P. 1
relatório de farmacia

relatório de farmacia

|Views: 1.646|Likes:
Publicado porzucelia
Relatório de manipulação de Farmácia
Relatório de manipulação de Farmácia

More info:

Categories:Types, School Work
Published by: zucelia on Nov 29, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/13/2013

pdf

text

original

UNIVAG – CENTRO UNIVERSITÁRIO GRUPO DE PRODUÇÃO ACADÊMICA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA VAELSON VIEIRA

RELATÓRIO DE MANIPULAÇÃO EXTERNA

VÁRZEA GRANDE – MT NOVEMBRO - 2011

2

VAELSON VIEIRA

RELATÓRIO DE MANIPULAÇÃO EXTERNA

Trabalho apresentado a disciplina de Química Farmacêutica do curso de Farmácia do Univag – Centro Universitário, como requisito avaliativo, sob orientação do Professor Carlos Capistrano.

VÁRZEA GRANDE – MT NOVEMBRO - 2011

3

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO.................................................................................2 LOCAL VISITADO............................................................................3 CONDIÇÕES GERAIS.....................................................................3 ARMAZENAMENTO........................................................................4 ÁGUA MANIPULAÇÃO MANIPULAÇÃO DE SÓLIDOS MANIPULAÇÃO DE LÍQUIDOS E SEMI-SÓLIDOS ENVASE, ROTULAGEM E EMBALAGEM CONSERVAÇÃO, TRANSPORTE E DISPENSAÇÃO GARANTIA DA QUALIDADE CONTROLE DE QUALIDADE DISCUSSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS

LAYOUT FLUXAGRAMA REFERÊNCIAS

4

1 INTRODUÇÃO
Neste relatório estaremos abordando as diretrizes empregadas pela empresa da farmácia escola do UNIVAG, para o gerenciamento de qualidade no que se refere à qualificação dos fornecedores, avaliação farmacêutica da prescrição, processo de manipulação, conservação de materiais, dispensação de preparações farmacêuticas magistrais e oficinais, bem como critérios para a aquisição de matéria-prima e material de embalagem, identificação de materiais, controle de qualidade, descarte dos resíduos de manipulação e matérias-primas vencidas.E para isto nos baseamos nas leis da ANVISA.

5

2 RELATÓRIO DE MANIPULAÇÃO EXTERNA

2.1

Local do Estágio No dia 25 de Agosto de 2010, visitamos a Farmácia Escola do UNIVAG, uma

empresa que teve início em 2006.A responsável técnica Thatyane Cristiny Simão Lowe – CRF/MT2103, nos mostrou o funcionamento da farmácia e como é a atuação do farmacêutico, os laboratórios, os produtos, a equipe técnica, manipulação, controle de qualidade entre outros. Localizada na Avenida Dom Orlando Chaves, n° 2.655-Bairro Cristo Rei, Várzea Grande-MT. Os produtos que são oferecidos na farmácia são: de alopatia, fitoterápicos, revenda de cosméticos, cosméticos manipulados e medicamentos genéricos.

2.2

Condições Gerais De acordo com a RDC Nº 87, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008, os

profissionais são legalmente habilitados, respeitando os códigos de seus respectivos conselhos profissionais, são os responsáveis pela prescrição das preparações magistrais da farmácia de que trata este Regulamento Técnico e seus Anexos. As imediações da farmácia estão limpas e em bom estado de conservação, não apresentam fontes de poluição ou contaminação ambiental próxima à farmácia. Existe programa de desratização e dedetização terceirizados. A farmácia conta com sanitários, vestuários e local adequado para paramentação adequados e suficientemente de acordo com a regulamentação. O estabelecimento possui área de armazenamento, área de manipulação, local para o controle de qualidade, área de dispensação, área administrativa, local para o controle de qualidade, área de dispensação, área administrativa, área de lavagem do material utilizado na limpeza e copa separada dos demais ambientes para as refeições dos funcionários. Na área de atendimento os funcionários não utilizavam uniformes, porém a paramentação estava de acordo, assim como a questão de equipamentos de proteção individual e coletiva como, por exemplo, os equipamentos de segurança para combater incêndios devidamente nos prazos de validade.

