MANUAL DO SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL

Introdução
O presente manual tem a intenção de proporcionar ao servidor público estadual um instrumento que lhe possibilite o pronto acesso às informações precisas e atualizadas sobre as normas que regulamentam sua vida funcional. Este trabalho pretende garantir ao servidor a permanente atualização de seu conhecimento. Desse modo, trata-se de um manual que considera a transitoriedade da informação e se mantém aberto à mudança, o que é imprescindível para evitar superação e a obsolescência. Procurou-se garantir na elaboração do manual do servidor, uma linguagem clara, precisa e concisa e também um texto que apresentasse um nível de profundidade compatível com as necessidades de operacionalização do Sistema de Administração de Pessoal. Com o espírito de abertura que determinou a elaboração deste Manual, solicitamos à comunidade de servidores públicos estaduais que façam chegar suas sugestões e críticas à Unidade Central de Recursos Humanos visando ao aperfeiçoamento deste Manual. O Manual do servidor apresenta a seguinte estrutura : · Considerações básicas acerca da Organização do Estado, e do Sistema de Administração de Pessoal do Estado. · Definições e conceitos básicos · Principais dispositivos legais que regem o funcionalismo · Provimento, exercício e vacância de cargos e funções-atividades · Vantagens de natureza pecuniária em geral e institutos gerais que regem a vida funcional do servidor. · Deveres, proibições, responsabilidades, penalidades, sindicância e processo administrativo.

Siglas e Conceitos Básicos
A.D.C.T. A.J.G. A.T.L. CAAS CASA CEAMA C.E. C.F. COM. CRHE D. D.D.P.E. D.G. D.L. D.L.C. Ato das Disposições Constitucionais Transitórias Assessoria Jurídica do Governo Assessoria Técnico-Legislativa Comissão de Assuntos de Assistência à Saúde Fundação Casa (Centro de Atendimento Socioeducativo ao Adolescente) Centro de Assistência Médico-Ambulatorial Constituição Estadual Constituição Federal Comunicado Coordenadoria de Recursos Humanos do Estado (atual UCRH) Decreto Departamento de Despesa de Pessoal do Estado Despacho do Governador Decreto-Lei Decreto-lei Complementar

D.P.M.E. D.N.G. D.O.E. D.T. FEBEM F.G.V. FUNDAP H.S.P.E IAMSPE INSTR. IPESP L. L.C. N.I. P.G.E. PORT. RES. R.G.S. R.G.P.S. R.P.P.S. SPPREV UCRH

Departamento de Perícias Médicas do Estado Despacho Normativo do Governador Diário Oficial do Estado Disposições Transitórias Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor (atual CASA) Fundação Getúlio Vargas Fundação do Desenvolvimento Administrativo Hospital do Servidor Público Estadual Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual Instrução Instituto de Previdência do Estado de São Paulo Lei Lei Complementar Número de Inscrição do Servidor no D.P.M.E. Procuradoria Geral do Estado Portaria Resolução Regulamento Geral do Servidores Públicos Regime Geral de Previdência Social Regime Próprio de Previdência Social São Paulo Previdência Unidade Central de Recursos Humanos

CARGO PÚBLICO FUNÇÃO-ATIVIDADE FUNCIONÁRIO SERVIDOR CONCURSO PÚBLICO NOMEAÇÃO ADMISSÃO CLASSE

conjunto de atribuições e responsabilidades cometidas a funcionário público. conjunto de atribuições e responsabilidades cometidas a servidor público. pessoa legalmente investida em cargo público. pessoa admitida para exercer função-atividade. realização de provas ou de provas e títulos para provimento de cargo ou preenchimento de funçãoatividade. forma de provimento de cargo aplicável ao funcionário. forma de preenchimento de função-atividade. conjunto de cargos ou funções-atividade de mesma denominação. conjunto de classes da mesma natureza de trabalho, hierarquicamente escalonadas de acordo com o grau de complexidade das atribuições e o nível de responsabilidade. é o conjunto de cargos/funções-atividade pertencentes às Secretarias de Estado/Autarquias. pasta contendo todos os documentos e anotações referentes à vida funcional do servidor, arquivada nas respectivas unidades de pessoal.

SÉRIE DE CLASSES

QUADRO PRONTUÁRIO

documento oficial expedido com base em decreto de nomeação/resolução de admissão para cada funcionário, TÍTULO DE servidor. Contém, além do embasamento legal do ato da NOMEAÇÃO/ADMISSÃO nomeação ou admissão, dados pessoais, funcionais e cadastrais do funcionário/servidor. TÍTULOS documentos apresentados para fins de avaliação das condições de eficiência no cargo/função-atividade e do aperfeiçoamento e atualização do funcionário/servidor. Os títulos são considerados para promoção, acesso, concurso público e remoção. São títulos entre outros: aprovação em concurso público, exercício de cargo/função de direção,

chefia/encarregatura, participação de Grupos de Trabalho e Comissões, atividades didáticas e trabalhos publicados. A palavra "apostila" na área de administração de pessoal significa declaração, anotação ou aditamento feito para complementar, alterar ou retificar os dados iniciais. A apostila deve conter todos os dados identificadores da unidade administrativa e do funcionário/servidor. Uma apostila altera referência e denominação de cargo/funçãoatividade. ato ou providência da autoridade, que se realiza por obrigação ou por dever decorrente do cargo, sem pedido ou requerimento das partes interessadas. documento oficial expedido pelo órgão pagador com demonstrativo do pagamento mensal a que o servidor faz jus.

APOSTILA

"EX OFFICIO"

" HOLERITE"

ESTRUTURA A Organização do Estado
O Estado de São Paulo, como os demais Estados da União, se organiza em 03 poderes, harmônicos e independentes: LEGISLATIVO: exercido pela Assembléia Legislativa constituída pelos Deputados Estaduais JUDICIÁRIO: exercido pelos Tribunais de Justiça, de Justiça Militar, do Júri e pelos Juízes de Direito; EXECUTIVO: exercido pelo Governador do Estado auxiliado pelos Secretários de Estado e Procuradoria Geral do Estado. São também instituições do Estado de São Paulo, o Tribunal de Contas, integrado pelos Conselheiros do Tribunal de Contas e o Ministério Público, integrado pelos Procuradores de Justiça e pelos Promotores de Justiça.

O GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO compõe-se : Administração Direta: Secretarias de Estado, Procuradoria Geral do Estado. Administração Indireta: Autarquias, Fundações, Empresas Públicas, Sociedades de Economia Mista, suas subsidiárias, e sociedades controlada, direta ou indiretamente, pelo Poder Público .

Sistema de Administração de Pessoal
O Sistema de Administração de Pessoal foi instituído pela L.C. 180/78 e compreende os seguintes órgãos: a) órgão central: que é a Unidade Central de Recursos Humanos - UCRH, criado pelo D. 12.348/78 e reestruturada pelo D. 49.529/2005, diretamente subordinada à Secretaria de Gestão Pública; b) órgãos setoriais e subsetoriais: criados por decretos específicos e integrados na estrutura das Secretarias de Estado e das Autarquias.

Unidade Central de Recursos Humanos
À UCRH cabe o planejamento, a coordenação, a orientação técnica e o controle, em nível central, das atividades de administração de pessoal das Secretarias , Procuradoria do Estado e das Autarquias do Estado.

Órgãos setoriais e subsetoriais de Recursos Humanos
Órgão Setoriais : Departamentos de Recursos Humanos e os Centros de Recursos Humanos Órgãos Subsetoriais: Unidades de pessoal existentes em cada Secretaria de Estado ou Autarquia. Estes órgãos são responsáveis pela programação e execução das atividades de pessoal na sua área de atuação, observadas as diretrizes e normas do órgão central e devem orientar os servidores sobre seus direitos e deveres.

Principais Dispositivos Constitucionais que Regem o Funcionalismo
As atividades e a vida funcional do servidor são regidas por dispositivos constitucionais e legais, dos quais destacamos:

Constituição Federal/88
A investidura em cargo ou emprego público depende da aprovação prévia em concurso público (Art. 37, II; nova redação dada pela E.C.19/98, Art. 3º). A acumulação remunerada de cargos e funções públicas não é permitida, exceto nos casos previstos no artigo 37, XVI e XVII, e § 10, (este parágrafo foi acrescentado pela E.C. 20/98) desde que haja compatibilidade de horário (E.C. 18/98; E.C. 19/98, Art. 3º; Art. 11 da E.C. 20/98; DEC. 41.915/97 e E.C. 34/2000). São direitos garantidos ao funcionário pela Constituição Federal: · estabilidade , após 3 anos de efetivo exercício, aos nomeados por concurso público (Art.41, nova redação dada pela E.C.19/98, Art. 6º ); · disponibilidade remunerada - (Art. 41, § 3º; E.C. 19/98); · aposentadoria - (Art. 40, com nova redação dada pelo Art. 1º, da E.C. 20/98; Arts. 3º e 8º da E.C.20/98 , E.C 41/03 e E.C. 47/05).

Constituição Estadual/89
a) aprovação em concurso público para ingresso no serviço público estadual (Art. 115, II). b) salário-família ao servidor de baixa renda(Art .124, § 3º); c) adicional por tempo de serviço a cada 5 anos (Art. 129); d) sexta-parte dos vencimentos integrais (Art. 129); e) gozo de férias anuais remuneradas com pelo menos um terço a mais do que o salário normal (Art. 124, § 3º); f) décimo terceiro salário com base na remuneração integral ou no valor da aposentadoria (Art. 124, § 3º); g) aposentadoria (Art. 126, ver alterações dadas pela E.C. 20/98, E.C. 41/03 e E.C. 47/05); h) garantia de salário, nunca inferior ao mínimo (Art. 124, § 3º); i) remuneração do serviço extraordinário superior, no mínimo, em cinqüenta por cento à do normal (Art. 124, § 3º);

PROVIMENTO / VACÂNCIA

Nomeação e Admissão/Concurso Público
Nomeação é um ato de competência exclusiva do Governador do Estado. Os atos de nomeação são Decretos do Governador (C.E./89 - Art.47, III e V). As nomeações podem ser feitas (L.C. 180/78 - Arts. 8º e 20°): - em comissão , ou seja, para cargo de confiança, independentemente de concurso público (C.F./88 - Art. 37, II, nova redação dada pela E.C. nº 19/98; C.E./89 - Art. 115, II); - em caráter efetivo , após aprovação em concurso público (C.F./88 - Art. 37, II, nova redação dada pela E.C. nº 19/98; C.E./89 - Art. 115, II). Admissão é forma de preenchimento de uma função-atividade (L.C. 180/78 - Art. 19, I). Para ser admitido e preencher uma função-atividade de natureza permanente é preciso ser aprovado em concurso público (L.C. 180/78 - Art. 12). As admissões são feitas (L.C. 180/78 - Art. 21; L. 500/74 - Art. 1º); a) por prazo indeterminado para o desempenho de funções-atividade de natureza permanente; b) por prazo certo e determinado para: - execução de determinada obra; - serviços de campo ou trabalhos rurais; - serviços decorrentes de convênios.

Exoneração, Demissão e Dispensa
A exoneração é o ato pelo qual o funcionário deixa de prover um cargo público e pode ocorrer a pedido ou a critério da Administração nos casos previstos em lei (L.C.180/78 - Art. 58, I, § 1º, 1, 2 e 3). O funcionário/servidor deverá aguardar em exercício a concessão da exoneração/dispensa, até o máximo de 15 dias a contar da apresentação do requerimento (L.C. 236/80). Não havendo prejuízo para o serviço público, a permanência em exercício, poderá ser dispensada (L.C. 236/80). A demissão é aplicada como penalidade e poderá ocorrer nos casos de abandono de cargo, procedimento irregular ou ineficiência no serviço. A demissão também poderá se dar a bem do serviço público nos casos previstos em lei (C.F./88 - Art. 41, § 1º, III, redação dada pela E.C. nº 19/98; L.C. 180/78 - Art. 58, II, § 2º; L. 10.261/68 - Arts. 63, 256, 257, 260, I). A dispensa é o ato que o servidor deixará de ocupar uma função-atividade e ocorre a pedido ou a critério da Administração (L.C. 180/78 - Art. 59, § 1º). A pena de dispensa é aplicada nos casos de abandono da função-atividade (ausência injustificada por mais de 15 (quinze) dias seguidos) ou de faltas sem causa justificável por mais de 30 (trinta) dias intercalados durante o ano (L. 500/74 - Art. 36). A dispensa de caráter disciplinar será sempre motivada e a dispensa a bem do serviço público será aplicada nos casos em que se aplica ao funcionário a demissão agravada (L.C. 180/78 - Art. 59, § 3º; L. 500/74 - Art. 35, §§1º e 2º).

Concurso Público
Os concursos públicos constam de provas e títulos e são regidos por Instruções Especiais que definem as atribuições, exigências e demais requisitos necessários de acordo com a natureza do cargo ou da função-atividade. (L.C. 180/78 - Art. 10; D. 21.872, de 6/01/84). O provimento de cargos e o preenchimento de funções-atividade e empregos públicos, obedecido ao princípio do concurso público, far-se-á com reserva de até 5% (cinco por cento) para pessoas portadoras de deficiência (L.C. 683/92 - Art. 1º, LC-932, de 8/11/2002).

22. Certificado de Sanidade e Capacidade Física ou prova de isenção (art 55 da L.. O D. 29.M.Poderá também ser delegada aos órgãos subsetoriais.031/84): cédula de identidade .Art. O prazo de validade do concurso público será de até 02 (dois) anos. 10. nos exames de sanidade e capacidade física (Res. (Decreto nº 30. 29.Arts. 13).prova de habilitação no concurso ou processo seletivo. A validade do Certificado cessará quando for concedida ao funcionário ou servidor licença-médica. a divulgação do gabarito oficial do concurso público.P. para fins de ingresso. Posse Posse No ato da posse deverão ser apresentados para verificação os seguintes documentos (L.180/88 .Superior Tribunal de Justiça . ao Departamento de Perícias Médicas do Estado ou às Unidades Sanitárias Credenciadas. 05 anos de exercício em funções . de 29/05/2002.I.E. unidades essas especificadas pela Resolução SS-211/92.M. O preenchimento das funções-atividade de natureza permanente deverá observar as disposições estabelecidas para os concursos públicos (L.180/78 .Art. 10. da ALE de 11/09/2001). de 10 . os candidatos comparecer com a Guia para Perícias Médicas de Ingresso G. 46 a 49.D. 115. ou pelas unidades sanitárias credenciadas (Dec.870. ou pelas Unidades Sanitárias Credenciadas da Secretaria da Saúde.P. 29.M. . título de eleitor ou alistamento eleitoral.E. OBS. Regulamento de Perícias Médicas .comprovantes de votação(última eleição) comprovante de estar em dia com as obrigações militares . Está dispensada a apresentação de abreugrafia nos exames de capacidade e sanidade física para fins de ingresso (Res. concomitante com o edital de divulgação dos candidatos aprovados e reprovados no certame (L. 1/82. O diploma ou habilitação legal para o exercício do cargo deve ser exigido na posse e não na inscrição para o concurso público (Súmula 266 .261/68 .Art.C.comprovante de habilitação profissional exigida por lei .F. prorrogável uma vez.E.J. 7º e 8º.M. 12).S. quando for o caso.D. Não precisa se submeter a exame médico: a) o funcionário público estável que se encontre em exercício (L.559/89). 10. de frente e recentes. poderá aceitar.261/68 ou da L. por igual período e a nomeação do candidato aprovado obedecerá à ordem de classificação (CE/89 .180/78 .P. Para fazer o exame médico . D.Art. pág. D. 10.três fotos 3x4 iguais.M. consultante da própria interessada ou expedido por órgão oficial.U. e demais documentos abaixo: (Com.P.Art. (55 e 217). no mínimo. conforme Decreto nº 29. 135) Os exames de sanidade e capacidade física para o ingresso no Serviço Público são realizados pelo Departamento de Perícias Médicas do Estado .Caberá aos órgãos setoriais de recursos humanos das Secretarias e das Autarquias a realização dos concursos públicos em todas as fases.E. diante de situações concretas. 180/78 .M. SENA nº 7/85).R.C.Art.S.C.) terá validade pelo prazo de 12 (doze) meses quando tiver sido expedido pelo D. .180/88 . b) o servidor que se encontre em exercício e conte.DO. É obrigatória. 12. D.C. I e II). 157/77. O teste de Papanicolau e/ou exame ginecológico somente serão solicitados nos exames de sanidade e capacidade física para efeito de ingresso.um selo de Assistência aos Médicos ou um comprovante de recolhimento da Taxa de Assistência aos Médicos. SS 168/93).P. . exceto nos casos de licença à funcionária e servidora gestante e licença por motivo de doença em pessoa da família (D.Art. atestado ou laudo ginecológico de médico especialista. à inteira responsabilidade do médico encarregado da vistoria sanitária (Res. III).261/68 . O Certificado de Sanidade e Capacidade Física (C. 2º): . SENA nº 8/85).

§ 4º). § 2º). 29. bem como aos ocupantes de cargos de Secretário de Estado. 1º). OBS: Quando do preenchimento dos cargos de Direção Executiva nas Agências Reguladoras de Serviços Públicos e outros órgãos ou entidades assemelhados. 10. Se o exercício não se iniciar dentro do prazo.O.S.T.Art.E. de 16/03/77 .E. a pedido do interessado e a critério da autoridade competente ou reduzido em casos especiais.O.E. 10.P.O. Este período deverá ser incluído no prazo de 30 (trinta) dias referentes ao exercício (L.D.261/68 . 5/84.261/68 . para o exercício de função retribuída mediante "pro labore" (Instrução Normativa CRHE-1/95.M. inclusive N. antes de assumir o exercício. a admissão será declarada sem efeito (L. informações sobre o motivo e o local da perícia .C. responsáveis pela regulamentação e fiscalização de serviços públicos do Estado. local data e assinatura do responsável por sua expedição . L.D.C. a documentação a que se refere o item "Posse " deste Manual (L. consta no Certificado de Sanidade e Capacidade Física). quando do exercício da função-atividade. 60). E o exercício deverá ser iniciado no prazo improrrogável de 30 (trinta) dias. 61.G. 12. desde que se encontre em exercício. com carimbo e nome do cargo quando a inspeção se der na sede de exercício (Com. de 25/03/95. sujeito às normas da Lei 500/74. D.Art. . no interesse do serviço público (L. poderá ser preenchida e assinada por ele.261/68 . poderá no mesmo ato ser a seu pedido.P. de 17/03/77). Para o funcionário.Art.. Interrupção de exercício do cargo em comissão para assumir exercício em cargo efetivo . da ALE. Chefe de Gabinete e Superintendente. 3º). no momento em que assumir o exercício deste cargo efetivo. o exercício deverá ser iniciado no prazo de 30 (trinta) dias contados da data da posse (L.Art. 500/74 .E. 57).M. Guia para Perícias Médicas O documento utilizado para fins de obtenção de licença é a Guia para Perícia Médica . contados do desligamento do servidor. quando o funcionário ou servidor adoecer em localidade diversa de sua sede. XIII.G.O.Art. pela autoridade que lhe atestar o exercício. deverá apresentar.180/88 .O titular de cargo em comissão . da CF/88 e artigo 18 do A.Art. 10.Art. poderá ser concedido um período de trânsito de até 8 (oito) dias.180/88 . Se não entrar em exercício dentro do prazo será exonerado (L. devendo comunicar o fato à sua unidade de exercício (D. a G. R.261/68 . 60. nos termos do artigo 19 do A. deverá constar: os dados de identificação do funcionário . deverá observar as condições e as vedações previstas na Lei nº 10. D. 29. § 2º). 500/74 . considerado afastado do cargo efetivo. A G. 25). prazo este que poderá ser reduzido pela Administração em casos de urgência. por ter saído incompleta). nos termos da legislação em vigor.Art. 10. deverá ser requerida ao superior imediato ou diretamente ao órgão de pessoal (D. exceto se no cargo em comissão o servidor tenha a condição de efetividade assegurada por lei. Este prazo poderá ser prorrogado por 30 (trinta) dias.E. 29.Art. 60.M.Art. .N.D. D. da CE/89. O ocupante de cargo em comissão nomeado para ocupar outro cargo em comissão. 157/77 . 10. de 28 D.correspondentes às do cargo para o qual foi nomeado (L. de 18/03/95.cuja validade é até o final do expediente do primeiro dia útil subseqüente ao da expedição (D. .P. 16.I . 24). republicada no D. Esta regra é aplicada também ao titular de cargo efetivo que esteja nomeado para cargo em comissão e designado.Art. por se encontrar exercendo cargo de provimento em comissão (D.P. 500/74 .G.O. O servidor temporário . c) o servidor estável..M.M.E.894.T. de 29/09/2001.S. 152.C. deverá solicitar exoneração do primeiro cargo em comissão. 10/10/84).Art. (número de Inscrição no D.P.180/88 .M. Exercício Exercício: é o ato pelo qual o servidor assume as atribuições e responsabilidades do cargo ou da função-atividade (L. Da G. Havendo mudança de sede de exercício de um município para outro.261/68 . § 2º).Art. 27).C.

. parágrafo único). podendo ser antecipado ou prorrogado dentro da faixa horária das 7 (sete) às 19 (dezenove) horas para atender a conveniência do serviço.724/08).10. c) exercer qualquer atividade remunerada. 118. . em última instância. com redação alterada pelo D. parágrafo único). 188).180/88 .Art.for considerado apto em inspeção médica realizada "ex officio" (L.D. 29. 10. L. por meio de declaração de internação fornecida por unidade hospitalar ou de atestado de médico assistente (D. 18. D.258/95 (revogado) e D. salvo nos casos de prorrogação (L.054/07): a) para os que prestam 40 (quarenta) horas semanais :Obrigatoriamente em 2 (dois) períodos.E. contados da publicação do despacho pelo dirigente do D.terminar a licença.559/89. No caso de impossibilidade de locomoção do servidor. 10.P. se o período da licença for inferior a 8 (oito) dias. deverá ser cumprida dentro da faixa horária compreendida entre 7 (sete) e 19 (dezenove) horas.261/68 .261/68 .M. 29. é o seguinte (L. 33.Art. 30. 183). deve ser apresentada pelo menos 8 (oito) dias antes do término da licença nos casos de prorrogação (L.E.054/07). 324. 120.261/68 . 40. 15). do pedido de reconsideração (D. 52.738/07. § 1º).E. 30. 52. ou a uma das unidades sanitárias credenciadas (Resolução SS nº 211/92). contados da publicação no Diário Oficial (D. com redação alterada pelo D.10. 51. 10. 123 e D.559/89. 10. deve ser juntada à "Guia" uma declaração ou atestado médico sobre a impossibilidade de locomoção.Art. 184. Horário e Ponto O horário de trabalho dos servidores fixado pelo Governador a ser cumprido de segunda a sexta-feira. 51. .M. No Quadro Demonstrativo a seguir estão relacionadas as situações referentes ao horário e ponto dos funcionários/servidores (entradas e saídas permitidas e horário de estudante) e a legislação correspondente. 187.M.Art. 184).261/68 .Art.. para ser submetido à perícia médica. o pedido de prorrogação deverá ser feito antes de seu término.738/07. D. b) para os que prestam 30 (trinta) horas semanais: correspondentes a 6 (seis) horas diárias de serviço.180/88 . 500/74 . Art. 10. Art. PONTO : é o registro de entrada e saída diária do servidor em serviço. 185.P. Pedido de Reconsideração O pedido de reconsideração deve ser dirigido ao dirigente do D.O funcionário ou servidor deve comparecer ao D. 52. Através do ponto é apurada a freqüência (L.Art.261/68 . Em licença. a perícia médica será realizada comprovada a impossibilidade de locomoção por tempo superior a 03 (três) dias.M. interposto no prazo de 30 (trinta) dias. b) desistir da licença sem que haja inspeção médica para comprovar a cessação dos motivos da licença ( L.P. 44. 14 e 20 e D. 29.Arts.Art. Recursos Caberá recurso ao Secretário de Gestão Pública. devendo ser interposto no prazo de 30 (trinta) dias. 46.261/68 . quando fora da sede de exercício. É vedada a dispensa do registro do ponto.Art.P.Arts. das 8 (oito) às 18 (dezoito) horas. com intervalo mínimo de 1 (uma) hora para refeição e descanso. a perícia médica será realizada em seu domicílio ou na unidade hospitalar que se encontre internado. A G. sendo obrigado a seguir rigorosamente o tratamento médico adequado à doença (L.180/88 . O servidor não poderá: a) deixar de reassumir imediatamente quando: .Art. 117.261/68 .

054/07.054/07. Até 30 minutos. Não se aplic a ao cele tista .810/71 revogado D.10.831/7 1 D. Até 3 vezes Compensaçã por o de uma só mês vez.52.52. Até 15 minutos.§§ 1º.52.3º.054/0 7.926/7 2 D.52. exce to perí odo de féria s.Quadro Demonstrativo da Legislação que Regulamenta Entradas e Saídas do Servidor Ocorrênci a Tempo e compen Limite sação Durante o ano letiv o. 17. Nada Perde Freqüente . ou de pessoa da família Entrada com atraso Nada Perde mediante document o hábil expedido pela escola em que estiver matricula do Sem limite LC 1.52.135/7 7 revogado D.52. artigo 14 Nada Perde mediante comprova ção de permanên cia no órgão de atendime nto à saúde. 1 (uma) hora por dia quando sem mediar compensaçã até 90 o minutos entre o período de aulas eo expedien te Entrada com atraso. art 13 o no mesmo mês dia. item 2.2º. Incidência Prejuízo Freqüência Legal D. Até 5 vezes Compensaçã por D. art 14 Nada Perde Freqüente Retirada-Motivo justo D. Mais de meia hora (até 2 horas) Nada Perde Freqüente Retirada-Motivo justo Compensação nos 3 Até 3 vezes por (três) dias mês subseqüente s no mínimo de meia hora por dia.52.52.4º e 5º Entrada com atraso ou retirada para servidor estudant e. § 2º.932/7 2 D.054/07. D. § 2º. ausência temporá ria ou retirada antecipa da para 3 (três) horas por dia consulta sem ou compensaçã tratame o nto de saúde do servidor.054/0 7.52.041/08 D. art 14. § 3º. art. item 1.

931/95 Inst. venci (Revogadoment Arts 261 a o do 286) dia. da Sem compensaçã o Freqüente Retirada do serviço fora do horário Por mais de 2 horas. 110 .1 (uma) vez por mês . 277 do Perde 1/3 do R. D. se perm anece r mais de 2/3 do horári o norm al. e art. Sem compensaçã o D.inciso II E.inciso II E.S em compen sação Sem Limite D. D. s mensal Sem prev na compensaçã istas agência o no bancária art . 6.5 2. e art. Considerado freqü ente. § 4º do artigo 14 Nada Perde Freqüente Entrada com atraso Art.458/76 revogado D. venci (Revogadoment Arts 261 a o do 286) dia.S.P. Retirada por molésti a ou motivo justo Controle de frequê ncia apuraç ão de faltas/ Docent e Compensação de dias úteis trabalh ado CATI - Por período superior a 1/3 do horário normal. Considerada Falta.054/07 art 15.F. poden do abona r ou justifi car.05 4/0 7 Dentro da hora seguinte à marcada para início do Sem Limite expediente.054/0 7 art 12 Freqüente Dentro da última hora marcada para Retirada término do antecipa Sem Limite expediente. 24. quando 14.G.195/85 .F.inciso I do E. 277 do Perde 1/3 do R.S. Sem compen sação Sem limite Art. 39. Retirada p/ entr Recebim e as ento de hipó retribuiç tese ão Até 2 (duas) horas. 110 .52.054/0 7.288/75 revogado D.52. Perde o vencime nto do dia.8.054/0 7 art 12 Art.P.52. DRHU-2 de 02/02/07 8 horas exceden tes de trabalho jornada D. fora do do prédio D.G.F. parágrafo único Perde o vencime nto do dia.P. 110 .52. D.

63 e 256. 500/74 .(D. sem causa justificável (L. Faltas As faltas ao serviço podem ser: abonadas. para registro de nascimento de filho. 500/74 . de 20/02/73 . 10. A falta injustificada é ponto negativo para a promoção e interrompe o qüinqüênio para fins de licença-prêmio (L.Proc. feriados e dias de ponto facultativo.por mais de 30 (trinta) dias intercalados durante o ano. os dias intercalados . § 1º): . removido. Ficará sujeito à pena de demissão o servidor efetivo e o servidor extranumerário que faltar. 153 .por mais de 30 (trinta) dias seguidos.O. injustificadas. D. GG nº 314/73).1 folga Observação: Será considerada "FALTA" a não compensação de horas. Com.E. 36): .G. 20. . Agricul tura e Abaste ciment o 6 horas exceden tes de trabalho jornada comum . para comparecer em consulta ou em tratamento médico.Proc. sem causa justificável (L. 10. V. L. Os sábados. deverá apresentar na nova sede de exercício atestado do qual conste o número de faltas abonadas.558/71). O servidor que for transferido. 10. § 2º. D. justificadas ou injustificadas.Art. . O Chefe poderá. domingos. Norm. 110. § 2º). isto é. No caso de faltas sucessivas. para comparecer ao exame supletivo. de 18/01/72 . exigir comprovação do motivo alegado . . se achar conveniente.O. justificadas ou injustificadas (Art.261/68 Art. do Gov.261/68 .Art. DAPE 13/74). são computados para a configuração prática infracional denominado abandono de cargo (Desp.R.). afastado de uma unidade para outra.Arts 209 e 210.complet a1folga Sec.domingos. feriados e aqueles em que não haja expediente .G.serão computados apenas para fins de desconto do vencimento ou salário (L.Arts.N.por mais de 15 (quinze) dias seguidos. de 14. contando-se o lapso temporal de 1º de janeiro a 31 de dezembro .S. para doar sangue.por mais de 45 (quarenta e cinco) dias intercalados durante 1 (um) ano. GG-1. justificadas. Ficará sujeito à pena de dispensa o servidor temporário que faltar.261/68 .E. A expressão "durante 1 (um) ano" refere-se ao exercício financeiro. de 19.

N. 39. 66): a) com ou sem vencimentos ou remuneração junto à Administração Direta ou Autárquica do Estado (D. L.Art. I. pertencentes às Secretarias de Estado.trânsito de até 8 dias .licença compulsória . 10. pais. D. junto a (D.Arts.provas de competições desportivas oficiais quando representar o Brasil ou o Estado.261/68 . somente para aposentadoria e disponibilidade (L. se o funcionário for declarado inocente ou se a pena imposta for de repreensão ou multa. 500/74 . II).faltas abonadas até o limite de 6 por ano.G. 16: .322/69 .C. e na Lei 500/74 . 318/83 . . netos. .041/08 . de 05/07/83) . com nova redação dada pela L. sogros. 5º). 65 e 324. outros Poderes do Estado.casamento . 69.Art.C. 7.C.C. de outros Estados e dos Municípios.332/75. .332/75 .falecimento de cônjuge.332/75 . b) com ou sem vencimentos ou remuneração. 10.Art. de 4. . São considerados de efetivo exercício para todos os fins: a) afastamentos previstos na Lei nº 10. . empresas da administração indireta do Estado.10. nas condições abaixo (L.sindicato de categoria (C. 10.O. Poderão ser concedidos afastamentos com base em lei ou regulamento. . os dias que excederem o total da pena de suspensão efetivamente aplicada. .162/87). salvo se houver interesse do Estado.054/08). D.054/08). até 8 dias. 4º.afastamento por processo administrativo .261/68 com redação dada pela L.O Quadro Demonstrativo (clique aqui) onde estão colocadas todas as situações referentes às faltas ao serviço QUADRO IMPRESSO Afastamentos O funcionário ou servidor não poderá ter exercício em unidade diferente daquela na qual seu cargo ou função-atividade estiver classificado. 125 -§ 1º. . . III e Art.faltas para doação de sangue . 40. órgão ou entidades da União. 1º. 1.missão ou estudo de interesse do serviço público.312/77): fundações.170/90). D. Não poderão afastar-se para outros órgãos ou entidades servidores com menos de 03 ( três ) anos de efetivo exercício (D. .falecimento de avós.licença gestante . 15. 1º. 1.27.Art. 7. 324. . de supervisão ou de encarregatura.Art.52.falta médica. e D. .licença por acidente no exercício de suas atribuições ou por doença profissional. de 12/03/71). D. 65.Arts. filhos.Art. I).833/08)./89 .332/75 .261/68 . técnicos ou científicos (L. 367/84 .077/84). de 5(cinco) dias (Artº 78 da L. . 52. à Procuradoria Geral do Estado e às Autarquias não poderão ser afastados de suas respectivas unidades Administrativas (D. . salvo nos casos previstos em lei ou regulamento (L. D. . 3º. Os servidores ocupantes de cargo ou função-atividade de natureza diretiva. 1º.licença paternidade . 7. 15. D.em exames supletivos (D.Arts.Art. de chefia. D. L. II. 1.31.serviços obrigatórios por lei .C.261/68 . D.892/95.para exercer mandatos nas entidades de classe representativas de funcionários/servidores (L. 4º ). .Art. até 8 dias (D. .Art. 15 e 17. 22.para participação : em congressos e outros certames culturais. 343/84.C. irmãos.Art. D.Art.licença por adoção (L. 78.E. .951/96). padrasto ou madrasta até 2 dias (L. . e ainda. de 16/09/70.261/68 Arts.licença-prêmio .E. 7. 10. companheiro e companheira. 500/74 .férias . b ) outros afastamentos: .

75. do artigo 1º da L. 10. entrevistas e outros meios de avaliação. O concurso interno: além da etapa referente a prova ou provas.F. não faz jus ao Adicional de Insalubridade. L. Os afastamentos para situações especiais previstos em lei.C.Art. 80. emprego ou função.F. com redação dada pela LC-318/83).951/96. de que trata a LC-432/85 (Comunicado CRHE nº 1. são os seguintes : . com ou sem vencimentos/salários.para participar do Projeto Rondon . sendolhe facultado optar pela sua remuneração (C./88 . 500/74 poderão ser afastados para o exercício de cargo em comissão (Súmula P. II). poderá compreender títulos. devendo ser sempre atendida a conveniência do serviço (L. O intervalo entre um concurso interno e outro. As exigências. 29 .E. emprego ou função (C.A vedação de que trata o artigo 1º.Art. O acesso será precedido de processo seletivo especial ou concurso interno. serão propostos pelos órgãos Setoriais e submetidos à aprovação do órgão central de recursos humanos. 55). fica assegurado ao servidor a percepção de sua retribuição pecuniária integral (Lei Complementar Federal nº 64/90 . de 19/01/94 . 14. 38.951/96 .C. não havendo compatibilidade ser-lhe-á facultado optar pela sua remuneração (C.O. em seguida. que será eliminatória. Os servidores admitidos nos termos do inciso I.D. com vencimentos ou salários (funcionário/servidor: D. I. o servidor ficará afastado de seu cargo. de 25/11/86) Servidor Estadual requisitado pela Justiça Eleitoral. s/nº de 05/07/71. 40. regido por Instrução Especial.O.para entidades com as quais o Estado mantenha convênios. estadual ou distrital. do Decreto 40. 180/78 .Art. requisitos. emprego ou função. referentes a cada série de classe. .Art. o servidor será afastado do cargo. conforme o fixado nas respectivas instruções especiais. 10.261/68 . não será aplicável para os servidores ocupantes de cargos ou funções-atividade decorrentes de transformação.afastamento para promover campanha eleitoral . não poderá ser inferior a 1 (um) ano.Arts. 54 ). III).de 21/01/94).L. inciso II. . 17. perceberá o servidor as vantagens de seu cargo. sem vencimentos ou salários (funcionário/servidor .Art. 180/78 . . 30).Art. OBS: Não cabe indeferimento de férias de servidores afastados para exercerem mandatos em entidades de classe. comunicar aos órgãos de origem. 500/74 .O. letra "l"). para cargos pertencentes a mesma linha de acesso. de 24/11/86 .LC-712/93 . de acordo com as normas estabelecidas (Funcionário/servidor/extranumerário . .N. Essas entidades deverão conceder as férias a esses servidores e. interstícios e demais procedimentos aplicáveis ao acesso.para participar de provas de competições desportivas./88 .art.Art. 38.para desempenhar mandato de Prefeito. A transferência poderá ser a pedido ou "ex offício". 18). I).Arts.G./88 .F. 180/78 . L.L.261/68 . além daqueles já citados. Acesso Acesso: é o instituto pelo qual o servidor.para desempenhar mandato eletivo federal. . Art.E.Art. 180/78 .Art.para desempenhar mandato de Vereador. dentro da respectiva série de classe (L. . item 16. O acesso também se aplica aos servidores extranumerários e aos servidores regidos pela Lei pela Consolidação das Leis do Trabalho. sem prejuízo da remuneração do cargo eletivo e. para os fins pertinentes (D.Art. . O concurso interno para acesso se encerrará com a publicação dos atos de provimento dos cargos conforme classificação correspondente ao número de vagas apresentadas. 500/74 .C. de 10/07/80).C. D.G. havendo compatibilidade de horários. 1º. nº 500/74 e Transferência Definições Transferência : é a passagem do cargo ou da função-atividade de uma para outra unidade do mesmo Quadro ou de Quadros diversos (L.§ 1º). passa a integrar a classe imediatamente superior àquela em que se encontrar.D. 14 a 27). (L. na hipótese de nomeação. 38. admissão ou designação para cargo ou função que lhes proporcione retribuição superior (D. mediante processo seletivo especial. III). 67.

Art. 39).Art. L. Formas de Reingresso Considerações .Art. 19/98.261/68 . A remoção poderá ocorrer: .Art. O servidor estável estará em disponibilidade remunerada até seu adequado aproveitamento em outro cargo quando o cargo ocupado for extinto por lei ou for considerado desnecessário(L.Art.C.C.. 234 a 237).D.Art. IV. C.T.Art. temporários (Lei 500/74) e celetistas).Arts. 10. 444/85 .880/99 e D. I).C. 19/98).261/68 . . 56. L.C. § 3º.por concurso de títulos (L.833/08. 36. 130. L. 43. 207/79 . L.C. § 1º e 4º. 217 e 218). nova redação dada pelo Art.Art.Art. 180/78 . L.Arts.444/85 .C. 207/79 . 24. 36.C. Remoção Remoção: é a movimentação do funcionário de uma para outra unidade administrativa da mesma Secretaria de Estado."ex offício". L.por permuta (L.Art.C.261/68 Arts.Art.por união de cônjuges ( C.Arts. 180/78 .T. .C. da E. 234 a 237.E. parágrafo único).a pedido (L.Arts.A. que se encontravam em exercício na data de sua promulgação (5/10/88) e que contavam com 5 (cinco) anos de exercício no serviço público (C./88 . 10. .Arts. L. II). . 52. 83)./89 . no lugar de residência do cônjuge.F./89 .A. 10. 37. 6º da E.261/68 .C.261/68 . 10. redação dada pelo Art. por necessidade do serviço (L.Art.C.C. o reintegrado poderá ficar em disponibilidade remunerada se o cargo tiver sido extinto (L.C. D. 19 ./88 . 180/78 . 37.261/68 Art.C. I. Obs: Há também a estabilidade concedida pela Constituição Federal de 1988 a servidores (extranumerários. 57.por interesse do serviço policial (L. se este também for servidor e houver vaga (C. após manifestação favorável das Secretarias envolvidas e parecer conclusivo da UCRH (D.F. 32.E. Estabilidade/Disponibilidade O servidor estável: é nomeado para cargo efetivo por concurso público.). 56.C.Art 24. L.Art. Ao servidor será assegurado o direito de remoção por união de cônjuge para igual cargo ou função. I. O tempo em que o funcionário permanecer em disponibilidade é computado para fins de aposentadoria (L. III. Os servidores em disponibilidade devem perceber vencimentos proporcionais ao tempo de serviço (C. 180/78 ./89 .Art. 219.E.723/2000). § 2º). 40). . 24). respeitada a lotação (L.C. L. com mais de três anos de efetivo exercício e só perderá o cargo em virtude de sentença judicial transitada em julgado mediante processo administrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa (C. 444/85 .F. II). 18 . 56). No caso de reintegração decorrente de decisão judicial. 219. 130. 44.A transferência se realizará mediante decreto do Governador. II e 37. 180/78 .Art.Art. 10. 10.D. 6º. 41. 207/79 . 41./88 . 207/79 . 36.

Art. redação alterada pela EC-19/98./89 . 36 e 121): · obrigatoriamente em vaga existente ou que venha a existir no quadro do funcionalismo.em outro cargo de vencimentos equivalentes.F.Arts. nº 212/88. em decorrência de decisão judicial. na ação que deu causa à demissão.C.E. se absolvido pela Justiça. 32.N. redação dada pela E. 180/78 . § 2º. redação dada pela E.O.Art. de 12/03/90 .aproveitamento: do funcionário em disponibilidade. · em cargo de natureza . padrão e referência correspondentes ao anteriormente ocupado. Reintegração O servidor público civil demitido por ato administrativo.E.F.no cargo anteriormente ocupado ou. 136).C. G.E. C.C.C. D.Art. conforme D. e o eventual ocupante da vaga reconduzido ao cargo de origem. ./88 . de 12/03/90. no prazo máximo de 30 (trinta) dias após a sentença transitada em julgado.E.reversão : "ex officio".E. for julgado incapaz para exercer serviço público será aposentado no cargo que ocupava. se o laudo não for favorável poderá haver nova inspeção após 90 (noventa) dias. Aproveitamento Aproveitamento é a recondução do servidor estável em disponibilidade ao serviço público.Art. É um poder-dever da Administração.O. II): . Invalidada por sentença judicial a demissão do servidor estável. se ocupava outro cargo. se o anterior tiver sido extinto. do aposentado. não mais subsistem as formas de provimento derivado de cargo público denominadas readmissão.19/98. em inspeção médica. Reversão "Ex-Offício" A reversão a pedido não mais prevalece.G./88 .Art. no cargo resultante da transformação. LC-180/78 .G. 14/03/90). 1º.Art.por decreto.N. Se o aproveitamento se der em cargo em comissão ficará assegurado ao servidor a condição de efetividade que tinha no cargo anteriormente ocupado. não sendo possível ficará o reintegrado em disponibilidade até o seu aproveitamento obrigatório.reintegração: funcionário demitido. 33. se o cargo for de padrão inferior o funcionário terá direito à diferença. . § 2º. de 12/03/90. .N. · após inspeção médica que comprove a capacidade para o exercício do cargo. se este tiver sido transformado. 180/78 . Poderá haver reingresso no serviço público somente nos casos de: . O aproveitamento do funcionário em disponibilidade se dará (L. com todos os direitos adquiridos (C.na mesma referência em que se encontrava. e ocorrerá em cargo de natureza e vencimento compatível com o anteriormente ocupado (C. . reversão a pedido e transposição (D. 41. 36).F. a este será reconduzido. . L./88 .D. ele será reintegrado. 31. . sem direito a indenização. D. O funcionário em disponibilidade que.. sem direito à indenização. de caráter obrigatório.Em face da nova disciplina constitucional. aproveitado em outro cargo ou posto em disponibilidade (C. se o cargo estiver provido o seu ocupante será exonerado ou. de 13/03/90. 41. de 14/03/90. 136). . A Reintegração se dará (L.Arts.G. 41. D. 209/79 . 19/98 e C. respeitada a habilitação.G.Art. será reintegrado ao serviço público.P.O. § 3º.com direito à indenização de prejuízos resultantes de sua demissão./89 .C.

