Você está na página 1de 11

216

ISSN 1809-2616
ANAIS
VI FÓRUM DE PESQUISA CIENTÍFICA EM ARTE
Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Curitiba, 2008-2009

HARMONIA NA BOSSA NOVA:


UM MAPEAMENTO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA

Elton Leandro Machado
tomjohn43@hotmail.com

Francisco Koetz Wildt

Resumo: Esta pesquisa integra o Programa Institucional de Iniciação Científica da


Faculdade de Artes do Paraná (PIC UNESPAR/FAP) e tem como objeto de investigação a
produção científica em torno do tema harmonia na Bossa Nova. O trabalho, que foi
desenvolvido por um acadêmico do curso de Licenciatura em Música da FAP, constitui uma
revisão bibliográfica a qual tem como principal objetivo a realização de um mapeamento da
produção acadêmica/científica em torno da Bossa Nova. O levantamento bibliográfico
direcionou o seu foco para trabalhos que tratassem do aspecto harmônico da linguagem
musical bossanovista.
Palavras-chave: Música Popular; Harmonia; Bossa Nova.

INTRODUÇÃO

Considerada um marco no panorama histórico da música brasileira, a Bossa


Nova costuma ser apontada como um gênero musical arrojado, responsável pela
introdução, na música brasileira, de importantes inovações, sobretudo sob o ponto
de vista harmônico. Tais inovações fizeram da Bossa Nova uma música com notável
vocação para transpor limites culturais e para se tornar internacional, de modo que,
mesmo sendo representativa de uma época, tem se mostrado capaz de sobreviver à
passagem do tempo.
Gênero musical de notável destaque na história da música brasileira, a Bossa
Nova foi um movimento que reuniu em torno de si nomes importantes como Roberto
Menescal, Carlos Lyra, Vinicius de Moraes e João Gilberto, entre outros. Também
do seio desse movimento emerge o músico que veio a se tornar um dos maiores
compositores da história musical do nosso país: Tom Jobim. O movimento Bossa
Nova foi representativo de um momento na história do Brasil, não só do ponto de
vista musical, como também social e político, tendo coincidido com o final do período

Acadêmico do curso de graduação em Licenciatura em Música da Faculdade de Artes do Paraná (FAP).

Professor do departamento de música da FAP, responsável pela orientação desta pesquisa.
217

da chamada República Nova (1945-1964), “período conhecido como democrático e


marcado pela euforia do pós-guerra”1.
A história da Bossa Nova e das personagens em torno dela tem sido
documentada em seu aspecto histórico e social, em livros como Chega de saudade
(1990), de Ruy Castro2, e Balanço da bossa (1968)3, de Augusto de Campos.
Conforme observado por José Estevam Gava, em A linguagem harmônica da Bossa
Nova, as publicações brasileiras referentes à Bossa Nova têm direcionado o seu
foco mais ao aspecto histórico e social desse movimento, e menos à análise técnico-
musical, de modo que as ditas inovações musicais desse gênero parecem carecer
ainda de abordagens que discutam a natureza de seus procedimentos composicionais.
Sendo a harmonia um dos elementos de maior destaque no que tange à
linguagem da Bossa Nova, cuja sofisticação atraiu e ainda hoje tem atraído a
admiração de músicos de diversas procedências e formações (desde o autodidata
até o músico de formação erudita), é justo que um exame sobre a linguagem
harmônica desta música constitua também um foco de interesse acadêmico. Ainda
que, por tradição, a música popular caracterize-se por processos de aprendizado e
transmissão oral, a produção científica recente tem provado que a cultura popular
também é passível de abordagem acadêmica. No caso da Bossa Nova, uma música
de construção elaborada e complexa e que conta com amplo registro não só
fonográfico como também escrito – sendo neste caso o registro mais comumente
utilizado as melodias cifradas (songbooks) – não se pode deixar de confirmar a
possibilidade da música popular como objeto de análise.
É possível salientar, ainda, que a produção acadêmica dedicada ao estudo de
manifestações musicais da vertente cultural popular é recente se comparada com a
da tradição musical erudita, isto é, a produção voltada ao estudo da música dos
grandes compositores europeus. A pesquisa focada nas tradições musicais
populares tem, no entanto, atraído crescente interesse da comunidade acadêmica
brasileira, possivelmente a partir da implementação de cursos de bacharelado em
música popular em instituições como UNICAMP e FAP. O atual incremento na
produção acadêmica voltada à música popular naturalmente impulsiona o
crescimento qualitativo e quantitativo da produção científica que constituirá a base
de referencial teórico para a realização de estudos subseqüentes, num processo
1
GAVA, José Estevam. A linguagem harmônica da Bossa Nova. Dissertação (Mestrado) – UNESP.
São Paulo, 1994. p. 27.
2
CASTRO, Ruy. Chega de Saudade. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.
3
CAMPOS, Augusto de. Balanço da Bossa e outras Bossas. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 1993.
218

