Você está na página 1de 47

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

E aí, pessoal, tudo bem?

Aula 2

Antes de começar, quero me colocar mais uma vez à disposição de vocês no fórum. Sintam-se à vontade para debater qualquer tópico, para apontar qualquer erro (mesmo que bobo, tipo digitação ou numeração) e, principalmente, para me dar um retorno (se vocês acham que estão aprendendo ou não, se a abordagem está boa ou ruim, se os exercícios estão ajudando ou não). A hora de criticar e oferecer sugestões é agora, para que eu possa fazer todas as correções e ajustes em tempo hábil.

Vamos, então, continuar a preparação para o concurso de Analista do TRF/5. Hoje vamos (re)ver competência em matéria ambiental, função social da propriedade, desenvolvimento sustentável e bens ambientais.

Sumário

1. Competência em matéria ambiental

1

2. Função social da propriedade

7

3. Desenvolvimento sustentável

9

4. Bens ambientais

10

5. Questões

12

6. Respostas

27

7. Bibliografia

47

1. Competência em matéria ambiental

Competência, em sentido amplo, é a incumbência ou atribuição de realizar determinada tarefa (exs.: legislar, fiscalizar, implementar políticas públicas, julgar).

A Constituição traz um sistema de repartição de competências entre os entes

da

federação brasileira (União, Estados, DF e Municípios).

O

modelo adotado é chamado federalismo cooperativo, já que os entes

federativos colaboram uns com os outros, em uma relação de coordenação (e

não de subordinação).

O critério de distribuição de competências obedece ao princípio da predominância do interesse, conforme o esquema a seguir.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

1
1

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

Ente competente

Interesse predominante

União

Nacional, Geral

Estados

Regional

Municípios

Local

Dois tipos de competência terão interesse para nós:

Competência

Descrição

Legislativa

Elaboração de leis e atos normativos

Material ou Administrativa

Implementação de políticas públicas Exercício do poder de polícia

Vejam como a Constituição divide as competências legislativas:

Competência

legislativa

Entes

Art. da Constituição

Privativa

União

22

(pode delegar questões específicas aos Estados por lei complementar

- parágrafo único)

Concorrente

União, Estados e DF

24

(União faz normas gerais - §1º)

Exclusiva

Estados e DF

25, §§2º (gás) e 3º (regiões metropolitanas)

Municípios

30, I (assuntos de interesse local)

Remanescente ou Reservada

Estados

25, §1º (não vedadas pela Constituição)

Suplementar

Estados e DF

24, §2º (complementar normas gerais da União)

Municípios

30, II (suplementar legislação federal e estadual)

Plena

Estados e DF

24, §3º (se União não fixar normas gerais)

Lembrete

Lembrete

Competência exclusiva

Competência privativa

NÃO admite delegação

Admite delegação

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

2
2

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

Eis as competências legislativas privativas da União em matéria ambiental:

Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre:

I - direito civil, comercial, penal, processual, eleitoral, agrário, marítimo, aeronáutico, espacial e do trabalho;

II – desapropriação;

) (

IV -

radiodifusão;

) (

X - regime dos portos, navegação lacustre, fluvial,

e

águas,

energia,

informática,

telecomunicações

marítima, aérea e aeroespacial;

) (

XII -

metalurgia;

jazidas,

minas,

CAI MUITO

) (

outros

recursos

XIV - populações indígenas;

) (

minerais

e

XVIII - sistema estatístico, sistema cartográfico e de geologia nacionais;

) ( XXVI - atividades nucleares de qualquer natureza;

) (

Parágrafo único. Lei complementar poderá autorizar os Estados a legislar sobre questões específicas das matérias relacionadas neste artigo.

A seguir, as competências legislativas concorrentes da União, dos Estados e do DF em matéria ambiental:

Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

I - direito tributário, financeiro, penitenciário, econômico e urbanístico;

(

)

VI

- florestas, caça, pesca, fauna, conservação da

natureza, defesa do solo e dos recursos naturais,

proteção do meio ambiente e controle da poluição;

CAI
CAI
MUITO
MUITO

VII -

proteção

ao

patrimônio

histórico,

cultural,

artístico, turístico e paisagístico; VIII - responsabilidade por dano ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico; IX - educação, cultura, ensino e desporto;

) (

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

3
3

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

§

1º - No âmbito da legislação concorrente, a competência

da

União limitar-se-á a estabelecer normas gerais.

§ 2º - A competência da União para legislar sobre normas

gerais não exclui a competência suplementar dos Estados.

§ 3º - Inexistindo lei federal sobre normas gerais, os

Estados exercerão a competência legislativa plena, para atender a suas peculiaridades.

§ 4º - A superveniência de lei federal sobre normas gerais

suspende a eficácia da lei estadual, no que lhe for contrário.

ESSES PARÁGRAFOS CAEM MUITO

O art. 25 da Constituição traz as duas competências legislativas exclusivas dos

Estados, mas elas não têm relação direta com o Direito Ambiental:

a) regulamentação, por lei ordinária estadual, da exploração de serviços

locais de gás canalizado;

b) instituição, por lei complementar estadual, de regiões metropolitanas,

aglomerações urbanas e microrregiões.

O art. 30, I, da Constituição é a hipótese de competência legislativa exclusiva

dos Municípios, que é a de criar leis municipais sobre assuntos de interesse

predominantemente local, podendo incluir a matéria ambiental:

Art. 30. Compete aos Municípios:

I - legislar sobre assuntos de interesse local;

) (

O art. 25, §1º, da Constituição

remanescente ou reservada dos Estados:

apresenta

a

competência

legislativa

Art. 25. (…)

§ 1º - São reservadas aos Estados as competências que não

lhes sejam vedadas por esta Constituição.

Seu objetivo é evitar lacunas nas competências. O que sobrar é dos Estados.

O art. 30, II, da Constituição prevê a competência legislativa suplementar dos

Municípios, permitindo a eles suprir deficiências da legislação federal e

estadual:

Art. 30. Compete aos Municípios:

(…)

II - suplementar a legislação federal e a estadual no que

couber;

) (

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

4
4

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

Agora olhem como a Constituição divide as competências materiais (ou administrativas; executivas; não legislativas):

Competência material ou administrativa

Entes

Art. da Constituição

Exclusiva

União

21

Comum

União

Estados

DF

Municípios

23

Vejamos no art. 21 da Constituição as competências materiais exclusivas da União em matéria ambiental:

Art. 21. Compete à União:

(…)

IX

- elaborar e executar planos nacionais e regionais de

ordenação do território e de desenvolvimento econômico e

social;

) ( XII - explorar, diretamente ou mediante autorização, concessão ou permissão:

) (

b) os serviços e instalações de energia elétrica e o aproveitamento energético dos cursos de água, em articulação com os Estados onde se situam os potenciais

hidroenergéticos;

(

)

XV

- organizar e manter os serviços oficiais de estatística,

geografia, geologia e cartografia de âmbito nacional;

) ( XIX - instituir sistema nacional de gerenciamento de

recursos hídricos e definir critérios de outorga de direitos de seu uso; XX - instituir diretrizes para o desenvolvimento urbano, inclusive habitação, saneamento básico e transportes

urbanos;

) ( XXIII - explorar os serviços e instalações nucleares de qualquer natureza e exercer monopólio estatal sobre a pesquisa, a lavra, o enriquecimento e reprocessamento, a industrialização e o comércio de minérios nucleares e seus derivados, atendidos os seguintes princípios e condições:

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

5
5

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

a) toda atividade nuclear em território nacional somente

será admitida para fins pacíficos e mediante aprovação do

Congresso Nacional;

b) sob regime de permissão, são autorizadas a comercialização e a utilização de radioisótopos para a pesquisa e usos médicos, agrícolas e industriais;

c) sob regime de permissão, são autorizadas a produção,

comercialização e utilização de radioisótopos de meia-vida igual ou inferior a duas horas;

d) a responsabilidade civil por danos nucleares independe da

existência de culpa;

) (

XXV - estabelecer as áreas e as condições para o exercício

da atividade de garimpagem, em forma associativa.

A seguir, estão destacadas as competências materiais comuns dos entes federativos em matéria ambiental:

Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios:

) (

III - proteger os documentos, as obras e outros bens de

valor histórico, artístico e cultural, os monumentos, as paisagens naturais notáveis e os sítios arqueológicos;

IV - impedir a evasão, a destruição e a descaracterização de

obras de arte e de outros bens de valor histórico, artístico

ou cultural;

) (

VI

- proteger o meio ambiente e combater a poluição

em

qualquer de suas formas;

CAI MUITO

 

Prof. Botelho

VII - preservar as florestas, a fauna e a flora;

MUITO
MUITO
CAI
CAI

VIII - fomentar a produção agropecuária e organizar o

abastecimento alimentar;

IX - promover programas de construção de moradias e a

melhoria das condições habitacionais e de saneamento básico;

X - combater as causas da pobreza e os fatores de

marginalização, promovendo a integração social dos setores

desfavorecidos;

XI - registrar, acompanhar e fiscalizar as concessões de

direitos de pesquisa e exploração de recursos hídricos e

minerais em seus territórios;

) ( Parágrafo único. Leis complementares fixarão normas para a

cooperação entre a União e os Estados, o Distrito Federal e

os Municípios, tendo em vista o equilíbrio do

desenvolvimento e do bem-estar em âmbito nacional.

CAI MUITO

www.pontodosconcursos.com.br

6
6

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

2. Função social da propriedade

A Constituição garante a todos o direito de propriedade, desde que atendida a sua função social, isto é, a propriedade não deve servir apenas aos interesses do proprietário, mas também aos da coletividade.

A propriedade não pode ser usada (ou mesmo “não usada”) para prejudicar outras pessoas, contribuir para as desigualdades sociais ou degradar o meio ambiente.

Revejam os dispositivos constitucionais a seguir. Eu sublinhei o que pode cair.

Art. 5º (…)

XXII - é garantido o direito de propriedade;

XXIII

- a propriedade atenderá a sua função social;

(…)

Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar

a todos existência digna, conforme os ditames da justiça

social, observados os seguintes princípios:

(…)

II - propriedade privada;

III - função social da propriedade;

(…)

Art. 182. A política de desenvolvimento urbano, executada

pelo Poder Público municipal, conforme diretrizes gerais

fixadas em lei, tem por objetivo ordenar o pleno

desenvolvimento das funções sociais da cidade e garantir o bem-estar de seus habitantes.

§ 1º - O plano diretor, aprovado pela Câmara Municipal,

obrigatório para cidades com mais de vinte mil habitantes, é

o instrumento básico da política de desenvolvimento e de

expansão urbana.

§ 2º - A propriedade urbana cumpre sua função social

quando atende às exigências fundamentais de ordenação da

cidade expressas no plano diretor.

§ 3º - As desapropriações de imóveis urbanos serão feitas

com prévia e justa indenização em dinheiro.

§ 4º - É facultado ao Poder Público municipal, mediante lei

específica para área incluída no plano diretor, exigir, nos termos da lei federal, do proprietário do solo urbano não

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

7
7

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

edificado, subutilizado ou não utilizado, que promova seu adequado aproveitamento, sob pena, sucessivamente, de:

I - parcelamento ou edificação compulsórios;

II - imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana

progressivo no tempo;

III - desapropriação com pagamento mediante títulos da

dívida

pelo

Senado Federal, com prazo de resgate de até dez anos, em parcelas anuais, iguais e sucessivas, assegurados o valor real da indenização e os juros legais.

pública

de

emissão

previamente

aprovada

(…)

Art. 184. Compete à União desapropriar por interesse social, para fins de reforma agrária, o imóvel rural que não esteja cumprindo sua função social, mediante prévia e justa indenização em títulos da dívida agrária, com cláusula de preservação do valor real, resgatáveis no prazo de até vinte anos, a partir do segundo ano de sua emissão, e cuja utilização será definida em lei.

(…)

Art. 185. (…) Parágrafo único. A lei garantirá tratamento especial à propriedade produtiva e fixará normas para o cumprimento

dos

requisitos relativos a sua função social.

(…)

Art. 186. A função social é cumprida quando a propriedade

rural atende, simultaneamente, segundo critérios e graus de exigência estabelecidos em lei, aos seguintes requisitos:

I - aproveitamento racional e adequado;

II - utilização adequada dos recursos naturais disponíveis e

preservação do meio ambiente;

III

- observância das disposições que regulam as relações

de

trabalho;

IV

- exploração que favoreça o bem-estar dos proprietários

e dos trabalhadores.

