Você está na página 1de 80

MICROBIOLOGI

A
E
MICOLOGIA

1
Índice
Índice....................................................................................................................................2
II. Pré-requisitos para o Curso ............................................................................................3
III. Carga horária..................................................................................................................4
IV. Material..........................................................................................................................5
V. Justificativa do Módulo...................................................................................................5
VI. Conteúdo........................................................................................................................5
6.1. Visão geral....................................................................................................................5
6.2. Sumário.........................................................................................................................6
6.3. Organização gráfica......................................................................................................9
VII. Objectivos gerais..........................................................................................................9
VIII. Objectivos específicos de aprendizagem....................................................................9
IX. Actividades de ensino e aprendizagem........................................................................10
X. Actividades de Aprendizagem......................................................................................20
XI. Lista compilada de todos os conceitos chave .............................................................66
XII. Lista compilada de leituras Obrigatórias....................................................................69
XIII. Lista Compilada de Recursos Electrónicos opcionais .............................................72
XIV. Lista compilada de páginas electrónicas importantes...............................................73
XV. Síntese do Módulo......................................................................................................76
XVI. Avaliação Sumarizada .............................................................................................77
XVII. Referências Bibliográficas.......................................................................................79
XVIII. Autores do Módulo................................................................................................80

2
I. Microbiologia e micologia
Por Prof. Jassiel Nyengani Zulu, Universidade da Zâmbia, Departamento de Ciências
Biológicas, Lusaka e Dr. Modest Diamond Varisanga, Universidade Aberta da Tanzania,
faculdade de Ciências, tecnologia e estudos ambientais.

Os três Campos da Microbiologia


http://www.ucmp.berkeley.edu/alllife/threedomains.html Acedido a
30/03/2007

II. Pré-requisitos para o Curso


Para ser admitido a este módulo, o estudante deve ter formação média aceitável ou
equivalência correspondente para frequentar a Universidade de Educação em Ciências
Biológicas. Excepções são aplicadas aos casos em que seja necessário um pré-exame, ou
para professores de biologia em exercício. Conhecimentos básicos sobre a estrutura e
funcionamento de diferentes tipos de células serão necessários para perceber os conceitos
que fazem parte do módulo.

3
III. Carga horária
Serão necessárias 120 horas para completar este módulo, 80 horas para assuntos
relacionados às Bactérias, Vírus e Protozoários e 40 horas para Micologia.

4
IV. Material
Consulta do material alistado abaixo, pois é necessário para facilitar o estudo do módulo:
• Material impresso e electrónico, incluindo CDs, CDROMS relevantes, vídeos e outro
material de aprendizagem relevante;
• Referências de livros relevantes;
•Equipamento de laboratório como: microscópio, autoclave, forno, incubadoras (várias
temperaturas), placas de petri, meios de cultura para fungos e bactérias, manual de
identificação e outro equipamento de laboratório para microbiologia;
• Condições para visitas de campo/aulas práticas.

V. Justificativa do Módulo
Este módulo fornece ao estudante, conhecimentos básicos da diversidade de micro
organismos. Estes são: bactérias, vírus, protozoários e fungos. Sua biologia e importância
económica no meio ambiente são discutidas em detalhe. Os aspectos teóricos do módulo
serão complementados por exercícios laboratoriais de modo a ilustrar os princípios e os
conceitos do assunto em discussão. Os conhecimentos adquiridos irão aumentar a
habilidade do professor em ensinar biologia no nível médio.

VI. Conteúdo

6.1. Visão geral

Este módulo dedica-se ao estudo de organismos invisíveis a olho nu, podendo apenas ser
observados ao microscópio. Estes organismos são chamados de microrganismos ou
comumente conhecidos como micróbios. A este grupo fazem parte as bactérias, vírus,
protozoários e fungos. Apesar dos vírus não serem organismos verdadeiros, eles serão
igualmente inclusos por questões de conveniência. Micologia que é a ciência que se
dedica ao estudo dos fungos, inclui alguns grupos como cogumelos que possuem
estruturas macroscópicas frutificantes que aparecem sazonalmente sobre a superfície. A
ciência que estuda os microorganismos chama-se microbiologia. O módulo começa com
um historial sobre microorganismos; sua descoberta e desenvolvimento de técnicas de
culturas estéreis, fala da diversidade dos microorganismos, suas principais características
biológicas e importância económica. Exemplo de técnicas laboratoriais referentes à
preparação de meio de cultura, isolamento, identificação, manutenção de meio de cultura,

5
medição de crescimento, técnicas de coloração e preservação são apresentados sempre
que for aplicável.

6.2. Sumário
Table 1: Module Coverage and Lecture Schedule

Isolamento, identificação, manutenção de meio de cultura, medição de crescimento,


técnicas de coloração e preservação são apresentados sempre que for aplicável.

Secção Subsecção Tópico Horas Prática


6.1. História da 3 Estudo individual.
microbiologia
6.2. Diversidade de 3 Comparar electro-micrografias
microorganismos e desenhar representativos
típicos para cada grupo.

6.3. Bactérias
6.3.1. Estruturas, 4 Estudar a estrutura de
característica e Escherichia
classificação. coli e examinar a classificação
cladograma.

6.3.2. Nutrição. 4 Preparar um meio de cultura


típico para bactérias.

6.3.3. Crescimento e 4 Estudar as formas de


Reprodução. crescimento dos diferentes
tipos de bactérias.

6.3.4. Genética. 6 Estudo individual.

Actividades laboratoriais.

6.3.5. Importância económica. 6 Influência das bactérias no


crescimento das plantas e no
Isolamento, leite.
identificação e técnicas
de cultivo.

6.4. Vírus
6.4.1. Estrutura e 3 Estudar o crescimento típico
características. dos vírus em forma de lambda.

6
6.4.2. Classificação. 4 Comparar a forma de
crescimento das diferentes
estruturas dos vírus.

6.4.3. Crescimento e 6 Visita de estudo a um


reprodução laboratório de virologia.

6.4.4. Importância económica. 6 Efeito no Homem (Sindroma


de Imunodeficiência no
Homem).

6.4.5. Técnicas de isolamento, 4 Visita de estudo ao laboratório


cultivo e identificação. da Universidade para
demonstrações.

6.5. Protozoários

6.5.1. Estrutura e 6 Figuras e vídeos comparativos.


características.
6.5.2. Classificação. 3 Examinar a classificação
cladograma.

6.5.3. Nutrição. 4 Exemplos de parasitas da


malária.

6.5.4. Crescimento e 6 Ciclo de vida do parasita da


reprodução. malária.

6.5.5. Técnicas de isolamento, 4 Visita de estudo a uma


cultivo e identificação. instituição de investigação para
demonstração de identificação.

6.5.6. Importância. 4 Exemplo de parasita da


malária.

Sub total de horas 80


6.6. Fungos
6.6.1. Estrutura e 6 Visita de estudo ao laboratório
características. da Universidade para observar
“slides”.

6.6.2. Classificação dos 6 Estudo de fotos e desenho de


fungos. vários tipos de fungos.

6.6.3. Identificação. 4 Visita de estudo aos institutos


de investigação para

7
demonstração da identificação.

6.6.4. Nutrição. 6 Estudar o efeito da deficiência


nutricional no crescimento dos
fungos.

6.6.5. Crescimento. 5 Assistir a um vídeo


demonstrando o crescimento
apical dos fungos.

6.6.6. Reprodução. 5 Figuras e desenhos das


estruturas reprodutivas.
6.6.7. Ecologia. 4 Visita de estudo a uma
industria de bebidas.

6.6.8. Técnicas de isolamento, 4 Assistir ao vídeo.


cultivo e identificação.

Sub total de horas 40

8
6.3. Organização gráfica

Organização esquemática dos tópicos contidos no módulo

VII. Objectivos gerais


Até o final deste módulo, o aluno deve ser capaz de:

VIII. Objectivos específicos de aprendizagem


Unidade 1: Bactérias
Até o final desta unidade, o aluno deve ser capaz de:

9
Placa de agar sólido com colónias de bactérias
http://en.wikipedia.org/wiki/Bacteria

Extraído a 30/03/2007.

Unidade 2: Vírus

Até o final desta unidade, o aluno deve ser capaz de:

Unidade 3: Protozoários

Até o final desta unidade, o aluno deve ser capaz de:

Unidade 4: Micologia

Até o final desta unidade, o aluno deve ser capaz de:

IX. Actividades de ensino e aprendizagem


9.1. Pré-avaliação

Microbiologia e Micologia

Justificativa: esta pré-avaliação pretende determinar a capacidade do estudante de


entender os conceitos contidos no módulo. Para além de avaliar o nível de conhecimento
do estudante na área de microbiologia e micologia, a avaliação também dirá se existe
uma necessidade de mais leitura antes do início do estudo do módulo.

10
Responda às perguntas que se seguem e compare as respostas com as que são
apresentadas no fim do exercício.

Perguntas:

http://en.wikipedia.org/wiki/Bacteria

• Descrever a biologia dos microorganismos em termos de estrutura e classificação,


formas de crescimento e reprodução incluindo as suas necessidades nutricionais;
• Alistar a importância económica dos microrganismos;
• Descrever as diferentes técnicas de isolamento, identificação e cultivo de
microorganismos;
• Aplicar os conhecimentos adquiridos neste curso no ensino de Ciências
Biológicas aos alunos do nível médio.

1. Descrever o processo de descoberta das bactérias;


2. Discutir o desenvolvimento de técnicas de cultivo;
3. Classificar as bactérias com base nas suas características;
4. Explicar as necessidades nutricionais das bactérias;
5. Discutir actividades metabólicas das bactérias;
6. Descrever as condições necessárias para um óptimo crescimento das bactérias;
7. Explicar a genética bacteriana;
8. Explicar a importância económica das bactérias;
9. Demonstrar as técnicas usadas para isolar e colorir as bactérias.
1. Descrever a estrutura básica dos vírus;
2. Comparar e diferenciar a estrutura dos vírus e das bactérias;
3. Alistar as características usadas na classificação dos vírus;
4. Alistar os grupos taxonómicos dos vírus;
5. Explicar o processo de reprodução dos vírus;
6. Implementar as técnicas biológicas tais como preparação primária das células para
o cultivo de vírus, métodos de contagem de vírus, e hemag-glutinação;
7. Discutir a importância económica dos vírus.

11
1. Classificar os protozoários de acordo com as suas características taxonómicas;
2. Discutir as necessidades nutricionais dos protozoários;
3. Discutir a fisiologia e o metabolismo dos protozoários;
4. Aplicar as técnicas de cultivo usadas para protozoários;
5. Explicar o impacto dos protozoários patogénicos aos humanos.
1. Classificar os fungos com base nas suas características;
2. Descrever a estrutura de uma hifa típica do fungo;
3. Discutir a forma de crescimento celular e miceliar dos fungos;
4. Explicar a principal forma de nutrição dos fungos;
5. Ilustrar os principais tipos de sistema reprodutivo dos fungos usando os seus
ciclos de vida;
6. Explicar os diferentes modos de nutrição dos fungos;
7. Explicar o metabolismo de carbono nos fungos;
8. Perceber as técnicas de preservação de cultura;
9. Comparar e diferenciar os fungos das bactérias;
10. Explicar a importância económica dos fungos.

1. As características comuns de muitos constituintes dos microrganismos no mundo


são:
a) Abundância;
b) Tamanho pequeno;
c) Importância económica;
d) Capacidade de provocar doenças.

2. As micrografias que se seguem ilustram a morfologia geral de uma colecção de


células bacterianas. A que grupos de organismos bacterianos pertence o organismo
que esta indicado pela seta?
a) Streptococus
b) Diplcocus
c) Streptococus
d) Cocus

a) Retrieved on 28th of March 2007.

3. Um antígeno é uma substância que:


a) É produzida por bactérias para afastar outros microorganismos.
b) Formam uma reacção complementar para a sobrevivência de bactérias.
c) Permite a produção de anticorpos específicos.
d) Bactéria usada para digerir outros organismos.

4. O individuo mais conhecido pelos seus trabalhos microscópicos em


microorganismos é:
a) Antony van Leeuwenhoek.
b) Louis Pasteur.
c) John Tyndall.
d) Darwin.

12
5. A técnica de coloração simples em bacteriologia é frequentemente usada para…
a) Diferenciar classes ou grupo de bactérias.
b) Determinar o tamanho, a forma e a estrutura das bactérias.
c) Demonstrar riquezas localizadas dentro das células hospedeiras.
d) Identificar bactérias causadoras de doenças.

6. O crescimento de microorganismos é medido através:


a) Do aumento do número de células na população.
b) A quantidade de calor/energia produzida pelos organismos na cultura.
c) Tipo de toxinas produzidas pelos microorganismos.
d) O tamanho das células na população.

7. Que características anatómicas apresentadas na electo- micrografia podem ser


usadas para classificar os organismos como procariotas?

http://en.wikipedia.org/wiki/Bacteria
Extraído a 28 de Março 2007.

A presença de:

a) Material nuclear não envolvido numa membrana.


b) Flagelo bem definido.
c) Parede celular.
d) Membrana plasmática

13
8. A “cultura de vírus” do vírus ou a parte final é a diluição na qual….do hospedeiro
inoculado são afectados ou mortos.
a) 100%
b) 80%
c) 50%
d) 10%

9. Nucleóides estão associados a:


a) Vírus.
b) Informação genética.
c) Procariotas.
d) Somente aos fungos.

10. As bactérias que obtêm a sua energia dos compostos inorgânicos contendo ferro,
nitrogénio ou enxofre e não da matéria orgânica morta são:
a) Quemolitróficas.
b) Heterotróficas.
c) Autotróficas.
d) Parasitas.

11. A presença de vírus na corrente sanguínea é denominada….


a) Tropismo celular.
b) Condição monocítica.
c) Viremia.
d) Contaminação viral.

12. Cada partícula de vírus, chama-se……quando está fora da sua célula hospedeira.
a) Virião.
b) Capside.
c) Fage.
d) Nucleóide

13. A forma do vírus é determinada pelo:


a) Nucleocapside que forma a sua cabeça.
b) Tipo de ácido nucléico presente.
c) Forma da proteína capside.
d) Número de ácidos nucléicos na célula.

14. Os procariotas têm importância medicinal porque:


a) Muitos causam doenças no homem.
b) Alguns são usados no fabrico de antibióticos.
c) Protistas estabelecem relação simbiótica com muitos organismos.
d) Alguns são usados no fabrico de sabão.

15. Um exemplo do filo Rhizopoda é:


a) Paramecium spp.

14
b) Amoeba proteus.
c) Plasmodium vivax.
d) Escherichia coli.

16. Qual das seguintes combinações esta errada?


a) Plasmodium vivax – malária.
b) Amoeba spp.– diarrhea.
c) AIDS – Giardia lamblia.
d) Escherichia coli – tuberculosis.

17. O filo Sarcomastigophora:


a) Consiste em parasitas intracelulares.
b) Inclui parasitas flagelados e amebóides.
c) É composto por parasitas ciliados.
d) Inclui apenas parasitas amebóides.

18. Qual das seguintes doenças é causada por zooflagelados?


a) Giardiasis, leishmaniasis, doença do sono.
b) Trichomoniasis, malária, lambliasis
c) Diarreia flagelada, embadomonas, leishmaniasis
d) Diarreia flagelada, lambliasis, leishmaniasis.

19. Os fungos são classificados de acordo com:


a) Tipo de conídeos produzidos.
b) Forma do micélio
c) Semelhanças morfológicas.
d) Similaridades na forma de crescimento.

20. Um grupo de fungos é denominado “fungos imperfeitos”. O que é que o termo


significa?
a) Fungos que não produzem zigósporo em todo o seu ciclo de vida.
b) Fungos nos quais a reprodução sexuada nunca foi observada.
c) Fungos causadores de doenças.
d) Fungos que possuem tanto reprodução assexuada como sexuada.