261/68. II).261/68 .G.E.provas de competições desportivas quando representar o Brasil ou o Estado.O. d) o tempo de serviço prestado ao Estado anteriormente à edição da Lei Complementar nº 180/78 poderá ser considerado para fins de adicional para o servidor temporário (Lei 500/74) e C. pais. de 05/07/83).serviços obrigatórios por lei. após essa data serão considerados para fins de aposentadoria (LC 943/03): . .missão ou estudo de interesse do serviço público.327.E. .N.licença gestante. .T.Em regime de acumulação é vedado contar tempo de um dos cargos para reconhecimento de direito ou vantagens no outro (L. D.E.N.261/68 (EFP) foram alteradas pelo artigo 1º. da Lei Complementar nº 318. .N.261/68) e as Faltas Médicas . filhos. . de 16/05/66. companheira. 1º.L.faltas para doação de sangue. sogros. padrasto ou madrasta.CONTAGEM DE TEMPO A contagem de tempo de serviço público se faz para fins de vantagens pecuniárias e para fins de aposentadoria e disponibilidade.licença-prêmio. 78. .trânsito de até 8 (oito) dias. f) não serão considerados para qualquer efeito até 22/09/2003. de 22/05/85).G.o período de licença por motivo de doença em pessoa da família. de 17. e) o período de licença-saúde (Art. 15.os dias de suspensão. 40 da C.261/68) são computados para todos os efeitos legais.falecimento de avós. da Lei nº 10. . 83).Art. de 03/08/85 D. I e III e no art. .G. 10.261/68 .Art.progressão. de 4. 10.as faltas justificadas e injustificadas.Art.casamento. 20/98 e EC 41/03). desde que a servidora seja optante pela contribuição previdênciária. de 2.261/68 .o período de licença para funcionária casada com funcionário ou militar. As regras da Contagem de Tempo contidas nos artigos 76 e 81 da Lei nº 10. . b) o tempo de serviço gratuito não será computado para nenhum efeito (L. A legislação e normas da contagem de tempo deverão ser aplicadas a cada situação específica.O.Art. . 10. D.LC-1.o período de licença para tratar de interesses particulares. .promoção. . Lei nº 500/74 no art. 10.261/68 . e pode ser considerada para as situações anteriores a 17/05/66 até o advento da EC nº 20/98. (D. que considerou esse tempo como fictício(§ 10 do Art. 1º da E. . parágrafo único). . até 8 (oito) dias. D. até 2 dias (L.férias.sexta-parte. .faltas abonadas até o limite de 6 (seis) por ano. g) é vedada a acumulação de tempo de serviço concorrente ou simultaneamente prestado em dois ou mais cargos ou funções (L. de 23/12/85 fixa a data de vigência de 21/12/84 para fins da aplicação do artigo 76 da Lei nº 10.licença compulsória. irmãos.licença por acidente no exercício de suas atribuições ou por doença profissional. até 8 (oito) dias (D. 85). h) o tempo em que o funcionário esteve em disponibilidade é contado para fins de aposentadoria (L./88.C.adicional por tempo de serviço.041/2008 são contadas para fins de aposentadoria e disponibilidade. 81. redação dada pelo Art. netos. II da Lei 10. 84. Serão considerados de efetivo exercício para todos os fins: a) afastamentos previstos no art.Art. .261/68. algumas elencamos a seguir: a) os dias considerados de efetivo exercício (artigo 78 da Lei 10. Algumas regras básicas estão dispostas em manual de aposentadoria disponível neste Site (ver Manual de aposentadoria). . .O.C.F. desde que o servidor seja optante pela contribuição previdênciária. c) a contagem em dobro ou com acréscimo foi revogada pela Lei 9. . 318/83 . .falecimento do cônjuge. companheiro. O servidor para ter direito a algumas vantagens pecuniárias é necessário que cumpra um determinado tempo de serviço. 16: . . As vantagens podem ser: . de 10/03/83 e a Lei Complementar nº 437. 84).incorporação de décimos. . .

C. . b) outros afastamentos: .Art./89 .105.Art. D.Art. ainda. b) período sem percepção de vencimentos. L. 80./88 .C. . A./89 .D.F.L.E. de 09/01/79). estadual ou distrital.C. . 1º.261/68 .licença por adoção (L.afastamento para provas de competições desportivas.C./88 C. 1.afastamento para ocupar cargo em sindicato de categoria (C./88 C./89 . . § 9º (redação dada pelo Art. 69.Art.261/68 .C.s/nº de 12/03/71). técnicos ou científicos (L.E.licença-prêmio. l26. 367/84 . § 2º).Art.C. 52. A CONTAGEM RECÍPROCA de tempo de serviço para fins de aposentadoria. .213.261/68 e inciso XIV Art. CRHE 1/82 .C. 78 da Lei 10.Art. .F. . D.17): .054/08). somente para aposentadoria e disponibilidade (Art.faltas médicas. § 1º).estágios prescritos pelos regulamentos militares. C. do A. 500/74 . 15).para exercer mandatos nas entidades de classe representativas de funcionários e servidores (L. de 24/07/91 C. 188. s/nº de 16/09/70. 1. 132 C.Art. 1º da E.F. de 29/01/70. de 16/01/82 Lei Federal 8.F.E.licença para atender obrigações concernentes ao serviço militar. §5º com nova redação dada pela LC. II.G. ou seja. 1. os dias que excederem o total da pena de suspensão efetivamente aplicada. 41/03) 8º. 31.dias de não comparecimento para participação em exames supletivos (D. 201.Art.afastamento para desempenho de mandato eletivo federal.F.C. 20.Art.D. 125.T. Art. 4º da LC./89 C.afastamento para freqüência a cursos na USP.afastamento para freqüência a curso intensivo na Academia de Polícia quando concursado para cargo policial civil (L. 207/79 . § 3º 132 .Art.170/90)./88 ../89 C. exceto para promoção por merecimento (C. remuneração ou salários: .dias de não comparecimento em virtude de participação no Projeto RONDON (D.C.V.Art. de 11/12/80 Lei Complementar nº 269.para congressos e outros certames culturais. 1º da E. . . IV. 38. D.Art. 28. . 16 da Lei 500/74 acrescentados pela LC. . 13.Art.Art. .D. 343/84. de 03/12/81 Com. . IV 40. § 9º (redação dada pelo Art. de 14/07/75 Lei Federal 6.Art. 500/74 .226.Art. remuneração ou salários (L.E. Nas situações a seguir o tempo de serviço será considerado para todos os efeitos legais: a) período com percepção de vencimentos. 38.afastamento por processo administrativo. L.E. e. 125). 10.322/69 . 4º.licença paternidade (inciso XVI. 10.E.Art.E. .T. 20/98) C. na F. e na FUNDAP (D./89 . se o funcionário for declarado inocente ou se a pena imposta for de repreensão ou multa.O. s/nº de 05/07/71). ./88 C.041/08) .Art. 20/98 e E.E./89 .054/08. § 4º. a contagem de tempo prestado à empresa privada e a contagem de tempo de serviço prestado ao Estado estão disciplinadas através da seguinte legislação: - Lei Federal 6.864.Art. D. . . 135 .

Geral D. . 16.Art.N.G. 308. 26. de 29/11/51 6.S.02. 17.09.02. 16.74 .10.Geral .83 .Contagem de Tempo de Serviço Súmula 20 .04.Estagiário Interno Doutorando D.Estatuto D.71 . 207.95 D.199.C. de 28/10/68 10.03.86 .84 .O. L.75 .O. 03.O.E.D. L.E.L.G. 15.Credenciamento Com. 14.D.D.E. L.N.O.G. de 03/06/63 .E.C.O.Credenciamento Com.E.03. . 28.Justificação judicial .N.E.T. 15.O.85 .O.70 .A.651.E.09.08. de 12/08/85 DECRETOS D.N. DAPE 15/74 .D.O.05. L.E.N. 76 .S.E.T. 25. 24.G.G.C.C. de 02/07/64 10. de de de de de de de de de de 11/11/75 12/05/78 05/01/79 17/01/79 07/02/83 10/03/83 06/01/84 14/12/84 23/12/85 17/10/00 LEIS L.E.G.85 .83 .04.Supletivo D. L.Temporário D.E.C. .86 .N.Ano bissexto D. 883.07. 367. 180.86 .E.08.02. de 20/01/61 8. s/nº de 05.G. 15.05. 14/02/80 . L.Reeducando D.04. 76. 22.10.O.86 . L.Supletivo D.C. de 13/11/74 4.L.86 .E. 29.E. de 29/01/70 Outros Atos Súmula 6 . 05.261.C. 04/06/92 Súmula 21 .981.N.C.O.D.Fundos D.D. L.C.309.84 .85 .75 . L.C.G.C. L. L.D. 343. L.T.E.10. 41.D.02. D.84 .86 .N.O.83 .G.O.05.Ferrovias D.12.O. 437.O. s/nº de 12.C.83 .Projeto Rondon D.F. 14.Contagem de Tempo . de 23/02/48 1.E.043.04. 16.C.04. 20/05/92 e D. 209. 21.12. 17. D. 17.O. 06.Licença-Prêmio D.O.C. DAPE 15/74 .G.D. 124. 05.O.D. L.D.T.C.N. 27.74 .D. de 29/12/71 500.05. 05.75 . 25/06/77 e D.03.84 .G.LEIS COMPLEMENTARES L. 02.O. s/nº de 16. L. 23. 318.Contagem de Tempo .Professor Substituto Decreto-lei 188. L.E.E.D.N.75 .D.71 . L.535/83 .432.85 .04.D.D.10.

Poderá haver licenciamento além desse prazo quando não se justificar a aposentadoria (L. o pagamento dessa gratificação (Parecer PA-3 nº 358/93 e Parecer AJG nº 881/94). 29. expedindo a competente Guia de Perícia Médica (D.261/68 . L. 49.261/68 . 474).180/88 . 182). a seu juízo e diante das condições de saúde do funcionário ou servidor.G..Arts.Art. haverá inspeção médica e se for constatada a invalidez dar-se-á a aposentadoria. 180/78 . 10. parágrafo único. A licença gestante será concedida mediante a apresentação da certidão de nascimento da criança e vigorará a partir da data do parto. I).C. 25 e 26).180/88 .M. D. No caso de natimorto. Após este prazo. com redação dada pela LC 1054/08) .Art.Art.P. ainda que a criança venha a falecer durante a licença (D. exerça qualquer atividade remunerada ou mantenha a criança em creche ou organização similar.180/88 .E. 29.261/68 . L. Publicada a decisão sobre o pedido da licença. L. a critério médico. III. com redação dada pela LC 1054/08. Licença Gestante O direito à licença gestante está garantido pela Constituição Federal (Art. XVIII) e pela Constituição Estadual (Art. 324. 191 e 324.M. mediante perícia médica realizada no D. ou nas unidades sanitárias credenciadas (D. L. 29.Art.261/68 .Art. 26. poderá solicitar a concessão de licença para tratamento de saúde "ex offício". 10. 81. 25). Quando o servidor adoecer em localidade diversa de sua sede de exercício. 500/74 . 54). salvo casos especiais que determinem a suspensão do exercício. A licença solicitada deverá ser aguardada em exercício. III). 500/74 . I e II e 324. I. poderá ser concedida " ex officio " ou a pedido do servidor (L.Art. 42. O D. L.G. continuará recebendo. O servidor em licença para tratamento de saúde. O superior imediato ou mediato.C. L.Art. só publicará a licença gestante se a servidora tiver se submetido à inspeção médica antes do parto (Res.E.M.Art. O período de licença para tratamento de saúde é considerado apenas para fins de aposentadoria e disponibilidade (L.261/68 . devendo comunicar o fato a unidade em que tiver exercício (D. sem perda dos vencimentos. 198. SENA 12/84). A licença para tratamento de saúde dependerá de perícia médica . II.Art.261/68 .P. salvo prescrição médica em contrário (L.Art. 10. 198. 124. . 10. 500/74 . com vencimentos ou salários. 1º. L. poderá ser por ele preenchida e assinada. 10. 26). a critério da autoridade médica (D. a partir do 8º mês de gestação. 193.LICENÇAS Licença para Tratamento de Saúde O servidor poderá ser licenciado para tratamento de saúde mediante inspeção em órgão médico oficial até o máximo de 4 anos.P. 10.Art. podendo retroagir até 15 (quinze) dias do evento (L. 26). a servidora poderá usufruí-la por inteiro.261/68. 500/74 . a Guia de Perícia Médica .Art. 202. 29. Cometerá falta grave a servidora que durante a licença.Art. 198. § 3º). 29.Arts. enquanto permanecer em licença. Será concedida licença de 180 (cento e oitenta) dias.180/88 . 22. com redação dada pela LC 1054/08.261/68 . remuneração ou salários.Art. com redação dada pela LC 1054/08. 25). poderá ser concedida licença para tratamento de saúde (L.Art. art. 7º. e art.850/63 .Art. 10. 198. que recebe gratificação de representação de gabinete. I e II) e será concedida pelo prazo indicado no laudo médico (L. 500/74 . 26).Art.Art. (Lei 10.180/88 .R. 318/83 .S.

do Tribunal de Contas. 1. sob guarda. casado (a). cônjuge ou companheiro adotante.Art./89 . 1º com nova redação dada pela LC 1054/08): .(L. 199 e 324. § 3º). 10. 63./88 .Arts. (D.261/68 . sendo ambos servidores públicos estaduais. de 25/01/89). a concessão de outra licença ficará a critério da Administração (L. desde que esteja apto a adotar. até o primeiro dia útil após o referido prazo (L. 4º da L. Licenças Paternidade O direito à licença-paternidade está garantido pelas Constituição Federal e Estadual (C. há pelo menos 5 (cinco) anos (D. (§§ 2º e 4º do art. com redação dada pela LC 1054/08). Quando se tratar de adoção por cônjuges.29. 367/84 . CRHE 2/89.C.DOE. 500/74 . D.054/08).Art. ou separado (a) judicialmente.180/88 Art. XIX e 39. 367/84 . que assim o requerer (§ 1º. São parentes até segundo grau aqueles que assim define o Código Civil Brasileiro .C.C. O prazo de licença-paternidade é de 05 (cinco) dias. L.Art. seja ele (a) solteiro (a). bem como aos militares.Arts. § 2º): . bem como aos servidores do Quadro da Secretaria da Assembléia Legislativa (Art.Art.C. . 25 e 26). 10. 1º da LC 367/84. os 02 (dois) terão direito a licença adoção. Se a adoção não se efetivar por motivo relevante. licença por motivo de doença do cônjuge e de parentes até segundo grau (L. 367/84 . 2º).E. do Ministério Público e da Defensoria Pública. a concessão da licença adoção.124. 63.054/08 e Com. será concedida licença de 180 (cento e oitenta) dias com vencimentos. na seguinte conformidade: .1º da LC 367/84. 29. no prazo máximo de 15 (quinze) dias a contar da expedição do termo de adoção ou do termo de guarda para fins de adoção. de 4/06/86 . publicado no D. O servidor público estadual poderá solicitar mediante requerimento instruído com prova da guarda ou da adoção. Contados da data do nascimento da criança e deverá apresentar a certidão de nascimento. 3º. § 1º . viúvo (a).Art. parágrafo único).aos servidores da Administração direta e das autarquias.Fica assegurado à servidora o direito ao gozo restante do período de licença quando: Entre a data do parto e a de início de exercício no serviço público. § 3º. 199. pelo prazo máximo de 20 (vinte) meses . art. o companheiro (a) com quem viva.C.F.Arts. A licença-adoção é concedida ao servidor. remuneração ou salários (L. 1. 1º. divorciado (a).180/88 . Ocorrendo a devolução do menor. Licenças Adoção No caso de ADOÇÃO de menor de 07 (sete) anos de idade.O.180 (cento e oitenta) dias ao servidor adotante que assim o requerer. 29.261/68 . 7º. O mesmo benefício aplica-se quando for obtida a guarda judicial de menor de até 7 (sete) anos para fins de adoção.180/88 .5 (cinco) dias ao outro servidor.DNG. 53 e 56).de 5/06/86)).aos servidores do Poder Judiciário. cessa a licença (L. sendo que a não observância deste prazo implicará no indeferimento do pedido.E. Equipara-se ao cônjuge. C.Arts. .art. com redação alterada pela LC 1054/08) Licenças por Motivo de Doença em Pessoa da Família Poderá ser concedida ao servidor. mediar tempo inferior a 180 (cento e oitenta) dias. submetidas ao regime estatutário.

número do processo de comprovação do acidente. L.descrição pormenorizada do acidente e das conseqüências causadas ao licenciando. § 3º.Art. Considera-se também acidente a agressão sofrida e não provocada pelo funcionário ou servidor.Art.sem vencimentos ou remuneração do sétimo ao vigésimo mês (Lei 10. A licença deverá ser requerida inicialmente como para tratamento de saúde. 500/74 .M. 10.261/68 .Art.Art.Art. 29. 184.Art.180/88 .180/88 . A licença será concedida com vencimentos ou remuneração até 1(um) mês e com os seguintes descontos: . 176.E. 29. "Comunicação de Acidente" ou outro documento da espécie desde que conste ( Com.O. Após a conclusão do processo de comprovação do acidente será feita a retificação do enquadramento legal.O. L.Art. 2. 2/85. 163 e 324. . 78). D.Art.Arts. quando mediante exames realizados pela autoridade sanitária a suspeita da doença não for confirmada (L.Art. D.261/68 .180/88) Licenças / Por Acidente ou Doença Profissional O servidor acidentado no exercício de suas atribuições ou que tenha adquirido doença profissional terá direito à licença sem perda dos vencimentos ou salários pelo prazo máximo de 04 anos (L. se concedida a licença (Com. . do processo de comprovação do acidente instaurado pela unidade de classificação do servidor. respeitando-se a retroação máxima de 5 (cinco) dias. 10.Arts.P. 10. 23). D.C. Para a conceituação do acidente e doença profissional serão adotados os critérios da legislação federal de acidentes no trabalho (L. e acarretarão redução do período de férias (L. 26 ).P. será submetida à perícia no D.195 e 324.P.261/68 .arts 199 § 2º. D.art.M.de 1/3 (um terço) quando exceder a 1(um) mês até 3(três). 324. de 08/11/85).261/68 .261/68 . . 10. Os dias de licença por motivo de doença em pessoa da família não serão contados para nenhum efeito legal .S. 10.261/68 . L.261/68 .C. 196.M.C.261/68 . 29.E. de 08/11/85.180/88 .Art. 29.E. ou nas unidades sanitárias credenciadas (D.S.Arts. 25 e 26).E.de 2/3 (dois terços) quando exceder a 3 (três) até (seis). 57).E. D. por falta de amparo legal.E. . 10.M. O enquadramento legal da licença como "acidente no trabalho" dependerá do encaminhamento ao Departamento de Perícias Médicas do Estado-D. Lei 500/74 . 29. 500/74 . D. 10.180/88). 64).E. O D.O. a quem se atribui a doença.E. 25 e 26). no prazo de 8 (oito) dias contados do evento (L. 195 e 324. D.261/68 . A licença por acidente no trabalho ou por doença profissional é considerada de efetivo exercício para todos os efeitos legais (L. Fica assegurado ao servidor o direito de indenização por danos ou prejuízos decorrentes de acidentes no trabalho (L. 197). 26). 10.S. D.A pessoa da família.M.M.E.assinatura do dirigente da unidade responsável pela instauração do processo.Arts. 500/74 .Arts. 59). L. 10. 2/85. Com. poderá excepcionalmente acolher "Boletim de Acidente". Licença Compulsória A licença compulsória será concedida quando o servidor em exercício apresentar suspeita de doença transmissível e. no exercício de suas atribuições (D.Arts. 500/74 .261/68 . D. O servidor licenciado é obrigado a reassumir o exercício quando não subsistir a doença na pessoa da família ou quando da perícia médica ficar comprovada a cessação dos motivos que determinaram a licença (L. No caso de acidente poderá ser concedida a aposentadoria por invalidez ao servidor se for verificada a incapacidade total para qualquer função pública (L. de 08/11/85): . 194. . 206 e 324.

em ponto do território nacional. §§ 2º. § 1º.Art. salvo para percepção de vencimentos.E. anexando ao pedido o comprovante do ato de afastamento. 500/74 . 500/74 .M. 207. L. . 26).Art. 10. 200. deverá ser observado para apresentação. L. 500/74 . Se a desincorporação se der em lugar diverso do da sede. para tratar de interesses particulares.Lei 500/74 (estável) poderá obter licença. 10. pelo prazo .em ponto do Estado. o servidor deverá reassumir de imediato o exercício sob pena de demissão por abandono do cargo.261/68 .Arts. o extranumerário e o admitidos. parágrafo único).Art. Desincorporado.261/68 .O servidor será submetido a inspeção médica e persistindo as suspeitas. 200. No caso do diagnóstico não confirmar a doença.Art. remuneração ou salários (L. o prazo de 30 (trinta) dias. 205) : . 25 e 26) quando: .261/68 . considerando-se incluídos no período de licença os dias de licenciamento compulsório (L. L.no estrangeiro. sem vencimento ou remuneração. L.P. o servidor será licenciado pelo D. 3º e 60. Confirmada a moléstia pela autoridade competente. durante os estágios prescritos pelos regulamentos militares. Obs: A servidora que ocupa função-atividade não faz jus a essa licença.Art. 500/74 . remuneração ou salários ao servidor que (L. 201 e 324. A concessão de licença será feita mediante comunicação acompanhada de documentação oficial que prove a incorporação (L. 10. .261/68 Art. 10. A funcionária que pretender fazer uso desse benefício deverá requerer ao superior imediato. . para tratamento nos termos do artigo 191 da Lei 10. 26 ). Licenças / Para o Serviço Militar Será concedida licença sem vencimentos.Art. sem solicitar. 26). o médico deverá solicitar exames complementares e recomendar o afastamento. 10.Arts.261/68.261/68 . ocorrerá a chamada licença compulsória. 26). prorrogáveis por mais 30 (trinta) dias a pedido do interessado e a critério da Administração (L.Art.houver feito curso para oficial da reserva das Forças Armadas.Art. Licença à Funcionária Casada com Funcionário ou Militar Licença sem vencimento ou remuneração à funcionária casada com funcionário estadual ou militar. no máximo de 5 (cinco) dias. quando o marido. 10. O período de licenciamento compulsório é considerado de efetivo exercício para todos os fins (L. 78 e 80. for mandado servir (L. 500/74 . 208.Arts. 200. A licença será concedida pelo tempo que durar a atividade do marido (L. L. 10. o servidor efetivo. 205. O período de licença é considerado de efetivo exercício para todos os efeitos legais.261/68 . assim. Aqueles dias em que ele deixou de trabalhar devido à suspeita da doença não poderão ser desconsiderados prevalecendo. 10. Licença para tratar de Interesses Particulares Após 05 (cinco) anos de exercício.261/68 . 500/74 .261/68 . 26).Art. o licenciamento compulsório. para o servidor temporário. se a ausência exceder a 30 (trinta) dias consecutivos ou 15 (quinze) dias consecutivos.for convocado para o serviço militar e outros encargos da segurança nacional.Art. L.

