Você está na página 1de 93

Desenvolvendo a competência comunicativa

em gêneros da escrita acadêmica


Sebastião J. Votre
Vinícius C. Pereira
José C. Gonçalves

Desenvolvendo a competência comunicativa


em gêneros da escrita acadêmica

UFF/PROAC/NEAMI

Niterói, RJ - 2010
Copyright © 2009 by Sebastião J. Votre, Vinícius C. Pereira, José C. Gonçalves
Direitos desta edição reservados à EdUFF - Editora da Universidade Federal F
­ luminense 
Rua Miguel de Frias, 9 - anexo - sobreloja - Icaraí - CEP 24220-900 - N
­ iterói, RJ - Brasil 
Tel.: (21) 2629-5287 - Fax: (21) 2629- 5288 - http://www.editora.uff.br - E-mail: secretaria@editora.uff.br
É proibida a reprodução total ou parcial desta obra sem autorização expressa da Editora.

Normalização: Danúzia da Rocha de Paula


Edição de texto e revisão: Icléia Freixinho
Capa: Felipe Ribeiro (Laboratório de livre Criação/IACS)
Projeto gráfico: Marcos Antonio de Jesus
Supervisão gráfica: Káthia M. P. Macedo

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação - CIP

V972 Votre, Sebastião J.; Pereira, Vinícius C.; Gonçalves, José C.


Desenvolvendo a competência comunicativa em gêneros da escrita acadêmica/Sebastião
Votre, Vinícius C. Pereira, José C. Gonçalves/Niterói: EdUFF, 2009.

94 p.; il. 29,7 cm – (Apoio ao aluno calouro, livro-texto 1).


inclui bibliografias.
ISBN 978-85-228-0531-0
1. Manuais 2. Aprendizagem I. Título II. Série.
CDD 808.02

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

Reitor: Roberto de Souza Salles


Vice-Reitor: Emmanuel Paiva de Andrade
Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação: Antonio Claudio Lucas da Nóbrega
Pró-Reitor de Assuntos Acadêmicos: Sidney Luiz de Matos Mello
Diretor da EdUFF: Mauro Romero Leal Passos
Diretor da Divisão de Editoração e Produção: Ricardo Borges
Diretora da Divisão de Desenvolvimento e Mercado: Luciene Pereira de Moraes
Assessora de Comunicação e Eventos: Ana Paula Campos

Comissão Editorial
Presidente: Mauro Romero Leal Passos
Ana Maria Martensen Roland Kaleff
Gizlene Neder
Heraldo Silva da Costa Mattos
Humberto Fernandes Machado
Juarez Duayer
Livia Reis
Luiz Sérgio de Oliveira
Marco Antonio Sloboda Cortez
Editora filiada à
Renato de Souza Bravo
Silvia Maria Baeta Cavalcanti
Tania de Vasconcellos
Sumário

Introdução......................................................................... 7

Unidade 1
Gêneros e tipos textuais – macro e microestruturas........................ 9

Unidade 2
Coesão textual...................................................................21

Unidade 3
Coerência textual................................................................32

Unidade 4
Argumentação....................................................................41

Unidade 5
Fichamento, resumo e resenha................................................53

Unidade 6
Relatório e projeto..............................................................63

Unidade 7
Artigo científico e monografia de conclusão de curso......................75

Unidade 8
O domínio da norma-padrão...................................................81
Introdução

Este manual tem a finalidade de ajudá-lo a conhecer e utilizar de modo adequado o estilo aca-
dêmico. Você pode estudar cada unidade na ordem em que aqui se encontra ou ir diretamente para
a unidade que lhe interessa. Por exemplo, se estiver com alguma dificuldade de natureza gramatical,
vá para a última unidade e veja o que lá oferecemos.
O manual contém oito unidades, voltadas para o domínio da escrita acadêmica, com ênfase
nos gêneros textuais que a caracterizam. A primeira unidade apresenta os modos de organização
textual e sua manifestação em cada gênero. Descreve e comenta, brevemente, o conteúdo, a forma
e a função dos modos de organização textual. Apresenta também informações sobre os gêneros que
escolhemos.
Seguem-se três unidades, sobre coesão, coerência e argumentação, com textos ilustrativos,
atividades e reflexões, com vistas a ajudá-lo no desempenho intelectual. Estas unidades têm o ob-
jetivo de fazê-lo escrever de forma coerente, mantendo coesão entre as partes e, sobretudo, com
argumentos capazes de convencer seu leitor do que você está propondo.
Vêm então as unidades específicas que escolhemos, organizadas em termos de utilização ime-
diata e em nível de complexidade. Portanto, você trabalhará, de imediato, com os gêneros fichamen-
to, resenha e resumo; em seguida, lidará com as características do projeto de pesquisa e do relatório,
para, por fim, familiarizar-se com as propriedades da monografia e do artigo científico.
Optamos por incluir uma unidade de suporte geral para quem escreve, em que constam ques-
tões e problemas de escrita. É uma unidade inovadora, no sentido de que os problemas que aí se
analisam são pontos controversos, com que nos defrontamos no dia a dia da produção de textos no
meio universitário.
Em cada unidade, mostramos o que vamos fazer, o que propomos que você faça, para alcançar
os objetivos da unidade e em seguida apresentamos o núcleo da unidade, com introdução, desenvol-
vimento e conclusão. As unidades são permeadas de atividades de reflexão e escrita, propostas para
o domínio das habilidades acadêmicas. Oferecemos uma alternativa de resposta para cada atividade
e concluímos a unidade com referências bibliográficas e on-line.
Por se tratar de um manual para escrita de textos, tomamos alguns cuidados na seleção dos
textos com que trabalhamos. Esses textos representam bem o gênero que está sendo estudado, são
coesos e coerentes e apresentam argumentação confiável. São escritos de forma clara e são breves.
Cuidamos também do nosso próprio estilo, em que procuramos interagir com você de forma
cooperativa, com linguagem acessível e clara. Procuramos incluir atividades relevantes para você
executar, à medida que trabalha cada unidade. Essas atividades têm respostas previsíveis, de modo
que oferecemos uma alternativa de resposta para cada atividade.

Então? Mãos à obra?

Um abraço,
Os autores
Unidade 1 maior, de textos informativos. Tal diferença nos
objetivos do locutor (quem escreve ou fala) e do
interlocutor (quem ouve ou lê) implica também
Gêneros e tipos textuais – macro diferenças na estruturação do texto e na organi-
zação da informação. Veja que, por ser um mate-
e microestruturas
rial didático, este texto que você está lendo tem
características muito próprias, como uma lin-
Apresentando a unidade guagem clara e direta, ilustrações e exemplifica-
ções. Já o jornal, por ser produzido diariamente
e apresentar informações que são lidas e descar-

B
em-vindo! Você está iniciando o seu curso tadas muito rapidamente – pois no dia seguin-
de análise e produção de texto acadêmi- te já há novas notícias –, tende a ser um texto
co. Neste curso você vai aprender primei- muito mais breve. Além disso, a maior parte das
ro a reconhecer e depois a produzir os diversos reportagens de um jornal têm caráter narrativo,
gêneros textuais da escrita acadêmica. Você vai isto é, verbos que indicam ação, personagens,
aprender olhando, examinando, entendendo e narrador etc. Já este manual tem caráter expo-
depois redigindo os diversos textos que circu- sitivo, pois, em vez de encadear ações, agrupa
lam no mundo acadê- ideias abstratas de modo lógico.
mico. Como já dizia Como você pode perceber, existem inúme-
Confúcio (151 a.C.): ros gêneros textuais com os quais convivemos,
“O que eu ouço, eu es- dentro e fora da universidade. Neste manual,
queço. O que eu vejo, você aprenderá a ler e escrever os gêneros típi-
eu lembro. O que eu cos do meio acadêmico. Antes, porém, observe
faço, eu entendo.” a seguir os fatores que determinam as caracte-
rísticas de forma e conteúdo de cada um desses
Definindo os objetivos gêneros:
Tempo: Refere-se a diferenças cronológi-
Ao final desta unidade, você deverá ser cas, do ponto de vista cultural, social, político
capaz de: e econômico, bem como aos graus de conheci-
1. compreender a noção de tipo mento compartilhado entre o produtor e o re-
textual e de gênero textual; ceptor dos textos, no momento da produção e
2. reconhecer os tipos textuais ex- recepção. Diferentemente dos gêneros da intera-
positivo e argumentativo; ção oral face a face, nos textos de escrita aca-
3. identificar tipos e funções dos parágrafos; dêmica o produtor e o leitor geralmente estão
4. redigir com clareza os diferentes tipos de pará- situados em diferentes momentos e é, portanto,
grafos. necessário explicitar as informações básicas
para contextualizar a informação.
Conhecendo os Lugar: Designa o lugar físico da produção
gêneros textuais e recepção dos textos (escola, escritório, casa,
empresa, mídia), bem como a posição social do
De acordo com os Parâme- produtor e do receptor na interação (aluno, em-
tros Curriculares Nacionais – PCNs –, ensinar lín- pregado, redator, jornalista, professor, cliente,
gua significa ensinar diferentes gêneros textuais. amigo). Você, quando escrever um texto acadê-
O gênero é uma unidade de linguagem em uso, na mico, vai estar num lugar físico e ocupar um pa-
vida real, inserida numa moldura comunicativa pel social diferentes dos lugares físicos e sociais
de interlocutores e intenções. Assim, dependen- dos seus possíveis leitores e/ou destinatários.
do do tipo e do teor da informação que quere- Objetivo da interação: Qual o efeito que
mos comunicar, utilizamos gêneros diferentes, o seu texto deve e espera produzir no recep-
geralmente convencionados em sociedade. tor, isto é, para que serve o texto? Quando você
Perceba, por exemplo, que a finalidade escreve um texto, quais são as suas intenções?
deste manual é diferente da de um jornal, em- Será que a sua intenção comunicativa vai ser
bora ambos sejam agrupados em uma categoria igual à interpretação do seu possível leitor?

Voltar ao sumário
10

Canal: Que canal é utilizado para a intera- retornou a Brasília por volta das 17h15.
ção entre o produtor e o receptor do texto: pa- O presidente sobrevoou as cidades de Ita-
pel, vídeo, e-mail, livro, revista, chat, videocon- jaí, Luiz Alves e Navegantes. “Sou de uma região
ferência, telefone, telegrama, carta? Em outras em que as pessoas passam mais da metade do
palavras, qual o meio que você vai utilizar para ano pedindo para que chova. Em Santa Catarina,
a transmissão da mensagem? temos que pedir a Deus para parar de chover.”
Grau de formalidade da situação: A conju- Lula assinou, nesta quarta, uma medi-
gação dos quatro fatores acima vai determinar o da provisória liberando R$ 1,6 bilhão para aju-
grau de formalidade da situação. Numa interação dar na recuperação de estradas, casas e para
face a face entre amigos, num bate-papo, o nível ações da Defesa Civil e das Forças Armadas.
de formalidade é bem baixo. Uma interação face O dinheiro será usado para ajudar não só Santa Ca-
a face num julgamento no tribunal vai ser muito tarina, mas também outros estados que venham a
mais formal. Igualmente, um gênero de escrita sofrer com as fortes chuvas previstas para o ve-
acadêmica, como o ensaio, é muito mais formal rão.
do que um bilhete ou um e-mail informal, trocado Luciana Rossetto
entre colegas de trabalho.
Conhecendo os
tipos textuais
Exercitando
Antes de avançar para um novo assunto, Os diferentes tipos textuais não são mutuamente
que tal pôr em prática o que você acabou de ver exclusivos. De forma geral, um gênero textual é
na unidade? Se você encontrar dificuldades para composto de vários tipos textuais, dependendo
realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui das diferentes funções que o autor quer atingir.
estudado. No exemplo usado na Atividade 1, pode-se no-
tar que o gênero notícia utiliza-se de estruturas
Atividade 1 narrativas, para contar o que foi feito pelo pre-
Leia atentamente o texto abaixo e respon- sidente Lula, e de estruturas descritivas, para
da às seguintes perguntas: descrever a situação das cidades nas enchentes
1. Que informações sobre a realidade brasileira e algumas medidas implementadas para tentar
esse texto recupera? resolver o problema. Como vários tipos de or-
2. A quem se destina o texto? Quais são as carac- ganização textual podem ocorrer em um mesmo
terísticas que evidenciam o destinatário? gênero, busca-se caracterizar o seu modo de or-
3. Que conhecimentos são necessários para que ganização predominante. Assim, no exemplo aci-
o leitor compreenda as informações subentendi- ma, o modo de organização textual predominan-
das no texto? te é o narrativo, com verbos usados geralmente
4. A que gênero esse texto pertence? Quais são no pretérito perfeito, como se vê no seguinte tre-
as características principais da composição des- cho da notícia:
se gênero? O presidente Luiz Inácio Lula da Silva deu
uma entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira
“É a pior calamidade ambiental que (26) no aeroporto de Navegantes, em Santa Cata-
já enfrentamos”, diz Lula, em SC rina, após sobrevoar a região afetada pela chuva
nos últimos dias. “É a pior calamidade ambiental
O presidente Luiz que já enfrentamos”, afirmou. Ele retornou a
Inácio Lula da Silva deu Brasília por volta das 17h15.
uma entrevista coletiva No restante do texto, vários verbos na
na tarde desta quarta- terceira pessoa do pretérito perfeito também
-feira (26) no aeropor- ocorrem, como: sobrevoou e assinou. Pode-se
to de Navegantes, em afirmar então que o gênero notícia utiliza-se pre-
Santa Catarina, após sobrevoar a região afetada dominantemente do modo de organização narra-
pela chuva nos últimos dias. “É a pior calamida- tivo para relatar os fatos ocorridos.
de ambiental que já enfrentamos”, afirmou. Ele Os tipos textuais são caracterizados pelas
sequências linguísticas predominantes (esco-

Voltar ao sumário
11

lhas de palavras, estruturas gramaticais, tempos Portanto, os gêneros textuais podem se


verbais, relações lógicas). constituir em diversos tipos textuais, que pos-
suem finalidades específicas, conforme vemos
abaixo:

TIPOS TEXTUAIS FINALIDADE


Descritivo Caracterizar a paisagem, o ambiente, as pessoas e os objetos.

Narrativo Contar fatos reais ou imaginários ou relatar acontecimentos que ocorreram


em determinado lugar e tempo, envolvendo os participantes em ação e movi-
mento no transcorrer do tempo.

Expositivo Apresentar informações sobre assuntos, idealmente de forma isenta e impes-


soal. Expor ideias, pensamentos, doutrinas, teses, argumentos e contra-argu-
mentos. Envolve refletir, explicar, avaliar, conceituar, analisar, informar.

Argumentativo Convencer, influenciar, persuadir as pessoas para realizar ações e alcançar


objetivos. Consiste no emprego de provas, justificativas, com o objetivo de
apoiar ou refutar teses. Envolve raciocínio para provar ou negar proposições.

Injuntivo Dizer como fazer ou realizar ações; descrever e prescrever regras, normas
para uso e regulação de comportamentos.

Dialogal Interagir, por meio de troca interpessoal de ideias, sentimentos e informações


sobre diferentes temas.

No meio acadêmico, podem ser encontra- ários de campo, teses, dissertações, monogra-
dos todos os tipos textuais, concretizados em fias, artigos de divulgação científica, resumos
gêneros textuais diferentes. Um relatório, por de artigos, de livros, de conferências, resenhas,
exemplo, utiliza-se de características descriti- comentários, projetos, manuais de ensino, bi-
vas, para avaliar algo. A metodologia encontra- bliografias, fichas catalográficas, currículos vi-
da em um artigo, por sua vez, é predominan- tae, memoriais, pareceres técnicos, sumários,
temente narrativa, pois apresenta a sucessão bibliografias comentadas, índices remissivos,
dos passos adotados por um pesquisador na glossários etc.
condução de seu estudo. Um resumo é um texto
expositivo, em que se apresentam, de forma im- Modalidade oral: palestras, conferências,
pessoal, as informações presentes em um outro debates, entrevistas, seminários, apresentações
texto. Um ensaio, no entanto, por conter uma em congressos, arguições etc.
tese defendida acerca de determinado assun-
to, possui características predominantemente
argumentativas. Este manual, como os demais
materiais didáticos, além do caráter obviamen- Exercitando
te expositivo, tem também uma feição injunti- Antes de avançar para um novo assunto,
va, na medida em que ensina como proceder na que tal pôr em prática o que você acabou de ver
escrita acadêmica. Por fim, os gêneros orais da na unidade? Se você encontrar dificuldades para
vida universitária, como a arguição, por exem- realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui
plo, estão intimamente ligados ao tipo textual estudado.
chamado dialogal, em que a interação locutor-
-interlocutor é primordial. Atividade 2
Veja a seguir outros gêneros discursivos do Leia atentamente o texto abaixo, “Dimen-
domínio acadêmico, tanto na modalidade escrita são e horizonte de investimento em carteiras
quanto na modalidade oral da comunicação. imunizadas: uma análise sob a perspectiva das
entidades de previdência complementar”, retira-
Modalidade escrita: temos artigos cien- do da READ – Revista Eletrônica de Administra-
tíficos, relatórios científicos, notas de aula, di- ção. A que gênero textual ele pertence? Qual é o
modo de organização textual nele predominan-
Voltar ao sumário te? Justifique suas respostas.
12

Dimensão e horizonte de investimento É preciso que compreendamos cada pará-


em carteiras imunizadas: uma análise grafo como um pequeno texto, o qual deve ter
sua estrutura reconhecida. Inicialmente, vamos
sob a perspectiva das entidades de
observar alguns exemplos de parágrafos bem
previdência complementar construídos e proceder a sua análise:

O termo imunização denota a construção de Lula repassa terras da União a Roraima


uma carteira de títulos de forma a torná-la imune e diz que está pagando dívida
a variações nas taxas de juros. No caso das entida-
des de previdência complementar, o objetivo da O presidente Luiz Inácio Lula da Silva as-
imunização é distribuir os recebimentos interme- sinou, nesta quarta-feira (28), um decreto e uma
diários e finais dos ativos de acordo com o fluxo medida provisória repassando 6 milhões de hec-
de pagamentos dos benefícios. Em geral, quanto tares (60 mil quilômetros quadrados) de terras
maior a classe de alterações na estrutura a termo da União para Roraima. O repasse equivale a
das taxas de juros, mais restritivo se torna o mo- 25% da área total do estado e é 50% maior que a
delo. O artigo busca comparar o desempenho de Suíça (41,2 mil quilômetros quadrados).
modelos de gestão de risco de taxa de juros que, Segundo Lula, o governo está pagando
baseados em alternativas distintas de programa- uma “dívida” que tem com Roraima desde a
ção matemática, objetivam garantir o pagamento “celeuma da reserva indígena Raposa Serra do
do fluxo futuro de benefícios. Embora exista uma Sol”. O governador do estado, José de Anchieta
vasta literatura sobre o aspecto estatístico e so- Júnior, negou que esteja recebendo uma espé-
bre o significado econômico dos modelos de imu- cie de recompensa por ter perdido parte do seu
nização, o artigo inova ao prover uma análise de- território por causa da demarcação da reserva
talhada do desempenho comparado dos modelos, indígena.
sob três perspectivas complementares: o método [...]
escolhido, a dimensionalidade e, ainda, o hori- (Jeferson Ribeiro Do G1, em Brasília)
zonte de investimento. A análise permite concluir
que os modelos de imunização tradicional, quan- O trecho acima, retirado de uma notícia,
do examinados sob a ótica conjunta da redução é composto por dois parágrafos. Analisando-se
do risco, das restrições impostas à formatação cada um deles, vemos que são compostos por
da carteira e dos custos de transação associados, mais de uma frase. Tal fato nos sugere não escre-
são mais eficientes, no médio e longo prazo, que ver parágrafos de uma única frase enorme, pois
os modelos multidimensionais de gestão do risco isso dificulta a compreensão do leitor. Para que
de taxa de juros, os quais se mostram superiores a leitura seja fácil e agradável, os sinais de pon-
apenas na gestão restrita ao curto prazo. tuação devem estar devidamente empregados e
Sérgio Jurandyr Machado - IBMEC-SP as frases devem ter um tamanho razoável.
Antonio Carlos Figueiredo Pinto - PUC-RJ Atente para a seleção das frases empre-
gadas em cada parágrafo. No primeiro deles há
Conhecendo a estrutu- uma frase principal, que o resume e apresenta a
ra do parágrafo ideia central: “O presidente Luiz Inácio Lula da
Silva assinou, nesta quarta-feira (28), um decreto
Na primeira parte desta unida- e uma medida provisória repassando 6 milhões
de, você aprendeu a diferenciar tipos e gêneros tex- de hectares (60 mil quilômetros quadrados) de
-tuais, e como essas categorias se combinam na hora terras da União para Roraima”. A essa frase ini-
de produzir um texto. Assim, nossa preocupação ini- cial, chamamos de frase-tópico.
cial era a macroestrutura textual, isto é, a compreen- A frase-tópico é, geralmente, a primeira
são da estruturação geral dos textos acadêmicos. frase do parágrafo. Sua função é expor de forma
A partir de agora, voltamos nossas aten- resumida a ideia geral, que será desenvolvida
ções para a microestrutura textual, ou seja, as nas outras frases. Observe agora o segundo pe-
partes menores que compõem um texto. Para ríodo do parágrafo: “O repasse equivale a 25%
efeitos didáticos, vamos trabalhar com uma uni- da área total do estado e é 50% maior que a Suí-
dade conhecida por todos os alunos: o parágrafo. ça (41,2 mil quilômetros quadrados)”. Essa frase

Voltar ao sumário
13

desenvolve a frase-tópico na medida em que dá 1. Meus dois professores são totalmente


informações complementares acerca do repasse diferentes em aparência, comportamento e per-
mencionado na frase anterior. sonalidade.
Analisemos agora o segundo parágrafo, 2. O futebol está se tornando popular nos
cuja frase-tópico é: “Segundo Lula, o governo Estados Unidos graças à simplicidade do equipa-
está pagando uma ‘dívida’ que tem com Rorai- mento, das regras e das habilidades envolvidas.
ma desde a ‘celeuma da reserva indígena Rapo- 3. A paisagem, as praias, e o carnaval tor-
sa Serra do Sol’”. Tal frase apresenta como ideia nam o Rio de Janeiro uma cidade maravilhosa.
principal do parágrafo a opinião do presidente Já as frases-tópico seguintes fazem afirma-
diante da questão da reserva indígena. Porém, ções acerca de assuntos mais especializados, de
é bom complementar a frase-tópico, para que o modo que você deve buscar algumas informa-
texto se torne mais coeso e informativo. O au- ções sobre eles antes de tentar desenvolvê-las.
tor desenvolveu essa frase principal com uma 4. Astronomia é uma ciência fascinante.
relação de oposição, ao escrever: “O governador 5. A adaptação animal é imprescindível
do estado, José de Anchieta Júnior, negou que para a sobrevivência das espécies.
esteja recebendo uma espécie de recompensa 6. A intensa miscigenação teve importan-
por ter perdido parte do seu território por cau- tes consequências para a formação do povo
sa da demarcação da reserva indígena”. O autor brasileiro.
do texto poderia inclusive iniciar esse segundo Na seção anterior, vimos como um pará-
período por um conectivo que expressasse opo- grafo se constitui em linhas gerais: uma frase-
sição, como porém, contudo, todavia etc. -tópico e frases de suporte, podendo ainda ha-
Veja ainda que há muitas formas de desen- ver uma frase de conclusão. Da mesma forma,
volver a ideia central fixada e exposta na frase- um ensaio, uma redação, um artigo científico ou
-tópico: definições, enumerações, comparações, um texto expositivo ou argumentativo também
contrastes, razões, análise, exemplos, fatos, têm essa estrutura de três partes: um parágrafo
estatísticas, citações, ilustrações, evidências e introdutório, parágrafos de suporte e um pará-
contraevidências da ideia apresentada na frase- grafo de conclusão.
-tópico. As frases de suporte fornecem as dife-
rentes especificações que explicam, delimitam, O parágrafo de introdução
reforçam, contradizem ou expandem a ideia cen-
tral exposta na frase-tópico. A principal característica de um parágrafo
de introdução é a presença da tese, ideia central
do texto. Em um texto expositivo, a tese é uma
informação principal, ampla, dentro da qual há
Exercitando uma série de outras informações que serão apre-
Antes de avançar para um novo assunto, sentadas nos parágrafos subsequentes. Em um
que tal pôr em prática o que você acabou de ver texto argumentativo, a tese é o ponto de vista
na unidade? Se você encontrar dificuldades para que o autor defende, inserido em um tema mais
realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui amplo, o qual também deve ficar claro logo no
estudado. primeiro parágrafo.
É de suma importância que a tese seja
Atividade 3 apresentada com clareza, pois isso facilita a lei-
Algumas das frases-tópico seguintes di- tura do texto, bem como sua escrita, visto que
zem respeito a conhecimento compartilhado na impede que você fuja ao tema. Ao longo do texto,
cultura local e nacional, de modo que podem ser tente sempre que possível remeter o que escreve
desenvolvidas imediatamente após a leitura das nos demais parágrafos à tese, afinal tal estratégia
mesmas. Outras supõem conhecimento especia- garante unidade, coesão e coerência ao texto.
lizado e só podem ser aprofundadas após con- Há mais de uma maneira de redigir um pa-
sulta a fontes de informação. Comecemos pelo rágrafo introdutório, embora este deva sempre
primeiro grupo. Leia-as e escreva parágrafos que situar o tema geral do texto e a tese. A seguir, va-
com elas se iniciem, acrescentando frases de su- mos analisar diferentes parágrafos de introdução
porte/desenvolvimento. redigidos acerca do mesmo tema: o crescimento

Voltar ao sumário
14

da violência na contemporaneidade. Atente para inicial que situa a tese no tema geral ao
os diferentes recursos usados em cada parágra- qual pertence. Como no exemplo abai-
fo e perceba que uma mesma temática pode ser xo, a ambientação pode ser a definição
introduzida de diferentes maneiras. Com a práti- de um conceito-chave para a argumen-
ca, você logo selecionará as estratégias com que tação acerca do tema proposto.
se sente mais à vontade.
Segundo Houaiss (2008), violência é “cons-
1. Abordagem-padrão – Neste tipo de in- trangimento físico ou moral exercido sobre al-
trodução, apresenta-se primeiramente guém, para obrigá-lo a submeter-se à vontade
a tese e logo a seguir enumeram-se os de outrem; coação”. Tal definição explicita uma
argumentos que serão desenvolvidos faceta da violência por vezes esquecida: a dimen-
ao longo do texto (cada um desses ar- são moral. Do mesmo modo como a agressão fí-
gumentos corresponderá a cada um dos sica pode causar danos irreparáveis, a ofensa e
parágrafos de desenvolvimento subse- a injúria deixam sequelas para sempre, devendo
quentes). Veja o exemplo abaixo: haver, portanto, preocupação social no combate
a esse problema.
É indiscutível que a violência cresce de
forma exponencial nos dias de hoje, como não 3. Questionamento(s) – A ambientação
cessam de informar os meios de comunicação. pode também ser composta por per-
Tal fato acarreta mudanças drásticas na arqui- guntas que convidem o leitor à reflexão
tetura urbana, como a construção de grades por acerca do tema. No entanto, tome o cui-
toda a parte, em uma tentativa de prender a si, dado de, após essas perguntas, afirmar
já que o assustador Outro não cabe por inteiro na sua tese. Não deixe também de respon-
cadeia. Mudam também as ofertas de emprego, der a todas as perguntas ao longo de
com a popularização do ofício de “segurança” e seu texto.
a quase extinção de profissões que exigem con-
fiança em pessoas desconhecidas, como o antigo Medidas punitivas são o suficiente para
vendedor de porta em porta, que hoje não ganha coibir o aumento da violência? A história já pro-
mais do que um grito repelente por trás do “olho- vou que não. Assim como o senso comum tem
-mágico”. Esses são apenas alguns entre muitos cristalizada a máxima de que “prevenir é melhor
outros fenômenos que nos escapam na discussão do que remediar”, estudos provam que países
da violência, geralmente suscitada por tragédias que investiram em educação tiveram reduções
veiculadas na mídia. mais significativas de índices de violência do que
Nesse caso, a primeira frase do parágrafo aqueles que destinaram sua verba à construção
é também a tese do texto (ponto de vista princi- de presídios.
pal defendido na redação). Seguem-se a ela dois
exemplos que serão explorados em detalhe nos 4. Citação – A ambientação também
próximos dois parágrafos de desenvolvimento. pode apresentar uma citação de alguém
Por fim, veja que a frase de conclusão (última famoso. Nesse caso, lembre-se de pôr
do parágrafo) serviu para retomar e resumir as entre aspas uma fala que não é propria-
ideias anteriormente apresentadas, às quais se mente sua. Tal recurso tem a vantagem
somou um dado novo: a predominância de tra- de se valer da autoridade do discurso
gédias no discurso midiático sobre violência. alheio, que pode ser posto em diálogo
Tenha sempre em mente que uma frase de con- com o seu.
clusão, mesmo que sirva para encapsular tudo o
que foi dito antes, deve conter alguma informa- “A não-violência absoluta é a ausência
ção nova, que justifique sua existência. Do con- absoluta de danos provocados a todo ser vivo. A
trário, o texto torna-se repetitivo. não-violência, na sua forma ativa, é uma boa dis-
posição para tudo o que vive. É o amor na sua
2. Definição – Nesse tipo de introdução, perfeição”. Essa célebre citação de Gandhi, ao
antes de se apresentar a tese, faz-se referir-se a uma “não-violência ativa”, mostra ser
uma ambientação, isto é, uma afirmação possível optar pela paz e praticá-la de forma ativa

Voltar ao sumário
15

e consciente, o que deve se dar em todas as situa- Ao falarmos sobre violência, alguns discur-
ções da vida. Tal princípio da não-violência é hoje sos apontam-na como sendo uma problemática
símbolo da possibilidade de um mundo pacífico, a contemporânea. Porém, a história do descobri-
despeito das evidentes dificuldades para que isso mento e da colonização do Brasil é marcada por
se efetive. uma violência que muitas vezes esquecemos: o
massacre dos indígenas. Ao estudarmos de forma
5. Sequência de frases nominais – Um profunda e atenta essa mortandade que está no
recurso interessante para iniciar um início da história escrita sobre o país, podemos
texto é fazer uma enumeração de frases não só compreender o passado da nossa forma-
nominais (sem verbo), separando-as ção, mas entender também a violência presente,
por ponto final. Por ser um recurso di- em suas semelhanças e diferenças com a pretéri-
ferente, isso chama a atenção do leitor. ta, e pensar em intervenções que combatam esse
Como sempre, a presença da tese logo problema nos dias de hoje.
após essa ambientação é fundamental.

Bala perdida. Sequestro-relâmpago. Falsa


blitz. Basta abrir o jornal ou ligar a televisão para Exercitando
se ouvir mais uma notícia de crime no país. A me- Antes de avançar para um novo assunto,
nos que medidas conscienciosas sejam tomadas que tal pôr em prática o que você acabou de ver
para o combate dessa realidade hostil, o quadro na unidade? Se você encontrar dificuldades para
tende a se tornar cada vez pior. realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui
estudado.
6. Exposição do ponto de vista oposto
– Você pode também iniciar seu texto Atividade 4
enunciando um ponto de vista contrá- Do texto a seguir, retirou-se o primeiro
rio ao seu, na ambientação. Em segui- parágrafo. Com base nos demais parágrafos, re-
da, você deve usar um conectivo que dija pelo menos três versões para a introdução,
expresse oposição de ideias (PORÉM, utilizando diferentes técnicas estudadas nesta
NO ENTANTO, CONTUDO, TODAVIA unidade:
etc.) e apresentar sua própria tese,
provando ser ela mais acertada do que Crítico de cinema:
o posicionamento anteriormente men- profissão em extinção?
cionado.
[...]
Há quem diga que basta instituir a pena O “New York Times” dedica-se a tentar en-
de morte para que haja reduções bruscas nos tender a perda de importância dos jornais – e o
índices da violência. No entanto, esse é um po- crescimento da influência dos blogs – no proces-
sicionamento por demais simplista, que acredita so de divulgação dos filmes pelos grandes estú-
na solução de um problema de dimensões eco- dios. O sinal mais aparente deste fenômeno – im-
nômicas, sociais e políticas, que assola todo o portante pelo volume de recursos que Hollywood
país, por meio de uma simples resolução jurídi- movimenta em marketing – é que os jornais con-
ca. Na verdade, alteração alguma na lei é sufi- tribuem cada vez menos com aquelas publicida-
ciente sem que medidas preventivas, as quais des repletas de frases retiradas de críticas.
culminem na redução das desigualdades sociais, Uma das mais antigas ferramentas de marke-
sejam tomadas. ting de um filme, a citação tirada de uma crítica
de cinema (coisas como “eletrizante” “imperdí-
7. Alusão histórica – Antes de apresen- vel”, “muito engraçado”, “ri do início ao fim”) já
tar sua tese, você pode lançar mão de foi motivo de muita polêmica. Há alguns anos,
uma ambientação que a situe historica- descobriu-se que um estúdio, a Sony, havia publi-
mente, apresentando, brevemente, os cado um anúncio com uma frase inventada, dita
antecedentes históricos que confirmam por um crítico que não existia. Também é comum
seu ponto de vista. tirar palavras ou frases de contexto, mudando

Voltar ao sumário
16

o sentido do que o crítico quis dizer para realçar blogs dedicados ao cinema, mas o mercado ainda
qualidades inexistentes de um filme. observa com desconfiança, procurando enten-
O que inquieta o “New York Times” agora é der – e separar o joio do trigo de toda essa movi-
o fato de que os grandes estúdios de Hollywood mentação. Em todo caso, é possível observar que
preferem recorrer a críticas publicadas em blogs alguns produtores já utilizam frases retiradas de
do que em jornais. Escreve o diário: sites e blogs para divulgação de seus filmes.
“Os seis grandes estúdios gostam de ir à Maurício Stycer
Internet em busca de frases para usar em publi-
cidade porque há uma variedade muito grande Parágrafos de desenvolvimento
de sites de onde tirar a palavra ou a frase certa.
Alguns sites, é claro, são sérios. Outros, incluindo Como quaisquer outros parágrafos, os de
sites como Ain’t It Cool News, não fazem segredo desenvolvimento apresentam frases-tópico, fra-
do seu olhar de ‘animador de torcida’ em relação ses de suporte e, às vezes, frases de conclusão.
a alguns gêneros de filmes”. O que os difere dos parágrafos de introdução
Em outras palavras, raciocina o “New York e conclusão é seu caráter menos abrangente e
Times”, os estúdios preferem recorrer a sites e mais específico: enquanto no início e no final
blogs porque eles tratam os filmes de forma mais do texto dá-se preferência por apresentar ideias
generosa e complacente que os jornais. O gran- gerais, o desenvolvimento de um texto deve ser
de diário americano está, evidentemente, fazen- marcado por parágrafos de caráter mais deta-
do uma generalização injusta, já que há também lhado, os quais apresentem, de forma pormeno-
muitos críticos em jornais que funcionam mais rizada, as informações que sustentam a tese do
como “animadores de torcida” do que, propria- texto. Desse modo, é importante que você evite
mente, como analistas sérios e isentos. parágrafos de desenvolvimento extremamente
Em todo caso, dois entrevistados do jor- curtos, os quais contenham apenas a apresen-
nal reforçam a tendência de recorrer a sites e tação de uma ideia. Como o próprio nome já
blogs no lugar dos jornais na leitura das críticas indica, é preciso desenvolver essas ideias, apre-
de cinema. Um vice-presidente da Universal, Mi- sentando causas, consequências, contrastes etc.
chael Moss, diz ao jornal: “Alguns dos melhores Para isso, você aprenderá neste curso, na uni-
críticos de cinema e a maioria das boas críticas dade sobre Coesão, como estabelecer relações
são encontradas online”. desse tipo entre as frases e as orações.
Já Mike Vollman, presidente de marketing
da MGM e United Artists, afirma que vai prefe- O parágrafo de conclusão
rir se basear mais em blogs do que na revista
“Time” para promover o remake do filme “Fama”. O parágrafo final é a conclusão, uma parte
“A realidade, e lamento dizer isso para você, é muito importante do seu texto. Concluir um tex-
que os jovens que vão ao cinema são mais in- to envolve sintetizar, reformular e/ou comentar
fluenciáveis por um blog do que por um crítico o assunto abordado ao longo dele. Na síntese,
de jornal”. você escreve um resumo dos principais assun-
A reportagem, em resumo, confirma as tos ou argumentos discutidos no corpo do texto.
previsões mais pessimistas dos que enxergam Outra forma de concluir é reformulando a ideia
na revolução promovida pela nova mídia um si- principal do seu texto em outras palavras. No co-
nal de empobrecimento e decadência cultural. mentário, você externa seu(s) ponto(s) de vista
Ainda assim, o próprio “New York Times” reco- sobre o problema enfocado no texto. Como esse
nhece que há sites “sérios”, publicando textos comentário é a última coisa que o leitor vai ver, é
sobre cinema com o mesmo grau de rigor que os essencial que você redija uma mensagem impor-
jornais ditos de prestígio. tante e impactante, que o leitor vá lembrar.
E o Brasil? – algum leitor perguntará. O Para que seu texto seja bem-sucedido,
problema, ainda que em grau menor, até porque não basta que você comece bem e explique com
a indústria de cinema nacional é minúscula, se clareza suas ideias. Caso a conclusão não seja
comparada a Hollywood, já aparece por aqui. Ain- satisfatória, a impressão final do leitor não será
da estamos, pelo que observo, numa etapa ante- boa, o que revela a importância de caprichar na
rior. Há um crescimento impressionante de sites e elaboração do último parágrafo.

Voltar ao sumário
17

Lembre-se de que, caso você tenha inicia- É inegável que a tecnologia trouxe vanta-
do seu texto com uma analogia, é interessante gens ao dia-a-dia. É lamentável, porém, que o ho-
que essa mesma analogia seja revisitada na con- mem a tenha manipulado de tal forma a perder
clusão. Do mesmo modo, se seu texto se inicia o controle sobre sua criação. Os heróis digitais
com uma pergunta, é interessante que a respos- confundem-se com os vilões, que deletam aos
ta a ela esteja clara na conclusão. Veja a seguir poucos o sentido de humanidade de nossa so-
um exemplo de texto dissertativo em que a con- ciedade.
clusão e a introdução completam-se mutuamen- (retirado de http://www.puc-rio.br/vesti-
te, reiterando a tese do autor: bular/repositorio/redacoes/redacao18.html)

Homem Virtual

A história do homem é marcada por gran- Exercitando


des invenções e acontecimentos que modificam Antes de avançar para um novo assunto,
as relações familiares, sociais e internacionais. que tal pôr em prática o que você acabou de ver
Transformações essas que não se prendem ex- na unidade? Se você encontrar dificuldades para
clusivamente ao passado dos homens descobri- realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui
dores do fogo, criadores da roda, aventureiros estudado.
dos mares, pilares do Renascimento... Os revo-
lucionários do século XX inserem-se na História Atividade 5
com ferramentas virtuais e o poder da tecla enter. Do texto a seguir, retirou-se a conclusão.
A atual Revolução Tecnológica é uma Com base nos demais parágrafos, redija, pelo
transformação sem qualquer precedente na his- menos, duas versões para a conclusão, utilizan-
tória da humanidade. Enquanto, no passado, as do diferentes técnicas estudadas nesta unidade.
revoluções limitavam-se no espaço e no tempo,
ou mesmo nas diferenças culturais, o mundo Novos desafios para o planeta
globalizado de hoje lhes permite percorrer rapi- (adaptado)
damente quilômetros de distância sem que mes-
mo haja tempo para resistências ideológicas. É Por Marcelo Barros – Agência de Informa-
dessa facilidade que se extrai a explicação para ção Frei Tito para a América Latina – de São Paulo
as repentinas e profundas mudanças nas rela- Em torno ao dia 05 de junho que a ONU
ções humanas no século XX e especialmente na consagra como “dia internacional do meio am-
década de 90. biente”, o mundo inteiro promove uma série
O computador é a perfeita materializa- de discussões e eventos que durarão toda a
ção da Revolução do século XX. Através dele, semana. De fato, os problemas ambientais se
o homem conecta-se ao mundo, percorre paí- agravam. Hoje, não há quem não se assuste
ses, acessa diferentes informações ou diferen- com a frequência e a intensidade de inunda-
tes ângulos de uma mesma informação, agiliza ções e secas, assim como, em algumas regiões
trabalhos, melhora imagens, cria recursos... do mundo, terremotos e furacões ganham fúria
transformações desse nível foram muitas vezes nunca vista.
vivenciadas pelo homem. Nunca, porém, elas Como disse Leonardo Boff na assembleia
conseguiram atingi-lo paralelamente em sua es- geral da ONU: “se a crise econômica é preocu-
sência, visões, ideologia, prioridades. O mundo pante, a crise da não-sustentabilidade da Terra
tecnológico trouxe também novas fontes de la- se manifesta cada dia mais ameaçadora. Os cien-
zer, menos convivência pessoal, busca incessan- tistas que seguem o estado do Planeta, especial-
te de novos conhecimentos, necessidade de al- mente a Global Foot Print Network, haviam falado
cançá-los rapidamente. Criou um homem quase do Earth Overshoot Day, isto é, do dia em que se
digital com emoções contidas, experiências vir- ultrapassarão os limites da Terra. Infelizmente,
tuais, convivência cibernética, família matricial. os dados revelam que, exatamente no dia 23 de
A velha conversa no botequim deu lugar às salas setembro de 2008, a Terra ultrapassou em 30%
de bate-papo, a visita vespertina agora é um e- sua capacidade de reposição dos recursos ne-
-mail, o amigo é o computador. cessários para as demandas humanas.

Voltar ao sumário
18

No momento atual, precisamos de mais Respostas às atividades


de uma Terra para atender à nossa subsistência.
Como garantir ainda a sustentabilidade da Ter- Atividade 1
ra, já que esta é a premissa para resolver as de- 1. O texto fala das enchentes que destruí-
mais crises: a social, a alimentar, a energética e a ram cidades no estado de Santa Catarina, no ano
climática? Agora, não temos uma “arca de Noé” de 2009.
que salve alguns e deixe perecer a todos os de- 2. O texto se destina aos brasileiros em ge-
mais. Como asseverou recentemente, com muita ral, dada a abrangência do assunto e a linguagem
propriedade, o Secretário Geral desta casa, Ban simples, clara e direta.
Ki-Moon: “não podemos deixar que o urgente 3. O leitor tem de saber que as chuvas
comprometa o essencial”. O urgente é resolver causaram enchentes, o que o texto não explicita.
o caos econômico, mas o essencial é garantir a Além disso, a construção “para ajudar na recu-
vitalidade e a integridade da Terra. peração de estradas, casas” apresenta um pres-
É importante superar a crise financeira, suposto, isto é, se é preciso recuperar, é porque
mas o imprescindível e essencial é como vamos houve destruição.
salvar a Casa Comum e a humanidade que é par- 4. Trata-se do gênero notícia, que, no pla-
te dela. Esta foi a razão pela qual a ONU adotou no do conteúdo, caracteriza-se por trazer infor-
a resolução sobre o Dia internacional da Mãe mações recentes e que se tornam datadas em
Terra (International Mother Earth Day), a ser ce- poucos dias. No plano da forma, a linguagem é
lebrado no dia 22 de abril de cada ano. Dado o direta e clara, misturando traços narrativos e ex-
agravamento da situação ambiental da Terra, positivos.
especialmente o aquecimento global, temos de
atuar juntos e rápido. Caso contrário, há o risco Atividade 2 – Trata-se de um resumo,
de que a Terra possa continuar, mas sem nós” como se pode ver pela densidade de informa-
(discurso na ONU – abril de 2009). ções, causada pela quase inexistência de frases
Infelizmente, governos e instituições in- com baixa informatividade. Nesse gênero, pre-
ternacionais continuam insistindo no modelo domina a exposição, pois os fatos são apresen-
capitalista depredador. Somente o governo ame- tados de forma imparcial.
ricano destinou este ano mais de US$ 4 trilhões
a salvar bancos e multinacionais irresponsáveis Atividade 3 – Esta atividade tem muitas
que perderam dinheiro no cassino financeiro da possíveis respostas. Apresentamos, a seguir, al-
imprevisibilidade. Este dinheiro do povo, dado gumas:
aos ricos, “é um valor 40 vezes maior do que os 1. Meus dois professores são totalmente
recursos destinados a combater as mudanças diferentes em aparência, comportamento e per-
climáticas no mundo e a pobreza” (Le Monde Di- sonalidade. Um é alto e magro, com nariz aquili-
plomatique Brasil, maio de 2009, p. 3). O próprio no e modos distintos. O outro é baixo, gordinho
governo brasileiro advoga que, contra a crise e tem um jeito alegre de falar. Ambos, porém, são
econômica que assola o planeta e também atin- muito dedicados e dão, cada um a seu modo, óti-
ge o Brasil, a solução será consumir e comprar, mas aulas.
porque isso gera empregos e receitas. As conse- 2. O futebol está se tornando popular nos
quências ecológicas desta escolha não se colo- Estados Unidos graças à simplicidade do equipa-
cam. Menos ainda a questão ética fundamental. mento, das regras e das habilidades envolvidas.
Quantos brasileiros podem viver esta febre do Enquanto beisebol e basquete, tradicionais no
consumo? O PNUD do ano passado confirma: país, exigem alguns equipamentos caros, como
20% das pessoas mais ricas absorvem 82% das luvas, tacos ou cestas, o futebol não pede mais
riquezas mundiais, enquanto 20% dos mais po- do que uma bola de meia e um pouco de ginga
bres têm de se contentar apenas com 1,6% des- nos pés. Esse acaba sendo o fator que atrai po-
ta riqueza que deveria ser comum. Uma ínfima pulações de baixa renda.
minoria monopoliza o consumo e controla os 3. A paisagem, as praias, e o carnaval tor-
processos econômicos que implicam a devasta- nam o Rio de Janeiro uma cidade maravilhosa.
ção da natureza e uma imensa injustiça social. Turistas do mundo inteiro deixam cidades com
[...] fama internacional por sua beleza e ordenação

Voltar ao sumário
19

social para reverenciar a terra dos cariocas, Em 2003, a UNESCO assumiu a ‘Carta da Terra’
pois, apesar de notórios problemas de seguran- como instrumento educativo e referência ética
ça pública, “o Rio de Janeiro continua lindo”. para o desenvolvimento sustentável. Participa-
4. A astronomia é uma ciência fascinante. ram ativamente de sua concepção humanista
Desenvolvida a partir da astrologia, segundo a pensadores do mundo inteiro. É preciso que
qual os astros influenciariam o destino humano, a ONU assuma este documento que qualquer
a astronomia hoje pouco se parece com essa mo- pessoa pode ler e comentar na Internet (basta
dalidade adivinhatória. Em lugar de mapas as- consultar: ‘carta da terra’). É o esboço de uma
trais, telescópios de alta potência e cálculos ma- ‘declaração dos direitos da Terra’ e toda a hu-
temáticos muito precisos analisam o movimento manidade é chamada a conhecê-la e praticá-la”.
dos corpos celestes, deixando aos corpos huma-
nos que cuidem eles mesmos de seus destinos.
5. A adaptação animal é imprescindível
para a sobrevivência das espécies. Darwin per-
cebera isso quando postulou sua teoria da Se-
leção Natural, segundo a qual apenas o mais
adaptado sobreviveria. O homem, por exemplo,
fisicamente frágil, teve de se adaptar para sobre-
viver às intempéries e ao hostil ambiente, desen-
volvendo a tecnologia.
6. A intensa miscigenação teve importan-
tes consequências para a formação do povo bra-
sileiro. Porém, quando falamos em miscigenação, Referências
muitos reduzem a exemplos simplistas o fenôme-
no de hibridação cultural, como a diferentes re- ABREU, A. S. Curso de Redação. São Paulo: Ática,
ceitas culinárias ou às origens distintas de vocá- 3ª ed., 1991.
bulos de nossa língua. Tal visão apaga o quanto BAKHTIN, M. Marxismo e Filosofia da Lingua-
da visão de mundo que os brasileiros têm, em to- gem. São Paulo: Hucitec, 1987.
das as esferas da vida pública e privada, é fruto ________. Estética da criação verbal. São Paulo:
da mistura de uma série de culturas. Martins Fontes, 1992.
BARROS, M. Novos desafios para o planeta. Dis-
Atividade 4 – Segue abaixo a introdução ponível em: <http://www.procamig.org.br/home.
do texto original. php?sessao=0003>. Acesso em 15 jun. 2009.
“Levantamento do jornal The Salt Lake GARCIA, O. Comunicação em prosa moderna.
Tribune indica que ao menos 55 críticos de cine- Rio de Janeiro: FGV, 1981.
ma foram demitidos ou mudaram de área na im-
FEITOSA, V.C. Redação de Textos Científicos. São
prensa americana desde 2006. O dado, citado em Paulo: Papirus, s.d.
reportagem na edição dominical do ‘New York
HALLIDAY, M.A. K; HASAN. Language, context
Times’, ilumina um aspecto da crise que afeta and text: aspect of language in a social-semiotic
os jornais americanos e, em particular, ajuda a perspective. Deakin University Press. Oxford:
compreender uma mudança significativa que OUP 1989.
vem ocorrendo na relação de Hollywood com a Homem virtual. Disponível em: <http://www.puc-
imprensa”. -rio.br/vestibular/repositorio/redacoes/reda-
cao18.html>. Acesso em 15 jun. 2009.
Atividade 5 – Segue abaixo a conclusão MACHADO, S. J.; PINTO, A. C. F. Dimensão e
do texto original. horizonte de investimento e carteiras imuni-
“Para quem vive uma busca espiritual, o zadas: uma análise sob a perspectiva das enti-
cuidado amoroso com a Mãe Terra, com a água e dades de previdência complementar. Revista
Eletrônica de Administração. Disponível em:
com todo ser vivo fazem parte do testemunho de
<http://read.adm.ufrgs.br/edicoes/resumo.
que Deus é amor, está presente e atuante no uni- php?cod_artigo=618&cod_edicao=63&titulo_
verso. Apesar de todas as agressões e crimes co- p=a&acao=busca&pagina=l>. Acesso em 15 jun.
metidos contra o Planeta, ainda podemos salvá-lo. 2009.

Voltar ao sumário
20

MOURA, M. L. S.; FERREIRA, M. C. Projetos de RIBEIRO, Jefferson. Lula repassa terras da União
pesquisa. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2005. a Roraima e diz que está pagando dívida. O GLO-
BO, 28 jan. 2009. Disponível em: <http://g1.globo.
ROSSETTO, L. ‘É a pior calamidade ambiental
com/Noticias/Politica/0,,MUL975896-5601,00.
que já enfrentamos’, diz Lula, em SC. O GLOBO,
html>. Acesso em 15 jun. 2009.
26. nov. 2008. Disponível em: <http://g1.globo.
com/Noticias/Brasil/0,,MUL880093-5598,00-E+A STYCER, M. Crítico de cinema: profissão em extin-
+PIOR+CALAMIDADE+AMBIENTAL+QUE+JA+EN ção? Disponível em: <http://colunistas.ig.com.br/
FRENTAMOS+DIZ+LULA+EM+SC.html>. Acesso mauriciostycer/tag/critico-de-cinema/>. Acesso
em 15 jun. 2009. em 15 jun. 2009.

Voltar ao sumário
Unidade 2 Definindo os objetivos

Ao final desta unidade, você deverá ser


Coesão textual capaz de:

1. compreender a noção de coesão textual e sua


Apresentando a unidade importância para uma boa legibilidade dos textos;
2. identificar as estratégias textuais que assegu-
ram coesão ao discurso;

N
esta unidade, identificamos, ilustramos 3. reconhecer e corrigir falhas textuais que com-
e comentamos os recursos mais eficazes prometam a coesão do discurso;
para aumentar a coesão entre as partes 4. produzir textos mais coesos.
dos parágrafos e dos textos.
Antes de iniciarmos propriamen-te o tema Conhecendo a
desta unidade, observe a letra de música abai- coesão textual
xo, que muito se relaciona com o assunto desta
unidade. Muitas vezes, ao escrever-
mos, temos boas ideias, mas sentimos dificul-
dades para relacioná-las. Se não tomarmos cui-
A linha e o linho dado, podemos acabar por lançar no papel uma
(Gilberto Gil) série de frases gramaticalmente corretas, mas
que não se relacionam de forma clara entre si.
Para que um conjunto de frases se torne um tex-
É a sua vida que eu quero bordar na minha to, é preciso que haja coesão: que as ideias se
Como se eu fosse o pano e você fosse a linha entrelacem, completando-se e retomando-se, de
E a agulha do real nas mãos da fantasia modo que as frases sigam um fluxo lógico e con-
Fosse bordando ponto a ponto nosso dia-a-dia tínuo, não parecendo blocos isolados. Quando
E fosse aparecendo aos poucos nosso amor um texto está coeso, temos a sensação de que
Os nossos sentimentos loucos, nosso amor sua leitura “flui” com facilidade.
O ziguezague do tormento, as cores da alegria A origem do termo texto remete a tecido:
A curva generosa da compreensão um texto, como um tecido, deve entretecer seus
Formando a pétala da rosa, da paixão fios de ideias, de modo que, nos pontos em que
A sua vida, o meu caminho, nosso amor essas ideias se tocam, se estabeleça a coesão tex-
Você a linha e eu o linho, nosso amor tual. Para entender isso melhor, observe o con-
Nossa colcha de cama, nossa toalha de mesa to abaixo, escrito por Clarice Lispector. Em sua
Reproduzidos no bordado composição, a autora, para encadear as partes do
A casa, a estrada, a correnteza texto de forma clara e criativa, utiliza-se de uma
O sol, a ave, a árvore, o ninho da beleza série de estratégias linguísticas, de modo a evitar
a repetição sistemática de palavras e a ligar de
O texto acima revela a intimidade entre a li- forma lógica as ideias. Para fins didáticos, desta-
nha e o linho, não só no plano da forma (por cau- camos apenas alguns dos mecanismos de coesão
sa da estrutura parecida das duas palavras do que aparecem nesse texto, os quais serão explo-
título), mas também no plano do significado (de- rados mais aprofundadamente ao longo da unida-
vido a ambas as palavras pertencerem ao campo de. Por enquanto, reflita sobre a importância das
da costura). Observe que o conteúdo dialoga di- palavras em destaque na composição do conto.
retamente com a noção de coesão textual, que es-
tudaremos nesta unidade, afinal é o fenômeno da Uma esperança
coesão que “costura” as partes de um texto, ga-
rantindo-lhe coerência e clareza. Nas próximas Aqui em casa pousou uma esperança. Não
seções, você estudará os mecanismos que deve a clássica, que tantas vezes verifica-se ser ilusó-
empregar em seus textos, para que sejam sem- ria, embora mesmo assim nos sustente sempre.
pre coesos e bem articulados.

Voltar ao sumário
22

Mas a outra, bem concreta e verde: o inseto. Antes de avançar para um novo assunto,
Houve um grito abafado de um de meus que tal pôr em prática o que você acabou de ver
filhos: na unidade? Se você encontrar dificuldades para
– Uma esperança! e na parede, bem em realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui
cima de sua cadeira! Emoção dele também que estudado.
unia em uma só as duas esperanças, já tem ida-
de para isso. Antes surpresa minha: esperança é Atividade 1
coisa secreta e costuma pousar diretamente em Observe o resumo abaixo, referente ao
mim, sem ninguém saber, e não acima de minha artigo “Pedagogia de projetos”, de Lúcia He-
cabeça numa parede. Pequeno rebuliço: mas era lena Alvarez Leite. Após uma primeira leitura
indubitável, lá estava ela, e mais magra e verde para tomar ciência do sentido global do texto,
não poderia ser. destaque, em uma segunda leitura, algumas
– Ela quase não tem corpo, queixei-me. das expressões que estabelecem coesão entre
– Ela só tem alma, explicou meu filho e, as ideias apresentadas no resumo. Proceda de
como filhos são uma surpresa para nós, desco- maneira semelhante à apresentada na análise do
bri com surpresa que ele falava das duas espe- conto de Clarice Lispector.
ranças. RESUMO: A discussão sobre Pedagogia de
[...] Projetos não é nova. Ela surge no início do século,
Foi então que farejando o mundo que é com John Dewey e outros pensadores da chamada
comível, saiu de trás de um quadro uma aranha. “Pedagogia Ativa”. Já nessa época, a discussão es-
Não uma aranha, mas me parecia “a” aranha. An- tava embasada numa concepção de que “educação
dando pela sua teia invisível, parecia transladar- é um processo de vida e não uma preparação para
-se maciamente no ar. Ela queria a esperança. a vida futura e a escola deve representar a vida pre-
Mas nós também queríamos e, oh! Deus, quería- sente – tão real e vital para o aluno como o que ele
mos menos que comê-la. Meu filho foi buscar vive em casa, no bairro ou no pátio” (DEWEY, 1897).
a vassoura. Eu disse fracamente, confusa, sem Os tempos mudaram, quase um século se
saber se chegara infelizmente a hora certa de passou e essa afirmação continua ainda atual. A
perder a esperança: discussão da função social da escola, do signi-
– É que não se mata aranha, me disseram ficado das experiências escolares para os que
que traz sorte... dela participam foi e continua a ser um dos as-
– Mas ela vai esmigalhar a esperança! res- suntos mais polêmicos entre nós, educadores.
pondeu o menino com ferocidade. As recentes mudanças na conjuntura mundial,
[...] com a globalização da economia e a informatiza-
ção dos meios de comunicação, têm trazido uma
Para encadear os aconteci- série de reflexões sobre o papel da escola dentro
mentos da narrativa, mos- do novo modelo de sociedade, desenhado nesse
trando que todos estão re- final de século.
lacionados ao animal chamado esperança, a É nesse contexto e dentro dessa polêmi-
autora utilizou uma série de palavras e expres- ca que a discussão sobre Pedagogia de Projetos,
sões que remetem à criatura que dá título ao hoje, se coloca. Isso significa que é uma discussão
conto: uma esperança, a clássica, que, a outra, sobre uma postura pedagógica e não sobre uma
o inseto, ela, entre outras. Assim, o texto não técnica de ensino mais atrativa para os alunos.
peca pela repetição desnecessária de palavras.
O encadeamento dos fatos referentes a Conhecendo os recursos
essa criatura também é garantido por outras de coesão textual
palavras, que estabelecem relações de senti-
do entre os acontecimentos da narrativa; entre Para conectar e relacionar as
elas, destacam-se e, mas, e então. No trecho partes de um texto, vários mecanismos podem
“Pequeno rebuliço: mas era indubitável”, a pa- ser adotados. A seguir, encontram-se os dois
lavra mas estabelece uma oposição entre as ca- principais tipos de recursos de que você pode
racterísticas atribuídas ao rebuliço: pequeno, se valer para garantir coesão e legibilidade àqui-
porém indubitável. lo que escreve:

Voltar ao sumário
23

1. Coesão referencial
A coesão referencial é estabelecida por
meio de expressões que retomam ou antecipam
ideias. Esse tipo de coesão serve para evitar a re-
petição desnecessária de termos, além de garan-
tir que uma informação nova esteja conectada a
outra que já havia sido mencionada. Tal articu-
lação pode se dar basicamente de duas formas,
como estudaremos a seguir: Você já deve ter passado por problemas
enquanto escrevia, porque não queria repetir
1.1. Emprego dos pronomes na coesão desnecessariamente uma palavra. Evitar a reu-
referencial tilização excessiva de determinada expressão
Observe o trecho abaixo, retirado do arti- garante elegância ao seu texto, revelando uma
go “Esporte e saúde”, de Selva Maria Guimarães elaboração cuidadosa. Os pronomes, como você
Barreto. Preste atenção ao papel dos pronomes viu, são bastante úteis para esse fim, pois per-
(em negrito) na articulação do texto. mitem o encadeamento de ideias e podem subs-
tituir os termos a que se remetem. Observe a
Esporte e Saúde seguir como tal recurso foi empregado no artigo
“Esporte e saúde”.
Nos cursos de Educação Física está ocor- “Nos cursos de Educação Física está ocor-
rendo uma revolução, que vem provocando rendo uma revolução, que vem provocando
questionamentos sobre alguns conceitos: o que questionamentos sobre alguns conceitos [...]”
se tenta expor criticamente hoje é a relação No trecho acima, o pronome que evitou a
entre “Esporte e Saúde”. Esta vinculação, infe- repetição de revolução. Assim, a autora ganhou
lizmente, não é a mais usual, pois geralmente é em coesão, pois o trecho, sem o pronome, ficaria
substituída por “Esporte é Saúde” pelo conhe- da seguinte forma:
cimento popular, uma relação que aparenta ser Nos cursos de Educação Física está ocorren-
uma verdade absoluta, quando não, obrigato- do uma revolução. A revolução vem provocan-
riamente, é. Os novos conceitos trabalhados do questionamentos sobre alguns conceitos.
relacionam Esporte, Saúde e Qualidade de Vida, De maneira semelhante, o texto apresenta
de maneira a levantar o debate para refletirmos o período abaixo:
sobre os mesmos. “O Esporte, como conceito, é considera-
O Esporte, como conceito, é conside- do uma atividade metódica e regular, que asso-
rado uma atividade metódica e regular, que cia resultados concretos referentes à anatomia
associa resultados concretos referentes à dos gestos e à mobilidade dos indivíduos”.
anatomia dos gestos e à mobilidade dos indi- Tal frase poderia ser desdobrada em duas
víduos. Esta é a conotação que podemos cha- outras, mas isso atrapalharia uma leitura fluente
mar de “Esporte de alto nível”, veiculada nas do texto, tornando-o repetitivo. Observe:
mídias em geral, representada por pessoas O Esporte, como conceito, é considerado
executando gestos extremamente mecaniza- uma atividade metódica e regular. A ativida-
dos, uniformes, com um certo gasto de energia de metódica e regular associa resultados con-
para produzir um determinado tipo de movi- cretos referentes à anatomia dos gestos e à mobi-
mento repetidas vezes. São gestos plásticos, lidade dos indivíduos.
muito organizados, moldados e com muitas re- Há outros pronomes como esses (prono-
gras, para que se possa obter algum resultado mes relativos), que ligam duas orações e evitam
prático. O Esporte pode ser encarado, dentro a repetição de termos, como você verá a seguir:
de outras ópticas, tanto como o Esporte vei-
culado nas mídias, como uma atividade dentro l ONDE – Esse pronome relativo, embora
de um grupo de amigos (na escola, na rua ou empregado com frequência nos textos veicu-
qualquer local). lados pela mídia, tem um uso bastante restri-
[...] to: segundo a gramática tradicional, tal pro-
nome pode apenas indicar a noção de “lugar”.

Voltar ao sumário
24

Exemplos: Veja que, dessa vez, o pronome não co-


O Brasil é um país onde o incentivo à edu- nectou duas orações em uma mesma frase, mas
cação é primordial. duas frases diferentes. Geralmente, isso é fei-
A frase está correta de acordo com a nor- to por um pronome como “esse(a)”, “este(a)”,
ma dita culta, pois o pronome onde retoma a pa- “isso” ou “isto”. Tais palavras, chamadas pro-
lavra país, que indica a noção de “lugar em que”. nomes demonstrativos, costumam apontar para
outra ideia no texto, que já tenha sido menciona-
CUJO – Tal pronome estabelece, geral-
l da ou que ainda será expressa. No exemplo ana-
mente, relação de posse entre dois substantivos. lisado, o pronome “esta”, ligado a “vinculação”,
Observe que ele deve concordar com o termo refere-se à ideia vinculada em “Esporte e Saúde”,
que o sucede, o qual não pode vir acompanhado expressão que já havia sido mencionada na frase
por um artigo. anterior. No entanto, é preciso observar que a
maioria dos gramáticos tradicionais preferem o
Exemplos: uso de “esse”, “essa” e “isso”, quando o pronome
(a) Machado de Assis é um autor cujas se refere a algo que já foi dito. Assim, uma me-
obras são estudadas até hoje. lhor redação do trecho seria:
A frase (a) está de acordo com a norma Nos cursos de Educação Física está ocorren-
culta, pois cujo está conectando dois substan- do uma revolução, que vem provocando questio-
tivos (autor e obras), estabelecendo entre eles namentos sobre alguns conceitos: o que se tenta
uma relação de posse, pois as obras pertencem expor criticamente hoje é a relação entre “Espor-
ao autor. Veja agora: te e Saúde”. Essa vinculação, infelizmente, não
(b) Animais cujos os filhos são amamenta- é a mais usual, pois geralmente é substituída por
dos são chamados de mamíferos. “Esporte é Saúde” pelo conhecimento popular,
A frase (b) estabelece uma relação de uma relação que aparenta ser uma verdade abso-
posse entre dois substantivos (animais e filhos), luta, quando não, obrigatoriamente, é.
mas erra ao pôr o artigo os entre cujos e filhos. Situação semelhante ocorre no trecho
abaixo, extraído do mesmo artigo:
l O QUE – Essa expressão não substitui, “O Esporte, como conceito, é considera-
como os pronomes relativos anteriormente men- do uma atividade metódica e regular, que asso-
cionados, uma palavra, mas sim uma oração in- cia resultados concretos referentes à anatomia
teira. Observe: dos gestos e à mobilidade dos indivíduos. Esta
é a conotação que podemos chamar de “Espor-
Exemplo: A democracia eletrônica permi- te de alto nível”, veiculada nas mídias em geral,
te uma eficaz articulação entre cidadão e gover- representada por pessoas executando gestos
no, o que facilita processos de consulta pública, extremamente mecanizados, uniformes, com um
como referendos via Internet. certo gasto de energia para produzir um deter-
Na frase acima, o que evita a repetição não minado tipo de movimento repetidas vezes”.
de uma palavra, mas de toda a oração que o antece- O pronome “esta” retoma o conteúdo de
de, funcionando como o sujeito do verbo facilitar. toda a frase anterior, atribuindo-lhe os novos
Além dessas, há outras estratégias no uso sentidos da segunda frase. No entanto, como se
do pronome que estabelecem coesão entre as trata de remissão a algo que já havia sido dito,
partes de um texto. Observe o exemplo retirado seria mais adequado o uso de “essa”.
do texto de “Esporte e saúde”: Geralmente, os pronomes “este”, “esta” e
“Nos cursos de Educação Física está ocor- “isto” referem-se a algo que ainda será mencio-
rendo uma revolução, que vem provocando nado. Observe a frase abaixo como modelo, pois
questionamentos sobre alguns conceitos: o que o pronome “isto” aponta não para uma informa-
se tenta expor criticamente hoje é a relação entre ção anterior, mas para algo que se apresenta de-
‘Esporte e Saúde’. Esta vinculação, infelizmente, pois dele: a palavra violência.
não é a mais usual, pois geralmente é substituída Exemplo: O que me assusta no Brasil é
por ‘Esporte é Saúde’ pelo conhecimento popu- isto: a violência.
lar, uma relação que aparenta ser uma verdade É importante atentar, além disso, para
absoluta, quando não, obrigatoriamente, é”. uma construção muito comum em textos acadê-

Voltar ao sumário
25

micos, em que há duas referências consecutivas Atividade 3


a termos que foram mencionados. Observe os parágrafos abaixo e identifi-
que neles problemas decorrentes do mau uso
Exemplo: O Brasil exporta cacau e soja. das estratégias de coesão referencial.
Esta é plantada na região Sul; aquele, no Nordeste. 1. Giddens descreve o surgimento da Teo-
Embora ambos os pronomes em destaque re- ria da estruturação a partir do encontro de várias
firam-se a palavras já mencionadas, não se usam os correntes teóricas com as quais foi se familiarizan-
pronomes “esse”, “essa” e “isso” nesse caso. Conven- do nos anos 60, como o Marxismo. Pontua o seu
cionou-se que, em situações como essa, devem-se princípio na continuidade da vida social, em que
usar “este”/“esta”/”isto” para apontar para a palavra as estruturas dependem das ações dos indivíduos
mais próxima (“soja”) e “aquele”/“aquela”/“aquilo” e só existem na medida em que as pessoas agem
para a palavra mais distante (“cacau”). no contexto a partir de seu referencial interno.
2 . “As feias que me perdoem, mas beleza
é fundamental”. Essa citação do poeta brasileiro
Vinícius de Moraes mostra-se não só politica-
Exercitando mente incorreta, mas também caduca nos dias
Antes de avançar para um novo assunto, que de hoje. A atualidade enxerga a mulher sob uma
tal pôr em prática o que você acabou de ver na uni- nova perspectiva, não mais atrelada à sua cons-
dade? Se você encontrar dificuldades para realizar tituição física, como um objeto, mas voltada
a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui estudado. para aspectos como força de trabalho, produção
intelectual e igualdade de direitos. Ela revela, as-
Atividade 2 sim, mudanças profundas em sua constituição.
Os trechos abaixo poderiam se tornar
mais coesos, caso fosse empregado o recurso da 1.2. Emprego de itens do léxico
coesão referencial. Aplique tal estratégia coesi- na coesão referencial
va, unindo as informações em uma única frase. Quando você escreve um texto, interrom-
1. Este é o país. Moro no país. pe mais de uma vez o processo de composição,
2. Este é o país. O país se chama Brasil. em busca de expressão que substitua alguma
3. Não se sabe onde está o livro. Dependo palavra que você já utilizou. A coesão lexical co-
do livro para fazer um trabalho. necta as partes do texto e evita a repetição voca-
4. Perguntei-lhe o nome. Baseou-se no bular, por meio do uso de substantivos, verbos
nome para tomar sua decisão. e adjetivos, o que exige um vocabulário amplo,
5. Os Estados Unidos conduziram uma in- adquirido com a leitura constante e frequentes
cursão destruidora no Iraque. Os soldados dos consultas ao dicionário. Para entender melhor
Estados Unidos alegavam defender sua pátria. esse tipo de estratégia coesiva, observe o trecho
6. O corpo humano é percorrido por um abaixo, retirado do artigo “Análise da publicidade
sistema circulatório. Pelo sistema circulatório de medicamentos veiculada em Goiás – Brasil”,
são conduzidos os nutrientes às células. de Johnathan S. de Freitas et alii:
7. O verbo concorda com o sujeito. O nú- A propaganda/publicidade é um conjunto
cleo do sujeito não pode ser uma preposição. de técnicas utilizadas com o objetivo de divulgar
8. O Brasil foi descoberto pelos portugue- conhecimentos e/ou promover adesão a princí-
ses. Nos navios dos portugueses foi transporta- pios, ideias ou teorias, visando exercer influên-
do pau-brasil. cia sobre o público através de ações que objeti-
vem promover determinado medicamento com
fins comerciais (BRASIL, 2000). Quando tais téc-
nicas são utilizadas apenas com a finalidade de
Exercitando ampliar lucros em detrimento da qualidade da
Antes de avançar para um novo assunto, informação veiculada, ocultando ou diminuin-
que tal pôr em prática o que você acabou de do os aspectos negativos e superestimando os
ver na unidade? Se você encontrar dificuldades benefícios do produto medicamentoso, surgem
para realizar a tarefa a seguir, retome o conteú- questões de cunho ético, uma vez que, podem
do aqui estudado. promover o uso irracional de medicamentos e,

Voltar ao sumário
26

consequentemente, danos à saúde e à economia. [...] já havia sido citado. No entanto, se o texto também
Existem diversos casos em que a propaganda e falasse de cosméticos, seria necessário buscar ou-
publicidade de medicamentos têm apresenta- tra forma de estabelecer coesão, pois “produtos” en-
do estes produtos como soluções rápidas para globa tanto “medicamentos” quanto “cosméticos”.
diversos problemas de saúde que acometem a Tal relação pode ser definida da seguinte forma:
população, sem levar em consideração o risco
sanitário intrínseco que todo produto medica-
mentoso possui.
Para evitar a repetição desnecessária de pala-
vras, o autor usou expressões
como “produto medicamentoso”
e simplesmente “produto” para
se referir a medicamento, garan-
tindo a coesão textual. Veja a seguir algumas es-
tratégias para o bom uso de itens do léxico a fim
de tornar seus textos mais coesos. Essa estratégia garante que o leitor recu-
pere a relação entre as partes do texto sem que
1.2.1. Uso de sinônimos o autor precise repetir desnecessariamente pala-
Essa é a estratégia a que mais recorremos vras. Você deve tomar cuidado, porém, para não
enquanto escrevemos, embora nem sempre seja usar um hiperônimo vago demais, como “coisa”,
fácil encontrar um sinônimo. Dificilmente um por exemplo. Tal palavra poderia ser interpretada
par de sinônimos pode ser considerado perfeito, como se referindo a praticamente qualquer item
isto é, com um elemento podendo ser trocado mencionado no texto, gerando grave ambiguidade.
pelo outro em qualquer contexto. Quando você
leu o texto acima, deve ter se perguntado por 1.2.3. Uso de perífrases
que o autor não usou a palavra “remédio” para A perífrase é uma construção complexa
se referir a “medicamento”. Tal substituição não para designar algo para o qual há uma expressão
foi feita, pois, como acabamos de ver, esse não mais simples. No caso do texto analisado, o au-
é um par de sinônimos perfeitos. Segundo o tor poderia ter empregado uma perífrase para re-
Grande Dicionário Português ou Tesouro da Lín- meter a “medicamentos”, escrevendo, por exem-
gua Portuguesa, de Domingos Vieira, “Remédio plo, “substâncias empregadas no tratamento de
tem um sentido mais amplo que medicamento. uma afecção ou de uma manifestação mórbida”.
O remédio compreende tudo o que é emprega- Para isso, o uso de dicionários e de boas fontes
do para a cura de uma doença. [...] O exercício de consulta é imprescindível, de modo que você
pode ser um remédio, porém nunca é um medi- possa apresentar informações precisas.
camento”. A perífrase permite que você acrescente
Assim, é preciso ter cuidado no uso de novos dados ao tópico sobre o qual você está
sinônimos, especialmente no texto acadêmico, escrevendo, como propusemos ao criar a perí-
do qual se espera grande precisão. No texto que frase “substâncias empregadas no tratamento
estamos analisando, o autor preferiu utilizar de uma afecção ou de uma manifestação mórbi-
“produtos medicamentosos” como sinônimo de da”. Nesse caso, tal construção acrescentaria ao
“medicamentos”. texto uma informação sobre a função do medi-
camento.
1.2.2. Uso de hiperônimos O uso das perífrases pode ser útil para
Um hiperônimo é uma palavra com sentido você reforçar seu ponto de vista ao longo de um
mais genérico do que uma outra, chamada de hipôni- texto dissertativo. Veja a seguir dois exemplos:
mo. O significado de um hiperônimo contém o signifi-
cado de vários hipônimos ao mesmo tempo, como no Exemplos:
caso de “produtos” (hiperônimo) e “medicamentos” (a) Deve ser permitido o porte de armas
(hipônimo), palavras retiradas do artigo aqui anali- a civis, pois a sociedade está cada vez mais vio-
sado. Ao se referir a “produtos”, o autor nos remete lenta. É impensável a vida em uma grande socie-
diretamente a “medicamentos”, único produto que dade sem esses instrumentos que garantem a

Voltar ao sumário
27

autodefesa do cidadão. megaprojeto chinês do Rio Yangtse, com capa-


(b) Apesar da crescente onda de violência cidade de 18.200 megawatts, que fará com que
nas grandes capitais, deveria ser proibido a civis supere Itaipu, transformando-se na maior usina
o porte de armas. É absurdo haver cidadãos co- do mundo.
muns portando esses instrumentos de ameaça O projeto contempla iniciativas que come-
à vida e à integridade física do outro. çam pelo telhado, cujo terraço acumula 70% da
Em (a), sendo o autor favorável ao porte água da chuva e filtra os agentes poluentes, utili-
de armas, valeu-se de uma perífrase (em negri- zando espécies naturais de Pequim, além de pai-
to) que reforça essa ideia, valorizando as vanta- néis solares, que fornecem 10% de toda a energia
gens trazidas por esses instrumentos. Por outro consumida no edifício.
lado, como em (b) o autor é contrário ao porte
de armas, utilizou uma perífrase que reafirma tal 2. Coesão sequencial
ponto de vista, destacando as consequências ne- Para que um texto seja coeso, não basta
gativas do uso desses objetos. evitar a repetição desnecessária de palavras, re-
tomando, pelos mecanismos que vimos acima,
termos que já haviam sido mencionados. É pre-
ciso também estabelecer relações lógicas entre
Exercitando as ideias expressas, o que é especialmente im-
Antes de avançar para um novo assunto, portante em gêneros de escrita acadêmica.
que tal pôr em prática o que você acabou de ver Para estabelecer relações lógicas entre as
na unidade? Se você encontrar dificuldades para ideias, utilizamos conectivos, como preposições
realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui e conjunções. Observe o trecho abaixo, retira-
estudado. do do artigo “Mensuração da glicemia em cães
mediante a utilização do glicosímetro portátil:
Atividade 4 comparação entre amostras de sangue capilar e
Observe o trecho abaixo, retirado do ar- venoso”, de G. A. S. Aleixo. Atente para os conec-
tigo “Edifícios ecológicos”, de Francisco Maia tivos em negrito e sua função no encadeamento
Neto. Identifique, no texto, os itens lexicais que das ideias:
retomam a palavra em destaque, estabelecendo A glicose é constantemente aproveitada
com ela coesão referencial: pelas células do corpo como fonte de energia,
Criticada mundialmente pela pouca preo- por isso é necessário manter sua concentração
cupação com o meio ambiente, a China anun- no sangue em equilíbrio (BUSH, 2004). Níveis gli-
ciou recentemente que está investindo em cons- cêmicos alterados (elevação ou redução) trazem
truções ambientalmente responsáveis, tendo consequências negativas para o corpo e a manei-
sido lançado seu primeiro edifício ecológico, ra mais adequada de reduzir essas complicações
com uma economia de até 70% de energia e 60% é tentando manter o equilíbrio. Para isso se faz
de água, o que lhe valeu uma certificação inter- necessário realizar medições da glicemia (PICA
nacional. et al., 2003).
Concebida por profissionais americanos As diferentes técnicas de monitoramento
e chineses, esta construção destinada a escri- da glicose no sangue podem ser classificadas em
tórios constitui-se no primeiro edifício no país laboratorial e portátil. A primeira opção é mais
a receber o “LEED”, sigla em inglês de Liderança confiável, entretanto, por gerar maiores custos,
em Energia e Design Ambiental, que é um certi- seu uso fica restrito aos laboratórios de análises
ficado criado por um grupo de empresários da clínicas e hospitais (PICA et al., 2003). Outra des-
construção nos Estados Unidos, preocupados vantagem observada é a necessidade de maiores
com a preservação do meio ambiente. volumes de sangue (três mililitros) para realizar
Para imaginarmos a dimensão da iniciati- o teste (GROSS et al., 2002).
va, foi feita uma projeção sobre o impacto que Além disso, é preciso muito cuidado e agi-
resultaria se esta tecnologia fosse aplicada em lidade ao manipular uma amostra que será sub-
todos os edifícios comerciais na China. A econo- metida à dosagem de glicose no laboratório, pois
mia energética obtida anualmente seria equiva- o consumo desse carboidrato pelos eritrócitos
lente à Usina Hidrelétrica de Três Gargantas, o no sangue ocorre na taxa de aproximadamente

Voltar ao sumário
28

10% por hora em temperatura ambiente. Esse da pelas células do corpo como fonte de energia,
consumo pode ser ainda mais acelerado se a logo é necessário manter sua concentração no
amostra estiver contaminada com microrganis- sangue em equilíbrio.
mos ou em ambientes quentes (COLES, 1984; (b) A glicose é constantemente aproveita-
KANEKO, 1997). da pelas células do corpo como fonte de energia,
Logo na primeira frase, portanto é necessário manter sua concentração
as duas principais ideias (o no sangue em equilíbrio.
aproveitamento da glicose e (c) A glicose é constantemente aproveita-
a necessidade de manter sua da pelas células do corpo como fonte de energia;
concentração equilibrada são é necessário, pois, manter sua concentração no
ligadas pelo conectivo “por isso”. A escolha sangue em equilíbrio.
dele estabelece entre essas ideias uma relação (d) A glicose é constantemente aproveita-
de conclusão, de modo que, em consequência da pelas células do corpo como fonte de energia,
do constante aproveitamento da glicose, seja de modo que é necessário manter sua concen-
necessário manter sua concentração no sangue tração no sangue em equilíbrio
em equilíbrio. Observe que em (c) há uma construção
Observe agora o período: “A primeira op- pouco comum na fala cotidiana. Geralmente, a
ção é mais confiável, entretanto, por gerar maio- palavra “pois” é empregada para introduzir uma
res custos, seu uso fica restrito aos laboratórios causa. Na frase que estamos analisando, no en-
de análises clínicas e hospitais”. Nessa frase, há tanto, esse conectivo está introduzindo uma con-
mais de um conectivo estabelecendo relações ló- sequência. Para isso, deve ser posicionado após
gicas entre as ideias. A palavra “entretanto”, por o verbo da oração em que se encontra.
exemplo, indica uma oposição, contrastando a Outros conectivos que expressam rela-
confiabilidade (aspecto positivo) e a restrição ções de consequência (ou conclusão) são assim,
(aspecto negativo) das técnicas laboratoriais de então, por conseguinte, em vista disso.
monitoramento da glicose. Já a palavra “por” in- Se você inverter a estrutura dessa frase,
dica um valor de causa, de modo que a geração passando o conectivo para a outra oração, não
de maiores custos é o motivo de restringir tais haverá mais ideia de consequência, mas sim de
técnicas. Por fim, o conectivo “e” tem valor de causa. Na verdade, essas ideias estão intima-
adição, somando os locais a que se restringem mente relacionadas. Observe:
as técnicas laboratoriais de monitoramento da (a) É necessário manter a concentração
glicose: clínicas e hospitais. de glicose no sangue em equilíbrio, porque ela
A seguir apresentamos as principais é constantemente aproveitada pelas células do
ideias que os conectivos podem acrescentar ao corpo como fonte de energia.
encadeamento da frase. (b) É necessário manter a concentração
de glicose no sangue em equilíbrio, pois ela é
2.1. Relação de causa-consequência constantemente aproveitada pelas células do
Essa é uma das relações mais comuns na corpo como fonte de energia.
construção de um texto. É possível estabelecê-la (c) É necessário manter a concentração
por uma série de mecanismos diferentes. Como de glicose no sangue em equilíbrio, visto que ela
exemplo, vamos retomar uma frase do texto. é constantemente aproveitada pelas células do
“A glicose é constantemente aproveitada corpo como fonte de energia.
pelas células do corpo como fonte de energia, (d) É necessário manter a concentração
por isso é necessário manter sua concentração de glicose no sangue em equilíbrio, já que ela
no sangue em equilíbrio”. é constantemente aproveitada pelas células do
Conforme você já viu, esse conectivo in- corpo como fonte de energia.
troduz uma ideia de consequência a algo que ha- Observe que em (b) o emprego da palavra
via sido dito antes. Essa frase poderia também “pois” corresponde ao uso mais frequente na lín-
ter sido dita de outras formas. Veja: gua. Nesse caso, para expressar ideia de causa,
esse conectivo deve ser posicionado antes do
Exemplos: verbo da oração em que se encontra.
(a) A glicose é constantemente aproveita- Outros conectivos que expressam relações

Voltar ao sumário
29

de causa são dado que, como, uma vez que, por- opção de mudar o conectivo de oração para ex-
quanto, por, por causa de, em vista de, em vir- pressar uma mesma oposição. No entanto, em-
tude de, devido a, por motivo de, por razões de. bora a relação entre as ideias continue sendo de
oposição, a ênfase muda. Veja:
2.2. Relação de oposição
Observe a frase: Exemplos:
“A primeira opção é mais confiável, en- (a) A primeira opção é mais confiável, mas
tretanto, por gerar maiores custos, seu uso fica seu uso fica restrito aos laboratórios de análises
restrito aos laboratórios de análises clínicas e clínicas e hospitais.
hospitais”. (b) Embora a primeira opção seja mais
A palavra “entretanto” realça o contraste confiável, seu uso fica restrito aos laboratórios
que há entre a confiabilidade e a restrição da “pri- de análises clínicas e hospitais.
meira opção”. Tal frase poderia ser reescrita de vá- O conectivo “mas” e seus equivalentes,
rias outras formas, mantendo seu sentido básico. vistos acima, introduzem a oração a que se quer
dar ênfase. O conectivo “embora” e seus equiva-
Exemplos: lentes, vistos a seguir, reduzem a importância do
(a) A primeira opção é mais confiável, mas, fato expresso pela oração que introduzem.
por gerar maiores custos, seu uso fica restrito Veja agora construções equivalentes às de (b).
aos laboratórios de análises clínicas e hospitais.
(b) A primeira opção é mais confiável, Exemplos:
porém, por gerar maiores custos, seu uso fica (b.1) Apesar de que a primeira opção seja
restrito aos laboratórios de análises clínicas e mais confiável, seu uso fica restrito aos laborató-
hospitais. rios de análises clínicas e hospitais.
(c) A primeira opção é mais confiável, no (b.2) Mesmo que a primeira opção seja
entanto, por gerar maiores custos, seu uso fica mais confiável, seu uso fica restrito aos laborató-
restrito aos laboratórios de análises clínicas e rios de análises clínicas e hospitais.
hospitais. (b.3) Ainda que a primeira opção seja
(d) A primeira opção é mais confiável, mais confiável, seu uso fica restrito aos laborató-
todavia, por gerar maiores custos, seu uso fica rios de análises clínicas e hospitais.
restrito aos laboratórios de análises clínicas e (b.4) Posto que a primeira opção seja mais
hospitais. confiável, seu uso fica restrito aos laboratórios
(e) A primeira opção é mais confiável, de análises clínicas e hospitais.
contudo, por gerar maiores custos, seu uso fica (b.5) Não obstante a confiabilidade da pri-
restrito aos laboratórios de análises clínicas e meira opção, seu uso fica restrito aos laborató-
hospitais. rios de análises clínicas e hospitais.
Veja que, embora todos esses conectivos (b.6) Malgrado a confiabilidade da primei-
expressem basicamente a mesma ideia, têm um ra opção, seu uso fica restrito aos laboratórios
comportamento sintático diferente: à exceção de análises clínicas e hospitais.
de “mas”, todos os outros têm mobilidade na (b.7) A despeito da confiabilidade da pri-
oração, podendo ser posicionados em diferentes meira opção, seu uso fica restrito aos laborató-
locais da frase. rios de análises clínicas e hospitais.