21. Observe atentamente o organismo crescendo sobre o tronco e responda às


questões que se seguem:
a) Ascomicete
b) Zigomicete
c) Basidiom,icete
d) Oomicete

22. A figura a seguir ilustra um pedaço de queijo com fungos chamados Penicillium
roquefori.

15
a) Fungos desempenham um papel importante no processamento de alimentos.
b) Alimentos infectados por fungos tornam-se não palatáveis.
c) Todo o alimento infectado por fungos vai ao lixo.
d) O queijo é facilmente infectado pelos fungos.

GUIA DE CORRECÇÃO
1. b) Tamanho pequeno
2. b) Streptococus
3. c) Permite a produção de anticorpos específicos
4. a) Antony van Leeuwenhoek
5. b) Determinar o tamanho, forma e estrutura das bactérias
6. a) O aumento do número de células na população
7. a) material nuclear não envolvido numa membrana
8. A “cultura de vírus” do vírus ou a parte final, é a diluição na qual 50% do
hospedeiro inoculado são afectados ou mortos.
9. b) informação genética.
10. c) autotróficas
11. c) viremia
12. a) vibrião
13. c) forma da proteína capside
14. a) muitos causam doenças no homem
15. b) Amoeba proteus
16. c) AIDS – Giardia lamblia.
17. b) inclui parasitas flagelados e ameboides.
18. a) giardiasis, leishmaniasis, doença do sono.
19. a) aspecto do seu ciclo sexuado
20. b) fungos nos quais a reprodução sexuada nunca foi observada.
21. c) Basidiomicete
22. a)Fungos desempenham um papel importante no processamento de alimentos tais
como queijo e iogurte.

1.1. Leitura: Deve ler as seguintes referências:

• Qualquer livro de Microbiologia incluindo os citados neste módulo.


1. Descoberta de microorganismos e microscópio.
2. Principais características para a classificação das bactérias.
3. Meios de cultura específicos para as bactérias.

16
4. Reprodução assexuada e sexuada das bactérias.
5. Genética bacteriana.
6. A importância das bactérias no meio ambiente, indústria alimentar e agricultura.

1.2. Práticas laboratoriais


1. Titulo: o titulo deve ser consistente. É o sumário do corpo do trabalho que inclui o
contexto da pesquisa.
2. Introdução: uma breve apresentação do assunto em estudo, sua importância e
justificação do estudo.
3. Objectivo (s): uma apresentação dos principais resultados do estudo.
4. Métodos: uma explicação dos detalhes de como os objectivos serão alcançados. Este
ponto é importante porque qualquer um, deve ser capaz de repetir a sua experiência,
usando a sua metodologia.
5. Resultados: os resultados são melhor apresentados em forma de figuras, tabelas e
gráficos ou diagramas. Estes devem ser acompanhados de um titulo curto e claro, e
uma descrição dos resultados.
6. Discussão: é uma oportunidade para interpretar os resultados com base nos objectivos.
Comparações e similaridades nos resultados com outras pesquisas publicadas são
discutidas e reconhecidas.
7. Conclusões: constatações são feitas para saber se os objectivos foram ou não
alcançados.
8. Recomendações: sugestões são feitas sobre necessidade de futuras pesquisas
provenientes de resultados não alcançados na pesquisa.
9. Referências bibliográficas: apresentação de todas as referências usadas no trabalho
usando o formato internacional.

1.3. Visitas de estudo/estudo individual


É importantes que tanto em grupo ou individualmente faça algumas visitas de estudo para
diferentes pontos de amostragem para o estudo de bactérias nos diferentes habitats
ecológicos. Planeie uma ou duas visitas às industrias que funcionem na base de remoção
de microorganismos do ambiente ou na inclusão de microorganismos na produção de
produtos alimentares. Os seguintes locais de trabalhos devem ser considerados com base
na proximidade da actividade industrial ou seu local de residência:

1. Escola de agricultura para fazer referência à importância de microorganismos no


processo de nitrificação dos solos (machamba de leguminosas) bem como as
propriedades patogénicas dos microorganismos na destruição das culturas de
rendimento (unidade de protecção de culturas).

2. Tratamento de áagua com plantas bem como tratamento de resíduos sólidos com
plantas para aprender como e que a água para beber é mantida sem microorganimos
(plantas purificadoras) e como é que água suja é despejada. Como exemplo leia, sobre
Deer Island Waste Water Treatment também conhecido como (Deer Island Waste
Water Treatment) implementado por Massachusetts Water Resources Authority at the
website http://en.wikipedia.org/wiki/Deer_Island_Waste_Water_Treatment_Plant;
consultado a 01/04/2007.

17
1.4. Exercicios:

Pergunta: Escreva um breve resumo (500-800 palavras) sobre a importância das


bactérias na medicina, agricultura e qualidade da água.

Pergunta: Descreva resumidamente os métodos de medição do crescimento bacteriano.

2.1. Leituras: Para esta actividade você tem que ler as seguintes referências:
2.2. Prática Laboratorial
2.3. Visitas de estudo/estudo individual
2.4. Exercícios:
2.5. Avaliação formativa
1.5. Exercícios

http://en.wikipedia.org/wiki/ungus
Extraído a 28/03/2007

O organismo representado na figura é….

http://en.wikipedia.org/wiki/Ascomycota
Extraído a 28/03/2007.

Qual é a mensagem que a figura transmite?

18
Microbiologia e micologia pré- avaliação

Esta pré- avaliação foi elaborada com base nos conteúdos do programa do nível médio.
Se a sua classificação foi igual ou abaixo de 60%, recomenda-se mais leituras de modo a
familiarizar-se mais com os conteúdos do presente módulo. Os endereços electrónicos
abaixo ajudarão a melhorar a sua percepção sobre os conceitos abordados no módulo.

19
X. Actividades de Aprendizagem
Título: Elementos de bacteriologia

Sumário das actividades de aprendizagem

Nesta actividade, aprenderá a história de microbiologia e apreciará a descoberta de


microorganismos, microscópio e a descoberta de técnicas de meio de cultura estéril. Os
microorganismos apresentam uma diversidade no que diz respeito à sua distribuição,
aparência, fisiologia, metabolismo e genética. A bacteriologia é uma ramo da
microbiologia, que estuda as bactérias e que pode ser classificada com base na sua
estrutura, metabolismo celular ou diferenças na química celular. Porém, a classificação
baseada nesses parâmetros tem limitações no uso visto que algumas dificuldades existem
para explicar se o agrupamento das bactérias é feito com base na espécie ou
especificidades dentro da mesma espécie. A forma mais fiável de classificar as bactérias
usa sistema molecular baseado nas técnicas genéticas. Como resultado desse trabalho os
microorganismos procariotas são taxonomicamente divididos em dois grupos chamados
Bactérias e Archaea, tendo evoluído do mesmo ancestral mas de forma independente.
Algumas características da bactérias tais como alto índice reprodutivo, habilidade de
colonizar habitats que apresentam condições ambientais extremas e a formação de
estruturas resistentes como endosporos, faz com que este grupo de organismos seja muito
bem sucedido. As bactérias usam flagelos para a locomoção, para tal elas precisam de
uma certa humidade. Algumas bactérias mutualísticas têm a capacidade de usar o ácido
butírico ou propiónico do meio libertando hidrogénio como um produto secundário que é
assimilado pela nas suas reacções metabólicas. Na ausência de Archaea o hidrogénio
acumular-se-ia no meio e as bactérias não sobreviveriam. O intestino humano contém
centenas de espécies de bactérias em associação simbiótica. A flora intestinal aumenta a
imunidade, contribui na produção de vitaminas, ajuda a converter as proteínas do leite em
acido láctico bem como a fermentação dos possíveis hidratos de carbono complexos
indigestíveis. Algumas bactérias do solo podem converter o nitrogénio atmosférico em
compostos nitrogenados que são facilmente absorvidos pelas plantas, que não tem a
capacidade de fixar o nitrogénio atmosférico. As bactérias também exibem o modo de
vida parasitário, quando provocam doenças ao Homem tais como febre tifóide,
tuberculose, etc, causando muitas mortes. Também causam doenças às plantas, resultando
em perdas de toneladas de culturas anuais na indústria agrícola. As bactérias têm sido
deliberadamente exploradas pelo Homem para muitos fins benéficos, apesar do facto de
poderem ser perigosas. Portanto, as bactérias tiveram e continuam tendo, um impacto
enorme na vida do planeta terra. Elas apresentam aspectos positivos mas também
negativos. Os conhecimentos adquiridos da literatura serão consolidados quando visitar
diferentes instituições e organizações que cultivam ou trabalham com microorganismos
tais como: plantas que tratam água, plantas que tratam lixo, centros de pesquisa, hospitais
e outros. Depois da visita de estudo deverá apresentar um relatório. Anote tudo o que

20
observar durante a visita e relacione a pratica com os aspectos teóricos da revisão da
literatura.

Conceitos chave
Bacteriologia: Ramo da microbiologia que se dedica ao estudo de bactérias.
Endosporos: Estrutura dormente muito resistente formada por um certo género de
bactérias Gram positivas tais como Bacillus, Clostridium, etc.
Plasmídeos: Pequeno fragmento de ADN encontrado nalgumas células bacterianas. As
vezes carregam genes para resistência a antibióticos.
Conjugação: Uma das recombinações genéticas, na qual uma bactéria passa o seu ADN
para outra através de um tubo que une temporariamente as suas células.
Quimiostato: Instrumento usado no cultivo contínuo de bactérias de modo a manter a
densidade da população bacteriana constante numa situação que é similar ao crescimento
bacteriano no ambiente natural.
Microscopia: Uma técnica que usa o microscópio ou outro instrumento para produzir
imagens visíveis de estruturas ou detalhes muito pequenos observáveis a olho nu.

Lista de referências relevantes para leitura


Alcamo, I. E. 2001. Fundamentals of Microbiology. 6th ed. Menlo Park, California:

Benjemin Cumming. Fundamentals of Microbiology. Sounders College Publishing, West


Washington Square, Philadelphia, PA 19105.

Frobisher, M., Hinsdill, R.D., Crabtree, K.T. and Goodheart, C.R.1974.

Nester, E.W., Anderson, D.G., Roberts (Jr), C.E., Pearsall, N.N. and Nester, M.T. 2001.
Microbiology: A Human Perspective. McGraw-Hill Companies, Inc.

Schopf, J.W. 1999. Cradle of Life: The Discovery of earth’s Earliest Fossils. Princeton
University Press, 367 p.

http://www.wikipendia.org/wiki/Microbiology

http://en.wikipendia.org/wiki/Bacteria

http://gsbs.utmb.edu/bacteria/bacteria.html

http://www.emc.maricopa.edu/faculty/farabee/BIOBK/BioBookDiversity 2.html

http://www.wikipendia.org/wiki/Microbiology

http://www.stlcc.cc.mo.us/fp/users/kkiser/History.page.htm

21
Lista de leitura opcional
Blake, L. et al. 2002. Biology 12. McGraw-Hill Ryerson Ltd.

Mader, S.S. 2004. Biology. McGraw-Hill Companies, Inc., 1221 Avenue of the
Americas, NY 10020.

http://www.cbs.dtu.dk/staff/dave/roanoke/genetics980309.html acedido a 06/04/2007.

Lista de páginas da internet importantes


http://www.slic2.wsu.edu:82/hurlbert/micro101/pages/101hmpg.html

http://www.ucmp.berkeley.edu/bacteria/bacterialh.html

http://en.wikipedia.org/wiki/Microscopy

http://en.wikipedia.org/wiki/Category:Laboratory_techniques

http://en.wikipedia.org/wiki/Category:Microbiology_techniques

http://en.wikipedia.org/wiki/Deer_Island_Waste_Water_Treatment_Plant

http:bact.wisc.edu/Microtextbook/index.php?module=Book&func=displayarticle
cle&a rt_id=25

Descrição detalhada das actividades de aprendizagem


Nesta actividade aprenderá que micro significa pequeno, e que biologia é o estudo de
coisas vivas. Logo, Microbiologia é o estudo de pequenas formas de vida que se chamam
microorganismos ou micróbios. Eles são tão pequenos que não são visíveis a olho nu. A
ciência de microbiologia começou com a invenção do microscópio de lente simples
desenhado por Antonie van Leeuwenhoek em 1676. A descoberta de condições de meio
de cultura estéril é resultado de trabalho de Robert Kock (1843 – 1910) que inventou
métodos de purificação de amostras de sangue e cultivou-os num meio de cultura
bacteriana puro. Kock juntamente com o seu assistente, inventaram a placa de petri que
foi nomeada em homenagem ao seu assistente Julius Richard Petri. A técnica de cultura
incluindo a técnica de esterilização usando calor que Kock recomendou como sendo a
forma de manter condições estéreis, contribuíram muito e positivamente para o estudo do
crescimento da microbiologia. Refere-se que Kock também é muito famoso pelo seu
postulado no qual diz que: para se afirmar que um organismo é causador de uma doença,
deve ser observado todas as vezes em que a doença é examinada; quando preparado e
mantido numa cultura pura, ele deve ser capaz de produzir a infecção original mesmo
depois de várias gerações de cultivo; e ser buscado de um animal ou cultura inoculada de
novo. Leia as referências electrónicas a seguir para obter mais detalhes acerca da história
da microbiologia e suas técnicas (http://en.wikipedia.org/wiki/Robert_Koch). O estudo da
microbiologia é vasto e envolve o estudo de muitos microorganismos incluindo bactérias,
vírus, protozoários, algas, fungos e parasitas multicelulares. Use a página electrónica a
seguir para aprender mais sobre a morfologia da bactéria

22
(http://en.wikipedia.org/wiki/Bacteria#Morphology#Morphology). As bactérias variam
tanto em tamanho como em forma. Suas dimensões variam de 0.5- 5,0 micrometros. As
formas podem ser alongadas (bacilus), esféricas (cocos) ou espirais (espirilos). A forma
alongada pode ser dividida em três sub-grupos. Vibriões (vibriões) são curvos com a
forma de uma virgula, outras são espiraladas quando apresentam a forma de espiral e
outras são espiroquetas (espiroquetas) quando são coloidais. No mesmo endereço
electrónico aprenderá que uma célula bacteriana típica possui um invólucro externo típico
que se chama cápsula seguido de uma parede celular. A seguir à parede celular encontra-
se a membrana plasmática que exerce uma pressão contra o citoplasma. O citoplasma
contém ribossomas, plasmidos e ácidos nucléicos na forma de ADN circular. A
característica distintiva das células eucariotas é que seu ácido nucléico não esta envolvido
numa membrana. As bactérias possuem um flagelo e uma pequena projecção chamada
cílio na superfície externa da célula. Estas estruturas garantem a locomoção do organismo
no seu meio. As bactérias não possuem muitos organelos encontrados nos eucariotas. O
transporte de electrões acontece ao longo da membrana celular entre o citoplasma e o
espaço periplasmático.

Bactérias apresentam uma larga Diagrama da estrutura celular de uma


diversidade morfológica célula bacteriana típica.

http://en.wikipedia.org/wiki/Bacteria Acedido a 19/03/08

O crescimento que consiste no aumento do número de células, resulta da divisão celular.


Uma célula bacteriana cresce até um tamanho óptimo e depois duplica-se pela fusão
binária. Esta forma de multiplicação pode ser referenciada como reprodução assexuada
da bactéria. Numa situação de condições óptimas de crescimento, elas podem apresentar
um crescimento exponencial. A informação genética bacteriana esta concentrada num
único cromossoma circular. Plasmídeo é um tipo extra de ADN cromossómico que pode
conter genes para resistência a antibióticos ou factores para virulência. As bactérias
movimentam-se de várias formas, podendo ser através de cílios ou flagelos. Bactérias
moveis podem ser atraídas ou repelidas por estímulos externos. Um exemplo disso é a
quimiotaxia, cujos detalhes podem ser encontrados na referência seguinte
(http://en.wikipedia.org/wiki/Chemotaxis).