deverá efetuar o recolhimento obrigatório ao IAMSPE de 2% (dois por cento) da retribuição-base mensal durante o período da licença. desta forma deverá contribuir com 33% (trinta e três por cento) correspondentes a 11% (onze por cento) de sua própria contribuição mais 22% (vinte e dois por cento) da contribuição patronal. de 11/08/99). Licença Prêmio Os servidores da administração direta e das autarquias.Art. o gozo do saldo das parcelas restantes deverá ser requerido e será gozado a critério da Administração.D. O funcionário deverá proceder conforme as orientações contidas no site: http://www. 209 e 324). contados da data da publicação da primeira concessão.spprev.261/68.C. Só poderá ser concedida nova licença após 05 (cinco) anos do término da anterior (L. Os afastamentos abaixo enumerados não interrompem o período qüinqüenal desde que não ultrapassem o limite máximo de 30 (trinta) dias no período de 05 (cinco) anos (Lei 10.com. não poderá exercer cargo. da Lei nº 500/74. admitidos com fundamento nos incisos I e II. Ao funcionário nomeado. reproduzido pelo artigo 18 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição Estadual de 1989.sp. nesse caso. 10. emprego ou função na Administração Pública Direta. desde que não tenham sofrido qualquer penalidade administrativa (L. e os militares terão direito. Ao servidor extranumerário estável.br Obs: O servidor em licença para tratar de interesses particulares.261/68 . inciso I). excetuado o previsto no inciso X do artigo 78 (falta abonada) não interrompem o período qüinqüenal (Lei 10. o vínculo com o Regime Próprio de Previdência Social – SPPREV. O servidor em licença para tratar de interesses particulares. O período de licença-prêmio é considerado de efetivo exercício para todos os efeitos legais (L. inciso II): . A falta injustificada e as penalidades administrativas aplicadas ao servidor interrompem o período qüinqüenal para fins de licença-prêmio. o funcionário não terá direito à assistência médica durante o período da licença. da Constituição Federal (L. Parágrafo único). de 02 de julho de 1997.915. 12 da LC 1012/07. 203).261/68 . submetidos ao regime estatutário. do artigo 1º. poderá. (art. 1º.br/clienteIamspe/Contribuicao. também.gov.E. de 10/08/99 . art.261/68.iamspesaude. 78.261/68 Arts.Art. bem como sobre os juros e reajustes cabíveis se o pagamento for feito fora do prazo ou só no final da licença. 10. As Seções de Pessoal deverão informar ao servidor sobre a obrigatoriedade de serem efetuados os recolhimentos ao IAMSPE. excetuando o servidor que não opte pela manutenção do vínculo com o RPPS. nos termos do art. O servidor poderá optar em manter. 210.Art. IX e 209. 204). Se a licença for interrompida. que tenham adquirido estabilidade em decorrência do disposto no artigo 19 do ADCT. 10. Indireta ou Fundacional do Estado. 10.O. Neste caso o servidor deverá proceder conforme as orientações contidas sobre servidor afastado no site: http://www. a 90 (noventa) dias de licença em cada período de 5 (cinco) anos de exercício.261/68 . parágrafo único).261/68 art. removido ou transferido não será concedida licença para tratar de interesses particulares antes de assumir o exercício do cargo (L. dentro do prazo de 03 (três) anos. 210. durante o afastamento.máximo de 2 (dois) anos.Arts. de acordo com o disposto no artigo 19 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição Federal de 1988. 814/96 . 8º Decreto 52. A referida licença poderá ser concedida aos servidores.aspx O recolhimento poderá ser efetuado também ao término da licença e. ser concedida licença para tratar de interesses particulares (Comunicado CRHE-2. conforme estabelece o artigo 13 do Decreto nº 41. A licença poderá ser negada quando o afastamento do servidor for inconveniente ao interesse do serviço. como prêmio de assiduidade. Os afastamentos enumerados no artigo 78 da Lei nº 10.859/08).

O direito ao gozo de períodos de licença-prêmio concedidos e não usufruídos em razão do prazo previsto na Lei Complementar nº 857. de 10 de junho de 2008. por ocasião de sua aposentadoria compulsória. e será publicada no Diário Oficial do Estado.261/68. Publicada a autorização. se não for iniciado o gozo no prazo de 30 (trinta) dias. da carreira de Agente de Segurança Penitenciária e o integrante da . 644/89. licença por motivo de doença em pessoa da família. solicitar a indenização das licenças-prêmios averbadas para gozo oportuno.013/86. decidir sobre os pedidos de indenização (Res. faltas justificadas. de 10 de junho de 2008. 1º do D. SF -16 de 08/04/2008). que revogou o artigo 215 da Lei 10.42. art. cujo falecimento do servidor público da Administração Direta ou de Autarquias do Estado tenha ocorrido anteriormente a edição da LC 1048/08. 2º das DTs da LC 1048/08) Poderá ser convertido anualmente em pecúnia. observada a prescrição qüinqüenal. poderá solicitar a conversão da metade do bloco da licença-prêmio em pecúnia. A competência para a concessão será do órgão de recursos humanos no qual o servidor se encontra classificado. poderá ser indenizado nos termos do artigo 3º da referida lei complementar. A concessão da licença se dará mediante Certidão de Tempo de Serviço. desde que não tenha usufruído a licença-prêmio em gozo. D. do artigo 1º das Disposições Transitórias da Lei Complementar nº 1048.041/2008. de modo a evitar que a última parcela não resulte em período inferior a 15 (quinze) dias. contados da data do falecimento do servidor (Art. aposentadoria por invalidez permanente ou falecimento. O servidor em exercício de suas atividades públicas no dia 11 de junho de 2008. poderá na mesma data em que requerer a aposentadoria.- faltas abonadas. será necessário novo requerimento e nova publicação (Lei 10. A solicitação deverá ser feita mediante requerimento a ser formulado dentro do prazo de 90 (noventa) dias.Art. uma parcela de 30 (trinta) dias equivalentes aos vencimentos mensais. Depois de concedida o servidor poderá requerer oportunamente o gozo da licença-prêmio ao superior imediato. terão o direito de pleitear o pagamento dos períodos de licenças-prêmio averbados para gozo oportuno e não usufruídos ou utilizados para qualquer efeito legal (Art.261/68. A competência para a publicação da autorização do gozo será do órgão de recursos humanos no qual o servidor se encontrar em exercício. com ocorrência posterior a publicação da LC 1048/08. e que nesta data já tivesse implementado as condições para aposentadoria voluntária. da Superintendência Técnico Científica e da Polícia Militar do Estado de São Paulo (LC 989/06). 10. desde que tivesse pelo menos 15 (quinze) anos de serviço na data da promulgação da L. 644/89. 44. 2º do D.C. 1048/08). (art.1048/08. do Quadro do Magistério e do Quadro de Apoio Escolar (LC 1015/07).722. de 23/02/2000). a averiguação do gozo dos períodos fracionados. aos integrantes das Carreiras da Polícia Civil. 513).C. licença para tratamento de saúde. da Secretaria da Fazenda.353/86). falta médica (antiga 'falta Iamspe'). com fundamentação no artigo 3º da Lei complementar nº 1048.25. poderão. Nestes casos é de competência do Coordenador da Administração Financeira. O servidor que tiver licença-prêmio não gozada.D. cabendo ao órgão de recursos humanos responsável. O servidor poderá usufruir em descanso cada bloco de 90 dias. vencidas até 31/12/85 e desde que não tenham sido utilizadas para qualquer outro efeito legal . Os herdeiros. data de publicação da LC 1048/08. O servidor que completou o interstício temporal para aquisição da licença-prêmio até 26/12/89. A autorização do gozo da licença-prêmio deverá ser aguardada em exercício. As indenizações por exoneração “ex officio”. de 20 de maio de 1999. LC. 214 redação dada pela LC. 213 (redação dada pela LC. nº 1.850/63 – art. fica restabelecido nos termos do disposto no inciso II.261/68 . serem requeridas a qualquer tempo. por inteiro ou em parcelas não inferiores a 15 (quinze) dias (L. data anterior à vigência da L. independente de requerimento do servidor. 25.

da Procuradoria Geral do Estado e das Autarquias.G. de acordo com o § 3º do artigo 28 da Lei nº 10. cujo gozo veio a ser interrompido em face da concessão de licença-gestante e/ou licença para tratamento de saúde.N. Poderá ser convertido anualmente em pecúnia. Os servidores que ingressaram ou vierem a ingressar no serviço público estadual sob o regime estatutário poderão contar para fins de licença-prêmio. Poderá ser contado. de 06/06/69. . Licenças / Reconsideração e Recurso . 975/05.O.E. Cabe ao órgão de recursos humanos responsável.261. na parte em que se reconheceu não haver óbice legal ao cômputo do tempo de serviço prestado pelo aposentado no cargo (ou função) em que se aposentou no serviço público estadual. poderá computar o tempo de serviço prestado no cargo no qual se aposentou (desde que esse tempo não tenha sido utilizado para fins de licença-prêmio) para completar o qüinqüênio aquisitivo. não tem direito à licença-prêmio por falta de previsão legal. de 3.E. inclusive as relativas a férias e licença-prêmio (LC-802/95 . 18 do ADCT da CE/89. . de 10/07/68. poderão ser usufruídos oportunamente. de 28/10/68 e excluídos os períodos anteriores a 5/10/88 se houve a percepção de Gratificação de Natal ou 13º salário (Súmula 21 P. o tempo de serviço público prestado ao Estado ou suas autarquias.E. O servidor poderá somente usufruir a referida licença (D. fica caracterizada renúncia aos períodos de licençaprêmio concedidos e não gozados até esta data. observada a prescrição qüinqüenal.D.O. OBS : Foi publicado no D. Concedida a aposentadoria ao servidor. cientificar o servidor e seu superior dos períodos de licença-prêmio concedidos. de 27/9/95). com ou sem interrupção de exercício para ingressar no regime estatutário. Distrito Federal. D.P. de 04/04/74). antes da passagem do servidor à inatividade. D. A contagem fica condicionada ao preenchimento dos requisitos exigidos pelos artigos 209 e 210 da Lei 10. desde que esse período não tenha propiciado a fruição dessa mesma vantagem junto àqueles entes públicos (Súmula 21 . Os dias remanescentes relativos à licença-prêmio. com exceção dos Quadro das Secretarias de Economia e Planejamento e da Fazenda.D. de 15/10/2001.G. que veio confirmar o teor do D. a ser gozada em decorrência do exercício de cargo em comissão.G.Parecer PA-3 nº 083/2002).E. para fins de licença-prêmio. e que não contemplasse essa vantagem. de 3. também.E.E. outros Estados. nº 1.O. de forma a garantir o gozo dos mesmos. com nova redação dada pela LC.E. É vedada a conversão em pecúnia dessa licença .168.N. que se encontrem em efetivo exercício nas unidades desses órgãos e entidades. ao usufruir períodos de licenças-prêmio não perderá o direito a perceber o "pro labore". nº 1080/08.G. o tempo de serviço prestado até 20/12/84 à União. aos servidores regidos pela LC. são aplicáveis aos Secretários Adjuntos todas as disposições constitucionais e estatutárias atinentes aos funcionários públicos ocupantes de cargos em comissão.O.O. Municípios e respectivas autarquias. alterado pelo Decreto-Lei nº 92. para perfazimento do qüinqüênio aquisitivo de licença-prêmio a ser gozada em decorrência de nova investidura em cargo público estadual. referentes aos blocos de períodos aquisitivos formados a partir de 18/12/08 data da vigência da LC.080/08. mas servidor público. Obs: O servidor temporário (Lei 500/74) tendo ou não adquirido a estabilidade prevista no artigo 19 do ADCT da CF/88 e art. ainda que sob regime diverso. O servidor designado para exercer função de chefia ou de direção.classe de Agente de Escolta e Vigilância Penitenciária (LC 1051/08) que se encontrem em efetivo exercício. de 04/04/74. o Despacho do Governador. O aposentado que tenha sido nomeado para o cargo em comissão. dos Quadros das Secretarias de Estado. Nessas circunstâncias. de 16/10/2001. O ocupante do cargo de Secretário Adjunto não é Agente Político. de 27/9/95). uma parcela de 30(trinta) dias equivalentes aos vencimentos mensais.

44 com redação alterada pelo D. 46 com redação alterada pelo D. 30.Art. Licenças / Readaptação A readaptação pode ocorrer quando. se houver expressa determinação da CAAS.968/72 . interposto no prazo de 30 (trinta) dias.P.DPME.968/72 .Art. Boletim de Desempenho ao Grupo de Trabalho de Readaptação da respectiva Secretaria de Estado (Resol. SS-177/90).E.559/89. 51. 51. 4º). 14 e 20 e D. 30.solicitada pelo próprio interessado. 10.180/88 . contados da publicação do despacho pelo dirigente do D.. contados da publicação no Diário Oficial (D. D. Recursos Caberá recurso ao Secretário de Gestão Pública.261/68 . Resol. § 1º) DIREITOS E VANTAGENS DE ORDEM PECUNIÁRIA Acumulações Remuneradas A respeito de procedimentos adotados sobre acumulação de cargos deve-se observar o disposto no " Manual de Procedimentos para Acumulações Remuneradas de Cargos. Art. .M. a realização de perícia médica a fim de constatar as condições de saúde do servidor (Resolução 177/90 . . 28. devendo ser interposto no prazo de 30 (trinta) dias. anualmente.Arts.Art.Art.724/08). Compete à Comissão de Assuntos de Assistência à Saúde (CAAS) solicitar ao Departamento de Perícias Médicas do Estado .3º) A readaptação pode ser: . 29. Art.738/07.Art. D. 180/78 .Art.738/07.proposta pelo Departamento de Perícias Médicas do Estado (D. 177/90 . em decorrência de inspeção médica.180/88 . é fixado o ROL DE ATRIBUIÇÕES a ser desempenhado pelo readaptado.. do pedido de reconsideração (D. 52. 1º e 3º. através do órgão de pessoal da Secretaria a que pertence (Resol. verificar modificação da capacidade laborativa do servidor .Art. 52. Nesses casos.P. L. 5º). 52. A readaptação se efetiva com a publicação da Súmula da Comissão de Assuntos de Assistência à Saúde (CAAS) no Diário Oficial do Estado.E.Pedido de Reconsideração O pedido de reconsideração deve ser dirigido ao dirigente do D.Art. D.180/88. Se for o caso.559/89. A fim de avaliar o desempenho do readaptado.M.968/72 .Art. 177/90 . à vista do laudo médico.sugerida pela autoridade de subordinação(D. 8º.5º). poderá ter seu local de exercício mudado. Adicional de Insalubridade / Periculosidade . devidamente instruída. A proposta de readaptação.C. em última instância. 15). 41 e 42. D. de acordo com as atividades próprias de cada cargo (L. será encaminhada à Comissão de Assuntos de Assistência à Saúde (CAAS). o superior imediato encaminhará. constante também nesse site. 52. 29. 29.Funções ou Empregos Públicos .

O servidor fará jus ao adicional de insalubridade enquanto estiver afastado do serviço. netos. . No cálculo dos proventos da aposentadoria será computado o adicional de insalubridade a que fizer jus o servidor. técnicos ou científicos. . comparecimento ao IAMSPE. Adicional por Tempo de Serviço O Adicional por Tempo de Serviço. pais e irmãos. 835/97 .férias.C.doação de sangue . em estabelecimentos penitenciários e enquanto perdurar suas atividades (L. 1º e 3º . 432/85 . A concessão será enquanto o servidor permanecer no exercício em unidades ou atividades insalubres. da Lei n° 500/74. 129). que acrescentou à L. e o inciso VIII. 2º)./89 . até 30 dias. é garantido pela Constituição Estadual (C.licença quando acidentado no exercício de suas funções ou atacado de doença profissional. 3º-A).participação em provas ou competições esportivas até 30 dias. sempre concedido a cada 1825 dias de efetivo exercício.Arts. 20% e 10% sobre o valor correspondente a 2 (dois) salários mínimos. 808/96 . . pelo exercício.Art. O adicional de insalubridade será pago ao servidor de acordo com a classificação dada às unidades ou atividades insalubres em percentuais de: 40%. do artigo 16. . .Art.261/68. padrasto/madrasta. L.Art.C. 1º). da Lei n° 10. falecimento do cônjuge.serviços obrigatórios por lei. .missão ou estudo dentro do estado. 432/85 o Art. . 825/97 . . 432/85 . até 30 dias. sogros. licença à servidora gestante e ao servidor(a) adotante. 4º): . sem prejuízo dos vencimentos e demais vantagens do cargo ou função.C. filhos.participação em congresso e outros certames culturais.Art. entre outros.C. em outros pontos do território nacional ou estrangeiro.E.C. - casamento.faltas abonadas. .Art.Insalubridade O adicional de insalubridade será concedido aos servidores da Administração Direta e das Autarquias do Estado. 6º. na base de 1/60 (um sessenta avos) do respectivo valor para cada mês em que no período dos 60 (sessenta) meses imediatamente anteriores à aposentadoria o servidor tenha percebido o mencionado adicional.licença prêmio.C. 2º.Art. L. em unidades ou atividades consideradas insalubres (L.C. Periculosidade Será concedido o adicional de periculosidade ao servidor da Administração Direta do Estado. no momento da aposentadoria. O adicional de insalubridade produzirá efeitos pecuniários a partir da data da homologação do laudo de insalubridade (L. licença para tratamento de saúde. falecimento dos avós. . em virtude de (L.licença compulsória de que tratam o artigo 206. Atividades Insalubridades : são aquelas que podem implicar riscos a saúde do servidor. 315/83 . II. para consulta para tratamento de sua própria pessoa.

261/68 . 2º. 4º) Não fará jus ao benefício o servidor cuja retribuição global no mês anterior ao do recebimento do benefício ultrapasse o valor correspondente a 141 (cento e quarenta e uma) Unidades Fiscais do Estado de São Paulo - .G. D.974. poderá receber ajuda de custo não excedente a 1 (uma) vez o padrão do cargo ou função e mais as diárias a que fizer jus (L. O servidor que exercer cumulativamente cargos ou funções terá direito aos adicionais por tempo de serviço. cuja redação foi alterada pela Lei Complementar nº 318/83. 42. 5º. ao nomeado em comissão e ao extranumerário. Consideram-se da família as pessoas sustentadas pelo servidor e que constem de sua ficha individual (L. para efeito de adicional por tempo de serviço.Art. 10.261/68 . para efeito de adicional. de 2/12/68. 414). outros estados. Sua concessão independe de requerimento do servidor.261/68 . 34.Art. e Parecer AJG. não poderá computar tempo vinculado à aposentadoria em cargo efetivo.981/63 . 131 da Lei n. devendo ser concedido pela autoridade competente. Portanto.O. L. isoladamente.N. municípios. instituído pelo Decreto n. municípios e a suas autarquias.Arts. 150).206/95)). 10. do salário ou da remuneração (L. 132. de 18/05/85).261/68 .261/68 . O ocupante de cargo em comissão e o substituto perceberão os adicionais a que fizerem jus calculados com base no vencimento do cargo em comissão ou em substituição (L. 22). III (inciso incluído pelo art.Art. D. podendo computar inclusive o tempo de serviço prestado ao Estado anteriormente à edição da Lei Complementar nº 180/78 (D.Estatuto). 39. conforme apurado em boletim ou atestado de freqüência. O aposentado que ocupa ou venha a ocupar cargo em comissão.261/68 . sobre o valor dos vencimentos. 133). em virtude de serviço. 18).Art. 682. 10. D. A contagem desse tempo é assegurada somente ao servidor efetivo.E. Auxílio-Alimentação O auxílio-alimentação será devido em função dos dias efetivamente trabalhados.T. de 27(Pareceres PA-3 nº 400/94 e nº 42/97.892/95 .628/89 .D. 41.E. Ajuda de Custo A Ajuda de Custo. Quando se tratar de serviço ou estudo no estrangeiro a ajuda de custo será fixada pelo Secretário-Chefe da Casa Civil (L.O adicional por tempo de serviço será calculado na base de 5% (cinco por cento) por qüinqüênio de serviço. a juízo da Administração. D. 324.261/68 (Estatuto). conforme assegurado na Lei Complementar nº 437.261/68 .064/91 . 10. Para efeito de adicional por tempo de serviço.G. Em regime de acumulação.Art. O transporte do servidor e de sua família compreende passagem e bagagem e será pago pelo Governo.O.Art. de 26/05/2000 .O. § 2º. de 17. o tempo de serviço público prestado a União. 10. 1º do D. de acordo com o Despacho do Secretário do Governo e Gestão Estratégica. é vedado contar tempo de um dos cargos/funções para reconhecer direitos ou vantagens em outro. somente poderá ser computado o tempo de serviço público prestado até 20/12/84 .R.850/63 . D. (L. de 03/08/85. 10. 152). 154. 500/74 .Art. deverá fazer parte do Processo Único de Contagem de Tempo (PUCT).). poderá ser concedida ao servidor que passar a ter exercício em nova sede e tem por objetivo cobrir despesas de viagem e da nova instalação (L. de 23/12/85.S. D. 10.Art. 50. 7. A portaria do adicional por tempo de serviço.L. . 40.G. D. 149. outros estados. e a suas autarquias.N. não poderão esses servidores contar. referentes a cada cargo ou função (art. 6.Art. nº 608/2000.Art. fazem jus ao adicional. 407.524/91 . Os servidores regidos pela Lei 500/74 e pela C. uma vez que nenhuma legislação assegura a aplicação ao servidor temporário (Lei nº 500/74) e ao celetista o disposto no referido artigo 76 . à União. Se o servidor permanecer por mais de 30 (trinta) dias fora da sede. de 2.Arts. conforme assegura o artigo 76 da Lei nº 10. 149.Arts. A Ajuda de Custo para território do país não poderá ultrapassar valor correspondente a 3 (três) vezes o padrão do cargo ou função (L.

