escoamento a frio.

Observação
Para transmissores da Faixa 1: após substituir os anéis de vedação e reinstalar o flange do
processo, submeta o transmissor a uma temperatura de 85 °C (185 °F) por duas horas. Em
seguida, reaperte os parafusos do flange usando um padrão cruzado e novamente submeta o
transmissor a uma temperatura de 85 °C (185 °F) por duas horas antes da calibração.

6.5.4 Instalação da válvula de dreno/respiro


1. Aplique fita veda-roscas às roscas na sede. Começando na base da válvula, com a
extremidade roscada voltada para o instalador, aplique cinco voltas de fita veda-roscas
no sentido horário.

2. Aperte a válvula do respiro/dreno até 28,25 N-m (250 pol-lb).

3. Tome cuidado de colocar a abertura da válvula de maneira que o fluido do processo


drene para o chão e longe do contato humano quando a válvula for aberta.

94 Solução de problemas
Manual de referência Seção 7: Requisitos dos sistemas de instrumentação de segurança
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Seção 7 Requisitos dos sistemas de


instrumentação de segurança
Certificação dos sistemas instrumentados de segurança (SIS) . . . . . . . . . . . . . . . .página 95

7.1 Certificação dos sistemas instrumentados de


segurança (SIS)
A saída de segurança crítica do 3051 é fornecida por meio de um sinal de 4 a 20 mA de dois fios
que representa a pressão. O transmissor de pressão 3051 certificado quanto à segurança tem
certificado para: Baixa demanda; tipo B.
SIL 2 para integridade aleatória a HFT=0
SIL 3 para integridade aleatória a HFT=1
SIL 3 para integridade sistemática

7.1.1 Identificação certificada quanto à segurança do 3051


Todos os transmissores 3051 devem estar identificados como certificados quanto à segurança
antes de serem instalados nos sistemas SIS.

Para identificar um 3051C, 3051T, 3051L certificado quanto à segurança:

1. Verifique a revisão de software Namur localizada na etiqueta de metal do dispositivo.


“SW _._._”.

Número de revisão do software Namur

SW(1) 1.0.x - 1.4.x

(1) Revisão de software Namur: Localizado na


etiqueta de metal do dispositivo

2. Verifique se o código de opção QT está incluído e se a “TR” não está incluída no código
do modelo do transmissor.

7.1.2 Instalação em aplicações do SIS


As instalações são realizadas por uma equipe qualificada. Não é necessária nenhuma instalação
especial além das práticas de instalação normais descritas neste documento. Certifique-se de
que haja sempre uma boa vedação instalando a(s) tampa(s) dos alojamentos dos componentes
eletrônicos de modo a obter um contato de metal com metal.

Os limites operacionais e ambientais estão disponíveis em Anexo A: Especificações e dados de


referência.

Requisitos dos sistemas de instrumentação de segurança 95


Seção 7: Requisitos dos sistemas de instrumentação de segurança Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

O circuito deve ser planejado de modo que a tensão do terminal não fique abaixo de 10,5 VCC
quando a saída do transmissor for definida como 23 mA.

Coloque o interruptor de segurança na posição ( ) para evitar uma mudança acidental ou


deliberada dos dados de configuração durante a operação normal.

7.1.3 Configuração em aplicações do SIS


Utilize qualquer ferramenta de configuração com capacidade de HART para se comunicar e
verificar a configuração do 3051.

Observação
A saída do transmissor não está classificada como segura nos seguintes casos: alterações de
configuração, multiponto e testes de circuito. Deverão ser utilizados meios alternativos para
garantir a segurança do processo durante as atividades de configuração e manutenção do
transmissor.

Amortecimento
O amortecimento selecionado pelo usuário afetará a capacidade de resposta dos transmissores
às alterações no processo em que se encontram aplicados. O valor de amortecimento + tempo de
resposta não deve ultrapassar os requisitos do circuito.

Consulte “Amortecimento” na página 19 para alterar o valor de amortecimento.

Níveis de alarme e de saturação


O DCS ou agente de resolução lógica deve ser configurado para coincidir com a configuração do
transmissor. A Figura 7-1 identifica os três níveis de alarme disponíveis e seus valores de
operação.

96 Requisitos dos sistemas de instrumentação de segurança


Manual de referência Seção 7: Requisitos dos sistemas de instrumentação de segurança
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Figura 7-1. Níveis de alarme


Nível de alarme Rosemount

Operação normal
(1)
3,75 mA 4 mA 20 mA 21,75 mA(2)
3,9 mA 20,8 mA
saturação baixa saturação alta

Nível de alarme Namur

Operação normal
(1)
3,6 mA 4 mA 20 mA 22,5 mA(2)
3,8 mA 20,5 mA
saturação baixa saturação alta

Níveis de alarme personalizados(3)(4)

Operação normal

3,6 a 3,8 mA (1) 4 mA 20 mA 20,2 a 23,0 mA(2)


3,7 - 3,9 mA 20,1-22,9 mA
saturação baixa saturação alta

(1) Falha do transmissor, alarme de hardware ou software na posição LO (baixo).


(2) Falha do transmissor, alarme de hardware ou software na posição HI (alto).

7.1.4 Operação e manutenção do SIS 3051


Ensaio de campo
Recomenda-se a realização dos seguintes ensaios de campo.
Caso um erro seja encontrado na segurança e funcionalidade, os resultados do ensaio de campo
e as ações corretivas adotadas podem ser documentados em
http://rosemount.d1asia.ph/rosemount/safety/ReportAFailure_newweb.asp. Todos os
procedimentos de ensaios de campo devem ser realizados por uma equipe qualificada.

Use “Teclas de atalho do comunicador de campo” na página 227 para realizar um teste de
circuito, um ajuste da saída analógica ou um ajuste do sensor. O interruptor de segurança deve
estar na posição ( ) durante a execução do ensaio de campo e colocado novamente na
posição ( ) após a execução.

Ensaio de campo simples


O ensaio de campo simples sugerido consiste em um ciclo de alimentação mais verificações de
probabilidades da saída do transmissor. Consulte o relatório da FMEDA para obter o percentual
de possíveis falhas de DU no dispositivo.

O relatório da FMEDA pode ser encontrado em: www.rosemount.com/safety

Ferramentas necessárias: Comunicador de campo e medidor de mA.

Requisitos dos sistemas de instrumentação de segurança 97


Seção 7: Requisitos dos sistemas de instrumentação de segurança Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

1. Coloque a malha de controle em bypass e cuide para evitar o trip da planta.

2. Use as comunicações do HART para recuperar qualquer diagnóstico e adotar a medida


necessária.

3. Envie um comando do HART para o transmissor para ir para a saída de corrente de


alarme alto e verifique se a corrente analógica chega a esse valor(1). Consulte a 2.10.1:
Verificar o nível do alarme

4. Envie um comando do HART para o transmissor para ir para a saída de corrente de


alarme baixo e verifique se a corrente analógica chega a esse valor(1).

5. Remova a malha de controle de bypass e restaure a operação normal.

6. Coloque o interruptor de segurança na posição ( ).

Ensaio de campo completo


O ensaio de campo completo consiste em executar as mesmas etapas que no ensaio de campo
simples sugerido, mas com uma calibração de dois pontos do sensor de pressão em lugar da
verificação de probabilidades. Consulte o relatório da FMEDA para obter o percentual de
possíveis falhas de DU no dispositivo.

Ferramentas necessárias: Comunicador de campo e equipamento de calibração de pressão.

1. Coloque a malha de controle em bypass e cuide para evitar o trip da planta.

2. Use as comunicações do HART para recuperar qualquer diagnóstico e adotar a medida


necessária.

3. Envie um comando do HART para o transmissor para ir para a saída de corrente de


alarme alto e verifique se a corrente analógica chega a esse valor(1). Consulte a 2.10.1:
Verificar o nível do alarme

4. Envie um comando do HART para o transmissor para ir para a saída de corrente de


alarme baixo e verifique se a corrente analógica chega a esse valor (2).

5. Realize uma calibração de dois pontos do sensor (consulte a seção 5.5 Ajustar o sinal da
pressão) sobre a faixa total de operação e verifique a saída atual em cada ponto.

6. Remova a malha de controle de bypass e restaure a operação normal.

7. Coloque o interruptor de segurança na posição ( ).

Observação

 O usuário determina os requisitos para o ensaio de campo da tubulação de impulso.


 Os diagnósticos automáticos são definidos para o DU de % corrigido: O teste realizado
internamente pelo dispositivo, durante o tempo de execução exigindo a habilitação ou
programação pelo usuário.

(1) Esta etapa testa possíveis falhas que envolvem a corrente inerte.
(2) Esta etapa testa problemas de tensão de conformidade, como tensão baixa da fonte de alimentação do circuito baixo ou
aumento da distância da fiação. Também testa outras falhas possíveis.

98 Requisitos dos sistemas de instrumentação de segurança


Manual de referência Seção 7: Requisitos dos sistemas de instrumentação de segurança
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Cálculo de probabilidade média de falha sob demanda (PFDAVG)


O cálculo de PFDAVG pode ser encontrado no relatório da FMEDA localizado em:
www.rosemount.com/safety.

7.1.5 Inspeção
Inspeção visual
Não necessárias

Ferramentas especiais
Não necessárias

Reparo do produto
O 3051 pode ser reparado substituindo-se os componentes principais.

Todas as falhas detectadas pelo diagnóstico do transmissor ou pelo ensaio de prova devem ser
relatadas. É possível enviar feedback eletronicamente em
http://rosemount.d1asia.ph/rosemount/safety/ReportAFailure_newweb.asp.

Todas as substituições de peças e reparos de produtos devem ser realizados por equipe
qualificada.

Referência do SIS 3051


O 3051 deve ser operado em conformidade com as especificações funcionais e de desempenho
fornecidas no Anexo A: Especificações e dados de referência.

Dados da taxa de falhas


O relatório da FMEDA inclui as taxas de falha e as estimativas do fator Beta de causa comum.

O relatório está disponível em www.rosemount.com/safety.

Valores de falha
Precisão de segurança: ±2,0%
Tempo de resposta do transmissor: 1,5 segundos
Teste do autodiagnóstico: Pelo menos um a cada 60 minutos

Vida útil do produto


50 anos — com base nos mecanismos de desgaste dos componentes nos piores casos — não
baseado no desgaste dos materiais que entram em contato com o processo

Relate qualquer informação do produto relacionada à segurança em:


http://rosemount.d1asia.ph/rosemount/safety/ReportAFailure_newweb.asp

Requisitos dos sistemas de instrumentação de segurança 99


Seção 7: Requisitos dos sistemas de instrumentação de segurança Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

100 Requisitos dos sistemas de instrumentação de segurança


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Anexo A Especificações e dados de


referência

Especificações de desempenho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .página 101


Especificações funcionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .página 106
Especificações físicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .página 111
Desenhos dimensionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .página 115
Informações para pedidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .página 128
Opções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .página 168
Peças de reposição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .página 173

A.1 Especificações de desempenho


A.1.1 Conformidade com a especificação (±3 [sigma])
A liderança tecnológica, as técnicas de fabricação avançadas e o controle estatístico do processo
asseguram a conformidade da especificação com pelo menos ±3.

A.1.2 Precisão de referência


As equações de precisão de referência publicadas abrangem linearidade, histerese e
repetitividade com base no terminal.

Modelos 3051 Padrão 3051 Aprimorado


3051C
Faixas 2 a 4 ±0,065% de amplitude ±0,04% de amplitude
Para amplitudes inferiores a 10:1, Para amplitudes inferiores a 10:1
LSF LSF
precisão = ± 0,015 + 0,005
amplitude
% de amplitude precisão = ± 0,015 + 0,005
amplitude
% de amplitude

Intervalo 1 ±0,10% de amplitude ±0,10% de amplitude


Para amplitudes inferiores a 15:1, Para amplitudes inferiores a 15:1

LSF LSF
precisão = ± 0,025 + 0,005
amplitude
% de amplitude precisão = ± 0,025 + 0,005
amplitude
% de amplitude

Faixa 0 (CD) ±0,10% de amplitude ±0,10% de amplitude


Para amplitudes inferiores a 2:1 Para amplitudes inferiores a 2:1

precisão = ±0,05% de LSF precisão = ±0,05% de LSF

Faixa 5 ±0,065% de amplitude ±0,065% de amplitude


Para amplitudes inferiores a 10:1, Para amplitudes inferiores a 10:1,
LSF LSF
precisão = ± 0,015 + 0,005
amplitude
% de amplitude precisão = ± 0,015 + 0,005
amplitude
% de amplitude

Especificações e dados de referência 101


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

3051CA
Faixas 1 a 4 ±0,065% de amplitude ±0,04% de amplitude
Para amplitudes inferiores a 10:1, Para amplitudes inferiores a 10:1
LSF LSF
precisão = ± 0,0075
Amplitude
% de amplitude precisão = ± 0,0075
Amplitude
% de amplitude

3051T
Faixas 1 a 4 ±0,065% de amplitude ±0,04% de amplitude
Para amplitudes inferiores a 10:1, Para amplitudes inferiores a 10:1
LSF LSF
precisão = ± 0,0075
Amplitude
% de amplitude precisão = ± 0,0075
Amplitude
% de amplitude

Intervalo 5 ±0,075% de amplitude ±0,075% de amplitude


Para amplitudes inferiores a 10:1, Para amplitudes inferiores a 10:1
LSF LSF
precisão = ± 0,0075
Amplitude
% de amplitude precisão = ± 0,0075
Amplitude
% de amplitude

3051L
Faixas 2 a 4 ±0,075% de amplitude ±0,075% de amplitude
Para amplitudes inferiores a 10:1, Para amplitudes inferiores a 10:1

LSF LSF
precisão = ± 0,025 + 0,005
amplitude
% de amplitude precisão = ± 0,025 + 0,005
amplitude
% de amplitude

3051L
Intervalo 1 ±0,10% de amplitude ±0,10% de amplitude
Para amplitudes inferiores a 10:1, Para amplitudes inferiores a 10:1,

LSF LSF
precisão = ± 0,025 + 0,005
amplitude
% de amplitude precisão = ± 0,025 + 0,005
amplitude
% de amplitude

102 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

A.1.3 Desempenho de fluxo - Precisão da referência de fluxo


Fluxômetro Annubar 2051CFA
Faixas 2 a 3 ±2,00% de taxa de fluxo a uma redução de fluxo de 5:1
Fluxômetro de orifício do 2051CFC compacto - opção de condicionamento C
Faixas 2 a 3  =0,4 ±2,25% de taxa de fluxo a uma redução de fluxo de 5:1
 =0,65 ±2,45% de taxa de fluxo a uma redução de fluxo de 5:1
Fluxômetro de orifício do 2051CFC compacto - opção de tipo de orifício P(1)
Faixas 2 a 3  =0,4 ±2,50% de taxa de fluxo a uma redução de fluxo de 5:1
 =0,65 ±2,50% de taxa de fluxo a uma redução de fluxo de 5:1
Fluxômetro de orifício integral do 2051CFP
 <0,1 ±3,10% de taxa de fluxo a uma redução de fluxo de 5:1
Faixas 2 a 3 0,1<  <0,2 ±2,75% de taxa de fluxo a uma redução de fluxo de 5:1
0,2<  <0,6 ±2,25% de taxa de fluxo a uma redução de fluxo de 5:1
0,6<  <0,8 ±3,00% de taxa de fluxo a uma redução de fluxo de 5:1
(1) Quanto a linhas menores, consulte o orifício do Rosemount compacto

A.1.4 Desempenho total


O desempenho total tem como base os erros combinados de precisão de referência, o efeito da
temperatura ambiente e o efeito da pressão estática em condições normais de operação
(70% da leitura característica de amplitude, 51 bar (740 psi) de linha de pressão).
Para alterações de temperatura de ±28 °C (50 °F); 0 a 100% de umidade relativa, de 1:1 a 5:1 de variação para baixo

3051
Modelos Padrão 3051 Aprimorado
3051C Faixas 2 a 5 ±0,15% de amplitude ±0,14% de amplitude
3051T Faixas 1 a 4 ±0,15% de amplitude ±0,14% de amplitude

Especificações e dados de referência 103


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

A.1.5 Estabilidade a longo prazo


Modelos Estabilidade de longo prazo (para 3051 e 3051 aprimorado)
3051C
Faixas 2 a 5 ±0,125% de LSF para 5 anos
Alterações de temperatura de 28 °C (50 °F) e até 6,9 MPa (1000 psi) de pressão na linha.
3051CD, 3051CG Faixa de
tiragem/baixa
Faixas 0 a 1 ±0,2% de LSF para 1 ano
3051CA faixa baixa
Intervalo 1 ±0,125% de LSF para 5 anos
Alterações de temperatura de 28 °C (50 °F) e até 6,9 MPa (1000 psi) de pressão na linha.
3051T
Faixas 1 a 5 ±0,125% de LSF para 5 anos
Alterações de temperatura de 28 °C (50 °F) e até 6,9 MPa (1000 psi) de pressão na linha.

A.1.6 Desempenho dinâmico


4 a 20 mA HART(1) Tempo de resposta típico do transmissor HART
Tempo total de
resposta Saída do transmissor x tempo
(Td + Tc)(2):
3051C,
Pressão liberada
Faixas 2—5:
100 ms
Faixa 1:
255 ms Td = Tempo morto
Td Tc
Faixa 0:
700 ms Tc = Tempo constante
100%
3051T:
100 ms Tempo de resposta = Td +Tc
3051L:
Consulte o Instrument Toolkit®
Tempo morto (Td) 45 ms (nominal)
Taxa de 22 vezes por segundo Tempo 63,2% da alteração de etapa
36,8%
atualização
(1) O tempo morto e a taxa de atualização se aplicam a
todos os modelos e faixas; saída analógica somente
0%
(2) Tempo de resposta nominal total nas condições de
referência de 24 °C (75 °F).

A.1.7 Efeito de pressão da linha por 6,9 MPa (1000 psi)


Para pressões de linha acima de 13,7 MPa (2000 psi) e Faixas 4—5, consulte o manual do usuário
Modelos Efeito da pressão da linha (para 3051 e 3051 aprimorado)
3051CD, 3051CF Erro de zero
Faixas 2 a 3 ±0,05% de LSF/68,9 bar (1000 psi) para pressões de linha de 0 a 13,7 MPa (0 a 2000 psi)
Intervalo 1 ±0,25% do LSF/68,9 bar (1000 psi)
Intervalo 0 ±0,125% do LSF/6,89 bar (100 psi)
Erro de amplitude
Faixas 2 a 3 ±0,1% da leitura/68,9 bar (1000 psi)
Intervalo 1 ±0,4% da leitura/68,9 bar (1000 psi)
Intervalo 0 ±0,15% da leitura/6,89 bar (100 psi)

104 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

A.1.8 Efeito da temperatura ambiente por 28 °C (50 °F)


Modelos Efeito da temperatura ambiente (para 3051 e 3051 aprimorado)
3051C
Faixas 2 a 5 ±(0,0125% LSR + 0,0625% amplitude) de 1:1 a 5:1
±(0,025% LSR + 0,125% amplitude) de 5:1 a 150:1
Intervalo 1 ±(0,1% LSR + 0,25% amplitude) de 1:1 a 30:1
Intervalo 0 ±(0,25% LSR + 0,05% amplitude) de 1:1 a 30:1
3051CA
Faixas 1 a 4 ±(0,025% LSR + 0,125% amplitude) de 1:1 a 30:1
±(0,035% LSR + 0,125% amplitude) de 30:1 a 150:1
3051T
Faixa 2 a 4 ±(0,025% LSR + 0,125% amplitude) de 1:1 a 30:1
±(0,035% LSR + 0,125% amplitude) de 30:1 a 150:1
Intervalo 1 ±(0,025% LSR + 0,125% amplitude) de 1:1 a 10:1
±(0,05% LSR + 0,125% amplitude) de 10:1 a 150:1
Intervalo 5 ±(0,1% LSF + 0,15% amplitude)
3051L Consulte o software Instrument Toolkit.

A.1.9 Efeito da posição de montagem


Modelos Efeitos da posição de montagem (para 3051 e 3051 aprimorado)
3051C O zero se desloca até ±3,11 mbar (±1,25 pol.H2O), podendo ser calibrado. Nenhum efeito de
amplitude.
3051CA, 3051T O zero se desloca até 6,22 mbar (2,5 pol.H2O), podendo ser calibrado. Nenhum efeito de amplitude.
3051L Com diafragma de nível de líquidos no plano vertical, deslocamento zero de até 2,49 mbar
(1 pol.H2O). Com diafragma no plano horizontal, o zero se desloca até 12,43 mbar (5 pol.H2O)
mais o comprimento da extensão nas unidades prolongadas. Todos os deslocamentos de zero
podem ser calibrados. Nenhum efeito de amplitude.

A.1.10 Efeito de vibração


Inferior a ±0,1% do LSF quando testado de acordo com os requisitos da IEC60770-1: 1999 de
campo ou tubulação com alto nível de vibração (10—60 Hz 0,21 mm de deslocamento
amplitude de pico / 60—2000 Hz 3g).

A.1.11 Efeitos da fonte de alimentação


Menos de ±0,005% de amplitude calibrada por volt.

A.1.12 Compatibilidade eletromagnética (EMC)


Cumpre com todos os requisitos relevantes da EN 61326 e Namur NE-21.

A.1.13 Proteção contra transientes (código de opção T1)


Cumpre a norma IEEE C62.41, locais de categoria B

Pico de 6 kV (0,5 ms — 100 kHz)


Pico de 3 kA (8 × 20 microssegundos)
Pico de 6 kV (1,2 × 50 microssegundos)

Especificações e dados de referência 105


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

A.2 Especificações funcionais


A.2.1 Operação
Aplicações de líquidos, gás e vapor

A.2.2 Limites de faixa e sensores

Tabela 1. Limites de faixa e sensor do 3051CD, 3051CG, 3051CF e 3051L


Amplitude
mínima Limites de faixa e sensores
Inferior (LIF)
Faixa

Diferencial
3051CD(1), 3051CD Pressão
3051CG, Superior Medidores de Manométrico Diferencial manométrica
3051CF, 3051L (LSF) vazão 3051CF 3051CG 3051L 3051L
0 0,25 mbar 7,47 mbar -7,47 mbar NA NA NA
(0,1 pol.H2O) (3,0 pol.H2O) (-3,0 pol.H2O)
1 1,2 mbar 62,3 mbar -62,1 mbar -62,1 mbar NA NA
(0,5 pol.H2O) (25 pol.H2O) (-25 pol.H2O) (-25 pol.H2O)
2 4,2 mbar 0,62 bar -0,62 bar -0,62 bar -0,62 bar -0,62 bar
(1,7 pol.H2O) (250 pol.H2O) (-250 pol.H2O) (-250 pol.H2O) (-250 pol.H2O) (-250 pol.H2O)
3 16,7 mbar 2,49 bar -2,49 bar 34,5 mbar abs -2,49 bar 34,5 mbar abs
(6,7 pol.H2O) (1000 pol.H2O) (-1000 pol.H2O) (0,5 psia) (-1000 pol.H2O) (0,5 psia)
4 137,7 mbar 20,6 bar -20,6 bar 34,5 mbar abs -20,6 bar 34,5 mbar abs
(2,0 psi) (300 psi) (-300 psi) (0,5 psia) (-300 psi) (0,5 psia)
5 917,0 bar 137,9 bar — 137,9 bar 34,5 mbar abs NA NA
(13,3 psi) (2000 psi) (-2000 psi) (0,5 psia)
(1) Faixa 0 disponível apenas com 3051CD. Faixa 1 disponível apenas com 3051CD, 3051CG ou 3051CF. Faixa 5 não disponível com
3051L Diferencial e 3051L Manométrica.

Tabela 2. Limites de faixa de sensor 3051CA e 3051T


3051CA 3051T
Limites de faixa e sensores Limites de faixa e sensores Inferior(1)
Faixa

Faixa

(LIF)
Amplitude Superior Inferior Amplitude Superior Inferior (Manomé-
mínima (LSF) (LIR) mínima (LSF) (LIR) trica)
1 20,7 mbar 2,07 bar 0 bar 1 20,6 mbar 2,07 bar 0 bar -1,01 bar
(0,3 psia) (30 psia) (0 psia) (0,3 psi) (30 psi) (0 psia) (-14,7 psig)
2 68,9 mbar 10,3 bar 0 bar 2 0,068 bar 10,3 bar 0 bar 1,01 bar
(1 psia) (150 psia) (0 psia) (1 psi) (150 psi) (0 psia) (-14,7 psig)
3 367,7 mbar 55,2 bar 0 bar 3 0,36 bar 55,2 bar 0 bar 1,01 bar
(5,3 psia) (800 psia) (0 psia) (5,3 psi) (800 psi) (0 psia) (-14,7 psig)
4 1,84 bar 275,8 bar 0 bar 4 1,83 bar 275,8 bar 0 bar 1,01 bar
(26,7 psia) (4000,00 psia) (0 psia) (26,6 psi) (4000 psi) (0 psia) (-14,7 psig)
5 137,9 bar 689,4 bar 0 bar 1,01 bar
(2000 psi) (10000 psi) (0 psia) (-14,7 psig)
(1) Assume a pressão atmosférica de 14,7 psig.

106 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

A.3 4—20 mA (código de saída A)


Fonte de alimentação
É necessária uma fonte de alimentação externa. O transmissor padrão (4-20 mA) opera na faixa
de 10,5 a 42,4 VCC sem carga.

Limites de carga
A resistência máxima do circuito é determinada pelo nível de voltagem da fonte externa de
abastecimento de corrente, tal como descrito a seguir:

Resistência máxima do circuito = 43,5 * (Tensão da fonte de alimentação - 10,5)

1387
Carga (s)
1000

500 Região de
operação
0
10,5 20 30
Tensão (VCC) 42,4

O comunicador de campo requer uma resistência mínima de circuito de 250 para comunicação.

Para aprovação CSA, a fonte de alimentação não deve ultrapassar 42,4 V.

Indicação
Mostrador LCD/LOI opcional de duas linhas

Requisitos de ajuste de zero e amplitude (HART)


Os valores de zero e amplitude podem ser definidos em qualquer ponto dentro do intervalo
indicado na Tabela 1 e Tabela 2.
A amplitude deve ser maior ou igual à amplitude mínima indicada na Tabela 1 e Tabela 2.
Saída
A saída de 4 a 20 mA com dois fios pode ser configurada pelo usuário como linear ou quadrática.
Variável de processo digital sobreposta ao sinal de 4 a 20 mA, disponível para qualquer host em
conformidade com o protocolo HART.
O 3051 aprimorado vem com Revisões HART selecionáveis. Podem ser selecionadas
comunicações digitais baseadas nos protocolos da revisão 5 HART (padrão) ou revisão 7 (código
de opção HR7). A revisão HART pode ser alterada em campo usando-se qualquer ferramenta de
configuração baseada no HART ou na interface do operador local, opcional (LOI).
Diagnóstico de consultoria de alimentação
O diagnóstico de consultoria de energia detecta e notifica de forma proativa sobre a integridade
do circuito elétrico. Alguns problemas de circuito que podem ser detectados são água no
compartimento de terminais, corrosão dos terminais, aterramento inadequado e fontes de
alimentação instáveis.
O diagnóstico de consultoria de alimentação pode ser monitorado por meio de Alerta HART ou
Alarme analógico. A ação de monitoramento é definida no Painel de dispositivos. As informações
de Solução de problemas no Painel de dispositivos quando o diagnóstico é acionado.

Especificações e dados de referência 107


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Interface do operador local


A LOI utiliza uma exibição de 2 menus com botões de configuração interna e externa. Os botões
internos são sempre configurados para a interface do operador local. Os botões externos
podem ser ordenados e configurados como LOI (código de opção M4), zero analógico e
amplitude (código de opção D4) ou ajuste digital de zero (código de opção DZ). Veja Seção D:
Interface local do operador para ter acesso ao menu.