O Código Civil de 2002 também prevê a função social da propriedade, no art. 1.228, §1º:

Art. 1.228. ( )

§ 1º O direito de propriedade deve ser exercido em

consonância com as suas finalidades econômicas e sociais e

de modo que sejam preservados, de conformidade com o

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

8
8

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

estabelecido em lei especial, a flora, a fauna, as belezas naturais, o equilíbrio ecológico e o patrimônio histórico e artístico, bem como evitada a poluição do ar e das águas. )

(

Já vimos que não basta ao proprietário evitar os comportamentos negativos (poluir, desmatar). Ele deve, também, assumir comportamentos positivos (conservar, replantar).

Já vimos também que preservação ambiental é uma obrigação propter rem (própria da coisa, que acompanha a coisa). Uma consequência disso é que o adquirente (comprador, novo proprietário) de uma propriedade responde pelas despesas de conservação e recuperação ambientais do imóvel, mesmo que os danos tenham sido causados pelo alienante (vendedor, proprietário anterior).

3. Desenvolvimento sustentável

Desenvolvimento sustentável é o exercício de atividades econômicas que harmoniza crescimento econômico, preservação ambiental e equidade social. É

o desenvolvimento que satisfaz as necessidades da geração presente sem

suas

necessidades.

comprometer

a

capacidade

das

gerações

futuras

de

satisfazer

A ideia surgiu na Conferência de Estocolmo, em 1972, e foi reafirmada nos

Princípios 4, 5 e 8 da Declaração do Rio, em 1992.

Princípio 4 – Proteção Ambiental no Processo de Desenvolvimento Para se alcançar o desenvolvimento sustentável, a proteção ambiental deverá ser parte integrante do processo de desenvolvimento e não pode ser considerada isoladamente dele.

Princípio 5 – Erradicação da Pobreza Todos os países e todas as pessoas devem cooperar na tarefa essencial de erradicar a pobreza, como um requisito indispensável do desenvolvimento sustentável, para diminuir as desigualdades nos padrões de vida e melhor atender as necessidades da maioria da população mundial.

Princípio 8 – Redução de Padrões Insustentáveis de Produção e Consumo Para se alcançar o desenvolvimento sustentável e uma melhor qualidade de vida para todas as pessoas, os países devem reduzir e eliminar padrões insustentáveis de

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

9
9

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

produção e consumo e promover políticas demográficas adequadas.

Releiam

desenvolvimento sustentável:

os

arts.

170

e

225

da

Constituição,

que

também

tratam

do

Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização do

trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados os seguintes princípios:

) ( VI - defesa do meio ambiente, inclusive mediante tratamento diferenciado conforme o impacto ambiental dos produtos e serviços e de seus processos de elaboração e prestação; VII – redução das desigualdades regionais e sociais;

) (

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá- lo para as presentes e futuras gerações.

Não se esqueçam: a parte final do art. 225, caput, da Constituição traz o princípio da equidade (ou solidariedade) intergeracional (entre as gerações, presente e futuras).

4. Bens ambientais

Bem ambiental pode ser definido como todo interesse relativo ao meio ambiente protegido pelo ordenamento jurídico.

São exemplos de bem ambiental os solos, as águas, o ar, as florestas, a fauna e a flora.

O bem ambiental possui as seguintes características:

a) é de uso comum do povo; b) é de interesse transindividual, pois transcende o interesse de um indivíduo isoladamente considerado; c) sua titularidade é indeterminada, pois pertence a toda a coletividade (não só ao Estado), e, portanto, é um bem difuso; d) sua preservação é um direito fundamental de terceira geração ou dimensão (direitos de fraternidade e solidariedade).

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

10
10

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

Um bem ambiental pode ser:

a) um macrobem, quando formar um conjunto indivisível, incorpóreo,

imaterial e insuscetível de apropriação por particulares (ex.: uma paisagem);

b) um microbem, quando puder ser individualizado e apropriado por

particulares, conforme o Direito.

Não há uma definição legal de bem ambiental. Mas a Lei nº 6.938/81 define meio ambiente (art. 3º, I) e exemplifica os recursos ambientais (art. 3º, V):

Meio ambiente é o conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem física, química e biológica, que permite, abriga e rege a vida em todas as suas formas.

Recursos ambientais são a atmosfera, as águas interiores, superficiais e subterrâneas, os estuários, o mar territorial, o solo, o subsolo, os elementos da biosfera, a fauna e a flora.

A propósito, há quatro tipos de meio ambente:

do

homem, e composto por bens ambientais como solo, água, ar, fauna e flora; b) artificial: criado pelo ser humano para sua comodidade e composto de

elementos como casas, edifícios e ruas;

c) cultural: também criado pelo ser humano, mas com um significado

especial, por estar ligado à identidade, à ação e à memória de grupos sociais (arts. 215 e 216 da Constituição);

d) do trabalho: local, aberto ou fechado, onde o ser humano exerce suas atividades de sustento (art. 200, VIII, da Constituição).

a)

natural ou

físico: criado

pela

natureza, independentemente

----------------------------------------------------------------------------------------

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

11
11

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

5. Questões

Bom, minha gente, chegou a hora das questões. Trouxe mais 47 hoje.

5.1. Múltipla Escolha

71) (FGV – 2012 – Senado Federal – Consultor Legislativo – Meio

Ambiente - Adaptada) Considerando a edição de Lei Estadual que estabelece vedação ao cultivo, à manipulação, à importação, à industrialização e à comercialização de organismos geneticamente modificados, marque a alternativa correta.

(A) A Lei Estadual que regulamenta a utilização de organismos

geneticamente modificados resulta da competência concorrente para dispor sobre produção, consumo, proteção e defesa da saúde, segundo

a qual cabe à União estabelecer as normas gerais e aos Estados apenas suplementá-las.

(B) A Lei Estadual que cria exigências, procedimentos e penalidades

relativos à rotulagem informativa de produtos transgênicos tem

fundamento na competência concorrente dos Estados para legislarem sobre preservação ambiental, prevalecendo sobre a legislação federal naquilo que dispuser de forma mais específica para atender aos interesses regionais.

(C) É inconstitucional a Lei Estadual que dispõe sobre cultivo,

manipulação, importação, industrialização e a comercialização de organismos geneticamente modificados, pois é competência exclusiva da União legislar sobre direito agrário, comércio e transporte.

(D) A existência de lei federal que estabelece normas de segurança e

mecanismos de fiscalização de atividades que envolvam organismos geneticamente modificados – OGMs - e seus derivados esgota a competência para tratar do tema, não restando espaço para que os Estados editem normas suplementares.

72) (CESPE – 2011 - TRF/5 – Juiz Federal) Acerca da repartição de competências em matéria ambiental, assinale a opção correta.

(A) Se um município cuja principal atividade econômica seja a pesca

estabelecer, mediante lei, regras sobre a captura e o transporte de

pescado em sua área, tais normas não serão válidas, uma vez que o

dispositivo constitucional não prevê para os municípios competência para tal. Nesse caso, devem ser aplicados apenas os textos federais e estaduais que disciplinam a matéria.

(B) Tendo sido o Parque Nacional do Iguaçu, no Paraná, criado por

decreto federal (Decreto-lei n.º 1.035/1939), não pode a prefeitura do município de localização desse parque estabelecer medidas de preservação ambiental na área do parque, atribuição inserida na competência material exclusiva da União.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

12
12

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

(C) A pesquisa e a lavra de recursos minerais e o aproveitamento de

energia hidráulica constituem atividades da esfera de competência da União. Assim, uma vez que os recursos minerais pertencem a esse ente federativo, e não ao proprietário do solo, cabe à administração federal autorizar sua exploração.

(D) É competência privativa da União a proteção, por meio do IPHAN,

dos documentos, das obras e de outros bens de valor histórico,

artístico e cultural, dos monumentos, das paisagens naturais notáveis

e dos sítios arqueológicos.

(E) Se determinado estado da Federação editar lei instituindo código

florestal, a referida lei deverá ser considerada inconstitucional, visto

que cabe à União, em caráter privativo, legislar sobre a matéria.

73) (CESPE – 2007 – MPE/AM – Promotor de Justiça) À luz da

competência legislativa ambiental prevista na CF de 1988, julgue os seguintes itens.

I Matéria relacionada a atividade nuclear de qualquer natureza é de competência exclusiva da União.

II Em matéria ambiental, inexiste competência legislativa privativa e

suplementar de município.

III O município possui competência legislativa concorrente para,

juntamente com os estados, legislar sobre florestas, caça e pesca, independentemente de interesse local.

IV No âmbito da legislação concorrente, os estados não podem legislar

sobre matéria ainda não tratada pela União.

V As normas gerais no âmbito da competência concorrente são

atribuídas à União.

Estão certos apenas os itens

(A)

I e II.

(B)

I e V.

(C)

II e III.

(D)

III e IV.

(E)

IV e V.

74) (CESPE – 2009 – PGE/PE – Procurador de Estado) O Brasil, como República Federativa, possui forma de Estado que prevê a descentralização do poder. Essa configuração constitucional reflete nas competências legislativas e administrativas ambientais. Com relação a essas informações, assinale a opção correta.

(A) Com fulcro no princípio da predominância do interesse, compete

privativamente à União legislar sobre florestas, caça e pesca.

(B) Mesmo que exista atuação normativa por parte da União, o estado-

membro pode tratar das normas gerais.

(C) O município não está elencado no artigo constitucional que trata

da competência concorrente, mas pode legislar acerca do tema meio

ambiente.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

13
13

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

(D) O DF não pode legislar concorrentemente com a União na matéria

ambiental, por ser a sede da República brasileira.

(E) Os estados podem legislar concorrentemente sobre jazidas e minas

encontradas em seus territórios.

75) (PGR – 20º concurso – Procurador da República) Assinale a alternativa correta:

(A)

As usinas que operem reator nuclear terão sua localização definida

em

lei complementar.

(B)

As terras devolutas indispensáveis à preservação ambiental, assim

definidas em lei, pertencem à União. (C) Levando em consideração a necessidade de proteção ao meio

ambiente, o Estado não favorecerá, de modo algum, a organização da atividade garimpeira.

(D) Nenhuma das alternativas está correta.

76) (PGR – 20º concurso – Procurador da República) Assinale a alternativa correta:

(A) O combate à poluição, em qualquer de suas formas, é da competência exclusiva da União.

(B) Situa-se no âmbito da legislação concorrente a competência para

legislar sobre proteção ao meio ambiente.

(C) Tendo em vista o princípio da descentralização administrativa, é da

competência exclusiva dos estados-membros a preservação das

florestas.

(D) Nenhuma das alternativas está correta.

77) (CESPE – 2009 - TRF/5 – Juiz Federal) Com relação às normas

constitucionais relativas à proteção ambiental, julgue os itens a seguir. I A CF atribui competência privativa à União para legislar sobre conservação da natureza, defesa do solo e dos recursos naturais, proteção do meio ambiente e controle da poluição. Todavia, essa competência é passível de delegação aos estados e ao DF.

II É competência comum da União, dos estados, do DF e dos

municípios proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas, bem como preservar as florestas, a fauna e a flora. III A defesa do meio ambiente, inclusive mediante tratamento diferenciado conforme o impacto ambiental dos produtos e serviços e de seus processos de elaboração e prestação, é princípio constitucional que fundamenta a atividade econômica. IV A CF veda, na forma da lei, as práticas que submetam os animais a

crueldade. Entretanto, em face do dever do Estado de incentivar a valorização e a difusão das manifestações culturais, a “farra do boi”, brincadeira em que se infligem maus-tratos a esse animal, por ser

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

14
14

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

prática tradicional popular de determinada região do país, não pode sofrer proibição ou restrições de qualquer natureza. V Os bens ambientais são bens dominicais, constituindo, assim, o

patrimônio da União, dos estados, do DF e dos municípios, como objeto de direito pessoal, ou real, de cada uma dessas entidades. Estão certos apenas os itens

(A)

I e II.

(B)

I e V.

(C)

II e III.

(D)

III e IV.

(E)

IV e V.

78) (CESPE – 2009 - TRF/5 – Juiz Federal) A respeito da organização do Estado brasileiro, assinale a opção correta.

(A) Para regulamentar a exploração direta, ou mediante concessão,

dos serviços locais de gás canalizado, pode ser utilizada pelos estados medida provisória, desde que prevista a sua edição na respectiva constituição estadual. (B) Compete ao município manter, com a cooperação técnica e financeira da União e do estado a que ele pertence, programas de educação infantil e de ensino fundamental, bem como serviços de atendimento à saúde da população. (C) Compete exclusivamente à União legislar acerca da responsabilidade por dano ao meio ambiente.

