P. 1
9 Atrito Negativo

9 Atrito Negativo

3.0

|Views: 1.878|Likes:
Publicado porBruna Regina Abreu

More info:

Published by: Bruna Regina Abreu on Aug 13, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/31/2014

pdf

text

original

Cap.

9 – Atrito Negativo
1
Prof. José Mário Doleys Soares
ATRITO NEGATIVO
1. Generalidades
Quando uma estaca atravessa uma camada de solo compressível, podem
ocorrer esforços adicionais na mesma (que não constam do desenho do
engenheiro de estruturas), tais como empuxos horizontais devido a cargas
unilaterais nessa camada de solo e atrito negativo, que, no caso de estacas
verticais, corresponde a um acréscimo na carga axial decorrente de um
recalque da camadas compressível (Figura 1a). Se a estaca for inclinada
existirá também um esforço de flexão decorrente desse recalque (Figura 1b).
Figura 1- Esforços adicionais nas estacas devido ao adensamento de camadas
compressíveis
O recalque da camada compressível (e portanto, o atrito negativo) pode
ser devido a várias causas, entre elas se destacam:
a) amolgamento (perda de resistência) da camada compressível
provocado pela cravação das estacas como mostra a Figura 2.
Cap.9 – Atrito Negativo
2
Prof. José Mário Doleys Soares
Figura 2 - Atrito negativo causado por amolgamenío de camada compressível
b) Recalque da camada compressível causado por uma sobrecarga
devida ao lançamento de um aterro, ao estoque de materiais ou outra causa,
como mostra a Figura 3.
Figura 3 - Atrito negativo devido a sobrecarga
c) Solos subadensados que recalcam por efeito do peso próprio (Figura 4)
Figura 4- Atrito negativo provocado por solo subadensado
Existem ainda outras causas do atrito negativo nas estacas, entre elas o
adensamento regional provocado por um rebaixamento geral do lençol freático
devido à operação de poços artesianos. Também podem ocorrer recalques por
Cap.9 – Atrito Negativo
3
Prof. José Mário Doleys Soares
carreamentos de partículas de solo provocados pela percolação da água ou por
ruptura de grandes vazios (cavernas), que ocorrem, por exemplo, em solos
calcários.
Neste capítulo, analisaremos apenas as duas primeiras causas, visto
que as outras são de análise mais complexa e fogem ao objetivo deste livro.
2. Atrito Negativo provocado por amolgamento da camada compressível.
Quando uma estaca é cravada através de uma camada de argila mole
submersa tende a deslocar, lateralmente, parte dessa argila provocando
amolgamento (perda de resistência) da mesma. A região amolgada resultante
depende (além do diâmetro da estaca e do processo de execução) da
sensibilidade da argila.
O valor do atrito negativo, neste caso, é igual ao peso próprio da argila
amolgada (região hachurada na Figura 5), porém a extensão desse
amolgamento é um assunto muito controvertido, visto que algumas argilas
recuperam rapidamente uma parcela considerável de sua resistência poucos
dias após a cravação das estacas (fenómeno da "cicatrização", também
denominado set-up) como é o caso das argilas da Baixada Santista, que,
apesar de terem uma alta sensibilidade (aproximadamente 4)
,
recuperam parte
considerável de sua resistência muito rapidamente. Por esta razão nas argilas
da Baixada Santista, não se considera qualquer parcela de atrito negativo
devido à cravação das estacas (a não ser que se executem aterros ou obras
que imponham cargas verticais na argila).
Figura 5 - Atrito negativo provocado por amolgamento da argila
Cap.9 – Atrito Negativo
4
Prof. José Mário Doleys Soares
3 . Atrito Negativo provocado por sobrecargas.
Para visualizar o mecanismo de desenvolvimento do atrito negativo
devido a sobrecargas será usa a Figura 6, na qual se representa uma estaca
que atravessa um aterro e uma camada compressível de espessura d.
A parcela de atrito negativo transmitida pelo aterro depende da
geometria deste, mas para um dado estaqueamento não pode ser maior que o
peso do volume de aterro (somado à sobrecarga) sobre o plano que contém o
estaqueamento.
Na camada compressível o atrito negativo depende do deslocamento
relativo entre a estaca e o solo compressível, alcançando, no máximo, o valor
corresponde à resistência não-drenada da camada compressível. Supondo um
caso hipotético em que essa camada compressível repouse sobre um extrato
indeformável e apresente resistência crescente com a profundidade, a
distribuição das tensões do atrito negativo também aumentará com a
profundidade, mas depois de uma certa profundidade começará a diminuir,
caindo para zero no topo da camada indeformável (onde o deslocamento
relativo solo-estaca é nulo).
Figura 6 - Mecanismo do atrito negativo
Como a grande maioria dos casos a ponta das estacas não atinge o
extrato indeformável haverá um recalque de sua ponta e consequentemente o
ponto onde o atrito negativo é nulo se desloca para cima, obtendo-se, na
camada compressível, um certo trecho com atrito positivo (Figura 6c). A
mudança do atrito lateral de negativo para positivo ocorre na profundidade
Cap.9 – Atrito Negativo
5
Prof. José Mário Doleys Soares
onde o recalque da camada compressível é igual ao recalque da estaca (ω
a
=
ω
e
). A este ponto dá-se o nome de ponto neutro.
4. Métodos para se estimar o atrito negativo
4.1- Método Convencional
No caso de estacas isoladas, a força devido ao atrito negativo pode ser
estimada por:
A.N = U  
l
. r
l
em que:
U = perímetro da estaca

l
= trechos de solo com r
l
= constante
r
l
= adesão entre a estaca e o solo. Para as argilas moles, este valor pode ser
adotado igual à coesão dessas argilas. Na falta deste valor, ou quando a
estaca atravessa aterros, r
l
, pode ser adotado igual, em módulo, ao atrito lateral
fornecido pelos métodos de transferência de carga citados nas referências
bibliográficas do Cap. 1.
No caso de o atrito negativo ser devido unicamente ao efeito de
cravação (amolgamento), seu valor não deverá exceder o peso do volume de
solo amolgado, cuja extensão dependerá da sensibilidade da argila e das
características das estacas. Entretanto, o valor do atrito negativo, devido a esta
causa, poderá ser negligenciado quando a argila tiver uma rápida cicatrização,
como se comentou no item 2.
Se a argila não apresentar o fenómeno da cicatrização, a região
amolgada que será responsável pelo atrito negativo é de difícil avaliação.
Alguns estudiosos sugerem que seja considerada um área de um círculo com
1,5 vezes o diâmetro da estaca enquanto outros propõem que essa extensão
seja de 30 a 50 cm em torno do diâmetro a estaca.
4.2 - Método de De Beer & Wallays
O cálculo é feito separadamente para o efeito da sobrecarga (que inclui
o aterro) e para o efeito da camada compressível, respectivamente, AN
o
e AN
¸
:
NA = AN
0
+ AN
¸
em que:
Cap.9 – Atrito Negativo
6
Prof. José Mário Doleys Soares
|
|
¹
|

'

÷ ÷ =
0
0
0 . 0 0
. . . .
1 .
A
tg k d D
e p A N A
 
|
|
|
|
|
¹
|

'

÷
÷ =


 
 
 

A
tg k d D
A
tg k d D
e
d A N A
. . . .
. . . .
1
1 '. .
0
0
.
4
.
2
0
d
A

= quando a estaca é isolada. No caso de estacas em grupo A
0
é
calculado como mostra a .Figura 8.
Para
16
.
2
d
A


= (valem as mesmas considerações feitas para o termo A
0
.)
D = diâmetro da estaca
d = espessura da camada compressível
k
0
tg¢ (p = (l - sen ¢) tg¢= atrito solo-estaca
p
0
= sobrecarga no topo da camada compressível
¸
’ =
peso específico efetivo da camada compressível
A profundidade z até onde se deve considerar a ação do atrito negativo
é obtido a partir da figura 7.
Figura 7 - Cálculo da espessura que contribui no atrito negativo
Cap.9 – Atrito Negativo
7
Prof. José Mário Doleys Soares
Quando as estacas fazem parte de um grupo, o procedimento é análogo
ao de estaca isolada alterando-se apenas os valores de A
o
e A
¸
para:
A
0
= A
¸
= a • b (estacas internas ao bloco)
4
) 9 , 0 ).( 9 , 0 (
0
d b d a
A A
+ +
= =

(estacas nos vértices do bloco)
a
b d
A A
|
¹
|

'

+ = =
2 2
9 , 0
0 
ou b
a d
|
¹
|

'

