Você está na página 1de 26

1

UNIP INTERATIVA Projeto Integrado Multidisciplinar Cursos Superiores de Tecnologia

IMPLANTAÇÃO DE TERMINAIS COMPUTACIONAIS PARA A COPA DO MUNDO E OS JOGOS OLIMPICOS.

Pólo de Campo Mourão PR

2013

2

UNIP INTERATIVA Projeto Integrado Multidisciplinar Cursos Superiores de Tecnologia

IMPLANTAÇÃO DE TERMINAIS COMPUTACIONAIS PARA A COPA DO MUNDO E OS JOGOS OLIMPICOS.

Nome: Alexandre de Souza Brito RA: 1223990 Curso: Gestão da Tecnologia da Informação Semestre: quatro

Pólo de Campo Mourão PR

2013

3

Resumo

A empresa BRITTUS SISTEMAS foi contratada pelos órgãos organizadores da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos de 2016, que serão realizados no Brasil, para o desenvolvimento de um projeto que contemple a instalação de micro terminais nos terminas de metrô e nos vários pontos estratégicos das cidades de São Paulo e do Rio de Janeiros, pontos estes definidos pelos órgãos organizadores juntamente com as Prefeituras das cidades supracitadas.

Estes terminais estarão conectados em DATACENTERS que estarão centralizados no Rio de Janeiro e São Paulo, estes terminais são conhecidos como THINCLIENTS, é um computador cliente em uma rede de modelo cliente-servidor de duas camadas o qual tem poucos ou nenhuns aplicativos instalados, de modo que depende primariamente de um servidor central para o processamento de atividades.

Estes terminais terão a finalidade de servir os turistas para que os mesmos realizem consultas sobre os jogos, tais como, informação sobre todos os atletas, classificação, lugares dos eventos, informações sobre os principais pontos turísticos das cidades sedes através de um sistema web prático, com multilinguagem para atender a todos, independente de sua nacionalidade.

Palavras-chave: Copa do Mundo, Jogos Olímpicos, Thin Clients, Linux.

4

Abstract

The company was hired BRITTUS SYSTEMS bodies organizers of the 2014 World Cup and 2016 Olympic Games, to be held in Brazil for the development of a project that includes the installation of micro terminals in the subway and you finish in various strategic points the cities of São Paulo and Rio de Januarys, points defined by these bodies organizers along with the local governments of the cities mentioned above.

These terminals are connected in centralized data centers that will be in Rio de Janeiro and São Paulo, these terminals are known as thin clients, is a client computer on a network of client-server model of two layers which have few or no applications installed, so that depends primarily on a central server for processing activities.

These terminals have the purpose of serving the tourists so that they perform queries about the games, such as information on all athletes, classification, places of events, information about the main sights of the host cities through a practical web system, with multilingual to cater for everyone, regardless of their nationality.

Keywords: World Cup, Olympic Games, Thin Clients, Linux

5

Sumário

Estudo de Caso------------------------------------------------------------------------------------06 Thin Clients----------------------------------------------------------------------------------------08 Vantagem do uso dos Thin-----------------------------------------------------------------------09 CO System-----------------------------------------------------------------------------------------09

Webalizer-------------------------------------------------------------------------------------------14

Sustentabilidade-----------------------------------------------------------------------------------15

TI Verde--------------------------------------------------------------------------------------------23

6

Introdução

O presente projeto foi elaborado a pedido das Instituições Organizadoras da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos Rio 2016, tendo como objetivo a implantação de terminais computacionais nas cidades do Rio de Janeiro e São Paulo com a finalidade de tornar objetivo e prática para os turistas que por ocasião dos jogos estarão no Brasil toda a informação necessária sobre os eventos, tais como, local, hora, jogos, estáticas das equipes e dos atletas, atuando com uma logística eficiente.

Os terminais eu será utilizado é conhecido como THIN CLIENTS ou terminais magros, que são computadores que possuem poucos softwares instalados e para acesso as informações utilizando o protocolo de conexão remota.

Utilizaremos os Thin Clients, por serem equipamentos com baixo consumo elétrico e de fácil manutenção, produzindo baixo impacto ambiental, menor geração de resíduos.