A.3.1 Limites de sobrepressão


Rosemount 3051CD/CG/CF
 Faixa 0: 51,7 bar (750 psi)
 Faixa 1: 137,9 bar (2000 psig)
 Faixas 2 a 5: 250 bar (3626 psig)
310,3 bar (4500 psig) para o código de opção P9

Rosemount 3051CA
 Faixa 1: 51,7 bar (750 psia)
 Faixa 2: 103,4 bar (1500 psia)
 Faixa 3: 110,3 bar (1600 psia)
 Faixa 4: 413,7 bar (6000 psia)

Rosemount 3051TG/TA
 Faixa 1: 51,7 bar (750 psi)
 Faixa 2: 103,4 bar (1500 psi)
 Faixa 3: 110,3 bar (1600 psi)
 Faixa 4: 413,7 bar (6000 psi)
 Faixa 5: 1034,2 bar (15000 psi)

Para o 3051L ou códigos de opção de flange de nível FA, FB, FC, FD, FP e FQ, o limite é de 0 psia
para a classe do flange ou do sensor, o que for menor.
Tabela 3. 3051L e limites de classe de flange de nível

Capacidade de carga Capacidade de carga


Padrão Tipo do aço-carbono do aço inoxidável
ANSI/ASME Classe 150 285 psig 275 psig
ANSI/ASME Classe 300 740 psig 720 psig
ANSI/ASME Classe 600 1480 psig 1440 psig
A 38 °C (100 °F), a capacidade de carga diminui com o aumento da temperatura, de acordo com a
ANSI/ASME B16.5.
DIN PN 10 — 40 40 bar 40 bar
DIN NP 10/16 16 bar 16 bar
DIN PN 25/40 40 bar 40 bar
A 120 °C (248 °F), a capacidade de carga diminui com o aumento da temperatura, de acordo com a
DIN 2401.

108 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

A.3.2 Limite de pressão estática


Rosemount 3051CD apenas
Opera dentro das especificações entre as pressões de linha estáticas de 0,5 psia e 3626 psig
(310,3 bar (4500 psig) para o código de opção P9).

Faixa 0: 3,4 bar e 51,7 bar (0,5 psia e 750 psig)

Faixa 1: 3,4 bar e 137,9 bar (0,5 psia e 2000 psig)

A.3.3 Limites de pressão de ruptura


3051C, 3051CF Coplanar ou flange de processo tradicional
69 MPa (10000 psig)

3051T em linha
Ranges 1 — 4: 75,8 MPa (11000 psi)
Faixa 5: 179 MPa (26000 psig)

A.3.4 Alarme de modo de falha


Se o autodiagnóstico detectar falha em um sensor ou microprocessador, o sinal analógico é
acionado como alto ou baixo para alertar o usuário. O modo de falha alto ou baixo é selecionado
pelo usuário com um interruptor no transmissor. Os valores nos quais o transmissor coloca suas
saídas em modo de falha dependem da configuração ser configurada para a fábrica para uma
operação padrão, em conformidade com a norma NAMUR ou níveis personalizados (consulte
Configuração do alarme abaixo). Os valores de cada um são os seguintes:
Alarme alto Alarme baixo
Padrão 21,75 mA ≤3,75 mA
De acordo com as especificações 22,5 mA ≤3,6 mA
NAMUR(1)
Níveis personalizados(2) 20,2—23,0 mA 3,6—3,8 mA
(1) Os níveis de saída analógica estão em conformidade com as recomendações de
NAMUR NE 43; consulte os códigos de opção C4 ou C5.
(2) O alarme baixo deve ser 0,1 mA inferior à saturação baixa, e o alarme alto deve ser
0,1 mA superior à saturação alta.

Especificações e dados de referência 109


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

A.3.5 Limites de temperatura


Ambiente
-40 a 85 °C (-40 a 185 °F)

Com o mostrador LCD: -40 a 80 °C (-40 a 175 °F)

Armazenamento(1)
-46 a 110 °C (-50 a 230 °F)

Com o mostrador LCD: -40 a 85 °C (-40 a 185 °F)


(1) Se a temperatura de armazenamento estiver acima de 85°C, execute o ajuste do sensor antes
da instalação.

Processo
Sob pressões atmosféricas e acima. Consulte Tabela 4.

Tabela 4. Limites de temperatura de processo do 3051


3051CD, 3051CG, 3051CF, 3051CA
Sensor com enchimento de silicone(1)
com flange coplanar —40 a 121 °C (—40 a 250 °F)(2)
com flange tradicional —40 a 149 °C (—40 a 300 °F)(2)(3)
com flange de nível —40 a 149 °C (-40 a 300 °F)(2)
com coletor integral 305 —40 a 149 °C (-40 a 300 °F)(2)
Sensor com enchimento inerte(1) —18 a 85 °C (—32 a 185 °F)(4) (5)
3051T (Fluido de enchimento de processo)
Sensor com enchimento de silicone(1) —40 a 121 °C (—40 a 250 °F)(2)
Sensor com enchimento inerte(1) —30 a 121 °C (-22 a 250 °F)(2)
Limites de temperatura do lado baixo do 3051L
Sensor com enchimento de silicone(1) —40 a 121 °C (—40 a 250 °F)(2)
Sensor com enchimento inerte(1) —18 a 85 °C (-40 a 185 °F) (2)
Limites de temperatura de alta pressão 3051L (fluido de enchimento de processo)
Syltherm® XLT —73 a 149 °C (-100 a 300 °F)
D.C. Silicone 704® 0 a 205 °C (32 a 400 °F)
D.C. Silicone 200 —40 a 205 °C (—40 a 400 °F)
Inerte —45 a 177 °C (-50 a 320 °F)
Glicerina e água 18 a 93 °C (—5 a 200 °F)
Neobee M-20 18 a 205 °C (—5 a 400 °F)
Propileno glicol e água 18 a 93 °C (—5 a 200 °F)
(1) As temperaturas do processo acima de 85 °C (185 °F) requerem a diminuição dos limites de
temperatura ambiente na relação de 1,5:1.
(2) Limite de 104 °C (220 °F) para serviço a vácuo; 54 °C (130 °F) para pressões inferiores a 0,5 psia.
(3) Os limites de temperatura de processo do 3051CD0 são —45 a 100 °C (—40 a 212 °F ).
(4) Limite de 71 °C (160 °F) em manutenção de vácuo.
(5) Não disponível no 3051CA.

110 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

A.3.6 Limites de umidade


0 a 100% de umidade relativa

A.3.7 Tempo para ativação


O desempenho de acordo com as especificações é atingido em menos de 2,0 segundos após a
alimentação ser aplicada ao transmissor

A.3.8 Deslocamento volumétrico


Menos que 0,08 cm3 (0,005 pol3)

A.3.9 Amortecimento
4-20 mA HART
A resposta de saída analógica a uma alteração de entrada da etapa pode ser inserida pelo
usuário de 0,0 a 60 segundos para uma constante de tempo. Esse amortecimento de software é
uma adição ao tempo de resposta do módulo do sensor.

A.4 Especificações físicas


A.4.1 Conexões do processo
Rosemount 3051C
NPT 18 1/4 em 21/8 pol. entre centros

NPT 14 1/2 nos centros de 2, 21/8 ou 21/4 pol.

Rosemount 3051L
Lado de alta pressão: Flange de 2, 3, ou 4 pol., ASME B 16.5 (ANSI) Classe 150, 300 ou 600;
flange de 50, 80 ou 100 mm, PN40 ou 10/16

Lado de baixa pressão: NPT 18 1/4 no flange NPT 14 1/2 no adaptador

Rosemount 3051T
NPT 14 1/2, fêmea. Um DIN 16288 macho (disponível em aço inoxidável somente para
transmissores faixa 1—4) ou autoclave tipo F-250-C (conexão roscada de pressão aliviada 18 9/16;
1
/4 tubo com DE de alta pressão com cone de 60 °C; disponível em aço inoxidável somente para
transmissores faixa 5).

Rosemount 3051CF
Para 3051CFA, consulte 00813-01000-4485 Rosemount 485 Annubar

Para 3051CFC, consulte Placa de orifício compacta 00813-01000-4485 Rosemount 405

Para 3051CFP, consulte Orifício integral 00813-01000-4485 Rosemount 1195


Especificações e dados de referência 111
Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

A.4.2 Peças que entram em contato com o processo


Válvulas de dreno/respiro
Material de aço inoxidável 316, liga C-276 ou liga 400 (a liga 400 não está disponível com o 3051L)

Flanges e adaptadores do processo


Aço-carbono revestido, aço inoxidável fundido CF-8M (versão fundida de aço inoxidável 316,
material de acordo com ASTM-A743), liga CW12MW fundida tipo C ou liga fundida M30C

Anéis de vedação que entram em contato com o processo


PTFE com fibra de vidro ou PTFE com grafite

Diafragmas isolantes do processo

3051CD

3051CA
3051CG

3051T
Material do diafragma de isolamento
Aço inoxidável 316L • • •
Liga C-276 • • •
Liga 400 • •
Tântalo •
Liga 400 revestida de ouro • •
Aço inoxidável revestido de ouro • •

A.4.3 Partes úmidas do processo do Rosemount 3051L


Conexão flangeada do processo (lado de alta pressão do
transmissor)
Diafragmas do processo, inclusive a superfície da gaxeta do processo
Aço inoxidável 316L, liga C-276 ou tântalo

Extensão
CF-3M (versão de aço inoxidável 316L fundido, material de acordo com ASTM-A743) ou liga
C-276. Aceita tubos Schedule 40 e 80.

Flange de montagem
Aço-carbono revestido com zinco e cobalto ou aço inoxidável

112 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Conexão de referência do processo (lado de baixa pressão do


transmissor)
Diafragmas de isolamento
Aço inoxidável 316L ou liga C-276

Flange de referência e adaptador


CF-8M (revisão de aço inoxidável 316 fundido, material de acordo com ASTM-A743)

A.4.4 Partes não molhadas


Invólucro dos componentes eletrônicos
Alumínio com baixo teor de cobre ou CF-8M (versão fundida de aço inoxidável 316). Tipo de
carcaça 4X, IP 65, IP 66, IP 68

Invólucro do módulo do sensor coplanar


CF-3M (Versão de AI 316L fundido, material de acordo com ASTM-A743)

Parafusos
ASTM A449, Tipo 1 (aço-carbono revestido com zinco-cobalto)
ASTM F593G, Condição CW1 (aço inoxidável 316 austenítico)
ASTM A193, Grau B7M (aço-liga zincado)
Liga K-500

Fluido de enchimento do módulo do sensor


Silicone ou halocarbono inerte
Série em linha usa Fluorinert® FC-43

Fluido de enchimento do processo (apenas 3051L)


Syltherm XLT, D.C. Silicone 704,
D.C. Silicone 200, inerte, glicerina e água, Neobee M-20 ou propilenoglicol e água

Pintura
Poliuretano

Anéis de vedação da tampa


Buna-N

Especificações e dados de referência 113


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

A.4.5 Pesos para transporte


Tabela 5. Pesos do transmissor sem opções
Transmissor Adicionar Peso em kg (lb)
3051C 2,7 (6.0)
3051T 1,4 (3.0)
3051L Tabela 6 na página A-114

Tabela 6. Pesos do 3051L sem opções


Nivelado Ext. de 2 pol. Ext. de 4 pol. Ext. de 6 pol.
Flangeado kg (lb) kg (lb) kg (lb) kg (lb)
2 pol., 150 5,7 (12.5) – – –
3 pol., 150 7,9 (17.5) 8,8 (19.5) 9,3 (20.5) 9,7 (21.5)
4 pol., 150 10,7 (23.5) 12,0 (26.5) 12,9 (28.5) 13,8 (30.5)
2 pol., 300 7,9 (17.5) – – –
3 pol., 300 10,2 (22.5) 11,1 (24.5) 11,6 (25.5) 12,0 (26.5)
4 pol., 300 14,7 (32.5) 16,1 (35.5) 17,0 (37.5) 17,9 (39.5)
2 pol., 600 6,9 (15.3) – – –
3 pol., 600 11,4 (25.2) 12,3 (27.2) 12,8 (28.2) 13,2 (29.2)
DN 50/PN 40 6,2 (13.8) – – –
DN 80/PN 40 8,8 (19.5) 9,7 (21.5) 10,2 (22.5) 10,6 (23.5)
DN 100/PN 10/16 8,1 (17.8) 9,0 (19.8) 9,5 (20.8) 9,9 (21.8)
DN 100/PN 40 10,5 (23.2) 11,5 (25.2) 11,9 (26.2) 12,3 (27.2)

Tabela 7. Pesos de opções do transmissor


Adicionar
Código Opção kg (lb)
J, K, L, M Invólucro de aço inoxidável (T) 1,8 (3.9)
J, K, L, M Invólucro de aço inoxidável (C, L, H, P) 1,4 (3.1)
M4/M5 Mostrador LCD para o invólucro de alumínio 0,2 (0.5)
B4 Suporte de fixação de aço inoxidável para flange Coplanar 0,5 (1.0)
B1, B2, B3 Suporte de fixação para flange tradicional 1,0 (2.3)
B7, B8, B9 Suporte de fixação para flange tradicional 1,0 (2.3)
BA, BC Suporte de aço inoxidável para flange tradicional 1,0 (2.3)
H2 Flange tradicional 1,1 (2.4)
H3 Flange tradicional 1,2 (2.7)
H4 Flange tradicional 1,2 (2.6)
H7 Flange tradicional 1,1 (2.5)
FC Flange de nível - 3 pol., 150 4,9 (10.8)
FD Flange de nível - 3 pol., 300 6,5 (14.3)
FA Flange de nível - 2 pol., 150 4,8 (10.7)
FB Flange de nível - 2 pol., 300 6,3 (14.0)
FP Flange de nível DIN, aço inoxidável, DN 50, PN 40 3,8 (8.3)
FQ Flange de nível DIN, aço inoxidável, DN 80, PN 40 6,2 (13.7)

114 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

A.5 Desenhos dimensionais


Vista explodida do 3051C aprimorado

F(1)

E
D
C
B
A
G

H
I
J

K
N
L
O

M P
(1) Os botões de configuração local são
opcionais no 3051 aprimorado e
podem ser encomendados como
botões Zero analógico e amplitude,
Zero digital ou LOI. Q

Etiquetas da vista explodida do 3051C aprimorado


A. Tampa G. Placa de componentes K. Flange Coplanar
B. Anel da tampa eletrônicos L. Válvula de Dreno/Sangria
C. Bloco de terminal H. Placa de identificação M. Adaptadores do flange
D. Invólucros de componentes I. Parafuso de ajuste de rotação N. O-ring de processo
eletrônicos do invólucro (rotação máxima de O. O-ring do adaptador de flange
E. Tampa dos botões de 180 graus sem mais P. Parafuso de alinhamento do
configuração desmontagens) flange (sem retenção de pressão)
F. Botões de configuração local J. Módulo do sensor Q. Parafusos flangeados

Especificações e dados de referência 115


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Flange Coplanar 3051C aprimorado


A
A

A. 104 (4,1) A. 109 (4,3)


B. 209 (8,2) B. 163 (6,4)

116 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Flange Coplanar 3051C aprimorado com manifold


integral Coplanar de 3 válvulas Rosemount 305

A. Abertura máxima de 140 (5,5) A. Abertura máxima de 270 (10,6)


B. 192 (7,5)
As dimensões estão em milímetros (polegadas)

Especificações e dados de referência 117


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Configurações de montagem de flange coplanar com suporte opcional (B4) para


montagem em tubulação de 2 pol. ou painel
MONTAGEM EM PAINEL
PANEL MOUNTING

D
A
MONTAGEM EM PAINEL

C
B

A. 71 (2,8)
A. 157 (6,2) B. Parafusos de 16 3/8 x 11/4 para montagem no transmissor
B. 71 (2,8) C. 85 (3,4)
C. 120 (4,7)
D. 3/16 x 11/2 Parafusos para montagem em painel (não
fornecidos)

A
MONTAGEM EM TUBO

A
A

A. 159 (6,3) A. Parafuso em U de 2 pol. para montagem em tubo


B. 89 (3,5)
As dimensões estão em milímetros (polegadas)

118 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Coplanar 3051C aprimorado com flange tradicional

F
B
C D E

A. 104 (4,1) A. 41 (1,6)


B. Válvula de dreno/sangria B. 54 (2,1)
C. 29 (1,2)
D. 86 (3,4)
E. 28 (1,1)
F. Adaptadores de flange (opcional)

Especificações e dados de referência 119


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Desenhos dimensionais do 3051T aprimorado


A A
B H

C G

B
F
D

A. 105 (4,1) A. 109 (4,3)


B. 183 (7,2) B. Etiqueta de certificação
C. Terminais de campo (este lado)
D. Parafuso de ajuste de rotação da caixa
E. NPT 18 1/4 fêmea ou NPT 14 1/2 fêmea
F. Placa de identificação
G. Componentes eletrônicos do transmissor (este lado)
H. Conexão do conduíte (2 pontos)

120 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

3051T aprimorado com manifold integral de 2 válvulas Rosemount 306

A. 105 (4,1) A. 123 (4,9)


B. 159 (6,3)
As dimensões estão em milímetros (polegadas)

Especificações e dados de referência 121


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Configurações de montagem típica 3051T aprimorado com suporte de


montagem opcional
Montagem em tubo Montagem em painel

A. 89 (3,5) A. 156 (6,2)


B. 156 (6,2) B. 71 (2,8)
C. 121 (4,8)
As dimensões estão em milímetros (polegadas)

122 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Medidor de vazão 3051CFA aprimorado Annubar Pak-Lok(1)


Vista dianteira Vista lateral Vista superior

B
A

(1) O modelo Pak-Lok Annubar está disponível até 600# ANSI (99 bar a 38 °C (1440 psig a 100 °F)).

Tabela 8. Dados dimensionais do medidor de vazão 3051CFA aprimorado Annubar Pak-Lok


Tamanho do sensor A (máx) B (máx) C (máx) D (máx)
1 215,9 (8.5) 370,8 (14.6) 228,6 (9.0) 152,4 (6.0)
2 279,4 (11.0) 415,3 (16.4) 228,6 (9.0) 152,4 (6.0)
3 304,8 (12.0) 485,1 (19.1) 228,6 (9.0) 152,4 (6.0)
As dimensões estão em milímetros (polegadas)

Especificações e dados de referência 123


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Medidor de vazão de orifício compacto 3051CFC aprimorado


Vista lateral da placa de orifício Vista dianteira da placa de orifício Vista superior da placa de orifício
(Tipo de elemento primário código P)
Placa de orifício do compacto
Placa de orifício de condicionamento
(Tipo de elemento primário código C)

Tabela 9. Desenhos dimensionais


Tipo de elemento Altura do
primário A B transmissor C D
Tipo P e C 143 (5.62) Altura do transmissor + A 159 (6.27) 197 (7,75) - fechado 152 (6,00) - fechado
210 (8,25) - aberto 159 (6,25) - aberto
As dimensões estão em milímetros (polegadas)

124 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Medidor de vazão de orifício integral 3051CFP aprimorado


Vista lateral

Vista inferior Vista frontal

261,81 (10.3)

223,46 (8.8)
160,55
(6.3)

B
134,51
(5.3)

A C

A. K a jusante
B. B.D.
C. J a montante
As dimensões estão em milímetros (polegadas).

Diâmetro da tubulação
Dimensão 15 mm (1/2 pol.) 25 mm (1 pol.) 40 mm (11/2 pol.)
J (pontas do tubo chanfradas/rosqueadas) 318,4 (12.54) 514,0 (20.24) 722,4 (28.44)
J (RF sobreposto, RTJ sobreposto, RF-DIN sobreposto) 320,4 (12.62) 516,0 (20.32) 724,4 (28.52)
J (RF 150#, flange de pescoço) 364,9 (14.37) 568,1 (22.37) 782,9 (30.82)
J (RF 300, flange de pescoço) 369,8 (14.56) 574,7 (22.63) 789,0 (31.06)
J (RF 600, flange de pescoço) 376,0 (14.81) 581,0 (22.88) 797,1 (31.38)
K (pontas do tubo chanfradas/rosqueadas) 145,7 (5.74) 222,2 (8.75) 302,6 (11.91)
K (RF sobreposto, RTJ sobreposto, RF-DIN sobreposto)(1) 147,8 (5.82) 224,2 (8.83) 304,6 (11.99)
K (RF 150#, flange de pescoço) 192,3 (7.57) 276,3 (10.88) 363,1 (14.29)
K (RF 300, flange de pescoço) 197,1 (7.76) 282,9 (11.14) 369,2 (14.53)
K (RF 600, flange de pescoço) 203,4 (8.01) 289,2 (11.39) 377,2 (14.85)
B.D. (diâmetro interno) 16,87 (0.664) 27,86 (1.097) 39,80 (1.567)
As dimensões estão em milímetros (polegadas).
(1) O comprimento a jusante mostrado aqui inclui placa de 4,11 mm (0,162 pol.) de espessura.

Especificações e dados de referência 125


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Desenhos dimensionais do 3051L aprimorado


Configuração de flange de 2 pol.
(apenas montagem nivelada) Configuração de flange de 3 e 4 pol.

104
(4.1) 104
(4.1)

E D

A A

H * H
* 50,8, 101,6 ou extensão 152,4 (2 pol., 4 pol. ou 6 pol.)
Anel de conexão nivelador
130
opcional (invólucro inferior) (5.13)
109
G (4.29)

F
E

168
(6.6)

* 209
* Conexão de nivelamento 179 (8.2)
(7.0)
Conjunto do diafragma e flange
de montagem

B C

As dimensões estão em milímetros (polegadas)

126 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Tabela 10. Especificações dimensionais do 3051L


Exceto onde indicado, as dimensões estão em milímetros (polegadas).

Diâmetro Núme- Diâmetro D.E. da


Tama- Espessura B do ro de Diâmetro da superfície
nho do do Flange círculo do Diâmetro para- do furo do extensão(1) da
Classe tubo A parafuso externo C fusos parafuso D gaxeta E
ASME B16.5 (ANSI) 150 51 (2) 18 (0.69) 121 (4.75) 152 (6.0) 4 19 (0.75) NA 92 (3.6)
76 (3) 22 (0.88) 152 (6.0) 191 (7.5) 4 19 (0.75) 66 (2.58) 127 (5.0)
102 (4) 22 (0.88) 191 (7.5) 229 (9.0) 8 19 (0.75) 89 (3.5) 158 (6.2)
ASME B16.5 (ANSI) 300 51 (2) 21 (0.82) 127 (5.0) 165 (6.5) 8 19 (0.75) NA 92 (3.6)
76 (3) 27 (1.06) 168 (6.62) 210 (8.25) 8 22 (0.88) 66 (2.58) 127 (5.0)
102 (4) 30 (1.19) 200 (7.88) 254 (10.0) 8 22 (0.88) 89 (3.5) 158 (6.2)
ASME B16.5 (ANSI) 600 51 (2) 25 (1.00) 127 (5.0) 165 (6.5) 8 19 (0.75) NA 92 (3.6)
76 (3) 32 (1.25) 168 (6.62) 210 (8.25) 8 22 (0.88) 66 (2.58) 127 (5.0)
DIN 2501 PN 10-40 DN 50 20 mm 125 mm 165 mm 4 18 mm NA 102 (4.0)
DIN 2501 PN 25/40 DN 80 24 mm 160 mm 200 mm 8 18 mm 66 mm 138 (5.4)
DN 100 24 mm 190 mm 235 mm 8 22 mm 89 mm 158 (6.2)
DIN 2501 PN 10/16 DN 100 20 mm 180 mm 220 mm 8 18 mm 89 mm 158 (6.2)

Invólucro inferior G
Tamanho do Lado do
Classe tubo processo F NPT 1/4 NPT 1/2 H
ASME B16.5 (ANSI) 150 51 (2) 54 (2.12) 25 (0.97) 33 (1.31) 143 (5.65)
76 (3) 91 (3.6) 25 (0.97) 33 (1.31) 143 (5.65)
102 (4) 91 (3.6) 25 (0.97) 33 (1.31) 143 (5.65)
ASME B16.5 (ANSI) 300 51 (2) 54 (2.12) 25 (0.97) 33 (1.31) 143 (5.65)
76 (3) 91 (3.6) 25 (0.97) 33 (1.31) 143 (5.65)
102 (4) 91 (3.6) 25 (0.97) 33 (1.31) 143 (5.65)
ASME B16.5 (ANSI) 600 51 (2) 54 (2.12) 25 (0.97) 33 (1.31) 194 (7.65)
76 (3) 91 (3.6) 25 (0.97) 33 (1.31) 194 (7.65)
DIN 2501 PN 10-40 DN 50 61 (2.4) 25 (0.97) 33 (1.31) 143 (5.65)
DIN 2501 PN 25/40 DN 80 91 (3.6) 25 (0.97) 33 (1.31) 143 (5.65)
DN 100 91 (3.6) 25 (0.97) 33 (1.31) 143 (5.65)
DIN 2501 PN 10/16 DN 100 91 (3.6) 25 (0.97) 33 (1.31) 143 (5.65)

(1) As tolerâncias são 1,02 (0,040), 0,51 (-0,020).

Especificações e dados de referência 127


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

A.6 Informações para pedidos


A.6.1 Transmissor de pressão Coplanar Rosemount 3051C
Essa tabela de pedidos contém as seguintes configurações do
Rosemount 3051C:
Configuração Código de saída do transmissor
4 a 20 mA HART® A
— 3051
3051 Aprimorado(1)
FOUNDATION™ fieldbus F
Profibus W
(1) O dispositivos HART de 4—20 mA aprimorado pode ser pedido com o código A de
opção de saída do transmissor mais qualquer uma das novas opções de códigos a
Transmissor de pressão Coplanar 3051C
seguir: DA0, M4, QT, DZ, CR, CS, CT, HR5, HR7.

Consulte Especificações e as Opções para obter mais detalhes sobre cada configuração.

