Funda¸c˜

ao Centro de Ciˆ
encias e Educa¸c˜
ao Superior a Distˆ
ancia do Estado do Rio de Janeiro
Centro de Educa¸c˜
ao Superior a Distˆ
ancia do Estado do Rio de Janeiro

´
´
AP1 – INFORMATICA
NO ENSINO DA MATEMATICA
– 2/2014

Nome:

Matr´ıcula:

Polo:

Data:
Aten¸c˜
ao!

• Identifique a Prova, colocando Nome, Matr´ıcula,
Polo e Data;
´
• E expressamente proibido o uso de calculadoras;
• Devolver a prova e a folha de respostas ao respons´avel;

• O desenvolvimento das quest˜oes pode ser a l´apis. No entanto,
as respostas dever˜ao estar necessariamente `a caneta;
´
• E expressamente proibido o uso de corretivo nas respostas.
• As respostas devem estar acompanhadas de justificativas.
Respostas sem justificativa n˜ao ser˜ao consideradas.

Quest˜
ao 1 [2 pontos]
Explique a finalidade de cada uma das ferramentas do GeoGebra 4.x apresentadas na tabela abaixo.

umero

´Icone

1
2

ABC

3
4

Solu¸c˜
ao.
´Icone 1: permite construir lugares geom´etricos como objetos definitivos.
´Icone 2: permite incluir textos na Janela de Visualiza¸c˜ao.
´Icone 3: permite construir mediatrizes de segmentos dadas suas extremidades.
´Icone 4: permite construir um pol´ıgono regular dando dois de seus v´ertices consecutivos.

Quest˜
ao 2 [2 pontos]
Suponha que trˆes pontos A, B e C estejam constru´ıdos na Janela de Visualiza¸c˜ao do GeoGebra 4.x.
Como vocˆe faria para calcular o per´ımetro do triˆangulo ABC? Indique o que digitar, onde clicar,
etc.
Solu¸c˜
ao. Existem v´arias maneiras para, no GeoGebra 4.x, calcular o per´ımetro de um triˆangulo
dados os seus v´ertices. Uma delas ´e a seguinte: no Campo de Entrada, basta digitar
p = Dist^
ancia[A, B] + Dist^
ancia[A, C] + Dist^
ancia[B, C]

´
´
INFORMATICA
NO ENSINO DA MATEMATICA

AP1

2

e, ent˜ao, pressionar a teclar ENTER. O per´ımetro do triˆangulo ser´a dado pela vari´avel p na Janela
´
de Algebra.
Outra maneira: primeiro ativar a ferramenta Pol´ıgono (´ıcone desenhado `a esquerda
a seguir); depois clicar nos pontos A, B, C e A para criar o pol´ıgono cujos v´ertices s˜ao A, B e
C; em seguida ativar a ferramenta Dist^
ancia, Comprimento ou Per´
ımetro (´ıcone desenhado
`a direita a seguir) e, por fim, clicar no pol´ıgono criado. Seu per´ımetro ser´a ent˜ao exibido na Janela
´
de Algebra.
cm

Quest˜
ao 3 [2 pontos]
A partir dos pontos livres A, B e C, um aluno construiu, usando o GeoGebra 4.x, o paralelogramo
ABCD apresentado na figura a seguir.

C

B

D

A

Descreva, com detalhes, quais s˜ao os procedimentos que este aluno deve seguir para definir uma macro
que constr´oi um paralelogramo dados trˆes de seus v´ertices consecutivos, a partir da constru¸c˜ao que
ele acabou de fazer.
Solu¸c˜
ao. Para se definir uma macro a partir da constru¸c˜ao do aluno, devemos, inicialmente, no
menu principal, clicar em “Ferramentas” e, na lista que aparecer´a, clicar em “Criar uma Nova
Ferramenta...”. Uma janela de di´alogo aparecer´a. Esta janela tem trˆes guias (abas): “Objetos
Finais”, “Objetos Iniciais” e “Nome & ´Icone”. Come¸cando com a guia “Objetos Finais”, clicamos
nos objetos geom´etricos da Janela de Visualiza¸c˜ao que, como o pr´oprio nome da aba diz, s˜ao os
objetos finais cuja constru¸c˜ao queremos automatizar com a macro. Em nosso caso, estes objetos s˜ao
o ponto D e os segmentos AB, BC, CD e AD. Em seguida, clicamos na guia “Objetos Iniciais” e,
em seguida, escolhemos os objetos iniciais da constru¸c˜ao na Janela de Visualiza¸c˜ao. Estes objetos
s˜ao, em geral, os pontos livres da constru¸c˜ao. Em nosso caso, estes objetos s˜ao os pontos A, B e C.
Feito isto, clicamos na aba “Nome & ´Icone” e, ent˜ao, especificamos um nome para a macro e, se
desejarmos, um texto de ajuda. Basta ent˜ao clicar no bot˜ao “Conclu´ıdo” para concluir a defini¸c˜ao
da macro.