23
O metabolismo nas bactérias é classificado com base no tipo de energia (fototróficas que
usam a luz através da fotossíntese ou quimiotróficas que usam substâncias químicas para
obter energia) usada no seu crescimento, tipo de fonte de carbono (heterotróficas ou
autotróficas) usada e tipo de dadores de electrões (litotróficas usam dador químico
enquanto que organotróficas usam compostos orgânicos como dadores) usados para o seu
crescimento. Leitura aprofundada pode ser feita acedendo o endereço electrónico;
http://en.wikipedia.org/wiki/Bacteria. As bactérias podem sobreviver à condições
ambientais adversas através da produção de endosporos. Elas possuem um revestimento
rígido e impermeável com citoplasma, que contem ADN e ribossomas no centro. Podem
permanecer dormentes durante milhões de anos antes de voltarem a eclodir
http://en.wikipedia.org/wiki/Bacteria) em condições ambientais favoráveis.

A importância económica das bactérias inclui tanto os aspectos positivos assim como os
negativos para a medicina, agricultura e estudos biológicos como engenharia genética.
Pode consultar o endereço electrónico seguinte (http://en.wikipedia.org/wiki/Bacteria)
para obter mais informações.

O estudo das bactérias requer um conhecimento e percepção de como elas crescem no


meio de cultura em condições laboratoriais, longe dos seus habitats. Para tal, é necessário
saber como se prepara o meio nutricional para a produção de diferentes fungos. Várias
investigações determinaram as necessidades nutricionais das bactérias, e esta informação
resultou no desenvolvimento de vários meios de cultura para o seu cultivo. O meio de
cultura (sólido ou líquido) comum para os microorganismos chama-se agar. Consulte a
página (http://en.wikipedia.org/wiki/Growth_medium) para detalhes sobre tipos de meios
de cultura para cultivo de bactérias.

24
http://en.wikipedia.org/wiki/Growth_medium
Acedido a 22/03/2008

Uma placa de agar é um exemplo de um meio de cultura para o cultivo de bactérias. A


placa de agar é uma placa com características típicas. As linhas e pontos cor de laranja
são colónias de crescimento de bactérias.

25
Diversidade morfológica das células bacterianas
http://en.wikipedia.org/wiki/Ascomycota
Acedido a 28/30/2007.

O estudo de bactérias requer um domínio da microscopia visto que a célula bacteriana


não é visível a olho nú. O microscópio amplia a imagem de modo que os detalhes sejam
visíveis. Por isso veja a seguinte página para mais informação
(http://en.wikipedia.org/wiki/Microscopy)

26
Actividade de aprendizagem nº 1

• http://www.emc.maricopa.edu/faculty/farabee/BIOBK/BioBookDiversity2.html
• http://en.wikipendia.org/wiki/Bacteria
• http://en.wikipedia.org/wiki/Microscopy
• http://en.wikipedia.org/wiki/Category:Laboratory_techniques
• http://en.wikipedia.org/wiki/Category:Microbiology_techniques
• http://en.wikipedia.org/wiki/Deer_Island_Waste_Water_Treatment_Plant
• Frobisher, M., Hinsdill, R. D., Crabtree, K. T. & Goodheart, C. R. 1974.
Fundamentals of Microbiology. Nonth Edition. Philadelphia: Saunders College
Publishing.

Estes livros dar-lhe-ão uma visão geral na perspectiva histórica e descobertas que
contribuíram para o estudo da microbiologia, morfologia bacteriana, classificação,
fisiologia e importância económica.

Faça um breve resumo de cerca de 100 palavras referente a cada ponto:

Habilidades práticas são obrigatórias neste módulo. Você deve participar nos exercícios
de práticas laboratoriais no laboratório central onde terá uma supervisão.

A parte prática do curso consistirá em exercícios que reflectirão a importância de


microorganismos no meio ambiente. Recorde-se que, apesar dos microorganismos
seleccionados para várias experiências não serem conhecidos como patogénicos, é
importante perceber que qualquer organismo deve ser manipulado com atenção porque o
seu potencial patogénico pode não ser ainda conhecido. Dai, ser importante que antes de
aprender as técnicas básicas necessárias para conduzir um ensaio no laboratório de
microbiologia, entenda algumas regras e regulamentos usados para garantir a segurança
no laboratório.

Vários exercícios laboratoriais podem ser realizados no laboratório. Estes incluem:


microscopia, técnicas de assepcia, distribuição bacteriana nos diferentes habitats, técnicas
de cultura pura usando meio de cultura selectiva, sementeira simples, coloração Gram,
etc. Para cuidados e uso de microscópio, pode visitar a página
(http://www.slic2.wsu.edu:82/hurlbert/micro101/pages/101lab1.html- Acedida a
18/04/2007) para obter mais informação. Veja abaixo um exemplo de exercício
laboratorial:

Título: Cultura de bactérias e suas características


Leve amostra de água, solo, comida podre e qualquer outro substrato de interesse. Estude
a diversidade morfológica das bactérias usando agar como um meio de cultura. Usando
diferentes técnicas de coloração para diferenciar as gram positivas das gram negativas.

27
Material: microscópio, lâminas, variedade de nutrientes, placas de cultura, incubadora,
pipetas pasteurizadas, Esguicho, álcool, autoclave, cabine de fluxo laminar, vara de
inoculação, amostras de lâminas, fonte de chama para esterilizar o material, bolas de
algodão, corantes, pano de cetim.

Procedimentos: os métodos para realizar as actividades devem ser aprendidos e incluem:


isolamento, purificação, identificação, coloração, e manutenção de cultura.

Relatório: Dependendo do tipo de actividade poderá ser necessário elaborar um relatório


quer seja para uma leitura específica, prática laboratorial ou visita de estudo. O
supervisor dará orientações referentes ao formato do relatório. Contudo, muitos relatórios
científicos seguem o seguinte formato:

28
Objetivos: Os objectivos das visitas de estudo são de estudar:
1. importância das bactérias na agricultura.
2. significado do tratamento de água para o consumo doméstico.
3. importância da gestão apropriada da água residual
4. efeito das bactérias patogénicas nas culturas de rendimento e nos derivados de leite.

Procedimento: dependerá também do objectivo da própria visita.

Relatório: Você será solicitado(a) a escrever um relatório de excursão. Os métodos


específicos empregues devem ser descritos sempre que possível. O seu relatório deve
seguir o mesmo formato de escrita de relatório, descrito na secção intitulada laboratório
prático.

Estrutura da resposta: No seu resumo, você pode começar por uma descrição sobre as
bactérias, sua distribuição no ambiente e uma discussão com exemplos sobre os efeitos
das bactérias na área da medicina, agricultura, e da engenharia genética.

Estrutura da resposta: Aqui pode ser necessário descrever os dois métodos principais:
métodos para a medição da massa celular (medição física do peso seco ou volume após a
centrifugação; medição química de componentes químicos como nitrogénio ou DNA;
medição indirecta da actividade química tal como a taxa de produção do dióxido carbono;
ou uso da densidade óptica). Os outros métodos são aqueles usados para a medida
número de células (contagens microscópicas directas; câmaras de contagem electrónica; e
contagens indirectas das células ou placas).

3. Pergunta: Explique, com ajuda de um diagrama, uma curva bacteriana típica do


crescimento.

Estrutura da resposta: Uma curva bacteriana típica do crescimento é representada pela


figura abaixo. Quando as bactérias são cultivadas num sistema fechado (chamado
também uma cultura massiva), elas exibem quase sempre a seguinte dinâmica de
crescimento:

Fase de retardação ou Lag (A) quando as células se ajustam inicialmente ao novo meio
até poderem começar a dividirem-se regularmente pelo processo de fusão binário, fase
exponencial (B) quando a população cresce logaritmicamente, fase estacionária (C)
quando o crescimento celular torna-se limitado pela presença de metabólitos secundários
e ou redução dos nutrientes no meio do crescimento e fase do declínio (D) quando as
células param de se dividir. Anote os parâmetros dos eixos de x e de y. O crescimento é
expresso como a mudança no número das células ao longo do tempo. O parâmetro que
manipulável no ensaio (variável) é colocado no eixo X enquanto que a consequência
dessa manipulação é apresentada no eixo Y.

29
Figura: Curva bacteriana típica do crescimento de uma cultura em massa

1.5. Avaliação formativa:


Resolva as perguntas que se seguem, que tem como objectivo testar a sua compreensão
nesta actividade de aprendizagem.

1. Dê uma descrição de cada um dos seguintes termos.


• Transcrição.
• Plasmideo.
• Biosegurança.
• Endosporo.
• Magnetossomas.
• Antibiótico.
• Fímbrias.
• Cílios

2. Escreva respostas resumidas de cada um dos seguintes pontos:


• Descrição de uma cultura pura.
• Descrição de uma placa.
• Explicação do significado da ampliação na biologia.
• Apresentação de pelo menos quatro exemplos da importância das bactérias aos seres
humanos?.
• Defição do quimiostato.
• O que são bactérias patogénicas?
• Explicação da técnica de coloração Gram
• Como é que as bactérias deterioram o alimento?

3. Classificar as bactérias na base de sua morfologia é extremamente difícil. Explique.

4. Descreva as formas morfológicas das bactérias.

30
5. Descreva os factores que influenciam o crescimento bacteriano.

6. Apresente a classificação das bactérias baseadas na morfologia e na coloração.

7. Explique porque é que as bactérias anaeróbicas são importantes à indústria de


enlatandos.

8. Diferencie:
• Mesófilo e termófilo.
• Preservação e pasteurização.
• Esporulação e germinação
• Meio selectivo e meio diferencial.

9. Descreva como é que você determinaria se uma bactéria é sensível a um antibiótico.

10. Explique o que ocorre durante cada uma das quatro fases do crescimento bacteriano.

31
Actividade de aprendizagem nº 2

Título da actividade de aprendizagem: O estudo dos vírus

Resumo da actividade de aprendizagem

Nesta actividade você aprenderá que os vírus são, evidentemente, muito menores no
tamanho do que a maioria das bactérias. Possuem características que são diferentes das
células bacterianas. Enquanto que as bactérias são organismos vivos, os vírus são agentes
ou as partículas não-vivas que podem infectar todas as formas de vida, incluindo
membranas das bactérias, arqueobactérias e dos Eucariotas. Diferentes vírus apresentam
diferentes formas. Alguns são isométricos ou curvos e outro são helicoidais. Os vírus
possuem o ácido ribonucléico (RNA) ou o ácido desoxyribonucléico (o DNA), mas
nunca ambos, facto que faz com que sejam referenciados como vírus do DNA ou do
RNA. A classificação dos vírus é baseada na estrutura genómica (RNA ou DNA), na
estrutura da partícula e a presença ou a ausência de um envelope viral. Nesta actividade,
você aprenderá sobre diferentes grupos taxonómicos dos vírus, seus métodos de cultivo,
técnicas de quantificação, sua reprodução e finalmente importância económica. Um
número variado de referências electrónicas é apresentado para a sua consulta. Todas elas
falam da estrutura e função dos vírus. Consulte o site que fala da importância dos vírus
para os seres humanos http://en.wikipedia.org/wiki/Virus para aprender mais sobre vírus.

Diferentes estruturas dos vírus

Desenho Micrografia electrónica

(a) Isométrica (adenovírus)

32
Desenho Micrografia electrónica

(b) Helicoidal (vírus do mosáico do tabaco)

http://images.google.com/images?
gbv=2&svnum=10&hl=en&sa=X&oi=spell&resnum=0&ct=result&cd=1&
q=tobacco+mosaic+virus&spell=1
Extraído a 14/04/2007

Desenho Micrografia electrónica

(c) Complexo (bacteriófago T4)


http://www.wikipedia.org/wiki/Virus≠Structure
Extraído a 14/04/2007

O Web site http://en.wikipedia.org/wiki/Capsid consultado a 02/04/2007 ilustra e


descreve com clareza os diferentes tipos de vírus. A secção introdutória da página Web
explica as características gerais dos vírus.

33
Visite o seguinte endereço que lhe fornecerá um livro ilustrado de vírus. Pode ser
acedido pelo http://www.virology.net/Big_Virology/BVFamilyGenome.HTML.

Conceitos chave

Bacteriófago: Os vírus que infecta as bactérias (“phago” significa “comer’).


Bacteriófagos foram estudados extensivamente desde que as bactérias por eles infectadas
passaram a ser facilmente cultivadas.

Virião: Uma partícula do vírus quando está fora da célula hospedeira e pode ser tanto
DNA ou RNA envolvido por uma tampa protectora chamada capsídeo.

Nucleocapsideo: O capsideo viral junto com o ácido nucleico que é embalado


firmemente dentro do revestimento da proteína.

Efeito Cytopathic: São as mudanças características na aparência das células observadas


na cultura do tecido quando são atacadas por vírus. É um dos métodos usados para
identificar vírus no cultivo de células.

Cultura de vírus: O cultura de vírus do vírus, é a diluição na qual 50% dos hospedeiros
inoculados são infectados (ID50, dose infecciosa) ou mortos (LD50, dose letal).

Hiperplasia: É a divisão celular excessiva ou o crescimento anormalmente de células


grandes, resultando na produção de áreas inchadas ou distorcidas do organismo.

Lista de leituras relevantes

Frobisher, M., Hinsdill, R.D., Crabtree, K.T., and Goodheart, C.R.1974. Fundamentals
of Microbiology. Sounders College Publishing, West Washington Square, Philadelphia,
PA 19105.

Nester, E.W., Anderson, D.G., Roberts (Jr), C.E., Pearsall, N.N., and Nester, M.T.
2001. Microbiology: A Human Perspective. McGraw-Hill Companies, Inc.

Radetsky, Peter. 1994. The Invisible Invaders: Viruses and the Scientists Who
Pursue Them. Backbay Books.

http://www.wikipedia.org/wiki/virus (Acessado a 01/04/2007).

34
http://www.virology.net/Big_Virology/BVHomePage.html -Book of Viruses. Acessado a
01/04/2007.

Lista de leituras opcionais


Blake, L. et al. 2002. Biology 12. McGraw-Hill Ryerson Ltd.
Mader, S.S. 2004. Biology. McGraw-Hill Companies, Inc., 1221 Avenue of the
Americas, NY 10020.

Lista de endereços electrónicos relevantes

http://www.wikipedia.org/wiki/virus
http://www.microbiologytext.com/index.php?module=Book&func=toc&book_id=4
http://www.virology.net/Big_Virology/BVHomePage.html

Descrição detalhada da actividade de aprendizagem


Nesta actividade, você aprenderá que os vírus foram um mistério aos cientistas tanto
recentemente como há 50 anos, e estudos em virulogia foram realizados usando os vírus
que infectam bactérias (conhecidos por bacteriófago ou fago). Vá a
http://en.wikipedia.org/wiki/Bacteriophages para aprender mais sobre bacteriófagos. De
acordo com este Web site (acedido no dia 2/4/2007) existe uma grande diversidade de
estruturas e funções dos fagos. Uma vez que os vírus são organismos não vivos, eles são
geralmente referenciados pelos organismos que eles infectam; e cada partícula viral,
geralmente chamada de virão, consiste de ácido nucléico (ADN ou ARN) envolvido por
um revestimento protector protéico, o capsídeo (veja http://en.wikipedia.org/wiki/Capsid
acessado a 2/4/2007). Os critérios de classificação mais usados para as viroses animais
são baseados em certas características: i) estrutura do genoma, ii) estrutura da partícula, e
iii) presença ou ausência do envólucro viral. Com base nestes critérios, as viroses animais
foram divididos em famílias, cujos nomes terminam em viridae (14 famílias de viroses
contendo RNA e 7 famílias de viroses contendo DNA). Outros agrupamentos não-
taxonómicos das viroses incluem; animais, planta ou viroses que infectam bactérias. Os
agrupamentos são baseados na via de transmissão (entérica, respiratória, sexual, etc.).

A principal dificuldade em estudar as viroses animais não consiste muito na purificação


dos viriões mas sim em obter células suficientes para infectar o hospedeiro. Alguns vírus
podem ser cultivados somente nos tecidos vivos dos animais. Outros podem ser
cultivados dentro dos ovos embrionários da galinha. Quando os vírus animais puderem
ser cultivados nas células animais isoladas, as células hospedeiras são cultivadas no
laboratório através de uma técnica chamada cultura de células ou cultura de tecido. O
método de placa de contagem é geralmente usado para determinar a quantidade de vírus
existentes numa amostra. Vários outros métodos podem ser usados para quantificar o
número dos viriões numa amostra. Estes incluem contagem dos viriões usando um
microscópio de electrónico, contagem quântica, e no caso de algumas viroses animais,
usa-se o método de hemaglutinação.

