Você está na página 1de 1

3 Abril 2009

PORTUGAL
Portugal Telecom faz desconto a clientes desempregados
Os clientes desempregados da Portugal Telecom vão pagar metade do valor da factura até ao
final deste ano, até um máximo de 7,50 euros, desde que estejam nessa situação há mais de
seis meses. “A PT é uma empresa consciente do seu papel na sociedade portuguesa e como
tal não poderia deixar de estar próximo dos seus clientes nesta situação de maior dificuldade”,
disse à agência Lusa o presidente executivo da Portugal Telecom, Zeinal Bava, referindo-se à
actual conjuntura de crise. Por isso, a PT Comunicações vai atribuir a partir de Abril um
desconto de 50 por cento sobre o valor total da factura de serviço fixo telefónico, até um
máximo de 7,50 euros por factura a todos os seus clientes que se encontrem em situação de
desemprego há mais de seis meses.

HÁ ALUNOS QUE JÁ NÃO TÊM O COMPUTADOR

Magalhães podem estar no mercado negro


O computador Magalhães é entregue aos alunos do tiveram qualquer acesso ao Magalhães porque não
primeiro ciclo em regime de propriedade plena, mas receberam nenhum”, afirmou. “Dou-lhe um exemplo:
alguns professores já alertaram para casos em que os É impensável fazer uma sessão de esclarecimento caso
portáteis podem já não estar com as crianças, e ter sido a caso, não há tempo. Eu até podia preparar uma sessão
cedidos ou até vendidos. para um grupo de pais e projectava as imagens para que
Helena Amaral, professora no Agrupamento da os pais percebessem como se faz, mas o Magalhães
Escola Quinta de Marrocos, em Benfica, contou à Lusa nem sequer pode ser ligado a um projector”.
que os problemas de desaparecimento dos Magalhães Questionada sobre a hipótese de as escolas
“já eram esperados nalguns casos”. guardarem os equipamentos para garantir que eles
“Tenho o exemplo de uma família com três irmãos, ficavam com o aluno que o recebeu e não eram
todos receberam um computador Magalhães de borla vendidos ou dados a terceiros, a docente respondeu:
porque pertencem ao escalão social A. Duvido que eles “Nem pensar. Eu não posso assumir isso. As escolas
ainda tenham algum em casa”, afirmou, lembrando eram assaltadas logo a seguir”.
que, nalguns casos, quando os professores avisam o dia Sindicato diz que iniciativa do Governo foi
em que o computador é necessário na aula, os alunos “precipitada e trapalhona”
faltam sempre. O responsável pelo Ensino Básico no Sindicato dos
“Nestes casos nós percebemos que os computadores Professores da Grande Lisboa reconheceu que o
já devem ter levado algum outro destino”, disse. Magalhães “é um excelente instrumento de trabalho,
“Este projecto começou muito mal desde o início. Os com muitas virtualidades”, mas lembrou que a
professores não receberam qualquer informação e nem iniciativa do Governo foi “precipitada”.

Número de empresas falidas aumentou 51 por cento


No primeiro semestre de 2008 faliram 7.093 empresas, um crescimento de 51 por cento em relação aos primeiros
seis meses do ano anterior e de 9 por cento em relação à segunda metade de 2007.
De acordo com dados solicitados pela Lusa ao Instituto Nacional de Estatística (INE), dissolveram-se 6.898
sociedades por quotas na primeira metade de 2008, um acréscimo de 51 por cento face ao período homólogo.
Em relação aos seis meses anteriores, registou-se uma subida de 9 por cento. Estes números são anteriores ao
início da degradação da situação económica, que ocorreu na sequência da falência do banco de investimento
Lehman Brothers e que já originou o encerramento de algumas empresas. O maior aumento das falências
verificou-se, porém, nas sociedades anónimas, que registou uma subida de 86 por cento, para 171, quando
comparado com o período homólogo. Face aos seis meses imediatamente anteriores, faliram mais 12 por cento
sociedades anónimas. As restantes 24 falências ocorridas na primeira metade de 2008 aconteceram em empresas
com outro tipo de forma jurídica, que não sociedades por quotas e anónimas.
PUB.