Você está na página 1de 11

História A

Andriana Kuchirka
12ºB
– Depois da II Guerra Mundial, e com a aprovação da
Carta das Nações Unidas, o Estado Novo reviu a sua
política colonial e procurou soluções para o futuro do
nosso império.
– Portugal defendia que tinha tido uma grande
capacidade de adaptação à vida nas colónias onde não
havia racismo e as raças se misturavam e as culturas se
espalhavam. Esta teoria era conhecida como luso-
tropicalismo.
– No campo jurídico, a partir de 1951, desaparece o
conceito de colónia, sendo substituído pelo de província
ultramarina e desaparece o conceito de Império
Português, substituído por Ultramar Português.
– A presença portuguesa em África não sofreu
praticamente contestação até ao início da
guerra colonial;
– Exceção feita ao Partido Comunista Português
que no seu congresso de 1957 (ilegal),
reconheceu o direito à independência dos povos
colonizados.
– Em 1961 esta quase unanimidade de opiniões
veio a quebrar-se com o início da luta armada
em Angola.
E então surgem duas teses:
– Integracionista;
– Federalista;
Integracionista – defendia a política até aí
seguida, lutando por um Ultramar plenamente
integrado no Estado português;
Federalista
Considerava não ser possível, face à pressão
internacional e aos custos de uma guerra em África,
persistir na mesma via; – Defendia a progressiva
autonomia das colónias e a constituição de uma
federação de Estados que garantisse os interesses
portugueses.
– Em Angola em 1955, surge a UPA (União das
Populações de Angola) que, 7 anos mais tarde, se
transforma na FNLA (Frente de Libertação de Angola);
-Em 1956, surge o MPLA (Movimento Popular de
Libertação de Angola);
-Em 1966, surge a UNITA (União para a Independência
Total de Angola);
-A guerra inicia-se em Angola a 1961.
– Em Moçambique em 1962 - a luta é dirigida pela
FRELIMO (Frente de Libertação de Moçambique),
criada por Eduardo Mondlane ;
-A guerra estende-se a Moçambique em 1964.

Eduardo Mondlane
Na Guiné em 1956 - surge o PAIGC (Partido para a
Independência da Guiné e Cabo Verde), fundado por
Amílcar Cabral;
A guerra alastrou-se à Guiné em 1963.

Amílcar Cabral
– A carta das nações unidas estabeleceu que todas as
nações tinham o direito à autodeterminação. Portugal
recusou-se a aceitar esta ideia dizendo que as províncias
ultramarinas fazem parte do território. O que levou ao
desprestígio do país, excluído assim de vários
organismos das Nações Unidas e sendo alvo de sanções
económicas por parte de diversas nações africanas.
–A recusa de todas as ofertas e planos (como a ajuda
americana por exemplo), remeteu Portugal para um
isolamento, evidenciado na expressão de Salazar,
“orgulhosamente sós”.