P. 1
Modelo de Artigo Tcc Pronto

Modelo de Artigo Tcc Pronto

|Views: 231|Likes:
Publicado porfarmacia13

More info:

Published by: farmacia13 on Nov 27, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/09/2013

pdf

text

original

Prescrições Médicas na Gestação

ALARCON, E. S., ANDRADE, G.C.S., FERNANDES, M.R., SANTOS,W.A. Clinica de Ginecologia e Obstetrícia

Resumo: Na gestação o efeito dos medicamentos atinge tanto a gestante quanto o feto podendo a este causar danos irreversíveis. Nesse sentido será feita um levantamento dos principais medicamentos prescritos para as gestantes da Unidade Básica de Saúde. Palavras – chaves: Gestação, Medicamentos prescritos.

INTRODUÇÃO Durante a gestação, a exposição a um farmacologistas, toxicologistas e obstetras determinado fármaco envolve dois passaram a se preocupar com a ação

organismos, a mãe e o feto, sendo que este teratogênica dos fármacos antes que se é muito mais sensível aos efeitos de toxicidade dos medicamentos, por fizesse o uso em pacientes gestantes

não (SILVANY-FILHO, 2006). O amplo conhecimento acumulado sobre esse possibilitou a classificação dos

possuir a mesma capacidade que a mãe em metabolizar substâncias,

ficando, tema

portanto, mais suscetível a efeitos negativos medicamentos em categorias de risco para não esperados (OSÓRIO-DE-CASTRO et uso na gestação, orientando o prescritor al., 2004). acerca de que medicamentos prescrever e,

O uso de medicamentos durante a gestação especialmente, de que medicamentos não requer um cuidado especial, devendo ser analisadas as prescrever durante a gravidez. mudanças O uso de medicamento durante a gestação

fisiológicas e farmacocinéticas que ocorrem constitui um grande problema para a saúde durante promover este período, e que possam pública pois a gestação é um período único e na o uso de medicamento nesta ocasião merece

alterações

absorção,concentração e distribuição dos especial atenção pelos riscos potenciais ao fármacos (CRIVELLARI, 2007). Após a tragédia da talidomida, feto em desenvolvimento, devendo ser

um evitada, pois não só afeta um organismo e sim dois organismos.

tranqüilizante bastante utilizado nas décadas de 50 e 60, que deu origem a várias crianças portadoras de focomegalia, os

Existem

algumas

classificações

de quando

se

trata

da

utilização

de

medicamentos conforme o risco associado medicamentos por mulheres grávidas é a ao seu uso durante a gravidez. A provável alteração dos de características no

classificação adotada pelo Food and Drug farmacocinéticas Administration enquadra categorias. os (FDA Estados em

medicamentos

Unidos) período da gestação. cinco METODOLOGIA

medicamentos

• Categoria A: medicamentos para os quais Este trabalho foi desenvolvido município de não foram constatados riscos para o feto em Jacarei São Paulo, Brasil, no período de ensaios clínicos cientificamente desenhados setembro a outubro de 2012, em uma Clínica e controlados; Ginecologia e Obstetrícia, sendo este o local •Categoria B: medicamentos para os quais escolhido devido o número de gestantes que os estudos com animais de laboratório não utilizam estudos adequados em humanos) este serviço. No total foram demonstraram risco fetal (mas não existem entrevistadas 30 gestantes que compareceram e a unidade de saúde onde foram questionadas medicamentos cujos estudos com animais pelo pesquisador se a consulta resultou em indicaram algum risco, mas que não foram prescrição médica, em caso de afirmativa a comprovados em humanos em estudos mesma foi questionada sobre sua vontade de devidamente controlados; participar da pesquisa foram em questão. dados • Categoria C: medicamentos para os quais Adicionalmente

perguntadas

os estudos em animais de laboratório sobre tempo de gestação e idade da paciente. revelaram efeitos adversos ao feto, mas não Como instrumento para coleta de dados foram existem estudos adequados em humanos e entregues medicamentos para os quais não existem fechadas estudos disponíveis; dependentes um e formulário abertas (se faz com com uso ou perguntas variáveis não de