Outras informações
Especificações: página 101
Certificações: página 186
Desenhos dimensionais: página 115
Tabela 11. Informações sobre pedidos de transmissores de pressão Coplanar 3051C
★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Modelo Tipo de transmissor
3051C Transmissor de pressão coplanar
Tipo de medida
Padrão Padrão
D Diferencial ★
G Manométrica ★
Expandida
A Absoluta
Faixa de pressão
3051CD 3051CG 3051CA
Padrão Padrão
1 -62,2 a 62,2 mbar —62,1 a 62,2 mbar 0 a 2,1 bar ★
(—25 a 25 pol.H2O) (—25 a 25 pol.H2O) (0 a 30 psia)
2 -623 a 623 mbar —621 a 623 mbar 0 a 10,3 bar ★
(—250 a 250 pol.H2O) (—250 a 250 pol.H2O) (0 a 150 psia)
3 -2,5 a 2,5 bar -0,98 a 2,5 bar 0 a 55,2 bar ★
(—1000 a 1000 pol.H2O) (—393 a 1000 pol.H2O) (0 a 800 psia)
4 -20,7 a 20,7 bar -0,98 a 20,7 bar 0 a 275,8 bar ★
(—300 a 300 psi) (—14,2 a 300 psi) (0 a 4000 psia)
5 —137,9 a137,9 bar -0,98 a 137,9 bar Não aplicável ★
(—2000 a 2000 psi) (—14,2 a 2000 psi)

128 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Tabela 11. Informações sobre pedidos de transmissores de pressão Coplanar 3051C


★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Expandida
0(1) —7,5 a 7,5 mbar Não aplicável Não aplicável
(—3 a 3 pol.H2O)
Saída do transmissor
Padrão Padrão
A(2) 4 a 20 mA com sinal digital baseado no protocolo HART ★
F Protocolo FOUNDATION fieldbus ★
W(3) Protocolo Profibus PA ★
Materiais de construção
Tipo de flange do Material do flange Dreno/respiro
processo
Padrão Padrão
2 Coplanar Aço inoxidável Aço inoxidável ★
3(4) Coplanar Liga fundida C-276 Liga C-276 ★
4 Coplanar Liga fundida 400 Liga 400/K-500 ★
5 Coplanar Aço-carbono revestido Aço inoxidável ★
7(4) Coplanar Aço inoxidável Liga C-276 ★
8(4) Coplanar Aço-carbono revestido Liga C-276 ★
0 Conexão alternativa de processo ★
Diafragma isolante
Padrão Padrão
2(4) Aço inoxidável 316L ★
3(4) Liga C-276 ★
Expandida
4 Liga 400
5 Tântalo (Disponível no 3051CD e CG, apenas faixas 2-5. Não disponível no 3051CA.)
6 Liga 400 revestida de ouro (use junto com o código de opção B do O-rings).
7 Aço inoxidável revestido de ouro
Anel de vedação
Padrão Padrão
A PTFE com fibra de vidro ★
B PTFE com grafite ★
Fluido de enchimento de sensor
Padrão Padrão
1 Silicone ★
2 Inerte (somente diferencial e manométrica) ★

Especificações e dados de referência 129


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Tabela 11. Informações sobre pedidos de transmissores de pressão Coplanar 3051C


★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Material do invólucro Tamanho de entrada do conduíte
Padrão Padrão
A Alumínio NPT 14 ½ ★
B Alumínio M20 × 1,5 ★
J Aço inoxidável NPT 14 ½ ★
K Aço inoxidável M20 × 1,5 ★
Expandida
D Alumínio G½
M Aço inoxidável G½
Opções (Incluir com o número do modelo selecionado)
Funcionalidade de controle PlantWeb
Padrão Padrão
A01 Pacote do bloco de funções de controle avançado do FOUNDATION Fieldbus ★
Funcionalidade de diagnóstico PlantWeb
Padrão Padrão
DA0(5)(6) Diagnóstico informativo de energia HART ★
D01 Pacote de diagnósticos FOUNDATION fieldbus ★
Flange alternativo(7)
Padrão Padrão
H2 Flange tradicional, aço inoxidável 316, dreno/respiro de SST ★
H3(4) Flange tradicional, liga fundida C, liga C-276 dreno/ventilação ★
H4 Flange tradicional, liga 400 fundida, liga 400/K-500 dreno/ventilação ★
H7(4) Flange tradicional, aço inoxidável 316, dreno/ventilação de liga C-276 ★
HJ Flange tradicional compatível com DIN, aço inoxidável, fixação do adaptador/manifold de 1/16 pol. ★
FA Flange de nível, aço inoxidável, 2 pol., ANSI Classe 150, montagem vertical ★
FB Flange de nível, aço inoxidável, 2 pol., ANSI Classe 300, montagem vertical ★
FC Flange de nível, aço inoxidável, 3 pol., ANSI Classe 150, montagem vertical ★
FD Flange de nível, aço inoxidável, 3 pol., ANSI Classe 300, montagem vertical ★
FP Flange de nível DIN, aço inoxidável, DN 50, PN 40, montagem vertical ★
FQ Flange de nível DIN, aço inoxidável, DN 80, PN 40, montagem vertical ★
Expandida
HK(8) Flange tradicional compatível com DIN, aço inoxidável, fixação do adaptador/coletor de 10 mm
HL Flange tradicional compatível com DIN, aço inoxidável, fixação do adaptador/manifold de 12 mm
(não disponível no 3051CD0)
Conjunto do coletor(8)(9)
Padrão Padrão
S5 Montado no coletor integral Rosemount 305 ★
S6 Monte no coletor Rosemount 304 ou no sistema de conexão ★
Elemento primário de montagem integral(8)(9)
Padrão Padrão
S3 Montado na placa de orifício compacta Rosemount 405 ★
S4(10) Montado no Rosemount Annubar ou orifício integral Rosemount 1195 ★

130 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Tabela 11. Informações sobre pedidos de transmissores de pressão Coplanar 3051C


★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Conjuntos de vedação(9)
Padrão Padrão
S1(11) Montado em um selo Rosemount 1199 ★
S2(12) Montado em dois selos Rosemount 1199 ★
S7 Um selo, sistema totalmente soldado (tipo de conexão capilar)
S8 Dois selos, sistema totalmente soldado (tipo de conexão capilar)
S9 Dois selos, sistema totalmente soldado (um tipo de montagem direta e um de conexão capilar)
S0 Um selo, sistema totalmente soldado (tipo de conexão de montagem direta)
Suporte de montagem (13)
Padrão Padrão
B1 Suporte de flange tradicional para montagem em tubulação de 2 pol., parafusos de aço-carbono ★
B2 Suporte de flange tradicional para montagem em painel, parafusos de aço-carbono ★
B3 Suporte plano de flange tradicional para montagem em tubulação de 2 pol., parafusos de ★
aço-carbono
B4 Suporte de flange Coplanar para montagem em tubulação de 2 pol. ou painel, totalmente em aço ★
inoxidável
B7 Suporte B1 com parafusos em aço inoxidável série 300 ★
B8 Suporte B2 com parafusos em aço inoxidável série 300 ★
B9 Suporte B3 com parafusos em aço inoxidável série 300 ★
BA Suporte B1 de aço inoxidável com parafusos em aço inoxidável série 300 ★
BC Suporte B3 de aço inoxidável com parafusos em aço inoxidável série 300 ★
Certificações do produto
Padrão Padrão
C6 CSA à prova de explosões, à prova de ignição de poeira, intrinsecamente seguro e divisão 2 ★
E2 INMETRO à prova de explosões ★
E3 China, à prova de explosões ★
E4(14) TISS à prova de chamas ★
E5 FM à prova de explosão, à prova de ignição por pó ★
E7 IECEx à prova de explosões, à prova de ignição de poeira ★
E8 ATEX certificação à prova de explosões e poeira ★
I1 ATEX segurança intrínseca e poeira ★
I2 INMETRO segurança intrínseca ★
I3 China segurança intrínseca ★
I4(15) Segurança intrínseca TIIS ★
I5 FM intrinsecamente seguro, divisão 2 ★
I7 IECEx segurança intrínseca ★
IA Segurança intrínseca ATEX FISCO; apenas para o protocolo FOUNDATION Fieldbus ★
IE Intrinsecamente seguro FM FISCO; apenas para o protocolo FOUNDATION fieldbus ★
K2 À prova de chamas, segurança intrínseca INMETRO ★
K5 À prova de explosão, à prova de ignição por pó, intrinsecamente seguro e Divisão 2 FM ★
K6 CSA e ATEX à prova de explosões, intrinsecamente seguro e divisão 2 (combinação de C6 e K8) ★
K7 À prova de chamas IECEx, à prova de ignição por pó, segurança intrínseca e tipo n (combinação ★
de I7, N7 e E7)
K8 À prova de chamas ATEX, segurança intrínseca, tipo n (combinação de E8, I1 e N1) ★
KB À prova de explosão, à prova de ignição por pó, intrinsecamente seguro e Divisão 2 (combinação ★
de K5 e C6) FM e CSA

Especificações e dados de referência 131


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Tabela 11. Informações sobre pedidos de transmissores de pressão Coplanar 3051C


★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
KD FM, CSA e ATEX à prova de explosões, intrinsecamente seguro (combinação de K5, C6, I1 e E8) ★
N1 ATEX certificação tipo n e poeira ★
N3 China tipo n ★
N7 IECEx certificação tipo n ★
Aprovação para água potável
Padrão Padrão
DW(16) Aprovação para água potável NSF ★
Aprovações de navegação
Padrão Padrão
SBS American Bureau of Shipping ★
Transferência de custódia
Padrão Padrão
C5(5) Aprovação de precisão da Measurement Canada (disponibilidade limitada, dependendo do tipo e faixa do ★
transmissor. Consulte o representante da Emerson Process Management)
Material de fixação
Padrão Padrão
L4 Parafusos em aço inoxidável austenítico 316 ★
L5 Parafusos ASTM A 193, grau B7M ★
L6 Parafusos de liga K-500 ★
Opções de interface e mostrador
Padrão Padrão
M4(17) Mostrador LCD com interface do operador local ★
M5 Mostrador LCD ★
Certificado de calibração
Padrão Padrão
Q4 Certificado de calibração ★
QG Certificado de calibração e certificado de verificação GOST ★
QP Certificação de calibração e selo de segurança e proteção ★
Certificação de rastreabilidade de materiais
Padrão Padrão
Q8 Certificação de rastreabilidade de material de acordo com EN 10204 3.1.B ★
Certificação de qualidade quanto à segurança
Padrão Padrão
QS(18) Certificado para uso prévio de dados FMEDA. ★
QT(5)(6) Certificado de segurança de IEC 61508 com certificado FMEDA ★
Botões de configuração
Padrão Padrão
D4(5) Zero analógico e amplitude ★
DZ(5) Digital Zero Trim (Ajuste de zero digital) ★
Proteção contra transientes

132 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Tabela 11. Informações sobre pedidos de transmissores de pressão Coplanar 3051C


★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Padrão Padrão
T1(19) Bloco de terminais contra transientes ★
Configuração do software
Padrão Padrão
C1 Configuração personalizada de software (CDS completo 00806-0122-4001 necessário com o pedido) ★
Calibração da pressão manométrica
Padrão Padrão
C3 Calibração do manômetro (modelo 3051CA4 apenas) ★
Níveis de alarme
Padrão Padrão
C4(5)(19) Os níveis de saída analógica estão de acordo com as recomendações NAMUR NE 43, alarme alto ★
CN(5)(19) Os níveis de saída analógica estão de acordo com as recomendações NAMUR NE 43, alarme baixo ★
CR(5)(6) Níveis personalizados de sinais de alarme e saturação, alarme alto (requer C1 e Folha de dados de ★
configuração)
CS(5)(6) Níveis personalizados de sinais de alarme e saturação, alarme baixo (requer C1 e Folha de dados ★
de configuração)
CT(5)(6) Alarme baixo (níveis de alarme e saturação padrão Rosemount) ★
Teste de pressão
Expandida
P1 Testes hidrostáticos com certificado
Limpeza da área de processo
Expandida
P2 Limpeza para serviço especial
P3 Limpeza para <1 PPM de cloro/flúor
Calibração da pressão
Expandida
P4 Calibração na pressão da linha (especifique o Q48 para o certificado correspondente)
Alta Precisão
Padrão Padrão
P8(20) Precisão de 0,04% para quebra de 5:1 (Faixa 2—4) ★
Adaptadores do flange
Padrão Padrão
DF(21) Adaptador(es) de flange NPT 14 /2 1

D3 Conexões do processo NPT 18 1/4 (Sem adaptadores de flange)
D3 Conexão do processo JIS - Flange RC 1/4 com adaptador de flange RC 1/2, aço inoxidável 316
Válvulas de dreno/ventilação
Expandida
D7 Flange Coplanar sem saídas de dreno/ventilação
Bujão de conduíte
Padrão Padrão
DO(22) Bujão de conduíte em aço inoxidável 316 ★
Conexão de processo RC 1/4 RC1/2

Especificações e dados de referência 133


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Tabela 11. Informações sobre pedidos de transmissores de pressão Coplanar 3051C


★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Expandida
D9(23) Flange RC ¼ com adaptador de flange RC ½, aço-carbono — aço inoxidável
D9 JIS Process Connection — RC ¼ Flange with RC ½ Flange Adapter, 316SST
Pressão máxima de linha estática
Padrão Padrão
P9 Limite de pressão estática de 310 bar (4500 psig) (somente 3051CD de faixas 2-5) ★
Parafuso de aterramento
Padrão Padrão
V5(24) Conjunto do parafuso de aterramento externo ★
Acabamento de superfície
Padrão Padrão
Q16 Certificação de acabamento de superfície para vedações sanitárias remotas ★
Relatórios de desempenho total do sistema Toolkit
Padrão Padrão
QZ Relatório de cálculo de desempenho do sistema de vedação remota ★
Conector elétrico do conduíte
Padrão Padrão
GE M12, 4 pinos, conector macho (eurofast®) ★
GM Tamanho A Mini, 4 pinos, conector macho (minifast®) ★
Configuração da revisão do HART
Padrão Padrão
HR5(5)(6)(25) Configurado para revisão 5 do HART ★
HR7(5)(6) (25) Configurado para revisão 7 do HART ★
Número típico de modelo: 3051CD 2 A 2 2 A 1 A B4US$ 13857 780
(1) O 3051CD0 está disponível apenas com o código de saída A, código de flange de processo 0 (flange alternativo H2, H7, HJ ou HK),
código de diafragma de isolamento 2, código O-ring A e opção de parafuso L4.
(2) A Revisão 5 HART é o padrão de saída HART. O 3051 aprimorado pode ser configurado na fábrica ou em campo para a revisão 7
HART. Para encomendar a revisão 7 HART configurada em fábrica, adicione o código de opção HR7.
(3) Código de opção M4 — mostrador LCD com interface do operador local necessária para encaminhamento e configuração local.
(4) Os materiais de construção cumprem as recomendações das Normas NACE MR0175/ISO 15156 para ambientes de produção de
petróleo corrosivo. Os limites ambientais se aplicam a determinados materiais. Consulte os detalhes na norma mais recente. Os
materiais selecionados também estão em conformidade com a Norma NACE MR0103 para ambientes de refino de petróleo corrosivo.
(5) Disponível apenas com saída HART de 4 a 20 mA (código de saída A).
(6) Selecione os botões de configuração (código de opção D4 ou DZ) ou a Interface Local do Operador (código de opção M4) se forem
necessários botões de configurações locais.
(7) Requer o código 0 nos materiais de construção para conexão alternativa de processo.
(8) Não é válido com código opcional P9 para pressão estática de 4500 psi.
(9) Os itens de “montagem em” são especificados separadamente e necessitam de um número completo do modelo.
(10)Flange de processo limitado ao Coplanar (códigos 2, 3, 5, 7, 8) ou tradicional (H2, H3, H7).
(11)Não é válido com código opcional D9 para adaptadores RC1/2.
(12)Não é válido para os códigos opcionais DF e D9 para adaptadores.

134 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

(13)Os parafusos de montagem do painel não são fornecidos.


(14)Disponível apenas com os códigos de saída A - 4—20 HART e F - FOUNDATION fieldbus.
(15)Disponível apenas com o 3051CD e 3051CG e código de saída A — 4-20 mA HART.
(16)Não disponível com isolador de liga C-276 (código 3), isolador de tântalo (código 5), todos os flanges de C-276 liga fundida, todos
os flanges de aço-carbono revestido, todos os flanges DIN, todos os flanges de nível, coletores de montagem em (códigos S5 e S6),
vedações de montagem em (códigos S1 e S2), elementos primários de montagem em (códigos S3 e S4), certificação de
acabamento de superfície (código Q16) e relatório do sistema de vedação remota (código QZ).
(17)Não disponível com o FOUNDATION fieldbus (código de saída F).
(18)Disponível apenas com o padrão 3051 4-20 mA HART.
(19)As opções para operação em conformidade com NAMUR são estabelecidas na fábrica e não podem ser alteradas para operação
padrão em campo para o padrão 3051.
(20)Disponível apenas com o padrão 3051. Consulte a seção Especificações para obter mais informações.
(21)Não válido com as opções de conexão alternativa de processo S3, S4, S5 e S6.
(22)O transmissor é fornecido com tampão do conduíte em aço inoxidável 316 (desinstalado) no lugar do tampão do conduíte padrão
de aço-carbono.
(23)Não disponível com conexão alternativa do processo; flanges DIN e flanges de nível.
(24)A opção V5 não é necessária com a opção T1; o conjunto de parafuso de aterramento externo está incluso com a opção T1.
(25)Configura a saída HART para a Revisão 7 HART. O dispositivo pode ser configurado em campo para a Revisão 5 HART se necessário.

Especificações e dados de referência 135


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

A.6.2 Transmissor de pressão em linha Rosemount 3051T


Essa tabela de pedidos contém as seguintes configurações do
Rosemount 3051T:
Configuração Código de saída do transmissor
4 a 20 mA HART® A
— 3051
— 3051 Aprimorado(1)
FOUNDATION™ fieldbus F
Profibus W
(1) O dispositivos HART de 4—20 mA aprimorado pode ser pedido com o código A de
Transmissor de pressão em linha 3051T opção de saída do transmissor mais qualquer uma das novas opções de códigos a
seguir: DA0, M4, QT, DZ, CR, CS, CT, HR5, HR7.

Consulte Especificações e as Opções para obter mais detalhes sobre cada


configuração.
Outras informações
Especificações: página 101
Certificações: página 186
Desenhos dimensionais: página 115

Tabela 12. Informações sobre pedidos do transmissor de pressão em linha 3051T


★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Modelo Tipo de transmissor
3051T Transmissor de pressão em linha
Tipo de pressão
Padrão Padrão
G Manométrica ★
A Absoluta ★
Faixa de pressão
3051TG(1) 3051TA
Padrão Padrão
1 -1,0 a 2,1 bar (-14,7 a 30 psi) 0 a 2,1 bar (0 a 30 psia) ★
2 -1,0 a 10,3 bar (-14,7 a 150 psi) 0 a 10,3 bar (0 a 150 psia) ★
3 -1,0 a 55 bar (-14,7 a 800 psi) 0 a 55 bar (0 a 800 psia) ★
4 -1,0 a 276 bar (-14,7 a 4000 psi) 0 a 276 bar (0 a 4000 psia) ★
5 -1,0 a 689 bar (-14,7 a 10000 psi) 0 a 689 bar (0 a 10000 psia) ★
Saída do transmissor
Padrão Padrão
A(2) 4 a 20 mA com sinal digital baseado no protocolo HART ★
F Protocolo FOUNDATION fieldbus ★
W(3) Protocolo Profibus PA ★
Tipo de conexão do processo
Padrão Padrão
2B NPT 14 1/2 fêmea ★
2C Conector macho G½ A DIN 16288 (Disponível em aço inoxidável apenas para faixa 1-4) ★

136 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Tabela 12. Informações sobre pedidos do transmissor de pressão em linha 3051T


★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Expandida
2F Cônico e rosqueado, compatível com tipo de autoclave F-250-C (somente faixa 5)
61 Flange de aparelho não roscado (faixa 1—4 apenas)
Material das peças que entram em
Diafragma isolante contato com o processo
Padrão Padrão
2(4) Aço inoxidável 316L Aço inoxidável 316L ★
3(4) Liga C-276 Liga C-276 ★
Fluido de enchimento de sensor
Padrão Padrão
1 Silicone ★
2 Inerte ★
Material do invólucro Tamanho de entrada do conduíte
Padrão Padrão
A Alumínio NPT 14 ½ ★
B Alumínio M20 × 1,5 ★
J Aço inoxidável NPT 14 ½ ★
K Aço inoxidável M20 × 1,5 ★
Expandida
D Alumínio G½
M Aço inoxidável G½

Opções (Incluir com o número do modelo selecionado)


Funcionalidade de controle PlantWeb
Padrão Padrão
A01 Conjunto do bloco de funções de controle avançado ★
Funcionalidade de diagnósticos PlantWeb
Padrão Padrão
DA0(5) (6) Diagnóstico informativo de energia HART ★
D01 Pacote de diagnósticos FOUNDATION fieldbus ★
Montagem integral
Padrão Padrão
S5(7) Montado no coletor integral Rosemount 306 ★
Conjuntos de selos de diafragma
Padrão Padrão
S1(7) Montado em um selo Rosemount 1199 ★
Suporte de montagem(8)
Padrão Padrão
B4 Suporte para montagem em tubulação de 2 pol. ou painel, totalmente em aço inoxidável ★

Especificações e dados de referência 137


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Tabela 12. Informações sobre pedidos do transmissor de pressão em linha 3051T


★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Certificações do produto
Padrão Padrão
C6 CSA à prova de explosões, à prova de ignição de poeira, intrinsecamente seguro e divisão 2 ★
E2 INMETRO à prova de explosões ★
E3 China, à prova de explosões ★
E4 TIIS à prova de explosões ★
E5 FM à prova de explosões, à prova de ignição de poeira ★
E7 IECEx à prova de explosões, à prova de ignição de poeira ★
E8 ATEX certificação à prova de explosões e poeira ★
I1 ATEX segurança intrínseca e poeira ★
I2 INMETRO segurança intrínseca ★
I3 China segurança intrínseca ★
I5 FM intrinsecamente seguro, divisão 2 ★
I7 IECEx segurança intrínseca ★
IA Segurança intrínseca ATEX para FISCO; apenas para o protocolo FOUNDATION fieldbus ★
IE Intrinsecamente seguro FM FISCO; apenas para o protocolo FOUNDATION fieldbus ★
K2 INMETRO à prova de explosões, segurança intrínseca ★
K5 À prova de explosões, à prova de ignição de poeira, intrinsecamente seguro e divisão 2 FM ★
K6 CSA e ATEX à prova de explosões, intrinsecamente seguro e divisão 2 (combinação de C6 e K8) ★
K7 IECEx à prova de explosões, à prova de ignição de poeira, segurança intrínseca e tipo n ★
(combinação de I7, N7 e E7)
K8 À prova de chamas, segurança intrínseca, tipo n (combinação de E8, I1 e N1) ATEX ★
KB FM e CSA à prova de explosões, à prova de ignição de poeira, intrinsecamente seguro e divisão 2 ★
(combinação de K5 e C6)
KD FM, CSA e ATEX à prova de explosões, intrinsecamente seguro (combinação de K5, C6, I1 e E8) ★
N1 ATEX certificação tipo n e poeira ★
N3 China tipo n ★
N7 IECEx certificação tipo n ★
Aprovação para água potável
Padrão Padrão
DW(9) Aprovação para água potável NSF ★
Aprovações de navegação
Padrão Padrão
SBS American Bureau of Shipping ★
Transferência de custódia
Padrão Padrão
C5 Aprovação de precisão da Measurement Canada (disponibilidade limitada, dependendo do tipo e ★
faixa do transmissor. Consulte o representante da Emerson Process Management)
Certificação de calibração
Padrão Padrão
Q4 Certificado de calibração ★
QG Certificado de calibração e certificado de verificação GOST ★
QP Certificado de calibração e selo de evidência de alteração ★
Certificação de rastreabilidade de materiais
Padrão Padrão

138 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Tabela 12. Informações sobre pedidos do transmissor de pressão em linha 3051T


★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Q8 Certificação de rastreabilidade de materiais conforme a EN 10204 3.1.B ★
Certificação de qualidade quanto à segurança
Padrão Padrão
QS(10) Certificado para uso prévio de dados FMEDA. ★
QT(5)(8) Certificado de segurança de IEC 61508 com certificado FMEDA ★
Botões de configuração
Padrão Padrão
D4(8) Zero analógico e amplitude ★
DZ(8) Digital Zero Trim (Ajuste de zero digital) ★
Opções de interface e mostrador
Padrão Padrão
M4(11) Mostrador LCD com interface do operador local ★
M5 Mostrador LCD ★
Bujão de conduíte
Padrão Padrão
DO(12) Bujão de conduíte em aço inoxidável 316 ★
Bloco de terminais contra transientes
Padrão Padrão
T1(13) Bloco de terminais contra transientes ★
Configuração do software
Padrão Padrão
C1(8) Configuração personalizada de software (CDS completo 00806-0122-4001 necessário com o pedido) ★
Níveis de alarme
Padrão Padrão
C4(8)(14) Os níveis de saída analógica estão de acordo com as recomendações NAMUR NE 43, alarme alto ★
CN(8)(14) Os níveis de saída analógica estão de acordo com as recomendações NAMUR NE 43, alarme baixo ★
CR(5)(8) Níveis personalizados de sinais de alarme e saturação, alarme alto (requer C1 e Folha de dados de ★
configuração)
CS(5)(8) Níveis personalizados de sinais de alarme e saturação, alarme baixo (requer C1 e Folha de dados ★
de configuração)
CT(5)(8) Alarme baixo (níveis de alarme e saturação padrão Rosemount) ★
Teste de pressão
Expandida
P1 Testes hidrostáticos com certificado
Limpeza da área de processo(15)
Expandida
P2 Limpeza para serviço especial
P3 Limpeza para <1 PPM de cloro/flúor
Alta Precisão
Padrão Padrão
P8(16) Precisão de 0,04% para quebra de 5:1 (Faixa 2—4) ★
Parafuso de aterramento
Padrão Padrão

Especificações e dados de referência 139


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Tabela 12. Informações sobre pedidos do transmissor de pressão em linha 3051T


★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
V5(17) Conjunto do parafuso de aterramento externo ★
Acabamento de superfície
Padrão Padrão
Q16 Certificação de acabamento de superfície para vedações sanitárias remotas ★
Relatórios de desempenho total do sistema Toolkit
Padrão Padrão
QZ Relatório de cálculo de desempenho do sistema de vedação remota ★
Conector elétrico do conduíte
Padrão Padrão
GE M12, 4 pinos, conector macho (eurofast®) ★
GM Tamanho A Mini, 4 pinos, conector macho (minifast®) ★
Configuração da revisão do HART
Padrão
HR5(5)(8)(18) Configurado para revisão 5 do HART ★
HR7(5)(8)(19) Configurado para revisão 7 do HART ★
Número típico de
modelo: 3051T G 5 F 2A 2 1 A B4
(1) O limite inferior da faixa do 3051TG varia de acordo com a pressão atmosférica.
(2) A Revisão 5 HART é o padrão de saída HART. O 3051 aprimorado pode ser configurado na fábrica ou em campo para a revisão 7
HART. Para encomendar a revisão 7 HART configurada em fábrica, adicione o código de opção HR7.
(3) Código de opção M4 — mostrador LCD com interface do operador local necessária para encaminhamento e configuração local.
(4) Os materiais de construção cumprem as recomendações das Normas NACE MR0175/ISO 15156 para ambientes de produção de
petróleo corrosivo. Os limites ambientais se aplicam a determinados materiais. Consulte os detalhes na norma mais recente. Os
materiais selecionados também estão em conformidade com a Norma NACE MR0103 para ambientes de refino de petróleo
corrosivo.
(5) Selecione os botões de configuração (código de opção D4 ou DZ) ou a Interface Local do Operador (código de opção M4) se forem
necessários botões de configurações locais.
(6) Disponível apenas com saída HART de 4 a 20 mA (código de saída A).
(7) Os itens de “montagem em” são especificados separadamente e necessitam de um número completo do modelo.
(8) Os parafusos de montagem do painel não são fornecidos.
(9) Não disponível com isolador de liga C-276 (código 3), isolador de tântalo (código 5), todos os flanges C-276 de liga fundida, todos
os flanges de aço-carbono revestido, todos os flanges DIN, todos os flanges de nível, manifolds de “montagem em” (códigos S5 e
S6), selos de montagem em (códigos S1 e S2), montagem elementos primários de montagem em (códigos S3 e S4), certificação
de acabamento de superfície (código Q16) e relatório do sistema de selagem remota (código QZ).
(10)Disponível apenas com saída HART de 4 a 20 mA (código de saída A).
(11)Não disponível com o FOUNDATION fieldbus (código de saída F).
(12)O transmissor é fornecido com bujão do conduíte em aço inoxidável 316 (não instalado) no lugar do bujão do conduíte padrão
de aço-carbono.
(13)A opção T1 não é necessária com as certificações de produto FISCO; a proteção contra transientes está incluída na certificação de
produto FISCO, códigos IA e IE.
(14)As opções para operação em conformidade com NAMUR são estabelecidas na fábrica e não podem ser alteradas para operação
padrão em campo.

140 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

(15)Não é válido com a conexão alternativa de processo S5.


(16)Disponível apenas com o padrão 3051. Consulte a seção Especificações para obter mais informações.
(17)A opção V5 não é necessária com a opção T1; o conjunto de parafuso de aterramento externo está incluído em a opção T1.
(18)Configura a saída HART para HART Revisão 5. O dispositivo pode ser configurado em campo para HART Revisão 7, se necessário.
(19)Configura a saída HART para HART Revisão 7. O dispositivo pode ser configurado em campo para HART Revisão 5, se necessário.

Especificações e dados de referência 141


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

A.6.3 Medidor de vazão Rosemount série 3051CF


Essa tabela de pedidos contém as seguintes configurações do
Rosemount 3051CF:

Configuração Código de saída do transmissor


4 a 20 mA HART® A
— 3051
— 3051 Aprimorado(1)
FOUNDATION™ fieldbus F
Profibus W
(1) O dispositivos HART de 4—20 mA aprimorado pode ser pedido com o código A de opção
de saída do transmissor mais qualquer uma das novas opções de códigos a seguir: DA0,
M4, QT, DZ, CR, CS, CT, HR5, HR7.

Consulte Especificações e as Opções para obter mais detalhes sobre cada


configuração.
Medidor de vazão Rosemount 3051CFA Annubar
Tabela 13. Informações para pedidos de medidor de vazão Rosemount 3051CFA Annubar
★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Modelo Descrição do produto
3051CFA Fluxômetro Annubar
Tipo de medida
Padrão Padrão
D Pressão diferencial ★
Tipo de fluido
Padrão Padrão
L Líquido ★
G Gás ★
S Vapor ★
Line Size (Diâmetro da tubulação)
Padrão Padrão
020 50 mm (2 pol.) ★
025 63,5 mm (21/2 pol.) ★
030 80 mm (3 pol.) ★
035 89 mm (31/2 pol.) ★
040 100 mm (4 pol.) ★
050 125 mm (5 pol.) ★
060 150 mm (6 pol.) ★
070 175 mm (7 pol.) ★
080 200 mm (8 pol.) ★
100 250 mm (10 pol.) ★
120 300 mm (12 pol.) ★
Expandida
140 350 mm (14 pol.)
160 400 mm (16 pol.)
180 450 mm (18 pol.)

142 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Tabela 13. Informações para pedidos de medidor de vazão Rosemount 3051CFA Annubar
★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Expandida
200 500 mm (20 pol.)
240 600 mm (24 pol.)
300 750 mm (30 pol.)
360 900 mm (36 pol.)
420 1.066 mm (42 pol.)
480 1.210 mm (48 pol.)
600 1.520 mm (60 pol.)
720 1.820 mm (72 pol.)
780 1.950 mm (78 pol.)
840 2.100 mm (84 pol.)
900 2.250 mm (90 pol.)
960 2.400 mm (96 pol.)
Faixa de DI (diâmetro interno) da tubulação
Padrão Padrão
C Faixa C da tabela de DI da tubulação ★
D Faixa D da tabela de DI da tubulação ★
Expandida
A Faixa A da tabela de DI da tubulação
B Faixa B da tabela de DI da tubulação
E Faixa E da tabela de DI da tubulação
Z Faixa de D.I. da tubulação diferente do padrão ou tamanhos da linha maiores do que 12 pol.
Material da tubulação/material do conjunto de montagem
Padrão Padrão
C Aço-carbono (A105) ★
S Aço inoxidável 316 ★
0 Sem montagem (responsabilidade do cliente) ★
Expandida
G Cromo-molibdênio grau F-11
N Cromo-molibdênio grau F-22
J Cromo-molibdênio grau F-91
Orientação da tubulação
Padrão Padrão
H Tubulação horizontal ★
D Tubulação vertical com fluxo descendente ★
U Tubulação vertical com fluxo ascendente ★
Tipo Annubar
Padrão Padrão
P Pak-Lok ★
F Flangeado com suporte lateral oposto ★
Expandida
L Flange-Lok
G Acionamento por engrenagem Flo-Tap
M Flo-Tap manual

Especificações e dados de referência 143


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Tabela 13. Informações para pedidos de medidor de vazão Rosemount 3051CFA Annubar
★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Material do sensor
Padrão Padrão
S Aço inoxidável 316 ★
Expandida
H Liga C-276
Tamanho do sensor
Padrão Padrão
1 Tamanho do sensor 1 - tamanhos da linha 50 mm (2 pol.) a 200 mm (8 pol.) ★
2 Tamanho do sensor 2 - tamanhos da linha 150 mm (6 pol.) a 2.400 mm (96 pol.) ★
3 Tamanho do sensor 3 - tamanhos da linha acima de 300 mm (12 pol.) ★
Tipo de montagem
Padrão Padrão
T1 Conexão rosqueada ou compressão ★
A1 ANSI RF 150 ★
A3 ANSI RF 300 ★
A6 ANSI RF 600 ★
D1 Flange DN PN16 ★
D3 Flange DN PN40 ★
D6 Flange DN PN100 ★
Expandida
A9(1) ANSI RF 900
AF(1) ANSI RF 1500
AT(1) ANSI RF 2500
R1 Flange RTJ 150
R3 Flange RTJ 300
R6 Flange RTJ 600
R9(1) Flange RTJ 900
RF(1) Flange RTJ 1500
RT(1) Flange RTJ 2500
Suporte lateral oposto ou prensa-gaxeta
Padrão Padrão
0 Sem suporte lateral oposto ou prensa-gaxeta (necessário para os modelos Pak-Lok e Flange-Lok) ★
Suporte lateral oposto — necessário para os modelos flangeados
C Conjunto de suporte oposto rosqueado NPT - ponta prolongada ★
D Conjunto de suporte oposto soldado - ponta prolongada ★
Expandida
Prensa-gaxeta — necessário para os modelos Flo-Tap
Material do prensa-gaxeta Material da vareta Material da gaxeta
J Prensa-gaxeta/ bocal da gaiola de aço inoxidável Aço-carbono PTFE
K Prensa-gaxeta/ bocal da gaiola de aço inoxidável Aço inoxidável PTFE
L Prensa-gaxeta/ bocal da gaiola de aço inoxidável Aço-carbono Grafite
N Prensa-gaxeta/ bocal da gaiola de aço inoxidável Aço inoxidável Grafite
R Prensa-gaxeta / bocal da gaiola de liga C-276 Aço inoxidável Grafite

144 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Tabela 13. Informações para pedidos de medidor de vazão Rosemount 3051CFA Annubar
★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Válvula de isolamento para modelos Flo-Tap
Padrão Padrão
0 Não aplicável nem fornecido pelo cliente ★
Expandida
1 Válvula de gaveta de aço-carbono
2 Válvula de gaveta de aço inoxidável
5 Válvula de esfera de aço-carbono
6 Válvula de esfera de aço inoxidável
Medição da temperatura
Padrão Padrão
T Termorresistor integral - não disponível com o modelo flangeado acima da Classe 600# ★
0 Sem sensor de temperatura ★
Expandida
R Poço termométrico e termorresistor remotos
Plataforma de conexão do transmissor
Padrão Padrão
3 Montagem direta, coletor integral de 3 válvulas - não disponível com o modelo flangeado acima ★
da Classe 600
5 Montagem direta, coletor de 5 válvulas - não disponível com o modelo flangeado acima da ★
Classe 600
7 Conexões NPT de montagem remota (NPT de 1/2 pol.) ★
Expandida
6 Manifold de 5 válvulas, de alta temperatura, montagem direta — não disponível com o modelo
flangeado maior do que a classe 600
8 Conexões SW de montagem remota (1/2 pol.)
Faixa de pressão diferencial
Padrão Padrão
1 0 a 62,3 mbar (0 a 25 pol.H2O) ★
2 0 a 623 mbar (0 a 250 pol.H2O) ★
3 0 a 2,5 bar (0 a 1000 pol.H2O) ★
Saída do transmissor
Padrão Padrão
A(2) 4 a 20 mA com sinal digital baseado no protocolo HART ★
F Protocolo FOUNDATION fieldbus ★
W(3) Protocolo Profibus PA ★
Material do invólucro do transmissor Tamanho de entrada do conduíte
Padrão Padrão
A Alumínio NPT 14 1/2 ★
B Alumínio M20 x 1,5 ★
J Aço inoxidável NPT 14 1/2 ★
K Aço inoxidável M20 x 1,5 ★
Expandida
D Alumínio G1/2
M Aço inoxidável G1/2

Especificações e dados de referência 145


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Tabela 13. Informações para pedidos de medidor de vazão Rosemount 3051CFA Annubar
★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Classe de desempenho do transmissor
Padrão Padrão
1 Precisão da taxa de fluxo de 1,6%, quebra de fluxo 8:1, estabilidade de 5 anos ★
Opções (Incluir com o número do modelo selecionado)
Teste de pressão
Expandida
P1(4) Testes hidrostáticos com certificado
PX(4) Teste hidrostático prolongado
Limpeza especial
Expandida
P2 Limpeza para serviços especiais
PA Limpeza de acordo com ASTM G93 nível D (seção 11.4)
Teste de material
Expandida
V1 Inspeção por líquidos penetrantes
Exame de material
Expandida
V2 Exame radiográfico
Calibração de fluxo
Expandida
W1 Calibração da vazão (média K)
Inspeção especial
Padrão Padrão
QC1 Inspeção visual e dimensional com certificado ★
QC7 Certificado de desempenho e inspeção ★
Acabamento de superfície
Padrão Padrão
RL Acabamento da superfície para tubos com número de Reynolds baixo em gás e vapor ★
RH Acabamento da superfície para tubos com número de Reynolds alto em líquido ★
Certificação de rastreabilidade de materiais
Padrão Padrão
Q8(5) Certificação de rastreabilidade de materiais de acordo com EN 10474:2004 3.1 ★
Conformidade de código(6)
Expandida
J2 ANSI/ASME B31,1
J3 ANSI/ASME B31,3
Conformidade de materiais
Expandida
J5(7) NACE MR-0175 / ISO 15156
Certificação por país
Padrão Padrão
J6 Diretriz europeia para equipamentos de pressão (PED) ★
Expandida
J1 Registro canadense

146 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Tabela 13. Informações para pedidos de medidor de vazão Rosemount 3051CFA Annubar
★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Instalado na seção de bobina do tubo flangeado
Expandida
H3 Conexão flangeada 150 com comprimento e tempo de entrega padrão Rosemount
H4 Conexão flangeada 300 com comprimento e tempo de entrega padrão Rosemount
H5 Conexão flangeada 600 com comprimento e tempo de entrega padrão Rosemount
Conexões de instrumentos para opções de montagem remota
Padrão Padrão
G2 Válvulas de agulha de aço inoxidável ★
G6 Válvula de gaveta OS&Y de aço inoxidável ★
Expandida
G1 Válvulas de agulha de aço-carbono
G3 Válvulas de agulha de liga C-276
G5 Válvula de gaveta OS&Y de aço-carbono
G7 Válvula de gaveta OS&Y de liga C-276
Transporte especial
Padrão Padrão
Y1 Ferragem para montagem enviada separadamente ★
Dimensões especiais
Expandida
VM Montagem variável
VT Ponta variável
VS Seção da bobina de comprimento variável
Funcionalidade de controle PlantWeb
Padrão Padrão
A01(8) Pacote do bloco de funções de controle avançado do FOUNDATION Fieldbus ★
Funcionalidade de diagnósticos PlantWeb
Padrão Padrão
DA0(9)(10) Diagnóstico informativo de energia HART ★
D01(8) Pacote de diagnósticos FOUNDATION fieldbus ★
Certificações do produto
Padrão Padrão
C6 CSA à prova de explosões, à prova de ignição de poeira, intrinsecamente seguro, divisão 2 ★
E5 FM à prova de explosões, à prova de ignição de poeira ★
E7 IECEx à prova de explosões, à prova de ignição de poeira ★
E8 À prova de chamas, pó ATEX ★
I1 ATEX segurança intrínseca ★
I5 FM intrinsecamente seguro, divisão 2 ★
IA Segurança intrínseca ATEX FISCO; apenas para o protocolo FOUNDATION Fieldbus ★
K5 À prova de explosões, à prova de ignição de poeira, intrinsecamente seguro, divisão 2 ★
(combinação de E5 e I5) FM
K6 À prova de explosões, à prova de ignição de poeira, intrinsecamente seguro, divisão 2 ★
(combinação de E6 e I6) CSA
K8 À prova de chamas ATEX, segurança intrínseca, tipo n (combinação de E8, I1 e N1) ★
KB À prova de explosão, à prova de ignição por pó, intrinsecamente seguro, Divisão 2 (combinação ★
de K5 e C6) FM e CSA
KD FM, CSA e ATEX à prova de explosões, intrinsecamente seguro (combinação de K5, C6, I1 e E8) ★

Especificações e dados de referência 147


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Tabela 13. Informações para pedidos de medidor de vazão Rosemount 3051CFA Annubar
★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
N1 ATEX tipo n ★
Opções de anel de vedação e fluido de enchimento do sensor
Padrão Padrão
L1 Fluido de enchimento de sensor inerte Observação: O fluido de enchimento de silicone é padrão. ★
L2 Anel de vedação (PTFE) com grafite ★
LA Fluido de enchimento inerte do sensor e anel de vedação (PTFE) com grafite ★
Aprovações de navegação
Padrão Padrão
SBS American Bureau of Shipping ★
Opções de interface e mostrador
Padrão Padrão
M4(11) Mostrador LCD com interface do operador local ★
M5 Mostrador LCD ★
Certificação da calibração do transmissor
Padrão Padrão
Q4 Certificado de calibração do transmissor ★
Certificação de qualidade quanto à segurança
Padrão Padrão
QS(12) Certificado para uso prévio de dados FMEDA. ★
QT(9)(10) Certificado de segurança de IEC 61508 com certificado FMEDA ★
Proteção contra transientes
Padrão Padrão
T1(13) Blocos de terminais contra transientes ★
Coletor para opção de montagem remota
Padrão Padrão
F2 Coletor de 3 válvulas, aço inoxidável ★
F6 Coletor de 5 válvulas, aço inoxidável ★
Expandida
F1 Coletor de 3 válvulas, aço-carbono
F3 Manifold de 3 válvulas, liga C-276
F5 Coletor de 5 válvulas, aço-carbono
F7 Manifold de 5 válvulas, liga C-276
Níveis de alarme
Padrão Padrão
C4(10)(14) Níveis de alarme e saturação NAMUR, alarme alto ★
CN(10)(14) Níveis de alarme e saturação NAMUR, alarme baixo ★
CR(9)(10) Níveis personalizados de sinais de alarme e saturação, alarme alto (requer C1 e Folha de dados ★
de configuração)
CS(9)(10) Níveis personalizados de sinais de alarme e saturação, alarme baixo (requer C1 e Folha de dados ★
de configuração)
CT(9)(10) Alarme baixo (níveis de alarme e saturação padrão Rosemount) ★
Botões de configuração
Padrão Padrão
D4(10) Zero analógico e amplitude ★
DZ(10) Digital Zero Trim (Ajuste de zero digital) ★
Parafuso de aterramento
Padrão Padrão
148 Especificações e dados de referência
Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Tabela 13. Informações para pedidos de medidor de vazão Rosemount 3051CFA Annubar
★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
V5(15) Conjunto do parafuso de aterramento externo ★
Configuração da revisão do HART
Padrão Padrão
HR5(9)(10)(16) Configurado para revisão 5 do HART ★
HR7(9)(10)(17) Configurado para revisão 7 do HART ★
Número típico do
modelo: 3051CFA D L 060 D C H P S 2 T1 0 0 0 3 2 A A 1
(1) Disponível somente nas aplicações de montagem remota.
(2) A Revisão 5 HART é o padrão de saída HART. O 3051 aprimorado pode ser configurado na fábrica ou em campo para a revisão 7
HART. Para encomendar a revisão 7 HART configurada em fábrica, adicione o código de opção HR7.
(3) Código de opção M4 — mostrador LCD com interface do operador local necessária para encaminhamento e configuração local.
(4) Aplica-se apenas ao fluxômetro montado; montagem não testada.
(5) Conexões de aparelhos para opções de montagem remota e válvulas de isolamento para modelos Flo-Tap não estão incluídas na
certificação de rastreabilidade de materiais.
(6) Não disponível com a plataforma 6 da conexão do transmissor.
(7) Os materiais de fabricação cumprem as recomendações da NACE MR0175/ISO para ambientes corrosivos de produção em campo
de petróleo. Os limites ambientais se aplicam a determinados materiais. Consulte os detalhes na norma mais recente. Os materiais
selecionados também estão em conformidade com a Norma NACE MR0103 para ambientes de refino de petróleo corrosivo.
(8) Válido apenas com o código de saída F do FOUNDATION fieldbus.
(9) Selecione os botões de configuração (código de opção D4 ou DZ) ou a Interface Local do Operador (código de opção M4) se forem
necessários botões de configurações locais.
(10)Disponível apenas com saída HART 4—20 mA (código de saída A).
(11)Não disponível com o FOUNDATION fieldbus (código de saída F).
(12)Disponível apenas com o padrão 4 a 20 mA HART.
(13)A opção T1 não é necessária com as certificações de produto FISCO; a proteção contra transiente está incluída na certificação de
produto FISCO, código IA.
(14)As opções para operação em conformidade com NAMUR são estabelecidas na fábrica e não podem ser alteradas para operação
padrão em campo para o padrão 3051.
(15)A opção V5 não é necessária com a opção T1; o conjunto de parafuso de aterramento externo está incluso com a opção T1.
(16)Configura a saída HART para HART Revisão 5. O dispositivo pode ser configurado em campo para HART Revisão 7, se necessário.
(17)Configura a saída HART para HART Revisão 7. O dispositivo pode ser configurado em campo para HART Revisão 5, se necessário

Especificações e dados de referência 149


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Outras informações

Medidor de vazão compacto Especificações: página 101


Certificações: página 186
Rosemount 3051CFC Desenhos dimensionais: 3

Tabela 14. Informações para pedidos de medidor de vazão compacto Rosemount 3051CFC
★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Modelo Descrição do produto
3051CFC Fluxômetro compacto
Tipo de medida
Padrão Padrão
D Pressão diferencial ★
Tecnologia de elemento primário
Padrão Padrão
C Placa de orifício de condicionamento ★
P Placa de orifício ★
Tipo de material
Padrão Padrão
S Aço inoxidável 316 ★
Line Size (Diâmetro da tubulação)
Padrão Padrão
005(1) 15 mm (1/2 pol.) ★
010(1) 25 mm (1 pol.) ★
015(1) 40 mm (11/2 pol.) ★
020 50 mm (2 pol.) ★
030 80 mm (3 pol.) ★
040 100 mm (4 pol.) ★
060 150 mm (6 pol.) ★
080 200 mm (8 pol.) ★
100 250 mm (10 pol.) ★
120 300 mm (12 pol.) ★
Tipo de elemento primário
Padrão Padrão
N Borda quadrada ★
Tipo de elemento primário
Padrão Padrão
040 0,40 Proporção beta ★
065(2) 0,65 Proporção beta ★
Medição da temperatura
Padrão Padrão
0 Sem sensor de temperatura ★
Expandida
R Poço termométrico e termorresistor remotos
Plataforma de conexão do transmissor
Padrão Padrão
3 Montagem direta, coletor integral de 3 válvulas ★
7 Montagem remota, conexões NPT 1/4 pol. ★
150 Especificações e dados de referência
Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Tabela 14. Informações para pedidos de medidor de vazão compacto Rosemount 3051CFC
★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Faixa de pressão diferencial
Padrão Padrão
1 0 a 62,3 mbar (0 a 25 pol.H2O) ★
2 0 a 623 mbar (0 a 250 pol.H2O) ★
3 0 a 2,5 bar (0 a 1000 pol.H2O) ★
Saída do transmissor
Padrão Padrão
A(3) 4 a 20 mA com sinal digital baseado no protocolo HART ★
F Protocolo FOUNDATION fieldbus ★
W(4) Protocolo Profibus PA ★
Material do invólucro do transmissor Tamanho de entrada do conduíte
Padrão Padrão
A Alumínio NPT 14 1/2 ★
B Alumínio M20 x 1,5 ★
J Aço inoxidável NPT 14 1/2 ★
K Aço inoxidável M20 x 1,5 ★
Expandida
D Alumínio G1/2
M Aço inoxidável G1/2
Classe de desempenho do transmissor
Padrão Padrão
1 Precisão da taxa de fluxo de até ±1,75%, redução de fluxo 8:1, estabilidade de 5 anos ★

Opções (inclua no número do modelo selecionado)


Acessórios para instalação
Padrão Padrão
AB Anel de alinhamento ANSI (150) (exigido apenas para tamanhos de linhas de 250 mm [10 pol.] e ★
300 mm [12 pol.])
AC Anel de alinhamento ANSI (300) (exigido apenas para tamanhos de linhas de 250 mm [10 pol.] e ★
300 mm [12 pol.])
AD Anel de alinhamento ANSI (600) (exigido apenas para tamanhos de linhas de 250 mm [10 pol.] e ★
300 mm [12 pol.])
DG Anel de alinhamento DIN (PN16) ★
DH Anel de alinhamento DIN (PN40) ★
DJ Anel de alinhamento DIN (PN100) ★
Expandida
JB Anel de alinhamento JIS (10K)
JR Anel de alinhamento JIS (20K)
JS Anel de alinhamento JIS (40K)
Adaptadores remotos
Padrão Padrão
FE Adaptadores do flange de aço inoxidável 316 (NPT 1/2 pol.) ★
Aplicação de alta temperatura
Expandida
HT Gaxeta de válvula de grafite (Tmáx = 850 °F)
Calibração de fluxo
Expandida
WC(5) Certificação de calibração de fluxo (3 pontos)
WD(5) Verificação do coeficiente de descarga (10 pontos completos)

Especificações e dados de referência 151


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Tabela 14. Informações para pedidos de medidor de vazão compacto Rosemount 3051CFC
★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Teste de pressão
Expandida
P1 Testes hidrostáticos com certificado
Limpeza especial
Expandida
P2 Limpeza para serviços especiais
PA Limpeza de acordo com ASTM G93 nível D (seção 11.4)
Inspeção especial
Padrão Padrão
QC1 Inspeção visual e dimensional com certificado ★
QC7 Certificado de desempenho e inspeção ★
Certificação da calibração do transmissor
Padrão Padrão
Q4 Certificado de calibração do transmissor ★
Certificação de qualidade quanto à segurança
Padrão Padrão
QS(6) Certificado para uso prévio de dados FMEDA. ★
QT(7) (8) Certificado de segurança de IEC 61508 com certificado FMEDA ★
Certificação de rastreabilidade de materiais
Padrão Padrão
Q8 Certificação de rastreabilidade de materiais de acordo com EN 10204:2004 3.1 ★
Conformidade com códigos
Expandida
J2 ANSI/ASME B31.1
J3 ANSI/ASME B31.3
J4 ANSI/ASME B31.8
Conformidade de materiais
Expandida
J5(9) NACE MR-0175 / ISO 15156
Certificação por país
Expandida
J1 Registro canadense
Certificações do produto
Padrão Padrão
C6 CSA à prova de explosões, à prova de ignição de poeira, intrinsecamente seguro, divisão 2 ★
E5 FM à prova de explosões, à prova de ignição de poeira ★
E7 IECEx à prova de explosões, à prova de ignição de poeira ★
E8 À prova de chamas, pó ATEX ★
I1 ATEX segurança intrínseca ★
I5 FM intrinsecamente seguro, divisão 2 ★
IA Segurança intrínseca ATEX FISCO; apenas para o protocolo FOUNDATION Fieldbus ★
K5 À prova de explosões, à prova de ignição de poeira, intrinsecamente seguro, divisão 2 (combinação ★
de E5 e I5) FM
K6 À prova de explosões, à prova de ignição de poeira, intrinsecamente seguro, divisão 2 (combinação ★
de E6 e I6) CSA
K8 À prova de chamas ATEX, segurança intrínseca, tipo n (combinação de E8, I1 e N1) ★
KB À prova de explosão, à prova de ignição por pó, intrinsecamente seguro, Divisão 2 (combinação de ★
K5 e C6) FM e CSA
KD FM, CSA e ATEX à prova de explosões, intrinsecamente seguro (combinação de K5, C6, I1 e E8) ★
N1 ATEX tipo n ★
Opções de anel de vedação e fluido de enchimento do sensor

152 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Tabela 14. Informações para pedidos de medidor de vazão compacto Rosemount 3051CFC
★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Padrão Padrão
L1 Fluido de enchimento inerte do sensor ★
L2 Anel de vedação (PTFE) com grafite ★
LA Fluido de enchimento inerte do sensor e anel de vedação (PTFE) com grafite ★
Aprovações de navegação
Padrão Padrão
SBS American Bureau of Shipping ★
Opções de interface e mostrador
Padrão Padrão
M4(10) Mostrador LCD com interface do operador local ★
M5 Mostrador LCD ★
Proteção contra transientes
Padrão Padrão
T1(11) Blocos de terminais contra transientes ★
Coletor para opção de montagem remota
Padrão Padrão
F2 Coletor de 3 válvulas, aço inoxidável ★
F6 Coletor de 5 válvulas, aço inoxidável ★
Funcionalidade de controle PlantWeb
Padrão Padrão
A01(12) Pacote do bloco de funções de controle avançado do FOUNDATION Fieldbus ★
Funcionalidade de diagnósticos PlantWeb
Padrão Padrão
DA0(6)(13) Diagnóstico informativo de energia HART ★
D01(8)(12) Conjunto de diagnósticos FOUNDATION fieldbus ★
Limite de alarme
Padrão Padrão
C4(6)(8) Níveis de alarme e saturação NAMUR, alarme alto ★
CN(6)(8) Níveis de alarme e saturação NAMUR, alarme baixo ★
CR(13)(6) Níveis personalizados de sinais de alarme e saturação, alarme alto (requer C1 e Folha de dados de ★
configuração)
CS(13)(6) Níveis personalizados de sinais de alarme e saturação, alarme baixo (requer C1 e Folha de dados de ★
configuração)
CT(13)(6) Alarme baixo (níveis de alarme e saturação padrão Rosemount) ★
Parafuso de aterramento
Padrão Padrão
V5(14) Conjunto do parafuso de aterramento externo ★
Botões de configuração
Padrão Padrão
D4(6) Zero analógico e amplitude ★
DZ(6)(13) Digital Zero Trim (Ajuste de zero digital) ★
Configuração da revisão do HART
Padrão Padrão
HR5(6)(13) Configurado para revisão 5 do HART ★
(15)

HR7(6)(13) Configurado para revisão 7 do HART ★


(16)

Número típico do modelo: 3051CFC D C S 060 N 065 0 3 2 A A 1 WC E5 M5

Especificações e dados de referência 153


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

(1) Não disponível para tecnologia C de elemento primário.


(2) Para 50 mm (2 pol.), o tamanho de linha para o tipo de elemento primário é de 0,6 para o código C da tecnologia de elemento
primário.
(3) A Revisão 5 HART é o padrão de saída HART. O 3051 aprimorado pode ser configurado na fábrica ou em campo para a revisão 7
HART. Para encomendar a revisão 7 HART configurada em fábrica, adicione o código de opção HR7.
(4) Código de opção M4 — mostrador LCD com interface do operador local necessária para encaminhamento e configuração local.
(5) Não disponível para tecnologia P de elemento primário.
(6) Disponível apenas com o padrão 3051 4-20mA HART.
(7) Disponível apenas com saída de sinal HART 4-20 mA.
(8) As opções para operação em conformidade com NAMUR são estabelecidas na fábrica e não podem ser alteradas para operação
padrão em campo para o padrão 3051.
(9) Os materiais de fabricação cumprem as recomendações da NACE MR0175/ISO para ambientes corrosivos de produção em campo
de petróleo. Os limites ambientais se aplicam a determinados materiais. Consulte os detalhes na norma mais recente. Os materiais
selecionados também estão em conformidade com a Norma NACE MR0103 para ambientes de refino de petróleo corrosivo.
(10)INDISPONÍVEL COM O CÓDIGO DE SAÍDA F — FOUNDATION FIELDBUS.
(11)A opção T1 não é necessária com as certificações de produto FISCO; a proteção contra transientes está incluída na certificação de
produto FISCO, código IA.
(12)Válido apenas com o código de saída F do FOUNDATION fieldbus.
(13)Selecione os botões de configuração (código de opção D4 ou DZ) ou a Interface Local do Operador (código de opção M4) se forem
necessários botões de configurações locais.
(14)A opção V5 não é necessária com a opção T1; o conjunto de parafuso de aterramento externo está incluso com a opção T1.
(15)Configura a saída HART para HART Revisão 5. O dispositivo pode ser configurado em campo para HART Revisão 7, se necessário.
(16)Configura a saída HART para HART Revisão 7. O dispositivo pode ser configurado em campo para HART Revisão 5, se necessário.

