Você está na página 1de 10

1.

Transformador de Potencial
1.1. Especificações Técnicas

Classe de exatidão é o valor nominal do erro esperado do TP levando em


consideração o erro de relação de transformação e o erro de defasamento angular
entre as tensões primária e secundária. (cf. [4])

 Classes de exatidão padronizadas para medição [%] (cf. [1], [7]):


0,3 – 0,6 – 1,2
 Classes de exatidão padronizadas para proteção [%] (cf. [1]):
3–6

Carga nominal (Burden) é a potência máxima que um TP pode entregar no seu


enrolamento secundário

 Cargas nominais padronizadas [VA] (cf. [1], [7]):


5 – 10 – 15 – 25 – 35 – 75 – 100 – 200
1.2. Gravação na placa do TP

Representar a exatidão, seguida da letra P juntamente com o valor da carga nominal em


VA. (cf. [8]):

Descrição
Classe de exatidão
Exatidão [%] Carga nominal [VA] Medição/Proteção
0,3P200 0,3 200 Medição
3P100 3 100 Proteção
6P75 6 75 Proteção
3P35 3 35 Proteção
1,2P75 1,2 75 Medição
0,6P10 0,6 10 Medição

TPs com mais de um enrolamento secundário apresentam descrição da classe de


exatidão separadamente: Uma para cada enrolamento (cf. [1])

Figura 1: Diferenciação de classes de exatidão de medição e de proteção para TPs

Fonte: [8]
1
2. Transformador de Corrente:
2.1. Especificações Técnicas

Classe de exatidão expressa o erro máximo percentual que o TC apresenta em uma


condição específica, levando em consideração o fator-limite de exatidão. (cf. [2], [6])

 Classe de exatidão para medição [%] (cf. [2], [3]):


0,3 – 0,6 – 1,2 – 3 – 0,3S* – 0,6S*
 Classe de exatidão para proteção [%] (cf. [2], [3]):
5 – 10

* Classe de exatidão especial

Carga nominal (Burden) é a impedância ligada aos terminais secundários do TC, cujo
valor corresponde à potência para a exatidão garantida, sob corrente nominal.
(cf. [3], [4], [6])
 Cargas nominais padronizadas para corrente secundária de 5A [VA] (cf. [2], [3]):
Características das cargas com fator de potência 0,9: 2,5 – 5,0 – 12,5 – 22,5 – 45,0 – 90
Características das cargas com fator de potência 0,5: 25 – 50 – 100

 Cargas nominais padronizadas para corrente secundária de 1A [VA] (cf. [2], [3]):
Características das cargas com fator de potência 0,9: 1,0 – 2,5 – 4,0 – 5,0
Características das cargas com fator de potência 1,0: 8,0 – 10,0 – 20,0
Classe de proteção expressa características construtivas relevantes relacionadas ao
núcleo do TC e fluxo magnético ao qual este é submetido quanto é conectado a um
circuito de proteção. [autor]

Classes de proteção conforme NBR6856/2015 (cf [2]):

 Classe P: Transformador construído para o comportamento de saturação1 de um


curto-circuito simétrico e sem limite para o fluxo remanescente2.
 Classe PR: Transformador com limite para o fluxo remanescente dentro de uma
característica de curto-circuito simétrico.
 Classe PX: Transformador com baixa reatância de dispersão que conhecendo a
curva de excitação, resistência secundária, resistência da carga secundária e a
relação de espiras é suficiente para avaliar seu desempenho em relação ao sistema
de proteção ao qual está conectado.
 Classe PXR: Transformador com limite para o fluxo remanescente que conhecendo
a curva de excitação, resistência secundária, resistência da carga secundária e a
relação de espiras é suficiente para avaliar seu desempenho em relação ao sistema
de proteção ao qual está conectado.