S. com o objetivo de custear parte das despesas de locomoção do servidor de sua residência para o trabalho e vice-versa (L.P. 50.Art. o salário-esposa. 24 § 1º do Decreto 52.Art. 168.013/07. O valor do auxílio-reclusão será idêntico ao salário de contribuição do servidor (art. O pagamento será efetuado pela unidade pagadora ao cônjuge. pessoa ou procurador legal que tiver feito as despesas do funeral. 10. em dezembro. Auxílio-Funeral O auxílio-funeral será concedido ao cônjuge ou à pessoa que provar ter feito as despesas em virtude do falecimento do servidor ou do inativo. Decreto 52. 6.687/94 Art. O critério para aferição da baixa renda do servidor é o mesmo utilizado para os trabalhadores sujeitos aos R.012/07 e Art. 180/78 com redação dada pela LC. enquanto recolhido à prisão.248/88 . no âmbito da Administração Direta e das Autarquias do Estado. no desempenho de serviço. L.Art. 324. a ajuda de custo para alimentação e o reembolso do regime de quilometragem (D.301/08 e Instrução UCRH-01/09).Art.859/08). considerando esse valor do primeiro dia útil do mês de referência do pagamento (Dec. 1. será concedido auxílio-reclusão (art.079/05 Art. e art.UFESP. (L. 24 § 2º do Decreto 52.248/88 . 1º. 168. Decreto 53. Décimo Terceiro Salário O décimo terceiro salário será pago anualmente. Auxílio-Reclusão Aos dependentes de servidor de baixa renda. de outros Estados e Municípios. Não fará jus ao auxílio-transporte o servidor afastado para prestar serviços ou para ter exercício em cargo ou função de qualquer natureza junto a outros órgãos da Administração Direta ou Indireta da União.859/08.860/08. 6.012/07).Art. 10.012/07. A importância corresponderá a 1 (um) mês dos vencimentos. devendo ser calculado com base na remuneração integral ou no valor dos proventos de aposentadoria a que fizerem jus naquele mês (C. a gratificação por trabalho noturno. quando este falecer fora da sede de exercício ou fora do Estado.C.859/08). § 3º alterado pelo artigo 5º da Emenda Constitucional . O auxílio-transporte será devido em função dos dias efetivamente trabalhados (L. salários ou proventos do falecido (L. remuneração. o adicional de insalubridade. 1.G. 6. 500/74 .I). Decreto 52.Art. mediante apresentação do atestado de óbito (L./88 . a diária alimentação. a todos os servidores públicos civis e militares do Estado. 39. a gratificação por trabalho no curso noturno. (art. 163-B da LC. excluídos o salário-família. 38.Art. 1º) O valor do auxílio-transporte corresponderá à diferença entre o montante estimado das despesas de condução do servidor e a parcela equivalente a 6% (seis por cento) de sua retribuição global. 29 da Lei 452/74 com redação dada pela LC. 22).F. 1. Auxílio-Transporte O auxílio-transporte foi instituído. Poderá ser concedido transporte à família do servidor. 10. 1º). as diárias. mensal.261/68 .248/88 . 5º). a gratificação por serviço extraordinário.261/68 . 3º).261/68 . nova redação dada pela L. 165).Art.C. O auxílio-transporte não será computado para qualquer efeito e não se incorporará ao patrimônio do servidor (L. §§ 5º e 7º redação dada pela L. 1.

e o valor anteriormente recebido (D. Este será calculado na proporção de 1/12 (um doze avos) por mês. § 2º).564/97). § 3º. 1º. ou em missão ou estudo. acréscimo de 1/3 (um terço) à retribuição mensal do servidor. O servidor ou policial militar que receber diária indevidamente será obrigado a restituí-la de uma só vez./89 . Os afastados ou licenciados sem vencimentos. § 3º ) a) ao servidor ou policial miltar removido ou transferido. combinado com o Art. e em dezembro será paga a diferença apurada entre os valores calculados com base na Lei Complementar n° 644/89. salários ou remuneração percebidos no mês imediatamente anterior.564/97). 1º. 50% (cinquenta por cento) dos vencimentos. 1º.Art.292/03 . 48. D. de 20 de julho de 1988.261/68 . 8). 1º. calculado na forma prevista nos §§ 1º e 2º do artigo 1º da Lei Complementar nº 644/89.Art. que aniversariam nos meses de janeiro e fevereiro . a título de antecipação do décimo terceiro salário.261/68 . tendo como base o mês de fevereiro (D. 144. durante o período de trânsito.Art.Art. ou na realização de diligência policial militar. com base no valor do último mês de efetivo exercício.Art. posto ou graduação.Arts. 124.292/03 .292/03 . observado o disposto nos §§ 1º e 2º do artigo 1º e do 3º da Lei Complementar nº 644/89. O décimo terceiro salário será pago aos servidores públicos. 10.Art. §§ 1º.Art. sujeito à penalidade disciplinar (L. dentro do País e tem por objetivo a indenização de despesas com alimentação e pousada (L. Para fins de cálculo do décimo terceiro salário. quantia superior a 50% (cinqüenta por cento) da sua retribuição mensal (D. 42.C. 12). § 3º. c) com o objetivo de remunerar outros encargos ou serviços.292/03 . D. VIII.Art. 500/74 Art.Arts. ainda. 1º § 3º) É vedado conceder gratificação pela prestação de serviço extraordinário ao funcionário ou servidor que perceber diária (D. 10. e outros que não sejam pertinentes à remuneração ou aos proventos. C. Férias . 644/89 .Arts. créditos do Programa de Integração Social e do Programa de Assistência ao Servidor Público Estadual. 7º. não terão computados os respectivos períodos para fins de cálculo do décimo terceiro salário. 644/89 . bem como os exonerados ou dispensados na base de 1/12 (um doze avos) por mês de serviço prestado no período correspondente.Art.261/68 . pagamentos atrasados não pertinentes ao exercício. por ocasião das férias. b) quando o deslocamento for exigência permanente do seu cargo.292/03 . auxílio-transporte. não serão considerados os valores pagos sob quaisquer dos seguintes títulos (L. 48. Diárias A diária pode ser concedida ao servidor ou policial militar que se desloca temporariamente de sua sede no desempenho de suas atribuições. 10. remuneração ou salário. 48. aplicação dos itens 1 e 2 do § 3º do artigo 7º da Lei Complementar nº 567. função-atividade. L.C. salário-família e salário-esposa. 10. L. 48. 22. Considera-se sede o município onde o servidor ou policial militar tenha exercício (L.261/68 . § 4º): indenização de qualquer natureza.Art. 42. § 1º). A diária não poderá ser concedida: (L. 147. ficando. a antecipação do décimo terceiro salário será paga no 5º (quinto) dia útil do mês de março. 144.19/98. D. Farão jus ao 13° salário os servidores nomeados ou admitidos. D.292/03 . 144. a título de diárias. 48. 2º e 148.48. a partir do exercício de 1998 no 5° (quinto) dia útil do mês em que o servidor fizer aniversário. diárias e ajuda de custo. 1º e 7º).E. Aos docentes (Lei 500/74) do Quadro do Magistério. Nenhum funcionário. servidor poderá receber.

D.Art. § 3º). 33. o indeferimento de férias. 178 e 324. I). 39.Os aposentados voluntariamente. para o ano seguinte.261/68 . Art.Art. licença para tratar de interesses particulares.261/68 . de 24/02/2000). 16. 3º).O direito ao gozo de férias anuais remuneradas com. 1/3 (um terço) a mais do que o salário normal é garantido aos servidores públicos estaduais pela Constituição Estadual (Art. 10. fica assegurado o direito de pleitear o pagamento dos períodos de férias indeferidas por absoluta necessidade de serviço e/ou de licença-prêmio averbados para gozo oportuno e não usufruídos ou utilizados para qualquer efeito legal (D. 179). representando a Administração do Poder Executivo vedou . licença à funcionária casada com funcionário ou militar . Férias não usufruídas . 10. Caberá ao dirigente de cada unidade administrativa organizar no mês de dezembro. O período de 30 (trinta) dias de férias será reduzido para 20 (vinte ) dias se ocorrerem no exercício anterior mais de 10 (dez) não comparecimentos. acrescido de um terço.Art.Art. O servidor aposentado. adquiridas antes de sua aposentadoria (D.Art. 176.722/2000 . a escala de férias .42.261/68 . XVII e Art.G.D.261/68 .439/88 . desde que entre a cessação do exercício anterior e o início do novo exercício não haja interrupção superior a 10 (dez) dias (L.Art. 44. Conforme Decreto n° 29.E. ou seja.439/88. licença por motivo de doença em pessoa da família. em razão de absoluta necessidade de serviço (D. de 26/05/81).25. após o primeiro ano de exercício no serviço público. 500/74 .O.353/86). Para efeito de férias. oportuna e regularmente. 177). A solicitação deverá ser feita mediante requerimento a ser formulado dentro de 90 dias . 78. O servidor. afastado de para outra unidade. parágrafo único). a reposição deverá ser procedida de imediato e de uma só vez. por necessidade de serviço. 7º. não se considera indevido o recebimento do benefício (D. § 3º): faltas abonadas. 29. 29. 1º).439/88 . deverá apresentar na nova sede de exercício atestado do qual conste se gozou férias ou não durante o exercício ( D. será acrescida de 1/3 (um terço) do seu valor (D.Art. quando em gozo de férias. 29. da Administração Direta ou de Autarquias do Estado. anteriores ao Decreto n° 25. o servidor fará também jus ao pagamento do acréscimo de 1/3 (um terço) quando em gozo de férias adquiridas em outros exercícios e indeferidas por absoluta necessidade de serviço. Aos herdeiros de servidor público. 10. O direito ao gozo de férias indeferidas. a qual poderá ser alterada de acordo com a conveniência do serviço (L.E. de 25/05/81 . faltas justificadas e injustificadas. 10. sempre que essas férias regulamentares não tenham sido gozadas nas ocasiões próprias. havendo direito a férias.Art. O pagamento será proporcional quando o período de férias for inferior a 30 (trinta) dias (D.850/63 .Art. I. exercendo cargo em comissão. adquirirá direito a 30 (trinta) dias de férias (L. 10.O. 500/74 . No caso de ser completado o primeiro ano de exercício durante o mês de dezembro. 124.R.261/68 .G.D.O. elas poderão ser gozadas a partir dessa oportunidade e continuar sem interrupção no exercício seguinte (D. Nos casos de aposentadoria ou falecimento.N.Arts.013/86 .883/72). 178. 2 (dois) períodos de 10 (dez) dias (L. 176.152/91. O período de férias poderá ser gozado de uma só vez ou em 2 (dois) períodos iguais . O servidor que for transferido. mediante o Decreto nº 25. pela Constituição Federal (Art.Art. Não há indeferimento de férias. não prescreve (D.013/86.261/68 .439/88 . 4º. L. L. § 1º). o tempo de serviço público estadual prestado anteriormente poderá ser considerado para completar o primeiro ano de exercício.Art.N. D. 1º). pelo menos. . não poderá usufruir férias indeferidas por absoluta necessidade de serviço. contados da data do falecimento do servidor (art. 10.O.G. de 24/11/79).S . 153 e 466). 52. 2 (dois) períodos de 15 (quinze) dias e no caso de férias de apenas 20 (vinte) dias. A falta ao trabalho não poderá ser descontada do período de férias (L. A retribuição mensal a ser paga aos servidores estaduais. por invalidez ou compulsoriamente terão direito a receber uma indenização pecuniária de valor correspondente ao dos respectivos vencimentos ou salários. considerados em conjunto e correspondentes a (L. pois o Governador. O período de férias será considerado de efetivo exercício para todos os efeitos legais (L. de 22. de 24/02/2000). 24). removido.261/68 . 10.Art. § 3º).G. 176.de 23 D. Caso o servidor tenha recebido indevidamente o benefício (1/3). se referentes a períodos posteriores a 1988.2º do D.

de 31/10/2001 Parecer AJG nº 1. L.332/2001).N. não acumuláveis(art. 500/74 . Inadmissibilidade (D.Arts. facultar-se-á o afastamento do servidor até completar os 08 dias ou os dias a que tem direito o servidor ao nojo. bem como 1/3 a mais. • para missão. Férias . de 25/11/86). 7º. D. s/nº de 1º/12/70). missão ou estudo fora do Estado e para função de confiança do Governador. são aplicáveis todas as disposições constitucionais e estatutárias atinentes aos funcionários públicos ocupantes de cargos em comissão (LC-802/95 . poderá ser atribuída gratificação de representação (Lei 10. de 24/11/86 . Lei 500/74 . No caso de suspensão de servidor . o disposto no § 3º do artigo 176 do Estatuto.Decreto nº 42. A gratificação será calculada na base de 1% do total mensal das importâncias pagas ou recebidas até o limite de 1/3 (um terço) do padrão do cargo/função do servidor (L.Arts. meidante pagamento ou recebimento em moeda corrente. Gratificação de Representação Ao servidor designado para função de Gabinete. ou seja. A gratificação de representação para função de Gabinete tem seus valores fixados em decreto específico e não poderá ser recebida juntamente com a gratificação por serviço extraordinário (Lei 10. Indenização em pecúnia para Servidor demitido à vista de processo administrativo.C.L. As gratificações de representação para função de Gabinete são concedidas e fixadas pelos Secretários de Estados e dos dirigentes das Autarquias. se o período coincidir com os últimos dias de férias. art. 143).Não cabe indeferimento de férias. 10.Art.D. 26. III e 324. Os profissionais de Radiologia têm direito a férias de 20 (vinte) dias consecutivos por semestre de atividade profissional.Parecer PA-3 nº 083/2002). 22. As gratificações de representação abaixo identificadas são concedidas pelo Secretário-Chefe da Casa Civil (Decreto 52.Gozo dos dias restantes. serviço ou estudo fora do Estado (poderá ser recebida juntamente com a diária) . em face do advento de sua demissão. 1001/2006.261/68 . A entidade de classe deverá conceder as férias a esse servidor ali afastado e.G. 22. 135.O. mas servidor público. pois o servidor seria penalizado duplamente pela mesma infração (Informação GLP nº 160/97 e Parecer CJ/SAM nº 300/97).Servidor designado para responder por cargo vago. 16. comunicar à Administração (órgão de origem) para os fins pertinentes (D.de 30 . 473 do RGS . o período de férias não será reduzido para 20 (vinte) dias.D. referente ao período de suas férias (Art. não é aplicável. No caso de Licença por Acidente de Trabalho .Lei especial nº 6.833/08 art. 167 e 324. § 4º. e 24 da Lei nº 500/74. de 27/02/70 . (Art.261/68 . interrompidos por motivo de licença-saúde. se vier a usufruir férias durante esse período.5º. As férias não poderão ser interrompidas para considerar-se afastamento por nojo. Decreto 53. Férias . Férias . há menos de 1 (um) ano. independentemente do regime juridico de contratação.039/61-).Art.261/68. da Lei nº 10. Servidor afastado para exercer mandato em entidade de classe .261/68). L. Férias não usufruídas.II . observada a prescrição qüinqüenal (Parecer CJ/SGGE nº 361/2000). 176. não se aplica o disposto no § 3º do artigo 176 do EFP (Lei nº 10. parágrafo único.O ocupante do cargo de Secretário Adjunto não é Agente Político.Arts.G. que estabelece a redução do período de férias anuais.I.850/63).966/09). de 30 para 20 dias (Parecer PA-3 nº 012/2002). Nessas circunstâncias. exceto quando for incorporada a remuneração do servidor.O. não se aplica o disposto no § 3º do artigo 176 do EFP não há redução do período de férias para 20 (vinte) dias.261/68 .Art. II): • pelo exercício de função de confiança do Governador. Gratificação Pro Labore A Gratificação "pro labore" é concedida ao sevidor que desempenha funções próprias de "caixa". em seguida. Nessas circunstâncias. e Parecer PA-3 nº 230/99). poderá receber vencimentos correspondentes a esse cargo vago. D.

D. do artigo 135 da Lei nº 10. Coexistem.261. torna inviável a continuidade do percebimento da gratificação de representação. observados os seguintes parâmetros: • 20% (vinte por cento) da gratificação de representação por ano de efetivo exercício. Para fins de concessão de gratificação pelo exercício de funções de Assistente Técnico em Gabinete é necessária prévia designação (D.532/2000).C. • quando do percebimento de licença-prêmio em pecúnia (D. a incorporação será feita com base na vantagem percebida por mais tempo ou. A gratificação de representação. a incorporação proporcional aos seus vencimentos. 24. exarado no Processo SAM-2774/98 . dependerá de prévia cessação do benefício concedido ao substituído . • na hipótese de recebimento. previstos no Artigo 78 da Lei 10. será incorporada à retribuição do servidor. 1º. expedidos até a data da entrada em vigor da mencionada lei complementar.C. Gratificação pela Participação em Órgão de Deliberação Coletiva .O. de 24 de novembro de 2006.261/68. D. III. III. redação dada pelo Decreto 34. na data da publicação da LC nº 813/96.666/92. até o limite de 10/10 (dez décimos). • quando se encontrar em licença para tratamento de saúde (Parecer PA-3 nº 358/93 e Parecer AJG nº 881/94).C. compete ao Procurador Geral do Estado conceder e fixar o valor da gratificação de representação aos servidores em exercício na Procuradoria Geral do Estado de São Paulo em Brasília.G.(Art. D. das Disposições Transitórias da L.E. nº 813/96 e Instrução CRHE/CAF-001/96) O rompimento do vínculo funcional.Parecer PA-3 nº 358/93 e Parecer AJG nº 881/94 e pelo Decreto 45. observada as seguintes regras : • contar com mais de 5 anos de efetivo exercício.757/92 . Fica assegurado ao servidor que conte com menos de 5 anos de atribuição de Gratificação de Representação. licença para tratamento de saúde. ficando convalidados os atos de concessão aos servidores admitidos sob esse regime.N. durante o período de 12 meses. de 28/10/68.JETON . ainda quando tenha sido anteriormente incorporada pelo servidor (Parecer PA-3 nº 159/98.E. de 6. de 09/06/76).Nos termos do Decreto 52. Nota Importante: exceto as situações de afastamento aqui mencionadas. a que se refere o artigo 135. da Lei nº 10. • para a fração igual ou superior a 6 meses adotar-se-á o mesmo percentual de 20% (vinte por cento) .(§§ 1º e 2º do artigo 10 do Decreto 34. a que se refere o inciso III.O. de 11/01/79). de gratificação de representação de valores diferentes.Ofício Circular CRHE nº 10/99).N. 813/96 . somente quando o servidor substituído se encontrar afastado em virtude de férias. A gratificação de representação deverá ser paga ao servidor: • quando em afastamentos considerados de efetivo exercício para todos os efeitos legais. com base na vantagem de maior valor (L.G.G. licença-prêmio. se nenhuma delas atender a esse requisito. a concessão de gratificação de representação ao substituto. o pagamento da gratificação ao substituído e ao substituto. Nota Importante: Nos termos da L.Art. de 8. licença gestante e licença-adoção. portanto.O. • será feita na proporção de 1/10 (um décimo) do valor da vantagem.833/08 art. por ano de sua percepção. de 10. 1º e Instrução CRHE/CAF-001/96). por qualquer razão.E. 1001. a gratificação de representação poderá ser concedida ao servidor admitido pela Consolidação das Leis Trabalhistas. A gratificação de representação poderá ser concedida ao servidor substituto. de 07/01/78).261/68 (D.

