P. 1
Volume de Revolução

Volume de Revolução

|Views: 2.295|Likes:
Publicado porLeandro Diniz

More info:

Published by: Leandro Diniz on May 01, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/08/2013

pdf

text

original

Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I

Prof. Salete Souza de Oliveira Buffoni
141
8.2- Volume de Sólidos de Revolução
Uma região tridimensional (S) que possui as propriedades a) e b) a seguir é um sólido:
a) A fronteira de S consiste em um número finito de superfícies lisas que se interceptam num número finito
de arestas que por sua vez, podem se interceptar num número finito de vértices.
b) S é uma região limitada.
Exemplos de sólidos (esfera, cone circular, cubo, cilindro)
8.2.1- Sólidos de Revolução - Método do Disco
Um sólido de revolução se forma da seguinte maneira:
Dada uma região R plana e l uma linha reta que pode tocar ou não em R e que esteja no mesmo plano de R.
Girando-se R em torno de l, forma-se uma região chamada de sólido de revolução.
Girando o gráfico de uma função f(x) tem-se:
R
l
Área plana 1
S
l
Sólido gerado pela Rotação.
a b x
y = f(x)
Área plana 2
r=f(x)=y
dV = πr
2
dx
dV = π[f(x)]
2
dx
V = π

b
a
2
dx )] x ( f [
y
Cálculo do elemento de volume
Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I
Prof. Salete Souza de Oliveira Buffoni
142
Exercícios
1) Usando o método do disco circular, calcule o volume do sólido gerado pela revolução da região sob a
função y = f(x) = x
3
, no intervalo [1,2].
V=π
1
2
7
x
dx x dx ] x [ dx )] x ( f [
7
2
1
6
2
1
2 3
2
1
2
π π π
∫ ∫ ∫
= = = =
|
|
.
|

\
|

7
1
7
2
7 7
π = π
7
127
=18,143π=56,99(unid vol)
2) Achar o volume gerado pela função f(x) =
2 2
x a − em [-a, a]
V = π
a
a
3
x
x a dx ] x a [ dx ] x a [ dx )] x ( f [
3
2
2
1
2 2
a
a
2 2 2
a
a
2

− = − = − =
∫ ∫ ∫
− −
π π π
= π
¦
)
¦
`
¹
¦
¹
¦
´
¦

+ − −


3
a
a
3
a
a
3
3
3
3
= π
¦
)
¦
`
¹
¦
¹
¦
´
¦
− + −
3
a
a
3
a
a
3
3
3
3
= π
¦
)
¦
`
¹
¦
¹
¦
´
¦

3
a 2
a 2
3
3
= π =
¦
)
¦
`
¹
¦
¹
¦
´
¦


3
a 2 a 6

3 3
3
4
πa
3
que é o volume da esfera gerada!!!
1 2 x
y = x
3
(1,1)
(2,8)
R
y
Área plana 3
(1,1)
(2,8)
x
r
Elemento de volume
Sólido gerado pela rotação do
semi-círculo
-a a x
y
y =
2 2
x a − = r
Semi-círculo em rotação
Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I
Prof. Salete Souza de Oliveira Buffoni
143
Uma região plana pode ser girada em torno do eixo y ao invés do eixo x, e novamente um sólido de revolução
será gerado.
V =

π
b
a
2
dy )] y ( g [ = π

b
a
2
dy r que é o volume do sólido
Exercícios
1) Calcule o volume gerado pela parábola y = x
2
girando em torno do eixo de y, no intervalo [0,4].
V =
0
4
2
y
ydy dy ] y [ dy r dy )] y ( g [
4
0
2
4
0
2
b
a
2
b
a
2
∫ ∫ ∫ ∫
= = = =
π
π π π π = π
π
8 0
2
4
2
= −
V = 8π = 25,13 unid. de vol.
O Método do Disco pode ser estendido para o Método dos Anéis Circulares. Este método surge quando a
área de revolução é limitada por duas funções f(x) e g(x), tal que f(x) > g(x), para todo x∈[a,b].
Área plana girando em y
R
y
x
b
a
x = g(y)
y
x
dy
r = x = g(y)
dV
Sólido de revolução da área plana em torno
de y
Seção plana parábola girando em y
y
4
0 2 x
y = x
2
x = y
x
y
Sólido gerado pela Parábola de revolução
Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I
Prof. Salete Souza de Oliveira Buffoni
144
O elemento de volume do anel é dado por:
dV = π [f(x)]
2
dx - π [g(x)]
2
dx = π { [f(x)]
2
- [g(x)]
2
} dx
de forma que o volume todo é dado por:
V = { }dx )] x ( g [ )] x ( f [ dV
b
a
b
a
2 2
∫ ∫
− = π
Note que o vão interno é descontado pela subtração dos dois volumes.
Exercício
1) Calcular, usando o método dos anéis circulares, o volume formado pela rotação da região entre y = x
2
e y
= x + 2.
Sol: Faço f(x) = x + 2 e g(x) = x
2
(pois f(x) > g(x))
Pontos de Intersecção: f(x) = g(x) → x
2
= x + 2, isto é:
x
y
Sólido de revolução
Área entre parábola e reta em revolução.
y = x +2
f(x)
g(x)
a b x
y
dx
dV
Anel projetado
f(x)
y
x
g(x)
Sólido gerado pela revolução
Área plana em revolução
R
(-1,1)
(2,4)
x
y
Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I
Prof. Salete Souza de Oliveira Buffoni
145
x
2
- x - 2 = 0 (x' = -1 e x'' = 2) e (y' = 1 e y'' = 4)
V = | | | |
∫ ∫ ∫
− −
− + + = − + =
2
1
4 2
b
a
2
1
2 2 2
) x ( ) 4 x 4 x ( dx ) x ( ) 2 x ( dV π π
==


