Você está na página 1de 38

Biodiesel

Apresentação inspirada na tradução da


publicação do website:
Journey to Forever
www.journeytoforever.org
Edição e tradução: Jorge Timmermann
Revisão: Itamar Vieira
Rede Permear (SC) Brasil
www.permear.org.br
2006
Biodiesel
O uso do biodiesel tem algumas vantagens claras sobre o
uso do óleo vegetal:
- funciona em qualquer motor diesel sem modificá-lo,
basta completar o tanque e partir;
- Em climas frios funciona melhor que o combustível de
óleo vegetal, mas não tão bem como o diesel fóssil;
- Tem superado o óleo vegetal no uso em muitas provas,
em diferentes países, incluindo milhões de quilômetros de
estradas.

O biodiesel é um combustível alternativo,


limpo, seguro e pronto para usar
Biodiesel
Leia com atenção:
Se quer fabricá-lo você mesmo, há
muitas receitas disponíveis para fazer biodiesel de boa
qualidade, todas falam o mesmo que aqui.
Alguns dos produtos são muito
perigosos, tome todas as precauções. Se você se
queimar, mutilar, ficar cego ou morrer ficaremos muito
tristes, mas não seremos responsáveis.

Não recomendamos nada,


a responsabilidade é de cada um.
Biodiesel
Segurança:

• Use luvas adequadas, avental e óculos protetores.


• As luvas devem ser resistentes aos produtos químicos, compridas para que
cubram as mangas e assim os braços ficam totalmente protegidos.
• Não respire os vapores, o metanol pode causar cegueira e morte; não deves
bebê-lo por nenhum motivo; ele também é absorvido pela pele.
• O hidróxido de sódio pode causar queimaduras graves e morte.
• Quando misturados, estes dois produtos, fornam metóxido de sódio. É um
produto extremamente cáustico (corrosivo).

São produtos perigosos, tratar com cuidado!!!


• Tenha sempre água corrente por perto quando manipular estes produtos.
• O lugar de trabalho deve ser muito bem ventilado.
• Não pode haver por perto pessoas alheias ao processo, nem crianças nem
mascotes.
Biodiesel
Descrição do processo (relembrando):

Os óleos vegetais e as graxas animais são


triglicerídeos (TGs), compostos por três cadeias de ácidos
graxos unidas a uma molécula de glicerina.

Os triglicerídeos são ésteres. Os ésteres são ácidos


graxos unidos a um álcool, no caso a glicerina (que é um
álcool pesado - 3 carbonos).

O processo de transesterificação converte os ésteres


triglicerídeos em ésteres alcalinos (biodiesel) mediante um
catalisador (soda cáustica) e um álcool (normalmente
metanol) que forma metilésteres.
Biodiesel
Na transesterificação a molécula de triglicerídeo se divide em
três moléculas de metiléster e uma de glicerina.
A soda cáustica quebra os enlaces que unem os ácidos graxos com a
glicerina, a glicerina afunda no recipiente e as cadeias de ácidos graxos
se unem ao metanol.
Esta reação acontece em três etapas:
- Primeiro uma cadeia de ácido graxo separa-se do triglicérido e une-
se ao metanol formando uma molécula de metiléster; fica um diglicérido.
- Logo separa-se da glicerina outra cadeia de ácido graxo, que também
une-se a uma molécula de metanol formando a segunda molécula de
metiléster, deixando um monoglicérido.
- Finalmente o monoglicérido se converte em metiléster por maio da
substituição da glicerina por metanol. Aqui se completa a reação.
O problema é que podem se acabar os reativos antes de se completar a
reação, ou pode ser que a temperatura, a agitação ou o tempo de espera
não sejam os adequados.
Biodiesel
O resultado é que ficam no biodiesel restos sem converter
ou parcialmente convertidos.
Então, o que acontece se a reação não se completa?
O óleo vegetal é um bom combustível, o problema não é o óleo
cru, mas as moléculas do triglicerídeo que reagem pela metade
deixando diglicerídeos e monoglicerídeos, que não são bons para o
motor.
Os diglicerídeos não ardem bem e deixam restos requeimados
que entopem os condutos e os monoglicerídeos produzem corrosão e
outros problemas.
"Parece que para o ótimo funcionamento do motor é necessário
manter as quantidades de glicerina, mono e diglicerídeos abaixo de
0,1%."
Por isto é importante fazer bem o biodiesel, senão...
MELHOR NÃO FAZER!
Biodiesel
Na realidade o processo nunca se completa 100%.
Antes de se completar alcança o equilíbrio; sempre resta uma
certa quantidade de glicerídeo sem reagir.
No começo a reação é muito rápida, por isto alguns
acham que basta misturar um pouco e já fica pronto.
Se equivocam.
Primeiro se converte a metade dos triglicerídeos em
diglicerídeos, em seguida em monoglicerídeos e finalmente em
biodiesel, novamente se converte a metade do que resta, e
em seguida outra vez a metade do que restava ate que fica
uma quantidade ínfima.
A velocidade de reação diminui progressivamente e
nunca se completa ao todo. Ao final a quantidade de
glicéridos é mínima e cumpre-se com os limites fixados pelos
índices de qualidade.
Biodiesel
Como começar?
Comece fazendo uma prova com um litro de óleo novo em
um liqüidificador velho, já que ele NUNCA deverá voltar à
cozinha.
Vamos, faça!
Compre: metanol, soda cáustica, óleo de cozinha,
e vá em frente!!!.
Aqui está a receita:
Na prova use um litro de óleo vegetal com 200 ml de
metanol, com 3,5 gramas de soda cáustica (NaOH).

