Você está na página 1de 6

II Encontro do Centro-Oeste Brasileiro de

Engenharia de Produção – ENCOBEP 2011


14 a 16 de abril de 2011 – UFG campus Catalão
“Recursos Estratégicos e Engenharia de Produção: perspectivas para a região
Centro-Oeste”

Aferição dos pacotes rejeitados durante o processo produtivo de


empacotamento de açúcar de 2kg através do projeto de experimentos

Esp. Fabiana Souza de Andrade (UNEMAT-Alto Araguaia)-bia.souzandrade@gmail.com

MBA Márcia H. Borges Notarjacomo (N & A Consultores) - notarjacomo@hotmail.com

MBA Daniel Pires Carvalho (Uninova/Martinello Construtora) - cogeraski@hotmail.com

Dr. José Luis Duarte Ribeiro (UFRGS) - ribeiro@producao.ufrgs.br

RESUMO
O estudo relata a aplicação da técnica de Planejamento de Experimentos (DOE) em um procedimento de aferição
da perda de açúcar durante o empacotamento de embalagens de 2 kg em uma usina de produção. Na fase de
problematização, definiram-se a variável de resposta, os fatores controláveis, os efeitos significativos, os fatores
de ruído, as quantidades de ensaios e possíveis interações. O objetivo do experimento foi determinar se os fatores
máquinas, turnos e dias influenciam na variável de resposta perda de açúcar durante o empacotamento. Como
metodologia, adotou-se o modelo da pesquisa aplicada aliada a uma abordagem quantitativa executando-se os
procedimentos de pesquisa bibliográfica sobre o tema e de pesquisa experimental. O projeto foi realizado
utilizando-se o experimento fatorial generalizado, contemplando um total de 84 tratamentos. Os dados coletados
na monitoração foram processados em planilha eletrônica e os resultados foram examinados através da análise
das variâncias (ANOVA) e apresentados em gráficos que apresentam as interações entre os fatores. A aplicação
do modelo matemático atinge o objetivo de identificar os efeitos dos fatores estudados sobre a perda de açúcar
durante o empacotamento, além de demonstrar a necessidade de um plano de ação que contemple o redesenho do
sistema de alimentação das máquinas empacotadoras.
Palavras-chave: Projeto de experimentos; Aferição; Empacotamento de açúcar; Experimento
fatorial generalizado.
Área/Subárea: Engenharia de Operações e Processos da Produção/ Gestão de Sistemas de
Produção e operações.

1 INTRODUÇÃO

A partir de 1935, Ronald Fisher consolidou o projeto de experimentos (Design of


Experiments, DOE) como uma metodologia confiável, ao tal ponto que de sua aplicação
inicial com o objetivo de analisar dados experimentais de uma estação agrícola em Londres
tornou-se uma ferramenta indispensável no projeto de processos de um produto.
Há farta literatura discutindo os conceitos, objetivos, método e aplicações do projeto de
experimentos. Aranda, Jung e Caten, (2008, p. 119-120) definem que projeto de
experimentos,

é uma técnica utilizada para se planejar experimentos, ou seja, para definir quais
dados, em que quantidade e em que condições devem ser coletadas durante um
determinado experimento, buscando, basicamente, satisfazer dois grandes objetivos:
a precisão estatística possível na resposta e o menor custo.

Independente do ambiente a ser aplicado o planejamento de experimentos é realizado


com um objetivo central, definido por Ribeiro e Caten (2010, p.6) como “achar o ajuste ótimo

1
II Encontro do Centro-Oeste Brasileiro de
Engenharia de Produção – ENCOBEP 2011
14 a 16 de abril de 2011 – UFG campus Catalão
“Recursos Estratégicos e Engenharia de Produção: perspectivas para a região
Centro-Oeste”

dos parâmetros do sistema de forma a maximizar o desempenho do sistema, minimizar custos