6

2.3

Armazenamento É o local da farmácia, onde são armazenadas as matérias-primas já

aprovadas e embalagens sanitizadas. A área tem todos os requisitos de acordo com a legislação, tais como, piso de cerâmica, paredes de concreto com tinta lavável,teto de concreto com tinta lavável e os seguintes materiais: termohigrômetro, prateleiras de metal, matérias-primas e embalagens. O acesso é restrito somente a pessoas autorizadas e conta com capacidades suficientes para as segurança e estocagem ordenada dos diversos produtos a serem utilizados. Sendo mantida limpa, seca e em temperatura e umidade compatíveis com os produtos armazenados e registradas na planilha de controle. Também permita a estocagem de matérias primas, materiais de embalagem e produtos manipulados, quando for ocaso, em quarentena, em condições de segurança. A área de segregados, ficava produtos identificados para estocagem de matérias-primas, materiais de embalagem e produtos manipulados, reprovados, devolvidos ou com prazo de validade vencido, em condições de segurança. No caso das substâncias e medicamentos sujeitos a regime de controle especial, estes permaneciam em um armário fechado com chave que a farmacêutica mantinha sob responsabilidade, já as substâncias de baixo índice terapêutico, além de qualquer outra matéria-prima que venha a sofrer processo de diluição, com especificação de cuidados especiais, são armazenadas em local distinto, de acesso restrito, sendo aguarda de responsabilidade da farmacêutica.

2.4 Conservação, Transporte e Dispensação De acordo com a regulamentação a farmácia mantém o seu local de conservação e dispensação dos produtos manipulados e fracionados em perfeitas condições de limpeza, de armazenamento, mantendo os produtos ao abrigo da luz direta, em local climatizado, mantendo uma umidade e temperatura adequada. Os produtos a ser manipulado ou acabado estão dentro do prazo de validade, devidamente identificados e guardados de maneira segura, mantendo a sua qualidade. No ato da dispensação são prestadas as informações necessárias aos clientes sobre o seu uso. Em casos de preparações não retiradas pelo cliente essas

7

preparações são encaminhadas para a área de quarentena para o seu descarte, pois os medicamentos manipulados são de caráter individual. O transporte dos produtos manipulados é feitas em baú bagageiro térmico para manter uma temperatura adequada, e para medicamentos termossensíveis o transporte é feita em baú térmico com gelox, para manter uma temperatura compatível com sua conservação.

2.5

Garantia de Qualidade De acordo com a RDC 67, a garantia de qualidade tem como objetivo

assegurar que os produtos e serviços estejam dentro dos padrões de qualidade exigidos. Para assegurar a garantia de qualidade, a farmácia possui um sistema de garantia de qualidade baseado no Manual de Boas praticas de Manipulação, possuindo POP’s (Procedimento Operacional Padrão) escritos para todas as operações da manipulação e de controle da qualidade das preparações, possibilitando o rastreamento de qualquer desvio de qualidade das preparações. De acordo com a regulamentação as operações de manipulação devem ser claramente especificadas por escrito e que as exigências de BPMF sejam cumpridas, que a aceitação de demanda de manipulações seja compatível com a capacidade instalada da farmácia, que os controles necessários para avaliar as matérias-primas sejam realizados de acordo com procedimentos escritos e devidamente registrados, que os equipamentos sejam calibrados, com

documentação comprobatória, que sejam elaborados procedimentos escritos relativos a todas as operações de manipulação, controle de qualidade e demais operações relacionadas ao cumprimento das BPMF, que a preparação seja corretamente manipulada, segundo procedimentos apropriados conservando de forma que a qualidade da mesma seja mantida e que todos os procedimentos escritos sejam cumpridos, com realizações de auditorias internas de modo a assegurar um processo de melhoria contínua. Como na regulamentação a farmácia disponibiliza um programa de treinamento inicial e contínuo, com a proibição do uso de cosméticos, jóias e acessórios para o pessoal nas salas de pesagem e manipulação.

8

A padronização dos excipientes das formulações é embasada em critérios técnico-científicos.

2.6

Controle de Qualidade Este laboratório é utilizado preferencialmente para a pesagem de fórmulas e

do controle de qualidade, e deve ser reservado, através de anotação no quadro de reserva de horário afixado na porta de entrada, para a realização do controle de qualidade. A área tem todos os requisitos de acordo com a legislação, tais como, piso de superfície lisa de fácil lavagem, paredes de concreto com tinta lavável, teto de concreto com tinta lavável bancada com armários de material resistente e lavável, e os seguintes materiais e equipamentos: Suporte para balanças, armário com chave para armazenamento dos produtos controlados, prateleiras para organização das matérias-primas fracionadas, matérias-primas fracionadas, colheres para pesagem, potes plásticos para fórmulas já pesadas, sacos plásticos, tesoura, canetas. Equipamentos: balança analítica, pHmetro, aparelho de ponto de fusão, alcoômetro, picnômetro, EPI’s, duchas, lava olhos, etiquetas de situação de matériaprima (Aprovado, reprovado e quarentena). De acordo com a RDC 67, os equipamentos são submetidos à manutenção preventiva, de acordo com um programa formal, e corretiva, quando necessário, obedecendo à POP’s, com base nas especificações dos manuais dos fabricantes. Quando qualquer alteração for observada, o farmacêutico é informado para contactar a assistência técnica. As manutenções preventivas e corretivas realizadas são anotadas em planilhas de registro e seguem procedimentos operacionais. A manutenção dos equipamentos não são realizadas em horários simultâneos as manipulações e, só são liberados para manipular após serem limpos e sanitizados adequadamente, tanto os equipamentos como o ambiente conforme o POP. A calibração dos equipamentos é executada por pessoal capacitado, utilizando padrões rastreáveis a Rede Brasileira de Calibração. O certificado de análise das matérias primas adquiridas é exigida da distribuidoras, contendo informações claras e conclusivas, estando datada, assinada, identificada com o nome do fabricante, fornecedor e o responsável técnico.