35
Os vírus são parasitas intracelulares obrigatórios, o que significa que, não podem
reproduzir ou expressar seus genes sem a ajuda de uma célula viva. O processo da
reprodução nos vírus é dividido em cinco estágios nomeadamente; ligação (absorção),
penetração, replicação, tradução e libertação.

Os vírus atacam às plantas e aos animais, causando uma enorme perda económica. Por
exemplo, a página http://en.wikipendia.org/wiki/PorcineReproductiveandRespiratory
vírus explica como é que o Sindroma Viral Porcine Reprodutivo e Respiratório
(PRRSV) causou perdas financeiras e económicas enormes nos EUA.

Existem várias possíveis consequências para uma célula que esteja infectada por vírus, e
isto pode determinar a patologia da doença causada pelo mesmo. Entretanto, os vírus são
usados também na produção das vacinas, como portadoras de genes usados na produção
de organismos geneticamente modificados, e outros estudos moleculares da célula.

Infecção de plantas pelo vírus pode


resultar em infecções como crescimento
retardado, distorção, mosaico nas folhas
ou amarelecimento.

http://images.google.com/images?gbv
Acedido a 14/04/2007

Actividades de aprendizagem

Gelderblom, H. R. (1996). Structure and Classification of Viruses in Medical


Microbiology 4th ed. Samuel Baron eds. The University of Texas Medical Branch at
Galveston
(veja referência: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/bv.fcgi?=mmed.chapter.2252)

Prescott, L. (1993). Microbiology, Wm. C. Brown Publishers.

Villarreal, Luis P. (2005). “Viruses and the Evolution of Life.” Washington, ASM Press.

http://en.wikipendia.org/wiki/Virus Wikipedia, the free encyclopaedia, acedido a


01/04/2007.

http://www-micro.msb.le.ac.uk/109/structure.html-University of Leicester online


notes. Virus Structure. Acedido a 01/04/2007.

http://www.virology.net/Big_Virology/BVHomePage.html -Big Book on Virus.


acedido a 01/04/2007.

36
http://en.wikipedia.org/wiki/Bacteriophages

http://en.wikipedia.org/wiki/Capsid

http://en.wikipedia.org/wiki/Porcine_Reproductive_and_Respiratory_Syndrome_Virus
http://en.wikipedia.org/wiki/Virus_classification.

As referências citadas acima fornecê-lo-ão uma vista geral do estudo dos vírus. A
literatura contém características gerais dos vírus, sua classificação, cultivo, reprodução e
importância econômica entre outros tópicos. Para avaliar as suas limitações sobre os
conceitos, faça um breve sumário sobre os seguintes tópicos:

• A estrutura dos vírus


• Classificação dos vírus e os critérios usados para a sua classificação
• Cultivo e diferentes técnicas; placa, contagem, quantal, e hemaglutinação
• Método da reprodução dos vírus
• A importância dos vírus para o ambiente

Título: Morfologia e classificação dos vírus

Neste exercício, você terá que observar diferentes preparações permanentes sobre
morfologia dos vírus. Faça uma visita a um laboratório de virologia onde você possa
examinar algumas amostras de plantas infectadas ou células cultivadas. Para mais
informações sobre a classificação de vírus vá a
http://en.wikipedia.org/wiki/Virus_classification. Esta página dá uma explicação
detalhada sobre a classificação dos vírus.

Materiais: microscópio, preparações permanentes, meios de cultura variados, placas de


petri, incubadora, mesa de limpeza e esterilização, pipetas de Pasteur de vários tamanhos,
preparações permanentes, plantas infectadas ou cultura de células.

Procedimento: Você examinará preparações permanentes ou amostras vivas (plantas


infectadas ou cultura de células)

Relatório: Como esboçado na actividade de aprendizagem nº 1.

Faça uma visita a uma machamba local (de preferência de tabaco ou mandioca) para
identificar plantas infectadas por vírus. Anote os sintomas observados e as condições nas
quais se desenvolvem. Visitas similares devem ser feitas a uma estação de pesquisa
(agronómica ou veterinária) que tenha um laboratório de virologia operacional.

Objectivo: Os objectivos da visita de estudo variarão de acordo com a situação, mas


serão principalmente para examinar os sintomas causados por vírus nas principais

37
culturas de rendimento, animais domésticos e anotar como se manifestam nos seus
hospedeiros.

Procedimento: Estes também dependerão do objectivo da visita. Contudo, será


importante organizar com um virulogista da estação de pesquisa o qual deverá arranjar
actividades demonstrativas relacionadas a alguns dos exercícios.

Relatório: Terá que escrever um relatório com base nas observações ou actividades
executadas durante a visita. Métodos específicos usados deverão ser detalhadamente
descritos sempre que necessário.

Como explicado na actividade de aprendizagem nº 1.

1. Pergunta: Com a ajuda de um diagrama, descreva a estrutura de um vírus.


Conteúdo da resposta: Sua resposta deve incluir:
• Tamanho, composição do ácido nucleico
• Forma (isométrica, helicoidal ou complexa, e a bainha/cauda se presente.
• Empacote das proteínas no nucleocapsideo e nos dispositivos acessórios.
• Comparação e diferenciação dos vírus providos e desprovidos do envólucro.

2. Pergunta: Descreva a classificação dos vírus.


Conteúdo da resposta: Nesta resposta é suposto você indicar:
• Critérios usados para a classificação dos vírus.
• O sufixo das principais famílias.
• Principais grupos de RNA e DNA de viroses que infectam os animais.
• Agrupamentos não-taxonómicos baseados na forma de transmissão, organismos
infectados e as doenças causadas.

3. Pergunta: Explique o estabelecimento da primeira célula no cultivo de vírus.


Conteúdo da resposta: Será necessário:
• Definir uma linha de célula primária.
• Apresentar materiais necessários para estabelecer uma linha da células em termos de
fonte, reagentes químicos, equipamentos e condições.
• Esboçar os procedimentos seguidos para a manutenção de tais linhas de células.

4. Pergunta: Os vírus patogénicos, exibem vários estágios durante a replicação que


determinam a natureza da doença que provocam. Descreva o que acontece em cada um
destes estágios.
Conteúdo da resposta: Primeiro deve conhecer os estágios, e depois deve descrever
cada um deles. Os estágios são;
• entrada
• replicação primária
• estágio de disseminação
• tropismo da célula ou do tecido
• respostas imunes do hospedeiro (replicação secundária, destruição directa da
célula/tecido) e

38
• resistência do hospedeiro em destruir o vírus.

Replicação dos vírus


O vírus liga-se à célula hospedeira e entra por endocitose. A cápsula protéica dissocia-se
e o RNA viral é transportado para o núcleo. No núcleo, os complexos polimerase virais
transcrevem e replicam o RNA. Os RNAs virais migram para o citoplasma onde são
tranduzidos em proteína.

http://en.wikipedia.org/wiki/Virus
Acedido a 9/4/2008

Teste-se respondendo às seguintes perguntas.


1. Faça um resumo sobre:
(a) Antígeno.
(b) Capsídeo.
(c) Lises.
(d) Attenuate.
(e) Bacteriófagos

2. Compare e distinga:
(a) RNA de uma amostra positiva e de uma amostra negativa.
(b) Infecções produtivas e abortivas.

39
(c) Virioides e prions.
(d) Infecções crónicas e latentes em termos de viriões

3. Para que um vírus se multiplique, deve obviamente ocorrer infecção celular.


Comente esta afirmação.

4. Esboce os estágios da replicação viral.

5. Descreva os métodos aplicados na esterilização e desinfecção dos vírus.

6. Descreva os critérios taxonómicos mais importantes usados na classificação viral.

7. Diga quais são as características de uma boa vacina.

8. Responda com brevidade a cada um dos itens que se seguem:


(a) Apresente o nome de pelo menos quatro tipos de DNA e RNA vírus, indique as
doenças que cada um deles causa.
(b) Indique as funções dos interferon.
(c) Discuta a classificação das infecções virais usando os resultados da resposta imune.

9. Comente sobre a importância agrícola dos vírus.


Os endereços electrónicos seguintes fornecem informação de vídeo importante que pode
ser acedida para ajudar a responder algumas das perguntas.
http://www.microbiologybytes.COM/vídeo/index.html (acedido a 02/04/2007).

40
Actividade de aprendizagem nº 3

Título da actividade de aprendizagem: Os Protozoários

Sumário da actividade de aprendizagem


Esta actividade de aprendizagem faz uma abordagem sobre um outro grupo de
microorganismos conhecidos como Protozoários. Nesta actividade, você irá classificá-los
assim como aprenderá a sua biologia, que incluirá a nutrição, respiração, o crescimento e
a reprodução, excreção e sua importância económica. Os Protozoários são organismos
unicelulares, que são geralmente encontrados na lama no fundo das lagoas e das valas. Os
constituintes da célula dos protozoários estão envolvidos por uma membrana fina. A
camada exterior é uma estrutura simples e chama-se ectoplasma e também possui um
endoplasma mais granular interno. O endoplasma contém os organelos similares àqueles
encontrados nalguns organismos superiores tais como um núcleo verdadeiro,
mitocôndria, aparelho do golgi, reticulo endoplasmático, ribossomas e vacúolos. Isto é
válido tanto para os parasitas como para as formas livres. Os protozoários parasitas
infectam tanto as plantas assim como aos animais a todos os níveis filogenéticos, e os
parasitas intracelulares podem ser encontrados em quase todos os tipos de células. Os
protozoários parasíticos são microparasitas por causa de seu tamanho pequeno. Eles
multiplicam-se dentro da célula do seu hospedeiro definitivo e geralmente causam
doenças agudas ou crónicas.

Estrutura geral duma célula eucariota


http://en.wikipedia.org/wiki/Eukaryotes
Acedido a 18/04/2007

41
Conceitos chave
Protozoologia: Um ramo da biologia, que se dedica ao estudo dos protozoários.

Pseudópodes: É uma estrutura complexa dos microtúbulos, microfilamentos e outros


organelos associados à membrana celular no protozoário flagelado e ciliado.

Hiperparasitismo (poliparasitismo): Uma situação em que um organismo que é parasita


é parasitado por um outro parasita (isto é, um parasita é parasitado).

Merogonia (esquizogonia): É um tipo de reprodução assexual que acontece no Filo


Apicomplexa na qual após a divisão nuclear, os núcleos individuais movem-se para a
periferia da célula e quando a divisão nuclear tiver terminado, a membrana citoplasmática
envolve cada núcleo e as células filhas separam-se da célula mãe.

Bradizóide: Um estágio no ciclo de vida dos protozoários da família Sarcocystidae


(formando coccidia). Este é o termo usado para descrever o merozóide que se forma
dentro do hospedeiro intermediário (e raramente dentro do hospedeiro definitivo). Este
estágio infeccioso raramente infecta novas células dentro do hospedeiro intermediário;
pelo contrário, é o estágio infeccioso para o hospedeiro definitivo.

Gametócito: O estágio no ciclo de vida de alguns protozoários (Apicomplexa) que


resulta na formação de gâmetas (macro ou micro).

Trofozóide: Um estágio do desenvolvimento nos protozoários em que o organismo é tido


como maduro, na forma vegetativa ou de alimentação activa.

Lista de leitura relevante


http://en.wikipedia.org/wiki/Protozoário
http://en.wikipedia.org/wiki/Flagellate
http://en.wikipedia.org/wiki/Amoeboid
http://en.wikipedia.org/wiki/Sporozoans
http://en.wikipedia.org/wiki/Malaria#Distribution_and_impact
http://en.wikipedia.org/wiki/Cryptosporidiosis
http://en.wikipedia.org/wiki/Coccidia
http://en.wikipedia.org/wiki/Cryptosporidiosis
http://en.wikipedia.org/wiki/Toxoplasmosis
Protozoário Intestinal de http://www.tulane.edu/~wiser/protozoology/notes/intes.html,
Acedido a 19/04/2007.

Frobisher, M., Hinsdill, R.D., Crabtree, K.T. e Goodheart, C.R.1974. Fundamentos do


Microbiology. Faculdade que publica, Washington ocidental dos Sounders
Quadrado, Filadélfia, PA 19105.
Nester, E.W. Anderson, D.G., Roberts (Jr.), C.E., Pearsall, N.N., e Nester, TA. 2001.
Microbiology: Um Perspective humano. McGraw-Monte Companhias, Inc.

42
Lista de leitura opcional
Blake, L. e outros. 2002. Biologia 12. Ryerson Ltd. do McGraw-Monte
Mader, S.S. 2004. Biologia. McGraw-Monte Companhias, Inc., avenida 1221 do
Americas, NY 10020.

Lista de páginas importantes


http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs094/en/

Descrição detalhada da actividade de aprendizagem


Nesta actividade você aprenderá que os protozoários, que pertencem ao Reino Protista,
constituem um grupo de células eucariotas. Têm um núcleo compartimentarizado assim
como os outros organelos também estão compartimentarizados como nos organismos
superiores. Os Protozoários são os organismos que foram tradicionalmente considerados
parte do mundo microbiano. Eles são organismos microscópicos, unicelulares sem
capacidade fotossintética, geralmente móveis pelo menos em algum estágio do seu ciclo
de vida, e geralmente reproduzem-se por divisão/fissão assexual. Os Protozoário possuem
estruturas especializadas para a locomoção como cílios, flagelos, ou pseudópodes. O
facto de serem organismos aquáticos faz com que a água, o oxigénio e outras moléculas
pequenas difundam-se facilmente para dentro da célula. Os protozoários alimentam-se
tanto por pinocitose (ingestão de líquido e formação de uma vesícula interna) como por
fagocitose (ingestão de partículas alimentares sólidas formando um vacúolo alimentar). A
pinocitose e a fagocitose são formas de obtenção de água e alimento. A classificação dos
protozoários mostra que eles não são um único grupo, mas que aparecem ao longo do
processo de evolução contínua; são chamados protozoários porque são os únicos
eucariotas que não possuem clorofila. Os Protozoário dividem-se em três filos
nomeadamente; Sarcomastigophora, Ciliophora e Apicomplexa. O Filo
Sarcomastigophora é dividido em dois subfilos, quais são Sarcodina ou protozoários
amebóide como Histolytica do Entamoeba, e Mastigophora ou protozoários
Kinetoplasta flagelados como Brucei de Trypanosoma. Ciliophora são os protozoários
ciliados como Balantidium coli e Apicomplexa são os protozoários que formam esporos
tais como falciparum do plasmodium.

Todos estes parasitas são intracelulares porque penetram a célula do hospedeiro excepto
os Ciliophora que vivem no lúmen do intestino grosso. A maior parte dos protozoários
são de vida livre e podem ser encontrados em ambientes marinhos, água doce, ou
ambiente terrestre. Na terra, os protozoários são abundantes em solos lamacentos do
fundo das lagoas e lagos bem como dentro ou fora das plantas e dos animais. Os habitats
especializados dos protozoários incluem os intestinos de térmites, baratas, ruminantes e
seres humanos. Existem muitas doenças causadas pelos protozoários para além daqueles
considerados importantes pela organização mundial da saúde (OMS) como malária,
doença do sono e doença de Chagas. Estes Protozoários são constituintes importantes da
cadeia alimentar (por exemplo, comem as bactérias e as algas que, por sua vez, são
usadas como alimento para muitas espécies). Os Protozoários ajudam a manter um
equilíbrio ecológico no solo alimentando várias bactérias e algas (uma simples paramecia
pode ingerir cerca de 5 milhões de bactérias num dia).

