P. 1
Plano de Estágio Supervisionado em Serviço Social II

Plano de Estágio Supervisionado em Serviço Social II

|Views: 32.054|Likes:
Publicado porJumeinerz

More info:

Published by: Jumeinerz on Apr 29, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/05/2015

pdf

text

original

UNIJUI – UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

DCS – Departamento de Ciências Sociais Curso de Graduação em Serviço Social

PLANO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO II

Juliana Costa Meinerz Zalamena

SANTA ROSA, RS - 2º/2008.

Santa Rosa, 2º Semestre de 2008 PROPOSTA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO II – PLANO DE ESTÁGIO:
1. IDENTIFICAÇÃO:

Nome: Juliana Costa Meinerz Zalamena Matrícula: 490909 Estágio Supervisionado: I Local de Estágio: Prefeitura Municipal de Tuparendi-Secretaria de Saúde a Ação Social. Supervisor de Campo: Elizabeth da Silva Cabaldi Supervisor Acadêmico/Professor Supervisor: Lislei Teresinha Preuss Total de Horas: 175 horas Semestre e Ano: 1º/2008

Ementa: Apreensão, reflexão e operacionalização dos elementos constitutivos do processo de trabalho do assistente social; atitude investigativa, propositiva e criativa no Serviço Social; a construção do objeto; a análise e reflexão do contexto social relacionando-o com a realidade local-regional. 2. OBJETIVOS DO ESTÁGIO:

-

Proporcionar

momentos

de

integração

entre

instituições-

Universidade/Campos de Estágio; - Planejar as atividades no campo de estágio; - caracterizar demandas e usuários no espaço institucional de estágio; - caracterizar elementos constitutivos do processo de trabalho do Serviço Social no campo de estágio; - Relatar as atividades desenvolvidas no cotidiano de estágio; - Elaborar reflexões teórico-práticas desenvolvidas no campo de estágio; - instigar postura investigativa do estagiário frente à especificidade do objeto de trabalho do Serviço Social no referido campo; - aprofundar os conhecimentos acerca da política de assistência social no município de Tuparendi, bem como os respectivos programas operacionalizados pela Secretaria de Saúde e Ação Social deste município; – de acordo com o diagnóstico dos usuários, demandas e objetivos da instituição, construir uma proposta de intervenção coerente, útil e que possa ser aproveitada positivamente no futuro; - colaborar nas intervenções realizadas durante o estágio, aplicando o conhecimento adquirido em ambiente acadêmico;

3. ATIVIDADES: Atividades que deverão ser desenvolvidas pelo aluno com a supervisão do professor de campo: Dentre as atividades que estarão sendo realizadas ao longo do estágio podem ser enfatizadas:

- Supervisão acadêmica; - Apreensão dos instrumentos e técnicas no Serviço Social: planejamento, observação, realização de entrevistas, visitas domiciliares, estudo e pereceres sociais, dinâmica de grupo, escuta sensível, entre outros. - Atitude investigativa; - Identificação dos usuários e do objeto de intervenção do serviço Social; - Elaboração do diário de campo: descrição de todas as atividades desenvolvidas no dia-a-dia do estágio; -participação nas reuniões do Conselho de Assistência Social, COMDICA e COMPETI. - Plano de Estágio: planejamento das atividades a serem realizadas; - Proposta de intervenção de acordo com a conjuntura existente, objetivos da instituição e demandas dos usuários, com base na atitude investigativa; - Relatório Final do Estágio: reflexão e análise teórico - práticas das atividades desenvolvidas no decorrer do estágio; - Auto-avaliação

3.1 O que está previsto na proposta de Estágio Supervisionado neste semestre? De acordo com esta proposta, o que o (a) seu (sua) supervisor (a) acredita que você deve aprender neste semestre? E o supervisor/professor acadêmico? Acredita-se que a apreensão das instrumentalidades e técnicas do Serviço Social é fundamental, devendo o (a) estagiário (a) relacionar as dimensões técnicooperativas e teórico-metodológicas da profissão com as atividades cotidianas de estágio. Assim, podem-se compreender efetivamente os objetivos do Serviço Social na instituição. Através da atitude investigativa espera-se que o estagiário identifique

seu objeto de intervenção, e construa apartir deste uma proposta de intervenção coerente, dentro das possibilidades da instituição, os conhecimentos teóricos e as demandas postas na conjuntura deste município, sendo que esta proposta seja útil para a instituição, cause impactos positivos na vida dos usuários e possa ser aproveitada posteriormente após o término do estágio. 3.2 O que a Instituição espera da Estagiária? Que realize atividades costumeiras dentro da instituição (muitas vezes não estando claros os papéis do Serviço Social e as verdadeiras atribuições da profissão), auxiliando a Assistente Social nas atividades por ela desempenhadas conforme a sua determinação. Acredita-se que a instituição não tenha clareza nas suas expectativas e objetivos em receber um estagiário em Serviço Social. 3.3 Qual a pretensão da Estagiária na Instituição? Humildemente, pretende-se continuar defendendo as competências do profissional assistente social, tentando afirmar o papel do estagiário dentro da instituição e assim tendo a possibilidade ainda que remota, de abrir subjetivamente um espaço de reafirmação do papel do Serviço Social na instituição; pretende-se realizar um aprofundamento maior em cada programa operacionalizado pela Secretaria, se isso for permitido pela supervisora de campo, visto que no Estágio Supervisionado em Serviço Social I a observação foi bastante ampla e por isso muito restrita nos vários subespaços de atuação profissional. Pretende-se, se for do interesse e da aceitação da supervisora, ter maior autonomia nas atividades, podendo realizar visitas, pareceres, avaliações sociais de forma autônoma, para posteriormente serem corrigidos os equívocos e reaproveitados os acertos. Também busca-se construir uma proposta de investigação e intervenção, com a preocupação em realizá-la de acordo com as demandas e perfil dos usuários, possibilidades e fragilidades da instituição, mas de modo a contribuir com uma proposta que possa ser aproveitada futuramente e que realmente seja útil para a instituição, e para as pessoas atendidas pela mesma.

