Você está na página 1de 50

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Embrapa Algodão
Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Algodão
em Pluma
Odilon Reny Ribeiro Ferreira da Silva
Valdinei Sofiatti
Waltemilton Vieira Cartaxo
Virginia de Souza Columbiano Barbosa
Maurício José Rivero Wanderley

Embrapa Informação Tecnológica


Brasília, DF
2009
2
Exemplares desta publicação
podem ser adquiridos na:

Embrapa Informação Tecnológica Produção editorial


Parque Estação Biológica (PqEB) Embrapa Informação Tecnológica
Av. W3 Norte (final)
70770-901 Brasília, DF Cordenação editorial
Fone: (61) 3340-9999 Fernando do Amaral Pereira
Fax: (61) 3340-2753 Mayara Rosa Carneiro
vendas@sct.embrapa.br Lucilene M. de Andrade
www.sct.embrapa.br/liv
Supervisão editorial
Embrapa Algodão Juliana Meireles Fortaleza
Rua Osvaldo Cruz, 1.143,
Bairro Centenário Revisão de texto
CEP 58428-095 Campina Grande, PB Jane Baptistone de Araújo
Fone: (83) 3315-4300
Fax: (83) 3315-4367 Editoração eletrônica
sac@cnpa.embrapa.br Pedro Filogônio de Freitas Cabral
www.cnpa.embrapa.br
Projeto gráfico da coleção
Carlos Eduardo Felice Barbeiro

Ilustrações
Comunicare (Silvio Ferigato)

1ª edição
1ª impressão (2009): 2.000 exemplares

Todos os direitos reservados


A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte,
constitui violação dos direitos autorais (Lei nº 9.610).

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


Embrapa Informação Tecnológica

Algodão em pluma / autores, Odilon Reny Ribeiro Ferreira da Silva ... [et al.] – Brasília, DF : Embrapa
Informação Tecnológica, 2009.
44 p. : il. - (Coleção Agroindústria Familiar).

ISBN 978-85-7383-473-4

1. Algodão. 2. Produção. 3. Armazenamento. I. Sofiatti, Valdinei. II. Cartaxo, Waltemilton Vieira. III. Barbo-
sa, Virginia de Souza Columbiano. IV. Wanderley, Maurício José Rivero. V. Embrapa Algodão. VI. Coleção

CDD 633.51
© Embrapa 2009
Autores

Odilon Reny Ribeiro Ferreira da Silva


Engenheiro agrícola, doutor em
Mecanização Agrícola, pesquisador
da Embrapa Algodão, Campina Grande, PB
odilon@cnpa.embrapa.br

Valdinei Sofiatti
Engenheiro-agrônomo, doutor em
Fitotecnia, pesquisador da Embrapa
Algodão, Campina Grande, PB
vsofiatti@cnpa.embrapa.br

Waltemilton Vieira Cartaxo


Administrador, especialista em Marketing
para Gestão Empresarial, analista da
Embrapa Algodão, Campina Grande, PB
cartaxo@cnpa.embrapa.br

Virginia de Souza Columbiano Barbosa


Zootecnista, mestre em Genética e
Melhoramento, analista da Embrapa
Algodão, Campina Grande, PB
virginia@cnpa.embrapa.br
Maurício José Rivero Wanderley
Economista rural, analista da Embrapa
Algodão, Campina Grande, PB
mauricio@cnpa.embrapa.br
Apresentação

Por sua participação na cadeia produtiva e pelas ligações que mantém


com os demais setores da economia, a agroindústria é um segmento
de elevada importância econômica para o País.
Engajada nessa meta, a Embrapa Informação Tecnológica lançou a
Coleção Agroindústria Familiar, em forma de manual, cuja finalidade
é proporcionar, ao micro e ao pequeno produtor ou empresário
rural, conhecimentos sobre o processamento industrial de algumas
matérias-primas, como leite, frutas, hortaliças, cereais e legumino-
sas, visando à redução de custos, ao aumento da produtividade e
à garantia de qualidade quanto aos aspectos higiênicos e sanitários
assegurados pelas boas práticas de fabricação (BPF).
Em linguagem prática e adequada ao público-alvo, cada manual desta
coleção apresenta um tema específico, cujo conteúdo é embasado
na gestão e inovação tecnológica. Com isso, espera-se ajudar o seg-
mento em questão a planejar a implementação de sua agroindústria,
utilizando, da melhor forma possível, os recursos de que dispõe.