154 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Medidor de vazão de Outras informações


orifício integral
Especificações: página 101
Rosemount 3051CFP Certificações: página 186
Desenhos dimensionais: página 115

Tabela 15. Informações para pedidos de medidor de vazão de orifício integral Rosemount 3051CFP
★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Modelo Descrição do produto
3051CFP Fluxômetro de orifício integral
Tipo de medida
Padrão Padrão
D Pressão diferencial ★
Material do corpo
Padrão Padrão
S Aço inoxidável 316 ★
Line Size (Diâmetro da tubulação)
Padrão Padrão
005 15 mm (1/2 pol.) ★
010 25 mm (1 pol.) ★
015 40 mm (11/2 pol.) ★
Conexão do processo
Padrão Padrão
T1 Corpo NPT fêmea (não disponível com poço termométrico e termorresistor remotos) ★
S1(1) Corpo do soquete soldado (não disponível com poço termométrico e termorresistor remotos) ★
P1 Pontas da tubulação: NPT rosqueada ★
P2 Pontas das tubulações: Chanfrada ★
D1 Pontas da tubulação: Flangeada, DIN PN16, sobreposto ★
D2 Pontas da tubulação: Flangeada, DIN PN40, sobreposto ★
D3 Pontas da tubulação: Flangeada, DIN PN100, sobreposto ★
W1 Pontas da tubulação: Flangeada, RF, ANSI Classe 150, flange de pescoço ★
W3 Pontas da tubulação: Flangeada, RF, ANSI Classe 300, flange de pescoço ★
W6 Pontas da tubulação: Flangeada, RF, ANSI Classe 600, flange de pescoço ★
Expandida
A1 Pontas da tubulação: Flangeada, RF, ANSI Classe 150, sobreposto
A3 Pontas da tubulação: Flangeada, RF, ANSI Classe 300, sobreposto
A6 Pontas da tubulação: Flangeada, RF, ANSI Classe 600, sobreposto
R1 Pontas da tubulação: Flangeada, RTJ, ANSI Classe 150, sobreposto
R3 Pontas da tubulação: Flangeada, RTJ, ANSI Classe 300, sobreposto
R6 Pontas da tubulação: Flangeada, RTJ, ANSI Classe 600, sobreposto
Material da placa de orifício
Padrão Padrão
S Aço inoxidável 316 ★

Especificações e dados de referência 155


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Tabela 15. Informações para pedidos de medidor de vazão de orifício integral Rosemount 3051CFP
★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Expandida
H Liga C-276
M Liga 400
Opção de diâmetro
Padrão Padrão
0066 1,68 mm (0,066 pol.) para tubo de 1/2 pol. ★
0109 2,77 mm (0,109 pol.) para tubo de 1/2 pol. ★
0160 4,06 mm (0,160 pol.) para tubo de 1/2 pol. ★
0196 4,98 mm (0,196 pol.) para tubo de 1/2 pol. ★
0260 6,60 mm (0,260 pol.) para tubo de 1/2 pol. ★
0340 8,64 mm (0,340 pol.) para tubo de 1/2 pol. ★
0150 3,81 mm (0,150 pol.) para tubo de 1 pol. ★
0250 6,35 mm (0,250 pol.) para tubo de 1 pol. ★
0345 8,76 mm (0,345 pol.) para tubo de 1 pol. ★
0500 12,70 mm (0,500 pol.) para tubo de 1 pol. ★
0630 16,00 mm (0,630 pol.) para tubo de 1 pol. ★
0800 20,32 mm (0,800 pol.) para tubo de 1 pol. ★
0295 7,49 mm (0,295 pol.) para tubo de 1 1/2 pol. ★
0376 9,55 mm (0,376 pol.) para tubo de 1 1/2 pol. ★
0512 13,00 mm (0,512 pol.) para tubo de 1 1/2 pol. ★
0748 19,00 mm (0,748 pol.) para tubo de 1 1/2 pol. ★
1022 25,96 mm (1,022 pol.) para tubo de 1 1/2 pol. ★
1184 30,07 mm (1,184 pol.) para tubo de 1 1/2 pol. ★
Expandida
0010 0,25 mm (0,010 pol.) para tubo de 1/2 pol.
0014 0,36 mm (0,014 pol.) para tubo de 1/2 pol.
0020 0,51 mm (0,020 pol.) para tubo de 1/2 pol.
0034 0,86 mm (0,034 pol.) para tubo de 1/2 pol.
Plataforma de conexão do transmissor
Padrão Padrão
D3 Coletor de 3 válvulas, montagem direta, aço inoxidável ★
D5 Coletor de 5 válvulas, montagem direta, aço inoxidável ★
R3 Coletor de 3 válvulas, montagem remota, aço inoxidável ★
R5 Coletor de 5 válvulas, montagem remota, aço inoxidável ★
Expandida
D4 Manifold de 3 válvulas de montagem direta, liga C-276
D6 Manifold de 5 válvulas de montagem direta, liga C-276
D7 Manifold de 5 válvulas, montagem direta, alta temperatura, aço inoxidável
R4 Manifold de 3 válvulas de montagem remota, liga C-276
R6 Manifold de 5 válvulas de montagem remota, liga C-276
Faixas de pressão diferencial
Padrão Padrão
1 0 a 62,3 mbar (0 a 25 pol.H2O) ★
2 0 a 623 mbar (0 a 250 pol.H2O) ★
3 0 a 2,5 bar (0 a 1000 pol.H2O) ★

156 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Tabela 15. Informações para pedidos de medidor de vazão de orifício integral Rosemount 3051CFP
★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Saída do transmissor
Padrão Padrão
A(2) 4 a 20 mA com sinal digital baseado no protocolo HART ★
F Protocolo FOUNDATION fieldbus ★
W(3) Protocolo Profibus PA ★
Material do invólucro do transmissor Tamanho de entrada do conduíte
Padrão Padrão
A Alumínio NPT 14 1/2 ★
B Alumínio M20 x 1,5 ★
J Aço inoxidável NPT 14 1/2 ★
K Aço inoxidável M20 x 1,5 ★
Expandida
D Alumínio G1/2
M Aço inoxidável G1/2
Classe de desempenho do transmissor
Padrão Padrão
1 Precisão da taxa de fluxo de até ±1,75%, redução de fluxo 8:1, estabilidade de 5 anos ★

Opções (Incluir com o número do modelo selecionado)


Corpo do transmissor / Material do parafuso
Expandida
GT Alta temperatura (454 °C /850 °F)
de temperatura elevada
Expandida
RT(4) Poço termométrico e termorresistor
Conexão opcional
Padrão Padrão
G1 Conexão do transmissor DIN 19213 ★
Teste de pressão
Expandida
P1(5) Testes hidrostáticos com certificado
Limpeza especial
Expandida
P2 Limpeza para serviços especiais
PA Limpeza de acordo com ASTM G93 nível D (seção 11.4)
Teste de material
Expandida
V1 Inspeção por líquidos penetrantes
Exame de material
Expandida
V2 Exame radiográfico
Calibração de fluxo
Expandida
WD(6) Verificação do coeficiente de descarga
Inspeção especial
Padrão Padrão
QC1 Inspeção visual e dimensional com certificado ★
QC7 Certificado de desempenho e inspeção ★
Especificações e dados de referência 157
Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Tabela 15. Informações para pedidos de medidor de vazão de orifício integral Rosemount 3051CFP
★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Certificação de rastreabilidade de materiais
Padrão Padrão
Q8 Certificação de rastreabilidade de materiais de acordo com EN 10204:2004 3.1 ★
Conformidade com códigos
Expandida
J2(7) ANSI/ASME B31,1
J3(7) ANSI/ASME B31,3
J4(7) ANSI/ASME B31.8
Conformidade de materiais
Expandida
J5(8) NACE MR-0175 / ISO 15156
Certificação por país
Padrão Padrão
J6 Diretriz europeia para equipamentos de pressão (PED) ★
Expandida
J1 Registro canadense
Certificação da calibração do transmissor
Padrão Padrão
Q4 Certificado de calibração do transmissor ★
Certificação de qualidade quanto à segurança
Padrão Padrão
QS(9) Certificado para uso prévio de dados FMEDA. ★
QT(10) (11) Certificado de segurança de IEC 61508 com certificado FMEDA ★
Certificações do produto
Padrão Padrão
C6 CSA à prova de explosões, à prova de ignição de poeira, intrinsecamente seguro, divisão 2 ★
E5 FM à prova de explosões, à prova de ignição de poeira ★
E7 IECEx à prova de explosões, à prova de ignição de poeira ★
E8 À prova de chamas, pó ATEX ★
I1 ATEX segurança intrínseca ★
I5 FM intrinsecamente seguro, divisão 2 ★
IA Segurança intrínseca ATEX FISCO; apenas para o protocolo FOUNDATION Fieldbus ★
K5 À prova de explosões, à prova de ignição de poeira, intrinsecamente seguro, divisão 2 ★
(combinação de E5 e I5) FM
K6 À prova de explosões, à prova de ignição de poeira, intrinsecamente seguro, divisão 2 ★
(combinação de E6 e I6) CSA
K8 À prova de chamas ATEX, segurança intrínseca, tipo n (combinação de E8, I1 e N1) ★
KB À prova de explosão, à prova de ignição por pó, intrinsecamente seguro, Divisão 2 ★
(combinação de K5 e C6) FM e CSA
KD À prova de explosão, intrinsecamente seguro (combinação de K5, C6, I1 e E8) FM, CSA e ATEX ★
N1 ATEX tipo n ★
Opções de anel de vedação e fluido de enchimento do sensor
Padrão Padrão
L1 Fluido de enchimento inerte do sensor ★
L2 Anel de vedação (PTFE) com grafite ★
LA Fluido de enchimento inerte do sensor e anel de vedação (PTFE) com grafite ★
Aprovações de navegação
Padrão Padrão

158 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Tabela 15. Informações para pedidos de medidor de vazão de orifício integral Rosemount 3051CFP
★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
SBS American Bureau of Shipping ★
Opções de interface e mostrador
Padrão Padrão
M4(12) Mostrador LCD com interface do operador local ★
M5 Mostrador LCD ★
Proteção contra transientes
Padrão Padrão
T1(13) Blocos de terminais contra transientes ★
Funcionalidade de controle PlantWeb
Padrão Padrão
A01(14) Pacote do bloco de funções de controle avançado do FOUNDATION Fieldbus ★
Funcionalidade de diagnósticos PlantWeb
Padrão Padrão
DA0(10) (11) Diagnóstico informativo de energia HART ★
D01(14) Conjunto de diagnósticos FOUNDATION fieldbus ★
Limite de alarme
Padrão Padrão
C4(10) (15) Níveis de alarme e saturação NAMUR, alarme alto ★
CN(10) (15) Níveis de alarme e saturação NAMUR, alarme baixo ★
CR(10) (11) Níveis personalizados de sinais de alarme e saturação, alarme alto (requer C1 e Folha de dados ★
de configuração)
CS(10) (11) Níveis personalizados de sinais de alarme e saturação, alarme baixo (requer C1 e Folha de ★
dados de configuração)
CT(10) (11) Alarme baixo (níveis de alarme e saturação padrão Rosemount) ★
Parafuso de aterramento
Padrão Padrão
V5(16) Conjunto do parafuso de aterramento externo ★
Botões de configuração
Padrão Padrão
D4(10) Zero analógico e amplitude ★
DZ (10)
Digital Zero Trim (Ajuste de zero digital) ★
Configuração da revisão do HART
Padrão Padrão
HR5(10) (11) (17) Configurado para revisão 5 do HART ★
HR7(10) (11) (18) Configurado para revisão 7 do HART ★
Número típico do modelo: 3051CFP D S 010 W1 S 0500 D3 2 A A 1 E5 M5
(1) Para melhorar a perpendicularidade do tubo para vedação da gaxeta, o diâmetro do soquete é menor que o DE padrão do tubo.
(2) A Revisão 5 HART é o padrão de saída HART. O 3051 aprimorado pode ser configurado na fábrica ou em campo para a revisão 7
HART. Para encomendar a revisão 7 HART configurada em fábrica, adicione o código de opção HR7.
(3) Código de opção M4 — mostrador LCD com interface do operador local necessária para encaminhamento e configuração local.
(4) O material do poço termométrico é o mesmo do corpo.
(5) Não se aplica aos códigos de conexão de processo T1 e S1.
(6) Não disponível para diâmetros de 0010, 0014, 0020 ou 0034.
(7) Não disponível com os códigos de conexão de processo DIN D1, D2 ou D3.

Especificações e dados de referência 159


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

(8) Os materiais de fabricação cumprem as recomendações da NACE MR0175/ISO para ambientes corrosivos de produção em campo
de petróleo. Os limites ambientais se aplicam a determinados materiais. Consulte os detalhes na norma mais recente. Os
materiais selecionados também estão em conformidade com a Norma NACE MR0103 para ambientes de refino de petróleo
corrosivo.
(9) Disponível apenas com o padrão 3051 4-20mA HART.
(10)Disponível apenas com saída HART 4—20 mA (código de opção A).
(11)Selecione os botões de configuração (código de opção D4 ou DZ) ou a Interface Local do Operador (código de opção M4) se forem
necessários botões de configurações locais.
(12)Não disponível com o FOUNDATION fieldbus (código de saída F).
(13)A opção T1 não é necessária com as certificações de produto FISCO; a proteção contra transiente está incluída na certificação de
produto FISCO, código IA.
(14)Válido apenas com o código F de saída FOUNDATION fieldbus.
(15)As opções para operação em conformidade com NAMUR são estabelecidas na fábrica e não podem ser alteradas para operação
padrão em campo.
(16)A opção V5 não é necessária com a opção T1; o conjunto de parafuso de aterramento externo está incluso com a opção T1.
(17)Configura a saída HART para HART Revisão 5. O dispositivo pode ser configurado em campo para HART Revisão 7, se necessário.
(18)Configura a saída HART para HART Revisão 7. O dispositivo pode ser configurado em campo para HART Revisão 5, se necessário.

160 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

A.6.4 Transmissor de nível Rosemount 3051L


Essa tabela de pedidos contém as seguintes configurações do
Rosemount 3051L:
Configuração Código de saída do transmissor
4 a 20 mA HART® A
— 3051
— 3051 Aprimorado(1)
FOUNDATION™ fieldbus F
Profibus W
(1) O dispositivos HART de 4—20 mA aprimorado pode ser pedido com o código A de
opção de saída do transmissor mais qualquer uma das novas opções de códigos a
Transmissor de nível 3051L seguir: DA0, M4, QT, DZ, CR, CS, CT, HR5, HR7.

Consulte Especificações e as Opções para obter mais detalhes sobre cada configuração.

Outras informações
Especificações: página 101
Certificações: página 186
Desenhos dimensionais: página 115

Tabela 16. Informações sobre pedidos do transmissor de nível 3051L


★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Modelo Tipo de transmissor
3051L Transmissor de nível
Faixa de pressão
Padrão Padrão
2 -0,6 a 0,6 bar (-250 a 250 pol.H2O) ★
3 -2,5 a 2,5 bar (-1000 a 1000 pol.H2O) ★
4 -20,7 a 20,7 bar (-300 a 300 psi) ★
Saída do transmissor
Padrão Padrão
(1)
A 4 a 20 mA com sinal digital baseado no protocolo HART ★
F Protocolo FOUNDATION fieldbus ★
W(2) Protocolo Profibus PA ★
Tamanho, material e comprimento da extensão de conexões de processo (alta pressão)
Padrão Padrão
Tamanho da conexão de
Código processo Material Comprimento da extensão
G0(3) 2 pol./DN 50/A Aço inoxidável 316L Apenas montagem nivelada ★
H0(3) 2 pol./DN 50 Liga C-276 Apenas montagem nivelada ★
J0 2 pol./DN 50 Tântalo Apenas montagem nivelada ★
A0(3) 3 pol./DN 80 Aço inoxidável 316L Montagem nivelada ★
A2(3) 3 pol./DN 80 Aço inoxidável 316L 2 pol./50 mm ★
A4(3) 3 pol./DN 80 Aço inoxidável 316L 4 pol./100 mm ★

Especificações e dados de referência 161


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Tabela 16. Informações sobre pedidos do transmissor de nível 3051L


★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Padrão Padrão
Tamanho da conexão de
Código processo Material Comprimento da extensão
A6(3) 3 pol./DN 80 Aço inoxidável 316L 6 pol./150 mm ★
B0(3) 4 pol./DN 100 Aço inoxidável 316L Montagem nivelada ★
B2(3) 4 pol./DN 100 Aço inoxidável 316L 2 pol./50 mm ★
B4(3) 4 pol./DN 100 Aço inoxidável 316L 4 pol./100 mm ★
B6(3) 4 pol./DN 100 Aço inoxidável 316L 6 pol./150 mm ★
C0(3) 3 pol./DN 80 Liga C-276 Montagem nivelada ★
C2(3) 3 pol./DN 80 Liga C-276 2 pol./50 mm ★
C4(3) 3 pol./DN 80 Liga C-276 4 pol./100 mm ★
C6(3) 3 pol./DN 80 Liga C-276 6 pol./150 mm ★
D0(3) 4 pol./DN 100 Liga C-276 Montagem nivelada ★
D2(3) 4 pol./DN 100 Liga C-276 2 pol./50 mm ★
D4(3) 4 pol./DN 100 Liga C-276 4 pol./100 mm ★
D6(3) 4 pol./DN 100 Liga C-276 6 pol./150 mm ★
E0 3 pol./DN 80 Tântalo Apenas montagem nivelada ★
F0 4 pol./DN 100 Tântalo Apenas montagem nivelada ★
Tamanho dos flanges de montagem, classificação, material (lado de alta pressão)
Tamanho Classificação Material
Padrão Padrão
M 2-pol. ANSI/ASME B16.5 Classe 150 Aço-carbono ★
A 3-pol. ANSI/ASME B16.5 Classe 150 Aço-carbono ★
B 4-pol. ANSI/ASME B16.5 Classe 150 Aço-carbono ★
N 2-pol. ANSI/ASME B16.5 Classe 300 Aço-carbono ★
C 3-pol. ANSI/ASME B16.5 Classe 300 Aço-carbono ★
D 4-pol. ANSI/ASME B16.5 Classe 300 Aço-carbono ★
P 2-pol. ANSI/ASME B16.5 Classe 600 Aço-carbono ★
E 3-pol. ANSI/ASME B16.5 Classe 600 Aço-carbono ★
X(3) 2-pol. ANSI/ASME B16.5 Classe 150 Aço inoxidável ★
F(3) 3-pol. ANSI/ASME B16.5 Classe 150 Aço inoxidável ★
G(3) 4-pol. ANSI/ASME B16.5 Classe 150 Aço inoxidável ★
Y(3) 2-pol. ANSI/ASME B16.5 Classe 300 Aço inoxidável ★
H(3) 3-pol. ANSI/ASME B16.5 Classe 300 Aço inoxidável ★
J(3) 4-pol. ANSI/ASME B16.5 Classe 300 Aço inoxidável ★
Z(3) 2-pol. ANSI/ASME B16.5 Classe 600 Aço inoxidável ★
L(3) 3-pol. ANSI/ASME B16.5 Classe 600 Aço inoxidável ★
Q DN 50 PN 10-40 de acordo com a EN 1092-1 Aço-carbono ★
R DN 80 PN 40 de acordo com a EN 1092-1 Aço-carbono ★
S DN 100 PN 40 de acordo com a EN 1092-1 Aço-carbono ★
V DN 100 PN 10/16 de acordo com a EN 1092-1 Aço-carbono ★
K(3) DN 50 PN 10-40 de acordo com a EN 1092-1 Aço inoxidável ★
T(3) DN 80 PN 40 de acordo com a EN 1092-1 Aço inoxidável ★
U(3) DN 100 PN 40 de acordo com a EN 1092-1 Aço inoxidável ★

162 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Tabela 16. Informações sobre pedidos do transmissor de nível 3051L


★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
W(3) DN 100 PN 10/16 de acordo com a EN 1092-1 Aço inoxidável ★
7(3) 4 pol. ANSI/ASME B16.5 Classe 600 Aço inoxidável ★
Expandida
1 – 10K de acordo com a JIS B2238 Aço-carbono
2 – 20K de acordo com a JIS B2238 Aço-carbono
3 – 40K de acordo com a JIS B2238 Aço-carbono
4(3) – 10K de acordo com a JIS B2238 Aço inoxidável 316
5(3) – 20K de acordo com a JIS B2238 Aço inoxidável 316
6(3) – 40K de acordo com a JIS B2238 Aço inoxidável 316
Fluido de preenchimento
da vedação Gravidade Limites de temperatura (temperatura
(lado de alta pressão) específica ambiente de 21 °C (70 °F))
Padrão Padrão
A Syltherm XLT 0,85 —75 a 145 °C (—102 a 293 °F) ★
C Silicone 704 1,07 0 a 205 °C (32 a 401 °F) ★
D Silicone 200 0,93 — 45 a 205 °C (—49 a 401 °F) ★
H Inerte 1,85 — 45 a 160 °C (—49 a 320 °F) ★
(Halocarbono)
G Glicerina e água 1,13 —15 a 95 °C (5 a 203 °F) ★
N Neobee M-20 0,92 —15 a 205 °C (5 a 401 °F) ★
P Propileno glicol e 1,02 —15 a 95 °C (5 a 203 °F) ★
água
Lado de baixa pressão
Adaptador do Fluido de enchimento
Configuração flange Material do diafragma de sensor
Padrão Padrão
11(3) Manométrica Aço inoxidável Aço inoxidável 316L Silicone ★
21(3) Diferencial Aço inoxidável Aço inoxidável 316L Silicone ★
22(3) Diferencial Aço inoxidável Liga C-276 Silicone ★
2A(3) Diferencial Aço inoxidável Aço inoxidável 316L Inerte (Halocarbono) ★
2B(3) Diferencial Aço inoxidável Liga C-276 Inerte (Halocarbono) ★
31(3) Conjunto Nenhum Aço inoxidável 316L Silicone ★
Tuned-System (Requer código de
com vedação opção S1)
remota
Anel de vedação
Padrão Padrão
A PTFE com fibra de vidro ★
Material do invólucro Tamanho de entrada do conduíte
Padrão Padrão
A Alumínio NPT 14 ½ ★
B Alumínio M20 × 1,5 ★
J Aço inoxidável NPT 14 ½ ★
K Aço inoxidável M20 × 1,5 ★

Especificações e dados de referência 163


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Tabela 16. Informações sobre pedidos do transmissor de nível 3051L


★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Expandida
D Alumínio G½
M Aço inoxidável G½
Opções (Incluir com o número do modelo selecionado)
Funcionalidade de controle PlantWeb
Padrão Padrão
(4)
A01 Pacote do bloco de funções de controle avançado do FOUNDATION Fieldbus ★
Funcionalidade de diagnósticos PlantWeb
Padrão Padrão
(5) (6)
DA0 Diagnóstico informativo de energia HART ★
D01(4) Pacote de diagnósticos FOUNDATION fieldbus ★
Conjuntos de vedação
Padrão Padrão
(7)
S1 Montado em uma vedação Rosemount 1199 (requer 1199M) ★
Certificações do produto
Padrão Padrão
E5 FM à prova de explosões, à prova de ignição de poeira ★
I5 FM intrinsecamente seguro, divisão 2 ★
K5 À prova de explosões, à prova de ignição de poeira, intrinsecamente seguro e divisão 2 FM ★
I1 ATEX segurança intrínseca e poeira ★
N1 ATEX certificação tipo n e poeira ★
E8 ATEX certificação à prova de explosões e poeira ★
E4 TIIS à prova de explosões ★
C6 CSA à prova de explosões, à prova de ignição de poeira, intrinsecamente seguro e divisão 2 ★
K6 CSA e ATEX à prova de explosões, intrinsecamente seguro e divisão 2 (combinação de C6 e K8) ★
KB FM e CSA à prova de explosões, à prova de ignição de poeira, intrinsecamente seguro e divisão 2 ★
(combinação de K5 e C6)
K7 À prova de chamas, à prova de ignição por pó, segurança intrínseca e tipo n (combinação de I7, ★
N7 e E7) IECEx
K8 ATEX à prova de explosões, segurança intrínseca (combinação de I1 e E8) ★
KD FM, CSA e ATEX à prova de explosões, intrinsecamente seguro (combinação de K5, C6, I1 e E8) ★
I7 IECEx segurança intrínseca ★
E7 IECEx à prova de explosões, à prova de ignição de poeira ★
N7 IECEx certificação tipo n ★
IA ATEX FISCO segurança intrínseca ★
IE FM FISCO intrinsecamente seguro ★
E2 INMETRO à prova de explosões ★
I2 INMETRO segurança intrínseca ★
K2 INMETRO à prova de explosões, segurança intrínseca ★
E3 China, à prova de explosões ★
I3 China segurança intrínseca ★
N3 China tipo n ★

164 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Tabela 16. Informações sobre pedidos do transmissor de nível 3051L


★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Aprovações de navegação
Padrão Padrão
SBS American Bureau of Shipping ★
Material de fixação
Padrão Padrão
L4 Parafusos em aço inoxidável austenítico 316 ★
L5 Parafusos ASTM A 193, grau B7M ★
L6 Parafusos de liga K-500 ★
L8 Parafusos ASTM A 193, Classe 2, grau B8M ★
Opções de interface e mostrador
Padrão Padrão
(8)
M4 Mostrador LCD com interface do operador local ★
M5 Mostrador LCD ★
Certificação de calibração
Padrão Padrão
Q4 Certificado de calibração ★
QP Certificado de calibração e selo de segurança e proteção ★
QG Certificado de calibração e certificado de verificação GOST ★
Certificação de rastreabilidade de materiais
Padrão Padrão
Q8 Certificação de rastreabilidade de materiais de acordo com EN 10204 3.1 ★
Certificação de qualidade quanto à segurança
Padrão Padrão
(9)
QS Certificado para uso prévio de dados FMEDA ★
QT(5)(6) Certificado de segurança de IEC 61508 com certificado FMEDA ★
Relatórios de desempenho total do sistema Toolkit
Padrão Padrão
QZ Relatório de cálculo de desempenho do sistema de vedação remota ★
Conector elétrico do conduíte
Padrão Padrão
GE M12, 4 pinos, conector macho (eurofast ) ®

GM Tamanho A Mini, 4 pinos, conector macho (minifast®) ★
Botões de configuração
Padrão Padrão
D4(6) Zero analógico e amplitude ★
DZ(6) Digital Zero Trim (Ajuste de zero digital) ★
Proteção contra transientes
Padrão Padrão
(10)
T1 Proteção contra transientes ★
Configuração do software

Especificações e dados de referência 165


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Tabela 16. Informações sobre pedidos do transmissor de nível 3051L


★ A oferta padrão representa as opções mais comuns. As opções com estrelas (★) devem ser selecionadas para a melhor entrega.
__A oferta expandida está sujeita a prazo de entrega adicional.
Padrão Padrão
C1(6) Configuração personalizada de software (CDS completo 00806-0122-4001 necessário com o ★
pedido)
Níveis de alarme
Padrão Padrão
(11)
C4(6) Níveis de alarme e saturação NAMUR, alarme alto ★
CN(6) (11) Níveis de alarme e saturação NAMUR, alarme baixo ★
CR(5)(6) Níveis personalizados de sinais de alarme e saturação, alarme alto (requer C1 e Folha de dados de ★
configuração)
CS(5)(6) Níveis personalizados de sinais de alarme e saturação, alarme baixo (requer C1 e Folha de dados ★
de configuração)
CT(5)(6) Alarme baixo (níveis de alarme e saturação padrão Rosemount) ★
Bujão de conduíte
Padrão Padrão
DO Bujão de conduíte em aço inoxidável 316 ★
Parafuso de aterramento
Padrão Padrão
(12)
V5 Conjunto do parafuso de aterramento externo ★
Opções de conexão de nivelamento do invólucro inferior
Material do anel Número Tamanho (NPT)
Padrão Padrão
F1 Aço inoxidável 316 1 NPT 18 /4
1

F2 Aço inoxidável 316 2 NPT 18 1/4 ★
F3 Liga C-276 1 NPT 18 1/4 ★
F4 Liga C-276 2 NPT 18 1/4 ★
F7 Aço inoxidável 316 1 NPT 14 1/2 ★
F8 Aço inoxidável 316 2 NPT 14 1/2 ★
F9 Liga C-276 1 NPT 14 1/2 ★
F0 Liga C-276 2 NPT 14 1/2 ★
Configuração da revisão do HART
Padrão Padrão
HR5 Configurado para revisão 5 do HART ★
(5)(6)(13)
HR7 Configurado para revisão 7 do HART ★
(5)(6)(14)
Número típico de modelo: 3051L 2 A A0 D 21 A A F1
(1) A Revisão 5 HART é o padrão de saída HART. O 3051 aprimorado pode ser configurado na fábrica ou em campo para a revisão 7
HART. Para encomendar a revisão 7 HART configurada em fábrica, adicione o código de opção HR7.
(2) Código de opção M4 — mostrador LCD com interface do operador local necessária para encaminhamento e configuração local.
(3) Os materiais de fabricação cumprem as exigências metalúrgicas de acordo com a NACE MR0175/ISO 15156 para ambientes
corrosivos de produção em campo de petróleo. Os limites ambientais se aplicam a determinados materiais. Consulte os detalhes
na norma mais recente. Os materiais selecionados também estão em conformidade com a Norma NACE MR0103 para ambientes
de refino de petróleo corrosivo.

