P. 1
Historia Geral Da Educacao Fisica (A LINHA DOUTRINARIA ALEMÃ)

Historia Geral Da Educacao Fisica (A LINHA DOUTRINARIA ALEMÃ)

|Views: 8.687|Likes:
Publicado porgagaufera
Texto do Livro: História Geral da Educação Física, MARINHO, Inezil P. 2ª ed. São Paulo: CIA Brasil. Editora, 1980.
Texto do Livro: História Geral da Educação Física, MARINHO, Inezil P. 2ª ed. São Paulo: CIA Brasil. Editora, 1980.

More info:

Published by: gagaufera on Mar 21, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/31/2013

pdf

text

original

HISTÓRIA GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA

Inezil Penna Marinho

A LINHA DOUTRINARIA ALEMÃ
Basedow deve ser considerado como o verdadeiro precursor da linha doutrinária alemã que viria encontrar em Guts-Muths o seu consolidador. Johann Bernhard Basedow (1723-1790) era filho de um hamburguês, fabricante de cabeleiras, e, desde cedo, teve no ensino sua preocupação máxima. Foi professor primário na sua cidade natal (Hamburgo) e, posteriormente, ensinou filosofia moral e literatura na Ritteracademia, uma escola para nobres situada em Soroe, na Dinamarca. Nesta escola, o curriculum era curioso e extravagante, pois ao lado da literatura figurava o ensino da ginástica, a prática da esgrima, da equitação e da dança. Enquanto desenvolvia sua atividade de mestre nesta escola dinamarquesa, Basedow ia deixando que sua imaginação fosse paulatinamente, desenhando, em sua mente, o plano de educação que viria a ser sua obra máxima. Uma escola, onde o treinamento físico e mental marchassem paralelamente e trouxessem à educação dos jovens de seu tempo, um cunho que possibilitasse o desenvolvimento integral da personalidade humana. Durante vários anos, Basedow perdeu-se em conjeturas e estudos, e, quando parecia que sua reforma educacional iria esboroar-se diante da incompreensão ambiente, o aparecimento de "Emílio" deu-lhe nova alma, restituindo-lhe a confiança esmaecida e tangeu-o para a luta, que haveria de significar o seu triunfo e a sua glória. A coincidência de suas idéias educacionais com os métodos de Rousseau, expostos no "Emílio", animaramno a retomar a campanha iniciada com ardor e entusiasmo pouco comuns. Uma série de planos para a escola modelo, onde a educação física fosse tratada no mesmo nível que a intelectual, despertou a atenção dos educadores da época. Mas a solidariedade dos que o escutava não passava daquela solidariedade espiritual, que não demanda esforços e não possibilita também a realização material das coisas. Todavia, seus esforços haveriam de encontrar eco, haveriam de impressionar alguém e foi fora dos quadros de educadores que Basedow pôde conseguir quem lhe possibilitasse a realização material de sua reforma. O duque de Anralt o convidou para estabelecerem Dessau a sua escola. Nasceu, então, em 1774, o Philantropinum, nome dado ao estabelecimento que concretizava os ideais do educador germânico. O Philantropinum foi a primeira escola dos tempos modernos a ter um cunho fundamente democrático, pois, seus alunos provinham indiferentemente, de todas as camadas sociais. Foi também, a primeira escola a incluir a ginástica no curriculum, no mesmo plano das matérias chamadas teóricas ou intelectuais. Nos seus primeiros anos de funcionamento, o Philantropinum lutou com sérias dificuldades. Após um ano e meio de existência, o total de seus alunos atingia a modesta cifra de 15. Os métodos usados por Basedow, porém, conseguiram convencer e atrair os
Texto do Livro: História Geral da Educação Física, MARINHO, Inezil P. 2ª ed. São Paulo: CIA Brasil. Editora, 1980. Trabalho realizado por Leonardo Delgado