(D) O registro, o acompanhamento e a fiscalização das concessões de

direitos de pesquisa e de exploração de recursos hídricos e minerais são de competência material privativa da União.

(E) São bens da União as terras devolutas.

79) (CESPE – 2009 - TRF/5 – Juiz Federal) A respeito de recursos hídricos e mineração, assinale a opção correta.

(A) Como um dos elementos do meio ambiente, a água é um bem

dominical que integra o patrimônio privado do poder público.

(B) Na medida em que a água é um recurso natural limitado, a gestão

dos recursos hídricos deve-se dar de forma centralizada pelo poder

público, privilegiando seu uso racional e limitado. Assim, em situações de escassez, o uso prioritário refere-se ao aproveitamento de potenciais hidrelétricos.

(C) A pesquisa e a lavra de recursos minerais e o aproveitamento dos

potenciais de energia hidráulica somente poderão ser efetuados, mediante autorização ou concessão da União, por brasileiros ou empresa brasileira de capital nacional, na forma da lei.

(D) Cabe à União, em caráter privativo, legislar sobre mineração.

Nesse sentido, são de sua competência o registro, o acompanhamento e a fiscalização das concessões de direitos de pesquisa e exploração de

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

15
15

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

recursos minerais, mesmo que situadas no território dos estados, do DF e dos municípios.

(E) Os recursos minerais, inclusive os do subsolo, são considerados

bens da União. No entanto, os estados, o DF, os municípios e os órgãos da administração direta da União participarão do resultado da exploração desses minérios localizados em seus territórios, ou receberão compensação financeira por essa exploração.

80) (CESPE – 2009 – PGE/AL – Procurador de Estado) Uma empresa, com o objetivo de explorar comercialmente material radioativo

existente em município brasileiro, formulou pedido de licenciamento ambiental aos órgãos municipal, estadual e federal. A direção dessa empresa crê que um desses órgãos ou alguns deles deverão resolver as pendências administrativas e permitir a exploração do material

radioativo.

Nessa situação hipotética, considerando a competência dos entes federados, é correto afirmar que o empreendedor agiu:

(A) corretamente, pois se trata de hipótese de competência concorrente ambiental.

(B) corretamente, pois se trata de hipótese de competência comum

ambiental.

(C) corretamente, pois se trata de hipótese de competência legislativa

estadual e administrativa municipal.

(D) incorretamente, pois se trata de hipótese de competência da

União.

(E) incorretamente, pois se trata de hipótese de competência exclusiva

do município.

81) (PUC/PR – 2011 – TJ/PR – Juiz) Quanto aos princípios

fundamentais do Direito Ambiental, é CORRETO afirmar que:

I. A afirmação “Os seres humanos constituem o centro das

preocupações relacionadas com o desenvolvimento sustentável. Têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia com o meio

ambiente” (princípio 1 – Rio 92) nos leva a reconhecer o princípio da dignidade da pessoa humana como um dos mais relevantes aplicáveis ao Direito Ambiental.

II. O princípio da prevenção caracteriza-se pela ausência de absoluta

certeza científica acerca do dano ambiental causado por determinado

empreendimento.

III. O caráter intergeracional do Direito Ambiental pode ser reconhecido no princípio do desenvolvimento sustentável insculpido no caput do artigo 225, in fine, da Constituição Federal.

(A)

Somente as afirmativas I e III são verdadeiras.

(B)

Somente as afirmativas I e II são verdadeiras.

(C)

Somente as afirmativas II e III são verdadeiras.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

16
16

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

(D) Todas as afirmativas são verdadeiras.

82) (PUC/PR – 2011 – TJ/PR – Juiz) Com relação à competência legislativa em matéria ambiental, é CORRETO afirmar que:

A) A competência é concorrente, o que implica que os estados, o

Distrito Federal e os municípios podem legislar sobre o assunto sem

limitações de uns para com os outros.

B) Somente aos estados e ao Distrito Federal é dada competência

legislativa em sede de proteção ambiental. C) A competência para legislar sobre Direito Ambiental é exclusiva da União, da mesma forma que no Direito Agrário, Tributário, Civil e Comercial.

D) À União cabe estabelecer normas de caráter geral, estando os

demais entes impedidos de estabelecer normas menos protetoras ao

meio ambiente.

83) (CESPE – 2007 – TJ/PI – Juiz) Referindo-se à relevância das florestas na preservação ambiental, a CF estabelece

(A) a competência comum da União, dos estados, do DF e dos

municípios para preservar as florestas, a fauna e a flora, bem como

para, exclusivamente, sobre elas legislar. (B) a competência concorrente da União, dos estados, do DF e dos municípios para gerenciarem o manejo sustentável das florestas, da fauna e da flora silvícolas, bem como para legislar, independentemente, sobre elas.

(C) a competência exclusiva da União para preservar as florestas, a

fauna e a flora, bem como para legislar sobre elas.

(D) a competência solidária da União, dos estados, do DF e dos

municípios para a exploração sustentável das florestas de preservação permanente, da fauna, da flora, dos recursos minerais, hídricos e genéticos bem como para legislar, isoladamente, sobre ela.

(E) a competência comum da União, dos estados, do DF e dos

municípios para preservar as florestas, a fauna e a flora.

84) (TJ/DFT – 2006 – Juiz) O direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado foi expressamente incluído na Constituição de 1988 entre os bens públicos classificados como:

(A)

De uso comum do povo.

(B)

De uso especial.

(C)

Dominicais.

(D)

Patrimoniais.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

17
17

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

85) (CESPE – 2012 – TJ/CE – Juiz) Considerando os diversos aspectos

que envolvem o conceito de meio ambiente, particularmente o cultural

e o do trabalho, assinale a opção correta.

(A) Considera-se meio ambiente cultural o ambiente integrado pelos

equipamentos urbanos e edifícios comunitários, como as bibliotecas,

pinacotecas, museus e instalações científicas ou similares.

(B) O meio ambiente é um bem público classificado pela CF como de

uso comum do povo, razão pela qual não se admite que o seu uso seja oneroso ou imponha a necessidade de qualquer contraprestação de ordem pecuniária.

(C) Ao estabelecer a tutela do meio ambiente, a CF dispõe que a

proteção do meio ambiente, nele compreendido o meio ambiente do trabalho, constitui um dos objetivos do Sistema Único de Saúde.

(D) A todos os entes federativos compete a proteção de documentos,

obras e outros bens de valor histórico, artístico, cultural e paisagístico,

mas a competência para legislar sobre esses temas pertence, privativamente, à União.

(E) A definição legal de recursos ambientais compreende a fauna e a

flora, as águas superficiais e subterrâneas, o solo e o subsolo, mas não

o mar territorial e os demais elementos da biosfera.

86) (PGR – 22º Concurso – Procurador da República) Observem-se as afirmações abaixo:

I. nos chamados espaços territoriais protegidos, a alteração e a supressão são permitidas somente através de lei, vedada qualquer

utilização que comprometa a integridade dos atributos que justifiquem sua proteção.

II. no direito brasileiro, o meio ambiente tem conceituação legal

própria, elemento que reveste o direito ambiental de objeto próprio,

distinto dos demais ramos do direito.

III. Aquele que explorar recursos minerais fica obrigado a recuperar o

meio ambiente degradado, de acordo com a solução técnica exigida

pelo órgão público competente, na forma da lei. IV. as pessoas jurídicas respondem penalmente pelas condutas e

atividades consideradas lesivas ao meio ambiente, independentemente

da obrigação de reparar os danos causados.

V. as usinas hidrelétricas e as que operem com reator nuclear deverão ter sua localização definida em lei federal, sem o que não poderão ser

instaladas.

A respeito

alternativa correta:

da

proteção

jurídica

ao

meio

ambiente,

assinale

a

(A)

Todas as afirmativas estão corretas.

(B)

As alternativas IV e V estão incorretas.

(C)

As alternativas II e IV estão incorretas.

(D)

As alternativas II e V estão incorretas.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

18
18

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

87) (PGR – 22º Concurso – Procurador da República) A propósito do regime jurídico dos recursos minerais, assinale o item incorreto:

(A) Por serem bens da União, a competência legislativa para regular os

recursos minerais e seu aproveitamento é federal, muito embora, no

que concerne à competência material, a Carta de 1988 tenha-a conferido aos outros níveis de Governo.

(B) As jazidas e demais recursos minerais e os potenciais de energia

hidráulica constituem propriedade distinta da do solo, para efeito de

exploração ou aproveitamento, e pertencem à União, garantidas ao concessionário e ao proprietário do solo partes iguais do produto da lavra. (C) De acordo com o texto constitucional, é lícito afirmar que juridicamente há intensidades diversas entre recursos, reservas e riquezas minerais.

(D) Entende-se por jazida a massa de substâncias minerais, ou fósseis,

existentes no interior ou na superfície da terra e que sejam ou venham a ser valiosas pela indústria, enquanto a mina corresponde a jazida na extensão concedida.

88) (PGR – 21º Concurso – Procurador da República) Examine os itens abaixo e assinale a alternativa correta.

I- É inconstitucional o estado-membro editar lei proibindo a comercialização ou estocagem de produto químico nocivo ao meio ambiente quando existe lei com idêntico conteúdo em nível federal. II- Lei estadual poderá dispensar o estudo prévio de impacto ambiental no caso de áreas de reflorestamento para fins empresariais. III- A aplicação de sanção administrativa pela prática de ato lesivo ao meio ambiente não afasta a obrigação de reparar os danos causados. IV- No exercício da competência concorrente de legislar em relação a meio ambiente, pode o estado-membro legislar sobre localização para instalação de usina nuclear de maneira a preservar o equilíbrio ecológico.

(A)

Somente um item está correto.

(B)

Dois itens estão corretos.

(C)

Três itens estão corretos.

(D)

Todos os itens estão corretos.

89) (CESPE – 2011 – TRF/3 – Juiz Federal) Acerca da mineração e dos produtos tóxicos em sua correlação com o ambiente, assinale a opção correta. (A) A União, os estados e o DF têm competência concorrente para legislar sobre jazidas, minas e outros recursos minerais.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

19
19

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

(B) Os agrotóxicos, seus componentes e afins só poderão ser

produzidos, exportados, importados, comercializados e utilizados se previamente registrados no órgão federal competente.

(C) Constitui responsabilidade exclusiva do poder público estadual a

instituição de programas educativos e de mecanismos de controle e

estímulo à devolução das embalagens vazias pelos usuários.

(D) A concessão de lavras e a realização de trabalhos de pesquisa em

áreas de conservação dependem de autorização do IBAMA.

(E) Compete à União, com exclusividade, registrar, acompanhar e

fiscalizar as concessões de direitos de exploração de recursos minerais em todo o território nacional.

90) (CESPE – 2009 – TRF/2 – Juiz Federal) Quanto à mineração, julgue os itens a seguir. I Mina é o depósito natural de uma ou mais substâncias úteis, incluindo os combustíveis naturais. II Jazida é o nome dado à mina explorada, notadamente quando há galerias de onde os homens extraem metais, combustíveis ou quaisquer substâncias minerais.

III Lavra é o conjunto de operações coordenadas objetivando o aproveitamento industrial da jazida, desde a extração das substâncias minerais úteis que contiver, até o seu beneficiamento.

IV

Lavra garimpeira ou garimpagem é a atividade de aproveitamento

de

substâncias minerais garimpáveis, executada no interior de áreas

estabelecidas para este fim.

Estão certos apenas os itens

(A)

I e II.

(B)

I e III.

(C)

II e III.

(D)

II e IV.

(E)

III e IV.

91) (FCC - 2011 - PGE-MT – Procurador de Estado) Considere os seguintes requisitos:

I. Aproveitamento racional e adequado.

II. Utilização adequada dos recursos naturais disponíveis.

III. Preservação do meio ambiente. IV. Observância da legislação trabalhista.

V. Exploração que favoreça o bem-estar dos proprietários e dos

trabalhadores.

Cumpre a função social a propriedade rural que atende simultaneamente aos requisitos

(A) I, II, III, IV e V.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

20
20

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

(B)

I, II, III e IV, apenas.

(C)

I, II, III e V, apenas.

(D)

I, II, IV e V, apenas.

(E)

I, III, IV e V, apenas.