Pedro Antonio Arraes Pereira


Diretor-Presidente da Embrapa
Sumário

Introdução............................................................9

Definição do produto........................................13

Etapas do processo de produção....................15

Colheita............................................................16

Secagem...........................................................17

Transporte........................................................17

Armazenamento do algodão em caroço..........18

Limpeza............................................................18

Descaroçamento..............................................22

Prensagem e enfardamento.............................23

Armazenamento do algodão em pluma...........25

Equipamentos e utensílios...............................27

Planta baixa da agroindústria.........................29


Higienização do ambiente,
de equipamentos e de utensílios....................33

Boas práticas de processamento (BPP)........35

Instalações........................................................35

Pessoal..............................................................37

Procedimentos.................................................38

Registros e controles........................................40

Desempenho e custo operacional....................41


Introdução

A cultura algodoeira é uma atividade agrícola de reconhecida impor-


tância socioeconômica, principalmente para o Nordeste brasileiro,
onde ela é executada por pequenos agricultores, que representam
uma maioria na região, constituindo-se numa importante fonte de
geração de emprego e de renda no campo.
É uma atividade secular, altamente importante para a agricultura
familiar, uma vez que, pelas condições climáticas da região, o algodão
é a principal opção fitotécnica, em razão de sua tolerância à seca
e pelo fato de possuir mercado potencialmente garantido, já que
o Nordeste é o segundo polo de consumo industrial de pluma do
Brasil, com quase 300 mil toneladas de pluma por ano. Portanto, os
agricultores têm tradição no que diz respeito à cultura. Além disso,
com as condições climáticas do Semiárido, produzem fibra de ex-
cepcional qualidade intrínseca.
Na maioria dos países produtores, o algodão é comercializado em
forma de pluma. No Brasil, em particular no Nordeste, a venda da
produção é feita na forma de algodão em caroço. Tradicionalmente,
os agricultores vendem seu algodão ao intermediário ou diretamente
à usina de descaroçamento ou às algodoeiras. Esse modelo de comer-
cialização retira do pequeno produtor de algodão a possibilidade de
agregar valor à sua produção, transferindo esses ganhos ao usineiro.

10
Com o objetivo de reverter esse quadro, a Embrapa Algodão, em
parceria com a empresa Máquinas Ariús, o Sebrae e o Banco do
Nordeste, desenvolveu uma miniusina de beneficiamento de algo-
dão, composta por um descaroçador de 50 serras e de uma prensa
hidráulica, para enfardamento da fibra em forma de fardos. Esses
equipamentos são de fácil operação além de adequados a asso-
ciações de pequenos agricultores ou cooperativas que produzem
algodão de forma associativa, em área de até 350 ha.
A miniusina de beneficiamento de algodão possibilita ao produtor
maior agregação de valor a sua produção, semelhante aos produtores
que utilizam alta tecnologia, pois a fibra é comercializada diretamente
com a indústria têxtil, enquanto o caroço poderá ser plantado na
próxima safra. Ademais, o excedente pode ser utilizado como ra-
ção animal para os ruminantes. São também outras vantagens do uso
da miniusina:
•  Baixo custo do investimento na aquisição dos equipamen-
tos e das instalações.
•  Produção de sementes de boa qualidade, o que resolve
em definitivo os problemas de falta de sementes para o
plantio no início do período chuvoso.
•  Uso do caroço na alimentação do rebanho local.
•  Geração de cinco empregos no manuseio da miniusina,
por um período de 4 meses.
•  Uso do “piolho”1 do algodão na alimentação dos rebanhos.
•  Incremento significativo no valor da produção em relação
ao sistema tradicional.
1
Piolho: pequenos entrelaçamentos de fibras de algodão de vários tamanhos, misturados aos caroços e aos
fragmentos de cascas e de outras substâncias eliminadas durante o descaroçamento.

11
Este manual tem como objetivo fornecer orientações básicas aos
produtores rurais, aos agricultores familiares, aos microempresários
da agroindústria e aos demais interessados, sobre o beneficiamento
do algodão em caroço para produção de algodão em pluma.

12
13
Definição
do produto

Algodão em pluma é o produto resultante do processo de benefi-


ciamento do algodão em caroço.
A operação, que corresponde ao beneficiamento do algodão,
ocorre antes da industrialização têxtil e consiste em separar a
fibra das sementes, por meio de processos mecânicos, em que se
retira o caroço, obtendo-se fibras limpas e prontas para a fiação.

14
15
Etapas do
processo de
produção

Figura1. Etapas do processo de produção do algodão em pluma.

16
Colheita
A colheita é uma operação importantíssima, pois a qualidade global
da pluma do algodão depende muito da maneira como essa etapa foi
realizada. Na agricultura familiar, a colheita é sempre feita manual-
mente e por etapas. A primeira colheita deve ocorrer quando 50%
a 60% dos frutos já se encontrarem abertos (capulhos). Devem ser
feitas tantas colheitas quantas forem necessárias e sempre em dia
ensolarado, uma vez que o algodão deve apresentar baixa umidade.
Para que a colheita seja de qualidade e para que se obtenha algodão
em caroço do tipo superior, além dos cuidados normais na condu-
ção da lavoura (estande adequado, adubação equilibrada, controle
das plantas daninhas e manejo das pragas), o produtor deve tomar
alguns cuidados, tais como:
•  Fazer a limpeza do campo antes da colheita, a fim de evitar
a aderência de plantas daninhas, como carrapicho e picão-
preto (Bidens pilosa L.), à fibra.
•  Realizar a colheita em dias secos.
•  Colher o produto com as duas mãos e colocá-lo no saco
de tecido de algodão, a fim de que não permaneça na mão
por muito tempo.
•  Não colher capulhos doentes ou praguejados, pois isso re-
duz o tipo do algodão.
•  Colher capulhos totalmente abertos.
•  Usar amarras de algodão, pois outros materiais, como juta,
sisal e plástico, prejudicam a qualidade do algodão.