Exemplos: 2.3. Relação de condição


(b.1) A primeira opção é mais confiável; Observe a frase a seguir, retirada do artigo
por gerar maiores custos, porém, seu uso fica que estamos analisando: “Esse consumo pode
restrito aos laboratórios de análises clínicas e ser ainda mais acelerado se a amostra estiver
hospitais. contaminada com microrganismos ou em am-
(b.2) A primeira opção é mais confiável; por bientes quentes”.
gerar maiores custos, seu uso fica restrito aos la- Nesse caso, o conectivo “se” apresenta a
boratórios de análises clínicas e hospitais, porém. contaminação da amostra como uma condição
Da mesma maneira que na seção referente para a aceleração do consumo. Veja que, com
às relações de causa-consequência, você tem a algumas modificações nos tempos verbais, essa

Voltar ao sumário
30

frase poderia ser escrita de outras maneiras. go “A dependência química”, de Júlio Cruz. Iden-
Exemplos: tifique o valor semântico dos conectivos em des-
(a) Esse consumo pode ser ainda mais taque e sugira outros que possam substituí-los,
acelerado caso a amostra esteja contaminada sem acarretar mudanças no significado básico:
com microrganismos ou em ambientes quentes. A série de capítulos penosos protagoniza-
(b) Esse consumo pode ser ainda mais ace- da pelo ator global Fábio Assunção traz à baila
lerado, desde que a amostra esteja contaminada mais uma vez a discussão da temática que mais
com microrganismos ou em ambientes quentes. tem afligido nossa sociedade nos últimos anos:
(c) Esse consumo pode ser ainda mais ace- a dependência química. Uma síndrome caracte-
lerado, contanto que a amostra esteja contamina- rizada pelo uso de substâncias psicoativas nas
da com microrganismos ou em ambientes quentes. quais se incluem o álcool, a maconha, a cocaína
e o crack, em troca das sensações de tranquilida-
2.4. Relação de finalidade de e de prazer.
Observe agora o seguinte trecho retirado Avaliando a intermitente ampliação deste
do texto: “Níveis glicêmicos alterados (elevação panorama, pode-se perceber quão complexa é a
ou redução) trazem consequências negativas matéria e constatar que a dependência química
para o corpo e a maneira mais adequada de re- já faz parte de nossas estatísticas mais nefastas,
duzir essas complicações é tentando manter o quando grifam o expressivo número de aciden-
equilíbrio. Para isso se faz necessário realizar tes de trânsito e crimes que têm origem no uso
medições da glicemia”. das drogas.
Nesse contexto, o conectivo “para isso” Levar à sociedade um maior número de
estabelece que a manutenção do equilíbrio é a informações significará permitir compreender
finalidade (ou objetivo) das medições da glice- que a dependência química é uma doença e
mia. Veja, abaixo, como essas ideias poderiam não uma opção de vida, e que essa doença gera
ser reunidas em apenas uma frase, por meio de consequências danosas ao indivíduo e às pes-
diferentes conectivos. soas que dele estão próximas. Faz-se relevante
compreender que a doença não se inicia com a
Exemplos: dependência química, pois, de antemão, o usuá-
(a) Para que se mantenha o equilíbrio, faz- rio já se encontra doente existencialmente, indo
-se necessário realizar medições da glicemia. procurar nas drogas a cura de suas feridas mais
(b) A fim de que se mantenha o equilíbrio, íntimas, fato reconhecido pela Organização Mun-
faz-se necessário realizar medições da glicemia. dial de Saúde.
(c) Com o objetivo de manter o equilíbrio, Por outro lado, a falta de transmissão de
faz-se necessário realizar medições da glicemia. notícias precisas acaba gerando conceitos erra-
(d) Com o intuito de manter o equilíbrio, dos, tanto sobre o usuário da droga quanto so-
faz-se necessário realizar medições de glicemia. bre o mito que ela tem de solucionar problemas.
Observe, por fim, que há outras relações Nesse sentido, saliente-se que os familiares do
lógicas que podem ser estabelecidas por conec- usuário são de fundamental importância para o
tivos, como adição, tempo, conformidade, com- aprendizado de quais atitudes se devem tomar
paração, proporcionalidade etc. perante tal problema, mesmo porque muitos
dos dependentes químicos iniciam seu relacio-
namento com drogas exatamente no lugar onde
se suporia que estariam mais seguros: dentro de
Exercitando seus próprios lares.
Antes de avançar para um novo assunto,
que tal pôr em prática o que você acabou de ver Glossário
na unidade? Se você encontrar dificuldades para
realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui l Pronome – palavra que substitui ou

estudado. acompanha nomes;


l Norma dita culta (ou norma-padrão)
Atividade 5 – variedade linguística de prestígio em uma co-
Observe abaixo o trecho retirado do arti- munidade, sendo a forma consagrada em textos

Voltar ao sumário
31

acadêmicos e jornalísticos; no contexto a partir de seu referencial interno.


l Léxico – conjunto aberto de palavras Comentário: A que palavras/expressões se
da língua, que abrange todos os substantivos, referem os pronomes em destaque? O leitor fica
verbos e adjetivos, bem como alguns advérbios. confuso ao ter contato com essas frases, dado
o caráter ambíguo delas. Não se sabe se o autor
Respostas às atividades está falando do princípio das várias correntes te-
óricas ou do Marxismo, nem se está falando sobre
Atividade 1 – Esta atividade pode ter mais o referencial interno das pessoas ou do contexto.
de uma possibilidade de resposta, mas listam-se l “As feias que me perdoem, mas beleza é

a seguir algumas das palavras/expressões que fundamental”. Essa citação do poeta brasileiro
estabelecem coesão no resumo de Lúcia Helena Vinícius de Moraes revela-se não só politicamen-
Alvarez Leite: Ela, outros pensadores, nessa épo- te incorreta, mas também caduca nos dias atuais.
ca, e não, vida futura/vida presente, e, o que, ele, A atualidade enxerga a mulher sob uma nova
ou, nesse contexto, dessa polêmica, isso... perspectiva, não mais atrelada à sua constitui-
ção física, como um objeto, mas voltada para
Atividade 2 aspectos como força de trabalho, produção inte-
l Este é o país onde moro/ Este é o país lectual e igualdade de direitos. Ela revela, assim,
em que moro. mudanças profundas em sua constituição.
l Este é o país que se chama Brasil. Comentário: Novamente, trata-se de uma
l Não se sabe onde está o livro de que construção ambígua. A que palavra o pronome
dependo para fazer o trabalho. (Observe que as “ela” remete? A “atualidade” ou a “mulher”?
preposições – DE, no caso – são atraídas pelo pro- Atividade 4 – “primeiro edifício no país”,
nome relativo) “construção”, “iniciativa”, “projeto” e “edifício”.
l Perguntei-lhe o nome em que se baseou Atividade 5
para tomar sua decisão. (Observe que as prepo- l E – relação de adição, podendo ser rees-

sições – EM, no caso – são atraídas pelo prono- crito o trecho com “além de”;
me relativo) l Quando – relação de tempo, podendo

Os Estados Unidos, cujos soldados alega- ser reescrito o trecho com “no momento em que
vam defender sua pátria, conduziram uma in- grifam” ou “ao grifarem”;
cursão destruidora no Iraque. (Observe que o l E não – relação de oposição, podendo

pronome CUJO nunca é seguido por um artigo e ser reescrito o trecho com “em vez de”;
geralmente indica uma relação de posse) l Pois – relação de causa (ou explicação),

l O corpo humano é percorrido por um podendo ser reescrito o trecho com “visto que”,
sistema circulatório, pelo qual são conduzidos “já que”, “porque” etc.;
os nutrientes às células. (Observe que as prepo- l Por outro lado – relação de oposição,

sições – POR, no caso – são atraídas pelo prono- podendo ser reescrito o trecho com “todavia”,
me relativo) “contudo”, “entretanto”, “no entanto” etc.;
l O verbo concorda com o sujeito, cujo l Tanto quanto – relação de adição, po-

núcleo não pode ser uma preposição. dendo ser reescrito o trecho com “não só sobre
l O Brasil foi descoberto pelos portugue- o usuário da droga, mas também sobre o mito”;
ses, em cujos navios foi transportado pau-brasil. l Para – relação de finalidade, poden-

(Observe que as preposições – EM, no caso – são do ser reescrito o trecho com “a fim de que se
atraídas pelo pronome relativo) aprendam” ou “para que se aprendam”;
l Mesmo porque – relação de causa, po-

Atividade 3 dendo ser reescrito o trecho com “visto que”,


l Giddens descreve o surgimento da Teo- “haja vista que”, “já que” etc.
ria da estruturação a partir do encontro de várias
correntes teóricas com as quais foi se familiarizan-
do nos anos 60, como o Marxismo. Pontua o seu
princípio na continuidade da vida social, em que
as estruturas dependem das ações dos indivíduos
e só existem na medida em que as pessoas agem

Voltar ao sumário
32

CUNHA, C; CINTRA, L. Nova Gramática do Portu-


guês Contemporâneo. Rio de Janeiro: Nova Fron-
teira, 2001.
FREITAS, J. S. Análise da publicidade de medica-
mentos veiculada em Goiás – Brasil. Disponível
em:<http://www.farmacia.ufg.br/revista/_pdf/vol
Referências 2_2/artigos/ref_v2_2-2005_p80-86.pdf>. Acesso
em 15 jun. 2009.
ABREU, A. Curso de Redação. São Paulo: Ática,
2005. GIL, G. Eletracústico: A linha e o linho. Warner
Music, 2004.
ALEIXO, G. A. S. Mensuração da glicemia em cães
mediante a utilização do glicosímetro portátil: KOCH, I. A coesão textual. São Paulo: Contexto,
comparação entre amostras de sangue capilar e 2008.
venoso. Disponível em: <http://www.revistavet.
byethost13.com/modules/mastop_publish/files/ LEITE, L. H. A. Pedagogia de projetos. Disponí-
files_47d568db4dab7.pdf>.Acesso em 15 jun. 2009. vel em: <http://www.cipo.org.br/escolacomsa-
bor/arq/TanaMesa_Artigo_pedagogiadeprojeto.
BARRETO, S. M. G. Esporte e saúde. Disponível em: doc>. Acesso em 15 jun. 2009.
<http://www.cdcc.usp.br/ciencia/artigos/art_22/
esportesaude.html>. Acesso em 15 jun. 2009. LISPECTOR, C. Uma esperança. In:______. Felici-
dade Clandestina. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.
CRUZ, J. A dependência química. Disponível
em: <http://www.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/ VIEIRA, D. Grande dicionário português ou Te-
default2.jsp?uf=1&local=1&source=a2306601. souro da língua portuguesa. Porto: Ernesto
xml&template=3898.dwt&edition=11172&secti Chardron e Bartholomeu H. de Moraes, 1871-
on=1012>. Acesso em 15 jun. 2009. 1874.

Voltar ao sumário
Unidade 3 Assim, a coerência transforma uma sequ-
ência de palavras em texto e não em um amon-
toado desconexo de vocábulos. Essa sequência
Coerência textual é entendida como texto quando o leitor é capaz
de percebê-la como um todo com significado,
que lhe comunica alguma ideia. Compare os
Apresentando a unidade exemplos abaixo para entender mais claramente
a noção de coerência.

N
esta unidade, você estudará mecanis- Exemplos:
mos que garantem que um texto faça (a) Sapato. Água. Estudar. Todavia.
sentido, os quais evitam ruídos na co- (b) Vim. Vi. Venci.
municação entre as pessoas. Para escrever bem, Enquanto em (a) o conjunto de palavras
além de ter boas ideias, é preciso apresentá-las não é capaz de veicular uma mensagem, não
de forma clara, de modo que não se contradigam constituindo um texto, em (b), a mensagem é
e não estabeleçam relações ilógicas entre si. clara e coerente, embora o texto seja bastante
curto e simples.
Definindo os objetivos Um leitor só é capaz de conferir coerência
a um texto, isto é, torná-lo coerente, quando leva
Ao final desta unidade, você deverá ser em conta os contextos de produção e recepção,
capaz de: pois algumas leituras apenas fazem sentido se
1. compreender a noção de coerência textual e soubermos de antemão quando, onde, para quem
sua importância para uma boa e por quem o texto foi produzido. Dizer, hoje em
legibilidade dos textos; dia, que a Terra é achatada e plana é absoluta-
2. identificar as principais estra- mente incoerente, pois não corresponde à rea-
tégias textuais que asseguram lidade, segundo nosso atual conhecimento de
coerência ao discurso; mundo. No entanto, na Idade Média, tal afirmati-
3. reconhecer e corrigir falhas textuais que com- va era interpretada como coerente, já que estava
prometam a coerência do discurso; de acordo com o discurso científico da época.
4. identificar informações implícitas no discurso; De maneira semelhante, a frase “Navios
5. produzir parágrafos e textos mais coerentes. brasileiros entravam portugueses na Baía da
Guanabara” parece incoerente a um primeiro
Conhecendo a olhar, se pensarmos que o verbo nessa oração
coerência textual é “entrar”, referindo-se a uma ação passada. Po-
rém, uma leitura mais atenta confere coerência
Talvez você já tenha a esse texto, percebendo que se trata do verbo
se deparado com alguma leitura que não com- “entravar”, indicando uma ação presente.
preendeu muito bem. Isso pode ter acontecido Agora que você entendeu o que é coerên-
por falta de familiaridade com o assunto do tex- cia, precisa compreender quais são as estraté-
to ou por desconhecimento de certas palavras gias que garantirão a seu texto essa qualidade.
e construções gramaticais nele encontradas. No Na próxima seção, você encontrará algumas re-
entanto, a dificuldade para compreender o texto gras que devem ser obedecidas para se redigir
também pode ter sido causada por problemas um texto coerente.
na coerência das ideias que o constituem.
Coerência é uma palavra utilizada no co- Definindo as regras de coerência textual
tidiano com o sentido de “condição para que
algo seja compreensível”. Quando lemos ou 1. Regra da repetição (ou regra da coe-
ouvimos informações confusas, dizemos que rência sintática) – Ao longo da exposição das
aquilo não faz sentido, pois está incoerente. Em ideias, é preciso que as partes do texto se conec-
um contexto mais técnico, coerência significa a tem entre si, de modo que cada nova informação
condição para que um texto seja interpretado remeta à antiga. Dessa forma, ao mesmo tempo
por um indivíduo em uma situação específica. em que avança em termos de conteúdo, o texto

Voltar ao sumário
34

deve sempre explicitar a relação de cada nova sim, o texto avança na condução das ideias, não
informação com as anteriores, para que o leitor se tornando repetitivo.
não se perca na leitura. Observe o mesmo trecho de “A convergên-
Observe como isso é feito no trecho abai- cia dos aspectos de inclusão digital: experiência
xo, retirado do artigo “A convergência dos aspec- nos domínios de uma universidade”, agora aten-
tos de inclusão digital: experiência nos domínios tando para a aplicação da regra da progressão:
de uma universidade”, de Barbara Coelho Neves. “A Sociedade da Informação, formalizada
Atente, principalmente, para as palavras em des- nos inventos de uma série de máquinas inteli-
taque: gentes criadas ao logo da Segunda Guerra Mun-
“A Sociedade da Informação, formaliza- dial, origina novas responsabilidades para todos
da nos inventos de uma série de máquinas in- os atores sociais nela inseridos. Tais responsabi-
teligentes criadas ao logo da Segunda Guerra lidades representam a necessidade da provisão
Mundial, origina novas responsabilidades para do fluxo de informações que permita desde a
todos os atores sociais nela inseridos. Tais res- geração de novos conhecimentos até o efetivo
ponsabilidades representam a necessidade da exercício da cidadania pela sociedade civil.
provisão do fluxo de informações que permita Várias iniciativas de instituições – man-
desde a geração de novos conhecimentos até o tidas com recursos de origem privada, pública
efetivo exercício da cidadania pela sociedade ou mista de mecanismos nacionais e interna-
civil. cionais – têm contribuído com a criação de es-
Várias iniciativas de paços que proporcionam tipos de acessos varia-
instituições – mantidas com dos a informação eletrônica”.
recursos de origem privada, O primeiro parágrafo do trecho falava so-
pública ou mista de mecanis- bre necessidades decorrentes do advento da so-
mos nacionais e internacio- ciedade da informação. O segundo reafirma tais
nais – têm contribuído com a criação de espaços necessidades, mas adiciona uma nova informa-
que proporcionam tipos de acessos variados à ção: a contribuição de instituições para suprir
informação eletrônica”. tal demanda. Assim, o desenvolvimento do texto
No trecho acima, as frases estão bem re- avança, ao mesmo tempo em que mantém liga-
lacionadas entre si, o que garante coerência ao ções com ideias anteriores.
texto. A expressão “tais responsabilidades” re- Você deve ter percebido que, na constru-
mete diretamente a “novas responsabilidades”, ção de um texto coerente, combinam-se as re-
presente na frase anterior. gras da repetição e da progressão. Assim, deve
Além disso, a transição entre parágrafos haver um equilíbrio entre informações “velhas”
também se dá de forma clara. Apesar de se dizer (já conhecidas pelo leitor) e novas, sendo os
geralmente que mudamos de parágrafo quando dois grupos expostos de forma intercalada. Caso
encerramos um assunto, é preciso perceber que contrário, há problemas de comunicação: um
os parágrafos devem estar relacionados entre texto com excesso de informações velhas tem
si, interligando esses tópicos distintos. No texto baixa informatividade, não agregando conheci-
aqui analisado, a expressão “criação de espaços mento ao leitor. Por outro lado, o excesso de in-
que proporcionam tipos de acessos variados à formações desconhecidas pelo leitor pode obs-
informação eletrônica” está intimamente ligada truir completamente a compreensão do texto.
ao parágrafo anterior, pois funciona como uma Note, no entanto, que as informações serão “ve-
solução para a “necessidade da provisão do flu- lhas” ou novas de acordo com o leitor, de modo
xo de informações que permita desde a geração que, ao escrever, você precisa ter bem definido
de novos conhecimentos até o efetivo exercício a quem se destina seu texto, para poder selecio-
da cidadania pela sociedade civil”. nar e organizar bem as ideias.
Para que isso fique mais claro, atente para
2. Regra da progressão – Ao mesmo tem- os exemplos abaixo, retirados de Koch e Trava-
po em que um texto precisa retomar, por meio glia (2008, p. 86).
de mecanismos coesivos, termos que já haviam
sido mencionados, é preciso que haja renovação Exemplos:
dos conteúdos, com progressão semântica. As- (a) O oceano é água.

Voltar ao sumário
35

(b) O oceano é água. Mas ele se compõe, Ao completar três meses de vigência, a lei
na verdade, de uma solução de gases e sais. do álcool zero no trânsito (Lei 11.705/08) já pou-
(c) O oceano não é água. Na verdade, ele é pou centenas de vidas no Brasil. Para continuar
composto de uma solução de gases e sais. salvando vidas, a ação dos órgãos de trânsito
A primeira frase deve ser evitada em um nas três esferas de governo federal, estadual e
texto acadêmico, pois seu conteúdo é óbvio municipal e a conscientização e mudança de ati-
e nada acrescenta ao leitor, que se perguntará tude da população são imprescindíveis.
qual a intenção do autor ao escrever algo forma- Desde sua entrada em vigor, a lei diminui a
do apenas por informações por ele já conheci- incidência de acidentes de trânsito, mesmo sob
das. Por outro lado, mesmo que esteja correta, muita discussão. A lei é popular, positiva e eficaz
a terceira construção causará dúvidas no leitor, mesmo sem campanhas permanentes. Imagine
visto que provavelmente não há nela nenhu- se o poder público fizer a sua parte! O que é la-
ma informação por ele conhecida para situá-lo mentável é assistir a alguns incautos torcendo
quanto ao enunciado. Ambas as frases em (c) pelas mortes no trânsito como forma de fazer
veiculam ideias absolutamente novas, o que pre- valer o seu desejo de beber e dirigir.
judica a compreensão; se não conhecemos boas O fato é que a perigosa mistura do álcool
referências do autor, podemos até achar que se com a direção, que antes da lei era responsável
enganou enquanto escrevia. por 60% das mortes e após a lei, por 40%, conti-
Para um texto acadêmico, a melhor opção nua muito presente. Um dos efeitos da nova lei é
seria (b), pois há um equilíbrio entre informação provocar uma mudança de atitude de todos nós
“velha” (oceano formado por água) e nova (ocea- no volante, de forma semelhante à aplicação das
no formado por gases e sais). Sempre que tiver leis que tornaram obrigatório o uso do cinto de
de escrever, tenha em mente a importância de segurança e a obrigatoriedade do uso do capace-
balancear trechos com alta e baixa informativida- te pelos motociclistas.
de, para que a leitura possa fluir com facilidade. Outro ponto a considerar é que, segun-
do a Organização Mundial da Saúde, cada país
terá o número de mortes no trânsito que estiver
disposto a tolerar. A Lei nº 11.705/08 demonstra
Exercitando que a sociedade não está mais disposta a tole-
Antes de avançar para um novo assunto, rar tantas mortes evitáveis no trânsito. Mesmo
que tal pôr em prática o que você acabou de ver quando há um efeito considerável na redução de
na unidade? Se você encontrar dificuldades para acidentes devido à entrada em vigor de uma lei,
realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui esse efeito pode ser anulado após certo tempo,
estudado. se houver percepção pública de impunidade e/
ou desconhecimento da lei vigente.
Atividade 1 [...]
Leia atentamente o artigo abaixo, escrito
por Beto Albuquerque. Apesar de atender às nor- 3. Regra da não contradição (ou coerência
mas da gramática tradicional, o texto incorre em semântica) – Um texto coerente não pode con-
uma falha, pois desobedece às regras da progres- tradizer uma informação apresentada por ele
são e da repetição, segundo as quais uma parte anteriormente. Nesse aspecto, é importante to-
do texto deve avançar em termos temáticos, mas mar cuidado quando você for apresentar visões
sempre relacionando as informações novas ao opostas acerca de uma mesma questão, procedi-
que já havia sido dito. Identifique no artigo em mento comum em textos acadêmicos. Para que
questão o trecho em que o autor lança uma ideia essa contraposição de perspectivas não se torne
inesperada ao leitor, mas sem explicá-la em mais paradoxal, é importante explicitar que se trata
detalhes ou contextualizá-la em relação ao senti- de diferentes visões sobre um mesmo tema, de-
do global do texto. fendidas por pessoas distintas, e não posiciona-
mentos contraditórios daquele que escreve.
Incrível: tem gente torcendo por Veja o parágrafo a seguir, retirado do artigo
mortes no trânsito [25/09/2008] “Concepções de professores de enfermagem so-
bre drogas”, de Gertrudes Teixeira Lopes e Haly-

Voltar ao sumário
36

ne Limeira Pessanha. Nele, as visões do senso nhecimentos é imprescindível para a formação


comum e de Moutinho (2005) são contrapostas da inteligência. Tal argumento, erroneamente,
por meio da expressão “quando, na realidade”, conduz à ideia de que sem acesso a um grupo
que explicita que esta visão é mais apropriada específico de saberes não há inteligência. Pre-
do que aquela, o que garante coerência ao texto, conceituosa, essa afirmação acarreta a generali-
não o tornando contraditório. zação de que pessoas sem acesso a tais informa-
ções não têm inteligência.
Exemplo: Ainda no que diz respeito à regra da re-
“A forma como se aborda habitualmen- lação, um autor deve se preocupar para não in-
te o tema traz a impressão de que se trata de correr em um erro de acidente, incoerência que
algo novo, de um mal contemporâneo quando, se origina de falsas generalizações, de modo que
na realidade, o uso de substâncias psicoativas é um fato particular a um ou mais indivíduos é es-
um fenômeno que acompanha toda a história da tendido para toda a classe. Tal generalização, no
Humanidade (MOUTINHO, 2005). O mesmo pode entanto, não pode ser provada por argumentos
ser dito sobre a busca do prazer e a necessidade lógicos. Observe os exemplos abaixo:
da satisfação”. (a) Todos os cães são
Por outro lado, observe o parágrafo abai- mamíferos.
xo, retirado do texto de um aluno, o qual infringiu (b) Nenhum mamífero
a regra da não contradição enquanto escrevia. põe ovos.
A primeira frase apresenta uma generali-
Exemplo: zação sobre a classificação canina, que corres-
O país tem uma política econômica con- ponde ao que diz a ciência. A segunda, no en-
troversa: enquanto vende para o exterior seu tanto, baseada em um conhecimento parcial,
melhor café, consumindo internamente um pro- generaliza uma característica que pertence a
duto de baixa qualidade, exporta tecnologia de quase todos os mamíferos, mas não a todos;
mineração. Desse modo, enquanto fazendeiros afinal, ornitorrincos são mamíferos que põem
do café enriquecem, a Vale do Rio Doce endivida- ovos.
-se com a aquisição de maquinário estrangeiro. Para solucionar problemas como esse, é
O trecho acima se contradiz ao afirmar pri- preciso lançar mão de certas expressões que re-
meiramente que o Brasil exporta tecnologia mine- lativizem afirmações tão generalizantes. Assim,
radora e depois que a Vale do Rio Doce tem de im- o uso de a maioria de, boa parte de, uma parce-
portar maquinaria. Ambas as afirmações podem la ínfima de e de outras locuções mostra que o
até ser verdadeiras, caso a Vale constitua uma autor não recorre a falsas afirmativas universali-
exceção no panorama das empresas mineradoras zantes para defender seu ponto de vista.
brasileiras, mas tal fato precisaria ser claramente
expresso no texto para garantir-lhe coerência.

4. Regra da relação – Um texto coerente Exercitando


deve apresentar o que se convencionou chamar Antes de avançar para um novo assunto,
de coerência externa, a adequação à realidade que tal pôr em prática o que você acabou de ver
de que fala. Não deve, pois, fazer afirmações fal- na unidade? Se você encontrar dificuldades para
sas sobre a realidade. Observe o exemplo abaixo realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui
de um texto que contraria o princípio da relação. estudado.
Atividade 2
Exemplo: Os trechos a seguir foram retirados do livro
A utilização da tecnologia digital na educa- Curso de redação, de Antônio Suárez Abreu, cons-
ção como ferramenta para inclusão social é um tando de uma seção de exemplos de incoerência
excelente meio para levar o conhecimento e a textual, que figuram como estratégia de humor
informação disponível necessários para a forma- em O melhor do besteirol, de Petras (1995). Com
ção da inteligência. base nos trechos abaixo, identifique qual regra
Tal trecho não condiz com a realidade, de coerência foi desrespeitada, justificando sua
pois afirma que a aquisição de determinados co- resposta.

Voltar ao sumário
37

a. “É realmente apropriado que nos reu- Essa segunda camada contém as informações
namos aqui hoje, para homenagear Abraham implícitas, que não vêm claramente expressas
Lincoln, o homem que nasceu numa cabana de em um texto, mas são necessárias para sua
troncos que ele construiu com suas próprias compreensão. Quando escreve, um autor deixa
mãos”. (Político, em um discurso, homenagean- determinadas informações sugeridas nessa se-
do Lincoln) gunda camada, mas não claramente ditas, seja
b. “Damos cem por cento na primeira par- por brevidade, ironia ou mesmo necessidade de
te do jogo e, se isso não for suficiente, na segun- camuflar certos posicionamentos, como na épo-
da parte damos o resto”. (Yogi Berra, jogador ca da ditadura militar.
norte-americano de beisebol, famoso por suas Se um leitor é capaz de identificar e enten-
declarações esdrúxulas) der o que está implícito no texto, pode reconsti-
c. “Substituição de bateria: substitua a tuir, em parte, a intenção do autor. Veja o exem-
bateria velha por uma nova”. (Instrução em um plo abaixo, retirado do editorial “Efeito prático”,
manual elétrico) da Gazeta do Povo:
d. “[...] este Conselho resolve: a) que uma Surge uma notícia capaz de devolver a fé
nova cadeia seja construída; b) que a nova ca- aos que já tinham perdido as esperanças de ver
deia seja construída com os materiais da velha a ética prevalecer na vida pública: a Advocacia-
cadeia; c) que a velha cadeia seja usada até que -Geral da União espera reaver aos cofres do Es-
a nova esteja pronta”. (Resolução da Junta dos tado R$ 110 milhões desviados, em todo o país,
Conselheiros, Canto, Mississipi, 1800) por meio de licitações irregulares e superfatura-
e. “Por que deveriam os irlandeses ficar de mento na compra de unidades móveis de saú-
braços cruzados e mãos nos bolsos enquanto a de. [...] Os processos também têm o importante
Inglaterra pede ajuda?” (Sir Thomas Myles, falan- objetivo de afastar da vida pública aqueles que,
do em um comício em Dublin, em 1902, sobre a comprovadamente, não seguem os princípios
guerra dos Boeres) básicos da impessoalidade e da moralidade –
f. “Quando um grande número de pessoas essenciais quando se trata de
não consegue encontrar trabalho, o resultado é o atuar em nome de toda a socie-
desemprego”. (Calvin Coolidge, presidente ameri- dade. Felizmente, já não se pode
cano em 1931) dizer que o Brasil varre toda a
g. “Acho que os senhores pensam que, em sujeira para debaixo do tapete.
nossa diretoria, metade dos diretores trabalha e Investigações e processos cor-
a outra metade nada faz. Na verdade, cavalheiros, rem às mancheias. Falta-nos
acontece justamente o contrário”. (Diretor de em- agora acabar com a pizza e extrair efeitos práti-
presa, defendendo os membros de seu staff) cos da caça aos corruptos. A recuperação de R$
110 milhões será um bom começo.
Identificando informações implícitas Observe que em momento algum do texto
o autor fala explicitamente da história brasileira
Agora que você já conhece os princípios marcada pela corrupção impune. No entanto, tal
que tornam um texto coerente, precisa enten- ideia está implícita na frase “Felizmente, já não
der a importância de reconhecer informações se pode dizer que o Brasil varre toda a sujeira
implícitas em um texto, pois a incapacidade de para debaixo do tapete”. O emprego da palavra
percebê-las pode obstruir sua leitura. “já” sugere que não se pode mais falar dessa im-
Quando lemos, atentamos para uma série punidade no Brasil, mas que um dia isso já foi
de informações que estão claramente expressas comum. Segundo o autor, hoje o Brasil não varre
em determinadas escolhas de palavras, certas mais a sujeira para baixo do tapete, embora no
construções gramaticais etc. Essas informações passado a corrupção passasse despercebida, o
ficam claras em uma primeira leitura, pois estão que está implícito no texto. Assim, além de noti-
sendo explicitamente apresentadas ao leitor. ciar a recuperação dos R$ 110 milhões, o autor
Por outro lado, um bom leitor não cons- tem a intenção de criticar o passado de impuni-
trói sentidos a partir só das informações explí- dade na corrupção.
citas, pois deve atentar também para uma se- No caso acima, apesar de a informação so-
gunda camada, mais profunda, de significação. bre a antiga impunidade não estar explicitamen-

Voltar ao sumário
38

te apresentada no texto, há uma “pista” (tam- construção do trecho abaixo, retirado do artigo
bém chamada de marca linguística) deixada “Europa diverge sobre combate ao aquecimento
pelo autor, para que percebamos esse sentido. global”:
Trata-se, como vimos, da palavra “já”. Quando Os líderes europeus se reúnem nesta quin-
o leitor pode se basear em uma marca linguísti- ta-feira em Bruxelas profundamente divididos so-
ca para entender o que está implícito, chama-se bre como cumprir suas promessas de combate ao
essa informação implícita de pressuposto. aquecimento global. Mesmo assim, eles não admi-
Por outro lado, há certas informações im- tem a hipótese de fracasso do acordo.
plícitas que não são sinalizadas por pistas no A União Europeia está dividida entre os
texto. Logo, o leitor deve, com seu conhecimento países mais pobres do leste e os mais ricos da
prévio, preencher as lacunas deixadas pelo au- parte ocidental do continente. Apesar das di-
tor, de modo a tornar clara a leitura. Nesse caso, vergências, até o fim de semana os presidentes
chama-se a informação implícita de subentendido. e primeiros-ministros precisam tomar decisões-
É impossível, quando se escreve um texto, -chave para a elaboração de um pacote de leis
explicar absolutamente tudo o que envolve as sobre alterações climáticas que valerá para os
ideias expostas. Por motivos de concisão, sele- 27 países-membros.
cionamos as informações principais e deixamos De um lado, estão Polônia, que ameaça ve-
a cargo do leitor inferir as outras. Por exemplo, tar o pacote; Alemanha, que  não quer que sua
ao relatar o que fizemos durante o dia, não es- indústria pague para poluir; e a Itália, que consi-
crevemos: “Primeiro pus o pé esquerdo no chão; dera o plano ambicioso demais. De outro, a Grã-
depois o direito; depois o esquerdo; depois o -Bretanha diz que o pacote acabará resultando
direito. Depois calcei um pé de chinelo. Depois em ganhos para as empresas.
calcei o outro”. Seria impossível comunicar qual- Ao ler o texto, você provavelmente não se
quer coisa se os textos fossem tão detalhados. deu conta, mas, caso não soubesse previamen-
Assim, é tarefa do leitor perceber e recons- te que Polônia, Alemanha, Itália e Grã-Bretanha
truir mentalmente as informações auxiliares su- são países europeus, esse trecho não teria feito
bentendidas, sem que o autor tenha de explicitá- qualquer sentido para você. Talvez tivesse até
-las. Todavia, quem escreve tem de se preocupar achado que os posicionamentos desses países
se o leitor tem conhecimento suficiente para fossem reações da comunidade internacional
preencher sozinho os subentendidos. Veja que (fora da Europa) à reunião da União Europeia.
um livro de matemática para a graduação não ex- Assim, perceba a importância de compreender
plica aos alunos como se multiplicam números, bem o que está subentendido para ser um leitor
mesmo que isso seja um conhecimento necessá- eficiente. Às vezes, o subentendido é facilmente
rio para resolver determinada atividade propos- recuperável. Caso contrário, na hipótese de o lei-
ta pelo livro, como, por exemplo, uma equação. tor não ter conhecimento prévio suficiente para
Em vez disso, o autor assume que os alunos sa- entender o que está implícito, é melhor o autor
bem multiplicar sem ajuda e não esmiúça esse explicitar suas ideias.
procedimento.
Todavia, se uma professora do Ensino
Fundamental não relembra aos alunos como se
faz uma multiplicação, muitos não conseguem Exercitando
resolver uma equação. Perceba, assim, a neces- Antes de avançar para um novo assunto,
sidade de avaliar se determinada informação que tal pôr em prática o que você acabou de ver
deve estar implícita ou explícita no texto. Na na unidade? Se você encontrar dificuldades para
escrita acadêmica, geralmente escrevemos para realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui
pessoas conhecedoras – pelo menos em termos estudado.
gerais – do assunto de que trata nosso texto. As-
sim, por exemplo, em um artigo sobre Literatura, Atividade 3
um aluno universitário não precisa afirmar que Os tempos verbais são uma espécie de
Machado de Assis é um autor brasileiro. Muito marca linguística que funciona como “pista”
provavelmente, o leitor já sabe disso. para o leitor, apontando para determinadas in-
Observe agora o uso de subentendidos na formações implícitas no texto. A partir dos ver-

Voltar ao sumário
39

bos destacados em negrito, identifique que pres- b. A regra da não contradição é desrespei-
supostos seus tempos verbais sugerem. tada, pois já ter feito 100 % de alguma coisa e
ainda ter mais a fazer são ideias contraditórias.
a. c. A regra da progressão é desrespeitada,
pois a mesma informação é repetida duas vezes,
Manutenção com foco no negócio sem acréscimo de informação nova.
Joubert Flores d. A regra da relação é desrespeitada, pois é
impossível respeitar concomitantemente os dois
Não faz muito tempo, quando se falava de últimos comandos da resolução do Conselho.
manutenção em indústrias, a ideia que se forma- e. A regra da não contradição é desrespei-
va na mente das pessoas era a do conserto de tada, pois é impossível cruzar os braços com as
algo, de reparo de alguma falha e, não raro, en- mãos no bolso ao mesmo tempo. Uma ideia ex-
volvia interrupção da produção e a utilização de clui a outra automaticamente.
prestadores de serviços. Era algo que se fazia f. A regra da progressão foi desrespeitada,
reativamente, ou seja, depois de os problemas te- pois a mesma informação é afirmada duas vezes,
rem surgido. Prevenção era uma expressão pou- sem acréscimo de dados relevantes.
co ouvida em fábricas e manufaturas em geral. g. A regra da progressão é desrespeitada,
[...] pois “justamente o contrário” daria no mesmo
que a informação anteriormente mencionada.
b.
l Atividade 3
Boa Sorte, Congresso Brasileiro de a. O uso recorrente de verbos no pretérito
Medicamentos imperfeito, tempo verbal que, nesse caso, indica
Jávier Godinho ações passadas rotineiras que não mais ocor-
rem no presente, sugere uma mudança. Assim,
Um dia alguém escreverá, com honesti- no passado raramente havia preocupação com
dade e detalhes, a história da indústria de me- a manutenção em indústrias. Embora o trecho
dicamentos no Brasil. Sendo verdadeiro e cri- analisado não explicite, pelo uso do pretérito
terioso, com certeza, nela incluirá o nome de imperfeito percebe-se que houve uma mudança
Benedito Vicente Ferreira, o Benedito Boa Sor- nessa situação. Logo, há o pressuposto de que a
te, o goiano que, durante todo seu mandato de preocupação com a manutenção em indústrias é
senador, com unhas e dentes, defendeu no Con- hoje frequente.
gresso, contra o apetite insaciável das multina- b. O uso dos verbos no futuro do presente
cionais, os então oprimidos, débeis, incipientes sugere nesse texto que, até então, a história da
e desprotegidos laboratórios nacionais. indústria de medicamentos nunca foi contada.
[...]
Glossário
Respostas às atividades
l Informatividade – qualidade do que se

Atividade 1 – Ao afirmar que há “al-


l destina a informar ou explicar algo; geralmente
guns incautos torcendo pelas mortes no trân- se caracteriza por clareza, objetividade e rele-
sito como forma de fazer valer o seu desejo de vância daquilo que se fala.
beber e dirigir”, o autor não desenvolve essa l Marca linguística – uma marca linguís-

ideia nem explica como tal desejo seria satisfei- tica é qualquer estrutura gramatical ou palavra
to, em comparação a todo o texto, que se refere usada por um autor na composição do texto. São
aos benefícios trazidos pela “Lei Seca”. essas marcas que permitem que o leitor com-
-preenda o sentido do texto.
l Atividade 2

a. A regra da relação é desrespeitada, pois


é impossível no mundo real alguém ter construí-
do a casa em que nasceu.