Arts. 374).ser percebida cumulativamente com a gratificação de representação (L. O servidor que exercer cargo ou função de direção só poderá receber gratificação por serviço extraordinário.218/07). se um subordinado. (D. § 3º. 152/69.Art.ser concedida com o objetivo de remunerar outros serviços ou encargos (L.Arts. Gratificação por Serviço Extraordinário A gratificação pela prestação de serviço extraordinário será paga por hora de trabalho prorrogado ou antecipado e a remuneração deverá ser superior. C.Art.F.Art. A convocação para prestação de serviço extraordinário deverá ser previamente publicada no D. As convocações serão feitas pelos Secretários de Estado.R. parágrafo único).261/68 .440/88.(L. .261/68 . Art.E. 135.261/68 . 10. 22)./89 Art. 34. L. O serviço extraordinário não poderá ultrapassar 2 (duas) horas diárias de trabalho (L. L. II). em 50% à hora normal de trabalho (C. passar a ganhar quantia igual ou superior a de seu cargo ou função (L. 10. . da Secretaria de Gestão Pública (L. após autorização do Secretário de Gestão Pública (D. 143). que estiver recebendo essa gratificação.440/88 . L. 10. 139).261/68 .Art. devendo ocorrer somente nos casos de extrema necessidade. 29. 138. 42. 10. 142 e 324.E. para cálculo do valor da gratificação por serviço extraordinário.L. pelo Procurador Geral do Estado e pelos Superintendentes de Autarquias. D.Gratificação quando designado para órgão de deliberação coletiva. mediante proposta da Unidade Central de Recursos Humanos . 136. 10. IV.42. D. Técnico de Laboratório e Auxiliar de Análises Clínicas 24 hs 20 hs 12 hs 20 hs 132 110 66 110 ÁREA EDUCAÇÃO: Jornada Integral de Trabalho Docente Jornada Básica de Trabalho Docente 40 hs 30 hs 220 165 . I. 137). 816/98.UCRH. divide-se a retribuição mensal por: ÁREAS SEMANAL DIVISOR DEMAIS ÁREAS: Jornada Completa de Trabalho Jornada Comum de Trabalho 40 hs 30 hs 220 165 ÁREA SAÚDE Demais servidores: Jornada Básica de Trabalho 30 hs 165 Médico e Cirurgião Dentista: Jornada Ampliada de Trabalho Médico Jornada Básica de Trabalho Médico-Odontológica Jornada Reduzida de Trabalho Médico-Odontológica Auxiliar de Radiologia. XVI.G. 10. 1º. 324. Auxiliar de Laboratório.261/68 .Art. 22./88 . 10.S. Técnico de Radiologia. D. 500/74 .Art.Art.261/68 .Art. criado por lei ou decreto. 124.850/63 . nº 52. "g").Art. De acordo com Súmula PGE 23 de 22/01/98 e Decreto 29. A gratificação por serviço extraordinário não poderá : . A gratificação é fixada pelo Governador. O servidor não poderá se recusar à prestação de serviço extraordinário quando convocado.261/68 .Art. 135.O. 7º . 500/74 . no mínimo.

fora do período normal ou extraordinário de trabalho a que estiver sujeito(L. O servidor não poderá receber gratificação por serviço extraordinário durante o período considerado para percebimento de gratificação pelo trabalho noturno.C.C. 5º). 3º. mesmo que incorporada ao seu patrimônio. E.10. L. 740/93. 774/94). em função dela. pela jornada de trabalho de 40. 180 ou 120. para realizar investigações ou pesquisas científicas. fora do período normal ou extraordinário de trabalho a que estiver sujeito. 506/87 . e no artigo 9º da Lei Complementar nº 463/86. Gratificação por Trabalho Noturno A gratificação pelo trabalho noturno será concedida ao servidor que prestar serviço em seu local de exercício. divide-se a retribuição mensal por 240. nova redação dada pelo Art. pois uma gratificação exclui a outra (L. 743/93). 506/87 .261/68 art. no período compreendido entre 19 (dezenove) e as 24 (vinte e quatro) horas.C. 30 ou 20 horas semanal. de que trata a Lei Complementar nº 207/79 . • aos funcionários sujeitos ao regime de remuneração. Para calcular esse benefício. 506/87 . 13. 9º). • aos funcionários que percebam a gratificação a título de representação. no horário compreendido entre 19 (dezenove) horas de um dia e 5 (cinco) horas do dia seguinte (L. II. 506/87 Art. da L.C. Ao valor apurado acrescenta-se 10% e multiplica-se o resultado pelo número de horas prestadas por mês. da L. no período compreendido entre 0 (zero) e as 5(cinco) horas. A quantidade de horas extraordinárias está limitada a 02 horas diárias. acrescenta-se 20% (L. 13.C. exercer funções de auxiliar ou membro de bancas em comissões de concurso ou prova ou de professor de cursos de aperfeiçoamento ou especialização de servidores.Art. previsto na Lei Complementar nº 180/78 .Art.124. de Secretários de Estado e Dirigente de Autarquias (L. nova redação dada pelo Art. respectivamente.Jornada Inicial de Trabalho Docente Jornada Reduzida de Trabalho Docente 24 hs 12 hs 132 66 Acrescenta-se 50% a este valor e multiplica-se o resultado obtido pelo número de horas de serviço extraordinário prestadas durante o mês.Artigo 61. Honorários O servidor poderá receber honorários: • quando designado. à Justiça. A gratificação por trabalho noturno não se aplica: • aos servidores admitidos nos termos da legislação trabalhista.Artigos 44 e 45. • aos funcionários e servidores que percebem a gratificação pela sujeição ao Regime Especial de Trabalho Policial.Art. • aos funcionários e servidores que percebam a Gratificação por Trabalho Noturno prevista no artigo 83 da Lei Complementar nº 444/85 (nova redação dada pela L. 3º.C.IX) Incorporação de Décimos . II. aos ocupantes de cargos em comissão nos Gabinetes do Governador.C. pela prestação de serviço peculiar à profissão que exercer e.C. 740/93 ).

813. durante o período de doze meses.O. incorporará 1/10 dessa diferença. por ano de sua percepção. e Instrução Conjunta CRHE/CAF n. observado o disposto nos itens "a". por ano. com base na de maior valor. "b" e "c". devidamente publicados. que recebe ou recebeu a Gratificação de Representação de Gabinete. observadas as seguintes regras (Lei complementar n.E. após a incorporação. 35. de 12/9/92): • exercício de cargo em comissão. isto porque. de 16/10/99). Incorporação de Décimos . na data da publicação da Lei complementar nº 813. vier a fazer jus à gratificação da mesma natureza. pois o artigo 133 da CE/89 aplica-se somente para remuneração percebida no âmbito estadual.O. Instrução CRHE/CAF 1/99 . total ou parcial. 52. de 16/7/1996.E. d) o servidor que. b) a incorporação será feita na proporção de um décimo (1/10) do valor da vantagem. a incorporação será feita com base na vantagem percebida por mais tempo ou. O servidor fará jus à incorporação do décimo da diferença de remuneração que tenha proporcionado ao longo de todo um ano. não manterá na nova situação os décimos já incorporados . de função com remuneração superior à do cargo ou da função-atividade que ocupa no Estado.para substituição de cargo e função-atividade. estivesse percebendo ou não a gratificação de representação e que contasse com menos de cinco anos de percebimento dessa vantagem fará jus à incorporação proporcional aos seus vencimentos.O. serão observados os . até o limite de dez décimos (10/10). terá direito a incorporá-la ao seu vencimento. 1/96.E.E. 135 da Lei n.200/92 . Instrução Conjunta CRHE/CAF 1/92 D.Artigo 133 da CE/89 O servidor com mais de 05 (cinco) anos de efetivo exercício. houver exercício sucessivo. Se. D. dirigido ao Dirigente do Órgão Setorial de Recursos Humanos. 10. que tenha décimos incorporados no cargo ou na função-atividade e vier a ser posteriormente nomeado ou admitido para outro cargo/função. cessam os direitos adquiridos na situação anterior (Instrução Conjunta CRHE/CAF 1/99 . A incorporação de décimos de diferença de remuneração será processada mediante requerimento do interessado. c) na hipótese de recebimento.D. a incorporação contemplará o décimo da menor diferença apurada. ou seja. de 16/7/1996.261. Somente nas situações a seguir mencionadas é que poderão ser consideradas para fins de Incorporação de Décimos (Instrução Conjunta CRHE/CAF 1/92 .Incorporação de Décimos . • designação: .D. de mais de um cargo ou função que gere diferença de remuneração. na base de 20%. 2/10 (dois décimos) do respectivo valor por ano de percepção. . durante 1ano. se nenhuma delas atender a esse requisito (ou seja. O servidor exonerado de seu cargo ou dispensado de sua função-atividade. de 16/10/99 e LC-924/2002). e) na hipótese do item anterior (d). rompido o vínculo funcional.para função retribuída mediante "pro labore". Se houver proporcionado remuneração superior ao do seu cargo ou função-atividade.O. se os períodos forem iguais). 1º. até o limite de 10/10 décimos (Art. b) A regra anterior aplica-se também ao servidor estadual afastado. que tenha exercido ou venha a exercer cargo/função que lhe proporcione remuneração superior. de gratificações de representação de valores diferentes. A data da vigência da incorporação deverá ser o dia seguinte àquele em que completar os 365 dias. publicada no DOE de 17/8/1996): a) a incorporação será concedida apenas aos servidores que contem com mais de cinco anos de efetivo exercício.Art. o servidor fará jus à incorporação de décimos e abrangerá apenas a diferença que estiver sendo paga ao servidor.nos termos da LC-813/96 Gratificação de Representação O servidor público.833/08). autoridade competente para decidir sobre os pedidos de incorporação (D.D. se esta for maior. Obs.: a) O servidor estadual requisitado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para prestar serviços nos Cartórios das Zonas Eleitorais não poderá incorporar décimos. O servidor que. pelo exercício naquele Tribunal. a que se refere o inciso III do art. • Se essas situações forem originadas de atos nomeatórios/designatórios de autoridade competente. perceberá apenas a diferença entre a vantagem incorporada e a nova gratificação. prestando serviços em Fundações. de 28/10/1968 (Estatuto). de 12/9/92. 133 da CE/89. Para efeito dessa incorporação.

se. na qual foi revogado o artigo 26 da LC n. no período de doze meses. do exercício em determinadas zonas ou locais e da execução de trabalho especial.. de 16/8/1996.de maior valor.Arts. 23). será esse período utilizado para futuras incorporações de décimos. a incorporação dar-se-á nesse cargo..: Nos termos da LC.261/68 . A incorporação somente poderá ocorrer quando se tratar de períodos anteriores a 17/7/96 . Jornadas de Trabalho: 1. os períodos de percebimento forem iguais. 467/86. Para os integrantes do Quadro do Magistério Docente • Jornada Básica de Trabalho . 500/74 Art. 10. a gratificação de representação poderá ser concedida ao servidor celetista. 163 e 324. se.. Obs. g) se da apuração a que se refere o item anterior resultar fração igual ou superior a seis meses.. após a alteração da LC n. §§ 1º e 2º do art. 34.I Jornadas de Trabalho Os valores dos vencimentos e salários dos servidores são pagos de acordo com a carga horária semanal de trabalho a que estejam sujeitos. Se o servidor for titular apenas de cargo em comissão . 10.seguintes critérios: f) será efetuada a soma de quaisquer períodos anteriores a 17/7/1996 de percebimento da gratificação de representação.. 406/85 pela LC nº 813/96.40 horas semanal .. do Decreto n. no referido período de doze meses.percebida por mais tempo. não mais poderá ser incorporada. 34. de 24/11/2006.. i) a base de cálculo para a incorporação corresponderá à gratificação: . Indenização de Danos ou Prejuízos Indenização de danos ou prejuízos decorrentes de acidentes no trabalho. será esse período contado como equivalente a um ano. O Diário Oficial de 17/8/1996 expediu a Instrução Conjunta CRHE/CAF nº 1. referente aos procedimentos quanto a incorporação da gratificação de representação. com risco de vida ou saúde (L. O período de licença-saúde é computável para fins de incorporação de gratificação. 30 horas semanal • Jornada Inicial de Trabalho . se o servidor tiver percebido vantagem de um único valor.percebida pelo prazo de doze meses. 1001. com a redação dada pelo art. L. . 20 horas semanal Suporte pedagógico • Jornada Completa de Trabalho .. se inferior a seis meses.666/92. do Decreto n.. A gratificação de representação percebida quando do exercício de cargo ou função de outros Poderes e de outras pessoas jurídicas do mesmo Poder. 2º. pois durante esse tempo houve percepção da gratificação de representação (LC-813/96..... mesmo as integrantes da Administração Indireta do Estado (Autarquias). h) o arredondamento previsto no item anterior será considerado exclusivamente para complementação do tempo relativo ao décimo.757/92). o servidor tiver recebido vantagem de diferentes valores . A incorporação de décimos deverá ser efetuada no cargo efetivo ou na função-atividade de que seja ocupante o servidor. e o Parecer CJ/SGP nº 34/09 concluiu pela viabilidade da incorporação desses décimos. II. data da promulgação da LC nº 813/96..

180/78 . • Jornada Básica de Trabalho Médico-odontológica .12 horas semanal • Jornada Ampliada de Trabalho Médico . O valor do "pro labore" será correspondente à diferença entre o valor do padrão do cargo ou função-atividade exercido pelo servidor e do valor do padrão do cargo de encarregatura.20 horas semanal • Jornada Reduzida de Trabalho Médico-odontológica . Polícia Civil (SP) e Agente de Segurança Penitenciária • Regime Especial de Trabalho Policial . Para os integrantes da classe de Pesquisador Científico • Regime de Tempo Integral . Para os integrantes de classes específicas da Área de Saúde • Jornada Básica de Trabalho .168/68 . licença saúde ou gestante .Art. Poderão ser designados para função "pro labore".Art. podem ser classificadas funções de serviço público de comando e designados servidores para o seu desempenho. O cumprimento da jornada de trabalho poderá ser efetivada sob o regime de plantão (12 x 36 horas). 3. exceto as relativas ao ensino e a difusão cultural. 28).Função Nas unidades decorrentes de reforma administrativa que não tenham o correspondente cargo de chefia ou de direção.T. observada a jornada a que estiver afeto o servidor. L. § 2º.O.para as classes de Auxiliar de Radiologia. chefia ou direção cabível na unidade (L. 10.168/68 . nojo (luto). Auxiliar de Laboratório. de 22/02/83).2. faltas abonadas. O "pro labore" será recebido pelo servidor nos casos de férias. em condições precárias de segurança. • pela dedicação plena aos trabalhos de seu cargo/função.30 horas semanal • Jornada Básica de Trabalho .mínimo de 40 horas semanal O RETP caracteriza-se: • pela prestação de serviço em jornada de. 28. 4.L. no mínimo de 40 horas semanais.Art. Técnico de Radiologia.20 horas semanal .Art. • vedação do exercício de outra atividade pública ou particular. as quais irão perceber "pro labore" (L. gala.C.168/68 . CRHE 4/83. bem como para exercer substituição os servidores públicos. • pela proibição do exercício de outras atividades remuneradas. Para os integrantes das carreiras de Delegado de Polícia.E.24 horas semanal Pro Labore .40 horas semanais O RTI caracteriza-se: • pela natureza do cargo/função que exige de seu ocupante a realização ou a orientação de trabalhos de investigação científica ou técnico-científica dos Institutos de Pesquisa especificados em lei. 10. Técnico de Laboratório e Auxiliar de Análises Clínicas. 10. (L. 196). em especial quanto a investigação científica. D. com exceção dos regidos pela C. licença prêmio e freqüência a cursos promovidos pelo Estado que exijam a participação . Com. • pelo cumprimento irregular. 29. sujeito a plantões noturnos e chamados a qualquer hora.

integrantes de classes pertencentes às Escalas de Vencimentos .168/68 . As promoções serão realizadas anualmente. na conformidade da legislação (D.Art. D.C. § 3º. Nas Secretarias/Autarquias do Estado que não tenham sido implantados os órgãos Setoriais e Subsetoriais e não houver designação de representantes de órgão setorial. conforme a legislação específica.Art. no grau da referência em que se encontrar enquadrado seu cargo/funçãoatividade. Intermediário e Elementar.em tempo integral (L. ou por Comissão Responsável constituída. 500/74 .261/68 .Art.743/93 . observar-se-á o disposto no artigo 47. da Lei Complementar nº 712/93.013/07.Nível Universitário. por merecimento e Antigüidade. 1. Participarão da Progressão .168/68. no último dia do mês de junho do ano a que se referir a progressão e tenha cumprido o interstício mínimo.C. 700/92 . 37. 10. ). e pela Constituição Estadual -Art. Alternando-se em regra geral.Art. A realização do processo da progressão caberá aos órgãos Setoriais e Subsetoriais de Recursos Humanos (D.743/93 . 6º.Art. Progressão Progressão: é a passagem do servidor de um grau para outro imediatamente superior dentro da respectiva referência (L. 712/93 . (D. Será beneficiado com a Progressão o servidor que: .743/93 . 37. Para o exercício da substituição. L. art. O processo seletivo para fins de promoção.Art. 4º. Os critérios para apuração do tempo no grau serão aqueles utilizados para a concessão do adicional por tempo de serviço. 12) Será processada automaticamente no mês de julho de cada ano e far-se-á mediante apuração do tempo de efetivo exercício do servidor. 36. 12). 4º da LC.Art. 10. de que trata o artigo 28.743/93 .Art. 3º). L.L. procederá à periódica verificação da exatidão dos atos relativos à progressão. 1. bem como de função de serviço público retribuída mediante "pro labore". 7º. da Lei nº 10. 92/69 .Art. 180/78 com redação dada pela LC.integrantes das classes Executivas I e II. (D. ou a partir do surgimento da primeira vaga.Art. Promoção Promoção é a passagem do funcionário ou servidor ocupante de cargo ou função-atividade a um grau.743/93 . no âmbito de cada Secretaria.727/93 . praticados no âmbito das Secretarias/Autarquias do Estado (D. 22. 37. Salário-Família e Salário-Esposa O salário-família é um direito garantido pela Constituição Federal (Art. O salário-família será concedido ao servidor e ao inativo de baixa renda que tenham como dependente filho ou equiparado de qualquer condição menor de 14 (quatorze) anos ou filho inválido de qualquer idade (L. 10.Art. 124.esteja em efetivo exercício. 10. contado até o último dia do mês de junho do ano que se refere a progressão. . § 3º). redação dada pela EC20/98. § 1º). caberá ao órgão Setorial de Recursos Humanos. 2º e 3º). 674/92 . a pessoa com incapacidade total e . § 4º). 1º). da Casa Civil. A Unidade Central de Recursos Humanos. 37.743/93 . É caracterizada como inválida e poderá ser considerada dependente.Art. 28. L.3º). (D. 37. 700/92 e 712/93. de acordo a legislação própria. 163-A da LC.C. nível ou classe imediatamente superior. §§ 1º. das Leis Complementares nºs 674/92. os procedimentos serão efetuados pelas Unidades de pessoal encarregadas de expedir certidões de tempo de serviço (D. 6º.37. XII e artigo 39. 2º).012/07 e art.Art.

860/08). O valor do salário-família está fixado no mesmo valor pago aos trabalhadores vinculados ao R. a sexta-parte deve ser calculada sobre os vencimentos integrais.860/08). DOE de 9/12/99). 156). servidor ou inativo que não perceba importância superior a 2 (duas) vezes o valor do menor vencimento pago pelo Estado e desde que a esposa não exerça atividade remunerada (L. Esta proibição não se aplica se o cônjuge receber este benefício de empresa pública ou sociedade de economia mista (L.N. D.S. de 4. estadual ou municipal. Decreto 52.C. servidores ou inativos.012/07.013/07. • preencher o Formulário "DECLARAÇÃO PARA EFEITO DE SALÁRIO-FAMÍLIA". No caso de falecimento do servidor ou do inativo fica assegurada ao cônjuge sobrevivente ou ao responsável legal pelos filhos do casal.O. Sexta Parte A sexta-parte é outra vantagem pecuniária concedida ao servidor estatutário (efetivo e em comissão) e ao extranumerário. 10. D. 22. nas seguintes condições (L.se viverem separados.G. 500/74 .261/68 . § 2º do art. 177/78 .012/07. • atestado de vacinação obrigatória e comprovante de frequência à escola (anulamente). 163-A da LC. O critério para aferição da baixa renda do servidor ou inativo é o mesmo utilizado para trabalhadores vinculados ao R. 1.permanente para o trabalho (L. Aos servidores admitidos nos termos da L. I do art. 158). Para obtenção do salário-família. junto com o salário. L.859/08 e Decreto 52. (§ 2º.Art. 180/78 com redação dada pela LC. 161. 178): .Art. 162.013/07. 4º da LC. 1. 10. 10. 157): . . 500/74 e LC. de acordo com a divisão dos dependentes.261/68 . O salário-família não poderá ser percebido por dependente em relação ao qual já esteja sendo pago este benefício por outra entidade pública federal.Art. O pagamento do salário-família é condicionado à apresentação da certidão de nascimento do filho ou da documentação relativa ao equiparado ou ao inválido e anualmente apresentação de atestado de vacinação obrigatória e de comprovação de frequência à escola do filho menor ou equiparado (§ 1º do art. e aos servidores ocupantes exclusivamente de cargo em comissão serão pagas pelo empregador mensalmente. CRHE 3.P.G. 733/93. 4º LC.859/08 e Decreto 52. (Decreto 53.G. 163-A da LC. ao que tiver os dependentes sob sua guarda. De acordo com a Constituição Estadual de 1989.261/68 . • certidão de nascimento. O salário-esposa será concedido ao funcionário.P. art. apenas a um deles. ou a ambos. 22). efetivando-se a compensação quando do recolhimento das contribuições (Comunicado Conjunto UCRH/CAF1/08). Decreto 52. de 8/12/99.Art. correspondendo a um sexto do valor (LC n.261/68 . . 10.Art.incorpora-se aos vencimentos para todos os efeitos legais. 1.E.Art. § 1º art. o servidor deverá apresentar : • requerimento. A sexta-parte é concedida no dia seguinte à data em que completar 7300 dias de efetivo exercício. Essa vantagem é garantida aos servidores ao completarem 20 anos de efetivo exercício.S. O padrasto e a madrasta e os representantes legais dos incapazes equiparam-se ao pai e à mãe (L.do padrão em que estiver enquadrado o cargo. 180/78 com redação dada pela LC.Art. de 05/03/76). a percepção do salário-família a que tenha direito o falecido (L. 22).Art. mesmo que não tenha feito requerimento (Com. segundo o artigo 129 da Constituição Estadual de 1989 . 180/78. após o dia 2/06/2007. 1.301/08). 500/74 . O salário-família será concedido aos pais quando funcionários.261/68 . L. 10.se viverem juntos.

433/85 e Parecer PA-3 nº 230/99). 82. Não poderá haver substituição para os cargos e funções-atividade de chefia e encarregatura. 10. municípios e suas autarquias poderá ser computado também para efeito da sexta-parte dos vencimentos. 260/81. art. D. O tempo de serviço público prestado até 20/12/84. vantagens pecuniárias incorporadas.Art. quando passou a vigorar o artigo 76 do Estatuto (com redação alterada pela LC nº 318/83) é data que a LC nº 437/85 estabeleceu para que fosse aplicado o disposto nesse artigo .Art.O. poderá haver substituição remunerada (Com. DAPE 7/76. O valor da sexta-parte corresponderá.080/08 . 180/78. adicional de insalubridade (LC n. ou no exercício dele. o valor da sexta-parte corresponderá a 1/6 dos proventos quando o servidor exercer mais de uma jornada de trabalho (completa. 40. 180/78 Art. decorrentes de transformação nos termos da L. de chefia.C.Art.C. D. 2).261/68 e artigo 32 da LC. Se o substituto ausentar-se por mais de 30 (trinta) dias perderá a substituição durante o período excedente. D.080/08). terá seus vencimentos ou salários calculados de acordo com o vencimento ou salário do cargo ou da função-atividade de encarregatura. 24. 2º. 14. bem como ao acréscimo de 1/3.C. A substituição por servidor admitido nos termos da legislação trabalhista só poderá ser exercida na mesma Secretaria ou Autarquia em que tiver sido contratado (Com.S. 80 da LC. outros estados. O benefício da sexta-parte não se aplica aos servidores regidos pela Lei nº 500/74 e pela CLT (Comunicado CRHE 3. 86. mesmo que não esteja no exercício da substituição há mais de um ano. 195. também. D. 432/85). do artigo 7º. 42. supervisão e encarregatura. cujos titulares não estejam exercendo comando de unidade administrativa (Com.29. com proventos proporcionais ao tempo de serviço. 180/78 .168/68 . (Parecer PA-3 nº 230/99). exceto nos afastamentos considerados de efetivo exercício e naqueles decorrentes de licenças para tratamento de saúde e especial para gestante (D.Seção II. chefia ou direção que estiver substituindo (L.R. No caso de afastamento do titular dos cargos de natureza diretiva.C. direção. 180/78.Art. CRHE 4/83. de 22/02/83).Art. Com. por conseqüência. 23 24 e 324 L. . a 1/6 dos proventos de aposentadoria do servidor quando ocorrer a aplicação do disposto no artigo 78 da LC n. deverá ter a sexta-parte recalculada. 10.C.Item 7). encarregatura ou supervisão que entrar em gozo de férias fará jus aos vencimentos ou salários do cargo ou da função-atividade que estiver exercendo. ou seja. de supervisão e de encarregatura. L. 318/83. Após 20/12/84. o tempo de serviço público prestado no Estado de São Paulo. Esse entendimento é aplicável também ao servidor designado para responder por cargo vago de Chefia (D. conforme estabelece a Lei Complementar nº 437.O. da L. 7º. . 1. de 8/12/99. de 16/08/82 -D. Quando o período for igual ou superior a 15 (quinze) dias. alterado pelo D.E. 1. outras vantagens ou gratificações específicas. DOE de 9/12/99). 674/92 . 2º).Art. correspondendo a 1/6 dos proventos percebidos. os proventos serão calculados proporcionalmente ao valor de cada uma dessas jornadas de trabalho (LC n. L. comum) nos 60 meses antes de aposentar-se. O substituto exercerá o cargo ou a função-atividade enquanto durar o impedimento do respectivo titular (L. A substituição nos casos de funções "pro labore" não poderá ser exercida por servidor regido pela legislação trabalhista (L.E. parágrafo único).E. A substituição de que trata o § 3º. para cargos e funções cujas atribuições sejam de natureza diretiva. exclusivamente. Substituição A substituição visa a retribuir ao servidor (substituto) pelo exercício de uma função de coordenação.somente poderá ser computado. chefia. 40. nos impedimentos legais e temporários dos seus titulares. poderão ocorrer. de 17/08/82 . de chefia. 180/78 .Art. de 22/02/83). pág. II). quando do impedimento legal e temporário do servidor (substituído) ocupante de cargou ou função de comando de unidade administrativa (art. de 23/12/85.O.C. CRHE 3/93 . para efeito de adicional. 180/78 e L.- de de de do gratificações pro labore percebidas.C.951/96 . § 3º. O substituto ou o responsável por cargo vago de direção.C. por motivo de viagem em função do cargo. de supervisão e de encarregatura.850/63 .G.G. 180/78. 32 § 1º).951/96). qualquer que seja o tempo daquele afastamento. desde que preencham os requisitos exigidos para o provimento do cargo ou da função a ser substituído (L. Arts. mesmo quando decorrentes de motivos diversos em que não haja interrupção. O servidor ao se aposentar. CRHE 4/83. chefia. à União.

Coexistem. • Nível Intermediário .Art. inclusive para pessoa da família (L. Coordenador. • Nível Universitário: . Chefe de Gabinete.(§§ 1º e 2º do artigo 10 do D. (L. Vencimentos/salários Fixados nas escalas por referência e grau. Diretor II. licença gestante e licençaadoção.Art. redação dada pelo D. etc. a concessão de gratificação de representação ao substituto. licença para tratamento de saúde. • à família do funcionário. • Nível Intermediário: Oficial Administrativo. § 2º) Vencimentos Os vencimentos e salários dos servidores. Supervisor Técnico I . .Requisitos para a substituição: O substituto deve possuir a mesma formação profissional específica do cargo ou da função a ser substituída e a experiência profissional (Parecer PA-3 nº 26/92). são fixados por escalas previstas nos sistemas retribuitórios das diversas classes existentes no serviço público estadual. São exemplos : Plano Geral de Cargos de que trata a Lei Complementar nº 1.Exemplo : Assistente. A Gratificação de Representação será paga ao substituto. sendo: • Nível Elementar . em decorrência do tratamento. Analista de Tecnologia e Analista Sociocultural.261/68 . só serão atendidos os pedidos de ressarcimento financeiro de transporte formulados dentro do prazo de 1 (um) ano. titulares de cargos/ocupantes de funcões-atividade da Administração Direta. . o pagamento da gratificação ao substituído e ao substituto. Chefe I. bem como das Autarquias.Estrutura II : Executivo Público.261/68 . Oficial Operacional e Oficial Sociocultural.Art.Modelo de Formulário objetivando a padronização.Estrutura I : Analista Administrativo. (L. a partir da data em que houver falecido servidor.Referência 1 e Grau (A a J).Art.080/08 Classes que tem como área de atuação a chamada "área meio" ou administrativa (operacional/técnica) dos órgãos. de 3/2/06 .34. 10. 10.34.DO. quando o substituído se encontrar afastado em virtude de férias.10. Transportes Poderá ser concedido transporte: • ao licenciado para tratamento de saúde. Nível/Classes • Nível Elementar : Auxiliar de Serviços Gerais. 26).757/92 . de 07/02/2006).OBS: exceto as situações de afastamento aqui mencionadas. 500/74 .45. 165. no desempenho do serviço.Referência 1 e 2 e Grau ( A a J).532/2000). quando este falecer fora da sede de exercício ou fora do Estado.(Instrução DDP/G-01. portanto.261/68 . dependerá de prévia cessação do benefício concedido ao substituído . L.Parecer PA-3 nº 358/93 e Parecer AJG nº 881/94 e pelo D.666/92. • Cargos em Comissão . 164. licença-prêmio. simplificação e orientação de procedimentos administrativos . 165). . Substituição Eventual .

e Estrutura II .Gratificação Especial de Atividade Hospitalar . diárias. sexta-parte. Coordenador de Saúde.que integram a Escala de Vencimentos de Cargos em Comissão Exemplo: Assistente Técnico de Saúde.Estrutura I .Estrutura I . • outras vantagens previstas em lei. inclusive gratificações. • Nível Universitário . Diretor Técnico de Departamento de Saúde.Referência 1 e 2 e Grau (A a J). Classes • Auxiliares Operacionais . Técnico de Radiologia.Referência (1 a 16).Exemplo: Serviçal de laboratório. • Comissão . etc.Estrutura II . outras vantagens previstas em lei.Estrutura II .que integram a Escala de Vencimentos de Nível Intermediário . Auxiliar de Laboratório. .Exemplo: Assistente Social. operacional/técnica. • Nível Universitário . composta de Estrutura I . etc.• Nível Universitário . Médico Sanitarista. • Comissão . Vantagens pecuniárias comuns . salário-família e salário-esposa. • Comando. Auxiliar de Enfermagem. Cirurgião Dentista.Referência (1 a 2) e Grau (A a F). Plano de Cargos de trata a Lei Complementar nº 674/92 e 840/97 Classes que tem como área de atuação a área de saúde. Vantagens pecuniárias específicas GEA -Gratificação Especial de Saúde GEAH . salário-família e salário-esposa. Vantagens pecuniárias comuns • adicional por tempo de serviço. Terapeuta Ocupacional. sendo: • Nível Elementar . • Auxiliares Técnicos .Referência (1 a 18). • Nível Intermediário .Referência (1 a 7) e Grau (A a J).Exemplo: Médico. sexta-parte.Referência (1 a 10) e Grau (A a F).que integram a Escala de Vencimentos de Nível Universitário.Exemplo: Agente de Saúde. décimo terceiro salário. Vencimentos/salários Fixados nas escalas por referência e grau. ajuda de custo. décimo terceiro salário.adicional por tempo de serviço. Assistência e Assessoramento .que integram a Escala de Vencimentos Nível Elementar .Referência 1 e 2 e Grau (A a J).Referência (1) e Grau (A a J). etc. diárias. inclusive gratificações. • Técnicos . Atendente. ajuda de custo. etc. Psicólogo.

etc. • Procurador de Autarquia. • Técnicos . inclusive gratificações.Exemplo: Auxiliar Administrativo Fazendário. Controlador de Pagamento de Pessoal. sexta-parte.Exemplo: Técnico de Apoio a Arrecadação Tributária. outros sistemas retribuitórios que se aplicam às classes de : • Auxiliar de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica. etc. Classes • Auxiliares Técnicos .que integram a Escala de Vencimentos de Cargos em Comissão .Referência (1 a 4) e Grau (A a J). ajuda de custo. Julgador Tributário.Prêmio de Incentivo à Qualidade Existem. • Comissão . • Auxiliares. Comando.Gratificação de Gestão e Controle do erário Estadual GRAJ -Gratificação por Atividade de Julgamento PIQ . Analista Técnico da Fazenda Estadual.Referência (1 à2) e Grau (A a F). financeira e tributária (exceto fiscalização direta de tributos) operacional / técnica .Exemplo: Contador. • Auxiliar de Apoio Agropecuário. ainda. Vantagens pecuniárias específicas GECE . sendo: • Nível Intermediário .que integram a Escala de Vencimentos de Nível Universitário .GEAPE -Gratificação Especial de Atividade Prioritária Estratégica GEER . .Referência (1 a 31). Assessoramento .que integram a Escala de Vencimentos de Nível Intermediário .Estrutura I . Assistente Técnico da Fazenda Estadual. • Procurador do Estado. salário-família e salário-esposa. décimo terceiro salário. • outras vantagens previstas em lei. Coordenador da Fazenda Estadual. Vantagens pecuniárias comuns • adicional por tempo de serviço. • Oficial de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica.Gratificação Especial do Instituto Emílio Ribas Plano de cargos de que trata a Lei complementar nº 700/92 Classes que tem como área de atuação a área fazendária. diárias. Vencimentos/salários Fixados nas escalas por referência e grau. Técnicos. • Agente de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica. • Nível Universitário . • Técnico de Apoio à Pesquisa Científica e Tecnológica.

Agente de Telecomunicações Policial. 33): 1) comparecer sempre ao serviço e ser pontual. Diretor Ferroviário. 2) cumprir as ordens superiores. DEVERES. Chefe de Seção de Mecânica. Auxiliar de Necropsia. • Engenheiro. Chefe de Estação B. 13) estar em dia com as leis e normas de serviço referentes à sua área. 241. • Agente de Apoio Agropecuário. Assistente Social. .• Oficial de Apoio Agropecuário. Artífice Mecânico B. 10. se for o caso.261/68 . representando se forem ilegais. 8) cuidar para que sua declaração de família esteja sempre em ordem no seu prontuário. Supervisor de Ensino e Dirigente Regional de Ensino. RESPONSABILIDADES Deveres São deveres do funcionário/servidor (L. Atendente de Necrotério Policial. Agente de Organização Escolar . e Agente de Serviços Escolares.Art. Assistente Administrativo. etc. 3) desempenhar seu trabalho com cuidado e rapidez. Médico do Trabalho. • Médico Legista. 10) apresentar-se corretamente vestido ou de uniforme. • Agente de Desenvolvimento Social. Agente de Trem. Engenheiro Agrônomo e Assistente Agropecuário. • Secretário de Escola. Auxiliar de Papiloscopista Policial. • Técnico de Apoio Agropecuário. Fotógrafo Técnico-Pericial. Chefe de Tesouraria. Motorista. Professor Educação Básica II . • Delegado de Polícia • Agente de Segurança Penitenciária • Agente de Escolta e Vigilância Penitenciária. 11) atender prontamente . Assistente Jurídico. 6) tratar com cortesia os companheiros de serviço e o público. Investigador de Polícia. Vigia. Agente Policial. Diretor de Serviço. 4) guardar sigilo sobre os assuntos do órgão no qual trabalha. Especialista em Desenvolvimento Social.Art. PROIBIÇÕES. L. Desenhista Técnico-Pericial. Carcereiro. e com preferência. 12) cooperar e manter espírito de solidariedade com os companheiros de trabalho. 5) representar sobre irregularidades de que tiver conhecimento. 9) economizar e conservar o material que estiver sob sua guarda ou utilização. 7) residir no local onde exerce o cargo ou onde autorizado. • Professor Educação Básica I . Diretor de Escola . as solicitações de autoridades judiciárias ou administrativas para defesa do Estado em Juízo. 14) comportar-se na vida pública e privada na forma que dignifique a função pública. Técnico de Pessoal. Escrivão de Polícia. Perito Criminal. Auxiliar de Estação. 500/74 . Papiloscopista Policial. Auxiliar de Finanças. Bilheteiro. Arquiteto. • Pesquisador Científico • Especialista em Energia • Classes pertencentes à Estrada de Ferro de Campos de Jordão: Ajudante Geral.

acrescentado pela LC-942/2003). retirar qualquer documento ou objeto existente do setor ou órgão sem autorização. não podendo./89 . da Procuradoria Administrativa. e livre escolha. a de suspensão.261/68.Arts. A responsabilidade administrativa é independente da civil e da criminal ( § 1º do art. 246 e 249): 1) pelo custo de materiais comprados em desacordo com a lei e regulamentos. Será reintegrado ao serviço público. É proibido reter documentos de identidade. 250 da Lei nº 10. 10. 250 da Lei nº 10.261/68 . promover manifestações de apreço ou desapreço dentro do órgão ou tornar-se solidário com elas. L. se não houve má fé. da Procuradoria Geral do Estado. O servidor também será responsabilizado (L.Art. desfalque. 33): 1) 2) 3) 4) 5) 6) 7) 8) referir-se depreciativamente às autoridades e aos atos do Governo. ocupar-se.261/68 .Proibições É proibido ao funcionário/servidor (L. 10. direta ou indiretamente. 4) pela falta ou erro de averbações em documentos da receita ou correlação a eles. nesse caso.Art. 500/74 .Art. 10.Art. será aplicada a pena de repreensão e. não se exime da responsabilidade civil ou criminal que couber. o servidor será obrigado a repor a importância do prejuízo causado na seguinte forma (L. O funcionário/servidor será responsável pelos prejuízos causados à Fazenda Estadual por má fé ou culpa. 248): 1) pela sonegação de valores e objetos sob sua guarda ou responsabilidade. 2) trabalhar sob as ordens imediatas de parentes até 2º grau (inclusive cônjuge) salvo quando se tratar de função de confiança.599/97). L. para ingresso em edifícios públicos ou particulares (Lei Federal nº 5. parágrafo único. 245.Art. 245 . não comparecer ao serviço sem causa justificada.Art. A responsabilidade se caracteriza especialmente (L. nem da pena disciplinar em que incorrer (L. 3) por quaisquer prejuízos aos bens e materiais sob sua guarda. exercer comércio e promover ou subscrever lista de donativos dentro do órgão onde trabalha. remissão ou omissão em efetuar recolhimento ou entrada nos prazos legais. salário ou remuneração em outros casos. 33): 1) de uma só vez nos casos de alcance. o desempenho de seus trabalhos ou de trabalhos de seus subordinados. 5) por qualquer erro de cálculo ou redução contra a Fazenda Estadual. 500/74 . 242.Art. O servidor responsabilizado administrativamente ou que tenha pago a indenização a que ficou obrigado . usar material do serviço público em serviço particular.261/68 .261/68 . 2) em parcelas descontadas do vencimento. L. 131. 2) por atribuir a pessoas estranhas ao órgão. não excedendo o desconto à 10ª parte do valor destes. 10.261/68 . exame ou fiscalização. parágrafo único e Art. devidamente apurados (L. ou por pagamento efetuados em desacordo com as normas legais (C. 41. tratar de interesses particulares no trabalho. ultrapassar o número de 2 (dois) auxiliares. 250).261/68 . qualquer proveito. na reincidência.261/68 Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do Estado: 1) valer-se de sua qualidade de servidor para obter. L. São também proibições para os servidores aquelas constantes dos artigos 243 e 244 da Lei 10.Art. exarado no Processo PGE-768/94). 10.261/68. durante o expediente. O processo administrativo só poderá ser sobrestado para aguardar decisão judicial por despacho motivado de autoridade competente para aplicar a pena ( § 3º do art.261/68 . D. 2) pela não prestação ou tomada de contas na forma e no prazo estabelecido. acrescentado pela LC942/2003). 247 e 248. no cargo que ocupava e com todos os direitos e vantagens devidas. 500/74 . Aditamentos das Chefias ao Parecer PA-3 nº 233/94. podendo sofrer as penalidades disciplinares cabíveis. Nos casos de indenização à Fazenda Estadual . e desconto no vencimento. Responsabilidades O Estado responsabilizará os seus servidores por danos causados à administração.553/68. leituras ou outras atividades estranhas ao serviço.E.Art. o servidor absolvido pela Justiça. 33).Arts. 10. em conversas. 10. 245. . salário ou remuneração.

a fé pública e a Fazenda Estadual.aplicação indevida de dinheiro público .abandono da função-atividade (ausência injustificada por mais de 15 (quinze) dias seguidos).quando praticar ato definido como crime contra a administração pública.quando lesar o patrimônio ou os cofres públicos.ausência do serviço (sem causa justificável por mais de 30 (trinta) dias intercalados durante o ano). . 2º). L. Penalidades.se pedir. não podendo ultrapassar 90 (noventa) dias.261/68 . Algumas situações para pena de demissão ou dispensa(art.Arts. tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins e terrorismo.As autoridades que por omissão ou atraso nas informações derem causa a pagamentos indevidos a outro servidor. c) multa: aplicada na forma e nos casos expressamente previstos em lei ou regulamento (ainda não foi regulamentada). d) demissão : aplicada nos casos: . comissões. b) suspensão : aplicada em caso de falta grave ou de reincidência. sendo.aceitou ilegalmente cargo ou função pública.praticou.261/68 . salário ou remuneração. . O ato que demitir ou dispensar o funcionário ou servidor mencionará sempre o dispositivo legal em que se fundamenta (L. ou de lavagem ou ocultação de bens.Art. 41. .599/97 . . 251 a 257. .abandono de cargo (ausência injustificada por mais de 30 (trinta) dias seguidos).261/68. A penalidade de cassação de aposentadoria ou disponibilidade será aplicada nos seguintes casos (L. Pode ser convertida em multa na base de 50% (cinqüenta por cento) por dia de vencimento. . .procedimento irregular de natureza grave. ficarão responsáveis pelo ressarcimento correspondente (D. . 10. direta ou indiretamente. por empréstimo dinheiro ou quaisquer valores a pessoas que tratem de interesses ou o tenham no órgão ou estejam sujeitos à sua fiscalização. 10. nesse caso. quando em atividade. .praticar ato definido em lei como improbidade. . 33 e 36): a) repreensão: aplicada por escrito nos casos de indisciplina ou não-cumprimento dos deveres. 500/74 . e) pena de dispensa : aplicada nos casos de: . tortura.Art. 10. obrigatória a permanência no serviço. .Arts. falta grave a qual é cominada nesta lei a pena de demissão ou de dispensa a bem do serviço público.261/68 . 257 da Lei 10. Extinção das Penalidades e Providências Preliminares São penas disciplinares .quando praticar falta grave. . O funcionário / servidor suspenso perde todas as vantagens e direitos decorrentes do exercício do cargo / função-atividade. e incisos acrescentados pela LC-942/2003): .Art. direitos ou valores.ausência do serviço sem causa justificável por mais de 45 (quarenta e cinco) dias intercalados durante o ano. . ou previsto nas leis relativas à segurança e à defesa nacional.praticar ato definido como crime contra o Sistema Financeiro.praticar ato definido como crime hediondo. 258).se receber ou solicitar propinas. 259): . presentes ou vantagens de qualquer espécie.ineficiência no serviço. . aplicadas de acordo com a natureza e a gravidade da infração e os danos causados para o serviço público (L.

261/68. 239. Em nenhuma hipótese. Qualquer pessoa poderá reclamar sobre abuso. no curso da sindicância ou processo administrativo .o pedido claramente feito. o direito de petição contra ilegalidade ou abuso de poder e para defesa de direitos. omissão ou conduta incompatível no serviço público. .Arts.art.261/68 . d) O recurso: .terá decisão final no prazo de 90 (noventa) dias e será imediatamente publicada ou se dará ciência ao interessado. SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA D.será decidido no prazo de 30 (trinta) dias.dados pessoais e funcionais do peticionário. ou do procurador legal.P. f) será dada vista do processo ao interessado pelo prazo de 10 (dez) dias quando requerido. observadas as normas de urbanidade e as seguintes regras básicas: a) o pedido será dirigido à autoridade competente através da chefia imediata. de 06/06/2003) O servidor poderá requerer ou representar. .261/68 .Art. Poderá haver afastamento preventivo do servidor.261/68 . ou seja.Art. e .614/75): . sob pena de responsabilidade do agente (Lei nº 10. com redação dada pela LC-942/2003). . . 10.praticou a usura em qualquer de suas formas.será dirigido à autoridade que assinou o ato ou decidiu o assunto.os fatos e os fundamentos do pedido. Providências A autoridade que tiver conhecimento de irregularidade praticada por servidor é obrigada a adotar providências visando à sua imediata apuração. 5.nome da autoridade a quem é dirigido.aceitou representação de Estado estrangeiro sem prévia autorização do Presidente da República. 267 do EFP. Direito de Petição É assegurado a qualquer pessoa. nos casos previstos no artigo 266 da Lei 10. . encaminhar ou apreciar a petição. havendo conveniência à instrução ou ao serviço. 240. a Administração poderá recusar-se a protocolar. sem prejuízo das medidas urgentes que o caso exigir (art. b) os pedidos deverão conter (Dec. com redação alterada pela LC-942.261/68 . mediante despacho do Chefe de Gabinete. salvo se houver previsão legal específica (L. 10. .só caberá quando houver pedido de reconsideração não atendido ou não decidido no prazo legal.assinatura do servidor. . não sendo descontado da pena de suspensão eventualmente aplicada (art. física ou jurídica. erro. se recomendar à moralidade administrativa ou à apuração do fato.não pode ser renovado. .Departamento de Perícias Médicas do Estado . prorrogáveis por uma única vez por igual período. 10. . No prontuário do funcionário ou do servidor deverá constar todas as penalidades que lhe forem impostas (L.não pode ser dirigido mais de uma vez à mesma autoridade. . independentemente de pagamento. I.E. nova redação dada pela LC-942/2003). redação dada pela LC-942/2003). e) serão indeferidos os pedidos em desacordo com os itens antes apontados.será dirigido à autoridade imediatamente superior àquela que assinou o ato ou decidiu o assunto.. c) o pedido de reconsideração: . Esse afastamento preventivo será até 180 dias. redação alterada pela LC942/2003). . Esse afastamento preventivo computa-se como efetivo exercício. 264 do EFP. . pedir reconsideração e recorrer de decisões.deve conter novos argumentos. se existir. 266. sem prejuízo de vencimentos ou vantagens (L.M. 263). redação dada pela LC-942/2003.declaração de que o pedido é inicial ou indicação do número do processo. no prazo de 30 (trinta) dias.