+
2 2
9 , 0 (estacas de periferia do bloco)
(Para aplicação, ver 1°e 2°Exercícios).
Figura 8 - Áreas de influência para estacas em grupo
4.3 - Método de Johnson e Kavanagh
O método proposto por esses autores só se aplica ao caso de estacas
isoladas. Sua hipótese básica é que a carga proveniente do atrito negativo é
igual à que deveria ser aplicada pela estaca ao solo, no sentido de baixo para
cima, paa produzir na superfície um recalque, em módulo, igual ao que a
sobrecarga imporia ao solo, caso não existisse a estaca. (Figura 9).
Cap.9 – Atrito Negativo
8
Prof. José Mário Doleys Soares
Figura 9 - Hipótese de Johnson e Kavanagh
Para se executar o cálculo por este método, divide-se a camada
compressível em subcamadas de espessura constante e admite-se que as
pressões, de baixo para cima, solicitem essa camadas formando um ângulo ¢ =
30°. O cálculo é feito por tentativas até se obter um valor de f
(carga/comprimento de estaca). Para este cálculo, admite-se que f
o
varie
linearmente com a profundidade até se anular no fim da camada compressível,
como mostra a Figura 9.
Assim, conhecido o valor real de f
o
, obtém-se a carga proveniente do
atrito negativo por
Os passos de cálculo referentes a este método são apresentados no 4°
Exercício resolvido.
5. Procedimentos para se tentar reduzis o atrito negativo
Por ser a carga de atrito negativo um fator que encarece o
estaqueamento, há sempre interesse em se utilizar procedimentos que, mesmo
que não o eliminem totalmente, pelo menos o diminuam. Os procedimentos
citados na bibliografia sobre o assunto são:
a) Pré-carregamento da camada compressível antes da instalação antt
da instalação das estacas. Esse método, entretanto só pode ser
empregado quando o cronograma da obra o permite, visto que este pré-
carregamento deve ser mantido durante um certo tempo até que se
processem os recalques preestabelecidos. Por outro lado, os custos
envolvidos podem ser de tal ordem que, mesmo levando-se em conta
uma carga adicional no estaqueamento devido ao atrito negativo, ainda
assim este será mais vantajoso.
2
.
0
d
f N A =
Cap.9 – Atrito Negativo
9
Prof. José Mário Doleys Soares
b) Eliminação do contato direto do solo com a estaca, instalando-se as
estacas após a cravação de tubos de maior diâmetro, limpando-se o solo
dentro dos mesmos e instalando-se as estacas a seguir. Este
procedimento não pode ser usado quando, além das cargas verticais,
atuam cargas horizontais.
c) Pintura da superfície externa da estaca com uma mistura
betuminosa especial. Esta pintura, porém, deve ser feita com uma
técnica que garanta uma espessura mínima de betume que não seja
removida durante a cravação pelo atrito com o solo. Na revista Gronnd
Engineering de novembro de 1972 são apresentadas algumas
características desse betume: penetração a 25°C de 35 a 70 com índice
de penetração + 20 e ponto de amolecimento (R & B) entre 57 e 63. O
betume deve ser aplicado até se obter uma superfície uniforme em volta
da estaca com espessura mínima de 1 cm. Para se garantir uma
aderência eficaz, o mesmo deve ser imprimido com pressão de 1 a 2
kN/m
2
. Durante a aplicação do betume a estaca deverá ser mantida na
horizontal devendo-se evitar temperaturas elevadas para que não
ocorram corrimentos.
d) Instalar as estacas de modo que possam recalcar da mesma ordem
de grandeza do recalque da camada compressível. Este método foi
proposto em 1967 por Zeevaert para as argilas da Cidade do México.
e) Utilização de estacas de pequeno diâmetro para reduzir a área de
contato com o solo.
f) Utilização de estacas troncocônicas com a menor seção voltada para
baixo, de modo que a camada compressível ao recalcar se descole do
fuste.
6. Carga Admissível
Conhecido o valor do atrito negativo, a carga admissível da estaca será,
segundo a NBR 6122,
2
AN PR
P
÷
=
Cap.9 – Atrito Negativo
10
Prof. José Mário Doleys Soares
em que PR é a capacidade de carga da estaca, obtida como o menor dos dois
valores citados no item 1.1 do Cap. 1.
Cabe lembrar que os métodos de transferência de carga devem ser
aplicados apenas na região em que existe atrito positivo, como indica a Figura
10.
Figura 10 - Carga admissível quando existe atrito negativo
7. Execícios Resolvidos
1°Exercício: Calcular a carga devida ao atrito negativo na estaca de concreto
com 40 cm de diâmetro, indicada na figura, usando-se o método convencional
e o método de De Beer-Wallavs.
a) Método convencional
NA = t x 0,4 x 15 ~ 339kN
b) Método de De Beer-Wallays
2
2
0
254
4
18 .
m A = =

2
2
64
16
18 .
m A = =


k
0
.tg¢ = (1-sen¢).tg¢ = (1-se 10º) tg 10º ~ 0,15
t.D.d.k
0
.tg¢ = t.0,4 . 20 . 0,15 ~ 3,77
Cap.9 – Atrito Negativo
11
Prof. José Mário Doleys Soares
015 , 0
. . . .
0
0
~
|
|
¹
|

'

A
tg k d D  
AN
0
= 254 x 20 (1-e
-0,015
)  76kN
136
06 , 0
1
1 . 18 ). 10 14 .( 64 .
06 , 0
=
|
|
¹
|

'
÷
÷ ÷ =
÷
e
N A

AN

= 76 x 136 = 212kN
profundidade máxima até onde atua o atrito negativo
2 , 0
.
03 , 0
64 ). 10 14 (
4 , 0 . 20
'.
. 0
~ > ÷ =
÷
=

  A
D z
A
D p
(Figura 7)
z = 0,2 x 64/0,4 = 32m>18m e, portanto, toda camada compressível contribuirá
para o atrito negativo
2°Exercício: Calcular a carga devido ao atrito negativo atuante nas estacas de
25 cm de diâmetro solidarizadas por um bloco. O espaçamento entre as
estacas é de 1m nos dois sentidos e as mesmas atravessam uma camada
compressível de 10 m de espessura sobre a qual será lançado um aterro de
2m de altura, com peso específico de 18 kN/m
3
.
Adotar para a camada compressível os mesmos parâmetros geotécnicos
do exercício anterior.
Solução:
p
o
=2x 18 = 36 kN/m
2
k
0
tg = 0,15
¸'= 14- 10 = 4 kN/m
3
t.D.d.k
0
.tg¢ = t.0,25 . 10 . 0,15 ~ 1,18
a) Estacas do interior do bloco
A
0
- A
¸
= 1x 1 = 1m²
06 , 0
. . . .
0
~
|
|
¹
|

'


 
A
tg k d D
Cap.9 – Atrito Negativo
12
Prof. José Mário Doleys Soares
18 , 1
. . . .
0
0
=
|
|
¹
|

'

A
tg k d D  
AN
0
= 1 x 36 (1-e
-1,18
) =24,9kN
kN
e
N A 5 , 16
18 , 1
1
1 . 10 . 4 . 1 .
18 , 1
=
|
|
¹
|

'
÷
÷ =
÷

AN = 41,1kN
b) Estacas do vértice
2
2
0
25
4
) 10 . 9 , 0 1 (
m A A =
+
= = 
047 , 0
. . . .
0
0
=
|
|
¹
|

'

A
tg k d D  
AN
0
= 25 x 36 (1-e
-0,047
) =41,3kN
AN = 64,4kN
c) Estacas da periferia
2
0
5 1 .
2
1
2
10
9 , 0 m A A ~
|
¹
|

'

+ = = 
236 , 0
. . . .
0
0
=
|
|
¹
|

'

A
tg k d D  
AN
0
= 5 x 36 (1-e
-0,236
) =37,8kN
18 , 1
. . . .
0
=
|
|
¹
|

'


 
A
tg k d D
047 , 0
. . . .
0
=
|
|
¹
|

'


 
A
tg k d D
kN
e
N A 1 , 23
047 , 0
1
1 . 10 . 4 . 25 .
047 , 0
=
|
|
¹
|

'
÷
÷ =
÷

236 , 0
. . . .
0
=
|
|
¹
|

'


 
A
tg k d D
Cap.9 – Atrito Negativo
13
Prof. José Mário Doleys Soares
AN = 37,8+21,8 = 59,6kN
3° Exercício: Calcular o atrito negativo atuante numa estaca de 50 cm de
diâmetro causado pelo
lançamento de um aterro
imediatamente após a cravação
da estaca, como indica a figura.
Usar o método de Johnson e
Kavanagh.
Dados
Aterro: h = 4 m
y= 18kN/m
3
Camada compressível:
d=8m
¸= 10kN/m
3
e
0
= 1,9
C
c
= 0,25
1° Passo: Cálculo do recalque, por adensamento, devido ao lançamento do
aterro, caso não houvesse a estaca:
0
1 e
C
d r
c
+
=
log
|
|
¹
|

'
A +
0
0
p
p p
² / 40 10
2
8
0
m kN p = × =
p = 4 x 18 = 72kN/m²
9 , 1 1
25 , 0
8
+
= r
log
m 3083 , 0
40
72 40
=
|
¹
|

'