9

A farmácia qualifica os seus fabricantes e fornecedores de acordo com a regulamentação exigindo a avaliação do fabricante, por meio de análises de controle de qualidade realizadas pela farmácia e da avaliação dos laudos analíticos apresentados, verificando o atendimento às especificações estabelecidas pelo farmacêutico e acertadas entre as partes, auditorias para verificação do cumprimento das normas de Boas Práticas de Fabricação ou de Fracionamento e Distribuição de insumos. avaliação do histórico dos fornecimentos anteriores e a Comprovação de regularidade perante às autoridades sanitárias competentes. Os métodos realizados para analise de todas as preparações magistrais e oficinais são de acordo com a farmacopéia brasileira.

Preparações Sólidas Semi-sólidas Líquidas estéreis

Descrição, aspecto, organolépticos, peso médio. Descrição, aspecto, caracteres organolépticos, pH (quando aplicável), peso. não- Descrição, aspecto, caracteres organolépticos, pH, peso ou volume antes do envase.

Ensaios caracteres

Resolução da Diretoria Colegiada - RDC Nº. 67, de 8 de Outubro de 2007.

A amostragem dos materiais é executada em local específico e sob condições ambientais adequadas (Laboratório de controle de qualidade), obedecendo a POP’s que impeçam a contaminação cruzada, todos os utensílios utilizados no processo de amostragem que entram em contato com os materiais são limpos, sanitizados e guardados em locais apropriados. Um reanálise ocorre dentro dos prazos de validade, contemplando todos os itens que comprovem sua especificação garantindo o seu teor, pureza e integridade.

2.7

Formulações Desenvolvidas

2.7.1 Creme com ácido glicólico Finalidade: pode ser usado em todos os tipos de pele, exceto nas mais sensíveis. É usado no tratamento anti-envelhecimento, tratamento de acne e coadjuvante para reduzir manchas.

10

Composição Ácido glicólico

Estudo crítico

% p/v

Creme Lanette N®

Alfa-hidroxi ácido, uso de 7-14 % promove descamação da pele, diminui a coesão dos 10 % corneócitos, favorece a remoção das células da pele, minimiza manchas, linhas finas de expressão e rugas q.s.p.50 Veículo g

Técnica de Preparo Em vidro de relógio pesar parte do creme Lanette®, acrescentar o ácido glicólico e espatular bem. Em seguida, completar o peso do creme e homogeneizar. É necessário ainda acertar o pH para 4 antes do envase, usando a trietanolamina. Após homogeneização com todos os componentes envasar em pote plástico, fechar e rotular.

2.7.2 Loção umectante Composição Uréia Óleo de semente de uva Estudo crítico % p/v

Agente condicionador da pele, umectante 10 % Aromatizante 2% q.s.p. 200g

Loção não iônica (Polawax®) Veículo

Técnica de Preparo Em vidro de relógio pesar o a loção não iônica com uréia a 30%, acrescentar o óleo de semente de uva e depois a loção não iônica, sempre espatulando bem. Envasar e rotular.

2.7.3 Creme com hidroquinona e ácido glicólico Finalidade: utilizado no tratamento para clarear manchas. Composição Estudo crítico % p/v Cristal fino e branco, escurece quando exposto à luz, Hidroquinona (solução agente despigmentante, inibe a tirosinase impedindo a 4 % a 20%) transformação de tirosina em melanina Ácido Glicólico Alfa-hidroxi ácido, diminui a coesão entre corneócitos 6 % q.s.p.40 Creme Lanette® Veículo g

11

Técnica de Preparo Em vidro de relógio tomar pequena porção do creme e adicionar a hidroquinona e o ácido glicólico. Espatular acrescentando aos poucos o total do creme. Por último corrigir o pH com trietanolamina. Envasar e rotular.

2.7.4 Loção de Ácido Kojico Finalidade: utilizado no tratamento para clarear manchas. Composição Ácido Kojico edta Loção Lanette® Estudo crítico Despigmentante Agente quelante veículo % p/v 3% 0,2 % q.s.p. 10 g

Técnica de Preparo Em um vidro de relógio, pesar primeiramente o ácido Kojico, o edta e por último adicionar de forma fracionada a loção Lanette ®, sempre espatulando de forma adequada. Envasar e rotular.

2.7.5 Creme com DMAE Finalidade: creme “rejuvenescedor”

Composição DMAE Creme Polawax® Adenin (Solução a 1%) Tensine

Estudo crítico Combate a flacidez da pele, melhora do aspecto da pele e efeito “lifting” na pele da face veículo Pó cristalino branco, redução das rugas, melhora o aspecto da pele Ação tensora imediata

% p/v 5% q.s.p. 50g 0,1% 3%

Técnica de Preparo Em vidro de relógio, pesar primeiramente o DMAE, adicionar aos poucos o creme Polawax®, em seguida o Adenin e por último o Tensine, sempre espatulando de forma adequada entre as adições das matérias-primas. Envasar e rotular.

12

2.7.6 Xampu de Cetoconazol Finalidade: para tratamento de dermatite ceborréica e pitiríase versicolor

Composição Cetoconazol Ácido Lático Ácido cítrico (Solução a 20%) Xampu Fluido Xampu Viscoso

Estudo crítico Pó branco, antifúngico 2 % Umectante Corretor de pH Veículo Veículo 1% 2%

% p/v

q.s.p. 150 mL q.s.p. 300 mL

Técnica de Preparo Aquecer, sob agitação, em um béquer o cetoconazol, o ácido cítrico, o ácido lático e parte do xampu fluido, até que o cetoconazol se dissolva. Adicionar o restante o xampu fluido e em seguida acrescentar o xampu viscoso e homogeneizar. Envasar e rotular.

2.77 Gel antiacne Finalidade: destina-se ao uso do tratamento da acne, devendo ser usado apenas no local da inflamação. Composição Peróxido de Benzoíla Eritromicina Estudo crítico A incorporação é muito difícil por isso utiliza-se o Benzagel® (10%), tratamento da acne Antibiótico indicado para uso local e externo, tratamento da acne, solubilizado em álcool de cereais % p/v 7,5 %

4% q.s.p.40 g

Gel de Natrosol Veículo

Técnica de Preparo Em vidro de relógio pesar a eritromicina e acrescentar o álcool de cereais para sua dissolução. Acrescentar a base com peróxido de benzoíla e espatular bem. Acrescentar o gel de Natrosol e espatular. Envasar em pote plástico, fechar e rotular.

13

3 CONCLUSÃO
O estágio foi muito satisfatório, pois a responsável técnica abordou todos os processos da manipulação com muita clareza e de forma simples para que entendemos as leis e os procedimentos operacional padrão que a farmácia de manipulação deve ter para atender com qualidade e segurança os clientes. O estágio realizado na FARMAUSP foi de grande valia, uma vez que possibilitou o aprendizado das tarefas realizadas no dia a dia de uma farmácia, assim como a aplicação e complementação (prática de assistência farmacêutica, interpretação de receitas e controle de estoques) dos conhecimentos adquiridos durante o curso de Farmácia e Bioquímica. Adicionalmente, contribuiu para conhecer os medicamentos existentes no mercado e sua freqüência de prescrição.

14

LAYOUT

1 4

5 M 6 F 7 8

3

2

9

10 11 12 13 21 19 14 15 16 17 23 22 18

15

Legenda do layout 1234567Porta de acesso a drogaria; Área da drogaria; Acesso restrito; Sala de treinamento; Saída para o estacionamento; Sanitários Masculino e feminino; DML (depósito de material de limpeza) 8- Corredor; 9- Administração; 10- Almoxarifado; 11- Área de manipulação, acesso restrito; 12- Inspeção conferência; 13- Manipulação e controle; 14- Lavagem; 15- Controle de qualidade; 16- Laboratório de sólidos; 17- Laboratório de semi-sólidos; 18- Laboratório de líquidos; 19- Corredor; 20- Corredor; 21- Paramentação masculina; 22- Paramentação feminina; 23- Corredor.

16

FLUXOGRAMA

17

REFERÊNCIAS

www.ebah.com.br/manual-boas-praticas-doc-. Acessado em 05/09/2010 ás 10h34minh.

 

COLOCAR A LEI DA RDC 67

http://www.univag.com.br/v1/Farmacia_escola/Index.aspx . Acessado em 06/09/2010 ás 15h27minh.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->