Estas proporções são constantes para qualquer volume de


biodiesel a ser produzido.
Biodiesel
O primeiro passo é a produção do metóxido de sódio.
A soda cáustica adicionada ao metanol produz o
metóxido de sódio que é uma reação exotérmica (que
desprende calor).
O metóxido é perigoso, corrosivo e difícil de
mesclar, a diluição tem que se completar totalmente antes
de poder usá-la.
O Processo:
Misturar os 3,5 g de NaOH com os 200 ml de
metanol numa garrafa de vidro de gargalo estreito e com
tampa para evitar respingos.
O metóxido se produz, conserva e manipula
SEMPRE em recipientes fechados.
Biodiesel
O segundo passo:
Esquentar o óleo numa panela de inox, isto diminui a
sua densidade e facilita a reação com o metóxido, a
temperatura ótima para este processo é de 55º C.
Não esquente demais porque o metanol se evaporara (ele
ferve a 64,7º C).
Despejar com cuidado o metóxido de sódio na panela
do óleo. A reação começa imediatamente formando dois
produtos:
- glicerina no fundo da panela
- biodiesel flutuando sobre a glicerina.
Mexer durante uma hora à temperatura constante e
deixar repousar durante a noite toda.
No dia seguinte aspira-se 1 litro de biodiesel, ficando no
fundo 200 ml de glicerina.
Biodiesel
Agora sim, pode se tentar a produção de 10
ou 20 litros de biodiesel.
As proporções, os passos e os cuidados serão
os mesmos.
Então, neste caso usar:
- 10 ou 20 litros de óleo de cozinha novo.
- 2 ou 4 litros de metanol.
- 35 ou 70 gramas de NaOH.

Pode ser construído um batedor de biodiesel


com uma panela, com tampa, de inox e instalando
uma furadeira com um eixo misturador de tintas.
Biodiesel
Mini-reator para provas
Este mini-reator é fácil de fazer com poucos
materiais, quase todos da cozinha, e umas poucas
ferramentas. É eficaz, seguro e hermético, sem
respingos nem fuga de gases quentes. Serve para
provas de 1 ó 2 litros e para processos de uma etapa
ou duas. Tem controle de agitação, de temperatura e
é portátil.
Materiais
•Uma bombona de três litros de HDPE com duas
tampas (uma de encaixe e outra com rosca);
•Panela inox;
•Furadeira elétrica;
•Abraçadeira para a furadeira;
•Estrutura de suporte para furadeira;
•Agitador;
•Fogareiro de gás portátil;
•Duas garrafas de meio litro de PET.
Biodiesel
Mini-reator para provas
O agitador é uma vareta de aço, deve
transpassar a tampa por uma bucha de
madeira dura com o furo exato para o
diâmetro do eixo do agitador.
Recortar na tampa um quadrado do tamanho da bucha de madeira.
Fazer duas fendas pouco profundas em cada uma das quatro faces
da peça, justo acima e abaixo de onde se encaixa à tampa.
Encaixar a bucha e fixar com massa de resina epóxi. Quando a
resina endurecer cobrir com silicone.
Esquentar o óleo e verter dentro do reator.
Introduzir o agitador no reator. Inserir a tampa com a
bucha e apertar com firmeza. Completar as duas
garrafas de medio litro com água à temperatura do
processo. Colocar o reator dentro da panela. Para que o
reator não se mova inserir as garrafas em cada lado.
Acrescentar água quente na panela até o nível do óleo.
Regular o fogo e levar a água até a temperatura do
processo, logo desligar.
Instalar a furadeira, ajustar o eixo agitador e ligar.
Biodiesel
Mini-reator para provas
Adição do metóxido
Misturar o metóxido em garrafas de HDPE com duas
tampas (uma encaixada com pressão e a outra enroscada).