+
kN
e
N A 8 , 21
236 , 0
1
1 . 10 . 4 . 5 .
236 , 0
=
|
|
¹
|

'
÷
÷ =
÷

Cap.9 – Atrito Negativo
14
Prof. José Mário Doleys Soares
2°Passo: Cálculo da parcela de atrito (carga por unidade de comprimento) a
uma dada profundidade x contada do topo da camada compressível, em função
do valor de f
0
atuante nesse topo e decrescendo linearmente até zero no final
da camada compressível, como mostra a figura acima.
|
¹
|

'

÷ =
d
x
f f
x
1
0
Dividindo-se a camada compressível com 10 subcamadas de espessura
constante, tem-se:
m
n
d
x
80 , 0
10
8
= = = A
Força total devido a uma subcamada
x
x n
x
f x
d
x
f f F
x x x
A
|
¹
|

'

A
÷ = A
|
¹
|

'

÷ = A = .
.
1 . 1 . .
0 0
Admitindo-se que a força total F
x
de cada subcamada solicite o solo
formando um ângulo ¢=30°, então a variação média de pressão Ap, na
profundidade x causada pela força F
x
, será:
2
0
.
2
.
.
1
.
2
.
|
¹
|

'

+
A
|
¹
|

'

A
÷
=
|
¹
|

'

+
= A
R tg
x
x
x n
x
f
R tg
x
F
p
x
 
 
em que
R = D/2 é o raio da estaca.
Como x=i.x-x/2=(2i-1)x/2, em que i é o número da subcamada em
estudo, então:
=
÷ A + ÷ A +
+ ÷ A
= A
) ² )². 1 2 ²( ). 1 2 ( 8 ² 16 ( .
) 1 2 2 ( . . 8
0
   tg i x tg i x R R n
i n x f
p

÷ + ÷ +
÷
= A
²) 577 , 0 )². 1 2 ²( 8 , 0 577 , 0 ). 1 2 .( 8 , 0 . 25 , 0 . 8 ² 25 , 0 . 16 ( 10 .
) 2 1 . 2 .( 80 , 0 . . 8
0
i i
i f
p

0
.
)² 1 2 .( 213 , 0 577 , 0 ). 1 2 .( 923 , 0 1
) 2 1 . 2 .( 204 , 0
f
i i
i
p
÷ + ÷ +
÷
= A
Pressão efetiva inicial devido à camada compressível, acima da
profundidade x.
Cap.9 – Atrito Negativo
15
Prof. José Mário Doleys Soares
) 1 2 .(
4 2
.
2
1
0
÷ A =
|
¹
|

'

A
÷ A = i x
x
x i p


) 1 2 .( 2 ) 1 2 .( 8 ,
4
10
0
÷ = ÷ × = i i p
Recalque da camada compressível devido à força F
x
agindo na
subcamada da profundidade x.
0
1 e
C
x r
c
x
+
=
log
|
|
¹
|

'
A +
0
0
p
p p
como x = i. x / 2, então
0
1 2
.
e
C
x
x
x i r
c
i
+
|
¹
|

'

