Você está na página 1de 195

del matriz

Motorista Linha

Contactos

Raios-X

Fotodiodo

Cs cintilador

Amplificador, multiplexer

e ADC

Vista explodida de del elemento mostrando interruptor

PUBLICAÇÕES SÉRIE SAÚDE HUMANA AIEA

O mandato do programa de saúde humana da AIEA se origina do artigo II seu Estatuto, que afirma que a "Agência procurará acelerar e ampliar o contribuição da energia atômica para a paz, saúde e prosperidade em todo o mundo. " O principal objetivo do programa de saúde humana é para melhorar as capacidades de AIEA Estados-Membros em questões relacionadas com a prevenção, diagnóstico e tratamento de problemas de saúde, através do desenvolvimento e aplicação da energia nuclear técnicas, num quadro de garantia da qualidade. Publicações da AIEA Series Saúde Humana fornecer informações nas áreas de: medicina de radiação, incluindo radiologia diagnóstica, diagnóstico e terapêutico nuclear medicina, e a terapia de radiação; dosimetria e física das radiações médica; e estável técnicas de isótopos e outras aplicações nucleares em nutrição. As publicações têm uma amplo de leitores e são destinadas a médicos, pesquisadores e outros profissionais. Especialistas internacionais ajudar o Secretariado da AIEA na elaboração e revisão estas publicações. Algumas das publicações desta série também pode ser aprovado ou co- patrocinado por organizações internacionais e sociedades profissionais ativos no relevante campos. Existem duas categorias de publicações nesta série:

SÉRIE SAÚDE HUMANA AIEA Publicações desta categoria está presente análises ou fornecer informações de um natureza consultiva, por exemplo, diretrizes, normas e códigos de prática e de qualidade manuais de garantia. Monografias e material educativo de alto nível, tais como pós-graduação textos, também são publicados nesta série.

AIEA SAÚDE HUMANA RELATÓRIOS Saúde Humana Relata informações complemento publicado na AIEA Humano Série de Saúde em áreas da medicina radiação, dosimetria e física das radiações médica, e nutrição. Essas publicações incluem relatos de reuniões técnicas, os resultados de AIEA coordenado projetos de pesquisa, relatórios intercalares sobre projectos da AIEA e educacional o material compilado para cursos de formação da AIEA que tratam de assuntos relacionados com a saúde humana. Em alguns casos, esses relatórios podem fornecer material de apoio relativos a publicações emitido na AIEA Series Saúde Humana.

Todas estas publicações podem ser baixadas custo gratuito no site da AIEA:

http://www.iaea.org/Publications/index.html

Mais informações estão disponíveis em:

Marketing e Vendas da unidade Agência internacional de energia atômica Vienna International Centre PO Box 100 1400 Viena, Áustria

Os leitores são convidados a fornecer as suas impressões sobre estas publicações. Informações podem ser fornecidas através do site da AIEA, pelo correio, no endereço indicado acima,

ou por e-mail para: Official.Mail @ iaea.org.

QUALIDADE PROGRAMA GARANTIA PARA MAMOGRAFIA DIGITAL

Os seguintes Estados são membros da Agência Internacional de Energia Atómica:

AFEGANISTÃO ALBÂNIA ARGÉLIA ANGOLA ARGENTINA ARMÊNIA AUSTRÁLIA ÁUSTRIA AZERBAIJÃO BAHRAIN BANGLADESH BELARUS BÉLGICA BELIZE BENIN BOLÍVIA BÓSNIA HERZEGOVINA Botsuana BRASIL BULGÁRIA BURKINA FASO BURUNDI CAMBOJA CAMARÕES CANADÁ AFRICANO CENTRAL REPÚBLICA CHADE CHILE CHINA COLÔMBIA CONGO COSTA RICA COSTA DO MARFIM CROÁCIA CUBA CHIPRE REPÚBLICA CHECA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DO CONGO DINAMARCA REPÚBLICA DOMINICANA EQUADOR EGITO EL SALVADOR ERITRÉIA ESTÔNIA ETIÓPIA FINLÂNDIA FRANÇA GABÃO GEÓRGIA ALEMANHA

GANA GRÉCIA GUATEMALA HAITI SANTA SÉ HONDURAS HUNGRIA ISLÂNDIA ÍNDIA INDONÉSIA IRÃ, REPÚBLICA ISLÂMICA DO IRAQUE IRLANDA ISRAEL ITALY JAMAICA JAPÃO JORDAN CAZAQUISTÃO QUÊNIA KOREA, REPUBLIC OF KUWAIT QUIRGUISTÃO LETÔNIA LÍBANO LESOTHO LIBÉRIA Líbia LIECHTENSTEIN LITUÂNIA LUXEMBURGO MADAGASCAR MALAWI MALÁSIA MALI MALTA ILHAS MARSHALL MAURITÂNIA MAURÍCIO MÉXICO MONACO MONGÓLIA MONTENEGRO MARROCOS MOÇAMBIQUE MIANMAR NAMÍBIA NEPAL PAÍSES BAIXOS NOVA ZELÂNDIA NICARÁGUA NÍGER NIGÉRIA

NORUEGA OMAN PAQUISTÃO PALAU PANAMÁ PARAGUAI PERU FILIPINAS POLÓNIA PORTUGAL QATAR REPÚBLICA DA MOLDÁVIA ROMÉNIA FEDERAÇÃO DA RÚSSIA ARÁBIA SAUDITA SENEGAL SÉRVIA SEICHELES SERRA LEOA CINGAPURA ESLOVÁQUIA ESLOVÉNIA ÁFRICA DO SUL ESPANHA SRI LANKA SUDÃO SUÉCIA SUÍÇA REPÚBLICA ÁRABE DA SÍRIA TAJIKISTAN TAILÂNDIA A ex-Jugoslávia República Jugoslava da Macedónia TUNÍSIA TURQUIA UGANDA UCRÂNIA EMIRADOS ÁRABES UNIDOS REINO UNIDO DE GRÃ-BRETANHA E IRLANDA DO NORTE UNITED REPUBLIC DA TANZÂNIA ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA URUGUAI UZBEQUISTÃO VENEZUELA VIETNÃ IÊMEN ZÂMBIA ZIMBABWE

Estatuto da Agência foi aprovada em 23 de outubro de 1956 pela Conferência sobre o Estatuto da AIEA realizada no Sede das Nações Unidas, Nova Iorque; que entrou em vigor em 29 de julho de 1957. A sede da Agência são situado em Viena. Seu principal objetivo é "acelerar e ampliar a contribuição da energia atômica para a paz, saúde e prosperidade em todo o mundo.''

SÉRIE SAÚDE HUMANA AIEA No. 17

QUALIDADE PROGRAMA GARANTIA PARA MAMOGRAFIA DIGITAL

AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA VIENA, 2011

AVISO DE DIREITOS AUTORAIS

Todos AIEA publicações científicas e técnicas são protegidos pelos termos do Convenção Universal de Direitos Autorais, adoptado em 1952 (Berna) e revista em 1972 (Paris). O autor já foi prorrogado pela World Intellectual Property Organization (Genebra) para incluir intelectual eletrônico e virtual propriedade. A permissão para usar todo ou partes de textos contidos na AIEA publicações em formato impresso ou eletrônico deve ser obtido e é geralmente sujeita a contratos de royalties. Propostas para reproduções não comerciais e traduções são bem-vindas e considerado em uma base caso-a-caso. Informações deve ser dirigida à Publishing Seção AIEA em:

Unidade de Marketing e Vendas, Publishing Seção Agência internacional de energia atômica Vienna International Centre PO Box 100 1400 Viena, Áustria fax: +43 1 2600 29302 tel:. +43 1 2600 22417 e-mail: sales.publications @ iaea.org http://www.iaea.org/books

© AIEA de 2011

Impresso pela AIEA na Áustria Jun 2011

STI/PUB/1482

AIEA Biblioteca Catalogação na publicação de dados

Programa de garantia de qualidade para a mamografia digital. - Viena:

Agência Internacional de Energia Atômica, 2011. p. ; 29 centímetros. - (. AIEA série a saúde humana, ISSN 2075-3772; n º 17)

STI/PUB/1482

ISBN 978-92-0-111410-5 Inclui referências bibliográficas.

1. Mama - Radiografia - O controle de qualidade. 2 Radiografia -. Imagem

qualidade. Agência Internacional de Energia Atômica I

II. Series.

APRESENTAÇÃO

A aplicação de radiação para o diagnóstico e tratamento da doença é um componente importante do trabalho

da AIEA. Na área de radiologia diagnóstica, este trabalho está focado na garantia de qualidade (QA) métodos para promover o uso eficiente da radiação para o resultado de diagnóstico através de alcançar e manter a imagem apropriada

qualidade e na determinação da dose para permitir o controlo e redução de dose para o paciente.

O papel da mamografia na detecção atempada de câncer de mama está bem estabelecida. Recentes tecnológica

desenvolvimentos vimos extensa aplicação de técnicas digitais para a mamografia em muitos Estados-Membros. Este A tecnologia permite o diagnóstico remoto, melhorando assim os resultados do paciente em ambientes remotos ou com poucos recursos.

O

necessidade de QA e de informações técnicas sobre a mamografia digital é fundamental, pois muitas das implicações de uma transição para a tecnologia digital não são bem compreendidos. Atualmente, há um pequeno número de protocolos de controle de qualidade em mamografia digital que aplica a limitação nacional e configurações regionais. Muitos Estados-Membros, por isso, ter solicitado orientação nesta área. Em resposta a estas pedidos, a publicação atual foi escrito com o objetivo de apresentar uma abordagem internacionalmente harmonizada QA no campo. Esta abordagem permitirá que os Estados-Membros a implementar QA da mamografia de forma padronizada. Isto é necessário para melhorar a eficácia dos programas nacionais que sustentam a triagem populacional na luta

contra o câncer de mama. Esta publicação em QA da mamografia digital foi desenvolvido como um companheiro para o recentemente publicado Programa de Garantia de Qualidade para Tela de Cinema de Mamografia (AIEA Series Saúde Humana n º 2) e segue o mesmo formato e estilo. Desde 2007, a AIEA convocou três reuniões consultores para preparar o presente publicação. O trabalho adicional realizado por este grupo inclui o teste de campo de uma série de novos fantasmas e

equipamento de teste desenvolvido para o ambiente digital, bem como a elaboração de padrões de desempenho; Este trabalho tem em curso e está acessível no site da AIEA (http: \ \ humanhealth.iaea.org). Um projecto do presente relatório foi divulgado para comentar o assunto entre os membros da comunidade internacional a mamografia, e suas sugestões foram incorporada.

A AIEA reconhece a contribuição da comissão de elaboração, sob a presidência de M. Yaffe (Canadá), com

M. Chevalier (Espanha), JC Heggie (Austrália), P. Mora (Costa Rica) e K. Young (Reino Unido). A AIEA

Responsável por este documento foi I.D. McLean da Divisão de Saúde Humana.

NOTA EDITORIAL

Embora grande cuidado foi tomado para manter a precisão das informações contidas nesta publicação, nem a AIEA nem seus Estados-Membros assume qualquer responsabilidade pelas consequências que possam surgir da sua utilização.

A utilização de denominações específicas de países ou territórios que não implica qualquer juízo pelo editor, a AIEA, quanto à

status legal desses países ou territórios, das suas autoridades e instituições ou da delimitação de suas fronteiras.

A menção de nomes de empresas ou produtos específicos (ou não indicada como registrado) não implica qualquer intenção de

infringir direitos de propriedade, nem deve ser interpretado como um endosso ou recomendação por parte da AIEA.

A AIEA não tem qualquer responsabilidade para a persistência ou a precisão de URLs para sites de Internet externos partido ou terceiros

referidos neste livro e não garante que qualquer conteúdo desses sites é, ou permanecerá, preciso e apropriado.

CONTEÚDO

1. INTRODUÇÃO.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

1

1.1. Por que é de alta qualidade necessário em mamografia? 1.2. .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

1

1

1.3. .

.

.

.

.

.

.

.

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

2

2. CONSIDERAÇÕES SOBRE A TRANSIÇÃO PARA MAMOGRAFIA

 

3

2.1. Estado actual da mamografia

 

.

.

.

.

.

3

2.2. Fatores a serem considerados na escolha de um sistema de mamografia

 

4

 

2.2.1. Análise de

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5

2.2.2. de

Especificações

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

6

2.3.

Descrição das tecnologias de mamografia

 

7

2.3.1. Fonte de raios X.

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7

2.3.2. Geometria

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7

2.3.3. Tipos de sistema de mamografia

 

8

2.3.4. Valores de índice de representação de dados e de

 

12

2.3.5. Controle de exposição automática em sistemas de mamografia

 

12

2.3.6. Formatos de imagem

 

.

.

.

 

.

.

.

.

.

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

13

2.3.7. O processamento de

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

13

2.3.8. Sistema de

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

14

3. ELEMENTOS DE MAMOGRAFIA alta

 

17

3.1.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

17

3.2.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

17

 

3.2.1. Mamografia unidade de raio X

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

17

3.2.2. Visualizando

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

18

3.2.3. A garantia de

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

19

3.2.4. A manutenção

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

19

4. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE GARANTIA DA QUALIDADE na

 

21

4.1. Atividades de garantia de

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

21

4.2. Funções e

 

.

.

.

.

.

.

 

.

.

.

.

.

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

23

 

4.2.1. Licenciado

ou registrante.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

23

4.2.2. Radiologista.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

23

4.2.3. Técnico de radiologia (mamografia

 

.

.

24

4.2.4. Físico

médico.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

24

5. CONSIDERAÇÕES CLÍNICAS PARA MAMOGRAFIA

 

25

5.1.

Introdução.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

25

5.1.1.

Principais implicações clínicas de mamografia

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

25

5.2.

A aquisição de

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

25

5.2.1. Diferenças no posicionamento do paciente e exposição

 

25

5.2.2. Eletrônico contra zoom

 

.

26

5.3.

A interpretação das

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

26

5.3.1. Leitura cópia

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

26

5.3.2. Relatando problemas de

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

26

5.3.3. Diferenças na avaliação de

 

.

.

5.3.4. Utilização de assistido por computador de

 

.

.

.

.

.

.

.

5.4.

Armazenamento de imagens e

 

5.4.1.

PACS e RIS

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

Considerações de treinamento e

 

5.5.

5.5.1. Requisitos de formação

 

.

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5.5.2. Planejamento para a transição de filme tela para mamografia

 

As

considerações

de custo.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5.6.

5.6.1. Aquisição

e

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5.6.2. Melhorar a eficiência e precisão de .

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

5.7.

6. Resumo dos Testes de Controle de

 

7. TESTES DE CONTROLE DE QUALIDADE DE RADIOLOGIA

 

7.1.

Testes

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7.1.1. Monitorar inspeção, limpeza e visualização de

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7.1.2. Equipamento de mamografia digital lista de verificação

 

7.1.3. Diário imagem fantasma campo

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7.1.4. A inspeção visual para artefatos (sistemas CR

 

7.1.5. Sensitometria impressora a

 

.

.

.

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

.

.

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7.1.6. Imagem placa apagamento (sistemas CR

 

7.2.

Testes semanais.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7.2.1. Monitorar o controle de

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7.2.2. Limpeza

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7.2.3. Controle de qualidade Weekly objeto de teste e artefatos de campo 7.2.4. A qualidade da imagem com peito imitando .

.

.

7.3.

Testes

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7.3.1. As verificações de segurança e função de sala e equipamento

 

7.3.2. Artefatos de

campo

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7.3.3. Artefactos impressora a

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

7.4.

Testes trimestrais.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.

.