Preparação da tampa para passar o metóxido para o


reator:
Fazer dois furos numa outra tampa da garrafa e
fixar dois segmentos curtos de tubo de plástico, ou
cobre, de diâmetro 4mm, unidos à tampa com massa
epóxi. Um dos tubos, por dentro, estender quase até
o fundo; o outro, por fora, unir um segmento de tubo
de plástico flexível de diâmetro 6mm. Fixar um
terceiro segmento de tubo de cobre à tampa pequena
do reator.
Biodiesel
Mini-reator para provas
Para passar o metóxido para o reator (quando
o metóxido estiver frio), substituir a tampa
original pela modificada, apertando bem.

Unir o extremo livre do tubo flexível ao tubo que


atravessa a tampa pequena do reator. Com cuidado,
levantar a garrafa do metóxido por cima do reator e
virar.
Vai entrar ar pelo tubo aberto que chega até o fundo
(que agora é a parte mais alta); o metóxido flui pelo
tubo flexível, através da tapa do reator, até cair sobre
o óleo.
Quando não restar metóxido na garrafa, deixar na
mesa, junto ao reator. Os vapores de metanol que não
se condensarem no reator o farão na garrafa e poderá
ser reutilizado.
Biodiesel
Mini-reator para provas
Controlar a temperatura com um termômetro e
esquentar quando necessário. Isto é bastante
seguro, inclusive usando gás e com a furadeira
ligada, porque não sai vapor de metanol durante o
processo. A temperatura ambiente só tem que
corrigir a temperatura da mistura um par de
vezes cada hora.
A bombona de HDPE é translúcida, mas pode se
ver como se desenvolve a reação, e as trocas de
viscosidade e cor do óleo.
Quando terminar a reação desligar a furadeira e
virar o reator de lado para o repouso, com a tampa
pequena para baixo. Para drenar a glicerina,
simplesmente inclinar e afrouxar a tapa pequena;
fechar quando sair o biodiesel.
Biodiesel
Reator simples para 20 litros
Barato, simples, seguro e eficaz.

Esse reator para testes é fácil


de fabricar com poucos materiais,
quase tudo é ferro velho.
É eficaz, seguro e hermético,
sem respingos nem gases quentes.
Serve para os processos de uma
e duas etapas, e pode-se levar a
qualquer parte.
Biodiesel
Reator simples para 20 litros
- Tacho de 20 litros, com abraçadeira de aço na tampa.
M - Aquecedor elétrico de imersão (não mais de 3W/cm2, 500-
1000 W).
- Furadeira elétrica.
a - Suporte para furadeira.
- Termômetro.
t - Misturador de tintas.
- Flanges para o aquecedor, termômetro e agitador.
e - Cinta veda-roscas (teflon).
- Bucha de madeira.
r - Garrafão de 10 litros (HDPE) com duas tampas, para o
metóxido.
i - Bomba de ar de aquário.
- Tubo de vinil de 12 mm reforçado.
a - Tubo de plástico de 6 mm.
i - Tubo de cobre de 4mm.
- Massa epóxi.
s - Vedante de silicone.
Biodiesel
Reator simples para 20 litros
Suporte para furadeira
O suporte pode se fazer com ângulos de
aço soldados ou aparafusados.
Apresentamos dois suportes, um com a
abraçadeira que vem com a furadeira,
presa a um tubo.

Com vários furos pode se


mudar para diversas alturas.