A
÷ A =
log
|
|
¹
|

'
A +
0
0
p
p p
em que r
i
é o recalque da camada compressível devido à força de atrito na
subcamada i.
Substituindo-se os valores de Ax, C
c
, e
0
, p
0
e A
p
ficaremos com a
expressão r
i
expressa apenas em função de i e f
0
. Assim, o problema fica
resumido a se arbitrar valores para f
0
até que a soma das parcelas r
i
, fazendo-
se i = 1,2 .... 10, seja igual ao recalque r calculado no 1°Passo.
Para este cálculo, foi elaborada a tabela a seguir:
f
0
(kN/m)
r
i
30 40 50
r
1
0,050 0,054 0,057
r
2
0,063 0,073 0,081
r
3
0,046 0,056 0,065
r
4
0,029 0,037 0,044
r
s
0,018 0,023 0,028
r
6
0,011 0,014 0,018
r
7
0,006 0,009 0,011
r
8
0,004 0,005 0,006
r
9
0,002 0,002 0,003
r
10
0,000 0,001 0,001
Soma 2.229 0,274 0,315
45 kN/m (valor intermediário entre 40 e 50 kN/m).
A força total de atrito negativo será, então:
Cap.9 – Atrito Negativo
16
Prof. José Mário Doleys Soares
kN
d
f AN 180
2
8
45
2
0
= × = =
ENSAIO DE CARREGAMENTO DINÂMICO: EXEMPLO DE APLICAÇÃO NA
DUPLICAÇÃO DA BR 101/SC
Luiz Antoniutti Neto e Luís Fernando Debas
In Situ Geotecnia S/C Ltda, Curitiba, PR
Luiz Russo Neto
Pontifícia Universidade Católica do Paraná / In Situ Geotecnia S/C Ltda, Curitiba, PR
Alessander C. M. Konnann
Laboratório de Materiais e Estruturas, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR
RESUMO
O presente trabalho tem por objetivo divulgar a utilização do ensaio de
carregamento dinâmico. Uma breve descrição dessa ferramenta é efetuada.
Como exemplo de sua utilização, é apresentada uma prova de carga dinâmica
executada nas fundações de um viaduto da duplicação da BR 101, em Santa
Catarina. Os resultados do ensaio dinâmico são discutidos com base em uma
curva resistência mobilizada versus deslocamentos acumulados.
1 INTRODUÇÃO
Em nosso país, os projetos de fundações são correntemente elaborados
com base no conceito de capacidade de carga. É usual a estimativa da carga
de ruptura de sapatas, tubulões e estacas através de métodos empíricos ou
semi-empíricos, baseados principalmente no ensaio SPT. No intuito de evitar
Cap.9 – Atrito Negativo
17
Prof. José Mário Doleys Soares
que recalques ou deformações excessivas das fundações venham a
comprometer a funcionalidade da obra durante sua vida útil, as cargas de
ruptura são minoradas através de um fator de segurança, de modo a se
estabelecer uma carga de trabalho. Assim, uma das questões que envolvem a
segurança das edificações diz respeito à necessidade das fundações estarem
aptas a receber os carregamentos previstos em projeto.
Para verificar se as fundações executadas em uma dada obra
efetivamente suportarão as cargas para as quais foram concebidas, uma
técnica que pode ser empregada consiste no Ensaio de Carregamento
Dinâmico. Essa ferramenta - que no Brasil vem sendo utilizada desde a década
de 1980 - consiste na instrumentação de estacas e análises com o Método da
Equação da Onda (Smith, 1960).
No presente trabalho, é efetuada uma rápida descrição do ensaio de
carregamento dinâmico, baseada no trabalho de Konnann et al. (1999). No
intuito de ilustrar sua utilização, são apresentados dados de ensaios
executados nas fundações de um viaduto da duplicação da BR 101, em Santa
Catarina
2 O ENSAIO DE CARREGAMENTO DINÂMICO
Quando uma estaca recebe um golpe de martelo, o impacto provoca
uma onda de compressão. A onda decorrente do choque do martelo, que
inicialmente comprime a cabeça da estaca em frações de segundo se propaga
até a ponta, retomando em seguida ao topo e assim sucessivamente. Em
estacas de concreto armado, essas ondas viajam com velocidades da ordem
de 3500 m/s.
À medida que as ondas se deslocam do topo até a ponta da estaca, a
sua intensidade tende a se modificar. Para que a estaca supere a resistência
oferecida pelo solo e penetre no terreno, a energia transferida pelo martelo é
consumida gradualmente. Durante esse processo, a onda produz reflexões
compressivas sempre que encontra "barreiras" em seu caminho, tais como
atrito lateral e resistência de ponta Por outro lado, caso a onda do impacto
encontre regiões de pouco atrito lateral, resistência de ponta reduzida ou até
mesmo danos na estaca, uma resposta distinta ocorre. Nessas situações, as
reflexões consistirão em ondas de tração.
Cap.9 – Atrito Negativo
18
Prof. José Mário Doleys Soares
Utilizando-se uma instrumentação adequada, é possível medir a
intensidade das ondas de impacto do martelo, e as alterações que as mesmas
sofrem à medida que encontram as resistências do solo. Para tanto,
transdutores de deformação e acelerômetros são posicionados próximo ao topo
da estaca, mediante o uso de chumbadores. Esses dispositivos - que são
instalados sempre em pares diametralmente opostos - podem observados na
Figura 11.
Figura 11 - Detalhe da instrumentação - ensaio de carregamento dinâmico.
Para monitorar os dados de deformação e aceleração que a
instrumentação fornece, é necessário o uso de um equipamento específico. Na
Figura 12 pode-se observar a unidade conhecida como Pile Driving Analyzer®
(PDA), modelo P AL (PDI, 1997), juntamente com um notebook. O PDA
condiciona e processa as informações da instrumentação, fornecendo sinais
que representam a variação da intensidade de força e velocidade na estaca, ao
longo do tempo.
Cap.9 – Atrito Negativo
19
Prof. José Mário Doleys Soares
Durante a cravação da estaca, a monitoração pode fornecer uma série
de informações, tais como:
- avaliação da capacidade de carga, através do método CASE (Rausche et al,
1971);
- força máxima do impacto;
- energia do golpe, que é utilizada para calcular a eficiência do sistema de
cravação;
- tensões máximas, cujo controle reduz o risco de quebra da estaca durante a
cravação;
- danos estruturais e sua localização.
Figura 12 - Pile Driving Analyzer ® (PDA) - modelo P AL (PDI, 1997).
De modo a se obter uma estimativa mais precisa da capacidade de
carga da estaca, os sinais de força e velocidade podem posteriormente ser
processados com o método CAPWAP®. Essa técnica é um processo iterativo,
em que um sinal calculado numericamente é ajustado de modo a reproduzir, da
melhor forma possível, o sinal medido em campo. Quando essa condição é
Cap.9 – Atrito Negativo
20
Prof. José Mário Doleys Soares
atendida, uma série de parâmetros que descrevem o comportamento do
sistema estaca-solo é inferida Dentre essas informações, tem-se a capacidade
de carga mobilizada pelo golpe do martelo.
Apesar do ensaio de carregamento dinâmico ter sido originalmente
concebido para uso em estacas cravadas, essa ferramenta vem encontrando
aplicação crescente em tubulões e estacas moldadas in loco. Para tanto, basta
que se disponha de um sistema que permita aplicar golpes na fundação.
A metodologia descrita está normatizada pela NBR 13208 - Ensaio de
Carregamento Dinâmico (ABNT, 1994). Quando a capacidade de carga de um
estaqueamento é verificada com provas de carga estáticas ou com o ensaio de
carregamento dinâmico, a norma NBR 6122 - Projeto e execução de fundações
(ABNT, 1996) fixa critérios que permitem otimizar o coeficiente de segurança
do projeto. Uma vez que a determinação experimental do comportamento das
estacas minimiza as incertezas comuns em projetos geotécnicos, coeficientes
de segurança inferiores aos usuais poderão ser empregados. Caso 1% das
estacas da obra sejam ensaiadas estaticamente, ou 3% dinamicamente, o
coeficiente de segurança global pode ser reduzido até o valor de 1,6.
3 CASO DE OBRA: BR 101/SC
3.1 Dados da obra
Para o presente trabalho, foi selecionado como exemplo o caso de um
viaduto da duplicação da BR 101/SC. Na Figura 13, pode-se observar dados
representativos de sondagens SPT, bem como um perfil geotécnico do local do
ensaio dinâmico, que será descrito adiante.
O terreno está associado a um perfil de solo residual. Inicialmente, tem-
se a presença de um aterro, com espessura aproximada de 2,0 m. Em seguida,
ocorre uma camada de argila arenosa cinza escura, muito mole a mole, com
cerca de 6,0 m de espessura. Subjacente a esse material, aparece um silte
argiloso rijo a duro, que se estende até o limite de sondagem.
As estacas da obra em questão são do tipo hélice contínua, com 70 cm
de diâmetro. Dentre os diversos elementos ensaiados nas fundações do
Cap.9 – Atrito Negativo
21
Prof. José Mário Doleys Soares
viaduto, será descrita a prova de carga de uma estaca com comprimento útil
igual a 11,30 m, com uma carga de trabalho de 1700 kN.
Figura 13 - Perfil geotécnico representativo
3.2 Prova de carga dinâmica
P ara a execução do ensaio de carregamento dinâmico foi utilizado um
martelo do tipo queda livre, com pilão de 51 kN. O sistema amortecedor
consistiu em capacete, cepo e coxim de madeira. O topo da estaca foi
preparado previamente, com a concretagem de um bloco armado. Esse reforço
possuía uma seção circular de 72 cm e comprimento de 190 cm. A
instrumentação foi posicionada a cerca de 55 cm do topo da estaca (2,45 m
abaixo do topo do reforço). O ensaio foi executado com alturas de queda
crescentes do martelo (e.g. Aoki, 1989). Tal procedimento é correntemente
designado como prova de carga dinâmica.
Com o objetivo de mobilizar tanto quanto possível as resistências do
sistema estaca-solo, as alturas de queda receberam incrementos graduais. As
tensões compressivas foram controladas, de modo a se evitar danos
estruturais à estaca Os golpes do martelo foram monitorados com o PDA,
tendo-se medido também as negas correspondentes com lápis e papel.
Cap.9 – Atrito Negativo
22
Prof. José Mário Doleys Soares
A Tabela 1 resume dados do ensaio. A prova de carga dinâmica
compreendeu 8 golpes, com alturas de queda variando entre 100 e 450 cm. As
tensões de tração máximas abaixo dos sensores (TSX) apresentaram uma
intensidade reduzida. A máxima tensão compressiva (CSX) do último golpe -
que envolveu uma altura de queda considerável - atingiu 24,0 Mpa. A Figura 14
apresenta os sinais de força (linha cheia) e de velocidade x impedância (linha
tracejada) correspondentes a esse golpe. Ambos os sinais crescem
continuamente dentro do intervalo 2L/c, o que sugere uma interferência do
martelo. Em torno de 3L/c, o sinal de força passa a se situar sensivelmente
abaixo do sinal de velocidade x impedância Esse comportamento está
associado à maior magnitude dos deslocamentos obtidos com o último golpe. A
interpretação dos sinais monitorados permitiu definir uma velocidade de
propagação de onda igual a 3550 m/s.
Tabela 1 - Dados da prova de carga dinâmica.
Golpe Altura de Queda
(cm)
Nega (mm) TSX (MPa) CSX (MPa) EMX
(kN.m)
1 100 0,0 0,3 6,3 9,4
2 120 0,0 0,6 7,3 13,2
3 160 1,5 0,5 9,4 20,0
4 200 1,0 0,5 11,4 27,3
5 250 1,0 0,5 13,2 34,6
6 300 3,0 0,3 15,2 43,7
7 350 3,0 0,3 16,8 52,5
8 450 6,5 0,8 24,0 85,1
Cap.9 – Atrito Negativo
23
Prof. José Mário Doleys Soares
Figura 14 - Sinais de força e velocidade x impedância do golpe 8.
3.3 Resultados e interpretação
No intuito de se obter parâmetros para a avaliação das resistências
mobilizadas no ensaio, o golpe número 5, correspondente à altura de queda de
250 cm, foi analisado pelo programa CAPWAP. Os resultados mostraram uma
resistência mobilizada de 2796 kN, sendo 56 % da mesma correspondente a
atrito lateral. A interpretação dessa análise, em conjunto como dados de outras
estacas da obra, sugeriu o uso um fator de amortecimento do Método Case (J
c
)
igual a 0,25. Com base nesse valor de amortecimento, foram avaliadas as
resistências mobilizadas golpe a golpe (Tab. 2). Estão incluídos também na
Tabela 2 os deslocamentos máximos (DMX) e permanentes (DFN) de cada
golpe. Esses dados são calculados, envolvendo-se integrações dos sinais
monitorados.
Os dados da Tabela 2 podem ser utilizados para a simulação de uma
curva carga versus recalque. Conforme discutido por Kormann et al. (2000a,
2000b), que analisaram tanto provas de carga estáticas como dinâmicas em
estacas hélice contínua, a interpretação dos ensaios pode ser efetuada
considerando-se os mesmos como uma sucessão de ciclos de carregamento
(e.g. Seitz 1984, Niyama e Aoki 1991). Para tanto, deve-se acumular os
deslocamentos permanentes resultantes de cada golpe. Esse conceito está
ilustrado na Figura 5. O deslocamento acumulado consiste no somatório dos
deslocamentos permanentes dos golpes anteriores, acrescidos do
deslocamento máximo (DMX) do golpe em questão. Para o traçado da curva,
foram utilizadas as negas calculadas (DFN) e as medições efetuadas com lápis
e papel.
Cap.9 – Atrito Negativo
24
Prof. José Mário Doleys Soares
Tabela 2 - Resistências e deslocamentos mobilizados nos golpes.
Golpe Altura de Queda* (cm) DMX (mm) DFN (mm) RMX(kN)
1 100 5 - 1755
2 120 7 0 2014
3 160 9 1 2215
4 200 10 2 2326
5 250 12 3 2430
6 300 14 4 2665
7 350 16 5 2858
8 450 20 6 3325
A carga máxima que pôde ser mobilizada com o martelo disponível, igual
a 3325 kN, mostrou-se segura em relação à carga de trabalho da estaca (1700
kN). Deve-se observar que para estacas do tipo escavadas, como as aqui
descritas, o conceito de ruptura física não é diretamente aplicável. Nesse tipo
de fundação — em que uma contribuição de ponta reduzida está associada a
pequenos deslocamentos — a mobilização de resistências tende a aumentar
continuamente com os recalques. A forma da curva carga x recalque da Figura
15 sugere que resistências mais altas poderiam ser alcançadas caso maiores
deslocamentos fossem obtidos no ensaio.
Figura 15 - Curva deslocamento acumulado versus resistência mobilizada (RMX).
4 CONCLUSÕES
Cap.9 – Atrito Negativo
25
Prof. José Mário Doleys Soares
No presente trabalho, procurou-se abordar conceitos básicos do ensaio
de carregamento dinâmico. O caso de obra apresentado - o de uma prova de
carga dinâmica de um viaduto da duplicação da BR 101/SC - ilustra o potencial
dessa técnica como ferramenta de controle de qualidade.
A estaca hélice contínua executada em um perfil de solo residual, com
70 cm de diâmetro e 11,3 m de comprimento, mostrou uma resistência
mobilizada de 3325 kN, a qual foi considerada satisfatória Apesar do martelo
da prova de carga dinâmica possuir um peso de 51 kN e de se ter alcançado
uma altura de queda de 450 cm, a estaca suportou adequadamente as tensões
compressivas máximas do ensaio (24 MPa).
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ABNT (1994), NBR 13208, Estacas - Erisaio de Carregamento Dinâmico, 4 p.
ABNT (1996), NBR 6122, NBR 6122, Projeto e Execução de Fundações, 33 p.
AOKI, N. (1989), A New Dynamic Load Test Concept, Discussion Session 14, TC Pile
Driving, XIIICSMFE, Rio de Janeiro, v. l, p. 1-4.
KORMANN, A.C.M., ANTONIUTTI NETO, L.A. e RUSSO NETO, L.R. (1999), Ensaio
de Carregamento Dinâmico: Caso de Obra com Estaca Cravada em Terreno da
Formação Guabirotuba, Anais da Mesa Redonda Características Geotécnicas da
Formação Guabirotuba, ABMS/UFPR, Curitiba, p. 173-182.
KORMANN, A.C.M., CHAMECKI, P.R., RUSSO NETO, L., ANTONIUTTI NETO, L. e
BERNARDES, G.P. (2000a), Estacas Hélice Contínua em Argila Sobreadensada:
Comportamento em Provas de Carga Estáticas e Dinâmicas, SEFEIV,
ABMS/ABEF, São Paulo.
KORMANN, A.C.M, CHAMECKI, P.R., RUSSO NETO, L., ANTONIUTTI NETO, L. e
BERNARDES, G.P. (2000b), Behavior of Short CFA Piles in an Overconsolidated Clay
Based on Static and Dynamic Load Tests, Proc. 6th Int. Conf. Applic. of Stress-
Wave Theory to Piles, a ser publicado.
NIYAMA, S. e AOKI, N. (1991), Correlação entre Provas de Carga Dinâmica e Estática
no Campo Experimental da EPUSP/ABEF, 2° Sem. de Eng. de Fundações
Especiais, São Paulo, pp. 285-293.
PDI (1997), Pile Driving Analyzer, PALModel, User s Manual, Pile Dynamics,
Cleveland.
Cap.9 – Atrito Negativo
26
Prof. José Mário Doleys Soares
RAUSCHE, F., GOBLE, G.G. e MOSES, F. (1971), A New Testing Procedure for Axial
Pile Strength, Third Offshore Technology Conference, Houston, p. 633-642.
SEITZ, J.M. (1984), Dynamic Testing of Bored Piles in Non-cohesive Soils, Proc. 2nd
Int.Conf. Applic. of Stress-Wave Theory to Piles, pp. 201-209.
SMITH, E.A.L. (1960), Pile Driving Analysis by the Wave Equation, Journal of the Soil
Mechanics and Foundation Division, ASCE, SM4, p. 35-61.
PROVA DE CARGA DINÂMICA
Cap.9 – Atrito Negativo
27
Prof. José Mário Doleys Soares