Voltar ao sumário
40

-coluna-opiniao-31052&catid=86:jornal-gazeta-
-mercantil&Itemid=69>. Acesso em 15 jun. 2009.
GARCIA, O. Comunicação em prosa moderna. Rio
de Janeiro: FGV, 1981.
GODINHO, J. Boa Sorte, Congresso Brasileiro
de Medicamentos. Diário da manhã. Disponível
em: <http://www2.camara.gov.br/carlosalber-
tolereia/site/kim/diario-da-manha-coluna-opi-
niao-25-10-2007/>. Acesso em 15 jun. 2009.
Referências
KOCH, I.; TRAVAGLIA, L. C. A coerência textual.
ABREU, A. Curso de redação. São Paulo: Ática, São Paulo: Contexto, 2008.
2005.
KOCH, I.; TRAVAGLIA, L. C.. Texto e coerência.
ALBUQUERQUE, B. Incrível: tem gente tor- São Paulo: Contexto, 1999.
cendo por mortes no trânsito. Disponível em:
<http://frentetransitoseguro.com.br/index. KOCH, I.; ELIAS, V. M.. Ler e compreender os senti-
php?option=com_content&task=view&id=624&It dos do texto. São Paulo: Contexto, 2006.
emid=56>. Acesso em 15 jun. 2009.
LOPES, G. T.; PESSANHA, H. L. Concepções de
Efeito prático. Gazeta do Povo. Disponível em: professores de enfermagem sobre drogas. Dis-
<http://portal.rpc.com.br/gazetadopovo/opiniao/ ponível em: <http://www.eean.ufrj.br/revista_
conteudo.phtml?tl=1&id=836983&tit=Efeito-prati- enf/20083/artigo%209.pdf>. Acesso em 15 jun.
co>. Acesso em 15 jun. 2009. 2009.
Europa diverge sobre combate ao aquecimento NASCIMENTO, V. L. Cinema e ensino de História:
global. Disponível em: <http://www.opiniaoeno- em busca de um final feliz. Disponível em: <http://
ticia.com.br/interna.php?id=20607>. Acesso em www.urutagua.uem.br/016/16nascimento.htm>.
15 jun. 2009. Acesso em 15 jun. 2009.
FIORIN, J. L.; SAVIOLI, F. P. Para entender o texto. 3 NEVES, B. C. A convergência dos aspectos de
ed. São Paulo: Editora Ática, 1991. inclusão digital: experiência nos domínios de
FLORES, J. Manutenção com foco no negócio. A uma universidade. Disponível em: <http://
gazeta mercantil. Disponível em: <http://www. www.periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/
abraman.org.br/index.php?option=com_conten view/7191/6640>. Acesso em 15 jun. 2009.
t&view=article&id=140:jornal-gazeta-mercantil- PETRAS, R.; PETRAS, K. O melhor do besteirol: as
597 maiores asneiras jamais ditas. Rio de Janeiro:
Ediouro, 1995.

Voltar ao sumário
Unidade 4 gumentação, vamos retomar o que a distingue
da exposição.
No modo de organização expositivo, os tex-
Argumentação tos são predominantemente informativos, levando
o leitor a conhecer algo. É o que se observa no tex-
to a seguir:
Apresentando a unidade
Pena de morte

N
esta unidade, apresentamos e ilustramos A pena de morte é um tipo de punição apli-
o modo textual argumentativo, com que cado pelo Estado em casos de crimes hediondos.
você já teve contato inicial na primeira É a punição máxima que um criminoso recebe,
unidade. Argumentar é uma competência mui- sendo utilizada em mais de cinquenta países. As
to importante na hora de discutir ideias, pois o execuções mais utilizadas são:
exercício do debate permite que novas perspec- Lapidação ou Apedrejamento: Forma de
tivas sejam conhecidas e ocorra um saudável execução bastante antiga e ainda utilizada em
intercâmbio de informações. países como Afeganistão, Nigéria, Irã, Arábia
Saudita, Paquistão e Sudão. Consiste em enter-
Definindo os objetivos rar a vítima até a altura do peito e atacá-la com
pedras pequenas até a morte.
Ao final desta unidade, você deverá ser Fuzilamento: Forma de execução bastante
capaz de: usada em guerras, sendo utilizada na China, So-
1. compreender o fenômeno da argumentação mália, Vietnam, Bielorrússia, Taiwan e Uzbequis-
e os diversos tipos de argu- tão. Consiste em disparar várias armas de fogo
mentos que há; contra o condenado de uma só vez.
2. identificar em um texto os Cadeira Elétrica: Forma de execução in-
argumentos utilizados pelo ventada pelos Estados Unidos ainda utilizada
autor para sustentar seu pon- na Flórida, Alabama, Carolina do Sul, Nebraska,
to de vista; Virgínia e Tennessee. Consiste em sentar e amar-
3. redigir parágrafos argumentativos consistentes. rar o condenado na cadeira, molhá-lo com uma
solução condutora e aplicar choques de 20.000
Conhecendo o modo watts até a morte.
de organização textual Forca: Forma de execução bastante antiga
argumentativo e ainda utilizada no Iraque, Japão, Egito, Paquis-
tão, Cingapura e Jordânia. Consiste em colocar
Como você viu brevemente na primeira unida- uma corda num poste de madeira e em seguida
de deste manual, um texto pode ser composto por amarrá-la ao pescoço do criminoso. O mesmo é
mais de um modo de organização textual. colocado em pé sobre uma cadeira que é retirada,
Assim, diversos gêneros abrangem a ar- fazendo com que o condenado morra por asfixia.
gumentação, pois é muito frequente, quando es- Injeção Letal: Forma de execução mais rá-
crevemos, precisarmos justificar determinadas pida utilizada nos Estados Unidos, Japão, Guate-
colocações e posicionamentos. mala, Tailândia e Filipinas. Consiste em aplicar
A argumentação é um modo de organiza- uma grande quantidade de substâncias químicas
ção textual que visa à defesa de pontos de vista, que anestesiam levemente o condenado e parali-
por meio da apresentação de provas, exemplos, sam o diafragma, os pulmões e o coração.
refutações de opiniões opostas etc. Mesmo fora Você acabou de ler um trecho do artigo
do domínio acadêmico, estamos o tempo todo “Pena de morte”, de Gabriela Cabral. O texto
argumentando, quando queremos explicar por acima é claramente expositivo, pois tem como
que preferimos um time, por que tomamos de- objetivo informar o leitor sobre um assunto. No
terminada atitude, por que deixamos de fazer texto que estamos analisando, o tema central é a
algo. Argumentar é explicitar o porquê de algo. pena de morte. Assim, observe que o parágrafo
Porém, antes de analisarmos detidamente a ar- de introdução apresentou uma definição, embo-

Voltar ao sumário
42

ra simplificada, do que é pena de morte. Nesse e complexo. Há sempre algum caminho obscu-
sentido, é importante chamar a atenção para o ro na lei que justifica a impunidade de pessoas
fato de que a maneira de construir o texto preci- comprovadamente culpadas. Paulo Maluf passou
sa levar em conta quem vai lê-lo. O texto acima apenas um mês na prisão, o juiz Nicolau passa os
foi retirado de um site voltado para alunos da dias em sua mansão, os irmãos Cravinho e Suzane
Educação Básica, logo não seria interessante uti- Richthofen estão de volta às ruas... Esta é a ima-
lizar uma definição técnica e complexa de pena gem que a justiça brasileira passa à população.
de morte. Radicalizar, porém, não é a solução. Muitos
Além disso, como esse é um texto expositi- defendem a pena de morte e a prisão perpétua
vo, é preciso perceber que, ao passar as informa- no Brasil. Não é o caminho. Enquanto não esti-
ções, o autor tenta se manter o mais imparcial pos- ver presente uma estrutura confiável e eficiente,
sível. Veja que, ao longo do texto, a organização que dê garantias ao cidadão de bem do cumpri-
das ideias enumera de forma isenta algumas das mento correto de sua função, não será a maior
mais conhecidas técnicas de execução, sem envol- ou menor rigidez de uma outra lei que intimidará
vimento pessoal do autor com aquilo que escreve. a ação dos que sabem que não serão atingidos.
Já no modo argumentativo, você procu- Crimes e criminosos existem e existirão
ra convencer, muito mais do que informar, por em todas as partes do mundo. A resposta das so-
meio de argumentos consistentes e lógicos. É o ciedades às suas agressões é que dá a dimensão
que se observa no texto a seguir, intitulado “Vio- de sua seriedade e o exemplo aos que pensam
lência e impunidade andam juntas”, de Maurício em agir de forma semelhante.
Forneck. Atente para as diferenças principais en- Esse texto, diferente do anterior, pode ser
tre ambos os textos: considerado predominantemente argumentati-
vo, pois, por meio dele, o autor defende um posi-
Violência e impunidade andam juntas cionamento pessoal diante do tema discutido: a
relação entre violência e impunidade.
Há muito tempo, es- Em um texto argumentativo, o autor visa
tudiosos, políticos e inte- a provar/negar determinado ponto de vista, cha-
lectuais brasileiros tentam mado, em um contexto mais técnico, de tese.
buscar respostas para as Assim, diferente da exposição, a argumentação
causas da crescente e in- pressupõe envolvimento do autor, que deve lan-
terminável onda de violência que assusta nosso çar mão de diferentes argumentos para susten-
país. Por mais que soluções sejam discutidas, tar seu posicionamento. Isso faz com que o texto
por mais que medidas sejam tomadas e por mais argumentativo seja sempre parcial, pois o autor
interesse que haja na população em mudar tal visa a convencer o leitor acerca de algo.
quadro, nada parece surtir efeito. A cada minuto Em “Violência e impunidade andam jun-
somos “brindados” com uma nova notícia de es- tas”, o primeiro parágrafo do texto já apresenta
tupro, homicídio ou sequestro. A principal cau- a tese que será defendida, expressa na seguinte
sadora desse estado de descontrole tem apenas frase: “A principal causadora desse estado de
um nome: impunidade. descontrole tem apenas um nome: impunidade.”
O que realmente intimida um criminoso é As frases que antecedem essa servem para situar
a certeza do castigo que sofreria pelo seu ato. a tese no contexto maior sobre o qual fala o texto:
O indivíduo pratica o crime pois sabe, de ante- a violência. Desse modo, as primeiras frases do
mão, que a probabilidade de ser preso é peque- texto descrevem brevemente o panorama malsu-
na. Logo, o nascimento de um crime reside na cedido das discussões anteriores sobre violência,
deficiência das autoridades que o deviam coibir. enquanto o último período do parágrafo introdu-
Uma polícia despreparada e corrupta é um in- tório revela o ponto de vista do autor, segundo o
centivo às mentes mal-intencionadas. qual a violência é resultado da impunidade.
Some-se a isso a morosidade e a compla- Veja que, ao escrever seu texto argumen-
cência com o crime de nosso sistema penal. Um tativo, você deve, logo de início, apresentar ao
réu, além de poder levar anos até ser julgado, en- leitor que posicionamento defenderá ao longo
contra atalhos e falhas em uma legislação confu- da argumentação, de modo a tornar claro o seu
sa, de um ordenamento jurídico despadronizado objetivo ao redigir o texto. Isso é importante

Voltar ao sumário
43

para situar a pessoa que lerá seu texto e para tativo está presente na maior parte das situa-
que você mesmo não se perca ao longo da es- ções cotidianas de comunicação, mas, no meio
crita, evitando se desviar do tópico central ou acadêmico, ele se concentra primordialmente
mesmo cair em contradição. nos gêneros texto de opinião e ensaio.
Agora observe os argumentos emprega- Texto de opinião é um termo bem gené-
dos pelo autor para defender seu ponto de vista. rico que abrange produções textuais voltadas
A primeira frase do segundo parágrafo à defesa de um ponto de vista. Geralmente es-
sintetiza a argumentação nele contida: “O que ses textos não empregam a primeira pessoa do
realmente intimida um criminoso é a certeza do singular, preferindo-se formas mais impessoais.
castigo que sofreria pelo seu ato”. Veja que a fra- Assim, em vez de “defendo”, dá-se preferência a
se apresenta o tópico do parágrafo, como uma construções como “defendemos”, “defende-se”
pequena introdução. Assim, o autor do texto que ou “é defendido”. A extensão do texto é variá-
estamos analisando desenvolve no segundo pa- vel, mas o aprofundamento da argumentação é
rágrafo o argumento de que um criminoso só se bem menor do que em um ensaio, podendo ca-
sente intimidado pela certeza do castigo. Obser- ber as reflexões em uma ou duas laudas. Grosso
ve que tal afirmação respalda a tese defendida modo, pode-se dizer que um texto de opinião tem
pelo autor, de que a impunidade é a principal estrutura parecida com suas redações disserta-
causa da violência no país. tivo-argumentativas do Ensino Médio, embora
O terceiro parágrafo, para apresentar se espere maior capacidade de argumentação e
outro argumento que justifique o ponto de vis- abstração de um aluno universitário.
ta exposto no texto, inicia-se com a expressão O ensaio é um texto de mais fôlego, exigin-
“some-se a isso”. Tal construção expressa ideia do reflexões mais maduras, profundas e pesquisa
de adição entre as informações de ambos os sobre determinado tema, para que a argumenta-
parágrafos, de modo que o argumento que o ção leve em consideração estudos e posiciona-
terceiro parágrafo apresenta auxilie o segundo mentos de especialistas a cerca da questão dis-
para sustentar a tese. O tópico frasal novamente cutida. Dessa forma, o ensaio é um texto longo,
sintetiza o argumento desenvolvido no terceiro podendo ser inclusive dividido em subseções
parágrafo: a morosidade e a complacência com para facilitar a organização das ideias.
o crime de nosso sistema penal. Tais fatores tam- Basicamente, o ensaio deve conter ele-
bém reforçam o papel central da impunidade na mentos pré-textuais (resumo/abstract), pelo me-
manutenção da violência no Brasil. nos três seções na parte textual, a serem nomea-
O quarto parágrafo, por outro lado, apre- das com subtítulo (introdução, desenvolvimento
senta uma ressalva, modalizando o discurso. e conclusão) e elementos pós-textuais (referên-
Ao afirmar que “radicalizar, porém, não é a so- cias bibliográficas e, caso necessário, anexos).
lução”, o autor expressa seu posicionamento
de que, apesar de a impunidade ser nociva, não
adianta radicalizar as medidas punitivas. Veja
que, para introduzir tal ressalva ao que foi dito Exercitando
ao longo do texto, foi utilizado o conectivo po- Antes de avançar para um novo assunto,
rém, de valor opositivo. que tal pôr em prática o que você acabou de ver
Por fim, no último parágrafo do texto, o na unidade? Se você encontrar dificuldades para
autor concluiu seu posicionamento perante o realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui
tema, reafirmando a tese ao dizer que “a respos- estudado.
ta das sociedades às suas agressões é que dá a
dimensão de sua seriedade e o exemplo aos que Atividade 1
pensam em agir de forma semelhante”. Quando Observe o texto a seguir, retirado do jor-
você escrever seus textos argumentativos, não nal O Globo, de 5/11/08. Como editorial, trata-se
deixe de, na conclusão, reafirmar o posiciona- de um texto predominantemente argumentativo,
mento defendido ao longo do texto. Assim, intro- apresentando as características gerais que estu-
dução e conclusão apresentam um paralelo, que damos até agora nesta lição. Identifique, no tex-
garante ao texto unidade e progressão. to: a) o tema; b) a tese defendida pelo autor; e
O modo de organização textual argumen- c) os argumentos que ele emprega para justificar

Voltar ao sumário
44

seu posicionamento. Proceda da mesma forma rapidez e aprovado pelos de-


que na análise do texto “Violência e impunidade putados.
andam juntas”:
Dificilmente a Câmara dos Deputados conseguirá Conhecendo os méto-
aprovar a curto prazo a Lei de Biossegurança que dos de raciocínio
precisa votar por ter sido modificada no Senado.
É muito longa a pauta de projetos à espera de Agora que você já conhece a estrutura geral do
apreciação: além de outras importantes leis, há texto argumentativo, precisa aprimorar sua capa-
projetos de emendas constitucionais e uma série cidade de argumentar, isto é, construir justificati-
de medidas provisórias, que trancam a pauta. vas consistentes e lógicas que sustentem sua tese.
Mas, com tudo isso, é importante que os Para isso, vamos estudar os principais métodos
deputados tenham consciência da necessidade de raciocínio empregados na formulação de argu-
de conceder aos cientistas brasileiros, o mais mentos, a saber: o raciocínio indutivo e o raciocí-
rapidamente possível, a liberdade de que eles nio dedutivo.
necessitam para desenvolver pesquisas na área A palavra “método” significa um conjunto
das células-tronco embrionárias. de procedimentos que conduzem a um determi-
Embora seja este um novo campo de in- nado objetivo. No texto argumentativo, esses
vestigação, já está fazendo surgir aplicações prá- métodos conduzem à formulação de justifica-
ticas concretas, que demonstram seu potencial tivas sólidas que embasam a tese, por meio de
curativo fantasticamente promissor. operações lógicas. Veja a seguir os principais
Não é por outro motivo que os eleitores da métodos de raciocínio que você pode empregar
Califórnia aprovaram a emenda 71, que destina na construção de seu texto.
US$ 3 bilhões às pesquisas com células-tronco,
causa defendida com veemência por seu go- 1. Método indutivo – Esse método parte
vernador, o mais do que conservador Arnold de afirmações particulares para chegar a uma
Schwarzenegger. conclusão maior, de cunho geral. No entanto,
O caso chama a atenção porque o ex-ator, como você viu na lição sobre coerência, deve
ao contrário de outros republicanos (como Ron ter cuidado para não criar uma generalização
Reagan, cujo pai sofria do mal de Alzheimer), falsa. Assim, ao selecionar os fatos em relação
não tem interesse pessoal no desenvolvimento aos quais você vai traçar uma lei universal, tome
de tratamentos médicos para doenças degenera- cuidado para não afirmar algo que não se aplica
tivas hoje incuráveis. a todos os casos.
Apenas o convívio com pessoas como o Veja agora como o método indutivo pode ser
recentemente falecido Christopher Reeve, que usado na formulação de argumentos, observando
ficou tetraplégico após um acidente, ou Michael o trecho abaixo, retirado de um texto de Salvatore
J. Fox, que sofre do mal de Parkinson, parece ter Santagada:
sido suficiente para convencer Schwarzenegger O filme Central do Brasil, de Walter Salles,
de que é fundamental apoiar a pesquisa. tem como protagonista a professora aposentada
O projeto que retornou do Senado ainda Dora, que ganha um dinheiro extra escrevendo
inclui graves restrições à ciência, como a limita- cartas para analfabetos na Central do Brasil, esta-
ção das pesquisas às células de embriões con- ção ferroviária do Rio de Janeiro. Outra persona-
gelados há pelo menos três anos nas clínicas de gem é o menino Josué, filho de Ana, que contrata
fertilização — embriões descartados que, com os serviços de Dora para escrever cartas passio-
qualquer tempo de congelamento, vão acabar nais para seu ex-marido, pai de Josué. Logo após
no lixo. ter contratado a tarefa, Ana morre atropelada. Jo-
Também algum dia será preciso admitir a sué, sem ninguém a recorrer na megalópole sem
clonagem com fins terapêuticos, hoje vedada, e rosto, sob o jugo do estado mínimo (sem proteção
que é particularmente promissora. social), vê em Dora a única pessoa que poderá le-
Ainda assim, comparado com o projeto vá-lo até seu pai, no interior do sertão nordestino.
proibitivo que veio originalmente da Câmara, o [...]
novo texto da Lei de Biossegurança é um impor- No filme, a grande questão do analfabetis-
tante passo à frente. Merece ser apreciado com mo está acoplada a outro desafio, que é a questão

Voltar ao sumário
45

nordestina, ou seja, o atraso econômico e social em especial na educação de todos os brasilei-


da região. Não basta combater o analfabetismo, ros, jovens e velhos; lutar por políticas públicas
que, por si só, necessitaria dos esforços de, no de qualidade que direcionem os investimentos
mínimo, uma geração de brasileiros para ser de- para promover uma desconcentração regional e
belado, pois, em 1996, o analfabetismo da popu- pessoal da renda no país, propugnando por um
lação de 15 anos e mais, no Brasil, era de 13,03%, novo modelo econômico e social”.
representando um total de 13,9 milhões de pes- Assim, a referência ao filme é apresentada
soas. Segundo a UNESCO, o Brasil chegaria ao como um argumento de natureza mais específica,
ano 2000 em sétimo lugar entre os países com com vistas a traçar, na conclusão, uma generali-
maior número de analfabetos. zação em relação ao que foi dito sobre a questão
No Brasil, carecemos de políticas públicas do analfabetismo na obra de Walter Salles. Assim,
que atendam, de forma igualitária, a população, o autor do texto estendeu aos demais casos de
em especial aquelas voltadas para as crianças, analfabetismo o que Central do Brasil apresenta
os idosos e as mulheres. A permanência da ques- em um contexto mais específico. Salvatore Santa-
tão nordestina é um exemplo constante das nos- gada empregou, pois, o método indutivo em sua
sas desigualdades, do desprezo à vida e da falta argumentação, pois partiu do particular (caso de
de políticas públicas que atendam aos anseios analfabetismo em Central do Brasil) para o geral
mínimos do povo trabalhador. Não saber ler nem (analfabetismo em geral).
escrever, no Brasil, é um elemento a mais na de-
sagregação dos indivíduos que serão párias per- 2. Método dedutivo – Esse método parte
manentes em uma sociedade que se diz moderna de uma afirmação mais geral para chegar a con-
e globalizada, mas que é debilitada naquilo que clusões mais específicas, aplicando essa regra
é mais premente ao povo: alimentação, trabalho, mais genérica a casos particulares. Esse método
saúde e educação. Sem essas condições básicas, tem a vantagem de que, caso a afirmação geral
praticamente se nega o direito à cidadania da esteja correta, as conclusões estarão corretas.
ampla maioria da população brasileira. Veja agora como o método dedutivo pode
Os ensinamentos que podemos tirar de ser empregado na condução da argumentação,
Central do Brasil são que devemos atacar a ques- observando o trecho abaixo, retirado do artigo
tão social de várias frentes, em especial na edu- “Direito de morrer ou direito à dignidade?”, de
cação de todos os brasileiros, jovens e velhos; Daniele Carvalho:
lutar por políticas públicas de qualidade que di- No início da semana, uma menina inglesa,
recionem os investimentos para promover uma de apenas 13 anos, foi notícia no mundo. Han-
desconcentração regional e pessoal da renda no nah Jones teve leucemia e os fortes remédios
país, propugnando por um novo modelo econô- ingeridos desde os 5 anos de idade enfraquece-
mico e social. ram seu coração. Hannah precisaria passar por
Esse é um texto predominantemente ar- uma cirurgia para tentar evitar a morte, mas
gumentativo sobre a questão do analfabetismo, teria poucas chances de sucesso. Além disso,
embora sua introdução tenha sido dedicada à se sobrevivesse, a adolescente teria que se sub-
descrição do filme Central do Brasil. Longe de meter a cuidados médicos intensivos pelo resto
constituir um desvio em relação ao tema, essa da vida. Hannah optou por não fazer a cirurgia
breve sinopse do roteiro, acompanhada por rápi- e disse que prefere morrer com dignidade. O
da apresentação das personagens, desempenha hospital onde ela estava internada entrou com
papel importante na construção da argumenta- um processo na Justiça para obrigá-la a fazer a
ção do texto. operação. Após ser examinada por uma assisten-
Ao chamar a atenção para um caso espe- te social, o hospital desistiu da causa, dando à
cífico, mesmo que fictício, de problemas sociais menina o direito de morte e de voltar para casa.
atrelados ao analfabetismo, o autor apresenta No caso de uma criança ou adolescente,
um exemplo claro e particular de uma ideia mais as doenças terminais ficam ainda mais comple-
geral, que apresenta no último parágrafo, como xas. De acordo com a legislação, os pais são res-
conclusão do texto: “Os ensinamentos que po- ponsáveis legais dos seus filhos até completa-
demos tirar de Central do Brasil são que deve- rem a maioridade, aos 18 anos, interferindo em
mos atacar a questão social de várias frentes, qualquer tipo de atitude que possa influenciar

Voltar ao sumário
46

suas vidas. Embora os pais de Hannah tenham do editorial da Gazeta do Povo, e identifique o
apoiado sua decisão, foi a própria menina que método de raciocínio (indutivo ou dedutivo)
fez a escolha. Segundo o bioeticista e chefe da empregado pelo autor para chegar à conclusão
Divisão Técnico-Científica do INCA, Dr. Carlos de que os provões são necessários para garan-
Henrique Debenedito, as crianças têm após os tir equilíbrio entre quantidade e qualidade no
8 anos um desenvolvimento cognitivo, ou seja, acesso à Educação Superior.
uma capacidade de ouvir e compreender. “A
partir desta idade, são capazes de ter uma po- Provões necessários
sição definida sobre qualquer assunto, mesmo
que o raciocínio dependa de tirar dúvidas para O Ministério da Educação fez a coisa certa:
esclarecer questões na mente. O grau de matu- cortou o número de vagas oferecidas por quatro
ridade intelectual nessa idade permite uma de- cursos de medicina em três estados (Rio Grande
cisão consciente e, no caso da menina britânica, do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro) porque não
acredito que tudo deve ter sido bem esclarecido ofereciam condições de dar boa formação pro-
para que ela pudesse resolver sua própria vida”. fissional aos seus futuros alunos. As deficiências
Nesse trecho, a autora do artigo cita a fala das instituições de ensino, todas particulares,
do Dr. Carlos Henrique Debenedito, o qual apre- foram constatadas por meio do Exame Nacional
senta seu ponto de vista sobre o caso da menina de Desempenho do Estudante (Enade): elas fa-
Hannah Jones. Veja que, antes de o biocientista zem parte de um grupo de 17 escolas classifica-
posicionar-se diante desse caso específico, seu das com as medíocres notas 1 e 2 no certame
raciocínio parte de uma afirmação mais ampla, do ano passado. A decisão do MEC vai ao en-
que se refere a todas as crianças após os oito contro da indiscutível necessidade de promover
anos de idade: “A partir desta idade, são capazes o equilíbrio entre quantidade e qualidade. Se
de ter uma posição definida sobre qualquer as- é importante proporcionar a chance para que
sunto, mesmo que o raciocínio dependa de tirar mais estudantes ingressem no ensino superior,
dúvidas para esclarecer questões na mente. O mais importante ainda é garantir-lhes ensino de
grau de maturidade intelectual nessa idade per- padrão minimamente aceitável – princípio que
mite uma decisão consciente”. deve valer não só para os que almejam a carreira
Só depois de fazer uma afirmação de na- médica, como foi o caso – como para os futuros
tureza mais geral, o chefe da Divisão Técnico- engenheiros, professores, dentistas... Nesse sen-
-Científica do INCA define seu posicionamento tido, a criação, no governo de Fernando Henri-
quanto à possibilidade de decisão de Hannah que Cardoso, dos exames de desempenho das
Jones: “no caso da menina britânica, acredito escolas brasileiras, de que níveis sejam, revela-
que tudo deve ter sido bem esclarecido para -se como um instrumento indispensável para a
que ela pudesse resolver sua própria vida”. Isso melhoria geral da qualidade
mostra a aplicação de sua ideia mais geral – a do ensino no país. Deve-
capacidade de decisão das crianças com mais riam ser mais respeitados
de oito anos – a uma situação particular: o caso pelos próprios estudantes,
de Hannah, a qual, segundo ele, tem capacidade que tanto resistem aos “pro-
cognitiva para tomar sua decisão. vões”.

Conhecendo os tipos de argumentos

Exercitando Ora construída por indução ora por dedução,


Antes de avançar para um novo assunto, a argumentação é a parte central do texto ar-
que tal pôr em prática o que você acabou de ver gumentativo. Apenas uma seleção e uma arti-
na unidade? Se você encontrar dificuldades para culação inteligente de argumentos podem con-
realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui vencer alguém da relevância da tese defendida
estudado. pelo autor. Assim, é fundamental que você
baseie seu discurso em argumentos aceitáveis
Atividade 2 para o leitor, de modo que ele também se con-
Leia atentamente o texto abaixo, retirado vença de sua tese, mesmo que não esteja ini-

Voltar ao sumário
47

cialmente de acordo com ela. verdadeira. Nesse sentido, é importante sele-


Para isso, você agora vai estudar os prin- cionar exemplos fortes, preferencialmente de
cipais tipos de argumentos, a fim de fazer uso de- conhecimento geral ou surpreendentes. Um
les, da melhor forma possível, em seus próprios exemplo mal escolhido, ou pouco representati-
textos. vo, pode suscitar no leitor desconfiança.
1. Argumentação por causa/consequência Veja abaixo, em um trecho da reportagem
Uma maneira eficaz de defender um ponto “Afinal, nossas urnas eletrônicas são ou não
de vista é explicar os motivos que levaram você totalmente seguras?”, de Sérgio Pires, como a
a posicionar-se daquela forma. Esse é um dos ti- exemplificação foi empregada para defender de-
pos de argumentos mais frequentes e eficazes, terminado ponto de vista:
visto que argumentar é, justamente, dizer os
porquês que sustentam sua tese. Veja o trecho Afinal, nossas urnas eletrônicas são
abaixo, retirado do artigo “Por um país da mala ou não totalmente seguras?
branca”, de Mauro Chaves:
Já que os valores morais da sociedade Há anos o assunto é motivo de discussões.
brasileira se encontram tão destroçados (pelo Nessa semana, de novo. O professor do Institu-
menos no momento), é preciso buscar novas for- to de Computação da Universidade de Campi-
mas de conter os distúrbios de nosso convívio nas, Jorge Stolfi, disse em audiência na Câmara
humano e as ameaças à nossa já precária coesão Federal que as urnas eletrônicas utilizadas nas
social. E já que nossa sociedade se mostra tão eleições no Brasil não são seguras e permitem
avessa à punição pelo desrespeito à lei (pois a fraudes. E mais: que o sistema pode ter interfe-
cada eleição perdoa tantos nas urnas), façamo-la, rências para beneficiar um ou outro candidato
de vez, cumprir a lei apenas mediante incentivos. sem que a fraude seja detectada. Lembrou que
O autor explicita nos seguintes trechos a vários países – Estados Unidos, Alemanha, Ho-
tese que defende: “é preciso buscar novas for- landa e Inglaterra, entre outros – não utilizam as
mas de conter os distúrbios de nosso convívio urnas eletrônicas como no Brasil porque já de-
humano e as ameaças à nossa já precária coesão tectaram que elas não são imunes ao que cha-
social” e “façamo-la, de vez, cumprir a lei apenas mou de “riscos incontornáveis” de fraude. Des-
mediante incentivos”. Segundo o autor, para tor- tacou que a única maneira de fazer com que o
nar a lei mais eficiente, é preciso substituir prá- sistema seja totalmente seguro é adotar o voto
ticas punitivas por incentivos a quem cumpre os impresso, como maneira complementar para a
regulamentos. segurança da votação. O professor afirmou ain-
Para sustentar essa tese, lança mão no mes- da, contrariando técnicos dos TREs e do próprio
mo parágrafo de dois argumentos de valor causal: TSE, que há sérios riscos “de fraudes feitas por
“os valores morais da sociedade brasileira se en- pessoas internas ao sistema, que não podem ser
contram tão destroçados (pelo menos no momen- detectadas antes, durante ou depois da eleição”.
to)” e “nossa sociedade se mostra tão avessa à E agora, José?
punição pelo desrespeito à lei (pois a cada eleição Jorge Stolfi manifesta claramente seu pon-
perdoa tantos nas urnas)”. Veja que ambos os argu- to de vista no trecho “as urnas eletrônicas utili-
mentos expressam os motivos pelos quais o autor zadas nas eleições no Brasil não são seguras e
adota sua tese; logo, são introduzidos por um co- permitem fraudes. E mais: [...] o sistema pode ter
nectivo que expressa relação de causa (“já que”), interferências para beneficiar um ou outro can-
como você viu na unidade sobre coesão textual. didato sem que a fraude seja detectada”. Para
Na hora de produzir seu próprio texto, defender essa opinião, utiliza como argumento
tome cuidado para não expressar uma falsa re- exemplos de países que discordam do sistema
lação de causa/consequência entre ideias que de votação eletrônica: “vários países – Estados
são apenas próximas, mas não desencadeadoras Unidos, Alemanha, Holanda e Inglaterra, entre
uma da outra. outros – não utilizam as urnas eletrônicas como
no Brasil porque já detectaram que elas não são
2. Argumentação por exemplificação imunes ao que chamou de ‘riscos incontorná-
Um exemplo traz força à argumentação, veis’ de fraude”.
ao mostrar casos reais em que a tese se prova Veja como o professor foi cuidadoso na

Voltar ao sumário
48

seleção dos países que empregou para respaldar de publicidade 141 SoHo Square baseia-se em
sua tese: Estados Unidos, Alemanha, Holanda e dados estatísticos de pesquisa que encomen-
Inglaterra são todos países desenvolvidos que dou ao IBOPE, segundo a qual “as mulheres das
têm organizações políticas democráticas mun- classes C e D são as que mais acreditam que o
dialmente reconhecidas. Brasil não está bem, mas vai melhorar em 2009,
3. Argumentação por dados estatísticos com índices de 46% e 44%, respectivamente. Na
Para provar o que se diz, dados estatís- classe A, o percentual verificado foi de 41%”.
ticos são comumente utilizados, visto que são
fruto de pesquisas feitas por órgãos de reconhe- 4. Argumentação por testemunho de au-
cimento público. É preciso tomar cuidado, no toridade
entanto, para selecionar quais dados serão usa- Nos textos de escrita acadêmica, é muito
dos, citando a fonte de que foram retirados. frequente que, para respaldar sua tese, o autor
Veja abaixo como o uso de valores numé- se refira a pesquisas anteriores, de outros pes-
ricos calculados por agências especializadas foi quisadores. Para isso, cite a fonte de onde re-
usado no artigo “Mulheres das classes C e D são as tirou a citação empregada em seu texto, tendo
que mais creem que Brasil vai melhorar em 2009”: cuidado de empregar como argumento as pala-
vras de alguém reconhecido como conhecedor
Mulheres das classes C e D são as da causa discutida.
que mais creem que Veja abaixo como esse recurso foi empre-
Brasil vai melhorar em 2009 gado na argumentação do artigo “Produção cien-
tífica no Brasil sobe, mas não o número de paten-
De acordo com pesquisa realizada pelo tes”, do qual transcrevemos o trecho a seguir:
IBOPE, a pedido da agência de publicidade 141 A produção científica brasileira subiu de
SoHo Square, as mulheres das classes C e D são 2006 para 2007 e representa 2,02% de todos os ar-
as que mais acreditam que o Brasil não está bem, tigos científicos publicados no mundo, mas esse
mas vai melhorar em 2009, com índices de 46% e conhecimento ainda não se traduz na prática.
44%, respectivamente. Na classe A, o percentual Quando se analisa o registro de patentes nos Es-
verificado foi de 41%. tados Unidos, o índice brasileiro é próximo a zero.
Além disso, a pesquisa intitulada “O So- “O Brasil está muito atrás de outros países
nho é maior que o medo – Panorama sobre o que até produzem menos artigos científicos. Di-
comportamento de compra das mulheres brasi- ficilmente um País que produz ciência não faz as
leiras” apurou que 41% das mulheres da classe duas coisas. Todos têm ciência e patentes, mas
C e 36% da D avaliam que a economia brasileira não é o caso do Brasil”, disse Jorge Guimarães,
está sólida, mas vai sofrer o impacto da crise. presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento
Na opinião do presidente da agência que de Pessoal de Ensino Superior (Capes).
encomendou o estudo, Mauro Motryn, os núme- O autor do artigo, em sua argumentação, de-
ros mostram que as mulheres de menor poder nuncia o baixo número de patentes registrado no
aquisitivo parecem não querer acreditar na cri- Brasil, apesar da alta produção científica. Para de-
se. “Elas estão tão felizes de finalmente terem en- fender essa tese, clara logo no primeiro parágrafo,
trado no mercado de consumo que até fecham o autor se vale das palavras de uma autoridade no
o bolso agora [...] Mas estão esperando muito a assunto, Jorge Guimarães, presidente da Coorde-
volta do crédito no início do ano para poderem nação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino
continuar comprando.” Superior (Capes). A própria instituição por ele pre-
Mauro Motryn tem um ponto de vista sidida é reconhecida internacionalmente como re-
claro diante do comportamento das mulheres ferência no que diz respeito à pesquisa científica.
das classes C e D em relação à crise econômi-
ca: “Elas estão tão felizes de finalmente terem 5. Argumentação por contra-argumentação
entrado no mercado de consumo que até fe- Muitas vezes, ao redigir um texto argu-
cham o bolso agora [...] Mas estão esperando mentativo, você já imagina quais serão os pos-
muito a volta do crédito no início do ano para síveis posicionamentos contrários de alguns
poderem continuar comprando.” Para justificar leitores. Para fortalecer sua argumentação,
esse posicionamento, o presidente da agência você pode citar essas visões diferentes da sua e

Voltar ao sumário
49

contrapor-se a elas, utilizando o que chamamos


de contra-argumentação. É preciso tomar cui-
dado, no entanto, para refutar com consistên- Exercitando
cia os argumentos que se opõem à sua tese, ou Antes de avançar para um novo assunto, que
seu posicionamento pode perder credibilidade. tal pôr em prática o que você acabou de ver na uni-
Observe o trecho abaixo, retirado do arti- dade? Se você encontrar dificuldades para realizar
go “Crise e poder”, de Rubens Ricupero, e atente a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui estudado.
para o uso que o autor fez da contra-argumenta- Atividade 3
ção para respaldar sua tese. Agora é a sua vez de redigir parágrafos ar-
A crise econômica é também uma crise da gumentativos! Siga as instruções abaixo e lem-
globalização. Dizia-se antes que o poder do Esta- bre-se do que você estudou na lição sobre estru-
do estava sendo corroído pela interdependência tura geral dos parágrafos.
da globalização. Ora, o que vimos é que esta foi 1. O tema dos parágrafos será a implanta-
de fato responsável pelo contágio da doença. O ção da Lei Seca. Portanto, antes de redigi-los, opte
remédio, porém, vem sendo administrado pelo por uma tese, posicionando-se a favor ou contra a
Estado nacional por meio dos bancos centrais e legalização desse tipo de punição no Brasil.
dos Tesouros. 2. Agora que você já optou por uma tese,
A primeira conclusão, portanto, é que, escreva cinco parágrafos argumentativos que
apesar da globalização, permanece intacta a a sustentem, empregando, respectivamente: a)
configuração dominada pelo Estado-Nação, cujo causa/consequência; b) exemplificação; c) da-
poder em relação ao mercado e à sociedade é dos estatísticos; d) testemunhos autorizados; e
reforçado pela crise. e) contra-argumentação.
A tese central defendida pelo autor no tre-
cho analisado é que, “apesar da globalização,
permanece intacta a configuração dominada pelo
Estado-Nação”. No entanto, para chegar a essa afir- Exercitando
mativa, o texto parte de uma ideia contrária a ela: Antes de avançar para um novo assunto,
“Dizia-se antes que o poder do Estado estava sendo que tal pôr em prática o que você acabou de ver
corroído pela interdependência da globalização”. na unidade? Se você encontrar dificuldades para
Veja que essa ideia contrária à tese foi intro- realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui
duzida pela expressão “dizia-se”, a qual não define estudado. Esta questão foi retirada do exame
quem é que dizia que o poder do Estado estava vestibular UFF 2008.
sendo corroído pela interdependência da globa-
lização. O agente responsável por essa ação não Atividade 4
pode ser identificado no texto. Só o que sabemos Leia atentamente a entrevista do acadêmi-
é que não se diz mais isso; chega-se a tal conclu- co Evanildo Bechara e o artigo “Nó górdio é a
são pelo tempo do próprio verbo em “dizia-se”. vaidade e a pequenez” da escritora Ângela Dutra
É importante perceber que a oposição en- de Menezes e reflita sobre seus diferentes pon-
tre essa afirmativa inicial e a tese defendida pelo tos de vista. Transcreva de cada texto duas afir-
autor não torna o texto contraditório. Na verdade, mativas que apresentam, de forma clara, pontos
para fortalecer sua argumentação, o autor afirma de vista diferentes quanto ao acordo ortográfico
algo que era dito antigamente para logo rechaçar e sua implantação:
essa ideia, na frase: “O remédio, porém, vem sen- Um dos maiores conhecedores da língua
do administrado pelo Estado nacional por meio portuguesa, o acadêmico Evanildo Bechara cri-
dos bancos centrais e dos Tesouros”. A palavra tica o acordo ortográfico de 1990, que, em sua
“porém”, conectivo de oposição (conforme você opinião, não simplifica suficientemente as regras
estudou na unidade sobre coesão textual), intro- de emprego do hífen, e ainda admite um número
duz uma ressalva à ideia inicial do texto, dando excessivo de casos de acentuação. Para Becha-
suporte à tese defendida pelo autor. ra, a Academia Brasileira de Letras e os países
lusófonos deveriam se unir para alterar “a filoso-
fia” da reforma ortográfica.
O GLOBO: Qual sua opinião geral sobre o

