P. 1
New Microsoft Word Document

New Microsoft Word Document

|Views: 428|Likes:
Publicado porPaulino Adao

More info:

Published by: Paulino Adao on Mar 10, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/10/2011

pdf

text

original

ÍNDICE ÍNDICE......................................................................................................................................1 INTRODUÇÃO.................................................................................................

........................2 8a Classe....................................................................................................................................3 1. Equações............................................................................................................................3 1.1. Noção de equações......................................................................................................3 1.2. Resolução de equações...............................................................................................4 1.3. Equações lineares a uma incógnita.............................................................................6 1.4. Classificação de equações...........................................................................................7 1.5. Equações literais.........................................................................................................7 2. Sistema de duas equações lineares a duas incógnitas........................................................8 2.1. Resolução de siatemas de equações lineares..............................................................9 2.2. Classificação dos sistemas de equações....................................................................14 2.3. Resolução de problemas conducentes a sistemas de duas equações lineares com duas incógnitas.................................................................................................................14 3. Funções Lineares.............................................................................................................15 3.1. Conceito de função...................................................................................................15 3.2.Variável dependente e variável independente...........................................................16 3.3. Modos de definir uma função...................................................................................16 3.4. Classificação de aplicações ( funções)......................................................................17 3.5. Função linear.............................................................................................................17 10a Classe................................................................................................................................18 1. Funções quadráticas.........................................................................................................18 1.......................................................................................................................................19 1. Função do tipo ............................................................................................................19 1.2. Função do tipo .........................................................................................................20 1.3. Função do tipo .........................................................................................................20 2. Funções trigonométricas..................................................................................................21 2.2. Representação gráfica da função .............................................................................21 CONCLUSÃO.........................................................................................................................22

1

INTRODUÇÃO
O presente trabalho é uma abordagem descritiva de como são tratadas as equações e funções, a nível da 8a e da 10a Classes, respectivamente. Em relação a 8a classe, focalisou-se a noção e o conceito de equações, a resolução das mesmas, pelos diferentes métodos. Apresenta-se ainda, problemas conducentes a equações tanto a uma incógnita assim como a duas incógnitas. Quanto a 10 a Classe, faz-se a descrição do modo de tratamento das funções quadráticas e trigonómétricas.

2

4 = 8 – 2x ⇔ 3x = 12. 3 b) 3x = 12 c) x +1 = 2x – 1 b) x + 8 = 12 c) 3x + 1 = 7 d) x + 2 = 11 . Noção de equações Ao se introduzir o estudo de equações pode-se começar por apresentar um problema da vida prática. 2 é a solução. a) x + 5 = 9 Resolução: a) x + 5 = 9. e dá-se exercícios que exigem que se escreva uma equação equivalente a uma dada. então. pois 3(2) + 1 = 7 d) x + 2 = 11. Fala-se dos membros da equação e dos termos (termo dependente e termo independente). pois {4} é solção de ambas equaões. Considera-se as equações das alíneas a) e b) para se falar de equações equivalentes. porque ambas equações tem como solução {2}. b) x . Exemplo: “O Rafael João pensou num número. Sem nenhum método mostra-se que o nómero cujo a soma é 10 quando adiconado a 3 é 7. 9 + 2 = 11 logo a solução é 9. traduz-se em primeiro lugar para a linguagem matemática do seguinte modo: Supõe-se que seja x o número em que o Rafael João pensou. Exemplo: Qual é a solução das seguintes equações.8a Classe 1. a solução é 4. adicionou-lhe 3 e obteve 10. Segue-se de imediato com a definição de incógnita e equação. c) x + 7 = 2x + 5 ⇔ x +1 = 2x – 1. a solução é 4.1. De seguida apresenta-se a definição de solução de uma equação e algums exemplos onde se exige que se determine a solução de algumas equações. pois 4 + 8 = 12 c) 3x + 1 = 7. x + 3 = 10. Exemplo: Escreva uma equação qualquer equivalente a equação: a) x + 2 = 3 Resolução a) 2x + 4 = 6 ⇔ x + 2 = 3 porque tem a mesma solução {1}. Equações 1. pois 4 + 5 = 9 b) x + 8 = 12. Qual foi o número que ele pensou?” Para se resolver esse problema.