Em vez de uma abraçadeira este


suporte pode ser feito com ferro
curvado.
Biodiesel
Reator simples para 20 litros
Uma abraçadeira de aço fecha a tampa
hermeticamente.
Veja também que na tampa do tacho de 20
litros aparecem três aberturas com tampa:

- uma para o termômetro


- uma para a entrada do metóxido
- uma para o agitador.
Detalhe da tampa e bucha do agitador

O eixo entra no reator através


duma bucha de madeira dura.
Biodiesel
Reator simples para 20 litros
Ajuste do aquecedor elétrico (500-1000W):
Este não deve ser maior do que 3 W/cm2 da sua
superfície, para evitar que esquente demais o óleo, senão
será necessário agitar permanentemente.
Então, usar um aquecedor do tamanho adequado e colocar
horizontal. A união deve ser sólida e impermeável, deverá
ser soldada e isolada com massa epóxi.
O aquecedor de imersão sempre deve estar submerso para
evitar que esquente demais e provoque um incêndio.
Biodiesel
Reator simples para 20 litros
Adição do metóxido
No método simples usamos bombona de HDPE (polietileno
de alta densidade) ou outros similares com tampa
roscada (preferivelmente com tampa de pressão debaixo
da tampa roscada). Primeiro: por dentro o metanol, logo
adicionar gradualmente a soda cáustica. É melhor agitar
de lado a lado, formando um redemoinho, em vez de
agitar de cima para baixo. O metóxido não está pronto
até que não tenha se dissolvida toda a soda cáustica. O
recipiente é translúcido e pode ver se ficam cristais no
fundo, sem dissolver.

Para este reator usar uma bomba de ar de aquário para


transferir o metóxido para o reator por um tubo
flexível, sem se expor em absoluto. Limpo, seguro e
simples. Da mesma maneira passar o metanol de um
recipiente para outro.
Biodiesel
Reator simples para 20 litros
Adição do metóxido
O tubo de vinil trançado de 1/2" passa através de um furo da tampa
grande, vedado com massa epóxi por dentro e por fora, e chega até o
fundo do recipiente. O outro extremo encaixa num furo na outra tampa
(também vedada por dentro e por fora) que é roscada em uma das bocas
do reator.

Da tampa pequena sai um tubo de cobre de 4 cm e


4 mm (1/8") de grossura para se ajustar à
mangueira da bomba de ar.

