P. 1
6ª RELATÓRIO DE ANALÍTICA -DUREZA DA ÁGUA

6ª RELATÓRIO DE ANALÍTICA -DUREZA DA ÁGUA

|Views: 828|Likes:
Publicado porLaís Almeida

More info:

Published by: Laís Almeida on Sep 10, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/08/2014

pdf

text

original

RESUMO Com intuito de determinar a dureza da água de torneira realizou-se este experimento.

Para tal usamos procedimentos complexométricos e EDTA como titulante. Após os cálculos concluímos que a água da torneira não está dentro do padrão da legislação brasileira e que sua dureza é igual 38,8 mg de CaCO3/L.

INTRODUÇÃO Historicamente, a “dureza” de uma água foi definida em termos da capacidade dos cátions na água em deslocar os íons sódio ou potássio em sabões e formar produtos poucos solúveis que produzem uma espécie de resíduo que adere às pias e banheiras. A maioria dos cátions com cargas múltiplas compartilha dessa propriedade. [1] Denomina-se dureza total a soma das durezas individuais atribuídas à presença de íons cálcio de magnésio. Outro cátion que se encontram associados a estes dois, tais como: ferro, alumínio, cobre e zinco, são geralmente mascarados ou precipitados antes da determinação. [2] A composição química da água e, portanto, a sua dureza depende em grande parte do solo da qual procede. Assim águas brandas são encontradas em solos basálticos, areníferos e graníticos, enquanto que as águas que procedem de solos calcários apresentam freqüentemente durezas elevadas. [2] Em numerosos processos industriais, tais como fábricas de cervejas, conservas de papel e celulose, e muitas outras, requerem águas brandas. Para o caso de lavanderias às águas duras ocasionam um elevado consumo de sabão (em conseqüência da formação de sabões insolúveis de cálcio de magnésio) e resultam em danos para os tecidos. [2] Outro fato importante a considerar que as águas duras formam crostas em cadeiras de vapor, ocasionando, dessa maneira, elevadas perdas de calor além de contribuir para a ocorrência de explosões. Mediante um controle periódico, utilizando-se titulações com EDTA, torna-se possível garantir maior segurança para essas instalações industriais. [2] A água dura é geralmente determinada por meio de uma titulação com EDTA após a amostra ter sido tamponada a pH 10. O magnésio, que forma o complexo menos estável com EDTA, dentre todos os cátions multivalentes comuns nas amostras típicas de água, não é titulado até que tenha sido adicionado reagente suficiente para complexar todos os outros cátions na amostra. [1]
1

Portanto.↔ MgIn. Para cada alíquota. O mesmo procedimento foi adotado para 2 .↔ CaY2. PROCEDIMENTOS Inicialmente. esse conteúdo foi transferido para um Erlenmeyer de 250 mL. através de procedimentos complexométricos.é o indicador metalocrômico apropriado.+ H+ (3) MgIn. [1] Equações envolvidas no processo: Ca2+ + H2Y2. o Elermeyer contendo a amostra desconhecida foi titulado com solução de EDTA 0. Além de determinar o que deve ser feito para eliminar ferro e cobre (em teores significativos) e que porventura estejam em solução. adicionou-se primeiro 3.+ H2Y2-↔ MgY2. Em seguida.+ Mg2+ (2) Mg2+ + HIn2. 0006 mols L-1 usando-se uma bureta de 50 mL. [2] OBJETIVOS Este experimento tem como objetivo determinar a dureza da água de torneira. um indicador para o íon magnésio como a calmagita ou Negro de Eriocromo T pode servir como indicador nas titulações de água dura.00 mL de solução tampão NH3/NH4Cl.+ 2H+ (1) Ca2+ + MgY2.+ H+ (4) Onde Y é a molécula de EDTA sem hidrogênios e HIn2. Posteriormente. é freqüente a adição de uma pequena quantidade de quelato magnésio-EDTA ao tampão ou titulante para assegurar a presença de íons magnésio suficientes para uma ação satisfatória do indicador. Depois disso.↔ CaY2. Além disso. Realizou-se essa mesma seqüência para o preparo de outras duas amostras. adicionou-se em uma pipeta o volume de 50 mL de uma amostra desconhecida (água de torneira). sendo que. para realizar a 2ª titulação. adicionou-se 2 gotas do indicador negro de eriocromo T. Explicar porque o tampão NH3/NH4Cl deve ser adicionado antes do indicador utilizado. a bureta foi preenchida até a marca de 50 mL.+ HIn2. Após a realização da 1ª titulação o volume gasto de EDTA foi anotado.

impedindo sua reação com o indicador.6 mL e V3= 32. pois 100 mg de CaCO3 = 1mmol de CaCO3. [2] Fig1: ESTRUTURA DO EDTA 3 .1 mL. de tal modo que pequenas quantidades de ferro presentes na amostra precipite sob forma de hidróxido de ferro. V2= 32. zinco e outros. Um tampão deve ser adicionado antes do Èrio T.[3] Dentre todos os cátions multivalentes comuns nas amostras típicas de água “o magnésio. usa-se uma solução tampão amoniacal (NH3/NH4Cl) que permite determinar a concentração total de Ca2+ e Mg2+ presente na água. RESULTADOS E DISCUSSÕES A dureza da água refere-se à concentração total de íons alcalino-terrosos (Grupo 2) presentes na água [2]. se [Ca2+] + [Mg2+] = 1mM.[2] A titulação com EDTA é realizada em pH = 10.1 mL. a dureza pode ser igualada a [Ca2+] + [Mg2+]. ferro. Portanto foram obtidos os seguintes volumes de EDTA na titulação das amostras: V1= 32. A concentração dos cátions [Ca2+] e [Mg2+] são normalmente muito maiores do que as concentrações dos outros íons alcalino-terrosos. não é titulado até que tenha sido adicionado reagente suficiente para complexar todos os outros cátions na amostra. principalmente de cátions bivalentes. magnésio. já que o ferro forma um complexo muito estável com o Èrio T. incluindo cálcio. É causada pela presença de sais minerais dissolvidos. [1] Por esse motivo. Se este procedimento não for adotado o indicador será bloqueado. que forma o complexo menos estável com EDTA. A dureza é normalmente expressa como o número de miligramas de CaCO3 por litro. Assim. dizemos que a dureza é 100 mg de CaCO3 por litro.titular a terceira amostra.

↔ CaY2.Abaixo segue os cálculos para determinação de íons Mg+2 e Ca+2.+ Ca2+ ↔ CaInd. quando o indicador negro de eriocromo T mudou sua coloração de vinho avermelhado para azul .6 mL V3=32.(3) (complexo de cor vermelha) (complexo incolor) Tabela 1 : Volumes gastos de EDTA 1ª Titulação 2ª Titulação 3ª Titulação V1=32.+ H+ (1) (substância de cor azul) (complexo de cor vermelha) Ao adicionar EDTA: Ca2+ + Y4. Ao adicionar gotas do indicador: HInd2.+ HInd.1 mL Com titulações utilizando-se EDTA as equações envolvidas no processo são: 4 . Os volumes gastos de EDTA foram anotados. assim que.1 mL V2=32.(2) (incolor) (incolor) Esgotando-se o Ca2+ livre.+ H+ ↔ CaY2. CaInd-. se atingiu o ponto final da titulação. expulsando o indicador: CaInd.+ Y4. o ETDA passou a complexar o Ca2+ do quelato.

↔ CaY2.+ Mg2+ (6) Mg2+ + HIn2-↔ MgIn.+ HIn2.+ 2H+ (5) Ca2+ + MgY2. x3 = 1. 956 x 10-5 mol. 926 x 10-5 mol+ 1.926 x 10-5 mol Obtendo a média do número de mols de EDTA temos: Sendo x1 = 1.+ H+ (8) 1ª Titulção nCaCo3 = nEDTA nCaCO3= µb . 936 x 10-5 mol 3 5 . 956x10-5 mol +1.CaCO3 + EDTA↔EDTA-Ca + EDTA-Mg (4) Ca2+ + H2Y2.0006 x 32.Vb nCaCO3= 0.+ H2Y2.1x10-3L nCaCO3= 1. x2 = 1.6x10-3L nCaCO3= 1. 926x 10-5 mol e N = 3. 926 x 10-5 mol = 1.926 x 10-5 mols 2ª Titulação nCaCo3 = nEDTA nCaCO3= µb .+ H+ (7) MgIn.↔CaY2.Vb nCaCO3= 0.0006 x 32.956 x 10-5 mols 3ª Titulação nCaCo3 = nEDTA nCaCO3= µb .↔ MgY2.Vb nCaCO3= 0. 926 x 10-5 mol.1x10-3L nCaCO3= 1.0006 x 32. temos: Xmédia = 1.

A nitidez do ponto final da titulação aumenta com o pH.6 x 10-7 ± 1.8 mg/L de CaCO3.8 mg/L de CaCO3 O resultado encontrado de 38.94 x 10 -3 g de CaCO3 1.732 x 10-7) mols. O outro fator que melhora a nitidez do ponto final é a presença de magnésio que deve ser adicionada em pequena quantidade na forma de um sal complexometricamente neutro de EDTA.94 x 10 -3 g CaCO3___________________ 50 mL de água y g de CaCO3 _______________________________1000 mL de água y= 38.936 x 10-5 mol ________________________x g X = 1. 6 . Pode-se então concluir também que 38. o complexo muda de cor em valores de pH elevados. Dessa maneira podemos obter o número de íons Ca+2 e Mg+2 presente na solução Massa molar do CaCO3 = 100. mas este não pode ser aumentado indefinidamente para não ocorrer precipitação de CaCO3 ou Mg(OH)2.Desvio-padrão = s = = 1.1 g 1. Além do mais. 732 x10-7 A partir dos cálculos percebe-se que o número de mols de CaCO3 presente na água é aproximadamente (193.8 mg/L é a quantidade de íons Ca2+ e Mg2+ presente na amostra de água analisada.1 g/mol 1 mol de CaCO3 ______________________ 100.

às vezes. Com base num volume de 25mL de amostra diluído para 50ml.2 .Concentrações máximas permissíveis de interferentes para a seleção de inibidores. Os inibidores I(NaCN) e II(Na2S) podem ser escolhidos conforme as concentrações de interferentes representados na Tabela 2. Tabela 2 . indistinto.ciclohexonodiaminatetracetato de magnésio). o qual tem vantagem de não ser tóxico e/ou malcheiroso. mas libera algum magnésio na solução contribuindo para a dureza.Alguns metais como ferro e cobre interferem no método causando um enfraquecimento do ponto final tornando-o. Máxima interferente concentração Interferente (mg / L) Inibidor I Inibidor II Alumínio 20 20 7 . Esta interferência pode ser reduzida pela adição do inibidor MgCDTA (1.

3 Cobre mais de 30 20 Estrôncio * * Ferro mais de 30 5 Manganês (Mn+) * 1 Níquel mais de 20 0. neutralizado para uma PH= 7 com NaOH 1M e diluído para 50ml com água destilada. 8 .Bário * * Cádmio * 20 Chumbo * 20 Cobalto mais de 20 0. dissolvido com 20 mL de ácido clorídrico 1M. O resíduo ignizado é.3 Zinco * 200 Polifosfatos * 10 * titulado como dureza A eliminação de matéria orgânica suspensa ou coloidal que também interfere na definição do ponto final é feita pela evaporação da amostra e ignição do resíduo a 550°C durante 15 minutos. então.

C. os níveis ideais de dureza da água situam-se entre 40mg/L e 170mg/L de carbonato de cálcio (CaCO3). não apresentando assim. Fundamentos de Química Analítica. na prática. pôde-se concluir que a mesma apresenta uma dureza fora dos padrões exigidos pela Legislação Brasileira. para avaliação da dureza da amostra de água foi de 38.8 mg/L de CaCO3.. Barone.S. Química Analítica Quantitativa Elementar. J. J. N.. HOLLER. Portanto a água que sai da torneira é imprópria para o consumo. estando consideravelmente abaixo do valor mínimo exigido. 3ª edição. sendo assim classificada como água mole. 9 .S. 2001. CROUCH.CONCLUSÃO De acordo com a Legislação Brasileira. 2006.. Andrade. sendo o valor médio de 80mg/L de CaCO3. risco à saúde humana.456 p. Thomson. [2] SKOOG. São Paulo: Edgar Blücher. O. Como o valor obtido. BIBLIOGRAFIA [1] BACCAN. 260 p. podendo trazer vários problemas de saúde caso seja ingerida sem o tratamento necessário.E. Godinho. WEST.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->