cíclico de desenvolvimento da pesquisa. Para que se defina o tema de uma


pesquisa em música é preciso que se conheça o “terreno” em que se transita, isto é,
faz-se necessário o conhecimento da produção científica precedente, não só para
que se estabeleça o referencial teórico, mas para que se tenha uma noção justa das
lacunas teóricas a serem preenchidas.
Desta premissa é que surge o principal objetivo da presente pesquisa, isto é,
realizar um mapeamento da produção científica voltada aos aspectos técnicos da
linguagem da Bossa Nova, notadamente do elemento harmônico, através de um
levantamento bibliográfico. No contexto específico da Faculdade de Artes do Paraná
(FAP), acentua-se a importância de se realizar tal levantamento da produção ao
considerarmos a já mencionada existência, nesta instituição, de um curso de
bacharelado em música popular. Assim sendo, a presente pesquisa se dá tendo
como ponto de partida a importância de se compreender, num contexto acadêmico
formado por estudantes e professores, dentre os quais muitos voltam seu interesse
ao estudo da música popular, as características da atual produção científica, isto é,
suas conquistas e também suas lacunas.
Esta pesquisa tem como objeto de estudo central, o levantamento
bibliográfico de trabalhos relacionados à Bossa Nova em seu aspecto técnico
musical harmônico, para a realização de uma avaliação da bibliografia disponível,
incluindo-se a produção acadêmica das três universidades locais que contam com
cursos de graduação/pós-graduação em música: Universidade Federal do Paraná
(UFPR), Escola de Música e Belas Artes do Paraná (EMBAP) e Faculdade de Artes
do Paraná (FAP). Além das bibliotecas destas três universidades, também foram
pesquisados trabalhos na biblioteca do Conservatório de MPB (CMPB), na internet,
e em acervo pessoal, entre o período de setembro de 2007 e agosto de 2008. Num
primeiro momento, este trabalho foi realizado a partir de um levantamento
bibliográfico através de pesquisa virtual e de campo (nas bibliotecas citadas), e de
uma catalogação do material levantado. Em seguida foi feita a leitura, análise e
resumo do material pertinente à pesquisa, juntamente com a redação.

DESENVOLVIMENTO

Durante a busca de material sobre a harmonia da Bossa Nova, confirmou-se


um pouco do que já se esperava: mesmo não sendo inexistente, o material que se
219

refere especificamente à matéria é bastante escasso. No entanto, foi surpreendente


a quantidade de trabalhos encontrados que tratam do assunto sem muita
profundidade ou indiretamente. Tais materiais não podiam ser deixados de lado
nesta pesquisa. Diante deste quadro, ao ser traçada a listagem bibliográfica, foram
incluídos trabalhos que podem não dizer respeito direta ou especificamente à Bossa
Nova, mas que tratam de aspectos da harmonia popular e acabam por englobar
também essa relevante vertente musical. O inverso também ocorre em trabalhos
que não tratam exatamente de harmonia, mas que falam da Bossa Nova e suas
características. Na listagem, também foram incluídos livros didáticos de métodos de
instrumentos que em algum momento se cita a harmonia bossanovista. Além disso,
são incluídos trabalhos que contém melodias e letras cifradas, os songbooks, que se
referem ao movimento de alguma maneira.
Após a realização da triagem do material disponível para consulta, foram
selecionados os trabalhos a seguir elencados, por conterem informações sobre a
harmonia na Bossa Nova e por serem condizentes com os critérios supracitados.