17
•  Nunca usar sacos de polipropileno para colher o algodão.
•  Transportar, o quanto antes, o algodão colhido à usina de
beneficiamento.

Secagem
Nas regiões em que ocorrem chuvas no final do ciclo da cultura,
recomenda-se que, após a colheita, o algodão seja exposto ao sol
para melhor secagem, pois a umidade máxima permitida é de 12%
e a mínima, de 7%. Essa operação deve ser realizada em área limpa,
como um terreiro, que deve ser coberto por uma lona ou um pano
para não sujar o algodão.
Após a secagem, que deve durar entre 1 e 2 dias, o produto deve ser
colocado em sacos de algodão e com amarra de barbante de fibra de
algodão, e nunca de outro material. Não se deve compactar muito o
algodão no saco, pois isso pode prejudicar a qualidade da fibra.
A secagem do algodão em caroço é importante, pois, além de baixar
a umidade, melhora o grau de limpeza e realça a cor, além de pro-
mover maior eficiência no beneficiamento.

Transporte
Depois de atingir o nível de umidade adequada, o algodão deve ser
acondicionado em saco de tecido de algodão e deve ser transpor-
tado no final do turno diário de trabalho, por meio de veículo de
tração animal, ou de reboque tratorizado, ou veículo utilitário. Caso
a umidade esteja acima de 12%, recomenda-se fazer a secagem ao
sol antes do seu armazenamento.

18
Armazenamento do algodão em caroço
A falta de cuidados durante os processos de colheita e de armaze-
namento do algodão em caroço propicia o aparecimento de maté-
rias estranhas, que o tornam sujo. Isso é indesejável para a indústria
têxtil.
A evidência de contaminantes dificulta e onera significativamente o
beneficiamento. Isso se reflete, muitas vezes, em deságio no preço
final do fardo, já que características importantes, como o com-
primento, a uniformidade e o índice de fibras curtas, podem ficar
comprometidas.
No Nordeste, após a colheita, é comum o agricultor colocar o
algodão em local de fácil acesso a animais (gatos, cachorros, aves,
etc.). Em virtude disso, o algodão pode ser contaminado por pelos
ou penas desses animais. Esses contaminantes não são eliminados
nem nos processos de limpeza do beneficiamento nem na indús-
tria têxtil; só são detectados no setor de acabamento. Esse tipo de
contaminação tem consequências graves, pois resulta em tecido
defeituoso, sem valor comercial. Portanto, o local de armazena-
mento deve ser seco, limpo, arejado e protegido contra o acesso
de animais e contra a umidade.
Nota: antes do armazenamento do algodão em caroço, a matéria-prima deve
ser pesada em balanças com capacitdade de, no mínimo, 200 kg.

Limpeza
A operação de limpeza do algodão para retirar as impurezas que
vieram do campo é de fundamental importância para que se obtenha
um produto de qualidade.

19
A miniusina (Figuras 2 e 3) tem como objetivo limpar e descaroçar
o algodão na própria unidade produtiva, que integra uma associação
ou uma cooperativa de produtores de base familiar.

Figura 2. Esquema de
funcionamento e percurso
do algodão no interior
da miniusina.

Legenda
1 - Caixa acumuladora de 6 - Cilindro de escova de 4 11 - Cilindro de 50 serras
algodão em rama taliscas de 11 3/4’’
2 - Moega alimentadora 7 - Cilindro Ruller 12 - Cilindro de escovas
3 - Cilindro de pino grande 8 - Cilindro de serrilhas 13 - Condensador
13’’ grande 12’’ 14 - Rosca transportadora
4 - Cilindro de pino peque- 9 - Cilindro de escovas de 8 de sementes
no 8’’ taliscas 15 - Saída dos piolhos
5 - Cilindro de serrilha de 10 - Rosca transportadora de 16 - Saída de ar do
7 1/2’’ impureza do limpador condensador

20
A B

Figura 3. Miniusina de 50 serras para o descaroçamento do algodão: (A) máquina


pronta para o trabalho; (B) detalhe da câmara de descaroçamento aberta.

