Você está na página 1de 58
INIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE CIÊNCIAS Mestrado em Electrónica e Telecomunicações Trabalho Final da
INIVERSIDADE AGOSTINHO NETO
FACULDADE DE CIÊNCIAS
Mestrado em Electrónica e Telecomunicações
Trabalho Final da Cadeira de Redes de Banda
Larga
Orientador
Prof. Doutor A.Vidal
Apresentador
Eng. Manuel Adão
Luanda 21/02/2011
M. Adao
1
Tema: Hierarquia Digital Plesiócrona (PDH) Hierarquia Digital Síncrona (SDH) M. Adao 2
Tema:
Hierarquia Digital Plesiócrona (PDH)
Hierarquia Digital Síncrona (SDH)
M. Adao
2
Agenda Objectivo Introdução Características do PDH Características do SDH Aplicações do PDH e SDH
Agenda
Objectivo
Introdução
Características do PDH
Características do SDH
Aplicações do PDH e SDH
Diferenças
Conclusões
Bibliografia
M. Adao
3
Objectivo Este trabalho visa estudar duas tecnologias de transmissão de dados ◦ PDH (Hierarquia Digital
Objectivo
Este trabalho visa estudar duas
tecnologias de transmissão de dados
◦ PDH (Hierarquia Digital Plesiócrona)
◦ SDH (Hierarquia Digital Síncrona)
Aplicações nas Telecomunicações,
Caracteristicas
Vantagens/desvantagens e
Diferenças entre si.
M. Adao
4
M. Adao 5
M. Adao
5
Introdução O PCM foi deselvolvido nos anos 20 Em 1947, invenção do Transistor ◦ John
Introdução
O PCM foi deselvolvido nos anos 20
Em 1947, invenção do Transistor
◦ John Bardeen/Walter Houser Brattain/Willian
Bradford Shockley (Laboratórios da Bell Telephone)
Premio Nobel de Física 1956
1960 Primeiros sistemas de Tx digital foram
intrudizidos no mercado
Na decada de 70 PDH
Na decada de 80 , o ITU-T (antigo CCIT) lança o
padrão SDH
SDH é um ajuste do padrão SONET
M. Adao
6
Hierarquia PDH • PDH (do inglês Plesiochronous Digital Hierarchy). • (Hierarquia Digital Plesiócrona) • A
Hierarquia PDH
PDH (do inglês Plesiochronous Digital Hierarchy).
• (Hierarquia Digital Plesiócrona)
A transmissão de dados em PDH é caracterizada
pelo facto de ser uma transmissão assíncrona,
A referência de tempo do transmissor e receptor
não é única, apenas próxima.
M. Adao
Tipos de hierarquias PDH • Europa • America • Japão M. Adao
Tipos de hierarquias PDH
• Europa
• America
• Japão
M. Adao
Europa Na Europa e no Brasil estas taxas são de: 2.048kbit/s, 8.448kbit/s, 34.368kbit/s, 139.264kbit/s e
Europa
Na Europa e no Brasil
estas taxas são de:
2.048kbit/s, 8.448kbit/s, 34.368kbit/s, 139.264kbit/s
e 564.992kbit/s,
Estes níveis são chamados de hierarquia ECPT
(European Committee for Post et Telegraph)
E1, E2, E3, E4, E5
E1---------------------2,048 Mbps
E2----------4 x E1 = 8,448 Mbps
E3----------4 x E2= 34,368 Mbps
E4----------4 x E3= 139,264 Mbps
E5----------4 x E4= 564,992 Mbps
M. Adao
Europa M. Adao
Europa
M. Adao
America • Os EUA segui a padronização ANSI (American National Standard for Telecommunications) Com taxas
America
• Os EUA segui a padronização ANSI (American
National Standard for Telecommunications)
Com taxas de 1.544kbit/s, 6.312kbit/s, 44.736kbit/s
e 274.176kbit/s.
T1, T2, T3, T4
M. Adao
Japão O Japão adoptou uma padronização própria tomando como base à hierarquia americana M. Adao
Japão
O Japão adoptou uma padronização própria
tomando como base à hierarquia
americana
M. Adao
12
Japão M. Adao
Japão
M. Adao
M. Adao 14
M. Adao
14
Recomendação G.702 UIT-T M. Adao 15
Recomendação G.702 UIT-T
M. Adao
15
Desvantagens 1-Difícil (e cara) compatibilização entre diferentes Hierarquias de Transmissão 2-Necessidade de
Desvantagens
1-Difícil (e cara) compatibilização entre diferentes
Hierarquias de Transmissão
2-Necessidade de demultiplexar um sinal de nível
superior, a fim de poder retirar um canal de nível inferior.