educadores da época. E, quando mais tarde, foi obrigado a deixar a direção de sua escola, teve a alegria de ver suas idéias e seus métodos servindo de base a inúmeras instituições que sobreviveram e deram à educação do jovem alemão um caráter diferente do até então usado. No Philantropinum, Basedow reservava 5 horas por dia para o estudo, 3 horas para a recreação, que compreendia a prática da esgrima, da equitação, da dança e da música, e de outras 2 horas para os trabalhos manuais. Basedow ainda prescrevia o treinamento militar e as excursões a pé. No verão aconselhava pequenas incursões no campo, onde os alunos poderiam pescar e caçar, e, em contacto com a natureza, estudar a geografia e as ciências naturais. Contudo, Basedow, guardou da Ritteracadenne de Soroe fundas reminiscências. Introduziu no Philantropinum práticas que se habituara a ver naquela escola dinamarquesa. Assim, os "exercícios para os cavalheiros", que constavam de lições semanais de dança e esgrima para os alunos mais velhos e seis lições por semana, de equitação - constituíram as contribuições daquela escola para nobres, na qual Basedow começou a conceber sua proveitosa reforma nos métodos de educação. Mas Basedow teve auxiliares preciosos no seu empreendimento. Não foi só que conseguiu pôr em prática toda aquela sua maravilhosa concepção. John Frederich Simon foi um auxiliar eficiente e notável. Graças a ele, o Philantropinum recebeu inovações que se transformaram em verdadeiros motivos de glória para a instituição de Basedow. Simon compreendeu que as crianças de tenra idade não poderiam receber a mesma educação que as demais. Cogitou então de estabelecer modelos diferentes de trabalhos e introduzir modificações no sistema. Então, surgiram a "ginástica grega", e uma série de jogos ou competições de corridas, lutas, lançamentos e saltos semelhantes àquelas que tinham lugar nas palestras gregas. Ainda Simon preocupou-se com as instalações materiais que possibilitassem a realização das provas. Tanques de salto foram construídos bem como diversos aparelhos para ginástica. Escadas, balanços, barras deram uma fisionomia própria à escola. Os jogos ganhariam com Simon um novo alento. Eram dirigidos por um professor e atendiam às diferenças condicionadas pelas idades dos alunos. Johann Jacob Du Toit foi outro colaborador eficiente de Basedow. Com ele, novas variedades de exercícios vieram compor o quadro da educação física. A natação, a patinação, o canto, o tiro ao alvo, as marchas, as excursões a pés os exercícios de levantar e transportar sacos com os braços acima da cabeça ou ainda na horizontal, até que as dores acusassem o fim de suas resistências musculares, foram as novas modalidades acrescidas ao sistema usado no Philantropinum. Com estas inovações no curriculum escolar, o Philantropinum se perfilou como uma escola sui generis. Seus resultados foram excelentes, mas não suficientes para mantê-lo aberto por muito tempo. Em 1793, fechou finalmente suas portas depois de abrir um, caminho mais luminoso para a educação dos jovens daquele tempo. Todavia, seu exemplo proliferou e várias
Texto do Livro: História Geral da Educação Física, MARINHO, Inezil P. 2ª ed. São Paulo: CIA Brasil. Editora, 1980. Trabalho realizado por Leonardo Delgado