− + +
2
1
4 2
dx ] x 4 x 4 x [ π = =

|
|
.
|

\
|
− + +
1
2
5
x
x 4
2
x 4
3
x
5 2 3
π
=

|
|
.
|

\
|

− − + − +


|
|
.
|

\
|
− + +
5
) 1 (
) 1 ( 4 ) 1 ( 2
3
) 1 (
5
2
2 . 4 2 . 2
3
2
5
2
3 5
2
3
π
=

|
.
|

\
|
+ − − − |
.
|

\
|
− + =

|
.
|

\
|
+ − + − − |
.
|

\
|
− + +
5
1
2
3
1
5
32
16
3
8
5
1
4 2
3
1
5
32
8 8
3
8
π π
logo V =
5
72π
= 45,2389 (unid. de vol.)
Se a revolução for em torno do eixo y, como por exemplo para as funções x = F(y) e x = G(y), tem-se:
dV = π { [F(y)]
2
- [G(y)]
2
} dy
de forma que o volume todo é dado por:
V = { }dy )] y ( G [ )] y ( F [ dV
b
a
b
a
2 2
∫ ∫
− = π
As vezes, o sólido de revolução é gerado em torno de um eixo externo que pode ser paralelo a "x" ou a "y". O
método dos anéis circulares, pode ser aplicado, desde que se identifique o raio do giro.
x
x=g(y)
x=f(y)
y
Área entre curvas, em
revolução
x
dV
dy
y
Sólido gerado pela área em revolução
π π π π
5
72
15
216
15
32
15
184
15
3 30 5
15
96 240 40
= =

|
.
|

\
| −
− |
.
|

\
|
=

|
.
|

\
| + − −
− |
.
|

\
| − +
=
Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I
Prof. Salete Souza de Oliveira Buffoni
146
Exercícios
Achar o volume do sólido gerado pela revolução da região R em torno do eixo x = 6. R é limitada pelos
gráficos de y
2
= 4x e x = 4.
Sol: Para isolarmos x fazemos: y
2
= 4x → x =
4
y
2
Também temos: se x = 4 → y
2
= 4.4 → y
2
= 16→ y = ± 4
Obs: r
E
= raio externo = 6 -
4
y
2
e r
I
= raio interno = 2
V = ( )dy r r dV
4 y
4 y
4
4
2
I
2
E
∫ ∫
=
− = −
− = π
V = dy 2
4
y
6
4
4
2
2
2



|
|
.
|

\
|
− π = dy 4
16
y
y 3 36
4
4
4
2


− + − π = dy 32 y 3
16
y
4
4
2
4


+ − π
= π
4
4
y 32 y
80
y
3
5

+ − = π
¦
)
¦
`
¹
¦
¹
¦
´
¦

− + − −

× + − ) 4 ( 32 ) 4 (
80
) 4 (
4 32 4
80
4
3
5
3
5
= π

|
.
|

\
| −

5
384
5
384
= π
5
768
= 153,6π = 482,548 (unid. vol.)
y
2
= 4x
(4,4)
(-4,4)
R
Parábola girando em torno de um eixo
externo
x
dy
dV
(6 – y
2
/4 )
2
6
x=y
2
/4
Parabolóide gerado pela rotação
6
6 -
4
y
2
Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I
Prof. Salete Souza de Oliveira Buffoni
147
2) Dados os gráficos y = x
3
e x = 2, determine o volume da região, para o caso da área plana girar em y.
De y = x
3
→ x = y
1/3
Sejam:
F(y) = 2 r
E
= 2 (raio externo)
G(y) = y
1/3
r
I
= x = y
1/3
(raio interno)
V= dy y 4
8
0
2
3
1

|
.
|

\
|
− π = dy y 4
8
0
3
2

− π = π
0
8
3 5
y
y 4
3 5

− = π 0
3 5
8
8 . 4
3 5

− = π


3 5
8
5
3
32
Mas
3 6 3 6 3 2 3 3 2 3 2 3 3 5 3 5
2 . 8 2 8 ) 2 ( 8 8 8 8 8 8 8 = = = = = = =8.4 = 32
Então V = π


3 5
8
5
3
32 = π

× − 32
5
3
32 = π
5
64
= 12,8π = 40,212 (unid. vol.)
8.2.2- Método do Invólucro Cilíndrico
Este método usa cascas cilíndricas ao invés de discos.
y
x
y=x
3
x=2
0 2
Curva do 3
o
grau girando em y
x
y
dy
x
2
dV
Casca cilíndrica gerada
x
h
Cilindro
x
dx
dV
Casca cilíndrica
Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I
Prof. Salete Souza de Oliveira Buffoni
148
2πx = comprimento da casca
V = πx
2
h
dV = 2πhxdx → V = 2π

xhdx
Se a área plana de revolução estiver limitada pelas funções y = f(x) e y = g(x), no intervalo a ≤ x ≤ b,
conforme mostra a figura:
h
Obs: temos: h = f - g
V = 2π dx ] ) x ( g ) x ( f [ x
b
a


Exercícios
1) Calcular o volume de revolução em torno de y limitado por y = x
3/2
, y = 1, em x∈[1,3]
Sejam f(x) = x
3/2
e g(x) = 1
V = 2π = −

dx ] ) x ( g ) x ( f [ x
b
a
2π dx ] 1 x [ x
3
1
2 3

− = 2π
1
3
2
x
2 / 7
x
2 dx ] x x [
2 2 / 7
3
1
2 5
|
|
.
|

\
|
− = −

π =
dx
y=f(x)
y=g(x)
a b x
y
Área plana entre curvas, em
Revolução e em torno de y
y
dx
dV
x
x
Sólido gerado pela área em revolução.
h = y-y
0
= x
3/2
-1
y=x
3/2
0 1 dx 3 x
Área girando em y
x
y
Casca cilídrica que gera
o volume elementar
y
(3,3
3/2
)
Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I
Prof. Salete Souza de Oliveira Buffoni
149
= 2π =


14
60
14
3 108
2π(9,075825) = 18,1516π = 57,025 (unid vol.)
2) Use o método das cascas cilíndricas para calcular o volume gerado pela rotação da área R em torno de y = -
2. R é limitada pelos gráficos de y = x , y = 1 e x = 4.
Se y = x → x = y
2
Para y = 1 → x = 1
Para x = 4 → y = 2
r = y - (-2) = y + 2
h = 4 - x = 4 - y
2
dV = 2π r h dy → dV = 2π(y + 2)(4 - y
2
)dy = 2π(4y - y
3
+ 8 - 2y
2
)
V = 2π dy ] 8 y 4 y 2 y [
2
1
2 3

+ + − − = 2π
1
2
y 8 y 2
3
y 2
4
y
2
3 4

+ + − −
V = 2π
¦
)
¦
`
¹
¦
¹
¦
´
¦

+ + − − −

+ + − − 1 . 8 1 . 2
3
1 . 2
4
1
2 . 8 2 . 2
3
2 . 2
4
2
2
3 4
2
3 4
V = 2π
)
`
¹
¹
´
¦

+ + − − −

+ + − − 8 2
3
2
4
1
16 8
3
16
4 =
V = 2π
)
`
¹
¹
´
¦
+ + − =
)
`
¹
¹
´
¦

− − + + + + − − 10
4
1
3
14
2 8 2
3
2
4
1
16 8
3
16
4 π =2π
)
`
¹
¹
´
¦ + + −
12
120 3 56
= π
6
67
V = π
6
67
= 35,081 (unid. vol.)

|
.
|

\
|
− −
|
|
.
|

\
|

=

|
.
|

\
|
− − |
.
|

\
|
− =

|
|
.
|

\
|
− −
|
|
.
|

\
|
− =
14
3
14
63 3 108
2
2
1
7
2
2
9
3 27 .
7
2
2
2
1
2 / 7
1
2
3
2 / 7
3
2
2 2 / 7 2 2 / 7
π π π
r
dy
y= x
x
y
0 1 x 4
2
y
1
-2
Área plana girando em
Torno do eixo y=-2
y
-2
Sólido gerado
x
h = 4 - x
Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I
Prof. Salete Souza de Oliveira Buffoni
150
3) Determinar o volume gerado pela revolução em torno do eixo x da região limitada por y = x
2
, x = 2 e o eixo
x.
. v . u
5
. 32
V
5
x
V
dx x V
dx ) x ( V
2
0
5
2
0
4
2
0
2 2
π
π
π
π
=

=
=
=


4) Determinar o volume gerado pela revolução em torno do eixo x da região limitada por y
2
= 2.x, eixo x e x
= 2.
( )
. v . u 4 V
x V
xdx 2 V
dx x 2 V
2
0
2
2
0
2
2
0
π
π
π
π
=
=
=
=


5) Determinar o volume gerado pela revolução em torno do eixo x da área limitada pelas curvas y
2
= 2x e y
= x.
2
x = 2
y = x
2
x
y
x 2 y ± =
x
x = 2
x 2 y
2
=
y
0
2
x 2 y =
x 2 y
2
=
y = x
y
x
Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I
Prof. Salete Souza de Oliveira Buffoni
151
- Pontos de interseção - Volume
8.3- Comprimento de Arcos de Curvas
Seja y = f (x) contínua e derivável em [a, b].
y P2
L
i
∆y
i
y = f (x)
P1
a b x
∆x
i
i
2
i
i
i
2
i
2
i i
2
i
2
i
2
i
x 1
x
y
L
x y L
x y L



∆ ∆
∆ ∆
⋅ +
|
|
.
|

\
|
=
+ =
+ =


=
∞ →
=
⋅ +
|
|
.
|

\
|
=
⋅ +
|
|
.
|

\
|

n
1 i
i
2
i
i
n
n
1 i
i
2
i
i
x 1
x
y
lim L
x 1
x
y
L







⋅ + |
.
|

\
|
=
b
a
2
dx 1
dx
dy
L
Seja x = f (y) y = a e y = b.
¹
´
¦
=
=
= −
=
=
2 x
0 x
0 x 2 x
x y
x 2 y
2
2
( )
( )
. v . u
3
4
V
3
8
4 V
3
x
2
x 2
V
dx x x 2 V
dx x x 2 V
2
0
3 2
2
0
2
2
0
2
2
π
π
π
π
π
=
|
.
|

\
|
− =
− =
− =

− =


y
L
b
Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I
Prof. Salete Souza de Oliveira Buffoni
152

⋅ +
|
|
.
|

\
|
=
b
a
2
dy 1
dy
dx
L
Exercícios
1) Determinar o comprimento do arco da curva
3
2
x ) x ( f = entre os pontos P1 (8, 4) e P2 (27, 9).
dx 1
dx
dy
L
27
8
2
⋅ + |
.
|

\
|
=

3
2
x y = •
3
1
3
1
x . 3
2
x
3
2
dx
dy
= = •

3
2
2
x . 9
4
dx
dy
= |
.
|

\
|

3
2
3
2
3
2
2
x 9
x 9 4
1
x . 9
4
1
dx
dy +
= + = + |
.
|

\
|

3
1
2
1
3
2
2
x
3
x 9 4
1
dx
dy


|
|
.
|

\
|
+
= + |
.
|

\
|

|
|
.
|

\
|
− =

|
|
.
|

\
|
+ =
⋅ ⋅ ⋅
|
|
.
|

\
|
+ ⋅ =


2
3
2
3
27
8
2
3
3
2
27
8
3
1
2
1
3
2
40 85
27
1
L
3
2
x . 9 4
18
1
L
dx 6 x x . 9 4
3
1
6
1
L
2) Calcular o comprimento de uma circunferência de raio r.
Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I
Prof. Salete Souza de Oliveira Buffoni
153
dx 1
dx
dy
L
r
0
2
1
⋅ + |
.
|

\
|
=

( )
2
1
2 2
x r y − = •
( ) ( )
( )
2
1
2 2
2
1
2 2
x r
x
x 2 x r
2
1
dx
dy


= − ⋅ − = •

2 2
2
2
x r
x
dx
dy

= |
.
|

\
|

2 2
2
2 2
2 2 2
2 2
2
2
x r
r
x r
x r x
1
x r
x
1
dx
dy

=

− +
= +

= + |
.
|

\
|

2 2
2
x r
r
1
dx
dy

= + |
.
|

\
|

∫ ∫
=

=

=
r
0
r
0
r
0
2 2 2 2
1
r
x
arcsen . r
x r
dx
r dx
x r
r
L
2
r
0
2
r L
1
π π
= |
.
|

\
|
− =
2
r 4
L . 4 L
1
π
= =
r . . 2 L π =
8.4- Área de Superfície de Revolução
Seja y = f (x) contínua e derivável em [a, b].
2 2
2 2
2 2 2
x r y
x r y
r y x
− =
− ± =
= +
-r
-r
r
r
x
y
1
2 2
L . 4 L
x r y
r x até 0 x
=
− =
= =
0
r
x
y
Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I
Prof. Salete Souza de Oliveira Buffoni
154
y = f (x)
x
y
L
i
y
i
= f (x
i
)
b
a
x
i
i
2
i
i
i i
i i
x 1
x
y
) x ( f 2 S
L ) x ( f 2 Si