43
Outros protozoários são importantes no tratamento de esgotos porque a maioria dos
nutrientes por eles consumidos são metabolizados em dióxido de carbono e água, o que
resulta numa grande diminuição de partículas sólidos. Entretanto, algumas espécies são
parasitas vivendo dentro ou fora do hospedeiro. Os hospedeiros dos protozoários
parasitas, variam de organismos unicelulares como algas, aos vertebrados complexos,
incluindo os seres humanos. Todos os protozoários precisam de grande quantidade de
humidade para sobreviverem, independentemente do seu habitat. Usando a amiba como
exemplo, a actividade respiratória é principalmente por absorção do oxigénio da água
através de toda a superfície do ectoplasma. É a partir do ectoplasma que o oxigênio se
difunde para todas as partes da célula. A amiba vive em microorganismos como
fragmentos da matéria orgânica em degradação. O alimento encontra-se no chamados
vacúolos alimentares dentro do endoplasma. As amibas assimilam o alimento para o seu
crescimento no protoplasma. Quando atingem o estágio máximo de crescimento, o núcleo
da célula divide-se em dois, seguidos de uma clivagem citoplasmática num processo
chamado divisão binária. Neste processo de reprodução assexual resultam duas células
filha idênticas. Contudo, a reprodução sexual é também possível entre os protozoários
mas, esta é conseguida apenas por um processo chamado conjugação. Quando as
condições para o seu crescimento tornam-se adversas as células dobram-se e formam uma
camada protectora chamado cisto. A excrecção é feita através dum vacúolo contráctil que
cresça lentamente à medida que acumula os resíduos até que sejam descarregados ao
exterior através do ectoplasma. Um outro exemplo dos protozoários é o organismo
unicelular chamado paramecia.

Figura com a classificação abreviada dos protozoários parasitas

44
3.1. Actividades de aprendizagem

Leituras: Leia os seguintes livros e as páginas da internet seguintes


http://en.wikipedia.org/wiki/Protozoário
http://en.wikipedia.org/wiki/Flagellate
http://en.wikipedia.org/wiki/Amoeboid
http://en.wikipedia.org/wiki/Sporozoans
http://en.wikipedia.org/wiki/Coccidia
http://www.tulane.edu/~wiser/protozoology/notes/intes.html
Cox, F. E. G. 2001. Modern parasitology, Blackwell Science
Curd, C.R. 1992. Protozoa and the water industry. Cambridge University Press, MA.

Estas leituras fornecê-lo-ão uma vista geral da morfologia, classificação, reprodução,


ecologia e importância económica dos protozoários. Destas leituras, prepare seus resumos
sobre:

1. Classificação dos protozoários (apresente as características distintivas dos principais


filos: Sarcomastigophora, Ciliophora, Apicomplexa e Microspora).

2. Ecologia dos protozoários (Fale das formas parasíticas e livres usando exemplos
específicos para mostrar como é que meio ambiente garante a sua subsistência)

3. Crescimento e reprodução (tipos e ciclos de vida, de protozoários infecciosos e não


infecciosos).

4. Respiração (concentre-se na forma de obtenção de oxigénio dos organismos para


produzir energia)

5. Nutrição (preste atenção à forma de alimentação e às fontes de alimento)

6. Excreção (nota como as células libertam os resíduos ao ambiente)

7. Importância económica (especialmente na medicina, nos ecosistemas e no tratamento


de resíduos).

3.2. Práticas laboratoriais

Título: Diversidade e morfologia dos protozoários

Neste exercício você terá que examinar amostras diferentes (água, sangue, etc.) para
observar a diversidade dos protozoários e para aprender sobre a sua morfologia e ciclos
de vida.

Materiais: Microscópio, amostras, placas de Petri, lâminas de amostra e solução salina.

45
Procedimento: Para detectar a presença dos protozoários nos seres humanos e nos
animais domésticos você deve colectar amostras do sangue usando procedimentos
recomendados. Você examinará as diferentes lâminas ou as amostras reais que contêm os
protozoário. Faça as observações e compare com o que você leu das várias fontes
bibliográficas.

Para a prática microscópica, visite o seguinte endereço:


http://www.micro.magnet.fsu.edu/primer/virtual/virtual.html onde terá a oportunidade de
fazer um exercício virtual. Esta página electrónica explica que: “Esta tutoria interactiva
de Java explora o efeito de ampliação (equivalente a mudança de objectivas no
microscópio) da habilidade de melhorar características de uma amostra. Nós fornecemos
imagens do tamanho real da amostra de modo que os estudantes possam compreender os
aumentos dramáticos na ampliação das amostras que estão examinando. Cada ampliação
é acompanhada por uma descrição das características disponíveis nessa resolução.

Relatório: Como esboçado na actividade de aprendizagem nº 1.

3.3. Visitas de estudo/estudo individual


Faça uma visita a uma estação de pesquisa (agricultura ou animais domésticos), ou a uma
estação de tratamento de resíduos se possível.

Objetivo: Os objectivos da visita de estudo variarão de acordo com a finalidade.

Procedimento: Isto dependerá também do objectivo da própria visita.

Relatório: Você deverá escrever um relatório com base nos registos das observações
feitas durante a visita de estudo. Especifique os métodos usados sempre que possível.

Como explicado na actividade de aprendizagem nº 1.

Exemplos de exercícios:
1. Pergunta: Discuta a ecologia dos protozoários e explique o seu significado ecológico.

Estrutura da resposta: Sua resposta deve incluir o seguinte:


• Os Protozoário agem como produtores em ecossistemas de água doce e marinha. – Eles
são parte do plancton (Gr. plankt, vagueando), organismos flutuantes dentro da água e
que servem de alimento para organismos heterotróficos.
• Fazem parte das relações simbióticas que variam desde o parasitismo ao mutualismo (a
formação de recife coral é determinada pela presença de protistas simbióticos
fotossintetizantes que vivem nos tecidos dos animais coralinos).
• As águas poluídas geralmente possuem uma fauna de protozoários rica e característica.
A abundância e a diversidade relativa de protozoários pode ser usada como indicador
de polientes orgânicos e tóxicos (isto é. usados como indicadores da qualidade do
ambiente).
• Acredita-se que os protozoários simbióticos tais como os ciliados que habitam o rúmen
dos ruminantes sejam determinantes para a digestão da celulose.

46
• Os Protozoários são usados como objecto de estudo em vários projectos de pesquisa;
devido ao seu tamanho pequeno, curto tempo de multiplicação e facilidade de mantê-
los no laboratório.

2. Pergunta: A malária é uma das doenças mais importantes causadas pelos protozoários.
No Homem a malária é causada por um protozoário parasita do género Plasmodium. É
importante compreender o seu ciclo de vida, para uma estratégia eficaz de controlo.
Descreva o ciclo de vida de Plasmodium spp.

Estrutura da resposta: Veja as seguintes sugestões:


A) O ciclo de vida envolve dois estágios de desenvolvimento: um assexual, que acontece
dentro do corpo humano; o outro sexual que ocorre na fêmea de várias espécies do
mosquito do género Anófeles.

B) Ciclo no homem - o Plasmodium é introduzido através da saliva do mosquito durante


a picada.
• Os parasitas passam por um período curto de multiplicação em determinadas
células/tecidos no corpo, especialmente as células do fígado (isto é chamado de ciclo
exoerythrocítico ou preerythrocítico).
• O progene assexual incorpora os glóbulos vermelhos e cresce dentro deles (estágio
trophozóide).
• Os parasitas multiplicam-se assexualmente dentro dos glóbulos vermelhos, vários
segmentos pequenos.
• Os segmentos formados escapam-se para o sangue; cada segmento que é um parasita
activo é chamado de merozóide.
• Os Merozóides atacam outros eritrócitos e o processo de multiplicação repete-se (o
hospedeiro sente frio e febres característicos da malária).
• Após a passagem por diversos ciclos do desenvolvimento assexual, vários gametócitos
começam a aparecer no sangue do paciente (são maiores do que as formas assexuais).
• Os gametócitos não passam por nenhum estágio adicional de desenvolvimento nos
eritrócitos, e morrem se não passarem para o mosquito.

C) Ciclo no mosquito
• Quando o mosquito Anófeles pica uma pessoa que tenha gametócitos de malária
maduros no seu sangue, o estágio sexual do parasita começa.
• Após a fecundação da fêmea pelo gametócito masculino no estômago do mosquito, o
zigoto móvel invade as células do estômago do mosquito e lá se multiplica, formando
um saco (oócito) onde o parasita passa por estágios de desenvolvimento subsequentes
por fissão.
• O saco rompe-se, libertando vários novos parasitas que após se moverem durante alguns
dias (aproximadamente 12), alcançarão as glândulas salivares do mosquito das quais são
injectados no homem quando o insecto o pica.

3. Pergunta: apresente a classificação dos protozoários, indicando o tipo de doença


causado pelos géneros de cada filo e subfilo.

47
Estrutura da resposta: Sugestões:
• indique os critérios usados para classificar os protozoários.
• principais filos e subfilos:
• Filo: Sarcomastigophora - inclui dois subfilos nos quais se encontram muitos dos
protozoários causadores de doenças no homem.
• Subfilo: Mastigophora - inclui protozoários flagelados; na maior parte unicelulares que
tenham um ou mais flagelados nalgum estágio do seu ciclo de vida. Os flagelos são
usados para a locomoção e obtenção do alimento bem como receptores sensoriais. Os
mais importante Mastigophora causadores de doença são: Giardia lamblia, Leishmani
spp, Trichomonas vaginalis, Trypanosoma brucei rhodesience e Trypanosoma brucei
gambience.
• Subfilo: Sarcodina - mova-se por meio de pseudópodes; e muda de forma a medida que
se movem. por exemplo. Entamoeba histolytica.
• Ciliophora ou ciliados, incluem os organismos que têm cílios. Muitos deles são
organismos livres ou simbióticos como Balantidium coli.
• Filo: Apicomplexa causa algumas das doenças mais sérias provocadas pelos
protozoários nos seres humanos. A malária é causada por uma das quatro espécies do
Plasmodium e é transmitido pela fêmea do mosquito Anófeles. Os gatos são os
hospedeiros primários para Toxoplasma gondii, com os seres humanos servindo de
hospedeiros secundários. Um outro exemplo de Apicomplexa é Cryptosporidium
parvum, que causa uma doença diarreica conhecida como cryptosporidiose.
• Filo: Microspora inclui os protozoários intracelulares que infectam indivíduos imuno
deprimidos, especialmente pessoas com HIV.

3.5. Avaliação formativa


1. Descreva as características principais dos protozoários.

2. Compare e diferencie as várias formas de locomoção nos protozoários.

3. Diga o significado dos seguintes termos:


• Comensal
• Heterotrófico
• Citosqueleto
• Pseudópodes.
• Merozóide.
• Esquizogónio.

4. Diferencie o esporozóide do merozóide.

5. Que são as condições ambientais necessárias para a sobrevivência dos protozoários?

6. Esboce a patofisiologia do trichomoniase.

7. Descreva detalhadamente o ciclo de vida do Plasmodium no homem.

48
8. Esboce a classificação de protozoários clinicamente importantes, dando os nomes dos
géneros e das espécie assim como as doenças que causam.

9. Embora os protozoário sejam freqüentemente negligenciados, eles desempenham um


papel ecológico importante no meio ambiente de muitas comunidades. Comente.

10. Indique uma doença causada por cada um dos protozoários seguintes e diga como é
que elas são transmitidas aos seres humanos:
• Entamoeba histolytica.
• Acanthamoeba.
• Giardia lamblia.
• Trichomonas vaginalis.
• Trypanosoma brucei gambiens.
• Balantidium coli.
• Cryptosporidium.
• Plasmodium espécie.
• Toxoplasma gondii.

Actividade de aprendizagem nº 4

Título da actividade de aprendizagem: Micologia

Sumário da actividade de aprendizagem


Esta actividade de aprendizagem irá falar sobre as características gerais dos fungos,
estrutura e organização micelial, tipos de nutrição, reprodução, ecologia, classificação e
sua importância económica. Os fungos foram inicialmente classificados como plantas, e a
micologia que é o estudo dos fungos desenvolveu-se como um ramo da botânica.
Contudo, os fungos são agora referenciados como possuidores de características
específicas o que justifica a sua inclusão num reino separado chamado Myceteae. São
conhecidas mais de 60 000 espécies de fungos. Registos fósseis sugerem que os fungos
existem há 550 milhão anos e que podem ter evoluído mais cedo. Variam de minúsculo,
organismos unicelulares invisíveis a olho nú tal como os fermentadores, aqueles que têm
estruturas visíveis tais como cogumelos. Os fungos são primariamente classificados com
base no tipo de esporos e de corpos frutíferos produzidos, embora a biologia molecular
tenha começando um estágio central da sua taxonomia. Muitos mycologistas dividem o
reino Myceteae (os fungos) em cinco filos principais: o Chytridiomycota, Zygomycota
(fungo zigosporo), Ascomycota (fungos saco) e o Basidiomycota (fungos de clube). O
quinto filo chamado Deuteromycota (fungos imperfeitos) é usado por alguns
taxonomistas para os fungos que aparentemente se reproduzem somente pelos esporos
assexuais.

Os fungos são membros de um grande grupo de organismos eucariotas que


diferentemente das plantas e animais obtêm os nutrientes de uma fonte externa. A maior
parte dos fungos cresce sobre um substrato que pode ser solo, madeira, matéria orgânica
em decomposição, do qual absorve os nutrientes como heterotróficos, enquanto que

49
outros são parasitas obrigatórios obtendo nutrientes provenientes dos tecidos animais e
plantas. Os fungos são multinucleados, isto é uma célula pode conter dois ou mais
núcleos. Obtêm a sua energia através da respiração da mesma forma que as plantas e
animais superiores. A camada exterior da célula fúngica é uma parede composta por
quitina, seguido por uma membrana celular, por baixo da qual está o citoplasma que
contém todos os organelos que são encontrados numa célula animal. Os fungos
unicelulares multiplicam-se por fissão binário enquanto que os multicelulares
multiplicam-se pela extensão da hifa apical. O conjunto de hifas chama-se micélio. Os
Micélios libertam os seus metabólitos secundários para o ambiente através da membrana
da celular. Os fungos apresentam uma diversidade na forma de reprodução, uns
reproduzem-se exclusivamente pela forma assexual quando outros combinam a forma de
reprodução assexual e sexual. No entanto outros usam hormonas na forma de reprodução
sexual.

Os fungos são tanto benéficos como prejudiciais. Do ponto de vista ecológico, são
importantes como decompositores e recicladores de nutrientes num ecossistema.
Economicamente, os fungos são fonte de alimento, como é o caso dos cogumelos. São
também usados para dar diferentes sabores ao queijo. Os fungos são também importantes
para a indústria no fabrico de pão, bolos, cerveja e na medicina como fonte de
antibióticos. Nos últimos anos, os fungos tornaram-se um objecto de estudo intenso por
causa da sua aplicação biotecnológica nos processos relacionado à indústria, agricultura e
ecologia. Os fungos também são uma preocupação, porque promovem a perda de muitos
dólares através das perdas de culturas e animais como consequência das doenças por eles
causadas. No homem, a infecção fúngica faz parte de muitas doenças crónicas.

Os fungos ajudam a degradar a matéria orgânica morta (neste caso um tronco caído
inoperante de uma árvore) e contribui para a continuidade do ciclo dos nutrientes num
ecossistema.
http://www.ucmp.berkeley.edu/fungi/fungi.html
Acedido a 02/04/2007
50
Conceitos chave
Micologia: É o estudo dos fungos, e a pessoa que estuda os fungos chama-se micologista
ou micólogo.

Hifa: A hifa (plural hifas) é uma célula longa , filamentosa de um fungo, constituindo a
principal forma de crescimento vegetativo. A hifa consiste numa ou mais células cercadas
por uma parede de célula tubular. Na maioria dos fungos, as hifas são divididas em
compartimentos por uma parede interna.

Septo: Estes dividem as paredes transversalmente ao longo do comprimento da hifa.


Geralmente possuem uma abertura no centro chamada poro septal. É por esta razão que
se diza que as hifas possuem compartimentos e não células porque nenhum
compartimento possui um protoplasma individual.

Micélio: Ao conjunto de hifas de um fungo dá-se o nome de micélio.