1
Fluxo de saturação: Valor do fluxo magnético acima do que o núcleo do TC suporta. Cf. saturação magnética.
2
Fluxo remanescente: Fluxo magnético que permanece no núcleo do TC após 3 min de sua desenergização.
2
Classes de proteção conforme NBR6856/1992 (cf [3]):

 Classe A: Possui alta impedância interna. A reatância de dispersão do enrolamento


secundário possui contribuição significativa para a impedância total do circuito
secundário, quando este alimenta sua carga nominal.
 Classe B: Possui baixa impedância interna. A reatância de dispersão do enrolamento
secundário possui contribuição desprezível para a impedância total do circuito
secundário, quando este alimenta sua carga nominal.

Fator-limite de exatidão (FLE) é o valor que multiplica a corrente primária do TC a fim


de se obter a satisfação dos requisitos de erro de corrente. (cf [2])

 Valor padronizado do fator-limite de exatidão conforme NBR6856/1992 (cf. [3])


20xIn
 Valor padronizado do fator-limite de exatidão conforme NBR6856/2015 (cf. [2])
(5 – 10 – 15 – 20 – 30)xIn

Tensão secundária nominal (tensão de saturação) é a tensão fornecida pelo TC nos


terminais de enrolamento secundário na condição do fator-limite de exatidão
multiplicando a corrente secundária, sem que o erro exceda o valor especificado pela
exatidão. (cf [3])

 Tensões secundárias nominais padronizadas conforme NBR6856/1992 [V] (cf [3]):


Tensão a Zsec3 x FLE x 5A com fator de potência 0,9: 10 – 20 – 50 – 90 – 180 – 360
Tensão a Zsec x FLE x 5A com fator de potência 0,5: 100 – 200 – 400 – 800

3
Zsec = Impedância do enrolamento secundário. Padronizada pela Tabela 10 do Anexo A da NBR6856/1992.
3
2.2. Gravação na placa do TC:

2.2.1. Conforme NBR6856/1992 (cf. [3]):


 Enrolamento de medição: Indicar a exatidão, seguida das cargas de menor e maior
potência em VA que se verifica esta classe de exatidão. Potências são precedidas
da letra C.

TC de medição que possui enrolamento com cargas-


padrão de 2,5VA a 12,5VA com classe de exatidão
0,3C2,5 a C12,5 e 0,6C22,5
de 0,3% e enrolamento com carga de 22,5VA
atendendo à exatidão de 0,6%.

TC de medição que possui enrolamento com carga-


padrão de 2,5VA com classe de exatidão de 0,6% e
0,6C2,5 e 1,2C5,0 a C22,5
enrolamento com cargas de 5,0VA a 22,5VA
atendendo à exatidão de 1,2%.

 Enrolamento de proteção: Indicar a exatidão e a classe de proteção (A ou B)


seguida da tensão secundária no TC a 20x a corrente nominal no secundário.

TC de proteção com baixa reatância secundária, que


possui enrolamento com classe de exatidão de 10%
10B100
e tensão secundária de 100V em 20x a corrente
nominal.

TC de proteção com alta reatância secundária, que


possui enrolamento com classe de exatidão de 5% e
5A200
tensão secundária de 200V em 20x a corrente
nominal.

TC de proteção com baixa reatância secundária, que


possui enrolamento com classe de exatidão de 5% e
5B400
tensão secundária de 400V em 20x a corrente
nominal.

4
2.2.2. Conforme NBR6856/2015 (cf. [2]):
 Enrolamento de medição: Indicar a carga nominal seguida de “VA” da menor para
a maior (quando houver) seguida da classe de exatidão para medição.

TC de medição que possui enrolamento com carga-


12,5VA 0,3 padrão de 12,5VA que atende à classe de exatidão
de 0,3%

TC de medição que possui enrolamento com carga-


12,5VA a 45VA 0,6 padrão de 12,5VA a 45VA atendendo à classe de
exatidão de 0,6%.

TC de medição que possui enrolamento com carga-


5VA a 22,5VA 1,2 padrão de 5VA a 22,5VA atendendo à classe de
exatidão de 1,2%.

 Enrolamento de proteção: Indicar a carga nominal seguida de “VA”, a classe de


exatidão para proteção e a classe de proteção (P, PR, PX ou PXR) seguida do
fator-limite de exatidão.