Para efetuar o processo de limpeza, a miniusina descaroçadeira


consta dos seguintes componentes: a) depósito ou caixa acumula-
dora e moega de alimentação do algodão em caroço; b) dispositivo
de limpeza do algodão em caroço, composto de uma grelha e de
sete cilindros de diferentes diâmetros e velocidades, os quais são
dotados de pinos, serrilhas e escovas, cuja finalidade é desempelotar,
peneirar e retirar tanto as impurezas pesadas quanto as flutuantes,
que estão contidas no algodão a ser descaroçado.
O processo inicia-se com a partida do motor elétrico para o acio-
namento dos dispositivos do equipamento. Em seguida, inicia-se a

21
alimentação da caixa acumuladora, que deve ser feita de forma con-
tínua e uniforme (Figura 4).
Por meio de rotores da moega alimentadora, o algodão é conduzido
em fluxo contínuo aos dispositivos de limpeza, que são cilindros ou
rolos, os quais utilizam a força centrífuga e o atrito para a retirada
das impurezas grandes e pequenas.

Figura 4. Vista frontal


da miniusina: detalhe do
abastecimento, na parte
superior, e na lateral,
saco para coleta dos
resíduos da limpeza do
algodão em caroço.

22
Descaroçamento
Depois da limpeza, o algodão em caroço entra na câmara de des-
caroçamento e forma um cilindro compacto de massa de algodão,
onde as serras e as costelas separam a pluma dos caroços, os quais,
em seguida, caem na parte inferior dianteira da máquina, para serem
ensacados. A pluma é conduzida pelas serras ao cilindro de escovas,
que a impulsiona ao condensador cilíndrico. Este último trabalha em
baixa rotação para aglutinar a pluma em forma de manta, a qual deve
cair sobre um piso limpo, para evitar contaminação (Figura 5) e faci-
litar o transporte para a prensa hidráulica.

Figura 5. Parte traseira da


miniusina, onde é possível
visualizar a plataforma de
abastecimento e a saída da
fibra em forma de manta.

23
Para o processo de descaroçamento, a miniusina possui uma estrutura
que consta dos seguintes componentes: chapa de ferro para suportar
o eixo, que é dotado de 50 serras e de costelas que auxiliam a separar
a fibra do caroço; cilindro com escovas para retirar a fibra das serras;
condensador para aglutinar a fibra em forma de manta; motor elétrico
trifásico de 10 cv; polias, correias e chave interruptora.
Durante o processo de beneficiamento, podem surgir minúsculos
emaranhados fibrosos (ou neps), que se formam a partir da ruptura
da fibra quando ela é submetida aos esforços mecânicos caracterís-
ticos do beneficiamento.
Os descaroçadores de serras são os mais utilizados pelo produtor gra-
ças a sua alta capacidade operacional. A regulagem e a manutenção
do descaroçador são pontos vitais para que se evite a depreciação do
valor comercial da fibra.
O caroço – que é o subproduto resultante do beneficiamento do
algodão – pode ser aproveitado para a alimentação de ruminantes,
para a formação de bancos de sementes na agricultura familiar e para
a extração do óleo para a produção de produtos alimentares ou de
biodiesel.

Prensagem e enfardamento
A prensa hidráulica opera de acordo com o fluxo da produção do
descaroçador de 50 serras, no qual a pluma é conduzida de forma
manual para a caixa de armazenamento da prensa, que deve possuir
tela de pano de algodão para o envolvimento do fardo (Figura 6).
Quando a caixa estiver cheia, aciona-se o dispositivo de prensagem
para compactar a pluma (Figura 7). Essa operação de abastecimento

24
e de prensagem deve se repetir de 5 a 8 vezes, até que se obtenha
um fardo com altura lateral de aproximadamente 0,60 m e peso
entre 150 kg e 180 kg (Figura 8). Em seguida, abrem-se as duas
portas – a dianteira e a traseira – para que se proceda à amarração
do fardo com seis fios de arame, separados especificamente para
esse fim (Figura 9).

Figura 6. Abastecimento Figura 7. Detalhe da Figura 8. Prensa hidráulica


da prensa hidráulica, prensa hidráulica no com o fardo de algodão,
com a fibra de algodão momento em que ocorre pronto para ser amarrado.
colorido. o processo de prensagem
da fibra de algodão
colorido.

A retirada do fardo é feita por meio de duas correntes acionadas


pelo sistema hidráulico da prensa. A seguir, o fardo é conduzido
para uma balança para ser pesado, e, em seguida, é identificado,
seguindo as recomendações do Ministério da Agricultura, previs-
tas pela Instrução Normativa nº 632, de 5 de dezembro de 2002.
O produto recebe uma etiqueta com as informações necessárias
2
BRASIL. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 63, de 5 de dezembro de
2002. Aprova o regulamento técnico de identidade e de qualidade para a classificação do algodão em pluma.
Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 6 dez. 2002.