Gametângio: O órgão de um fungo no qual os gâmetas são produzidos. Um gametângio


é uma estrutura haplóide e a formação dos gâmetas não é por meiose.

Fungos monóicos: Espécies de fungos que produzem órgão sexuais masculinos e


femininos no mesmo talo (hermaphrodite).

Talo: É o corpo de um organismo que não esteja diferenciado em raízes, caule e


folhas.

Dióicos: Fungos que produzem órgãos sexuais masculinos e femininos em talos


separados.

Heterokariose: Heterokariose (do grego heteros, significando outro e karyon,


significando semente) significa ter dois ou mais núcleos geneticamente diferentes dentro
do mesmo micélio fúngico. Os núcleos dentro do mesmo micélio podem diferir um do
outro tanto por acumulação das mutações como por fusão de hifas geneticamente
distintas. Isto pode resultar em indivíduos que tenham núcleos diferentes nas diferentes
partes do micélio.

Hifa dicariótica: A hifa que possui núcleos haplóides emparelhados.

Esporo: Um esporo é uma célula reprodutiva que se torna num novo organismo sem
necessidade de se fundir com uma outra célula reprodutiva. Os esporos que não estão
contidos numa cápsula são chamados de conídios.

Esporângio: É uma cápsula que produz esporos chamados esporangiósporos.

Asco: É uma cápsula que produz um tipo especial de esporos chamados ascosporos

51
Basídios: É uma cápsula que produz um tipo de esporos chamados basidiosporos

Lista de leituras relevantes


Alexopoulos, C. J. e C. W. Mims. 1996. Micologia introdutório, 4o Ed.b) J.W.

Diácono, J. W. 2005. Biologia Fungal (4o ed). Malden, miliampère: Publishers de


Blackwell.

Hawksworth, D.L. (1974): Manual de Mycologist. Kew: Reino Unido, TÁXI


internacional.

http://en.wikipedia.org/wiki/Fungus 02/04/2007
http://en.wikipedia.org/wiki/Ascomycota 02/04/2007
http://www.kcom.edu/faculty/chamberlain/Website/Lects/Fungi.htmLecturer
notes on Fungi. Acessado a 02/04/2007
http://pathmicro.med.sc.edu/micologia/myucology-1.htm. A book of Mycology.
Acedido a 02/04/2007

Lista de leituras opcionais


Blake, L. e outros., (2002): Biologia 12. Ryerson Ltd. do McGraw-Monte

Mader, S.S. Biologia 2004. McGraw-Monte Companhias, Inc., avenida 1221 do


Americas, NY 10020.

Lista de páginas importantes


http://micologia.cornell.edu/fteach.html
http://pathmicro.med.sc.edu/micologia/micologia-1.htm A book of Mycology.
Acedido a 02/04/2007

Descrição detalhada da actividade de aprendizagem

Classificação
O termo micologia provém da palavra grega myke que significa “cogumelo” e logos que
significa “estudo”. Consequentemente, micologia significa literalmente o estudo de
cogumelos. Entretanto, o termo é geralmente usado para referir-se ao estudo de um grupo
de organismos chamado fungos, cujo singular é fungo. Acredita-se que os fungos sejam
monofiléticos e que tenham derivado de uma alga que perdeu a sua habilidade
fotossintética. Entretanto, com a descoberta de técnicas moleculares para determinar
relações entre os organismos, descobriu-se que os fungos são compostos por grupo de
organismos polifiléticos e que nalguns casos não existe uma relação distante entre eles.
Como consequência, os fungos não são agrupados por possuírem uma relação próxima,
mas sim, por possuírem características comuns como se mostra abaixo. Whittaker (1969)
propôs um sistema de cinco reinos que é o actual sistema da classificação dos organismos
aceite. Este, põe os fungos no seu próprio reino separado. O reino Myceteae (fungos)
divide-se em Myxomycota, os fungos falsos e Eumycota, os fungos verdadeiros.

52
Abaixo está sumarizado o sistema de classificação mais recente baseado nas pesquisas
moleculares.

Filo Chytridiomycota: Os Chytridiomycetes são representados por um grupo primitivo de


fungos aquáticos que compreendem aproximadamente 800 espécies. Produzem gâmetas
móveis flageladas. A parede celular é basicamente composta por quitina. Este grupo foi
colocado nos Eumycota após ter se feito um estudo molecular do seu DNA. O filo
Chytridiomycota tem uma classe, a Chytridiomycetes composta pelas ordens;
Chytridiales e Blastocladiales. Filo Zygomycota: Os Zygomycetes são caracterizados
pela formação de esporos sexuais chamados zygosporos. São resultantes do cruzamento
entre dois núcleos haplóides e formam um zigoto diplóide. O zigoto passa imediatamente
por meioses formando células haplóides chamadas zygosporos. Neste filo existem duas
classes nomeadamente Trichomycetes e Zygomycetes. As espécies de Zygomycete
podem ser determinadas pelo tipo de zygosporo formado. Um exemplo de um
Zygomycete é o molde de pão, Rhizopus nigricans. Filo Ascomycota: Os ascomicetes são
chamados também de “fungos de saco”' porque os seus esporos sexuais, os ascosporos,
encontram-se num saco chamado asco. A formação dos ascosporos é similares à dos
zygosporos, a diferença é que os ascosporos formados por meiose encontram-se no asco.
Neurospora crassa é um ascomicetes que é muito usado nos estudos de genética. A
classe ascomicetes inclue as ordens unicelulares Saccharomycetales e
Schizosaccharomycetales. Os ascomicetes filamentosos incluem as ordens Eurotiales
cujos corpos frutíferos são cleistothecia, Sordariales e Xylariales cujos corpos frutíferos
são perithecia, Pezizales cujos corpos frutíferos são os apothecia e o Dothideales cujos
corpos frutíferos são ascostroma. Filo Basidiomycota: Os Basidiomycetes são chamados
“fungos de clube”. Os seus esporos sexuais, os basidiosporos, são formados numas
estruturas chamadas de basídios. Os Basidiomycetes incluem alguns dos fungos cuja
agregação das hifas formam estruturas visíveis a olho nu. Esses fungos são chamados de
cogumelos e fazem parte da ordem Agaricales. O grupo inclui a classe Teliomycetes, que
inclui os oxidantes e os Ustomycetes, que compõem as ferrugens. Filo Deuteromycota:
Este grupo dos fungos é também chamado de “fungos imperfeitos”. O estágio sexual
deste grupo de fungos ainda não foi descoberto. À medida que vai descobrindo o estágio
sexual de algum fungo, este é removido deste grupo para o Ascomycota. As ordens deste
grupo são: Moniliales cujos conídios formam-se no conidiósporos e são produzidos por
mycelium (Alternaria tenuis), Sphaeropsidales cujos conídios formam-se no
conidiósporos sendo produzidos por pycnidia (Phomopsis sp.), Melanconiales cujos
conídios formam-se no conidiósporos e são produzidos por acervuli (Pestalotia sp.),
Sterlia que produzem micélio estéril e consequentemente não há produção de conídios,
mas sim outras estruturas miceliais usadas para a propagação como o scelerotia
(Sclerotium sp.)

Líquenes e Micorrizas são exemplos de associações benéficas entre dois organismos


diferentes. Os líquenes são uma associação entre uma alga (autotrófica) com um fungo
(heterotrófico). A alga fornece ao fungo uma fonte de carbono enquanto que o fungo
fornece a alga nutrientes do substrato. O mesmo aplica-se à associação dos fungos com
raízes de plantas formando micoriza. O fungo fornece à planta os nutrientes minerais e a
recebe da planta uma fonte de carbono. Estas são associações mutualísticas.

53
Estrutura

Existem duas formas estruturais de fungos. Uma forma é unicelular e a outra é composta
por estruturas tubulares. As estruturas tubulares são conhecidas como hifas e o conjunto
delas forma o micélio. O micélio é a fase vegetativa do fungo que origina as estruturas
reprodutivas. Quer seja levedura ou um fungo filamentoso, os tipicamente constituídos
por uma parede celular externa porosa composta por quitina, ao contrário da parede da
célula das plantas que é composta por celulose. No interior da parede celular existe uma
membrana celular apresentando algumas pregas para aumentar a área para as trocas de
materiais. Estas estruturas são chamadas de lomassomas. A membrana da célula envolve
o citoplasma, que compõe os organelos celulares típicos de uma célula eucariota. Os
organelos são: um núcleo delimitado por uma membrana, aparelho de golgi, retículo
endoplasmático e vesículas. Existem dois tipos de hifas que se podem encontrar nos
diferentes grupos de fungos. As hifas dos fungos inferiores não possuem septos e nestas o
núcleo encontra-se num citoplasma contínuo. As hifas dos fungos superiores possuem
septo, que dividem o filamento tubular em compartimentos. Os septos possuem um poro
no centro através do qual o protoplasma flui livremente. Cada compartimento da hifa
contém um ou dois núcleos. Nos segmentos mais antigos caracterizam-se por possuírem
vacúolos.

Nutrição
Os fungos são aclorofilados, o que significa que não possuem clorofila que lhes permita
sintectizar o seu próprio alimento como as plantas. Os fungos dependem de outros
organismos para obter o carbono, logo são heterotróficos. Heterotróficos podem ser
sapróbios, simbióticos ou parasitas. Como saprófitos eles obtêm o carbono dos sub-
produtos de organismos ou de tecido de organismos em decomposição na forma de
orgânico- matéria. Quando forem simbióticos os fungos vivem geralmente em associação
com um outro organismo numa relação benéfica mútua. Este tipo de relacionamento
chama-se simbiose mutualística. Outros fungos são parasitas, estes obtêm o seu alimento
do protoplasma de um outro organismo chamado hospedeiro. Os fungos têm uma forma
comum de nutrição, que envolve a liberação de enzimas ao substrato no ambiente. O
substrato é digerido pela acção da enzima e a absorção é feita através dos poros da parede
celular e pela selectividade da membrana permeável. Vários tipos de enzimas são
produzidos dependendo do tipo de fungo e da complexidade do substrato. Para a digestão
de dissacarídeos, por exemplo, é necessário um tipo específico de enzima, enquanto que
para a degradação do amido nos seus monómeros constituintes são necessárias duas
enzimas e três diferentes enzimas são necessárias para degradar a celulose cristalina. Este
tipo de degradação que acontece fora da célula é chamado de digestão extracelular. Para
além de carbono, os fungos também precisam obter nutrientes minerais para suplementar
o seu metabolismo, assim como os organismos superiores que necessitam de nitrogénio,
potássio, fósforo, etc.

Respiração
Os fungos degradam as suas fontes do carbono para liberar energia para o metabolismo
na mitocôndria, assim como todas as células eucariotas fazem, seguindo as vias

54
metabólicas seguintes: glicólise, ciclo de krebs e a cadeia transportadora de electrões, que
são as principais vias de libertação de energia na célula.

Crescimento e desenvolvimento
Os fungos unicelulares multiplicam-se por fissão binário. Os fungos miceliares crescem
por extensão apical. O compartimento apical tem uma parede celular muito fina na ponta,
que permite a extensão do mesmo através da pressão de turgor no interior do citoplasma.
Após ter alcançado o volume máximo, o compartimento apical sofre divisões nucleares e
citoplasmáticas resultando em dois compartimentos.

Reprodução
Nos fungos, tanto a reprodução sexual como a assexual resulta na formação de esporos,
geralmente em estruturas específicas chamadas conidiósporos que por sua vez possuem
conídios ou esporângios, que contêm esporangiósporos, ou várias formas de corpos
frutíferos tais como asco, que carregam os ascosporos, ou um outro tipo de conídeos. As
formas de reprodução variam de acordo com tipo de fungo. Entretanto, a forma de
reprodução assexual é a mais comum nos fungos quer seja por fragmentação celular,
fissão binária ou gemulação. O outro método da reprodução nos fungos é parassexual.
Consulte os ciclos de vida dos fungos dos diferentes grupos taxonómicos no Web site
recomendado nas leituras obrigatórias para ver os diferentes métodos reprodutivos
existentes nos fungos.

Importância
Os fungos são importantes na indústria alimentar. Os cogumelos, que são estruturas
macroscópicas dos Basidiomycota são uma delícia alimentar em muitos países. Uma
variedade da espécie incluindo o Penicillium sp. é usada para dar sabor ao queijo. O
sabor do queijo dependerá da espécie de fungo nele inoculado. As leveduras são
importantes no fabrico de pão e bolos assim como no processo de fermentação de vinho e
da cerveja. Em sistemas ecológicos, os fungos são importantes na degradação da matéria
e resíduos orgânicos contribuindo deste modo na reciclagem de nutrientes e limpeza do
ecossistema. Eles também são importantes na pesquisa, porque podem reproduzir-se
rapidamente em curto espaço de tempo. A medicina beneficiou-se muito da exploração
do valor medicinal dos fungos. Por um lado é sabido que as micorizas possuem uma
associação mutualística com as plantas, na qual as plantas aumentam a sua capacidade de
absorção de fósforo enquanto que os fungos beneficiam-se do carbono fornecido pela
planta hospedeira. Por outro lado os fungos são uma preocupação na agricultura pelo
facto deles causarem doenças aos animais e as plantas que comprometem o lucro dos
fazendeiros. Muitos fungos causam uma variedade de doenças nas plantas, mas são
poucas as espécies que causam doenças aos animais e aos seres humanos, mas quando
isso acontece as doenças são persistentes.

Actividades de aprendizagem

4.1. Leituras: Leia os seguintes livros e páginas da internete sobre Micologia:

Alexopoulos, C. J. e C. W. Mims. 1996. Micologia introdutório, 4o Ed. Diácono,

55
J.W. 2005. Biologia Fungal (4o ed). Malden, miliampère: Blackwell Publihers.

Hawksworth, D.L. 1974. Manual de Mycologist. Kew: Reino Unido, TÁXI internacional.
8015iv.

http://en.wikipedia.org/wiki/Fungus
http://en.wikipedia.org/wiki/Ascomycota nilvi.
http://www.kcom.edu/faculty/chamberlain/Website/Lects/Fungi.htm Lecture notes on
Fungi. Acedido a (02/04/2007).
http://pathmicro.med.sc.edu/mycology/mycology-1.htm A book of Mycology. Acedido a
02/04/2007

A literatura acima dar-lhe-á informação sobre características, estrutura, nutrição,


reprodução e importância económica dos fungos. Depois de ler faça um resumo sobre:

1. Características gerais dos fungos

2. Estrutura, organização e crescimento micelial

3. Tipos de nutrição nos fungos (saprofitismo, parasitismo e simbiose)

4. Métodos de reprodução (assexual, sexual e parassexual)

5. As principais divisões dos fungos, seus ciclos de vida e tipos de esporos tais como
ascosporos, basidiosporos, zigosporos e os oosporos

6. Métodos de colecta, cultivo, preservação e de identificação dos fungos

7. Importância económica (doenças nas plantas e nos animais; valor nutricional- como
alimento, na medicina- como antibióticos, na fermentação- como decompositores, e na
pesquisa.

4.2. Práticas laboratoriais

Título: Diversidade e morfologia dos fungos.

Neste exercício você deverá observar diferentes amostras de espécimes de grupos


representativos de fungos

Objetivos:

No fim do exercício prático você deverá ser capaz de:


1. entender a diversidade dos fungos
2. compreender a biologia dos fungos
3. comparar os sub-grupos de fungos em termos de estruturas reprodutivas.

56
4. compreender a ecologia dos fungos.

Materiais: culturas de fungos pré-seleccionadas (placas de espécimes), microscópio,


lâminas e lamelas, espécimes de Saprolegnia spp., Rhizopu sp. ou Mucor sp., Candida sp.
Agaricus sp. e Phoma sp. Inclua lâminas de espécimes de liquenes e de micorizas.

Procedimento:
• examine os representantes dos fungos para identificar as características distintivas das
estruturas (por exemplo conidióforo, esporangióforo, picnídia, etc.)
• examine os cogumelos e identifique os basídios e os basidiósporos
• observe preparações permanentes de liquenes e de micorizas. Veja as associações entre
os dois organismos dissimilares que vivem juntos.

