Você está na página 1de 32

RESOLUÇÃO RDC/Anvisa

nº 50 de 2002

INSTALAÇÕES PREDIAIS
ORDINÁRIAS E ESPECIAIS

INSTALAÇÕES DE
CLIMATIZAÇÃO

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO
(IC)

São aquelas que criam um


microclima nos quesitos de
temperatura, umidade, velocidade,
distribuição e pureza do ar.

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO (IC)
BASE LEGAL
• ABNT NBR 6401 - Instalações Centrais de Ar
Condicionado para Conforto - Parâmetros Básicos de
Projeto;
• ABNT NBR 7256 - Tratamento de Ar em
estabelecimentos assistenciais de saúde;
• Portaria GM/MS nº 3523 de 28/08/98 - limpeza e
manutenção de sistemas de climatização;
• Recomendação Normativa 004-1995 da SBCC –
Classificação de Filtros de Ar para Utilização em
Ambientes Climatizados;
• ABNT NBR 14518 – Sistemas de Ventilação para
Cozinhas Profissionais.

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO
(IC)
AR CONDICIONADO (AC)

• Os setores com condicionamento para fins de


conforto, como salas administrativas, quartos de
internação, etc., devem ser atendidos pelos
parâmetros básicos de projeto definidos na norma
da ABNT NBR 6401:1980.

• Os setores destinados à assepsia e conforto, tais


como salas de cirurgias, UTI, berçário, nutrição
parenteral, etc., devem atender às exigências da
ABNT NBR 7256:2005.

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO
(IC)

• Controle do ambiente térmico


(temperatura e umidade)
• Controle da qualidade do ar
(agentes biológicos e químicos, odores)

Ar condicionado e infecção hospitalar


• Só pode controlar infecções transmissíveis
pelo ar
• Pode se tornar fator agravante se não for
bem projetado, executado, operado e mantido

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
O AMBIENTE TÉRMICO

• Conforto térmico essencial na cirurgia


- alivia estresse térmico do cirurgião
- evita contaminação por suor

• O ambiente térmico como fator de terapia


- surtos de calor e umidade alta prejudicam
pacientes cardíacos ou com disfunção do
sistema termo regulador
- ar muito quente e úmido favorece grandes
queimados com lesões expostas

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
O AMBIENTE TÉRMICO

• Umidade do ar
- muito alta favorece proliferação de
fungos
- muito baixa prejudica vias respiratórias
de pacientes sensíveis

• Condições especiais
- exigidas por equipamento de
diagnóstico e terapia.

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
QUALIDADE DO AR

• Controle da contaminação microbiológico


do ar
• Controle de odores e poluentes químicos

Processos de controle
• Filtragem do ar
• Controle dos fluxos de ar
• Renovação do ar / Exaustão

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
QUALIDADE DO AR
Filtragem

Filtros Absolutos (HEPA filters)


• ar virtualmente livre de qualquer partícula de matéria
(retêm mais de 99,97% das partículas de 0,3 micra)
• utilizados apenas em áreas muito críticas

Filtros finos de alta eficiência


• podem reter 99% ou mais dos agentes microbiológicos;
• adequados na maioria das aplicações de risco

Observação: Filtros não retêm gases

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
QUALIDADE DO AR

Renovação / Exaustão

• Odores e gases
- Removidos na fonte por exaustão localizada quando
possível
- Diluídos por mistura com ar exterior quando difusos
no ambiente

• Locais contaminados
- Ar totalmente rejeitado ao exterior por exaustão
mecânica, substituído por ar limpo

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
ABNT NBR 7256:2005

Estipula

• Parâmetros de projeto para cada ambiente de acordo


com
- as exigências especiais de temperatura e umidade
- o nível e o tipo do risco à saúde por exposição ao ar
• Requisitos técnicos para os componentes e
instalações
• Requisitos de proteção contra incêndio
• Precauções em caso de obras dentro ou na
vizinhança de áreas críticas

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO (IC)

AR CONDICIONADO (AC)

• No atendimento dos ambientes críticos e semi-


críticos devem ser tomados cuidados,
principalmente por envolver trabalhos e
tratamentos destinados à análise e erradicação de
doenças infecciosas, devendo portanto ser
observados os sistemas de filtragens, trocas de
ar, etc.

• Toda a compartimentação do estabelecimento


estabelecida pelo estudo arquitetônico, visando
atender à segurança do EAS e, principalmente,
evitar contatos de pacientes com doenças
infecciosas, deve ser respeitada quando da
setorização do sistema de ar condicionado.

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
FLUXOS DE AR

• Sempre em direção da área mais limpa para a


área mais contaminada
• Difusores de insuflação de baixa turbulência nos
ambientes críticos evitam dispersão dos
contaminantes
• Recirculação do ar admitida apenas entre áreas
com a mesma exigência da assepsia
• Gradientes de pressão interna - positiva nas
áreas limpas, negativa nas áreas contaminadas
• Importância da compartimentação física dos
locais e do controle da circulação

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
ABNT NBR 7256:2005
Risco à saúde por exposição ao ar ambiental

• Nível 1 - risco muito baixo


• Nível 2 - fortes evidências de risco
• Nível 3 - fortes evidências de grave risco

Tipo de risco
• Biológico
• Químico
• Radiológico

Avaliação apenas qualitativa - não há tentativa de


quantificar

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
ABNT NBR 7256:2005
Ambientes nível de risco 3

• Isolamento protetivo (pacientes


imunosuprimidos)
• Isolamento de bloqueio (pacientes com
graves infecções transmissíveis pelo ar)
• Cirurgia de alto risco e complexidade
(cirurgia óssea, cardiológica, neurológica,
transplantes)
• Grandes queimados (lesões expostas)

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
ABNT NBR 7256:2005

Ambientes nível de risco 3

• Laboratório de biologia molecular (cabines


de segurança biológica)
• Banco de tecidos (músculos, ossos)
• Manipulação de parenterais
• Esterilização gasosa - (óxido de etileno,
cancerígeno, explosivo)
• Lavanderia, (recebimento e triagem de roupa
suja)

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
ABNT NBR 7256:2005

Ambientes nível de risco 2

• Cirurgia geral, parto cirúrgico


• UTI, UTI neonatal
• Grandes queimados (lesões protegidas)
• Sala de emergência (politraumatismo,
parada cardíaca)
• Salas de inalação, broncoscopia
• Salas de exames invasivos

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO (IC)

AR CONDICIONADO (AC)

Tomada de Ar

As tomadas de ar não podem estar próximas dos dutos


de exaustão de cozinhas, sanitários, laboratórios,
lavanderia, centrais de gás combustível, grupos
geradores, vácuo, estacionamento interno e
edificação, bem como outros locais onde haja
emanação de agentes infecciosos ou gases nocivos,
estabelecendo-se a distância mínima de 8,0 m destes
locais.

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO (IC)

AR CONDICIONADO (AC)

Renovação de ar:
O sistema de condicionamento artificial de ar necessita
de insuflamento e exaustão de ar do tipo forçado,
atendendo aos requisitos quanto à localização de dutos
em relação aos ventiladores, pontos de exaustão do ar e
tomadas do mesmo. Todo retorno de ar deve ser feito
através de dutos, sendo vedado o retorno através de
sistema aberto (plenum).

Para os setores que necessitam da troca de ar


constante, deve ser previsto um sistema energético,
para atender às condições mínimas de utilização do
recinto quando da falta do sistema elétrico principal,
com o mínimo período de interrupção.

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO (IC)
VENTILAÇÃO (V)
Exaustão (E)

Lavanderia
• é obrigatória a
existência de sistemas
de exaustão mecânica
na lavanderia, tanto
na área "suja" quanto
na área "limpa". Estes
sistemas devem ser
independentes um do
outro.

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO (IC)
VENTILAÇÃO (V)
Exaustão (E)
Lavanderia
• a saída do exaustor da sala de recepção de roupa
suja deve estar posicionada de modo que não
prejudique a captação de ar de outros ambientes.
Preferencialmente, esta saída deve estar acima
aproximadamente 1.0 m da cumeeira do telhado
da edificação.
• devem-se utilizar filtros F1 nessas saídas caso a
mesma interfira na captação de ar de outros
ambientes, quer seja por janelas ou tomadas de
ar de sistemas de ar condicionado.

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO (IC)
VENTILAÇÃO (V)
Exaustão (E)
Lavanderia
• caso a lavanderia utilize ozônio em seu processo de
lavagem, é necessário um sistema de exaustão de ar
na sala do gerador de ozônio, além do exaustor da
sala de recepção de roupa suja onde estão situadas
as lavadoras de roupa.
• deve ser prevista coifa com exaustor sobre as
calandras, com altura máxima de 60 cm acima das
mesmas, além de outros exaustores perto de
lavadoras, secadoras e prensas. Alguns
equipamentos possuem exaustão própria. Nestes
casos a coifa é dispensável.

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO (IC)
VENTILAÇÃO (V)
Exaustão (E)
Lavanderia

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO (IC)

VENTILAÇÃO (V)

Exaustão (E)

Farmácia
O duto de exaustão da
capela de fluxo laminar
de manipulação de
quimioterápicos deve
possuir filtros finos.

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
ABNT NBR 7256:2005

Componentes e sistemas
Requisitos relativos à qualidade do ar e à
confiabilidade para:

• Filtros
• Condicionadores
• Umidificadores
• Salas de máquinas
• Tomadas e descargas de ar
• Dutos de ar

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
ABNT NBR 7256:2005

Componentes e sistemas
Proteção contra incêndio
• Conscientização do projetista de ar condicionado - não
substitui projeto especializado

Recomendações básicas
• Respeito à compartimentação corta fogo
• Materiais incombustíveis
• Dutos de ar potenciais condutores de fogo e fumaça
• Registros corta fogo e fumaça, detetores de fumaça

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
ABNT NBR 7256:2005

Obras na vizinhança de áreas críticas

• Alto risco de contaminação por poeira, fungos


• Isolamento estanque da área em obras
• Exaustão da área isolada.

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
UNIDADE DE CONDICIONAMENTO

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
CLIMATIZAÇÃO DE SALA CIRÚRGICA

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br
ENDEREÇO NA INTERNET

http://www.anvisa.gov.br

arquitetura.engenharia@anvisa.gov.br
☎ (61) 3448-1046 fax: (61) 3448-
1302

Agência Nacional
de Vigilância Sanitária
www.anvisa.gov.br