Você está na página 1de 3

ESCOLA CIDADÃ INTEGRAL PROFESSORA NEIR ALVES PORTO

DISCIPLINA: LÍNGUA PORTUGUESA


PROFESSORA: VALDINETE DE QUEIROZ RIBEIRO
1ª SÉRIE – I BIMESTRE
ALUNO(A):____________________________________________________________

 FUNÇÕES DA LITERATURA – O CONTEÚDO SE ENCONTRA NO


LIVRO DIDÁTICO NA PÁGINA 19.

Questão 1

O poeta
declina de toda responsabilidade na marcha do mundo capitalista
e com suas palavras, intuições, símbolos e outras armas promete ajudar
a destruí-lo
como uma pedreira, uma floresta, um verme
(Carlos Drummond de Andrade)
Vocabulário
Declina – afasta-se.

Sobre as funções da literatura, leia as afirmações abaixo e marque a opção que


corresponde às ideias dos versos acima.
a) O caráter ficcional da literatura nos permite entrar em contato com a nossa história,
nossa trajetória como nação.
b) Por meio da convivência com os textos literários, que traçam tantos e diversos
destinos, a literatura acaba por nos oferecer possibilidades de resposta a questões
comuns a todos os seres humanos.
c) A literatura acompanha a trajetória humana, pois os mundos construídos por ela são
completamente distintos dos mundos familiares. As pessoas que habitam esses mundos
literários são completamente distintas e vivem problemas totalmente diferentes dos
nossos.
d) A literatura tem o poder de transportar o ser humano, provocar alegria ou tristeza,
divertir ou emocionar. Ela nos oferece um descanso dos problemas cotidianos, quando
nos descortina o espaço do sonho e da fantasia.
e) A literatura pode ter um papel fundamental: o de criticar a realidade, em relação a
causas sociais e políticas.

Questão 2

Grito negro
Eu sou carvão!
E tu arrancas-me brutalmente do chão e fazes-me tua mina, patrão.
Eu sou carvão!
E tu acendes-me, patrão,
para te servir eternamente como força motriz mas eternamente não, patrão.
Eu sou carvão
e tenho que arder sim;
queimar tudo com a força da minha combustão. Eu sou carvão;
tenho que arder na exploração arder até às cinzas da maldição
arder vivo como alcatrão, meu irmão, até não ser mais a tua mina, patrão. Eu sou
carvão.
Tenho que arder
queimar tudo com o fogo da minha combustão. Sim!
Eu sou o teu carvão, patrão.
(José Craveirinha – poeta africano)
Assinale a opção correta a respeito do poema acima.
A) O eu lírico expressa um sentimento de cumplicidade com o patrão, mostrando que a
literatura é a arte mais próxima da essência humana.
B) Pode-se afirmar que o tema do texto remete à exploração do homem pelo homem,
exemplo de que a literatura é linguagem carregada de significado.
C) Os aspectos sonoros do texto, o uso da linguagem denotativa e os traços humanos
comprovam que o poema é um exemplo de arte da palavra.
D) As palavras “patrão” e “carvão” apresentam mais de um significado nos versos,
possibilitando ao leitor entender o tema do texto.
E) O eu lírico considera que deve sempre servir ao patrão, a quem chama “meu irmão”,
sem questionamentos.

Questão 3

Leia o texto a seguir e responda ao que se pede.


Como árbitros e jogadores de países diferentes se comunicam num jogo de
futebol?
Basicamente por gestos. A Fédération Internationale de Football Association
(Fifa), entidade que organiza o futebol mundial, recomenda que os árbitros evitem ao
máximo dar trela para os jogadores. Para se dirigir aos atletas, eles devem usar cinco
sinais básicos. Três deles são na base da mímica mesmo, feita com os braços: indicação
de falta direta para o gol, falta indireta (pelo menos dois jogadores devem tocar na bola)
e vantagem (quando, apesar de ter havido uma infração, o time da vítima continuou com
a bola). Para os outros dois sinais, os árbitros contam com os famosos cartões: o
amarelo representa uma advertência para o jogador que esteja abusando da violência ou
da indisciplina; e o vermelho manda o atleta se retirar de campo. É claro que, na prática,
os juízes improvisam vários gestos que não constam da regra oficial, principalmente
quando é necessário dar uma bronca em algum jogador que, apesar de ter cometido uma
falta dura, não merece ainda a advertência pelo cartão amarelo.
Nesses casos, o juiz geralmente grita algumas frases em inglês ou espanhol.
"Todos os árbitros da Fifa são obrigados a ter noções básicas desses dois idiomas",
afirma Gustavo Caetano Rogério, diretor da escola de árbitros da Federação Paulista de
Futebol. Vários jogadores entendem a bronca muito mais pela entonação do que pelo
conteúdo que sai da boca do homem do apito.
(SUPERINTERESSANTE ESPECIAL. São Paulo: Abril, n. 6, ago. 2002. p. 41.)

Com base em seus estudos e no texto, marque a opção incorreta.


(A) Em uma partida de futebol, é possível haver comunicação entre pessoas que falam
línguas diferentes.
(B) Quando os juízes de futebol dizem alguma frase em inglês ou espanhol, estão
usando a linguagem verbal.
(C) Quando os juízes usam cartões e gestos para comunicar aos jogadores, estão usando
a linguagem não verbal.
(D) Os juízes, ao improvisar gestos que não constam da regra oficial, principalmente
quando é necessário dar uma bronca em algum jogador, utilizam somente a linguagem
verbal.
(E) Vários jogadores entendem a bronca muito mais pelos gestos e entonação de voz do
árbitro do que pelas palavras.

Questão 4

Leia o trecho e responda à questão.


“É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a
convivência humana e a comunicação total entre os seres dotados de inteligência; ela é a
menor partícula do entendimento das coisas. A palavra é o átomo da alma. ”
(Ziraldo. In: Vários autores. O futuro do livro – 60 visões. São Paulo, 2007. p.
74.)
Com base no conceito de “Linguagem” e nos dizeres de Ziraldo, deduz-se que
(A) o homem é um ser exclusivamente social e assemelha-se aos outros seres que
vivem reunidos pela capacidade de julgar e discernir, estabelecendo regras para a vida
em sociedade.
(B) há a necessidade de linguagem para que o homem possa se comunicar com os
outros e, juntos, estabelecerem um código de vida em comum.
(C) a linguagem, capacidade comunicativa somente dos seres humanos, constrói
vínculos e possibilita a transmissão de culturas.
(D) a linguagem é apenas instrumento de comunicação.
(E) a linguagem não é uma forma de interação com os outros.