25
à fiscalização, à comercialização e ao controle de qualidade. Essas
informações são: número do fardo, peso, número do lote, local,
ano e comunidade produtora.
As operações com a miniusina envolvem aproximadamente cinco
pessoas: uma delas abastece o equipamento, enquanto outra auxi-
lia no abastecimento, o frenteiro acompanha o descaroçamento e
outras duas pessoas conduzem a pluma para a prensagem e para a
confecção dos fardos.

Figura 9. Detalhe do fardo de algodão, que pesa de


150 kg a 180 kg, envolto por uma tela de algodão e
amarrado por seis fios de arame.

Armazenamento do algodão em pluma


Antes de armazenados, os fardos devem ser pesados em uma ba-
lança com capacidade de, no mínimo, 200 kg.
Os fardos produzidos devem ser armazenados no galpão, em es-
paço isolado, arejado, isento de umidade e fora do alcance de
animais (Figura 10).

26
Figura 10. Fardos de algodão ar-
mazenados.

Para permitir fácil acesso a todas as faces das pilhas de fardos, re-
comenda-se uma largura de 4,5 m para os corredores centrais e de
1,5 m para os corredores de acesso. A distância entre os fardos e
as paredes do depósito deve ser de 1,3 m.
Os lotes de algodão devem ter no máximo 4 fardos por altura,
5 por largura e 12 por comprimento, totalizando 240 fardos por pilha,
com amarrações intermediárias, de modo a garantir a segurança das
pessoas que transitam entre as pilhas, evitando, assim, acidentes por
desmoronamento das faces da pilha.
Dependendo da condição do piso, faz-se necessário o uso de deter-
minados artifícios para que se tenha melhor acomodação dos fardos.
Deve-se, por exemplo, colocar os fardos sobre estrados de madeira,
a fim de evitar seu contato direto com o piso do depósito. Dessa
forma, caso ocorra infiltração d’água, o algodão não sofrerá depre-
ciação, o que causaria a fermentação e, eventualmente, o fenômeno
da cavitomia, em que a fibra poderá pegar fogo pela ação excessiva
de calor gerado pela fermentação.
Os fardos podem ser armazenados por tempo indeterminado, desde
que o ambiente seja mantido isento de agentes contaminantes e da
presença de umidade, como a água da chuva.

27
Equipamentos
e utensílios

•  Miniusina de limpeza e descaroçamento do algodão.


•  Prensa hidráulica.
•  Aparelho para medição da umidade do algodão.
•  Balanças com capacidade de pesagem de até 200 kg.
•  Sacos e cordas de algodão para embalar o algodão colhi-
do.
•  Panos de algodão para embalar os fardos de algodão em
pluma.
•  Arames apropriados para amarrar os fardos de algodão em
pluma.
•  Carro de armazém para cargas com capacidade de 200
kg.
•  Caixa de ferramentas com chaves diversas, tais como ali-
cate, martelo, serra, etc.

28
29
Planta baixa da
agroindústria

De acordo com a planta baixa do galpão para instalação da miniusina


(Figura 11), o recebimento do algodão em caroço será por meio
das tulhas, que são compartimentos de alvenaria onde os produ-
tores depositam o algodão de forma individualizada. Das tulhas,
o algodão em caroço é conduzido à miniusina para o beneficiamen-
to, quando se obtêm a fibra e o caroço. O caroço é ensacado, pe-
sado e depositado na lateral do galpão. A fibra é conduzida para a
prensa enfardadeira para que seja produzido o fardo, que deve ser
pesado e identificado com o nome da propriedade, a safra e a data.
Na Figura 12, apresentam-se cortes da planta baixa, que mostram
detalhes da instalação da miniusina, das tulhas e da fachada frontal
do galpão.

30
Figura 11. Planta
baixa da agroindústria
de algodão em pluma,
(em metros).

Legenda
A1 - Área de estocagem
A2 - Área de estocagem
B - Balança
P - Área de prensagem
Tn - Tulha

31
Figura 12. Planta em corte e fachada do galpão para instalação da miniusina (em metros).

32
33
Higienização do
ambiente, de
equipamentos
e de utensílios

As condições de higiene de uma agroindústria de beneficiamento


de algodão devem ser uma preocupação constante. É essencial fa-
zer a limpeza do ambiente e dos equipamentos diariamente, com
todo rigor, a cada jornada de trabalho.
Para se obter um produto final de qualidade, o ambiente deve ser
varrido para evitar contaminantes à fibra que será comercializada e
ao caroço (semente) que poderá ser plantado na próxima safra.
Ao final de cada turno de trabalho, deve-se fazer a limpeza dos
equipamentos, retirando-se o piolho e outras impurezas que ficam
por debaixo da máquina. Além disso, fazer uma inspeção rotineira
das serras e costelas para que não haja fibra aderida a elas.
Caso o beneficiamento do algodão seja para produção de semen-
tes, é necessário abrir o dispositivo de limpeza para verificar se
não há nenhum capulho de algodão retido entre os cilindros e,
se possível, usar jato de ar para esta limpeza. Também, deve-se
limpar toda a parte de baixo da máquina, especialmente o sem fim
condutor das sementes, para garantir que não haja nenhuma con-
taminação das sementes de algodão.

34
35
Boas práticas de
processamento (BPP)

A adoção de boas práticas de processamento (BPP) representa


uma importante ferramenta para o alcance de níveis adequados de
segurança no trabalho, o que contribui para a garantia da qualidade
do produto final.
Além de reduzirem os riscos, as BPP possibilitam um ambiente de
trabalho mais eficiente e otimizam todo o processo de produção.
Elas são necessárias para o controle de possíveis fontes de conta-
minação cruzada e para a garantia de que o produto vai atender às
especificações no que diz respeito à identificação e à qualidade.
Instalações
Projeto da agroindústria – A planta baixa da agroindústria deve
possibilitar um fluxo contínuo da produção, de forma que não haja
contato do algodão em pluma com o algodão em caroço.
O galpão que abriga a miniusina deve ter uma área entre 300 m2 e
450 m2, ou seja, tamanho suficiente para armazenamento do algo-
dão em caroço, dos fardos beneficiados e dos caroços obtidos.
O pé-direito do galpão deve ter 6 m de altura para facilitar as ati-
vidades na miniusina.

36
A prensa enfardadeira deve ficar próxima à parte traseira do des-
caroçador – a uma distância de aproximadamente 3 m –, a fim
de evitar grande deslocamento da pluma, que será conduzida por
duas pessoas.
O galpão deve ter uma correta instalação de extintores para sua
proteção em caso de incêndios.
Piso da área de processamento e de armazenamento – A pren-
sa é um equipamento pesado, por isso, o piso deve ser de alvenaria e
deve ter boa resistência. Além disso, é necessário que o piso da miniu-
sina possua aberturas que possibilitem tanto a condução e a recepção
de sementes, quanto a coleta dos resíduos do desfibramento e a saída
de ar para o ambiente externo.
Dependendo da condição do piso, é necessário adotar medidas
para melhor acomodação dos fardos e para manutenção do pro-
duto final. Caso o piso da área de armazenamento dos fardos não
seja impermeabilizado, é necessário colocar estrados de madeira
para evitar o contato direto dos fardos com o piso, pois a presença
de infiltração poderá causar danos ao algodão.
Instalações elétricas e iluminação – A energia elétrica deve ser
trifásica para acionamento da miniusina e da prensa enfardadeira.
A fim de prevenir incêndios, recomenda-se que o local destinado
ao armazenamento dos fardos de algodão não contenha qualquer
tipo de instalação elétrica: lâmpadas, tomadas, linha telefônica, etc.
Ademais, os depósitos devem possuir sistema de iluminação natural
que permita uma boa visibilidade.
Paredes e teto da área de processamento e de armazena-
mento – As paredes devem ser rebocadas e pintadas na cor bran-

37
ca e o teto deve conter aberturas para ventilação, desde que não
permita a entrada de água da chuva.
Ventilação – A área de processamento, bem como a de armaze-
namento, deve possuir uma área de ventilação na parte superior da
parede. Porém, essa área deve ser posicionada de maneira a não
favorecer a entrada de água da chuva no recinto. Ela também deve
ser telada para evitar a entrada de animais.
Esgotamento industrial – Os resíduos oriundos da limpeza do
algodão em caroço normalmente ocorrem em pequena quantida-
de e são constituídos de casquilhas, pedaços de ramos e folhas, que
devem ser conduzidos para fora do galpão por meio de uma calha
ou cano inclinado, ou recolhidos em sacos para posterior queima.
Os resíduos oriundos do descaroçamento, denominados de “pio-
lho”, devem ser misturados a outros ingredientes alimentares e
aproveitados na alimentação animal.
Pessoal
Capacitação dos funcionários para operação dos equipa-
mentos – O processo de manejo operacional da miniusina é muito
simples; no entanto, para evitar danos aos equipamentos e prevenir
acidentes graves, é imprescindível que os operadores sejam treina-
dos em serviço, pois existem dispositivos e manobras operacionais
que requerem atenção e treino dos operadores. A empresa fabri-
cante oferece treinamento básico para operadores da miniusina.
Treinamento dos funcionários para combate contra incên­-
dio – Os funcionários devem ser treinados periodicamente para o
caso de incêndios.
Conduta – Os funcionários não podem fumar, usar telefones ce-
lulares ou ter qualquer outra conduta que possa representar risco

38
de incêndio. Advertências proibitivas quanto ao tabagismo, ao uso
de telefone celular e ao risco de fogo devem ser distribuídas por
toda a usina.
Equipamentos de proteção individual (EPIs) – Os trabalhado-
res envolvidos no beneficiamento do algodão na miniusina devem
usar máscara antipó, óculos de proteção transparente e botas.

