Você está na página 1de 95

MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008

MORFOLOGIA ORAL

INDICE
DESCRIÇÃO Página

Embriologia Facial 2

Odontogênese 6

Erupção Dental 14

Esmalte Dentário 18

Dentina 23

Periodonto de Sustentação 28

Periodonto de Protecção 33

Glândulas Salivares 37

Tecidos Glandulares 41

Exercícios 49

Anatomia e Fisiologia Dental ( Livros ) 60

Características de todos os dentes 69

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
1
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

EMBRIOLOGIA FACIAL

Os principais eventos de formação do complexo maxilo-mandibular e facial observados durante a


embriogênese.

Parte A - Tópicos de Embriologia Geral (recordação)

Os eventos de transformação do embrião após a fecundação


envolvem a formação do ovo ou zigoto, seguida pela multiplicação das
células até originar a mórula. A mórula, por sua vez, por intermédio
de sucessivas dobras, origina o blastocisto, um aglomerado de células
embrionárias arranjadas em dois compartimentos distintos, separados
por duas cavidades (embrioblasto e trofoblasto) contendo líquido em
seu interior. Com esse arranjo, é possível notar no embrião os três
folhetos embrionários (linhagens celulares) que formarão os
diferentes sistemas do homem.

Esses folhetos embrionários são denominados de ectoderma (o mais


externo), endoderma (o mais interno) e mesoderma (localizado entre
o ectoderma e o endoderma).

O embrião começa a adquirir a forma humana quando esses três folhetos começam a proliferar
e a se arranjar espacialmente, de modo a se concentrar nos locais que contêm, no futuro, os diversos
órgãos em seus sistemas. Para a formação do sistema bucal, dois eventos são cruciais: a formação da
crista neural e a migração das células dessa crista em direcção à chamada boca primitiva ou estmodeu.

A crista neural é formada pela multiplicação das células da ectoderme e migração dessas
células sobre o mesoderme. Nessa migração, as células ectodérmicas arranjam-se de modo a formar
duas cristas separadas por uma depressão. Em seguida, as células da crista neural migram para a boca
primitiva e aí se alojam.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
2
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

As células da crista neural vão originar, no futuro, gânglios sensitivos, neurônios simpáticos, células de
Schwann (as células que recobrem os axônios dos nervos periféricos, originando a bainha de mielina), células
pigmentares (por exemplo, o melanócito, produtor da melanina), meninges e as cartilagens dos arcos branquiais
(os arcos que irão originar a face). Essas células ainda formarão o sistema nervoso, os epitélios da cavidade
bucal e o sistema ocular.
As células da ectoderme originarão a epiderme e seus anexos. Já as de mesoderme dão origem ao tecido
conjuntivo, ao esqueleto e à musculatura lisa, ao sistema circulatório e ao sistema urogenital. Por fim, as células
da endoderme formarão o epitélio do trato digestivo e do sistema auditivo, alguns epitélios do trato urinário e o
sistema respiratório.

Um outro evento importante para a formação da


cavidade bucal, além da migração das células da crista neural
e a formação dos três folhetos embrionários, é o dobramento
céfalo-caudal que o embrião sofre. O embrião, originalmente,
possui uma forma esférica. Com o desenvolvimento dos três
folhetos germinativos e a migração das células, ocorre um
dobramento dessa esfera, originando dois pólos distintos
reconhecidos como a porção cefálica (da cabeça) e a porção
caudal (dos membros inferiores).

Parte B - Embriologia Facial

Quando há o dobramento céfalo-caudal, imediatamente forma-se a


membrana bucofaríngea, a qual, por sua vez, delimita a boca primitiva ou
estomódeo. Assim, essas estruturas são originadas a partir de um
dobramento do conjunto de células do embrião nessa fase do
desenvolvimento. Esse dobramento provoca o aparecimento de outras
dobras, as quais passam a ser denominadas, na face, de arcos branquiais.
Nessa fase de formação da boca primitiva, nota-se a presença do 1º arco
branquial.

O embrião, sofre, então, sucessivas dobras, originando os


demais arcos branquiais (existem, no total, seis arcos branquiais, cada
qual responsável pelo desenvolvimento de uma estrutura específica da
face). No desenho ao lado, estão representados somente 5, pois o 6º é
praticamente imperceptível.

O 1º arco branquial dará origem à maxila e à mandíbula; aos músculos mastigatórios e a alguns
músculos faciais; alguns ligamentos e ao nervo trigêmeo.
O 2º arco branquial formará os principais músculos faciais; alguns ligamentos; o nervo facial; o osso
hióide e outras estruturas da região cervical.
O 3º arco branquial também originará o osso hióide (juntamente com o 2º arco branquial); o músculo
estilofaríngeo; o nervo glossofaríngeo e parte da faringe.
O 4º arco branquial formará a faringe (em conjunto com o 3º arco branquial) e a laringe.
O 5º arco branquial é temporário e participa da formação das estruturas citadas, juntamente com os
demais arcos.
O 6º arco branquial originará boa parte da laringe (em conjunto com o 4º arco branquial).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
3
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

LEMBRETE DE ANATOMIA:

A face é composta por processos ou projecções ósseas. Os processos de interesse para este tópico da
matéria são processo frontal (forma a testa e as têmporas); processo nasal (forma o nariz); processo maxilar
(forma a maxila) e processo mandibular (forma a mandíbula).
Lembre-se de que os processos são bilaterais, ou seja, existe um de cada lado da face. Cada uma dessas
porções se encontra (fusiona) na linha média da face (na porção mais central).

Formação do processo frontal - O processo frontal origina-se do primeiro dobramento sofrido pelo embrião
durante sua formação, conforme explicado anteriormente.

Formação do processo nasal - No processo frontal, surgem dois tubérculos (saliências), um mais próximo da
linha mediana do embrião e outro mais distante. Esses processos são denominados, respectivamente, de
processos nasais mediais (pnm) e laterais (pnl).

Formação dos processos maxilar e mandibular - Os processos maxilares e mandibulares são originados a
partir de um sulco que se forma no 1º arco branquial. A porção do sulco mais cefálica denomina-se processo
maxilar (pmax no desenho de cima à direita) e a mais caudal, processo mandibular (pm, no mesmo desenho).

Formação do lábio superior - Quando o processo maxilar se funde com os processos nasais mesiais e distais,
há a formação do lábio superior.

Formação da língua - porção anterior - O início da formação da língua se dá pela formação de tubérculos
(proliferações) bilaterais na porção posterior do 1º arco branquial. Esses dois tubérculos se juntam na porção
central do 1º arco e proliferam, originando então os 2/3 anteriores da língua.

Formação da língua - porção posterior - Na porção mais profunda do 1º arco branquial, ocorre fusão com o
2º arco branquial, definindo, então, 1/3 posterior da língua. A raiz da língua é formada, consecutivamente, pelos
3º e 4º arcos branquiais.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
4
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Formação do palato - O palato é formado pela fusão dos processos maxilares. Essa fusão ocorre, inicialmente,
na porção mais central dos processos, continuando-se, então, para a periferia (porções anteriores e posteriores).
Com isso, a cavidade bucal está definitivamente formada, não se comunicando directamente com a cavidade
nasal.

LEMBRETE DE PATOLOGIA:

Quando há falha nessa fusão dos processos maxilares, o bebé nascerá com uma comunicação entre a
cavidade bucal e a cavidade nasal. À essa falha ocorrida durante a embriogênese dá-se o nome de palato
fendido. O mesmo pode acontecer com o lábio, quando não há fusão entre o processo maxilar e o processo
nasal. Nesse caso, diz-se que o bebé nasceu com lábio leporino ou fenda labial.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
5
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

ODONTOGÊNESE

Esse capítulo dedica-se a abordar as fases da odontogênese em termos histológicos, dando uma breve
introdução da formação dos tecidos embrionários que participam desse processo. Para uma boa leitura,
recomenda-se uma recordação dos tópicos principais abordados no capítulo de Embriologia Facial.

ELEMENTOS DE EMBRIOLOGIA FACIAL NECESSÁRIOS À COMPREENSÃO DA ODONTOGÊNESE

Vimos no capítulo de embriologia facial que o


embrião, durante seu desenvolvimento, sofre um
dobramento (dobramento céfalo-caudal), originando uma
dobra que passa a ser denominada de "membrana
bucofaríngea". Essa estrutura originará no futuro a boca
primitiva. Nesse dobramento, o embrião passa a ter duas
porções: a porção cefálica, correspondente à cabeça, e a
porção caudal, oposta à cabeça.

Vimos também que, durante o desenvolvimento do embrião, formam-se os três folhetos germinativos
(ectoderme, mesoderme e endoderme) e que o ectoderme migra sobre o mesoderme originando a crista neural.
As células da crista neural migram, então, para a boca primitiva, formando um novo tecido denominado
"ectomesênquima".

TECIDOS EMBRIONÁRIOS LIGADOS À ODONTOGÊNESE

A odontogênese, ou seja, os eventos embrionários de formação do


órgão dentário, é dependente sobretudo da estruturação do
ectomesênquima. Esse tecido, por ser formado tanto por ectoderme quanto
por mesoderme, possui características desses dois folhetos, o que é essencial
para a estrutura dentária. O dente é formado por tecidos que possuem
características de revestimento ou epitelial (como é o caso do esmalte) e de
preenchimento ou conjuntiva (como é caso da dentina e da polpa). Como
sabemos, os tecidos epiteliais derivam sobretudo do ectoderme e os tecidos
conjuntivos, do mesoderme. Assim, como o dente é formado por tecidos com
ambas as características (epitelial e conjuntiva), necessita de um tecido
embrionário "híbrido" como é o ectomesênquima.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
6
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

EVENTOS DA ODONTOGÊNESE

Formação da banda epitelial primária - A boca primitiva, ao ser formada, é revestida pelo epitélio oral
primitivo. Quando se origina o ectomesênquima, esse epitélio prolifera gerando o tecido que revestirá a cavidade
bucal até o nascimento do embrião. A esse epitélio dá-se o nome de banda epitelial primária.

FIGURA FIGURA:
O embrião nessa A banda epitelial
fase, ao se fazer um primária é o epitélio
corte histológico, (faixa roséa no corte
apresenta a histológico) que
cavidade nasal, a recobre a cavidade
cavidade bucal e o bucal como um todo
início da formação
da língua

Banda epitelial primária: camada contínua epitelial originada da proliferação do epitélio oral primitivo sobre o
ectomesênquima
.

1ª fase da odontogênese:
Fase de lâmina dentária

Por volta da 5ª ou 6ª semanas de vida intra-uterina, a banda epitelial primária começa a proliferar e se
divide em duas grandes lâminas: a lâmina vestibular, que originará o fundo de sulco vestibular (sulco que
delimita o lábio superior e inferior do rebordo alveolar, ou seja, do osso no qual se localizam os dentes); e a
lâmina dentária, que originará os germes dentários.

Embrião em vista lateral. A boca primitiva é recoberta pela banda epitelial primária. Esta se
divide em uma primeira lâmina, a lâmina vestibular, delimitando o fundo de sulco e separando
os processos maxilar e mandibular do lábio. Em seguida, da lâmina vestibular parte uma outra
lâmina, a dentária, a qual se estende por todo o processo maxilar e mandibular.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
7
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

A lâmina dentária, asssim, é


um tecido epitelial apoiado
sobre o ectomesênquima.

FIGURA:
Destaque da lâmina dentária

2ª fase da odontogênese:
Fase de botão

Em alguns pontos específicos, os quais serão os locais dos futuros germes dentários, a lâmina dentária
começa a se proliferar e o ectomesênquima subjacente se condensa. Surge um formato tecidual que lembra um
botão, formado por tecido epitelial e ectomesênquima condensado.

A fase de botão é caracterizada por grande


atividade mitótica, pois as células epiteliais da lâmina
dentária estão se dividindo continuadamente.

FIGURA:
Na fase de botão,
distingue-se a lâmina
dentária (1), o
epitélio do botão (2)
e o ectomesênquima
condensado (3)

3ª fase da odontogênese:
Fase da capuz

Por volta da 9ª semana de vida


intra-uterina, surge uma concavidade
no centro do botão, o que gera um
novo formato para o germe dentário,
que passa a ter aspecto de capuz.
No capuz, distinguem-se o
epitélio interno (que delimita a
concavidade do germe), o epitélio
externo, o retículo estrelado e o
ectomesênquima condensado ou papila
dentária.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
8
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

FIGURA:
1 - Lâmina dentária;
2 - Epitélio externo;
3 - Epitélio interno;
4 - Retículo estrelado;
5 - Papila dentária

O retículo estrelado se forma a partir da morte de células localizadas


no centro do germe, processo que se intensifica na fase de capuz, levando ao
reconhecimento dessa estrutura nessa fase da odontogênese. No retículo
estrelado, há grande quantidade de matriz extracelular, fator que lhe confere
o aspecto claro nos cortes histológicos.

Na fase de capuz, são reconhecidas as primeiras estruturas embrionárias específicas para cada
tecido dental: o epitélio interno formará o esmalte e a dentina; o epitélio externo e o retículo
estrelado guiarão a formação da coroa; e a papila dentária formará a polpa dentária.

4ª fase da odontogênese:
Fase de campânula

Por volta da 10ª semana de vida intra-uterina, o germe adquire uma forma de sino pelo aumento da
concavidade em sua porção central. Essa maior concavidade acentua as margens epiteliais, promovendo um
ponto de convergência entre o epitélio interno e o externo.
Nessa fase, há uma parada do crescimento do germe e o início da histodiferenciação, isto é, da
especialização das células localizadas em cada uma das estruturas do germe. Essa especialização levará à
formação dos tecidos dentais propriamente ditos, processo que se inicia na fase seguinte (fase de coroa).