π
π
⋅ +
|
|
.
|

\
|
=
=

=
∞ →
⋅ +
|
|
.
|

\
|
=
n
1 i
2
i
i
i
n
dx 1
x
y
) x ( f 2 lim S ∆


π

⋅ + |
.
|

\
|
=
a
b
2
dx 1
dx
dy
) x ( f 2 S π ou ( )

⋅ + =
b
a
2
dx 1 ) x `( f y 2 S π → Superfície gerada pela revolução
do eixo x.
Seja x = f (y).
a
b
x = f (y)
x
i
= f (y
i
)
L
i
x
y
y
i
Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I
Prof. Salete Souza de Oliveira Buffoni
155

⋅ +
|
|
.
|

\
|
=
b
a
2
dy 1
dy
dx
x 2 S π → Superfície gerada pela revolução em torno do eixo y.
Exercícios
1) Determinar a área da superfície obtida pela revolução da curva x y = , entre x = 1 e x = 4 em torno do
eixo x.

⋅ + |
.
|

\
|
=
4
1
2
dx 1
dx
dy
y 2 S π
x 2
x 4 1
x 4
x 4 1
1
dx
dy
x 4
x 4 1
1
x 4
1
1
dx
dy
x 4
1
dx
dy
x . 2
1
x
2
1
dx
dy
x x y
2
2
2
2
1
2
1
2
1
+
=
+
= + |
.
|

\
|

+
= + = + |
.
|

\
|

= |
.
|

\
|

= = •
= = •


( )
( )
|
|
.
|

\
|
− =
⋅ + =
+ =

+
=


2
3
2
3
4
1
2
3
4
1
2
1
4
1
5 17
6
S
3
2
x 4 1
4
S
dx . 4 . x 4 1
4
S
dx
x
x 4 1 . x
2
2
S
π
π
π
π

Exercícios 1) Usando o método do disco circular. no intervalo [1.143π=56.8) (1. Salete Souza de Oliveira Buffoni 142 .8) (2. a] a2 − x2 = r y y= -a Semi-círculo em rotação a x Sólido gerado pela rotação do semi-círculo a a 2  x3  a V = π ∫ [ f ( x )] 2 dx = π ∫ [ a 2 − x 2 ] 2 dx =π ∫ [ a 2 − x 2 ] dx =π a 2 x −  3 −a    1 −a −a  a3   a 3    = π a 3 −  − − a 3 +   = π 3   3       3   3  6 a − 2a  4 3 =π   = πa 3   3   que é o volume da esfera gerada!!! 3   a3   3 a + a3 − a −  =π 3 3     3    3 2a   2a −  3     Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I Prof. calcule o volume do sólido gerado pela revolução da região sob a função y = f(x) = x3.1) (1. y y = x3 (2.2].99(unid vol) 7 1   2) Achar o volume gerado pela função f(x) = a 2 − x 2 em [-a.1) R r x 1 Área plana 3 2 x Elemento de volume V=π ∫ [ f ( x )] 2 dx = π ∫ [ x 3 ] 2 dx =π ∫ x 6 dx =π 1 1 1 2 2 2  27 17  127 x7 2  =π   7 − 7  = 7 π =18.

no intervalo [0.b]. para todo x∈[a.13 unid. Este método surge quando a área de revolução é limitada por duas funções f(x) e g(x). Salete Souza de Oliveira Buffoni 143 . tal que f(x) > g(x).4]. e novamente um sólido de revolução será gerado. Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I Prof.Uma região plana pode ser girada em torno do eixo y ao invés do eixo x. de vol. O Método do Disco pode ser estendido para o Método dos Anéis Circulares. y y b R x = g(y) dy a Área plana girando em y r = x = g(y) dV x x Sólido de revolução da área plana em torno de y que é o volume do sólido b b 2 2 V = π ∫ [g ( y)] dy = π ∫ r dy a a Exercícios 1) Calcule o volume gerado pela parábola y = x2 girando em torno do eixo de y. y 4 y y = x2 x= y 0 2 x x Sólido gerado pela Parábola de revolução Seção plana parábola girando em y V = π ∫ [ g( y )] 2 dy = π ∫ r 2 dy = π ∫ [ y ] 2 dy = π ∫ ydy = a a 0 0 b b 4 4 πy 2 4 π 42 = − 0 = 8π 2 2 0 V = 8π = 25.

y y (2.π [g(x)]2dx = π { [f(x)]2 .y f(x) y dx Anel projetado g(x) g(x) x a b x f(x) dV Área plana em revolução Sólido gerado pela revolução O elemento de volume do anel é dado por: dV = π [f(x)]2dx .4) y = x +2 (-1. Exercício 1) Calcular.1) R x x Área entre parábola e reta em revolução. Salete Souza de Oliveira Buffoni 144 2 . o volume formado pela rotação da região entre y = x2 e y = x + 2. usando o método dos anéis circulares.[g(x)]2} dx de forma que o volume todo é dado por: V= 2 2 ∫ dV = π ∫ [ f ( x )] − [ g( x )] dx a a b b { } Note que o vão interno é descontado pela subtração dos dois volumes. isto é: Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I Prof. Sólido de revolução Sol: Faço f(x) = x + 2 e g(x) = x (pois f(x) > g(x)) Pontos de Intersecção: f(x) = g(x) → x2 = x + 2.