Relatório: Deve seguir o formato esboçado na actividade de aprendizagem no 1. No


relatório deverá apresentar os desenhos representativos dos espécimes observados e isto
pode ser incluído nos resultados do relatório.

4.3. Visita de estudo/estudo individual

Para alcançar os objectivos da actividade de aprendizagem, deverá organizar visitas de


estudo em grupo ou individual a diferentes instituições que trabalhem com culturas de
fungos, para aprender sobre as suas características morfológicas, vários grupos, e seu
habitat. Você precisa visitar instituições e organizações que trabalham com fungos (ex:
padarias, fábricas de cerveja, fábrica de lacticínios e centros de produção de vinho e
bioetanol) para perceber a sua importância biológica. Seu relatório deve incluir os nomes
dos fungos geralmente usados, os métodos usados para explorar os fungos e como é que
os inóculos são preservados. Para cada tecnologia, apresente o processo usado para
alcançar os resultados desejados. Relacione os resultados às fundamentações teóricas
exploradas durante a revisão da literatura.

Objectivo:
No fim da visita de estudo o estudante deve ser capaz de:

• Relacionar o conhecimento teórico às experiências práticas no campo.

Procedimento: Estes dependerão também do objectivo da visita

Relatório: Deverá escrever um relatório com base nas suas observações feitas no campo.
Apresente os métodos usados, sempre que possível.

4.4. Exercícios
Como explicado na actividade de aprendizagem nº 1.

Exemplos dos exercícios:

1. Pergunta: Discuta a importância económica dos fungos.

57
Estrutura da resposta: Responda tendo em conta os aspectos prejudiciais e os aspectos
benéficos dos fungos:

Aspectos prejudiciais:
• São causadores de doenças

• Candida albicans é uma levedura que ataca as membranas das mucosas causando
infecções na boca ou na vagina chamadas candidíases;

• O Dermatofitoses (tinha) é causado por grupos de fungos conhecidos como dematófitos


(por exemplo. Trichophyton rubrum, T. interdigitale e Epidermophyton floccosum).

• Aspergillus flavus, que dentre vários hospedeiros também crescem no amendoim,


produzem aflatoxinas, que danificam o fígado e que também são altamente
carcinogénicas.

• Doença de Elm holandês causada por Ceratocystis ulmi e transmitido por besouros

• Enrolamento da folha de milho, causado por Cochliobolus heterophus

• Oxidação do trigo, causada por Puccinia graminis destrói toneladas de trigo


anualmente.

• Uncinula necator é responsável pela doença mildew powdery, que ataca as videiras.

• Penicillium italicum promove o apodrecimento nas laranjas.

• Alguns fungos Penicillium e Rhizopus spp causam o apodrecimento de alimentos.

• Ergot (Claviceps purpurea) é uma grande ameaça aos seres humanos quando ele ataca o
trigo ou centeio e produz alcalóides altamente venenosos e carcinogênicos aos seres
humanos quando por ele consumidos.

• Fungos como Epidermophyton causam infecções da pele mas não são muito perigosos
para pessoas com sistema imunológico saudável. Contudo, se o sistema imunológico
não for saudável, eles podem ser uma ameaça à vida da pessoa. Por exemplo,
Pneumocystis jiroveci é responsável pelas infecções pulmonares que ocorrem nos
pacientes com SIDA.

Efeitos benéficos dos fungos


Benefícios:

• Os cogumelos são reconhecidos e usados como o alimento em muitas partes de mundo.


A Fermentação dos açúcares pelas leveduras é uma tecnologia muito antiga e também
muito aplicada. Vários tipos de leveduras são usados no fabrico de muitos alimentos:
produção de pão, fermentação da cerveja e do vinho, etc.

58
• Penicillium chrysogenum (anteriormente conhecido como Penicillium notafum), produz
um antibiótico, conhecido como penicilina, que foi um marco importante do Século, no
tratamento de doenças infecciosas de origem bacteriana.

• Tolypocladium niveum é um imuno-supressor que secreta o ciclosporina, uma droga


administrada durante o transplantev de órgãos para prevenir a rejeição; é também
prescrito para doenças auto-immune tais como a esclerose múltipla.

• As leveduras são o grupo mais usado na biologia genética e celular (ex: Neurospora
crassa). Alguns são usadas para produzir a insulina humana e a hormona de crescimento
bem como a vacina contra a hepatite B.

• Enzimas de Penicillium camemberti têm um papel importante no fabrico de queijos


(ex:. queijo Camembert e Brie) enquanto que Penicillium roqueforti participa no fabrico
de queijo do tipo Gorgonzola, Roquefort e stilton.

Exemplos de agentes causadores de doenças nas plantas, nos animais e nos seres
humanos:

(A) Septoria tritici é um fungo que cause estes sintomas numa planta de trigo
http://en.wikipedia.org/wiki/Image:Septoria-tritici.jpg
Acedido a 8/4/2008

59
(B) Entomophthora music é um fungo que cresce no corpo do insecto causando a sua
morte

Entomophthorales é uma ordem de fungos pertencente à classe Zygomycetes. Muitas


espécies de Entomophthorales são patógenas aos insectos. O nome Entomophthorales
provém do grego e significa destruidor de insectos (Gk: entomo=insecto,
phthor=destruidor)

http://en.wikipedia.org/wiki/Entomophthorales
Acedido a 8/4/2008

60
(C) Ringworm, também conhecida como “Tinha” é uma infecção da pele. É uma doença
causada por fungos parasitas (Dermatofitoses). Pode existir em qualquer lugar do corpo.

http://en.wikipedia.org/wiki/Ringworm
Acedido a 8/4/2008

61
Exemplos de alguns efeitos benéficos dos fungos

(A) Tanques de fermentação contendo leveduras usados no fabrico de cerveja


http://en.wikipedia.org/wiki/Image:Samadams2.jpg
Acedido a 19/04/2007

(B) Produtos de pastelaria:


http://en.wikipedia.org/wiki/Image:Baked_food.jpg
Acedido a 8/4/2008

Os Microorganisms que liberam o dióxido de carbono como parte de seu ciclo de vida
podem ser usados na fermentação. Diversas leveduras são usadas para o efeito,
62
particularmente a espécies Saccharomyces. As leveduras produzem outros produtos
(particularmente o etanol e alguns produtos de autólises) o que determina o sabor típico
do pão.

http://en.wikipedia.org/wiki/Leavening_agent#Biological_leaveners

2. Pergunta: Apresente as condições necessárias para o crescimento de fungos.

Estrutura da resposta: Considere os seguintes pontos na sua resposta:


• Os ambientes húmidos são preferidos com uma humidade relativa em excesso de 70%,
temperatura que varie entre -6oC a 50oC (sendo o óptimo entre 20-35oC). Alguns deles
podem habitar em ambientes de quedas de águas quentes.

• As condições do pH variam extremamente, de tão baixo quanto 2.2 a tão altos como 9.6
(o optimo é 5.0 ou menos).

• Estas condições são necessárias para o funcionamento óptimo das enzimas


extracelulares e absorção dos produtos da digestão.

• A maioria precisa de oxigénio e consequentemente são aeróbios, mas outros como as


leveduras são (vivem em condições extremas) anaeróbias facultativas, não precisam de
oxigénio e realizam a fermentação alcoólica.

3. Pergunta: Como é que os fungos causam doenças nos seres humanos?

Estrutura da resposta: Os fungos geralmente causam doenças nos seres humanos de


várias formas dependendo do organismo em questão:

• A reacção alérgica por inalar esporos de fungos ou células, causa doenças tais como
asma, que é uma doença do sistema respiratório causada por alergias com sintomas de
tosse, dificuldade respiratória repentina e um apertado no peito.

• como reacção à toxinas produzidas por algumas espécies dos fungos (algum produtos
tóxicos que são carcinogênicos, por exemplo. Aspergillus produz aflatoxinas).

• o crescimento dos fungos dentro do corpo humano causa doenças ou micoses


conhecidas como histoplasmose, que é uma doença severa dos pulmões causada pelo
fungo Histoplasma capsulatum; coccidioidomicose, uma doença respiratória dos seres
humanos e animais domésticos causada pela inalação dos esporos de um fungo chamado
Coccidioides immitis; e candidiase que é uma infecção causada por uma levedura
conhecida por Candida albicans.

• Os fungos causam doenças às plantas que destroem toneladas de produção por ano. A
falta de alimentos numa casa pode conduzir à má nutrição.

4. Pergunta: Discuta os diferentes tipos de relacionamentos simbióticas dos fungos com

63
outros organismos. Explique como é que estas relações são benéficas a cada um.

Estrutura da resposta:
Há dois tipos desses relacionamentos:

Líquenes
• Esta é uma associação dos fungos com organismos fotossintéticos tais como algas
ou cianobactérias.
• O fungo fornece a protecção e condições de crescimento ao outro organismo.
• O fungo fornece água e minerais ao organismo sócio.
• O organismo fotossintético fornece ao fungo nutrientes orgânicos como fonte do
carbono.

Micorizas
• Estas são associações entre fungos e raizes de determinadas plantas baseadas em efeitos
benéficos mútuos entre eles.
• Os fungos aumentam a área de absorção da raiz e um aumento na absorção do fósforo
inorgânico em solos pobres.
• Os fungos obtêm por sua vez os nutrientes orgânicos sintetizados pela planta.

Avaliação formativa
1. Faça um resumo sobre os pontos seguintes no que se refere a micologia.
(a) Parede celular quitinizada.
(a) Reprodução por gemulação.
(a) Parasexualismo.
(a) Heterokariose.

2. Descreva as características gerais de:


(a) leveduras
(b) fungos filamentosos.

3. Compare e diferencia a forma de nutrição entre:


(a) fungos e plantas
(b) fungos e animais

4. Descreva a estrutura e função de cada uma das seguintes partes de um fungo.


(a) Parte terminal da hifa.
(b) Talo.
(c) Rizóide.
(d) Conidióforo.

5. Compare e diferencie um ascocarpo de um Ascomycota e o basidiocarpo de um


Basidiomycota.

6. Explique como é que os seguintes esporos assexuais são produzidos.


(a) Conidio

64
(b) Esporangiósporos
(c) Picnidiósporos

7. Responda às questões abaixo.


(a) Descreva um líquen.
(b) Fale da associação micorriza.
(c) Explique a característica distintiva dos fungos imperfeitos
(d) Discuta o papel dos fungos num ecossistema.
(e) Compare e diferencie as raízes do micélio.

8. Esboce o ciclo de vida de Rhizopus sp.

9. Procura na Internet figuras de vários organismos que pertencem ao reino Fungi. Faça
uma breve descrição taxonómica da figura representante de cada organismo pertencente
aos seguintes grupos dos fungos.
(a) Chytridiomycota
(b) Zygomycota
(c) Ascomycota
(d) Basidiomycota
(e) Deuteromycota

10. Discuta o facto de os fungos serem benéficos e prejudiciais.

65
XI. Lista compilada de todos os conceitos chave
(Glossário)
ESPORÂNGIO: Uma cápsula constituída por dois filamentos fúngicos entrelaçados que
contêm esporangiósporos.

ASCO: Esta é uma cápsula que produz um tipo especial de esporos chamados ascosporos

BASÍDIOS: Esta é uma cápsula que produz um tipo especial de esporos chamados
basidiosporos.

TALO: é corpo de um organismo que não esteja diferenciado em raízes.

TÉCNICA ASSÉPTICA: Refere-se aos procedimentos usados para impedir.

BACTERIOLOGIA: Um ramo da microbiologia que se dedica ao estudo das bactérias.

BACTERIÓFAGO: São vírus que infectam as bactérias.

BRADIZÓIDE: Um estágio no ciclo de vida dos protozoários da família

QUIMIOSTATO: Um dispositivo usado no cultivo contínuo de bactérias para manter


uma densidade da população bacteriana constante; uma condição que muitas maneiras, se
assemelha ao crescimento bacteriano no ambiente natural.

CONJUGAÇÃO: Um tipo da reprodução de organismos unicelulares na célula que


passa o seu material genético (ADN) a outra através de um tubo de conjugação que une
temporariamente as duas células conjugadas. Contaminação de cultura estéril ou meio de
cultura, propaga microorganismos no ambiente.

EFEITO CITOPÁTICO: São as mudanças características na aparência das células que


se observam nas culturas de tecidos atacadas por vírus.

DICARIÓTICO: Um hifa que contenha núcleos haplóides emparelhados.

DIOECIOUS: Espécies de Fungo que produzem os órgãos sexuais masculinos e


femininos em talos separados.

ENDOSPOROS: Estruturas dormentes altamente resistentes formadas por alguns


géneros de bactérias Gram-positivas tais como Bacilo e o Clostridium.

66
GAMETÂNGIOS: Gametângio (gametângios- plural) é um órgão ou uma célula que se
encontra nalguns fungos multicelulares nos quais são produzidos os gâmetas (masculinos
= anterídeo e feminino = oogônio).

GAMETÓCITO: Estágio no ciclo de vida de alguns protozoários (Apicomplexa) que


resulta na formação de gâmetas (macro ou micro).

HETEROCARIOSE: É um termo usado na micologia e significa ter dois ou mais


núcleos geneticamente diferentes no mesmo micélio do fungo.

HIPERPLASIA: São divisões celulares excessivas ou crescimento anormal de células,


resultando na formação de um área inchada ou distorcida no organismo.

HIFA: hifa é uma célula longa, filamentosa de um fungo, constituindo a principal parte
vegetativa de um fungo.

MEROGONIA (ESQUIZOGONIA): É um tipo de reprodução assexual no filo


Apicomplexa em que uma única célula sofre diversas divisões nucleares antes da divisão
do citoplasma à volta para formar células individuais. O parasita da malária reproduz-se
rapidamente nos tecidos do hospedeiro através deste método.

MICROSCOPIA: Uma técnica para produzir imagens visíveis das estruturas celulares
ou dos detalhes demasiado pequenos invisíveis a olho nu.

MONOECIOUS: Espécies de fungos que produzem os órgãos sexuais masculinos e


femininos no mesmo talo e consequentemente são hermafroditas.

MICÉLIO: Conjunto de hifas que formam o corpo vegetativo de um fungo que seja
capaz de se alimentar e reproduzir.

MICOLOGIA: Ramo da biologia que se dedica ao estudo dos fungos.

NUCLEOCAPSÍDEO: Capsídeo viral junto com o ácido nucléico que se encontram


empacotados dentro de um revestimento da protéico.

PLASMÍDEOS: ADN circular pequeno que se encontra nas células bactérianas.


Geralmente contêm genes de resistência à antibióticos. São capazes de uma multiplicação
independente.

PROTOZOOLOGIA: Ramo da biologia, que trata dos protozoários.

PSEUDÓPODES: É um complexo de microtúbulos, microfilamentos e outros organelos


associados a uma saliência citoplasmática usada para a locomoção e ou alimentação nos
protozoários.

67
ESPORE: Uma célula reprodutiva que origina um novo organismo sem a necessidade
de se fundir com uma outra célula reprodutiva.

CULTURA DE VÍRUS: A cultura de vírus do vírus, são a diluição na qual 50% dos
hospedeiros inoculados são infectadas (dose de infecção; ID50) ou letal (dose letal;
LD50).

TROFOZÓIDE: Um estágio do desenvolvimento nos protozoários em que o organismo


é tido como maduro e consequentemente activo ou capaz de se alimentar.

VIRIÃO: Uma partícula viral quando está fora da célula de hospedeiro, e consiste de
ADN ou ARN cercado por camada protectora chamada capsídeo.

68
XII. Lista compilada de leituras Obrigatórias
Leitura obrigatória nº1

Título: Microscopia
URL: http://en.wikipedia.org/wiki/Microscopy

Resumo: Aqui você encontrará uma descrição das técnicas ópticas de microscopia como
o campo luminoso, iluminação obliqua, campo escuro, fase de contraste, contraste de
interferência diferencial e outras informações relacionadas. Inclui uma descrição de
outros tipos de microscópios tais como o electrónico.