Biblioteca da FAP
APPEL, Marcos Geroldo. O Estranhamento na MPB da Bossa Nova a Arnaldo Antunes.
Monografia (Especialização). Curitiba: Faculdade de Artes do Paraná, 2003.
CHEDIAK, Almir. Dicionário de Acordes Cifrados. 2. ed. São Paulo: Irmãos Vitale, 1984.
CHEDIAK, Almir. Harmonia & Improvisação. Rio de Janeiro: Lumiar, 1991. 2 v.
CHEDIAK, Almir. Songbook: Bossa Nova. 2. ed. Petrópolis: Lumiar, 1990. 5 v.
CHEDIAK, Almir. Songbook: Tom Jobim. 3. ed. Rio de Janeiro: Lumiar, 1994. 3 v.
CHEDIAK, Almir. Songbook: Vinicius de Moraes. Rio de Janeiro: Lumiar, 1995. 3 v.
FÁVERO, Claudenor. Violão gago: a levada rítmica da bossa nova nos violões de
Roberto Menescal e Claudenor Fávero. Monografia (Especialização em Música
Popular). Curitiba: Faculdade de Artes do Paraná, 2007.
MELLO, Chico. Muito Além da Bossa Nova. Revista Bravo, v. 3, n. 32, 2001.
GAVA, José Estevam. A linguagem harmônica da Bossa Nova. São Paulo: UNESP, 1994.
GUEST, Ian. Harmonia: Método Prático. Rio de Janeiro: Lumiar, 2000. v. 1 e 2.

Biblioteca do Conservatório de MPB


BRAGA, Luís Otávio. Apostila de Harmonia. Curitiba: Conservatório de MPB.
Apostila
CAVENDISH, Jarbas. Harmonia Popular. Apostila
CURIA, Wilson. Harmonia Moderna e Improvisação. São Paulo: Fermata do Brasil, 1990.
220

CURIA, Wilson. Moderno Método para Piano Bossa Nova. São Paulo: Fermata do
Brasil, 1998.
GARCIA, Walter. Bim Bom: a contradição sem conflitos de João Gilberto. São Paulo:
Paz e Terra, 1999.
GODOY, Amilton. Princípios de Harmonia Moderna. 4 v. São Paulo, 1985. Apostila
GUEST, Ian. Harmonia. v. 1 e 2. Apostila
IMPROTA, Tomás. Curso de Harmonia Popular. S.l.: H. Sheldon, 1998.
PASCOAL, Maria Lúcia; PASCOAL NETO, Alexandre. Estrutura Tonal: Harmonia.
Instituto de Artes – UNICAMP. Apostila
POLLACO, Carlos Alberto Oliva. Método completo de harmonia funcional e escalas
para improvisação. Curitiba: Pura Música, 2000. Apostila
RIBEIRO, Vicente. Harmonia Aplicada à Música Popular Brasileira. v. 1 e 2. Apostila

Biblioteca da EMBAP
MILLLÉO, Marcos Daniel Júnior. Bossa Nova (1959-1962). Monografia (Especialização
em História da Música). Curitiba: Escola de Música e Belas Artes do Paraná, 1997.
QUEIROZ, Suzy. O Piano na Bossa Nova. Monografia (Especialização em Estética e
Interpretação da Música do Séc. XX). Curitiba: Escola de Música e Belas Artes do
Paraná, 2002.

Biblioteca da UFPR
JOBIM, Helena. Antonio Carlos Jobim: um homem iluminado. Rio de Janeiro: Nova
Fronteira, 1996.
POLETTO, Fabio Guilherme. Tom Jobim e a modernidade musical brasileira
(1953-1958). Dissertação (Mestrado em História). Curitiba: Universidade Federal do
Paraná – UFPR. (arquivo digital: pdf)
SANCHEZ, Jose Luis. Tom Jobim: a simplicidade do gênio. Rio de Janeiro: Record,
1995.

Acervo Pessoal
ADOLFO, Antônio. Harmonia e Estilos para Teclado. Rio de Janeiro: Lumiar, 1994.
ADOLFO, Antônio. O Livro do Músico. Rio de Janeiro: Lumiar, 1986.
AEBERSOLD, Jamey. Antonio Carlos Jobim. v. 98. New Albany: Jamey Aebersold
Jazz, 2000.
AEBERSOLD, Jamey. Bossa Novas. v. 31. New Albany: Aebersold, 1984.
AEBERSOLD, Jamey. Jazz aids, handbook. New Albany: Aebersold, 1982.
FARIA, Nelson. The Brazilian Guitar Book. Petaluma, CA: Sher Music, 1995.
(arquivo digital: pdf)
FREITAS, Sergio Paulo Ribeiro de. Repertório e textos de apoio. Apostila utilizada
no II Simpósio de Música da Faculdade de Artes do Paraná. Universidade do Estado
de Santa Catarina – UDESC. Florianópolis, 2006.
221

FREITAS, Sergio Paulo Ribeiro de. Teoria da harmonia na música popular.


Dissertação (Mestrado). Universidade Estadual Paulista. São Paulo, 1995.
GUEST, Ian. Harmonia Intensiva (Curso de Harmonia Funcional). Apostila utilizada
no 1º Seminário Brasileiro de Música Instrumental. Ouro Preto, 1986.
LEVINE, Mark. The jazz piano book. Berkeley: Sher Music, 1989.
LEVINE, Mark. The jazz theory book. Petaluma, CA: Sheer Music, 1995.
LYRA, Carlos. Harmonia Prática da Bossa-Nova. São Paulo: Irmãos Vitale, 1999.
MEDEIROS, Flavio Henrique; ALMADA, Carlos. Brazilian Rhythms for Solo Guitar.
Pacific, MO: Mel Bay, 1999.

Internet
BITTENCOURT, Alexis da Silveira. A Guitarra Trio inspirada em Johnny Alf e João
Donato. Disponível em: <http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000397325>.
Acesso em: 26 ago. 2008.
FREIRE, Ricardo Dourado. O uso de acordes de empréstimo modal (AEM) na
música de Tom Jobim. Disponível em: <http://www.anppom.com.br/anais/anais
congresso_anppom_2005/sessao16/ricardofreire_heitoroliveira.pdf>. Acesso em: 26
ago. 2008.
GOULART, Diana. Bossa Nova: uma batida diferente. Disponível em:
<http://www.dianagoulart.pro.br/bibliot/bossa.htm>. Acesso em: 26 ago. 2008.
PAULINO, Conrado. A Harmonia da Bossa Nova. Disponível em: <http://www.
conradopaulino.com.br>. Acesso em: 26 ago. 2008.
PAULINO, Conrado. A Harmonia da Bossa Nova II. Disponível em: <http://www.
conradopaulino.com.br>. Acesso em: 26 ago. 2008.
SANTOS, Fabio Saito dos. As Funções da Harmonia e da Melodia na Bossa Nova e
no Jazz. Disponível em: <http://www.hist.puc.cl/iaspm/rio/Anais2004%20(PDF)/Fabio
SaitodosSantos.pdf>. Acesso em: 26 ago. 2008.
SCARABELOT, André Luis. Música Brasileira e Jazz – o outro lado da história.
Disponível em: <http://www.hist.puc.cl/iaspm/rio/Anais2004%20(PDF)/AndreLuis
Scarabelot.pdf>. Acesso em: 26 ago. 2008.
***

A listagem acima é a relação bibliográfica completa de todo o material


selecionado durante o trabalho. O próximo passo foi a realização de resumos do
material. Devido à grande quantidade de trabalhos que não tratam especificamente
da harmonia na Bossa Nova, foram selecionados para o resumo apenas os mais
significativos neste sentido, utilizando como critério principal de escolha aqueles que
mais se predispunham a apresentar especificamente os assuntos referentes a esta
pesquisa.
A partir da leitura e resumo dos trabalhos selecionados, foram possíveis
algumas considerações, apresentadas a seguir.
222

Paulino4 faz uma observação bastante interessante que tenta sintetizar a


prática harmônica bossanovista. O autor aponta quatro recursos básicos para se
obter uma sonoridade característica da Bossa Nova: o uso de tensões; as
substituições harmônicas; a inversão dos acordes; e o encadeamento das vozes
internas dos mesmos. Sendo que “a soma desses recursos é a essência da bossa
nova e do acompanhamento de João Gilberto”.
Em se tratando de harmonia bossanovista não é novidade apontar que os
acordes compostos de três sons, as tríades – tão usadas em gêneros anteriores
como o samba tradicional e o choro – não são tão bem aceitos. Em vez deles,
prefere-se adotar como estrutura acordal básica quatro sons simultâneos, as
tétrades. Medeiros5 ressalta que as tríades são raras e que acordes com sétima são
usados com uma ou mais tensões. Tal estrutura harmônica básica dá margem para
que estas tensões (nona, décima primeira, décima terceira etc.) sejam adicionadas a
estes acordes.

Há, portanto, um uso generalizado de acordes sensivelmente mais alterados


do que os empregados na música popular brasileira anterior. Neste aspecto
fica bastante nítida a já mencionada influência do jazz e do be-bop6.

No artigo do qual provém esta citação, Goulart afirma ainda que na Bossa
Nova existe um uso recorrente de acordes de empréstimo modal (AEM) e aponta as
cadências [I7M – bVII7M] e [Vm7 – I7M] como características do gênero. Estas duas
progressões têm muito em comum já que, na primeira, o AEM é oriundo do modo
menor natural homônimo, assim como o acorde Vm7 da segunda progressão.
Observa-se que estes dois acordes têm a mesma função de subdominante visto que
são acordes que mantém proximidade por serem acordes relativos um do outro (em
dó maior, por exemplo, o grau bVII7M é Bb7M e seu acorde relativo, o Gm7, é o
próprio Vm7). Outros trabalhos também asseguram a recorrência dos acordes de
empréstimo modal nas harmonias deste gênero. Em alguns, porém, ao invés do
termo “AEM” se faz uso de outros como “alternância entre os modos”.

4
PAULINO, Conrado. A Harmonia da Bossa Nova. Disponível em:
<http://www.conradopaulino.com .br>. Acesso em: 26 ago. 2008.
PAULINO, Conrado. A Harmonia da Bossa Nova II. Disponível em:
<http://www.conradopaulino.com .br>. Acesso em: 26 ago. 2008.
5
MEDEIROS, Flavio Henrique; ALMADA, Carlos. Brazilian Rhythms for Solo Guitar. Pacific, MO: Mel
Bay, 1999.
6
GOULART, Diana. Bossa Nova: uma batida diferente. 2000. Disponível em: <http://www.diana
goulart.pro.br/bibliot/bossa.htm>. Acesso em: 26 ago. 2008.
223

As substituições harmônicas são citadas por alguns autores, dentre eles


Nelson Faria7, que mostra como progressões harmônicas típicas do gênero são
“variações” do II–V–I. Neste livro o autor apresenta alguns exemplos na tonalidade
de dó maior, em que vemos uma comparação do II-V-I básico com rearmonizações
bossanovistas.
O autor parte de uma harmonização diatônica básica [Dm7 – G7 – Cmaj7],
para uma rearmonização “bossa nova”: 1) [Dm9 – Db9 – C6(9)]; 2) [Dm9 – Abm6 –
Cmaj9/G]; 3) [D9 – Db7(#9) – C6(9)]; 4) [Am6 – Abº(b13) – C6(9)/G]. Nota-se que
em todos os exemplos rearmonizados mantiveram-se as funções subdominante,
dominante e tônica, respectivamente. Tais funções não foram alteradas mesmo nos
exemplos 3 e 4, em que o primeiro acorde da cadência se torna dominante
secundária.
Ainda sobre as substituições harmônicas, Bittencourt8 se refere à progressão
[II – V7] como usada em larga escala nas composições de Johnny Alf (compositor
considerado o grande precursor da Bossa Nova). O autor mostra que o grau II pode
aparecer de formas variadas (IIm7, IIm7(b5), II7) e o V7 tem a importância de
fornecer possibilidades diversas para o uso de tensões. Esta progressão “que pode
ser entendida como um esqueleto ou resumo do sistema tonal” é aproveitada por
Johnny não somente como [II – V7] da tonalidade principal de cada música, mas
também como preparação secundária, ou de modo que vão “simplesmente se
sucedendo, sem que haja necessariamente uma resolução, ou uma lógica e derivam
a partir da coerência com o motivo melódico”. O autor afirma ainda que “não existe
necessariamente um esquema fixo de uma tonalidade” e que “tudo pode acontecer”.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Conforme comentado anteriormente pôde-se observar que trabalhos tratando


especificamente de harmonia na Bossa Nova são raros quando comparados com a
produção referente à teoria e harmonia clássica, ou mesmo com outros gêneros
musicais como o Jazz, por exemplo, que já contam com uma produção bastante
volumosa e específica sobre sua harmonia, entre tantos outros aspectos.

7
FARIA, Nelson. The Brazilian Guitar Book. Petaluma, CA: Sher Music, 1995. (arquivo digital: pdf)
8
BITTENCOURT, Alexis da Silveira. A Guitarra Trio inspirada em Johnny Alf e João Donato.
Disponível em: <http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000397325>. Acesso em: 26 ago. 2008.
224

O quadro de escassez de produção muda, porém, quando começamos a


analisar aqueles materiais que tem algum capítulo ou tópico referente ao assunto. É
interessante notar que existe um número relativamente expressivo de trabalhos que
tratam em algum momento sobre a harmonia na Bossa Nova. Porém, em geral, tais
trabalhos não têm preocupação em apresentar uma analise teórica dos
procedimentos harmônicos e composicionais, fazendo apenas citações do que é
mais recorrente na prática harmônica bossanovista. De maneira geral, observa-se
que a ausência de critérios técnicos em alguns trabalhos gera divergências na
terminologia, bem como na escolha de elementos citados como mais recorrentes ou
típicos da linguagem em questão. A análise e o tipo de abordagem técnica do
fenômeno harmônico são consideravelmente diferentes e próprios de cada autor e,
apesar de alguns aspectos de senso comum, cada um entende a harmonia de
maneira própria e diferenciada dependendo de sua formação e influências.
É normal que haja certo grau de divergência vinda de uma matéria que não
pretende ser uma ciência exata, e não se pode esperar que todos os autores
discutam e teorizem sobre o assunto da mesma maneira. Diferenças podem ocorrer
em qualquer área da teoria musical que busca a sistematização a partir dos
procedimentos práticos. Entretanto, um grau elevado de diferenças neste sentido
denota uma carência do ponto de vista teórico. A partir da realização deste trabalho,
pode se verificar que, com a crescente sistematização e academização de assunto
pertinentes à música popular, estas divergências, principalmente no que diz respeito
à termos técnicos, tendem a ser cada vez menores. Cabe ressaltar que, em se
tratando de música popular, uma sistematização única pode ser ainda mais
complexa devido ao seu grande dinamismo e atualização permanente.
Conclui-se também que a Bossa Nova apresenta especificidades
significativas no campo da harmonia, o que faz com que esta matéria possa vir a ser
um campo fértil de estudo científico. Pois, apesar de ter sido um movimento que –
como todo o gênero musical – recebeu diversas influências, foi uma manifestação
que se mostra possuidora de alto grau de originalidade e características próprias.
Isto faz com que muitos aspectos da linguagem musical bossanovista possam ser de
fato abordados como típicos de um gênero ou estilo. Podemos ver, ou mesmo ouvir,
que determinadas progressões – como o “clichê” [II7(13) - II7(b13) - IIm7 - V7(b9)],
por exemplo – “soam Bossa Nova” devido ao uso recorrente e específico neste
gênero musical. Desse modo, a harmonia seria também um desses aspectos, o
225

qual, no ponto de vista deste autor, abre espaço para analises e discussões no
âmbito acadêmico.
Por fim, cabe aqui colocar que alguns procedimentos harmônicos
bossanovistas podem ser compreendidos à luz de outros trabalhos teóricos que não
chegam a tratar especificamente da Bossa Nova. Principalmente em livros sobre
harmonia popular ou mesmo sobre o jazz (Sérgio Freitas9, Ian Guest10 e Mark
Levine11, por exemplo), que tratam de explanar teoricamente os procedimentos
harmônicos comuns na música popular. O estudo de tais livros se mostra
indispensável para quem deseja compreender a prática harmônica bossanovista
visto que, por se tratar do estudo da teoria harmônica tonal na música popular,
mesmo que de forma geral, isto é, independente de fixar-se em um gênero musical
ou outro, podem elucidar muitas questões neste sentido.

REFERÊNCIAS

BITTENCOURT, Alexis da Silveira. A Guitarra Trio inspirada em Johnny Alf e João


Donato. Disponível em: <http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000397325>.
Acesso em: 26 ago. 2008.
BOSCOLI, Ronaldo. Eles e Eu: memórias de Ronaldo Boscoli. Rio de Janeiro: Nova
Fronteira, 1994.
CABRAL, Sérgio. Nara Leão – Uma Biografia. Rio de Janeiro: Lumiar, 2001.
CAMPOS, Augusto de. Balanço da Bossa e outras Bossas. 5. ed. São Paulo:
Perspectiva, 1993.
CASTRO, Ruy. A onda que se ergueu no mar. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.
CASTRO, Ruy. Chega de Saudade. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.
CURIA, Wilson. Harmonia Moderna e Improvisação. São Paulo: Fermata do Brasil, 1990.
FARIA, Nelson. The Brazilian Guitar Book. Petaluma, CA: Sher Music, 1995.
(arquivo digital: pdf)
FREITAS, Sergio Paulo Ribeiro de. Teoria da harmonia na música popular.
Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista. São Paulo, 1995.
GAVA, José Estevam. A linguagem harmônica da Bossa Nova. Dissertação
(Mestrado) – UNESP. São Paulo, 1994.
GOULART, Diana. Bossa Nova: uma batida diferente. 2000. Disponível em:
<http://www.dianagoulart.pro.br/bibliot/bossa.htm>. Acesso em: 26 ago. 2008.
9
FREITAS, Sergio Paulo Ribeiro de. Teoria da harmonia na música popular. Dissertação (Mestrado).
Universidade Estadual Paulista. São Paulo, 1995.
10
GUEST, Ian. Harmonia: Método Prático. v. 2. Rio de Janeiro: Lumiar, 2000.
11
LEVINE, Mark. The jazz theory book. Petaluma, CA: Sheer Music, 1995; entre outros.
226

GUEST, Ian. Harmonia: Método Prático. v. 1 e 2. Rio de Janeiro: Lumiar, 2000.


LEVINE, Mark. The jazz theory book. Petaluma, CA: Sheer Music, 1995.
LYRA, Carlos. Harmonia Prática da Bossa-Nova. São Paulo: Irmãos Vitale, 1999.
MEDEIROS, Flavio Henrique; ALMADA, Carlos. Brazilian Rhythms for Solo Guitar.
Pacific, MO: Mel Bay, 1999.
PAULINO, Conrado. A Harmonia da Bossa Nova II. Disponível em: <http://www.
conradopaulino.com.br>. Acesso em: 26 ago. 2008.
PAULINO, Conrado. A Harmonia da Bossa Nova. Disponível em: <http://www.
conradopaulino.com.br>. Acesso em: 26 ago. 2008.