O método dos anéis circulares. Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I Prof. em revolução V= 2 2 ∫ dV = π ∫ [ F ( y )] − [ G( y )] dy a a b b x { } As vezes.x2 .2 −  5  3    ( −1 ) 3 ( −1 ) 5 − + 2( −1 ) 2 + 4( −1 ) −   5   3  8  8 32   1 1  32   1 1  = π  + 8 + 8 −  −  − + 2 − 4 +  = π  + 16 −  −  − − 2 +  3 5   3 5  3 5   3 5     40 + 240 − 96   − 5 − 30 + 3   184   − 32  216 72 = π  = π −  = π  −  = π 15 15 15   15  15 5      logo V = 72π = 45. pode ser aplicado. Salete Souza de Oliveira Buffoni 145 . o sólido de revolução é gerado em torno de um eixo externo que pode ser paralelo a "x" ou a "y".[G(y)]2} dy de forma que o volume todo é dado por: y y x=g(y) x=f(y) dV dy x Sólido gerado pela área em revolução Área entre curvas. como por exemplo para as funções x = F(y) e x = G(y).x . desde que se identifique o raio do giro.2 = 0 (x' = -1 e x'' = 2) e b 2 (y' = 1 e y'' = 4) V= 2 2 2 ∫ dV = π ∫ ( x + 2 ) − ( x ) dx = π a 2 −1 [ ] −1 ∫ [( x 2 2 + 4x + 4 ) − ( x4 ) ]      x3 4x2 x5  2  == π ∫ [ x 2 + 4 x + 4 − x 4 ] dx = π  + + 4x − =  3 2 5 −1   −1  2 3 25 = π  + 2.2389 (unid. tem-se: dV = π { [F(y)]2 .2 2 + 4.) 5 Se a revolução for em torno do eixo y. de vol.

Salete Souza de Oliveira Buffoni 146 . R é limitada pelos gráficos de y2 = 4x e x = 4.6π = 482.Exercícios Achar o volume do sólido gerado pela revolução da região R em torno do eixo x = 6.548 (unid.4) 6 Parábola girando em torno de um eixo externo y2 4 Também temos: se x = 4 → y2 = 4.4) 6 dy dV R x=y /4 y2 = 4x (-4. 6- y2 4 (6 – y2/4 ) (4.)  = 5  5  5  Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I Prof. vol.4 → y2 = 16→ y = ± 4 Sol: Para isolarmos x fazemos: y2 = 4x → x = Obs: rE = raio externo = 6 y =4 4 2 x 2 Parabolóide gerado pela rotação y2 4 e rI = raio interno = 2 V= y = −4 ∫ 2 dV = ∫ π rE − rI2 dy −4 ( ) 2 4 4   4    4  y2   − 2 2 dy = π 36 − 3 y 2 + y − 4 dy = π  y − 3 y 2 + 32dy V = π ∫  6 − ∫ ∫  16     4  16     −4 −4  −4   4  y5  4 − y 3 + 32 y  =π =π   80 −4    5    ( −4 )5   4 − 4 3 + 32 × 4  −  − ( −4 )3 + 32( −4 )    80   80       384  − 384  768 − =π  π = 153.

8 −  − 0 = π 32 − 8  5 3 5 3 0   5            0  0 Mas 8 5 3 = 3 8 5 = 3 8 3 8 2 = 8 3 8 2 = 8 3 ( 2 3 ) 2 = 8 3 2 6 = 8.2.212 (unid.4 = 32 3 64 3     = 12.Método do Invólucro Cilíndrico Este método usa cascas cilíndricas ao invés de discos. determine o volume da região.2. vol.8π = 40.2) Dados os gráficos y = x3 e x = 2. Salete Souza de Oliveira Buffoni 147 .2 6 3 =8.) Então V = π 32 − 8 5 3  = π 32 − × 32 = π 5 5 5     8. para o caso da área plana girar em y. x x dx h dV Cilindro Casca cilíndrica Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I Prof. y y y=x3 x=2 dy dV 0 2 x x x 2 Casca cilíndrica gerada Curva do 3 grau girando em y De y = x3 → x = y1/3 Sejam: F(y) = 2 rE=2 (raio externo) r I = x = y1/3 (raio interno) G(y) = y1/3 o 8 2 8 2    3 5 3  85 3  y5 3  8  1   V= π ∫ 4 −  y 3  dy = π ∫ 4 − y 3 dy = π 4 y −  = π  4 .