166 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

(4) Válido apenas com o código de saída F do FOUNDATION fieldbus.


(5) Selecione os botões de configuração (código de opção D4 ou DZ) ou a Interface Local do Operador (código de opção M4) se forem
necessários botões de configurações locais.
(6) Disponível apenas com saída de HART 4 a 20 mA (código de saída A).
(7) Os Itens de “montar em” são especificados separadamente e necessitam de um número completo do modelo.
(8) Não disponível com o FOUNDATION fieldbus (código de saída F).
(9) Disponível apenas com o padrão 3051 4-20mA HART.
(10)A opção T1 não é necessária com as certificações de produto FISCO; a proteção contra transientes é incluída na certificação de
produto FISCO, códigos IA, IE, IF e IG.
(11)As opções para operação em conformidade com NAMUR são estabelecidas na fábrica e não podem ser alteradas para operação
padrão em campo.
(12)A opção V5 não é necessária com a opção T1; o conjunto de parafuso de aterramento externo está incluso com a opção T1.
(13)Configura a saída HART para HART Revisão 5. O dispositivo pode ser configurado em campo para HART Revisão 7, se necessário.
(14)Configura a saída HART para HART Revisão 7. O dispositivo pode ser configurado em campo para HART Revisão 5, se necessário.

Especificações e dados de referência 167


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

A.7 Opções
Configuração padrão
A menos que especificado de outro modo, o transmissor será fornecido da seguinte maneira:
Unidades de engenharia
Diferencial/manométrica: pol H2O (Faixa 0, 1, 2 e 3)
psi (Faixa 4 e 5)
Absoluta/3051TA:
psi (todas as faixas)
4 mA: 0 (unidades de engenharia acima)
20 mA: Limite superior da faixa
Saída: Linear
Tipo de flange: Opção de código do modelo especificado
Material do flange: Opção de código do modelo especificado
Material do anel de vedação: Opção de código do modelo especificado
Dreno/respiro: Opção de código do modelo especificado
Mostrador LCD: Instalado ou nenhum
Alarme: Alto
Etiqueta do software: (Em branco)

Configuração personalizada
Se for solicitado o código de opção C1, o cliente poderá especificar os seguintes dados, além
dos parâmetros de configuração padrão.
 Informações de saída
 Informações do transmissor
 Configuração do mostrador LCD
 Informações selecionáveis por ferragens
 Seleção de sinal

Consulte a “Folha de dados de Configuração Rosemount 3051 aprimorada”, documento


número 00806-0122-4007.

Etiquetagem (3 opções disponíveis)


 A etiqueta do hardware padrão em aço inoxidável é anexada ao transmissor. A altura do
caractere é de 3,18 mm (0,125 pol.), 56 caracteres no máximo.
 A etiqueta pode ser permanentemente estampada na placa de identificação do
transmissor, a pedido, com 56 caracteres no máximo.
 A etiqueta pode ser armazenada na memória do transmissor. O limite de caracteres
depende do protocolo.
—- HART Revisão 5: 8 caracteres
—- HART Revisão 7: 32 caracteres

Coletores integrais Rosemount 304, 305 e 306 opcionais


Montados em fábrica nos transmissores 3051C e 3051T. Consulte a Folha de Dados do Produto
(documento número 00813-0122-4839 para o Rosemount 304 e 00813-0122-4733 para o
Rosemount 305 e 306) para obter informações adicionais.
168 Especificações e dados de referência
Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Outras vedações
Consulte a Folha de Dados do Produto 00813-0122-4016 para obter informações adicionais.

Informações de saída
Os pontos de faixa de saída devem ter a mesma unidade de medida. As unidades de medida
disponíveis contêm:
Pressão
atm pol.H2O a 4 °C g/cm2 psi
mbar mmH2O kg/cm2 torr
bar mmHg Pa cmH2O a 4 °C
pol.H2O mmH2O a 4°C kPa cmHG a 0 °C
pol.Hg pés H2O MPa pésH2O a 60 °F
hPa pol.H2O a 60 °F kg/SqM mH2O a 4 °C
mHg a 0 °C Psf pésH2O a 4 °C

Opções de interface e mostrador


Ambas as opções de mostrador fornecem mensagens de diagnóstico para a solução de
problemas locais e um recurso de rotação de 90º para facilitar a visualização.

M4(1) Mostrador digital com interface local do operador (LOI)


 Comissionamento do dispositivo com os botões de configuração local externos e
internos(1)

M5 Mostrador digital
 LCD de 2 linhas e 5 dígitos para HART de 4 a 20 mA

Botões de configuração
O Rosemount 3051 aprimorado requer a opção D4 (Zero analógico e amplitude), DZ (Zero digital)
ou M4 (LOI) para os botões de configuração local.

Proteção contra transientes


T1 Bloco de terminais de proteção integral contra transientes
Cumpre a norma IEEE C62.41, locais de categoria B

Pico de 6 kV (0,5 ms — 100 kHz)

3 kA de pico (8 × 20 microssegundos)

6 kV de pico (1,2 × 50 microssegundos)

Parafusos para adaptadores e flanges


 As opções permitem que parafusos para flanges e adaptadores sejam obtidos em
diversos materiais
 O material padrão é aço-carbono revestido de acordo com a ASTM A449, Tipo 1

(1) Os botões de configuração LOI serão internos quando os códigos de opção D4 ou DZ forem solicitados.

Especificações e dados de referência 169


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

L4 Parafusos de aço inoxidável austenítico 316

L5 Parafusos ASTM A 193, grau B7M

L6 Parafusos de liga K-500

Bujão de conduíte
DO Tampão do conduíte de aço inoxidável 316

O bujão simples do conduíte de aço inoxidável 316 substitui o bujão de aço-carbono

Opção de flange Coplanar Rosemount 3051C e suporte 3051T


B4 Suporte para montagem em tubo de 2 pol. ou painel
 Para uso com a configuração de flange coplanar padrão
 Suporte para montagem do transmissor em tubo de 2 pol. ou painel
 Construção de aço inoxidável com parafusos de aço inoxidável

Opções de suporte de flange tradicional Rosemount 3051C


B1 Suporte para montagem em tubo de 2 pol.
 Para uso com a opção de flange tradicional
 Suporte para montagem em tubo de 2 pol.
 Construção de aço-carbono com parafusos de aço-carbono
 Revestido com tinta de poliuretano

B2 Suporte para montagem em painel


 Para uso com a opção de flange tradicional
 Suporte para montagem de transmissor em parede ou painel
 Construção de aço-carbono com parafusos de aço-carbono
 Revestido com tinta de poliuretano

B3 Suporte plano para montagem em tubo de 2 pol.


 Para uso com a opção de flange tradicional
 Suporte para montagem vertical do transmissor em tubo de 2 pol.
 Construção de aço-carbono com parafusos de aço-carbono
 Revestido com tinta de poliuretano

B7 Suporte B1 com parafusos de aço inoxidável


 Mesmo suporte da opção B1 com parafusos de aço inoxidável série 300

B8 Suporte B2 com parafusos de aço inoxidável


 Mesmo suporte da opção B2 com parafusos de aço inoxidável série 300

170 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

B9 Suporte B3 com parafusos de aço inoxidável


 Mesmo suporte da opção B3 com parafusos de aço inoxidável série 300

BA Suporte de aço inoxidável B1 com parafusos de aço inoxidável


 Suporte B1 em aço inoxidável com parafusos de aço inoxidável série 300

BC Suporte de aço inoxidável B3 com parafusos de aço inoxidável


 Suporte B3 em aço inoxidável com parafusos de aço inoxidável série 300

Pesos para transporte


Tabela 17. Pesos do transmissor sem opções

Transmissor Adicionar Peso em kg (lb)


3051C 2,7 (6.0)
3051L Tabela 18
3051T 1,4 (3.0)

Tabela 18. Pesos do 3051L sem opções

Nivelado Ext. de 2 pol. Ext. de 4 pol. Ext. de 6 pol.


Flangeado kg (lb) kg (lb) kg (lb) kg (lb)
2 pol., 150 5,7 (12.5) – – –
3 pol., 150 7,9 (17.5) 8,8 (19.5) 9,3 (20.5) 9,7 (21.5)
4 pol., 150 10,7 (23.5) 12,0 (26.5) 12,9 (28.5) 13,8 (30.5)
2 pol., 300 7,9 (17.5) – – –
3 pol., 300 10,2 (22.5) 11,1 (24.5) 11,6 (25.5) 12,0 (26.5)
4 pol., 300 14,7 (32.5) 16,1 (35.5) 17,0 (37.5) 17,9 (39.5)
2 pol., 600 6,9 (15.3) – – –
3 pol., 600 11,4 (25.2) 12,3 (27.2) 12,8 (28.2) 13,2 (29.2)
DN 50/PN 40 6,2 (13.8) – – –
DN 80/PN 40 8,8 (19.5) 9,7 (21.5) 10,2 (22.5) 10,6 (23.5)
DN 100/PN 10/16 8,1 (17.8) 9,0 (19.8) 9,5 (20.8) 9,9 (21.8)
DN 100/PN 40 10,5 (23.2) 11,5 (25.2) 11,9 (26.2) 12,3 (27.2)

Especificações e dados de referência 171


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Tabela 19. Pesos de opções do transmissor

Adicionar
Código Opção kg (lb)
J, K, L, M Invólucro de aço inoxidável (T) 1,8 (3.9)
J, K, L, M Invólucro de aço inoxidável (C, L, H, P) 1,4 (3.1)
M5 Mostrador LCD para o invólucro de alumínio 0,2 (0.5)
M6 Mostrador LCD para o invólucro de aço inoxidável 0,6 (1.25)
B4 Suporte de fixação de aço inoxidável para flange Coplanar 0,5 (1.0)
B1 B2 B3 Suporte de fixação para flange tradicional 1,0 (2.3)
B7 B8 B9 Suporte de fixação para flange tradicional 1,0 (2.3)
BA, BC Suporte de aço inoxidável para flange tradicional 1,0 (2.3)
H2 Flange tradicional 1,1 (2.4)
H3 Flange tradicional 1,2 (2.7)
H4 Flange tradicional 1,2 (2.6)
H7 Flange tradicional 1,1 (2.5)
FC Flange de nível - 3 pol., 150 4,9 (10.8)
FD Flange de nível - 3 pol., 300 6,5 (14.3)
FA Flange de nível - 2 pol., 150 4,8 (10.7)
FB Flange de nível - 2 pol., 300 6,3 (14.0)
FP Flange de nível DIN, aço inoxidável, DN 50, PN 40 3,8 (8.3)
FQ Flange de nível DIN, aço inoxidável, DN 80, PN 40 6,2 (13.7)

172 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

A.8 Peças de reposição


Enchimento de
silicone Enchimento inerte

Módulos do sensor do modelo 3051C (Mín. amplitude/faixa) Número da peça Número da peça
Observação: Uma peça de reposição é recomendada para cada 50 transmissores.
Observação: Listadas por números de solicitação de isolador de processo e faixa.

—3 a 3/0,1 pol.H2O, Faixa 0 (inclui parafusos de aço inoxidável e flange de aço inoxidável tradicional).
Aço inoxidável 316L 03031-1045-0002 03031-1145-0002

—25 a 25 pol.H2O/0,5 pol.H2O, Faixa 1


Aço inoxidável 316L 03031-1045-0012 03031-1145-0012
Liga C-276 03031-1045-0013 03031-1145-0013
Liga 400 03031-1045-0014 03031-1145-0014
Liga 400 revestida de ouro 03031-1045-0016 03031-1145-0016
Aço inoxidável revestido de ouro 316 03031-1045-0017 03031-1145-0017

—250 a 250 pol.H2O/2,5 pol.H2O, Faixa 2


Aço inoxidável 316L 03031-1045-0022 03031-1145-0022
Liga C-276 03031-1045-0023 03031-1145-0023
Liga 400 03031-1045-0024 03031-1145-0024
Tântalo 03031-1045-0025 03031-1145-0025
Liga 400 revestida de ouro 03031-1045-0026 03031-1145-0026
Aço inoxidável revestido de ouro 316 03031-1045-0027 03031-1145-0027

—1000 a 1000 pol.H2O/10 pol.H2O, Faixa 3


Aço inoxidável 316L 03031-1045-0032 03031-1145-0032
Liga C-276 03031-1045-0033 03031-1145-0033
Liga 400 03031-1045-0034 03031-1145-0034
Tântalo 03031-1045-0035 03031-1145-0035
Liga 400 revestida de ouro 03031-1045-0036 03031-1145-0036
Aço inoxidável revestido de ouro 316 03031-1045-0037 03031-1145-0037

—300 a 300 psi/3 psi, Faixa 4


Aço inoxidável 316L 03031-1045-2042 03031-1145-2042
Liga C-276 03031-1045-2043 03031-1145-2043
Liga 400 03031-1045-2044 03031-1145-2044
Tântalo 03031-1045-2045 03031-1145-2045
Liga 400 revestida de ouro 03031-1045-2046 03031-1145-2046
Aço inoxidável revestido de ouro 316 03031-1045-2047 03031-1145-2047

Especificações e dados de referência 173


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

—2000 a 2000/20 psi, Faixa 5


Aço inoxidável 316L 03031-1045-2052 03031-1145-2052
Liga C-276 03031-1045-2053 03031-1145-2053
Liga 400 03031-1045-2054 03031-1145-2054
Tântalo 03031-1045-2055 03031-1145-2055
Liga 400 revestida de ouro 03031-1045-2056 03031-1145-2056
Aço inoxidável revestido de ouro 316 03031-1045-2057 03031-1145-2057

Enchimento de Enchimento
silicone inerte
Módulos do sensor de diferencial e manômetro 3051C Rosemount
(Mín. amplitude/faixa) Número da peça Número da peça
Observação: Uma peça de reposição é recomendada para cada 50 transmissores.
Observação: Listadas por números de solicitação de isolador de processo e faixa.

Faixa de pressão do
manômetro Faixa de pressão diferencial

—25 a 25 pol.H2O/
Intervalo 1 0,5 pol.H2O —25 a 25 pol.H2O/0,5 pol.H2O
Aço inoxidável 316L 03031-1045-0012 03031-1145-0012
Liga C-276 03031-1045-0013 03031-1145-0013
Liga 400 03031-1045-0014 03031-1145-0014
Liga 400 revestida de ouro 03031-1045-0016 03031-1145-0016
Aço inoxidável revestido de ouro 316 03031-1045-0017 03031-1145-0017
—250 a 250 pol.H2O/ —250 a 250 pol.H2O/
Intervalo 2 2,5 pol.H2O 2,5 pol.H2O
Aço inoxidável 316L 03031-1045-0022 03031-1145-0022
Liga C-276 03031-1045-0023 03031-1145-0023
Liga 400 03031-1045-0024 03031-1145-0024
Tântalo 03031-1045-0025 03031-1145-0025
Liga 400 revestida de ouro 03031-1045-0026 03031-1145-0026
Aço inoxidável revestido de ouro 316 03031-1045-0027 03031-1145-0027
—407 a 1000 pol.H2O/ —1000 a 1000 pol.H2O/
Intervalo 3 10 pol.H2O 10 pol.H2O
Aço inoxidável 316L 03031-1045-0032 03031-1145-0032
Liga C-276 03031-1045-0033 03031-1145-0033
Liga 400 03031-1045-0034 03031-1145-0034
Tântalo 03031-1045-0035 03031-1145-0035
Liga 400 revestida de ouro 03031-1045-0036 03031-1145-0036
Aço inoxidável revestido de ouro 316 03031-1045-0037 03031-1145-0037

174 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Intervalo 4 —14,2 a 300 psi/3 psi —300 a 300 psi/3 psi


Aço inoxidável 316L 03031-1045-2042 03031-1145-2042
Liga C-276 03031-1045-2043 03031-1145-2043
Liga 400 03031-1045-2044 03031-1145-2044
Tântalo 03031-1045-2045 03031-1145-2045
Liga 400 revestida de ouro 03031-1045-2046 03031-1145-2046
Aço inoxidável revestido de ouro 316 03031-1045-2047 03031-1145-2047
Intervalo 5 —14,2 a 2000 psi/20 psi —2000 a 2000 psi/20 psi
Aço inoxidável 316L 03031-1045-2052 03031-1145-2052
Liga C-276 03031-1045-2053 03031-1145-2053
Liga 400 03031-1045-2054 03031-1145-2054
Tântalo 03031-1045-2055 03031-1145-2055
Liga 400 revestida de ouro 03031-1045-2056 03031-1145-2056
Aço inoxidável revestido de ouro 316 03031-1045-2057 03031-1145-2057

Enchimento de Enchimento
silicone inerte
Módulos do sensor absoluto do modelo 3051C Rosemount
(Mín. amplitude/faixa) Número da peça Número da peça
Observação: Uma peça de reposição é recomendada para cada 50 transmissores.
Observação: Listadas por números de solicitação de isolador de processo e faixa.

Faixa 1, 0 a 30 psia/0,3 psia


Aço inoxidável 316L 03031-2020-0012 –
Liga C-276 03031-2020-0013 –
Liga 400 03031-2020-0014 –
Liga 400 revestida de ouro 03031-2020-0016 –
Aço inoxidável revestido de ouro 316 03031-2020-0017 –

Faixa 2, 0 a 150/1,5 psia


Aço inoxidável 316L 03031-2020-0022 –
Liga C-276 03031-2020-0023 –
Liga 400 03031-2020-0024 –
Liga 400 revestida de ouro 03031-2020-0026 –
Aço inoxidável revestido de ouro 316 03031-2020-0027 –

Faixa 3, 0 a 800 psia/8 psia


Aço inoxidável 316L 03031-2020-0032 –
Liga C-276 03031-2020-0033 –
Liga 400 03031-2020-0034 –
Liga 400 revestida de ouro 03031-2020-0036 –
Aço inoxidável revestido de ouro 316 03031-2020-0037 –

Especificações e dados de referência 175


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Faixa 4, 0 a 400 psia/40 psia


Aço inoxidável 316L 03031-2020-0042 –
Liga C-276 03031-2020-0043 –
Liga 400 03031-2020-0044 –
Liga 400 revestida de ouro 03031-2020-0046 –
Aço inoxidável revestido de ouro 316 03031-2020-0047 –

Enchimento de Enchimento
silicone inerte

Módulos do sensor 3051T Rosemount (Mín. amplitude/faixa) Número da peça Número da peça
Observação: Uma peça de reposição é recomendada para cada 50 transmissores.

Faixa de pressão do manômetro

Intervalo 1 0—0,3/30 psig


Alumínio, isolador de aço inoxidável 316L
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3112-3112 03031-3112-1112
NPT 14 1/2 fêmea 03031-3102-3112 03031-3102-1112
G /2 A DIN 16288 Macho
1
03031-3132-3112 03031-3132-1112
Alumínio, Isolador de liga C-276
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3112-3113 03031-3112-1113
NPT 14 1/2 fêmea 03031-3102-3113 03031-3102-1113
Aço inoxidável, isolador de aço inoxidável 316L
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3111-3112 03031-3111-1112
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3101-3112 03031-3101-1112
Aço inoxidável, Isolador de liga C-276
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3111-3113 03031-3111-1113
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3101-3113 03031-3111-1113

Intervalo 2 0-1,5/150 psig


Alumínio, isolador de aço inoxidável 316L
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3112-3122 03031-3112-1112
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3102-3122 03031-3102-1122
G /2 A DIN 16288 Macho
1
03031-3132-3122 03031-3132-3122
Alumínio, Isolador de liga C-276
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3112-3122 03031-3112-1112
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3102-3122 03031-3102-1122
G /2 A DIN 16288 Macho
1
03031-3132-3122 03031-3132-3122

176 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Alumínio, Isolador de liga C-276


NPT 18 1/4 fêmea 03031-3112-3123 03031-3112-1123
NPT 14 1/2 fêmea 03031-3102-3123 03031-3102-1123
Aço inoxidável, isolador de aço inoxidável 316L
NPT 18 ¼ fêmea 03031-3111-3122 03031-3111-1122
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3101-3122 03031-3101-1122
Aço inoxidável, Isolador de liga C-276
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3111-3123 03031-3111-1123
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3101-3123 03031-3101-1123

Intervalo 3 0-8/800 psig


Alumínio, isolador de aço inoxidável 316L
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3112-3132 03031-3112-1132
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3102-3132 03031-3102-1132
G /2 A DIN 16288 Macho
1
03031-3132-3132 03031-3132-1132
Alumínio, Isolador de liga C-276
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3112-3133 03031-3112-1133
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3102-3133 03031-3102-1133
Aço inoxidável, isolador de aço inoxidável 316L
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3111-3132 03031-3111-1132
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3101-3132 03031-3101-1132
Aço inoxidável, Isolador de liga C-276
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3111-3133 03031-3111-1133
NPT 14 1/2 fêmea 03031-3101-3133 03031-3101-1133

Faixa4 0-40/4000 psig


Alumínio, isolador de aço inoxidável 316L
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3112-3142 03031-3112-1142
NPT 14 1/2 fêmea 03031-3102-3142 03031-3102-1142
G /2 A DIN 16288 Macho
1
03031-3132-3142 03031-3132-1142
Alumínio, Isolador de liga C-276
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3112-3143 03031-3112-1143
NPT 14 1/2 fêmea 03031-3102-3143 03031-3102-1143
Aço inoxidável, isolador de aço inoxidável 316L
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3111-3142 03031-3111-1142
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3101-3142 03031-3101-1142
Aço inoxidável, Isolador de liga C-276
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3111-3143 03031-3111-1143
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3101-3143 03031-3101-1143

Especificações e dados de referência 177


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Faixa de pressão do manômetro

Intervalo 1 0—0,3/30 psia


Alumínio, isolador de aço inoxidável 316L
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3112-3012 03031-3112-1012
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3102-1012 03031-3102-1012
G /2 A DIN 16288 Macho
1
03031-3132-3012 03031-3132-3012
Alumínio, Isolador de liga C-276
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3112-3013 03031-3112-1013
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3102-3013 03031-3102-1013
Aço inoxidável, isolador de aço inoxidável 316L
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3111-3012 03031-3111-1012
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3101-3012 03031-3101-1012
Aço inoxidável, Isolador de liga C-276
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3111-3013 03031-3111-1013
NPT 14 1/2 fêmea 03031-3101-3013 03031-3101-1013

Intervalo 2 0-1,5/150 psia


Alumínio, isolador de aço inoxidável 316L
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3112-3022 03031-3112-1022
NPT 14 1/2 fêmea 03031-3112-3022 03031-3112-3022
G /2 A DIN 16288 Macho
1
03031-3132-3022 03031-3132-1022
Alumínio, Isolador de liga C-276
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3112-3023 03031-3112-1023
NPT 14 1/2 fêmea 03031-3102-3023 03031-3102-1023
Aço inoxidável, isolador de aço inoxidável 316L
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3111-3022 03031-3111-1022
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3101-3022 03031-3101-1022
Aço inoxidável, Isolador de liga C-276
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3111-3023 03031-3111-1023
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3101-3023 03031-3101-1023

Intervalo 3 0-8/800 psia


Alumínio, isolador de aço inoxidável 316L
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3112-3032 03031-3112-1032
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3102-3032 03031-3102-1032
G /2 A DIN 16288 Macho
1
03031-3132-3032 03031-3132-1032

178 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Alumínio, Isolador de liga C-276


NPT 18 1/4 fêmea 03031-3112-3033 03031-3112-1033
NPT 14 1/2 fêmea 03031-3102-3033 03031-3102-1033
Aço inoxidável, isolador de aço inoxidável 316L
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3111-3032 03031-3111-1032
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3101-3032 03031-3101-1032
Aço inoxidável, Isolador de liga C-276
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3111-3033 03031-3111-1033
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3101-3033 03031-3101-1033

Intervalo 4 0-40/4.000 psia


Alumínio, isolador de aço inoxidável 316L
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3112-3042 03031-3112-1042
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3102-3042 03031-3102-1042
G /2 A DIN 16288 Macho
1
03031-3132-3042 03031-3132-1042
Alumínio, Isolador de liga C-276
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3112-3043 03031-3112-1043
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3102-3043 03031-3102-1043
Aço inoxidável, isolador de aço inoxidável 316L
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3111-3042 03031-3111-1042
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3101-3042 03031-3101-1042
Aço inoxidável, Isolador de liga C-276
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3111-3043 03031-3111-1043
NPT 14 1/2 fêmea 03031-3101-3043 03031-3101-1043

Intervalo 5 0-2000/10 000 psia


Alumínio, isolador de aço inoxidável 316L
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3112-3052 03031-3112-1052
NPT 14 1/2 fêmea 03031-3102-3052 03031-3102-1052
Autoclave tipo F-250-C 03031-3122-3052 03031-3122-1052
Alumínio, Isolador de liga C-276
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3112-3053 03031-3112-1053
NPT 14 1/2 fêmea 03031-3102-3053 03031-3102-1053
Aço inoxidável, isolador de aço inoxidável 316L
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3111-3052 03031-3111-1052
NPT 14 /2 fêmea
1
03031-3101-3052 03031-3101-1052
Autoclave tipo F-250-C 03031-3121-3052 03031-3121-1052
Aço inoxidável, Isolador de liga C-276
NPT 18 1/4 fêmea 03031-3111-3053 03031-3111-1053

Especificações e dados de referência 179


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

NPT 14 1/2 fêmea 03031-3101-3053 03031-3101-1053

Kits de atualização 3051 aprimorados Número da peça


Os seguintes itens vêm com placa de componentes eletrônicos e os respectivos botões de configuração (se aplicável).