escolas apareceram em solo germânico tendo por base o sistema usado no Philantropinum. Na Suíça e em Mannheim duas instituições surgiram, mas tiveram também a mesma vida efêmera. Caberia a Salimann, um ex-professor do Philantropinum, criar uma instituição que atravessaria séculos e seria a herdeira dos sistemas que celebrizaram Basedow Foi o Schnepfental Educational Instltute, cuja existência foi de um labor fecundo pela causa da educação física. Finalmente Basedow, com sua reforma educacional concretizada no Philatropinum, merece as honras de ser o primeiro educador moderno que colocou a educação física em uma posição de importância no curriculum escolar. Guths Muths, considerado o pai da ginástica pedagógica moderna, nasceu em Quedlinburg, a 9 de agosto de 1759, e realizou seus estudos clássicos na Universidade de Halle. Em maio de 1785, foi levado por Salzmann para Schnepfental, onde se consagrou fundamentalmente à ginástica, embora de 1800 a 1835, tenha publicado trabalhos de geografia e de pedagogia. É na obra "A Ginástica para a juventude", publicada em 1793, que Guts Muths expõe os seus princípios pedagógicos. Em 1817 publica "Livro de Ginástica para os filhos da Pátria", oferecido à nobreza e ao povo de seu país. Publica ainda numerosos outros livros, dentre eles, em 1798, um tratado de natação. Escreve ele:
"Eu bem sei que uma verdadeira teoria da ginástica deverá ser fundada sobre bases fisiológicas e que a prática de cada exercício ginástico deverá ser calculada segundo a constituição de cada indivíduo. Não se deve, entretanto, procurar esta perfeição em meu trabalho, porque não está baseado mais que sobre as experiências conscienciosas duma prática de oito anos, que me convenceu de que a ginástica é necessária à educação e que, tal e qual eu a dou aqui, com seus, diversos exercícios, longe de ser nociva, ela é extremamente útil tanto para o espírito quanto para o corpo".

Admirador das antigas concepções gregas e influenciado pelos grandes humanistas, esposa os princípios seguintes; 1 - O homem é uma unidade física e espiritual. 2 - A debilidade do corpo conduz à da alma. 3 - A mais alta cultura intelectual, sem educação corporal não produz mais que uma personalidade incompleta, falta de saúde, de alegria de viver, de beleza corporal, de força de resistência, de velocidade, de vontade e de coragem. Cada qual deve ser um todo e não um fragmento humano. 4 - A ginástica natural dos povos primitivos deve nos civilizados, ser substituída por uma arte ginástica; esta pode ser militar, atlética, ou médica, mas a única arte ginástica de real valor para todos é a ginástica pedagógica; ela fortifica a alma e o corpo e tem uma alta significação social e patriótica; ela é o meio educativo fundamental para toda a nação. 5 - O dever mais alto do Estado e dos mestres é o de organizar a ginástica pedagógica e de a propagar: querer o fim é aplicar os
Texto do Livro: História Geral da Educação Física, MARINHO, Inezil P. 2ª ed. São Paulo: CIA Brasil. Editora, 1980. Trabalho realizado por Leonardo Delgado

meios, isto é, ginástica diária para todos, crianças, homens e mulheres, locais convenientes, escolas de exercícios e mestres competentes. 6 - É preciso desenvolver os cuidados higiênicos e os exercícios serão feitos, de preferência, ao ar livre. 7 - É preciso ter em conta no método de ensino, a idade, o sexo, a profissão, a progressão, a constituição. Guths Muths estabelece um grupamento genérico pos exercícios, nitidamente metodológico, constituído por oito grupos: saltos, marchas, arremessos, lutas, trepar, equilibrismo, levantar e transportar e exercícios de ordem (escola do soldado). O pai da ginástica alemã morreu em Ibenheim, a 21 de maio de 1839. Friedrich-Ludwig Jahn, nascido em Lanz, vila prussiana, a 11 de agosto de 1778 é o fundador da ginástica patriótica, com fim político nacionalista, que desempenha importante papel no século passado. Seus estudos irregulares o conduziram ao Colégio de Salzweidel (1791), depois ao de Cloitre-Gris, em Berlim. Na Universidade de Halle, estuda teologia, que abandona para se entregar à literatura alemã. Na Universidade de Iena recebe o grau de doutor em filosofia, dedicando-se também à filosofia. Explodindo a guerra entre a França e a Prússia, alista-se como voluntário; seu regimento participa do desastre de Iena (14/X/1806) e isto o afeta tão profundamente que "seus cabelos se tornam grisalhos em uma noite". Em 1810, publica “Deutsches Wolksthum", obra que provoca sensação, fruto de reflexões sobre o espírito, a língua, as instituições, os costumes, as tradições e o caráter do povo alemão. Este verdadeiro hino à unidade germânica foi considerado "o mais alemão dos livros para a defesa da nação". Nela, Jahn censura os estudantes por sua frouxidão e os exorta a se fortificarem, a se endureceram e despertarem seu espírito combativo pelos exercícios físicos; ele os concita a abandonarem seus grupos corporativos; todos devem ser unicamente "alemães" e desejar edificar a unidade nacional sobre as ruínas da confederação germânica carcomida, grupando-se sob a hegemonia da Prússia. Para bem marcar o caráter nacional de seu sistema, Jahn substitui a palavra "gymnattik" por "Turnkunst" porque desde o ano 1223 a palavra “turn” se encontra na língua alemã, de onde havia passado à língua francesa (tournoyer, tournoi). Para simbolizar a sua ação, Jahn dá aos seus "turners" a seguinte insígnia: 9- lembrava a vitória dos germanos sobre os latinos em Teutberg; 919 - recordava a introdução da cavalaria na Alemanha e o advento de Henrique I 1519 - evocava a morte do imperador Maximiliano, o último cavaleiro;
Texto do Livro: História Geral da Educação Física, MARINHO, Inezil P. 2ª ed. São Paulo: CIA Brasil. Editora, 1980. Trabalho realizado por Leonardo Delgado