Voltar ao sumário
50

Acordo Ortográfico de 1990? Nó górdio é a vaidade e a pequenez


EVANILDO BECHARA: As mudanças foram
muito modestas para conseguirmos uma unifica- Recebi a notícia de que o meu livro “O por-
ção do sistema gráfico em Portugal e no Brasil. tuguês que nos pariu” é best-seller em Portugal.
Não há grandes revoluções nas alterações que “Top ten”, explicou-me, via e-mail, a Editora Civi-
se vão fazer. Esse é um ponto. O outro é que as lização, da cidade do Porto.
modificações no sistema brasileiro são em maior Feliz? Nem tanto. O livro que está sendo
número do que as que os portugueses vão ter vendido no além-mar, descumprindo um pedido
que fazer. Portugal a rigor só vai ter duas modifi- meu, foi “traduzido” para o, digamos, lusitano.
cações: vão deixar de usar as consoantes mudas A descortesia dos editores esconde mais do que
e eliminar o “h” inicial em palavras como úmido. apenas desrespeito ao meu texto e às minhas
O Brasil fez mais cedências. convicções. A atitude autoritária prova que ve-
O GLOBO: Por que se criaram tantos lejamos a anos-luz do acordo ortográfico que,
acentos? teoricamente, está prestes a desencantar. Não de-
BECHARA: As primeiras tentativas de re- sencantará. A língua é o mais forte signo de uma
forma ortográfica datam de 1886 em Portugal, nacionalidade. Abrir mão de suas características
e no Brasil de 1906. Uma época em que a rede significa, mesmo que simbolicamente, render-se.
escolar era muito mais frágil do que hoje. Era ne- Mas render-se a quê? A quem? Afinal, todos fala-
cessária uma reforma em que a maneira de gra- mos português. As diferentes versões do nosso
far as palavras ajudasse as pessoas a pronunciá- idioma não anulam a realidade de sua unidade.
-las corretamente. O sistema educacional ainda Negar isto é negar a belíssima história das nave-
era precário, tanto em Portugal quanto no Brasil. gações portuguesas e assumir uma atitude tímida
Hoje, com a rede escolar, com o rádio, com a te- diante do maravilhoso mundo novo. Quem acre-
levisão, é diferente. Esses meios de comunicação dita que os falantes de um português são incapa-
ajudam mais na difusão da pronúncia correta do zes de ler ou entender outro, além de se desmere-
que a ortografia. Basta ver que há casos em que cer intelectualmente, demonstra medo de perder
as pessoas pronunciam a palavra de um jeito di- a sua identidade, a sua História, o seu passado, o
ferente do indicado pela grafia. respeito próprio.
O GLOBO: A Academia Brasileira de Letras Acredito que leio e, desde criança, leio os
pensa em apresentar essas propostas? autores portugueses no “original”. Hoje, faço o
BECHARA: A ABL não pode, nesse momen- mesmo com escritores angolanos e moçambica-
to. Mas se o impasse continuar, quem sabe? Mi- nos e, se tropeço em uma palavra, enriqueço o
nha opinião é que as academias do Brasil e de meu vocabulário com leve toque no teclado do
Portugal deveriam se reunir, juntamente com os computador: um dicionário eletrônico esclare-
outros países, para mudar a filosofia da reforma. ce a minha dúvida. Acredito que nós, brasilei-
“As mudanças foram muito modestas” – ros, somos perfeitamente decodificáveis pelos
Evanildo Bechara (fragmento) O Globo, consumidores lusos, sem que alguém, paterna-
Prosa & Verso, setembro de 2007. listicamente, precise se intrometer para avisar
que o escritor quis dizer isto ou aquilo. Ou as-
sumimos as diferenças que nos aproximam ou
continuaremos alimentando a nossa triste vo-
cação para o nada. Afinal, deve pensar quem
nos cerca com um esgar de desprezo, quem é
esta pobre gente que não se entende nem na
língua em que fala?
“Nó górdio é a vaidade e a pequenez” –
Ângela Dutra de Menezes (fragmento)
O Globo, Prosa &Verso, setembro de 2007

Respostas às atividades

l Atividade 1

Voltar ao sumário
51

Tese: “é importante que os deputados te- uma prudente preocupação diante da forte rela-
nham consciência da necessidade de conceder ção entre alcoolismo e acidentes de trânsito. No
aos cientistas brasileiros, o mais rapidamente primeiro mês após a implantação da lei, o IML
possível, a liberdade de que eles necessitam (Instituto Médico Legal) de São Paulo registrou
para desenvolver pesquisas na área das células- uma redução de 63% no número de óbitos cau-
-tronco embrionárias”. sados por acidentes de trânsito. De modo seme-
Argumento 1: “já está fazendo surgir apli- lhante, dados do Ministério da Saúde garantem
cações práticas concretas, que demonstram seu que os resgates do Samu (Serviço de Atendimen-
potencial curativo fantasticamente promissor”. to Móvel de Urgência) caíram em 24% desde o
Argumento 2: “os eleitores da Califórnia início da nova legislação.
aprovaram a emenda 71, que destina US$ 3 bi- d) Com a alteração no código de trânsito
lhões às pesquisas com células-tronco”. que baixa para dois decigramas de álcool por li-
Argumento 3: “embriões congelados há tro de sangue o limite tolerado por lei, o governo
pelo menos três anos nas clínicas de fertiliza- Lula conseguiu implementar uma drástica redu-
ção — embriões descartados que, com qualquer ção nos índices de acidentes de trânsito. Segun-
tempo de congelamento, vão acabar no lixo”. do Flavio Adura, presidente da Abramet (Asso-
Argumento 4: “Também algum dia será ciação Brasileira de Medicina de Tráfego), “A lei
preciso admitir a clonagem com fins terapêuti- evita que, diariamente, cinquenta pessoas mor-
cos, hoje vedada, e que é particularmente pro- ram, que trezentas fiquem feridas e que cento e
missora”. vinte fiquem com alguma sequela. São duzentas
internações hospitalares a menos e uma econo-
l Atividade 2 – O autor emprega o méto- mia diária estimada em quarenta e cinco milhões
do indutivo em sua argumentação, pois parte de reais”.
de um caso particular – a ação do MEC sobre e) Muitos alegam que a redução do limi-
algumas instituições privadas de ensino – para te de álcool permitido no sangue de motoristas
defender uma ideia mais geral: a necessidade é uma medida descabida do governo, visto que
das ações decorrentes do diagnóstico levanta- acarreta redução de lucros para donos de bares
do pelos provões. e consequente desemprego. No entanto, é impro-
cedente tal colocação, visto que essa mesma ló-
l Atividade 3 – Exemplos de possíveis res- gica conduziria à conclusão de que é necessário
postas: que haja mais acidentes para que mais profissio-
a) A despeito das discussões sobre direito nais da área de saúde possam estar empregados.
à liberdade de consumo, a redução do limite de
álcool permitido no sangue de motoristas tem Atividade 4
de ser encarada como uma decisão razoável do TEXTO 1 “As mudanças foram muito mo-
governo. Afinal, há que se considerar, sobretu- destas”, Evanildo Bechara
do, o principal motivo que conduziu à adoção de 1. Era necessária uma reforma em que a
tal medida: o automóvel, veículo criado no sécu- maneira de grafar as palavras ajudasse as pesso-
lo XIX para servir ao homem como meio de loco- as a pronunciá-las corretamente.
moção eficaz, tornou-se arma nos séculos XX e 2. Hoje, com a rede escolar, com o rádio, com
XXI graças à sua associação com o consumo de a televisão é diferente. Esses meios de comunicação
bebidas alcoólicas. ajudam mais na difusão da pronúncia correta do
b) Além da clara redução das mortes em que a ortografia.
acidentes de trânsito, a implantação da Lei Seca 3. Basta ver que há casos em que as pes-
traz outras consequências benéficas a reboque, soas pronunciam a palavra de um jeito diferente
como, por exemplo, a diminuição dos valores de do indicado pela grafia.
apólices de seguros. Havendo menos acidentes,
as seguradoras poderão cobrar valores mais TEXTO 2 “Nó górdio é a vaidade e a peque-
baixos para seus clientes, atingindo até 10% de nez”, Ângela Dutra de Menezes
redução, o que pode, inclusive, aumentar o mer- 1. As diferentes versões do nosso idioma
cado consumidor desse tipo de serviço. não anulam a realidade de sua unidade.
c) A adoção da Lei Seca no Brasil revela 2. Ou assumimos as diferenças que nos

Voltar ao sumário
52

aproximam ou continuaremos alimentando nos- je/20081206/not_imp289412,0.php>. Acesso em 15


sa triste vocação para o nada. jun. 2009.
3. Acredito que leio e, desde criança, leio FORNECK, M. Violência e impunidade andam
os autores portugueses no “original”. Hoje, faço juntas. Disponível em: <http://www.unoescxxe.
o mesmo com escritores angolanos e moçambi- edu.br/unoesc/noticias_unoesc/desc_noticias.
canos e, se tropeço em uma palavra, enriqueço php?cod_noticia=188>. Acesso em 15 jun. 2009.
o meu vocabulário com leve toque no teclado do GARCIA, O. Comunicação em prosa moderna. Rio
computador: um dicionário eletrônico esclarece de Janeiro: FGV, 1981.
minha dúvida. IBOPE. Mulheres das classes C e D são as que mais
creem que Brasil vai melhorar em 2009. Disponí-
vel em: <http://www.ibope.com.br/calandraWeb/
Glossário servlet/CalandraRedirect?temp=6&proj=PortalI
BOPE&pub=T&nome=home_materia&db=caldb
l Modalização – Modalizar é expressar &docid=5CBC555564290316832575150044F16E>.
como o falante/autor vê aquilo que diz/escreve. Acesso em 15 jun. 2009.
Ao afirmar “Indiscutivelmente, amanhã choverá”, LEONI. Ao vivo: Por que não eu? Som livre, 2005.
o falante mostra, com o modalizador “indiscuti-
O Globo. Editorial da edição de 05.11.08.
velmente”, ter absoluta certeza do que diz.
PERELMAN, C. & TYTECA, L. Tratado da argu-
l Contra-argumentação – Rejeição do ar-
mentação: a nova retórica. São Paulo: Martins
gumento apresentado e sua substituição por Fontes, 1996.
argumento oposto, ou complementar.
PIRES, S. Afinal, nossas urnas eletrônicas são ou
não totalmente seguras?. Disponível em: <http://
www.gentedeopiniao.com.br/ler_noticias.
php?codigo=39220>. Acesso em 15 jun. 2009.
PROTEC. Produção científica no Brasil sobe, mas
não o número de patentes. Disponível em: <http://
www.protec.org.br/noticias_inovacao_patente.
asp?cod=26>. Acesso em 15 jun. 2009.
Provões necessários. Gazeta do Povo, Para-
ná, 07.12.08. Disponível em: <http://portal.
rpc.com.br/gazetadopovo/opiniao/conteudo.
phtml?tl=1&id=835500&tit=Provoes-necessa-
Referências rios>. Acesso em 15 jun. 2009.
CABRAL, G. Pena de morte. Disponível em: RICUPERO, R. Crise e poder. Disponível em:
<http://www.brasilescola.com/sociologia/pena- <http://portal.rpc.com.br/gazetadopovo/opi-
-morte.htm>. Acesso em 15 jun. 2009. niao/conteudo.phtml?tl=1&id=835502&tit=Crise-
-e-poder>. Acesso em 15 jun. 2009.
CARVALHO, D. Direito de morrer ou direito à dig-
nidade? Disponível em: <http://www.opiniaoeno- SANTAGADA, S. Zero Hora. Edição de 20/3/1999.
ticia.com.br/interna.php?id=19990>. Acesso em VOESE, I. Argumentação jurídica. Curitiba: Juruá,
15 jun. 2009. 2001.
CHAVES, M. Por um país da mala branca. Disponí-
vel em: <http://www.estadao.com.br/estadaodeho-

Voltar ao sumário
Unidade 5 nizada de produção de conhecimento científico
estabeleceu-se no país. No centro desse proces-
so estiveram a reforma universitária, institucio-
Fichamento, resumo e resenha nalizando a pós-graduação, e a estruturação de
um sistema de apoio e financiamento à pesqui-
sa e aos pesquisadores nas universidades e nos
Apresentando a unidade centros de pesquisa governamentais.
O CNPq, a Capes, a FINEP e as fundações
de amparo à pesquisa (FAPs) foram e são agentes

N
esta unidade, vamos apresentar e discu- executores dinâmicos do processo. A Sociedade
tir a forma e o conteúdo do fichamento, Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e a
do resumo e resenha, a partir de exem- Academia Brasileira de Ciências (ABC) desempe-
plos de cada gênero, explicitando o seu papel na nharam papel fundamental no convencimento e na
atividade acadêmica. mobilização das mentes e dos esforços para que
o processo se estabelecesse e se desenvolvesse.
Definindo os objetivos Como indicador sinalizando efetivos re-
sultados desse sistema, temos hoje a taxa de 2%
Ao final da unidade, você deverá ser capaz de participação da produção nacional de traba-
de: lhos científicos na produção mundial – resultado
1. distinguir fichamento, resu- bastante significativo, pois mostra que o nosso
mo e resenha; sistema básico de produção de ciência está do
2. ler e compreender textos “tamanho econômico do país”, já que esse índice
em cada um desses gêneros; é basicamente o mesmo da participação do PIB
3. produzir textos em cada brasileiro no mundial.
um desses gêneros; Notável também no período foi a constitui-
4. justificar a relevância dessas competências. ção de casos específicos de sucesso no que se
refere às ciências aplicadas e à pesquisa tecnoló-
Conhecendo o gica. São exemplos emblemáticos desses casos o
fichamento, o resumo sistema Embrapa nas atividades agropecuárias;
e a resenha a rede Petrobras, capitaneada pelo Cenpes e com
destaque para a Coppe/UFRJ, na indústria petro-
Fichamento, resumo e resenha são gêneros lífera; a tradicional Fiocruz no Sistema de Saúde
textuais muito recorrentes na vida universitária, Pública; o Centro Técnico Aeroespacial (CTA) e a
pois, na interação com um texto acadêmico, é Embraer na indústria aeronáutica; o Inpe na pro-
comum que o leitor tenha de produzir um novo dução de previsões de tempo e articulando uma
texto escrito, estabelecendo um claro diálogo en- rede industrial de construção de satélites artifi-
tre ambos. Assim, um bom desempenho acadêmi- ciais; e o sistema Cnen – Eletronuclear na tecno-
co passa, necessariamente, pela intimidade com logia nuclear.
esses gêneros textuais e com a própria escrita Estabelecida uma plataforma básica im-
científica, que tem características próprias, como portante, a responsabilidade de ampliação com
temos visto ao longo das unidades. qualidade e atenção às demandas e necessida-
Assim, antes de analisarmos as características do des da sociedade e do desenvolvimento do País,
fichamento, do resumo e da resenha, vamos ana- pelo seu bom e pleno funcionamento, é grande.
lisar um artigo científico, o qual poderia, por sua Implica o enfrentamento de desafios que mere-
vez, ser fichado, resumido e/ou resenhado pelo cerão dedicação e esforços iguais ou maiores
leitor. que aqueles já dedicados à construção do siste-
ma básico.
Os desafios do desenvolvimento da Lanço aqui vários deles, cuja superação é
ciência e da tecnologia no país crucial para saúde e bom funcionamento do pró-
Marco Antonio Raupp prio sistema, para o reconhecimento de sua uti-
lidade pela sociedade e para que as atividades
Nos últimos 50-60 anos, a atividade orga- dos cientistas contribuam também para o equi-

Voltar ao sumário
54

líbrio social e regional no País. O primeiro deles o desafio de melhor distribuirmos as atividades
é a deficiente educação básica e média. Requer de C,T&I no País, contribuindo para a superação
o engajamento da comunidade científica para a das desigualdades regionais.
sua superação, além da cidadania, obviamente. Outro importante desafio a ser enfrentado
Não podemos nos furtar à participação, espe- reside na separação existente tradicionalmente
cialmente na questão do ensino das Ciências e entre o sistema universitário e as atividades de
das Matemáticas. pesquisa e desenvolvimento (P&D) nas empre-
As nossas melhores universidades devem sas. Existem honrosas exceções de colaboração
priorizar a formação de bons professores, e em e temos avançado bastante na aproximação, mas
boa quantidade. Isso não vem ocorrendo. Pelo muito ainda resta a fazer para que o fluxo de
contrário, a formação de professores está cada transformação do conhecimento em riqueza seja
vez mais sendo relegada àquelas mais destituí- otimizado, desde o aspecto cultural, passando
das de condições e qualidades. A expectativa pelo operacional, até o marco legal.
positiva é que a nova Capes estimule esse mo- Além do estímulo à participação eventual
vimento. de pesquisadores em projetos de interesse da
Educação de qualidade é o mais importan- empresa, mecanismos como incubadoras de
te requisito para a inclusão social. A ampliação empresas nascentes nas universidades, parques
de vagas nas universidades públicas, sem perder tecnológicos congregando universidades, cen-
a qualidade, é outro grande desafio. A vaga em tros de pesquisas e empresas com interesse em
instituição pública é a que de fato está aberta tecnologia e inovação, e mestrados profissio-
para os filhos da nova classe média, e o atendi- nais, podem ser estimulados por políticas públi-
mento da demanda por profissionais de ensino cas para criar pontes de cooperação, em benefí-
superior e técnico é condição sine qua non para cio da economia do País. O sistema universitário
o desenvolvimento do País. Basta comparar de pesquisa terá, certamente, o reconhecimento
o número de engenheiros que formamos com da sociedade por essa postura.
aquele da China para que entremos em “estado Finalmente, menciono o desafio de superar
de choque”. um gargalo que decorre do fato de a C&T ser ati-
Os dez mil doutores que o nosso sistema vidade recente em nosso País, e que é transversal
de pós-graduação forma anualmente certamente a todas as outras, sua superação sendo importan-
nos darão condições de garantir essa expansão, te para a boa fluência de todas as outras supera-
especialmente na esfera das universidades tec- ções. Tal é a questão no marco legal para o exercí-
nológicas e escolas técnicas, tão necessárias. cio dessas atividades.
A ciência brasileira está 60% localizada Legislações desenvolvidas em outras épo-
na Região Sudeste. Por razões estratégicas e de cas e situações, voltadas para outros propósitos,
justiça federativa, é uma situação que não pode são confrontadas e/ou questionadas sistematica-
perdurar, constituindo-se num desafio para o mente pelas atividades demandadas pelo desen-
planejamento estratégico e a política de ciência volvimento científico e tecnológico do País. São
e tecnologia (C&T). Temos que redirecionar in- exemplos a coleta de material biológico de nossa
vestimentos federais e estimular as FAPs locais. biodiversidade, o uso de animais em experimen-
Isso, de fato, já vem ocorrendo em estados como tos científicos, a coleta e o uso de células-tronco
Amazonas, Pará e Bahia, mas em outros com embrionárias, as impropriedades legais na coope-
alguma tradição houve retrocesso. Em regiões ração entre entidades científicas públicas e em-
como a Amazônia, o semi-árido e a Plataforma presas privadas, o regime “ultra-rápido” nas im-
Continental Marinha, o conhecimento científico portações de insumos científicos, e muitos outros.
é absolutamente necessário para uma interven- Alguns avanços estão ocorrendo, como a
ção econômica sustentável – ambientalmente nova lei que regulamenta o uso de animais em
e socialmente –, preservando o patrimônio do pesquisa, a decisão do Supremo Tribunal Federal
País. É imperativa a atuação do Sistema de Ciên- (STF) sobre células-tronco, a Lei de Inovação e a
cia e Tecnologia nessas áreas, e sua expansão, Lei do Bem. Mas entendemos que uma revisão
contemplando essa atuação, é vital, até para geral para identificação de gargalos, incluindo aí
justificar os investimentos da sociedade nas um estudo sobre o status institucional das orga-
nossas atividades. O aspecto estratégico impõe nizações de pesquisa, o regime de contratação

Voltar ao sumário
55

de pessoal, entre outros, torna-se necessário. As nossas melhores universidades devem


priorizar a formação de bons professores, e em
boa quantidade. Isso não vem ocorrendo. Pelo
Reflexão
contrário, a formação de professores está cada
vez mais sendo relegada àquelas mais destituídas
de condições e qualidades.
Veja um pequeno exemplo de fichamento
inicial de um fragmento de texto publicado na
Vemos que o artigo acima é do tipo expositivo e Revista Gragoatá. Realçamos a parte que merece
argumentativo. Seu autor baseia-se em dados de ser fichada e, em seguida, transcrevemos essa
outros estudos para analisar e avaliar a pesquisa parte, em destaque.
no Brasil e propor medidas que melhorem o de-
sempenho brasileiro. Quando o preconceito se faz silêncio:
Para analisarmos a produção acadêmica, em relações raciais na literatura
textos como o de Raupp, bem como para com- brasileira contemporânea
preendermos os pontos que os orientam, preci-
samos de três ferramentas específicas, que são Regina Dalcastagnè
o fichamento, o resumo e a resenha. O exame da
produção mostra que as citações relevantes de A literatura contemporânea reflete, nas
autores resultam do fichamento adequado das suas ausências, talvez ainda mais do que naquilo
leituras de seus textos. Além disso, compreende- que expressa, algumas das características cen-
-se o papel dos resumos e das resenhas como trais da sociedade brasileira. É o caso da popu-
documentos indispensáveis para a tomada de lação negra, que séculos de racismo estrutural
decisão sobre a consulta das obras a que se re- afastam dos espaços de poder e de produção
ferem Por fim, verifica-se que os melhores resu- de discurso. Na literatura, não é diferente. São
mos e resenhas resultam de bons fichamentos. poucos os autores negros e poucas, também, as
personagens – uma ampla pesquisa com roman-
Características do fichamento ces das principais editoras do País publicados
nos últimos 15 anos identificou quase 80% de
Agora vamos apresentar as características personagens brancas, proporção que aumenta
deste gênero discursivo. O fichamento consiste quando se isolam protagonistas ou narradores.
no registro das ideias de um texto que se consi- Isto sugere uma outra ausência, desta vez temá-
deram relevantes para o estudo. Para realizá-lo, tica, em nossa literatura: o racismo. Se é possí-
leia o texto, uma primeira vez. Na segunda leitu- vel encontrar, aqui e ali, a reprodução paródica
ra, destaque as partes do que quer citar. Trans- do discurso racista, com intenção crítica, ficam
creva fielmente as passagens selecionadas, com de fora a opressão cotidiana das populações ne-
registro das páginas em que constam essas pas- gras e as barreiras que a discriminação impõe
sagens. Seja rigoroso na seleção, transcrevendo às suas trajetórias de vida. O mito, persistente,
somente o que for necessário para seu projeto. da “democracia racial” elimina tais questões dos
O fichamento pode ser incluído em seu discursos públicos, incluindo aí o do romance.
trabalho acadêmico, quer na parte de revisão de Se os dados agregados da pesquisa de
literatura, quer na análise ou na interpretação “mapeamento” do romance brasileiro recente
dos resultados. No artigo de Raupp, transcrito revelam a baixa presença da população negra en-
acima, você poderá destacar e fichar o que lhe tre as personagens – além de sua representação
parecer relevante para o seu estudo. Se você estereotipada –, o exame das exceções pode per-
estiver em busca de argumentos favoráveis ao mitir a compreensão das potencialidades e dos
investimento na educação, poderá selecionar o limites das (poucas) abordagens do tema. Aqui,
parágrafo sete, por inteiro. Mas vai resultar uma serão discutidos alguns números desta pesqui-
citação longa, nem sempre bem vista. Portanto, sa, referentes à cor das personagens e dos seus
vale a pena reler o parágrafo, para ver o que real- autores, para, em seguida, fechar o foco sobre
mente importa. Assim, um fichamento ideal des- obras em que as relações raciais estão presen-
se parágrafo teria a seguinte transcrição: tes: seja reforçando os estereótipos racistas, seja

Voltar ao sumário
56

parodiando-os, ou ainda refutando-os a partir da curso, monografia, projeto de pesquisa, ensaio,


construção de outros modos de interpretá-los. artigo científico, dissertação de mestrado e tese
Nestas narrativas, encontramos estratégias di- de doutorado, com informações básicas sobre
ferentes, com diferentes resultados, de inclusão o conteúdo desses textos. A expectativa do
de identidades negras em nossa literatura – um leitor é que o resumo forneça uma visão geral
gesto político que se faz estético (ou vice-versa) do texto a que se refere, de modo a favorecer
e que se dá, sempre, no embate com formas a avaliação do mesmo, tanto pelos consultores
abertas ou sutis de discriminação e preconceito. que o examinam para recomendar suporte das
Ao falar de racismo neste texto, estarei agências de financiamento, como pelos parece-
pensando-o nos termos de Ella Shohat e Robert ristas de periódicos, além dos pesquisadores e
Stam (2006, p. 51): O racismo é a tentativa de es- leitores em geral.
tigmatizar a diferença com o propósito de jus- Sua importância acadêmica é tal que as
tificar vantagens injustas ou abusos de poder, agências, os periódicos e os promotores de con-
sejam eles de natureza econômica, política, cul- gressos e seminários privilegiam o resumo como
tural ou psicológica. primeiro documento que permite avaliar o con-
[...] teúdo de determinado texto. Os livros de resumo
Observe como procedemos, para desta- são parte da produção acadêmica relevante de
car as partes selecionadas: a autora justifica o cada área de investigação, de instituições públi-
título de seu trabalho: cas e privadas de pesquisa. Algumas agências de
A literatura contemporânea reflete, nas financiamento à pesquisa, a exemplo da Funda-
suas ausências, talvez ainda mais do que naquilo ção de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Ja-
que expressa, algumas das características centrais neiro, FAPERJ, publicam os livros de resumos dos
da sociedade brasileira. projetos aprovados de alguns de seus programas.
Sua definição de racismo gira em torno da Como vários outros gêneros acadêmicos,
ideia de vantagens injustas e abusos de poder: o resumo contém uma parte pré-textual, o texto
O racismo é a tentativa de estigmatizar a propriamente dito e uma lista de palavras-cha-
diferença com o propósito de justificar vantagens ve. Na parte pré-textual, aparecem o título da
injustas ou abusos de poder, sejam eles de natu- obra, nome dos autores e sua filiação. Na parte
reza econômica, política, cultural ou psicológica. textual, fornecem-se informações precisas e con-
cisas sobre o contexto de produção do trabalho,
seus objetivos, o corpus, a metodologia de coleta
e análise, a orientação teórica e os principais re-
Exercitando sultados. As palavras-chave, juntamente com o
Antes de avançar para um novo assunto, título, sintetizam o tema do trabalho.
que tal pôr em prática o que você acabou de ver O resumo normalmente não contém pará-
na unidade? Se você encontrar dificuldades para grafos, mas as informações são estritamente or-
realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui ganizadas, na sequência referida acima. Assim,
estudado. o contexto de produção do trabalho apresenta
o estado da arte da temática investigada, em que
Atividade 1 se aponta uma lacuna, que justifica o estudo. O
A partir do que você acabou de estudar, objetivo geral ocupa a primeira informação espe-
elabore um fichamento do artigo “Os desafios rada no resumo. Dependendo do caso, pode ser
do desenvolvimento da ciência e da tecnologia detalhado nos objetivos específicos. A metodo-
no país”, de Marco Antonio Raupp. Lembre-se de logia dá conta do modo de coletá-los, organizá-
destacar apenas as ideias principais do texto, o -los e analisá-los. O contexto teórico do trabalho
que exige análise atenta de seu conteúdo. se especifica, em termos de corrente de pensa-
mento. A referência a autores depende do grau
Características do resumo de familiaridade dos leitores com seus nomes.
Os resultados detalham os principais achados,
Vamos agora conhecer as principais ca- bem como implicações para novos estudos.
racterísticas do resumo, que normalmente Até agora, falamos do resumo que precede
aparece no início de trabalho de conclusão de ou segue um trabalho maior, do tipo artigo, dis-

Voltar ao sumário
57

sertação, tese e ensaio. Mas há outros tipos de dro teórico no qual vai desenvolver o artigo, se-
resumo, como o que sintetiza as ideias básicas de leciona os conceitos centrais, mostra o perfil da
uma aula. Temos também os resumos estendidos, proposta de análise, sinaliza que vai falar de três
de duas ou três páginas, que são solicitados por momentos da trajetória da teoria, bem como de
algumas instituições de pesquisa e que são ver- perspectivas para o futuro. Veja que as palavras-
dadeiros artigos densos, com dados analisados -chave retomam o conteúdo do resumo.
e interpretados.
Perceba que, apesar de semelhantes, ficha-
mento e resumo são gêneros textuais indepen-
dentes, com características próprias: enquanto Exercitando
aquele é formado por trechos do texto fichado, Antes de avançar para um novo assunto,
que são transcritos literalmente, este é compos- que tal pôr em prática o que você acabou de ver
to por paráfrases. Isso quer dizer que, em um na unidade? Se você encontrar dificuldades para
resumo, repetem-se as ideias do texto a ser re- realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui
sumido, mas não suas frases. Assim, enquanto estudado.
um fichamento é formado por frases soltas, um
resumo tem de ter coesão entre suas estruturas Atividade 2
internas, como vimos na Unidade 2. A partir do que você acabou de estudar,
Agora, vamos ler e observar as partes do elabore um resumo do artigo “Os desafios do
resumo seguinte, sobre teoria crítica de discur- desenvolvimento da ciência e da tecnologia no
so e texto: país”, de Marco Antonio Raupp. Lembre-se de
Revista Linguagem em (Dis)curso, destacar as ideias principais do texto e parafra-
volume 4, número especial, 2004 seá-las, isto é, redigi-las com suas próprias pala-
vras. Não se esqueça de que seu texto deve ser
TEORIA CRÍTICA DO coeso e coerente.
DISCURSO E TEXTO
Características da resenha1
Izabel Magalhães
Passemos agora às características da re-
Resumo: senha. O objetivo da resenha é despertar o inte-
O propósito deste artigo é apresentar uma resse em ler a obra e oferecer uma primeira aná-
agenda para o debate e a pesquisa da teoria crí- lise crítica do seu conteúdo. A resenha contém
tica do discurso, relacionando-a, por um lado, três partes: pré-textual, textual e pós-textual. Na
à teoria social crítica e, por outro, à linguística parte pré-textual, constam o título e a autoria da
sistêmico-funcional. Conceitos centrais na teo- resenha. Em seguida, os dados da obra: autoria,
ria crítica do discurso são os de prática social, título, local de publicação, editora, ano, edição,
evento social, gênero discursivo e texto. A aná- número de páginas e volume, se houver.
lise de discurso textualmente orientada (ADTO) A parte textual contém as credenciais do
é uma proposta de compreensão das práticas resenhado, sua nacionalidade, formação acadê-
sociais na concepção dialética do discurso, en- mica e principal obra publicada. Destaca as con-
volvendo gêneros discursivos e a construção de clusões a que a autoria da obra chegou, ou que o
sentidos nos textos: ações (gêneros), represen- resenhista localizou, descreve de forma sucinta
tações (discursos), identificações (estilos). Três os capítulos ou partes em que se divide a obra.
momentos significativos do desenvolvimento da Expõe os métodos de coleta e análise, os instru-
teoria são apresentados, assim como são desta- mentos de coleta e organização dos dados e do
cados pontos para futuras pesquisas. modo de apresentação dos resultados.
Palavras-chave: O resenhista indica a referência teórica da
teoria crítica; discurso; prática social; tex- autoria, com a corrente de pensamento a que se
to; gênero; transdisciplinaridade. filia e dos autores privilegiados. Critica a obra
Observe que a autora abriu mão da tarefa a partir do ponto de vista da coerência entre a
de contextualizar o trabalho, começando direta-
mente pelo objetivo do mesmo. Localiza o qua-
1
Contamos com a participação de Ana Paula Alves na elaboração
das características da resenha.

Voltar ao sumário
58

tese central e a sua sustentação, e a partir do urgência, Ana Pizarro abre a coletânea questio-
emprego de métodos e técnicas específicas. nando a situação cultural da modernidade tar-
Por fim, avalia o mérito da obra, sua origi- dia na América Latina. Em seguida, sua reflexão
nalidade e contribuição para o desenvolvimento volta-se aos questionamentos centrados no cam-
da ciência, por apresentar novas ideias e resulta- po da história. A partir deste campo cria pon-
dos, ou por utilizar abordagem inovadora e rele- tes com a historiografia literária, com a relação
vante. Na parte pós-textual constam as referên- história e ficção, e ainda propõe interrogar os
cias da bibliografia consultada pelo resenhista. espaços, tempos, períodos históricos e regiões
Alguns editores exigem que a resenha seja culturais do subcontinente. Ao lon­go dos capítu-
precedida por um resumo, outros não. No caso da los a reflexão avança para questões conceituais
resenha seguinte, que foi publicada na Revista Gra- que frequentam a crítica cultural da atualidade,
goatá, da UFF, a autora optou por apresentar um como as problemá­ticas ligadas à mestiçagem e
resumo do livro resenhado ao longo do texto. ao hibridismo, as de deslizamentos causados
por viagem e exílio, além de problemas levanta-
O sul e os trópicos dos a partir das vanguardas históricas dos anos
Livia Reis 20. Também o papel desempenhado pelas pri-
meiras escritoras no início do século XX é mo-
Última obra da escritora chilena, publica- tivo para a arguta reflexão da escritora chilena
da originalmente na Espanha em 2005, O sul e que encerra o volume com uma análise sobre o
os trópicos, ensaios de cultura latino-americana, impacto da indústria de bens culturais, a TV e o
mantém-se fiel ao espírito questionador e polê- cinema na cultura periférica.
mico presente na obra anterior de Ana Pizarro Todos os temas elencados aparecem em
e, ao mesmo tempo, avança em algumas dimen- um, às vezes em mais capítulos discutidos, res-
sões ainda pouco contempladas em trabalhos gatados, reavaliados, redimensio­nados sob di-
anteriores. Em permanente diálogo com críticos versos ângulos e olhares. Por trás da preocupa-
de seu tempo, como García Canclini e Cornejo ção com a construção de um arcabouço teórico
Polar, os ensaios que compõem a coletânea tra- que dê sustentação a uma historiografia literá-
zem inquietações com questões basilares dos ria aberta aos estudos de cultura, sua relação
estudos de cultura na América Latina, como por com os imaginários e sua vinculação com a
exemplo, a complexa e controversa noção de história, os ensaios se encaixam conduzindo a
América Latina e suas articulações culturais e reflexão e a leitura pelos diferentes espaços da
históricas em torno da unidade e diversidade, geografia cultural latino-americana. No en­tanto,
além das constantes preocupações com uma his­ é no capítulo 11, “Áreas culturais da modernida-
toriografia literária da e para a América Latina. de tardia”, que a autora coloca sua mais recen-
De certa forma a obra de Ana Pizarro é te preocupação: a incorporação e reivindicação
herdeira daqueles que primeiro pensaram o con- da Amazônia, espaço privilegiado da cultura do
tinente e buscaram conceber uma nova história continente, tradicionalmente isolada dos estu-
literária: Martí, González Prada, Mariátegui, Pedro dos latino-americanos.
Henrique Ureña, posteriormente Angel Rama e Entendendo a região amazônica como su-
Antonio Candido. Todos estes intelectuais propu- porte de nosso imaginário mítico, para além das
seram questões que conduziram a questionamen- questões ecológicas e ambien­tais, o texto de Ana
tos densos e complexos a respeito da cultura e da Pizarro constrói uma reflexão que entende esta
literatura latino-americana e terminaram por for- região tão rica e abandonada, espaço dividido
mular novas propostas metodológicas, mediante por oito países do continente, como um dos “es-
os câmbios e os deslocamentos de seus objetos paços culturais que configuram a fragmentada
de estudo. unidade do continente e que, historicamente,
Ancorada na noção de “sistema literário” tem contribuído no desenho de nosso imaginá-
forjada por Can­dido, que perpassa os debates rio cultural”.
propostos, a autora abre um leque de questiona- Ana Pizarro se serve de todos estes te-
mentos que alavancam suas reflexões em torno mas para desenvolver sua delicada e perspicaz
de temas que exigem urgência no cenário da crí- análise da cultura latino-americana do último sé-
tica da cultura na América Latina. A partir desta culo. A obra, além da pertinência dos estudos,

Voltar ao sumário
59

desenvol­vidos sempre com delicadeza e profun- Cornejo Polar terá bons motivos para ler O sul e
didade, vem envolvida em uma linguagem aces- os trópicos.
sível que conduz o raciocínio de seu leitor ao A partir da contextualização da obra em
questionamento a respeito de temas que estão relação a outros discursos que gravitam em
a nossa volta, em nosso dia-a-dia cultural sem, torno do mesmo tema, a resenhista explicita a
no entanto, abrir mão de uma grande erudição temática principal do livro: “inquietações com
que faz com que a autora esteja em permanente questões basilares dos estudos de cultura na
diálogo com críticos de sua época e do passado. América Latina, como por exemplo, a complexa
Acreditamos que O sul e os trópicos já te- e controversa noção de América Latina e suas
nha o seu lugar nos estudos de literatura e cul- articulações culturais e históricas em torno da
tura no Brasil, sobretudo hoje, momen­to em que unidade e diversidade, além das constantes
assistimos a um sensível crescimento dos estu- preocupações com uma his­toriografia literária
dos comparativos, ao mesmo tempo em que va- da e para a América Latina”.
mos construindo um processo de incorporação A seguir, o texto apresenta breve síntese
do mundo hispânico e caribenho à nossa cultu- das partes que compõem a obra, destacando
ra brasileira. Este processo também pode ser como se estabelece o percurso lógico que enca-
perce­bido na medida em que começamos a nos deia as ideias apresentadas acerca da América La-
identificar e nos sentir parte deste continente. tina. O trecho abaixo, retirado da resenha, ilustra
Podemos observar, pelo lado inverso, o mesmo esse procedimento de análise estrutural da obra.
processo que descreve Ana Pizarro, de incorpo- Nele destacamos algumas estruturas que ajudam
ração do bloco luso falante aos estudos literá- a ordenar a enumeração das partes da obra.
rios latino-americanos. Ancorada na noção de “sistema literário”
Este é outro mérito de O sul e os trópicos. forjada por Can­ dido, que perpassa os debates
Repetindo o movimento que teve início na trilo- propostos, a autora abre um leque de questio-
gia América Latina, palavra, literatura e cultura namentos que alavancam suas reflexões em tor-
(Unicamp, 1995), este livro incorpora o Brasil, no de temas que exigem urgência no cenário da
sua literatura e cultura, seus processos de de- crítica da cultura na América Latina. A partir
senvolvimento, vanguarda e modernidade, que desta urgência, Ana Pizarro abre a coletânea
são analisados em conjunto com os diferentes questionando a situação cultural da modernida-
países do bloco hispânico e do Caribe. de tardia na América Latina. Em seguida, sua
Com isso, damos boas vindas à primeira reflexão volta-se aos questionamentos centrados
edição brasileira de O sul e os trópicos: ensaios no campo da história. A partir deste campo cria
de literatura e cultura latino-americana. pontes com a historiografia literária, com a rela-
Analisemos brevemente a resenha. Logo no ção história e ficção, e ainda propõe interrogar
início do texto, introduzindo o livro de que fala, os espaços, tempos, períodos históricos e regiões
Livia Reis contextualiza a obra analisada entre as culturais do subcontinente. Ao lon­go dos capítu-
demais produções da autora Ana Pizarro, sobre los a reflexão avança para questões conceituais
quem algumas informações são apresentadas, que frequentam a crítica cultural da atualidade,
como sua nacionalidade e suas áreas de atuação. como as problemá­ticas ligadas à mestiçagem e
Tais informações são imprescindíveis em uma ao hibridismo, as de deslizamentos causados por
boa resenha, pois as credenciais do autor estão viagem e exílio, além de problemas levantados
entre os principais argumentos para convencer a partir das vanguardas históricas dos anos 20.
alguém a ler, ou não, determinada obra. Também o papel desempenhado pelas primeiras
Ainda no primeiro parágrafo do texto de escritoras no início do século XX é motivo para a
Livia Reis, a autora situa O sul e os trópicos em arguta reflexão da escritora chilena que encerra
relação à produção intelectual de outros críticos o volume com uma análise sobre o impacto da
contemporâneos, como García Canclini e Cor- indústria de bens culturais, a TV e o cinema na
nejo Polar. Perceba que essa é uma importante cultura periférica.
estratégia de composição textual, visto que a au- Para evidenciar que se trata de uma se-
toridade que se atribui aos dois autores citados quência lógica de partes da obra, a resenhista
passa a se estender à obra de Ana Pizarro. Des- optou por relacionar suas ideias por meio de
se modo, um leitor que admire García Canclini e conectivos que expressam sucessão, como “a

Voltar ao sumário
60

partir de”, “em seguida”, “e ainda”, “ao longo sintetizar as ideias principais do texto e apresen-
de”, “também”. A esse caráter sequencial, so- tar também uma crítica a ele.
mam-se os verbos utilizados para apresentar os Respostas às atividades
componentes do livro, como “abre”, “volta-se”, Nesta unidade, todas as atividades pro-
“avança” e “encerra”. postas diziam respeito à produção textual. Dis-
Após ter introduzido e desenvolvido a re- cuta com seu professor/tutor que procedimento
senha, coube a Livia Reis concluí-la, o que fez rei- será adotado para entrega/correção dos textos
terando e sintetizando as ideias principais do li- redigidos em aula.
vro na seguinte frase: “uma reflexão que entende É preciso apontar, porém, que há, neces-
esta região tão rica e abandonada, espaço dividi- sariamente, um certo grau de similaridade nas
do por oito países do continente, como um dos respostas a serem apresentadas, já que todos os
‘espaços culturais que configuram a fragmenta- textos produzidos devem dialogar com o artigo
da unidade do continente e que, historicamente, “Os desafios do desenvolvimento da ciência e
tem contribuído no desenho de nosso imaginário da tecnologia no país”, apresentado no início da
cultural’”. Observe que, para dar maior impacto unidade. Assim, são destacadas abaixo as ideias
à sua conclusão, a resenhista optou por empre- principais desse texto, que deveriam aparecer
gar uma citação direta de O sul e os trópicos. em qualquer fichamento, resumo ou resenha.
Uma resenha não está completa se, após l “Nos últimos 50-60 anos, a atividade or-

uma breve explanação do conteúdo da obra ganizada de produção de conhecimento cien-


analisada, não se inclui o posicionamento críti- tífico estabeleceu-se no país. No centro desse
co do resenhista. Assim, a resenha que estamos processo estiveram a reforma universitária, ins-
estudando se encerra com comentários favorá- titucionalizando a pós-graduação, e a estrutura-
veis ao texto, por sua delicadeza, profundidade ção de um sistema de apoio e financiamento à
e linguagem acessível, bem como pela inclusão pesquisa e aos pesquisadores nas universidades
do Brasil nas questões latino-americanas. Note, e nos centros de pesquisa governamentais”.
por fim, que Livia Reis optou por findar o texto l “Como indicador sinalizando efetivos re-

com uma informação que supostamente inte- sultados desse sistema, temos hoje a taxa de 2%
ressaria a maior parte de seus leitores: publi- de participação da produção nacional de traba-
cada em um periódico brasileiro, a resenha da lhos científicos na produção mundial”.
autora será lida majoritariamente por brasilei- l “Notável também no período foi a cons-

ros, os quais provavelmente se interessam pela tituição de casos específicos de sucesso no que
situação de seu país no panorama latino-ameri- se refere às ciências aplicadas e à pesquisa tec-
cano. Ao encerrar a resenha com uma informa- nológica”.
ção adicional que fala diretamente aos anseios l “Estabelecida uma plataforma básica im-

da maior parte de seus leitores, a autora é bem- portante, a responsabilidade de ampliação com
-sucedida em seu objetivo de divulgar O sul e os qualidade e atenção às demandas e necessidades
trópicos e incentivar sua leitura. da sociedade e do desenvolvimento do País, pelo
seu bom e pleno funcionamento, é grande”.
l “As nossas melhores universidades de-

vem priorizar a formação de bons professores, e


Exercitando em boa quantidade”.
Antes de avançar para um novo assunto, l “A ampliação de vagas nas universida-

que tal pôr em prática o que você acabou de ver des públicas, sem perder a qualidade, é outro
na unidade? Se você encontrar dificuldades para grande desafio”.
realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui l “A ciência brasileira está 60% localizada

estudado. na Região Sudeste. Por razões estratégicas e de


justiça federativa, é uma situação que não pode
Atividade 3 perdurar, constituindo-se num desafio para o
A partir do que você acabou de estudar, planejamento estratégico e a política de ciência
elabore uma resenha do artigo “Os desafios do e tecnologia (C&T)”.
desenvolvimento da ciência e da tecnologia no l “Outro importante desafio a ser enfrenta-

país”, de Marco Antonio Raupp. Lembre-se de do reside na separação existente tradicionalmen-

Voltar ao sumário
61

KATO, M. A. No Mundo da Escrita. Uma perspecti-


te entre o sistema universitário e as atividades de va psicolinguística. Série Fundamentos. São Paulo:
pesquisa e desenvolvimento (P&D) nas empresas”. Ática. 1986.
LAJOLO, M. Do mundo da leitura para a leitura do
mundo. São Paulo: Ática, 1993.
MAGALHÃES, I. Teoria do discurso e texto. Revis-
ta Linguagem em (Dis)curso, volume 4, número
especial, 2004.
RAUPP, M. A. Os desafios do desenvolvimento da
ciência e da tecnologia no país. Disponível em:
Referências <http://www.ufg.br/this2/uploads/files/65/Desa-
fios_da_Ciencia_e_Tecnologia.pdf>. Acesso em
ABREU, A. S. Curso de Redação. São Paulo: Ática, 15 jun. 2009.
3ª ed., 1991.
REIS, L. M. F. O sul e os trópicos. In: Gragoatá 22.
BOOTH, W.C. et al. (2005). A arte da pesquisa. Niterói: EdUFF, 2006.
Martins Fontes: São Paulo, 2005.
SERAFINI, M.T. Como escrever textos. Rio de Ja-
DALCASTAGNÈ, R. Quando o preconceito se faz si- neiro: Globo, 1988.
lêncio: relações raciais na literatura brasileira con-
temporânea. Gragoatá. Niterói, n. 24, p. 203-219, 1. SOARES, M. & Campos e Nascimento, E. Técnica
sem. 2008. de Redação. Rio, Ao Livro Técnico, 1978.
TACHIZAWA, T. e MENDES, G. Como fazer mono-
FEITOSA, V.C. Redação de Textos Científicos. São
grafia na prática. Rio de Janeiro, FGV, 2001.
Paulo: Papirus, s.d.
VOTRE, S. et al. Laboratório de redação. Manual
GARCIA, O. M. Comunicação em prosa moderna:
do professor. Rio: MEC, 1978.
aprenda a escrever, aprendendo a pensar. Rio de
Janeiro: Editora FGV, 2002. VOTRE, S. et al. Laboratório de redação. Rio:
MEC, 1978.
VOTRE, V. e VOTRE, S. A escrita técnica. São Paulo:
Zero Erro, 1991.