3-Espaço insuficiente para transportar informação de
gestão, manutenção e monitoração do estado da rede
4-Não há normas definidas para transmissão óptica dos
sinais
M. Adao
Aplicação Ponto-a-ponto 2M 8M 34M 140M 1 1 . . . 1 1 . .
Aplicação Ponto-a-ponto
2M
8M
34M
140M
1
1
.
.
.
1
1 .
.
.
4
4
1
1
.
.
.
2
2 .
.
.
4
4
1
1
.
.
.
3
3 .
.
.
4
4
1
1
.
.
.
4
4 .
.
.
4
4
M. Adao
17
Aplicação com Deriva/Insere (Add/Drop) EQUIP. EQUIP. 34M DE DE 4 o 4 o LINHA LINHA
Aplicação com Deriva/Insere
(Add/Drop)
EQUIP.
EQUIP.
34M
DE
DE
4 o
4 o
LINHA
LINHA
140M
140M
34M
34M
8M
o
o
3
3
8M
8M
2M
o
o
2
2
2M
M. Adao
18
Conclusões No seu conjunto, a Hierarquia Digital Plesiócrona deixou de satisfazer as necessidades de um
Conclusões
No seu conjunto, a Hierarquia Digital
Plesiócrona deixou de satisfazer as necessidades
de um sistema moderno e eficiente de
transmissão de dados numa sociedade cada vez
mais global
Tendo em vista as diferenças entre os sistemas
PDH europeu, americano e japonês, torna-se
difícil a interligação desses sistemas num
sistema de comunicação digital mundial
unificado
Surgiu a necessidade de um novo sistema
M. Adao
19
Hierarquia Digital Síncrona SDH Esse novo sistema é conhecido como: Hierarquia Digital Síncrona, SDH (Synchronous
Hierarquia Digital Síncrona SDH
Esse novo sistema é conhecido como:
Hierarquia Digital Síncrona, SDH
(Synchronous Digital Hierarchy) (europeu), ou
SONET (Synchronous Optical Network)
(americano).
M. Adao
20
Hierarquia Digital Síncrona SDH Premissas: Maior flexibilidade Confiabilidade Facilidades de gerenciamento,
Hierarquia Digital Síncrona SDH
Premissas:
Maior flexibilidade
Confiabilidade
Facilidades de gerenciamento,
Reconfiguração
Supervisão
Em resumo, pretendia-se um sistema dentro do
conceito de Rede Inteligente.
M. Adao
21
Hierarquia Digital Síncrona SDH • Principal característica , • Como diz o próprio nome, é
Hierarquia Digital Síncrona SDH
Principal característica ,
• Como diz o próprio nome, é o facto de ser
totalmente síncrono, baseado em um
relógio mestre universal com precisão
atômica.
M. Adao
22
Hierarquia Digital Síncrona SDH • SDH é uma rede síncrona de transporte de sinais digitais,
Hierarquia Digital Síncrona SDH
SDH é uma rede síncrona de transporte de
sinais digitais, formada por um conjunto
hierárquico de estruturas de transportes
padronizadas objetivando a transferência de
informação sobre redes digitais
M. Adao
23
SONET • Por volta de 1985, o comitê T1X1 da ANSI, desenvolveu as primeiras interfaces
SONET
• Por volta de 1985, o comitê T1X1 da ANSI,
desenvolveu as primeiras interfaces para
troncos ópticos de alta velocidade baseados
em fibra
óptica
• A partir de 1988, muitos dos estudos,
interfaces e propostas da SONET foram
acolhidas pelo ITU-T através das
recomendações G.707, G.708, e G.709,
tornando-se desta forma um padrão mundial
conhecido como SDH do ITU-T.