Procedimentos
Controle de estoque de matéria-prima – O estoque do algodão
em caroço deve ser claramente identificado (data, lote e quantida-
de), e seu armazenamento deve ser feito de forma que as qualidades
físicas do produto sejam mantidas. Além disso, é necessário fazer o
controle de umidade.
Controle de contaminação cruzada – Não deve haver cruza-
mento de matéria-prima com o produto finalizado, para que este
último não seja contaminado por impurezas, o que coloca em risco
todo o processamento realizado.
Estoque de produtos acabados – O armazenamento dos fardos
de algodão em pluma deve ser feito de modo contínuo, de acordo
com o fluxo do processo, adotando-se o sistema PEPS (primeiro
que entra, primeiro que sai).
Manutenção dos equipamentos – A manutenção da miniusina
e da prensa deve ser feita a cada 50 horas trabalhadas, mediante
lubrificação de mancais e de rolamentos, ajuste das serras, limpeza
do condensador, ajustes na tensão das correias e acerto no torque
de porcas e parafusos.

39
Quando serras e correias estiverem desgastadas, deverá ser feita sua
substituição. Dependendo da quantidade de impurezas e da umida-
de do algodão, as serras poderão se desgastar prematuramente.
Normalmente, as serras devem ser substituídas a cada duas safras,
se trabalharem 100 dias por safra. Em caso de substituição das ser-
ras, recomenda-se substituir todo o conjunto.
Enquanto a miniusina estiver em funcionamento, os operadores
deverão manter atenção redobrada sobre as partes móveis do
equipamento, especialmente no que diz respeito às correias, às
polias e à câmara de descaroçamento, onde se situam as serras.
A manutenção e a limpeza da miniusina só podem ser feitas quando
os equipamentos estiverem desligados.
Controle de pragas – O controle de pragas corresponde a todas
as medidas necessárias para evitar a presença de insetos, roedores
e pássaros no local da área de beneficiamento e de armazenamento
dos fardos de algodão em pluma.
Portas, janelas e ralos devem ser vedados corretamente (usar telas
e tampas de ralo do tipo “abre-fecha”), assim como condutores de
fios e de tubos. As telas de proteção das janelas devem ser de fácil
limpeza e conservação.
Remover, periodicamente, ninhos de pássaros que estejam nos ar-
redores da usina e vedar todos os espaços livres onde eles possam
se alojar. Evitar a presença de animais nas proximidades e no inte-
rior da usina.
Comercialização – A comercialização da produção de algodão em
pluma e em caroço ou em semente constitui uma das etapas mais

40
importantes da atividade algodoeira, pois é nela que se concretiza a
receita que vai contrapor-se aos custos de produção, bem como o
excedente que será destinado à manutenção da força de trabalho do
cotonicultor e de sua família. Por isso, recomenda-se fazer um estu-
do prévio da comercialização dos fardos com a indústria têxtil mais
próxima, e, ainda, efetuar um pré-contrato de compra e venda –
sistema novo na região, que beneficia diretamente os pequenos pro-
dutores e os usineiros.

Registros e controles
Qualquer que seja o porte da usina, a organização é fundamental
para o sucesso. Muitas vezes, registros e documentos adequados
de controle favorecem a resolução rápida de problemas.
Elaboração do Manual de BPP – É imprescindível que a usina
registre seu comprometimento com as BPP num manual próprio,
no qual todos os procedimentos de controle de cada etapa do pro-
cesso sejam especificados.
Descrição de procedimentos operacionais – É preciso descrever
todos os procedimentos necessários às atividades de beneficiamento
e de uso dos equipamentos. Um controle deficiente pode gerar pro-
blemas na qualidade final do produto.
Elaboração de registros e controles – Cada procedimento des-
crito gera uma ou mais planilhas de registros das variáveis de produ-
ção. Esses registros são importantes para que seja possível rastrear
o processamento a qualquer momento. Outras ocorrências, como
interrupções e modificações eventuais no processo, devem ser rigo-
rosamente documentadas.

41
Desempenho e custo operacional
Desempenho – A miniusina tem capacidade de beneficiar até
360 kg de algodão em caroço por hora, ou seja, 2.880 kg/dia em
8 horas de trabalho, recorrendo a uma turma de operadores. Essa
quantidade pode ser duplicada se o trabalho for realizado por duas tur-
mas, distribuídas em turnos sucessivos, somando, ao todo, 16 horas de
trabalho.
Considerando-se a produtividade do algodão no Nordeste brasi-
leiro, conclui-se que, se a jornada de trabalho for de 8 horas por
dia, durante um período de 4 meses, a miniusina terá capacidade
de beneficiar a produção de uma área equivalente a 350 ha. Mas,
se esse trabalho for efetuado por duas turmas de operadores, dis-
tribuídas em turnos sucessivos, essa produção será dobrada.