7

Estudo de Caso

Abaixo segue o diagrama de distribuição dos terminais nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

Todos os terminais utilizaram sistema Operacional Debian e farão conexão

remota X11, que estará hospedada no DATACENTER que ficará na sede da
remota
X11,
que
estará
hospedada
no
DATACENTER
que
ficará
na
sede
da

organização. Abaixo modelo dos equipamentos adotados na execução do projeto

8

8 Os equipamentos ficarão alojados em todos os terminais metropolitanos das cidades de São Paulo ecomputador cliente em uma rede de modelo cliente-servidor de duas camadas o qual tem poucos ou nenhuns aplicativos instalados, de modo que depende primariamente de um servidor central para o processamento de atividades. A palavra "thin" se refere a uma pequena imagem de boot que tais clientes tipicamente requerem - talvez não mais do que o necessário para fazer a conexão com a rede e iniciar um navegador web dedicado ou uma conexão de "Área de Trabalho Remota" tais como X11, Citrix ICA o uMicrosoft RDP. Em contraste, um thick (ou fat) client executa tanto processamento quanto possível e passa ao servidor somente dados necessários para comunicação e armazenamento de arquivos. " id="pdf-obj-7-5" src="pdf-obj-7-5.jpg">

Os equipamentos ficarão alojados em todos os terminais metropolitanos das cidades de São Paulo e Rio de Janeiro e em locais estratégicos definidos pela organização dos eventos.

Este projeto tem a finalidade de disponibilizar serviços web para informação sobre a logística dos eventos, levando em consideração a sustentabilidade, ou seja, utilizaremos produtos sustentáveis, mais resistentes gerando assim menor lixo eletrônico. Salientamos também que o uso dos thin clients possibilitam a redução nos custos de consumo de energia, Instalação da estrutura, licença de softwares e manutenção preventiva e corretiva, além de ter um consumo de energia muito baixo, ainda gera uma menor dissipação de calor para o ambiente.

Thin Clients, os terminais magros.

Um thin client ("cliente magro") é um computador cliente em uma rede de modelo cliente-servidor de duas camadas o qual tem poucos ou nenhuns aplicativos instalados, de modo que depende primariamente de um servidor central para o processamento de atividades. A palavra "thin" se refere a uma pequena imagem de boot que tais clientes tipicamente requerem - talvez não mais do que o necessário para fazer a conexão com a rede e iniciar um navegador web dedicado ou uma conexão de "Área de Trabalho Remota" tais como X11, Citrix ICA ouMicrosoft RDP.

Em contraste, um thick (ou fat) client executa tanto processamento quanto possível e passa ao servidor somente dados necessários para comunicação e armazenamento de arquivos.

9

Ao se projetar um aplicativo cliente-servidor, há uma decisão a ser tomada sobre quais partes da tarefa devem ser executadas no cliente e quais o seriam no servidor. Esta decisão pode afetar de modo crucial o custo de clientes e servidores, a robustez e a segurança do aplicativo como um todo e a flexibilidade do projeto para uma modificação ou porte posterior para outra plataforma.

Uma questão de projeto é o quão específico o programa aplicativo do cliente deverá ser. Usar programas de clientes padronizados tais como um navegador Web ou um gerenciador de janelas X11, pode economizar custos de desenvolvimento, visto que não se precisa desenvolver um cliente customizadomas, devem-se aceitar as limitações do cliente padrão.

Dependendo do resultado destas decisões, poderemos dizer se vamos usar um thin client, um thick ou fat client ou uma mistura de ambos.

Um thin client é um computador de rede diskless, projetado para ser pequeno e de custo reduzido. Ele executa aplicativos cliente/servidor, onde o processamento em massa dos dados ocorre no servidor.

Vantagens do uso dos thin clients

Baixo custo de administração de TI.

Facilidade de proteção.

Baixo custo de hardware.

Menor custo para licenciamento de softwares.

Baixo consumo de energia.

Valor desprezível para a maioria dos ladrões.

Resistência a ambientes hostis.

Menor dissipação de calor para o ambiente (economia com ar condicionado).

Mais silencioso que um PC convencional.

10

Não necessita de ser substituído com a mesma freqüência de um PC convencional, gerando menos lixo eletrônico.

Mais agilidade para rodar planilhas complexas que utilizam macros e tabelas dinâmicas.

O Sistema CO SYSTEM

O sistema responsável por atender a demanda solicitada, será o CO SYSTEM, um sistema desenvolvido em Java, que irá disponibilizar para o usuário uma interface interativa em que os mesmos poderão fazer consultas de todas as informações que desejarem sobre os eventos mencionados neste projeto, o banco de dados utilizado para armazenar as informações será o ORACLE, banco de dados relacional extremamente conhecido por todas grandes empresas de desenvolvimento de software.

Abaixo, traremos informações relevantes sobre a linguagem JAVA e o banco de dados ORACLE.

Java é uma linguagem de programação e uma plataforma de computação lançada pela primeira vez pela Sun Microsystems em 1995. É a tecnologia que capacita muitos programas da mais alta qualidade, como utilitários, jogos e aplicativos corporativos, entre muitos outros, por exemplo. O Java é executado em mais de 850 milhões de computadores pessoais e em bilhões de dispositivos em todo o mundo, inclusive telefones celulares e dispositivos de televisão.

