Você está na página 1de 16

O COOPERATIVISMO POPULAR NO BRASIL: Importância e

Representatividade*

Maria Nezilda Culti1

RESUMO

O Cooperativismo como parte da Economia Solidária é um sistema de cooperação que apesar de


inserido no capitalismo, é reconhecido como um sistema mais adequado, participativo, democrático e
mais justo para atender às necessidades e os interesses específicos dos trabalhadores. O crescimento
desses empreendimentos tem sido significativo e vêm chamando a atenção das Universidades e dos
poderes públicos municipais e estaduais, que passam a apóia-los.
Pretende-se neste trabalho demonstrar o crescimento e visibilidade das Cooperativas de Trabalho no
Brasil, a partir da década de 1980.
Palavras-chave: Cooperativismo Popular, Economia Solidária, Cooperativas de Trabalho,
Desemprego.

INTRODUÇÃO

O Brasil entra no século XXI vivendo um processo de grandes transformações


impulsionadas por novas demandas da sociedade e pela transformação acelerada da
economia mundial no curso de políticas neoliberais. São mudanças desafiadoras que, ainda
não conhecemos inteiramente os seus efeitos sobre as relações econômicas e sociais,
especialmente em economias como a brasileira, onde o desafio é maior, pois ao mesmo
tempo em que acompanhamos e sofremos os reflexos das tendências mundiais, precisamos
eliminar distorções acumuladas no passado e consolidar a estabilidade econômica.
Em nosso País temos visto perversos reflexos no mercado de trabalho, onde o
resultado visível é a significativa taxa de desemprego e subemprego. Além do desemprego
observa-se um importante movimento de precarização nas relações de trabalho, que pouco
difere dos sintomas existentes nos países mais desenvolvidos, embora aqui amplie
significativamente o número dos socialmente excluídos e deteriore ainda mais as condições
de vida que já estavam muito distantes das economias centrais, onde a distribuição de
riqueza é melhor equacionada.
O trabalho em tempo integral por prazo indeterminado vem sendo substituído pelo
trabalho temporário, jornada em tempo parcial (part-time), trabalho a domicílio, aprendizes
e estagiários. Também a prática de subcontratação/terceirização tem-se tornado parte
integrante desse processo. A taxa de desemprego no Brasil, segundo o Instituto Brasileiro
de Geografia e Estatística-IBGE, saltou de 4,28% em 1990, mantendo-se próxima a este

1
Professora Mestre do Departamento de Economia da Universidade Estadual de Maringá-UEM e Membro do
Núcleo Local UNITRABALHO – Paraná. E-mail: mnculti@uem.br
* Trabalho apresentado no Tercer Congreso Europeo de Latinoamericanistas, em Amsterdam-Holanda, 3-6 de
julho de 2002.

1
patamar em 1995 (4,64%), atingindo 7,10% em 2000. Segundo o Departamento
Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômico-DIEESE, estas taxas seriam,
respectivamente, 7,20%, 9,00% e 11,00%2 quando, segundo os dados levantados por NETO
(2001: 56-63), a “taxa média de desemprego na União Européia(UE) permaneceu
praticamente estabilizada em torno de 10% em 1998 (OIT, 1998) e 9,6% em 1999
(Eurostat, La Comissión Européenne, 2000)”. A informalização já atinge 50% da população
economicamente ativa com tendência a aumentar. A quantidade dos trabalhadores
temporários e subcontratados já é maior que o número de empregados das grandes
empresas, com jornadas de tempo integral, com salários e condições de trabalho melhores.
O desemprego de longa duração (mais de seis meses) no Brasil tem acompanhado a
tendência internacional. Os salários, comparados com muitos outros países, são para a
grande maioria dos trabalhadores especializados ou não, baixíssimos. Segundo o
DIEESE(1996-1997), o custo da mão-de-obra na industria brasileira (2,68 US$/hora) é
cerca de seis a oito vezes mais baixo que nos países mais desenvolvidos (16,40 nos EUA;
19,26 na Áustria; 24,87 na Alemanha), cerca da metade do valor pago na Coréia do Sul
(4,93) e em Portugal (4,63), sendo similar ao México (2,41).
Para flexibilizar ainda mais o já desregulado mercado de trabalho brasileiro, em
1998 entrou em vigor lei que autoriza as empresas manterem até 20% da força de trabalho
durante dois anos com encargos sociais bastante reduzidos. Medida Provisória editada no
mesmo ano criou o “desempregado temporário”, onde o trabalhador que seria demitido,
passa a receber pela empresa um salário mínimo e, durante cinco meses, fica fazendo
cursos de qualificação com a possibilidade de não ser demitido ao final deste período.
Portanto, o que temos visto de maneira geral, é o aumento da instabilidade para os
trabalhadores, pois as transformações tecnológicas próprias do processo de acumulação de
capital, mudam também o significado social do trabalho à medida que imprimem um
caráter provisório a muitos postos de trabalho e ocupações no processo produtivo e
organizacional e, conseqüentemente, nas posições delas decorrentes, denotando ausência de
perspectiva e lugar seguro na sociedade. O processo de desenvolvimento globalizado do
capitalismo que vem gerando crescente desemprego e aumentando a concentração de renda,
desigualdade e exclusão social, é inerente ao modelo de desenvolvimento capitalista, que
vem apenas tomando novas formas em períodos históricos diferentes. Hoje se fala de
riqueza e pobreza em toda parte do sistema capitalista, crescendo mais a última.
No Brasil em particular, o que se vê através da distribuição de renda é um alto grau
de concentração e crescimento do desemprego e pobreza. Segundo o Relatório do
Desenvolvimento Humano de 2001 da Organização das Nações Unidas(ONU), elaborado
pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Penud), que apresenta dados
de 162 países, publicado em 10 de junho de 2001, o Brasil fica em má colocação no mais
novo índice criado, o chamado Índice de Conquistas Tecnológicas-TAI, 43º colocado entre
72 países. Este índice enquanto parte do Relatório sobre Desenvolvimento Humano, visa
“capturar como um país está criando e difundindo tecnologia e construindo uma base de
capital humano – refletindo sua capacidade para participar nas inovações tecnológicas”.
Nele, o Brasil figura no penúltimo bloco, chamado “adotadores dinâmicos”de tecnologia,
só à frente não por acaso, dos chamados “marginalizados”. E, também não por acaso, o
índice mostra que o País perde no item capacidade humana (anos significativos de

2
O DIEESE inclui em suas pesquisas que medem o desemprego, mais duas categorias como desempregados,
além do desemprego aberto que é o “oculto por trabalho precário” e o “oculto por desalento”.