92) (FCC - 2010 – PGM-Teresina/PI - Procurador Municipal) No Estado do Piauí cresce a atividade do carvoejamento e igualmente a preocupação com a expansão da fronteira do carvão. Considerando-se a proteção dos bens ambientais e a função social da propriedade, é INCORRETO afirmar que:

(A) cabe ao Poder Público e à coletividade preservarem a qualidade do

ar e dos bens ambientais, garantindo-se a todos o direito de respirar

um ar sadio e de viver em um meio ambiente ecologicamente equilibrado. (B) o livre acesso ao recurso ambiental ar, qualificado

tradicionalmente como res communis, permite que sua utilização seja efetuada por todos sem a imposição de nenhuma limitação.

(C) para que a propriedade rural cumpra sua função social há a

necessidade de observar-se concomitantemente o respeito aos seguintes requisitos: aproveito racional e adequado, utilização adequada dos recursos naturais e preservação do meio ambiente, além

da observância das disposições que regulam as relações de trabalho e exploração que favoreça o bem-estar dos proprietários e dos trabalhadores.

(D) o direito de propriedade deve ser exercido em consonância com as

suas finalidades econômicas e sociais e de modo que sejam preservados, em conformidade com o estabelecido em lei especial, a flora, a fauna, as belezas naturais, o equilíbrio ecológico e o patrimônio histórico e artístico, bem como evitada a poluição do ar e das águas.

(E) os bens socioambientais adquirem essencialidade tanto para a

manutenção da vida de todas as espécies como também é necessário

considerar sua essencialidade em relação às culturas humanas.

93) (FCC - 2010 – PGM-Teresina/PI - Procurador Municipal) A poluição sonora e os problemas que os altos níveis de som ocasionam constituem uma preocupação das sociedades contemporâneas. Assim, o legislador constituinte brasileiro determinou que:

(A) os Estados-membros podem suplementar a legislação federal no

que couber para adotar parâmetros mais restritivos em matéria de poluição sonora.

(B) cabe à União estabelecer normas gerais sobre poluição sonora e,

tanto os Estados e Distrito Federal como os Municípios podem

complementar essa legislação com base em sua competência legislativa concorrente.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

21
21

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

(C) os Municípios podem legislar sobre poluição sonora com fundamento em sua competência para legislar sobre assuntos de interesse local e, assim, podem adotar legislação que permita níveis mais altos de som para atividades econômicas consideradas fundamentais para o próprio desenvolvimento do Município. (D) os Estados-membros têm competência legislativa residual ou remanescente em matéria de poluição sonora. (E) a União tem competência legislativa exclusiva em matéria de controle da poluição sonora e assim estabelece critérios e padrões nacionais específicos para aeronaves, veículos automotores, bares e demais atividades que provocam ruídos, como também equipamentos industriais e domésticos.

94) (PGR – 26º Concurso – Procurador da República) Analise os itens abaixo e responda em seguida:

I – A previsão do direito ao meio ambiente sadio e ecologicamente

equilibrado, na Constituição brasileira de 1988, identifica-se com a concepção de uma “Constituição dirigente”, segundo a qual o Estado deve desempenhar um papel primordial na promoção e na realização

de

direitos e benefícios titularizados pela coletividade.

II

– A concepção econômica de externalidades negativas encontra-se

na estrutura dos princípios do poluidor pagador e do usuário pagador,

traduzindo a necessidade de internalização dos prejuízos sociais nos custos da produção, de forma a atrair para o empreendedor o dever de adotar medidas de prevenção e controle de possível deterioração de recursos ambientais decorrente de sua atividade produtiva.

III – O princípio do poluidor pagador tem índole exclusivamente

reparatória ou ressarcitória, traduzindo a ideia de que o empreendedor

que polui deve arcar com os ônus daí decorrentes mediante a adoção

de medidas de correção ou reparação do ambiente degradado.

IV – O princípio do poluidor pagador não tem força normativa, representando apenas uma expectativa de entronização no sistema jurídico, despida de carga de coercibilidade.

(A)

Os itens II e IV são falsos.

(B)

Todos os itens são verdadeiros.

(C)

Somente o item III é falso.

(D)

Os itens I e II são verdadeiros.

95) (FCC - 2010 – TCE/AP – Procurador) Os recursos hídricos:

(A) são bens de domínio público exploráveis em regime de monopólio,

objeto de concessão a empresas públicas de saneamento.

(B) são bens de uso comum do povo e, como tal, de livre apropriação e

utilização por qualquer cidadão.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

22
22

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

(C) são bens de uso comum do povo e, embora não possam ser objeto

de propriedade privada, compete ao Poder Público disciplinar a sua utilização gratuita por qualquer cidadão.

(D) constituem bens dominiais da União, que como tal poderá instituir

taxas para sua utilização pelos particulares.

(E) são bens de domínio público cuja utilização está sujeita a regime

de outorga, bem como à cobrança pelo seu uso.

96) (FCC - 2009 – PGE/SP – Procurador de Estado) Pelo disposto na Constituição Federal, em especial no seu artigo 225, e na Lei Federal nº 9.605/98, as condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas,

(A) dependendo a obrigação de reparação dos danos causados da

comprovação da existência de dolo, quando se tratar de pessoa física.

(B)

independentemente da obrigação de reparar os danos causados.

(C)

dependendo a obrigação de reparação dos danos causados de

condenação criminal transitada em julgado. (D) independentemente da obrigação de reparação de danos

ambientais, sendo que a responsabilidade penal não se aplica à pessoa jurídica.

(E) sendo subjetiva a responsabilidade pela reparação de danos

ambientais, quando se tratar de pessoa física e objetiva a

responsabilidade quando se tratar de pessoa jurídica.

97) (CESPE – 2002 – Câmara dos Deputados – Consultor Legislativo - Adaptada) Flávio, pequeno proprietário rural de terra produtiva, opôs- se a processo de desapropriação de sua propriedade, movido por descumprimento da função social da propriedade, uma vez que ele desmatou toda a área de sua propriedade para a plantação de arroz, e não paga, há mais de três anos, às pessoas que trabalham na colheita, ameaçando-as de morte se pleitearem os seus direitos na justiça. Em face dessa situação hipotética e considerando a função social da propriedade rural, assinale a opção correta.

(A) Na hipótese considerada, Flávio cumpre a função social da

propriedade, pois sua terra é produtiva.

(B) O quadro hipotético descrito não configura situação passível de

processo expropriatório.

(C) A Constituição da República prevê, na função social da

propriedade, a preocupação com a preservação do meio ambiente, o que não ocorreu no caso apresentado.

(D) Embora a Constituição da República e o Estatuto da Terra

prevejam requisitos da função social da propriedade que não estão sendo atendidos por Flávio, o fato de a terra ser produtiva faz que tais requisitos não possam ser considerados.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

23
23

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

(E) Apesar de a Lei n.º 8.629/1993 também tratar dos requisitos caracterizadores da função social da propriedade rural, estes são abordados de forma mais profunda e detalhada pela Constituição da República e pelo Estatuto da Terra.

5.2. Certo ou Errado

98) (CESPE – 2011 - TRF/5 – Juiz Federal – Adaptada) A competência para processar e julgar conduta delituosa de liberação no meio ambiente de OGM, tal como sementes de soja transgênica, é da justiça comum estadual, ainda que os efeitos ambientais não se restrinjam ao estado da Federação em que tenha ocorrido o descarte.

99) (CESPE – 2011 - TRF/5 – Juiz Federal – Adaptada) É competência comum da União, dos estados, do DF e dos municípios registrar, acompanhar e fiscalizar as concessões de direitos de pesquisa e exploração de recursos minerais em seus territórios bem como legislar sobre jazidas, minas, outros recursos minerais e metalurgia.

100) (CESPE – 2011 - TRF/5 – Juiz Federal – Adaptada) De acordo com a CF, é competência comum da União, dos estados, do DF e dos municípios definir os critérios de outorga dos direitos de uso dos recursos hídricos.

101) (CESPE – 2007 – MPE/AM – Promotor de Justiça – Adaptada) Preceito de constituição estadual que submete relatório de impacto ambiental ao crivo de comissão permanente e específica da assembleia legislativa do estado, para a concessão de autorização de atividade potencialmente danosa ao meio ambiente, consubstancia ato de poder de polícia legitimamente exercido pelo Poder Legislativo.

102) (CESPE – 2007 – MPE/AM – Promotor de Justiça – Adaptada) Compete à justiça estadual do local onde ocorreu o dano, em primeiro grau, processar e julgar ação civil pública que vise à proteção do patrimônio público e do meio ambiente, mesmo no caso de comprovado interesse da União no deslinde da causa.

103) (PGR – 20º concurso – Procurador da República - Adaptada) A competência para legislar sobre direito ambiental é concorrente entre a União, os Estados e o Distrito Federal, limitando-se a competência da primeira a estabelecer normas gerais que não excluem a competência suplementar dos Estados.

Prof. Botelho www.pontodosconcursos.com.br

24
24

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

104) (CESPE – 2009 - TRF/5 – Juiz Federal – Adaptada) Todos os brasileiros têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem dominial da União e essencial à sadia qualidade de vida. Nesse sentido, impõe-se ao poder público e à coletividade o dever de defender o meio ambiente e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.

105) (CESPE – 2007 – TRF/5 – Juiz Federal) Considerando-se que a competência material dos municípios está relacionada com questões de predominante interesse local, compete a tais pessoas políticas o licenciamento de atividades no interior de unidade de conservação criada pela União, nas hipóteses em que a repercussão da atividade fique adstrita aos limites territoriais do município.

106) (CESPE – 2007 - TRF/5 – Juiz Federal) A União, os estados, o Distrito Federal e os municípios exercem cumulativamente a competência para proteger o meio ambiente, especialmente no que se refere ao combate à poluição e à proteção das florestas, cabendo, porém, somente à União a competência administrativa para a tutela da fauna.

107) (CESPE – 2011 - TRF/3 – Juiz Federal - Adaptada) A União, os estados e o DF têm competência concorrente para legislar sobre jazidas, minas e outros recursos minerais.

108) (CESPE – 2011 - TRF/3 – Juiz Federal - Adaptada) Constitui responsabilidade exclusiva do poder público estadual a instituição de programas educativos e de mecanismos de controle e estímulo à devolução das embalagens vazias pelos usuários.

109) (CESPE – 2011 - TRF/3 – Juiz Federal - Adaptada) Compete à União, com exclusividade, registrar, acompanhar e fiscalizar as concessões de direitos de exploração de recursos minerais em todo o território nacional.

110) (TJ/DFT – 2008 – Juiz – Adaptada) A atividade econômica, em vista da sua relevante contribuição para o desenvolvimento do país, pode ser exercida de modo a obstar a efetiva proteção ao meio ambiente natural e ao meio ambiente cultural.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

25
25

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

111) (CESPE – 2007 – TJ/AC – Juiz – Adaptada) Considerando as regras de repartição de competências fixadas na Constituição, os estados só podem exercer o poder de polícia em matéria de proteção ao meio ambiente no que diz respeito às normas ambientais por eles editadas.

112) (CESPE – 2012 – AGU – Advogado da União) Compete privativamente à União legislar sobre florestas, conservação da natureza, defesa do solo e dos recursos naturais.

113) (CESPE – 2012 – TJ/PI – Juiz – Adaptada) A CF atribui competência legislativa concorrente à União, aos estados e ao DF para legislar acerca de proteção do ambiente, sendo vedado aos municípios editar leis desse teor.

114) (CESPE – 2012 – TJ/PI – Juiz – Adaptada) O patrimônio histórico, artístico e cultural insere-se no âmbito do ambiente cultural, e os conjuntos urbanos e os sítios de valor arqueológico e paisagístico, na esfera do ambiente natural.

115) (CESPE – 2012 – TJ/PI – Juiz – Adaptada) A proteção do ambiente e o combate à poluição em qualquer de suas formas, assim como a preservação das florestas, da fauna e da flora, são matérias da competência material comum da União, dos estados, do DF e dos municípios.

116) (PGR – 25º Concurso – Procurador da República – Adaptada) Os espaços territoriais especialmente protegidos estão submetidos a regime específico de fruição e de modificabilidade, só podendo sofrer alterações em seu regime jurídico por força de resolução do Conama, vedada qualquer utilização capaz de comprometer a integridade dos atributos legitimadores de sua proteção.