Alumínio/Aço inoxidável
4—20 mA HART sem botões de configuração 03031-0020-3100
4—20 mA HART com ajuste de zero digital 03031-0020-3110
4—20 mA HART com zero analógico e amplitude 03031-0020-3120

Kit de atualização 3051 LOI aprimorado Número da peça


Os seguintes itens vêm com placa de componentes eletrônicos, mostrador LOI e botões de configuração LOI. Solicite a tampa do
mostrador se necessário.
4 a 20 mA HART com LOI 03031-0020-3139

Mostrador LCD 3051 aprimorado Número da peça


Os seguintes itens vêm com um mostrador LCD 3051 aprimorado e uma tampa do invólucro
4—20mA HART — Alumínio 03031-0199-0011
4 a 20mA HART — 316 aço inoxidável 03031-0199-0021

Mostrador da LOI 3051 aprimorado Número da peça


Os seguintes itens vêm com um mostrador da LOI 3051 aprimorado e uma tampa do invólucro
4-20 mA HART — Alumínio 03031-0199-0012
4 a 20 mA HART —316 aço inoxidável 03031-0199-0022

Conjunto do bloco de terminais Número da peça


Saída de 4-20mA HART
Bloco de terminais padrão 03031-0332-0015
Bloco de terminais contra transientes (opção T1) 03031-0332-0012

Invólucro de componentes eletrônicos (sem o bloco de terminais) Número da peça


Padrão - Alumínio
Conexão do conduíte NPT 14 1/2 03031-2302-0001
Entrada do conduíte M20 03031-2302-0002
Entrada do conduíte G /2 1
03031-2302-0004
Padrão — aço inoxidável 316
Conexão do conduíte NPT 14 1/2 03031-2322-0001
Entrada do conduíte M20 03031-2322-0002

Bujões de conduíte de invólucro Número da peça


1
/2 Bujão de conduíte NPT 03031-0544-0003
Bujão de conduíte M20 03031-0544-0001
Bujão do conduíte G1/2 03031-0544-0004

180 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Tampas de invólucros (inclui o o-ring) Número da peça


Tampa do terminal de campo — Alumínio 03031-0292-0001
Tampa do terminal de campo — aço inoxidável 316 03031-0292-0002
Tampa do invólucro dos componentes eletrônicos HART — alumínio 03031-0292-0001
Tampa dos componentes eletrônicos HART — aço inoxidável 316 03031-0292-0002
Tampa do mostrador LCD HART — alumínio 03031-0193-0002
Tampa do mostrador LCD HART — aço inoxidável 316 03031-0193-0012

Hardware variados Número da peça


Kit de zero local e amplitude 03031-0293-0002
Conjunto de parafusos de aterramento externo (opção V5) 03031-0383-0001

Flanges Número da peça


Flange coplanar, pressão diferencial
Aço inoxidável 316 03031-0388-0022
Liga fundida C-276 03031-0388-0023
Liga fundida 400 03031-0388-0024
Aço-carbono niquelado 03031-0388-0025
Flange coplanar, pressão manométrica/absoluta
Aço inoxidável 316 03031-0388-1022
Liga fundida C-276 03031-0388-1023
Liga fundida 400 03031-0388-1024
Aço-carbono niquelado 03031-0388-1025
Parafuso de alinhamento do flange coplanar (pacote com 12) 03031-0309-0001
Flange tradicional
Aço inoxidável 316 03031-0320-0002
Liga fundida C-276 03031-0320-0003
Liga fundida 400 03031-0320-0004
Aço inoxidável 316 — Compatível com DIN (código de opção HJ) 03031-1350-0012
Flange de nível, montagem vertical
2 pol., classe 150, aço inoxidável 03031-0393-0221
2 pol., classe 300, aço inoxidável 03031-0393-0222
3 pol., classe 150, aço inoxidável 03031-0393-0231
3 pol., classe 300, aço inoxidável 03031-0393-0232
DIN, DN 50, PN 40 03031-0393-1002
DIN, DN 80, PN 40 03031-0393-1012

Especificações e dados de referência 181


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Kits de adaptador de flange (cada kit contém peças de u transmissor DP ou dois


transmissores GP/AP) Número da peça
Parafusos CS, anéis de vedação PTFE com fibra de vidro
Adaptadores de aço inoxidável 03031-1300-0002
Adaptadores de liga fundida C-276 03031-1300-0003
Adaptadores de liga 400 03031-1300-0004
Adaptadores de aço-carbono niquelado 03031-1300-0005
Parafusos de aço inoxidável, anéis de vedação PTFE com fibra de vidro
Adaptadores de aço inoxidável 03031-1300-0012
Adaptadores de liga fundida C-276 03031-1300-0013
Adaptadores de liga 400 03031-1300-0014
Adaptadores de aço-carbono niquelado 03031-1300-0015
Parafusos CS, anéis de vedação PTFE com grafite
Adaptadores de aço inoxidável 03031-1300-0102
Adaptadores de liga fundida C-276 03031-1300-0103
Adaptadores de liga 400 03031-1300-0104
Adaptadores de aço-carbono niquelado 03031-1300-0105
Parafusos de aço inoxidável, anéis de vedação PTFE com grafite
Adaptadores de aço inoxidável 03031-1300-0112
Adaptadores de liga fundida C-276 03031-1300-0113
Adaptadores de liga 400 03031-1300-0114
Adaptadores de aço-carbono niquelado 03031-1300-0115

Adaptadores do flange Número da peça


Adaptadores NPT 14 1/2
Aço inoxidável 316 02024-0069-0002
Liga fundida C-276 02024-0069-0003
Liga fundida 400 02024-0069-0004
Aço-carbono niquelado 02024-0069-0005
Adaptadores de soquete soldado
Aço inoxidável 316 02024-0069-1002
Liga fundida C-276 02024-0069-1003
Liga fundida 400 02024-0069-1004

Conjuntos de anéis de vedação (pacote com 12) Número da peça


Tampa, invólucro dos componentes eletrônicos 03031-0232-0001
Invólucro dos componentes eletrônicos, módulo 03031-0233-0001
Flange de processo, PTFE com fibra de vidro (Branco) 03031-0234-0001
Flange de processo, PTFE com grafite (Preto) 03031-0234-0002

182 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo A: Especificações e dados de referência
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Adaptador de flange, PTFE com fibra de vidro (Marrom claro) 03031-0242-0001


Adaptador do flange, PTFE com grafite (Preto) 03031-0242-0002

Kits de parafusos Número da peça


FLANGE COPLANAR
Kit de parafusos de flange {44 mm (1,75 pol.)} (conjunto com 4)
Aço-carbono 03031-0312-0001
Aço inoxidável 316 03031-0312-0002
ASTM A 193, Grau B7M 03031-0312-0003
Liga K-500 03031-0312-0004
Kit de parafusos do flange/adaptador {73 mm (2,88 pol.)} (conjunto com 4)
Aço-carbono 03031-0306-0001
Aço inoxidável 316 03031-0306-0002
ASTM A 193, Grau B7M 03031-0306-0003
Liga K-500 03031-0306-0004
FLANGE TRADICIONAL
Kit de parafusos de flange/adaptador, pressão diferencial {44 mm (1,75 pol.)} (conjunto com 8)
Aço-carbono 03031-0307-0001
Aço inoxidável 316 03031-0307-0002
ASTM A 193, Grau B7M 03031-0307-0003
Liga K-500 03031-0307-0004
Kit de parafusos de flange/adaptador manométrico/absoluto {44 mm (1,75 pol.)} (conjunto com 6)
Aço-carbono 03031-0307-1001
Aço inoxidável 316 03031-0307-1002
ASTM A 193, Grau B7M 03031-0307-1003
Liga K-500 03031-0307-1004
Parafusos para flange do coletor/tradicional convencionais
Aço-carbono Use os parafusos fornecidos
com o coletor
Aço inoxidável 316 Use os parafusos fornecidos
com o coletor
Flange de nível, kit de parafuso de montagem vertical (Conjunto com 4)
Aço-carbono 03031-0395-0001
Aço inoxidável 316 03031-0395-0002

Kits de válvula de dreno/sangria (cada kit contém peças para um transmissor) Número da peça
Kits de dreno/purga, pressão diferencial
Kit de haste e sede de aço inoxidável 316 01151-0028-0022
Kit de haste e sede de liga C-276 01151-0028-0023
Kit de haste de liga K-500 e sede de liga 400 01151-0028-0024

Especificações e dados de referência 183


Anexo A: Especificações e dados de referência Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Kit de drenagem/purga de aço inoxidável 316 de esfera cerâmica 03031-0378-0022


Kit de drenagem/purga de liga C-276 de esfera cerâmica 03031-0378-0023
Kit de dreno/respiro de liga 400/K-500 de esfera cerâmica 03031-0378-0024
Kits de dreno/respiro, pressão manométrica/absoluta
Kit de haste e sede de aço inoxidável 316 01151-0028-0012
Kit de haste e sede de liga C-276 01151-0028-0013
Kit de haste de liga K-500 e sede de liga 400 01151-0028-0014
Kit de drenagem/purga de aço inoxidável 316 de esfera cerâmica 03031-0378-0012
Kit de drenagem/purga de liga C-276 de esfera cerâmica 03031-0378-0013
Kit de dreno/respiro de liga 400/K-500 de esfera cerâmica 03031-0378-0014

Suportes de montagem Número da peça


Kit de suporte do flange Coplanar do 3051C e 3051L
Suporte B4, aço inoxidável, montagem em tubo de 2 pol., parafusos de aço inoxidável 03031-0189-0003
Kit de suporte em linha 3051T
Suporte B4, aço inoxidável, montagem em tubo de 2 pol., parafusos de aço inoxidável 03031-0189-0004
Kits de suporte de flange tradicional do 3051C
Suporte B1, montagem em tubo de 2 pol., parafusos de aço-carbono 03031-0313-0001
Suporte B2, montagem em painel, parafusos de aço-carbono 03031-0313-0002
Suporte plano B3, montagem em tubo de 2 pol., parafusos de aço-carbono 03031-0313-0003
B7 (suporte B1, parafusos de aço inoxidável) 03031-0313-0007
B8 (suporte B2, parafusos de aço inoxidável) 03031-0313-0008
B9 (suporte B3, parafusos de aço inoxidável) 03031-0313-0009
BA (suporte B1 de aço inoxidável, parafusos de aço inoxidável) 03031-0313-0011
BC (suporte B3 de aço inoxidável, parafusos de aço inoxidável) 03031-0313-0013

184 Especificações e dados de referência


Manual de referência Anexo B: Certificações do produto
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Anexo B Certificações do produto

Visão geral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .página 185


Mensagens de segurança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .página 185
Certificações do produto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .página 186
Certificações para áreas classificadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .página 187
Desenhos de aprovação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .página 194

B.1 Visão geral


Este apêndice contém informações sobre locais de fabricação aprovados, informações sobre
diretivas europeias, certificação de localização ordinária, certificações para áreas perigosas e
desenhos de aprovação para o protocolo HART.

B.2 Mensagens de segurança


Os procedimentos e instruções desta seção podem exigir precauções especiais para garantir a
segurança da equipe que executa as operações. As informações que destacam possíveis
problemas de segurança são indicadas por um símbolo de advertência ( ). Consulte as
mensagens de segurança a seguir antes de executar uma operação precedida por este símbolo.

Certificações do produto 185


Anexo B: Certificações do produto Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

B.2.1 Advertências

ADVERTÊNCIA
Explosões podem causar mortes ou ferimentos graves:
A instalação do transmissor em um ambiente explosivo deve ser feita de acordo com as
normas, códigos e práticas municipais, nacionais e internacionais. Leia com atenção esta
seção do manual de referência do Modelo 3051 para obter informações sobre as restrições
associadas à instalação segura do equipamento.
 Antes de conectar um comunicador baseado em HART em uma atmosfera explosiva,
certifique-se de que os instrumentos envolvidos no circuito estejam instalados em
conformidade com práticas de fiação de campo intrinsecamente seguras ou à prova de
incêndio.
 Em uma instalação à prova de explosão/chamas, não remova as tampas dos
transmissores quando a unidade estiver energizada.
Os vazamentos do processo podem causar ferimentos ou morte.
 Instale e aperte os conectores do processo antes de aplicar pressão.
Choques elétricos podem causar morte ou ferimentos graves.
 Evite o contato com os condutores e os terminais. A alta tensão que pode estar
presente nos condutores pode provocar choque elétrico.

ADVERTÊNCIA
O prensa-cabos e o tampão devem estar em conformidade com os requisitos listados nos
certificados.

B.3 Instalação de sistemas instrumentados de


segurança
Consulte Seção 7 para obter informações sobre a instalação dos sistemas instrumentados de
segurança.

B.4 Certificações do produto


B.4.1 Locais de fabricação aprovados
Rosemount Inc. — Chanhassen, Minnesota — EUA
Emerson Process Management Asia Pacific Private Limited — Cingapura
Emerson Process Management GmbH & Co. - Wessling, Alemanha
Beijing Rosemount Far East Instrument Co., LTD - Beijing, China
Emerson Process Management (India) Pvt. Ltd. — Daman, Índia
Emerson Process Management LTDA - Sorocaba, Brasil
Emerson Process Management, Rússia — Chelyabinsk, Rússia
Emerson Process Management, Emerson FZE — Dubai, Emirados Árabes Unidos
186 Certificações do produto
Manual de referência Anexo B: Certificações do produto
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

B.4.2 Informações sobre as diretrizes europeias


A mais recente revisão da Declaração de conformidade da União Europeia pode ser encontrada
em www.emersonprocess.com.

B.4.3 Certificação de localização ordinária das aprovações da


Factory Mutual (FM)
Como padrão, o transmissor foi examinado e testado para determinar se o projeto atende aos
requisitos básicos elétricos, mecânicos e de proteção contra incêndio da FM, um laboratório de
testes nacionalmente reconhecido (NRTL) e acreditado pela Agência federal de segurança e
saúde ocupacional (OSHA) dos EUA.

B.5 Certificações para áreas classificadas


B.5.1 Certificações norte-americanas
Aprovações FM
E5 À prova de explosão e à prova de ignição de poeira
Certificação nº: 0T2H0.AE
Normas aplicáveis: FM classe 3600 — 1998, FM classe 3615 — 2006, FM classe 3810 — 2005,
ANSI/NEMA 250 — 2003
Marcações: À prova de explosões para classe I, divisão 1, grupos B, C e D.
À prova de ignição de poeira para classe II, divisão 1, grupos E, F, e G e classe III, divisão 1.
T5 (Ta = 85 °C), Vedação de fábrica, Carcaça tipo 4x
I5 Intrinsecamente seguro e à prova de incêndio
Certificação nº: 1Q4A4.AX
Normas aplicáveis: FM Classe 3600 — 1998, FM Classe 3610 — 2010, FM Classe 3611 — 200,
FM Classe 3810 — 2005, ANSI/NEMA 250 - 2003
Marcações: Intrinsecamente seguro para uso em classe I, divisão 1, grupos A, B, C e D;
classe II, divisão 1, grupos E, F e G; classe III, divisão 1 quando conectado de acordo com o
desenho da Rosemount 03031-1019 e 00375-1130 (quando usado com um
Comunicador de campo); à prova de incêndio para classe I, divisão 2, grupos A, B, C e D.
Código de temperatura: T4 (Ta = 40 °C), T3 (Ta = 85 °C), Tipo de carcaça 4x
Condições especiais para uso seguro (X):

1. O alojamento do transmissor do modelo 3051 contém alumínio e é considerado um


risco potencial de ignição por impacto ou atrito. Deve-se tomar cuidado durante a
instalação e uso para evitar impacto e atrito.

2.O transmissor modelo 3051 com o bloco de terminais de proteção contra transientes
(código de opção T1) não passará no teste de resistência dielétrica de 500 Vrms e isso
deve ser levado em consideração durante a instalação.

Certificações do produto 187


Anexo B: Certificações do produto Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

CSA international
Todos os transmissores aprovados para área classificada pela CSA são certificados de acordo
com o padrão ANSI/ISA 12.27.02-2003.
E6 À prova de explosões, à prova de ignição de poeira e classe I, divisão 2
Certificado nº: 1053834
Normas aplicáveis: Norma CSA C22.2 Nº 142 — M1987, Norma CSA C22.2 Nº 30 — M1986,
Norma CSA C22.2 No. 213 — M1987, ANSI/ISA 12.27.02-2003
Marcações: À prova de explosão para Classe I, Divisão 1, Grupos B, C e D. À prova de ignição
por pó para Classes II e III, Divisão 1, Grupos E, F e G. Adequado para a Classe I, Divisão 2
Grupos A, B, C e D. Carcaça tipo 4X, selada em fábrica. Selo único (Consulte o desenho
03031-1053)
I6 Intrinsecamente seguro
Certificado nº: 1053834
Normas aplicáveis: Norma CSA C22.2 No. 142 — M1987, Norma CSA. C22.2 No. 157 — 92,
ANSI/ISA 12.27.02-2003
Marcações: Intrinsecamente seguro para classe I, divisão 1, grupos A, B, C e D quando
conectado de acordo com os desenhos 03031-1024 da Rosemount. Código de
temperatura T3C. Tipo de carcaça 4X, selo único. Selo único (Consulte o desenho
03031-1053)

B.5.2 Certificações europeias


E8 ATEX à prova de explosões e poeira
Nº de certificação: KEMA 00ATEX2013X
Normas aplicáveis: EN60079-0: 2006, EN60079-1: 2007, EN60079-26: 2007, EN61241-0:
2006, EN61241-1:2004
Marcações: II 1/2 GD, Ex d IIC T6 (—50 ≤ Ta ≤ 65 °C)
Ex d IIC T5 (—50 ≤ Ta ≤ 80 °C), Ex tD A20/A21 T90 °C, IP66
1180
I1 Segurança intrínseca e poeira ATEX
Certificado nº: BAS 97ATEX1089X
Normas aplicáveis: EN 60079-0: 2009, EN60079-11: 2007, EN60079-31: 2009,
Marcações: II 1 GD, Ex ia IIC T4 Ga (—60 ≤Ta ≤+70 °C),
Ex ia IIC T5 Ga (—60 ≤ Ta ≤+40 °C)
Ex t IIIC T50 °C T500 60 °C Da, Ui=30 V Ii=200 mA Pi= 0,9 W Ci=0,012 μF, IP66,
1180
Condições especiais para uso seguro (X):

1. O equipamento não é capaz de resistir ao teste de isolamento de 500 V, exigido pela


Cláusula 6.3.12 da EN 60079-11:2007. Isso deve ser considerado ao se instalar o
equipamento.

2.A carcaça pode ser feita de liga de alumínio e recebe um acabamento protetor de tinta
de poliuretano; entretanto, deve-se tomar cuidado para protegê-la de impactos ou
abrasão se estiver localizada em uma área 0.
N1 ATEX à prova de incêndio/Tipo n e poeira
Nº de certificação: BAS 00ATEX3105X
Normas aplicáveis: EN 60079-0: 2006, EN60079-15: 2005, EN60079-31: 2009
Marcações: II 3 GD, Ex nA nL IIC T5 (—40 ≤ Ta ≤ 70 °C),
Ex t IIIC T50 °C T500 60 °C Da, IP66
1180

188 Certificações do produto


Manual de referência Anexo B: Certificações do produto
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Condições especiais para uso seguro (X):


1. O equipamento não é capaz de suportar o teste de isolamento de 500 V exigido pela
Cláusula 6.8.1 da EN 60079-15:2005. Isso deve ser considerado ao se instalar o
equipamento.
2. Este dispositivo contém um diafragma de parede fina. A instalação, manutenção e uso
devem levar em consideração as condições ambientais às quais o diafragma será
submetido. As instruções de instalação e manutenção do fabricante devem ser
observadas em detalhe para garantir a segurança durante a vida útil prevista. Em caso de
reparo, entre em contato com o fabricante para obter informações sobre as dimensões
das juntas à prova de explosões.

B.5.3 Certificações japonesas


E4 TIIS à prova de explosões

Certificado Descrição
TC15850 3051C/D/1 4 a 20 mA HART — sem medidor
TC15851 3051C/D/1 4 a 20 mA HART — com medidor
TC15854 3051T/G/1 4 a 20 mA HART, aço inoxidável, Silicone — sem medidor
TC15855 3051T/G/1 4—20 mA HART, Liga C-276, Silicone — sem medidor
TC15856 3051T/G/1 4 a 20 mA HART, SST, Silicone — com medidor
TC15857 3051T/G/1 4 a 20 mA HART, liga C-276, Silicone — com medidor
Marcações: Ex d IIC T6
I4 TIIS segurança intrínseca
Nº de certificação: TC16406
Marcações: Ex ia IIC T4

B.5.4 Certificações IECEx


E7 IECEx à prova de explosões e poeira
Nº de certificação: IECEx KEM 09.0034X
Normas aplicáveis: IEC60079-0:2004, IEC60079-1:2007-04, IEC60079-26:2006,
IEC 61241-0:2004, IEC 61241-1:2004
Marcações: Ex d IIC T5 ou T6 Ga/Gb, T5 (—50 °C ≤ Ta ≤ 80 °C)/T6 (—50 °C ≤ Ta ≤ 65 °C)
Ex tD A20/A21 IP66 T90 °C (—50 °C ≤ Ta ≤ 80 °C)
Condições de certificação (X):
Este dispositivo contém um diafragma de parede fina. A instalação, manutenção e uso
devem levar em consideração as condições ambientais às quais o diafragma será
submetido. As instruções de instalação e manutenção do fabricante devem ser
observadas em detalhe para garantir a segurança durante a vida útil prevista.
Entre em contato com o fabricante para obter informações sobre as dimensões de juntas
à prova de explosões.

I7 IECEx segurança intrínseca


Nº de certificação: IECEx BAS 09.0076X
Normas aplicáveis: IEC 60079-0:2007-10, IEC 60079-11:2006
Marcações: Ex ia IIC T5 Ga (—60 °C ≤ Ta ≤ 40 °C), Ex ia IIC T4 Ga (—60 °C ≤ Ta ≤70 °C)
Ui=30V, Ii=200 mA, Pi=0,9W, Ci=0,012 μF, Li=0

Certificações do produto 189


Anexo B: Certificações do produto Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Condições de certificação (X):


1. Se o equipamento contar com um supressor temporário opcional de 90V, não será
capaz de resistir ao teste de isolamento de 500V exigido pela cláusula 6.3.12 do IEC
60079-11: 2006. Isso deve ser considerado ao instalar o equipamento.
2. A carcaça pode ser feita de liga de alumínio e receber um acabamento protetor de tinta
de poliuretano; entretanto, deve-se tomar cuidado para protegê-la de impactos ou
abrasão se localizada em uma área 0.
N7 IECEx Tipo ‘n’
Nº de certificação: IECEx BAS 09.0077X
Normas aplicáveis: IEC60079-0:2007, IEC60079-15 2005
Marcações: Ex nA nL IIC T5 (—40 ≤ Ta ≤ 70 °C)
Condições de certificação (X):
O equipamento não é capaz de suportar o teste de isolamento de 500V exigido pela
Cláusula 6.8.1 da Norma IEC 60079-15: 2005. Isso deve ser considerado ao instalar o
equipamento.

B.5.5 Certificações Inmetro


E2 À prova de explosões
Certificação nº: CEPEL Ex-073/97-1 (Fab. nos EUA e Cingapura)
Certificação nº: CEPEL Ex-1383/07 (Fab. no Brasil)
Normas aplicáveis: IEC60079-0:2004, IEC60079-1:2003, IEC 60529:2001
Marcações: BR-Ex d IIC T* IP66W, Tamb: de —50 a +65 °C para T6,
Tamb: de —50 a +80 °C para T5
I2 Segurança intrínseca
Certificado nº: CEPEL Ex-072/97-1X (Fab. nos EUA e Cingapura)
Certificado nº: CEPEL Ex-1412/07X (Fab. no Brasil)
Normas aplicáveis: IEC60079-0:2000, IEC60079-11:1999, IEC 60529:2001
Marcações: BR- Ex ia IIC T5 (Tamb = —20 a 40) °C T4 (Tamb = —20 a 70) °C IP66W, Ui=30V,
Ii=200mA, Pi=0,9W, Ci=0,012uF, Li=Desprezível
Condições especiais de uso seguro (X):
Consulte o certificado.

B.5.6 Certificações da China


E3 À prova de explosões e poeira
Nº do certificado NEPSI: GYJ091065X
Normas aplicáveis: GB3836.1-2000, GB3836.4-2000,GB4208-1993, GB12476-2000
Marcações: Ex d II C T5/T6, —50 °C+80 °C (T5), —50 °C+65 °C (T6), DIP A21 TA T90 °C, IP66
1. Condições específicas para uso seguro:
O símbolo “X” colocado após o número do certificado indica condições especiais para o
uso seguro, isso é, o transmissor contém um diafragma de parede fina. A instalação,
manutenção e uso não devem levar em conta apenas as condições do ambiente, mas
também as seguintes instruções do fabricante.

190 Certificações do produto


Manual de referência Anexo B: Certificações do produto
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

2. Condições para uso seguro


2.1 A relação entre a variação de temperatura do ambiente e a classe de temperatura é a
seguinte:

Ta Classe de temperatura
—50 °C a 80 °C T5
—50 °C a 65 °C T6

Quando usado em um ambiente com pó combustível, a temperatura máxima do


ambiente é de 80 °C.
2.2 As instalações de conexão do aterramento na carcaça devem ser feitas de modo
confiável.
2.3 A entrada de cabo certificada por uma organização notificada, com o tipo de proteção
Ex d II C de acordo com o GB3836.1-2000 e GB3836.2-2000, deve ser aplicada ao realizar
a instalação em um local perigoso. Quando usado em um ambiente com pó combustível,
a entrada de cabo em conformidade com o nível IP66 ou superior deve ser aplicada.
2.4 Obedeça o alerta “Mantenha apertado quando o circuito estiver energizado”.
2.5 Os usuários finais não têm permissão para alterar nenhum componente interno.
2.6 Ao instalar, usar e fazer manutenção do transmissor, observe os seguintes padrões
GB3836.13-1997 “Equipamento elétrico para ambientes de gases explosivos, parte 13:
reparo e revisão geral de aparelhos usados em atmosferas de gases explosivos”
GB3836.15-2000 “Equipamento elétrico para ambientes de gases explosivos, parte 15:
instalações elétricas em áreas classificadas (exceto minas)”
GB3836.16-2006 “Equipamento elétrico para ambientes de gases explosivos, parte 16:
inspeção e manutenção de instalação elétrica (exceto minas)”
GB50257-1996 “Código para a construção e aceitação do dispositivo elétrico para
ambientes explosivos e engenharia de instalação de equipamentos elétricos perigosos”
GB12476.2-2006 “Equipamento elétrico para uso na presença de pó combustível Parte
1-2: O equipamento elétrico protegido por carcaças e limitação de temperatura de
superfície - Seleção, instalação e manutenção”
GB15577-2007 “Regulamentos de segurança para a proteção e prevenção de explosão
de pó combustível”
I3 Segurança intrínseca e à prova de poeira
Nº do certificado NEPSI: GYJ091066X
Normas aplicáveis: GB3836.1-2000, GB3836.2-2000, GB4208-1993, GB12476-2000
Marcações: Ex ia II C T4/T5, —60 °C+40 °C (T5), —60 °C+70 °C (T4), DIP A21 TA T80 °C

Certificações do produto 191


Anexo B: Certificações do produto Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Condições especiais de uso seguro (X):

1. A relação entre a variação de temperatura do ambiente e a classe de temperatura é a


seguinte:

Ta Classe de temperatura
—60 °C +40 °C T5
—60 °C +70 °C T4

Quando usado em um ambiente com pó combustível, a temperatura máxima do


ambiente é de -20 °C+40 °C.

2. As instalações de conexão do aterramento na carcaça devem ser feitas de modo


confiável.

3. Os parâmetros máximos internos do transmissor são os seguintes:


Ui=30 V, Ii=200 mA, Pi=0,9 W, Li=0 mH, Ci=0,012 F

4. Os usuários finais não têm permissão para alterar nenhum componente interno.

5. Durante a instalação, uso e manutenção do transmissor, observe os seguintes padrões:


GB3836.1 1997 “Equipamento elétrico para ambientes de gases explosivos, parte 13:
reparo e revisão geral de aparelhos usados em atmosferas de gases explosivos”
GB3836.15-2000 “Equipamento elétrico para ambientes de gases explosivos, parte 15:
instalações elétricas em áreas classificadas (exceto minas)”
GB3836.16-2006 “Equipamento elétrico para ambientes de gases explosivos, parte 16:
inspeção e manutenção de instalação elétrica (exceto minas)”
GB50257-1996 “Código para a construção e aceitação do dispositivo elétrico para
ambientes explosivos e engenharia de instalação de equipamentos elétricos perigosos”
GB12476.2-2006 “Equipamento elétrico para uso na presença de pó combustível Parte
1-2: O equipamento elétrico protegido por carcaças e limitação de temperatura de
superfície - Seleção, instalação e manutenção”
GB15577-2007 “Regulamentos de segurança para a proteção e prevenção de explosão
de pó combustível”

Ui = 30 V
Ii = 200 mA
Pi = 1 W
Ci = 0,012 μF
Li = 0

N3 China Tipo n — Não produtor de faíscas


Nº do certificado NEPSI: GYJ101111X
Normas aplicáveis: GB3836.1-2000, GB3836.8-2003
Marcações: Ex nA nL IIC T5 (—40 °C ≤ TA ≤ 70 °C)

192 Certificações do produto


Manual de referência Anexo B: Certificações do produto
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Condições especiais de uso seguro (X):

1. O símbolo “X” é usado para indicar condições específicas de uso: O aparelho não pode
suportar o teste de aterramento de 500 V durante um minuto. Isso deve ser levado em
consideração durante a instalação.

2. A faixa de temperatura ambiente é: —40 °C ≤ Ta ≤ +70 °C

3. Tensão máxima de entrada: 42,4 V.

4. Devem ser usados prensas-cabo, conduítes ou tampões de vedação, certificados pela


NEPSI com tipo de proteção Ex e ou Ex n e grau de proteção IP66, fornecido pela
carcaça, nas conexões externas e entradas de cabos redundantes.

5. A manutenção deve ser feita em áreas não classificadas.

6. Os usuários finais não têm permissão para alterar a parte interna de nenhum
componente, mas sim devem resolver o problema em conjunto com o fabricante para
evitar danos ao produto.