Por que o Java é necessário?

Há muitos aplicativos e sites que funcionam somente com o Java instalado, e muitos outros aplicativos e sites são desenvolvidos e disponibilizados com o suporte dessa tecnologia todos os dias. O Java é rápido, seguro e confiável. A tecnologia Java está em todo lugar! Ela pode ser encontrada em laptops, datacenters, consoles de jogo, supercomputadores científicos, telefones celulares e até na Internet.

Java é uma linguagem de programação orientada a objeto desenvolvida na década de 90 por uma equipe de programadores chefiada por James Gosling, na empresa Sun Microsystems. Diferentemente das linguagens convencionais, que são compiladas para código nativo, a linguagem Java é compilada para um bytecode que

11

é executado por uma máquina virtual. A linguagem de programação Java é a linguagem convencional da Plataforma Java, mas não sua única linguagem.

História

Em 1991, na Sun Microsystems, foi iniciado o Green Project, o berço do Java, uma linguagem de programação orientada a objetos. Os mentores do projeto eram Patrick Naughton, Mike Sheridan, e James Gosling. O objetivo do projeto não era a criação de uma nova linguagem de programação, mas antecipar e planejar. Eles acreditavam que, em algum tempo, haveria uma convergência dos computadores com os equipamentos e eletrodomésticos comumente usados pelas pessoas no seu dia-a-dia.

Para provar a viabilidade desta idéia, 13 pessoas trabalharam arduamente durante 18 meses. No verão de 1992 eles emergiram de um escritório de Sand Hill Road, no Menlo Park, com uma demonstração funcional da ideia inicial. O protótipo se chamava *7 (lê-se ―StarSeven‖), um controle remoto com uma interface gráfica touchscreen. Para o *7, foi criado um mascote, hoje amplamente conhecido no mundo Java, o Duke. O trabalho do Duke no *7 era ser um guia virtual ajudando e ensinando o usuário a utilizar o equipamento. O *7 tinha a habilidade de controlar diversos dispositivos e aplicações. James Gosling especificou uma nova linguagem de programação para o *7. Gosling decidiu batizá-la de Oak, que quer dizer carvalho, uma árvore que ele podia observar quando olhava pela sua janela.

O próximo passo era encontrar um mercado para o *7. A equipe achava que uma boa idéia seria controlar televisões e vídeo por demanda com o equipamento. Eles construíram uma demonstração chamada de MovieWood, mas infelizmente era muito cedo para que o vídeo por demanda bem como as empresas de TV a cabo pudessem viabilizar o negócio. A idéia que o *7 tentava vender, hoje já é realidade em programas interativos e também na televisão digital. Permitir ao telespectador interagir com a emissora e com a programação em uma grande rede de cabos, era algo muito visionário e estava muito longe do que as empresas de TV a cabo tinham capacidade de entender e comprar. A idéia certa, na época errada.

Entretanto, o estouro da internet aconteceu e rapidamente uma grande rede interativa estava se estabelecendo. Era este tipo de rede interativa que a equipe do *7 estava tentando vender para as empresas de TV a cabo. E, da noite para o dia, não era

12

mais necessário construir a infraestrutura para a rede, ela simplesmente estava lá. Gosling foi incumbido de adaptar o Oak para a internet e em janeiro 1995 foi lançada uma nova versão do Oak que foi rebatizada para Java. A tecnologia Java tinha sido projetada para se mover por meio das redes de dispositivos heterogêneos, redes como a internet. Agora aplicações poderiam ser executadas dentro dos navegadores nos Applets Java e tudo seria disponibilizado pela internet instantaneamente. Foi o estático HTML dos navegadores que promoveu a rápida disseminação da dinâmica tecnologia Java. A velocidade dos acontecimentos seguintes foi assustadora, o número de usuários cresceu rapidamente, grandes fornecedores de tecnologia, como a IBM anunciaram suporte para a tecnologia Java.

Desde seu lançamento, em maio de 1995, a plataforma Java foi adotada mais rapidamente do que qualquer outra linguagem de programação na história da computação. Em 2004 Java atingiu a marca de 3 milhões de desenvolvedores em todo mundo. Java continuou crescendo e hoje é uma referência no mercado de desenvolvimento de software. Java tornou-se popular pelo seu uso na internet e hoje possui seu ambiente de execução presente em navegadores, mainframes, sistemas operacionais, celulares, palmtops, cartões inteligentes etc.

Padronização

Em 1997 a Sun Microsystems tentou submeter a linguagem a padronização pelos órgãos ISO/IEC e ECMA, mas acabou desistindo. Java ainda é um padrão de fato, que é controlada através da JCP Java Community Process. Em 13 de novembro de 2006, a Sun lançou a maior parte do Java como Software Livre sob os termos da GNU General Public License (GPL). Em 8 de maio de 2007 a Sun finalizou o processo, tornando praticamente todo o código Java como software de código aberto, menos uma pequena porção da qual a Sun não possui copyright.

Características A linguagem Java foi projetada tendo em vista os seguintes objetivos:

Orientação a objetos - Baseado no modelo de Simula67

Portabilidade - Independência de plataforma - "escreva uma vez, execute em qualquer lugar" ("write once, run anywhere").

13

Recursos de Rede - Possui extensa biblioteca de rotinas que facilitam a cooperação com

protocolos TCP/IP, como HTTP e FTP. Segurança - Pode executar programas via rede com restrições de execução.

Além disso, podem-se destacar outras vantagens apresentadas pela linguagem:

Sintaxe similar a C/C++

Facilidades de Internacionalização - Suporta nativamente caracteres Unicode

Simplicidade na especificação, tanto da linguagem como do "ambiente" de execução

(JVM) É distribuída com um vasto conjunto de bibliotecas (ou APIs)

Possui facilidades para criação de programas distribuídos e multitarefa (múltiplas linhas

de execução num mesmo programa) Desalocação de memória automática por processo de coletor de lixo.

Carga Dinâmica de Código - Programas em Java são formados por uma coleção de classes armazenadas independentemente e que podem ser carregadas no momento de utilização.

Abaixo segue um fluxograma com os aplicativos disponíveis nos thin clients.

14

Abaixo mostraremos de forma ilustrativa alojados os terminais no Rio de Janeiro e São Paulo.

os principais locais, onde ficarão

14 Abaixo mostraremos de forma ilustrativa alojados os terminais no Rio de Janeiro e São Paulo.
14 Abaixo mostraremos de forma ilustrativa alojados os terminais no Rio de Janeiro e São Paulo.

Será disponibilizado um sistema de relatório com estatísticas com de acessos em modo gráfico de todos os terminais, assim como um ranking dos pontos turísticos mais acessados, para disponibilizar isto faremos o uso de um ferramenta opensource, para

15

trabalhar com servidores web, conhecida côo WEBALIZER, está por ser em linguagem C, será toda customizada para atender a demanda da organização.

Webalizer

O Webalizer é uma poderosa ferramenta escrita em C que analisa os logs do seu servidor de páginas Apache e gera páginas de estatísticas completa, incluindo os correspondentes gráficos. Por ser escrita em C, possui uma velocidade fantástica,

analisando milhares de linhas de log em segundos. Retirado do seu site: ―Em uma

máquina Pentium 200, mais de 10 mil linhas podem ser processadas em 1 segundo, e

um arquivo de 40MB sendo alisado em 15 segundos (mais de 150.000 linhas).‖

Além disso, ele suporta diferentes tipos de arquivos de log, incluindo o formato Comum do Apache, o Formato Combinado, e suporte aos formatos de log do wu-ftpd (xferlog) e do squid. Está disponível em diversas línguas, incluindo o Português do Brasil. Além de ser Software Livre, claro. Só vemos vantagens neste programa, e é para isso que criei este tutorial, para ajudar a quem precisar usá-lo para montar estatísticas de seu servidor.

Abaixo mostraremos um exemplo de gráficos gerados com o webalizer.

15 trabalhar com servidores web, conhecida côo WEBALIZER, está por ser em linguagem C, será toda

Visando o desenvolvimento sustentável, o baixo consumo de energia e não menos importante a redução de impactos ambientais, adotaremos meio eficazes de geração de energia renovável.

16

Desenvolvimento sustentável é um conceito sistêmico que se traduz num modelo de desenvolvimento global que incorpora os aspectos de desenvolvimento ambiental. Foi usado pela primeira vez em 1987, no Relatório Brundtland, um relatório elaborado pela Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, criado em 1983 pela Assembléia das Nações Unidas.

A definição mais usada para o desenvolvimento sustentável é:

O desenvolvimento que procura satisfazer as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazerem as suas próprias necessidades, significa possibilitar que as pessoas, agora e no futuro, atinjam um nível satisfatório de desenvolvimento social e econômico e de realização humana e cultural, fazendo, ao mesmo tempo, um uso razoável dos recursos da terra e preservando as espécies e os habitats naturais.

O campo do desenvolvimento sustentável pode ser conceitualmente dividido em

três componentes:

econômica e sustentabilidade sociopolítica. Os três pilares do desenvolvimento sustentável.

Sustentabilidade ambiental

Como evoluir do tempo e dos conhecimentos técnicos, o desenvolvimento sustentável foi crescendo como resposta às assimetrias globais, e aos problemas locais e intertransfronteiriços. A sustentabilidade ambiental consiste na manutenção das funções e componentes do ecossistema, de modo sustentável, podendo igualmente designar-se como a capacidade que o ambiente natural tem de manter as condições de vida para as pessoas e para os outros seres vivos, tendo em conta a habitabilidade, a beleza do ambiente e a sua função como fonte de energias renováveis.

As Nações Unidas, através do sétimo ponto das Metas de desenvolvimento do milênio procura garantir ou melhorar a sustentabilidade ambiental, através de quatro objetivos principais:

17

Integrar os princípios do desenvolvimento sustentável nas políticas e programas nacionais e reverter a perda de recursos ambientais.

Reduzir de forma significativa a perda da biodiversidade.

Reduzir para metade a proporção de população sem acesso a água potável e saneamento básico.

Alcançar, até 2020 uma melhoria significativa em pelo menos cem milhões de pessoas a viver abaixo do limiar da pobreza.

Sustentabilidade econômica

A sustentabilidade econômica, enquadrada no âmbito do desenvolvimento sustentável é um conjunto de medidas e políticas que visam a incorporação de preocupações e conceitos ambientais e sociais. Aos conceitos tradicionais de mais valias econômicas são adicionados como fatores a ter em conta, os parâmetros ambientais e socioeconômicos, criando assim uma interligação entre os vários setores. Assim, o lucro não é somente medido na sua vertente financeira, mas igualmente na vertente ambiental e social, o que potencia um uso mais correto quer das matérias primas, como dos recursos humanos. Há ainda a incorporação da gestão mais eficiente dos recursos naturais, sejam eles minerais, matéria prima como madeira ou ainda energéticos, de forma a garantir uma exploração sustentável dos mesmos, ou seja, a sua exploração sem colocar em causa o seu esgotamento, sendo introduzidos elementos como nível ótimo de poluição ou as externalidades ambientais, acrescentando aos elementos naturais um valor econômico.

Sustentabilidade sócio-política

A sustentabilidade sócio-política centra-se no equilíbrio social, tanto na sua vertente de desenvolvimento social como socioeconômica. É um veículo de humanização da economia, e, ao mesmo tempo, pretende desenvolver o tecido social nos seus componentes humanos e culturais.

Neste sentido, foram desenvolvidos dois grandes planos: a agenda 21 e as metas de desenvolvimento do milênio.

18

A Agenda 21 é um plano global de ação a ser tomada a nível global, nacional e local, por organizações das Nações Unidas, governos, e grupos locais, nas diversas áreas onde se verificam impactes significativos no ambiente. Em termos práticos, é a mais ambiciosa e abrangente tentativa de criação de um novo padrão para o desenvolvimento do século XXI, tendo por base os conceitos de desenvolvimento sustentável.

As Metas de Desenvolvimento do Milênio (MDM) surgem da Declaração do Milênio das Nações Unidas, adotada pelos 191 estados membros no dia oito de Setembro de 2000. Criada em um esforço para sintetizar acordos internacionais alcançados em várias cúpulas mundiais ao longo dos anos 1990 relativos ao meio- ambiente e desenvolvimento, direitos das mulheres, desenvolvimento social, racismo, entre outras, a Declaração traz uma série de compromissos concretos que, se cumpridos nos prazos fixados, segundo os indicadores quantitativos que os acompanham, deverão melhorar o destino da humanidade neste século. Esta declaração menciona que os governos "não economizariam esforços para libertar nossos homens, mulheres e crianças das condições abjetas e desumanas da pobreza extrema", tentando reduzir os níveis de pobreza, iliteracia e promovendo o bem estar social. Estes projetos são monitorizados com recurso ao Índice de Desenvolvimento Humano, que é uma medida comparativa que engloba três dimensões: riqueza, educação e esperança média de vida.

Como nos propomos a atuarmos de forma a garantir o desenvolvimento sustentável e a preservação do meio ambiente, abaixo segue informações importância sobre energia renovável e T.I Verde.

Energia Renovável

A

energia

renovável é

a energia que

vem

que

são recursos

renováveis (naturalmente reabastecidos). Em 2008, cerca de 19% do consumo mundial

de energia veio de fontes renováveis, com 13% provenientes da tradicional biomassa, que é usada principalmente para aquecimento, e 3,2% a partir

da hidroeletricidade. Novas energias

renováveis

(pequenas

hidrelétricas,

biomassa,

eólica, solar, geotérmica e biocombustíveis) representaram

outros

2,7%

e

este

percentual está crescendo muito rapidamente. A percentagem das energias renováveis

19

na geração de eletricidade é de cerca de 18%, com 15% da eletricidade global vindo de hidrelétricas e 3% de novas energias renováveis.

A energia do Sol é convertida de várias formas para formatos conhecidos, como a biomassa (fotossíntese), a energia hidráulica (evaporação), a eólica (ventos) e a fotovoltaica, que contêm imensa quantidade de energia, e que são capazes de se regenerar por meios naturais.

A geração de energia eólica está crescendo à taxa de 30% ao ano, com uma capacidade instalada a nível mundial de 157,9 mil megawatts (MW) em 2009, e é amplamente utilizada na Europa, Ásia e nos Estados Unidos. No final de 2009, as instalações fotovoltaicas (PV) em todo o globo ultrapassaram 21.000 MW e centrais fotovoltaicas são populares na Alemanha e na Espanha. Centrais de energia térmica solar operam nos Estados Unidos e Espanha, sendo a maior destas a usina de energia solar do Deserto de Mojave, com capacidade de 354 MW.

A

maior

instalação

de energia

mundo

é The

na

Califórnia, com uma capacidade nominal de 750 MW. O Brasil tem um dos maiores programas de energia renovável no mundo, envolvendo a produção de álcool combustível a partir da cana de açúcar, e atualmente o etanol representa 18% dos

combustíveis automotivos do país. O etanol combustível também é amplamente disponível nos Estados Unidos.

As fontes de energia podem ser divididas em dois grupos principais:

permanentes (renováveis) e temporários (não-renováveis). As fontes permanentes são aquelas que têm origem solar, no entanto, o conceito de renovabilidade depende da escala temporal que é utilizado e os padrões de utilização dos recursos.

Assim, são considerados os combustíveis fósseis não-renováveis já que a taxa de utilização é muito superior à taxa de formação do recurso propriamente dito.

Não-renováveis

Os combustíveis fósseis são fontes não-renováveis de energia: não é possível repor o que se gasta, uma vez que podem ser necessários milhões de anos para poder contar novamente com eles. São aqueles cujas reservas são limitadas. As principais são a energia da fissão nuclear e os combustíveis fósseis (petróleo, gás natural e carvão).

20

Combustíveis fósseis

Os combustíveis fósseis podem ser usados na forma sólida (carvão), líquida (petróleo) ou gasosa (gás natural). Segundo a teoria mais aceita, foram formados por acumulações de seres vivos que viveram há milhões de anos e que foram fossilizados formando carvão ou hidrocarbonetos. No caso do carvão se trata de bosques e florestas nas zonas húmidas e, no caso do petróleo e do gás natural de grandes massas de plâncton acumuladas no fundo de bacias marinhas ou lacustres. Em ambos os casos, a matéria orgânica foi parcialmente decomposta, pela ação da temperatura, pressão e certas bactérias, na ausência de oxigênio, de forma que foram armazenadas moléculas com ligações de alta energia.

Se distinguem as "reservas identificadas", embora não sejam exploradas, e as "reservas prováveis", que poderão ser descobertas com tecnologias futuras. Segundo os cálculos, o planeta pode fornecer energia para mais 40 anos (se for usado apenas o petróleo) e mais de 200 (se continuar a usar carvão).

Energia nuclear

Os núcleo atômicos

de

elementos

pesados,

como

podem

ser

desintegrados (fissão

cisão

nuclear)

e

liberar energia

radiante e cinética. Usinas termonucleares produzir eletricidade utilizando turbinas a vapor.

usam

essa

energia

para

Uma conseqüência da atividade de produção deste tipo de energia são os resíduos nucleares, que podem levar milhares de anos para perder a radioatividade. Porém existe uma fonte de energia nuclear que não gera resíduos radioativos, a da fusão nuclear, que ocorre quando 4 núcleos de deutério se fundem formando 1 de hélio liberando energia térmica que pode ser usada em turbinas a vapor. Mas a reação de fusão ainda não foi conseguida em grande escala a ponto de se economicamente viável.

Renováveis

Os combustíveis renováveis são combustíveis que usam como matéria- prima elementos renováveis para a natureza, como a cana-de-açúcar, utilizada para a fabricação do etanol e também, vários outros vegetais como a mamona utilizada para a

21

fabricação do biodiesel ou outros óleos vegetais que podem ser usados diretamente em motores diesel com algumas adaptações.

Energia hidríca

Um dos 3 PELAMIS P-750, motores da energia das ondas, na costa de Peniche, Portugal.

A energia hidroelétrica é a energia que se produz em barragens construídas em cursos de água . Essa energia parte da precipitação que forma os rios que são represados, a água desses rios faz girar turbinas que produzem energia elétrica.

É encontrada sob a forma de energia cinética, sob diferenças de temperatura ou gradientes de salinidade e pode ser aproveitada e utilizada. Uma vez que a água é aproximadamente 800 vezes mais densa que o ar, requer um lento fluxo ou ondas de mar moderadas, que podem produzir uma quantidade considerável de energia.

Biomassa O resíduo da cana-de-açúcar pode ser usado como biocombustível.

A energia da biomassa é a energia que se obtém durante a transformação de produtos de origem animal e vegetal para a produção de energia calorífica e elétrica. Na transformação de resíduos orgânicos é possível obter biocombustíveis, como o biogás, o bioálcool e o biodiesel.

A formação de biomassa a partir de energia solar é realizada pelo processo denominado fotossíntese, pelas plantas. Através da fotossíntese, as plantas que contêm clorofila transformam o dióxido de carbono e a água em materiais orgânicos com alto teor energético que, por sua vez, servem dealimento para os outros seres vivos. A biomassa através destes processos armazena a curto prazo a energia solar sob a forma de hidratos de carbono. A energia armazenada no processo fotossintético pode ser posteriormente transformada em calor, liberando novamente o dióxido de carbono e a água armazenados. Esse calor pode ser usado para mover motores ou esquentar água para gerar vapor e mover uma turbina, gerando energia elétrica.

Energia solar

22

Os painéis fotovoltaicos convertem diretamente a energia luminosa em energia.

A energia solar

é aquela energia obtida pela

luz

do Sol, pode ser captada

com painéis solares. A radiação solar trazida para a Terra leva energia equivalente a

vários milhares de vezes a quantidade de energia consumida pela humanidade.

Através de coletores solares, a energia solar pode ser transformada em energia térmica, e usando painéis fotovoltaicos a energia luminosa pode ser convertida em energia elétrica. Ambos os processos não têm nada a ver uns com os outros em termos de sua tecnologia. As centrais térmicas solares utilizam energia solar térmica a partir de coletores solares para gerar eletricidade.

Há dois componentes na radiação solar: radiações diretas e radiação difusa. As radiações diretas é a que vem diretamente do Sol, sem reflexões ou refrações intermediárias. A difusa é emitida pelo céu durante o dia, graças aos muitos fenômenos de reflexão e refração da atmosfera solar, nas nuvens, e nos restantes elementos da atmosfera terrestre. A radiação refletida direta pode ser concentrada e utilizada. No entanto, tanto a radiação direta quanto a radiação difusa são utilizáveis.

É possível diferenciar entre receptores ativos e passivos, em que os primeiros utilizam mecanismos para orientar o sistema receptor rumo ao sol (chamado seguidor) para melhor atrair a radiação direta.

Uma grande vantagem da energia solar é que ela permite a geração de energia, no mesmo local de consumo, através da integração da arquitetura. Assim, pode ser levada a sistemas de geração distribuída, quase eliminando completamente as perdas ligadas aos transportes, que representam cerca de 40% do total. Porém essa fonte de energia tem o inconveniente de não poder ser usada à noite, a menos que se tenham baterias.

Energia eólica

A energia eólica é uma das fontes mais amigáveis de energia renovável para o meio ambiente.

A energia

eólica

é

a

energia obtida pela

ação

do vento, ou seja,

através da

utilização da energia cinética gerada pelas correntes atmosféricas.

23

O vento vem da palavra latina aeolicus, relativa à Eolo, deus dos ventos na mitologia grega. A energia eólica tem sido utilizado desde a Antiguidade para mover os barcos movidos por velas ou operação de outras máquinas. É uma espécie de energia verde. Essa energia também vem do Sol, que aquece a superfície da Terra de forma não homogênea, gerando locais de baixa pressão e locais de alta pressão, fazendo com que o ar se mova gerando ventos.

Energia geotérmica

A energia geotérmica é a energia do interior da Terra. A geotermia consiste no aproveitamento de águas quentes e vapores para a produção deelectricidade e calor. Exemplo: central geotérmica da Ribeira Grande (Açores).

Parte do calor interno da Terra (5.000 °C) chega à crosta terrestre. Em algumas áreas do planeta, próximas à superfície, as águas subterrâneas podem atingir temperaturas de ebulição, e, dessa forma, servir para impulsionar turbinas para eletricidade ou aquecimento. A energia geotérmica é aquela que pode ser obtida pelo homem através do calor dentro da terra. O calor dentro da terra ocorre devido a vários fatores, entre eles o gradiente geotérmico e o calor radio gênico. Geotérmica provém do grego geo, "Terra" e Thermo, "calor", literalmente "calor da Terra".

Energia maremotriz Central elétrica maremotriz no estuário do Rio Rance, ao noroeste da França.

A energia dos mares é a energia que se obtém a partir do movimento das ondas, a das marés ou da diferença de temperatura entre os níveis da água do mar.

Ocorre devido à força gravitacional entre a Lua, a Terra e o Sol, que causam as marés, ou seja, a diferença de altura média dos mares de acordo com a posição relativa entre estes três astros. Esta diferença de altura pode ser explorada em locais estratégicos como os golfos, baías e estuários que utilizam turbinas hidráulicas na circulação natural da água, junto com os mecanismos de canalização e de depósito, para avançar sobre um eixo. Através da sua ligação a um alternador, o sistema pode ser usado para a geração de eletricidade, transformando, assim, a energia das marés, em energia elétrica, uma energia mais útil e aproveitável.

24

As energias das marés têm a qualidade de ser renovável, como fonte de energia primária não está esgotada pela sua exploração e, é limpa, uma vez que, na transformação de energia não produz poluentes derivados na fase operacional. No entanto, a relação entre a quantidade de energia que pode ser obtida com os atuais meios econômicos e os custos e o impacto ambiental da instalação de dispositivos para o seu processo impediram uma notável proliferação deste tipo de energia.

Outras formas de extrair energia a partir da energia das ondas oceânicas são, a energia produzida pelo movimento das ondas do oceano e de energia devido ao gradiente térmico, que faz uma diferença de temperatura entre as águas superficiais e profundas do oceano.

Energia do hidrogênio

A

energia

do

hidrogênio

é

a

energia

que

se

obtém

da

combinação

do hidrogênio com o oxigênio produzindo vapor de água e libertando energia que é

convertida em eletricidade. Existem alguns veículos que são movidos a hidrogênio.

Embora não seja uma fonte primária de energia, o hidrogênio se constitui em uma forma conveniente e flexível de transporte e uso final de energia, pois pode ser obtido de diversas fontes energéticas (petróleo, gás natural, eletricidade, energia solar) e sua combustão não é poluente (é produto da combustão da água), além de ser uma fonte de energia barata.

O uso do hidrogênio como combustível está avançando, havendo vários protótipos de carros nos países desenvolvidos que são movidos a hidrogênio, que gera eletricidade, e descarregam água em seus escapamentos. Calcula-se que já na próxima década existirão modelos comerciais de automóveis elétricos cujo combustível será o hidrogênio líquido.

TI Verde: sustentabilidade e eficiência

A TI Verde ou Computação Verde é um tema que vem ganhando cada vez mais prioridade entre as preocupações de governos e lideranças das grandes empresas do mundo todo. Aspectos ambientais e, obviamente, econômicos estão levando as corporações a pensar (e agir) de forma mais eficiente e sustentável com relação à utilização de seus recursos de TI.

25

E há fortes motivos para essa tomada de posição. A capacidade energética dos países desenvolvidos e dos países emergentes e a conseqüente evolução do preço da energia elétrica estão entre os fatores preponderantes. A energia despendida a cada ano por todos os equipamentos de TI PCs, impressoras, monitores, servidores, roteadores, etc. chega a quase um trilhão de quilowatts/hora, ou seja, 5% do consumo mundial de energia e o dobro da energia consumida no Brasil. Estudos recentes sobre o consumo de energia nos data centers mostram que o consumo global dobrou entre 2000 e 2005.

Outra tendência, detectada por estudos de engenheiros do Google, mostra que se o descompasso entre os avanços de desempenho conquistados pelos servidores e a sua eficiência energética se mantiver, nos próximos anos, o custo da energia será maior que o custo do próprio hardware. Em 2005, o custo do consumo de energia de um servidor já representava 40% do seu custo total. Se essa tendência se mantiver, chegará o dia em que será mais caro manter o hardware ligado do que adquiri-lo. Podemos imaginar, então, o surgimento de modelos de negócios nos quais a concessionária de energia oferece o hardware gratuitamente ao cliente que assinar um contrato de energia de longo prazo.

Portanto, adotar iniciativas verdes vai além de atender as reclamações de consumidores ambientalmente responsáveis. Mais do que isso, essa postura constitui uma necessidade financeira, fiscal e até mesmo legislativa.

26

Referência Bibliográfica

SINCLAIR, JOSEPH T. Thin Clients Porto Alleger: Bookman, 1999.

DONATO, VITORIO, Logística Verde: Ciência Moderna, 2002. GARY, CORNELL, Core Java, SUN, v. 1.1.