1811 - assinalava o renascimento do Turnkust que deveria formar uma nova cavalaria para a Alemanha indivisível e livre. Vemos assim que o movimento ginástico de Jahn tinha um fundo profundamente patriótico. Ele conseguiu entusiasmar a juventude de seu país e exaltar o patriotismo à custa de duras provas e pesados exercícios realizados no campo de Hasenheide. Fundam-se várias sociedades de ginástica inspiradas nas idéias e princípios de Jahn; um verdadeiro exército de jovens patriotas e bem dispostos se organiza à frente dos quais ele se coloca quando chega a hora de vingar as derrotas sofridas anteriormente ante os franceses. Jahn é aclamado como herói nacional, desfrutando grande prestígio. Mas, em Breslau e Liegnitz, malgrado a sua palavra eloqüente, seus adversários obtém, em dezembro de 1818, o fechamento dos ginásios e o rei da Prussia, influenciado pela agitação dos ginastas e dos Burschens-chaften, regeita o plano de organização dos exercícios corporais nas escolas. A ginástica foi considerada como revolucionária e demagógica; era o "abc purulento que deveria ser extirpado, a escola que preparava as desordens". Por uma circular de 4 de janeiro de 1819, o governo prussiano coloca as sociedades de ginástica sob a tutela do Estado. A uma insopitável reação de Jahn e seus ginastas, o campo de Hasenheide foi fechado, toda expressão contendo o radical "turn" foi banida pela censura. O assassinato, a 23 de março de 1819 do poeta von Kotzebue, agente da Rússia e adepto da política de Metternich, pelo estudante e ginasta Sand, foi o sinal para a adoção de medidas excepcionais. Jahn acusado de crime de alta traição, foi aprisionado em Kolberg e condenado (13/1/1823) a dois anos de prisão em fortaleza. Em 1825 foi reabilitado, o governo lhe conserva a pensão, mas o proíbe de viver em Berlim, em vila universitária ou residência de liceu; é ainda colocado sob vigilância policial. Com o advento de Frederico Guilherme IV, Jahn é livrado da vigilância policial e condecorado com a Cruz de Ferro. Jahn, venerado como verdadeiro herói da Alemanha, expira a 15 de outubro de 1825 em Freiburg. Adolph Spiess (1810-1858) dedicou toda a sua vida à causa da educação física. Quando estudante, freqüentou uma escola influenciada por Pestalozzi entrou em contacto com o sistema de ginástica de Guts-Muths. Bom aluno, distinguiu-se no assunto e salientou-se na prática da esgrima. Em Burgdorf, na Suiça, onde permaneceu 15 anos, organizou o sistema de ginástica escolar que mais tarde iria adotar na Alemanha, tomando-se o pioneiro entre os educadores seus compatriotas. Entretanto, sua luta para a introdução do sistema de ginástica nas escolas, sofreu revezes acentuados. Suas idéias foram rejeitada pelas autoridades prussianas em 1842, quando se processava um movimento simpático à ginástica e Massman foi escolhido para apresentar um plano de educação física para as escolas prussianas. Voltou para a Suíça onde escreveu e publicou o "Manual de Ginástica para as Escolas", (Turnbuch fur Schulen) e aceitou a incumbência de aplicar o seu sistema numa escola de Hesse. A partir daí, introduziu modificações acentuadas nos sistemas de ensino, obtendo para a ginástica um lugar de destaque. Estendeu-a a ambos os sexos e sua influência na educação alemã
Texto do Livro: História Geral da Educação Física, MARINHO, Inezil P. 2ª ed. São Paulo: CIA Brasil. Editora, 1980. Trabalho realizado por Leonardo Delgado

foi grande e proveitosa, atribuindo-se-lhe a responsabilidade da organização e desenvolvimento da educação física nas escolas germânicas. Com Spiess, as escolas alemãs adquirem uma fisionomia até então inédita. O ginásio passou a integrar a planta da escola e suas atividades enriqueceram o conteúdo espiritual da educação germânica. Conceituando a educação como indivisível, abraçando toda a natureza da criança e situando a ginástica como responsável pela perfeição do corpo, que o poria em equilíbrio com a alma, bateu-se com galhardia e denodo pelos meios capazes de favorecer a realização de um trabalho físico nas escolas. Sua luta, dirigiu-se, então, para a aquiescência das autoridades, no sentido de dotarem as escolas do aparelhamento necessário para esse fim. Suas exigências fundamentais podem ser assim sintetizadas: a) A ginástica deve ser reconhecida e tratada com o mesmo grau de importância que qualquer outra matéria escolar. b) Os alunos devem receber graus de acordo com o seu trabalho em ginástica. c) Um período por dia deve ser destinado ao trabalho em ginástica. d) Deverá ser estabelecido um sistema especial para moças. e) O material de ginástica deve ser graduado de acordo com as diferentes idades e sexo. f) Um ginásio e uma praça de desportos devem fazer parte de cada escola. Spiess foi sem dúvida um inovador. Suas idéias trouxeram à monótona escola daquela época, um novo alento e um novo sopro de vida. O interesse pela educação física alargou-se e o gosto pela sua prática difundiu-se grandemente entre os estudantes. Os ginásios e os aparelhos das praças de desportos trouxeram um colorido novo às desmaiadas fisionomias das escolas da época. Todavia, se as modificações de ordem material garantiram para Spiess um lugar destacado entre os educadores, sua contribuição à ginástica propriamente dita b situa como um dos líderes da pedagogia da educação física. Contribuição pedagógica de Spiess à Educação Física A ginástica de Jahn usada até então, o material com que se trabalhava, a classificação dos exercícios, não ofereciam satisfatórias condições para as crianças e as moças em idade escolar, em face das novas teorias. Spiess introduziu, então, alterações fundamentais, ressaltando o valor pedagógico dos exercícios físicos e atribuindo à recreação papel preponderante na educação moral e social. Adaptou a ginástica aos programas escolares destinando um período por dia à sua prática. Sentiu a necessidade de dar a mesma ginástica para um grupo de crianças da mesma idade que se assemelhassem fisicamente, e isto constitui um esboço de grupamento homogêneo. Daí ter surgido a organização de classes de alunos da mesma idade dirigidas por um professor. Introduziu, depois de estudar e proclamar seu valor na correção da postura e seu papel na influência que o professor teria sobre a turma, a marcha no sistema de ginástica escolar. Foi dos primeiros a compreender, o valor dos exercícios livres, sendo por isto considerado seu introdutor nos sistemas de ginástica. Também fazia com que suas lições
Texto do Livro: História Geral da Educação Física, MARINHO, Inezil P. 2ª ed. São Paulo: CIA Brasil. Editora, 1980. Trabalho realizado por Leonardo Delgado