Custo operacional por dia de trabalho


•  Valor do investimento da miniusina: R$ 90.000,00
•  Cálculo do custo operacional/dia de trabalho
a) Manutenção
(0,10 x 90.000,00/120)= R$ 75,00
b) Depreciação
[90.000,00 – (10% de 90.000,00)] / (120 x 40) = R$ 16,90
c) Juros
{[90.000,00 + (10% de 90.000,00) / 2] x 0,06}/120= R$ 24,80
d) Alojamento
(90.000,00 x 0,01) / 120= R$ 7,50

42
e) Consumo de energia no beneficiamento
(Motor Trifásico 10 cv x 0,736 kW x 8 horas/dia de trabalho x
0,17541*) = R$ 10,30
*Coeficiente Rural da Companhia Elétrica da Borborema (Celb).

f) Consumo de energia na prensa hidráulica


(Motor Trifásico 15 cv x 0,736 kW x 8 horas/dia de trabalho x
0,17541/2) = R$ 7,75
g) Mão de obra
5 homens x R$ 15,00* = R$ 75,00
*Valor da diária.

h) Material
R$ 2,50/fardo (tela ou saco) + R$ 7,2/fardo (arame) x 8 fardos
de 150kg/dia= R$ 73,60

Custo operacional total por dia de trabalho =


(a + b + c + d + e + f + g + h) = R$ 290,85

Custo operacional para beneficiar 1 t de algodão em caroço


Custo operacional da miniusina por dia: (R$ 290,85)/capacidade
de beneficiamento da miniusina por dia (2.880 kg) x 1.000; ou (R$
290,85/ 2.880 kg x 1.000 kg)= R$ 101,00.

Custo operacional de beneficiamento de 1 t = R$ 101,00

43
Receita do produtor
Os baixos preços praticados pelo mercado comprador de algodão
em caroço no Brasil, em especial na Região Nordeste, que atual-
mente está em R$ 1,00/kg, tem sido um dos fatores para a não
retomada do cultivo dessa malvácea. Assim, são viáveis a imple-
mentação e o uso da miniusina nas comunidades organizadas, para
agregação de valor ao produto, conforme detalhado a seguir, em
três modalidades de comercialização.
Detalhamento da receita líquida por tonelada (1.000 kg) de algodão,
considerando-se um custo de produção de R$ 750,00 para cada to-
nelada produzida. No custo de produção, o componente mais im-
portante é a mão de obra da família, que, em média, chega a 80%.

Modalidade 1. Sistema tradicional: venda de algodão em


rama
Renda bruta
1.000 kg de algodão em caroço x R$ 1,00= R$ 1.000,00
Renda líquida
R$ 1.000,00 - R$ 750,00*= R$ 250,00/t
* Custo de produção/kg de algodão em rama

Modalidade 2. Sistema novo com o uso da miniusina:


venda da pluma e do caroço
Renda bruta
Venda pluma = 370 kg x R$ 3,00 = R$ 1.110,00

44
Venda do caroço = 620 kg x R$ 0,40= R$ 248,00
Total da renda bruta = R$ 1.358,00
Renda líquida
R$ 1.358,00 - R$ 750,00* - R$ 101,00** = R$ 507,00 (80% > ST)
* Custo de produção de 1 t.

** Custo do beneficiamento de 1 t.

Modalidade 3. Sistema novo com o uso da miniusina: venda


da pluma e da semente para plantio
Renda bruta
Venda da pluma = 370 kg x R$ 3,00 = R$ 1.110,00
Venda da semente = 620 kg x R$ 2,50 = R$ 1.550,00
Total da renda bruta = R$ 2.660,00
Renda líquida
R$ 2.660,00 - R$ 750,00* - R$ 101,00** = R$ 1.809,00 (624> ST)
* Custo de produção de 1 t.
** Custo de beneficiamento de 1 t.

45
Coleção Agroindústria Familiar

Títulos lançados

Batata frita
Água de coco verde refrigerada
Hortaliças minimamente processadas
Polpa de fruta congelada
Queijo parmesão
Queijo prato
Queijo mussarela
Queijo minas frescal
Queijo coalho
Manga e melão desidratados
Bebida fermentada de soja
Hortaliças em conserva
Licor de frutas
Espumante de caju
Processamento de castanha de caju
Farinhas de mandioca seca e mista
Doce de frutas em calda
Processamento mínimo de frutas
Massa fresca tipo capelete congelada
Vinho tinto
Peixe defumado
Barra de cereal de caju
Geleia de cupuaçu
Açaí congelado
Suco de uva
Cajuína
Tofu
Aperitivo de soja
Palmito de pupunha in natura e em conserva
Castanha-do-brasil despeliculada e salgada
47
Impressão e acabamento
Embrapa Informação Tecnológica
O papel utilizado nesta publicação foi produzido conforme
a certificação da Bureau Veritas Quality International (BVQI) de Manejo Florestal.
50