• Categoria D: medicamentos para os quais automedicação) e independentes (com dados, a experiência de uso durante a gravidez idade, período gestacional, assistência prémostrou associação com o aparecimento de natal, problemas de saúde, e medicamentos má-formações, mas que a relação risco- utilizados). benefício pode ser avaliada; Para um setor composto por muitas gestantes • Categoria X: medicamentos associados atendidas pela Clínica, o nº da nossa amostra com anormalidades fetais em estudos com aleatória simples foi de trinta gestantes com animais e em humanos e ou cuja relação erro amostral de cinco por cento e nível de risco-benefício contra indica seu uso na confiança de noventa e cinco por cento. gravidez. Foram incluídas na pesquisa aquelas Outro aspecto que deve ser observado gestantes que após consulta médica

resultaram em prescrição médica.

eles os mais prescritos os medicamentos de

Foram critérios de exclusão, da pesquisa classe A e B segundo a classificação da FDA. aquelas gestantes cuja consulta não resultou Em pesquisa realizado num hospital escola em prescrição médica ou não apresentaram somente 5.4% das gestantes não havia período de gestação. tomado algum durante a gravidez, sendo este bem na próximo amostra ao de valor 6%

A pesquisa não apresentou riscos aos seus resultado

participantes, pois a pesquisa tratou se de encontrados

gestantes

um levantamento das prescrições médicas. brasileiras incluídas no estudo internacional Os benefícios da pesquisa para população realizado pelo Colaborative Group on Drug use virá através da divulgação dos dados in Pregnaney. Em outro estudo apenas 2,4% obtidos. Será uma futura colaboração aos das mulheres relataram não ter feito uso de profissionais médicos que poderão levar em medicamentos durante a gestação. consideração através da pesquisa, quais são De acordo com dados obtidos, o medicamento os medicamentos com menos riscos a saúde mais utilizado foi o ácido fólico (93%), da gestante e a sua gestação como mostra a medicamento que pertence a categoria A, (tabela 1), os resultados serão divulgados na onde estudos de controles não demonstraram Universidade durante apresentação dos riscos para o feto. Alguns autores colocam o

pôsteres e divulgação dos dados através de uso deste medicamento como procedimento publicação em literatura cientifica. de rotina. Os analgésicos são uma das classes mais DISCUSSÃO Os dados deste trabalho frequentemente utilizadas por automedicação mostraram ao longo da gestação, porém seu uso prescrito

gestantes com (idade média de 28,3 anos), é bem menos intenso (OSÓRIO-DE-CASTRO conforme observado em outros estudos et al., 2004). realizados com gestantes usuárias de do De acordo com Mengue et al. (2001), em serviço pré-natal de atenção primária com pesquisa realizada em seis cidades brasileiras mães e lactantes foram uma média de idade demonstrou de 23,5 a 25,5 anos respectivamente. que os analgésicos mais

utilizados pelas gestantes foram a dipirona, o

Trabalhos realizados em 2012 na qual ácido acetilsalicílico e o paracetamol, sendo a entrevistou 30 gestantes atendidas em um dipirona o mais utilizado. Há restrições para o consultório de Ginecologia e Obstetrícia, não uso de dipirona e ácido acetilsalicílico durante foram encontrados nenhuma patologia gestação e o analgésico eleito de primeiro escolha para uso durante este período é o

frequente.

A partir dos dados obtidos na pesquisa, paracetamol. observa-se que há um grande número de Um medicamentos utilizados na gestação, sendo estudo investigou a prevalência de

anomalias congênitas e alterações de

crescimento em 123 mulheres expostas ao risco da gestação. paracetamol durante a gravidez, A utilização de medicamentos por gestantes

comparando com um grupo controle, e os deve ser considerada um problema de saúde autores não encontraram um maior risco de pública, pois existem inúmeras lacunas sobre teratogenia paracetamol e nenhuma no influência do suas consequências ao feto e à gestante. O fetal uso de medicamentos é um risco real a saúde do binômio mãe/feto, e os esclarecimentos suas consequências são pouco

crescimento

(ROBERTS e MORROW, 2003).