e tornar o desempenho do sistema pouco sensível ao efeito dos fatores de ruído”.
Montgomery (sem data) explicita que o projeto de experimentos é uma técnica que
combina estratégias para a execução de um experimento com ferramentas estatísticas. Para o
autor o processo de realização do experimento é permeado pelo questionamento de alguns
pontos: qual experimento será realizado? Quais variáveis serão consideradas? Qual a
quantidade de observações? Quais os fatores controláveis e incontroláveis? Qual o modelo de
ensaio? Qual a unidade experimental?
Além disso, se aplicada de forma antecipada segundo Usevicius (2004, p. 26), o uso do
projeto de experimentos pode contribuir para: “a) melhoria da eficiência dos processos; b)
redução de variabilidade e conformidade mais próxima da nominal; c) redução de tempo de
desenvolvimento; d) redução de custos globais”.
Existem vários tipos de planejamento de experimento (completamente aleatorizado com
um único fator, fatorial, blocos aleatorizados, quadrados latinos, hierárquicos, entre outros) e
uma grande quantidade de instrumentos de análise de dados (plots, ANOVA, regressão, t test, z
test, etc) o que faz com que a excelência da qualidade do experimento esteja ligada à escolha
correta das estratégias aplicadas na experimentação.
Em sua atuação no setor de industrial de produção de açúcar, um dos pesquisadores
identificou o problema de perda de açúcar no processo de empacotamento automático das
embalagens de 2 kg o que ocasionava à empresa prejuízo financeiro, além do desperdício da
matéria prima. A usina em questão (doravante denominada Usina X) utiliza um sistema de
redler em que o açúcar é transportado em uma esteira até ser distribuído em quatro máquinas
de empacotamento, sendo que nas duas últimas máquinas (máquinas 3 e 4) o peso oscila por
falta de produto não atendendo a demanda da produção.
No caso deste estudo, o objetivo é identificar os gargalos de produção através da análise
da quantidade de pacotes rejeitados pelas máquinas empacotadoras de açúcar de 2Kg,
adotando para sua realização a técnica de projeto de experimentos. Especificamente,
procedendo à aferição da perda de açúcar durante o empacotamento de pacotes de 2 kg para
análise da existência de interferência de efeito de máquina, turnos e dias sobre a variável.
Para a realização do experimento adotou-se o experimento fatorial completo em que “os
tratamentos cobrem todas as possíveis combinações dos níveis dos fatores” (MOURA, 1995),
pois conforme Tahara (2010) com o seu uso é possível obter “estimativas e comparações dos
efeitos dos fatores, estimativa dos possíveis efeitos de interações e estimativa da variância”.
Para análise de dados escolheu-se a análise de variância (ANOVA) que tem por objetivo
“avaliar se as diferenças observadas entre as médias das amostras são estatisticamente
significantes” (LAPPONI, 2005, p.380).

2 METODOLOGIA

No desenvolvimento do estudo adotou-se o modelo da pesquisa aplicada, devido à


necessidade de produzir informações para o problema especificado, aliando-a a abordagem
quantitativa, com o uso de técnicas estatísticas. A fase da execução dos procedimentos
técnicos foi dividida em duas etapas:
1. Pesquisa bibliografia especializada sobre técnicas de projeto de experimento,
ANOVA, definições básicas do produto e os parâmetros de processo de empacotamento,
visando embasar o trabalho com os conceitos.

2
II Encontro do Centro-Oeste Brasileiro de
Engenharia de Produção – ENCOBEP 2011
14 a 16 de abril de 2011 – UFG campus Catalão
“Recursos Estratégicos e Engenharia de Produção: perspectivas para a região
Centro-Oeste”

2. Pesquisa experimental aplicada por meio do projeto de experimento, isso porque


conforme Ribeiro e Caten (2010, p.5) este último,

Trata-se de uma metodologia apoiada em conceitos estatísticos, destinados a


otimizar o planejamento, execução e analise do experimento. O uso de projeto de
experimento permite que se estruture a seqüência de ensaios a forma de traduzir os
objetivos pré-estabelecidos pelo pesquisador com eficiência superior em termos de
informação a qualquer outra sequência não estruturada de ensaios.

Para a condução do experimento adotou-se o delineamento proposto por Ribeiro,


Fogliatto e Caten (2000): (i) identificação do problema, (ii) planejamento do experimento,
(iii) execução dos experimentos, (iv) análise e conclusão dos resultados.
Na fase de obtenção dos dados, optou-se pela coleta de amostras em um período de sete
dias (12 a 18 de outubro deste ano), nos três turnos da usina (A, B, C) e com a totalidade das
máquinas que empacotam 2kg (4 unidades). No período delimitado aferiu-se o peso de todos
os pacotes de 2kg rejeitados pelas máquinas em cada turno (turno x maquina) e diante das
informações coletadas sobre rejeição de pacotes, analisou-se o motivo pela qual as máquinas
apresentam estes gargalos produtivos.

3 ESTUDO APLICADO

Descreve-se como o delineamento proposto por Ribeiro, Fogliatto e Caten (2000) foi
conduzido durante a pesquisa.

3.1 Identificação do problema

Na presente pesquisa, como afirmado anteriormente, buscou-se identificar os gargalos


de produção através da análise da quantidade de pacotes rejeitados pelas máquinas
empacotadoras de açúcar de 2Kg. Para tanto se definiu como: a) variável de resposta: a taxa
de pacotes rejeitados após soldagem; b) fatores controláveis: 4 máquinas (fator A), 3 turnos
(fator B) e 7 dias (fator C); c) efeitos significativos: máquinas e turnos; d) fatores de ruídos:
variação da rede de energia; e) ensaios: 84 tratamentos; f) interações: AB, AC, BC e ABC.