117) (PGR – 25º Concurso – Procurador da República – Adaptada) O Superior Tribunal de Justiça sedimentou entendimento no sentido de que a obrigação de recompor área de reserva legal adere ao título de domínio ou posse, sendo, pois, do atual titular de imóvel rural, independentemente de ter sido ele o responsável, ou não, pelo desmatamento.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

26
26

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

6. Respostas

6.1. Múltipla Escolha

71) (FGV – 2012 – Senado Federal – Consultor Legislativo – Meio Ambiente - Adaptada) Considerando a edição de Lei Estadual que estabelece vedação ao cultivo, à manipulação, à importação, à

industrialização e à comercialização de organismos geneticamente modificados, marque a alternativa correta.

(A) A Lei Estadual que regulamenta a utilização de organismos

geneticamente modificados resulta da competência concorrente para dispor sobre produção, consumo, proteção e defesa da saúde, segundo

a qual cabe à União estabelecer as normas gerais e aos Estados apenas suplementá-las.

(B) A Lei Estadual que cria exigências, procedimentos e penalidades

relativos à rotulagem informativa de produtos transgênicos tem

fundamento na competência concorrente dos Estados para legislarem sobre preservação ambiental, prevalecendo sobre a legislação federal naquilo que dispuser de forma mais específica para atender aos interesses regionais.

(C) É inconstitucional a Lei Estadual que dispõe sobre cultivo,

manipulação, importação, industrialização e a comercialização de

organismos geneticamente modificados, pois é competência exclusiva da União legislar sobre direito agrário, comércio e transporte.

(D) A existência de lei federal que estabelece normas de segurança e

mecanismos de fiscalização de atividades que envolvam organismos geneticamente modificados – OGMs - e seus derivados esgota a competência para tratar do tema, não restando espaço para que os Estados editem normas suplementares.

Resposta: Letra A. Art. 24, caput, V, XII, e §§1º e 2º, da Constituição.

A letra B está ERRADA, porque a lei estadual não pode contrariar as normas

gerais estabelecidas pela lei federal (parágrafos do art. 24, da Constituição).

A letra C está ERRADA. É competência concorrente da União, dos Estados e do

DF legislar sobre produção e consumo, proteção do meio ambiente e defesa da

saúde. Art. 24, V, VI e XII, da Constituição.

A letra D está ERRADA. Os Estados também podem legislar sobre o tema,

desde que haja interesse regional preponderante.

72) (CESPE – 2011 - TRF/5 – Juiz Federal) Acerca da repartição de competências em matéria ambiental, assinale a opção correta.

(A) Se um município cuja principal atividade econômica seja a pesca

estabelecer, mediante lei, regras sobre a captura e o transporte de pescado em sua área, tais normas não serão válidas, uma vez que o

dispositivo constitucional não prevê para os municípios competência para tal. Nesse caso, devem ser aplicados apenas os textos federais e estaduais que disciplinam a matéria.

Prof. Botelho www.pontodosconcursos.com.br

27
27

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

(B) Tendo sido o Parque Nacional do Iguaçu, no Paraná, criado por

decreto federal (Decreto-lei n.º 1.035/1939), não pode a prefeitura do município de localização desse parque estabelecer medidas de preservação ambiental na área do parque, atribuição inserida na competência material exclusiva da União.

(C) A pesquisa e a lavra de recursos minerais e o aproveitamento de

energia hidráulica constituem atividades da esfera de competência da

União. Assim, uma vez que os recursos minerais pertencem a esse ente federativo, e não ao proprietário do solo, cabe à administração federal autorizar sua exploração.

(D) É competência privativa da União a proteção, por meio do IPHAN,

dos documentos, das obras e de outros bens de valor histórico, artístico e cultural, dos monumentos, das paisagens naturais notáveis

e dos sítios arqueológicos.

(E) Se determinado estado da Federação editar lei instituindo código

florestal, a referida lei deverá ser considerada inconstitucional, visto que cabe à União, em caráter privativo, legislar sobre a matéria.

Resposta: Letra C. Art. 176, caput e §1º, da Constituição.

A letra A está ERRADA. Trata-se de assunto de interesse predominantemente

local e que permite que o Município suplemente a legislação federal e estadual (art. 30, I e II, da Constituição).

A letra B está ERRADA. É competência material (ou administrativa) comum da

União, dos Estados, do DF e dos Municípios proteger o meio ambiente (art. 23,

VI, da Constituição).

A letra D está ERRADA. É competência material (ou administrativa) comum da

União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios proteger os documentos, as obras e outros bens de valor histórico, artístico e cultural, os monumentos, as paisagens naturais notáveis e os sítios arqueológicos (art. 23, III, da Constituição).

A letra E está ERRADA. A competência para legislar sobre florestas é

concorrente (art. 24, VI, da Constituição). Comentário do próprio Cespe: “O item está errado. A competência para legislar sobre florestas é concorrente, nos termos do que dispõe o art. 24, inciso VI, da CF: ―Compete à União, aos

-

florestas, caça, pesca, fauna

Por conta desse dispositivo constitucional,

vários estados brasileiros dispõem de código florestal próprio, que não podem,

entretanto, contrariar as normas gerais contidas no Código Florestal brasileiro (Lei n.º 4.771/65)”. Só lembrando que já temos um novo Código Florestal (Lei

nº 12.651/12).

Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: (

)

VI

73) (CESPE – 2007 – MPE/AM – Promotor de Justiça) À luz da competência legislativa ambiental prevista na CF de 1988, julgue os seguintes itens.

I Matéria relacionada a atividade nuclear de qualquer natureza é de

competência exclusiva da União. II Em matéria ambiental, inexiste competência legislativa privativa e suplementar de município.

Prof. Botelho www.pontodosconcursos.com.br

28
28

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

III O município possui competência legislativa concorrente para,

juntamente com os estados, legislar sobre florestas, caça e pesca, independentemente de interesse local.

IV No âmbito da legislação concorrente, os estados não podem legislar

sobre matéria ainda não tratada pela União.

âmbito da competência concorrente são

V As normas gerais no

atribuídas à União.

Estão certos apenas os itens

(A)

I e II.

(B)

I e V.

(C)

II e III.

(D)

III e IV.

(E)

IV e V.

Resposta: Letra B. Os itens I e V estão certos.

O item I foi considerado CERTO. O Cespe não foi muito claro e confundiu a

competência material exclusiva da União (art. 21, XXIII, da Constituição) com a competência legislativa privativa da União (art. 22, XXVI, da Constituição).

O item II foi considerado ERRADO. Não há restrições à competência legislativa

municipal exclusiva (art. 30, I, da Constituição, legislar sobre assuntos de

interesse local) e suplementar (art. 30, II, da Constituição, suplementar legislação federal e estadual) em matéria ambiental. O Cespe confundiu competência privativa (que admite delegação e só a União possui) com competência exclusiva (que não admite delegação).

O item III está ERRADO. A competência legislativa concorrente do art. 24, VI,

da Constituição se limita a União, Estados e DF. Os Municípios só poderiam

legislar se houvesse interesse local (art. 30, I, da Constituição). O item IV está ERRADO. Inexistindo lei federal sobre normas gerais, os

Estados exercerão a competência legislativa plena, para atender a suas peculiaridades (art. 24, §3º, da Constituição).

O item V está CERTO. No âmbito da legislação concorrente, a competência da

União limitar-se-á a estabelecer normas gerais (art. 24, §1º, da Constituição).

74) (CESPE – 2009 – PGE/PE – Procurador de Estado) O Brasil, como República Federativa, possui forma de Estado que prevê a

descentralização do poder. Essa configuração constitucional reflete nas competências legislativas e administrativas ambientais. Com relação a essas informações, assinale a opção correta. (A) Com fulcro no princípio da predominância do interesse, compete privativamente à União legislar sobre florestas, caça e pesca.

(B) Mesmo que exista atuação normativa por parte da União, o estado-

membro pode tratar das normas gerais.

(C)

O município não está elencado no artigo constitucional que trata

da

competência concorrente, mas pode legislar acerca do tema meio

ambiente.

(D) O DF não pode legislar concorrentemente com a União na matéria

ambiental, por ser a sede da República brasileira.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

29
29

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

(E) Os estados podem legislar concorrentemente sobre jazidas e minas

encontradas em seus territórios.

Resposta: Letra C. Se houver predominância do interesse local, o Município pode legislar sobre meio ambiente (arts. 24 e 30, I, da Constituição).

A

letra A está ERRADA. A competência é concorrente entre a União, os Estados

e

o DF (art. 24, VI, da Constituição).

A letra B está ERRADA. O Estado-membro só pode tratar de normas gerais inexistindo normas gerais editadas pela União (art. 24, §3º, da Constituição).

A letra D está ERRADA. O DF tem competência legislativa concorrente em meio

ambiente (art. 24, VI, da Constituição).

A letra E está ERRADA. Trata-se de competência legislativa privativa da União

(art. 22, XII, da Constituição).

75) (PGR – 20º concurso – Procurador da República) Assinale a alternativa correta:

(A) As usinas que operem reator nuclear terão sua localização definida

em lei complementar.

(B) As terras devolutas indispensáveis à preservação ambiental, assim

definidas em lei, pertencem à União.

(C) Levando em consideração a necessidade de proteção ao meio ambiente, o Estado não favorecerá, de modo algum, a organização da atividade garimpeira.

(D) Nenhuma das alternativas está correta.

Resposta: Letra B. Art. 20, II, da Constituição.

A letra A está ERRADA. Lei federal (art. 225, §6º, da Constituição).

A letra C está ERRADA. Art. 174, §3º, da Constituição.

A letra D está ERRADA pois a alternativa C está correta.

76) (PGR – 20º concurso – Procurador da República) Assinale a alternativa correta:

(A) O combate à poluição, em qualquer de suas formas, é da competência exclusiva da União.

(B) Situa-se no âmbito da legislação concorrente a competência para

legislar sobre proteção ao meio ambiente.

(C) Tendo em vista o princípio da descentralização administrativa, é da

competência exclusiva dos estados-membros a preservação das florestas.

(D) Nenhuma das alternativas está correta.

Resposta: Letra B. Art. 24, VI, da Constituição.

A letra A está ERRADA. Competência material comum da União, dos Estados,

do DF e dos Municípios (art. 23, VI, da Constituição).

A letra C está ERRADA. Competência material comum da União, dos Estados,

do DF e dos Municípios (art. 23, VII, da Constituição).

A letra D está ERRADA, pois a alternativa B está correta.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

30
30

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

77) (CESPE – 2009 - TRF/5 – Juiz Federal) Com relação às normas

constitucionais relativas à proteção ambiental, julgue os itens a seguir. I A CF atribui competência privativa à União para legislar sobre conservação da natureza, defesa do solo e dos recursos naturais, proteção do meio ambiente e controle da poluição. Todavia, essa competência é passível de delegação aos estados e ao DF. II É competência comum da União, dos estados, do DF e dos municípios proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas, bem como preservar as florestas, a fauna e a flora. III A defesa do meio ambiente, inclusive mediante tratamento diferenciado conforme o impacto ambiental dos produtos e serviços e

de seus processos de elaboração e prestação, é princípio constitucional

que fundamenta a atividade econômica.

IV A CF veda, na forma da lei, as práticas que submetam os animais a

crueldade. Entretanto, em face do dever do Estado de incentivar a

valorização e a difusão das manifestações culturais, a “farra do boi”, brincadeira em que se infligem maus-tratos a esse animal, por ser prática tradicional popular de determinada região do país, não pode sofrer proibição ou restrições de qualquer natureza. V Os bens ambientais são bens dominicais, constituindo, assim, o patrimônio da União, dos estados, do DF e dos municípios, como objeto

de direito pessoal, ou real, de cada uma dessas entidades.

Estão certos apenas os itens

(A)

I e II.

(B)

I e V.

(C)

II e III.

(D)

III e IV.

(E)

IV e V.

Resposta: Letra C. Itens II e III certos.

O item I está ERRADO. A competência é concorrente entre União, Estados e DF

(art. 24, VI, da Constituição).

O

item II está CERTO. Art. 23, VI e VII, da Constituição.

O

item III está CERTO. Art. 170, VI, da Constituição.

O

item IV está ERRADO. Não se admite a “farra do boi” (art. 225, §1º, VII, da

Constituição e julgamento do RE 153.531/SC pelo STF).

O item V está ERRADO. São bens de uso comum do povo. Pertencem a todos.

78) (CESPE – 2009 - TRF/5 – Juiz Federal) A respeito da organização

do Estado brasileiro, assinale a opção correta.