Exercícios 1) Calcular o volume de revolução em torno de y limitado por y = x3/2. em x∈[1. conforme mostra a figura: y dx h dV y x y=f(x) y=g(x) a b x dx x Área plana entre curvas.3] (3. Salete Souza de Oliveira Buffoni 148 . em Revolução e em torno de y Obs: temos: h = f .2πx = comprimento da casca V = πx2h dV = 2πhxdx → V = 2π ∫ xhdx Se a área plana de revolução estiver limitada pelas funções y = f(x) e y = g(x). no intervalo a ≤ x ≤ b.g b V = 2π ∫ x[f ( x ) − g ( x )]dx a Sólido gerado pela área em revolução. y = 1.33/2) y y=x3/2 h = y-y0 = x3/2 -1 y 0 1 dx 3 x Casca cilídrica que gera o volume elementar x Área girando em y Sejam f(x) = x3/2 e g(x) = 1 b 3 3  x7 / 2 x 2  3  V = 2π ∫ x [ f ( x ) − g( x ) ] dx = 2π ∫ x [ x 3 2 − 1 ] dx = 2π ∫ [ x 5 2 − x ] dx = 2π   7 / 2 − 2 1 =   a 1 1 Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I Prof.

R é limitada pelos gráficos de y = x . y = 1 e x = 4.) 14   14   2) Use o método das cascas cilíndricas para calcular o volume gerado pela rotação da área R em torno de y = 2. 108 3 − 63   3   37 / 2 3 2   17 / 2 12   2 9   2 1   −  −  − = 2π  − −  = 2π  .12 + 8.2 − − − + 2.2 3   14 2.1  4 3 4 3          16   1 2  + 8 + 16  − − − + 2 + 8   = V = 2π − 4 − 3   4 3    16 1 2  14 1    − 56 + 3 + 120  67 V = 2π − 4 − + + 10  =2π  + 8 + 16 + + − 2 − 8   = 2π − = π 3 4 3 12 3 4     6   67 V= π = 35.075825) = 18.13    V = 2π − − + 2.(-2) = y + 2 h = 4 .y2)dy = 2π(4y .025 (unid vol.2y2) 2  y4 2y3 2 − + 2 y 2 + 8 y V = 2π ∫ [ − y 3 − 2 y 2 + 4 y + 8 ] dy = 2π − 3  4 1   1  2 4 2.x = 4 .y3 + 8 . Salete Souza de Oliveira Buffoni 149 .) 6 Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I Prof.2 2 + 8.y2 dV = 2π r h dy → dV = 2π(y + 2)(4 . vol.081 (unid.27 3 −  −  −  = 2π      14  2   7 / 2 2  2   7 2  14   7 / 2  7          108 3 60  = 2π  −  = 2π(9. y 2 y 1 h= 4-x y= x dy r 0 1 y x x 4 -2 x -2 Área plana girando em Torno do eixo y=-2 Se y = x → x = y2 Sólido gerado Para y = 1 → x = 1 Para x = 4 → y = 2 r = y .1516π = 57.

x=2 5) Determinar o volume gerado pela revolução em torno do eixo x da área limitada pelas curvas y2 = 2x e y = x. y y = ± 2x V =π∫ x 0 2 0 2 y 2 = 2x ( 2 x ) dx 2 V = π ∫ 2 xdx V = π x2 2 0 V = 4πu . y y=x y = 2x 0 2 x y 2 = 2x Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I Prof. x = 2 e o eixo x. eixo x e x = 2.x.v.v. Salete Souza de Oliveira Buffoni 150 .π V= u .3) Determinar o volume gerado pela revolução em torno do eixo x da região limitada por y = x2. y y = x2 V = π ∫ ( x 2 ) 2 dx V = π ∫ x 4 dx 0 0 2 2 2 x  x5  V =π   5 0   32. 5 2 x=2 4) Determinar o volume gerado pela revolução em torno do eixo x da região limitada por y2 = 2.