M. Adao
SDH/SONET M. Adao
SDH/SONET
M. Adao
SDH/SONET SONET cresce STS-n -(1,3,9,12,18,24,36,48, ,192) SDH cresce STM-n -(1,4,16, 64) M. Adao
SDH/SONET
SONET cresce STS-n
-(1,3,9,12,18,24,36,48, ,192)
SDH cresce STM-n
-(1,4,16, 64)
M. Adao
Metas a atingir com SDH - Padronizar a interconexão de equipamentos ópticos de diversos fabricantes;
Metas a atingir com SDH
-
Padronizar a interconexão de equipamentos
ópticos de diversos fabricantes;
- Arquitetura flexível, capaz de se adaptar às futuras
aplicações (como RDSI-FL) com taxas variáveis;
- Padronização da multiplexação utilizando uma taxa
de 51,84 Mbps;
- Inclui no padrão funções de extensão, operação e
manutenção (OAM - Operation and Maintenance);
- Simplificação da interface com comutadores e
multiplexadores devido à sua estrutura síncrona
M. Adao
SDH STM Módulo de Transporte Síncrono – É o elemento básico da SDH •Um quadro
SDH
STM
Módulo de Transporte Síncrono – É o
elemento básico da SDH
•Um quadro STM-1 consiste em 2430 bytes em
uma estrutura de 270 colunas por 9 linhas
• Os bytes são transmitidos de forma serial, linha a
linha, da esquerda para a direita e o bit mais
significativo de cada byte é transmitido primeiro
M. Adao
Synchronous Transport Module-nível 1 STM-1 --------((9+260_1) x 9 ) ==2430 bytes (19440 bits) M. Adao
Synchronous Transport Module-nível 1
STM-1 --------((9+260_1) x 9 )
==2430 bytes (19440 bits)
M. Adao
Os "Contêineres" na Rede SDH Contêineres em SDH Sinal PDH a transportar Designação Capacidade do
Os "Contêineres" na Rede SDH
Contêineres em SDH
Sinal PDH a transportar
Designação
Capacidade do "contêiner”
C-11
1544 kbps
1600
Kbps
C-12
2048
Kbps
2176
Kbps
C-2
6312
Kbps
6784
Kbps
C-3
44736 Kbps ou 34368 Kbps
48384 Kbps
C-4
139264 kbps
149760 Kbps
M. Adao
Estrutura de Quadro do STM-1 Comprimento total: 2430 bytes Duração: 125 µµµµs (freqüência de repetição:
Estrutura de Quadro do STM-1
Comprimento total: 2430 bytes
Duração: 125 µµµµs (freqüência de repetição: 8
kHz)
Taxa de bit: 155,520 Mbits/s
2430 Bytes / Quadro
155,52 Mbits/s
270 colunas
09 colunas
261 colunas
1
Section Overhead
SOH
3
4
Ponteiros
Payload
09 linhas
5
Section Overhead
SOH
9
M. Adao
31
Estrutura de Quadro do STM-N Comprimento total: 2430 x N bytes. Duração: 125 µµµµs (freqüência
Estrutura de Quadro do STM-N
Comprimento total: 2430 x N bytes.
Duração: 125 µµµµs (freqüência de repetição: 8
kHz).
Taxa de bit: 155,520 x N Mbits/s.
2430 x N Bytes / Quadro
155,52 x N Mbits/s
270 x N colunas
09 x N colunas
261 x N colunas
1
Section Overhead
SOH
3
4
Ponteiros
Payload
09 linhas
5
Section Overhead
SOH
9
M. Adao
32
Estrutura de Quadro do STM-N STM-n Taxa (Mbps) STM-1 155.5 STM-4 622.1 STM-16 2,488.3 STM-64
Estrutura de Quadro do STM-N
STM-n
Taxa (Mbps)
STM-1
155.5
STM-4
622.1
STM-16
2,488.3
STM-64
9,953.3
TABELA 1
STM-n
ritmo
como é chamado
capacidade
STM-1
155,52 Mbps
155
Mbps
STM-4
622,08 Mbps
622
Mbps
4 x STM-1
STM-16
2.488,32 Mbps
2,5 Gbps
16
x STM-1
STM-64
9.953,28 Mbps
10 Gbps
64
x STM-1
M. Adao
Interface de Linha STM-0 Rádio STM-1 Elétrica, Óptica e Rádio STM-4 Óptica STM-16 Óptica STM-64
Interface de Linha
STM-0
Rádio
STM-1
Elétrica, Óptica e Rádio
STM-4
Óptica
STM-16
Óptica
STM-64
Óptica
M. Adao
34
Arquitectura SDH A arquitectura SDH é composta de uma hierarquia de quatro níveis: -Camada fotônica
Arquitectura SDH
A arquitectura SDH é composta de uma hierarquia de
quatro níveis:
-Camada fotônica
-Camada de Seção
-Camada de Linha
-Camada de Caminho
M. Adao
M. Adao 36
M. Adao
36
Camada fotônica Nível físico, inclui especificações sobre o tipo da fibra óptica utilizada, detalhes sobre
Camada fotônica
Nível físico, inclui especificações sobre o tipo da fibra
óptica utilizada, detalhes sobre a potência mínima
necessária, características de dispersão dos lasers
transmissores e a sensibilidade necessária dos
receptores. É responsável, ainda, pela conversão
eletro-óptica dos sinais
M. Adao
Camada de Secção Responsável pela criação dos quadros SDH, embaralhamento e controle de erro. É
Camada de Secção
Responsável pela criação dos quadros SDH,
embaralhamento e controle de erro. É processada por
todos equipamentos, inclusive os regeneradores
M. Adao
Camada de linha Cuida da sincronização, multiplexação dos quadros e comutação. É responsável, ainda, pela
Camada de linha
Cuida da sincronização, multiplexação dos quadros e
comutação. É responsável, ainda, pela delimitação de
estruturas internas ao envelope de carga. Seu
processamento ocorre em todos os equipamentos,
exceto os regeneradores.
M. Adao
Camada de caminho Responsável pelo transporte de dados fim-a-fim e da sinalização apropriada. Processada apenas
Camada de caminho
Responsável pelo transporte de dados fim-a-fim e da
sinalização apropriada. Processada apenas nos
terminais.
M. Adao
Facilidade de Derivação e Inserção (Add/Drop) Novos Equipamentos: ◦ Terminal Multiplexador (TM). ◦
Facilidade de Derivação e
Inserção (Add/Drop)
Novos Equipamentos:
◦ Terminal Multiplexador (TM).
◦ Multiplexador com Derivacao/Insercao (ADM);
◦ Roteador da SDH (SDXC).
Novas Arquiteturas de Rede:
◦ Cadeia de ADMs;
◦ Anel;
◦ Estrela;
◦ Malha.
M. Adao
41
Elementos básicos de uma Rede SDH M. Adao
Elementos básicos de uma Rede SDH
M. Adao
Elementos básicos de uma Rede SDH • Multiplexers Terminais de Linha (SDH TMUX) • Regeneradores
Elementos básicos de uma Rede SDH
• Multiplexers Terminais de Linha (SDH TMUX)
• Regeneradores SDH (REG)
• "Add and Drop" Multiplexers (SDH ADD MUX)
• "Cross Connectors” Digitais Síncronos (SDH SDXC)
M. Adao
Novas Arquiteturas de Rede Cadeia de ADMs . . . TM ADM ADM TM .
Novas Arquiteturas de Rede
Cadeia de ADMs
.
.
.
TM
ADM
ADM
TM
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Facilidade de derivação/inserção
M. Adao
44
Novas Arquiteturas de Rede . . . Anel ADM STM-N STM-N . . . ADM
Novas Arquiteturas de Rede
.
.
.
Anel
ADM
STM-N
STM-N
.
.
.
ADM
ADM
.
.
.
STM-N
STM-N
ADM
Simplicidade e Tolerância a falhas
M. Adao
45
Novas Arquiteturas de Rede Estrela ADM TM
Novas Arquiteturas de Rede
Estrela
ADM
TM
Novas Arquiteturas de Rede Estrela ADM TM TM SDXC TM ADM M. Adao 46
Novas Arquiteturas de Rede Estrela ADM TM TM SDXC TM ADM M. Adao 46
TM SDXC TM ADM M. Adao 46
TM
SDXC
TM
ADM
M. Adao
46
Grande Capacidade para Gerência Monitoração de Desempenho em Serviço Protocolos para Proteção da Rede (50
Grande Capacidade para
Gerência
Monitoração de Desempenho em Serviço
Protocolos para Proteção da Rede (50 ms)
Canal de Dados Exclusivo para a TMN
Cerca de 5% da Capacidade de Transporte
Cinco 9´s %99.999 de disponibilidade
M. Adao
47
Aplicações da SDH Trafego de controle Interligação com a PDH LPs sob Demanda Consolidação do
Aplicações da SDH
Trafego de controle
Interligação com a PDH
LPs sob Demanda
Consolidação do tráfego (ATM, IP, )
Segregação do tráfego
Alocação Dinâmica do Tráfego
Roteamento Alternativo
M. Adao
48
PDH/SDH Falta de padronização. A pouca padronização dos equipamentos utilizados em PDH faz com que
PDH/SDH
Falta de padronização. A pouca padronização dos
equipamentos utilizados em PDH faz com que a
interconexão de sistemas se torne cara e ineficiente.