46.P.P. O D. sem economia própria e não amparados por outro regime previdenciário.504/2000). o cancelamento da inscrição como contribuinte (Art.C. a qualquer tempo.23. 180/78 . emitindo laudos. de 27/04/2002): a) o cônjuge ou companheiro(a). Para o atendimento dos contribuintes e beneficiários residentes na Zona Norte da Capital. s/n . (Rua: Pedro de Toledo. 25. 26. Emitir. D.125/2002. 52. D.DOE.180/88 . de 26/04/2002 .). do falecimento do contribuinte e de sua aposentadoria.559/89). O atendimento médico hospitalar aos contribuintes e seus dependentes se faz através do Hospital do Servidor Público Estadual "Dr.que dá nova redação aos dispositivos que especifica do D. 30. nos termos da Lei nº 11.Várzea do Carmo. D. 29. 30.724/2002 e Resolução Conjunta SGGE/SS-2.M.S.Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual A Assistência Médica e Hospitalar no Estado é prestada pelo Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual-IAMSPE (D. D.Art. CAAS .G. D. o funcionário/servidor deve comparecer nesse local com 2 (duas) vias da "Guia de Inspeção de Saúde" e o documento de identidade (R. 257/70. A Assistência Médica foi estendida também a todos servidores ativos e inativos do Quadro do IAMSPE. 4. desde que comprovada a impossibilidade de locomoção ( R.Art.1990).Art. para efeito de readaptação e aposentadoria por invalidez. Analisar as propostas de readaptação e manifestar-se conclusivamente nos recursos interpostos contra despachos proferidos em pedidos de licença-saúde (D. foi instalado o Ambulatório do Mandaqui . nº 978. As viúvas e os inativos : podem solicitar.CAAS.559/89).P.S.Art.M. O médico-perito responsável pelos despachos finais nos pedidos de licença analisa o comprometimento da capacidade laborativa do servidor para o desempenho das atividades próprias de seu cargo/função-atividade.L. cujo objetivo é atender os casos de pedido inicial de licença-saúde. na Rua Augusto Tolle. realiza inspeções médicas no domicílio do funcionário/servidor ou em hospitais.Ao Departamento de Perícias Médicas do Estado : Compete realizar exame médico-pericial para fins de ingresso no serviço público. b) os filhos solteiros até completarem 21 anos. d) os filhos maiores desde que incapacitados para o trabalho. 13.374/86.Normas e Orientações . na folha de pagamento 2% (dois por cento) de seus vencimentos.Assistência Médica e Hospitalar .IMESP . parecer sobre inspeções realizadas nos Centros de Saúde (Manual: Perícia Médica . D. cabe: Realizar estudos relacionados à política de assistência à saúde dos funcionários/servidores.M.559/89 D. desde que. : situado à Av.Arts. dos hospitais conveniados e dos CEAMAs . L.180/88.H. .Comissão de Assuntos de Assistência à Saúde À Comissão de Assuntos de Assistência à Saúde . obrigatoriamente.Centros de Assistência Médico-Ambulatorial. 29. da L.C.E. O D. licenças. 11.270/79 . 10.2ª edição . Consideram-se beneficiários(as) do contribuinte (L. 30. IAMSPE . 180/78 . L. Contribuição assistência médica: Para prestação de serviços o servidor e o inativo recolhe. 164). 1. .E .G.298/57. por meio de Comissão Médica.800 Capital).P.Capital . D. 29. 29. 164 e 165).456. cursando estabelecimento de ensino médio ou superior. São Paulo .020/52. c) os filhos maiores de até 25 anos. Prefeito Passos. de 09/10/2003. 485.parágrafo único.funciona o PRONTO ATENDIMENTO.180/88). O D.180/88.E. Francisco Morato de Oliveira" . tem uma função essencialmente pericial . 2. D.E. respectivamente. atestados e pareceres (L. salários ou proventos mensais (L.088/07 . 1º .

o contribuinte solteiro. poderá instituir como beneficiário o companheiro.atestado de que cursa ensino universitário (maior de 21 e menor de 25 anos).prova de identidade (RG). viúvo e o separado judicialmente. .termo de responsabilidade. com declaração expressa do contribuinte.Nos casos de acumulação de cargos/funções-atividade. f) Separada (o) judicialmente. posteriormente à 12/04/2002. 2) . terá 180 dias para inscrevêlos). c) Filhos .prova de contribuição (holerite) do contribuinte.termo de responsabilidade. a inscrição do agregado ocorrerá em apenas um dos vínculos. . . ainda que em unidades diversas da Administração Direta. tutelados sem economia própria e os menores que. tutelados ou sob pátrio poder. . O atendimento médico no IAMSPE do contribuinte e seus beneficiários: Com a apresentação do " Cartão de Consulta " Último ou penúltimo holerite original para obter o Cartão de Consulta : Comparecer ao IAMSPE.A inscrição de agregado de contribuinte ativo deverá ser solicitada junto aos respectivos órgãos setoriais ou subsetoriais de recursos humanos. observadas as condições estabelecidas pelo IAMSPE.prova de estado civil de solteiro feita em termo de responsabilidade (maior de 18 e menor de 21 anos). com a contribuição adicional e individual de 2% (dois por cento) sobre a remuneração do contribuinte ( obs: O servidor que vierem a ingressar no serviço público estadual. ao IAMSPE ou aos CEAMAS.certidão do segundo casamento do pai ou da mãe. Divorciada (o) . poderá continuar como beneficiário.prova de incapacidade para o trabalho e termo de responsabilidade (incapacitados). . os pais. como agregados . . d) Pais. Padrasto e Madrasta .com os seguintes documentos: a) Contribuinte .prova de contribuição (holerite) do contribuinte. para os filhos adotivos. . b) Esposa/Marido . nº 1755 .A inscrição de agregado de contribuinte inativo deverá ser solicitada junto a um dos seguintes órgãos e entidade: 1) . .certidão do segundo casamento do contribuinte para os enteados.prova de identidade (RG). de 2ª a 6ª feira.IAMSPE.Certidão de nascimento. OBS: . .e) os filhos adotivos.certidão de casamento. . gerando automaticamente o desconto em ambos.prova de contribuição (holerite) do contribuinte. .Em afastamento sem vencimentos o servidor deverá recolher também a parcela referente a agregados. que não tenha mantido a inscrição do ex-cônjuge.instrumento legal de adoção.prova de contribuição (holerite) do contribuinte.respectiva Divisão Seccional de Despesa de Pessoal. da Secretaria da Fazenda. padrastos e madrastas podem ser inscritos. facultativamente. o cônjuge separado judicialmente. tutela ou guarda.CEAMA. . do Departamento de Despesa de Pessoal do Estado. enteados. 3) . . .certidão de averbação da separação ou divórcio. . . se acham sob a guarda do contribuinte. . .certidão de óbito do contribuinte no caso de filhos órfãos.térreo.prova de identidade (RG). Os órgãos setoriais ou subsetoriais de recursos humanos e as Divisões Seccionais de Despesa de Pessoal encaminharão as solicitações de inscrição e cancelamentos de agregados feitas pelos contribuintes.prova de identidade (RG). à Rua Borges Lagoa. . por determinação judicial.

O material utilizado para doação é descartável e totalmente seguro.termo de responsabilidade. Ibirapuera. 981 . todos os dias da semana.prova de contribuição (holerite) do contribuinte.755 . levando os documentos já indicados. Para se utilizar do convênio o contribuinte deverá fazer sua inscrição e a de seus beneficiários no órgão mais próximo.iamspesaude. 1800 Sua finalidade é fornecer leite humano para os recém-nascidos internados no IAMSPE Banco de Sangue Rua Pedro de Toledo. o IASMPE presta assistência a pacientes cujo tratamento médico possa ter seguimento domiciliar. . quando contribuinte.É fornecido atestado que abona o dia de trabalho do doador.Telefone para informações: 5088-8000 IPESP Sistema Previdenciário para fins de Pensão .755 . com doação de familiares e amigos por solicitação do próprio IAMSPE Serviço Social Rua Borges Lagoa. Atendimento em Convênio O atendimento Médico-Hospitalar também se faz através das entidades hospitalares conveniadas no Interior do Estado. .prova de contribuição (holerite) do contribuinte.com.2º andar Fone: 574-0211 . g) Companheira/Companheiro . inclusive na assistência domiciliar. .certidão de óbito da ex-esposa ou ex-marido. Outros Setores de Prestação de Serviços do IAMSPE Posto de Vacinas Rua: Borges Lagoa. 1. . Assistência Domiciliar Através de uma equipe multidisciplinar. encaminhamento e acompanhamento de usuários do IAMSPE. .ramal 197 Banco de Leite Rua Pedro de Toledo.IPESP São contribuintes obrigatórios do sistema previdenciário todo funcionário/servidor público civil do Estado e os inativos. viúvo (a). . . 1.br e pelo telefone (011) 2122-0230 a partir das 19:00 hs.prova de identidade (RG). 1800) deve ser restrito aos casos de emergência.certidão de averbação da separação ou divórcio do contribuinte. . 1800 Atendimento dos pacientes internados. A finalidade deste serviço é reduzir o tempo de permanência de pacientes internados e dar assistência aos portadores de doenças crônicas (Av.Horário de atendimento. Doação de Sangue . O atendimento no Pronto-Socorro (Rua Pedro de Toledo.das 8:00 às 18:00 h diariamente.1º andar). inclusive domingos e feriados.1º andar Presta serviços de orientação.. As consultas poderão ser marcadas pelo site www.

Art.C. todo servidor público do Estado. com prejuízo de vencimentos para exercer mandato eletivo. separado judicialmente ou divorciado.C.fazenda.C. 152 e 153): .Art. utilizando a guia GARE . b) os filhos incapazes.RPPS e Regime Próprio de Previdência dos Militares do Estado de São Paulo .Art. Contribuição previdenciária para fins de Aposentadoria/ 1 . viúvo. quando o contribuinte houver feito declaração de última vontade. à data do falecimento do contribuinte solteiro.Instituição alíquota única de 11% de contribuição previdenciária com vigência a partir do mês 10/2007 (Lei 1.gov. 133 e 137. São beneficiários obrigatórios do contribuinte (L. 150. 331/83). vantagens pessoais e demais vantagens de qualquer natureza. temporariamente.sp. . 144). 5º da LC-943/2003 e Comunicado DDP/G-36. 180/78 . Com o falecimento do contribuinte os beneficiários adquirem direito à pensão na forma estabelecida em lei (L. mantivesse. 180/78 . 180/78 .Art.os enteados e os adotivos.SPPREV. a qual está disponível no site da Secretaria da Fazenda: www.Art. c) os pais do contribuinte solteiro. separado judicialmente ou divorciado. 698/92 . .vivam sob sua dependência econômica mesmo quando não exclusiva. 30. . data da vigência da Lei Complementar nº 943 . 2 . quando afastados nas situações mencionadas (art.C. 2º. 180/78 . 4º da LC-943/2003). desde que: .C. O décimo terceiro salário será considerado para fins de incidência de contribuição a que se refere a LC-943/2003.C. Obs: Ficou assegurado o direito adquirido às filhas solteiras que já estivessem percebendo a pensão na data da promulgação da L. competirá a metade do respectivo valor a cada um (L.RPPM (Lei 1. As Unidades de Pessoal deverão obrigatoriamente orientar os servidores para que façam o recolhimento mensal. no 5º dia útil de cada mês.DR (Guia de Arrecadação Estadual para Demais Receitas). PASEP . o somatório das remunerações percebidas (§ 2º do art. incorporadas ou incorporáveis. por qualquer motivo. passaram a recolher a contribuição previdenciária para custeio de aposentadoria e de reforma dos militares do Estado de São Paulo.não existam outros beneficiários obrigatórios legalmente instituídos. no caso de o contribuinte haver contraído novas núpcias.C. 180/78 . O próprio servidor deverá recolher a contribuição previdenciária. o salário-família.Art.os parentes até 2º grau. L. • a companheira que.C.010/07). incapazes ou inválidos.012/07). o cônjuge divorciado concorrerá em igualdade de condições com o cônjuge supérstite (L. A pensão mensal dos beneficiários será de 75% da retribuição base vigente na data do falecimento do contribuinte (L. bem como os militares da ativa. no mínimo 5 (cinco) anos de vida em comum. 698/92): a) o cônjuge sobrevivente.Arts. os inválidos de qualquer condição ou sexo. A contribuição previdenciária mensal corresponderá a 5% (cinco por cento) sobre o valor constituído por vencimentos ou salários. as ajudas de custo. 1º). de 02/10/2003.O recolhimento da contribuição obrigatória é feito através da folha de pagamento e corresponde a 6% dos vencimentos.a companheira ou pessoas que vivam sob sua dependência econômica. O contribuinte pode instituir como beneficiários (L. o auxíliotransporte e a gratificação de serviço extraordinário (art.C. as diárias. excetuados o salário-esposa. Diário Oficial do Estado de 03/10/2003). Não perderá direito à pensão o cônjuge divorciado. de perceber vencimentos ou salários. salários ou proventos mensais (L.deixar. 507/87 .Fica criada a São Paulo Previdência . de 23/06/2003. dispensado esse requisito de tempo completo se dessa união houver filho. viúvo. Quando o servidor em acumulação remunerada. quando: . entidade gestora única do Regime Próprio de Previdência dos Servidores Públicos titulares de cargos efetivos . D. considerará para fins de contribuição. A partir de 23/09/2003.br/folha . Havendo o cônjuge sobrevivente ou companheira (o) beneficiária (o). 147. .afastar-se do cargo/ função-atividade. 4º da LC-943/2003). 148).550/89).

Quem deve ser Cadastrado: Todos os servidores em atividades civis e militares da União. juros e rendimentos obtidos de sua aplicação.C. eram distribuídos a todos os funcionários e servidores civis e militares. nome completo do pai. as contribuições arrecadadas. a arrecadação decorrente das contribuições para o PIS e o PASEP passou a custear o Fundo de Amparo ao Trabalhador . das Autarquias.Arts.Programa de Formação do Patrimônio do Servidor . Essas contribuições. dos Territórios. da Secretaria de Estado dos Negócios da Fazenda. a Lei Complementar Federal 26/75 unificou os fundos constituídos com os recursos do PIS e do PASEP. proporcionalmente ao vencimento. entre os servidores das entidades vinculadas aos Programas. a partir de 1989 deixou de existir o crédito da distribuição de recursos nas contas dos participantes. L. A Seção de Pessoal deve esclarecer sobre a necessidade de ser informado o nº anterior do PIS ou do PASEP. (L. Distribuição dos Recursos Arrecadados O mecanismo do PIS e do PASEP consistia em distribuir ao final de cada exercício. corresponde ao período de 1º de julho de cada ano a 30 de junho do ano subseqüente. dos Municípios. das entidades criadas por lei federal com atribuições de fiscalização do exercício de profissões liberais das empresas públicas. que se utiliza de dados constantes do Título de Nomeação ou Admissão encaminhado àquela Secretaria para fins de averbação e pagamento.FAT (Seguro Desemprego) Programa do Seguro Desemprego e o Abono Salarial Anual. A verificação de duplicidade pode ser feita pelo exame da Carteira de Trabalho e Previdência Social ou pelo comprovante de inscrição em poder do funcionário/servidor.Art. nome completo da mãe. Federal 26/75 . de 03/12/70 e tem o objetivo de propiciar aos funcionários e servidores públicos civis e militares participação na receita dos órgãos e entidades integrantes da administração pública direta e indireta. data de nascimento.PASEP. das sociedades de economia mista e das fundações. estadual e municipal e das fundações. endereço. dos Estados.PASEP O PASEP . do Distrito Federal. das empresas públicas. com correção monetária. das Autarquias em geral. ano do primeiro emprego. Todavia . retardando o recebimento dos rendimentos a que faria jus por já estar cadastrado. dando origem ao Fundo de Participação PIS/PASEP. nº do CPF e RG. O funcionário/servidor deve ser inscrito no Fundo de Participação PIS/PASEP uma única vez em sua vida profissional visando evitar duplicidade de cadastramento.F. Assim. Exercício Financeiro O exercício financeiro do Fundo de Participação PIS . informações sobre o saldo de . O cadastramento dos servidores pertencentes às Secretarias de Estado é efetuado pelo Departamento de Despesa de Pessoal do Estado .DDPE. remuneração ou salário ao tempo de serviço (L. O PASEP é constituído de contribuições da União. Cadastramento A finalidade do cadastramento é possibilitar que funcionários/servidores usufruam do direito ao recebimento do abono anual. dos Estados.998/90 . O funcionário/servidor que ingressa no serviço público é cadastrado no PASEP pelo Banco do Brasil. 1º a 4º. do Distrito Federal. com informações fornecidas pela Secretaria da Fazenda. Os dados necessários para cadastramento são: nome completo do servidor. a qualquer momento.Art.Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público foi criado pela Lei Complementar Federal 8. dos Municípios. nos âmbitos federal. de acordo com o artigo 239 da Constituição da República. 7. promulgada em 05/10/88.O duplo cadastramento pode trazer eventuais prejuízos ao funcionário/servidor. Com o objetivo de equiparar os benefícios concedidos aos empregados das empresas privadas aos dos funcionários/servidores públicos. 9º). Federal 8/70 . Os servidores cadastrados no PASEP podem solicitar.3º).C.

Saque . que dispõe sobre a desvinculação do Estado de São Paulo do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público . retribuição média mensal igual ou inferior a 2 (dois) salários-mínimos vigentes durante o ano .ter percebido.L. de 08/09/88. Para efetuar o saque do principal os funcionários/servidores deverão se dirigir a qualquer Agência do Banco do Brasil com o número do PASEP e a documentação exigida em cada caso. estáveis e CLT. São condições para a retirada do abono: .Lei nº 10. Portador de Neoplasia Maligna (Câncer) .PASEP e dá providências correlatas . não fazem jus aos benefícios do PASEP. sendo cadastrados apenas para fins estatísticos. OBSERVAÇÕES: 1 . quando tratar-se de servidores pertencentes às Secretarias de Estado.suas contas individuais. c) servidores estáveis. de acordo com a legislação da Previdência Social e legislação específica dos servidores civis e militares.O Decreto nº 46. O saque do principal também pode ser efetuado no caso de falecimento do participante. obtida sem qualquer despesa junto ao órgão encarregado do pagamento do benefício. de 3 de dezembro de 1970". O artigo 1º dessa lei.298. Em folha de pagamento .Res. invalidez.670.Dispõe sobre a desvinculação do Estado de São Paulo do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público .. estabelece: "O Estado de São Paulo.G. ou seja. O valor do saldo das contas pode ser informado ao funcionário/servidor bastando ser preenchido o formulário próprio em qualquer Agência do Banco do Brasil.Regulamenta a Lei nº 10. Os rendimentos do PASEP podem ser retirados anualmente. d) servidores C. de 26/11/ 2001 . por sua Administração centralizada e descentralizada. O ocupante de cargo em comissão que não seja titular de cargo efetivo. . 2 .DDPE. no ano imediatamente anterior. Saque do Principal A retirada do valor total da conta. da Secretaria da Fazenda. de 15/10/96. reforma ou transferência para a reserva (para o militar). O abono equivale à retirada dos rendimentos e mais uma parcela complementar que permita atingir valor igual ao do respectivo salário mínimo. extranumerário. nas datas fixadas e divulgadas pelo Banco do Brasil. em partes iguais aos dependentes. o saque do principal. o funcionário/servidor escolhe a agência do Banco do Brasil que lhe seja mais conveniente para fazer o saque nas datas fixadas. portadores da Síndrome da Imunodeficiência adquirida (AIDS) Lei Federal nº 7. Os rendimentos não retirados são incorporados ao saldo da conta do funcionário/servidor.858/80. que corresponde a 1 salário mínimo vigente à época do saque.851. mediante a simples apresentação da Certidão de óbito e da Certidão de Dependentes Habilitados à Pensão por Morte.851/2001.T.). de acordo com a Lei nº 6. após o segundo ano de cadastramento.PASEP e dá outras providências. deixa de contribuir para o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público a que se refere a Lei Complementar federal nº 8. de 10 de julho de 2001 .No Banco : De posse do número do PASEP. apresentando o número do PASEP e a cédula de identidade (R. bem como o servidor regido pela Lei 500/74. Fazem jus ao PASEP: a) funcionários titulares de cargo efetivo. poderá ser feita nas seguintes situações: aposentadoria. Nessas mesmas datas é facultado ao participante o saque do abono. nº 1. b) servidores extranumerários.base.estar cadastrado há pelo menos 5 anos.FOPAG Mediante requerimento dirigido ao Departamento de Despesa de Pessoal do Estado .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful