Você está na página 1de 1

Filosofia

 –  10º  Ano                                                                                                                                                                                                                                                                                                                        Estado,  Direito  e  Justiça  


   

JOSÉ  GIL  (1939-­‐  ):  É  um  filósofo,  pensador  e  professor  universitário  português  com  enorme  relevância  no  
plano   estético,   tendo   efectuado   estudos   de   relevância   sobre   o   filósofo   Gilles   Deleuze.   Nascido   em  
Moçambique,   residiu   durante   muitos   anos   em   França   Leccionou,   sendo   que   uma   boa   parte   dos   seus  
trabalhos   se   apresentam   em   língua   francesa.   Entre   as   inúmeras   obras   que   escreveu   destacam-­‐se,     os  
Monstros  (1994),  Metamorfoses  do  Corpo  (1997)    e  Portugal  Hoje:  o  Medo  de  Existir  (2004).  

DE  QUE  É  QUE  SE  TEM  MEDO?  


 
         Um   escritor   italiano   que   conhecia   muito   bem   Portugal   dizia   há   uns   anos:   “uma   estranha   semiótica  
rege   este   país”.   Um   português   pergunta   a   outro   “Aonde   vais   este   fim-­‐de-­‐semana?”   o   outro   responde:  
“Fico   por   aí...”.   “Por   aqui”,   “por   aí”   designam   lugares   indeterminados,   trajetos   aleatórios,   sem  
direção   nem   fronteiras,   mas  bem  precisos  para  os  portugueses.   Curiosamente,  o   “por   aí”   refere-­‐se    a  
um   pequeno   território   de   deambulação   (física   e   mental),   ao   mesmo   tempo   invisivelmente  
enclausurado  e  internamente  livre.  Nesse  espaço  reduzido,  o  sujeito  vai  passear  ao  acaso,  cheirar  o  
ar,   deixar   vir   a   si   as   coisas   visíveis,   sentar-­‐se   num   café   a   ler   o   jornal,   provocar   sem   dúvida   calmos  
encontros   esperadamente   inesperados   com   outros   que   também   andam   “por   aí”.   (uma   outra  
expressão  típica  do  estranho  deambular  lusitano:  “se  calhar...”).  
         (...)  Uma  diplomata  francesa  que  tinha  vivido  largos  anos  na  China  e,  mais  tarde,  em  Portugal,  dizia  
que   os   portugueses   eram   os   “chineses   do   Ocidente”.   E   explicava:   os   chineses   nunca   vão   diretos   ao  
assunto,   dão   voltas   e   voltas   antes   de   lá   chegar   e   sempre   em   termos   velados.   Os   portugueses   fazem   o  
mesmo:   aproximam-­‐se   indiretamente,   percorrem   espirais,   caminhos   impraticáveis   e   barrocos   até  
abordar  claramente  a  questão.  Tanta  precaução  indica  uma  recusa  do  enfrentamento  –  o  medo.    
         (...)  Hoje,  trinta  anos  depois  do  fim  do  regime  do  medo  [salazarismo],  convivemos  ainda  com  ele.    
A   sociedade   portuguesa,   os   portugueses   não   perderam   o   medo,   ainda   que   (ou   talvez   por   isso)   as  
novas  gerações  pouco  saibam  do  passado  salazarista.    
         (...)   O   medo   (...)   constitui-­‐se,   antes   demais,   como   medo   (...)   de   existir,   de   afrontar   as   forças   do  
mundo  desencadeando  as  suas  próprias  forças  de  vida.  Medo  de  agir,  de  tomar  decisões  diferentes  
da  norma  vigente,  medo  de  amar,  de  criar,  de  viver.  Medo  de  arriscar.  A   prudência  é  a  lei  do  bom  
senso   português.   (...)   o   esmagamento   a   que   os   portugueses   foram   sujeitos   durante   o   salazarismo  
manifesta  aqui  um  dos  seus  efeitos.  Ninguém  se  julga  capaz,  toda   a  gente  se  sente  inferior  à  norma  
ideal  de  competência.  O  que  não  deixa  de  ser,  em  inúmeros  casos  real,  mas  que  contribui  também  
para   que   a   incompetência   aumente   por   falta   de   audácia,   de   coragem,   de   capacidade   para   se  
reconhecer  o  que  se  é.    
         (...)  Se  o  atual  povo  português  fosse  um  povo  de  intensidades  e  não  de  sentimentos  e  de  medo  
(como   Fernando   Pessoa   caracterizava     povo   espanhol,   contrapondo-­‐o   ao   português),   há   muito   que  
teríamos   saído   do   estado   de   iliteracia   e   de   fragilidade   económica   em   que   vivemos.   Em   vez   disso,  
sofremos  de  muitos  defeitos  próprios  das  sociedades  do  terceiro  mundo:  absentismo  no  trabalho,  
inércia,  dificuldades  na  formação  e  na  aprendizagem,  lentidão,  falta  de  competitividade.  Como  
se  tivéssemos  sido  atingidos  por  uma  doença  que  nos  deixa  diminuídos,  meio  desfalecidos,  como  
um   défice   de   força   vital.   (...)   Enquanto   dispositivo   mutilador   do   desejo,   o   medo   predispõe   à  
obediência.  Amolece  os  corpos,  sorve-­‐lhes  a  energia,  cria  um  vazio  nos  espíritos.    

Gil,  José  (2004)  Portugal  Hoje:  O  Medo  de  Existir.  Relógio  d’Água,  pp.  75-­‐80.    
(Adaptado  por  Joana  Inês  Pontes)  
 

Interesses relacionados