3.2 Planejamento do experimento

Por possuir três fatores controláveis (máquinas, turnos e dias) realizou-se o experimento
fatorial completo, pois o mesmo possibilita uma “maior eficiência em estimar os efeitos
principais dos fatores sob a variável em análise, e, principalmente, na definição da interação
entre todos os fatores” (PINHO, MONTEVECHI e MARINS, 2007, p. 326).
Buscou-se observar em cada fator o seguinte aspecto: (i) máquinas - existência de
máquinas descalibradas, (ii) turnos - indicação de procedimentos diferentes adotados em cada
turno, (iii) dias - estabilidade do processo, além de possíveis (iv) interação entre os fatores.

3.3 Execução do experimento

O experimento foi monitorado durante 7 dias e os dados coletados foram inseridos em


planilhas do Microsoft Office Excel® onde realizaram-se os cálculos das interações. Com
base nos resultados obtidos executou-se a analise de variância (ANOVA) e em sequência a
representação dos resultados em forma de gráficos.

3
II Encontro do Centro-Oeste Brasileiro de
Engenharia de Produção – ENCOBEP 2011
14 a 16 de abril de 2011 – UFG campus Catalão
“Recursos Estratégicos e Engenharia de Produção: perspectivas para a região
Centro-Oeste”

Tabela 1 - ANOVA
F Cal ≥
Fonte de Soma Médias Teste F Teste F F Tab =
Variação Quadrada Gdl Quadrada Calc Tab Conclusão Signif
DIA:A 0,0039% 6 0,0006% 1,6 2,38 Não signif 0,76
TURNO:B 0,0052% 2 0,0026% 6,5 3,28 Signif -3,18
MAQ:C 0,2375% 3 0,0792% 198,2 2,88 Signif -195,27
AB 0,0039% 12 0,0003% 0,8 2,05 Não signif 1,24
AC 0,0047% 18 0,0003% 0,7 1,89 Não signif 1,23
BC 0,0220% 6 0,0037% 9,2 2,38 Signif -6,82
ABC(erro) 0,0144% 36 0,0004% 1,0 -1,00

TOTAL 0,2915% 83

3.4 Análise e conclusão dos resultados

Conforme análise das médias obtidas em cada situação, observa-se um forte efeito do
fator Máquinas. As máquinas 1 e 2 apresentam desempenho superior, enquanto que as
máquinas 3 e 4 apresentam desempenho inferior (maior percentual de pacotes rejeitados). Em
relação aos Turnos, o turno 2, em média, apresenta o melhor desempenho. Também pode ser
observada uma interação entre Turnos e Máquinas. Na máquina 3 o melhor desempenho foi
obtido no turno 2, enquanto que na máquina 4, o melhor desempenho foi obtido no turno 3.

Gráfico 1 – Máquinas X Turnos

O Gráfico 2 – Máquinas X Dias também deixa claro o aumento significativo de


pacotes rejeitados nas Maq 3 e Maq4. Como DIA é fator não significativo entende-se a
diferença de desempenho de um dia para o outro como o efeito do ruído experimental.

4
II Encontro do Centro-Oeste Brasileiro de
Engenharia de Produção – ENCOBEP 2011
14 a 16 de abril de 2011 – UFG campus Catalão
“Recursos Estratégicos e Engenharia de Produção: perspectivas para a região
Centro-Oeste”

Gráfico 2 – Máquinas X Dias

As possíveis causas destes desvios podem ser o fato de que no turno C as máquinas
param de funcionar 30 minutos antes do termino do expediente para realizar a limpeza e
organização da área, além disso eles tem o café da madrugada em que param mais 20
minutos aproximadamente, o que explicaria a quantidade de pacotes produzidos serem em
menor número.
Em relação a maquina 4 diagnosticou-se que a máquina tem paradas por falta de
manutenção no período de entre safra, informações fornecidas pelo operador das máquinas
que sugeriu levar à gerência a ideia de manutenção preventiva das empacotadeiras.
Pode-se concluir após o período de observação, aferição e análise dos resultados um
gargalo de produção nas máquinas 3 e 4 . Observou-se que nestas máquinas a produção é
menor que nas demais, apresentando um volume de pacotes rejeitados significativo no
decorrer da semana.
As máquinas na Usina X são posicionadas de forma linear, em seqüência 1, 2, 3 e 4 o
que faz com que a máquina 3 e 4 recebam pouco açúcar. Isso porque o produto vem por
esteiras e chega com força insuficiente para abastecer a máquinas, oscilando a produção e
conseqüentemente o peso que hora esta dentro dos padrões, ora não. Além disso, observa-se
que a empresa perde embalagens toda vez que um pacote é rejeitado e o produto que volta ao
processo inicial (o açúcar volta para diluição e isto representa custo).
Para solicionar parcialmente o problema, sugere-se a priori que realizem a manutenção
preventiva das empacotadeiras no período de entre safra onde a processo de empacotamento é
menor. Além disso, procedam ao redesenho do sistema de alimentação das máquinas
empacotadoras.