O Paracetamol foi o medicamento bastante sobre vezes utilizado em “condições benignas, autolimitadas e em muitos porém, estudos de riscos,

referido pelas gestantes,sendo (50%), muitas divulgados nos dias de hoje.

casos RESULTADOS este Foram envolvidas 30 mulheres na pesquisa no não Município de Jacarei, São Paulo, e a idade este variou de 18 a 42 anos, sendo a média de 28

desnecessariamente”, analgésico, apresentam segundo evidências

medicamento pertence a categoria B, ou anos. Apenas 17 delas tinham idade acima de seja, categoria na qual não demonstra risco 28 anos. Em relação ao trimestre de gestação, fetal, mas que não há estudos controlados 55,6% das mulheres entrevistadas estavam no em mulheres grávidas. terceiro trimestre de gestação.

O uso de metildopa medicamento utilizado Dentre os medicamentos mais prescritos estão par a hipertenção arterial, também foi os das categorias A e B, ácido fólico, sulfato abordado, (1%) fez o uso deste ferroso, polivitamínico, paracetamol,

medicamento, que faz parte da categoria B. cefalexina, metildopa, outros. Estudos recentes apresentados pela Safety O ácido fólico participa de numerosas reações for the child of drug treatment for metabólicas indispensáveis para a síntese

hypertension in pregnancy não demonstram normal de DNA, sua deficiência tem sido efeitos adversos da metildopa quando relacionada com os defeitos de tubo neural

administrada na gestação.

A metildopa é (DTNs) e são a segunda causa mais comum

considerada a droga de primeira escolha de morte perinatal em razão de defeitos de para tratamento da hipertensão arterial nascimento conduzindo uma considerável

sistêmica crônica na gravidez e também para morbidez na infância (CZEIZEL, 1996). controle da pré-eclampsia após a fase O tubo neural é uma estrutura do embrião, aguda. precursora do cérebro e da medula espinhal. A

É importante o prenatalista considerar o formação da calota craniana e da coluna estado de saúde da mulher antes da vertebral depende do fechamento desse tubo gravidez, doenças pré-existentes e história que ocorre entre 22º e 28º dias (terceira e a gestacional, pois tais dados podem alterar o quarta semana) após a concepção. A estrutura

final desse fechamento é o envolvimento metabolismo

de

ácidos

nucléicos

e

anatômico da coluna espinhal e o cérebro. O aminoácidos. Em geral, o crescimento rápido e fechamento malformação incompleto chamada resulta espinha na as multiplicações celulares, aspecto central do bífida desenvolvimento fetal, requerem um

quando ocorre na coluna e anencefalia suprimento adequado de folato (NASSER, quando ocorre no crânio. Estas NOBRE, MESQUITA, 2005).

malformações recebem a denominação de Na gestação, previne defeitos de fechamento Defeitos do Tubo Neural (DTNs) e tem como do tubo neural como anencefalia e espinha causas prováveis: predisposição genética, bífida além de lábio leporino e fenda palatina, agente ambiental, problemas nutricionais e malformações cardíacas e do trato gênitodeficiência vitamínica, principalmente do urinário. A suplementação de folato deve ser

ácido fólico (vitamina B9) ( BORRELLI,2005). iniciada antes da concepção, pois o tubo Os defeitos de fechamento do tubo neural neural, estrutura precursora do cérebro e da figuram entre as mais frequentes mal formações congênitas do medula espinhal, se fecha entre 22º e 28º dias sistema após a concepção. O fechamento deste tubo é

nervoso central, apresentando incidências essencial para a formação da calota craniana que variam dependendo de fatores e da coluna vertebral. As mulheres que tomam

geográficos, raciais, genéticos e sazonais. o ácido fólico depois do resultado do teste de Suas formas clínicas mais comuns, as gravidez correm o risco desta anomalia já anencefalias, as espinhas bífidas ocultas estar em desenvolvimento, pois, a época de (EBO) e as espinhas bífidas abertas (EBA), aparecimento deste tipo de malformação é têm como principais pós-natais. diferenças Enquanto ameaça seus muito precoce. A época do estabelecimento as dos diversos tipos de malformações fetais à como, defeitos do tubo neural é em torno de