Figura 2 - Atrito negativo causado por amolgamenío de camada compressível

b)

Recalque da camada compressível causado por uma sobrecarga

devida ao lançamento de um aterro, ao estoque de materiais ou outra causa, como mostra a Figura 3.

- Atrito negativo devido a sobrecarga

c) Solos subadensados que recalcam por efeito do peso próprio (Figura 4)

- Atrito negativo provocado por solo subadensado

Existem ainda outras causas do atrito negativo nas estacas, entre elas o adensamento regional provocado por um rebaixamento geral do lençol freático devido à operação de poços artesianos. Também podem ocorrer recalques por

porém a extensão desse amolgamento é um assunto muito controvertido. lateralmente. 2. Neste capítulo. visto que as outras são de análise mais complexa e fogem ao objetivo deste livro. também denominado set-up) como é o caso das argilas da Baixada Santista. . que ocorrem. em solos calcários. parte dessa argila provocando amolgamento (perda de resistência) da mesma. Atrito Negativo provocado por amolgamento da camada compressível. que. apesar de terem uma alta sensibilidade (aproximadamente 4) . A região amolgada resultante depende (além do diâmetro da estaca e do processo de execução) da sensibilidade da argila. não se considera qualquer parcela de atrito negativo devido à cravação das estacas (a não ser que se executem aterros ou obras que imponham cargas verticais na argila). analisaremos apenas as duas primeiras causas. recuperam parte considerável de sua resistência muito rapidamente.carreamentos de partículas de solo provocados pela percolação da água ou por ruptura de grandes vazios (cavernas). Por esta razão nas argilas da Baixada Santista. O valor do atrito negativo. visto que algumas argilas recuperam rapidamente uma parcela considerável de sua resistência poucos dias após a cravação das estacas (fenómeno da "cicatrização". neste caso.Atrito negativo provocado por amolgamento da argila . por exemplo. Quando uma estaca é cravada através de uma camada de argila mole submersa tende a deslocar. é igual ao peso próprio da argila amolgada (região hachurada na Figura 5).

Atrito Negativo provocado por sobrecargas. obtendo-se. alcançando. A parcela de atrito negativo transmitida pelo aterro depende da geometria deste. mas para um dado estaqueamento não pode ser maior que o peso do volume de aterro (somado à sobrecarga) sobre o plano que contém o estaqueamento. A mudança do atrito lateral de negativo para positivo ocorre na profundidade . no máximo. o valor corresponde à resistência não-drenada da camada compressível.3 . . Supondo um caso hipotético em que essa camada compressível repouse sobre um extrato indeformável e apresente resistência crescente com a profundidade. a distribuição das tensões do atrito negativo também aumentará com a profundidade. na qual se representa uma estaca que atravessa um aterro e uma camada compressível de espessura d. na camada compressível. Na camada compressível o atrito negativo depende do deslocamento relativo entre a estaca e o solo compressível. caindo para zero no topo da camada indeformável (onde o deslocamento relativo solo-estaca é nulo). Para visualizar o mecanismo de desenvolvimento do atrito negativo devido a sobrecargas será usa a Figura 6.Mecanismo do atrito negativo Como a grande maioria dos casos a ponta das estacas não atinge o extrato indeformável haverá um recalque de sua ponta e consequentemente o ponto onde o atrito negativo é nulo se desloca para cima. mas depois de uma certa profundidade começará a diminuir. um certo trecho com atrito positivo (Figura 6c).

Método de De Beer & Wallays O cálculo é feito separadamente para o efeito da sobrecarga (que inclui o aterro) e para o efeito da camada compressível.5 vezes o diâmetro da estaca enquanto outros propõem que essa extensão seja de 30 a 50 cm em torno do diâmetro a estaca. poderá ser negligenciado quando a argila tiver uma rápida cicatrização. seu valor não deverá exceder o peso do volume de solo amolgado. Se a argila não apresentar o fenómeno da cicatrização. em módulo. rl. o valor do atrito negativo. ou quando a estaca atravessa aterros.1. ANo e AN : NA = AN0 + AN em que: . rl = trechos de solo com rl = constante rl = adesão entre a estaca e o solo. Para as argilas moles. Na falta deste valor. 4. 4. respectivamente.Método Convencional No caso de estacas isoladas. Métodos para se estimar o atrito negativo 4. No caso de o atrito negativo ser devido unicamente ao efeito de cravação (amolgamento). este valor pode ser adotado igual à coesão dessas argilas.2 . cuja extensão dependerá da sensibilidade da argila e das características das estacas.N = U em que: U = perímetro da estaca l l . ao atrito lateral fornecido pelos métodos de transferência de carga citados nas referências bibliográficas do Cap. como se comentou no item 2. devido a esta causa. A este ponto dá-se o nome de ponto neutro. Alguns estudiosos sugerem que seja considerada um área de um círculo com 1.onde o recalque da camada compressível é igual ao recalque da estaca (ωa = ωe). pode ser adotado igual. a força devido ao atrito negativo pode ser estimada por: A. a região amolgada que será responsável pelo atrito negativo é de difícil avaliação. 1. Entretanto.

d 2 quando a estaca é isolada.d 2 (valem as mesmas considerações feitas para o termo A0.d 1 A0 .Figura 8. Para A D = diâmetro da estaca d = espessura da camada compressível k0 tg (p = (l .d .N 0 A0.D. No caso de estacas em grupo A0 é 4 . .D.) 16 calculado como mostra a .k 0 .tg A .sen ) tg = atrito solo-estaca p0 = sobrecarga no topo da camada compressível ’ = peso específico efetivo da camada compressível A profundidade z até onde se deve considerar a ação do atrito negativo é obtido a partir da figura 7. '.D.d .tg A0 .N A .tg A 1 e A.d .k 0 . p 0 1 e .A.k 0 .

Quando as estacas fazem parte de um grupo. caso não existisse a estaca.3 . em módulo.Método de Johnson e Kavanagh O método proposto por esses autores só se aplica ao caso de estacas isoladas.(b 4 d 2 0. paa produzir na superfície um recalque. igual ao que a sobrecarga imporia ao solo.9d ). no sentido de baixo para cima.Áreas de influência para estacas em grupo 4. (Figura 9).9d ) (estacas nos vértices do bloco) 0. o procedimento é análogo ao de estaca isolada alterando-se apenas os valores de Ao e A para: A0 = A = a • b (estacas internas ao bloco) A0 A0 A A (a 0.9 b d a ou 0.9 2 2 a b (estacas de periferia do bloco) 2 (Para aplicação. . . ver 1° e 2° Exercícios). Sua hipótese básica é que a carga proveniente do atrito negativo é igual à que deveria ser aplicada pela estaca ao solo.

Esse método. conhecido o valor real de fo. 5. Assim. admite-se que fo varie linearmente com a profundidade até se anular no fim da camada compressível.Para se executar o cálculo por este método. O cálculo é feito por tentativas até se obter um valor de f (carga/comprimento de estaca). solicitem essa camadas formando um ângulo = 30°.N f0 d 2 Os passos de cálculo referentes a este método são apresentados no 4° Exercício resolvido. visto que este précarregamento deve ser mantido durante um certo tempo até que se processem os recalques preestabelecidos. os custos envolvidos podem ser de tal ordem que. entretanto só pode ser empregado quando o cronograma da obra o permite. Os procedimentos citados na bibliografia sobre o assunto são: a) Pré-carregamento da camada compressível antes da instalação antt da instalação das estacas. mesmo levando-se em conta uma carga adicional no estaqueamento devido ao atrito negativo. como mostra a Figura 9. mesmo que não o eliminem totalmente. pelo menos o diminuam. Por outro lado. há sempre interesse em se utilizar procedimentos que. ainda assim este será mais vantajoso. Para este cálculo. divide-se a camada compressível em subcamadas de espessura constante e admite-se que as pressões. de baixo para cima. . obtém-se a carga proveniente do atrito negativo por A. Procedimentos para se tentar reduzis o atrito negativo Por ser a carga de atrito negativo um fator que encarece o estaqueamento.

Este método foi proposto em 1967 por Zeevaert para as argilas da Cidade do México. limpando-se o solo dentro dos mesmos e instalando-se as estacas a seguir. e) Utilização de estacas de pequeno diâmetro para reduzir a área de contato com o solo. d) Instalar as estacas de modo que possam recalcar da mesma ordem de grandeza do recalque da camada compressível. a carga admissível da estaca será. o mesmo deve ser imprimido com pressão de 1 a 2 kN/m2. Esta pintura. segundo a NBR 6122. instalando-se as estacas após a cravação de tubos de maior diâmetro.b) Eliminação do contato direto do solo com a estaca. Carga Admissível Conhecido o valor do atrito negativo. Durante a aplicação do betume a estaca deverá ser mantida na horizontal devendo-se evitar temperaturas elevadas para que não ocorram corrimentos. deve ser feita com uma técnica que garanta uma espessura mínima de betume que não seja removida durante a cravação pelo atrito com o solo. de modo que a camada compressível ao recalcar se descole do fuste. O betume deve ser aplicado até se obter uma superfície uniforme em volta da estaca com espessura mínima de 1 cm. 6. Na revista Gronnd Engineering de novembro de 1972 são apresentadas algumas características desse betume: penetração a 25°C de 35 a 70 com índice de penetração + 20 e ponto de amolecimento (R & B) entre 57 e 63. porém. Para se garantir uma aderência eficaz. f) Utilização de estacas troncocônicas com a menor seção voltada para baixo. além das cargas verticais. atuam cargas horizontais. P PR 2 AN . c) Pintura da superfície externa da estaca com uma mistura betuminosa especial. Este procedimento não pode ser usado quando.

k0. 1. obtida como o menor dos dois valores citados no item 1.d. .Carga admissível quando existe atrito negativo 7.em que PR é a capacidade de carga da estaca.77 0.15 . usando-se o método convencional e o método de De Beer-Wallavs. como indica a Figura 10.tg = .4 . 0.15 3.1 do Cap.18 2 4 .D.tg = (1-se 10º) tg 10º . Execícios Resolvidos 1° Exercício: Calcular a carga devida ao atrito negativo na estaca de concreto com 40 cm de diâmetro. indicada na figura. Cabe lembrar que os métodos de transferência de carga devem ser aplicados apenas na região em que existe atrito positivo.0.18 2 16 254 m 2 64 m 2 k0. 20 . a) Método convencional NA = x 0.4 x 15 339kN b) Método de De Beer-Wallays A0 A .tg = (1-sen ).

015 0.06 136 AN = 76 x 136 = 212kN profundidade máxima até onde atua o atrito negativo p 0. 0.15 1..D. D '.A = 1x 1 = 1m² . com peso específico de 18 kN/m3.64 0.d .k 0 . Adotar para a camada compressível os mesmos parâmetros geotécnicos do exercício anterior. O espaçamento entre as estacas é de 1m nos dois sentidos e as mesmas atravessam uma camada compressível de 10 m de espessura sobre a qual será lançado um aterro de 2m de altura.10 = 4 kN/m3 .d.03 z . 06 0.k 0 .D. toda camada compressível contribuirá para o atrito negativo 2° Exercício: Calcular a carga devido ao atrito negativo atuante nas estacas de 25 cm de diâmetro solidarizadas por um bloco.18 a) Estacas do interior do bloco A0 .D A 0. Solução: po=2x 18 = 36 kN/m2 k0 tg = 0.06 76kN AN0 = 254 x 20 (1-e-0.15 '= 14.18.4 (14 10).D.d .k0.0. portanto.4 = 32m>18m e.0.A 20.2 x 64/0. 10 .(14 10). 1 1 e 0.2 (Figura 7) z = 0.tg A0 .tg A 0.015) A.tg = .25 .N 64.

tg A 0.5kN AN = 41.k 0 .047) =41.18 AN0 = 1 x 36 (1-e-1.k 0 .D.D.18) =24.9 10 2 1 .tg A 0.d .236) =37.D.10) 2 4 0.10.d .d .k 0 .tg A0 .k 0 . 047 0 . 1 1.10 .tg A 1.d . 1 1 e 0 .D.047 25m 2 .1kN AN = 64.k 0 .k 0 .18 16.4.d .tg A0 .236 .4kN c) Estacas da periferia A0 A 0.047 AN0 = 25 x 36 (1-e-0.tg A0 .3kN A.18 1.1kN b) Estacas do vértice A0 A (1 0.236 AN0 = 5 x 36 (1-e-0.d .9kN A.047 23 .D.8kN .1 5m 2 2 0.4 .9.D.. N 25 .N 1 e 1.18 1.

3083 m .A. 236 0 .4 .8 kN AN = 37. como indica a figura. devido ao lançamento do aterro. N 5 .25 1° Passo: Cálculo do recalque. 1 1 e 0 .25 40 72 log 1 1.9 Cc = 0. por adensamento.10 . Dados Aterro: h = 4 m y= 18kN/m3 Camada compressível: d=8m = 10kN/m3 e0 = 1.9 40 0. caso não houvesse a estaca: r p0 d Cc p0 p log 1 e0 p0 40kN / m ² 8 10 2 p = 4 x 18 = 72kN/m² r 8 0. Usar o método de Johnson e Kavanagh.8+21. 236 21.6kN 3° Exercício: Calcular o atrito negativo atuante numa estaca de 50 cm de diâmetro lançamento causado de um pelo aterro imediatamente após a cravação da estaca.8 = 59.

x n.80.0.0.tg 2 R f0 1 x n. 1 f0 1 x .1 2i ) .x/2=(2i-1) x/2.(2. como mostra a figura acima. x f0.0.(2i 1). em que Fx x . acima da profundidade x.0.213.923. então: p p p 8.10(16. Como x=i.577²) 0. f0 1 0.0.1 2i ) . f 0 .577 0.2° Passo: Cálculo da parcela de atrito (carga por unidade de comprimento) a uma dada profundidade x contada do topo da camada compressível. . fx f0 1 x d Dividindo-se a camada compressível com 10 subcamadas de espessura constante. em que i é o número da subcamada em estudo.80m Força total devido a uma subcamada Fx fx.tg x ²(2i 1)². x d 8 10 0. será: p . x R x 2 x .577 0.0.(2i 1).8. então a variação média de pressão profundidade x causada pela força Fx.204.tg ² ) 8. x(2n 2i 1) .0. tem-se: x d n x .(2.n(16 R ² 8R x(2i 1).25² 8.8²(2i 1)². .25. f 0 .tg 2 R = D/2 é o raio da estaca. x. x p.(2i 1)² Pressão efetiva inicial devido à camada compressível. na Admitindo-se que a força total Fx de cada subcamada solicite o solo formando um ângulo =30°. em função do valor de f0 atuante nesse topo e decrescendo linearmente até zero no final da camada compressível.

p0 e p ficaremos com a expressão ri expressa apenas em função de i e f0.. foi elaborada a tabela a seguir: f0 (kN/m) 30 0.2 .081 0.065 0..056 0.315 ri r1 r2 r3 r4 rs r6 r7 r8 r9 r10 Soma 45 kN/m (valor intermediário entre 40 e 50 kN/m).028 0.006 0.054 0.050 0.018 0. o problema fica resumido a se arbitrar valores para f0 até que a soma das parcelas ri.001 0. Assim.011 0.014 0.006 0.002 0.002 0.004 0.003 0. Cc.. A força total de atrito negativo será.044 0.018 0. rx x Cc p0 p log 1 e0 p0 como x = i.046 0.011 0. x C x p p x c log 0 2 1 e0 p0 em que ri é o recalque da camada compressível devido à força de atrito na subcamada i.009 0. x x 2 4 x. seja igual ao recalque r calculado no 1° Passo.229 40 0.p0 1 2 i.000 2.8. então ri i.063 0. e0. Substituindo-se os valores de x. x / 2. 10.(2i 1) p0 10 .(2i 1) 4 2. então: .057 0.005 0. Para este cálculo.001 0.029 0.023 0.073 0.(2i 1) Recalque da camada compressível devido à força F x agindo na subcamada da profundidade x.037 0. fazendose i = 1.274 50 0.

M. 1 INTRODUÇÃO Em nosso país. PR RESUMO O presente trabalho tem por objetivo divulgar a utilização do ensaio de carregamento dinâmico. tubulões e estacas através de métodos empíricos ou semi-empíricos. PR Alessander C. Universidade Federal do Paraná. Curitiba. Curitiba. Uma breve descrição dessa ferramenta é efetuada. em Santa Catarina. Como exemplo de sua utilização. Konnann Laboratório de Materiais e Estruturas. baseados principalmente no ensaio SPT. No intuito de evitar . PR Luiz Russo Neto Pontifícia Universidade Católica do Paraná / In Situ Geotecnia S/C Ltda. É usual a estimativa da carga de ruptura de sapatas.AN f0 d 2 45 8 180kN 2 ENSAIO DE CARREGAMENTO DINÂMICO: EXEMPLO DE APLICAÇÃO NA DUPLICAÇÃO DA BR 101/SC Luiz Antoniutti Neto e Luís Fernando Debas In Situ Geotecnia S/C Ltda. os projetos de fundações são correntemente elaborados com base no conceito de capacidade de carga. Curitiba. é apresentada uma prova de carga dinâmica executada nas fundações de um viaduto da duplicação da BR 101. Os resultados do ensaio dinâmico são discutidos com base em uma curva resistência mobilizada versus deslocamentos acumulados.

essas ondas viajam com velocidades da ordem de 3500 m/s.que recalques ou deformações excessivas das fundações venham a comprometer a funcionalidade da obra durante sua vida útil. a energia transferida pelo martelo é consumida gradualmente. Nessas situações. À medida que as ondas se deslocam do topo até a ponta da estaca. retomando em seguida ao topo e assim sucessivamente. (1999). Em estacas de concreto armado. o impacto provoca uma onda de compressão. uma resposta distinta ocorre. de modo a se estabelecer uma carga de trabalho. No presente trabalho.consiste na instrumentação de estacas e análises com o Método da Equação da Onda (Smith. A onda decorrente do choque do martelo. Para verificar se as fundações executadas em uma dada obra efetivamente suportarão as cargas para as quais foram concebidas.que no Brasil vem sendo utilizada desde a década de 1980 . a sua intensidade tende a se modificar. em Santa Catarina 2 O ENSAIO DE CARREGAMENTO DINÂMICO Quando uma estaca recebe um golpe de martelo. resistência de ponta reduzida ou até mesmo danos na estaca. a onda produz reflexões compressivas sempre que encontra "barreiras" em seu caminho. é efetuada uma rápida descrição do ensaio de carregamento dinâmico. . as cargas de ruptura são minoradas através de um fator de segurança. Durante esse processo. tais como atrito lateral e resistência de ponta Por outro lado. Assim. uma das questões que envolvem a segurança das edificações diz respeito à necessidade das fundações estarem aptas a receber os carregamentos previstos em projeto. Para que a estaca supere a resistência oferecida pelo solo e penetre no terreno. No intuito de ilustrar sua utilização. as reflexões consistirão em ondas de tração. que inicialmente comprime a cabeça da estaca em frações de segundo se propaga até a ponta. Essa ferramenta . caso a onda do impacto encontre regiões de pouco atrito lateral. uma técnica que pode ser empregada consiste no Ensaio de Carregamento Dinâmico. são apresentados dados de ensaios executados nas fundações de um viaduto da duplicação da BR 101. baseada no trabalho de Konnann et al. 1960).

Para tanto. mediante o uso de chumbadores. transdutores de deformação e acelerômetros são posicionados próximo ao topo da estaca.podem observados na Figura 11.ensaio de carregamento dinâmico. Detalhe da instrumentação . Esses dispositivos . Na Figura 12 pode-se observar a unidade conhecida como Pile Driving Analyzer® (PDA). . O PDA condiciona e processa as informações da instrumentação. Para monitorar os dados de deformação e aceleração que a instrumentação fornece. fornecendo sinais que representam a variação da intensidade de força e velocidade na estaca. é necessário o uso de um equipamento específico.que são instalados sempre em pares diametralmente opostos . juntamente com um notebook. é possível medir a intensidade das ondas de impacto do martelo. 1997).Utilizando-se uma instrumentação adequada. modelo P AL (PDI. e as alterações que as mesmas sofrem à medida que encontram as resistências do solo. ao longo do tempo.

1997). 1971). . através do método CASE (Rausche et al. da melhor forma possível. os sinais de força e velocidade podem posteriormente ser processados com o método CAPWAP®. tais como: . . cujo controle reduz o risco de quebra da estaca durante a cravação. a monitoração pode fornecer uma série de informações. Quando essa condição é . .Durante a cravação da estaca.energia do golpe. que é utilizada para calcular a eficiência do sistema de cravação.danos estruturais e sua localização. Essa técnica é um processo iterativo.modelo P AL (PDI. De modo a se obter uma estimativa mais precisa da capacidade de carga da estaca.avaliação da capacidade de carga. Pile Driving Analyzer ® (PDA) . o sinal medido em campo. em que um sinal calculado numericamente é ajustado de modo a reproduzir.força máxima do impacto.tensões máximas. .

Subjacente a esse material. foi selecionado como exemplo o caso de um viaduto da duplicação da BR 101/SC. O terreno está associado a um perfil de solo residual. Caso 1% das estacas da obra sejam ensaiadas estaticamente. muito mole a mole. 3 CASO DE OBRA: BR 101/SC 3. bem como um perfil geotécnico do local do ensaio dinâmico. A metodologia descrita está normatizada pela NBR 13208 .1 Dados da obra Para o presente trabalho. As estacas da obra em questão são do tipo hélice contínua. Dentre os diversos elementos ensaiados nas fundações do . coeficientes de segurança inferiores aos usuais poderão ser empregados. Inicialmente. com espessura aproximada de 2. 1994). com cerca de 6. o coeficiente de segurança global pode ser reduzido até o valor de 1. Uma vez que a determinação experimental do comportamento das estacas minimiza as incertezas comuns em projetos geotécnicos. que será descrito adiante. uma série de parâmetros que descrevem o comportamento do sistema estaca-solo é inferida Dentre essas informações.Ensaio de Carregamento Dinâmico (ABNT.0 m de espessura.0 m. ou 3% dinamicamente. 1996) fixa critérios que permitem otimizar o coeficiente de segurança do projeto. aparece um silte argiloso rijo a duro. pode-se observar dados representativos de sondagens SPT. com 70 cm de diâmetro. essa ferramenta vem encontrando aplicação crescente em tubulões e estacas moldadas in loco.Projeto e execução de fundações (ABNT.6. tem-se a capacidade de carga mobilizada pelo golpe do martelo. ocorre uma camada de argila arenosa cinza escura. basta que se disponha de um sistema que permita aplicar golpes na fundação.atendida. Apesar do ensaio de carregamento dinâmico ter sido originalmente concebido para uso em estacas cravadas. temse a presença de um aterro. que se estende até o limite de sondagem. Para tanto. a norma NBR 6122 . Na Figura 13. Em seguida. Quando a capacidade de carga de um estaqueamento é verificada com provas de carga estáticas ou com o ensaio de carregamento dinâmico.

com a concretagem de um bloco armado. as alturas de queda receberam incrementos graduais. . O sistema amortecedor consistiu em capacete. Esse reforço possuía uma seção circular de 72 cm e comprimento de 190 cm. O topo da estaca foi preparado previamente.g. O ensaio foi executado com alturas de queda crescentes do martelo (e. de modo a se evitar danos estruturais à estaca Os golpes do martelo foram monitorados com o PDA. tendo-se medido também as negas correspondentes com lápis e papel.45 m abaixo do topo do reforço). com uma carga de trabalho de 1700 kN.viaduto. cepo e coxim de madeira. As tensões compressivas foram controladas. Tal procedimento é correntemente designado como prova de carga dinâmica.30 m. 1989). com pilão de 51 kN. Com o objetivo de mobilizar tanto quanto possível as resistências do sistema estaca-solo. será descrita a prova de carga de uma estaca com comprimento útil igual a 11.2 Prova de carga dinâmica P ara a execução do ensaio de carregamento dinâmico foi utilizado um martelo do tipo queda livre. A instrumentação foi posicionada a cerca de 55 cm do topo da estaca (2. 3. Aoki.

8 24.0 EMX (kN.3 0. A máxima tensão compressiva (CSX) do último golpe que envolveu uma altura de queda considerável .3 7. .2 15.6 43.0 3. Ambos os sinais crescem continuamente dentro do intervalo 2L/c. o sinal de força passa a se situar sensivelmente abaixo do sinal de velocidade x impedância Esse comportamento está associado à maior magnitude dos deslocamentos obtidos com o último golpe.7 52.5 0.3 34.m) 9. A interpretação dos sinais monitorados permitiu definir uma velocidade de propagação de onda igual a 3550 m/s.3 9.6 0.0 27. o que sugere uma interferência do martelo.0 Mpa.5 0. A prova de carga dinâmica compreendeu 8 golpes. As tensões de tração máximas abaixo dos sensores (TSX) apresentaram uma intensidade reduzida.0 1.4 13.atingiu 24.A Tabela 1 resume dados do ensaio.5 TSX (MPa) 0. com alturas de queda variando entre 100 e 450 cm.2 20. A Figura 14 apresenta os sinais de força (linha cheia) e de velocidade x impedância (linha tracejada) correspondentes a esse golpe.8 CSX (MPa) 6.Dados da prova de carga dinâmica. Em torno de 3L/c.5 1.3 0.4 11.0 0.0 1.0 3.0 6.4 13.5 0.5 85.3 0.2 16.1 . Golpe 1 2 3 4 5 6 7 8 Altura de Queda (cm) 100 120 160 200 250 300 350 450 Nega (mm) 0.

Com base nesse valor de amortecimento. sugeriu o uso um fator de amortecimento do Método Case (Jc) igual a 0. que analisaram tanto provas de carga estáticas como dinâmicas em estacas hélice contínua. Para tanto.3 Resultados e interpretação No intuito de se obter parâmetros para a avaliação das resistências mobilizadas no ensaio. foram avaliadas as resistências mobilizadas golpe a golpe (Tab. Para o traçado da curva. acrescidos do deslocamento máximo (DMX) do golpe em questão. Os resultados mostraram uma resistência mobilizada de 2796 kN. deve-se acumular os deslocamentos permanentes resultantes de cada golpe. . a interpretação dos ensaios pode ser efetuada considerando-se os mesmos como uma sucessão de ciclos de carregamento (e. 2000b). envolvendo-se integrações dos sinais monitorados. 2). (2000a. Esses dados são calculados. sendo 56 % da mesma correspondente a atrito lateral. Esse conceito está ilustrado na Figura 5. Conforme discutido por Kormann et al. O deslocamento acumulado consiste no somatório dos deslocamentos permanentes dos golpes anteriores.25. Seitz 1984. em conjunto como dados de outras estacas da obra. correspondente à altura de queda de 250 cm.3. foi analisado pelo programa CAPWAP. foram utilizadas as negas calculadas (DFN) e as medições efetuadas com lápis e papel. o golpe número 5. A interpretação dessa análise. Estão incluídos também na Tabela 2 os deslocamentos máximos (DMX) e permanentes (DFN) de cada golpe.g. Os dados da Tabela 2 podem ser utilizados para a simulação de uma curva carga versus recalque. Niyama e Aoki 1991).

Deve-se observar que para estacas do tipo escavadas.Resistências e deslocamentos mobilizados nos golpes. Golpe 1 2 3 4 5 6 7 8 Altura de Queda* (cm) 100 120 160 200 250 300 350 450 DMX (mm) 5 7 9 10 12 14 16 20 DFN (mm) 0 1 2 3 4 5 6 RMX(kN) 1755 2014 2215 2326 2430 2665 2858 3325 A carga máxima que pôde ser mobilizada com o martelo disponível. o conceito de ruptura física não é diretamente aplicável. A forma da curva carga x recalque da Figura 15 sugere que resistências mais altas poderiam ser alcançadas caso maiores deslocamentos fossem obtidos no ensaio. 4 CONCLUSÕES . Nesse tipo de fundação — em que uma contribuição de ponta reduzida está associada a pequenos deslocamentos — a mobilização de resistências tende a aumentar continuamente com os recalques. igual a 3325 kN. mostrou-se segura em relação à carga de trabalho da estaca (1700 kN). Curva deslocamento acumulado versus resistência mobilizada (RMX). como as aqui descritas.

Behavior of Short CFA Piles in an Overconsolidated Clay Based on Static and Dynamic Load Tests. G. Cleveland.C.R. de Eng. p. N. Pile Dynamics. Projeto e Execução de Fundações. AOKI.C. v.M. 173-182. ABMS/ABEF. (1989). e BERNARDES. de Fundações Especiais. CHAMECKI. L. (1999). a estaca suportou adequadamente as tensões compressivas máximas do ensaio (24 MPa).Erisaio de Carregamento Dinâmico. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABNT (1994). mostrou uma resistência mobilizada de 3325 kN. e BERNARDES. procurou-se abordar conceitos básicos do ensaio de carregamento dinâmico.. G. A New Dynamic Load Test Concept. O caso de obra apresentado . RUSSO NETO.No presente trabalho.o de uma prova de carga dinâmica de um viaduto da duplicação da BR 101/SC . São Paulo. XIIICSMFE. com 70 cm de diâmetro e 11. CHAMECKI.P. L. Conf. 1-4.. Anais da Mesa Redonda Características Geotécnicas da Formação Guabirotuba. ANTONIUTTI NETO.. A. Estacas . S.3 m de comprimento. ANTONIUTTI NETO. Proc. L. User s Manual. ANTONIUTTI NETO. 4 p. e AOKI. SEFEIV. 2° Sem. N. A estaca hélice contínua executada em um perfil de solo residual. NIYAMA. PALModel. .P. (2000a). RUSSO NETO. Ensaio de Carregamento Dinâmico: Caso de Obra com Estaca Cravada em Terreno da Formação Guabirotuba. Rio de Janeiro. Pile Driving Analyzer. TC Pile Driving.C. e RUSSO NETO. Estacas Hélice Contínua em Argila Sobreadensada: Comportamento em Provas de Carga Estáticas e Dinâmicas. PDI (1997). São Paulo. of StressWave Theory to Piles. L.. ABNT (1996). p.ilustra o potencial dessa técnica como ferramenta de controle de qualidade. NBR 6122. L. A. KORMANN. a ser publicado. NBR 13208. pp. (2000b). a qual foi considerada satisfatória Apesar do martelo da prova de carga dinâmica possuir um peso de 51 kN e de se ter alcançado uma altura de queda de 450 cm.. L.. 33 p.M. ABMS/UFPR.R. Correlação entre Provas de Carga Dinâmica e Estática no Campo Experimental da EPUSP/ABEF. (1991). A. 6th Int.M. KORMANN. l.R. P. Applic. Curitiba. P. KORMANN. Discussion Session 14.A. NBR 6122. 285-293.

RAUSCHE.G.M. Dynamic Testing of Bored Piles in Non-cohesive Soils. Proc. SEITZ. F. (1984). F. p. SM4. 2nd Int. ASCE. E. (1971). GOBLE. 633-642. G.L. p. 35-61. J. Pile Driving Analysis by the Wave Equation.A. Applic. A New Testing Procedure for Axial Pile Strength. Journal of the Soil Mechanics and Foundation Division. Houston. PROVA DE CARGA DINÂMICA . Third Offshore Technology Conference. pp.. e MOSES.Conf. of Stress-Wave Theory to Piles. SMITH. (1960). 201-209.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->