Você está na página 1de 8

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA UNAMA INSTITUTO DE CIENCIAS JURÍDICAS CURSO DE DIREITO

JOSE ANGELO DOS SANTOS FIGUEIREDO

O PROCESSO ELETRONICO E A FACILITAÇÃO DO ACESSO A JUSTIÇA

BELÉM/2012

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA UNAMA INSTITUTO DE CIENCIAS JURÍDICAS CURSO DE DIREITO

JOSE ANGELO DOS SANTOS FIGUEIREDO

O PROCESSO ELETRONICO E A FACILITAÇÃO DO ACESSO A JUSTIÇA

Pré-projeto apresentado à disciplina

MONOGRAFIA 1, ministrada pelo Prof BRUNO

MACEDO, turma 9DIN11H D.P. CIVIL, como requisito de obtenção nota

de

Orientador: Prof

BELÉM/2012

SUMÁRIO

TEMA:

O PROCESSO ELETRONICO E A FACILITAÇÃO DO ACESSO A JUSTIÇA”.

DELIMITAÇÃO DO TEMA:

A dificuldade na Implantação, Gerenciamento e Disponibilidade do

processo eletrônico como meio facilitador de acesso a justiça.

PROBLEMATICA:

A inexistência de normatização especifica quanto à implantação,

gerenciamento e disponibilidade do processo eletrônico junto ao jurisdicionado

no que tange a padronização dos procedimentos e ferramentas destinadas a este fim.

OBJETIVOS GERAIS:

Verificar o conjunto de medidas e ferramentas eletrônicas e digitais atualmente disponíveis para a utilização do jurisdicionado a quando do seu acesso à prestação jurisdicional.

OBJETIVOS ESPECIFICOS:

Definir através da interpretação das leis, doutrinas e jurisprudências o melhor entendimento sobre a aplicabilidade dos recursos eletrônicos na facilitação do processo judicial.

JUSTIFICATIVA:

O acesso à Justiça algumas vezes se mostra um entrave ao

cidadão seja pelo custo do processo, seja pelo desconhecimento do tramite legal ou pela morosidade da justiça em alguns aspectos. A adoção do sistema processual eletrônico descrito na lei nº 11.419, de 19 DE DEZEMBRO DE 2006 implica na inovação de institutos processuais tradicionais reforçando a utilização de novas tecnologias digitais como meio necessário à facilitação do acesso à Justiça no Brasil.

A verificação dos conceitos de Tecnologia da Informação,

Comunicação Digital, Internet e Informática Jurídica e sua relação com o processo judicial se tornam imprescindíveis diante da necessidade de difundi-

los para uma maior parcela da população.

Destarte o processo eletrônico surge não só como meio de facilitação do acesso à justiça, mas também com o caráter de organização definitiva, em relação aos processos físicos, do Poder Judiciário. O processo digital age em benefício do princípio da celeridade e publicidade os quais visam balizar os vários modos de acesso à justiça brasileira.

O advento da Internet possibilita que as fronteiras encurtem

fazendo do acesso digital judicial uma resolução rápida, barata e de fácil utilização por parte da maioria da população.

No Brasil a legislação impôs ao poder judiciário, a implantação do processo eletrônico, que diante da realidade brasileira, enfrenta dificuldades de infraestrutura de comunicação e transporte que influenciam diretamente a expansão territorial da rede de computadores no Brasil.

O processo eletrônico atende de forma eficaz os princípios da

celeridade e publicidade, pois o tramite eletrônico, desde que usadas às ferramentas adequadas, é infinitamente mais célere que o manuseio dos autos encadernados, oferecendo os meios de armazenamento com capacidade superior a qualquer armário de cartório judicial.

Será feita a verificação de como funcionam esses mecanismos; no Tribunal Regional Federal, Seção Judiciária de Belém, Tribunal Regional do Trabalho 8ª Região e Tribunal de Justiça do Estado do Para, analisando desde já os prós e contras trazidos pelo processo eletrônico aos cidadãos em relação ao acesso à justiça, a transparência, publicidade, celeridade e a tão almejada segurança jurídica.

Utilizaremos o método de abordagem dedutivo na analise da lei 11.419/06 e do sistema de processo eletrônico adotado pelos três Tribunais pesquisados. Além de usarmos o método de pesquisa bibliográfico para abordarmos os conceitos de Tecnologia da Informação e Comunicação, Processo Eletrônico, Informática Jurídica e Princípios Constitucionais. Também utilizaremos da pesquisa qualitativa, a fim de obtermos as informações necessárias a avaliarmos os serviços prestados nos Tribunais pesquisados. E ao final um comparativo entre as principais características dos sistemas de Processo Eletrônico utilizados, e os itens da lei 11.419/06 e de que forma as regras estão sendo cumpridas, do ponto de vista jurídico e tecnológico. A segurança da informação não foi esquecida, fazendo com que concluíssemos o sistema mais adequado às diretrizes legais e tecnológicas.

ORÇAMENTO DO PROJETO DE PESQUISA

Título do Projeto: O PROCESSO ELETRONICO E A FACILITAÇÃO DO ACESSO A JUSTIÇA.

Pesquisador Responsável: JOSE ANGELO DOS SANTOS FIGUEIREDO

Instituição: UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA - UNAMA Fontes dos recursos: JOSE ANGELO DOS SANTOS FIGUEIREDO

 

Valor em R$

MATERIAL PERMANENTE

 

100,00

MATERIAL DE CONSUMO

200,00

SERVIÇOS DE TERCEIROS

45,00

HONORÁRIOS DO PESQUISADOR

0

DESPESAS COM SUJEITOS DA PESQUISA

0

OUTROS

7.00

TOTAL

352,00

Belém, 08 de Setembro de 2012

JOSE ANGELO DOS SANTOS FIGUEIREDO

Pesquisador responsável - CPF: 306.997.032-04

CRONOGRAMA

1) Projeto de Pesquisa

ETAPAS

SET

OUT

Levantamento bibliográfico e coleta de dados

01

a 10

 

Análise dos dados

11

a 20

 

Introdução

21

a 22

 

Embasamento teórico

23

a 30

 

Metodologia da pesquisa

31

 

Cronograma da pesquisa e estruturação provisória do artigo científico

 

01

a 03

Pré-texto e pós-texto

 

04

a 06

Revisão

   

7

Entrega do Projeto de Pesquisa

   

8

2) Artigo Científico

ETAPAS

NOV

DEZ

Desenvolvimento

1 a 26

 

Conclusão

27

a 28

 

Introdução

29

a 30

 

Pré-texto e pós-texto

 

1 a 5

Revisão

 

6 a 10

Entrega do artigo científico

 

11

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Oliveira, Eugênio Pacelli de Curso de·processo penal / -15.ed.,rev LumenJuris,201L 974p.

e.atual.-Rio.de Janeiro :

Gonçalves, Marcus Vinicius Rios Direito Processual civil esquematizado São Paulo: Saraiva, 2011

Wachowicz Marcos, Proner Carol, organizadores. Inclusão tecnológica e Direito à Cultura : movimentos rumo à sociedade democrática do conhecimento Florianópolis : Fundação Boiteux, 2012. 281p.

SERGIO, Cavalieri Filho. Programa de responsabilidade civil. 8ª Ed. - São Paulo:

Atlas, 2008.