prognósticos primeiras não

representam

qualidade de vida após o nascimento, por 28 dias; defeitos do septo ventricular cardíaco serem letais (anencefalias) ou não causarem 42 dias; lábio leporino 36 dias; fenda palatina deficiências neurológicas importantes (EBO), de 47 a 72 dias (GRILLO, SILVA, 2003). as EBA, compatíveis com a vida extra- O ácido fólico é ainda essencial no

uterina, geralmente são responsáveis por metabolismo da homocisteína, aminoácido danos neurológicos graves e irreversíveis tóxico para o endotélio capilar, mantendo seus (PERALTA, 2001). níveis normais. A elevação dos níveis de

O folato age como coenzima em várias homocisteína pela deficiência de folato é reações celulares fundamentais e é associada a risco cardiovascular. Durante a

necessário na divisão celular devido ao seu gravidez, o folato interfere com o aumento dos papel na biossíntese de purinas e eritrócitos, o alargamento do útero e o crescimento da placenta e do feto (FERRINI,

pirimidinas, na transferência de carbonos, no

BORGES, MARCO, 2000).

excessivas de sais de ferro (acima de

Diversos estudos apontam a associação 45mg/dia) podem ter efeito prejudicial, não entre a deficiência do ácido fólico com apenas por interferir na absorção de outros anemia megaloblástica, câncer do cólon, minerais igualmente essenciais a saúde, como leucemia, doenças mieloproliferativas e também pelos próprios efeitos colaterais

algumas enfermidades crônicas da pele. (NAKAMURA, KULAY-JUNIOR ; PASQUALE, Ainda glossite, perda de apetite, diarréia, mal 2008). estar geral e deterioração mental. Em A baixa eficiência dos diferentes regimes gestantes, além de malformação fetal são terapêuticos utilizados ao longo de décadas relatados prematuridade e baixo peso ao tem nascimento (SANTOS, PEREIRA, 2008). sido objetivo de preocupação das

autoridades de saúde, várias possibilidade têm

Já o uso de sulfato ferroso é um uso sido cogitadas para explicar esta ocorrência, disseminado de pelas gestantes e percebe desde falta de eficácia dos próprios esquemas se que isso reflete na rotina dos obstetras de utilizados, passando pelos diferentes sais de prescrevê-lo terapêutico, não mas apenas como agente ferro, até a falta de adesão aos tratamentos, como principalmente pela ocorrência de efeitos

principalmente

profilático o que de certa forma, pode ser colaterais atribuídos ao ferro (BATISTA-FILHO uma conduta questionável, uma vez que ; FIGUEIRÔA, 2004). somente 5 a 10% do ferro ingerido é Carmo e Nitrini (2004) destacam em seu absorvido em condições normais. Deste estudo que as prescrições analisadas com modo, a ingestão diária através da dieta é medicamentos com ferro estavam em

geralmente suficiente para manter os níveis concentrações acima da dose recomendada, adequados de ferro no organismo, embora ainda dentro da faixa terapêutica (180

justificando a utilização de suplementos de mg/dia). Esta informação é muito importante ferro somente em casos de anemia porque se sabe que os efeitos adversos e do ferro oral são geralmente dose-dependente e a tóxica é muito próxima da dose

diagnosticada (CARMO ; NITRINI, 2004).

Este medicamento é classificado pela FDA dose

na categoria A de risco (GUERRA et al, terapêutica. Estes dados sugerem um uso 2008). inadequado dos suplementos de ferro,

A favor da prescrição de suplemento de sujeitando as gestantes e seus fetos a efeitos ferro, está a recomendação da OMS de que adversos desnecessários. devido às altas taxas de anemia nos países Dentre os efeitos colaterais com o uso de sais de terceiro mundo, deve-se administrar sais de ferro, os mais relatados têm sido os de ferro a todas as mulheres nos últimos sintomas quatro a cinco meses de gravidez. Há de se levar em consideração que doses gástricos: diarreia, constipação,

desconforto gástrico, pirose e náusea. O uso . de ferro injetável tem sido recomendado em

casos de mulheres que não conseguem uso desse antibiótico. (GROPPO,2006) seguir adequadamente a prescrição por O paracetamol é o metabólito ativo da condições ou efeitos colaterais insuportáveis, fenacetina, um analgésico derivado do

deve-se salientar que tais injeções são alcatrão, e é uma alternativa eficaz para dolorosas e podem provocar manchas na substituí-lo o ácido acetil salicílico como pele (SOUZA ; BATISTA-FILHO, 2003). analgésico e antipirético, porém sua atividade é fraca. Sua dosagem

A Cefalexina é um antibiótico semi- sintético antiinflamatória do grupo das cefalosporinas

para excessiva pode causar lesão hepática fatal,

administração oral. Sua ação bactericida além disso, pode ocorrer toxicidade renal, deve-se à inibição da síntese da parede esses efeitos tóxicos são causados pela Ncelular bacteriana. Representa pouco risco acetil-p-benzoquinona para o bebê devido à elevada ligação com metabólito do imina que é um ;

paracetamol

(ROBERTS

proteínas plasmáticas maternas. Portanto, MORROW, 2003; RANG et al,. 2004a). Este apenas uma pequena quantidade da droga fármaco tem sido utilizado com segurança em passa para o leite. todos os estágios da gestação; doses altas

Este antibiótico possui um anel B-lactâmico continuadas devem ser evitadas pelo risco de (anel ativo) em sua estrutura química, que toxicidade hepática materna. interfere com a síntese do peptidioglicano da Segundo Guerra et al. (2008), para fins de parede celular bacteriana. Após a sua analgesia na gestação, recomenda-se o uso fixação em sítios de ligação na bactéria, os do paracetamol, fármaco classificado segundo antibióticos B-lactâmicos inibem a enzima de a FDA na categoria B de risco ao ser transpeptidação que forma ligações empregado durante a gestação, sendo

cruzadas das cadeias peptídicas ligadas ao utilizado com segurança em todos os estágios arcabouço do peptidioglicano. O evento da gravidez. bactericida final consiste na ativação do E a metildopa é um anti-hipertensivo de ação sistema autolítico na parede celular, levando central, e classificado segundo FDA na à lise da bactéria e posterior morte. categoria B, e é o fármaco preferido para

Das cefalosporinas atualmente disponíveis tratamento da hipertensão durante a gravidez no mercado, a cefalexina é sem dúvida com base na sua eficácia e segurança tanto alguma a mais utilizada em todos os para a mãe quanto para o feto (OATES ; períodos gestacionais. Em um estudo BROWN, 2003).

conduzido na Hungria (Hungarian Case- A metildopa é um anti-hipertensivo de ação Control Surveuillance of Congenital central que atua nos agonistas alfa

Abnormalities), entre os anos de 1980 e adrenérgicos 1996, não se detectou qualquer risco de vasoconstritores teratogenicidade em mulheres que fizeram

bloqueando provenientes da

impulsos medula

oblonga, a metildopa é captada pelos

neurônios noradrenérgicos e é convertida em neurocognitivo e da inteligência do recémum falso neurotransmissor, a α- nascido (COSTA et al., 2005).

metilnoradrenalina, esta não degradada no interior da MAO, de modo que se acumula e CONCLUSÃO acaba por deslocar a noradrenalina das De acordo com os dados obtidos através da vesículas sinápticas. A α-metilnoradrenalina pesquisa realizada foi possível concluir que é menos eficaz que a noradrenalina na existem fármacos que podem trazer efeitos produção de vasoconstrição e também tem deletérios para a mãe e para o feto. Entre as maior ação autoinibitória o que reduz os gestantes os medicamentos usados

níveis do transmissor abaixo dos níveis geralmente por autoprescrição é mais comum normais, ambos esses efeitos contribuem no início da gravidez, antes mesmo do para a ação hipotensora. (GADONSKI et al., diagnóstico clínico da mesma. No primeiro 2008; RANG et al., 2004b). trimestre o uso diminui quando já houve a consulta de pré-natal. A

Por ultrapassar a barreira placentária e atuar primeira

no sistema nervoso central a metildopa pode automedicação é a última opção de escolha influenciar no desenvolvimento do sistema das gestantes. nervoso central do feto, porém, estudos Percebe-se pelos dados apresentados na recentes não demonstram efeitos adversos pesquisa, que os medicamentos prescritos ao feto quando administrados durante a pelos médicos encontram se dentro das gestação. É considerada droga de primeira literaturas bibliográficas, sendo os

escolha para o tratamento de hipertensão medicamentos mais prescritos da categoria A: gestacional crônica e também para controle medicamentos para os quais não foram da pré-eclâmpsia após a fase aguda, é encontrados riscos para o feto em ensaios utilizada na dose de 750 a 3000 mg/dia, clínicos cientificamente desenhados e

porém seu uso contínuo pode promover controlados; e categoria B: medicamentos retenção hídrica (ROMBALDI, GALVÃO ; para os quais os estudos com animais de GREZZANA, 2005 a). laboratório não demonstraram risco fetal (mas

Essa droga deve ser evitada em gestante não existem estudos adequados em humanos) com história prévia de depressão devido ao e medicamentos cujo estudos com animais risco aumentado de depressão pós parto indicaram algum risco, mas que não foram (GADONSKI et al., 2008). comparados em humanos em estudos

É a droga mais estudada e com melhor perfil devidamente controlados. de segurança e eficácia para a gestante e o Durante a pesquisa não foram encontrados feto. O uso deste fármaco não interfere com prescrições cujos medicamentos pertençam a o peso ao nascer, nas complicações categoria X: medicamentos associados com animais e em humanos e ou cuja relação risco

maternas, neonatais ou no desenvolvimento

benefício

contra

indicada

seu

uso

na CASTRO et al. Uso indicado e uso referido de

gravidez. Estes resultados encontra se de medicamentos durante a gravidez. Rio de acordo com a literatura adotada pelo FDA. Janeiro: Revista de Saúde Pública. 2004,

Sugere-se uma existência de um padrão de v.20, n.1. prescrição na gestação que merece ser CRIVELLARI, E. Uso de medicamentos na discutido visando a minimização de riscos gestação lactação e atuação do farmacêutico. efeitos adversos desnecessários, que pode Revista Racine. 2007, v.100, p.62-68. comprometer os resultados do atendimento GOMES de pré-natal oferecido pelos médicos. et al. Prevalência do uso de

medicamentos na gravidez e relações com as

As gestantes apresentam desconhecimento características maternas. Revista de Saúde dos riscos da neste automedicação período. e Pública. 1999, v. 33, n.3, 5-54, p. 246-254.

autoprescrição

Torna-se GUERRA, E. M.; BARRETTO, O. C. O.; VAZ,

então de extrema importância á participação A. J.; SILVEIRA, M. B. Prevalência de anemia do farmacêutico na assistência as gestantes, em gestantes de primeira consulta em centros já que é na hora da compra do medicamento de saúde de área metropolitana, Brasil. que a gestante procura tirar suas dúvidas e Revista de Saúde Pública. 1990, v. 24, n.5, assegurar se de que o medicamento p.380-386. GUERRA et al. Utilização de medicamentos

prescrito é realmente seguro.

É necessário então que o farmacêutico durante a gravidez na cidade de Natal, Rio conheça os efeitos que essa droga pode Grande do Norte, Brasil. Revista Brasileira de promover, principalmente em relação ao feto, Ginecologia e Obstetrícia. 2008, v. 30, n.1, p. utilizando sempre a classificação da FDA, 13-18. tornando assim medidas de intervenção GUYTON, A. C.; HALL, J. E. Gravidez e tomadas para promover uma utilização racional dos medicamentos. REFERÊNCIAS lactação. In: GUYTON, A. C.; HALL, J. E. Tratado de fisiologia médica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. 883-894,2002. JACOCIUNAS, L. V.; PICOLI, S. U. Avaliação

FONSECA, M. R. C. C.; FONSECA, D.; de infecção urinária em gestantes no primeiro MENDES, G. B. Prevalência do uso de trimestre de gravidez. RBAC. 2007, v. 39, n. 1, medicamentos: abordagem p. 55-57.