FIGURAS (acima): Evidenciação da fase de campânula

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
9
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

No germe dessa fase, reconhecem-se praticamente as mesmas estruturas da fase de capuz, acrescidas
da alça cervical e do folículo dentário. A alça cervical constitui o ponto de convergência entre o epitélio
interno e o epitélio externo. Essa estrutura originará a raiz do dente. O folículo dentário, por sua vez, é formado
por uma condensação do ectomesênquima ao redor do germe como um todo; essa estrutura é responsável pela
nutrição do dente embrionário, bem como, no futuro, originará o periodonto.

Figura a Esquerda
1 - Lâmina dentária;
2 - Epitélio externo;
3 - Epitélio interno;
4 - Papila dentária;
5 - Retículo estrelado;
6 - Estrato intermediário

Alça cervical (à esquerda, entre as setas) e o folículo dentário


(delimitado entre setas à direita) (HE, 400X e 100X).

O periodonto é formado pelo osso alveolar, pelo cemento e pelo ligamento periodontal, bem como
pelo sulco gengival. São estruturas responsáveis pela proteção e sustentação do dente no interior do
alvéolo (osso).

Uma outra estrutura que se observa na fase de campânula


é o estrato intermediário. Este constitui em uma proliferação
localizada do epitélio interno (ver figura ao lado). Ao mesmo
tempo, esse epitélio sofre algumas dobras. Sua proliferação (ou
estrato intermediário) acrescida das dobras formará a cúspide do
dente.
Uma cúspide é a pirâmide de base
quadrangular existente na superfície oclusal da
coroa do dente. As cúspides são uma das
estruturas que caracterizam a anatomia dos
diferentes dentes. Todos os dentes humanos
possuem cúspides, variando o tamanho e o
número delas; alguns dentes, como os
anteriores, possuem cúspides involuídas.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
10
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Por fim, na fase de FIGURA:


campânula, a lâmina dentária 1 - Osso alveolar;
começa a se fragmentar. No 2 - Folículo dentário;
final dessa fase e no início da 3 - Epitélio externo;
fase de coroa, o germe já 4 - Retículo estrelado;
estará confinado dentro do 5 - Epitélio interno;
osso alveolar, separando-se 6 - Papila dentária;
definitivamente da banda 7 - Alça cervical
epitelial primária. (HE, 40X).

5ª fase da odontogênese:
Fase de coroa (ou campânula tardia)

Na fase de coroa ou campânula tardia,


inicia-se a deposição das matrizes de
esmalte e de dentina, para formar a coroa
do dente. As células do epitélio interno se
diferenciam, inicialmente, em
odontoblastos (para secretar matriz de
dentina). A primeira camada de matriz
dentinária é, então, depositada por essas
células. Em seguida, sob influência dessa
primeira deposição, as demais células do
epitélio interno diferenciam-se em
Primeira camada de matriz de ameloblastos, e passam a secretar matriz
dentina de esmalte.
(entre as setas) (HE, 400X).

Uma vez depositadas essas primeiras


camadas de dentina e esmalte, até a
erupção a coroa do dente estará
formada. Essa formação será guiada,
sobretudo, pelo retículo estrelado e pelo
epitélio externo, o qual nessa fase passa
a ser denominado de epitélio reduzido
do órgão do esmalte.

FIGURA:
A - ameloblastos; E - esmalte;
D - dentina; O - odontoblastos (HE,
400X).

Os eventos, em detalhes, da formação da dentina e do esmalte serão abordados


no capítulo sobre amelogênese e dentinogênese

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
11
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

6ª fase da odontogênese:
Fase de raiz

Na fase de raiz, a alça cervical formada na campânula sofre uma dobra de cerca de 90 graus, originando
o chamado diafragma epitelial. A partir daí inicia seu crescimento, passando a ser denominada de bainha
epitelial de Hertwig.

FIGURA:
1 - Bainha epitelial de Hertwig já
com dentina radicular formada.
2 - Ligamento periodontal.
3 - Osso alveolar. Seta - diafragma
epitelial (HE, 100X).

O diafragma epitelial será mantido até o final do crescimento da raiz,


quando então formará o ápice radicular. Durante esse crescimento, as células da
bainha vão se diferenciando em odontoblastos e vão formando a dentina
radicular. Ao mesmo tempo, vão induzindo as células do folículo dentário
próximas a elas a se transformarem em fibroblastos e cementoblastos, os quais,
por sua vez, formarão o ligamento periodontal e o cemento. Veja a figura anterior.

Dessa forma, à medida que a raiz cresce, desenvolvem-se também as


estruturas que a fixarão ao osso alveolar. No momento da erupção, o
elemento dentário possui, assim, todos os tecidos dentais necessários
para sua manutenção na cavidade bucal.

ODONTOGÊNESE DOS DENTES DECÍDUOS E PERMANTENTES

Nós seres humanos temos duas dentições: uma decídua (de leite) e uma permanente. Para
cada um dos dentes decíduos existe uma sucessor permanente. Mas o contrário não é verdadeiro:
nem todo dente permanente possui um antecessor decíduo, como é o caso dos 1º molares e dos 3º
molares.

Todas as fases da odontogênese aqui descritas se aplicam tanto para os dentes decíduos quanto para os dentes
permanentes.
Os dentes permanentes sucessores de decíduos iniciam sua formação na fase de campânula dos
decíduos. Observa-se, lateralmente ao germe decíduo, uma proliferação local da lâmina dentária, iniciando a fase
de botão do dente permanente.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
12
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

FIGURA:
Proliferação da lâmina dentária,
provavelmente para início da
formação do germe do
permanente. O decíduo está em
fase de campânula (HE, 100X).

No momento da troca dos dentes, isto é, quando


O germe do permanente, quando se
o decíduo cai e cede lugar ao permanente, o
desprende da lâmina dentária na fase de
germe deste já está totalmente formado,
campânula, vai migrando e se posiciona
provocando inclusive a exfoliação (saída) do
abaixo do germe do decíduo. Este, então, já
decíduo. Vamos ver esse procedimento no
está pronto para erupcionar.
capítulo sobre erupção dental

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
13
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

ERUPÇÃO DENTAL

DEFINIÇÃO - O processo de erupção é observado durante a infância e o início da adolescência. Acontece em


dois momentos distintos, um para a erupção dos dentes decíduos e outra para a erupção dos dentes
permanentes. Para cada um desses momentos, existem particularidades e estruturas teciduais essenciais que
promovem a movimentação dentária do interior do osso alveolar para a cavidade bucal.

Pelo conceito acima, fica claro que, na erupção, o dente realiza um movimento com tendências verticais
cuja origem é do osso alveolar, o tecido ósseo que envolve completamente o dente até a fase de coroa e que
servirá de suporte ao mesmo no futuro, fazendo parte do periodonto de sustentação.

FIGURA: Fase de coroa, na qual se observa epitélio reduzido


do órgão do esmalte (ERE), folículo dentário (F), epitélio
interno (EI), o retículo estrelado (R) e a papila dentária (P).
Destaca-se o osso alveolar (O), que envolve todo o germe
dentário (HE, 40X)

No conceito acima, ainda nota-se que o movimento


vertical do dente tem como destino o plano oclusal funcional, isto
é, a situação em que o dente se encontra perfeitamente
"encaixado" com seu antagonista. Ao atingir esse estado, o dente
se estabiliza, não realizando mais os movimentos eruptivos. A
erupção dentária tem início na fase de coroa e atinge seu pico de
movimentação na fase de raiz. Dependendo da fase da
odontogênese e das estruturas por que passa o germe dentário
durante a erupção, é possível dividir didaticamente esse
fenômeno em fases. A divisão da erupção em fases varia de autor
para autor. Julgamos mais didática a divisão adotada por
Katchburian & Arana (1999), uma vez que se observa, nesses
autores, uma tendência a entender o processo dentro da
dinâmica do sistema estomatognático e em uma visão de
conjunto, e não somente uma sucessão de eventos de Imagem radiográfica da
transformação morfológica e funcional que acomete cavidade bucal de uma criança
individualmente o elemento dentário. com cerca de 6 anos de idade. As
setas indicam os germes dos
dentes permanentes, ainda por
erupcionar. Por enquanto, existe
somente o 1º molar como dente
permanente.

Dessa maneira, é possível dividir o


processo de erupção dentária em:
1) fase de movimentação pré-eruptiva;
2) fase de erupção intra-óssea;
3) fase de penetração na mucosa;
4) fase de erupção pré-oclusal;
5) fase de erupção pós-oclusal.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
14
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Fase de movimentação pré-eruptiva

Esse primeiro momento da erupção é observado na fase de


coroa da odontogênese. O germe dentário, ainda dentro do osso
alveolar, realiza pequenos movimentos de acomodação no interior da
cripta óssea conforme sua coroa vai sendo formada. Ao mesmo
tempo, observa-se a chegada de osteoclastos (células que dissolvem a
matriz óssea) na região da cripta óssea, para promoverem a absorção
do osso. Nessa fase ainda, surgem os primeiros movimentos
propriamente eruptivos, principalmente quando se inicia o crescimento
da raiz dentária.

Fase de erupção intra-óssea

O dente agora irá romper a barreira da cripta


óssea. Isso acontece na fase de coroa e raiz
da odontogênese, ou seja, quando ambas
estão ocorrendo simultaneamente no germe
dentário. Nesse momento eruptivo, os
osteoclastos concentram-se na região do
gubernáculo (restos da lâmina dentária). Com
a ação dessas células, a cripta óssea é
dissolvida e o germe dentário, assim,
consegue atingir a mucosa.

Depois de haver a dissolução da cripta óssea,


o gubernáculo organiza-se e forma uma via,
um caminho que orientará o movimento do
dente no sentido vertical. Essa via é
denominada de "via eruptiva".

Fase de penetração na mucosa

Aqui a erupção atinge sua


maior velocidade e desempenho,
sendo evidente na fase de raiz da
odontogênese. O germe dentário se
desloca até o ponto em que o epitélio
reduzido do órgão do esmalte se funda
(se junte) com o epitélio oral.Ao haver
essa fusão, o epitélio oral combina-se
com o epitélio reduzido do órgão do
esmalte e há uma invaginação desse
novo epitélio, formando então o
chamado sulco gengival. O sulco
gengival constitui uma estrutura
pertencente ao periodonto de
proteção.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
15
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Fase de erupção pré-oclusal

Esse momento da erupção inicia quando a ponta da


cúspide do dente aflora na cavidade bucal. Os movimentos
verticais realizados procuram o contato com o dente
antagonista. Quando acontece esse contato, essa fase se
encerra. Daí seu nome "pré-oclusal": antes da oclusão com o
dente antagonista.

Fase de erupção pós-oclusal

Inicia quando os dentes antagonistas estabelecem o primeiro contato entre si. A partir daí, realizam
pequenos movimentos até que suas faces oclusais se adaptem mutuamente. Ao mesmo tempo, ocorre a
maturação (amadurecimento) das estruturas de suporte e de proteção do dente, ou seja, do periodonto de
sustentação e de proteção.

Quando o dente aflora na cavidade bucal, sua coroa (composta por esmalte e dentina) já está
completamente formada. Ao entrar em contato com a saliva, o esmalte da coroa também sofre um processo de
maturação, tal qual o periodonto, adquirindo uma estrutura mais resistente. É importante lembrar que a raiz já
está com seu comprimento praticamente finalizado; contudo, o ápice radicular permanece aberto até mesmo
depois da fase de erupção pós-oclusal, indo se fechar em momentos posteriores.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
16
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

ERUPÇÃO DOS DENTES PERMANENTES

As fases até aqui descritas dizem respeito tanto para os dentes decíduos quanto para os dentes
permanentes. Para estes, contudo, não são o gubernáculo e a via eruptiva que orientam os movimentos do
germe dentário. A referência de erupção para o dente permanente é a raiz do dente decíduo antecessor. A raiz
do decíduo orienta o permanente quando este entra na fase de penetração da mucosa. Observa-se uma
reabsorção da raiz e da coroa do dente decíduo conforme há o deslocamento do permanente. Esse processo
culmina com a exfoliação (saída) do decíduo e o afloramento da cúspide do permanente. Isso acontece para os
dentes permanentes que possuem um antecessor decíduo. Para os dentes permanentes sem antecessor decíduo
(por exemplo, os terceiros molares), o guia de erupção são o gubernáculo e a via eruptiva, tal qual acontece
para os decíduos. A extração prematura de um dente decíduo pode acarretar problemas na erupção do seu
sucessor permanente. Quando, por alguma razão, há necessidade de se retirar um dente decíduo antes de sua
época de exfoliação, coloca-se no lugar desse decíduo um outro dente artificial ou um aparelho ortodôntico
denominado "mantenedor de espaço" até que a época de erupção do permanente.

TEORIAS DA ERUPÇÃO

Boa parte dos fenômenos aqui descritos ainda não foram totalmente explicados. Existem algumas teorias
que tentam decifrar o fenômeno da erupção, como por exemplo, a que diz que o dente promove movimentos
verticais em direção à cavidade bucal devido ao crescimento (em comprimento) da raiz. Contudo, por
observações clínicas, nota-se que existem dentes que erupcionam mesmo sem ter o desenvolvimento radicular.
Uma outra teoria afirma que a formação do ligamento periodontal promove um tracionamento do germe dentário
em direção à cavidade bucal; e por fim teorias que descrevem o folículo dentário como sendo o tecido principal
envolvido com a erupção. De qualquer maneira, esse fenômeno diretamente ligado à odontogênese ainda é bem
estudado e discutido no meio científico.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
17
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Histologia do Esmalte dentario


CARACTERÍSTICAS GERAIS - O esmalte é o tecido mais mineralizado do organismo, ou seja, é o tecido mais
endurecido do nosso corpo. Constitui a camada mais superficial do órgão dentário, recobrindo a coroa do dente.
Possui aspecto translúcido quando examinado intrabucalmente (ou sob umidificação com a saliva), tendo
coloração branco-acinzentado ou branco-amarelado.

Figura a esquerda - Dente


humano em que se
observa a coroa, o colo e a
raiz. A coroa é revestida
por esmalte, enquanto a
raiz contém somente
dentina e cemento. No
interior do dente localiza-
se a polpa, a qual não está
visível na figura. Note que
o esmalte é mais
esbranquiçado que a
dentina, a qual se
apresenta amarelada.
Figura a cima - A dentina acompanha toda a extensão
do esmalte, dando suporte para este.

O esmalte possui 97% de constituição mineral, composta principalmente por hidroxiapatita (fosfato de
cálcio), carbonato, sódio, potássio, magnésio e cloretos. Cerca de 1% de sua constituição é feita de material
orgânico, principalmente proteínas (enamelinas) e carboidratos (os lipídeos estão em baixa quantidade). Os
restantes 2% são formados por água. Essa constituição predominantemente mineral torna esse tecido
extremamente duro, porém friável (frágil), tal qual acontece com a porcelana: esta é muito dura mas se quebra
facilmente. Por isso é necessário que o esmalte tenha um suporte mais maleável, mais rico em material orgânico,
como é o caso da dentina. Assim, toda a extensão do esmalte é suportada pela dentina.

Anatomicamente, o esmalte se limita com a dentina na


região da coroa do dente (originando o limite amelodentinário); na
região do colo dentário, o esmalte se limita com o cemento
(originando o limite amelocementário). Existe o esmalte
aprismático (sem prismas) e o esmalte prismático (com
prismas). O esmalte aprismático é formado pelos ameloblastos
sem processo de Tomes e o prismático, pelos ameloblastos
maduros que já adquiriram o processo de Tomes (para mais
informações, veja a amelogênese). O esmalte aprismático
constitui a primeira camada de esmalte a ser depositada, sendo
então recoberta pelo esmalte prismático, que constitui boa parte
da coroa do dente. A última camada é também de esmalte
aprismático, pois o ameloblasto perde seu processo de Tomes ao
terminar de formar a coroa. Assim, tem-se esmalte aprismático
próximo à junção amelodentinária e na camada mais superficial da
FIGURA em cima : O esmalte coroa.
se limita com a dentina (em
branco no Rx) e com o cimento
(em verde).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
18
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

FIGURA A ESQUERDA - Corte


histológico do germe dentário na
fase de coroa em que se visualiza o
esmalte aprismático já formado
(EA), o esmalte prismático em
formação (EP), o qual se apresenta
em íntimo contacto com o processo
de Tomes (em destaque no círculo).
A = ameloblastos; ER = epitélio
reduzido do órgão do esmalte; D =
dentina

Não existem diferenças entre os dois tipos de esmalte. Ambos possuem o mesmo grau de mineralização.
Contudo, o esmalte aprismático é encontrado em espessura maior nos dentes decíduos. É importante
acrescentar também que a camada de esmalte aprismático mais superficial está sujeita ao desgaste quanto
submetida a atrito. Assim, os dentes permanentes praticamente não apresentam esmalte aprismático na porção
superficial de sua coroa.

Lembre-se de que a maioria da camada de esmalte da coroa, tanto dos dentes decíduos quanto
dos dentes permanentes, é formada por esmalte prismático

Estrutura do esmalte prismático

O processo de Tomes do ameloblasto, com sua face "S" e sua face "N" (para mais informações, consulte
amelogênese e dentinogênese), gera uma estrutura tridimensional mineralizada denominada "prismas". Os
prismas arranjam-se em várias direcções e sentidos, formando então o esmalte prismático.

FIGURA - Nesse corte histológico por desgaste, observa-se o sentido dos prismas (siga a
orientação dos riscos vermelhos e verá uma estrutura sinuosa sobre o esmalte, que consiste
nos prismas posicionados em várias direções)(Dente desgastado, 100X)

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
19
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

O conjunto dos prismas determina uma estrutura tridimensional composta por uma região
interprismática e uma região central do prisma. Ambas as regiões constituem somente localizações
anatómicas distintas morfologicamente, mas sem qualquer diferença funcional. Os prismas possuem uma
estrutura semelhante a fechadura, sendo reconhecidos uma cabeça, uma cauda e uma bainha. Durante algumas
intervenções odontológicas, às vezes é necessário destruir essa estrutura para se criarem microrretenções em
um preparo cavitário em esmalte.

Lembre-se de que não é possível visualizar a estrutura


dos prismas em microscopia de luz. É necessário
microscopia electrónica. Assim, não vemos diferenças
entre o esmalte aprismático e o prismático, muito
menos a região central do prisma e a interprismática.

Estrias (ou linhas incrementais) de Retzius

Em cortes histológicos por desgaste, visualizam-se linhas paralelas mais escuras denominadas estrias de Retzius
(ou linhas incrementais de Retzius). Essas linhas indicam os períodos de aposição da matriz inorgânica do
esmalte durante a formação da coroa. Nessas linhas, ocorre a modificação da orientação dos prismas, dando
esse aspecto de linha escurecida no corte histológico.

FIGURA: Dente desgastado em que se


visualizam as estrias de Retzius (setas) (40X)

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
20
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Lamela

A lamela é uma área hipomineralizada que se apresenta como uma rachadura. Essa rachadura vai do
limite amelodentinário até a camada mais superficial, atravessando toda a camada de esmalte. Não constitui uma
rachadura propriamente dita, mas antes uma região com pouca mineralização. Não é considerada uma área
frágil do esmalte.

FIGURA: Dente desgastado


em que se visualiza a lamela
(setas) (40X)

Tufo

Área hipomineralizada que se projecta como fita a partir do limite amelodentinário e atingindo até 2/3 da
camada de esmalte. Também não constitui região de fragilidade no esmalte, e sim uma característica anatómica.

FIGURA: Dente desgastado em que se


visualizam tufos (setas) (E = esmalte;
D = dentina) (40X)

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
21
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Fusos

Deposição de matriz inorgânica ao redor do prolongamento do odontoblasto que atinge o limite


amelodentinário. Também não alteram funcionalmente a estrutura do esmalte. O complexo dentino-pulpar
constitui um sistema morfofuncional composto pela dentina e pela polpa. Esses dois tecidos estão em íntima
relação funcional e anatómica, sendo gerados pelo mesmo tecido embrionário: a papila dentária. Essas
características conferem aos dois tecidos propriedades funcionais semelhantes, quais sejam, a de manter a
vitalidade dos tecidos dentais. Por esses motivos, dá-se o nome de complexo dentino-pulpar aos dois tecidos, os
quais devem ser estudados conjuntamente.

FIGURA: Dente desgastado em que se FIGURA - Corte histológico mostrando


visualizam fusos (setas) (E = esmalte; a íntima relação existente entre a
D = dentina) (40X) dentina (D) e a polpa (TP), manifesta
principalmente pelo prolongamento
dos odontoblastos (P) (HE, 400X).

Uma outra característica que compõe o complexo dentino-pulpar é o fato de os prolongamentos dos
odontoblastos (células presentes na polpa que secretam matriz de dentina) penetrarem na dentina e se
estenderem até o limite amelodentinário. Assim, indirectamente esse prolongamento põe o esmalte em contacto
com a polpa, fazendo com que essa camada também adquira vitalidade.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
22
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

DENTINA

A dentina é menos mineralizada e mais hidratada do que o esmalte. Possui 70% de constituintes
minerais, 18% de constituintes orgânicos e 12% de água. A maioria do constituinte mineral é formado por
hidroxiapatita, e o constituinte orgânico é representado principalmente pelo colagéno do tipo I e V.

FIGURA - Corte histológico mostrando


a formação do esmalte (E) e da
dentina (D). A coloração diferente
FIGURA: Radiografia evidenciando
indica a formação de matrizes
o tecido dentinário (D) e o tecido
orgânicas distintas entre o esmalte e a
pulpar (P). A dentina é descrita na
dentina, o que implicará em
radiografia como radiopaca e a
constituições orgânicas e inorgânicas
polpa, radiolúcida.
também distintas entre as duas
camadas (A = ameloblastos; O =
odontoblastos) (HE, 100X)

Anatomicamente, a dentina localiza-se na coroa (dentina coronária) e na raiz (dentina radicular). Esses
dois tipos de dentina possuem as mesmas características morfológicas e funcionais. Contudo, cada uma limita-se
com um tecido diferente: a dentina coronária limita-se com o esmalte (limite amelodentinário) e a dentina
radicular, com o cemento (limite dentinocementário).

FIGURA: Cortes histológicos mostrando a dentina radicular (à esquerda) com o limite


dentinocementário (círculo) e o cemento (C). À direita, nota-se a dentina coronária, com o limite
amelodentinário (círculo) e um remanescente de esmalte (E) (HE, 40X).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
23
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Tipos de dentina

Existem quatro tipos de dentina, formados ou durante a dentinogênese ou quando o dente já é adulto e
está em função. Esses tipos são: dentina primária, pré-dentina, dentina secundária e dentina terciária.

1) Dentina primária

A dentina primária é aquela depositada durante a dentinogênese. Reconhecem-se como dentina primária a
dentina do manto (primeira camada depositada de dentina) e a dentina circumpulpar. A dentina do manto
foi descrita no capítulo de amelogênese e dentinogênese. É aquela que origina o limite amelodentinário. A
dentina circumpulpar compreende o tecido dentinário deposto durante a formação da coroa e da raiz,
delimitando a cavidade pulpar.
A dentina circumpulpar é formada por estruturas tubulares por onde passam os prolongamentos dos
odontoblastos. Esses túbulos, denominados túbulos dentinários, são delimitados por uma dentina bastante
mineralizada (a dentina peritubular). Por entre os túbulos dentinários, localiza-se uma dentina menos
mineralizada (dentina intertubular). Os túbulos podem se comunicar entre si por intermédio de canalículos
(canalículos dentinários), os quais podem inclusive conter partes dos prolongamentos do odontoblastos.

FIGURA: Esquema tridimensional


evidenciando a presença dos túbulos
dentinários, dos canalículos dentinários e do
prolongamento dos odontoblastos.

FIGURA: Corte histológico evidenciando a formação


da dentina. Nota-se o momento de deposição da
primeira camada de dentina (dentina do manto =
DM)(O = odontoblastos; A = ameloblastos)(HE, 100X)

FIGURA: Corte histológico da dentina em


sentido transversal, em que se notam as
aberturas dos túbulos dentinários (HE,
100X). Do lado direito, observa-se um
esquema em corte transversal em que se
nota a dentina peritubular e a intertubular.

Lembre-se de que as dentinas peritubular e intertubular são visualizadas somente em microscopia


eletrônica. Em microscopia de luz é difícil essa visualização.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
24
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

2) Pré-dentina

A pré-dentina é uma dentina que ainda não foi mineralizada. Acompanha todo o trajecto dos
odontoblastos, tendo coloração rosa-claro nos cortes histológicos corados por HE. Surge logo após a dentina do
manto e se mantém por toda a vida do indivíduo. A função da pré-dentina é originar a dentina primária durante
a dentinogênese e, posteriormente, a dentina secundária, conforme o dente adulto assim necessite.

FIGURA: Dentina (D),


pré-dentina (PD),
odontoblastos (O),
polpa (P),
de um dente adulto (HE, 100X)

3) Dentina secundária

A dentina secundária é semelhante à dentina primária (possui também dentina peritubular e


intertubular). É depositada durante a vida do indivíduo (tanto nos dentes decíduos quanto nos permanentes),
para repor tecidos dentinários antigos e aumentar a camada de dentina. Por esse motivo, é também denominada
de dentina fisiológica. Conforme essa dentina vai se depositando, ficam linhas que indicam essa deposição,
denominadas de linhas de von Ebner. Os dentes de indivíduos adultos são bastante ricos em dentina secundária.

FIGURA: Dentina secundária


presente em um dente de indivíduo
senil, em que se observam várias
linhas de deposição (setas) (HE,
100X)

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
25
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

4) Dentina terciária

A dentina terciária é também denominada de dentina reparativa. Sua função é promover o reparo do
tecido dentinário quando este sofre algum tipo de agressão e posterior destruição (por exemplo, por uma cárie).
Contudo, a morfologia dessa dentina é diferente da dentina primária ou secundária: ela pode ou não ter túbulos
dentinários e sua aparência é semelhante a um tecido ósseo (por isso é também denominada de dentina
osteóide).

Em várias situações clínicas, o cirurgião-dentista vai direcionar seu tratamento para provocar a
formação da dentina terciária, isolando a polpa do meio externo. O uso de hidróxido de cálcio,
um cimento biocompatível, é um dos materiais indicados para isso.

O tecido pulpar é um tecido conjuntivo frouxo, formado principalmente por uma camada de
odontoblastos e por um centro contendo grande quantidade de fibroblastos em vários graus de maturação. É um
tecido rico em matriz extracelular, possuindo grande quantidade de fibrilas colágenas delicadas.

FIGURA: À esquerda: tecido pulpar composto por camada de odontoblastos (O) localizada
na periferia, células indiferenciadas (CI) e fibroblastos maduros (F) localizados no centro
da polpa (HE, 100X). À direita, tem-se, em grande aumento, a porção central da polpa,
evidenciando fibroblastos maduros (HE, 400X)

Uma característica marcante do tecido pulpar é a presença de grande quantidade de vasos sanguíneos e
nervos. Assim, é um tecido extremamente irrigado e inervado, sendo ao mesmo tempo um tecido frágil e
bastante reativo a agentes agressores. É importante acrescentar que é do tecido pulpar que toda a reparação do
tecido dentinário é realizada, sendo feita às custas dos odontoblastos.
A polpa é derivada da papila dentária. As células mesenquimais indiferenciadas presentes nesse tecido
maturam-se à medida que se forma a dentina coronária e radicular, transformando-se então em fibroblastos. A
maturação da polpa se completa assim que o ápice radicular é fechado (ou seja, quando o dente já erupcionou
na cavidade bucal).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
26
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

HISTOLOGIA DO PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO

O periodonto de sustentação é formado pelo cemento, pelo ligamento periodontal e pelo osso alveolar.
Essas três estruturas teciduais, que diferem substancialmente em termos funcionais e morfológicos, possuem um
objectivo em comum: manter o dente fixo ao osso mandibular e maxilar e minimizar o impacto (tensões e
trações) a que o dente está constantemente submetido quando em função na cavidade bucal. Essas estruturas
são protegidas pelo periodonto de proteção.

FIGURA: Aspecto clínico de


um paciente com doença
periodontal severa. Visualiza-
se o acúmulo de placa
bacteriana na região do sulco
FIGURA: Osso alveolar, ligamento gengival, bem como aspecto
periodontal (representado por avermelhado, indicativo de
linhas brancas) e cemento processos inflamatórios no
(praticamente não-visível no local.
esquema)

O estudo histológico do periodonto de sustentação, aliado ao periodonto de protecção, é importante por


constituir um dos pilares da disciplina de Periodontologia, a qual se dedica a abordar os diferentes tipos de
patologias que acometem as estruturas do periodonto e o tratamento indicados.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
27
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

ESTRUTURAS DO PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO

Cemento

O cemento é um tecido conjuntivo mineralizado, composto por 60% de conteúdo de mineral e 40% de
fibras colágenas do tipo I. A matriz do cemento é secretada pelos cementoblastos, os quais podem ficar
aprisionados após o procedimento de mineralização, sendo então denominados de cementócitos. O cemento
localiza-se somente na porção radicular, possuindo espessuras variáveis dependendo de sua localização na raiz.
Em geral, é mais espesso na porção apical e na região de furca. Macroscopicamente, o cemento constitui uma
fina camada que reveste a dentina, totalmente translúcida e bem dura. Além disso, é um tecido avascular, com
nutrição originada do ligamento periodontal.

FIGURA: Dente desgastado em luz polarizada


invertida em que se evidencia a camada de
cemento, com suas espessuras variáveis. Nota-se
também o limite amelocementário, quando o
cemento se encontra com o esmalte (Dente
desgastado, 10X)

Na região do colo do dente, o cemento se limita com o esmalte. Nesse limite, podem haver três configurações
possíveis: 30% das pessoas presentes na população possuem o esmalte topo-a-topo com o cemento; em 60%
das pessoas, o esmalte recobre o cemento; e em 10%, há um espaço entre o esmalte e o cemento, com
pequena exposição da dentina.

Segundo o tipo histológico, o cemento pode ser dividido em cemento acelular e cemento celular. O
cemento acelular é encontrado no terço cervical da raiz e não possui cementoblastos e cementócitos (daí o
nome acelular). Sua matriz é constituída por fibras que se originaram do ligamento periodontal (fibras
extrínsecas), já que esse tipo de cemento não possui células para secretar essas fibras.

FIGURA: Corte histológico evidenciando o cemento acelular (CA)


(HE, 100X).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
28
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Um outro tipo de cemento é o cemento celular. Este é geralmente observado nos terços médio e apical do
dente, sendo visíveis em sua estrutura os cementócitos e cementoblastos (os cementoblastos podem ser difíceis
de serem reconhecidos em cortes histológicos corados por HE, pois assemelham-se muitos aos fibroblastos; os
cementócitos são mais facilmente visualizados pois ficam aprisionados na matriz de cemento).
O cemento celular geralmente é constituído por fibras mistas (fibras extrínsecas e intrínsecas, as
primeiras originadas do ligamento periodontal, e as segundas produzidas pelos cementoblastos). Quando há
necessidade de reparação no local, o cemento pode adquirir exclusivamente fibras intrínsecas. Nesse caso, até
mesmo sua espessura e conformação mudam.

FIGURA: Corte histológico em que se identifica um cemento


celular provavelmente de fibras intrínsecas devido a sua
irregularidade e espessura. Notam-se também pelas setas
lacunas em que se encontram os cementócitos aprisionados
(HE, 100X).

Em resumo, pode-se dizer que existem os seguintes tipos histológicos de cemento: cemento
acelular de fibras extrínsecas, cemento celular de fibras mistas e cemento celular de fibras
intrínsecas.

Ligamento periodontal

O ligamento periodontal é um tecido conjuntivo frouxo que possui feixes de fibras colágenas densas
denominadas fibras principais do ligamento periodontal. Sua função é unir o cemento ao osso alveolar,
bem como suportar as cargas sofridas pelo elemento dentário durantes os movimentos maxilomandibulares. As
células encontradas no ligamento periodontal são principalmente fibroblastos, havendo também células defesas
(neutrófilos, linfócitos, plasmócitos), cementoblastos quando próximo do cemento e osteoblastos quando
próximo do osso alveolar.

FIGURA: Corte
histológico
evidenciando o
ligamento
periodontal (LP),
tecido conjuntivo
localizado entre a
camada de cemento
(c) e o osso alveolar
(oa). Os núcleos das
células observados
são de fibroblastos
(HE, 100X).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
29
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

FIGURA:
Microscopia
eletrônica em
que se visualiza
tridimensional a
circulação
existente no
periodonto
(periodonto de
cão; Cortesia do
Prof. Moacyr
Novelli).

O ligamento periodontal é extremamente vascularizado e inervado, o que o torna ao mesmo tempo


extremamente sensível e reactivo a agentes agressores. A vascularização é proveniente principalmente das
artérias alveolar inferior no caso da mandíbula e das principais artérias existentes na maxila. A inervação origina-
se do nervo dentário e seus ramos.

Como o ligamento periodontal absorve directamente as tensões e trações sofridas pelo dente, suas fibras
principais dispõem-se de diferentes maneiras para evitar que essas forças destruam o osso alveolar. São
reconhecidas, dessa maneira, cinco grupos de fibras conforme mostra a figura abaixo.

FC = fibras da crista alveolar; saem da crista alveolar e divergem


em sentido ao cemento; localizam-se no terço cervical;
FH = fibras horizontais; fibras paralelas entre si; localizam-se
mais no terço cervical-médio;
FO = fibras oblíquas; são a maioria, convergindo em sentido do
cemento; localizam-se no terço médio;
FI = fibras interrradiculares; localizam-se na região na furca nos
dentes com mais de uma raiz;
FA = fibras apicais; localizam-se no ápice radicular e divergem em
sentido do cemento. Osso alveolar

O osso alveolar é a porção do osso maxilar e mandibular que se articula directamente com o dente por
intermédio do ligamento periodontal. É um osso esponjoso extremamente dinâmico, fazendo parte do processo
alveolar.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
30
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

FIGURA: Radiografia periapical


evidenciando a crista alveolar (CA),
porção mais coronária do osso
alveolar (OA), o qual faz parte do
processo alveolar (PA) dos ossos
maxilares e mandibulares. OB =
osso basal, que não faz parte do
osso alveolar.

Por ser extremamente dinâmico, o osso alveolar possui uma camada constante de osteoblastos na sua
face voltada para o ligamento periodontal, pois nessa região geralmente sofre as tensões provocadas por esse
ligamento. Ao mesmo tempo, o osso alveolar apresenta grande quantidade de linhas de aposição, as quais
indicam sua constante renovação.

FIGURA: Corte histológico de osso alveolar


mostrando a camada de osteoblastos constante e as
linhas de aposição (setas) (HE, 400X).

Quando as fibras principais do ligamento periodontal penentram no cemento e no osso alveolar são
denominadas de fibras de Sharpey, pois suas características mudam, com o por exemplo, tornam-se mais
resistentes.

FIGURA: Corte histológico já evidenciando anteriormente,


agora para o destaque das fibras de Sharpey (setas). O ideal
para visualizar essas fibras é utilizar as técnicas de microscopia
eletrônica.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
31
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

O cemento e o ligamento periodontal derivam diretamente do folículo dentário, o qual surge na fase de
capuz da odontogênese. Essas estruturas começam a se formar na fase de raiz, quando a bainha epitelial de
Hertwig sofre fragmentação e a dentina radicular, recém-formada, é exposta às células do folículo dentário.
Quando há essa exposição, a dentina radicular induz essas células a se transformarem em cementoblastos e
fibroblastos, respectivamente para originar o cemento e o ligamento periodontal. Assim, à medida que a raiz
cresce, suas estruturas de sustentação vão se formando, de forma a manter sempre o dente fixo ao osso
alveolar. Este, por sua vez, forma-se durante toda a odontogênese a partir do osso mandibular ou maxilar.
Conforme o dente vai crescendo e erupcionando, o osso alveolar vai se moldando.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
32
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

HISTOLOGIA DO PERIODONTO DE PROTEÇÃO

CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERIODONTO - O periodonto compreende as estruturas teciduais


responsáveis pela proteção e sustentação do dente. Juntamente com o esmalte, a dentina e a polpa, o
periodonto origina o chamado "órgão dentário". O periodonto é dividido em periodonto de inserção ou
sustentação e periodonto de proteção. Ao primeiro correspondem o cemento, o ligamento periodontal e o osso
alveolar, tecidos que promovem a inserção do dente na maxila e na mandíbula. Ao segundo corresponde o sulco
gengival e suas estruturas, destinadas à proteção do periodonto de sustentação.

FIGURA - Esquema demonstrando o FIGURA: Gengiva marginal (ao


periodonto de proteção, constituído redor do colo do dente), gengiva
pelo sulco gengival e seus epitélios, papilar ou interdentária (formando
e o periodonto de sustentação, o sulco gengival) e a gengiva
formado pelo cemento, ligamento inserida (presente recobrindo o osso
periodontal e osso alveolar. alveolar)

O periodonto de proteção é formado pela gengiva (mucosa mastigatória), a qual se divide em três
porções: gengiva marginal ou livre, gengiva papilar ou interdentária e gengiva inserida. Essa última é entendida
pelos histologistas como não fazendo parte do periodonto de proteção, sendo considerada uma mucosa
mastigatória sem uma função propriamente de proteção das estruturas de sustentação do dente.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
33
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

FIGURA: Aspecto clínico da gengiva


inserida, da gengiva marginal e da
gengiva papilar (papila
interdentária)

A gengiva inserida é paraqueratinizada e possui coloração rosa pálido. Sua superfície é irregular,
possuindo aspecto de "casca de laranja" quando observada atentamente. Já a gengiva livre ou marginal
constitui uma espécie de colar tecidual que envolve todo o colo do dente, bem no limite amelocementário.
Quando presente entre dois dentes origina a gengiva papilar, que forma a papila interdentária.
A face da gengiva marginal (ou, quando estivermos entre dois dentes, da papila dentária) voltada para o
dente constitui um sulco denominado sulco gengival. Esse sulco é composto por dois tipos de epitélio: o
epitélio do sulco e o epitélio juncional. Já a face voltada para a cavidade bucal é recoberta por epitélio da
própria gengiva marginal, ou seja, por um epitélio que caracteriza uma mucosa mastigatória, sendo retratado
como a vertente externa desse epitélio.

Esquema mostrando os diferentes epitélios que constituem o sulco gengival. A vertente externa da
gengiva marginal não faz parte do sulco gengival, sendo revestida por epitélio pavimentoso
estratificado paraqueratinizado.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
34
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

FIGURA: Corte histológico


evidenciando o sulco gengival (SG)
e seus epitélios: epitélio juncional,
mais delgado, e epitélio do sulco,
com mais camadas de células e mais
próximo da ponta da papila
interdentária. Ambos os epitélios
são pavimentosos estratificados
desprovidos de queratinização (LP
= ligamento periodontal) (HE,
100X)

Próximo à junção amelocementária, o epitélio juncional possui até três camadas de células. Em
direção coronária, esse epitélio aumenta gradualmente até tornar-se epitélio do sulco. O epitélio juncional
estabelece um mecanismo de adesão à superfície do esmalte e a outras superfícies dentárias ou de materiais
restauradores. Esse mecanismo é denominado de aderência epitelial, realizada por intermédio de proteínas
que promovem a ligação da superfície do esmalte à lâmina basal do epitélio.

Quando se utiliza o fio dental, este projeta-se para dentro do sulco gengival, retirando impurezas e
restos alimentares que porventura fiquem localizados aí. O fio dental pode eventualmente romper a aderência do
epitélio juncional, a qual imediatamente é refeita assim que retirado o fio. Essa limpeza é importante pois
assegura a integridade do epitélio juncional, o qual, com sua adesão aos tecidos dentários, protege o periodonto
de sustentação contra agressões externas.
O epitélio do sulco se estende do limite coronário do epitélio juncional até a borda mais coronária do
sulco gengival. Possui mais camadas de células do que o epitélio juncional e também não é queratinizado. Não
possui aderência com o tecido dentário, sendo preenchido por um líquido rico em células de defesa (neutrófilos e
linfócitos) e células do epitélio juncional. Esse líquido é denominado de líquido crevicular.

Papila interdentária e col

Quando entre dois dentes, a gengiva marginal origina a papila interdentária. Em uma vista mésio-distal, a
papila interdentária possui um formato em sela, formato esse denominado col. O col é estabelecido pelo ponto
ou área de contacto entre os dentes, sendo revestido por um delgado epitélio.

Fibras principais gengivais


Na lâmina própria da gengiva marginal observam-se grossos feixes de fibras colágenas, denominadas
fibras principais gengivais. Essas fibras podem ser divididas em seis grupos, de acordo com sua localização e
orientação, conforme descrição em destaque.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
35
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

FIGURA: Corte histológico


evidenciando as fibras gengivais
(FG). A seta indica vasos sangüíneos
e linfáticos que se encontram por
entre essas fibras (SG = sulco
gengival) (HE, 100X).

1) fibras dentogengivais: saem do cemento e se inserem paralelamente ao epitélio juncional em formato de


leque.
2) fibras dentoperiosteais: saem do cemento e se projectam para o osso alveolar, originando um formato
tendendo a circular.
3) fibras alveologengivais: saem da crista óssea e se projectam para a lâmina própria da gengiva marginal.
4) fibras circulares: seguem uma trajectória ao redor do dente, localizando-se inteiramente na lâmina própria
da gengiva marginal.
5) fibras interpapilares: localizam-se na papila dentária, estendendo-se da porção vestibular para a porção
palatina ou lingual.
6) fibras transeptais: saem do cemento de um dente e se inserem directamente no cemento do dente vizinho.

Origem do sulco gengival

O sulco gengival é formado durante a fase de erupção dentária, quando o dente atinge a superfície da
mucosa (fase de penetração e de erupção pré-oclusal). Nessa fase, o epitélio reduzido do órgão do esmalte
funde-se com o epitélio da mucosa oral e invagina, origina um sulco ao redor do dente. Esse sulco é então
denominado de sulco gengival.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
36
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

GLÂNDULAS SALIVARES

CARACTERÍSTICAS GERAIS - As glândulas salivares são glândulas do tipo exócrina (secretam seus produtos
para cavidades corpóreas), tubulares ou acinosas (morfologia de sua porção secretora), ramificadas (seus ductos
se ramificam) e merócrinas (secretam somente a saliva) (veja a classificação geral de glândulas).

Definição: grupo de glândulas exócrinas localizadas na região do sistema estomatognático, cujo


produto de secreção é a saliva, a qual é vertida para o interior da cavidade bucal.

Como qualquer glândula, a glândula salivar possui um parênquima (parte funcional da glândula) e um
estroma (parte de sustentação da glândula). O parênquima é formado pelas porções secretoras e condutoras
da glândula, enquanto o estroma é constituído por tecido conjuntivo (ora denso ora frouxo, dependendo do tipo
de glândula salivar) que, em geral, exibe grande quantidade de vasos sangüíneos, nervos periféricos, tecido
adiposo etc.

FIGURA: Parênquima e estroma da


glândula submandibular. O estroma
aqui está representado por uma
trave de tecido conjuntivo denso
(HE, 100X)

PARÊNQUIMA GLANDULAR

O parênquima da glândula salivar é formado essencialmente por um tecido epitelial especializado em


secreções. Esse tecido epitelial é derivado directamente do epitélio oral primitivo (o que reveste a boca primitiva
durante a formação da cavidade oral) e, possui, portanto, origem ectodérmica.

FIGURA: Boca primitiva de embrião


de rato em que se nota, derivando
do epitélio oral primitivo, células
que se unem para formar as
glândulas salivares menores (setas)
(HE, 100X).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
37
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

A unidade funcional mínima do parênquima, ou seja, o conjunto de estruturas que se repetem no


parênquima, é denominada de adenômero. O adenômero é formado por uma porção secretora e por uma
porção condutora. Vamos ver cada uma dessas porções separadamente.

Porção secretora

A porção secretora de uma glândula salivar pode ter morfologia de dois tipos: acinosa ou tubulosa. A
porção acinosa secreta saliva de constituição serosa, ou seja, rica em proteínas; já a porção tubulosa secreta
saliva rica em carbohidratos, denominada, portanto, de mucosa. Assim, costuma-se dizer que a glândula salivar
pode possuir ou ácinos serosos ou túbulos mucosos, dependendo da morfologia de sua porção secretora e
da constituição da saliva que produz. O reconhecimento, ao exame histológico, de cada uma dessas porções
secretoras é feito principalmente pela coloração (os ácinos serosos são intensamente eosinofílicos, ou seja,
róseos, e os túbulos mucosos, rosa bem pálido) e pela morfologia.

À esquerda, um exemplo de ácino seroso e, à direita, um túbulo


mucoso (HE, 400X).

Os ácinos serosos são formados por células piramidais que exibem um arranjo tendendo a esférico. No
centro desse arranjo, existe um pequeno canal ou ducto, o qual recebe a secreção produzida pelas células ao
seu redor. Esse pequeno canal (imperceptível, muitas vezes, nos cortes histológicos) está diretamente ligado à
porção condutora da glândula.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
38
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Já os túbulos mucosos são formados também por células piramidais, porém estas exibem agora um
arranjo tubular, exibindo no centro também um canal ou ducto para receber o produto de secreção.

Para facilitar a condução da saliva da porção secretora até o início da porção condutora, existem, por
entre os ácinos serosos e os túbulos mucosos, células contráteis denominadas células mioepiteliais. Essas
células "abraçam" as células da porção secretora e, ao receberem um estímulo nervoso, contraem-se
comprimindo, com isso, o citoplasma das células produtoras de saliva. Com isso, a saliva é eliminada facilmente
para os ductos de condução. A célula mioepitelial é difícil de ser visualizadas nos cortes histológicos de rotina.

Porção condutora

Se a função da porção secretora é produzir e secretar salivar, a função da porção condutora é conduzir
essa saliva até a cavidade bucal. Por ser uma glândula ramificada, os ductos das glândulas salivares possuem
diversos calibres, os quais aumentam conforme há uma aproximação da cavidade bucal. Assim, é possível
distinguir três tipos de ductos:

1. Ducto intercalar

É o ducto de menor calibre observado na glândula. Possui uma parede composta por células epiteliais
cúbicas e está diretamente conectado às porções secretoras das glândulas. Pesquisas recentes têm demonstrado
que, além de conduzir a saliva, os ductos intercalares parecem produzir substâncias que contribuem para a
formação da saliva.

FIGURA: Ductos intercalares


observados em corte
transversal (HE, 400X).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
39
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

2. Ducto estriado

O ducto estriado continua-se com o intercalar, possuindo calibre médio. Possui esse nome por ser
possível observar, no citoplasma das células epiteliais que compõem sua parede, várias estriações. Essas
estriações constituem invaginações da membrana plasmática, as quais são observadas nos cortes histológicos de
rotina.

FIGURA: Ductos estriados


observados em corte transversal. As
setas apontam as estriações
evidentes nesse ducto (HE, 400X).

3. Ducto excretor

Os ductos excretores são os mais calibrosos da porção condutora das glândulas salivares, sendo uma
continuação dos ductos estriados. Esses ductos abrem-se diretamente na cavidade bucal. Possuem luz ampla e
estão revestidos por células colunares altas em uma arranjo pseudoestratificado.

FIGURA: Ductos excretores, alguns


exibindo produto de secreção em
seu interior (HE, 100X).

Ao se observarem os ductos nos cortes histológicos, estes podem estar em corte transversal ou
longitudinal. Nos cortes longitudinais, é possível se ter uma idéia dessas ramificações sofridas pelos ductos
conforme há o aumento de calibre.

À esquerda, ducto em corte longitudinal, em que se observam as ramificações; à direita, ducto em


corte em transversal (HE, 100X e 400X).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
40
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

TECIDOS GLANDULARES

Este capítulo direciona-se a abordar os tecidos glandulares, com ênfase em sua morfologia e função.
Princípios explicitados nos textos sobre epitélios em geral e tecido conjuntivo são aqui retomados.

CARACTERÍSTICAS GERAIS- O tecido glandular é formado por um epitélio especializado em secreções, na


condução desses produtos (compondo a porção parenquimatosa ou funcional da glândula) e por um tecido
conjuntivo que sustenta esse epitélio (denominado de estroma ou parte de sustentação da glândula).

Glândula salivar em que se nota o


epitélio de secreção (s) e o epitélio
de condução (c) sustentados por um
estroma (e) (HE, 400X).

TIPOS DE SECREÇÃO

As secreções produzidas pelos epitélios glandulares podem ser formadas predominantemente por
proteínas, por lipídios ou por carboidratos juntamente com proteínas. Existem glândulas ainda que secretam uma
mistura desses componentes, como é o caso da glândula mamária.

Tireóide, um exemplo de Glândula sudorípara, um


glândula com secreção exemplo de glândula com
predominantemente secreção
protéica, no caso o predominantemente
hormônio tireoidiano (HE, lipídica (HE, 400X).
100X).

Glândula submandibular, um exemplo de


glândula com secreção predominantemente
protéica juntamente com carbohidratos
(HE, 400X)

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
41
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

As secreções produzidas pelos epitélios glandulares ficam temporariamente arquivadas no citoplasma das
células sob a forma de vesículas. No momento da secreção, essas vesículas se fundem à membrana plasmática,
liberando o produto para o meio extracelular.

As células dos epitélios glandulares são, em geral, polarizadas, isto é, apresentam duas
extremidades bastantes nítidas: um pólo basal, próximo à região de contato com a lâmina basal,
e um pólo apical, que se encontra em direção oposta ao basal. Em geral, nas glândulas a
secreção é feita pelo pólo apical.

A liberação do produto de secreção, o qual é armazenado temporariamente em vesículas (bolinhas


amarelas no desenho) dentro do citoplasma celular, é feita mediante estímulo de terminações
nervosas próximas às células glandulares. Quando isso ocorre, as vesículas se fundem à membrana
plasmática, rompem-se e liberam o produto de secreção para o meio extracelular (esse processo é
denominado de pinocitose). Geralmente essa liberação é feita no pólo apical da célula, porção do
citoplasma distante do pólo basal, o que fica apoiado na lâmina basal.

CLASSIFICAÇÃO

Os epitélios glandulares podem ser classificados de acordo com:


a) o número de células que os compõe;
b) o destino da secreção produzida;
c) a maneira como ocorre essa secreção;
d) a morfologia da porção funcional ou parenquimatosa da glândula.

De acordo com o número de células

As glândulas, quando formadas por uma única célula, são ditas unicelulares. Um exemplo clássico de
uma glândula unicelular são as células caliciformes, encontradas, por exemplo, na traquéia e na mucosa
intestinal.
A maioria das glândulas do corpo humano são pluricelulares, isto é, são formadas por mais de uma
célula, as quais se arranjam de diferentes maneiras.

Célula Glândulas
caliciforme da presentes no
traquéia (seta), esôfago,
um exemplo de formadas por
glândula várias células
unicelular (HE, (pluricelulares)
400X). (HE, 400X).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
42
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

De acordo com o destino da secreção

Se a secreção ultrapassar o tecido epitelial e atingir o interior de cavidades ou mesmo o meio exterior ao
corpo, diz-se que a glândula que a produziu é exócrina. Exemplos são o produto de secreção da da célula
caliciforme da traquéia (que penetra nas vias aéreas) ou a saliva, secreção produzida pelas glândulas salivares
localizadas na cavidade bucal.
Para atingir cavidades ou o meio extracorpóreo, a secreção é conduzida por um sistema de ductos.
Nesses casos, a glândula possui uma porção secretora (na qual se forma a secreção) e uma porção condutora
(formada pelos ductos).
Além das glândulas exócrinas, existem também as glândulas endócrinas, cuja secreção é lançada para
o meio extracelular e cai directamente na corrente sanguínea, sem a presença de ductos.

As glândulas sebáceas (GS) A tireóide é um exemplo de


(localizadas na pele) também glândula endócrina: seu
são um exemplo de glândula produto de secreção (CG),
exócrina, pois seu produto de denominado colóide, cai
secreção atinge o meio directamente na corrente
externo ao corpo. sangüínea. EG = epitélio da
glândula (HE, 400X).

Porção condutora (c), formada


por ductos, e secretora
(formada por túbulos) da
glândula salivar (HE, 400X).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
43
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

De acordo com a saída da secreção


As glândulas nas quais há somente liberação do produto de secreção são denominadas merócrinas.
Aquelas em que, no momento da secreção, há liberação da unidade celular como um todo (esta leva consigo o
produto de secreção) são chamadas de holócrinas. Por fim, as glândulas em que ocorre liberação do produto
de secreção juntamente com parte do citoplasma celular são denominadas de apócrinas.

A glândula salivar é um As glândulas sudoríparas são A glândula sebácea (GS) é um


exemplo de glândula um exemplo de glândulas exemplo de glândula holócrina
merócrina (HE, 400X). apócrinas (HE, 400X). (HE, 400X).

De acordo com a morfologia da porção parenquimatosa


A porção parenquimatosa da glândula, isto é, aquela que forma a secreção e a conduz, pode apresentar
diferentes formas. As formas da porção secretora podem ser:

a) cordonal: comum nas glândulas endócrinas. Nesse formato, as células se dispõem como
cordões entremeados por capilares. Ex.: glândula adrenal, hipófise etc.

b) vesicular: também comum nas glândulas endócrinas. Formam-se vesículas e, no meio delas,
existe um espaço no qual é secretado o produto glandular.

c) acinosa: comum nas glândulas exócrinas. As células possuem formato piramidal e seu
produto de secreção é lançado no centro do ácino. Desse centro, a secreção imediatamente
cai em um ducto e é conduzida.

d) tubulosa: as células são mais globosas e se arranjam formando túbulos (pequenos tubos),
em cujo centro é secretado o produto glandular. Nesse centro, tal qual acontece na acinosa,
também existe um ducto adjacente para recolher e conduzir a secreção. A glândula tubulosa
também é do tipo exócrina.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
44
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Quando as porções secretoras se subdividem, as glândulas são denominadas de ramificadas.


Podem existir associações entre as formas, como é o caso das glândulas tubuloacinosas.

As formas da porção condutoras (dos ductos) dizem respeito à subdivisão ou não dos ductos. As
glândulas cujos ductos não se subdividem são denominadas de simples. Já as que se subdividem recebem o
nome de ramificadas.

A glândula salivar é ramificada, isto


é, seus ductos se subdividem em
várias porções, determinando
calibres variados.

CLASSIFICAÇÃO

As glândulas salivares são divididas, segundo sua função e região anatómica, em maiores ou menores.
As glândulas salivares maiores estão localizadas fora da cavidade bucal propriamente dita e são responsáveis por
boa parte da produção de saliva. Já as glândulas salivares menores localizam-se espalhadas em grande número
no interior da cavidade bucal. Vamos ver cada um desses tipos em detalhes.

Glândulas salivares maiores

São três as glândulas salivares maiores humanas: parótida, submandibular e sublingual. Cada uma delas
aparece aos pares e possui características anatómicas e funcionais particulares. Por serem glândulas com
estroma bastante desenvolvido, seus adênomeros são agrupados em lóbulos e estes, por sua vez, em lobos, os
quais encontram-se circunscritos por uma cápsula.

FIGURA: Exemplo da organização


tecidual das glândulas salivares. Os
adenômeros agrupam-se e formam
lóbulos; os lóbulos agrupam-se e
formam lobos, numerados de 1 a 3
na imagem acima (Parótida, HE,
40X).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
45
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

1. Parótida

As parótidas localizam-se na porção anterior do meato auditivo externo, na altura do ramo da mandíbula.
São glândulas serosas, isto é, secretam saliva do tipo seroso e são formadas por ácinos serosos. Seus canais
excretores abrem-se na cavidade bucal na altura dos segundos molares superiores, onde se localiza um ducto
denominado ducto de Stenon. Possuem estroma que exibe, em geral, grande quantidade de tecido adiposo e
folículos linfóides.

2. Sublingual

As glândulas sublinguais localizam-se no assoalho bucal e constituem um conjunto de pequenas


glândulas independentes, não estando agrupadas por uma cápsula, como acontece com a parótida e
submandibular. Seus ductos excretores são vários e abrem-se na região do assoalho bucal. Esses ductos são
denominados de ductos de Bartholin. Possuem secreção predominantemente mucosa (glândulas mucosas),
apesar de possuírem algumas células serosas ao redor dos túbulos mucosos.

Glândula sublingual, exibindo inúmeros túbulos mucosos. À esquerda vemos em detalhes esses
túbulos, os quais estão rodeados por células com formato de semilua, que secretam saliva serosa
(são denominadas semiluas serosas) (HE, 40X e 400X).

3. Glândula submandibular

Localizam-se também no assoalho bucal, na altura do ângulo da mandíbula. Possuem secreção mista (glândulas
mistas) por produzirem saliva serosa e mucosa. Por causa disso, apresentam tanto ácinos serosos quanto túbulos
mucosos. Seus ductos excretores abrem-se na cavidade bucal na altura do freio lingual, às vezes coincidindo com
os ductos de Bartholin da glândula sublingual. Esse ducto é denominado de ducto de Wharton.

Glândula submandibular, exibindo ácinos serosos e túbulos mucosos (HE, 100X e 400X)

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
46
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Glândulas salivares menores

As glândulas salivares menores localizam-se abaixo da mucosa, ou seja, na região da submucosa. Seus
ductos atravessam a mucosa e desembocam na cavidade bucal, ultrapassando o tecido conjuntivo (que compõe
a lâmina própria) e o epitélio a mucosa.

FIGURA: As glândulas salivares


menores (GS) localizam-se na
submucosa e seus ductos invadem a
lâmina própria da mucosa até
atingirem o epitélio (seta) para
secretar a saliva na cavidade bucal
(HE, 25X).

Com exceção do palato duro e da gengiva, as glândulas salivares menores são encontradas em todas as
regiões anatômicas da cavidade bucal, principalmente naquelas que contém mucosa de revestimento. A maioria
delas é do tipo túbulo mucosa, produzindo, portanto, secreção mucosa.

FIGURA: Glândula salivar menor,


com túbulos mucosos (HE, 400X).

Há somente uma glândula salivar menor que possui secreção serosa. Ela está localizada abaixo das
papilas valadas da língua, sendo denominada de glândulas salivares de von Ebner.

Glândulas salivares de von Ebner, localizadas abaixo das papilas valadas. Essas glândulas
são as únicas salivares menores que produzem secreção serosa (HE, 25X e 400X).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
47
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Existem situações patológicas que levam à ausência de produção de saliva, condição denominada
xerostomia. Esse quadro é observado principalmente quando há comprometimento direto das glândulas salivares
maiores. Nesse caso, a terapia recomendada é a inserção de saliva artificial na cavidade bucal, para garantir as
funções de lubrificação, digestão e defesa local próprias da saliva.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
48
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
49
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

ODONTOGÊNESE
Parte I – Lâmina dentária ( HE, 25X).
Como se forma a lamina dentaria?
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________ 1 – Cavidade nasal. 2 –
_______________________________________________ Língua. 3 – Boca primitiva.

Parte II – Fase de botão (HE, 400X). Na figura abaixo, está retratada a fase de botão em seus estágios iniciais.
Insira nas setas os nomes das estruturas visíveis nesse momento da odontogênese.
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

Parte III – Fase de capuz (HE, 25X). Com base nos círculos da figura abaixo, desenhe ao lado, no aumento de
400X, a fase de capuz, apontando suas estruturas (epitélio interno, epitélio externo, retículo estrelado, lâmina
dentária e papila dentária).

400X

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
50
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Parte IV – Fase de campânula tardia (HE, 25X). Na figura abaixo, está retratada a fase de campânula tardia,
em que o germe dentário já está pronto para receber as matrizes de esmalte e dentina. Indique as estruturas
dentarias que serão originadas dos tecidos do germe dentário nessa fase.

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
51
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

FASE DE RAIZ E ERUPÇÃO DENTAL

Parte I - Fase de raiz (Dente de rato, HE, 25X). Com base na observação do dente abaixo, desenhe a fase de
raiz, no aumento de 100X, indicando bainha epitelial de Hertwig, diafragma epitelial, odontoblastos, dentina
radicular e ligamento periodontal.

100X
Fase de
_________________________________

Parte II – Erupção dental (Dente de rato, HE, 25X). As figuras abaixo contêm dois momentos distintos da
erupção dental. Identifique nas linhas abaixo de cada uma das figuras a fase da erupção dental em que se
encontram os dentes. Depois, puxe setas indicando epitélio reduzido do órgão do esmalte, fase de coroa, fase
de raiz, mucosa bucal, dentina da coroa, dentina da raiz, ápice radicular, diafragma epitelial, periodonto, polpa,
odontoblastos.

Fase de Fase de
_________________________________ _________________________________

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
52
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

HISTOLOGIA DA MUCOSA ORAL

Parte I – Mucosa de revestimento (Lábio, HE, 40X). Nessa lâmina, o objetivo é observar a transição da pele
(epitélio pavimentoso estratificado queratinizado) para o vermelhão do lábio (epitélio pavimentoso estratificado).
Desenhe, no aumento de 400X, essa transição, apontando onde é a pele e onde é o vermelhão. Além do
epitélio, qual outra diferença morfológica existente entre a pele e o vermelhão do lábio?

__________________________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________

400 X

Parte II – Mucosa especializada (Língua, HE, 40X). Com base na figura abaixo, desenhe uma papila
fungiforme e uma filiforme (aumento de 400X).

400x

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
53
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

GLÂNDULAS SALIVARES

Parte I – Glândula salivar maior. Parótida (Parótida, HE, 40X). Com base na figura abaixo, desenhe, no
aumento de 400X, os ácinos glandulares, indicando o tipo de secreção realizado por essa glândula.

400 X

Tipo de
secreção__________________

Parte II – Glândula salivar maior. Sublingual (Sublingual, HE, 40X). Desenhe, no aumento de 400X, a porção
secretora da glândula sublingual juntamente com um ducto. Indique, embaixo, o tipo de secreção dessa
glândula.

400 X

Tipo de
secreção__________________

D - ducto.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
54
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Parte III - Glândula


submandibular (HE,
400X). Vemos nesse
aumento o parênquima da
glândula em detalhes. A
glândula submandibular
contém estruturas de
secreção serosa (PS) e
mucosa (PM). Por isso, seu
tipo de secreção é:

Tipo de
secreção______________

Observe também os ductos


(D), presentes juntamente
com a porção secretora da
glândula.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
55
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

HISTOLOGIA DO ESMALTE

Parte I - Histologia do esmalte (Dente desgastado, 40X). Antes de iniciar os desenhos propriamente ditos das
estruturas do esmalte, faça um esquema geral da lâmina, indicando as estruturas dentárias evidentes e as
partes do dente (coroa e raiz, dentina, esmalte e polpa).

Parte II – Histologia do esmalte (Dente desgastado, 40X). Observe a lâmina e desenhe, no aumento de
100X, a lamela e as estrias de Retzius. Procure identificar também, desenhando no aumento de 100X, os fusos
e o limite amelodentinário.

100X (lamela e estrias de Retzius)

100X (limite amelodentinário, tufos e fusos)

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
56
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

COMPLEXO DENTINO-PULPAR

Parte I – Dentinogênese e Pulpogênese (Odontogênese - Fase de raiz, 40X). Focalize o dente erupcionado e
analise o complexo dentino-pulpar. No aumento de 400X, desenhe a dentina, a pré-dentina com os
prolongamentos dos odontoblastos e a camada de odontoblastos. No aumento de 100X, desenhe a polpa,
principalmente sua região central, indicando seus constituintes.

400X (dentina, pré-dentina e odontoblastos)

D = dentina; PD = pré-dentina; O = odontoblastos;


P = Polpa
100X (polpa)

Parte II - Histologia da dentina (Dente desgastado, 40X). Observe, no aumento de 100X, o tecido dentinário
com suas características: dentina interglobular (próxima ao limite amelodentinário) e camada granulosa de
Tomes (próxima ao limite dentinocementário).

Esmalte (tecido amarelado) e


Camada Granulosa de Tomes (ZGT)
dentina (tecido acinzentado) Dentina interglobular (setas)

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
57
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

PERIODONTO DE PROTEÇÃO

Parte I – Periodonto de proteção (Dentina / Polpa/ Periodonto, HE, 25X). Desenhar, no aumento de 100X, a
região do sulco gengival, apontando o epitélio do sulco, o epitélio juncional, o epitélio da gengiva, e as fibras
gengivais.

100X

LP - ligamento periodontal; SG - sulco gengival.

Descrever o epitélio de cada uma das vertentes da papila gengival.

a) epitélio da gengiva
vertente externa:

a) epitélio juncional

b) epitélio do sulco
vertente interna:

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
58
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO

Parte I – Cemento (Dentina / Polpa / Periodonto, HE, 25X). Desenhar, no aumento de 400X, uma porção do
cemento acelular (observar o terço cervical) e uma porção do cemento celular (observar os terços médio e
apical). Em uma dessas porções, tente localizar os restos epiteliais de Malassez, desenhando-o também. Não
esqueça de incluir parte do ligamento periodontal e da dentina no seu desenho.

400X (cemento acelular)

400X (cemento celular)

Parte II - Osso alveolar e ligamento periodontal (Dentina / Polpa / Periodonto, HE, 100X e 400X). Observar
o osso alveolar, tentando identificar a camada de osteoblastos voltada para o ligamento periodontal, o que indica
a constante remodelação desse osso em função da atividade do ligamento periodontal. A presença dessa
camada de osteoblastos indica ser esse osso extremamente dinâmico.

V - vaso sanguíneo no LP - ligamento Setas - osteoblastos; LP - ligamento


periodontal. periodontal; Cabeça de seta - osteócitos.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
59
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
60
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
61
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
62
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
63
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
64
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
65
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
66
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
67
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
68
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

CARACTERISTICAS

GERAIS DE TODOS

OS DENTES

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
69
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Características Gerais de Todos os Incisivos (Traços de Classe)

A - Os formatos das coroas são triangulares;

B - As coroas afilam-se das áreas de contacto para as linhas cervicais (vistas faciais).

C - Os contornos da coroa no lado distal são mais convexos no lado mesial (vistas faciais)
excepto nos incisivos centrais mandibulares
D - Os ângulos mésio-incisais são mais quadrados (ou agudos) do que os ângulos disto-
incisais que são mais obtusos.
E - As áreas de contacto mesial estão no terço incisal; as áreas de contacto distal estão mais
cervicais (vista facial) excepto nos incisivos mandibulares centrais onde os contactos mesial e
distal estão na mesma altura devido à sua simetria (vistas faciais).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
70
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

F - As raízes afilam-se da linha cervical em direcção ao ápice (vistas facial e proximal) e a


partir do lado facial em direcção ao lingual (melhor visto em um dente real ou em um modelo).
G - As raízes são mais largas faciolingualmente do que mesiodistalmente (comparando a
vista proximal com a facial) EXCE TO os incisivos maxilares centrais onde as dimensões são
aproximadamente iguais.
H - Quando inclinadas, as raízes frequentemente se inclinam para o lado distal no terço
apical (vistas faciais).
I - As raízes são ligeira a consideravelmente mais longas do que as coroas

J - As coroas afilam-se das áreas de contacto próximal em direcção ao lado lingual

K - As cristas marginais mesial e distal convergem em direcção ao cíngulo lingual (vistas


lingual e incisal).
L - As linhas cervicais nas faces vestibulares (e linguais) são convexas (curvas) em direcção
ao ápice (vistas facial e lingual).
M - Os contornos proximais são cuneiformes (vistas proximais).

N - As cristas das curvaturas lingual e facial estão no terço cervical (vistas proximais).

O - As linhas cervicais proximais são convexas (curvas) em direcção ao lado incisal E mais
no lado mesial do a nas faces distais (compare a vista distal com a mesial).
P - Os contornos linguais são em forma de “S” com uma fossa lingual côncava e um cíngulo
convexo, com o contorno lingual das cristas marginais mais vertical do que horizontal (vistas
proximais).
Q - As margens incisais terminam mesial e distalmente na parte mais larga da coroa dental
(vistas incisais).
R - Os contornos faciais são menos convexos (mais largos) do que os contornos linguais
(vistas incisais).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
71
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Troços de Tipo que Distinguem o Incisivo Maxilar Central do Incisivo Maxilar


Lateral

A - Embora ambos tenham dimensão cérvico-incisal maior do que a mésio-distal, os incisivos


centrais maxilares são quase quadrados. Os incisivos laterais são mais oblongos
cervicoincisalmente (vistas faciais).
B - Em ambos os incisivos maxilares, os ângulos mésio-incisais estão próximos de 9oº; os
ângulos disto-incisais são mais arredondados (vistas faciais), mas ambos os ângulos são
mais arredondados nos incisivos laterais em contraste com os incisivos centrais (vistas
faciais).
C - Margens incisais inclinam-se cervicalmente em direcção ao lado distal (vistas faciais);
mais nos incisivos laterais (vistas faciais).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
72
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

D - As raízes dos incisivos maxilares centrais têm coroas e raízes com quase a mesma
extensão. Os incisivos laterais têm proporcionalmente raízes mais longas em relação às
coroas (vistas faciais).
E - Quando as margens incisais estão alinhadas horizontalmente, os cíngulos dos incisivos
centrais maxilares estão fora de centro com as margens distais, em contraste com os
cíngulos dos incisivos laterais que são centralizados (vistas incisais).
F - As cristas marginais mesiais são mais longas do que as cristas marginais distais (nos
incisivos centrais devido ao cíngulo deslocado distalmente, e nos incisivos laterais devido à
inclinação cervical da margem incisal para o lado distal) (vistas linguais).
G - A partir da vista incisal, quando a crista da curvatura do cíngulo está posicionada
directamente para baixo, a margem incisal dos incisivos maxilares centrais tem uma ligeira
torção disto-lingual com o canto disto-incisai mais lingual do que o canto mésio-incisal. As
cristas do incisivo lateral correm mesiodistalmente sem torção (vistas incisal e mesial).
H - As dimensões mésio-distais nos incisivos centrais são consideravelmente mais largas do
que as dimensões fácio-linguais (com formato rectangular). Nos incisivos laterais estas
dimensões são aproximadamente mais iguais (mais próximas de um quadrado) (vistas
incisais).
Troços de Tipo que Distinguem o Incisivo Mandibular Central do Incisivo Mandibular Lateral
Os incisivos mandibulares centrais são muito simétricos em contraste com os incisivos
laterais que não são. Exemplos de assimetria nos incisivos laterais incluem o seguinte:
I - Incisivos laterais têm as áreas de contacto distal mais apicais do que as áreas de contacto
mesial. As áreas de contacto do incisivo central estão no mesmo nível (vistas faciais).
J - Os incisivos laterais têm os ângulos disto-incisais mais arredondados do que os ângulos
mésio-incisais. Nos incisivos centrais os ângulos mésio e disto-incisais são muito
semelhantes (vistas faciais).
K - As margens incisais dos incisivos laterais têm uma ligeira torção disto-lingual (em relação
a uma linha que divide o cíngulo). Os incisivos centrais têm suas margens incisais em
ângulos rectos (sem torção) com esta linha de divisão (vistas incisais).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
73
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

L - A coroa do incisivo mandibular lateral se inclina ligeiramente para o lado distal em relação
à raiz (vistas faciais).
Troços de Arco que Distinguem Incisivos Maxilares de Mandibulares
M - As fossas linguais são mais acentuadas nos incisivos maxilares (frequentemente com
uma depressão lingual, especialmente no incisivo maxilar lateral). Os incisivos mandibulares
têm uma anatomia lingual mais uniforme, sem sulcos e depressões (vistas linguais).

N - Os incisivos maxilares têm raízes que são mais arredondadas no corte transversal. Os
incisivos mandibulares têm raízes que são mais parecidas com fitas (i.e., são mais finas
mesiodistalmente e muito mais largas faciolingualmente). Compare as vistas proximais com
as vistas faciais.
O - As margens incisais dos incisivos maxilares são labiais à linha do eixo da raiz. As
margens incisais dos mandibulares são linguais à linha do eixo da raiz (vistas proximais).
P - As coroas dos mandibulares são menores e mais estreitas mesiodistalmente em relação
ao comprimento, em contraste com os incisivos maxilares que são mais largos (vistas faciais).
Q - As coroas dos mandibulares têm contornos mesial e distalmente que são mais achatados
do que nos incisivos maxilares (vistas faciais).
R - (comparado com i). Os pontos de contacto próximal (cristas da curvatura) estão mais
próximos da margem incisal nos incisivos mandibulares (i) do que nos incisivos maxilares (r)
(embora todos os pontos de contacto próximal estejam no terço incisal das coroas) (vistas
faciais).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
74
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Características Gerais de Todos os Caninos (Traços de Classe)

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
75
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

A - As coroas são em forma pentagonal (vistas faciais).

B - As cúspides têm cristas mesiais mais curtas do que as cristas distais (vistas faciais).

C - As cristas labiais verticais são proeminentes (mais nos caninos maxilares) (vistas faciais).

D - As coroas são mais largas faciolingualmente do que mesiodistalmente (semelhante aos


incisivos mandibulares) (vistas incisais).
Características Caninas Gerais Semelhantes aos Incisivos
E - As coroas afilam-se das áreas de contacto para a linha cervical (vistas faciais).

F - Os contornos da coroa são mais convexos no lado distal e mais achatados no lado mesial
(vistas faciais).
G - As áreas de contacto mesial estão localizadas no terço incisal da coroa; as áreas de
contacto distal são mais cervicalmente posicionadas (vistas faciais).
H - As raízes afilam-se da linha cervical em direcção ao ápice (vistas faciais e proximais), e
de facial para lingual (que é mais bem visto em um dente ou modelo real).
I - As raízes são mais largas faciolingualmente do que mesiodistalmente (compare as vistas
proximais com as faciais).
J - Quando inclinadas, as raízes mais frequentemente se inclinam em direcção ao lado distal
no terço apical (vistas faciais).
K - As raízes são consideravelmente mais longas do que as coroas (vistas faciais).

L - As coroas diminuem a partir dos contactos proximais em direcção aos linguais (vistas
incisais), de modo que as cristas marginais mesial e distal convergem em direcção ao cíngulo
(Vistas incisais).
M - As linhas cervicais nas faces vestibular (e lingual) são convexas (curvas) em direcção ao
ápice (vistas faciais e linguais).
N - As linhas cervicais proximais são convexas (curvas) em direcção à face incisal, mais na
face mesial do que na face distal (vistas proximais).
O - Os caninos (como os incisivos) são cuneiformes quando vistos a partir da vista proximal.

P - As cristas das curvaturas vestibular e lingual estão no terço cervical (vistas proximais).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
76
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Q - Os contornos linguais são em forma de “S” com uma fossa lingual côncava e um cíngulo
convexo; as cristas marginais são orientadas mais vertical do que horizontalmente (vistas
proximais).
R - As margens incisais correm das áreas de contacto mesial para as distais (vistas incisais).

S - Os contornos faciais são menos convexos (mais largos) do que os contornos linguais
(vistas incisais).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
77
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
78
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Traços de Tipo < de Arco) que Distinguem Canino Maxilar do Canino Mandibular

A - Ambas as coroas dos caninos maxilar e mandibular são oblongas com a dimensão mésio-
distal menor do que a dimensão inciso-cervical, mas a dimensão mésio-distal dos caninos
mandibulares é mais estreita do que nos caninos maxilares (vistas faciais).
B - Os caninos maxilares têm os contornos da coroa mesial variando de convexo a achatado
cervicalmente, em contraste com os caninos mandibulares que têm contornos da coroa
mesial mais alinhados com o contorno da raiz (vistas faciais).
C - Os ângulos das inclinações da cúspide para os caninos maxilares são mais agudos e
medem aproximadamente lO5 em contraste com o ngu1o mais largo no canino mandibular
que mede, em média, 12O (vistas faciais).
D - As cristas linguais, com fossas mesial e distal, são menos proeminentes nos caninos
mandibulares do que nos caninos maxilares (vistas linguais).
E - Os cíngulos nos caninos maxilares são grandes e centralizados mesiodistalmente. Nos
caninos mandibulares eles são muitas vezes ligeiramente distais (vistas incisais).
F - As cristas incisais nos caninos maxilares são mais rectas mesiodistalmente. Nos caninos
mandibulares a crista da cúspide distal se inclina disto-lingualmente (vistas incisais).
G - A metade distal da coroa dos caninos maxilares é comprimida (apertada)
faciolingualmente mais do que nos caninos mandibulares (vistas incisais).
H - A extremidade da cúspide do canino maxilar está na face labial ou labial à linha do eixo
da raiz enquanto a extremidade da cúspide do mandibular é lingual a esta linha (vistas
proximal e incisal).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
79
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Características Gerais de Todos os Pré-molores (Traços de Classe)

A - As cristas bucais estão presentes (semelhantes às cristas labiais dos caninos) (vistas
facial e oclusal).
B - Normalmente os pré-molares possuem duas cúspides: uma cúspide bucal e uma lingual
(EXCEÇÃO é o segundo pré-molar mandibular que frequentemente possui duas cúspides
linguais) (vistas proximais).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
80
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

C - As cristas marginais estão relativamente alinhadas horizontalmente (excepto nos


primeiros pré-molares mandibulares onde a crista marginal mesial está mais próxima de um
ângulo de 45 da horizontal) (vistas proximais).
D - As cristas das curvaturas bucal e lingual são mais oclusais do que nos dentes anteriores
(ainda no terço cervical na face labial, mas no terço médio na face lingual) (vistas proximais).
E - As áreas de contacto proximal, próximas da junção dos terços oclusal e médio, e as áreas
de contacto dista] são frequentemente te mais ligeiramente cervicais no terço médio (excepto
no primeiro pré-molar mandibular onde a área de contacto mesial é mais cervical do que sua
área de contacto distal) (Vistas faciais).
F - Áreas de contacto próximal a partir da vista oclusal são bucais ao centro faciolingualmente
(vistas oclusais).
G - A partir da face vestibular, os pré-molares têm o formato irregular de um pentágono
(semelhante aos caninos) (Vistas faciais).
H - A extremidade da cúspide bucal é mesial ao eixo do meio da raiz (excepto no primeiro
pré-molar maxilar onde a extremidade da cúspide é distal ao eixo do meio da raiz) (vistas
faciais).
I - A crista mesial da cúspide bucal é mais curta do que a crista da cúspide distal (excepto no
primeiro pré-molar maxilar onde a crista mesial é mais longa) (vistas faciais).
J - As cristas marginais mesiais geralmente são mais oclusais do que as cristas marginais
distais que são mais cervicais, excepto nos primeiros pré-molares mandibulares onde as
cristas marginais distais estão em uma posição mais oclusal (com pare ambas as vistas
proximais).
K - As coroas são oblongas a partir da vista oclusal: mais largas faciolingualmente do que
mesiodistalmente em relação aos dentes anteriores. (Os pré-molares maxilares são
decididamente oblongos, enquanto que os pré-molares mandibulares estão mais próximos do
formato quadrado.) (vistas oclusais).
L - As inclinações da cúspide e as cristas marginais formam o limite da face oclusal (vistas
oclusais).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
81
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

M - As comas diminuem a partir das áreas de contacto próximal em direcção à face cervical
(vistas faciais).
N - As linhas cervicais são convexas, curvando-se apicalmente nos lados facial e lingual
(vistas facial e lingual).
O - As linhas cervicais se curvam oclusalmente nos lados proximais. com a linha cervical
mesial mais convexa do que a distal (vistas proximais).
P - O terço apical das raízes se inclina distalmente mais do que mesialmente (vistas faciais).

Q - As raízes afilam-se em direcção ao ápice (ambas as vistas proximal e facial).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
82
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Distinguem Pré-molares Maxilares de Mandibulares

A - As coroas dos p mandibulares inclinam-se para o lado lingual de modo que as


extremidades da c lingual dos mandibulares pode ser lingual à raiz (vistas proximais).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
83
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

B - O contorno dos pré-malares mandibulares tem o formato rombóide, e os pré-malares


maxilares são trapezoidais (vistas proximais).
C - (comparado com p). Embora as cúspides linguais sejam mais curtas do que as cúspides
bucais para todos os pré-molares, as cúspides linguais dos mandibulares são relativamente
muito mais curtas do que as cúspides bucais (p) comparadas com as cúspides linguais dos
maxilares que estão mais próximas do mesmo comprimento (c) (as cúspides dos segundos
pré-molares maxilares são quase do mesmo comprimento) (vistas proximais).
D - Os pré-malares mandibulares são mais quadrados a partir da vista oclusal; os pré-
molares maxilares são mais rectangulares (relativamente mais largos bucolingualmente)
(vistas oclusais).
Traços de Tipo que Distinguem o Primeiro Pré-motor Maxilar do Segundo
E - As cúspides bucais dos primeiros pré-molares maxilares são inclinadas mais para o lado
distal com as inclinações da cúspide mesial mais longas do que as inclinações da cúspide
distal. (ESTES SAO OS UNICOS PRE-MOLARES COM ESTAS CARACTERÍSTICAS) (vistas
facial e oclusal).
F - As cúspides bucais dos primeiros pré-malares maxilares não são agudas (média: 105°)
em contraste com os segundos pré molares onde elas são mais obtusas (120°) (vistas
faciais).
G - As cristas bucais são mais proeminentes nos primeiros pré-molares maxilares (vistas
oclusal e facial).
H - Os primeiros pré-molares maxilares normalmente têm uma raiz dividida em contraste com
os segundos pré-molares que normalmente têm uma raiz (vistas proximais).
I - Os pré-molares maxilares têm suas cúspides linguais inclinadas (curvadas) em direcção
ao lado mesial (vistas lingual e oclusal).
J - Ambos os pré-molares maxilares têm depressões na raiz mesial e distal, mas apenas os
primeiros pré-molares maxilares exibem uma concavidade na coroa mesial (vistas mesiais).
K - Os sulcos da crista marginal mesial estão quase sempre presentes nos primeiros pré-
molares maxilares e são menos comuns nos segundos pré-molares (vistas oclusais).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
84
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

L - Os sulcos centrais de desenvolvimento nos primeiros pré-molares maxilares são mais


longos (da depressão mesial para a distal) do que aqueles dos segundos pré-molares onde
eles são apenas um terço ou menos da dimensão mésio-distal (vistas oclusais).

M - Os contornos oclusais dos primeiros pré-molares maxilares são mais assimétricos com a
extremidade da cúspide lingual inclinada mesialmente, e a crista marginal mesial, de recta a
côncava, em contraste com os segundos pré-molares que são mais simétricos de ponta a
ponta (vistas oclusais).
Traços de Tipo que Distinguem o Primeiro Pré-molar Mandibular do Segundo
N - As cúspides bucais do primeiro pré-molar mandibular são mais agudas (110°) em
contraste como segundo pré-malar onde elas são mais obtusas (130°) (vistas faciais).
O - As áreas de contacto próximal (e as cristas marginais) dos segundos pré-malares
mandibulares são mais oclusais do que as áreas de contacto distal (seguindo a regra geral),
enquanto que o contrário é verdadeiro nos primeiros pré-molares mandibulares (EXCEÇAO)
onde as áreas de contacto mesial e as cristas marginais são mais cervicais (vistas faciais).
P - As cúspides linguais dos primeiros pré-molares mandibulares são muito pequenas e não
funcionais. Nos segundos pré-malares as cúspides linguais funcionam e são relativamente
mais longas (vistas proximais).
Q - As cúspides linguais dos segundos pré-molares mandibulares estão posicionadas no lado
mesial (ou, se existirem duas cúspides linguais, a mésio-lingual é a mais proeminente) (vistas
linguais).
R - Os primeiros pré-malares mandibulares têm um sulco mésio-lingual que separa a crista
marginal mesial da cúspide lingual. Os segundos pré-molares não (vistas lingual e mesial).
S - As cristas marginais mesiais dos primeiros pré-molares inclinam-se cervicalmente em
direcção ao lado lingual em um ângulo de aproximadamente 45° a partir da horizontal. Nos
segundos pré-molares elas são mais horizontais (vistas mesiais).
T - As faces da raiz mesial dos segundos pré-malares mandibulares são as únicas faces da
raiz do pré-malar (maxilar e mandibular, mesial e distal) que provavelmente não têm uma

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
85
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

depressão no meio da raiz (melhor vista nos modelos ou nos dentes verdadeiros, não
marcada em desenhos).
U - Os primeiros pré-molares mandibulares são os únicos pré-molares que têm o ângulo
mésio-lingual, com seu sulco mésio lingual e crista marginal baixa, comprimido ou apertado,
formando um ângulo de aproximadamente 45° com a face lingual. Isto faz com que o
contorno oclusal fique um pouco com o formato de um losango (vistas oclusais).

Características Gerais Para Todos os Molares

A - As coroas são mais largas mesiodistalmente do que cérvico-oclusalmente (vistas faciais).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
86
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

B - As coroas diminuem (ficam mais estreitas) de bucal para lingual, i.e., a largura mésio-
distal na metade bucal é maior do que na metade lingual (EXCETO alguns primeiros molares
maxilares com grandes cúspides disto-linguais onde as coroas afilam-se se para bucal, i.e., a
dimensão mésio-distal na metade lingual é maior do que na metade bucal) (vista oclusal).
C - As coroas afilam-se (ficam mais estreitas) de mesial para distal (i.e., a largura buco-
lingual é menor na metade distal do que na metade mesial) (vista oclusal).
D - As coroas afilam-se (ficas» mais curtas) de mesial para distal (i .e., a altura da coroa na
metade distal é menor do que na metade mesial) (vista facial).
E - Como com os pré-molares, as cristas da curvatura bucal das coroas estão no terço
cervical e as cristas da curvatura lingual estão no terço médio (vistas proximais).

F - Os contactos proximais na metade mesial estão na junção dos terços oclusal e médio, ou
próximos dela; os contactos proximais distais estão mais cervicais, no terço médio próximos
do meio do dente (vistas faciais).
G - As cúspides linguais (especialmente a mésio-lingual) são mais longas do que as cúspides
bucais quando os molares mandibulares são orientados em um eixo vertical (vistas facial,
mesial e distal).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
87
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Troços de Arco que Distinguem os Molares Maxilares dos Mandibulares

A - As coroas dos mandibulares são mais largas mesiodistalmente do que faciolingualmente


resultando em um contorno mais rectangular ou pentagonal. As coroas dos molares maxilares

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
88
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

têm a dimensão fácio-lingual ligeiramente maior do que a dimensão mésio-distal e são de


contorno mais quadrado ou romboidal (k) (vistas oclusais).
B - As coroas dos molares mandibulares se inclinam ligeiramente no colo (vistas proximais).

C - Os molares mandibulares, normalmente, têm duas raízes (uma raiz mesial maior e uma
distal menor) em contraste com os molares maxilares que têm três raízes (uma raiz disto-
bucal menor, depois uma mésio-bucal, e uma raiz lingual mais longa) (vistas facial e lingual).
D - Os molares maxilares têm cristas oblíquas que correm em diagonal através do dente, da
cúspide mésio-lingual para a disto-bucal em contraste com os molares mandibulares que,
principalmente, têm duas cristas transversais que correm directamente bucolingualmente
(vistas oclusais).
Traços de Tipo que Distinguem os Primeiros Molares Mandibulares dos Segundos
E - Os segundos molares mandibulares têm quatro cúspides (MB = 1, DB = 2, ML = 3 e DL =
4) com um padrão “cruzado” de sulcos oclusais, em contraste com os primeiros molares que
têm cinco cúspides, as mesmas quatro cúspides que o segundo molar mais uma cúspide
distal menor (D = 5) com um padrão de sulco oclusal em ziguezague (vistas facial ou oclusal;
veja as cúspides numeradas correspondentes, não as marcadas como “e”).
F - As raízes dos primeiros molares são mais divergentes e amplamente separadas em
contraste com as raízes dos segundos molares que são mais paralelas e mais juntas (vistas
facial e lingual).
G - Há uma diminuição (estreitamento) do contacto próximal distal até a linha cervical maior
nos primeiros molares do que nos segundos molares, devido à presença da cúspide distal
nos primeiros molares (vistas faciais).
Traços de Tipo que Distinguem os Primeiros Molares Maxilares dos Segundos
H - Há um afilamento maior (estreitamento) de bucal para lingual nos segundos molares
devido à cúspide disto-lingual menor, em contraste com um afilamento menor nos primeiros
molares maxilares com suas cúspides disto-linguais proeminentes, mais largas (vistas
oclusais).
I - Os primeiros molares mais provavelmente têm uma quinta cúspide, a cúspide de Carabeili
(localizada na cúspide mésio lingual). Os segundos molares raramente têm a cúspide de
Carabeili (vistas oclusal, lingual e mesial).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
89
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

J - As raízes dos primeiros molares são mais espaçadas do que nos segundos molares
(vistas facial e proximal).
K - O formato do contorno em paralelogramo dos molares maxilares (com ângulos mésio-
bucal e disto-lingual mais agudos e ângulos disto-bucal e mésio-lingual mais obtusos) é mais
torcido nos segundos molares do que nos primeiros molares (i.e., os ângulos agudos são
mais agudos e os ângulos obtusos são mais obtusos) (vistas oclusais).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
90
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Propriedades Únicos dos Dentes Anteriores Primários

A - As coroas dos dentes anteriores primários têm uma protuberância labiolingualmente no


seu terço cervical. Esta protuberância é vista lingualmente como um cíngulo relativamente
grande que ocupa até um terço do comprimento da coroa cérvico-incisal e é vista labialmente
como uma crista cervical convexa proeminente (vistas proximais).
Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
91
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

B - As raízes são longas em proporção com o comprimento da coroa e mais estreitas


mesiodistalmente do que os dentes anteriores permanentes (vista facial).
C - As raízes dos dentes anteriores primários maxilares e mandibulares se inclinam até 10°
labialmente no seu terço apical, menos nos caninos mandibulares (vistas proximais).
D - As raízes dos incisivos maxilares se inclinam lingualmente no terço cervical até a metade,
enquanto os incisivos mandibulares são rectos no seu terço cervical (vistas proximais).
E - Os incisivos centrais primários são os únicos incisivos, primários ou permanentes, que
são mais largos mesiodistalmente do que incisocervicalmente (vistas faciais).
F - As coroas dos incisivos centrais primários são mais curtas em relação ao comprimento da
raiz, comparadas com os dentes permanentes (vistas faciais).
G - Os caninos maxilares primários são quase tão largos mesiodistalmente quanto são longos
incisogengivalmente. Os caninos mandibulares são mais longos incisocervicalmente e mais
estreitos mesiodistalmente (vistas faciais).
H - As cúspides dos caninos maxilares primários têm a inclinação de sua cúspide mesial mais
longa do que a inclinação da cúspide distal (que é a excepção à regra para os dentes
permanentes com uma cúspide vestibular que tem uma inclinação mesial mais curta). Os
caninos mandibulares primários têm as inclinações de sua cúspide distal mais longa do que
na mesial (como todos os caninos e pré-molares permanentes excepto o primeiro pré-molar
mandibular) (vistas faciais).
I - Os caninos maxilares primários têm os contactos proximais mesiais mais cervicais do que
os distais (que são únicos neste dente e no primeiro pré-molar mandibular permanente)
(vistas faciais). Todos os outros dentes primários e permanentes têm a área de contacto distal
mais cervicalmente localizada do que na mesial.

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
92
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

Características Gerais de Todos os Primeiros Motores

A - As coroas dos molares primários são mais largas mesiodistalmente e mais curtas cérvico-
oclusalmente (vistas bucais).
Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
93
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

B - Os primeiros molares primários são decididamente menores do que os segundos molares


primários (em contraste com os molares permanentes onde os primeiros molares são
maiores) (todas as vistas não marcadas como “b”).
C - As coroas dos molares primários tem uma superfície de mastigação estreita, ou palato
oclusal, bucolingualmente (vistas proximais).
D - As cúspides bucais não são agudas; as inclinações da cúspide se encontram em um
grande ângulo (obtuso) (vistas bucais). e. As cristas cervicais mesiais são proeminentes
(vistas proximais) com linhas cervicais curvadas, posicionadas mais apicalmente no mesial
(vistas bucais).
F - As bifurcações das raízes estão mais próximas da coroa com pouco ou nenhum tronco da
raiz (vistas bucais).
G - As raízes são finas, delgadas, e amplamente espalhadas (vistas bucais).
Características Adicionais Únicos para os Segundos Motores Maxilares Primários (mais
intimamente se Assemelham aos Primeiros Motores Maxilares Permanentes
H - O ângulo mésio-lingual da face oclusal é comprimido em direcção à face distal (vistas
oclusais),
I - A cúspide mésio-bucal primária é quase do mesmo tamanho da cúspide mésio-lingual (em
contraste com o permanente onde a cúspide mésio-lingual é maior do que a cúspide mésio-
bucal) (vistas oclusais).
Características Adicionais Únicos paro os Segundos Motores Mandibulares Primários ( mais
Intimamente se Assemelham ao Primeiro Motor Mandibular Permanente
J - As três cúspides bucais são quase do mesmo tamanho, em contraste com os primeiros
molares permanentes onde a cúspide distal normalmente é consideravelmente menor (vistas
bucais).
Características Adicionais Únicos para os Primeiros Motores Maxilares Primários ( de Algum
Modo se Assemelham aos Pré-motores Maxilares Permanentes
K - Existem frequentemente quatro cúspides: duas cúspides maiores (igual a um pré-molar
maxilar), a cúspide mésio-bucal (1) é mais larga e mais longa, a cúspide mésio-lingual (2) é
menor mas a mais aguda; e duas cúspides menores, a disto-bucal (3) e a imperceptível,

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
94
MEDICINA DENTÁRIA 2º ANO 2008
MORFOLOGIA ORAL

algumas vezes ausente, cúspide disto-lingual (4) (vistas oclusais; veja as cúspides
numeradas correspondentes).
L - Uma incisura (distal ao centro) separa a grande cúspide mésio-bucal da cúspide disto-
bucal indistinta (vistas bucais).
M - A coroa é mais larga faciolingualmente do que mesiodistalmente como um pré-molar
maxilar, mas diferente de outros pré molares primários (vistas oclusais).
N - A crista marginal mesial é direccionada distolingualmente (vistas oclusais).

O - Existem três fossas: uma fossa triangular mesial grande, uma fossa central média e uma
fossa distal diminuta (vistas oclusais).
P - Os sulcos formam um “H” padrão (um tanto semelhante a um pré-molar maxilar)
(nenhuma letra; vistos nas vistas oclusais).
Característicos Adicionais Únicos dos Primeiros Molares Mandibulares Primários (Que não se
Assemelham a Nenhum Outro Dente)
Q - A crista marginal mesial é sobreposta, quase se assemelhando a uma cúspide (vistas
bucal e oclusal).
R - O palato oclusal é mais largo mesiodistalmente do que bucolingualmente como nos
molares mandibulares permanentes (vistas oclusais).
S - A face mesial converge para a face lingual com um ângulo mésio-bucal agudo e
proeminente do palato oclusal (vistas oclusais).
T - A cúspide mésio-bucal é a cúspide maior e mais longa que cobre quase dois terços da
face bucal (vistas oclusais), mas não é larga bucolingualmente (vistas oclusais).
U - Uma crista transversal corre entre a cúspide mésio-bucal e mésio-lingual (vistas oclusais).

V - O palato oclusal é maior distal à crista transversal, com uma fossa distal maior e uma
fossa triangular mesial menor (sem fossa central) (vistas oclusais).

Artecopy-Centro de Impressão / Rua Central de Gandra nº1299 lj.16-17 4585-172 Gandra PRD
www.artecopy.com / email-dias300@hotmail.com / Telf-309953179 / Fax-224160926
95