Quest˜
ao 4 [2pontos]
Considere o texto abaixo, extra´ıdo do artigo “Geometria Dinˆamica: Uma Nova Abordagem para o
Aprendizado da Geometria”, de autoria de Maria Alice Gravina.
“Tanto no caso de forma¸c˜ao de conceitos, quanto de dedu¸c˜ao de propriedades, podemos
concluir que grande parte das dificuldades se originam no aspecto est´atico do desenho.
Se passamos para um tratamento de ‘desenhos em movimento’, as particularidades da
Funda¸c˜
ao CECIERJ

Cons´
orcio CEDERJ

´
´
INFORMATICA
NO ENSINO DA MATEMATICA

AP1

3

contingˆencia de representa¸c˜ao f´ısica mudam, e o que emerge s˜ao os invariantes, ou seja
as reais propriedades geom´etricas da configura¸c˜ao. Um dos aspectos importantes na
investiga¸c˜ao matem´atica ´e a abstra¸c˜ao da invariˆancia, mas para reconhecˆe-la, para ver
o que permanece igual, devemos ter a varia¸c˜ao. A ideia de movimento ´e insepar´avel da
id´eia de invariante geom´etrico . . . ”
O que vocˆe acha que a autora quer dizer com o termo “invariante geom´etrico”? Exemplifique citando
pelo menos 3 configura¸c˜oes geom´etricas e explicitando os seus invariantes geom´etricos (vocˆe pode
usar os exemplos apresentados nos tutoriais e nos EPs, se quiser).
Solu¸c˜
ao. Um invariante geom´etrico ´e uma propriedade geom´etrica (concorrˆencia, colinearidade,
comprimento, medida de ˆangulo, etc) que permanece constante (invariante!) para qualquer configura¸c˜ao satisfazendo certas propriedades pr´e-estabelecidas. Por exemplo, para qualquer triˆangulo,
temos o seguinte invariante geom´etrico: suas trˆes medianas s˜ao sempre concorrentes. Outro exemplo:
para qualquer triˆangulo, seu ortocentro, seu baricentro e seu circuncentro s˜ao sempre colineares (este
invariante geom´etrico ´e conhecido como o teorema de Euler). Outro exemplo, bastante familiar: em
um triˆangulo retˆangulo, o quadrado da medida de sua hipotenusa ´e sempre igual a soma dos quadrados de seus catetos (este invariante geom´etrico ´e conhecido como o teorema de Pit´agoras). Vocˆe
pode pensar que desenvolver (construir) a teoria da geometria ´e identificar os seus invariantes. Como
bem aponta Gravina, “a ideia de movimento ´e insepar´avel da ideia de invariante geom´etrico . . . ”,
assim sendo, um software de geometria dinˆamica, que permite mover objetos geom´etricos com muita
facilidade, apresenta-se como um instrumento natural na busca de invariantes e, conseq¨uentemente,
constitui-se em um ´otimo parceiro no estudo da geometria.

Quest˜
ao 5 [2 pontos]
Imagine a seguinte situa¸c˜ao: a escola onde vocˆe trabalha foi contemplada com um laborat´orio de
computadores, mas nem a diretora e nenhum de seus colegas de profiss˜ao (professores de geometria)
j´a trabalharam com inform´atica no ensino da matem´atica (eles s˜ao leigos no assunto).
(a) Que argumentos vocˆe usaria para convencer seus colegas de que vale a pena fazer atividades de
geometria no computador?
(b) Que dificuldades (de qualquer natureza e em diversos n´ıveis) vocˆe esperaria enfrentar na implementa¸c˜ao deste projeto? Que estrat´egias usaria para resolvˆe-las?
A pontua¸c˜ao desta quest˜ao ser´a feita seguindo os seguintes crit´erios: coerˆencia e abrangˆencia dos
argumentos usados para defender o uso de atividades de geometria no computador, coerˆencia e
abrangˆencia na identifica¸c˜ao de dificuldades potenciais na implementa¸c˜ao de um projeto de ensino
de geometria no computador e qualidade das estrat´egias sugeridas para resolver estas dificuldades.
Seu texto deve ocupar pelo menos uma p´
agina!

Funda¸c˜
ao CECIERJ

Cons´
orcio CEDERJ

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful