P. 1
Matemática e Meio Ambiente

Matemática e Meio Ambiente

|Views: 555|Likes:
Publicado porpammnery

More info:

Published by: pammnery on Dec 26, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/15/2013

pdf

text

original

A MATEMÁTICA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO DA CIDADANIA E DO MEIO AMBIENTE

Eliane Pina Conceição (1); Pâmella Nery Pinto (2); Cíntia Braga Castro (3)
(1) IFPA, Transcoqueiro/ Rua do Fio Nº 81; (91) 82904787; e-mail: nanypina26@hotmail.com (2) IFPA, e-mail: pamella_nery@hotmail.com (3) IFPA, e-mail: cintia.braga19@hotmail.com

RESUMO
A Matemática é uma área do conhecimento que se relaciona com as demais áreas, sejam elas exatas ou humanas. Está presente no cotidiano, na natureza, nas artes, o que lhe atribui características de um conhecimento social. Seu ensino, quando associado à possibilidade de leitura da realidade, à história da humanidade, à tecnologia, a uma linguagem universal, toma uma dimensão interdisciplinar. Nos últimos anos, acentua-se a preocupação em desenvolver nos alunos do ensino fundamental competências necessárias para o exercício pleno da cidadania. Essa preocupação vem se concretizando em diferentes propostas de ensino, dentre as quais se tem os Parâmetros Curriculares Nacionais para o ensino da matemática que apresenta como uma das características principais: explorar a matemática partindo de problemas encontrados no cotidiano e nas demais áreas do conhecimento. Esta pesquisa faz parte de um projeto que estamos implementando pelo Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência- PIBID/IFPA em turmas do ensino integrado do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará e em duas escolas públicas atendidas pelo projeto. A nossa intenção é aplicar a matemática no cotidiano dos alunos fundamentado em conceitos de preservação do meio ambiente. O objetivo dessa pesquisa é oferecer aos alunos a oportunidade de aprender conceitos básicos por meio de cálculos simples em uma situação do cotidiano que desperte o seu interesse e que apóie a conscientização dos alunos sobre a importância de participar da preservação do meioambiente, mais especificamente com relação ao destino correto do lixo e áreas desmatadas pelo homem, apresenta também algumas atividades que tem por objetivo auxiliar o professor no processo de ensino aprendizagem de como ajudar o aluno na construção do conhecimento trabalhando com a interdisciplinaridade em relação às questões sócio-ambientais. Palavras-chave: Matemática; Meio ambiente; Conhecimento

INTRODUÇÃO
Atualmente temos percebido a necessidade de novas abordagens para se trabalhar a Educação Matemática sendo uma das formas, aproximando o aluno com o meio ambiente de forma crítica, o que leva aprender as noções básicas de matemática a partir da reciclagem. Para Mendes (2009) é de fundamental importância perceber que: A Educação Matemática como área de estudos e pesquisas tem se constituído por um corpo de atividades essencialmente pluri e interdisciplinares dos mais diferentes tipos, cujas finalidades principais são: desenvolver, testar e divulgar métodos inovadores de ensino; elaborar e implementar mudanças curriculares, além de desenvolver e testar materiais de apoio para o ensino da matemática. (MENDES, 2009, p.23). Observando a necessidade de trabalhar atividades, pluri e interdisciplinar como aponta Mendes, no âmbito escolar com a educação ambiental, por acreditar que a escola é um veículo com grandes poderes de transformação de pensamento e também auxiliadora no processo de construção de conhecimento, esse projeto apresenta além de sugestões de aula a serem desenvolvidas na educação básica, e no caso do IFPA no ensino integrado, mas também envolver os alunos na consciência e no comportamento ecológico. Na realidade atual das escolas, a estratégia de ensino mais utilizada para o desenvolvimento de um trabalho pedagógico interdisciplinar são os projetos didáticos que utilizam dentre outros temas a educação ambiental. Temos clareza que são poucas as escolas que desenvolvem tal trabalho. No caso de Belém-PA, a Escola Bosque é uma referência no assunto. A iniciativa para a criação da escola partiu das aspirações e da mobilização da comunidade do Outeiro, na ilha de Caratateua, uma das ilhas pertencentes ao Município de Belém. Trata-se de uma área onde a população predominante é de família de baixa renda, que se conscientizaram sobre a necessidade de preservar o meio ambiente, proporcionando seus filhos e a si próprios uma educação integrada à natureza da região. O currículo escolar tem como núcleo referencial as questões sócio-ambientais, estando ancorado na interdisciplinaridade; na articulação entre teoria e prática; e na pesquisa como processo de construção do conhecimento e norte para o desenvolvimento comunitário. A questão ambiental é o fio condutor da proposta pedagógica, na perspectiva de entender a relação dialética entre homem e natureza. Assim sendo, é tarefa do professor incluir em sua programação, sempre explorando a especificidade dos conteúdos conceituais que expõe e analisa a consciência e o comportamento ambiental se constitui em uma forma abrangente de Educação. Essa é uma educação que propõe atingir todos os cidadãos, através de processos pedagógicos participativos e permanentes, buscando incutir em alunos do ensino fundamental uma consciência crítica sobre a problemática ambiental. (SELBACH, 2010, p.75) O compromisso que temos como educadores com a construção da cidadania pede necessariamente uma prática voltadas na educação inserida na compreensão da realidade social e dos direitos e responsabilidades em relação à formação dos alunos para o mercado de trabalho e a afirmação do princípio da participação de cada um na sociedade. Para isso foram incorporadas como Temas Transversais as questões do Meio Ambiente, reciclagem etc. Praticamente tudo o que se nota na realidade dá oportunidade de ser tratado criticamente com um instrumental matemático. Como um exemplo temos os jornais, que todos os dias trazem muitos assuntos que podem ser explorados matematicamente. O que se pede aos professores é que tenham coragem de enveredar por projetos. (D'AMBRÓSIO, 1996, 98) Com este projeto esperamos que o envolvimento da Matemática com a Educação Ambiental contribua para a formação de um indivíduo ético, criativo e crítico, e que possa viver em uma sociedade de forma participativa, com uma responsabilidade social.

REVISÃO E FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
O Governo Federal, no ano de 1997, através do Ministério da Educação e do Desporto – Secretaria de Educação Fundamental - SEF, elaborou os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN’s), que objetivou, entre outras coisas, a incorporação dos Temas Transversais nas áreas já existentes e no trabalho educativo da escola. Eles foram criados pela necessidade de aprendizagem e reflexão dos alunos sobre questões sociais. Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais, as situações do cotidiano ligadas à saúde, meio ambiente, ética, orientação sexual, a pluralidade cultural, enfim, todos os temas transversais propostos pelos PCN’s, são transformados em atividades matemáticas. Neste projeto daremos ênfase para a compreensão das questões sócio-ambientais, que pressupõe um trabalho interdisciplinar em que a Matemática está inserida. A quantificação de aspectos envolvidos em problemas ambientais favorece uma visão mais clara deles, ajudando na tomada de decisões e permitindo intervenções necessárias, por exemplo: reciclagem, reaproveitamento de materiais e desmatamento. A compreensão dos fenômenos que ocorrem no ambiente – poluição, desmatamento, limites para uso dos recursos naturais, desperdício são ferramentas essenciais em conceitos (médias, áreas, volumes, proporcionalidades etc.) e procedimentos matemáticos (formulação de hipóteses, realização de cálculos, coleta, organização e interpretação de dados estatísticos, prática da argumentação etc.) e o uso dos temas transversais como sugere os PCN’s nos garante que tais ferramentas podem ser utilizadas pelo professor. Para Montserrat Moreno (1997) o eixo vertebral do processo educacional devem ser as temáticas sociais, enquanto as disciplinas tradicionais é que devem perpassar essas questões mais abrangentes transversalmente. Monteiro e Junior (2001) no livro intitulado “A Matemática e os temas transversais” argumentam: O trabalho em sala de aula parte da concepção de que os temas transversais devem ser os “fios condutores” dos trabalhos escolares, ou seja, que os conteúdos tradicionais (português, história, geografia...) devem girar em torno dos temas transversais. Nessa perspectiva, os conteúdos tornam-se importantes instrumentos para a compreensão e a articulação da realidade social (MONTEIRO e JUNIOR, 2001, p.79) Pode-se observar que nas últimas décadas, o agravamento dos problemas sócio-ambientais em escala global, tem alimentado o debate epistemológico em virtualmente todos os campos de especialização científica. No centro das atenções, encontra-se o projeto de construção interdisciplinar-sistêmica do conhecimento sobre as interrelações sociedade e meio ambiente. Os conteúdos matemáticos serão abordados por meio de problemas retirados de pesquisas e dos materiais recicláveis (garrafas pet, imagens de áreas desmatadas), visando à inserção de Temas Político-Sociais, propostos na realidade em que vivem os alunos. São questões de caráter cultural, ambiental, político e social, com a intenção de trabalhar valores que propiciem a formação de um cidadão que almeja uma sociedade justa para todos.

METODOLOGIA
Segundo Ventura (2002, p.76-77), são incontáveis e absolutamente diversas as classificações da metodologia que se pode encontrar na literatura especializada. Vamos descrever cinco momentos, a saber: Primeiro momento: será feita uma palestra com os alunos, sobre meio ambiente e a consequência da ação predatória do homem. No auditório das escolas será passado um filme sobre meio ambiente, fazendo uma relação com assuntos da matemática. Segundo momento: Traremos palestrantes para debater sobre a temática instigar o debate sobre os problemas ambientais e como a matemática pode ajudar a minimizar esse problema. Terceiro momento: será ministrada uma aula específica expositiva os conteúdos de matemática que serão envolvidos com a temática. Quarto momento: Visita na Escola Bosque com os alunos das escolas envolvidas Quinto momento: de posse de todas as informações adquiridas, os alunos vão fazer pesquisas em grupos em jornais, revistas e na internet sobre o tema e a partir dos dados coletados vão propor problemas que envolvam educação ambiental e matemática, e depois propomos problemas para que sejam resolvidos em sala de aula. Problemas propostos para orientação dos professores: Atividade 1: Retirado do Projeto Araribá Porcentagem, reciclagem de lixo e áreas desmatadas: • O que é Porcentagem?

De uma forma simplificada pode-se apresentar a porcentagem como uma razão expressa com um denominador 100. Sua representação utiliza o símbolo %. Alguns exemplos que podem ser apresentados aos alunos, de acordo com as figuras anteriores 1/2 = 50% pois se 100% representa a totalidade, 50% representa a metade. 1/4 = 25% pois 1/4 significa a quarta parte do todo e isso corresponde a 25/100. Entre as operações mais comuns, está a adição de uma determinada porcentagem, que, por exemplo, em uma compra é chamada de juro sobre o valor de um produto. E a subtração de uma porcentagem, que em uma compra seria o desconto sobre o preço inicial. No caso da reciclagem, se apenas uma parte das pessoas separa o seu lixo, como por exemplo, 20 pessoas de cada grupo de 100 pessoas, temos 20% de pessoas conscientes que agem corretamente. Cálculos com porcentagem são necessários no cotidiano da maioria das pessoas. O propósito dessa atividade é oferecer aos alunos a oportunidade de aprender conceitos básicos por meio de cálculos simples em uma situação do cotidiano que desperte o seu interesse e que apóie a conscientização dos alunos sobre a importância de participar da preservação do meio-ambiente, mais especificamente com relação ao destino correto do lixo e áreas desmatadas pelo homem.

É importante ampliar a aplicação do conceito de porcentagem para além da questão do consumo e ajudar os alunos a construir um conceito geral, aplicável em diversas situações, como por exemplo, a da reciclagem, o desmatamento, atividades que atualmente fazem parte da cidadania. A proposta é envolver os alunos em uma atividade que permita entender a porcentagem, regra de três, operações com números decimais, unidades de medidas aplicada no contexto de um problema que faz parte do cotidiano de todos, como a reciclagem,o desmatamento etc. Atividade 2: Os alunos da turma devem fazer um levantamento de quantos colegas da sala separam o lixo em casa. Após isso, deve ser feito um cálculo que mostra essa informação na forma de porcentagem. Se, por exemplo, em uma turma de 35 alunos apenas 5 separam o lixo, temos o seguinte cálculo, usando uma regra de três: 35 ------ 100% (35 alunos correspondem a 100%) 5 ------ X (a quanto corresponde 5?) 35X = 500% X = 500% / 35 X = 14,3% Isso significa que quase 15% dos alunos separam o lixo. Os alunos consideram a porcentagem encontrada na sua pesquisa adequada? O professor também pode incluir uma nova pergunta: Depois das atividades, quantos pretendem separar o lixo em casa? Isso poderia gerar novos cálculos. Atividade 3: Essa atividade será desenvolvida em sala de aula, em que a turma é dividida em equipes de cinco alunos, onde será realizada uma atividade onde terão contato com materiais (garrafa pet,cartolina com imagens de desmatamento) que falam sobre índice de desmatamento e reciclagem. Em seguida será feito uma proposta pelo professor de atividades com os alunos a qual será ensinado conteúdos matemáticos ( unidade de medidas, regra de três, operações com números decimais entre outros.) a partir dos materiais disponibilizados. Ao final da atividade discutir com alunos de que forma esse trabalho vai proporcionar a consciência da Educação Ambiental e o aprendizado da Matemática em seu cotidiano, e se o ensino da matemática trabalhado foi de fácil absorção.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Existem inúmeras possibilidades de desenvolver atividades através do meio ambiente para que haja contribuição da Matemática na consciência ambiental e no exercício da cidadania, trabalhar na escola envolvendo todas as áreas do currículo básico com Educação Ambiental, levaremos os alunos a mudar os hábitos e atitudes com relação ao meio ambiente, formando assim cidadãos conscientes neste aspecto. As constantes transformações fazem com que as pessoas se capacitem para conviver e dominar as muitas novas informações que aparecem quase que diariamente. Tendo acesso à informação e educação, as pessoas saberão utilizar de todos os seus conhecimentos de forma adequada, possibilitando a sua adaptação na sociedade. Cada vez fica mais necessário direcionar a educação para mudanças de consciências, demonstrando que ela está presente na vida de todas as pessoas. É de fundamental importância toda e qualquer forma de mudança da Educação Matemática, pois muitos alunos não gostam de matemática por não entendê-la ou não foram motivados a isso, temos que mostrar aos alunos que a matemática não é uma disciplina difícil de ser compreendida e ela está presente em nosso dia a dia, interagindo com as demais disciplinas. Ao trabalharmos com situações reais, os alunos manipulam dados reais, coletando assim mais informações e interpretando-as. Como conseqüência, os alunos caminham para a construção do conhecimento, para o pensamento crítico e reflexivo levando-os ao raciocínio lógico contribuindo para a melhoria do nosso futuro.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BARROSO, J. M. – Projeto Araribá – 2ª. Ed. - São Paulo: Editora Moderna. BIGODE, A. J. L – Matemática hoje é feita assim – São Paulo: Editora FTD, 2002. MENDES, Iran Abreu. Matemática e investigação em sala de aula: tecendo redes cognitivas na aprendizagem. -Ed. rev. e aum.- São Paulo: Editora Livraria da Física, 2009. MONTEIRO, Alexandrina e JUNIOR, Geraldo Pompeu. A Matemática e os Temas Transversais. Editora Moderna, 2001, São Paulo. BRASIL, PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS: Introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997. 126p. http://hdl.handle.net/10348/74 acessado em 23/04/2011 SELBACH, Simone. Matemática e Didática – Coleção como bem ensinar. Petropolis-RJ: Ed. Vozes, 2010. ____. Ubiratan. Educação matemática: da teoria à prática. Campinas, SP: Papirus, 4. ed., 1998,a VIEIRA, Paulo Freire e MAIMON, Dália (organizadores). As Ciências Sociais e a Questão Ambiental: Rumo à Interdisciplinaridade. APED e UFPA, 1993. http://pt.scribd.com/doc/3046354/escola-bosque-exemplo-de-educacao-ambiental-ao-alcance-de-todosgoverno-brasileiro. Acesso em 15/09/2011.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->