7. Durante a instalação, uso e manutenção do transmissor, observe os seguintes padrões:


GB3836.1 1997 “Equipamento elétrico para ambientes de gases explosivos, parte 13:
reparo e revisão geral de aparelhos usados em atmosferas de gases explosivos”
GB3836.15-2000 “Equipamento elétrico para ambientes de gases explosivos, parte 15:
instalações elétricas em áreas classificadas (exceto minas)”
GB3836.16-2006 “Equipamento elétrico para ambientes de gases explosivos, parte 16:
inspeção e manutenção de instalação elétrica (exceto minas)”
GB50257-1996 “Código para a construção e aceitação do dispositivo elétrico para
ambientes explosivos e engenharia de instalação de equipamentos elétricos perigosos”

B.5.7 Combinações de certificações


A etiqueta de certificação de aço inoxidável é fornecida quando é especificada a certificação
opcional. Quando for instalado um dispositivo etiquetado com vários tipos de certificação, não
deverá ser instalado novamente com quaisquer outros tipos de certificação. Marque
permanentemente a etiqueta de certificação para distingui-la das etiquetas com tipos de
certificação não utilizados.
K1 — E1, N1
K5 — E5, I5
K6 — E5, I5, E6, I6, E1, I1
K7 — E7, I7, N7
K8 — E8, I1
KA — E1, I1, N1, E6, I6
KB — E5, I5, E1, I1
KC — E5, I5, E1, I1
KD — E5, I5, E6, I6, I1

Certificações do produto 193


Anexo B: Certificações do produto Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

B.6 Desenhos de aprovação


B.6.1 Factory mutual 03031-1019

PRINTED COPIES ARE UNCONTROLLED


194 Certificações do produto
Manual de referência Anexo B: Certificações do produto
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Certificações do produto 195


Anexo B: Certificações do produto Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

196 Certificações do produto


Manual de referência Anexo B: Certificações do produto
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Certificações do produto 197


Anexo B: Certificações do produto Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

198 Certificações do produto


Manual de referência Anexo B: Certificações do produto
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Certificações do produto 199


Anexo B: Certificações do produto Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

200 Certificações do produto


Manual de referência Anexo B: Certificações do produto
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Certificações do produto 201


Anexo B: Certificações do produto Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

202 Certificações do produto


Manual de referência Anexo B: Certificações do produto
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Certificações do produto 203


Anexo B: Certificações do produto Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

204 Certificações do produto


Manual de referência Anexo B: Certificações do produto
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Certificações do produto 205


Anexo B: Certificações do produto Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

206 Certificações do produto


Manual de referência Anexo B: Certificações do produto
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

B.6.2 Canadian standards association (CSA) 03031-1024

Certificações do produto 207


Anexo B: Certificações do produto Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

208 Certificações do produto


Manual de referência Anexo B: Certificações do produto
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Certificações do produto 209


Anexo B: Certificações do produto Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

210 Certificações do produto


Manual de referência Anexo B: Certificações do produto
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Certificações do produto 211


Anexo B: Certificações do produto Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

212 Certificações do produto


Manual de referência Anexo B: Certificações do produto
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Certificações do produto 213


Anexo B: Certificações do produto Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

214 Certificações do produto


Manual de referência Anexo B: Certificações do produto
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Certificações do produto 215


Anexo B: Certificações do produto Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

216 Certificações do produto


Manual de referência Anexo C: Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Anexo C Árvores do menu do


comunicador de campo e teclas
de atalho
Árvores do menu do comunicador de campo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 217
Teclas de atalho do comunicador de campo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . página 227

C.1 Árvores do menu do comunicador de campo


Figura C-1. Árvore de menu do comunicador de campo Rosemount 3051: Visão geral
Active Alerts
1 Refresh Alerts
2 Active Alert 1
3 Active Alert 2
4 Etc

Comm Status: Polled


1 Communication Change

Identification
1 Tag
2 Long Tag
3 Model
4 Serial Number
5 Date
6 Description
7 Message
8 Model Numbers 1 Model Number 1
9 Manufacturer 2 Model Number 2
Overview 3 Model Number 3
1 Device Status
2 Comm Status Revision Numbers
3 PV 1 Universal Revision
4 Analog Output 2 Field Device
5 Upper Range Value 3 Software
6 Lower Range Value 4 Hardware
Device Information 5 Device Driver Revision
7 Device Information 1 Identification
2 Revision Numbers Sensor Module Info
3 Sensor Module Info 1 Serial Number
Home 4 Flange Info 2 Measurement Type
1 Overview 5 Remote Seal Info 3 Configuration
2 Configure 6 Alarm Levels 4 Sensor Range
3 Service Tools 7 Security 5 PV Upper Limit
6 PV Lower Limit
7 Isolator material
8 Fill Fluid

Flange Info
1 Process Connection
2 Process Connection Material
3 O-ring Material
4 Drain/Vent Material

Remote Seal Info


1 Num of Remote Seals
2 Seal Type
3 Fill Fluid
4 Diaphragm Material

Alarm Levels
1 Alarm Direction
2 High Alarm
3 High Saturation
4 Low Saturation
5 Low Alarm

Security HART Lock


1 Security Switch Status 1 Device Lock
2 External Buttons
LOI Password Protection
3 Configuration Buttons
1 Password Protection
4 HART Lock
5 LOI Password Protection

As seleções com círculo preto só estão disponíveis no modo de revisão 7 HART. A seleção não aparecerá na revisão
DD 5 HART.

Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho 217


Anexo C: Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Árvore de menu do comunicador de campo Rosemount 3051: Visão geral


Alertas ativos
1 Atualizar alertas
2 Alerta ativo 1
3 Alerta ativo 2
4 Etc.

Comm Status (Status da comunicação):


Consultados
1 Alteração de comunicação

Identificação
1 Etiqueta
2 Etiqueta longa
3 Modelo
4 Número de série
5 Data
6 Descrição
7 Mensagem
8 Números de modelo 1 Modelo número 1
9 Fabricante 2 Modelo número 2
3 Modelo número 3
Visão geral
1 Status do dispositivo
2 Status de com. Números de revisão
3 VP 1 Revisão universal
4 Saída analógica 2 Dispositivo de campo
5 Valor superior da faixa 3 Software
6 Valor inferior da faixa 4 Hardware
7 Informações do Informações do 5 Revisão do driver do dispositivo
dispositivo dispositivo
1 Identificação Informações do
2 Números de revisão módulo do sensor
Início 3 Informações do módulo 1 Número de série
do sensor 2 Tipo de medida
1 Visão geral
4 Informações de flange 3 Configuração
2 Configurar
5 Informações de vedação 4 Faixa do sensor
3 Ferramentas de serviço
remota 5 Limite superior de VP
6 Níveis do alarme 6 Limite inferior de VP
7 Segurança 7 Material de isolamento
8 Fluido de enchimento

Informações de flange
1 Conexão de processo
2 Material de conexão do
processo
3 Material do O-ring
4 Material do dreno e respiro

Informação de vedação remota


1 Núm. de vedações remotas
2 Tipo de vedação
3 Fluido de enchimento
4 Material de diafragma

Níveis de alarme
1 Direção do alarme
2 Alarme alto
3 Saturação alta
4 Saturação baixa
5 Alarme baixo

Segurança Travamento do HART


1 Status do interruptor de 1 Bloqueio de dispositivo
segurança
2 Botões externos Proteção de senha LOI
3 Botões de configuração 1 Proteção de senha
4 Travamento do HART
5 Proteção de senha LOI

As seleções com círculo preto só estão disponíveis no modo de revisão 7 HART. A seleção não aparecerá na revisão
DD 5 HART.

218 Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho


Manual de referência Anexo C: Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Figura C-2. Árvore de menu do comunicador de campo Rosemount 3051: Configurar — Configuração guiada

Device Tagging
1 Tag
2 Long Tag
3 Description
4 Message
5 Date

Basic Setup Units of Measure/Damping Units of Measure


1 Device Tagging 1 Units of Measure 1 Pressure
2 Units of Measure/Damping 2 Damping 2 Sensor Temp Units
3 Variable Mapping
4 Analog Output Variable Mapping
5 Alarm/Saturation Values 1 Primary Variable
2 Second Variable
3 Third Variable
4 Fourth Variable

Configure Display Analog Output


1 Pressure 1 Primary Variable
2 Scaled Variable 2 Upper Range Value
3 Sensor Temperature 3 Lower Range Value
4 Percent of Range
5 Analog Output Alarm/Saturation Values
Guided Setup 6 Review Parameters at Start-up 1 Alarm Direction
1 Basic Setup 2 High Alarm
2 Zero Trim 3 High Saturation
3 Configure Display 4 Low Saturation
4 Configure Process Alerts Configure Process Alerts 5 Low Alarm
5 Scaled Variable 1 Pressure Alert 6 Config Alarm/Sat Values
6 Configure Burst Mode 2 Temperature Alert
7 Power Advisory Diagnostic
Home
1 Overview Pressure Alert (or Temperature Alert)
Scaled Variable
2 Configure Configure 1 Configure Alert
1 SV Data Points
3 Service Tools 1 Guided Setup 2 Alert Mode
2 SV Units
2 Manual Setup 3 High Alert Value
3 SV Transfer Function
3 Alert Setup 4 Low Alert Value
4 SV Linear Offset
5 Trend
5 SV Cutoff mode
6 SV Low Cutoff Message 1 Variables
7 Scaled Variable 1 First and Trigger Variable
2 Second Variable
3 Third Variable
Configure Burst Mode 4 Fourth Variable
1 Burst Message 1
2 Message 1 Content Power Advisory Diagnostic
3 Message 1 Variables 1 Terminal Voltage
2 Terminal Voltage Deviation Limit
3 Action
Power Advisory Diagnostic 4 Reset Alert
1 Power Advisory Diagnostic
2 Loop Power Characterization

Loop Power Characterization Resistance (or Power Supply)


1 Resistance 1 Previous Baseline
2 Power Supply 2 Baseline
3 Characterize Loop

As seleções com círculo preto só estão disponíveis no modo de revisão 7 HART. A seleção não aparecerá na revisão
DD 5 HART.

Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho 219


Anexo C: Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Árvore de menu do comunicador de campo Rosemount 3051: Configurar — Configuração guiada

Etiquetagem de dispositivos
1 Etiqueta
2 Etiqueta longa
3 Descrição
4 Mensagem
5 Data

Unidades de medida/
Configuração básica Unidades de medida
Amortecimento
1 Etiquetagem de dispositivos 1 Pressão
1 Unidades de medida
2 Unidades de medida/ 2 Unidades de temp. do sensor
2 Amortecimento
Amortecimento
3 Mapeamento de variáveis Mapeamento de variáveis
4 Saída analógica 1 Variável primária
5 Valores de saturação/alarme 2 Segunda variável
3 Terceira variável
4 Quarta variável

Configure o mostrador Saída analógica


1 Pressão 1 Variável primária
2 Variável com escala 2 Valor superior do range
3 Temperatura do sensor 3 Valor inferior do range
4 Percentual da faixa
5 Saída analógica Valores de saturação/alarme
Guided Setup (Configuração guiada) 6 Revisar parâmetros na inicialização 1 Direção do alarme
1 Configuração básica 2 Alarme alto
2 Ajuste zero 3 Saturação alta
3 Configurar mostrador 4 Saturação baixa
4 Configurar alertas do processo Configurar alertas do 5 Alarme baixo
5 Variável com escala processo 6 Config. valores de sat./alarme
6 Configurar o modo burst 1 Alerta de pressão
7 Diagnóstico de consultoria de 2 Alerta de temperatura
alimentação
Início
1 Visão geral Alerta de pressão (ou Alerta de temperatura)
Variável com escala 1 Configurar alerta
2 Configurar Configurar 1 Pontos dos dados da VE
3 Ferramentas de serviço 1 Configuração guiada 2 Modo do alerta
2 Unidades da VE 3 Valor alto do alerta
2 Configuração manual 3 Função de transferência da VE
3 Configuração de alertas 4 Valor baixo do alerta
4 Deslocamento linear da VE 5 Tendência
5 Modo de corte da VE
6 Corte baixo da VE
7 Variável com escala Variáveis da mensagem 1
1 Primeira variável e de disparo
2 Segunda variável
3 Terceira variável
4 Quarta variável
Configurar o modo burst
1 Mensagem intermitente 1
2 Conteúdo da mensagem 1 Diagnóstico de consultoria de alimentação
3 Variáveis da mensagem 1 1 Tensão do terminal
2 Limite de desvio de tensão do terminal
3 Ação
4 Redefinir alerta
Diagnóstico de consultoria de
alimentação
1 Diagnóstico de consultoria de
alimentação
2 Caracterização de alimentação
do circuito
Caracterização de alimentação do circuito Resistência (ou Fonte de
1 Resistência alimentação)
2 Fonte de alimentação 1 Linha de base anterior
3 Caracterização do circuito 2 Linha de base

As seleções com círculo preto só estão disponíveis no modo de revisão 7 HART. A seleção não aparecerá na revisão
DD 5 HART.

220 Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho


Manual de referência Anexo C: Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Figura C-3. Árvore de menu do comunicador de campo Rosemount 3051: Configurar — Configuração manual
Pressure Setup Set Range Points
1 Pressure 1 Primary Variable
2 Upper Range Value 2 Upper Range Value
3 Lower Range Value 3 Lower Range Value
4 Pressure Units
5 Damping
6 AO Transfer Function

Sensor Temperature Setup Sensor Limits


1 Sensor Temperature 1 PV Upper Limit
Process Variables 2 Sensor Temp Units 2 PV Lower Limit
1 Pressure Setup 3 PV Minimum Span
2 Sensor Temperature Setup
Readings
Analog Output 1 Analog Output
1 Set Range Points 2 Percent of Range

Home 2 Range by Applying Pressure


2 Sensor Limits Alarm/Saturation Levels
1 Overview 1 Alarm Direction
2 Configure Configure 3 Readings
4 Alarm/Saturation Levels 2 High Alarm
3 Service Tools 1 Guided Setup 3 High Saturation
2 Manual Setup Manual Setup 4 Low Saturation
3 Alert Setup 1 Process Variables 5 Low Alarm
2 Analog Output Scaled Variable 6 Config Alarm/Set Levels
3 Scaled Variable Variable Mapping
1 SV Data Points 1 Primary Variable
4 Display 2 SV Units
5 HART 2 Second Variable
3 SV Transfer Function 3 Third Variable
6 Security 4 SV Linear Offset
7 Device Information 4 Fourth Variable
5 SV Cutoff mode
6 SV Low Cutoff
Communication Settings
7 Scaled Variable
1 Polling Address
2 Change Polling Address
3 Universal Revision
Display
4 Change HART Revision
1 Pressure
2 Scaled Variable Burst Mode Configuration Message 1 Variable
3 Sensor Temperature 1 Burst Message 1 1 First and Trigger Variable
4 Percent of Range 2 Message 1 Content 2 Second Variable
5 Analog Output 3 Message 1 Variable 3 Third Variable
6 Review Parameters at Start-up 4 Configure Additional Messages 4 Fourth Variable
HART
1 Variable Mapping
2 Communication Settings HART Lock
3 Burst Mode Configuration 1 Lock Status
2 Lock/Unlock LOI Password
1 Password Protection
2 Configure Password
Security
1 Security Switch Status
2 External Buttons
3 Configuration Buttons
4 HART Lock
5 LOI Password Protection
Identification
1 Tag Model Numbers
Device Information 2 Long Tag 1 Model Number 1
1 Indentification 3 Model 2 Model Number 2
2 Revision Numbers 4 Serial Number 3 Model Number 3
3 Sensor Module Info 5 Date
4 Flange Info 6 Description
5 Remote Seal Info 7 Message
8 Model Numbers
9 Manufacturer
Revision Numbers
1 Universal Revision
2 Device Revision
3 Software Revision
4 Hardware Revision
5 Device Driver Revision
Sensor Module Info
1 Configuration
2 Measurement Type
3 Sensor Range
4 Upper Limit
5 Lower Limit
6 Isolator Material
7 Fill Fluid
Flange Info
1 Process Connection
2 Process Connection Material
3 O-ring Material
4 Drain/Vent Material

Remote Seal Info


1 Num of Remote Seals
2 Seal Type
3 Fill Fluid
4 Diaphragm Material

As seleções com círculo preto só estão disponíveis no modo de revisão 7 HART. A seleção não aparecerá na revisão
DD 5 HART.

Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho 221


Anexo C: Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Árvore de menu do comunicador de campo Rosemount 3051: Configurar — Configuração manual


Configuração da pressão Defina os pontos da faixa
1 Pressão 1 Variável primária
2 Valor superior do range 2 Valor superior do range
3 Valor inferior do range 3 Valor inferior do range
4 Unidades de pressão
5 Amortecimento
6 Função de transferência AO

Configuração da temperatura Limites do sensor


do sensor 1 Limite superior de VP
Variáveis do processo 1 Temperatura do sensor 2 Limite inferior de VP
1 Configuração da pressão 2 Unidades de temp. do sensor 3 Amplitude mínima de VP
2 Configuração da temperatura
do sensor Leituras
1 Saída analógica
Saída analógica
2 Percentual da faixa
1 Defina os pontos da faixa
2 Faixa por aplicação de pressão
Início 2 Limites do sensor Níveis de alarme/saturação
1 Visão geral 3 Leituras 1 Direção do alarme
2 Configurar Configurar 4 Níveis de alarme/saturação 2 Alarme alto
3 Ferramentas de 1 Configuração guiada 3 Saturação alta
serviço 2 Configuração manual 4 Saturação baixa
Manual Setup
3 Configuração de alertas (Configuração manual) 5 Alarme baixo
1 Variáveis de processo 6 Config. níveis de sat./alarme
2 Saída analógica Variável com escala
Mapeamento de variáveis
3 Variável com escala 1 Pontos dos dados da VE
1 Variável primária
4 Mostrador 2 Unidades da VE
2 Segunda variável
5 HART 3 Função de transferência da VE
3 Terceira variável
6 Segurança 4 Deslocamento linear da VE
4 Quarta variável
7 Informações do 5 Modo de corte da VE
dispositivo 6 Corte baixo da VE
7 Variável com escala Configurações da comunicação
1 Endereço de sondagem
2 Alterar o endereço de
sondagem
Mostrador 3 Revisão universal
1 Pressão 4 Alterar a revisão do HART
2 Variável com escala
3 Temperatura do sensor Configuração do modo burst Variável da mensagem 1
4 Percentual da faixa 1 Mensagem intermitente 1 1 Primeira variável e de disparo
5 Saída analógica 2 Conteúdo da mensagem 1 2 Segunda variável
6 Revisar parâmetros na inicialização 3 Variável da mensagem 1 3 Terceira variável
4 Configurar outras mensagens 4 Quarta variável

HART
1 Mapeamento de variáveis
2 Configurações de comunicação Travamento do HART
3 Configuração do modo burst 1 Status do travamento
2 Travar/Destravar Senha de LOI
1 Proteção de senha
2 Configurar senha
Segurança
1 Status do interruptor de
segurança
2 Botões externos
3 Botões de configuração
4 Travamento do HART
5 Proteção de senha LOI
Identificação
1 Etiqueta Números de modelo
Informações do dispositivo 2 Etiqueta longa 1 Modelo número 1
1 Identificação 3 Modelo 2 Modelo número 2
2 Números de revisão 4 Número de série 3 Modelo número 3
3 Informações do módulo 5 Data
do sensor 6 Descrição
4 Informações de flange 7 Mensagem
5 Informações de vedação 8 Números de modelo
remota 9 Fabricante

Números de revisão
1 Revisão universal
2 Revisão do dispositivo
3 Revisão do software
4 Revisão do hardware
5 Revisão do driver do dispositivo

Informações do módulo do sensor


1 Configuração
2 Tipo de medida
3 Faixa do sensor
4 Limite superior
5 Limite inferior
6 Material de isolamento
7 Fluido de enchimento

Informações de flange
1 Conexão de processo
2 Material de conexão do processo
3 Material do O-ring
4 Material do dreno e respiro

Informação de vedação remota


1 Núm. de vedações remotas
2 Tipo de vedação
3 Fluido de enchimento
4 Material de diafragma

As seleções com círculo preto só estão disponíveis no modo de revisão 7 HART. A seleção não aparecerá na revisão
DD 5 HART.

222 Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho


Manual de referência Anexo C: Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Figura C-4. Árvore de menu do comunicador de campo Rosemount 3051: Configurar — Configuração de
alertas

Home
1 Overview
2 Configure Configure
3 Service Tools 1 Guided Setup
2 Manual Setup
3 Alert Setup

Pressure Alert
Alert Setup 1 Configure Alert
1 Pressure Alert 2 Alert Mode
2 Temperature Alert 3 High Alert Value
3 Alarm/Saturation Levels 4 Low Alert Value
4 Power Advisory Diagnostics 5 Trend
Temperature Alert
1 Configure Alert
2 Alert Mode
3 High Alert Value
4 Low Alert Value
5 Trend
Alarm/Saturation Levels Power Advisory Diagnostic
1 Alarm Direction 1 Terminal Voltage
2 High Alarm 2 Terminal Voltage Deviation Limit
3 High Saturation 3 Action
4 Low Saturation 4 Reset Alert Resistance
5 Low Alarm 1 Previous Baseline
6 Config Alarm/Sat Levels 2 Baseline
Loop Power Characterization
1 Resistance Power Supply
2 Power Supply 1 Previous Baseline
Power Advisory Diagnostics
3 Characterize Loop 2 Baseline
1 Power Advisory Diagnostic
2 Loop Power Characterization

As seleções com círculo preto só estão disponíveis no modo de revisão 7 HART. A seleção não aparecerá na revisão
DD 5 HART.

Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho 223


Anexo C: Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Árvore de menu do comunicador de campo Rosemount 3051: Configurar — Configuração de alertas

Início
1 Visão geral
2 Configurar Configurar
3 Ferramentas de serviço 1 Configuração guiada
2 Configuração manual
3 Configuração de alertas

Alerta de pressão
Configuração de alertas 1 Configurar alerta
1 Alerta de pressão 2 Modo do alerta
2 Alerta de temperatura 3 Valor alto do alerta
3 Níveis de alarme/saturação 4 Valor baixo do alerta
4 Diagnósticos de consultoria de 5 Tendência
alimentação
Alerta de temperatura
1 Configurar alerta
2 Modo do alerta
3 Valor alto do alerta
4 Valor baixo do alerta
5 Tendência

Níveis de alarme/saturação Diagnóstico de consultoria de alimentação


1 Direção do alarme 1 Tensão do terminal
2 Alarme alto 2 Limite de desvio de tensão do terminal
3 Saturação alta 3 Ação
4 Saturação baixa 4 Redefinir alerta Resistência
5 Alarme baixo 1 Linha de base anterior
6 Config. níveis de sat./alarme 2 Linha de base
Caracterização de alimentação do circuito
1 Resistência Fonte de alimentação
2 Fonte de alimentação 1 Linha de base anterior
Diagnóstico de consultoria de 3 Caracterização do circuito 2 Linha de base
alimentação
1 Diagnóstico de consultoria de
alimentação
2 Caracterização de alimentação
do circuito

As seleções com círculo preto só estão disponíveis no modo de revisão 7 HART. A seleção não aparecerá na revisão
DD 5 HART.

224 Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho


Manual de referência Anexo C: Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

Figura C-5. Árvore de menu do comunicador de campo Rosemount 3051 — Ferramentas de serviço

Active Alerts Pressure


1 Refresh Alerts 1 Pressure
2 Active Alert 1 2 Status
3 Active Alert 2
4 Etc. Scaled Variable
1 Scaled Variable
2 Status

Home Analog Output


1 Overview 1 Analog Output
2 Configure Variables
3 Service Tools 1 Variable Summary Percent of Range
2 Pressure 1 Percent of Range
3 Scaled Variable
4 Analog Output Sensor Temperature
5 Percent of Range 1 Sensor Temperature
Service Tools 6 Sensor Temperature
1 Active Alerts 2 Status
2 Variables
3 Trends AO Transfer Function
4 Maintenance 1 Upper Calibration Points
5 Simulate Pressure Calibration 2 Lower Calibration Points
1 Upper Sensor Trim
Trends 2 Lower Sensor Trim
1 Pressure 3 Zero Trim
2 Scaled Variable 4 Damping
3 Sensor Temperature 5 AO Transfer Function
6 Last Calibration Points
7 Sensor Limits Sensor Limits
1 PV Upper Limit
2 PV Lower Limit
3 PV Minimum Span
Maintenance
1 Pressure Calibration
Security HART Lock
2 Analog Calibration
1 Security Switch Status 1 Device Lock
3 Restore Factory Calibration
2 External Buttons 2 Lock/Unlock
4 Security
3 Configuration Buttons
5 Locate Device
4 HART Lock LOI Password Protection
6 Device Reset
5 LOI Password Protection 1 Password Protection
2 Configure Password
Simulate
1 Loop Test
2 Pressure
3 Scaled Variable
4 Sensor Temperature

As seleções com círculo preto só estão disponíveis no modo de revisão 7 HART. A seleção não aparecerá na revisão
DD 5 HART.

Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho 225


Anexo C: Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho Manual de referência
Fevereiro de 2014 00809-0122-4007, Rev AB

Árvore de menu do comunicador de campo Rosemount 3051 — Ferramentas de serviço

Alertas ativos Pressão


1 Atualizar alertas 1 Pressão
2 Alerta ativo 1 2 Status
3 Alerta ativo 2
4 Etc.
Variável com escala
1 Variável com escala
2 Status

Início Saída analógica


1 Visão geral 1 Saída analógica
2 Configurar Variáveis
3 Ferramentas de 1 Resumo de variáveis
Percentual da faixa
serviço 2 Pressão
1 Percentual da faixa
3 Variável com escala
4 Saída analógica
5 Percentual da faixa Temperatura do sensor
6 Temperatura do sensor 1 Temperatura do sensor
Ferramentas de
2 Status
serviço
1 Alertas ativos
2 Variáveis Função de transferência AO
3 Tendências 1 Pontos superiores de calibração
4 Manutenção Calibração da pressão 2 Pontos inferiores de calibração
5 Simular 1 Ajuste Superior do Sensor
2 Ajuste inferior do sensor
Tendências
3 Ajuste zero
1 Pressão
4 Amortecimento
2 Variável com escala
5 Função de transferência AO
3 Temperatura do sensor
6 Últimos pontos de calibração
7 Limites do sensor Limites do sensor
1 Limite superior de VP
2 Limite inferior de VP
3 Amplitude mínima de VP
Manutenção
1 Calibração da pressão
2 Calibração analógica Segurança Travamento do HART
3 Restaurar calibração de fábrica 1 Status do interruptor de 1 Bloqueio de dispositivo
4 Segurança segurança 2 Travar/Destravar
5 Localizar o dispositivo 2 Botões externos
6 Redefinição do dispositivo 3 Botões de configuração
Proteção de senha LOI
4 Travamento do HART
1 Proteção de senha
5 Proteção de senha LOI
2 Configurar senha
Simular
1 Teste de circuito
2 Pressão
3 Variável com escala
4 Temperatura do sensor

As seleções com círculo preto só estão disponíveis no modo de revisão 7 HART. A seleção não aparecerá na revisão
DD 5 HART.

226 Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho


Manual de referência Anexo C: Árvores do menu do comunicador de campo e teclas de atalho
00809-0122-4007, Rev AB Fevereiro de 2014

C.2 Teclas de atalho do comunicador de campo


 Um () indica os parâmetros básicos de configuração. No mínimo, estes parâmetros
devem ser verificados como parte do procedimento de configuração e inicialização.
 Um (7) indica disponibilidade apenas no modo de revisão HART 7.

Tabela C-1. Atalhos do teclado para a revisão 9 e 10 do dispositivo (HART7), revisão DD 1

Atalhos do teclado
Função HART 7 HART 5
 Níveis de alarme e saturação 2, 2, 2, 5 2, 2, 2, 5
 Amortecimento 2, 2, 1, 1, 5 2, 2, 1, 1, 5
 Variável primária 2, 2, 5, 1, 1 2, 2, 5, 1, 1
 Valores da faixa 2, 2, 2, 1 2, 2, 2, 1
 Etiqueta 2, 2, 7, 1, 1 2, 2, 7, 1, 1
 Função de