TC de proteção que possui enrolamento com carga-


padrão de 25VA que atende à classe de exatidão de
25VA 5P15
5%, que possui classe de proteção P com fator-limite
de exatidão igual a 15.
TC de proteção que possui enrolamento com carga-
padrão de 25VA que atende à classe de exatidão de
25VA 10PR20
10%, que possui classe de proteção PR com fator-
limite de exatidão igual a 20.
TC de proteção que possui enrolamento com carga-
padrão de 50VA que atende à classe de exatidão de
50VA 5PX10
5%, que possui classe de proteção PX com fator-
limite de exatidão igual a 10.

TCs com mais de um enrolamento secundário apresentam descrição da classe de


exatidão separadamente: Uma para cada enrolamento (cf. [2], [3])

5
Figura 2: Classe de exatidão conforme NBR6856/2015 para TC de proteção

Fonte: Stihl

Figura 3: Classe de exatidão conforme NBR6856/1992 para TC de proteção

6
Fonte: Stihl

Figura 4: Classe de exatidão conforme NBR6856/2015 para TC de proteção

Fonte: Gevisa

Figura 5: Classe de exatidão conforme NBR6856/2015 para TC de medição

Fonte: Gevisa

7
2.3. Conversão da descrição da NBR6856/1992 para NBR6856/2015

𝐼𝑠𝑒𝑐𝑢𝑛𝑑á𝑟𝑖𝑎 [𝐴] × 𝑉𝑠𝑎𝑡𝑢𝑟𝑎çã𝑜 [𝑉]


𝑃𝑜𝑡ê𝑛𝑐𝑖𝑎 [𝑉𝐴] =
𝐹𝐿𝐸

2.4. Conversão da descrição da NBR6856/2015 para NBR6856/1992

𝐹𝐿𝐸 × 𝑃𝑜𝑡ê𝑛𝑐𝑖𝑎 [𝑉𝐴]


𝑉𝑠𝑎𝑡𝑢𝑟𝑎çã𝑜 [𝑉] =
𝐼𝑠𝑒𝑐𝑢𝑛𝑑á𝑟𝑖𝑎 [𝐴]

8
3. Documentos de referência:

[1] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR6855: Transformadores


de Potencial Indutivo. Rio de Janeiro-RJ: ABNT, 2009. 71 p.

[2] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR6856: Transformador de


Corrente – Especificação e Ensaios. Rio de Janeiro-RJ: ABNT, 2015. 111 p.

[3] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR6856: Transformador de


Corrente – Especificação e Ensaios. Rio de Janeiro-RJ: ABNT, 1992. 22 p.

[4] MAMEDE FILHO, João. Manual de Equipamentos Elétricos. Rio de Janeiro-RJ:


LTC – Livros Técnicos e Científicos Editora Ltda., 2013. 1215 p.

[5] AREVA – SCHNEIDER ELECTRIC. Protection Relay Application. 453 p.

[6] MARDEGAN, Cláudio. Capítulo I – Transformadores de corrente, potencial e


bobinas de Rogowski para fins de proteção – Parte I. 2010. Disponível em:
https://www.osetoreletrico.com.br/wp-
content/uploads/2010/04/Ed48_janeiro_protecao_seletividade_capI.pdf. Acesso em
06 jul. 2020.

[7] MARDEGAN, Cláudio. Capítulo II – Transformadores de corrente, potencial


e bobinas de Rogowski para fins de proteção – Parte II. 2010. Disponível
em: https://www.osetoreletrico.com.br/wp-
content/uploads/2010/04/Ed49_fevereiro_protecao_seletividade_capII.pdf. Acesso
em 06 jul. 2020.

[8] BALTEAU PRODUTOS ELÉTRICOS LTDA. Transformador de potencial indutivo


para uso exterior – TPI-145. Disponível em:
http://www.balteau.com.br/balteau/wp-content/uploads/2018/03/TPI-145.pdf.
Acesso em 06 jul 2020.

9
Histórico de revisões

Revisão Data Execução Comentário

00 06/07/2020 Roberto Tilhaqui Emissão inicial

10