farmacoepidemiológica. Revista de Saúde LEVY, R. A. O uso de drogas anti-reumáticas Pública. 2002, v.36, n.2. na gravidez. Revista Brasileira de

BALDON et al. Conhecimentos e atitudes de Reumatologia. 2005, v. 45, n.3, p. 124-133 farmacêutico comunitário na dispensação de MARINELLI et al. Infecção do trato urinário na medicamentos para gestantes. Pharmacy gestação. Femina. 2002, v. 30, n.5, p.299-303. Practice (Granada). 2006, v.4, n.1, março.

MELO et al. Estado nutricional materno, ÉVORA et al. Orientações ministradas à. ganho de peso gestacional e peso ao gestante durante a assistência pré-natal: nascer. Revista Brasileira de Epidemiologia. atuação dos profissionais de Enfermagem. 2007, v. 10, n. 2, p. 249-257. Rev. Esc. Enf. USP. 1988, v.22, n.3, p.339-351 H.G., LOPES, M.H.B.M.

MENGUE et al. Uso de medicamentos por GOUVEIA, gestantes em seis cidades

brasileiras. Diagnósticos de enfermagem e problemas

Revista de Saúde Pública. 2001, v.35, n. 5, colaborativos mais comuns na gestação de p. 415-420. risco. Revista Latino-Americana de

MORAIS et al. Avaliação da composição Enfermagem. 2004, v.12, n.2 Ribeirão Preto corporal em gestantes de termo. Revista de mar./abr. Assistência Médica Brasileira. 1997, v. 43, n. NAKAMURA, M.U., KULAY, J.L., PASQUALE, 2, p.109-113. M. Uso de fármacos na gravidez: benefício e

NEME, B. Ovulação, fecundação, migração e custo. Revista Brasileira de Ginecologia e nidação ovular. In: NEME, B. Obstetrícia. 2008, v.30, n.1, p. 1-4.

Obstetrícia básica. 2005. São Paulo: Sarvier, OSÓRIO, C.G.S., PAUMGARTTEN, F.J.R., p. 3-11. SILVER, L.D. O uso de medicamentos na

OLIVEIRA, S. M. J. V.; ARCURI, E. A. M. gravidez. Ciência e Saúde Coletiva. 2004, v.9, Medida da pressão arterial em gestantes. Revista latino-americana n.4, p.987-996. de ECO, S. Consumo de medicamentos: um esboço dos fatores determinantes. Revista

Enfermagem. 1997, v. 5, n.3, p. 49-55.

MARTINEZ, A.R. Conduta na assistência Ciências Farmacêuticas. 1998 ;19(2):253-63. pré-natal. Atual Méd. 1973, São Paulo, 9(1): ARRAIS, P.S.D., BARRETO, M.L., COELHO, 20, abril. H.L.L. Aspectos dos processos de prescrição e

BELFORT, P. Assistência pré-natal. In: dispensação de medicamentos na percepção REZENDE, J. Obstetrícia. 1974, 3. ed. Rio do paciente: estudo de base populacional em de Janeiro, Guanabara - Koogan. Cap. 10. p. Fortaleza, Ceará, Brasil. Caderno Saúde 222-42. Pública. 2007; 23(4):927-37. et al. Prevalência do uso de

EDITORIAL. Automedicação. Revista da GOMES Paulo, v.47, n.4, out. /dez. 269 – 270 p.

Associação Médica Brasileira. 2001, São medicamentos na gravidez e relações com as características maternas. Revista Saúde

VILARINO et al. Perfil da automedicação em Pública. 1999; 33(3): 246- 54. município do Sul do Brasil. Revista de Saúde Pública, v.32, n.1, 1998. 43-49p. EMERSON F. Alergias na gravidez. Revista Federal Brasileira Sociedade Ginecologia

ARRAIS et al. Perfil da automedicação no Obstetrícia. 1992; 20(2): 139-46. Brasil. Revista de Saúde Pública. 1997, São Paulo, v.31, n.1, fev. 71 – 77p.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->