A rede SDH transmite os sinais STM-n sincronamente e
em fase, enquanto a PDH é plesiócrona;
Organização do SDH é feita em bytes, já o
entrelaçamento em PDH é feito em bits;
M. Adao
PDH/SDH Os comprimentos dos quadros da SDH são uniformes (sempre 125µs), o que não ocorre
PDH/SDH
Os comprimentos dos quadros da SDH são uniformes
(sempre 125µs), o que não ocorre no sistema PDH;
São usados ponteiros para indicar o início de cada
quadro e processar eventuais justificações. A PDH usa
palavras de alinhamento;
Alta capacidade de gerência (supervisão, operação,
manutenção, etc.). Aproximadamente 5% dos bytes
SDH são reservados para fins de supervisão e
gerência, o que é um índice infinitamente maior que
num sistema PDH;
M. Adao
PDH/SDH O sistema SDH pode acomodar os feixes plesiócronos nos quadros STM-n com total compatibilidade;
PDH/SDH
O
sistema SDH pode acomodar os feixes plesiócronos
nos quadros STM-n com total compatibilidade;
O SDH possui compatibilidade com tecnologias atuais e
futuras, além de aceitar e ser capaz de transmitir todos
os sinais tributários existentes nas redes atuais. Sua
padronização já prevê que possa também ser usado
para transportar serviços ainda não existentes;
O SDH possui um único padrão mundial, enquanto que
a PDH tem várias padronizações;
M. Adao
PDH/SDH As redes SDH permitem acesso direto aos tributários, o que não é possível em
PDH/SDH
As redes SDH permitem acesso direto aos tributários, o
que não é possível em PDH;
A transmissão pode se dar por Cross-Conections e
Add/Drop. Em PDH, só é possível transmitir ponto-a-
ponto.
- Dificuldade de inserção e extração de tributários.
Para se inserir ou extrair tributários de um sistema PDH
é necessária toda uma operação de multiplexação e
demultiplexação, tornando-a uma técnica pouco flexível
e cara;
M. Adao
PDH/SDH No PDH existem diferenças entre as hierarquias americana, européia e japonesa. Multiplicando-se a taxa
PDH/SDH
No PDH existem diferenças entre as hierarquias
americana, européia e japonesa. Multiplicando-se a
taxa de transmissão de um nível pelo número de canais
a serem agregados, a taxa de transmissão do nível
imediatamente superior não é um múltiplo exato da
taxa inferior. Isto ocorre devido ao fato de que são
inclusos canais de controle, bits de ajuste e de
sincronização.
M. Adao
Conclusões As redes SDH superam facilmente as limitações experimentadas numa rede de plesiócronos (PDH) permitindo
Conclusões
As redes SDH superam facilmente as limitações
experimentadas numa
rede de plesiócronos (PDH) permitindo à rede
desenvolver-se para atender novas
exigências e oferecer uma gama de benefícios, tanto
para as operadoras de rede
quanto aos usuários
M. Adao
Bibliografia 1. PDH – SDH, Protocolos de Transmissão de Dados Fausto Silva Ferreira, Uberlândia, julho/2003.
Bibliografia
1.
PDH – SDH, Protocolos de Transmissão de Dados
Fausto Silva Ferreira, Uberlândia, julho/2003.
Curso de Ciência da Computação do Centro-Universitário
do Triângulo
2. HIERARQUIA DIGITAL SÍNCRONA (SDH):
Básico. Departamento de Desenvolvimento de Recursos
humanos, 3º edição, 1/nov.1996. (apostila técnica).
3. HJ - TREINAMENTOS. SDH – Hierarquia Digital
Síncrona. HJ Treinamento e Consultoria. 1997
4. Telecomunicações Rtedes de Alta Velocidade
Sistemas PDH e SDH-Vicente Neto/Jarbas Neto
M. Adao
M. Adao 56
M. Adao
56
M. Adao 57
M. Adao
57
M. Adao 58
M. Adao
58