(A) Para regulamentar a exploração direta, ou mediante concessão, dos serviços locais de gás canalizado, pode ser utilizada pelos estados medida provisória, desde que prevista a sua edição na respectiva constituição estadual.

(B) Compete ao município manter, com a cooperação técnica e financeira da União e do estado a que ele pertence, programas de

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

31
31

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

educação infantil e de ensino fundamental, bem como serviços de atendimento à saúde da população. (C) Compete exclusivamente à União legislar acerca da responsabilidade por dano ao meio ambiente.

(D) O registro, o acompanhamento e a fiscalização das concessões de

direitos de pesquisa e de exploração de recursos hídricos e minerais são de competência material privativa da União. (E) São bens da União as terras devolutas.

Resposta: Letra B. Art. 30, VI e VII, da Constituição.

A letra A está ERRADA. Cabe aos Estados explorar diretamente, ou mediante

concessão, os serviços locais de gás canalizado, na forma da lei, vedada a edição de medida provisória para a sua regulamentação (art. 25, §2º, da Constituição).

A letra C está ERRADA. Compete concorrentemente à União, aos Estados e ao

DF (art. 24, VIII, da Constituição).

A letra D está ERRADA. É competência material comum da União, dos Estados,

do Distrito Federal e dos Municípios registrar, acompanhar e fiscalizar as concessões de direitos de pesquisa e exploração de recursos hídricos e minerais em seus territórios (art. 23, XI, da Constituição). A letra E está ERRADA. Somente pertencem à União as terras devolutas indispensáveis à defesa das fronteiras, das fortificações e construções militares, das vias federais de comunicação e à preservação ambiental, definidas em lei (art. 20, II, da Constituição). São bens dos Estados as terras devolutas não compreendidas entre as da União (art. 26, IV, da Constituição).

79) (CESPE – 2009 - TRF/5 – Juiz Federal) A respeito de recursos hídricos e mineração, assinale a opção correta.

(A) Como um dos elementos do meio ambiente, a água é um bem

dominical que integra o patrimônio privado do poder público.

(B) Na medida em que a água é um recurso natural limitado, a gestão

dos recursos hídricos deve-se dar de forma centralizada pelo poder público, privilegiando seu uso racional e limitado. Assim, em situações de escassez, o uso prioritário refere-se ao aproveitamento de potenciais hidrelétricos.

(C) A pesquisa e a lavra de recursos minerais e o aproveitamento dos

potenciais de energia hidráulica somente poderão ser efetuados, mediante autorização ou concessão da União, por brasileiros ou empresa brasileira de capital nacional, na forma da lei. (D) Cabe à União, em caráter privativo, legislar sobre mineração. Nesse sentido, são de sua competência o registro, o acompanhamento

e a fiscalização das concessões de direitos de pesquisa e exploração de recursos minerais, mesmo que situadas no território dos estados, do DF e dos municípios.

(E) Os recursos minerais, inclusive os do subsolo, são considerados

bens da União. No entanto, os estados, o DF, os municípios e os órgãos da administração direta da União participarão do resultado da

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

32
32

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

exploração desses minérios localizados em seus territórios, ou receberão compensação financeira por essa exploração.

Resposta: Letra E. Arts. 20, IX e §1º, da Constituição.

A letra A está ERRADA. A água, como elemento do meio ambiente, é bem de

uso comum do povo (art. 225, caput, da Constituição). A água é um bem de domínio público (art. 1º, I, da Lei nº 9.433/97).

A letra B está ERRADA. A água é um recurso natural limitado, dotado de valor

econômico. A gestão dos recursos hídricos deve ser descentralizada e contar com a participação do Poder Público, dos usuários e das comunidades. em situações de escassez, o uso prioritário dos recursos hídricos é o consumo humano e a dessedentação (ato de matar a sede) de animais (art. 1º, II, III e VI, da Lei nº 9.433/97). A letra C está ERRADA. A pesquisa e a lavra de recursos minerais e o aproveitamento dos potenciais hidráulicos somente poderão ser efetuados mediante autorização ou concessão da União, no interesse nacional, por

brasileiros ou empresa constituída sob as leis brasileiras e que tenha sua sede e administração no País, na forma da lei (art. 176, §1º, da Constituição).

A letra D está ERRADA. De fato, compete privativamente à União legislar sobre

jazidas, minas, outros recursos minerais e metalurgia (art. 22, XII, da Constituição). No entanto, é competência material comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios registrar, acompanhar e fiscalizar

as concessões de direitos de pesquisa e exploração de recursos hídricos e minerais em seus territórios (art. 23, XI, da Constituição).

80) (CESPE – 2009 – PGE/AL – Procurador de Estado) Uma empresa, com o objetivo de explorar comercialmente material radioativo existente em município brasileiro, formulou pedido de licenciamento

ambiental aos órgãos municipal, estadual e federal. A direção dessa empresa crê que um desses órgãos ou alguns deles deverão resolver as pendências administrativas e permitir a exploração do material radioativo. Nessa situação hipotética, considerando a competência dos entes federados, é correto afirmar que o empreendedor agiu:

(A) corretamente, pois se trata de hipótese de competência concorrente ambiental. (B) corretamente, pois se trata de hipótese de competência comum ambiental.

(C) corretamente, pois se trata de hipótese de competência legislativa

estadual e administrativa municipal. (D) incorretamente, pois se trata de hipótese de competência da União.

(E) incorretamente, pois se trata de hipótese de competência exclusiva

do município.

Resposta: Letra D. A competência é da União. Arts. 21, XXIII, “b” e “c”, e 177, V, da Constituição.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

33
33

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

81) (PUC/PR – 2011 – TJ/PR – Juiz) Quanto aos princípios

fundamentais do Direito Ambiental, é CORRETO afirmar que:

I. A afirmação “Os seres humanos constituem o centro das

preocupações relacionadas com o desenvolvimento sustentável. Têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia com o meio

ambiente” (princípio 1 – Rio 92) nos leva a reconhecer o princípio da dignidade da pessoa humana como um dos mais relevantes aplicáveis ao Direito Ambiental.

II. O princípio da prevenção caracteriza-se pela ausência de absoluta

certeza científica acerca do dano ambiental causado por determinado

empreendimento.

III. O caráter intergeracional do Direito Ambiental pode ser reconhecido no princípio do desenvolvimento sustentável insculpido no caput do artigo 225, in fine, da Constituição Federal.

(A)

Somente as afirmativas I e III são verdadeiras.

(B)

Somente as afirmativas I e II são verdadeiras.

(C)

Somente as afirmativas II e III são verdadeiras.

(D)

Todas as afirmativas são verdadeiras.

Resposta: Letra A. As afirmativas I e III são verdadeiras. A afirmativa II é FALSA. É o princípio da precaução.

82) (PUC/PR – 2011 – TJ/PR – Juiz) Com relação à competência legislativa em matéria ambiental, é CORRETO afirmar que:

A) A competência é concorrente, o que implica que os estados, o

Distrito Federal e os municípios podem legislar sobre o assunto sem limitações de uns para com os outros.

B) Somente aos estados e ao Distrito Federal é dada competência

legislativa em sede de proteção ambiental.

C) A competência para legislar sobre Direito Ambiental é exclusiva da União, da mesma forma que no Direito Agrário, Tributário, Civil e

Comercial.

D) À União cabe estabelecer normas de caráter geral, estando os

demais entes impedidos de estabelecer normas menos protetoras ao

meio ambiente.

Resposta Letra D. Art. 24, §1º, da Constituição e princípio da vedação do retrocesso ecológico. A letra A está ERRADA porque existem limitações entre uns e outros, ligados à predominância do interesse (regional ou local). As letras B e C estão ERRADAS porque a competência legislativa ambiental é concorrente entre União, Estados e DF.

83) (CESPE – 2007 – TJ/PI – Juiz) Referindo-se à relevância das florestas na preservação ambiental, a CF estabelece

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

34
34

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

(A) a competência comum da União, dos estados, do DF e dos

municípios para preservar as florestas, a fauna e a flora, bem como para, exclusivamente, sobre elas legislar.

(B) a competência concorrente da União, dos estados, do DF e dos

municípios para gerenciarem o manejo sustentável das florestas, da

fauna e da flora silvícolas, bem como para legislar, independentemente, sobre elas.

(C) a competência exclusiva da União para preservar as florestas, a

fauna e a flora, bem como para legislar sobre elas.

(D) a competência solidária da União, dos estados, do DF e dos

municípios para a exploração sustentável das florestas de preservação

permanente, da fauna, da flora, dos recursos minerais, hídricos e genéticos bem como para legislar, isoladamente, sobre ela.

(E) a competência comum da União, dos estados, do DF e dos

municípios para preservar as florestas, a fauna e a flora.

Resposta: Letra E. As outras letras estão ERRADAS porque a competência material sobre meio ambiente é comum (art. 23, VII, da Constituição) e a competência legislativa sobre meio ambiente é concorrente (art. 24, VI, da Constituição).

84) (TJ/DFT – 2006 – Juiz) O direito ao meio ambiente ecologicamente

equilibrado foi expressamente incluído na Constituição de 1988 entre os bens públicos classificados como:

(A)

De uso comum do povo.

(B)

De uso especial.

(C)

Dominicais.

(D)

Patrimoniais.

Resposta: Letra A.

85) (CESPE – 2012 – TJ/CE – Juiz) Considerando os diversos aspectos que envolvem o conceito de meio ambiente, particularmente o cultural e o do trabalho, assinale a opção correta.

(A) Considera-se meio ambiente cultural o ambiente integrado pelos

equipamentos urbanos e edifícios comunitários, como as bibliotecas, pinacotecas, museus e instalações científicas ou similares.

(B) O meio ambiente é um bem público classificado pela CF como de

uso comum do povo, razão pela qual não se admite que o seu uso seja

oneroso ou imponha a necessidade de qualquer contraprestação de ordem pecuniária.

(C) Ao estabelecer a tutela do meio ambiente, a CF dispõe que a

proteção do meio ambiente, nele compreendido o meio ambiente do

trabalho, constitui um dos objetivos do Sistema Único de Saúde.

(D) A todos os entes federativos compete a proteção de documentos,

obras e outros bens de valor histórico, artístico, cultural e paisagístico, mas a competência para legislar sobre esses temas pertence, privativamente, à União.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

35
35

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

(E) A definição legal de recursos ambientais compreende a fauna e a

flora, as águas superficiais e subterrâneas, o solo e o subsolo, mas não o mar territorial e os demais elementos da biosfera.

Resposta: Letra C. Art. 200, VIII, da Constituição.

A letra A está ERRADA. Os equipamentos urbanos (exs.: abastecimento de

água, rede de energia elétrica, gás canalizado, rede telefônica) são meio

ambiente urbano.

A letra B está ERRADA. É possível a cobrança pelo uso de bens de uso comum

do povo.

A letra D está ERRADA. A competência material é comum e a competência

legislativa é concorrente.

A letra E está ERRADA. Todos estes são recursos ambientais. Art. 3º, V, da Lei

nº 6.938/81.

86) (PGR – 22º Concurso – Procurador da República) Observem-se as afirmações abaixo:

I. nos chamados espaços territoriais protegidos, a alteração e a

supressão são permitidas somente através de lei, vedada qualquer utilização que comprometa a integridade dos atributos que justifiquem sua proteção.

II. no direito brasileiro, o meio ambiente tem conceituação legal

própria, elemento que reveste o direito ambiental de objeto próprio, distinto dos demais ramos do direito.

III. Aquele que explorar recursos minerais fica obrigado a recuperar o

meio ambiente degradado, de acordo com a solução técnica exigida

pelo órgão público competente, na forma da lei. IV. as pessoas jurídicas respondem penalmente pelas condutas e

atividades consideradas lesivas ao meio ambiente, independentemente

da obrigação de reparar os danos causados.

V. as usinas hidrelétricas e as que operem com reator nuclear deverão

ter sua localização definida em lei federal, sem o que não poderão ser

instaladas.

A respeito

alternativa correta:

da

proteção

jurídica

ao

meio

ambiente,

assinale

a

(A)

Todas as afirmativas estão corretas.

(B)

As alternativas IV e V estão incorretas.

(C)

As alternativas II e IV estão incorretas.

(D)

As alternativas II e V estão incorretas.

Resposta: Letra B. As alternativas II e V estão erradas.

A alternativa I está CERTA. Art. 225, §1º, III, da Constituição.

A alternativa II está ERRADA. Não é porque a Lei nº 6.938/81 define meio

ambiente que o Direito Ambiental passa a ser um ramo autônomo do Direito.