Voltar ao sumário
Unidade 6 desempenhadas com eficácia. É com base nos
resultados de relatórios que projetos ou pla-
nos são reafirmados ou reajustados, sempre
Relatório e projeto visando a uma maior excelência na realização
de determinada atividade.
No ambiente acadêmico, os re-
Apresentando a unidade latórios têm um papel prepon-
derante na condução de pes-
quisas. É por meio deles que

N
esta unidade, orientamos você sobre orientadores e agências fomen-
como redigir um relatório, em geral, e tadoras e incentivadoras à pesquisa podem ga-
sobre como redigir um relatório de pes- rantir que tempo, esforço e recursos materiais
quisa, em particular. Nesta etapa do curso, você sejam empregados de forma produtiva, otimizan-
vai conviver com o mundo das ideias, que se for- do os resultados da atividade acadêmica. Além
ma, em parte, graças aos relatórios produzidos disso, a produção de relatórios, como atividade
em diferentes áreas da atividade humana. Além de avaliação do trabalho próprio ou alheio, torna
disso, vai conhecer também como se elabora um mais agudo o olhar crítico. Assim, desenvolve-se
projeto de pesquisa, um dos primeiros passos a capacidade de identificar pontos positivos e
no longo percurso da construção do conheci- negativos e de trabalhar de modo proativo para
mento científico. a redução destes.
Observe que um relatório pode ser exigi-
Definindo os objetivos do ao final de um processo, funcionando como
um balanço do que se fez e produziu, ou mesmo
Ao final desta unidade, você deverá ser durante o próprio processo, de modo a avaliar
capaz de: se é satisfatória a maneira como determinada
1. ler criticamente um relatório, reconhecendo atividade está sendo conduzida. Caso você este-
suas partes componentes; ja produzindo um relatório no meio do processo,
2. produzir seus próprios rela- é importante ressaltar que quaisquer resultados
tórios; são ainda inconclusivos, sendo preciso chegar
3. ler criticamente um projeto, ao final do processo para poder criticar com cer-
reconhecendo suas partes com teza os procedimentos adotados.
ponentes; Para tornar mais claro o que vimos até
4. produzir seus próprios projetos. agora, analisaremos um relatório (adaptado)
de pesquisa de iniciação científica, apresenta-
Conhecendo o relatório do por duas alunas da PUC-RJ.

Podemos pensar em relató- Crianças e adultos em diferentes


rios como descrições avalia- contextos: A Infância, a cultura
tivas que reportam resultados parciais ou totais
contemporânea ea educação
de uma determinada atividade, experimento,
projeto, ação, pesquisa, ou outro evento. Desse Alunas: Camila Barros e Simone Nascimento
modo, representam um retorno a respeito do tra- Orientadora: Sonia Kramer
balho feito por outros, ou pelo próprio relator.
Os relatórios são parte integrante das Objetivo:
atividades regulares de qualquer setor da vida O projeto de pesquisa “Crianças e Adul-
profissional. Sem eles, as organizações não fun- tos em diferentes contextos: a infância, a cultu-
cionam e as reuniões para tomada de decisões ra contemporânea e a educação” tem por obje-
se enfraquecem, perdendo produtividade. De tivo compreender as interações entre crianças
vez em quando, empresas pedem relatórios e adultos nos espaços urbanos e em diferentes
das atividades realizadas por seus funcioná- contextos do ensino regular, bem como estudar
rios, de modo a definir mais claramente as fun- as mediações entre a infância, a cultura contem-
ções de cada cargo e garantir que estas sejam porânea e a educação.

Voltar ao sumário
64

Este estudo tem sido desenvolvido desde pesquisa, artigos, teses e dissertações ou livros
2005 e seus eixos principais de análise nessas de outros autores que também se dedicam ao es-
interações são: a identidade, a autoridade e a di- tudo da infância, seja através de pesquisas rea-
versidade. lizadas no Brasil, como em Martins Filho (2006),
Ao observarmos esses eixos visamos sa- Freitas (2006) e Delgado (2007), seja através de
ber quem são esses adultos e crianças e como pesquisas realizadas em outros países, como as
eles se reconhecem nesses espaços onde há de Sirota (2001, 2005, 2006), Corsaro (1985, 2003,
tanta desigualdade. Queremos também enten- 2005) e Sarmento (2000).
der a construção nas interações da percepção
do outro, que se constitui socialmente em fon- Estratégias metodológicas:
te de discriminação (por exemplo: como se dá Nossas estratégias metodológicas foram:
a inclusão nos locais observados), e perceber observação intensiva, fotografias, entrevistas e
como é a questão da distribuição do poder en- interações a partir de produções culturais das
tre adultos e crianças diante da contempora- e para as crianças. Através disso, pretendemos
neidade. fazer com que a criança seja vista, percebida, ob-
servada em nosso campo.
Fundamentação teórica: A pesquisa foi realizada em vinte esco-
A pesquisa contou com aportes teóricos las das redes pública, particular e comunitária,
das áreas de estudos da linguagem e estudos sendo cinco creches, sete escolas exclusivas
culturais, filosofia, psicologia, antropologia de educação infantil e oito escolas de ensino
e sociologia da infância, que nos ajudaram a fundamental com turmas de educação infantil,
construir concepções de homem, infância e todas situadas no Município do Rio de Janeiro.
educação. Delineamos um referencial com base Foram realizados, inicialmente, estudos de caso
na teoria crítica da cultura e da modernidade, simultâneos nessas instituições, como etapa ex-
em especial em Benjamin (1987a, 1987b), na ploratória, e, em seguida, com maior densidade
concepção de linguagem de Bakhtin (1988a, em seis destas instituições (duas creches, duas
1988b, 1992) e na ideia de formação social da escolas de educação infantil e duas escolas de
consciência e sua ligação com a cultura, assim ensino fundamental que têm turmas de educa-
como expresso por Vigotski (1987, 1998, 1999), ção infantil). A escolha foi pautada pelo critério
considerando a produção de leitores e pesqui- da positividade do trabalho.
sadores das obras destes autores. Os principais A observação dá suporte na descrição
teóricos de nossas discussões e reflexões são, densa para conhecermos as ações, as interações,
portanto, Lev Vigotski, Mikhail Bakhtin e Walter as práticas e os valores éticos/preconceitos que
Benjamin. as permeiam e as orientam; e compreendermos
Os estudos da linguagem e estudos cultu- como se lida com identidade, autoridade e diver-
rais ajudaram a entender que o outro ocupa um sidade, tendo como foco as ações dos adultos,
papel muito importante na construção do nosso as relações entre adultos e crianças e as trocas
conhecimento. Já a antropologia fez perceber os entre as crianças. Há o desafio metodológico de
significados que o outro atribui. E a sociologia observar crianças nas atividades cotidianas em
da infância contribuiu para a metodologia de contextos institucionais, tendo em vista que,
pesquisa com crianças. muitas vezes, as ações nesses espaços são con-
Para Bakhtin, a pesquisa em ciências hu- duzidas e tuteladas pelos adultos. Assim, busca-
manas é sempre estudo de textos, e o objeto da mos construir um olhar sensível, para ver e ouvir
pesquisa, nas ciências humanas, é sempre um as crianças: entender a linguagem para além do
sujeito. Porém, é preciso procurar manter um que era dito, compreender os significados do cor-
afastamento, uma distância do campo para que po e seus movimentos, as tensões e apreensões,
possamos conseguir captar o real da melhor for- os sentidos do choro, do riso, das disputas, das
ma possível. Sendo assim, é de extrema impor- demonstrações de carinho ou raiva e dos mo-
tância que texto e contexto estejam sempre em mentos de partilha. O mesmo é válido para as
harmonia. entrevistas, entendidas como um espaço para a
Realizamos, ainda, uma revisão bibliográ- escuta do outro.
fica que nos levou à discussão de relatórios de [...]

Voltar ao sumário
65

Atividades realizadas enquanto bolsistas BAKHTIN, M. Questões de literatura e de estética.


São Paulo, Hucitec, 1988b.
Enquanto bolsistas de iniciação científi- BENJAMIN, W. Obras Escolhidas I: Magia e Técni-
ca, participamos das discussões realizadas nas ca. Arte e Política, São Paulo, Brasiliense, 1987a.
reuniões semanais, onde discutimos as questões BENJAMIN, W. Obras escolhidas II: Rua de mão
emergentes dos cadernos de campo, bem como única, São Paulo, Brasiliense, 1987b.
textos ligados ao referencial teórico da pesquisa CORSARO, W. Entrada no campo, aceitação e na-
e resultados de pesquisas na área da educação tureza da participação nos estudos etnográficos
infantil. Além disso, confeccionamos atas das com crianças pequenas. In: Educação e Socieda-
reuniões e resenhas de artigos extraídos dos de, Campinas, vol. 26, n 91, p. 443-464, Maio/Ago
periódicos Cadernos de Pesquisa, Educação e 2005.
Sociedade, Revista Brasileira de Educação, e Re- CORSARO, W. Friendship and peer culture in the ear-
vista Brasileira de Estudos Pedagógicos, a serem ly years. Norwood. Ablex, 1985.
compartilhadas com o grupo, servindo como CORSARO, W. “We’re friends, right?”: children’s
fonte de estudo. Selecionamos fotos dos espa- use of access rituals in a nursery school. Washing-
ços observados para a análise. Estas fotos foram ton D.C., Joseph Henry Press, 2003.
analisadas pelo grupo com o objetivo de refletir DELGADO, A. C. C. Uma etnografia com crianças:
sobre as especificidades e os pontos comuns de grupos geracionais e manifestações culturais
creches, escolas exclusivas de educação infantil das crianças. In: REDIN, Euclides (org.). Infân-
e turmas de educação infantil em escolas de en- cias: cidades e escolas amigas das crianças. Porto
Alegre: Mediação, 2007.
sino fundamental; contribuímos na elaboração
do Relatório Final, que aponta os resultados da FREITAS, M. C. de (org.). Desigualdade social e
pesquisa, enviado ao CNPq. Colaboramos na pre- diversidade cultural na infância e na juventude.
São Paulo: Editora Cortez, 2006.
paração de textos que sistematizassem as ques-
tões emergentes do campo. Os próximos passos KRAMER, S.; NUNES, M. F. Gestão municipal e
formação: a educação infantil no Estado do Rio
serão a preparação de um seminário que objetive
de Janeiro. Revista Brasileira de Estudos Peda-
a devolução dos dados às pessoas pesquisadas gógicos, v.88, n° 218, ano 2007. Rio de Janeiro.
e a organização de evento comemorativo dos 10
MARTINS FILHO, A. J. et al. Infância Plural: crian-
anos do grupo Infância, Formação e Cultura.
ças do nosso tempo. Porto Alegre: Mediação,
2006.
Conclusão:
SARMENTO, M. J. Lógicas de ação nas escolas.
Lisboa: Instituto Inovação Educacional, 2000.
Esta pesquisa buscou compreender a in-
fância e a criança no contexto educacional e da SIROTA, R. Emergência de uma sociologia da in-
fância: evolução do objeto e do olhar. In: Cader-
cultura contemporânea, tendo sempre como
nos de Pesquisa Fundação Carlos Chagas, São
foco as questões de diversidade, autoridade Paulo, n.112, p.7-31, mar. 2001.
e identidade implicadas nas interações entre
SIROTA, R. Primeiro os amigos: os aniversários da
crianças e adultos.
infância, dar e receber. Campinas, Revista Educa-
Concluímos que em todos os espaços ob- ção e Sociedade, vol 26, no 91, p 535-562, 2005.
servados, as crianças buscam formas de mani-
SIROTA, R, (org). Éléments pour une sociologie
festar as culturas infantis, a despeito das impo-
de l’enfance. Rennes, Presses Universitaires de
sições e enquadramentos dos adultos na escola. Rennes, 2006.
È nesta lacuna que o pesquisador da infância em
VIGOTSKI, L.S. La imaginación y el arte en la in-
instituições escolares deve se colocar para ver e
fancia (ensayo psicologico). Mexico, Hispanicas,
ouvir as crianças. 1987.
VIGOTSKI, L. S. A formação social da mente. O de-
Referências senvolvimento dos processos

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Pau- psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fon-
lo, Martins Fontes,1992, 2003. tes, 1998. (tradução Paulo Bezerra).

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. VIGOTSKI, L.S. Psicologia da arte. São Paulo, Mar-
São Paulo, Hucitec, 1988a. tins Fontes, 1999 (tradução Paulo Bezerra).

Voltar ao sumário
66

Depois de termos lido atentamente o rela- Ainda contextualizando a pesquisa, mas


tório, vamos passar à sua análise. agora dentro de um panorama mais amplo das
Observe que o texto se inicia com uma principais publicações na área sobre o assunto
componente chamada de Identificação, em que abordado, as autoras explicitaram as relações
as autoras optaram por informar o título do re- de seu estudo com obras de referência. Tal Fun-
latório e os nomes dos envolvidos em sua con- damentação Teórica é extremamente importan-
fecção, isto é, bolsistas e orientador. Observe te na formulação de uma pesquisa, pois serve de
que os itens da Identificação de um relatório argumento de autoridade a atestar a pertinên-
geralmente são definidos pela instituição que o cia das hipóteses levantadas pelo pesquisador.
exige. Assim, além dos dados acima menciona- Quando você formular seu próprio relatório,
dos, pode-se optar também por incluir o nome tome o cuidado de indicar de forma clara e ade-
do projeto a que se vincula o relatório do pesqui- quada, dentro dos padrões da ABNT, as fontes
sador, bem como o local em que se efetivaram as consultadas.
atividades relatadas e a duração desse processo. A partir desse ponto, o texto do relatório
Em seguida, um relatório deve ter uma In- avança para questões de Metodologia, em que se
trodução, a qual apresente a questão estudada apresentam as técnicas, os recursos, os procedi-
e os objetivos da pesquisa. No relatório acima, mentos e as ferramentas adotadas na condução
essas informações foram trazidas pela frase “tem de uma pesquisa. Alguns especialistas preferem,
por objetivo compreender as interações entre no entanto, chamar essa seção de Materiais e
crianças e adultos nos espaços urbanos e em di- Métodos. Apesar dessas diferenças de nomencla-
ferentes contextos do ensino regular, bem como tura, a importância da Metodologia em qualquer
estudar as mediações entre a infância, a cultu- relatório é inegável, pois só assim o leitor é ca-
ra contemporânea e a educação”. Note que, até paz de compreender os procedimentos lógicos
aqui, as autoras apresentaram o objetivo geral que conduziram o pesquisador a chegar a de-
da pesquisa. Porém, além de objetivos gerais, é terminada conclusão. No relatório apresentado
importante discriminar também os objetivos es- anteriormente, a metodologia da pesquisa pode
pecíficos, como elas fizeram no trecho a seguir: ser resumida à seguinte frase: “Nossas estraté-
“visamos saber quem são esses adultos e gias metodológicas foram: observação intensiva,
crianças e como eles se reconhecem nesses es- fotografias, entrevistas e interações a partir de
paços onde há tanta desigualdade. Queremos produções culturais das e para as crianças.”
também entender a construção nas interações da Observe que a metodologia de um rela-
percepção do outro, que se constitui socialmente tório tem caráter predominantemente narrati-
em fonte de discriminação (por exemplo: como se vo-descritivo, enumerando os procedimentos
dá a inclusão nos locais observados), e perceber adotados pelo pesquisador, os quais devem ser
como é a questão da distribuição do poder entre detalhadamente caracterizados. Nesse sentido,
adultos e crianças diante da contemporaneidade”. é importante que você observe a importância
Ainda na Introdução, é importante haver a de haver verbos que indiquem ações (típicos
Contextualização da pesquisa, em que se diz há da narração) e adjetivos avaliativos (típicos da
quanto tempo se está estudando algo, como se descrição). Para isso, analise o trecho abaixo,
chegou àquela questão, em que projeto/grupo/ retirado do relatório “Crianças e adultos em di-
instituição esse projeto se insere etc. No relató- ferentes contextos: a infância, a cultura contem-
rio acima, a contextualização está representada porânea e a educação”:
pela seguinte frase: “Este estudo tem sido de- “A pesquisa foi realizada em vinte escolas
senvolvido desde 2005 e seus eixos principais das redes pública, particular e comunitária,
de análise nessas interações são: a identidade, sendo cinco creches, sete escolas exclusivas de
a autoridade e a diversidade”. As autoras opta- educação infantil e oito escolas de ensino fun-
ram por não apresentarem exatamente nesse damental com turmas de educação infantil,
momento outras informações, diluindo-as em todas situadas no Município do Rio de Janeiro.
outras partes do relatório. A menos que as re- Foram realizados, inicialmente, estudos de caso
gras da instituição sejam muito rígidas, não há simultâneos nessas instituições, como etapa ex-
problemas em flexibilizar um pouco a estrutura ploratória, e, em seguida, com maior densidade
do relatório. em seis destas instituições (duas creches, duas es-

Voltar ao sumário
67

colas de educação infantil e duas escolas de en- b. Sintetize em algumas frases o procedi-
sino fundamental que têm turmas de educação mento metodológico adotado pelo pesquisador.
infantil). A escolha foi pautada pelo critério da c. Identifique verbos marcadamente narra-
positividade do trabalho”. tivos que foram empregados na elaboração da
Perceba que os verbos acima destacados metodologia. Em que tempo verbal eles se en-
estão predominantemente no pretérito perfeito contram?
do modo indicativo, expressando ações que fo- d. A pesquisa científica é marcada pela au-
ram realizadas no passado pelos pesquisadores. tocrítica. Em que partes do texto pode-se iden-
Já os adjetivos destacados em negrito descre- tificar um posicionamento dessa natureza por
vem, restringem ou explicam os procedimentos parte do autor do relatório?
metodológicos ou o objeto analisado nessa etapa.
Dando continuidade à Metodologia, o re- a observação do desenvolvimento
latório que estamos analisando possui uma se- típico da comunicação não-ver-
ção intitulada Atividades realizadas enquanto bal: subsídios para a promoção
bolsistas, que complementa os procedimentos
do uso da linguagem no autismo
metodológicos já mencionados. Veja que, nessa
parte do texto, predomina também o modo de Aluno: Gilberto Bruzzi Desiderio
organização textual narrativo-descritivo, com Orientadora: Carolina Lampreia
verbos no pretérito perfeito e adjetivos.
Na sequência, todo relatório deve apre- Introdução
sentar Conclusões ou Discussão dos Resultados, O autismo é concebido como um trans-
mesmo que esses sejam ainda parciais. Nesse torno do desenvolvimento e é caracterizado
momento, apresentam-se os resultados da pes- basicamente por falhas na interação social e na
quisa, os quais devem ser interpretados à luz de comunicação tanto verbal quanto não-verbal
teorias coerentes e organizados da forma mais (DSM-IV-TR; Diagnostic and Statistical Manual of
apropriada. Para isso, pode-se adotar o forma- Mental Disorders, 2002). Seu diagnóstico deve
to da prosa, da lista (pontuada ou numérica), de ser feito antes dos 36 meses de idade, sendo que
tabelas, gráficos ou figuras, dependendo do teor tem sido buscada uma identificação mais preco-
da informação a ser compilada. ce, visando a uma intervenção também precoce
Por fim, trabalho acadêmico algum está que permita minorar os possíveis efeitos do pre-
completo sem as Referências bibliográficas de juízo biológico subjacente. Para o fim da identi-
que o pesquisador se valeu para conduzir seu ficação precoce antes dos 2 anos de idade, têm
estudo. A fim de sistematizar de maneira práti- sido desenvolvidos instrumentos específicos e
ca e acessível esse tipo de informação, é impor- realizados estudos de vídeos familiares (LAM-
tante que se respeitem os padrões prescritos PREIA, no prelo).
pela ABNT. Os estudos do desenvolvimento típico
dos diversos comportamentos de atenção com-
partilhada que surgem a partir dos 9 meses de
idade também têm servido de referência, mos-
Exercitando trando que as falhas no apontar declarativo por
Antes de avançar para um novo assunto, parte da criança autista e no seguir o apontar
que tal pôr em prática o que você acabou de ver do adulto podem estar ligadas a distúrbios de
na unidade? Se você encontrar dificuldades para linguagem e do jogo simbólico, que servem de
realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui marcadores do autismo (BARON-COHEN, ALLEN
estudado. & GILLBERG, 1992).
Atividade 1 Esses vários estudos de identificação pre-
Agora que você conhece a estrutura de um coce, assim como os de intervenção precoce,
relatório de pesquisa, analise o relatório abaixo usam preferencialmente categorias discretas de
e responda às seguintes perguntas: observação e treinamento. Por outro lado, alguns
a. Destaque do relatório a questão central estudos do desenvolvimento típico da intersubje-
de estudo, os objetivos gerais e específicos da tividade e da comunicação inicial não-verbal, tais
pesquisa. como os de Stern (1977; 1992), Hobson (2002) e

Voltar ao sumário
68

Bates (1976; 1979), adotam uma metodologia que percepção amodal (STERN, 1992), de tomar a in-
enfoca a observação dos aspectos qualitativos formação recebida de uma modalidade sensorial
da passagem de uma habilidade a outra. Estes es- e de alguma maneira traduzir para uma outra
tudos não apenas registram a aquisição de uma modalidade sensorial. A percepção amodal per-
nova habilidade em determinado momento do mite que uma coisa vista, ouvida e tocada possa
desenvolvimento mas descrevem as condições de fato, através da coordenação de informações
em que ela surge em termos das atividades nas que vêm de várias modalidades perceptuais di-
quais a criança está envolvida e a participação ferentes (como visão, tato, audição...), ser sen-
do adulto. Eles descrevem a passagem de uma tida como parte de uma fonte externa única.
habilidade a outra quando, por exemplo, a crian- Essa capacidade é fundamental para que o bebê
ça passa a substituir o gesto pela vocalização possa experienciar um senso de eu e de outro
que já a acompanhava. emergentes, que possibilita que, por volta dos
Em suma, para que se possa melhor com- dois meses, o bebê se encontre em uma nova si-
preender em que consistem as falhas iniciais tuação bem mais social. Situação essa em que o
de desenvolvimento no autismo, que acarretam bebê sorri, vocaliza, faz contato ocular em res-
posteriormente suas características mais bási- posta aos comportamentos exagerados e repe-
cas, torna-se necessário conhecer os aspectos tidos da mãe que apresenta algumas alterações
qualitativos e descritivos do desenvolvimen- na linguagem, nas expressões faciais e jogos de
to típico, assim como os aspectos afetivos da esconde-esconde. Mãe e bebê regulam, então,
comunicação inicial. Isto poderá vir a permitir mutuamente os interesses e sentimentos um do
uma identificação precoce mais fidedigna assim outro através de padrões rítmicos, sinais multi-
como uma intervenção precoce mais eficaz. modais, equiparação de expressão vocal, facial
e gestual.
A comunicação afetiva [...]

As primeiras interações sociais do bebê Objetivo


acontecem já nos primeiros dias de vida através A presente pesquisa teve como objeti-
das interações mãe-bebê, que se dão no contex- vo mais geral descrever e analisar as diferen-
to da regulação fisiológica. As tarefas de comer, tes fases do desenvolvimento da comunicação
adormecer e a homeostase geral são geralmente não-verbal até o surgimento da comunicação
acompanhadas por comportamentos sociais dos verbal, no desenvolvimento típico, de maneira
pais: embalar, acariciar, tranquilizar, conversar, a obter subsídios para a elaboração de progra-
cantar e fazer sons e caretas. Eles ocorrem em mas que visem à promoção do uso da linguagem
resposta a comportamentos do bebê, tais como pela criança autista. O objetivo específico, neste
chorar, choramingar, olhar e olhar fixamente. No momento, foi elaborar uma metodologia de aná-
entanto, essas primeiras interações são permea- lise de vídeos que permitisse identificar catego-
das por uma qualidade exclusiva e inata do ser rias que descrevam e analisem a fase inicial do
humano, a capacidade de ser sensível e respon- desenvolvimento da comunicação afetiva até o
sivo às emoções de seus semelhantes (HOBSON, surgimento da comunicação não-verbal entre os
2002). É a partir dessa sensibilidade que pode- 9 e 12 meses de idade, de maneira que os resul-
mos esperar uma qualidade de interação nos hu- tados dessa análise contemplem as diferenças
manos diferente das observadas nos outros ani- entre o desenvolvimento típico e o não-típico
mais, uma qualidade que possibilita ao humano (no caso especifico, o autismo) para melhor
desenvolver a linguagem, pois mesmo antes da compreender os processos envolvidos na co-
linguagem essa sensibilidade já possibilita quali- municação.
dades de interação que agem como precursoras
da linguagem. Uma grande quantidade de intera- Metodologia
ção social acontece a serviço da regulação fisio- Participantes e Procedimento
lógica, e pode-se dizer que essas interações são Foram analisados vídeos de bebês entre
o berço para o desenvolvimento da linguagem. 3 e 12 meses de idade, filmados em situações
Além disso, os bebês parecem ter uma naturais em interação com seu cuidador. Foram
capacidade geral inata, que pode ser chamada usados vídeos feitos geralmente pela família do

Voltar ao sumário
69

cuidador, sem objetivos relacionados especifi- como uma tentativa frustrada de interação. Para
camente à pesquisa, apenas para documentar cada episódio, procurou-se identificar as catego-
eventos cotidianos do bebê. rias de análise anteriormente definidas e assina-
As categorias de análise de vídeos foram lar suas ocorrências em uma folha de registro. A
assim definidas: duração de cada episódio de interação não foi
1. Categorias discretas: sorriso (parceiro previamente estipulada. Os episódios eram inter-
sorri para o outro ou responde ao sorriso do ou- rompidos quando se passavam cinco segundos
tro, retribuindo o sorriso imediatamente); con- sem que um dos parceiros da díade respondesse.
tato ocular (parceiro dirige sua atenção visual
para o outro e olha diretamente para sua face e Conclusão
nos seus olhos); vocalização (um dos parceiros As categorias de análise utilizadas podem
emite sons); permitir o rastreamento de falhas básicas encon-
2. Categorias afetivas – I: engajamento afe- tradas no desenvolvimento de bebês com risco
tivo: grau de conexão emocional entre o bebê e de autismo. A metodologia de análise das cate-
seu cuidador (GARCÍA-PEREZ, LEE & HOBSON, gorias discretas está bem elaborada. Contudo, a
2007). A avaliação será subjetiva e pontuada metodologia para as categorias afetivas precisa
em 3 níveis: sem conexão emocional, alguma de mais tempo de treinamento, já que estas ca-
conexão, conexão emocional forte; fluxo da in- tegorias foram recentemente reformuladas para
teração: harmonia do intercâmbio entre o bebê que melhor se adequassem às novas necessida-
e seu cuidador (GARCÍA PEREZ, LEE & HOBSON, des da pesquisa. Isso porque os resultados aqui
2007). A avaliação será subjetiva e pontuada em obtidos permitiram a elaboração de um novo
3 níveis: intercâmbio mínimo, pouco harmonio- projeto de pesquisa “A investigação de sinais
so (requer esforço por parte da mãe para fazer precoces de risco de autismo em bebês com ir-
com que ocorra intercâmbio), muito harmonio- mãos autistas”, que deverá procurar analisar in-
so (intercâmbio relaxado e regular); terações mãe-bebê com o objetivo de identificar
3. Categorias afetivas – II: intensidade (o possíveis indícios de risco de autismo antes dos
nível de intensidade do comportamento do par- 12 meses de idade.
ceiro é o mesmo que o do outro, independen-
temente do modo ou forma de comportamento Agradecimento
– p. ex., a altura da vocalização da mãe iguala Os autores deste trabalho agradecem
a força de um abrupto movimento de braço do ao CNPq pelo apoio financeiro (Bolsa PIBIC –
bebê – STERN, 1992); timing (uma pulsação re- 2007/2008).
gular, no tempo, é igualada – p. ex., a inclinação
da cabeça da mãe e o gesto do bebê obedecem à Referências
mesma batida – STERN, 1992); forma (algum as-
1. Baron-Cohen, S., Allen, J. & Gillberg, C. (1992)
pecto espacial de um comportamento é igualado Can Autism be Detected at 18 Months? The Nee-
– p. ex., a mãe toma emprestada a forma vertical dle, the Haystack, and the CHAT. British Journal
do movimento para-cima-para-baixo do braço do of Psychiatry, 161, 839-843.
bebê e a adapta a seu movimento de cabeça – 2. Bates, E. (1976) Language and context. The ac-
STERN, 1992). quisition of pragmatics. N.Y.:
O procedimento para a análise dos vídeos Academic Press. 3. Bates, E. (1979) The emer-
consistiu, primeiramente, em assistir às filma- gence of symbols. Cognition and communica-
gens recolhidas como um todo e em seguida des- tion in infancy. N.Y.: Academic Press.
tacar as cenas consideradas aptas, ou seja, cenas 3. DSM-IV-TR (2002) Manual diagnóstico e esta-
em que fosse possível visualizar a face do bebê tístico de transtornos mentais. trad. Dayse Ba-
e do cuidador simultaneamente. Em um segundo tista, 4. ed. Porto Alegre: Artes Médicas Sul.
momento eram destacados, das cenas aptas, epi- 4. Hobson, P. (2002) The cradle of thought. Lon-
sódios de interação ou de tentativa de interação. don: Pan books.
Cada episódio tinha início sempre quando havia 5. Lampreia, C. (no prelo) Algumas considerações
solicitação por parte de um dos integrantes da sobre a identificação precoce no autismo. In: Te-
díade. Se não houvesse, após cinco segundos, mas em Educação Especial. São Carlos, São Paulo:
resposta do parceiro, o episódio era considerado EDUFSCar.

Voltar ao sumário
70

6. Stern, D. (1977) The First Relationship: Infant so.


and Mother. London: Fontana/Open Books.
7. Stern, D. (1992) O Mundo interpessoal do Familiarizando-se com as partes do
bebê. Uma visão a partir da psicanálise e da projeto
psicologia do desenvolvimento. Tradução Ma-
ria Adriana Veríssimo Veronese. Porto Alegre:
O formato do projeto varia segundo as
Artes Médicas.
instituições de pesquisa e as agências de finan-
ciamento, mas predomina o que vai ser apresen-
tado e comentado aqui. As partes básicas do
Exercitando projeto são:
Antes de avançar para um novo assunto, 1. situação-problema – o contexto em que se
que tal pôr em prática o que você acabou de ver situam os aspectos que você quer estudar;
na unidade? Se você encontrar dificuldades para 2. objetivo do estudo – os alvos que quer
realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui atingir, os pontos que quer compreender e
estudado. explicar, com o estudo. Introduza-os sem-
pre com verbos no infinitivo (por exem-
Atividade 2 plo, “analisar”, “interpretar”, “discutir”);
Produza um breve relatório sobre a dis- 3. justificativa e relevância – qual o valor
ciplina que mais exigiu de você no último se- que você vai agregar ao conhecimento na
mestre. Indique os objetivos de seu relatório, a área, ou quais as inovações que vai facul-
metodologia utilizada para chegar à conclusão tar, a partir dos resultados do estudo;
de que disciplina lhe exigiu mais, as atividades 4. hipótese – o que você pensa que vai
realizadas nela. De que argumentos você dispõe confirmar ou validar; quais são as ideias
para defender esse ponto de vista? Para susten- que espera confirmar. Observe que alguns
tar sua argumentação, utilize citações de outras tipos de projeto não precisam ter neces-
fontes, devidamente apresentadas em Referên- sariamente uma hipótese. Entretanto, se
cias bibliográficas. Como sugestão, indicamos o você tiver algum palpite ou opinião sobre
artigo “A importância da leitura no Ensino Supe- como se dá o fenômeno que vai estudar,
rior”, que pode ser encontrado em <http://sare. isso valoriza seu projeto;
unianhanguera.edu.br/index.php/reduc/article/ 5. corpus – quais são os dados para análi-
view/193/190>. se, o que supõe material coletado ou cons-
truído a ser utilizado;
Conhecendo o projeto 6. métodos de coleta e de análise – como
de pesquisa vai coletar ou construir os dados; qual a
forma de analisá-los;
O projeto é um gênero bá- 7. suporte em autor(es) que você respeita
sico na vida social, pois, em certo sentido, es- e que segue – quais são as ideias básicas
tamos sempre fazendo projeto para alguma que orientam o estudo e quais são os au-
coisa que queremos realizar. É também uma prá- tores que as apresentam;
tica de escrita indispensável na vida acadêmica, 8. cronograma de execução – qual a distribui-
em que o foco é a pesquisa. Nossa tarefa, como ção das atividades previstas acima, desde a
pesquisadores, é analisar algum aspecto da rea- coleta até a elaboração do relatório final;
lidade que nos intriga, procurar compreender al- 9. orçamento – quais as principais despe-
gum comportamento que nos desafia, examinar sas que a execução do projeto implica e
o andamento de alguma atividade ou processo, como vai cobrir essas despesas;
e assim por diante. Para isso, sempre que vamos 10. referências básicas – quais as principais
iniciar uma pesquisa, é preciso que tenhamos em fontes de informação com que já conta, no
mente quais serão os procedimentos adotados momento em que escreve o projeto. Procu-
nesse processo de aquisição do conhecimento. re citar apenas os autores que efetivamen-
Caso o projeto não seja claro, corre-se o risco de te se relacionam com o seu estudo. É fato
se perder no meio do caminho, dadas as inúme- que, se forem referências válidas, servirão
ras possibilidades que se apresentam no percur- para fortalecer seus argumentos;

Voltar ao sumário
71

11. relatório final – qual é o sumário provisó- A bacia hidrográfica do rio Pacoti, respon-
rio do relatório sobre a pesquisa. sável pela maior oferta potencial de água para
Para você entender melhor como essas a região metropolitana de Fortaleza e objeto do
partes se relacionam na construção de um proje- presente estudo, não foge à regra, apresentando
to de pesquisa, apresentamos um modelo (adap- sérios problemas de degradação dos recursos
tado), retirado do site <br.geocities.com/sergio- hídricos, dada a expansão das atividades agríco-
fk/minicurso.pdf>. Logo após o texto, segue uma las e atualmente da urbanização.
breve análise sobre ele. Dessa forma, tornam-se necessários es-
tudos que contribuam para um maior conheci-
Exemplo de projeto de pesquisa mento de seu potencial hídrico, sua utilização e
(condensado) conservação, para que as gerações futuras pos-
sam também usufruí-los visando atender às suas
BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO próprias necessidades.
CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento
Científico e Tecnológico) – PIBIC/CNPq Área de estudo
Período de vigência: setembro/98 a julho /99
Título: RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA A área de estudo compreende a bacia
HIDROGRÁFICA DO RIO PACOTI-CEARÁ: POTEN- hidrográfica do rio Pacoti, uma das bacias me-
CIALIDADES, USO ATUAL E DEGRADAÇÃO AM- tropolitanas do Estado, localizada próximo à
BIENTAL cidade de Fortaleza. Ocupa uma área aproxima-
Pesquisador: FUCK Júnior, Sérgio Cesar da de 700 km2, onde se destacam o rio Pacoti e
de França – aluno de graduação do curso de Ba- seus contribuintes de maior porte: os riachos
charelado em Geografia/CCT/UECE. Baú e Água Verde, afluentes pela margem es-
Orientador: LIMA, Timóteo Sérgio Ferrei- querda. Nessa bacia foram construídos inúme-
ra – professor do Departamento de Geociências/ ros açudes, dentre os quais destacam-se o sis-
CCT/UECE. tema Pacoti-Riachão-Gavião e o açude Acarape
Colaboradora: Veríssimo, Maria Elisa Za- do Meio.
nella – professora do Departamento de Geogra- O rio Pacoti nasce na serra de Baturité,
fia/CC/UFC. sendo a maior parte da bacia (alto e médio cur-
so) representada por rochas do embasamento
Introdução cristalino. Seu baixo curso encontra-se sobre
terrenos sedimentares representados pela For-
A água é um dos recursos mais importantes mação Barreiras e Dunas e Paleodunas da Planí-
à sociedade humana, constituindo-se em elemen- cie Litorânea, onde são amplas as planícies alu-
to básico à sua sobrevivência e ao desenvolvimen- vionares que margeiam o rio principal.
to econômico e social. A sua utilização tem-se in-
tensificado nas últimas décadas, tendo em vista o Objetivo geral
seu crescente uso, quer seja no abastecimento de
áreas urbanas, industriais e rurais, na irrigação, Este projeto tem como objetivo estudar
quer nas atividades de lazer, entre outras. os recursos hídricos superficiais e subterrâneos
da bacia do rio Pacoti, suas potencialidades, uso
Problema/justificativa atual e degradação ambiental.

Contudo, muitos problemas ligados à de- Objetivos específicos


gradação dos mananciais hídricos, tanto super-
ficiais quanto subterrâneos, vêm sendo enfren- 1. Efetuar o levantamento da rede de dre-
tados pelo homem. Mais grave ainda é o fato de nagem, delimitando a bacia hidrográfica e os
que tais problemas devem-se à sua própria ocu- corpos d’água;
pação no meio físico, de forma desordenada, o 2. Caracterizar a rede de drenagem com
que repercute negativamente sobre os recursos relação ao padrão e densidade hidrográfica, es-
naturais e consequentemente na qualidade de tabelecendo relações com as unidades geoam-
vida das populações. bientais;

Voltar ao sumário
72

3. Caracterizar os aquíferos da área em es- lho.


tudo; [...]
4. Avaliar o uso atual dos recursos hídri-
cos da bacia (abastecimento humano/industrial, Referências
irrigação, pesca, atividades de lazer, entre ou-
BRANDÃO, R. L. Diagnóstico Geoambiental e os
tros); Principais Problemas de Ocupação do Meio Físi-
5. Analisar a degradação ambiental dos re- co da Região Metropolitana de Fortaleza. CPRM,
cursos hídricos superficiais e identificar as pos- 1995, 88p.
síveis fontes geradoras de tal degradação. CHRISTOFOLETTI, A. A Análise das Bacias Hidro-
gráficas. In: Geomorfologia, p. 102-127. São Paulo:
Materiais e métodos Blucher, 2a edição, 1980.
FEITOSA, F. A. C., et al. Hidrogeologia: conceitos e
Materiais: aplicações. Fortaleza: CPRM, 1997.
Serão necessários para o desenvolvimen- MOTA, S. Introdução à Engenharia Ambiental. Rio
to da pesquisa os seguintes materiais: de Janeiro: ABES, 1997. 280p.
• Imagens de satélites TM-LANDSAT;
OLIVEIRA, P. T. M. Recursos Hídricos. In: Recur-
• Cartas topográficas da SUDENE na esca- sos Naturais e Meio Ambiente: uma Visão de Bra-
la de 1:100.000; sil, p. 89-94. São Paulo: CPRM, 1992.
• Folhas planimétricas da Funceme na es- Plano Estadual de Recursos Hídricos. 1992.
cala de 1:100.000 (Monitoramento dos Espelhos
Projeto Áridas – GT2 – Recursos Hídricos. 1994.
D’água do Estado do Ceará, 1988);
• Levantamentos sistemáticos dos recur-
sos naturais realizados a nível exploratório/re- Observe que, no projeto acima, o pes-
conhecimento, tais como RADAMBRASIL (1981), quisador optou por, na introdução, situar o
SEMACE (1992); tema da pesquisa, enquanto o problema foi
• Plano Estadual de Recursos Hídricos; apresentado na seção subsequente. Veja ainda
• Projeto Áridas – GT2 – Recursos Hídricos. que o caráter descritivo que estudamos no iní-
cio da unidade, como sendo uma característi-
Procedimentos metodológicos: ca do relatório, repete-se aqui no projeto. Isso
• Seleção e análise do material geocartográ- é bem evidente no item “área de estudo”, em
fico e bibliográfico disponível; que se descreve a bacia hidrográfica a ser pes-
• Análise das cartas topográficas e imagens quisada.
de satélites para a obtenção das informações Atente ainda para a formulação dos ob-
da rede de drenagem, reservatórios e lagoas, jetivos: todos eles foram introduzidos por ver-
bem como para a delimitação das unidades geo- bos na forma infinitiva, o que vale tanto para
ambientais; o gênero projeto quanto para o relatório. As
• Interpretação das características da semelhanças, no entanto, não param por aí.
rede de drenagem (padrão e densidade hidro- Como vimos anteriormente, a metodologia de
gráfica), relacionando-as às diferentes unidades uma pesquisa tem caráter descritivo e narra-
geoambientais; tivo, pois enumera os passos que foram toma-
• Levantamento de dados em órgãos pú- dos (no caso de um relatório) ou que serão
blicos sobre a utilização atual dos recursos hí- tomados (no caso de um projeto). No entan-
dricos e sua degradação; to, o autor do projeto “Recursos hídricos da
• Análise da água nos parâmetros físico- bacia hidrográfica do rio Pacoti-Cerará: poten-
-químicos e biológicos; cialidades, uso atual e degradação ambiental”
• Trabalho de campo para coleta de infor- optou por uma estratégia diferente, mas igual-
mações e para reconhecimento in loco das confi- mente válida: em vez de verbos, preferiu for-
gurações espaciais atuais; mas nominais para indicar as ações a serem
• Elaboração da cartografia final na escala efetuadas ao longo da pesquisa, expressas por
de 1:100.000, através do uso de programas grá- substantivos abstratos, como “seleção”, “aná-
ficos; lise”, “interpretação”, “levantamento” etc. Em
• Interpretação e redação final do traba- seu projeto, você pode escolher qualquer uma

Voltar ao sumário
73

das opções – verbos ou substantivos abstratos adotados;


–, mas não misture ambos os recursos em uma g. referências (bibliográficas, sites, filmes,
enumeração. vídeos etc.).
Veja, por fim, que a estrutura do projeto é
flexível: apesar de não apresentar em uma ordem Respostas às atividades
fixa todos os elementos estudados nesta unida-
de, o projeto é absolutamente bem-sucedido em Atividade 1
seu propósito informativo. a. Questão central: “para que se possa me-
lhor compreender em que consistem as falhas
iniciais de desenvolvimento no autismo, que
acarretam posteriormente suas características
Exercitando mais básicas, torna-se necessário conhecer os
Antes de avançar para um novo assunto, aspectos qualitativos e descritivos do desenvol-
que tal pôr em prática o que você acabou de ver vimento típico, assim como os aspectos afetivos
na unidade? Se você encontrar dificuldades para da comunicação inicial”.
realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui Objetivo geral: “descrever e analisar as di-
estudado. ferentes fases do desenvolvimento da comunica-
ção não verbal até o surgimento da comunicação
Atividade 3 verbal, no desenvolvimento típico, de maneira a
A partir do que você acabou de estudar, obter subsídios para a elaboração de programas
elabore um pequeno projeto de pesquisa. Se que visem à promoção do uso da linguagem pela
você está já avançado em seus estudos univer- criança autista”.
sitários, elabore um projeto para seu futuro Objetivo específico: “elaborar uma me-
trabalho de conclusão de curso. Se você pensa todologia de análise de vídeos que permitisse
em ingressar na Iniciação Científica, escreva um identificar categorias que descrevam e analisem
projeto para apresentar a seu possível orienta- a fase inicial do desenvolvimento da comunica-
dor. Se você está entrando na Universidade, su- ção afetiva até o surgimento da comunicação
gerimos que estude as relações entre os alunos não verbal entre os 9 e 12 meses de idade, de
novos e os veteranos, no período do que se con- maneira que os resultados dessa análise contem-
vencionou chamar de “trote”, considerando as plem as diferenças entre o desenvolvimento típi-
várias faces que esse fenômeno apresenta em co e o não típico (no caso específico, o autismo)
nosso país. Trata-se de assunto polêmico e que para melhor compreender os processos envolvi-
merece ser investigado cientificamente. dos na comunicação”.
Na elaboração de seu projeto, não deixe de: b. Metodologia: “Foram analisados vídeos
1. propor um título ao estudo que quer de bebês entre 3 e 12 meses de idade, filmados
fazer. em situações naturais em interação com seu cui-
2. escrever parágrafos breves, claros, con- dador. Foram usados vídeos feitos geralmente
trolando cada palavra. pela família do cuidador, sem objetivos relacio-
3. definir um índice provisório, em que nados especificamente à pesquisa, apenas para
apareçam: documentar eventos cotidianos do bebê”.
a. a questão que você pretende investigar; c. “Foram analisados”, “foram usados”,
b. seus objetivos com essa pesquisa; “foram definidas”. Essas locuções verbais estão
c. os estudos precedentes (busca de re- no pretérito perfeito do indicativo.
sumos, relatórios de pesquisa, livros, artigos, d. “A metodologia de análise das catego-
ensaios, resenhas, teses e dissertações da área) rias discretas está bem elaborada. Contudo, a
sobre essa questão; metodologia para as categorias afetivas precisa
d. sua hipótese, mesmo que muito vaga, de mais tempo de treinamento, já que estas ca-
no caso de estar ainda muito no início de sua tegorias foram recentemente reformuladas para
pesquisa; que melhor se adequassem às novas necessida-
e. dados com que conta, ou com que pre- des da pesquisa”.
tende contar, como seu corpus;
f. procedimentos metodológicos a serem Atividades 2 e 3 – estas atividades pro-

Voltar ao sumário
74

postas diziam respeito à produção textual. Dis- psi_gilberto_bruzz_desiderio.pdf>. Acesso em


cuta com seu professor/tutor que procedimento 15 jun. 2009.
será adotado para entrega/correção dos textos D’ONOFRIO, S. Metodologia do trabalho intelec-
redigidos em aula. -tual. São Paulo: Atlas, 1999.
FEITOSA, V.C. Redação de Textos Científicos. São
Paulo: Papirus, s.d.
FUCK Júnior, S. C. F. Recursos hídricos da bacia
hidrográfica do rio Pacoti-Ceará: potencialidades,
uso atual e degradação ambiental. Disponível em:
<http://br.geocities.com/sergiofk/projetopacoti.
doc>. Aceso em 15 jun. 2009.
Referências GARCIA, O. M. Comunicação em prosa moderna:
aprenda a escrever, aprendendo a pensar. Rio de
BARROS, C; NASCIMENTO, S. Crianças e adultos Janeiro: Editora FGV, 2002.
em diferentes contextos: a infância, a cultura con-
temporânea e a educação. Disponível em: <http:// HUBNER, M. M. Monografias e projetos de disser-
www.puc-rio.br/pibic/relatorio_resumo2008/ tação de mestrado e doutorado. São Paulo: Pionei-
resumos/ctch/edu/Edu_camilaaaa.pdf>. Acesso raThompson Learning/Mackenzie, 2004.
em 15 jun. 2009. LIMA, M. C. Monografia: a engenharia da produ-
BOOTH, W. C. et al. A arte da pesquisa. São Paulo: ção acadêmica. São Paulo: Saraiva, 2004.
Martins Fontes, 2005.
TACHIZAWA, T. e MENDES, G. Como fazer mono-
DESIDÉRIO, G. B. A observação do desenvolvi- grafia na prática. Rio de Janeiro, FGV, 2001.
mento típico da comunicação não verbal: subsí-
TRALDI, M. C.; DIAS, R. Monografia passo a passo.
dios para a promoção do uso da linguagem no
Campinas: Alínea, 2006.
autismo. Disponível em: <http://www.puc rio.
br/pibic/relatorio_resumo2007/relatorios/psi/

Voltar ao sumário
Unidade 7 metodologia, cronogramas etc. para o estudo
que você pretende conduzir. E você ainda estu-
dou como produzir um relatório sobre sua pes-
Artigo científico e monografia de quisa – parcial ou final –, o qual será lido por seu
conclusão de curso orientador e por eventuais agências de fomento.
No entanto, sua pesquisa não pode ficar
restrita a esse pequeno círculo de leitores. A
Apresentando a unidade partir de agora, você aprenderá como redigir um
artigo científico, gênero que serve à divulgação
de estudos e seus resultados no meio acadêmi-

N
esta unidade, vamos estudar artigos co. Observe que, sem divulgação, sua pesquisa
científicos e monografias de conclusão não cumpre o objetivo de ajudar a evolução da
de curso, textos de mais fôlego que se ciência, pois só se ela for conhecida por outros
exigem de graduandos no fim de seus cursos. pesquisadores poderá ser usada como referên-
Além de analisarmos as partes que compõem es- cia para futuros estudos.
ses gêneros, vamos compreender sua relevância Assim, se queremos que nosso trabalho
na vida acadêmica e as regras específicas que seja reconhecido e útil aos demais, devemos
norteiam sua produção. apresentá-lo em congressos e seminários ou
publicá-lo na forma de artigos científicos em pe-
Conhecendo os objetivos riódicos especializados. Veja que, mesmo que
você opte por expor seu trabalho oralmente em
Ao final da unidade, você deverá ser capaz de: congressos, costuma-se exigir do congressista
1. identificar as características principais uma versão escrita de seu texto, na forma de um
de artigos científicos e mono- artigo, o qual é publicado em anais do evento.
grafias de conclusão de curso; No que diz respeito à publicação em perió-
2. analisar criticamente dicos, a primeira coisa que se deve esclarecer é
artigos científicos e monogra- que toda área tem os seus, impressos ou digitais,
fias de conclusão de curso; os quais divulgam resultados e métodos de pes-
3. dominar as técnicas quisas de forma bem mais detalhada e sistemá-
para produzir seus próprios artigos científicos e tica do que relatórios. Uma boa pesquisa biblio-
sua monografia de conclusão de curso. gráfica alia a leitura dos clássicos em torno de
uma determinada questão, os quais geralmente
Conhecendo o artigo científico estão publicados na forma de livros, e a leitura
dos mais recentes estudos sobre essa mesma
No começo de nossas unida- questão, frequentemente publicados na forma
des, você estudou aspectos de artigos científicos.
da textualidade presentes Há dois tipos de artigo científico: a) arti-
em qualquer tipo de tex- gos originais ou de divulgação, que apresentam
to, como coesão, coerência, tipologia textual e temas ou abordagens originais, em relatos de
gêneros discursivos, o que permitiu que você caso, comunicações ou notas prévias; b) ar-
desenvolvesse ainda mais suas capacidades de tigos de revisão, que analisam e discutem tra-
escrita e leitura. balhos já publicados e revisões bibliográficas.
Em seguida, você estudou o fichamento, o Em todo caso, ambos devem seguir as mesmas
resumo e a resenha, três gêneros básicos na vida orientações gerais, que apresentaremos mais à
acadêmica, os quais servem como ferramentas frente na unidade, junto com as orientações ge-
de estudo e sistematização do conhecimento ad- rais para a elaboração da monografia.
quirido. É por meio desses gêneros que você po-
tencializa sua leitura de referências teóricas, pos-
sivelmente usadas em suas futuras pesquisas.
Depois, você aprendeu como elaborar um Exercitando
projeto, estruturando de forma clara seu plano Antes de avançar para um novo assunto,
de pesquisa, o qual define objetivos, hipóteses, que tal pôr em prática o que você acabou de ver

Voltar ao sumário
76

na unidade? Se você encontrar dificuldades para cimento expressivo, em praticamente todas as


realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui áreas de conhecimento. Em algumas áreas, têm
estudado. prestígio muito alto, e na maioria delas funcionam
Atividade 1 como preparatórios para os cursos de mestrado.
Você conhece periódicos da sua área? É No caso da graduação, as instituições de
sempre bom, ao longo da graduação, tomarmos ensino vêm valorizando esse tipo de produção,
contato com textos de pesquisadores, pois, além organizando bancos de monografias. Vários es-
do aprendizado de novos conteúdos, ganhamos forços se verificam, no sentido de preparar essas
mais intimidade com a escrita acadêmica, que monografias para publicação. Uma consulta ao
pode variar em termos de estilo de uma área do Google acadêmico mostra o prestígio desse tipo
conhecimento para outra. de produção.
Vá à biblioteca de sua universidade e bus- Uma forma interessante de preparar-se, ao
que periódicos. Caso não saiba como fazê-lo, peça longo da graduação, para a elaboração da mono-
ajuda ao bibliotecário do setor. Caso prefira, visi- grafia é participar de projetos de iniciação científi-
te a base de dados on-line SCIELO, no endereço ca. Assim, o aluno dá seus primeiros passos como
http://www.scielo.org/php/index.php. Busque pe- membro de uma pesquisa e trava maior contato
riódicos de sua área e dê uma olhada nos artigos com a escrita acadêmica, lendo textos e, quando
que encontrar. Faça um breve relatório dessa ex- necessário, produzindo-os.
periência, incluindo sua primeira impressão dos
periódicos e dos artigos. Lembre-se de que toda
pesquisa envolve uma etapa como essa, de levan-
tamento de referenciais teóricos. Exercitando
Antes de avançar para um novo assunto,
Conhecendo a que tal pôr em prática o que você acabou de ver
monografia de na unidade? Se você encontrar dificuldades para
conclusão de curso realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui
estudado.
A palavra monografia pode ser entendida de
mais de uma forma: lato sensu, indica qualquer Atividade 2
trabalho acadêmico dissertativo, obedecendo Você já viu uma monografia? Um primeiro
ou não às regras de metodologia e padronização passo para elaborar sua monografia é ler outros
da ABNT; stricto sensu, refere-se ao trabalho de textos desse gênero, para desenvolver um olhar
conclusão de curso, que deve seguir uma série crítico e analítico. Nesse sentido, visite o banco de
de normas e padrões da escrita acadêmica. Nes- monografias de sua universidade e peça para dar
ta unidade, trabalharemos o gênero monografia uma olhada em textos da sua área do saber. Assim,
adotando a segunda acepção proposta acima. além de se familiarizar com a própria estrutura do
Observe ainda que, dependendo da universi- texto acadêmico, pode encontrar algo interessante
dade, seu nome pode mudar para trabalho ou na revisão de literatura, a ser adotado futuramente
artigo de conclusão de curso, mas suas caracte- como referencial teórico em sua própria pesquisa.
rísticas permanecem inalteradas. Faça um breve relatório dessa experiên-
A monografia de conclusão de curso de cia, incluindo sua primeira impressão sobre as
graduação contribui para a qualidade da for- monografias. Lembre-se de que toda pesquisa
mação do aluno universitário, pois familiariza-o envolve uma etapa como essa, de levantamento
com o ambiente da pesquisa e com a escrita aca- de referenciais teóricos.
dêmica. Trata-se geralmente de pesquisa biblio-
gráfica ou empírica, na qual o aluno conta com Características do artigo científico e
o apoio de um orientador, professor que acom- da monografia
panha suas pesquisas e ajuda o orientando na
condução de seus estudos. Em ambos os gêneros textuais, predomi-
Os cursos de especialização normalmente nam os modos de organização textual expositivo
também exigem uma monografia como trabalho e argumentativo, que normalmente vêm entrela-
final. Esses cursos vêm experimentando cres- çados. A expectativa é que se comece expondo,

Voltar ao sumário
77

criando o contexto da pesquisa, e que na análise Segue abaixo um modelo de capa que
dos dados e nas conclusões se enfatize o tom ar- pode facilmente ser adaptado à sua monografia.
gumentativo, defendendo pontos de vista e suge-
rindo aplicações.
As qualidades básicas do estilo acadêmico
devem estar presentes no artigo científico e na
monografia. Portanto, o texto deve ser marcado
por concisão, coerência, coesão e clareza, aspec-
tos já estudados neste curso, além de ser escrito
na modalidade culta, tema da próxima unidade.
A estrutura do artigo científico e da mono-
grafia segue o que se esboçou anteriormente no
projeto de pesquisa, o qual já supõe uma pesquisa
de campo e/ou de revisão bibliográfica. No entan-
to, cabe ressaltar que um artigo tem dimensões
menores que a de uma monografia, devendo, por-
tanto, se centrar em um recorte mais específico.
Vejamos a seguir as partes componentes
do artigo científico e da monografia:

1. Elementos pré-textuais – Neste ponto,


artigos e monografias diferem, visto que, en-
quanto aqueles têm poucos elementos pré-tex- Vale lembrar que o título deve ser informa-
tuais, estas dedicam considerável número de tivo, claro, com o mínimo possível de metáforas.
páginas a esses elementos. O título revela o conteúdo central do estudo. Se
1.a. Elementos pré-textuais do artigo – Um o título tiver duas partes, a ideia principal deve
artigo deve apresentar título, nome do autor, aparecer em primeiro lugar.
breve currículo do autor e resumo na língua 1.b.2. Folha de rosto (anverso) – Ela segue
vernácula. O resumo deve apresentar de forma o formato da capa, com a inclusão da natureza
concisa os objetivos da pesquisa, sua metodo- (monografia, tese, dissertação e outros), do ob-
logia e seus resultados, não ultrapassando 250 jetivo (aprovação em disciplina, grau pretendido
palavras e não contendo citações. Em seguida, e outros) e do orientador do trabalho.
enumeram-se de três a cinco palavras-chave, Veja a seguir um modelo de folha de rosto
que sintetizem o tema do texto. que pode ser adaptado à sua monografia.
A formatação dos elementos pré-textuais
varia de periódico para periódico, mas, de modo
geral, utiliza-se a fonte Times New Roman em
todo o texto, com as seguintes distinções de fon-
te: tamanho 14 para títulos e subtítulos, 12 para
o corpo do texto e 10 para notas de rodapé, sal-
vo casos específicos a serem analisados a seguir.
1.b. Elementos pré-textuais da monografia –
Sendo um texto mais longo (em torno de 60 pági-
nas, embora isso varie muito de instituição para
instituição), a monografia apresenta uma série de
elementos pré-textuais, discriminados a seguir.
1.b.1. Capa – Este é um elemento obrigató-
rio, pois, além de proteger o trabalho, apresen-
ta informações essenciais a sua identificação,
como os nomes da instituição e do autor, o título
do trabalho, o local e a data. A inclusão de ou-
tros elementos é opcional.

Voltar ao sumário
78

1.b.3. Folha de rosto (verso) – Nessa par- 2.2. Desenvolvimento – Nessa etapa,
te da monografia, inclui-se a ficha catalográfica, metodologia e revisão da literatura são etapas
isto é, os dados necessários para a arquivação imprescindíveis, bem como a apresentação e a
do trabalho na biblioteca. Tal ficha não é elabo- discussão dos resultados. Para ratificar sua ar-
rada pelo aluno, mas sim pela biblioteca da ins- gumentação, é importante apresentar outros
tituição. pontos de vista e pesquisas de relevância, citan-
1.b.4. Dedicatória/Agradecimentos – Este é do os pesquisadores por elas responsáveis.
um elemento opcional, no qual se prestam ho- A citação é um importante elemento no
menagem e agradecimentos às pessoas que con- trabalho acadêmico, podendo ser feita de for-
tribuíram, de alguma forma, para a execução do ma direta ou indireta. Uma citação direta é uma
trabalho. transcrição literal do texto de outro autor, res-
1.b.5. Epígrafe – Folha em que o autor apre- peitando-se fielmente o original. Uma citação in-
senta uma citação, seguida de indicação de auto- direta é uma paráfrase de trecho de outro texto.
ria, relacionada com a matéria tratada no corpo Ambas, no entanto, exigem que se informe a fon-
do trabalho. te de onde a citação foi retirada.
1.b.6. Resumo e palavras-chave na língua Algumas instituições adotam o sistema
vernácula – Este é um elemento obrigatório, numérico, em que a fonte é enunciada em nota
que deve seguir as normas indicadas na uni- de rodapé. O sistema alfabético, no entanto, é
dade referente ao gênero resumo. Em linhas muito mais frequente, em que se apresentam
gerais, não há diferenças significativas em no corpo do texto, entre parênteses, o autor e o
comparação ao resumo e às palavras-chave do ano (e a página, em caso de citação direta). Para
artigo científico. identificar o autor, utiliza-se o último sobrenome
1.b.7. Resumo e palavras-chave em língua em maiúsculas.
estrangeira moderna – O inglês, o espanhol e o
francês são as mais frequentes, mas há periódi- Exemplos:
cos que admitem ou restringem determinadas
línguas. Citação direta
1.b.8. Sumário – Este é um elemento obri- É preciso perceber que “conceituar ‘uni-
gatório, que permite ao leitor conhecer a estru- versidade’ significa indicar atributos de natu-
tura geral do trabalho. Tome o cuidado de uti- reza técnico-científica e de natureza filosófica
lizar com bom senso o recurso de dividir seu para atingir um domínio amplo e mais profundo”
texto em capítulos, seções e subseções. Tal re- (BARROS; LEHFELD, 2007, p.11).
curso deve garantir clareza a seu texto, não frag-
mentação excessiva. Citação indireta
1.b.9. Listas de ilustrações, tabelas, abre- É preciso perceber que o termo “univer-
viações, símbolos ou qualquer outro elemento sidade” pressupõe atributos técnico-científicos
recorrentemente utilizado no texto. e filosóficos que garantem um domínio amplo e
mais profundo (BARROS; LEHFELD, 2007).
2. Elementos textuais do artigo e da mo- Atente para a necessidade de estabelecer
nografia – Quanto aos elementos textuais, ou ao coesão entre a citação e o texto por você escrito.
texto propriamente dito, artigo e monografia são Uma série de citações mal entrelaçadas com a
gêneros bem semelhantes, os quais se dividem monografia ou o artigo pode causar a má impres-
em introdução, desenvolvimento e conclusão. são de uma “colcha de retalhos”. A citação deve
Em todos eles, usa-se a fonte Times New Roman, dar embasamento a sua argumentação, sendo
em tamanho 14, adotando-se espaçamento de essencial que ela se integre de forma harmônica
1,5 cm entre as linhas. ao restante do texto.
Outro ponto fundamental a ser observado
2.1. Introdução – Nessa etapa, como é o tamanho do texto citado, caso você opte pela
já vimos na unidade sobre projeto e relatório forma direta. Se a citação é curta (até 3 linhas),
de pesquisa, devem constar contextualização, é apresentada entre aspas, no corpo do parágra-
situação-problema, justificativa e objetivos da fo que a introduz. Observe, acima, o primeiro
pesquisa. exemplo.

Voltar ao sumário
79

No entanto, se a citação for longa, deverá dos são: o nome e o sobrenome do autor, o nome
ser apresentada em um parágrafo separado dos do livro/do artigo, o nome do periódico de onde
demais por uma “linha”, em fonte de tamanho foi tirado o artigo, a edição, a editora, a cidade e a
10 e espaçamento simples entre as linhas. Veja o data de publicação. Veja o modelo abaixo:
exemplo a seguir: SOBRENOME DO AUTOR, Prenome. Título:
subtítulo. Edição. Local de publicação: Editora,
Exemplo: ano de publicação.
A extensão é uma função importante da uni- O título do livro ou do periódico deve sem-
versidade, pois, por meio dela, pre aparecer em itálico ou negrito. Caso seja neces-
sário apresentar o nome do artigo e depois o do
a universidade vem atender a sua respon- periódico em que ele foi publicado, apenas o nome
sabilidade social, isto é, desde que ultra- do periódico vem em itálico ou negrito. Observe:
passe seus próprios domínios, para pres- SOBRENOME DO AUTOR, Prenome. Título
tar serviços voltados para a melhoria da do artigo: subtítulo. Título do periódico. Edição.
população. Nesse sentido, a universida- Local de publicação: Editora, ano de publicação.
de possui uma dívida social para com Essas são apenas regras gerais para a sis-
o povo: deve trabalhar para a melhoria tematização de suas referências bibliográficas.
dos padrões de saúde, educação e cultu- Para informações mais detalhadas, consulte a
ra, tratando de combinar os direitos dos NBR-6023, da ABNT.
indivíduos com os direitos da coletivida-
de (BARROS; LEHFELD, 2007, p. 11). 3.2. Apêndices – Nessa parte do texto,
incluem-se documentos elaborados pelo autor a
Veja que, apesar da semelhança na forma fim de complementar o texto principal.
de apresentar a fonte, a citação direta longa,
além das diferenças já mencionadas, não empre- 3.3. Anexos – Nessa parte do texto, apre-
ga aspas. Além disso, é preciso utilizar um recuo sentam-se documentos não elaborados pelo au-
de 4 cm da margem esquerda. tor, os quais servem de fundamentação e ilustra-
ção para o texto principal.
2.3. Conclusão – Nessa etapa, você deve
traçar as considerações finais de seu trabalho,
revisitando os principais pontos do desenvolvi-
mento. Além disso, é muito importante que você Exercitando
explicite as contribuições e as limitações de seu Antes de avançar para um novo assunto, que
trabalho, bem como possibilidades de desdo- tal pôr em prática o que você acabou de ver na uni-
bramentos futuros, em pesquisas posteriores. dade? Se você encontrar dificuldades para realizar
a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui estudado.
3. Elementos pós-textuais
Atividade 3
3.1. Referências bibliográficas – Essa é Você agora vai elaborar um pequeno arti-
uma seção de extrema importância em um tra- go científico, o qual, se bem redigido, pode in-
balho acadêmico. Há inclusive avaliadores que, clusive ser enviado para periódicos da sua área
antes mesmo de lerem os elementos textuais, especializados em textos de graduandos. Para
analisam as referências bibliográficas utilizadas isso, parta do projeto de pesquisa que você ela-
pelo pesquisador, pois estas denotam a capaci- borou na unidade 6, desenvolvendo o que você
dade de seleção de referenciais teóricos relevan- já havia esboçado de forma sucinta no projeto.
tes para uma área do conhecimento.
É preciso que você seja cuidadoso na sis- Respostas às atividades
tematização de suas referências bibliográficas, As atividades desta unidade envolviam
pois a clareza e o método garantem ao leitor a produção de textos acadêmicos, como relató-
possibilidade de encontrar esses textos também, rios e um artigo científico. Peça ao tutor da disci-
caso se interesse por utilizá-los em suas próprias plina que os corrija e, em seguida, escreva uma
pesquisas. Os principais elementos a serem cita- segunda versão a partir dessa correção.

Voltar ao sumário
80

ECO, U. Como se faz uma tese. Perspectiva: São


Paulo, 1989.
FRANÇA, J. L. et alii. Manual para normalização
de publicações técnico-científicas. Belo Horizonte:
Editora UFMG, 1998.
GARCIA, M. Normas para elaboração de disserta-
Referências ções e monografias. São Paulo: Universidade do
Grande ABC, 2000.
BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa
com texto, imagem e som. Um manual prático. Pe- VOTRE, S. J. e VOTRE, V. Escrita técnica: o vôo da
trópolis: Vozes, 2002. abelha. Zero Erro: São Paulo, 1991.

Voltar ao sumário
Unidade 8 todo, mesmo usando gírias, não realizando con-
cordâncias gramaticais... afinal, a norma-padrão
O domínio da norma-padrão (também chamada de norma culta, ou dita culta)
é apenas uma das muitas variedades que há de
Apresentando a unidade nosso idioma.
No entanto, é preciso perceber também
Até aqui, você estudou os principais fenô- que a norma-padrão goza de maior prestígio em
menos da textualidade (coesão, coerência, tipo- nossa sociedade, sendo ela a adotada em docu-
logia textual e gêneros textuais) e os principais mentos, na maior parte dos veículos midiáticos
gêneros da escrita acadêmica (fichamento, resu- e também no meio acadêmico. Sendo este um
mo, resenha, projeto, relatório, artigo e mono- curso que visa a desenvolver as habilidades de
grafia). Agora, vai lapidar o que já sabe sobre a escrita acadêmica, seu foco claramente é o do-
norma-padrão e conhecer regras práticas para mínio da norma-padrão, mas isso não quer dizer
que seu texto obedeça às regras dessa variação que conhecer e dominar as demais variedades
linguística a que se filia a escrita acadêmica. linguísticas do Português não seja importante.
Aliás, como disse Evanildo Bechara, “o falante
Definindo os objetivos deve ser poliglota em sua própria língua”.
Para tentar sistematizar as principais re-
Ao final desta unidade, você deverá ser gras prescritas pela norma culta, dividimo-las,
capaz de: a seguir, nos tópicos pontuação, concordância,
1. comunicar-se, com facili- regência, crase e reforma ortográfica.
dade, segundo as regras da
norma-padrão; Conhecendo as
2. revisar seus próprios tex- principais regras de
tos, no que diz respeito a as- pontuação
pectos de concordância, pontuação, regência e
ortografia. Uma das principais dúvidas na hora da escrita é o
uso da vírgula, pois a ideia de que “ela marca uma
Conhecendo a impor- pausa curta para respirar” representa uma sim-
tância da norma culta plificação excessiva, a qual conduz a erros. Veja,
a seguir, um breve resumo sobre quando usar ou
Você já deve ter percebi- não esse sinal de pontuação.
do que a língua portuguesa não é uniforme,
variando de acordo com o tempo, o espaço e a. Onde não podemos pôr vírgula
aspectos sociais. Um brasileiro e um português Relembremos que o texto é constituído
têm formas diferentes de se expressar. Um avô de parágrafos, que os parágrafos se formam por
e um neto fazem uso de variedades da língua períodos e que os períodos são compostos por
que diferem em alguns pontos. Artistas e cien- orações. Essas são cadeias contínuas, constitu-
tistas usam muitas vezes termos específicos de ídas por segmentos identificáveis e separáveis.
suas áreas de atuação, os quais podem parecer Esses segmentos, por sua vez, mantêm entre si
incompreensíveis a alguém que não pertença graus específicos de coesão.
àquele determinado grupo social. A oração possui dois segmentos essen-
O mesmo vale para a escrita acadêmica, ciais, sujeito e predicado. Sujeito nomeia o item
a qual tem particularidades que você deve do- de que se fala e predicado diz aquilo que se fala
minar para se comunicar bem com seus pares. sobre o sujeito. Logo, não cabe separação entre
Depois de ter lido tantos textos acadêmicos ao os dois segmentos, em hipótese alguma, mesmo
longo deste curso, você pode notar similarida- que o sujeito seja longo e, na leitura, sejamos le-
des entre eles, como, por exemplo, a obediên- vados a fazer uma pausa após enunciá-lo.
cia praticamente unânime à norma-padrão. É
importante notar, no entanto, que essa não é a Exemplo:
única forma de se comunicar em Língua Portu- O representante da turma de formandos do
guesa: fazemo-nos entender no dia a dia o tempo turno vespertino produziu um discurso excelente.

Voltar ao sumário
82

Você pode ser tentado a pôr vírgula após nhos no final do verão passado.
“vespertino”, mas deve evitar isso, a todo custo, Como, na frase original, o adjunto adver-
visto que “o representante da turma de forman- bial “no final do verão passado” estava desloca-
dos do turno vespertino” é o sujeito da frase. do, foi isolado por vírgula.
Também no interior do predicado, há uma b.2. Enumeração de elementos – toda lis-
conexão muito forte entre o verbo e seus comple- ta deve ter seus elemento separados por vírgula.
mentos. Logo, nesse caso, não faz sentido separá- No entanto, se algum desses elementos já possui
-los por uma vírgula. No exemplo acima, é impos- uma vírgula, utiliza-se ponto e vírgula para orga-
sível ocorrer uma vírgula após “produziu”. nizar a enumeração.
b. Onde devemos pôr vírgula Exemplos:
Comprei bananas, cenouras e laranjas.
b.1. Elementos intercalados/deslocados Comprei bananas, que têm potássio; cenou-
– ainda pensando na forte relação entre sujeito ras, que possuem vitamina A; e laranjas, que são
e verbo e entre verbo e complemento, é preciso ricas em vitamina C.
destacar que qualquer elemento que se imponha
entre eles precisa ser marcado por vírgula. Veja: b.3. Explicação de um termo antecedente
– muitas vezes, quando estamos escrevendo
Exemplo: um texto, precisamos esclarecer um termo uti-
A pomba, em vez de cantar, arrulha. lizado. Essas explicações vêm, geralmente, entre
A relação entre o sujeito “a pomba” e o vírgulas, como você pode ver abaixo.
verbo “arrulha” foi interrompida por um termo
intercalado, o qual deve sempre ser marcado Exemplo:
entre vírgulas. Caso você ache difícil perceber Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes,
se um elemento está intercalado, um expedien- é um herói emblemático.
te interessante é passar a oração para a ordem Na frase acima, “o Tiradentes” desem-
direta. Caso, na frase original, haja algum termo penha função sintática de aposto, explicando
deslocado, cabe separá-lo por vírgula (a menos o antecedente “Joaquim José da Silva Xavier”.
que se trate de um sujeito). Recebe, portanto, vírgula. Além disso, veja que
termos explicativos alteram a ordem direta. No
Exemplo: caso analisado, por exemplo, o aposto está en-
A pomba, em vez de cantar, arrulha. tre o sujeito e o verbo, mas a ordem direta não
Essa frase, passada para a ordem direta, prevê a inserção de nenhum termo entre essas
ficaria assim: estruturas. Isso confirma a necessidade da vírgu-
A pomba arrulha em vez de cantar. la para isolar o aposto. Observe agora o próximo
Como houve o deslocamento de um termo exemplo.
na frase original, esse deve ser isolado por vírgulas.
Exemplo:
OBSERVAÇÃO: A ordem direta em Joaquim José da Silva Xavier, que ficou
português é: SUJEITO + VERBO + conhecido historicamente como Tiradentes, é um
COMPLEMENTOS VERBAIS + ADJUNTOS herói emblemático.
ADVERBIAIS Na frase acima, a oração “que ficou conhe-
cido historicamente como Tiradentes” explica o
Para ficar ainda mais claro, veja outro termo antecedente, sendo chamada de oração
exemplo de vírgula para marcar o deslocamento adjetiva explicativa, segundo a Gramática tradi-
de um termo: cional. Por explicar algo que já havia sido mencio-
nado e ser semelhante a um aposto, essa oração
Exemplo: também deve sempre vir isolada por vírgulas.
No final do verão passado, poucas andori- Note ainda que expressões corretivas ou
nhas reencontraram seus ninhos. explicativas, tais como “isto é”, “ou melhor”, “ou
Na ordem direta, essa frase se apresenta- seja”, “por exemplo” etc., devem ser separadas
ria da seguinte forma: por vírgulas, porque também retificam/explicam
Poucas andorinhas reencontraram seus ni- uma informação que já foi mencionada.

Voltar ao sumário
83

Exemplo: salvar o Mar Morto por meio de uma drenagem


O Brasil precisa reduzir o abismo social, ou do Mar Vermelho. Apelidado de “Canal da Paz” o
seja, prover condições iguais de vida a todos. projeto também prevê a construção de uma usi-
na de dessalinização para abastecer com água
b.4. Omissão de verbo – Muitas vezes, potável principalmente a Jordânia um dos dez
quando escrevemos, optamos por omitir o ver- países mais secos do mundo.
bo de uma frase, a fim de tornarmos o texto mais Visto como uma tábua de salvação no
coeso. Nesse caso, o local onde se encontraria país árabe onde o consumo aumentou quase
o verbo ocultado deve ser marcado por vírgula. 50% entre 1985 e 2005 o projeto foi descrito re-
Veja: centemente pelo ministro jordaniano de Água e
Irrigação Raed Abu Soud como “a solução dos
Exemplo: problemas de água do país”.
Cozinhar exige talento; lavar a louça, vontade. Dos 850 bilhões de litros que seriam des-
Na frase acima, foi omitido o verbo “exi- salinizados anualmente a Jordânia ficaria com
ge”, sendo necessário colocar em seu lugar uma 570 bilhões – quase 63% de seu consumo atual. O
vírgula. Banco Mundial realiza um estudo de viabilidade
De forma alguma a lista acima pretende do projeto que deve ser finalizado no fim de 2010.
ser exaustiva de todos os casos em que se usa “O canal é um projeto regional de coopera-
vírgula na Língua Portuguesa. Expusemos acima ção com o objetivo de aumentar a paz no Oriente
as dúvidas mais frequentes dos alunos de gra- Médio obter água potável e reabilitar o Mar Mor-
duação e os casos mais recorrentes na escrita to” disse ao Estado Elias Salameh professor de
acadêmica. De qualquer maneira, vale a pena geologia da Universidade da Jordânia.
consultar uma gramática caso você tenha dúvi- Como para Israel seria mais fácil dessali-
das. Porém, é preciso ficar claro que, para saber nizar as águas do Mediterrâneo muitos indicam
pontuar corretamente um texto, o hábito da lei- um interesse político dos israelenses no projeto.
tura e da escrita é fundamental. “Usinas no Mediterrâneo custariam cerca de US$
800 milhões” disse Dan Zaslavsky ex-membro da
Comissão de Água de Israel. Com o financiamen-
to previsto pelo Banco Mundial o custo estimado
Exercitando do canal está entre US$ 5 bilhões e US$ 7 bilhões.
Antes de avançar para um novo assunto, Mira Edelstein que trabalha em Tel-Aviv
que tal pôr em prática o que você acabou de ver para a organização Amigos da Terra no Oriente
na unidade? Se você encontrar dificuldades para Médio corrobora a opinião de Zaslavsky. “Israel
realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui quer passar a imagem de que coopera com Jor-
estudado. dânia e a Autoridade Palestina em um projeto
de paz” disse. Segundo a ativista o objetivo da
Atividade 1 Autoridade Palestina que controla a Cisjordânia
Foram retiradas todas as vírgulas do texto também é político. “Como os palestinos estão
a seguir. Para tornar sua leitura mais clara, reco- em um território ocupado querem assegurar pe-
loque esses sinais de pontuação, obedecendo às rante a comunidade internacional seu direito ao
regras da norma-padrão: Mar Morto” afirmou.
Com 200 quilômetros de extensão o canal
(25/5/2009) Israel e Jordânia planejam ligaria o Mar Vermelho e o norte da Jordânia e
construir “Canal da Paz” (adaptado) enviaria 950 bilhões de litros de água por ano ao
O Estado de S. Paulo – Leda Balbino, Amã Mar Morto cujo encolhimento anual de 80 centí-
Ideia é salvar Mar Morto e abastecer de metros ameaça o equilíbrio ambiental e o futuro
água a região abastecimento local. “Israel Jordânia e Autorida-
de Palestina estão perdendo por ano 375 bilhões
Em uma região onde a escassez de água é de litros de água de seus aquíferos para compen-
vista como potencial causa de futuros confron- sar o recuo do Mar Morto” afirmou Salameh.
tos Jordânia Israel e Autoridade Palestina plane- Localizado no ponto mais baixo da Terra o
jam desenvolver em conjunto um projeto para nível do Mar Morto diminuiu 26 metros desde os

Voltar ao sumário
84

anos 60 quando estava a 394 metros abaixo do Para que essa explicação se torne mais cla-
nível do mar. Segundo o Banco Mundial as águas ra, observe o exemplo abaixo.
estão hoje a 420 metros abaixo do nível do mar.
Se esse ritmo for mantido o lago desaparecerá Exemplo:
em 50 anos e prejudicará o setor do turismo. Segundo a assessoria, o problema do atraso
[...] foi resolvido em pouco mais de uma hora, e quem
faria conexão para outros Estados foram alojados
Conhecendo as em hotéis de Campinas.
principais regras de Novamente, o comprimento da frase acar-
concordância retou uma falha de concordância verbal. Erro-
neamente, o autor empregou a forma verbal
Em português, há dois grandes fenômenos de con- “foram”, possivelmente influenciado pela proxi-
cordância: a verbal, que se dá entre o verbo e o midade com o substantivo “Estados”. Contudo,
sujeito, relacionada à flexão de número e pessoa; o núcleo do sujeito é “quem”, o que exigiria a
e a nominal, que se dá entre o substantivo e os flexão “foi”.
seus modificadores nominais (adjetivos, prono- Outra frequente causa de erros de con-
mes, artigos e numerais), relacionada à flexão de cordância se deve também ao desrespeito a
gênero e número. sua regra geral. Enquanto, nas frases anterio-
O princípio geral que a norma culta esta- res, a dificuldade se devia ao comprimento do
belece para a concordância é bastante simples: período, analisamos agora os possíveis proble-
verbos devem concordar com o sujeito e os mo- mas acarretados pelo uso da ordem inversa.
dificadores nominais devem concordar com o Veja:
substantivo que acompanham.
Exemplos: Exemplos:
O meu primeiro carro vermelho quebrou. Segue anexo as duas consultas.
Os meus primeiros carros vermelhos que- Sumiu todos os meus discos.
braram. Desapareceu completamente os sinais de
Embora tal regra seja bastante simples e trânsito.
de conhecimento geral, sua aplicação torna-se As frases acima envolvem construções na
um pouco mais complexa em frases de maior ordem verbo-sujeito, em que desrespeitamos
comprimento, pois os termos que concordam a relação com o sujeito, pois tendemos a inter-
entre si podem estar afastados por elementos pretar o que vem depois do verbo como objeto.
intercalados. No texto acadêmico, tal situação é Tal desatenção conduz a erros, em que se deixa
muito frequente, pois a complexidade das ideias de concordar o verbo com seu sujeito. Para que
a serem expostas por vezes exige frases compos- as frases acima ficassem corretas, seria preciso
tas por mais de uma oração subordinada. Veja: reescrevê-las assim:

Exemplo: Exemplos:
As relações dos ecologistas com uma gran- Seguem anexas as duas consultas.
de empresa que desrespeitava as normas de pre- Sumiram todos os meus discos.
servação ambiental começa a melhorar, para o Desapareceram completamente os sinais de
benefício da humanidade. trânsito.
Em uma frase maior, como a apresentada É também preciso perceber que, além
acima, é mais frequente o desvio de concordân- dessas regras gerais, há uma série de casos es-
cia, pois sua extensão dificulta a identificação peciais no tema concordância, em que se torna
das relações sintáticas no período. No exemplo difícil identificar quais termos devem concordar
acima, o autor da frase confundiu-se ao empre- entre si em uma frase. A seguir, apresentamos
gar o verbo “começa” no singular, provavel- os casos mais frequentes que geram dúvidas
mente achando que seu sujeito é “preservação nos alunos. Porém, esta lista não se pretende
ambiental”. No entanto, o núcleo do sujeito é exaustiva. Caso você queira mais informações,
“relações”, o que exigiria que o verbo estivesse procure uma gramática ou fale com seu profes-
na forma “começam”. sor/tutor.

Voltar ao sumário
85

Casos especiais Exemplos:


a) o sujeito é um pronome de tratamento Necessita-se de mais experimentos. (O ver-
– nesse caso, o verbo fica na 3ª pessoa. Observe bo está no singular porque não existe uma forma
que tal construção não tem papel preponderan- passiva analítica. “De experimentos são necessi-
te nos escritos acadêmicos em geral, mas é de tados” não existe em Português).
suma importância na hora de redigir correspon- Depende-se de novas tecnologias. (O verbo
dências, inclusive e-mails. está no singular porque não existe uma forma
passiva analítica. “De tecnologias são dependi-
Exemplos: das” não existe em Português).
Vossa Senhoria esqueceu seu casaco. e) Verbo “haver”, como sinônimo de “exis-
Vossas Senhorias esqueceram seus casacos. tir” – o verbo fica sempre no singular. O verbo
b) substantivos próprios plurais – a concor- “haver” só pode se flexionar como verbo auxiliar.
dância depende da presença ou não de artigo: se há
artigo, o verbo fica no plural; se não há, o verbo fica Exemplos:
no singular. Havia vários alunos na sala. (= existiam)
Houve bastantes acidentes naquele mês. (=
Exemplos: existiram)
Minas Gerais fica na América. Deve haver muitas pessoas na fila. (= de-
Os Estados Unidos ficam na América. vem existir)
Vidas Secas notabilizou Graciliano Ramos. Eles haviam feito as tarefas. (= tinham feito
Os Lusíadas notabilizaram Camões. – verbo auxiliar)
c) Verbo apassivado pelo pronome se – Eles hão de vencer. (= vão vencer – verbo
o verbo deve concordar com o sujeito que, no auxiliar)
caso, está sempre expresso e vem a ser o pacien- d) Verbo “fazer” indicando tempo decor-
te da ação. rido – esse verbo é impessoal, mantendo-se no
singular.
Exemplos:
Utilizaram-se amostras de diferentes Exemplos:
tipos. Faz dez anos que não te vejo.
Apresentam-se a seguir os resultados da Amanhã vai fazer dois meses que nos co-
pesquisa. nhecemos.
Para ter certeza de que o verbo deve ser e) Um adjetivo ligado a mais de um subs-
flexionado no plural, veja se é possível passar a tantivo – se o adjetivo está posicionado após os
frase para a voz passiva analítica (formada pelo substantivos, pode concordar com ambos ou
verbo SER + verbo no particípio). apenas com o mais próximo. Porém, se o adjeti-
vo aparece antes dos substantivos, deve concor-
Exemplos: dar com o mais próximo.
Foram utilizadas amostras de diferentes tipos.
São apresentados a seguir os resultados da Exemplos:
pesquisa. Comprei vestido e blusa longos.
Cabe ressaltar que essas são estruturas Comprei vestido e blusa longa.
recorrentes na escrita acadêmica, em que você Comprei longo vestido e blusa.
deve ser impessoal. Assim, em vez de utilizar f) “É bom”, “é necessário”, “é proibido” etc.
“eu utilizei” ou “eu apresento”, você deve em- – essas expressões não variam se o sujeito não
pregar formas como “utilizaram-se” e “apresen- vier precedido de artigo ou outro determinante.
tam-se”.
d) Verbo transitivo indireto (isto é, que Exemplos:
rege preposição) + SE – o verbo fica no singular. É proibido entrada de pessoas não autori-
Para certificar-se de que não deve haver con- zadas. /É proibida a entrada de pessoas não au-
cordância, veja que uma frase com essa estru- torizadas.
tura não pode ser transposta para a voz passiva Dieta é bom para a saúde. /Essa dieta é boa
analítica. para a saúde.

Voltar ao sumário
86

g) “Anexo” – essa é uma palavra de uso mui- i) Acrescentou-se à pesquisa dois fatores
to frequente, principalmente no corpo de e-mails. primordiais para a compreensão dos fenôme-
Tome o cuidado de flexioná-la, concordando com nos envolvidos. No entanto, precisa-se ainda de
o substantivo que designa o que está anexo. mais evidências para chegar a resultados con-
clusivos.
Exemplos:
Segue anexo o arquivo. Conhecendo as principais regras
Segue anexa a foto. de regência
Seguem anexos os arquivos.
Seguem anexas as fotos. O uso de uma língua cria construções relativamen-
te fixas, que merecem menção. Um exemplo muito
comum dessas “cristalizações” é a relação que ver-
Exercitando bos e nomes estabelecem com a preposição. Veja
Antes de avançar para um novo assunto, que que o verbo “gostar” é sempre acompanhado da
tal pôr em prática o que você acabou de ver na uni- preposição “de”, enquanto o verbo “acreditar” exi-
dade? Se você encontrar dificuldades para realizar ge a preposição “em”.
a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui estudado. Provavelmente, você não pensa sobre isso
Atividade 2 quando está falando ou escrevendo, pois essa é
Identifique entre as frases abaixo aquelas que pos- uma associação automática feita pelos usuários
suem desvios de concordância quanto ao que pres- do idioma. O problema é que a norma-padrão
creve a norma-padrão. Reescreva esses períodos exige certas associações entre verbos/nomes e
de acordo com a norma culta. preposições que não usamos no dia a dia.
a) O projeto de integração que vêm reali- Um exemplo claro é o do verbo “ir”. A
zando as frágeis democracias uruguaia, argenti- maioria dos falantes diz “Vou no dentista”, em-
na e brasileira é um esforço inegavelmente signi- bora a norma-padrão exija que o verbo “ir” seja
ficativo para o Cone Sul. acompanhado pela preposição “a”, como em
b) Haviam registros de um sistema de exa- “Vou ao dentista”. Na escrita acadêmica, você
mes competitivos elaborados por comunidades deve seguir as determinações da norma culta,
indígenas para selecionar os caçadores mais pois essa é a variante linguística que tem mais
preparados. prestígio na vida universitária.
c) Ignorância, preconceito e tradição man- Assim, listamos abaixo alguns verbos com
têm vivas uma série de ideias que dificultam a os quais você deve tomar cuidado, pois a norma
implementação de programas direcionados a culta prescreve para eles preposições diferentes
crianças superdotadas. das que usamos com maior frequência. Lembre-
d) São extremamente importantes, para -se de que esta não é uma lista exaustiva. Caso
se criar um ambiente favorável ao trabalho em você precise de mais informações, busque-as em
grupo, a criação de espaços de convivência e so- uma gramática, em sites confiáveis ou junto a
cialização dentro das empresas. seu professor ou tutor.
e) Até 2015, 50% dos recursos energéticos
e de matéria-prima serão economizados por uma 1. Aspirar
empresa que pretende investir 160 milhões de a) no sentido de “cheirar”, não exige pre-
dólares num projeto. posição.
f) Os Estados Unidos liderou durante dé- Exemplo:
cadas o bloco ocidental, em rivalidade à extinta Aspiro um delicioso perfume.
União Soviética. b) no sentido de “almejar”, exige a prepo-
g) É preciso ver que as águas contamina- sição “A”.
das, o ar carregado de poluentes e as florestas Exemplo:
devastadas pode acarretar o superaquecimento Aspiro a uma promoção de emprego.
do planeta.
h) Ovos e leite bovinos tiveram aumento 2. Assistir
considerável de preço nos últimos três meses a) no sentido de “ajudar”, não exige pre-
em decorrência da crise econômica mundial. posição.

Voltar ao sumário
87

Exemplo: Exemplos:
Madre Teresa de Calcutá assistia os pobres. As crianças obedecem aos regulamentos.
b) no sentido de “ver”, exige a preposição O aluno desobedeceu ao professor.
“A”.
Exemplo: 7. Preferir – exige dois complementos:
Não assistimos ao show. um sem preposição e o outro com a preposição
c) no sentido de “pertencer”, exige a pre- “A”. Observe que a norma-padrão condena o uso
posição “A”. de expressões de reforço, como “mais”, “muito
Exemplo: mais” etc., junto com esse verbo.
Esse direito não assiste a você. Exemplo:
d) no sentido de “morar”, exige a preposi- Prefiro estudar a sair à noite.
ção “EM”.
Exemplo: 8. Proceder
Assisto em Cuiabá. a) no sentido de “ter fundamento”, não
exige preposição.
3. Chegar/Ir – Ambos exigem a preposição Exemplo:
“A” e não a preposição “EM”. Suas queixas não procedem.
Exemplo: b) no sentido de “originar-se”, exige a pre-
A pesquisa chegou a resultados relevantes. posição “DE”.
Exemplo:
4. Implicar Esses queijos procedem da França.
a) no sentido de “causar”, não exige pre- c) no sentido de “executar”, exige a prepo-
posição. sição “A”.
Exemplo: Exemplo:
Esta decisão implicará sérias consequências. Os pesquisadores procederam a uma aná-
b) no sentido de “envolver”, possui dois lise criteriosa.
complementos: um direto e um indireto com a
preposição “EM”. 9. Visar
Exemplo: no sentido de “mirar”, não exige preposição.
Implicou o negociante em esquemas corruptos. Exemplo:
c) no sentido de “antipatizar”, exige a pre- Disparou o tiro visando o alvo.
posição “COM”. b) no sentido de “almejar”, exige a prepo-
Exemplo: sição “A”.
Minha mãe implica com minha desorgani- Exemplo:
zação. Viso a uma situação melhor.
A seguir, acrescentamos duas observa-
5. Informar ções importantes acerca do fenômeno da re-
Esse verbo, como a maioria dos demais, não ad- gência, baseadas em dúvidas que a maioria das
mite dois objetos indiretos. Assim, você deve op- pessoas tem na hora de escrever. Essas obser-
tar por um dos modelos abaixo. vações dizem respeito a quase todos os casos
Exemplos: de regência, não se restringindo a determinado
Informei o resultado a você. verbo ou nome.
Informei você do resultado.
Veja que o uso de preposição entre am- Regência entre orações
bos os complementos verbais gera uma frase
incorreta, como em “Informei a você do re- Em períodos compostos, mantém-se o fe-
sultado”. Essa regra vale para outros verbos, nômeno da regência, observando-se que alguns
como “comunicar”, “avisar”, “certificar” e “no- conectivos atraem as preposições.
tificar”.
Exemplos:
6. Obedecer/desobedecer – exigem a pre- A pesquisa a que nos referimos foi iniciada
posição “A”. em abril.

Voltar ao sumário
88

Os dados de que dependemos serão coleta- em “LO”. Caso o verbo termine em “M” ou “ÕE”,
dos em uma segunda etapa. permanece inalterado, mas o pronome transfor-
Há esperanças de que a situação melhore. ma-se em “NO”.
Note que, na primeira frase, o verbo “re-
ferir-se” exige a preposição “A”, a qual é atraída
pelo conectivo “QUE”. Na segunda e na terceira
frases, o verbo “depender” e o substantivo “es- Exercitando
perança” exigem a preposição “DE”, também Antes de avançar para um novo assunto,
atraída pelo conectivo “QUE”. A supressão de que tal pôr em prática o que você acabou de ver
qualquer uma dessas preposições seria um des- na unidade? Se você encontrar dificuldades para
vio do que rege a norma-padrão, devendo ser realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui
evitada em textos acadêmicos. estudado.

Regência e pronomes oblíquos átonos Atividade 3


Todas as frases abaixo possuem desvios
Na unidade sobre coesão, você aprendeu de regência quanto ao que prescreve a norma-pa-
que o uso de pronomes pode evitar que um tex- drão. Reescreva esses períodos de acordo com a
to se torne repetitivo, garantindo-lhe coesão. No norma culta.
entanto, é preciso que se tomem alguns cuida- a) O delegado procedeu o interrogatório
dos ao fazê-lo, principalmente no que diz respei- dos suspeitos.
to aos pronomes oblíquos átonos de 3a pessoa. b) A chegada em uma conclusão foi crucial
Esses pronomes (O/LHE) podem se referir ao lei- para que ficássemos aliviados.
tor, substituindo a palavra “você”, ou a algo ou c) Esta pesquisa visa um esclarecimento
alguém de quem se fala, substituindo, por exem- de questões socioeconômicas.
plo, o pronome “ele” ou um substantivo. Veja: d) Aspiramos soluções para este problema.
e) Maiores estudos podem implicar em re-
Exemplos: sultados mais confiáveis.
Amo você. = Amo-o. f) Prefere-se a pesquisa quantitativa muito
Obedeço a você. = Obedeço-lhe. mais do que a qualitativa.
Amo João. = Amo-o. g) Informei-lhe de que não há mais pro-
Obedeço a João. = Obedeço-lhe. blemas.
Mas quando utilizar “O” e quando utilizar h) Avisei-o que já está tudo bem.
“LHE”? A escolha entre esses dois pronomes é i) O apoio que necessitávamos chegou an-
determinada pela regência do verbo que eles tes do esperado.
complementam. Como você pôde observar nos j) Temos medo que esse problema não te-
exemplos acima, o pronome “O” substitui um nha solução.
complemento sem preposição, enquanto “LHE” k) O acontecimento que tínhamos fé não
substitui um complemento preposicionado. No se realizou.
entanto, cabe lembrar que, caso se deva empre-
gar o pronome “O”, às vezes é preciso fazer pe- Conhecendo as
quenas alterações. Veja: principais regras de
crase
Exemplos:
Vi o filme. = Vi-o. Ao se ordenarem linearmente na cadeia
Quero ver o filme. = Quero vê-lo. da fala, os sons das palavras se atritam, se des-
Comprei o filme. = Comprei-o. gastam e, por vezes, se fundem. O caso típico
Compras o filme. = Compra-lo. da fusão que nos interessa é o da preposição
Faço o filme. = Faço-o. “a” com o artigo ou pronome “a”, ou com o pri-
Faz o filme. = Fá-lo. meiro som de “aquele”, “aquela”, “aquilo”. A
Fazem o filme. = Fazem-no. essa fusão de sons chamamos crase. Na escri-
Caso o verbo termine em “R”, “S” ou “Z”, ta, marcamos a crase por meio de um acento
perde a última letra e o pronome transforma-se grave.

Voltar ao sumário
89

Para saber quando usar ou não o acento Exemplos:


grave, você deve perceber se há uma preposição Vou à Bahia. = Venho da Bahia.
A e um artigo/pronome A. Veja: Vou a Portugal = Venho de Portugal.
Vou a Paris. = Venho de Paris.
Exemplos: Vou à Paris de Baudelaire. = Venho da
Entreguei os presentes à moça. Paris de Baudelaire.
Visamos à promoção de emprego. Cheguei a casa. = Venho de casa.
Nas frases acima, os verbos “entregar” e Cheguei à casa de papai. = Venho da casa
“visar” exigem a preposição “A”, conforme vis- de papai.
to nesta unidade na seção sobre regência. Além Por meio desse artifício, podemos perce-
disso, note que os substantivos que se seguem ber quando há a fusão entre a preposição “A” e
à preposição são femininos, admitindo artigos o artigo “A”, pois o resultado da troca foi outra
também femininos. Como é preciso que haja a fusão, entre “DE” e “A”. Porém, se o resultado da
preposição “A” e o artigo “A”, na grande maio- troca for apenas a preposição “DE”, a frase origi-
ria dos casos não há crase antes de palavras nal não apresentava a fusão entre a preposição e
masculinas. o artigo, não recebendo, portanto, crase.
A seguir, listamos algumas regras especiais
Exemplos: sobre o uso do acento grave, as quais não se en-
Confiei os livros a você. caixam nos princípios gerais estudados até aqui.
Confiei os livros a ela. a) Locuções femininas – as locuções fe-
Confiei os livros a papai. mininas, como “à tarde”, “às pressas”, “às ce-
Nenhuma das frases acima pode receber gas”, “à tarde”, “à frente de”, “à medida que” etc.
acento grave, pois nenhum dos complementos exigem sempre o uso do acento grave. Porém,
verbais admite o artigo “A”. Veja que, mesmo trata-se de expressões fechadas, em que não se
sendo feminino o pronome “ela”, ninguém diria podem utilizar os mecanismos de substituição
“A ela é bonita”, pois tal pronome não pode ser mencionados acima.
antecedido por artigo. b) Palavras repetidas – entre palavras re-
Um expediente útil para verificar se há petidas, o acento grave não pode ser utilizado.
ou não crase em uma palavra “A” é reescrever a
frase no masculino. Dessa forma, caso essa pala- Exemplos:
vra “A” seja formada por “A” (preposição) + “A” Gota a gota, a pia transbordou.
(artigo), será trocada por “A” (preposição) + “O” Fiquei cara a cara com o bandido.
(artigo). Observe: c) A x HÁ – para se expressar distância ou
tempo futuro, utiliza-se a preposição “A”. Para
Exemplos: indicar tempo decorrido, emprega-se o verbo
Assisti à novela. = Assisti ao filme. “há”, mas nunca junto com o advérbio “atrás”.
Vi a novela. = Vi o filme.
Em alguns momentos, esse expediente Exemplos:
conduzirá a duas possibilidades de transfor- Moro a poucas léguas da escola.
mação. Nesses casos, a crase é facultativa. Isso Eles voltam daqui a meia hora.
acontece especialmente diante de substantivos O correio chegou há uns vinte minutos.
próprios e pronomes possessivos. O correio chegou uns vinte minutos atrás.
d) AQUELE, AQUELA, AQUILO – caso esses
Exemplos: pronomes sejam combinados com uma preposi-
Entregue o livro a/à Maria. = Entregue o li- ção, devem receber um acento grave na primeira
vro a/ao João. letra. Observe:
Entregue o livro a/à minha tia. = Entregue Exemplos:
o livro a/ao meu tio. Aquela moça me encanta.
Porém, nem sempre esses expedientes Entreguei meu amor àquela moça.
são suficientes. Às vezes, para identificar a ne- Aquilo não assusta ninguém.
cessidade da crase, é preciso trocar não o artigo, Eles só visavam àquilo; não paravam de pen-
mas sim a preposição. Veja: sar naquilo em momento algum.

Voltar ao sumário
90

e) A QUE x À QUE ou A QUAL x À QUAL h) A meta a qual visamos parece cada vez
– essa regra está intimamente ligada ao que es- mais inatingível.
tudamos anteriormente na seção de regência, i) Dia a dia a tecnologia favorece o acesso a
pois combina as preposições ao uso de conecti- informação de todo o mundo.
vos entre orações. Para verificar quando usar o j) Chegar a esta cidade não é gratificante
acento grave nesses casos, utilize o expediente como chegar a Ouro Preto ou a Brasília de JK.
da troca pelo masculino. Lembre-se de que, ao k) Chegaremos cedo a Paraíba, mas não
empregar esse mecanismo, só receberá acento podemos deixar de ir a Belém.
grave a frase cuja versão no masculino apresen-
te a combinação “AO”. Veja: Conhecendo as novas
regras de ortografia
Exemplos:
A promoção a que aspiro surgirá em breve. A partir de janeiro de 2009,
= O cargo a que aspiro surgirá em breve. entrou em vigor a nova ortografia da Língua
Margaridas, as quais têm pétalas brancas, Portuguesa. Trata-se de uma série de mudanças
alegram-me. = Jasmins, os quais têm pétalas introduzidas pelo Acordo Ortográfico da Língua
brancas, alegram-me. Portuguesa, assinado em Lisboa, em 16 de de-
Não entregue o pacote à moça de verde, zembro de 1990, por Portugal, Brasil, Angola,
mas à que está de preto. = Não entregue o pacote São Tomé e Príncipe, Cabo Verde, Guiné-Bissau,
ao moço de verde, mas ao que está de preto. Moçambique e, posteriormente, por Timor Les-
A promoção à qual aspiro surgirá em bre- te. No Brasil, o Acordo foi aprovado pelo Decreto
ve. = O cargo ao qual aspiro surgirá em breve. Legislativo no 54, de 18 de abril de 1995. Observe
Como as demais regras estudadas nesta que não foram eliminadas todas as diferenças
unidade, essa lista não se pretende conclusiva, ortográficas entre os países lusófonos, mas es-
discriminando apenas os casos mais frequentes tas se reduziram bastante.
de dúvidas no que diz respeito ao uso do acento Vale ressaltar também que as mudan-
grave. Caso você queira mais informações, con- ças são apenas ortográficas, ou seja, na forma
tinue sua busca em gramáticas, sites da Internet, como se escrevem algumas palavras. Não se
ou junto a seu professor ou tutor. trata, como se ouve falar equivocadamente,
de uma “nova gramática”, ou um “novo por-
tuguês”. Além disso, as transformações valem
estritamente para a grafia, não havendo qual-
Exercitando quer mudança na forma como se pronunciam
Antes de avançar para um novo assunto, que as palavras.
tal pôr em prática o que você acabou de ver na uni- A seguir, enumeramos as principais mu-
dade? Se você encontrar dificuldades para realizar danças trazidas pelo acordo.
a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui estudado. 1. As letras K, W e Y foram reintroduzidas
no alfabeto, embora nunca tivessem desapareci-
Atividade 4 do dos nossos dicionários.
Observe as frases abaixo. Algumas delas 2. Não se usa mais o trema para indicar
deveriam ter recebido acento grave, mas outras que o “U” é pronunciado nas sequências QUE,
não. Identifique quais precisam ser acentuadas. QUI, GUE, GUI.
a) Aspiro a uma vida tranquila no campo.
b) Desconheço a lei a que te referes. Exemplos: cinquenta, aquífero, aguentar,
c) Estudo a noite, então saio as pressas linguiça.
para chegar logo a casa. Observação: Em palavras estrangeiras e
d) A escola fica próxima aquele restaurante, suas derivadas, como “Müller” e “mülleriano”,
a uns 200 metros de distância. respectivamente, o trema permanece.
e) A partir de agosto, começo a fazer dieta. 3. Os ditongos abertos ÉI e ÓI só con-
f) Como você chegou a essas conclusões? tinuam acentuados nas oxítonas. Nas paroxíto-
g) Assistimos hoje a violência crescente nas, os acentos que marcavam esses encontros
nas metrópoles. vocálicos foram abolidos.

Voltar ao sumário
91

Exemplos: papéis (oxítona), pastéis (oxí- Exceção: subumano.


tona), herói (oxítona), geleia (paroxítona), jiboia 2. Quando o prefixo termina com a mesma
(paroxítona) e alcaloide (paroxítona). letra com que começa o radical, usa-se hífen.
4. Os hiatos EE e OO não são mais acen-
tuados. Exemplos: anti-inflamatório, micro-ôni-
Exemplos: veem, deem, leem, enjoo, ma- bus, contra-ataque, inter-racial, sub-bibliotecá-
goo, voo. rio, super-romântico.
5. A letra I e a letra U, quando em hiatos pre- Exceção: palavras com o prefixo “co-”, tais
cedidos por ditongos, não são mais acentuadas. como “coordenador”, “cooperar” e “coocupar”.
3. Quando o prefixo termina com uma le-
Exemplos: feiura (fei-u-ra) e bocaiuva (bo- tra diferente daquela com que começa o radical,
-cai-u-va). não se usa hífen.
Observe que essa regra não se aplica a pa-
lavras oxítonas. A palavra “tuiuiú” continua sen- Exemplos: aeroespacial, socioeconômico,
do, portanto, acentuada. antiaéreo, anteprojeto, antediluviano, infraver-
6. Desaparecem quase todos os acen- melho, antirrábica, contrarregra, ultrassom, mi-
tos diferenciais, como os que opunham “pára” nissaia.
(verbo) e “para” (preposição); “pêra” (substan-
tivo), “pera” (preposição arcaica, equivalente Observação: Note que as quatro últimas
a “para”) e “péra” (substantivo, sinônimo de palavras da lista anterior seguem essa regra nor-
“pedra”); “pólo” (substantivo) e “polo” (contra- malmente, mas exigem a duplicação das letras
ção entre a preposição arcaica “per” e o artigo “R” e “S” para manter o som original do radical.
“o”); etc. Hoje, escreve-se simplesmente “para”, Isso acontecerá sempre que o radical começar
“pera” e “polo”. com R ou S e o prefixo não terminar com a mes-
ma letra.
Observação: mantêm-se os seguintes 4. Os prefixos “vice-”, “ex-”, “sem-”, “além-
acentos diferenciais: ”, “aquém-”, “recém-”, “pós-”, “pré-”, “pró-”, por-
a. pôr (verbo) x por (preposição); que são às vezes usados como substantivos,
b. pôde (verbo no pretérito perfeito do preposições ou advérbios, sempre exigem hífen.
indicativo) x pode (verbo no presente do indi- O mesmo vale para os sufixos de origem tupi-
cativo); -guarani, como “-açu”, “-guaçu” e “-mirim”.
c. tem (singular) x têm (plural do verbo
“ter”). O mesmo vale para os derivados: mantém Exemplos: vice-campeão, ex-aluno, sem-
x mantêm, retém x retêm etc. -terra, além-mar, aquém-fronteira, recém-nasci-
d. vem (singular) x vêm (plural do verbo do, pós-graduação, pré-vestibular, pró-america-
“vir”). O mesmo vale para os derivados: provém no, jacaré-açu, amoré-guaçu e paraná-mirim.
x provêm, advém x advêm etc.
A reforma ortográfica teve reflexos não só
nas regras de acentuação gráfica, mas também
no uso do hífen. Como esse normalmente é um Exercitando
assunto controvertido, em vez de sinalizarmos Antes de avançar para um novo assunto,
apenas o que mudou, vamos fazer um resumo do que tal pôr em prática o que você acabou de ver
resultado final da mudança no que diz respeito na unidade? Se você encontrar dificuldades para
a esse sinal. Note que se trata apenas das regras realizar a tarefa a seguir, retome o conteúdo aqui
mais produtivas, ou seja, as que você mais tem de estudado.
empregar quando escreve. Caso se trate de uma Atividade 5
exceção, vale a pena recorrer ao dicionário. Os textos a seguir estão escritos de acor-
1. Quando o radical (parte principal da pa- do com as regras ortográficas em vigor até
lavra) começa com H, usa-se hífen. dezembro de 2008. Faça as adaptações neces-
sárias para que eles obedeçam às regras esta-
Exemplos: super-homem, anti-higiênico, belecidas no Acordo Ortográfico da Língua Por-
macro-história, sobre-humano. tuguesa.

Voltar ao sumário
92

Texto I Hospital Alemão Oswaldo Cruz, alerta: “Perder


urina nunca é normal. É uma doença que deve
mais de 10 mil abelhas vão parar em ser tratada”. Dificilmente os indivíduos procu-
asa de avião nos EUA ram ajuda para o problema. Por isso, devem
(adaptado) ser incentivados pelos especialistas a falarem
sobre o assunto e procurarem ajuda médica
Um enxame de abelhas acabou escolhen- para receberem medicação adequada. “Para
do um lugar inusitado para “criar” sua colméia. se ter uma ideia da negligência dos indivíduos
Elas foram parar na asa de um avião que é uti- quanto a essa doença, atualmente apenas 27%
lizado por uma escola de vôo no aeroporto de dos indivíduos recebem medicação”, ressalta
Beverly, em Danvers (EUA), segundo a emissora dr. Baracat.
de TV WCVB. [...]
Segundo a emissora, havia mais de 10 mil
abelhas no avião. O proprietário da escola de Respostas às atividades
vôo ligou para a polícia, que chamou o perito
em abelhas Al Wilkins. Ele utilizou um aspirador Atividade 1 – Reproduz-se, abaixo, o tex-
especialmente projetado para sugar as abelhas. to com as vírgulas que haviam sido retiradas. O
Wilkins acredita que a rainha deve ter para- símbolo (,) equivale a uma vírgula opcional.
do para descansar no avião, enquanto as demais Em uma região onde a escassez de água é
abelhas ficaram ao seu redor para protegê-la. vista como potencial causa de futuros confron-
tos, Jordânia, Israel e Autoridade Palestina pla-
Texto II nejam desenvolver (,) em conjunto (,) um proje-
to para salvar o Mar Morto(,) por meio de uma
incontinência urinária nos idosos: drenagem do Mar Vermelho. Apelidado de “Canal
um problema sócio-econômico da Paz”, o projeto também prevê a construção
de uma usina de dessalinização para abastecer
Os idosos são, cada vez mais, foco de es- com água potável principalmente a Jordânia, um
tudo e atuação. Por isso, é necessário e impor- dos dez países mais secos do mundo.
tante falarmos não só dos problemas de saúde Visto como uma tábua de salvação no país
que atingem essa faixa etária, mas também de árabe, onde o consumo aumentou quase 50% en-
aspectos sociais que permeiam as doenças mais tre 1985 e 2005, o projeto foi descrito (,) recen-
comuns da 3a idade. Entre elas, está a inconti- temente (,) pelo ministro jordaniano de Água e
nência urinária. A doença consiste na perda in- Irrigação, Raed Abu Soud, como “a solução dos
voluntária de urina pelo meato uretral. A doença problemas de água do país”.
gera desconforto social, prejuízo profissional e Dos 850 bilhões de litros que seriam des-
psíquico ao paciente. salinizados anualmente, a Jordânia ficaria com
Apesar de não atingir exclusivamente os 570 bilhões – quase 63% de seu consumo atual.
idosos, a incontinência urinária é mais comum O Banco Mundial realiza um estudo de viabilida-
na fase geriátrica e pode ser agravada pelo re- de do projeto, que deve ser finalizado no fim de
laxamento dos músculos perineais, consequên- 2010.
cia da idade. Além dos efeitos físicos da doen- “O canal é um projeto regional de coope-
ça, a incontinência urinária afeta os indivíduos ração (,) com o objetivo de aumentar a paz no
psicologicamente no que se refere à qualidade Oriente Médio, obter água potável e reabilitar o
de vida, podendo acarretar depressão e influen- Mar Morto”, disse ao Estado Elias Salameh, pro-
ciar na vida sexual por gerar desconforto para fessor de geologia da Universidade da Jordânia.
o paciente. Os sintomas afetam o trabalho e a Como para Israel seria mais fácil dessa-
auto-estima, uma vez que impõem restrições de linizar as águas do Mediterrâneo, muitos indi-
convivência, ao limitar as atividades, por conta cam um interesse político dos israelenses no
da incapacidade de conter a urina. projeto. “Usinas no Mediterrâneo custariam
Na nossa sociedade, prevalece o fato cerca de US$ 800 milhões”, disse Dan Zasla-
cultural de que é normal perder urina na ve- vsky, ex-membro da Comissão de Água de Is-
lhice. Mas o dr. Fábio Baracat, urologista do rael. Com o financiamento previsto pelo Banco

Voltar ao sumário
93

Mundial, o custo estimado do canal está entre i) Acrescentaram-se à pesquisa dois fato-
US$ 5 bilhões e US$ 7 bilhões. res primordiais para a compreensão dos fenôme-
Mira Edelstein, que trabalha em Tel-Aviv nos envolvidos. No entanto, precisa-se ainda de
para a organização Amigos da Terra no Oriente mais evidências para chegar a resultados con-
Médio, corrobora a opinião de Zaslavsky. “Israel clusivos.
quer passar a imagem de que coopera com Jor-
dânia e a Autoridade Palestina em um projeto Atividade 3 – Seguem abaixo as frases de-
de paz”, disse. Segundo a ativista, o objetivo da vidamente corrigidas.
Autoridade Palestina que controla a Cisjordânia a) O delegado procedeu ao interrogatório
também é político. “Como os palestinos estão dos suspeitos.
em um território ocupado, querem assegurar pe- b) A chegada a uma conclusão foi crucial
rante a comunidade internacional seu direito ao para que ficássemos aliviados.
Mar Morto”, afirmou. c) Esta pesquisa visa a um esclarecimento
Com 200 quilômetros de extensão, o canal de questões socioeconômicas.
ligaria o Mar Vermelho e o norte da Jordânia e en- d) Aspiramos a soluções para este pro-
viaria 950 bilhões de litros de água por ano ao Mar blema.
Morto, cujo encolhimento anual de 80 centímetros e) Maiores estudos podem implicar resul-
ameaça o equilíbrio ambiental e o futuro abasteci- tados mais confiáveis.
mento local. “Israel, Jordânia e Autoridade Pales- f) Prefere-se a pesquisa quantitativa à qua-
tina estão perdendo (,) por ano (,) 375 bilhões de litativa.
litros de água de seus aquíferos para compensar g) Informei-lhe que não há mais proble-
o recuo do Mar Morto”, afirmou Salameh. mas./ Informei-o de que não há mais problemas.
Localizado no ponto mais baixo da Terra, h) Avisei-o de que já está tudo bem./ Avi-
o nível do Mar Morto diminuiu 26 metros desde sei-lhe que já está tudo bem.
os anos 60, quando estava a 394 metros abaixo i) O apoio de que necessitávamos chegou
do nível do mar. Segundo o Banco Mundial, as antes do esperado.
águas estão (,) hoje (,) a 420 metros abaixo do j) Temos medo de que esse problema não
nível do mar. Se esse ritmo for mantido, o lago tenha solução.
desaparecerá em 50 anos e prejudicará o setor k) O acontecimento em que tínhamos fé
do turismo. não se realizou.

Atividade 2 – Seguem abaixo as frases que Atividade 4 – Seguem abaixo as frases


continham desvios em relação à norma-padrão, que continham erros, agora devidamente acen-
as quais foram devidamente reescritas. tuadas.
b) Havia registros de um sistema de exa- c) Estudo à noite, então saio às pressas
mes competitivos elaborados por comunidades para chegar logo a casa.
indígenas para selecionar os caçadores mais d) A escola fica próxima àquele restaurante,
preparados. a uns 200 metros de distância.
d) É extremamente importante, para se g) Assistimos hoje à violência crescente
criar um ambiente favorável ao trabalho em gru- nas metrópoles.
po, a criação de espaços de convivência e socia- h) A meta à qual visamos parece cada vez
lização dentro das empresas. mais inatingível.
f) Os Estados Unidos lideraram durante i) Dia a dia a tecnologia favorece o acesso à
décadas o bloco ocidental, em rivalidade à extin- informação de todo o mundo.
ta União Soviética. j) Chegar a esta cidade não é gratificante
g) É preciso ver que as águas contamina- como chegar a Ouro Preto ou à Brasília de JK.
das, o ar carregado de poluentes e as florestas k) Chegaremos cedo à Paraíba, mas não
devastadas podem acarretar o superaquecimen- podemos deixar de ir a Belém.
to do planeta.
h) Ovos e leite bovino tiveram aumento Atividade 5 – Seguem abaixo as palavras
considerável de preço nos últimos três meses dos textos I e II que tiveram a grafia alterada com
em decorrência da crise econômica mundial. o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Voltar ao sumário
94

Texto I BALBINO, L. Israel e Jordânia planejam construir


colmeia ‘Canal da Paz’. O Estado de S. Paulo, 25 mai. 2009.
voo Disponível em: <http://www.uniagua.org.br/>.
Acesso em 15 jun. 2009.
Texto II
socioeconômico BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. Rio
de janeiro: Lucerna, 1999.
consequência
autoestima CUNHA, C. F. de. Gramática da Língua Portuguesa.
Rio de Janeiro: MEC, 1992.
ideia
Incontinência urinária nos idosos: um proble-
ma sócio-econômico. Disponível em: <http://
jornalsuldeminas.com.br/alfredojunior/index.
php?option=com_content&task=view&id=276&It
emid=9>. Acesso em 15 jun. 2009.
O GLOBO. Mais de 10 mil abelhas vão parar em asa
de avião nos EUA. Disponível em: <http://g1.globo.
com/Noticias/PlanetaBizarro/0,,MUL1181243-
6091,00-MAIS+DE+MIL+ABELHAS+VAO+PARAR
+EM+ASA+DE+AVIAO+NOS+EUA.html>. Acesso
em 15 jun. 2009.
ROCHA LIMA, C. H. Gramática normativa da Lín-
gua Portuguesa. Rio de Janeiro: José Olimpio, 1987.
Referências
TUFANO, D. Guia prático da nova ortografia: saiba
AZEREDO, J. C. de. Iniciação à sintaxe do portu- o que mudou na ortografia brasileira. São Paulo:
guês. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993. Melhoramentos, 2008.

Voltar ao sumário
PRIMEIRA EDITORA NEUTRA EM CARBONO DO BRASIL

Título conferido pela OSCIP PRIMA (www.prima.org.br)


após a implementação de um Programa Socioambiental
com vistas à ecoeficiência e ao plantio de árvores referentes
à neutralização das emissões dos GEE´s – Gases do Efeito Estufa.

Este livro foi composto na fonte Cheltenhan, corpo 10.


Impresso na Flama Ramos Manuseio e Acabamento Gráfico , em
Papel Off-Set 75 gramas (miolo) e Cartão Supremo 250 gramas (capa),
produzido em harmonia com o meio ambiente.
Esta edição foi impressa em março de 2010.