Justificativa: Os micróbios são demasiado pequenos para serem vistos a olho nu,
consequentemente o estudo dos micróbios requer o conhecimento do uso de instrumentos
como o microscópio ou outro instrumento ampliador a fim apreciar o mundo dos
micróbios.

Leitura obrigatória nº 2

Título: Microbiologia e Bacteriologia


URL: http://en.wikipendia.org/wiki/Bacteria

Resumo: Através desta ligação, você encontrará um livro electrónico com capítulos que
falam dos vários aspectos da biologia das bactérias. O livro inclui tópicos sobre a
classificação e identificação e a importância dos micróbios na biotecnologia e indústria.

Justificativa: Usando esta ligação você poderá apreciar como as bactérias foram
descobertas, para aprender sobre a sua diversidade e biologia. Com este conhecimento
você será capaz de perceber o papel das bactérias no meio ambiente e na indústria.

Leitura obrigatória nº 3

Título: Microbiologia
URL: http://en.wikipedia.org/wiki/Bacterial_growth

http://en.wikipedia.org/wiki/Microbial_metabolism

Descrição: Estas ligações levá-lo-ão a um livro electrónico de microbiologia. Tendo em


conta o índice deste livro, você adquirirá conhecimentos sobre três tópicos relevantes na
bacteriologia, a saber: (a) Crescimento bacteriano
http://en.wikipedia.org/wiki/Bacterial_growth (b) Nutrição bacteriana (fontes de energia,
nitrogénio, carbono, oxigénio,etc.), e (c) Exigências ambientais para microorganismos.

69
Justificativa: Estas ligações permiti-lo-ão alcançar parte dos objectivos de aprendizagem
do módulo, particularmente sobre a nutrição bacteriana, crescimento e exigências
ambientais para o crescimento.

Leitura obrigatória nº 4

Título: Técnicas de laboratório


URL: http://en.wikipedia.org/wiki/Category:Laboratory_techniques

Sumário: Esta página levá-lo-á a uma lista de técnicas laboratoriais que são geralmente
usadas na microbiologia. Fale sobre a técnica que você deseja aprender e a página leva-
lo-á à ligação onde os detalhes dessa técnica são apresentados.

Justificativa: O pré-requisito ao estudo satisfatório dos microorganismos é o seu cultivo


nas condições laboratoriais; para tal é necessário, primeiro conhecer algumas técnicas,
particularmente aquelas que permitirão o aluno estudar e manipular microorganismos no
laboratório, fora do seu habitat natural.

Leitura obrigatória nº 5

Título: Vírus
URL: http://en.wikipedia.org/wiki/Virus#Discovery

Sumário: Esta ligação introduz um outro grupo de microorganismos, os vírus. Fornece o


material básico da leitura sobre vírus, descrevendo a sua descoberta, origem,
classificação, estrutura, reprodução, formas de vida, vírus e doenças, incluindo as
epidemias, detecção, purificação e diagnóstico, prevenção e tratamento, potencial uso na
terapia e nas suas aplicações.

Justificativa: Tem uma abordagem extensiva sobre virologia.

Leitura obrigatória nº 6

Título: Protozoário
URL: http://en.wikipedia.org/wiki/Protozoário
http://en.wikipedia.org/wiki/Flagellate
http://en.wikipedia.org/wiki/Amoeboid
http://en.wikipedia.org/wiki/Sporozoans
http://en.wikipedia.org/wiki/Coccidia
http://www.tulane.edu/~wiser/protozoology/notes/intes.html

Sumário: Estas referências electrónicas devem ser lidas todas ao mesmo tempo, a fim de
ter a vista geral do conhecimento sobre protozoários. Cada referência trata de um grupo
específico de protozoário explicando a sua classificação e descrevendo a sua biologia. A
importância dos protozoários é também discutida enfatizando o seu impacto médico na
saúde humana.

70
Justificativa: A morfologia e a estrutura dos protozoários estão bem ilustradas tornando
fácil perceber o texto descritivo. Os ciclos de vida de alguns protozoários estão ilustrados
nas seguintes referências electrónicas:
http://www.tulane.edu/~wiser/protozoology/notas/intes.html

Leitura obrigatória nº 7

Título: Fungos
URL: http://en.wikipedia.org/wiki/Fungus

Sumário: A página contém bases sobre fungos, que incluem suas características
(morfologia, esporos, etc.), registos fósseis e relações filogenéticas. Também faz a
descrição detalhada de cada grupo importante de fungos.

Justificativa: A página é um bom texto introdutório ao estudo dos fungos. Também


contém a mais recente classificação dos fungos baseada na abordagem molecular.

71
XIII. Lista Compilada de Recursos Electrónicos
opcionais
Recurso nº 1

Título: Atlas de vírus


URL: http://www.virology.net/Big_Virology/BVHomePage.html

Sumário: Esta página leva-o ao atlas de vírus que se pretende que sirva como um
catálogo de figuras de vírus na Internet e como recurso educacional àqueles que
procuram mais informação sobre vírus. Também está ligada a todo o Virologia no
WWW, e ou colecção de cursos de virologia e tutoria.

Justificativa: Tem uma cobertura extensiva sobre a estrutura dos vírus e dos seus grupos
taxonómicos. O livro inclui uma diversidade de fontes de informação.

72
XIV. Lista compilada de páginas electrónicas
importantes
Página importante nº 1

Título: Livro electrónico de Bacteriologia de Todar


URL: http://www.textbookofbacteriology.net/

Sumário: Esta página leva-o a uma livro electrónico cujos conteúdos são apropriados
para microbiologia geral. Cobre também aspectos relevantes de bacteriologia médica com
exemplos específicos de agentes causadores de doenças.

Justificvativa: É importante alargar seus horizontes sobre microbiologia com um livro


electrónico que possui conhecimentos relevantes sobre microbiologia.

Página importante nº 2

Título: Técnicas do Bacteriologia


URL: http://en.wikipedia.org/wiki/Category:Bacteriology_techniques

Sumário: Página electrónica, levá-lo-á a uma lista de técnicas bacteriológicas que são
geralmente usadas na microbiologia. Fale sobre a técnica que você deseja ver e a página
electrónica levá-lo-á a outra página onde se encontram os detalhes dessa técnica.

Justificativa: O pré-requisito ao estudo satisfatório dos microorganismos é o seu cultivo


nas condições laboratoriais; para tal é necessário, primeiro conhecer algumas técnicas,
particularmente aquelas que permitirão o aluno estudar e manipular microorganismos no
laboratório.

Página importante nº 3

Título: Malária
URL: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs094/en/

Sumário: Esta é a página da Organização Mundial da Saúde que contém informação


actualizada sobre a malária. Define a malária, a situação em África, seus efeitos durante
gravidez, tratamentos e custos económicos devido à malária.

Justificativa: Você já deve ter anotado que os protozoários parasitas podem sobreviver e
reproduzirem-se com sucesso em quase toda a espécie animal. Sendo assim, os
protozoários são um grupo de organismos que desenvolveram uma relação complexa e

73
próxima com seus hospedeiros. O estudo de Plasmodium spp. Que causa a malária, é um
dos exemplos.

74
Página importante nº 4

Título: Microbiologia e Imunologia


URL: http://pathmicro.med.sc.edu/micologia/micologia-1.htm

Sumário: É um material de estudo electrónico, da Universidade da Escola de Medicina


do Sul da Carolina. O capítulo um deste curso do micologia trata da classificação dos
fungos, morfologia, doenças fúngicas importantes incluindo o diagnóstico e tratamento.

Justificativa: O conhecimento dos fungos por afectarem os seres humanos é importante


porque ele traz os efeitos negativos dos fungos na saúde dos seres humanos e
consequentemente como é que isto pode afectar a economia nacional. Portanto, o
conhecimento de algumas infecções de origem fúngica em termos de sua etiologia,
patologia, diagnóstico e tratamentos é necessário para um estudante do micologia.

Página importante nº 5

Título: Recursos de Micologia na Internet: Recursos para ensinar


URL: http://micologia.cornell.edu/fteach.html

Sumário: É uma fonte muito rica de diferentes aspectos de Micologia. Vários tópicos são
referenciados. Você terá que identificar um tópico específico e segui-lo com as ligações
fornecidas.

Justificativa : É importante conhecer a classificação dos fungos, sua estrutura e tipos de


associações, reprodução, exigência ecológica e sua importância. Estes são os aspectos
cobertos pelas várias ligações, incluindo o cultivo do cogumelo.

Respresentação esquemática de um basídio, a estrutura fruiting de um Basidiomycota


http://en.wikipedia.org/wiki/Image:Basidium_schematic.svg Acedido a 8/4/2008

75
XV. Síntese do Módulo
Este é um módulo de microbiologia. Os micróbios são de tamanho demasiado pequeno
que é necessário usar o microscópio para observá-los. O estudo desses organismos é
chamado de microbiologia. Inclui organismos como bactérias, protozoários e fungos.
Embora os vírus não sejam estritamente organismos mas partículas de matéria que se
torna activa uma vez dentro de uma célula hospedeira, eles também, são considerados
como microorganismos por conveniência. Os Micro-organisms são importante para seres
humanos porque têm um efeito directo sobre os animais (incluindo o ser humano) e
sobre a saúde das plantas, a produção do alimento e de bebida e manter o equilíbrio
do ecossistema, por isso, é importante compreender a sua biologia de modo que eles
possam ser eficientemente explorados e controlados. A biologia dos organismos inclui a
sua morfologia e estrutura, crescimento e desenvolvimento, nutrição, respiração e
reprodução. É também importante estudar a sua taxonomia e poder identificá-los. É
importante familiarizar-se com as técnicas de assepsia para poder estudar os
microorganismos, é também necessário ser capaz de prepara meios de cultura nos quais
crescem os organismos.

76
XVI. Avaliação Sumarizada
Como uma exigência para a conclusão deste módulo, você será examinado através de um
teste, que será composto por perguntas de vários tipos. As perguntas testarão as suas
capacidades de recordar a informação que você aprendeu no módulo, outras testarão a sua
compreensão sobre vários conceitos tratados outras ainda, testarão a sua habilidade de
analisar dados e/ou de avaliá-los e aplicá-los. O tipo de perguntas variará ao longo do
teste. Haverá algumas perguntas do tipo escolha múltipla, outras serão perguntas nas
quais deverá dar respostas curtas e ainda outras serão para descrever e explicar conceitos.

A seguir está uma amostra do tipo de perguntas que se esperam.

1. Qual dos seguintes tipos de células não são micro-organismos?


A. células vermelhas do sangue
B. protozoários
C. leveduras
D. archaea

2. O crescimento do molde é favorecido por…


A. condições ácidas.
B. condições aeróbicas.
C. presença da humidade.
D. todas opções acima.

3. Os fermentadores de cerveja/produtos de pastelaria são importantes para .....


A. produção comercial de bebida álcoólica.
B. fermentar o pão.
C. experiências no projecto do genoma humano.
D. produção ácida.

4. As células altamente resistentes produzidas pelo Bacilo e Clostridium são chamados


de.....
A. esporos reprodutivos.
B. sementes.
C. endosporos.
D. células vegetativas.

5. O material genético das bactérias é composto de….


A. ATP
B. DNA
C. ribossomas
D. proteína

77
6. Apresente o significada de cada um dos seguintes termos.
A. Trofozóide
B. Quimiostato
C. Capsídeo
D. Merozóide
E. Anterídeo

7. Responda resumidamente às seguintes perguntas:


A. Descreva os dois mecanismos básicos que produzem mudanças genéticas nas
bactérias.
B. Liste as três morfologias celulares mais comuns de bactérias com importância clínica.
C. Fale da importância económica dos protozoários.
D. Explique a forma de nutrição nos fungos.
E. Aliste as características comuns de todos os vírus.

8. Compare e diferencie os seguintes termos.


A. Células eucariotas e procariotas
B. Liquenes e micorizas.
D. Heterocariose e dicariose
Fale da importância dos protozoários e dos vírus

9. A. Apresente a classificação dos protozoários.


B. Para cada categoria apresente as características peculiares dos grupos de organismos.

10. A. Esboce as etapas envolvidas no ciclo de vida de um vírus usando o bacteriófago


como um exemplo.
B. Descreva cada um dos estágios apresentados.

11. A. Esboce a estrutura de Escherichia coli.


B. Faça a legenda dos constituintes citoplasmáticos da célula.

12. Apresente as características das subdivisões dos fungos apresentadas a seguir:


Basidiomycota, Ascomycota, Zygomycota, Oomycota, e Deuteromycota.

13. Explique as etapas envolvidas no replicação do DNA do adenovírus.

14. A. Descreva a classificação dos protozoários.


B. Identifique os generos dos protozoários causadores de doenças
C. Liste os agentes causadores para cada caso.

15. Explique a importância económica dos fungos num ecossistema.

78
XVII. Referências Bibliográficas
Albach, R.A. and Booden, T. 1978. Amoebae. In: Parasitic Protozoa, Vol II
(ed. J.P. Kriep). Academic Press. London.

Alexopoulos, C. J and Mims, C. W. 1996. Introductory Mycology, 4th Ed.

Carroll, G.C. and Wicklow, D.T. 1992. The Fungal Community: Its Organization and
Role in the Ecosystem. Marcel Deker, Inc., N.Y.

Cox, F. E. G. 2001. Modern parasitology. Blackwell Sciences.

Curd, C.R. 1992. Protozoa and the water industry. Cambridge University Press, MA.

Deacon, J.W. (2005). Fungal Biology (4th ed). Malden, MA: Blackwell P u -blishers.

Frobisher, M., Hinsdill R. D., K., Crabtree T. and Goodheart, C.R. 1974. Fundamentals
of Microbiology. Ninth Edition. Philadelphia: Saunders College Publishing.

Frobisher, M., Hinsdill, R.D., Crabtree, K.T. and Goodheart, C.R. 1974. Fundamentals of
Microbiology. Sounders College Publishing, West Washington Square, Philadelphia, PA
19105.

Gelderblom, H.R. 1996. Structure and Classification of Viruses in Medical Microbiology.


Samuel Baron ed. University of Texas Medical Branch at Galveston.

Harkonen, M., Niemella, T. and Mwasumbi, L. 2003. Tanzanian Mushrooms. Edible,


harmful and other fungi. Botanical Museum, Finnish Museum of Natural History,
Helsinki.

Isaac, S., Frankland, J.C., Watling, R. and Whalley, A.J.S. 1993. Aspects of Tropical
Mycology. Cambridge University Press, Cambridge, UK.

Mader, S.S. 2004. Biology. McGraw-Hill Companies, Inc.. 1221. Avenue of the
Americas, NY 10020.

Michael M., John M. 2006. Brock Biology of Microorganisms, 11th ed., Prentice Hall.

Nester, E.W., Anderson, D.G., Roberts, E.C. (Jr), Pearsall, N.N. and Nester, M.T. 2001.
Microbiology: A Human Perspective. McGraw-Hill Companies, Inc.

Radetsky, P. 1994. The Invisible Invaders: Viruses and the Scientists Who P u r -
sue Them. Backbay Books.

79
XVIII. Autores do Módulo
Autor Principal do Módulo

Prof. Jassiel Nyengani Zulu


Email: jassielzulu@yahoo.co.uk

É Zambiano Doutorado em Fitopatologia pela Imperial College, London University em


1978. É docente na Universidade da Zâmbia e lecciona as cadeiras de ecologia, evolução
e biologia vegetal, micologia e fitopatologiae para pós graduados desde 1978. Fez revisão
curricular da licenciatura e pós-graduaçao. Ocupou vários cargos administrativos na
Universidade tais como: Dean Assistente (licenciatura) Chefe do Departamento de
Ciências Biológicas na Escola de Ciências Naturais, Dean da Escola de Ciências
Naturais. Actualmente, é Professor Associado de Ciências Biológicas.

Co-Autor do módulo

Dr. Modest Diamond Varisanga


E-mail address: Varisangamd@hotmail.com
varisangamd@yahoo.com

Tanzaniano, Doutorado em Biotecnologia desde 2001, pós-graduado em Medicina


Veterinária (1993). É docente sénior na faculdade de Ciências, Tecnologia e estudos
ambientais na Universidade aberta de Tanzania.

80