Quando a bomba está funcionando, o recipiente de HDPE se enche de


ar e o metóxido é obrigado a subir pelo tubo de vinil. Quando atinge o
ponto mais alto da curva desce pelo outro extremo do tubo, no reator.
Uma vês que tenha começado a fluir se produz o efeito sifão. Demora
aproximadamente dois minutos para transferir todo o metóxido.
Biodiesel
Reator simples para 20 litros
Uso do reator
Utilizar 15 litros de óleo. Com esta quantidade deve ficar espaço dentro do
reator para o metanol sem que chegue até a borda. Pode se aquecer o óleo
com fogareiro a gás em outro recipiente, em seguida usar o aquecedor
elétrico apenas para manter a temperatura. Com isolamento térmico em
todo o reator se mantém o calor e poupa-se energia.
Seguindo estas instruções não há perigo de exposição ao vapor de
metanol. A temperatura ambiente normal (20º C - 30º C) o excesso de
metanol não se evapora e não há perigo. Se te preocupas com os vapores
de metanol podes tirar o biodiesel da mesma forma em que se introduz o
metóxido, com um tubo de vinil com uma tampa unida a cada extremo.
Poderás ver como começam a passar os subprodutos pelo tubo e poderás
parar a tempo. O que restar no reator (os subprodutos e um pouco de
biodiesel) colocar num recipiente com dreno no fundo. Quando esteja
cheio e separado em duas fases, tirar os subprodutos pelo fundo e
agregar o biodiesel no seguinte processo.
Biodiesel
Reator simples para 20 litros
Condensador de metanol
Este simples condensador serve para recuperar o excesso de metanol que
fica na mistura de subprodutos depois da transesterificação. O metanol
recuperado pode se usar para fazer mais biodiesel.
É construído com 80 cm de tubo de plástico de 5 cm
de diâmetro, com os extremos tampados, e 1,5 m de
tubo de cobre de 1 cm de diâmetro, unidos com
adesivo para tubos de plástico, massa epóxi e silicone.
Uma bomba de ar bombeia água fria de um balde para
o extremo inferior do condensador; a água sai pelo
extremo superior e volta para o balde.
Não separe o metanol nesta etapa se o que quer é
separar a mistura dos componentes (glicerina, ácidos
graxos livres e soda cáustica), é muito difícil se faltar o
metanol. Depois de separar os componentes pode-se
recuperar o metanol da glicerina.
Biodiesel
Reator simples para 20 litros
Condensador de metanol
O tubo de cobre não está em espiral, passa
o tubo em linha reta sobressalente nos
extremos (assim é suficiente). O extremo
inferior entra no recipiente que colhe o
metanol. O extremo superior é curvado
para baixo e ligado a uma das tampas do
reator. O condensador é fixado ao reator
pelas abraçadeiras.
A parte curva do tubo de cobre está isolada para que o
vapor de metanol não comece a se condensar antes de
chegar no condensador. Se condensasse antes de passar
a curva voltaria ao reator em vez de ir para o
condensador.
De 15 litros de subprodutos devem ser recuperados três
litros de metanol. O metanol recuperado pode ser usado
para o seguinte lote de biodiesel.
Biodiesel
Reator simples para 20 litros
Condensador de metanol
Como funciona
Colocar 15 litros do subproduto no reator,
colocar o agitador no seu local e fechar
hermeticamente. As abraçadeiras mantém o
condensador separado do reator.
Conectar a bomba de água. A água fria do balde circula através do
condensador e logo volta ao balde.
Conectar o aquecedor de imersão e o agitador. O agitador
não é imprescindível, mas distribui melhor o calor.
Controlar o aumento da temperatura.
O metanol começa a evaporar entre 65º C e 70º C.
Em seguida diminui a quantidade de metanol na mistura e aumenta o ponto
de ebulição; seguir esquentando para que não deixe de ferver.
Ao final do processo a temperatura é de uns 100º C.
Se consegue três litros, ou mais, de metanol limpo e pronto para voltar a
usar.
Biodiesel
Agora vamos pensar em como produzir biodiesel
a partir de óleo de cozinha já usado.
Sem dúvida que esta é a alternativa mais
interessante, mas ao mesmo tempo é a mais difícil
(no entanto não é impossível).
Duas questões deverão ser consideradas:
- A primeira é a presença de água no óleo
requentado, devemos tirar a água fora. A água
demora o processo de transesterificação e pode
formar muito sabão.
- A segunda será a comprovação da acides do
óleo, quando aquecido aparecem muitos TGL’s que
devem ser neutralizados.
Biodiesel
Biodiesel de óleos usados na cozinha
Primeiro: Comprovar a quantidade de água.
O óleo usado pode estar misturado com água, e esta pode afetar a
soda cáustica, especialmente se se usa muita soda. Neste caso se
formara uma gelatina. Para saber quanta água tem o óleo esquentar
meio litro numa panela e medir a temperatura com o termômetro.
Se tem água começará a pipocar a 50º C ou menos. Se não pipoca
até os 60º C não será necessário secar o óleo.

Existe outro método, consome menos energia e não tem risco de


formar ácidos graxos livres por excesso de calor.
Aquecer o óleo até 60º C, manter a temperatura durante quinze
minutos e verter o óleo em outro recipiente para que repouse pelo
menos 24 horas. Os 90% do conteúdo é óleo que podes usar. Os
10% restante (que está no fundo) é água que não deves misturar
com o óleo.
Biodiesel
Biodiesel de óleos usados na cozinha
Segundo: Comprovar a acides do óleo.
O óleo usado precisa de mais catalisador que o óleo novo para
neutralizar os ácidos graxos livres (AGL) que se formam ao
cozinhar o azeite e interferem na transesterificação.
Deverá ser feita uma medição para determinar o conteúdo
de AGL que tem no óleo e quanta soda será necessária para
neutralizá-los.
Isto é, determinar o pH, o nível de ácido-base.
O valor 7 é neutro, valores inferiores são ácidos, e valores
maiores básicos.
O melhor é usar um medidor de pH eletrônico, ou
tiras de medição do pH (papel tornassol), ou
solução de fenolftaleína.
Biodiesel
Biodiesel de óleos usados na cozinha
Segundo: Comprovar a acides do óleo.
O melhor é a medição do ph. de forma eletrônica.
O método do papel é mais fácil, porem pouco exato.
Não tendo estes recursos pode-se usar uma solução de
fenolftaleína.
A fenolftaleína fica incolor com pH inferior a 8,3, rosa ou
magenta com pH. entre 8,4 e 8,5 e vermelho no pH 10,4.

O primeiro é preparar uma solução de soda cáustica a 0,1 %.

Para isto dissolver uma grama de soda cáustica num


litro de água destilada.
Biodiesel
Biodiesel de óleos usados na cozinha
Segundo: Comprovar a acides do óleo.
Num vaso de precipitados pequeno dissolver 1 ml de
óleo em 10 ml de álcool isopropílico puro. Esquentar
em banho-maria e mexer até que todo o óleo esteja
dissolvido. Adicionar duas gotas de solução de
fenolftaleína.
Com uma seringa graduada colocar solução de
soda 0,1%, gota a gota, na solução de óleo-
álcool-fenolftaleína. Agitar todo o tempo até
que a solução vire rosa (magenta) e mantenha a
cor por 10 segundos. Anotar a quantidade de ml
da solução de soda que foi usada e somar 3,5;
esta será a quantidade de gramas de soda por
litro de óleo.
Biodiesel
Biodiesel de óleos usados na cozinha
Segundo: Comprovar a acides do óleo.
Agora proceda como com óleo novo:
Pesar a quantidade de soda cáustica necessária e misturar
com o metanol (produção do metóxido).
Vai esquentar e demorar mais em reagir porque agora tem
mais soda cáustica. Isto até a dissolução total.
Agregar, com muito cuidado, o metóxido de sódio ao óleo
quente, sempre mexendo, e continuar mexendo durante uma
hora. Deixar que a mistura repouse toda a noite e logo
aspirar o biodiesel com um sifão.
Cuidado com a valoração, faça duas vezes, só por segurança.
A produção pode ser menor que com o óleo novo, de 10 litros
de óleo pode-se obter 8-9 litros de biodiesel.
Biodiesel
Biodiesel de óleos usados na cozinha
Faça uma prova de qualidade!!
Misturar num vidro 150 ml de biodiesel sem lavar, já
separada a glicerina e depois de doze horas de repouso,
com 150 ml de água.
Tampar e agitar vigorosamente durante dez segundos.
Se formará uma emulsão.
Deixar em repouso.
Em meia hora, ou menos, deverá ficar por cima o biodiesel
cristalino, e debaixo água leitosa.
Se o combustível é de boa qualidade a separação é
rápida e todas as impurezas ficam na água. Se o
biodiesel superou esta prova pode ser lavado e usado
com tranqüilidade.
Biodiesel
Biodiesel de óleos usados na cozinha
Lavagem do biodiesel:
Existem duas técnicas muito usadas pelos fabricantes de
biodiesel caseiro.
- Lavagem com névoa.
- Lavagem com bolhas.
Recomenda-se não utilizá-las.
Não tente lavar o biodiesel se ainda não completou a reação,
porque se formara uma emulsão que não poderá ser reproces-
sada. Antes de lavar fazer uma prova de qualidade com água num
vidro bem fechado.

Descrevemos a seguir a lavagem, por agitação, com água


Biodiesel
Biodiesel de óleos usados na cozinha
Lavagem do biodiesel:
Por agitação com água.
1- Com uma hélice movida por um motor misturar a água e o
biodiesel (1:4 de água/biodiesel) até que tenha um aspeto
homogêneo (5 minutos).
2- Deixar em repouso durante uma hora.
3- Separar o combustível com um sifão e repetir os passos
anteriores outras duas vezes.
4- Deixar que se seque num recipiente aberto bem ventilado.
Podes esquentar até 48º C para que seque com mais facilidade.
Dependendo do volume do lote, do tamanho e potência dos
motores, pode-se reduzir o tempo total do processo a menos
de 24 horas.
Biodiesel
Usando biodiesel
Não é necessário modificar o motor para que funcione com
biodiesel, mas é bom fazer alguns ajustes e comprovar
algumas coisas.
1- Atrasar o tempo de injeção dois ou três graus para
compensar o fato do biodiesel ter maior número de cetanos.
Isto também faz com que o combustível queime com menor
temperatura o que reduz as emissões de óxidos de nitrogênio.
2- O diesel mineral deixa muita sujeira no depósito e no
sistema de combustível. O biodiesel é um bom dissolvente.
Desprende a sujeira e a arrasta.
No começo revisar regularmente os filtros de combustível.
Começar com um filtro novo.
Comprovar que não há peças de borracha natural no sistema
de distribuição de combustíveis. Se houver deverão ser
substituídas. O Viton é melhor.