P. 1
FUTSAL FUNDAMENTO

FUTSAL FUNDAMENTO

3.0

|Views: 4.425|Likes:
Publicado porClayton Cesar

More info:

Published by: Clayton Cesar on Jan 25, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/06/2015

pdf

text

original

OS FUNDAMENTOS DO JOGO DE FUTSAL São todos elementos, ações ou gesto que o atleta execute no transcorrer da partida de forma sistemática

e estando de acordo com as regras do jogo. É ação individual do atleta na realização dos fundamentos básico do futsal, ou seja, os elementos da técnica individual do jogador de linha como: O Passe, A Recepção, A Condução, O Drible, A Finta, O Chute, A Marcação O Cabeceio, A Antecipação, O Bloqueio E O Deslocamento e os elementos da técnica individual do goleiro como: A Empunhadura, A Defesa Alta , A Defesa Baixa, O Lançamento, A Saída Do Gol e Os Fundamento Do Jogador De Linha . A diferença de um jogador para outro é a técnica individual. Determinados jogadores assimilam os movimentos técnicos com naturalidade e plasticidade e já outros atletas necessitam de uma determinada atenção para assimilação dos movimentos técnicos, por isso que é necessário o treino periódico dos elementos da técnica, principalmente na iniciação onde é o momento da automatização dos movimentos por parte das crianças. Na fase adulta, também e indispensável o treinamento dos elemento da técnica individual (fundamento), não só no inicio da temporada como também fazer parte do planejamento anual da equipe, sabendo sempre quantificando e qualificando o volume e a intensidade. OS ELEMENTOS DA TÉCNICA INDIVIDUAL DO JOGADOR DE LINHA. 1- PASSE. É gesto técnico de golpear ou bater na bola, com objetivo de servir ao companheiro de equipe, levando vantagem sobre o adversário. O passe é o meio de comunicação entre os jogadores da mesma equipe. O passe deve ser efetuado com firmeza e precisão, de preferência rasteiro. O BOM PASSE É: Oportunidade; o colega em condições de receber Segurança; o passe sem arriscar, somente com certeza de que a bola cheque ao companheiro, Surpresa; é não demonstrar para onde vai executar o passe; Rapidez; ficar mais difícil para o adversário interceptar o passe, Precisão; facilitar a recepção do passe pelo companheiro. Posição ideal para um bom passe. Estar em equilíbrio; Direção do passe; Cabeça erguida para melhor noção espacial. Visão do jogo, visão periférica; Pé de apoio próximo a bola – aproximação do centro de gravidade; Precisão, intenção e objetivo. Força adequada à distancia a ser percorrida pela bola; Braço buscando o equilíbrio; Saber as qualidades de quem vai receber o passe. Obs: Atenção: O passe é o elemento que da seqüência ao jogo; O bom passe cobre mais rápido às distancia que os deslocamentos de posse de bola; O passe deve ser rápido preciso e de fácil recepção pelo companheiro de equipe. Classificação dos passes: Em relação á distancia: Passe curto de ate 4 metros Passe médio de 4 a 10 metros SERGIO OITAVEN TEL 88755910 // 30116687 SERGIO2OITAVEN @YAHOO.COM.BR

Passe longo acima de 10 metros Em relação á trajetória da bola: Passe rasteiro, o mais utilizado Passe meia altura, pouco utilizado Passe alto, o lançamento (quadra grande) Passe parabólico, o gancho ou cavado Em relação ao espaço de jogo, o deslocamento do jogador que vai receber a bola: Passe lateral Passe diagonal Passe paralelo Passe circular Em relação à execução: Passe com a parte interna do pé; Passe com a parte externa do pé; Passe com a sola do pé; Passe com a parte dorso do pé; Passe com a parte anterior ou ponta do pé (bico); Em relação à execução com habilidade; Passe com a coxa; Passe com o peito; Passe com a cabeça (testa) Passe com o ombro; Passe de calcanhar; Passe parabólico ou cavado; Passe gancho 2- RECEPÇÃO E DOMÍNIO. É gesto técnico de receber e ter o domínio da bola. A boa recepção agiliza o jogo e dá condições ideais de conduzir a bola para varias direções, com para driblar o adversário, com para efetuar um bom passe ou até a finalização no gol. É a habilidade que o jogador possui para controlar e ter a bola sempre sob seu domínio. É o gesto técnico de receber e ter o domínio da bola é o fundamento importante, pois, todos os outros fundamentos dependem de como do feito à recepção e domínio da bola depois é que se executa os outros fundamentos. Você receber a bola de varias maneiras, daí tem, o domínio, o controlei da bola em todas as circunstâncias e o que importante é conseguir prosseguimento da jogada. A trajetória da bola vai determinar a forma correta de executar a recepção. Posição ideal para uma boa recepção; Estar em equilíbrio no momento da recepção e após a recepção; No momento da recepção deve haver um relaxamento muscular da parte do corpo que fará o contato com a bola e uma coordenação entre á chegada da bola e o movimento de domínio da bola; Perceber a velocidade da bola; Precisão na recepção da bola (plasticidade); Posição da cabeça no momento da recepção tendo uma visão periférica. SERGIO OITAVEN TEL 88755910 // 30116687 SERGIO2OITAVEN @YAHOO.COM.BR

Classificação da recepção: Trajetória da bola; é que vai determinar a forma correta de executar da recepção Quanto à execução Em relação à trajetória; Recepção rasteira; Recepção meia altura; Recepção parabólica; Quanto à execução. Recepção rasteira. Recepção com a face interna dos pés; Recepção com a face externa dos pés; Recepção com o solado dos pés. Recepção meia altura (Perpendicular). Recepção com a face interna dos pés; Recepção com a face externa dos pés; Recepção com o lado interno da coxa; Recepção com o lado externo da coxa; Recepção parabólica Recepção com a cabeça (testa) Recepção com o peito; Recepção com o a coxa; Recepção com o dorso dos pés; Recepção com o solado dos pés; 3- CONDUÇÃO é o gesto técnico de transportar a bola pelos espaços da quadra com objetivo de servir ao companheiro, ou criar uma situação ofensiva de gol. Na condução da bola tem que ser protegida colocando-se entre a bola e o adversário ao conduzir deve ter a cabeça erguida, equilíbrio, noções de espaço e coordenação em velocidade (equilíbrio), corpo ligeiramente inclinado para frente (visão periférica). Nunca deixe o marcador ganhar ou antecipar ou ainda chegar a uma distancia que lhe possibilite a tocar ou desviar a bola. Posição ideal para uma boa condução Estar em equilíbrio no momento da condução; Conduzir com a cabeça erguida, equilibrada, noções de esparço e coordenação em velocidade (equilíbrio), corpo ligeiramente inclinado para frente (visão periférica). Manter a bola próximo ao corpo (pés), de forma a protegê-la quando marcado por adversário; Ao conduzir devemos estar sempre em condições de: Passear, Finalizar, Manter a posse de bola ou Dar seqüência a jogada. Proteger a bola colocando-se entre a bola e o adversário. Não deixa o marcador ganhar ou antecipar e manter uma distancia; A condução geralmente acontece por um curto espaço de tempo. Classificação da condução. Em relação à trajetória Condução retilínea; SERGIO OITAVEN TEL 88755910 // 30116687 SERGIO2OITAVEN @YAHOO.COM.BR

Condução sinuosa; Condução circular; Quanto à execução. Condução retilínea Condução com a fase interna dos pés; Condução com a face externa dos pés; Condução com o solado dos pés. Condução sinuosa Condução com face interna dos pés; Condução com face externa dos pés; Condução com o solado dos pés. Condição circular Condução com face interna dos pés; Condução com face externa dos pés; Condução com o solado dos pés. 4- DRIBLE É gestos técnicos, pelo qual o atleta busca ultrapassar um ou mais adversário, sempre tendo a posse de bola. Ao driblar devemos considerar o tempo de reação, de velocidade de execução, de noção de esparço, de coordenação e a capacidade de improvisar com a utilização das técnicas individuais. É uma ação individual com a pose da bola em que numa combinação de recursos e movimentos, ultrapassar um ou mais adversário, é uma habilidade inata. É o modo pelo qual se pode conduzir a bola, através de toques sucessivos, com objetivo de ultrapassar o adversário, mantendo o domínio da bola. Posição ideal para um bom drible. Posição do pé de apoio durante o deslocamento; Ter uma boa velocidade de arranque; Conduzir a bola sempre junto aos pés; Saber improvisar; Proteger a bola do adversário; Estudar e observar o adversário; Posição da cabeça no momento do drible ter visão periférica; Classificação dos dribles. Quanto ao objetivo. Drible defensivo; Tem como principal objetivo manter a posse de bola em condições de segurança. Drible ofensivo Tem como um dos principais objetivos chegar ao gol adversário. Quanto ao tipo. Drible simples: Drible simples parado no lugar; Drible simples em deslocamento. Dribles clássicos (habilidades). Drible clássico parado. Drible clássico em deslocamento. Quanto à execução. Drible simples: SERGIO OITAVEN TEL 88755910 // 30116687 SERGIO2OITAVEN @YAHOO.COM.BR

Drible com puxadinha (parado e/ ou em deslocamento); Drible com ao solado dos pés (parado e/ ou em deslocamento); Drible com a parte interna dos pés (em deslocamento); Drible com a parte externa dos pés (em deslocamento); Dribles clássicos. Drible com o corpo, desequilibrando o adversário (parado e/ ou deslocamento) Drible combinação dos dribles simples; Dribles como: meia lua, por baixo das pernas do adversário e pelo lado do adversário. Drible com dorso do pe (chapéu) 5- FINTA É o ato de movimenta-se sem bola a fim de ludibriar o adversário, fugindo da sua marcação. Realizase por meio de um movimento de balanço para frente ou para os lados, com objetivo de tirar proveito da jogada procurando abrir uma distancia entre o atleta e o adversário, assim possibilitando receber a bola com segurança. Finta é o movimento de corpo e sem bola a fim de deslocar o adversário e assim fugir da marcação. É a ação de , estando marcado sem a bola, desequilibrar e deslocar o adversário, saindo, desta forma, de marcação Posição ideal para uma boa finta Noção de espaço em relação a quadra de jogo e ao adversário; Mudança de direção constante e sincronização nos movimentos; Ter Criatividade; Ter objetivo defensivo ou ofensivo; Visão de jogo. Classificação da fintas. Quanto ao objetivo. Finta defensiva. Têm como principal a executar a finta para dar condições de receber a bola e dar seqüência à movimentação coletiva com segurança. Finta ofensiva. Tem como principal objetivo executar a finta desmarcando-se a fim de receber a bola e fazer a finalização ao gol adversário. 6- CHUTE É um dos principais elementos técnico do futsal. Gesto técnico de golpear a bola com objetivo de tentar fazer o gol. Gesto técnico de golpear á bola com o objetivo maior de tentar fazer o gol na equipe adversária. É o ato de imprimir uma força na bola parada ou em movimento com o objetivo de atingir o gol adversário. Ao chutar devemos considerar; a intenção, o objetivo, a precisão, a força, o equilíbrio, e a coordenação entre o pé de apoio e o pé que vai toca na bola. A melhor maneira de fazer gol é chutando a gol, o chute é um fundamento que decide a partida. Posição ideal para um bom chute. Ter apoio, no momento do chute; Coordenação entre o pé de apoio e o pé que toca (chuta) na bola; Visão de jogo (periférica); SERGIO OITAVEN TEL 88755910 // 30116687 SERGIO2OITAVEN @YAHOO.COM.BR

Precisão no chute; Ter objetivo. Classificação do chute. Em relação á trajetória. Chute rasteiro; Chute meia altura; Chute alto; Em relação aos tipos. Chute Simples: com o peito do pé e partes interna e externa do pé; Chute de Bate Pronto: com o peito do pé; Chute de Voleio: sem pulo: com o peito do pé; Chute de Bico: ponta de pé; Chute de Cobertura ou Cavado: com parte ântero-superior do pé. Em relação à execução Chute simples. Chute com o dorso dos pés. Chute de bate pronto. Chute com o dorso dos pés; Chute com a parte interna dos pés; Chute com a parte externa dos pés; Chute com a parte anterior ou ponta dos pés; Chute de voleio. Chute com o dorso dos pés; Chute de bico. Chute com parte anterior ou ponta dos pés; Chute de cobertura ou cavado. Chute com parte ântero-superior dos pés. 7- MARCAÇÃO. É o ato de evitar a progressão do adversário com a bola ou evitar que o adversário receba em condições de progredir na quadra de jogo. No futsal competitivo, a equipe não pode preocupa-se em treinar somente elementos da técnica individual, procurando deixar a equipe somente ofensiva, mas também treinar para que a equipe seja defensiva no momento da necessidade deste elemento técnico, individual ou coletivo. É necessário fazer a marcação tanto no adversário sem posse de bola, dificultando o oponente de recebê-la. O marcador deve abordar o seu adversário para tira-lhe a posse da bola no momento em que este ainda não dominou a bola. o correto neste coso é abordar o adversário no momento exato em que a bola estiver chegando ao seu encontro, (antecipação) pois este ainda não tem o perfeito domínio da bola e terá dificuldades pára executar o domínio, drible ou passar a bola. Manter uma distancia do adversário também é importante para evitar os bloqueios. O bom marcador deve primeiramente estudar seu oponente, isto é, observar o adversário em suas características, tais como: Lado o qual executar o drible; Perna de chute e drible; Posição ideal para uma boa marcação. Estar em equilíbrio; SERGIO OITAVEN TEL 88755910 // 30116687 SERGIO2OITAVEN @YAHOO.COM.BR

Visão periférica; Perceber a distancia do adversário, colocando-se próximo; Saber a velocidade que devera chegar no adversário; Não fixa o olho na bola observar o sistema de jogo do adversário. Classificação da marcação. Em relação ao tipo; Marcação passiva. É ação que não procura atacar ou roubar a bola do adversário, observando o que o mesmo irá fazer, portando-se passivamente em quadra com o objetivo só de cercar o adversário, seja na defesa ou no ataque. Marcação ativa. É a ação que procura atacar ou roubar a bola do adversário no mínimo tempo possível, desta forma, comportando-se ativamente em quadra pressionando a recepção do adversário e induzindo ao erro, seja na defesa ou no ataque. Em relação aos estágios.(ação) Marcação em aproximação. O atleta procura aproximar-se de seu oponente buscando estar equilibrado e o desequilíbrio do adversário para no momento adequado faz e exercer a ação de abordagem. Marcação em abordagem. É ação em equilíbrio, buscando abordar o adversário com o intuito de obter a posse da bola ou dificultar o passe do adversário. 8- CABECEIO. É ação de golpear a bola com a testa, ao executar o cabeceio, o atleta devera manter os olho bem aberto, para que possa ver a trajetória da bola e observar onde enviá-la. Gesto técnico de golpear a bola com a testa para defender ou atacar. Para defender é tirar a bola de uma determinada área de perigo e, normalmente, é realizada para o alto, procurando enviar a bola para mais longe possível e/ ou atacar é o ato de passar a bola ou fazer um gol e é normalmente realizado com precisão. Posição ideal para um bom cabeceio. Visão periférica; Sincronização dos movimentos. Esparço e tempo; Saber a velocidade que devera chegar na bola; Direcionar o pe de apoio ao objetivo do cabeceio; Braços semiflexionados para se proteger dos adversários; Olhos bem abertos no momento do cabeceio. Classificação do cabeceio. Em relação ao objetivo. Cabeceio ofensivo. Cabeceio defensivo. Em relação à execução. Cabeceio frontal; Cabeceio lateral. 9- ANTECIPAÇÃO. É ação praticada procurando chegar antes na bola, do que o adversário para obter a posse da mesma. É o ato do atleta antepor ao adversário para ganhar a posse de bola. SERGIO OITAVEN TEL 88755910 // 30116687 SERGIO2OITAVEN @YAHOO.COM.BR

É ação de prever o que o adversário vai fazer. É o ato do atleta antepor ao adversário para ganhar a posse de bola. Ao antecipar o atleta deve ter cuidado para não ser desequilibrado pelo adversário (geralmente com um deslocamento de ombro). É a marcação pelo lado e assim facilitar antecipação, o defensor tende fazer a marcação na frente do adversário ou dar o bote na hora certa. Posição ideal para uma boa antecipação. Estar em posição do corpo em equilíbrio na hora da antecipação; Visão periférica; Saber a velocidade para realizar a antecipação; Sincronização dos movimentos e tempo espaço da bola; Fazer uma boa proteção; Classificação da Antecipação. Em relação à situação. Antecipação de defesa. Seu objetivo principal é de afastar a bola, através de uma proteção lateral, com uma das pernas. Consiste em evitar que o adversário tome a posse da bola. Antecipação de ataque. Seu objetivo principal é supersa antecipando para ganhar a posse de bola na disputar com o adversário. 10- BLOQUEIO. É ação de impedir ou dificultar, tanto decisiva com ofensivamente a ação do adversário, sem infringir as regras do jogo, facilitando a movimentação de um companheiro em uma determinada direção. É ação de bloquear o adversário, tomando a sua frente e facilitando o passe defensivo ou ofensivo. É a ação de impedir ou dificultar (ofensivamente ou defensivamente) a livre ação do adversário sem infringir as regas do jogo, facilitando a movimentação de um companheiro em uma direção preestabelecida. Bloqueio ofensivo é para garantir ou ocupar um determinado espaço na quadra de jogo e executar uma jogada individual ou coletiva. Bloqueio defensivo é utilizado para impedir que um atleta adversário ocupe determinado setor /espaço da quadra de jogo com o objetivo de concluir uma jogada. Ao bloquear devemos considerar, a distancia que o adversário mantém do marcador, a sincronização dos movimentos entre o atleta que executa o bloqueio e o atleta beneficiado pelo bloqueio, a decisão rápida no coso de troca de marcação, e não demonstrar o que será feito, é recomendado a utilizar o bloqueio contra a marcação individual. Posição ideal para um bom bloqueio. Estar em equilíbrio na hora do bloqueio; Distancia do marcador e o tempo espaço da bola; Saber a velocidade para realizar o bloqueio; Ritmo na mudança de direção; Sincronização dos movimentos entre o atleta que executar o bloqueio e o atleta beneficiado pelo bloqueio; Recomenda-se utilizar o bloqueio contra marcação individual (homem a homem); Não mostra o que será feito. Classificação do Bloqueio. Em relação ao bloqueio Bloqueio defensivo. SERGIO OITAVEN TEL 88755910 // 30116687 SERGIO2OITAVEN @YAHOO.COM.BR

Utilizado para impedir que o atleta adversário ocupe determinado espaço da quadra de jogo com o objetivo de concluir uma jogada. Bloqueio ofensivo. Garantir ou ocupar um determinado espaço na quadra de jogo, e executar uma jogada individual ou coletiva. Em relação ao bloqueio com e sem bola. Bloqueio sem bola. Quando o jogador sem a posse da bola desloca-se em direção ao marcador de um companheiro que estiver com a posse da bola, para que o mesmo consiga deslocar-se com a bola em um determinado espaço da quadra de jogo sem ação de seu marcador; Bloqueio com bola. Em posse da bola, movimenta-se em direção ao marcador do companheiro para executar o bloqueio e, geralmente, deixa o companheiro com posse da bola para concluir a jogada. 11-DESLOCAMENTO. É a ação de procurar um melhor posicionamento na quadra de jogo com ou sem posse de bola, efetuando uma ação decisiva ou ofensiva para si ou para a equipe. Deslocamento é o movimento que o jogador efetua na quadra de jogo, tem basicamente quatro tipos de deslocamento: A) paralela B) diagonal. C) lateral D) circular (eclipse) e no sentido frente e costa, podendo ser defensivo e ofensivo. Nos deslocamentos devemos considerar, que o atleta se desloque com o cuidado para não cobrir os espaços na quadra que prejudique a movimentação dos demais companheiros ou venha ocupar os espaços que sua equipe ou companheiro necessitem para fazer o deslocamento e quando a bola for lançada o jogador que vai receber a bola dever deslocar-se e ocupar o espaço no momento do lançamento para evitar que o adversário tenha tempo de marcá-lo. Durante o deslocamento o atleta dever fintar o adversário (executar mudança de direção), para receber a bola sem marcação e em condições de dominar, passar, ou chutar a bola. Posição ideal para um bom deslocamento. Estar em equilíbrio na hora do deslocamento; Ter visão periférica; Não cobrir os espaço de quadra que prejudiquem a movimentação dos demais companheiro; Sincronização dos deslocamentos de seus companheiros e o seu deslocamento; Não se deslocar em direção ao companheiro que estiver com posse da bola, para evitar que apenas um adversário consiga marcar os dois; Saber a velocidade para realizar o deslocamento; Durante o deslocamento, saber se é necessário realizar uma finta, executando mudança de direção; Ritmo na mudança de direção. Classificação do Deslocamento. Em relação ao deslocamento com bola e sem bola. Deslocamento sem bola Tem como objetivo deslocar-se pala quadra de jogo a fim de receber a bola ou abrir espaço na quadra de jogo para a equipe. Deslocamento com bola. Objetivo de deslocar-se pela quadra de jogo a fim de abrir espaço na quadra sem prejudicar a movimentação dos colegas. SERGIO OITAVEN TEL 88755910 // 30116687 SERGIO2OITAVEN @YAHOO.COM.BR

ELEMENTOS DA TÉCNICA INDIVIDUAL DO GOLEIRO. O goleiro é o jogador especializado da equipe e sua tarefa principal é a defesa da meta de gol, contra as investidas do adversário. É o único que pode utilizar as mãos dentro de sua área, respeitando as regras. Geralmente, o goleiro representa o ultimo obstáculo frente à bola direcionada à sua meta e, por isso, deve estar sempre atento. Um goleiro adequadamente qualificado representa muito para qualquer equipe e sua formação é resultado da evolução do futsal desde seus mais remotos tempos. É, sem duvida, um dos jogadores mais importantes de uma equipe. Empunhadura; Defesa alta; Defesa baixa; Reposição; Lançamento; Saída de gol; Fundamentos dos jogadores de linha. Requisitos para ser um bom goleiro. Condição técnica; Condição física; Condição tática; Determinação; Segurança; Postura; Liderança. Habilidades de um goleiro. Agilidade; Reflexo; Flexibilidade; Coordenação; Visão periférica; Resistência; Potencia; Visão de jogo; Passe; Chute; Qualidades psíquicas. Valentia e coragem; Tranqüilidade; Capacidade de manutenção da atenção; Força de vontade; Confiança. EMPUNHADURA. É a maneira que o goleiro segura a bola. É um dos movimentos mais utilizado pelo goleiro. Etapas da empunhadura. SERGIO OITAVEN TEL 88755910 // 30116687 SERGIO2OITAVEN @YAHOO.COM.BR

Posição de expectativa; Braços semiflexionados á frente do corpo; Mãos e dedos estendidos formando um triângulo; Com os dedos polegares unidos atrás da bola. Erros mais comuns durante a etapa da empunhadura. Braços estendidos á frente do corpo; Polegares afastados atrás da bola; Dedos e punho flexionados; Pernas muito afastadas do centro de gravidade, prejudicando o equilíbrio do corpo. DEFESAS ALTAS São as defesas realizadas com a bola acima da linha da cintura. Etapas da defesa Alta. Posição de expectativa; Atacar a bola; Deslocar o centro de gravidade para o lodo da queda; Impulsionar o corpo para cima; O goleiro usa a perna do lado da queda como apoio para impulsão. Erros mais comuns. Não estar em posição de expectativa; Não atacar a bola; Deslocar o centro de gravidade para lado errado; Não impulsionar o corpo para cima; Usar a perna de impulsão errada. DEFESA BAIXA São as defesas realizadas com a bola abaixo da cintura. Etapas da defesa baixa. Deslocar o centro de gravidade para o lado da queda; Manobra de atacar a bola alta, meia altura e rasteira; Cair primeiro com parte lateral da coxa; Tronco, perna e braços estendidos; Olhando sempre para bola. Erros mais comuns Cair com joelho na frente do corpo; Tronco, braços e pernas flexionadas; Não olhar para a bola. REPOSIÇÃO É a ação do goleiro em por ou repor a bola em jogo. Em por a bola em jogo na situação de tiro de meta e repor em jogo na situação de bola defendida com as mãos ou com os pés. Tipos de reposição Reposição curta. Esta reposição deve ser utilizada pelo goleiro quando a bola esta em suas mãos ou esta em seus pés e um de seus companheiros de equipe aproxima-se para recebê-la. É necessário que este atleta esteja em condições absolutas de posicionamento com segurança para reiniciar a movimentação, visando uma nova situação de ataque. Reposição média

SERGIO OITAVEN TEL 88755910 // 30116687 SERGIO2OITAVEN @YAHOO.COM.BR

Esta reposição é viável quando há tempo de sair jogando, mas o adversário não esta numa distancia muito longe de quem vai receber a bola. Está reposição requer que bola seja acionada com firmeza e precisão para facilitar o domínio e o prosseguimento da jogada. Reposição longa. É uma reposição utilizada geralmente quando uma equipe está sendo, atacada e a bola chega nas mãos ou pés do goleiro e o mesmo numa ação rápida, acionar em qualquer parte da quadra que ofereça opção para o recebimento. Importância na precisão da reposição. O sucesso final de uma jogada de reposição está ligado justamente á origem do lance. A precisão no momento de acionar seu companheiro, A percepção do posicionamento do seu companheiro no momento de receber a bola. Observando estes detalhes, se ganha metros significativos no desenvolvimento do ataque. LANÇAMENTO. É a maneira que o goleiro realiza uma manobra da ataque ou repõe a bola em jogo, objetivando alcança um companheiro em posição de receber a bola. Em relação à distância. Arremesso curto Arremesso médio; Arremesso longo. Em relação à trajetória Arremesso rasteiro; Arremesso parabólico; Arremesso obliquo. SAÍDA DE GOL. O goleiro nem sempre ficara sob a trava ou dentro de sua área. Por diversas vezes, ele se verá obrigado a deixa a meta para defender uma bola pelo alto, outra pelo chão, em pe, com o corpo em diversas posições ou, ainda, para rebatê-la com os pés. Estas situações servirão par matar uma determinada jogada ou para realizar um contra-ataque. Em relação à saída. Saída por baixo; Saída por cima. FUNDAMENTOS DOS JOGADORES DE LINHA. Na regra o goleiro pode jogar fora da área de meta com os pés, tornou-se necessário que os goleiros também comecem a utilizar os elementos da técnica individual dos jogadores de linha em seus treinamentos, dando uma maior ênfase á recepção, ao passe e ao chute a gol. Preparação dos atletas e Preparação da Equipe. A técnica individual dos jogadores é fator de extrema importância para a definição da tática a ser empregada por uma equipe. Se esta for composta por jogadores altamente técnicos maiores facilidades terão esses atletas de desenvolver os esquemas e conseqüentemente, envolver o adversário, visto que, determinadas jogadas dependem da habilidade dos jogadores, seja para reter a bola, para efetuar um drible ou controlá-la a bola antes de executar o passe perfeito. Nestes casos é fundamental importância que se salientar o valor da técnica, para ser usado na tática, com é também importante; a condição física, o aspectos psicológicos, o adversário, a dimensões da quadra e as situações ocorridas durante a partida. SERGIO OITAVEN TEL 88755910 // 30116687 SERGIO2OITAVEN @YAHOO.COM.BR

Condicionamento físico dever ser levado com muita importância para elaboração do plano tático, visto que é inadmissível, por exemplo, que uma equipe mal fisicamente implante, um sistema de marcação homem a homem por toda quadra. No Aspecto Psicológico o atleta deve estar, consciente dos valores do futsal táticos e estar confiante e com motivação para poder realizar as jogadas treinadas, durante a partida de futsal. O adversário é um importante fator que influencia e determinar qual a forma; de sistema, de esquema e padrão de jogo a ser empregada na partida. A dimensões da quadra determina a forma de jogar da equipe, que pode favorecer algum tipo de esquema tático, defensivo ou ofensivo e ai é que depende das características dos jogadores de sua equipe. Situações de jogo ocorridas durantes as partida; como gols de vantagem ou desvantagem, atleta foi expulso, má colocação dos atletas em quadra, etc. Pode mudar forma de jogar, é necessária a capacidade de observação do treinador para que, em conjunto dos atletas possam usufruir ou preveni das situações do jogo. O atacante precisa ser instruído dos movimentos de desmarcação rápida e eficaz, a fim de buscar os espaços vazios para receber a bola.

SERGIO OITAVEN TEL 88755910 // 30116687 SERGIO2OITAVEN @YAHOO.COM.BR

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->