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

O estudo apresentou os resultados da aplicação da técnica de planejamento de


experimentos (DOE) em um procedimento de aferição da perda de açúcar durante o
empacotamento de embalagens de 2 kg: o objetivo do experimento foi determinar se os
fatores máquinas, turnos e dias influenciavam a variável de resposta perda de açúcar durante o

5
II Encontro do Centro-Oeste Brasileiro de
Engenharia de Produção – ENCOBEP 2011
14 a 16 de abril de 2011 – UFG campus Catalão
“Recursos Estratégicos e Engenharia de Produção: perspectivas para a região
Centro-Oeste”

empacotamento. Para realizá-lo de forma a obter resultados confiáveis e mensuráveis adotou-


se a metodologia proposta por Ribeiro, Fogliatto e Caten (2000).
A princípio o estudo permitiu atingir os objetivos propostos identificando os gargalos
produtivos do processo industrial em questão, conforme mencionado no tópico 4.4 Análise e
conclusão dos resultados. Além disso, proporcionou à Usina X a possibilidade de avaliar os
processos que estavam ocasionando prejuízo, bem como o conhecimento do potencial do uso
do DOE como ferramenta para a otimização dos processos.
Em um aspecto geral concluiu-se que o uso de projeto de experimentos possibilita o
mapeamento dos fluxos dos processos da produção propiciando a identificação dos problemas
nas etapas produtivas até chegar aos clientes.

Referente à Usina X percebeu-se, após o projeto de experimento, que para a empresa


resolver o problema deverá realizar um investimento no sistema de abastecimento do
empacotamento trocando o atual maquinário por um sistema de moegas e roscas o que
resultará em êxito no processo de empacotamento e por consequência diminuição ou anulação
da rejeição de pacotes de 2 kg.

REFERÊNCIAS

ARANDA, Mariela Haidée; JUNG, Carlos Fernando; CATEN, Carla Schwengber ten. Aplicação do projeto de
experimentos para otimização de uma inovação tecnológica. Revista Gestão Industrial, v. 4, n. 2, p. 116-132,
2008.
GALDÁMEZ, Edwin V. C.; CARPINETTI, Luiz C. R. Aplicação das técnicas de planejamento e análise de
experimentos no processo de fabricação de produtos plásticos. In: COBEM - CONGRESSO BRASILEIRO DE
ENGENHARIA MECANICA, 16, 2001, Uberlândia. Anais... Uberlândia, 2001.
LAPPONI, Juan Carlos. Estatística usando Excel. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.
MONTGOMERY, D.C. Design of Experiments - Montgomery. Disponível em:
<www.andresgarcia.net/stats/design/topic1.pdf>. Acesso em: 03 nov. 2010.
MOURA, Eduardo C. DOE e Taguchi: uma comparação. 1995. Disponível em:
<http://www.qualiplus.com.br/blog-q/artigos/135-doe-e-taguchi-uma-comparacao.html >. Acesso em: 11 nov.
2010.
PINHO, Alexandre Ferreira de; MONTEVECHI, José Arnaldo Barra; MARINS, Fernando Augusto Silva.
Análise da aplicação de projeto de experimentos nos parâmetros dos algoritmos genéticos. Sistemas & Gestão,
v. 2, n. 3, p. 314-325, set/ dez. 2007.
RIBEIRO, José Luiz Duarte; CATEN, Carla Schwengber ten. Projeto de experimentos. Porto Alegre: UFRGS,
2010. (Série Monográfica Qualidade).
RIBEIRO, José Luiz Duarte; FOGLIATTO, Flávio S.; CATEN, Carla Schwengber ten. Minimizing
manufacturing and quality costs in multiresponse optimization. Quality Engineering, v 13, n 2, p 191-201,
2000.
TAHARA, Sayuri. Planejamento de Experimentos (DOE). São Paulo: USP/NUMA, 2010. Disponível em:
<http://www.portaldeconhecimentos.org.br/index.php/por/content/view/full/9417#eztoc113642_1_15>. Acesso
em: 20 nov. 2010.
USEVICIUS, Luis Antonio. Implantação da metodologia seis sigmas e aplicação da técnica estatística
projeto de experimentos na resolução de problemas de otimização de processos de fabricação. Dissertação
(Mestrado Profissionalizante em Engenharia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.