Ele o é porque possui regras e princípios próprios.

A alternativa III está CERTA. Art. 225, §2º, da Constituição.

A alternativa IV está CERTA. Art. 225, §3º, da Constituição.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

36
36

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

A alternativa V está ERRADA. Somente as usinas nucleares, as hidrelétricas

não precisam. Art. 225, §6º, da Constituição.

87) (PGR – 22º Concurso – Procurador da República) A propósito do regime jurídico dos recursos minerais, assinale o item incorreto:

(A) Por serem bens da União, a competência legislativa para regular os

recursos minerais e seu aproveitamento é federal, muito embora, no

que concerne à competência material, a Carta de 1988 tenha-a conferido aos outros níveis de Governo.

(B) As jazidas e demais recursos minerais e os potenciais de energia

hidráulica constituem propriedade distinta da do solo, para efeito de

exploração ou aproveitamento, e pertencem à União, garantidas ao concessionário e ao proprietário do solo partes iguais do produto da lavra. (C) De acordo com o texto constitucional, é lícito afirmar que juridicamente há intensidades diversas entre recursos, reservas e riquezas minerais.

(D) Entende-se por jazida a massa de substâncias minerais, ou fósseis,

existentes no interior ou na superfície da terra e que sejam ou venham a ser valiosas pela indústria, enquanto a mina corresponde a jazida na extensão concedida.

Resposta: Letra B. Garantida ao concessionário a propriedade do produto da lavra. Art. 176 da Constituição.

A letra A está CERTA. Arts. 20, IX, 22, XII, e 23, XI, da Constituição.

A letra C foi dada como CERTA. Na Constituição, os termos “riquezas minerais”

ou ”riquezas do solo” foram usados para as terras indígenas. O termo “recursos minerais” foi usado genericamente. O termo “reservas minerais” não foi usado.

A letra D está CERTA. Jazida é o depósito de minerais. Mina é a jazida em

lavra.

88) (PGR – 21º Concurso – Procurador da República) Examine os itens abaixo e assinale a alternativa correta.

I- É inconstitucional o estado-membro editar lei proibindo a comercialização ou estocagem de produto químico nocivo ao meio ambiente quando existe lei com idêntico conteúdo em nível federal. II- Lei estadual poderá dispensar o estudo prévio de impacto ambiental no caso de áreas de reflorestamento para fins empresariais. III- A aplicação de sanção administrativa pela prática de ato lesivo ao meio ambiente não afasta a obrigação de reparar os danos causados. IV- No exercício da competência concorrente de legislar em relação a meio ambiente, pode o estado-membro legislar sobre localização para instalação de usina nuclear de maneira a preservar o equilíbrio ecológico.

(A) Somente um item está correto.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

37
37

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

(B)

Dois itens estão corretos.

(C)

Três itens estão corretos.

(D)

Todos os itens estão corretos.

Resposta: Letra B. Os itens I e III estão corretos.

O item I está CERTO. Se a União editou norma ambiental geral, não podem os

Estados e o DF tratar do mesmo tema. Art. 24, VI e parágrafos, da

Constituição.

O

item II está ERRADO. Isso contraria o art. 225, §1º, IV, da Constituição. Ver

o

julgamento da ADI 1086/SC pelo STF.

O

item III está CERTO. Art. 225, §3º, da Constituição. A esfera administrativa

é

independente da esfera cível.

O

item IV está ERRADO. Isso contraria o art. 225, §6º, da Constituição.

Somente lei federal pode tratar da localização de usina nuclear.

89) (CESPE – 2011 – TRF/3 – Juiz Federal) Acerca da mineração e dos produtos tóxicos em sua correlação com o ambiente, assinale a opção correta.

(A) A União, os estados e o DF têm competência concorrente para legislar sobre jazidas, minas e outros recursos minerais. (B) Os agrotóxicos, seus componentes e afins só poderão ser produzidos, exportados, importados, comercializados e utilizados se previamente registrados no órgão federal competente.

(C) Constitui responsabilidade exclusiva do poder público estadual a

instituição de programas educativos e de mecanismos de controle e estímulo à devolução das embalagens vazias pelos usuários.

(D) A concessão de lavras e a realização de trabalhos de pesquisa em

áreas de conservação dependem de autorização do IBAMA. (E) Compete à União, com exclusividade, registrar, acompanhar e fiscalizar as concessões de direitos de exploração de recursos minerais em todo o território nacional.

Resposta: Letra B. Art. 3º da Lei nº 7.802/89.

A letra A está ERRADA. Essa competência legislativa é privativa da União (art.

22, XII, da Constituição).

A letra C está ERRADA. A educação ambiental e a conscientização da

população são atribuições do Poder Público em todos os níveis, não apenas

estadual (art. 225, §1º, VI, da Constituição).

A letra D está ERRADA. A realização de trabalhos de pesquisa e lavra em áreas

de conservação dependerá de prévia autorização do órgão ambiental que as administre, não necessariamente o Ibama (art. 17 da Lei nº 7.805/89).

A letra E está ERRADA. Essa competência material é comum à União, aos

Estados, ao DF e aos Municípios (art. 23, XI, da Constituição).

90) (CESPE – 2009 – TRF/2 – Juiz Federal) Quanto à mineração, julgue os itens a seguir. I Mina é o depósito natural de uma ou mais substâncias úteis, incluindo os combustíveis naturais.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

38
38

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

II Jazida é o nome dado à mina explorada, notadamente quando há galerias de onde os homens extraem metais, combustíveis ou quaisquer substâncias minerais.

III Lavra é o conjunto de operações coordenadas objetivando o

aproveitamento industrial da jazida, desde a extração das substâncias

minerais úteis que contiver, até o seu beneficiamento.

IV

Lavra garimpeira ou garimpagem é a atividade de aproveitamento

de

substâncias minerais garimpáveis, executada no interior de áreas

estabelecidas para este fim.

Estão certos apenas os itens

(A)

I e II.

(B)

I e III.

(C)

II e III.

(D)

II e IV.

(E)

III e IV.

Resposta: Letra E. Os itens III e IV estão CERTOS.

O

item I está ERRADO. Isso é jazida.

O

item II está ERRADO. Mina é a jazida em lavra, a jazida explorada.

91) (FCC - 2011 - PGE-MT – Procurador de Estado) Considere os seguintes requisitos:

I. Aproveitamento racional e adequado.

II. Utilização adequada dos recursos naturais disponíveis.

III. Preservação do meio ambiente.

IV. Observância da legislação trabalhista.

V. Exploração que favoreça o bem-estar dos proprietários e dos

trabalhadores.

Cumpre a função social a propriedade rural que atende simultaneamente aos requisitos

(A)

I, II, III, IV e V.

(B)

I, II, III e IV, apenas.

(C)

I, II, III e V, apenas.

(D)

I, II, IV e V, apenas.

(E)

I, III, IV e V, apenas.

Resposta: Letra A. Art. 186 da Constituição.

92) (FCC - 2010 – PGM-Teresina/PI - Procurador Municipal) No Estado

do Piauí cresce a atividade do carvoejamento e igualmente a

preocupação com a expansão da fronteira do carvão. Considerando-se a proteção dos bens ambientais e a função social da propriedade, é

INCORRETO afirmar que:

(A) cabe ao Poder Público e à coletividade preservarem a qualidade do

ar e dos bens ambientais, garantindo-se a todos o direito de respirar

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

39
39

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

um ar sadio e de viver em um meio ambiente ecologicamente equilibrado. (B) o livre acesso ao recurso ambiental ar, qualificado

tradicionalmente como res communis, permite que sua utilização seja efetuada por todos sem a imposição de nenhuma limitação.

(C) para que a propriedade rural cumpra sua função social há a

necessidade de observar-se concomitantemente o respeito aos seguintes requisitos: aproveito racional e adequado, utilização adequada dos recursos naturais e preservação do meio ambiente, além

da observância das disposições que regulam as relações de trabalho e exploração que favoreça o bem-estar dos proprietários e dos trabalhadores.

(D) o direito de propriedade deve ser exercido em consonância com as

suas finalidades econômicas e sociais e de modo que sejam preservados, em conformidade com o estabelecido em lei especial, a flora, a fauna, as belezas naturais, o equilíbrio ecológico e o

patrimônio histórico e artístico, bem como evitada a poluição do ar e das águas.

(E) os bens socioambientais adquirem essencialidade tanto para a

manutenção da vida de todas as espécies como também é necessário

considerar sua essencialidade em relação às culturas humanas.

Resposta: Letra B. É claro que há limitações ao uso do ar. Ex.: limitação de emissão de poluentes.

A letra A está CERTA (art. 225, caput, da Constituição).

A letra C está CERTA (art. 186 da Constituição).

A letra D está CERTA.

A letra E está CERTA.

93) (FCC - 2010 – PGM-Teresina/PI - Procurador Municipal) A poluição sonora e os problemas que os altos níveis de som ocasionam constituem uma preocupação das sociedades contemporâneas. Assim, o legislador constituinte brasileiro determinou que:

(A) os Estados-membros podem suplementar a legislação federal no

que couber para adotar parâmetros mais restritivos em matéria de

poluição sonora.

(B) cabe à União estabelecer normas gerais sobre poluição sonora e,

tanto os Estados e Distrito Federal como os Municípios podem complementar essa legislação com base em sua competência legislativa concorrente. (C) os Municípios podem legislar sobre poluição sonora com fundamento em sua competência para legislar sobre assuntos de interesse local e, assim, podem adotar legislação que permita níveis mais altos de som para atividades econômicas consideradas fundamentais para o próprio desenvolvimento do Município.

(D) os Estados-membros têm competência legislativa residual ou

remanescente em matéria de poluição sonora.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

40
40

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

(E) a União tem competência legislativa exclusiva em matéria de controle da poluição sonora e assim estabelece critérios e padrões nacionais específicos para aeronaves, veículos automotores, bares e demais atividades que provocam ruídos, como também equipamentos industriais e domésticos.

Resposta: Letra A. Só não concordo com o fundamento constitucional. Na

minha opinião, esse entendimento de que os Estados só podem fazer leis mais restritivas em matéria ambiental é doutrinário e jurisprudencial.

A letra B está ERRADA porque o art. 24 da Constituição não inclui os

Municípios na competência legislativa concorrente.

A letra C está ERRADA porque o Município não poderia fazer lei mais

permissiva em matéria ambiental, só mais restritiva. As letras D e E estão ERRADAS. A competência legislativa sobre controle da poluição, que inclui a sonora, é concorrente (art. 24, VI, da Constituição).

94) (PGR – 26º Concurso – Procurador da República) Analise os itens abaixo e responda em seguida:

I – A previsão do direito ao meio ambiente sadio e ecologicamente

equilibrado, na Constituição brasileira de 1988, identifica-se com a concepção de uma “Constituição dirigente”, segundo a qual o Estado deve desempenhar um papel primordial na promoção e na realização

de

direitos e benefícios titularizados pela coletividade.

II

– A concepção econômica de externalidades negativas encontra-se

na estrutura dos princípios do poluidor pagador e do usuário pagador,

traduzindo a necessidade de internalização dos prejuízos sociais nos custos da produção, de forma a atrair para o empreendedor o dever de adotar medidas de prevenção e controle de possível deterioração de recursos ambientais decorrente de sua atividade produtiva.

III – O princípio do poluidor pagador tem índole exclusivamente

reparatória ou ressarcitória, traduzindo a ideia de que o empreendedor

que polui deve arcar com os ônus daí decorrentes mediante a adoção

de medidas de correção ou reparação do ambiente degradado.

IV – O princípio do poluidor pagador não tem força normativa, representando apenas uma expectativa de entronização no sistema jurídico, despida de carga de coercibilidade.

(A)

Os itens II e IV são falsos.

(B)

Todos os itens são verdadeiros.

(C)

Somente o item III é falso.

(D)

Os itens I e II são verdadeiros.

Resposta: Letra D. Somente os itens I e II são verdadeiros.

O item III é ERRADO porque o princípio da prevenção também tem índole

preventiva.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

41
41

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

O item IV é ERRADO porque o princípio do poluidor pagador está presente na Constituição e na Lei nº 6.938/81 (Política Nacional do Meio Ambiente). Ele tem, portanto, força normativa e é norma cogente.

95) (FCC - 2010 – TCE/AP – Procurador) Os recursos hídricos:

(A) são bens de domínio público exploráveis em regime de monopólio,

objeto de concessão a empresas públicas de saneamento.

(B) são bens de uso comum do povo e, como tal, de livre apropriação e

utilização por qualquer cidadão.

(C) são bens de uso comum do povo e, embora não possam ser objeto

de propriedade privada, compete ao Poder Público disciplinar a sua

utilização gratuita por qualquer cidadão.

(D) constituem bens dominiais da União, que como tal poderá instituir

taxas para sua utilização pelos particulares.

(E) são bens de domínio público cuja utilização está sujeita a regime

de outorga, bem como à cobrança pelo seu uso.

Resposta: Letra E. Art. 21, XIX, da Constituição e arts. 1º, I, e 5º, III e V, da Lei nº 9.433/97 (Política Nacional de Recursos Hídricos).

96) (FCC - 2009 – PGE/SP – Procurador de Estado) Pelo disposto na Constituição Federal, em especial no seu artigo 225, e na Lei Federal nº 9.605/98, as condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas,

(A) dependendo a obrigação de reparação dos danos causados da

comprovação da existência de dolo, quando se tratar de pessoa física.

(B)

independentemente da obrigação de reparar os danos causados.

(C)

dependendo a obrigação de reparação dos danos causados de

condenação criminal transitada em julgado. (D) independentemente da obrigação de reparação de danos

ambientais, sendo que a responsabilidade penal não se aplica à pessoa jurídica.

(E) sendo subjetiva a responsabilidade pela reparação de danos

ambientais, quando se tratar de pessoa física e objetiva a

responsabilidade quando se tratar de pessoa jurídica.

Resposta: Letra B. Art. 225, §3º, da Constituição. As outras alternativas estão ERRADAS. A obrigação de reparar danos não depende de dolo ou trânsito em julgado de sentença criminal condenatória. A responsabilidade é sempre objetiva e a pessoa jurídica pode sofrer sanções penais.

97) (CESPE – 2002 – Câmara dos Deputados – Consultor Legislativo - Adaptada) Flávio, pequeno proprietário rural de terra produtiva, opôs- se a processo de desapropriação de sua propriedade, movido por descumprimento da função social da propriedade, uma vez que ele desmatou toda a área de sua propriedade para a plantação de arroz, e

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

42
42

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

não paga, há mais de três anos, às pessoas que trabalham na colheita, ameaçando-as de morte se pleitearem os seus direitos na justiça. Em face dessa situação hipotética e considerando a função social da propriedade rural, assinale a opção correta.

(A) Na hipótese considerada, Flávio cumpre a função social da

propriedade, pois sua terra é produtiva. (B) O quadro hipotético descrito não configura situação passível de processo expropriatório.

(C) A Constituição da República prevê, na função social da

propriedade, a preocupação com a preservação do meio ambiente, o que não ocorreu no caso apresentado.

(D) Embora a Constituição da República e o Estatuto da Terra

prevejam requisitos da função social da propriedade que não estão sendo atendidos por Flávio, o fato de a terra ser produtiva faz que tais requisitos não possam ser considerados. (E) Apesar de a Lei n.º 8.629/1993 também tratar dos requisitos caracterizadores da função social da propriedade rural, estes são abordados de forma mais profunda e detalhada pela Constituição da República e pelo Estatuto da Terra.

Resposta: Letra C. A função social da propriedade não está sendo cumprida por causa dos problemas ambientais e trabalhistas (art. 186, II, III e IV, da Constituição). Não se pode aplicar o art. 185, caput, I e II, da Constituição ao pé da letra, visto que não basta que a propriedade seja pequena e produtiva para que ela automaticamente cumpra a função social e não possa ser desapropriada. A Lei nº 8.629/93 detalha os requisitos da função social, inclusive da propriedade produtiva, como prevê o parágrafo único do art. 185 da Constituição.

6.2. Certo ou Errado

98) (CESPE – 2011 - TRF/5 – Juiz Federal – Adaptada) A competência para processar e julgar conduta delituosa de liberação no meio ambiente de OGM, tal como sementes de soja transgênica, é da justiça comum estadual, ainda que os efeitos ambientais não se restrinjam ao estado da Federação em que tenha ocorrido o descarte.

ERRADO. Justiça Federal, de acordo com o julgamento do CC 41.301 pelo STJ.

Obs: A questão de onde esse item foi tirado foi anulada por extrapolar o edital.

99) (CESPE – 2011 - TRF/5 – Juiz Federal – Adaptada) É competência comum da União, dos estados, do DF e dos municípios registrar, acompanhar e fiscalizar as concessões de direitos de pesquisa e exploração de recursos minerais em seus territórios bem como legislar sobre jazidas, minas, outros recursos minerais e metalurgia.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

43
43

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

ERRADO. A primeira parte (competência material) está certa (art. 23, XI, da Constituição). O final está errado, a competência legislativa é privativa da União (art. 22, XII, da Constituição).

100) (CESPE – 2011 - TRF/5 – Juiz Federal – Adaptada) De acordo com a CF, é competência comum da União, dos estados, do DF e dos municípios definir os critérios de outorga dos direitos de uso dos recursos hídricos.

ERRADO. Compete à União (art. 21, XIX, da Constituição).

101) (CESPE – 2007 – MPE/AM – Promotor de Justiça – Adaptada) Preceito de constituição estadual que submete relatório de impacto ambiental ao crivo de comissão permanente e específica da assembleia legislativa do estado, para a concessão de autorização de atividade potencialmente danosa ao meio ambiente, consubstancia ato de poder de polícia legitimamente exercido pelo Poder Legislativo.

ERRADO. Isso seria uma invasão de competência pelo Poder Legislativo, ferindo a separação entre os Poderes. Quem deve autorizar essa atividade é o Poder Executivo.

102) (CESPE – 2007 – MPE/AM – Promotor de Justiça – Adaptada) Compete à justiça estadual do local onde ocorreu o dano, em primeiro grau, processar e julgar ação civil pública que vise à proteção do patrimônio público e do meio ambiente, mesmo no caso de comprovado interesse da União no deslinde da causa.

ERRADO. Se houver interesse da União, a competência será da justiça federal (art. 109, I, da Constituição).

103) (PGR – 20º concurso – Procurador da República - Adaptada) A competência para legislar sobre direito ambiental é concorrente entre a União, os Estados e o Distrito Federal, limitando-se a competência da primeira a estabelecer normas gerais que não excluem a competência suplementar dos Estados.

CERTO. Art. 24, VI e §§1º e 2º, da Constituição.

104) (CESPE – 2009 - TRF/5 – Juiz Federal – Adaptada) Todos os brasileiros têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem dominial da União e essencial à sadia qualidade de vida. Nesse sentido, impõe-se ao poder público e à coletividade o dever de defender o meio ambiente e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.

ERRADO. Bem de uso comum do povo e não bem dominial da União. Art. 225, caput, da Constituição.

Prof. Botelho www.pontodosconcursos.com.br

44
44

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

105) (CESPE – 2007 – TRF/5 – Juiz Federal) Considerando-se que a competência material dos municípios está relacionada com questões de predominante interesse local, compete a tais pessoas políticas o licenciamento de atividades no interior de unidade de conservação criada pela União, nas hipóteses em que a repercussão da atividade fique adstrita aos limites territoriais do município.

ERRADO. Quem licencia atividades em unidade de conservação da União é o órgão ambiental da União.

106) (CESPE – 2007 - TRF/5 – Juiz Federal) A União, os estados, o Distrito Federal e os municípios exercem cumulativamente a competência para proteger o meio ambiente, especialmente no que se refere ao combate à poluição e à proteção das florestas, cabendo, porém, somente à União a competência administrativa para a tutela da fauna.

ERRADO. A tutela da fauna também é competência comum destes entes federativos (art. 23, VII, da Constituição).

107) (CESPE – 2011 - TRF/3 – Juiz Federal - Adaptada) A União, os estados e o DF têm competência concorrente para legislar sobre jazidas, minas e outros recursos minerais.

ERRADO.

Constituição).

Competência

legislativa

privativa

da

União

(art.

22,

XII,

da

108) (CESPE – 2011 - TRF/3 – Juiz Federal - Adaptada) Constitui responsabilidade exclusiva do poder público estadual a instituição de programas educativos e de mecanismos de controle e estímulo à devolução das embalagens vazias pelos usuários.

ERRADO. A educação ambiental e a conscientização pública para a preservação do meio ambiente são missões do Poder Público como um todo, não apenas no nível estadual (art. 225, §1º, VI, da Constituição).

109) (CESPE – 2011 - TRF/3 – Juiz Federal - Adaptada) Compete à União, com exclusividade, registrar, acompanhar e fiscalizar as concessões de direitos de exploração de recursos minerais em todo o território nacional.

ERRADO. Competência material comum de União, Estados, DF e Municípios (art. 23, XI, da Constituição).

110) (TJ/DFT – 2008 – Juiz – Adaptada) A atividade econômica, em vista da sua relevante contribuição para o desenvolvimento do país,

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

45
45

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

pode ser exercida de modo a obstar a efetiva proteção ao meio ambiente natural e ao meio ambiente cultural.

ERRADO. Arts. 170, VI, e 216, §1º, da Constituição.

111) (CESPE – 2007 – TJ/AC – Juiz – Adaptada) Considerando as regras de repartição de competências fixadas na Constituição, os estados só podem exercer o poder de polícia em matéria de proteção ao meio ambiente no que diz respeito às normas ambientais por eles editadas.

ERRADO. O poder de polícia é competência material. A edição de normas é competência legislativa. As competências não se confundem, uma não influencia a outra. Os estados podem exercer plenamente o poder de polícia ambiental, para melhor proteger o meio ambiente.

112) (CESPE – 2012 – AGU – Advogado da União) Compete privativamente à União legislar sobre florestas, conservação da natureza, defesa do solo e dos recursos naturais.

ERRADO.

Constituição).

Essa

competência

legislativa

é

concorrente

(art.

24,

VI,

da

113) (CESPE – 2012 – TJ/PI – Juiz – Adaptada) A CF atribui competência legislativa concorrente à União, aos estados e ao DF para legislar acerca de proteção do ambiente, sendo vedado aos municípios editar leis desse teor.

ERRADO. A competência é concorrente (art. 24, VI, da Constituição), mas os Municípios podem legislar, desde que o interesse predominante seja o local (art. 30, I, da Constituição).

114) (CESPE – 2012 – TJ/PI – Juiz – Adaptada) O patrimônio histórico, artístico e cultural insere-se no âmbito do ambiente cultural, e os conjuntos urbanos e os sítios de valor arqueológico e paisagístico, na esfera do ambiente natural.

ERRADO. Todos isão meio ambiente cultural (art. 216, V, da Constituição).

115) (CESPE – 2012 – TJ/PI – Juiz – Adaptada) A proteção do ambiente e o combate à poluição em qualquer de suas formas, assim como a preservação das florestas, da fauna e da flora, são matérias da competência material comum da União, dos estados, do DF e dos municípios.

CERTO. Art. 23, VI e VII, da Constituição.

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

46
46

DIREITO AMBIENTAL – ANALISTA JUDICIÁRIO – ÁREA JUDICIÁRIA – TRF/5 PROFESSOR: BOTELHO

116) (PGR – 25º Concurso – Procurador da República – Adaptada) Os espaços territoriais especialmente protegidos estão submetidos a regime específico de fruição e de modificabilidade, só podendo sofrer alterações em seu regime jurídico por força de resolução do Conama, vedada qualquer utilização capaz de comprometer a integridade dos atributos legitimadores de sua proteção.

ERRADO. As alterações ou supressões devem ser feitas por meio de lei (art. 225, §1º, III, da Constituição).

117) (PGR – 25º Concurso – Procurador da República – Adaptada) O Superior Tribunal de Justiça sedimentou entendimento no sentido de que a obrigação de recompor área de reserva legal adere ao título de domínio ou posse, sendo, pois, do atual titular de imóvel rural, independentemente de ter sido ele o responsável, ou não, pelo desmatamento.

CERTO. É uma obrigação propter rem (própria da coisa, que acompanha a coisa). Mas o novo proprietário tem direito de regresso contra o causador do dano.

----------------------------------------------------------------------------------------

7. Bibliografia

GARCIA, Leonardo de Medeiros & THOMÉ, Romeu. Direito Ambiental. Salvador: Ed. Juspodivm, 4ª edição, 2011.

---------------------------------------------------------------------------------------

Meus amigos, terminamos por hoje. Espero que estejamos no caminho certo. Até semana que vem e um grande abraço a todos!

Prof. Botelho

www.pontodosconcursos.com.br

47
47