fossem acompanhadas pela musica, para que o sentido rítmico da marcha e dos exercícios livres encontrassem nela um meio para se desenvolverem. Compreendeu e justificou a hostilidade da ambiência em relação à ginástica e prestou especial atenção à ginástica de exibição achando-a valiosa para o aluno e fundamental para captar o interesso do leigo e a atenção das autoridades. Discordou de Jahn sobre o "guia", simples executante perfeito dos movimentos e batalhou pelo emprego de professores especializados em número suficiente para dirigirem as turmas. Criou para isso, cursos destinados a formação de professores de Dormstad. Por todo este trabalho fecundo e útil, tendendo a dar forma educacional propriamente dita ao que antes era considerado uma recreação inconseqüente, Spiess é considerado como o verdadeiro introdutor da ginástica nas escolas alemãs. Jahn, com o seu sistema de ginástica, despertou nos alemães o interesse pelo exercício físico e Spiess, introduzindo-os nas escolas, transformou-os em processos educativos que viriam dotar o homem de equilíbrio que justificaria a sua concepção indivisível de educação. Suas observações e experimentações conduziram-no à sistematizar lições, constituindo um esboço de método, apreciável para a época. O que se conhece como sistema de ginástica de Spiess pode oferecer ensejo para críticas severas à luz dos conhecimentos modernos, porém constitui um esforço digno de méritos e elogios. Nos seus ginásios, Spiess concatenou exercícios, grupou atividades, e deu normas para sua execução. Disto resultou o que se chamou "sistema de ginástica" usado por Spiess nas escolas germânicas. Neste sistema, Spiess empregou a marcha, os exercícios livres e a ginástica de aparelhos e condenou as execusões. Sua sistematização oferece, como já dissemos, pontos vulneráveis, contudo foi uma norma útil face à confusão da época.

Foram estes os esforços e a contribuição de Spiess no setor pedagógico da educação física. Sua influência foi considerável nas escolas alemãs e muitos dos seus princípios permitiram aos alemães desenvolverem todo um sistema de ginástica escolar útil e proveitoso.

Texto do Livro: História Geral da Educação Física, MARINHO, Inezil P. 2ª ed. São Paulo: CIA Brasil. Editora, 1980. Trabalho realizado por Leonardo Delgado

Crítica ao Sistema de Spiess Se a luta política travada por Spiess, para a obtenção dou ginásios e das praças de desportos no corpo das escolas alemãs, foi um passo decisivo para o desenvolvimento da educação física, os princípios fundamentais de seu sistema não repousam em bases sólidas. O pouco desenvolvimento científico da época deve ter contribuído grandemente para que o seu sistema carecesse de pontos de partida mais condizentes com as necessidades reais. Sua lição não obedecia a um ritmo pedagógico que se aproximasse do ideal. Por outro lado seu sistema não passava de um conjunto de exercícios dispostos com pouco critério e selecionados arbitrariamente., Sem abundância de flexionamentos, escassas as aplicações, assoberbado de ginástica de aparelhos, dificilmente este sistema poderia levar os alunos àquele equilíbrio que Spiess procurava. Contudo, se sob o ponto de vista pedagógico o sistema de Spiess merece severas restrições, sob o prisma da evolução da educação física não há por que lhe negar o mérito evidente e o caráter útil. Nisto reside a sua excelência como naquilo está a sua fraqueza. Foi uma contribuição decisiva e útil para a transformação da ginástica, em verdadeira disciplina na formação do jovem alemão.

Texto do Livro: História Geral da Educação Física, MARINHO, Inezil P. 2ª ed. São Paulo: CIA Brasil. Editora, 1980. Trabalho realizado por Leonardo Delgado

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->