2
escolarização e matrícula universitária em áreas como ciência, matemática e engenharia).
Em anos de escolaridade empata com nações muito pobres da América Latina como
Honduras e República Dominicana. O relatório aponta que a tecnologia poderia ser um
instrumento valioso para o desenvolvimento humano e diminuir a pobreza, entretanto, não
existe uma receita única que evite o aprofundamento da diferença entre ricos e pobres,
alegando inclusive, que o mercado “é uma poderosa máquina de progresso tecnológico,
mas não é poderoso o suficiente para criar e difundir as tecnologias necessárias para
erradicar a pobreza”. Apesar de um pequeno avanço no IDH-Índice de Desenvolvimento
Humano, que passou de 0,746 para 0,750, a desigualdade de renda continua alta. Os 10%
mais ricos consomem 46,7% enquanto os 10% mais pobres ficam com o equivalente a
apenas 1% do total.
De fato, o desenvolvimento tecnológico não é para o benefício de todos, mas apenas
para uma minoria. Não gera emprego na mesma proporção e tempo que o destrói, mas faz
aumentar uma massa cada vez maior de desempregados e subempregados, excluídos
totalmente ou parcialmente da riqueza produzida. Na melhor hipótese, permitem condições
de trabalho em tempo parcial, tempo determinado, atividades no mercado informal e
autogeridas. (CULTI, 2001).
Nesse sentido, nos parece improdutivo apenas lutar para conservar e fazer crescer o
número de empregos. Nossa condição histórica atual é de procurar criar e apoiar
oportunidades ou formas de trabalho sociais reinventadas para propiciar trabalho e renda à
população excluída, que estamos vendo despontar nas últimas décadas, através da chamada
economia solidária.

ECONOMIA SOLIDÁRIA NO BRASIL

A economia solidária no Brasil ganha espaço nas publicações acadêmicas a partir da


segunda metade da década de 90.
Segundo SINGER (2000:25), “A economia solidária começou a ressurgir, de forma
esparsa na década de 1980 e tomou impulso crescente a partir da segunda metade dos anos
1990. Ela resulta de movimentos sociais que reagem à crise de desemprego em massa, que
tem seu inicio em 1981 e se agrava com a abertura do mercado interno às importações, a
partir de 1990”. A economia no sistema capitalista é bastante eficiente na geração de
riqueza, que por sua vez, gera também eficientemente, a pobreza. Enquanto parte das
necessidades das pessoas são satisfeitas, a de outras ficam insatisfeitas, levando a uma
precária qualidade de vida.
Nesse processo, as pessoas mesmo empobrecidas e excluídas do mercado de
trabalho, pela necessidade de sobrevivência, buscam a sua valorização, a sua capacidade
para trabalhar e empreender. Apesar de serem necessidades individuais e isoladas, elas
ganham força e expressividade e constituem-se na mais poderosa das forças com a
solidariedade, criando vínculos de organização e de comunidade. É o povo excluído que
tem tomado iniciativas com expectativas de satisfazer suas necessidades e abrir novos
caminhos na vida, através do uso de suas próprias forças e recursos, associando-se a outros
e organizando-se em grupos, associações e cooperativas. São, portanto, organizações
coletivas ou comunitárias em defesa dos indivíduos enquanto cidadãos, moradores,

3
consumidores e trabalhadores. Enquanto trabalhadores se organizam em associações,
cooperativas ou empresas de autogestão. As experiências de organizações econômicas
populares que surgem dos excluídos ou mais pobres constituem uma iniciativa real em
desenvolvimento. São formas econômicas solidárias nas quais o trabalho assume posição
central.
A economia solidária é, portanto, uma economia que surge do povo, de maneira
espontânea ou por indução de agentes externos que o apóiam, fazendo emergir o poder
público, a iniciativa privada e uma gama variada de ONGs-Organizações não-
governamentais sem fins lucrativos, que não correspondem às formas de comportamento
tratadas pelas teorias econômicas convencionais. Na perspectiva de SINGER (2000:7-28), a
economia solidária é formada por uma constelação de formas democráticas e coletivas de
produzir, distribuir, poupar e investir. Suas formas clássicas formadas por unidades
produtivas autogestionárias datam do século passado. São as cooperativas de consumo,
crédito e de produção. A origem do pensamento cooperativo está nos grandes autores
socialistas chamados “utópicos” da primeira metade do séc. XIX (Owen, Fourier, Buchez,
entre outros). Segundo o citado autor, a economia solidária não poderia preceder o
capitalismo industrial, mas o acompanha como uma sombra em toda a sua evolução, visto
que ela é uma “criação em processo contínuo de trabalhadores em luta contra o
capitalismo” (p.13). Diz ainda que,

O modo solidário de produção e distribuição parece à primeira vista um híbrido entre o capitalismo e
a pequena produção de mercadoria. Mas, na realidade, ele constitui uma síntese que supera ambos. A
unidade típica da economia solidária é a cooperativa de produção, cujos princípios organizativos são:
posse coletiva dos meios de produção pelas pessoas que as utilizam para produzir; gestão
democrática da empresa ou por participação direta (quando o número de cooperadores não é
demasiado) ou por representação; repartição da receita líquida entre os cooperadores por critério
aprovados após discussões e negociações entre todos; destinação do excedente anual (denominado
“sobras”) também por critérios acertados entre todos os cooperadores. A cota básica do capital de
cada cooperador não é remunerada, somas adicionais emprestadas à cooperativa proporcionam a
menor taxa de juros do mercado (p.13).

Na busca de um melhor entendimento do que seja a economia solidária,


encontramos outras abordagens. Para GAIGER (1999:25-6), nos empreendimentos de
economia solidária se desenvolvem o sentido empresarial e o solidário. As iniciativas
procuram obter níveis de acumulação e crescimento com estabilidade e viabilidade, através
de planificação de investimentos baseadas em uma racionalidade econômica, apoiada no
mundo cooperativo. A força dos empreendimentos solidários consiste nas combinações dos
espíritos empresarial e solidário. Empresarial no sentido da busca de resultados por meio de
uma ação planejada e pela otimização dos fatores produtivos, humanos e materiais.
Solidário de maneira que a cooperação direcione uma racionalização econômica com
efeitos e vantagens comparáveis às relações de trabalho assalariadas. O que diferencia estes
empreendimentos é a busca de uma organização mais eficiente, através da cooperação e
exploração do trabalho consorciado em benefício dos próprios produtores, distinguindo-se
da racionalidade capitalista que não é solidária nem inclusiva e da solidariedade
comunitária, à qual faltam instrumentos adequados para o desempenho econômico na
sociedade contemporânea. Já ARRUDA (1998:13), alega existirem várias iniciativas para a
construção de práticas e intercâmbios solidários ou formas alternativas e autogestionárias
de organização, onde os trabalhadores são administradores coletivos ou empreendedores,

4
sem deixar de serem trabalhadores. A importância do sistema reside no fato de não ter por
base a exploração do trabalho de outros trabalhadores e que, “uma dupla estratégia de
mercado é necessária: uma orientada para o mercado capitalista, onde a regra é a
competição feroz e agressiva; a outra, com respeito ao mercado intercooperativo, que
também chamamos de mercado solidário, no qual o desafio é criar sistemas e práticas
comerciais baseadas na cooperação e na complementaridade, em vez da competição, e
estabelecer sistemas de preço que eliminem a exploração do comprador/consumidor”.
Não há ainda no Brasil, um recenseamento sistemático e abrangente sobre o total e
os tipos de empreendimentos solidários existentes3. Entretanto, estudos e estimativas
setoriais indicam um notável desenvolvimento de novos segmentos no cooperativismo,
além do agropecuário e de consumo, como o de trabalho e serviços, com uma grande
diversificação de iniciativas em regiões rurais e urbanas. Além das cooperativas
identificadas mais facilmente por já existir um recenseamento sistemático nacional através
da OCB-Organização das Cooperativas Brasileiras, há hoje outras iniciativas econômicas
solidárias ao longo de todo o País e abrangem inúmeras associações informais e formais, os
negócios de caráter familiar, pequenas industrias artesanais e microempresas não
formalizadas legalmente. Existem também os chamados “Clubes de Trocas”, que
combinam reciprocidade e formas não monetárias de organização social. Todos compondo
a chamada economia popular e solidária.
Como já indicado, apesar de não se dispor de dados abrangentes já publicados que
possibilite dimensionar a economia solidária no Brasil, podemos inferir que ela é
representativa quando observamos o surgimento de espaços ou organizações agregadoras
das atividades econômicas coletivas como a ANTEAG-Associação Nacional de
Trabalhadores em Empresas Autogestionárias, o MST-Movimento dos Trabalhadores sem
Terra, as ITCPs-Incubadoras Tecnológicas de Cooperativas Populares, a ADS-Agencia de
Desenvolvimento Solidário, a FETRABALHO-Federação das Cooperativas de Trabalho
entre outras, que aparecem diferenciando-se por Estados da Federação. Estas entidades
surgem da demanda crescente de trabalhadores que buscam formar empreendimentos
solidários, os quais estão se multiplicando em todo o País. Elas, por outro lado,
desempenham um papel importante, à medida que se torna um espaço de troca de
experiências em autogestão e autodeterminação na consolidação desses empreendimentos.
Elas ajudam a consolidar estratégias para conectar empreendimentos solidários de
produção, serviços, comercialização, financiamento, consumidores e outras organizações
populares que possibilitam um movimento de realimentação e crescimento conjunto auto-
sustentável. Também desempenham um importante trabalho de educação e qualificação dos
trabalhadores por meio dos cursos e seminários que propiciam ou oferecem, voltados à
autogestão, solidariedade, trabalho coletivo, entre outros temas, que orientam suas ações,
tanto no nível individual, coletivo como no social.

3
Um levantamento amplo e inédito da economia solidária no Brasil foi realizado pela UNITRABALHO-Rede
Interuniversitária de Estudos e Pesquisas sobre o Trabalho em seis Estados (SP, MG, DF, RS, CE e PA) com
resultados ainda não publicados. Para as cooperativas, já existe em separado, o levantamento realizado pela
OCB-Organização das Cooperativas Brasileiras.

5
BREVE RESGATE HISTÓRICO SOBRE O PENSAMENTO
COOPERATIVISTA E O COOPERATIVISMO NO BRASIL

O pensamento cooperativo moderno surgiu na Europa Ocidental com o advento da


Revolução industrial no inicio do século XIX. Com os pensadores da época, foi se
formando a filosofia que fundamenta o cooperativismo em todo o mundo. Destaca-se entre
eles: Robert Owen (1771-1858), Willian King (1786-1865), Charles Fourier (1772-1837),
Philippe Buchez (1796-1865 e Louis Blanc (1812-1882). É, substancialmente, uma
filosofia do homem na sociedade em que vive, onde procura construir uma outra maneira
de processar a economia, tendo base no trabalho e na distribuição eqüitativa do excedente
adquirido e não na acumulação individual do dinheiro a partir da exploração do trabalho do
outro.
O cooperativismo preocupa-se com o aprimoramento do ser humano nas suas
dimensões econômicas, sociais e culturais. É um sistema de cooperação que aparece
historicamente junto com o capitalismo, mas é reconhecido como um sistema mais
adequado, participativo, democrático e mais justo para atender às necessidades e os
interesses específicos dos trabalhadores, além do que, propicia o desenvolvimento integral
do indivíduo por meio coletivo.
Portanto, o cooperativismo funciona como um sistema e as cooperativas como a
unidade econômica e espaço de convívio e transformações. A origem das cooperativas
remonta 1760 na Inglaterra com os trabalhadores que fundaram moinhos de cereais em base
cooperativa. Em 1769 vê-se a cooperativa de consumo dos tecelões de Fenwick e em 1795,
a Oldham Co-operative Supply Company. Na França em 1823 já existiam 160 associações
que darão origem depois as cooperativas operárias de produção. Entretanto, a primeira
cooperativa moderna foi a de consumo, formada na Inglaterra em 1844 pelos 28 tecelões
em Rochdale-Manchester, que nasce num contexto de capitalismo concorrencial e em
defesa econômica dos trabalhadores. Com ela nascem os fundamentos da doutrina
cooperativista vigentes ainda hoje, pautados nos princípios morais e de conduta, que
orientaram a estrutura e as regras gerais que regulamentaram seu funcionamento, conhecido
como o Estatuto da Sociedade dos Probos Pioneiros de Rochdale. De forma quase
simultânea, surgiram também outros dois ramos de cooperação além do de consumo na
Inglaterra, que foram os de crédito na Alemanha e o de Produção na França. As primeiras
cooperativas de trabalho também surgiram na França e foi ali que apresentaram maior grau
de desenvolvimento. Mais tarde elas aparecem na Itália e na Inglaterra. Na América elas
começaram a surgir somente a partir de 1932.(CULTI: 2000, p.118-21).
No Brasil foram fundadas as primeiras cooperativas por volta de 1887, como a
Cooperativa de Consumo dos Empregados da Companhia Paulista, em Campinas (SP) e a
Sociedade Econômica Cooperativa dos Funcionários Públicos de Minas Gerais. Em
Limeira (SP), em 1899, foi criada a Associação Cooperativa dos Empregados da
Companhia Telefônica e, no Rio de Janeiro (RJ) em 1894, a Cooperativa Militar de
Consumo e também em 1895, a de Camaragibe (PE). Em 1902, em Nova Petrópolis (RS),
surge a primeira cooperativa de crédito fundada por produtores de vinho e, no mesmo
estado em 1906, a primeira cooperativa agropecuária. De 1913 a 1929, outras cooperativas
continuaram a aparecer, dentre elas, em 1913 surgiu no Rio de Janeiro, a Cooperativa dos
Empregados e Operários da Fábrica de Tecidos da Gávea e, em Santa Maria (RS) foi

6
fundada a Cooperativa de Consumo dos Empregados da Viação Férrea (Coopfer). Em
1917, os ferroviários fundaram cooperativas de consumo.
Até 1930 o cooperativismo no Brasil caminhava muito lentamente. A crise
econômica mundial estimulou a emergência de cooperativas, especialmente no sul do país.
A depressão de 1929 fez o governo se interessar pelo cooperativismo, especialmente como
instrumento de política agrícola. Foi a partir de 1932, com a implantação do Decreto nº
22.239, do governo Getulio Vargas, que se regulamentou a organização e funcionamento
das cooperativas, verificando-se nesta época, um surto relativamente apreciável do
cooperativismo brasileiro. A partir de 1945, o governo passa a oferecer vários incentivos
materiais e fiscais às cooperativas e, em 1951, foi criado o Banco Nacional de Crédito
Cooperativo (BNCC), extinto recentemente no governo Collor. A partir de 1966, o
cooperativismo perde muitos incentivos fiscais e liberdades já conquistadas, levando ao
fechamento de muitas cooperativas.(SCHNEIDER:1982, p.31-2)
Apesar das dificuldades encontradas, o sistema cooperativo brasileiro apresentou
um fortalecimento como setor relevante dentro da sociedade no governo Médici, com o
Decreto-Lei 5.764 de dezembro de 1971, que regulou o funcionamento das cooperativas até
hoje e criou a OCB-Organização das Cooperativas Brasileiras, órgão nacional de
representação das cooperativas existentes no Brasil. A partir do governo Collor, além do
cooperativismo ligado a iniciativas de grande e médio porte, que na prática agem como
empresas capitalistas, desponta um outro cooperativismo, que já começa a ser mencionado
como instrumento de geração de emprego e renda, passando a incorporar-se como
preocupação no FAT-Fundo de Amparo ao Trabalhador. Surgem também os PROGER-
Programa de Geração de Emprego e Renda, urbano e rural e emergem as cooperativas de
trabalho. Hoje são inúmeras as iniciativas voltadas para a construção de cooperativas
autogestionárias, chamadas de cooperativismo popular, onde se engajam grande parte dos
trabalhadores excluídos do mercado de trabalho através da formação de cooperativas de
trabalho, onde se busca intercâmbios solidários para propiciar, por esta via, a construção de
redes de economia solidária.

COOPERATIVAS DE TRABALHO NO BRASIL

As primeiras cooperativas de trabalho surgiram na Europa, mais precisamente na


França, como frutos da Revolução Industrial no século XIX, e foi em seu país de origem
onde apresentaram maior grau de desenvolvimento. Nelas só poderiam ingressar
determinada classe de operários braçais. Os serviços especializados ou a comercialização
eram atribuídos a terceiros, o que entre outras, foi uma das causas do fracasso de algumas
dessas cooperativas (OLIVEIRA, 1982:135). Mais tarde, elas apareceram na Itália e na
Inglaterra. As que surgiram na Itália em 1919, foram na sua maioria no ramo da construção
e somavam 2.351 cooperativas. Eram cooperativas de trabalhadores braçais como
pedreiros, britadores, carregadores e outros que empreitavam obras diretamente. Segundo
Zardo, citado por Oliveira (1982:135) “merecem ser citadas algumas industrias
cooperativas italianas: a fábrica de vitrais artísticos de Altare, fundada em 1850; fábrica de
locomotivas, caldeiras, barcos a vapor, etc., fundada em 1883 pelos grevistas do
Estabelecimento Ansaldo; a cooperativa dos pedreiros de Milão, fundada em 1887, que

7
contava com 715 sócios, ficando logo famosa por muitos trabalhos executados, entre estes
o cemitério de Musocco”.
No Brasil as cooperativas de trabalho começaram a surgir a partir de 1932, e
sofreram grande influência das características das cooperativas operárias de produção
européias, visto que lá já eram bem desenvolvidas. A partir de 1965 começaram a surgir
novos tipos de cooperativas de trabalho, principalmente no sudeste e sul brasileiro. Até
então, os cooperados eram freqüentemente de mão-de-obra semi-qualificada, trabalhadores
braçais como transportadores de carga, motoristas de caminhão, artesão, pescadores,
trabalhadores em edifícios. Outros profissionais como médicos, dentistas, professores
universitários, cientistas sociais, jornalistas, escritores, músicos, cineastas, radialistas,
artistas, etc, também começaram a se reunir em cooperativas, a fim de solucionar os
principais problemas do mercado de trabalho (PINHO, 1982:146). Desse período em
diante, as cooperativas de trabalho passaram a prosperar e a expandir-se para fazer frente às
necessidades da população urbana brasileira que, segundo Scheneider (1982:33), já era em
1960, 67,57% do total da população.
Esse tipo de cooperativa é até hoje, uma realidade acessível a todos os trabalhadores
qualificados ou não que, mediante a associação, desejam encontrar uma forma de trabalho
para gerar renda e fonte de subsistência ou também se emancipar do sistema de salários. É
uma forma de produzir atraente visto que nela, o lucro que o empresário obtém do trabalho
contratado desaparece e o trabalhador associado traz para o grupo uma fonte de renda que
passa a ser investida nela e distribuída entre os membros, visando melhoramento das suas
condições de vida e seu futuro profissional. Os princípios de funcionamento são
democráticos e de solidariedade. Elegem seus dirigentes entre os associados trabalhadores
formando assim, um grupo aceito e não imposto. Buscam a satisfação de seus membros não
só nos aspectos econômicos, mas também no social, educativo e humano, investindo em
educação básica e formação profissional.
Semisa, citado por Oliveira (1982:139), faz uma compilação de algumas definições
e características das cooperativas de trabalho. Segundo ele,

a) uma cooperativa de trabalho é uma associação de pessoas que reúnem para trabalhar em comum,
com o esforço conjugado de todos, com o fim de melhorar sua situação social e econômica,
deixando de ser assalariadas para transforma-se em donas de seu próprio destino, pondo o capital
e o trabalho ao serviço do homem, revertendo a modalidade de outros tipos de empresa;

b) uma cooperativa de trabalho é uma fonte de produção ou de prestação de serviços, governada,


administrada e desenvolvida unicamente por seus associados trabalhadores, operários técnicos,
administrativos ou profissionais, todos com os mesmos direitos e obrigações;

c) uma cooperativa de trabalho é a união de vontades postas ao serviço de uma causa comum que
respira a liberdade humana e objetiva conseguir condições de trabalho justas, participação e
responsabilidade integral na marcha de sua empresa e de seus resultados econômicos e sociais,
dentro da prática da mais pura democracia, que assegura o respeito individual, a ação conjunta, a
justiça e a liberdade.

A Organização das Cooperativas Brasileiras define as cooperativas de trabalho


como sendo aquelas cooperativas de profissionais que prestam serviços a terceiros.
Explicando melhor: “são cooperativas de trabalho tanto as que produzem determinado bem
(industrial ou artesanal) como aquelas onde a cooperativa desempenha um papel de

8
“administradora” dos serviços fornecidos pelos seus cooperados”(SCHEIDER e VICENTE,
1996:40). Enfim, as cooperativas de trabalho se apresentam como uma alternativa que
possibilita a inserção, especialmente para aqueles excluídos do mercado de trabalho e sem
renda e que, ao mesmo tempo, criam espaços de autonomia e de protagonistas no processo
produtivo e empresarial.
Atualmente as cooperativas de trabalho são impulsionadas predominantemente, por
duas situações. Uma, para evitar a perda de mais postos de trabalho diante da situação em
que as empresas empregadoras entram em processo de falência ou extinção, os
trabalhadores se organizam e sob orientação dos sindicatos que os representam, pleiteiam
junto aos patrões ou ministério público específico, o controle do patrimônio da empresa
para mantê-la produzindo evitando assim, o desemprego iminente, tornando-se um
empreendimento autogestionado pelos trabalhadores. Nestes casos, o empenho dos
trabalhadores é grande. Entretanto, podem contar hoje com uma instituição bastante
conhecida que oferece apoio e orientação aos grupos interessados, chamada ANTEAG-
Associação de Trabalhadores de Empresas Autogeridas ou de Participação Acionária, além
de alguns sindicatos que também apóiam essas iniciativas.
A outra situação, é a que visa possibilitar a reinserção na produção, pessoas que já
foram dela excluídas. Como já mencionamos, com a reestruturação e reorganização do
setor produtivo, predominantemente industrial, e a não absorção pelos setores comercial e
de serviços de todo ou grande parte do contingente desempregado, assim como daqueles
que chegam pela primeira vez ao mercado de trabalho, desenvolvem-se as alternativas
econômicas solidárias, como os projetos comunitários alternativos que são associações de
produtores, em geral pequenas demais para registrar como cooperativas e as cooperativas
populares ou de trabalho. Estas iniciativas produtivas também contam com apoio para sua
formação e desenvolvimento, das Incubadoras Tecnológicas de Cooperativas Populares,
criadas em importantes Universidades públicas, hoje em torno de 14 incubadoras. Também
a UNITRABALHO-Fundação Interuniversitária de Estudos e Pesquisas sobre o Trabalho,
assistem estes empreendimentos através dos Núcleos Locais distribuídos hoje em 17
Universidades em todo o país. A Rede Unitrabalho como um todo, interliga atualmente 86
universidades e instituições de ensino superior, que se agrupam em sete regionais e seus
respectivos Núcleos Locais multidisciplinares. Nesta situação estão incluídas também as
cooperativas formadas pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) e pela
Confederação Nacional dos Trabalhadores da Agricultura (CONTAG) nos assentamentos
de reforma agrária.
Como já indicamos, estas cooperativas se diferenciam pelo caráter operário e
democrático e vem em resposta a crise do trabalho. Crise esta que leva, não só os
trabalhadores menos qualificados ou despreparados como também os de mais elevada
qualificação, como os profissionais liberais, unirem-se em cooperativas pela dificuldade de
manterem suas estruturas de funcionamento de forma individual.
O crescimento desses empreendimentos vêm chamando a atenção também dos
poderes públicos municipais e estaduais, que passam a apóia-los e às entidades que
assistem as associações e cooperativas. Todos estes esforços se multiplicam à medida que
cada vez mais, excluídos descobrem na autogestão e na solidariedade, formas coletivas de
reinserção produtiva.
Avaliando o desenvolvimento das cooperativas de trabalho mais recentemente, vê-
se que elas vêm crescendo gradativamente em número. No período de 1975 a 1980 elas

9
cresceram 72%, passando de 181 para 313. Crescimento significativo para um período tão
curto. Veja na tabela 1 a seguir como se deu o desenvolvimento por região e no total.

Tabela 1: NÚMERO DE COOPERATIVAS DE TRABALHO NO


BRASIL SEGUNDO REGIÕES - 1975, 1978 e 1980.
REGIÃO Número de Cooperativas
1975 1978 1980

Região Norte 0 4 9
Região Nordeste 29 47 58
Região Sudeste 104 126 156
Região Sul 41 52 75

Brasil 181 239 313

Fonte: Dados básicos do INCRA – Instituto Nacional de Colonização e Reforma


Agrária
Apud: Perspectiva Econômica, 1982, p.150.

A região sudeste concentra o maior número destas cooperativas desde 1975,


destacando os Estados de São Paulo e Rio de Janeiro com maior participação na região. A
região sul é a segunda na classificação, com concentração significativa no Estado do Rio
Grande do Sul. Em seguida vem a região nordeste, centro-oeste e norte, com distribuição
entre os estados sem apresentar concentração importante em nenhum deles. Entretanto, as
maiores taxas de crescimento no número de cooperativas neste período, foram observadas
na região norte (125%), nordeste e centro-oeste (100%) e sul (82%). A região sudeste,
apesar da maior concentração, apresentou o menor crescimento, 50%, que mesmo assim, é
significativo.
A partir de 1990, o país da inicio a um processo de abertura de seus mercados às
importações e a implantação do Plano Real, que resultou no controle efetivo da inflação
devido à concorrência externa. Entretanto, resultaram na eliminação de uma grande
proporção de postos de trabalho industriais em função da reestruturação, inclusive as
generalizadas inovações tecnológicas e conseqüente automação do processo de produção,
como também, da reorganização técnica de gestão racionalizadora de trabalho em todo o
setor produtivo. Intensificou também o processo de privatização de inúmeras empresas
estatais provocando a demissão de outro tanto de trabalhadores, que em alguma medida,
alocariam-se em empresas contratadas, onde é visível a precarização das relações de
trabalho. Este movimento que pôs fim a um modelo econômico baseado no investimento
publico e no protecionismo, vem mobilizando cada vez mais os trabalhadores excluídos do

10
mercado de trabalho, a encontrar uma saída em relação aos seus problemas de emprego,
trabalho e geração de renda, formando associações e cooperativas.
É importante assinalar, que também na década de 90 se observa o surgimento e
desenvolvimento das organizações e instituições que apóiam, agregam e articulam todo tipo
de empreendimento associativo e cooperativo, como as já citadas: ANTEAG, MST,
Incubadoras de Cooperativas Populares, as Federações das Cooperativas de Trabalho
(FETRABALHO), Cáritas, além das oficiais já existentes ligadas a esfera governamental,
como a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Organizações de Cooperativas
Estaduais (OCES). Os sindicatos até a década de 90 adotavam uma postura de resistência a
este tipo de atividade, por entender que ficariam enfraquecidos, mas esta resistência vem
sendo gradativamente quebrada e alguns deles já apóiam abertamente esses
empreendimentos econômicos. Segundo Schneider & Vicente (1996:46), “Hoje vários
sindicatos se empenham na formação e articulação de grupos, visando à criação de
cooperativas habitacionais, de trabalho ou de serviços”.
O processo de crescimento das cooperativas de trabalho na década de 90 pode ser
visualizado com os dados da Organização das Cooperativas Brasileiras que apresentamos a
seguir.

Tabela II: EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE COOPERATIVAS

Ramo/Anos 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000
Agropecuário 1.400 1.438 1.402 1.393 1.334 1.378 1.403 1.449 1.408 1.437 1.448
Consumo 344 335 327 311 261 256 241 233 193 191 184
Infraestrutura 204 202 206 196 191 194 209 206 187 184 188
Educacional 112 103 112 101 105 106 176 187 193 210 225
Trabalho 528 566 598 629 825 986 699 1.025 1.334 1.661 1.949
Habitacional 136 161 177 190 176 174 190 231 202 216 222
Crédito 716 724 726 788 809 834 859 882 890 920 966
Saúde 468 530 585 698 757
Especial/Mineral/
Produção/Turism 71 108 110 135 145

Total 3.440 3.529 3.548 3.608 3.701 3.928 4.316 4.851 5.102 5.652 6.084
Obs.: de 1990 a 1995 as cooperativas médicas faziam parte do ramo de trabalho. A partir de 1996, elas foram excluídas daquele
ramo.

11
Evolução do Número de Cooperativas registradas na OCB,
desde 1990
2.500

2.000

1.500

1.000

500

-
1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000

Agropecuário Consumo
Infraestrutura Educacional
Trabalho Habitacional
Crédito Saúde
Especial/Mineral/Produção/Turismo

Dentre os 12 ramos de cooperativas existentes, conforme gráfico e tabela 2, a partir


de 1999 as cooperativas de trabalho superam numericamente todos os ramos, deixando em
segundo, terceiro e quarto lugar, respectivamente, as cooperativas agropecuárias, de
créditos e de saúde. De todos os ramos, apenas três apresentaram crescimento durante a
década. As cooperativas de trabalho foram as que mais cresceram, seguidas pelas de saúde
e de crédito, apresentando uma taxa de crescimento de 1990 a 2000 de 269%, 61,7% e 35%
respectivamente. Mesmo considerando apenas a partir de 1996, quando se separou as
cooperativas de saúde das de trabalho, mantém-se a tendência, com uma taxa de
crescimento no período de quatro anos de 178,8%. Em síntese, se depreende que as
cooperativas de trabalho estão crescendo e ganhando espaço e importância no sistema
cooperativista.

12
Taxa de Desemprego e nº de Cooperativas de Trabalho

2.500 14,00

12,00

2.000

10,00
Numero de Cooperativas

Taxa de Desemprego
N.º Cooperativas de Trabalho
1.500
8,00
Taxa (%) Dieese SP

Linha de tendência (No. de Cooperativas de


trabalho)
6,00
1.000 Linha de tendência (Taxa Dieese SP)

4,00

500

2,00

- -
1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000

Analisando no mesmo período, o comportamento das taxas de desemprego do


DIEESE-Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos e o
número de cooperativas de trabalho (Gráfico acima), é visível a tendência ascendente das
duas informações, ou seja, à medida que cresceu a taxa de desemprego, cresceu também o
número de cooperativas de trabalho. Esta constatação sedimenta a argumentação já
apresentada de que as cooperativas populares se apresentam como forma alternativa de
organização dos trabalhadores para propiciar, principalmente, a geração de trabalho e
renda.
Dentre a totalidade dos ramos agregados pela OCB, as cooperativas de trabalho
figuram como o sexto ramo que mais tem cooperados. Em junho de 2001, o total de
cooperados do sistema como um todo era de 4.639.255 e, destes, 297.865 são das
cooperativas de trabalho, muito próximo, inclusive, das cooperativas de saúde que
apresentaram 300.855 cooperados. Ainda segundo os dados da OCB no mesmo período, as
cooperativas de trabalho são o quinto ramo que mais oferece emprego, com um total de
6.993 empregados.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O sistema capitalista à medida que se desenvolve, gera cada vez mais modernização
tecnológica, aumenta e concentra riqueza ao mesmo tempo em que dissemina a pobreza. Os
vitimados por este processo, precisam de alguma forma, ganhar a vida e reintegrar-se a

13
divisão social do trabalho. Atualmente, os meios encontrados com freqüência pelos
trabalhadores apontam para as atividades econômicas informais e aquelas associativas e
coletivas, que se transformam em empreendimentos onde são proprietários e trabalhadores
e que vão competir no mercado com as empresas capitalistas tradicionais. As linhas
determinantes da economia popular solidária ainda estão em processo, mas se apresentam
como caminhos possíveis. Segundo SINGER (2000:14-5), no processo de construção da
economia solidária, os assalariados também se associam entre si e com pequenos
produtores, com fins de consumo, poupança, fundos, empréstimos, etc., objetivando
melhorar sua qualidade de vida. São também iniciativas de não-capitalistas ou pessoas
possuidoras de meios individuais de produção e distribuição, que apenas ganham a vida
com a venda de seus produtos e aqueles que vendem sua força de trabalho e dela dependem
para a sua manutenção e sobrevivência. O ponto em comum entre as duas categorias de
trabalhadores, é que eles dependem das suas atividades produtivas para sobreviverem. Vale
lembrar, como disse o citado autor, que a solidariedade é maior entre os pobres que entre os
ricos. Portanto, há uma perspectiva positiva nesse processo, que pode explicar inclusive, a
expansão recente das atividades econômicas associativas em vários campos e que poderá se
estender a todos os campos do sistema econômico.
Pelas investigações e atividades já realizadas, indica-se que o trabalho associado
proporciona uma situação de estabilidade aos envolvidos, há muito não sentido nem mesmo
pelos trabalhadores empregados, que vêm passando por situações de insegurança pela
ameaça sempre presente do desemprego iminente. Também sentida, e ainda mais, por
aqueles que estão em postos flexíveis de trabalho, onde se sabe que é temporário e, ora
estão integrados ora não, no mercado de trabalho. Para os que já estão na informalidade,
tudo passa a depender de seu único esforço, sentindo-se sozinho e à própria sorte, com o
peso inclusive da culpa por se encontrar nesta situação, como já apontou Viviane Forrester
em seu bestseller O Horror Econômico.
A convivência coletiva permite a que os trabalhadores, ao mesmo tempo em que
produzem meio de vida e geram renda, proporciona alguma segurança, visto que deles
depende, em grande medida, o seu futuro e o sucesso de seu empreendimento, não mais de
um patrão ou empregador ao qual deve obediência. Obviamente, há também riscos e
inseguranças, principalmente por tratar-se de situações muitas vezes não vividas ainda, e
por estes empreendimentos estarem conectados com o mercado capitalista. Entretanto,
penso que propiciam a sensação de, minimamente, não serem surpreendidos com decisões
das quais não participam e tampouco tenham acesso e controle. Podem ganhar
autoconfiança, até porque, investem tudo de si em si mesmos, além de compartilhar da
troca de experiência e conhecimentos acumulados, como também o convívio social, a
educação básica e profissionalizante em processo permanente, como é desejável que ocorra.
Outro dado importante a ser considerado neste processo é o fato de outros atores
passarem também a atuar nesse cenário em apoio às alternativas econômicas populares. As
Universidades, neste caso, através das Incubadoras e da Rede UNITRABALHO, põe seu
saber a serviço dos trabalhadores e não do capital, ao menos não diretamente, mas que de
toda forma, o sujeito principal é o trabalhador. Cumpre seu papel social, que é de colocar
seus conhecimentos buscando soluções para os problemas reais das comunidades nas quais
estão inseridas e num plano mais amplo, para os problemas nacionais. Outras instituições
nascidas do próprio sistema coletivo, como a ANTEAG, ADS e Federações de
Cooperativas populares, desempenham um papel agregador e de fortalecimento das
iniciativas econômicas que representam.

14
A política neoliberal provocou o efeito desejável ao capital ao exacerbar a
acumulação de riqueza e concentração de renda, mas, por outro lado, também exacerbou a
precariedade das condições de trabalho e de vida para a grande maioria da população. E,
nesse sentido, para que ela mesma tenha um desenvolvimento sustentável, deve deixar de
ter um Estado mínimo, como se apregoou, ou seja, nesta situação, exige-se cada vez mais a
ação do Estado em termos de políticas públicas que atenda a grande massa de excluídos e
de apoio aos empreendimentos produtivos populares. Não se propôs neste texto discutir a
efetividade destas políticas, mas vale assinalar, que avaliações já realizadas apontaram
serem, no geral, mínimas. De qualquer forma, e o que é pior, são recursos públicos
efetivamente gastos, sem o retorno esperado junto à população que dele necessita. Esta
contradição lembra a discussão apresentada por ANTUNES (2001:22-8), referenciada na
síntese realizada por István Mészáros, sobre o sistema de metabolismo social e seu núcleo
constitutivo formado pelo tripé capital, trabalho e Estado4, onde diz que,

é inconcebível emancipar o trabalho sem simultaneamente superar o capital e também o Estado. Isso
porque, paradoxalmente, o material fundamental que sustenta o pilar do capital não é o Estado, mas
o trabalho, em sua contínua dependência estrutural do capital (...). Enquanto as funções
controladoras vitais do metabolismo social não forem efetivamente tomadas e autonomamente
exercidas pelos produtores associados, mas permanecerem sob a autoridade de um controle pessoal
separado (isto é, o novo tipo de personificação do capital), o trabalho como tal continuará
reproduzindo o poder do capital sobre si mesmo, mantendo e ampliando materialmente a regência da
riqueza alienada sobre a sociedade.

Em síntese, o processo de cooperação produtiva é um dos caminhos que deve ser


trilhado. Ele pode transformar o meio social, queiramos ou não, embora seja um processo
de conquista gradativa. Pode fortalecer a democracia e a solidariedade ou apenas estagnar
dentro dos limites das relações mercantis e capitalistas dominantes. Mas, o trabalho não
perde a centralidade, ao contrário, será disputado dentro dos interesses do capital, e estas
atividades econômicas coletivas podem permanecer na periferia ou franjas do sistema, onde
o trabalhador nela inserido pode ser ainda mais explorado pela via das subcontratações, ou
mesmo pela intensificação do trabalho para os que permanecem formalmente empregados.
De qualquer forma, salvo exceção, o imenso número de desempregados, nunca ou
dificilmente será transformado em exército ativo enquanto trabalho assalariado no
capitalismo neoliberal. Entendemos, portanto, que o desejável e a melhor alternativa seria
efetivamente, uma melhor distribuição da riqueza e da renda gerada em escala mundial,
visto que, a globalização tem o efeito de concentra-la mundialmente. Entretanto, ainda é
preferível ao ser humano dentro deste sistema, o trabalho e o viver coletivo e solidário.

4
Segundo Antunes, “O desafio formulado por István Mészáros é superar o tripé em sua totalidade, nele
incluído o seu pilar fundamental, dado pelo sistema hierarquizado de trabalho, com sua alienante divisão
social que subordina o trabalho ao capital, tendo como elo de complementação o Estado político”.

15
REFERÊNCIAS

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: Ensaios sobre a afirmação e a negação do


trabalho. São Paulo: Boitempo, 4º ed., 2001.

ARRUDA, M. O “Feminino Criador”: Socioeconomia Solidária e Educação. Artigos e


Histórias da Socieconomia Solidária. Rio de janeiro: PACS, 1998.

CIÊNCIAS SOCIAIS Unisinos. Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciências


Sociais Aplicadas da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. São Leopoldo, n. 159, 2001.

CULTI, Maria Nezilda. SÓCIOS DO SUOR: Cooperativas de Trabalho. In: O Mundo do


Trabalho e a Política. Maringá: EDUEM, 2000.

CULTI, Maria Nezilda; CORRADI, Ricardo A. DESEMPREGADOS: A esperança do


emprego. In: Encontro Nacional de Estudos do Trabalho, 7, 2001. Salvador. Anais...,CD-
ROM, Salvador, outubro, 2001.

GAIGER, Luiz I.G. & Outros. A Economia Solidária no RS: Viabilidade e Perspectivas.
Cadernos Cedope, São Leopoldo, UNISINOS, ano 10, n.15, 1999.

NETO, Antonio C. Relações de Trabalho e Negociação Coletiva na Virada do Milênio.


Petrópolis: Vozes, 2001.

OLIVEIRA, T.C. O Desenvolvimento das Cooperativas de Trabalho no Brasil. In:


Perspectiva Econômica. São Leopoldo, v.12, n.38, 1982.

PINHO, Diva B. O Pensamento Cooperativo e o Cooperativismo Brasileiro. São Paulo:


Coopercultura, v.1, 1982.

________. A Doutrina Cooperativa nos Regimes Capitalistas e Socialistas. São Paulo:


Cooperativa, v.2, 1982.

SCHNEIDER, J. O; VICENTE, J.H.V. A Reestruturação Produtiva e as Cooperativas de


Trabalho. In: Perspectiva Econômica. São Leopoldo, v.31, n.94, 1996.

SCHNEIDER, José Odelso. O Panorama Mundial, Nacional e Estadual do Cooperativismo.


In: Perspectiva Econômica. São Leopoldo, v.12, n.38, 1982.

SINGER, Paul; SOUZA, André R. de. A Economia Solidária no Brasil: A autogestão como
resposta ao desemprego. São Paulo: Contexto, 2000.

________. Uma utopia militante: repensando o socialismo. Petrópolis: Vozes,1998

16