têm todas mesma solução x = 4.1. Das observações feitas conclui-se que as equações em (I) x + 2 = 6 (II) x + 2 + 1 = 6 + 1 (III) x + 2 – 2 = 6 – 2. nas transformações verificadas nos pratos da balança ao se paasar de (I) para (III). Resolução de equações 1.2. para todo a ∈ IR . 4 . equivalentes. Princípios de equivalência É com base nas equações equivalentes que se determina o conjunto-solução de uma equação. Em geral. Exemplo: A figura mostra uma balança em equlíbrio. sendo assim.1.2. x + 2 = 6 ⇔ x + 2 + a = 6 + a. ou seja. a equação que resulta da adição de certa quantidade em ambos membros de uma equação antiga é equivalente a mesma. Mostra-se que ao se adicionar quantidades iguais em ambos os membros de uma equação a solução não se altera. b) Repare-se agora. a) Observe-se as transformações verificadas nos pratos da balança ao se passar de (I) para (II).

Exemplo: Resolva a seguinte equação: a) x – 7 = 10 Resolução a) x – 7 = 10 ⇔ x – 7 + 7 = 10 + 7 ⇔ x = 10 + 7 ⇔ x = 17 Adicionando-se a ambos os membros o 7 é mesmo que passar o termo + 7 para o outro. a equivalência (princípio de multiplicação) e menciona-se que. Então. para se obter a solução da equação do tipo ax = b com a ≠ 0. Se se multiplicar ambos os membros da equação 2x = 6 por solução da equação. 5 5 5 5 . trocando-lhe o sinal. enuncia-se o 1o princípio de equivalência ou o princípio de adição e resolve-se alguns exercícios aplicando o princípio de adição. b) 2x – 5 = x + 5 ⇔ 2x – x – 5 + 5 = x – x + 5 + 5 ⇔ x = 5 + 5 ⇔ x = 10. Considere-se a equação 2x = 6 para se enunciar o 2o princípio de equivalência. o a factor a multiplicar os membros duma equação tem de ser diferente de zero. De seguida enuncia-se o 2o princípio de 1 . Há que salientar que. A solção da equação 2x = 6. a ⋅ 2 x = a ⋅12 com a 1 obtem-se x = 3 que é a 2 ≠ 0.Depois. Multiplicando por 2 ambos membros da equação obtem-se. b) 2x – 5 = x + 5 2x = 6 ⇔ 4 x = 12 . De um modo geral. 2 ⋅ 2 x = 2 ⋅ 6 que é memo que 4 x = 12 . é {3} e da equação 4 x = 12 é também {3}. multiplica-se ambos membros por Exemplo: 5x = 7 ⇔ 1 1 7 ⋅ 5x = ⋅ 7 ⇔ x = .

Equações lineares a uma incógnita Antes de se definir uma equação linear.3. Obter o valor da incógnita utilizando o princípio de multiplicação.1. Efectuar os cálculos para simplificar as expressões em cada membro. 2. b) 2z2 + 6 – z = z2 – 2x + 1 c) x2 – x + 3 = 4x – 7 + x2 b) 4(x – 2) – 7(x – 3) = 5 – x c) 2( z −1) 3 z z + = 5 2 10 ⇔ -2x = . pode afirmar-se que os princípios de equivalência de equações permite reduzí-las a uma forma característica.8 ⇔ x = c) 2( z − 1) 3 z z 2 z − 2 3z z + = ⇔ + = ⇔ 2( 2 z − 2) + 15 z = z ⇔ 4 z − 4 + 15 z = z 5 2 10 5 2 10 ( 2) ( 5) (1) 6 . 3.z2 + 2x .x2 ⇔ -5x + 10 = 0 1. Definição: uma equação linear ou do primeiro grau a uma incógnita é toda aquela que pela aplicação dos princípios de equivalência pode ser reduzida à forma ax + b = 0 com a Exemplo: Das equações que que se seguem indique as que são lineares a uma incógnita: a) – 4x + 1 – 3x = 2x Resolução a) – 4x + 1 – 3x = 2x ⇔ -4x – 3x – 2x + 1 = 0 ⇔ -9x + 1 = 0 b) 2z2 + 6 – z = z2 – 2x + 1 ⇔ 2z2 + 6 – z .2x + 11 ⇔ 5x + 2x = 11 + 3 ⇔ 7x = 14 ⇔ x = 2 b) 4(x – 2) – 7(x – 3) = 5 – x ⇔ 4x – 8 – 7x + 21 = 5 – x ⇔ -3x + x = 13 – 21 −8 ⇔x=4 −2 ≠ 0. 4. Juntar os termos com incógnitas num dos membros e os que não têm incógnita no outro membro.1. Resolução de equações lineares a uma incógnita Qualquer equação linear pode ser resolvida seguindo-se os seguintes passos: 1.1 = 0 ⇔ z2 + z + 5 = 0 c) x2 – x + 3 = 4x – 7 + x2 ⇔ x2 – x + 3. Desembaraçar de denominadores. Desembaraçar de parêntesis.3. 5. utilizando o princípio de adição.2x + 11 Resolução a) 5x – 3 = . chamada forma geral canónica das equações.4x + 7 . Exemplo: Resolva as seguintes equações: a) 5x – 3 = .

4. considerese os seguintes exemplos: a) 2(3y – 4) = 6y + 1 Resolução a) 2(3y – 4) = 6y + 1 ⇔ 6y – 6y = 8 + 1 ⇔ 0y = 9 Vê-se que não há número que multiplicado a zero seja igual a 9 ( zero é o elemento absorvente da multiplicação) por isso. segue-se com a definição de uma equação possível e indeterminada e sublinha-se que o seu conjunto-solução é o conjunto dos números reais. Equações literais Em primeiro lugar dá-se a definição de uma equação literal e explica-se que resolver uma equação literal em ordem a uma variável equivale a considerar. De seguida define-se uma equação impossível e salienta-se que o conjunto-solução de uma equação impossível é o conjunto vazio. 18 9 1. Desta feita. b) 5z – 2 = 5(z + 1) – 7 ⇔ 5z -2 = 5z +5 – 7 ⇔ 5z. por isso a equação 2x – 5x = 3 + x é possível e 4 determinada.⇔ 4 z + 15 z − z = 4 ⇔ 18 z = 4 ⇔ z = 4 2 ⇔z= . 7 . 5z – 2 = 5(z + 1) – 7 é uma equação possível e indeterminada. essa letra como a incógnita. Por isso. Classificação de equações Para se classificar as equações lineares atendendo a existencia ou não de solução. 1. 3 3 ⇔x=− −4 4 c) 2x – 5x = 3 + x ⇔ 2x – 5x – x = 3 ⇔ -4x = 3 ⇔ x = − 3 é o único valor que satisfaz a equação.5z = 5 – 7 + 2 b) 5z – 2 = 5(z + 1) – 7 c) 2x – 5x = 3 + x ⇔ 0z = -2 + 2 ⇔ 0z = 0 z pode tomar qualquer valor. Assim. a equação 2(3y – 4) = 6y + 1 não tem solução e diz-se uma equação impossível. pois o produto de zero por qualquer número é zero.5. segue-se coma definição de uma equação possível e determinada e afirma-se que a solução é uma e única. na resoluão.

11 e 12. Quais são os números? Sejam x e y os números desconhecidos. Definição por escrito do significado da variável (incógnita). 2 1. P = 2πr e A = B +b ×h . quais são esses números? Resolução Sejam x.6. Formulação da resposta em harmonia com a questão colocada no problema.Exemplo de equações literais são 3x + 2y = 20. Análise da solução em relação à definiç`ao da incógnita. Resolução de problemas conducentes à equação do primeiro grau a uma incógnita Na resolução de problema segue-se de um modo geral o seguinte processo: 1. Resolução 3x + 2y = 20 ⇔ 3x = 20 + 2y ⇔ x = 20 − 3 y 2 1. Exemplo: A soma de três números inteiros consecutivos é 33. x + (x + 1) + (x + 2) = 33 ⇔ x + x + x + 1 + 2 = 33 ⇔ 3x + 3=33 30 ⇔ x = 10 3 ⇔ 3x = 33 – 3 ⇔ 3x = 30 ⇔ x = Resposta: Os números são 10. 2. Formação da equação que traduz o problema. 8 . então x + y = 3 e x + 2y = 5 são as condições que permitem equacionar o problema. A fim de se determinar a solução do sistema de equação recorre-se ao gráfico abaixo. Sistema de duas equações lineares a duas incógnitas Para o estudo de sistema de equações lineares com duas incógnitas pode-se considera o problema: A soma de dois números é 3. mas adicionando um deles ao dobro do outro obtem-se 5.5. 2. Resolução de equção literal em ordem a uma variel Exemplo: Resolva em ordem a x a equação 3x + 2y = 20. 4. x + 1 e x + 2 os números. Resolução da equação. 5. 3.1.

Y0) que verifica simultaneamente as duas equações. uma das equações em ordem a uma das incógnitas e substituir-se o valor dessa incógnita na outra equação e obter-se um sistema equivalente ao sistema dado. 3). 2. Dá-se a definição de sistema de duas equações lineares a duas incógnitas e mostra-se como ela e representsda ( forma canónica). Exemplo: Consider-se o segiunte sistema: 9 . a solução de um sistema de duas equações lineares a duas incógnitas. Exemplo:  x+ y = 1  3x0+ 5y = 3 6  ⇔  x − y = 4  x + 4y = 1 9 As equações são equivalentes pois tem a mesma solução que é (7. 2.1.2. Afirma-se que o conjunto de solução do problema é dado pelo par ordenado de valores (X0. Método de substituição O método de substuição baseia-se no princípio de se resolver primeiro. Define-se ainda.1.1. Resolução analítica Exitem três métodos para se determinar solução de um sistema de equação analiticamente. Sistemas equivalentes Deinfine-se dois sistemas de equações a duas incógnitas equivalentes como sendo aqueles que tem a mesma solução. Resolução de siatemas de equações lineares Afirma-se que um sitema de equações lineares pode-se resolver analítica ou graficamente. 3). 2.1.A solução das duas equações é o ponto P(2.

isto é. x + y − 3= 0  x 3  2 + 4 y = 2 Para se resolver o sistema seguem-se os seguintes passos: 1o Reduz-se o sistema á forma canónica:  x + y − 3= 0   x+ y= 3 x 3 ⇔   2 + 4 y = 2  2x + 3y = 8 2o Resolve-se uma das equações em ordem a uma das variáveis:  x y =+ 3  x 3−= y  ⇔  2x + 3 y = 8  2 x + 3 y = 8 3o Substitui-se essa variável em outra equação pela sua expressão designatória:  x = 3− y  x = 3− y  ⇔  2x + 3y = 8  ( 32 − y) + 3y = 8 4o Resolve-se esta equação linear à uma incógnita. calcula-se a sua raíz: 10 .

pela raíz encontrada. de modo a calcular o valor da outra incognita. 2). Método da redução ou adição ordenada Este método consiste em. de modo a se eliminar essa variável e reduzir-se o sistema à equação linear à uma incognita. Exemplo: Considere-se o sistema: 11 . 2. = 3− yx _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _  ⇔ ⇔ ⇔ 2 (3− y)+ 3 =8 6− 2y+ 3 =8  + =86 yy = 2 5o Substitui-se na primeira equação a variável cujo valor numérico acabou-se de se determiner.1. multiplicar por um valor simétrico a uma das variáveis numa das equações do sistema.  = 3− yx x= 3− 2 x= 1  ⇔ ⇔  y= 2  y= 2  y= 2 O par ordenado que satisfaz o sistema é (1.3.

4. aplicando os princípios de equivalência de equações:  x + y − 6 = 0 (− 2)  x + y = 6  − 2 x − 2 y = − 1 ⇔  ⇔   2 x − 6 y = 4 2x − 6 y = 4 2x − 6 y = 4 2   3o Soma-se membro-a-membro os termos correspondentes:  − 2x − 2 y = − 1 2 0 − 8 y = −8   2x − 6 y = 4 4o Resolve-se a equação resultante: 0 − 8 y = −8 ⇔ y = −8 ⇔ y =1 −8 Repete-se o procedimento do 2o passo em relação a outra incognita e obtem-se x = 5. Método misto 12 . x+ y− 6= 0   2x − 6 y = 4 1o Reduz-se o sistema á forma canónica:  x y 6=−+ 0  x+ y = 6  ⇔  2 x − 6 y = 4  2x − 6 y = 4 2o Reduzem-se os coeficientes de uma das variáveis a valores simétricos. 2.1. A solução do sistema é (5. 1).

Exemplo: Resolva grficamente o sistema  4x + 2 y = 0   3x + 3 y = 6 Resolução 13 . +___________ o 2o. Resolução gráfica de equações Explica-se que um sistem de equações é resolvido graficamente de seguinte modo:    Resolve-se as duas equações em ordem a y Faz-se arepresentação gráfica das duas funções lineares Determina-se o ponto de intersecção das duas rectas que é a solução do sistema.Explica-se que o método em causa. uma das incógnitas pelo método de redução. consite em calcular-se. 2 + 6 y = 32 ⇔ 6 y = 32 − 2 ⇔ 6 y = 30 ⇔ y = 30 ⇔ y=5 6 O sistema tem como conjunto-solução (2. 5). depois substituir-se o valor encontrado numa das equações. Exemplo: Considere-se o sistema:  x + 6y = 3 2   3x − 6 y = − 2 4  x + 6y = 3 2  8 4x = 8 ⇔ x = ⇔ x = 2 3x − 6 y = −42 4 1. Assim determina-se o valor da outra incógnita.1.5. em primeiro lugar. 2.

Afirma-se também que. Portanto. 4) que é a solução da equação. um sistema resolvido graficamente. Classificação dos sistemas de equações Os sistemas de equações são classificados atendendo a existeência ou não de solução assim como as equações lineares a uma incógnita. possível e indeterminado quando as rectas coincidem. tem todos pontos em comum. isto é. 2. 14 . umm sistema de equação pode ser impossível ( não tem solução). é impossível quando as rectas não se cruzam. possível determinado (tem solução única) e indeterminado (tem infinidade de soluções). yx =+ 024 2y= 0− 4x  = −2xy  ⇔ ⇔ yx =+ 633 3y= 6− 3x  = 2− xy Traça-se os gráficos das duas equações e determina-se o ponto de intersecção.3. Resolução de problemas conducentes a sistemas de duas equações lineares com duas incógnitas É dito que para se resolver um problema conducente a sistemas de equações é viável considerar-se uma série de fases. 2. isto é. As rectas encontram-se no ponto de coordenadas (-2. são paralelas. possível e determinado quando as rectas tem um ponto de intersecção.2.

Funções Lineares Para se fazer o estudo de funções é condição necessária que se tenha o domínio dos seguintes temas: sistema cartesiano ortogonal. Numa semana fabricou 160 cestos e obteve um lucro de 400 meticais. António. Ana. Quantos cestos com defeito foram fabricados? Resolução x .1.tem grupo sanguíneo... proporcionalidades e correspondência. Natércia} é o conjunto de partida.número de cestos fabricados com defeito y – número de cestos sem defeito  x+ y = 1 6  − 3x −03y −= 4 8 0  ⇔  − 5x + 3y = 4  −05x+ 3y 0= 4 0 0 Adicionando-se as duas equações tem-se − 8 x = −80 ⇔ x = − 80 ⇔ x = 10 −8 Determina-se o valor de y fazendo-se 10 + y = 160 ⇔ y = 160 −10 ⇔ y = 150 Resposta: Foram fabricados 10 cestos com defeito. 3.. João. Conceito de função Para se definir uma função considera-se uma correspondência em que cada elemento do conjunto de partida tem uma e somente uma imagem. 15 . Exemplo: Seja f a correspondência “.” A = {Carla. 3..Exemplo: Um fabricante de cestos ganha 3 meticais por cada cesto que fabrica sem defeito e perde 5 meticais por cada c esto que fabrica com defeito.

P = 4 × l e A = l 2 .4. António. Exemplo: Seja A = {2.C = {O. B} ≠ C Todos elementos de A tem uma imagem em C. 3. l é variável independente e P e A são variáveis dependentes.12 . AB} é o conjunto de chegada. x y 8 2 12 3 16 4 c) Representação gráfica 16 . por isso.5} e B ={8.. f é uma função. por isso f diz-se uma função de A em C.. a) Representação da função pelo diagrama sagital b) Representação por tabela Representam-se os objectos pela letra x e as imagens pela letra y. Modos de definir uma função Afirma-se que uma função pode ser definida por meio de tabela.Variável dependente e variável independente Explica-se que uma variel é independente quando toma qualquer valor e dependente quando depende da independente. 3. A. porque cada perímetro corresponde a um e um só quadrado. Ana..20 } e f a correspondência de B em A definida por “.. Exemplo: Num quadrado o perímetro e a área são dados por.3.2. B. gráficos ou pelo diagrama sagital. Df = {Carla.3. João.16 . Para cada valor l resulta um valor de P e de A.é o perímetro do quadrado de lado a. Natércia} = A D’f = {O. A.”. respectivamente.

3.1. Marcase os pares de valores obtidos no sistema cartesiano. Função linear Dá-se a definição de função linear antes de se navegar no estudo da mesma e menciona-se que ela é do tipo y = ax + b. A função h é bijectiva por ser simultaneamente injectiva e sobrejectiva. Gráfico de uma função linear Ilustra-se como se pode representar graficamente uma função linear. afirma-se que uma aplicação pode ser injectiva.5. Classificação de aplicações ( funções) A classificação é feita apartir do comportamento da função relativamente ao domínio e o contradomínio da função. 17 . y = 1 x +1 2 3. Assim. Exemplo: y = 3x – 5. Afirma-se que é conveniente estabelecer-se um quadro de valores que é a guia para se traçar o gráfico. a partir da observação feita na tabela e une-se os pontos obtendo-se uma recta que é a imagem gráfica da função linear.5. 3. Exemplo: Considere-se as aplições f. A função g é sobrejectiva pois o contradomínio coincide com o conjunto de chegada. com a e b constantes quaisquer. g e h assim definidas: A função f é injectiva porque a objectos diferentes correspondem imagens diferentes.4. sobrejectiva e bijectiva.

c ∈IR . 0) e Q(0. considera-se um gráfico e fazem-se várias afirmações em relação a função linear.2. A função é do tipo y = ax + b. Significado geométrico das constantes a e b Ao se interpretar as constantes a e b.5. Para se obter o valor de b faz-se 2 = a. Funções quadráticas Define-se função quadrática como sendo toda a função polinomial do tipo y = ax 2 + bx + c de IR em IR. 18 f ( x) = 2 x 2 − 3 x + 7 . g ( x) = 6 x 2 + x e h( x ) = − . Exemplo: As funções quadráticas. Exemplo: Determine a expressão analítica da função representada no gráfico: São dados os pontos P(-4. a ordenada na origem e o declíve. b.Exemplo: Esboce o gráfico da função y = x + 1 Resolução x 0 -1 2 1 -2 y 1 0 3 2 -1 3. a.0 + b ⇔ 2 = b ⇔ b = 2. 2). Para-se obter o valor de a faz-se a = y 2 − y1 2−0 2 1 ⇔a= = = x 2 − x1 0 − ( −4) 4 2 1 x +2 2 Por fim substitui-se os valores de a e b em y = ax + b e obtem-se y = 10a Classe 1. com a ≠ 0. Fala-se sobre a inclinação da recta.6 x 2 0 são .

− Tem como contradomínio IR 0 . O estudo da equação quadrática consite em se analizar o seu domínio. ou seja. A função não é injectiva.+ [ . o seu gráfico é. É simétrica a si própria através do eixo das ordenadas. h( x) = −x 2 . afirma-se ainda que a abertura do seu gráfico depende do valor de isto é. . para baixo se a < 0.+ [ e crescente no intervalo ]−∞ [ .+ [ .Para se fazer o estudo deste tipo de função primeiro faz-se a sua representação gráfica. tem concavidade virada para cima se a > 0. pode-se concluir que a função:    Tem como domínio o conjunto IR. De seguida faz-se a análise da função a = −1 e b = c = 0 .0 É decrescente no intervalo ]0. ] ∞ É negativa nos intervalos ]−∞0[ ∪ 0. . a monotonia. contradomínio. determinar os zeros. ∞ . Não é injective (dois objectos diferentes correspondem à mesma imagem).     . x = 0 é o zero da função. Função do tipo y = ax Mostra-se que funções do tipo y = ax 2 . pode-se concluir que a função:        1. simetria. Observando-se o gráfico. e virada 2 Tem como domínio o conjunto IR. b = 0 e c = 0 . ] ∞ É positivo nos intervalos ]−∞0[ ∪ 0. É simétrica a si própria através do eixo das ordenadas. Observando-se o gráfico. o sinal da função. É nula no ponto x = 0. Começa-se por analizar uma função em que a = 1 . isto é.+ [ . O gráfico da função é. + Tem como contradomínio IR 0 . 1. concretamente f ( x ) = x 2 . Zero da função é x = 0. 19 .0 É decrescente no intervalo ]−∞ [ e crescente no ∞ intervalo ]0. terá uma abertura tanto maior quanto menor for a a . .

Observa-se que o vértice da função é V(p. o gráfico translada-se para direita Se p < 0. c). ao longo do eixo das ordenadas e o vértice é V(0. o gráfico translada-se para esquerda. a equação do eixo de simetria e o zero da função é x = p. Função do tipo y = ax + bx + c 1o Caso: y = a( x − p ) 2 Procede-se do mesmo modo que no caso da função do tipo y = ax 2 + c . a diferença reside no facto de a translação. 2). 4 2 1. 2 1.-2). A função h translada-se 3 unidades para baixo. A função f translada-se 2 unidades para cima. esboça-se no mesmo sistema cartesiano alguns gráficos com algumas características e afirma-se que o gráfico da função em estudo tem o seguinte comportamento:   Translada-se c unidades para cima se c > 0. Translada-se c unidades para baixo se c < 0.3. O gráfico da função em estudo tem o seguinte comportamento:   Se p > 0. 4 1 2 x tem maior abertura que o gráfico da função h( x ) =10 x 2 . ao longo do eixo das ordenadas e o vértice é V(0. Constata-se que o seu vértice é o ponto V(0.Exemplo: O gráfico da função f ( x) = porque 1 < 10 . Exemplo: Considere-se as funções f ( x) = x 2 + 2 e h( x) = 2 x 2 − 3 .2. para o último caso observar-se ao longo do eixo das abcissas. Função do tipo y = ax + c Primeiro. 20 . 0) .

1. Menciona-se também que. O gráfico da função desloca-se a direita. 1]. a função seno e coseno. q) e a equação do eixo de simetria é x = p. 1]. comenta-se em relação a periodicidade das funções e apresentam-se os zeros da função. A função é periódica e o seu período é 2 π . pois 1 > 0. ou seja. .Exemplo: Considere-se a função f ( x) = ( x −1) 2 . Os zeros são dado por x = kπ. o gráfico desta função obtém-se a partir do gráfico de y = ax 2 por meio de uma translação ao longo do eixo das abcissas p unidades e ao longo do eixo das ordenadas q unidades. Apresentam-se os domínios e contradomínios. Representação gráfica da função y = cos( x ) o gráfico e conclui-se que: Observa-se    O domínio da função é IR. 2. Exemplo: esboçe o gráfico da função f ( x) = ( x −1) 2 − 4 Resolução 1o Esboç-se o gráfico de f ( x ) = x 2 2o Faz-se a translação ao longo do eixo do XX’. 2. Funções trigonométricas São expostas funções trigono métricas elementares. O contrdomínio é o intervalo [ -1. o vértice da função é V(p. k ∈Z 2. Por último faz-se a translação vertical. A equação do eixo de simetria é x = 1. translada-se ao longo do eixo dos YY’. Representação gráfica da função y = sen (x) Observa-se o gráfico e conclui-se que:     O domínio da função é IR. 2o Caso: y = a ( x − p ) 2 + q Afirma-se que. π A função é periódica e o seu período é 2 21 . O contrdomínio é o intervalo [ -1.2.

22 . ilustram-se todos os passos. tem um nível de pensamento mais abstracto.CONCLUSÃO Ao nível da 8a classe os temas são abordados de um modo não abstracto para que se facilite a compreensão. razão pela qual. Portanto. não é necessário mostrar-se todas as simplificações necessárias na resolução de um exercício. os métodos de tratamento dos conteúdos são mais avaçados em relação aos da 8a atendo e considerando que os receptores aqui. todas as simplificações. ao se tratar os conteúdos. por exemplo. e por vezes figuras ilustrativas são apresentadas. Ao nível da 10a classe. Os receptores neste nível não tem o pensamento abstracto bastante desenvolvido.

1999. 1998. Matemática 10a Classe. Matemática 8a Classe. Diname. NHÊZE. Maputo. Ismael Cassamo.. Diname. Ismael Cassamo. Maputo.BIBLIOGRAFIA NHÊZE. 23 .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->