Pontos de interseção y 2 = 2x y=x x 2 − 2x = 0 x = 0  x = 2 .v.Volume V = π ∫  2x   0 2 2 ( ) 2 − x 2 dx   V = π ∫ 2 x − x 2 dx 0 ( ) 2x 2 x 3 V =π − 2 3 8  V = π 4 −  3  4π V= u . y Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I Prof. Salete Souza de Oliveira Buffoni b L 151 .Comprimento de Arcos de Curvas Seja y = f (x) contínua e derivável em [a. 3 2 0 8.3.. b]. y ∆yi Li y = f (x) P1 P2 a ∆xi b x Li 2 = ∆y i 2 + ∆x i 2 Li = ∆y i 2 + ∆xi 2  ∆y Li =  i  ∆x  i   + 1 ⋅ ∆x i   2 n  ∆y L≅∑  i  i =1  ∆x i   + 1 ⋅ ∆x i     + 1 ⋅ ∆x i   2 2 L = lim n →∞ ∑ i =1 n  ∆y i   ∆x  i 2  dy  L = ∫   + 1 ⋅ dx dx  a  b Seja x = f (y) y = a e y = b.

Salete Souza de Oliveira Buffoni 152 .x 3 2  dy  •   +1 =  dx  4 2 9. 9).x 3  ⋅2  3  8 L= 1 27    3  85 2 3 − 40 2     2) Calcular o comprimento de uma circunferência de raio r. L= ∫ 8  dy    + 1 ⋅ dx  dx  2 2 •y = x3 dy 2 − 3 • = x = dx 3  dy  •  =  dx  2 2 1 2 1 3.L=∫ a b  dx    + 1 ⋅ dy  dy    2 Exercícios 2 1) Determinar o comprimento do arco da curva 27 f ( x ) = x 3 entre os pontos P1 (8. 4) e P2 (27. Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I Prof.x 3  3 2  2 −1  ⋅ x 3 ⋅ 6 ⋅ dx   27 L= 2   4 + 9.x 3 +1 = 1 4 + 9x 3 2 9x 3 2    2  4 + 9x 3  2  dy   •   +1 = 3  dx  1 ⋅x − 1 3 L= 1 1 ⋅ 6 3 1 18   27  ∫ 8 2  4 + 9.x 3 4 2 9.

Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I Prof. Salete Souza de Oliveira Buffoni 153 . arcsen x r r 0 π  rπ L1 = r  − 0  = 2  2 4πr L = 4.L1 = 2 L = 2.y x 2 + y2 = r2 y x = 0 até x = r r y = r2 − x2 L = 4.π .4.L1 x 0 r y = ± r2 − x2 y = r2 − x2 -r r x -r  dy  L1 = ∫   + 1 ⋅ dx dx  0  • y = r 2 − x2 • r 2 ( ) 1 2 dy 1 2 = r − x2 dx 2 2 ( ) − 1 2 ⋅ (− 2 x ) = −x (r 2 − x2 ) 1 2 x2  dy  •  = 2 r − x2  dx  x2 x2 + r 2 − x2 r2  dy  •  +1 = 2 +1 = = 2 r − x2 r 2 − x2 r − x2  dx   dy  •   +1 =  dx  L1 = ∫ 0 r 2 2 r r 2 − x2 dx = r ∫ 0 r r r 2 − x2 dx r 2 − x2 = r . b].Área de Superfície de Revolução Seja y = f (x) contínua e derivável em [a.r 8.

Seja x = f (y). y ( f `( x ))2 + 1 ⋅ dx → Superfície gerada pela revolução x = f (y) b yi Li a xi = f (yi) x Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I Prof. Salete Souza de Oliveira Buffoni 154 .y yi = f (xi) Li y = f (x) a xi b x Si = 2πf ( x i )Li  ∆y S i = 2πf ( x i )  i  ∆x  i n   + 1 ⋅ ∆x i     + 1 ⋅ ∆dx   b 2 2  ∆y S = lim ∑ 2πf ( x i )  i  ∆x n →∞  i i =1 a 2  dy  S = ∫ 2πf ( x )   + 1 ⋅ dx ou S = 2π ∫ y  dx  a b do eixo x.

1) Determinar a área da superfície obtida pela revolução da curva y = x .  dy  S = 2π ∫ y   + 1 ⋅ dx  dx  1 1 4 2 • y = x = x2 dy 1 • = dx 2 2 1 − 2 x = 1 2.4. entre x = 1 e x = 4 em torno do eixo x. 1+ 4x x 1 ⋅dx 1  dy  •  = 4x  dx  1 1 + 4x  dy  •  +1 = +1 = 4x 4x  dx  1 + 4x 1 + 4x  dy  •   +1 = = 4x 2 x  dx  2 2 π 4 ∫ (1 + 4 x ) 2 .x − 1 2 S= S= 2π 2 ∫ 1 4 x .dx 1 4 1 4 3 2 π S = (1 + 4 x ) 2 ⋅ 4 3 3 3 π 2  17 − 5 2 S= 6      Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I Prof. Salete Souza de Oliveira Buffoni 155 . dx  S = 2π ∫ x   + 1 ⋅ dy  dy    a Exercícios b 2 → Superfície gerada pela revolução em torno do eixo y.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->