3.4 Leituras que deverão ser efetuadas no decorrer do Estágio? BARTLETT, Harriett. A base do Serviço Social. São Paulo: Pioneira, 1993. BOMTEMPO, Denise. BOSETTI, Elza. CÉZAR, Maria Auxiliadora. LEAL, Maria Lucia P. (orgs) Exploração Sexual de meninas e adolescentes no Brasil. Brasília: UNESCO/CECRIA, 1995. BURIOLLA, Marta A. F. Estágio Supervisionado . São Paulo: Cortez, 1998; ____________________- Supervisão em Serviço Social: o supervisor, sua relação e papéis. São Paulo: Cortez, 2003. LAZZAROTTO, Danilo. História do Rio Grande do Sul. Ijuí: Editora Unijuí, 1998. ROTTA, Edemar. A construção do desenvolvimento: análise de um modelo de interação entre regional e global. Ijuí: Editora Unijuí, 1999. VASCONCELOS, Eduardo Mourão (org) Saúde Mental e Serviço Social: o desafio da subjetividade e da interdisciplinaridade. São Paulo: Cortez, 2000. WANDERLEY, Mariângela Belfiore. Desenvolvimento continuidades e rupturas. 2.ed. São Paulo: Cortez, 1998 de comunidade:

3. O que você acredita que a qualifica para a sua prática profissional? Demonstrar interesse e participação nas atividades curriculares e de campo. Realização das leituras bibliográficas específicas do Serviço Social, legislação vigente e também, outras leituras que contribuam para uma compreensão mais aprofundada da realidade e das diferentes situações pelas quais passam os usuários, como trabalho infantil, violência domestica de gênero, violência contra crianças e adolescentes, abuso sexual e exploração sexual, distribuição de renda, etc., observação e acompanhamento nas atividades, esclarecimento de dúvidas tanto com o supervisor de campo quanto com o supervisor acadêmico, conversas acerca das atividades, auto-avaliação de atitudes, comportamento e atuação e além disso, a manutenção da postura ética do profissional Assistente Social na academia e no campo de estágio. Além disso a oportunidade de aprender realizando as atividades e não só observando, ou seja, aprendizado prático.

3.6 O que você crê que irá contribuir para esta Instituição? Pretende-se contribuir nas atribuições específicas do profissional de Serviço Social na instituição como a participação em entrevistas, intervenções, laudos, diagnósticos, pareceres e projetos sociais, entre outras atividades. Bem como realizar um estudo criterioso da instituição e demanda atendida a fim de elaborar no decorrer de todo o processo de estágio, um projeto para o enfrentamento das refrações da questão social em que se encontram os usuários. Buscar alternativas para reafirmar a importância, bem como os papéis, atribuições e competências do assistente social, no sentido da sensibilização acerca da enorme contribuição que este profissional pode vir a realizar na instituição. Buscar oportunidades de esclarecimento acerca das políticas de Assistência Social, LOAS, SUAS, implantação de um CRAS e conhecimento sobre os programas federais disponíveis, pois se acredita que o conhecimento seria fundamental para abrir possibilidades por enquanto restritas, com os demais profissionais da equipe e propriamente os gestores. É necessário que os profissionais e os gestores agreguem mais conhecimento sobre a assistência social e sobre o Serviço Social, para assim terem maior sensibilidade na hora de destinar recursos e apoiar as iniciativas inovadoras, que ainda são muito poucas. 3.7 O que você sente como sendo suas possibilidades e limitações? As possibilidades são muitas, desde que haja espaço para atuação, pois visto que as atividades são determinadas pela supervisora, as oportunidades de demonstrar as capacidades são poucas e isso restringe sensivelmente a iniciativa própria. É possível aplicar muitos conhecimentos obtidos em ambiente acadêmico, além de realizar todas as atividades que fazem parte das atribuições do Serviço Social com segurança, desde que haja abertura para isso. Assim, julga-se extremamente possível contribuir para com melhorias na instituição, auxiliar de forma concreta em mudanças, desde que seja do interesse que mudanças aconteçam no momento. Assim como as possibilidades, as limitações também se fazem presentes e determinantes. As internas tratam-se da dificuldade em conciliar o estágio com outras atividades familiares, acadêmicas e de participação social. Além disso, o visível

choque de opiniões quanto à profissão, ao Serviço Social e as relações dentro da instituição entre supervisora e estagiária dificulta a atuação, e minimiza as chances de colaboração positiva. 4. PROCESSO DE SUPERVISÃO: Na academia as aulas serão quinzenais, com conteúdos explicativos acerca dos objetivos do estágio supervisionado, a cargo da supervisora acadêmica Lislei Preuss. A supervisão acadêmica é realizada de forma coletiva, durante as aulas, e individuais quando a supervisora julgar necessário ou quando o aluno solicitar. No campo a supervisão é realizada de forma individual de acordo com as necessidades do estagiário. A mesma é realizada às sextas-feiras, totalizando oito horas semanais. Nesse processo é recomendada a leitura de bibliografias que envolvem o papel do profissional Assistente Social frente à instituição e aos usuários. Bem como se recomenda a entrega quinzenal do diário à supervisora acadêmica e de campo, para o devido acompanhamento e orientação.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->